Publicado no Diário da Justiça de 03/02/2008

 

Boletim 2008.000005 - 2 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADERALDO CORREIA DE ARAUJO 0007271-78.2007.4.05.8200

AFRANIO NEVES DE MELO 0005929-52.1995.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0002339-47.2007.4.05.8200 0006587-56.2007.4.05.8200 0009229-02.2007.4.05.8200 0010271-86.2007.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0002218-19.2007.4.05.8200 0010917-96.2007.4.05.8200 0011978-94.2004.4.05.8200

ANA FLAVIA MOURA 0004708-14.2007.4.05.8200 0004710-81.2007.4.05.8200 0004729-87.2007.4.05.8200

ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0010380-03.2007.4.05.8200 0010382-70.2007.4.05.8200

ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA 0006800-62.2007.4.05.8200

ANDRE NAVARRO FERNANDES 0000546-73.2007.4.05.8200

ANDRE WANDERLEY SOARES 0015393-51.2005.4.05.8200

ANDREZZA MELO DE ALMEIDA 0000104-73.2008.4.05.8200

ANNA KARINNE DE BRITO PEREIRA 0004649-26.2007.4.05.8200 0004657-03.2007.4.05.8200 0004658-85.2007.4.05.8200 0004667-47.2007.4.05.8200 0004739-34.2007.4.05.8200

ANTONIO DEAN ARAÚJO RAMOS 0011101-52.2007.4.05.8200

ANTONIO HENRIQUE FREIRE GUERRA 0007769-48.2005.4.05.8200

ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS 0004317-98.2003.4.05.8200

ANTONIO KLEBER CABRAL E SANTOS 0003445-83.2003.4.05.8200

ANÉZIA MARIA NOGUEIRA CAMPOS BEZERRA 0007684-91.2007.4.05.8200 0008335-26.2007.4.05.8200

ARLINDO CAROLINO DELGADO 0001355-68.2004.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200

ARLINETTI MARIA LINS 0006800-62.2007.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0006523-46.2007.4.05.8200 0009639-65.2004.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0006951-04.2002.4.05.8200

BENJAMIN DE SOUZA FONSECA SOBRINHO 0010807-68.2005.4.05.8200 0011590-60.2005.4.05.8200

BERILO RAMOS BORBA 0004596-21.2002.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200 0009785-53.1997.4.05.8200

BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO E OUTROS 0004523-44.2005.4.05.8200

CARMEN RACHEL DANTAS MAYER 0002218-19.2007.4.05.8200

CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR 0005971-18.2006.4.05.8200

CICERO GUEDES RODRIGUES 0003099-93.2007.4.05.8200 0007671-92.2007.4.05.8200 0009906-32.2007.4.05.8200

CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO 0010380-03.2007.4.05.8200 0010382-70.2007.4.05.8200

CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO 0008393-97.2005.4.05.8200 0008394-82.2005.4.05.8200 0008667-03.2001.4.05.8200

DAVID SARMENTO CAMARA 0000560-57.2007.4.05.8200

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO 0004376-47.2007.4.05.8200

EDILVAN MEDEIROS MARQUES 0009675-44.2003.4.05.8200

EDSON BATISTA DE SOUZA 0011048-52.1999.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0002526-55.2007.4.05.8200 0006523-46.2007.4.05.8200 0007765-40.2007.4.05.8200 0007766-25.2007.4.05.8200 0009884-76.2004.4.05.8200

ELENIR ALVES DA SILVA RODRIGUES 0010760-65.2003.4.05.8200

ELIANA SILVA DE ARAUJO 0000560-57.2007.4.05.8200

EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA 0009332-09.2007.4.05.8200

ERIKA DE FATIMA SOUZA DURAND 0006725-23.2007.4.05.8200 0009186-65.2007.4.05.8200

ERIVAN DE LIMA 0005136-30.2006.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0006523-46.2007.4.05.8200 0009639-65.2004.4.05.8200

FABIANO BARCIA DE ANDRADE 0002595-24.2006.4.05.8200 0008519-79.2007.4.05.8200 0008789-06.2007.4.05.8200

FABIO DA COSTA VILAR 0010966-40.2007.4.05.8200

FABIO FIRMINO DE ARAUJO 0010638-13.2007.4.05.8200

FABIO LEITE DE FARIAS BRITO 0002135-08.2004.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0001537-49.2007.4.05.8200 0004211-97.2007.4.05.8200 0005911-45.2006.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200 0006510-47.2007.4.05.8200 0007248-35.2007.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200 0010342-88.2007.4.05.8200 0010638-13.2007.4.05.8200

FABRICIO BELTRÃO DE BRITTO 0005136-30.2006.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0002526-55.2007.4.05.8200 0006523-46.2007.4.05.8200 0007765-40.2007.4.05.8200 0007766-25.2007.4.05.8200 0009639-65.2004.4.05.8200

FENELON MEDEIROS FILHO 0009929-75.2007.4.05.8200 0009940-07.2007.4.05.8200 0010245-88.2007.4.05.8200

FLAVIA DE PAIVA M. DE OLIVEIRA 0000104-73.2008.4.05.8200

FLAVIO ALBERTO DE FIGUEIREDO TORRES 0008667-03.2001.4.05.8200

FLAVIO FRANCA DE FREITAS 0003290-41.2007.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0001355-68.2004.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200

FRANCISCO DE A CARNEIRO NETO 0009785-53.1997.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS ALMEIDA E SILVA 0001355-68.2004.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES 0002315-19.2007.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS SARAIVA 0003002-93.2007.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0005929-52.1995.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200 0009276-44.2005.4.05.8200

FRANCISCO LUIS GADELHA SANTOS 0010966-40.2007.4.05.8200

FRANCISCO XAVIER DE ANDRADE FILHO 0005929-52.1995.4.05.8200

GENIAS HONORIO DE FREITAS JUNIOR 0004873-61.2007.4.05.8200

GERMANA CAMURÇA MORAES 0000733-18.2006.4.05.8200

GERMANA MARIA DE OLIVEIRA BARROS 0009912-39.2007.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0002315-19.2007.4.05.8200 0002339-47.2007.4.05.8200 0005248-62.2007.4.05.8200 0006587-56.2007.4.05.8200 0006951-04.2002.4.05.8200 0007805-22.2007.4.05.8200 0008799-50.2007.4.05.8200 0009224-77.2007.4.05.8200 0009229-02.2007.4.05.8200 0009437-83.2007.4.05.8200 0009439-53.2007.4.05.8200 0009443-90.2007.4.05.8200 0010271-86.2007.4.05.8200 0010403-46.2007.4.05.8200 0010965-55.2007.4.05.8200

GILSON DE BRITO LIRA 0000733-18.2006.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0006523-46.2007.4.05.8200

GUILHERME FONTES DE MEDEIROS 0009332-09.2007.4.05.8200

GUSTAVO DE OLIVEIRA DELFINO 0005136-30.2006.4.05.8200

HEITOR CABRAL DA SILVA 0003099-93.2007.4.05.8200 0007671-92.2007.4.05.8200 0009906-32.2007.4.05.8200

HELENO LUIZ DE FRANCA FILHO 0007271-78.2007.4.05.8200

HELMITON PEREIRA DA COSTA 0009288-34.2000.4.05.8200

HENRIQUE LUIZ DE LUCENA MOURA 0010917-96.2007.4.05.8200

HOMERO DA SILVA SATIRO 0009288-34.2000.4.05.8200

HÉRCIO FONSECA DE ARAUJO 0006800-62.2007.4.05.8200

ISAAC MARQUES CATÃO 0005929-52.1995.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200

ISABELLE MACHADO ARAUJO DRUMMOND 0004730-72.2007.4.05.8200

ITAMAR GOUVEIA DA SILVA 0008224-76.2006.4.05.8200 0008445-93.2005.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0009235-09.2007.4.05.8200

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0010380-03.2007.4.05.8200 0010382-70.2007.4.05.8200

JACQUELINE RODRIGUES CHAVES 0008212-28.2007.4.05.8200

JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR 0009541-46.2005.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0005929-52.1995.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200

JALDELENIO REIS DE MENESES 0005976-16.2001.4.05.8200

JAMES RENATO MONTEIRO FERREIRA 0004873-61.2007.4.05.8200

JANIO LUIS DE FREITAS 0004317-98.2003.4.05.8200

JARI DIAS DA COSTA 0001551-43.2001.4.05.8200

JOAO ABRANTES QUEIROZ 0003290-41.2007.4.05.8200

JOAO CYRILLO SOARES DA S. NETO 0009785-53.1997.4.05.8200

JOAO FERREIRA SOBRINHO 0001551-43.2001.4.05.8200

JOSE ALBERTO EVARISTO DA SILVA 0008393-97.2005.4.05.8200

JOSE ALVES FORMIGA 0005759-60.2007.4.05.8200

JOSE AMERICO BARBOSA 0001551-43.2001.4.05.8200

JOSE ARAUJO FILHO 0012855-97.2005.4.05.8200

JOSE CHAVES CORIOLANO 0004523-44.2005.4.05.8200

JOSE EDISIO SIMOES SOUTO 0008224-76.2006.4.05.8200 0008445-93.2005.4.05.8200

JOSE FERREIRA DE BARROS 0009912-39.2007.4.05.8200

JOSE GALDINO DA SILVA FILHO 0002526-55.2007.4.05.8200

JOSE GUILHERME MARQUES JUNIOR 0007769-48.2005.4.05.8200

JOSE HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA 0008224-76.2006.4.05.8200

JOSE HELIO DE LUCENA 0003290-41.2007.4.05.8200

JOSE LUIS DE SALES 0002135-08.2004.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0002526-55.2007.4.05.8200 0006523-46.2007.4.05.8200 0007765-40.2007.4.05.8200 0007766-25.2007.4.05.8200 0009639-65.2004.4.05.8200 0009884-76.2004.4.05.8200

JOSE ROMERO DE SOUZA RANGEL 0010510-61.2005.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0003635-17.2001.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200

JOSE VIEIRA DO NASCIMENTO 0005682-51.2007.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0009639-65.2004.4.05.8200

JOSE ZENILDO MARQUES NEVES 0002043-98.2002.4.05.8200

JOSEANE HELLEN DE MELO FELICIANO 0007671-92.2007.4.05.8200 0009186-65.2007.4.05.8200

JOSINETE RODRIGUES DA SILVA 0008212-28.2007.4.05.8200

JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS 0006523-46.2007.4.05.8200 0009639-65.2004.4.05.8200 0009884-76.2004.4.05.8200

JULIANNA ERIKA PESSOA DE ARAUJO 0009276-44.2005.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0010380-03.2007.4.05.8200 0010382-70.2007.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0009235-09.2007.4.05.8200

KELLY CHRISTINE LEAL DE SANTANA FERNANDES 0011015-81.2007.4.05.8200

LADJANE PASCOAL GOMES DE OLIVEIRA 0012855-97.2005.4.05.8200

LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE 0000168-20.2007.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200

LEONIDAS LIMA BEZERRA 0002636-88.2006.4.05.8200

LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR 0001551-43.2001.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200

LILIAN MARIA DUARTE SOUTO 0004708-14.2007.4.05.8200 0004710-81.2007.4.05.8200 0004729-87.2007.4.05.8200 0004730-72.2007.4.05.8200

LUCIANA RAQUEL FERREIRA DE FREITAS CAMARA 0000560-57.2007.4.05.8200

MANOEL PEREIRA DINIZ NETO 0004649-26.2007.4.05.8200 0004657-03.2007.4.05.8200 0004658-85.2007.4.05.8200 0004667-47.2007.4.05.8200 0004739-34.2007.4.05.8200

MANOEL WEWERTON FERNANDES PEREIRA 0008217-50.2007.4.05.8200

MANUEL CABRAL DE ANDRADE NETO 0001355-68.2004.4.05.8200

MARCELA BETHULIA CASADO E SILVA 0004508-16.2003.4.05.8210

MARCELO ALVES DIAS DE SOUZA 0005971-18.2006.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0011048-52.1999.4.05.8200

MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF) 0005929-52.1995.4.05.8200

MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS 0007769-48.2005.4.05.8200 0009288-34.2000.4.05.8200 0009675-44.2003.4.05.8200

MARIA CECILIA MARQUES MARTORELLI 0009675-44.2003.4.05.8200

MARIA DE FATIMA AMARAL DA SILVA 0010807-68.2005.4.05.8200 0011590-60.2005.4.05.8200

MARIA DINIZ DE OLIVEIRA BARROS 0009912-39.2007.4.05.8200

MARIA JOSE DA SILVA 0003445-83.2003.4.05.8200

MARISTELA SILVA DE ALMEIDA 0003290-41.2007.4.05.8200

MARTA REJANE NOBREGA 0005759-60.2007.4.05.8200

MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES 0006770-27.2007.4.05.8200 0007684-91.2007.4.05.8200 0008335-26.2007.4.05.8200

MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA 0008224-76.2006.4.05.8200

NAPOLEAO VITORIO S. DE CARVALHO 0009288-34.2000.4.05.8200

NELSON DE OLIVEIRA SOARES 0009675-44.2003.4.05.8200

NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES 0010966-40.2007.4.05.8200

NIKOLAS PEIXOTO CORTEZ 0010966-40.2007.4.05.8200

NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO 0009276-44.2005.4.05.8200

ODIMAR GUILHERME FERREIRA 0008393-97.2005.4.05.8200

PABLO DAYAN TARGINO BRAGA 0003445-83.2003.4.05.8200

PAULO AMERICO MAIA DE VASCONCELOS 0005929-52.1995.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0003445-83.2003.4.05.8200

PAULO SERGIO T. LINS FALCAO 0007271-78.2007.4.05.8200

PEDRO VITOR DE CARVALHO FALCAO 0002595-24.2006.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0002339-47.2007.4.05.8200 0005971-18.2006.4.05.8200 0007671-92.2007.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA 0002315-19.2007.4.05.8200 0002526-55.2007.4.05.8200 0003290-41.2007.4.05.8200 0005248-62.2007.4.05.8200 0006770-27.2007.4.05.8200 0007271-78.2007.4.05.8200 0007684-91.2007.4.05.8200 0008335-26.2007.4.05.8200 0008799-50.2007.4.05.8200 0009224-77.2007.4.05.8200 0009229-02.2007.4.05.8200 0009437-83.2007.4.05.8200 0009439-53.2007.4.05.8200 0009443-90.2007.4.05.8200 0009929-75.2007.4.05.8200 0009940-07.2007.4.05.8200 0010245-88.2007.4.05.8200 0010271-86.2007.4.05.8200 0010403-46.2007.4.05.8200 0010965-55.2007.4.05.8200

RAFAEL ALMEIDA DE HOLANDA 0003445-83.2003.4.05.8200

RAFAEL SGANZERLA DURAND 0010966-40.2007.4.05.8200

RAISSA PONTES FRAGOSO DE MORAES 0005911-45.2006.4.05.8200

RAQUEL LOBATO GOES DE ALBUQUERQUE 0001355-68.2004.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200

REINALDO ANTONIO N. DE CARVALHO 0009288-34.2000.4.05.8200

REINALDO DE OLIVEIRA DUTRA 0005136-30.2006.4.05.8200

RICARDO BERILO BEZERRA BORBA 0004596-21.2002.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200

RICARDO POLLASTRINI 0004376-47.2007.4.05.8200 0011214-06.2007.4.05.8200

RIVALDO CORREIA LIMA 0009912-39.2007.4.05.8200

RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ 0010380-03.2007.4.05.8200 0010382-70.2007.4.05.8200

ROBERTO LUIZ DE OLIVEIRA 0008393-97.2005.4.05.8200

ROBERTO VENANCIO DA SILVA 0003635-17.2001.4.05.8200

ROBSON RENATO ALVES DE ALBUQUERQUE 0004649-26.2007.4.05.8200 0004657-03.2007.4.05.8200 0004658-85.2007.4.05.8200 0004667-47.2007.4.05.8200 0004739-34.2007.4.05.8200

RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI 0010966-40.2007.4.05.8200

SALESIA DE MEDEIROS WANDERLEY 0000733-18.2006.4.05.8200

SAMMIRA FERNANDES DE OLIVEIRA SILVA 0006800-62.2007.4.05.8200

SANDRA ELIZABETH DE BRITO PEREIRA GUIMARAES 0004649-26.2007.4.05.8200 0004657-03.2007.4.05.8200 0004658-85.2007.4.05.8200 0004667-47.2007.4.05.8200 0004739-34.2007.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000104-73.2008.4.05.8200 0000168-20.2007.4.05.8200 0000546-73.2007.4.05.8200 0001355-68.2004.4.05.8200 0001537-49.2007.4.05.8200 0003099-93.2007.4.05.8200 0004211-97.2007.4.05.8200 0004596-21.2002.4.05.8200 0004708-14.2007.4.05.8200 0004710-81.2007.4.05.8200 0004729-87.2007.4.05.8200 0004730-72.2007.4.05.8200 0004873-61.2007.4.05.8200 0005911-45.2006.4.05.8200 0006510-47.2007.4.05.8200 0007248-35.2007.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200 0008212-28.2007.4.05.8200 0008394-82.2005.4.05.8200 0008445-93.2005.4.05.8200 0009906-32.2007.4.05.8200 0010342-88.2007.4.05.8200 0010510-61.2005.4.05.8200 0011214-06.2007.4.05.8200 0011978-94.2004.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0002339-47.2007.4.05.8200 0003002-93.2007.4.05.8200 0004508-16.2003.4.05.8210 0004649-26.2007.4.05.8200 0004657-03.2007.4.05.8200 0004658-85.2007.4.05.8200 0004667-47.2007.4.05.8200 0004739-34.2007.4.05.8200 0005136-30.2006.4.05.8200 0005248-62.2007.4.05.8200 0005682-51.2007.4.05.8200 0005759-60.2007.4.05.8200 0005971-18.2006.4.05.8200 0006523-46.2007.4.05.8200 0006587-56.2007.4.05.8200 0006725-23.2007.4.05.8200 0006770-27.2007.4.05.8200 0006800-62.2007.4.05.8200 0006951-04.2002.4.05.8200 0007271-78.2007.4.05.8200 0007671-92.2007.4.05.8200 0007684-91.2007.4.05.8200 0007765-40.2007.4.05.8200 0007766-25.2007.4.05.8200 0007805-22.2007.4.05.8200 0008212-28.2007.4.05.8200 0008217-50.2007.4.05.8200 0008335-26.2007.4.05.8200 0008519-79.2007.4.05.8200 0008789-06.2007.4.05.8200 0008799-50.2007.4.05.8200 0009186-65.2007.4.05.8200 0009224-77.2007.4.05.8200 0009229-02.2007.4.05.8200 0009235-09.2007.4.05.8200 0009332-09.2007.4.05.8200 0009437-83.2007.4.05.8200 0009439-53.2007.4.05.8200 0009443-90.2007.4.05.8200 0009912-39.2007.4.05.8200 0009929-75.2007.4.05.8200 0009940-07.2007.4.05.8200 0010245-88.2007.4.05.8200 0010271-86.2007.4.05.8200 0010380-03.2007.4.05.8200 0010382-70.2007.4.05.8200 0010403-46.2007.4.05.8200 0010760-65.2003.4.05.8200 0010807-68.2005.4.05.8200 0010965-55.2007.4.05.8200 0010966-40.2007.4.05.8200 0011015-81.2007.4.05.8200 0011048-52.1999.4.05.8200 0011101-52.2007.4.05.8200 0011590-60.2005.4.05.8200 0015393-51.2005.4.05.8200

SERGIO BENEVIDES FELIZARDO 0009884-76.2004.4.05.8200

SINEIDE A CORREIA LIMA 0003635-17.2001.4.05.8200 0009541-46.2005.4.05.8200

SOFIA DUARTE DE SOUSA DELGADO 0001355-68.2004.4.05.8200 0005929-52.1995.4.05.8200

THAISE PINTO UCHOA DE ARAUJO 0008393-97.2005.4.05.8200

THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES 0002636-88.2006.4.05.8200 0007769-48.2005.4.05.8200

THIAGO CAMINHA PESSOA DA COSTA 0007684-91.2007.4.05.8200 0008335-26.2007.4.05.8200

VALCICLEIDE A. FREITAS 0002043-98.2002.4.05.8200 0005976-16.2001.4.05.8200 0010510-61.2005.4.05.8200

VANESSA GOMES PEREIRA DINIZ 0004649-26.2007.4.05.8200 0004657-03.2007.4.05.8200 0004658-85.2007.4.05.8200 0004667-47.2007.4.05.8200 0004739-34.2007.4.05.8200

VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS 0009906-32.2007.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0002315-19.2007.4.05.8200 0002339-47.2007.4.05.8200 0005248-62.2007.4.05.8200 0006587-56.2007.4.05.8200 0006951-04.2002.4.05.8200 0007805-22.2007.4.05.8200 0008799-50.2007.4.05.8200 0009224-77.2007.4.05.8200 0009229-02.2007.4.05.8200 0009437-83.2007.4.05.8200 0009439-53.2007.4.05.8200 0009443-90.2007.4.05.8200 0010271-86.2007.4.05.8200 0010403-46.2007.4.05.8200 0010965-55.2007.4.05.8200

VIRGINIA BARBOSA LEAL 0007769-48.2005.4.05.8200

VIVIAN STEVE DE LIMA 0002218-19.2007.4.05.8200

WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA 0008393-97.2005.4.05.8200 0008394-82.2005.4.05.8200 0008667-03.2001.4.05.8200

WANDA CAVALCANTI DE MELO 0005929-52.1995.4.05.8200

WELLINGTON GUEDES DE CARVALHO SEGUNDO 0005136-30.2006.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002526-55.2007.4.05.8200 0006523-46.2007.4.05.8200 0007765-40.2007.4.05.8200 0007766-25.2007.4.05.8200

YANKO CYRILO 0009785-53.1997.4.05.8200

YARA GADELHA BELO DE BRITO 0002339-47.2007.4.05.8200 0006951-04.2002.4.05.8200 0007805-22.2007.4.05.8200 0008799-50.2007.4.05.8200 0009229-02.2007.4.05.8200 0009437-83.2007.4.05.8200 0009439-53.2007.4.05.8200 0010271-86.2007.4.05.8200 0010403-46.2007.4.05.8200 0010965-55.2007.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002526-55.2007.4.05.8200 0006523-46.2007.4.05.8200 0007765-40.2007.4.05.8200 0007766-25.2007.4.05.8200 0009639-65.2004.4.05.8200 0009884-76.2004.4.05.8200

 

Juiz Federal ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE

Diretor de Secretaria: REINALDO DE ARAUJO PAIVA

   

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

   

0003635-17.2001.4.05.8200 SANDRA HELENA OLIVEIRA S. DE COSTA (Adv. ROBERTO VENANCIO DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SINEIDE A CORREIA LIMA, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO)

Tendo em vista o trânsito em julgado do acórdão proferido pelo Eg. TRF da 5ª Região (fl. 236), que negou provimento ao recurso interposto pela Requerida, com a manutenção da sentença de fls. 177/200, autorizo a CAIXA a efetuar o levantamento dos valores depositados na agência 0548, op. 005, conta nº 18884-1, independentemente de expedição de Alvará, "considerados em abatimento das prestações contratuais", conforme determinado na referida sentença. Após a comprovação, pela CAIXA, do levantamento dos referidos valores, dê-se baixa e arquivem-se os presentes autos. Publique-se. JPA,...

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0001355-68.2004.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, ARLINDO CAROLINO DELGADO, MANUEL CABRAL DE ANDRADE NETO, FRANCISCO DE ASSIS ALMEIDA E SILVA, SOFIA DUARTE DE SOUSA DELGADO, RAQUEL LOBATO GOES DE ALBUQUERQUE) x CICERO ROBSON FIGUEIREDO FERREIRA LIMA (Adv. SEM ADVOGADO)

Decorrido o prazo de suspensão requerido à fl. 62, dê-se vista a CAIXA, para, em 05 (cinco) dias, requerer o que entender de direito com vista à continuidade e celeridade processual. Publique-se....

   

0010510-61.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. VALCICLEIDE A. FREITAS, JOSE ROMERO DE SOUZA RANGEL) x JOAQUIM DE CASTRO LUCENA E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

Decorrido o prazo de suspensão determinado à fl. 76, sem manifestação, dê-se vista a CAIXA para, em 05 (cinco) dias, requerer o que entender de direito com vista à continuidade e celeridade processual. P. João Pessoa,... ?? ?? ?? ??

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000168-20.2007.4.05.8200 NILSON MARQUES DA CAMARA x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO)

D E S P A C H O Renove-se a Intimação à CAIXA para, no prazo de 10 (dez) dias comprovar a cessão do crédito imobiliário para a EMGEA - Empresa Gestora de Ativos, nos termos do art. 9º1 da Medida Provisória nº 2.196-1. Comprovada a cessão de créditos imobiliários, intime-se o Autor, por remessa dos autos à Defensoria Pública da União para, no prazo de 10 (dez) dias, promover a citação da EMGEA - Empresa Gestora de Ativos, na qualidade de litisconsorte passiva necessária, nos termos do art. 472 do CPC. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Art. 9º A transferência das operações de crédito imobiliário e seus acessórios, em especial as hipotecas a elas vinculadas, da CEF à EMGEA se dará por instrumento particular, com força de escritura pública. 2 Art. 47. Há litisconsórcio necessário, quando, por disposição de lei ou pela natureza da relação jurídica, o juiz tiver de decidir a lide de modo uniforme para todas as partes; caso em que a eficácia da sentença dependerá da citação de todos os litisconsortes no processo. Parágrafo único. O juiz ordenará ao autor que promova a citação de todos os litisconsortes necessários, dentro do prazo que assinar, sob pena de declarar extinto o processo. ?? ?? ?? ??

   

0002218-19.2007.4.05.8200 ASSOCIACAO DOS SERVIDORES DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAIBA - ASSTRE-PB (Adv. CARMEN RACHEL DANTAS MAYER, VIVIAN STEVE DE LIMA) x UNIÃO FEDERAL(TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA) (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO)

Chamo o feito à ordem. Recebo a Apelação apenas no efeito devolutivo (art.520, inciso VII do CPC1). Vista ao Apelado para apresentação de contra-razões no prazo de 15 (quinze) dias (Art.518, caput, do CPC2). Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Publique-se. 1Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) (...) VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela; (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) 2 Art. 518. Interposta a apelação, o juiz, declarando os efeitos em que a recebe, mandará dar vista ao apelado para responder. (Redação dada pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994) ?? ?? ?? ??

   

0004708-14.2007.4.05.8200 ZITA ATANÁZIO DE OLIVEIRA (Adv. ANA FLAVIA MOURA, LILIAN MARIA DUARTE SOUTO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a advogada da Autora para apresentar procuração que a habilite a funcionar nos presentes autos, no prazo de 10 (dez) dias (artigo 13 do CPC). P.

   

0004710-81.2007.4.05.8200 EDUARDO NÓBREGA LEMOS (Adv. ANA FLAVIA MOURA, LILIAN MARIA DUARTE SOUTO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a advogada do Autor para apresentar procuração que a habilite a funcionar nos presentes autos, no prazo de 10 (dez) dias (artigo 13 do CPC). P.

   

0004729-87.2007.4.05.8200 BRUNO LUCENA DE ANDRADE GOMES (Adv. ANA FLAVIA MOURA, LILIAN MARIA DUARTE SOUTO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a advogada do Autor para apresentar procuração que a habilite a funcionar nos presentes autos, no prazo de 10 (dez) dias (artigo 13 do CPC).

   

0004730-72.2007.4.05.8200 MARIA SALETE PEREIRA MORAIS (Adv. ISABELLE MACHADO ARAUJO DRUMMOND, LILIAN MARIA DUARTE SOUTO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a advogada da Autora para apresentar procuração que a habilite a funcionar nos presentes autos, no prazo de 10 (dez) dias (artigo 13 do CPC). P.

   

0004873-61.2007.4.05.8200 MIRIAM CÉZAR NICÁCIO (Adv. GENIAS HONORIO DE FREITAS JUNIOR, JAMES RENATO MONTEIRO FERREIRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) x BANCO CENTRAL DO BRASIL

Da análise dos autos, observo que a apresentação dos extratos da conta poupança é dispensável na atual fase processual, tornando-se essencial à análise do pedido apenas a data de abertura e de aniversário da conta. No entanto, não resta claro da leitura da Inicial se o pedido da Autora abrange apenas a correção de conta(s) poupança(s) de sua titularidade ou, igualmente, a(s) de titularidade de Maria Nicácio Amorim, na qualidade de sucessora. Diante do exposto, intime-se-a para emendar a Inicial, no prazo de 10 (dez) dias, esclarecendo sobre quais contas pretende a incidência da correção monetária. P.

   

0005248-62.2007.4.05.8200 MANOEL SANTOS DA SILVA (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Intime-se a União para apresentar cópia do acordo administrativo para percepção das diferenças relativas ao índice de 28,86%, a que se reporta a contestação, no prazo de 30 (trinta) dias. Intime-se (Remessa). João Pessoa, 11/12/2007 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal

   

0006725-23.2007.4.05.8200 GLAUCIA CHIANCA TEOTONIO (Adv. ERIKA DE FATIMA SOUZA DURAND) x INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA - INCRA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.6725-1, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: GLÁUCIA CHIANCA TEOTONIO ADVOGADA: ÉRIKA DE FÁTIMA S. PEREIRA RÉU: INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA PROCURADORA: ICLÉA VASCONCELOS DE FRANÇA D E S P A C H O À Contadoria para informar, com base nas fichas financeiras constantes às fls. 25/36, se foi implantado o percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) nos proventos da Autora, bem como se o INCRA procedeu ao pagamento das diferenças devidas a esse título. João Pessoa, 26 de novembro de 2007 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP

   

0008224-76.2006.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES FEDERAIS DA EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL DA PARAIBA-SINTEF/PB (Adv. MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x CENTRO FEDERAL DE EDUCACAO TECNOLOGICA DA PARAIBA - CEFET/PB (Adv. JOSE HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA)

Recebo a apelação nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput do CPC). Vista ao apelado para contra-arrazoar no prazo de 15(quinze) dias. Após, as cautelas legais subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. P.

   

0009186-65.2007.4.05.8200 LUZIA FELINTO RODRIGUES (Adv. ERIKA DE FATIMA SOUZA DURAND, JOSEANE HELLEN DE MELO FELICIANO) x INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA - INCRA (Adv. SEM PROCURADOR)

À contadoria para informar, com base nas fichas financeiras constantes às fls. 23/39, se foi implantado o percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) nos proventos da Autora, bem como se o INCRA procedeu ao pagamento das diferenças devidas a esse título. João Pessoa, 18/12/2007 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal

   

0010380-03.2007.4.05.8200 LUCIA MARIA FONSECA DE BRITO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Assumi a jurisdição. Defiro a gratuidade judiciária nos termos da Lei nº 1060/501. Cite-se. 1 Art. 2º. Gozarão dos benefícios desta Lei os nacionais ou estrangeiros residentes no país, que necessitarem recorrer à Justiça penal, civil, militar ou do trabalho. Parágrafo único. - Considera-se necessitado, para os fins legais, todo aquele cuja situação econômica não lhe permita pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Art. 4º. A parte gozará dos benefícios da assistência judiciária, mediante simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua família. (Redação dada pela Lei nº 7.510, de 04/07/86) ?? ?? ?? ??

   

0010382-70.2007.4.05.8200 HERACLITO PINTO MADEIRO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Defiro a gratuidade judiciária nos termos da lei 1060/50. Cite(m)-se.

   

0010403-46.2007.4.05.8200 ANTÔNIO GONDIM NETO E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Assumi a jurisdição. Defiro a gratuidade judiciária nos termos da Lei nº 1060/50. Cite-se.

   

0015393-51.2005.4.05.8200 ORSERV - ORGANIZACAO DE SERVICOS E EMPREGOS LTDA (Adv. ANDRE WANDERLEY SOARES) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2005.82.15393-6, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: ORSERV - ORGANIZAÇÃO DE SERVIÇOS E EMPREGOS LTDA ADVOGADO: ANDRÉ WANDERLEY SOARES RÉ: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADOR: JAIME CÉSAR DE ARAÚJO DANTAS D E S P A C H O Requisitem-se à União cópias das declarações de imposto de renda da pessoa jurídica, relativas ao período em discussão na presente demanda, em conformidade com os processos administrativos ou guias de recolhimento à Receita Federal, especificando a base de cálculo, no prazo de 15 (quinze) dias (art. 333, II, do CPC1). João Pessoa, 19 de março de 2007 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Art. 333. O ônus da prova incumbe: I - ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito; II - ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Parágrafo único. É nula a convenção que distribui de maneira diversa o ônus da prova quando: I - recair sobre direito indisponível da parte; II - tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito." (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001551-43.2001.4.05.8200 ESPEDITO JOAQUIM DE MESQUITA E OUTROS (Adv. JARI DIAS DA COSTA, JOSE AMERICO BARBOSA, JOAO FERREIRA SOBRINHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR)

D E C I S Ã O: A R Q U I V A M E N T O - TUTELA ESPECÍFICA (Art. 461 do CPC1) 1.Trata-se de execução de sentença/acórdão na modalidade obrigação de fazer (tutela específica) para correção de depósitos na conta vinculada de FGTS do(a)(s) autor(a)(es) mediante a aplicação de expurgos inflacionários satisfeita por: 1.1. ( X ) Depósito na conta vinculada Exeqüente ESPEDITO JOAQUIM DE MESQUITA 1.2. ( X ) Transação extrajudicial (termo de adesão) com relação aos Exeqüentes ESPEDITO SOARES DOURADO SORINHO e FERNANDO FREITAS. 1.3. ( X ) O(a) autor(a)(es) foi contemplado(a) no processo n EUZÉBIO MAXIMIANO DOS SANTOS foi contemplado(a) no processo n° 2000.10232-3 PB 2. Honorários advocatícios: 2.1. ( X ) Depositados 2.2. ( ) Sucumbência recíproca 2.3. ( ) Execução não requerida. 2.4 ( ) Isenção (art. 29-c da Lei nº 8.036/90) 2.5 ( ) Satisfeitos no processo nº 2003.6205-3 3. ISTO POSTO: 3.1. ( X ) Satisfeita a obrigação (correção dos depósitos e honorários advocatícios), certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais. 3.2. ( ) Satisfeita a obrigação (correção dos depósitos), certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, facultado o desarquivamento e a promoção do cumprimento quanto à verba honorária enquanto não decorrido o prazo prescricional. 4.( X ) Publique-se. João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal Art. 461. Na ação que tenha por objeto o cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou, se procedente o pedido, determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do adimplemento. (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 1o A obrigação somente se converterá em perdas e danos se o autor o requerer ou se impossível a tutela específica ou a obtenção do resultado prático correspondente. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o A indenização por perdas e danos dar-se-á sem prejuízo da multa (art. 287). (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo justificado receio de ineficácia do provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente ou mediante justificação prévia, citado o réu. A medida liminar poderá ser revogada ou modificada, a qualquer tempo, em decisão fundamentada. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 4o O juiz poderá, na hipótese do parágrafo anterior ou na sentença, impor multa diária ao réu, independentemente de pedido do autor, se for suficiente ou compatível com a obrigação, fixando-lhe prazo razoável para o cumprimento do preceito. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 5o Para a efetivação da tutela específica ou a obtenção do resultado prático equivalente, poderá o juiz, de ofício ou a requerimento, determinar as medidas necessárias, tais como a imposição de multa por tempo de atraso, busca e apreensão, remoção de pessoas e coisas, desfazimento de obras e impedimento de atividade nociva, se necessário com requisição de força policial. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 6o O juiz poderá, de ofício, modificar o valor ou a periodicidade da multa, caso verifique que se tornou insuficiente ou excessiva. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) ?? ?? ?? ??

   

0002043-98.2002.4.05.8200 MARIA ZILDA TIBURCIO DOS SANTOS (Adv. JOSE ZENILDO MARQUES NEVES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. VALCICLEIDE A. FREITAS)

D E C I S Ã O Cuida-se de Execução de Sentença promovida por MARIA ZILDA TIBÚRCIO DOS SANTOS em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, visando ao cumprimento da obrigação de pagar. Devidamente intimada para pagar, a CAIXA depositou em Juízo o valor que entendera devido (fl. 169). Informação da Seção de Cálculos (fls. 176/177 e 187/188). A CAIXA complementou o depósito com base nos valores encontrados pela Contadoria Judicial (fl. 195). A Exeqüente concordou com os valores depositados (fl. 199). Alvarás expedidos e valores devidamente pagos (fls. 209/212). Diante do exposto, cumprida a obrigação de pagar, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais. Publique-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 2 de 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0002636-88.2006.4.05.8200 ANGELO DELA BIANCA NETO (Adv. LEONIDAS LIMA BEZERRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

PROCESSO N.º 2006.2636-0, CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: ANGELO DELA BIANCA NETO ADVOGADO: LEÔNIDAS LIMA BEZERRA EXECUTADA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO: THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES D E C I S Ã O Trata-se de execução de sentença na modalidade obrigação de fazer (tutela específica) para correção de depósitos na conta vinculada de FGTS do(a)(s) autor(a)(es) mediante a aplicação de expurgos inflacionários. Verifica-se que a obrigação foi satisfeita por depósito na conta vinculada (fls. 139/149) em conformidade com as informações da Seção de Cálculos à fl. 183. A sentença determinou a isenção dos honorários advocatícios (art. 29-c da Lei nº 8.036/90). Diante do exposto, satisfeita a obrigação (correção dos depósitos), certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais. Publique-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 2 de 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0004317-98.2003.4.05.8200 SANTINA ANJOS DE SOUZA (Adv. JANIO LUIS DE FREITAS) x UNIAO (MINISTERIO DA DEFESA - MARINHA NACIONAL) (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS)

Chamo o feito à ordem. Intime-se a Autora para, no prazo de 15 (quinze) dias, promover a execução do julgado, apresentando demonstrativo atualizado do débito (art. 614, II, do CPC1) ou ratificando os cálculos elaborados pela Contadoria Judicial. 1 Art. 614. Cumpre ao credor, ao requerer a execução, pedir a citação do devedor e instruir a petição inicial: I - com o título executivo, salvo se ela se fundar em sentença (art. 584); II - com o demonstrativo do débito atualizado até a data da propositura da ação, quando se tratar de execução por quantia certa; III - com a prova de que se verificou a condição, ou ocorreu o termo (art. 572). ?? ?? ?? ??

   

0004523-44.2005.4.05.8200 UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO E OUTROS) x MARIA DE LOURDES ALMEIDA SILVEIRA (Adv. JOSE CHAVES CORIOLANO)

D E C I S Ã O Trata-se de Execução de Sentença/Acórdão [Obrigação de Pagar Quantia Certa - honorários advocatícios - Art. 475 - J] movida contra pessoa natural. Intimada para cumprir a obrigação de pagar, a Executada Maria de Lourdes Almeida Silveira acostou declaração de hipossuficiência, requerendo a dispensa do pagamento referente aos honorários advocatícios. Diante do exposto: 1) Defiro a gratuidade judiciária, nos termos da Lei nº 1.060/50; 2) Dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais, sobrestando-se a execução do julgado enquanto perdurar o estado de necessidade da Executada. Publique-se. Intime-se. [remessa] João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0004596-21.2002.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO BERILO BEZERRA BORBA, BERILO RAMOS BORBA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF x ROBERTO BAUNILHA DIAS (Adv. SEM ADVOGADO) x ROBERTO BAUNILHA DIAS

Decorrido o prazo de suspensão determinado à fl. 123, sem manifestação, dê-se vista a CAIXA para, em 05 (cinco) dias, requerer o que entender de direito com vista à continuidade e celeridade processual. P. João Pessoa, ... ?? ?? ?? ??

   

0005929-52.1995.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. ARLINDO CAROLINO DELGADO, AFRANIO NEVES DE MELO, FRANCISCO DE ASSIS ALMEIDA E SILVA, SOFIA DUARTE DE SOUSA DELGADO, WANDA CAVALCANTI DE MELO, MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF), RAQUEL LOBATO GOES DE ALBUQUERQUE, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, FRANCISCO XAVIER DE ANDRADE FILHO, ISAAC MARQUES CATÃO, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO) x CONSTRUTORA TONIATO COMERCIO E INDUSTRIA LTDA E OUTROS (Adv. PAULO AMERICO MAIA DE VASCONCELOS) x RENIO ARAUJO TORRES (FALECIDO)

Execução de Sentença n.º 95.0005929-0 Classe 97 Exeqüente: CAIXA ECONOMICA FEDERAL Advogado(a,s): Dr. Fabio Romero de Souza Rangel Executado(s): CONSTRUTORA TONIATO COMERCIO E INDUSTRIA LTDA, VERA RUBIA DRIESSEN TORRES, RENIO DRIESSEN DE ARAUJO TORRES, RODRIGO DRIESSEN DE ARAUJO TORRES e RAPHAEL DRIESSEN DE ARAUJO TORRES S E N T E N Ç A1 Cuida-se da execução de sentença que julgou improcedentes os embargos interpostos pela CONSTRUTORA TONIATO COMERCIO E INDUSTRIA LTDA, VERA RUBIA DRIESSEN TORRES, RENIO DRIESSEN DE ARAUJO TORRES, RODRIGO DRIESSEN DE ARAUJO TORRES e RAPHAEL DRIESSEN DE ARAUJO TORRES em face de execução movida pela CAIXA ECONOMICA FEDERAL, e condenou os embargantes ao pagamento de verba honorária à base de 10% sobre o valor da causa. Citação dos executados (fls. 189). Auto de penhora, depósito e avaliação (fls. 206). Designação de data para leilão (fls. 233). Intimados da data para o leilão, os executados peticionaram apresentando a Guia de Depósito Judicial à Ordem da Justiça Federal no valor de R$16.160,70 (dezesseis mil, cento e sessenta reais e setenta centavos), requerendo a não realização da praça e o levantamento da penhora (fls. 243/249). Com vista, a CAIXA requereu a extinção da execução pelo cumprimento da obrigação e o levantamento do valor depositado (fls.259/260). Breve relato, decido: Dispõe o art. 794,I, do CPC: "Extingue-se a execução, quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II -o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito." Isto posto, declaro extinta a presente execução nos termos do art. 794, I, do CPC. Suspenda-se os leilões designados para os dias 13 e 27 de fevereiro de 2008. Levante-se a penhora do bem indicado às fls. 206. Expeça-se alvará em favor da CAIXA, para levantamento do valor depositado às fls. 244. Registre-se no sistema informatizado disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº. 23, de 06/12/2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. P.R.I. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Sentença tipo C, conforme Resolução n° 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal ?? ?? ?? ??

   

0009276-44.2005.4.05.8200 JOAO FRANCISCO DE BRITO (Adv. JULIANNA ERIKA PESSOA DE ARAUJO, NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

D E S P A C H O Renove-se a intimação ao Autor João Francisco de Brito para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar cópia da CTPS onde conste a informação do banco depositário, a fim de que a CAIXA possa cumprir a obrigação de fazer. Publique-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 4 de 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0010760-65.2003.4.05.8200 CRISTIANE MARIA ALVES E OUTROS (Adv. ELENIR ALVES DA SILVA RODRIGUES) x JOSE RENATO DE SOUZA x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Diante da certidão retro, intimem-se os menores Renata Fernandes de Souza, Renato Prado Alves de Souza, Benedito Eyres de Souza e Gabriel Alves de Souza, através de seu advogado para fornecerem os números de seus CPF's para fins de expedição de RPV. Após, cumpra-se a parte final do despacho de fls. 174i. i Defiro o pedido de habilitação dos herdeiros (viúva e filhos) do Autor falecido, requerido às fls. 159/169. Correções cartorárias e na Distribuição. Transitada em julgado a sentença proferida em sede de Embargos à Execução, traslado às fls. 148/152, expeça-se requisição de pagamento em favor dos beneficiários: habilitados e advogada, nos termos da citada sentença. JPA, ...

   

0011048-52.1999.4.05.8200 JANUARIO GONCALO DA COSTA E OUTROS (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, EDSON BATISTA DE SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Aguarde-se por 120(cento e vinte) dias a apresentação do número do CPF dos Exeqüentes Minervina Francisca da Conceição, Francisco Domingos da Silva, João Vicente Domingos, Severino Juvino de Oliveira, Tereza Carlos da Silva, Olindina Alexandrina da Silva e Rita Avelino da Silva. Publique-se.

   

0011590-60.2005.4.05.8200 JOSE LUIS MATOS FERREIRA DA SILVA E OUTRO (Adv. BENJAMIN DE SOUZA FONSECA SOBRINHO, MARIA DE FATIMA AMARAL DA SILVA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Pagar Quantia Certa - Art. 730 do C.P.C. - Título Judicial transitado em julgado, instruído com a Memória do Cálculo] Contra a Fazenda Pública. Cite-se o(a) UNIÃO para opor Embargos no prazo de 30 (trinta) dias ou para manifestar concordância com os cálculos apresentados. À Distribuição para conversão à classe própria (execução de sentença), nos termos das Resoluções do Conselho da Justiça Federal nºs 317/2003, 328/2003 e 398/2004, e do Provimento nº 22/2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0007769-48.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO BERILO BEZERRA BORBA, BERILO RAMOS BORBA, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, ISAAC MARQUES CATÃO, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, JOSE GUILHERME MARQUES JUNIOR, LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE, LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR, MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS, THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES, ANTONIO HENRIQUE FREIRE GUERRA, VIRGINIA BARBOSA LEAL) x JAMILE PEREIRA DO NASCIMENTO ( ESCOLA CANTINHO DO SABER ) E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

DESPACHO A petição de fls. 88/89 ressente-se da ausência da assinatura do advogado. Faculto o prazo de 10 (dez) dias para suprimento da lacuna. Intime-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0008445-93.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOSE EDISIO SIMOES SOUTO, ITAMAR GOUVEIA DA SILVA) x IVANILDO MOREIRA PALITO ME E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

DESPACHO Vista à parte executada do pedido formulado pela CAIXA às fls. 102. Intime-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0009785-53.1997.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. YANKO CYRILO, JOAO CYRILLO SOARES DA S. NETO, BERILO RAMOS BORBA) x GERSON CARLOS BRITO DA SILVA (Adv. FRANCISCO DE A CARNEIRO NETO)

Execução de Título Extrajudicial n.º 97.0009785-4 Exeqüente: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Advogado(a): Dr. Fabio Romero de Souza Rangel Executado(s): GERSON CARLOS BRITO DA SILVA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Execução de Título Extrajudicial, movida pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL em face de GERSON CARLOS BRITO DA SILVA, citado na forma do art. 652, do Código de Processo Civil. Expedição de ofício ao DETRAN/PB para bloqueio de veículos pertencentes ao Executado (fls. 66). Efetivação do bloqueio (fls. 77/83). Embargos de Terceiros (99.6698-7, 99.8825-5 e 2000.2199-2). Decisão tornando sem efeito o bloqueio dos veículos e determinando o levantamento do gravame junto ao DETRAN/PB (fls. 96/99). Sentenças de extinção dos Embargos de Terceiros, sem resolução do mérito, devido à perda do objeto (fls. 100/104, 105/109 e 110/114). Ofício ao DETRAN/PB, determinando o desbloqueio dos veículos constritados (fls. 123). Desbloqueio efetivado (fls. 125). A Caixa Econômica Federal requereu a suspensão do processo (fls. 134 e 145/149). Em seguida, requereu a desistência do processo, com base no artigo 569 do CPC (fls.170). Breve relato, decido: Em se tratando de desistência de execução, é desnecessária a anuência do Réu (artigo 569 do CPC).2 Isto posto, declaro extinto o processo, sem resolução do mérito, nos termos do art. 569 do CPC. Levante-se o bloqueio remanescente sobre os veículos de placas MNC-3210, MMN-2455, BB-1162. Registre-se no sistema informatizado disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº. 23, de 06/12/2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. P.R.I. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Sentença tipo C, conforme Resolução n° 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal 2 Art. 569 - O credor tem a faculdade de desistir de toda a execução ou de apenas algumas medidas executivas. Parágrafo único. Na desistência da execução, observa-se-á o seguinte: a) serão extintos os embargos que versarem apenas sobre questões processuais, pagando o credor as custas e os honorários advocatícios; b) nos demais casos, a extinção dependerá da concordância do embargante. ?? ?? ?? ??

   

0011978-94.2004.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO) x MARIA DA PENHA FIRMINO CARDOSO (Adv. SEM ADVOGADO)

A exeqüente requer a suspensão do feito por tempo indeterminado, sem baixa na distribuição, em razão de não se achar, no momento, bens passíveis de penhora de propriedade do executado. A luva jurídica é a do art. 791, III, do CPC . Isto posto, suspendo a execução, no aguardo de nova provocação da exeqüente. Arquivem-se os autos na Secretaria, sem baixa na distribuição. P. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2.ª Vara

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0000104-73.2008.4.05.8200 MUNICÍPIO DE SERRA REDONDA (Adv. FLAVIA DE PAIVA M. DE OLIVEIRA, ANDREZZA MELO DE ALMEIDA) x SUPERINTENDENTE REGIONAL DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA (Adv. SEM ADVOGADO)

Pronuncie(m)-se o(a,s) Impetrante(s), em 10 (dez) dias, apresentando cópia da petição inicial e decisão, se houver, do(s) processo(s) n.º 2008.82.00.00105-0, constante(s) do formulário de fls. 26, para fins de exame de eventual conexão ou litispendência (art. 103i, 301, § 1ºii e 333, Iiii, do CPC). Aditamento em vias suficientes. Intime-se. JPA, i Art. 103 - Reputam-se conexas duas ou mais ações, quando Ihes for comum o objeto ou a causa de pedir. ii Art. 301 - Compete-lhe, porém, antes de discutir o mérito, alegar: I - inexistência ou nulidade da citação; II - incompetência absoluta; III - inépcia da petição inicial; IV - perempção; V - litispendência; Vl - coisa julgada; VII - conexão; Vlll - incapacidade da parte, defeito de representação ou falta de autorização; IX - convenção de arbitragem; X - carência de ação; Xl - falta de caução ou de outra prestação, que a lei exige como preliminar. § 1º - Verifica-se a litispendência ou a coisa julgada, quando se reproduz ação anteriormente ajuizada. § 2º - Uma ação é idêntica à outra quando tem as mesmas partes, a mesma causa de pedir e o mesmo pedido. § 3º - Há litispendência, quando se repete ação, que está em curso; há coisa julgada, quando se repete ação que já foi decidida por sentença, de que não caiba recurso. § 4º - Com exceção do compromisso arbitral, o juiz conhecerá de ofício da matéria enumerada neste artigo. iii Art. 333 - O ônus da prova incumbe: I - ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito; II - ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Parágrafo único - É nula a convenção que distribui de maneira diversa o ônus da prova quando: I - recair sobre direito indisponível da parte; II - tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito. ?? ?? ?? ??

   

0003002-93.2007.4.05.8200 FERNANDO ANTONIO AMARAL LINS (Adv. FRANCISCO DE ASSIS SARAIVA) x REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

DESPACHO Vista ao Impetrante, por 05 (cinco) dias, das informações prestadas pela UFPB, às fls. 150/155. Decorrido o prazo sem manifestação, subam os autos ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5.ª Região. Publique-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0008217-50.2007.4.05.8200 LUCYPAULA ANDRADE PINHEIRO (Adv. MANOEL WEWERTON FERNANDES PEREIRA) x PRO-REITOR DE GRADUAÇAO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA -UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.8217-3, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: LUCYPAULA ANDRADE PINHEIRO ADVOGADO: MANOEL WEWERTON F. PEREIRA IMPETRADOS: REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB E PREFEITO DO MUNICÍPIO DE POÇO DANTAS S E N T E N Ç A1 O Exmº Juiz Federal Substituto da 2ª Vara, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, proferiu decisão indeferindo o pedido de liminar, nos seguintes termos (fls. 34/36): "Determinei a intimação da Impetrante para apresentar cópia do ato de aprovação em concurso público e de convocação para a posse, nos seguintes termos (fls. 22/23): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Lucypaula Andrade Pinheiro em face do Reitor da Universidade Federal da Paraíba - UFPB e Prefeito do Município de Poços Dantas, com pedido de liminar visando à suspensão das nomeações para o cargo de Médico, em certame realizado pelo Município de Poços Dantas, e a conclusão antecipada do Curso de Medicina da UFPB, no qual está matriculada a Impetrante no 11º (décimo primeiro) período e penúltimo. A Impetrante afirma o seguinte: 1) Foi aprovada em primeiro lugar em concurso público para o cargo de Médico realizado pelo Município de Poços Dantas, tendo recebido o Ofício nº 159/2007 convocando-a para tomar posse a apresentar vários documentos. 2) Está matriculada no penúltimo período do Curso de Medicina da UFPB, não tendo mais disciplinas a realizar em sala de aula, podendo, desse modo, antecipar a conclusão do Curso de modo a tomar posse no cargo público que disputou. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 10/20). Defiro o pedido de gratuidade judiciária (Lei nº 1.060, de 1950). Intime-se a Impetrante para apresentar, no prazo de 10 (dez) dias, cópia do(s) ato(s) administrativo(s) de sua aprovação no certame em referência e do Ofício nº159/2007 (fls. 03), o qual, segundo a Impetrante, a convoca para tomar posse no cargo de Médico (artigo 6º da Lei nº 1.533, de 1951 c/c artigos 282, 283 e 284 do CPC). João Pessoa, 03 SET 2007." A Impetrante apresentou documentos (fls. 30/32). É o relatório. Decido. A Impetrante logrou o primeiro lugar, do total de 5 candidatos classificados, em concurso público realizado pelo Município de Poço Dantas, destinado ao provimento do cargo de Médico do PSF (fls. 32) e, através do Ofício GAPRE nº 159/2007, de 01.08.2007, subscrito pelo Prefeito do Município de Poço Dantas, foi convocada para tomar posse no cargo em referência, no prazo de trinta dias, munida de documentos, entre os quais cópia do diploma ou certificado que a habilita para o cargo em que fora aprovada, com a advertência de que "a falta de qualquer um dos documentos acima especificados, será motivo para a sua não investidura no cargo a que foi aprovado." (fls. 31). A Impetrante é aluna do Curso de Medicina da UFPB, matriculada no décimo primeiro período (fls. 12), tendo integralizado 303 créditos do total mínimo de 369 e cursado 57 disciplinas do total mínimo de 61, conforme histórico escolar (fls. 13). Sustenta que não tem disciplinas a cursar em sala de aula, podendo, desse modo, antecipar a conclusão do Curso e tomar posse no cargo público que disputou. No que diz respeito à exigência de apresentação do diploma ou certificado pela Prefeitura de Poço Dantas, por ocasião da posse, ela está de acordo com o enunciado da Súmula nº 266 do Superior Tribunal de Justiça2, não havendo, nesse sentido, a prática de ato ilegal ou abusivo. No que concerne à antecipação do Curso de Medicina, ela está submetida às normas de regência da UFPB, segundo procedimento específico, não tendo a Impetrante instruído a petição inicial com documento(s) solicitando a antecipação ou eventual recusa da instituição de ensino, e, em conseqüência, não verifico a presença de ato omissivo ou comissivo da autoridade impetrada da UFPB relativamente a esta questão, o que implicaria, no limite, sua ilegitimidade passiva, a ser melhor examinada quando da sentença. Diante do exposto, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado. Intime-se a Impetrante desta decisão. Notifiquem-se as autoridades impetradas para prestar as informações, no prazo de dez dias, devendo a autoridade da UFPB apresentar, se houver, cópia de requerimento da Impetrante de antecipação do Curso de Medicina e a autoridade do Município de Poço Dantas informar se houve a posse de outro candidato no cargo em referência, considerando o decurso de prazo de trinta dias previsto no Ofício GAPRE nº 159/2007. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 27 SET 2007." O Reitor da UFPB prestou as Informações, acompanhadas de documentos, afirmando o seguinte (fls. 44/47): 1) Ausência de direito líquido e certo, dada a controvérsia fática em discussão e à míngua de demonstração de ato ilegal da autoridade. 2) Nos termos de informação prestada pela Coordenação do Curso de Medicina, os dois últimos períodos do referido Curso (11º e 12º) correspondem ao aprendizado da prática ou internato, que é realizado em hospitais, ambulatórios, enfermarias, pronto-socorros, etc, sob supervisão de professores da UFPB, tendo a Impetrante cumprido apenas os dois primeiros rodízios do internato, com conclusão do Curso previsto para abril de 2008. 3) Inexistem nas normas da UFPB critérios com vistas antecipar a concessão de diploma antes de cumprido a carga horária estabelecida para o Curso. O Prefeito do Município de Poço Dantas prestou as Informações, acompanhadas de documentos, enfocando que a Impetrante, embora tenha logrado aprovação no concurso, não dispunha de habilitação em Medicina, exigida no Edital, por ocasião da posse, de modo que não poderia ser investida no cargo e, em conseqüência, foram nomeados os candidatos classificados imediatamente em posição inferior (fls. 51/75). O Ministério Público Federal ofertou parecer opinando pela exclusão do pólo passivo do Prefeito do Município de Poço Dantas, em face da impossibilidade de cumulação de pedidos voltados a autoridades distintas, e pela extinção do processo, sem julgamento do mérito, diante da controvérsia fática sobre a possibilidade de abreviação do Curso de Medicina, que requer discussão sobre aptidão acadêmica e atendimento a vários requisitos quantitativos e qualitativos, a despeito de a Impetrante não ter apresentado pedido administrativo de abreviação (fls. 71/81). É o relatório. Decido. Observo, inicialmente, que a impetração é dirigida "Em face da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB), representada por seu Reitor o senhor RÔMULO SOARES POLARI, localizada na Capital do Estado da Paraíba. Como Também à Administração Municipal de Poço Dantas, pessoa jurídica de direito público interno, representada por seu prefeito Constitucional na pessoa do senhor ITAMAR MOREIRA FERNANDES, localizada no centro da cidade, neste estado." (fls. 03). No entanto, consta na autuação, na condição de Impetrado, apenas o Reitor da UFPB (fls. 02). Englobo no exame adiante a argüição de ausência de direito líquido e certo suscitada pelo Reitor da UFPB, bem como da assertiva de exclusão do pólo passivo do Prefeito do Município de Poço Dantas e de controvérsia fática argüida pelo Ministério Público Federal. A Impetrante logrou o primeiro lugar para o cargo de Médico no concurso público realizado pela Prefeitura do Município de Poço Dantas, objeto do Edital nº 01/2007- PMPD3. O Ofício GAPRE nº 159/2007, de 01.08.2007, subscrito pelo Prefeito do Município de Poço Dantas e impugnado nesta impetração, convocou a Impetrante para tomar posse no cargo em referência, no prazo de trinta dias, munida de documentos, entre os quais cópia do diploma ou certificado que a habilita para o cargo em que fora aprovada, com a advertência de que "a falta de qualquer um dos documentos acima especificados, será motivo para a sua não investidura no cargo a que foi aprovado." (fls. 31). A Impetrante não tomou posse no cargo (cf. Informações prestadas pela autoridade municipal, fls. 51/75), uma vez que não havia concluído o Curso de Medicina, cujo diploma ou certificado, além do registro no Conselho Regional de Medicina, é exigido pelo Edital nº 01/2007-PMPD (cf. item XIV, 1.5, "Dos requisitos básicos para a posse", fls. 62, c/c item VI, "Grupo Programa de Saúde da Família - PSF", fls. 58). No que concerne à abreviação do Curso de Medicina, a Impetrante, por ocasião do ajuizamento da impetração (29.08.2007), estava matriculada no 11º período e, nos termos dos esclarecimentos oferecidos pela Coordenação do referido Curso (fls. 47), que instruem as Informações prestadas pelo Reitor da UFPB, os dois últimos períodos do referido Curso (11º e 12º) correspondem ao aprendizado da prática ou internato, que é realizado em hospitais, ambulatórios, enfermarias, pronto-socorros, etc, sob supervisão de professores da UFPB, tendo a Impetrante cumprido apenas os dois primeiros rodízios do internato, com conclusão do Curso previsto para abril de 2008. Nas Informações, o Reitor da UFPB afirmou que inexiste na instituição de ensino regulamento que autoriza a concessão de diploma antes de cumprido a carga horária estabelecida para o Curso de Medicina. O alvitre imediato da Impetrante é a abreviação do Curso de Medicina e adventício diploma. O alvitre mediato é a posse no cargo de Médica da Prefeitura Municipal. A exigência do diploma e do registro profissional no exame da legalidade do Edital de regência é matéria que refoge à competência da Justiça Federal, por não se enquadrar nas hipóteses do artigo 109 da Constituição Federal. E se fosse da competência da Justiça Federal, haveria o litisconsórcio passivo necessário com os outros candidatos aprovados em posição inferior à da Impetrante, considerando que a pretensão consiste na suspensão da nomeação de outros candidatos. O cerne da questão situa-se e limita-se, assim, na análise da possibilidade jurídica de personalizar a abreviação do Curso de Medicina, para que a Impetrante venha a graduar-se antecipadamente. O objeto da impetração, naquilo que diz respeito à pretensão voltada à autoridade federal, carece de possibilidade jurídica, uma vez que a autonomia acadêmica não fere a legalidade. O anseio da Impetrante de obstar o pleno exercício da autonomia municipal e do interesse público da edilidade não se interliga, porque sem conexão com a pretensão dirigida contra a instituição federal de ensino. O ponto relevante está que não há ilegalidade em cumprir o calendário acadêmico. Por outro lado, a Impetrante detém apenas uma expectativa próxima de conclusão do Curso. O que se pretende é o deslocamento da apresentação de diploma da etapa da inscrição do concurso para momento além daquele fixado para a posse no cargo municipal, eis que quando do ajuizamento da impetração (em 29.08.2007) estava para expirar o prazo de trinta dias para a posse. Em outras palavras, é parar a execução da autonomia municipal e acelerar uma mera expectativa no processo da atividade acadêmica, de modo que não praticou a autoridade universitária qualquer ato abusivo ou ilegal e nem a autoridade municipal praticou ato de competência judicial federal. ISTO POSTO, denego a segurança em relação à pretensão dirigida contra o Reitor da UFPB e excluo do pólo passivo o Prefeito do Município de Poço Dantas, em face da incompetência da Justiça Federal. Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs 512 do STF e 105 do STJ). Custas ex lege. Em face da exclusão do pólo passivo, mantenham-se os termos da autuação/Distribuição que deixou de inserir, inicialmente, o Prefeito do Município de Poço Dantas, como Impetrado. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquivem-se os autos com as cautelas legais. João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS CLS . 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "O diploma ou habilitação legal para o exercício do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição para o concurso público" 3 Foram duas vagas oferecidas para o cargo de Médico. ?? ?? ?? ?? 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL

   

0009332-09.2007.4.05.8200 BARTOLOMEU PAIVA DE SOUSA (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

DESPACHO Recebo a apelação da UFPB (fls. 86/89), no efeito devolutivo (art. 12, parágrafo único da Lei n.º 1.533/511). Vista ao(s) apelado(s) para contra-arrazoar em 15 (quinze) dias. Após as cautelas legais, subam os autos ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5.ª Região. Publique-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Art. 12. Da sentença, negando ou concedendo o mandado, cabe apelação. Parágrafo único. A sentença que conceder o mandado fica sujeita ao duplo grau de jurisdição, podendo, entretanto, ser executada provisoriamente. ?? ?? ?? ??

