Publicado no Diário da Justiça de 15/02/2009

 

Boletim 2009.000011 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADEILTON HILARIO JUNIOR 0001110-86.2006.4.05.8200

ADRIANA CORREIA LIMA CARIRY CÉSAR 0002604-15.2008.4.05.8200

ADRIANO PONTES ARAGAO 0015182-25.1999.4.05.8200

AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE 0000394-59.2006.4.05.8200

AILTON GOMES DE OLIVEIRA 0000893-38.2009.4.05.8200

ALBERTO CAMPOS CATÃO 0000394-59.2006.4.05.8200

ALBERTO LOPES DE BRITO 0014864-32.2005.4.05.8200

ALCIDES MAGALHAES DE SOUZA 0011669-73.2004.4.05.8200

ALEXANDRE ALMEIDA DE FREITAS 0000394-59.2006.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0004346-12.2007.4.05.8200

ALEXANDRE WEBER 0011669-73.2004.4.05.8200

AMANDA FONSECA DE PONTES 0000394-59.2006.4.05.8200

AMANDA VIEIRA CARVALHO 0000394-59.2006.4.05.8200

AMERICO GOMES DE ALMEIDA 0006499-81.2008.4.05.8200

ANA CAROLINA DOS REIS WOSCH 0000394-59.2006.4.05.8200

ANA CAROLINA SOARES CAVALCANTI 0010449-06.2005.4.05.8200

ANA ERIKA MAGALHAES GOMES 0006499-81.2008.4.05.8200

ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA 0000556-88.2005.4.05.8200 0000562-95.2005.4.05.8200

ANDRESSA CARLOS FREIRE 0011669-73.2004.4.05.8200

ANDRÉ D'ALBUQUERQUE TORREÃO 0000729-73.2009.4.05.8200

ANNIBAL PEIXOTO NETO 0004907-36.2007.4.05.8200

ANTONIO ANIZIO NETO 0001846-36.2008.4.05.8200

ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO 0000013-80.2008.4.05.8200

ANTONIO NERY DE LUNA FREIRE 0011669-73.2004.4.05.8200

ARLINETTI MARIA LINS 0000556-88.2005.4.05.8200 0000562-95.2005.4.05.8200

ARTHUR AUGUSTO BARBOSA LUNA 0004907-36.2007.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0006884-73.2001.4.05.8200

BETHOVEN CHAVES RODRIGUES 0011669-73.2004.4.05.8200

BRUNA DE LIMA CAVALCANTI 0011669-73.2004.4.05.8200

BRUNA LARISSA DE BRITO MONTEIRO 0011669-73.2004.4.05.8200

BRUNO BARSI DE SOUZA LEMOS 0000394-59.2006.4.05.8200

BRUNO DA SILVA FARIAS 0011669-73.2004.4.05.8200

BRUNO SOUTO DE FRANCA 0011669-73.2004.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0002604-15.2008.4.05.8200 0003068-39.2008.4.05.8200

CARLA ADRIANA BARBOSA DE ALMEIDA MACEDO 0011669-73.2004.4.05.8200

CARLA MARTINS DA COSTA E SILVA 0000394-59.2006.4.05.8200

CARLOS ALBERTO ALVES PEIXOTO 0000394-59.2006.4.05.8200

CARLOS EDUARDO DOS SANTOS FARIAS 0000740-05.2009.4.05.8200

CARLOS EDUARDO LANGOVSKI 0000394-59.2006.4.05.8200

CARLOS ROBERTO SIQUEIRA CASTRO 0000394-59.2006.4.05.8200

CICERO ROGER MACEDO GONCALVES 0000394-59.2006.4.05.8200

CLARA LUCIA CAVALCANTI COSTA CAMPOS 0004181-62.2007.4.05.8200

CRISTINA BERTINOTTI 0000394-59.2006.4.05.8200

DANIEL ARRUDA DE FARIAS 0000394-59.2006.4.05.8200

DANIELLE DE LUCENA NOBREGA 0011669-73.2004.4.05.8200

DANIELLE E. OLIVEIRA DE LIMA 0011669-73.2004.4.05.8200

DANIELLI DE QUADROS DE CAMARGO 0000394-59.2006.4.05.8200

DAVIALLYSON DE BRITO CAPISTRANO 0000394-59.2006.4.05.8200

DAVID SARMENTO CAMARA 0004181-62.2007.4.05.8200

DEIVIS MARCON ANTUNES 0000394-59.2006.4.05.8200

DHEBORA ZANDROWKSKI 0000394-59.2006.4.05.8200

DIEGO JOSÉ MANGUEIRA AURELIANO 0000394-59.2006.4.05.8200

DIOGO FLAVIO LYRA BATISTA 0011669-73.2004.4.05.8200

DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA 0004280-08.2002.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0003029-91.1998.4.05.8200 0006884-73.2001.4.05.8200 0015182-25.1999.4.05.8200

ELAINE MASSAE NAKAZAWA 0000394-59.2006.4.05.8200

ELZA FILGUEIRAS DE SIQUEIRA CAMPOS CANTALICE FLORENTINO 0011669-73.2004.4.05.8200

ESDRAS SAVIO NEVES DE LIMA 0011669-73.2004.4.05.8200

Erik Mentor da Ponte 0000394-59.2006.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0006884-73.2001.4.05.8200

FABIO RONELLE C. DE SOUZA 0004907-36.2007.4.05.8200

FABIOLA CARLIM ARAUJO 0000394-59.2006.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0015182-25.1999.4.05.8200

FERNANDA LORENZOM E SILVA 0000394-59.2006.4.05.8200

FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA 0010930-95.2007.4.05.8200 0014147-40.1993.4.05.8200

FRANCISCO BARBOSA DE MENDONCA 0014147-40.1993.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0004907-36.2007.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0006499-81.2008.4.05.8200

FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS 0011258-25.2007.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0004346-12.2007.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0006884-73.2001.4.05.8200 0015182-25.1999.4.05.8200

GLAUCE NOGUEIRA DE GALIZA 0011669-73.2004.4.05.8200

GUILHERME MELO FERREIRA 0004280-08.2002.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0003246-42.1995.4.05.8200

GUSTAVO LIMA NETO 0000490-06.2008.4.05.8200

HALYSSON LIMA MENDES 0006573-72.2007.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0002604-15.2008.4.05.8200 0003068-39.2008.4.05.8200

HERCIO FONSECA DE ARAUJO 0000556-88.2005.4.05.8200 0000562-95.2005.4.05.8200

HUGO FILARDI PEREIRA 0000394-59.2006.4.05.8200

HUGO RIBEIRO AURELIANO BRAGA 0011669-73.2004.4.05.8200

IBER CAMARA DE OLIVEIRA 0011258-25.2007.4.05.8200

IZABELLE DE CARVALHO TROCOLI 0011669-73.2004.4.05.8200

JACKELINE ALVES CARTAXO 0010449-06.2005.4.05.8200

JANIO LUIS DE FREITAS 0014864-32.2005.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0011258-25.2007.4.05.8200

JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO 0011669-73.2004.4.05.8200

JOAO ANDRE RODRIGUES 0000394-59.2006.4.05.8200

JOAO ANDRE SALES RODRIGUES 0000394-59.2006.4.05.8200

JOAO COSME DE MELO 0014147-40.1993.4.05.8200

JOAO MANOEL DE CARVALHO COSTA 0004486-80.2006.4.05.8200

JORGE COSTA DE LUNA FREIRE 0011669-73.2004.4.05.8200

JOSE CAMARA DE OLIVEIRA 0011258-25.2007.4.05.8200

JOSE COSME DE MELO FILHO 0014147-40.1993.4.05.8200

JOSE LUIZ GUIMARÃES JUNIOR 0000394-59.2006.4.05.8200

JOSE MARTINS DA SILVA 0011258-25.2007.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0001110-86.2006.4.05.8200 0003029-91.1998.4.05.8200 0006884-73.2001.4.05.8200 0015182-25.1999.4.05.8200

JOSE RICARDO PORTO 0006573-72.2007.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0006757-19.1993.4.05.8200

JOSEFA INES DE SOUZA 0006757-19.1993.4.05.8200 0010930-95.2007.4.05.8200

JOÃO PAULO SOARES NÓBREGA 0000729-73.2009.4.05.8200

JUAN EDUARDO JARRY 0000394-59.2006.4.05.8200

JULIANA BARRETO DE CARVALHO AMORIM 0004486-80.2006.4.05.8200

JULIANNA ERIKA PESSOA DE ARAUJO 0004190-24.2007.4.05.8200 0005952-75.2007.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0011258-25.2007.4.05.8200

LAURICEIA DE ARAUJO PEREIRA 0011669-73.2004.4.05.8200

LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE 0005952-75.2007.4.05.8200

LEONARDO SANTOS PERGO 0000394-59.2006.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0002604-15.2008.4.05.8200 0003068-39.2008.4.05.8200

LINCOLN VITA 0000490-06.2008.4.05.8200

LISBETH VIDAL DE NEGREIROS BASTOS 0000394-59.2006.4.05.8200

LUCIANA ANDREA MAYRHOFER DE OLIVEIRA 0000394-59.2006.4.05.8200

LUCIANA DE ALBUQUERQUE CAVALCANTI BRITO 0000394-59.2006.4.05.8200

LUCIANA NOBREGA 0011669-73.2004.4.05.8200

LUCIANA RAQUEL FERREIRA DE FREITAS CAMARA 0004181-62.2007.4.05.8200

LUIZ ANTONIO COLLAÇO BEZERRA 0000394-59.2006.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0002604-15.2008.4.05.8200 0003068-39.2008.4.05.8200

LUIZ RICARDO DE CASTRO GUERRA 0000394-59.2006.4.05.8200

MANOEL BATISTA DE OLIVEIRA JUNIOR 0006884-73.2001.4.05.8200

MARCELO BEZERRA CAVALCANTI 0011669-73.2004.4.05.8200

MARCIO PIQUET DA CRUZ 0003068-39.2008.4.05.8200

MARCOS ANTONIO LEITE RAMALHO JUNIOR 0000490-06.2008.4.05.8200

MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS 0003246-42.1995.4.05.8200

MARIA DA PENHA GONCALVES DOS SANTOS 0002397-65.1998.4.05.8200

MARIA DA SALETE GOMES 0004486-80.2006.4.05.8200

MARIA DE FATIMA DE SA FONTES 0011258-25.2007.4.05.8200

MARIA DO ROSARIO MADRUGA DE QUEIROZ 0011669-73.2004.4.05.8200

MARIA RAFAELLA PAASHAUS MINDELLO 0011669-73.2004.4.05.8200

MARIANE LILMA GUMIERO 0000394-59.2006.4.05.8200

MARIO LUCIO DE LIMA NOGUEIRA FILHO 0011669-73.2004.4.05.8200

MAYARA DE SOUZA SUSIN 0000394-59.2006.4.05.8200

MICHEL ABDO ZEGHBI 0000394-59.2006.4.05.8200

MICHELLE TRINDADE SOARES 0000394-59.2006.4.05.8200

MUCIO SATIRO FILHO 0000394-59.2006.4.05.8200

NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA 0003246-42.1995.4.05.8200

NAYARA CHRYSTINE DO NASCIMENTO NÓBREGA 0011669-73.2004.4.05.8200

NELSON CALISTO DOS SANTOS 0004280-08.2002.4.05.8200

NEURICÉLIA TEODORO DE LIMA MOREIRA 0011669-73.2004.4.05.8200

NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO 0004190-24.2007.4.05.8200 0005952-75.2007.4.05.8200

PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO 0004907-36.2007.4.05.8200

PAULO FERNANDO PAZ ALARCON 0000394-59.2006.4.05.8200

PAULO GUEDES PEREIRA 0000394-59.2006.4.05.8200

RAFAELA MARIA DE LIMA LOPES 0000729-73.2009.4.05.8200

RAIMUNDO DE ALMEIDA JUNIOR 0015182-25.1999.4.05.8200

ROBERTA DE LIMA VIÉGAS 0006573-72.2007.4.05.8200

ROBERTO COSTA DE LUNA FREIRE 0011669-73.2004.4.05.8200

RODRIGO MENEZES DANTAS 0000394-59.2006.4.05.8200

ROSE ALINE CARVALHO DE MIRANDA SANTANA 0001846-36.2008.4.05.8200

SALESIA DE MEDEIROS WANDERLEY 0000562-95.2005.4.05.8200

SASKIA ARAÚJO SOBREIRA 0011669-73.2004.4.05.8200

SAUL BARROS BRITO 0000740-05.2009.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000013-80.2008.4.05.8200 0000729-73.2009.4.05.8200 0000740-05.2009.4.05.8200 0004486-80.2006.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000013-80.2008.4.05.8200 0000394-59.2006.4.05.8200 0000490-06.2008.4.05.8200 0000556-88.2005.4.05.8200 0000893-38.2009.4.05.8200 0001110-86.2006.4.05.8200 0001846-36.2008.4.05.8200 0006573-72.2007.4.05.8200 0011669-73.2004.4.05.8200 0014864-32.2005.4.05.8200

SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ 0002397-65.1998.4.05.8200 0003029-91.1998.4.05.8200

THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES 0004181-62.2007.4.05.8200 0004190-24.2007.4.05.8200 0004346-12.2007.4.05.8200

THIAGO DINIZ TOMÉ DE LIMA 0000394-59.2006.4.05.8200

THIAGO FERREIRA BARACUHY DA NOBREGA 0011669-73.2004.4.05.8200

THIAGO LEITE FERREIRA 0006573-72.2007.4.05.8200

TONY MÁRCIO LEITE PEGADO 0000740-05.2009.4.05.8200

TÉRCIUS GONDIM MAIA 0010449-06.2005.4.05.8200

URBANO VITALINO DE MELO NETO 0000394-59.2006.4.05.8200

VALTER DE MELO 0002604-15.2008.4.05.8200 0003068-39.2008.4.05.8200

VANINA C. C. MODESTO 0010449-06.2005.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0004346-12.2007.4.05.8200

VICTOR FIGUEIREDO GONDIM 0000394-59.2006.4.05.8200

VIVIANE MOURA TEIXEIRA 0010449-06.2005.4.05.8200

VLADIMIR MORAES DE ALENCAR ARARIPE 0000394-59.2006.4.05.8200

WALTER DE AGRA JUNIOR 0010449-06.2005.4.05.8200

YANARA JAPIASSU PEREIRA VERAS 0000394-59.2006.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0006884-73.2001.4.05.8200 0015182-25.1999.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0001110-86.2006.4.05.8200 0006884-73.2001.4.05.8200 0015182-25.1999.4.05.8200

 

Juiz Federal JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA

Diretor de Secretaria: Romulo Augusto de Aguiar Loureiro

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0004181-62.2007.4.05.8200 IRIVELTON HENRIQUES DOS SANTOS (Adv. CLARA LUCIA CAVALCANTI COSTA CAMPOS, LUCIANA RAQUEL FERREIRA DE FREITAS CAMARA, DAVID SARMENTO CAMARA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Decisão: 1. R. H. 2. Os autos foram instruídos com documento(s) relacionado(s) à(s) caderneta(s) de poupança referida(s) na inicial, possibilitando a pesquisa dos extratos dos períodos de incidência dos expurgos inflacionários objeto desta ação, cabendo à CEF o fornecimento das informações relativas ao(s) saldo(s) e à(s) data(s)-base de correção monetária das conta(s) bancária(s). 3. Isto posto, determino à R. CEF que, no prazo de trinta dias, forneça ao(à)(s) AA. os extratos da(s) conta(s) bancária(s) a seguir: Ag. CEF Titular(es) Conta(s) Período(s) 0743 IRIVELTON HENRIQUES DOS SANTOS 7360-3 Junho/1987 e julho/1987; janeiro/1989 e fevereiro/1989. 4. A CEF deverá juntar aos autos, no mesmo prazo, as seguintes informações: (a) os saldos eventualmente existentes na(s) conta(s) de poupança(s) nos períodos anteriormente referidos; (b) a(s) data(s) de aniversário da(s) conta(s) referida(s); (c) o(s) nome(s) de todos os titulares da(s) conta(s) e (d) o(s) tipo(s) da(s) conta(s), a(s) data(s) de abertura e se ela(s) efetivamente se refere(m) a caderneta(s) de poupança. 5. Depois de recebidas as informações supra, vista ao(à)(s) A.(A) pelo prazo de cinco dias. 6. Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 7. Intime(m)-se e cumpra-se.

   

