Publicado no Diário da Justiça de 21/10/2008

 

Boletim 2008.000071 - 2 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADEILTON HILARIO 0006485-83.1997.4.05.8200

ADEILTON HILARIO JUNIOR 0002868-66.2007.4.05.8200 0005934-06.1997.4.05.8200 0006485-83.1997.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0005029-15.2008.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0014887-75.2005.4.05.8200

ALTAMIRO CORREIA DE MORAES NETO 0001844-66.2008.4.05.8200

ALUIZIO JOSE SARMENTO LIMA SILVA 0008925-08.2004.4.05.8200

ANA HELENA CAVALCANTI PORTELA 0008116-86.2002.4.05.8200

ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL 0004642-05.2005.4.05.8200 0006146-41.2008.4.05.8200

ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001935-16.1995.4.05.8200 0007569-27.1994.4.05.8200 0008116-86.2002.4.05.8200 0010380-03.2007.4.05.8200

ANTONIO CARLOS SIMOES FERREIRA 0005099-08.2003.4.05.8200

ANTONIO DE PADUA MOREIRA DE OLIVEIRA 0006783-94.2005.4.05.8200

ANTONIO MARCOS ALMEIDA 0001935-16.1995.4.05.8200 0005099-08.2003.4.05.8200 0006485-83.1997.4.05.8200

ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR 0004642-05.2005.4.05.8200 0006146-41.2008.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0004011-27.2006.4.05.8200

BERILO RAMOS BORBA 0005124-84.2004.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0002374-17.2001.4.05.8200 0009683-79.2007.4.05.8200

CICERO GUEDES RODRIGUES 0001309-26.1997.4.05.8200 0010972-47.2007.4.05.8200

CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO 0001935-16.1995.4.05.8200 0010380-03.2007.4.05.8200

CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO 0000327-65.2004.4.05.8200 0007969-89.2004.4.05.8200 0009145-69.2005.4.05.8200 0009662-26.1995.4.05.8200

DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO 0010757-71.2007.4.05.8200

DARIO DUTRA SATIRO FERNANDES 0002374-17.2001.4.05.8200 0005029-88.2003.4.05.8200

DEMETRIUS ALMEIDA LEAO 0011453-54.2000.4.05.8200

DEMOSTENES PESSOA MAMEDE DA COSTA 0008057-59.2006.4.05.8200

DEORGE ARAGAO DE ALMEIDA 0003026-24.2007.4.05.8200

DIOCLECIO DE OLIVEIRA BARBOSA 0003301-51.1999.4.05.8200

DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA 0000528-28.2002.4.05.8200

DJANIO ANTONIO OLIVEIRA DIAS 0014887-75.2005.4.05.8200

DOMINGOS TENORIO CAMBOIM 0004011-27.2006.4.05.8200

EDILZA BATISTA SOARES 0008136-04.2007.4.05.8200

EDITE LOPES DE LIMA 0005495-82.2003.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0005934-06.1997.4.05.8200 0008311-95.2007.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200

ELIZEU DANTAS SIMOES FERREIRA 0005099-08.2003.4.05.8200

EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL 0002609-71.2007.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0005934-06.1997.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200

FABIANO BARCIA DE ANDRADE 0003392-63.2007.4.05.8200

FABIO GEORGE CRUZ DA NOBREGA 0002113-13.2005.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0002141-83.2002.4.05.8200 0004802-93.2006.4.05.8200 0005426-45.2006.4.05.8200 0006485-83.1997.4.05.8200 0007582-69.2007.4.05.8200 0010757-71.2007.4.05.8200

FELIPE MENDONÇA VICENTE 0001844-66.2008.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0002868-66.2007.4.05.8200 0008311-95.2007.4.05.8200

FERNANDA FLORENCIO LINS 0013708-47.2003.4.05.8210

FERNANDO ALMEIDA DE AGUIAR 0001541-96.2001.4.05.8200 0001543-66.2001.4.05.8200

FLAMINIO JEFFERSON DOS SANTOS 0000506-67.2002.4.05.8200

FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA 0002475-35.1993.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0001547-93.2007.4.05.8200 0003026-24.2007.4.05.8200 0005719-44.2008.4.05.8200

FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS 0001935-16.1995.4.05.8200 0008116-86.2002.4.05.8200

GEOGERVANA WALESKA LUCENA ARAÚJO GUERRA 0000253-55.1997.4.05.8200

GEORGEVANA WALESKA LUCENA ARAUJO GUERRA 0008136-04.2007.4.05.8200

GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA 0000253-55.1997.4.05.8200 0000603-43.1997.4.05.8200 0006485-83.1997.4.05.8200 0008136-04.2007.4.05.8200 0012606-59.1999.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0004462-81.2008.4.05.8200 0004590-04.2008.4.05.8200 0004735-60.2008.4.05.8200 0005029-15.2008.4.05.8200 0005044-81.2008.4.05.8200 0010715-22.2007.4.05.8200

GILVANDRO ASSIS NETO 0011453-54.2000.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0008311-95.2007.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200

GLAUCIO MANOEL DE LIMA BARBOSA 0002200-61.2008.4.05.8200

GRACIANE APOLONIO DA SILVA LUZ 0002200-61.2008.4.05.8200

GUILHERME MELO FERREIRA 0000528-28.2002.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0001309-26.1997.4.05.8200 0002075-93.2008.4.05.8200 0003124-58.1900.4.05.8200 0010770-22.1997.4.05.8200

GUSTAVO OLIVEIRA PEREIRA DE MELO 0011453-54.2000.4.05.8200

HEITOR CABRAL DA SILVA 0001309-26.1997.4.05.8200 0005701-96.2003.4.05.8200 0009750-83.2003.4.05.8200 0010972-47.2007.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0002374-17.2001.4.05.8200 0009683-79.2007.4.05.8200

IBER CAMARA DE OLIVEIRA 0008116-86.2002.4.05.8200

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001935-16.1995.4.05.8200 0007569-27.1994.4.05.8200 0008116-86.2002.4.05.8200 0010380-03.2007.4.05.8200

IVO DE LIMA BARBOZA 0002200-61.2008.4.05.8200

IZAIAS MARQUES FERREIRA 0003301-51.1999.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0000253-55.1997.4.05.8200 0001541-96.2001.4.05.8200 0001543-66.2001.4.05.8200 0001935-16.1995.4.05.8200 0012606-59.1999.4.05.8200

JAIR PESSOA DE ALBUQUERQUE E SILVA 0000506-67.2002.4.05.8200

JANE MARY DA COSTA LIMA 0001309-26.1997.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0008116-86.2002.4.05.8200

JOAO ALVES DA SILVA JUNIOR 0005029-88.2003.4.05.8200

JOAO PAULO DE JUSTINO E FIGUEIREDO 0008506-27.2000.4.05.8200

JOAQUIM CAVALCANTE DE ALENCAR 0011453-54.2000.4.05.8200

JOSE AMERICO BARBOSA 0001541-96.2001.4.05.8200 0001543-66.2001.4.05.8200

JOSE ARAUJO DE LIMA 0000253-55.1997.4.05.8200 0000603-43.1997.4.05.8200 0006485-83.1997.4.05.8200 0008136-04.2007.4.05.8200 0012606-59.1999.4.05.8200

JOSE ARAUJO FILHO 0002374-17.2001.4.05.8200 0007569-27.1994.4.05.8200

JOSE CAMARA DE OLIVEIRA 0001935-16.1995.4.05.8200 0002609-71.2007.4.05.8200 0007569-27.1994.4.05.8200 0008116-86.2002.4.05.8200

JOSE DIONIZIO DE OLIVEIRA 0010469-26.2007.4.05.8200

JOSE MARTINS DA SILVA 0001935-16.1995.4.05.8200 0003124-58.1900.4.05.8200 0007569-27.1994.4.05.8200 0008116-86.2002.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0005934-06.1997.4.05.8200 0008311-95.2007.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0000603-43.1997.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0007569-27.1994.4.05.8200

JOSEFA INES DE SOUZA 0002475-35.1993.4.05.8200

JOSÉ ALFREDO DE FREITAS 0006146-41.2008.4.05.8200

JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS 0005934-06.1997.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0001935-16.1995.4.05.8200 0003124-58.1900.4.05.8200 0007569-27.1994.4.05.8200 0008116-86.2002.4.05.8200 0010380-03.2007.4.05.8200

JUSCELINO MALTA LAUDARES 0001309-26.1997.4.05.8200

KADMO WANDERLEY NUNES 0003030-27.2008.4.05.8200

KARLA SUIANY DE ALMEIDA MANGUEIRA GUEDES 0003026-24.2007.4.05.8200

KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA 0002609-71.2007.4.05.8200

KLEBERT MARQUES DE FRANCA 0001547-93.2007.4.05.8200 0005426-45.2006.4.05.8200

LAVOISIER NUNES DE CASTRO 0006025-13.2008.4.05.8200

LEONIDAS LIMA BEZERRA 0002075-93.2008.4.05.8200 0002141-83.2002.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0002374-17.2001.4.05.8200 0009683-79.2007.4.05.8200

LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR 0001541-96.2001.4.05.8200 0001543-66.2001.4.05.8200 0011453-54.2000.4.05.8200

LEOPOLDO WAGNER ANDRADE DA SILVEIRA 0000327-65.2004.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0002374-17.2001.4.05.8200 0009683-79.2007.4.05.8200

LUIZ DE MARILLAC TOSCANO DA SILVA 0010770-22.1997.4.05.8200

MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO 0006146-41.2008.4.05.8200

MANUEL DE BARROS BARBOSA FILHO 0003014-73.2008.4.05.8200 0009662-26.1995.4.05.8200

MARCIO PIQUET DA CRUZ 0000506-67.2002.4.05.8200

MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF) 0009662-26.1995.4.05.8200 0012606-59.1999.4.05.8200

MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS 0003301-51.1999.4.05.8200

MARCOS LUIZ RIBEIRO DE BARROS 0006783-94.2005.4.05.8200

MARCOS MAURICIO F. LACET 0008925-08.2004.4.05.8200

MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES 0011453-54.2000.4.05.8200

MARIA DAS GRAÇAS PESSOA LIMA 0007969-89.2004.4.05.8200

MARIA DE FATIMA DE SA FONTES 0008116-86.2002.4.05.8200

MARIA DO ROSARIO MADRUGA DE QUEIROZ 0008506-27.2000.4.05.8200

MARIA ESTELA CUNHA DE CASTRO 0006025-13.2008.4.05.8200

MARIA LUCIA BARBOSA DE OLIVEIRA 0005495-82.2003.4.05.8200

MARILENE DE SOUZA LIMA 0001309-26.1997.4.05.8200

MARIO ROBERTO BARROS DE OLIVEIRA 0002287-85.2006.4.05.8200

MARISE CORREIA DE OLIVEIRA 0011453-54.2000.4.05.8200

MARTINHO FAUSTINO XAVIER JUNIOR 0003026-24.2007.4.05.8200

MARTSUNG F. C. DE ALENCAR 0011453-54.2000.4.05.8200

MYLLENA F. C. R. ALENCAR 0011453-54.2000.4.05.8200

NELSON CALISTO DOS SANTOS 0008506-27.2000.4.05.8200

NEMESIO ALMEIDA SOARES JUNIOR 0005701-96.2003.4.05.8200

NORTHON GUIMARÃES GUERRA 0000253-55.1997.4.05.8200 0000603-43.1997.4.05.8200 0008136-04.2007.4.05.8200 0012606-59.1999.4.05.8200

NUBIA ATHENAS SANTOS ARNAUD 0011453-54.2000.4.05.8200

OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA 0000528-28.2002.4.05.8200

PATRICIA PAIVA DA SILVA 0001935-16.1995.4.05.8200

PATRICIA SARMENTO ROLIM 0011453-54.2000.4.05.8200

PAULO ANTONIO MAIA E SILVA 0007691-83.2007.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0004590-04.2008.4.05.8200 0004735-60.2008.4.05.8200 0005029-15.2008.4.05.8200 0005044-81.2008.4.05.8200 0007691-83.2007.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA 0010715-22.2007.4.05.8200

RAISSA PONTES FRAGOSO DE MORAES 0004802-93.2006.4.05.8200

RENE PRIMO DE ARAUJO 0002475-35.1993.4.05.8200 0003124-58.1900.4.05.8200

RICARDO BERILO BEZERRA BORBA 0005124-84.2004.4.05.8200

RICARDO POLLASTRINI 0000253-55.1997.4.05.8200 0001935-16.1995.4.05.8200 0005099-08.2003.4.05.8200 0005701-96.2003.4.05.8200

RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0010757-71.2007.4.05.8200

RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ 0010380-03.2007.4.05.8200

ROBERTA MONTENEGRO OLIVEIRA TEIXEIRA DE PAIVA 0010469-26.2007.4.05.8200

SALVADOR CONGENTINO NETO 0003301-51.1999.4.05.8200

SANCHA MARIA F.C R. ALENCAR 0011453-54.2000.4.05.8200

SAORJEAN LUCENA ARAUJO DE LIMA 0012606-59.1999.4.05.8200

SAORSHIAM LUCENA ARAUJO 0000253-55.1997.4.05.8200 0012606-59.1999.4.05.8200

SAORSHIAN LUCENA ARAUJO 0008136-04.2007.4.05.8200

SARA CAVALCANTI DE OLIVEIRA 0003030-27.2008.4.05.8200

SELENITA ALENCAR P. DE MORAES 0011453-54.2000.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000327-65.2004.4.05.8200 0001844-66.2008.4.05.8200 0002113-13.2005.4.05.8200 0003030-27.2008.4.05.8200 0004642-05.2005.4.05.8200 0004802-93.2006.4.05.8200 0005124-84.2004.4.05.8200 0005719-44.2008.4.05.8200 0006025-13.2008.4.05.8200 0006146-41.2008.4.05.8200 0006783-94.2005.4.05.8200 0007582-69.2007.4.05.8200 0007691-83.2007.4.05.8200 0008057-59.2006.4.05.8200 0008136-04.2007.4.05.8200 0009145-69.2005.4.05.8200 0009683-79.2007.4.05.8200 0009750-83.2003.4.05.8200 0010757-71.2007.4.05.8200 0010972-47.2007.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0002200-61.2008.4.05.8200 0002287-85.2006.4.05.8200 0002868-66.2007.4.05.8200 0003014-73.2008.4.05.8200 0003392-63.2007.4.05.8200 0004462-81.2008.4.05.8200 0004735-60.2008.4.05.8200 0008311-95.2007.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200 0008925-08.2004.4.05.8200 0010380-03.2007.4.05.8200 0010469-26.2007.4.05.8200 0010715-22.2007.4.05.8200 0013708-47.2003.4.05.8210

SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ 0005934-06.1997.4.05.8200

SERGIO FALCAO 0003301-51.1999.4.05.8200

SINEIDE A CORREIA LIMA 0005495-82.2003.4.05.8200

SULPICIO MOREIRA PIMENTEL NETO 0000506-67.2002.4.05.8200

THIAGO TORRES DE ARAUJO 0001844-66.2008.4.05.8200

VALBERTO ALVES DE A FILHO 0010757-71.2007.4.05.8200

VALTER DE MELO 0002374-17.2001.4.05.8200 0009683-79.2007.4.05.8200

VANESSA ARAUJO DE MEDEIROS 0007691-83.2007.4.05.8200

VERA LUCIA DE LIMA SOUZA 0010469-26.2007.4.05.8200

VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS 0001309-26.1997.4.05.8200 0010972-47.2007.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0004462-81.2008.4.05.8200 0004590-04.2008.4.05.8200 0004735-60.2008.4.05.8200 0005029-15.2008.4.05.8200 0005044-81.2008.4.05.8200 0010715-22.2007.4.05.8200

VINA LUCIA C. RIBEIRO 0003030-27.2008.4.05.8200

VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR 0010757-71.2007.4.05.8200

WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA 0000327-65.2004.4.05.8200 0007969-89.2004.4.05.8200 0009145-69.2005.4.05.8200 0009662-26.1995.4.05.8200

WLADIMIR ALCIBIADES M FALCAO CUNHA 0006485-83.1997.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002868-66.2007.4.05.8200 0008311-95.2007.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200

YARA GADELHA BELO DE BRITO 0004462-81.2008.4.05.8200 0004590-04.2008.4.05.8200 0004735-60.2008.4.05.8200 0005029-15.2008.4.05.8200 0005044-81.2008.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002868-66.2007.4.05.8200 0005934-06.1997.4.05.8200 0008311-95.2007.4.05.8200 0008509-35.2007.4.05.8200

YVES PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0005934-06.1997.4.05.8200

 

Juiz Federal ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE

Diretor de Secretaria: REINALDO DE ARAUJO PAIVA

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0000327-65.2004.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO) x RIOCAR AUTOMOTORES, PECAS E SERVICOS LTDA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO, LEOPOLDO WAGNER ANDRADE DA SILVEIRA, LEOPOLDO WAGNER ANDRADE DA SILVEIRA)

... DIANTE DO EXPOSTO, mantenho a decisão agravada por seus fundamentos. Aguarde-se decisão liminar no Agravo. Publique-se. João Pessoa,...

   

0005124-84.2004.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO BERILO BEZERRA BORBA, BERILO RAMOS BORBA) x JACQUE ALBUQUERQUE DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

Isto Posto, intime-se a CAIXA para, em 10 (dez) dias, fornecer o endereço atualizado do Réu JACQUE ALBUQUERQUE DA SILVA. Após, renove-se a citação do referido Réu no endereço fornecido pela CAIXA. Publique-se. João Pessoa, ...

   

0009145-69.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO) x DULCEMAR SOARES AZEVEDO DO AMARAL E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

Isto Posto, intime-se a CAIXA para, em 10 (dez) dias, fornecer o endereço atualizado dos Réus DULCEMAR SOARES AZEVEDO DO AMARAL e HÉLIO CAMPOS DO AMARAL ou requerer o que entender de direito com vistas ao prosseguimento da presente ação. Publique-se. João Pessoa,...

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0002868-66.2007.4.05.8200 IRACEMA OURIQUES DE VASCONCELOS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, ADEILTON HILARIO JUNIOR, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.2868-3, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: IRACEMA OURIQUES DE VASCONCELOS ADVOGADOS: JOSÉ RAMOS DA SILVA, YURI PORFÍRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, ADEÍLTON HILÁRIO JÚNIOR, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, EDVAN CARNEIRO DA SILVA E YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE RÉ: UNIÃO PROCURADOR: ALMIRO VIEIRA CARNEIRO S E N T E N Ç A1 No despacho que proferi às fls. 172/176, rejeitei a argüição de inépcia da petição inicial suscitada pela União, na contestação, e determinei a intimação da Autora para apresentar cópia do acórdão nº 2.465/2004/TCU e das fichas financeiras do instituidor da pensão por ela titularizada, nos cinco anos anteriores ao seu óbito, nos seguintes termos: "Proferi decisão indeferindo o pedido de antecipação da tutela, nos seguintes termos (fls. 129/131): "Cuida-se de Ação Ordinária movida por Iracema Ouriques de Vasconcelos em face da União, com pedido de antecipação da tutela visando à implantação nos proventos de pensão titularizada pela Autora e instituída por José Domingues Filho, ex-servidor público do Ministério da Saúde, de vantagem relativa ao Plano de Classificação de Cargos e Salários - PCCS, intitulada "Adiantamento Pecuniário", e ao pagamento das diferenças respectivas. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 12/56). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro o pedido de gratuidade judiciária (Lei nº 1.060, de 1950). O artigo 5º da Lei nº 4.348, de 1964, e artigo 1º, § 4º, da Lei 5.021, de 1966, proíbem a concessão de medida liminar, em mandado de segurança, que implique o pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias a servidores públicos.O artigo 1º da Lei nº 9.494, de 19972, fazendo referência ao artigo 5º da Lei nº 4.348, de 1964, e artigo 1º da Lei nº 5.021, de 1966, veda a concessão de antecipação da tutela quando o provimento judicial acarreta a reclassificação, equiparação, concessão de aumento ou extensão de vantagens, pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias relativamente a servidores públicos, conjugando-se o que decidido pelo Supremo Tribunal Federal na ADC nº 43, em caráter vinculante. ISTO POSTO, em face da vedação legal e judicial reportada, indefiro o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Cite-se. João Pessoa, 09 AG0 2007." A Autora apresentou cópia de Agravo de Instrumento interposto ao TRF-5ª Região contra a decisão que indeferiu o pedido de antecipação da tutela (fls. 136/144). O Exmº Juiz Federal Substituto da 2ª Vara, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, proferiu despacho mantendo a decisão agravada (fls. 146/148). A União apresentou contestação afirmando o seguinte (fls.151/158): 1) Inépcia da petição inicial, sob o fundamento de que o pedido formulado pela Autora é genérico, sem enumeração das verbas reclamadas e valores. 2) No mérito, não houve supressão de qualquer parcela ou gratificação da Autora e pode a Administração Pública reduzir ou extinguir gratificações salariais, desde que observado o princípio constitucional da irredutibilidade de vencimentos, e inexiste direito adquirido a regime jurídico de servidor público. A Autora impugnou a contestação reiterando os termos da petição inicial (fls. 163/166). É o relatório. Decido. Da alegação de inépcia da petição inicial: Na contestação, a União suscitou a inépcia da petição inicial, enfocando que o pedido formulado pela Autora é genérico, sem enumeração das verbas reclamadas e valores. A petição inicial narra que a Autora é pensionista de José Domingues Filho, que era médico lotado no Ministério da Saúde, falecido em 02.05.1996, e percebe os proventos da pensão sem a vantagem referente ao adiantamento do PCCS, em face de determinação do Tribunal de Contas da União, embora o instituidor a recebesse há mais de cinco anos, por força de decisão transitada em julgado proferida nos autos da Reclamação Trabalhista nº 1.376/89, em tramitação na 4ª Vara do Trabalho de João Pessoa, movida pelo Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no Estado da Paraíba contra o antigo INAMPS. Sustenta a existência do direito adquirido e da decadência prevista no artigo 54 da Lei nº 9.784, de 1999, e conclui com a seguinte pretensão (fls. 04/05): "10.6 - que, no final, seja julgado procedente o pedido, para o fim de pagar a diferença cobrada e implantar os novos valores da verba reclamada; ou confirmar o pagamento e/ou a implantação feita antecipadamente, se concedida a tutela;"(grifei) A inépcia da petição inicial ocorre quando Ihe faltar pedido ou causa de pedir; da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; o pedido for juridicamente impossível; contiver pedidos incompatíveis entre si (artigo 295 do CPC4). Nenhuma destas situações ocorre no caso dos autos e, desse modo, rejeito a assertiva de inépcia da petição inicial. Da instrução processual: Observo que a petição inicial não veio instruída com cópia do acórdão nº 2.465/2004 proferido pelo Tribunal de Contas da União, que teria considerado ilegal o pagamento da parcela do PCCS de forma destacada nos proventos de pensão, e nem das fichas financeiras do instituidor da pensão antes do óbito. ISTO POSTO, intime-se a Autora para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar cópia do acórdão nº 2.465/2004/TCU e das fichas financeiras do instituidor da pensão por ela titularizada, nos cinco anos anteriores ao seu óbito (artigo 333, inciso I, do CPC5). João Pessoa, 30 ABR 2008." A Autora apresentou cópia do acórdão nº 2.465/2004/TCU e as fichas financeiras (fls. 179/204). Com vista, a União manifestou ciência dos documentos (fls. 209). É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fls. 10/11): "10.5 - que, em sede de tutela antecipada, determine o pagamento da diferença remuneratória pleiteada e a implantação da verba na sua folha de pagamento; 10.6 - que, no final, seja julgado procedente o pedido, para o fim de pagar a diferença cobrada e implantar os novos valores da verba reclamada; ou confirmar o pagamento e/ou a implantação feita antecipadamente, se concedida a tutela;" (grifei) A Autora percebe pensão desde janeiro de 20056, instituída em face do óbito do ex-companheiro e ex-servidor público federal, José Domingues Filho, que era médico aposentado junto ao Ministério da Saúde, falecido em 02.05.1996 (fls. 198/199). Em vida, o referido servidor público percebia a vantagem intitulada "adiantamento pecuniário do PCCS"7, por força de sentença transitada em julgado8 proferida nos autos da Reclamação Trabalhista nº 1.376/89, em tramitação na 4ª Vara do Trabalho de João Pessoa, movida pelo Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social no Estado da Paraíba contra o antigo INAMPS (cf. cópia da sentença e acórdãos do Tribunal Regional da 13ª Região e Tribunal Superior do Trabalho, fls. 27/55, e comprovantes de rendimentos de 184/197). Desde o início do pagamento da pensão, em janeiro de 2005, a Autora não percebe a vantagem "adiantamento pecuniário do PCCS", em razão do que decidido pelo Tribunal de Contas da União no acórdão nº 2.465, proferido em 02.12.2004, que considerou ilegal o pagamento daquela vantagem de forma destacada nos proventos de pensão de pensionistas junto ao Ministério da Saúde na Paraíba que estavam em situação equivalente à da Autora (fls. 16/26 e 180/183). Este foi fundamento adotado pelo Ministério da Saúde ao indeferir o requerimento formulado pela Autora de pagamento da vantagem (cf. Carta nº 010/RH/DICON/NEMS-PB, de 15.02.2007, e anexos, fls. 16/26). Vê-se que o acórdão do TCU que determinou a supressão do pagamento da vantagem aos pensionistas que a vinham percebendo e que serviu de base ao Ministério da Saúde para indeferir o pagamento da vantagem à Autora, desconsiderou os efeitos da coisa julgada9 (artigo 5º, inciso XXXVI, da Constituição Federal de 1988) no que diz respeito ao direito reconhecido judicialmente ao ex-servidor público, quando vivo e posteriormente instituidor da pensão titularizada pela Autora. ISTO POSTO, julgo procedente o pedido e determino à União que proceda à implantação nos proventos da pensão titularizada pela Autora da vantagem intitulada "adiantamento pecuniário do PCCS" e ao pagamento dos valores retroativos da vantagem desde janeiro de 2005, devidamente corrigidos e acrescidos de juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação. Condeno a União ao pagamento em favor da Autora de honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação (artigo 20 do CPC). Sem condenação em custas processuais, à míngua de adiantamento, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Oficie-se ao Exmº Relator do Agravo de Instrumento interposto pela Autora. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC10). João Pessoa, 7 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2Art. 1º Aplica-se à tutela antecipada prevista no art. 273 e 461 do Código de Processo Civil, o disposto nos artigos 5º e seu parágrafo único e 7º da Lei nº 4.348, de 26 de junho de 1964, no artigo 1º e seu parágrafo da Lei nº 5.021, de 9 de junho de 1966, e nos artigos 1º, 3º da Lei nº 8.437, de 30 de junho de 1992. Lei nº 4.348/64: Art. 5º. Não será concedida a medida liminar de mandados de segurança impetrados visando à reclassificação ou equiparação de servidores públicos, ou à concessão de aumento ou extensão de vantagens. Parágrafo único. Os mandados de segurança a que se refere este artigo serão executados depois de transitada em julgado a respectiva sentença. (...) Art. 7º O recurso voluntário ou 'ex officio', interposto de decisão concessiva de mandado de segurança que importe outorga ou adição de vencimentos ou ainda reclassificação funcional, terá efeito suspensivo. (grifei) Lei 5.021/66: Art. 1º O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias asseguradas, em sentença concessiva de mandado de segurança, a servidor público federal, da administração direta ou autárquica, e a servidor público estadual e municipal, somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial. § 4º. Não se concederá medida liminar para efeito de pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias. Lei nº 8.437/92: Art. 1º Não será cabível medida liminar contra atos do Poder Público, no procedimento cautelar ou em quaisquer outras ações de natureza cautelar ou preventiva, toda vez que providência semelhante não puder ser concedida em ações de mandado de segurança, em virtude de vedação legal. § 1º Não será cabível, no juízo de primeiro grau, medida cautelar inominada ou a sua liminar, quando impugnado ato de autoridade sujeita, na via de mandado de segurança, à competência originária de tribunal. § 2º O disposto no parágrafo anterior não se aplica aos processos de ação popular e de ação civil pública. § 3º Não será cabível medida liminar que esgote, no todo ou em qualquer parte, o objeto da ação. Art. 3º. O recurso voluntário ou ex officio, interposto contra sentença em processo cautelar, proferida contra pessoa jurídica de direito público ou seus agentes, que importe em outorga ou adição de vencimentos ou de reclassificação funcional, terá efeito suspensivo. 3 "EMENTA: AÇÃO DIRETA DE CONSTITUCIONALIDADE DO ART. 1º DA LEI N 9.494, DE 10.09.1997, QUE DISCIPLINA A APLICAÇÃO DA TUTELA ANTECIPADA CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. MEDIDA CAUTELAR: CABIMENTO E ESPÉCIE, NA A.D.C. REQUISITOS PARA SUA CONCESSÃO. 1. Dispõe o art. 1º da Lei nº 9.494, da 10.09.1997: "Art. 1º . Aplica-se à tutela antecipada prevista nos arts. 273 e 461 do Código de Processo Civil, o disposto nos arts 5º e seu parágrafo único e art. 7º da Lei nº 4.348, de 26 de junho de 1964, no art. 1º e seu § 4º da Lei nº 5.021, de 09 de junho de 1966, e nos arts. 1º , 3º e 4º da Lei nº 8.437, de 30 de junho de 1992." 2. Algumas instâncias ordinárias da Justiça Federal têm deferido tutela antecipada contra a Fazenda Pública, argumentando com a inconstitucionalidade de tal norma. Outras instâncias igualmente ordinárias e até uma Superior - o S.T.J. - a têm indeferido, reputando constitucional o dispositivo em questão. 3. Diante desse quadro, é admissível Ação Direta de Constitucionalidade, de que trata a 2ª parte do inciso I do art. 102 da C.F., para que o Supremo Tribunal Federal dirima a controvérsia sobre a questão prejudicial constitucional. Precedente: A.D.C. n 1. Art. 265, IV, do Código de Processo Civil. 4. As decisões definitivas de mérito, proferidas pelo Supremo Tribunal Federal, nas Ações Declaratórias de Constitucionalidade de lei ou ato normativo federal, produzem eficácia contra todos e até efeito vinculante, relativamente aos demais órgãos do Poder Judiciário e ao Poder Executivo, nos termos do art. 102, § 2º , da C.F. 5. Em Ação dessa natureza, pode a Corte conceder medida cautelar que assegure, temporariamente, tal força e eficácia à futura decisão de mérito. E assim é, mesmo sem expressa previsão constitucional de medida cautelar na A.D.C., pois o poder de acautelar é imanente ao de julgar. Precedente do S.T.F.: RTJ-76/342. 6. Há plausibilidade jurídica na argüição de constitucionalidade, constante da inicial ("fumus boni iuris"). Precedente: ADIMC - 1.576-1. 7. Está igualmente atendido o requisito do "periculum in mora", em face da alta conveniência da Administração Pública, pressionada por liminares que, apesar do disposto na norma impugnada, determinam a incorporação imediata de acréscimos de vencimentos, na folha de pagamento de grande número de servidores e até o pagamento imediato de diferenças atrasadas. E tudo sem o precatório exigido pelo art. 100 da Constituição Federal, e, ainda, sob as ameaças noticiadas na inicial e demonstradas com os documentos que a instruíram. 8. Medida cautelar deferida, em parte, por maioria de votos, para se suspender, "ex nunc", e com efeito vinculante, até o julgamento final da ação, a concessão de tutela antecipada contra a Fazenda Pública, que tenha por pressuposto a constitucionalidade ou inconstitucionalidade do art. 1º da Lei nº 9.494, de 10.09.97, sustando-se, igualmente "ex nunc", os efeitos futuros das decisões já proferidas, nesse sentido." (grifei) 4 Art. 295. A petição inicial será indeferida: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) I - quando for inepta; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) II - quando a parte for manifestamente ilegítima; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) III - quando o autor carecer de interesse processual; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) IV - quando o juiz verificar, desde logo, a decadência ou a prescrição (art. 219, § 5o); (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) V - quando o tipo de procedimento, escolhido pelo autor, não corresponder à natureza da causa, ou ao valor da ação; caso em que só não será indeferida, se puder adaptar-se ao tipo de procedimento legal; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) Vl - quando não atendidas as prescrições dos arts. 39, parágrafo único, primeira parte, e 284. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) Parágrafo único. Considera-se inepta a petição inicial quando: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) I - Ihe faltar pedido ou causa de pedir; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) II - da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) III - o pedido for juridicamente impossível; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) IV - contiver pedidos incompatíveis entre si. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1973) 5 Art. 333. O ônus da prova incumbe: I - ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito; II - ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Parágrafo único. É nula a convenção que distribui de maneira diversa o ônus da prova quando: I - recair sobre direito indisponível da parte; II - tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito. 6 Atualmente, a Autora é a única titular da pensão, a qual fora paga à viúva do ex-servidor, Laura Bastos Carvalho, que faleceu em 04.05.1998, e que até o óbito percebia a vantagem "adiantamento pecuniário do PCCS" (fls. 21/22). 7 Em abril de 1996, no mês que antecedeu ao óbito do servidor, o valor da vantagem pago correspondia a R$ 1.683,50. 8 O trânsito em julgado ocorreu em 14.06.1994 (fls. 56) e observo que foi julgada improcedente ação rescisória ajuizada pela União, conforme acórdão prolatado pelo TST em recurso ordinário em 23.09.2003 (fls. 40/50). 9"EMENTA: CONSTITUCIONAL. SERVIDOR PÚBLICO. VANTAGEM DEFERIDA POR SENTENÇA JUDICIAL TRANSITADA EM JULGADO. TRIBUNAL DE CONTAS: DETERMINAÇÃO NO SENTIDO DA EXCLUSÃO DA VANTAGEM. COISA JULGADA: OFENSA. CF, ART. 5º, XXXVI. I. - Vantagem pecuniária incorporada aos proventos de aposentadoria de servidor público, por força de decisão judicial transitada em julgado: não pode o Tribunal de Contas, em caso assim, determinar a supressão de tal vantagem, por isso que a situação jurídica coberta pela coisa julgada somente pode ser modificada pela via da ação rescisória. II. - Precedentes do Supremo Tribunal Federal. III. - Mandado de segurança deferido." (MS nº 25460-DF, Relator Ministro Carlos Velloso, Pleno do STF, DJU de 10.02.2006, p. 6) (grifei) 10 Art. 475. Está sujeita ao duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmada pelo tribunal, a sentença: (Redação dada pela Lei nº 10.352, de 2001) I - proferida contra a União, o Estado, o Distrito Federal, o Município, e as respectivas autarquias e fundações de direito público; (Redação dada pela Lei nº 10.352, de 2001) II - que julgar procedentes, no todo ou em parte, os embargos à execução de dívida ativa da Fazenda Pública (art. 585, VI). (Redação dada pela Lei nº 10.352, de 2001) § 1o Nos casos previstos neste artigo, o juiz ordenará a remessa dos autos ao tribunal, haja ou não apelação; não o fazendo, deverá o presidente do tribunal avocá-los. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 2001) § 2o Não se aplica o disposto neste artigo sempre que a condenação, ou o direito controvertido, for de valor certo não excedente a 60 (sessenta) salários mínimos, bem como no caso de procedência dos embargos do devedor na execução de dívida ativa do mesmo valor. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 2001) § 3o Também não se aplica o disposto neste artigo quando a sentença estiver fundada em jurisprudência do plenário do Supremo Tribunal Federal ou em súmula deste Tribunal ou do tribunal superior competente. (Incluído pela Lei nº 10.352, de 2001) ?? ?? ?? ?? 1 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL

   

0003392-63.2007.4.05.8200 EMANUEL LOPES LOUREIRO (Adv. FABIANO BARCIA DE ANDRADE) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (Adv. SEM PROCURADOR)

Citado, o DNOCS não contestou. Lide indisponível (art. 320, II1, c/c art. 3512 do CPC). Intime-se o agravado para se manifestar acerca do Agravo Retido interposto pelo DNOCS (artigos 522 e 523 do CPC)3. P. 1 Art. 320. A revelia não induz, contudo, o efeito mencionado no artigo antecedente: I - se, havendo pluralidade de réus, algum deles contestar a ação; II - se o litígio versar sobre direitos indisponíveis; III - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público, que a lei considere indispensável à prova do ato. 2 Art. 351. Não vale como confissão a admissão, em juízo, de fatos relativos a direitos indisponíveis. 3 Art. 522. Das decisões interlocutórias caberá agravo, no prazo de 10 (dez) dias, retido nos autos ou por instrumento. Parágrafo único. O agravo retido independe de preparo. Art. 523. Na modalidade de agravo retido o agravante requererá que o tribunal dele conheça, preliminarmente, por ocasião do julgamento da apelação. § 1o Não se conhecerá do agravo se a parte não requerer expressamente, nas razões ou na resposta da apelação, sua apreciação pelo Tribunal. § 2o Interposto o agravo, e ouvido o agravado no prazo de 10 (dez) dias, o juiz poderá reformar sua decisão. § 3o Das decisões interlocutórias proferidas em audiência admitir-se-á interposição do agravo retido, a constar do respectivo termo, expostas suscintamente as razões que justifiquem o pedido de nova decisão. § 4o Será retido o agravo das decisões proferidas na audiência de instrução e julgamento e das posteriores à sentença, salvo nos casos de dano de difícil e de incerta reparação, nos de inadmissão da apelação e nos relativos aos efeitos em que a apelação é recebida. ?? ?? ?? ??