   

0009912-39.2007.4.05.8200 FETRACOM - FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE BENS E SERVIÇOS NO ESTADO DA PARAÍBA (Adv. JOSE FERREIRA DE BARROS, MARIA DINIZ DE OLIVEIRA BARROS, RIVALDO CORREIA LIMA, GERMANA MARIA DE OLIVEIRA BARROS) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE JOÃO PESSOA - PB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.9912-4, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: FETRACOM - FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO COMÉRCIO DE BENS E SERVIÇOS NO ESTADO DA PARAÍBA ADVOGADOS: JOSÉ FERREIRA DE BARROS, MARIA DINIZ DE OLIVEIRA BARROS, RIVALDO CORREIA LIMA E GERMANA MARIA DE OLIVEIRA BARROS IMPETRADO: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA S E N T E N Ç A1 Proferi decisão indeferindo o pedido de liminar, nos seguintes termos (fls. 54/60): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por FETRACOM - Federação dos Trabalhadores no Comércio de Bens e Serviços no Estado da Paraíba, na condição de substituto processual de seus associados (comerciários no Estado da Paraíba), contra ato apontado ilegal do Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa, configurado na incidência da contribuição previdenciária sobre os valores percebidos pelos substituídos a título de adicional de férias de um terço. Em síntese, a Impetrante afirma serem indevidos a incidência e o recolhimento da contribuição previdenciária sobre adicional constitucional de um terço de férias, uma vez que tal valor remuneratório não se incorpora aos proventos quando da aposentadoria dos trabalhadores, por não constituir salário-de contribuição. Pede a concessão da liminar no alvitre de suspender a exigibilidade do recolhimento da contribuição previdenciária incidentes sobre adicional de férias de um terço. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 20/51). É o relatório. Decido. Os valores referentes ao adicional de férias de um terço (artigo 7º, inciso XVII, da Constituição Federal de 19882), pagos pelo empregador ao empregado, constituem remuneração decorrente da relação laboral e integram o salário-de-contribuição, na forma do artigo 28, inciso I, da Lei nº 8.212, de 1991 (Lei de Custeio da Previdência Social3), sobre o qual incide a contribuição previdenciária, nos termos do artigo 20 da referida Lei4. De modo que havendo incidência da contribuição sobre as férias, por se tratar de retribuição salarial, igualmente incide sobre o adicional de férias, que é acessório daquela, conforme precedentes do Superior Tribunal de Justiça5. ISTO POSTO, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada para prestar as Informações, no prazo de 10 (dez) dias. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 12 NOV 2007." A autoridade impetrada prestou as Informações afirmando o seguinte (fls. 66/78): 1) Ausência de direito líquido e certo, à míngua de ato ilegal praticado pela autoridade. 2) Decadência à impetração em relação a fatos ocorridos antes de 120 dias. 3) No mérito, a incidência de contribuição previdenciária está prevista na legislação de regência (artigo 22 da Lei nº 8.212, de 1991). O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar parecer enfocando a ausência de interesse público na matéria em discussão (fls. 81/82). É o relatório. Decido. Ausência de direito líquido e certo: A argüição suscitada pela autoridade impetrada relativamente à ausência de direito líquido e certo, em face da ausência de ato ilegal, é confluente com o exame de mérito. Decadência à impetração: A pretensão mandamental consiste na suspensão da exigibilidade da contribuição previdenciária incidente sobre o adicional de férias de um terço percebido pelos substituídos (comerciários do Estado da Paraíba) da Impetrante, bem como na restituição dos valores da mesma contribuição recolhidos desde outubro de 2002. No que concerne à suspensão da exigibilidade, por se tratar de incidência continuada da contribuição, não se aplica o disposto no artigo 18 da Lei nº 1.533, de 19516. Concernente à restituição, a hipótese é de impropriedade da via mandamental, a qual não é sucedâneo de ação de cobrança em relação a período pretérito, nos termos da Súmula nº 271 do Supremo Tribunal Federal7. Mérito: Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei indeferindo o pedido de liminar (fls. 54/60). Conforme anotei, os valores referentes ao adicional de férias de um terço (artigo 7º, inciso XVII, da Constituição Federal de 1988), pagos pelo empregador ao empregado, constituem remuneração decorrente da relação laboral e compõem o salário-de-contribuição, na forma do artigo 28, inciso I, da Lei nº 8.212, de 1991, sobre o qual incide a contribuição previdenciária, nos termos do artigo 20 da referida Lei. Resulta que, que havendo incidência da contribuição sobre as férias, por se tratar de retribuição salarial, igualmente incide sobre o adicional de férias, que é acessório daquela. ISTO POSTO, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs 512 do STF e 105 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquivem-se os autos com as cautelas legais. João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos; II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário; III - fundo de garantia do tempo de serviço; IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim; V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do trabalho; VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo; VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável; VIII - décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria; IX - remuneração do trabalho noturno superior à do diurno; X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa; XI - participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da empresa, conforme definido em lei; XII - salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho; (vide Decreto-Lei nº 5.452, de 1943) XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva; XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos; XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinqüenta por cento à do normal; (Vide Del 5.452, art. 59 § 1º) XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal; XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias; XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei; XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei; XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei; XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança; XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei; XXIV - aposentadoria; XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-escolas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006) XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho; XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei; XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa; XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 28, de 25/05/2000) a) e b) (Revogadas pela Emenda Constitucional nº 28, de 25/05/2000) XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil; XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência; XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e intelectual ou entre os profissionais respectivos; XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso. Parágrafo único. São assegurados à categoria dos trabalhadores domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VIII, XV, XVII, XVIII, XIX, XXI e XXIV, bem como a sua integração à previdência social. 3 Art. 28. Entende-se por salário-de-contribuição: I - para o empregado e trabalhador avulso: a remuneração auferida em uma ou mais empresas, assim entendida a totalidade dos rendimentos pagos, devidos ou creditados a qualquer título, durante o mês, destinados a retribuir o trabalho, qualquer que seja a sua forma, inclusive as gorjetas, os ganhos habituais sob a forma de utilidades e os adiantamentos decorrentes de reajuste salarial, quer pelos serviços efetivamente prestados, quer pelo tempo à disposição do empregador ou tomador de serviços nos termos da lei ou do contrato ou, ainda, de convenção ou acordo coletivo de trabalho ou sentença normativa; (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) II - para o empregado doméstico: a remuneração registrada na Carteira de Trabalho e Previdência Social, observadas as normas a serem estabelecidas em regulamento para comprovação do vínculo empregatício e do valor da remuneração; III - para o contribuinte individual: a remuneração auferida em uma ou mais empresas ou pelo exercício de sua atividade por conta própria, durante o mês, observado o limite máximo a que se refere o § 5o . (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99) IV - para o segurado facultativo: o valor por ele declarado, observado o limite máximo a que se refere o § 5o. (Incluído pela Lei nº 9.876, de 26.11.99) § 1º Quando a admissão, a dispensa, o afastamento ou a falta do empregado ocorrer no curso do mês, o salário-de-contribuição será proporcional ao número de dias de trabalho efetivo, na forma estabelecida em regulamento. § 2º O salário-maternidade é considerado salário-de-contribuição. § 3º O limite mínimo do salário-de-contribuição corresponde ao piso salarial, legal ou normativo, da categoria ou, inexistindo este, ao salário mínimo, tomado no seu valor mensal, diário ou horário, conforme o ajustado e o tempo de trabalho efetivo durante o mês. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) § 4º O limite mínimo do salário-de-contribuição do menor aprendiz corresponde à sua remuneração mínima definida em lei. § 5º O limite máximo do salário-de-contribuição é de Cr$ 170.000,00 (cento e setenta mil cruzeiros), reajustado a partir da data da entrada em vigor desta Lei, na mesma época e com os mesmos índices que os do reajustamento dos benefícios de prestação continuada da Previdência Social. (Atualizações decorrentes de normas de hierarquia inferior) § 6º No prazo de 180 (cento e oitenta) dias, a contar da data de publicação desta Lei, o Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional projeto de lei estabelecendo a previdência complementar, pública e privada, em especial para os que possam contribuir acima do limite máximo estipulado no parágrafo anterior deste artigo. § 7º O décimo-terceiro salário (gratificação natalina) integra o salário-de-contribuição, exceto para o cálculo de benefício, na forma estabelecida em regulamento. (Redação dada pela Lei nº 8.870, de 15.4.94) § 8º Integram o salário-de-contribuição pelo seu valor total: (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) a) o total das diárias pagas, quando excedente a cinqüenta por cento da remuneração mensal; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) b) (VETADO) (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) c) (Revogada pela Lei nº 9.711, de 20.11.98) § 9º Não integram o salário-de-contribuição para os fins desta Lei, exclusivamente: (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) a) os benefícios da previdência social, nos termos e limites legais, salvo o salário-maternidade; (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) b) as ajudas de custo e o adicional mensal recebidos pelo aeronauta nos termos da Lei nº 5.929, de 30 de outubro de 1973; c) a parcela "in natura" recebida de acordo com os programas de alimentação aprovados pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social, nos termos da Lei nº 6.321, de 14 de abril de 1976; d) as importâncias recebidas a título de férias indenizadas e respectivo adicional constitucional, inclusive o valor correspondente à dobra da remuneração de férias de que trata o art. 137 da Consolidação das Leis do Trabalho-CLT; (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) e) as importâncias: (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 1. previstas no inciso I do art. 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 2. relativas à indenização por tempo de serviço, anterior a 5 de outubro de 1988, do empregado não optante pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço-FGTS; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 3. recebidas a título da indenização de que trata o art. 479 da CLT; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 4. recebidas a título da indenização de que trata o art. 14 da Lei nº 5.889, de 8 de junho de 1973; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 5. recebidas a título de incentivo à demissão; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 6. recebidas a título de abono de férias na forma dos arts. 143 e 144 da CLT; (Incluído pela Lei nº 9.711, de 20.11.98) 7. recebidas a título de ganhos eventuais e os abonos expressamente desvinculados do salário; (Incluído pela Lei nº 9.711, de 20.11.98) 8. recebidas a título de licença-prêmio indenizada; (Incluído pela Lei nº 9.711, de 20.11.98) 9 recebidas a título da indenização de que trata o art. 9º da Lei nº 7.238, de 29 de outubro de 1984; (Incluído pela Lei nº 9.711, de 20.11.98) f) a parcela recebida a título de vale-transporte, na forma da legislação própria; g) a ajuda de custo, em parcela única, recebida exclusivamente em decorrência de mudança de local de trabalho do empregado, na forma do art. 470 da CLT; (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) h) as diárias para viagens, desde que não excedam a 50% (cinqüenta por cento) da remuneração mensal; i) a importância recebida a título de bolsa de complementação educacional de estagiário, quando paga nos termos da Lei nº 6.494, de 7 de dezembro de 1977; j) a participação nos lucros ou resultados da empresa, quando paga ou creditada de acordo com lei específica; l) o abono do Programa de Integração Social-PIS e do Programa de Assistência ao Servidor Público-PASEP; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) m) os valores correspondentes a transporte, alimentação e habitação fornecidos pela empresa ao empregado contratado para trabalhar em localidade distante da de sua residência, em canteiro de obras ou local que, por força da atividade, exija deslocamento e estada, observadas as normas de proteção estabelecidas pelo Ministério do Trabalho; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) n) a importância paga ao empregado a título de complementação ao valor do auxílio-doença, desde que este direito seja extensivo à totalidade dos empregados da empresa; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) o) as parcelas destinadas à assistência ao trabalhador da agroindústria canavieira, de que trata o art. 36 da Lei nº 4.870, de 1º de dezembro de 1965; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) p) o valor das contribuições efetivamente pago pela pessoa jurídica relativo a programa de previdência complementar, aberto ou fechado, desde que disponível à totalidade de seus empregados e dirigentes, observados, no que couber, os arts. 9º e 468 da CLT; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) q) o valor relativo à assistência prestada por serviço médico ou odontológico, próprio da empresa ou por ela conveniado, inclusive o reembolso de despesas com medicamentos, óculos, aparelhos ortopédicos, despesas médico-hospitalares e outras similares, desde que a cobertura abranja a totalidade dos empregados e dirigentes da empresa; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) r) o valor correspondente a vestuários, equipamentos e outros acessórios fornecidos ao empregado e utilizados no local do trabalho para prestação dos respectivos serviços; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) s) o ressarcimento de despesas pelo uso de veículo do empregado e o reembolso creche pago em conformidade com a legislação trabalhista, observado o limite máximo de seis anos de idade, quando devidamente comprovadas as despesas realizadas; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) t) o valor relativo a plano educacional que vise à educação básica, nos termos do art. 21 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e a cursos de capacitação e qualificação profissionais vinculados às atividades desenvolvidas pela empresa, desde que não seja utilizado em substituição de parcela salarial e que todos os empregados e dirigentes tenham acesso ao mesmo; (Redação dada pela Lei nº 9.711, de 20.11.98) u) a importância recebida a título de bolsa de aprendizagem garantida ao adolescente até quatorze anos de idade, de acordo com o disposto no art. 64 da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) v) os valores recebidos em decorrência da cessão de direitos autorais; (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) x) o valor da multa prevista no § 8º do art. 477 da CLT. (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) § 10. Considera-se salário-de-contribuição, para o segurado empregado e trabalhador avulso, na condição prevista no § 5º do art. 12, a remuneração efetivamente auferida na entidade sindical ou empresa de origem. (Incluído pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 4 Art. 20. A contribuição do empregado, inclusive o doméstico, e a do trabalhador avulso é calculada mediante a aplicação da correspondente alíquota sobre o seu salário-de-contribuição mensal, de forma não cumulativa, observado o disposto no art. 28, de acordo com a seguinte tabela: (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 28.4.95) (Redação dada pela Lei nº 9.129, de 20.11.95) Salário-de-contribuição Alíquota em % Até R$ 249,80 8,00 de R$ 249,81 até R$ 416,33 9,00 de R$ 416,34 até R$ 832,66 11,00 (Vide atualizações) § 1º Os valores do salário-de-contribuição serão reajustados, a partir da data de entrada em vigor desta Lei, na mesma época e com os mesmos índices que os do reajustamento dos benefícios de prestação continuada da Previdência Social. (Parágrafo único renumerado pela Lei nº 8.620, de 5.1.93) § 2º O disposto neste artigo aplica-se também aos segurados empregados e trabalhadores avulsos que prestem serviços a microempresas. (Incluído pela Lei nº 8.620, de 5.1.93 ) 5"TRIBUTÁRIO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA INCIDENTE SOBRE O 13º SALÁRIO (GRATIFICAÇÃO NATALINA). SÚMULAS NºS 688 E 207/STF. TERÇO CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS. INCIDÊNCIA. PRECEDENTES. 1. Definida a natureza jurídica da gratificação natalina como sendo de caráter salarial, sua integração ao salário de contribuição para efeitos previdenciários é legal, não se podendo, pois, eximir-se da obrigação tributária em questão. 2. Inteligência das Súmulas nºs 688 e 207/STF, que dispõem, respectivamente: "é legítima a incidência da contribuição previdenciária sobre o 13º salário" e "as gratificações habituais, inclusive a de Natal, consideram-se tacitamente convencionadas, integrando o salário". 3. "A gratificação natalina (13º salário), o acréscimo de 1/3 sobre a remuneração de férias e o pagamento de horas extraordinárias, direitos assegurados pela Constituição aos empregados (CF, art. 7º, incisos VIII, XVII e XVI) e aos servidores públicos (CF, art. 39, § 3º), e os adicionais de caráter permanente (Lei 8.112/91, art. 41 e 49) integram o conceito de remuneração, sujeitando-se, conseqüentemente, à contribuição previdenciária" (REsp nº 512848/RS, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ de 28/09/2006). 4. Precedentes das 1ª e 2ª Turmas desta Corte Superior. 5. Recurso não-provido." (ROMS nº 19687-DF, Relator Ministro José Delgado, 1ª Turma do STJ, DJU de 23.11.2006, p. 214) (grifei) "PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. PREQUESTIONAMENTO. MATÉRIA CONSTITUCIONAL. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. INCIDÊNCIA SOBRE 1/3 CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS. 1. A apreciação da questão federal impugnada pela via especial depende do seu efetivo exame e julgamento pelo Tribunal a quo. 2. A legalidade da incidência da contribuição previdenciária sobre o terço constitucional de férias foi decidida no acórdão recorrido com base nos princípios constitucionais, matéria cuja revisão escapa aos limites da estreita competência outorgada ao Superior Tribunal de Justiça em sede de recurso especial 3. O STJ já se manifestou no sentido de que o terço constitucional de férias constitui espécie de remuneração sobre a qual incide a contribuição previdenciária. 4. Agravo regimental a que se nega provimento." (AgRG no Ag nº 502146-RJ, Relator Ministro João Otávio de Noronha, 2ª Turma do STJ, DJU de 13.09.2004, p. 205) (grifei) 6 Art. 18 - O direito de requerer mandado de segurança extinguir-se-á decorridos cento e vinte dias contados da ciência, pelo interessado, do ato impugnado. 7 "Concessão de mandado de segurança não produz efeitos patrimoniais em relação a período pretérito, os quais devem ser reclamados administrativamente ou pela via judicial própria" ?? ?? ?? ?? 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0002595-24.2006.4.05.8200 JOSÉ CORREIA FILHO (Adv. FABIANO BARCIA DE ANDRADE) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. PEDRO VITOR DE CARVALHO FALCAO)

PROCESSO Nº 2006.82.2595-1, CLASSE 29 AÇÃO ORIDNÁRIA AUTOR: JOSÉ CORREIA FILHO ADVOGADO: FABIANO BARCIA DE ANDRADE RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR: PEDRO VÍTOR DE CARVALHO FALCÃO S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por José Correia Filho em face do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, visando à concessão da aposentadoria por invalidez ou, "sucessivamente", auxílio-doença, e o pagamento dos atrasados com juros e correção monetária desde a data da cessação do seu último benefício. O Autor afirma o seguinte: 1) É contribuinte da Previdência Social e, em meados de 2002, não se sentindo bem, recebeu atendimento médico e foi diagnosticado que é portador de enfermidade com indicações de CID F41 [Ansiedade Generalizada] F41.2 [Transtorno Misto ansioso e depressivo], F34.1 [Distimia] e F34.9 [Transtorno do humor (afetivo) persistente não especificado]. 2) O INSS concedeu o auxílio-doença por vários anos e, para sua surpresa, foi indeferida a renovação do benefício, deixando-o prejudicado e ainda mais doente, em razão de o Instituto cortado definitivamente seu auxílio-doença. 3) Os pareceres da perícia do INSS não condizem com a realidade, uma vez que o Autor vem apresentando toda a sintomatologia referente à doença da qual é portador, ou seja, problemas mentais, com o conseqüente afastamento de suas atividades laborais, encontrando-se desempregado. 4) Quanto às provas, os documentos que instruem a petição inicial demonstram que o Autor é portador de doença, que o incapacita ao desempenho de qualquer atividade. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 02/45). O INSS apresentou contestação, acompanhada de documentos, alegando o seguinte (fls. 63/83): 1) Que para ter direito ao benefício do auxílio-doença, é necessário que o segurado preencha os requisitos legais, como a incapacidade para o trabalho ou para exercer as atividades habituais por mais de 15 dias consecutivos. 2) Conforme as conclusões da perícia médica do INSS, o Autor não se enquadra nesse requisito, estando apto para exercer seu trabalho e suas atividades habituais. 3) O benefício de aposentadoria por invalidez é concedido aos segurados que, em virtude de doença ou lesão, ficarem totalmente incapacitados e insusceptíveis de reabilitação para o exercício de qualquer atividade que lhe garanta a subsistência e, segundo a perícia médica do INSS, o Autor não se enquadra nos requisitos acima. 4) Na hipótese de acolhimento do pedido, os juros deverão incidir a partir da citação e os honorários advocatícios deverão ser determinados em, no máximo, 5% do montante da eventual condenação, excluindo desse montante as parcelas vincendas, conforme Súmula nº 111 do STJ. O Autor impugnou a contestação reiterando os termos da petição inicial (fl. 88). O Exmº Juiz Federal Substituto da 2ª Vara, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, nomeou Perito (fl. 102), o qual apresentou o laudo (fls. 107/108). Com vista, o Autor afirmou que nada tem a opor (fl. 114). O INSS não se manifestou (fl. 120). É o relatório. Decido. O Autor nasceu em 28.05.1945 (fls. 70, Vº) e o INSS concedeu-lhe o auxílio-doença a partir de 19.01.2003 (fls. 79). O benefício foi cancelado em março de 2005 (fls. 20), com base em perícia médica realizada pelo INSS, que concluiu que o Autor não estava incapacitado para o trabalho (fls. 35). No laudo feito por Perito Médico do INSS, que serviu de base para o cancelamento do benefício, consta que a profissão do Autor é de pedreiro e que possui insônia e ansiedade. O laudo elaborado pelo Perito judicial afirma que o Autor, no momento, não apresenta nenhum sinal ou sintoma de alienação mental, estando apto para o trabalho (fls. 107/108)2. Na anamnese, relatou que o Autor informou que sofre de dores de cabeça há mais de dez anos, que "quando ataca, a cabeça quer explodir, amarra um pano na cabeça e aí não se lembra mais de nada". Apresentou atestado de médico psiquiatra que lhe assiste referindo-se à condição de portador da CID - X F. 41.2 (transtorno misto ansioso e depressivo), que "apresenta um forte sentimento de incapacidade laborativa" e que faz tratamento com uso de Amplictil - 25 mg, duas vezes ao dia. O auxílio-doença é devido ao segurado do Regime Geral da Previdência Social que, por motivo de doença, se encontre incapacitado para o trabalho, por período superior a 15 dias (artigo 59 e seguintes da Lei nº 8.213, de 1991)3. A carência exigida para sua concessão é de 12 contribuições mensais. Para a concessão da aposentadoria por invalidez, a legislação exige os mesmos requisitos do auxílio-doença, ou seja, ser segurado da Previdência Social, atender ao requisito de carência e estar incapacitado para o trabalho, e que a incapacidade deve ser insuscetível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência (artigo 42 e seguintes da Lei n.º 8.213, de 1991)4. No caso em exame, o Autor conta hoje com 62 anos de idade e exercia atividade laborativa de mestre de obras. A sintomatologia que relatou ao Perito judicial, com dores de cabeça e quadro depressivo, não foi contestada pelo INSS, que teve vista do laudo e silenciou. O Perito judicial, sobre ser excludente da alienação mental, não elidiu nem realizou exames complementares acerca de outros sintomas relatados e do atestado do médico psiquiatra que acompanha o Autor. Deixou de verificar a relação do uso do medicamento e suas causas e eventuais conseqüências clínicas. Ansiedade e depressão são considerados o mal do Século e seu tratamento pode perdurar ao longo do tempo. O transtorno misto ansioso e depressivo (CID - X F. 41.2), a que faz referência o médico psiquiatra que assiste ao Autor, consiste, segundo a literatura médica, em "Transtornos caracterizados essencialmente pela presença de manifestações ansiosas que não são desencadeadas exclusivamente pela exposição a uma situação determinada. Podem se acompanhar de sintomas depressivos ou obsessivos, assim como de certas manifestações que traduzem uma ansiedade fóbica, desde que estas manifestações sejam, contudo, claramente secundárias ou pouco graves. Esta categoria deve ser utilizada quando o sujeito apresenta ao mesmo tempo sintomas ansiosos e sintomas depressivos, sem predominância nítida de uns ou de outros, e sem que a intensidade de uns ou de outros seja suficiente para justificar um, diagnóstico isolado. Quando os sintomas ansiosos e depressivos estão presentes simultaneamente com uma intensidade suficiente para justificar diagnósticos isolados, os dois diagnósticos devem ser anotados e não se faz um diagnóstico de transtorno misto ansioso e depressivo." (no endereço eletrônico: http://virtualpsy.locaweb.com.br/cid_janela.php?cod=11). Desse modo, considero que o Autor está incapacitado para o trabalho e, associado à idade avançada e à natureza da atividade laborativa que exercia, não apresenta condições de reabilitação, fazendo juz, portanto, à aposentadoria por invalidez. ISTO POSTO, julgo procedente o pedido e determino ao INSS que proceda à implantação da aposentadoria por invalidez em favor do Autor e ao pagamento dos valores retroativos do benefício a março de 2005, devidamente corrigidos e acrescidos de juros de mora de 1,0% (um por cento) ao mês, a partir da citação. Condeno o INSS ao pagamento em favor do Autor da verba honorária de 20% (vinte por cento) sobre o quantum vencido (Súmula nº 111/STJ: "Os honorários advocatícios, nas ações previdenciárias, não incidem sobre prestações vincendas"). Sem condenação em custas processuais, à míngua de adiantamento, em face da concessão da gratuidade judiciária (fls. 49). No cumprimento: 1) Da obrigação de implantação do benefício, observe-se o disposto no artigo 461 do CPC, por remissão do artigo 475-I do CPC, acrescentado pelo artigo 4º da Lei nº 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.20055). 2) Da obrigação de pagamento do quantum vencido e da verba advocatícia, o disposto nos artigos 730 e 731 do CPC6, atentando-se para a nova redação dada ao artigo 741 pelo artigo 5º da Lei nº 11.232, de 22.12.2005, e a dispensabilidade da expedição de precatório, no caso de os valores não ultrapassarem sessenta salários mínimos (artigo 17, § 1º, da Lei nº 10.259, de 12.07.20017). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Providencie a Secretaria ao pagamento dos honorários em favor do Perito. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Exame médico-psiquiátrico, realizado para fins periciais, no dia 02 de abril de 2007, às 09hras., na Clínica do Stress Ltda., sita na BR-230 KM-09 - Praia do Jacaré - Cabedelo, Estado da Paraíba, na pessoa do Sr. José Correia Filho. Já devidamente qualificado nos autos da Ação Ordinária que promove perante a 2ª Vara - Seção judiciária da Paraíba - Contra o Instituto nacional de Seguro Social - INSS - Processo nº 2006.82.000002595-1 - Classe 29. O periciado comparece ao exame acompanhado do seu filho, Sr. Rinaldo José da Silva. Informa que há mais de 10 anos é doente de uma dor de cabeça, que, quando ataca, a cabeça quer explodir, amarra um pano na cabeça e aí não se lembra mais de nada. Apresenta atestado médico, do psiquiatra que lhe assiste, comprovando ser portador da CID - X F. 41.2 - "apresenta um forte sentimento de incapacidade laborativa". Faz tratamento com uso de Amplictil - 25 mg - duas vezes ao dia. Presente a este ato o Dr. Lautônio Júnior Loureiro, especializado em radiologia. Atualmente atuando como Perito. O Autor queixa-se de bursite. Trabalhava como mestre de obras. Há onze anos que se afastou do trabalho. Recebendo o benefício durante dois anos, foi depois "cortado". Ficou recebendo por "problemas de nervos". O periciado comparece ao exame vestido adequadamente e dentro dos seus padrões sócio-econômicos, com boa apresentação pessoal. Consciência lúcida, bem orientado auto e alopsiquicamente, normovigil e normotenaz. Não manifesta atitudes insólitas. Faz um bom relacionamento interpessoal, cooperativo. Apresentando pensamento de curso, forma e conteúdo normais. Memória para fatos recentes e remotos conservada. Nexos afetivos e volitivos preservados. Pragmatismo, senso da percepção e juízo crítico de realidade satisfatórios. Conclusão: Frente ao exposto, após um minucioso exame psiquiátrico, conclui-se que o Autor, no momento, não apresenta nenhum sinal ou sintoma de alienação mental, estando, por conseguinte, apto para o trabalho. Respostas aos quesitos do Juízo: a) O Autor, no momento, não apresenta nenhum sinal ou sintoma de alienação mental. b) Prejudicado. c) O Autor não necessita da ajuda de outras pessoas. Inexiste patologia mental, atualmente. d) Inexiste incapacidade mental, no momento. Não há necessidade de exames laboratoriais, neste caso. 3 Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos. Parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral da Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão. Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz. § 1º Quando requerido por segurado afastado da atividade por mais de 30 (trinta) dias, o auxílio-doença será devido a contar da data da entrada do requerimento. § 2º (revogado pela Lei 9.032, de 28.4.95). § 3º Durante os primeiro quinze dias consecutivos ao do afastamento da atividade por motivo de doença, incumbirá à empresa pagar ao segurado empregado o seu salário integral. § 4º A empresa que dispuser de serviço médico, próprio ou em convênio, terá a seu cargo o exame medido e o abono das faltas correspondentes ao período referido no § 3º, somente devendo encaminhar o segurado à perícia médica da Previdência Social quando a incapacidade ultrapassar 15 (quinze) dias. Art. 61. O auxílio-doença, inclusive o decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 91% (noventa e um por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei. Art. 62. O segurado em gozo de auxílio-doença, insusceptível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade. Não cessará o benefício até que seja dado como habilitado para o desempenho de nova atividade que lhe garanta a subsistência ou, quando considerado não-recuperável, for aposentado por invalidez. Art. 63. O segurado empregado em gozo de auxílio-doença será considerado pela empresa como licenciado. Parágrafo único. A empresa que garantir ao segurado licença remunerada ficará obrigada a pagar-lhe durante o período de auxílio-doença a eventual diferença entre o valor deste e a importância garantida pela licença. 4 Art. 42. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição. § 1º A concessão de aposentadoria por invalidez dependerá da verificação da condição de incapacidade mediante exame médico-pericial a cargo da Previdência Social, podendo o segurado, às suas expensas, fazer-se acompanhar de médico de sua confiança. § 2º A doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social não lhe conferirá direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão. Art. 43. A aposentadoria por invalidez será devida a partir do dia imediato ao da cessação do auxílio-doença, ressalvado o disposto nos §§ 1º, 2º e 3º deste artigo. § 1º Concluindo a perícia médica inicial pela existência de incapacidade total e definitiva para o trabalho, a aposentadoria por invalidez será devida: a) ao segurado empregado, a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade ou a partir da entrada do requerimento, se entre o afastamento e a entrada do requerimento decorrerem mais de trinta dias; b) ao segurado empregado doméstico, trabalhador avulso, contribuinte individual, especial e facultativo, a contar da data do início da incapacidade ou da data da entrada do requerimento, se entre essas datas decorrerem mais de trinta dias. § 2o Durante os primeiros quinze dias de afastamento da atividade por motivo de invalidez, caberá à empresa pagar ao segurado empregado o salário. Art. 44. A aposentadoria por invalidez, inclusive a decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei. § 2º Quando o acidentado do trabalho estiver em gozo de auxílio-doença, o valor da aposentadoria por invalidez será igual ao do auxílio-doença se este, por força de reajustamento, for superior ao previsto neste artigo. Art. 45. O valor da aposentadoria por invalidez do segurado que necessitar da assistência permanente de outra pessoa será acrescido de 25% (vinte e cinco por cento). Parágrafo único. O acréscimo de que trata este artigo: a) será devido ainda que o valor da aposentadoria atinja o limite máximo legal; b) será recalculado quando o benefício que lhe deu origem for reajustado; c) cessará com a morte do aposentado, não sendo incorporável ao valor da pensão. Art. 46. O aposentado por invalidez que retornar voluntariamente à atividade terá sua aposentadoria automaticamente cancelada, a partir da data do retorno. Art. 47. Verificada a recuperação da capacidade de trabalho do aposentado por invalidez, será observado o seguinte procedimento: I - quando a recuperação ocorrer dentro de 5 (cinco) anos, contados da data do início da aposentadoria por invalidez ou do auxílio-doença que a antecedeu sem interrupção, o benefício cessará: a) de imediato, para o segurado empregado que tiver direito a retornar à função que desempenhava na empresa quando se aposentou, na forma da legislação trabalhista, valendo como documento, para tal fim, o certificado de capacidade fornecido pela Previdência Social; ou b) após tantos meses quantos forem os anos de duração do auxílio-doença ou da aposentadoria por invalidez, para os demais segurados; II - quando a recuperação for parcial, ou ocorrer após o período do inciso I, ou ainda quando o segurado for declarado apto para o exercício de trabalho diverso do qual habitualmente exercia, a aposentadoria será mantida, sem prejuízo da volta à atividade: a) no seu valor integral, durante 6 (seis) meses contados da data em que for verificada a recuperação da capacidade; b) com redução de 50% (cinqüenta por cento), no período seguinte de 6 (seis) meses; c) com redução de 75% (setenta e cinco por cento), também por igual período de 6 (seis) meses, ao término do qual cessará definitivamente. 5CPC: Art. 461. Na ação que tenha por objeto o cumprimento de obrigação de fazer ou não fazer, o juiz concederá a tutela específica da obrigação ou, se procedente o pedido, determinará providências que assegurem o resultado prático equivalente ao do adimplemento. (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 1994) § 1o A obrigação somente se converterá em perdas e danos se o autor o requerer ou se impossível a tutela específica ou a obtenção do resultado prático correspondente. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994) § 2o A indenização por perdas e danos dar-se-á sem prejuízo da multa (art. 287). (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994) § 3o Sendo relevante o fundamento da demanda e havendo justificado receio de ineficácia do provimento final, é lícito ao juiz conceder a tutela liminarmente ou mediante justificação prévia, citado o réu. A medida liminar poderá ser revogada ou modificada, a qualquer tempo, em decisão fundamentada. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994) § 4o O juiz poderá, na hipótese do parágrafo anterior ou na sentença, impor multa diária ao réu, independentemente de pedido do autor, se for suficiente ou compatível com a obrigação, fixando-lhe prazo razoável para o cumprimento do preceito. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 1994) § 5o Para a efetivação da tutela específica ou a obtenção do resultado prático equivalente, poderá o juiz, de ofício ou a requerimento, determinar as medidas necessárias, tais como a imposição de multa por tempo de atraso, busca e apreensão, remoção de pessoas e coisas, desfazimento de obras e impedimento de atividade nociva, se necessário com requisição de força policial. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 2002) § 6o O juiz poderá, de ofício, modificar o valor ou a periodicidade da multa, caso verifique que se tornou insuficiente ou excessiva. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 2002) Art. 461-A. Na ação que tenha por objeto a entrega de coisa, o juiz, ao conceder a tutela específica, fixará o prazo para o cumprimento da obrigação. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 2002) § 1o Tratando-se de entrega de coisa determinada pelo gênero e quantidade, o credor a individualizará na petição inicial, se lhe couber a escolha; cabendo ao devedor escolher, este a entregará individualizada, no prazo fixado pelo juiz. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 2002) § 2o Não cumprida a obrigação no prazo estabelecido, expedir-se-á em favor do credor mandado de busca e apreensão ou de imissão na posse, conforme se tratar de coisa móvel ou imóvel. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 2002) § 3o Aplica-se à ação prevista neste artigo o disposto nos §§ 1o a 6o do art. 461.(Incluído pela Lei nº 10.444, de 200 Lei nº 11.232: Art. 3o O Título VIII do Livro I da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, passa a vigorar acrescido dos seguintes arts. 475-A, 475-B, 475-C, 475-D, 475-E, 475-F, 475-G e 475-H, compondo o Capítulo IX, "DA LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA": "LIVRO I ................................................................. TÍTULO VIII ................................................................. CAPÍTULO IX DA LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA Art. 475-A. Quando a sentença não determinar o valor devido, procede-se à sua liquidação. § 1o Do requerimento de liquidação de sentença será a parte intimada, na pessoa de seu advogado. § 2o A liquidação poderá ser requerida na pendência de recurso, processando-se em autos apartados, no juízo de origem, cumprindo ao liquidante instruir o pedido com cópias das peças processuais pertinentes. § 3o Nos processos sob procedimento comum sumário, referidos no art. 275, inciso II, alíneas 'd' e 'e' desta Lei, é defesa a sentença ilíquida, cumprindo ao juiz, se for o caso, fixar de plano, a seu prudente critério, o valor devido. Art. 475-B. Quando a determinação do valor da condenação depender apenas de cálculo aritmético, o credor requererá o cumprimento da sentença, na forma do art. 475-J desta Lei, instruindo o pedido com a memória discriminada e atualizada do cálculo. § 1o Quando a elaboração da memória do cálculo depender de dados existentes em poder do devedor ou de terceiro, o juiz, a requerimento do credor, poderá requisitá-los, fixando prazo de até trinta dias para o cumprimento da diligência. § 2o Se os dados não forem, injustificadamente, apresentados pelo devedor, reputar-se-ão corretos os cálculos apresentados pelo credor, e, se não o forem pelo terceiro, configurar-se-á a situação prevista no art. 362. § 3o Poderá o juiz valer-se do contador do juízo, quando a memória apresentada pelo credor aparentemente exceder os limites da decisão exeqüenda e, ainda, nos casos de assistência judiciária. § 4o Se o credor não concordar com os cálculos feitos nos termos do § 3o deste artigo, far-se-á a execução pelo valor originariamente pretendido, mas a penhora terá por base o valor encontrado pelo contador. Art. 475-C. Far-se-á a liquidação por arbitramento quando: I - determinado pela sentença ou convencionado pelas partes; II - o exigir a natureza do objeto da liquidação. Art. 475-D. Requerida a liquidação por arbitramento, o juiz nomeará o perito e fixará o prazo para a entrega do laudo. Parágrafo único. Apresentado o laudo, sobre o qual poderão as partes manifestar-se no prazo de dez dias, o juiz proferirá decisão ou designará, se necessário, audiência. Art. 475-E. Far-se-á a liquidação por artigos, quando, para determinar o valor da condenação, houver necessidade de alegar e provar fato novo. Art. 475-F. Na liquidação por artigos, observar-se-á, no que couber, o procedimento comum (art. 272). Art. 475-G. É defeso, na liquidação, discutir de novo a lide ou modificar a sentença que a julgou. Art. 475-H. Da decisão de liquidação caberá agravo de instrumento." (NR) Art. 4o O Título VIII do Livro I da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, passa a vigorar acrescido dos seguintes arts. 475-I, 475-J, 475-L, 475-M, 475-N, 475-O, 475-P, 475-Q e 475-R, compondo o Capítulo X - "DO CUMPRIMENTO DA SENTENÇA": "LIVRO I ................................................................. TÍTULO VIII ................................................................. CAPÍTULO X DO CUMPRIMENTO DA SENTENÇA Art. 475-I. O cumprimento da sentença far-se-á conforme os arts. 461 e 461-A desta Lei ou, tratando-se de obrigação por quantia certa, por execução, nos termos dos demais artigos deste Capítulo. § 1o É definitiva a execução da sentença transitada em julgado e provisória quando se tratar de sentença impugnada mediante recurso ao qual não foi atribuído efeito suspensivo. § 2o Quando na sentença houver uma parte líquida e outra ilíquida, ao credor é lícito promover simultaneamente a execução daquela e, em autos apartados, a liquidação desta. Art. 475-J. Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no art. 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. § 1o Do auto de penhora e de avaliação será de imediato intimado o executado, na pessoa de seu advogado (arts. 236 e 237), ou, na falta deste, o seu representante legal, ou pessoalmente, por mandado ou pelo correio, podendo oferecer impugnação, querendo, no prazo de quinze dias. § 2o Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação, por depender de conhecimentos especializados, o juiz, de imediato, nomeará avaliador, assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo. § 3o O exeqüente poderá, em seu requerimento, indicar desde logo os bens a serem penhorados. § 4o Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto no caput deste artigo, a multa de dez por cento incidirá sobre o restante. § 5o Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses, o juiz mandará arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. Art. 475-L. A impugnação somente poderá versar sobre: I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; II - inexigibilidade do título; III - penhora incorreta ou avaliação errônea; IV - ilegitimidade das partes; V - excesso de execução; VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença. § 1o Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. § 2o Quando o executado alegar que o exeqüente, em excesso de execução, pleiteia quantia superior à resultante da sentença, cumprir-lhe-á declarar de imediato o valor que entende correto, sob pena de rejeição liminar dessa impugnação. Art. 475-M. A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir-lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. § 1o Ainda que atribuído efeito suspensivo à impugnação, é lícito ao exeqüente requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando caução suficiente e idônea, arbitrada pelo juiz e prestada nos próprios autos. § 2o Deferido efeito suspensivo, a impugnação será instruída e decidida nos próprios autos e, caso contrário, em autos apartados. § 3o A decisão que resolver a impugnação é recorrível mediante agravo de instrumento, salvo quando importar extinção da execução, caso em que caberá apelação. Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: I - a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer, não fazer, entregar coisa ou pagar quantia; II - a sentença penal condenatória transitada em julgado; III - a sentença homologatória de conciliação ou de transação, ainda que inclua matéria não posta em juízo; IV - a sentença arbitral; V - o acordo extrajudicial, de qualquer natureza, homologado judicialmente; VI - a sentença estrangeira, homologada pelo Superior Tribunal de Justiça; VII - o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal. Parágrafo único. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução, conforme o caso. Art. 475-O. A execução provisória da sentença far-se-á, no que couber, do mesmo modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: I - corre por iniciativa, conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os danos que o executado haja sofrido; II - fica sem efeito, sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução, restituindo-se as partes ao estado anterior e liquidados eventuais prejuízos nos mesmos autos, por arbitramento; III - o levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ao executado dependem de caução suficiente e idônea, arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos. § 1o No caso do inciso II do deste artigo, se a sentença provisória for modificada ou anulada apenas em parte, somente nesta ficará sem efeito a execução. § 2o A caução a que se refere o inciso III do caput deste artigo poderá ser dispensada: I - quando, nos casos de crédito de natureza alimentar ou decorrente de ato ilícito, até o limite de sessenta vezes o valor do salário-mínimo, o exeqüente demonstrar situação de necessidade; II - nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art. 544), salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar risco de grave dano, de difícil ou incerta reparação. § 3o Ao requerer a execução provisória, o exeqüente instruirá a petição com cópias autenticadas das seguintes peças do processo, podendo o advogado valer-se do disposto na parte final do art. 544, § 1o: I - sentença ou acórdão exeqüendo; II - certidão de interposição do recurso não dotado de efeito suspensivo; III - procurações outorgadas pelas partes; IV - decisão de habilitação, se for o caso; V - facultativamente, outras peças processuais que o exeqüente considere necessárias. Art. 475-P. O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: I - os tribunais, nas causas de sua competência originária; II - o juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição; III - o juízo cível competente, quando se tratar de sentença penal condenatória, de sentença arbitral ou de sentença estrangeira. Parágrafo único. No caso do inciso II do caput deste artigo, o exeqüente poderá optar pelo juízo do local onde se encontram bens sujeitos à expropriação ou pelo do atual domicílio do executado, casos em que a remessa dos autos do processo será solicitada ao juízo de origem. Art. 475-Q. Quando a indenização por ato ilícito incluir prestação de alimentos, o juiz, quanto a esta parte, poderá ordenar ao devedor constituição de capital, cuja renda assegure o pagamento do valor mensal da pensão. § 1o Este capital, representado por imóveis, títulos da dívida pública ou aplicações financeiras em banco oficial, será inalienável e impenhorável enquanto durar a obrigação do devedor. § 2o O juiz poderá substituir a constituição do capital pela inclusão do beneficiário da prestação em folha de pagamento de entidade de direito público ou de empresa de direito privado de notória capacidade econômica, ou, a requerimento do devedor, por fiança bancária ou garantia real, em valor a ser arbitrado de imediato pelo juiz. § 3o Se sobrevier modificação nas condições econômicas, poderá a parte requerer, conforme as circunstâncias, redução ou aumento da prestação. § 4o Os alimentos podem ser fixados tomando por base o salário-mínimo. § 5o Cessada a obrigação de prestar alimentos, o juiz mandará liberar o capital, cessar o desconto em folha ou cancelar as garantias prestadas. Art. 475-R. Aplicam-se subsidiariamente ao cumprimento da sentença, no que couber, as normas que regem o processo de execução de título extrajudicial." (NR) Art. 8o Esta Lei entra em vigor 6 (seis) meses após a data de sua publicação. 6CPC: Art. 730. Na execução por quantia certa contra a Fazenda Pública, citar-se-á a devedora para opor embargos em 10 (dez) dias; se esta não os opuser, no prazo legal, observar-se-ão as seguintes regras: (Vide Lei nº 9.494, de 10.9.1997) I - o juiz requisitará o pagamento por intermédio do presidente do tribunal competente; II - far-se-á o pagamento na ordem de apresentação do precatório e à conta do respectivo crédito. Art. 731. Se o credor for preterido no seu direito de preferência, o presidente do tribunal, que expediu a ordem, poderá, depois de ouvido o chefe do Ministério Público, ordenar o seqüestro da quantia necessária para satisfazer o débito. Lei nº 11.232: Art. 5o O Capítulo II do Título III do Livro II da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, passa a ser denominado "DOS EMBARGOS À EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA" e seu art. 741 passa a vigorar com a seguinte redação: "LIVRO II ................................................................. TÍTULO III ................................................................. CAPÍTULO II DOS EMBARGOS À EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA Art. 741. Na execução contra a Fazenda Pública, os embargos só poderão versar sobre: I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; ................................................................. V - excesso de execução; VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença; ................................................................. Parágrafo único. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. ................................................................." (NR) 7 Art. 17. Tratando-se de obrigação de pagar quantia certa, após o trânsito em julgado da decisão, o pagamento será efetuado no prazo de sessenta dias, contados da entrega da requisição, por ordem do Juiz, à autoridade citada para a causa, na agência mais próxima da Caixa Econômica Federal ou do Banco do Brasil, independentemente de precatório. § 1o Para os efeitos do § 3o do art. 100 da Constituição Federal, as obrigações ali definidas como de pequeno valor, a serem pagas independentemente de precatório, terão como limite o mesmo valor estabelecido nesta Lei para a competência do Juizado Especial Federal Cível (art. 3o, caput). § 2o Desatendida a requisição judicial, o Juiz determinará o seqüestro do numerário suficiente ao cumprimento da decisão. § 3o São vedados o fracionamento, repartição ou quebra do valor da execução, de modo que o pagamento se faça, em parte, na forma estabelecida no § 1o deste artigo, e, em parte, mediante expedição do precatório, e a expedição de precatório complementar ou suplementar do valor pago. § 4o Se o valor da execução ultrapassar o estabelecido no § 1o, o pagamento far-se-á, sempre, por meio do precatório, sendo facultado à parte exeqüente a renúncia ao crédito do valor excedente, para que possa optar pelo pagamento do saldo sem o precatório, da forma lá prevista. ?? ?? ?? ?? 11 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL

   

0003445-83.2003.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, RAFAEL ALMEIDA DE HOLANDA, PABLO DAYAN TARGINO BRAGA, MARIA JOSE DA SILVA) x BELLUS REPRESENTACOES LTDA (Adv. ANTONIO KLEBER CABRAL E SANTOS)

Decorrido o prazo de suspensão determinado à fl. 2401, sem manifestação, dê-se vista a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT, para, em 05 (cinco) dias, requerer o que entender de direito com vista à continuidade e celeridade processual. Publique-se. JPA,... 1 "Defiro a suspensão do processo requerido pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT à fl. 238, pelo prazo de 180 (cento e oitenta) dias. Agende-se na Planilha de Ações Diversas Suspensas. Publique-se." ?? ?? ?? ??

   

0005136-30.2006.4.05.8200 MUNICÍPIO DE GURINHÉM-PB (Adv. WELLINGTON GUEDES DE CARVALHO SEGUNDO, REINALDO DE OLIVEIRA DUTRA, FABRICIO BELTRÃO DE BRITTO, GUSTAVO DE OLIVEIRA DELFINO) x MUNICÍPIO DE GURINHÉM-PB (Adv. WELLINGTON GUEDES DE CARVALHO SEGUNDO, REINALDO DE OLIVEIRA DUTRA) x UNIAO (TCU) (Adv. ERIVAN DE LIMA) x UNIAO (TCU) (Adv. SEM PROCURADOR)

D E S P A C H O Recebo a apelação nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC1). Vista ao apelado para contra-arrazoar no prazo de 15 (quinze) dias (art.508, caput, do CPC2 c/c art. 518, caput, do CPC3). Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Publique-se. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 "Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: I - homologar a divisão ou a demarcação; II - condenar à prestação de alimentos; III - julgar a liquidação de sentença; IV - decidir o processo cautelar; V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes; VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela". 2 "Art. 508. Na apelação, nos embargos infringentes, no recurso ordinário, no recurso especial, no recurso extraordinário e nos embargos de divergência, o prazo para interpor e para responder é de quinze (15) dias". 3 "Art. 518. Interposta a apelação, o juiz, declarando os efeitos em que a recebe, mandará dar vista ao apelado para responder". ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 2 de 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0006523-46.2007.4.05.8200 BANI FERNANDES DE ALMEIDA E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Tendo em vista a extemporaneidade da contestação apresentada pelo INSS (fls. 71/79), mantenha-se nos autos na qualidade de memorial. Abra-se vista aos autores dos documentos novos às fls. 81/183. P.