0004190-24.2007.4.05.8200 ELIEZER PESSOA DA SILVA (Adv. NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO, JULIANNA ERIKA PESSOA DE ARAUJO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Processo: 2007.82.00.004190-0 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): ELIEZER PESSOA DA SILVA Ré: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF SENTENÇA Vistos, etc. ELIEZER PESSOA DA SILVA propôs ação ordinária em desfavor da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, c/c pedido de requisição de documentos, objetivando receber diferenças de expurgos inflacionários incidentes sobre saldo(s) de caderneta(s) de poupança, referentes aos IPC's de junho/1987 (26,06%), janeiro/1989 (42,72%), março/1990 (84,32%), abril/1990 (44,80%), maio/1990 (7,87%) e fevereiro/1991 (21,87%), com juros e correção monetária. 2. A petição inicial (fls. 03/28) veio aos autos acompanhada de procuração (fls. 29) e documentos (fls. 30/33), alegando textualmente o seguinte: a) o(a) A. era titular de caderneta(s) de poupança em agência(s) da Caixa Econômica Federal - CEF, durante os meses de incidência dos expurgos inflacionários; b) em razão da alteração na sistemática de atualização das contas, a CEF aplicou ao(s) saldo(s) de poupanças valores inferiores aos devidos a título de correção monetária; c) assim, a instituição bancária, ao deixar de atualizar os saldos da(s) caderneta(s) de poupança pelos índices devidos, acarretou prejuízos financeiros ao(à) titular do(s) depósito(s). 3. A assistência judiciária gratuita requerida na inicial restou deferida (fls. 37 e 59), tendo sido indeferida a inversão do ônus da prova através de decisão que restou irrecorrida. 4. A contestação (fls. 40/53) foi apresentada no prazo legal, tendo a R. CEF argüindo a prescrição do direito de ação, alegado a ausência de documentos indispensáveis à propositura do feito e, no mérito, aduzido o seguinte: (a) que inexiste direito adquirido ao(s) expurgo(s) inflacionário(s) pretendido(s), tendo em vista não ter sido comprovado qualquer saldo de poupança durante o(s) período(s) referido(s) na inicial; (b) que os depósitos de caderneta(s) de poupança foram corrigidos pelo(s) índice(s) devido(s); e (c) que é inaplicável a inversão do ônus da prova; ao final, requereu a extinção do processo em virtude da prescrição e, caso ultrapassada a prejudicial de mérito, pugnou pela rejeição do pedido, por falta de amparo legal. 5. A R. CEF informou (fls. 63/72), em cumprimento à decisão anterior (fls. 62), que não localizou qualquer registro de movimentação das cadernetas de poupança nºs 7344-4 e 7160-3 de titularidade do(a) A. 6. O(a) A. apresentou manifestação (fls. 74/75), rechaçando as informações da CEF (fls. 63/72) e reiterando o pedido de requisição de extratos das cadernetas de poupança. 7. Autos conclusos. Relatados, DECIDO. 8. A prejudicial de mérito suscitada pela CEF não merece acolhimento, haja vista que, nas ações de cobrança de valores referentes à incidência de expurgos inflacionários sobre depósitos de caderneta de poupança, o pedido de aplicação de determinado índice de correção monetária não tem caráter acessório, constituindo o próprio crédito principal; assim, não se aplica o prazo prescricional de cinco anos previsto no antigo CC/1917, art. 178, § 10, III, prescrição essa atualmente trienal, consoante o CC/2002, art. 206, § 3º, III; por conseguinte, tratando-se de ação pessoal, o prazo prescricional é de vinte anos (STJ - 2ª T., REsp. nº 636396/RS, Rel. Min. Eliana Calmon, DJU 23/05/2005, pág. 212). 9. No caso, em face da não aplicação do IPC de junho/1987 à(s) caderneta(s) de poupança, o prazo para a propositura da ação de cobrança somente se encerrou em 31/maio/2007, tendo a prescrição ocorrido em de 1º/junho/2007; todavia, esta ação foi proposta em 31/maio/2007 (fls. 03), antes do decurso do prazo prescricional. 10. A inversão do ônus da prova não se mostra viável, pois os elementos probatórios colacionados não demonstram a verossimilhança das alegações, não se aplicando, ao caso, as disposições da Lei nº 8.078/1990, art. 6º, VIII. 11. No mérito, a inicial informou que a CEF deixou de creditar, de forma regular, ao(s) saldo(s) de caderneta(s) poupança do(a) A., os valores dos expurgos inflacionários referentes aos IPC's dos períodos indicados, devendo ser analisado cada um desses índices de atualização monetária. 12. Quanto ao IPC de junho/1987 (Plano Bresser): a Res. BACEN nº 1.338, de 15/junho/1987, dispôs, em seu item III, que os saldos das cadernetas de poupança seriam corrigidos, no mês de julho de 1987, pelo mesmo índice de variação do valor nominal das Obrigações do Tesouro Nacional - OTN, atualizado pelo rendimento produzido pelas Letras do Banco Central do Brasil (LBC), no período de 1º a 30/junho/1987. 13. Apenas em relação às cadernetas de poupança com data-base anterior a 15/junho/1987, não poderia ser aplicado o critério da Resolução BACEN 1.338/1987, sendo cabível, desde que comprovado o "aniversário" da conta na hipótese referida, a correção monetária mediante a incidência do IPC, no percentual de 26,06%, de acordo com o disposto na Res. BACEN nº 1336/19897, cujo art. 1º determinava que o índice de correção seria o maior entre a variação do IPC-IBGE e das LBC's. 14. O crédito resultante da diferença entre o IPC de junho/1987 e o índice aplicado pela instituição bancária apenas seria devido mediante a comprovação da data-base de correção do saldo de poupança, pois somente as contas com data inicial até o 15º (décimo-quinto) dia do mês sofreram reajustes inferiores ao devido. 15. Quanto ao IPC de janeiro /1989 (Plano Verão): o Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, estabelecera que os saldos das cadernetas de poupança seriam reajustados, a partir de 1º/março/1986, pelo IPC - Índice de Preços ao Consumidor, calculado pelo IBGE. 16. O Dec.-Lei nº 2.290/1986, art. 1º, modificou a redação do Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, tendo estipulado que os saldos das cadernetas de poupança seriam reajustados pelos rendimentos das Letras do Banco Central, mantidas as taxas de juros previstas na legislação correspondente. 17. O Dec.-Lei nº 2.311/1986, art. 1º, também alterou a redação do Dec. nº 2.284/1986, art. 12, dispondo que os saldos das cadernetas de poupança seriam corrigidos pelos rendimentos das Letras do Banco Central (LBC) ou por outro índice que viesse a ser fixado pelo Conselho Monetário Nacional. 18. Posteriormente, a MP nº 32/1989, convertida na Lei nº 7.730/1989, art. 17, I, determinou a correção dos saldos de poupança, no mês de fevereiro/1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT, verificado no mês de janeiro/1989, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento). 19. Embora o Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, na redação dada pelo Dec.-Lei nº 2.311/1986, tenha determinado a incidência da Letra do Banco Central - LBC ou de outro índice fixado pelo Conselho Monetário Nacional aos depósitos de poupança e a MP nº 32/1989 (Lei 7.730/1989), art. 17, I, convertida na Lei nº 7.730/1989, tenha estabelecido a correção da poupança pelo rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT verificado no mês de janeiro/1989, a jurisprudência pacífica sobre a matéria reconhece que as disposições da medida provisória referida não se aplicam aos rendimentos relativos aos períodos aquisitivos mensais iniciados anteriormente à sua publicação, ocorrida em 15/janeiro/1989. 20. A regra prevista na MP nº 32/89, convertida na Lei 7.730/89, art. 17, inciso I, para correção dos depósitos de poupança, aplica-se apenas a partir de 16/janeiro/1989, não podendo alcançar os contratos em curso anteriormente a essa data. 21. Por conseguinte, somente em relação às cadernetas de poupança com data-base até 15/janeiro/1989 poderia ser admitida a correção monetária com base no IPC apurado nesse mês. 22. Quanto aos IPC's de março, abril/1990 e maio /1990 (Plano Collor I): a partir da MP 168/90, posteriormente convertida na Lei nº 8.024/1990, parte do saldo da caderneta de poupança inferior a NCz$ 50.000,00 ficou disponibilizada ao titular da conta, enquanto os valores superiores a esse limite foram bloqueados pelo Banco Central, tendo sido atualizados, daí em diante, pelo BTN Fiscal. 23. As cadernetas de poupança com datas de aniversário na primeira quinzena de março/90 foram corrigidas devidamente em abril/1990, pelo IPC, conforme Comunicado do BACEN n. 2.067/1990. 24. Por outro lado, os autos não demonstram que a CEF tenha deixado de corrigir os depósitos de poupança pelo índice devido nos meses abril e maio/1990, mormente considerando que o(a) A. não instruiu a ação com qualquer documento acerca da existência, ou não, de saldo nos meses de incidência dos expurgos. 25. A Lei nº 8.024/1990, art. 6º, § 2º, objeto de conversão da MP nº 168/1990, que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor, não se apresenta inconstitucional. 26. Nesse sentido, a Súmula nº 725 do STF dispõe que "é constitucional o § 2º do art. 6º da Lei 8.024/1190, resultante da conversão da Medida Provisória 168/1990, que fixou o BTN Fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I." 27. Desta forma, inexiste plausibilidade para a aplicação dos IPC's de março, abril e maio/1990, nos percentuais pretendidos, ao(s) saldo(s) eventualmente existente(s) nos respectivos meses. 28. Quanto ao IPC de fevereiro/1991 (Plano Collor II): também não é devida a incidência do expurgo em fevereiro/1991, referente ao IPC de janeiro (Plano Collor II), pois a MP 294, convertida na Lei 8.177/91, estabeleceu a TRD como índice de correção das poupanças a partir de 1º/fevereiro/1991. 29. Quanto à prova dos requisitos necessários à incidência dos expurgos: o presente feito foi instruído tão-somente com procuração com poderes gerais para o foro (fls. 29), com cópias de documento de identidade do(a) A., de bilhete de seguro "DPVAT" (fls. 31), com comprovante de abertura das contas de poupança nºs 7344 e 7160 (fls. 32) e com requerimento de extratos de conta(s) bancária(s) (fls. 33). 30. No tocante às cadernetas de poupança nºs 7344-4 e 7160-3, a R. CEF informou (fls. 63/72) que não foram localizadas informações sobre movimentação financeira à época da incidência dos expurgos inflacionários, inexistindo possibilidade material para a aplicação dos índices de correção monetária pretendidos, visto que os autos não informam a base de cálculo, ou seja, o(s) depósito(s) dos meses de aplicação dos indexadores requeridos na inicial. 31. Ademais, o(a) A. não faz jus à correção do saldo da caderneta de poupança 7344-4 e 7160-3, Ag. CEF nº 039 (fls. 33), pelos IPC's requeridos na inicial, haja vista que o "dia limite" (data-base) de correção dessas contas foi fixado na segunda quinzena do mês, conforme data de abertura das contas constante do cartão das cadernetas juntado aos autos (fls. 32), datado de 21/agosto/1984, sendo que os índices referidos somente poderiam incidir, a título de correção monetária, sobre os depósitos de cadernetas de poupança iniciadas ou com data-base na primeira quinzena do mês, conforme os precedentes anteriormente apresentados. 32. Existem reiterados precedentes jurisprudenciais no sentido de que somente são devidos os percentuais de 26,06% (junho/87 -Plano Bresser) e 42,72% (janeiro/89 - Plano Verão), a título de correção monetária de depósitos de poupança, desde que a data de "aniversário" da(s) conta(s) recaia na primeira quinzena do mês de incidência dos expurgos inflacionários, conforme os seguintes julgados, mutatis mutandis aplicáveis à espécie: "É pacífico o entendimento no eg. Superior Tribunal de Justiça e nos tribunais no sentido de que, nas ações que versam sobre correção dos saldos de caderneta de poupança, são devidos apenas os percentuais de 26,06% (junho/87 -Plano Bresser) e 42,72% (janeiro/89 - Plano Verão) com data de 'aniversário' na primeira quinzena desses períodos, compensando-se os valores efetivamente aplicados." (TRF 5ª R. - 1ª T., AC nº 452979/PB, Rel. Des. Fed. Francisco Cavalcanti, DJU 14/11/2008, pág. 279). "A jurisprudência é pacífica em reconhecer o direito dos titulares de cadernetas de poupança, com data de 'aniversário' na primeira quinzena dos meses de junho/87 e janeiro/89, aos índices de 26,06% e 42,72%, uma vez que a Resolução nº 1.338/87 do BACEN e a Lei 7.730/89 não podem retroagir para atingir situações já constituídas. (...) Hipótese em que a caderneta de poupança possui data de aniversário na segunda quinzena do mês, razão pela qual a parte autora não tem direito aos reajustes pleiteados." (TRF 5ª R., 2ª T., AC nº 447734/PE, Rel. Des. Fed. Luiz Alberto Gurgel de Faria, DJU 06/08/2008, pág. 235). 33. Assim, não tendo sido demonstrada a data-base da(s) caderneta(s) de poupança na primeira quinzena do mês, bem como a existência de saldo à época de incidência dos expurgos, apresenta-se indevida a aplicação, sobre eventuais saldos de poupança, dos índices requeridos nesta ação. 34. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 269, I, e na legislação e jurisprudência referidas, rejeito o pedido formulado por ELIEZER PESSOA DA SILVA contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, com resolução do mérito da causa, por ausência de prova do direito alegado na inicial. 35. Honorários advocatícios, pelo(a) A., fixados em R$ 500,00 (quinhentos reais), conforme o CPC, art. 20, § 4º; entretanto, sendo o(a)(s) demandante(s) beneficiário(a)(s) da assistência judiciária gratuita, os efeitos da sucumbência ficarão sobrestados enquanto a parte vencedora não comprovar que não mais subsiste o estado de necessitado da(s) parte(s) sucumbente(s), restando prescrita a obrigação após o decurso do prazo de 5 (cinco) anos, nos termos da Lei nº 1.060/50, art. 12. 36. Custas ex lege. 37. P. R. I. João Pessoa, 04/FEV/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

0004346-12.2007.4.05.8200 MARIA ANGELA MESQUITA CABRAL (Adv. ALEXANDRE RAMALHO PESSOA, GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Decisão: 1. R. H. 2. Os autos foram instruídos com documento(s) comprobatório(s) do(s) número(s) e da(s) agência(s) da(s) caderneta(s) de poupança referida(s) na inicial, possibilitando a pesquisa dos extratos dos períodos de incidência dos expurgos inflacionários objeto desta ação, cabendo à CEF o fornecimento das informações relativas ao(s) saldo(s) e à(s) data(s)-base de correção monetária da(s) conta(s) bancária(s). 3. Isto posto, determino à R. CEF que, no prazo de trinta dias, forneça ao(à)(s) A(A). os extratos da(s) conta(s) bancária(s) a seguir: Ag. CEF Titular(es) Conta(s) Período(s) 0036 MARIA ÂNGELA MESQUITA CABRAL 148541-3 Junho/1987 e julho/1987; janeiro/1989 e fevereiro/1989; março/1990, abril/1990, maio/1990 e junho/1990; fevereiro/1991 e março/1991 4. A CEF deverá juntar aos autos, no mesmo prazo, as seguintes informações: (a) os saldos eventualmente existentes na(s) conta(s) de poupança(s) nos períodos anteriormente referidos; (b) a(s) data(s) de aniversário da(s) conta(s) referida(s); (c) o(s) nome(s) de todos os titulares da(s) conta(s) e (d) o(s) tipo(s) da(s) conta(s), a(s) data(s) de abertura e se ela(s) efetivamente se refere(m) a caderneta(s) de poupança. 5. Depois de recebidas as informações supra, vista ao(à)(s) A.(A) pelo prazo de cinco dias. 6. Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 7. Intime(m)-se e cumpra-se.

   

0006573-72.2007.4.05.8200 DIANA SOUTO MAIOR PORTO (Adv. JOSE RICARDO PORTO, THIAGO LEITE FERREIRA, ROBERTA DE LIMA VIÉGAS, HALYSSON LIMA MENDES) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) nº 2007.82.00.006573-4, Classe 29 AUTOR: DIANA SOUTO MAIOR PORTO REU: UNIÃO C E R T I D Ã O Certifico que o MPF requereu (fl. 335) que seja requisitado ao TRE/PB os laudos médicos aos quais foi submetida a filho menor da A. Certifico, também, que o TRE/PB solicitou (fl. 337) informações sobre o andamento da presente ação. Certifico, por fim, que a impugnação (fls. 321/333) ingressou em juízo no prazo legal. Dou fé. João Pessoa, 15 de dezembro de 2008. Fábio Azevedo de Oliveira Analista Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de dezembro de 2008. Fábio Azevedo de Oliveira Analista Judiciário Decisão: 1- R. H. 2 - Defiro o pedido (fl. 335) do Ministério Público Federal 3 - Oficie-se conforme requerido. 4 - Prestem-se as informações solicitadas (fl. 337). 5 - Após, às partes para, querendo, especificarem as provas em 05 (cinco) dias. João Pessoa,19/12/2008 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

0011669-73.2004.4.05.8200 MARIA DO CARMO FERREIRA DE ALMEIDA (Adv. ROBERTO COSTA DE LUNA FREIRE, ALCIDES MAGALHAES DE SOUZA, JORGE COSTA DE LUNA FREIRE, ANTONIO NERY DE LUNA FREIRE, LAURICEIA DE ARAUJO PEREIRA, MARCELO BEZERRA CAVALCANTI, JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO, ANDRESSA CARLOS FREIRE, ALEXANDRE WEBER) x TELEMAR NORTE LESTE S/A (Adv. CARLA ADRIANA BARBOSA DE ALMEIDA MACEDO, HUGO RIBEIRO AURELIANO BRAGA, IZABELLE DE CARVALHO TROCOLI, DANIELLE DE LUCENA NOBREGA, MARIA DO ROSARIO MADRUGA DE QUEIROZ, LUCIANA NOBREGA, MARIA RAFAELLA PAASHAUS MINDELLO, NAYARA CHRYSTINE DO NASCIMENTO NÓBREGA, ELZA FILGUEIRAS DE SIQUEIRA CAMPOS CANTALICE FLORENTINO, THIAGO FERREIRA BARACUHY DA NOBREGA, BRUNO SOUTO DE FRANCA, NEURICÉLIA TEODORO DE LIMA MOREIRA, DIOGO FLAVIO LYRA BATISTA, BRUNA LARISSA DE BRITO MONTEIRO, SASKIA ARAÚJO SOBREIRA, BETHOVEN CHAVES RODRIGUES, BRUNO DA SILVA FARIAS, DANIELLE E. OLIVEIRA DE LIMA, ESDRAS SAVIO NEVES DE LIMA, BRUNA DE LIMA CAVALCANTI, MARIO LUCIO DE LIMA NOGUEIRA FILHO, GLAUCE NOGUEIRA DE GALIZA) x AGENCIA NACIONAL DE TELECOMUNICACOES - ANATEL (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:2004.82.00.011669-8- Cls. 29 AUTOR: MARIA DO CARMO FERREIRA DE ALMEIDA REU: TELEMAR NORTE LESTE S/A e outro C E R T I D Ã O Certifico que constam nos autos as petições (fls. 463/473, 475 e 477). Dou fé. João Pessoa, 11 de dezembro de 2008. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 11 de dezembro de 2008. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário Decisão: 1-RH 2- Remetam-se os autos à distribuição para anotações do substabelecimento (fls. 464). 3- Após, intime-se a TELEMAR, para querendo, requerer a execução dos honorários advocatícios, no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de arquivamento dos autos com baixa na distribuição, independentemente de nova intimação, ressalvado o direito enquanto não prescrito. João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000556-88.2005.4.05.8200 RITA CLAUDINO DA SILVA (Adv. HERCIO FONSECA DE ARAUJO, ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS) x UNIAO FEDERAL (EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 2005.82.00.000556-0 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): RITA CLAUDINO DA SILVA Ré: UNIÃO SENTENÇA Vistos, etc. A UNIÃO opôs impugnação (fls. 99/101) ao cumprimento da obrigação de fazer, concernente na implantação do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) à pensão de ex-combatente percebida pela A./impugnada. 2. A R./impugnante alegou (fls. 107/109) que não mais existe possibilidade de incidência do índice de 28,86% à pensão do(a) A./impugnado(a), em face da reestruturação remuneratória da carreira dos militares, ocorrida em janeiro/2001. 3. A A./impugnada teve vista (fls. 117) da impugnação (fls. 107/109) e dos documentos (fls. 110/116) apresentados pela R./impugnante UNIÃO, mas deixou transcorrer o prazo concedido sem manifestação, conforme certificado pela Secretaria da Vara (fls. 119). 4. Autos conclusos. Relatados, DECIDO. 5. A MP nº 2.131/2000, posteriormente reeditada como MP nº 2.215-10/2001, dispôs sobre a reestruturação da remuneração dos militares das Forças Armadas e alterou a Lei nº 3.765/1960 e a Lei nº 6.880/1980, bem como estabeleceu novos padrões remuneratórios para os referidos servidores e seus pensionistas. 6. A jurisprudência predominante sobre a matéria é no sentido de que a obrigação de fazer concernente na implantação e no pagamento do índice de 28,86% aos servidores das Forças Armadas e aos seus pensionistas deve limitar-se à data da produção dos efeitos financeiros da MP nº 2.131/2000 (MP nº 2.215-10/2001), que reestruturou as carreiras dos militares, fixando novos padrões de remuneração em patamar diverso do anterior. 7. Nesse sentido, os seguintes julgados, mutatis mutandis aplicáveis à espécie dos autos: "EMENTA: EMBARGOS À EXECUÇÃO. 28,86%. MILITAR. LEIS 8.622 E 8.627/1993. SALÁRIO MÍNIMO. COMPLEMENTO. COMPENSAÇÃO. COISA JULGADA. LIMITAÇÃO TEMPORAL. REESTRUTURAÇÃO. (...) Deve ser observada a limitação temporal decorrente da reestruturação da remuneração dos militares e incorporação aos seus soldos do percentual de 28,86%, promovida pela Medida Provisória 2.215-10/2001 (regulamentada pelo Decreto 4.307/02), que revogou os arts. 6º e 8º da Lei 8.622/93, o art. 2º da Lei 8.627/93 e a Lei 8.237/91. Assim, o reajuste deve ser concedido somente até 31/12/2000, evitando-se a duplicidade de seu recebimento, sem decorrer daí qualquer ofensa à coisa julgada." (TRF 4ª R., 4ª T., AC nº 200770050022530, Rel. Des. Fed. Marga Inge Barth Tessler, D.E. 23/06/2008). "EMENTA: Recurso extraordinário. 2. Reajuste de 28,86%. Extensão aos militares. Compensação dos reajustes já concedidos. 3. Limitação temporal. Advento da MP nº 2.131/2000. 4. Recurso extraordinário conhecido e parcialmente provido." (STF - RE nº 410778/RS, Rel. Min. Gilmar Mendes, DJU 26-08-2005, pág. 00066) 8. Com efeito, estabelecido novo padrão remuneratório através de reestruturação da carreira dos servidores militares, não há que se falar em implantação do índice de 28,86% após a MP nº 2.131/2000 (atualmente, MP 2.215-10/2001), pois os valores previstos em novas tabelas de remuneração substituíram todas as parcelas vigentes anteriormente (TRF 5ª R. - 2ª T., AC nº 424848/CE, Rel. Des. Fed. Ubiratan de Couto Maurício, DJU 20/12/2007, pág. 153. 9. Desta forma, a obrigação de fazer referente ao reajuste da pensão do(a) A./impugnado(a) pelo índice de 28,86% apresenta-se inexigível após a data em que a nova reestruturação da remuneração dos militares passou a surtir efeitos financeiros, conforme a MP nº 2.215-10/2001, art. 40. 10. Isto posto, nos termos do CPC, arts. 475-L, II, e 475-M, § 3º, acolho a impugnação da UNIÃO (fls. 107/109) e declaro extinta a execução da obrigação de fazer promovida por RITA CLAUDINO DA SILVA, em face da inexigibilidade do título executivo judicial no tocante à implantação e ao pagamento do índice de 28,86% após o advento da MP nº 2.131/2000 (MP nº 2.215-10/2001), que reestruturou a remuneração dos servidores militares e de seus pensionistas. 11. Concedo o prazo de 30 (trinta) dias para que o(a) A./impugnado(a) informe se existem, ou não, diferenças atrasadas, bem como honorários advocatícios a serem pagos pela UNIÃO e, em caso positivo, requeira a execução da obrigação de pagar, nos termos do CPC, art. 730, devendo juntar aos autos memória discriminada de cálculos, adotando-se como termo final para o cálculo do crédito residual, ou seja, dos valores vencidos, a data da reestruturação da remuneração dos militares, estabelecida pela MP nº 2.131/2000, atualmente em vigor como MP nº 2.215-10/2001. 12. P. R. I. João Pessoa, 04/FEV/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

0000562-95.2005.4.05.8200 SEBASTIANA MEDEIROS DA SILVA (Adv. HERCIO FONSECA DE ARAUJO, ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS) x UNIAO FEDERAL (EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. SALESIA DE MEDEIROS WANDERLEY)

