Publicado no Diário da Justiça de 10/02/2010

 

Boletim 2010.000005 - 2 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADEILTON HILARIO JUNIOR 0004245-19.2000.4.05.8200 0004420-32.2008.4.05.8200

ADRIANA MARQUES DA COSTA NOGUEIRA 0009338-45.2009.4.05.8200

ALESSANDRA DANIELLE C. S. HILARIO 0004420-32.2008.4.05.8200

ALEXANDRE GOMES BRONZEADO 0000913-29.2009.4.05.8200 0000915-96.2009.4.05.8200 0010099-13.2008.4.05.8200

ALINE MARIA GOMES DE MOURA 0002299-61.1990.4.05.8200

ALUISIO DE CARVALHO NETO 0009872-23.2008.4.05.8200

AMAURI DE LIMA COSTA 0000619-79.2006.4.05.8200

AMERICO GOMES DE ALMEIDA 0007561-25.2009.4.05.8200

AMILDO DE SOUZA LEAO 0009953-69.2008.4.05.8200

AMILTON LADISLAU C. DE CARVALHO 0000359-94.2009.4.05.8200 0005096-43.2009.4.05.8200

ANA CAROLINA GUEDES PEREIRA 0000654-68.2008.4.05.8200

ANA CRISTINA DE OLIVEIRA VILARIM 0009759-69.2008.4.05.8200

ANA HELENA CAVALCANTI PORTELA 0008158-28.2008.4.05.8200

ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL 0008210-05.2000.4.05.8200

ANANIAS LUCENA DE ARAUJO NETO 0009206-56.2007.4.05.8200

ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001183-53.2009.4.05.8200 0001329-94.2009.4.05.8200

ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA 0002582-20.2009.4.05.8200

ANDRE GOMES BRONZEADO 0000913-29.2009.4.05.8200 0000915-96.2009.4.05.8200

ANDRE RICARDO DE CARVALHO COSTA 0003525-81.2002.4.05.8200

ANDRE SETTE CARNEIRO DE MORAIS 0008210-05.2000.4.05.8200

ANDRE WANDERLEY SOARES 0008408-61.2008.4.05.8200

ANDREA COSTA DO AMARAL 0004619-20.2009.4.05.8200

ANDRÉ DOS PRAZERES 0002299-61.1990.4.05.8200

ANIBAL PEIXOTO FILHO 0001175-13.2008.4.05.8200

ANNIBAL PEIXOTO NETO 0001175-13.2008.4.05.8200

ANTONIETA L PEREIRA LIMA 0000772-98.1995.4.05.8200

ANTONIO ANIZIO NETO 0002630-76.2009.4.05.8200

ANTONIO CESAR CAVALCANTI JUNIOR 0000891-49.2001.4.05.8200 0001252-66.2001.4.05.8200

ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS 0004245-19.2000.4.05.8200

ANTONIO NAVARRO RIBEIRO 0001218-96.1998.4.05.8200

ANTONIO SEVERINO DA SILVA 0000184-66.2010.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200

ARLINETTI MARIA LINS 0002582-20.2009.4.05.8200 0008311-27.2009.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0002989-94.2007.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200

AYRTON LINS FRANCA NETO 0009759-69.2008.4.05.8200

BEATRIZ BERGAMINI CAVALCANTE GOMES 0008311-27.2009.4.05.8200

BENJAMIN DE SOUZA FONSECA SOBRINHO 0000531-79.2004.4.05.8210

BERNARDO CRUZ ROSA ALENCAR DE SA 0002299-61.1990.4.05.8200

BRUNO COSME DE MAGALHÃES 0002299-61.1990.4.05.8200

BRUNO DORNELAS DE OLIVEIRA 0003525-81.2002.4.05.8200

BRUNO FARO ELOY DUNDA 0002349-91.2007.4.05.8200 0006157-36.2009.4.05.8200

BRUNO LEONARDO MONTEIRO GUERRA 0008012-50.2009.4.05.8200

CAIUS MARCELLUS DE A. LACERDA 0005716-55.2009.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0000184-66.2010.4.05.8200 0000223-63.2010.4.05.8200 0001698-40.1999.4.05.8200 0001977-55.2001.4.05.8200 0002374-17.2001.4.05.8200 0005937-38.2009.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200 0008485-36.2009.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

CARMEM WALERIA D. M. FERNANDES 0005196-86.1995.4.05.8200

CARMEN RACHEL DANTAS MAYER 0003945-42.2009.4.05.8200

CECILIE OLIVEIRA MEDEIROS 0002384-80.2009.4.05.8200

CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR 0002042-69.2009.4.05.8200

CIANE FIGUEIREDO FELICIANO DA SILVA 0000619-79.2006.4.05.8200

CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO 0006535-65.2004.4.05.8200

CLAUDIO FREIRE MADRUGA 0000619-79.2006.4.05.8200

CRISTIANE TRAVASSOS LIMA DE MEDEIROS 0002384-80.2009.4.05.8200 0003525-81.2002.4.05.8200

DARIO DUTRA SATIRO FERNANDES 0002374-17.2001.4.05.8200

DEFENSOR PUBLICO DA UNIAO 0000619-79.2006.4.05.8200

DEFENSOR PUBLICO DO ESTADO 0010377-14.2008.4.05.8200

DEORGE ARAGAO DE ALMEIDA 0006566-46.2008.4.05.8200

DIANE LINHARES DA CUNHA 0002299-61.1990.4.05.8200

DIMITRI CHAVES GOMES LUNA 0010083-59.2008.4.05.8200

DIOGO ASSAD BOECHAT 0000317-45.2009.4.05.8200 0000334-81.2009.4.05.8200

DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA 0000891-49.2001.4.05.8200 0001252-66.2001.4.05.8200 0001957-64.2001.4.05.8200 0005783-25.2006.4.05.8200 0006329-22.2002.4.05.8200

DOUGLAS ANTERIO DE LUCENA 0008311-27.2009.4.05.8200

EDMILSON PEDRO DOS SANTOS 0006907-43.2006.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

EDSON BATISTA DE SOUZA 0002349-91.2007.4.05.8200 0009182-91.2008.4.05.8200

EDSON LUCENA NERI 0000359-94.2009.4.05.8200

EDUARDO BRAGA FILHO 0006201-65.2003.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE 0000725-36.2009.4.05.8200 0004891-19.2006.4.05.8200

EDUARDO JORGE ALBUQUERQUE DE MENEZES 0008045-11.2007.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0001218-96.1998.4.05.8200 0002989-94.2007.4.05.8200 0004245-19.2000.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200

ELIZEU DANTAS SIMOES FERREIRA 0010099-13.2008.4.05.8200

EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL 0008158-28.2008.4.05.8200

EMÍLIO JOSÉ CHAVES BORÓBIO PAGÉS 0006526-30.2009.4.05.8200

ENIO SILVA NASCIMENTO 0001252-66.2001.4.05.8200 0006157-36.2009.4.05.8200

ERILANY DANTAS DOS SANTOS 0009182-91.2008.4.05.8200

ESPEDITO RONALDO DE SOUSA 0002989-94.2007.4.05.8200

EURIBERTO PEREIRA DURAND 0005196-86.1995.4.05.8200

EVANES BEZERRA DE QUEIROZ 0000184-66.2010.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0002989-94.2007.4.05.8200 0004245-19.2000.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200

FABIANO BARCIA DE ANDRADE 0003550-55.2006.4.05.8200

FABIO LEITE DE FARIAS BRITO 0004365-23.2004.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0001502-60.2005.4.05.8200 0003666-61.2006.4.05.8200 0005719-10.2009.4.05.8200

FABRICIO BELTRÃO DE BRITTO 0009504-77.2009.4.05.8200

FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS 0005697-49.2009.4.05.8200 0008311-27.2009.4.05.8200

FELIPE RANGEL DE ALMEIDA 0000776-47.2009.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0007358-39.2004.4.05.8200

FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA 0001977-55.2001.4.05.8200 0002311-60.1999.4.05.8200 0003112-58.2008.4.05.8200 0004245-19.2000.4.05.8200

FLÁVIA FERREIRA PORTELA 0008012-50.2009.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0000654-68.2008.4.05.8200 0001502-60.2005.4.05.8200 0007078-92.2009.4.05.8200 0008323-41.2009.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0001502-60.2005.4.05.8200

FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS 0005196-86.1995.4.05.8200 0008158-28.2008.4.05.8200

FREDERICO RODRIGUES TORRES 0009182-91.2008.4.05.8200

GENILDA DE ARAUJO BORGES 0000619-79.2006.4.05.8200

GEORGE VENTURA MORAIS 0009558-77.2008.4.05.8200

GEORGIA JALES MAIA MEDEIROS 0008210-05.2000.4.05.8200

GERALDO QUEIROGA LOPES 0000027-93.2010.4.05.8200 0008180-52.2009.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0007120-44.2009.4.05.8200

GILBERTO AURELIANO DE LIMA 0006907-43.2006.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0002989-94.2007.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200

GLÁUCIO DE SALES BARBOSA 0010065-38.2008.4.05.8200

GUILHERME MELO FERREIRA 0005783-25.2006.4.05.8200 0006287-26.2009.4.05.8200 0006329-22.2002.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0001218-96.1998.4.05.8200 0002299-61.1990.4.05.8200

GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO 0001252-66.2001.4.05.8200

GUSTAVO RABAY GUERRA 0002308-27.2007.4.05.8200

HEITOR CABRAL DA SILVA 0009750-83.2003.4.05.8200 0010366-68.1997.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0000184-66.2010.4.05.8200 0000223-63.2010.4.05.8200 0001698-40.1999.4.05.8200 0001977-55.2001.4.05.8200 0002374-17.2001.4.05.8200 0005937-38.2009.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200 0008485-36.2009.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

HERCIO FONSECA DE ARAUJO 0002582-20.2009.4.05.8200

HILDEMAR GUEDES MACIEL 0009006-78.2009.4.05.8200

IBER CAMARA DE OLIVEIRA 0002593-54.2006.4.05.8200 0004710-47.2008.4.05.8200 0004891-19.2006.4.05.8200 0008158-28.2008.4.05.8200 0008343-32.2009.4.05.8200

ILZA REGINA DEFILIPPI DIAS 0008311-27.2009.4.05.8200

INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO 0008012-50.2009.4.05.8200

INGRID DE SORDI BATISTA 0002299-61.1990.4.05.8200

IRIO DANTAS NOBREGA 0000619-79.2006.4.05.8200 0005976-69.2008.4.05.8200

IRIVAN CORDEIRO DE LIMA 0002989-94.2007.4.05.8200

ITAMAR GOUVEIA DA SILVA 0002384-80.2009.4.05.8200

IVAMBERTO CARVALHO DE ARAUJO 0004906-61.2001.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0004519-65.2009.4.05.8200 0005703-56.2009.4.05.8200

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001183-53.2009.4.05.8200 0001329-94.2009.4.05.8200 0003112-58.2008.4.05.8200 0006535-65.2004.4.05.8200

JACQUELINE RODRIGUES CHAVES 0004123-59.2007.4.05.8200 0004963-69.2007.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0010366-68.1997.4.05.8200

JANIO LUIS DE FREITAS 0010377-14.2008.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0002593-54.2006.4.05.8200 0004710-47.2008.4.05.8200 0004891-19.2006.4.05.8200 0008158-28.2008.4.05.8200 0008343-32.2009.4.05.8200

JEOFTON COSTA DA SILVA 0002384-80.2009.4.05.8200

JERÔNIMO BARATA DE MELO FILHO 0009759-69.2008.4.05.8200

JOAO ANTONIO DE MOURA 0008012-50.2009.4.05.8200

JOAO BATISTA COSTA DE ARAUJO 0000772-98.1995.4.05.8200

JOAO BRITO DE GOIS FILHO 0009558-77.2008.4.05.8200

JOAO HENRIQUE TAVEIRA DE SOUZA 0002299-61.1990.4.05.8200

JONAS GOMES DE MOURA NETO 0006526-30.2009.4.05.8200

JORGE CARRIÇO MARINHO DE SOUZA 0006526-30.2009.4.05.8200

JOSE ALBERTO EVARISTO DA SILVA 0009338-45.2009.4.05.8200

JOSE ARAUJO FILHO 0001183-53.2009.4.05.8200 0001698-40.1999.4.05.8200 0002374-17.2001.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

JOSE CAMARA DE OLIVEIRA 0002593-54.2006.4.05.8200 0004891-19.2006.4.05.8200 0005196-86.1995.4.05.8200 0008158-28.2008.4.05.8200

JOSE CARLOS DE LIMA 0003666-61.2006.4.05.8200

JOSE CARLOS LOPES FERNANDES 0000281-03.2009.4.05.8200

JOSE GALDINO DA SILVA FILHO 0007358-39.2004.4.05.8200 0007874-88.2006.4.05.8200

JOSE HILTON FERREIRA DA SILVA 0000772-98.1995.4.05.8200

JOSE M. MAIA DE FREITAS 0003550-55.2006.4.05.8200

JOSE MARIA MAIA DE FREITAS 0003702-79.2001.4.05.8200 0005937-38.2009.4.05.8200

JOSE MARTINS DA SILVA 0003112-58.2008.4.05.8200 0005196-86.1995.4.05.8200 0008158-28.2008.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0004245-19.2000.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200 0006120-82.2004.4.05.8200 0007358-39.2004.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0010366-68.1997.4.05.8200

JOSE WALTER LINS DE ALBUQUERQUE 0003666-61.2006.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0000531-79.2004.4.05.8210

JOSEFA INES DE SOUZA 0002311-60.1999.4.05.8200

JOSEILTON ESTEVAO DA SILVA 0000359-94.2009.4.05.8200 0005096-43.2009.4.05.8200

JOSELISSES ABEL FERREIRA 0003945-42.2009.4.05.8200

JOSINETE RODRIGUES DA SILVA 0004123-59.2007.4.05.8200 0004963-69.2007.4.05.8200

JOSÉ ALVES CAMPOS 0009558-77.2008.4.05.8200

JOSÉ MARCELO DIAS 0009929-07.2009.4.05.8200

JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS 0004245-19.2000.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200

JOSÉ RILDO CANDIDO 0005797-04.2009.4.05.8200

JOÃO JOSÉ SALES QUEIROGA 0008012-50.2009.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0001183-53.2009.4.05.8200 0001329-94.2009.4.05.8200 0003112-58.2008.4.05.8200 0005196-86.1995.4.05.8200 0006535-65.2004.4.05.8200 0007640-72.2007.4.05.8200 0008158-28.2008.4.05.8200

JUSSARA TAVARES SANTOS SOUSA 0009182-91.2008.4.05.8200

KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO 0008012-50.2009.4.05.8200

KALYNE TEIXEIRA DO MONTE 0002299-61.1990.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0004519-65.2009.4.05.8200 0005703-56.2009.4.05.8200

KARLA SUIANY DE ALMEIDA MANGUEIRA GUEDES 0006566-46.2008.4.05.8200

KARLISSON MEIRA DA SILVA 0005716-55.2009.4.05.8200

KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA 0005196-86.1995.4.05.8200

KELSEN LAFAYETE GOIS 0002299-61.1990.4.05.8200

KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA 0001252-66.2001.4.05.8200

KLEBER SALGADO BANDEIRA FILHO 0002725-09.2009.4.05.8200

LAYRTOM FERREIRA DE MORAIS 0009872-23.2008.4.05.8200

LEIDSON FLAMARION TORRES MATOS 0008311-27.2009.4.05.8200

LEONIDAS LIMA BEZERRA 0001251-08.2006.4.05.8200 0003525-81.2002.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0000184-66.2010.4.05.8200 0000223-63.2010.4.05.8200 0001977-55.2001.4.05.8200 0002374-17.2001.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200 0008485-36.2009.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

LETICIA BOLZANI GONDIM 0009182-91.2008.4.05.8200

LILIAN CATIANI CORREIA DE FREITAS 0003525-81.2002.4.05.8200 0009053-52.2009.4.05.8200

LUCIANA GURGEL DE AMORIM 0004891-19.2006.4.05.8200

LUIS FERNANDO PIRES BRAGA 0005573-37.2007.4.05.8200 0007874-88.2006.4.05.8200 0014688-53.2005.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0000184-66.2010.4.05.8200 0000223-63.2010.4.05.8200 0001977-55.2001.4.05.8200 0002374-17.2001.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200 0008485-36.2009.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

LUIZ DELGADO DA FONSECA 0000531-79.2004.4.05.8210

LUIZ GONZAGA PEREIRA NETO 0005096-43.2009.4.05.8200 0008180-52.2009.4.05.8200

LUIZ GUEDES DA LUZ NETO 0005573-37.2007.4.05.8200 0007874-88.2006.4.05.8200 0014688-53.2005.4.05.8200

LUIZ MONTEIRO VARAS 0005333-82.2006.4.05.8200

LYDIANE MENDES GOMES CLEMENTINO 0002299-61.1990.4.05.8200

LÚCIO MARCOS DA COSTA 0008012-50.2009.4.05.8200

MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO 0000725-36.2009.4.05.8200 0004891-19.2006.4.05.8200

MAILSON LIMA MACIEL 0009006-78.2009.4.05.8200

MANUEL DE FREITAS CAVALCANTE 0002299-61.1990.4.05.8200

MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES 0005333-82.2006.4.05.8200

MARA REGINA SIQUEIRA DE LIMA 0002299-61.1990.4.05.8200

MARCIA COSTA DA SILVA 0004091-59.2004.4.05.8200

MARCIO MEIRA DE C. GOMES JUNIOR 0005716-55.2009.4.05.8200

MARCIO PIQUET DA CRUZ 0007640-72.2007.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0002349-91.2007.4.05.8200 0009025-84.2009.4.05.8200 0009182-91.2008.4.05.8200

MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF) 0008210-05.2000.4.05.8200

MARCUS ANTONIO DANTAS CARREIRO 0000619-79.2006.4.05.8200

MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES 0000038-59.2009.4.05.8200

MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200

MARIA DE FATIMA AMARAL DA SILVA 0000531-79.2004.4.05.8210

MARIA DE LOURDES SOUSA VIEIRA GOMES 0008158-28.2008.4.05.8200

MARIA JOSE DA SILVA 0005333-82.2006.4.05.8200

MARIANA COIMBRA SILVEIRA 0002299-61.1990.4.05.8200

MARILENE DE SOUZA LIMA 0010366-68.1997.4.05.8200

MARINALDO DE ARAUJO PAIVA 0005008-05.2009.4.05.8200

MARIO GOMES DE LUCENA 0005976-69.2008.4.05.8200

MARISE CORREIA DE OLIVEIRA 0000725-36.2009.4.05.8200

MARTINHO FAUSTINO XAVIER JUNIOR 0006566-46.2008.4.05.8200

MARTSUNG F. C. DE ALENCAR 0000725-36.2009.4.05.8200

MAURICIO MARQUES DE LUCENA 0009872-23.2008.4.05.8200

MAX FREDERICO SAEGER GALVAO FILHO 0003525-81.2002.4.05.8200

MICHELINE DUARTE BARROS DE MORAIS 0008311-27.2009.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0009182-91.2008.4.05.8200

NAYANNA MORAIS DIAS 0009872-23.2008.4.05.8200

NELSON CALISTO DOS SANTOS 0001957-64.2001.4.05.8200 0006329-22.2002.4.05.8200

NELSON DE OLIVEIRA SOARES 0002042-69.2009.4.05.8200

NELSON LUIZ NOUVEL ALESSIO 0008311-27.2009.4.05.8200

NEMESIO ALMEIDA SOARES JUNIOR 0005976-69.2008.4.05.8200

NEVITA MARIA P. A. FRANCA 0003525-81.2002.4.05.8200

NIEDJA LIMA DE ARAUJO 0003525-81.2002.4.05.8200

NILDEVAL CHIANCA RODRIGUES JUNIOR 0004619-20.2009.4.05.8200

NIVEA DANTAS DA NOBREGA 0005976-69.2008.4.05.8200

OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA 0000891-49.2001.4.05.8200 0001252-66.2001.4.05.8200 0001957-64.2001.4.05.8200 0006157-36.2009.4.05.8200

PATRICIA ELLEN M. DE A. PONTES 0003525-81.2002.4.05.8200 0009053-52.2009.4.05.8200

PATRICIA HELENA FERREIRA GAIAO 0002299-61.1990.4.05.8200

PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO 0001175-13.2008.4.05.8200

PAULO ANDRE MARQUES DE LUCENA 0009053-52.2009.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0005333-82.2006.4.05.8200

PAULO LEITE DA SILVA 0005716-55.2009.4.05.8200

PAULO LOPES DA SILVA 0003666-61.2006.4.05.8200

PAULO SÉRGIO LINS GUIMARÃES 0000281-03.2009.4.05.8200

PEDRO MIRANDA 0006201-65.2003.4.05.8200

PEDRO VITOR DE CARVALHO FALCAO 0006535-65.2004.4.05.8200

PRISCILA SOUZA DA SILVA 0000725-36.2009.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0004519-65.2009.4.05.8200 0005703-56.2009.4.05.8200 0007120-44.2009.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA 0007358-39.2004.4.05.8200 0007874-88.2006.4.05.8200

RAFAEL SOUTO ATAIDE GOMES 0000154-31.2010.4.05.8200

RAIMUNDO FLORENCIO PINHEIRO 0008158-28.2008.4.05.8200

RAQUEL DA SILVA GONDIM 0002384-80.2009.4.05.8200

REGINA MARIA DA CONCEIÇAO BEZERRA ALEIXO 0002299-61.1990.4.05.8200

RENATA FRANÇA DE OLIVEIRA 0000913-29.2009.4.05.8200 0000915-96.2009.4.05.8200 0010099-13.2008.4.05.8200

RENATA KESSIA RIBEIRO SILVA 0002299-61.1990.4.05.8200

RENATA SONODA PIMENTEL 0002299-61.1990.4.05.8200

RHUBIA LACERDA MARTINS DE OLIVEIRA 0002299-61.1990.4.05.8200

RICARDO POLLASTRINI 0010366-68.1997.4.05.8200

RICARDO TADEU FEITOSA BEZERRA 0005719-10.2009.4.05.8200

RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0004958-13.2008.4.05.8200

RITA VALERIA CAVALCANTE MENDONÇA 0002299-61.1990.4.05.8200

ROBERTA MONTENEGRO OLIVEIRA TEIXEIRA DE PAIVA 0008311-27.2009.4.05.8200

RODRIGO DE ANDRADE SOUZA 0002299-61.1990.4.05.8200

RODRIGO DOS SANTOS LIMA 0011124-95.2007.4.05.8200

ROGERIO FONSECA DA COSTA 0002042-69.2009.4.05.8200

ROSA MONICA MENDES 0001502-60.2005.4.05.8200

ROUGGER XAVIER GUERRA JUNIOR 0000619-79.2006.4.05.8200

SALVADOR CONGENTINO NETO 0008210-05.2000.4.05.8200

SANCHA MARIA F.C R. ALENCAR 0000725-36.2009.4.05.8200

SARA DE ALMEIDA AMARAL 0002582-20.2009.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000038-59.2009.4.05.8200 0000281-03.2009.4.05.8200 0000317-45.2009.4.05.8200 0000334-81.2009.4.05.8200 0000654-68.2008.4.05.8200 0000776-47.2009.4.05.8200 0000913-29.2009.4.05.8200 0000915-96.2009.4.05.8200 0003525-81.2002.4.05.8200 0004091-59.2004.4.05.8200 0004123-59.2007.4.05.8200 0004963-69.2007.4.05.8200 0005333-82.2006.4.05.8200 0005573-37.2007.4.05.8200 0005797-04.2009.4.05.8200 0006566-46.2008.4.05.8200 0006847-02.2008.4.05.8200 0007078-92.2009.4.05.8200 0007561-25.2009.4.05.8200 0008012-50.2009.4.05.8200 0008311-27.2009.4.05.8200 0008323-41.2009.4.05.8200 0009006-78.2009.4.05.8200 0009053-52.2009.4.05.8200 0009182-91.2008.4.05.8200 0009338-45.2009.4.05.8200 0009750-83.2003.4.05.8200 0009759-69.2008.4.05.8200 0009872-23.2008.4.05.8200 0009929-07.2009.4.05.8200 0009953-69.2008.4.05.8200 0010065-38.2008.4.05.8200 0010083-59.2008.4.05.8200 0010099-13.2008.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000027-93.2010.4.05.8200 0000154-31.2010.4.05.8200 0000184-66.2010.4.05.8200 0000223-63.2010.4.05.8200 0000619-79.2006.4.05.8200 0001175-13.2008.4.05.8200 0001329-94.2009.4.05.8200 0002042-69.2009.4.05.8200 0002308-27.2007.4.05.8200 0002384-80.2009.4.05.8200 0002630-76.2009.4.05.8200 0002725-09.2009.4.05.8200 0003945-42.2009.4.05.8200 0004420-32.2008.4.05.8200 0004519-65.2009.4.05.8200 0004619-20.2009.4.05.8200 0004710-47.2008.4.05.8200 0004958-13.2008.4.05.8200 0005008-05.2009.4.05.8200 0005697-49.2009.4.05.8200 0005703-56.2009.4.05.8200 0005716-55.2009.4.05.8200 0006120-82.2004.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006287-26.2009.4.05.8200 0006526-30.2009.4.05.8200 0006847-02.2008.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200 0008045-11.2007.4.05.8200 0008180-52.2009.4.05.8200 0008343-32.2009.4.05.8200 0008408-61.2008.4.05.8200 0008485-36.2009.4.05.8200 0009025-84.2009.4.05.8200 0009206-56.2007.4.05.8200 0009504-77.2009.4.05.8200 0009558-77.2008.4.05.8200 0011124-95.2007.4.05.8200

SERGIO BARBOSA ALVES 0002299-61.1990.4.05.8200

SERGIO BENEVIDES FELIZARDO (UFPB) 0004906-61.2001.4.05.8200

SEVERINO CELESTINO SILVA FILHO 0005783-25.2006.4.05.8200

SIBELE SILVA DO NASCIMENTO 0010099-13.2008.4.05.8200

SILVANA BEZERRA DE LIMA SILVA 0006847-02.2008.4.05.8200

SORAYA FRANCA DOS ANJOS 0003525-81.2002.4.05.8200

SUZETE VELOSO DE OLIVEIRA 0002299-61.1990.4.05.8200

SYLVIO TORRES FILHO 0002384-80.2009.4.05.8200 0003525-81.2002.4.05.8200 0009053-52.2009.4.05.8200

TATIANA LEITE GUERRA DOMINONI 0005976-69.2008.4.05.8200

TERTULIANO AVELLAR 0004619-20.2009.4.05.8200

THAISA CRISTINA CANTONI MANHAS 0000317-45.2009.4.05.8200 0000334-81.2009.4.05.8200

THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES 0001251-08.2006.4.05.8200 0002593-54.2006.4.05.8200 0004891-19.2006.4.05.8200 0014688-53.2005.4.05.8200

VALBERTO ALVES DE A FILHO 0004958-13.2008.4.05.8200

VALTER DE MELO 0000184-66.2010.4.05.8200 0000223-63.2010.4.05.8200 0001698-40.1999.4.05.8200 0001977-55.2001.4.05.8200 0002374-17.2001.4.05.8200 0003702-79.2001.4.05.8200 0005937-38.2009.4.05.8200 0006190-26.2009.4.05.8200 0006907-43.2006.4.05.8200 0007274-62.2009.4.05.8200 0008485-36.2009.4.05.8200 0010072-45.1999.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0007120-44.2009.4.05.8200

VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR 0004958-13.2008.4.05.8200

VITORIA CABRAL RABAY 0002308-27.2007.4.05.8200

VIVIANE CHAVES DOS SANTOS 0000154-31.2010.4.05.8200

WALTER DE SOUZA SOUTO MAIOR 0009872-23.2008.4.05.8200

WALTER SERRANO RIBEIRO 0002384-80.2009.4.05.8200 0003525-81.2002.4.05.8200

WERNA KARENINA MARQUES 0004619-20.2009.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002989-94.2007.4.05.8200 0004245-19.2000.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200 0007358-39.2004.4.05.8200

YARA DA COSTA IRELAND 0002384-80.2009.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0001218-96.1998.4.05.8200 0002989-94.2007.4.05.8200 0004245-19.2000.4.05.8200 0004365-23.2004.4.05.8200 0006120-82.2004.4.05.8200 0007358-39.2004.4.05.8200

 

Juiz Federal ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE

Diretor de Secretaria: REINALDO DE ARAUJO PAIVA

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0004963-69.2007.4.05.8200 SONIA MARIA DE SOUZA ANDRADE (Adv. JACQUELINE RODRIGUES CHAVES, JOSINETE RODRIGUES DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0011124-95.2007.4.05.8200 SEBASTIAO ISIDRO DA SILVA (Adv. RODRIGO DOS SANTOS LIMA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