   

0006800-62.2007.4.05.8200 SEVERINA DO RAMO BARBOSA E OUTROS (Adv. ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS, HÉRCIO FONSECA DE ARAUJO, SAMMIRA FERNANDES DE OLIVEIRA SILVA) x HELENO AVELINO BARBOSA x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.6800-0 - CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: HELENO AVELINO BRABOSA ADVOGADOS: SAMMIRA FERNANDES DE OLIVEIRA SILVA, ARLINETI MARIA LINS, ANDRÉ COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA E HÉRCIO FONSECA DE ARAÚJO RÉ: UNIÃO PROCURADOR: BENEDITO HONÓRIO DA SILVA S E N T E N Ç A1 No despacho que proferi às fls. 32, determinei a intimação da advogada do Autor para assinar o termo de substabelecimento e reservei-me para apreciar o pedido de antecipação da tutela após a reposta da União, nos seguintes termos: "Cuida-se de Ação Ordinária movida por Heleno Avelino Barbosa em face da União, com pedido de antecipação da tutela visando ao restabelecimento do pagamento de aposentadoria. O Autor afirma o seguinte: 1) Em junho de 1978, foi aposentado no cargo de Agente de Portaria do antigo Instituto do Açúcar e Álcool, e, posteriormente, os proventos da aposentadoria passaram a ser pagos pelo Ministério da Fazenda. 2) Tendo em vista que percebia, igualmente, pensão de ex-combatente paga pelo Exército, a União suspendeu o pagamento da aposentadoria. Sustenta o direito à percepção da aposentadoria juntamente com a pensão de ex-combatente, nos termos do artigo 53, inciso II, do ADCT/CF/1988. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 17/25). É o relatório. Decido. 1) Defiro o pedido de gratuidade judiciária (Lei nº 1.060, de 1950). 2) Intime-se a Drª Sammira Fernandes de Oliveira Silva para, no prazo de cinco dias, assinar o termo de substabelecimento de fls. 25. 3) Reservo-me para apreciar o pedido de antecipação da tutela após a resposta da União, que deverá vir instruída com cópia integral do processo administrativo de suspensão (ou cancelamento) da aposentadoria em discussão (fls. 23). 4) Cumprido o item 2, cite-se a União. João Pessoa, 23 AGO 2007." A Secretaria certificou que a advogada do Autor assinou o termo de substabelecimento (fls. 34). A União apresentou contestação, acompanhada de documentos, afirmando que, na via administrativa, facultou-se o direito de opção, tendo o Autor optado pela pensão especial de ex-combatente, e, em conseqüência, houve a suspensão do pagamento da aposentadoria a cargo do Ministério da Fazenda, haja a vista a impossibilidade de acumulação de proventos dos dois benefícios (fls. 36/73). O Autor impugnou a contestação reiterando os termos da petição inicial (fls. 78/83). É o relatório. Decido. Examino, conjuntamente, o pedido de antecipação da tutela (restabelecimento do pagamento de aposentadoria estatutária no cargo de Agente de Portaria do Ministério da Fazenda) com o de mérito (restabelecimento do pagamento de aposentadoria estatutária no cargo de Agente de Portaria do Ministério da Fazenda cumulativamente com a pensão especial de ex-combatente e o pagamento dos valores retorativos da aposentadoria estatutária, respeitada a prescrição qüinqüenal). O Autor nasceu em 15.10.1918 e, através da Portaria nº 107, de 22.06.1978, da Presidência do antigo Instituto do Açúcar e Álcool - IAA, obteve a aposentadoria estatutária no cargo de Agente de Portaria (fls. 21). Com a extinção do IAA, a aposentadoria passou a ser paga pelo Ministério da Fazenda. O Exércio concedeu ao Autor a pensão especial de ex-combatente, conforme Títruilo de Pensão Especial nº 432-SIP/7, de 03.09.1997, da Chefia do Serviço de Inativos e Penionistas, com efeitos retroativos a janeiro de 1996 (fls. 19). O Ministério da Fazenda cancelou o pagamento da aposentadoria estatutária a partir de novembro de 1996, em face do Ofício nº 624 SIP/JPA.5, de 24.09.1996, da Chefia da 23ª Circunscrição do Serviço Militar, comunicando que o Autor havia feito a opção pela pensão erspecial de ex-combatente, a qual seria inacumulável com a aposentadoria (fls. 68 e 72/73). Nos termos do artigo 53, inciso II, do ADCT/CF/1988, a pensão de ex-combatente é acumulável com outro(s) benefício(s) previdenciário(s)2, seja(m) ele(s) concedido(s) no âmbito do Regime Geral da Previdência Social ou no regime previdenciário do servidor público. Da mesma forma, o artigo 4º da Lei nº 8.059, de 19903, e a orientação do Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça4, de modo que o Autor faz juz à percepção da aposentadoria estatutária cumulativamente com a pensão de ex-combatente. ISTO POSTO: 1) Presentes os requisitos do artigo 273 do CPC, concedo a tutela antecipada e determino à União que proceda ao restabelecimento do pagamento da aposentadoria estatutária em favor do Autor, no cargo de Agente de Portaria, no prazo de 30 (trinta) dias, contado da intimação da sentença. 2) Julgo procedente o pedido e condeno a União ao restabelecimento da aposentadoria estutuária em favor do Autor e ao pagamento dos valores da aposentadoria nos cinco anteriores ao ajuizamento da presente Ação Ordinária até o efetivo restabelecimento, devidamente corrigidos e acrescidos de juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação. Condeno a União ao pagamento da verba honorária à base de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Sem condenação em custas processuais, à míngua de adiantamento decorrente da concessão da gratuidade judiciária (fls. 32). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. Ao ex-combatente que tenha efetivamente participado de operações bélicas durante a Segunda Guerra Mundial, nos termos da Lei nº 5.315, de 12 de setembro de 1967, serão assegurados os seguintes direitos: I - aproveitamento no serviço público, sem a exigência de concurso, com estabilidade; II - pensão especial correspondente à deixada por segundo-tenente das Forças Armadas, que poderá ser requerida a qualquer tempo, sendo inacumulável com quaisquer rendimentos recebidos dos cofres públicos, exceto os benefícios previdenciários, ressalvado o direito de opção; III - em caso de morte, pensão à viúva ou companheira ou dependente, de forma proporcional, de valor igual à do inciso anterior; IV - assistência médica, hospitalar e educacional gratuita, extensiva aos dependentes; V - aposentadoria com proventos integrais aos vinte e cinco anos de serviço efetivo, em qualquer regime jurídico; VI - prioridade na aquisição da casa própria, para os que não a possuam ou para suas viúvas ou companheiras. Parágrafo único. A concessão da pensão especial do inciso II substitui, para todos os efeitos legais, qualquer outra pensão já concedida ao ex-combatente. 3 Art. 4º A pensão é inacumulável com quaisquer rendimentos percebidos dos cofres públicos, exceto os benefícios previdenciários. § 1º O ex-combatente, ou dependente legalmente habilitado, que passar a receber importância dos cofres públicos perderá o direito à pensão especial pelo tempo em que permanecer nessa situação, não podendo a sua cota-parte ser transferida a outros dependentes. § 2º Fica assegurado ao interessado que perceber outros rendimentos pagos pelos cofres públicos o direito de optar pela pensão ou por esses rendimentos. 4 "EMENTA: - Recurso extraordinário. 2. Ex-combatente. 3. Pensão especial prevista no art. 53, II, do Ato das Disposições Transitórias da Constituição de 1988. 4. A referida pensão especial é acumulável com benefício previdenciário. 5. Reveste-se da natureza de benefício previdenciário a aposentadoria de servidor público. 6. Mandado de segurança deferido. 7. Acórdão que se mantém. 8. Recurso extraordinário não conhecido, em conformidade com parecer da Procuradoria-Geral da República." (RE nº 236902-DF, Relator Ministro Néri da Silveira, STF, DJU de 01.10.1999, p.53) (grifei) "CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO - PROCESSO CIVIL - RECURSO ESPECIAL - SERVIDOR PÚBLICO - EX-COMBATENTE - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - ART. 535, II, DO CPC - VIOLAÇÃO INEXISTENTE - CUMULAÇÃO DE APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO E PENSÃO ESPECIAL - POSSIBILIDADE - ART. 53, II, DO ADCT - DISSÍDIO PRETORIANO NÃO COTEJADO. 1 - Esta Turma tem entendido, reiteradamente, que, a teor do art. 255 e parágrafos, do RISTJ, para comprovação e apreciação da divergência jurisprudencial, devem ser mencionadas e expostas as circunstâncias que identificam ou assemelham os casos confrontados, bem como juntadas cópias integrais de tais julgados ou, ainda, citado repositório oficial de jurisprudência. Inocorrendo isto na espécie, não conheço da divergência aventada. 2 - Não há violação ao art. 535, do Código de Processo Civil, quando o v. acórdão embargado apreciou a matéria trazida na apelação, segundo sua ótica, encerrando, assim, a prestação jurisdicional. 3 - Reveste-se da natureza de benefício previdenciário a aposentadoria do servidor público (cf. STF, RE nº 236.902/DF, Rel. Min. NÉRI DA SILVEIRA). Assim, a teor do art. 53, II, do ADCT, pode-se cumular a pensão especial concedida a ex-combatente, correspondente à deixada por segundo-tenente das Forças Armadas, com a aposentadoria por tempo de serviço, porquanto a norma constitucional excetuou os benefícios previdenciários da inacumulatividade. 3 - Precedentes (STF, RE nº 236.902/DF e STJ, MS nº 3.265/DF). 4 - Recurso conhecido nos termos acima expostos e, neste aspecto, desprovido." (REsp nº 494816-PE, Relator Ministro Jorge Scartezzini, STJ, DJU de 16.06.2003, p. 390) (grifei) ?? ?? ?? ?? 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL

   

0007805-22.2007.4.05.8200 AILTON WLISSES DO NASCIMENTO E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Recebo a apelação nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC). Vista aos apelados para contra-arrazoarem no prazo de 15 (quinze) dias (art.508, caput, do CPC c/c art. 518, caput, do CPC). Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. P.

   

0010807-68.2005.4.05.8200 JOSE LUIS MATOS FERREIRA DA SILVA E OUTRO (Adv. BENJAMIN DE SOUZA FONSECA SOBRINHO, MARIA DE FATIMA AMARAL DA SILVA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Pagar Quantia Certa - Art. 730 do C.P.C. - Título Judicial transitado em julgado, instruído com a Memória do Cálculo] Contra a Fazenda Pública. Defiro a juntada do substabelecimento de fl. 154. Cite-se o(a) UNIÃO para opor Embargos no prazo de 30 (trinta) dias ou para manifestar concordância com os cálculos apresentados. À Distribuição para conversão à classe própria (execução de sentença), nos termos das Resoluções do Conselho da Justiça Federal nºs 317/2003, 328/2003 e 398/2004, e do Provimento nº 22/2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, bem como para correções com base no substabelecimento de fl. 154.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0008394-82.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO) x CICERO DE ANDRADE SILVA E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

Decorrido o prazo de suspensão determinado à fl. 122, sem manifestação, dê-se vista a CAIXA, para, em 05 (cinco) dias, requerer o que entender de direito com vista à continuidade e celeridade processual. Publique-se. JPA,... ?? ?? ?? ??

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

   

0004376-47.2007.4.05.8200 DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO (Adv. DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO POLLASTRINI) x BANCO DO BRASIL S/A E OUTROS

PROCESSO N. 2007.82.00.004376-3 AÇÃO CIVIL PÚBLICA AUTORA: Defensoria Pública da União RÉ: Caixa Econômica Federal Juiz Federal Substituto ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU S E N T E N Ç A1 I - RELATÓRIO Tratam os presentes autos de AÇÃO CIVIL PÚBLICA promovida pela DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO, por sua representação no Estado da Paraíba, em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, do Banco do Brasil S/A, do HSBC Bank Brasil S/A, do Banco do Nordeste do Brasil S/A, do Banco Itaú S/A e do Banco Bradesco S/A, pugnando, ao final e no mérito, pela condenação dos réus na aplicação dos índices referentes ao IPC de junho de 1987 (Plano Bresser), IPC de janeiro de 1989 e IPC de fevereiro de 1989 (Plano Verão), com os respectivos acessórios, aos saldos existentes em conta-poupança nos referidos períodos em benefício de todos os respectivos titulares atingidos pelos mencionados planos econômicos. Decisão do MM Juiz Federal Alexandre Costa de Luna Freire (fls. 18/31) indeferindo a petição inicial em relação aos réus Banco do Brasil S/A, HSBC Bank Brasil S/A, Banco do Nordeste do Brasil S/A, Banco Itaú S/A e Banco Bradesco S/A em por ilegitimidade ativa da Defensoria Pública da União, bem como negando conhecimento ao pedido de medida cautelar. Na mesma decisão, determinou a publicação de edital para os fins dos arts. 94 e 104 do CDC, bem como determinou a citação da ré, Caixa Econômica Federal. Contestação da Caixa Econômica Federal (fls. 39/71). Na contestação, a CAIXA alegou preliminares de a) inadequação da via processual eleita, em razão da não caracterização da presença de direitos difusos ou coletivos; b) inépcia da inicial por impossibilidade jurídica do pedido; c) ilegitimidade ativa da parte autora; bem como d) prejudicial de prescrição. No mérito, pugnando pelo julgamento de improcedência dos pedidos, levantou os seguintes pontos: descaracterização do poupador como consumidor e, pois, a inaplicabilidade do CDC ao caso concreto; ausência de direito adquirido à aplicação dos índices pretendidos; inexistência de expurgos; ausência de ato ilícito da CEF; e a impossibilidade de inversão do ônus da prova. Devidamente intimado, com vista pessoal dos autos, para impugnar a contestação (fls. 75 e 76), a Defensoria Pública da União não ofereceu impugnação. Parecer do MPF (fls. 90/95) pelo não acolhimento das preliminares e pelo julgamento de procedência do pedido. Declaração de suspeição por motivo de foro íntimo do MM Juiz Federal Alexandre Costa de Luna Freire (fl. 96). É o relatório. DECIDO. II - FUNDAMENTAÇÃO II. 1 - EXAME DAS PRELIMINARES a) PRELIMINAR: inadequação da via processual eleita - não caracterização da presença de direitos difusos ou coletivos A ré levanta questão preliminar de inadequação da via eleita, alegando que a causa de pedir apresentada pela autora não caracteriza direitos ou interesses difusos e coletivos. Aduz que a ação civil pública não poderia ser manejada para a defesa de direitos individuais, como ocorre no caso, mas apenas para os já mencionados direitos de natureza transindividual. Acrescenta que os direitos defendidos pela ACP em exame não seria indisponíveis, de modo que se mostraria incabível a utilização da via eleita pela autora. Concordo com a ré de que os direitos pleiteados pela autora não são difusos nem coletivos. São individuais, pois não apresentam uma dimensão de transindividualidade ou indivisibilidade, sendo de fruição possível por cada um dos beneficiários. São também homogêneos, pois decorrentes de origem comum (planos econômicos), segundo a conceituação do art. 81, parágrafo único, inciso III, do CDC. Finalmente, são direitos faticamente disponíveis, pois cada beneficiário poderia, simplesmente, a eles renunciar. A questão que se coloca, neste passo, é sua configuração como direitos inerentes ao consumidor. Embora no momento do mérito a ré conteste a qualidade do poupador como consumidor e, portanto, a aplicação do CDC ao caso vertente, tenho que a relação entre o banco e os poupadores constitui relação de consumo, tornando aplicáveis todas as normas que tratam da proteção ao consumidor2. Os direitos inerentes ao consumidor e às relações de consumo, mesmo quando apresentem natureza patrimonial (sendo, portanto, faticamente disponíveis), são juridicamente indisponíveis para efeito de sua defesa coletiva pelos legitimados legais e em prol da ampliação do acesso à justiça. É exatamente por esse motivo que, detectado o fornecimento a menor de certo produto para grande massa de consumidores, em quantidade que não justifique o interesse de agir na defesa individual, embora cada consumidor possa renunciar a seu direito de pleitear a reparação, ainda assim poderá haver a propositura de uma ação coletiva de ressarcimento. Nesse caso, o direito é individual (fruível individualmente) homogêneo (origem comum: fornecimento de produto com quantidade inferior à anunciada) decorrente de uma relação de consumo. A natureza indisponível do direito advém diretamente da configuração da relação de consumo e tem como objetivo a viabilização da defesa coletiva pelos instrumentos hauridos da combinação entre a Lei da Ação Civil Pública e o Código de Defesa do Consumidor. É farta a jurisprudência nesse sentido3. De acordo com esses fundamentos, por entender ter sido adequada a utilização da ação civil pública pela parte autora, rejeito a preliminar. b) PRELIMINAR: inépcia da petição inicial por impossibilidade jurídica do pedido A CEF alega ter aplicado rigorosamente as normas definidas pelo Conselho Monetário Nacional e pelo Banco Central do Brasil. Diante disso, argumenta que se a autora entende incorretos os cálculos, seu pedido deveria se voltar contra as entidades que expediram as referidas normas. Conclui a contestante que, como não pode fazer absolutamente nada contra ditas normas, ou mesmo contra o que vier a determinar a União, o pedido exordial seria impossível e inepta seria, pois, a petição inicial. Ocorre que a autora não contesta os cálculos decorrentes das normas expedidas como instrumento dos planos econômicos. Contesta, sim, a exatidão da aplicação dessas normas pela CEF. Sendo assim, não pretende a parte autora providência judicial que demande alteração no conteúdo das referidas normas, nem tampouco qualquer ato ou fato de cumprimento pela União, pelo CMN ou pelo BACEN. A providência requerida - de aplicação dos índices corretos - é endereçada corretamente à CAIXA, sendo juridicamente possível o pedido4. Assim sendo, rejeito a preliminar. c) PRELIMINAR: ilegitimidade ativa da Defensoria Pública da União A contestante alega que a promoção de ação civil pública com o objeto da presente lide não se inseriria no rol de atribuições constitucionais da Defensoria Pública da União, uma vez que não se enquadraria como "assistência jurídica aos necessitados". Afirma que não seriam necessitados aqueles que tivessem condições de ter poupança, e principalmente aqueles que, atualmente, estão demandando pelos expurgos com advogados privados. Pede, assim, o reconhecimento da ilegitimidade ativa da Defensoria Pública da União. No entanto, a Lei n. 11.448, de 15 de janeiro de 2007, incluiu a Defensoria Pública no rol de legitimados ativos para a propositura da ação civil pública, precisamente no art. 5º, II, da Lei n. 7.347/85. A lei não condicionou a legitimação ativa da Defensoria à demonstração de qualquer pertinência temática, como fez com as associações (art. 5º, V, "b"), de modo que sua legitimação surge tão ampla quanto à conferida ao Ministério Público e às entidades integrantes do inciso III do art. 5º. Conseqüência disso é que cai por terra completamente o argumento de que a Defensoria Pública somente poderia ingressar com ações se em "assistência jurídica aos necessitados". Repito: a lei não prevê a exigência de existência e demonstração de qualquer pertinência temática para a legitimidade ativa da Defensoria Pública na promoção de ação civil pública. O Tribunal Regional da 4ª Região já se manifestou positivamente sobre a legitimidade da Defensoria Pública para a promoção de ação civil pública5. Pelo exposto, rejeito a preliminar. d) PREJUDICIAL: prescrição da pretensão deduzida em juízo - prazo qüinqüenal Alega a contestante que a pretensão deduzida na inicial estaria prescrita, eis que passados cinco anos da data em que as ações poderiam ser propostas. Sustenta que seria aplicável, ao caso, o art. 178, §10, III, do Código Civil então vigente, que dispõe prescrever em cinco anos "os juros ou quaisquer outras prestações acessórias pagáveis anualmente, ou em períodos mais curtos". A questão da prescrição já foi superada nos tribunais superiores. A partir do entendimento de que os acessórios do capital depositados em conta poupança se agregam ao principal, assumindo dessa forma a condição de principal, a pretensão sobre os valores decorrentes da aplicação dos pretendidos índices somente prescreveria em vinte anos, ficando afastada a alegada prescrição qüinqüenal. É nesse sentido a jurisprudência pacífica do STJ6. Considerando que a pretensão se limita a valores compreendidos no prazo de vinte anos anteriores à propositura da ação, e tendo sido eficientemente interrompida a prescrição pela citação da parte ré, rejeito a prejudicial. II. 2 - EXAME DO MÉRITO Examinando o mérito da demanda, precisamente a causa de pedir e o pedido, chego à conclusão de que assiste parcial razão à autora. No que concerne aos fatos alegados como base da causa de pedir, entendo que as alegações da parte autora dispensam a produção de prova quanto à existência de uma imensa gama de titulares de contas-poupança nos anos de 1987 e 1989, os quais sofreram os efeitos dos planos econômicos (Plano Bresser e Plano Verão). O conteúdo desses planos econômicos também não depende de qualquer prova material. Em vista disso, chega-se à ilação de que os saldos existentes nas referidas contas deveriam ser reajustados segundo determinadas regras. A aplicação dessas regras de correção monetária apareceu como um procedimento praticamente uniforme seguido por todas as instituições bancárias na época. A divergência entre aquilo que foi aplicado pelos bancos (segundo uma interpretação) e aquilo que os juízes e tribunais, especialmente o STJ e o STF, entenderam que deveria ser aplicado (segundo outra interpretação) também não depende de prova. Todos os dados que mencionei até agora constituem fatos notórios, que dispensam completamente a produção de prova, ou produto de mero raciocínio, que independe de prova por sua própria natureza. Seguindo a linha de raciocínio: a existência das contas-poupança, gerando a necessidade de aplicação de determinado índice de correção, culminou na contestação do índice realmente aplicado, resultando numa imensa massa de ações e na consolidação, pelos tribunais, de um entendimento acerca dos índices de correção que deveriam ser aplicados. Nada disso depende de prova. Chegando à questão de quais os índices a serem aplicados por força do Plano Bresser em junho de 1987 e do Plano Verão nos meses de janeiro e fevereiro de 1989, sustenta a autora que seriam, respectivamente, de 26,06% (IPC - junho/87), 42,72% (IPC - janeiro/89) e 10,14% (IPC - fevereiro/89). De acordo com esse entendimento, pede a demandante que a ré seja condenada a aplicar aos saldos das cadernetas de poupança, nos citados meses, a diferença positiva entre esses índices e os que houveram sido, na época, realmente aplicados. A questão já foi ampla e exaustivamente debatida nos tribunais. Em resumo, no caso do Plano Bresser, considerando que o advento da Resolução BACEN n. 1338 se deu em 16/06/1987, alterando o índice de correção das poupanças, entendeu-se que as contas com aniversário antes dessa data deveriam ser reajustadas pela regra anterior, ou seja, Resolução BACEN n. 1265, de 26/02/1987. Teriam, portanto, direito adquirido ao reajuste pela regra vigente ao tempo do aniversário, que marcaria o início do período de aquisição. Teria aplicação, portanto, o IPC de junho/87 (26,06%). Da mesma forma, no caso do Plano Verão, os depósitos constantes das cadernetas de poupança até dezembro de 1988 vinham sendo corrigidos pela variação da OTN, consoante dispunha a Resolução BACEN n. 1396/87. A Medida Provisória n. 32, de 15/01/1989, posteriormente convertida na Lei n. 7730/89, extinguiu a OTN e modificou os critérios de correção monetária da poupança. Aplicando a mesma ratio do Plano Bresser, as poupanças com aniversário antes da MP n. 32/89 haveriam de ser reajustadas pela regra anterior, aplicando-se o IPC de janeiro/89 (42,72%). Finalmente, ainda sobre o Plano Verão, o índice aplicável em fevereiro de 1989 (IPC de fevereiro/89 - 10,14%) decorreria, segundo a autora, da sistemática de cálculo adotada na Lei n. 7730/89, em que se converteu a MP n. 32/89. Conforme falei, juízes e tribunais se debruçaram exaustivamente sobre o assunto, ficando consolidado na jurisprudência brasileira o entendimento de serem devidos exatamente os índices pleiteados na peça vestibular, quais sejam, 26,06% em junho/87, 42,72% em janeiro/89 e 10,14% em fevereiro/897. A questão da aplicação dos referidos índices na correção dos saldos das contas-poupança existentes nos meses de junho/87, janeiro/89 e fevereiro/89, com a especificação de que tenham sido contratadas ou renovadas até o respectivo dia 15 do mês, não pode ser discutida ou mesmo contestada, assistindo à autora, nesse particular, integral razão. Quanto à incidência de juros remuneratórios sobre as diferenças apuradas, entendo que os poupadores fazem jus à remuneração do capital nos termos estipulados no contrato. Se a apuração da diferença de índices resulta na atualização de um capital não remunerado, parece-me óbvio que a mesma taxa de juros (para remuneração do capital) deva ser aplicada, segundo contratado pela instituição bancária. Trata-se, aliás, de matéria já expressamente decidida pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região8. No pertinente à incidência de juros moratórios de 1,0% a.m., entendo que são devidos, nos termos dos arts. 405 e 406 do Código Civil, sendo nessa linha a jurisprudência dos tribunais9. Friso, neste momento, o aspecto de que não se está a discutir na presente demanda qualquer pleito de indenização por ato ilícito praticado pela CEF. Não se trata de responsabilidade civil aquiliana (indenização por danos materiais). O pedido contido na petição inicial se refere a uma obrigação de fazer com conseqüências patrimoniais, importando numa obrigação de pagar quantia certa. Concentra-se, precisamente, na alegação de descumprimento do contrato entre os poupadores e o banco. Seria, portanto, um ato ilícito contratual, para cuja prática basta o simples inadimplemento. Por esse motivo, afastando a figura da responsabilidade extracontratual e dando o devido lugar à questão, no âmbito da responsabilidade pelo cumprimento do contrato, não socorre a contestante o argumento de inexistência de ato ilícito por si praticado. Ocorre que, na petição inicial, a demandante requer providências que indicam sua vontade de promover a liquidação e execução individual em relação a cada um dos possíveis beneficiários na ACP proposta. Aqui, confunde a autora a defesa coletiva de um direito individual homogêneo - onde assume a posição de substituta processual na persecução de uma condenação genérica - com a liquidação e execução individual do título respectivamente obtido. No segundo caso, a autora deve investir-se na posição de representante processual, para o que seria indispensável expressa autorização dos beneficiários. Relembro aqui o entendimento por mim acima esposado sobre a legitimidade da Defensoria Pública para a promoção de ação civil pública para defesa de direito individual homogêneo baseado em relação de consumo. Trata-se de direito individual faticamente disponível, mas juridicamente indisponível para efeito de legitimidade e interesse processual. Ocorre que - no específico caso dos autos - se a condenação genérica perseguida pela ação coletiva de conhecimento se afina com essa compreensão de indisponibilidade para efeito de legitimidade e interesse, a liquidação e a execução (dada a disponibilidade fática dos direitos) são individuais por natureza. Legitimidade e interesse somente poderiam se manter nas mãos da parte autora (repito: no caso específico dos autos, dada a disponibilidade fática dos direitos) em duas hipóteses: a) em caso de representação processual (pelo que abandonaria a posição de substituto processual), a partir da autorização expressa dos beneficiários, e b) na hipótese do "fluid recovery", quando o produto da liquidação e da execução seria revertido para um fundo destinado à recuperação dos bens lesados. Sendo assim, não tenho como deferir à demandante seus pedidos relativos à produção de provas, apresentação dos extratos de conta-poupança, prova pericial etc., pois tudo isso gira em torno do direito que cada beneficiário tem de liquidar e executar o título obtido com a condenação genérica. Tratando-se de direitos individuais patrimoniais disponíveis (embora calcados em relação de consumo), os beneficiários podem simplesmente optar por não liquidar e executar o título, renunciando tacitamente ao direito. Força é admitir que ação alguma da Defensoria Pública, por mais bem intencionada que esteja, poderá se opor a isso, de modo que a liquidação e a execução individual em relação a cada um dos beneficiários deverão ser manejadas exclusivamente por eles, no exercício de seu direito constitucional de ação. Para finalizar, ainda alguns pontos devem ser analisados. Quanto à eficácia territorial da presente sentença, entendo que deva limitar-se ao território da Seção Judiciária do Estado da Paraíba. De fato, considerando que a justiça federal de primeira instância tem na Seção Judiciária sua repartição administrativa, e considerando que o próprio autor faz expressa referência na petição inicial à Seção Judiciária da Paraíba como base territorial dos possíveis beneficiários do provimento requerido, penso que "os limites da competência territorial do órgão prolator" (LACP, art. 16), no caso dos autos, confundem-se com a própria Seção Judiciária. Já quanto à competência para liquidação e execução do título formado pela condenação genérica, entendo que o julgamento da ação coletiva de convencimento não induz prevenção. De fato, considerando que as normas jurídicas que viabilizam a defesa coletiva de direitos individuais homogêneos se orientam sempre a aumentar o acesso à ordem jurídica justa, seria um contra-senso exigir que todos os beneficiários demandassem única e exclusivamente no juízo da condenação genérica. Por outro lado, um tal entendimento de prevenção inviabilizaria o bom andamento dos trabalhos do órgão jurisdicional prolator da sentença no processo de conhecimento. A exorbitante concentração de liquidações e execuções relativas a essa condenação absorveria a força de trabalho da vara, em manifesto prejuízo aos demais feitos em tramitação. Tudo isso seria contrário à teleologia da norma, que propõe o aumento - não o tumulto - do acesso à justiça. Nessa linha, trago à colação o entendimento de LUIZ GUILHERME MARINONI e SÉRGIO CRUZ ARENHART (Manual do Processo de Conhecimento, 2003, p. 776), no sentido de que "será competente para essa execução (individual) o juízo da liquidação do dano (art. 98, §2º, I, do CDC), que pode ou não corresponder ao juízo da ação de condenação genérica" (grifado). Coerentemente a esse entendimento, diz o mesmo autor que, no caso da "fluid recovery", o juízo competente será o mesmo da condenação genérica, valendo no caso as regras sobre prevenção. No mesmo sentido, eis o pensamento de ANTÔNIO HERMAN DE VASCONCELLOS E BENJAMIN (Comentários ao Código de Defesa do Consumidor, 2006, p. 1096): "Juízo competente para a execução: O §2º do art. 98 difere a execução coletiva da individual em matéria de competência para a execução. Em relação à execução individual prevê a competência do juízo da liquidação da sentença ou da ação condenatória. Trata-se de regra que deve ser interpretada, como, de resto, todo o Código, em benefício do consumidor-exeqüente, de modo a atender seu direito básico de facilitação do acesso á justiça (art. 6º, VIII). Assim, parece-nos que, ao mencionar os dois, o CDC determina uma faculdade ao exeqüente, criando norma especial em matéria processual, a qual tem preferência em relação à regra geral do art. 575, II, do CPC. Trata-se de interpretação que contempla, mais uma vez, a razão de ser do CDC em matéria de ações coletivas, que é a de oferecer uma adequada tutela ao direito de grandes contingentes de consumidores lesados em razão de uma mesma conduta ilícita do consumidor10. Admitir-se a prevalência da vinculação entre o juízo competente para o processo de conhecimento e para a execução seria desnaturar a essência das ações coletivas, permitindo situações esdrúxulas como a de um consumidor lesado e que tenha domicílio em Manaus, que, para ter seu direito admitido, deveria interpor a respectiva execução em Porto Alegre, na hipótese de nesta cidade ter sido interposta a ação de conhecimento." Por fim, transcrevo, para ilustração, o seguinte julgado: Origem: TRIBUNAL - QUARTA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL. Processo: 199904011336658 UF: PR Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA. Data da decisão: 22/02/2000 Documento: TRF400074916. Relatora: VÂNIA HACK DE ALMEIDA. EMBARGOS À EXECUÇÃO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. COMPETÊNCIA. LEGITIMIDADE. INTERESSE. Não há prevenção do Juiz prolator da sentença condenatória na Ação Civil Pública quando se tratar de execução individual. Legitimados para propor a execução são aqueles tutelados pela associação autora da ação coletiva. Demonstrado o prejuízo sofrido por esses, claro está o interesse processual (grifado). Por todos esses fundamentos, entendo que a prolação da presente sentença não deverá induzir prevenção para as futuras liquidações e execuções individuais, respeitando-se, desse modo, a teleologia das normas contidas no Código de Defesa do Consumidor em prol da ampliação do acesso à justiça ao consumidor-exeqüente. III - DISPOSITIVO Diante do exposto, julgo parcialmente procedente o pedido inicial para condenar a Caixa Econômica Federal: a) Na obrigação de aplicar, na correção monetária dos saldos em cadernetas de poupança existentes nos meses de junho/87, janeiro/89 e fevereiro/89, e com data-base (contratação/renovação) na primeira quinzena do mês, respectivamente, os índices de 26,06% (IPC), 42,72% (IPC) e 10,14% (IPC), ficando garantida, no recálculo, a aplicação dos juros remuneratórios pertinentes; b) A partir do valor apurado de acordo com o item anterior, deverão ser deduzidas as quantias resultantes da aplicação do índice efetivamente utilizado, bem como calculados os respectivos reflexos financeiros nos saldos existentes nos períodos posteriores; c) Sobre eventuais quantias que resultem devidas ao poupador beneficiário por força dos itens "a" e "b" supra, deverão incidir, a partir da citação, juros de mora de 1,0% (um por cento) ao mês, sem prejuízo da atualização monetária, que não deverá incidir em duplicidade; Considerando a natureza genérica da condenação operada no presente feito, fica garantida aos eventuais beneficiários o acesso à justiça para liquidação e execução do julgado, não induzindo prevenção a presente decisão. Condeno a CEF ainda no pagamento das custas judiciais e de honorários advocatícios em favor da União, que fixo no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais), nos termos do art. 20, §4º, do Código de Processo Civil. Publique-se. Registre-se no sistema informatizado. Intimem-se as partes. João Pessoa, 24 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 Sentença tipo A, cf. Res. CJF n. 535/2006. 2 CADERNETA DE POUPANÇA. PLANO "VERÃO". LEGITIMIDADE DE PARTE. CRITÉRIO DE REMUNERAÇÃO. 1. Segundo assentou a Segunda Seção do STJ, o Código de Defesa do Consumidor é aplicável aos contratos de depósito em caderneta de poupança firmados entre as instituições financeiras e os seus clientes. Legitimidade do IDEC reconhecida. 2. Iniciado ou renovado o depósito em caderneta de poupança, norma posterior que altere o critério de atualização não pode retroagir para alcançá-lo. 3. O índice corretivo no mês de janeiro/89 é de 42,72% (Resp n.º 43.055-SP). Recurso especial conhecido, em parte, e provido. (REsp 122.205/SP, Rel. Ministro BARROS MONTEIRO, QUARTA TURMA, julgado em 22.04.2003, DJ 23.06.2003 p. 371) (grifado). 3 RECURSO ESPECIAL. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. SUSPENSÃO DE EXECUÇÃO DE LIMINAR. LEI Nº 8.437/92. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. EXTINÇÃO DE FUNDO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL. DIREITO INDIVIDUAL HOMOGÊNEO DISPONÍVEL. MINISTÉRIO PÚBLICO. ILEGITIMIDADE. 1. "Compete ao presidente do tribunal, ao qual couber o conhecimento do respectivo recurso, suspender, em despacho fundamentado, a execução da liminar nas ações movidas contra o Poder Público ou seus agentes, a requerimento do Ministério Público ou da pessoa jurídica de direito público interessada, em caso de manifesto interesse público ou de flagrante ilegitimidade, e para evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas." (artigo 4º da Lei nº 8.437/92). 2. "Não será cabível ação civil pública para veicular pretensões que envolvam tributos, contribuições previdenciárias, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS ou outros fundos de natureza institucional cujos beneficiários podem ser individualmente determinados." (parágrafo único do artigo 1º da Lei nº 7.347/85). 3. A ação civil pública não se presta à proteção de direitos individuais disponíveis, salvo quando homogêneos e oriundos de relação de consumo. 4. O Ministério Público não possui legitimidade para ajuizar ação civil pública visando à suspensão da eficácia de Lei Municipal que extinguiu fundo municipal de previdência de servidores, eis que o alegado direito, embora homogêneo, é de natureza individual e disponível. 5. Precedentes. 6. Recurso improvido. (REsp 146.483/PR, Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, SEXTA TURMA, julgado em 05.02.2004, DJ 15.03.2004 p. 307) (grifado). Origem: TRF - PRIMEIRA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 9501349560. Processo: 9501349560 UF: DF Órgão Julgador: QUARTA TURMA Data da decisão: 14/9/2000 Documento: TRF100107012. RELATOR: JUIZ I´TALO MENDES. PROCESSUAL CIVIL. EXTINÇÃO DO PROCESSO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO POR ILEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA PARA DEFENDER DIREITOS DOS CONTRIBUINTES DO IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IMPORTADOS. 1. A Defensoria Pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe prestar assistência jurídica, judicial e extrajudicial, integral e gratuita, aos necessitados, assim considerados na forma da lei (Lei Complementar nº 12/94). 2. A Defensoria Pública ao postular a suspensão de aumento de alíquota de imposto de importação de veículos automotores importados não está prestando assistência judicial aos necessitados, assim considerados na forma da lei. 3. Ademais, a Lei nº 7.347/85 disciplina o procedimento da Ação Civil Pública de responsabilidade por danos causados ao consumidor (meio ambiente, etc.), incluindo sob sua égide, os interesses e direitos individuais homogêneos. 4. A lei de regência apenas tutela os "direitos individuais homogêneos", através da ação coletiva, de iniciativa do Ministério Público, quando os seus titulares sofrerem danos na condição de consumidores. 5. O Ministério Público não tem legitimidade para promover a ação civil pública na defesa do contribuinte da contribuição de melhoria, que não se equipara ao consumidor, na expressão da legislação pertinente, desde que, nem adquire, nem utiliza produto ou serviço como destinatário final e intervém, por isso mesmo, em qualquer relação de consumo. 6. Ainda que se trate de tributo (imposto de importação) que alcança considerável número de pessoas, inexiste a presença de manifesto interesse social, evidenciado pela dimensão ou pelas 7. Apelação improvida (grifado). CIVIL E PROCESSUAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. IDEC. LEGITIMIDADE. CADERNETA DE POUPANÇA. RELAÇÃO DE CONSUMO. ORIENTAÇÃO DA SEGUNDA SEÇÃO. RECURSO DESPROVIDO. I. O entendimento desta Corte é pacífico no sentido de que o IDEC tem legitimidade ativa ad causam para a ação civil pública onde se pleiteia diferenças nos créditos de rendimentos dos poupadores, em razão da edição de planos econômicos (2ª Seção, REsp n. 106.888/PR, Rel. Min. Cesar Asfor Rocha, DJU de 05.09.2002). II. Agravo desprovido. (AgRg no REsp 138.030/SP, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, QUARTA TURMA, julgado em 29.06.2006, DJ 04.09.2006 p. 272) (grifado). Direito do consumidor e processual civil. Agravo no recurso especial. Recurso especial. Ação civil pública. Legitimidade ativa. Ministério Público. Contratos de financiamento celebrados no âmbito do SFH. Direitos individuais homogêneos. CDC. - O Ministério Público tem legitimidade para propor ação civil pública que cuida de direitos individuais homogêneos protegidos pelo Código de Defesa do Consumidor. Negado provimento ao agravo no recurso especial. (AgRg no REsp 633.470/CE, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 29.11.2005, DJ 19.12.2005 p. 398) (grifado). RECURSO ESPECIAL. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CONCESSÃO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO. DIREITO INDIVIDUAL DISPONÍVEL. MINISTÉRIO PÚBLICO. ILEGITIMIDADE. 1. O Ministério Público é parte ilegítima para a propositura de ação civil pública relativa a benefício previdenciário, objeto, em natureza, de interesses individuais disponíveis, que em nada se confundem com aqueloutros individuais homogêneos e oriundos de relação de consumo, de proteção também deferida à Instituição Ministerial pelos artigos 81, inciso III, e 82, inciso I, da Lei 8.038/90. 2. Precedentes. 3. Recurso provido. (REsp 448.684/RS, Rel. Ministro HAMILTON CARVALHIDO, SEXTA TURMA, julgado em 05.02.2004, DJ 12.12.2005 p. 425) (grifado). 4 Caderneta de poupança. Diferenças de rendimentos. Plano Verão. A obrigação de complementar o pagamento que eventualmente haja sido feito a menor é, em regra, do depositário, e não do Banco Central ou da União. A circunstância de a instituição financeira haver agido de acordo com instruções do Banco Central não é apta a eximi-la. Prescrição vintenária por não se tratar de prestação acessória. Não contraria o art. 17, I, da Lei 7.730/89, o acórdão que deixa de aplicá-lo às cadernetas de poupança, com período mensal iniciado até 15 de janeiro de 1989. Adoção do percentual de 42,72 em relação ao mês de janeiro de 1989. (REsp 173.968/SP, Rel. Ministro EDUARDO RIBEIRO, TERCEIRA TURMA, julgado em 08.09.1998, DJ 22.03.1999 p. 196) (grifado). 5 Origem: TRIBUNAL - QUARTA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL. Processo: 200672000040365 UF: SC Órgão Julgador: TERCEIRA TURMA. Data da decisão: 12/12/2006 Documento: TRF400158174. RELATOR: CARLOS EDUARDO THOMPSON FLORES LENZ. PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. LEGITIMIDADE ATIVA DA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO. PRECEDENTES. Apelação conhecida e provida. 6 CIVIL. CONTRATO. POUPANÇA. PLANO BRESSER E PLANO VERÃO. PRESCRIÇÃO. VINTENÁRIA. 1. Os juros remuneratórios de conta de poupança, incidentes mensalmente e capitalizados, agregam-se ao capital, assim como a correção monetária, perdendo, pois, a natureza de acessórios, fazendo concluir, em conseqüência, que a prescrição não é a de cinco anos, prevista no art. 178, § 10, III, do Código Civil de 1916, mas a vintenária. Precedentes. 2. Agravo regimental não provido. (AgRg no Ag 634.850/SP, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, QUARTA TURMA, julgado em 06.09.2005, DJ 26.09.2005 p. 384) (grifado). 7 ECONÔMICO. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. CRITÉRIO. IPC DE JUNHO DE 1987 (26,06%). PLANO BRESSER. IPC DE JANEIRO DE 1989 (42,72%). PLANO VERÃO. I - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de junho de 1987, antes da vigência da Resolução n. 1.338/87-BACEN, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 26,06%. Precedentes. II - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de janeiro de 1989, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 42,72% (Precedente: REsp n. 43.055-0/SP, Relator Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJU de 20.02.95). Todavia, nas contas-poupança abertas ou renovadas em 16 de janeiro de 1989 em diante, incide a sistemática estabelecida pela Lei n. 7.730/89 então em vigor. III - Agravo regimental desprovido. (AgRg no REsp 740.791/RS, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, QUARTA TURMA, julgado em 16.08.2005, DJ 05.09.2005 p. 432) (grifado). CIVIL. CONTRATO. POUPANÇA. PLANO BRESSER (JUNHO DE 1987) E PLANO VERÃO (JANEIRO DE 1989). BANCO DEPOSITANTE. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO. VINTENÁRIA. CORREÇÃO. DEFERIMENTO. 1 - Quem deve figurar no pólo passivo de demanda onde se pede diferenças de correção monetária, em caderneta de poupança, nos meses de junho de 1987 e janeiro de 1989, é a instituição bancária onde depositado o montante objeto da demanda. 2 - Os juros remuneratórios de conta de poupança, incidentes mensalmente e capitalizados, agregam-se ao capital, assim como a correção monetária, perdendo, pois, a natureza de acessórios, fazendo concluir, em conseqüência, que a prescrição não é a de cinco anos, prevista no art. 178, §10, III, do Código Civil de 1916 (cinco anos), mas a vintenária. Precedentes da Terceira e da Quarta Turma. 3 - Nos termos do entendimento dominante nesta Corte são devidos, na correção de caderneta de poupança, o IPC de junho de 1987 (26,06%) e o IPC de janeiro de 1989 (42,72%). 4 - Recurso especial não conhecido. (REsp 707.151/SP, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, QUARTA TURMA, julgado em 17.05.2005, DJ 01.08.2005 p. 471) (grifado). Origem: TRIBUNAL - SEGUNDA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 241611. Processo: 200002010447308 UF: ES Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA. Data da decisão: 01/10/2001 Documento: TRF200083933. Relatora: JUIZA JULIETA LIDIA LUNZ. F.G.T.S. - EXPURGOS INFLACIONÁRIOS - ILEGITIMIDADE DA UNIÃO - ÍNDICES DEFERIDOS PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - ÍNDICES DEFERIDOS PELO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. I - São assegurados os índices deferidos em controle de constitucionalidade pelo STF e em controle de infraconstitucionalidade pelo STJ, nos percentuais seguintes: 42,72% (janeiro/89); 10,14% (fevereiro/89); 84,32% (março/90); 44,80% (abril/90); 9,55% (junho/90); 12,92% (julho/90); 13,69% (janeiro/91) e 13,90% (março/91). II - Precedentes. Origem: TRIBUNAL - TERCEIRA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 1127314. Processo: 200361000082766 UF: SP Órgão Julgador: TERCEIRA TURMA. Data da decisão: 27/09/2006 Documento: TRF300106720. Relator: JUIZ CARLOS MUTA. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. DIREITO ECONÔMICO. APELAÇÕES. ATIVOS FINANCEIROS. PLANOS VERÃO E BRESSER. CORREÇÃO MONETÁRIA. CEF. LEGITIMIDADE PASSIVA. APLICABILIDADE DO IPC DE JUNHO/87 E DE JANEIRO E FEVEREIRO/89. ÍNDICE DE 26,06%; 42,72 E 10,14%. LIMITES. SALDO DE ATIVOS FINANCEIRO INFERIOR A CZ$ 50.000,00. INTANGIBILIDADE AO BLOQUEIO DO PLANO COLLOR. REGIME LEGAL DIFERENCIADO. APLICABILIDADE DO IPC ATÉ JUNHO/90. ORIENTAÇÃO FIRMADA EM PRECEDENTES DA TURMA. SUCUMBÊNCIA. 1. A instituição financeira depositária, com a qual se firmou o contrato de depósito em caderneta de poupança, é parte legítima para responder à ação promovida por titulares de cadernetas de poupança, objetivando a revisão do índice de correção monetária em virtude dos Planos Bresser e Verão. Em ação de reposição do IPC, relativamente a saldo de ativos financeiros de valor inferior ao bloqueado pelo Plano Collor, a legitimidade passiva é, por igual, exclusivamente do banco depositário, afastados o litisconsórcio necessário ou a denunciação da lide ao BACEN ou à UNIÃO FEDERAL. 2. A prescrição, em ação de reposição de correção monetária e de juros, sujeita-se ao prazo de vinte anos (artigo 177 do Código Civil anterior c/c artigo 2.028 do Novo Código Civil), não se aplicando o lapso de cinco ou três anos (Decreto nº 20.910/32, artigo 178, § 10, III, do Código Civil anterior, e artigo 206, §3º, III, do Novo Código Civil), sequer para os juros, que somente invocam a incidência do regime prescricional específico, se postulados de forma autônoma, o que não é o caso dos autos. 3. Constitui direito do poupador o pagamento da diferença de correção monetária entre o IPC de 26,06% (Plano Bresser) e de 42,72 e 10,14% (Plano Verão), e os índices diversos aplicados sobre o saldo das contas de poupança, somente com data-base na primeira quinzena. 4. Firmada a jurisprudência da Turma no sentido da aplicabilidade do IPC até junho/90 nos ativos financeiros, cujo saldo, limitado a NCz$ 50.000,00, não foi bloqueado pelo Plano Collor, estando disciplinado por regime legal de atualização distinto do previsto na Lei nº 8.024/90. 5. No tocante à correção monetária, reforma-se a r. sentença, para determinar a incidência dos critérios do Provimento CGJF nº 26/01 (Resolução nº 242-CJF), nos limites do pedido, os quais são consagrados pela jurisprudência como próprios e específicos das hipóteses de condenação judicial, como na espécie. 6. Os juros de mora, na forma do artigo 405 e 406 do NCC, devem ser fixados somente a partir da citação, de acordo com a taxa prevista para a mora fiscal, ou seja, com base na SELIC (artigo 13 da Lei nº 9.065/95) que não deve ser cumulada, desde quando computada, com outros índices, a título de correção monetária ou juros de mora, sem prejuízo, porém, dos juros remuneratórios contratados. 7. Tendo ambas as partes decaído, e nenhuma delas em parcela mínima, é recíproca a sucumbência, nos termos do caput do artigo 21 do Código de Processo Civil. 8. Precedentes (grifado). Origem: TRIBUNAL - TERCEIRA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 356842. Processo: 97030046479 UF: SP Órgão Julgador: QUARTA TURMA. Data da decisão: 14/02/2001 Documento: TRF300055003. Relator: JUIZ NEWTON DE LUCCA. CADERNETA DE POUPANÇA. PLANO VERÃO. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. LEGITIMIDADE DE PARTE. PRESCRIÇÃO. IPC DE JANEIRO DE 1989. DIREITO ADQUIRIDO. JUROS. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. I - O BACEN e a União são partes ilegítimas para figurarem no pólo passivo de demandas que tenham por objeto o pagamento das diferenças de correção monetária relativas a janeiro/89 (Plano Verão). II - A prescrição aplicável a espécie é a prevista no art. 177 do Código Civil, consoante jurisprudência reiterada do C. Superior Tribunal de Justiça. III - O autor tem direito adquirido ao IPC de janeiro/89 (42,72%), pois a Medida Provisória n.º 32/89, publicada em 15/01/89, só poderia ser aplicada às cadernetas de poupança posteriores a esta data. IV - A aplicação do índice de 10,14 referente ao IPC do mês de fevereiro/89 é decorrência direta da aplicação do percentual de 42,72 para janeiro/89, conforme jurisprudência do C. STJ. V - Os juros moratórios devem incidir nos termos do art. 219, do CPC. VI - Honorários advocatícios fixados nos termos do art. 21 caput do CPC. VII - Matéria preliminar rejeitada. No mérito, apelação da CEF improvida. Apelação da autora parcialmente provida (grifado). RECURSO ESPECIAL. AGRAVO REGIMENTAL. PROCESSUAL CIVIL. DEPÓSITO JUDICIAL. CABIMENTO DO APELO EXTREMO PELA ALÍNEA "C" DO PERMISSIVO. AUSÊNCIA DE SIMILITUDE FÁTICA ENTRE OS JULGADOS COMPARADOS. RESPONSABILIDADE DO BANCO DEPOSITÁRIO. SÚMULA 179/STJ. CORREÇÃO MONETÁRIA. APLICAÇÃO DO IPC. PRECEDENTES. 1. A demonstração do dissídio jurisprudencial impõe-se como indispensável avaliar se as soluções encontradas pelo decisum embargado e paradigmas tiveram por base as mesmas premissas fáticas e jurídicas, havendo entre elas similitude. 2. In casu, forçoso reconhecer a inexistência de similaridade, indispensável na configuração do dissídio jurisprudencial, entre os acórdãos paradigmas, que versam correção monetária de caderneta de poupança no Plano Collor, e o acórdão recorrido, que trata de correção monetária incidente sobre depósito judicial. Precedentes: Resp 665.739/MG, Relator Ministro LUIZ FUX, Primeira Turma, publicado no DJ de 25 de abril de 2005 e Resp 716.613/SC, Relator Ministro CASTRO MEIRA, Segunda Turma, publicado no DJ de 23 de maio de 2005. 3. A instituição financeira depositária é responsável pelo pagamento da correção monetária sobre os valores recolhidos a título de depósito judicial. Incidência da Súmula n.º 179/STJ: "O estabelecimento de crédito que recebe dinheiro, em depósito judicial, responde pelo pagamento da correção monetária relativa aos valores recolhidos." 4. A correção monetária dos depósitos impõe a aplicação judicial dos seguintes percentuais dos expurgos inflacionários verificados na implantação dos Planos Governamentais: "Verão" (janeiro/89 - 42,72% - e fevereiro/89 - 10,14%), "Collor I" (março/90 - 84,32% -, abril/90 - 44,80% -, junho/90 - 9,55% - e julho/90 - 12,92%) e "Collor II" (13,69% - janeiro/91 - e 13,90% - março/91). 5. Agravo regimental desprovido. (AgRg no REsp 646.215/SP, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA TURMA, julgado em 11.10.2005, DJ 28.11.2005 p. 197) (grifado). Origem: TRF - PRIMEIRA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 9501265374. Processo: 9501265374 UF: BA Órgão Julgador: QUARTA TURMA. Data da decisão: 10/9/1999 Documento: TRF100089620. Relator: JUIZ ÍTALO MENDES. CIVIL. CADERNETA DE POUPANÇA. RENDIMENTO. JANEIRO DE 1989. IPC. 42,72% (70,28%). MP 32/89. LEI 7730/89. LEGITIMIDADE PASSIVA. 1. Nas causas em que se discute o índice de rendimento da caderneta de poupança decorrente da edição da MP 32/89, convertida na Lei 7730/89, apenas o agente financeiro deve figurar no pólo passivo da ação. 2. O rendimento do mês de fevereiro/89, para a conta de poupança com aniversário até o dia 15 do mesmo mês, deve observar o índice apurado pelo IPC, não se aplicando as regras decorrentes da MP 32/89 e da Lei 7730/89. 3. Entendimento jurisprudencial uníssono sobre a matéria. 4. Improvimento das apelações. Sentença confirmada (grifado). 8 Origem: TRIBUNAL - TERCEIRA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CÍVEL - 1242608. Processo: 200361000139090 UF: SP Órgão Julgador: TERCEIRA TURMA. Data da decisão: 06/12/2007 Documento: TRF300138303. JUIZ CARLOS MUTA. DIREITO PROCESSUAL CIVIL. DIREITO ECONÔMICO. APELAÇÃO. CONHECIMENTO. PARCIAL. ATIVOS FINANCEIROS. PLANOS VERÃO E BRESSER. CORREÇÃO MONETÁRIA. CEF. LEGITIMIDADE PASSIVA. APLICABILIDADE DO IPC DE JUNHO/87 E DE JANEIRO/89. ÍNDICE DE 26,06% E DE 42,72% E 10,14%. LIMITES. CONTAS COM VENCIMENTOS NA PRIMEIRA E SEGUNDA QUINZENA DO MÊS. SALDO DE ATIVOS FINANCEIROS INFERIOR A CZ$ 50.000,00. INTANGIBILIDADE AO BLOQUEIO DO PLANO COLLOR. REGIME LEGAL DIFERENCIADO. JULGAMENTO ULTRA PETITA. APLICABILIDADE DO IPC ATÉ JUNHO/90. ORIENTAÇÃO FIRMADA EM PRECEDENTES DA TURMA. JUROS CONTRATUAIS SOBRE O VALOR DA REPOSIÇÃO. JUROS MORATÓRIOS. SUCUMBÊNCIA. LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ. AUSÊNCIA. (...) 4. Constitui direito do poupador o pagamento da diferença de correção monetária entre o IPC de 26,06% (Plano Bresser) e de 42,72% e 10,14% (Plano Verão), e os índices diversos aplicados sobre o saldo das contas de poupança, somente com data-base na primeira quinzena. (...) 7. Majorado o índice de reposição no saldo de conta de poupança devem os juros contratuais, tal como estipulados, incidir sobre tal diferença, como decorrência da execução do contrato, configurando, pois, acessório a ser aplicado, mês a mês, desde então e a cada vencimento subseqüente, como projeção da alteração do principal. 8. Os juros de mora, na forma do artigo 405 e 406 do NCC, devem ser fixados a partir da citação, de acordo com a taxa prevista para a mora fiscal, ou seja, com base na SELIC (artigo 13 da Lei nº 9.065/95) que não deve ser cumulada, desde quando computada, com outros índices, a título de correção monetária ou juros de mora, sem prejuízo, porém, dos juros remuneratórios contratados. (...) 9 Origem: TRIBUNAL - TERCEIRA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 1042712. Processo: 200461060089680 UF: SP Órgão Julgador: QUARTA TURMA. Data da decisão: 02/08/2006 Documento: TRF300106512. JUIZ DJALMA GOMES. CADERNETAS DE POUPANÇA. PLANO BRESSER. JUNHO DE 87. PLANO VERÃO. JANEIRO DE 89. CORREÇÃO MONETÁRIA. LEGITIMIDADE PASSIVA. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS. PRESCRIÇÃO VINTENÁRIA. PRECEDENTES. 1. As instituições financeiras depositárias estão legitimadas para responder às demandas objetivando a remuneração das cadernetas de poupança envolvendo os meses de junho/87 e janeiro/89. 2. Aplicável o lapso prescricional vintenário às ações em que se objetiva a correção monetária pelos Planos Bresser e Verão. 3. Os índices aplicáveis são os seguintes: 26,06%, para junho/87 e 42,72%, para janeiro/89. Precedentes. 4. Incidência de correção monetária a partir de janeiro/89, observados os mesmos índices aplicados às cadernetas de poupança, e de juros de mora de 12% (doze por cento) ao ano a partir da citação. 5. Apelação da CEF improvida. Recurso dos autores parcialmente provido (grifado). Origem: TRIBUNAL - QUARTA REGIÃO. Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL. Processo: 200270000697605 UF: PR Órgão Julgador: TERCEIRA TURMA. Data da decisão: 24/05/2005 Documento: TRF400107502. LUIZ CARLOS DE CASTRO LUGON. DIREITO CIVIL. CADERNETA DE POUPANÇA. LEGITIMIDADE PASSIVA. CONTRATO INICIADO ANTES DA EDIÇÃO DA RESOLUÇÃO Nº 1.338/87 DO BACEN E DA LEI 7.730/89. CORREÇÃO MONETÁRIA. JUNHO/1987 E JANEIRO/1989. PRESCRIÇÃO VINTENÁRIA. APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE 26,06% E 42,72%. DIREITO ADQUIRIDO. ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA DE DÉBITO JUDICIAL. JUROS MORATÓRIOS. (...) 5. Tendo a parte autora comprovado ser titular de conta-poupança iniciada ou renovada antes de 15.06.1987 e de 15.01.1989, e, portanto, em data anterior à publicação da Resolução nº 1.338/87 e da MP nº 32/89, assiste-lhes o direito à correção do saldo que possuíam em depósitos em caderneta de poupança à época, com base na variação do IPC - critério em vigor quando da renovação automática de sua poupança. (...) 7. Os valores encontrados devem ser corrigidos monetariamente, a contar da data em que o expurgo deveria ter sido aplicado e não o foi, e acrescidos de juros de mora, estes últimos a partir da citação. 8. Apelação improvida (grifado). 10 Rectius: do fornecedor. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 16 de 16 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0002135-08.2004.4.05.8200 OSEAS FELICIO DE LIMA (Adv. JOSE LUIS DE SALES) x UNIAO (MINISTERIO DA DEFESA - MARINHA NACIONAL) (Adv. FABIO LEITE DE FARIAS BRITO)