Processo: 2005.82.00.000562-5 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): SEBASTIANA MEDEIROS DA SILVA Ré: UNIÃO SENTENÇA Vistos, etc. A UNIÃO opôs impugnação (fls. 99/101) ao cumprimento da obrigação de fazer, concernente na implantação do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) à pensão de ex-combatente percebida pela A./impugnada. 2. A R./impugnante alegou (fls. 99/101) que não mais existe possibilidade de incidência do índice de 28,86% à pensão do(a) A./impugnado(a), em face da reestruturação remuneratória da carreira dos militares, ocorrida em janeiro/2001. 3. A A./impugnada teve vista da impugnação (fls. 99/101) e dos documentos (fls. 103/108) apresentados pela R./impugnante UNIÃO, mas deixou transcorrer o prazo concedido sem manifestação, conforme certificado pela Secretaria da Vara (fls. 111). 4. Autos conclusos. Relatados, DECIDO. 5. A MP nº 2.131/2000, posteriormente reeditada como MP nº 2.215-10/2001, dispôs sobre a reestruturação da remuneração dos militares das Forças Armadas e alterou a Lei nº 3.765/1960 e a Lei nº 6.880/1980, bem como estabeleceu novos padrões remuneratórios para os referidos servidores e seus pensionistas. 6. A jurisprudência predominante sobre a matéria é no sentido de que a obrigação de fazer concernente na implantação e no pagamento do índice de 28,86% aos servidores das Forças Armadas e aos seus pensionistas deve limitar-se à data da produção dos efeitos financeiros da MP nº 2.131/2000 (MP nº 2.215-10/2001), que reestruturou as carreiras dos militares, fixando novos padrões de remuneração em patamar diverso do anterior. 7. Nesse sentido, os seguintes julgados, mutatis mutandis aplicáveis à espécie dos autos: "EMENTA: EMBARGOS À EXECUÇÃO. 28,86%. MILITAR. LEIS 8.622 E 8.627/1993. SALÁRIO MÍNIMO. COMPLEMENTO. COMPENSAÇÃO. COISA JULGADA. LIMITAÇÃO TEMPORAL. REESTRUTURAÇÃO. (...) Deve ser observada a limitação temporal decorrente da reestruturação da remuneração dos militares e incorporação aos seus soldos do percentual de 28,86%, promovida pela Medida Provisória 2.215-10/2001 (regulamentada pelo Decreto 4.307/02), que revogou os arts. 6º e 8º da Lei 8.622/93, o art. 2º da Lei 8.627/93 e a Lei 8.237/91. Assim, o reajuste deve ser concedido somente até 31/12/2000, evitando-se a duplicidade de seu recebimento, sem decorrer daí qualquer ofensa à coisa julgada." (TRF 4ª R., 4ª T., AC nº 200770050022530, Rel. Des. Fed. Marga Inge Barth Tessler, D.E. 23/06/2008). "EMENTA: Recurso extraordinário. 2. Reajuste de 28,86%. Extensão aos militares. Compensação dos reajustes já concedidos. 3. Limitação temporal. Advento da MP nº 2.131/2000. 4. Recurso extraordinário conhecido e parcialmente provido." (STF - RE nº 410778/RS, Rel. Min. Gilmar Mendes, DJU 26-08-2005, pág. 00066) 8. Com efeito, estabelecido novo padrão remuneratório através de reestruturação da carreira dos servidores militares, não há que se falar em implantação do índice de 28,86% após a MP nº 2.131/2000 (atualmente, MP 2.215-10/2001), pois os valores previstos em novas tabelas de remuneração substituíram todas as parcelas vigentes anteriormente (TRF 5ª R. - 2ª T., AC nº 424848/CE, Rel. Des. Fed. Ubiratan de Couto Maurício, DJU 20/12/2007, pág. 153. 9. Desta forma, a obrigação de fazer referente ao reajuste da pensão do(a) A./impugnado(a) pelo índice de 28,86% apresenta-se inexigível após a data em que a nova reestruturação da remuneração dos militares passou a surtir efeitos financeiros, conforme a MP nº 2.215-10/2001, art. 40. 10. Isto posto, nos termos do CPC, arts. 475-L, II, e 475-M, § 3º, acolho a impugnação da UNIÃO (fls. 99/101) e declaro extinta a execução da obrigação de fazer promovida por SEBASTIANA MEDEIROS DA SILVA, em face da inexigibilidade do título executivo judicial no tocante à implantação e ao pagamento do índice de 28,86% após o advento da MP nº 2.131/2000 (MP nº 2.215-10/2001), que reestruturou a remuneração dos servidores militares e de seus pensionistas. 11. Concedo o prazo de 30 (trinta) dias para que o(a) A./impugnado(a) informe se existem, ou não, diferenças atrasadas, bem como honorários advocatícios a serem pagos pela UNIÃO e, em caso positivo, requeira a execução da obrigação de pagar, nos termos do CPC, art. 730, devendo juntar aos autos memória discriminada de cálculos, adotando-se como termo final para o cálculo do crédito residual, ou seja, dos valores vencidos, a data da reestruturação da remuneração dos militares, estabelecida pela MP nº 2.131/2000, atualmente em vigor como MP nº 2.215-10/2001. 12. P. R. I. João Pessoa, 05/FEV/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

0002397-65.1998.4.05.8200 ELOISA DA LUZ BIASUZ (Adv. MARIA DA PENHA GONCALVES DOS SANTOS) x UNIAO (MINISTERIO DO TRABALHO) (Adv. SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ)

Processo: 98.2397-6 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): ELOÍSA DA LUZ BIASUZ Ré: UNIÃO SENTENÇA Vistos, etc. A UNIÃO apresentou impugnação (fls. 128/129) na fase de cumprimento da obrigação de fazer, alegando que o percentual de 3,17% concedido nestes autos foi implantado aos vencimento do(a) A./impugnada; disse também que a vantagem referente aos 28,86% foi absorvida por reajustes remuneratórios concedidos administrativamente. 2. A manifestação do(a) A./impugnado(a) (fls. 152/153) foi apresentada no prazo legal, alegando que a petição da UNIÃO (fls. 128/129) seria apócrifa e que, de fato, já houve a implantação do índice de 3,17% aos seus vencimentos; em relação ao índice de 28,86%, aduziu que a R./impugnada pretende apenas rediscutir o mérito da ação; ao final, requereu o desentranhamento da petição (fls. 128/129). 3. Decisão (fls. 155) indeferiu o pedido (fls. 152/153) de desentranhamento da petição da R./impugnante e concedeu o prazo de cinco dias à UNIÃO para assinatura da impugnação (fls. 128/29), o que foi devidamente cumprido (fls. 156). 4. As fichas financeiras (fls. 167/175) da A./impugnada foram juntadas aos autos pela R./impugnante UNIÃO, em cumprimento à decisão deste Juízo (fls. 161). 5. A Contadoria do Juízo informou (fls. 177), com base em análise das fichas financeiras (fls. 167/175), que não há mais obrigação de fazer a ser cumprida em relação ao índice de 3,17% e que o percentual de 28,86% foi absorvido pela reestruturação da carreira do(a) A./impugnada, ocorrida em agosto/1998. 6. As partes foram intimadas (fls. 191) sobre as informações da Contadoria do Juízo (fls. 177), conforme determinado (fls. 158, item 7), tendo deixado transcorrer o prazo concedido sem manifestação. 7. Autos conclusos (fls. 192). Relatados, DECIDO. 8. A R./impugnante UNIÃO demonstrou, através das fichas financeiras juntadas aos autos (fls. 167/175), haver cumprido a obrigação de fazer objeto desta ação, mediante a implantação, aos vencimentos do(a) A./impugnado(a), do percentual de 3,17% (três inteiros e dezessete centésimos por cento), conforme determinado no acórdão do TRF 5ª Região (fls. 121). 9. A propósito, a própria A./impugnada reconheceu (fls. 152/153) que os valores decorrentes da implantação do índice de 3,17% (três inteiros e dezessete centésimos por cento) estão sendo pagos administrativamente. 10. Por outro lado, a Contadoria do Juízo confirmou (fls. 177) a satisfação da obrigação de fazer referente à implantação do índice de 28,86% (vinte e oito inteiros e oitenta e seis centésimos por cento) aos vencimentos do(a) A./impugnada, tendo informando textualmente que "o percentual de 28,86% foi absorvido pela reestruturação ocorrida em 08/98 (fls. 174)." 11. Com efeito, os elementos apresentados pela UNIÃO (fls. 166/175) confirmam a satisfação do julgado relativamente à implantação dos índices de 3,17% e 28,86%, conforme restou determinado no título judicial (fls. 121), impondo-se o acolhimento da impugnação (fls. 128/29) à obrigação de fazer. 12. Vale salientar que o(a) A./impugnado(a) não apresentou elementos suficientes para afastar as informações constantes dos documentos trazidos aos autos pela R./impugnante UNIÃO (fls. 166/175), provas suficientes para que a Contadoria do Juízo verificasse (fls. 177) o cumprimento da obrigação de fazer. 13. Isto posto, com fundamento no CPC, 475-M, § 3º, acolho a impugnação da UNIÃO (fls. 128/129) e declaro extinta a execução da obrigação de fazer referente à implantação dos índices de 28,86% (vinte e oito inteiros e oitenta e seis centésimos por cento) e de 3,17% (três inteiros e dezessete centésimos por cento). 14. Concedo o prazo de 30 (trinta) dias para que o(a) credor(a) informe se existe, ou não, obrigação de pagar a ser satisfeita, referente aos honorários advocatícios (fls. 40, item 20) e, em caso positivo, requeira a execução dessa parcela, no valor que entende devido, nos termos do CPC, art. 730, devendo apresentar requerimento de citação da UNIÃO acompanhado de memória discriminada de cálculos e de comprovante de pagamento das custas complementares da execução. 15. P. R. I. João Pessoa, 04/FEV/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0000013-80.2008.4.05.8200 MUNICIPIO DE PRINCESA ISABEL - PB (Adv. ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO) x GERENTE DE SERVIÇO OPERACIONAL DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - GERÊNCIA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO URBANO GIDUR/JP (Adv. SEM ADVOGADO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 2008.82.00.000013-6 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Impte: MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PB Impdo: GERENTE DE SERVIÇO OPERACIONAL DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - GERÊNCIA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO URBANO (GIDUR/JP) Litisconsorte passiva: UNIÃO SENTENÇA Vistos etc. O MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PB impetrou mandado de segurança, c/c pedido de liminar, contra ato atribuído ao GERENTE DE SERVIÇO OPERACIONAL DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - GERÊNCIA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO URBANO (GIDUR/JP), objetivando compelir o impetrado a formalizar contratos de repasse de verbas federais oriundas do Orçamento Geral da União (OGU), referentes aos planos de trabalho "PTNR 024178919" (fls. 25), CRNR 0202561-58" (fls. 27), "PTNR 023552165" (fls. 30) e "PTNR 024714339" (fls. 32), destinados, respectivamente, à construção e recuperação de obras de infra-estrutura hídrica, a construção de ginásio poliesportivo, a construção de uma praça e ao fomento de projetos de infra-estrutura turística, independentemente da apresentação de certidão negativa de débitos referentes a contribuições sociais e da existência de restrição no CAUC -cadastro único de exigências para transferências voluntárias e no SIAFI - sistema integrado de administração financeira do Governo Federal. 2. Apontou a UNIÃO como litisconsorte passiva necessária. 3. A petição inicial (fls. 03/21) veio aos autos acompanhada de procuração (fls. 23) e documentos (fls. 24/137), alegando textualmente o seguinte: "Através de gestões empreendidas junto aos Ministérios em Brasília, o Município impetrante vem tentando celebrar convênios com a União Federal, por meio da Caixa Econômica Federal - CEF, através de sua Gerência de Filial de Apoio ao Desenvolvimento Urbano / J. Pessoa. Tais convênios já se encontram com verbas dispostas a serem investidas no Município, ressaltando-se que dizem respeito a recursos destinados a ações de caráter social. Vejamos: Através do Processo PT NR 024178919, o Município impetrante se encontra com recursos disponíveis na ordem de R$ 140.000,00 (cento e quarenta mil reais), encontrando-se referida verba já com nota de empenho emitida (doc. 02). Ressalte-se que tal quantia diz respeito a programas sociais, devendo ser empregada na construção e recuperação de obras de infra-estrutura hídrica. De igual forma, por meio do CR NR 0202561-58 (doc. 03), este com contrato de repasse já formalizado, o Município impetrante possui o montante de R$ 100.000,00 (cem mil reais) disponíveis para programas sociais, devendo tal quantia igualmente ser empregada na construção de um ginásio poliesportivo. Já o processo PT NR 023552165, do mesmo modo com nota de empenho emitida, põe à disposição da cidade de Princesa Isabel mais R$ 121.875,00 (cento e vinte e um mil, oitocentos e setenta e cinco reais), recursos a serem empregados na construção de uma praça do município, conforme se enxerga pelo documento que segue anexo (doc. 04). (...) Ocorre que, para a surpresa do município, a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL expediu, via e-mail, em 28/12/2007 (doc. 07), documento asseverando o seguinte: 'Senhor Prefeito, De acordo com a Instrução Normativa da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), para toda e qualquer alteração contratual, é condição imprescindível a regularização da entidade junto ao CAUC (Cadastro Único de Exigências para Transferências Voluntárias a Estados e Municípios) e SIAFI (Sistema de Administração Financeira). Desta forma, informamos a V. Exa. a situação do contrato de repasse OGU assinado por esse contratado, conforme abaixo, estando o mesmo impossibilitado de ter sua prorrogação de vigência efetivada por esta CAIXA, o que ocasionará o seu cancelamento.' Além disso, outras correspondências eletrônicas foram encaminhadas no sentido de informar o Município sobre a impossibilidade de receber os recursos que se encontram empenhados em seu favor, caso não esteja regular com o SIAFI e o CAUC (doc. 07). Mediante tal informação, a parte impetrante, por meio de seu prefeito constitucional, buscou por inúmeras tentativas solucionar o entrave junto à Caixa Econômica Federal, haja vista a qualidade de instituição financeira que representa a União Federal na celebração do contrato. No entanto, de nada adiantou demonstrar administrativamente o caráter ilegal e arbitrário, restando ao município impetrante buscar a concessão do writ of mandamus como meio de evitar que o abuso e o despropósito prevaleçam no caso ora trazido ao conhecimento do Poder Judiciário." 4. Custas processuais isentas, conforme a Lei nº 9.289/96 (RCJF), art. 4º, inciso I. 5. A liminar requerida na inicial foi deferida parcialmente, no plantão do recesso forense do dia 31/dezembro/2007 (fls. 140/141), determinando que o impetrado se abstivesse de exigir a regularização do impetrante no CAUC e no SIAF como condição para a prorrogação dos convênios nºs PTNR 024178919, CRNR 0202561-58, PTNR 023452165 e PTNR 024714339. 6. As informações (fls. 74/83 e 178/180) foram apresentadas tempestivamente pelo impetrado, argüindo preliminar de ilegitimidade passiva ad causam e, no mérito, informando que a prorrogação do contrato de repasse nº 0202561-58/2006, que possuía término de vigência fixado para o dia 21/dezembro/2007, não foi realizada automaticamente em face da existência de restrições cadastrais em nome do impetrante junto ao CAUC/SIAFI; aduziu, também, que os convênios PTRN 024178919, PTRN 023552165 e PTRN 024714339, referidos na decisão liminar (fls. 140/141), são apenas planos de trabalho que haviam sido selecionados para contratação até 31/dezembro/2007; entretanto, devido à restrição do impetrante no CAUC, os referidos planos de trabalho não se concretizaram, não tendo havido a conseqüente formalização dos contratos de repasse, razão pela qual as respectivas notas de empenho foram canceladas. 7. A defesa da litisconsorte passiva UNIÃO (fls. 184/188) também foi apresentada no prazo legal, argüindo sua ilegitimidade passiva ad causam e, no mérito, alegando que as irregularidades do beneficiário de transferência voluntária de verba federal junto aos sistemas de controle da Administração, a exemplo do CAUC - cadastro único de exigências para transferências voluntárias a Estados e Municípios e do SIAFI - sistema integrado de administração financeira, impedem o repasse dos recursos, excetuadas apenas as transferências destinadas às ações de educação, saúde e assistência social. 8. O MPF (fls. 192/195) informou inexistir interesse público que justifique a oferta de parecer sobre o mérito da causa. 9. A UNIÃO requereu a renovação da intimação da decisão que deferiu parcialmente a liminar, alegando irregularidade de ordem processual, tendo o pedido sido deferido (fls. 202). 10. Cópia de agravo de instrumento foi juntada aos autos (fls. 205/211), objetivando a reforma da decisão que deferiu parcialmente a tutela antecipatória, não tendo havido reconsideração do decisum por este Juízo, conforme despacho (fls. 212). 11. Autos conclusos (fls. 213). Relatados, DECIDO. 12. Inicialmente, rejeito a preliminar de ilegitimidade passiva ad causam do impetrado porque o ato impugnado nesta ação é o indeferimento, no âmbito da GERÊNCIA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO URBANO DA CEF - GIDUR/JP, nesta cidade, do contrato de repasse de verbas federais para a execução dos convênios referentes aos planos de trabalho "PTNR 024178919" (fls. 25), CRNR 0202561-58" (fls. 27), "PTNR 023552165" (fls. 30), "PTNR 024714339", sendo o referido impetrado, portanto, parte legítima para figurar na relação processual. 13. Também rejeito a preliminar de ilegitimidade passiva ad causam da litisconsorte passiva UNIÃO, porque o objeto da ação é a contração do repasse de verbas federais, através do Orçamento Geral da União (OGU), para a execução de projetos de infra-estrutura no MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PB, existindo inequívoco interesse e legitimidade da referida litisconsorte para figurar no pólo passivo da ação. 14. No mérito, a LC nº 101/2000, art. 25, § 1º, IV, "a" a "d", e a Lei 8.212, art. 56, dispõem o seguinte, textualmente: Lei Complementar nº 101/2000: "Art. 25. Para efeito desta Lei Complementar, entende-se por transferência voluntária a entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, que não decorra de determinação constitucional, legal ou os destinados ao Sistema Único de Saúde. § 1o São exigências para a realização de transferência voluntária, além das estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias: (...) IV - comprovação, por parte do beneficiário, de: a) que se acha em dia quanto ao pagamento de tributos, empréstimos e financiamentos devidos ao ente transferidor, bem como quanto à prestação de contas de recursos anteriormente dele recebidos; b) cumprimento dos limites constitucionais relativos à educação e à saúde; c) observância dos limites das dívidas consolidada e mobiliária, de operações de crédito, inclusive por antecipação de receita, de inscrição em Restos a Pagar e de despesa total com pessoal; d) previsão orçamentária de contrapartida." Lei nº 8.212/1991: "Art. 56. A inexistência de débitos em relação às contribuições devidas ao Instituto Nacional do Seguro Social-INSS, a partir da publicação desta Lei, é condição necessária para que os Estados, o Distrito Federal e os Municípios possam receber as transferências dos recursos do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal-FPE e do Fundo de Participação dos Municípios-FPM, celebrar acordos, contratos, convênios ou ajustes, bem como receber empréstimos, financiamentos, avais e subvenções em geral de órgãos ou entidades da administração direta e indireta da União." (Sem grifos no original) 15. A legislação é inequívoca ao estabelecer que a realização de transferências voluntárias de recursos pela UNIÃO ao(s) Município(s), a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, necessita de prévia comprovação, pelo beneficiário, do cumprimento dos limites constitucionais relativos à educação e à saúde, devendo ser demonstrado, ainda, o adimplemento das obrigações tributárias, bem como a prestação de contas de recursos anteriormente recebidos. 16. A Instrução Normativa STN nº 01/2005, art. 2º, dispõe que a celebração de convênio e o repasse dos valores conveniados ficam submetidos à prévia verificação de adimplência do beneficiado pela transferência, tendo autorizado o concedente a consultar o Cadastro Único de Convênio - CAUC, subsistema do SIAFI, para efeito de análise de cumprimento desse requisito. 17. No caso, de acordo com o Ofício nº 1-078/2008/GIDUR-JP (fls. 150), os convênios de repasse de verbas federais designados como "PTNR 024178919" (fls. 25), "PTNR 023552165" (fls. 30) e "PTNR 024714339" constituem apenas planos de trabalho que haviam sido selecionados para contratação até a data de 31/dezembro/2007, mas que não chegaram a ser formalizados, tendo em vista que o impetrante não apresentou a documentação necessária em tempo hábil. 18. A CEF informou (fls. 178/180), também, que o MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL possuía débitos de contribuições sociais registrados junto ao CAUC/SIAFI, no item 201 - INSS/CND, conforme consulta realizada em 31/dezembro/2007, data limite para as contratações dos convênios de repasse OGU/CEF, no exercício de 2007, razão pela qual os planos de trabalho tiveram suas notas de empenho canceladas. 19. Em sede de mandado de segurança a prova dos fatos deduzidos na inicial deve ser pré-constituída, ou seja, as alegações devem ser comprovadas de plano, posto que o rito especial do MS não admite dilação probatória. 20. Os autos não demonstram que o impetrante tenha cumprido, tempestivamente, por ocasião da contratação dos convênios, todos os requisitos da LC nº 101/2000, art. 25, § 1º, IV, "a" a "d", c/c a Lei nº 8.212/1991, art. 56, especificamente em relação à regularidade quanto ao pagamento de tributos devidos ao INSS. 21. Em face do encerramento do prazo de contratação e do cancelamento das notas de empenho, não mais subsiste plausibilidade jurídica para a formalização dos convênios de repasse de verbas oriundas do Orçamento Geral da União (OGU), referentes ao exercício de 2007, visto que a GERÊNCIA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO URBANO DA CEF - GIDUR/JP encontra-se impossibilitada de adotar qualquer providência com vista à contratação da operação de repasse objeto destes autos. 22. A propósito, a alegação de que as verbas destinadas à execução dos planos de trabalho de que tratam os autos teriam caráter social não autoriza o descumprimento do prazo legalmente estabelecido para a formalização dos contratos de repasse; além disso, a transferência de recursos federais a Estados e a Municípios destinadas à execução de ações sociais somente se mostra viável, mesmo existindo restrições no CAUC e no SIAFI, quando já houver contrato de repasse devidamente formalizado. 23. Ademais, a impetrante contribuiu para o cancelamento das notas de empenho, visto que somente procurou regularizar sua situação cadastral no último dia previsto para a formalização dos contratos de repasse, tendo a ação sido ajuizada em 31/dezembro/2007, às 16h55min (fls. 03), sendo que o impetrado somente recebeu a comunicação do deferimento parcial da liminar em 02/janeiro/2008 (fls. 144), quando já haviam sido canceladas as notas de empenho. 24. Desta forma, não restou demonstrado o alegado direito líquido e certo para compelir o impetrado a efetivar a contração, em favor do impetrante, dos convênios de transferência de recursos de que tratam os autos, oriundos do Orçamento Geral da UNIÃO (exercício de 2007), destinados à execução dos planos de trabalho objeto desta ação. 25. Isto posto, com fundamento no CPC, art. 269, I, denego a segurança impetrada pelo MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PB contra ato do GERENTE DE SERVIÇO OPERACIONAL DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - GERÊNCIA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO URBANO (GIDUR/JP), por ausência do alegado direito líquido e certo. 26. Honorários advocatícios incabíveis na espécie, nos termos das Súmulas nºs 512 do STF e 105 do STJ. 27. Custas ex lege. 28. Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição, conforme o CPC, art. 475, I. 29. P. R. I. João Pessoa, 27/JAN/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara ?? ?? ?? ??