às partes, sobre a complementação do laudo pericial de fls. 186/188, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0004519-65.2009.4.05.8200 SEVERINO RODRIGUES DE ARAUJO x MARIA SALETE TRIGUEIRO DE ARAUJO (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.4519-7, CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: SEVERINO RODRIGUES DE ARAÚJO E MARIA SALETE TRIGUEIRO DE ARAÚJO ADVOGADAS: IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA E KARINA PALOVA VILLAR MAIA IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Severino Rodrigues de Araújo e Maria Salete Trigueiro de Araújo em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, visando o pagamento, em favor dos Impetrantes, do vencimento básico, Retribuição por Titulação - RT e Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS, com base nos valores previstos para a classe de Professor Titular da UFPB, com Dedicação Exclusiva e Doutorado. Os Impetrantes são Professores aposentados da UFPB e afirmam o seguinte: 1) Obtiveram aposentadoria no cargo de Professor de 3º Grau, Classe Adjunto, Nível 04, Doutorado, Dedicação Exclusiva, com remuneração de Professor Titular, nos termos do artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1990. 2) A Retribuição por Titulação - RT e a Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS são vantagens pagas ao profissional da educação superior de acordo com a classe, o nível e a titulação de cada Professor, nos termos da Lei nº 11.784/2008, que alterou a Lei nº 11.344/2006. 3) No entanto, a despeito de haverem obtido aposentadoria com a remuneração de Professor Titular, os Impetrantes vêm recebendo o vencimento básico, a RT e a GEMAS, desde março/2099, com base na remuneração de Professor Adjunto, Nível 04, quando deveria tomar como parâmetros os valores pagos para Professor Titular. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 10/28). A autoridade impetrada prestou as Informações, acompanhadas de documento (fls. 62/69), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam do Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, por não lhe competir o pagamento dos salários dos servidores da instituição de ensino. 2) O vencimento básico para o cargo em que foram aposentados os Impetrantes é de R$ 2.533,72 (dois mil quinhentos e trinta e três reais e setenta e dois centavos), que é o mesmo valor por eles percebido. 3) Consta nas fichas financeiras que os Impetrantes recebem a quantia de R$ 577,13 (quinhentos e setenta e sete reais e treze centavos), sob a rubrica "DIF PROV ART 192 INC. I L.8112", que é o resultado da diferença entre o vencimento básico da classe de Professor Titular, com Dedicação Exclusiva, e o vencimento da classe de Professor Adjunto, com Dedicação Exclusiva, valor este fixado pela Lei nº 11.784/2008. 4) A vantagem prevista no artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1990, não se confunde com os valores pagos a título de Retribuição por Titulação - RT, que é a diferença entre o padrão de vencimentos da classe do servidor e a imediatamente superior, bem como da Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS, cujos valores são fixados em lei. O Ministério Público Federal ofertou parecer opinando pela denegação da segurança (fls. 72/78). É o relatório. Decido. Sobre a legitimidade passiva: A pretensão formulada pelos Impetrantes, que são Professores Adjuntos aposentados da UFPB, consiste no pagamento do vencimento básico, Retribuição por Titulação - RT e Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS, com base nos valores previstos para a classe de Professor Titular da UFPB, com Dedicação Exclusiva e Doutorado. Acompanham a petição inicial procuração, documentos de identificação pessoal, Portarias do Reitor da UFPB concedendo a aposentadoria aos Impetrantes, comprovantes de rendimentos de janeiro a março/2009 e Anexos da Lei nº 11.344/2006 sobre remuneração dos servidores da carreira do magistério superior. Nas Informações, a autoridade argüiu a ilegitimidade passiva, sob o fundamento de que não lhe compete o pagamento dos salários dos servidores da instituição de ensino, que são pagos pelo Sistema de Administração de Pessoal - SIAPE, gerido pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e que "todos os parâmetros legais sobre parcelas remuneratórias dos servidores públicos são automáticos, não cabendo ingerência de nenhum órgão de recursos humanos na esfera do Poder Executivo." A Resolução nº 257/1979/CONSUNI/UFPB, com a redação dada pela Resolução nº 50/1991, que trata do Regimento Interno da Reitoria da UFPB, dispõe sobre a Superintendência de Recursos Humanos2, que é órgão auxiliar da Reitoria. O artigo 6º, § 3º, da Lei nº 12.016/2009, que disciplina o Mandado de Segurança Individual e Coletivo, define autoridade coatora como sendo aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática3. Vê-se que, nos termos do artigo 192 do Regimento Interno da Reitoria da UFPB, compete à Superintendência de Recursos Humanos, entre outros: a) preparar os pagamentos da competência da Superintendência; b) organizar e manter atualizadas as fichas financeiras dos servidores; c) fornecer ao Centro de Processamento de Dados os elementos necessários à confecção da folha de pagamento do pessoal e do controle dos vencimentos, salários e demais vantagens financeiras. Desse modo, a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo, até porque é órgão da pessoa jurídica (UFPB), que irá responder pelo cumprimento do julgado, se concedida a segurança. No mérito: Os Impetrantes são Professores aposentados da UFPB. Severino Rodrigues de Araújo fora aposentado por meio da Portaria/R/SRH nº 692/2005, na Classe de Adjunto, Nível IV, com Doutorado e Dedicação Exclusiva, com as vantagens do artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/19904 (fls. 16). Maria Salete Trigueiro de Araújo fora aposentada por meio da Portaria R/SRH nº 1670/1997, na Classe de Adjunto, Nível IV, com Doutorado e Dedicação Exclusiva, com as vantagens do artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1990 (fls. 17/18). Os Impetrantes afirmam que vêm recebendo o vencimento básico, a RT e a GEMAS, desde março/2009, com base na remuneração de Professor Adjunto, Nível 04, quando deveria tomar como parâmetros os valores pagos para Professor Titular, tendo em vista o que dispõe o artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1990. A autoridade impetrada, por sua vez, afirma que o vencimento básico para o cargo em que foram aposentados é de R$ 2.533,72, que é o mesmo valor percebido pelos Impetrantes, os quais recebem a quantia de R$ 577,13, sob a rubrica "DIF PROV ART 192 INC. I L.8112", que é o resultado da diferença entre o vencimento básico da classe de Professor Titular, com dedicação exclusiva, e o vencimento da classe de Professor Adjunto, com dedicação exclusiva, valor este fixado pela Lei nº 11.784/2008. E que a vantagem prevista no artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1990, não se confunde com os valores pagos a título de RT e GEMAS, que é a diferença entre o padrão de vencimentos da classe do servidor e a imediatamente superior, cujos valores são fixados em lei. Os valores dos proventos básicos e das respectivas vantagens (RT e GEMAS), a partir de fevereiro de 2009, estão previstos na Lei nº 11.784/20085 e Anexos IV-A, V-A e V-B da Lei nº 11.344/20066. De forma esquemática, nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2009, os Impetrantes perceberam as seguintes rubricas e valores, cotejando com aqueles previstos para Professor Adjunto IV e Professor Titular na Lei nº 11.784/2008, com dedicação exclusiva e doutorado: Severino Rodrigues de Araújo Rubricas Janeiro/2009 (R$) Fevereiro e Março/2009 (R$) Professor Adjunto IV (de acordo com a Lei 11.784/2008, a partir de fevereiro/2009) (R$) Professor Titular (de acordo com a Lei 11.784/2008, a partir de fevereiro/2009) (R$) Provento básico 1.376,09 2.533,72 2.533,72 3.110,85 RT 3.583,43 3.583,43 5.865,99 GEMAS 1.065,13 1.065,13 1.469,97 Diferença de proventos (art. 192, inciso I, Lei 8112/90) 379,31 577,13 Maria Salete Trigueiro de Araújo Rubricas Janeiro/2009 (R$) Fevereiro e Março/2009 (R$) Professor Adjunto IV (de acordo com a Lei 11.784/2008, a partir de fevereiro/2009) (R$) Professor Titular (de acordo com a Lei 11.784/2008, a partir de fevereiro/2009) (R$) Provento básico 1.376,09 2.533,72 2.533,72 3.110,85 RT 3.583,43 3.583,43 5.865,99 GEMAS 1.065,13 1.065,13 1.469,97 Diferença de proventos (art. 192, inciso I, Lei 8112/90) 379,31 577,13 Os Impetrantes vêm percebendo o provento básico como Professor Titular, considerada a soma do provento básico de Professor Adjunto IV mais a diferença do artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1900, em relação ao provento básico de Professor Titular. No que diz respeito à RT e GEMAS percebem as gratificações de acordo com a remuneração de Professor Adjunto IV. A questão está em saber se a RT e a GEMAS são pagas conforme a remuneração de Professor Adjunto IV ou a de Professor Titular, em face do que dispõe o artigo 192, inciso I, da Lei nº 8.112/1990, ao estabelecer que "O servidor que contar tempo de serviço para aposentadoria com provento integral será aposentado com a remuneração do padrão de classe imediatamente superior àquele em que se encontra posicionado." Ao meu ver, a teleologia da norma (artigo 192, I, da Lei nº 8.112/1990) visa favorecer como prêmio o servidor que adquire a aposentadoria quando do jubilamento. A norma trata da remuneração da classe imediatamente superior, que engloba vencimento básico e outras vantagens legais (artigo 41 da Lei nº 8.112/19907). Ou seja, ela não faz restrição ou limita a remuneração ao vencimento básico e, no caso de aposentado, provento básico8. ISTO POSTO, concedo, em parte, a segurança e determino a implantação da RT e da GEMAS nos proventos dos Impetrantes, conforme o padrão remuneratório de Professor Titular previsto nos Anexos IV-A e V-B da Lei nº 11.784/2008. Sem condenação em honorários advocatícios (artigo 25 da Lei nº 12.016/20099). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão da entidade no pólo passivo. Intime-se. Oficie. Decorrido o prazo em recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 14, § 1º, da Lei nº 12.016/200910). João Pessoa, 18 de dezembro de 2009 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 2º São órgãos da Reitoria: I - o Gabinete do Reitor; II - as assessorias especiais; III - os órgãos auxiliares de direção superior; IV - a Superintendência de Recursos Humanos; V - a Prefeitura Universitária; VI - os órgãos suplementares. § 1º São assessorias especiais da Reitoria a Procuradoria Jurídica (PJ), a Assessoria de Segurança e Informação ASI), a Assessoria para Assuntos Internacionais (AEAI) e outras que venham a ser criadas pelo Reitor. § 2º São órgãos auxiliares de direção superior a Vice-Reitoria e as Pró-Reitorias. § 3º São órgãos suplementares os assim definidos no Estatuto e especificados no Regimento Geral da Universidade. .... Art. 188 - A Superintendência de Recursos Humanos, subordinada administrativamente ao Reitor, tem por atribuições o estudo, proposição de diretrizes, orientação, coordenação, controle e fiscalização de assuntos concernentes à Administração de Pessoal da Universidade. Art. 189 - Além das atribuições do artigo anterior, competem à Superintendência de Recursos Humanos, como órgão seccional, vinculado tecnicamente ao órgão central do Sistema de Pessoal Civil (SIPEC), as atividades de gestão e execução, no âmbito da Universidade, das diretrizes e normas emanadas do DASP. Art. 190 - A Superintendência de Recursos Humanos será administrada por um Superintendente, nomeado em comissão pelo Reitor. Art. 191 - A Superintendência de Recursos Humanos compreende: I - Divisão de Classificação e Controle de Cargos e Empregos: - Seção de Classificação e Redistribuição de Cargos e Empregos; - Seção de Controle de Pagamento de Pessoal; - Seção de Cadastro e Lotação. II - Divisão de Legislação, Direitos e Deveres: - Seção de Direitos e Deveres; - Seção de Pessoal Trabalhista. III - Divisão de Seleção e Aperfeiçoamento: - Seção de Recrutamento e Seleção; - Seção de Treinamento e Aperfeiçoamento; Parágrafo Único - A Superintendência de Recursos Humanos disporá de uma Secretaria, incumbida das tarefas relacionadas com o seu apoio burocrático. Art. 192 - À Divisão de Classificação e Controle de Cargos e Empregos, integrada aos subsistemas de Classificação e Redistribuição de Cargos e Empregos e do Cadastro de Pessoal Civil da Administração Federal, compete: I. Através da Seção de Classificação e Redistribuição de Cargos e Empregos. a) elaborar estudos para alteração de quadros e tabelas de pessoal; b) orientar, coordenar e controlar as atividades pertinentes à administração do Plano de Classificação de Cargos; c) instruir processos de readaptação, enquadramento e transferência de cargos; d) encaminhar às respectivas comissões todos os dados necessários ao processamento de ascensão e progressão funcionais dos servidores e preparação dos respectivos atos; e) instruir os recursos interpostos contra erros e omissões nas classificações para ascensão e progressão; f) manter rigorosamente atualizado o registro de vagas a serem preenchidas através de nomeação, progressão, transferência e outras formas de provimento; g) executar todos os demais serviços relativos à classificação e redistribuição de cargos e empregos que lhe forem cometidos. II. Através da Seção de Controle de Pagamento de Pessoal: a) preparar os pagamentos da competência da Superintendência; b) organizar e manter atualizadas as fichas financeiras dos servidores; c) fornecer ao Centro de Processamento de Dados os elementos necessários à confecção da folha de pagamento do pessoal e do controle dos vencimentos, salários e demais vantagens financeiras; d) fornecer certidões e declarações de rendimentos; e) proceder aos cálculos dos descontos obrigatórios e implantá-los para efeito de pagamento; f) proceder aos cálculos de outros descontos e consignações autorizados e, bem assim, dos valores relativos à quitação de empregos em casos de rescisão de contratos; g) manter atualizado o arquivo dos documentos relativos à escrituração dos atos e despesas com pessoal; h) fornecer dados para a proposta orçamentária; i) apresentar, semestralmente relatório de suas atividades; j) executar outras atribuições correlatas. III. Através da Seção de Cadastro e Lotação: a) propor, com base nos elementos de cadastro e funcionogramas dos diversos órgãos, medidas para fixação da lotação e distribuição do pessoal e executar o seu processamento; b) manter atualizado o registro discriminado da lotação, nos seus aspectos qualitativo e quantitativo, por unidade organizacional, destacando os cargos efetivos, de provimento em comissão, funções gratificadas e empregos regidos pela CLT; c) coordenar as informações a serem prestadas aos Òrgãos da Administração Superior e Setorial; d) manter atualizado o controle nominal, por órgão de lotação; e) preparar atos de movimentação; f) manter atualizado o cadastro de pessoal aposentado, em disponibilidade e excedente; g) emitir cartões de identidade funcional; h) propor o aproveitamento de pessoal disponível ou desnecessário e redistribuição de excedentes e fornecer informações aos Òrgãos Setorial e Central, quando o aproveitamento e redistribuição não forem de sua alçada; i) proceder às anotações em carteiras profissionais, exceto quando impliquem em admissão, alteração ou extinção de contrato; j) proceder às anotações em fichas de registros de empregados; l) elaborar escala de férias; m) encaminhar ao Ministério do Trabalho, as alterações de empregos e relação de 2/3; n) prestar informações aos órgãos fiscalizadores do Ministério do Trabalho; o) fornecer certidão de tempo de serviço de pessoal regido pela CLT; p) cuidar das atividades relativas ao PASEP. Art. 193 - À Divisão de Legislação, Direitos e Deveres compete: I. Através da Seção de Direitos e Deveres: a) instruir os processos e opinar sobre questões relacionadas com relevação de faltas, licenças, auxílio-doença, aposentadoria e disponibilidade; b) instruir os processos e opinar sobre questões relacionadas com a equiparação, efetivação de servidores, tempo de serviço, gratificação qüinqüenal, salário-família, férias e demais direitos e vantagens dos funcionários; c) expedir guia para exame médico; d) elaborar expedientes e respectivas apostilas referentes a nomeação, reversão, aproveitamento, reintegração, substituição, posse, exoneração, dispensa, disponibilidade, requisição e afastamento; e) adotar providências necessárias à revisão de proventos de aposentadoria e executar os demais encargos com o pessoal inativo; f) manter atualizado os registros de tempo de serviço com vistas à aposentadoria, ascensão, progressão, concessão de gratificação por tempo de serviço, de licença especial e estágio probatório; g) fornecer certidões de tempo de serviço e de atos que constem dos seus registros; h) fiscalizar prazos de afastamentos de funcionários e professores; i) exercer o controle das cotas de salário-família do pessoal estatutário; j) examinar os processos de acumulação de cargos opinando conclusivamente, exceto quando houver acumulação com cargos de magistério, cuja correlação de matérias será examinada por comissão competente; l) controlar o registro de freqüência do pessoal e fornecer as alterações à Seção de Controle de Pagamento e de Cadastro e Lotação; m) emitir parecer em processos de prestação de fiança e seguro-fidelidade do servidor sujeito a esta obrigação; n) examinar e instruir os processos disciplinares, oferecendo parecer conclusivo sobre as medidas a serem adotadas; o) opinar nos processos de contratos de prestação de serviços e nos processos de pagamento; p) zelar pela fiel observância da legislação do pessoal, no que se refere a direitos, vantagens e responsabilidade dos servidores; q) executar outras tarefas correlatas. II - Através da Seção de Pessoal Trabalhista: a) instruir processos de contrato individual de trabalho; b) preparar termos de contrato de trabalho; c) instruir processos de interrupção, suspensão e rescisão de contrato; d) instruir processos de homologação de opção pelo FGTS e comunicar à Seção de Controle de Pagamento; e) expedir guia de exame médico e controlar os afastamentos de empregados; f) emitir parecer em processos que envolvam interesses trabalhistas; g) instruir os processos e controlar as respectivas cotas de salário-família; h) zelar pela fiel observância da legislação referente a direitos, deveres, vantagens e responsabilidades dos servidores regidos pela CLT; i) opinar nos processos de elaboração de convênios que impliquem em contratação de pessoal; j) executar outras atividades correlatas. Art. 194. À Divisão de Seleção e Aperfeiçoamento compete: I - Através da Seção de Recrutamento e Seleção, integrada ao Subsistema de Recrutamento e Seleção. a) desenvolver e utilizar técnicas de recrutamento de pessoal; b) preparar expedientes necessários à realização de concursos públicos, do pessoal técnico-administrativo e do pessoal docente; c) coordenar os trabalhos de elaboração e correção de provas de ascensão e progressão funcionais; d) executar os serviços de inscrição de candidatos a concurso; e) coordenar a realização de provas para admissão e para transferência da carreira; f) elaborar relatórios finais de concurso e providenciar o encaminhamento ao DASP, dos resultados respectivos; g) manter registros referentes a concursos e provas; h) executar outras tarefas correlatas. II - Através da Seção de Treinamento e Aperfeiçoamento: a) elaborar planos e programas de treinamento e aperfeiçoamento de pessoal técnico-administrativo; b) coordenar a execução dos planos e programas de treinamento e aperfeiçoamento; c) manter intercâmbio com entidades especializadas; d) proceder à avaliação das atividades realizadas; e) coordenar a execução de programas de treinamento destinados à transformação e transposição de cargos; f) manter registro da qualificação dos servidores, com a identificação de cursos e estágios realizados, como elemento indispensável ao inventário do pessoal; g) providenciar a aquisição de equipamento e outros recursos técnicos indispensáveis às atividades de treinamento e aperfeiçoamento de pessoal; h) executar outras tarefas correlatas. 3 Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei processual, será apresentada em 2 (duas) vias com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições. § 1o No caso em que o documento necessário à prova do alegado se ache em repartição ou estabelecimento público ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará, para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 (dez) dias. O escrivão extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da petição. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da notificação. § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática. § 4o (VETADO) § 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito. 4 Art. 192. O servidor que contar tempo de serviço para aposentadoria com provento integral será aposentado: I - com a remuneração do padrão de classe imediatamente superior àquele em que se encontra posicionado; II - quando ocupante da última classe da carreira, com a remuneração do padrão correspondente, acrescida da diferença entre esse e o padrão da classe imediatamente anterior. Observação: o artigo 192 foi revogado pela Lei nº 9.527/1997. 5 Art. 20. A partir de 1o de fevereiro de 2009, a estrutura remuneratória dos cargos integrantes da Carreira do Magistério Superior de que trata a Lei nº 7.596, de 10 de abril de 1987, será composta de: I - Vencimento Básico; II - Retribuição por Titulação - RT; e III - Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS. Art. 21. A partir de 1o de fevereiro de 2009, os integrantes da Carreira do Magistério Superior de que trata a Lei nº 7.596, de 10 de abril de 1987, não farão jus à percepção das seguintes gratificações e vantagens: I - Vantagem Pecuniária Individual - VPI, de que trata a Lei no 10.698, de 2 de julho de 2003; II - Gratificação de Atividade Executiva - GAE, de que trata a Lei Delegada no 13, de 27 de agosto de 1992; III - Gratificação Temporária para o Magistério Superior - GTMS a que se refere o art. 18 desta Lei; e IV - o acréscimo de percentual de que trata o art. 6o da Lei no 11.344, de 8 de setembro de 2006. Parágrafo único. A partir de 1o de fevereiro de 2009, o valor referente à GAE fica incorporado à Tabela de Vencimento Básico dos servidores integrantes da Carreira do Magistério Superior de que trata a Lei nº 7.596, de 10 de abril de 1987, conforme valores estabelecidos na Tabela constante do Anexo XVII desta Lei. Art. 22. A Lei no 11.344, de 8 de setembro de 2006, passa a vigorar acrescida dos seguintes artigos: "Art. 6o-A. Os valores de vencimento básico da Carreira do Magistério Superior passam a ser os constantes do Anexo IV-A desta Lei, produzindo efeitos financeiros a partir de 1o de fevereiro de 2009." "Art. 7o-A. A partir de 1o de fevereiro de 2009, fica instituída a Retribuição por Titulação - RT, devida ao docente integrante da Carreira do Magistério Superior em conformidade com a classe, nível e titulação comprovada, nos termos do Anexo V-A desta Lei. § 1o A RT será considerada no cálculo dos proventos e das pensões, desde que o certificado ou o título tenha sido obtido anteriormente à data da inativação. § 2o Os valores referentes à RT não serão percebidos cumulativamente." "Art. 11-A. Fica instituída a Gratificação Específica do Magistério Superior - GEMAS devida ao docente integrante da Carreira do Magistério Superior, nos valores previstos no Anexo V-B desta Lei. Parágrafo único. A gratificação a que se refere o caput deste artigo integrará os proventos da aposentadoria e as pensões, observada a legislação vigente." 6 ANEXO IV-A (Incluído pela Lei nº 11,784, de 2008) VALORES DO VENCIMENTO BÁSICO DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR EFEITOS FINANCEIROS: A PARTIR DE 1º DE FEVEREIRO DE 2009 Em R$ VENCIMENTO BÁSICO CLASSE NÍVEL REGIME DE TRABALHO 20 HORAS 40 HORAS DEDICAÇÃO EXCLUSIVA TITULAR 1 1.003,50 2.007,00 3.110,85 4 946,70 1.893,40 2.934,77 ASSOCIADO 3 919,13 1.838,26 2.849,30 2 892,36 1.784,72 2.766,32 1 889,76 1.779,52 2.758,26 4 817,33 1.634,66 2.533,72 ADJUNTO 3 793,52 1.587,04 2.459,91 2 770,41 1.540,82 2.388,27 1 747,97 1.495,94 2.318,71 4 705,63 1.411,26 2.187,45 ASSISTENTE 3 685,08 1.370,16 2.123,75 2 665,13 1.330,26 2.061,90 1 645,76 1.291,52 2.001,86 4 609,21 1.218,42 1.888,55 AUXILIAR 3 591,47 1.182,94 1.833,56 2 574,24 1.148,48 1.780,14 ANEXO V-A (Incluído pela Lei nº 11,784, de 2008) RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR - RT a) Carreira do Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 20 horas semanais Em R$ EFEITOS FINANCEIROS EFEITOS FINANCEIROS CLASSE NÍVEL A PARTIR DE 1o DE FEVEREIRO DE 2009 A PARTIR DE 1o DE JULHO DE 2010 APERF ESPEC MESTR DOUT APERF ESPEC MESTR DOUT TITULAR 1 81,87 227,54 507,88 1.012,71 160,78 340,42 722,66 1.400,49 4 439,01 878,18 720,98 1.248,02 ASSOCIADO 3 411,92 796,44 671,61 1.158,00 2 411,77 757,94 665,91 1.075,78 1 411,62 757,79 665,76 1.051,03 4 63,88 122,70 293,03 638,98 155,56 195,24 464,64 849,91 ADJUNTO 3 62,77 121,59 283,83 612,44 148,48 185,87 450,53 826,91 2 61,66 117,33 274,88 586,79 141,46 176,65 436,71 804,44 1 60,55 113,19 266,19 564,26 69,67 167,59 423,15 782,50 4 59,44 105,63 250,06 60,03 154,43 401,56 ASSISTENTE 3 58,33 101,81 242,07 58,91 145,73 388,76 2 57,22 98,09 234,31 57,79 137,17 376,21 1 56,11 94,48 226,77 56,67 128,72 363,89 4 55,00 87,91 55,55 120,94 AUXILIAR 3 53,89 84,57 54,43 117,00 2 52,78 81,33 53,31 113,19 1 51,67 78,18 52,19 109,50 b) Carreira do Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 40 horas semanais Em R$ EFEITOS FINANCEIROS EFEITOS FINANCEIROS CLASSE NÍVEL A PARTIR DE 1o DE FEVEREIRO DE 2009 A PARTIR DE 1o DE JULHO DE 2010 APERF ESPEC MESTR DOUT APERF ESPEC MESTR DOUT TITULAR 1 97,47 423,27 864,06 2.231,96 168,81 452,29 1.276,40 2.571,40 4 847,34 1.887,20 1.126,47 2.269,92 ASSOCIADO 3 847,25 1.887,11 1.125,84 2.240,05 2 847,15 1.887,01 1.125,21 2.226,36 1 847,06 1.886,92 1.124,58 2.225,73 4 99,26 354,85 614,29 1.654,15 101,57 354,85 868,16 1.968,16 ADJUNTO 3 95,21 340,30 588,21 1.636,57 99,34 340,30 830,84 1.900,84 2 91,20 325,95 561,82 1.619,49 97,18 325,95 802,14 1.842,14 1 87,28 311,94 535,85 1.602,91 95,09 311,94 771,21 1.782,11 4 82,73 289,03 498,42 87,32 289,03 748,42 ASSISTENTE 3 61,25 255,36 485,91 81,08 255,36 734,16 2 60,08 218,06 473,65 74,90 218,06 720,16 1 58,92 167,01 461,60 68,75 168,02 706,37 4 57,75 92,31 62,78 155,55 AUXILIAR 3 56,58 88,80 58,14 148,73 2 55,42 85,40 57,31 142,03 1 54,25 82,09 56,48 135,45 c) Carreira do Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de Dedicação Exclusiva Em R$ EFEITOS FINANCEIROS EFEITOS FINANCEIROS CLASSE NÍVEL A PARTIR DE 1o DE FEVEREIRO DE 2009 A PARTIR DE 1o DE JULHO DE 2010 APERF ESPEC MESTR DOUT APERF ESPEC MESTR DOUT TITULAR 1 297,40 629,19 2.259,29 5.865,99 435,34 794,01 3.032,07 6.968,43 4 2.524,80 5.591,44 3.030,97 6.967,33 ASSOCIADO 3 2.524,17 5.530,30 3.030,34 6.858,45 2 2.523,54 5.472,95 3.029,71 6.857,62 1 2.522,91 5.299,92 3.029,08 6.815,21 4 176,37 572,31 1.765,18 3.583,43 282,94 578,03 2.130,17 4.250,33 ADJUNTO 3 160,69 540,38 1.688,76 3.476,98 274,64 545,78 2.044,92 4.136,10 2 144,19 507,87 1.628,50 3.373,38 267,95 512,95 1.984,37 4.024,97 1 135,09 483,11 1.569,09 3.365,27 261,45 483,55 1.924,68 3.916,88 4 124,07 443,65 1.409,95 249,19 454,35 1.709,18 ASSISTENTE 3 118,83 424,90 1.408,84 243,23 442,37 1.672,92 2 113,98 407,54 1.407,73 237,45 432,10 1.630,44 1 109,40 391,13 1.406,62 231,84 422,12 1.592,90 4 101,00 361,04 221,25 403,30 AUXILIAR 3 96,92 346,44 216,12 394,16 2 93,07 332,68 201,66 375,82 1 89,43 319,64 187,32 357,72 ANEXO V-B (Incluído pela Lei nº 11,784, de 2008) GRATIFICAÇÃO ESPECÍFICA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR - GEMAS a) Carreira do Magistério Superior - Valores da GEMAS para o regime de 20 horas semanais Em R$ CLASSE NÍVEL A PARTIR DE 1o DE FEVEREIRO DE 2009 A PARTIR DE 1o DE JULHO DE 2010 TITULAR 1 978,88 1.078,78 4 977,77 1.077,68 ASSOCIADO 3 976,66 1.077,05 2 975,55 1.076,42 1 974,44 1.075,79 4 973,33 1.075,16 ADJUNTO 3 972,22 1.067,60 2 971,11 1.060,10 1 970,00 987,83 4 968,89 986,72 ASSISTENTE 3 967,78 985,61 2 966,67 984,50 1 965,56 983,39 4 964,45 982,28 AUXILIAR 3 963,34 981,17 2 962,23 980,06 1 961,12 978,95 b) Carreira do Magistério Superior - Valores da GEMAS para o Regime de 40 horas semanais Em R$ CLASSE NÍVEL A PARTIR DE 1o DE FEVEREIRO DE 2009 A PARTIR DE 1o DE JULHO DE 2010 TITULAR 1 1.027,82 1.112,90 4 1.026,66 1.111,80 ASSOCIADO 3 1.025,49 1.111,17 2 1.024,33 1.110,54 1 1.023,16 1.109,91 4 1.022,00 1.109,28 ADJUNTO 3 1.020,83 1.101,72 2 1.019,67 1.094,22 1 1.018,50 1.021,95 4 1.017,33 1.021,12 ASSISTENTE 3 1.016,17 1.020,29 2 1.015,00 1.019,46 1 1.013,84 1.018,63 4 1.012,67 1.017,80 AUXILIAR 3 1.011,51 1.016,97 2 1.010,34 1.016,14 1 1.009,18 1.015,31 c) Carreira do Magistério Superior - Valores da GEMAS para o Regime de Dedicação Exclusiva Em R$ CLASSE NÍVEL A PARTIR DE 1o DE FEVEREIRO DE 2009 A PARTIR DE 1o DE JULHO DE 2010 TITULAR 1 1.469,97 1.675,77 4 1.334,75 1.522,35 ASSOCIADO 3 1.211,10 1.381,90 2 1.098,63 1.254,03 1 1.065,46 1.130,08 4 1.065,13 1.129,25 ADJUNTO 3 1.054,58 1.118,89 2 1.043,08 1.108,49 1 1.038,87 1.098,08 4 1.037,68 1.088,37 ASSISTENTE 3 1.036,49 1.077,87 2 1.035,30 1.067,37 1 1.034,12 1.056,83 4 1.032,92 1.046,90 AUXILIAR 3 1.031,74 1.036,30 2 1.030,55 1.035,19 1 1.029,36 1.034,08 7 Art. 40. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público, com valor fixado em lei. Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 11.784, de 2008) Art. 41. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. § 1o A remuneração do servidor investido em função ou cargo em comissão será paga na forma prevista no art. 62. § 2o O servidor investido em cargo em comissão de órgão ou entidade diversa da de sua lotação receberá a remuneração de acordo com o estabelecido no § 1o do art. 93. § 3o O vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens de caráter permanente, é irredutível. § 4o É assegurada a isonomia de vencimentos para cargos de atribuições iguais ou assemelhadas do mesmo Poder, ou entre servidores dos três Poderes, ressalvadas as vantagens de caráter individual e as relativas à natureza ou ao local de trabalho. § 5o Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salário mínimo. (Incluído pela Lei nº 11.784, de 2008 8 "ADMINISTRATIVO, PROFESSOR ADJUNTO NÍVEL II, APOSENTADORIA, PROVENTOS. 1 - O SERVIDOR PÚBLICO DE CARREIRA QUE AINDA NÃO ESTIVER NA ÚLTIMA PROGRESSÃO E SE APOSENTAR POR TEMPO DE SERVIÇO COM PROVENTOS INTEGRAIS, FAZ JUZ À REMUNERAÇÃO REFERENTE À CLASSE IMEDIATAMENTE SUPERIOR, NOS TERMOS DO ARTIGO 192, I, DA LEI Nº 8.112/90, O VOCÁBULO "REMUNERAÇÃO" ABRANGE NÃO SÓ OS VENCIMENTOS MAS, TAMBÉM, AS DEMAIS VANTAGENS PECUNIÁRIAS FIXADAS EM LEI. 2 - REMESSA OFICIAL IMPROVIDA. " (REO nº 50006, Relator Desembargador Federal Geraldo Apoliano, 3ª Turma do TRF-5ª Região, DJU de 22.08.1997, p. 66610)(grifei) 9 Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé. 10 Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial. ?? ?? ?? ?? 1 15 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0003550-55.2006.4.05.8200 DIOMEDES FERREIRA DE LIMA (Adv. FABIANO BARCIA DE ANDRADE) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE M. MAIA DE FREITAS)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000654-68.2008.4.05.8200 DANIELLE ALBUQUERQUE POMPEU (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, ANA CAROLINA GUEDES PEREIRA)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0002582-20.2009.4.05.8200 UNIAO FEDERAL (EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. SARA DE ALMEIDA AMARAL) x UNIAO FEDERAL (EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. SARA DE ALMEIDA AMARAL) x THEMISTOCLES DE ALBUQUERQUE CHAVES E OUTROS (Adv. ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS, HERCIO FONSECA DE ARAUJO) x ELIZABETH DE LIRA CHAVES

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0002593-54.2006.4.05.8200 UBIRAJARA PEREIRA DE SOUSA (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Autos com vista ao Exequente, do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0009006-78.2009.4.05.8200 ROSALVA GOMES DO PRADO (Adv. MAILSON LIMA MACIEL, HILDEMAR GUEDES MACIEL) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2009.9006-3, CLASSE Nº 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: ROSALVA GOMES DO PRADO ADVOGADOS: MAILSON LIMA MACIEL e HILDEMAR GUEDES MACIEL RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL D E C I S à O CONCILIAR É LEGAL - RECOMENDAÇÃO Nº 8 DO CNJ1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Rosalva Gomes do Prado em face da Caixa Econômica Federal - CEF, visando, em antecipação da tutela, a exclusão de seu nome dos cadastros de proteção ao crédito. A Autora afirma o seguinte: 1) Firmou com a CAIXA o contrato de mútuo habitacional nº 8.1033.0001.589-0, que possui prestação mensal no valor de R$ 215,38, com vencimento no dia 21 de cada mês; 2) Tendo vista que o dia do vencimento das prestações é anterior ao dia em que adquire disponibilidade financeiro, mensalmente efetua o pagamento das prestações com poucos dias de atraso, porém, nunca deixou de efetuar os pagamentos; 3) Efetuou o pagamento da prestação nº 57, com vencimento em 21/09/2009 na data de 07/10/2009, na agência da CAIXA; 4) Mesmo após efetuar o pagamento da prestação em 07/10/2009, a CAIXA inscreveu o seu nome no cadastro restritivo de crédito do SERASA e da própria CAIXA; 5) A notificação do SERASA foi enviada à Autora em 12/10/2009, 05 dias após o pagamento da prestação, enquanto a inscrição negativa foi efetivada em 22/10/2009, mais de 15 dias após o pagamento. Acompanham a Inicial procuração e documentos (fls. 03/23). É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.19942, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. Ao que indica a interpretação útil e razoável da lei, a verossimilhança da alegação, por ancorar-se em fundamentação de fato e de direito, e a prova inequívoca permitam a cognição sumária, como ocorre no processo de execução. Prova inequívoca é a suficiente para atestar a verossimilhança das alegações. Pouco importam as espécies. Não dispõe a lei sobre tal ou qual prova nem exclui aquelas que, de certo modo, impliquem a elaboração de prova inequívoca. Não há tarifamento probatório, nem supressão para que seja antecipada a tutela. Como ocorre a cognição sumária é de se dar relevo que haja verossimilhança do direito para a tutela provisória; o que não ocorre quando há forte dissenso pretoriano. Na hipótese em exame, estão satisfeitos os requisitos legais. Com efeito, ainda que paga com atraso a prestação nº 57 do contrato de mútuo habitacional nº 8.1033.0001.589-0, que se venceu em 21/09/2009, a CAIXA incluiu indevidamente o nome da Autora no cadastro de inadimplentes, já que o pagamento da prestação ocorreu em 07/10/2009 e a inclusão foi efetivada em 22/10/2009. Esquematicamente: Vencimento da prestação Pagamento da prestação Inclusão do nome da Autora nos cadastros restritivos de crédito 21/09/2009 07/10/2009 22/10/2009 ISTO POSTO: 1) Defiro o pedido de antecipação da tutela e determino a exclusão do nome da Autora do cadastro de inadimplentes com relação à prestação nº 57 do contrato de mútuo habitacional nº 8.1033.0001.589-0 (fl. 17); 2) Intime-se a Autora, pessoalmente, para comparecer à GICOP3 - Gerência de Filial de Manutenção e Recuperação de Ativos Próprios, a fim de tomar conhecimento das propostas de conciliação ofertadas pela Caixa Econômica Federal, com vista a possível conciliação; 3) Fica designado o dia 22/02/2010 às 14:30 h. para Audiência de Conciliação e/ou Transação se antes as partes já não houverem apresentado em Juízo e por escrito proposta de Transação para ser objeto de Homologação Judicial. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se a Autora. Oficie-se à Ré para imediato cumprimento. Cite-se. João Pessoa, 18 de dezembro de 2009 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 RECOMENDAÇÃO Nº 8, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007 Recomenda aos Tribunais de Justiça, Tribunais Regionais Federais e Tribunais Regionais do Trabalho a realização de estudos e de ações tendentes a dar continuidade ao Movimento pela Conciliação. A Presidente do Conselho Nacional de Justiça, no uso de suas atribuições, Considerando a função de planejamento estratégico do Poder Judiciário atribuída ao Conselho Nacional de Justiça pela Constituição Federal; Considerando os resultados positivos alcançados pelo Movimento pela Conciliação, lançado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2006, culminando com o Dia Nacional da Conciliação, ocorrido no dia 8 de dezembro do mesmo ano; Considerando a necessidade de dar continuidade e autonomia ao Movimento pela Conciliação no âmbito de cada Tribunal, Considerando o que foi deliberado pelo Conselho Nacional de Justiça na Sessão Plenária de 27 de fevereiro de 2007; RESOLVE: RECOMENDAR aos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal, aos Tribunais Regionais Federais e aos Tribunais Regionais do Trabalho que promovam o planejamento e a execução de ações tendentes a dar continuidade ao Movimento pela Conciliação, tais como: a) a constituição de comissão permanente encarregada dessas atividades; b) o planejamento anual, no âmbito do Tribunal, do Movimento pela Conciliação, em que se podem inserir a fixação de um dia da semana com pauta exclusiva de conciliações, a preparação de semanas de conciliação e do Dia Nacional da Conciliação de 2007, a definição de metas, a realização de pesquisas, dentre outras atividades; c) a oferta de cursos de capacitação de conciliadores, magistrados e servidores; d) a divulgação, interna e externa, do Movimento pela Conciliação, inclusive da estatística específica de conciliações. Os Tribunais deverão encaminhar, para fins de divulgação pelo Conselho Nacional de Justiça, o planejamento anual do Movimento pela Conciliação até o dia 30 de abril de 2007. Para fins de divulgação da estatística dos Tribunais no site do CNJ, os Tribunais acima referidos deverão encaminhar ao Conselho Nacional de Justiça, até o dia 10 do mês seguinte, dados mensais sobre conciliações. Publique-se e encaminhe-se cópia desta Recomendação a todos os Tribunais mencionados. Ministra Ellen Gracie Presidente CONCILIAÇÃO - Código de Processo Civil Art. 125. O juiz dirigirá o processo conforme as disposições deste Código, competindo-lhe: I - assegurar às partes igualdade de tratamento; II - velar pela rápida solução do litígio; III - prevenir ou reprimir qualquer ato contrário à dignidade da Justiça; IV - tentar, a qualquer tempo, conciliar as partes. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) Art. 277. O juiz designará a audiência de conciliação a ser realizada no prazo de trinta dias, citando-se o réu com a antecedência mínima de dez dias e sob advertência prevista no § 2º deste artigo, determinando o comparecimento das partes. Sendo ré a Fazenda Pública, os prazos contar-se-ão em dobro. (Redação dada pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 1º A conciliação será reduzida a termo e homologada por sentença, podendo o juiz ser auxiliado por conciliador. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 2º Deixando injustificadamente o réu de comparecer à audiência, reputar-se-ão verdadeiros os fatos alegados na petição inicial (art. 319), salvo se o contrário resultar da prova dos autos, proferindo o juiz, desde logo, a sentença. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 3º As partes comparecerão pessoalmente à audiência, podendo fazer-se representar por preposto com poderes para transigir. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 4º O juiz, na audiência, decidirá de plano a impugnação ao valor da causa ou a controvérsia sobre a natureza da demanda, determinando, se for o caso, a conversão do procedimento sumário em ordinário. ((Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 5º A conversão também ocorrerá quando houver necessidade de prova técnica de maior complexidade. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) Da Audiência Preliminar (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) Art. 331. Se não ocorrer qualquer das hipóteses previstas nas seções precedentes, e versar a causa sobre direitos que admitam transação, o juiz designará audiência preliminar, a realizar-se no prazo de 30 (trinta) dias, para a qual serão as partes intimadas a comparecer, podendo fazer-se representar por procurador ou preposto, com poderes para transigir. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 1o Obtida a conciliação, será reduzida a termo e homologada por sentença. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o Se, por qualquer motivo, não for obtida a conciliação, o juiz fixará os pontos controvertidos, decidirá as questões processuais pendentes e determinará as provas a serem produzidas, designando audiência de instrução e julgamento, se necessário. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o Se o direito em litígio não admitir transação, ou se as circunstâncias da causa evidenciarem ser improvável sua obtenção, o juiz poderá, desde logo, sanear o processo e ordenar a produção da prova, nos termos do § 2o. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) Da Conciliação Art. 447. Quando o litígio versar sobre direitos patrimoniais de caráter privado, o juiz, de ofício, determinará o comparecimento das partes ao início da audiência de instrução e julgamento. Parágrafo único. Em causas relativas à família, terá lugar igualmente a conciliação, nos casos e para os fins em que a lei consente a transação. Art. 448. Antes de iniciar a instrução, o juiz tentará conciliar as partes. Chegando a acordo, o juiz mandará tomá-lo por termo. Art. 449. O termo de conciliação, assinado pelas partes e homologado pelo juiz, terá valor de sentença. TRANSAÇÃO - CÓDIGO CIVIL Art. 840. É lícito aos interessados prevenirem ou terminarem o litígio mediante concessões mútuas. Art. 841. Só quanto a direitos patrimoniais de caráter privado se permite a transação. Art. 842. A transação far-se-á por escritura pública, nas obrigações em que a lei o exige, ou por instrumento particular, nas em que ela o admite; se recair sobre direitos contestados em juízo, será feita por escritura pública, ou por termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz. Art. 843. A transação interpreta-se restritivamente, e por ela não se transmitem, apenas se declaram ou reconhecem direitos. Art. 844. A transação não aproveita, nem prejudica senão aos que nela intervierem, ainda que diga respeito a coisa indivisível. § 1o Se for concluída entre o credor e o devedor, desobrigará o fiador. § 2o Se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores. § 3o Se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores. Art. 845. Dada a evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; mas ao evicto cabe o direito de reclamar perdas e danos. Parágrafo único. Se um dos transigentes adquirir, depois da transação, novo direito sobre a coisa renunciada ou transferida, a transação feita não o inibirá de exercê-lo. Art. 846. A transação concernente a obrigações resultantes de delito não extingue a ação penal pública. Art. 847. É admissível, na transação, a pena convencional. Art. 848. Sendo nula qualquer das cláusulas da transação, nula será esta. Parágrafo único. Quando a transação versar sobre diversos direitos contestados, independentes entre si, o fato de não prevalecer em relação a um não prejudicará os demais. Art. 849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa. Parágrafo único. A transação não se anula por erro de direito a respeito das questões que foram objeto de controvérsia entre as partes. Art. 850. É nula a transação a respeito do litígio decidido por sentença passada em julgado, se dela não tinha ciência algum dos transatores, ou quando, por título ulteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação. 2 Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 1o Na decisão que antecipar a tutela, o juiz indicará, de modo claro e preciso, as razões do seu convencimento. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o Não se concederá a antecipação da tutela quando houver perigo de irreversibilidade do provimento antecipado. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o A efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme sua natureza, as normas previstas nos arts. 588, 461, §§ 4o e 5o, e 461-A. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 4o A tutela antecipada poderá ser revogada ou modificada a qualquer tempo, em decisão fundamentada. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 5o Concedida ou não a antecipação da tutela, prosseguirá o processo até final julgamento. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 6o A tutela antecipada também poderá ser concedida quando um ou mais dos pedidos cumulados, ou parcela deles, mostrar-se incontroverso. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 7o Se o autor, a título de antecipação de tutela, requerer providência de natureza cautelar, poderá o juiz, quando presentes os respectivos pressupostos, deferir a medida cautelar em caráter incidental do processo ajuizado. (Parágrafo acrescentado pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) 3 UNIDADE: GICOP - GERÊNCIA DE FILIAL DE MANUTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ATIVOS PRÓPRIOS ENDEREÇO: AV EPITÁCIO PESSOA, 1521 2º ANDAR - B.DOS ESTADOS CEP: 58030-001 TELEFONES: 3216 4347 - 3216 4379 - 3216 4351 RESPONSÁVEIS PELO ATENDIMENTO: GERENTE DE FILIAL: VALÉRIA DE CÁSSIA MORAIS SILVA - 3216 4310 GERENTE DE SERVIÇO: LAURA CRISTINA DE MELO BARBOSA - 3216 4351 SUPERVISOR HABITACIONAL: JOÃO ALVES PEREIRA JÚNIOR - 3216 4379 SUPERVISOR COMERCIAL: CARLOS ALBERTO FERREIRA ESPÍNOLA - 3216 4322 ANALISTA COMERCIAL: KEPLER DANTAS (3216 4348), ARANY NETA (3216 4363) ANALISTA HABITACIONAL: MÔNICA LUCENA (3216 4352), LENICE BORBOREMA (3216 4362) ?? ?? ?? ?? 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0000619-79.2006.4.05.8200 MUNICIPIO DE GURINHEM (Adv. CLAUDIO FREIRE MADRUGA, IRIO DANTAS NOBREGA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR) x JORGE URÇULO RIBEIRO COUTINHO (Adv. CIANE FIGUEIREDO FELICIANO DA SILVA) x CONSTRUTORA GLOBO LTDA. E OUTRO (Adv. AMAURI DE LIMA COSTA, GENILDA DE ARAUJO BORGES, ROUGGER XAVIER GUERRA JUNIOR) x JOSÉ WELLINGTON MONTEIRO GUEDES (Adv. MARCUS ANTONIO DANTAS CARREIRO) x VILMA TEIXEIRA LIMA DOS SANTOS E OUTRO (Adv. DEFENSOR PUBLICO DA UNIAO)

Decreto a revelia dos Réus CONSTRUTORA GLOBO LTDA., VILMA TEIXEIRA LIMA DOS SANTOS E LENIRA SILVA DE OLIVEIRA, ressalvando-se o mencionado no inciso I1 do art. 320 do CPC. À impugnação. 1 Art. 320. A revelia não induz, contudo, o efeito mencionado no artigo antecedente: I - se, havendo pluralidade de réus, algum deles contestar a ação; II - se o litígio versar sobre direitos indisponíveis; III - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público, que a lei considere indispensável à prova do ato. ?? ?? ?? ??