PROCESSO Nº 2004.2135-3, CLASSE 1.000 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: OSEAS FELÍCIO DE LIMA ADVOGADO: JOSÉ LUÍS DE SALES RÉ: UNIÃO (MINISTÉRIO DA DEFESA) ADVOGADO DA UNIÃO: FÁBIO LEITE DE FARIAS BRITO S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária proposta por Oseas Felício de Lima em face da União (Ministério da Defesa), visando à percepção das diferenças salariais a título do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a incidir sobre a remuneração do Autor, a compreender o vencimento, adicionais, férias, 13º salário e GCET, quando couber. O Autor afirma que é militar do quadro efetivo do Exército Brasileiro, vinculado ao 15º BIMTZ, e que não recebeu a diferença de reajuste salarial no percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), concedido aos integrantes das Forças Armadas pela Lei nº. 8.627/1993, a contar de 1º de janeiro de 1993. A Lei 8.627/1993 violou o art. 37, inciso X, da Constituição Federal de 1988, na medida em que concedeu aumento diferenciado aos militares, além da revisão geral prevista na Lei 8.622/1993. O STF decidiu que os reajustes salariais concedidos pelas Leis nºs. 8.622/1993, e 8.627/1993 tiveram caráter geral e visaram repor as perdas inflacionárias sobre a remuneração dos servidores públicos. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 07/22). A União apresentou contestação (fls. 32/41), alegando a prescrição qüinqüenal, com fundamento no Decreto nº. 20.910, de 1932. No mérito, sustenta que inexiste direito ao índice postulado, uma vez que os servidores militares federais tiveram tratamento específico, diferentemente dos servidores civis federais que tiveram reajustes diferenciados, aplicando-se a estes o princípio constitucional da isonomia, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal. A pretensão do Autor encontra óbice na Súmula nº. 339, do STF, segundo a qual o Poder Judiciário não tem função legislativa, não podendo aumentar os vencimentos de servidores públicos sob fundamento de isonomia. O Autor apresentou impugnação, refutando a prescrição e reiterando os termos da Inicial (fls. 47/49). As partes não especificaram provas (fls. 53 e 57). Em cumprimento ao despacho de fl. 66, a União apresentou as fichas financeiras do Autor (fls. 78/83). Informação da Seção de Cálculos (fl. 86). A União concordou com a informação da Contadoria (fl. 92). O Autor requereu o retorno dos autos ao Setor de Cálculos (fls. 97/98). Em cumprimento ao despacho de fl. 101, o Autor requereu a intimação do Coronel Comandante do 15º Batalhão de Infantaria Motorizada para apresentar a prova documental relativa à sua transferência para outra organização militar (fls. 104/105). Despacho determinando a intimação do Autor para manifestar-se sobre o seu eventual interesse no prosseguimento da demanda (fl. 118). Expedido o mandado de intimação, a Oficiala de Justiça informou que o Autor não reside no local indicado no mandado (fl. 121, verso). Intimado para informar o endereço atualizado do Autor, o advogado afirmou que não dispõe de informação quanto à situação atual do Demandante, mas que há interesse no prosseguimento da ação e prolação da sentença (fls. 126/127). Em cumprimento ao despacho de fl. 128, o Comandante do 15º Batalhão de Infantaria Motorizado do Exército Brasileiro informou que o Autor "foi licenciado das fileiras do Exército no dia 27 de janeiro de 1995, e não consta nos arquivos do 15º BIMtz, o endereço atualizado após o licenciamento do reservista em questão" (fl. 131). Com vista dos autos, o Autor não se manifestou (fl. 134). É o relatório. Decido. O Autor busca a obtenção de tutela jurisdicional que assegure o pagamento das diferenças relativas ao índice de 28,86% (vinte oito vírgula oitenta e seis por cento) concedido aos militares pela Lei nº. 8.627, de 1993, e posteriormente estendido aos servidores civis da União, em face do posicionamento pacificado no âmbito do Supremo Tribunal Federal, bem como o pagamento das parcelas em atraso. 1) Prescrição qüinqüenal A prescrição qüinqüenal atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910, de 6.1.1932, e artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597, de 19.8.1942. No caso, proposta a ação em 15.03.2004, a prescrição atingiria as parcelas anteriores a março de 1999, considerando que, de acordo com as fichas financeiras constantes às fls. 80/83, o Autor percebeu remuneração no período de janeiro de 1992 a dezembro de 1995. 2) Índice de 28,86%. A matéria posta a deslinde resta pacificada em sede jurisprudencial. O Supremo Tribunal Federal decidiu que o reajuste dos servidores públicos far-se-á sempre na mesma data, sem distinção (RMS nº 22.307-7/DF, Rel. Min. Marco Aurélio, DJ de 13/06/97, pág. 26.7222), devendo, portanto, o reajuste concedido aos militares pela Lei 8.627/1993, ser também estendido aos servidores civis do Poder Executivo. Decidiu, ainda, o Supremo Tribunal Federal, em sede de Embargos de Declaração, pela compensação de eventual aumento concedido aos servidores, na aplicação das Leis nºs. 8.622, de 1993 e 8.627, de 1993. Se os servidores civis fazem jus ao reajuste pelo índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em face da isonomia na revisão geral de vencimentos, conforme decidiu a Excelsa Corte, sob o mesmo fundamento é devido aos militares o referido percentual de aumento salarial, com repercussão sobre a remuneração em seu todo, sendo devidas ao Autor, portanto, todas as parcelas, além do vencimento básico, que foram pagas a menor, a exemplo de adicionais, gratificações, férias e décimo terceiro salário. A esse propósito, há precedentes do Superior Tribunal de Justiça3, admitindo a extensão do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) aos militares contemplados com reajustes inferiores, em consonância com o entendimento firmado pelo STF. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido para condenar a União a pagar ao Autor os valores decorrentes do reajuste pelo índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) incidente sobre a respectiva remuneração (adicionais, gratificações, férias, décimo terceiro salário e GCET), a partir do efetivo ingresso no serviço militar (Lei 8.622, de 1993), observada a prescrição qüinqüenal e deduzidas as parcelas pagas administrativamente, com pertinentes atualizações monetárias e juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação. A título de sucumbência, verba honorária, em favor do Autor à base de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação (art. 20, § 3º, do CPC) e devolução corrigida das custas processuais antecipadas. No cumprimento da obrigação de pagamento de eventuais diferenças devidas do percentual de 28,86% e da verba de sucumbência (honorários e custas), observe-se o disposto nos artigos 475-I do CPC4. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Sem o duplo grau de jurisdição, nos termos do artigo 475, § 3º, do CPC5, tendo em vista tratar-se de matéria objeto da Súmula nº 672, do STF6. João Pessoa/PB, 21 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "REVISÃO DE VENCIMENTOS - ISONOMIA. A revisão geral de remuneração dos servidores públicos, sem distinção de índices entre servidores públicos civis e militares, far-se-á sempre na mesma data" - inciso X - sendo irredutíveis, sob o ângulo não simplesmente da forma (valor nominal), mas real (poder aquisitivo) os vencimentos dos servidores públicos civis e militares - inciso XV, ambos do artigo 37 da Constituição Federal." (grifos acrescidos) 3 "EMENTA: RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO MILITAR. VENCIMENTOS. REAJUSTE DE 28,86%. LEIS Nºs 8.622/93 E 8.627/93. REVISÃO GERAL DE REMUNERAÇÃO. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL. SÚMULA Nº 83/STJ. I - Conforme entendimento firmado no colendo STF (RMS 22.307/DF), o reajuste de 28,86% previsto nas Leis n° 8.622 e 8.627/93 constituiu-se em revisão geral de remuneração, devendo ser estendido aos demais servidores civis e militares (art. 37, X, da CF). II - Desse modo, aqueles militares que foram contemplados com reajustes inferiores ao de 28,86% fazem jus, a contar de 1993, à complementação desse percentual, consistente na diferença entre os índices efetivamente percebidos em virtude da adequação de soldos, postos e graduações, levada a efeito pela Lei nº 8.627/93, e o índice de 28,86%. III - No tocante ao dissídio jurisprudencial alegado, é aplicável, in casu, o enunciado da Súmula nº 83 do STJ. Recurso não-conhecido." (STJ, REsp 625976-MG, 5ª Turma, Rel. Min. Félix Fischer, j. 06/05/2004, DJU 02.08.2004, pág. 560). (grifei) "EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. REAJUSTE DE VENCIMENTOS. LEIS Nos 8.622/93 E 8.627/93. 28,86%. EXTENSÃO AOS MILITARES BENEFICIADOS COM ÍNDICES MENORES. POSSIBILIDADE. 1 - Se o Supremo Tribunal Federal, ao afirmar que as Leis nos 8.622/93 e 8.627/93 concederam revisão geral de remuneração, assegurou aos servidores públicos civis a percepção do índice de 28,86%, a negativa desse direito aos servidores militares beneficiados com reajustes menores implicaria em desrespeito ao princípio da isonomia e ao disposto no art. 37, inciso X, da Constituição Federal. 2 - Precedentes de ambas as Turmas que compõem a Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça. 3 - Recurso improvido." (STJ, AGREsp 590628-PA, 6ª Turma, Rel. Ministro Paulo Gallotti, j. 04/03/2004, DJU 17/05/2004, pág. 302). (grifos acrescidos) (grifei) 4Art. 475-I. O cumprimento da sentença far-se-á conforme os arts. 461 e 461-A desta Lei ou, tratando-se de obrigação por quantia certa, por execução, nos termos dos demais artigos deste Capítulo. § 1o É definitiva a execução da sentença transitada em julgado e provisória quando se tratar de sentença impugnada mediante recurso ao qual não foi atribuído efeito suspensivo. § 2o Quando na sentença houver uma parte líquida e outra ilíquida, ao credor é lícito promover simultaneamente a execução daquela e, em autos apartados, a liquidação desta. 5 "Art. 475. Está sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal, a sentença: (Redação dada pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) I - proferida contra a União, o Estado, o Distrito Federal, o Município, e as respectivas autarquias e fundações de direito público; (Redação dada pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) II - que julgar procedentes, no todo ou em parte, os embargos à execução de dívida ativa da Fazenda Pública (art. 585, VI). (Redação dada pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) § 1o Nos casos previstos neste artigo, o juiz ordenará a remessa dos autos ao tribunal, haja ou não apelação; não o fazendo, deverá o presidente do tribunal avocá-los. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) § 2o Não se aplica o disposto neste artigo sempre que a condenação, ou o direito controvertido, for de valor certo não excedente a 60 (sessenta) salários mínimos, bem como no caso de procedência dos embargos do devedor na execução de dívida ativa do mesmo valor. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) § 3o Também não se aplica o disposto neste artigo quando a sentença estiver fundada em jurisprudência do plenário do Supremo Tribunal Federal ou em súmula deste Tribunal ou do tribunal superior competente. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001)" (grifei) 6 Súmula nº. 672: O reajuste de 28,86%, concedido aos servidores militares pelas leis 8622/1993 e 8627/1993, estende-se aos servidores civis do poder executivo, observadas as eventuais compensações decorrentes dos reajustes diferenciados concedidos pelos mesmos diplomas legais. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0002315-19.2007.4.05.8200 PAULO ROBERTO FERREIRA DE SOUZA (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.2315-6, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: PAULO ROBERTO FERREIRA DE SOUZA ADVOGADOS: VERÔNICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO E GERSON MOUSINHO DE BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Paulo Roberto Ferreira de Souza em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à incidência do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) sobre todas as rubricas que integram a remuneração do Autor, bem como o pagamento das diferenças devidas. Alega que é servidor público federal vinculado à Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, e que celebrou com aquele órgão acordo para recebimento parcelado do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento). No entanto, embora tenha recebido todas as parcelas, no total de 14 (catorze), "houve erro na elaboração dos cálculos uma vez que em janeiro/93 não houve reposição dos 28,86% nos termos do art. 6º da Lei 8.622/93 e ainda as parcelas pagas não incidiram sobre todas as rubricas que compõem a remuneração...". Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 06/62). A FUNASA apresentou contestação, acompanhada de documento (fls. 69/75), argüindo a prescrição qüinqüenal, com fundamento no art. 1º do Decreto nº. 20.910/1932 e afirmando que o Autor celebrou transação judicial para recebimento das diferenças devidas relativas ao percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), tendo a Administração cumprido o ajuste firmado. O Autor apresentou impugnação, refutando a prescrição e reiterando os termos da petição inicial (fl. 81). Com vista dos autos, a FUNASA requereu o envio dos autos à Contadoria (fls. 84/86). Em cumprimento ao despacho de fl 87, a FUNASA apresentou cópia do Termo de Transação Judicial firmado com o Autor (fls. 90/92). É o relatório. Decido. A matéria é de fato e de direito. Os autos estão adequadamente instruídos para o julgamento, tendo em vista a cópia do termo de transação judicial firmado com o Autor e o extrato demonstrativo do pagamento na via administrativa dos valores ora questionados (fls. 76 e 91/92), dispensando-se, assim, a elaboração de cálculos pela Contadoria deste Juízo, a teor do disposto no art. 330, do CPC2. O Autor busca tutela judicial no sentido da aplicação do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) sobre todas as rubricas que integram a sua remuneração, bem como o pagamento das diferenças devidas. O Termo de Transação Judicial celebrado entre o Autor e a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, fazendo menção à Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), com tramitação ocorrida na 1ª Vara Federal desta Seção Judiciária, estabelece (fls. 91/92): "Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1ª Vara da Justiça Federal/PB PAULO ROBERTO FERREIRA DE SOUZA (...) e FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE, por seu representante legal, vêm, nos autos da ação ordinária nº. 95.4321-1, em trâmite nesse ínclito juízo, com fulcro no art. 269, III do Código de Processo Civil - CPC, art. 1025 ss., do Código Civil e na Lei nº 9.469/97, requerer homologação da transação ora proposta, nos termos que se seguem: I - Conforme determinado pela Medida Provisória 1.704/98 e reedições, foi estendida aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal a vantagem de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto da decisão do STF no julgamento do RMS nº 22.307-7. II - A referida Medida Provisória estabelece que tal vantagem será devida, a partir de 1º janeiro de 1993, aos servidores públicos civis, aos quais se aplicam as tabelas constantes dos anexos à Lei nº 8.622, de 1993, deduzidos os acréscimos percentuais decorrentes da aplicação da Lei nº 8.627 de 1993. (...) VI - Com base nas normas legais ora explicitadas, as partes acordaram entre si, transigindo conforme as cláusulas abaixo: Cláusula 1ª. As diferenças devidas em decorrências da aplicação do Decreto nº 2.693/98, correspondentes ao período compreendido entre 1º de janeiro de 1993 e 30 de junho de 1998, de que tratam os itens IV e V, cujo montante bruto em UFIR é 9.919,82 (NOVE MIL, NOVECENTOS E DEZENOVE VÍRGULA OITENTA E DUAS UFIR) que será pago em sete anos, a partir de 1999, nos meses de maio e dezembro, à razão de 1/14 por parcela. (...) Cláusula 4ª. Em nenhuma hipótese será admitido o pagamento simultâneo da extensão administrativa de que trata a Medida Provisória nº 1.812-9 de 1999 e do relativo ao cumprimento de decisão judicial versando sobre o mesmo título ou fundamento. Cláusula 5ª. O autor declara que concorda e que se dá por satisfeito com o montante, a forma e prazo de pagamento constantes da Cláusula 1ª. ... VII - Por fim, requerem a homologação desta transação, nos termos das cláusulas acima, e conseqüente extinção do processo e eventuais recursos, com julgamento de mérito, nos termos do art. 269, III, do Código de Processo Civil brasileiro" (grifei) Nos autos da sobredita Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Serviço Público Federal no Estado da Paraíba - SINTSERF em face da Fundação Nacional de Saúde - FNS, pleiteando o pagamento de diferenças salariais relativas aos índices de 45% (quarenta e cinco por cento) e 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), o Exmo. Juiz Federal da 1ª Vara, Dr. João Bosco Medeiros de Sousa, proferiu sentença no sentido da procedência parcial do pedido, condenando a FUNASA a reajustar os vencimentos dos Substituídos com aplicação do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a partir de fevereiro de 1993 (fls. 92/1053). Tem-se hipótese de ação cuja matéria já foi objeto de questionamento em anterior ação judicial já definitivamente julgada, estando protegida pelo manto da coisa julgada material e formal, no que concerne especificamente ao percentual de 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto, inclusive, de transação judicial celebrada com a FUNASA para pagamento, em sete anos, do passivo relativo ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento). Por outro lado, a Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal o reajustamento de suas remunerações pelo percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em conformidade com o que foi decidido pelo colendo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS nº. 22.307-7/DF. Na espécie, ainda que não se cogite de coisa julgada, em razão de se tratar de ação coletiva (Ação Ordinária nº. 95.4321-1), vê-se que já houve a implantação nos vencimentos do Autor do percentual de reajustamento ora postulado, impondo-se a extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC4, com a nova redação dada pela Lei nº. 11.232/2005, uma vez que o Autor carece de interesse processual em obter tutela judicial voltada à implantação do mencionado percentual, bem como do recebimento do valor correspondente. Com efeito, é imperioso ter em vista que o Autor e a FUNASA firmaram instrumento legítimo para adimplemento do passivo dos 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), mediante regras livremente aceitas pelos partícipes do ato jurídico ora questionado, e que o pacto firmado foi cumprido pela Administração Pública nos termos e condições estabelecidos, destacando-se a declaração expressa do Autor no sentido de concordar e dar-se por satisfeito com o montante, a forma e o prazo de pagamento do valor devido. Diante do exposto, declaro a extinção do processo sem resolução do mérito, em face da ausência de interesse processual do Autor, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC. Verba honorária no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade do Autor, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/50). Sem custas processuais em face da gratuidade judiciária (fl. 65). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 330. O juiz conhecerá diretamente do pedido, proferindo sentença: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - quando a questão de mérito for unicamente de direito, ou, sendo de direito e de fato, não houver necessidade de produzir prova em audiência; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - quando ocorrer a revelia (art. 319). (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)" 3 "(...) 23. Isto Posto, fundamentado na Constituição Federal, artigo 37, X, no CPC, artigo 459, e demais legislação ordinária referida, julgo parcialmente procedente a ação para condenar a R. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE a fazer incidir sobre os vencimentos dos substituídos do A. SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA, o percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a partir de fevereiro de 1993, quando deverá ser incorporado aos vencimentos dos mesmos substituídos, conforme autorizações (fls. 51 a 673); indeferindo, portanto, o outro pedido, por falta de amparo legal. 24. O quantum a ser encontrado em liquidação será acrescido, na forma da lei, de juros de mora, compensatórios e correção monetária, baseado em dados da ficha funcional-financeira dos substituídos do A., a ser requisitada na fase processual adequada. 25. Condeno também o (a) mesmo (a) R. ao pagamento de honorários advocatícios (CPC, artigo 20, parágrafo 3º) à base de 10% (dez por cento) sobre o valor total da condenação".(grifei) 4 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0002526-55.2007.4.05.8200 ANTONIO SEVERINO DE ARAUJO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO) x UNIAO (FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE) (Adv. JOSE GALDINO DA SILVA FILHO, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.2526-8, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: ANTONIO SEVERINO DE ARAÚJO, ANTONIO DA SILVA FRANÇA, ANTONIO CARLOS DA SILVA, ADEMAR PEDRO DA COSTA E ADELMO ARAÚJO CABRAL ADVOGADO: YURI PORFÍRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: JOSÉ GALDINO DA SILVA FILHO S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Antonio Severino de Araújo, Antonio da Silva França, Antonio Carlos da Silva, Ademar Pedro da Costa e Adelmo Araújo Cabral em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à implantação nas remunerações dos Autores da diferença entre os índices de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), no percentual de 3,0% (três por cento), a partir de 1º de janeiro de 1993. Os Autores afirmam o seguinte: 1) Em decorrência da edição das Leis nºs. 8.622 e 8.627, ambas de 1993, foi-lhes concedido o reajuste salarial no percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), enquanto que aos militares ocupantes do posto de Brigadeiro e equivalente foi concedido o percentual de 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento); 2) A aplicação do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) à remuneração dos servidores públicos civis implicou erro da Administração Pública, uma vez que deveria ter sido aplicado o índice de 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), remanescendo a diferença no percentual de 3,0% (três por cento) a que os Demandantes fazem jus, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça, no REsp nº. 868.325. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 10/45). A FUNASA apresentou contestação (fls. 57/60), argüindo a prescrição qüinqüenal, com fundamento no art. 1º do Decreto nº. 20.910/32. Afirma que, em razão de haver sido a questão pacificada no âmbito no Supremo Tribunal Federal, no RMS 22.307/DF, o Poder Executivo editou a Medida Provisória nº. 1.704/1998, determinando a extensão do índice de reajuste salarial a todos os servidores do Poder Executivo, observando-se a compensação com os reajustes disciplinados pelas Leis nºs. 8.627/93 e 8.622/93. Os Autores apresentaram impugnação, refutando a prescrição e reiterando os termos da petição inicial (fls. 65/66). Em cumprimento ao despacho de fl. 69, a FUNASA apresentou as fichas financeiras dos Autores (fls. 74/138). Com vista dos autos, os Autores não se opuseram os documentos juntados (fl. 142). É o relatório. Decido. 1) Prescrição qüinqüenal. A prescrição qüinqüenal prevista no artigo 1º do Decreto nº 20.910/32, e artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597/42, atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, tratando-se de obrigação de trato sucessivo e mensal, como se apresenta na hipótese dos autos, em que se postula a implantação do índice de 3,0% (três por cento) nos vencimentos dos Autores. No caso, proposta a ação em 12.04.2007, a prescrição atingiria as parcelas anteriores a abril de 2002. 2) Índice de 28,86% Os Autores buscam tutela judicial que assegure a implantação, em seus vencimentos, da diferença entre os índices de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), resultando no percentual de 3,0% (três por cento), a partir de 1º de janeiro de 1993. O Supremo Tribunal Federal decidiu que o reajuste dos servidores públicos far-se-á sempre na mesma data sem distinção (RMS nº 22.307-7/DF, Rel. Min. MARCO AURÉLIO, DJ 13/06/97, pág. 26.722), devendo portanto, o reajuste concedido aos militares pela Lei 8.627/93, também ser estendido aos servidores civis do Poder Executivo: "EMENTA: REVISÃO DE VENCIMENTOS - ISONOMIA. A revisão geral de remuneração dos servidores públicos, sem distinção de índices entre servidores públicos civis e militares, far-se-á sempre na mesma data" - inciso X - sendo irredutíveis, sob o ângulo não simplesmente da forma (valor nominal), mas real (poder aquisitivo) os vencimentos dos servidores públicos civis e militares - inciso XV, ambos do artigo 37 da Constituição Federal." (grifei) No julgamento do RMS 22.307-7/DF, o STF assentou o entendimento no sentido de que o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) aplicado aos vencimentos dos servidores públicos civis e militares, de forma indistinta, reveste-se do caráter de índice de revisão geral da remuneração dos servidores públicos, segundo a norma inscrita no inciso XV do art. 37 da Constituição Federal. Desse modo, infere-se que os servidores públicos têm direito, tão-somente, à diferença entre o percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) efetivamente devido e o que eventualmente tenham recebido a menor, não se podendo cogitar de direito à diferença entre aquele percentual e o índice de 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), por tratar-se este último de reajuste diferenciado aplicado aos soldos das patentes mais elevadas da carreira militar, em razão do maior grau qualificação e responsabilidade que possuem. Nessa linha de raciocínio há precedentes dos TR F's da 1ª e 5ª Regiões2. Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno os Autores ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade dos Autores, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/503). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 24 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. REAJUSTE DE 28,86%. DIFERENÇA RELATIVA AO PERCENTUAL DE 31,87%. IMPOSSIBILIDADE. ALCANCE DA DECISÃO PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO ACOLHIDOS. EFEITOS MODIFICATIVOS. 1. Ao contrário do que inicialmente apreciado por esta Corte, a matéria dos autos discrepa de outras tantas já analisadas em casos símiles, porque o objeto do presente feito não é a concessão do reajuste de 28,86% referente à aplicação conjunta das Leis nº 8.622 e 8.627/93, mas sim o pagamento da diferença entre o referido reajuste, e o de 31,87% concedido aos Oficiais-Generais, por ocasião da referida lei nº 8.627/93. 2. "Os servidores públicos militares, contemplados com reajustes inferiores ao de 31,87%, têm direito apenas às diferenças relativamente ao percentual de 28,86%, por ter sido este considerado o índice de revisão geral da remuneração pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS 22.307-7/DF". Precedentes. 3. Embargos de Declaração acolhidos, com a atribuição de efeitos modificativos sobre o julgado original". (TRF - 1ª Região, EDAC - 200234000084637/DF, 2ª Turma, Rel. Desembargadora Federal Neuza Maria Alves da Silva, j. 10/3/2007, DJ de 11/14/2007, pág. 35) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL CIVIL. REAJUSTE DE 31,87%. IMPOSSIBILIDADE. REAJUSTE GERAL CONCEDIDO PELO STF - 28,86%. LEIS Nºs 8.622/93 E 8.627/93. ART.37, X, CF. 1. Os servidores públicos militares e civis, contemplados com reajustes inferiores ao de 31,87%, têm direito apenas às diferenças relativamente ao percentual de 28,86%, por ter sido este considerado o índice de revisão geral da remuneração pelo Supremo Tribunal Federal. 2. Ao passo que o Supremo Tribunal Federal julgou como devido o índice de 28,86% (Leis 8.622/93 e 8.627/93) concedido aos civis e militares, reconhecendo, no caso, violação ao art. 37, X, da CF/88, hipótese de cunho totalmente distinto revela-se no tratamento dado pelas mencionadas leis aos demais postos da carreira militar, concedendo-lhes percentuais de reajuste diferenciados e superiores a 28,86%, buscando-se, em verdade, prestigiar a qualificação e o grau crescente de responsabilidade das diversas patentes que compõem às Forças Armadas. 3. Apelação improvida". (TRF - 5ª Região, AC - 311672/AL, 2ª Turma, Rel. Desembargadora Federal Joana Carolina Lins Pereira, j. 31/01/2006, DJ de 10/04/2006, pág. 520) (grifei) "CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. PODER EXECUTIVO. REAJUSTE SALARIAL DE 3,00033118%. LEIS 8.622/93 E 8.627/93. IMPOSSIBILIDADE. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS ANALISADOS. 1. É indevida incorporação do percentual de 3,0033118%, decorrente da diferença entre o índice inflacionário de 28,86% efetivamente aplicado aos autores e o que é devido apenas aos militares no percentual de 31,87%, visto que este por se tratar de reajuste diferenciado somente incide sobre os soldos das patentes de General de Brigada, Contra-Almirante e Brigadeiro, conforme a dicção das Lei 8.622/93 e 8.627/93. 2. O princípio isonômico consagrado pelo inciso X do artigo 37 da Carta Constitucional se refere apenas às revisões de vencimentos, não sendo o mesmo invocável nas hipóteses de reajustes salariais diferenciados. 3. Inversão do ônus da sucumbência. 4. Apelação e remessa oficial providas. (TRF - 5ª Região, AC - 319971/Al, 2ª Turma, Rel. Desembargador Federal Petrúcio Ferreira, DJ de 22/06/2004, pág. 118) (grifei) 3 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0005682-51.2007.4.05.8200 EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL (Adv. JOSE VIEIRA DO NASCIMENTO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº: 2007.82.5682-4, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL ADVOGADO: JOSÉ VIEIRA DO NASCIMENTO RÉ: UNIÃO FEDERAL ADVOGADA DA UNIÃO: SALÉSIA DE MEDEIROS WANDERLEY D E S P A C H O Intime-se a União para, no prazo de 15 (quinze) dias, apresentar as fichas financeiras do Autor, relativas ao período de janeiro de 2001 a setembro de 2006, bem como a comprovação documental dos valores por ele percebidos, a título de quintos/décimos incorporados, a que alude a certidão de fl. 33, e o período a que corresponde o eventual pagamento. João Pessoa/PB, 12 de novembro de 2007 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 22 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0006770-27.2007.4.05.8200 ANDREA PEREIRA TAVARES E OUTROS (Adv. MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.6770-6, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: ANDREA PEREIRA TAVARES, ANTONIO ALVES TAVARES DE MELO, IRANI SOARES DA SILVA, JOAQUIM BARBOSA DE MESQUITA, JOSÉ LUIZ SOBRINHO, MARIA DE FÁTIMA SOARES DE MESQUITA, MARIA JOSÉ RIBEIRO DE OLIVEIRA, MARIA JOSÉ DO NASCIMENTO ARAÚJO E MARGARETH LIMA DA SILVA ADVOGADA: MÔNICA CALDAS DE MIRANDA HENRIQUES RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: EMERI PACHECO MOTA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Andrea Pereira Tavares, Antonio Alves Tavares de Melo, Irani Soares da Silva, Joaquim Barbosa de Mesquita, José Luiz Sobrinho, Maria de Fátima Soares de Mesquita, Maria José Ribeiro de Oliveira, Maria José do Nascimento Araújo e Margareth Lima da Silva em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à implantação nas remunerações dos Autores da diferença entre os índices de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), no percentual de 3,0% (três por cento), a partir de 1º de janeiro de 1993. Os Autores afirmam o seguinte: 1) São servidores públicos federais vinculados à Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e que, em decorrência da edição das Leis nºs. 8.622 e 8.627, ambas de 1993, foi-lhes concedido o reajuste salarial no percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), enquanto que aos militares ocupantes do posto de Brigadeiro e equivalente foi concedido o percentual de 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento); 2) A aplicação do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) à remuneração dos servidores públicos civis implicou erro da Administração Pública, uma vez que deveria ter sido aplicado o índice de 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), remanescendo a diferença no percentual de 3,0% (três por cento) a que os Demandantes fazem jus, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça, no REsp nº. 868.325, e do TRF da 5ª Região, na Apelação no processo nº. 2002.80.00.000836-0. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 09/49). A FUNASA apresentou contestação (fls. 57/67), argüindo a prescrição qüinqüenal, a contar da publicação da Medida Provisória nº. 1.704, de 1998, segundo o entendimento do STF, no julgamento do RMS nº. 22.307-7. Afirma que os Autores firmaram com a FUNASA transação judicial, nos termos da Medida Provisória nº. 1.704, de 1998, para recebimento das diferenças devidas relativas ao percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), as quais foram pagas nos períodos de 07/05/1994 a 30/06/1998. Eventual revisão do índice acordado implicaria ofensa aos princípios do ato jurídico perfeito e da segurança jurídica. O índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) foi aplicado na revisão geral da remuneração dos servidores públicos do ano de 1993, de acordo com as Leis nºs. 8.622 e 8.627, ambas de 1993, tendo o Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE-AgR 432362/PE, Relator Min. Carlos Britto, negado pretensão similar àquela pleiteada pelos Autores. Os Autores apresentaram impugnação, refutando a prescrição e reiterando os termos da petição inicial (fl. 72). É o relatório. Decido. 1) Prescrição qüinqüenal. A prescrição qüinqüenal prevista no artigo 1º do Decreto nº 20.910, de 1932, e artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597, de 1942, atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, tratando-se de obrigação de trato sucessivo e mensal, como se apresenta na hipótese dos autos, em que se postula a implantação do índice de 3,0% (três por cento) nos vencimentos dos Autores. No caso, proposta a ação em 09.07.2007, a prescrição atingiria as parcelas anteriores a julho de 2002. 2) Índice de 28,86% Os Autores buscam tutela judicial que assegure a implantação, em seus vencimentos, da diferença entre os índices de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), resultando no percentual de 3,0% (três por cento), a partir de 1º de janeiro de 1993. O Supremo Tribunal Federal decidiu que o reajuste dos servidores públicos far-se-á sempre na mesma data sem distinção (RMS nº 22.307-7/DF, Rel. Min. MARCO AURÉLIO, DJ 13/06/97, pág. 26.722), devendo portanto, o reajuste concedido aos militares pela Lei 8.627/93, também ser estendido aos servidores civis do Poder Executivo: "EMENTA: REVISÃO DE VENCIMENTOS - ISONOMIA. A revisão geral de remuneração dos servidores públicos, sem distinção de índices entre servidores públicos civis e militares, far-se-á sempre na mesma data" - inciso X - sendo irredutíveis, sob o ângulo não simplesmente da forma (valor nominal), mas real (poder aquisitivo) os vencimentos dos servidores públicos civis e militares - inciso XV, ambos do artigo 37 da Constituição Federal." (grifei) No julgamento do RMS 22.307-7/DF, o STF assentou o entendimento no sentido de que o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) aplicado aos vencimentos dos servidores públicos civis e militares, de forma indistinta, reveste-se do caráter de índice de revisão geral da remuneração dos servidores públicos, segundo a norma inscrita no inciso XV do art. 37 da Constituição Federal. Desse modo, infere-se que os servidores públicos têm direito, tão-somente, à diferença entre o percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) efetivamente devido e o que eventualmente tenham recebido a menor, não se podendo cogitar de direito à diferença entre aquele percentual e o índice de 31,87% (trinta e um vírgula oitenta e sete por cento), por tratar-se este último de reajuste diferenciado aplicado aos soldos das patentes mais elevadas da carreira militar, em razão do maior grau qualificação e responsabilidade que possuem. Nessa linha de raciocínio há precedentes dos TR F's da 1ª e 5ª Regiões2. Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno os Autores ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade dos Autores, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/503). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária (fl. 51). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO CÍVEL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. REAJUSTE DE 28,86%. DIFERENÇA RELATIVA AO PERCENTUAL DE 31,87%. IMPOSSIBILIDADE. ALCANCE DA DECISÃO PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO ACOLHIDOS. EFEITOS MODIFICATIVOS. 1. Ao contrário do que inicialmente apreciado por esta Corte, a matéria dos autos discrepa de outras tantas já analisadas em casos símiles, porque o objeto do presente feito não é a concessão do reajuste de 28,86% referente à aplicação conjunta das Leis nº 8.622 e 8.627/93, mas sim o pagamento da diferença entre o referido reajuste, e o de 31,87% concedido aos Oficiais-Generais, por ocasião da referida lei nº 8.627/93. 2. "Os servidores públicos militares, contemplados com reajustes inferiores ao de 31,87%, têm direito apenas às diferenças relativamente ao percentual de 28,86%, por ter sido este considerado o índice de revisão geral da remuneração pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS 22.307-7/DF". Precedentes. 3. Embargos de Declaração acolhidos, com a atribuição de efeitos modificativos sobre o julgado original". (TRF - 1ª Região, EDAC - 200234000084637/DF, 2ª Turma, Rel. Desembargadora Federal Neuza Maria Alves da Silva, j. 10/3/2007, DJ de 11/14/2007, pág. 35) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL CIVIL. REAJUSTE DE 31,87%. IMPOSSIBILIDADE. REAJUSTE GERAL CONCEDIDO PELO STF - 28,86%. LEIS Nºs 8.622/93 E 8.627/93. ART.37, X, CF. 1. Os servidores públicos militares e civis, contemplados com reajustes inferiores ao de 31,87%, têm direito apenas às diferenças relativamente ao percentual de 28,86%, por ter sido este considerado o índice de revisão geral da remuneração pelo Supremo Tribunal Federal. 2. Ao passo que o Supremo Tribunal Federal julgou como devido o índice de 28,86% (Leis 8.622/93 e 8.627/93) concedido aos civis e militares, reconhecendo, no caso, violação ao art. 37, X, da CF/88, hipótese de cunho totalmente distinto revela-se no tratamento dado pelas mencionadas leis aos demais postos da carreira militar, concedendo-lhes percentuais de reajuste diferenciados e superiores a 28,86%, buscando-se, em verdade, prestigiar a qualificação e o grau crescente de responsabilidade das diversas patentes que compõem às Forças Armadas. 3. Apelação improvida". (TRF - 5ª Região, AC - 311672/AL, 2ª Turma, Rel. Desembargadora Federal Joana Carolina Lins Pereira, j. 31/01/2006, DJ de 10/04/2006, pág. 520) (grifei) "CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. PODER EXECUTIVO. REAJUSTE SALARIAL DE 3,00033118%. LEIS 8.622/93 E 8.627/93. IMPOSSIBILIDADE. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS ANALISADOS. 1. É indevida incorporação do percentual de 3,0033118%, decorrente da diferença entre o índice inflacionário de 28,86% efetivamente aplicado aos autores e o que é devido apenas aos militares no percentual de 31,87%, visto que este por se tratar de reajuste diferenciado somente incide sobre os soldos das patentes de General de Brigada, Contra-Almirante e Brigadeiro, conforme a dicção das Lei 8.622/93 e 8.627/93. 2. O princípio isonômico consagrado pelo inciso X do artigo 37 da Carta Constitucional se refere apenas às revisões de vencimentos, não sendo o mesmo invocável nas hipóteses de reajustes salariais diferenciados. 3. Inversão do ônus da sucumbência. 4. Apelação e remessa oficial providas. (TRF - 5ª Região, AC - 319971/Al, 2ª Turma, Rel. Desembargador Federal Petrúcio Ferreira, DJ de 22/06/2004, pág. 118) (grifei) 3 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0009224-77.2007.4.05.8200 JOSE ROBERTO AGRIPINO E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO N.° 2007.82.9224-5, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: JOSÉ ROBERTO AGRIPINO, MARCOS ANTONIO DO NASCIMENTO, PEDRO ALVES DINIZ E PEDRO BATISTA DE ARAÚJO ADVOGADOS: VERÔNICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO E GERSON MOUSINHO DE BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: JOSÉ HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por José Roberto Agripino, Marcos Antonio do Nascimento, Pedro Alves Diniz e Pedro Batista de Araújo em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à percepção da diferença entre o valor pago aos Autores e o que lhes era efetivamente devido, relativamente à "indenização de campo" prevista na Lei nº. 8.270/1991, a partir de outubro de 2005, e à implantação em suas remunerações da diferença que entendem devida. Os Autores são servidores da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e, nesta condição, recebem a indenização de campo prevista no art. 16 da Lei 8.216/1991, fixada em CR$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros), destinada a servidores que prestam serviços fora do local de trabalho, com a finalidade de inspecionar e fiscalizar as condições sanitárias. Com o advento da Lei nº. 8.270/1991, a indenização de campo foi fixada no valor de CR$ 9.000,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros), nos termos do art. 15 da mencionada lei. O Decreto nº 343/1991, em seu art. 4º, regulamentou as leis supracitadas, reafirmando que a referida indenização era devida à categoria dos servidores públicos federais. Na vigência da Lei nº. 8.270/1991, o valor da diária de nível "D", paga aos ocupantes situados na faixa média, auxiliar ou equivalente, caso dos Autores, fixada no Anexo I do Decreto nº. 343/1991 era de CR$ 19.200,00 (dezenove mil e duzentos cruzeiros). Assim, a esse tempo, o valor da Indenização Substitutiva do Pagamento de Diária correspondia a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) do valor de uma diária. Portanto, esse é o percentual de reajustamento da indenização em questão, nos termos do citado art. 15 da Lei nº. 8.270/1991. Ocorre que o Decreto nº. 1.656/1995, revogando o Anexo I do Decreto nº 343/1991, fixou o valor da diária de nível "D" em R$ 57,28 (cinqüenta e sete reais e vinte e oito centavos) e o valor da indenização em R$ 17,46 (dezessete reais e quarenta e seis centavos), resultando em uma perda financeira no percentual de 16,39% (dezesseis vírgula trinta e nove por cento), contrariando o disposto no artigo 15, da Lei nº 8.270/1991, que previa reajuste da indenização em 46,87%. Posteriormente, foi editado o Decreto nº 3.643/2000, que manteve os valores fixados no sobredito Decreto nº. 1.650/1995, e suas respectivas defasagens, situação esta só resolvida com a publicação da Portaria nº. 406/2002. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 10/44). A FUNASA apresentou contestação (fls. 52/66), alegando a prescrição qüinqüenal, nos termos do Decreto nº. 20.910/1932. Afirma que não há vinculação entre a indenização prevista em lei e o valor de qualquer diária. Por outro lado, mesmo que se admita a existência dessa vinculação, a relação percentual deve ser buscada entre os CR$ 4.200,00, valor instituído pela Lei nº 8.216/1991, para a indenização de campo, e os CR$ 19.200,00 referentes ao valor da diária nível "D", resultando em um percentual inferior aos 46,87% requerido pelos Autores. Os valores das indenizações estão de acordo com os preceitos legais que regulam a matéria, especificamente as prescrições dos Decretos nºs. 343/1991, 1.656/1995 e 3.643/2000, o que leva à improcedência do pedido, sobretudo no que diz respeito ao pagamento de atrasados, a partir de outubro de 1995, decorrente de um hipotético percentual de 16,39% (dezesseis vírgula trinta e nove por cento). Os Autores apresentaram impugnação, refutando a prescrição qüinqüenal e reiterando os termos da petição inicial (fls. 71/76). É o relatório. Decido. 1) Prescrição qüinqüenal A prescrição atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910/19322, e do artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597/19423. No caso dos autos, proposta a ação em 30.08.2007, a prescrição atingiria as parcelas pecuniárias anteriores a 30.08.2002. 2) Sobre a indenização de campo Na hipótese em exame, os Autores pretendem o pagamento da diferença entre o percentual de 46,87% e o que vinha sendo pago no percentual de 30,48% do valor da diária nível D, referente às parcelas vencidas da indenização prevista nas Leis nº 8.216/1991 e nº 8.270/1991, bem como a implantação em suas remunerações da diferença que reputam devida. O pedido está exposto nos seguintes termos (fl. 08): "Posto isto, pedem a Vossa Excelência, digne-se de ordenar a citação da FUNASA, no endereço acima indicado para, querendo, contestar a presente ação na forma e modo legais, sob pena de não o fazendo serem admitidos como verdadeiros os fatos articulados ut e, esgotada a instrução processual prevista em lei, ser julgada procedente para o fim de compelir a ré a pagar aos autores as diferenças entre o valor de R$ 40,27 (quarenta reais e vinte e sete centavos) que deveriam estar recebendo a partir de 20 de outubro de 2005 (Dec. Nº. 5554/2005 e anexos) e o valor de R$ 26,85 (vinte e seis reais vírgula oitenta e cinco centavos) efetivamente pagos ex vi da Portaria nº406/2002, cuja diferença alcança R$ 13,42 a título de indenização de campo por cada dia de serviço prestado fora da sede, concernente à indenização de campo devida a partir do dia 20.10.2005, cujos valores deverão ser apurados em liquidação de sentença, acrescidos de juros e correção monetária aplicados até a data da efetiva satisfação da dívida, e, ainda, a implantar aos proventos dos autores, adicionando-se aos contra-cheques de cada um os valores retrocitados, respectivamente, tudo em consonância à legislação vigente atinente à espécie". (grifei) A Lei nº 8.216/1991, em seu artigo 164, prevê o pagamento de indenização aos servidores que se afastarem do local de trabalho, sem direito à percepção de diárias, para realizarem trabalhos de campo. Posteriormente, o artigo 15, da Lei nº 8.270/19915, determinou que a referida indenização deveria ser reajustada na mesma data e percentual da revisão dos valores das diárias. Tal valor, fixado no art. 15 da Lei 8.270/1991, correspondia a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) do valor das diárias de nível "D". O Decreto nº 1.656/1995, ao instituir o valor da "indenização", não observou a previsão legal que determinava o reajuste da indenização em percentual correspondente a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) sobre o valor das diárias. Assim, o referido decreto fixou a indenização em quantia equivalente a 30,48% (trinta vírgula quarenta e oito por cento) sobre o valor estipulado para as diárias. Embora estivesse prevista em lei a paridade entre o valor da indenização e o da diária, a elevação da quantia estipulada para as diárias foi superior àquela concedida para a indenização. De igual modo, o Decreto nº. 5.554, de 04/10/2005 (DOU 05/10/2005), que dispõe sobre a fixação do valor das diárias pagas a servidores públicos federais em deslocamento a serviço, também deixou de observar o percentual estabelecido pela Lei nº. 8.270/1991 para efeito de pagamento de uma diária de nível "D". No sentido de que os referidos decretos não respeitaram a correspondência entre o percentual da diária e o da indenização, há precedente do egrégio TRF da 5ª Região6. A lei é expressa ao determinar que a indenização deveria ser reajustada na mesma data e mesmo percentual da revisão dos valores das diárias, ou seja, em 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento). A atualização da indenização de campo no percentual de 46,87% está de acordo com o disposto na Lei 8.270/1991. Nesse sentido é o julgamento realizado em 26.11.2002, pela Terceira Turma do TRF 5ª Região, nos autos da Apelação cível 307320, Processo 2001.82.01.001113-6/CE, DJ de 26.02.2003, p. 10017. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido, e condeno a FUNASA a implantar nos vencimentos/proventos dos Autores o valor correspondente à diferença entre o percentual de 46,87% de uma diária nível "D" e o que vinha sendo pago a menor relativamente à indenização prevista no artigo 16 da Lei 8.216/1991 e no artigo 15 da Lei 8.270/1991, bem como a pagar aos Demandantes as parcelas vencidas da indenização, a partir de outubro de 2005, respeitada a prescrição qüinqüenal, acrescidas de juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês a partir da citação, e devidamente corrigidas nos moldes da legislação vigente. Condeno a FUNASA ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Sem condenação em custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao egrégio TRF-5ª Região, nos termos do artigo 475, I, do CPC. João Pessoa, 25 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Decreto nº 20.910/32: Art. 1º. As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. (...)". (grifei) 3 "Decreto-Lei nº 4.597/42: (...) Art. 2º. O decreto n. 20.910, de 6 de janeiro de 1932, que regula a prescrição qüinqüenal, abrange as dívidas passivas das autarquias, ou entidades e órgãos paraestatais, criados por lei e mantidos mediante impostos, taxas ou quaisquer contribuições, exigidas em virtude de lei federal, estadual ou municipal, bem como a todo e qualquer direito e ação contra os mesmos. (grifei) 4 "Art. 16. Será concedida, nos termos do regulamento, indenização de Cr$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros) por dia, aos servidores que se afastarem do seu local de trabalho, sem direito à percepção de diária, para execução de trabalhos de campo, tais como os de campanhas de combate e controle de endemias; marcação, inspeção e manutenção de marcos decisórios; topografia, pesquisa, saneamento básico, inspeção e fiscalização de fronteiras internacionais. Parágrafo único. É vedado o recebimento cumulativo da indenização objeto do caput deste artigo com a percepção de diárias." (grifei) 5 "Art. 15. A indenização criada pelo art. 16 da Lei n° 8.216, de 1991, é fixada em nove mil cruzeiros e será reajustada pelo Poder Executivo na mesma data e percentual de revisão dos valores de diárias." (grifei) 6 "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR. PAGAMENTO DAS PARCELAS. INDENIZAÇÃO. ART. 16 DA LEI Nº 8.216/91 E ART. 15 DA LEI Nº 8.270/91. DIFERENÇA ENTRE O PERCENTUAL DE 46,87% E O DE 30,48%. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. O Decreto nº 1.656, de 03 de outubro de 1995, não obedeceu aos ditames do art. 15, da Lei nº 8.270 de 1991, ao fixar os novos valores para as diárias e a indenização de campo. Tal dispositivo normativo não atendeu à correspondência entre o percentual da diária e o da referida indenização, em clara afronta ao referido artigo, situação corroborada pelos Decretos nºs 3.643/2000 e 5.554/2005. 2. Hipótese em que a própria Administração discorre acerca da Portaria nº 406, de 02.10.2002 (efeitos financeiros vigentes a partir de agosto de 2002), que reajustou o valor da indenização de que trata o art. 16, da Lei nº 8.216/91, para R$ 26,85 (vinte e seis reais e oitenta e cinco centavos). Plausibilidade da pretensão posta a lume. 3. Redução dos juros de mora para 0,5% (meio por cento) ao mês -art. 1º - F, da Lei nº 9.494/97, a partir da citação, e dos honorários advocatícios para 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. Apelação improvida e Remessa Oficial provida, em parte." (TRF - 5ª Região, AC - 334414/PB, 3ª Turma, Relator Desembargador Federal Geraldo Apoliano, j. 31/05/2007, DJ de 08/08/2007, pág. 667). (grifei) 7 "EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR DA FNS. INDENIZAÇÃO INSTITUÍDA PELO ART. 16 DA LEI Nº 8.216/91. REAJUSTE DA 46,87%. INCLUSÃO NOS VENCIMENTOS. - A atualização da indenização de campo, no percentual de 46,87%, concretiza o disposto na lei nº 8.270/91, que determina o reajuste da indenização na mesma data e no mesmo percentual dos valores das diárias." (Tribunal Regional Federal da 5ª Região; Apelação Cível - 307320; Processo: 200182010011136; UF: CE; Órgão Julgador: Terceira Turma; Data da Decisão: 26/11/2002; Fonte: DJ - Data::26/02/2003 - Página: 1001; Relator(a): Desembargador Federal Élio Wanderley de Siqueira Filho) (grifei). ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

EMBARGOS À EXECUÇÃO FUNDADA EM TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0010638-13.2007.4.05.8200 CELIA BARROS MENDES ME (Comercial Bom Trigo) E OUTRO (Adv. FABIO FIRMINO DE ARAUJO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL)

AUTOS COM VISTA ao credor/embargado para impugnar os embargos, no prazo de 15 (quinze) dias (art. 7401 do CPC). P.I. JPA, 18 de janeiro de 2008 1 Art. 740. Recebidos os embargos, será o exeqüente ouvido no prazo de 15 (quinze) dias; a seguir, o juiz julgará imediatamente o pedido (art. 330) ou designará audiência de conciliação, instrução e julgamento, proferindo sentença no prazo de 10 (dez) dias. Parágrafo único. No caso de embargos manifestamente protelatórios, o juiz imporá, em favor do exeqüente, multa ao embargante em valor não superior a 20% (vinte por cento) do valor em execução. . ?? ?? ?? ??