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000394-59.2006.4.05.8200 MARIA DAS GRAÇAS DOS SANTOS (Adv. LUCIANA DE ALBUQUERQUE CAVALCANTI BRITO, AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE, PAULO GUEDES PEREIRA, MUCIO SATIRO FILHO, CICERO ROGER MACEDO GONCALVES) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR) x PREVI - CAIXA DE PREVIDENCIA DOS FUNCIONARIOS DO BANCO DO BRASIL (Adv. DANIEL ARRUDA DE FARIAS, RODRIGO MENEZES DANTAS, AMANDA VIEIRA CARVALHO, BRUNO BARSI DE SOUZA LEMOS, Erik Mentor da Ponte, VICTOR FIGUEIREDO GONDIM, THIAGO DINIZ TOMÉ DE LIMA, DIEGO JOSÉ MANGUEIRA AURELIANO, LUIZ ANTONIO COLLAÇO BEZERRA, ALBERTO CAMPOS CATÃO, DEIVIS MARCON ANTUNES, JOSE LUIZ GUIMARÃES JUNIOR, DAVIALLYSON DE BRITO CAPISTRANO, CRISTINA BERTINOTTI, URBANO VITALINO DE MELO NETO, CARLOS ROBERTO SIQUEIRA CASTRO, ALEXANDRE ALMEIDA DE FREITAS, HUGO FILARDI PEREIRA, MICHELLE TRINDADE SOARES, JUAN EDUARDO JARRY, CARLA MARTINS DA COSTA E SILVA, AMANDA FONSECA DE PONTES, LUIZ RICARDO DE CASTRO GUERRA, JOAO ANDRE RODRIGUES, LISBETH VIDAL DE NEGREIROS BASTOS, VLADIMIR MORAES DE ALENCAR ARARIPE, JOAO ANDRE SALES RODRIGUES, BRUNO BARSI DE SOUZA LEMOS, RODRIGO MENEZES DANTAS, YANARA JAPIASSU PEREIRA VERAS, PAULO FERNANDO PAZ ALARCON, LUCIANA ANDREA MAYRHOFER DE OLIVEIRA, MARIANE LILMA GUMIERO, FABIOLA CARLIM ARAUJO, DHEBORA ZANDROWKSKI, CARLOS ALBERTO ALVES PEIXOTO, MAYARA DE SOUZA SUSIN, DANIELLI DE QUADROS DE CAMARGO, FERNANDA LORENZOM E SILVA, CARLOS EDUARDO LANGOVSKI, ELAINE MASSAE NAKAZAWA, ANA CAROLINA DOS REIS WOSCH, LEONARDO SANTOS PERGO, MICHEL ABDO ZEGHBI)

Ação Ordinária nº 2006.82.00.000394-3 Embargos de Declaração Embgte: CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL - PREVI S E N T E N Ç A Vistos, etc. A CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL - PREVI opôs embargos de declaração (fls. 333/340), com efeitos modificativos, por suposto erro material e obscuridade na sentença de mérito (fls. 316/320) quanto à ausência de sucumbência e quanto à desproporcionalidade na aplicação dos honorários. 2. Tempestividade dos embargos certificada (fls. 341). 3. Autos conclusos (fls. 341). Relatados, DECIDO. 4. A sentença embargada condenou a A./embargante a assegurar o restabelecimento da pensão por morte da A./embargada em razão de documentos hábeis nesse sentido, não tendo sido constatada propriamente a essência da prova documental produzido pelo ex adverso. 5. Tratando-se de sentença em que houve condenação, os honorários deverão ser arbitrados em percentual que incida sobre este valor, nos termos do CPC, art. 20, § 3º. 6. Com efeito, "Os honorários advocatícios decorrem da sucumbência da parte na demanda e por isso devem ser fixados independentemente do pedido, tendo em vista o princípio da causalidade." (AGRESP nº 895706/RJ, STJ, DJE de 16/setembro/2008), devendo, portanto, cada parte arcar com seus próprios honorários. 7. Eventual inconformismo quanto à sentença embargada (fls. 333/340) somente poderá ser apreciada via recurso próprio; efeitos infringentes em sede de embargos de declaração são incabíveis, pois esse recurso não se presta à rediscussão da matéria ou à modificação da sentença, conforme a doutrina mais acatada (por exemplo: Código de processo civil interpretado / Antonio Carlos Marcato, coordenador. - São Paulo: Atlas, 2004, pág. 1593) e a jurisprudência iterativa (p. exemplo: EDcl no AgRg no AgRg no Ag nº 588107/SP, STJ, DJU de 13/março/2006, p. 192) 8. Isto posto, nos termos do CPC, art. 537, rejeito os embargos de declaração opostos (fls. 333/340) pela CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL - PREVI, restando mantida a sentença embargada (fls. 316/320) em todos os seus termos. 9. P. R. I. João Pessoa, 03/fevereiro/2009 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0000490-06.2008.4.05.8200 MUNICÍPIO DE CONDE (Adv. MARCOS ANTONIO LEITE RAMALHO JUNIOR, LINCOLN VITA, GUSTAVO LIMA NETO) x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 2008.82.00.000490-7 - classe nº 29 C E R T I D Ã O Certifico que: ( ) A(s) contestação(ões) (fls. ) foi(ram) apresentada(s) no prazo legal. ( ) A(s) contestação(ões) (fls. ) foi(ram) apresentada(s) no dia. (X) A impugnação (fls. 572/601) foi apresentada no prazo legal. ( ) A(s) impugnação(ões) (fls. ) foi(ram) apresentada(s) no dia. ( ) O(a)(s) apresentou(ram) especificação de provas (fls. ) no prazo legal. ( )decorreu o prazo do(s) ato(s) ordinatório(s)/despacho(s)/decisão(ões)/sentença(s) (fls. ) sem manifestação do(a)(s) . ( ) decorreu o prazo do(s) ato(s) ordinatório(s)/despacho(s)/decisão(ões)/sentença(s) (fls. ) com manifestação do(a)(s) . ( ).a(s) petição(ões) (fls._______) foi(oram) apresentada(s) em Juízo no prazo legal. ( ) a(s) petição(ões) (fls._______) ingressou(aram) em Juízo intempestivamente. ( )deixo(ei) de cumprir o(s) ato(s)/despacho(s)/decisão(ões)/sentença(s) (fls. _____), tendo em vista a (s) petição (ões) (fls. ______) do(a)(s) ___________. ( ) decorreu o prazo da(s) citação(ões) (fls. _____ ), sem interposição de Embargos à execução. ( ) decorreu o prazo da(s) citação(ões) (fls. ______), sem apresentação de contestação. ( ) a(s) decisão(ões)/sentença(s) (fls. ______) transitou(aram) em julgado sem interposição de qualquer recurso. ( ) O(a)(s) apelou(aram) (fls. ) da(s) sentença(s) (fls. ) no prazo legal. ( ) o(a) apelado(a) apresentou contra-razões (fls. ) no prazo legal. Dou fé. João Pessoa, 03 de fevereiro de 2009. FABIO AZEVEDO DE OLIVEIRA Analista Judiciário Processo nº 2008.82.00.000490-7 - classe nº 29 ATO ORDINATÓRIO ( Provimento nº 02/2000 da Corregedoria- Geral do TRF/5ªRegião 1. ( ) Vista às partes sobre os cálculos apresentados pela Contadoria (fls. ), no prazo de 05 dias. 2. ( ) Vista à parte autora sobre a petição e documentos apresentados pelo réu (fls. ), no prazo de 05 (cinco) dias. 3. ( ) Vista à parte ré sobre a petição e documentos apresentados pelo autor(a)(s) (fls. ), no prazo de 05 (cinco) dias. 4. ( ) Vista à parte autora para, querendo, impugnar a(s) contestação(ões) apresentada(s) (fls. ), no prazo de 10 (dez) dias. 5. (X) Vista às partes para especificarem, de forma justificada, em 05 (cinco) dias, as provas que pretendem produzir. 6. ( ) Vista ao MPF. 7. ( ) Vista à parte autora/ré, no prazo de 05 (cinco) dias; nada requerido, retornem os autos ao Arquivo. 8. ( ) Vista ao exeqüente. 9. ( ) Remetam-se os autos à Distribuição para baixa e arquivamento Intime(m)-se. João Pessoa, 03 de fevereiro de 2009. OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JÚNIOR Diretor de Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Remeto os autos à Publicação. João Pessoa, 03 de fevereiro de 2009. FABIO AZEVEDO DE OLIVEIRA Analista Judiciário PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª Vara Modelo nº 6336

   

0003029-91.1998.4.05.8200 MARIA VANIA PRAZIM FALCAO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ)

DESPACHO: 1- R.H. 2- Intimem-se as partes, por mandado, do inteiro teor da Requisição de Pagamento nº 2008.82.00.001.00022, nos termos artigo 12 da Resolução nº 559/07 do CJF. 3- Prazo: 05 (cinco) dias. 4- Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao Eg. TRF da 5ª Região. 5- Cumpra-se com urgência.

   

0006757-19.1993.4.05.8200 LUIS ALVES SANTANA E OUTROS (Adv. JOSEFA INES DE SOUZA) x LUIZA MARCOLINO GALDINO x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO)

Decisão: 1. R. H. 2. MARIA GORETE DAS NEVES requereu (fls. 293) habilitação neste feito, na qualidade de filha da ex-A. LUÍZA MARCOLINO GALDINO, falecida em 11/setembro/1997 (fls. 297). 3. As co-AA./exeqüentes LUÍSA ANDRADE DA SILVA, LUIZA MARIA AVELINO e LÚCIA PEREIRA FRANCISCO requereram (fls. 300) a expedição de RPV para pagamento do valor executado nesta ação. 4. No caso, o R./executado INSS foi regularmente citado (fls. 299), na forma do CPC, arts. 1.057 e 1.060, I, tendo deixado transcorrer o prazo legal sem manifestação, conforme certificado pela Secretaria da Vara (fls. 304). 5. A documentação juntada aos autos (fls. 294/297) autoriza o deferimento do pedido de habilitação formulado por MARIA GORETE DAS NEVES, mormente considerando que não houve discordância do INSS (fls. 304) e a habilitanda demonstrou os requisitos legais para sua integração ao feito. 6. Isto posto, defiro o pedido de habilitação formulado (fls. 293) por MARIA GORETE DAS NEVES, posto que restaram comprovados, pelo(a) requerente, o óbito do(a) ex-A. LUÍZA MARCOLINO GALDINO e a sua qualidade de herdeira do(a) falecido(a). 7. À Seção de Distribuição e Registro para anotação do falecimento (fls. 297) da ex-A. LUÍZA MARCOLINO GALDINO e para inclusão, no pólo ativo do termo de autuação, do nome da sucessora processual MARIA GORETE DAS NEVES. 8. Anote-se a procuração particular (fls. 294) no sistema de acompanhamento processual (SIAPRO-TEBAS). 9. Defiro o pedido (fls. 300) e determino à Secretaria da Vara expeça Requisição de Pequeno Valor - RPV em favor das AA./exeqüentes LUÍSA ANDRADE DA SILVA, LUIZA MARIA AVELINO, LÚCIA PEREIRA FRANCISCO e MARIA GORETE DAS NEVES para pagamento do valor principal, bem como em favor de sua advogada, referente aos honorários advocatícios. 10. Após o pagamento da RPV, voltem-me os autos conclusos para extinção da execução. 11. Intime(m)-se e cumpra-se. ?? ?? ?? ??

   

0006884-73.2001.4.05.8200 PEDRO JOSE PIMENTA CARNEIRO E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x UNIAO (MINISTERIO DA JUSTICA) (Adv. MANOEL BATISTA DE OLIVEIRA JUNIOR)

Processo:2001.82.00.006884-8- Cls. 97 AUTOR: PEDRO JOSE PIMENTA CARNEIRO e outros REU: UNIAO (MINISTERIO DA JUSTICA) C E R T I D Ã O Certifico que a parte autora ingressou com petição (fls. 366/368). Dou fé. João Pessoa, 24 de novembro de 2008. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 24 de novembro de 2008. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário Despacho: 1-RH 2- Intime-se a União para que preste as informações referidas no item 05 da petição (fls. 366/368). 3-Prazo de 10 (dez) dias, 4- Após, vista à parte autora. João Pessoa,27/11/2008 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0014147-40.1993.4.05.8200 BERNADETE PONCIANO SOARES (Adv. JOAO COSME DE MELO, FRANCISCO BARBOSA DE MENDONCA, JOSE COSME DE MELO FILHO) x FRANCISCA ELEUTERIO DE MELO x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA)

Decisão: 1. R. H. 2. Trata-se de pedido de habilitação formulado (fls. 116) por BERNADETE PONCIANO SOARES, na qualidade de filha da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO, falecida em 09/outubro/2000 (fls. 118). 3. O R./executado INSS manifestou-se (fls. 132) pelo indeferimento do pedido de habilitação, alegando que a ex-segurada deixou outros quatros filhos não habilitados neste feito. 4. A Seção de Benefícios da Gerência Executiva da Previdência Social informou (fls. 152) que a ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO não deixou dependentes habilitados à pensão por morte. 5. Ofício nº 367/2008 (fls. 174) da Vara de Sucessores da Comarca de Araruna - PB informou que não foi instaurado inventário em relação à ex-A. FRACISCA ELEUTÉRIO DE MELO; também informou que não existe interesse na transferência de valores vinculados a esta ação para aquele Juízo. 6. Autos conclusos (fls. 175). DECIDO. 7. O CPC, art. 1.060, I, autoriza que se proceda à habilitação nos autos principais, independentemente de sentença, quando for promovida pelo cônjuge e herdeiros necessários, desde que fiquem provados, documentalmente, o óbito do(a) falecido(a) e a qualidade dos herdeiros. 8. O óbito da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO, ocorrido em 09/outubro/2000, encontra-se comprovado nos autos (fls. 118), restando atendido o requisito do CPC, art. 1.060, I (1ª parte). 9. A habilitanda BERNADETER PONCIANO SOARES comprovou (fls. 120) a qualidade de herdeira da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO, tendo sido atendido, também, o requisito do mesmo CPC, art. 1.060, I (2ª parte), impondo-se, por conseguinte, o deferimento do pedido de habilitação (fls. 330). 10. Por outro lado, a herança é uma universalidade de direitos, sendo que, a partir do óbito do instituidor, são transmitidos todos os direitos e obrigações a ela referentes, estabelecendo-se um condomínio entre os co-herdeiros até a partilha. 11. Vale salientar que não há notícia nos autos quanto ao paradeiro dos demais herdeiros da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO e o Juízo das Sucessões do último domicílio da ex-segurada informou (fls. 174) que não foi instaurado inventário e nem existe interesse na transferência dos valores vinculados a esta ação para a Vara Única da Comarca de Araruna - PB. 12. Isto posto, defiro o pedido de habilitação formulado (fls. 116) por BERNADETE PONCIANO SOARES, na qualidade de sucessora da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO, ficando a referida sucessora responsável pela restituição das quotas-partes devidas aos demais herdeiros da ex-segurada. 13. À Seção de Distribuição e Registro para inclusão, no pólo ativo do termo de autuação, do nome da sucessora processual BERNADETE PONCIANO SOARES, bem como para anotação quanto ao falecimento da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO. 14. Anote-se a procuração (fls. 117) no sistema de acompanhamento processual (SIAPRO-TEBAS). 15. Após o decurso do prazo recursal, oficie-se ao(à) gerente da Ag. CEF nº 548 (PAB - JUSTIÇA FEDERAL) requisitando a transferência da titularidade da conta de depósito nº 005.94415-8 (fls. 149) vinculada a esta ação, atualmente em nome da ex-A. FRANCISCA ELEUTÉRIO DE MELO, falecida em 09/outubro/2000 (fls. 118), para o nome da sucessora processual BERNADETE PONCIANO SOARES. 16. Juntamente com o ofício anteriormente referido, remetam-se cópias da RPV (fls. 113/114), dos documentos (fls. 118/123) e do ofício (fls. 149). 17. Em seguida, comunique-se a sucessora processual BERNADETE PONCIANO SOARES, através de carta com aviso de recebimento, acerca da transferência da titularidade da conta de depósito nº 005.94415-8 (fls. 149) para o seu nome. 18. Por fim, certifique a Secretaria da Vara quanto à transferência da titularidade da conta de depósito anteriormente referida para fins de extinção da execução. 19. Intime(m)-se e cumpra-se, com prioridade. ?? ?? ?? ??

   

EMBARGOS À EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA 

   

0002604-15.2008.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. ADRIANA CORREIA LIMA CARIRY CÉSAR) x SEVERINO MIGUEL FRANCISCO (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO)

Processo nº 2008.82.00.002604-6 Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) EMBARGOS À EXECUÇÃO Embargante: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS Embargado(a): SEVERINO MIGUEL FRANCISCO S E N T E N Ç A Vistos, etc. O INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS interpôs embargos à execução em desfavor de SEVERINO MIGUEL FRANCISCO alegando excesso na execução da ação ordinária nº 2000.82.00.009621-9, porque os cálculos foram elaborados de forma incorreta. 2. No prazo para impugnação, o embargado concordou (fls. 12) com o valor apresentado (fls. 06/09) pelo embargante, requereu o benefício de gratuidade judiciária e a expedição de precatório para pagamento do crédito exeqüendo. 3. Em cumprimento ao despacho (fls. 11), o embargante apresentou (fls. 16/44) os documentos indispensáveis à instrução do feito. 4. Sem custas, segundo a Lei n.º 9.289/96, art. 7º. 5. Autos conclusos (fls. 45). Relatados, DECIDO. 6. De início, defiro o pedido (fls. 12) de gratuidade judiciária requerido pelo embargado, nos termos da Lei nº 1060/50. 7. No caso, a concordância (12) do embargado quanto ao valor apresentado (fls. 06/09) pela outra parte equivale ao reconhecimento da procedência destes embargos e, enseja, portanto, a extinção do processo com resolução do mérito. 8. Isto posto, fundamentado no art. 269, I, e 741 e segs., do CPC, julgo procedentes os embargos à execução propostos pelo INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS em desfavor de SEVERINO MIGUEL FRANCISCO e, fixo o valor do crédito exeqüendo em R$ 39.854,51 (trinta e nove mil, oitocentos e cinqüenta e quatro reais e cinqüenta e um centavos) atualizado para novembro/2007, conforme cálculos (fls. 06/09) do embargante. 9. Honorários advocatícios pelo embargado no valor de R$ 200,00 (duzentos reais); todavia, tal sucumbência fica suspensa nos termos do art. 12 da Lei nº 1060/50, por ser o mesmo beneficiário da assistência judiciária gratuita. 10. Indefiro, portanto, o pedido (fls. 12) do embargado de expedição de precatório porque incabível nestes autos. 11. Transitada em julgado, traslade-se cópia desta sentença e dos cálculos (fls. 06/09) do embargante para os autos principais, com a devida certificação em ambos os feitos. 12. P.R.I. João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0003068-39.2008.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARCIO PIQUET DA CRUZ) x SEVERINO MIGUEL FRANCISCO (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO)

Processo nº 2008.82.00.003068-2 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) EMBARGOS À EXECUÇÃO Embargante: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS Embargado(a): SEVERINO MIGUEL FRANCISCO S E N T E N Ç A Vistos, etc. O INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL-INSS interpôs embargos à execução em desfavor de SEVERINO MIGUEL FRANCISCO alegando excesso na execução da ação ordinária nº 2000.82.00.009621-9, porque os cálculos foram elaborados de forma incorreta. 2. A secretaria da vara certificou (fls. 12) a interposição de dois embargos referente a mesma execução 3. Autos conclusos (fls. 12). Relatados, DECIDO. 4. O INSS apresentou dois embargos em relação a mesma execução, os primeiros foram interpostos em 05/maio/2008 sob o nº 2008.82.00.002604-6 e, estes, interpostos em 21/maio/2008. 5. Dessa forma, em razão da preclusão consumativa do ato processual, não pode o embargante, posteriormente, se valer desse mesmo ato, ainda que no prazo, o que impõe-se a extinção destes embargos sem resolução do mérito. 6. Isto posto, fundamentado no art. 267, IV, do CPC, declaro a extinção destes embargos à execução sem resolução do mérito. 7. Sem honorários advocatícios porque não estabelecida a relação processual neste caso. 8. Transitada em julgado, traslade-se cópia desta sentença para os autos nº 2000.82.00.009621-9. 9. P.R.I. João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0011258-25.2007.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DE FATIMA DE SA FONTES) x TIAGO BELMIRO DE LIMA (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS, JOSE MARTINS DA SILVA, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A Forum Juiz Federal RIDALVO COSTA 1ª VARA Processo nº 2007.82.00.011258-0 CERTIDÃO Certifico haver decorrido o prazo do despacho (fls. 24, item 7), tendo as partes se pronunciado (fls. 58/71 e fls. 74) sobre os cálculos elaborados pela Contadoria Judicial (fls.52/57). João Pessoa, 01/12/2008 LAÍS PATRIOTA DA SILVA Técnica Judiciária CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 01/12/2008 LAÍS PATRIOTA DA SILVA Técnica Judiciária Decisão: 1- R.H. 2- À vista das alegações das partes (fls. 58/71 e fls. 74), retornem os autos à Seção de Cálculos para informar ou elaborar novos cálculos, se for o caso. 3- Após, vista às partes. 4- Por fim, registrem-se os autos conclusos para sentença. João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004486-80.2006.4.05.8200 LUCIANA CALISSI (Adv. JOAO MANOEL DE CARVALHO COSTA, JULIANA BARRETO DE CARVALHO AMORIM) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. MARIA DA SALETE GOMES) x MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE (Adv. SEM ADVOGADO)