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000027-93.2010.4.05.8200 SEBASTIAO DA SILVA SOARES (Adv. GERALDO QUEIROGA LOPES) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 27-93.2010.4.05.8200 - AÇÃO ORDINÁRIA - CLASSE 29 AUTOR: SEBASTIÃO DA SILVA SOARES ADVOGADO: GERALDO DE QUEIROGA LOPES RÉ: UNIÃO D E C I S Ã O Cuida-se de Embargos de Declaração (fls. 40/48) opostos pelo Autor à decisão de fls. 24/32, que indeferiu o pedido de antecipação da tutela. O Embargante afirma que a decisão foi omissa no exame da assertiva (causa de pedir) sobre a ausência de auto-executoriedade dos atos administrativos em matéria ambiental no que diz respeito à demolição de estabelecimento, prevista no artigo 72, inciso VII, da Lei nº 9.605/1998, que, por este motivo, exige ordem judicial na via específica ("ação demolitória"). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1.060/1950). A decisão embargada, da lavra do Exmº Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, no plantão, possui o seguinte teor: "Cuida-se de "Ação Condenatória para Obrigação de Não Fazer" movida por Sebastião da Silva Soares em face da União (Superintendência do Patrimônio da União na Paraíba), com pedido de antecipação da tutela visando a suspensão da demolição da barraca denominada "Tião do Caranguejo," situada na Praia de Ponta de Campina, em Cabedelo. O Autor afirma que através da Notificação nº 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, a Superintendência do Patrimônio da União na Paraíba determinou ao Autor, no prazo de 15 dias, a demolição da barraca denominada "Tião do Caranguejo" situada na Praia de Ponta de Campina, em Cabedelo. Sustenta que somente por meio de ordem judicial e em ação específica é que pode haver a demolição, não tendo a Administração Pública competência para tanto, uma vez que o ato administrativo não é auto-executório em questão ambiental, além do que ocupa de boa-fé a barraca há mais de 20 anos, tendo pago a taxa de ocupação. É o relatório. Decido. A pretensão em sede ordinária revolve a matéria exposta no Mandado de Segurança nº 2009.82.8180-3 antecedente, em curso na 2ª Vara Federal (PB), cujo provimento liminar é análogo, verbis: "Reservei-me à apreciação do pedido de liminar após as Informações da autoridade impetrada, nos seguintes termos (fls. 35/36): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Sebastião da Silva Soares contra ato do Superintendente do Patrimônio da União na Paraíba, configurado na ordem de retirada de barraca denominada "Tião do Caranguejo" situada na Praia de Ponta de Campina, em Cabedelo (PB), sob pena de demolição. O Impetrante afirma o seguinte: 1) Desde 1995, instalou em terreno de marinha, entre o Edifício Residencial Varanda do Atlântico e a Pousada Casa do Italiano, na Praia de Ponta de Campina, em Cabedelo, uma pequena barraca denominada "Tião do Carangejo", na qual comercializa cerveja e carangueijos durante o verão e nos feriados e dias santos. 2) A ocupação é de boa-fé e fora absolvido na Ação Penal nº 2005.82.11495-5, em curso na 2ª Vara Federal (PB), na qual foram-lhe imputados os delitos dos artigos 60 e 64 da Lei nº 9.605/1998. 3) Em 21.03.2005, celebrou termo de ajustamento provisório com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba e a Prefeitura de Cabedelo sobre a referida barraca, em que ficou acordado o pagamento mensal de indenização por ocupação ilícita do terreno de marinha e a manutenção da área do entorno limpa, com acesso livre e sem poluição ambiental, até que seja implementado plano de intervenção da orla pelo Município de Cabedelo em conjunto com o Governo federal. 3) No entanto, a autoridade impetrada expediu a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, determinando ao Impetrante a retirada de barraca, no prazo de 15 dias, contado do recebimento do expediente, sob pena de demolição administrativa, em razão da revogação do termo de ajustamento provisório. Sustenta a ilegalidade da determinação, porque o termo de ajustamento, que vinha sendo regularmente cumprido, se trata de ato jurídico perfeito, e pede a concessão da liminar para determinar a suspensão da demolição da barraca, objeto da Notificação nº 018/GAB/SPU/PB/2009. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 17/32). Reservo-me para apreciar o pedido de liminar após as Informações da autoridade impetrada, que deverão vir instruídas com cópia integral do processo administrativo nº 04931.000298/2005-11, a que alude a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB/2009 (fls. 18). Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica, entregando-lhe cópia da petição inicial para, querendo, ingressar no feito (artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 12.016/20091). João Pessoa, 23 OUT 2009." A autoridade impetrada prestou as Informações, acompanhadas de documentos, afirmando que (fls. 81/111): 1) O estabelecimento "Tião do Caranguejo" pertencente ao Impetrante está situado em área de uso comum do povo, de domínio da União. 2) O Impetrante celebrou com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba Termo de Ajustamento Provisório - TAP, a título precário e em caráter temporário, comprometendo-se a respeitar as cláusulas nele constantes até seu termo final. 3) Verificou-se desrespeito ao TAP, com base no Auto de Infração nº 297687/D lavrado pelo IBAMA, em que se atestou a prática de crimes ambientais na referida ocupação, além do fechamento parcial da rua que dá acesso à praia, razão pela qual o TAP fora cancelado, conforme decisão administrativa de 06.06.2007, comunicada ao Impetrante à época. 4) Mais recentemente, a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba recebeu expediente do Ministério Público Federal, recomendando a retirada imediata do estabelecimento do Impetrante, tendo a Gerência reiterado a notificação anterior para desocupação da área e concedido nova oportunidade de defesa, a qual, mesmo apresentada intempestivamente, foi julgada improcedente, com base na Lei nº 7.661/1988 e Decreto-Lei nº 2.398/1987 e, assim "tornou-se a decisão definitiva de uso do poder de polícia administrativa e retirada do estabelecimento comercial situado em área irregular." A União, através da Procuradoria na Paraíba, afirmou que tem interesse em integrar a lide. É o relatório. Decido. Em 21.03.2005, o Impetrante celebrou com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba, em conjunto com a Prefeitura de Cabedelo, o Termo de Ajustamento Provisório - TAP, nele constando (fls. 52/54): "DO OBJETO Estabelecer, de forma provisória, critérios que permitam a transição gradual do uso desordenado das parias para uma condição de uso racional, em consonância com a Legislação Ambiental e Patrimonial, a serem implementados por meio do Plano de Intervenção elaborado pela administração municipal dentro da concepção do Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima - Projeto Orla, conduzido pelo Ministério do Meio Ambiente e pela Secretaria do Patrimônio da União, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão ou outro instrumento de intervenção análogo, visando à aplicação de diretrizes gerais de disciplinamento de uso e ocupação da orla marítima, minimizando nesse período os danos ambientais e garantindo à União indenização pela ocupação ilícita, na forma do Parágrafo único do Art. 10 da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998. DO PRAZO I. O prazo de validade do presente Termo será a data em que for implantado o Plano de Intervenção do Projeto Orla, resultante de Convênio entre o município e a Secretaria do Patrimônio da União ou outro instrumento de intervenção análogo, ou ainda, quando se fizer necessária a desocupação da área de uso comum do povo para fins de utilização legal. OBRIGAÇÕES DO EMPREENDIMENTO AJUSTADO I. Reconhecer que ocupa irregularmente, para fins de exploração comercial, com o estabelecimento denominado TIÃO DO CARANGUEIJO, a área de uso comum do povo medindo 233,00 m2, conforme croqui anexo, situada na praia de Ponta de Campina, Rua Henrique Siqueira, S/N, Cabedelo-PB, e que está sujeito à indenização mensal à União, pelo prazo correspondente ao início da vigência do presente Termo até a data em que perdurar a ocupação irregular, cujo valor nesta data é de R$ 371,83 (trezentos e setenta e um reais e oitenta e três centavos) referente a 10% (dez por cento) do valor atualizado do domínio pleno do terreno, de conformidade com o art. 10, parágrafo único, da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998. II. Manter os limites determinados pela Gerência Regional do Patrimônio da União na Paraíba-GRPU/PB quanto às áreas adjacentes ao estabelecimento comercial, sob pena de multa, na forma dos incisos I e II, do Art. 6º do Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987 calculada sobre a área total. III. Ajustar-se à forma de utilização, consoantes ao Projeto Orla ou outro instrumento de intervenção análogo aprovado pela GRPU ou, do contrário, desocupar a área de domínio da União, de forma pacífica, sem quaisquer questionamentos, em razão do reconhecimento da situação ilícita. IV. Conservar a área ora irregularmente ocupada, sempre limpa, evitando quaisquer danos que possam acarretar prejuízos ao meio ambiente, ao patrimônio público, ou a instalação de equipamentos que restrinjam o acesso à Praia. V. Manter o acesso livre e gratuito a quaisquer espaços da área circunvizinha ao estabelecimento, não podendo cobrar taxas, sob quaisquer títulos, à Sociedade, nem dificultar o acesso ao mar. VI. Manter a estrutura física do estabelecimento em suas configurações originais, inclusive quanto ao material utilizado nas instalações, conforme pactuadas no presente termo. OBRIGAÇÕES DO ÓRGÃO AJUSTANTE I. Suspender a promoção de Ação Judicial visando à desocupação da área ou a aplicação de multas na vigência e no cumprimento do presente termo. II. Suspender a cobrança de multas emitidas até a presente data. DO DESCUMPRIMENTO DAS CONDIÇÕES I. O descumprimento das condições estabelecidas neste Termo de Ajustamento Provisório implica a imediata aplicação dos meios jurídicos cabíveis, sem prejuízo das sanções civis, administrativas e penais pertinentes." (grifei) O Gerente Regional de Patrimônio da União na Paraíba proferiu decisão em 06.06.2007 cancelando o TAP e desautorizando o funcionamento do estabelecimento, porque edificada em área de preservação ambiental e de uso comum do povo (praia), que é área não edificável, com fechamento parcial de rua (fls. 75), tendo o Impetrante sido comunicado por meio do Ofício nº 365/GAB/GRPU/PB, de 22.06.2007, com a advertência de que o não cumprimento da decisão implicará imposição de multa por ocupação irregular e "a remoção do aterro, construção, obras e equipamentos instalados no local", previsto no artigo 6º do Decreto-Lei nº 2.398/1987, na redação dada pela Lei nº 9.636/19982 c/c artigo 11 da Lei nº 9.636/19983. O Ministério Público Federal expediu a Recomendação nº 06/2009, de 02.09.2009, da lavra do Exmº Procurador da República, Dr. José Guilherme Ferraz da Costa, dirigida ao Gerente Regional de Patrimônio da União na Paraíba, recomendando a adoção de providência de retirada do estabelecimento "Tião do Caranguejo", em face da ocupação irregular da área de praia em Cabedelo (fls. 89/90). A autoridade impetrada expediu ao Impetrante a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, reiterando a desocupação da área, com o seguinte teor (fls. 91): "A Superintendência do Patrimônio da União na Paraíba vem, no uso das atribuições que lhe são outorgadas consoante disposto no art. 23, I, da Constituição Federal de 1988, combinado com o art. 11, caput da Lei Federal nº 9.636/1998, reiterar NOTIFICAÇÃO ao responsável pela barraca/quiosque denominado 'Tião do Caranguejo' acerca da REVOGAÇÃO do Termo de Ajustamento Provisório (processo 04931.000298/2005-11) que tinha como objeto tal estabelecimento nos termos do despacho decisório anexo, e para que promova a REMOÇÃO no prazo IMPRORROGÁVEL de 15 (quinze) dias, contados do recebimento deste, de todas as benfeitorias e equipamentos edificados no local, sob pena de demolição dos mesmos pelo poder público. O não atendimento desta determinação configurará ocupação irregular de área da União, caracterizando a infração administrativa tipificada no art. 6º, caput, do Decreto-lei nº 2.398/1987 (realizar aterro, construção, obra ou instalar equipamentos no mar, lagos, tios e quaisquer correntes de água ou em áreas de uso comum, de domínio da União, sem prévia autorização da Secretaria do Patrimônio da União) e acarretará repercussões administrativas, bem como criminais, por crime de desobediência. Assinalo, por oportuno, a possibilidade de interposição de recurso administrativo acerca da presente decisão, que deverá ser encaminhado a esta Superintendência, no endereço supramencionado, no prazo de 10 (dez) dias, a partir do recebimento desta notificação." (grifei) O Impetrante apresentou recurso (fls. 92/97), que foi indeferido e comunicado ao Impetrante por meio da Comunicação nº 51/GAB/SPU/PB, de 19.10.2009 (fls. 99/103). O estabelecimento do Impetrante possui área de 46,31 metros quadrados, é constituído de zinco e paredes de madeirit, tem uma área aberta coberta por telhas de cimento amianto e foi objeto, também, de autuação efetuada pelo IBAMA em razão de não possuir licença ambiental (fls. 68/73), que resultou em denúncia formulada pelo Ministério Público Federal nos autos da Ação Criminal nº 2005.82.11495-5, em curso na 2ª Vara Federal (PB), a qual foi julgada improcedente, conforme sentença proferida em 03.07.2008 pelo Exmº Juiz Federal Substituto, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu (fls. 23/27). "Dispensado o relatório (art. 81, § 3º, da Lei n. 9.099/95). Tratam os presentes autos de AÇÃO PENAL PÚBLICA movida pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (sob o rito das Leis n. 9.099/95 e n. 10.259/2001) contra SEBASTIÃO DA SILVA SOARES, dando-o a denúncia (fls. 188/190) como incurso nos artigos 60 e 64 da Lei n. 9.605/98 (crimes ambientais). Na denúncia, o MPF atribui ao acusado as condutas de: a) fazer funcionar, em caráter permanente, empreendimento potencialmente poluidor sem licença da autoridade competente ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes; e b) construir em solo não edificável sem autorização da autoridade competente ou em desacordo com a autorização concedida. Nos dois casos, a "autoridade competente" para o licenciamento referido nos tipos penais é o IBAMA que, por isso mesmo, teria a atribuição legal de autuar o infrator pela ausência dessas licenças. Conforme se observa dos autos, o acusado é proprietário de uma barraca de praia denominada "Barraca do Tião", destinada ao comércio de bebidas e alimentos, localizada no final da rua Henrique Siqueira, Ponta de Campina, Cabedelo/PB, desenvolvendo dita atividade há vários anos. O procedimento se iniciou a partir de ofício enviado pelo gerente executivo do IBAMA ao Ministério Público da Paraíba, noticiando a suposta prática de fato atentatório à Lei n. 9.605/98 (fls. 05 e segs). O auto de infração enviado registrava que a irregularidade do empreendimento consistia em "fazer funcionar estabelecimento comercial bar em área de domínio da União, sem licença dos órgãos ambientais pertinentes" (fl. 07). A autuação ocorreu em 05/03/2004. A comunicação de crime indicava enquadramento no art. 60 da Lei de Crimes Ambientais (fl. 09). Após a apresentação de defesa administrativa, o auto de infração foi julgado procedente em decisão que considerou ter sido provada a irregularidade: construção de empreendimento em área do patrimônio da União sem licença da autoridade competente (fls. 20/22). Curiosamente, embora tenha sido o IBAMA a julgar dito laudo, manteve o auto de infração por motivo absolutamente alheio a questões ambientais. A fls. 29/30, consta dos autos um laudo de vistoria sobre a barraca de propriedade do acusado. De suas conclusões finais lê-se o seguinte trecho, bastante elucidativo para o caso dos autos: "A área não é de preservação permanente e sim de domínio da União, por tratar-se de terreno de marinha, e de logradouro público infringindo a legislação ambiental", indicando a Lei 7661/88, art. 3º, inciso I, e o Código de Obras e Postura do Município. O laudo é datado de 04/11/2002. A fls. 41/43 consta dos autos Termo de Ajustamento de Conduta celebrado entre o acusado, o Gerente Regional do Patrimônio da União, Francisco Sales Leite Dantas, e o prefeito municipal de Cabedelo, José Francisco Régis. Em seu texto, além do reconhecimento pelo acusado de estar ocupando irregularmente um terreno de propriedade da União, estabelecia-se uma gradual transição para o uso regular de bens do patrimônio público, com a correlata suspensão das medidas de desocupação. A fls. 47/49 constam DARF's em nome do acusado, devidamente pagos, relacionados ao "ajustamento provisório de ocupação irregular em área de Marinha - domínio da União". Entre as fls. 102/107, novos DARF's. No âmbito judicial, após declinação da competência pelo juízo estadual para a justiça federal (em razão da natureza federal do bem imóvel), requereu o MPF que fosse oficiado o IBAMA para que informasse "se a suposta conduta delituosa do referido (sic) ocasionou dano ao meio ambiental (sic)", pedindo ainda que, caso positiva a resposta, fosse informado se já teria sido recuperado o dano (fl. 58). Em resposta, o IBAMA encaminhou cópia de relatório de vistoria realizada no local (fls. 67/69), onde consta a seguinte informação: "Conforme dito no referido laudo o ato infracional da barraca é estar localizada em terreno de marinha e na via pública e não de degradação, não tendo portanto o que reparar" (grifado). O ofício de fls. 36, falando em atividade potencialmente poluidora, além de não ter base em qualquer exame ou laudo, destoa completamente do laudo já constante dos autos, que indicava a inexistência de dano ambiental a reparar, bem como que a irregularidade da barraca cingia-se à questão patrimonial (nada mencionando sobre potencialidade poluidora). Em seu depoimento, a testemunha VALDIVAN RODRIGUES GOMES (fls. 202/204) disse lembrar-se de que a barraca teria sido autuada por estar em terreno de marinha, bem como por não possuir licença ambiental. Disse ainda que, ao que se recordava, o porte da barraca e o fato de possuir uma fossa tornava-a potencialmente poluidora. Disse também não saber se houve dano ambiental ou poluição. Mais à frente, a testemunha afirmou peremptoriamente que a questão da potencialidade poluidora da barraca não foi levada em conta pelo IBAMA no momento da autuação - não tendo feito parte dos motivos que conduziram à autuação. A testemunha FRANKLIN MAGALHÃES GONÇALVES (fls. 221/223), de sua parte, nada acrescentou sobre as questões de natureza ambiental que diziam respeito à ocupação pelo acusado, cingindo-se à questão puramente patrimonial. Por fim, o acusado, interrogado em juízo, afirmou que construiu sua barraca desde 1995, no final de uma rua, ainda fora da areia da praia. Afirma que teria licença de funcionamento da prefeitura municipal de Cabedelo e autorização da vigilância sanitária do mesmo município. Registrou ainda que, em determinado momento, tendo celebrado termo de ajustamento com a GRPU, passou ocupar o terreno com autorização da Gerência, pagando a importância de R$ 372,00 mensalmente. Disse ainda o acusado que se lembrava de uma vistoria realizada por técnicos do IBAMA e que, na ocasião, não teriam afirmado ser a barraca potencialmente poluidora, nem tampouco que haveria poluição, dano ambiental ou degradação. A irregularidade apontada limitava-se á sua localização em terreno de marinha e à existência de uma tenda, que foi prontamente retirada. Por fim, afirmou que é licenciado pelo IBAMA para a venda de caranguejos, e que o IBAMA frequentemente executa fiscalizações sobre esse comércio. Diante dos fatos e provas acima descritos, assistiria razão ao MPF em sua pretensão punitiva? Penso que não. Para a configuração do delito previsto no art. 60 da Lei de Crimes Ambientais é indispensável que se comprove a natureza potencialmente poluidora do empreendimento, sob pena de atipicidade do fato. O MPF alega que a barraca de praia de propriedade do acusado tem essa característica, mas não consta dos autos laudo algum relativo a exame para tal comprovação (nem tampouco requerimento do órgão acusador nesse sentido). O próprio IBAMA, ao ser instado a se manifestar, disse formalmente que a irregularidade encontrada cingia-se ao fato de localizar-se a barraca em terreno de marinha, propriedade da União, dizendo expressamente que nada havia a recuperar em termos de dano ambiental. Esse órgão ambiental, esclarecendo a questão, afirmou que não havia sobre o empreendimento irregularidade ambiental (para o que seria competente), mas apenas quanto ao patrimônio da União, dizendo respeito a área de fiscalização pela Gerência Regional do Patrimônio da União (GRPU). Diante de todos esses fundamentos, não vejo como seja possível enquadrar a conduta do acusado no fato típico previsto no art. 60 da Lei dos Crimes Ambientais, pois não há prova de que o empreendimento fosse potencialmente poluidor, e mesmo o IBAMA afirmou expressamente que a irregularidade reportada se restringia a uma questão patrimonial - não ambiental. Se o empreendimento fosse potencialmente poluidor e não estivesse licenciado, parece-me óbvio que assim teria dito oficialmente o IBAMA e, mais logicamente ainda, por esse motivo específico teria sido autuado o acusado, o que não ocorreu. Por esses motivos, entendo que a conduta do acusado não se subsume ao tipo do art. 60 da Lei n. 9.605/98. Quanto ao tipo descrito no art. 64 da Lei de Crimes Ambientais, não vejo, igualmente, possibilidade de enquadramento da conduta praticada pelo acusado. Uma vez mais, retomo a consideração de que o IBAMA - órgão federal encarregado de fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental - não procedeu a qualquer autuação nesse sentido e, quando instado a se manifestar, apontou irregularidade restrita a questões de utilização de patrimônio público, afeta à fiscalização da Gerência Regional do Patrimônio da União. Para subsunção do fato ao tipo do art. 64, é indispensável que se configure a natureza "não edificável" do lugar em que se haja realizado a construção. Essa natureza deve advir de características relativas ao seu valor paisagístico, histórico, ecológico, artístico etc., nos termos da redação dada pelo mesmo dispositivo. A quem cabe, primordialmente (não exclusivamente), ajuizar dessa característica? Penso que seja novamente o IBAMA. Comparecendo ao local, o IBAMA, em momento algum, procedeu a autuação do acusado por esse motivo e, instado a se manifestar, não reconheceu dita irregularidade no empreendimento do réu. A julgar pelos depoimentos colhidos ao longo da instrução e pelas fotos existentes nos autos, não se pode apontar com segurança de que o terreno possa ser enquadrado como "não edificável" - nos estritos termos da rígida moldura do art. 64 da Lei dos Crimes Ambientais. Vigendo aqui o princípio da tipicidade e da legalidade, não se pode validamente flexibilizar o exame da referida elementar para alargar-se o campo de incidência da norma penal incriminadora. O exame deve ser rigoroso e a interpretação não pode ser extensiva. Por esses motivos, entendo que a conduta do acusado não se subsume ao tipo do art. 64 da Lei n. 9.605/98. Tendo-se discutido sobre a questão patrimonial do suposto uso indevido de patrimônio público pelo acusado, ainda seria possível cogitar de eventual enquadramento de sua conduta em algum dos tipos correlatos. Contudo, o acusado alegou que estava, desde o início, autorizado a manter seu empreendimento no local onde hoje se encontra, inicialmente pela prefeitura e posteriormente pela GRPU. Afirmou, inclusive, que pagou durante certo tempo à GRPU uma taxa pela utilização do solo, apresentando comprovantes para juntada aos autos. Afirmou também que tal ocupação foi objeto de termo de ajustamento de conduta, o que foi igualmente provado. Ainda que se possa argumentar com a inutilidade desses atos e documentos para legitimar a utilização do terreno de marinha pelo acusado, não se pode negar que esses mesmo documentos demonstram a atuação do acusado em franca boa-fé. Essa circunstância, a meu juízo, exclui completamente o dolo em relação a qualquer delito pela utilização indevida de bens imóveis da União, tornando atípica qualquer conduta, ainda que objetivamente se enquadrasse em eventual definição abstrata contida em lei penal. DIANTE DO EXPOSTO e pelo mais que dos autos consta, com base no art. 386, incisos III e VI, do Código de Processo Penal e art. 81 da Lei n. 9.099/95, julgo improcedente o pedido contido na denúncia para absolver o acusado Sebastião da Silva Soares. Custas ex lege. Transitada em julgado a presente sentença, certifique-se, dê-se baixa na distribuição e arquivem-se os autos. Publique-se. Registre-se no sistema informatizado. Intime-se o réu e seu defensor. Cientifique-se o MPF. João Pessoa, 03 de julho de 2008." (grifei) O Mandado de Segurança pressupõe prova inequívoca e pré-constituída. Na hipótese, há controvérsia fática quanto à área ocupada, independentemente do ilícito penal ambiental. ISTO POSTO, indefiro a liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão da União. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 04 DEZ 2009." Não acrescenta suporte fático a obter êxito, antecipadamente, nesta via. Não se apresentando causa de pedir diversa e não se trata de sanção ambiental, mas de ocupação de patrimônio da União objeto de ajuste há anos. ISTO POSTO, indefiro a antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Distribua-se no reinício das atividades forenses, em 07.01.2010. João Pessoa, 23 de dezembro de 2009." (grifos no original) Conforme assinalou expressamente a decisão, a demolição não se refere à sanção ambiental, mas decorre de ocupação irregular de área de domínio da União, sujeita à demolição/remoção de ofício, na forma do artigo 6º do Decreto-Lei nº 2.398/1987 c/c artigo 11 da Lei nº 9.636/1998, sem a necessidade de concurso do Poder Judiciário. Diante do exposto, indefiro os aclaratórios, à míngua de omissão. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Após, cite-se. João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara CLS CLS 1Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. Art. 8o Será decretada a perempção ou caducidade da medida liminar ex officio ou a requerimento do Ministério Público quando, concedida a medida, o impetrante criar obstáculo ao normal andamento do processo ou deixar de promover, por mais de 3 (três) dias úteis, os atos e as diligências que lhe cumprirem. Art. 9o As autoridades administrativas, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas da notificação da medida liminar, remeterão ao Ministério ou órgão a que se acham subordinadas e ao Advogado-Geral da União ou a quem tiver a representação judicial da União, do Estado, do Município ou da entidade apontada como coatora cópia autenticada do mandado notificatório, assim como indicações e elementos outros necessários às providências a serem tomadas para a eventual suspensão da medida e defesa do ato apontado como ilegal ou abusivo de poder. 2 Art. 6o A realização de aterro, construção ou obra e, bem assim, a instalação de equipamentos no mar, lagos, rios e quaisquer correntes de água, inclusive em áreas de praias, mangues e vazantes, ou em outros bens de uso comum, de domínio da União, sem a prévia autorização do Ministério da Fazenda, importará: (Redação dada pela Lei nº 9.636, de 1998) I - na remoção do aterro, da construção, obra e dos equipamentos instalados, inclusive na demolição das benfeitorias, à conta de quem as houver efetuado; e (Redação dada pela Lei nº 9.636, de 1998) II - a automática aplicação de multa mensal em valor equivalente a R$ 30,00 (trinta reais), atualizados anualmente em 1o de janeiro de cada ano, mediante portaria do Ministério da Fazenda, para cada metro quadrado das áreas aterradas ou construídas, ou em que forem realizadas obras ou instalados equipamentos, que será cobrada em dobro após trinta dias da notificação, pessoal, pelo correio ou por edital, se o infrator não tiver removido o aterro e demolido as benfeitorias efetuadas. (Redação dada pela Lei nº 9.636, de 1998) 3 Art. 11. Caberá à SPU a incumbência de fiscalizar e zelar para que sejam mantidas a destinação e o interesse público, o uso e a integridade física dos imóveis pertencentes ao patrimônio da União, podendo, para tanto, por intermédio de seus técnicos credenciados, embargar serviços e obras, aplicar multas e demais sanções previstas em lei e, ainda, requisitar força policial federal e solicitar o necessário auxílio de força pública estadual. § 1o Para fins do disposto neste artigo, quando necessário, a SPU poderá, na forma do regulamento, solicitar a cooperação de força militar federal. § 2o A incumbência de que trata o presente artigo não implicará prejuízo para: I - as obrigações e responsabilidades previstas nos arts. 70 e 79, § 2o, do Decreto-Lei no 9.760, de 1946; II - as atribuições dos demais órgãos federais, com área de atuação direta ou indiretamente relacionada, nos termos da legislação vigente, com o patrimônio da União. § 3o As obrigações e prerrogativas previstas neste artigo poderão ser repassadas, no que couber, às entidades conveniadas ou contratadas na forma dos arts. 1o e 4o. § 4o Constitui obrigação do Poder Público federal, estadual e municipal, observada a legislação específica vigente, zelar pela manutenção das áreas de preservação ambiental, das necessárias à proteção dos ecossistemas naturais e de uso comum do povo, independentemente da celebração de convênio para esse fim. ?? ?? ?? ??

   

0000154-31.2010.4.05.8200 SEUDAO AUTOMOTORES LTDA (Adv. VIVIANE CHAVES DOS SANTOS, RAFAEL SOUTO ATAIDE GOMES) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Intime-se o Autor para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar a original da petição inicial. P. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0000184-66.2010.4.05.8200 DARIO ALVES DE BARROS (Adv. VALTER DE MELO, EVANES BEZERRA DE QUEIROZ, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, ANTONIO SEVERINO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Intime-se o Autor para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar procuração atualizada (art. 12 e 13 do CPC). P. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0000281-03.2009.4.05.8200 PAULO BERNARDINO DA SILVA E OUTROS (Adv. JOSE CARLOS LOPES FERNANDES, PAULO SÉRGIO LINS GUIMARÃES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Isto posto, satisfeita a obrigação, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais. Publique-se. JPA,

   

0001218-96.1998.4.05.8200 JOANA FIGUEIREDO DE ALENCAR E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, ANTONIO NAVARRO RIBEIRO) x UNIAO(TRT) (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

Diante do exposto, defiro o pedido de desarquivamento dos presentes autos e abra-se vista ao(à)(s) requerente(s), pelo prazo de 05(cinco) dias, nos termos do art. 40, II, do CPC, para requerer o que entender de direito. Decorrido o prazo sem manifestação, certifique-se e retornem os autos ao arquivo, após baixa na distribuição. Antes, defiro a juntada da procuração e ou substabelecimento de fls. 148. Anote-se e restaure-se a distribuição. Após, publique-se. JPA,

   

0002384-80.2009.4.05.8200 MARCONI DA COSTA FERREIRA (Adv. ITAMAR GOUVEIA DA SILVA, JEOFTON COSTA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR) x COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO- CONAB (Adv. SYLVIO TORRES FILHO, WALTER SERRANO RIBEIRO, CRISTIANE TRAVASSOS LIMA DE MEDEIROS, CECILIE OLIVEIRA MEDEIROS, YARA DA COSTA IRELAND, RAQUEL DA SILVA GONDIM)

PROCESSO Nº 2009.82.2384-0 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: MARCONI DA COSTA FERREIRA ADVOGADOS: ITAMAR GOUVEIA DA SILVA E JEOFTON COSTA RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR: JOSÉ ARAÚJO FILHO RÉ: COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB ADVOGADO: WALTER SERRANO RIBEIRO S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Marconi da Costa Ferreira em face do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e Companhia Nacional de Abastecimento - CONAB, objetivando seja determinado à CONAB que recolha as contribuições previdenciárias correspondentes ao trabalhador e à parte patronal, no período de 21.06.1990 a 01.04.2004, quando o Autor esteve afastado de suas atividades laborais, bem como que o INSS seja condenado a reconhecer o Demandante como contribuinte desde 1998, garantindo-lhe as vantagens previstas no art. 9º da EC nº. 20, bem como seja obrigado a receber as contribuições recolhidas pela CONAB, computando-se o período respectivo para efeito de aposentadoria do Autor. O Autor afirma o seguinte: 1) Foi admitido, em 01.06.1986, no quadro de funcionários da CIBRAZEM, atual Companhia Nacional de Abastecimento - CONAB, na função de Armazenista, e, em 25.02.1991, foi demitido da função que exercia, de forma arbitrária; 2) Com a edição da Lei nº. 8.878/94, o Autor preencheu os requisitos necessários à reintegração ao cargo que ocupada, conforme conclusão da Subcomissão Setorial de Anistia, o que só veio a ocorrer em 1º.04.2004; 3) Em maio de 1995, os procedimentos administrativos relativos à execução das decisões proferidas pelas Subcomissões Setoriais ou Comissão Especial de Anistia foram suspensos em razão da edição do Decreto nº. 1.499/95, em razão de denúncia do Ministério Público no sentido da existência de irregularidades na concessão das anistias; 4) No entanto, só em 21 de novembro de 2001 é que o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão publicou a Portaria Ministerial nº. 278, reconhecendo que o processo de anistia da Companhia Nacional de Abastecimento - CONAB não tinha motivo para ser paralisada, o que resultou na reintegração do Autor em 01.04.2004. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 15/28). O INSS apresentou contestação (fls. 33/70), afirmando: 1) Ausência de interesse de agir, em face da inexistência de pretensão resistida, considerando que o Autor não formulou previamente ao ajuizamento desta ação, requerimento administrativo perante a autarquia previdenciária, a quem compete fazer a análise técnica sobre a legalidade dos pedidos de concessão de benefícios previdenciários, não sendo dado ao Poder Judiciário, por essa razão, adentrar o mérito da presente ação, por afrontar o princípio constitucional da Separação dos Poderes, previsto no art. 2º da Constituição Federal; 2) Ilegitimidade passiva do INSS, uma vez que a pretensão formulada pelo Autor não contém matéria previdenciária, tampouco faz menção ao ente previdenciário, considerando o interesse do Demandante em ver declarado o tempo de serviço em período em que não houve contribuição ou vínculo com a Previdência Social; 3) Em face do princípio constitucional previsto no art. 195, II, da Constituição Federal, o reconhecimento, pela Previdência Social, do tempo de serviço do trabalhador pressupõe o exercício de atividade laboral e a respectiva contrapartida das contribuições previdenciárias no período respectivo, entendendo-se como trabalhador aquele que presta serviços a pessoas jurídicas de direito privado e público, vinculados ao regime jurídico celetista; 4) A Previdência Social, como parte inserida no contexto da Seguridade Social, objetiva alcançar cobertura e atendimento universais, conforme art. 194, parágrafo único, I, da Constituição Federal, o que implica financiamento de caráter universal, à medida que se cogita de regime de natureza contributiva, nos termos do art. 201, caput, do Diploma Constitucional; 5) Quando foi promulgada a Emenda Constitucional nº. 29/98, o Autor contava com 06 (seis) anos de tempo de serviço, não podendo, desse modo, ser alcançado pelas garantias da mencionada EC nº. 29/98. Por sua vez, a CONAB apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 79/440), afirmando: 1) Impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que a pretensão formulada em face da CONAB diz respeito ao recolhimento de contribuições previdenciárias relativas ao período em que o Autor esteve afastado de suas atividades laborais, havendo retornado por força da Lei nº. 8.878/94 cujo art. 6º veda a remuneração de qualquer espécie em caráter retroativo; 2) Inexiste fundamento legal para a pretensão formulada na petição inicial, uma vez que o Autor, mesmo tendo sido contratado em 25.07.1984, desligado em 02.06.1990 e reintegrado em 01.04.2004, pretende o recolhimento de contribuições previdenciárias no período compreendido entre 02.06.1990 a 01.04.2004; 3) No período do seu desligamento do quadro de empregados da CONAB, o Autor não trabalhou e, consequentemente, não recebeu qualquer remuneração, razão pela qual não possui qualquer direito ao recolhimento das contribuições previdenciárias pleiteadas; 4) Litigância de má-fé, uma vez que o Autor usa do processo para alcançar objetivo ilegal, nos termos do art. 17, III, do CPC. O Autor não apresentou impugnação (fl. 444). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. 1) Impossibilidade jurídica do pedido. A assertiva da CONAB consistente na impossibilidade jurídica do pedido formulado pelo Autor é confluente com o exame do mérito da presente Ação Ordinária. 2) Ausência de interesse de agir. O ingresso em Juízo de ação judicial não está condicionado à prévia postulação na instância administrativa e ao seu exaurimento, tendo em vista o princípio constitucional do livre acesso ao Poder Judiciário para apreciação de lesão ou ameaça a direito, previsto no art. 5º, inciso XXXV2, da Constituição Federal de 1988. Desse modo, rejeito a assertiva do INSS de ausência de interesse processual. 3) Ilegitimidade passiva ad causam. Na hipótese, é patente o interesse jurídico do INSS e sua consequente legitimidade para compor o pólo passivo da lide, por se cogitar, precisamente, de controvérsia de natureza manifestamente previdenciária, caracterizada por pretensão voltada ao recolhimento de contribuições sociais do trabalhador e da empresa, bem como ao reconhecimento do Autor como contribuinte em dado período, para efeito de concessão de benefício. Rejeito a assertiva do INSS consistente na ilegitimidade passiva ad causam. 4) Litigância de má-fé. Constitui litigância de má-fé, entre outras hipóteses previstas no artigo 173, do CPC, usar do processo para conseguir objetivo ilegal, valendo-se de ação judicial com o propósito de causar prejuízo à parte contrária. No caso, a pretensão exposta na petição inicial, consistente no recolhimento de contribuições previdenciárias do trabalhador e patronal, relativas ao período em que o Demandante esteve afastado da CONAB, não tem o condão de erigir a litigância de má-fé, considerando-se que não restou comprovado pela mencionada Companhia Nacional que tal conduta lhe tenha causado dano processual ou lesão ao seu direito. A esse propósito, veja-se o precedente do STJ4. 5) Mérito. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fl.13): "II. Seja a CONAB impelida a recolher os valores correspondentes às contribuições previdenciárias, tanto a parte correspondente ao trabalhador, quanto a contribuição patronal, no período de 25.02.1991 a 01.04.2004, referente ao período em que o Autor esteve afastado de suas atividades laborativas; III. seja o INSS impelido a reconhecer o Autor como contribuinte até 1998, quando da publicação da EC nº 20, para que lhes sejam garantidas as vantagens previstas no art. 9º da referida EC; IV. seja o INSS impelido a receber as contribuições mencionadas no item "a" referentes ao período em que o Autor esteve afastado de seu emprego, para que seja computado o período para fins de aposentadoria". (grifei) Na hipótese em julgamento, em 01.04.2004 o Autor foi reintegrado ao quadro de funcionários da Companhia Nacional de Abastecimento - CNAB, conforme anotações na sua CTPS (fl. 18). Pretende obter tutela judicial no sentido do recolhimento, pela CONAB, de contribuições previdenciárias no período compreendido entre 25.02.1991 a 01.04.2004, determinando-se ao INSS que proceda ao reconhecimento do Autor com contribuinte até 1998, data da publicação da Emenda Constitucional nº 20/98. A Lei n. 8.878/94, decorrente da edição da Medida Provisória nº. 473/94, que dispõe sobre a concessão de anistia aos servidores públicos civis e empregados da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, bem como aos empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista sob controle da União, estabelece no art. 6º5 que o ato de concessão de anistia gerará efeitos financeiros a partir do efetivo retorno servidor ou empregado à atividade, sendo vedada a remuneração de qualquer espécie em caráter retroativo. Por outro lado, é relevante considerar que, em face do seu caráter contributivo e, em decorrência, eminentemente retributivo, nos termos da norma prevista no art. 195 da Constituição Federal6, a Seguridade Social será financiada por toda a sociedade, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das contribuições sociais recolhidas pelo empregador, empresa e entidade a ela equiparada e pelo trabalhador e demais segurados da previdência social, entre outras fontes de custeio previstas no preceito constitucional. Esse aspecto inviabiliza a pretensão exposta pelo Autor no sentido do recolhimento, pela CONAB, e recebimento, pelo INSS, de contribuições previdenciárias do trabalhador e patronal, relativas ao período compreendido entre 25.02.1991 a 01.04.2004, quando o Demandante esteve afastado daquela Companhia Nacional, bem como no pertinente ao reconhecimento do Demandante, pelo órgão previdenciário, como contribuinte no período em discussão, conforme exposto nos demais itens do pedido. Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade do Demandante, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/507). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais, facultado o desarquivamento no decurso do lapso quinquenal. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: ... XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;" (grifei) 3 Art. 17. Reputa-se litigante de má-fé aquele que: I - deduzir pretensão ou defesa contra texto expresso de lei ou fato incontroverso; II - alterar a verdade dos fatos; III - usar do processo para conseguir objetivo ilegal; IV - opuser resistência injustificada ao andamento do processo; V - proceder de modo temerário em qualquer incidente ou ato do processo; VI - provocar incidentes manifestamente infundados; VII - interpuser recurso com intuito manifestamente protelatório. (grifei) 4 "EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. MEDIDA CAUTELAR. EFEITO SUSPENSIVO A RECURSO ESPECIAL. INDEFERIMENTO DE LIMINAR. CONFIRMAÇÃO EM SEDE DE AGRAVO REGIMENTAL. PREJUDICALIDADE REQUERIDA TENDO EM VISTA A NEGATIVA DE SEGUIMENTO DO ESPECIAL E A MANIFESTA DECLARAÇÃO DO RECORRENTE DE NÃO INTERPOR MAIS QUALQUER OUTRO RECURSO DA DECISÃO DENEGATÓRIA. JULGAMENTO: PEDIDO PREJUDICADO, POR PERDA DO OBJETO. AGRAVO REGIMENTAL. ARGÜIÇÃO DE LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ. IMPROCEDÊNCIA. SUBSISTÊNCIA DOS FUNDAMENTOS DA DECISÃO IMPUGNADA. REGIMENTAL IMPROVIDO. I - Em sede de agravo regimental, a simples e abreviada assertiva de que a agravada faltou com a verdade e alterou os fatos, sem nenhuma comprovação da prática de conduta lesiva com a intenção de prejudicar (elemento subjetivo), nem tampouco comportamento equiparável a culpa grave, não pode configurar litigância de má-fé. II - Julgado prejudicado, por perda de objeto e a requerimento da parte autora, o pedido formulado em ação cautelar, ajuizada com o objetivo de dar efeito suspensivo a recurso especial, cujo seguimento foi obstado no juízo prévio de admissibilidade, tendo havido manifesta declaração do requerente-recorrente de que não pretende mais interpor nenhum recurso da decisão denegatória, se subsistentes os fundamentos do decisum impugnado, não cabe prover agravo regimental para modificá-lo. III - Agravo regimental improvido. (STJ - 1ª Turma, AGRMC nº. 4780/RN, Relator Ministro Garcia Vieira, j. 01.10.2002, DJ de 28.10.2002, pág. 219). (grifei) 5 "Art. 1° É concedida anistia aos servidores públicos civis e empregados da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, bem como aos empregados de empresas públicas e sociedades de economia mista sob controle da União que, no período compreendido entre 16 de março de 1990 e 30 de setembro de 1992, tenham sido: I - exonerados ou demitidos com violação de dispositivo constitucional ou legal; II - despedidos ou dispensados dos seus empregos com violação de dispositivo constitucional, legal, regulamentar ou de cláusula constante de acordo, convenção ou sentença normativa; III - exonerados, demitidos ou dispensados por motivação política, devidamente caracterizado, ou por interrupção de atividade profissional em decorrência de movimentação grevista. Parágrafo único. O disposto neste artigo aplica-se, exclusivamente, ao servidor titular de cargo de provimento efetivo ou de emprego permanente à época da exoneração, demissão ou dispensa. Art. 2° O retorno ao serviço dar-se-á, exclusivamente, no cargo ou emprego anteriormente ocupado ou, quando for o caso, naquele resultante da respectiva transformação e restringe-se aos que formulem requerimento fundamentado e acompanhado da documentação pertinente no prazo improrrogável de sessenta dias, contado da instalação da comissão a que se refere o art. 5°, assegurando-se prioridade de análise aos que já tenham encaminhado documentação à Comissão Especial constituída pelo Decreto de 23 de junho de 1993. (Vide decreto nº 3.363, de 2000) Parágrafo único. O disposto neste artigo não se aplica aos exonerados ,demitidos, dispensados ou despedidos dos órgãos ou entidades que tenham sido extintos liquidados ou privatizados, salvo quando as respectivas atividades: a) tenham sido transferidas, absorvidas ou executadas por outro órgão ou entidade da administração pública federal; b) estejam em curso de transferência ou de absorção por outro órgão ou entidade da administração pública federal, hipótese em que o retorno dar-se-á após a efetiva implementação da transferência. Art. 3° Observado o disposto nesta Lei e de acordo com as necessidades e disponibilidades orçamentárias e financeiras da Administração, o Poder Executivo deferirá o retorno ao serviço dos servidores ou empregados despedidos arbitrariamente no período a que se refere o art. 1°. (Regulamento) Parágrafo único. Na hipótese prevista no caput, será assegurada prioridade de retorno ao serviço aos que: I - estejam comprovadamente desempregados na data da publicação desta Lei; II - embora empregados, percebam, na data da publicação desta Lei, remuneração de até cinco salários mínimos. Art. 4° A Administração Pública Federal e as empresas sob controle da União, quando necessária a realização de concurso, contratação ou processo seletivo com vistas ao provimento de cargo ou emprego permanente, excluirão das vagas a serem preenchidas pelos concursados o número correspondente ao de postulantes habilitados na forma desta Lei para os respectivos cargos ou empregos. Art. 5° Para os fins previstos nesta Lei, o Poder Executivo, no prazo de até trinta dias, constituirá Comissão Especial de Anistia e Subcomissões Setoriais, com estrutura e competência definidas em regulamento. ( Vide Decretos nºs 1.153, de 1994, 1.498, de 1994, 1.499, de 1995 e 5.115, de 2004) § 1° Das decisões das Subcomissões Setoriais caberá recurso para a Comissão Especial de Anistia, que poderá avocar processos em casos de indeferimento, omissão ou retardamento injustificado. § 2° O prazo para conclusão dos trabalhos dessas comissões será fixado no ato que as instituir. (Vide Decreto nº 1.344, de 1994) Art. 6° A anistia a que se refere esta Lei só gerará efeitos financeiros a partir do efetivo retorno à atividade, vedada a remuneração de qualquer espécie em caráter retroativo. Art. 7° As despesa decorrentes desta Lei correrão à conta das dotações orçamentárias próprias dos respectivos órgãos ou entidades. Art. 8° Não se aplica o disposto no § 1° do art. 81 da Lei n° 8713, de 30 setembro de 1993, à anistia de que trata esta Lei. Art. 9° Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação". (grifei) 6 "Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) b) a receita ou o faturamento; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) c) o lucro; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) II - do trabalhador e dos demais segurados da previdência social, não incidindo contribuição sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de previdência social de que trata o art. 201; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) III - sobre a receita de concursos de prognósticos. IV - do importador de bens ou serviços do exterior, ou de quem a lei a ele equiparar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003) § 1º - As receitas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios destinadas à seguridade social constarão dos respectivos orçamentos, não integrando o orçamento da União. § 2º - A proposta de orçamento da seguridade social será elaborada de forma integrada pelos órgãos responsáveis pela saúde, previdência social e assistência social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias, assegurada a cada área a gestão de seus recursos. § 3º - A pessoa jurídica em débito com o sistema da seguridade social, como estabelecido em lei, não poderá contratar com o Poder Público nem dele receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios. § 4º - A lei poderá instituir outras fontes destinadas a garantir a manutenção ou expansão da seguridade social, obedecido o disposto no art. 154, I. § 5º - Nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total. § 6º - As contribuições sociais de que trata este artigo só poderão ser exigidas após decorridos noventa dias da data da publicação da lei que as houver instituído ou modificado, não se lhes aplicando o disposto no art. 150, III, "b". § 7º - São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei. § 8º O produtor, o parceiro, o meeiro e o arrendatário rurais e o pescador artesanal, bem como os respectivos cônjuges, que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, sem empregados permanentes, contribuirão para a seguridade social mediante a aplicação de uma alíquota sobre o resultado da comercialização da produção e farão jus aos benefícios nos termos da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) § 9º As contribuições sociais previstas no inciso I do caput deste artigo poderão ter alíquotas ou bases de cálculo diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão-deobra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 47, de 2005) § 10. A lei definirá os critérios de transferência de recursos para o sistema único de saúde e ações de assistência social da União para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e dos Estados para os Municípios, observada a respectiva contrapartida de recursos. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) § 11. É vedada a concessão de remissão ou anistia das contribuições sociais de que tratam os incisos I, a, e II deste artigo, para débitos em montante superior ao fixado em lei complementar. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) § 12. A lei definirá os setores de atividade econômica para os quais as contribuições incidentes na forma dos incisos I, b; e IV do caput, serão não-cumulativas. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003) § 13. Aplica-se o disposto no § 12 inclusive na hipótese de substituição gradual, total ou parcial, da contribuição incidente na forma do inciso I, a, pela incidente sobre a receita ou o faturamento. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)" (grifei) 7 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0002630-76.2009.4.05.8200 SEVERINO SOARES DA SILVA (Adv. ANTONIO ANIZIO NETO) x UNIÃO (MINISTÉRIO DA FAZENDA) (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.2630-0 - CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: SEVERINO SOARES DA SILVA ADVOGADO: ANTONIO ANIZIO NETO RÉ: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADOR: MATEUS FERNANDES DE SOUZA MENDES S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Severino Soares da Silva em face da União (Fazenda Nacional), visando à restituição da quantia de R$ 8.416,25 (oito mil quatrocentos e dezesseis reais e vinte e cinco centavos), a título de imposto de renda retido na fonte, bem como ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil reais). O Autor afirma o seguinte: 1) Recebeu crédito junto à Justiça do Trabalho, com retenção na fonte dos valores de R$ 5.128,86 (cinco mil cento e vinte e oito reais e oitenta e seis centavos) e R$ 8.416,25 (oito mil quatrocentos e dezesseis reais e vinte e cinco centavos), nos autos do Processo 1119/1998, com tramitação na 4ª Vara do Trabalho de João Pessoa. 2) Por essa razão, declarou o imposto de renda com o propósito de obter a restituição dos valores retidos, mas a Secretaria da Receita Federal só liberou a quantia de R$ 5.128,86 (cinco mil cento e vinte e oito reais e oitenta e seis centavos), deixando de devolver o valor de R$ 8.416,25 (oito mil quatrocentos e dezesseis reais e vinte e cinco centavos), o qual ficou retido na fonte em guia de retenção da Justiça do Trabalho, o que lhe causou danos morais. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 06/47). A União (Fazenda Nacional) apresentou contestação (fls. 53/55) afirmando que: 1) O Autor era devedor da quantia de R$ 3.287,39 (três mil duzentos e oitenta e sete reais e trinta e nove centavos), identificada na declaração do imposto de renda como imposto devido, e, uma vez efetuada a compensação de ofício, resultou como imposto a restituir o valor de R$ 5.128,86 (cinco mil cento e vinte e oito reais e oitenta e seis centavos), razão pela qual o Autor não faz jus à restituição integral do imposto. 2) Portanto, não há que se cogitar em retenção ilegal de tributo e em reparação por danos morais, considerando o equívoco do Autor em não haver procurado a Secretaria da Receita Federal do Brasil para obter esclarecimentos. O Autor apresentou impugnação reiterando os termos da petição inicial (fls. 59/60). Despacho determinando a intimação da União (Fazenda Nacional) para informar a origem do "imposto devido" no valor de R$ 3.287,39 (três mil duzentos e oitenta e sete reais e trinta e nove centavos) e apresentar cópia da documentação relativa à compensação efetuada pela Receita Federal (fls. 62). A União (Fazenda Nacional) apresentou o Memo nº 974/2009 - SAORT/DRF/JPA, contendo informações relativas à declaração do imposto de renda do exercício 2005 (fls. 65/72). Com vista, o Autor reafirmou o direito à restituição do valor pleiteado (fls. 76). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmº Juiz Federal da 2ª Vara e após o término do recesso forense (de 20.12.2009 a 06.01.2010). É o relatório. Decido. Com base nas informações prestadas pelo Delegado Substituto da Delegacia da Receita Federal do Brasil em João Pessoa, objeto do Memo nº 974/2009-SAORT/DRF/JPA, e documentos que o instruem (fls. 66/72), vê-se que o Autor apresentou declaração retificadora de ajuste anual do imposto de renda relativa ao exercício 2005, tendo utilizado o desconto simplificado de R$ 7.603,90 (sete mil seiscentos e três reais e noventa centavos) e apurando-se imposto a restituir no valor de R$ 5.128,86 (cinco mil cento e vinte e oito reais e oitenta e seis centavos), que fora creditado em favor do contribuinte. O valor do imposto restituído teve por base os valores informados pelo Autor sobre os rendimentos percebidos da empresa Transparaíba Ltda e do INSS e retidos na fonte, e, em momento algum da declaração, informa outro valor que possa ter percebido, inclusive na via judicial. Colhe-se, ainda, que não houve compensação administrativa de ofício, na forma do artigo 73 da Lei nº 9.430/19962, ou mesmo retenção do valor a ser restituído, ao contrário do que afirma o Autor, de modo que não observo qualquer ilegalidade no procedimento de apuração do imposto de renda (repito, que teve como parâmetro os valores informados pelo contribuinte) e, portanto, qualquer dano de ordem moral. Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios em favor da Ré no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (artigo 20, § 4º, do CPC), sobrestado o cumprimento da obrigação de pagamento da verba sucumbencial enquanto perdurar o estado de necessidade da parte, observando-se a prescrição qüinqüenal (artigo 12 da Lei nº 1.060/19503). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquivem-se os autos com as cautelas legais, facultado o desarquivamento no decurso do lapso qüinqüenal. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU CLS Substituto da 2ª Vara CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 73. Para efeito do disposto no art. 7º do Decreto-lei nº 2.287, de 23 de julho de 1986, a utilização dos créditos do contribuinte e a quitação de seus débitos serão efetuadas em procedimentos internos à Secretaria da Receita Federal, observado o seguinte: I - o valor bruto da restituição ou do ressarcimento será debitado à conta do tributo ou da contribuição a que se referir; II - a parcela utilizada para a quitação de débitos do contribuinte ou responsável será creditada à conta do respectivo tributo ou da respectiva contribuição. 3 Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita. "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. ?? ?? ?? ??