   

0004011-27.2006.4.05.8200 MARIA LÚCIA REIS DE FIGUEIREDO, REP.P/ MARIA JOSÉ SILVA LOURENÇO (Adv. DOMINGOS TENORIO CAMBOIM) x UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA) x DELEGACIA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA/UNIÃO FEDERAL

PROCESSO Nº 2006.82.4011-3, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: MARIA LÚCIA REIS DE FIGUEIREDO, REPRESENTADA POR MARIA JOSÉ SILVA LOURENÇO ADVOGADO: DOMINGOS TENÓRIO CAMBOIM RÉ: UNIÃO PROCURADOR: FÁBIO LEITE DE FARIAS BRITO S E NT E N Ç A1 No despacho que proferi às fls. 242/244, rejeitei a assertiva de inépcia da petição inicial e de ausência de interesse de agir, delimitei a prescrição qüinqüenal e determinei o envio dos autos à Seção de Cálculos para informar acerca de eventual equiparação dos proventos da pensão titularizada pela Autora, com a remuneração do instituidor do benefício, se vivo estivesse, nos seguintes termos: "Determinei a intimação da Autora para apresentar a procuração outorgada ao advogado, nos seguintes termos (fls. 230/231): "Cuida-se de Ação Ordinária movida por Maria Lúcia Reis de Figueiredo, representada por Maria José Silva Lourenço, em face da União, visando ao pagamento da diferença de 50% dos proventos de pensão de que é titular a Autora, no período entre a instituição do benefício e a transferência para o órgão de origem do instituidor, bem como o pagamento integral da pensão. A Autora afirma o seguinte: 1) È titular de pensão instituída por José Caetano Figueiredo, ex-servidor do Ministério das Comunicações, falecido em 27.08.1990 e, desde então, percebe o benefício. 2) A pensão de natureza estatutária era paga pelo Ministério da Fazenda no percentual de 50% correspondente à remuneração percebida pelo instituidor, quando em dezembro de 1995 houve a transferência para o órgão de origem, o Ministério das Comunicações. Sustenta o direito à percepção da diferença, bem como o pagamento integral da pensão, que não vem sendo paga de acordo com a remuneração do instituidor, se estivesse vivo. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 06/19). A União apresentou contestação argüindo a inépcia da petição, à míngua de apresentação de documentos que demonstram a existência de parcelas atrasadas da pensão, falta de interesse de agir, por não ter havido prévia postulação na via administrativa, e prescrição qüinqüenal referentes às parcelas atrasadas de agosto de 1990 a dezembro de 1995. Sustentou que a pensão vem sendo paga nos termos da legislação de regência, no caso, o artigo 40, § 4º, da Constituição Federal de 1988, e a Lei nº 8.112, de 1990 (fls. 27/43). A Autora não impugnou a contestação (fls. 47). Em cumprimento ao despacho de fls. 48, a União apresentou as fichas financeiras da Autora desde a instituição da pensão e outros documentos referentes ao benefício (fls. 51/222). Com vista, a Autora requereu o envio dos autos à Seção de Cálculos para fins de apuração dos valores atrasados (fls. 227). É o relatório. Decido. Verifico que o Dr. Domingos Tenório Camboim, advogado que subscreve a petição inicial (fls. 05), bem como a petição de fls. 227, não está habilitado nos autos, uma vez que a procuração outorgada é em favor unicamente do Dr. Antônio Barbosa Filho (fls. 06). ISTO POSTO, intime-se a Autora para apresentação, no prazo de 10 (dez) dias, de procuração outorgada ao Dr. Domingos Tenório Camboim (artigos 13 e 37 do CPC2). João Pessoa, 21 MAR 2007." A Autora apresentou procuração outorgada ao Dr. Domingos Tenório Camboim (fls. 237/239). É o relatório. Decido. Da inépcia da petição inicial: Na contestação, a União suscitou a preliminar de inépcia da petição inicial, à míngua de instrução com documentos que demonstram a existência de parcelas atrasadas da pensão titularizada pela Autora. Na petição inicial, a Autora afirma que a pensão era paga pelo Ministério da Fazenda no percentual de 50% da remuneração do instituidor do benefício até dezembro de 1995, quando houve a transferência para o Ministério das Comunicações, órgão de origem do instituidor. É esta diferença de proventos que a Autora postula, além do pagamento correspondente à remuneração integral do instituidor, se vivo estivesse. Por sua vez, as fichas financeiras relativas à pensão foram apresentadas pela União às fls. 166/222, que é quem detém tais dados, em cumprimento ao despacho de fls. 48, de modo que eventual inépcia fora sanada no curso da instrução processual. Da ausência de interesse de agir: Na contestação, a União suscitou a falta de interesse de agir da Autora, por não ter havido prévia postulação na via administrativa. Em primeiro lugar, é dispensável a postulação na via administrativa ou mesmo o seu exaurimento como pressuposto à formulação de pretensão na esfera judicial, nos termos do artigo 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal de 1988, ao dispor que a lei não excluirá da apreciação do Judiciário lesão ou ameaça a direito. Em segundo lugar, a contestação, no mérito, se contrapôs à pretensão da Autora. Desse modo, rejeito a assertiva argüida pela União. Da prescrição qüinqüenal: No que concerne à prescrição qüinqüenal prevista no artigo 1º do Decreto nº 20.910, de 1932, ela abrange, no caso, as parcelas pecuniárias referentes à pensão anteriores a 14.06.2001, tendo em vista o ajuizamento da presente Ação Ordinária em 14.06.2006. ISTO POSTO, encaminhem-se os autos à Seção de Cálculos para informar se houve, ou não, a equiparação dos proventos da pensão titularizada pela Autora, com a remuneração do instituidor do benefício e ex-servidor público federal, José Caetano Figueiredo, se vivo estivesse, tomando como parâmetro as fichas financeiras de fls. 166/222. João Pessoa, 11 MAI 2007". (grifos no original) A Seção de Cálculos sugeriu a intimação da União para apresentar a remuneração do ex-servidor público federal instituidor da pensão titularizada pela Autora (fs. 242). Em cumprimento ao despacho de fls. 243, a União informou os valores que seriam percebidos pelo instituidor do benefício, se vivo estivesse (fls. 246/250). A Seção de Cálculos prestou informação (fls. 253). Com vista, não houve manifestação da Autora, ao passo que a União afirmou que "a autora vem recebendo os valores que lhe cabem na cota de 1/2 da pensão, no valor que seria devido se acaso o instituidor da pensão estivesse vivo, não restando, por conseguinte, valores a serem pagos pela União à autora" (fls. 259/267). Conclusos os autos em 01.08.2008, reassumi a jurisdição no feito em 01.09.2008, após o término das férias regulamentares. É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro o pedido de gratuidade judiciária requerida pela Autora à fls. 05 (Lei nº 1.060, de 1950). O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fls. 04/05): "D. ... condenar a UNIÃO FEDERAL (Ministério das Comunicações) e (Ministério da Fazenda), aos pagamentos das complementações devidas, à razão de 100% (cem por cento) da remuneração percebida em atividade pelo de cujus, no período compreendido entre a instituição do benefício da autora, até a transferência da pensão para o órgão de origem do servidor, como também, ao pagamento integral, a partir da mencionada transferência, do benefício previdenciário em questão, nos termos do art. 248, da Lei 8.112/90, valores esses acrescidos de correção monetária e dos índices relativos aos expurgos inflacionários, quais sejam: nos termos da legislação de regência (Súmula 43 e 148/STJ), e dos seguintes indexadores: IPC's de janeiro/89(42,7%); fev./89(10,14%); mar/(84,32%), abr./90(44,80%) e fev./91 (21,87%), além dos juros de mora de 6% (seis por cento) ao ano, a contar da citação (Súmula 204/STJ), acima aludidos, descontando-se eventuais quantias já pagas administrativamente do saldo devedor referente à pensão não integralizada, dos proventos pagos aos servidores da ativa ... (grifei) A Autora percebe a cota-parte de 50% da pensão estatutária instituída por José Caetano Figueiredo, ex-servidor do Ministério das Comunicações, ocupante do cargo de Motorista, pago por aquele Ministério desde setembro 1994, cabendo a outra cota-parte a Severina Fagundes Figueiredo, viúva do ex-servidor (cf. fichas financeiras de fls. 33 e 166/222). Afirma que o pagamento dos proventos da pensão não obedeceu à equivalência da remuneração do instituidor, o que estaria em desacordo com o artigo 215 da Lei nº 8.112, de 19903. Com base nos documentos do Ministério das Comunicações e fichas financeiras (fls. 166/222 e 247/250), bem como na informação da Seção de Cálculos (fls. 253), observo que a cota-parte da pensão percebida pela Autora corresponde a 100% (cem por cento) dos proventos do instituidor do benefício, de modo que os valores pagos da cota-parte pensão correspondem ao valor integral da remuneração do instituidor, se estivesse na ativa. Nesse sentido, improcede a pretensão da Autora de pagamento integral da pensão. ISTO POSTO, julgo improcedente o pedido. Sem condenação em honorários advocatícios: a) despesas são gênero, honorários espécie destinada ao ressarcimento da parte; b) não se destinam, in casu, à percepção pelos advogados dos órgãos públicos, à falta de lei específica; c) receita própria com destinação diversa do ônus da sucumbência; d) a genuína publicização do processo prepondera sobre a visão privatística. Sem condenação em custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquivem-se os autos com as cautelas legais. João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 13. Verificando a incapacidade processual ou a irregularidade da representação das partes, o juiz, suspendendo o processo, marcará prazo razoável para ser sanado o defeito. Não sendo cumprido o despacho dentro do prazo, se a providência couber: I - ao autor, o juiz decretará a nulidade do processo; II - ao réu, reputar-se-á revel; III - ao terceiro, será excluído do processo. Art. 37. Sem instrumento de mandato, o advogado não será admitido a procurar em juízo. Poderá, todavia, em nome da parte, intentar ação, a fim de evitar decadência ou prescrição, bem como intervir, no processo, para praticar atos reputados urgentes. Nestes casos, o advogado se obrigará, independentemente de caução, a exibir o instrumento de mandato no prazo de 15 (quinze) dias, prorrogável até outros 15 (quinze), por despacho do juiz. Parágrafo único. Os atos, não ratificados no prazo, serão havidos por inexistentes, respondendo o advogado por despesas e perdas e danos. 3 Art. 42. Nenhum servidor poderá perceber, mensalmente, a título de remuneração, importância superior à soma dos valores percebidos como remuneração, em espécie, a qualquer título, no âmbito dos respectivos Poderes, pelos Ministros de Estado, por membros do Congresso Nacional e Ministros do Supremo Tribunal Federal. Parágrafo único. Excluem-se do teto de remuneração as vantagens previstas nos incisos II a VII do art. 61. Art. 215. Por morte do servidor, os dependentes fazem jus a uma pensão mensal de valor correspondente ao da respectiva remuneração ou provento, a partir da data do óbito, observado o limite estabelecido no art. 42. ?? ?? ?? ?? 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL

   

0007691-83.2007.4.05.8200 MARCOS PAULO MENDES RIBEIRO (Adv. PAULO ANTONIO MAIA E SILVA, VANESSA ARAUJO DE MEDEIROS, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL (Adv. SEM ADVOGADO) x CENTRO DE SELECAO E DE PROMOCAO DE EVENTOS (CESPE) DA UNIVERSIDADE DE BRASILIA (UnB) (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2007.82.7691-4, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: MARCOS PAULO MENDES RIBEIRO ADVOGADOS: PAULO ANTÔNIO MAIA E SILVA E VANESSA ARAÚJO DE MEDEIROS RÉ: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL DA PARAÍBA/OAB-PB ADVOGADOS: RODRIGO NÓBREGA FARIAS E ANTÔNIO FIALHO NETO RÉU: CENTRO DE SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE EVENTOS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - CESPE/UNB PROCURADOR: SÉRGIO BENEVIDES FELIZARDO S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária, ajuizada originariamente perante a Justiça Estadual por Marcos Paulo Mendes Ribeiro em face da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional da Paraíba - OAB/PB e Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília - CESPE/UnB, visando à anulação da avaliação das respostas dadas às questões do Exame da Ordem de 2006.3, sendo atribuídos os pontos ao Autor e declarada a sua aprovação no Exame da Ordem. O Autor afirma o seguinte: 1) É bacharel em Direito e, nesta condição, submeteu-se ao Exame de Ordem em 2006.3, perante a OAB/PB, o qual abrange uma prova objetiva, com questões de múltipla escolha, e uma prova prático-objetiva apenas para os aprovados na prova objetiva. 2) Havendo obtido êxito na prova objetiva, submeteu-se à segunda prova na área de Direito do Trabalho e Direito Processual do Trabalho, composta da redação de uma peça profissional e cinco questões práticas, sob a forma de situações-problema dentro da área de opção. 3) Obteve a nota 5,00 (cinco) na prova prático-profissional, motivo pelo qual não logrou aprovação, considerando que a nota mínima era 6,00 (seis), e interpôs recurso em cujo julgamento a CESPE/UnB manteve a nota atribuída na prova prático-profissional, alterando a correção do quesito 3º da questão 1 e do quesito 3º da questão 2, não informando o valor atribuído ao quesito 3º da questão 1. 4) A correção da prova prático-profissional implicou considerável diminuição da pontuação, em face das considerações da banca examinadora sobre ausência de pedido de danos morais e fundamentação melhor da peça profissional e no que diz respeito ao critério de legibilidade, não previsto nas regras do certame, não havendo individualização dos pontos retirados de cada erro apontado, impedindo, assim, o acesso do Autor ao quadro de advogados da OAB-PB. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 15/42). O Exmº Juiz de Direito da 3ª Vara Cível da Comarca de João Pessoa declinou da competência e determinou a remessa dos autos à Justiça Federal em João Pessoa (fls. 45/46). O Exmº Juiz Federal Substituto da 7ª Vara Federal (PB), Dr. Bruno Teixeira de Paiva, declarou a incompetência do Juizado Especial Federal para o processo e julgamento da presente Ação e determinou a remessa dos autos a uma das Varas Federais comum (fls. 48/49). A OAB-PB apresentou contestação afirmando que (fls. 58/65): 1) A banca examinadora da Comissão de Estágio e Exame de Ordem, ao avaliar a prova do Autor, observando os critérios do raciocínio jurídico, fundamentação e sua consistência, capacidade de interpretação e exposição, correção gramatical e técnica profissional demonstrada, entendeu que o candidato não poderia ser aprovado no certame. 2) As disposições do edital e os posicionamentos da banca examinadora não podem atender às particularidades dos candidatos, em observância ao princípio constitucional da impessoalidade, e a intenção do Autor é que o Poder Judiciário modifique os critérios utilizados pela Comissão de Estágio e Exame de Ordem na correção da prova prático-profissional, o que se revela inadmissível na linha de jurisprudência. O Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília - CESPE/UnB apresentou contestação, acompanhada de documentos, afirmando que (fls. 91/132): 1) Ao submeter-se ao certame, o candidato manifesta concordância com as disposições inscritas no edital, que é a lei do concurso aplicada indistintamente a todos os candidatos, e a inscrição dos candidatos no concurso público leva à presunção da aceitação por eles de todos os termos e condições previstas no edital e regras correlatas, a exemplo do "Caderno de Prova Prático-Profissional e de Textos Definitivos", onde constava a instrução de que o candidato devia escrever com letra legível. 2) Na cópia da prova prático-profissional do Autor constata-se que o texto por ele redigido não se mostra com boa legibilidade, com letra incompreensível, quase ilegível em alguns trechos, dificultando a avaliação e contrariando o ordenamento jurídico que disciplinou o certame. 3) Conforme se pode constatar nas respostas dadas pelo Autor no "Espelho da Avaliação da Prova Prático-Profissional" e nas fundamentadas respostas da banca examinadora, não houve qualquer irregularidade ou ausência de fundamentação nos atos praticados pela CESPE/UNB. 4) Ao Poder Judiciário não cabe apreciar a conveniência e oportunidade da Administração Pública, no estabelecimento de critérios de avaliação e classificação de candidatos em concursos públicos, tampouco assumir a função de banca examinadora, sendo-lhe cabível observar se o concurso público atendeu aos princípios que devem nortear os atos da Administração Pública, previstos na Constituição Federal, os quais foram observados na hipótese dos autos. O Autor apresentou impugnação reiterando os termos da petição inicial (fls. 136/139). Conclusos os autos em 08.08.2008, reassumi a jurisdição no feito em 01.09.2008, após o término das férias regulamentares. É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fls. 14): "a) Seja declarada nula a parte da correção da peça profissional do autor que usou os critérios da não formulação do pedido de danos morais e de não ter "fundamentado melhor" a rescisão indireta; b) Em decorrência da declaração de nulidade dessa parte da correção, sejam devolvidos à prova do autor os pontos retirados (2,2 pontos); c) Seja declarada a nulidade da utilização da legibilidade como critério de correção dos quesitos 1 da questão 1 e quesito1 da questão 2. d) Em decorrência da declaração de nulidade desse critério de correção, sejam devolvidos à prova do autor os pontos retirados (0,20 nos dois quesitos); e) Sendo atribuídos por sentença os pontos ao autor, somados com os que já foram obtidos, seja declarada no julgado a sua aprovação, pela obtenção da pontuação exigida para esta finalidade; f) Sendo atribuídos os pontos em questão ao autor e declarada a sua aprovação no exame de ordem, seja condenada a segunda promovida na obrigação de fazer constante em inscrever o autor em seus quadros como advogado;". (grifei) O Autor submeteu-se ao Exame de Ordem 2006.3/OAB-PB, logrou aprovação na prova objetiva (primeira prova) e obteve 5,00 pontos na prova prático-profissional (segunda prova) (cf. "Espelho da Avaliação da Prova Prático-Profissional", fls. 125/127), não alcançando a pontuação mínima de 6,00 pontos para efeito de aprovação constante do item 4.5.5 do Edital de Exame de Ordem 2006.32 (fls. 98/101). O item 3.5 do referido Edital dispõe sobre a prova prático-profissional composta de duas partes3. O subitem 4.5.1 estabelece os critérios de avaliação da prova prático-profissional e respectiva pontuação4. O Autor sustenta a correta adequação das respostas conferidas a quesitos da prova prático-profissional e questiona os fundamentos e critérios utilizados em sua correção, insurgindo-se contra as notas atribuídas pela banca avaliadora, no que concerne à nota da peça profissional e ao quesito 1 da questão 1 e quesito 1 da questão 2, os quais dizem respeito à "Apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens, paragrafação); correção gramatical (acentuação, grafia, pontuação)" (cf. "Espelho da Avaliação da Prova Prático-Profissional"). O enunciado da peça profissional possui o seguinte teor (fls. 104, vº): "Ana foi admitida na empresa Delta, no dia 1º de julho de 2004, para exercer as funções de assistente administrativo, recebendo um salário mensal de R$ 1.200,00. Apesar de todo o zelo profissional que Ana emprega ao desenvolver suas funções, a proprietária da empresa Delta, Senhora Maria, em diversas situações, acusa-a de ser incapaz, chamando-a de burra e incompetente. Tais acusações são feitas em alta voz e na presença de outros empregados e de clientes da empresa. Inicialmente, Ana, com receio de perder o emprego, desconsiderou as ofensas, mas elas se intensificaram. Ana já não suporta a situação, mas não quer simplesmente pedir demissão e ceder às pressões feitas por Maria. Ana gozou férias nos meses de agosto de 2005 e agosto de 2006. Considerando a situação hipotética apresentada e com base no ordenamento jurídico vigente, elabore uma reclamação trabalhista, abordando os direitos cabíveis e a melhor forma de se rescindir o contrato de trabalho dela." O enunciado da questão 1 é (fls. 107): "Considerando o recebimento de honorários advocatícios na Justiça do Trabalho, elabore um texto dissertativo abordando as hipóteses de incidência e condenação em verba honorária." O enunciado da questão 2 é (fls. 107, vº): "Elabore um texto dissertativo abordando os aspectos envolvidos na adoção ou obtenção de guarda judicial para fins de adoção de criança e na concessão, ou não, do direito a licença maternidade, nesse caso." A banca examinadora atribuiu os seguintes pontos à peça profissional e às questões 1 e 2 respondidas pelo Autor (fls. 1255): Quesito avaliado Faixa de valor Nota 1 - Apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens, paragrafação); correção gramatical (acentuação, grafia, pontuação) 0,00 a 0,60 0,60 2 - Fundamentação e consistência 0,00 a 3,60 1,80 3 - Domínio do raciocínio jurídico 0,00 a 0,80 0,40 Peça profissional 2,80 Quesito avaliado Faixa de valor Nota 1 - Apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens, paragrafação); correção gramatical (acentuação, grafia, pontuação) 0,00 a 0,20 0,10 2 - Fundamentação e consistência 0,00 a 0,60 0,00 3 - Domínio do raciocínio jurídico 0,00 a 0,20 0,00 Questão 1 0,10 Quesito avaliado Faixa de valor Nota 1 - Apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens, paragrafação); correção gramatical (acentuação, grafia, pontuação) 0,00 a 0,20 0,10 2 - Fundamentação e consistência 0,00 a 0,60 0,60 3 - Domínio do raciocínio jurídico 0,00 a 0,20 0,10 Questão 2 0,80 Nas questões 3, 4 e 5 o Autor obteve as seguintes notas, respectivamente: 0,00, 1,00 e 0,00 (fls. 126/127). E não interpôs recurso destas questões. No exame dos recursos interpostos pelo Autor às notas atribuídas à peça profissional e às questões 1 e 2, a banca examinadora teceu as seguintes considerações (fls. 32/33): "Peça Profissional: O examinando poderia ter fundamentado melhor a rescisão indireta do contrato de trabalho, demonstrando de forma clara os argumentos que justificam da justa causa do empregador. Ademais, não formulou pedido de condenação da empresa em danos morais. Após a Emenda Constitucional nº 45, a competência da Justiça do Trabalho foi ampliada, de forma que os danos morais advindos da relação de emprego devem ser julgados pela citada Justiça especializada, e não mais pela Justiça Comum. Portanto, a nota deve ser mantida. Questão 1 Quesito 1 - A banca avaliadora mantém a nota atribuída no presente quesito, visto que o texto não apresenta boa legibilidade, sendo a letra do examinando quase ilegível e exigindo esforço da banca na leitura. Quesito 2 - A nota atribuída nesse quesito guarda consonância com o que foi apresentado pelo examinando. Esclareça-se que esse não respondeu nada do que era esperado pela banca avaliadora. Destaca-se que o examinando restringiu-se a citar a Súmula 219, transcrevendo-a em parte. No entanto, quando chegou na parte que respondia correta e integralmente a questão, o examinando deixou de mencioná-la. Era imprescindível abordar que, para serem devidos os honorários advocatícios, a parte deveria estar assistida por sindicato da categoria profissional e comprovar a percepção de salário inferior ao dobro do salário mínimo ou encontrar-se em situação econômica que não lhe permita demandar sem prejuízo do próprio sustento ou da respectiva família. Também era importante mencionar que é incabível a condenação ao pagamento de honorários advocatícios em ação rescisória no processo trabalhista, salvo se preenchidos os requisitos da Lei nº 5.584/1970 (Súmulas nº 219 e nº 329 do TST). Diante de tais razões, a banca examinadora mantém sua análise. Quesito 3 - A banca examinadora aumenta a nota conferida no quesito em destaque pelo desenvolvimento do texto do examinando que, apesar de não ter abordado os temas propostos na prova, não se encontra completamente incorreto. Questão 2 Quesito 1 - A nota atribuída guarda consonância com a exposição feita pelo examinando. Isso porque, muito embora o examinando tenha acertado a questão, o ponto referido refere-se à legibilidade. Vale destacar que a leitura da resposta do examinando se apresentou penosa, na medida em que sua letra não é tão legível. Para a atribuição da nota total nesse quesito, exigia-se certo grau de legibilidade para que a leitura da resposta do examinando fosse feita de forma fluente, e não sendo interrompida para tentar compreender o que estava escrito. Quesito 3 - Considerando a fundamentação do recurso, atribui-se 01,0 ponto ao conteúdo. Tendo em vista o exposto anteriormente, a banca avaliadora decide pelo deferimento parcial dos recursos." (grifei) Descabe ao Poder Judiciário controverter com a banca examinadora relativamente aos critérios e resultados da avaliação, salvo se flagrantemente questionáveis perante dado conhecimento técnico-jurídico que se consolidou, ou quando a formulação e aplicação da prova ocorrerem à margem dos parâmetros previstos nas normas e regulamentos aplicáveis è espécie ou, ainda, na hipótese de erro material especificamente no caso de prova objetiva, quando uma ou mais questões admitirem mais de uma resposta6 . A interferência do Poder Judiciário no mérito da avaliação somente é plausível quando há manifesto erro jurídico grosseiro, seja na formulação das questões, seja na correção, circunstância que não observo no caso em exame, que trata de prova subjetiva. Por outro lado, a recomendação da escrita legível estava expressamente referida no item 11 do caderno de texto definitivo da prova prático-profissional7 (fls. 104). ISTO POSTO, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento em favor dos Réus de honorários advocatícios, pro-rata, no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor atribuído à causa (R$ 100,00) (artigo 20, § 4º, do CPC). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18.12. 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 4.5.5 Será considerado aprovado o examinado que obtiver nota igual ou superior a 6,00 pontos na prova prático-profissional. 3 3.5 DA PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL 3.5.1 A prova prático-profissional valerá 10,00 pontos e será composta de duas partes: 3.5.1.1 Redação de peça profissional privativa de Advogado (petição ou parecer sobre assunto constante do Programa Anexo ao Provimento nº 109/2005), valendo 5 (cinco) pontos, compreendendo a área de opção do examinando e do seu correspondente direito processual, indicada quando da sua inscrição, conforme as opções a seguir: a) Direito Administrativo; b) Direito Civil; c) Direito Constitucional; d) Direito do Trabalho; e) Direito Empresarial; f) Direito Penal; ou g) Direito Tributário 3.5.1.2 Respostas a 5 (cinco) questões práticas, sob a forma de situações-problema valendo 1 (um) ponto cada, compreendendo a área de opção do examinando e do seu correspondente direito processual, indicada quando da sua inscrição, conforme as opções citadas no subitem anterior. 3.5.2 As folhas de textos definitivos da prova prático-profissional não poderão ser assinadas, rubricadas e/ou conter qualquer palavra e/ou marca que as identifiquem em outro local que não o apropriado, sob pena de ser anulada. Assim, a detecção de qualquer marca identificadora no espaço destinado à transcrição do texto definitivo acarretará a anulação da prova prático-profissional. 4 4.5 DOS TEXTOS RELATIVOS À PEÇA PROFISSIONAL E ÀS QUESTÕES 4.5.1 As questões e a redação de peça profissional serão avaliadas quanto a adequação das respostas ao problema apresentado, ao domínio do raciocínio jurídico, a fundamentação e sua consistência, a capacidade de interpretação e exposição, a correção gramatical e a técnica profissional demonstrada. 4.5.2 A redação de peça profissional terá o valor máximo de 5,00 pontos e cada questão terá o valor máximo de 1,00 ponto. 4.5.3 A nota na prova prático-profissional (NPPP) será a soma das notas obtidas nas questões e na redação da peça profissional. 4.5.4 A NPPP será calculada na escala de 0 (zero) a 10 (dez), em números inteiros. 4.5.5 Será considerado aprovado o examinado que obtiver nota igual ou superior a 6,00 pontos na prova prático-profissional. 4.5.6 Nos casos de fuga ao tema ou ausência de texto, o examinando receberá nota ZERO na redação da peça profissional ou na questão. 5 No julgamento dos recursos interpostos pelo Autor, foi mantida a nota 2,8 na peça profissional, enquanto as notas das questões 1 e 2 foram acrescidas de 0,1, passando, respectivamente, a ser 0,20 e 0,90 (fls. 32/33 e 129), mantida a pontuação geral na prova prático-profissional abaixo de 6,0. 6 A propósito, destaco acórdão proferido pelo Superior Tribunal de Justiça, com a seguinte ementa: "PROCESSUAL E ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. DECADÊNCIA. NÃO-OCORRÊNCIA. CONCURSO PÚBLICO. NOMEAÇÃO. PREENCHIMENTO DAS CONDIÇÕES. PRETERIÇÃO DE VAGA. - Em tema de concurso público é vedado ao Poder Judiciário reapreciar as notas de provas atribuídas pela Banca Examinadora, exceto nas hipóteses em que haja erro material em questão objetiva, que acarrete nulidade da mesma ou, ainda, quando por afronta às normas pré-fixadas no edital e na lei, os quesitos sejam formulados de forma inadequada ou ofereçam alternativas de resposta - bem assim a opção eleita correta - discrepantes dos parâmetros já sedimentados. - Se a banca examinadora indeferiu o recurso da impetrante da prova de sentença em decisão fundamentada, não cabe a este Tribunal fazer análise dos critérios adotados, haja vista que à administração cabe a adoção dos critérios de exame das provas em concurso público. - Recurso ordinário a que se nega provimento." (ROMS nº 14202-RS, Relator Ministro Paulo Medina, 6ª Turma, j. 23/03/2004, DJU de 26/04/2004, p. 220) (grifei) 7 Ainda que se pudesse cogitar de quesito não previsto no edital de regência do certame, mesmo que fosse atribuída a pontuação máxima ao quesito 1 das questões 1 e 2, ainda assim o Autor não obteria 6,00 pontos no total da nota da prova prático-profissional. ?? ?? ?? ?? 1 9 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA FEDERAL PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0010715-22.2007.4.05.8200 ADERLINDO DO CARMO DA SILVA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Recebo a apelação nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput do CPC). Vista ao apelado para contra-arrazoar no prazo de 15(quinze) dias. Após, as cautelas legais subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. P.

   

0010972-47.2007.4.05.8200 JANAILDA DE ASSIS CAMILO (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS, CICERO GUEDES RODRIGUES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Defiro o pedido de desarquivamento dos autos. Intime-se a CAIXA para requerer o que entender de direito, no prazo de 10 (dez) dias. P.

   

0014887-75.2005.4.05.8200 JOAO RODRIGUES DO NASCIMENTO E OUTROS (Adv. DJANIO ANTONIO OLIVEIRA DIAS) x UNIAO (MINISTERIO DA FAZENDA) (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO)

Recebo a(s) apelação(ões) nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC1). Vista a(o)(s) apelado(s) para contra-arrazoar(em) no prazo de 15 (quinze) dias (art.508, caput, do CPC2 c/c art. 518, caput, do CPC3). Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. 9. ( x) Publique-se. 1 "Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: I - homologar a divisão ou a demarcação; II - condenar à prestação de alimentos; III - julgar a liquidação de sentença; IV - decidir o processo cautelar; V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes; VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela". "Art. 518. Interposta a apelação, o juiz, declarando os efeitos em que a recebe, mandará dar vista ao apelado para responder". 2 "Art. 508. Na apelação, nos embargos infringentes, no recurso ordinário, no recurso especial, no recurso extraordinário e nos embargos de divergência, o prazo para interpor e para responder é de quinze (15) dias". 3 "Art. 518. Interposta a apelação, o juiz, declarando os efeitos em que a recebe, mandará dar vista ao apelado para responder". ?? ?? ?? ??

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0009662-26.1995.4.05.8200 ROMUALDO BENEDITO RIOS FONTENELLES E OUTRO (Adv. MANUEL DE BARROS BARBOSA FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF), CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO)

AUTOS COM VISTA ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P. I. JPA, 08 de outubro de 2008

   

EMBARGOS À EXECUÇÃO FUNDADA EM SENTENÇA

   

0005099-08.2003.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO POLLASTRINI, ANTONIO MARCOS ALMEIDA) x EDUARDO GUIDA DE SOUZA E OUTROS (Adv. ELIZEU DANTAS SIMOES FERREIRA, ANTONIO CARLOS SIMOES FERREIRA)

PROCESSO Nº 2003.5099-3 CLASSE 75 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADOS: RICARDO POLLASTRINI e ANTÔNIO MARCOS ALMEIDA EMBARGADOS: EDUARDO GUIDA DE SOUZA, MANOEL LEÔNCIO DA SILVA, MANOEL MIGUEL DE ALBUQUERQUE, JOÃO MARTINS DE LIMA e MOZART GOMES DA SILVA ADVOGADOS: ELIZEU DANTAS SIMOES FERREIRA e ANTÔNIO CARLOS SIMOES FERREIRA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Embargos opostos pela Caixa Econômica Federal à Execução de sentença/acórdão prolatada nos autos da Ação Ordinária nº 97.11037-0, em apenso, movida por Eduardo Guida de Souza, Manoel Leôncio da Silva, Manoel Miguel de Albuquerque, João Martins de Lima e Mozart Gomes da Silva. Afirma que os Embargados Eduardo Guida de Souza, Manoel Leôncio da Silva e Manoel Miguel de Albuquerque firmaram o Termo de Adesão previsto na Lei Complementar nº 110/2001, ensejando, assim, a extinção da execução na forma prevista no art. 741, VI, do CPC, pela ocorrência de transação. Alega, em síntese, que foi condenada pelo julgado a reajustar as contas vinculadas do FGTS de titularidade dos Embargados pelos índices referentes aos IPCs de junho/87 (26,06%), janeiro/89 (47,72%), abril/90 (44,80%), maio/90 (7,87%) e fev/91 (21,87%) e que, por apresentar-se a execução do julgado na modalidade de Obrigação de Fazer, não há necessidade de ser seguro o juízo para a interposição de Embargos. Sustenta ser o título executivo inexigível, nos termos do parágrafo único do art. 741 do CPC, instituído pela Medida Provisória nº 2.180-35, que veda a execução de decisões judiciais fundadas em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo STF ou, ainda, fundadas em aplicação ou interpretação incompatíveis com a Constituição Federal. Afirma que o Supremo Tribunal Federal, nos autos do Recurso Extraordinário nº 226.855-RS, considerou indevidos os índices referentes aos IPCs de junho/87 (26,06%), maio/90 (7,87%) e fevereiro/91 (21,87%), posição essa reiterada em diversos julgamentos em sede de Recursos Extraordinários, sempre fundando sua posição na ausência de direito adquirido dos titulares de contas do FGTS aos índices acima reportados. Acrescenta que o julgado ora executado, que concedeu índices entendidos pelo STF como indevidos, está em dissonância com a Constituição Federal, pelo que impõe-se a aplicação da inovação introduzida no CPC pela MP 2.180-35, para considerar-se inexigível o título executivo naqueles índices reconhecidos como indevidos pelo STF. Pede a extinção da execução, relativamente aos Embargados Eduardo Guida de Souza, Manoel Leôncio da Silva e Manoel Miguel de Albuquerque, pela ocorrência de transação, e que sejam considerados, quanto aos demais Exeqüentes "apenas exigíveis no título judicial exeqüendo os acréscimos relativos aos Planos Verão (jan/89) (jan/89 - 42,72%) e Collor I (abr/90 - 44,80%), descontados os reajustes já efetuados na época..." Impugnação dos Embargados pugnando pela improcedência dos Embargos (fls. 47/48). Tendo os presentes Embargos à Execução como causa de pedir o disposto no parágrafo único do art. 741 do CPC, determinei a suspensão do feito até a decisão definitiva na ADIN nº 2418, que discute a sua constitucionalidade (fls. 61/63). Os Embargados requereram o prosseguimento do feito (fl. 75). É o relatório. Decido. Colhe-se dos autos da Ação Ordinária nº 97.11037-0: Sentença (fls. 81/89) Decisão Monocrática do Relator da apelação (fls. 127) "Isto posto, julgo improcedente a ação. Verba honorária de dez por cento sobre o valor da causa. Custas ex lege." Determinou que a CEF aplicasse a atualização monetária nos saldos em conta de FGTS do(s) autor(es), nos percentuais de 26,06%, 42,72%, 44,80%, 7,87% e 21,87%, referentes aos meses de junho/87, janeiro/89, abril/90, maio/90 e fevereiro/91, respectivamente, reservando-se à liquidação da sentença a apuração do quantum já aplicado. Juros de mora de 6% ao ano, desde a citação, art. 1062 c/c o art. 1536, §2º do CCB. Verba honorária de 10% sobre o valor da condenação nos termos do artigo 20, § 3º do CPC As controvérsias são as seguintes: Pedido formulado na execução do julgado Alegações da CAIXA nos Embargos à Execução Citação da CAIXA para aplicar sobre as contas vinculadas ao FGTS de titularidade dos Exeqüentes os índices concedidos pelo julgado 1) os Exeqüente/Embargados Eduardo Guida de Souza, Manoel Leôncio da Silva e Manoel Miguel de Albuquerque firmaram o termo de adesão previsto na Lei Complementar nº 110/2001, requerendo a extinção da execução pela transação extrajudicial; 2) Tendo em vista que o STF entende como indevidos os índices de junho/87 (26,06%), maio/90 (7,87%) e fevereiro/91 (21,87%), os mesmos devem ser excluídos do julgado. I - DA TRANSAÇÃO - TERMO DE ADESÃO Verifica-se nos autos da Ação Ordinária nº 97.11037-0, em apenso, que os Embargados Eduardo Guida de Souza, Manoel Leôncio da Silva e Manoel Miguel de Albuquerque celebraram o Termo de Adesão previsto na Lei Complementar nº 110/2001 (fls. 290/292), que disciplinou o pagamento administrativo dos complementos de atualização monetária das contas vinculadas do FGTS. Os Embargados impugnaram os Embargos sob o argumento de que os Termos de Adesão "(...) dão quitação apenas em relação aos índices de 42,72% e 44,80% (janeiro/89 e abril/90), não abrangendo, portanto, os índices de 26,06%, 7,87% e 21,87%, referente aos meses de julho/87, maio/90 e fevereiro/91, respectivamente, pelo que deve a execução prosseguir em relação aos embargos relativos a estes 3 (três) índices remanescentes ( ...)" (fls. 48). Todavia, ao contrário do afirmado pelos Embargados, os Termos de Adesão incluem os índices de julho/87, maio/90 e fevereiro/91, no seguintes termos: "(...) Realizados os créditos da importância de que trata o item 4, dou plena quitação dos complementos da atualização monetária de que trata a Lei Complementar nº 110 , reconhecendo satisfeitos todos os meus direitos a eles relativos, renunciando, de forma irretratável, a pleitos de qualquer outros ajustes de atualização monetária referente à conta vinculada, em meu nome, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro de 1991 (...). A Lei Complementar nº 110/2001 estabelece que aquele trabalhador que firmar o termo de adesão nela previsto se declarará satisfeito com as condições de atualizações monetárias de sua conta vinculada do FGTS, se comprometendo, de forma irretratável, a não renovar a discussão em sede judicial ou, caso já haja proposto a demanda, a encerrar o feito pela homologação da transação2 (arts. 6º, III, e 7º3). Logo, ao firmar o termo de adesão, o trabalhador concorda com as condições estabelecidas na Lei Complementar nº 110/2001, incluindo a redução no valor a que fazia jus a título de correção monetária de sua conta vinculada do FGTS (art. 6º, I), pelo que descabe a alegação do Embargado de invalidade da transação extrajudicial pelo não recebimento integral do valor reconhecido em juízo. Isto porque a transação firmada extrajudicialmente pelos Embargados, pessoas, a priori, capazes e na livre administração de seus bens (art. 7º do CPC4), tem plena validade, com produção de efeitos processuais, na forma do art. 158 do CPC5 c/c art. 840 e ss. do Código Civil6 (Lei nº 10.406/2002). Neste aspecto, tenho que, tratando-se o pedido executório de direito disponível, de natureza patrimonial, a transação firmada entre os litigantes apresenta-se como meio apto à composição dos seus interesses, a ensejar a extinção do feito, nos termos do art. 741, VI, c/c art. 794, II, do CPC7. Acrescente-se, ainda, que o Supremo Tribunal Federal, debateu e aprovou o Enunciado nº 1 de Súmula Vinculante proferida na Sessão Plenária de 30 de maio de 2007, que integrou a Ata de Julgamentos da 15ª (décima quinta) sessão ordinária, publicada no diário da justiça de 14 de junho de 2007, que assim dispõe: "Ofende a garantia constitucional do ato jurídico perfeito a decisão que, sem ponderar as circunstâncias do caso concreto, desconsidera a validez e a eficácia de acordo constante de termo de adesão instituído pela Lei Complementar Nº 110/2001". II - DA ALEGAÇÃO DE INEXIGIBILIDADE DO TÍTULO EXECUTIVO Passo ao exame da alegação da CAIXA de inexigibilidade do título executivo, sob o argumento de que a condenação imposta pelo julgado contrariaria a jurisprudência consolidada do STF, tornando, assim, inexigível o título, nos termos do art. 741, parágrafo único, do CPC. Neste contexto, colhe-se do quadro acima que o julgado condenou a CAIXA a aplicar a atualização monetária nos saldos em conta de FGTS dos Embargados, nos percentuais de 26,06%, 42,72%, 44,80%, 7,87% e 21,87%, referentes aos meses de junho/87, janeiro/89, abril/90, maio/90 e fevereiro/91, respectivamente. Por outro lado, o STF já decidiu no sentido de não serem devidos os índices de 26,06%, 7,87% e 21,87%, referentes aos meses de junho/87, maio/90 e fevereiro/91. E com a modificação promovida pela Lei nº 11.232/2005 na redação dada ao parágrafo único do art. 741 do CPC8, reproduzindo redação já introduzida pela Medida Provisória nº 1.984-17, de 04 de maio de 2000, tornou-se possível a declaração de inexigibilidade de título judicial constituído com base "em interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal". No entanto, o novo dispositivo processual, instituído com vista à garantia da supremacia constitucional, deve ser aplicado tendo em vista a observância da segurança jurídica, o respeito à coisa julgada e à irretroatividade das leis (art. 5º, XXXVI, da CF/88). Nesta linha, há precedente jurisprudencial do STF9. Assim, a aplicação do disposto no parágrafo único do art. 741 do CPC, que possibilita o reconhecimento da inexigibilidade de título judicial contrário à jurisprudência do STF, exige que sejam atendidos simultaneamente os seguintes requisitos: a) A constituição do título executivo judicial em data posterior à entrada em vigor da medida provisória que estabeleceu a hipótese de inexigibilidade por ofensa à jurisprudência do STF; b) A constituição do título executivo judicial em data posterior à decisão do STF proferida em sentido contrário ao entendimento firmado no título judicial executado. Na hipótese dos autos, colhe-se que, quando da prolação da decisão monocrática, que deu provimento à apelação dos Autores/Embargados, a Medida Provisória nº 1.984-17/2000 não havia entrado em vigor, bem como não havia ainda o STF proferido a decisão no RE n º 226.855-RS, firmando entendimento contrário ao julgado. Esquematicamente: Prolação da sentença Data da decisão monocrática do Relator que deu provimento à apelação dos Autores/Embargados Vigência da Medida Provisória nº 1.984-17/2000 Julgamento do RE 226.855 pelo STF 25.09.1998 26.04.1999 04.05.2000 31.08.2000 Logo, não se aplica à hipótese o disposto no parágrafo único do art. 741 do CPC, como quer a CAIXA, sob pena de ofensa à segurança jurídica nas decisões judiciais e à irretroatividade das leis. Desse modo, a execução da Obrigação de Fazer movida por João Martins de Lima e Mozart Gomes da Silva deve prosseguir nos exatos termos da Decisão Monocrática determinou à CAIXA aplicar a atualização monetária nos saldos em conta de FGTS dos Exeqüentes, nos percentuais de 26,06%, 42,72%, 44,80%, 7,87% e 21,87%, referentes aos meses de junho/87, janeiro/89, abril/90, maio/90 e fevereiro/91. ISTO POSTO, julgo parcialmente procedentes os Embargos para: 1) Homologar as transações firmadas entre a CAIXA e os Embargados/Exeqüentes Eduardo Guida de Souza, Manoel Leôncio da Silva e Manoel Miguel de Albuquerque (conforme Termos de Adesão de fls. 290/292 dos autos da Ação Ordinária nº 97.11037-0) e determinar a extinção da Execução de Obrigação de Fazer com relação aos referidos Exeqüentes, nos termos do art. 741, VI, c/c art. 794, II, do CPC; 2) Determinar que a Execução da Obrigação de Fazer prossiga com relação aos Embargados/Exeqüentes João Martins de Lima e Mozart Gomes da Silva, nos termos da Decisão Monocrática do Relator da Apelação (fl. 127 dos autos principais); Custas ex lege. Sucumbência recíproca, nos termos do art. 2110 do Código de Processo Civil. Publique-se. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2006, da Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Desapensem-se. Traslade-se para os autos principais. João Pessoa/PB, 8 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Cláusula 5. "Em nenhuma hipótese será admitido o pagamento cumulativo da extensão administrativo de que trata a Lei Complementar nº 110 e de valor decorrente do cumprimento de decisão judicial versando sobre o mesmo título ou fundamento. Realizados os créditos da importância de que trata o item 4, dou plena quitação dos complementos de atualização monetária a que se refere a Lei Complementar nº 110, reconhecendo satisfeitos todos os meus direitos a eles relativos, renunciando, de forma irretratável, a pleitos de quaisquer outros ajustes de atualização monetária referente à conta vinculada, em meu nome, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro de 1991. Declaro, sob as penas da lei, não estar discutindo em juízo quaisquer ajustes de atualização monetária referente à conta vinculada em meu nome, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro de 1991" 3 Art. 7o Ao titular da conta vinculada que se encontre em litígio judicial visando ao pagamento dos complementos de atualização monetária relativos a junho de 1987, dezembro de 1988 a fevereiro de 1989, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991, é facultado receber, na forma do art. 4o, os créditos de que trata o art. 6o, firmando transação a ser homologada no juízo competente. 4 Art. 7o Toda pessoa que se acha no exercício dos seus direitos tem capacidade para estar em juízo 5 Art. 158. Os atos das partes, consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade, produzem imediatamente a constituição, a modificação ou a extinção de direitos processuais 6 CAPÍTULO XIX Da Transação Art. 840. É lícito aos interessados prevenirem ou terminarem o litígio mediante concessões mútuas. Art. 841. Só quanto a direitos patrimoniais de caráter privado se permite a transação. Art. 842. A transação far-se-á por escritura pública, nas obrigações em que a lei o exige, ou por instrumento particular, nas em que ela o admite; se recair sobre direitos contestados em juízo, será feita por escritura pública, ou por termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz. Art. 843. A transação interpreta-se restritivamente, e por ela não se transmitem, apenas se declaram ou reconhecem direitos. Art. 844. A transação não aproveita, nem prejudica senão aos que nela intervierem, ainda que diga respeito a coisa indivisível. § 1o Se for concluída entre o credor e o devedor, desobrigará o fiador. § 2o Se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores. § 3o Se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores. Art. 845. Dada a evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; mas ao evicto cabe o direito de reclamar perdas e danos. Parágrafo único. Se um dos transigentes adquirir, depois da transação, novo direito sobre a coisa renunciada ou transferida, a transação feita não o inibirá de exercê-lo. Art. 846. A transação concernente a obrigações resultantes de delito não extingue a ação penal pública. Art. 847. É admissível, na transação, a pena convencional. Art. 848. Sendo nula qualquer das cláusulas da transação, nula será esta. Parágrafo único. Quando a transação versar sobre diversos direitos contestados, independentes entre si, o fato de não prevalecer em relação a um não prejudicará os demais. Art. 849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa. Parágrafo único. A transação não se anula por erro de direito a respeito das questões que foram objeto de controvérsia entre as partes. Art. 850. É nula a transação a respeito do litígio decidido por sentença passada em julgado, se dela não tinha ciência algum dos transatores, ou quando, por título ulteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação. 7 Art. 741. Na execução contra a Fazenda Pública, os embargos só poderão versar sobre: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) II - inexigibilidade do título; III - ilegitimidade das partes; IV - cumulação indevida de execuções; V - excesso de execução; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz. Parágrafo único. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. (Redação pela Lei nº 11.232, de 2005) Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 8 Art. 741. Na execução contra a Fazenda Pública, os embargos só poderão versar sobre: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; II - inexigibilidade do título; III - ilegitimidade das partes; IV - cumulação indevida de execuções; V - excesso de execução; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz. Parágrafo único. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) 9 "DECISÃO : RE, a, contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, assim ementado (f. 55): "EMBARGOS À EXECUÇÃO DE SENTENÇA. APELAÇÃO. ALEGAÇÃO DE INEXIGIBILIDADE DO TÍTULO JUDICIAL. ART. 741, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC (MP Nº 2.180-35, DE 24-08-2001). 1. Sem adentrar na questão da inconstitucionalidade do art. 741, § único, do CPC, objeto da ADIN nº 2418-DF, este Tribunal tem entendido o seguinte: a) a lei processual civil em comento não pode ser aplicada aos títulos executivos judiciais formados anteriormente à sua vigência; b) em relação às situações formadas após a vigência da lei precitada, a aplicação do dispositivo só se dará quando o título exeqüendo se formar posteriormente à decisão do Supremo Tribunal Federal que retiraria a exigibilidade do título, em respeito ao ordenamento jurídico como um todo. 2. Inaplicável o disposto no art. 741, parágrafo único, do CPC (redação da MP 2.180-35/2001), no caso em apreço, em que o título executivo judicial transitou em julgado anteriormente à vigência do dispositivo citado, bem como antes da publicação do acórdão do Plenário do STF, contrário à tese por ele adotada. 3. Apelação desprovida". Aduz que o acórdão recorrido ao afastar a aplicação do art. 741, parágrafo único do CPC, - o qual dispõe que o título executivo judicial decorrente de sentença que deu interpretação incompatível com o decidido pelo Supremo Tribunal Federal é inexigível - violou o art. 5º, XXXVI, da Constituição. É inviável o RE. A controvérsia, de ordem processual, versa sobre a exigibilidade do título executivo judicial a teor do parágrafo único do art. 741 do CPC introduzido pela MP nº 2.180-35/2001. A pretensa ofensa ao dispositivo constitucional dado por violado, se houvesse, seria indireta ou reflexa, pressupondo o prévio exame de legislação infraconstitucional mencionada, ao que não se presta a via do recurso extraordinário: incide, mutatis mutandis, o princípio da Súmula 636. Nego seguimento ao recurso extraordinário (art. 557, caput, do C.Pr.Civil)" (RE, Ministro SEPÚLVEDA PERTENCE, j. 27.04.2006) 10 Art. 21. Se cada litigante for em parte vencedor e vencido, serão recíproca e proporcionalmente distribuídos e compensados entre eles os honorários e as despesas. ?? ?? ?? ?? 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000603-43.1997.4.05.8200 JOSE ARAUJO DE LIMA (Adv. JOSE ARAUJO DE LIMA, GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA, NORTHON GUIMARÃES GUERRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO)