Ação Ordinária nº 2006.82.00.004486-6 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor: LUCIANA CALISSI Réus : UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB e OUTRA S E N T E N Ç A Vistos, etc. LUCIANA CALISSI propôs ação ordinária, com pedido de antecipação de tutela, em desfavor da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB e de MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE objetivando a anulação da Portaria UFPB nº 83/2006 (fls. 70) e sua nomeação para o cargo de professor assistente, da área de Ciências Sociais e Educação Popular do Departamento de Metodologia da Educação. 2. A petição inicial (fls. 03/11) veio acompanhada de procuração e documentos (fls. 12/129). 3. As custas iniciais foram pagas (fls. 129) conforme a Lei n.º 9.289/96, art. 14, I (RCJF). 4. Decisão fundamentada (fls. 134/135) indeferiu o pedido de antecipação de tutela, por falta de pressuposto legal, e transitou em julgado. 5. As citações foram realizadas (fls. 139/142) segundo o CPC, art. 285. 6. A contestação da R. UFPB (fls. 143/145) foi tempestiva e pediu a improcedência da ação, sob os seguintes argumentos, principalmente: "(...) não existe ilegalidade alguma no ato da promovida (UFPB), e nem assiste direito líquido e certo à promovente, uma vez que não houve preterição na ordem de classificação de candidatos do concurso público objeto desta ação, haja vista que nenhum outro candidato do certame com pontuação inferior à promovente foi nomeado pela UFPB, no prazo de validade do certame, inexistindo violação à Súmula 15 do STF. A promovente realizou, em 2004, concurso público para o cargo de professor assistente, padrão I, na área de Ciências Sociais e Educação Popular. Foi classificada, porém fora do número de vaga existente à época (1), tendo ficado em 2º lugar. O concurso teve prazo de validade de 1 ano, tendo a administração optado por não prorrogá-lo. Expirando o prazo, a promovente não chegou a ser nomeada para o cargo. (........................................................................................................................) Assim, diante do dispositivo acima, entende-se que o candidato ao ser aprovado em concurso público, tem apenas uma expectativa de direito à nomeação, sendo assegurada a sua prioridade sobre candidatos eventualmente aprovados em concurso, enquanto durar o prazo de validade do primeiro. (...) ficou demonstrado que a UFPB, abriu novo concurso para provimento de cargos de professor assistente somente depois de dois meses do encerramento da validade do concurso anterior, não havendo, assim, violação à Lei nº 8.112/91, art. 12, § 2º. (...) não existe direito adquirido a nomeação pelo fato de ter havido provimento de vaga, após expirado o prazo do concurso. Por fim, importante frisar que não existe qualquer óbice à não prorrogação do prazo de validade do concurso, tendo em vista que a prorrogação é ato discricionário da Administração, sendo apreciada segundo critérios de conveniência e oportunidade." 7. A R. MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE não contestou, conforme certificado (fls. 148). 8. Impugnação igualmente tempestiva (fls. 149/150) rebateu a argumentação da parte adversa e acrescentou, no que mais importa, o seguinte: "Se é certo que a autora apenas detinha a expectativa de direito a sua nomeação para o cargo no qual foi aprovada, ficando a critério da Administração o provimento do referido cargo, esta por outro lado, em homenagem aos princípios da moralidade e da eficiência, tinha o dever de nomeá-la a partir do momento em que estivesse caracterizada a necessidade da administração no provimento do respectivo cargo. Tal necessidade, douto julgador, fez nascer a partir do momento em que a vaga foi criada (dentro do prazo de validade do concurso anterior), assim como PELA ABERTURA DE NOVO CERTAME APENAS DOIS MESES APÓS A EXPIRAÇÃO DO PRAZO DE VALIDADE DO PRIMEIRO. Assim, a contestação da UFPB, na verdade, consiste em uma mera confissão de que tal fato ocorreu, pois em nenhum momento comprovou o contrário. E daí é que surge o direito da autora em face do princípio da eficiência, que deve nortear a Administração Pública." 9. Especificação de provas facultada (fls. 151), apenas a R. UFPB veio aos autos e o fez apenas para informar não ter provas a produzir (fls. 152). 10. Requerimento da advogada Juliana Barreto de Carvalho Amorim (fls. 154) pela juntada de substabelecimento de procuração (fls. 155). 11. Decisão fundamentada (fls. 156) decretou a revelia da R. MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE, no tocante à matéria fática, e determinou a remessa dos autos ao Distribuidor para anotação quanto ao substabelecimento. 12. Termo de retificação foi exarado pelo setor competente (fls. 157). 13. Petição da R. UFPB (fls. 159) informou ciência da decisão antes referida, que decretou a revelia da R. MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE quanto à materialidade de fato. 14. Autos conclusos (fls. 160). Relatados, DECIDO. 15. Em se tratando de matéria de Direito e estando os autos documentalmente instruídos, a ação já pode ser julgada, nos termos do CPC, art. 330. 16. A Constituição Federal, em seu art. 37, inciso IV, estabelece que durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira. 17. A Lei nº 8.112/90, em seu art. 12, § 1º, estabelece que o prazo de validade do concurso e as condições de sua realização serão fixados em edital, e o § 2º da referida lei, veda a abertura de novo concurso enquanto houver candidato aprovado em concurso anterior com prazo de validade ainda não expirado. 18. As condições do Edital nº 010/2004 (fls. 15/20) eram de que o concurso teria validade de 01(um) ano (fls. 18), que existia 01 (uma) vaga para a categoria de assistente (fls. 19) e que a aprovação no concurso asseguraria apenas a expectativa de direito à nomeação, ficando a concretização daquele ato condicionada à observância das disposições legais pertinentes, do exclusivo interesse e conveniência da Administração, da rigorosa ordem de classificação e do prazo de validade do concurso (fls. 20). 19. A A. apesar de comprovar a abertura de concurso público de provas e títulos para o cargo de Professor Assistente, Padrão I, na área de Ciências Sociais e Educação Popular do Departamento de Metodologia da Educação do Centro de Ciências da R. UFPB, conforme Edital nº 010/2004 (fls. 15/20), com prazo de validade por 01 (um) ano (fls. 18), a existência de 01 (uma) vaga (fls. 19) para o referido cargo, ter sido aprovada, em segundo lugar, no referido concurso público (fls. 21 e 23), a abertura de inscrições para novo concurso público para Professores Adjunto (Doutorado) e Assistente (Mestre), Nível 1, em regime de trabalho de dedicação exclusiva (RETIDE), no período de 20/setembro/2005 a 10/outubro/2005, conforme Edital nº 006/2005 (fls. 59/64), assim como a nomeação da co-R. MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE para o cargo de Professor Adjunto, nível I - Dedicação Exclusiva (fls. 66 e 70), pertinente ao último concurso público, não demonstrou que esta nomeação tenha sido em desacordo com o Edital nº 010/2004 (fls. 15/20) nem tampouco com a legislação pertinente (cnf. itens 16 e 17, retro). 20. A R. UFPB, por sua vez, demonstrou (fls. 143/145) que a A. não tem direito a nomeação para o cargo de professor assistente, da área de Ciências Sociais e Educação Popular do Departamento de Metodologia da Educação, na vaga da Co.R. MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE, em razão da abertura de inscrições para novo concurso público para Professores Adjunto (Doutorado) e Assistente (Mestre), Nível 1, em regime de trabalho de dedicação exclusiva (RETIDE), no período de 20/setembro/2005 a 10/outubro/2005, conforme Edital nº 006/2005 (fls. 59/64), porque quando da abertura das inscrições para o novo concurso público o prazo de validade do primeiro já havia expirado. 21. Quer dizer, uma vez respeitadas as condições estabelecidas no edital, à aprovação em concurso público faz surgir mera expectativa de direito à nomeação ou à contratação, competindo a Administração discricionariamente convocar os candidatos aprovados de acordo com a sua conveniência. (STJ, RMS nº 24721/ES, Rel. Napoleão Nunes Maia Filho, DJe 29/setembro/2008). 22. Além disso, o concurso não obriga a Administração à nomeação compulsória do candidato aprovado, que dispõe, tão-somente, de uma probabilidade de ser chamado a ocupar vaga existente (STF, AI-AgR nº 501573/DF, Rel. Sepúlveda Pertence, DJU de 26/agosto/2005, pág. 00020). 23. Isto posto, com fundamento no CPC, art. 269, I, e na legislação e jurisprudência referidas, rejeito os pedidos formulados por LUCIANA CALISSI em desfavor das RR. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB e MARIA ADAILZA MARTINS DE ALBUQUERQUE, com resolução de mérito, por falta de amparo legal. 24. Honorários advocatícios pela A., conforme o CPC, art. 20, § 4º, de R$500,00 (quinhentos reais). 25. Custas ex lege. 26. P.R.I João Pessoa, 03/fevereiro/2009 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0004907-36.2007.4.05.8200 ANNIBAL PEIXOTO FILHO (Adv. ANNIBAL PEIXOTO NETO, PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO, FABIO RONELLE C. DE SOUZA, ARTHUR AUGUSTO BARBOSA LUNA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

Processo: 2007.82.00.004907-8 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): ANNIBAL PEIXOTO FILHO Ré: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF SENTENÇA Vistos, etc. ANNIBAL PEIXOTO FILHO propôs ação ordinária em desfavor da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, objetivando receber diferenças resultantes da aplicação, ao(s) saldo(s) de caderneta(s) de poupança, dos expurgos inflacionários referentes aos IPC's de junho/1987 (26,06%) e de janeiro/1989 (42,72%), acrescidas de juros e correção monetária. 2. A petição inicial (fls. 03/12) veio aos autos acompanhada de procuração (fls. 13) e documentos (fls. 14/19), alegando textualmente o seguinte: a) o(a) A. era titular de caderneta(s) de poupança em agência(s) da Caixa Econômica Federal - CEF, durante os meses de incidência dos expurgos inflacionários; b) em razão da alteração na sistemática de atualização das contas, a CEF aplicou ao(s) saldo(s) de poupanças valores inferiores aos devidos a título de correção monetária; c) assim, a instituição bancária, ao deixar de atualizar os saldos da(s) caderneta(s) de poupança pelos índices devidos, acarretou prejuízos financeiros ao(à) titular do(s) depósito(s). 3. As custas inicias do processo foram pagas (fls. 20), em conformidade com a Lei nº 9.289/96 - Regimento de Custas da Justiça Federal (RCJF), art. 14, inciso I. 4. O pedido de inversão do ônus da prova foi indeferido no despacho inicial (fls. 24), tendo sido determinado ao(à) A. que juntasse aos autos todos os extratos de sua(s) conta(s) de poupança referente(s) aos meses de incidência dos expurgos inflacionários. 5. A contestação (fls. 27/41) foi apresentada no prazo legal, tendo a R. CEF argüido a prescrição do direito de ação e, no mérito, alegado que inexiste direito adquirido ao(s) expurgo(s) inflacionário(s) pretendido(s); disse também que os depósitos de caderneta(s) de poupança foram corrigidos pelo(s) índice(s) devido(s) e os juros moratórios foram aplicados ao(s) saldo(s) de poupança de acordo com as normas do Sistema Financeiro Nacional; ao final, requereu a extinção do processo e, caso ultrapassadas a prejudicial de mérito, pugnou pela rejeição do pedido, por falta de amparo legal. 6. Em atendimento ao despacho inicial (fls. 24), foram juntados aos autos parte dos extratos bancários (fls. 67/77) referentes aos períodos de incidência dos expurgos inflacionários. 7. A impugnação (fls. 80/85) foi apresentada no prazo legal (fls. 52), tendo o A. rebatido a contestação da CEF e reiterando os termos da inicial. 8. Documentos foram juntados aos autos (fls. 96/111) pela CEF, em resposta à decisão deste Juízo (fls. 93) que determinou a apresentação dos extratos da(s) caderneta(s) de poupança do(a) A., informando o(s) saldo(s) existente(s) à época de incidência dos expurgos. 9. Manifestação foi apresentada pelo(a) A. (fls. 113) no prazo do CPC, art. 398, informando inexistir qualquer óbice aos documentos apresentados pela CEF (fls. 96/111). 10. Autos conclusos (fls. 114). Relatados, DECIDO. 11. Os elementos apresentados pelas partes possibilitam o julgamento antecipado da lide, nos termos do CPC, art. 330, I, in fine, sendo desnecessária dilação probatória, visto que os autos encontram-se suficientemente instruídos e não há necessidade de produção de prova em audiência. 12. A inversão do ônus da prova não se mostra viável, posto que os elementos probatórios colacionados não demonstram a verossimilhança de todas as alegações, não se aplicando, ao caso, as disposições da Lei nº 8.078/1990, art. 6º, VIII. 13. A prejudicial de mérito suscitada pela CEF não merece acolhimento, haja vista que, nas ações de cobrança de valores referentes à incidência de expurgos inflacionários sobre depósitos de caderneta de poupança, o pedido de aplicação de determinado índice de correção monetária não tem caráter acessório, constituindo o próprio crédito principal; assim, não se aplica o prazo prescricional de cinco anos previsto no antigo CC/1917, art. 178, § 10, III, prescrição essa atualmente trienal, consoante o CC/2002, art. 206, § 3º, III; por conseguinte, tratando-se de ação pessoal, o prazo prescricional é de vinte anos (STJ - 2ª T., REsp. nº 636396/RS, Rel. Min. Eliana Calmon, DJU 23/05/2005, pág. 212). 14. No caso, em face da não aplicação do IPC de junho/1987 à(s) caderneta(s) de poupança, o prazo para a propositura da ação de cobrança somente se encerrou em 31/maio/2007, tendo a prescrição ocorrido em de 1º/junho/2007; todavia, esta ação foi proposta em 31/maio/2007 (fls. 03), antes do decurso do prazo prescricional. 15. No mérito, a inicial informou que a CEF deixou de creditar, de forma regular, ao(s) saldo(s) de caderneta(s) poupança do(a) A., os valores dos expurgos inflacionários referentes aos IPC's dos períodos indicados, devendo-se analisar cada um desses índices de atualização monetária. 16. Quanto ao IPC de junho/1987 (26,06%), decorrente do chamado "Plano Bresser", a Res. BACEN nº 1.338, de 15/junho/1987, dispôs, em seu item III, que os saldos das cadernetas de poupança seriam corrigidos, no mês de julho de 1987, pelo mesmo índice de variação do valor nominal das Obrigações do Tesouro Nacional - OTN, atualizado pelo rendimento produzido pelas Letras do Banco Central do Brasil (LBC), no período de 1º a 30/junho/1987. 17. Em relação às cadernetas de poupança com data-base até 15/junho/1987, seria incabível a adoção do critério da Resolução BACEN 1.338/1987, sendo devida a incidência do IPC no percentual de 26,06%, a título de correção monetária do(s) saldo(s) de poupança, desde que comprovado o "aniversário" da conta na hipótese referida, de acordo com o disposto na Res. BACEN nº 1.336/19897, cujo art. 1º determinava que o índice de correção seria o maior entre a variação do IPC-IBGE e a LBC. 18. O crédito resultante da diferença entre o IPC de junho/1987 e o índice aplicado pela instituição bancária apenas seria devido mediante a comprovação da data-base de correção monetária e da existência de saldo na caderneta de poupança no mês de referência, pois somente as contas com data inicial até o 15º (décimo-quinto) dia do mês sofreram reajustes inferiores ao devido. 19. O IPC de junho/1987 (26,06%) somente deve incidir, portanto, a título de correção monetária, sobre os depósitos de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15/ junho/1987, antes da vigência da Resolução BACEN nº 1.338/1987, consoante os seguintes julgados: STJ - 4ª T., AGA nº 990050/PR, DJE 04/08/2008; TRF 1ª - 5ª T., AC nº 200738000144396/2008, E-DJF1 09/05/2008, pág. 246; e TRF 5ª R., 3ª T., AC nº 450061/PB, DJU 13/11/2008, pág. 222. 20. Quanto ao IPC de janeiro/1989 (42,72%), referente ao "Plano Verão", o Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, estabelecera que os saldos das cadernetas de poupança seriam reajustados, a partir de 1º/março/1986, pelo IPC - Índice de Preços ao Consumidor, calculado pelo IBGE. 21. O Dec.-Lei nº 2.290/1986, art. 1º, modificou a redação do Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, tendo estipulado que os saldos das cadernetas de poupança seriam reajustados pelos rendimentos das Letras do Banco Central, mantidas as taxas de juros previstas na legislação correspondente. 22. O Dec.-Lei nº 2.311/1986, art. 1º, também alterou a redação do Dec. nº 2.284/1986, art. 12, dispondo que os saldos das cadernetas de poupança seriam corrigidos pelos rendimentos das Letras do Banco Central (LBC) ou por outro índice que viesse a ser fixado pelo Conselho Monetário Nacional. 23. Posteriormente, a MP nº 32/1989, publicada no DOU de 16/janeiro/1989, e convertida na Lei nº 7.730/1989, art. 17, I, determinou a correção dos saldos de poupança, no mês de fevereiro/1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT, verificado no mês de janeiro/1989, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento). 24. Embora o Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, na redação dada pelo Dec.-Lei nº 2.311/1986, tenha determinado a incidência da Letra do Banco Central - LBC ou de outro índice fixado pelo Conselho Monetário Nacional aos depósitos de poupança e a MP nº 32/1989 (Lei 7.730/1989), art. 17, I, convertida na Lei nº 7.730/1989, tenha estabelecido a correção da poupança pelo rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT verificado no mês de janeiro/1989, a jurisprudência reconhece que as disposições da medida provisória referida não se aplicam aos rendimentos relativos aos períodos aquisitivos mensais iniciados anteriormente à sua publicação, ocorrida em 15/janeiro/1989. 25. A regra prevista na MP nº 32/89, convertida na Lei 7.730/89, art. 17, inciso I, para correção dos depósitos de poupança, aplica-se apenas a partir de 16/janeiro/1989, não podendo alcançar os contratos em curso anteriormente a essa data. 26. Por conseguinte, somente em relação às cadernetas de poupança com data-base até o 15º (décimo-quinto) dia do mês poderia ser admitida a correção monetária com base no(s) IPC's apurados nos meses de janeiro e fevereiro/1989. 27. O IPC de janeiro/1989 (42,72%), portanto, deve ser aplicado como índice de correção monetária apenas aos depósitos de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15/janeiro/1989, conforme os seguintes julgados: STJ - 3ª T., AGA nº 964160/RS, DJE 28/08/2008; TRF 2ª R. - 5ª T. Esp., AC nº 334374/RJ, DJU 04/11/2008, pág. 98; e TRF 5ª R., 1ª T., AC nº 452979/PB, DJU de 14/11/2008, pág. 279. 28. Quanto às provas juntadas aos autos, os documentos apresentados pela(s) parte(s) (fls. 102/111), referentes às cadernetas de caderneta(s) de poupança objeto desta ação, trazem as seguintes informações: Conta(s) Data-base Mês/ano (IPC) Mês de incidência Saldo(s) 387-4 (fls. 103) 08 Jun/87 (26,06%) Jan/89 (42,72%) Julho/1987 Fevereiro/1989 *** NCz$ 433,33 650-4 (fls. 105) 09 Jun/87 (26,06%) Jan/89 (42,72%) Julho/1987 Fevereiro/1989 *** NCz$ 3.275,76 796-9 (fls. 106) 01 Jun/87 (26,06%) Jan/89 (42,72%) Julho/1987 Fevereiro/1989 *** NCz$ 2.653,92 1614-3 (fls. 108) 17 Jun/87 (26,06%) Jan/89 (42,72%) Julho/1987 Fevereiro/1989 *** NCz$ 1.630,80 2221-6 (fls. 110) 10 Jun/87 (26,06%) Jan/89 (42,72%) Julho/1987 Fevereiro/1989 *** NCz$ 598,91 4517-8 (fls. 111) 02 Jun/87 (26,06%) Jan/89 (42,72%) Julho/1987 Fevereiro/1989 *** NCz$ 1.315,70 29. No tocante às cadernetas de poupança nºs 387-4, 650-4, 796-6, 1614-3, 2221-6 e 4517-8, a R. CEF informou (fls. 96/101) que não foram localizadas informações sobre a existência de saldos à época da incidência do IPC de junho/1987, razão pela qual inexiste plausibilidade jurídica para a aplicação desse índice, visto que os autos não informam a base de cálculo, ou seja, o(s) depósito(s) do mês de junho/1987, necessários à liquidação da parcela correspondente à correção monetária pelo percentual de 26,06%. 30. Ademais, o(a) A. não faz jus à correção do saldo da caderneta de poupança nº 1614-3, Ag. CEF nº 1010 (fls. 108), pelo IPC de janeiro/1989 (42,72%) posto que o "dia limite" (data-base) de correção dessa conta foi fixado na segunda quinzena do mês (dia 17), sendo que o índice referido somente deve incidir, a título de correção monetária, sobre os depósitos de cadernetas de poupança iniciadas ou com data-base na primeira quinzena do mês, conforme os precedentes anteriormente apresentados. 31. A MP nº 32/1999, convertida na Lei nº 7.730/1989, dispôs em seu art. 1º, § 1º, em vigor a partir de 16/janeiro/1989, que o cruzado novo corresponderia a um mil cruzados, razão pela qual o(s) valor(es) expresso(s) em cruzado(s) (Cz$), no tocante ao mês de incidência do IPC de janeiro/1989, foram dividido(s) por mil, para obtenção da expressão monetária em cruzados novos (NCz$). 32. Os extratos da(s) caderneta(s) de poupança (fls. 102/111) demonstram que a CEF aplicou ao(s) saldo(s) da(s) caderneta(s) do(a) A., no período 15/janeiro/1989 a 15/fevereiro/1989, o percentual de 22,36%, fato que pode ser verificado mediante a divisão do "seguro inflação" pelo saldo existente no mês de janeiro/1989; por exemplo: na conta nº 013.387-4 (fls. 103), ao saldo existente em janeiro/1989, no valor de NCz$ 433,33, a CEF creditou, a título de correção monetária, em fevereiro/1989, o montante de NCz$ 96,88, o que equivale a 22,36% ([NCz$ 96,88 ? NCz$ 433,33] x 100 = 22,36%), existindo, portanto, uma diferença em favor do(a) A. equivalente a 20,36% (42,72% - 22,36%). 33. Vale salientar, por fim, que os pedidos devem ser interpretados restritivamente, nos termos do CPC, art. 293, não havendo plausibilidade jurídica para inclusão dos juros contratuais da poupança, sendo considerado incluídos no pedido, independentemente de requerimento expresso, apenas os juros legais, mas não os juros remuneratórios, cuja pretensão deve vir expressamente formulada na inicial. (STJ - 4ª T., REsp nº 306353/PR, Rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJU 07/04/2003, pág. 00290). 34. Isto posto, fundamento no CPC, art. 269, I, e na legislação e jurisprudência referidas, acolho parcialmente os pedidos formulados por ANNIBAL PEIXOTO FILHO e condeno a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ao pagamento do valor da correção monetária resultante da incidência do índice de 22,36% aos saldos das cadernetas de poupança nº(s) 387-4 (fls. 103), 650-4 (fls. 105), 796-9 (fls. 107), 2221-6 (fls. 110) e 2221-6 (fls. 110), existentes em janeiro/1989, conforme especificado anteriormente em quadro-explicativo (item 28, supra), sendo esse percentual correspondente à diferença entre a atualização monetária aplicada (22,36%) ao(s) saldo(s) de poupança e o índice devido referente ao IPC de janeiro/1989 (42,72%), devendo ser compensados eventuais pagamentos sob o mesmo título, ficando indeferidos os demais pedidos, por falta de amparo legal. 35. O valor da condenação deverá ser acrescido de correção monetária, até a data de citação, de acordo com os critérios estabelecidos no Manual de Orientação de Procedimentos para Cálculos na Justiça Federal, editado pelo Conselho de Justiça Federal; a partir daí, deverá ser aplicada a taxa SELIC, abrangendo os juros moratórios e a correção monetária, com exclusão de qualquer outro índice de atualização. 36. Em face da inexistência de pedido expresso na inicial, inexiste plausibilidade para inclusão de juros remuneratórios na conta de liquidação, não sendo admissível a incidência de juros contratuais quando requeridas, tão-somente, diferenças de correção monetária e de juros moratórios, mormente porque os juros remuneratórios não são acessórios da correção monetária no contexto da remuneração das cadernetas de poupança (STJ - 2ª Sç., REsp nº 730.325/PR, Rel. Ministro Carlos Alberto Menezes Direito, DJU 01/02/2006, p. 427; e TRF 5ª R., 1ª T., AC nº 436084/PE, Rel. Des. Fed. Francisco Cavalcanti, DJU 14/05/2008, pág. 323). 37. Honorários advocatícios à base de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação, a serem proporcionalmente distribuídos entre as partes, tendo em visa a sucumbência recíproca, nos termos do CPC, art. 21, cabendo ao(à)(s) advogado(a)(s) do(a) A. metade do montante dos honorários devidos, pois a parte adversa sucumbiu em apenas 50% (cinqüenta por cento) do total de índices pedidos na inicial, atribuindo-se ao(s) advogado(s) da CEF a outra metade dos honorários, tudo a ser apurado em liquidação do julgado. 38. Custas ex lege. 39. P. R. I. João Pessoa, 04/FEV/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