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0009929-75.2007.4.05.8200 ALIRIO TRINDADE LEITE (Adv. FENELON MEDEIROS FILHO) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.9929-0, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: ALÍRIO TRINDADE LEITE ADVOGADO: FENELON MEDEIROS FILHO IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 25/30): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por Alírio Trindade Leite contra ato apontado ilegal do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, configurado na reposição ao erário de valores percebidos pelo Impetrante relativamente à vantagem funcional intitulada "quintos", e na redução do valor da mesma vantagem. O Impetrante é servidor aposentado da UFPB e afirma que a autoridade impetrada, através da Carta-Circular nº 13-GAB/SRH, de 21.09.2007, determinou a reposição ao erário, na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, da quantia de R$ 20.458,62 (vinte mil quatrocentos e cinqüenta e oito reais e sessenta e dois centavos), concernente a valores de vantagem incorporada por força de decisão judicial, além de determinar a redução do valor da mesma vantagem para R$ 10.810,90 (dez mil oitocentos e dez reais e noventa centavos). Sustentando a ilegalidade do ato de reposição e redução, seja porque não fora observado o devido processo legal, seja porque não houve anuência do Impetrante, ou em afronta ao direito adquirido e coisa julgada, além de os valores terem sido percebidos em boa-fé, incidindo a decadência, pede a concessão da liminar no sentido de que a autoridade se abstenha de proceder à reposição ao erário dos valores relativos à vantagem funcional em referência e que seja mantido o pagamento da vantagem no mesmo valor que vinha sendo pago. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 13/22). É o relatório. Decido. Através da Carta-Circular nº 13 - GAB/SRH, de 21.09.2007, a autoridade impetrada comunicou ao Impetrante, servidor aposentado da UFPB (fls. 15), sobre a reposição ao erário da quantia de R$ 20.458,62 (vinte mil quatrocentos e cinqüenta e oito reais e sessenta e dois centavos), relativamente à vantagem denominada "quintos", que fora recebida em valores superiores, e assinalando que a reposição, com base no artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 2001, processar-se-á a partir de trinta dias contados da ciência daquela Carta, mediante anuência prévia. Na mesma Carta-Circular comunicou que o valor da vantagem, que até então era de R$ 12.271,90 (doze mil duzentos e setenta e um reais e noventa centavos), será reduzido para R$ 10.810,90 (dez mil oitocentos e dez reais e noventa centavos), a partir de novembro de 2007 (cf. comprovantes de rendimentos de 2006 e 2007, fls. 16/19). Sobre o tema da restituição ao erário dos valores que teriam sido percebidos indevidamente por servidor público federal em atividade, aposentado ou pensionista, a que se refere o artigo 46 da Lei nº 8.112, de 19902, as premissas a serem observadas são as seguintes: 1) As vantagens salariais têm natureza alimentar e, por isto mesmo, não podem ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990. 2) As vantagens salariais percebidas pelo servidor público em boa-fé - que se presume -, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990. 3) As vantagens salariais que vinham sendo percebidas em face de decisão judicial, mas cujo desfecho final da ação fora desfavorável ao servidor, ostentam, igualmente, a natureza alimentar e a boa-fé, não podendo ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, salvo se houver determinação judicial em contrário. Com efeito, se de um lado, é poder-dever da Administração Pública federal proceder à anulação dos atos ilegais por ela praticados ou revogá-los por conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, no decurso de cinco anos (artigos 53 e 54 da Lei nº 9.784, de 1999, que rege o processo administrativo federal3), por outro lado, a reposição dos valores de vantagens salariais segundo as diversas modalidades remuneratórias, por erro exclusivo da Administração e percebidos de boa-fé pelo servidor, implica penalização ao servidor em face do equívoco ou preterição da Administração no que concerne à observância da licitude (princípio da legalidade, artigo 37, caput, da Constituição Federal de 1988) dos procedimentos administrativos, e, também, desconsideração à natureza alimentar das vantagens. Mesmo que se admita a aplicação do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, a reposição ou indenização deverá ser precedida da anuência expressa do servidor público na atividade ou aposentado, ou seu pensionista4, o que não ocorreu na hipótese em exame. Não havendo concordância, caberá à Administração Pública promover, se for o caso, a cobrança judicial dos valores pagos indevidamente na via administrativa ou objeto de indenização. Em tema de reposição envolvendo vantagens salariais ou estipêndios correlatos, o que está em cogitação, fundamentalmente, seja na esfera administrativa ou judicial, é a observância do princípio da estabilidade das relações jurídicas e do liame de confiança (boa-fé) que se estabelece entre a Administração e o servidor e entre o Judiciário e o jurisdicionado (servidor). A esse respeito, reporto-me aos precedentes do Superior Tribunal de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais das 1ª, 3ª, 4ª e 5ª Região5. Com relação à redução da vantagem, ela decorre do fato de que a verba vinha sendo corrigida em desacordo com o que previsto no artigo 15 da Lei nº 9.527, de 1997, que estabelece que a correção/reajuste se fará apenas em face dos índices aplicados por ocasião da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, e, portanto, não vislumbro, nesse aspecto e à primeira vista, ilegalidade do ato impugnado, até porque não há elementos nos autos para aferir-se desde quando o Impetrante percebe a vantagem, para efeito de incidência, ou não, da decadência (artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999). No caso, presente a plausibilidade jurídica no que concerne à ilegalidade da reposição, concorre igualmente o perigo da demora, tendo em vista a natureza alimentar da vantagem com previsão de início da restituição a partir de novembro de 2007. Diante do exposto, concedo, em parte, a liminar para determinar à autoridade impetrada que suspenda o desconto na forma de reposição ao erário a que alude a Carta-Circular nº 13-GAB/SRH/UFPB, de 21.09.2007 (fls. 15). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada para cumprimento imediato desta decisão e para prestar as informações, estas no prazo de 10 (dez) dias. Intimem-se desta decisão o Impetrante e a Procuradoria Jurídica da UFPB, nos termos do artigo 3º da Lei nº 4.348, de 1964, na redação dada pela Lei nº 10.910, de 2004. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 12 NOV 2007. (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB prestou as informações (fls. 38/39), afirmando que a Controladoria-Geral da União, em auditoria realizada na UFPB, observou que os quintos de função comissionada incorporados pelo Impetrante vinham sendo reajustados de forma irregular, uma vez que com base em percentuais aplicados à remuneração dos professores titulares com doutorado e submetidos ao regime de trabalho de dedicação exclusiva. Com a entrada em vigor da Lei nº. 9.527/1997, os quintos incorporados foram transformados em VPNI, submetendo-se, desde então, aos regimes de reajustes gerais de vencimentos dos funcionários públicos federais, não sendo mais possível o seu reajustamento de acordo com os mesmos percentuais incidentes sobre a remuneração do professor titular com doutorado e submetido ao regime de dedicação exclusiva. O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 42/44). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 25/30). No caso dos autos, através da Carta-Circular nº 13 - GAB/SRH, de 21.09.2007, a autoridade impetrada comunicou ao Impetrante, servidor aposentado da UFPB (fls. 15), sobre a reposição ao erário da quantia de R$ 20.458,62 (vinte mil quatrocentos e cinqüenta e oito reais e sessenta e dois centavos), relativamente à vantagem denominada "quintos", que fora recebida em valores superiores, e assinalando que a reposição, com base no artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 2001, processar-se-á a partir de trinta dias contados da ciência daquela Carta, mediante anuência prévia. Na mesma Carta-Circular comunicou que o valor da vantagem, que até então era de R$ 12.271,90 (doze mil duzentos e setenta e um reais e noventa centavos), será reduzido para R$ 10.810,90 (dez mil oitocentos e dez reais e noventa centavos), a partir de novembro de 2007 (cf. comprovantes de rendimentos de 2006 e 2007, fls. 16/19). Conforme assentei na decisão, aplicam-se à hipótese as seguintes premissas alusivas à restituição ao erário dos valores percebidos indevidamente por servidor público federal, a que se refere o artigo 46 da Lei nº 8.112/1990: 1) As vantagens salariais têm natureza alimentar e, por isto mesmo, não podem ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. 2) As vantagens salariais percebidas pelo servidor público em boa-fé - que se presume -, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. 3) As vantagens salariais que vinham sendo percebidas em face de decisão judicial, mas cujo desfecho final da ação fora desfavorável ao servidor, ostentam, igualmente, a natureza alimentar e a boa-fé, não podendo ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990, salvo se houver determinação judicial em contrário. Observei no decisum que, se de um lado é poder-dever da Administração Pública federal proceder à anulação dos atos ilegais por ela praticados ou revogá-los por conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, no decurso de cinco anos (artigos 53 e 54 da Lei nº 9.784/1999, que rege o processo administrativo federal), por outro lado, a reposição dos valores de vantagens salariais segundo as diversas modalidades remuneratórias, por erro exclusivo da Administração e percebidos de boa-fé pelo servidor, implica penalização ao servidor em face do equívoco ou preterição da Administração no que concerne à observância da licitude (princípio da legalidade, art. 37, caput, da Constituição Federal de 1988) dos procedimentos administrativos, e, também, desconsideração à natureza alimentar das vantagens. Mesmo que se admita a aplicação do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, a reposição ou indenização deverá ser precedida da anuência expressa do servidor público na atividade ou aposentado, ou seu pensionista, o que não ocorreu na hipótese em exame. Não havendo concordância, caberá à Administração Pública promover, se for o caso, a cobrança judicial dos valores pagos indevidamente na via administrativa ou objeto de indenização. Sobreleva na hipótese o princípio da estabilidade das relações jurídicas e do liame de confiança (boa-fé) que se estabelece entre a Administração e o servidor e entre o Judiciário e o jurisdicionado (servidor). Com relação à redução da vantagem, ela decorre do fato de que a verba vinha sendo corrigida em desacordo com o que previsto no artigo 15 da Lei nº 9.527, de 1997, que estabelece que a correção/reajuste se fará apenas em face dos índices aplicados por ocasião da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, e, portanto, não vislumbro ilegalidade no ato impugnado, até porque não há elementos nos autos para aferir-se desde quando o Impetrante percebe a vantagem, para efeito de incidência, ou não, da decadência (artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999). Diante do exposto, confirmo a liminar e concedo, em parte, a segurança para determinar à autoridade impetrada que se abstenha de proceder ao desconto na forma de reposição ao erário a que alude a Carta-Circular nº 13-GAB/SRH/UFPB, de 21.09.2007 (fl. 15). Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 115 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região, nos termos do artigo 12, parágrafo único, da Lei nº 1.533/1951. João Pessoa, 22 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Texto extraído do endereço na internet: www.planalto.gov.br Art. 45. Salvo por imposição legal, ou mandado judicial, nenhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. (Regulamento) Parágrafo único. Mediante autorização do servidor, poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros, a critério da administração e com reposição de custos, na forma definida em regulamento. Art. 46 As reposições e indenizações ao erário, atualizadas até 30 de junho de 1994, serão previamente comunicadas ao servidor ativo, aposentado ou ao pensionista, para pagamento, no prazo máximo de trinta dias, podendo ser parceladas, a pedido do interessado. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 1o O valor de cada parcela não poderá ser inferior ao correspondente a dez por cento da remuneração, provento ou pensão. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 2o Quando o pagamento indevido houver ocorrido no mês anterior ao do processamento da folha, a reposição será feita imediatamente, em uma única parcela. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 3o Na hipótese de valores recebidos em decorrência de cumprimento a decisão liminar, a tutela antecipada ou a sentença que venha a ser revogada ou rescindida, serão eles atualizados até a data da reposição. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) 3 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 4A propósito, destaco a decisão proferida em 12.02.2004 pelo Pleno do Colendo Supremo Tribunal Federal no Mandado de Segurança nº 24.182-9-DF, sob a relatoria do Ministro Maurício Corrêa, cujo acórdão tem a seguinte ementa: "EMENTA: Mandado de Segurança. 2. Desaparecimento de talonários de tíquetes-alimentação. Condenação do impetrante, em processo administrativo disciplinar, de ressarcimento ao erário do valor do prejuízo apurado. 3. Decisão da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados de desconto mensais, em folha de pagamento, sem autorização do servidor. 4. Responsabilidade civil de servidor. Hipótese em que não se aplica a auto-executoriedade do procedimento administrativo. 5. A Administração acha-se restrita às sanções de natureza administrativa, não podendo alcançar, compulsoriamente, as conseqüências civis e penais. 6. À falta de prévia aquiescência do servidor, cabe à Administração propor ação de indenização para a confirmação, ou não, do ressarcimento apurado na esfera administrativa. 7. O art. 46 da Lei nº 8.112, de 1990, dispõe que o desconto em folha de pagamento é a forma como poderá ocorrer o pagamento pelo servidor, após sua concordância com a conclusão administrativa ou a condenação judicial transitada em julgado. 8. Mandado de Segurança deferido." (grifei) 5"RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. SERVIDORES. GRATIFICAÇÃO. RECEBIMENTO INDEVIDO EFETUADO PELA ADMINISTRAÇÃO POR SUA RESPONSABILIDADE. BOA-FÉ NO RECEBIMENTO. RESTITUIÇÃO DOS VALORES. DESCONTO EM FOLHA. INVIABILIDADE. Ante a presunção de boa-fé no recebimento da Gratificação em referência, descabe a restituição do pagamento indevido feito pela Administração em virtude de errônea interpretação ou má aplicação da lei. Recurso desprovido." ( REsp nº 488905-RS, Relator Ministro José Arnaldo da Fonseca, 5ª Turma do STJ, j. 17.08.2004) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. RECEBIMENTO DE VALORES INDEVIDOS. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Esta Segunda Turma já firmou entendimento no sentido de que o servidor, recebendo de boa-fé remuneração por enquadramento indevido, por erro exclusivo da Administração, consoante precedentes do STJ, não está obrigado a devolver a contraprestação recebida, pela prestação prévia do serviço (REsp 365398, DJ de 18/03/2002 e TRF 1ª Região - AC 1998.38.00.025939-5/MG Desembargador Federal TOURINHO NETO, SEGUNDA TURMA, DJ 07/11/2002, p. 50). 2. Apelação e remessa oficial improvidas - sentença mantida." (AMS nº 34000449336-DF, Relatora Desembargadora Federal Assussete Magalhães, 2ª Turma do TRF-1ª Região, DJ de 13.02.2003, p. 68) (grifei) "ADMINISTRATIVO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO DE VALORES PAGOS SUPOSTAMENTE DE MANEIRA INDEVIDA. DESCONTO EM FOLHA. INCABIMENTO. CARÁTER ALIMENTAR. BOA-FÉ. - As verbas pagas aos agravados, supostamente de maneira indevida, não devem ser restituídas da forma como pretende a agravante, considerando seu caráter alimentar, pois foram recebidas de boa-fé. - A suspensão do referido desconto não acarretará insanável prejuízo à Administração, pois poderá ser implementada a qualquer tempo, se julgado legítimo o ato administrativo impugnado. - Agravo de instrumento a que se nega provimento, restando prejudicado o agravo regimental." (AG nº 122726-SP, Relatora Juíza Suzana Camargo, 5ª Turma do TRF-3ª Região, DJ de 14.05.2002, p. 445) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. GRATIFICAÇÃO DE ATIVIDADE EXECUTIVA. LEGITIMIDADE PASSIVA DA UNIÃO. AUSÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO PÚBLICO. VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. VALOR DA CAUSA. A União é parte passiva em ação cuja controvérsia teve origem em decisão do Tribunal de Contas da União, que anulou o Parecer nº 508, e determinou o recolhimento retroativo de parcelas previdenciárias sobre a GAE em período isentado por aquele parecer. O fato de a Administração ter modificado o entendimento expresso no Parecer DRH 508, de 12 de novembro de 1992, que isentava a contribuição no período de dezembro de 1992 a novembro de 1993, não a autoriza a proceder o desconto retroativo, pois referidos valores foram recebidos de boa-fé pelo servidor. Sendo pequeno o valor da causa e não havendo condenação, é razoável que se aplique o arbitramento eqüitativo, sob pena de se aviltar o trabalho profissional com a fixação dos honorários em valor irrisório. Apelação da União, da Universidade e remessa oficial improvidas. Apelação da parte autora parcialmente provida." (AC nº 294965-RS, Relatora Juíza Maria de Fátima Freitas Labarrére, 3ª Turma do TRF-4ª Região, DJ de 20.06.2001, p. 1310) (grifei) "AGRAVO DE INSTRUMENTO. LIMINAR EM MANDADO DE SEGURANÇA. DESCONTO DE IMPORTÂNCIA RECEBIDA POR DETERMINAÇÃO JUDICIAL. RESCISÃO POSTERIOR DA SENTENÇA. REPOSIÇÃO INDEVIDA. - Presença dos pressupostos para concessão de liminar em mandado de segurança obstativa de desconto em folha de pagamento, a título de reposição ao erário, de importâncias recebidas por servidor público. - Pagamento de vantagem funcional autorizada por sentença judicial. Boa-fé evidenciada, natureza alimentar da prestação. - Desconto não determinado pelo julgamento da ação rescisória. - Liminar mantida." (AG nº 53514-RN, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 02.08.2004, p. 147) (grifei) "ADMINISTRATIVO. PENSÃO POR MORTE. MILITAR. REVISÃO DE BENEFÍCIO. ERRO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. RESTITUIÇÃO. BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE. 1. A Administração Pública tem o direito de anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade. 2. Levando-se em consideração a presunção de boa-fé e não havendo nos autos razão para disso se duvidar, tem-se por descabida a reposição ao erário dos valores indevidamente percebidos pela impetrante. 3. Apelação provida." (AMS nº 86569-RN, Relator Desembargador Federal Luiz Alberto Gurgel de Faria, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 30.06.2004, p. 124) (grifei) "PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. PAGAMENTO INDEVIDO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. PRINCÍPIO DA BOA-FÉ DAS RELAÇÕES JURÍDICAS. INEXIGIBILIDADE. - É plausível a tese de que não são passíveis de devolução ao Erário os valores adicionais recebidos de boa-fé pelos servidores, em decorrência de erro exclusivo da Administração. - Precedentes deste eg. Tribunal." (REO nº 82247-SE, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 15.06.2004, p. 113) (grifei) " ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE DE COBRANÇA DE VALORES PRETÉRITOS RECEBIDOS INDEVIDAMENTE. - A jurisprudência majoritária consagra o entendimento de que as verbas de natureza alimentar recebidas de boa-fé, não podem, ser alvos de restituição ao erário, inclusive quando estes valores foram recebidos pelo servidor em decorrência de interpretação errônea, pela Administração, do texto legal. - Agravo de instrumento improvido." (AG nº 342928-CE, Relator Desembargador Federal Marcelo Navarro, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 27.04.2004, p. 758) (grifei) ""EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. INCORPORAÇÃO DO PERCENTUAL DE 84,32%. VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ POR FORÇA DE DECISÃO JUDICIAL. DEVOLUÇÃO AO ERÁRIO. DESNECESSIDADE. 1. Os valores recebidos de boa-fé pelo servidor público, com amparo em decisão judicial que posteriormente vem a ser reformada, são insuscetíveis de restituição. Inaplicabilidade do art. 46 da Lei 8.112/90. 2. É incompatível com o instituto da repetição o caráter alimentar de que se revestem os salários e vencimentos, eis que destinam-se ao consumo e sobrevivência dos que o recebem. 3. Precedentes desta Corte (EDMSPL Nº74.908/PE, j. em 31/03/2004, DJ em 28/04/2004). 4. Agravo de instrumento desprovido. Agravo regimental prejudicado." (AG nº 53415-RN, Relator Desembargador Federal Francisco Wildo, 1ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 05.07.2004, p. 874) (grifei) ?? ?? ?? ?? 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0009940-07.2007.4.05.8200 JOSE SAVIO PARENTE MIRANDA (Adv. FENELON MEDEIROS FILHO) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.9940-9, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: JOSÉ SÁVIO PARENTE MIRANDA ADVOGADO: FENELON MEDEIROS FILHO IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 25/30): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por José Sávio Parente Miranda contra ato apontado ilegal do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, configurado na reposição ao erário de valores percebidos pelo Impetrante relativamente à vantagem funcional intitulada "quintos", e na redução do valor da mesma vantagem. O Impetrante é servidor aposentado da UFPB e afirma que a autoridade impetrada, através da Carta-Circular nº 13-GAB/SRH, de 21.09.2007, determinou a reposição ao erário, na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, da quantia de R$ 1.835,40 (um mil oitocentos e trinta e cinco reais e quarenta centavos), concernente a valores de vantagem incorporada por força de decisão judicial, além de determinar a redução do valor da mesma vantagem para R$ 1.468,09 (um mil quatrocentos e sessenta e oito reais e nove centavos). Sustentando a ilegalidade do ato de reposição e redução, seja porque não fora observado o devido processo legal, seja porque não houve anuência do Impetrante, ou em afronta ao direito adquirido e coisa julgada, além de os valores terem sido percebidos em boa-fé, incidindo a decadência, pede a concessão da liminar no sentido de que a autoridade se abstenha de proceder à reposição ao erário dos valores relativos à vantagem funcional em referência e que seja mantido o pagamento da vantagem no mesmo valor que vinha sendo pago. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 13/22). É o relatório. Decido. Através da Carta-Circular nº 13 - GAB/SRH, de 21.09.2007, a autoridade impetrada comunicou ao Impetrante, servidor aposentado da UFPB (fls. 15), sobre a reposição ao erário da quantia de R$ 1.835,40 (um mil oitocentos e trinta e cinco reais e quarenta centavos), relativamente à vantagem denominada "quintos", que fora recebida em valores superiores, e assinalando que a reposição, com base no artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 2001, processar-se-á a partir de trinta dias contados da ciência daquela Carta, mediante anuência prévia. Na mesma Carta-Circular comunicou que o valor da vantagem, que até então era de R$ 1.599,19 (um mil quinhentos e noventa e nove reais e dezenove centavos), será reduzido para R$ 1.468,09 (um mil quatrocentos e sessenta e oito reais e nove centavos), a partir de novembro de 2007 (cf. comprovantes de rendimentos de 2006 e 2007, fls. 16/19). Sobre o tema da restituição ao erário dos valores que teriam sido percebidos indevidamente por servidor público federal em atividade, aposentado ou pensionista, a que se refere o artigo 46 da Lei nº 8.112, de 19902, as premissas a serem observadas são as seguintes: 1) As vantagens salariais têm natureza alimentar e, por isto mesmo, não podem ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990. 2) As vantagens salariais percebidas pelo servidor público em boa-fé - que se presume -, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990. 3) As vantagens salariais que vinham sendo percebidas em face de decisão judicial, mas cujo desfecho final da ação fora desfavorável ao servidor, ostentam, igualmente, a natureza alimentar e a boa-fé, não podendo ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, salvo se houver determinação judicial em contrário. Com efeito, se de um lado, é poder-dever da Administração Pública federal proceder à anulação dos atos ilegais por ela praticados ou revogá-los por conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, no decurso de cinco anos (artigos 53 e 54 da Lei nº 9.784, de 1999, que rege o processo administrativo federal3), por outro lado, a reposição dos valores de vantagens salariais segundo as diversas modalidades remuneratórias, por erro exclusivo da Administração e percebidos de boa-fé pelo servidor, implica penalização ao servidor em face do equívoco ou preterição da Administração no que concerne à observância da licitude (princípio da legalidade, artigo 37, caput, da Constituição Federal de 1988) dos procedimentos administrativos, e, também, desconsideração à natureza alimentar das vantagens. Mesmo que se admita a aplicação do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, a reposição ou indenização deverá ser precedida da anuência expressa do servidor público na atividade ou aposentado, ou seu pensionista4, o que não ocorreu na hipótese em exame. Não havendo concordância, caberá à Administração Pública promover, se for o caso, a cobrança judicial dos valores pagos indevidamente na via administrativa ou objeto de indenização. Em tema de reposição envolvendo vantagens salariais ou estipêndios correlatos, o que está em cogitação, fundamentalmente, seja na esfera administrativa ou judicial, é a observância do princípio da estabilidade das relações jurídicas e do liame de confiança (boa-fé) que se estabelece entre a Administração e o servidor e entre o Judiciário e o jurisdicionado (servidor). A esse respeito, reporto-me aos precedentes do Superior Tribunal de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais das 1ª, 3ª, 4ª e 5ª Região5. Com relação à redução da vantagem, ela decorre do fato de que a verba vinha sendo corrigida em desacordo com o que previsto no artigo 15 da Lei nº 9.527, de 1997, que estabelece que a correção/reajuste se fará apenas em face dos índices aplicados por ocasião da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, e, portanto, não vislumbro, nesse aspecto e à primeira vista, ilegalidade do ato impugnado, até porque não há elementos nos autos para aferir-se desde quando o Impetrante percebe a vantagem, para efeito de incidência, ou não, da decadência (artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999). No caso, presente a plausibilidade jurídica no que concerne à ilegalidade da reposição, concorre igualmente o perigo da demora, tendo em vista a natureza alimentar da vantagem com previsão de início da restituição a partir de novembro de 2007. Diante do exposto, concedo, em parte, a liminar para determinar à autoridade impetrada que suspenda o desconto na forma de reposição ao erário a que alude a Carta-Circular nº 13-GAB/SRH/UFPB, de 21.09.2007 (fls. 15). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada para cumprimento imediato desta decisão e para prestar as informações, estas no prazo de 10 (dez) dias. Intimem-se desta decisão o Impetrante e a Procuradoria Jurídica da UFPB, nos termos do artigo 3º da Lei nº 4.348, de 1964, na redação dada pela Lei nº 10.910, de 2004. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 12 NOV 2007. (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB prestou as informações (fls. 39/40), afirmando que a Controladoria-Geral da União, em auditoria realizada na UFPB, observou que os quintos de função comissionada incorporados pelo Impetrante vinham sendo reajustados de forma irregular, uma vez que com base em percentuais aplicados à remuneração dos professores titulares com doutorado e submetidos ao regime de trabalho de dedicação exclusiva. Com a entrada em vigor da Lei nº. 9.527/1997, os quintos incorporados foram transformados em VPNI, submetendo-se, desde então, aos regimes de reajustes gerais de vencimentos dos funcionários públicos federais, não sendo mais possível o seu reajustamento de acordo com os mesmos percentuais incidentes sobre a remuneração do professor titular com doutorado e submetido ao regime de dedicação exclusiva. O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão parcial da segurança (fls. 43/47). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 25/30). No caso dos autos, através da Carta-Circular nº 13 - GAB/SRH, de 21.09.2007, a autoridade impetrada comunicou ao Impetrante, servidor aposentado da UFPB (fls. 15), sobre a reposição ao erário da quantia de R$ 1.835,40 (um mil oitocentos e trinta e cinco reais e quarenta centavos), relativamente à vantagem denominada "quintos", que fora recebida em valores superiores, e assinalando que a reposição, com base no artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 2001, processar-se-á a partir de trinta dias contados da ciência daquela Carta, mediante anuência prévia. Na mesma Carta-Circular comunicou que o valor da vantagem, que até então era de R$ 1.599,19 (um mil quinhentos e noventa e nove reais e dezenove centavos), será reduzido para R$ 1.468,09 (um mil quatrocentos e sessenta e oito reais e nove centavos), a partir de novembro de 2007 (cf. comprovantes de rendimentos de 2006 e 2007, fls. 16/19). Conforme assentei na decisão, aplicam-se à hipótese as seguintes premissas alusivas à restituição ao erário dos valores percebidos indevidamente por servidor público federal, a que se refere o artigo 46 da Lei nº 8.112/1990: 1) As vantagens salariais têm natureza alimentar e, por isto mesmo, não podem ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. 2) As vantagens salariais percebidas pelo servidor público em boa-fé - que se presume -, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. 3) As vantagens salariais que vinham sendo percebidas em face de decisão judicial, mas cujo desfecho final da ação fora desfavorável ao servidor, ostentam, igualmente, a natureza alimentar e a boa-fé, não podendo ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990, salvo se houver determinação judicial em contrário. Observei no decisum que, se de um lado é poder-dever da Administração Pública federal proceder à anulação dos atos ilegais por ela praticados ou revogá-los por conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, no decurso de cinco anos (artigos 53 e 54 da Lei nº 9.784/1999, que rege o processo administrativo federal), por outro lado, a reposição dos valores de vantagens salariais segundo as diversas modalidades remuneratórias, por erro exclusivo da Administração e percebidos de boa-fé pelo servidor, implica penalização ao servidor em face do equívoco ou preterição da Administração no que concerne à observância da licitude (princípio da legalidade, art. 37, caput, da Constituição Federal de 1988) dos procedimentos administrativos, e, também, desconsideração à natureza alimentar das vantagens. Mesmo que se admita a aplicação do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, a reposição ou indenização deverá ser precedida da anuência expressa do servidor público na atividade ou aposentado, ou seu pensionista, o que não ocorreu na hipótese em exame. Não havendo concordância, caberá à Administração Pública promover, se for o caso, a cobrança judicial dos valores pagos indevidamente na via administrativa ou objeto de indenização. Sobreleva na hipótese o princípio da estabilidade das relações jurídicas e do liame de confiança (boa-fé) que se estabelece entre a Administração e o servidor e entre o Judiciário e o jurisdicionado (servidor). Com relação à redução da vantagem, ela decorre do fato de que a verba vinha sendo corrigida em desacordo com o que previsto no artigo 15 da Lei nº 9.527, de 1997, que estabelece que a correção/reajuste se fará apenas em face dos índices aplicados por ocasião da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, e, portanto, não vislumbro, nesse aspecto e à primeira vista, ilegalidade do ato impugnado, até porque não há elementos nos autos para aferir-se desde quando o Impetrante percebe a vantagem, para efeito de incidência, ou não, da decadência (artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999). Diante do exposto, confirmo a liminar e concedo, em parte, a segurança para determinar à autoridade impetrada que se abstenha de proceder ao desconto na forma de reposição ao erário a que alude a Carta-Circular nº 13-GAB/SRH/UFPB, de 21.09.2007 (fl. 15). Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 115 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região, nos termos do artigo 12, parágrafo único, da Lei nº 1.533/1951. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2Texto extraído do endereço na internet: www.planalto.gov.br Art. 45. Salvo por imposição legal, ou mandado judicial, nenhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. (Regulamento) Parágrafo único. Mediante autorização do servidor, poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros, a critério da administração e com reposição de custos, na forma definida em regulamento. Art. 46 As reposições e indenizações ao erário, atualizadas até 30 de junho de 1994, serão previamente comunicadas ao servidor ativo, aposentado ou ao pensionista, para pagamento, no prazo máximo de trinta dias, podendo ser parceladas, a pedido do interessado. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 1o O valor de cada parcela não poderá ser inferior ao correspondente a dez por cento da remuneração, provento ou pensão. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 2o Quando o pagamento indevido houver ocorrido no mês anterior ao do processamento da folha, a reposição será feita imediatamente, em uma única parcela. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 3o Na hipótese de valores recebidos em decorrência de cumprimento a decisão liminar, a tutela antecipada ou a sentença que venha a ser revogada ou rescindida, serão eles atualizados até a data da reposição. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) 3 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 4A propósito, destaco a decisão proferida em 12.02.2004 pelo Pleno do Colendo Supremo Tribunal Federal no Mandado de Segurança nº 24.182-9-DF, sob a relatoria do Ministro Maurício Corrêa, cujo acórdão tem a seguinte ementa: "EMENTA: Mandado de Segurança. 2. Desaparecimento de talonários de tíquetes-alimentação. Condenação do impetrante, em processo administrativo disciplinar, de ressarcimento ao erário do valor do prejuízo apurado. 3. Decisão da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados de desconto mensais, em folha de pagamento, sem autorização do servidor. 4. Responsabilidade civil de servidor. Hipótese em que não se aplica a auto-executoriedade do procedimento administrativo. 5. A Administração acha-se restrita às sanções de natureza administrativa, não podendo alcançar, compulsoriamente, as conseqüências civis e penais. 6. À falta de prévia aquiescência do servidor, cabe à Administração propor ação de indenização para a confirmação, ou não, do ressarcimento apurado na esfera administrativa. 7. O art. 46 da Lei nº 8.112, de 1990, dispõe que o desconto em folha de pagamento é a forma como poderá ocorrer o pagamento pelo servidor, após sua concordância com a conclusão administrativa ou a condenação judicial transitada em julgado. 8. Mandado de Segurança deferido." (grifei) 5"RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. SERVIDORES. GRATIFICAÇÃO. RECEBIMENTO INDEVIDO EFETUADO PELA ADMINISTRAÇÃO POR SUA RESPONSABILIDADE. BOA-FÉ NO RECEBIMENTO. RESTITUIÇÃO DOS VALORES. DESCONTO EM FOLHA. INVIABILIDADE. Ante a presunção de boa-fé no recebimento da Gratificação em referência, descabe a restituição do pagamento indevido feito pela Administração em virtude de errônea interpretação ou má aplicação da lei. Recurso desprovido." ( REsp nº 488905-RS, Relator Ministro José Arnaldo da Fonseca, 5ª Turma do STJ, j. 17.08.2004) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. RECEBIMENTO DE VALORES INDEVIDOS. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Esta Segunda Turma já firmou entendimento no sentido de que o servidor, recebendo de boa-fé remuneração por enquadramento indevido, por erro exclusivo da Administração, consoante precedentes do STJ, não está obrigado a devolver a contraprestação recebida, pela prestação prévia do serviço (REsp 365398, DJ de 18/03/2002 e TRF 1ª Região - AC 1998.38.00.025939-5/MG Desembargador Federal TOURINHO NETO, SEGUNDA TURMA, DJ 07/11/2002, p. 50). 2. Apelação e remessa oficial improvidas - sentença mantida." (AMS nº 34000449336-DF, Relatora Desembargadora Federal Assussete Magalhães, 2ª Turma do TRF-1ª Região, DJ de 13.02.2003, p. 68) (grifei) "ADMINISTRATIVO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO DE VALORES PAGOS SUPOSTAMENTE DE MANEIRA INDEVIDA. DESCONTO EM FOLHA. INCABIMENTO. CARÁTER ALIMENTAR. BOA-FÉ. - As verbas pagas aos agravados, supostamente de maneira indevida, não devem ser restituídas da forma como pretende a agravante, considerando seu caráter alimentar, pois foram recebidas de boa-fé. - A suspensão do referido desconto não acarretará insanável prejuízo à Administração, pois poderá ser implementada a qualquer tempo, se julgado legítimo o ato administrativo impugnado. - Agravo de instrumento a que se nega provimento, restando prejudicado o agravo regimental." (AG nº 122726-SP, Relatora Juíza Suzana Camargo, 5ª Turma do TRF-3ª Região, DJ de 14.05.2002, p. 445) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. GRATIFICAÇÃO DE ATIVIDADE EXECUTIVA. LEGITIMIDADE PASSIVA DA UNIÃO. AUSÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO PÚBLICO. VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. VALOR DA CAUSA. A União é parte passiva em ação cuja controvérsia teve origem em decisão do Tribunal de Contas da União, que anulou o Parecer nº 508, e determinou o recolhimento retroativo de parcelas previdenciárias sobre a GAE em período isentado por aquele parecer. O fato de a Administração ter modificado o entendimento expresso no Parecer DRH 508, de 12 de novembro de 1992, que isentava a contribuição no período de dezembro de 1992 a novembro de 1993, não a autoriza a proceder o desconto retroativo, pois referidos valores foram recebidos de boa-fé pelo servidor. Sendo pequeno o valor da causa e não havendo condenação, é razoável que se aplique o arbitramento eqüitativo, sob pena de se aviltar o trabalho profissional com a fixação dos honorários em valor irrisório. Apelação da União, da Universidade e remessa oficial improvidas. Apelação da parte autora parcialmente provida." (AC nº 294965-RS, Relatora Juíza Maria de Fátima Freitas Labarrére, 3ª Turma do TRF-4ª Região, DJ de 20.06.2001, p. 1310) (grifei) "AGRAVO DE INSTRUMENTO. LIMINAR EM MANDADO DE SEGURANÇA. DESCONTO DE IMPORTÂNCIA RECEBIDA POR DETERMINAÇÃO JUDICIAL. RESCISÃO POSTERIOR DA SENTENÇA. REPOSIÇÃO INDEVIDA. - Presença dos pressupostos para concessão de liminar em mandado de segurança obstativa de desconto em folha de pagamento, a título de reposição ao erário, de importâncias recebidas por servidor público. - Pagamento de vantagem funcional autorizada por sentença judicial. Boa-fé evidenciada, natureza alimentar da prestação. - Desconto não determinado pelo julgamento da ação rescisória. - Liminar mantida." (AG nº 53514-RN, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 02.08.2004, p. 147) (grifei) "ADMINISTRATIVO. PENSÃO POR MORTE. MILITAR. REVISÃO DE BENEFÍCIO. ERRO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. RESTITUIÇÃO. BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE. 1. A Administração Pública tem o direito de anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade. 2. Levando-se em consideração a presunção de boa-fé e não havendo nos autos razão para disso se duvidar, tem-se por descabida a reposição ao erário dos valores indevidamente percebidos pela impetrante. 3. Apelação provida." (AMS nº 86569-RN, Relator Desembargador Federal Luiz Alberto Gurgel de Faria, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 30.06.2004, p. 124) (grifei) "PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. PAGAMENTO INDEVIDO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. PRINCÍPIO DA BOA-FÉ DAS RELAÇÕES JURÍDICAS. INEXIGIBILIDADE. - É plausível a tese de que não são passíveis de devolução ao Erário os valores adicionais recebidos de boa-fé pelos servidores, em decorrência de erro exclusivo da Administração. - Precedentes deste eg. Tribunal." (REO nº 82247-SE, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 15.06.2004, p. 113) (grifei) " ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE DE COBRANÇA DE VALORES PRETÉRITOS RECEBIDOS INDEVIDAMENTE. - A jurisprudência majoritária consagra o entendimento de que as verbas de natureza alimentar recebidas de boa-fé, não podem, ser alvos de restituição ao erário, inclusive quando estes valores foram recebidos pelo servidor em decorrência de interpretação errônea, pela Administração, do texto legal. - Agravo de instrumento improvido." (AG nº 342928-CE, Relator Desembargador Federal Marcelo Navarro, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 27.04.2004, p. 758) (grifei) ""EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. INCORPORAÇÃO DO PERCENTUAL DE 84,32%. VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ POR FORÇA DE DECISÃO JUDICIAL. DEVOLUÇÃO AO ERÁRIO. DESNECESSIDADE. 1. Os valores recebidos de boa-fé pelo servidor público, com amparo em decisão judicial que posteriormente vem a ser reformada, são insuscetíveis de restituição. Inaplicabilidade do art. 46 da Lei 8.112/90. 2. É incompatível com o instituto da repetição o caráter alimentar de que se revestem os salários e vencimentos, eis que destinam-se ao consumo e sobrevivência dos que o recebem. 3. Precedentes desta Corte (EDMSPL Nº74.908/PE, j. em 31/03/2004, DJ em 28/04/2004). 4. Agravo de instrumento desprovido. Agravo regimental prejudicado." (AG nº 53415-RN, Relator Desembargador Federal Francisco Wildo, 1ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 05.07.2004, p. 874) (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0010245-88.2007.4.05.8200 EVANDRO DANTAS NOBREGA (Adv. FENELON MEDEIROS FILHO) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UFPB (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.10245-7, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: EVANDRO DANTAS DA NÓBREGA ADVOGADO: FENELON MEDEIROS FILHO IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 26/31): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por Evandro Dantas da Nóbrega contra ato apontado ilegal do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, configurado na reposição ao erário de valores percebidos pelo Impetrante relativamente à vantagem funcional intitulada "quintos", e na redução do valor da mesma vantagem. O Impetrante é servidor aposentado da UFPB e afirma que a autoridade impetrada, através da Carta-Circular nº 13-GAB/SRH, de 21.09.2007, determinou a reposição ao erário, na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, da quantia de R$ 2.285,64 (dois mil duzentos e oitenta e cinco reais e sessenta e quatro centavos), concernente a valores de vantagem incorporada por força de decisão judicial, além de determinar a redução do valor da mesma vantagem para R$ 2.416,58 (dois mil quatrocentos e dezesseis reais e cinqüenta e oito centavos). Sustentando a ilegalidade do ato de reposição e redução, seja porque não fora observado o devido processo legal, seja porque não houve anuência do Impetrante, ou em afronta ao direito adquirido e coisa julgada, além de os valores terem sido percebidos em boa-fé, incidindo a decadência, pede a concessão da liminar no sentido de que a autoridade se abstenha de proceder à reposição ao erário dos valores relativos à vantagem funcional em referência e que seja mantido o pagamento da vantagem no mesmo valor que vinha sendo pago. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 13/23). É o relatório. Decido. Através da Carta-Circular nº 13 - GAB/SRH, de 21.09.2007, a autoridade impetrada comunicou ao Impetrante, servidor aposentado da UFPB (fls. 15), sobre a reposição ao erário da quantia de R$ 2.285,64 (dois mil duzentos e oitenta e cinco reais e sessenta e quatro centavos), relativamente à vantagem denominada "quintos", que fora recebida em valores superiores, e assinalando que a reposição, com base no artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 2001, processar-se-á a partir de trinta dias contados da ciência daquela Carta. Na mesma Carta-Circular comunicou que o valor da vantagem, que até então era de R$ 2.579,84 (dois mil quinhentos e setenta e nove reais e oitenta e quatro centavos), será reduzido para R$ 2.416,58 (dois mil quatrocentos e dezesseis reais e cinqüenta e oito centavos), a partir de novembro de 2007 (cf. comprovantes de rendimentos de 2006 e 2007, fls. 16/20). Sobre o tema da restituição ao erário dos valores que teriam sido percebidos indevidamente por servidor público federal em atividade, aposentado ou pensionista, a que se refere o artigo 46 da Lei nº 8.112, de 19902, as premissas a serem observadas são as seguintes: 1) As vantagens salariais têm natureza alimentar e, por isto mesmo, não podem ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990. 2) As vantagens salariais percebidas pelo servidor público em boa-fé - que se presume -, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990. 3) As vantagens salariais que vinham sendo percebidas em face de decisão judicial, mas cujo desfecho final da ação fora desfavorável ao servidor, ostentam, igualmente, a natureza alimentar e a boa-fé, não podendo ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, salvo se houver determinação judicial em contrário. Com efeito, se de um lado, é poder-dever da Administração Pública federal proceder à anulação dos atos ilegais por ela praticados ou revogá-los por conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, no decurso de cinco anos (artigos 53 e 54 da Lei nº 9.784, de 1999, que rege o processo administrativo federal3), por outro lado, a reposição dos valores de vantagens salariais segundo as diversas modalidades remuneratórias, por erro exclusivo da Administração e percebidos de boa-fé pelo servidor, implica penalização ao servidor em face do equívoco ou preterição da Administração no que concerne à observância da licitude (princípio da legalidade, artigo 37, caput, da Constituição Federal de 1988) dos procedimentos administrativos, e, também, desconsideração à natureza alimentar das vantagens. Mesmo que se admita a aplicação do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, a reposição ou indenização deverá ser precedida da anuência expressa do servidor público na atividade ou aposentado, ou seu pensionista4, o que não ocorreu na hipótese em exame. Não havendo concordância, caberá à Administração Pública promover, se for o caso, a cobrança judicial dos valores pagos indevidamente na via administrativa ou objeto de indenização. Em tema de reposição envolvendo vantagens salariais ou estipêndios correlatos, o que está em cogitação, fundamentalmente, seja na esfera administrativa ou judicial, é a observância do princípio da estabilidade das relações jurídicas e do liame de confiança (boa-fé) que se estabelece entre a Administração e o servidor e entre o Judiciário e o jurisdicionado (servidor). A esse respeito, reporto-me aos precedentes do Superior Tribunal de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais das 1ª, 3ª, 4ª e 5ª Região5. Com relação à redução da vantagem, ela decorre do fato de que a verba vinha sendo corrigida em desacordo com o que previsto no artigo 15 da Lei nº 9.527, de 1997, que estabelece que a correção/reajuste far-se-á consoante os índices aplicados por ocasião da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, e, portanto, não vislumbro, nesse aspecto e à primeira vista, ilegalidade do ato impugnado, até porque não há elementos nos autos para aferir-se desde quando o Impetrante percebe a vantagem, para efeito de incidência, ou não, da decadência (artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999). No caso, presente a plausibilidade jurídica no que concerne à ilegalidade da reposição, concorre igualmente o perigo da demora, tendo em vista a natureza alimentar da vantagem com previsão de início da restituição a partir de novembro de 2007. Diante do exposto, concedo, em parte, a liminar para determinar à autoridade impetrada que suspenda o desconto na forma de reposição ao erário a que alude a Carta-Circular nº 13-GAB/SRH/UFPB, de 21.09.2007 (fls. 15). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada para cumprimento imediato desta decisão e para prestar as informações, estas no prazo de 10 (dez) dias. Intimem-se desta decisão o Impetrante e a Procuradoria Jurídica da UFPB, nos termos do artigo 3º da Lei nº 4.348, de 1964, na redação dada pela Lei nº 10.910, de 2004. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 13 NOV 2007. (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB prestou as informações (fls. 39/40), afirmando que a Controladoria-Geral da União, em auditoria realizada na UFPB, observou que os quintos de função comissionada incorporados pelo Impetrante vinham sendo reajustados de forma irregular, uma vez que com base em percentuais aplicados à remuneração dos professores titulares com doutorado e submetidos ao regime de trabalho de dedicação exclusiva. Com a entrada em vigor da Lei nº. 9.527/1997, os quintos incorporados foram transformados em VPNI, submetendo-se, desde então, aos regimes de reajustes gerais de vencimentos dos funcionários públicos federais, não sendo mais possível o seu reajustamento de acordo com os mesmos percentuais incidentes sobre a remuneração do professor titular com doutorado e submetido ao regime de dedicação exclusiva. O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 43/48). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 26/31). No caso dos autos, através da Carta-Circular nº 13 - GAB/SRH, de 21.09.2007, a autoridade impetrada comunicou ao Impetrante, servidor aposentado da UFPB (fls. 15), sobre a reposição ao erário da quantia de R$ 2.285,64 (dois mil duzentos e oitenta e cinco reais e sessenta e quatro centavos), relativamente à vantagem denominada "quintos", que fora recebida em valores superiores, e assinalando que a reposição, com base no artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 2001, processar-se-á a partir de trinta dias contados da ciência daquela Carta. Na mesma Carta-Circular comunicou que o valor da vantagem, que até então era de R$ 2.579,84 (dois mil quinhentos e setenta e nove reais e oitenta e quatro centavos), será reduzido para R$ 2.416,58 (dois mil quatrocentos e dezesseis reais e cinqüenta e oito centavos), a partir de novembro de 2007 (cf. comprovantes de rendimentos de 2006 e 2007, fls. 16/20). Conforme assentei na decisão, aplicam-se à hipótese as seguintes premissas alusivas à restituição ao erário dos valores percebidos indevidamente por servidor público federal, a que se refere o artigo 46 da Lei nº 8.112/1990: 1) As vantagens salariais têm natureza alimentar e, por isto mesmo, não podem ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. 2) As vantagens salariais percebidas pelo servidor público em boa-fé - que se presume -, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990. 3) As vantagens salariais que vinham sendo percebidas em face de decisão judicial, mas cujo desfecho final da ação fora desfavorável ao servidor, ostentam, igualmente, a natureza alimentar e a boa-fé, não podendo ser repetidas na forma do artigo 46 da Lei nº 8.112/1990, salvo se houver determinação judicial em contrário. Observei no decisum que, se de um lado é poder-dever da Administração Pública federal proceder à anulação dos atos ilegais por ela praticados ou revogá-los por conveniência e oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, no decurso de cinco anos (artigos 53 e 54 da Lei nº 9.784/1999, que rege o processo administrativo federal), por outro lado, a reposição dos valores de vantagens salariais segundo as diversas modalidades remuneratórias, por erro exclusivo da Administração e percebidos de boa-fé pelo servidor, implica penalização ao servidor em face do equívoco ou preterição da Administração no que concerne à observância da licitude (princípio da legalidade, art. 37, caput, da Constituição Federal de 1988) dos procedimentos administrativos, e, também, desconsideração à natureza alimentar das vantagens. Mesmo que se admita a aplicação do artigo 46 da Lei nº 8.112, de 1990, a reposição ou indenização deverá ser precedida da anuência expressa do servidor público na atividade ou aposentado, ou seu pensionista, o que não ocorreu na hipótese em exame. Não havendo concordância, caberá à Administração Pública promover, se for o caso, a cobrança judicial dos valores pagos indevidamente na via administrativa ou objeto de indenização. Sobreleva na hipótese o princípio da estabilidade das relações jurídicas e do liame de confiança (boa-fé) que se estabelece entre a Administração e o servidor e entre o Judiciário e o jurisdicionado (servidor). Com relação à redução da vantagem, ela decorre do fato de que a verba vinha sendo corrigida em desacordo com o que previsto no artigo 15 da Lei nº 9.527, de 1997, que estabelece que a correção/reajuste se fará apenas em face dos índices aplicados por ocasião da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, e, portanto, não vislumbro ilegalidade no ato impugnado, até porque não há elementos nos autos para aferir-se desde quando o Impetrante percebe a vantagem, para efeito de incidência, ou não, da decadência (artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999). Diante do exposto, confirmo a liminar e concedo, em parte, a segurança para determinar à autoridade impetrada que se abstenha de proceder ao desconto na forma de reposição ao erário a que alude a Carta-Circular nº 13-GAB/SRH/UFPB, de 21.09.2007 (fl. 15). Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 115 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região, nos termos do artigo 12, parágrafo único, da Lei nº 1.533/1951. João Pessoa, 22 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Texto extraído do endereço na internet: www.planalto.gov.br Art. 45. Salvo por imposição legal, ou mandado judicial, nenhum desconto incidirá sobre a remuneração ou provento. (Regulamento) Parágrafo único. Mediante autorização do servidor, poderá haver consignação em folha de pagamento a favor de terceiros, a critério da administração e com reposição de custos, na forma definida em regulamento. Art. 46 As reposições e indenizações ao erário, atualizadas até 30 de junho de 1994, serão previamente comunicadas ao servidor ativo, aposentado ou ao pensionista, para pagamento, no prazo máximo de trinta dias, podendo ser parceladas, a pedido do interessado. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 1o O valor de cada parcela não poderá ser inferior ao correspondente a dez por cento da remuneração, provento ou pensão. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 2o Quando o pagamento indevido houver ocorrido no mês anterior ao do processamento da folha, a reposição será feita imediatamente, em uma única parcela. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) § 3o Na hipótese de valores recebidos em decorrência de cumprimento a decisão liminar, a tutela antecipada ou a sentença que venha a ser revogada ou rescindida, serão eles atualizados até a data da reposição. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) 3 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 4A propósito, destaco a decisão proferida em 12.02.2004 pelo Pleno do Colendo Supremo Tribunal Federal no Mandado de Segurança nº 24.182-9-DF, sob a relatoria do Ministro Maurício Corrêa, cujo acórdão tem a seguinte ementa: "EMENTA: Mandado de Segurança. 2. Desaparecimento de talonários de tíquetes-alimentação. Condenação do impetrante, em processo administrativo disciplinar, de ressarcimento ao erário do valor do prejuízo apurado. 3. Decisão da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados de desconto mensais, em folha de pagamento, sem autorização do servidor. 4. Responsabilidade civil de servidor. Hipótese em que não se aplica a auto-executoriedade do procedimento administrativo. 5. A Administração acha-se restrita às sanções de natureza administrativa, não podendo alcançar, compulsoriamente, as conseqüências civis e penais. 6. À falta de prévia aquiescência do servidor, cabe à Administração propor ação de indenização para a confirmação, ou não, do ressarcimento apurado na esfera administrativa. 7. O art. 46 da Lei nº 8.112, de 1990, dispõe que o desconto em folha de pagamento é a forma como poderá ocorrer o pagamento pelo servidor, após sua concordância com a conclusão administrativa ou a condenação judicial transitada em julgado. 8. Mandado de Segurança deferido." (grifei) 5"RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. SERVIDORES. GRATIFICAÇÃO. RECEBIMENTO INDEVIDO EFETUADO PELA ADMINISTRAÇÃO POR SUA RESPONSABILIDADE. BOA-FÉ NO RECEBIMENTO. RESTITUIÇÃO DOS VALORES. DESCONTO EM FOLHA. INVIABILIDADE. Ante a presunção de boa-fé no recebimento da Gratificação em referência, descabe a restituição do pagamento indevido feito pela Administração em virtude de errônea interpretação ou má aplicação da lei. Recurso desprovido." ( REsp nº 488905-RS, Relator Ministro José Arnaldo da Fonseca, 5ª Turma do STJ, j. 17.08.2004) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. RECEBIMENTO DE VALORES INDEVIDOS. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Esta Segunda Turma já firmou entendimento no sentido de que o servidor, recebendo de boa-fé remuneração por enquadramento indevido, por erro exclusivo da Administração, consoante precedentes do STJ, não está obrigado a devolver a contraprestação recebida, pela prestação prévia do serviço (REsp 365398, DJ de 18/03/2002 e TRF 1ª Região - AC 1998.38.00.025939-5/MG Desembargador Federal TOURINHO NETO, SEGUNDA TURMA, DJ 07/11/2002, p. 50). 2. Apelação e remessa oficial improvidas - sentença mantida." (AMS nº 34000449336-DF, Relatora Desembargadora Federal Assussete Magalhães, 2ª Turma do TRF-1ª Região, DJ de 13.02.2003, p. 68) (grifei) "ADMINISTRATIVO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO DE VALORES PAGOS SUPOSTAMENTE DE MANEIRA INDEVIDA. DESCONTO EM FOLHA. INCABIMENTO. CARÁTER ALIMENTAR. BOA-FÉ. - As verbas pagas aos agravados, supostamente de maneira indevida, não devem ser restituídas da forma como pretende a agravante, considerando seu caráter alimentar, pois foram recebidas de boa-fé. - A suspensão do referido desconto não acarretará insanável prejuízo à Administração, pois poderá ser implementada a qualquer tempo, se julgado legítimo o ato administrativo impugnado. - Agravo de instrumento a que se nega provimento, restando prejudicado o agravo regimental." (AG nº 122726-SP, Relatora Juíza Suzana Camargo, 5ª Turma do TRF-3ª Região, DJ de 14.05.2002, p. 445) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. GRATIFICAÇÃO DE ATIVIDADE EXECUTIVA. LEGITIMIDADE PASSIVA DA UNIÃO. AUSÊNCIA DE CONTRIBUIÇÃO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO PÚBLICO. VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. VALOR DA CAUSA. A União é parte passiva em ação cuja controvérsia teve origem em decisão do Tribunal de Contas da União, que anulou o Parecer nº 508, e determinou o recolhimento retroativo de parcelas previdenciárias sobre a GAE em período isentado por aquele parecer. O fato de a Administração ter modificado o entendimento expresso no Parecer DRH 508, de 12 de novembro de 1992, que isentava a contribuição no período de dezembro de 1992 a novembro de 1993, não a autoriza a proceder o desconto retroativo, pois referidos valores foram recebidos de boa-fé pelo servidor. Sendo pequeno o valor da causa e não havendo condenação, é razoável que se aplique o arbitramento eqüitativo, sob pena de se aviltar o trabalho profissional com a fixação dos honorários em valor irrisório. Apelação da União, da Universidade e remessa oficial improvidas. Apelação da parte autora parcialmente provida." (AC nº 294965-RS, Relatora Juíza Maria de Fátima Freitas Labarrére, 3ª Turma do TRF-4ª Região, DJ de 20.06.2001, p. 1310) (grifei) "AGRAVO DE INSTRUMENTO. LIMINAR EM MANDADO DE SEGURANÇA. DESCONTO DE IMPORTÂNCIA RECEBIDA POR DETERMINAÇÃO JUDICIAL. RESCISÃO POSTERIOR DA SENTENÇA. REPOSIÇÃO INDEVIDA. - Presença dos pressupostos para concessão de liminar em mandado de segurança obstativa de desconto em folha de pagamento, a título de reposição ao erário, de importâncias recebidas por servidor público. - Pagamento de vantagem funcional autorizada por sentença judicial. Boa-fé evidenciada, natureza alimentar da prestação. - Desconto não determinado pelo julgamento da ação rescisória. - Liminar mantida." (AG nº 53514-RN, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 02.08.2004, p. 147) (grifei) "ADMINISTRATIVO. PENSÃO POR MORTE. MILITAR. REVISÃO DE BENEFÍCIO. ERRO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. RESTITUIÇÃO. BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE. 1. A Administração Pública tem o direito de anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade. 2. Levando-se em consideração a presunção de boa-fé e não havendo nos autos razão para disso se duvidar, tem-se por descabida a reposição ao erário dos valores indevidamente percebidos pela impetrante. 3. Apelação provida." (AMS nº 86569-RN, Relator Desembargador Federal Luiz Alberto Gurgel de Faria, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 30.06.2004, p. 124) (grifei) "PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. PAGAMENTO INDEVIDO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. PRINCÍPIO DA BOA-FÉ DAS RELAÇÕES JURÍDICAS. INEXIGIBILIDADE. - É plausível a tese de que não são passíveis de devolução ao Erário os valores adicionais recebidos de boa-fé pelos servidores, em decorrência de erro exclusivo da Administração. - Precedentes deste eg. Tribunal." (REO nº 82247-SE, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 15.06.2004, p. 113) (grifei) " ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. IMPOSSIBILIDADE DE COBRANÇA DE VALORES PRETÉRITOS RECEBIDOS INDEVIDAMENTE. - A jurisprudência majoritária consagra o entendimento de que as verbas de natureza alimentar recebidas de boa-fé, não podem, ser alvos de restituição ao erário, inclusive quando estes valores foram recebidos pelo servidor em decorrência de interpretação errônea, pela Administração, do texto legal. - Agravo de instrumento improvido." (AG nº 342928-CE, Relator Desembargador Federal Marcelo Navarro, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 27.04.2004, p. 758) (grifei) ""EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. INCORPORAÇÃO DO PERCENTUAL DE 84,32%. VALORES RECEBIDOS DE BOA-FÉ POR FORÇA DE DECISÃO JUDICIAL. DEVOLUÇÃO AO ERÁRIO. DESNECESSIDADE. 1. Os valores recebidos de boa-fé pelo servidor público, com amparo em decisão judicial que posteriormente vem a ser reformada, são insuscetíveis de restituição. Inaplicabilidade do art. 46 da Lei 8.112/90. 2. É incompatível com o instituto da repetição o caráter alimentar de que se revestem os salários e vencimentos, eis que destinam-se ao consumo e sobrevivência dos que o recebem. 3. Precedentes desta Corte (EDMSPL Nº74.908/PE, j. em 31/03/2004, DJ em 28/04/2004). 4. Agravo de instrumento desprovido. Agravo regimental prejudicado." (AG nº 53415-RN, Relator Desembargador Federal Francisco Wildo, 1ª Turma do TRF-5ª Região, DJ de 05.07.2004, p. 874) (grifei) ?? ?? ?? ?? 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0010966-40.2007.4.05.8200 IMPERIAL CONSTRUCOES LTDA (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, FABIO DA COSTA VILAR, RAFAEL SGANZERLA DURAND, NIKOLAS PEIXOTO CORTEZ, FRANCISCO LUIS GADELHA SANTOS) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - DRF - EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.10966-0, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: IMPERIAL CONSTRUÇÕES LTDA ADVOGADOS: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTÁVIO ACCETE BELINTANI, FÁBIO DA COSTA VILAR, RAFAEL SGANZERLA DURAND E FRANCISCO LUÍS GADELHA SANTOS IMPETRADO: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, o Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, abordou inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 1.519/1.523): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por Imperial Construções Ltda contra ato apontado ilegal do Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa, configurado na recusa à compensação de créditos do Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI. A Impetrante afirma o seguinte: 1) Em sua atividade adquire insumos, matérias-primas, produtos intermediários, materiais de embalagem e de consumo tributados pelo IPI, que são utilizados em produtos finais isentos, imunes, não-tributados ou tributados à alíquota zero. 2) Nos termos do artigo 153, inciso IV, § 3º, inciso II, da Constituição Federal de 1988, que trata da não-cumulatividade, tem direito de se creditar do IPI pago nas referidas aquisições, através da compensação com o IPI devido na saída de outros produtos ou com quaisquer tributos ou contribuições administrados pela Receita Federal do Brasil. 3) A Receita Federal do Brasil não reconhece o direito ao crédito em relação aos produtos finais imunes e não-tributados, nos termos do artigo 2º, incisos I e II, do Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 56, de 17.04.2006. Pede a concessão da liminar no alvitre de assegurar que a autoridade impetrada se abstenha de impedir a Impetrante de efetuar a escrituração dos créditos do IPI referentes ao imposto incidente na aquisição de insumos, matérias-primas, produtos intermediários, materiais de embalagem e consumo, que são utilizados em produtos finais isentos, imunes, não-tributados ou tributados à alíquota zero, bem como suspender a exigibilidade do crédito tributário em questão. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 20/1.516). É o relatório. Decido. O objeto social da Impetrante consiste na "Construção Civil, Edificações, Terraplanagem, Estradas e Barragens." (cf. cláusula segunda do contrato social, fls. 24). A petição inicial veio instruída com cópia de faturas de produtos adquiridos pela Impetrante sobre os quais incide o IPI, recolhidos pelo fornecedor (fls. 33/1.516). Dispõe o artigo 153, inciso IV, § 3º, inciso II, da Constituição Federal de 1988 sobre a não-cumulatividade do IPI2. O princípio da não-cumulatividade veda a incidência da exação sobre as operações de entrada e de saída do processo de industrialização. Havendo incidência do IPI em ambas as operações, ensejaria o direito à repetição, nos termos da legislação de regência (Decretos nºs 87.981, de 1982, e 2.637, de 1998, que aprovam o Regulamento do IPI, e Lei nº 9.779, de 1999). A não-cumulatividade diz respeito ao direito de compensar o que for devido do IPI em cada operação industrial com o que foi cobrado nas operações anteriores (artigo 153, IV, § 3º, II, da Constituição Federal). Somente as saídas dos produtos tributados com o IPI é que dão direito a que o estabelecimento se credite do imposto pago na operação anterior, isto é, na aquisição de insumos e bens utilizados na industrialização dos produtos que sairão do estabelecimento. Ou seja, o princípio constitucional da não-cumulatividade constitui óbice à incidência do IPI sobre as operações de entrada e de saída do processo de industrialização, conjuntamente. Com enfoque aproximado, o Supremo Tribunal Federal deu igual tratamento à questão3. No caso em exame, bens produzidos e comercializados pela Impetrante, envolvendo a construção civil, a partir de insumos tributados, não são, como se alega, tributados pelo IPI, nas operações de saída e comercialização dos bens produzidos, de modo que, à primeira vista, não faz jus ao creditamento do IPI para efeito de compensação. Por outro lado, a Impetrante, na condição de empresa da construção civil, não é contribuinte do IPI, no que diz respeito aos bens que produz e comercializa, primeiro porque, nos termos do artigo 51, inciso II, do CTN4, contribuinte do IPI é, entre outros, o industrial ou quem a lei a ele equiparar; segundo porque, conforme o artigo 5º, inciso VIII, "a", do Decreto nº. 4.544/20025 (Regulamento do IPI), não se considera industrialização a operação efetuada fora do estabelecimento industrial, consistente na reunião de produtos, peças ou partes e de que resulte a edificação de casas, edifícios, pontes, hangares, galpões e semelhantes, e suas coberturas. ISTO POSTO, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região Notifique-se a autoridade impetrada para prestar as informações. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 14 DEZ 2007." (grifos no original) A autoridade impetrada prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 1527/1554), argüindo: a) o valor patrimonial máximo a ser concedido à Impetrante, se vencedora na demanda, deve corresponder ao valor atribuído à causa; b) ilegitimidade ativa ad causam, uma vez que a Impetrante, na condição de empresa da construção civil, não é contribuinte do IPI, mas adquirente de mercadorias que aplica em suas construções e cujo preço integral repassa aos compradores dos imóveis; c) inadequação da via eleita, ante a ausência de comprovação do direito líquido e certo invocado na petição inicial, tendo em vista a inexistência nos autos de comprovação dos produtos fabricados com os insumos de cujos créditos pretende se beneficiar; d) na eventualidade de reconhecimento de procedência da pretensão, devem ser observadas na compensação as regras previstas no art. 74 da Lei nº. 9.430/1996, bem como no art. 170-A do CTN, esta última dispondo que a compensação de tributo objeto de demanda judicial dá-se apenas após o trânsito em julgado da decisão; e) eventual compensação deve ser feita com observância do prazo prescricional de cinco anos, nos termos do art. 1º do Decreto n.º 20.910/1932; f) impossibilidade de correção monetária dos créditos de origem escritural. O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 1560/1565). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, observo que as argüições consistentes na ilegitimidade ativa ad causam, tendo em vista que a Impetrante, na condição de empresa da construção civil, não é contribuinte do IPI, mas adquirente de mercadorias que aplica em suas construções e cujo preço integral repassa aos compradores dos imóveis; e inadequação da via mandamental, ante a ausência de comprovação do direito líquido e certo invocado na petição inicial, são confluentes com o exame do mérito da impetração. 1) Prazo decenal de prescrição para o pleito de compensação. Inaplicabilidade do art. 3º, da LC nº. 118/2005 e inconstitucionalidade do art. 4º da mesma Lei. Diante da lacuna normativa, entendeu o STJ que o prazo prescricional para a restituição dos tributos sujeitos a lançamento por homologação (como é o caso do IPI) era de 05 (cinco) anos contados a partir da homologação do lançamento, o que, na forma tácita, ocorria 05 (cinco) anos após o recolhimento ao erário. Era a regra do "cinco mais cinco" que importava, na prática, em 10 (dez) anos para prescrição (prazo decenal). A aplicação retroativa (art. 4º) do art. 3º da LC n. 118/2005 viria eliminar a contagem dos "cinco mais cinco" mesmo quanto a fatos ocorridos e prazos iniciados antes de sua vigência. Tal situação infringiria o princípio constitucional da segurança jurídica, positivado na CF/88 a partir da proteção ao direito adquirido, ao ato jurídico perfeito e à coisa julgada (CF/88, art. 5º, XXXVI). Por tal motivo, entendo inaplicável o art. 3º da LC n. 118/2005, declarando incidentalmente a inconstitucionalidade do art. 4º da mesma lei. Em conseqüência, reconheço a incidência do prazo prescricional decenal quanto às contribuições a que se refere o processo em tela. No que pertine à regra do prazo decenal, transcrevo o seguinte julgado do STJ, na parte que interessa ao tema: "PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. PIS. COMPENSAÇÃO/REPETIÇÃO DE INDÉBITO. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. COMPENSAÇÃO. TRIBUTOS ADMINISTRADOS PELA SRF. PRESCRIÇÃO. TERMO INICIAL. TAXA SELIC E EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. INCIDÊNCIA. (...) 4. Versando a lide tributo sujeito a lançamento por homologação, a prescrição da ação de repetição/compensação de valores indevidamente recolhidos deve obedecer o lapso prescricional de 5 (cinco) anos contados do término do prazo para aquela atividade vinculada, a qual, sendo tácita, também se opera num qüinqüênio. 5. O E. STJ reafirmou a cognominada tese dos 5 (cinco) mais 5 (cinco) para a definição do termo a quo do prazo prescricional, nas causas in foco, pela sua Primeira Seção no julgamento do ERESP nº 435.835/SC, restando irrelevante para o estabelecimento do termo inicial da prescrição da ação de repetição e/ou compensação, a eventual declaração de inconstitucionalidade do tributo pelo E. STF. 6. Conseqüentemente, o prazo prescricional para a repetição ou compensação dos tributos sujeitos a lançamento por homologação começa a fluir decorridos 5 (cinco) anos, contados a partir da ocorrência do fato gerador, acrescidos de mais um qüinqüênio computado desde o termo final do prazo atribuído ao Fisco para verificar o quantum devido a título de tributo. (...) 9. Agravo regimental parcialmente provido." (AgRg no REsp 654179/BA; AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL 2004/0061210-0. Ministro LUIZ FUX (1122). T1 - PRIMEIRA TURMA Data do Julgamento: 02/06/2005. Publicação/Fonte: DJ 27.06.2005, p. 242. (grifado) No mesmo sentido, transcrevo a seguinte decisão do egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região: Origem: TRIBUNAL - QUINTA REGIAO. Classe: AMS - Apelação em Mandado de Segurança - 8202 Processo: 200183000189071 UF: PE Órgão Julgador: Primeira Turma. Data da decisão: 27/01/2005 Documento: TRF500092511. Relator: Desembargador Federal José Maria Lucena. "TRIBUTÁRIO. COMPENSAÇÃO. PIS. PRELIMINARES. INADEQUAÇÃO DA VIA ELEITA. PRESCRIÇÃO. LEI COMPLEMENTAR Nº 07/70. MEDIDA PROVISÓRIA 1.212/95. MAJORAÇÃO DE TRIBUTOS. POSSIBILIDADE. CONVERSÃO. LEI Nº 9.715/98. PRAZO NONAGESIMAL. DESOBEDIÊNCIA. INCONSTITUCIONALIDADE. ART. 18. - Na compensação disciplinada pela Lei 8.383/91, não se faz mister a exigência de créditos líquidos e certos. O mandado de segurança é, por conseguinte, instrumento apropriado para assegurar o pretenso direito, não havendo que se falar em impropriedade da via eleita. Preliminar rejeitada. - A 1ª Seção do STJ, na apreciação do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, julgado em 24.03.2004, revendo a orientação até então dominante, firmou entendimento no sentido de que o prazo prescricional para o ajuizamento de ação de repetição de indébito, para os tributos sujeitos a lançamento por homologação, é de cinco anos, tendo como marco inicial a data da homologação do lançamento, que, sendo tácita, ocorre no prazo de cinco anos do fato gerador. Considerou-se ser irrelevante, para efeito da contagem do prazo prescricional, a causa do recolhimento indevido (v.g., pagamento a maior ou declaração de inconstitucionalidade do tributo pelo Supremo), eliminando-se a anterior distinção entre repetição de tributos cuja cobrança foi declarada inconstitucional em controle concentrado e em controle difuso, com ou sem edição de resolução pelo Senado Federal, mediante a adoção da regra geral dos "cinco mais cinco" para a totalidade dos casos. (...) Preliminares rejeitadas. - Apelação não provida." (grifado) Finalmente, no que concerne especificamente à inconstitucionalidade da aplicação retroativa do art. 3º da LC 118/2005, por força do art. 4º da mesma lei, transcrevo os seguintes julgados do Colendo Superior Tribunal de Justiça: Origem: STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Classe: RESP - RECURSO ESPECIAL - 736143Processo: 200500467740 UF: MA Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA Data da decisão: 09/08/2005 Documento: STJ000629999. Relator:TEORI ALBINO SAVASCKI. "PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL. DISPOSITIVO LEGAL COM INTERPRETAÇÃO DIVERGENTE. AUSÊNCIA DE INDICAÇÃO. SÚMULA 284/STF. PRESCRIÇÃO. NOVA ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ NA APRECIAÇÃO DO ERESP 435.835/SC. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3º. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4º, NA PARTE QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. ENTENDIMENTO CONSIGNADO NO VOTO DO ERESP 327.043/DF. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. SÚMULA 07/STJ. (...) 2. A 1ª Seção do STJ, no julgamento do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, sessão de 24.03.2004, consagrou o entendimento segundo o qual o prazo prescricional para pleitear a restituição de tributos sujeitos a lançamento por homologação é de cinco anos, contados da data da homologação do lançamento, que, se for tácita, ocorre após cinco anos da realização do fato gerador - sendo irrelevante, para fins de cômputo do prazo prescricional, a causa do indébito. Adota-se o entendimento firmado pela Seção, com ressalva do ponto de vista pessoal, no sentido da subordinação do termo a quo do prazo ao universal princípio da actio nata (voto-vista proferido nos autos do ERESP 423.994/SC, 1ª Seção, Min. Peçanha Martins, sessão de 08.10.2003). 3. O art. 3º da LC 118/2005, a pretexto de interpretar os arts. 150, § 1º, 160, I, do CTN, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a "interpretação" dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. Portanto, o art. 3º da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 4. O artigo 4º, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3º, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2º) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5º, XXXVI). Ressalva, no particular, do ponto de vista pessoal do relator, no sentido de que cumpre ao órgão fracionário do STJ suscitar o incidente de inconstitucionalidade perante a Corte Especial, nos termos do art. 97 da CF. (...) 8. Recursos especiais a que se nega provimento." (grifado) STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Classe: AGRESP - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL - 544778 Processo: 200300935508 UF: DF Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA Data da decisão: 12/05/2005 Documento: STJ000623192. Relatora: DENISE ARRUDA. "TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. IMPOSTO DE RENDA. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. PRESCRIÇÃO. TESE DOS "CINCO MAIS CINCO". ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA PRIMEIRA SEÇÃO NO JULGAMENTO DO ERESP 435.835/SC. (...) 2. A LC 118/2005 não se limitou a esclarecer dúvida advinda da interpretação do art. 168, I, do CTN. Com efeito, o art. 3º da mencionada lei objetiva alterar a orientação consagrada nesta Corte Superior. 3. A Primeira Seção desta Corte, concluindo o julgamento dos Embargos de Divergência 327.043/DF, na sessão do dia 27.4.2005, entendeu por negar-lhes provimento, firmando a orientação de que a LC 118/2005, ao estabelecer que a extinção do crédito tributário ocorre, no caso de tributo sujeito a lançamento por homologação, no momento do pagamento antecipado, inovou no plano normativo. 4. Por esse motivo, afastou-se a assertiva de que a referida norma teria natureza meramente interpretativa, limitando-se a sua aplicabilidade, em atenção ao princípio da anterioridade tributária, às situações verificadas após a sua vigência. 5. Agravo regimental a que se nega provimento." (grifado) Em face dos argumentos acima expostos, aplica-se à hipótese em exame o prazo prescricional decenal, conforme construção pretoriana vigente antes da LC n. 118/2005, no que atine aos fatos a ela pretéritos, sendo inconstitucional o art. 4º da mencionada LC. Tendo sido protocolada a petição inicial em 10/12/2007, estará prescrito o pedido de compensação ou restituição do crédito do IPI anterior a 10/12/1997, ressalvada a homologação dos lançamentos que se tenham eventualmente dado de forma expressa pela autoridade fazendária, correndo o prazo prescricional de 05 (cinco) anos a partir da homologação. 2) Sobre o crédito do IPI. A Impetrante busca tutela judicial no sentido da compensação do crédito do IPI decorrente da aquisição de insumos, matérias-primas, produtos intermediários, materiais de embalagem e de consumo, utilizados em produtos finais isentos, imunes, não-tributados ou tributados à alíquota zero. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 17/19): "Por todo o exposto, requer-se a concessão de medida liminar inaudita altera pars, determinando-se que a autoridade IMPETRADA se abstenha de impedir a IMPETRANTE de efetuar a escrituração dos créditos de IPI relativos ao imposto em tela pago na aquisição de insumos, matérias-primas, produtos intermediários, materiais de embalagem e de consumo, que são utilizados em produtos finais isentos, imunes, não-tributados ou tributados à alíquota zero, suspendendo-se, nos termos do artigo 151, inciso IV, do Código Tributário Nacional, a exigibilidade dos respectivos créditos tributários. ... Finalmente, após parecer do ilustre representante do MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, requer-se seja a presente ação julgada TOTALMENTE PROCEDENTE, CONCEDENDO-SE A SEGURANÇA DEFINITIVA, assegurando-se: a) o direito da IMPETRANTE de creditar-se do IPI pago na aquisição de insumos, matérias-primas, produtos intermediários, materiais de embalagem e de consumo, que são utilizados em produtos finais isentos, imunes, não-tributados ou tributados à alíquota zero, através de compensação com o IPI devido na saída de outros produtos ou, ainda, com quaisquer tributos ou contribuições administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil; b) o direito da IMPETRANTE de efetuar a compensação - independentemente de indevido processo administrativo ou restrições outras - dos valores relativos aos créditos do IPI que não foram - por indevido óbice - utilizados nos últimos 10 (dez) anos (e eventualmente no curso da demanda) ao mês a partir de cada recolhimento indevido e taxa SELIC a partir de 01.01.1996, ou subsidiariamente, com a aplicação dos mesmos índices de correção monetária e juros aplicados pela IMPETRADA quando da cobrança de seus créditos - com débitos próprios, vencidos ou vincendos, relativos a quaisquer tributos ou contribuições administradas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, inclusive com os então administrados pelas extintas Secretaria da Receita Federal e Secretaria da Receita Previdenciária, sem as limitações do artigo 170-A do CTN e dos artigos 3º e 4º da LC nº 118/2005, afastando-se a aplicação das restrições presentes em qualquer outra norma legal ou infra-legal (como a IN SRF 600/05); c) determinando-se que a autoridade IMPETRADA se abstenha de obstar o exercício dos direitos em tela, bem como de promover, por qualquer meio - administrativo ou judicial - , o estorno, a cobrança ou exigência dos valores correspondentes aos créditos em debate, afastando-se quaisquer restrições, autuações fiscais, negativas de expedição de Certidão Negativa de Débitos, imposições de multas, penalidades, ou, ainda, inscrições em órgãos de controle, como o CADIN, v.g." (grifei) O objeto da sociedade constante na cláusula segunda do contrato social tem o seguinte teor (fl. 24): "CLÁUSULA SEGUNDA - O objetivo da sociedade será: Construção Civil, Edificações, Terraplanagem, Estradas e Barragens". (grifei) Vê-se nas notas fiscais de fls. 33/1516 que os produtos adquiridos pela Impetrante, a exemplo de cimento, pedra, vergalhões, tubos, tintas são utilizados no processo de construção civil, em consonância com o objetivo claramente delineado no contrato social. Dispõe o artigo 153, inciso IV, § 3º, inciso II, da Constituição Federal de 1988 sobre a não-cumulatividade do IPI. O princípio da não-cumulatividade veda a incidência da exação sobre as operações de entrada e de saída do processo de industrialização. Havendo incidência do IPI em ambas as operações, ensejaria o direito à repetição, nos termos da legislação de regência (Decretos nºs 87.981, de 1982, e 2.637, de 1998, que aprovam o Regulamento do IPI, e Lei nº 9.779, de 1999). A não-cumulatividade diz respeito ao direito de compensar o que for devido do IPI em cada operação industrial com o que foi cobrado nas operações anteriores (artigo 153, IV, § 3º, II, da Constituição Federal). Somente as saídas dos produtos tributados com o IPI é que dão direito a que o estabelecimento industrial se credite do imposto pago na operação anterior, isto é, na aquisição de insumos e bens utilizados na industrialização dos produtos que sairão do estabelecimento. Ou seja, o princípio constitucional da não-cumulatividade constitui óbice à incidência do IPI sobre as operações de entrada e de saída do processo de industrialização, conjuntamente. No caso em apreço, embora os insumos adquiridos pela Impetrante tenham sido onerados pelo IPI, não há comprovação nos autos da efetiva incidência do imposto na etapa imediatamente subseqüente de comercialização, sobre os produtos fabricados com utilização dos insumos industriais tributados. Por outro lado, impende destacar que a Impetrante, na condição de empresa da construção civil, não é contribuinte do IPI, no que diz respeito ao bem que produz e comercializa, primeiro porque, nos termos do art. 51, inciso II, do CTN, contribuinte do IPI é, entre outros, o industrial ou quem a lei a ele equiparar; segundo porque, a teor da norma inscrita no art. 5º, inciso VIII, "a", do Decreto nº. 4.544/2002 (Regulamento do IPI), não se considera industrialização a operação efetuada fora do estabelecimento industrial, consistente na reunião de produtos, peças ou partes e de que resulte a edificação de casas, edifícios, pontes, hangares, galpões e semelhantes, e suas coberturas. A ilação é no sentido de que, se na construção civil não se verifica a saída de produtos industrializados, inexiste, portanto, a incidência do imposto, à míngua de norma tributária definidora do fato gerador específico, não se tendo, em conseqüência, crédito tributário a compensar. Portanto, inexistindo a demonstração material da alegada ofensa ao princípio constitucional da não-cumulatividade, não há cogitar, conseqüentemente, em crédito do imposto suscetível de compensação ou restituição. Diante do exposto, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 105 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: ... IV - produtos industrializados; ... § 3º O imposto previsto no inc. IV: ... II - será não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação com o montante cobrado nas anteriores. 3 "IPI. Alíquota Zero. Não-Tributação. Creditamento - 6 O Tribunal retomou julgamento conjunto de dois recursos extraordinários interpostos pela União contra acórdãos do TRF da 4ª Região que reconheceram o direito do contribuinte do IPI de creditar-se do valor do tributo na aquisição de insumos favorecidos pela alíquota zero e pela não-tributação - v. Informativos 304, 361, 374 e 420. Por maioria, deu-se provimento aos recursos, por se entender que a admissão do creditamento implica ofensa ao inciso II do § 3º do art. 153 da CF. Asseverou-se que a não-cumulatividade pressupõe, salvo previsão contrária da própria Constituição Federal, tributo devido e recolhido anteriormente e que, na hipótese de não-tributação ou de alíquota zero, não existe parâmetro normativo para se definir a quantia a ser compensada. Ressaltou-se que tomar de empréstimo a alíquota final relativa a operação diversa resultaria em ato de criação normativa para o qual o Judiciário não tem competência. Aduziu-se que o reconhecimento desse creditamento ocasionaria inversão de valores com alteração das relações jurídicas tributárias, dada a natureza seletiva do tributo em questão, visto que o produto final mais supérfluo proporcionaria uma compensação maior, sendo este ônus indevidamente suportado pelo Estado. Além disso, importaria em extensão de benefício a operação diversa daquela a que o mesmo está vinculado e, ainda, em sobreposição incompatível com a ordem natural das coisas. Por fim, esclareceu-se que a Lei 9.779/99 não confere direito a crédito na hipótese de alíquota zero ou de não-tributação e sim naquela em que as operações anteriores foram tributadas, mas a final não o foi, evitando-se, com isso, tornar inócuo o benefício fiscal. Ficaram vencidos, em ambos os recursos, os Ministros Cezar Peluso, Nelson Jobim, Sepúlveda Pertence, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello, que lhes negavam provimento. O Min. Sepúlveda Pertence ressalvou a extensão, que alguns votos fizeram, da mesma equação jurídica à hipótese de não incidência do IPI. Em seguida, suscitada questão de ordem pelo Min. Ricardo Lewandowski no sentido de dar efeitos prospectivos à decisão, o julgamento foi suspenso para aguardar os votos da Min. Ellen Gracie, presidente, e do Min. Eros Grau.." (Informativo STF nº 456, de 12 a 23 de fevereiro de 2007) (grifei). 4 Art. 51. Contribuinte do imposto é: I - o importador ou quem a lei a ele equiparar; II - o industrial ou quem a lei a ele equiparar; III - o comerciante de produtos sujeitos ao imposto, que os forneça aos contribuintes definidos no inciso anterior; IV - o arrematante de produtos apreendidos ou abandonados, levados a leilão. Parágrafo único. Para os efeitos deste imposto, considera-se contribuinte autônomo qualquer estabelecimento de importador, industrial, comerciante ou arrematante. 5 Art. 4º Caracteriza industrialização qualquer operação que modifique a natureza, o funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a finalidade do produto, ou o aperfeiçoe para consumo, tal como (Lei nº 4.502, de 1964, art. 3º, parágrafo único, e Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966, art. 46, parágrafo único): I - a que, exercida sobre matérias-primas ou produtos intermediários, importe na obtenção de espécie nova (transformação); II - a que importe em modificar, aperfeiçoar ou, de qualquer forma, alterar o funcionamento, a utilização, o acabamento ou a aparência do produto (beneficiamento); III - a que consista na reunião de produtos, peças ou partes e de que resulte um novo produto ou unidade autônoma, ainda que sob a mesma classificação fiscal (montagem); IV - a que importe em alterar a apresentação do produto, pela colocação da embalagem, ainda que em substituição da original, salvo quando a embalagem colocada se destine apenas ao transporte da mercadoria (acondicionamento ou reacondicionamento); ou V - a que, exercida sobre produto usado ou parte remanescente de produto deteriorado ou inutilizado, renove ou restaure o produto para utilização (renovação ou recondicionamento). Parágrafo único. São irrelevantes, para caracterizar a operação como industrialização, o processo utilizado para obtenção do produto e a localização e condições das instalações ou equipamentos empregados. Exclusões Art. 5º Não se considera industrialização: I - o preparo de produtos alimentares, não acondicionados em embalagem de apresentação: a) na residência do preparador ou em restaurantes, bares, sorveterias, confeitarias, padarias, quitandas e semelhantes, desde que os produtos se destinem a venda direta a consumidor; ou b) em cozinhas industriais, quando destinados a venda direta a corporações, empresas e outras entidades, para consumo de seus funcionários, empregados ou dirigentes; II - o preparo de refrigerantes, à base de extrato concentrado, por meio de máquinas, automáticas ou não, em restaurantes, bares e estabelecimentos similares, para venda direta a consumidor (Decreto-lei nº 1.686, de 26 de junho de 1979, art. 5º, § 2º); III - a confecção ou preparo de produto de artesanato, definido no art. 7º; IV - a confecção de vestuário, por encomenda direta do consumidor ou usuário, em oficina ou na residência do confeccionador; V - o preparo de produto, por encomenda direta do consumidor ou usuário, na residência do preparador ou em oficina, desde que, em qualquer caso, seja preponderante o trabalho profissional; VI - a manipulação em farmácia, para venda direta a consumidor, de medicamentos oficinais e magistrais, mediante receita médica (Lei nº 4.502, de 1964, art. 3º, parágrafo único, inciso III, e Decreto-lei nº 1.199, de 27 de dezembro de 1971, art. 5º, alteração 2ª); VII - a moagem de café torrado, realizada por comerciante varejista como atividade acessória (Decreto-lei nº 400, de 30 de dezembro de 1968, art. 8º); VIII - a operação efetuada fora do estabelecimento industrial, consistente na reunião de produtos, peças ou partes e de que resulte: a) edificação (casas, edifícios, pontes, hangares, galpões e semelhantes, e suas coberturas); b) instalação de oleodutos, usinas hidrelétricas, torres de refrigeração, estações e centrais telefônicas ou outros sistemas de telecomunicação e telefonia, estações, usinas e redes de distribuição de energia elétrica e semelhantes; ou c) fixação de unidades ou complexos industriais ao solo; IX - a montagem de óculos, mediante receita médica (Lei nº 4.502, de 1964, art. 3º, parágrafo único, inciso III, e Decreto-lei nº 1.199, de 1971, art. 5º, alteração 2ª); X - o acondicionamento de produtos classificados nos Capítulos 16 a 22 da TIPI, adquiridos de terceiros, em embalagens confeccionadas sob a forma de cestas de natal e semelhantes (Decreto-lei nº 400, de 1968, art. 9º); XI - o conserto, a restauração e o recondicionamento de produtos usados, nos casos em que se destinem ao uso da própria empresa executora ou quando essas operações sejam executadas por encomenda de terceiros não estabelecidos com o comércio de tais produtos, bem assim o preparo, pelo consertador, restaurador ou recondicionador, de partes ou peças empregadas exclusiva e especificamente naquelas operações (Lei nº 4.502, de 1964, art. 3º, parágrafo único, inciso I); XII - o reparo de produtos com defeito de fabricação, inclusive mediante substituição de partes e peças, quando a operação for executada gratuitamente, ainda que por concessionários ou representantes, em virtude de garantia dada pelo fabricante (Lei nº 4.502, de 1964, art. 3º, parágrafo único, inciso I); XIII - a restauração de sacos usados, executada por processo rudimentar, ainda que com emprego de máquinas de costura; e XIV - a mistura de tintas entre si, ou com concentrados de pigmentos, sob encomenda do consumidor ou usuário, realizada em estabelecimento varejista, efetuada por máquina automática ou manual, desde que fabricante e varejista não sejam empresas interdependentes, controladora, controlada ou coligadas (Lei nº 4.502, de 1964, art. 3º, parágrafo único, inciso IV, e Lei nº 9.493, de 1997, art. 18). Parágrafo único. O disposto no inciso VIII não exclui a incidência do imposto sobre os produtos, partes ou peças utilizados nas operações nele referidas. ?? ?? ?? ?? 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0011015-81.2007.4.05.8200 CONSELHO REGIONAL DE EDUCACAO FISICA - CREF 10 - PB/RN (Adv. KELLY CHRISTINE LEAL DE SANTANA FERNANDES) x SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.11015-6, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA - CREF 10 - PB/RN ADVOGADA: KELLY CHRISTINE LEAL DE SANTANA FERNANDES IMPETRADA: SECRETÁRIA DE ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, o Exmo. Juiz Federal, Dr.Alexandre Costa de Luna Freire, abordou inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 75/79): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado pelo Conselho Regional de Educação Física - CREF 10 - PB/RN contra ato apontado ilegal da Secretária de Administração do Município de João Pessoa, configurado na omissão da exigência de registro profissional junto ao Impetrante dos candidatos ao cargo de Professor de Educação Física, no âmbito do concurso regido pelo Edital nº 01/2007-PMJP. O Impetrante afirma o seguinte: 1) A Prefeitura do Município de João Pessoa, através da Secretária de Administração, expediu o Edital nº 01/2007-PMJP, de 26.10.2007, instaurando concurso público para provimento de vagas em cargos da carreira de profissionais em Educação, dentre eles o de Professor de Educação Física. 2) Na parte relativa ao cargo de Professor de Educação Física, o Edital em referência estabelece como requisito o diploma do curso de graduação de nível superior em Educação Física, omitindo-se quanto à exigência de registro profissional perante a entidade de classe, no caso, o Conselho Regional de Educação Física. 3) O exercício da atividade de Educação Física é exclusiva dos profissionais registrados perante as respectivas entidades de classe, nos termos da Lei nº 9.696, de 1998, que regula o exercício da profissão e criou os Conselhos Federal e Regionais de Educação Física, além do que o Edital apresenta-se discriminativo, uma vez que exige o registro profissional para os candidatos aos cargos de Assistente Social Escolar e Psicólogo Escolar. Pede a concessão da liminar no sentido de que a autoridade impetrada "suspenda concurso público para provimento de vagas em cargos da carreira dos profissionais de Educação, no que concerne o carga 8: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II - DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA do edital nº 01/2007, tendo em vista, que na parte dos requisitos restou constatado que não foi exigido o registro no órgão de Classe, ou seja, o registro junto ao CREF 10 - Conselho Regional de Educação Física." (grifei) Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 17/72). É o relatório. Decido. O Edital nº 01/2007-PMJP, de 26.10.2007, expedido pela Secretária de Administração do Município de João Pessoa, dispõe sobre a realização de concurso público para provimento de 991 vagas e formação de cadastro de reserva da carreira dos profissionais da Educação. As inscrições ao certame estavam previstas para o período de 6 a 16 de novembro de 2007 (item 8.3 do Edital) e as provas objetivas estão programadas para o dia 16 de dezembro de 2007 (item 9.3 do Edital). Os cargos objeto do concurso são os seguintes: a) Assistente Social Escolar; b) Orientador Escolar; c) Psicólogo Escolar; d) Supervisor Escolar; e) Professor da Educação Básica II - Disciplina: Artes Cênicas; f) Professor da Educação Básica II - Disciplina: Artes Visuais; g) Professor da Educação Básica II - Disciplina: Ciências; h) Professor da Educação Básica II - Disciplina: Educação Física; i) Professor da Educação Básica II - Disciplina: Geografia; j) Professor da Educação Básica II - Disciplina: História; k) Professor da Educação Básica - Disciplina: Inglês; l) Professor da Educação Básica - Disciplina: Matemática; m) Professor da Educação Básica - Disciplina: Música; n) Professor da Educação Básica - Disciplina: Português; o) Professor da Educação Básica I. Para o cargo de Professor da Educação Básica II - Disciplina: Educação Física, o Edital prevê como requisitos e descreve as atividades nos seguintes termos: "CARGO 8: PROFESSOR DA EDUCAÇÃO BÁSICA II - DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA REQUISITOS: diploma, devidamente registrado, de conclusão do curso superior de graduação em Educação Física (licenciatura plena) expedido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES: exercer atividades de docência do ensino fundamental; participar no processo de planejamento das atividades das unidades de trabalho e organizar as operações inerentes ao processo ensino-aprendizagem." (grifei) Para os cargos de Assistente Social Escolar e Psicólogo Escolar, o Edital exige dos candidatos, entre outros requisitos, o registro profissional perante a entidade de classe respectiva. A regulamentação do exercício profissional em Educação Física adveio com a Lei Federal nº 9.696, de 19982, prevendo a exclusividade aos profissionais regularmente inscritos nos Conselhos Regionais e a competência do Profissional de Educação Física para coordenar, planejar, programar, supervisionar, dinamizar, dirigir, organizar, avaliar e executar trabalhos, programas, planos e projetos, bem como prestar serviços de auditoria, consultoria e assessoria, realizar treinamentos especializados, participar de equipes multidisciplinares e interdisciplinares e elaborar informes técnicos, científicos e pedagógicos, todos nas áreas de atividades físicas e do desporto. Criou, ainda, os Conselhos Federal e Regionais. No caso em exame, a forma de provimento de cargos públicos, seja relativamente aos cargos efetivos ou em comissão, rege-se, de um lado, pela legislação da entidade que realiza o concurso (para o cargo efetivo) ou que nomeia (para o cargo em comissão), tendo em consideração o disposto no artigo 37, incisos I e II, da Constituição Federal de 19883. Nesse sentido, se a legislação municipal, ao que parece (a petição inicial não veio instruída com cópia das normas municipais), não prevê o registro profissional dos candidatos ao cargo de Professor de Educação Física, a Administração Pública não poderá exigir o mencionado registro4. Por outro lado, a Lei Federal nº 9.696, de 1998, em momento algum trata do exercício profissional em Educação Física relativamente a cargos públicos ou estabelece a exigência do registro perante os Conselhos para o exercício de cargo público. ISTO POSTO, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada para prestar as Informações, no prazo de dez dias. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 12 DEZ 2007." (grifos no original) A autoridade impetrada prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 84/107), afirmando a ausência de prova pré-constituída essencial à comprovação do direito líquido e certo sustentado na petição inicial, o que conduz à denegação da segurança. Por outro lado, a ausência de liquidez e certeza do direito decorre da inexistência, na Lei nº. 9.696/1998, de exigência do registro no Conselho Regional de Educação Física, relativa aos profissionais docentes que atuam na área de Educação Física, não se podendo exigir a instituição de tal requisito no Edital nº. 01/2007, ora questionado, o qual rege o concurso público para provimento de vagas em cargos da carreira dos profissionais em educação. O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela denegação da segurança (fls. 110/112). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento adotado no exame do pedido de liminar (fls. 75/79). O parecer ministerial, da lavra do Exmo. Procurador da República, Dr. Yordan Moreira Delgado, é no sentido da denegação da segurança, sob a premissa de que o Edital do concurso, objeto de questionamento na presente ação mandamental, atende à exigência contida na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB (Lei nº. 9.394/1996). "Por outro lado, não restou demonstrado pelo impetrante que a atividade de professor de Educação Física, naturalmente regulada pela LDB, se confunda com aquelas descritas no Art. 1º da Lei 9.696/98 que torne obrigatório o registro no Conselho para o exercício da profissão de professor de Educação Física" (fls. 110/112). Na hipótese em julgamento, questiona-se o Edital nº 01/2007-PMJP, de 26.10.2007, expedido pela Secretária de Administração do Município de João Pessoa, que dispõe sobre a realização de concurso público para provimento de 991 vagas e formação de cadastro de reserva da carreira dos profissionais da Educação, incluindo a disciplina Educação Física. As inscrições ao certame estavam previstas para o período de 6 a 16 de novembro de 2007 (item 8.3 do Edital) e as provas objetivas estão programadas para o dia 16 de dezembro de 2007 (item 9.3 do Edital). Conforme assentou a decisão, para o cargo de Professor da Educação Básica II - Disciplina Educação Física, o Edital prevê como requisitos: diploma, devidamente registrado, de conclusão do curso superior de graduação em Educação Física (licenciatura plena) expedido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação. Para os cargos de Assistente Social Escolar e Psicólogo Escolar, o Edital exige dos candidatos, entre outros requisitos, o registro profissional perante a entidade de classe respectiva. A regulamentação do exercício profissional em Educação Física adveio com a Lei Federal nº 9.696/1998, prevendo a exclusividade aos profissionais regularmente inscritos nos Conselhos Regionais e a competência do Profissional de Educação Física para coordenar, planejar, programar, supervisionar, dinamizar, dirigir, organizar, avaliar e executar trabalhos, programas, planos e projetos, bem como prestar serviços de auditoria, consultoria e assessoria, realizar treinamentos especializados, participar de equipes multidisciplinares e interdisciplinares e elaborar informes técnicos, científicos e pedagógicos, todos nas áreas de atividades físicas e do desporto. Criou, ainda, os Conselhos Federal e Regionais. Observou o decisum que a forma de provimento de cargos públicos, seja relativamente aos cargos efetivos ou em comissão, rege-se, de um lado, pela legislação da entidade que realiza o concurso (para o cargo efetivo) ou que nomeia (para o cargo em comissão), tendo em consideração o disposto no artigo 37, incisos I e II, da Constituição Federal de 1988. Nesse sentido, se a legislação municipal não prevê o registro profissional dos candidatos ao cargo de Professor de Educação Física, a Administração Pública não poderá exigir o mencionado registro. A Lei Federal nº 9.696/1998, em momento algum trata do exercício profissional em Educação Física relativamente a cargos públicos ou estabelece a exigência do registro perante os Conselhos para o exercício de cargo público. Diante do exposto, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 115 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 1o O exercício das atividades de Educação Física e a designação de Profissional de Educação Física é prerrogativa dos profissionais regularmente registrados nos Conselhos Regionais de Educação Física. Art. 2o Apenas serão inscritos nos quadros dos Conselhos Regionais de Educação Física os seguintes profissionais: I - os possuidores de diploma obtido em curso de Educação Física, oficialmente autorizado ou reconhecido; II - os possuidores de diploma em Educação Física expedido por instituição de ensino superior estrangeira, revalidado na forma da legislação em vigor; III - os que, até a data do início da vigência desta Lei, tenham comprovadamente exercido atividades próprias dos Profissionais de Educação Física, nos termos a serem estabelecidos pelo Conselho Federal de Educação Física. Art. 3o Compete ao Profissional de Educação Física coordenar, planejar, programar, supervisionar, dinamizar, dirigir, organizar, avaliar e executar trabalhos, programas, planos e projetos, bem como prestar serviços de auditoria, consultoria e assessoria, realizar treinamentos especializados, participar de equipes multidisciplinares e interdisciplinares e elaborar informes técnicos, científicos e pedagógicos, todos nas áreas de atividades físicas e do desporto. Art. 4o São criados o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Educação Física. Art. 5o Os primeiros membros efetivos e suplentes do Conselho Federal de Educação Física serão eleitos para um mandato tampão de dois anos, em reunião das associações representativas de Profissionais de Educação Física, criadas nos termos da Constituição Federal, com personalidade jurídica própria, e das instituições superiores de ensino de Educação Física, oficialmente autorizadas ou reconhecidas, que serão convocadas pela Federação Brasileira das Associações dos Profissionais de Educação Física - FBAPEF, no prazo de até noventa dias após a promulgação desta Lei. Art. 6o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília, 1 de setembro de 1998; 177o da Independência e 110o da República. 3 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 4 "Constitucional e administrativo. Concurso público. Auditor fiscal do estado da paraíba. Edital. Fixação de requisitos. Dez anos de exercício de função ou atividade profissional de nível superior. Lei complementar nº 18/1993. Legalidade. - A ordem constitucional, respeitado o princípio da legalidade e a isonomia entre os concorrentes, confere à Administração Pública competência para fixar os requisitos para a inscrição em concurso público destinado ao provimento de cargos que exigem de seus ocupantes maior capacidade técnica e experiência, como, por exemplo, os de Auditor Fiscal. - No caso, não se verifica qualquer ilegalidade no indeferimento da inscrição de candidato que não satisfez os requisitos estabelecidos no edital de certame para provimento de Auditor Fiscal estadual que, ao exigir dez anos de exercício de função ou atividade profissional de nível superior, pressupõe o registro no Conselho Regional das áreas de conhecimentos exigidos. - Recurso ordinário desprovido." (ROMS nº 10241-PB, Relator Ministro Vicente Leal, 6ª Turma do STJ, DJU de 01.08.2000, p. 342) (grifei) "CONCURSO PÚBLICO. CARGO DE ANALISTA ECONÔMICO FINANCEIRO. REGISTRO JUNTO AO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. A Lei 7.832, de 1984, do Estado do Paraná exige "comprovação do registro no Conselho Regional e demais órgãos de fiscalização profissional correspondente à respectiva qualificação", não para efeito de inscrição em concurso, mas sim para "ingresso no exercício de cargos, empregos ou funções da administração direta e indireta do Estado, para as quais é exigida a qualificação profissional de nível superior". Não há inconstitucionalidade nessa norma." (AC nº 9704408587-PR, Relatora Desembargadora Federal Vivian Josete Caminha, 3ª Turma do TRF-4ª Região, DJU de 01.11.2000, p. 283) (grifei) "ADMINISTRATIVO. CONCURSO PÚBLICO. EXIGÊNCIA DO EDITAL. CURSO AUTORIZADO PELO MEC. REGISTRO NO CONSELHO COMPETENTE. POSSIBILIDADE. I. Tendo o edital do concurso exigido, para a posse no cargo, conclusão de Curso de Técnico em Radiologia, não pode a administração flexibilizar a exigência. II. A declaração de que o autor requereu a inscrição definitiva no Conselho Regional de Técnicos em Radiologia não substitui o registro definitivo, uma vez que não garante o deferimento do pedido. III. Apelação improvida." (AC nº 415290-SE, Relatora Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJU de 27.08.2007, p. 165) (grifei) "ADMINISTRATIVO. AUDITOR DE TRIBUTOS DO TESOURO ESTADUAL. INSCRIÇÃO NO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE. INEXISTÊNCIA DE OBRIGATORIEDADE. PRECEDENTES. I. A investidura no cargo de Auditor de Tributos não impõe ao servidor a obrigatoriedade de registro no Conselho Profissional, ainda que lhe seja exigida formação específica em Ciências Contábeis para admissão no Serviço Público. II. Precedentes : RESP nº 653.744/RS, Rel. Min. Franciulli Netto, julg. 08.03.2005, DJU 09.05.2005, pág. 350; AMS nº 81.655/PB, Rel. Des. Federal (convocado) Edílson Nobre, julg. 16.12.2003, DJU 12.02.2004, pág. 658. III. Apelação improvida." (AC nº 370845-PE, Relator Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJU de 12.01.2006, p. 597) (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0011101-52.2007.4.05.8200 MARCUS VINÍCIUS DANTAS DA NÓBREGA (Adv. ANTONIO DEAN ARAÚJO RAMOS) x REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.11101-0, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARCUS VINÍCIUS DANTAS DA NÓBREGA ADVOGADO: ANTÔNIO DEAN ARAÚJO RAMOS IMPETRADO: REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 O Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, reservou-se para apreciar o pedido de liminar após as informações da autoridade impetrada, nos seguintes termos (fls. 20/21): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por Marcus Vinícius Dantas da Nóbrega contra ato apontado ilegal do Reitor da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, configurado na recusa à expedição de diploma de conclusão do Curso de Medicina/UFPB. O Impetrante afirma o seguinte: 1) Concluiu o Curso de Medicina da UFPB e colou grau em 26.10.2007, conforme certificado de conclusão do Curso expedido pela instituição de ensino. 2) Foi informado pela UFPB que fora selecionado para fazer a prova do ENADE/2007 e que seu diploma somente seria expedido após o Impetrante ter feito a referida prova, a qual ocorreu no dia 11.11.2007. 3) Após ter participado da prova do ENADE/2007, dirigiu-se à UFPB no dia 12.11.2007, ocasião em que foi recusada a expedição do diploma, sob o fundamento de que somente após a publicação das notas do ENADE/2007, prevista para 11.12.2007, é que seria expedido o diploma. Sustenta a ilegalidade do ato, uma vez que preenche todos os requisitos para a obtenção do diploma, sendo desnecessária, para tanto, a divulgação das notas do ENADE/2007, além do que outros alunos que colaram grau na mesma data do Impetrante já obtiveram os diplomas. Acrescenta que possui proposta de trabalho como Médico, mas que apenas poderá exercer a profissão com o registro junto ao Conselho Regional de Medicina, o qual não aceita o certificado de conclusão do Curso e sim o diploma. Pede a concessão da liminar visando a que a autoridade impetrada "expeça o referido diploma de conclusão do curso, e que a expedição deste, não esteja vinculada à publicação das notas do ENADE." (grifei) Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 09/17). Defiro o pedido de gratuidade judiciária (Lei nº 1.060, de 1950). Reservo-me para apreciar o pedido de liminar após as informações da autoridade impetrada, as quais deverão vir instruídas com cópia dos documentos relativos à participação do Impetrante no ENADE/2007. Notifique-se. João Pessoa, 14 DEZ 2007". (grifos no original) O Impetrante requereu a desistência da ação, ante a ausência superveniente de interesse processual (fl. 25). A autoridade impetrada prestou as informações, afirmando que já expediu o diploma postulado pelo Impetrante na presente ação mandamental, razão pela qual requer a extinção do processo, sem resolução do mérito (fls. 26/27). É o relatório. Decido. Trata-se de pedido de desistência da presente ação mandamental, com fundamento na perda superveniente do objeto do mandamus, em face da expedição, pela autoridade impetrada, do diploma pleiteado pelo Impetrante na petição inicial (fl. 25). Com efeito, a desistência do Impetrante em prosseguir com o mandamus caracteriza hipótese de extinção do processo, sem resolução do mérito, prevista no art. 267, inciso VIII, do CPC2, e prescinde da concordância do Impetrado. A esse respeito, leia-se o seguinte precedente: "O impetrante pode desistir do mandado independentemente de aquiescência do impetrado" (RTJ 88/290, inter plures, cf. THETÔNIO NEGRÃO, 26ª edição, p. 1126). Diante do exposto, declaro a extinção do processo, sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, inciso VIII, do CPC. Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 105 do STJ). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa/PB, 22 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." (grifado) ?? ?? ?? ?? 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0000546-73.2007.4.05.8200 UNIAO (MINISTERIO DOS TRANSPORTES) (Adv. ANDRE NAVARRO FERNANDES) x SINDICATO DOS TRAB. EM SERV. PUB. FEDERAL NO ESTADO DA PB-SINTSERF/PB (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2007.546-4 CLS 75 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: UNIÃO (MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES) PROCURADOR: André Navarro Fernandes EMBARGADO(A)(S): SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA - SINTSERF/PB ADVOGADA(O)(S): Itamar Gouveia da Silva S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Embargos à Execução de sentença/acórdão, onde a Embargante/União alega a prescrição do direito à propositura da ação de execução, por haver a mesma sido proposta após cinco anos do trânsito em julgado do acórdão executado e, subsidiariamente, que o crédito exeqüendo é inferior ao atribuído pelo(a)(s) Exeqüente(s) em sua memória discriminada de cálculos. Em sede de impugnação (fls. 284/293), o Embargado opõe-se à alegação de prescrição argumentando que: a) não foi intimado do trânsito em julgado do acórdão proferido pelo eg. TRF-5ª Região, com o que "fica desde já rechaçada a data inicial da contagem do prazo"; b) deve-se observar na contagem do prazo prescricional as interrupções/suspensões decorrentes de Inspeção Geral Ordinária prevista na Lei nº 5.010/66 e de "paralisações dos serviços cartorários, tal como ocorre nos movimentos de greve e recesso forense", bem como decorrentes da "demora do aparelho judiciário"; c) houve a interrupção da prescrição pelo advento da "Medida Provisória nº 2.225-45, de 04 de setembro de 2001", através da qual a União teria reconhecido "o passivo executado". Quanto à alegação de excesso de execução, pugnou pelo envio dos autos à Seção de Cálculos para apuração do valor efetivamente devido. A Seção de Cálculos prestou informação às fls. 297/338, sobre a qual se pronunciou unicamente a União, discordando da conta apresentada (fls. 343/347). É o breve relatório. Decido. Colhe-se dos autos da Ação Ordinária nº 97.5984-7: Sentença (fls. 134/138) Acórdão do TRF-5ª Região (fls. 165) ISSO POSTO, acolho o pedido formulado pelo promovente e condeno a ré a incorporar o índice de 28,86% (vinte e oito inteiros e oitenta e seis centésimo) aos vencimentos dos substituídos de fls. 33, inclusive ao pagamento das diferenças vencidas até o efetivo cumprimento da sentença, COMPENSANDO-SE ÍNDICES CONCEIDOS PELA LEI Nº 8.627/93, se for o caso da categoria a que pertencem os substituídos de fls. 33, respeitada sempre a prescrição qüinqüenal, e, ainda, no pagamento das custas processuais e honorários advocatícios, que arbitro em 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação, a ser apurado em liquidação. As diferenças apuradas entre os valores pagos e aqueles efetivamente devidos serão pagas corrigidas monetariamente e acrescidas de juros de mora desde a citação, sobre o valor devidamente atualizado (RTJ 125/1.290, RT 622/230, 350/671, RDA 79/547, cit. T. NEGRÃO, 'CPC e leg. Proc. em vigor', 25ª ed, Malheiros, 1994, nota 7 ao art. 293, pg. 262 e Súmula nº 254 do STF). Do montante a ser pago, efetuar-se-á, se for o caso, a retenção do imposto de renda, na forma estabelecida pelo art. 27 da Lei nº 8.218/91.Sentença sujeita a reexame necessário. P.R.I." Deu parcial provimento à apelação da União e à remessa oficial, apenas para reconhecer o direito dos substituídos processuais "apenas ao complemento dos reajustes já recebidos até o limite do referido percentual de 28,86%, descontando-se, na execução, as parcelas eventualmente pagas". Reconheceu a sucumbência mínima do Autor Detenho-me sobre a alegação de prescrição da ação de execução suscitada pela União sob o entendimento de que decorreram mais de 05 (cinco) anos entre a data do trânsito em julgado do acórdão condenatório e a data do ajuizamento da ação de execução. O Supremo Tribunal Federal já reconheceu que o prazo prescricional referente à propositura da execução é idêntico ao prazo de prescrição da ação de conhecimento, nos termos da Súmula nº 1502. Há de se destacar que, à luz do art. 1º, do Decreto nº 20.910/32, extensível às autarquias, face ao disposto no Decreto-lei nº 4.597, de 19 de agosto de 1942, as dívidas passivas devidas pela Fazenda Pública prescrevem em 05 (cinco) anos, a contar da data do fato ou do ato do qual se originarem. Idêntico é o prazo para a execução da obrigação decorrente de decisão transitada em julgado, por não se tratar, na espécie dos autos, de prescrição intercorrente, pois a ação de execução é autônoma em relação à ação principal, de conhecimento. Neste sentido, colhe-se que os atos processuais ocorreram, nos autos da Ação Ordinária nº 97.5984-7, conforme quadro abaixo. Data da intimação da sentença de primeiro grau Data da intimação da decisão do TRF-5ª Região Data do trânsito em julgado do acórdão do TRF-5ª Região Data da consumação do prazo prescricional de cinco anos para a propositura da execução Data da propositura da execução 09.04.1998 19.02.1999 (sexta-feira) 08.03.1999 (segunda-feira) 09.03.2004 (terça-feira) 14.11.2006 O Embargado opôs-se à alegação de consumação da prescrição perfilando os seguintes argumentos: a) Não houve a sua intimação do trânsito em julgado do acórdão proferido pelo TRF-5ª Região, com o que ficaria "rechaçada a data inicial da contagem do prazo"; b) Devem ser observadas no período de contagem do prazo prescricional todas as paralisações na regular tramitação dos processos no âmbito da Justiça Federal, tais como recesso forense, inspeções ordinárias, movimentos grevistas e "atraso da execução" por culpa do Poder Judiciário; c) Houve a interrupção da contagem do prazo prescricional por ato da União reconhecendo a dívida, na forma da "Medida Provisória nº 2.225-45, de 04 de setembro de 2001", que facultou a celebração de transação extrajudicial pelos servidores públicos federais para o recebimento do passivo referente ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto da execução presentemente embargada. Passo ao exame das razões de defesa apresentadas pelo Embargado. Quanto ao início da contagem do prazo prescricional da ação de execução, observo que tal se deu a partir do trânsito em julgado do acórdão proferido pelo Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região, quando o título executivo judicial tornou-se exigível (art. 475-I, § 1º, do CPC3). No mesmo sentido, há precedentes jurisprudenciais4. E neste aspecto, observe-se que a intimação do Autor/Embargante, acerca dos termos do acórdão proferido pelo eg. TRF-5ª Região, deu-se de forma regular, nos termos do art. 236 do CPC5, através do órgão de imprensa oficial, com o que restou plenamente consumado o ato de cientificação processual (fls. 167 dos autos da Ação Ordinária nº 97.5984-7). Ad argumentandum tantum¸ ainda que se considerasse a alegação do Autor de que deveria ser "intimado do trânsito em julgado", tem-se que a tanto equivaleu a abertura de vista ao Autor para promover a execução, ocorrida em 13.11.1999 (fls. 177 dos autos principais), restando, mesma desta forma, consumado o prazo prescricional de 05 (cinco) anos sem a propositura da ação de execução pelo ora Embargado. No que se refere à alegação no sentido de que sejam observadas como causa de suspensão do prazo prescricional as paralisações nos serviços cartorários por força do recesso forense, inspeções anuais ordinárias e movimentos paredistas, observo que também neste ponto é insubsistente a defesa do Embargado. Isto porque as paralisações dos serviços forenses em razão do recesso forense e de inspeção geral ordinária (arts. 13, III, e 62, I, da Lei nº 5.010/666) afetam tão-somente a contagem dos prazos de natureza processual, a que não se equipara o prazo prescricional, ainda mais quando se considera que durante tais eventos é prevista a prática de atos processuais visando ao não perecimento de direito7. Por fim, quanto aos efeitos da medida provisória prevendo a celebração de transação extrajudicial para o recebimento das parcelas vencidas relativas ao índice objeto do julgado executado (28,86%), observo que se trata da MP nº 1.812-9, de 26 de fevereiro de 1999, e não a MP nº 2.225-45/2001 como informou o Embargado. Porém, a edição da referida MP não favorece à interrução do prazo prescricional na hipótese dos autos, na medida em que se referiu ao direito ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), ao passo que o direito sujeito à prescrição, in casu, se consubstancia no direito à propositura da ação de execução, que não se confunde com o direito material reconhecido pelo julgado. Portanto, não houve o ato inequívoco da União reconhecendo-se devedora quanto ao direito sujeito à prescrição qüinqüenal: direito ao ajuizamento da ação de execução. Ad argumentandum tantum, ainda que se entenda diferente, no sentido de que a MP 1.812-9/99 interrompeu o prazo prescricional para a propositura da execução, ainda assim, resta prescrita a execução. Isto porque, interrompido o prazo uma única vez (art. 202 do CC/2002), recomeça a correr, em se tratando da Fazenda Pública, pela metade (art. 3º do Decreto-lei nº 4.597/428), com o que também estaria prescrita a execução. Em conclusão, a consumação do prazo prescricional, no caso dos autos, a extinguir o direito do Embargado/Exeqüente de promover a execução do julgado, deu-se em 09.03.2004, tendo o Exeqüente promovido a execução do julgado apenas em 14.11.2006. Diante do exposto, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, para declarar extinta a execução promovida nos autos da Ação Ordinária nº 97.5984-7, nos termos do art. 741, VI, do Código de Processo Civil. Verba honorária que fixo em R$ 1.000,00 (um mil reais), em favor da União, considerada a natureza e importância da lide deduzida nos presentes embargos (art. 20, § 3º, 'c', § 4º, do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região9. I. Traslade-se para os autos principais. João Pessoa/PB, 21 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 SENTENÇA TIPO A CONFORME CLASSIFICAÇÃO CONTIDA NA RESOLUÇÃO Nº 535, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2006, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL - CJF. 2 "Prescreve a execução no mesmo prazo da prescrição da ação" 3 Art. 475-I. O cumprimento da sentença far-se-á conforme os arts. 461 e 461-A desta Lei ou, tratando-se de obrigação por quantia certa, por execução, nos termos dos demais artigos deste Capítulo. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 1o É definitiva a execução da sentença transitada em julgado e provisória quando se tratar de sentença impugnada mediante recurso ao qual não foi atribuído efeito suspensivo. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 2o Quando na sentença houver uma parte líquida e outra ilíquida, ao credor é lícito promover simultaneamente a execução daquela e, em autos apartados, a liquidação desta. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) 4 "EMENTA. PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO DE SENTENÇA. RECURSO DE APELAÇÃO. REMESSA OFICIAL. DESCABIMENTO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. PRESCRIÇÃO DA AÇÃO DE EXECUÇÃO. 1. A remessa oficial somente é cabível nos casos determinados no artigo 475 do Código de Processo Civil, hipóteses em que a Fazenda Pública for vencida, e não vencedora, como na espécie. 2. O prazo prescricional que tem início entre o trânsito em julgado da sentença condenatória e o ajuizamento da ação de execução não é de prescrição intercorrente, mas de prescrição da ação de execução." (TRF-1ª Região, 4ª Turma, AC nº 38000393657/MG, Relator Desembargador Federal MÁRIO CÉSAR RIBEIRO, DJU 23.06.2004, pg. 70) "EMENTA. PROCESSUAL CIVIL. ART. 475, I DO CPC. EMBARGOS À EXECUÇÃO DE SENTENÇA. PRESCRIÇÃO DA EXECUÇÃO. OCORRÊNCIA. EXTINÇÃO. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. I - Os embargos à execução têm natureza jurídica de ação e, uma vez neles proferida decisão contrária à Fazenda Pública, é de rigor a aplicação do art. 475, inc. I, do Código de Processo Civil. II - O prazo prescricional da execução é o mesmo da ação originária. Inteligência da Súmula n.º 150 do Supremo Tribunal Federal. III - Conta-se a prescrição da ação de execução a partir trânsito em julgado da sentença do processo de conhecimento. IV - Transcorrido o lapso prescricional quando da propositura da execução. V - Fixados honorários advocatícios de 10% sobre o valor da causa, a serem pagos pelo embargado. VI - Apelação e remessa oficial, tida por ocorrida, providas, para julgar procedentes os embargos, declarando a extinção da execução, nos termos dos arts. 269, I e IV, e 795, todos do CPC." (TRF-3ª Região, 3ª Turma, AC nº 805645/SP, Relatora Juíza CECÍLIA MARCONDES, DJU 20.11.2002, pg. 262) "EMENTA. PROCESSO CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. NEGATIVA DE SEGUIMENTO. EXECUÇÃO. PRECLUSÃO. O prazo de prescrição da ação de execução é o mesmo da ação de conhecimento, a teor da SUM-150 do STF. É que a sentença condenatória é o marco inicial da pretensão executória." (TRF-4ª Região, 4ª Turma, AGA - Processo nº 9704583370/RS, Relator Juiz JOSÉ LUIZ B. GERMANO DA SILVA, DJU 03.06.1998, pg. 794) 5 Art. 236. No Distrito Federal e nas Capitais dos Estados e dos Territórios, consideram-se feitas as intimações pela só publicação dos atos no órgão oficial. § 1o É indispensável, sob pena de nulidade, que da publicação constem os nomes das partes e de seus advogados, suficientes para sua identificação. § 2o A intimação do Ministério Público, em qualquer caso será feita pessoalmente. 6 Art. 13. Compete aos Juízes Federais: I - processar e julgar, em primeira instância, as causas sujeitas à jurisdição da Justiça Federal (artigo 10), ressalvado o disposto no artigo 15; II - abrir, rubricar e encerrar os livros das respectivas Secretarias; III - inspecionar, pelo menos uma vez por ano os serviços a cargo das Secretarias, providenciando no sentido de evitar ou punir erros, omissões ou abusos; IV - dar conhecimento imediato da inspeção realizada ao Corregedor-Geral, em ofício reservado, solicitando-lhe as providências cabíveis; V - fornecer, anualmente, dados para a organização de estatísticas; VI - processar e julgar as suspeições argüidas, contra os auxiliares do Juízo; VII - aplicar penas disciplinares aos servidores do próprio Juízo; VIII - apresentar, anualmente, relatório circunstanciado dos trabalhos sob sua jurisdição Art. 62. Além dos fixados em lei, serão feriados na Justiça Federal, inclusive nos Tribunais Superiores: I - os dias compreendidos entre 20 de dezembro e 6 de janeiro, inclusive; II - os dias da Semana Santa, compreendidos entre a quarta-feira e o Domingo de Páscoa; III - os dias de segunda e têrça-feira de Carnaval; IV - os dias 11 de agôsto e 1° e 2 de novembro. 7 RESOLUÇÃO Nº 218/CJF, DE 10 DE ABRIL DE 2000 O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que foi decidido na Sessão de 30 de março de 2000 nos autos do Processo Administrativo nº 96240084, CONSIDERANDO que a permanência de Juízes em plantões, segundo escalas preestabelecidas, em dias feriados, sábados e domingos, para atendimento de medidas judiciais de urgência ou de atribuições da Direção do Foro, constituem encargos inerentes às atividades funcionais dos magistrados da Justiça Federal de Primeiro Grau; CONSIDERANDO, ainda, que os denominados plantões não são modalidade de expediente forense, mas apenas um meio adotado pelo Poder Judiciário para manter acessíveis aos jurisdicionados os instrumentos de garantia da liberdade e defesa dos direitos individuais nos dias em que não há expediente forense; CONSIDERANDO que nos sábados, domingos e feriados, inclusive aqueles previstos no artigo 62 da Lei nº 5.010, de 30 de maio de 1966, não é necessária a permanência de Juiz no prédio-sede da Seção Judiciária ou da Subseccional durante as horas que corresponderiam ao expediente normal, mas apenas se torna indispensável possibilitar aos interessados o conhecimento pelo magistrado de plantão da questão tida como urgente; CONSIDERANDO, também, que idêntico procedimento se deve adotar quanto aos funcionários da Vara de plantão, salvo o que for designado para permanecer no recinto da sede da Seção ou Subseção Judiciária, a fim de atender às partes e encaminhar o que se fizer necessário à consideração do Juiz ou do Diretor da Secretaria; CONSIDERANDO, entretanto, haver necessidade, nas Seções Judiciárias, de se manterem em funcionamento, nos feriados de que trata o artigo 62, inciso I, da Lei nº 5.010, de 30 de maio de 1966, serviços de natureza administrativa, inclusive os de processamento de dados, de expedição de certidões de distribuição e encerramento da gestão financeira e orçamentária, RESOLVE: Art. 1º Ressalvado o disposto no artigo 2º, nos sábados, domingos e feriados, para efeito de plantão, não será necessária a permanência de Juízes e funcionários no prédio-sede da Seção Judiciária ou da Subseccional. Divulgar-se-á, entretanto, nos meios informativos disponíveis, aviso que constará a indicação do nome e telefone dos Juízes e Diretores das Secretarias das Varas, integrantes da escala mensal de plantão, bem assim dos Oficiais de Justiça Avaliadores designados. O aviso será também afixado na entrada do prédio-sede da Seção ou Subseccional e, quando possível, divulgado na imprensa local. Art. 2º Sem prejuízo do aviso referido no artigo anterior, nos feriados previstos no artigo 62 da Lei nº 5.010, de 30 de maio de 1966, além do Oficial de Justiça Avaliador, o Diretor da Secretaria da Vara de plantão designará o funcionário que permanecerá no prédio-sede da Seção, se for o caso, durante o horário destinado a expediente, devendo a escolha recair, em sistema de rodízio, necessariamente, em funcionário ocupante de função comissionada. O Diretor de Secretaria providenciará, ainda, quando o serviço exigir, a convocação de outros funcionários, também comissionados, indispensáveis ao seu atendimento Art. 3º O Diretor do Foro, respeitadas as diretrizes da respectiva Corregedoria, elaborará, ouvidos os demais Juízes, a escala mensal de plantões e disciplinará, nos feriados de que cogita o inciso I do artigo 62 da aludida Lei nº 5.010/66, o funcionamento dos serviços administrativos gerais, particularmente, dos relativos ao encerramento da gestão financeira e orçamentária e ao fornecimento de certidões de distribuição, fixando, para isso, expediente especial. Art. 4º Nos sábados, domingos e feriados, inclusive os do artigo 62, inciso I, da Lei nº 5.010/66, o Juiz de plantão somente tomará conhecimento de pedidos, ações, procedimentos e medidas de urgência destinados a evitar perecimento de direito ou assegurar a liberdade de locomoção. Nessas hipóteses, o Juiz determinará todas as providências necessárias, mesmo quando se tratar de matéria estranha à sua competência privativa, não se estabelecendo, em qualquer caso, sua vinculação aos feitos, que deverão ser enviados à distribuição regular no primeiro dia útil após o respectivo plantão, na forma da lei e dos regulamentos em vigor. Art. 5º Ficam revogadas as Resoluções nºs 201, de 17 de novembro de 1997, e 168, de 01 de julho de 1996 e demais disposições em contrário. Provimento nº 25, de 05 de abril de 2006, da Corregedoria do TRF-5ª Região "Art. 2º. Durante o plantão, o magistrado plantonista deve apreciar, independentemente da natureza da matéria tratada, petições alusivas a processos ainda não distribuídos, em que sejam reclamadas providências urgentes que visem evitar o perecimento de direito ou assegurar a liberdade de locomoção. § 1º. Não se inserem no conceito de urgência as discussões sobre atos ou omissões cujos efeitos só ocorram durante o expediente forense regular, havendo condições de apreciação pelo juiz para o qual vier a ser distribuído o feito, ou que tenham sido objeto de ação anteriormente ajuizada, mesmo com pedido de desistência, homologada ou não. § 2o. A atuação do magistrado plantonista não estabelece prevenção ou vinculação do mesmo ao feito, que deverá, no primeiro dia útil imediato, ser remetido à distribuição regular. § 3º. Em sendo requerida, durante o plantão, alguma medida reputada de natureza urgente, em relação a processo já distribuído, o magistrado plantonista deverá remeter os autos imediatamente ao juiz do feito, para as providências que este entender cabíveis." 8 Art. 3º A prescrição das dívidas, direitos e ações a que se refere o Decreto nº 20.910, de 6 de janeiro de 1932, somente pode ser interrompida uma vez, e recomeça a correr, pela metade do prazo, da data do ato que a interrompeu, ou do último do processo para a interromper; consumar-se-á a prescrição no curso da lide sempre que a partir do último ato ou termo da mesma, inclusive da sentença nela proferida, embora passada em julgado, decorrer o prazo de dois anos e meio 9Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