PROCESSO nº 97.603-4 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: JOSÉ ARAÚJO DE LIMA ADVOGADO(A): José Araújo de Lima RÉ/EXCTDA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADA: Ricardo Pollastrini D E S P A C H O Cuida-se de execução de sentença/acórdão, pela qual o advogado da Autora cobra o pagamento do montante de R$ 4.376,58 (quatro mil, trezentos e setenta e seis reais e cinqüenta e oito centavos), referente aos honorários advocatícios sucumbenciais impostos pelo julgado. Intimada para cumprir a obrigação de pagar (fls. 263), a CAIXA, após efetuar o depósito do valor executado, ofereceu impugnação ao cumprimento do julgado (fls. 266/318), alegando a inexigibilidade do título executivo judicial, no ponto relativo aos honorários advocatícios sucumbenciais, sob o argumento de, após a efetuação da compensação dos índices concedidos e os negados, o saldo remanescente aproveitaria à CAIXA e não ao Exeqüente. Decido. Observo que a divergência existente entre a Exeqüente e a CAIXA refere-se à questão quanto à permanência, ou não, da exigibilidade do título executivo judicial na parte referente aos honorários advocatícios, ante a circunstância de haver sido reconhecida a sucumbência recíproca dos litigantes. Relativamente à questão em análise, colhe-se dos autos que o TRF-5ª Região ao dar parcial provimento à apelação do Autor, foi expresso ao reconhecer a sucumbência recíproca, nos seguintes termos: "Sucumbência recíproca, fixados os honorários advocatícios em 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação (art. 21, caput, do CPC), a serem proporcionalmente distribuídos e compensados, observados os quantitativos a serem apurados em execução de sentença. Custas na forma da lei" (fl. 175/181). Neste sentido, tratando-se de condenação cuja apuração depende apenas de cálculo aritmético, e havendo divergência entre as partes quanto ao montante do débito, é o caso de se enviar os autos à Seção de Cálculos para prestação de informação circunstanciada, na forma prevista no art. 475-B, § 3º, do CPC1, ante a pluralidade de percentuais concedidos e negados à Exeqüente, incidentes sobre saldos variáveis ao longo do tempo de sua conta vinculada do FGTS, para fins de apuração de eventual crédito exeqüendo relativamente aos honorários advocatícios. ISTO POSTO, remetam-se os autos à Seção de Cálculos para apuração do valor do débito relativo aos honorários advocatícios sucumbenciais fixados pelo julgado, observando-se a compensação entre os percentuais concedidos e negados pelo julgado, devendo, ainda, a assessoria contábil calcular o valor devido tanto na data da propositura da execução da verba honorária sucumbencial, como no momento da elaboração da informação. Após, abra-se vista às partes. João Pessoa, 3 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Art. 475-B. Quando a determinação do valor da condenação depender apenas de cálculo aritmético, o credor requererá o cumprimento da sentença, na forma do art. 475-J desta Lei, instruindo o pedido com a memória discriminada e atualizada do cálculo. § 1o Quando a elaboração da memória do cálculo depender de dados existentes em poder do devedor ou de terceiro, o juiz, a requerimento do credor, poderá requisitá-los, fixando prazo de até trinta dias para o cumprimento da diligência. § 2o Se os dados não forem, injustificadamente, apresentados pelo devedor, reputar-se-ão corretos os cálculos apresentados pelo credor, e, se não o forem pelo terceiro, configurar-se-á a situação prevista no art. 362. § 3o Poderá o juiz valer-se do contador do juízo, quando a memória apresentada pelo credor aparentemente exceder os limites da decisão exeqüenda e, ainda, nos casos de assistência judiciária. § 4o Se o credor não concordar com os cálculos feitos nos termos do § 3o deste artigo, far-se-á a execução pelo valor originariamente pretendido, mas a penhora terá por base o valor encontrado pelo contador. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL

   

0001541-96.2001.4.05.8200 MANOEL PEREIRA CARDOSO E OUTROS (Adv. FERNANDO ALMEIDA DE AGUIAR, JOSE AMERICO BARBOSA) x MANOEL PEREIRA CARDOSO E OUTROS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

Intime-se a CAIXA para cumprimento da Obrigação de Pagar, no prazo de 15(quinze) dias. Vencido o prazo, o montante da condenação será acrescida multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz.

   

0001543-66.2001.4.05.8200 JOSE TOBE DE SOUSA E OUTROS (Adv. FERNANDO ALMEIDA DE AGUIAR, JOSE AMERICO BARBOSA) x JOSE TOBE DE SOUSA E OUTROS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

Intime-se a CAIXA para cumprimento da Obrigação de Pagar, no prazo de 15(quinze) dias. Vencido o prazo, o montante da condenação será acrescida multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz.

   

0001935-16.1995.4.05.8200 LINO BORGES DE VASCONCELOS (Adv. JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, JOSE MARTINS DA SILVA, FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, PATRICIA PAIVA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x LINO BORGES DE VASCONCELOS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANTONIO MARCOS ALMEIDA, RICARDO POLLASTRINI, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

PROCESSO nº 95.1935-3 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA AUTOR/EXQTE: LINO BORGES DE VASCONCELOS ADVOGADO(A): Jurandir Pereira da Silva RÉ/EXCTDA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADA: Thereza Shimena Santos Torres D E C I S à O Cuida-se de execução de sentença/acórdão, pela qual a advogada do Autor cobra o pagamento do montante de R$ 882,64 (oitocentos e oitenta e dois reais e sessenta e quatro centavos), a título de honorários advocatícios sucumbenciais impostos pelo julgado em desfavor da CAIXA. Intimada para cumprir a obrigação de pagar (fls. 686), relativamente aos honorários advocatícios, a CAIXA, após efetuar o depósito do valor executado, ofereceu impugnação ao cumprimento do julgado (fls. 689/694), alegando a inexigibilidade do título executivo judicial, no ponto relativo aos honorários advocatícios sucumbenciais, sob o argumento de houve o reconhecimento da sucumbência recíproca pelo julgado executado. Com vista, o Embargado não se pronunciou (fls. 698). Informação da Seção de Cálculos (fls. 717/719). É o relatório. Decido. Alegou a Impugnante, nos termos previstos no art. 475-L, II, do CPC1, introduzido pela Lei nº 11.232/2005, a inexigibilidade do título judicial. Colhe-se dos presentes autos: Sentença (fls. 70/77) Acórdão do eg. TRF-5ª Região (fls. 99) Acórdão do c. STJ (fls. 206/211) Acórdão do c. STF (fls. 215/216) "Isto posto, julgo improcedente a ação. Verba honorária de dez por cento sobre o valor da causa. Custas ex lege. P.R.I." Deu parcial provimento à apelação do Autor para determinar o pagamento atualizado, na conta vinculada do FGTS, dos percentuais de 26,06% (junho/87), 42,72% (fevereiro/89), 84,32% (março/90), 44,80% (abril/90) e 7,87% (maio/90), descontados os percentuais já aplicados nos referidos meses, e fixou a verba honorária em 10% sobre a condenação Negou provimento ao Recurso Especial interposto pela CEF Deu parcial provimento ao Recurso Extraordinário interposto pela CEF para afastar da condenação as atualizações dos saldos do FGTS pelos percentuais referentes aos Planos Bresser (26,06% - junho/87), Collor I (7,87% - maio/90) e Collor II (21,87% - fevereiro/91) A controvérsia jurídico-financeira é a seguinte: Memória de cálculos da Exeqüente Alegação da CAIXA Informação da Seção de Cálculos Metodologia aplicada pela Seção de Cálculos Honorários executados R$ 882,64 Alega ser inexigível o título executivo, no ponto relativo aos honorários advocatícios sucumbenciais, ante o reconhecimento pelo julgado da sucumbência recíproca R$ 2.495,86 Os valores referentes aos honorários advocatícios sucumbenciais foram apurados em 10% (dez por cento) sobre o valor da causa, observada a compensação entre os índices negados pelo julgado e os índices deferidos pelo julgado, apurando uma proporção de honorários advocatícios em favor do Autor no percentual de 6,84% do percentual de honorários advocatícios definidos no julgado Assim, observo que o valor apresentado pela Seção de Cálculos, atuando como órgão auxiliar do Juiz2, está em consonância com o que foi decidido na ação principal, no que concerne a certeza e liquidez quanto ao crédito exeqüendo. Todavia, tratando-se o pedido executório de direito disponível, de natureza patrimonial, descabe a condenação da Executada ao pagamento de valor acima do pleiteado pelo Exeqüente, conforme precedentes jurisprudenciais3. ISTO POSTO, rejeito a impugnação à execução, nos termos dos arts. 475-M, §§ 2º e 3º, do CPC, para determinar que a execução de obrigação de pagar prossiga tomando-se por base o valor executado às fls. 676/678: R$ 882,64 (oitocentos e oitenta e dois reais e sessenta e quatro centavos). Após o trânsito em julgado, levante-se em favor do advogado do Autor o montante depositado pela CAIXA (fls. 694). João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Art. 4o O Título VIII do Livro I da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, passa a vigorar acrescido dos seguintes arts. 475-I, 475-J, 475-L, 475-M, 475-N, 475-O, 475-P, 475-Q e 475-R, compondo o Capítulo X - "DO CUMPRIMENTO DA SENTENÇA": "LIVRO I TÍTULO VIII CAPÍTULO X DO CUMPRIMENTO DA SENTENÇA Art. 475-I. O cumprimento da sentença far-se-á conforme os arts. 461 e 461-A desta Lei ou, tratando-se de obrigação por quantia certa, por execução, nos termos dos demais artigos deste Capítulo. § 1o É definitiva a execução da sentença transitada em julgado e provisória quando se tratar de sentença impugnada mediante recurso ao qual não foi atribuído efeito suspensivo. § 2o Quando na sentença houver uma parte líquida e outra ilíquida, ao credor é lícito promover simultaneamente a execução daquela e, em autos apartados, a liquidação desta. Art. 475-J. Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no art. 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. § 1o Do auto de penhora e de avaliação será de imediato intimado o executado, na pessoa de seu advogado (arts. 236 e 237), ou, na falta deste, o seu representante legal, ou pessoalmente, por mandado ou pelo correio, podendo oferecer impugnação, querendo, no prazo de quinze dias. § 2o Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação, por depender de conhecimentos especializados, o juiz, de imediato, nomeará avaliador, assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo. § 3o O exeqüente poderá, em seu requerimento, indicar desde logo os bens a serem penhorados. § 4o Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto no caput deste artigo, a multa de dez por cento incidirá sobre o restante. § 5o Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses, o juiz mandará arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. Art. 475-L. A impugnação somente poderá versar sobre: I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; II - inexigibilidade do título; III - penhora incorreta ou avaliação errônea; IV - ilegitimidade das partes; V - excesso de execução; VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença. § 1o Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. § 2o Quando o executado alegar que o exeqüente, em excesso de execução, pleiteia quantia superior à resultante da sentença, cumprir-lhe-á declarar de imediato o valor que entende correto, sob pena de rejeição liminar dessa impugnação. Art. 475-M. A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir-lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. § 1o Ainda que atribuído efeito suspensivo à impugnação, é lícito ao exeqüente requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando caução suficiente e idônea, arbitrada pelo juiz e prestada nos próprios autos. § 2o Deferido efeito suspensivo, a impugnação será instruída e decidida nos próprios autos e, caso contrário, em autos apartados. § 3o A decisão que resolver a impugnação é recorrível mediante agravo de instrumento, salvo quando importar extinção da execução, caso em que caberá apelação. Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: I - a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer, não fazer, entregar coisa ou pagar quantia; II - a sentença penal condenatória transitada em julgado; III - a sentença homologatória de conciliação ou de transação, ainda que inclua matéria não posta em juízo; IV - a sentença arbitral; V - o acordo extrajudicial, de qualquer natureza, homologado judicialmente; VI - a sentença estrangeira, homologada pelo Superior Tribunal de Justiça; VII - o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal. Parágrafo único. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução, conforme o caso. Art. 475-O. A execução provisória da sentença far-se-á, no que couber, do mesmo modo que a definitiva, observadas as seguintes normas: I - corre por iniciativa, conta e responsabilidade do exeqüente, que se obriga, se a sentença for reformada, a reparar os danos que o executado haja sofrido; II - fica sem efeito, sobrevindo acórdão que modifique ou anule a sentença objeto da execução, restituindo-se as partes ao estado anterior e liquidados eventuais prejuízos nos mesmos autos, por arbitramento; III - o levantamento de depósito em dinheiro e a prática de atos que importem alienação de propriedade ou dos quais possa resultar grave dano ao executado dependem de caução suficiente e idônea, arbitrada de plano pelo juiz e prestada nos próprios autos. § 1o No caso do inciso II do deste artigo, se a sentença provisória for modificada ou anulada apenas em parte, somente nesta ficará sem efeito a execução. § 2o A caução a que se refere o inciso III do caput deste artigo poderá ser dispensada: I - quando, nos casos de crédito de natureza alimentar ou decorrente de ato ilícito, até o limite de sessenta vezes o valor do salário-mínimo, o exeqüente demonstrar situação de necessidade; II - nos casos de execução provisória em que penda agravo de instrumento junto ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior Tribunal de Justiça (art. 544), salvo quando da dispensa possa manifestamente resultar risco de grave dano, de difícil ou incerta reparação. § 3o Ao requerer a execução provisória, o exeqüente instruirá a petição com cópias autenticadas das seguintes peças do processo, podendo o advogado valer-se do disposto na parte final do art. 544, § 1o: I - sentença ou acórdão exeqüendo; II - certidão de interposição do recurso não dotado de efeito suspensivo; III - procurações outorgadas pelas partes; IV - decisão de habilitação, se for o caso; V - facultativamente, outras peças processuais que o exeqüente considere necessárias. Art. 475-P. O cumprimento da sentença efetuar-se-á perante: I - os tribunais, nas causas de sua competência originária; II - o juízo que processou a causa no primeiro grau de jurisdição; III - o juízo cível competente, quando se tratar de sentença penal condenatória, de sentença arbitral ou de sentença estrangeira. Parágrafo único. No caso do inciso II do caput deste artigo, o exeqüente poderá optar pelo juízo do local onde se encontram bens sujeitos à expropriação ou pelo do atual domicílio do executado, casos em que a remessa dos autos do processo será solicitada ao juízo de origem. Art. 475-Q. Quando a indenização por ato ilícito incluir prestação de alimentos, o juiz, quanto a esta parte, poderá ordenar ao devedor constituição de capital, cuja renda assegure o pagamento do valor mensal da pensão. § 1o Este capital, representado por imóveis, títulos da dívida pública ou aplicações financeiras em banco oficial, será inalienável e impenhorável enquanto durar a obrigação do devedor. § 2o O juiz poderá substituir a constituição do capital pela inclusão do beneficiário da prestação em folha de pagamento de entidade de direito público ou de empresa de direito privado de notória capacidade econômica, ou, a requerimento do devedor, por fiança bancária ou garantia real, em valor a ser arbitrado de imediato pelo juiz. § 3o Se sobrevier modificação nas condições econômicas, poderá a parte requerer, conforme as circunstâncias, redução ou aumento da prestação. § 4o Os alimentos podem ser fixados tomando por base o salário-mínimo. § 5o Cessada a obrigação de prestar alimentos, o juiz mandará liberar o capital, cessar o desconto em folha ou cancelar as garantias prestadas. Art. 475-R. Aplicam-se subsidiariamente ao cumprimento da sentença, no que couber, as normas que regem o processo de execução de título extrajudicial." (NR) Art. 6o O art. 1.102-C da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, passa a vigorar com a seguinte redação: "Art. 1.102-C. No prazo previsto no art. 1.102-B, poderá o réu oferecer embargos, que suspenderão a eficácia do mandado inicial. Se os embargos não forem opostos, constituir-se-á, de pleno direito, o título executivo judicial, convertendo-se o mandado inicial em mandado executivo e prosseguindo-se na forma do Livro I, Título VIII, Capítulo X, desta Lei. § 3o Rejeitados os embargos, constituir-se-á, de pleno direito, o título executivo judicial, intimando-se o devedor e prosseguindo-se na forma prevista no Livro I, Título VIII, Capítulo X, desta Lei." (NR) Art. 8o Esta Lei entra em vigor 6 (seis) meses após a data de sua publicação. 2 "EXECUÇÃO. CÁLCULO ARITMÉTICO. VALOR QUE PODE SER ABSURDO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR. - Não parece correto que, nos casos do art. 604 do CPC, o pedido de execução deva ser sempre poderia ser impugnado através de embargos do devedor, depois de garantido o juízo com a penhora. Em certas circunstâncias, o resultado indicado no cálculo feito pelo credor, constante do seu memorial, pode ser absurdo, tão distanciado da realidade que a própria instalação do processo de execução, com a penhora, constituiria indevida ofensa. - Nesse caso, prudente e a decisão que ordena a remessa dos autos ao contador, para verificar a adequação do pedido, antes do julgamento da execução apresentada pela devedora. Recurso não conhecido". (STJ-4ª Turma, REsp. 135124-RJ, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, DJU 19.12.1997, pg. 67507) "PROCESSUAL CIVIL. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. MEMÓRIA DE CÁLCULO APRESENTADA PELA DPARTE. EXCESSO DE EXECUÇÃO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR EX OFFICIO. Apresentada memória de cálculo pela parte exeqüente, nos termos do art. 604 do CPC, ao juiz é permitido verificar se a conta está correta, de acordo com o que fora decidido no processo de conhecimento, e, se necessário remeter os autos ao contador, para que se verifique a adequação do pedido, antes do julgamento da execução. Precedentes. Recurso não conhecido". (STJ-5ª Turma, REsp. 182137-SP, rel. Min. Félix Fischer, DJU 08.05.2000, pg. 108) 3 EMBARGOS À EXECUÇÃO DE TÍTULO JUDICIAL. IRREGULARIDADE NO INSTRUMENTO PROCURATÓRIO. AUSÊNCIA DE PREJUÍZO AO RÉU. VALIDADE. SENTENÇA ULTRA PETITA. NULIDADE EM PARTE DA SENTENÇA. REDUÇÃO AOS LIMITES DO PEDIDO. PRESCRIÇÃO DA EXECUÇÃO. AUSÊNCIA DE PROVA. ÔNUS DO EMBARGANTE. CORREÇÃO DO DÉBITO FORA DO PERÍODO DE DEFLAÇÃO. - Instrumento procuratório incompleto. Ausência de prejuízo. - sentença que julgou procedentes, em parte, os embargos do devedor, com base nos cálculos do contador. Elevação do valor da execução, em prejuízo para o devedor, autor dos embargos. Sentença ultra petita. Nulidade, em parte. Redução aos limites do pedido inicial. - falta de prova dos fatos extintivos da ação pela prescrição. Ônus do embargante. - correção do débito nos cálculos embargados fora do período de deflação (TRF-5ª Região, 3ª Turma, Relator Desembargador Federal RIDALVO COSTA, j. 02.06.2005, DJU 22.07.2005, pg. 591) EMBARGOS À EXECUÇÃO. VALOR DO DÉBITO. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. 1. Não pode o juiz, quando a parte executa um valor, concluindo que o valor correto é maior, determinar ao embargante que pague o valor que julga devido, ainda que efetivamente o seja. Os embargos são ação do executado, portanto, sua situação, como decorrência desta ação, não pode resultar prejudicada. Estaria o juiz, ademais, julgando extra petita, pois o pedido, que é do embargante, era vocacionado para reduzir o valor cobrado, não para majorá-lo. Não está o exeqüente, por outro lado, compelido a executar o total da dívida. 2. Os embargos à execução constituem ação autônoma, embora incidental ao processo de execução. Portanto, ocorrendo sucumbência, deverá incidir a condenação honorária. Inteligência do art. 20, caput e parágrafo 4º, do CPC. (TRF-4ª Região, 3ª Turma, AC nº 244046/PR, Relator Juiz PAULO AFONSO BRUM VAZ, DJU 03.05.2000) (grifei) ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2.ª VARA FEDERAL ELT

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0004802-93.2006.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, RAISSA PONTES FRAGOSO DE MORAES) x CELIA MARIA PAULO (Adv. SEM ADVOGADO)

AUTOS COM VISTA ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. Publique-se. João Pessoa, 02 de outubro de 2008

   

0005719-44.2008.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x BENEDITO JOSÉ DO NASCIMENTO (Adv. SEM ADVOGADO)

AUTOS COM VISTA ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. Publique-se. João Pessoa, 02 de outubro de 2008

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0008311-95.2007.4.05.8200 ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ATIVOS, APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO ESTADO DA PARAÍBA - ASSEPFAP/PB (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Intime-se o Sindicato Autor, para, no prazo de 30 (trinta) dias, apresentar os comprovantes de rendimentos dos substituídos, restringindo-se, na apresentação dos aludidos documentos, aos meses em que houve a implantação da GDATA e da GDPGTAS nos proventos de cada um dos substituídos relacionados às fls. 30/46. P.

   

0011453-54.2000.4.05.8200 ELISA SANTOS TORRES DE ARAUJO E OUTROS (Adv. JOAQUIM CAVALCANTE DE ALENCAR, PATRICIA SARMENTO ROLIM, MARTSUNG F. C. DE ALENCAR, MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES, DEMETRIUS ALMEIDA LEAO, MYLLENA F. C. R. ALENCAR, SANCHA MARIA F.C R. ALENCAR, MARISE CORREIA DE OLIVEIRA, GUSTAVO OLIVEIRA PEREIRA DE MELO, NUBIA ATHENAS SANTOS ARNAUD, SELENITA ALENCAR P. DE MORAES, GILVANDRO ASSIS NETO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR)

PROCESSO Nº 2000.11453-2 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXQTE(S): ELISA SANTOS TORRES DE ARAÚJO, ALBERTO TOSCANO DE SOUSA, MARIA CÉLIA MONTEIRO DOS SANTOS, ANA MARIA RAMALHO DE MELO, GENECI DELFINO DA COSTA, IVONE PAULA DA SILVA, MARIA DO CÉU NASCIMENTO, RAQUEL ZAVASKI GOMES DA SILVA, ANA ELIZABETH DE OLIVEIRA SANTOS e ADRIANA FRAZÃO DE LIMA ADVOGADO: Marcus Vinícius S. Magalhães REÚ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADO(A): Thereza Shimena Santos Torres D E S P A C H O Cuida-se de Execução de sentença/acórdãos proferidos nos seguintes termos: Sentença (fls. 72/81) Acórdão do TRF-5ª Região (fls. 114/115) Isto posto, com a ressalva do ponto do vista, julgo procedente o pedido para condenar a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, a aplicar sobre os depósitos da conta vinculada do FGTS dos Autores os percentuais de 18,02% (junho de 1987), 42,72% (janeiro de 1989), 44,80% (abril de 1990), 5,38% (maio/90) e 7% (fevereiro/91), deduzindo-se os percentuais que foram posicionados pela CEF nos períodos correspondentes. Dos valores encontrados, incidirão juros de mora de 1% (um por cento), a partir da citação, e correção monetária nos termos da legislação pertinente. Custas pela CEF, além de honorários advocatícios em prol do Autor fixados em 20% sobre o valor da condenação, tendo em vista a notória procrastinação processual nas várias instâncias e fases processuais. P.R.I. Deu parcial provimento à apelação da CAIXA, para reconhecer como devidas as correções dos saldos das contas vinculadas do FGTS pelos apenas pelos índices referentes a jan/89 (42,72%) e abri/90 (44,80%). Reconheceu a sucumbência recíproca, determinando a compensação proporcional dos honorários advocatícios, fixando o percentual da condenação em 10% (dez por cento) Colhe-se dos presentes autos as seguintes questões processuais, esquematicamente: Autor Situação processual Elisa Santos Torres Araújo A CAIXA efetuou o depósito no valor de R$ 449,74 (fls. 166) Alberto Toscano de Sousa TRANSAÇÃO (fls. 128) Maria Célia Monteiro dos Santos TRANSAÇÃO (fls. 382) Ana Maria Ramalho de Melo A Caixa solicitou "prazo hábil" que possibilite o adimplemento da obrigação (fls. 424/425) Geneci Delfino da Costa TRANSAÇÃO (fls. 384) Ivone Paula da Silva TRANSAÇÃO (fls. 385) Maria do Céu Nascimento A CAIXA afirma não ter localizado extratos de sua conta vinculada Raquel Zavaski Gomes da Silva Alegação de a TRANSAÇÃO deu-se de forma on-line (fls. 411) Ana Elisabeth de Oliveira Santos TRANSAÇÃO (fls. 386) Adriana Frazão de Lima A CAIXA efetuou o depósito no valor de R$ 248,01 (fls. 166) Requereram os Exeqüentes a elaboração de cálculos pela Contadoria Judicial relativos à multa diária estabelecida no despacho de fls. 244 e aos honorários advocatícios sucumbenciais, bem como a expedição de ofício ao banco originário a que estava vinculada a conta do FGTS de Maria do Céu Nascimento (fls. 416/421). Vê-se do quadro acima transcrito que dos 10 (dez) exeqüentes 05 (cinco) firmaram transação, comprovadamente. No que se refere Raquel Zavaski Gomes da Silva a CAIXA alega que a mesma celebrou eletronicamente a transação prevista na LC 110/2001. O Decreto nº 3.913/2001 previu a possibilidade de adesão dos titulares das contas vinculadas do FGTS aos termos e condições estabelecidos na Lei Complementar nº 110/2001 através de meios magnéticos ou eletrônicos, inclusive teleprocessamento (art. 3º, § 1º1). Assim, com base no documento de fls. 411, entendo que resta comprovada a celebração pela Exeqüente Raquel Zavaski Gomes da Silva da transação prevista na Lei Complementar nº 110/2001. No que se refere à multa estabelecida pelo despacho de fls. 244, suspendo-a, colhe-se dos autos que houve várias concessões de prazo à CAIXA, de modo que, até este momento, a demora no cumprimento do julgado não pode ser imputada à resistência injustificada por parte da executada. No que se refere aos honorários advocatícios, faz-se necessária a apuração pela Seção de Cálculos a existência de eventual saldo em favor dos Exeqüentes, considerando-se a sucumbência recíproca reconhecida pelo TRF-5ª Região, com determinação de compensação recíproca e proporcional entre o que as partes ganharam e perderam na lide. No entanto, deixo para enviar os autos à Seção de Cálculos após a apresentação pela CAIXA dos cálculos referente ao crédito devido à Exeqüente Ana Maria Ramalho de Melo, conforme petição apresentada às fls. 424/425. ISTO POSTO, intime-se a CAIXA, por mandado, para, no prazo de 15 (quinze), apresentar a resposta apresentada pelo Banco Bradesco S/A, noticiada às fls. 425, e para comprovar o adimplemento da obrigação de fazer referente à Ana Maria Ramalho de Melo. Após, conclusos. João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Art. 3o A adesão às condições de resgate dos complementos de atualização monetária, estabelecidas na Lei Complementar no 110, de 2001, deverá ser manifestada em Termo de Adesão próprio, nos moldes dos formulários aprovados em portaria conjunta da Advocacia-Geral da União e do Ministério do Trabalho e Emprego. § 1o Mantido o conteúdo constante dos formulários do Termo de Adesão, as adesões poderão ser manifestadas por meios magnéticos ou eletrônicos, inclusive mediante teleprocessamento, na forma estabelecida em ato normativo do Agente Operador do FGTS. § 2o O titular de conta vinculada poderá, a partir de 5 de novembro de 2001, manifestar sua adesão às condições de resgate do complemento de atualização monetária previstas na Lei Complementar no 110, de 2001, independentemente do conhecimento prévio do valor do complemento. § 3o A critério do Agente Operador do FGTS e mediante ampla divulgação prévia, o início do processo de adesão poderá ser antecipado ?? ?? ?? ?? 1 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000506-67.2002.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARCIO PIQUET DA CRUZ) x ANDRE LUIZ SILVA MAGALHAES (Adv. FLAMINIO JEFFERSON DOS SANTOS, JAIR PESSOA DE ALBUQUERQUE E SILVA, SULPICIO MOREIRA PIMENTEL NETO)

Vista sucessivas às partes, pelo prazo de 05 (cinco) dias, sobre a petição de fls.223/232. Publique-se. Intime-se. JPA, ...