0005952-75.2007.4.05.8200 MARIZETE GOMES DA SILVA (Adv. JULIANNA ERIKA PESSOA DE ARAUJO, NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE)

Processo: 2007.82.00.005952-7 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): MARIZETE GOMES DA SILVA Ré: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF SENTENÇA Vistos, etc. MARIZETE GOMES DA SILVA propôs ação ordinária em desfavor da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, c/c pedido de requisição de documentos, objetivando receber diferenças resultantes da aplicação, ao(s) saldo(s) de caderneta(s) de poupança, dos expurgos inflacionários referentes aos IPC's de janeiro/1989 (42,72%), março/1990 (84,32%), abril/1990 (44,80%), maio/1990 (7,87%) e fevereiro/1991 (21,87%), com juros e correção monetária. 2. A petição inicial (fls. 03/27) veio aos autos acompanhada de procuração (fls. 28) e documentos (fls. 29/38), alegando textualmente o seguinte: a) o(a) A. era titular de caderneta(s) de poupança em agência(s) da Caixa Econômica Federal - CEF, durante os meses de incidência dos expurgos inflacionários; b) em razão da alteração na sistemática de atualização das contas, a CEF aplicou ao(s) saldo(s) de poupanças valores inferiores aos devidos a título de correção monetária; c) assim, a instituição bancária, ao deixar de atualizar os saldos da(s) caderneta(s) de poupança pelos índices devidos, acarretou prejuízos financeiros ao(à) titular do(s) depósito(s). 3. Despacho (fls. 42) indeferiu a inversão do ônus da prova e determinou ao(à) A. que apresentasse documentos pertinentes à(s) caderneta(s) de poupança referida(s) na inicial. 4. A contestação (fls. 45/69) foi apresentada no prazo legal, tendo a R. CEF argüido a prescrição do direito de ação e suscitado a ausência de documentos indispensáveis à propositura do feito; no mérito, alegou que inexiste direito adquirido ao(s) expurgo(s) inflacionário(s) pretendido(s); disse também que os depósitos de caderneta(s) de poupança foram corrigidos pelo(s) índice(s) devido(s) e, ao final, requereu a extinção do processo; caso ultrapassadas a prejudicial de mérito, também pugnou pela rejeição do pedido, por falta de amparo legal. 5. O prazo para impugnação (fls. 69) decorreu sem manifestação do(a) A., conforme certidão (fls. 71) da Secretaria da Vara. 6. Em atendimento ao despacho inicial (fls. 42), o(a) A. informou haver requerido administrativamente os extratos da(s) caderneta(s) de poupança referida(s) na inicial, mas a CEF negou-se a fornecer os documentos. 7. Decisão (fls. 72) determinou à R. CEF que comprovasse o atendimento, no prazo de trinta dias, da solicitação de documentos referentes à(s) caderneta(s) de poupança do(a) A., bem como informasse os saldos existentes, à época dos expurgos, na(s) conta(s) bancária(s) referida(s). 8. A CEF apresentou manifestação e documentos (fls. 73/81) em resposta à determinação deste Juízo (fls. 72), tendo o(a) A. se manifestado a respeito, no prazo do CPC, art. 398 (fls. 83/84), reiterando o pedido de requisição de extratos. 9. Autos conclusos (fls. 114). Relatados, DECIDO. 10. Os elementos apresentados pelas partes possibilitam o julgamento antecipado da lide, nos termos do CPC, art. 330, I, in fine, sendo desnecessária dilação probatória, mormente porque os documentos existentes sobre a(s) caderneta(s) de poupança foram juntados aos autos e não há necessidade de produção de prova em audiência. 11. A inversão do ônus da prova não se mostra viável, posto que os elementos probatórios colacionados não demonstram a verossimilhança de todas as alegações, não se aplicando, ao caso, as disposições da Lei nº 8.078/1990, art. 6º, VIII. 12. A prejudicial de mérito suscitada pela CEF não merece acolhimento, visto que, nas ações de cobrança de valores referentes à incidência de expurgos inflacionários sobre depósitos de caderneta de poupança, o pedido de aplicação de determinado índice de correção monetária constitui o próprio crédito principal, pois se incorpora ao saldo, não perfazendo mero acessório; assim, não se aplica o prazo prescricional de cinco anos previsto no antigo CC/1917, art. 178, § 10, III, prescrição essa atualmente trienal, consoante o CC/2002, art. 206, § 3º, III; na hipótese dos autos, tratando-se de ação pessoal, o prazo prescricional é de vinte anos (STJ - 2ª T., REsp. nº 636396/RS, Rel. Min. Eliana Calmon, DJU 23/05/2005, pág. 212). 13. No caso, não houve requerimento de correção de depósito de poupança pelo IPC de junho/1987 e, em relação ao IPC de janeiro/1989, a sistemática de atualização da(s) caderneta(s) de poupança foi modificada efetivamente pela Lei nº 7.730/1989, art. 17, I, em fevereiro/1989; assim, a(s) data(s) de "aniversário" da(s) conta(s) em fevereiro/1989 representa(m) o termo inicial do prazo prescricional de vinte anos para cobrança da diferença referente ao índice de 42,72%, constituindo a(s) data(s) de violação do direito à incidência do expurgo, quando o(a) titular de depósito(s) de poupança teve aplicação a menor da correção monetária devida, em face da alteração dos critérios de atualização da(s) caderneta(s) de poupança, sendo o termo final da prescrição vintentária a(s) mesma(s) data(s)-limite(s)/de "aniversário" para correção monetária da(s) conta(s) remunerada(s) em fevereiro/2009; contudo, esta ação foi proposta em 20/junho/2007 (fls. 03), antes do decurso do decurso do prazo prescricional. 14. No mérito, a inicial informou que a CEF deixou de creditar, de forma regular, ao(s) saldo(s) de caderneta(s) poupança do(a) A., os valores dos expurgos inflacionários referentes aos IPC's dos períodos indicados, devendo-se analisar cada um desses índices de atualização monetária. 15. Quanto ao IPC de janeiro/1989 (42,72%), referentes ao "Plano Verão", o Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, estabelecera que os saldos das cadernetas de poupança seriam reajustados, a partir de 1º/março/1986, pelo IPC - Índice de Preços ao Consumidor, calculado pelo IBGE. 16. O Dec.-Lei nº 2.290/1986, art. 1º, modificou a redação do Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, tendo estipulado que os saldos das cadernetas de poupança seriam reajustados pelos rendimentos das Letras do Banco Central, mantidas as taxas de juros previstas na legislação correspondente. 17. O Dec.-Lei nº 2.311/1986, art. 1º, também alterou a redação do Dec. nº 2.284/1986, art. 12, dispondo que os saldos das cadernetas de poupança seriam corrigidos pelos rendimentos das Letras do Banco Central (LBC) ou por outro índice que viesse a ser fixado pelo Conselho Monetário Nacional. 18. Posteriormente, a MP nº 32/1989, publicada no DOU de 16/janeiro/1989, e convertida na Lei nº 7.730/1989, art. 17, I, determinou a correção dos saldos de poupança, no mês de fevereiro/1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT, verificado no mês de janeiro/1989, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento). 19. Embora o Dec.-Lei nº 2.284/1986, art. 12, na redação dada pelo Dec.-Lei nº 2.311/1986, tenha determinado a incidência da Letra do Banco Central - LBC ou de outro índice fixado pelo Conselho Monetário Nacional aos depósitos de poupança e a MP nº 32/1989 (Lei 7.730/1989), art. 17, I, convertida na Lei nº 7.730/1989, tenha estabelecido a correção da poupança pelo rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT verificado no mês de janeiro/1989, a jurisprudência pacificou-se no sentido de que as disposições da medida provisória referida não se aplicam aos rendimentos relativos aos períodos aquisitivos mensais iniciados anteriormente à sua publicação, ocorrida em 15/janeiro/1989. 20. A regra prevista na MP nº 32/89, convertida na Lei 7.730/89, art. 17, inciso I, para correção dos depósitos de poupança, aplica-se apenas a partir de 16/janeiro/1989, não podendo alcançar os contratos em curso anteriormente a essa data. 21. Por conseguinte, somente em relação às cadernetas de poupança com data-base até o 15º (décimo-quinto) dia do mês poderia ser admitida a correção monetária com base no(s) IPC's apurados nos meses de janeiro e fevereiro/1989. 22. O IPC de janeiro/1989 (42,72%), portanto, deve ser aplicado como índice de correção monetária apenas aos depósitos de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15/janeiro/1989, conforme os seguintes julgados: STJ - 3ª T., AGA nº 964160/RS, DJE 28/08/2008; TRF 2ª R. - 5ª T. Esp., AC nº 334374/RJ, DJU 04/11/2008, pág. 98; e TRF 5ª R., 1ª T., AC nº 452979/PB, DJU de 14/11/2008, pág. 279). 23. Quanto ao IPC de março/1990 (84,32%), abril/90 (44,80%) e maio/1990 (7,87%), referentes ao "Plano Collor I", impõe-se verificar que, a partir da MP 168/90, posteriormente convertida na Lei nº 8.024/1990, parte do saldo da caderneta de poupança inferior a NCz$ 50.000,00 ficou disponibilizada ao titular da conta, enquanto os valores superiores a esse limite foram bloqueados pelo Banco Central, tendo sido atualizados, daí em diante, pelo BTN Fiscal. 24. As cadernetas de poupança com datas de aniversário na primeira quinzena de março/90 foram corrigidas devidamente em abril/1990, pelo IPC, conforme Comunicado do BACEN n. 2.067/1990. 25. Aliás, os autos não demonstram que a CEF tenha deixado de corrigir os depósitos de poupança pelo(s) referido(s) índice(s); com efeito, tomando-se como exemplo o extrato (fls. 36) da conta nº 14406-5 (fls. 36), verifica-se que a correção monetária dessa caderneta de poupança incidiu no percentual de 84,32% ([NCz$ 68.935,97 ? NCz$ 81.755,19] x 100 = 84,32%). 26. A Lei nº 8.024/1990, art. 6º, § 2º, objeto de conversão da MP nº 168/1990 que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor não se apresenta inconstitucional. 27. Nesse sentido, a Súmula nº 725 do STF dispõe que "é constitucional o § 2º do art. 6º da Lei 8.024/1190, resultante da conversão da Medida Provisória 168/1990, que fixou o BTN Fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I." 28. Os IPC's de março/1990 (84,32%), abril/90 (44,80%) e maio/1990 (7,87%), portanto, são indevidos como índices de correção monetária de depósitos de cadernetas de poupança, conforme os seguintes precedentes: STJ, REsp. 124.864/PR, 1ª Seção, DJ 28/09/98, pág. 03; TRF 5ª R., 1ª T., AC nº 452979/PB, DJU 14/11/2008, pág. 279; e TRF 5ª R., 2ª T., AC nº 448770/PB, DJU 08/10/2008, pág. 264). 29. Desta forma, inexiste plausibilidade para a aplicação dos IPC's de março, abril e maio /1990, nos percentuais pretendidos, ao(s) saldo(s) de caderneta(s) de poupança eventualmente existente(s) nos respectivos meses. 30. Quanto ao IPC de fevereiro/1991 (Plano Collor II), não merece acolhimento a incidência do expurgo em fevereiro/1991, referente ao IPC de janeiro (Plano Collor II), pois a MP 294, convertida na Lei 8.177/91, estabeleceu a TRD como índice de correção das poupanças a partir de 1º/fevereiro/1991. 31. Todavia, mesmo que se admitisse a incidência de todos os expurgos requeridos sobre saldo(s) de poupança, a instituição depositária somente poderia responder pela aplicação integral dos expurgos no tocante às contas de poupança com data de aniversário anterior ao dia 15 (quinze) do mês de referência. 32. Após o bloqueio dos cruzados novos, passou-se a utilizar o BTNF como índice de atualização monetária dos saldos disponibilizados ao BACEN, sendo indevido, portanto, o percentual de 21,87%, referente ao IPC de fevereiro/91 (TRF 5ª R., 1ª T., AC nº 449658/PB, Rel. Des. Fed. José Maria Lucena, DJU 14/11/2008, pág. 382). 33. Quanto às provas juntadas aos autos, os documentos apresentados (fls. 32/38 e 74/80), referentes às cadernetas de caderneta(s) de poupança objeto desta ação, trazem as seguintes informações: Conta(s) Data-base Mês/ano (IPC) Período de incidência Saldo(s) 14.406-5 01 Jan/89 (42,72%) Fevereiro/1989 Cz$ 2.921.723,99 (fls. 34) 34. No tocante ao índice de 26,06%, não houve qualquer pedido nestes autos de incidência desse expurgo e, além disso, a CEF informou (fls. 73) não haver encontrado saldo no mês de incidência do IPC de junho/1987 na caderneta de poupança nº 14.406-5, razão pela qual inexiste plausibilidade jurídica para a aplicação desse índice. 35. Por outro lado, em face da plausibilidade jurídica apenas para a aplicação do IPC de janeiro/1989 (42,72%), como índice de correção monetária de caderneta(s) de poupança, apresenta-se irrelevante cogitar sobre a existência, ou não, de saldo na(s) caderneta(s) de poupança de que tratam os autos, nos meses de incidência dos demais expurgos. 36. Na fase de liquidação do julgado, deverá ser levado em consideração que a MP nº 32/1999, convertida na Lei nº 7.730/1989, dispôs em seu art. 1º, § 1º, em vigor a partir de 16/janeiro/1989, que o cruzado novo corresponderia a um mil cruzados, razão pela qual o(s) valor(es) expresso(s) em cruzado(s) (Cz$) deverá(ão) ser dividido(s) por mil, a fim de se obter a sua expressão em cruzados novos (NCz$). 37. Os extratos da(s) caderneta(s) de poupança (fls. 34 e 74) demonstram que a CEF aplicou ao(s) saldo(s) da(s) caderneta(s) do(a) A., no período 15/janeiro/1989 a 15/fevereiro/1989, o percentual de 22,36%, fato que pode ser verificado mediante a divisão do "seguro inflação" pelo saldo existente no mês de janeiro/1989; por exemplo: na conta nº 013.14406-5 (fls. 34), ao saldo existente em janeiro/1989, no valor de Cz$ 2.921.723,99, a CEF creditou, a título de correção monetária, em fevereiro/1989, o montante de Cz$ 653.270,00, o que perfaz 22,36% ([Cz$ 653.270,00 ? Cz$ 2.921.723,99] x 100 = 22,36%), existindo, portanto, uma diferença em favor do(a) A. equivalente a 20,36% (42,72% - 22,36%). 38. Vale salientar, por fim, que os pedidos devem ser interpretados restritivamente, nos termos do CPC, art. 293, não havendo plausibilidade jurídica para inclusão dos juros contratuais da poupança, sendo considerado incluídos no pedido, independentemente de requerimento expresso, apenas os juros legais, mas não os juros remuneratórios, cuja pretensão deve vir expressamente formulada na inicial. (STJ - 4ª T., REsp nº 306353/PR, Rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJU 07/04/2003, pág. 00290). 39. Isto posto, fundamento no CPC, art. 269, I, e na legislação e jurisprudência referidas, acolho parcialmente os pedidos formulados por MARIZETE GOMES DA SILVA e condeno a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ao pagamento do valor da correção monetária resultante da incidência do índice de 22,36% (vinte e dois inteiros e trinta e seis centésimos por cento) ao saldo da caderneta de poupança nº 013.14406-5 (fls. 34), existente em janeiro/1989, no valor de Cz$ 2.921.723,99 (dois milhões, novecentos e vinte e um mil, setecentos e vinte e três cruzados e noventa e nove centavos), sendo esse percentual correspondente à diferença entre a atualização monetária aplicada pela CEF (22,36%) ao(s) saldo(s) de poupança e o índice devido referente ao IPC de janeiro/1989 (42,72%), devendo ser compensados eventuais pagamentos sob o mesmo título e observadas as disposições da Lei nº 7.730/1989, art. 1º, § 1º (cf. item 36, supra), por ocasião da liquidação, ficando indeferidos os demais pedidos, por falta de amparo legal. 40. O valor da condenação deverá ser acrescido de correção monetária, até a data de citação, de acordo com os critérios estabelecidos no Manual de Orientação de Procedimentos para Cálculos na Justiça Federal, editado pelo Conselho de Justiça Federal - CJF; a partir daí, deverá ser aplicada a taxa SELIC, abrangendo os juros moratórios e a correção monetária, com exclusão de qualquer outro índice de atualização. 41. Em face da inexistência de pedido expresso na inicial, não há plausibilidade jurídica para a inclusão de juros remuneratórios na conta de liquidação, não sendo admissível a incidência de juros contratuais quando requeridas, tão-somente, diferenças de correção monetária e de juros moratórios, mormente porque os juros remuneratórios não são acessórios da correção monetária no contexto da remuneração das cadernetas de poupança (STJ - 2ª Sç., REsp nº 730.325/PR, Rel. Ministro Carlos Alberto Menezes Direito, DJU 01/02/2006, p. 427; e TRF 5ª R., 1ª T., AC nº 436084/PE, Rel. Des. Fed. Francisco Cavalcanti, DJU 14/05/2008, pág. 323). 42. Honorários advocatícios à base de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação, a serem proporcionalmente distribuídos entre as partes, tendo em visa a sucumbência recíproca, nos termos do CPC, art. 21, cabendo ao(à)(s) advogado(a)(s) do(a) A. 1/5 (um quinto) do montante dos honorários devidos, pois a parte adversa sucumbiu em apenas 20% (vinte por cento) do total de índices pedidos na inicial, atribuindo-se ao(s) advogado(s) da CEF os outros 4/5 (quatro quintos) dos honorários, tudo a ser apurado em liquidação do julgado. 43. Custas ex lege. 44. P. R. I. João Pessoa, 04/FEV/2009. João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 6