   

0002989-94.2007.4.05.8200 GILBERTO VAZ DE FIGUEIREDO E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, ESPEDITO RONALDO DE SOUSA, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x UNIÃO(MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO) (Adv. IRIVAN CORDEIRO DE LIMA)

PROCESSO Nº 2007.82.2989-4 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: GILBERTO VAZ DE FIGUEIREDO, PAULO ROBERTO MACIEL FERNANDES, SÉRGIO MARCOS DE OLIVEIRA E VALDEMAR JOVITO ADVOGADOS: JOSÉ RAMOS DA SILVA, YURI PORFÍRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE E EDVAN CARNEIRO DA SILVA RÉ: UNIÃO PROCURADOR: ERIVAN DE LIMA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Gilberto Vaz de Figueiredo, Paulo Roberto Maciel Fernandes, Sérgio Marcos de Oliveira e Valdemar Jovito em face da União, com pedido de antecipação da tutela, visando à implantação nas remunerações dos Autores, respectivamente, dos índices de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), 3,68% (três vírgula sessenta e oito por cento) e 11,19% (onze vírgula dezenove por cento), relativos à diferença do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e aqueles aplicados, alusivos às Leis nºs 8.622 e 8.627, ambas de 1993, bem com ao pagamento das diferenças respectivas e retroativas. Os Autores afirmam o seguinte: 1) São servidores do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e não perceberam integralmente o índice de 28,86% previsto nas Leis nº. 8.622 e 8.627, ambas de 1993; 2) No RMS nº. 22.307-DF, o Supremo Tribunal Federal reconheceu o direito dos servidores públicos civis federais ao mencionado índice, por extensão do que fora concedido aos servidores militares. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 08/145). Decisão indeferindo o pedido de antecipação da tutela (fls. 152/154). A União apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 162/337), argüindo: 1) Prescrição qüinqüenal, com fundamento no art. 1º do Decreto nº. 20.910/32; 2) Os Autores celebraram transação judicial e receberam as diferenças devidas relativas ao percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), no tempo e na forma convencionados, observando-se os reposicionamentos funcionais e compensando-se os valores dos reajustes decorrentes das Leis nºs. 8.627/93 e 8.622/93. Os Autores apresentaram impugnação, refutando a prescrição e reiterando os termos da petição inicial (fls. 342/344). Cópias da decisão proferida na Impugnação ao Valor da Causa nº. 2007.7043-2, fixando em R$ 785.867,69 o valor da causa, e da sentença proferida nos autos da Impugnação à Assistência Judiciária nº. 2007.7042-0 (fls. 354/362). Em cumprimento ao despacho de fl. 366, a União apresentou documentos (fls. 368/499). Com vista, os Autores requereram o prosseguimento do feito e a juntada de substabelecimentos (fls. 502/505). Despacho deferindo a juntada dos substabelecimentos (fl. 506). Informação da Contadoria (fl. 509). Os Autores concordaram com a informação da Contadoria (fl. 512). A União reiterou as assertivas de prescrição qüinqüenal e o pagamento administrativo dos valores questionados, e requereu o retorno dos autos à Contadoria (fls. 515/519). É o relatório. Decido. 1) Prescrição. A prescrição qüinqüenal prevista no artigo 1º do Decreto nº 20.910/32, e artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597/42, atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, tratando-se de obrigação de trato sucessivo e mensal, como se apresenta na hipótese dos autos, em que se postula a implantação das diferenças do índice de 28,86% sobre as remunerações dos Autores, bem como o pagamento das diferenças que entendem devidas. No caso, proposta a ação em 27.04.2007, a prescrição atinge as parcelas anteriores a abril de 2002. 2) Índice de 28,86%. Os elementos probatórios presentes nos autos são suficientes à formação do convencimento, razão pela qual indefiro o pleito da União de retorno dos autos à Contadoria, formulado às fls. 515/519. Na hipótese submetida a julgamento, os Autores buscam tutela judicial no sentido da implantação, em seus vencimentos, dos percentuais de 28,86, 3,68% (três vírgula sessenta e oito por cento) e 11,19% (onze vírgula dezenove por cento), bem como o pagamento das diferenças devidas, objeto de transação judicial firmada com a União. O Termo de Transação Judicial celebrado entre os Autores e a União, fazendo menção à Ação Ordinária (Processo nº. 95.4325-4), com tramitação ocorrida na 3ª Vara Federal desta Seção Judiciária, estabelecem, tomando como exemplo o termo celebrado com o Autor Gilberto Vaz de Figueiredo (fls. 168/169): "Exmo. Sr. Dr. Juiz GILBERTO VAZ DE FIGUEIREDO (...) e MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, por seu representante legal, vêm, nos autos da ação ordinária nº. 95.4325-4, em trâmite nesse ínclito juízo, com fulcro no art. 269, III do Código de Processo Civil - CPC, art. 1025 ss., do Código Civil e na Lei nº 9.469/97, requerer homologação da transação ora proposta, nos termos que se seguem: I - Conforme determinado pela Medida Provisória 1.704/98 e reedições, foi estendida aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal a vantagem de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto da decisão do STF no julgamento do RMS nº 22.307-7. II - A referida Medida Provisória estabelece que tal vantagem será devida, a partir de 1º janeiro de 1993, aos servidores públicos civis, aos quais se aplicam as tabelas constantes dos anexos à Lei nº 8.622, de 1993, deduzidos os acréscimos percentuais decorrentes da aplicação da Lei nº 8.627 de 1993. (...) VI - Com base nas normas legais ora explicitadas, as partes acordaram entre si, transigindo conforme as cláusulas abaixo: Cláusula 1ª. As diferenças devidas em decorrências da aplicação do Decreto nº 2.693/98, correspondentes ao período compreendido entre 1º de janeiro de 1993 e 30 de junho de 1998, de que tratam os itens IV e V, cujo montante bruto em UFIR é 18.663,41 (DEZOITO MIL, SEISCENTOS E SESSENTA E TRES VÍRGULA QUARENTA E UM UFIR), que será pago em sete anos, a partir de 1999, nos meses de maio e dezembro, à razão de 1/14 por parcela. (...) Cláusula 4ª. Em nenhuma hipótese será admitido o pagamento simultâneo da extensão administrativa de que trata a Medida Provisória nº 1.812-9 de 1999 e do relativo ao cumprimento de decisão judicial versando sobre o mesmo título ou fundamento. Cláusula 5ª. O autor declara que concorda e que se dá por satisfeito com o montante, a forma e prazo de pagamento constantes da Cláusula 1ª. VII - Por fim, requerem a homologação desta transação, nos termos das cláusulas acima, e conseqüente extinção do processo e eventuais recursos, com julgamento de mérito, nos termos do art. 269, III, do Código de Processo Civil Brasileiro" (grifei) Nos autos da sobredita Ação Ordinária (Processo nº. 95.4325-4), movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Serviço Público Federal no Estado da Paraíba - SINTSERF em face da União, pleiteando o pagamento de diferenças salariais relativas aos índices de 45% (quarenta e cinco por cento) e 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), o Exmo. Juiz Federal da 3ª Vara, Dr. José Fernandes de Andrade, proferiu sentença no sentido da improcedência do pedido. Tem-se hipótese de ação cuja matéria já foi objeto de questionamento em anterior ação judicial já definitivamente julgada, estando protegida pelo manto da coisa julgada material e formal, no que concerne especificamente ao percentual de 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto, inclusive, de transação judicial celebrada com a União para pagamento, em sete anos, do passivo relativo ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento). A Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal o reajustamento de suas remunerações pelo percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em conformidade com o que foi decidido pelo colendo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS nº. 22.307-7/DF. No entanto, não há nos autos qualquer documento demonstrativo do efetivo pagamento do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), ou eventuais diferenças decorrentes de pagamento a menor na via administrativo, o que, na hipótese específica, confere aos Autores interesse jurídico-processual na lide, no sentido de obter tutela judicial voltada à implantação dos percentuais vindicados e recebimento dos valores correspondentes, ressalvados eventuais pagamentos já feitos na esfera administrativa. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido para condenar a União à implantação nos vencimentos dos Autores dos percentuais relativos à diferença entre os valores já implantados e o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a partir de janeiro de 1993 (Lei 8.622/93), bem como ao pagamento das diferenças devidas, observada a prescrição qüinqüenal e deduzidas as parcelas e índices pagos administrativamente, com pertinentes atualizações monetárias e juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação. Condeno a União ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. Sem custas processuais em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região (artigo 475, I, do CPC). João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003945-42.2009.4.05.8200 GLAUBER DE CARVALHO CAVALCANTE (Adv. CARMEN RACHEL DANTAS MAYER, JOSELISSES ABEL FERREIRA) x UNIAO (DPF) (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.3945-8 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: GLÁUBER DE CARVALHO CAVALCANTE ADVOGADAS: CARMEN RACHEL DANTAS MAYER E JOSELISSES ABEL FERREIRA RÉ: UNIÃO ADVOGADO DA UNIÃO: ERIVAN DE LIMA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de antecipação da tutela, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 62/63): "Cuida-se de Ação Ordinária movida por Gláuber Carvalho Cavalcante em face da União, com pedido de antecipação da tutela visando assegurar a convocação e matrícula do Autor na Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública/2009. O Autor afirma o seguinte: 1) É Agente de Polícia Federal e, nos termos do Decreto nº 2.565/1998, para a progressão na carreira da Polícia Federal é necessário o atendimento de 05 (cinco) anos ininterruptos de efetivo exercício na classe em que o servidor estiver posicionado, além de avaliação de desempenho satisfatório. 2) Através da Portaria nº 48/2009-GAB/ANP/DGP, de 18.02.2009, procedeu-se à convocação de servidores da Polícia Federal para participar da Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública/2009, sem que o nome do Autor constasse na relação dos convocados, embora tenha cumprido o interstício de 05 (cinco) anos, em face do que decidido na Ação Ordinária nº 2006.82.6011-2, na qual houve a anulação do processo administrativo disciplinar que havia aplicado a pena de 01 (um) dia de suspensão ao Autor. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls.11/57). Assumi a jurisdição no feito em 01.06.2009, em razão das férias regulamentares do MM. Juiz Federal da 2ª Vara. É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. A título de antecipação da tutela, poderá ser deferida medida cautelar, se presentes os pressupostos específicos do fumus boni iuris e do periculum in mora. No caso em exame, embora vislumbre plausibilidade jurídica quanto ao atendimento do requisito formal relativamente ao interstício para efeito de progressão na carreira policial, tendo em consideração o teor da sentença e acórdão proferidos nos autos da Ação Ordinária nº 2006.82.6011-2, que o Autor move contra a União, em tramitação na 2ª Vara Federal (PB)2, na qual fora interposto recurso especial sem efeito suspensivo (fls. 38/44 e 47/49), ocorre que a presente Ação Ordinária foi ajuizada em 12.05.2009, após o início da Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública previsto para 02.03.2009 e término em 28.11.2009 (cf. Portaria nº 047/2009-GAB/ANP/DGP, de 18.02.2009, fls. 12/21), de modo que, mesmo que fosse deferida a tutela, o Autor se veria prejudicado em cursar a contento a Especialização, pois já perdeu praticamente 03 (três) meses, a qual é composta de ciclos presencial e à distância, além do trabalho de conclusão do curso, com exigência de cumprimento de carga horária mínima e aplicação de avaliações parciais, finais e especiais para efeito de aprovação. Faltaria, desse modo, utilidade na medida pleiteada, o que implica a ausência de uma das condições da ação: o interesse de agir. Diante do exposto, ausentes os requisitos legais, indefiro o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se o Autor desta decisão. Cite-se. João Pessoa, 01.06. 2009". (grifos no original) A União apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 71/79), afirmando: 1) Ausência de interesse processual, uma vez que já transcorreram cinco dos oito meses de duração do curso, do que resultaria a inutilidade de eventual provimento jurisdicional; 2) Nos termos da Portaria do Diretor-Geral do Departamento de Polícia Federal nº. 810/2005, a participação no Curso Especial de Polícia exige que o Policial Federal tenha exercido efetivamente a função policial na primeira classe por, no mínimo, quatro anos ininterruptos, com avaliações de desempenho satisfatórias, não sendo esse o caso do Autor, que está na primeira classe há alguns meses; 3) Por outro lado, considerando o disposto no art. 3º, § 6º, do Decreto nº. 2.595/98, c/c o art. 9º, III, da Portaria Interministerial nº 23/98, o afastamento disciplinar de um dia a que se submeteu o Autor no ano de 2004 interrompeu o interstício à primeira promoção, não cabendo contagem de tempo ficto em razão da ausência de efetivo exercício. O Autor apresentou impugnação, refutando a assertiva de ausência de interesse processual e reiterando os termos da petição inicial (fls. 83/84). É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fl. 10): "a) Nos termos do artigo 273, do Código de Processo Civil, o deferimento da antecipação de tutela, inaudita altera pars, para que seja determinada a imediata convocação e matrícula do Requerente na Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública - 2009 ou, na hipótese deste Exmo. Juízo entender ser o caso da concessão de Medida Cautelar, seja concedida a liminar, com fulcro no art. 273, § 7º, do Código de Processo Civil, acrescentado pela Lei nº. 10.444/02; ... e) no mérito, que a União Federal seja condenada a proceder com a convocação e matrícula do Requerente no curso de Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública - 2009, cuja convocação se deu através da Portaria nº. 047/2009 - GAB/ANP/DGP..." (grifei) Conforme assentou a decisão, a despeito da plausibilidade jurídica quanto ao atendimento do requisito formal relativamente ao interstício para efeito de progressão na carreira policial, tendo em consideração o teor da sentença e acórdão proferidos nos autos da Ação Ordinária nº 2006.82.6011-2, que o Autor move contra a União, em tramitação na 2ª Vara Federal (PB), na qual fora interposto recurso especial sem efeito suspensivo, ocorre que a presente Ação Ordinária foi ajuizada em 12.05.2009, após o início da Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública previsto para 02.03.2009 e término em 28.11.2009 (cf. Portaria nº 047/2009-GAB/ANP/DGP, de 18.02.2009). Em tais circunstâncias, mesmo que fosse deferida a tutela, o Autor se veria prejudicado em cursar a contento a Especialização, pois já perdeu praticamente 03 (três) meses, a qual é composta de ciclos presencial e à distância, além do trabalho de conclusão do curso, com exigência de cumprimento de carga horária mínima e aplicação de avaliações parciais, finais e especiais para efeito de aprovação. Por outro lado, vê-se nos autos que o Curso de Especialização em Execução de Políticas de Segurança Pública, realizou-se no período de 02/03 a 28/11/2009, conforme se verifica no Ofício nº 2646/2009 - SRH/SR/DPF/PB, de 16.11.2009, e Portaria nº. 047/2009-GAB/ANP/DGP, de 18.02.2009 (fls. 93/103). Desse modo, configura-se na hipótese a superveniente perda do objeto da presente ação ordinária, à míngua de utilidade na medida pleiteada, o que implica a ausência de uma das condições da ação: o interesse de agir. Portanto, uma vez ausente o interesse processual do Autor, impõe-se a extinção do processo, sem resolução do mérito, nos moldes previstos no art. 267, inciso VI, do CPC3. Diante do exposto, declaro a extinção do processo, sem resolução do mérito, em face da ausência de interesse processual do Autor, nos termos do art. 267, VI, do CPC. Sem verba honorária, tendo em vista que o valor atribuído à causa (R$ 1.000,00 - mil reais) dispensa a execução dos honorários, nos termos da Lei nº 9.469/97, que prescinde da cobrança em até R$ 1.000,00 (mil reais). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 A sentença, mantida pelo TRF-5ª Região, anulou o processo administrativo disciplinar no qual a Polícia Federal havia aplicado ao Autor a pena de 01 (um) dia de suspensão. 3 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." (grifado) ?? ?? ?? ??

   

0004710-47.2008.4.05.8200 DORIVAL BRAGA DE QUEIROZ (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Recebo a apelação nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC). Vista ao apelado para contra-arrazoar no prazo de 15 (quinze) dias (art.508, caput, do CPC c/c art. 518, caput, do CPC). Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. P. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0004958-13.2008.4.05.8200 ALEXANDRE FERNANDES DE CARVALHO SAEGER (Adv. VALBERTO ALVES DE A FILHO, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO: 2008.4958-7 NATUREZA: Ação Ordinária PROMOVENTE: Alexandre Fernandes de Carvalho Saeger PROMOVIDA: União S E N T E N Ç A1 R E L A T Ó R I O ALEXANDRE FERNANDES DE CARVALHO SAEGER promoveu AÇÃO ORDINÁRIA DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS em face da UNIÃO pugnando, em resumo, pela condenação da promovida na reparação dos danos morais que alega ter sofrido. Alega o autor em sua petição inicial (fls. 03/06), acompanhada de procuração e documentos (fls. 07/167), o seguinte: 1) Foi surpreendido ao tentar realizar compras para suas necessidades básicas e verificar que não constava qualquer pecúnia em suas contas correntes em razão de bloqueio judicial ocorrido em 03/04/2007 por força de uma ação de execução que tramita na 8ª Vara do Trabalho de João Pessoa, sob o nº 00111.2007.025.13.00-6, movida em face da empresa Fibrasa - Fiação Brasileira de Sisal S/A por Tatiane Paiva da Silva. 2) Ficou irresignado com a impossibilidade de arcar com compromissos primários, sem que ao menos fosse previamente comunicado do bloqueio judicial e sem que pertencesse ao quadro societário da Fibrasa. A UNIÃO apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls.171/179), alegando preliminarmente: a) litispendência, uma vez que o autor teria proposto a Ação Ordinária nº 2008.4957-5, em que se constata tríplice identidade: mesmas partes, mesma causa de pedir e mesmo pedido, o que configuraria a aplicação da multa por litigância de má-fé; b) inépcia da Inicial, por falta de documento essencial à propositura da ação. No mérito, afirma o seguinte: 1) A Ata da Assembléia Geral Ordinária da FIBRASA indica o autor como Diretor Superintendente da empresa, além de não ter sido identificado nos autos qualquer documento comprovando que, à época em que foi proposta a presente demanda, o Autor não mais fazia parte da Diretoria da referida sociedade. 2) A teoria da desconsideração da personalidade jurídica da sociedade tem sido aplicada no Direito do Trabalho na hipótese de insuficiência de bens da empresa, em que a execução alcança os bens dos Administradores. 3) O autor não faz jus a qualquer indenização, uma vez que não trouxe à colação prova robusta demonstrando a ocorrência dos supostos danos morais. O demandante apresentou impugnação à contestação (fls.183/186), alegando que ajuizou outras duas demandas judiciais, Proc. nº 2007.8252-5 e Proc. nº 2007.8251-3, fundadas em diferentes atos ilícitos: bloqueios efetivos e indevidos de contas bancárias de sua titularidade. Afirmou, ainda, que embora haja identidade de partes e de pedido, a causa de pedir de uma demanda e outra são diversas, uma vez fundadas em atos ilícitos diferentes, sem qualquer relação entre si, salvo a natureza de ilicitude diante da lesão que causou à parte autora. No tocante ao argumento de que não teria munido a ação com documentos indispensáveis à propositura da ação, afirmou que tal fato estaria atrelado ao mérito e, mesmo que assim não fosse, tratando a pretensão de cunho indenizatório, já se encontra nos autos a prova do ato ilícito, que é aquela necessária para aferir a responsabilidade da parte Ré. Determinado ao autor que apresentasse cópias da petição inicial e sentença com trânsito em julgado, se houvesse, do Processo nº 2008.4957-5 (fls.188), sobreveio a documentação (fls.190/195). Oficiada à Junta Comercial do Estado da Paraíba para apresentar todos os termos aditivos ao contrato social da Empresa Fibrasa, a partir do ano de 2000 (fls.198), sobreveio a documentação (fls.205/234). Com vista dos documentos, o autor alegou que em nenhuma das atas das assembléias realizadas na Fibrasa seu nome se encontra consignado na posição de sócio ou cotista da sociedade, mas apenas, conforme fls. 208, administrador contratado (fls.238), ao passo que a União alegou que, conforme documento de fls.208, o autor passou a exercer o cargo de diretor estatutário, cabendo-lhe os poderes constantes no Estatuto Social da empresa (fls.224/234). Alega, ainda, que já em 2006, o autor figura exercendo as funções de Diretor Superintendente e Diretor Comercial cumulativamente, logo não se tratava de simples empregado, sujeito a subordinação característica das relações de emprego, mas que detinha poder de gestão, representando a empresa judicial e extrajudicialmente (fls.241/244). Assumi a jurisdição. BREVEMENTE RELATADOS. DECIDO. F U N D A M E N T A Ç Ã O 1. PRELIMINARMENTE 1.1 Da litispendência e multa por litigância de má-fé A União suscita a litispendência em razão do ajuizamento da Ação Ordinária nº 2008.4957-5, alegando a tríplice identidade de partes, de causa de pedir e do pedido, o que ensejaria a aplicação da multa por litigância de má-fé. Em que pese a identidade de partes e do pedido entre as duas ações, a causa de pedir em ambas não é plenamente idêntica, uma vez que na Ação Ordinária nº 2008.4957-5 a causa de pedir está fundada no bloqueio judicial das contas correntes do autor, por força de ação de execução com trâmite na 8ª Vara do Trabalho da Capital, sob o nº 00.142.2007.025.13.00-7, movida por VALDIR DA SILVA SANTOS, enquanto a causa de pedir da presente ação tem como base o bloqueio judicial das contas correntes do autor, por força de ação de execução com trâmite na 8ª Vara do Trabalho da Capital, sob o nº 00111.2007.025.13.00-6, movida por TATIANE PAIVA DA SILVA. Assim, rejeito a preliminar de litispendência e, consequentemente, indefiro o pedido de aplicação da multa por litigância de má-fé. 1.2 Da inépcia da petição inicial A União suscita a inépcia da inicial pelo fato de o autor não ter instruído os autos com documento capaz de comprovar os fatos alegados na petição inicial, como o bloqueio de suas contas bancárias, declarações de casas comerciais onde teria tentado realizar compras, declaração da FIBRASA confirmando não pertencer o Autor ao quadro societário da empresa, bem como a prova dos alegados danos morais. A petição inicial está instruída com início de prova, apresentando documentos com os quais o autor esboça a sua pretensão, como o bloqueio judicial realizado em suas contas bancárias (fls.129, 131 e 143). Quanto à instrução, há início razoável de prova em relação aos limites da pretensão de indenização por dano moral. Portanto, rejeito a alegação de inépcia da petição inicial. 2. EXAME DO MÉRITO 2.1 Responsabilidade civil e a obrigação de indenizar Dessume-se dos autos do presente processo haver a parte autora deduzido perante este juízo pleito de INDENIZAÇÃO POR DANOS em razão de conduta supostamente ilícita da parte demandada, motivo pelo qual faria jus obter, judicialmente, a reparação de todos os prejuízos cuja ocorrência fora afirmada na exordial. O instituto da responsabilidade civil encontra-se atualmente positivado no direito brasileiro, em sede infraconstitucional, no art. 186 do Código Civil2. Tal dispositivo é complementado pelo art. 9273 do mesmo Código, que prescreve a obrigação de reparar o dano como conseqüência jurídica da prática do ato ilícito definido pelo legislador no artigo 186. Os mencionados dispositivos fundamentam a teoria da responsabilidade civil subjetiva - adotada como regra geral pelo direito brasileiro4 -, para a qual se mostra indispensável à configuração da obrigação de indenizar a presença do elemento subjetivo culpa lato sensu. De fato, em matéria de responsabilidade civil, é essencial à configuração da obrigação de indenizar a reunião de seus três elementos objetivos fundamentais, a saber: (a) uma conduta humana voluntária, (b) um dano moral ou material e, finalmente, (c) o nexo causal a unir conduta e dano. Sobre o assunto, eis a esclarecedora lição de Washington de Barros Monteiro: "Eis aí, portanto, os elementos componentes do ato ilícito, de acordo com o art. 186, tido como uma das vigas-mestras do direito civil, ao lado do direito de propriedade e da família: o fato lesivo, o dano produzido e o nexo causal. Evidenciados esses elementos, surgirá a obrigação de indenizar, pouco importando se o fato danoso viola ou não simultaneamente a lei penal." Determinando a norma legal aplicação da teoria da responsabilidade civil subjetiva para regência de um dado caso concreto, mais um elemento (o subjetivo) se fará necessário: a culpa lato sensu, que compreende a culpa stricto sensu e o dolo. Outrossim, o direito brasileiro faz concessões (cada vez mais freqüentes) à teoria da responsabilidade civil objetiva, dispensando a exigência do elemento subjetivo culpa lato sensu para a configuração da responsabilidade do causador do dano e correlata visualização da obrigação de indenizar. Nestes termos, prescreve a Constituição Federal de 1988, em seu art. 37, § 6.º, a adoção da teoria da responsabilidade civil objetiva nos casos em que danos sejam causados por atos de agentes de pessoa jurídica de direito público ou de direito privado prestadora de serviço público, desde que agindo nessa condição5. Sendo assim, é de se concluir que, estando a União no pólo passivo da demanda, adota o direito positivo, como orientação de regência, a teoria da responsabilidade civil objetiva. Bastará à parte autora, dessa forma, alegar e provar a conduta omissiva ou comissiva da entidade promovida, o dano material e/ou moral a si causado e o necessário nexo de causalidade entre conduta e dano, não socorrendo o demandado qualquer alegação e prova quanto à inexistência de culpa lato sensu a lhe permear a conduta. 2.2 Danos materiais e morais: o objeto da prova Independentemente da natureza material ou moral da lesão alegada pela parte autora, a afirmação e demonstração (prova) dos fatos que supostamente causam os danos constituem exigência essencial e indispensável a um bem sucedido pleito de indenização. Com exceção dos casos em que determina o juiz a inversão do ônus da prova (CDC, art. 6.º, VIII6), deve o autor consumidor provar a ocorrência dos fatos de que lhe decorreram os danos, assim como o nexo de causalidade a unir conduta e dano numa relação de lógica e necessariedade. Por outro lado, alegada a ocorrência de danos materiais, é necessário que sejam cabalmente provados nos autos. Prescrevendo o Código Civil que a indenização haverá de ser dimensionada em função do dano causado7, ressalvados uns poucos casos previstos em lei8, deverá o autor provar a existência do dano e sua extensão, fornecendo dados ao julgador para seu convencimento no que pertine à obrigação de indenizar (an debeatur) e ao respectivo montante (quantum debeatur). Já no caso de serem alegados danos morais, nem sempre será necessário ao(à) autor(a) demonstrar-lhes a existência em si. Em muitos casos, tratar-se-ia de verdadeira "prova diabólica", impossível de ser produzida. O objeto da prova, nessas hipóteses, é a idoneidade da conduta para a deflagração causal de sua ocorrência, segundo normas de experiência. Assim, deverá provar o autor a prática da conduta supostamente lesiva, demonstrando-lhe a idoneidade para a geração do alegado dano moral. 2.3 O caso dos autos O autor alegou que teria se surpreendido ao tentar realizar compras de necessidades básicas e não constar numerário em suas contas correntes, motivo que segundo informação das instituições bancárias teria ocorrido em razão de bloqueio judicial determinado por força de uma ação de execução que tramita na 8ª Vara do Trabalho de João Pessoa, sob o nº 00111.2007.025.13.00-6, movida em face da FIBRASA - Fiação Brasileira de Sisal S/A por Tatiane Paiva da Silva. Sustentou que causou grande irresignação o fato de ficar impossibilitado de arcar com compromissos primários em face do bloqueio, sem que ao menos fosse previamente comunicado, e sem que pertencesse ao quadro societário da empresa Fibrasa. A União, em sua contestação, alegou que a Ata da Assembléia Geral Ordinária da Fibrasa aponta o autor como Diretor Superintendente da empresa. Afirmou que o Direito do Trabalho aplica a teoria da desconsideração da personalidade jurídica da sociedade em várias hipóteses, dentre elas quando da insuficiência de bens da empresa, em que a execução alcança os bens dos Administradores. Por fim, ressaltou que o demandante não comprovou o efetivo prejuízo em decorrência do alegado dano moral. Analisando os autos, observo que razão não assiste ao autor. Com efeito, a Ata da Assembléia Geral Ordinária de Acionistas da Fibrasa, realizada em 28/04/2006 (fls.35/38), registra o autor como reempossado no cargo de Diretor Superintendente, acumulando, ainda, a função de Diretor Comercial da Empresa, ao passo que, em 02 de abril de 2007, através de Assembléia Geral Extraordinária, o autor foi destituído do cargo de Diretor Superintendente, assumindo a Diretoria de Operações da empresa Fibrasa (fls.206/209). Após, há informação do Sistema Nacional de Registro de Empresas Mercantis - SINREM, da Junta Comercial do Estado da Paraíba, em 11/04/2007 (fls.124), regis trando que o autor é um dos sócios pessoa física da empresa Fibrasa. Não há nos autos informação que comprove o desligamento do autor da Diretoria da empresa Fibrasa. Nos autos da Ação Ordinária (Processo nº 2007.8251-3), em que contende as mesmas partes processuais, tratando de matéria análoga, decidi nos seguintes termos: "(...) Tratam os presentes autos de pedido de indenização por danos morais em razão do bloqueio das contas correntes do autor, em 03/04/2007, por força da Ação de Execução nº 00026.2006.025.13.00-7, movida em face da FIBRASA - Fiação Brasileira de Sisal S.A., que tramita na 8ª Vara do Trabalho. Alega o demandante que o bloqueio teria sido determinado pelo Juiz do Trabalho, através de informações equivocadas prestadas pela Junta Comercial, uma vez que o autor não pertenceria ao quadro societário da empresa. Afirmou que sofreu prejuízo moral "quando comunicava as pessoas com quem mantinha relações financeiras, que suas contas bancárias estavam bloqueadas em razão de ordem judicial emanada da Justiça do Trabalho". A União alegou que o Juiz da Oitava Vara do Trabalho teria decidido acertadamente no exercício legal de suas atribuições, com base em informações prestadas pela Junta Comercial do Estado da Paraíba. Asseverou, ainda, que o autor não teria comprovado nos autos nenhum dano sofrido pelo fato, capaz de configurar dano moral. Ao meu entender, razão não assiste ao autor. Com efeito, não há o que se repreender na decisão judicial emanada pelo juízo trabalhista que determinou o bloqueio das contas do autor com esteio em informações que gozam da presunção de veracidade e que não poderiam ser repelidas sem qualquer indício de dúvida, uma vez que prestadas pela Junta Comercial do Estado. Com efeito, restou demonstrado que o autor compunha a diretoria da empresa Fibrasa, através da Ata da Assembléia Geral Ordinária realizada em 28 de abril de 2006, em que fora eleito e empossado como Diretor Superintendente e Diretor Comercial, "acumulando as funções de estatutário e operacional" (fls.135/138), ao passo que, em 02 de abril de 2007, foi realizada Assembléia Geral Extraordinária em que o autor foi destituído do cargo de diretor superintendente "O Sr. Alexandre Fernandes de Carvalho Saeger, por não ser acionista, deixa o cargo de Diretor Superintendente e Comercial, e assume a Diretoria de Operações (...)", logo após o indeferimento judicial quanto à pretensão para liberação das contas bancárias, em 28/03/2007. Tal fato denota um artifício da empresa no sentido de aparentar que o autor, como diretor operacional, seria apenas um empregado da mesma com isenção quanto à responsabilidade administrativa. Dessa forma, não restou caracterizada nos autos a previsão do §6º do art. 37 da Constituição Federal de 19889, porquanto a responsabilidade objetiva do Poder Público está condicionada ao dano decorrente da sua atividade administrativa, de modo que, não restando comprovado que o agente público agiu com dolo ou culpa, como no caso dos autos, não há como e nem por que responsabilizá-lo. Por outro lado, em que pese a intenção em ter suas contas bancárias desbloqueadas, não restou evidenciado diante do indeferimento do pedido de liberação e desbloqueio de sua conta bancária (fls.83/85), que o autor tenha tomado qualquer iniciativa para reverter a situação em prol do seu intento. Assim, não vislumbro nenhuma conduta ilícita da demandada a ensejar sua responsabilidade civil pela reparação do dano moral que o autor alega ter sofrido. DISPOSITIVO DIANTE DO EXPOSTO, nos termos do art. 269, I, do Código de Processo Civil, JULGO IMPROCEDENTE O PEDIDO. Verba honorária à base de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade da demandante, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/5010). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes." Adotando o mesmo fundamento, entendo que inexistiu qualquer ato ilegal praticado pela demandada, eis que não restou comprovado que tenha agido com dolo ou culpa, o que torna indevida qualquer indenização por danos morais. DISPOSITIVO DIANTE DO EXPOSTO, nos termos do art. 269, I, do Código de Processo Civil, JULGO IMPROCEDENTE O PEDIDO. Verba honorária à base de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade da demandante, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/5011). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa/PB, 20 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. 3 Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. 4 A professora Maria Helena Diniz, no volume 7 de seu Curso de Direito Civil Brasileiro, assim se posiciona sobre a matéria: "No nosso ordenamento jurídico vigora a regra geral de que o dever ressarcitório pela prática de atos ilícitos decorre da culpa, ou seja, da reprovabilidade ou censurabilidade da conduta do agente". 5 Art. 37. § 6.º. As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo e culpa. 6 Art. 6.º. São direitos básicos do consumidor: ... VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiência. 7 Art. 944. A indenização mede-se pela extensão do dano. 8 Excepcionando o legislador a mencionada vinculação: Código Civil, arts. 928, parágrafo único, 944, parágrafo único, 945 etc. 9 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (...) § 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa. (grifei) 10 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro SÁLVIO DE FIGUEIREDO, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud NEGRÃO, THEOTÔNIO, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) 11 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro SÁLVIO DE FIGUEIREDO, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud NEGRÃO, THEOTÔNIO, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) LMS ?? ?? ?? ??

   

0005008-05.2009.4.05.8200 JACO JOSE DA SILVA (Adv. MARINALDO DE ARAUJO PAIVA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTACAO DO RIO GRANDE DO NORTE x JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

ROCESSO Nº 2009.82.5008-9 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: JACÓ JOSÉ DA SILVA ADVOGADO: MARINALDO DE ARAÚJO PAIVA RÉUS: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADOR: GENEZIO FERNANDES VIEIRA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de antecipação da tutela, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 46/47): "Cuida-se de Ação Ordinária ajuizada originariamente perante a Justiça Estadual por Jacó José da Silva em face da União (Fazenda Nacional), Estado do Rio Grande do Norte e Junta Comercial do Rio Grande do Norte, com pedido de liminar visando o cancelamento dos gravames que recaem sobre o Autor. O Autor afirma o seguinte: 1) É lanterneiro e há dois anos tomou conhecimento de que seu CPF encontrava-se em situação irregular e foi informado pela Receita Federal de que seu nome constava como sócio da empresa Duauto Equipadora Ltda, a qual possui débito de R$ 100.000,00 (cem mil reais), estando o nome da parte inscrito na dívida ativa da União e do Rio Grande do Norte. 2) Na Junta Comercial do Rio Grande do Norte verificou que seu nome figurava no termo aditivo nº 01 como integrante do quadro societário daquela empresa; no entanto, a assinatura que aparece no termo aditivo não é sua, conforme exame grafotécnico realizado pela Polícia Civil. 3) Suspeita que o seu antigo patrão de nome Duval, que era sócio da referida empresa e que fora preso por furto de veículos e adulteração de chassis, tenha falsificado sua assinatura após ter sido demitido, quando seus documentos ficaram retidos, o que obrigou a tirar a segunda via. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 08/32). Em face da presença da União no pólo passivo, o Exmº Juiz de Direito da 1ª Vara da Comarca de Sapé, Dr. Wladimir Alcibíades Marinho Falcão Cunha, proferiu decisão declinando da competência para a Justiça Federal (fls. 39). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1.060/1950). Em segundo lugar, não conheço da pretensão formulada contra o Estado do Rio Grande do Norte e da respectiva Junta Comercial, uma vez que estes entes públicos não se enquadram na regra da competência da Justiça Federal prevista no artigo 109 da Constituição Federal de 1988. Em terceiro lugar, os dados informatizados da Receita Federal de fls. 10/11, de 06.11.2007, não fazem alusão a débito, inscrito ou não, da empresa Duato Equipadora Ltda, CNPJ nº 08.548.463/001-02, mas apenas à condição do Autor de responsável e à ausência de apresentação de declaração do imposto de renda da pessoa jurídica dos exercícios de 2002 a 2006, de modo que o provimento liminar ressente-se de objeto. Diante do exposto, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se o Autor desta decisão. Correções cartorárias e na Distribuição para exclusão do pólo passivo do Estado do Rio Grande do Norte e da respectiva Junta Comercial. Cite-se a União (Fazenda Nacional), cuja resposta deverá vir instruída com informação sobre eventual inscrição na dívida ativa e/ou ajuizamento de execução fiscal contra a empresa Duato Equipadora Ltda e o Autor, apresentando, ser for o caso, cópia da petição inicial e indicando o Juízo em que tramita. João Pessoa, 06/07/2009" (grifos no original) A União apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 52/64), afirmando: 1) O Autor não comprovou a ocorrência dos fatos constitutivos do seu direito, conforme previsto no art. 333, I, do CPC, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) Nos documentos à disposição da administração fazendária da União, o Autor consta como responsável legal pela sociedade empresarial Dauto Equipadora Ltda, desde 1984, e, com o advento da Instrução Normativa nº 918, de 10/02/2009, foi obrigado a apresentar as declarações do IRPF, como obrigação tributária acessória; 3) No entanto, o Demandante deixou de apresentar a DIRPF e outras declarações relativas ao período de 2002 a 2007, o que gerou restrições cadastrais e a imposição de multa decorrente do atraso; 4) Mediante o ajuizamento de ação judicial, cabe ao Poder Judiciário apurar, mediante a necessária instrução probatória, o eventual envolvimento do Autor em fraude, para que sejam corrigidos possíveis erros existentes nos cadastros da Receita Federal. O Autor não apresentou impugnação (fl. 67). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fl. 06): "Requer ainda, que seja decidido em LIMINAR, em caráter de urgência, que seja determinado o cancelamento e exclusão dos gravames contra a pessoa do Suplicante junto a Receita Federal e junto ao Estado do Rio Grande do Norte." (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de antecipação da tutela (fls. 46/47). Conforme assentei na decisão, os dados informatizados da Receita Federal de fls. 10/11, de 06.11.2007, não fazem alusão a débito, inscrito ou não, da empresa Duato Equipadora Ltda, CNPJ nº 08.548.463/001-02, mas apenas à condição do Autor de responsável pela empresa Dauto Equipadora Ltda e à ausência de apresentação de declaração do imposto de renda da pessoa jurídica dos exercícios de 2002 a 2006, de modo que o provimento judicial pleiteado ressente-se de objeto. Por outro lado, em momento algum o Autor requereu a realização de prova para aferição de sua condição de sócio da empresa, e sequer impugnou a contestação Ante o exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade do Demandante, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/502). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais, facultado o desarquivamento no decurso do lapso quinquenal. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0005573-37.2007.4.05.8200 IVONE FERREIRA DE ARAUJO (Adv. LUIS FERNANDO PIRES BRAGA, LUIZ GUEDES DA LUZ NETO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0006190-26.2009.4.05.8200 CELEIDE MARIA DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO, ANTONIO SEVERINO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Aguarde-se por 30 (trinta) dias a apresentação do instrumento procuratório legível por parte do autor. P. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0006526-30.2009.4.05.8200 MUNICIPIO DE SOUSA (Adv. JONAS GOMES DE MOURA NETO, JORGE CARRIÇO MARINHO DE SOUZA, EMÍLIO JOSÉ CHAVES BORÓBIO PAGÉS) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Renove-se a intimação ao autor, desta feita, pessoalmente, para, no prazo de 48(quarenta e oito)horas, cumprir integralmente o despacho de fls. 2111 sob pena de extinção do feito sem resolução do mérito2. 1 Pronuncie-se o Autor Município de Sousa (PB), em 10 (dez) dias, para apresentar cópia da petição inicial e da sentença com trânsito em julgado, se houver, do processo: 2009.82.02.001491-1, em curso na 8ª Vara Federal (PB) (conforme extrato informatizado de fls. 166), a fim de esclarecer e comprovar, para fins de exame de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada 2 Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; ?? ?? ?? ??