   

0005426-45.2006.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x MARIA DA PENHA PEDROSA LIRA - ME E OUTRO (Adv. KLEBERT MARQUES DE FRANCA)

PROCESSO Nº 2006.5426-4 CLASSE 28 AÇÃO MONITÓRIA AUTORA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADO(A): Fábio Romero de Souza Rangel RÉ(U)(S): MARIA DA PENHA PEDROSA LIRA - ME E MARIA DA PENHA PEDROSA LIRA ADVOGADO: Klebert Marques de França D E C I S à O Cuida-se de Ação Monitória movida pela Caixa Econômica Federal - CAIXA em face de Maria da Penha Pedrosa Lira - ME e Maria da Penha Pedrosa Lira, visando ao pagamento da quantia de R$ 100.649,07 (cem mil, seiscentos e quarenta e nove reais e sete centavos), atualizada até julho de 2006, decorrente dos Contratos de Créditos Bancário GiroCAIXA e Cheque Empresa, ambos sob o nº 13.1100.003.00000015-0. Devolvida a Carta Precatória expedida para citação da Ré sem notícia da apresentação de embargos monitórios (fls. 63/76). A CAIXA requereu "o julgamento do processo, com o fim de emprestar força executiva ao título objeto da presente ação monitória" (fls. 80). Proferi sentença convertendo o mandado inicial em mandado executivo, nos termos do art. 1.102c do CPC (fls. 83/84). Trânsito em julgado da sentença (fls. 87). Determinei a intimação da Ré para cumprir a obrigação de pagar, nos termos do art. 475-J do CPC (fls. 88). Juntados aos presentes autos os Embargos Monitórios interpostos pelas Rés ainda perante o Juízo Deprecado e não juntado aos autos da Carta Precatória (fls. 93/104). Com vista, a CAIXA manifestou-se pela rejeição dos "embargos julgados improcedentes" (fls. 111/112). Intimada por Carta Precatória para cumprir a obrigação de pagar (fls. 139v), as Rés peticionaram alegando que não foram examinados pelo Juízo dos embargos monitórios, que apresentaram tempestivamente, razão pela qual pedem "o chamamento do feito a ordem", para se declararem "nulos todos os atos desde a data da oposição dos Embargos" (fls. 119/120). É o relatório. Decido. A presente questão processual versa sobre pedido de anulação de todos os atos praticados no presente processo, a partir da data de oposição dos Embargos Monitórios pelas Rés, incluindo a sentença proferida às fls. 83/84, pela qual converti o mandado inicial de pagamento em mandado executivo, nos termos do art. 1.102c do CPC. O pedido funda-se na alegação de ofensa ao direito de defesa das Rés, em razão da não apreciação dos seus Embargos Monitórios, juntados aos autos apenas após a prolação da sentença, embora tenham sido apresentados perante o Juízo Deprecado tempestivamente. Neste sentido, colhe-se dos presentes autos: Juntada aos presentes autos da CARTA PRECATÓRIA para a citação das Rés Interposição dos Embargos Monitórios PERANTE O JUÍZO DEPRECADO Prolação da SENTENÇA nos presentes autos Data da apresentação dos Embargos Monitórios NOS PRESENTES AUTOS 27.11.2006 14.11.2006 16.02.2007 25.04.2007 Vê-se do quadro acima que a apresentação dos embargos monitórios perante o Juízo Deprecado deu-se tempestivamente, porém, não houve a sua juntada aos autos da Carta Precatória devolvida pelo Juízo da Vara Única de Pilões/PB, o que inviabilizou o seu exame nos presentes autos, por circunstância a que não deram causa as Rés nem mesmo este Juízo. No entanto, tal circunstância não favorece ao pedido formulado pelas Rés às fls. 119/120, de anulação dos atos processuais praticados após as suas citações, inclusive a sentença proferida às fls. 83/84. Isto porque, uma vez prolatada a sentença, apenas pode o juiz alterá-la nas hipóteses expressamente previstas em lei (art. 463 do CPC1). Assim, uma vez ocorrida a prestação jurisdicional, descabe a inovação pelo juiz prolator da sentença no que se refere à resolução da lide, devendo o inconformismo da parte se dar mediante os meios processuais próprios. Neste sentido, há precedentes da jurisprudência2. Ademais, a hipótese de anulação da sentença pelo próprio juiz que a prolatou representaria ofensa ao princípio do duplo grau de jurisdição, que prevê a devolução da matéria decidida apenas à instância recursal. Logo, na hipótese dos autos, deve prosseguir a execução já iniciada, mediante a penhora e avaliação de tantos bens da devedora suficientes à satisfação do débito, uma vez que, embora intimada, a devedora não cumpriu a obrigação de pagar, tendo o requerimento da CAIXA de expedição de mandado de penhora e avaliação (fls. 148/149). ISTO POSTO, indefiro o pedido de anulação de atos processuais, formulado pelas Rés às fls. 119/120, que se submete às vias próprias. Intimem-se as Rés, através de seu advogado, para indicarem bens passíveis de penhora (arts. 475-J c/c arts. 475-R e 652, §§ 3º e 4º, do CPC3). João Pessoa, 30 de setembro de 2008 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 "Art. 463. Publicada a sentença, o juiz só poderá alterá-la: I - para lhe corrigir, de ofício ou a requerimento da parte, inexatidões materiais, ou lhe retificar erros de cálculo; II - por meio de embargos de declaração." 2 PROCESSUAL CIVIL - NULIDADE - IMPOSSIBILIDADE DE ANULAÇÃO DA SENTENÇA PELO JUÍZO A QUO - INAPLICABILIDADE DA FUNGIBILIDADE RECURSAL. 1. Nulidade suscitada após a prolação da sentença. 2. Publicada a sentença, o juiz só poderá alterá-la para corrigir inexatidões materiais e retificar erros de cálculo, ou por meio de embargos de declaração. Inteligência do artigo 463 do Código de Processo Civil. 3. Ao juiz é defeso anular a própria sentença, devendo o inconformismo do agravante ser manejado na via recursal da apelação ou, eventualmente, por meio de ação rescisória. 4. Interposição de agravo de instrumento visando à anulação de sentença constitui erro grosseiro, o que inviabiliza a fungibilidade recursal. 5. Agravo de instrumento improvido (TRF-3ª Região, Turma Suplementar da 1ª Seção, AG 21304, Relator Desembargador Federal JOÃO CONSOLIM, j. 21.06.2007, DJU 30.08.2007, pg. 836). PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. ANULAÇÃO DE SENTENÇA PELO PRÓPRIO JUIZ. SOMENTE ATRAVÉS DE AÇÃO RESCISÓRIA. 1- a sentença, transitada em julgado, só pode ser anulada através de ação rescisória. 2- agravo de instrumento conhecido, mas rejeitado para manter a decisão agravada (TRF-3ª Região, Turma Suplementar da 1ª Seção, AG 21304, Relator Desembargador Federal JOÃO CONSOLIM, j. 21.06.2007, DJU 30.08.2007, pg. 836). 3 Art. 475-J. Caso o devedor, condenado ao pagamento de quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no art. 614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 1o Do auto de penhora e de avaliação será de imediato intimado o executado, na pessoa de seu advogado (arts. 236 e 237), ou, na falta deste, o seu representante legal, ou pessoalmente, por mandado ou pelo correio, podendo oferecer impugnação, querendo, no prazo de quinze dias. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 2o Caso o oficial de justiça não possa proceder à avaliação, por depender de conhecimentos especializados, o juiz, de imediato, nomeará avaliador, assinando-lhe breve prazo para a entrega do laudo. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 3o O exeqüente poderá, em seu requerimento, indicar desde logo os bens a serem penhorados. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 4o Efetuado o pagamento parcial no prazo previsto no caput deste artigo, a multa de dez por cento incidirá sobre o restante. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 5o Não sendo requerida a execução no prazo de seis meses, o juiz mandará arquivar os autos, sem prejuízo de seu desarquivamento a pedido da parte. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) Art. 475-R. Aplicam-se subsidiariamente ao cumprimento da sentença, no que couber, as normas que regem o processo de execução de título extrajudicial. Art. 652. O executado será citado para, no prazo de 3 (três) dias, efetuar o pagamento da dívida. (Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006). § 1o Não efetuado o pagamento, munido da segunda via do mandado, o oficial de justiça procederá de imediato à penhora de bens e a sua avaliação, lavrando-se o respectivo auto e de tais atos intimando, na mesma oportunidade, o executado. (Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006). § 2o O credor poderá, na inicial da execução, indicar bens a serem penhorados (art. 655). (Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006). § 3o O juiz poderá, de ofício ou a requerimento do exeqüente, determinar, a qualquer tempo, a intimação do executado para indicar bens passíveis de penhora. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006). § 4o A intimação do executado far-se-á na pessoa de seu advogado; não o tendo, será intimado pessoalmente. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006). § 5o Se não localizar o executado para intimá-lo da penhora, o oficial certificará detalhadamente as diligências realizadas, caso em que o juiz poderá dispensar a intimação ou determinará novas diligências. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006). ?? ?? ?? ?? 2 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA 2ª VARA ELT

   

0006783-94.2005.4.05.8200 ANTONIO LUCENA FILHO E OUTRO (Adv. ANTONIO DE PADUA MOREIRA DE OLIVEIRA, MARCOS LUIZ RIBEIRO DE BARROS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

3. ( x ) Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Pagar Quantia Certa - Art. 475 - J - Título Judicial transitado em julgado, instruído com a Memória do Cálculo] Contra: a. ( ) Pessoa Natural b.( ) Pessoa Jurídica de Direito Privado c. ( x ) Empresa Pública d.( ) Sociedade de Economia Mista Intime-se o(a)s CAIXA para cumprimento da Obrigação de Pagar no prazo de 15 (quinze) dias. Vencido o prazo, o montante da condenação será acrescido multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz. Intime-se. 5. ( x ) Assumi a Jurisdição. À Distribuição para conversão à classe própria (execução de sentença), nos termos das Resoluções do Conselho da Justiça Federal nºs 317/2003, 328/2003 e 398/2004, e do Provimento nº 22/2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Remeta-se. Após, cumpra-se o item 3.

   

0007969-89.2004.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO) x DAL. MED. COMERCIO E IMPORTAÇÃO LTDA E OUTROS (Adv. MARIA DAS GRAÇAS PESSOA LIMA)

Isto Posto, intime-se a CAIXA para, em 10 (dez) dias, fornecer o endereço atualizado dos Réus DAL. MED. COMÉRCIO E IMPORTAÇÃO LTDA e MARIA DE FÁTIMA LIMA BARROS. Após, renove-se a citação dos referidos Réus no endereço fornecido pela CAIXA. Publique-se. João Pessoa, ...

   

0008136-04.2007.4.05.8200 GERALDA DANTAS DA SILVA (Adv. JOSE ARAUJO DE LIMA, NORTHON GUIMARÃES GUERRA, GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA, SAORSHIAN LUCENA ARAUJO, EDILZA BATISTA SOARES, GEORGEVANA WALESKA LUCENA ARAUJO GUERRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Defiro o pedido de dilação de prazo requerido pela CAIXA para cumprimento do despacho à fl. 76, por 30 (trinta) dias. Fixo multa diária de R$ 100,00 (cem reais), a contar do 1º dia de descumprimento. Intime-se. Cumpra-se. JPA, "Intime-se a CAIXA para apresentar os extratos analíticos da conta vinculada ao FGTS da Autora, no período de maio/1987 a abril/1991, no prazo de 30 (trinta) dias."

   

0009683-79.2007.4.05.8200 JOSINALDO DA SILVA SANTOS (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA AÇÃO ORDINÁRIA Nº 2007.9683-4 C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 2ª Vara. JPA, 25/09/08. Patrícia de Holanda Cunha Barreto Analista Judiciária D E S P A C H O: CUMPRIMENTO DE SENTENÇA - EXECUÇÃO 1. ( ) Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Fazer, Art. 475-I e Art. 461 - Título Judicial transitado em julgado] Contra: a. ( ) Pessoa Natural b.( ) Pessoa Jurídica de Direito Privado c. ( ) Empresa Pública ( ) d. ( )Sociedade de Economia Mista e. ( ) Fazenda Pública. Intime-se o(a)s----------- ------- para cumprimento no prazo de ------( ) dias ou, eventual Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)]. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz a obrigação. 2. ( ) Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Fazer e de Pagar Quantia Certa - Art. 461, Art. 475-I, e Art. 475-J - Título Judicial transitado em julgado] Contra: a. ( ) Pessoa Natural b. ( ) Pessoa Jurídica de Direito Privado c. ( ) Empresa Pública ( ) d. ( )Sociedade de Economia Mista e. ( ) Fazenda Pública. Intime-se o(a)s-------------------------- para cumprimento da Obrigação de Fazer no prazo de ---------( ) dias ou, eventual Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)]. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz e, então requerer a liquidação necessária ao título judicial mediante apresentação da memória para fins de Execução pela Quantia Certa para fins de pagamento a partir do termo final da obrigação de Fazer. 3. ( x ) Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Pagar Quantia Certa - Art. 475 - J - Título Judicial transitado em julgado, instruído com a Memória do Cálculo] Contra: a. ( ) Pessoa Natural b.( ) Pessoa Jurídica de Direito Privado c. ( x ) Empresa Pública d.( ) Sociedade de Economia Mista Intime-se a CAIXA para cumprimento da Obrigação de Pagar no prazo de 15 (quinze) dias. Vencido o prazo, ao montante da condenação será acrescido multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial, a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz. 4. ( ) Trata-se de Sentença/Acórdão [Obrigação de Pagar Quantia Certa - Art. 730 do C.P.C. - Título Judicial transitado em julgado, instruído com a Memória do Cálculo] Contra a Fazenda Pública. Cite-se o(a)------------------------------ para opor Embargos no prazo de 30 (trinta) dias ou para manifestar concordância com os cálculos apresentados. 5. ( x ) À Distribuição para conversão à classe própria, nos termos das Resoluções do Conselho da Justiça Federal nºs 317/2003, 328/2003 e 398/2004, e do Provimento nº 22/2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. [www.esmafe.jfpb.gov.br/]. JPA, ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0001844-66.2008.4.05.8200 RONALDO PONTES SEIXAS (Adv. ALTAMIRO CORREIA DE MORAES NETO, THIAGO TORRES DE ARAUJO, FELIPE MENDONÇA VICENTE) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2008.1844-0 CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR(ES): RONALDO PONTES SEIXAS ADVOGADO(S): Altamiro Correia de Moraes Neto RÉ(S): CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADO(A): Ricardo Pollastrini S E N T E N Ç A1 O Autor propõe a presente ação de conhecimento contra a Caixa Econômica Federal, pretendendo a correção do saldo existente em conta vinculada do FGTS de sua titularidade, pela aplicação de índices referentes ao IPC apurados para jan/89 (42,72%) e abr/90 (44,80%). Em contestação, a CAIXA apresentou proposta de acordo (fls. 37/48), a qual foi aceita pelo Autor (fls. 52). É o relatório. Decido. Por meio da contestação, a CAIXA apresentou proposta de acordo nos seguintes termos: "(...) Ab initio, vem a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, antes de ingressar nos fundamentos da presente peça de defesa, apresentar proposta de acordo ao REQUERENTE, para fins do que dispõe o artigo 21 e seguintes, da Lei nº 9.099/95, no valor de R$ 14.322,72 (quatorze mil, trezentos e vinte e dois reais e setenta e dois centavos), obtido mediante a aplicação das condições previstas no art. 6º da Lei Complementar nº 110/2001, a serem creditadas nas contas dos fundistas em parcela única. Cumpre, de logo, destacar que o valor acima oferecido, caso aceito, quita o objeto da presente AÇÃO, estando seu levantamento pela PARTE AUTORA, condicionado à demonstração do preenchimento de alguma das hipóteses taxativas previstas no art. 20, da Lei nº 8.036/90" (grifo no original) O Autor manifestou concordância com a proposta de acordo formalizada pela CAIXA, nos seguintes termos: "RONALDO PONTES SEIXAS...vem...dizer que concorda com a proposta de acordo oferecida pela demandada, desde que realize o depósito imediatamente após ser comunicada. (...) Pugna o autor pelo normal prosseguimento do feito, e que seja cientificada a ré da concordância com a proposta de acordo. Termos em que p. e e. deferimento" (grifei). I - A TRANSAÇÃO NO CÓDIGO CIVIL Tanto o Código Civil de 1916 (artigos 1.025 a 1.0362), como o Código Civil de 2002 (artigos 840 a 8503) admitem a transação entre os interessados para prevenir ou extinguir litígios entre eles. Os pontos relevantes na transação, em ambos os Códigos, a partir da comparação abaixo, são os seguintes: Código Civil de 1916 Código Civil de 2002 Os interessados poderão prevenir ou terminar o litígio através de concessões mútuas Os interessados poderão prevenir ou terminar o litígio através de concessões mútuas Somente se admite a transação em relação a direitos patrimoniais privados Somente se admite a transação em relação a direitos patrimoniais privados A nulidade de qualquer uma das cláusulas da transação anula toda ela Somente se admite a transação em relação a direitos patrimoniais privados A transação interpreta-se restritivamente e através dela se declara(m) ou reconhece(m) direito(s), o qual(is) não é (são) transmitido(s) A transação interpreta-se restritivamente e através dela se declara(m) ou reconhece(m) direito(s), o qual(is) não é (são) transmitido(s) Quando a transação versar sobre direito discutido em juízo, será feita através de termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz Quando a transação versar sobre direito discutido em juízo, será feita através de termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz A transação será feita por escritura pública ou particular, quando inexistir litígio A transação será feita por escritura pública ou particular, quando inexistir litígio Os efeitos da transação limitam-se aos transigentes, a qual tem o efeito de coisa julgada entre eles Os efeitos da transação limitam-se aos transigentes, a qual tem o efeito de coisa julgada entre eles Somente por dolo, coação ou erro substancial quanto à pessoa ou coisa controvertida será nula a transação Somente por dolo, coação ou erro substancial quanto à pessoa ou coisa controvertida será nula a transação Quando houver sentença transitada em julgado, é nula a transação sobre o litígio por ela decidido se dela não tinha conhecimento algum dos transatores, ou quando, por título posteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação Quando houver sentença transitada em julgado, é nula a transação sobre o litígio por ela decidido, se dela não tinha conhecimento algum dos transatores, ou quando, por título posteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação A transação relativa a obrigações decorrentes de delito não extingue a ação criminal, de natureza pública A transação relativa a obrigações decorrentes de delito não extingue a ação criminal, de natureza pública A pena convencional é admitida na transação A pena convencional é admitida na transação A evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; cabendo ao evicto o direito de reclamar perdas e danos A evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; cabendo ao evicto o direito de reclamar perdas e danos A transação concluída entre o credor e o devedor desobriga o fiador; se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores; se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores A transação concluída entre o credor e o devedor desobriga o fiador; se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores; se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores Situando a transação no campo dos contratos civis, em face da topologia no Código Civil de 1916, mantida no Código Civil de 2002, Orlando Gomes discorre sobre o conceito, as espécies e requisitos4: "373. Generalidades Incluem alguns códigos a transação entre os modos de extinção das obrigações. Tem-na na doutrina, porém, como um contrato. Se contrato é um negócio jurídico destinado unicamente a criar obrigações, a transação se localiza entre as formas de pagamento lato sensu, porque sua função principal é extingui-las, mas essa doutrina restritiva do conceito de contrato, de inspiração francesa, está em decadência. Admite-se modernamente que também têm natureza contratual os negócios jurídicos bilaterais modificativos ou extintivos de obrigações. Embora a transação não se confunda com o distrato, que é o acordo puramente extintivo de obrigações contratuais tomadas na sua totalidade, visa a pôr termo a relações jurídicas. Nem por isso deixaria de ser contrato. Ademais, reconhece-se hoje que a transação não é simplesmente negócio declaratório para dirimir controvérsia. Sendo de sua essência a reciprocidade de concessões, possui caráter constitutivo, por inevitável a modificação a que tais concessões conduzem. Pela transação, podem-se criar relações jurídicas, eficácia que não teria se fora negócio simplesmente declaratório. Impõe-se, pois, sua localização na parte reservada á disciplina dos contratos típicos, visto que não se limita a extinguir obrigações. Outras relações jurídicas de caráter patrimonial, não obrigacionais, podem ser objeto de transação, pelo que não se justifica incluí-las entre os modos de extinção das obrigações. Mesmo que estas se restringissem, sua função não seria unicamente extintiva, porque, pela transação, também podem ser reconhecidas, ou confessadas. 374. Conceito e caracteres Transação é o contrato pelo qual, mediante concessões mútuas, os interessados previnem ou terminam um litígio, eliminando a incerteza de uma relação jurídica. Requer: a) incerteza de uma relação jurídica; b) eliminação contratual da incerteza, mediante concessões recíprocas. A incerteza não precisa ser objetiva. Cabe transação quanto a direitos incertos unicamente sob o ponto de vista subjetivo. Necessário que haja concessões mútuas, de qualquer teor. Concessões feitas somente por um dos interessados implicam renúncia ou reconhecimento do direito do outro. Tudo conceder sem nada receber não é transigir. O contrato de transação é bilateral, oneroso, comutativo e formal. As obrigações, que originaram, são interdependentes. Cada parte obriga-se precisamente porque a outra se obrigou. Trata-se, portanto, de contrato inequivocamente sinalagmático. Resulta sua onerosidade de um dos seus elementos essenciais. Uma vez que as concessões recíprocas devem ser feitas obrigatoriamente, não pode haver transação gratuita. Se uma das partes nada concede, transação não há. É, portanto, contrato essencialmente oneroso. Pertence, a mais, à categoria dos contratos comutativos. A equivalência das concessões aprecia-se subjetivamente. Cada qual é juiz de seus interesses. Assim, não perde esse caráter se uma das partes faz à outra concessões muito mais vantajosas. Em algumas legislações, o contrato não está sujeito à forma; em outras se exige a forma escrita para sua prova e, finalmente, como entre nós, é necessária à validade do negócio. Neste caso, é contrato formal. 375. Pressupostos e requisitos Se bem que não se transmitam direitos pela transação, não pode transigir quem não tenha o poder de disposição dos que constituem objeto do contrato. Não basta, pois, a capacidade de obrigar-se. Algumas pessoas não estão legitimadas a transigir. Precisam ser autorizadas, como, por exemplo, os tutores. Objeto da transação é, em princípio, toda relação jurídica que seja res dubia. Assim, pode recair em relações reais, obrigacionais, familiares ou sucessórias. Contudo, não se pode efetuar transação a respeito de certos direitos. Só se permite, com efeito, relativamente a direitos patrimoniais de caráter privado. Excluem-se do âmbito desse contrato certas relações de família, como o matrimônio, o pátrio-poder, o poder marital, o estado de filho legítimo ou ilegítimo. Mas é lícito transigir quanto aos interesses pecuniários vinculados ao estado de uma pessoa, como, v.g., o direito de sucessão de quem investiga a paternidade, desde que não importe transação sobre o estado que se reivindica. Proíbe-se transação sobre a dívida de alimentos. Em suma, todo direito de que o titular não pode dispor é insuscetível de transação. Quanto à forma, exige-se entre nós, que o contrato se conclua por escrito, quer a transação de direitos duvidosos, quer a de direitos litigiosos. Esta se faz, via de regra, por forma peculiar, que é o termo nos autos. A transação preventiva será contrato solene se versar sobre direitos cuja transmissão só se possa dar mediante escritura pública. Não valerá por outra forma. 376. Espécies Atento ao fim a que se destina, a transação é preventiva ou terminativa. Visa a primeira a evitar um litígio. Elimina-se a incerteza dos direitos que cada interessado supõe ter, fazendo composição amigável. Não raro, prefere-se fazer concessões mútuas a arriscar-se num pleito cuja solução poderá ser inteiramente desfavorável a um deles. Por vezes a transação preventiva é usada menos para evitar a decisão judicial do que para eliminar os vexames e a demora de uma lide. A transação terminativa supõe direitos contestados em Juízo. A ação está em curso quando os litigantes deliberam pôr-lhe termo mediante concessões mútuas. Por esse modo, termina no litígio. Pode realizar-se por três formas: a) por termo nos autos, assinado pelos transatores; b) por escritura pública, nas obrigações em que a lei a exige; c) por instrumento particular, nas obrigações em que ela o admite. Em qualquer das três formas é necessária a homologação do juiz. Por isso, a transação terminativa é conhecida como transação judicial. Sua natureza não está assentada pacificamente. Prevalece a opinião de que é, ao mesmo tempo, ato civil e processual." (grifei) II - A TRANSAÇÃO NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL No âmbito do Código de Processo Civil de 1973, há as seguintes referências à disciplina da transação: Livro I - Do Processo de Conhecimento: - As despesas processuais serão divididas igualmente entre as partes, no caso de estas nada disporem na transação (artigo 26, § 2º5). - Será marcada audiência preliminar na hipótese de a lide versar sobre direitos que admitam a transação, ou, não sendo o caso ou não se vislumbrando a possibilidade de transação, o juiz saneará o processo e determinará a produção de provas, com a fixação dos pontos controvertidos, na audiência de instrução e julgamento, se for necessária (artigo 331, caput, e §§ 2º e 3º6). - As partes deverão comparecer à audiência de instrução e julgamento em se tratando de litígio que verse sobre direitos patrimoniais privados e, também, nas causas referentes à família, nas hipóteses eu que se admite a transação (artigo 4477). - Uma das hipóteses de rescisão da sentença de mérito transitada em julgado é a existência de causa invalidatória da transação (artigo 485, inciso VIII8). Livro II - Do Processo de Execução: - A transação homologada através de sentença constitui título executivo judicial, ainda que inclua matéria não posta em juízo (artigo 475-N, III, do CPC, com a redação dada pela Lei nº 11.232, de 20059). - Constitui título executivo extrajudicial o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público, pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores (artigo 585, inciso II10, segunda parte, com a redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994). - Os embargos opostos à execução de título judicial somente poderão versar sobre causas, entre outras, impeditivas, modificativas ou extintivas da obrigação, como a transação (artigo 741, inciso VI11). - Os embargos à arrematação ou à adjudicação poderão ter como fundamento a existência de transação (artigo 74612). - A execução será extinta quando o devedor, mediante transação, obtiver a remissão total ou parcial da dívida (artigo 794, inciso III13). Livro III - Do Processo Cautelar: - Com a transação cessa o arresto de bens (artigo 82014). Outro aspecto está na plena validade da transação celebrada por pessoas capazes (artigo 2º do Código Civil de 191615, artigos 1º e 17 do Código Civil de 200216, e artigo 7º do CPC17), com produção de efeitos na relação jurídico-processual, na forma do artigo 158 do CPC18, e, quando homologada por sentença, esta adquire a natureza de título executivo judicial, conforme explicitado anteriormente. III - A HIPÓTESE DOS AUTOS No caso em exame, sendo capazes as partes, devidamente representadas por advogados habilitados (artigos 36 do CPC19 e artigo 5º da Lei nº 8.906, de 1994 - Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil20), a quem se conferiram poderes expressos para transigir (cf. procurações de fls. 10 e 48), que acordaram mediante petições juntadas aos autos quanto ao direito controvertido na ação, em que se discutem questões relativas à correção monetária dos saldos de contas vinculadas ao FGTS, e, portando, envolvendo direitos patrimoniais de caráter privado, deu-se a composição na forma do artigo 269, inciso III, do CPC. Diante do exposto, HOMOLOGO A TRANSAÇÃO efetuada entre as partes (Autor e CAIXA), nos termos em que apresentada nos autos, às fls. 38, para que produza seus jurídicos efeitos, e DECLARO EXTINTO O PRESENTE PROCESSO, conforme o disposto no artigo 269, inciso III, do CPC21. Sem condenação em honorários advocatícios, tendo em vista o disposto no artigo 29-C da Lei nº 8.036, de 1990, introduzido pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001, e custas processuais, nos termos do artigo 24-A, parágrafo único, da Lei nº 9.028, de 1995, inserido pela Medida Provisória nº 2.180-35, de 2001. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região22. Intimem-se. João Pessoa/PB, 01 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 SENTENÇA TIPO A CONFORME CLASSIFICAÇÃO CONTIDA NA RESOLUÇÃO Nº 535, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2006, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL - CJF. 2 Art. 1.025. É lícito aos interessados prevenirem, ou terminarem o litígio mediante concessões mútuas. Art. 1.026. Sendo nula qualquer das cláusulas da transação, nula será esta. Parágrafo único. Quando a transação versar sobre diversos direitos contestados e não prevalecer e não prevalecer em relação a um, fica, não obstante, válida relativamente aos outros. Art. 1.027. A transação interpreta-se restritivamente. Por ela não se transmitem, apenas se declaram ou reconhecem direitos. Art. 1.028. Se a transação recair sobre direitos contestados em juízo, far-se-á: I - por termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz; II - por escritura pública, nas obrigações em que a lei o exige, ou particular, nas em que ela o admite. (Redação dada pelo Decreto do Poder Legislativo nº 3.725, de 15.1.1919) Art. 1.029. Não havendo ainda litígio, a transação realizar-se-á por aquele dos modos indicados no artigo antecedente, n° II, que no caso couber. Art. 1.030. A transação produz entre as partes o efeito de coisa julgada, e só se rescinde por dolo, violência, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa. Art. 1.031. A transação não aproveita, nem prejudica senão aos que nela intervieram, ainda que diga respeito a coisa indivisível. § 1o Se for concluída entre o credor e o devedor principal, desobrigará o fiador. § 2o Se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores. § 3o Se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores. Art. 1.032. Dada a evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; mas ao evicto cabe o direito de reclamar perdas e danos. Parágrafo único. Se um dos transigentes adquirir, depois da transação, novo direito sobre a coisa renunciada ou transferida, a transação feita não o inibirá de exercê-lo. Art. 1.033. A transação concernente a obrigações resultantes de delito não perime a ação penal da justiça pública. Art. 1.034. É admissível, na transação, a pena convencional. Art. 1.035. Só quanto a direitos patrimoniais de caráter privado se permite a transação. Art. 1.036. É nula a transação a respeito do litígio decidido por sentença passada em julgado, se dela não tinha ciência algum dos transatores, ou quando, por título ulteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação. 3 Art. 840. É lícito aos interessados prevenirem ou terminarem o litígio mediante concessões mútuas. Art. 841. Só quanto a direitos patrimoniais de caráter privado se permite a transação. Art. 842. A transação far-se-á por escritura pública, nas obrigações em que a lei o exige, ou por instrumento particular, nas em que ela o admite; se recair sobre direitos contestados em juízo, será feita por escritura pública, ou por termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz. Art. 843. A transação interpreta-se restritivamente, e por ela não se transmitem, apenas se declaram ou reconhecem direitos. Art. 844. A transação não aproveita, nem prejudica senão aos que nela intervierem, ainda que diga respeito a coisa indivisível. § 1o Se for concluída entre o credor e o devedor, desobrigará o fiador. § 2o Se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores. § 3o Se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores. Art. 845. Dada a evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; mas ao evicto cabe o direito de reclamar perdas e danos. Parágrafo único. Se um dos transigentes adquirir, depois da transação, novo direito sobre a coisa renunciada ou transferida, a transação feita não o inibirá de exercê-lo. Art. 846. A transação concernente a obrigações resultantes de delito não extingue a ação penal pública. Art. 847. É admissível, na transação, a pena convencional. Art. 848. Sendo nula qualquer das cláusulas da transação, nula será esta. Parágrafo único. Quando a transação versar sobre diversos direitos contestados, independentes entre si, o fato de não prevalecer em relação a um não prejudicará os demais. Art. 849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa. Parágrafo único. A transação não se anula por erro de direito a respeito das questões que foram objeto de controvérsia entre as partes. Art. 850. É nula a transação a respeito do litígio decidido por sentença passada em julgado, se dela não tinha ciência algum dos transatores, ou quando, por título ulteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação. 4 Contratos. 9ª edição, Rio de Janeiro: Forense, 1983, pp. 499/501. 5 Art. 26. Se o processo terminar por desistência ou reconhecimento do pedido, as despesas e os honorários serão pagos pela parte que desistiu ou reconheceu. § 1o Sendo parcial a desistência ou o reconhecimento, a responsabilidade pelas despesas e honorários será proporcional à parte de que se desistiu ou que se reconheceu. § 2o Havendo transação e nada tendo as partes disposto quanto às despesas, estas serão divididas igualmente. 6 Art. 331. Se não se verificar nenhuma das hipóteses previstas nas secções precedentes, o juiz, ao declarar saneado o processo: I - deferirá a realização de exame pericial, nomeando o perito e facultando às partes a indicação dos respectivos assistentes técnicos; II - designará a audiência de instrução e julgamento, determinando o comparecimento das partes, perito, assistentes técnicos e testemunhas Art. 331. Se não se verificar nenhuma das hipóteses previstas nas seções procedentes, o juiz, ao declarar saneado o processo: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - decidirá sobre a realização de exame pericial, nomeando o perito e facultando às partes a indicação dos respectivos assistentes técnicos; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - designará a audiência de instrução e julgamento, deferindo as provas que nela hão de produzir-se. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Art. 331. Se não se verificar qualquer das hipóteses previstas nas seções precedentes e a causa versar sobre direitos disponíveis, o juiz designará audiência de conciliação, a realizar-se no prazo máximo de 30 (trinta) dias, à qual deverão comparecer as partes ou seus procuradores, habilitados a transigir. (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) Art. 331. Se não ocorrer qualquer das hipóteses previstas nas seções precedentes, e versar a causa sobre direitos que admitam transação, o juiz designará audiência preliminar, a realizar-se no prazo de 30 (trinta) dias, para a qual serão as partes intimadas a comparecer, podendo fazer-se representar por procurador ou preposto, com poderes para transigir. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 1o Obtida a conciliação, será reduzida a termo e homologada por sentença. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o Se, por qualquer motivo, não for obtida a conciliação, o juiz fixará os pontos controvertidos, decidirá as questões processuais pendentes e determinará as provas a serem produzidas, designando audiência de instrução e julgamento, se necessário. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o Se o direito em litígio não admitir transação, ou se as circunstâncias da causa evidenciarem ser improvável sua obtenção, o juiz poderá, desde logo, sanear o processo e ordenar a produção da prova, nos termos do § 2o. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) 7 Art. 447. Quando o litígio versar sobre direitos patrimoniais de caráter privado, o juiz, de ofício, determinará o comparecimento das partes ao início da audiência de instrução e julgamento. Parágrafo único. Em causas relativas à família, terá lugar igualmente a conciliação, nos casos e para os fins em que a lei consente a transação. 8 Art. 485. A sentença de mérito, transitada em julgado, pode ser rescindida quando: I - se verificar que foi dada por prevaricação, concussão ou corrupção do juiz; II - proferida por juiz impedido ou absolutamente incompetente; III - resultar de dolo da parte vencedora em detrimento da parte vencida, ou de colusão entre as partes, a fim de fraudar a lei; IV - ofender a coisa julgada; V - violar literal disposição de lei; Vl - se fundar em prova, cuja falsidade tenha sido apurada em processo criminal ou seja provada na própria ação rescisória; Vll - depois da sentença, o autor obtiver documento novo, cuja existência ignorava, ou de que não pôde fazer uso, capaz, por si só, de Ihe assegurar pronunciamento favorável; VIII - houver fundamento para invalidar confissão, desistência ou transação, em que se baseou a sentença; IX - fundada em erro de fato, resultante de atos ou de documentos da causa; (Vide MPV nº 1.798-3, DE 8.4.1999) § 1o Há erro, quando a sentença admitir um fato inexistente, ou quando considerar inexistente um fato efetivamente ocorrido. § 2o É indispensável, num como noutro caso, que não tenha havido controvérsia, nem pronunciamento judicial sobre o fato. 9 Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) I - a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer, não fazer, entregar coisa ou pagar quantia; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) II - a sentença penal condenatória transitada em julgado; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) III - a sentença homologatória de conciliação ou de transação, ainda que inclua matéria não posta em juízo; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) IV - a sentença arbitral; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) V - o acordo extrajudicial, de qualquer natureza, homologado judicialmente; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) VI - a sentença estrangeira, homologada pelo Superior Tribunal de Justiça; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) VII - o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) Parágrafo único. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução, conforme o caso. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) 10 Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: I - a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata e o cheque; II - o documento público, ou o particular assinado pelo devedor e subscrito por duas testemunhas, do qual conste a obrigação de pagar quantia determinada, ou de entregar coisa fungível; III - o contrato de hipoteca, de penhor, de anticrese, de caução e de seguro em geral; IV - o crédito decorrente de foro, laudêmio, aluguel ou renda de imóvel, bem como encargo de condomínio, desde que comprovado por contrato escrito; V - o crédito de serventuário de justiça, de perito, de intérprete, ou de tradutor, quando as custas, emolumentos ou honorários forem aprovados por decisão judicial; VI - a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União, Estado, Distrito Federal, Território e Município, correspondente aos créditos inscritos na forma da lei. VII - todos os demais títulos, a que, por disposição expressa, a lei atribuir força executiva. § 1º A propositura de ação anulatória de débito fiscal não inibe a Fazenda Pública de promover-lhe a cobrança. § 2º Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal, para serem executados, os títulos executivos extrajudiciais, oriundos de país estrangeiro. O título, para ter eficácia executiva, há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação. Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - A letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata e o cheque; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - O documento público, ou o particular assinado pelo devedor e subscrito por duas testemunhas, do qual conste a obrigação de pagar quantia determinada, ou de entregar coisa fungível; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - a letra de câmbio, a nota promissória, a duplicata, a debênture e o cheque; (Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994) II - a escritura pública ou outro documento público assinado pelo devedor; o documento particular assinado pelo devedor e por duas testemunhas; o instrumento de transação referendado pelo Ministério Público, pela Defensoria Pública ou pelos advogados dos transatores; (Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994) III - os contratos de hipoteca, de penhor, de anticrese e de caução, bem como de seguro de vida e de acidentes pessoais de que resulte morte ou incapacidade; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - o crédito decorrente de foro, laudêmio, aluguel ou renda de imóvel, bem como encargo de condomínio desde que comprovado por contrato escrito; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - o crédito de serventuário de justiça, de perito, de intérprete, ou de tradutor, quando as custas, emolumentos ou honorários forem aprovados por decisão judicial;(Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Vl - a certidão de dívida ativa da Fazenda Pública da União, Estado, Distrito Federal, Território e Município, correspondente aos créditos inscritos na forma da lei; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Vll - todos os demais títulos, a que, por disposição expressa, a lei atribuir força executiva. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) § 1º A propositura de ação anulatória de débito fiscal não inibe a Fazenda Pública de promover-lhe a cobrança. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) § 1o A propositura de qualquer ação relativa ao débito constante do título executivo não inibe o credor de promover-lhe a execução. (Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994) § 2o Não dependem de homologação pelo Supremo Tribunal Federal, para serem executados, os títulos executivos extrajudiciais, oriundos de país estrangeiro. O título, para ter eficácia executiva, há de satisfazer aos requisitos de formação exigidos pela lei do lugar de sua celebração e indicar o Brasil como o lugar de cumprimento da obrigação. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) 11 Art. 741. Na execução fundada em título judicial, os embargos só poderão versar sobre: (Redação dada pela Lei nº 8.953, de 13.12.1994) (Vide Medida Provisória nº 2.180-35, de 24.8.2001) I - falta ou nulidade de citação no processo de conhecimento, se a ação Ihe correu à revelia; II - inexigibilidade do título; III - ilegitimidade das partes; IV - cumulação indevida de execuções; V - excesso da execução, ou nulidade desta até a penhora; Vl - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação com execução aparelhada, transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença; Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz. 12 Art. 746. É lícito ao devedor oferecer embargos à arrematação ou à adjudicação, fundados em nulidade da execução, pagamento, novação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à penhora. Parágrafo único. Aos embargos opostos na forma deste artigo, aplica-se o disposto nos Capítulos I e II deste Título. 13Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 14 Art. 820. Cessa o arresto: I - pelo pagamento; II - pela novação; III - pela transação. 15 Art. 2º Todo homem é capaz de direitos e obrigações na ordem civil. 16 Toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil. ... Art. 17. As pessoas jurídicas serão representadas, ativa e passivamente, nos atos judiciais e extrajudiciais, por quem os respectivos estatutos designarem, ou, não o designando, pelos seus diretores. 17 Art. 7º. Toda pessoa que se acha no exercício dos seus direitos tem capacidade para estar em juízo. 18 Art. 158. Os atos das partes, consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade, produzem imediatamente a constituição, a modificação ou a extinção de direitos processuais. 19 Art. 36. A parte será representada em juízo por advogado legalmente habilitado. Ser-lhe-á lícito, no entanto, postular em causa própria, quando tiver habilitação legal ou, não a tendo, no caso de falta de advogado no lugar ou recusa ou impedimento dos que houver. 20 Art. 5º O advogado postula, em juízo ou fora dele, fazendo prova do mandato. § 1º O advogado, afirmando urgência, pode atuar sem procuração, obrigando-se a apresentá-la no prazo de quinze dias, prorrogável por igual período. § 2º A procuração para o foro em geral habilita o advogado a praticar todos os atos judiciais, em qualquer juízo ou instância, salvo os que exijam poderes especiais. § 3º O advogado que renunciar ao mandato continuará, durante os dez dias seguintes à notificação da renúncia, a representar o mandante, salvo se for substituído antes do término desse prazo. 21 Art. 269. Haverá resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz acolher ou rejeitar o pedido do autor;(Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - quando o réu reconhecer a procedência do pedido; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - quando as partes transigirem; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - quando o juiz pronunciar a decadência ou a prescrição; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - quando o autor renunciar ao direito sobre que se funda a ação. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) 22Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 15 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