   

0006499-81.2008.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) x VALÉRIA TEIXEIRA BARBOSA E OUTROS (Adv. AMERICO GOMES DE ALMEIDA, ANA ERIKA MAGALHAES GOMES)

Medida Cautelar Inominada nº 2008.82.00.006499-0 Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) Autores: VALÉRIA TEIXEIRA BARBOSA e OUTROS Ré : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF S E N T E N Ç A Vistos, etc. VALÉRIA TEIXEIRA BARBOSA, MARIA DA PIEDADE MEDEIROS PAIVA e SEBASTIÃO PAIVA DOS SANTOS propuseram medida cautelar inominada incidental, com pedido de liminar, em desfavor da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF objetivando a suspensão do edital de alienação extrajudicial de imóvel financiado pelas regras do Sistema Financeiro da Habitação - SFH. 2. Na petição inicial (fls. 03/05), que veio acompanhada de procuração (fls. 06) e documentos (fls. 08/21), os AA. expuseram textualmente o seguinte: "(...) é proprietária de imóvel financiado pela demandada conforme documentação acostada. (...) ajuizou AÇÃO ORDINÁRIA REVISIONAL como número do processo 20078200005610-1, conforme anteriormente informado. Apesar de transcorridos mais de doze meses de tramitação processual, de modo que a demandada já tem ciência do processo em virtude da internet e outros meios eletrônicos de grande envergadura, esta mandou o imóvel litigioso para leilão, como se nada tivesse acontecido. A ação pede a revisão das mensalidades em face do excessivo ônus causado pelos juros. (...) pretende negociar o valor do imóvel para que não venha a se tornar devedora eterna, como é o caso do Brasil. Assim, pede na ação principal que sejam discutidos o anatocismo e a tabela price, além de uma avaliação do imóvel para saber se não está pago e quitado em valor além da sua avaliação. Encargos financeiros não podem onerar a autora a ponto de comprometer sua vida e a sua sobrevivência. Deste modo, decidiu pedir o deferimento de uma liminar para que seja garantido o seu direito de possuir um imóvel sem que tenha que perder tudo o que ganha em benefício da demandada." 3. As custas iniciais foram pagas (fls. 07) conforme a Lei n.º 9.289/96, art. 14, inc. I (RCJF). 4. Decisão fundamentada (fls. 31) indeferiu o pedido de liminar por falta de pressuposto legal. 5. Contestação tempestiva da R. CEF (fls. 37/40) argüiu preliminar de falta de interesse processual e, no mérito a improcedência do pedido nos seguintes termos, especialmente: "(...) cumpre salientar que, apesar de existir ação (20078200005610-1) em curso discutindo cláusulas do contrato habitacional, inexiste qualquer decisão judicial proferida no referido processo impedindo a CAIXA de promover a execução do contrato. Muito pelo contrário, houve decisão interlocutória favorável à CAIXA, indeferindo o pedido de antecipação dos efeitos parciais da tutela requerida pelos autores para impedir a CEF de cobrar qualquer valor referente ao encargo mensal do contrato de mútuo hipotecário, bem como de promover a execução extrajudicial da garantia hipotecária. Ademais, o simples fato de o mutuário ingressar com ação revisional visando discutir cláusulas do contrato não desautoriza a execução/cobrança da dívida à critério do credor." 6. Impugnação igualmente tempestiva (fls. 68/69) reiterou, em essência, os termos da inicial. 7. Autos conclusos (fl. 70). Relatados, DECIDO. 8. Preliminarmente, rejeito a alegada falta de interesse processual argüida pela R. CEF (fls. 37/38), tendo em vista que a tutela antecipatória requerida na Ação Revisional nº 2007.82.00.005610-1 (fls. 08/20) não abrangeu expressamente os atos de execução extrajudicial do contrato de mútuo hipotecário, valendo salientar que o pedido deduzido nesta ação teve caráter inequivocamente cautelar, não se confundindo com o pedido de antecipação dos efeitos de tutela de mérito formulado naquela ação principal. 9. No mais, o fumus boni juris não está presente haja vista que os AA. não demonstraram qualquer medida judicial na ação revisional referida, ou em qualquer outra, determinando a suspensão da execução extrajudicial do contrato referido. 10. Os autos não esclarecem devidamente os motivos que teriam levado a R. CEF a promover a execução extrajudicial do contrato, nem há informação acerca da regularidade das obrigações contratuais dos mutuários; também não foram anexadas aos autos cópias dos editais de alienação, nem houve a especificação do imóvel objeto destes autos; aliás, a vedação da alienação do imóvel dado como garantia não está relacionada à existência, ou não, de litígio prévio, mas à regularidade dos pagamentos das prestações do mútuo hipotecário, sendo viável que, ante a ausência de decisão judicial em contrário, a R. CEF possa executar extrajudicialmente o contrato de mútuo hipotecário quando o(a) mutuário(a) faltar ao pagamento de, pelo menos, 03 (três) prestações do financiamento, nos termos do Dec.-Lei nº 70/66. 11. A propósito, o Dec.-Lei nº 70/66 autoriza a publicação de editais para alienação, em hasta pública, de imóvel hipotecado, caso o(a) mutuário(a) não purgue a mora no prazo concedido, tendo esse diploma legal, inclusive, sido declarado constitucional (STF, RE nº 223075/DF, Rel. Min. Ilmar Galvão, DJU nº 06/novembro/1998, pág. 00022). 12. O periculum in mora tampouco está presente, pois os AA. não comprovaram, documentalmente, a impossibilidade de purgação de eventual mora da dívida para suspensão da alienação extrajudicial do imóvel objeto de financiamento, tendo os autos sido instruídos apenas com procuração (fls. 06), com comprovante de pagamento das custas iniciais do processo (fls. 07), com cópia da inicial do Processo nº 2007.82.00.005610-1 (fls. 08/20), com extrato de movimentação processual (fls. 21), com mandados de intimação (fls. 22) para pagamento de custas processuais na Ação Revisional nº 2007.82.00.005610-1, com reiteração (fls. 30) do pedido de liminar e aviso de leilão (fls. 30). 13. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 269, I, e demais legislação e jurisprudência referidas, rejeito o pedido formulado pelos AA. VALÉRIA TEIXEIRA BARBOSA, MARIA DA PIEDADE MEDEIROS PAIVA e SEBASTIÃO PAIVA DOS SANTOS, com resolução de mérito, por falta de amparo legal. 14. Honorários advocatícios pelos AA., conforme o CPC, art. 20, § 4º, de R$500,00 (quinhentos reais). 15. Custas ex lege. 16. P.R.I. João Pessoa, 03/fevereiro/2009 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 7 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0001110-86.2006.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES PUBLICOS FEDERAIS EM SAUDE E PREVIDENCIA DO ESTADO DA PARAIBA (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, ADEILTON HILARIO JUNIOR, JOSE RAMOS DA SILVA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação ordinária - Classe 29 Processo n.º 2006.82.00.001110-1 Autor: Sindicato dos Trab. Públicos Federais em Saúde e Previdência do Estado da Paraíba Ré: União Código Assessoria n.º S253 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada pelo SINDICATO DOS TRABALHADORES PÚBLICOS FEDERAIS EM SAÚDE E PREVIDÊNCIA DO ESTADO DA PARAÍBA, devidamente qualificado na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra a UNIÃO, objetivando seja assegurado o pagamento, aos seus substituídos processuais, da vantagem pecuniária denominada "adiantamento do PCCS", incorporada aos proventos deles em decorrência de reclamação trabalhista proposta no ano de 1989. 02.- Da inicial extrai-se o seguinte: a) a parte autora propôs, em 1989, reclamação trabalhista contra o extinto INAMPS - Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social, objetivando o reconhecimento da natureza salarial da vantagem pecuniária PCCS (adiantamento pecuniário) e o seu correto reajustamento; b) obteve vitória no âmbito TRT da 13ª Região e também do TST, os quais, respectivamente, declararam improcedente o recurso ordinário e não conheceram do recurso de revista, ambos interpostos pela União. c) contudo, a parte ré ainda propôs ação rescisória para desconstituir o julgado, perante o TRT da 13ª Região, alegando erro de fato e violação de literal disposição da Lei n.º 7.686/1988 e da Lei n.º 8.460/1992, pretensão esta que, contudo, não fora acolhida; d) não obstante a total vitória dos servidores perante o Poder Judiciário, a parte ré, através da Coordenação-Geral de Recursos Humanos, órgão vinculado ao Ministério da Saúde, informou-os de que o pagamento da vantagem seria suspenso, por determinação do TCU, pois estaria havendo pagamento em duplicidade, o quê viola a coisa julgada; ademais, o TCU não detém competência para determinar a suspensão do pagamento da gratificação de que se trata; e) ainda que não acolhidos os argumentos anteriores, a União decaiu do direito de rever os atos administrativos aqui discutidos, nos termos do artigo 54 da Lei n.º 9.784/99. 03.- Com a inicial, vieram os documentos de fls. 33/179. 04.- A parte autora interpôs agravo de instrumento (fl. 187/215) contra a decisão que indeferiu o pedido de antecipação dos efeitos da tutela (fls. 182), tendo nele sido concedida medida liminar substitutiva. (AGTR n.º 67.007) 05.- Houve impugnação à contestação (fls. 448/452). 06.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÂO ILEGITIMIDADE ATIVA 07.- Através desta preliminar, a União, na verdade, levantou uma questão de ordem formal, não de ordem estritamente processual, na medida em que não apontou exatamente uma questão de ilegitimidade, mas de irregularidade na forma como o sindicato veio aos autos, destituído de autorização expressa de seus substituídos, bem como omisso no seu dever de apresentar a relação deles e respectivos endereços. 08.- De fato, a falha existiu, mas não na extensão alegada pela União, uma vez que, se não foi junta aos autos, já na inicial, a relação dos substituídos e seus respectivos endereço, foi apresentada a ata da assembléia entendida como necessária pela ré (fls. 51/63). 09.- Mesmo assim, a petição inicial não deveria ter sido recebida sem uma prévia emenda saneadora, porém tal não se deu e o MM Juiz do caso deflagrou a marcha processual que seguiu normalmente, até que a parte autora, às fls. 332, veio aos autos e apresentou a mencionada lista, contudo sem os respectivos endereços. 10.- Apesar de o cumprimento das exigências legais ter sido tardio, além de incompleto, a questão da legitimidade resta incólume e o vício da ausência de endereço, nesta fase da marcha, terá seu saneamento postergado para uma eventual fase de execução de sentença, devendo qualquer questão relacionada à filiação de determinado servidor ser ali discutida. 11.- Esta não é a solução desejável, porém parar o processo agora traria mais prejuízos para a distribuição da justiça, de maneira que, apesar de louvar a preocupação da União, rejeito a preliminar. MÉRITO 12.- No dia 25 de setembro de 1989, o ora autor ingressou com uma reclamação trabalhista (fls. 100/104), cujo objetivo era, entre outros, ver reconhecida a natureza salarial de uma verba paga a título de "adiantamento de PCCS". 13.- Essa pretensão foi acolhida pela Justiça do Trabalho, tanto em primeiro grau, quanto em grau de recurso. 14.- A União ajuizou uma ação rescisória, porém não obteve êxito, de modo que o título executivo, formado a favor da pretensão do sindicato, transitou em julgado e resistiu a uma tentativa de desconstituição, restando incólume. 15.- Assim, o tal "adiantamento de PCCS", que vinha sendo pago por força de lei e submetido a regime próprio de reajuste, passou a ser tratado como verba salarial pura e simplesmente, isso para fins de incidência de reajustes e vantagens de qualquer natureza. 16.- Note-se: em momento algum, esteve em disputa o recebimento do "adiantamento de PCCS", mas apenas a forma do seu tratamento no universo das verbas que compunham a remuneração dos servidores, então empregados. 17.- Foi nesses termos, portanto, que o título executivo restou cristalizado. 18.- Confira-se o dispositivo da sentença de fls. 104/108: "Decide, pois, a 4.º JCJ de João Pessoa, por unanimidade, julgar PROCEDENTE EM PARTE a reclamação do SINDICATO DOS TRABALHADORES PÚBLICOS FEDERAIS EM SAÚDE E PREVIDÊNCIA SOCIAL DO ESTADO DA PARAÍBA, para condenar o reclamado INSTITUTO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA MÉDICA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL ao pagamento das diferenças decorrentes da aplicação dos mesmos índices que reajustaram seu salário-base sobre os adiantamentos do Plano de Classificação de Cargos e Salários, a partir de novembro/87, bem como ao pagamento da URP no percentual de 26,02% sobre o salário de fevereiro/89 e os reflexos das URPs de abril e maio/88 sobre os salários dos meses subseqüentes, até as datas em que forem pagas. Condenada, ainda, ao pagamento de todas as parcelas salariais decorrentes da aplicação cumulativa desses percentuais, vencidas e vincendas, inclusive alusivas a férias, 13.º salário, FGTS e gratificações, a todos os seus empregados regidos pela CLT, com exclusão daqueles relacionadas às fls. 122/135." 19.- Confira-se também o seguinte trecho do acórdão proferido pelo Tribunal de Apelação, que, praticamente, manteve a sentença, em todos os seus termos: "A vantagem denominada Adiantamento do Plano de Classificação de Cargos e Salários, conhecida de forma simplificada como adiantamento do PCCS, tem indiscutível natureza salarial, conforme bem entendeu a sentença revisanda." 20.- Em suma, repetindo, não se discutiu, em momento algum, se o "adiantamento de PCCS" era, ou não, devido. O que se discutiu foi apenas a forma de seu tratamento no conjunto das verbas que compunham a remuneração dos então empregados do INAMPS, especialmente no tocante a forma de o atualizar e o reajuste, dentro de certo e determinado período: ADIANTAMENTO DO PCCS. SERVIDORES DO INSS O abono pecuniário denominado "adiantamento do PCCS" não é reajustado pelo Dec.-Lei nº 2.335/87 entre janeiro e outubro de 1988, por falta de previsão legal (Princípio da Reserva Legal). Tal "adiantamento", concedido por determinação administrativa, só foi regulamentado por lei posteriormente, com o advento da MP nº 20/88 convertida na Lei nº 7.686/88, que prevê, em seu art. 8º, o reajuste apenas a partir de novembro de 1988. Precedentes citados do STF: RMS 22.307, DJ 23/11/1998; do STJ: EREsp 153.734-PE, DJ 15/6/1998, e EREsp 148.893-MG, DJ 13/10/1998. EREsp 179.423-MG, Rel. Min. Felix Fischer, julgado em 24/2/1999. 21.- Tanto foi assim q ue o objetivo da ação rescisória proposta pela União não foi o de cessar o pagamento dessa verba, mas tão somente o de definir que a responsabilidade da Administração pelo seu pagamento somente se iniciou em novembro de 1988, com a edição da MP n.º 20, de 11 de novembro de 1988, bem como o tratamento que ele deveria receber em face das fatídicas regras de correção e reajuste da época em que o País possuía uma economia caótica, amadora e conduzida de forma pouco competente, permeada por planos econômicos atabalhoados. 22.- Enfim, o "adiantamento de PCCS" integrava o salário dos empregados, nele se fundindo e, aliás, essa era essa, exatamente, a tese do sindicato. 23.- Tendo incorporado-se aos salários, o "adiantamento de PCCS" não se constituía em uma verba à parte e, portanto, não pode, como querem os ora autores, ser indefinidamente pago em separado aos empregados, hoje servidores, imune e blindado às sucessivas políticas salariais implementadas pela Administração. 24.- Em tais termos, não há que se falar em ofensa à coisa julgada se, em momentos posteriores à formação da coisa julgada, a Administração resolve dar outra formatação à remuneração do pessoal a seu serviço, alterando o nome de rubricas, substituindo termos, extinguindo gratificações, transformando gratificações em VPNI, ressalvado, é claro, o princípio da irredutibilidade nominal. 25.- Por essas razões, é que a atitude da Administração, seguindo orientação do TCU, no sentido de suprimir formalmente o "adiantamento de PCCS", respeitada a irredutibilidade nominal, nada tem de ilegal, nem se apresenta como uma afronta à coisa julgada. Note-se que, no caso, como esse abono tinha natureza salarial, sequer, seria necessário o mecanismo da VPNI. 26.- Em suma, na presente demanda, o "adiantamento de PCCS" é tratamento como vantagem e se deseja que ela seja indefinidamente pago, porém, como visto, ele tinha natureza salarial sobre a qual incidiam vantagens, foi assim tratado pelo sindicato, em sua reclamação trabalhista, e foi, a final, absorvido e formalmente extinto com a Lei n.º 8.460/92 (artigo 4.º, II). 27.- Sobre o tema, confira-se: EMENTA: MANDADO DE SEGURANÇA. OFENSA À COISA JULGADA. INOCORRÊNCIA. AUSÊNCIA DO INTEIRO TEOR DA DECISÃO JUDICIAL TRANSITADA EM JULGADO. ATO DE APOSENTADORIA. DECADÊNCIA. INOCORRÊNCIA. OFENSA AO PRINCÍPIO DA AMPLA DEFESA E DO CONTRADITÓRIO. INOCORRÊNCIA. ART. 5º, LV E 71 DA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL. "ADIANTAMENTO DO PCCS". ABSORÇÃO. ART. 4º, II, DA LEI N. 8.460/92. POSSIBILIDADE DE PAGAMENTO DE PARCELA AUTÔNOMA A TÍTULO DE VANTAGEM PESSOAL NOMINALMENTE IDENTIFICADA - VPNI SOMENTE SE VERIFICADA DIFERENÇA A MENOR ENTRE VENCIMENTOS ANTERIORES E OS FIXADOS NA LEI NOVA. ART. 9º DA LEI N. 8.460/92. NECESSIDADE DE ANÁLISE DE FICHAS FINANCEIRAS ANTERIORES E POSTERIORES À COISA JULGADA E À PUBLICAÇÃO DA LEI. SEGURANÇA DENEGADA. 1. A ausência, entre os documentos juntados à inicial, do inteiro teor da decisão judicial transitada em julgado impede a análise da extensão da coisa julgada e da eventual ofensa à sua literalidade. 2. O ato de aposentadoria consubstancia ato administrativo complexo, aperfeiçoando-se somente com o registro perante o Tribunal de Contas. Submetido a condição resolutiva, não se operam os efeitos da decadência antes da vontade final da Administração. (GRIFEI) 3. O Tribunal de Contas da União, ao julgar a legalidade da concessão de aposentadoria, exercita o controle externo a que respeita o artigo 71 da Constituição, a ele não sendo imprescindível o contraditório. Precedentes [MS n. 24.784, Relator o Ministro CARLOS VELLOSO, DJ 19.05.2004; MS n. 24.728, Relator o Ministro GILMAR MENDES, DJ 09.09.2005; MS n. 24.754, Relator o Ministro MARCO AURÉLIO, DJ 18.02.2005 e RE n. 163.301, Relator o Ministro SEPULVEDA PERTENCE, DJ 28.11.97]. (GRIFEI) 4. A parcela denominada "adiantamento do PCCS" foi absorvida pelos vencimentos dos servidores públicos civis [art. 4º, II, da Lei 8.460/92]. 5. Se o valor fixado na Lei n. 8.460/92 fosse menor que o montante do vencimento anterior, somado às vantagens concedidas, a diferença deveria ser paga a título de vantagem individual nominalmente identificada, a fim de garantir a sua irredutibilidade [art. 9º da Lei n. 8.460/92]. 6. Não há ilegalidade na extinção de uma vantagem ou na sua absorção por outra, desde que preservada a irredutibilidade da remuneração. Precedente [MS n. 24.784, Relator o Ministro CARLOS VELLOSO, DJ 19.05.2004]. (GRIFEI) 7. O tratamento dado ao "adiantamento do PCCS" só poderia ser aferido por meio da análise das fichas financeiras anteriores e posteriores à Lei n. 8.460/92 e ao trânsito em julgado da sentença condenatória. Precedente [MS n. 22.094, Relatora a Ministra ELLEN GRACIE, DJ 25.02.2005]. 8. Segurança denegada. (STF, MS n.º 25.072, Relator o em. Min. MARCO AURÉLIO, Relator p/ Acórdão o em. Min. EROS GRAU, j. em 07.02.2007, Pleno, DJ de 27.04.2007, p. 62). 28.- O caso, então, é de se rejeitar a pretensão, integralmente, não havendo que se falar em decadência do direito de Administração, com base no artigo 54 da Lei n.º 9.784/99, uma vez que sem a aprovação e o registro perante o TCU, o ato da aposentadoria não se torna perfeito e acabado, nos termos do artigo 71 da Constituição Federal. III DISPOSITIVO 29.- Diante do exposto, rejeito a preliminar e JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial, apreciando e extinguindo a causa com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 30.- Condeno o autor, em face de sua sucumbência total, a pagar à parte ré, com base no art. 20, § 4.º, do CPC, honorários advocatícios que fixo em 20% sobre o valor atualizada da causa. 31.- Custas na forma da Lei n.º 9.286/96. 32.- Secretaria, com urgência, comunique o inteiro teor desta sentença ao em. Desembargador Federal relator do AGTR n.º 67.007. 33.- Cumpra-se. P.R.I. João Pessoa, 30 de outubro de 2008 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 1