0007271-78.2007.4.05.8200 JOSE DIAS DE LIRA (Adv. PAULO SERGIO T. LINS FALCAO, HELENO LUIZ DE FRANCA FILHO, ADERALDO CORREIA DE ARAUJO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO Nº 2007.82.7271-4, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: JOSÉ DIAS DE LIRA ADVOGADOS: PAULO SÉRGIO TAVARES LINS FALCÃO E HELENO LUIZ DE FRANÇA FILHO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADORA: SIMONNE J. NERY VAZ S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida José Dias de Lira em face da Fundação Nacional se Saúde - FUNASA, visando à implantação da GDATA - Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa, no valor correspondente a 60 (sessenta) pontos, substituída pela GDASST - Gratificação de Desempenho de Atividade da Seguridade Social, e ao pagamento das diferenças devidas a partir de fevereiro de 2002. O Autor é servidor aposentado junto à Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e afirma o seguinte: 1) A Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa - GDATA, instituída pela Lei nº 10.404, de 09.01.2002, não vem sendo paga aos servidores inativos em igualdade com os servidores em atividade, assim como a Gratificação de Desempenho de Atividade da Seguridade Social - GDASST, que é percebida pelos servidores em atividade no valor equivalente a 60 (sessenta) pontos, enquanto que aos inativos, no valor de 30 (trinta) pontos; 2) A GDASST, instituída pela Lei nº. 10.483, de 2002, devida aos integrantes da carreira da Seguridade Social e do Trabalho na Administração Pública Federal, veio substituir a GDATA, razão pela qual o Autor faz jus ao pagamento da diferença entre os valores de ambas as vantagens percebidos pelos servidores inativos e aqueles percebidos pelos servidores em atividade, por se tratar de vantagens semelhantes; 3) O pagamento da GDATA e da GDASST, mantendo-se os mesmos parâmetros de cálculo para pagamento aos inativos e pensionistas, em valores inferiores aos servidores da ativa constitui violação ao princípio constitucional da isonomia, previsto no art. 5º, inciso I, e 40, § 8º, da Constituição Federal de 1988. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 16/30). A FUNASA apresentou contestação (fls. 36/47), afirmando: 1) Prescrição qüinqüenal, com fundamento no Decreto nº. 20.910/1932; 2) A Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa - GDATA, instituída pela Lei nº. 10.404, de 2002, visa estimular e retribuir o desempenho eficiente dos servidores no exercício de suas atividades, nos termos do art. 1º da mencionada Lei nº. 10.404, de 2002; 3) A concessão da GADATA a servidores que não se encontram no efetivo desempenho de suas atividades funcionais implicaria ofensa ao princípio constitucional da isonomia, considerando, por outro lado, que nem todos os servidores em atividade percebem a gratificação em seu valor integral; 4) A vantagem pecuniária em discussão é espécie do gênero "gratificação de desempenho", não sendo devida aos servidores inativos em razão de não se poder avaliar o desempenho destes; 5) O Supremo Tribunal Federal proferiu despacho, no RE nº. 231.263-7, no sentido de que apenas as gratificações e vantagens com características de generalidade e impessoalidade concedidas aos servidores da ativa se estendem aos inativos, não sendo esse o caso da GDATA; O Autor apresentou impugnação, refutando a prescrição e reiterando os termos da petição inicial (fls. 52/55). É o relatório. Decido. 1) Da prescrição qüinqüenal. A prescrição qüinqüenal atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910, de 6.1.1932, e artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597, de 19.8.1942. No caso, proposta a ação em 25.07.2007, a prescrição atinge as parcelas anteriores a julho de 2002. 2) Da Gratificação de Desempenho de Atividade. O Autor é servidor público aposentado perante a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA (fls. 17/30) e postula o seguinte (fl. 14): "REQUER finalmente, seja julgada a ação procedente para condenar a Fundação Nacional de Saúde a implantar nos vencimentos dos autores, o percentual de 60 (sessenta) pontos relativo a Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico - Administrativo - GDATA, posteriormente substituída pela GDASST - Gratificação de Desempenho de Atividade do Seguro Social e do Trabalho, com pagamento de suas diferenças a partir de fevereiro de 2002, condenando-se ainda a promovida ao pagamento de juros de mora em 1% ao mês, além da correção monetária." (grifei) Conforme consta nos comprovantes de rendimentos, o Autor percebeu, até setembro de 2002, valores equivalentes a 10 (pontos) da GDATA, e, a partir de outubro de 2002, aquela vantagem foi excluída dos proventos e passou a ser paga a Gratificação de Desempenho de Atividade da Seguridade Social e do Trabalho - GDASST (fls. 19/30). A Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa GDATA, instituída pela Lei nº 10.404, de 09.01.2002, será paga segundo os parâmetros a seguir delineados: 1) A gratificação terá como limites: máximo, 100 (cem) pontos por servidor; e mínimo, 10 (dez) pontos por servidor, correspondendo cada ponto ao valor estabelecido no seu Anexo (artigo 2º); 2) A GDATA integrará os proventos de aposentadorias e pensões, de acordo com: a) a média dos valores recebidos nos últimos 60 (sessenta) meses; ou b) o valor correspondente a 10 (dez) pontos, quando percebida por período inferior a 60 (sessenta) meses. Às aposentadorias e às pensões existentes quando da publicação da Lei será concedida a vantagem na base de 10 (dez) pontos (artigo 5º). A Medida Provisória nº 198, de 15.07.2004, convertida na Lei nº 10.971, de 25.11.2004, deu novo tratamento à gratificação, estabelecendo: 1) Que até que seja instituída nova disciplina para a aferição de avaliação de desempenho individual e institucional e concluído os efeitos do último ciclo de avaliação, a GDATA será paga no valor correspondente a 60 (sessenta) pontos aos servidores em atividade (artigo 1º); 2) O valor correspondente a 30 (trinta) pontos para o servidor aposentado ou pensionista, quando percebida por período inferior a 60 (sessenta) meses (artigo 3º). Na forma como configurada legalmente e dada a ausência de procedimentos de avaliação institucional e do servidor público, a GDATA possui a natureza de vantagem de caráter geral e, em face dessa condição peculiar, é extensiva aos servidores aposentados e pensionistas nos mesmos valores pagos aos servidores em atividade. Ou seja, o traço da generalidade da vantagem, segundo a abordagem do Supremo Tribunal Federal em hipóteses afins2, impõe a extensão aos servidores aposentados e pensionistas, nos mesmos patamares remuneratórios dos servidores em atividade, em observância ao disposto no artigo 40, § 8º, da Constituição Federal de 1988, na redação dada pela Emenda nº 20, de 1998. Outro aspecto relevante está no fator discriminativo e destituído de razoabilidade, previsto no artigo 5º, inciso II, e parágrafo único da Lei nº 10.404, de 2002, concernente ao aspecto temporal, isto é, o servidor que não contar com 60 meses de percepção da gratificação, ao tempo de sua aposentadoria, terá direito apenas a receber a vantagem no equivalente a 10 pontos (Lei 10.404/2002) ou 30 pontos (Medida Provisória 198/2004 convertida na Lei nº 10.971/2004), assim como o servidor que já estiver aposentado ao tempo da publicação da mencionada Lei terá direito somente ao valor correspondente a 10 pontos. Em relação à Gratificação de Desempenho de Atividade da Seguridade Social e do Trabalho - GDASST, instituída pelo art. 4º da Lei nº 10.483, de 03.07.2002, paga aos integrantes da carreira da Seguridade Social e do Trabalho, os critérios legais para a forma de pagamento aos servidores em atividade e inativos são similares àqueles previstos na Lei nº 10.404, de 2002, que instituiu a GDATA. Em pronunciamento recente, nos autos do RE nº. 476279/DF, rel. Min. Sepúlveda Pertence, e RE nº. 476.390/DF, rel. Min. Gilmar Mendes, o Supremo Tribunal Federal reconheceu o direito dos servidores inativos à percepção da GDATA nos valores correspondentes a 37,5 (trinta e sete e meio) pontos, no período de fevereiro a maio de 2002, e nos termos do art. 5º, parágrafo único, da Lei 10.404/2002, para o período de junho de 2002 até a "conclusão dos efeitos do último ciclo de avaliação", conforme disposto no art. 1º da Medida Provisória nº. 198, de 15/07/2004 (DOU de 16/07/2004), convertida na Lei nº.10.971, de 25/11/2004, a partir da qual passa a ser de 60 (sessenta) pontos (Informativo STF nº. 463/20073). Conforme o período de percepção da GDATA e da GDASST, o Autor tem direito ao seguinte: Autor Período de percepção da GDATA Período de percepção da GDASST José Dias de Lira De fevereiro a setembro de 2002 A partir de outubro de 2002. Implantação nos proventos do Autor da GDASST, em 40 (quarenta) pontos, nos termos do art. 11 da Lei nº 10.483, de 03.07.2002, e pagamento das parcelas retroativas da GDATA, de fevereiro a setembro de 2002, em 37,5 pontos, e da GDASST, em 40 (quarenta) pontos, a partir de outubro de 2002. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido e condeno a FUNASA a implantar nos proventos do Autor a GDASST, no valor correspondente a 40 (quarenta) pontos, nos termos do art. 13 da Lei nº 10.483, de 03.07.2002, bem como a proceder ao pagamento das diferenças das parcelas retroativas da GDATA, no período de fevereiro a setembro de 2002, em 37,5 pontos, bem como das diferenças da GDASST, a partir de outubro de 2002, em 40 (quarenta) pontos, descontada a pontuação de 10 (dez) pontos, observada a prescrição qüinqüenal, com o acréscimo de correção monetária e juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação. Condeno a FUNASA ao pagamento de honorários advocatícios, em favor do Autor, no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação (art. 20, § 3º, do CPC). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e subam os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa, 23 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "EMENTA: CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. ESTADO DE SERGIPE. GRATIFICAÇÃO DE DESEMPENHO: VANTAGEM DE NATUREZA GERAL. INCORPORAÇÃO AOS PROVENTOS DOS INATIVOS. C.F., art. 40, § 8º. I - Gratificação de desempenho: vantagem de natureza geral: incorporação aos proventos dos inativos: C.F., art. 40, §8º. II - Agravo não provido." (Ag. Reg. no Recurso Extraordinário nº 272.183-SE, Relator Ministro Carlos Velloso, 2ª Turma, DJU de 15.03.2002, p. 45) (grifei) "EMENTA: RECURSO. Extraordinário. Inadmissibilidade. Servidor Público. Inativo. Extensão de vantagem: Gratificação de Encargos Especiais. Vantagem de caráter geral. Por força do art. 40, § 8º da Constituição Federal, o servidor público inativo tem direito à extensão de vantagem de caráter geral concedida aos servidores da ativa." (Ag. Reg. No Agravo de Instrumento nº 405.615-R, Relator Ministro César Peluso, 1ª Turma, DJU de 12.11.2004, p. 24) (grifei) "EMENTA: SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL. GRATIFICAÇÃO DE INCENTIVO INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 27/99. EXTENSÃO AOS SERVIDORES INATIVOS, DADO O SEU CARÁTER GERAL, POR FORÇA DO ART. 40, § 8º, DA CARTA MAGNA (NA REDAÇÃO DA EC 20/98). DECISÃO EM CONSONÂNCIA COM A JURISPRUDÊNCIA DESTA COLENDA CORTE (AI 437.175-AgR, RELATOR MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE). AGRAVO DES PROVIDO." (Ag. Reg. No Agravo de Instrumento nº 482.621-PE, Relator Ministro Carlos Britto, 1ª Turma, DJU de 28.10.2004, p. 35) (grifei) "EMENTA: Servidor público do Estado do Ceará. Gratificações de serviço denominadas diárias operacionais e abono policial militar: extensão aos servidores inativos, com base no art. 40, § 8º (red. da EC 20/98) da Constituição Federal, dado o seu caráter geral (v.g. AI 265373 AgR, Marco Aurélio, DJ 02.02.01; RE 385.041, Carlos Velloso, DJ 17.06.03; AI 332.894, Nelson Jobin, DJ 29.08.01)" (Ag. Reg. no Recurso Extraordinário nº 410.288-CE, Relator Ministro Sepúlveda Pertence, 1ª Turma, DJ 27.02.2004, p. 26) (grifei) 3 "Gdata" e Extensão a Inativos - 1 O Tribunal concluiu julgamento de recurso extraordinário interposto pela União contra decisão de Turma Recursal de Juizados Especiais Federais que reconhecera, a servidores públicos civis aposentados e pensionistas, o direito a receber a Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa - Gdata, instituída pela Lei 10.404/2002, no valor correspondente a 60 pontos - v. Informativo 442. Por maioria, o Tribunal conheceu do recurso, ficando vencido o Min. Marco Aurélio que dele não conhecia por considerar tratar-se de matéria legal. No mérito, o Tribunal deu parcial provimento ao recurso para que a Gdata seja deferida, aos inativos, nos valores correspondentes a 37,5 pontos, no período de fevereiro a maio de 2002, e nos termos do art. 5º, parágrafo único, da Lei 10.404/2002, para o período de junho de 2002 até a chamada "conclusão dos efeitos do último ciclo de avaliação", a que se refere o art. 1º da Medida Provisória 198/2004, convertida na Lei 10.971/2004, a partir da qual passa a ser de 60 pontos. O Min. Marco Aurélio deu parcial provimento ao recurso, em menor extensão, para reconhecer, inicialmente, o direito aos 50 pontos (Lei 10.404/2002, art. 7º) e, a partir da Medida Provisória 198/2004, proclamar o direito aos 60 pontos. RE 476279/DF, rel. Min. Sepúlveda Pertence, 19.4.2007. (RE-476279) "Gdata" e Extensão a Inativos - 2 Salientou-se que a Gdata foi instituída como gratificação paga em razão do efetivo exercício do cargo e variável de acordo com critérios de avaliação da instituição e do servidor, mas que tais características não abrangeriam a totalidade da Gdata. Afirmou-se ter sido assegurada a vantagem, no valor mínimo correspondente a 10 pontos, pelo só fato de o servidor encontrar-se em atividade (Lei 10.404/2002, art. 2º, II), e de ter sido estendido esse valor mínimo, inicialmente, aos aposentados e pensionistas, o que atenderia ao que disposto no § 8º do art. 40 da CF, na redação da EC 20/98. Asseverou-se que o acórdão recorrido, ao fazer incidir o Enunciado 16 da Turma Recursal, estendera, aos inativos, sob fundamento de falta de razoabilidade do legislador, uma pontuação mínima que não estaria de acordo com aquela garantida aos servidores em atividade nem com a prevista, na Lei 10.404/2002, para os aposentados, baseando-se em disposição legal que abrangeria somente os servidores cedidos ou postos à disposição de outras entidades federativas (Lei 10.404/2002, art. 7º). Ressaltou-se que, sendo gratificação de natureza pro labore faciendo, somente seria devida, aos inativos, a parcela fixa garantida a todos. Esclareceu-se, entretanto, que o mínimo assegurado aos servidores em atividade fora maior durante determinado período, conforme o disposto no art. 6º, da Lei 10.404/2002, que previu que, até 31.5.2002 e até que fossem editados os atos referidos no seu art. 3º, a Gdata seria paga nos valores correspondentes a 37,5 pontos por servidor, aos quais teriam jus também os inativos, já que garantidos a todos os servidores em atividade. RE 476279/DF, rel. Min. Sepúlveda Pertence, 19.4.2007. (RE-476279) "Gdata" e Extensão a Inativos - 3 Considerando-se, por fim, o que disposto no art. 7º da EC 41/2003 ("os proventos de aposentadoria dos servidores públicos titulares de cargo efetivo e as pensões dos seus dependentes pagos pela União..., em fruição na data de publicação desta Emenda, bem como os proventos de aposentadoria dos servidores e as pensões dos dependentes abrangidos pelo art. 3º desta Emenda, serão revistos na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos aposentados e pensionistas quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade...") e no art. 1º da Lei 10.971/2004 ("Até que seja instituída nova disciplina para a aferição de avaliação de desempenho individual e institucional e concluído os efeitos do último ciclo de avaliação, a Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico-Administrativa - GDATA.... será paga no valor correspondente a sessenta pontos aos servidores ativos alcançados pelo art. 1º da mesma Lei..."), concluiu-se que a Gdata se transformou em uma gratificação geral em sua totalidade, razão pela qual deveria ser estendida na pontuação maior, às autoras - que já recebiam o benefício na data em que EC 41/2003 entrou em vigor -, desde o momento em que os servidores ativos passaram a recebê-la sem a necessidade de qualquer avaliação de desempenho. RE 476279/DF, rel. Min. Sepúlveda Pertence, 19.4.2007. (RE-476279) "Gdata" e Extensão a Inativos - 4 Na mesma linha do entendimento fixado no julgamento anteriormente relatado, o Tribunal, por maioria, deu parcial provimento a recurso extraordinário interposto pela União contra decisão de Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais que reconhecera, a servidores públicos civis aposentados, o direito a 50 pontos - v. Informativo 435. Vencido o Min. Marco Aurélio que, pelos mesmos fundamentos que expendera no referido julgamento, desprovia o recurso. RE 476390/DF, rel. Min. Gilmar Mendes, 19.4.2007. (RE-476390) ?? ?? ?? ?? 1 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 10