   

0007120-44.2009.4.05.8200 MARIA DA PENHA DE JESUS LEAL DE ALBUQUERQUE E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 2009.82.7120-2 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: MARIA DA PENHA DE JESUS LEAL DE ALBUQUERQUE, MILTON DE MOURA FERREIRA, MIRABEAU WANDERLEY NETO, MARTON PESSOA DE ARAÚJO PEREIRA E MAURO MACEDO DUARTE ADVOGADOS: GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERÔNICA LEITE A. DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO E ALEXANDRE PESSOA RAMALHO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA PROCURADOR: MÁRIO GOMES DE LUCENA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Maria da Penha de Jesus Leal de Albuquerque, Milton de Moura Ferreira, Mirabeau Wanderley Neto, Marton Pessoa de Araújo Pereira e Mauro Macedo Duarte em face da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, visando à implantação na remuneração dos Autores, respectivamente, dos índices de 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), 11,18% (onze vírgula dezoito por cento), 3,67% (três vírgula sessenta e sete por cento) e 12,75% (doze vírgula setenta e cinco por cento), relativos à diferença entre o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento) e aqueles aplicados alusivos às Leis nºs 8.622/93 e 8.627/93, bem com ao pagamento das diferenças retroativas. Os Autores alegam que são servidores públicos federais da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA e, nessa condição, obtiverem a implantação, em seus vencimentos, de percentuais inferiores ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em decorrência de erro da Administração Pública e não de critério de cálculo do reajuste. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 12/59). A FUNASA apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 68/103), argüindo: 1) Prescrição qüinqüenal, com fundamento no art. 1º do Decreto nº. 20.910/32, inclusive na hipótese de se entender que houve a interrupção do prazo prescricional com a edição da Medida Provisória nº. 1.704/98; 2) Ausência de interesse processual, uma vez que a Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu a todos os servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo o percentual de 28,86%; 3) Os Autores celebraram transação judicial para recebimento das diferenças devidas relativas ao percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), tendo a Administração cumprido o ajuste firmado. Os Autores apresentaram impugnação, refutando as assertivas de prescrição quinquenal e ausência de interesse processual e reiterando os termos da petição inicial (fls. 107/117). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. Os Autores buscam tutela judicial no sentido da implantação, em seus vencimentos, dos percentuais de 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), 3,65% (três vírgula sessenta e cinco por cento), 11,18% (onze vírgula dezoito por cento), 3,67% (três vírgula sessenta e sete por cento) e 12,75% (doze vírgula setenta e cinco por cento), relativos à diferença do índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), bem como o pagamento das diferenças devidas, objeto de transações judiciais firmadas com a FUNASA. Os Termos de Transação Judicial celebrados entre os Autores e a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA, fazendo menção à Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), com tramitação ocorrida na 1ª Vara Federal desta Seção Judiciária, estabelecem, tomando como exemplo o termo celebrado com o Autor Milton de Moura Ferreira (fls. 86/87): "Exmo. Sr. Dr. Juiz (endereçamento ao Juiz) da 1ª Vara Federal/PB. MILTON DE MOURA FERREIRA (...) e FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE, por seu representante legal, vêm, nos autos da ação nº. 95.0004321-1, em trâmite nesse ínclito juízo, com fulcro no art. 269, III do Código de Processo Civil - CPC, art. 1025 ss., do Código Civil e na Lei nº 9.469/97, requerer homologação da transação ora proposta, nos termos que se seguem: I - Conforme determinado pela Medida Provisória 1.704/98 e reedições, foi estendida aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal a vantagem de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto da decisão do STF no julgamento do RMS nº 22.307-7. II - A referida Medida Provisória estabelece que tal vantagem será devida, a partir de 1º janeiro de 1993, aos servidores públicos civis, aos quais se aplicam as tabelas constantes dos anexos à Lei nº 8.622, de 1993, deduzidos os acréscimos percentuais decorrentes da aplicação da Lei nº 8.627 de 1993. (...) VI - Com base nas normas legais ora explicitadas, as partes acordaram entre si, transigindo conforme as cláusulas abaixo: Cláusula 1ª. As diferenças devidas em decorrências da aplicação do Decreto nº 2.693/98, correspondentes ao período compreendido entre 1º de janeiro de 1993 e 30 de junho de 1998, de que tratam os itens IV e V, cujo montante bruto em UFIR é 7.980,90 (sete mil novecentos e oitenta vírgula noventa ufir), que será pago em sete anos, a partir de 1999, nos meses de maio e dezembro, à razão de 1/14 por parcela. (...) Cláusula 4ª. Em nenhuma hipótese será admitido o pagamento simultâneo da extensão administrativa de que trata a Medida Provisória nº 1.812-9 de 1999 e do relativo ao cumprimento de decisão judicial versando sobre o mesmo título ou fundamento. Cláusula 5ª. O autor declara que concorda e que se dá por satisfeito com o montante, a forma e prazo de pagamento constantes da Cláusula 1ª. VII - Por fim, requerem a homologação desta transação, nos termos das cláusulas acima, e conseqüente extinção do processo e eventuais recursos, com julgamento de mérito, nos termos do art. 269, III, do Código de Processo Civil brasileiro" (grifei) Em relação à Autora Maria da Penha de Jesus Leal de Albuquerque, pensionista de Inácio Assis dos Santos, o extrato do SIAPE comprova o pagamento administrativo de quantia relativa ao percentual de 28,86%, em decorrência de transação judicial celebrada com a FUNASA (fl. 84), o que torna desnecessária a apresentação de cópia do respectivo Termo de Transação Judicial. Nos autos da sobredita Ação Ordinária (Processo nº. 95.4321-1), movida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Serviço Público Federal no Estado da Paraíba - SINTSERF em face da Fundação Nacional de Saúde - FNS, pleiteando o pagamento de diferenças salariais relativas aos índices de 45% (quarenta e cinco por cento) e 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), o Exmo. Juiz Federal da 1ª Vara, Dr. João Bosco Medeiros de Sousa, proferiu sentença no sentido da procedência parcial do pedido, condenando a FUNASA a reajustar os vencimentos dos Substituídos com aplicação do percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), a partir de fevereiro de 1993. Tem-se hipótese de ação cuja matéria já foi objeto de questionamento em anterior ação judicial já definitivamente julgada, estando protegida pelo manto da coisa julgada material e formal, no que concerne especificamente ao percentual de 28,86% (vinte o oito vírgula oitenta e seis por cento), objeto, inclusive, de transação judicial celebrada com a FUNASA para pagamento, em sete anos, do passivo relativo ao índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento). A Medida Provisória nº. 1.704/98 estendeu aos servidores públicos civis da Administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Federal o reajustamento de suas remunerações pelo percentual de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), em conformidade com o que foi decidido pelo colendo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RMS nº. 22.307-7/DF. Na espécie, ainda que não se cogite de coisa julgada, em razão de se tratar de ação coletiva (Ação Ordinária nº. 95.4321-1), vê-se que já houve a implantação nos vencimentos dos Autores do percentual de reajustamento ora postulado, impondo-se a extinção do processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC2, com a nova redação dada pela Lei nº. 11.232, de 2005, uma vez que os Autores carecem de interesse processual em obter tutela judicial voltada à implantação do mencionado percentual, bem como do recebimento do valor correspondente. Com efeito, é imperioso ter em vista que os Autores e a FUNASA firmaram instrumento legítimo para adimplemento do passivo dos 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis por cento), mediante regras livremente aceitas pelos partícipes do ato jurídico ora questionado, e que o pacto firmado foi cumprido pela Administração Pública nos termos e condições estabelecidos, destacando-se a declaração expressa dos Autores no sentido de concordarem e darem-se por satisfeitos com o montante, a forma e o prazo de pagamento do valor devido. Diante do exposto, declaro a extinção do processo sem resolução do mérito, em face da ausência de interesse processual dos Autores, nos termos do art. 267, inciso VI, última figura, do CPC. Condeno os Autores ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade dos Demandantes, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/503). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais, facultado o desarquivamento no decurso do lapso quinquenal. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." 3 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0007274-62.2009.4.05.8200 JOSÉ ALEXANDRE (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, ANTONIO SEVERINO DA SILVA, MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Defiro o pedido de dilação de prazo requerido pelo Autor para cumprimento do despacho à fl. 15, por 30 (trinta) dias. P. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0008045-11.2007.4.05.8200 MARGARIDA BATISTA DE OLIVEIRA (Adv. EDUARDO JORGE ALBUQUERQUE DE MENEZES) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Recebo a Apelação de fls. 158/164 nos efeitos suspensivo e devolutivo (art.520, caput, do CPC). Vista ao(s) apelado(s) para apresentação de contrarrazões. Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Publique-se.

   

0008408-61.2008.4.05.8200 ABSOLUTA RECURSOS HUMANOS LTDA. (Adv. ANDRE WANDERLEY SOARES) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2008.82.8408-3, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: ABSOLUTA RECURSOS HUMANOS LTDA ADVOGADO: ANDRÉ WANDERLEY SOARES RÉ: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADOR: SÉRGIO AUGUSTO DE QUEIROZ S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de antecipação da tutela, o Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, abordou inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 318/320): "Cuida-se de Ação Ordinária movida por Absoluta Recursos Humanos Ltda em face da União (Fazenda Nacional), com pedido de antecipação da tutela visando a exclusão da base de cálculo da COFINS e do PIS das importâncias correspondentes a reembolso de salários e encargos sociais. A Autora afirma o seguinte: 1) Atua no ramo de agenciamento, capacitação, seleção e recrutamento de mão-de-obra e, nessa condição, celebra contratos com tomadores de serviços profissionais, os quais pagam à Autora a taxa de agenciamento e os valores dos salários dos trabalhadores temporários e os encargos sociais respectivos, que são por ela (Autora) repassados aos trabalhadores (os salários) e às entidades públicas (os encargos sociais). 2) O PIS e a COFINS não devem incidir sobre o reembolso das despesas pagas pela empresas tomadoras de serviços com salários e encargos sociais. 3) No entanto, a Receita Federal, com base no artigo 3º, § 1º, da Lei nº 9.718, de 1998, vem exigindo o pagamento de tais exações por parte da Autora, relativamente ao valor total da nota fiscal ou fatura por ela emitida quanto aos serviços prestados às empresas tomadoras de trabalho temporário, sob o fundamento de que aquelas exações incidem sobre a totalidade da receita bruta. Sustenta que, muito embora o valor correspondente aos salários e encargos sociais repassados pelo tomador de serviços represente uma entrada financeira para o prestador de serviço, não se trata de renda ou acréscimo patrimonial, pois há uma contrapartida, qual seja, repassá-lo a quem de direito (Fisco e empregados), e nada acrescem o patrimônio do prestador de serviço e não podem ser considerados renda, de modo que as exações em referência devem incidir apenas sobre a taxa de agenciamento que percebe dos tomadores de serviços. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 37/103). É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. A título de antecipação da tutela, poderá ser deferida medida cautelar, se presentes os pressupostos específicos do fumus boni iuris e do periculum in mora. No caso, a Autora tem como objeto social o "serviço de locação de mão-de-obra temporária (Lei 6.019/74), serviço de seleção de pessoal, serviço de conservação e limpeza, empregos, cursos e cadastros." (cf. sexta alteração contratual de 02.01.2004, fls. 141/142). Instruiu a petição inicial, entre outros documentos, com cópia de guias DARF com vencimento no período de janeiro a junho de 2007 (com variação dos códigos de receita e sem menção ao objeto dos recolhimentos), planilha em nome da Autora das faturas por ela emitidas com indicação do valor da locação de mão-de-obra, valor do serviço, valor dos encargos sociais, valor do vale-refeição, valor do vale-transporte e valor bruto, e cópia das faturas emitidas pela Impetrante em face de diferentes empresas, relativas à locação de mão-de-obra de janeiro a março de 2008, constando o valor da locação de mão-de-obra, o valor da comissão/taxa de serviços, o valor dos encargos sociais trabalhistas, o valor do vale-refeição, o valor da retenção ao INSS e da retenção do imposto de renda2. A Autora afirma que a Receita Federal do Brasil vem exigindo, com base no artigo 3º, § 1º, da Lei nº 9.718, de 1998, o recolhimento do PIS e da COFINS, relativamente ao valor total da nota fiscal ou fatura por ela emitida em face dos serviços prestados às empresas tomadoras de trabalho temporário, sob o fundamento de que aquelas exações incidem sobre a totalidade da receita bruta. A matéria exige dilação probatória para, a partir de documentos (por exemplo: declaração do imposto de renda da pessoa jurídica ou guias DARF especificando a base de cálculo) que comprovem efetivamente o recolhimento das exações sobre base de cálculo que englobasse a taxa de agenciamento e os reembolsos de salários e encargos sociais no âmbito exclusivo da prestação do serviço de agenciamento de mão-de-obra temporária, aferir-se, com base ainda em análise contábil-financeira, da correção da assertiva, no plano fático. A dilação probatória requer o cotejo e análise contábil-financeira da origem das receitas dos valores pagos pelos tomadores de serviços Autora e da forma como estes valores transitam pela contabilidade do prestador do serviço. Por sua vez, a análise contábil-financeira é confluente com o exame das cláusulas contratuais que tratam das condições de pagamento em face do serviço prestado pela Autora. ISTO POSTO, ausentes os requisitos do artigo 273 do CPC, indefiro o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Cite-se. João Pessoa, 04 SET 2009". (grifos no original) A União apresentou contestação (fls. 324/333), afirmando: 1) As contribuições a título de PIS e CONFIS incidem sobre base de cálculo específica, com os ajustes determinados pela legislação tributária, sendo irrelevante a destinação de parcela da receita auferida pela empresa para pagamento de mão-de-obra, a terceirização realizada ou os tributos incidentes, para efeito de tributação de seu resultado; 2) A empresa locadora recebe do tomador de serviços um preço pelos serviços prestados, que abrange o lucro e a remuneração pelas despesas concebidas para a prestação do serviço de agenciamento de mão-de-obra, o qual constitui a receita bruta da empresa, sobre a qual incidem os tributos em questionamento; 3) Por outro lado, não há entre o tomador de serviços e os empregados da empresa locadora qualquer relação trabalhista, cabendo à empresa de locação de mão-de-obra e prestadora de serviço o pagamento dos salários e demais despesas dos empregados, como custo normal de sua atividade, razão pela qual não se pode falar em reembolso das despesas pagas pelas empresas tomadoras de serviços. A Autora apresentou impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 337/341). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fl. 109): "a procedência do pedido, no sentido de declarar, incidentalmente, a inconstitucionalidade do § 1º do art. 3º da Lei Federal nº 9.718/98 e por corolário a Ré, a UNIÃO FEDERAL, a inexigibilidade da COFINS e do PIS, sobre as parcelas correspondente a reembolso de salários e encargos sociais de terceiros. III. que em vista do item precedente seja deferida a Tutela Antecipada - inaudita altera pars - no sentido de excluir, provisoriamente, da base de cálculo da COFINS e do PIS, as importâncias correspondente a salários e encargos sociais de terceiros, bem como a proibição de aplicação de penalidades/arbitrariedades por parte da Edilidade, no tocante àquela exclusão." (grifei) No controle difuso, o Supremo Tribunal Federal3 declarou a inconstitucionalidade do § 1º do artigo 3º, da Lei nº 9.718/1998, que ampliou a base de cálculo tanto da COFINS como da contribuição ao PIS, elastecendo indevidamente o conceito de faturamento, declaração ao qual me filio. A Autora atua no ramo de "serviço de locação de mão-de-obra temporária (Lei 6.019/74), serviço de seleção de pessoal, serviço de conservação e limpeza, empregos, cursos e cadastros" (cf. sexta alteração contratual de 02.01.2004, fls. 141/142), e, nesta condição, celebra contratos com tomadores de serviços profissionais, os quais lhe pagam a taxa de agenciamento e os valores dos salários dos trabalhadores e dos encargos sociais respectivos, que são por ela (Autora) repassados aos trabalhadores e às entidades públicas a que se destinam os encargos. Os valores dos salários dos trabalhadores, cuja mão-de-obra é locada e respectivos encargos sociais, pagos pelas empresas tomadoras de serviços em favor da Autora, no âmbito dos contratos de prestação de serviços profissionais, que, por disposição contratual, os transfere a quem de direito, não se integram, por isto mesmo, ao patrimônio da Autora e daí não compõem a base de cálculo do PIS e da COFINS (que tem como base de cálculo o faturamento, cf. Lei nº 9.715/98 e Lei Complementar nº 70/91, respectivamente). Diante do exposto, julgo procedente o pedido para declarar a inconstitucionalidade do § 1º do artigo 3º, da Lei nº 9.718/1998 e determinar à União que se abstenha de exigir da Autora as contribuições ao PIS e COFINS sobre as importâncias correspondentes a reembolsos de salários e eventualmente de encargos sociais percebidas transitoriamente pela Demandante no âmbito dos contratos de locação e agenciamento de mão-de-obra. Condeno a União (Fazenda Nacional) ao pagamento, em favor da Autora, da verba honorária de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC) e à restituição das custas processuais adiantadas. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (art. 475, inciso I, do CPC). João Pessoa, 20 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Algumas notas discriminam valores relativos ao PIS, COFINS e CSLL. 3 "PIS e COFINS: Conceito de Faturamento - 6 Concluído julgamento de uma série de recursos extraordinários em que se questionava a constitucionalidade das alterações promovidas pela Lei 9.718/98, que ampliou a base de cálculo da COFINS e do PIS, cujo art. 3º, § 1º, define o conceito de faturamento ("Art. 3º O faturamento a que se refere o artigo anterior corresponde à receita bruta da pessoa jurídica. § 1º. Entende-se por receita bruta a totalidade das receitas auferidas pela pessoa jurídica, sendo irrelevantes o tipo de atividade por ela exercida e a classificação contábil adotada para as receitas.") - v. Informativos 294, 342 e 388. O Tribunal, por unanimidade, conheceu dos recursos e, por maioria, deu-lhes provimento para declarar a inconstitucionalidade do § 1º do art. 3º da Lei 9.718/98. Entendeu-se que esse dispositivo, ao ampliar o conceito de receita bruta para toda e qualquer receita, violou a noção de faturamento pressuposta no art. 195, I, b, da CF, na sua redação original, que equivaleria ao de receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviços de qualquer natureza, conforme reiterada jurisprudência do STF. Ressaltou-se que, a despeito de a norma constante do texto atual do art. 195, I, b, da CF, na redação dada pela EC 20/98, ser conciliável com o disposto no art. 3º, do § 1º da Lei 9.718/97, não haveria se falar em convalidação nem recepção deste, já que eivado de nulidade original insanável, decorrente de sua frontal incompatibilidade com o texto constitucional vigente no momento de sua edição. Afastou-se o argumento de que a publicação da EC 20/98, em data anterior ao início de produção dos efeitos da Lei 9.718/97 - o qual se deu em 1º.2.99 em atendimento à anterioridade nonagesimal (CF, art. 195, § 6º) -, poderia conferir-lhe fundamento de validade, haja vista que a lei entrou em vigor na data de sua publicação (28.11.98), portanto, 20 dias antes da EC 20/98. Reputou-se, ademais, afrontado o § 4º do art. 195 da CF, se considerado para efeito de instituição de nova fonte de custeio de seguridade, eis que não obedecida, para tanto, a forma prescrita no art. 154, I, da CF ("Art. 154. A União poderá instituir: I - mediante lei complementar, impostos não previstos no artigo anterior, desde que sejam não-cumulativos e não tenham fato gerador ou base de cálculo próprios dos discriminados nesta Constituição;"). RE 357950/RS, rel. orig. Min. Marco Aurélio (RE-357950) RE 346084/PR, rel. orig. Min. Ilmar Galvão, 9.11.2005. (RE-346084) PIS e COFINS: Conceito de Faturamento - 7 Em relação aos recursos extraordinários RE 357950/RS; RE 358273/RS; RE 390840/MG, todos de relatoria do Min. Marco Aurélio, ficaram vencidos: em parte, os Ministros Cezar Peluso e Celso de Mello, que declaravam também a inconstitucionalidade do art. 8º da lei em questão; e, integralmente, os Ministros Eros Grau, Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes e o Nelson Jobim, presidente, que negavam provimento ao recurso. Em relação ao RE 346084/PR, ficaram vencidos: em parte, o Min. Ilmar Galvão, relator originário, que dava provimento parcial ao recurso para fixar como termo inicial do prazo nonagesimal o dia 1º.2.99, e os Ministros Cezar Peluso e Celso de Mello, que davam parcial provimento para declarar a inconstitucionalidade apenas do § 1º do art. 3º da Lei 9.718/97; integralmente, os Ministros Maurício Corrêa, Gilmar Mendes, Joaquim Barbosa e Nelson Jobim, presidente, que negavam provimento ao recurso, entendendo ter havido a convalidação da norma impugnada pela EC 20/98. RE 357950/RS, rel. orig. Min. Marco Aurélio (RE-357950) RE 346084/PR, rel. orig. Min. Ilmar Galvão, 9.11.2005. (RE-346084)" (Informativo STF nº 408, de 07 a 11 de novembro de 2005) ?? ?? ?? ??

   

0009206-56.2007.4.05.8200 JOSINALDO DA SILVA MARQUES (Adv. ANANIAS LUCENA DE ARAUJO NETO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.9206-3, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: JOSINALDO DA SILVA MARQUES ADVOGADO: ANANIAS LUCENA DE ARAÚJO NETO RÉ: UNIÃO ADVOGADO DA UNIÃO: ERIVAN DE LIMA RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR: FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Josinaldo da Silva Marques em face da União Federal e Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, visando ao pagamento de valores relativos ao Plano de Classificação de Cargos a que fazia jus a genitora do Autor, ex-pensionista de servidor aposentado do Ministério dos Transportes, bem como das diferenças vencidas e vincendas a esse título. O Autor afirma o seguinte: 1) É filho de Nazilda da Silva Marques, falecida no ano de 2003, a qual era pensionista de ex-servidor do Ministério dos Transportes e recebia pensão estatutária paga proporcionalmente pelo INSS e pelo órgão de origem do instituidor do benefício; 2) Muitos benefícios que se encontravam sob o regime de pagamento parcial, cabendo uma parte ao INSS e outra ao órgão de origem, não foram revisadas em face do comando da Lei nº. 5.645, de 1970, que estabelece diretrizes para classificação do cargo do Serviço Civil da União e das Autarquias Federais, o que resultou da falta de comunicação do órgão a que se encontrava vinculado o servidor ou pensionista ao INSS, acerca das alterações realizadas em decorrência da aplicação do Plano de Classificação de Cargos, instituído pela Lei nº. 5.645, de 1970. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 06/28). A União apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 33/51), afirmando: 1) Ilegitimidade ativa, tendo em vista que o Autor pleiteia direito pertencente ao espólio da ex-pensionista, não obstante a existência de outros herdeiros e bens a inventariar, impondo-se a instauração do inventário e nomeação de inventariante com legitimidade para representar o espólio; 2) Prescrição quinquenal, com fundamento no Decreto nº. 20.910, de 1932; 3) Desde a transferência da pensão para o Ministério dos Transportes houve o pagamento integral da pensão, observando-se o Plano de Classificação de Cargos, conforme se verifica nas fichas financeiras presentes nos autos. Regularmente citado, o INSS não apresentou contestação (fl. 64). O Autor apresentou impugnação, refutando a assertiva de ilegitimidade ativa e reiterando os termos da petição inicial (fls. 66/67). Determinei a intimação do Autor para comprovar a sua condição de inventariante do espólio de sua genitora e, na hipótese de não instauração de inventário, para indicar os demais herdeiros (fl. 69). O Autor apresentou "Declaração de Renúncia" dos demais herdeiros em seu favor (fls. 76/77 e 88). Com vista, a União reiterou a assertiva de ilegitimidade ativa, ao fundamento de que os documentos apresentados pelo Autor não afastam a sua ilegitimidade (fl.93). O INSS não se manifestou (fls. 94/95). Determinei o encaminhamento dos autos à Seção de Cálculos para informação (fl. 97). A Contadoria apresentou informação (fls. 98/100). Com vista, o Autor manifestou concordância com a informação da Seção de Cálculo, afirmando, no entanto, que o PCC relativo a período anterior ao mencionado no cálculo não lhe foi pago (fls. 103/104). O INSS e a União não se opuseram à informação da Contadoria (fls. 107 e 110). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. 1) Da legitimidade ativa ad causam. A União arguiu a ilegitimidade ativa ad causam, sob a premissa de que o Autor pleiteia direito pertencente ao espólio da ex-pensionista, não obstante a existência de outros herdeiros e bens a inventariar. A existência de outros herdeiros não afasta a legitimidade do Autor para, a condição de filho da ex-pensionista do Ministério dos Transportes, Nazilda da Silva Marques, pleitear direito subjetivo relativo à revisão do benefício em questionamento. Por outro lado, há nos autos "Declaração de Renúncia" dos demais herdeiros da quota-parte do benefício em favor do Autor (fls. 76/77 e 88). Assim, rejeito a assertiva de ilegitimidade ativa ad causam. 2) Da prescrição quinquenal. A prescrição qüinqüenal prevista no artigo 1º do Decreto nº 20.910/1932, e artigo 2º do Decreto-Lei nº 4.597/1942, atinge as parcelas anteriores ao qüinqüênio do ajuizamento da ação, tratando-se de obrigação de trato sucessivo e mensal, como se apresenta na hipótese dos autos. No caso, proposta a ação em 05.10.2007, a prescrição atingiria as parcelas anteriores a outubro de 2002. 3) Da questão relativa à revisão da pensão com implantação do Plano de Classificação de Cargos do Ministério dos Transportes. O Autor pretende o pagamento de valores relativos ao Plano de Classificação de Cargos a que fazia jus a sua genitora, ex-pensionista de servidor aposentado do Ministério dos Transportes, bem como das diferenças vencidas e vincendas a esse título. O objeto da ação consiste em (fl. 05): "Requer também, que a presente ação seja julgada procedente em todos os seus termos postulados, condenando os réus a pagarem ao requerente, o PCC a que fazia jus sua genitora (pensionista-falecida), na forma da lei nº. 5.645/70, com diferenças vencidas e vincendas até a data do óbito, que é 23 de agosto de 2003, para todos os efeitos legais, bem como, seus reflexos no 13º salário, honorários advocatícios à base de 20%, sobre o valor da condenação, juros de mora, correção monetária e etc." (grifei) A Lei nº 5.645, de 10.12.19702, estabelece diretrizes para a classificação de cargos do Serviço Civil da União e das autarquias federais, prevendo a ascensão e a progressão funcionais do servidor mediante critérios seletivos, a serem estabelecidos pelo Poder Executivo. De acordo com a informação da Seção de Cálculos, abrangendo o período de outubro de 2002 a agosto de 2003 (fls. 98/100), os valores do benefício pagos à ex-pensionista do Ministério dos Transportes, Nazilda da Silva Marques, correspondem ao valor integral da remuneração do instituidor. Por outro lado, inexiste direito adquirido a regime jurídico e à forma de cálculo da remuneração do servidor público, conforme entendimento sedimentado no âmbito da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal3. Ademais, a pretensão consistente na revisão do benefício, para adequá-lo ao Plano de Classificação de Cargos do Ministério dos Transportes, implicaria aumento remuneratório, prática expressamente vedada pela Súmula nº. 339, do Supremo Tribunal Federal, segundo a qual "não cabe ao Poder Judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia". Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade do Demandante, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1.060/504). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais, facultado o desarquivamento no decurso do lapso quinquenal. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 1º A classificação de cargos do Serviço Civil da União e das autarquias federais obedecerá às diretrizes estabelecidas da presente lei. Art. 2º Os cargos serão classificados como de provimento em comissão e de provimento efetivo, enquadrando-se, bàsicamente, nos seguintes Grupos: De Provimento em Comissão I - Direção e Assessoramento Superiores. De Provimento Efetivo II - Pesquisa Científica e Tecnológica III - Diplomacia IV - Magistério V - Polícia Federal VI - Tributação, Arrecadação e Fiscalização VII - Artesanato VIII - Serviços Auxiliares IX - Outras atividades de nível superior X - Outras atividades de nível médio. Art. 3º Segundo a correlação e afinidade, a natureza dos trabalhos, ou o nível de conhecimentos aplicados, cada Grupo, abrangendo várias atividades, compreenderá: I - Direção e Assessoramento Superiores: os cargos de direção e assessoramento superiores da administração cujo provimento deva ser regido pelo critério da confiança, segundo fôr estabelecido em regulamento. II - Pesquisa Científica e Tecnológica: os cargos com atribuições, exclusivas ou comprovadamente principais, de pesquisa científica, pura ou aplicada, para cujo provimento se exija diploma de curso superior de ensino ou habilitação legal equivalente e não estejam abrangidos pela legislação do Magistério Superior. III - Diplomacia: os cargos que se destinam a representação diplomática. IV - Magistério: os cargos com atividades de magistério de todos os níveis de ensino. V - Polícia Federal: os cargos com atribuições de natureza policial. VI - Tributação, Arrecadação e Fiscalização: os cargos com atividades de ributação, arrecadação e fiscalização de tributos federais. VII - Artesanato: os cargos de atividades de natureza permanente, principais ou auxiliares, relacionadas com os serviços, de artífice em suas modalidades. VIII - Serviços Auxiliares: os cargos de atividades administrativas em geral, quando não de nível superior. IX - Outras atividades de nível superior: os demais cargos para cujo provimento se exija diploma de curso superior de ensino ou habilitação legal equivalente. X - Outras atividades de nível médio: os demais cargos para cujo provimento se exija diploma ou certificado de conclusão de curso de grau médio ou habilitação equivalente. Parágrafo único. As atividades relacionadas com transporte, conservação, custódia, operação de elevadores, limpeza e outras assemelhadas serão, de preferência, objeto de execução indireta, mediante contrato, de acôrdo com o artigo 10, § 7º, do Decreto-lei número 200, de 25 de fevereiro de 1967. Art. 4º Outros Grupos, com características próprias, diferenciados relacionados no artigo anterior, poderão ser estabelecidos ou desmembrados daqueles, se o justificarem as necessidades da Administração, mediante ato do Poder Executivo. Art. 5º Cada Grupo terá sua própria escala de nível a ser aprovada pelo Poder Executivo, atendendo, primordialmente, aos seguintes fatôres: I - Importância da atividade para o desenvolvimento nacional. II - Complexidade e responsabilidade das atribuições exercidas; e III - Qualificações requeridas para o desempenho das atribuições. Parágrafo único. Não haverá correspondência entre os níveis dos diversos Grupos, para nenhum efeito. Art. 6º A ascensão e a progressão funcionais obedecerão a critérios seletivos, a serem estabelecidos pelo Poder Executivo, associados a um sistema de treinamento e qualificação destinado a assegurar a permanente atualização e elevação do nível de eficiência do funcionalismo. Art. 7º O Poder Executivo elaborará e expedirá o nôvo Plano de Classificação de Cargos, total ou parcialmente, mediante decreto, observadas as disposições desta lei. Art. 8º A implantação do Plano será feita por órgãos, atendida uma escala de prioridade na qual se levará em conta preponderantemente: I - a implantação prévia da reforma administrativa, com base no Decreto-lei número 200, de 25 de fevereiro de 1967; II - o estudo quantitativo e qualitativo da lotação dos órgãos, tendo em vista a nova estrutura e atribuições decorrentes da providência mencionada no item anterior; e III - a existência de recursos orçamentários para fazer face às respectivas despesas. Art. 9º A transposição ou transformação dos cargos, em decorrência da sistemática prevista nesta lei, processar-se-á gradativamente considerando-se as necessidades e conveniências da Administração e, quando ocupados, segundo critérios seletivos a serem estabelecidos para os cargos integrantes de cada Grupo, inclusive através de treinamento intensivo e obrigatório. Art. 10. O órgão central do Sistema de Pessoal expedirá as normas e instruções necessárias e coordenará a execução do nôvo Plano, a ser proposta pelos Ministérios, órgãos integrantes da Presidência da República e autarquias, dentro das respectivas jurisdições, para aprovação mediante decreto. § 1º O órgão central do Sistema de Pessoal promoverá as medidas necessárias para que o plano seja mantido permanentemente atualizado. § 2º Para a correta e uniforme implantação do Plano, o órgão central do Sistema de Pessoal promoverá gradativa e obrigatòriamente o treinamento de todos os servidores que participarem da tarefa, segundo programas a serem estabelecidos com êsse objetivo. Art. 11. Para assegurar a uniformidade de orientação dos trabalhos de elaboração e execução do Plano de Classificação de Cargos, haverá, em cada Ministério, órgão integrante da Previdência da República ou autarquia, uma Equipe Técnica de alto nível, sob a presidência do dirigente do órgão de pessoal respectivo, com a incumbência de: I - determinar quais os Grupos ou respectivos cargos a serem abrangidos pela escala de prioridade a que se refere o artigo 8º desta lei; II - orientar e supervisionar os levantamentos, bem como realizar os estudos e análises indispensáveis à inclusão dos cargos no nôvo Plano; e III - manter com o órgão central do Sistema de Pessoal os contactos necessários para correta elaboração e implantação do Plano. Parágrafo único. Os membros das Equipes de que trata êste artigo serão designados pelos Ministros de Estado, dirigentes de órgãos integrantes da Presidência da República ou de autarquia, devendo a escolha recair em servidores que, pela sua autoridade administrativa e capacidade técnica, estejam em condições de exprimir os objetivos do Ministério, do órgão integrante da Presidência da República ou da autarquia. Art. 12. O nôvo Plano de Classificação de Cargos a ser instituído em aberto de acôrdo com as diretrizes expressas nesta lei, estabelecerá, para cada Ministério, órgão integrante da Presidência da República ou autarquia, um número de cargos inferior, em relação a cada grupo, aos atualmente existentes. Parágrafo único. A não observância da norma contida neste artigo sòmente será permitida: a) mediante redução equivalente em outro grupo, de modo a não haver aumento de despesas; ou b) em casos excepcionais, devidamente justificados perante o órgão central do Sistema de Pessoal, se inviável a providência indicada na alíena anterior. Art. 13. Observado o disposto na Seção VIII da Constituição e em particular, no seu artigo 97, as formas de provimento de cargos, no Plano de Classificação decorrente desta lei, serão estabelecidas e disciplinadas mediante normas regulamentares específicas, não se lhes aplicando as disposições, a respeito, contidas no Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União. Art. 14. O atual Plano de Classificação de Cargos do Serviço Civil do Poder Executivo, a que se refere a Lei número 3.780, de 12 de julho de 1960 e legislação posterior, é considerado extinto, observadas as disposições desta lei. Parágrafo único. À medida que fôr sendo implantado o nôvo Plano, os cargos remanescentes de cada categoria, classificados conforme o sistema de que trata êste artigo, passarão a integrar Quadros Suplementares e, sem prejuízo das promoções e acesso que couberem, serão suprimidos, quando vagarem. Art. 15. Para efeito do disposto no Artigo 108, § 1º da Constituição, as diretrizes estabelecidas nesta lei, inclusive o disposto no artigo 14 e seu parágrafo único, se aplicarão à classificação dos cargos do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, dos Tribunais de Contas da União e do Distrito Federal, bem como à classificação dos cargos dos Territórios e do Distrito Federal. Art. 16. Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário." (grifei) 3 "EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO. SERVIDOR PÚBLICO. MUDANÇA NO REGIME JURÍDICO. GARANTIA DA IRREDUTIBILIDADE VENCIMENTOS. Muito embora o servidor público não tenha direito adquirido a regime jurídico, o decréscimo no valor nominal da sua remuneração implica ofensa à garantia constitucional da irredutibilidade de vencimentos. Esta é a pacífica jurisprudência do Supremo Tribunal Federal. Agravo regimental desprovido." (STF, RE-AgR 375936 / CE, 1ª Turma, Relator Min. Carlos Britto, j. 23/05/2006, DJ 25-08-2006 PP-00023). (grifei) "EMENTA: Servidores do CNPq: Gratificação Especial: inexistência de direito adquirido. Ao julgar o MS 22.094, Pleno, 02.02.2005, Ellen Gracie, DJ 25.02.2005, o Supremo Tribunal decidiu que os servidores do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, quando convertidos de celetistas para estatutários, não fazem jus à incorporação da Gratificação Especial, dada a inexistência de direito adquirido a regime jurídico." (STF, RE-AgR 435811/RJ, Rio de Janeiro, 1ª Turma, Relator Min. SEPÚLVEDA PERTENCE, j. 25/04/2006, DJ 19/05/2006, pág. 00015). 4 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0009872-23.2008.4.05.8200 JOSE OTAVIANO DA SILVA (Adv. ALUISIO DE CARVALHO NETO, MAURICIO MARQUES DE LUCENA, WALTER DE SOUZA SOUTO MAIOR, NAYANNA MORAIS DIAS, LAYRTOM FERREIRA DE MORAIS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Renove-se a intimação ao autor para, no prazo de 5 (cinco) dias, cumprir o despacho à fl. 37, sob pena de extinção do processo sem resolução do mérito. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0009929-07.2009.4.05.8200 CYNTIA SAVANA DE ANDRADE QUEIROZ (Adv. JOSÉ MARCELO DIAS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a Autora para apresentar, em 10 (dez) dias, planilha de evolução do financiamento alusivo ao contrato de mútuo de fls. 14/28 (artigos 282, 283 e 284 do CPC). Cite-se. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0001183-53.2009.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO) x AFONSO SOARES FERREIRA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA)

PROCESSO Nº 2009.1183-7 CLASSE 73 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR(A): José Araújo Filho EMBARGADA(S): AFONSO SOARES FERREIRA ADVOGADO(A): Jurandir Pereira da Silva D E S P A C H O Remetam-se os autos à Distribuição para inclusão, na autuação, de todos os advogados constituídos pelo Embargado através da procuração de fls. 86. Após, dê-se vista ao Embargado para requerer o que entender de direito. João Pessoa/PB, 07 de janeiro de 2010. Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ELT

   

0005096-43.2009.4.05.8200 UNIÃO (Adv. LUIZ GONZAGA PEREIRA NETO) x IVONE TEOTÔNIO FARIAS (Adv. AMILTON LADISLAU C. DE CARVALHO, JOSEILTON ESTEVAO DA SILVA)

PROCESSO Nº 2009.5096-0 CLASSE 73 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: UNIÃO (MINISTÉRIO DA SAÚDE) PROCURADOR(A): Luiz Gonzaga Pereira Neto EMBARGADO(A)(S): IVONE TEOTÔNIO C DE CARVALHO ADVOGADA(O): Joseilton Estevão da Silva S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Embargos à Execução de sentença/acórdão, onde alega a Embargante/União que o crédito exeqüendo é inferior ao atribuído pelo(a)(s) Exeqüente(s) em sua memória discriminada de cálculos Em sede de impugnação, a Embargada concordou com os valores apurados pela União, oportunidade em que requereu, todavia, a improcedência do pedido "em razão do referido excesso de execução ser mínimo e/ou ínfimo" (fls. 139/140). Informação da Seção de Cálculos (fls. 142), sobre a qual se pronunciou unicamente a União, concordando com o teor da informação (fls. 146). É o relatório. Decido. Colhe-se dos autos da Ação Ordinária nº 2006.6314-9: Sentença (fls. 183/192) Acórdão do TRF-5ª Região (fls. 245/246) "Diante do exposto, julgo procedente o pedido para determinar que o INSS expeça certidão relativa ao tempo de serviço prestado pela autora, no período de 28.11.75 a 11.12.1990, na condição de médica, com os acréscimos do fator 1.2, em conformidade com os Decretos 53.831/64 e 83.080/79, bem como para determinar que a União proceda à revisão da aposentadoria da autora de acordo com a certidão a ser emitida pelo INSS, e ao pagamento das diferenças desde a concessão da aposentadoria, devidamente corrigidas e juros de mora de 6% (seis por cento) ao ano, a partir da citação válida. Condeno os Réus ao pagamento de honorários advocatícios, em favor da autora, à base de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação (CPC, art. 20, § 3º). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e subam os autos ao TRF-5ª Região, nos termos do art. 475, I, do CPC". Deu parcial provimento à apelação do INSS e à remessa oficial e negou provimento à apelação da União, apenas para reduzir os honorários advocatícios para 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação A controvérsia financeira é a seguinte: Memória de cálculos do exeqüente Cálculos do Embargante Valor principal R$ 30.207,79 R$ 29.248,93 Honorários advocatícios R$ 3.020,70 R$ 2.924,89 Total R$ 33.228,49 R$ 32.304,94 A Embargada concordou com os valores apresentados pela União, nos seguintes termos (fl. 139): "IVONE TEOTONIO FARIAS...vêm...dizer que concorda com os valores e/ou diferenças encontradas pela Promovida, ora embargante, cujos totalizam a importância de R$ 32.304,94...em razão dos cálculos de fls. 12/16 terem sido elaborados de acordo com a respeitável decisão ora executada" Assim, trata-se de reconhecimento do pedido, pela Embargada, a ensejar a extinção do feito com julgamento do mérito (art. 741, V, e 598, c/c art. 269, todos do CPC2). Ademais, observo que a Seção de Cálculos, atuando como órgão auxiliar do Juiz3, informou que "analisando as considerações da UNIÃO, esta seção de cálculos vem...demonstrar pleno acordo relativo aos cálculos apresentados pela parte embargante, haja vista que os mesmos estão em estrita consonância com os ditames da r. sentença e demais acórdãos" (fls. 142), o que confere certeza e liquidez ao crédito apurado pela União. Diante do exposto, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO formulado nos presentes Embargos para determinar que a execução prossiga tomando-se por base os valores apresentados pela Embargante às fls. 12/13. Condeno, ainda, a Embargada, na forma prevista no art. 26 do Código de Processo Civil, nas despesas processuais e nos honorários advocatícios na ordem de 10% (dez por cento) sobre o excesso de execução. Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região4. Intime-se. Traslade-se para os autos principais. João Pessoa/PB, 22 de janeiro de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 SENTENÇA TIPO A CONFORME CLASSIFICAÇÃO CONTIDA NA RESOLUÇÃO Nº 535, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2006, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL - CJF: 2 "Art. 269. Haverá resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz acolher ou rejeitar o pedido do autor;(Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - quando o réu reconhecer a procedência do pedido; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - quando as partes transigirem; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - quando o juiz pronunciar a decadência ou a prescrição; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - quando o autor renunciar ao direito sobre que se funda a ação. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Art. 598. Aplicam-se subsidiariamente à execução as disposições que regem o processo de conhecimento. Art. 741. Na execução fundada em título judicial, os embargos só poderão versar sobre: I - falta ou nulidade de citação no processo de conhecimento, se a ação Ihe correu à revelia; II - inexigibilidade do título; III - ilegitimidade das partes; IV - cumulação indevida de execuções; V - excesso da execução, ou nulidade desta até a penhora; Vl - qualquer causa impeditiva, modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação com execução aparelhada, transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença; Vll - incompetência do juízo da execução, bem como suspeição ou impedimento do juiz." 3 "EXECUÇÃO. CÁLCULO ARITMÉTICO. VALOR QUE PODE SER ABSURDO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR. - Não parece correto que, nos casos do art. 604 do CPC, o pedido de execução deva ser sempre poderia ser impugnado através de embargos do devedor, depois de garantido o juízo com a penhora. Em certas circunstâncias, o resultado indicado no cálculo feito pelo credor, constante do seu memorial, pode ser absurdo, tão distanciado da realidade que a própria instalação do processo de execução, com a penhora, constituiria indevida ofensa. - Nesse caso, prudente e a decisão que ordena a remessa dos autos ao contador, para verificar a adequação do pedido, antes do julgamento da execução apresentada pela devedora. Recurso não conhecido". (STJ-4ª Turma, REsp. 135124-RJ, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, DJU 19.12.1997, pg. 67507) "PROCESSUAL CIVIL. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. MEMÓRIA DE CÁLCULO APRESENTADA PELA DPARTE. EXCESSO DE EXECUÇÃO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR EX OFFICIO. Apresentada memória de cálculo pela parte exeqüente, nos termos do art. 604 do CPC, ao juiz é permitido verificar se a conta está correta, de acordo com o que fora decidido no processo de conhecimento, e, se necessário remeter os autos ao contador, para que se verifique a adequação do pedido, antes do julgamento da execução. Precedentes. Recurso não conhecido". (STJ-5ª Turma, REsp. 182137-SP, rel. Min. Félix Fischer, DJU 08.05.2000, pg. 108) 4Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

0005937-38.2009.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE MARIA MAIA DE FREITAS) x SEVERINA XAVIER DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0007640-72.2007.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARCIO PIQUET DA CRUZ) x SELMA LOURENÇO DA SILVA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA)