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0000729-73.2009.4.05.8200 SÉRGIO TIBÚRCIO NÓBREGA (Adv. JOÃO PAULO SOARES NÓBREGA, RAFAELA MARIA DE LIMA LOPES, ANDRÉ D'ALBUQUERQUE TORREÃO) x PRESIDENTE DA COMISSAO DE EXAME DE ORDEM DA OAB/PB (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Mandado de Segurança - Classe 126 Processo n.º 2009.82.00.000729-9 Impetrante: Sérgio Tibúrcio Nóbrega Impetrado: Presidente da OAB (Seccional Paraíba) Código Assessoria n.º DDC044 DECISÃO 01.- Secretaria, intime a parte impetrante, através de seu ilustre advogado, para que, em 10 dias, venha aos autos e complemente a documentação que acompanha a inicial, trazendo aos autos cópia integral da prova realizada, do recurso administrativo interposto, bem como da íntegra da resposta da OAB, sob pena de indeferimento da inicial a extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos do artigo 267, I, do CPC. 02.- APONHA-SE na capa dos autos etiqueta indicando a existência de pedido liminar pendente de apreciação. 03.- Cumpra-se com prioridade. João Pessoa, 06 de fevereiro de 2009 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 1

   

0000740-05.2009.4.05.8200 GIOVANNY FRANCO FELIPE (Adv. CARLOS EDUARDO DOS SANTOS FARIAS, TONY MÁRCIO LEITE PEGADO, SAUL BARROS BRITO) x PRESIDENTE DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL PARAÍBA E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Mandado de Segurança - Classe 126 Processo n.º 2009.82.00.000740-8 Impetrante: Giovanny Franco Felipe Impetrado: Presidente da OAB (Seccional Paraíba) e Outro Código Assessoria n.º MSD002 DECISÃO 01.- A pretensão da parte impetrante consiste em obter uma ordem judicial que determine à Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Paraíba, que reavalie e novamente corrija a sua prova prático-profissional, relativa ao Exame da Ordem 2008.2, desta vez extirpando os erros de avaliação apontados na petição inicial. 02.- O pleito não merece ser atendido. 03.- É que, com relação à correção da prova prático-profissional, contra a qual esta demanda se dirige, já foi formulado recurso administrativo, a partir do qual a OAB analisou e respondeu todas as reclamações e considerações aviadas pelo ora impetrante, de maneira que não há que se determinar que a OAB realize nova avaliação. 04.- Em verdade, o que o impetrante deseja é que o Poder Judiciário acolha seus argumentos, se substitua à banca examinadora, determine que a OAB aplique na correção todas as considerações e conclusões apresentadas na inicial e lhe atribua outra nota. 05.- Como temos reiteradamente afirmado, não é dado ao Poder Judiciário substituir-se à banca de concursos e exames, conferindo interpretação própria a enunciados de questões e a respostas de candidatos. A razão desse entendimento encontra-se na compreensão de que os professores e as bancas examinadoras são soberanos na formulação de suas questões e na avaliação das respostas a elas dadas, posto que isso faz parte do processo de aprendizado, sendo mesmo essencial, nos cursos dos mais variados níveis, bem como faz parte da seleção, nos concursos e exames de proficiência. 06.- Em tais termos, o Poder Judiciário somente deverá intervir para remover ilegalidades e abusos de qualquer espécie, desde que estes possam ser objetivam e seguramente aferíveis. 07.- Por fim, quanto à questão de número cinco, o impetrante entende que, por tratar-se de dissertação, não poderia ser considerada uma questão elaborada sob a forma de situação-problema, nos termos em que determina o Provimento OAB n.º 109/2005, devendo, portanto, ser anulada. O impetrante também alega que a resposta dada pela comissão contra a impugnação administrativa que lhe fora dirigida nesse sentido, teria sido lacônica, não fundamentada e, portanto, em afronta aos ditames da Lei n.º 9.784/98. 08.- Ao contrário da revisão de correção de prova, a incompatibilidade alegada pelo impetrante com relação à questão de número cinco pode ser objetivamente aferida pelo Poder Judiciário, de maneira que, doravante, será devidamente analisada. 09.- Deveras, o Provimento n.º 109/2005 reporta-se a cinco questões práticas, e mais, a situações-problema, o que remete a questões que descrevam um caso hipotético, porém factível, e que demandem do candidato conhecimento técnico-jurídico suficiente para apontar uma solução com base no direito aplicável à espécie. São exemplos claros desse tipo de questão os quesitos 2, 3 e 4 da prova de fls. 19/42. 10.- Quanto mais a questão for genérica, referindo-se a dissertações ou perguntas abertas sobre institutos, conceitos e formas do direito, como é o caso da questão de número cinco, mais ela se afasta do padrão descrito no Provimento OAB n.º 109/2005, tornando-se menos prática e, portanto, mais distante da narrativa de uma situação-problema. 11.- Enfim, nesse ponto as razões da parte impetrante são consistentes. A parte impetrada, por sua vez, limitou-se a afirmar que a questão estaria dentro dos padrões exigidos, sem fazer maiores considerações. 12.- No entanto, apesar de não se enquadrar dentro dos padrões de forma exigidos pelo Provimento OAB n.º 109/2005, a questão sob discussão aborda, de forma muito clara e objetiva, temas relacionados ao Direito do Trabalho e constantes do conteúdo do edital de regência. Ao que parece, mais ou menos distante de uma questão prático-profissional e de uma situação problema, a questão, da forma como foi aviada, não trouxe prejuízo para o impetrante ou para qualquer outro candidato, antes se apresenta até mais simples, exigindo do candidato apenas conhecimentos gerais sobre o tema nela tratado, não se exigindo, pois, uma dada solução para um caso concreto. 13.- Ademais, a própria questão de número 1, não atacada pelo impetrante, apesar de não trazer o termo "dissertação", é igualmente mais distante do padrão apresentado pelo Provimento n.º 109/2005 do que as questões de número dois, três e quatro. 14.- Em tais termos, diante da ausência de qualquer prejuízo para o impetrante ou para qualquer outro candidato, mas, ao contrário, detectando a possibilidade de completa frustração do Exame da Ordem 2008.2, evento da mais alta relevância profissional, o caso é de indeferimento da liminar, devendo ser destacado que a OAB tem demonstrado a preocupação com a realização de exames cada mais bem feitos, sendo prova disso a contratação de uma das mais respeitas instituições selecionadoras de pessoal, que o CESPE, ligado à UNB. 15.- Em face do exposto, INDEFIRO O PEDIDO LIMINAR, nos termos do artigo 7.º da Lei n.º 1.533/51. 16.- Notifique-se a autoridade impetrada, para que preste as informações de estilo. 17.- Abra-se vista ao Ministério Púbico Federal, nos termos do art. 10 da Lei n. º 1.533/51 e, na seqüência, com ou sem manifestação, venham-me os autos conclusos para sentença. 18.- Secretaria, contudo, antes de notificar a autoridade apontada como coatora, intime-se a impetrante acerca desta decisão. João Pessoa, 06 de fevereiro de 2009 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 1

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000893-38.2009.4.05.8200 SEVERINA IRINEU DOS SANTOS (Adv. AILTON GOMES DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Mandado de Segurança - Classe 126 Processo n.º 2009.82.00.000893-0 Impetrante: Severina Irineu dos Santos Impetrado: Superintendente do INSS na Paraíba Código Assessoria n.º DDC045 DECISÃO 01.- Secretaria, intime a parte impetrante, através de seu ilustre advogado, para que, em 10 dias, venha aos autos e complemente a documentação que acompanha a inicial, trazendo aos autos extrato de informações do Sistema Único de Benefícios (DATAPREV - INFBEN), relativo ao Benefício n.º 21/116.517.226-4, referido no documento de fl. 11, sob pena de indeferimento da inicial e extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos do artigo 267, I, do CPC. 02.- APONHA-SE na capa dos autos etiqueta indicando a existência de pedido liminar pendente de apreciação. 03.- Cumpra-se com prioridade. João Pessoa, 06 de fevereiro de 2009 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 1

   

EMBARGOS À EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA 

   

0010930-95.2007.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA) x CARMA MARIA FERREIRA E OUTRO (Adv. JOSEFA INES DE SOUZA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA - PB Embargos à Execução Fundada em Sentença - Classe 75 Processo n.º 2007.82.00.010930-0 Embargante: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Embargado(a)(s): Carma Maria Ferreira e Outra Código Assessoria n.º S245 Sentença Tipo "B" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL opôs embargos à execução da obrigação de pagar, decorrente da sentença prolatada nos autos da Ação Ordinária n.º 93.0007956-5 (execução de sentença), proposta por CARMA MARIA FERREIRA e NESSY SILVA DE LIMA, objetivando a redução do valor do crédito executado. 02.- Em sua petição inicial, o embargante alegou, em suma, o seguinte: a) os cálculos apresentados pelas exeqüentes, no valor de R$ 15.973,66, foram elaborados em desacordo com o julgado; b) o Setor de Precatórios e Cálculos do INSS, encontrou como sendo devido o valor de R$ 11.471,05, remissivos a julho de 2007, montante no qual já inclusos os honorários advocatícios; c) há nos cálculos elaborados pelas embargadas um excesso de execução, porque aplicou índices de correção monetária e juros de mora superiores àqueles determinados no julgado. 03.- Com a inicial, vieram os documentos de fls. 05/26. 04.- Apesar de devidamente cientificada, a parte embargada não apresentou impugnação (fls. 31). 05.- A Contadoria Judicial apresentou cálculos às fls. 32/39. 06.- Intimados para que se manifestassm sobre os cálculos mencionados no item anterior, tanto o embargante, quanto a parte embargada, mantiveram-se inertes (fl. 42). 07.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 08.- A Contadoria Judicial encontrou, às fls. 32/39, o seguinte valor: * FOLHA 33 - R$ 8.948,42, atualizado até julho de 2007, montante no qual inclusos os honorários advocatícios de sucumbência, relativos ao processo de conhecimento. 09.- A execução foi proposta para cobrar R$ 15.973,66, atualizados até julho de 2007, montante no qual já inclusos os honorários advocatícios. 10.- O INSS, entrementes, através dos presentes embargos, teve a pretensão de reduzir o valor da execução para R$ 11.471,05, remissivos a julho de 2007. 11.- Entretanto, o INSS, tacitamente, concordou com os cálculos da contadoria de fls. 32/39, valor este inferior ao por ele pretendido. 12.- A embargada, por sua vez, não se manifestou acerca dos cálculos da contadoria de fls. 32/39, o que também importou sua aceitação tácita. Vale lembrar que, no caso, a concordância tácita da parte embargada implica parcial reconhecimento do pedido deduzido nestes embargos, bem como renúncia parcial ao crédito executado na ação principal. 13.- Ressalte-se que o fato de o INSS ter oposto embargos para reduzir o valor do crédito executado somente para R$ 11.471,05, não impede a prevalência da constatação deste Juízo de que o valor devido às embargadas é ainda menor que o alegado pelo embargante, sem qualquer receio de julgamento além do pedido. É de levar-se em conta, nessa situação, o interesse público envolvido na espécie e o fato de que o valor do crédito apresentado pelo embargante em sua exordial como se devido fosse é, também, indevido, faltando-lhe, por conseguinte, liquidez, certeza e exigibilidade, o que poderia ser reconhecido, inclusive, de ofício, pelo Juízo da execução, impondo-se, assim, a fixação do valor do crédito executado nos estritos limites em que devido. 14.- Em face do exame acima realizado, impõe-se o julgamento do processo com resolução de mérito, na forma do art. 269, incisos II e V, do CPC, com a fixação do crédito executado em R$ 8.948,42 (oito mil, novecentos e quarenta e oito reais e quarenta e dois centavos), atualizado até julho de 2007, montante no qual não inclusos os honorários advocatícios de sucumbência, nos termos dos cálculos da Contadoria Judicial de fls. 32/39. III DISPOSITIVO 15.- Ante o exposto, extingo o processo com resolução de mérito, nos termos do artigo 269, II e V, do CPC e julgo procedente o pedido inicial deduzido nestes embargos, para FIXAR o valor do crédito executado em R$ 8.948,42 (oito mil, novecentos e quarenta e oito reais e quarenta e dois centavos), atualizado até julho de 2007, montante no qual não inclusos os honorários advocatícios de sucumbência, nos termos dos cálculos da Contadoria Judicial de fls. 32/39. 16.- Em face da sucumbência da parte embargada, condeno-a a pagar, ao embargante, honorários advocatícios que fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais) (art. 20, § 4º, do CPC), valor este a ser compensado com o valor da execução nos autos principais. 17.- Sem condenação em custas processuais em face da isenção prevista, para os embargos à execução, no art. 7.º da Lei n.º 9.289/96. 18.- Após o seu trânsito em julgado: a) traslade-se cópia desta sentença, da certidão de trânsito em julgado e dos cálculos da Contadoria Judicial para os autos da Ação Ordinária n.º 93.0007956-5 (execução de sentença), com a devida certificação em ambos; b) arquivem-se estes autos com baixa na Distribuição. P.R.I. João Pessoa, 23 de outubro de 2008 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 16 Fls.____ 1

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0001846-36.2008.4.05.8200 RONALDO CAVALCANTE DE SANTANA (Adv. ANTONIO ANIZIO NETO, ROSE ALINE CARVALHO DE MIRANDA SANTANA) x UNIÃO FEDERAL (MINISTÉRIO DO EXÉRCITO) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 2008.82.00.001846-3 - classe nº 29 C E R T I D Ã O Certifico que: ( ) A(s) contestação(ões) (fls. ) foi(ram) apresentada(s) no prazo legal. ( ) A(s) contestação(ões) (fls. ) foi(ram) apresentada(s) no dia. (X) A(s) impugnação(ões) (fls. 117/121) foi(ram) apresentada(s) no prazo legal. ( ) A(s) impugnação(ões) (fls. ) foi(ram) apresentada(s) no dia. ( ) O(a)(s) apresentou(ram) especificação de provas (fls. ) no prazo legal. ( )decorreu o prazo do(s) ato(s) ordinatório(s)/despacho(s)/decisão(ões)/sentença(s) (fls. ) sem manifestação do(a)(s) . ( ) decorreu o prazo do(s) ato(s) ordinatório(s)/despacho(s)/decisão(ões)/sentença(s) (fls. ) com manifestação do(a)(s) . ( ).a(s) petição(ões) (fls._______) foi(oram) apresentada(s) em Juízo no prazo legal. ( ) a(s) petição(ões) (fls._______) ingressou(aram) em Juízo intempestivamente. ( )deixo(ei) de cumprir o(s) ato(s)/despacho(s)/decisão(ões)/sentença(s) (fls. _____), tendo em vista a (s) petição (ões) (fls. ______) do(a)(s) ___________. ( ) decorreu o prazo da(s) citação(ões) (fls. _____ ), sem interposição de Embargos à execução. ( ) decorreu o prazo da(s) citação(ões) (fls. ______), sem apresentação de contestação. ( ) a(s) decisão(ões)/sentença(s) (fls. ______) transitou(aram) em julgado sem interposição de qualquer recurso. ( ) O(a)(s) apelou(aram) (fls. ) da(s) sentença(s) (fls. ) no prazo legal. ( ) o(a) apelado(a) apresentou contra-razões (fls. ) no prazo legal. Dou fé. João Pessoa, 02 de fevereiro de 2009. FABIO AZEVEDO DE OLIVEIRA Analista Judiciário Processo nº 2008.82.00.001846-3 - classe nº 29 ATO ORDINATÓRIO ( Provimento nº 02/2000 da Corregedoria- Geral do TRF/5ªRegião 1. ( ) Vista às partes sobre os cálculos apresentados pela Contadoria (fls. ), no prazo de 05 dias. 2. ( ) Vista à parte autora sobre a petição e documentos apresentados pelo réu (fls. ), no prazo de 05 (cinco) dias. 3. ( ) Vista à parte ré sobre a petição e documentos apresentados pelo autor(a)(s) (fls. ), no prazo de 05 (cinco) dias. 4. ( ) Vista à parte autora para, querendo, impugnar a(s) contestação(ões) apresentada(s) (fls. ), no prazo de 10 (dez) dias. 5. (X) Vista às partes para especificarem, de forma justificada, em 05 (cinco) dias, as provas que pretendem produzir. 6. ( ) Vista ao MPF. 7. ( ) Vista à parte autora/ré, no prazo de 05 (cinco) dias; nada requerido, retornem os autos ao Arquivo. 8. ( ) Vista ao exeqüente. 9. ( ) Remetam-se os autos à Distribuição para baixa e arquivamento Intime(m)-se. João Pessoa, 02 de fevereiro de 2009. OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JÚNIOR Diretor de Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Remeto os autos à Publicação. João Pessoa, 02 de fevereiro de 2009. FABIO AZEVEDO DE OLIVEIRA Analista Judiciário PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª Vara Modelo nº 6336

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0003246-42.1995.4.05.8200 EPITACIO CECILIO DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA) x EPITACIO CECILIO DE OLIVEIRA E OUTROS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTRO (Adv. MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTRO

AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 002, de 30/11/2000, art. 3º, inciso XXX, do Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região, vista ao(s) A., no prazo de 05 (cinco) dias, da petição e documentos (fls. 348/350) apresentados pela CEF. João Pessoa, 2 de fevereiro de 2009. OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JUNIOR Diretor da Secretaria da 1ª Vara, em exercício

   

0004280-08.2002.4.05.8200 RAIMUNDO ROCHA DE ARAUJO ME (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA, GUILHERME MELO FERREIRA) x RAIMUNDO ROCHA DE ARAUJO ME x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. NELSON CALISTO DOS SANTOS) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB

Processo n.º 2002.82.00.004280-3 CERTIDÃO Certifico que o CRF apresentou guia de depósito referente ao pagamento do débito (fls. 258). Dou fé. João Pessoa, 5 de fevereiro de 2009. Laís Patriota da Silva Técnica Judiciária AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento n.º 002/2000 do Eg. TRF da 5.ª Região, art. 3.º, inciso 20, vista ao Exequente sobre o depósito (fls. 258) relativo ao pagamento do débito, em 05 (cinco) dias. INTIME-SE. João Pessoa, _____/_____/2009 OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JÚNIOR Diretor da Secretaria da 1.ª Vara, em exercício PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0010449-06.2005.4.05.8200 MARCILIO OTAVIO DO NASCIMENTO (Adv. VANINA C. C. MODESTO, VIVIANE MOURA TEIXEIRA, WALTER DE AGRA JUNIOR, ANA CAROLINA SOARES CAVALCANTI, JACKELINE ALVES CARTAXO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. TÉRCIUS GONDIM MAIA)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA Processo nº. 2005.82.00.010449-4 CERTIDÃO Certifico que a Ré, citada (fls. 126), nos termos do CPC art. 730, apresentou a petição e documentos (fls. 128/130). Dou fé. João Pessoa, 3 de fevereiro de 2009. Laís Patriota da Silva Técnica Judiciária AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 002, de 30/11/2000, art. 3º, inciso 6, do Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região, vista à parte autora para se manifestar acerca da petição e documentos apresentados pela UNIÃO (fls. 128/130), no prazo de 05 (cinco) dias. Intime-se. João Pessoa, _____ / ____ / 2009. OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JÚNIOR Diretor da Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Nesta data, remeto os presentes autos À Seção de Publicação. João Pessoa, _____ / ____ / 2009. Laís Patriota da Silva Técnica Judiciária

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0014864-32.2005.4.05.8200 JOSEMAR JOSÉ DA SILVA (Adv. JANIO LUIS DE FREITAS, ALBERTO LOPES DE BRITO) x UNIAO (MINISTÉRIO DA DEFESA - EXÉRCITO BRASILEIRO) (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA Processo nº. 2005.82.00.014864-3 CERTIDÃO Certifico que a UNIÃO apresentou a petição (fls. 76). Dou fé. João Pessoa, 3 de fevereiro de 2009. Laís Patriota da Silva Técnica Judiciária AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 002, de 30/11/2000, art. 3º, inciso 6, do Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região, vista à parte autora para se manifestar acerca da petição apresentada pela UNIÃO (fls. 76), no prazo de 05 (cinco) dias. Intime-se. João Pessoa, _____ / ____ / 2009. OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JÚNIOR Diretor da Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Nesta data, remeto os presentes autos À Seção de Publicação. João Pessoa, _____ / ____ / 2009. Laís Patriota da Silva Técnica Judiciária

   

0015182-25.1999.4.05.8200 LEDA PINTO DE SOUZA E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. ADRIANO PONTES ARAGAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RAIMUNDO DE ALMEIDA JUNIOR)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA Processo nº. 99.0015182-8 AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 002, de 30/11/2000, art. 3º, inciso 6, do Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região, vista à parte autora sobre o Ofício (fls. 206) e documentos (fls. 207217) remetidos pela Divisão de Convênio e Gestão da FUNASA, no prazo de 05 (cinco) dias. Intime-se. João Pessoa, _____ / ____ / 2009. OTÁVIO TEIXEIRA DE CARVALHO JÚNIOR Diretor da Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Nesta data, remeto os presentes autos À Seção de Publicação. João Pessoa, _____ / ____ / 2009. Laís Patriota da Silva Técnica Judiciária

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 14

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 7

TOTAL DE DECISÃO: 9

TOTAL DE DESPACHO: 3

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.