   

0009229-02.2007.4.05.8200 AURICÉLIO DE ANDRADE E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO N.° 2007.82.9229-5, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: AURICÉLIO DE ANDRADE, JOÃO FRANCISCO DE BRITO, JOSÉ VALDEVALDO FERREIRA DOS SANTOS, JOSÉ VICENTE DA SILVA SOBRINHO E LUIZ BANDEIRA ANDRÉ ADVOGADOS: VERÔNICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO E GERSON MOUSINHO DE BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: MÁRIO GOMES DE LUCENA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Auricélio de Andrade, João Francisco de Brito, José Valdevaldo Ferreira dos Santos, José Vicente da Silva Sobrinho e Luiz Bandeira André em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à percepção da diferença entre o valor pago aos Autores e o que lhes era efetivamente devido, relativamente à "indenização de campo" prevista na Lei nº. 8.270/1991, a partir de outubro de 2005, e à implantação em suas remunerações da diferença que entendem devida. Os Autores são servidores da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e, nesta condição, recebem a indenização de campo prevista no art. 16 da Lei 8.216/1991, fixada em CR$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros), destinada a servidores que prestam serviços fora do local de trabalho, com a finalidade de inspecionar e fiscalizar as condições sanitárias. Com o advento da Lei nº. 8.270/1991, a indenização de campo foi fixada no valor de CR$ 9.000,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros), nos termos do art. 15 da mencionada lei. O Decreto nº 343/1991, em seu art. 4º, regulamentou as leis supracitadas, reafirmando que a referida indenização era devida à categoria dos servidores públicos federais. Na vigência da Lei nº. 8.270/1991, o valor da diária de nível "D", paga aos ocupantes situados na faixa média, auxiliar ou equivalente, caso dos Autores, fixada no Anexo I do Decreto nº. 343/1991 era de CR$ 19.200,00 (dezenove mil e duzentos cruzeiros). Assim, a esse tempo, o valor da Indenização Substitutiva do Pagamento de Diária correspondia a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) do valor de uma diária. Portanto, esse é o percentual de reajustamento da indenização em questão, nos termos do citado art. 15 da Lei nº. 8.270/1991. Ocorre que o Decreto nº. 1.656/1995, revogando o Anexo I do Decreto nº 343/1991, fixou o valor da diária de nível "D" em R$ 57,28 (cinqüenta e sete reais e vinte e oito centavos) e o valor da indenização em R$ 17,46 (dezessete reais e quarenta e seis centavos), resultando em uma perda financeira no percentual de 16,39% (dezesseis vírgula trinta e nove por cento), contrariando o disposto no artigo 15, da Lei nº 8.270/1991, que previa reajuste da indenização em 46,87%. Posteriormente, foi editado o Decreto nº 3.643/2000, que manteve os valores fixados no sobredito Decreto nº. 1.650/1995, e suas respectivas defasagens, situação esta só resolvida com a publicação da Portaria nº. 406/2002. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 09/57). A FUNASA apresentou contestação (fls. 66/80), argüindo a prescrição qüinqüenal, nos termos do Decreto nº. 20.910/1932. Afirma, em síntese, que, com a edição da Portaria nº 406/2002, o valor da indenização de campo foi reajustado, passando de R$ 17,46 (dezessete reais e quarenta e seis centavos) para R$ 26,85 (vinte e seis reais e oitenta e cinco centavos), tendo o valor da diária permanecido inalterado em R$ 57,28 (cinqüenta e sete reais e vinte e oito centavos). Eventual determinação do Poder Judiciário no sentido do aumento da indenização de campo implicaria invadir a esfera de competência privativa e exclusiva do Poder Executivo, a quem cabe aferir a oportunidade e conveniência do reajuste, ou não, da indenização de campo. Nos termos da Súmula nº. 339 do Supremo Tribunal Federal, é vedado ao Poder Judiciário exercer a função legiferante, aumentando vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia. Os Autores apresentaram impugnação, refutando a prescrição qüinqüenal e reiterando os termos da petição inicial (fls. 85/90). É o relatório. Decido. 1) Prescrição qüinqüenal A prescrição atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910/19322, e do artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597/19423. No caso dos autos, proposta a ação em 08.10.2007, a prescrição atingiria as parcelas pecuniárias anteriores a 08.10.2002. 2) Sobre a indenização de campo Na hipótese em exame, os Autores pretendem o pagamento da diferença entre o percentual de 46,87% e o que vinha sendo pago no percentual de 30,48% do valor da diária nível D, referente às parcelas vencidas da indenização prevista nas Leis nº 8.216/1991 e nº 8.270/1991, bem como a implantação em suas remunerações da diferença que reputam devida. O pedido está exposto nos seguintes termos (fl. 08): "Posto isto, pedem a Vossa Excelência, digne-se de ordenar a citação da FUNASA, no endereço acima indicado para, querendo, contestar a presente ação na forma e modo legais, sob pena de não o fazendo serem admitidos como verdadeiros os fatos articulados ut e, esgotada a instrução processual prevista em lei, ser julgada procedente para o fim de compelir a ré a pagar aos autores as diferenças entre o valor de R$ 40,27 (quarenta reais e vinte e sete centavos) que deveriam estar recebendo a partir de 20 de outubro de 2005 (Dec. Nº. 5554/2005 e anexos) e o valor de R$ 26,85 (vinte e seis reais vírgula oitenta e cinco centavos) efetivamente pagos ex vi da Portaria nº406/2002, cuja diferença alcança R$ 13,42 a título de indenização de campo por cada dia de serviço prestado fora da sede, concernente à indenização de campo devida a partir do dia 20.10.2005, cujos valores deverão ser apurados em liquidação de sentença, acrescidos de juros e correção monetária aplicados até a data da efetiva satisfação da dívida, e, ainda, a implantar aos proventos dos autores, adicionando-se aos contra-cheques de cada um os valores retrocitados, respectivamente, tudo em consonância à legislação vigente atinente à espécie". (grifei) A Lei nº 8.216/1991, em seu artigo 164, prevê o pagamento de indenização aos servidores que se afastarem do local de trabalho, sem direito à percepção de diárias, para realizarem trabalhos de campo. Posteriormente, o artigo 15, da Lei nº 8.270/19915, determinou que a referida indenização deveria ser reajustada na mesma data e percentual da revisão dos valores das diárias. Tal valor, fixado no art. 15 da Lei 8.270/1991, correspondia a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) do valor das diárias de nível "D". O Decreto nº 1.656/1995, ao instituir o valor da "indenização", não observou a previsão legal que determinava o reajuste da indenização em percentual correspondente a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) sobre o valor das diárias. Assim, o referido decreto fixou a indenização em quantia equivalente a 30,48% (trinta vírgula quarenta e oito por cento) sobre o valor estipulado para as diárias. Embora estivesse prevista em lei a paridade entre o valor da indenização e o da diária, a elevação da quantia estipulada para as diárias foi superior àquela concedida para a indenização. De igual modo, o Decreto nº. 5.554, de 04/10/2005 (DOU 05/10/2005), que dispõe sobre a fixação do valor das diárias pagas a servidores públicos federais em deslocamento a serviço, também deixou de observar o percentual estabelecido pela Lei nº. 8.270/1991 para efeito de pagamento de uma diária de nível "D". No sentido de que os referidos decretos não respeitaram a correspondência entre o percentual da diária e o da indenização, há precedente do egrégio TRF da 5ª Região6. A lei é expressa ao determinar que a indenização deveria ser reajustada na mesma data e mesmo percentual da revisão dos valores das diárias, ou seja, em 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento). A atualização da indenização de campo no percentual de 46,87% está de acordo com o disposto na Lei 8.270/1991. Nesse sentido é o julgamento realizado em 26.11.2002, pela Terceira Turma do TRF 5ª Região, nos autos da Apelação cível 307320, Processo 2001.82.01.001113-6/CE, DJ de 26.02.2003, p. 10017. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido, e condeno a FUNASA a implantar nos vencimentos/proventos dos Autores o valor correspondente à diferença entre o percentual de 46,87% de uma diária nível "D" e o que vinha sendo pago a menor relativamente à indenização prevista no artigo 16 da Lei 8.216/1991 e no artigo 15 da Lei 8.270/1991, bem como a pagar aos Demandantes as parcelas vencidas da indenização, a partir de outubro de 2005, respeitada a prescrição qüinqüenal, acrescidas de juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês a partir da citação, e devidamente corrigidas nos moldes da legislação vigente. Condeno a FUNASA ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Sem condenação em custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao egrégio TRF-5ª Região, nos termos do artigo 475, I, do CPC. João Pessoa, 25 de janeiro de2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Decreto nº 20.910/32: Art. 1º. As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. (...)". (grifei) 3 "Decreto-Lei nº 4.597/42: (...) Art. 2º. O decreto n. 20.910, de 6 de janeiro de 1932, que regula a prescrição qüinqüenal, abrange as dívidas passivas das autarquias, ou entidades e órgãos paraestatais, criados por lei e mantidos mediante impostos, taxas ou quaisquer contribuições, exigidas em virtude de lei federal, estadual ou municipal, bem como a todo e qualquer direito e ação contra os mesmos. (grifei) 4 "Art. 16. Será concedida, nos termos do regulamento, indenização de Cr$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros) por dia, aos servidores que se afastarem do seu local de trabalho, sem direito à percepção de diária, para execução de trabalhos de campo, tais como os de campanhas de combate e controle de endemias; marcação, inspeção e manutenção de marcos decisórios; topografia, pesquisa, saneamento básico, inspeção e fiscalização de fronteiras internacionais. Parágrafo único. É vedado o recebimento cumulativo da indenização objeto do caput deste artigo com a percepção de diárias." (grifei) 5 "Art. 15. A indenização criada pelo art. 16 da Lei n° 8.216, de 1991, é fixada em nove mil cruzeiros e será reajustada pelo Poder Executivo na mesma data e percentual de revisão dos valores de diárias." (grifei) 6 "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR. PAGAMENTO DAS PARCELAS. INDENIZAÇÃO. ART. 16 DA LEI Nº 8.216/91 E ART. 15 DA LEI Nº 8.270/91. DIFERENÇA ENTRE O PERCENTUAL DE 46,87% E O DE 30,48%. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. O Decreto nº 1.656, de 03 de outubro de 1995, não obedeceu aos ditames do art. 15, da Lei nº 8.270 de 1991, ao fixar os novos valores para as diárias e a indenização de campo. Tal dispositivo normativo não atendeu à correspondência entre o percentual da diária e o da referida indenização, em clara afronta ao referido artigo, situação corroborada pelos Decretos nºs 3.643/2000 e 5.554/2005. 2. Hipótese em que a própria Administração discorre acerca da Portaria nº 406, de 02.10.2002 (efeitos financeiros vigentes a partir de agosto de 2002), que reajustou o valor da indenização de que trata o art. 16, da Lei nº 8.216/91, para R$ 26,85 (vinte e seis reais e oitenta e cinco centavos). Plausibilidade da pretensão posta a lume. 3. Redução dos juros de mora para 0,5% (meio por cento) ao mês -art. 1º - F, da Lei nº 9.494/97, a partir da citação, e dos honorários advocatícios para 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. Apelação improvida e Remessa Oficial provida, em parte." (TRF - 5ª Região, AC - 334414/PB, 3ª Turma, Relator Desembargador Federal Geraldo Apoliano, j. 31/05/2007, DJ de 08/08/2007, pág. 667). (grifei) 7 "EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR DA FNS. INDENIZAÇÃO INSTITUÍDA PELO ART. 16 DA LEI Nº 8.216/91. REAJUSTE DA 46,87%. INCLUSÃO NOS VENCIMENTOS. - A atualização da indenização de campo, no percentual de 46,87%, concretiza o disposto na lei nº 8.270/91, que determina o reajuste da indenização na mesma data e no mesmo percentual dos valores das diárias." (Tribunal Regional Federal da 5ª Região; Apelação Cível - 307320; Processo: 200182010011136; UF: CE; Órgão Julgador: Terceira Turma; Data da Decisão: 26/11/2002; Fonte: DJ - Data::26/02/2003 - Página: 1001; Relator(a): Desembargador Federal Élio Wanderley de Siqueira Filho) (grifei). ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0009437-83.2007.4.05.8200 LUCIO FLAVIO PAIVA DE SOUSA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

PROCESSO N.° 2007.82.9437-0, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: LUCIO FLAVIO PAIVA DE SOUSA, PAULO ROBERTO DA CRUZ REGO, SANDRA LUCIA COSTA DO NASCIMENTO, SEBASTIÃO GONÇALVES DIAS E SÉRGIO PEREIRA DOS SANTOS ADVOGADOS: VERÔNICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO E GERSON MOUSINHO DE BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: EMERI PACHECO MOTA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Lucio Flavio Paiva de Sousa, Paulo Roberto da Cruz Rego, Sandra Lucia Costa do Nascimento, Sebastião Gonçalves Dias e Sérgio Pereira dos Santos em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à percepção da diferença entre o valor pago aos Autores e o que lhes era efetivamente devido, relativamente à "indenização de campo" prevista na Lei nº. 8.270/1991, a partir de outubro de 2005, e à implantação em suas remunerações da diferença que entendem devida. Os Autores são servidores da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e, nesta condição, recebem a indenização de campo prevista no art. 16 da Lei 8.216/1991, fixada em CR$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros), destinada a servidores que prestam serviços fora do local de trabalho, com a finalidade de inspecionar e fiscalizar as condições sanitárias. Com o advento da Lei nº. 8.270/1991, a indenização de campo foi fixada no valor de CR$ 9.000,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros), nos termos do art. 15 da mencionada lei. O Decreto nº 343/1991, em seu art. 4º, regulamentou as leis supracitadas, reafirmando que a referida indenização era devida à categoria dos servidores públicos federais. Na vigência da Lei nº. 8.270/1991, o valor da diária de nível "D", paga aos ocupantes situados na faixa média, auxiliar ou equivalente, caso dos Autores, fixada no Anexo I do Decreto nº. 343/1991 era de CR$ 19.200,00 (dezenove mil e duzentos cruzeiros). Assim, a esse tempo, o valor da Indenização Substitutiva do Pagamento de Diária correspondia a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) do valor de uma diária. Portanto, esse é o percentual de reajustamento da indenização em questão, nos termos do citado art. 15 da Lei nº. 8.270/1991. Ocorre que o Decreto nº. 1.656/1995, revogando o Anexo I do Decreto nº 343/1991, fixou o valor da diária de nível "D" em R$ 57,28 (cinqüenta e sete reais e vinte e oito centavos) e o valor da indenização em R$ 17,46 (dezessete reais e quarenta e seis centavos), resultando em uma perda financeira no percentual de 16,39% (dezesseis vírgula trinta e nove por cento), contrariando o disposto no artigo 15, da Lei nº 8.270/1991, que previa reajuste da indenização em 46,87%. Posteriormente, foi editado o Decreto nº 3.643/2000, que manteve os valores fixados no sobredito Decreto nº. 1.650/1995, e suas respectivas defasagens, situação esta só resolvida com a publicação da Portaria nº. 406/2002. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 09/24). A FUNASA apresentou contestação (fls. 33/47), alegando: a) impossibilidade jurídica do pedido, por se tratar de pretensão voltada ao aumento da remuneração dos Autores; b) ausência superveniente de interesse processual, uma vez que o pedido de reajuste da indenização de campo já foi atendido na esfera administrativa; c) prescrição qüinqüenal, nos termos do Decreto nº. 20.910/1932. No mérito, afirma, em síntese, que, com a edição da Portaria nº 406/2002, o valor da indenização de campo foi reajustado, passando de R$ 17,46 (dezessete reais e quarenta e seis centavos) para R$ 26,85 (vinte e seis reais virgula oitenta e cinco centavos), tendo o valor da diária permanecido inalterado em R$ 57,28 (cinqüenta e sete reais e vinte e oito centavos). Eventual determinação do Poder Judiciário no sentido do aumento da indenização de campo implicaria invadir a esfera de competência privativa e exclusiva do Poder Executivo, a quem cabe aferir, no uso de sua discricionariedade, a oportunidade e conveniência do reajuste, ou não, da indenização de campo. Os Autores apresentaram impugnação, refutando a prescrição qüinqüenal e reiterando os termos da petição inicial (fls. 52/57). É o relatório. Decido. Inicialmente, observo que a argüição consistente na impossibilidade jurídica do pedido é confluente com o exame do mérito da pretensão. 1) Do interesse de agir. Em sua contestação, a FUNASA afirma que os Autores não possuem interesse de agir, no que se refere ao pedido de reajustamento do valor da indenização de campo, tendo em vista o atendimento do pleito na esfera administrativa. No entanto, os Autores não estão pleiteando a elevação no valor da indenização, e, sim, o pagamento da diferença entre o percentual de 46,87% e o que vinha sendo pago no percentual de 30,48% do valor da diária nível D. Assim, não acolho a preliminar de ausência de interesse de agir, suscitada pela FUNASA, uma vez que os Autores têm legítimo interesse na solução da demanda. 2) Prescrição qüinqüenal A prescrição atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, nos termos do artigo 1º do Decreto nº 20.910/19322, e do artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597/19423. No caso dos autos, proposta a ação em 15.10.2007, a prescrição atingiria as parcelas pecuniárias anteriores a 15.10.2002. 3) Sobre a indenização de campo Na hipótese em exame, os Autores pretendem o pagamento da diferença entre o percentual de 46,87% e o que vinha sendo pago no percentual de 30,48% do valor da diária nível D, referente às parcelas vencidas da indenização prevista nas Leis nº 8.216/1991 e nº 8.270/1991, bem como a implantação em suas remunerações da diferença que reputam devida. O pedido está exposto nos seguintes termos (fl. 08): "Posto isto, pedem a Vossa Excelência, digne-se de ordenar a citação da FUNASA, no endereço acima indicado para, querendo, contestar a presente ação na forma e modo legais, sob pena de não o fazendo serem admitidos como verdadeiros os fatos articulados ut e, esgotada a instrução processual prevista em lei, ser julgada procedente para o fim de compelir a ré a pagar aos autores as diferenças entre o valor de R$ 40,27 (quarenta reais e vinte e sete centavos) que deveriam estar recebendo a partir de 20 de outubro de 2005 (Dec. Nº. 5554/2005 e anexos) e o valor de R$ 26,85 (vinte e seis reais vírgula oitenta e cinco centavos) efetivamente pagos ex vi da Portaria nº406/2002, cuja diferença alcança R$ 13,42 a título de indenização de campo por cada dia de serviço prestado fora da sede, concernente à indenização de campo devida a partir do dia 20.10.2005, cujos valores deverão ser apurados em liquidação de sentença, acrescidos de juros e correção monetária aplicados até a data da efetiva satisfação da dívida na forma da lei. E mais: A implantar aos proventos dos autores, adicionando-se aos contra-cheques de cada um os valores retrocitados, respectivamente, tudo em consonância à legislação vigente atinente à espécie". (grifei) A Lei nº 8.216/1991, em seu artigo 164, prevê o pagamento de indenização aos servidores que se afastarem do local de trabalho, sem direito à percepção de diárias, para realizarem trabalhos de campo. Posteriormente, o artigo 15, da Lei nº 8.270/19915, determinou que a referida indenização deveria ser reajustada na mesma data e percentual da revisão dos valores das diárias. Tal valor, fixado no art. 15 da Lei 8.270/1991, correspondia a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) do valor das diárias de nível "D". O Decreto nº 1.656/1995, ao instituir o valor da "indenização", não observou a previsão legal que determinava o reajuste da indenização em percentual correspondente a 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento) sobre o valor das diárias. Assim, o referido decreto fixou a indenização em quantia equivalente a 30,48% (trinta vírgula quarenta e oito por cento) sobre o valor estipulado para as diárias. Embora estivesse prevista em lei a paridade entre o valor da indenização e o da diária, a elevação da quantia estipulada para as diárias foi superior àquela concedida para a indenização. De igual modo, o Decreto nº. 5.554, de 04/10/2005 (DOU 05/10/2005), que dispõe sobre a fixação do valor das diárias pagas a servidores públicos federais em deslocamento a serviço, também deixou de observar o percentual estabelecido pela Lei nº. 8.270/1991 para efeito de pagamento de uma diária de nível "D". No sentido de que os referidos decretos não respeitaram a correspondência entre o percentual da diária e o da indenização, há precedente do egrégio TRF da 5ª Região6. A lei é expressa ao determinar que a indenização deveria ser reajustada na mesma data e mesmo percentual da revisão dos valores das diárias, ou seja, em 46,87% (quarenta e seis vírgula oitenta e sete por cento). A atualização da indenização de campo no percentual de 46,87% está de acordo com o disposto na Lei 8.270/1991. Nesse sentido é o julgamento realizado em 26.11.2002, pela Terceira Turma do TRF 5ª Região, nos autos da Apelação cível 307320, Processo 2001.82.01.001113-6/CE, DJ de 26.02.2003, p. 10017. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido, e condeno a FUNASA a implantar nos vencimentos/proventos dos Autores o valor correspondente à diferença entre o percentual de 46,87% de uma diária nível "D" e o que vinha sendo pago a menor relativamente à indenização prevista no artigo 16 da Lei 8.216/1991 e no artigo 15 da Lei 8.270/1991, bem como a pagar aos Demandantes as parcelas vencidas da indenização, a partir de outubro de 2005, respeitada a prescrição qüinqüenal, acrescidas de juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês a partir da citação, e devidamente corrigidas nos moldes da legislação vigente. Condeno a FUNASA ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Sem condenação em custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao egrégio TRF-5ª Região, nos termos do artigo 475, I, do CPC. João Pessoa, 25 de janeiro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Decreto nº 20.910/32: Art. 1º. As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. (...)". (grifei) 3 "Decreto-Lei nº 4.597/42: (...) Art. 2º. O decreto n. 20.910, de 6 de janeiro de 1932, que regula a prescrição qüinqüenal, abrange as dívidas passivas das autarquias, ou entidades e órgãos paraestatais, criados por lei e mantidos mediante impostos, taxas ou quaisquer contribuições, exigidas em virtude de lei federal, estadual ou municipal, bem como a todo e qualquer direito e ação contra os mesmos. (grifei) 4 "Art. 16. Será concedida, nos termos do regulamento, indenização de Cr$ 4.200,00 (quatro mil e duzentos cruzeiros) por dia, aos servidores que se afastarem do seu local de trabalho, sem direito à percepção de diária, para execução de trabalhos de campo, tais como os de campanhas de combate e controle de endemias; marcação, inspeção e manutenção de marcos decisórios; topografia, pesquisa, saneamento básico, inspeção e fiscalização de fronteiras internacionais. Parágrafo único. É vedado o recebimento cumulativo da indenização objeto do caput deste artigo com a percepção de diárias." (grifei) 5 "Art. 15. A indenização criada pelo art. 16 da Lei n° 8.216, de 1991, é fixada em nove mil cruzeiros e será reajustada pelo Poder Executivo na mesma data e percentual de revisão dos valores de diárias." (grifei) 6 "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR. PAGAMENTO DAS PARCELAS. INDENIZAÇÃO. ART. 16 DA LEI Nº 8.216/91 E ART. 15 DA LEI Nº 8.270/91. DIFERENÇA ENTRE O PERCENTUAL DE 46,87% E O DE 30,48%. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. O Decreto nº 1.656, de 03 de outubro de 1995, não obedeceu aos ditames do art. 15, da Lei nº 8.270 de 1991, ao fixar os novos valores para as diárias e a indenização de campo. Tal dispositivo normativo não atendeu à correspondência entre o percentual da diária e o da referida indenização, em clara afronta ao referido artigo, situação corroborada pelos Decretos nºs 3.643/2000 e 5.554/2005. 2. Hipótese em que a própria Administração discorre acerca da Portaria nº 406, de 02.10.2002 (efeitos financeiros vigentes a partir de agosto de 2002), que reajustou o valor da indenização de que trata o art. 16, da Lei nº 8.216/91, para R$ 26,85 (vinte e seis reais e oitenta e cinco centavos). Plausibilidade da pretensão posta a lume. 3. Redução dos juros de mora para 0,5% (meio por cento) ao mês -art. 1º - F, da Lei nº 9.494/97, a partir da citação, e dos honorários advocatícios para 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. Apelação improvida e Remessa Oficial provida, em parte." (TRF - 5ª Região, AC - 334414/PB, 3ª Turma, Relator Desembargador Federal Geraldo Apoliano, j. 31/05/2007, DJ de 08/08/2007, pág. 667). (grifei) 7 "EMENTA: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR DA FNS. INDENIZAÇÃO INSTITUÍDA PELO ART. 16 DA LEI Nº 8.216/91. REAJUSTE DA 46,87%. INCLUSÃO NOS VENCIMENTOS. - A atualização da indenização de campo, no percentual de 46,87%, concretiza o disposto na lei nº 8.270/91, que determina o reajuste da indenização na mesma data e no mesmo percentual dos valores das diárias." (Tribunal Regional Federal da 5ª Região; Apelação Cível - 307320; Processo: 200182010011136; UF: CE; Órgão Julgador: Terceira Turma; Data da Decisão: 26/11/2002; Fonte: DJ - Data::26/02/2003 - Página: 1001; Relator(a): Desembargador Federal Élio Wanderley de Siqueira Filho) (grifei). ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0009884-76.2004.4.05.8200 CLEOMAR PORTO BEZERRA (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS) x ADEILDO PESSOA DE OLIVEIRA x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SERGIO BENEVIDES FELIZARDO)