PROCESSO Nº 2007.7640-9 CLASSE 73 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR(A): Márcio Piquet da Cruz EMBARGADO(A)(S): OLECY BARBOSA DE ALMEIDA (sucedido por SELMA LOURENÇO DA SILVA) ADVOGADA(O): Jurandir Pereira da Silva S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Embargos à Execução de sentença/acórdão, onde alega o Embargante/INSS que o crédito exeqüendo é inferior ao atribuído pela(s) Exeqüente(s) em sua memória discriminada de cálculos. Impugnação do Embargado, refutando a alegação de execução de execução (fls. 63), impugnação apresentada em face da abertura de novo prazo em razão de irregularidade na primeira intimação (fls. 58 e 61). Informação da Seção de Cálculos (fls. 45/53). Determinei que os autos retornassem à Seção de Cálculos para apuração dos valores devidos à Embargada, tomando por base o salário mínimo e a equivalência salarial apontadas na informação de fls. 143/144 da Ação Ordinária nº 2003.6746-4 (fls. 67/68). Nova informação da Seção de Cálculos (fls. 69/77), sobre a qual se pronunciou o INSS, renovando a alegação contida na petição inicial no sentido de que a equivalência salarial prevista no art. 58 do ADCT deve tomar por base o salário mínimo vigente na localidade de trabalho do Embargado, o que não foi observado pela Seção de Cálculos (fls. 81/884). O Embargado, por sua vez, concordou com os valores apurados pela Contadoria Judicial (fls. 89). É o relatório. Decido. Colhe-se dos autos da Ação Ordinária nº 2003.6746-4: Sentença (fls. 158/168) Acórdão do TRF-5ª Região (fls. 179) "ISTO POSTO: 1. Declino da competência para a Justiça Comum Estadual em relação ao pedido de revisão do benefício auxílio-acidente; 2. Jugo procedente, em parte, o pedido para condenar o INSS à revisão do cálculo da Renda Mensal Inicial da aposentadoria por invalidez, observando-se as disposições do Decreto 83.080/1979, conforme cálculo de fls. 143/144, e nos reajustes subseqüentes, aplicando-se os critérios previstos na Súmula 260, do extinto TFR, art. 58 do ADCT, Lei 8.213/91 e alterações legislativas posteriores, bem como, no pagamento das diferenças resultantes dos aumentos verificados, devidamente corrigidas nos termos da Lei nº 6.899/81, Súmulas 43 e 148/STJ, juros de mora de 6% (seis por cento) ao ano, a partir da citação válida (Súmula 204, do STJ), obsrvada a prescrição qüinqüenal e as difernças pagas administrativamente. Custas ex lege e verba honorária de 20% (vinte por cento) do quantum vencido até o pagamento implantado (Súmula 111 do STJ: 'Os honorários advocatícios, nas ações previdenciárias, não incidem sobre prestações vincendas'). P.R.I. Quanto ao duplo grau de jurisdição, agora também estendido a entes diversos da Administração indireta por medida provisória (nova lei processual ad hoc e casuística) nº 1.561-1/5-97 e convertida na Lei nº 9.469, de 10.07.1997, cuida-se de privilégio processual anômalo, em desacordo com o princípio da generalidade e abstração da lei, com a isonomia do vínculo entre segurado e Previdência, isonomia processual e a independência judicial. Entretanto, não havendo recurso voluntário, subam os autos para o exame necessário na instância ad quem do espectro da constitucionalidade do duplo grau. Extraiam-se cópias dos autos e remetam-se ao Juiz de Direito Distribuidor da Comarca de João Pessoa, para processo e julgamento do pedido relativo à revisão do benefício auxílio-acidente, com nossas homenagens. Após o trânsito em julgado, a execução das parcelas vencidas e consectários da sucumbência processar-se-á na forma do artigo 604 do CPC, com a nova redação dada pela Lei n.º 8.898, de 1994, observando-se, se for o caso, a dispensa do pagamento do débito mediante expedição de precatório, em face do teto máximo de 60 (sessenta) salários mínimos, previsto no art. 17, § 1º, da Lei nº 10.259/2001, regulamentando o disposto no artigo 100 da Constituição Federal de 1988, com a nova redação dada pela Emenda n.º 30, de 13.9.2000" Negou provimento à remessa oficial A controvérsia financeira é a seguinte: Memória de cálculos da exeqüente Cálculos do Embargante Informação da seção de Cálculos Critérios adotados pela Seção de Cálculos Valor do principal R$ 28.924,76 R$ 10.014,28 R$ 23.037,67 As diferenças foram encontradas após o recálculo do valor da Renda Mensal Inicial da aposentadoria do Embargado, conforme os critérios previstos no Decreto 83.080/79 e a Súmula 260 do ex-TFR, encontrando-se uma nova RMI, cuja equivalência salarial, para os fins do art. 58 do ADCT, foi de 3,90 SM, considerando-se o salário mínimo adotado na informação prestada pela Seção de Cálculos às fls. 143/144 da Ação Ordinária nº 2003.6746-4, expressamente adotada pelo julgado. Sobre as diferenças encontradas foi aplicada a atualização monetária. Os juros moratórios foram calculados à base de 6% (seis por cento) ao ano, a partir da citação inicial. Os honorários advocatícios foram calculados à base de 20% (vinte por cento) sobre as parcelas vencidas até a prolação da sentença Honorários advocatí-cios R$ 5.784,95 R$ 1.931,15 R$ 4.440,93 Total R$ 26.028,762 R$ 11.945,43 R$ 27.478,60 Assim, observo que o valor apresentado pela Seção de Cálculos, atuando como órgão auxiliar do Juiz3, está em consonância com o que foi decidido na ação principal, no que concerne a certeza e liquidez quanto ao crédito exeqüendo, inclusive, ao apurar as diferenças devidas tomando por base uma equivalência salarial, para fins do art. 58 do ADCT, de 3,90 salários mínimos, e não de 3,37 salários mínimos, como quis o INSS ao propor a adoção do salário mínimo da localidade em que prestava serviço o Embargado. Isto porque o julgado, na sua parte dispositiva, condenou o INSS "à revisão do cálculo da Renda Mensal Inicial da aposentadoria por invalidez, observando-se as disposições do Decreto 83.080/1979, conforme cálculo de fls. 143/144" (fls. 158/168 da Ação Ordinária nº 2003.6746-4). No cálculo apontado pela sentença, a equivalência salarial do benefício previdenciário da Embargada foi encontrada tendo por base um salário-mínimo de "20.328,00" o que resultou numa equivalência salarial de 3,90 SM. Portanto, os valores que devem prevalecer, para efeito da apuração da equivalência salarial, são aqueles indicados na informação prestada pela Seção de Cálculos às fls. 143/144 da Ação Ordinária nº 2003.6746-4, sob pena de ofender-se à coisa julgada (art. 467 do CPC). Por outro lado, vê-se que o valor apurado pela Seção de Cálculos apresenta-se, no total, superior ao montante executado pelo Embargado, o que conduziria, em princípio, ao acolhimento do valor constante da memória discriminada de cálculos que instruiu o pedido de execução (fls. 238 da Ação Ordinária nº 6746-4), considerando-se a impossibilidade de condenar-se o executado a pagar parcela superior ao montante pleiteado pelo credor. No entanto, não há como acolher-se o valor relativo aos honorários advocatícios constante da memória discriminada de cálculos apresentada pelo exequente, uma vez que na apuração daquele valor o exequente não observou, quanto a sua base de cálculo, os limites estabelecidos na Súmula nº 111/STJ nem a dedução dos pagamentos administrativos. Assim, é de se acolher, quanto aos honorários advocatícios, o montante apurado pela Seção de Cálculos, que estão de acordo com o que restou estabelecido no julgado. Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE, EM PARTE, O PEDIDO formulado nos presente embargos, para determinar que a execução prossiga tomando-se por base o valor constante na memória discriminada de cálculos apresentada pelo Exequente (R$ 26.028,76), destacando dentre o qual o valor referente aos honorários advocatícios, no montante apurado pela Seção de Cálculos às fls. 71 (R$ 4.440,93), após devidamente atualizados. Sucumbência recíproca (art. 21 do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região4. Intime-se. Traslade-se para os autos principais. João Pessoa/PB, 21 de janeiro de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 SENTENÇA TIPO A, CONFORME CLASSIFICAÇÃO CONTIDA NA RESOLUÇÃO Nº 535, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2006, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL - CJF. 2 Após descontado o valor de R$ 8.680,95 (oito mil seiscentos e oitenta reais e noventa e cinco centavos), referente a parcela paga administrativamente. 3 "EXECUÇÃO. CÁLCULO ARITMÉTICO. VALOR QUE PODE SER ABSURDO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR. - Não parece correto que, nos casos do art. 604 do CPC, o pedido de execução deva ser sempre poderia ser impugnado através de embargos do devedor, depois de garantido o juízo com a penhora. Em certas circunstâncias, o resultado indicado no cálculo feito pelo credor, constante do seu memorial, pode ser absurdo, tão distanciado da realidade que a própria instalação do processo de execução, com a penhora, constituiria indevida ofensa. - Nesse caso, prudente e a decisão que ordena a remessa dos autos ao contador, para verificar a adequação do pedido, antes do julgamento da execução apresentada pela devedora. Recurso não conhecido". (STJ-4ª Turma, REsp. 135124-RJ, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, DJU 19.12.1997, pg. 67507) "PROCESSUAL CIVIL. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. MEMÓRIA DE CÁLCULO APRESENTADA PELA DPARTE. EXCESSO DE EXECUÇÃO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR EX OFFICIO. Apresentada memória de cálculo pela parte exeqüente, nos termos do art. 604 do CPC, ao juiz é permitido verificar se a conta está correta, de acordo com o que fora decidido no processo de conhecimento, e, se necessário remeter os autos ao contador, para que se verifique a adequação do pedido, antes do julgamento da execução. Precedentes. Recurso não conhecido". (STJ-5ª Turma, REsp. 182137-SP, rel. Min. Félix Fischer, DJU 08.05.2000, pg. 108) 4Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

0008158-28.2008.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL) x FRANCISCA FERREIRA DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA, ANA HELENA CAVALCANTI PORTELA, MARIA DE LOURDES SOUSA VIEIRA GOMES, RAIMUNDO FLORENCIO PINHEIRO, FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS, JOSE MARTINS DA SILVA, JEAN CAMARA DE OLIVEIRA)

PROCESSO Nº 2008.8158-6 CLASSE 73 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMGTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR(A): Emmanuel Ruck Vieira Leal EMGDO(A)(S): FRANCISCA FERREIRA DE OLIVEIRA, JOSEFA GOMES DE SÁ CRUZ, ANTONIO SARAIVA FILHO, MARIA PEREIRA DA SILVA e MARIA IDALINA ADVOGADO(A): Jurandir Pereira da Silva S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Embargos à Execução de sentença/acórdão, onde alega o Embargante/INSS que o crédito exeqüendo é inferior ao atribuído pelo(s) Exeqüente(s) em sua memória discriminada de cálculos. Impugnação dos Embargados alegando serem devidos juros moratórios no percentual de 1% (um por cento) ao mês, por se tratar de dívida de natureza alimentar (fls. 54/56). Informação da Seção de Cálculos (fls. 60/81), sobre a qual se pronunciou unicamente os Embargados, opondo-se à metodologia adotada pela Seção de Cálculos relativamente à correção monetária e os juros moratórios (fls. 84/89). Nova informação da Seção de Cálculos (fls. 92), ratificando a informação prestada anteriormente. Assumi a jurisdição em face do afastamento do Exmo. Juiz Federal Titular da 2ª Vara, Dr. ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE, para o gozo de férias regulamentares. É o relatório. Decido. Colhe-se dos autos da Ação Ordinária nº 97.4749-0: Sentença (fls. 196/202) Acórdão do TRF-5ª Região (fls. 209/214) "ISTO POSTO, julgo procedente o pedido para condenar o Instituto Nacional do Seguro Social - INSS no pagamento da diferença relativa à complementação de 1 salário mínimo no período de outubro/88 a abril/91 (art. 201, §§ 5º e 6º, da CF/88), devidamente corrigida (com inclusão dos expurgos relativos aos IPCs de jan/89 (42,72%); fev/89 (10,14%); mar/90 (84,32%); abr/90 (44,80%) e fev/91 (21,87%), nos termos da Lei nº 8.899/81, Súmulas 43 e 148 do STJ, Súmula 5 dp TRF-5ª Região, e juros de mora de 6% (seis por cento) ao ano, a partir da citação válida (Súmula 204 do STJ), descontadas eventuais quantias já pagas administrativamente. Custas ex lege e verba honorária de 20% (vinte por cento) sobre o valor do quantum vencido (Súmula n.º 111/STJ: 'Os honorários advocatícios, nas ações previdenciárias, não incidem sobre prestações vincendas'). P.R.I. Quanto ao duplo grau de jurisdição, agora também estendido a entes diversos da administração indireta por medida provisória (mera lei processual ad hoc e casuística) nº 1561-1/5 e convertida na Lei nº 9.469/97, cuida-se de privilégio processual anômalo em desacordo com o princípio da generalidade e abstração da lei, com a isonomia do vínculo entre administrado e administração, segurado e Previdência, isonomia processual e a independência judicial. Entretanto, hão havendo recurso voluntário, subam os autos para exame necessário da instância ad quem do espectro da constitucionalidade do segundo grau" Deu parcial provimento à remessa oficial para reconhecer como prescritas as parcelas relativas às gratificações natalinas dos anos de 1988 e 1989 A controvérsia financeira é a seguinte: Memória de cálculos da(s) exeqüen-te(s) Alegação do Embargan-te Informação da seção de Cálculos Critérios adotados pela Seção de Cálculos Maria Idalina R$ 7.070,45 R$ 5.706,80 R$ 4.458,19 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 4.699,64 (para maio/2009) As diferenças foram encontradas após o cálculo do valor da parcela devida pelo INSS em março de 1994, deduzindo-se os pagamentos administrativos. A correção monetária teve por base os termos previstos no Manual de Cálculos do Conselho da Justiça Federal, aplicando-se, inclusive, os expurgos inflacionários previstos no julgado. A taxa aplicada a título de juros moratórios foi de 0,5% (meio por cento) ao mês e incidiu apenas sobre a diferença entre o montante devido após a dedução dos valores pagos administrativamente. Os honorários advocatícios ficaram em 20% sobre a condenação Francisca Ferreira de Oliveira R$ 7.070,45 R$ 5.706,80 R$ 4.458,19 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 4.699,64 (para maio/2009) Josefa Gomes de Sá Cruz R$ 7.070,45 R$ 5.706,80 R$ 4.458,19 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 4.699,64 (para maio/2009) Antônio Saraiva Filho R$ 7.070,45 R$ 5.706,80 R$ 4.458,19 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 4.699,64 (para maio/2009) Maria Pereira da Silva R$ 7.070,45 R$ 5.706,80 R$ 4.458,19 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 4.699,64 (para maio/2009) Honorários advocatícios R$ 7.070,45 R$ 5.706,80 R$ 4.458,19 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 4.699,64 (para maio/2009) Total R$ 42.422,70 R$ 34.240,82 R$ 26.749,14 (para a data da execução, em setembro/2008) e R$ 28.197,85 (para maio/2009) Assim, observo que o valor apresentado pela Seção de Cálculos, atuando como órgão auxiliar do Juiz2, está em consonância com o que foi decidido na ação principal, no que concerne a certeza e liquidez quanto ao crédito exeqüendo, inclusive, no que se refere à aplicação dos juros moratórios à taxa de 6% (seis por cento) ao ano, expressamente estabelecida no julgado, não cabendo, assim, sob pena de violação da coisa julgada, a aplicação dos juros moratórios em 1% (um por cento) ao mês, como pugnaram os Embargados na sua impugnação (fls. 54/56). Assim, não há reparos na conta de fls. 60/81 elaborada pela Seção de Cálculos, ainda mais, considerando-se a presunção de veracidade de que goza o pronunciamento da assessoria contábil oficial. Neste sentido, já decidiu o TRF-5ª Região3. Por outro lado, a circunstância de o valor apurado pelo INSS/Embargante ser superior ao valor apurado pela Seção de Cálculos, não desfaz a convicção do Juiz quanto aos valores devidos, em respeito à coisa julgada4. Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE, EM PARTE, O PEDIDO formulado nos presentes embargos, para determinar que a execução prossiga tomando-se por base os valores apurados pela Seção de Cálculos às fls. 60/81. Sucumbência recíproca (art. 21 do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região5. I. Traslade-se para os autos principais. Após o trânsito em julgado, certifique-se, desapense-se e arquive-se, dando-se baixa na Distribuição. João Pessoa/PB, 20 de janeiro de 2010. Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 SENTENÇA TIPO A CONFORME CLASSIFICAÇÃO CONTIDA NA RESOLUÇÃO Nº 535, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2006, DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL - CJF: "O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o decidido no Processo n. 2005162695, em sessão realizada no dia 18 de dezembro de 2006, resolve: Art. 1º As sentenças proferidas pelos Juízes Federais e pelos Juízes Federais Substitutos passam a ter a classificação constante da presente Resolução. Parágrafo único. Os magistrados deverão informar mensalmente ao Corregedor respectivo, o total de sentenças proferidas, nos termos do art. 39 da Lei Complementar n. 35/79. Art. 2º As sentenças cíveis que extinguem o processo com resolução do mérito classificam-se pelas letras A e B, conforme os critérios seguintes: I - Sentenças tipo A: são aquelas com fundamentação individualizada; II - Sentenças tipo B: são as repetitivas e as homologatórias. Parágrafo único. Para os efeitos desta Resolução, serão consideradas sentenças repetitivas as que não envolvam análise específica do caso para resolução do mérito, utilizando-se o magistrado dos mesmos fundamentos constantes de sentença anteriormente prolatada, embora questões preliminares diversas tenham sido apreciadas. Art. 3º As sentenças cíveis que extinguem o processo sem resolução do mérito classificam-se na letra C. Art. 4º As sentenças penais condenatórias e as absolutórias, bem como as de rejeição de queixa (art. 43 do CPP) e as de denúncia (art. 46 e seguintes do CPP) classificam-se no tipo D. Art. 5º As sentenças extintivas de punibilidade previstas no art. 107 do Código Penal, ou de suspensão condicional da pena (SURSIS, art. 696, CPP) classificam-se no tipo E. Art. 6º O Corregedor, por ocasião das correições, verificará, prioritariamente, a exatidão da classificação das sentenças e adotará as providências necessárias diante de eventual inexatidão. Parágrafo único. Sem prejuízo do disposto no caput deste artigo, incumbe ao juiz prolator da sentença classificá-la de acordo com os termos desta Resolução, vedada a delegação desse procedimento a servidor do juízo, sendo obrigatória a inserção da classificação no cabeçalho ou no rodapé da primeira página da sentença. Art. 7º Fica revogada a Resolução n. 446, de 09 de junho de 2005, e demais disposições em contrário. Art. 8º Esta Resolução entra em vigor em 1º de janeiro de 2007. PUBLIQUE-SE. REGISTRE-SE. CUMPRA-SE." 2 "EXECUÇÃO. CÁLCULO ARITMÉTICO. VALOR QUE PODE SER ABSURDO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR. - Não parece correto que, nos casos do art. 604 do CPC, o pedido de execução deva ser sempre poderia ser impugnado através de embargos do devedor, depois de garantido o juízo com a penhora. Em certas circunstâncias, o resultado indicado no cálculo feito pelo credor, constante do seu memorial, pode ser absurdo, tão distanciado da realidade que a própria instalação do processo de execução, com a penhora, constituiria indevida ofensa. - Nesse caso, prudente e a decisão que ordena a remessa dos autos ao contador, para verificar a adequação do pedido, antes do julgamento da execução apresentada pela devedora. Recurso não conhecido". (STJ-4ª Turma, REsp. 135124-RJ, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, DJU 19.12.1997, pg. 67507) "PROCESSUAL CIVIL. LIQUIDAÇÃO DE SENTENÇA. MEMÓRIA DE CÁLCULO APRESENTADA PELA DPARTE. EXCESSO DE EXECUÇÃO. REMESSA DOS AUTOS AO CONTADOR EX OFFICIO. Apresentada memória de cálculo pela parte exeqüente, nos termos do art. 604 do CPC, ao juiz é permitido verificar se a conta está correta, de acordo com o que fora decidido no processo de conhecimento, e, se necessário remeter os autos ao contador, para que se verifique a adequação do pedido, antes do julgamento da execução. Precedentes. Recurso não conhecido". (STJ-5ª Turma, REsp. 182137-SP, rel. Min. Félix Fischer, DJU 08.05.2000, pg. 108) 3 PROCESSUAL CIVIL. DIFERENÇAS DE POUPANÇA (84,32%). DECISÃO JÁ TRANSITADA EM JULGADO. CÁLCULOS ELABORADOS POR CONTADOR DO JUÍZO. PRESUNÇÃO JURIS TANTUM DE LEGITIMIDADE OU VERACIDADE. AUSÊNCIA DE PROVA ROBUSTA EM CONTRÁRIO. 1. Trata-se de apelação cível em embargos à execução, interposta contra a sentença a quo, que julgou procedente em parte o pedido, reduzindo os valores executados para o patamar fixado pela contadoria do juízo, em seara de diferenças relativas ao índice de 84,32% (poupança). 2. A jurisprudência proclama que o parecer técnico elaborado pela contadoria judicial gozam de presunção de legitimidade e veracidade juris tantum, de sorte que para a sua desconstituição exige-se a apresentação de provas robustas e suficientes a demonstrar os equívocos apontados pela parte contrária. De fato, a seção judicial contábil exerce função equiparada a de um perito oficial, cujas manifestações se revestem de presunção juris tantum, passíveis de serem afastadas apenas diante de prova robusta a indicar a sua inexatidão. 3. Cálculos judiciais efetivados de forma escorreita. desacerto na insurgência da recorrente. 4. Apelo conhecido, mas improvido (2ª Turma, AC 339498, Relator Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS, j. 02.06.2009, DJU 22.06.2009, pg. 242). PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS SUCUMBENCIAIS. EMBARGOS À EXECUÇÃO. EXCESSO CARACTERIZADO. CÁLCULOS DA SEÇÃO DE CONTADORIA. PRESUNÇÃO DE LEGITIMIDADE E VERACIDADE. EMBARGOS DO DEVEDOR JULGADOS PROCEDENTES. 1 - Ao invés de executar, a título de verba honorária sucumbencial, o montante de r$540,78 (quinhentos e quarenta reais e setenta e oito centavos), o exequente requereu a execução de valor correspondente a r$773,90 (setecentos e setenta e três reais e noventa centavos); 2 - Excesso de execução caracterizado, visto que a parte exequente aplicou, equivocadamente, nos cálculos da verba honorária sucumbencial, juros moratórios, em franca dissonância ao estabelecido no manual de orientação de procedimentos para os cálculos na justiça federal; 3 - A seu turno, as informações prestadas pela seção de contadoria gozam de presunção de veracidade e legitimidade; 4 - Assim, caracterizado o excesso pela contadora oficial, a execução deve prosseguir no valor indicado pela auxiliar do juízo, a qual ratificou as contas da parte embargante; 5 - Por outro lado, os embargos à execução, em se tratando de ação autônoma, admitem a condenação em verba honorária; 6 - com efeito, o disposto no art. 20, §§ 3º e 4º, do cpc, deverá considerar, em sede de embargos do devedor, o montante relativo ao excesso de execução, conhecido por ocasião da decisão judicial, desde que isso não implique condenação no pagamento de verba honorária sucumbencial em valor irrisório ou excessivo; 7 - In casu, considerar o excesso de execução (r$233,12), ora reconhecido, como base de cálculo para a fixação dos honorários advocatícios da sucumbência, importaria condenação em valor ínfimo, motivo pelo qual, com base no princípio da ponderação/razoabilidade, tem-se que a verba honorária da sucumbência deve ser arbitrada em r$150,00 (cento e cinquenta reais), consoante apreciação equitativa, já observados o grau de dificuldade do feito e suas peculiaridades; 8 - Precedentes desta corte; 9 - Embargos à execução julgados procedentes. (Pleno, EEX 220/CE, Relator Desembargador Federal LÁZARO GUIMARÃES, j. 18.03.2009, DJ 30.04.2009, pg. 246) 4 "O juiz não fica adstrito à homologação pura e simples dos cálculos, podendo, ao vislumbrar dissonância com a fase cognitiva ou excesso lesivo ao interesse público, determinar providências saneadoras" (STJ-2ª Turma, REsp. 7.523-0-SP, rel. Min. Hélio Mosimann, DJU 22.6.92) "Ainda que as partes hajam concordado com a liquidação, é lícito ao juiz deixar de homologá-la, desde que em desacordo com a coisa julgada, 'para impedir que a execução ultrapasse os limites da pretensão a executar' (RTFR 162/37) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 640. 5Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 7 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ELT

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000772-98.1995.4.05.8200 HELEN RAMALHO DE FARIAS PINTO (Adv. ANTONIETA L PEREIRA LIMA, JOAO BATISTA COSTA DE ARAUJO) x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. JOSE HILTON FERREIRA DA SILVA)

PROCESSO Nº 95.772-0 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: HELEN RAMALHO DE FARIAS PINTO ADVOGADA: Antonieta Luna Pereira Lima EXECUTADO: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROCURADOR: Bruno Faro Eloy Dunda S E N T E N Ç A1 Trata-se de Execução de Título Judicial que condenou INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSO NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA ao pagamento de anuênios referente ao tempo de serviço anterior ao RJU, a partir de janeiro de 1991. O mandado citação (fl. 161) para cumprimento da obrigação de fazer (art. 632 do CPC) Petição (fl. 169) do exeqüente alegando o cumprimento da obrigação de fazer pelo IBAMA. O mandado de citação (fl. 216) para cumprimento da obrigação de pagar (art. 730 do CPC). O requisitório de pagamento (fl. 287). O extrato confirmatório do site do TRF da 5ª Região quanto ao pagamento da RPV em favor da autora (fl. 291). Aberta vista (fl. 312) a(o)(s) exeqüente(s) para se pronunciar(em) acerca da satisfação da obrigação, manteve-se silente. O despacho (fl. 320) determinando a conversão em renda da UNIÃO do valor referente à contribuição para o Plano de Seguridade do Servidor - PSS. Por abriu vista para que o IBAMA dissesse quanto à satisfação da obrigação. Peticionou o IBAMA (fl. 320) informando que o depósito convertido em renda satisfazia a obrigação, requerendo a extinção do processo Brevemente relatados, decido: Cuida-se de extinção da execução pela satisfação da obrigação, prevista no art. 794, I do CPC. ISTO POSTO, declaro extinta a Execução, nos termos do artigo 794, I2, do CPC. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região3. P. I. Transitada em julgado, certifique-se, dê-se baixa na distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, 25 JAN 2010 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Sentença tipo C, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 3Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: ..... Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 15 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA ACS

   

0001251-08.2006.4.05.8200 ESPÓLIO DE FRANCISCO PALMEIRA DA NÓBREGA (Adv. LEONIDAS LIMA BEZERRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Satisfeita a obrigação (correção dos depósitos e isenção dos honorários advocatícios), certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais.

   

0001698-40.1999.4.05.8200 JOSE GOMES PEREIRA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO) x UNIÃO

DESPACHO Compulsando os presentes autos, verifica-se que houve expedição de precatório (fl. 328), de forma que os autos se encontram aguardando o pagamento do respectivo requisitório. Em sede de petição (fl. 342) a defesa da parte autora requereu vista dos autos fora do cartório. Diante do fato, não vejo óbice, assim defiro o respectivo pedido, no prazo de 05(cinco) dias. Com a decorrência do prazo, retornem os autos ao escaninho para o aguardo do pagamento do respectivo pedido. Publique-se. JPA, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Rua João Teixeira de Carvalho, 480, 4º andar, Conj. Pedro Gondim, CEP 58031-220. www.jfpb.gov.br ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 JVAL

   

0002349-91.2007.4.05.8200 INSTITUTO BRASILEIRA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. BRUNO FARO ELOY DUNDA) x CLAUDIO GERMANO DOS SANTOS E OUTROS (Adv. EDSON BATISTA DE SOUZA, MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA)

PROCESSO Nº 2007.2349-1 CLASSE 97 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: INSTITUTO BRASILEIRA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROCURADOR FEDERAL: Bruno Faro Eloy Dunda EXECUTADOS: CLAUDIO GERMANO DOS SANTOS, EUNICE MARIA BARBOSA, GEOVANE LOPES DA SILVA, MARIA COUTINHO GONÇALVES e SEVERINO EDSON GONÇALVES ADVOGADOS: Edson Batista de Souza e Marcos Antônio Inácio da Silva S E N T E N Ç A1 Trata-se de Execução de Título Judicial que condenou CLAÚDIO GERMANO DOS SANTOS, MARIA COUTINHO GONÇALVES e FERNANDO EDSON GONÇAVLES, ao pagamento de honorários advocatícios no importe de 3% (três por cento) calculada sobre o excesso de execução. Extinta a execução em relação aos executados GEOVANE LOPES DA SILVA e EUNICE MARIA BARBOSA. Intimaram-se os executados (fl. 242) CLAÚDIO GERMANO DOS SANTOS, MARIA COUTINHO GONÇALVES e FERNANDO EDSON GONÇAVLES para cumprir a obrigação de pagar, nos termos da Lei n. 11.232/2005. Feito o depósito pelos (fl. 311), cumprindo a obrigação. Aberta vista (fl. 312) a(o)(s) exeqüente(s) para se pronunciar(em) acerca da satisfação da obrigação. Peticionou o IBAMA (fl. 349) informando que o depósito convertido em renda satisfazia a obrigação, requerendo a extinção do processo Brevemente relatados, decido: Cuida-se de extinção da execução pela satisfação da obrigação, prevista no art. 794, I do CPC. ISTO POSTO, declaro extinta a Execução, nos termos do artigo 794, I2, do CPC. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região3. P. I. Transitada em julgado, certifique-se, dê-se baixa na distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, 25 JAN 2010 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Sentença tipo C, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 3Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: ..... Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 15 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA ACS

   

0002374-17.2001.4.05.8200 MANOEL PEREIRA DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO) x UNIÃO (Adv. DARIO DUTRA SATIRO FERNANDES)

DESPACHO Compulsando os presentes autos, verifica-se que houve expedição de precatório (fl. 283), de forma que os autos se encontram aguardando o pagamento do respectivo requisitório. Em sede de petição (fl. 297) a defesa da parte autora requereu vista dos autos fora do cartório. Diante do fato, não vejo óbice, assim defiro o respectivo pedido, no prazo de 05(cinco) dias. Com a decorrência do prazo, retornem os autos ao escaninho para o aguardo do pagamento do respectivo pedido. Publique-se. JPA, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Rua João Teixeira de Carvalho, 480, 4º andar, Conj. Pedro Gondim, CEP 58031-220. www.jfpb.gov.br ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 JVAL

   

0003702-79.2001.4.05.8200 ROSA CARNEIRO CAVALCANTE (Adv. VALTER DE MELO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE MARIA MAIA DE FREITAS)

DESPACHO Compulsando os presentes autos, verifica-se que já foi expedida a requisição de pagamento (PRECATÓRIO), estando os autos, dessa forma, aguardando o pagamento do respectivo precatório. Por fim, por petição (fl. 357), vem o advogado requerer vistas dos autos fora do cartório. Diante do fato, não vejo óbice, de forma que deferido o pedido, pelo prazo de 05(cinco) dias. Publique-se. JPA, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Rua João Teixeira de Carvalho, 480, 4º andar, Conj. Pedro Gondim, CEP 58031-220. www.jfpb.gov.br ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 JVAL

   

0006201-65.2003.4.05.8200 FABIO MARSICANO FAGUNDES E OUTROS (Adv. EDUARDO BRAGA FILHO) x CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE NA PARAIBA - CRC/PB (Adv. PEDRO MIRANDA)

Assumi a Jurisdição no presente feito. Intime-se o CRF/PB para manifestar-se, expressamente, acerca do pagamento da Requisição de Pequeno Valor nº 2009.82.00.002.000038, expedida à fl. 244, remetida/recebida pelo CRF-PB em 03.03.2009 (fl. 247) no valor de R$ 43,95 (quarenta e três reais e noventa e cinco centavos), no prazo de 05 (cinco) dias. Decorrido o prazo sem manifestação, voltem-me conclusos. João Pessoa,....

   

0007358-39.2004.4.05.8200 LUIZ BATISTA DO NASCIMENTO (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. JOSE GALDINO DA SILVA FILHO, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA)

Abra-se vista ao(à)(s) exequente(s), pelo pra-zo de 05(cinco) dias, para ciência da decisão de fls. 388/389 e/ou requerer o que entender de direito, nos termos da legislação vigente, quanto a retenção e bloqueio do percentual de 11%(onze por cento) a título de contribuição para o Plano de Seguridade Social do Servidor - PSS, quando do depósito da Requisição de Pagamento nº 2009.05.00.054099-1(RPV 362252/PB), confor-me a Orientação Normativa nº 01/2008, do Conselho de Justiça Federal - CJF. Decorrido o prazo sem manifestação do(a)(s) exequente(s), oficie-se a Caixa Econômica Federal para converter em renda da União, via Guia de Recolhimento da União - GRU/UG 170500/0001, código nº 10039-2, o(s) valor(es) depositado(s) e bloqueado(s) na Caixa Econômica Federal, na conta nº 1421.5906727068, à disposição deste juízo, referente à retenção a título de PSS, nos exatos termos da Orientação Normativa nº 01/20081, do Conselho de Justiças Federal - CJF. Instrua-se o expediente com cópias dos documentos de fls. 386/387 e deste despacho. Após, abra-se vista a UNIÃO para, no prazo de 05(cinco) dias, dizer se o depósito convertido satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. Publique-se. Após, UNIÃO [remessa]. 1 Dispõe sobre o desconto da contribuição previdenciária dos servidores públicos federais (PSS) decorrentes de pagamento de Precatórios e Requisições de Pequeno Valor - RPVs. O Ministro Corregedor-Geral da Justiça Federal, usando das suas atribuições legais e tendo em vista o decidido no Processo n. 2006160693, em Sessão de 12 de dezembro de 2008, e. 44 CONSIDERANDO a edição da Medida Provisória n 9, de 3/12/2008, que estabeleceu, em seu art. 35, a retenção da contribuição previdenciária (PSS) decorrente de valores pagos em cumprimento de decisão judicial, ainda que decorrente de homologação de acordo; CONSIDERANDO que o colegiado do Conselho da Justiça Federal, em sessão realizada no dia 12 de dezembro de 2008 deliberou que os procedimentos administrativos relativos à respectiva retenção na fonte sejam implantados de imediato e sua incidência aplicada sobre os valores requisitados (Precatórios e RPVs) ainda não depositados; CONSIDERANDO a necessidade de dar cumprimento à determinação do E. Colegiado, e tendo em vista a eficácia imediata das medidas provisórias, RESOLVE: Art. 1º Ficam estabelecidos os procedimentos administrativos transitórios no âmbito da Justiça Federal, dispostos nesta instrução normativa, para operacionalização do pagamento das requisições de pequeno valor e de precatórios, até que os sistemas do Conselho da Justiça Federal, dos Tribunais Regionais Federais, da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil, da Secretaria do Tesouro Nacional, dentre outros necessários à sua intercomunicação, sejam adaptados à determinação legal de retenção na fonte da contribuição previdenciária - PSS, estabelecida na Medida Provisória n. 449, de 03/12/2008. Parágrafo único. As requisições de pequeno valor - RPVs autuadas até 30/6/2009 e para os precatórios autuados até 1/7/2009, relativos aos processos de servidores públicos federais civis que incidam a retenção do PSS, observarão os seguintes procedimentos: a) o tribunal depositará o valor integral da requisição de pagamento com status de "bloqueada" e, em seguida, enviará ofício à instituição financeira para a liberação de 89% do valor depositado e abertura de conta à disposição do juízo da execução do valor remanescente, ou seja, os 11% restantes referentes à retenção na fonte do PSS; b) com o valor referente ao PSS já bloqueado e depositado em conta à disposição do juízo, o juiz da execução fixará, caso a caso, o valor devido a título de PSS, emitindo o ofício de conversão em renda e a respectiva guia para que a instituição financeira faça o recolhimento na forma prevista no art. 16-A da Lei n. 10.887/2004, com a redação dada pela MP n. 449/2008, se for o caso; c) no caso de não haver dados no processo que possibilitem ao juiz aferir o valor do PSS a ser retido, este intimará o órgão de origem do servidor público determinando que este forneça as informações necessárias; d) os eventuais valores remanescentes, após a conversão em renda para recolhimento do PSS, deverão ser liberados por alvará judicial em favor do beneficiário; e) quando se tratar de requisição com honorários contratuais destacados, o cálculo dos 11% a serem bloqueados será feito sobre o total da requisição, entretanto, o bloqueio do valor relativo ao PSS incidirá somente nas contas dos beneficiários. f) quando se tratar de requisição de honorários contratuais destacados e mais de um beneficiário, o valor poderá ser integralmente bloqueado e colocado à disposição do juízo, que definirá os valores devidos a cada beneficiário, bem como os valores relativos à retenção do PSS; Art. 2º Os procedimentos descritos nesta instrução normativa somente alcançarão os depósitos de requisição de pagamento efetuados após a edição da referida medida provisória. Parágrafo único. Sobre os valores depositados antes da edição da MP 449/2008 não incidirá a retenção do PSS, salvo determinação judicial expressa. Art. 3º Os Tribunais Regionais Federais adotarão as medidas administrativas necessárias para a implantação do presente procedimento transitório, inclusive sua divulgação. Art. 4º Esta orientação normativa entra em vigor na data de sua publicação. Ministro HAMILTON CARVALHIDO. ?? ?? ?? ??

   

0009750-83.2003.4.05.8200 ADALBERTO RIBEIRO DA SILVA (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

DESPACHO Renove-se a intimação do autor para, em 10(dez) dias, manifestar-se sobre a petição da CAIXA de fls. 279/281. Decorrido o prazo sem manifestação, certifique-se, baixem e arquivem-se os autos, facultado o desarquivamento enquanto não transcorrer o prazo prescricional o perder o objeto. Publique-se. JPA, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto ?? ?? ?? ?? Rua João Teixeira de Carvalho, 480, 4º andar, Conj. Pedro Gondim, CEP 58031-220. www.jfpb.gov.br ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 JVAL

   

0010366-68.1997.4.05.8200 EDINALBA BATISTA GONCALVES LEITE (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, MARILENE DE SOUZA LIMA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO, RICARDO POLLASTRINI, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR)

Diante do exposto, defiro o pedido de desarquivamento dos presentes autos e abra-se vista ao(à)(s) requerente(s), pelo prazo de 05(cinco) dias, nos termos do art. 40, II, do CPC, para requerer o que entender de direito. Decorrido o prazo sem manifestação, certifique-se e retornem os autos ao arquivo, após baixa na distribuição. Antes, restaure-se a distribuição. Após, publique-se. JPA,

   

IMPUGNAÇÃO DO DIREITO A ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA

   

0006157-36.2009.4.05.8200 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. BRUNO FARO ELOY DUNDA) x IVAN COUTINHO RAMOS (Adv. ENIO SILVA NASCIMENTO, OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA)

Recebo a Apelação de fls. 46/52 nos efeitos suspensivo e devolutivo (art. 171 da Lei nº 1.060/50). Vista ao(s) apelado(s) para apresentação de contrarrazões. Após desapensados da Ação Ordinária nº 4341-19.2009(art. 14, § 2º Lei nº 1.060/502), remetam-se ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região com as cautelas legais. Publique-se. 1 Art. 17. Caberá apelação das decisões proferidas em consequência da aplicação desta lei; a apelação será recebida somente no efeito devolutivo quando a sentença conceder o pedido. (Redação dada pela Lei nº 6.014, de 1973) 2 Art. 14(...) § 2º. A impugnação do direito à assistência judiciária não suspende o curso do processo e será feita em autos apartados. (Redação dada pela Lei nº 7.510, de 1986) ?? ?? ?? ??

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0004420-32.2008.4.05.8200 JUDITE GENTIL DE ALMEIDA (Adv. ADEILTON HILARIO JUNIOR, ALESSANDRA DANIELLE C. S. HILARIO) x SUPERINTENDENTE DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE - DNIT NA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR)

Cumpra-se a v. decisão. Oficie-se. Intime-se. Publique-se. Aguarde-se, por 05 (cinco) dias, manifestação das partes. Decorrido o prazo, arquive-se.

   

0005196-86.1995.4.05.8200 IVANOR MEIRA LIMA (Adv. JOSE MARTINS DA SILVA, FRANCISCO NOBREGA DOS SANTOS, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA) x CHEFE DO DISTRITO DO DNOCS (Adv. EURIBERTO PEREIRA DURAND, CARMEM WALERIA D. M. FERNANDES)

Tendo em vista a decisão do Superior Tribunal de Justiça que negou seguimento ao recurso especial interposto à decisão que negou provimento ao agravo de instrumento (fls. 337/338), intimem-se as partes para se manifestar acerca do cumprimento do despacho agravado (fls. 260/261, no prazo de 5 (cinco) dias. Decorrido o prazo sem manifestação, dê-se baixa e arquivem-se os autos. Publique-se. Intime-se.

   

0005703-56.2009.4.05.8200 ANTÔNIO JOÃO DOS SANTOS (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA) x GERENTE EXECUTIVO DO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL NO ESTADO DA PARAÍBA (Adv. SEM PROCURADOR) x COORDENADOR REGIONAL DA FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE NA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Vista ao Impetrante, por 5 (cinco) dias, das informações prestadas pela FUNASA acerca do cumprimento da sentença (fls. 73/79). Decorrido o prazo sem manifestação, certifique-se e subam os autos ao egrégio Tribunal Regional Federal da 5.ª Região, em razão do duplo grau obrigatório a que está sujeita a sentença que concede a segurança (art. 14, § 1.º, da Lei n.º 12.016/2009). Publique-se.