0004462-81.2008.4.05.8200 BERNARDINO ALVES BRUNET E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2008.82.4462-0, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: BERNARDINO ALVES BRUNET, CLARA ROSA DOS SANTOS, CLASIO JOSÉ DA SILVA, CLODOALDO FRAZÃO DE CARVALHO E CRISTOVAM FÉLIX DO NASCIMENTO ADVOGADOS: GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERÔNICA LEITE A. DE BRITO E YARA GADELHA BELO DE BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: MÁRIO GOMES DE LUCENA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Bernardino Alves Brunet, Clara Rosa dos Santos, Clasio José da Silva, Clodoaldo Frazão de Carvalho e Cristovam Félix do Nascimento em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à implantação na remuneração dos Autores, respectivamente, dos índices de 7,35% (para o Autor Bernardino Alves Brunet), 11,21% (para a Autora Clara Rosa dos Santos) e 3,67% (para os Autores Clasio José da Silva, Clodoaldo Frazão de Carvalho e Cristovam Félix do Nascimento), relativos à diferença entre o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e aqueles aplicados alusivos às Leis nºs 8.622/93 e 8.627/93, bem com ao pagamento das diferenças retroativas. Os Autores alegam que são servidores públicos federais da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e, nessa condição, obtiverem a implantação, em seus vencimentos, de percentuais inferiores ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em decorrência de erro da Administração Pública e não de critério de cálculo do reajuste. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 08/37). A FUNASA apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 47/63), argüindo: 1) Prescrição qüinqüenal, com fundamento no art. 1º do Decreto nº. 20.910/32, inclusive na hipótese de se entender que houve a interrupção do prazo prescricional com a edição da Medida Provisória nº. 1.704/98; 2) Os Autores celebraram transação judicial para recebimento das diferenças devidas relativas ao percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), tendo a Administração cumprido o ajuste firmado. Os Autores apresentaram impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 67/69). É o relatório. Decido. Os Autores buscam tutela judicial no sentido da implantação, em seus vencimentos, dos percentuais de 7,35% (sete vírgula trinta e cinco por cento), 11,21% (onze vírgula vinte e um por cento) e 3,67% (três vírgula sessenta e sete por cento) relativos à diferença do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), bem como o pagamento das diferenças devidas, objeto de transações judiciais firmadas com a FUNASA. Os Termos de Transação Judicial celebrados entre os Autores e a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, fazendo, em sua maioria, menção à Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), com tramitação ocorrida na 1ª Vara Federal desta Seção Judiciária, estabelecem, tomando como exemplo o termo celebrado com o Autor Emanuel Ferreira da Fonseca (fls. 52/62): "Exmo. Sr. Dr. Juiz (endereçamento ao juiz) BERNARDINO ALVES BRUNET (...) e FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE, por seu representante legal, vêm, nos autos da ação ordinária nº. 95.4321-1, em trâmite nesse ínclito juízo, com fulcro no art. 269, III do Código de Processo Civil - CPC, art. 1025 ss., do Código Civil e na Lei nº 9.469/97, requerer homologação da transação ora proposta, nos termos que se seguem: I - Conforme determinado pela Medida Provisória 1.704/98 e reedições, foi estendida aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal a vantagem de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto da decisão do STF no julgamento do RMS nº 22.307-7. II - A referida Medida Provisória estabelece que tal vantagem será devida, a partir de 1º janeiro de 1993, aos servidores públicos civis, aos quais se aplicam as tabelas constantes dos anexos à Lei nº 8.622, de 1993, deduzidos os acréscimos percentuais decorrentes da aplicação da Lei nº 8.627 de 1993. (...) VI - Com base nas normas legais ora explicitadas, as partes acordaram entre si, transigindo conforme as cláusulas abaixo: Cláusula 1ª. As diferenças devidas em decorrências da aplicação do Decreto nº 2.693/98, correspondentes ao período compreendido entre 1º de janeiro de 1993 e 30 de junho de 1998, de que tratam os itens IV e V, cujo montante bruto em UFIR é 7.062,47, que será pago em sete anos, a partir de 1999, nos meses de maio e dezembro, à razão de 1/14 por parcela. (...) Cláusula 4ª. Em nenhuma hipótese será admitido o pagamento simultâneo da extensão administrativa de que trata a Medida Provisória nº 1.812-9 de 1999 e do relativo ao cumprimento de decisão judicial versando sobre o mesmo título ou fundamento. Cláusula 5ª. O autor declara que concorda e que se dá por satisfeito com o montante, a forma e prazo de pagamento constantes da Cláusula 1ª. VII - Por fim, requerem a homologação desta transação, nos termos das cláusulas acima, e conseqüente extinção do processo e eventuais recursos, com julgamento de mérito, nos termos do art. 269, III, do Código de Processo Civil brasileiro" (grifei) Nos autos da sobredita Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Serviço Público Federal no Estado da Paraíba - SINTSERF em face da Fundação Nacional de Saúde - FNS, pleiteando o pagamento de diferenças salariais relativas aos índices de 45% (quarenta e cinco por cento) e 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), o Exmo. Juiz Federal da 1ª Vara, Dr. João Bosco Medeiros de Sousa, proferiu sentença no sentido da procedência parcial do pedido, condenando a FUNASA a reajustar os vencimentos dos Substituídos com aplicação do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a partir de fevereiro de 1993. Tem-se hipótese de ação cuja matéria já foi objeto de questionamento em anterior ação judicial já definitivamente julgada, estando protegida pelo manto da coisa julgada material e formal, no que concerne especificamente ao percentual de 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto, inclusive, de transação judicial celebrada com a FUNASA para pagamento, em sete anos, do passivo relativo ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento). A Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal o reajustamento de suas remunerações pelo percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em conformidade com o que foi decidido pelo colendo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS nº. 22.307-7/DF. Na espécie, ainda que não se cogite de coisa julgada, em razão de se tratar de ação coletiva (Ação Ordinária nº. 95.4321-1), vê-se que já houve a implantação nos vencimentos dos Autores do percentual de reajustamento ora postulado, impondo-se a extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC2, com a nova redação dada pela Lei nº. 11.232, de 2005, uma vez que os Autores carecem de interesse processual em obter tutela judicial voltada à implantação do mencionado percentual, bem como do recebimento do valor correspondente. Com efeito, é imperioso ter em vista que os Autores e a FUNASA firmaram instrumento legítimo para adimplemento do passivo dos 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), mediante regras livremente aceitas pelos partícipes do ato jurídico ora questionado, e que o pacto firmado foi cumprido pela Administração Pública nos termos e condições estabelecidos, destacando-se a declaração expressa dos Autores no sentido de concordarem e darem-se por satisfeitos com o montante, a forma e o prazo de pagamento do valor devido. Diante do exposto, declaro a extinção do processo sem resolução do mérito, em face da ausência de interesse processual dos Autores, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC. Condeno os Autores ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade dos Demandantes, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/50). Sem custas processuais em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." ?? ?? ?? ?? 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0004642-05.2005.4.05.8200 MARIA DAS GRACAS XAVIER DE SOUSA E OUTRO (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2005.4642-1 CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: MARIA DAS GRAÇAS XAVIER DE SOUSA e BARTOLOMEU PAIVA DE SOUSA ADVOGADOS: ANA RITA FERREIRA NÓBREGA e ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR RÉS: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL e EMPRESA GESTORA DE ATIVOS ADVOGADOS: JUSTINIANO DIAS DA SILVA JUNIOR e LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE S E N T E N Ç A1 1. RELATÓRIO Cuida-se de Ação Ordinária, com pedido de antecipação da tutela, proposta por Maria das Graças Xavier de Sousa e Bartolomeu Paiva de Sousa em face da Empresa Gestora de Ativos, visando à revisão do contrato de mútuo habitacional nº 998000009717-3. Aduzem, em síntese, que: 1) O contrato foi celebrado em 28.09.1990 com o Banorte Crédito Imobiliário S/A, cujo crédito foi transferido inicialmente à Caixa Econômica Federal e posteriormente à Empresa Gestora de Ativos; 2) O contrato foi firmado de acordo com o Plano de Equivalência Salarial por Categoria Profissional (PES/CP) e Sistema de Amortização Francês previsto pelo Sistema Financeiro de Habitação; 3) Para efetivação do contrato houve composição de renda, na qual a autora titular do contrato compôs 51,37 % (cinqüenta e um vírgula trinta e sete por cento) e o segundo autor 48,63 % (quarenta e oito vírgula sessenta e três por cento) da renda pactuada; 4) A Ré vem reajustando as prestações com índices aleatórios, bem como utilizando forma de amortização contrária ao que determina a lei, elevando a prestação a valores bem superior ao devido. Requereram, em sede de antecipação da tutela, autorização para procederem ao depósito judicial do montante controverso do encargo mensal no valor de R$ 70,34 (setenta reais e trinta e quatro centavos) e o pagamento do montante incontroverso diretamente à Ré no valor de R$ 73,44 (setenta e três reais e quarenta e quatro centavos), bem como determinação à EMGEA para se abster de incluir os nomes dos Autores nos cadastros de restrição ao crédito e de proceder à execução extrajudicial do contrato. No mérito, pleiteiam, em síntese: a) correção do saldo devedor adotando-se como indexador os índices de reajustes da categoria profissional do mutuário, em substituição à Taxa Referencial (coeficiente da remuneração básica aplicável aos depósitos de poupança); b) amortização do saldo devedor antes de sua correção; c) exclusão do Coeficiente de Equiparação Salarial (C.E.S.); d) aplicação da taxa de juros conforme a taxa de juros contratual, bem como a exclusão do anatocismo (juros sobre juros); e) reajustes das prestações mensais e dos acessórios com base exclusivamente na variação salarial da categoria profissional; e f) repetição do indébito, por entender que efetuou pagamento indevido no curso do contrato. Com a inicial, procuração e documentos (fls. 02/121). Face ao valor da causa e à competência absoluta prevista na Lei nº 10.259/01, o MM. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, determinou a remessa dos autos ao Juizado Especial Federal (fl. 127). O então MM. Juiz Federal do Juizado Especial Federal, Dr. Rogério de Menezes Fialho Moreira, devolveu os autos à 2ª Vara Federal, sob o argumento de que o valor da causa nos processos em que se discute a revisão de contrato de mútuo habitacional deve ser a diferença entre a atualização exigida pelo agente financeiro e o pretendido pelo mutuário, que, no caso, é superior ao teto do Juizado Especial Federal (fls. 128/129). O pedido de antecipação da tutela foi deferido em parte para autorizar os Autores a procederem ao pagamento do valor incontroverso diretamente à EMGEA (fls. 132/146). Citada, a EMGEA apresentou contestação às fls. 152/223, em que denunciou à lide a Caixa Seguradora S/A, sob o fundamento de que não pode responder pelo prêmio do seguro também questionado pelos Autores. No mérito, alegou, em síntese: a) O Código de Defesa do Consumidor não é aplicável aos contratos de mútuo habitacional; b) O contrato foi firmado sobre os quatro princípios básicos, quais sejam: autonomia da vontade, consensualismo, boa-fé e força obrigacional; c) A legalidade da aplicação da TR sobre o saldo devedor do financiamento; d) A incorporação das prestações em atraso ao saldo devedor foi realizada a pedido da parte autora; e) A correta aplicação da taxa de juros e a inexistência de antocismo; f) A dívida tem atualização diária e a amortização deve incidir sobre o saldo existente no mesmo dia do recolhimento da prestação; g) O sistema de amortização previsto no contrato original é o Sistema Francês de Amortização - Tabela Price que, após a renegociação passou a ser o SACRE, que vem sendo cumprido dentro dos ditames da matemática financeira; h) A incidência do CES na primeira prestação não significa um plus para o agente financeiro, mas um minus para o mutuário, uma vez que haverá uma amortização mairo no saldo devedor do contrato, que minimizará os efeitos do descompasso entre o reajuste das prestações e a correção do saldo devedor; i) O valor pago pelos Autores a título de seguro vem sendo reajustado pelos mesmos índices repassados à prestação; j) Tendo em vista que o contrato vem sendo cumprido regularmente pelas Rés, não há valores a serem devolvidos aos Autores; l) Desde a assinatura do contrato a CAIXA e a EMGEA vêm cumprindo rigorosamente o contrato, reajustando as prestações dos Autores de acordo com o que determina a legislação regente do PES/CP. A EMGEA comunicou às fls. 224/233 a interposição de Agravo de Instrumento em face da decisão que concedeu parcialmente o pedido de antecipação da tutela. O MM. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, manteve a decisão antecipatória da tutela pelos seus próprios fundamentos (fl. 236). Os Autores impugnaram a contestação da EMGEA (fls. 239/251). Comprovantes dos pagamentos dos valores incontroversos dos encargos mensais (fls. 265/268). Os Promoventes informaram que compareceram à EMGEA, a fim de tomarem conhecimento das propostas de acordo, porém, não conseguiram firmar composição administrativa e requereram o prosseguimento do feito (fl. 269). Os Demandantes requereram o depósito judicial do montante controverso das prestações vencidas a partir de novembro de 2005 no valor de R$ 281,36 (duzentos e oitenta e um reais e trinta e seis centavos) e das vincendas na medida em que for vencendo no valor de R$ 70,34 (setenta e trinta e quatro centavos) (fl. 270). Deferi o pedido de depósito judicial dos valores indicados à fl. 270 (fl. 274). Comprovante de pagamento do valor incontroverso referente ao mês de julho de 2006 (fls. 278/279). Comprovante de depósito judicial do valor controverso referente ao período de novembro de 2005 a julho de 2006 (fls. 281/282). Traslado do acórdão da Terceira Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em que foi negado provimento ao Agravo de Instrumento interposto pela EMGEA (fls. 296/300). Comprovantes dos depósitos judiciais e do pagamento dos encargos incontroversos diretamente à EMGEA (fls. 305/311, 357/364, 374/373, 377/379, 388/392, 394, 400/405, 415/417, 421/423, 425/427, 431/437, 500/505 e 547/549). Os Autores apresentaram as suas fichas financeiras (fls. 313/353). Informações da Seção de Cálculos (fls. 380/386). Manifestação da EMGEA sobre as informações da Assessoria Contábil (fls. 411/414). Os Autores promoveram a citação da Caixa Econômica Federal - CAIXA (fls. 475/498). Documento que comprova a cessão de crédito imobiliário para a EMGEA (fls. 510/511). A CAIXA apresentou contestação às fls. 518/540, ratificando a contestação já apresentada pela EMGEA. É o relatório. Decido. 2. FUNDAMENTAÇÃO I - DA ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM DA CAIXA SEGURADORA S/A A EMGEA denunciou à lide a Caixa Seguradora S/A, sob o argumento de que a seguradora é a responsável pelo recebimento do prêmio do seguro. Todavia, o seguro é mero acessório do contrato de mútuo, o qual é de responsabilidade exclusiva da CAIXA. Dessa forma, não há que se falar em litisconsórcio passivo necessário da Caixa Seguradora S/A. A Primeira Turma do Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região já se pronunciou sobre o tema2. II - DO MÉRITO A lide prende-se, basicamente, à revisão do contrato de mútuo habitacional firmado entre os Promoventes e o BANORTE Crédito Imobiliário S/A em 28 de setembro de 1990, que foi baseado no Plano de Equivalência Salarial por Categoria Profissional (PES/CP) no âmbito do Sistema Financeiro de Habitação (SFH). O crédito imobiliário do contrato foi transferido para a CAIXA e, posteriormente para a EMGEA. De acordo com os Autores, as Rés vem descumprindo toda a legislação que rege o Sistema Financeiro de Habitação, razão pela qual requerem: a) correção do saldo devedor adotando-se como indexador os índices de reajustes da categoria profissional do mutuário, em substituição à Taxa Referencial (coeficiente da remuneração básica aplicável aos depósitos de poupança); b) amortização do saldo devedor antes de sua correção; c) exclusão do Coeficiente de Equiparação Salarial (C.E.S.); d) aplicação da taxa de juros conforme a taxa de juros contratual, bem como a exclusão do anatocismo (juros sobre juros); e) reajustes das prestações mensais e dos acessórios com base exclusivamente na variação salarial da categoria profissional; e f) repetição do indébito, por entender que efetuou pagamento indevido no curso do contrato. a) Da correção do saldo devedor pela Taxa Referencial (TR) No caso em tela, verifica-se que a cláusula nona3 do contrato prevê a correção do saldo devedor pelo mesmo coeficiente de atualização monetária dos depósitos de poupança, que atualmente é a Taxa Referencial (TR). A Lei nº 8.177, de 10.03.91, que estabeleceu regras para a desindexação da economia, dispõe sobre a atualização do saldo devedor dos financiamentos habitacionais de acordo com a remuneração da poupança. O Supremo Tribunal Federal declarou a inconstitucionalidade do artigo 18, caput, §§ 1º e 4º, artigos 20, 21, parágrafo único, 23 e §§, 24 e §§, da Lei nº 8.177/91, quando do julgamento da ADIn nº 493-DF, em 25.06.92, em face da observância do princípio constitucional da irretroatividade dos efeitos da norma, em respeito ao ato jurídico perfeito, não indo além, ou seja, não dizendo ser inconstitucional a utilização da TR como índice de reajuste do saldo devedor. Em conclusão: a TR poderá ser utilizada como fator de atualização do saldo devedor uma vez que é também por este índice que serão corrigidos os depósitos das cadernetas de poupança. Vejam-se os precedentes4. Dessa forma tem decidido o Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região5. Como dito acima, o STF declarou, na ADIn nº 493/DF, a inconstitucionalidade do art. 18, caput e §§ 1º e 4º, e arts. 20, 21, § único, 23 e §§, 24 e §§, da Lei nº 8177/91, em face da observância do princípio da irretroatividade dos efeitos da norma, em respeito ao ato jurídico perfeito. No entanto, há de atentar-se para o fato de que o entendimento sobre o teor da decisão proferida pelo STF na referida ADIn nº 493/DF não pode conduzir à conclusão de que a excelsa corte reconheceu a impossibilidade absoluta da aplicação da TR, instituída pela Lei nº 8.177/91, aos contratos de financiamento habitacional firmados antes da Medida Provisória nº 294, de 31.01.1991, que deu origem à lei. É que a vedação da retroatividade prevista no art. 18, caput, da Lei nº 8.177/91 teve por base a ofensa ao ato jurídico perfeito. Em outras palavras, o que o STF reconheceu foi que não é a tão-só retroatividade da Lei nº 8.177/91 que não é permitida em face do ordenamento constitucional, mas sim, a retroatividade lesiva ao ato jurídico perfeito. Ora, a Lei nº 8.177/91, no seu art. 18, caput, determinou a atualização monetária dos contratos de financiamento firmados até 24.11.1986 pela taxa aplicável às cadernetas de poupança, em detrimento dos índices já pactuados em tais contratos: UPC, OTN, índice de reajuste do Salário Mínimo e do Salário Mínimo de Referência. Assim, a retroatividade prevista no art. 18, caput, da referida lei impunha uma mudança nos termos contratuais - que previam índices específicos de reajuste -, ferindo, desse modo, o ato jurídico perfeito. Daí a inconstitucionalidade da retroação. Diferente é a hipótese daqueles contratos que, embora celebrados antes de janeiro de 1991 (data da entrada em vigor da MP que deu origem à Lei nº 8.177/91), possuam cláusulas de reajuste de seus encargos mensais e/ou saldos devedores pela "taxa aplicável às cadernetas de poupança", uma vez que a aplicação da Lei º 8.177/91 a tais contratos não implica ofensa ao direito adquirido ou ao ato jurídico perfeito, já que não houve alteração nos termos contratuais, que, prevendo o reajuste pela taxa aplicável às cadernetas de poupança, deixou em aberto qual seria este índice, no que seria, e será, completada a disposição contratual pela lei em vigor. Nesse sentido, tem se posicionado a mais abalizada jurisprudência6. Desse modo, não assiste razão aos Promoventes no tocante ao pedido substituição da Taxa Referencial por outro índice na correção do saldo devedor. b) Da amortização do saldo devedor Os Promoventes requerem que a amortização do saldo devedor antes de sua correção. Verifica-se que antes do pagamento mensal da parcela de amortização da dívida esta deverá refletir, necessariamente, o quantum efetivamente devido, haja vista que a atualização empreendida não é um plus, mas aquilo que se agrega ao principal, para fins de preservação de seu valor real. Se o pagamento de uma prestação somente ocorre em tempo posterior à fixação do saldo devedor, preciso é que se proceda à respectiva atualização para, só então, deduzir-se do montante realmente devido a parcela amortizadora. Tendo em vista que o capital emprestado deve ser remunerado pelo exato prazo em que ficou à disposição do mutuário, observa-se que a correção do saldo devedor antes da sua amortização não contraria o ajuste celebrado entre as partes. Neste sentido já decidiu o STJ7. Ademais, não é correta a interpretação dos Autores quanto ao disposto no at. 6º, "c", da Lei nº 4.380/648. Isto porque, em uma interpretação gramatical necessária ao alcance do espírito da lei, a expressão "antes do reajustamento" está se referindo ao termo "prestações mensais sucessivas, de igual valor", contido na referida alínea, indicando, assim, que todas as prestações do mútuo devem possuir igual valor, antes que comecem a incidir sobre elas os critérios de reajustes previstos em lei e no contrato. c) Da aplicação do Coeficiente de Equiparação Salarial (CES) Os Autores requerem que a aplicação do CES nos encargos mensais seja afastada, haja vista que a sua regulamentação formal foi posterior a assinatura do contrato, ou seja, o contrato foi firmado 28 de setembro de 1990 e a aplicação do CES foi regulamentada em 1993, através da Lei 8.692/93. O CES é cobrado sempre na primeira prestação paga pelo mutuário, atuando como espécie de seguro do PES, tendo sido regulamentado por lei em 28.07.93. Logo, qualquer prestação relativa a contrato firmado em tempo anterior a essa data somente pode embutir na prestação o percentual relativo ao CES, caso haja previsão expressa no negócio jurídico9. A Lei nº. 4.380/64 prevê, no artigo 18, inciso III, que compete ao extinto Banco Nacional da Habitação, na condição de órgão disciplinador do SFH, "...estabelecer as condições gerais que deverão satisfazer as aplicações do sistema financeiro da habitação quanto a limites de risco, prazo, condições de pagamento, seguro, juros e garantias." Com base nessa disposição, o Conselho de Administração do ex-BNH editou a Resolução nº. 36, de 11.11.69, instituindo o Coeficiente de Equiparação Salarial - CES, nos termos do artigo 3º: "O valor inicial da prestação, no PES, será obtido pela multiplicação da prestação de amortização, juros e taxa calculada pelo Sistema Francês de juros compostos (Tabela Price), por um coeficiente de equiparação salarial." (grifei) Em 30 de abril de 1993, o Presidente do Conselho Monetário Nacional baixou a Resolução nº 1.980, aprovando o regulamento que disciplina o direcionamento de recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos - SBPE, bem como as operações de financiamento efetuadas no âmbito do SFH, estatuiu a incidência do Coeficiente de Equiparação Salarial - CES sobre o prêmio mensal dos seguros previstos na Apólice de Seguro Habitacional (artigo 16). A Terceira Turma10 do Tribunal Regional Federal da 5ª Região vem decidindo que inexiste ilegalidade na adoção do CES em contrato anterior à vigência da Lei que o regulamentou formalmente, desde que o mesmo preveja expressamente a sua aplicação. Desse modo, faz-se necessário que haja previsão contratual expressa nesse sentido, sob pena de ferir a autonomia de vontade das partes no momento da contratação. No caso, o contrato não prevê expressamente a aplicação do Coeficiente de Equiparação Salarial, razão pela qual deverá ser excluído. d) Da cobrança de juros Os Promoventes sustentam que as Rés vêm aplicando taxa de juros acima da taxa de juros prevista no contrato e que há incidência de juros sobre juros (anatocismo). No que se refere à taxa de juros aplicada no caso em tela, verifica-se que as Rés observaram o percentual previsto expressamente no contrato, qual seja, a taxa de juros nominal em 10,1% (dez inteiros e um décimo por cento) ao ano, conforme se verifica da planilha de evolução do financiamento de fls. 178/192. Contudo, a planilha de evolução do financiamento demonstra que houve cobrança de juros sobre juros (anatocismo) a partir de agosto de 1996, precisamente no que se refere à incorporação dos juros não pagos ao saldo devedor. Assim, observa-se que ocorreu a chamada "amortização negativa", em que o valor pago pelos mutuários a título de encargo mensal não cobriram os juros cobrados no mês e foram incorporados ao saldo devedor. A capitalização dos juros é proibida ainda que expressamente convencionada (súmula 121 do STF11). Do exposto, para que não haja a cobrança de juros sobre juros, faz-se necessário que a CAIXA lance os juros não pagos no mês em coluna específica separada do saldo devedor. e) Da aplicação do PES/CP nos reajustes dos encargos mensais Os Autores requerem que os reajustes das prestações mensais e dos acessórios sejam feitos com base nos reajustes concedidos à categoria profissional dos mesmos. No tocante à aplicação do PES - Plano de Equivalência Salarial para reajustamento das prestações, verifica-se que é direito do mutuário ter as regras pactuadas cumpridas pelo agente financeiro, com o respeito à cláusula de reajustamento de acordo com a variação salarial de sua categoria profissional. Destarte, os mutuários do SFH que firmaram contrato prevendo o PES/CP têm o direito de ter as prestações do financiamento reajustadas na mesma proporção dos aumentos salariais de sua categoria profissional. De acordo com o contrato de mútuo firmado entre as partes, as prestações mensais e os acessórios estão interligados de forma que quando houver reajustamento dos salários da categoria profissional ambos serão reajustados no mesmo percentual, conforme as regras do Plano de Equivalência Salarial por Categoria Profissional (PES/CP). Conforme planilha de cálculo elaborada pela Assessoria Contábil às fls. 380/386, as Rés descumpriram o PES/CP, uma vez que, em alguns meses, os reajustes das prestações do contrato não corresponderam aos reajustes da categoria profissional do mutuário. Desse modo, faz-se necessário que as Demandadas procedam à revisão das prestações do contrato, com a aplicação estrita da variação salarial da categoria profissional do mutuário. Ademais, necessário se torna que a revisão reflita nas mesmas proporções com relação aos reajustes dos acessórios. f) Da repetição de indébito Os Promoventes pleiteiam a devolução em dobro dos valores que pagaram indevidamente, tomando-se como parâmetro o art. 4212 do Código de Defesa do Consumidor. Verifica-se que houve realmente pagamento indevido pelo Autor, razão pela qual há de ser procedida à devida restituição. Contudo, os valores cobrados a maior dos Promoventes deverão ser restituídos segundo as regras do art. 23 da Lei nº 8.004/90, compensando-se, primeiramente, com os encargos vincendos, e devolvendo-se o restante, corrigido pelo mesmo indexador utilizado para correção dos depósitos mantidos em caderneta de poupança no período. Não é cabível a regra do art. 42 do CDC no caso em exame, já que o SFH possui regramento específico, o que afasta a aplicação do regime consumerista, neste particular. Ademais, verifica-se que o art. 42 do CDC exige demonstração de má-fé, que, no caso em tela, não restou comprovada. A restituição deve se dar na forma de compensação com as prestações vincendas, já que "somente na hipótese de inexistirem prestações vincendas é que o mutuário faz jus à restituição. Não sendo este o caso dos autos, as diferenças a maior devem ser destinadas à compensação com prestações futuras, com fulcro no art. 23 da Lei nº 8.004/90"13. 3. DISPOSITIVO Diante de todo o exposto, julgo parcialmente procedente o pedido, nos termos do art. 269, I14, do CPC, para condenar a Caixa Econômica Federal - CAIXA e a Empresa Gestora de Ativos - EMGEA a: a) Excluir a aplicação do Coeficiente de Equiparações Salariais (CES) do cálculo da primeira prestação do contrato de mútuo habitacional; b) Lançar os juros não pagos no mês em coluna específica, separada do saldo devedor, incidindo sobre ele apenas a correção pelo indexador aplicado às cadernetas de poupança; c) Reajustar os valores das prestações e dos acessórios de acordo com os percentuais de reajustes aplicados à categoria profissional do mutuário; d) Restituir os valores cobrados a maior que o devido, devidamente atualizados no mesmo indexador aplicado às cadernetas de poupança, mediante compensação com as prestações vincendas, nos termos do art. 2315 da Lei 8.004/90. Levantem-se em favor da EMGEA os depósitos judiciais efetuados pelos Demandantes, a fim de compensá-los com as prestações vencidas na forma do item c, utilizando-se o valor remanescente, se houver, para compensação com as prestações vincendas na forma do item d. Custas ex lege. Sucumbência recíproca, em conformidade com o insculpido no art. 2116 do Código de Processo Civil. Publique-se. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 2317, de 06.12.2006, da Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa/PB, 8 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 CIVIL. PROCESSUAL CIVIL. SISTEMA FINANCEIRO DE HABITAÇÃO - SFH. PLANO DE EQUIVALÊNCIA SALARIAL POR CATEGORIA PROFISSIONAL - PES/CP. URV. LEGITIMIDADE PASSIVA DA CAIXA SEGURADORA S/A. APLICAÇÃO DO CDC. ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR. TAXA REFERENCIAL. COEFICENTE DE EQUIPARAÇÃO SALARIAL. PREVISÃO CONTRATUAL. JUROS LEGAIS. MOMENTO DE ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR. REPETIÇÃO DE INDÉBITO. PRÊMIO DE SEGURO. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. SUCUMBÊNCIA MÍNIMA. - ILEGITIMIDADE DA CAIXA SEGURADORA S/A PARA FIGURAR NO PÓLO PASSIVO DE DEMANDA QUE VERSE SOBRE REVISÃO DE CLÁUSULAS CONTRATUAIS DE MÚTUO FIRMADO SOB A ÉGIDE DO SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO. LEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM EXCLUSIVA DA CAIXA ECONOMICA FEDERAL. - PACIFICADA A APLICAÇÃO DO CDC AOS CONTRATOS DO SFH PARA RESTABELECER, QUANDO RESTAR DESCARACTERIZADO, O EQUILÍBRIO CONTRATUAL ENTRE OS PÓLOS HIPOSSUFICIENTE (MUTUÁRIO) E HIPERSUFICIENTE (AGENTE FINANCEIRO). - A UTILIZAÇÃO DA TAXA REFERENCIAL - TR COMO PARÂMETRO PARA ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR SÓ É ADMISSÍVEL PARA OS CONTRATOS FIRMADOS APÓS A VIGÊNCIA DA LEI 8.177/91 E DESDE QUE EXPRESSAMENTE PREVISTA NO ACORDO. SÚMULA 295 DO STJ: A TAXA REFERENCIAL (TR) É INDEXADOR VÁLIDO PARA CONTRATOS POSTERIORES À LEI N. 8.177/91, DESDE QUE PACTUADA. NO CASO EM EXAME, SENDO O CONTRATO DE MÚTUO ANTERIOR À DATA DE VIGÊNCIA DA REFERIDA LEI, APLICA-SE O IPC COMO ÍNDICE DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. - A ATUALIZAÇÃO DOS ENCARGOS MENSAIS DEVERÁ RESPEITAR O PLANO DE EQUIVALÊNCIA SALARIAL FIXADO NO CONTRATO. - A APLICAÇÃO DA UNIDADE REAL DE VALOR - URV SOBRE A PRESTAÇÃO MENSAL DOS CONTRATOS DO SFH VISOU APENAS MANTER O EQUILÍBRIO ENTRE A PRESTAÇÃO E A RENDA FAMILIAR, NOS MOLDES DO PLANO DE EQUIVALÊNCIA SALARIAL. INEXISTÊNCIA DE QUALQUER PREJUÍZO AO MUTUÁRIO, DESDE QUE OS SEUS RENDIMENTOS TAMBÉM SOFRERAM VARIAÇÃO COM BASE NO CITADO PADRÃO MONETÁRIO. - NOS CONTRATOS FIRMADOS NO ÂMBITO DO SFH OS JUROS DEVEM OBEDECER AO PACTUADO, NÃO PODENDO, NO ENTANTO, ULTRAPASSAR OS LIMITES DE 10% A.A. E 12% A.A., PARA OS ACORDOS REALIZADOS DURANTE A VIGÊNCIA DAS LEIS 4.380/64 E 8.692/93, RESPECTIVAMENTE. - POSSIBILIDADE DE APLICAÇÃO DO COEFICIENTE DE EQUIPARAÇÃO SALARIAL, DESDE QUE EXPRESSAMENTE PREVISTO NO CONTRATO. - CORRETO O PRÉVIO ABATIMENTO DA PRESTAÇÃO PAGA PARA SÓ ENTÃO SE PROCEDER À ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR, SOB PENA DE IMPOSSIBILITAR POR COMPLETO A LIQUIDAÇÃO DO DÉBITO JUNTO À INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. TAL PROCEDIMENTO ENCONTRA RESPALDO NA PREVISÃO CONTIDA NO ART. 6º, C, DA LEI 4.380/64. - ADMITIDA A REPETIÇÃO DO INDÉBITO E A COMPENSAÇÃO DOS VALORES COBRADOS INDEVIDAMENTE, NA FORMA DO ART. 23 DA LEI Nº 8.004/90 - ESPECÍFICA PARA ESSES CONTRATOS - E NÃO PELA REGRA DO ART. 42, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CDC. - O CONTEÚDO DOS CONTRATOS FIRMADOS SOB A ÉGIDE DO SFH ESTÁ REGULADO POR LEGISLAÇÃO ESPECIAL, RESPONSÁVEL POR DELINEAR OS TRAÇOS GERAIS DO ACORDO. LOGO, PLENAMENTE VÁLIDA A CLÁUSULA DE SEGURO INSERTA NO CONTRATO, VISTO DECORRER DE IMPOSIÇÃO DA LEI 4.380/64. - TENDO SUCUMBIDO O AUTOR EM PARTE MÍNIMA DO PEDIDO FORMULADO NA INICIAL, CORRETA É A CONDENAÇÃO DA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA NO PAGAMENTO DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. INTELIGÊNCIA DO ART. 21, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC. - APELAÇÃO DA CAIXA SEGURADORA PROVIDA PARA EXCLUÍ-LA DA LIDE. - APELAÇÕES DA PARTE AUTORA E DA CAIXA PROVIDAS, EM PARTE. (TRF- 5ª Região; AC 388548/PE; Primeira Turma; Relator Desembargador Federal José Maria de Lucena; j. 23.11.2006; DJ 30.03.2007, pg. 1270.) 3 CLÁUSULA NONA: REAJUSTE DOS SALDOS DEVEDORES - O(s) DEVEDOR(ES) declara(m), de logo, conhecer e aceitar que o saldo devedor do financiamento ora contratado, será atualizado monetariamente nas mesmas datas previstas para pagamento das prestações, mediante a aplicação dos mesmos índices de atualização monetária utilizados para o reajustamento dos depósitos de poupança livre, mantidos nas instituições integrantes do SBPE ou de quaisquer outras formas de captação que venham a substituir os referidos depósitos em poupança. PARÁGRAFO ÚNICO: - Nas apurações do saldo devedor para fins de liquidação antecipada, amortização extraordinária ou quaisquer outros eventos, a atualização monetária será calculada pelo mesmo índice aplicável aos depósitos de poupança livre, no período compreendido entre a data da assinatura do contrato, ou da última atualização, se já ocorrida, e a data da apuração do saldo devedor. 4 "SFH. Correção monetária. TR. Exclusão da TR para os contratos celebrados antes de 1991. Recurso conhecido em parte e, nessa parte, provido." (REsp nº. 297506/SP (2000/0143886-7), STJ - 4ª Turma, Relator Ministro Ruy Rosado de Aguiar, DJU de 01.07.2002, p. 00345) (grifei) "CIVIL. SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO. MÚTUO. CARTEIRA HIPOTECÁRIA. SALDO DEVEDOR. CORREÇÃO MONETÁRIA. TR. ADMISSIBILIDADE. COBRANÇA CONCOMITANTE COM JUROS REMUNERATÓRIOS. LEGALIDADE. I. Ausência de vedação legal para utilização da TR como indexador do contrato sob exame, desde que seja o índice que remunera a caderneta de poupança livremente pactuado. Precedentes. II. Representando a indexação monetária do contrato e os juros remuneratórios parcelas específicas e distintas, não se verifica o anatocismo na adoção da TR de forma concomitante nos contratos de mútuo hipotecário. III. Primeiro recurso conhecido e provido. Segundo recurso conhecido e desprovido." (REsp nº 442777-DF, Relator Ministro Aldir Passarinho Júnior, 4ª Turma do STJ, DJU de 17.02.2003, p. 290) (grifei) "Administrativo. Sistema Financeiro de Habitação - SFH. Contratos de Financiamento da Casa Própria. Legalidade da Aplicação da TR. Lei 8.177/91". 1. A Taxa Referencial - TR não foi excluída para indexação afeita à atualização monetária (ADIN 493, 768 e 959 - STF). Corrigidos pela TR os recursos captados para a poupança, quando emprestados positiva-se como índice. A correção pelo IPC ou INPC afetaria o equilíbrio da equação financeira. 2. As vantagens pessoais, pagas em razão de situação jurídica individual do mutuário, incorporadas definitivamente ao salário ou vencimento, constituindo renda mensal, incluem-se na verificação de equivalência na fixação das prestações. 3. Recurso provido." (REsp nº 171165-BA, Relator Ministro Milton Luiz Pereira, 1ª Turma do STJ, DJU de 21.06.1999, p. 79) (grifei) 5 PROCESSUAL CIVIL. MÚTUO. SFH. ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR ÍNDICE DE REMUNERAÇÃO DA POUPANÇA. TR. APLICABILIDADE. FORMA DE AMORTIZAÇÃO. PES I. "O USO DA TR COMO INDEXADOR DOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO DECORRE DO FATO DE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS DESTINADOS AO SFH ADVIR DAS CADERNETAS DE POUPANÇA." (AC 132.559/SE, REL. JUIZ CASTRO MEIRA, JULG. 04.06.98, PUBL. DJU 26.06.98, PÁG. 175). PRECEDENTE DO STJ (RESP Nº 172165/BA, REL. MINISTRO MILTON LUIZ PEREIRA, JULG. EM 20/04/1999, PUBL. DJU DE 21/06/1999, PÁG. 79). II. A ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR DO FINANCIAMENTO PELOS ÍNDICES DE REMUNERAÇÃO DA POUPANÇA ENCONTRA-SE CONSIGNADA NO PRÓPRIO CONTRATO FIRMADO ENTRE AS PARTES. III. INEXISTE DISPOSIÇÃO LEGAL QUE DETERMINE DEVER A CEF PROCEDER À AMORTIZAÇÃO DA PRESTAÇÃO MENSAL QUITADA PARA, SOMENTE ENTÃO, CORRIGIR O SALDO DEVEDOR. IV. VERIFICADA A DESOBEDIÊNCIA AO PLANO DE EQUIVALÊNCIA SALARIAL COM BASE NAS PROVAS ACOSTADAS AOS AUTOS, DEVE O PLEITO DO AUTOR, CONSUBSTANCIADO NO PEDIDO DE REVISÃO CONTRATUAL, SER JULGADO PROCEDENTE QUANTO A ESTE ASPECTO, A FIM DE QUE O DESCUMPRIMENTO DEMONSTRADO SEJA SANADO. V. APELAÇÃO DA CEF PARCIALMENTE PROVIDA. (Origem: TRIBUNAL - QUINTA REGIAO Classe: AC - Apelação Civel - 313616 Processo: 200184000116690 UF: RN Órgão Julgador: Primeira Turma Data da decisão: 20/03/2002 Documento: TRF500063387 Fonte DJ - Data::13/05/2003 - Página::402 Relator(a) Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho Decisão UNÂNIME Data Publicação 13/05/2003) 6 PROCESSUAL CIVIL. SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO. ILEGITIMIDADE DA UNIÃO. SALDO DEVEDOR. REAJUSTE PELO IPC EM MARÇO/1990 (84,32%). MUDANÇA DE PADRÃO MONETÁRIO (CRUZEIRO REAL PARA REAL). Em pacto firmado sob as normas do Sistema Financeiro de Habitação é legítima a incidência da Taxa Referencial no reajuste do saldo devedor, ainda que o contrato tenha sido subscrito antes da edição da Lei nº 8.177/91, se já permitida em cláusula a utilização, para tal fim, de índice idêntico ao que servia para reajustamento dos depósitos de poupança. Situação que torna inócua a aplicação "pro rata tempore" da TR para correção do saldo devedor quando da mudança do padrão monetário (cruzeiro real para real). Apelação improvida. Sentença mantida. (TRF-1ª Região, 5ª Turma, AC nº 34000220402, Relator Desembargador Federal JOÃO BATISTA MOREIRA, DJU 17.03.2003, pg. 169) 7 "O sistema de prévio reajuste e posterior amortização do saldo devedor não fere a comutatividade das obrigações pactuadas no ajuste, uma vez que, de um lado, deve o capital emprestado ser remunerado pelo exato prazo em que ficou à disposição do mutuário, e, de outro, restou convencionado no contrato que a primeira parcela será paga apenas no mês seguinte ao do empréstimo do capital". (RESP 427329 / SC; RECURSO ESPECIAL 2002/0043183-8 Fonte DJ DATA:09/06/2003 PG:00266 Relator Min. NANCY ANDRIGHI (1118) Data da Decisão 11/03/2003 Orgão Julgador T3 - TERCEIRA TURMA) 8 Art. 6º O disposto no artigo anterior somente se aplicará aos contratos de venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão, ou empréstimo que satisfaçam às seguintes condições: (...) c) ao menos parte do financiamento, ou do preço a ser pago, seja amortizado em prestações mensais sucessivas, de igual valor, antes do reajustamento, que incluam amortizações e juros. 9 "Muito embora o coeficiente de equiparação salarial somente tenha sido previsto expressamente em lei formal com a edição da Lei n. 8.692, de 28 de julho de 1993 - esta posterior ao mútuo convencionado entre as partes - não há que se falar em ilegalidade na sua previsão em cláusula contratual, pois não viola a legislação garantidora do Plano de Equivalência Salarial, pelo contrário, antes a prestigia". (AC n. 293.818-PE (2002.05.00.014402-1), rel. Des. Federal Edílson Nobre, DJU 08.05.03). 10 CIVIL. ADMINISTRATIVO. SFH. PES/CP. REVISÃO DE PRESTAÇÕES. SEGURO. CES. URV. ATUALIZAÇÃO DO SALDO DEVEDOR PELA TAXA REFERENCIAL - TR. CABIMENTO. ATUALIZAÇÃO ANTERIOR A AMORTIZAÇÃO. TABELA PRICE. ANATOCISMO. INEXISTÊNCIA. (...) 02. NÃO HÁ ILEGALIDADE NA COBRANÇA DO CES - COEFICIENTE DE EQUIVALÊNCIA SALARIAL NOS CONTRATOS CELEBRADOS ANTES DO ADVENTO DA LEI N. 8.692/93, DESDE QUE HAJA PREVISÃO CONTRATUAL. NO CASO DOS AUTOS, ENTRETANTO, O CONTRATO DE FINANCIAMENTO REMONTA A PERÍODO ANTERIOR À LEI E NELE INEXISTE PREVISÃO DO CES. ASSIM, É INDEVIDA A SUA COBRANÇA. (...) (Tribunal Regional Federal da 5ª Região, Terceira Turma, AC 438490/PE, Relator Desembargador Federal PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA, j. 05.06.2008, DJ 05/09/2008 - pg. 777) 11 STF. Súmula nº 121. É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada. 12 Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. 13 (TRF da 4ª Região Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 501713 Processo: 200072050050534 UF: SC Órgão Julgador: QUARTA TURMA Data da decisão: 22/08/2002, Relator JUIZ VALDEMAR CAPELETTI, DJU DATA:22/08/2002, unânime) 14 Art. 269. Haverá resolução de mérito: I - quando o juiz acolher ou rejeitar o pedido do autor. 15 Art. 23. As importâncias eventualmente cobradas a mais dos mutuários deverão ser ressarcidas devidamente corrigidas pelos índices de atualização dos depósitos de poupança, em espécie ou através de redução nas prestações vincendas imediatamente subseqüentes. 16 Art. 21. Se cada litigante for em parte vencedor e vencido, serão recíproca e proporcionalmente distribuídos e compensados entre eles os honorários e as despesas. 17Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 15 de 15 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0005044-81.2008.4.05.8200 ELIAS RAULINO DA SILVA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 2008.82.5044-9, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: ELIAS RAULINO DA SILVA, ELINALVA DE OLIVEIRA ALVES PEREIRA, ELY BATISTA LOPES, EMMANUEL FERREIRA DA FONSECA E ROSINALDO CARDOSO DA SILVA ADVOGADOS: GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERÔNICA LEITE A. DE BRITO E YARA GADELHA BELO DE BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: JOSÉ HAILTON DE OLIVERIA LISBOA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Elias Raulino da Silva, Elinalva de Oliveira Alves Pereira, Ely Batista Lopes, Emmanuel Ferreira da Fonseca e Rosinaldo Cardoso da Silva em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à implantação na remuneração dos Autores, respectivamente, dos índices de 7,37% (sete vírgula trinta e sete por cento), 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), 11,17% (onze vírgula dezessete por cento), 7,36% (sete vírgula trinta e seis por cento) e 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), relativos à diferença entre o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e aqueles aplicados alusivos às Leis nºs 8.622/93 e 8.627/93, bem com ao pagamento das diferenças retroativas. Os Autores alegam que são servidores públicos federais da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e, nessa condição, obtiverem a implantação, em seus vencimentos, de percentuais inferiores ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em decorrência de erro da Administração Pública e não de critério de cálculo do reajuste. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 08/35). A FUNASA apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 43/63), argüindo: 1) Ausência de interesse processual, uma vez que a Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu a todos os servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo o percentual de 28,86%; 2) Prescrição qüinqüenal, com fundamento no art. 1º do Decreto nº. 20.910/32, inclusive na hipótese de se entender que houve a interrupção do prazo prescricional com a edição da Medida Provisória nº. 1.704/98; 2) Os Autores celebraram transação judicial para recebimento das diferenças devidas relativas ao percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), tendo a Administração cumprido o ajuste firmado. Os Autores apresentaram impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 67/69). É o relatório. Decido. Os Autores buscam tutela judicial no sentido da implantação, em seus vencimentos, dos percentuais de 7,37% (sete vírgula trinta e sete por cento), 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), 11,17% (onze vírgula dezessete por cento), 7,36% (sete vírgula trinta e seis por cento) e 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), relativos à diferença do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), bem como o pagamento das diferenças devidas, objeto de transações judiciais firmadas com a FUNASA. Os Termos de Transação Judicial celebrados entre os Autores e a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, fazendo, em sua maioria, menção à Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), com tramitação ocorrida na 1ª Vara Federal desta Seção Judiciária, estabelecem, tomando como exemplo o termo celebrado com o Autor Emanuel Ferreira da Fonseca (fls. 53/63): "Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1ª Vara Federal da Paraíba. EMANUEL FERREIRA DA FONSECA (...) e FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE, por seu representante legal, vêm, nos autos da ação ordinária nº. 95.4321-1, em trâmite nesse ínclito juízo, com fulcro no art. 269, III do Código de Processo Civil - CPC, art. 1025 ss., do Código Civil e na Lei nº 9.469/97, requerer homologação da transação ora proposta, nos termos que se seguem: I - Conforme determinado pela Medida Provisória 1.704/98 e reedições, foi estendida aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal a vantagem de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto da decisão do STF no julgamento do RMS nº 22.307-7. II - A referida Medida Provisória estabelece que tal vantagem será devida, a partir de 1º janeiro de 1993, aos servidores públicos civis, aos quais se aplicam as tabelas constantes dos anexos à Lei nº 8.622, de 1993, deduzidos os acréscimos percentuais decorrentes da aplicação da Lei nº 8.627 de 1993. (...) VI - Com base nas normas legais ora explicitadas, as partes acordaram entre si, transigindo conforme as cláusulas abaixo: Cláusula 1ª. As diferenças devidas em decorrências da aplicação do Decreto nº 2.693/98, correspondentes ao período compreendido entre 1º de janeiro de 1993 e 30 de junho de 1998, de que tratam os itens IV e V, cujo montante bruto em UFIR é 6.901,59 (SEIS MIL, NOVECENTAS E UMA VÍRGULA CINQUENTA E NOVE UFIR), que será pago em sete anos, a partir de 1999, nos meses de maio e dezembro, à razão de 1/14 por parcela. (...) Cláusula 4ª. Em nenhuma hipótese será admitido o pagamento simultâneo da extensão administrativa de que trata a Medida Provisória nº 1.812-9 de 1999 e do relativo ao cumprimento de decisão judicial versando sobre o mesmo título ou fundamento. Cláusula 5ª. O autor declara que concorda e que se dá por satisfeito com o montante, a forma e prazo de pagamento constantes da Cláusula 1ª. VII - Por fim, requerem a homologação desta transação, nos termos das cláusulas acima, e conseqüente extinção do processo e eventuais recursos, com julgamento de mérito, nos termos do art. 269, III, do Código de Processo Civil brasileiro" (grifei) Nos autos da sobredita Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Serviço Público Federal no Estado da Paraíba - SINTSERF em face da Fundação Nacional de Saúde - FNS, pleiteando o pagamento de diferenças salariais relativas aos índices de 45% (quarenta e cinco por cento) e 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), o Exmo. Juiz Federal da 1ª Vara, Dr. João Bosco Medeiros de Sousa, proferiu sentença no sentido da procedência parcial do pedido, condenando a FUNASA a reajustar os vencimentos dos Substituídos com aplicação do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a partir de fevereiro de 1993. Tem-se hipótese de ação cuja matéria já foi objeto de questionamento em anterior ação judicial já definitivamente julgada, estando protegida pelo manto da coisa julgada material e formal, no que concerne especificamente ao percentual de 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto, inclusive, de transação judicial celebrada com a FUNASA para pagamento, em sete anos, do passivo relativo ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento). A Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal o reajustamento de suas remunerações pelo percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em conformidade com o que foi decidido pelo colendo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS nº. 22.307-7/DF. Na espécie, ainda que não se cogite de coisa julgada, em razão de se tratar de ação coletiva (Ação Ordinária nº. 95.4321-1), vê-se que já houve a implantação nos vencimentos dos Autores do percentual de reajustamento ora postulado, impondo-se a extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC2, com a nova redação dada pela Lei nº. 11.232, de 2005, uma vez que os Autores carecem de interesse processual em obter tutela judicial voltada à implantação do mencionado percentual, bem como do recebimento do valor correspondente. Com efeito, é imperioso ter em vista que os Autores e a FUNASA firmaram instrumento legítimo para adimplemento do passivo dos 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), mediante regras livremente aceitas pelos partícipes do ato jurídico ora questionado, e que o pacto firmado foi cumprido pela Administração Pública nos termos e condições estabelecidos, destacando-se a declaração expressa dos Autores no sentido de concordarem e darem-se por satisfeitos com o montante, a forma e o prazo de pagamento do valor devido. Diante do exposto, declaro a extinção do processo sem resolução do mérito, em face da ausência de interesse processual dos Autores, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC. Condeno os Autores ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade dos Demandantes, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/50). Sem custas processuais em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." ?? ?? ?? ?? 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0008057-59.2006.4.05.8200 NATÁLIA CASTRO GUERRA (Adv. DEMOSTENES PESSOA MAMEDE DA COSTA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2006.8057-3 CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: NATÁLIA CASTRO GUERRA ADVOGADO: Demóstenes Pessoa Mamede da Costa RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADA: Leila Regina de Brito Andrade D E S P A C H O Cuida-se de Embargos de Declaração interpostos às fls. 136/138 pela Autora em face da sentença que proferi às fls. 120/132. Verifica-se que os Embargos Declaratórios interpostos pela Autora podem ter efeitos modificativos no julgado, razão pela qual, em consonância com o princípio do contraditório, a Ré deve ser intimada para, querendo, se manifestar. Diante do exposto, intime-se a CAIXA para, no prazo de 05 (cinco) dias, se pronunciar sobre os Embargos de Declaração interpostos pela Autora. Após, imediatamente conclusos. Publique-se. João Pessoa, 8 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 2 de 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0008509-35.2007.4.05.8200 SINDSPREV - SINDICATO DOS TRABALHADORES PUBLICOS EM SAUDE E PREVIDENCIA DO ESTADO DA PARAIBA (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.8509-5, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: SINDICATO DOS TRABALHADORES PÚBLICOS FEDERAIS EM SAÚDE E PREVIDÊNCIA SOCIAL DO ESTADO DA PARAÍBA - SINDSPREV/PB ADVOGADOS: JOSÉ RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA E YURI PORFÍRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde e Previdência Social do Estado da Paraíba - SINDSPREV/PB, na condição de substituta processual dos servidores públicos federais relacionados nos documentos de fls. 53/210, em face do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, visando à revisão geral e anual da remuneração dos Substituídos, no percentual de 13,23% (treze vírgula vinte e três por cento), a partir do ano de 2003. A Autora atua como substituta processual de servidores públicos federais e afirma o seguinte: 1) Em razão da nova redação dada pela Emenda nº 19, de 05 de junho de 1998, e com a edição da Lei nº. 10.331, de 2001, a revisão geral dos vencimentos dos servidores públicos passou a ser anual, efetivando-se na mesma data e sem distinção de índices; 2) Sob o argumento de que a revisão geral em percentual linear pouco beneficiaria aos que ganham menos, o Governo Federal promoveu revisão geral em índices diferenciados, conforme explicitou o Ministro do Planejamento Guido Mantega, em afronta ao texto constitucional. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 18/210). Citado, o INSS não apresentou contestação (fl. 214). É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em determinar (fls. 16/17): "7.2 - ... o reajuste nos vencimentos dos substituídos da Autora no percentual de 13,23% (compensado o já concedido pelas Leis 10.697 e 10.698 ambas de 02/07/2003), a partir de maio de 2003; 7.3 - ... pagamento das parcelas vencidas desde a data da lesão, acrescidas de juros de mora e atualização monetária;" (grifei) O exame da matéria diz respeito ao previsto no artigo 37, inciso X, da Constituição Federal de 1988, na redação dada pela Emenda nº 19/982, estabelecendo a revisão geral e anual da remuneração dos servidores públicos federais, através da propositura de projeto de lei a cargo do Presidente da República. A partir da decisão proferida pelo STF, na ADIn nº 2.061-7-DF3, o Presidente da República encaminhou projeto de lei ao Congresso Nacional, que resultou na Lei nº 10.331, de 20014, tratando dos parâmetros da revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos federais - a) autorização na lei de diretrizes orçamentárias; b) definição do índice em lei específica; c) previsão do montante da respectiva despesa e correspondentes fontes de custeio na lei orçamentária anual; d) comprovação da disponibilidade financeira que configure capacidade de pagamento pelo governo, preservados os compromissos relativos a investimentos e despesas continuadas nas áreas prioritárias de interesse econômico e social; e) compatibilidade com a evolução nominal e real das remunerações no mercado de trabalho; f) atendimento aos limites para despesa com pessoal de que tratam o artigo 169 da Constituição e a Lei Complementar no 101, de 4 de maio de 2000 -, e estabelecendo o índice de 3,5% (três vírgula cinco por cento), a partir de 1º de janeiro de 2002. A Lei nº 10.697, de 20035, que dispõe sobre a revisão geral e anual das remunerações e subsídios dos servidores públicos federais dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, das autarquias e fundações públicas federais, de que trata a Lei nº 10.331, de 2001, estabeleceu, a título de revisão geral e anual, o índice de 1,0% (um por cento)6, a partir de 1º de janeiro de 2003. Nos termos da Lei nº. 10.698, de 20037, foi instituída vantagem pecuniária individual devida aos servidores públicos civis da Administração Federal direta, autárquica e fundacional, no valor de R$ 59,87 (cinqüenta e nove reais e oitenta e sete centavos). Vê-se, portanto, que, em observância ao preceito constitucional inserido no art. 37, inciso X, da Constituição Federal de 1988, o Poder Executivo promoveu a revisão geral e anual das remunerações e subsídios dos servidores públicos federais, nada obstante tenha concedido percentual de aumento remuneratório impróprio a recompor as perdas inflacionárias registradas no período anterior. A pleiteada concessão do percentual de 13,23% (treze vírgula vinte e três por cento) aos Substituídos da Associação Autora, para efeito de reajuste de seus estipêndios, implicaria aumento remuneratório, prática expressamente vedada pela Súmula nº. 339, do Supremo Tribunal Federal, segundo a qual "não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia". Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Deixo de condenar o Sindicato Autor ao pagamento de honorários advocatícios, tendo em vista que, a despeito de haver sido devidamente citado, o INSS sequer apresentou contestação (fl. 212). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 7 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) ... X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso, assegurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem distinção de índices; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) (Regulamento)". (grifado) 3 "EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO. ART. 37, X, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL (REDAÇÃO DA EC Nº 19, DE 4 DE JUNHO DE 1998). Norma constitucional que impõe ao Presidente da República o dever de desencadear o processo de elaboração da lei anual de revisão geral da remuneração dos servidores da União, prevista no dispositivo constitucional em destaque, na qualidade de titular exclusivo da competência para iniciativa da espécie, na forma prevista no art. 61, § 1º, II, a, da CF. Mora que, no caso, se tem por verificada, quanto à observância do preceito constitucional, desde junho/1999, quando transcorridos os primeiros doze meses da data da edição da referida EC nº 19/98. Não se compreende, a providência, nas atribuições de natureza administrativa do Chefe do Poder Executivo, não havendo que cogitar, por isso, da aplicação, no caso, da norma do art. 103, § 2º, in fine, que prevê a fixação de prazo para o mister. Procedência parcial da ação." (ADIn nº 2.061-7-DF, Relator Ministro Ilmar Galvão, Pleno do STF, julgamento em 25.04.2001) (grifei) 4 Art. 1º As remunerações e os subsídios dos servidores públicos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, das autarquias e fundações públicas federais, serão revistos, na forma do inciso X do art. 37 da Constituição, no mês de janeiro, sem distinção de índices, extensivos aos proventos da inatividade e às pensões. Art. 2º A revisão geral anual de que trata o art. 1º observará as seguintes condições: I - autorização na lei de diretrizes orçamentárias; II - definição do índice em lei específica; III - previsão do montante da respectiva despesa e correspondentes fontes de custeio na lei orçamentária anual; IV - comprovação da disponibilidade financeira que configure capacidade de pagamento pelo governo, preservados os compromissos relativos a investimentos e despesas continuadas nas áreas prioritárias de interesse econômico e social; V - compatibilidade com a evolução nominal e real das remunerações no mercado de trabalho; e VI - atendimento aos limites para despesa com pessoal de que tratam o art. 169 da Constituição e a Lei Complementar no 101, de 4 de maio de 2000. Art. 3º Serão deduzidos da revisão os percentuais concedidos no exercício anterior, decorrentes de reorganização ou reestruturação de cargos e carreiras, criação e majoração de gratificações ou adicionais de todas as naturezas e espécie, adiantamentos ou qualquer outra vantagem inerente aos cargos ou empregos públicos. (Revogado pela Lei nº 10.697, de 2.7.2003) Art. 4º No prazo de trinta dias contados da vigência da lei orçamentária anual ou, se posterior, da lei específica de que trata o inciso II do art. 2º desta Lei, os Poderes farão publicar as novas tabelas de vencimentos que vigorarão no respectivo exercício. Art. 5º Para o exercício de 2002, o índice de revisão geral das remunerações e subsídios dos servidores públicos federais será de 3,5% (três vírgula cinco por cento). Parágrafo único. Excepcionalmente, não se aplica ao índice previsto no caput a dedução de que trata o art. 3º desta Lei. Art. 6º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 5 Art. 1o Ficam reajustadas em um por cento, a partir de 1º de janeiro de 2003, as remunerações e os subsídios dos servidores públicos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, das autarquias e fundações públicas federais. 6 Art. 1o Ficam reajustadas em um por cento, a partir de 1º de janeiro de 2003, as remunerações e os subsídios dos servidores públicos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, das autarquias e fundações públicas federais. Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, com efeitos financeiros a partir de 1º de janeiro de 2003. Art. 3º Revoga-se o art. 3º da Lei nº 10.331, de 18 de dezembro de 2001. 7 "Art. 1º Fica instituída, a partir de 1º de maio de 2003, vantagem pecuniária individual devida aos servidores públicos federais dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União, das autarquias e fundações públicas federais, ocupantes de cargos efetivos ou empregos públicos, no valor de R$ 59,87 (cinqüenta e nove reais e oitenta e sete centavos). Parágrafo único. A vantagem de que trata o caput será paga cumulativamente com as demais vantagens que compõem a estrutura remuneratória do servidor e não servirá de base de cálculo para qualquer outra vantagem. Art. 2º Sobre a vantagem de que trata o art. 1º incidirão as revisões gerais e anuais de remuneração dos servidores públicos federais. Art. 3º Aplicam-se as disposições desta Lei às aposentadorias e pensões." ?? ?? ?? ??