NATUREZA: Ação Ordinária PROCESSO: 2004.82.00..009884-2 PROMOVENTE: Adeildo Pessoa de Oliveira (Sucedido por Cleomar Porto Bezerra) PROMOVIDA: Universidade Federal da Paraíba - UFPB S E N T E N Ç A1 R E L A T Ó R I O ADEILDO PESSOA DE OLIVEIRA (Sucedido por CLEOMAR PORTO BEZERRA) promoveu AÇÃO ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS em face da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, pugnando, em resumo, pela condenação da promovida na reparação dos danos materiais e morais, em razão de ter trabalhado em ambiente com grau de insalubridade muito superior ao permitido em lei. Alega o(a) autor(a) em sua petição inicial (fls. 02/07), acompanhada de procuração e documentos (fls. 08/24), o seguinte: 1) Quando estava em atividade como servidor público federal, desempenhava a função de taxidermista ou empalhador de animais, sendo submetido a condições e ambiente de trabalho insalubres, recebendo, por isso, adicional de insalubridade. 2) Durante vários anos a UFPB deixou de aferir o grau de insalubridade do seu ambiente de trabalho, sendo apenas detectadas as reais condições, após ser acometido de neoplasia malígna, em razão das atividades que desenvolvia enquanto servidor da UFPB, trabalhando em ambiente com grau de insalubridade muito superior ao permitido pela legislação e ao suportável pelo organismo. 3) O dano material está refletido na perda do adicional de insalubridade que percebia enquanto estava na atividade, uma vez que o Autor teria a faculdade de trabalhar até os 70 anos de idade, mas em face da má conduta administrativa da UFPB, deixou de receber por 27 (vinte e sete) anos o valor do aludido adicional. O dano moral tem respaldo na doença a que foi acometido, em razão de suas condições de trabalho. A UFPB apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls.33/87), alegando que: 1) O Autor trabalhou na função de taxidermista, no período de janeiro/1982 a março/2004, percebendo a gratificação de insalubridade em grau máximo, muito embora suas atividades ensejassem à época, tão somente, a percepção em grau médio, nos termos do Laudo Pericial emitido pelo SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e nos termos da Norma Regulamentadora nº15, anexo nº 13, relativa à Segurança e Medicina do Trabalho. 2) O Autor tinha conhecimento do risco a que estava exposto e a ele anuiu, vez que além de permanecer nessa função, por aproximadamente 20 anos, nunca ofereceu oposição, se limitando apenas a encaminhar requerimentos na pretensão de obter aumentos no percentual do adicional de insalubridade, cujo pagamento era uma compensação por trabalhar em ambiente insalubre, não sendo justo querer imputar à Ré, pela doença que contraiu, uma vez que tudo o que lhe ocorreu era previsível e com tais riscos conviveu e concordou. Cleomar Porto Bezerra, companheira do autor com união reconhecida judicialmente, impugnou a contestação e informou o falecimento do autor no dia 08/10/2004, requerendo a homologação de sua habilitação no processo (fls.92/98). A UFPB concordou com a habilitação requerida (fls.104). A Secretaria trasladou cópia da sentença de Impugnação à Assistência Judiciária concedida nos presentes autos, em que foi julgado improcedente o pedido (fls.106/109). O Ministério Público Federal manifestou-se pelo prosseguimento do feito, uma vez que inexiste razão para intervenção ministerial (fls.114). Deferido o pedido de habilitação (fls.117). Em especificação de provas, a UFPB requereu o depoimento pessoal da autora, além de oitiva de testemunhas (fls.123) e a demandante apresentou rol de testemunhas a serem ouvidas em audiência, bem como um histórico da vida laboral do ex-servidor (fls.128/158). A UFPB se pronunciou sobre os documentos juntados pela autora (fls.163/164). Deferi a produção de prova testemunhal requerida pelas partes (fls.167). A UFPB apresentou rol de testemunhas (fls.174). Audiência de Instrução e Julgamento2 (fls.183/188). Alegações finais pelo autor (fls.202) e pela UFPB (fls.207/208). BREVEMENTE RELATADOS. DECIDO F U N D A M E N T A Ç Ã O 1. EXAME DO MÉRITO 1.1 Responsabilidade civil e a obrigação de indenizar Dessume-se dos autos do presente processo haver a parte autora deduzido perante este juízo pleito de INDENIZAÇÃO POR DANOS em razão de conduta supostamente ilícita da parte demandada, motivo pelo qual faria jus obter, judicialmente, a reparação de todos os prejuízos cuja ocorrência fora afirmada na exordial. O instituto da responsabilidade civil encontra-se atualmente positivado no direito brasileiro, em sede infraconstitucional, no art. 186 do Código Civil3. Tal dispositivo é complementado pelo art. 9274 do mesmo Código, que prescreve a obrigação de reparar o dano como conseqüência jurídica da prática do ato ilícito definido pelo legislador no artigo 186. Os mencionados dispositivos fundamentam a teoria da responsabilidade civil subjetiva - adotada como regra geral pelo direito brasileiro5 -, para a qual se mostra indispensável à configuração da obrigação de indenizar a presença do elemento subjetivo culpa lato sensu. De fato, em matéria de responsabilidade civil, é essencial à configuração da obrigação de indenizar a reunião de seus três elementos objetivos fundamentais, a saber: (a) uma conduta humana voluntária, (b) um dano moral ou material e, finalmente, (c) o nexo causal a unir conduta e dano. Sobre o assunto, eis a esclarecedora lição de Washington de Barros Monteiro: "Eis aí, portanto, os elementos componentes do ato ilícito, de acordo com o art. 186, tido como uma das vigas-mestras do direito civil, ao lado do direito de propriedade e da família: o fato lesivo, o dano produzido e o nexo causal. Evidenciados esses elementos, surgirá a obrigação de indenizar, pouco importando se o fato danoso viola ou não simultaneamente a lei penal." Determinando a norma legal aplicação da teoria da responsabilidade civil subjetiva para regência de um dado caso concreto, mais um elemento (o subjetivo) se fará necessário: a culpa lato sensu, que compreende a culpa stricto sensu e o dolo. Outrossim, o direito brasileiro faz concessões (cada vez mais freqüentes) à teoria da responsabilidade civil objetiva, dispensando a exigência do elemento subjetivo culpa lato sensu para a configuração da responsabilidade do causador do dano e correlata visualização da obrigação de indenizar. Em se tratando da responsabilidade civil do empregador por dano ao empregado, os autores Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho, em sua obra "Novo Curso de Direito Civil - Responsabilidade Civil - Vol. III"6, afirmam que quando a atividade econômica por si só gera um risco maior de dano aos direitos do empregado é possível a responsabilização objetiva do empregador: "Note-se, inclusive, que, por força de normas regulamentares, há uma série de atividades lícitas que são consideradas de risco para a higidez física dos trabalhadores, parecendo-nos despiciendo imaginar que, provados os três elementos essenciais para a responsabilidade civil - e ausente qualquer excludente de responsabilidade - ainda tenha o empregado lesionado de provar a culpa do empregador, quando aquele dano já era potencialmente esperado..." Nesse caso, estando a UFPB no pólo passivo da demanda, adota o direito positivo, como orientação de regência, a teoria da responsabilidade civil objetiva. Bastando, à parte autora, alegar e provar a conduta omissiva ou comissiva da entidade promovida, o dano material e/ou moral a si causado e o necessário nexo de causalidade entre conduta e dano, não socorrendo a demandada qualquer alegação e prova quanto à inexistência de culpa lato sensu a lhe permear a conduta. 1.2 Danos materiais e morais: o objeto da prova Independentemente da natureza material ou moral da lesão alegada pela parte autora, a afirmação e demonstração (prova) dos fatos que supostamente causam os danos constituem exigência essencial e indispensável a um bem sucedido pleito de indenização. Com exceção dos casos em que determina o juiz a inversão do ônus da prova (CDC, art. 6.º, VIII7), deve o autor consumidor provar a ocorrência dos fatos de que lhe decorreram os danos, assim como o nexo de causalidade a unir conduta e dano numa relação de lógica e necessariedade. Por outro lado, alegada a ocorrência de danos materiais, é necessário que sejam cabalmente provados nos autos. Prescrevendo o Código Civil que a indenização haverá de ser dimensionada em função do dano causado8, ressalvados uns poucos casos previstos em lei9, deverá o autor provar a existência do dano e sua extensão, fornecendo dados ao julgador para seu convencimento no que pertine à obrigação de indenizar (an debeatur) e ao respectivo montante (quantum debeatur). Já no caso de serem alegados danos morais, nem sempre será necessário ao(à) autor(a) demonstrar-lhes a existência em si. Em muitos casos, tratar-se-ia de verdadeira "prova diabólica", impossível de ser produzida. O objeto da prova, nessas hipóteses, é a idoneidade da conduta para a deflagração causal de sua ocorrência, segundo normas de experiência. Assim, deverá provar o autor a prática da conduta supostamente lesiva, demonstrando-lhe a idoneidade para a geração do alegado dano moral. 1.3 O caso dos autos O autor alega que teria trabalhado durante 20 (vinte) anos na demandada, desempenhando a função de taxidermista ou empalhador de animais, estando exposto a condições e ambiente de trabalho insalubres e recebendo o adicional de insalubridade em grau máximo. Afirma que a promovida deixou de aferir o grau de insalubridade do seu ambiente de trabalho por vários anos, além de fornecer casualmente o equipamento de produção individual, como luvas e máscaras. Sustenta que em razão de sua exposição aos efeitos nocivos de vários elementos químicos de elevado poder destrutivo, teria sido acometido de neoplasia maligna e se aposentado aos 43 (quarenta e três) anos de idade. Pleiteou indenização por danos morais a serem arbitrados por este Juízo e danos materiais no valor de R$ 68.276,52 (sessenta e oito mil duzentos e setenta e seis reais e cinqüenta e dois centavos), correspondentes ao valor do adicional de insalubridade que teria deixado de perceber por ocasião da aposentadoria, multiplicado pelo tempo possível de labor restante (70 anos). A União, em sua contestação, alegou que o autor em nenhum momento teria sido compelido a exercer atividades em condições desumanas, nem tampouco absurdas, mas sim, compatíveis com o seu mister no cargo de taxidermista. Afirmou que o promovente reconhecia o risco a que estava exposto em razão de estar ciente de que trabalhava em local insalubre e, mesmo assim, a ele anuiu, uma vez que permaneceu trabalhando na mesma atividade durante aproximadamente 20 (vinte) anos, sem nunca oferecer oposição. Examinando atentamente os autos, chego à conclusão que restou sobejamente comprovado que o autor foi acometido de neoplasia maligna que culminou com sua morte, por causa diretamente relacionada às condições a que estava exposto em seu ambiente de trabalho. Com efeito, os documentos trazidos à baila pelo autor, mormente o exame "Mineralograma Capilar", apresenta nível de elementos químicos no organismo do autor - como o arsênio, alumínio, urânio e iodo - muito superior ao encontrado em condições normais de um ser humano, o que denota uma ligação direta com a exposição à ação danosa de sua atividade laboral. No tocante ao uso de equipamento de proteção individual, restou demonstrado através dos depoimentos das testemunhas de ambas as partes, que o material não era fornecido com regularidade, sendo devidamente utilizado pelo autor quando existia, principalmente as luvas, dado que as máscaras raramente eram fornecidas, conforme extrai-se dos depoimentos da 1ª testemunha do autor: "... uma vez perdida forneciam luvas, embora sempre a testemunha e o sr. Adeildo as pedissem. Afirma que, quando tinha luvas, sempre usavam, mas normalmente não eram fornecidas ... Que também solicitavam à UFPB mascaras, mas estas nunca foram fornecidas." (fls.184); da 2ª testemunha do autor: "Perguntado sobre o uso de Equipamento de Proteção Individual, afirma que eles não tinham, sendo que às vezes havia luvas para disponibilizar, e nunca havia máscaras disponíveis, embora sempre fossem solicitadas. Sempre que havia luvas disponíveis os servidores da taxidermia usavam, e só não usavam quando não estavam disponíveis." (fls.189/190), além da 1ª testemunha arrolada pela UFPB: "Não se recorda se Adeildo tinha à disposição para uso no laboratório luvas e máscaras ... Afirma ter conhecimento que alguns setores da UFPB tinham e outros não tinham os EPI's e EPC's necessários." (fls.192). Assim, tais afirmações quando arrematadas pelo depoimento da 1ª testemunha da UFPB, com formação superior em Engenharia Química (fls.193): "O manuseio de substâncias químicas utilizadas no trabalho de taxidermia, sem o uso de EPI's, pode conduzir a um quadro de neoplasia maligna, por esse motivo, segundo afirma, é que o trabalhador de taxidernia recebe gratificação do adicional de insalubridade" (grifei), como também pelo depoimento da 2ª testemunha da UFPB, perito judicial na área de química e perito ambiental com formação profissional em Química Industrial (fls.195): "Afirma que, numa situação normal, o trabalho de taxidermia depende do uso básico de luvas e máscaras, de modo que o trabalho desempenhado sem luvas e sem máscaras não é desempenhado em situação normal." (grifei), enfatizam e conferem credibilidade à dimensão da situação caótica a que o autor estava exposto em seu ambiente de trabalho. Frise-se que tal ambiente de trabalho, segundo depoimento das testemunhas do autor, constava basicamente de uma sala em torno de 3m de largura por 5m de comprimento, com uma janela e uma porta, dotada de um pequeno exaustor que vivia quebrado e um ventilador. Relataram, ainda, que durante o labor, como o mau odor era muito forte, as pessoas dos outros laboratórios pediam que as portas e janelas permanecessem fechadas, o que acontecia toda semana, com periodicidade de uma a três vezes a cada semana. Tal situação, restou corroborada pelo depoimento das testemunhas da UFPB, ao afirmarem que a estrutura do laboratório de taxidermia da promovida não estava de acordo com as normas regulamentadoras. Ademais, se em tese o adicional de insalubridade já era concedido em grau máximo, levando-se em consideração a devida utilização de EPI, o que dizer, de fato, sobre a exposição habitual de um ser humano às condições relatadas daquele ambiente desprovido dos respectivos equipamentos de proteção individual? Por outro lado, à margem da situação, a UFPB tenta convencer que a concessão do adicional de insalubridade em grau máximo teria sido indulgência sua, enquanto o "Parecer Pericial", de fls.60, do SESMT - Serviço Espec. em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, da própria Instituição, posicionou-se no sentido da concessão do adicional em grau máximo, com fundamentação em perícia local e laudo técnico existente em seus arquivos. Causa estranheza uma instituição pública sem interesses econômicos que negligencia durante vários anos uma situação como a dos autos, onde os direitos a condições míninas de trabalho de seu servidor são relevadas a patamares tão indignos. Outrossim, a UFPB, como uma instituição de educação que abriga cursos como Medicina e Biologia, deveria albergar a saúde como prioridade máxima, não apenas de seus servidores, mas de todo cidadão. Assim, resta caracterizado o dever de indenização pelos danos morais, uma vez que a promovida vilipendiou um dos direitos mais nobres do ser humano, o direito à saúde e, em lato sensu, o direito à vida. No tocante ao pedido de indenização por danos materiais em razão do não recebimento do adicional de insalubridade por força de sua aposentadoria por invalidez, no importe mensal de R$ 210,73 (duzentos e dez reais e setenta e três centavos), até sua expectativa de vida laboral (70 anos de idade), entendo que não assiste razão à autora. Se, por um lado, no momento que se aposentou o de cujus deixou de receber a parcela do adicional de insalubridade a que fazia jus enquanto na ativa, por outro lado, não se pode dizer que ele tivesse direito adquirido a todas as parcelas vincendas. Tinha, de fato, mera expectativa de direito, a depender de continuar exercendo suas funções como taxidermista. Por esse motivo, penso que o dano material alegado se resume às parcelas que deixou de receber entre a data de sua aposentadoria e seu óbito. Se estivesse trabalhando, teria realmente recebido os valores correspondentes, de modo que tal parcela assume a feição de autêntico lucro cessante. Desse modo, defiro o pedido de indenização por danos materiais apenas quanto às parcelas do adicional de insalubridade não recebidas entre a data da aposentadoria e a data do óbito do de cujus. 1.4 Fixação do quantum indenizatório Logrou o autor provar nos autos ter sofrido danos morais em razão da conduta do pólo promovido, demonstrando a idoneidade do fato lesivo para a geração da lesão em questão. Conforme se falou alhures, não se exige, via de regra, a prova da existência ou do montante do dano moral, mas tão somente da ocorrência do fato lesivo e sua idoneidade para a produção da lesão. No dimensionamento do dano moral, deve o juiz examinar todas as circunstâncias do caso concreto, especialmente as circunstâncias em que o ato lesivo foi praticado, a natureza de sua motivação, as condições sociais, intelectuais, profissionais e financeiras do agente lesivo e do sujeito lesado. Outrossim, não pode deixar de levar em conta as funções da responsabilidade civil, quais sejam: (a) compensação à vítima pelo dano sofrido, (b) punição ao ofensor e (c) inibição à sociedade da prática de condutas lesivas. Levados em conta todos os critérios acima apontados, consideradas as peculires circunstâncias do caso em comento, arbitro a indenização por danos morais no valor de R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais) em prol da autora, com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0% (um por cento), incidentes desde a data da prolação da presente sentença10. Devida, ainda, a indenização pelos danos materiais no valor de R$ 1.475,11 (hum mil quatrocentos e setenta e cinco reais e onze centavos) equivalente ao valor das parcelas de adicional de insalubridade do período compreendido entre a aposentadoria do autor em abril de 2004 (fls.20) e o seu óbito (fls.96) em outubro de 2004. D I S P O S I T I V O Diante do exposto e pelo mais que dos autos consta, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE O PEDIDO11 para condenar a Universidade Federal da Paraíba ao ressarcimento da parte autora: 1) Pelos danos morais devidamente comprovados, fixando (nos termos da fundamentação acima) o valor em R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta mil reais), com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0 % (um por cento), incidentes ao mês, desde a data da prolação da presente sentença. 2) Pelos danos materiais no valor de R$ 1.475,11 (hum mil quatrocentos e setenta e cinco reais e onze centavos), relativo às parcelas do adicional de insalubridade dos meses de abril a outubro de 2004, correspondentes ao período entre o ato de aposentadoria e morte do autor, com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0 % (um por cento), incidentes ao mês, a partir da citação. Custas ex lege. Considerando a diminuta expressão da sucumbência, fixo a verba honorária pela parte promovida no importe de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. Após o trânsito em julgado da presente sentença, observar-se-ão, no cumprimento da obrigação de pagamento do valor indenizatório, as disposições dos artigos 475-I e seguintes do CPC, acrescentados pelo artigo 4.º da Lei n. 11.232/2005 (DOU de 23.12.2005, em vigor seis meses após sua publicação). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa/PB, 31 de outubro de 2007 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara LMS 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 1ª TESTEMUNHA (ARROLADA PELA AUTORA) ORIEL DA SILVA FARIAS: (...) conhecia o sr. Adeildo desde 1985, do local de trabalho, registrando que era a testemunha técnico curador e Adeildo era taxidermista. Trabalhavam no mesmo laboratório. Trabalhou com Adeildo durante uns quinze anos, até sair por recomendação médica, em razão de um processo alérgico, em torno de 2000 ou 2001. Não sabe quando Adeildo se aposentou, mas sabe que até 2000 ainda trabalhava. Ambos, testemunha e Adeildo, trabalhavam da seguinte maneira: capturam animais silvestres, abriam-nos e os colocavam em um balde com água para apodrecerem. Após isso, a água era despejada no esgoto e a pele era limpa e recheada de algodão, após o tratamento com arsênico, alúmen e formol. Trabalhavam assim no laboratório, mas havia também o trabalho de campo, quando passavam cerca de cinco a vinte e cinco dias no mato e, capturando animais, faziam o trabalho lá mesmo no local, fora do laboratório, portanto. Perguntado sobre se a UFPB fornecia Equipamento de Proteção Individual (EPI) respondeu que uma vez perdida forneciam luvas, embora sempre a testemunha e o sr. Adeildo as pedissem. Afirma que, quando tinha luvas, sempre usavam, mas normalmente não eram fornecidas, e, para não perderem os bichos que estavam no freezer e os materiais empregados, tanto a testemunha como o sr. Adeildo trabalhavam com as substâncias químicas e os animais de mãos limpas, em contato direto. Que também solicitavam à UFPB mascaras, mas estas nunca foram fornecidas. A testemunha, como era alérgica, chegou a comprar uma máscara de seu próprio bolso para poder trabalhar. Lembra a testemunha que, quando passavam a substância nas vísceras do animal, o quadro se assemelha ao procedimento de "salgar uma carne". Afirma que teve problemas de pele, mas não sabe se Adeildo teve problemas de pele ou de respiração. Afirma também que Adeildo sempre reclamava de ter medo por conta das substâncias que eram empregadas nos ratos, explicando o seguinte: a testemunha e Adeildo capturavam os ratos e os entregavam ao setor de citogenética, que utilizava substâncias químicas venenosas, como a colcichina, que é cancerígena, sendo que, retornando os animais à taxidermia, deveriam ser manuseados pela testemunha e Adeildo de mãos limpas, tendo, também, contato com a substância. A UFPB nunca exigiu ou patrocinou exames médicos para averiguação dos níveis de substâncias minerais absorvidas pelo organismo tanto da testemunha quanto do sr. Adeildo, destacando a testemunha que quem fez essa exigência foi seu médico particular, de modo que pagou pelo próprio exame. Afirma que já não trabalha no laboratório há cerca de sete ou oito anos, estando hoje no gabinete do Reitor. Afirma a testemunha que teve contato com Adeildo apenas duas vezes depois que ele fez a cirurgia de retirada do estômago, tendo-lhe dito Adeildo que pegara um câncer no intestino e teria feito um teste no cabelo. Adeildo lhe teria dito por telefone que estava fazendo banhos de radioterapia e que estaria gastando muito com internações. Perguntado se tem algum interesse na causa e se tem interesse que a autora seja vencedora, afirmou que quer que seja feita a verdade, e que mal conhece autora. Perguntado se tem alguma doença, inclusive terminal, por conta do tempo que trabalhou no laboratório, afirmou que não tem doença terminal, mas que adquiriu tosse alérgica crônica. Dada a palavra ao ADVOGADO da AUTORA, respondeu: Afirma que sabe não ter doença terminal porque fez uns exames alérgicos e o médico só disse que ele tinha uma tosse alérgica, mas não fez o teste do cabelo, nem vai fazer. Não fez qualquer exame específico para averiguar o nível de minerais ou substâncias no organismo. Afirma que havia, na UFPB, cobrança de produtividade, pois, como a coleta era intensa, o freezer de animais mortos vivia cheio e, como faltava energia frequentemente, os animais apodreciam, de modo que a testemunha e Adeildo precisavam trabalhar rápido, de modo a evitar que os animais apodrecessem. A cobrança a que se referiu era feita pelo chefe imediato, o Sr. Alftredo Langguth. Já presenciava "direto" Adeildo cobrando da chefia imediata, bem como fazendo solicitações escritas ao almoxarifado de equipamentos de proteção, como luvas e máscaras. Descrevendo o laboratório em que trabalhavam, disse a testemunha que a sala tinha em torno de 3m de largura por 5m de comprimento, era dotada de um pequeno exaustor que vivia quebrado, um ventilador, e tinha uma janela e uma porta. Como o mau odor era muito forte, as pessoas dos outros laboratórios pediam que as portas e janelas ficassem fechadas, de modo que, quando o mau cheiro ficava muito forte, fechavam a porta e a janela, para não reclamarem, o que acontecia toda semana, com periodicidade de uma a três vezes cada semana. Registra que, no tratamento dos animais, colocavam arsênico e alúmen de potássio na parte de dentro dos animais e, para evitar que os besouros comessem as peles, passavam naftalina na parte de fora dos animais. Afirma que uma vez perdida ainda compraram máscaras "de tinta", contra a poeira, pois estavam trabalhando com serraria, mas essas máscaras não adiantavam contra o veneno e o mau cheiro, de modo que sentiam tudo. Desistiram, posteriormente, de usar essas máscaras. Como o trabalho de taxidermia depende totalmente dessas substâncias, afirma que sempre tinham que ter contato com pelo menos uma dessas substâncias químicas, já que, sem elas, não se pode fazer taxidermia. Afirma que sempre havia animais para a taxidermia, registrando que, em quinze anos de trabalho, nunca viu o freezer ficar vazio. Afirma que a coleção de animais taxidermizados chega a três mil unidades, das quais oitenta porcento, pelo menos, foram obra de Adeildo. Que o laboratório recebeu a visita da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, tendo sido constatado por ela que o ambiente era muito insalubre, de modo que Adeildo recebia a gratificação máxima, pois ficava mais que a testemunha, e esta recebia a gratificação média. Que o laboratório não era limpo todos os dias, sendo que o pessoal da limpeza fazia a limpeza no laboratório uma vez por semana, mas eram a testemunha e Adeildo que mais limpavam o ambiente, o que faziam umas duas vezes por semana. Registra que, por vezes, precisavam usar pó de serragem e, por isso, não poderiam usar o ventilador, pois sujava tudo, de modo que, usando a serragem, preferiam fazer eles mesmos a limpeza. Afirma ainda que não poderiam limpar todos os dias pois, em determinados trabalhos, tinham que lidar com ossos muito pequenos que não poderiam ser removidos. Dada a palavra ao PROCURADOR FEDERAL da UFPB, respondeu: Afirma que não fez exames para averiguação de substâncias químicas absorvidas pelo organismo por ter medo de procurar doenças, mas registra que não sentia nada a não ser a tosse alérgica, tendo também manchas de pele no rosto. Na época em que apresentou o quadro de tosse alérgica, comentou com Adeildo sobre o assunto, mas não sabe se, em razão disso, Adeildo chegou a procurar um médico para fazer algum exame ou tratamento, pois não o via queixar-se de sentir qualquer coisa. Não sabe dizer se o tratamento a que se referiu acima, após a cirurgia, foi realizado em hospital da rede pública ou privada. Afirma que eram a testemunha e Adeildo obrigados pela UFPB a trabalharem naquele ambiente porque eram obrigados a fazer seu trabalho, de sua função, e o único lugar que tinham para trabalhar era aquele, fornecido pela UFPB. A UFPB nunca se propôs a mudar o ambiente de trabalho, tendo modificado o lugar da maceração em razão de muitos reclamos de professores. Afirma que já reclamaram da UFPB um outro lugar para trabalhar, mas a resposta foi que a sala era aquela mesma. Reclamaram um ambiente diferente, com instrumentos de circulação de ar que pudesse minimizar o mau cheiro, mas não lhe disseram nada, não sabendo se responderam alguma coisa a Adeildo. Não sabe se Adeildo chegou a reclamar que não trabalharia naquele ambiente, mas sabe que, certa vez, ele disse que não trabalharia com animais da peste de Pirauá (ratos) sem luvas, e realmente não trabalhou, se recusando a trabalhar, mas não sabe se lhe arrumaram as luvas. Afirma que, em razão das condições do ambiente, a testemunha começou a trabalhar mais devagar, tendo recebido reclamações do seu chefe, o que culminou com sua saída a pedido para outro lugar da UFPB. Que, no episódio dos ratos de Pirauá, não sabe se Adeildo foi obrigado pela UFPB a trabalhar. Registra que o trabalho de taxidermia dependia em grande parte de Adeildo e, em certos casos, se Adeildo parasse de trabalhar, a taxidermia também parava. Nessa caso dos ratos, a taxidermia não parou porque Adeildo foi trabalhar com outros animais que havia no freezer. Não sabe dizer se algum outro taxidermista chegou a adoecer por causa do exercício das funções inerentes ao cargo de taxidermista. (...) 2ª TESTEMUNHA (ARROLADA PELA AUTORA) ANTÔNIO MARTINS DE VASCONCELOS, (...) conheceu Adeildo há cerca de vinte e cinco anos ou mais, tendo trabalhado com ele na UFPB, sendo que a testemunha trabalhava no almoxarifado e Adeildo trabalhava no laboratório de taxidermia, ligado ao centro em que trabalhava a testemunha. Afirma que teve contato com Adeildo até ele falecer, bem como que este último trabalhou até um ano antes de morrer de câncer. Diz que Adeildo trabalhava sozinho no laboratório de taxidermia, mas passou algum tempo trabalhando com a pessoa de Oriel, sendo que Oriel já saiu há muito tempo, tendo ficado Adeildo sozinho no laboratório. No conhecimento da testemunha, ninguém mais fazia o trabalho de taxidermia, a não ser Adeildo, registrando que também Oriel no tempo que trabalhou no laboratório. Sabe dizer que o trabalho de Adeildo no laboratório consistia em retirar vísceras e peles de animais para empalhá-los, formar os esqueletos, sendo que, nesse trabalho, utilizavam, acreditando que diariamente, substâncias como arsênico, formol em pastilhas e líquido, alúmen e naftalina. Havia sempre muitos animais para empalhar, sempre havendo muito trabalho, até hoje, acredita a testemunha. Havia também trabalho de campo, sendo que este não se resumia à coleta, mas também ao desempenho do mesmo trabalho que era feito no laboratório. Afirma conhecer o laboratório de taxidermia e, descrevendo-o, disse haver um pequeno exaustor, que vivia mais quebrado que funcionando, bem como um ventilador e, mais recentemente, ainda antes de Adeildo se aposentar, um ar condicionado. Afirma também que se trabalhava em ambiente fechado na taxidermia, por causa das reclamações com o mau cheiro, que era muito forte, sempre. Perguntado sobre o uso de Equipamento de Proteção Individual, afirma que eles não tinham, sendo que às vezes havia luvas para disponibilizar, e nunca havia máscaras disponíveis, embora sempre fossem solicitadas. Sempre que havia luvas disponíveis os servidores da taxidermia usavam, e só não usavam quando não estavam disponíveis. Que, em razão de ser o trabalho desempenhado com animais mortos em decomposição, bem como com substâncias químicas, como o formol, acredita que seria indispensável o uso de luvas e máscaras. Dada a palavra ao ADVOGADO da AUTORA, respondeu: nem sempre as substâncias utilizadas pelo laboratório eram obtidas via almoxarifado, pois, às vezes, quando o departamento tinha o recurso, adquiria diretamente para o laboratório. Trabalha na UFPB há vinte e nove anos, no mesmo setor de almoxarifado. De seu conhecimento, não sabe de melhora alguma no laboratório de taxidermia, exceto o ar condicionado. Adeildo sempre reclamava perante sua chefia imediata em razão da falta de equipamentos de proteção, principalmente luva e máscara. Além da falta de luvas e máscaras, Adeildo reclamava do ambiente do laboratório. Em determinado momento, há uns cinco ou seis anos, fizeram uma sala de maceração em outro lugar, em ambiente externo. Afirma que Adeildo teve conhecimento que estava doente enquanto ainda trabalhava, sendo encaminhado direto para cirurgia, tendo descoberto que tinha um câncer. A testemunha tinha contato com ele nessa época, afirmando que Adeildo se mostrava muito deprimido. Dada a palavra ao PROCURADOR FEDERAL da UFPB, respondeu: não sabe dizer qual era exatamente a jornada de trabalho de Adeildo, nem se ele ia ao laboratório todos os dias, mas afirma que, quando tinha contato com ele, esse contato era feito mais pela manhã. Não sabe se Adeildo ia trabalhar à noite. Não sabe se Adeildo trabalhava em dias feriados. Não sabe dizer se os funcionários da limpeza da UFPB faziam limpeza no laboratório, pois só quem entrava ali era Adeildo, de modo que era ele mesmo que fazia a limpeza do ambiente. Não sabe a periodicidade que Adeildo limpava o laboratório, mas acredita que sempre fizesse a limpeza depois do seu trabalho. Não sabe dizer se a reclamação feita por Adeildo quanto à ausência de máscara era feita por escrito. Não sabe se Adeildo era obrigado por servidores superiores da UFPB a trabalhar sem máscara e luvas, mas sabe dizer que esse era o serviço dele. Nunca presenciou Adeildo reclamando de doença e dizendo que seria por causa de seu trabalho, mas sabe dizer que ele sentia dores no estômago antes da cirurgia. Que, por conta das reclamações das pessoas das outras salas sobre o mau cheiro, a porta do laboratório deveria ficar sempre fechada, antes ou depois do advento do ar condicionado. (...) 1ª TESTEMUNHA (ARROLADA PELA UFPB) HERMANO ALBUQUERQUQE RAMOS, (...) que conheceu Adeildo por volta de 1995,afrimando a testemunha que era técnico administrativo, atuando na função de engenheiro químico no laboratório de termoquímica, e veio a saber depois que Adeildo trabalhavam no laboratório de taxidermia. Soube que Adeildo trabalho até pouco tempo antes de morrer, tendo sido informado por outras pessoas que o mesmo teria sido acometido de câncer. Quando o encontrou pouco antes de parar de trabalhar, disse a testemunha que Adeildo estava mais magro. Perguntado se conhece o laboratório de taxidermia, afirma que conhece todos os setores da UFPB, e sabe que há um lamboratório para a maceração de animais, onde eles são colocados em tambores de água para apodrecerem, sendo levados, posteriormente, para o outro laboratório onde se faz o complemento da taxidermia. Afirma que Adeildo trabalhava em ambos. Afirma que ouviu do próprio Adeildo que este último tratava os animais no segundo laboratório, utilizando produtos químicos e empalhando-os. Afirma que tem conhecimento teórico, não prático, em taxidermia. Afirma também que nunca viu Adeildo trabalhando. Afirma ter conhecimento que Adeildo usava, no laboratório, formol e álcool. Afirma não saber se Adeildo usava arsênico, alúmen ou nafatalina. Não se recorda se Adeildo tinha à disposição para uso no laboratório luvas e máscaras. No laboratório em que a testemunha trabalhava, no período em que ali trabalhou, sempre teve equipamentos de proteção individual e coletiva. Afirma ter conhecimento que alguns setores da UFPB tinham e outros não tinham os EPI's e EPC's necessários. Não tem conhecimento se o trabalho no laboratório era desempenhado a portas abertas ou fechadas, pois Adeildo apenas mostrou o laboratório à testemunha. Não sabe informar se havia muito trabalho na taxidermia. Dada a palavra ao PROCURADOR FEDERAL da UFPB, respondeu: afirma que exerce a função de engenheiro de segurança do trabalho na SESMT (Serviço Especial em Engenharia Segurança e Medicina do Trabalho),sendo atualmente seu presidente. O trabalho do SESMT se desenvolve em consideração à segurança do funcionário e do ambiente de trabalho. A finalidade do SESMT é exatamente a elaboração de laudos periciais, também sobre o nível de salubridade do ambiente de trabalho. A elaboração do laudo leva em conta a efetiva utilização do EPI e EPC. No exercício da função na SESMT, dirigiu-se ao laboratório de taxidermia, onde Adeildo trabalhava, tendo sido exatamente nessa ocasião que conheceu o referido laboratório. Examinando o grau de insalubridade do ambiente, constatou, registrando no laudo, que o ambiente era insalubre em grau médio. Afirma que, de acordo com a Norma Regulamentar 15, anexo 13, os produtos químicos que Adeildo usava conferiam ao ambiente grau médio de insalubridade. Afirma que a utilização de arsênico, alúmen e naftalina leva o grau de insalubridade do ambiente a um nível médio. Não se recorda se, no laudo, considerou concretamente o uso ou não uso de EPI ou EPC por Adeildo no laboratório. O quadro encontrado quando de sua inspeção ao laboratório de taxidermia era conforme o aceitável para tal. Afirma que, embora o laudo tenha considerado de grau médio a insalubridade, Adeildo recebia gratificação em grau máximo, pois havia poucas pessoas que ali trabalhariam e a UFPB não tinha muito rigor sobre isso. Diz que na UFPB não tinha ninguém para trabalhar nesse setor, que pararia se Adeildo saísse do trabalho, de modo que a UFPB pagava a gratificação em grau máximo para mantê-lo. Afirma que laudo compreendia o trabalho com agentes químicos e biológicos, precisamente NR 15, anexos 13 e 14, mantendo o nível de insalubridade, ainda assim, em grau médio. O manuseio de substâncias químicas utilizadas no trabalho de taxidermia, sem o uso de EPI's, pode conduzir a um quadro de neoplasia maligna, por esse motivo, segundo afirma, é que o trabalhador de taxidernia recebe gratificação do adicional de insalubridade. Dada a palavra ao ADVOGADO da AUTORA, respondeu: que a estrutura do laboratório de taxidermia da UFPB não estava de acordo com as normas regulamentadoras, pois seria necessário um ambiente maior, mais iluminado e arejado, bem como a utilização de equipamentos e aparelhos de segurança. Não se recorda se, na ocasião da inspeção, viu máscaras para manuseio de produtos químicos, mas afirma que deve ter registrado algo sobre isso em seu laudo. 2ª TESTEMUNHA (ARROLADA PELA UFPB) EDSON SOARES FRANCO, (...) não conheceu Adeildo nem conhece a autora Cleomar. Afirma que é perito do SESMT e é capacitado como perito judicial na área química e perito ambiental, sendo formado em Química Industrial. Afirma que fez uma inspeção no laboratório de taxidermia da UFPB no ano de 2006, tendo nele constatado uma situação normal para um laboratório de taxidermia, com grau de insalubridade em nível médio. Hoje quem trabalha no laboratório de taxidermia da UFPB é uma pessoa de nome Severino, que lhe apresentou o laboratório. Constatou que o taxidermista usa EPI's básicos, ou seja, máscara e luva, mas registra que não o indagou se o fornecimento desse material era contínuo. Não tem como afirmar se Adeildo tinha disponíveis equipamentos de proteção, nem tampouco se os usava, pois não o conheceu nem realizou inspeção naquela época. Dada a palavra ao PROCURADOR FEDERAL da UFPB, respondeu: Como não exercia a função de perito do SESMT anteriormente, não tem como dizer se houve a realização de inspeção anterior a 2006 no laboratório de taxidermia, registrando, contudo, que as inspeções devem ser feitas anualmente. Afirma que, numa situação normal, o trabalho de taxidermia depende do uso básico de luvas e máscaras, de modo que o trabalho desempenhado sem luvas e sem mascadas não é desempenhado em situação normal. Não tem como dizer se o trabalho de taxidermia, mesmo em condições normais, ou seja, com uso de luvas e máscaras, pode gerar um quadro de neoplasia maligna. Dada a palavra ao ADVOGADO da AUTORA, respondeu: que o ambiente físico do laboratório não estava cem por cento dentro das normas regulamentadoras. Afirma que o único laboratório cem por centro dentro dos padrões é o de combustíveis, que é fiscalizado pela UFPB e pela Petrobrás. Que, pelo menos quanto ao espaço físico e a ventilação, recorda-se que estavam dentro das normas. Sabe informa que não existe norma que defina, com precisão, as configurações que devem ser obedecidas nos laboratórios. Informou que, no laboratório de taxidermia, a bancada deveria ser de inox, mas é de azulejo. Registra que as pias são de inox. Esclarece que essas configurações compõem exigências a serem atendidas para a obtenção de um certificado ISO. (...) 3 Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. 4 Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. 5 A professora Maria Helena Diniz, no volume 7 de seu Curso de Direito Civil Brasileiro, assim se posiciona sobre a matéria: "No nosso ordenamento jurídico vigora a regra geral de que o dever ressarcitório pela prática de atos ilícitos decorre da culpa, ou seja, da reprovabilidade ou censurabilidade da conduta do agente". 6 Gagliano, Pablo Stolze, Pamplona Filho, Rodolfo: "Novo Curso de Direito Civil: Responsabilidade Civil - Saraiva, 2007, volume III, p. 243. 7 Art. 6.º. São direitos básicos do consumidor: ... VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiência. 8 Art. 944. A indenização mede-se pela extensão do dano. 9 Excepcionando o legislador a mencionada vinculação: Código Civil, arts. 928, parágrafo único, 944, parágrafo único, 945 etc. 10 "Dano moral. Valor. Correção monetária. Precedentes. - 'O termo inicial da correção monetária do valor do dano moral é a data em que for fixado. Recurso conhecido e provido'". (STJ - 3.ª T. - REsp. 376.900 - Rel. Carlos Alberto Menezes Direito - j.02.05.2002 - Bol. AASP 2.293/637, 09 a 15.12.2002). "O valor certo fixado, na sentença exeqüenda, quanto ao dano moral, tem seu termo a quo para o cômputo dos consectários (juros e correção monetária), a partir da prolação do título exeqüendo (sentença) que estabeleceu aquele valor líquido. Precedente do STJ" (STJ - 3.ª T. - REsp - Rel. Waldemar Sveiter - j. 18.06.1998 - RSTJ 112/184). GRIFADOS. 11 Súmula 326- Na ação de indenização por dano moral, a condenação em montante inferior ao postulado na inicial não implica sucumbência recíproca. ?? ?? ?? ?? 1 17 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0005971-18.2006.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. MARCELO ALVES DIAS DE SOUZA, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR) x UBIRATAN ALEXANDRE DE SOUZA E OUTRO (Adv. CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR) x GILBERTO GOMES BARRETO

PROCESSO N. 2006.82.00.005971-7 AÇÃO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA AUTOR: Ministério Público Federal RÉUS: Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza Juiz Federal Substituto ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU S E N T E N Ç A1 RELATÓRIO Tratam os presentes autos de AÇÃO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA movida pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra Gilberto Gomes Barreto, Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza, já devidamente qualificados no processo em epígrafe, dando-os a peça vestibular como incursos nos arts. 9º, 10 e 11 da Lei n. 8.429/92. Consta da petição inicial (fls. 02/09) que o Gilberto Gomes Barreto, na qualidade de prefeito do município de Marcação/PB, ajustou com a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA o Convênio n. 3081/2001, objetivando a execução do sistema de abastecimento de água em áreas indígenas (construção e ampliação de sistemas de abastecimento de água em sete aldeias indígenas - Camurupim, Lagoa Grande, Sítio Carneiro, Boa Esperança, Brejinho de Baixo, Grupiúna de Cima e Tramataia, com obras estimadas em R$ 453.957,42 (quatrocentos e cinqüenta e três mil novecentos e cinqüenta e sete reais e quarenta e dois centavos). O financiamento seria isento de contrapartida e os respectivos valores teriam sido integralmente creditados na conta do município em 10 de maio de 2002. A obra teria ficado a cargo da empresa COBEZA CONSTRUÇÕES LTDA., após a mesma vencer a licitação de Tomada de Preços n. 01/2002, assinando contrato com o município em 12/11/2002. Os representantes legais da empresa eram os acusados Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza. Ainda na peça vestibular, disse o MPF haver-se constatado que o objeto do convênio não foi adequadamente cumprido, de modo que as comunidades indígenas não receberam os benefícios idealizados. Registrou que, das sete comunidades incluídas no projeto, apenas em uma delas as obras foram concluídas e o fornecimento de água foi provido. A respectiva prestação de contas teria recebido parecer contrário à aprovação pelas autoridades competentes. Finalmente, afirma o MPF que, no caso, os réus teriam praticado atos de improbidade administrativa, bem como dado causa a lesão ao erário, de modo que pugnava pela aplicação das medidas previstas no art. 12 da Lei n. 8.429/92. Despacho determinando a intimação da FUNASA e do município de Marcação/PB para manifestarem, querendo, interesse em integrar a lide (art. 17, §3º, da Lei n. 8.429/92), bem como a notificação dos réus para resposta preliminar (art. 17, §7º, da Lei n. 8.429/92) (fl. 209). A FUNASA manifestou-se interessada em acompanhar a lide, na qualidade de assistente simples do MPF (fl. 218). Resposta preliminar de Gilberto Gomes Barreto (fls. 220/224). Decisão rejeitando a inicial em relação a Gilberto Gomes Barreto e recebendo-a em relação aos réus Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza (fls. 228/242). O MPF interpôs agravo de instrumento da decisão (fls. 248/255). Despacho mantendo a decisão agravada e, considerando a certidão de fl. 260, decretando a revelia dos réus Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza. Na mesma oportunidade, determinou-se a intimação do MPF e da FUNASA para especificação de provas (fl. 261). O MPF requereu a oitiva de duas testemunhas: Wilma Honorato de Aragão Brandão e Maria Dalva dos Santos Saraiva (fl. 264). A FUNASA disse que não tinha provas a especificar (fl. 267). Deferida a produção de prova (fl. 271), procedeu-se à inquirição das referidas testemunhas em audiência (fls. 292/304), saindo as partes intimadas do prazo de dez dias para apresentação de razões finais em memoriais. Em razões finais, o MPF (fls. 307/315) e a FUNASA (fls. 318/320) pugnaram pela procedência do pedido, com a condenação dos réus nos termos da Lei n. 8.429/92. Não obstante regularmente intimado (fl. 322), o advogado dos réus não apresentou razões orais (fl. 323). Certificado, em 14/01/2008, que o agravo de instrumento interposto pelo MPF encontrava-se no gabinete do Desembargador Federal Lázaro Guimarães. É o relatório. DECIDO. FUNDAMENTAÇÃO Não havendo questões preliminares a resolver, passo ao exame do mérito. Como se viu na petição inicial, narra o MPF que o ex-prefeito do município de Marcação, Gilberto Gomes Barreto, celebrou com a FUNASA o Convênio n. 3081/2001, visando à execução de obras para a construção de um sistema de abastecimento de água em áreas indígenas, orçado em R$ 453.957,42 (novecentos e cinqüenta e três mil novecentos e cinqüenta e sete reais e quarenta e dois centavos), sem contrapartida do município. O valor teria sido creditado à prefeitura em 10/05/2002. Realizada a Tomada de Preços n. 01/2002, venceu a empresa COBEZA CONSTRUÇÕES LTDA., de que seriam representantes os acusados Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza. O contrato teria sido assinado em 12/11/2002. Posteriormente, prossegue o MPF, quando já superada a gestão de Gilberto Gomes Barreto, o procurador do município de Marcação representou ao MPF dando conta da possível ocorrência de desvios dos recursos relativos ao citado convênio, instruindo seu pedido com cópia do Parecer n. 07/2005 (06/01/2005) da Divisão de Convênios e Gestão do Ministério da Saúde. Nesse parecer, os técnicos haveriam constatado pendências na obra, descumprimento do plano de trabalho e o não funcionamento dos sistemas de abastecimento. Consideraram, assim, o objeto do convênio como não executado, como também a ocorrência de prejuízos ao erário. Diz ainda o MPF que o trabalho dos técnicos que elaboraram o supracitado parecer fora subsidiado por vistoria in loco de técnicos da Fundação Nacional de Saúde, os quais teriam comprovado o não cumprimento do objeto pactuado, uma vez que não estaria havendo o abastecimento de água para a população. Concluíram, assim, que o município não teria cumprido o plano de trabalho, acarretando prejuízo ao erário no valor de R$ 453.957,42. A equipe do MS, Divisão de Convênios e Gestão, teria emitido outro parecer (Parecer n. 102/2005, de 04/03/2005), opinando pela não aprovação das contas do município e sugerindo a remessa dos autos à Coordenação Regional da FUNASA para a instauração de tomada de contas especial, visando ao ressarcimento do prejuízo causado ao erário. O MPF ainda registra em sua peça vestibular a existência de provas nos autos de que o ex-prefeito Gilberto Gomes Barreto teria gasto todos os recursos repassados ao município pela FUNASA, assinado Termo de Recebimento Definitivo da Obra, dando a entender que a empresa COBEZA a teria executado inteira e eficazmente. Apontou ainda cópias de extratos bancários e cheques os quais demonstrariam que a maioria dos pagamentos foram feitos à COBEZA. Dois cheques, entretanto, (850002 e 850008 - fls. 164 e 174), nos valores de setenta mil e trinta mil reais, teriam sido pagos à Prefeitura, destinados respectivamente a Tesouraria e ao pagamento de funcionários. Na prestação de contas, contudo, Gilberto Gomes Barreto registrou os cheques como pagamentos à empresa COBEZA. Ao fim, o MPF pediu a condenação dos acusados Gilberto Gomes Barreto, Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza nas penas previstas no art. 12 da Lei n. 8.429/92, em razão da prática de atos de improbidade administrativa previstos em seus artigos 9º, 10 e 11. Examinando os fatos narrados pelo MPF em sua peça introdutória e os elementos de prova existentes nos autos, chego à conclusão de que toda a narrativa empenhada pelo órgão ministerial encontra supedâneo probatório no caderno processual. A celebração e os termos do Convênio n. 3081/2001, inclusive seu objeto e seu valor, encontram prova na cópia do termo de convênio existentes nos autos (fls. 85/92). A homologação da licitação Tomada de Preços n. 01/2002, com a atribuição do objeto da licitação à empresa COBEZA CONSTRUÇÕES LTDA., está demonstrada pelos documentos de fls.105/106. A contratação e a realização dos pagamentos à referida empresa está igualmente provada nos autos (fls.101/102), destacando-se aqui as cópias dos cheques nominais a fls. 162/181. Sobre a constatação por técnicos do Ministério da Saúde e da Fundação Nacional de Saúde que, exaurido o prazo de vigência do convênio, as obras não teriam sido concluídas e o objeto não haveria sido executado, encontramos prova de tudo isso nos já citados pareceres n. 07/2005 (fls. 17/21) e n. 102/2005 (fls. 79/83), e especialmente no termo de vistoria realizado pelos técnicos da FUNASA (fls. 22/28), dando conta do não cumprimento do plano de trabalho, da inexecução do objeto e do prejuízo causado ao erário. O recebimento do valor integral do convênio pelo município de Marcação foi demonstrado pelas cópias dos extratos da conta-corrente do município no Banco do Brasil (fls.127/129). A utilização dos recursos do financiamento ficou exaustivamente demonstrada a partir dos extratos e das cópias dos cheques (fls. 134/181), inclusive os pagamentos à prefeitura dos citados cheques n. 850002 e 850008. O termo de recebimento definitivo da obra, assinado pelo ex-prefeito Gilberto Gomes Barreto, se encontra nos autos a fl. 104. Em juízo, a requerimento do Ministério Público Federal, foram ouvidas duas testemunhas: Wilma Honorato de Aragão Brandão, consultora de engenharia civil da UNESCO, à disposição da FUNASA, e Maria Dalva dos Santos Saraiva, agente administrativo do Ministério da Saúde. Wilma Honorato de Aragão Brandão disse: "O objeto do convênio, no caso dos autos, era a construção ou ampliação do sistema de abastecimento de água em sete aldeias indígenas no município de Marcação. O prefeito que assinou o referido convênio foi Gilberto Barreto. O valor do convênio era de pouco mais de R$ 453mil." E continua a testemunha: "Como existe na FUNASA um setor específico de acompanhamento de contas dos convênios, tem conhecimento que, em novembro de 2003, quando fez a primeira visita no local das obras de execução do convênio relativo ao presente processo, os valores do convênio já teria sido transferidos da FUNASA à prefeitura municipal. A testemunha não sabe dizer se esses valores, nessa época, já tinham sido sacados da conta da prefeitura. Nessa época, em novembro de 2003, a vigência do convênio já tinha sido encerrada. Nessa época, constatou, em termos de obras, que, das sete aldeias que deveriam ser beneficiadas com o convênio, embora todas tivessem algum tipo de obra, apenas uma, em verdade, estava sendo beneficiada porque a obra estaria realmente operacional. Quanto às demais, a testemunha constatou que havia lugares em que apenas um poço tinha sido perfurado, não obstante a programação fosse de construção de cata-vento, entre outras coisas que representariam muitas outras etapas, de modo que a testemunha pode constatar que em algumas aldeias as obras até então existentes estariam em um estágio bem inicial em comparação com o projeto." Finalmente, diz o seguinte: "Em 2005 a testemunha fez uma segunda visita aos locais de obras por conta da realização de um Termo de Ajustamento de Conduta proposto pelo MP, no caso com o gestor que sucedeu ao prefeito que celebrou o convênio. Quando dessa segunda visita, constatou que havia modificações em algumas obras, como se houvessem sido continuadas, mas afirma que tais modificações foram operadas pela própria FUNASA, completamente à revelia do município e por conta própria, a pedido do conselho distrital indígena, ou seja, por pressão da sociedade. (...) Afirma que não sabe informar se a prefeitura recebeu oficialmente a obra como concluída, mas sabe afirmar com segurança que a obra não foi recebida pela FUNASA (...)." A testemunha Maria Dalva dos Santos Saraiva disse: "De acordo com a prestação de contas, a empresa contratada para executar o objeto do convênio foi a COBEZA Engenharia. Não sabe informar se todos os cheques em utilização do valor do financiamento foram emitidos em nome da COBEZA. (...) Tem conhecimento de que dos autos da prestação de contas constava um termo de recebimento definitivo da obra assinado por Gilberto Gomes Barreto." Embora tenham sido comprovadamente convocados em duas oportunidades (para a resposta preliminar e para a contestação), os réus não manifestaram qualquer interesse em se defender. Não apresentaram, portanto, quaisquer provas que pudessem infirmar o convencimento formado pelos elementos de instrução colhidos ao longo do trâmite processual, acima examinados e exaustivamente comentados. Após um pormenorizado exame de todas as alegações trazidas a juízo, assim como de todos os elementos de prova constantes dos autos, chego à conclusão de que a empresa COBEZA CONSTRUÇÕES LTDA. - representada pelos réus Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza (fl. 183) - recebeu pagamentos do município de Marcação/PB com recursos da FUNASA para o cumprimento do objeto do Convênio n. 3081/2001. Concluo também que, findo o prazo de vigência do convênio, não obstante a indevida assinatura de termo de recebimento definitivo de obra pelo então prefeito municipal, a empresa não executou integralmente o objeto, uma vez que, das sete aldeias indígenas a serem beneficiadas pelos pretendidos sistemas de abastecimento de água previstos no convênio, apenas uma foi realmente beneficiada. O dano ao erário advém do fato de que os recursos transferidos, assim como o prazo de vigência do convênio, segundo o projeto, seriam absolutamente suficientes à sua execução. Não obstante, os recursos públicos destinados à execução do objeto foram transferidos integralmente ao município e, tendo sido integralmente consumidos, o objeto pactuado foi minimamente implementado, uma vez que apenas uma de sete aldeias foi efetivamente beneficiada. O fato encontra enquadramento legal no art. 10, caput, da Lei n. 8.429/92. O enriquecimento ilícito está em que, sendo contratada para a execução de determinado objeto, recebeu a empresa todo o valor pactuado, mas cumpriu o objeto no que se referiria a apenas uma das sete aldeias a serem contempladas, revelando execução em parte mínima do objeto. Recebeu, portanto, indevidamente os valores relativos à execução da obra quanto às outras seis aldeias. O fato encontra perfeito enquadramento no art. 9º, caput, da Lei n. 8.429/92. Não constatando ato que violasse específica e diretamente os princípios da Administração Pública, e não entendendo que violações reflexas devam ensejar punição a esse título, registro não haver encontrado enquadramento possível no art. 11 da Lei n. 8.429/92. Tudo isso, é claro, foi viabilizado pela intensa atividade do então prefeito municipal, Gilberto Gomes Barreto, que, no afã de evitar até mesmo a detecção dos efeitos acima descritos, assinou termo de recebimento definitivo da obra, como se tal expediente pudesse afastar o incontestável fato de que a obra não foi executado, o projeto não foi cumprido, embora todo o dinheiro do financiamento haja sido consumido. Se a empresa conseguiu se beneficiar com os repasses de recursos do financiamento relativo ao convênio em questão, foi principalmente por causa da atividade determinante do então gestor municipal. Seu afastamento da relação processual por força do reconhecimento da inadequação da via eleita não impede o reconhecimento da prática ilícita - até porque, em relação a ele, trata-se de um fato objetivamente considerado - e suas conseqüências jurídicas para as partes remanescentes na relação processual: a imputação aos sócios da empresa COBEZA CONSTRUÇÕES LTDA. da prática de atos de improbidade administrativa como beneficiários e partícipes do ato ímprobo, ex vi do art. 3º da Lei n. 8.429/92. Combinando-se as normas jurídicas acima apontadas, tenho que os réus, Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza, na qualidade de sócios e representantes da empresa COBEZA CONSTRUÇÕES LTDA., partícipes e beneficiários dos atos de improbidade administrativa praticados com Gilberto Gomes Barreto, devem responder como incursos nos artigos 9º e 10, c/c 3º, todos da Lei n. 8.429/92, sofrendo as penas previstas no art. 12 da mesma lei. A fixação das penas aplicáveis aos réus condenados pela prática de atos de improbidade administrativa deve seguir as linhas traçadas pelo art. 12 e incisos da Lei n. 8.429/92, conforme o enquadramento legal nos artigos 9º a 11 da mesma lei. Como no caso dos autos, constatando que os acusados incorreram nos artigos 9º e 10. Evitando uma aplicação cumulativa das reprimendas, entendo adequado restringir a punição às cominações previstas para a infração mais grave (art. 9º), quais sejam, as do art. 12, I, da Lei n. 8.429/92. DISPOSITIVO Diante do exposto, julgo PROCEDENTE o pedido inicial para condenar os réus Ubiratan Alexandre de Souza e Maria da Glória Bezerra de Souza pela prática de atos de improbidade administrativa, ex vi dos arts. 9º, caput, e 10, caput, c/c art. 3º, todos da Lei n. 8.429/92. Considerando as provas constantes nos autos sobre a extensão do dano e o proveito patrimonial obtido pelos réus - lembrando-se que o valor integral do convênio (pouco mais de R$ 453mil) foi totalmente consumido no projeto, sendo que das sete aldeias contempladas apenas uma foi realmente beneficiada - bem como o prejuízo decorrente à qualidade de vida das comunidades indígenas, aplico aos réus, nos termos do art. 12, I, da Lei n. 8.429/92, as seguintes cominações: a) Obrigação solidária (CC, art. 942) de ressarcimento integral do dano causado ao erário, no valor de R$ 453.957,42 (quatrocentos e cinqüenta e três mil novecentos e cinqüenta e sete reais e quarenta e dois centavos), deduzidas as quantias restituídas à FUNASA e o valor das obras exclusivamente relativas à comunidade indígena de Lagoa Grande, única onde o projeto foi realmente instalado. O valor apurado deverá ser atualizado na forma da lei até a data do efetivo cumprimento e acrescido de juros de 1% (um por cento) incidentes a partir da citação. Deixo de decretar a perda dos bens acrescidos ilicitamente por entender que a cominação constante do item "a" cumpre idêntico papel; b) Suspensão dos direitos políticos pelo prazo de 8 (oito) anos; c) Pagamento de multa civil individualmente a cada réu no valor de R$ 200.000,00 (duzentos mil reais), devidamente atualizada até o cumprimento e acrescida de juros de 1,0% (um por cento) ao mês, incidentes a partir do trânsito em julgado da presente sentença; d) Proibição de contratar com entidades e órgãos da Administração Pública ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 (dez) anos. Condeno os réus nas custas processuais e no pagamento de honorários advocatícios, que fixo em R$ 4.000,00 (quatro mil reais). Oficie-se ao Exmo. Relator do AGTR n. 76011-PB, Desembargador Lázaro Guimarães, informando acerca do desfecho da presente ação em 1º grau. Após o trânsito em julgado, oficie-se ao TRE/PB para cumprimento do item "b" e cumpra-se a providência prevista na Resolução CNJ n. 44/2007. Registre-se no sistema informatizado. Intimem-se as partes. João Pessoa, 21 de janeiro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Sentença tipo A, cf. Res. CJF n. 535/2006. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 9 de 9 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0005911-45.2006.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, RAISSA PONTES FRAGOSO DE MORAES) x GILMAR ALVES DE OLIVEIRA E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) Autora/Exeqüente (Caixa Econômica Federal), sobre o Auto de Penhora e Avaliação de fl. 103, no prazo de 05(cinco) dias.

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0003099-93.2007.4.05.8200 VALDES GOMES DE SA (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, CICERO GUEDES RODRIGUES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0004649-26.2007.4.05.8200 LUCIO MACHADO DA SILVA REPRESENTADO POR MARTINHO MACHADO DA SILVA (Adv. SANDRA ELIZABETH DE BRITO PEREIRA GUIMARAES, ROBSON RENATO ALVES DE ALBUQUERQUE, ANNA KARINNE DE BRITO PEREIRA, VANESSA GOMES PEREIRA DINIZ, MANOEL PEREIRA DINIZ NETO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF x BANCO DO BRASIL S/A

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0004657-03.2007.4.05.8200 MARLI PEREIRA DA SILVA (Adv. SANDRA ELIZABETH DE BRITO PEREIRA GUIMARAES, ROBSON RENATO ALVES DE ALBUQUERQUE, ANNA KARINNE DE BRITO PEREIRA, VANESSA GOMES PEREIRA DINIZ, MANOEL PEREIRA DINIZ NETO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF x BANCO DO BRASIL S/A

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0004658-85.2007.4.05.8200 ROSA AUGUSTA DE MARIA GOMES (Adv. SANDRA ELIZABETH DE BRITO PEREIRA GUIMARAES, ROBSON RENATO ALVES DE ALBUQUERQUE, ANNA KARINNE DE BRITO PEREIRA, VANESSA GOMES PEREIRA DINIZ, MANOEL PEREIRA DINIZ NETO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF x BANCO DO BRASIL S/A

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0004667-47.2007.4.05.8200 EUBA DE CASTRO WANDERLEY (Adv. SANDRA ELIZABETH DE BRITO PEREIRA GUIMARAES, ROBSON RENATO ALVES DE ALBUQUERQUE, ANNA KARINNE DE BRITO PEREIRA, VANESSA GOMES PEREIRA DINIZ, MANOEL PEREIRA DINIZ NETO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF x BANCO DO BRASIL S/A

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0004739-34.2007.4.05.8200 MARINA TEODÓSIO DO NASCIMENTO (Adv. SANDRA ELIZABETH DE BRITO PEREIRA GUIMARAES, ROBSON RENATO ALVES DE ALBUQUERQUE, ANNA KARINNE DE BRITO PEREIRA, VANESSA GOMES PEREIRA DINIZ, MANOEL PEREIRA DINIZ NETO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x BANCO DO BRASIL S/A x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0005759-60.2007.4.05.8200 ENEUTON DORNELAS PESSOA DE CARVALHO (Adv. JOSE ALVES FORMIGA, MARTA REJANE NOBREGA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0006587-56.2007.4.05.8200 JOSE DORNELAS BEZERRA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0007671-92.2007.4.05.8200 NERIVAL BARBOSA DE LUCENA (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, CICERO GUEDES RODRIGUES, JOSEANE HELLEN DE MELO FELICIANO) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0007765-40.2007.4.05.8200 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ATIVOS, APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO ESTADO DA PARAÍBA - ASSEPFAP/PB (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0007766-25.2007.4.05.8200 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ATIVOS, APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO ESTADO DA PARAÍBA - ASSEPFAP/PB (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0008212-28.2007.4.05.8200 MARIA LUIZA RODRIGUES DE ALBUQUERQUE (Adv. JOSINETE RODRIGUES DA SILVA, JACQUELINE RODRIGUES CHAVES) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR) x JOSIBETE RODRIGUES DE ALBUQUERQUE (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0008789-06.2007.4.05.8200 NOEMIA BARCIA DE ARAUJO, REPR. POR SUA CURADORA, VALEDA BARCIA TITO (Adv. FABIANO BARCIA DE ANDRADE) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0009439-53.2007.4.05.8200 RUY ANTONIO DE OLIVEIRA MENDONÇA E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0009443-90.2007.4.05.8200 SIMÃO SEVERINO BENTO PATRÍCIO E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0009906-32.2007.4.05.8200 NECI CARNEIRO PORTO (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, CICERO GUEDES RODRIGUES, VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0010271-86.2007.4.05.8200 MARIA DA LUZ PIRES MOREIRA SOARES E OUTRO (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0010965-55.2007.4.05.8200 ANTONIO CARLOS DA SILVA E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0010917-96.2007.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO) x MARIA DAS DORES DA SILVA BARBOSA (Adv. HENRIQUE LUIZ DE LUCENA MOURA) x SIGBALDO DE SOUZA BARBOSA

Ao credor/embargado para impugnar os embargos, no prazo de 10 (dez) dias (art.740 do CPC).

   

EMBARGOS À EXECUÇÃO FUNDADA EM SENTENÇA

   

0003290-41.2007.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JOAO ABRANTES QUEIROZ, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA) x MARIA JOSE DE LUCENA TORRES (Adv. JOSE HELIO DE LUCENA, MARISTELA SILVA DE ALMEIDA, FLAVIO FRANCA DE FREITAS)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004508-16.2003.4.05.8210 JOSE MEIRA NEVES (Adv. MARCELA BETHULIA CASADO E SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0005976-16.2001.4.05.8200 FRANCISCO DE FATIMA FELIX (Adv. JALDELENIO REIS DE MENESES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. VALCICLEIDE A. FREITAS)

Autos com vista ao(s) exeqüente(CAIXA) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0006951-04.2002.4.05.8200 MARIA DE FATIMA FLORENTINO SILVA (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO) x UNIÃO (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) exeqüente(s), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC). P.

   

0009288-34.2000.4.05.8200 ANTONIO MEDEIROS DIAS E OUTROS (Adv. HOMERO DA SILVA SATIRO, REINALDO ANTONIO N. DE CARVALHO, HELMITON PEREIRA DA COSTA) x UNIAO (DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL) (Adv. NAPOLEAO VITORIO S. DE CARVALHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS)

Autos com vista ao(à)(s) Réus/Requeridos, do bloqueio on-line de fls. 551/552, no prazo de 05(cinco) dias.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0001537-49.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x CARLOS ROBERTO BARBALHO DE LIMA ME E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P.

   

0004211-97.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x AML SIMÕES ME E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P.

   

0006510-47.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x MARIA DAS GRAÇAS TORRES PEREIRA DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0007248-35.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x SILVANDO PEREIRA DO NASCIMENTO E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P.

   

0008667-03.2001.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO) x MARIA MARLEIDE BENTO DE QUEIROZ E OUTRO (Adv. FLAVIO ALBERTO DE FIGUEIREDO TORRES)

Ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), sobre a certidão de fls. 221, para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P.

   

0010342-88.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x ANA CRISTINA SARMENTO DE LUCENA LIRA (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P.

   

MEDIDA CAUTELAR DE PROTESTO

   

0011214-06.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTRO (Adv. RICARDO POLLASTRINI) x ROMUALDO BENEDITO RIOS FONTENELES (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 5 (cinco) dias, se manifestar sobre a certidão do oficial de justiça (fl. 26).

   

PROCEDIMENTO COMUM DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL

   

0002339-47.2007.4.05.8200 TARCIANA LUCENA NUNES CARVALHO (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0000560-57.2007.4.05.8200 GERALDO DA CUNHA FALCAO E OUTROS (Adv. DAVID SARMENTO CAMARA, LUCIANA RAQUEL FERREIRA DE FREITAS CAMARA) x IGOR PATRICK DE ASSIS ESTEVAM x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (Adv. ELIANA SILVA DE ARAUJO)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0000733-18.2006.4.05.8200 ZENAURA TEIXEIRA DE VASCONCELOS E OUTROS (Adv. GERMANA CAMURÇA MORAES, GILSON DE BRITO LIRA) x MARIA DE LOURDES DE ALMEIDA FIALHO x UNIÃO FEDERAL (MINISTÉRIO DA DEFESA - EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. SALESIA DE MEDEIROS WANDERLEY)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0007684-91.2007.4.05.8200 JOSELIA MOURA DE ARAÚJO E OUTROS (Adv. THIAGO CAMINHA PESSOA DA COSTA, ANÉZIA MARIA NOGUEIRA CAMPOS BEZERRA, MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0008335-26.2007.4.05.8200 WELLINGTON DE ALENCAR MADRUGA E OUTROS (Adv. MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES, ANÉZIA MARIA NOGUEIRA CAMPOS BEZERRA, THIAGO CAMINHA PESSOA DA COSTA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0008519-79.2007.4.05.8200 JOSÉ ALEIXO DUARTE (Adv. FABIANO BARCIA DE ANDRADE) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0008799-50.2007.4.05.8200 ELANE CRISTINA MARTINS CORREIA E OUTRO (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x JOSÉ DE LUNA FREIRE x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0009235-09.2007.4.05.8200 UNIÃO (MINISTÉRIO DA SAÚDE NA PARAÍBA) (Adv. SEM PROCURADOR) x IVANIRA MODESTO DE BRITO E OUTROS (Adv. KARINA PALOVA VILLAR MAIA, IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0009639-65.2004.4.05.8200 HERMENGARDA CHIANCA SOARES E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO)

Ao(s) autor(es) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995).

   

0012855-97.2005.4.05.8200 LADJANE PASCOAL GOMES DE OLIVEIRA (Adv. LADJANE PASCOAL GOMES DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0008393-97.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO, THAISE PINTO UCHOA DE ARAUJO) x ANTONIO DA SILVA GOMES E OUTRO (Adv. JOSE ALBERTO EVARISTO DA SILVA, ODIMAR GUILHERME FERREIRA, ROBERTO LUIZ DE OLIVEIRA)

Autos com vista ao(à)(s) autora/exeqüente (Caixa Econômica Federal-CEF) sobre as Certidões do Oficial de Justiça de fls. 171 e 172, verso, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0009541-46.2005.4.05.8200 JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR (Adv. JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR) x JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR (Adv. JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SINEIDE A CORREIA LIMA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SINEIDE A CORREIA LIMA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0009675-44.2003.4.05.8200 LINS SERVICOS POSTAIS LTDA (Adv. EDILVAN MEDEIROS MARQUES, NELSON DE OLIVEIRA SOARES, MARIA CECILIA MARQUES MARTORELLI) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS)

Autos com vista ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 30

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 46

TOTAL DE DECISÃO: 2

TOTAL DE DESPACHO: 33

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.