   

0005797-04.2009.4.05.8200 CÉLIA MARIA BARBOSA (Adv. JOSÉ RILDO CANDIDO) x PRESIDENTE DA 1ª CÂMARA DA OAB - ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - CONSELHO SECCIONAL DA PARAÍBA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2009.82.5797-7 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: CÉLIA MARIA BARBOSA ADVOGADO: JOSÉ RILDO CÂNDIDO IMPETRADO: PRESIDENTE DA 1ª CÂMARA DA OAB - ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DA PARAÍBA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 57/59): "Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por Célia Maria Barbosa contra ato imputado ilegal ao Presidente da 1ª Câmara da OAB - Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional da Paraíba, visando à dispensa do exame de ordem e sua inscrição nos quadros da OAB/PB. A impetrante alega, em síntese, o seguinte: 1) concluiu o curso de bacharel em direito pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB em 07 de agosto de 1993, tendo sido diplomada em 05 de outubro daquele ano; 2) freqüentou, durante o curso, a disciplina estágio de prática forense e organização judiciária durante quatro períodos letivos, na qual obteve aprovação, atendendo, desse modo, às exigências previstas nas Leis 5.842/1972 e 5.960/1973; 3) de acordo com a Resolução n.º 02/1994, do Conselho Federal da OAB, estão dispensados do exame de ordem os bacharéis em direito que realizarem o estágio profissional de advocacia ou o estágio de prática forense e organização judiciária, no prazo de dois anos, com aprovação nos exames finais perante banca examinadora integrada por representante da OAB, até 04 de julho de 1994; 4) a Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, Seccional da Paraíba, indeferiu o pedido de dispensa do exame de ordem e inscrição sob o fundamento de que a atividade que a impetrante exerce - escrevente de cartório - é incompatível com o exercício da advocacia. Pede também o deferimento da gratuidade judiciária. Com a petição inicial juntou procuração e documentos (fls. 12/55). É o relatório. Decido. Inicialmente, defiro o pedido de gratuidade judiciária. Em sede mandamental, para a concessão da medida liminar devem concorrer dois requisitos: (a) o fumus boni iuris - que é a plausibilidade do direito invocado - e o (b) periculum in mora - que consiste na possibilidade de dano irreparável ou de difícil reparação se a prestação jurisdicional ocorrer apenas ao final da demanda. O pedido de liminar está posto nos seguintes termos (fls. 10): "7.1. A CONCESSÃO de LIMINAR, inaudita altera parte, para determinar à autoridade coatora que proceda à dispensa do exame de ordem da impetrante, como também proceda à inscrição da mesma nos quadros da OAB/PB;" A impetrante é Escrevente do Cartório do 2º Ofício de Notas da cidade de Campina Grande desde 02 de setembro de 1992, conforme se infere da anotação na sua Carteira de Trabalho e Previdência Social (fls. 37). Em 07 de agosto de 1993 concluiu o curso de Bacharel em Direito pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (fls. 19). Somente em 04 de novembro de 2008 requereu à OAB/PB a sua inscrição sem a necessidade de submissão ao exame de ordem (fls. 15/17), cujo pedido fora indeferido pela Primeira Câmara da Seccional da Paraíba da Ordem dos Advogados do Brasil (fls. 42). Não vislumbro, na hipótese sob exame, a possibilidade de dano irreparável ou de difícil reparação caso a medida seja concedida somente ao final da demanda, pois a conclusão do curso se deu em 1993 e somente em novembro de 2008, quando já decorridos quase quinze anos, veio a impetrante requerer sua inscrição nos quadros da OAB. A possibilidade de que venha a Impetrante, eventualmente, ser demitida do seu atual emprego não tem o condão de fazer surgir o periculum in mora. Não pode o julgador decidir com base em mera conjectura, de modo que não há como se aventar o preenchimento do requisito da demora com fundamento em fato que ainda não aconteceu. Desse modo, não há como deferir o pedido de liminar, pois ausente um dos requisitos autorizadores, que é periculum in mora. DIANTE DO EXPOSTO, indefiro o pedido de liminar. Intime-se a impetrante. Notifique-se a autoridade impetrada para, no prazo de 10 (dez) dias, prestar informações. Após, dê-se vista ao Ministério Público Federal. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento n.º 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. João Pessoa, 23/07/2009". (grifos no original) Carta precatória para notificação da autoridade impetrada (fls. 82/89). Regularmente notificado, o Presidente da 1ª Câmara da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional da Paraíba - OAB/PB não prestou as informações (fl. 90). O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela denegação da segurança (fls. 92/95). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 10/11): "7.1. A CONCESSÃO de LIMINAR, inaudita altera parte, para determinar à autoridade coatora que proceda à dispensa do exame da impetrante, como também proceda à inscrição da mesma nos quadros da OAB; ... 7.4. Ao final, seja JULGADO PROCEDENTE o presente writ para CONCEDER A SEGURANÇA no sentido de reconhecer o direito líquido e certo da Impetrante de ser dispensada do exame da ordem, bem como, reconhecer não haver incompatibilidade para o exercício da advocacia em razão do emprego da mesma e, por conseguinte, determinar a inscrição da impetrante nos quadros da OAB/PB, com o devido prosseguimento da tramitação do processo de inscrição nº. 1672/08, até efetiva colação e prestação do compromisso em ato solene. Confirmando assim, a liminar concedida... 7.5. Atendendo ao princípio da eventualidade, caso V. Exa. entenda ser a hipótese, requer seja deferida a inscrição nos quadros da OAB/PB com posterior suspensão temporária do exercício da advocacia pela impetrante, conforme autoriza o art. 12, II da Lei nº. 8.906/94". (grifei) Conforme assentei na decisão, a impetrante é Escrevente do Cartório do 2º Ofício de Notas da cidade de Campina Grande desde 02 de setembro de 1992. Em 07 de agosto de 1993 concluiu o curso de Bacharel em Direito pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB. Em 04 de novembro de 2008 requereu à OAB/PB a sua inscrição sem a necessidade de submissão ao exame de ordem, cujo pedido fora indeferido pela Primeira Câmara da Seccional da Paraíba da Ordem dos Advogados do Brasil, sob a premissa de que a atividade executada pela Impetrante é incompatível com a advocacia. O parecer ministerial da lavra do Exmo. Procurador da República, Dr. Victor Carvalho Veggi, aborda com pertinência a matéria cujo fundamento, abaixo reproduzido, adoto como razão de decidir: "A questão discutida nos autos reside em saber se a impetrante teria ou não direito de efetuar sua inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil sem que, para tanto, fosse necessário se submeter ao exame exigido pela referida entidade de classe. Compulsando os autos, é possível perceber que a impetrante, no momento da conclusão de seu curso, não requereu a inscrição nos quadros da OAB e só agora, passados 16 anos, tenta a inscrição. Em verdade, não o fez pela incompatibilidade. Senão vejamos. A Lei 4.215/63 (Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil), que vigorava à época, assim dispunha: Art. 48. Para inscrição no quadro dos advogados é necessário: (...) V - não exercer cargo função ou atividades incompatíveis com a advocacia, (arts. 82 a 86); Por sua vez, eis o teor do art. 84, da lei supramencionada: Art. 84. A advocacia é incompatível, mesmo em causa própria, com as seguintes atividades, funções e cargos: (...) VIII - tabeliães, escrivãs, escreventes, oficiais dos registros públicos e quaisquer funcionários e a serventuários da Justiça; (destaques acrescidos) Conforme se pode observar da simples leitura do dispositivo acima transcrito, a impetrante desempenhava atividade incompatível com a advocacia, o que, por via reflexa, a impedia de requerer a sua inscrição perante à OAB. Em outras palavras: a impetrante não preenchia os requisitos necessários para a inscrição na ordem, haja vista o exercício de atividade incompatível com a advocacia. Entendimento semelhante a esse é o do E. STJ, que tem jurisprudência remansosa nesse sentido: PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. INSCRIÇÃO. EXAME DA ORDEM. NECESSIDADE. AUSÊNCIA DE DIREITO ADQUIRIDO. 1. A inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil obedece a lei do tempo em que ela se opera, sendo irrelevante o momento da aquisição da condição de bacharel em direito. 2. A Lei 4.215/63 previa, em sua art. 48, V, como requisito ao deferimento de inscrição nos quadros da instituição, o não-exercício, pelo requerente, de atividade incompatível com a advocacia. 3. Não restando satisfeitos todos os requisitos para o ingresso nos quadros da OAB, não há que se falar em direito adquirido à inscrição. Precedentes do STJ: REsp 963.520/RS, DJ de 07/04/2008; EREsp, 475.616/RS, DJ 04/12/2006 e REsp 478.279/PB, DJ 23/06/2003. 4. "Bacharel em direito que, por exercer cargo ou função incompatível com a advocacia, jamais foi inscrito como estagiário na OAB está obrigado a prestar Exame da Ordem." (art. 7º, parágrafo único da Res. 7/94). 5. Recurso Especial provido. (Resp1125756, Ministro LUIZ FUX, Data da Publicação 02/10/2009) "ADMINISTRATIVO. INSCRIÇÃO NA OAB. EXERCÍCIO DE ATIVIDADE INCOMPATÍVEL COM A ADVOCACIA À ÉPOCA DA LEI 4.215/63. DISPENSA DO EXAME DE ORDEM (LEI 8.906/94). IMPOSSIBILIDADE. MATÉRIA PACIFICADA NO ÂMBITO DESTA CORTE. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO". (AgRg nos EREsp 949.420/PR, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Seção, julgado em 13.5.2009, DJe 25.5.2009). ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. OAB. INSCRIÇÃO. EXAME DE ORDEM. OBRIGATORIEDADE. AUSÊNCIA DE DIREITO ADQUIRIDO. SÚMULA 83/STJ. 1. A Lei n. 4.215/63 exigia que o candidato à inscrição nos quadros de advogados da OAB não exercesse cargo, função ou atividades incompatíveis com a advocacia. 2. O novo Estatuto da Advocacia, Lei n. 8.906/94, exige a aprovação em exame de ordem para ingresso nos quadros da entidade. 3. Não há direito adquirido se não preenchidos os requisitos necessários ao deferimento de inscrição nos quadros da OAB à época da lei anterior - devido ao exercício de atividade incompatível com a advocacia - e, finda a incompatibilidade, já em vigor o novo Estatuto da Advocacia, que exige a aprovação em Exame de Ordem. 4. Agravo regimental não-provido. (AgRg no REsp 949.420/PR, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, DJe 28.11.2008) Por fim, sublinhe-se que o Conselho Federal da OAB, regulamentando situações como a que ora se apresenta, editou a Resolução nº 02/94, que, em seu art. 7º dispõe: "Art. 7º. Estão dispensados do Exame de Ordem: (...) Parágrafo único - Os bacharéis em direito que exerceram cargos ou funções incompatíveis com a advocacia, inclusive em carreira jurídica, sem nunca terem obtido inscrição na OAB, se a requererem, serão obrigados a prestar Exame de Ordem". Ante o exposto, considerando não estar presente a liquidez e a certeza do direito, o Ministério Público Federal manifesta-se pela denegação da segurança". Diante do exposto, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20092) e sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 20 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0006287-26.2009.4.05.8200 MARIA ZENEIDE GADELHA DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. GUILHERME MELO FERREIRA) x DIRETOR PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DA PARAÍBA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.6287-0 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: MARIA ZENEIDE GADELHA DE OLIVEIRA, FILOMENA MARIA GADELHA DE OLIVEIRA FREITAS, MARIA DO SOCORRO VIRGÍNIO DE OLIVEIRA, MARIA DO SOCORRO GADELHA DE OLIVEIRA CAVALCANTE, CLÁUDIA MARIA DE OLIVEIRA GADELHA DANTAS, MÁRCIA MARIA DE OLIVEIRA GADELHA DANTAS, MARIA JULIETA DE OLIVEIRA GADELHA, LUIZ OLIVEIRA GADELHA E MELÂNIA GADELHA DE OLIVEIRA SARMENTO ADVOGADO: GUILHERME MELO FERREIRA IMPETRADO: DIRETOR-PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DA PARAÍBA - JUCEP S E N T E N Ç A1 O Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, determinou a intimação da autoridade impetrada para apresentar cópia dos requerimentos de registro e arquivamento dos atos societários impugnados pelos Impetrantes e dos respectivos atos de deferimento, nos seguintes termos (fls. 561/574): "Proferi decisão indeferindo o pedido de liminar, nos seguintes termos (fls. 504/517): "Determinei a intimação dos Impetrantes para apresentação de documentos, nos seguintes termos (fls. 201/204): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Filomena Maria Gadelha de Oliveira Freitas, Maria do Socorro Virgínio de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante, Cláudia Maria de Oliveira Gadelha Dantas, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas, Maria Julieta de Oliveira Gadelha, Luiz Oliveira Gadelha e Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento contra ato do Diretor-Presidente da Junta Comercial do Estado da Paraíba - JUCEP, configurado na recusa à anulação de atos societários. Os Impetrantes afirmam o seguinte: 1) Tomaram conhecimento em abril de 2009 que são devedores solidários em processos trabalhistas e perante a Fazenda Nacional, decorrente da inclusão de seus nomes como sócios das empresas "Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda", "Luiz Oliveira e Filhos Ltda" e "Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda". 2) Constataram que seus nomes foram incluídos nas referidas sociedades, , com quotas societárias, sem que fossem signatários dos respectivos instrumentos arquivados na Junta Comercial da Paraíba. 3) Protocolaram junto à autoridade impetrada três pedidos referentes a cada empresa de desarquivamento e nulidade dos registros das alterações contratuais. 4) Os pedidos foram indeferidos sob os seguintes fundamentos: "-os mencionados registros originou-se do alvará judicial "expedido pelo Dr. José Normando Fernandes, Juiz de Direito da 1ª Vara da Comarca de Sousa, datado de 10 de abril de 2001"; - caracterizou-se a decadência para "pleitear a anulação do negócio jurídico", segundo o disposto art. 178 do Código Civil; e - que a matéria dos requerimentos são de interesse "interna corporis da sociedade", o que foge da competência da JUCEP". 5) As mencionadas empresas foram instituídas pelo patriarca Luiz Pereira de Oliveira, que incluiu como sócios alguns de seus filhos, tendo um deles, Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, participado de duas das mencionadas empresas, e, com o falecimento do patriarca e de sua esposa, abriu-se o inventário de seus bens (Processo nº 235/88 - 1ª Vara de Sousa/PB), com sentença homologatória em julho/1990, resultando, dentre outros, quinhões originados da partilha do valor patrimonial dessas empresas, quantificados na moeda corrente, à época, sem qualquer menção a participação ou quota societária ou emissão de alvará em relação a elas. 6) Após dez anos, faleceu Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, que era sócio de duas das citadas empresas e de cujo inventário (Processo nº 037.2000.000.815-3) foi expedido o "Alvará Judicial", para que a viúva e os filhos se associassem às empresas; entretanto, tal documento não guarda qualquer relação com os Impetrantes, apesar de equivocadamente mencionado no ato da autoridade impetrada. 7) Os pedidos de invalidação não se submetem às regras do Código Civil e da decadência, mesmo que venham a gerar reflexos em negócios jurídicos, cujas conseqüências são inerentes à própria natureza do registro comercial de empresas. 8) Os arquivamentos das citadas alterações contratuais são imprescritíveis em relação aos Impetrantes, por serem considerados atos administrativos inexistentes ou nulos. Pedem a concessão da liminar visando a suspensão, até o trânsito em julgado, dos arquivamentos dos seguintes instrumentos de alteração contratual: a) "Segundo Aditivo", registrado em 09.08.2001, nº 25600053402, Protocolo 01/009716-3 e a "Quarta Alteração", registrada em 23.01.2004, nº 25600080678, Protocolo 04/003519-0, da empresa Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 09.297.961/0001-84; b) "Primeiro Aditivo", registrado em 09.08.2001, nº 25600053399, Protocolo 01/009697-3, e a "Segunda Alteração", registrada em 23.01.2004, nº 25600080679, Protocolo 04/003507-7, da empresa Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 09.272.402/0001-10; c) "Décimo Sétimo Aditivo", registrado em 09.08.2001, nº 25600053400, Protocolo 01/009718-0, e a "Décima Oitava Alteração", registrado em 23.01.2004, nº 25200416279, Protocolo 04/003523-9, da empresa Luiz Oliveira e Filhos Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 95.505.181/0001-82. Acompanham a petição inicial os documentos de fls. 17/190. É o relatório. Decido. A prova em ação mandamental deve ser pré-constituída, tanto sob a regência da Lei nº 1.533, de 31.12.1951, como na Lei nº 12.016, de 07.08.2009, que dá nova disciplina ao Mandado de Segurança individual e coletivo. No caso, observo que a petição inicial não veio instruída com cópia: a) do Formal de Partilha a que aludem o "Segundo Aditivo", registrado em 09.08.2001, da empresa Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda, o "Primeiro Aditivo", registrado em 09.08.2001, da empresa Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda, e o "Décimo Sétimo Aditivo", registrado em 09.08.2001, da empresa Luiz Oliveira e Filhos Ltda, e da respectiva petição inicial da Ação de Inventário e sentença. b) das petições iniciais das Execuções Fiscais movidas pela União (Fazenda Nacional) em face das empresas Luiz Oliveira e Filhos Ltda e Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda referidas no extrato informatizado da Procuradoria da Fazenda Nacional (fls. 129/141), das ações trabalhistas movidas contra a empresa Luiz Oliveira e Filhos Ltda e os Impetrantes, referidas no extrato informatizado do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (fls. 145/158), das Execuções Fiscais nºs 2007.82.02.2229-7 e 2004.82.02.1657-0, em curso na 8ª Vara Federal (PB), e das respectivas determinações judiciais de bloqueio on line, a que se referem o extrato informatizado da Justiça Federal (fls. 143/144) e o "Detalhamento de Ordem Judicial de Bloqueio de Valores BacenJud" em relação aos Impetrantes (fls. 149/155). ISTO POSTO, intimem-se os Impetrantes para apresentação de cópia dos documentos referidos nas alíneas "a" e "b", em vias suficientes para o expediente (artigo 6º da Lei nº 12.016/20092 c/c artigos 282, inciso VI, 283 e 284 do CPC3). João Pessoa, 11 SET 2009." Os Impetrantes apresentaram documentos (fls. 209/500). É o relatório. Decido. Alguns dos Impetrantes são filhos e outros netos de Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira. Requereram ao Presidente da Junta Comercial do Estado da Paraíba o desarquivamento e a anulação dos seguintes atos societários (fls. 35/54): a) "Segundo Aditivo", registrado em 09/08/2001, nº 25600053402, Protocolo 01/009716-3 e a "Quarta Alteração", registrada em 23/01/2004, nº 25600080678, Protocolo 04/003519-0, da empresa Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 09.297.961/0001-84; b) "Primeiro Aditivo", registrado em 09/08/2001, nº 25600053399, Protocolo 01/009697-3, e a "Segunda Alteração", registrada em 23/01/2004, nº 25600080679, Protocolo 04/003507-7, da empresa Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 09.272.402/0001-10; c) "Décimo Sétimo Aditivo", registrado em 09/08/2001, nº 25600053400, Protocolo 01/009718-0, e a "Décima Oitava Alteração", registrado em 23/01/2004, nº 25200416279, Protocolo 04/003523-9, da empresa Luiz Oliveira e Filhos Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 95.505.181/0001-82. O Presidente da Junta Comercial do Estado da Paraíba indeferiu o pedido, por meio de despacho proferido em 27.07.2009, acolhendo parecer da Procuradoria Jurídica da entidade, com o seguinte teor (fls. 108/113): "ASSUNTO: 1°) DESARQUIVAMENTO DO SEGUNDO E QUARTO ADITIVO CONTRATUAL DA SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA. NIRE 25.2.0001173-2; 2°) DESARQUIVAMENTO DO DÉCIMO SÉTIMO E DÉCIMO OITAVO ADITIVO CONTRATUAL DA SOCIEDADE LUIZ OLIVEIRA E FILHOS LTDA - NIRE 25.5.0003506-8; 3°) DESARQUIVAMENTO DO PRIMEIRO E DO SEGUNDO ADITIVO CONTRATUAL DA SOCIEDADE AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ DE OLIVEIRA LTDA - NIRE 25.2.001 20744. Senhor Presidente, Vossa Senhoria nos enviou os Requerimentos em epígrafe, onde os Srs. Maria Zeneide Gadelha de Oliveira e + 08, requereram o desarquivamento do Segundo e Quarto Aditivo Contratual da Sociedade Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda, arquivados em datas de 09/08/2001 e 23/01/2004. E ante a identidade de partes e objeto, resolvemos por economia processual juntar em só processo e parecer. Alegam os requerentes que no mês de abril do corrente ano, tiveram através de constrições judiciais penhorados bens particulares, decorrente de Ação de Execução Fiscal de n° 2004.82.02.001657-O. Que foi apresentado cópia do formal de partilha, extraído do inventário dos bens deixados por Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira, para alterar o quadro societário e o capital da empresa. Que a inclusão dos novos sócios, filhos do falecido sócio Francisco de SaIes Gadelha de Oliveira, originou-se de decisão judicial pleiteada, nos autos dos bens deixado, que ficou consubstanciado no respectivo Alvará Judicial, quando em verdade deveria ter sido arquivado simultaneamente e em instrumento próprio, a certidão de inteiro teor da sentença, acompanhado do formal de partilha, conforme preceitua o art. 47 do Decreto Federal n° 1.800/96. Que as alterações foram efetuadas sem os cumprimentos das formalidades legais, com destino de quotas aos requerentes e que não foram por elas requeridas. Alegam que não houve qualquer determinação judicial que determinasse a inclusão das mesmas como sócias da mencionada empresa. Que os atos não obedeceram as prescrições legais, razão pela qual requerem o desarquivamento das aludidas alterações. Requereram ainda o beneficio a isenção de taxas, em face de não poderem arcar com as despesas administrativas do pedido. É o Relatório. FUNDAMENTAÇÃO Conforme o petitório dos requerentes, todas as alterações ocorreram em datas de 09/08/2001 e 23/01/2004, ou seja, uns Aditivos há mais de 08 (oito) anos e outros há mais de 05 (cinco) anos. Por outro lado, é de conhecimento de todos os requerentes o processo de inventário, quando os mesmos afirmaram que originou de decisão judicial. Em obediência ao principio constitucional do contraditório e da ampla defesa, notificamos os outros sócios da Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda., facultando o prazo de 10 (dez) dias após o recebimento da notificação, as quais foram enviadas pelos Correios com AR. Outrossim, solicitamos a inventariante MARIA NOGUEIRA GADELHA DE OLIVEIRA, que fizesse juntada dos Autos de Inventário. Das notificações expedidas aos outros sócios, apresentaram contestações: Anna Virginia, Anne Elise, Eliza Maria, Maria de Fátima, Maria Nogueira, Mariana Nogueira e Francisco Saies. Alegaram que os herdeiros concordaram com a partilha, na proporção de 1/9 avos para cada dos 09 (nove) herdeiros, homologado em data de 29/05/1991. Alegam ainda, que causa estranheza dos ora requerentes terem pleiteado na Justiça as suas inclusões, e agora administrativamente pleiteam sua exclusões das Sociedades. Além do mais, a inclusão dos requerentes se deu em face do quinhão da herança, que a deliberação da inclusão nas Sociedade se deu por mais de 3/4 do capital das aludidas empresas. Por fim requer que seja válida as alterações ocorridas. Junta Certidões do Cartório de imóvel Tabelião Terezinha de Lisieux Gadelha Abrantes, descrevendo os beneficiários da herança e cópia da inicial que originou o inventário. Ultrapassadas as observações descritas, diligenciamos junto ao Arquivo desta Junta Comercial, e constatamos o Alvará anexado, documento este expedido pelo Dr. José Normando Fernandes, Juiz de Direito da 1ª Vara da Comarca de Sousa, datado de 10 de abril de 2001. Restando tão somente a Jucep cumprir a determinação judicial esposada no aludido Alvará. Por outro lado, é de bom alvitre ressaltar que o Inventariante, é a pessoa a quem se comete o encargo de administrar e representar o espólio até a partilha. Nomeado o inventariante (MARIA NOGUEIRA GADELHA DE OLIVEIRA), assistia aos herdeiros ou interessados oporem-se a sua investidura, como também renunciar as suas partes ou discordarem da proposta de partilha. No caso em espécie em nenhum momento os requerentes não descreveram que não tinha conhecimento do Inventário, nem tampouco que renunciaram ou discordaram de seu quinhão partilhado. Assim como, não trouxeram junto ao petitório cópia completa do Inventário alegado. No nosso ordenamento, mas precisamente no Código Civil de 2002, o Art. 178, estabelece de forma clara e inconteste, que é de 04 (quatro) anos o prazo de decadência para pleitear a anulação do negócio jurídico. Já na forma do Registro Mercantil, de forma administrativa o prazo é de 10 (dez) dias. Estando precluso o pretenso direito dos requerentes. Por outro lado, sob o aspecto da competência das Juntas Comerciais na análise dos pedidos de registro ou arquivamento, temos a salientar que é mansa e pacífica a tese de que a referida competência se circunscreve ao exame das formalidades essenciais e legais dos documentos, cumprindo-lhes velar pela aplicação da lei, sem cogitar questões controvertidas ou com vícios não manifestos. Que no caso está revestido de Alvará Judicial e nos poderes da Inventariante para tanto. Por outro lado, tanto a doutrina como a jurisprudência dos Tribunais do nosso país, tem reiteradamente se manifestado no sentido do encaminhamento ao Poder Judiciário, quando se tratar de apreciação de matéria de direito e, particularmente de investigação do mérito de questão probatória. O saudoso jurista Miguel Reale, descreve o seu entendimento de competência das Juntas Comerciais, através de parecer RT 150/481, p. 481, delimitando de maneira clara e precisa, da seguinte forma: "...Assim, não há inconveniente, mas antes vantagem, em que o órgão incumbido do Registro do Comércio não entre em apreciação controvertida da substância dos contratos, indo além da já delicada missão de zelar pela observância das formalidades legais ". A jurisprudência também acompanha a doutrina como bem acentuou a 4a Câmara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, in verbis: "Ao órgão executor do Registro do Comércio compete arquivar os instrumentos produzidos pelas empresas mercantis que se apresentarem formalmente em ordem, não lhe cabendo interferir na relação jurídica da sociedade". Verifica-se que o conteúdo das alegações dos requerentes traz em seu bojo, matéria controvertida, de maneira insofismável a caracterização de "matéria interna corporis da sociedade", de direito sucessório controvertido. Logo, há o amparo do Poder Judiciário. Por outro lado, os requerentes se oponhem a participar da sociedade quanto a Ação Judicial Executiva na Justiça Federal, quando decorrido o lapso temporal da renuncia ou discórdia do espólio do Inventário. Além dos prazos prescricionais contido no Código Civil e a Lei do Registro Mercantil. Já o DNRC, através de sua Coordenadoria Jurídica, tem reiteradamente se pronunciado no sentido de que, para invalidação de um ato arquivado quando contiver exame de matéria contenciosa, o Poder Judiciário é o único competente para fazê-lo, pois, as Juntas Comerciais tem competência apenas para verificar se os atos submetidos a arquivamento obedecem as formalidades legais e regulamentares, não lhe cabendo examinar e julgar questões subjetivas, vez que não possuem capacidade judicante. CONCLUSÃO Face ao exposto, opinamos pelo indeferimento do petitório, devendo os requerentes pleitearem judicialmente a pretensão, ante a impossibilidade e competência desta Junta Comercial. Salvo melhor juízo. É o parecer." (grifei) O alvará judicial a que aludem os Impetrantes e o parecer tem o seguinte teor (fls. 67): "O DOUTOR JOSÉ NORMANDO FERNANDES, JUIZ DE DIREITO DA PRIMEIRA VARA DA COMARCA DE SOUSA/PB, NA FORMA DA LEI, ETC... Pelo presente Alvará, ido por mim devidamente assinado, e atendendo o que foi requerido por MARIA NOGUEIRA GADELHA DE OLIVEIRA, brasileira, viúva, médica, nos autos da Ação de Inventário dos bens deixados por falecimento de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, processo nº 03720000008153, autorizo para que sejam incluídos os nomes dos menores ANNA VIRGÍNIA NOGUEIRA GADELHA DE OLIVEIRA, ANNE ELISE NOGUEIRA GADELHA DE OLIVEIRA, MARIANNA NOGUEIRA GADELHA DE OLIVEIRA E FRANCISCO DE SALES GADELHA DE OLIVEIRA JÚNIOR, nas sociedades de propriedade do falecido Francisco de Sales Gadelha de Oliveira. Dado e passado nesta cidade e Comarca de Sousa/PB, aos 10 de abril de 2001. Eu ... (Idário Dácio Fernandes), Escrivão, o digitei e assino. CUMPRA-SE."(grifei) Em relação aos atos societários impugnados, que não estão assinados pelos Impetrantes, colhe-se: 1) "SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA": O "Segundo Aditivo" ao contrato social da empresa "SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA" (fls. 62/66) trata da alteração do contrato social da empresa por força de Formal de Partilha e Alvará Judicial, em virtude do falecimento dos sócios-cotistas Luiz Pereira de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, visando transferir as respectivas quotas aos seus herdeiros. A "Cláusula Segunda" prevê que, em face do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas. Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A "Cláusula Terceira" prevê que, em razão do óbito do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, já incorporadas as quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. A "Quarta Alteração" ao contrato da "SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA" está contemplada com a alteração ocorrida no "Segundo Aditivo" da Sociedade, no tocante à composição do quadro social da empresa, além de tratar na "Primeira Cláusula" da mudança do endereço da sede da Sociedade e a "Segunda Cláusula" da mudança na prestação de serviço da empresa (fls. 55/61). 2) "AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA": O "Primeiro Aditivo" ao contrato social da empresa "AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA" (fls. 82/87) trata da alteração do contrato social da empresa por força de Formal de Partilha e Alvará Judicial, em virtude do falecimento dos sócios-cotistas Luiz Pereira de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, visando transferir as quotas dos falecidos sócios aos seus respectivos herdeiros. A "Cláusula Segunda" prevê que, em face do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas; Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A "Cláusula Terceira" prevê que, em razão do óbito do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, já incorporadas as quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. A "Segunda Alteração" ao contrato da "SOCIEDADE AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA" está contemplada com a alteração ocorrida no "Primeiro Aditivo" da Sociedade, no tocante à composição do quadro social da empresa, além de tratar na "Primeira Cláusula" da mudança do endereço da sede da Sociedade (fls.76/81). 3) "LUIZ OLIVEIRA & FILHOS LTDA": O "Décimo Sétimo Aditivo" ao contrato social da empresa "LUIZ OLIVEIRA & FILHOS" (fls. 98/102) trata da alteração do contrato social da empresa por força de Formal de Partilha e Alvará Judicial, em virtude do falecimento dos sócios-cotistas Luiz Pereira de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, visando transferir as quotas dos falecidos sócios aos seus respectivos herdeiros. A "Cláusula Segunda" prevê que, em razão do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira, representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas; Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido) representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A "Cláusula Terceira" prevê que, em razão do falecimento do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. A "Décima Oitava Alteração" ao contrato da "SOCIEDADE LUIZ OLIVEIRA & FILHOS" está contemplada com a alteração ocorrida no "Décimo Sétimo Aditivo" da Sociedade, no tocante à composição do quadro social da empresa, além de tratar na "Primeira Cláusula" da mudança de sua denominação para "LUIZ OLIVEIRA & FILHOS LTDA" com o nome de fantasia Uzina Luiz Oliveira, a "Segunda Cláusula" trata da mudança no endereço da sede da sociedade e a "Terceira Cláusula" prevê a mudança na prestação de serviço da empresa (fls.92/97). De forma esquemática, os atos societários impugnados pelos Impetrantes e arquivados perante a Junta Comercial da Paraíba: SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA Segundo Aditivo registrado em 09/08/2001 Figuram como sócios: João Bosco Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira e Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, inventariante do espólio de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira. A Cláusula Segunda prevê que, em face do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas. Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A Cláusula Terceira prevê que, em razão do óbito do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, já incorporadas as quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. Quarta Alteração registrada em 23/01/2004 Reproduz a alteração ocorrida no Segundo Aditivo no tocante à composição do quadro social da empresa. AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA Primeiro Aditivo registrado em 09/08/2001 Figuram como sócios: João Bosco Gadelha de Oliveira, Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira e Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, inventariante do espólio de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira. A Cláusula Segunda prevê que, em face do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas; Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A Cláusula Terceira prevê que, em razão do óbito do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, já incorporadas as quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. Segunda Alteração registrada em 23/01/2004 Reproduz a alteração ocorrida no Primeiro Aditivo quanto à composição do quadro social da empresa. LUIZ OLIVEIRA & FILHOS LTDA Décimo Sétimo Aditivo, registrado em 09/08/2001 Figuram como sócios: Manoel Gadelha de Oliveira, Raimundo Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira e Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, inventariante do espólio de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira. A Cláusula Segunda prevê que, em razão do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira, representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas; Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido) representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A Cláusula Terceira prevê que, em razão do falecimento do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. Décimo Oitavo Aditivo registrado em 23/01/2004 Reproduz a alteração ocorrida no Décimo Sétimo Aditivo sobre a composição do quadro social da empresa. Os Impetrantes, herdeiros de Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira, o primeiro falecido em 28.07.1988, a segunda em 07.04.1988, em razão de sentença proferida em 02.07.1990 nos autos de Inventário e Partilha nº 235/88, em curso na Justiça Estadual/Comarca de Sousa (PB), que homologou esboço de partilha apresentado pelo Inventariante, o qual teve a anuência dos herdeiros, receberam quinhões de diversos bens, entre os quais os relativos às quotas-parte proporcionais do capital social das empresas Luiz Pereira de Oliveira & Filhos, Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda e Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda, titularizados pelo sócio falecido, conforme Formal de Partilha de fls. 212/3394. Consta Ordem Judicial de Bloqueio de Valores de 28.05.2009 (fls.149/155), oriunda do Juízo Federal da 8ª Vara em Sousa (PB), no âmbito do Processo nº 200482020016570 (Execução Fiscal movida pela União (Fazenda Nacional) contra Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda), no valor de R$ 142.098,06, nas contas bancárias de Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Luiz Oliveira Gadelha, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento, Maria Julieta de Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas, Cláudia Maria de Oliveira Gadelha Dantas, Filomena Maria Gadelha de Oliveira Freitas, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcanti e Maria do Socorro Virgínio de Oliveira, ora Impetrantes, na condição de sócios coobrigados (fls. 455/480)5. Contra as empresas Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda, Luiz Oliveira e Filhos Ltda e Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda, há diversas reclamações trabalhistas, além de outras execuções movidas pelo INSS, Fazenda Nacional e Caixa Econômica Federal (fls. 390/454 e 481/500). À primeira vista, não vislumbro ilegalidade no ato de registro e arquivamento dos aditivos perante a Junta Comercial, uma vez obedecidas as formalidades da Lei nº 8.934/19946, que dispõe sobre o registro público de empresas mercantis e atividades afins, sendo dispensada a assinatura dos sócios minoritários, como é o caso dos Impetrantes, nos atos de alteração da sociedade7, e considerando que os quinhões relativos às quotas-parte do capital social das empresas, em face do óbito de Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira, foram definidos com a anuência dos Impetrantes em Ação de Inventário e Partilha, mediante sentença homologatória, que tramitou na Justiça Estadual. ISTO POSTO, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada para prestar as Informações, que deverão vir instruídas com cópia dos requerimentos de registro e arquivamento dos atos societários impugnados pelos Impetrantes e dos respectivos atos de deferimento, e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica (artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 12.016, de 07.08.20098). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 24/9/2009." A autoridade impetrada prestou as Informações afirmando o seguinte (fls. 526/529): 1) Decurso do prazo de decadência de 04 anos previsto no artigo 178 do Código Civi de 2002 para pleitear anulação de negócio jurídico e, no caso de registro mercantil, o prazo é de 10 dias. 2) A competência das Juntas Comercias limita-se à análise das formalidades legais dos pedidos de registro ou arquivamento, que, no caso, dizem respeito ao alvará judicial e poderes do inventariante. 3) Havendo controvérsia quanto ao mérito dos atos levados a registro, a competência para dirimi-las é do Poder Judiciário, na hipótese, o Juízo da 1ª Vara da Comarca de Patos, por onde tramitou a ação de inventário e partilha. Determinei a notificação da autoridade impetrada para cumprimento da parte final da decisão de fls. 504/517, no que diz respeito à apresentação de cópia dos requerimentos de registro e arquivamento dos atos societários impugnados pelos Impetrantes e dos respectivos atos de deferimento (fls. 530). A autoridade foi notificada (fls. 533). Os Impetrantes apresentaram cópia de Agravo de Instrumento interposto contra a decisão indeferitória da liminar (fls. 535/554). Proferi despacho às fls. 556/557 mantendo a decisão agravada e determinei que se oficiasse ao Exmº Relator do Agravo de Instrumento e que se aguardasse a apresentação pela autoridade impetrada dos documentos. Expedida comunicação ao Exmº Relator do Agravo de Instrumento (fls. 559). A Secretaria certificou que decorreram 13 dias da notificação, sem que a autoridade apresentasse os documentos (fls. 560). Notifique-se a autoridade impetrada para cumprimento, em 48 (quarenta e oito) horas, do despacho de fls. 5309 (artigo 26 da Lei nº 12.016/200910). João Pessoa, 31 NOV 2009". (grifos no original) A Junta Comercial do Estado da Paraíba apresentou documentos (fls. 581/616). O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 618/625). Os Impetrantes requereram a habilitação de advogado e apresentaram procurações e o comprovante do pagamento das custas judiciais (fls. 627/637). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro o pedido de gratuidade judiciária formulado pelas Impetrantes à fl. 16 e a juntada das procurações às fls. 629/637. 1) Sobre a arguição de decadência. Em suas informações, a autoridade impetrada arguiu a decadência do direito de ação em face do decurso do prazo de 04 anos previsto no caput do art. 178 do Código Civil de 2002 ("Art. 178. É de quatro anos o prazo de decadência para pleitear-se a anulação do negócio jurídico, contado: I - no caso de coação, do dia em que ela cessar; II - no de erro, dolo, fraude contra credores, estado de perigo ou lesão, do dia em que se realizou o negócio jurídico; III - no de atos de incapazes, do dia em que cessar a incapacidade"). No entanto, na presente ação mandamental os Impetrantes se insurgem contra o ato emanado do Diretor-Presidente da Junta Comercial do Estado da Paraíba - JUCEP, consistente na recusa em proceder à anulação de atos societários, não se pretendendo, específica e diretamente, a anulação daqueles mesmos atos, hipótese em que incidiria a regra decadencial geral prevista no mencionado art. 178 do Código Civil de 2002. Assim sendo, rejeito a assertiva da autoridade impetrada no sentido da decadência do direito à impetração. 2) Do mérito. Há pouco a acrescentar ao fundamento adotado no exame do pedido de liminar (fls. 504/517). Conforme assentou a decisão, alguns dos Impetrantes são filhos e outros netos de Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira. Requereram ao Presidente da Junta Comercial do Estado da Paraíba o desarquivamento e a anulação dos seguintes atos societários: a) "Segundo Aditivo", registrado em 09/08/2001, nº 25600053402, Protocolo 01/009716-3 e a "Quarta Alteração", registrada em 23/01/2004, nº 25600080678, Protocolo 04/003519-0, da empresa Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 09.297.961/0001-84; b) "Primeiro Aditivo", registrado em 09/08/2001, nº 25600053399, Protocolo 01/009697-3, e a "Segunda Alteração", registrada em 23/01/2004, nº 25600080679, Protocolo 04/003507-7, da empresa Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 09.272.402/0001-10; c) "Décimo Sétimo Aditivo", registrado em 09/08/2001, nº 25600053400, Protocolo 01/009718-0, e a "Décima Oitava Alteração", registrado em 23/01/2004, nº 25200416279, Protocolo 04/003523-9, da empresa Luiz Oliveira e Filhos Ltda - C.N.P.J. (MF) nº 95.505.181/0001-82. O Presidente da Junta Comercial do Estado da Paraíba indeferiu o pedido, por meio de despacho proferido em 27.07.2009, acolhendo parecer da Procuradoria Jurídica da entidade. Em relação aos atos societários impugnados, que não estão assinados pelos Impetrantes, colhe-se: 1) "SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA": O "Segundo Aditivo" ao contrato social da empresa "SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA" (fls. 62/66) trata da alteração do contrato social da empresa por força de Formal de Partilha e Alvará Judicial, em virtude do falecimento dos sócios-cotistas Luiz Pereira de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, visando transferir as respectivas quotas aos seus herdeiros. A "Cláusula Segunda" prevê que, em face do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas. Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A "Cláusula Terceira" prevê que, em razão do óbito do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, já incorporadas as quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. A "Quarta Alteração" ao contrato da "SOCIEDADE HOSPITALAR GADELHA DE OLIVEIRA LTDA" está contemplada com a alteração ocorrida no "Segundo Aditivo" da Sociedade, no tocante à composição do quadro social da empresa, além de tratar na "Primeira Cláusula" da mudança do endereço da sede da Sociedade e a "Segunda Cláusula" da mudança na prestação de serviço da empresa. 2) "AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA": O "Primeiro Aditivo" ao contrato social da empresa "AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA" trata da alteração do contrato social da empresa por força de Formal de Partilha e Alvará Judicial, em virtude do falecimento dos sócios-cotistas Luiz Pereira de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, visando transferir as quotas dos falecidos sócios aos seus respectivos herdeiros. A "Cláusula Segunda" prevê que, em face do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas; Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido), representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A "Cláusula Terceira" prevê que, em razão do óbito do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, já incorporadas as quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. A "Segunda Alteração" ao contrato da "SOCIEDADE AGROINDÚSTRIA DO TOMATE LUIZ OLIVEIRA LTDA" está contemplada com a alteração ocorrida no "Primeiro Aditivo" da Sociedade, no tocante à composição do quadro social da empresa, além de tratar na "Primeira Cláusula" da mudança do endereço da sede da Sociedade. 3) "LUIZ OLIVEIRA & FILHOS LTDA": O "Décimo Sétimo Aditivo" ao contrato social da empresa "LUIZ OLIVEIRA & FILHOS" (fls. 98/102) trata da alteração do contrato social da empresa por força de Formal de Partilha e Alvará Judicial, em virtude do falecimento dos sócios-cotistas Luiz Pereira de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, visando transferir as quotas dos falecidos sócios aos seus respectivos herdeiros. A "Cláusula Segunda" prevê que, em razão do óbito do sócio Luiz Pereira de Oliveira, as suas quotas se transferem para seus herdeiros: Raimundo Gadelha de Oliveira, Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Manoel Gadelha de Oliveira, Maria de Fátima Gadelha de Oliveira, João Bosco Gadelha de Oliveira, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento e José Gadelha de Oliveira, representado pelos seguintes filhos: Francisco Gadelha de Oliveira, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcante e Filomena Gadelha de Oliveira Freitas; Terezinha de Oliveira Gadelha (falecida), representada pelos seguintes filhos: Luiz Oliveira Gadelha, Maria Julieta Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas e Cláudia Maria Oliveira Gadelha Alexandre, além de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira (falecido) representado pelos seus herdeiros mencionados na cláusula terceira. A "Cláusula Terceira" prevê que, em razão do falecimento do sócio Francisco de Sales Gadelha de Oliveira, as sua quotas do capital social, quotas que herdou do sócio Luiz Pereira de Oliveira, se transferem para sua viúva meeira e para seus quatro filhos menores e herdeiros: Maria Nogueira Gadelha de Oliveira, Anna Virgínia Nogueira Gadelha de Oliveira, Anne Elise Nogueira Gadelha de Oliveira, Marianna Nogueira Gadelha de Oliveira e Francisco de Sales Gadelha de Oliveira Júnior, que serão representados pela sua genitora Maria Nogueira Gadelha de Oliveira. As Cláusulas 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª e 9ª prevêem o ingresso da viúva meeira e herdeiros de Francisco de Sales Gadelha de Oliveira na sociedade. A "Décima Oitava Alteração" ao contrato da "SOCIEDADE LUIZ OLIVEIRA & FILHOS" está contemplada com a alteração ocorrida no "Décimo Sétimo Aditivo" da Sociedade, no tocante à composição do quadro social da empresa, além de tratar na "Primeira Cláusula" da mudança de sua denominação para "LUIZ OLIVEIRA & FILHOS LTDA" com o nome de fantasia Uzina Luiz Oliveira, a "Segunda Cláusula" trata da mudança no endereço da sede da sociedade e a "Terceira Cláusula" prevê a mudança na prestação de serviço da empresa. Os Impetrantes, herdeiros de Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira, o primeiro falecido em 28.07.1988, a segunda em 07.04.1988, em razão de sentença proferida em 02.07.1990 nos autos de Inventário e Partilha nº 235/88, em curso na Justiça Estadual/Comarca de Sousa (PB), que homologou esboço de partilha apresentado pelo Inventariante, o qual teve a anuência dos herdeiros, receberam quinhões de diversos bens, entre os quais os relativos às quotas-parte proporcionais do capital social das empresas Luiz Pereira de Oliveira & Filhos, Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda e Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda, titularizados pelo sócio falecido, conforme Formal de Partilha. Consta Ordem Judicial de Bloqueio de Valores de 28.05.2009, oriunda do Juízo Federal da 8ª Vara em Sousa (PB), no âmbito do Processo nº 200482020016570 (Execução Fiscal movida pela União (Fazenda Nacional) contra Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda), no valor de R$ 142.098,06, nas contas bancárias de Maria Zeneide Gadelha de Oliveira, Luiz Oliveira Gadelha, Melânia Gadelha de Oliveira Sarmento, Maria Julieta de Oliveira Gadelha, Márcia Maria de Oliveira Gadelha Dantas, Cláudia Maria de Oliveira Gadelha Dantas, Filomena Maria Gadelha de Oliveira Freitas, Maria do Socorro Gadelha de Oliveira Cavalcanti e Maria do Socorro Virgínio de Oliveira, ora Impetrantes, na condição de sócios coobrigados. Contra as empresas Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda, Luiz Oliveira e Filhos Ltda e Agroindústria do Tomate Luiz Oliveira Ltda, há diversas reclamações trabalhistas, além de outras execuções movidas pelo INSS, Fazenda Nacional e Caixa Econômica Federal. Observou o decisum que não há ilegalidade no ato de registro e arquivamento dos aditivos perante a Junta Comercial, uma vez obedecidas as formalidades da Lei nº 8.934/1994, que dispõe sobre o registro público de empresas mercantis e atividades afins, sendo dispensada a assinatura dos sócios minoritários, como é o caso dos Impetrantes, nos atos de alteração da sociedade, e considerando que os quinhões relativos às quotas-parte do capital social das empresas, em face do óbito de Luiz Pereira de Oliveira e Francisca Gadelha de Oliveira, foram definidos com a anuência dos Impetrantes em Ação de Inventário e Partilha, mediante sentença homologatória, que tramitou na Justiça Estadual. Diante do exposto, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 2009) e sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão do advogado constante das procurações de fls. 629/637. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto pelos Impetrantes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais João Pessoa, 20 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei processual, será apresentada em 2 (duas) vias com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições. § 1o No caso em que o documento necessário à prova do alegado se ache em repartição ou estabelecimento público ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará, para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 (dez) dias. O escrivão extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da petição. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da notificação. § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática. § 4o (VETADO) § 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito. 3 Art. 282. A petição inicial indicará: I - o juiz ou tribunal, a que é dirigida; II - os nomes, prenomes, estado civil, profissão, domicílio e residência do autor e do réu; III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido; IV - o pedido, com as suas especificações; V - o valor da causa; VI - as provas com que o autor pretende demonstrar a verdade dos fatos alegados; VII - o requerimento para a citação do réu. Art. 283. A petição inicial será instruída com os documentos indispensáveis à propositura da ação. Art. 284. Verificando o juiz que a petição inicial não preenche os requisitos exigidos nos arts. 282 e 283, ou que apresenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor a emende, ou a complete, no prazo de 10 (dez) dias. Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a petição inicial. 4 Os Impetrantes, na condição de herdeiros, tiveram ciência da sentença (fls. 388). 5 O despacho do Exmº Juiz Federal da 8ª Vara (PB), Dr. Newton Fladstone Barbosa de Moura, tem o seguinte teor: "Proceda-se à penhora 'on line', via BACEN-JUD, em ativos financeiros de todos os sócios coobrigados constantes às fls. 43 usque 110. Após, dê-se vista à exeqüente para, no prazo de 15 (quinze) dias, dizer sobre a exceção de pré-executividade das fls. 131/147. Sousa-PB, 28 de maio de 2009." 6 Art. 32. O registro compreende: I - a matrícula e seu cancelamento: dos leiloeiros, tradutores públicos e intérpretes comerciais, trapicheiros e administradores de armazéns-gerais; II - O arquivamento: a) dos documentos relativos à constituição, alteração, dissolução e extinção de firmas mercantis individuais, sociedades mercantis e cooperativas; b) dos atos relativos a consórcio e grupo de sociedade de que trata a Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976; c) dos atos concernentes a empresas mercantis estrangeiras autorizadas a funcionar no Brasil; d) das declarações de microempresa; e) de atos ou documentos que, por determinação legal, sejam atribuídos ao Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins ou daqueles que possam interessar ao empresário e às empresas mercantis; III - a autenticação dos instrumentos de escrituração das empresas mercantis registradas e dos agentes auxiliares do comércio, na forma de lei própria. Art. 33. A proteção ao nome empresarial decorre automaticamente do arquivamento dos atos constitutivos de firma individual e de sociedades, ou de suas alterações. § 1º (Vetado). § 2º (Vetado). Art. 34. O nome empresarial obedecerá aos princípios da veracidade e da novidade. Art. 35. Não podem ser arquivados: I - os documentos que não obedecerem às prescrições legais ou regulamentares ou que contiverem matéria contrária aos bons costumes ou à ordem pública, bem como os que colidirem com o respectivo estatuto ou contrato não modificado anteriormente; II - os documentos de constituição ou alteração de empresas mercantis de qualquer espécie ou modalidade em que figure como titular ou administrador pessoa que esteja condenada pela prática de crime cuja pena vede o acesso à atividade mercantil; III - os atos constitutivos de empresas mercantis que, além das cláusulas exigidas em lei, não designarem o respectivo capital, bem como a declaração precisa de seu objeto, cuja indicação no nome empresarial é facultativa; IV - a prorrogação do contrato social, depois de findo o prazo nele fixado; V - os atos de empresas mercantis com nome idêntico ou semelhante a outro já existente; VI - a alteração contratual, por deliberação majoritária do capital social, quando houver cláusula restritiva; VII - os contratos sociais ou suas alterações em que haja incorporação de imóveis à sociedade, por instrumento particular, quando do instrumento não constar: a) a descrição e identificação do imóvel, sua área, dados relativos à sua titulação, bem como o número da matrícula no registro imobiliário; b) a outorga uxória ou marital, quando necessária; VIII - os contratos ou estatutos de sociedades mercantis, ainda não aprovados pelo Governo, nos casos em que for necessária essa aprovação, bem como as posteriores alterações, antes de igualmente aprovadas. Parágrafo único. A junta não dará andamento a qualquer documento de alteração de firmas individuais ou sociedades, sem que dos respectivos requerimentos e instrumentos conste o Número de Identificação de Registro de Empresas (Nire). Art. 40. Todo ato, documento ou instrumento apresentado a arquivamento será objeto de exame do cumprimento das formalidades legais pela junta comercial. § 1º Verificada a existência de vício insanável, o requerimento será indeferido; quando for sanável, o processo será colocado em exigência. § 2º As exigências formuladas pela junta comercial deverão ser cumpridas em até 30 (trinta) dias, contados da data da ciência pelo interessado ou da publicação do despacho. § 3º O processo em exigência será entregue completo ao interessado; não devolvido no prazo previsto no parágrafo anterior, será considerado como novo pedido de arquivamento, sujeito ao pagamento dos preços dos serviços correspondentes. Art. 41. Estão sujeitos ao regime de decisão colegiada pelas juntas comerciais, na forma desta lei: I - o arquivamento: a) dos atos de constituição de sociedades anônimas, bem como das atas de assembléias gerais e demais atos, relativos a essas sociedades, sujeitos ao Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins; b) dos atos referentes à transformação, incorporação, fusão e cisão de empresas mercantis; c) dos atos de constituição e alterações de consórcio e de grupo de sociedades, conforme previsto na Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976; II - o julgamento do recurso previsto nesta lei. Art. 42. Os atos próprios do Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins, não previstos no artigo anterior, serão objeto de decisão singular proferida pelo presidente da junta comercial, por vogal ou servidor que possua comprovados conhecimentos de Direito Comercial e de Registro de Empresas Mercantis. Parágrafo único. Os vogais e servidores habilitados a proferir decisões singulares serão designados pelo presidente da junta comercial. Art. 43. Os pedidos de arquivamento constantes do art. 41 desta Lei serão decididos no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis, contados do seu recebimento; e os pedidos constantes do art. 42 desta Lei serão decididos no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis, sob pena de ter-se como arquivados os atos respectivos, mediante provocação dos interessados, sem prejuízo do exame das formalidades legais pela procuradoria. (Redação dada pela Lei nº 11.598, de 2007) 7Por exemplo, o ato constitutivo da empresa Sociedade Hospitalar Gadelha de Oliveira Ltda prevê que os sócios que representam a maioria do capital social poderão modificar ou alterar o instrumento constitutivo, independentemente da assinatura dos demais sócios. A propósito, veja-se o precedente abaixo: "Mandado de Segurança. Junta Comercial. Arquivamento de alteração. Sociedade por cotas de responsabilidade limitada. Precedentes. 1. A Junta Comercial não cuida de examinar eventual comportamento irregular de sócio, motivador de sua exclusão, devendo limitar-se ao exame das formalidades necessárias ao arquivamento. 2. A falta de assinatura de um dos sócios não impede o arquivamento, previsto, no caso, que as deliberações sociais são tomadas pelo voto da maioria. 3. O exame das cláusulas contratuais não tem espaço no especial, a teor da Súmula nº 05 da Corte. 4. Recurso especial não conhecido."(REsp nº 151838, Relator Ministro Carlos Alberto Menezes Direito, 3ª Turma do STJ, DJU de 08.10.2001, p. 210) (grifei) 8 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 9 "Oficie-se à autoridade impetrada para, no prazo de 05 (cinco) dias, cumprir integralmente a decisão de fls. 504/517, apresentando cópia dos requerimentos de registro e arquivamento dos atos societários impugnados pelos impetrantes e dos respectivos atos de deferimento. JPA, 08 OUT 2009." 10 Art. 26. Constitui crime de desobediência, nos termos do art. 330 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940, o não cumprimento das decisões proferidas em mandado de segurança, sem prejuízo das sanções administrativas e da aplicação da Lei no 1.079, de 10 de abril de 1950, quando cabíveis. ?? ?? ?? ?? 17 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0008180-52.2009.4.05.8200 SEBASTIAO DA SILVA SOARES (Adv. GERALDO QUEIROGA LOPES) x SUPERINTENDENTE DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO NA PARAÍBA (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIÃO (Adv. LUIZ GONZAGA PEREIRA NETO)