   

0012606-59.1999.4.05.8200 ANTONIO FERREIRA DE SOUZA FILHO (Adv. JOSE ARAUJO DE LIMA, GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA, SAORSHIAM LUCENA ARAUJO, NORTHON GUIMARÃES GUERRA, SAORJEAN LUCENA ARAUJO DE LIMA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF), JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR)

PROCESSO nº 99.12606-8 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA AUTOR/EXQTE: ANTÔNIO FERREIRA DE SOUZA FILHO ADVOGADO(A): José Araújo de Lima RÉ/EXCTDA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADO(A): Ricardo Pollastrini SENTENÇA1 Cuida-se de execução de sentença/acórdão, pela qual o advogado do autor cobra o pagamento do montante de R$ 544,97 (quinhentos e quarenta e quatro reais e noventa e sete centavos), a título de honorários advocatícios sucumbenciais que entende terem sido impostos pelo julgado em desfavor da CAIXA. Intimada para cumprir a obrigação de pagar, relativamente aos honorários advocatícios, a CAIXA ofereceu impugnação ao cumprimento do julgado (fls. 238/243), nos termos previstos no § 1º, do art. 475-J do CPC, alegando serem inexigíveis em decorrência de transação extrajudicial firmada nos termos da Lei Complementar nº 110/2001 pelo Exeqüente. Subsidiariamente, alegou a CAIXA a inexigibilidade do título executivo judicial, no ponto relativo aos honorários advocatícios sucumbenciais, sob o argumento de houve o reconhecimento da sucumbência recíproca pelo julgado executado. Com vista, o Exeqüente afirmou serem devidos os honorários advocatícios, após a compensação proporcional entre os índices que lhe foram deferidos e os que lhe foram negados (fls. 247/251). É o relatório. Decido. Colhe-se dos presentes autos: Sentença (fls. 52/58) Acórdão do TRF-5ª Região (fls. 115) "Ante o exposto, ACOLHO os pedidos, em parte, para condenar a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, a aplicar sobre os depósitos da conta vinculada do FGTS do Autor os percentuais de 26,06% (junho/87), 42,72% (janeiro de 1989), 44,80% (abril/90) e 21,87% (fevereiro/91), deduzindo-se os percentuais que foram posicionados pela CEF nos períodos correspondentes. Dos valores encontrados, incidirão juros de mora de 0,5% (meio por cento), a partir da citação, e correção monetária nos termos da legislação pertinente. Custas pela CEF, além de honorários advocatícios em prol do Autor fixados em 10%, sobre o valor da condenação. P.R.I." Deu parcial provimento à apelação da CAIXA para limitar a condenação à correção dos saldos das contas vinculadas do FGTS do autor pelos índices de 42,72% (jan/89) e 44,80% (abr/90) Vê-se que o Tribunal Regional Federal da 5ª Região, ao dar provimento parcial à apelação da CAIXA, não se pronunciou sobre a condenação em verba honorária advocatícia, com o que inexistiu a condenação da CAIXA no pagamento da verba sucumbencial, não podendo, como quer o Impugnado, ser esta presumida, na medida em que o provimento da apelação foi parcial, não cabendo, desse modo, falar-se em automática inversão do ônus sucumbencial imposto pela sentença. Neste sentido, há precedente jurisprudencial2. Assim, cabia ao Autor, caso vislumbrasse omissão no julgado relativamente à condenação em verba advocatícia, valer-se dos recursos processuais próprios. Assim, não havendo condenação da CAIXA no pagamento de verba sucumbencial, remanesce o advogado do Autor sem título judicial a legitimar a execução que propôs relativamente aos honorários advocatícios (arts. 475-N do CPC c/c arts. 267, VI, e 598 do CPC3). Neste contexto, observo que, reconhecendo-se a inexistência de título executivo a legitimar a cobrança por parte do advogado do Autor de verba honorária sucumbencial, impõe-se a extinção da execução, com a conseqüente condenação da parte vencida nos ônus da sucumbência, considerando-se a natureza terminativa da decisão, recorrível via apelação (§ 3º, do art. 475-M, do CPC4). Nesse sentido, colhe-se manifestação doutrinária5. No entanto, tratando-se de feito referente ao FGTS, descabe falar-se em condenação em honorários advocatícios, tendo em vista o disposto no artigo 29-C da Lei nº 8.036, de 19906, introduzido pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001, e custas processuais, nos termos do artigo 24-A, parágrafo único, da Lei nº 9.028, de 1995, inserido pela Medida Provisória nº 2.180-35, de 2001. Diante do exposto, DECLARO EXTINTA a execução da obrigação de pagar proposta às fls. 218/222, nos termos dos arts. 475-N do CPC c/c arts. 267, VI, e 598 do CPC. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região7. Intime-se. João Pessoa/PB, 08 de outubro de 2008. ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 SENTENÇA TIPO B, CONFORME CLASSIFICAÇÃO CONTIDA NA RESOLUÇÃO Nº 535, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2006, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL - CJF. 2 "A determinação constante do art. 20 do CPC, para que o órgão judicial fixe a sucumbência devida pela parte vencida, importa em que deve fazê-la de ofício, sem necessidade de provocação. Mas isso não significa que, em caso de omissão, a falta possa ser suprida em fase de execução, incumbindo ao vitorioso exigi-la do Juízo ou Tribunal, antes do trânsito em julgado, sob pena de preclusão do tema, nos termos do art. 463 da mesma lei adjetiva civil" (STJ-4ª Turma, RESP. 237.449-SP, rel. Min. Aldir Passarinho Jr, j. 11.06.2002, DJU 19.08.2002, pg. 169) 3 Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação. Art. 475-N. São títulos executivos judiciais: (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) I - a sentença proferida no processo civil que reconheça a existência de obrigação de fazer, não fazer, entregar coisa ou pagar quantia; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) II - a sentença penal condenatória transitada em julgado; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) III - a sentença homologatória de conciliação ou de transação, ainda que inclua matéria não posta em juízo; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) IV - a sentença arbitral; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) V - o acordo extrajudicial, de qualquer natureza, homologado judicialmente; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) VI - a sentença estrangeira, homologada pelo Superior Tribunal de Justiça; (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) VII - o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título singular ou universal. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) Parágrafo único. Nos casos dos incisos II, IV e VI, o mandado inicial (art. 475-J) incluirá a ordem de citação do devedor, no juízo cível, para liquidação ou execução, conforme o caso. Art. 598. Aplicam-se subsidiariamente à execução as disposições que regem o processo de conhecimento 4 Art. 475-M. A impugnação não terá efeito suspensivo, podendo o juiz atribuir-lhe tal efeito desde que relevantes seus fundamentos e o prosseguimento da execução seja manifestamente suscetível de causar ao executado grave dano de difícil ou incerta reparação. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 1o Ainda que atribuído efeito suspensivo à impugnação, é lícito ao exeqüente requerer o prosseguimento da execução, oferecendo e prestando caução suficiente e idônea, arbitrada pelo juiz e prestada nos próprios autos. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 2o Deferido efeito suspensivo, a impugnação será instruída e decidida nos próprios autos e, caso contrário, em autos apartados. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) § 3o A decisão que resolver a impugnação é recorrível mediante agravo de instrumento, salvo quando importar extinção da execução, caso em que caberá apelação. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) 5 "Igual raciocínio (ausência de condenação em honorários advocatícios) não se aplica à hipótese em que a impugnação é acolhida para impor a extinção da execução, diante da constatação de que o legislador previu que tal circunstância será reconhecida através de sentença judicial, tanto assim que enseja o cabimento do recurso de apelação, não de agravo de instrumento" MONTENEGRO FILHO, MISAEL, Cumprimento da Sentença e Outras Reformas Processuais, e. Atlas S/A, 1ª edição, pg. 100. 6 Art. 29-C. Nas ações entre o FGTS e os titulares de contas vinculadas, bem como naquelas em que figurem os respectivos representantes ou substitutos processuais, não haverá condenação em honorários advocatícios." 7Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000253-55.1997.4.05.8200 PEDRO CAMILO DE SOUSA (Adv. JOSE ARAUJO DE LIMA, GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA, SAORSHIAM LUCENA ARAUJO, NORTHON GUIMARÃES GUERRA, GEOGERVANA WALESKA LUCENA ARAÚJO GUERRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO POLLASTRINI, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR)

Expeça-se Alvará de Levantamento, em favor da advogada Georgiana Waniuska Araújo Lucena, observando o valor retido a título de honorários advocatícios contratuais, conforme petição e documentos de fls. 569/578 e, em seguida intime-se a beneficiária do alvará para recebê-lo. Após, intime-se a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL para cumprimento da Obrigação de Pagar (sucumbência) no prazo de 15 (quinze) dias. Vencido o prazo, o montante da condenação será acrescido multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz. Publique-se. João Pessoa, ...

   

0003124-58.1900.4.05.8200 MARIA DO CARMO ARCOVERDE, REP. POR WILMA DE SIQUEIRA ARCOVERDE (Adv. JOSE MARTINS DA SILVA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA) x MARIA LOURDES DA NOBREGA ARCOVERDE x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RENE PRIMO DE ARAUJO) x UNIÃO (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

PROCESSO Nº. 00.0003124-0 CLASSE 97 EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: MARIA DO CARMO ARCOVERDE (HABILITADA) EXECUTADO: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS S E N T E N Ç A1 Trata-se de Execução de Julgado que condenou o INSS a proceder à revisão de benefício e ao pagamento dos valores devidos em virtude dessa mesma revisão. Precatório/RPV expedido(a). Os valores do Precatório/RPV foram pagos conforme consulta ao "site" do TRF da 5ª Região. Aberta vista ao(à)(s) Exeqüente(s) para se manifestar(em) sobre a satisfação da obrigação. Brevemente relatados, decido: Cuida-se de extinção da execução pela satisfação da obrigação, prevista no art. 794, I, do CPC. Diante do exposto, declaro extinta a Execução, nos termos do artigo 794, I, do CPC. P.R.I. Decorrido o prazo sem interposição de recurso, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais. João Pessoa, 7 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 Sentença tipo C, conforme Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. ?? ?? ?? ?? 15 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0007582-69.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x AILTON NUNES MELO E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

AUTOS COM VISTA ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), para, no prazo de 05 (cinco) dias), requerer o que entender de direito. P. I. JPA, 08 de outubro de 2008

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0002113-13.2005.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. FABIO GEORGE CRUZ DA NOBREGA) x RENALDO LAUREANO DE LIMA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº. 2005.82.00.2113-8 CLASSE 148 MEDIDA CAUTELAR INOMINADA D E C I S Ã O Reassumi a jurisdição no presente feito. Trata-se de pedido formulado por Maria de Fátima Martins de Oliveira e Lúcia Helena Martins Brito de Oliveira visando à disponibilidade de bem imóvel situado na Rua Leonel Coelho, nº. 225, Bairro dos Estados, em nome do Sr. Francisco Martins Filho. Alegam, em síntese, que: 1) São herdeiras dos bens deixados pelo Sr. Francisco Martins Filho (RG 15.164 - SSP/PB e CPF nº. 050.350.074-72) e Doracy Martins da Silva (RG 14.367 - 2ª via - SSP/PB e CPF nº 278.432.704-34); 2) Este Juízo determinou liminarmente a indisponibilidade de bens em nome dos Réus nominados no presente feito, em cuja relação consta o nome de FRANCISCO MARTINS FILHO, homônimo do falecido pai das Requerentes; 3) Vislumbra-se da r. decisão que o imóvel posto em indisponibilidade diz respeito a uma casa nº. 148, tipo PB-03, e respectivo terreno, localizada na Rua Prof. Burity, Conjunto José Américo de Almeida, Registrada no Cartório Carlos Ulysses, Livro 2- FA, fl. N. 135, matrícula n. 43.225, sob n. de ordem R-1; 4) Ocorre que o imóvel posto "indevidamente" em indisponibilidade está situado na Rua Leonel Coelho, 225, Bairro dos Estados, nesta capital, e pertencia a FRANCISCO MARTINS FILHO, falecido genitor das Requerentes e homônimo de Francisco Martins Filho, Requerido nos presentes autos. O Ministério Público Federal foi devidamente intimado em 25.08.2008 (fl. 1.251v) e não se manifestou (fl. 1.258). Traslado da certidão de fl. 39 e da sentença de fls. 41/44, oriundos da Ação Cautelar nº. 2008.3489-4 (fls. 1.253/1.257). É o relatório. Decido. Conforme certificou a Secretaria deste Juízo, os dados identificadores de Francisco Martins Filho nos presentes autos e nos autos da ACPIA nº. 2005.7109-9, divergem dos dados identificadores que instruíram o pedido de desbloqueio de fls. 1.212/1.215. Da análise dos autos é forçoso concluir que, por evidente equívoco do cartório de registro de imóveis, restou bloqueado bem distinto daquele descrito na decisão de fls. 565/593, item 71.1, 12, cujo proprietário possuía o mesmo nome civil de um dos Réus da presente medida cautelar. O imóvel posto indevidamente em indisponibilidade está situado na Rua Leonel Coelho, 225, Bairro dos Estados, nesta capital, e pertencia a FRANCISCO MARTINS FILHO, RG 15164 - SSP/PB e CPF 050.350.074-72, falecido genitor das Requerentes e homônimo de Francisco Martins Filho, RG 49740 - SSP/PB e CPF 038.059.484-68, ora Requerido, ao passo em que o bem que deveria ser bloqueado diz respeito a uma casa nº. 148, tipo PB-03, e respectivo terreno, localizada na Rua Prof. Burity, Conjunto José Américo de Almeida, Registrada no Cartório Carlos Ulysses, Livro 2- FA, fl. N. 135, matrícula n. 43.225, sob n. de ordem R-1. ISSO POSTO, defiro o pedido formulado por Maria de Fátima Martins de Oliveira e Lúcia Helena Martins Brito de Oliveira às fls. 1.212/1.215 para determinar o desbloqueio do bem situado na Rua Leonel Coelho, 225, Bairro dos Estados, nesta capital, registrado em nome de FRANCISCO MARTINS FILHO, RG 15164 - SSP/PB e CPF 050.350.074-72. Oficie-se ao Cartório Eunápio Torres para imediato cumprimento. Intimem-se desta decisão as Requerentes Maria de Fátima Martins de Oliveira e Lúcia Helena Martins Brito de Oliveira, por mandado, na pessoa de seu advogado (fls. 1.216/1.217). Ciência ao MPF. João Pessoa, 7 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0005934-06.1997.4.05.8200 EUCLIDES FERREIRA DE LIMA FILHO E OUTROS (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, ADEILTON HILARIO JUNIOR, YVES PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS) x UNIAO (JUSTICA FEDERAL/PB) (Adv. SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ)

PROCESSO Nº 97.5934-0 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQUENTE(S): EUCLIDES FERREIRA DE LIMA FILHO, MARCUS GADELHA PORDEUS, AIRTON PEREIRA FRADE, DIRCE HELENA CORDEIRO PRIMOLA, ADAUTO JOSÉ DIAS PALITOT, ARNALDO GONÇALVES VIANA JÚNIOR, JOSÉ GUILARDO AMARAL ATAÍDE, FRANCISCO RÔMULO CIRILO, AIULA MARIA CAVALCANTE DE MORAIS e WLLISSES SIMÕES DOS SANTOS ADVOGADO(A): Yuri Porfírio C de Albuquerque EXECUTADA(S): UNIÃO (JUSTIÇA FEDERAL/PB) PROCURADOR: André Navarro Fernandes D E C I S Ã O Cuida-se de Execução de sentença/acórdão que julgou procedente pedido formulado no sentido de se condenar a União à implantação do percentual de 11,98% (onze vírgula noventa e oito por cento), a partir de março de 1994, com pagamento das parcelas vencidas. Os autores promoveram a execução alegando que "a presente execução é relativa aos juros moratórios, custas processuais e honorários advocatícios, tendo em vista que os exeqüentes já receberam administrativamente os valores referentes às diferenças salariais dos 11,98%" (fls. 214/223), oportunidade em que instruíram o pedido com as suas fichas financeiras referentes ao período executado (fls. 224/717). Citada para os fins previstos no art. 730 do CPC, a União, através de petição, alegou a integral satisfação da obrigação de pagar pelos pagamentos efetuados administrativamente aos Exeqüentes relativamente ao passivo do índice executado (fls. 728/754). Com vista, os exeqüentes alegaram que, por a execução limitar-se aos juros moratórios, não caberia a compensação com os valores pagos administrativamente (fls. 760). Informação da Seção de Cálculos (fls. 765/788), da qual discordaram as partes: os Exeqüentes (fls. 795/796) sob o argumento de que a Contadoria Judicial efetuou dedução em datas em que, alegam, não houve nenhum pagamento administrativo, ao passo que a União alegou que a conta não observou o limite estabelecido pelo advento da Lei nº 9.421/96, requerendo o reconhecimento da inexigibilidade do título, nos termos do art. 741, § único, do CPC, quanto ao período posterior a dezembro/96 (fls. 800/803). Determinei o retorno dos autos à Seção de Cálculos para elaboração de nova conta, mediante a limitação do período de apuração até dezembro de 1996 (fls. 828/830). Atendimento (fls. 831/845). Com vista, apenas a União se pronunciou, afirmando que "os valores negativos apurados pela contadoria judicial corroboram a assertiva da União de que nada é devido aos exeqüentes" (fls. 850). É o relatório. Decido. Inicialmente, examino a questão relativa à possibilidade da devedora opor-se à execução, alegando a satisfação da obrigação, através de simples petição, uma vez decorrido, sem manifestação, o prazo para a interposição de Embargos à Execução. A matéria referente à ocorrência, ou não, da satisfação da obrigação é passível de ser conhecida de ofício pelo julgador, por tratar-se de pressuposto processual à instauração da execução (art. 580 do CPC). Ademais, deve-se considerar a natureza pública da coisa julgada e a indisponibilidade dos recursos pertencentes à Fazenda Pública (art 741, V, c/c arts. 598 e 267, IV, § 3º, do CPC1) como condições permissivas do exame das alegações de defesa da União expostas mediante simples petição. Neste sentido, há precedentes jurisprudenciais2 No que se refere à questão de fundo, consistente na persistência de valores a serem pagos aos Exeqüentes, após o abatimento das parcelas pagas administrativamente pela União, colhe-se dos autos que a Seção de Cálculos, atuando como órgão auxiliar do Juiz, apurou inexistirem diferenças em favor dos Exeqüentes, conforme informação de fls. 831/845. Remanesce, portanto, exigível apenas a verba referente aos honorários advocatícios sucumbenciais, apurada pela Seção de Cálculos no montante de R$ 87,37 (oitenta e sete reais e trinta e sete centavos), correspondente a 10% (dez por cento) sobre o valor dado à presente ação ordinária. Neste aspecto, observo que, embora o julgado executado não tenha determinado que fosse observada como data limite para o cálculo das diferenças a data da entrada em vigor da Lei nº 9.421/96, que criou as carreiras do Poder Judiciário da União e fixou os valores de sua remuneração, a observância de tal data como data limite para os cálculos das parcelas vencidas está em sintonia com a jurisprudência consolidada do STF. De fato, o STF já decidiu no sentido de não ser devido aos servidores públicos federais integrantes das carreiras do Poder Judiciário Federal o percentual de 11,98% (onze vírgula noventa e oito por cento) após a entrada em vigor da Lei nº 9.421/96, que instituiu novos valores para as carreiras daquele Poder3. Com a modificação promovida pela Lei nº 11.232/2005 na redação dada ao parágrafo único do art. 741 do CPC4, reproduzindo redação já introduzida pela Medida Provisória nº 2.180-35, tornou-se possível a declaração de inexigibilidade de título judicial constituído com base "em interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal". Neste sentido, há precedentes jurisprudenciais5. Ressalve-se, apenas, que o novo dispositivo processual, instituído com vista à garantia da supremacia constitucional, deve ser aplicado de forma a conciliar a observância da segurança jurídica e do respeito à coisa julgada e à irretroatividade das leis (art. 5º, XXXVI, da CF/88), conforme já decidiu o STF6. Assim, a aplicação do disposto no parágrafo único do art. 741 do CPC, que possibilita o reconhecimento da inexigibilidade de título judicial contrário à jurisprudência do STF, exige que sejam atendidos os seguintes requisitos: a) A constituição do título executivo judicial em data posterior à entrada em vigor da medida provisória que estabeleceu a hipótese de inexigibilidade por ofensa à jurisprudência do STF; b) A constituição do título executivo judicial em data posterior à decisão do STF proferida em sentido contrário ao entendimento firmado no título judicial executado. Porém, tais circunstâncias não favorecem os Exeqüentes. Isto porque, na hipótese dos autos, o trânsito em julgado ocorreu em data posterior à entrada em vigor da Medida Provisória nº 1.984-71, de 04 de maio de 2000, que originariamente previu a inexigibilidade de título executivo judicial contrário à jurisprudência do STF. Ademais, quando da prolação do acórdão pelo STJ (fls. 171/174), que negou provimento ao Recurso Especial da União, já havia ainda o STF proferido a decisão na ADIn º 1797/PE, que firmou o entendimento acerca da limitação da incidência do percentual de 11,98% (onze vírgula noventa e oito por cento). Portanto, agiu corretamente a Seção de Cálculos ao limitar a apuração das diferenças à data de entrada em vigor da Lei nº 9.421/96, atendendo à determinação contida no despacho de fls. 828/830, uma vez que a apuração de diferenças após a entrada em vigor da Lei nº 9.421/96, se apresenta como contrária à jurisprudência consolidada do STF. Por fim, não subsiste a alegação dos Exeqüentes no sentido de que os pagamentos efetuados administrativamente não afetariam os valore executados, por se tratar de valores referentes apenas aos juros moratórios. Ora, a Seção de Cálculos apurou os valores devidos incluindo os juros moratórios, razão pela qual, ao serem integralmente absorvidos pelos valores pagos administrativamente, tem-se, logicamente, que também os juros moratórios foram pagos, restando satisfação a obrigação também neste ponto. Diante do exposto, DECLARO A EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO, nos termos dos arts. 741, VI, e 794, I, ambos do CPC, ressalvados apenas os valores referentes aos honorários advocatícios sucumbenciais e às custas processuais, que devem prosseguir, respectivamente, no valor apurado pela Seção de Cálculos (R$ 87,37) e no valor executado (R$ 8,56), após serem devidamente atualizados monetariamente. Expeça-se RPV. Intime-se. João Pessoa/PB, 06 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 1 Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação. Art. 598. Aplicam-se subsidiariamente à execução as disposições que regem o processo de conhecimento. Art. 741. Na execução contra a Fazenda Pública, os embargos só poderão versar sobre: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) II - inexigibilidade do título; III - ilegitimidade das partes; IV - cumulação indevida de execuções; V - excesso de execução; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz. Parágrafo único. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) 2 PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO DE SENTENÇA. EMBARGOS OFERECIDOS A DESTEMPO, MAS REFERENTES A EXCESSO DE EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. OBJEÇÃO MATERIAL QUE PODERIA SER CONHECIDA DE OFÍCIO. EXCLUSÃO DA BASE DE CÁLCULO DA INCIDÊNCIA DO REAJUSTE DE 3,17% DAS PARCELAS REFERENTES A VALE REFEIÇÃO, O SALÁRIO FAMÍLIA, AUXÍLIO ESCOLAR, FUNÇÃO GRATIFICADA PELO DESEMPENHO DE ATIVIDADE E AO REAJUSTE DE 84,32 DETERMINADO POR OUTRA SENTENÇA COM TRÂNSITO EM JULGADO. LIQUIDAÇÃO QUE DEIXOU DE INCLUIR JUROS DE MORA E HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. PROVIMENTO PARCIALMENTE DO APELO. (TRF-5ª Região, 2ª Turma, AC 219949, Relator Desembargador Federal LÁZARO GUIMARÃES, j. 06.11.2001, DJU 23.10.2002, pg. 898) PROCESSUAL CIVIL - EMBARGOS À EXECUÇÃO - DÉBITO JUDICIAL - EXCESSO DE EXECUÇÃO - ÍNDICES INFLACIONÁRIOS EXPURGADOS - INCIDÊNCIA - COISA JULGADA - SUCUMBÊNCIA. 1.A embargante, cujo pedido não foi acolhido, tem evidente interesse processual na reforma da sentença: cumprimento do requisito da sucumbência. 2.Os débitos judiciais devem sofrer efetiva atualização monetária, em conformidade com os índices consagrados na jurisprudência, observadas as limitações da coisa julgada e da vedação à reformatio in pejus. 3.Tendo a conta, ora impugnada, incorporado correção monetária diversa daquela expressamente admitida na condenação, transitada em julgado, configura-se a hipótese de excesso de execução. 4.O excesso de execução, lesivo à coisa julgada deve ser apreciado de ofício porque, tanto no processo de conhecimento (artigos 267, § 3º, e 301, § 4º, do Código de Processo Civil), como na execução, com base em título judicial, a matéria é de ordem pública, sendo indisponível tanto o interesse da FAZENDA PÚBLICA, como a coisa julgada. 5.Sendo integralmente sucumbente a embargada, cumpre-lhe arcar com a verba honorária, arbitrada em 10% sobre o valor atualizado da causa. 6.Precedentes. (TRF-3ª Região, 4ª Turma, AC 804987, Relator Desembargador Federal CARLOS MUTA, j. 23.10.2002, DJU 18.12.2002, pg. 504) EMBARGOS À EXECUÇÃO - INDEFERIMENTO DA INICIAL - EXTINÇÃO DO FEITO POR FALTA DE INTERESSE PROCESSUAL DA EMBARGANTE (ARTS. 267, I C/C, 295, III, DO CPC) - IMPOSSIBILIDADE. I - A circunstância de a matéria poder ser conhecida de ofício pelo Juiz, por envolver interesse público, não elide a argüição da mesma pela União Federal através de embargos à execução, que é, no caso, meio adequado para a Fazenda Pública alegar excesso de execução (arts. 730 e 741, V, do CPC); II - Impossibilidade indeferimento da inicial por falta de interesse processual da Embargante; III - Recurso provido, para cassar a sentença recorrida e determinar o prosseguimento do feito. (TRF-2ª Região, 4ª Turma, AC 300779, Relator Desembargador Federal VALMIR PEÇANHA, j. 07.10.2002, DJU 04.02.2003, pg. 146) 3 EMENTA: Juízes Classistas aposentados da Justiça do Trabalho: vencimentos: diferença de 11,98% decorrente da conversão em URV: limite temporal. Firme a jurisprudência do STF no sentido de ser devida a inclusão do percentual de 11,98% nos vencimentos dos servidores em decorrência de sua conversão para URV de 1º de março de 1994. (cf. ADIn-MC 2.321, de 25.10.00, Celso e ADIn-MC 2.323, 25.10.00, Galvão). No julgamento da ADIn 1797, Galvão, RTJ 175/1, explicitou o Supremo Tribunal que as diferenças em questão seriam devidas aos servidores, de abril de 1994 a dezembro de 1996, e, aos magistrados, com é o caso, de abril de 1994 a janeiro de 1995; já que em janeiro de 1997 entrou em vigor a L. 9.421/96, que, ao instituir as carreiras dos servidores do Poder Judiciário fixou novos padrões de vencimentos em real; e, em fevereiro de 1995, os Decretos Legislativos ns. 6 e 7, que estipularam novas cifras para a remuneração dos Ministros de Estado e membros do Congresso Nacional, aplicáveis aos Ministros por força da L. 8.448/92, com reflexos sobre toda a magistratura federal (STF, 1ª Turma, RE-AgR 479005/BA, Relator Ministro SEPÚLVEDA PERTENCE, j. 09.05.2006, DJU 02.06.2006, pg. 13) (grifei) 4 Art. 741. Na execução contra a Fazenda Pública, os embargos só poderão versar sobre: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - falta ou nulidade da citação, se o processo correu à revelia; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) II - inexigibilidade do título; III - ilegitimidade das partes; IV - cumulação indevida de execuções; V - excesso de execução; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) VI - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que superveniente à sentença; (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz. Parágrafo único. Para efeito do disposto no inciso II do caput deste artigo, considera-se também inexigível o título judicial fundado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou ato normativo tidas pelo Supremo Tribunal Federal como incompatíveis com a Constituição Federal. (Incluído pela Lei nº 11.232, de 2005) 5 PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO DE SENTENÇA. EXTINÇÃO DOS EMBARGOS SEM JULGAMENTO DE MÉRITO. APLICAÇÃO DO ART. 515, PARAGRAFO 3º DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. INEXIGIBILIDADE DO TÍTULO EXECUTIVO QUE CONCEDEU AOS EXEQUENTES O DIREITO AO REAJUSTE DE 47,94% POR FUNDAR-SE EM INTERPRETAÇÃO TIDA POR INCOMPATÍVEL COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. INTELIGÊNCIA DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 741, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. OCORRÊNCIA. 1. Cuida-se de Embargos à Execução onde se pretende seja reconhecida a inexigibilidade do título executivo ao fundamento de que o mesmo tem por objeto matéria tida por incompatível com a Constituição Federal segundo interpretação do Supremo Tribunal Federal. 2. Verificando que a matéria discutida nos presentes autos é eminentemente de direito, no caso, incidência do percentual de 47,94%, aplica-se à hipótese o disposto no parágrafo 3º, art. 515 do Código de Processo Civil, que permite ao tribunal julgar desde logo a lide. 3. Ainda que a decisão exeqüenda tenha transitado em julgado em data anterior à edição da Medida Provisória 2.180-35/01, que acresceu o parágrafo único do artigo 741, do CPC, que preceitua ser inexigível o título lastreado em lei ou ato normativo declarados inconstitucionais pelo STF ou em aplicação ou interpretação tidas por incompatíveis com a Constituição Federal, não há que se falar em exigibilidade do título executivo em exame, mesmo que tal interpretação tenha sido efetuada em sede de controle difuso de constitucionalidade. 4. "In casu", restando constatado que o Supremo Tribunal Federal concluiu por julgar indevido o percentual de 47,94%, afigura-se impossível proceder-se à execução do referido percentual por entender, igualmente, ser inexigível o título executivo fundado em matéria julgada inconstitucional pelo STF, face ao disposto no parágrafo único do art. 741 do Estatuto Processual Civil. 5. Apelação provida. (TRF-5ª Região, 2ª Turma, AC 363399, Relator Desembargador Federal PETRÚCIO FERREIRA, j. 30.05.2006., DJU 05.07.2006, pg. 900) 6 "DECISÃO : RE, a, contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, assim ementado (f. 55): "EMBARGOS À EXECUÇÃO DE SENTENÇA. APELAÇÃO. ALEGAÇÃO DE INEXIGIBILIDADE DO TÍTULO JUDICIAL. ART. 741, PARÁGRAFO ÚNICO, DO CPC (MP Nº 2.180-35, DE 24-08-2001). 1. Sem adentrar na questão da inconstitucionalidade do art. 741, § único, do CPC, objeto da ADIN nº 2418-DF, este Tribunal tem entendido o seguinte: a) a lei processual civil em comento não pode ser aplicada aos títulos executivos judiciais formados anteriormente à sua vigência; b) em relação às situações formadas após a vigência da lei precitada, a aplicação do dispositivo só se dará quando o título exeqüendo se formar posteriormente à decisão do Supremo Tribunal Federal que retiraria a exigibilidade do título, em respeito ao ordenamento jurídico como um todo. 2. Inaplicável o disposto no art. 741, parágrafo único, do CPC (redação da MP 2.180-35/2001), no caso em apreço, em que o título executivo judicial transitou em julgado anteriormente à vigência do dispositivo citado, bem como antes da publicação do acórdão do Plenário do STF, contrário à tese por ele adotada. 3. Apelação desprovida". Aduz que o acórdão recorrido ao afastar a aplicação do art. 741, parágrafo único do CPC, - o qual dispõe que o título executivo judicial decorrente de sentença que deu interpretação incompatível com o decidido pelo Supremo Tribunal Federal é inexigível - violou o art. 5º, XXXVI, da Constituição. É inviável o RE. A controvérsia, de ordem processual, versa sobre a exigibilidade do título executivo judicial a teor do parágrafo único do art. 741 do CPC introduzido pela MP nº 2.180-35/2001. A pretensa ofensa ao dispositivo constitucional dado por violado, se houvesse, seria indireta ou reflexa, pressupondo o prévio exame de legislação infraconstitucional mencionada, ao que não se presta a via do recurso extraordinário: incide, mutatis mutandis, o princípio da Súmula 636. Nego seguimento ao recurso extraordinário (art. 557, caput, do C.Pr.Civil)" (RE, Ministro SEPÚLVEDA PERTENCE, j. 27.04.2006) ?? ?? ?? ?? 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001547-93.2007.4.05.8200 EDIRSON HENRIQUES ARAGÃO (Adv. KLEBERT MARQUES DE FRANCA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

PROCESSO: 2007.82.00.01547-0 NATUREZA: Ação Ordinária PROMOVENTE: Edirson Henriques Aragão PROMOVIDA: Caixa Econômica Federal - CEF S E N T E N Ç A1 R E L A T Ó R I O Trata-se de AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS movida por EDIRSON HENRIQUES ARAGÃO em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, pugnando, em resumo, pela condenação da promovida na reparação dos danos morais e materiais que alega ter sofrido. Alega o autor em sua petição inicial (fls. 03/06), acompanhada de procuração e documentos (fls. 07/10), o seguinte: 1) Surpreendeu-se com o furto de uma folha de seu talonário de cheques por ocasião do pagamento pela CEF de um cheque no valor de R$ 300,00 (trezentos reais), sem autorização e com assinatura diversa da sua. 2) A CEF não conferiu sua assinatura e pagou o valor do cheque, agindo com imperícia e negligência e lhe causando profundo constrangimento. A CAIXA apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls.21/27), alegando que: 1) O cheque de nº 900184-0 foi pago através do Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis, que admite o pagamento de cheques sem a conferência de assinatura, a depender do valor. 2) Só seria possível a devolução do cheque através de pedido de contra ordem requerendo a suspensão do pagamento, fato que inocorreu no presente caso. 3) A CEF diligenciou visando elementos para a elucidação do fato, inclusive com a solicitação do envio do cheque pela compensação, a fim de ser conferida a assinatura e, ao final, se não for a do autor, o valor será estornado podendo demandar algum tempo. Determinado à CEF que apresentasse cópia integral do processo administrativo referente à autoria da assinatura do cheque do autor de nº 900-184-0, além de cópia do "normativo específico" a que a mesma se refere em sua contestação (fls.33/34), a CEF apresentou cópia do seu Manual Normativo (fls.39/67) e alegou que não podia apresentar cópia do processo administrativo concernente à autoria do cheque em razão de o autor não ter formulado nenhum tipo de contestação sobre o ocorrido, limitando-se apenas a solicitar a microfilmagem do cheque. Acrescentou, ainda, que o autor possui inúmeras devoluções de cheques sem fundos e contra-ordens em sua conta corrente (fls.76/84). Intimado o autor a apresentar cópia de ocorrência policial sobre o fato em questão (fls.89), alegou a ausência de boletim de ocorrência policial e que teria prestado queixa mediante comunicação ao gerente da CEF, com o pedido de microfilmagem do cheque (fls.96). Determinei que o Departamento de Polícia Federal procedesse à realização de exame grafotécnico do cheque em questão, em confronto com a assinatura do autor (fls.98/100). O Departamento de Polícia Federal apresentou a produção de suas peças e alegou a impossibilidade de realização dos exames periciais em razão de a CEF ter informado sobre a impossibilidade de dispor o original do cheque nº 900184, apresentando para exame cópia xerográfica do cheque de péssima qualidade, extraída de terminal de microfilmagem, onde não são perceptíveis todas as características intrínsecas ao documento original reproduzido (fls.122/251). Com vista, apenas a CEF se manifestou informando que o original do cheque nº 900184-0 foi expurgado 60 (sessenta) dias após sua microfilmagem (fls.255). BREVEMENTE RELATADOS. DECIDO F U N D A M E N T A Ç Ã O Primeiramente, defiro o pedido de gratuidade judiciária. 1. EXAME DO MÉRITO 1.1 Responsabilidade civil e a obrigação de indenizar Dessume-se dos autos do presente processo haver a parte autora deduzido perante este juízo pleito de INDENIZAÇÃO POR DANOS em razão de conduta supostamente ilícita da parte demandada, motivo pelo qual faria jus obter, judicialmente, a reparação de todos os prejuízos cuja ocorrência fora afirmada na exordial. O instituto da responsabilidade civil encontra-se atualmente positivado no direito brasileiro, em sede infraconstitucional, no art. 186 do Código Civil2. Tal dispositivo é complementado pelo art. 9273 do mesmo Código, que prescreve a obrigação de reparar o dano como conseqüência jurídica da prática do ato ilícito definido pelo legislador no artigo 186. Os mencionados dispositivos fundamentam a teoria da responsabilidade civil subjetiva - adotada como regra geral pelo direito brasileiro4 -, para a qual se mostra indispensável à configuração da obrigação de indenizar a presença do elemento subjetivo culpa lato sensu. De fato, em matéria de responsabilidade civil, é essencial à configuração da obrigação de indenizar a reunião de seus três elementos objetivos fundamentais, a saber: (a) uma conduta humana voluntária, (b) um dano moral ou material e, finalmente, (c) o nexo causal a unir conduta e dano. Sobre o assunto, eis a esclarecedora lição de Washington de Barros Monteiro: "Eis aí, portanto, os elementos componentes do ato ilícito, de acordo com o art. 186, tido como uma das vigas-mestras do direito civil, ao lado do direito de propriedade e da família: o fato lesivo, o dano produzido e o nexo causal. Evidenciados esses elementos, surgirá a obrigação de indenizar, pouco importando se o fato danoso viola ou não simultaneamente a lei penal." Determinando a norma legal aplicação da teoria da responsabilidade civil subjetiva para regência de um dado caso concreto, mais um elemento (o subjetivo) se fará necessário: a culpa lato sensu, que compreende a culpa stricto sensu e o dolo. Outrossim, o direito brasileiro faz concessões (cada vez mais freqüentes) à teoria da responsabilidade civil objetiva, dispensando a exigência do elemento subjetivo culpa lato sensu para a configuração da responsabilidade do causador do dano e correlata visualização da obrigação de indenizar. Nestes termos, prescreve a Constituição Federal de 1988, em seu art. 37, § 6.º, a adoção da teoria da responsabilidade civil objetiva nos casos em que danos sejam causados por atos de agentes de pessoa jurídica de direito público ou de direito privado prestadora de serviço público, desde que agindo nessa condição5. A mesma teoria é adotada pelo Código de Defesa do Consumidor, previsão esculpida, para o caso específico dos fornecedores de serviços, no respectivo art. 14 da Lei n. 8.078/90, redigido nos seguintes termos: "Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações suficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos." Sendo assim, é de se concluir que, estando a Caixa Econômica Federal no pólo passivo da demanda, adota o direito positivo, como orientação de regência, a teoria da responsabilidade civil objetiva. Bastará à parte autora, dessa forma, alegar e provar a conduta omissiva ou comissiva da entidade promovida, o dano material e/ou moral a si causado e o necessário nexo de causalidade entre conduta e dano, não socorrendo o demandado qualquer alegação e prova quanto à inexistência de culpa lato sensu a lhe permear a conduta. Na doutrina, reconhecendo a aplicação do CDC às relações entre entidades bancárias e seus clientes, eis a lição de Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho que, embora versando responsabilidade civil dos bancos em razão do pagamento de cheque falso, encontra aplicação geral na disciplina da matéria: "De fato, considerando-se que a atividade bancária é serviço de consumo, o dano causado ao cliente, desde que não favorecido pela atuação deste, há de ser indenizado segundo os princípios da responsabilidade civil objetiva, pelo próprio banco sacado, sem prejuízo do exercício do seu direito de regresso contra o terceiro, culpado pela subtração do talonário." O reconhecimento da plena aplicabilidade das normas do Código de Defesa do Consumidor às instituições bancárias e financeiras é matéria corrente nos tribunais brasileiros, como bem demonstram os julgados abaixo transcritos: "AGRAVO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO - CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO - APLICABILIDADE DO CDC - COMISSÃO DE PERMANÊNCIA - INACUMULABILIDADE COM JUROS MORATÓRIOS E MULTA CONTRATUAL - SÚMULA 83 DESTA CORTE. I - Pela interpretação do art. 3.º, §2.º, do CDC, é de se deduzir que as instituições bancárias estão elencadas no rol das pessoas de direito consideradas como fornecedoras, para fim de aplicação do Código de Defesa do Consumidor às relações entre essas e os consumidores, no caso, correntistas. II - Tratando-se de contrato firmado entre a instituição financeira e pessoa física, é de se concluir que o agravado agiu com vistas ao atendimento de uma necessidade própria, isto é, atuou como destinatário final. Aplicável, pois, o CDC. III - O entendimento adotado pelo aresto recorrido encontra-se em consonância com o desta Corte, segundo o qual é inviável a incidência de comissão de permanência concomitantemente." (AgRg no Ag 296.516/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 07.12.2000, DJ 05.02.2001 p. 110). Grifado. "Direito processual civil e econômico. Agravo no recurso especial. Contrato de abertura de crédito em conta-corrente. CDC. Aplicabilidade. Comissão de permanência. - Aplica-se o CDC às relações jurídicas firmadas entre as instituições financeiras e os usuários de seus serviços. - É admitida a incidência da comissão de permanência após o vencimento da dívida, desde que não cumulada com juros remuneratórios, correção monetária e/ou juros moratórios. Precedentes. Agravo não provido." (AgRg no REsp 592.846/MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 02.08.2005, DJ 22.08.2005 p. 261). Grifado. É finalmente oportuno destacar que o Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos (nove a dois), em decisão plenária, julgou improcedente a ADIn n. 2591 e considerou, dessa maneira, constitucional a aplicação do Código de Defesa do Consumidor às instituições bancárias.6 Não se pode esquecer que a responsabilidade objetiva se baseia na adoção de uma das várias vertentes da teoria do risco. Na hipótese dos autos, entendo como de plena aplicação doutrina e jurisprudência que apontam para a responsabilidade objetiva da instituição bancária. Destaco, contudo, pessoal entendimento no sentido de que a adoção da teoria do risco-proveito já espancaria qualquer dúvida que se levantasse contra a aplicação da responsabilidade objetiva nessa hipótese. 1.2 Danos materiais e morais: o objeto da prova Independentemente da natureza material ou moral da lesão alegada pela parte autora, a afirmação e demonstração (prova) dos fatos que supostamente causam os danos constituem exigência essencial e indispensável a um bem sucedido pleito de indenização. Com exceção dos casos em que determina o juiz a inversão do ônus da prova (CDC, art. 6.º, VIII7), deve o autor consumidor provar a ocorrência dos fatos de que lhe decorreram os danos, assim como o nexo de causalidade a unir conduta e dano numa relação de lógica e necessariedade. Por outro lado, alegada a ocorrência de danos materiais, necessário que sejam cabalmente provados nos autos. Prescrevendo o Código Civil que a indenização haverá de ser dimensionada em função do dano causado8, ressalvados uns poucos casos previstos em lei9, deverá o autor provar a existência do dano e sua extensão, fornecendo dados ao julgador para seu convencimento no que pertine à obrigação de indenizar (an debeatur) e ao respectivo montante (quantum debeatur). Já no caso de serem alegados danos morais, nem sempre será necessário ao(à) autor(a) demonstrar-lhes a existência em si. Em muitos casos, tratar-se-ia de verdadeira "prova diabólica", impossível de ser produzida. O objeto da prova, nessas hipóteses, é a idoneidade da conduta para a deflagração causal de sua ocorrência, segundo normas de experiência. Assim, deverá provar o autor a prática da conduta supostamente lesiva, demonstrando-lhe a idoneidade para a geração do alegado dano moral. 1.3 O caso dos autos Tratam os presentes autos de cheque de nº 900184-0/CEF, conta nº 4.413-0, Agência 033 (fls.09), pertencente ao autor e pago pela CEF, no valor de R$ 300,00 (trezentos reais), em que o demandante alega que a folha teria sido furtada em branco e que conteria assinatura diversa da sua, que não teria sido conferida pela CEF, por ocasião do pagamento. A CEF, em sua contestação, alegou que o cheque teria sido pago através do "serviço de compensação", que dependendo do valor do cheque admite o pagamento sem a conferência de assinatura. Afirmou, ainda, que o autor não teria formulado nenhum tipo de contestação sobre a movimentação indevida em sua conta, mas que a agência da demandada teria diligenciado em busca de elementos visando à elucidação do caso, e que, ficando comprovado que a assinatura não seria a do autor, o valor só seria estornado conforme seu normativo específico, o que demandaria algum tempo. Analisando os autos, chego à conclusão que razão não assiste ao autor. De fato, restou incontroverso o pagamento do cheque nº 900184, da CEF, no valor de R$ 300,00 (trezentos reais), conforme cópia de sua microfilmagem (fls.09) e documento CEF demonstrando sua devida compensação na conta corrente do autor (fls.27). Entretanto, ao ter tomado ciência do ocorrido cabia ao autor o dever de contestar junto à demandada a compensação do cheque em questão, o que não restou comprovado nos autos. Acrescente-se que o incidente não provocou a inclusão do seu nome em qualquer cadastro restritivo de crédito. Assim, em que pese reconhecer a falha da CEF em ter pago o valor de um cheque sem conferência da assinatura, não vislumbro a possibilidade de dano moral a ser indenizado, uma vez que a conduta da promovida não teve o gravame de repercutir no patrimônio imaterial do autor, nem o expôs à situação vexatória. Ademais, some-se o fato de o autor possuir em sua conta corrente, várias devoluções de cheques sem fundos, além de várias contra-ordens, conforme cópias de fls.78/82. No tocante ao dano material, torna-se devido ao autor o ressarcimento pelo valor do cheque de R$ 300,00 (trezentos reais), descontado em sua conta corrente e não restituído, conforme confessado pela própria CEF na contestação, uma vez que a demandada não concluiu a diligência acerca da veracidade do documento, além de ter restado inviabilizado o exame grafotécnico pela Polícia Federal, diante da informação da própria CEF de que teria expurgado o original do cheque nº 900184-0, após 60 (sessenta) dias de sua microfilmagem (fls.255). D I S P O S I T I V O Diante do exposto e pelo mais que dos autos consta, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE O PEDIDO para condenar a Caixa Econômica Federal - CEF a ressarcir ao autor pelos danos materiais o valor do cheque de R$ 300,00 (trezentos reais) descontado de sua conta corrente, com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0 % (um por cento), incidentes ao mês, desde a data da citação. Sem custas em razão da gratuidade judiciária. Considerando a sucumbência do autor no pedido de danos morais e a sucumbência do réu no pedido de danos materiais (Súmula n. 326 do STJ), tenho-os como reciprocamente sucumbentes compensando-se entre si os valores devidos a título de honorários (Súmula n. 306 do STJ). Após o trânsito em julgado da presente sentença, observar-se-ão, no cumprimento da obrigação de pagamento do valor indenizatório, as disposições dos artigos 475-I e seguintes do CPC, acrescentados pelo artigo 4.º da Lei n. 11.232/2005 (DOU de 23.12.2005, em vigor seis meses após sua publicação). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa/PB, 7 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara LMS 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. 3 Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. 4 A professora Maria Helena Diniz, no volume 7 de seu Curso de Direito Civil Brasileiro, assim se posiciona sobre a matéria: "No nosso ordenamento jurídico vigora a regra geral de que o dever ressarcitório pela prática de atos ilícitos decorre da culpa, ou seja, da reprovabilidade ou censurabilidade da conduta do agente". 5 Art. 37. § 6.º. As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo e culpa. 6 "07/06/2006 - 15:11 - Direto do Plenário: Regras do Código de Defesa do Consumidor valem para os bancos. O ministro Celso de Mello, ao proferir seu voto na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2591, ressaltou que proteção ao consumidor qualifica-se como valor constitucional. Para o ministro, as atividades econômicas estão sujeitas à ação de fiscalização e normativa do Poder Público, pois o Estado é agente regulador da atividade negocial e tem o dever de evitar práticas abusivas por parte das instituições bancárias. Nesse sentido, Celso de Mello entende que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) cumpre esse papel ao regulamentar as relações de consumo entre bancos e clientes. O ministro acrescentou que o Sistema Financeiro Nacional (SFN) sujeita-se ao princípio constitucional de defesa do consumidor e que o CDC limita-se a proteger e defender o consumidor 'o que não implica interferência no SFN'. Assim, ao concluir que as regras do CDC aplicam-se às atividades bancárias, Celso de Mello julgou improcedente o pedido formulado na ADI. A ministra Ellen Gracie também julgou improcedente o pedido de declaração de inconstitucionalidade feito pela Consif na ADI 2591. Assim, por maioria de votos (nove a dois) o Plenário declarou a constitucionalidade do dispositivo do CDC que havia sido questionado pela Consif" (Fonte: www.stf.gov.br). 7 Art. 6.º. São direitos básicos do consumidor: ... VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiência. 8 Art. 944. A indenização mede-se pela extensão do dano. 9 Excepcionando o legislador a mencionada vinculação: Código Civil, arts. 928, parágrafo único, 944, parágrafo único, 945 etc. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA 10/10 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0002075-93.2008.4.05.8200 UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO) x LEONIDAS LIMA BEZERRA (Adv. LEONIDAS LIMA BEZERRA)

PROCESSO Nº 2008.2075-5 CLASSE 209 EMBARGOS À EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA EMBARGANTE: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADOR(A): Gustavo César de Figueiredo Porto EMBARGADO(A)(S): LÊONIDAS LIMA BEZERRA ADVOGADA(O)(S): Lêonidas Lima Bezerra D E S P A C H O Cuida-se de Embargos à Execução de sentença/acórdão, onde o Embargante/INSS alega que o crédito exeqüendo é inferior ao atribuído pela(s) Exeqüente(s) em sua memória discriminada de cálculos. Colhe-se do Termo de Autuação a ausência de indicação do nome do advogado do Embargado (fls. 02). Por outro lado, não houve pronunciamento do Embargado quando da sua intimação para impugnar o presente feito e para falar sobre os cálculos elaborados pela Contadoria Judicial (fls. 47 e 55). Assim, não há certeza quanto à efetiva intimação do Embargado para a prática dos atos processuais de seu interesse. Diante do exposto, remetam-se os autos ao Setor de Distribuição para a inclusão do nome do advogado do Embargado na autuação do presente feito. Abra-se, após o retorno dos autos, vista ao Embargado para requerer o que entender de direito. João Pessoa/PB, 01 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ELT

   

0002200-61.2008.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x JORNAL CORREIO DA PARAIBA LTDA. (Adv. IVO DE LIMA BARBOZA, GLAUCIO MANOEL DE LIMA BARBOSA, GRACIANE APOLONIO DA SILVA LUZ)

PROCESSO Nº 2008.82.2200-4, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: JORNAL CORREIO DA PARAÍBA LTDA ADVOGADOS: IVO DE LIMA BARBOZA, GLÁUCIO MANOEL DE LIMA BARBOSA E GRACIANE APOLÔNIO DA SILVA LUZ RÉ: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADOR: JOÃO SOARES DA COSTA NETO S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de antecipação da tutela, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 347/353): "Cuida-se de Ação Ordinária movida pelo Jornal Correio da Paraíba Ltda em face da União (Fazenda Nacional), com pedido de antecipação da tutela visando "...a suspensão do crédito tributário objeto do Auto de Infração do processo nº 11618.003409/2001-35, e a cobrança indevida do crédito tributário correspondente ao Imposto de Importação, e ainda, para que a União se abstenha de adotar quaisquer medidas coativas ou punitivas, como o constrangimento da inscrição na Dívida Ativa e conseqüente Execução Fiscal, bem como lhe seja concedida Certidão Negativa de Débito ou Positiva com Efeito de Negativa, se porventura o entreve for o Auto de Infração." O Autor afirma o seguinte: 1) É empresa do setor jornalístico no Estado da Paraíba, sendo beneficiária da imunidade constitucional em relação ao papel importado, utilizado na impressão do jornal que publica, e foi autuada em outubro de 2001 no âmbito do processo administrativo nº 11618.003409/2001-35, imputando-lhe débito no montante de R$ 35.590,06 (trinta e cinco mil, quinhentos e noventa reais e seis centavos), sob o fundamento de incidência do Imposto de Importação na transferência/revenda de papel importado com imunidade à gráfica que não atenderia aos requisitos previstos nos artigos 179 e 180 do antigo Regulamento Aduaneiro (Decreto nº 91.030, de 1985). 2) Apresentou defesa perante a Delegacia da Receita Federal de Julgamento e Terceiro Conselho de Contribuintes, tendo este último mantido o lançamento, por meio de acórdão proferido em 24.12.2007, do qual teve ciência em 18.03.2008. Sustenta, em síntese, que a imunidade prevista no artigo 150, inciso IV, alínea "d", da Constituição Federal de 1988, é do tipo objetiva incidindo sobre o produto e não sobre o sujeito, não podendo, por isto mesmo, sofrer limitações ou restrições de ordem legal ou regulamentar, além do que o papel revendido à empresa Papier Comércio e Representações Ltda, com domicílio em Recife (PE) e que tem como objeto social o comércio, exportação, importação e representação de papéis de imprensa com linha d'água, papéis em geral e artefatos e seus derivados, manteve a mesma destinação (impressão de jornais e periódicos), conforme notas fiscais emitidas por aquela empresa a diversas editoras, gráficas e jornais, e tendo em vista, ainda, que a referida empresa é detentora do registro especial exigido para o distribuidor de papel imune destinado à impressão de livros, jornais e periódicos, nos termos do Ato Declaratório Executivo nº 45, de 04.03.2002, expedido pela Receita Federal. Questiona, ainda, a aplicação da Taxa SELIC, cuja incidência consistiria em anatocismo. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 22/108). Em cumprimento ao despacho de fls. 112, o Autor apresentou cópia do processo administrativo nº 11618.003409/2001-35, em curso na Delegacia da Receita Federal do Brasil em João Pessoa (fls. 115/345). É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. A título de antecipação da tutela, poderá ser deferida medida cautelar, se presentes os pressupostos específicos do fumus boni iuris e do periculum in mora. Na hipótese dos autos, não verifico, à primeira vista, a presença dos requisitos legais à antecipação da tutela e isso porque a Receita Federal lavrou auto de infração em outubro de 2001 contra o Autor, imputando-lhe débito no valor de R$ 35.590,06 (trinta e cinco mil, quinhentos e noventa reais e seis centavos), relativo ao Imposto de Importação, constituído pelo principal, juros de mora mensurados pela Taxa SELIC e multa (fls. 116/140). Os Auditores Fiscais da Receita Federal consideraram que parte do papel importado pelo Autor, em junho e outubro de 2000, destinado à impressão offset e sobre o qual não incidiu o Imposto de Importação em face da imunidade prevista no artigo 150, inciso VI, alínea "d", da Constituição Federal de 1998, foi transferida sem anuência prévia da Receita Federal para a empresa Papier Comércio e Representações Ltda, com domicílio em Recife (PE), e que referida empresa não explorava a atividade da indústria de livro, jornal ou de outra publicação periódica, não se enquadrava como representante de fábrica estrangeira do papel e não se encontrava registrada, contrariando o disposto nos artigos 178, inciso I e II, e 180 do Regulamento Aduaneiro, aprovado pelo Decreto nº 91.030, de 1985, e, em conseqüência, aplicaram o § 1º do artigo 183 do mesmo Regulamento que obriga ao pagamento do imposto dispensado por ocasião do desembaraço aduaneiro. O Autor impugnou a autuação perante a Delegacia da Receita Federal de Julgamento em Fortaleza, sem lograr êxito, cf. acórdão DRF/FPR nº 1.231, de 16.05.2002, que manteve o lançamento no âmbito do processo administrativo nº 11618.003409/2001-35 (fls. 246/254). Da mesma forma, o Terceiro Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda negou provimento a recurso interposto pelo Autor, cf. acórdão nº 301-30.891, de 01.12.2003 (fls. 304/313). Colhe-se do voto do Conselheiro que lavrou o acórdão, no pertinente: "Verifica-se que os elementos de prova acostados aos autos não confirmam as alegações do recorrente na fase impugnatória e recursal. Neste sentido, a recorrente afirma que o papel importado foi transferido para a empresa Papier Comércio e Representações Ltda e que a mesma manteve idêntica destinação, ou seja, a impressão de jornais e periódicos, conforme se pode verificar através das notas fiscais de sua emissão, e que, portanto, não houve qualquer desvio do objeto da imunidade tributária. As Notas Fiscais juntadas ás fls. 138/155 comprovam a venda do papel imune à empresa Papier Comércio e Representações Ltda. Por sua vez, as Notas-Fiscais juntadas às fls. 156/176 comprovam a revenda do papel jornal imune a outras empresas, União Sup. De Imprensa e Editora, Imperial Armazéns Gerais Ltda., Editora Folha de Pernambuco Ltda, U. Norte, Empresa Editorial O Jornal Ltda. Não consigo estabelecer o vínculo entre as mercadorias vendidas ou 'revendidas' pela empresa Papier Comércio e Representações Ltda e aquelas vendidas pela recorrente, objeto das Notas-Fiscais às fls. 138/155, afora o fato de que aquela empresa teria vendido o papel imune a empresa de armazéns gerais (Nota-Fiscal à fl. 159). Fato não contestado pela recorrente é que transferiu para terceiro sem autorização prévia da Secretaria da Receita Federal o papel adquirido com imunidade tributária. Também não contesta o fato de que a empresa Papier Comércio e Representações Ltda, recebedora do papel importado pela autuada com imunidade tributária não tem registro na SRF como integrante do grupo de pessoas mencionadas no inciso I, do art. 178, nem comprovou o registro como gráfica que executa serviços na forma do inciso I, do art. 179, contrariando o artigo 180, do Regulamento Aduaneiro, então em vigor. A prova de destinação do papel à impressão de livros, jornais e periódicos deveria ter sido produzida pela recorrente, na forma descrita na Solução de Consulta COSIT nº 11, de 24/06/03, verbis: (...) Outro fator não menos relevante, se me afigura o fato de que a empresa que adquiriu o papel imune também não prova ter vendido jornal, livro ou periódico impressos com o papel adquirido. Simplesmente consta sua 'revenda' no mesmo estado, não restando provada a destinação dada pelos novos adquirentes. A recorrente fulcrou sua impugnação e seu recurso em fundamentar juridicamente a validade dos atos praticados, para tanto estribando-se, ainda que sólidos e respeitáveis, em argumentos doutrinários e jurisprudenciais, mencionados e transcritos nas peças processuais, bem como para invalidar o direito positivo concernente à matéria. Note-se que, com a promulgação da CF/88, o papel de imprensa, que gozava de isenção tributária passou a condição de imunidade tributária. As regras de controle fiscal a ela dirigidas previstas no Regulamento Aduaneiro, passaram a ser aplicadas à hipótese de imunidade. Neste sentido, estabelece o Ato Declaratório (Normativo) nº 46, de 10/11/88, verbis: (...) Também, não procede a alegação de que as empresas jornalísticas, editoras ou gráficas estão desobrigadas de cumprir obrigações acessórias, impostas por legislação infraconstitucional porque a imunidade constitucional do papel de imprensa é objetiva. Note-se, em primeiro lugar, que tal exigência não decorre de atos que disciplinam a venda de jornais, e sim de regulamento que instituiu controles da aquisição e destinação do papel imune. Cabe lembrar, ainda, que as medidas de controle fiscal previstas em norma tributária aplicam-se também 'às pessoas naturais ou jurídicas, contribuintes ou não, inclusive às que gozem de imunidade tributária ou isenção de caráter pessoal', segundo prescreve o artigo 194, § 1º do CTN. Neste sentido é o Parecer Normativo CST nº 18/78. Note-se também que a Constituição ao estabelecer vedação à União de instituir ou cobrar impostos sobre papel de imprensa refere-se a obrigação principal, conforme definido no artigo 113, § 1º do CTN, ou seja, a imunidade se dirige ao pagamento do tributo. É como expresso no artigo 150, inciso VI, alínea 'd', da CF. Não defere imunidade às obrigações acessórias do contribuinte, conforme explicita em seus parágrafos do mesmo artigo para as imunidades subjetivas. No caso da alínea 'd' supra mencionada a imunidade sendo objetiva, está implícita a obrigação (acessória) de ser comprovada pelo beneficiário a destinação do papel imune (...)." (grifei) Posteriormente, a Câmara Superior de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda negou seguimento a recurso especial interposto contra o acórdão nº 301-30.891 (fls. 344/345), havendo a constituição definitiva do crédito tributário, ora impugnado, e objeto de cobrança nos termos da Intimação nº 15/2008, de 13.03.2008, expedida pela Delegacia da Receita Federal do Brasil em João Pessoa (fls. 51). A autuação fiscal ocorreu em outubro de 2001, ao passo que a empresa Papier Comércio e Representações Ltda obteve o registro especial para estabelecimento exercendo a atividade de distribuidor de papel imune destinado à impressão de livros, jornais e periódicos apenas com o Ato Declaratório Executivo nº 45, de 04.03.2002, expedido pela Receita Federal (fls. 335), ou seja, posterior à autuação. Vê-se que o fundamento legal da autuação consistiu nos artigos 178 e 180 do Regulamento Aduaneiro aprovado pelo Decreto nº 91.030, de 1985, vigente à época, e atualmente revogado pelo Decreto nº 4.543, de 2002, o qual manteve a mesma exigência quanto ao registro2. Ao contrário do que afirma o Autor, o benefício da imunidade tributária de índole constitucional não é absoluto, eis que está sujeito à comprovação (obrigação acessória - artigo 113 do CTN) da destinação do papel importado e, no caso em exame, a empresa para a qual fora vendida parte do papel importado pelo Autor não era à época da autuação registrada na Receita Federal e nem exercia a atividade de gráfica (cf. aditivo ao contrato social de julho de 1997, fls. 101). Por outro lado, há controvérsia fática sobre a destinação dada pela empresa Papier Comércio e Representações Ltda ao papel que adquiriu do Autor. Quanto à aplicação da Taxa SELIC (que possui a natureza mista de correção monetária e juros), é irrelevante indagar se há, ou não, anatocismo, uma vez que sua incidência é expressamente prevista no artigo 61 da Lei nº 9.430, de 1996, e se aplica de forma isonômica tanto na correção do crédito tributário como na repetição de indébito tributário (Lei nº 9.250, de 1995). Diante do exposto, indefiro o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se o Autor desta decisão e para, em 10 (dez) dias, regularizar a representação apresentando nova procuração de acordo com a cláusula VII do contrato social (fls. 25) e artigo 12, inciso VI, do CPC, e efetuar o recolhimento das custas judiciais, sob pena de cancelamento da Distribuição (artigo 257 do CPC). Regularizada a representação e recolhidas as custas, cite-se a União (Fazenda Nacional). João Pessoa, 02 JUN 2008". (grifos no original) O Autor apresentou a petição inicial da presente ação ordinária acompanhada de procuração, documentos e comprovante de recolhimento das custas judiciais (fls. 360/467). A União apresentou contestação (fls. 476/480), afirmando: 1) A empresa PAPIER, terceira adquirente do papel importado pelo Autor, não exercia atividade gráfica ou de jornal à época das transações, não se enquadrava como representante de fábrica estrangeira e não estava registrada na Secretaria da Receita Federal como empresa que exercia tais atividades; 2) Descabe a alegação do Autor de que empresas beneficiárias de imunidade tributária estão desobrigadas de cumprir obrigações acessórias, considerando a decisão do Superior Tribunal de Justiça, proferida no REsp nº. 89.967/RJ, no sentido de que "a lei pode impor obrigações acessórias às empresas, ainda que não sejam contribuições do tributo..."; 3) No que concerne à taxa SELIC prevista no art. 39, § 4º, da Lei nº. 9.250/95, se os contribuintes dela se beneficiam no cálculo da restituição de seus créditos, é plenamente regular a sua aplicação pela Receita Federal, tendo em vista o princípio da isonomia jurídica. O Autor apresentou impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 484/490). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de antecipação da tutela (fls. 347/353). Conforme assentei na decisão, a Receita Federal lavrou auto de infração em outubro de 2001 contra o Autor, imputando-lhe débito no valor de R$ 35.590,06 (trinta e cinco mil, quinhentos e noventa reais e seis centavos), relativo ao Imposto de Importação, constituído pelo principal, juros de mora mensurados pela Taxa SELIC e multa. Os Auditores Fiscais da Receita Federal consideraram que parte do papel importado pelo Autor, em junho e outubro de 2000, destinado à impressão offset e sobre o qual não incidiu o Imposto de Importação em face da imunidade prevista no artigo 150, inciso VI, alínea "d", da Constituição Federal de 1998, foi transferida sem anuência prévia da Receita Federal para a empresa Papier Comércio e Representações Ltda, com domicílio em Recife (PE), e que referida empresa não explorava a atividade da indústria de livro, jornal ou de outra publicação periódica, não se enquadrava como representante de fábrica estrangeira do papel e não se encontrava registrada, contrariando o disposto nos artigos 178, inciso I e II, e 180 do Regulamento Aduaneiro, aprovado pelo Decreto nº 91.030, de 1985. Em razão disso, aplicaram o § 1º do artigo 183 do mesmo Regulamento que obriga ao pagamento do imposto dispensado por ocasião do desembaraço aduaneiro. O Autor impugnou a autuação perante a Delegacia da Receita Federal de Julgamento em Fortaleza, sem lograr êxito, cf. acórdão DRF/FPR nº 1.231, de 16.05.2002, que manteve o lançamento no âmbito do processo administrativo nº 11618.003409/2001-35. Da mesma forma, o Terceiro Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda negou provimento a recurso interposto pelo Autor, cf. acórdão nº 301-30.891, de 01.12.2003. Posteriormente, a Câmara Superior de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda negou seguimento a recurso especial interposto contra o acórdão nº 301-30.891, havendo a constituição definitiva do crédito tributário, ora impugnado, e objeto de cobrança nos termos da Intimação nº 15/2008, de 13.03.2008, expedida pela Delegacia da Receita Federal do Brasil em João Pessoa. A autuação fiscal ocorreu em outubro de 2001, ao passo que a empresa Papier Comércio e Representações Ltda obteve o registro especial para estabelecimento exercendo a atividade de distribuidor de papel imune destinado à impressão de livros, jornais e periódicos apenas com o Ato Declaratório Executivo nº 45, de 04.03.2002, expedido pela Receita Federal, ou seja, posterior à autuação. Vê-se que o fundamento legal da autuação consistiu nos artigos 178 e 180 do Regulamento Aduaneiro aprovado pelo Decreto nº 91.030, de 1985, vigente à época, e atualmente revogado pelo Decreto nº 4.543, de 2002, o qual manteve a mesma exigência quanto ao registro. Observei no decisum que, ao contrário do que afirma o Autor, o benefício da imunidade tributária de índole constitucional não é absoluto, eis que está sujeito à comprovação (obrigação acessória - artigo 113 do CTN) da destinação do papel importado e, no caso em exame, a empresa para a qual fora vendida parte do papel importado pelo Autor não era à época da autuação registrada na Receita Federal e nem exercia a atividade de gráfica (cf. aditivo ao contrato social de julho de 1997). Por outro lado, há controvérsia fática sobre a destinação dada pela empresa Papier Comércio e Representações Ltda ao papel que adquiriu do Autor. Quanto à aplicação da Taxa SELIC (que possui a natureza mista de correção monetária e juros), é irrelevante indagar se há, ou não, anatocismo, uma vez que sua incidência é expressamente prevista no artigo 61 da Lei nº 9.430, de 1996, e se aplica de forma isonômica tanto na correção do crédito tributário como na repetição de indébito tributário (Lei nº 9.250, de 1995). Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 7 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 147. A isenção para o papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos aplica-se somente às importações realizadas: I - por pessoa física ou jurídica que explore a atividade da indústria de livro, jornal ou de outra publicação periódica que vise precipuamente fins culturais, educacionais, científicos, religiosos ou assistenciais, e semelhantes (Decreto-lei no 37, de 1966, art. 16); e II - por empresa estabelecida no País como representante de fábrica estrangeira do papel, para venda exclusivamente às pessoas referidas no inciso I (Decreto-lei no 37, de 1966, art. 16, § 1o, com a redação dada pelo Decreto-lei no 751, de 8 de agosto de 1969, art. 1o). § 1o A isenção não abrange o papel utilizado na impressão de publicação que contenha, exclusivamente, matéria de propaganda comercial (Decreto-lei no 37, de 1966, art. 16). § 2o O papel objeto da isenção não poderá ser utilizado (Decreto-lei no 37, de 1966, art. 16, § 3o): I - em catálogos, listas de preços e publicações semelhantes; II - em jornais e revistas de propaganda; e III - em livros em branco ou simplesmente pautados ou riscados. § 3o O papel importado com isenção poderá ser utilizado em folhetos ou outros impressos de propaganda que constituam suplemento ou encarte de livro, jornal ou periódico, desde que em quantidade não excedente à tiragem da publicação que acompanham, e a ela vinculados pela impressão de seu título, data e número de edição. Art. 148. O papel importado com isenção poderá: I - ter seu uso cedido a gráficas para a impressão das publicações das pessoas referidas no inciso I do art. 147; ou II - ser utilizado pelas pessoas referidas no inciso I do art. 147, na impressão de publicações de terceiros. Parágrafo único. O disposto no caput aplica-se, inclusive, ao papel importado com isenção, adquirido no mercado interno. Art. 149. Somente poderá importar papel com isenção do imposto ou adquiri-lo das empresas referidas no inciso II do art. 147 a empresa para esse fim registrada, na forma estabelecida pela Secretaria da Receita Federal. § 1o Deverá obter registro também a gráfica que executa serviços na forma do inciso I do art. 148, que o comprovará para obter a cessão do uso do papel. § 2o O registro deverá ser renovado anualmente, no caso das empresas referidas no inciso II do art. 147, podendo ser exigida, para a renovação, a comprovação da regular utilização do papel importado ou adquirido no ano anterior (Decreto-lei no 37, de 1966, art. 16, § 1o, com a redação dada pelo Decreto-lei no 751, de 8 de agosto de 1969, art. 1o). (Redação dada pelo Decreto nº 4.765, de 24.6.2003) Art. 150. A Secretaria da Receita Federal estabelecerá (Decreto-lei no 37, de 1966, art. 16, §§ 4o e 5o, este com a redação dada pelo Decreto-lei no 751, de 1969, art. 2o): I - normas segundo as quais poderá ser autorizada a venda de aparas ou de papel impróprio para impressão, desde que se destinem a utilização como matéria-prima; II - normas que regulem o cumprimento das obrigações acessórias previstas nesta Subseção; III - limite de utilização do papel nos serviços da empresa; e IV - percentual de tolerância na variação do peso, pela aplicação de tinta ou em razão de umidade. ?? ?? ?? ?? 1 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0003030-27.2008.4.05.8200 JOSE COELHO DE LEMOS JUNIOR (Adv. KADMO WANDERLEY NUNES, SARA CAVALCANTI DE OLIVEIRA, VINA LUCIA C. RIBEIRO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO: 2008.3030-0 NATUREZA: Ação Ordinária PROMOVENTE: José Coelho de Lemos Júnior PROMOVIDA: Caixa Econômica Federal - CEF S E N T E N Ç A1 R E L A T Ó R I O Trata-se de AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS movida por JOSÉ COELHO DE LEMOS JÚNIOR em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, visando à indenização pelos danos morais que alega ter sofrido. Alega o autor em sua petição inicial (fls. 03/14), acompanhada de procuração, documentos e custas (fls. 15/166), o seguinte: 1) É cliente da promovida, sendo titular da conta corrente nº 705-8, agência nº 720, desde abril de 1991 e sempre tratou de toda a movimentação financeira de sua conta com o gerente da agência, Sr. Henrique Sérgio, por quem detinha total confiança. 2) Em agosto de 2007, o gerente questionou-o acerca do valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), que se encontrava parado em sua conta e que poderia ser aplicado em um dos fundos de investimento da CEF, e que assim assentiu, sendo-lhe retirado o valor da conta. 3) Em 03/10/2007, emitiu um cheque no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), e, como rotineiramente fazia, solicitou ao gerente a baixa parcial em suas aplicações do valor correspondente ao cheque emitido, mas o mesmo foi devolvido por insuficiência de fundos, fato que resultou em novo contato com o gerente, que alegou ter esquecido de efetuar o resgate, mas que já estava resolvendo o problema. 4) O cheque em questão foi compensado quando reapresentado, mas não em razão do resgate solicitado, e sim pelos depósitos efetuados rotineiramente em sua conta. 5) No final de 2007, resolveu adquirir um caminhão para utilizá-lo em seu comércio e, para tanto, emitiu um cheque de R$ 10.300,00 (dez mil e trezentos reais), para o dia 10/01/2008, além da compra de acessórios, no valor de R$ 8.000,00 (oito mil reais). 6) Em 03/01/2008, solicitou ao gerente a baixa para sua conta de todo o montante que se encontrasse aplicado, recebendo a informação do mesmo de que o resgate da aplicação levaria quatro dias úteis, mas que antes da compensação dos cheques emitidos o valor das aplicações estaria em sua conta corrente. 7) No dia 08/01/2008, ficou sabendo que o gerente Sr. Henrique Sérgio havia desviado valores da conta bancária de um amigo seu, o que o levou pela primeira vez a levantar suspeitas quanto às atitudes do gerente. 8) Dirigiu-se à agência da CEF e foi informado por uma nova gerente que o Sr. Henrique Sérgio havia sido afastado de suas atividades pelo Banco, além de ser informado de que nunca houvera aplicação financeira em seu nome. 9) Passou por diversas dificuldades financeiras para sanar os compromissos que havia assumido confiando no dinheiro que acreditava estar aplicado na CEF, além do prejuízo moral e constrangimento sofrido. A CEF apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls.175/187), suscitando que seja reconhecida a decadência, prevista no inciso II, do art. 26, do CDC, com a extinção do processo com resolução do mérito, aplicável às instituições financeiras como relação consumerista. No mérito, afirma o seguinte: 1) A CEF procedeu à devolução do valor sacado da conta corrente do autor, em 12/03/2008, ou seja, logo após a contestação da retirada dos valores. 2) O autor não comprovou a existência de qualquer dano sofrido, no máximo a situação lhe causou mero aborrecimento. 3) Causou estranheza o fato de o autor logo após as primeiras evidências do fato em questão não perceber algum tipo de irregularidade em sua conta bancária e solicitar prontamente uma averiguação. O autor apresentou impugnação (fls.191/195) à contestação afirmando que seu direito não estaria atingido pela decadência ou prescrição, uma vez que teria tomado conhecimento dos fatos em 10/01/2008 e ajuizado a ação em 12/05/2008. Alegou que é um absurdo chamar de "mero aborrecimento" um desfalque em conta corrente de cliente no valor de R$ 20.000,00, por uma instituição detentora de elevada respeitabilidade, agravado pela circunstância de ter sido praticado pelo gerente da mesma. BREVEMENTE RELATADOS. DECIDO F U N D A M E N T A Ç Ã O 1. SOBRE A DECADÊNCIA A CEF pugna pela aplicação da decadência em razão do disposto no art. 26, inciso II, do CDC, que prevê que o direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil contestação caduca em 90 (noventa) dias, relativamente ao fornecimento de serviços duráveis, como seria o caso. Razão não assiste à demandada. Com efeito, o autor tem direito a pleitear em juízo em razão de perdas decorrentes pela má prestação de um serviço, dentro do prazo prescricional qüinqüenal. Nesse sentido, colaciono precedente do TRF da 5ª Região2, que remete ao mesmo entendimento já firmado pelo Colendo Superior Tribunal de Justiça. Assim, rejeito a prejudicial de mérito. 2. EXAME DO MÉRITO 2.1 Responsabilidade civil e a obrigação de indenizar Dessume-se dos autos do presente processo haver a parte autora deduzido perante este juízo pleito de INDENIZAÇÃO POR DANOS em razão de conduta supostamente ilícita da parte demandada, motivo pelo qual faria jus obter, judicialmente, a reparação de todos os prejuízos cuja ocorrência fora afirmada na exordial. O instituto da responsabilidade civil encontra-se atualmente positivado no direito brasileiro, em sede infraconstitucional, no art. 186 do Código Civil3. Tal dispositivo é complementado pelo art. 9274 do mesmo Código, que prescreve a obrigação de reparar o dano como conseqüência jurídica da prática do ato ilícito definido pelo legislador no artigo 186. Os mencionados dispositivos fundamentam a teoria da responsabilidade civil subjetiva - adotada como regra geral pelo direito brasileiro5 -, para a qual se mostra indispensável à configuração da obrigação de indenizar a presença do elemento subjetivo culpa lato sensu. De fato, em matéria de responsabilidade civil, é essencial à configuração da obrigação de indenizar a reunião de seus três elementos objetivos fundamentais, a saber: (a) uma conduta humana voluntária, (b) um dano moral ou material e, finalmente, (c) o nexo causal a unir conduta e dano. Sobre o assunto, eis a esclarecedora lição de Washington de Barros Monteiro: "Eis aí, portanto, os elementos componentes do ato ilícito, de acordo com o art. 186, tido como uma das vigas-mestras do direito civil, ao lado do direito de propriedade e da família: o fato lesivo, o dano produzido e o nexo causal. Evidenciados esses elementos, surgirá a obrigação de indenizar, pouco importando se o fato danoso viola ou não simultaneamente a lei penal." Determinando a norma legal aplicação da teoria da responsabilidade civil subjetiva para regência de um dado caso concreto, mais um elemento (o subjetivo) se fará necessário: a culpa lato sensu, que compreende a culpa stricto sensu e o dolo. Outrossim, o direito brasileiro faz concessões (cada vez mais freqüentes) à teoria da responsabilidade civil objetiva, dispensando a exigência do elemento subjetivo culpa lato sensu para a configuração da responsabilidade do causador do dano e correlata visualização da obrigação de indenizar. Nestes termos, prescreve a Constituição Federal de 1988, em seu art. 37, § 6.º, a adoção da teoria da responsabilidade civil objetiva nos casos em que danos sejam causados por atos de agentes de pessoa jurídica de direito público ou de direito privado prestadora de serviço público, desde que agindo nessa condição6. A mesma teoria é adotada pelo Código de Defesa do Consumidor, previsão esculpida, para o caso específico dos fornecedores de serviços, no respectivo art. 14 da Lei n. 8.078/90, redigido nos seguintes termos: "Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações suficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos." Sendo assim, é de se concluir que, estando a Caixa Econômica Federal no pólo passivo da demanda, adota o direito positivo, como orientação de regência, a teoria da responsabilidade civil objetiva. Bastará à parte autora, dessa forma, alegar e provar a conduta omissiva ou comissiva da entidade promovida, o dano material e/ou moral a si causado e o necessário nexo de causalidade entre conduta e dano, não socorrendo o demandado qualquer alegação e prova quanto à inexistência de culpa lato sensu a lhe permear a conduta. Na doutrina, reconhecendo a aplicação do CDC às relações entre entidades bancárias e seus clientes, eis a lição de Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho que, embora versando responsabilidade civil dos bancos em razão do pagamento de cheque falso, encontra aplicação geral na disciplina da matéria: "De fato, considerando-se que a atividade bancária é serviço de consumo, o dano causado ao cliente, desde que não favorecido pela atuação deste, há de ser indenizado segundo os princípios da responsabilidade civil objetiva, pelo próprio banco sacado, sem prejuízo do exercício do seu direito de regresso contra o terceiro, culpado pela subtração do talonário." O reconhecimento da plena aplicabilidade das normas do Código de Defesa do Consumidor às instituições bancárias e financeiras é matéria corrente nos tribunais brasileiros, como bem demonstram os julgados abaixo transcritos: "AGRAVO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO - CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO - APLICABILIDADE DO CDC - COMISSÃO DE PERMANÊNCIA - INACUMULABILIDADE COM JUROS MORATÓRIOS E MULTA CONTRATUAL - SÚMULA 83 DESTA CORTE. I - Pela interpretação do art. 3.º, §2.º, do CDC, é de se deduzir que as instituições bancárias estão elencadas no rol das pessoas de direito consideradas como fornecedoras, para fim de aplicação do Código de Defesa do Consumidor às relações entre essas e os consumidores, no caso, correntistas. II - Tratando-se de contrato firmado entre a instituição financeira e pessoa física, é de se concluir que o agravado agiu com vistas ao atendimento de uma necessidade própria, isto é, atuou como destinatário final. Aplicável, pois, o CDC. III - O entendimento adotado pelo aresto recorrido encontra-se em consonância com o desta Corte, segundo o qual é inviável a incidência de comissão de permanência concomitantemente." (AgRg no Ag 296.516/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 07.12.2000, DJ 05.02.2001 p. 110). Grifado. "Direito processual civil e econômico. Agravo no recurso especial. Contrato de abertura de crédito em conta-corrente. CDC. Aplicabilidade. Comissão de permanência. - Aplica-se o CDC às relações jurídicas firmadas entre as instituições financeiras e os usuários de seus serviços. - É admitida a incidência da comissão de permanência após o vencimento da dívida, desde que não cumulada com juros remuneratórios, correção monetária e/ou juros moratórios. Precedentes. Agravo não provido." (AgRg no REsp 592.846/MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 02.08.2005, DJ 22.08.2005 p. 261). Grifado. É finalmente oportuno destacar que o Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos (nove a dois), em decisão plenária, julgou improcedente a ADIn n. 2591 e considerou, dessa maneira, constitucional a aplicação do Código de Defesa do Consumidor às instituições bancárias.7 Não se pode esquecer que a responsabilidade objetiva se baseia na adoção de uma das várias vertentes da teoria do risco. Na hipótese dos autos, entendo como de plena aplicação doutrina e jurisprudência que apontam para a responsabilidade objetiva da instituição bancária. Destaco, contudo, pessoal entendimento no sentido de que a adoção da teoria do risco-proveito já espancaria qualquer dúvida que se levantasse contra a aplicação da responsabilidade objetiva nessa hipótese. 2.2 Danos materiais e morais: o objeto da prova Independentemente da natureza material ou moral da lesão alegada pela parte autora, a afirmação e demonstração (prova) dos fatos que supostamente causam os danos constituem exigência essencial e indispensável a um bem sucedido pleito de indenização. Com exceção dos casos em que determina o juiz a inversão do ônus da prova (CDC, art. 6.º, VIII8), deve o autor consumidor provar a ocorrência dos fatos de que lhe decorreram os danos, assim como o nexo de causalidade a unir conduta e dano numa relação de lógica e necessariedade. Por outro lado, alegada a ocorrência de danos materiais, necessário que sejam cabalmente provados nos autos. Prescrevendo o Código Civil que a indenização haverá de ser dimensionada em função do dano causado9, ressalvados uns poucos casos previstos em lei10, deverá o autor provar a existência do dano e sua extensão, fornecendo dados ao julgador para seu convencimento no que pertine à obrigação de indenizar (an debeatur) e ao respectivo montante (quantum debeatur). Já no caso de serem alegados danos morais, nem sempre será necessário ao(à) autor(a) demonstrar-lhes a existência em si. Em muitos casos, tratar-se-ia de verdadeira "prova diabólica", impossível de ser produzida. O objeto da prova, nessas hipóteses, é a idoneidade da conduta para a deflagração causal de sua ocorrência, segundo normas de experiência. Assim, deverá provar o autor a prática da conduta supostamente lesiva, demonstrando-lhe a idoneidade para a geração do alegado dano moral. 2.3 O caso dos autos Tratam os presentes autos de pedido de indenização por danos morais em razão de desfalque que teria ocorrido na conta corrente do autor, em agosto de 2007, no valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), promovido pelo gerente da CEF. Afirma o autor que o gerente da CEF, Sr. Henrique Sérgio, o teria convencido a retirar o numerário de sua conta corrente para aplicá-lo em fundo de investimento. Ocorre que, em janeiro de 2008, o autor teria descoberto que havia sido ludibriado pelo funcionário da promovida, uma vez que jamais houvera aplicação financeira em seu nome, além de terem sido devolvidos vários cheques seus, sem provisão de fundos. O autor alegou, por fim, que o fato ocasionado por culpa exclusiva do funcionário da CEF teria lhe provocado vários prejuízos e transtorno moral. A CEF, em sua contestação, afirmou que não há se falar em danos morais, e sim, que a situação apenas teria causado ao autor mero aborrecimento, uma vez que logo após ter tomado ciência do ocorrido teria procedido à averiguação, recompondo os valores questionados pelo autor, em 12/03/2008. Analisando os autos, verifico que à margem de ter restado incontroverso o saque fraudulento na conta do autor no valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), realizado de modo ardil pelo gerente da CEF, conforme prova material colacionada nos autos e confissão da própria demandada, o cerne dos fatos cinge-se à questão de considerar-se ou não, a situação como passível de dano moral. Primeiramente, observo que em decorrência da fraude ocorrida em sua conta corrente, o autor confiando que seu dinheiro estaria aplicado em operação financeira e que seria baixado para a conta corrente, teve dois cheques devolvidos, um no valor de R$ 10.300,00 (dez mil e trezentos reais) e outro de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) (fls.16/18), tendo, por fim, em período anterior à recomposição do montante pela CEF, recorrido à sua companheira, Edívia Holanda Araujo, no intuito de quitar parte de sua dívida, conforme recibo de R$ 5.500,00 (cinco mil e quinhentos reais) (fls.19). Traspassada a evidência de dano moral com reflexo patrimonial, passível de repercussão quanto à reputação do autor ou sua valoração no meio em que vive passo à análise do dano quanto ao aspecto mais íntimo da personalidade humana, ou seja, quanto à sua consideração pessoal. A CEF procura incutir, em sua contestação, a inexistência de dano moral galgada simplesmente no só fato de ter procedido à recomposição da conta do autor assim que averiguada a situação. Ora, efeitos morais desagradáveis e indesejados devem ser reparados quando resultantes de violações ao patrimônio do lesado e praticados com abuso de confiança. Mormente, se provocados por uma instituição bancária pública, que tem o dever de implantar e manter o bom funcionamento do sistema bancário oferecido aos seus clientes, adotando, no mínimo, cautelas necessárias à proteção dos mesmos e à segurança da própria instituição. Quanto a esse peculiar aspecto, registro como de suma responsabilidade a escolha de seus funcionários, principalmente quando se trata do cargo de gerência reservado a gestores de alta confiabilidade da instituição, e, particularmente, do cliente. Assim cabe à CEF assumir os ônus decorrentes da atuação do gerente de sua agência, proporcionando ao autor a integral reparação dos danos efetivamente suportados, pois somente assim restará caracterizada a idéia de reparação. Dessa forma, reitero a posição de que os danos morais, em casos como o dos autos, não se provam. Prova-se apenas o fato causador e idôneo à produção do resultado lesivo. A compreensão da existência dos danos morais decorre de um juízo de necessariedade, segundo parâmetros ditados pela razoabilidade e pela experiência. 2.4 Fixação do quantum indenizatório Logrou o autor provar nos autos ter sofrido danos morais em razão da conduta do pólo promovido, demonstrando a idoneidade do fato lesivo para a geração da lesão em questão. Conforme se falou alhures, não se exige, via de regra, a prova da existência ou do montante do dano moral, mas tão somente da ocorrência do fato lesivo e sua idoneidade para a produção da lesão. No dimensionamento do dano moral, deve o juiz examinar todas as circunstâncias do caso concreto, especialmente as circunstâncias em que o ato lesivo foi praticado, a natureza de sua motivação, as condições sociais, intelectuais, profissionais e financeiras do agente lesivo e do sujeito lesado. Outrossim, não pode deixar de levar em conta as funções da responsabilidade civil, quais sejam: (a) compensação à vítima pelo dano sofrido, (b) punição ao ofensor e (c) inibição à sociedade da prática de condutas lesivas. Levados em conta todos os critérios acima apontados, consideradas as peculiares circunstâncias do caso em comento, arbitro a indenização por danos morais no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais) para o autor, com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0% (um por cento), incidentes desde a data da prolação da presente sentença11. D I S P O S I T I V O Diante do exposto e pelo mais que dos autos consta, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO para condenar a Caixa Econômica Federal - CEF a ressarcir ao autor pelos danos morais devidamente comprovados, fixando (nos termos da fundamentação acima) o valor em R$ 3.000,00 (três mil reais), com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0 % (um por cento), incidentes ao mês, desde a data da prolação da presente sentença. Custas ex lege. Verba honorária pela demandada no importe de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. Após o trânsito em julgado da presente sentença, observar-se-ão, no cumprimento da obrigação de pagamento do valor indenizatório, as disposições dos artigos 475-I e seguintes do CPC, acrescentados pelo artigo 4.º da Lei n. 11.232/2005 (DOU de 23.12.2005, em vigor seis meses após sua publicação). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa/PB, 7 de outubro de 2008 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto da 2ª Vara LMS 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 CIVIL E PROCESSUAL CIVIL - SERVIÇOS POSTAIS - EMPRESA BRASILEIRA DECORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT - ATRASO NA ENTREGA DE CORRESPONDÊNCIA -DANOS MORAIS - RESPONSABILIDADE CIVIL - POSSIBILIDADE DA INDENIZAÇÃO -DECADÊNCIA - INOCORRÊNCIA. 1. O Colendo Superior Tribunal de Justiça já firmou o entendimento de que a caducidade a que se refere o caput do artigo26 do Código de Defesa do Consumidor, em se cuidando de vício do produto, está ligada ao exercício, pelo consumidor, do direito de reclamar (art. 18 e incisos); direito este cujo exercício não exclui o de postular e obter em juízo a justa e devida reparação pelas perdas decorrentes da inadvertida entrega do produto defeituoso, dentro do prazo prescricional qüinqüenal (art. 27). (STJ - RESP - 722510 - RS - 3ª T. - Rel. Min. NANCY ANDRIGHI -DJU 01/02/2006 PÁGINA:553). "O prazo prescricional para o consumidor pleitear o recebimento de indenização por danos decorrentes de falha na prestação do serviço é de 5 (cinco) anos, conforme prevê o art. 27 do CDC, não sendo aplicável, por conseqüência, os prazos de decadência, previstos no art. 26do CDC. - A ação de indenização movida pelo consumidor contra a prestadora de serviço, por danos decorrentes de publicação incorreta de seu nome e/ou número de telefone em lista telefônica, prescreve em cinco anos, conforme o art. 27, do CDC. Recurso especial não conhecido" (grifei) 2. Quanto ao dano moral,é de se anotar que para a sua configuração com a conseqüente obrigação de repará-lo, é necessário que se verifique a existência dos pressupostos da responsabilidade civil objetiva, a saber: o ato ilícito, o prejuízo e o nexo causal entre eles. Ainda, o dano moral pressupõe a dor física ou moral, e independe de qualquer relação com o prejuízo patrimonial. A dor moral, ainda que não tenha reflexo econômico, é indenizável. É o pagamento do preço da dor pela própria dor, ainda que esta seja inestimável economicamente. 3. No caso dos autos, consoante bem ilustrado pela sentença a quo, verifica-seque a demora (15 dias no percurso Aracajú/Rio de Janeiro) pela entrega da correspondência que impossibilitou o autor a apresentar seu projeto de Artes Visuais à Petrobrás, que segundo ele, se selecionado referido trabalho,poderia ensejar ganhos no importe de R$ 24.612,00, causou-lhe angústia,transtornos e constrangimentos justificadores da reparação civil por danos morais, cuja indenização arbitrada pelo magistrado a quo, deve ser reduzida ao valor de R$ 1.000,00 (um mil reais), levando-se em conta que o valor não é elevado a ensejar o enriquecimento indevido da parte autora, nem tampouco,reduzido demais a fim de que não cumpra a função repressiva da indenização por dano moral. 4. Decadência afastada. Apelação parcialmente provida. (TRF-5ª Região; AC -376302; Proc: 200285000034400/SE; Desembargador Federal Ubaldo Ataíde Cavalcante; 1ª Turma; Data da decisão: 08/03/2007; DJ : 17/09/2007; Pág: 1139 - Nº::179) 3 Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. 4 Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. 5 A professora Maria Helena Diniz, no volume 7 de seu Curso de Direito Civil Brasileiro, assim se posiciona sobre a matéria: "No nosso ordenamento jurídico vigora a regra geral de que o dever ressarcitório pela prática de atos ilícitos decorre da culpa, ou seja, da reprovabilidade ou censurabilidade da conduta do agente". 6 Art. 37. § 6.º. As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo e culpa. 7 "07/06/2006 - 15:11 - Direto do Plenário: Regras do Código de Defesa do Consumidor valem para os bancos. O ministro Celso de Mello, ao proferir seu voto na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2591, ressaltou que proteção ao consumidor qualifica-se como valor constitucional. Para o ministro, as atividades econômicas estão sujeitas à ação de fiscalização e normativa do Poder Público, pois o Estado é agente regulador da atividade negocial e tem o dever de evitar práticas abusivas por parte das instituições bancárias. Nesse sentido, Celso de Mello entende que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) cumpre esse papel ao regulamentar as relações de consumo entre bancos e clientes. O ministro acrescentou que o Sistema Financeiro Nacional (SFN) sujeita-se ao princípio constitucional de defesa do consumidor e que o CDC limita-se a proteger e defender o consumidor 'o que não implica interferência no SFN'. Assim, ao concluir que as regras do CDC aplicam-se às atividades bancárias, Celso de Mello julgou improcedente o pedido formulado na ADI. A ministra Ellen Gracie também julgou improcedente o pedido de declaração de inconstitucionalidade feito pela Consif na ADI 2591. Assim, por maioria de votos (nove a dois) o Plenário declarou a constitucionalidade do dispositivo do CDC que havia sido questionado pela Consif" (Fonte: www.stf.gov.br). 8 Art. 6.º. São direitos básicos do consumidor: ... VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiência. 9 Art. 944. A indenização mede-se pela extensão do dano. 10 Excepcionando o legislador a mencionada vinculação: Código Civil, arts. 928, parágrafo único, 944, parágrafo único, 945 etc. 11 "Dano moral. Valor. Correção monetária. Precedentes. - 'O termo inicial da correção monetária do valor do dano moral é a data em que for fixado. Recurso conhecido e provido'". (STJ - 3.ª T. - REsp. 376.900 - Rel. Carlos Alberto Menezes Direito - j.02.05.2002 - Bol. AASP 2.293/637, 09 a 15.12.2002). "O valor certo fixado, na sentença exeqüenda, quanto ao dano moral, tem seu termo a quo para o cômputo dos consectários (juros e correção monetária), a partir da prolação do título exeqüendo (sentença) que estabeleceu aquele valor líquido. Precedente do STJ" (STJ - 3.ª T. - REsp - Rel. Waldemar Sveiter - j. 18.06.1998 - RSTJ 112/184). GRIFADOS. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA 13/13 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0003014-73.2008.4.05.8200 PRONTO ANALISE LTDA (Adv. MANUEL DE BARROS BARBOSA FILHO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0004590-04.2008.4.05.8200 EDIVAL ELIAS DE SOUSA E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0004735-60.2008.4.05.8200 EDILSON BARBOSA ALEXANDRE E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0005029-15.2008.4.05.8200 EDSON BARBOSA DE PINHO E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0006025-13.2008.4.05.8200 MARIA DALVA CAVALCANTI DE LUCENA (Adv. LAVOISIER NUNES DE CASTRO, MARIA ESTELA CUNHA DE CASTRO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0006146-41.2008.4.05.8200 AUGUSTA CHAVES CORREA (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, JOSÉ ALFREDO DE FREITAS, ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO, MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO)

Ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC).

   

0008925-08.2004.4.05.8200 ADAILTON APRIGIO DO NASCIMENTO (Adv. MARCOS MAURICIO F. LACET, ALUIZIO JOSE SARMENTO LIMA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

(x ) às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05(cinco) dias.

   

0010380-03.2007.4.05.8200 LUCIA MARIA FONSECA DE BRITO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0010469-26.2007.4.05.8200 ADELAIDE MARIA ORIENTE DOS SANTOS (Adv. JOSE DIONIZIO DE OLIVEIRA, VERA LUCIA DE LIMA SOUZA, ROBERTA MONTENEGRO OLIVEIRA TEIXEIRA DE PAIVA) x NATALIA ORIENTE DOS SANTOS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0013708-47.2003.4.05.8210 JOSEFA SILVA CALIXTO DE OLIVEIRA (Adv. FERNANDA FLORENCIO LINS) x JOSE CALIXTO DE OLIVEIRA x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista à Habilitada, JOSEFA SILVA CALIXTO DE OLIVEIRA, para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar a contestação(arts. 326 e 327, do CPC) 1. Intime-se. Publique-se. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

EMBARGOS DE TERCEIRO

   

0002287-85.2006.4.05.8200 LUIZ GONZAGA DE AZEVEDO ACCIOLY FILHO (Adv. MARIO ROBERTO BARROS DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

AUTOS COM VISTA ao Embargante para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado/ cumprimento da sentença, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995). Publique-se.

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001309-26.1997.4.05.8200 ELISA MARIA CAMPOS HONORIO (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, JANE MARY DA COSTA LIMA, MARILENE DE SOUZA LIMA, CICERO GUEDES RODRIGUES, VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JUSCELINO MALTA LAUDARES) x UNIÃO (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

Autos com vista às partes, da informação e/ou cálculos de fls. 354/356, elaborados pela Contadoria Judicial, no prazo de 10(dez) dias. P. JPA, ....

   

0002141-83.2002.4.05.8200 IVONETE QUEIROZ DE GUSMAO (Adv. LEONIDAS LIMA BEZERRA) x GLAUCO DE GUSMAO, REPRESENTADO POR SUA ESPOSA E CURADORA IVONETE QUEIROZ DE GUSMAO x GLAUCO DE GUSMAO, REPRESENTADO POR SUA ESPOSA E CURADORA IVONETE QUEIROZ DE GUSMAO x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

Autos com vista ao (à) (s) Exeqüente(s), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). Publique-se. 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0002374-17.2001.4.05.8200 MANOEL PEREIRA DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO) x UNIÃO (Adv. DARIO DUTRA SATIRO FERNANDES)

Autos com vista ao(s) exeqüente(s) para se manifestar, no prazo de 05(cinco) dias, se o cumprimento satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo. Publique-se.

   

0002475-35.1993.4.05.8200 JOAO MIGUEL RODRIGUES E OUTROS (Adv. JOSEFA INES DE SOUZA) x BENEDITA MARCOLINO DO NASCIMENTO E OUTROS (Adv. JOSEFA INES DE SOUZA) x MARIA DE LOURDES DA CONCEIÇÃO E OUTROS (Adv. JOSEFA INES DE SOUZA) x JOAO MIGUEL RODRIGUES E OUTROS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RENE PRIMO DE ARAUJO, FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS

Nos termos do artigo 12 da Resolução nº 559, de 26 de junho de 2007, do Conselho de Justiça Federali, dê-se vista às partes da Requisição de Pagamento expedida, por cinco dias. P. I. (Remessa) Art. 12, Res.559 de 26/06/2007 do CJF O Juiz da execução, em se tratando de precatórios ou requisições de pequeno valor, antes do encaminhamento ao Tribunal, intimará as partes do teor da requisição. i ?? ?? ?? ??

   

0005701-96.2003.4.05.8200 EVERALDO BERNARDES DA SILVA (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, NEMESIO ALMEIDA SOARES JUNIOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. RICARDO POLLASTRINI)

Autos com vista às partes, sobre os documentos de fls. 247/263, no prazo de 05 (cinco) dias. Publique-se.

   

0006485-83.1997.4.05.8200 RENILZA OLIVEIRA LEITE (Adv. GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA, JOSE ARAUJO DE LIMA, ADEILTON HILARIO, ADEILTON HILARIO JUNIOR) x RENILZA OLIVEIRA LEITE x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANTONIO MARCOS ALMEIDA, WLADIMIR ALCIBIADES M FALCAO CUNHA, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

Autos com vista, ao(à)(s) autor(a)(s)(es), ora Exeqüente(s), fato(s) novo alegado/documento novo (fls. 408/416) juntado pelo(a)(s) réu(é)(s) no prazo de 05(cinco) dias (art. 398, CPC). Publique-se. JPA

   

0007569-27.1994.4.05.8200 JOSE VICENTE FERREIRA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, JOSE MARTINS DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO, JOSE ARAUJO FILHO)

Autos com vista ao(à)(s) Exeqüente(s), da informação e/ou cálculos de fls. 376/380, elaborados pela Contadoria Judicial, no prazo de 10(dez) dias. P. JPA, ...

   

0008116-86.2002.4.05.8200 GEORGE SEBASTIAO GUERRA LEONE (Adv. FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS, JOSE MARTINS DA SILVA, JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA, ANA HELENA CAVALCANTI PORTELA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DE FATIMA DE SA FONTES)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0009750-83.2003.4.05.8200 ADALBERTO RIBEIRO DA SILVA (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao (à) (s) Exeqüente(s), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). Publique-se. 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000528-28.2002.4.05.8200 A QUEIROZ DE OLIVEIRA & CIA (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA, GUILHERME MELO FERREIRA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA)

Autos com vista ao (à) (s) Exeqüente(s), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). Publique-se. 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0002609-71.2007.4.05.8200 GILVAN FERNANDES DA SILVA (Adv. JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA) x GILVAN FERNANDES DA SILVA (Adv. JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0005029-88.2003.4.05.8200 ESPÓLIO DE MARIA MADALENA DA SILVA, REPR. POR SEU INVENTARIANTE JOÃO ALVES DA SILVA (Adv. JOAO ALVES DA SILVA JUNIOR) x UNIÃO (Adv. DARIO DUTRA SATIRO FERNANDES)

Autos com vista ao (à) (s) Exeqüente(s), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). Publique-se. 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0008506-27.2000.4.05.8200 HOSPITAL E PRONTO SOCORRO INFANTIL DE SANTA RITA LTDA (Adv. JOAO PAULO DE JUSTINO E FIGUEIREDO, MARIA DO ROSARIO MADRUGA DE QUEIROZ) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. NELSON CALISTO DOS SANTOS)

Ao(s) autor(es) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995).

   

0010770-22.1997.4.05.8200 ORLANDO PAZ CARDOZO (Adv. LUIZ DE MARILLAC TOSCANO DA SILVA) x UNIÃO (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

Ao(s) autor(es) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995).

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0003026-24.2007.4.05.8200 MARIA JOANEIRES AUGUSTA CHAVES (Adv. DEORGE ARAGAO DE ALMEIDA, MARTINHO FAUSTINO XAVIER JUNIOR, KARLA SUIANY DE ALMEIDA MANGUEIRA GUEDES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

(...) Intime-se o(a)s CEF para cumprimento da Obrigação de Pagar no prazo de 15 (quinze) dias. Vencido o prazo, o montante da condenação será acrescido multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. (...) P.

   

0003301-51.1999.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS, SALVADOR CONGENTINO NETO) x SUELENE ALVES MARINHO (Adv. DIOCLECIO DE OLIVEIRA BARBOSA, IZAIAS MARQUES FERREIRA, SERGIO FALCAO)

Ao(s) réu(s) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995).

   

0005495-82.2003.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SINEIDE A CORREIA LIMA) x JACILDO ARRUDA MONTENEGRO PIRES (Adv. MARIA LUCIA BARBOSA DE OLIVEIRA, EDITE LOPES DE LIMA)

Ao(s) réu(CAIXA) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995).

   

0010757-71.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x ESPÓLIO ALBERTO ATAÍDE CLAUDINO, REP. PELA INVENTARIANTE HEBE MOURA CLAUDINO (Adv. SEM ADVOGADO, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VALBERTO ALVES DE A FILHO, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 17

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 33

TOTAL DE DECISÃO: 4

TOTAL DE DESPACHO: 17

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.