PROCESSO Nº 2009.82.8180-3 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: SEBASTIÃO DA SILVA SOARES ADVOGADO: GERALDO DE QUEIROGA LOPES IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO NA PARAÍBA LITISCONSORTE PASSIVA: UNIÃO S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, o Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, abordou inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 115/123): "Reservei-me à apreciação do pedido de liminar após as Informações da autoridade impetrada, nos seguintes termos (fls. 35/36): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Sebastião da Silva Soares contra ato do Superintendente do Patrimônio da União na Paraíba, configurado na ordem de retirada de barraca denominada "Tião do Caranguejo" situada na Praia de Ponta de Campina, em Cabedelo (PB), sob pena de demolição. O Impetrante afirma o seguinte: 1) Desde 1995, instalou em terreno de marinha, entre o Edifício Residencial Varanda do Atlântico e a Pousada Casa do Italiano, na Praia de Ponta de Campina, em Cabedelo, uma pequena barraca denominada "Tião do Carangejo", na qual comercializa cerveja e carangueijos durante o verão e nos feriados e dias santos. 2) A ocupação é de boa-fé e fora absolvido na Ação Penal nº 2005.82.11495-5, em curso na 2ª Vara Federal (PB), na qual foram-lhe imputados os delitos dos artigos 60 e 64 da Lei nº 9.605/1998. 3) Em 21.03.2005, celebrou termo de ajustamento provisório com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba e a Prefeitura de Cabedelo sobre a referida barraca, em que ficou acordado o pagamento mensal de indenização por ocupação ilícita do terreno de marinha e a manutenção da área do entorno limpa, com acesso livre e sem poluição ambiental, até que seja implementado plano de intervenção da orla pelo Município de Cabedelo em conjunto com o Governo federal. 3) No entanto, a autoridade impetrada expediu a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, determinando ao Impetrante a retirada de barraca, no prazo de 15 dias, contado do recebimento do expediente, sob pena de demolição administrativa, em razão da revogação do termo de ajustamento provisório. Sustenta a ilegalidade da determinação, porque o termo de ajustamento, que vinha sendo regularmente cumprido, se trata de ato jurídico perfeito, e pede a concessão da liminar para determinar a suspensão da demolição da barraca, objeto da Notificação nº 018/GAB/SPU/PB/2009. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 17/32). Reservo-me para apreciar o pedido de liminar após as Informações da autoridade impetrada, que deverão vir instruídas com cópia integral do processo administrativo nº 04931.000298/2005-11, a que alude a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB/2009 (fls. 18). Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica, entregando-lhe cópia da petição inicial para, querendo, ingressar no feito (artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 12.016/20092). João Pessoa, 23 OUT 2009." A autoridade impetrada prestou as Informações, acompanhadas de documentos, afirmando que (fls. 81/111): 1) O estabelecimento "Tião do Caranguejo" pertencente ao Impetrante está situado em área de uso comum do povo, de domínio da União. 2) O Impetrante celebrou com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba Termo de Ajustamento Provisório - TAP, a título precário e em caráter temporário, comprometendo-se a respeitar as cláusulas nele constantes até seu termo final. 3) Verificou-se desrespeito ao TAP, com base no Auto de Infração nº 297687/D lavrado pelo IBAMA, em que se atestou a prática de crimes ambientais na referida ocupação, além do fechamento parcial da rua que dá acesso à praia, razão pela qual o TAP fora cancelado, conforme decisão administrativa de 06.06.2007, comunicada ao Impetrante à época. 4) Mais recentemente, a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba recebeu expediente do Ministério Público Federal, recomendando a retirada imediata do estabelecimento do Impetrante, tendo a Gerência reiterado a notificação anterior para desocupação da área e concedido nova oportunidade de defesa, a qual, mesmo apresentada intempestivamente, foi julgada improcedente, com base na Lei nº 7.661/1988 e Decreto-Lei nº 2.398/1987 e, assim "tornou-se a decisão definitiva de uso do poder de polícia administrativa e retirada do estabelecimento comercial situado em área irregular." A União, através da Procuradoria na Paraíba, afirmou que tem interesse em integrar a lide. É o relatório. Decido. Em 21.03.2005, o Impetrante celebrou com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba, em conjunto com a Prefeitura de Cabedelo, o Termo de Ajustamento Provisório - TAP, nele constando (fls. 52/54): "DO OBJETO Estabelecer, de forma provisória, critérios que permitam a transição gradual do uso desordenado das parias para uma condição de uso racional, em consonância com a Legislação Ambiental e Patrimonial, a serem implementados por meio do Plano de Intervenção elaborado pela administração municipal dentro da concepção do Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima - Projeto Orla, conduzido pelo Ministério do Meio Ambiente e pela Secretaria do Patrimônio da União, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão ou outro instrumento de intervenção análogo, visando à aplicação de diretrizes gerais de disciplinamento de uso e ocupação da orla marítima, minimizando nesse período os danos ambientais e garantindo à União indenização pela ocupação ilícita, na forma do Parágrafo único do Art. 10 da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998. DO PRAZO I. O prazo de validade do presente Termo será a data em que for implantado o Plano de Intervenção do Projeto Orla, resultante de Convênio entre o município e a Secretaria do Patrimônio da União ou outro instrumento de intervenção análogo, ou ainda, quando se fizer necessária a desocupação da área de uso comum do povo para fins de utilização legal. OBRIGAÇÕES DO EMPREENDIMENTO AJUSTADO I. Reconhecer que ocupa irregularmente, para fins de exploração comercial, com o estabelecimento denominado TIÃO DO CARANGUEIJO, a área de uso comum do povo medindo 233,00 m2, conforme croqui anexo, situada na praia de Ponta de Campina, Rua Henrique Siqueira, S/N, Cabedelo-PB, e que está sujeito à indenização mensal à União, pelo prazo correspondente ao início da vigência do presente Termo até a data em que perdurar a ocupação irregular, cujo valor nesta data é de R$ 371,83 (trezentos e setenta e um reais e oitenta e três centavos) referente a 10% (dez por cento) do valor atualizado do domínio pleno do terreno, de conformidade com o art. 10, parágrafo único, da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998. II. Manter os limites determinados pela Gerência Regional do Patrimônio da União na Paraíba-GRPU/PB quanto às áreas adjacentes ao estabelecimento comercial, sob pena de multa, na forma dos incisos I e II, do Art. 6º do Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987 calculada sobre a área total. III. Ajustar-se à forma de utilização, consoantes ao Projeto Orla ou outro instrumento de intervenção análogo aprovado pela GRPU ou, do contrário, desocupar a área de domínio da União, de forma pacífica, sem quaisquer questionamentos, em razão do reconhecimento da situação ilícita. IV. Conservar a área ora irregularmente ocupada, sempre limpa, evitando quaisquer danos que possam acarretar prejuízos ao meio ambiente, ao patrimônio público, ou a instalação de equipamentos que restrinjam o acesso à Praia. V. Manter o acesso livre e gratuito a quaisquer espaços da área circunvizinha ao estabelecimento, não podendo cobrar taxas, sob quaisquer títulos, à Sociedade, nem dificultar o acesso ao mar. VI. Manter a estrutura física do estabelecimento em suas configurações originais, inclusive quanto ao material utilizado nas instalações, conforme pactuadas no presente termo. OBRIGAÇÕES DO ÓRGÃO AJUSTANTE I. Suspender a promoção de Ação Judicial visando à desocupação da área ou a aplicação de multas na vigência e no cumprimento do presente termo. II. Suspender a cobrança de multas emitidas até a presente data. DO DESCUMPRIMENTO DAS CONDIÇÕES I. O descumprimento das condições estabelecidas neste Termo de Ajustamento Provisório implica a imediata aplicação dos meios jurídicos cabíveis, sem prejuízo das sanções civis, administrativas e penais pertinentes." (grifei) O Gerente Regional de Patrimônio da União na Paraíba proferiu decisão em 06.06.2007 cancelando o TAP e desautorizando o funcionamento do estabelecimento, porque edificada em área de preservação ambiental e de uso comum do povo (praia), que é área não edificável, com fechamento parcial de rua (fls. 75), tendo o Impetrante sido comunicado por meio do Ofício nº 365/GAB/GRPU/PB, de 22.06.2007, com a advertência de que o não cumprimento da decisão implicará imposição de multa por ocupação irregular e "a remoção do aterro, construção, obras e equipamentos instalados no local", previsto no artigo 6º do Decreto-Lei nº 2.398/1987, na redação dada pela Lei nº 9.636/19983 c/c artigo 11 da Lei nº 9.636/19984. O Ministério Público Federal expediu a Recomendação nº 06/2009, de 02.09.2009, da lavra do Exmº Procurador da República, Dr. José Guilherme Ferraz da Costa, dirigida ao Gerente Regional de Patrimônio da União na Paraíba, recomendando a adoção de providência de retirada do estabelecimento "Tião do Caranguejo", em face da ocupação irregular da área de praia em Cabedelo (fls. 89/90). A autoridade impetrada expediu ao Impetrante a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, reiterando a desocupação da área, com o seguinte teor (fls. 91): "A Superintendência do Patrimônio da União na Paraíba vem, no uso das atribuições que lhe são outorgadas consoante disposto no art. 23, I, da Constituição Federal de 1988, combinado com o art. 11, caput da Lei Federal nº 9.636/1998, reiterar NOTIFICAÇÃO ao responsável pela barraca/quiosque denominado 'Tião do Caranguejo' acerca da REVOGAÇÃO do Termo de Ajustamento Provisório (processo 04931.000298/2005-11) que tinha como objeto tal estabelecimento nos termos do despacho decisório anexo, e para que promova a REMOÇÃO no prazo IMPRORROGÁVEL de 15 (quinze) dias, contados do recebimento deste, de todas as benfeitorias e equipamentos edificados no local, sob pena de demolição dos mesmos pelo poder público. O não atendimento desta determinação configurará ocupação irregular de área da União, caracterizando a infração administrativa tipificada no art. 6º, caput, do Decreto-lei nº 2.398/1987 (realizar aterro, construção, obra ou instalar equipamentos no mar, lagos, tios e quaisquer correntes de água ou em áreas de uso comum, de domínio da União, sem prévia autorização da Secretaria do Patrimônio da União) e acarretará repercussões administrativas, bem como criminais, por crime de desobediência. Assinalo, por oportuno, a possibilidade de interposição de recurso administrativo acerca da presente decisão, que deverá ser encaminhado a esta Superintendência, no endereço supramencionado, no prazo de 10 (dez) dias, a partir do recebimento desta notificação." (grifei) O Impetrante apresentou recurso (fls. 92/97), que foi indeferido e comunicado ao Impetrante por meio da Comunicação nº 51/GAB/SPU/PB, de 19.10.2009 (fls. 99/103). O estabelecimento do Impetrante possui área de 46,31 metros quadrados, é constituído de zinco e paredes de madeirit, tem uma área aberta coberta por telhas de cimento amianto e foi objeto, também, de autuação efetuada pelo IBAMA em razão de não possuir licença ambiental (fls. 68/73), que resultou em denúncia formulada pelo Ministério Público Federal nos autos da Ação Criminal nº 2005.82.11495-5, em curso na 2ª Vara Federal (PB), a qual foi julgada improcedente, conforme sentença proferida em 03.07.2008 pelo Exmº Juiz Federal Substituto, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu (fls. 23/27). "Dispensado o relatório (art. 81, § 3º, da Lei n. 9.099/95). Tratam os presentes autos de AÇÃO PENAL PÚBLICA movida pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (sob o rito das Leis n. 9.099/95 e n. 10.259/2001) contra SEBASTIÃO DA SILVA SOARES, dando-o a denúncia (fls. 188/190) como incurso nos artigos 60 e 64 da Lei n. 9.605/98 (crimes ambientais). Na denúncia, o MPF atribui ao acusado as condutas de: a) fazer funcionar, em caráter permanente, empreendimento potencialmente poluidor sem licença da autoridade competente ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes; e b) construir em solo não edificável sem autorização da autoridade competente ou em desacordo com a autorização concedida. Nos dois casos, a "autoridade competente" para o licenciamento referido nos tipos penais é o IBAMA que, por isso mesmo, teria a atribuição legal de autuar o infrator pela ausência dessas licenças. Conforme se observa dos autos, o acusado é proprietário de uma barraca de praia denominada "Barraca do Tião", destinada ao comércio de bebidas e alimentos, localizada no final da rua Henrique Siqueira, Ponta de Campina, Cabedelo/PB, desenvolvendo dita atividade há vários anos. O procedimento se iniciou a partir de ofício enviado pelo gerente executivo do IBAMA ao Ministério Público da Paraíba, noticiando a suposta prática de fato atentatório à Lei n. 9.605/98 (fls. 05 e segs). O auto de infração enviado registrava que a irregularidade do empreendimento consistia em "fazer funcionar estabelecimento comercial bar em área de domínio da União, sem licença dos órgãos ambientais pertinentes" (fl. 07). A autuação ocorreu em 05/03/2004. A comunicação de crime indicava enquadramento no art. 60 da Lei de Crimes Ambientais (fl. 09). Após a apresentação de defesa administrativa, o auto de infração foi julgado procedente em decisão que considerou ter sido provada a irregularidade: construção de empreendimento em área do patrimônio da União sem licença da autoridade competente (fls. 20/22). Curiosamente, embora tenha sido o IBAMA a julgar dito laudo, manteve o auto de infração por motivo absolutamente alheio a questões ambientais. A fls. 29/30, consta dos autos um laudo de vistoria sobre a barraca de propriedade do acusado. De suas conclusões finais lê-se o seguinte trecho, bastante elucidativo para o caso dos autos: "A área não é de preservação permanente e sim de domínio da União, por tratar-se de terreno de marinha, e de logradouro público infringindo a legislação ambiental", indicando a Lei 7661/88, art. 3º, inciso I, e o Código de Obras e Postura do Município. O laudo é datado de 04/11/2002. A fls. 41/43 consta dos autos Termo de Ajustamento de Conduta celebrado entre o acusado, o Gerente Regional do Patrimônio da União, Francisco Sales Leite Dantas, e o prefeito municipal de Cabedelo, José Francisco Régis. Em seu texto, além do reconhecimento pelo acusado de estar ocupando irregularmente um terreno de propriedade da União, estabelecia-se uma gradual transição para o uso regular de bens do patrimônio público, com a correlata suspensão das medidas de desocupação. A fls. 47/49 constam DARF's em nome do acusado, devidamente pagos, relacionados ao "ajustamento provisório de ocupação irregular em área de Marinha - domínio da União". Entre as fls. 102/107, novos DARF's. No âmbito judicial, após declinação da competência pelo juízo estadual para a justiça federal (em razão da natureza federal do bem imóvel), requereu o MPF que fosse oficiado o IBAMA para que informasse "se a suposta conduta delituosa do referido (sic) ocasionou dano ao meio ambiental (sic)", pedindo ainda que, caso positiva a resposta, fosse informado se já teria sido recuperado o dano (fl. 58). Em resposta, o IBAMA encaminhou cópia de relatório de vistoria realizada no local (fls. 67/69), onde consta a seguinte informação: "Conforme dito no referido laudo o ato infracional da barraca é estar localizada em terreno de marinha e na via pública e não de degradação, não tendo portanto o que reparar" (grifado). O ofício de fls. 36, falando em atividade potencialmente poluidora, além de não ter base em qualquer exame ou laudo, destoa completamente do laudo já constante dos autos, que indicava a inexistência de dano ambiental a reparar, bem como que a irregularidade da barraca cingia-se à questão patrimonial (nada mencionando sobre potencialidade poluidora). Em seu depoimento, a testemunha VALDIVAN RODRIGUES GOMES (fls. 202/204) disse lembrar-se de que a barraca teria sido autuada por estar em terreno de marinha, bem como por não possuir licença ambiental. Disse ainda que, ao que se recordava, o porte da barraca e o fato de possuir uma fossa tornava-a potencialmente poluidora. Disse também não saber se houve dano ambiental ou poluição. Mais à frente, a testemunha afirmou peremptoriamente que a questão da potencialidade poluidora da barraca não foi levada em conta pelo IBAMA no momento da autuação - não tendo feito parte dos motivos que conduziram à autuação. A testemunha FRANKLIN MAGALHÃES GONÇALVES (fls. 221/223), de sua parte, nada acrescentou sobre as questões de natureza ambiental que diziam respeito à ocupação pelo acusado, cingindo-se à questão puramente patrimonial. Por fim, o acusado, interrogado em juízo, afirmou que construiu sua barraca desde 1995, no final de uma rua, ainda fora da areia da praia. Afirma que teria licença de funcionamento da prefeitura municipal de Cabedelo e autorização da vigilância sanitária do mesmo município. Registrou ainda que, em determinado momento, tendo celebrado termo de ajustamento com a GRPU, passou ocupar o terreno com autorização da Gerência, pagando a importância de R$ 372,00 mensalmente. Disse ainda o acusado que se lembrava de uma vistoria realizada por técnicos do IBAMA e que, na ocasião, não teriam afirmado ser a barraca potencialmente poluidora, nem tampouco que haveria poluição, dano ambiental ou degradação. A irregularidade apontada limitava-se á sua localização em terreno de marinha e à existência de uma tenda, que foi prontamente retirada. Por fim, afirmou que é licenciado pelo IBAMA para a venda de caranguejos, e que o IBAMA frequentemente executa fiscalizações sobre esse comércio. Diante dos fatos e provas acima descritos, assistiria razão ao MPF em sua pretensão punitiva? Penso que não. Para a configuração do delito previsto no art. 60 da Lei de Crimes Ambientais é indispensável que se comprove a natureza potencialmente poluidora do empreendimento, sob pena de atipicidade do fato. O MPF alega que a barraca de praia de propriedade do acusado tem essa característica, mas não consta dos autos laudo algum relativo a exame para tal comprovação (nem tampouco requerimento do órgão acusador nesse sentido). O próprio IBAMA, ao ser instado a se manifestar, disse formalmente que a irregularidade encontrada cingia-se ao fato de localizar-se a barraca em terreno de marinha, propriedade da União, dizendo expressamente que nada havia a recuperar em termos de dano ambiental. Esse órgão ambiental, esclarecendo a questão, afirmou que não havia sobre o empreendimento irregularidade ambiental (para o que seria competente), mas apenas quanto ao patrimônio da União, dizendo respeito a área de fiscalização pela Gerência Regional do Patrimônio da União (GRPU). Diante de todos esses fundamentos, não vejo como seja possível enquadrar a conduta do acusado no fato típico previsto no art. 60 da Lei dos Crimes Ambientais, pois não há prova de que o empreendimento fosse potencialmente poluidor, e mesmo o IBAMA afirmou expressamente que a irregularidade reportada se restringia a uma questão patrimonial - não ambiental. Se o empreendimento fosse potencialmente poluidor e não estivesse licenciado, parece-me óbvio que assim teria dito oficialmente o IBAMA e, mais logicamente ainda, por esse motivo específico teria sido autuado o acusado, o que não ocorreu. Por esses motivos, entendo que a conduta do acusado não se subsume ao tipo do art. 60 da Lei n. 9.605/98. Quanto ao tipo descrito no art. 64 da Lei de Crimes Ambientais, não vejo, igualmente, possibilidade de enquadramento da conduta praticada pelo acusado. Uma vez mais, retomo a consideração de que o IBAMA - órgão federal encarregado de fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental - não procedeu a qualquer autuação nesse sentido e, quando instado a se manifestar, apontou irregularidade restrita a questões de utilização de patrimônio público, afeta à fiscalização da Gerência Regional do Patrimônio da União. Para subsunção do fato ao tipo do art. 64, é indispensável que se configure a natureza "não edificável" do lugar em que se haja realizado a construção. Essa natureza deve advir de características relativas ao seu valor paisagístico, histórico, ecológico, artístico etc., nos termos da redação dada pelo mesmo dispositivo. A quem cabe, primordialmente (não exclusivamente), ajuizar dessa característica? Penso que seja novamente o IBAMA. Comparecendo ao local, o IBAMA, em momento algum, procedeu a autuação do acusado por esse motivo e, instado a se manifestar, não reconheceu dita irregularidade no empreendimento do réu. A julgar pelos depoimentos colhidos ao longo da instrução e pelas fotos existentes nos autos, não se pode apontar com segurança de que o terreno possa ser enquadrado como "não edificável" - nos estritos termos da rígida moldura do art. 64 da Lei dos Crimes Ambientais. Vigendo aqui o princípio da tipicidade e da legalidade, não se pode validamente flexibilizar o exame da referida elementar para alargar-se o campo de incidência da norma penal incriminadora. O exame deve ser rigoroso e a interpretação não pode ser extensiva. Por esses motivos, entendo que a conduta do acusado não se subsume ao tipo do art. 64 da Lei n. 9.605/98. Tendo-se discutido sobre a questão patrimonial do suposto uso indevido de patrimônio público pelo acusado, ainda seria possível cogitar de eventual enquadramento de sua conduta em algum dos tipos correlatos. Contudo, o acusado alegou que estava, desde o início, autorizado a manter seu empreendimento no local onde hoje se encontra, inicialmente pela prefeitura e posteriormente pela GRPU. Afirmou, inclusive, que pagou durante certo tempo à GRPU uma taxa pela utilização do solo, apresentando comprovantes para juntada aos autos. Afirmou também que tal ocupação foi objeto de termo de ajustamento de conduta, o que foi igualmente provado. Ainda que se possa argumentar com a inutilidade desses atos e documentos para legitimar a utilização do terreno de marinha pelo acusado, não se pode negar que esses mesmo documentos demonstram a atuação do acusado em franca boa-fé. Essa circunstância, a meu juízo, exclui completamente o dolo em relação a qualquer delito pela utilização indevida de bens imóveis da União, tornando atípica qualquer conduta, ainda que objetivamente se enquadrasse em eventual definição abstrata contida em lei penal. DIANTE DO EXPOSTO e pelo mais que dos autos consta, com base no art. 386, incisos III e VI, do Código de Processo Penal e art. 81 da Lei n. 9.099/95, julgo improcedente o pedido contido na denúncia para absolver o acusado Sebastião da Silva Soares. Custas ex lege. Transitada em julgado a presente sentença, certifique-se, dê-se baixa na distribuição e arquivem-se os autos. Publique-se. Registre-se no sistema informatizado. Intime-se o réu e seu defensor. Cientifique-se o MPF. João Pessoa, 03 de julho de 2008." (grifei) O Mandado de Segurança pressupõe prova inequívoca e pré-constituída. Na hipótese, há controvérsia fática quanto à área ocupada, independentemente do ilícito penal ambiental. ISTO POSTO, indefiro a liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão da União. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 4.12.2009". (grifos no original) O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela denegação da segurança (fls. 132/135). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento adotado no exame do pedido de liminar (fls. 115/123). O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 15/16): "a) a SUSPENSÃO LIMINAR DA DEMOLIÇÃO da barraca do ora Paciente, denominada "Tião do Caranguejo", nos termos da Notificação º 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, do Superintendente do Patrimônio da União na Paraíba; b) o deferimento do pedido de LIMINAR, assegurando ao Impetrante o direito de sua barraca ali permanecer até decisão judicial em contrário; ... d) que seja, no mérito, confirmada a liminar, com a concessão da segurança, tornando sem efeito o ato constritivo da autoridade coatora, e que a barraca do Paciente, denominada "TIÃO DO CARANGUEJO" permanece no local em que se encontra, conforme autoriza o TERMO DE AJUSTAMENTO PROVISÓRIO, enquanto durar o seu prazo de validade, ou qualquer outro fato superveniente..." (grifei) Conforme assentou a decisão, em 21.03.2005, o Impetrante celebrou com a Gerência de Patrimônio da União na Paraíba, em conjunto com a Prefeitura de Cabedelo, o Termo de Ajustamento Provisório - TAP. O Gerente Regional de Patrimônio da União na Paraíba proferiu decisão em 06.06.2007 cancelando o TAP e desautorizando o funcionamento do estabelecimento, porque edificado em área de preservação ambiental e de uso comum do povo (praia), que é área não edificável, com fechamento parcial de rua, tendo o Impetrante sido comunicado por meio do Ofício nº 365/GAB/GRPU/PB, de 22.06.2007, com a advertência de que o não cumprimento da decisão implicará imposição de multa por ocupação irregular e "a remoção do aterro, construção, obras e equipamentos instalados no local", previsto no artigo 6º do Decreto-Lei nº 2.398/1987, na redação dada pela Lei nº 9.636/1998 c/c artigo 11 da Lei nº 9.636/1998. O Ministério Público Federal expediu a Recomendação nº 06/2009, de 02.09.2009, da lavra do Exmº Procurador da República, Dr. José Guilherme Ferraz da Costa, dirigida ao Gerente Regional de Patrimônio da União na Paraíba, recomendando a adoção de providência de retirada do estabelecimento "Tião do Caranguejo", em face da ocupação irregular da área de praia em Cabedelo. A autoridade impetrada expediu ao Impetrante a Notificação nº 018/GAB/SPU/PB, de 16.09.2009, reiterando a desocupação da área. O Impetrante apresentou recurso, que foi indeferido e comunicado ao Impetrante por meio da Comunicação nº 51/GAB/SPU/PB, de 19.10.200. O parecer ministerial, da lavra do Exmo. Procurador da República, Dr. Yordan Moreira Delgado, percuciente sobre a questão, é no sentido da denegação da segurança, sob a premissa de que "o impetrante sempre ocupou, de maneira irregular, área de preservação permanente (APP) e de uso comum do povo, sem que para tanto possua o devido título autorizador ou licença ambiental exarada pelos órgãos complementares" e que "A ilicitude da ocupação existe tanto por estar situada irregularmente em área de domínio da União, como por ocupar área legalmente definida como de praia, ainda, por estar causando inegável poluição ambiental e destruição do ecossistema local, não restando outra alternativa senão a demolição/remoção da referida construção, de modo a cessar imediatamente as agressões ambientais" (fls. 132/135). A legislação, no caso, autoriza a remoção, em razão da ocupação indevida. Diante do exposto, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 20 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. Art. 8o Será decretada a perempção ou caducidade da medida liminar ex officio ou a requerimento do Ministério Público quando, concedida a medida, o impetrante criar obstáculo ao normal andamento do processo ou deixar de promover, por mais de 3 (três) dias úteis, os atos e as diligências que lhe cumprirem. Art. 9o As autoridades administrativas, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas da notificação da medida liminar, remeterão ao Ministério ou órgão a que se acham subordinadas e ao Advogado-Geral da União ou a quem tiver a representação judicial da União, do Estado, do Município ou da entidade apontada como coatora cópia autenticada do mandado notificatório, assim como indicações e elementos outros necessários às providências a serem tomadas para a eventual suspensão da medida e defesa do ato apontado como ilegal ou abusivo de poder. 3 Art. 6o A realização de aterro, construção ou obra e, bem assim, a instalação de equipamentos no mar, lagos, rios e quaisquer correntes de água, inclusive em áreas de praias, mangues e vazantes, ou em outros bens de uso comum, de domínio da União, sem a prévia autorização do Ministério da Fazenda, importará: (Redação dada pela Lei nº 9.636, de 1998) I - na remoção do aterro, da construção, obra e dos equipamentos instalados, inclusive na demolição das benfeitorias, à conta de quem as houver efetuado; e (Redação dada pela Lei nº 9.636, de 1998) II - a automática aplicação de multa mensal em valor equivalente a R$ 30,00 (trinta reais), atualizados anualmente em 1o de janeiro de cada ano, mediante portaria do Ministério da Fazenda, para cada metro quadrado das áreas aterradas ou construídas, ou em que forem realizadas obras ou instalados equipamentos, que será cobrada em dobro após trinta dias da notificação, pessoal, pelo correio ou por edital, se o infrator não tiver removido o aterro e demolido as benfeitorias efetuadas. (Redação dada pela Lei nº 9.636, de 1998) 4 Art. 11. Caberá à SPU a incumbência de fiscalizar e zelar para que sejam mantidas a destinação e o interesse público, o uso e a integridade física dos imóveis pertencentes ao patrimônio da União, podendo, para tanto, por intermédio de seus técnicos credenciados, embargar serviços e obras, aplicar multas e demais sanções previstas em lei e, ainda, requisitar força policial federal e solicitar o necessário auxílio de força pública estadual. § 1o Para fins do disposto neste artigo, quando necessário, a SPU poderá, na forma do regulamento, solicitar a cooperação de força militar federal. § 2o A incumbência de que trata o presente artigo não implicará prejuízo para: I - as obrigações e responsabilidades previstas nos arts. 70 e 79, § 2o, do Decreto-Lei no 9.760, de 1946; II - as atribuições dos demais órgãos federais, com área de atuação direta ou indiretamente relacionada, nos termos da legislação vigente, com o patrimônio da União. § 3o As obrigações e prerrogativas previstas neste artigo poderão ser repassadas, no que couber, às entidades conveniadas ou contratadas na forma dos arts. 1o e 4o. § 4o Constitui obrigação do Poder Público federal, estadual e municipal, observada a legislação específica vigente, zelar pela manutenção das áreas de preservação ambiental, das necessárias à proteção dos ecossistemas naturais e de uso comum do povo, independentemente da celebração de convênio para esse fim. 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 12 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0009053-52.2009.4.05.8200 EDCARLOS DUARTE DE PAULA SANTOS (Adv. SYLVIO TORRES FILHO, PATRICIA ELLEN M. DE A. PONTES, LILIAN CATIANI CORREIA DE FREITAS, PAULO ANDRE MARQUES DE LUCENA) x PRESIDENTE DO CRECI - CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS DA 21ª REGIÃO/PB (Adv. SEM ADVOGADO)

Vista ao Impetrante, por 05 (cinco) dias, dos documentos que instruem as informações da autoridade impetrada, concernentes ao pagamento do débito objeto do Auto de Infração n.º 4254 (fls. 89/92), e para manifestar interesse no prosseguimento do feito, se ainda houver. Publique-se.

   

0009504-77.2009.4.05.8200 MUNICIPIO DE ITATUBA (Adv. FABRICIO BELTRÃO DE BRITTO) x CHEFE DA UNIDADE DO IBGE NA PARAIBA - SUBSEÇÃO JOÃO PESSOA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.9504-8 - CLASSE 126 - MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MUNICÍPIO DE ITATUBA (PB) ADVOGADO: FABRÍCIO BELTRÃO DE BRITTO IMPETRADO: CHEFE DA UNIDADE DO IBGE NA PARAÍBA - SUBSEÇÃO JOÃO PESSOA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado pelo Município de Itatuba (PB) em face do Chefe da Unidade do IBGE na Paraíba - Subseção João Pessoa, com pedido de liminar visando assegurar a percepção do FPM no percentual de 0,8% e, ao final, a confirmação da liminar, de acordo com a população que alcança mais de 10.188 habitantes do Município de Itatuba. O Impetrante afirma o seguinte: 1) O IBGE, em cumprimento à Lei nº 8.443/1992, publicou no Diário Oficial da União de 14.08.2009 as estimativas populacionais para os municípios brasileiros, que devem ser enviadas ao TCU até 31.10.2009, para efeito de cálculo dos recursos do FPM que serão destinados às edilidades, na forma do artigo 91 do CTN, e, no caso do Impetrante, fixou a população em 10.182 habitantes. 2) Não concordando com a estimativa populacional, porque irreal, ingressou com reclamação junto ao IBGE, alegando ser maior a população com base nas várias obras de estrutura física, o crescimento exponencial no período decenal anterior, os números dos programas sociais e de saúde da família, o número de alunos matriculados na rede municipal de ensino, os números da Secretaria Municipal de Saúde, os questionamentos ligados às fronteiras com outros municípios envolvendo comunidades locais, e documentos do cartório de registro civil sobre taxa de natalidade e número de óbitos, resultando em, no mínimo, 24 habitantes a mais do que aquela estimativa, o que dá o direito a receber o FPM no coeficiente de 0,8%. 3) A Reclamação foi julgada improcedente, de modo que continuará a receber o FPM no coeficiente de 0,6% , porque está enquadrado indevidamente entre os municípios com população de até 10.182 habitantes, o que gera graves transtornos de ordem financeira e orçamentária. Acrescenta que "tem direito líquido e certo de ver sua população fixada no número real de habitantes, levando em consideração todas as provas que forma juntadas na reclamação administrativa e tendo em vista a principal argumentação de que no lapso temporal para impetrar a reclamação administrativa, este Município já detinha mais 24 habitantes do que fixado na publicação originária." Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 16/44). Em cumprimento ao despacho de fls. 46, o Impetrante apresentou cópia do OFÍCIO/UEPB/GAB nº 283/2009/IBGE (fls. 48/56). É o relatório. Decido. Há controvérsia quanto ao número de habitantes do Município de Itatuba, o qual afirma que é superior a 10.182 habitantes (estimativa fixada pelo IBGE para 01.07.2009) em, no mínimo, 24 habitantes, contados, inclusive desde a publicação oficial da estimativa em agosto de 2009, reportando-se a fontes de consulta, tais como número de beneficiários de programas sociais (bolsa-família) e de saúde da família, número de alunos matriculados na rede municipal de ensino, estimativa populacional da Secretaria Municipal de Saúde e números de cartório de registro civil sobre taxa de natalidade e número de óbitos, entre outras, que instruíram reclamação que protocolou junto ao IBGE na Paraíba (fls. 30/35). Em resposta, o IBGE na Paraíba, por meio da autoridade impetrada, discorreu sobre os critérios e procedimentos técnicos adotados no cálculo da estimativa populacional, e indeferiu a reclamação (cf. OFÍCIO/UEPB/GAB nº 283/2009, de 17.12.2009, fls. 49/56) e acenou "Como pode ser observado, o Municio em questão teve ganhos em sua população segundo os resultados censitários de 200 e 2007. Em decorrência da incorporação dos fatores de ajuste, a estimativa da população correspondente ao ano de 2008 acarretou uma taxa de crescimento mais elevada, o que concorreu para que o Município alcançasse o efetivo apresentado no quadro anterior (EST 2008). Ao retomar a tendência observada de 2000 e 2007, a população estimada para o Município posiciona-se no patamar mostrado no mesmo quadro (EST 2009)." Rebateu os números apresentados pelo Impetrante, por exemplo: "No que se refere ao número de matrículas escolares, cabe esclarecer que esta variável também não é um bom indicador, pois esta informação pode estar sobrenumerada em função de existirem alunos matriculados em municípios vizinhos aos da residência e/ou existir duplicidade de registro de matrículas nos livros de registro escolar" e "Em se tratando do número de nascimentos, cabe observar que este não constitui um indicador suficiente para explicar a dinâmica das populações municipais, pois além de incluir registros de nascimentos tardios (pessoas que não nasceram no ano de referência do registro), fica-se em informações sobre os óbitos ocorridos no mesmo período, bem como sobre a população migrante." E, por fim, informou que "Cabe salientar que o IBGE se prepara para realizar, em 2010, seu próximo Censo Demográfico, oportunidade que contemplará elementos substantivos e robustos para atualizar as estimativas populacionais para a próxima década." Vê-se que há, efetivamente, controvérsia fática, cuja resolução demanda dilação probatória, a qual, entretanto, não se ajusta ao rito célere da ação mandamental sob a regência da Lei nº 12.016/2009, que exige prova pré-constituída. Com efeito, a certeza dos fatos é pressuposto para a configuração do direito. Em outras palavras: quando há fato certo, que não necessita de dilação probatória para sua caracterização, aparece o cabimento da ação mandamental. Quando não há fato certo, a hipótese é de não cabimento. Quando há fato certo e não há lesão a direito o caso é de cabimento, com a denegação da segurança. Esclarecem os precedentes2. Por outro lado, a autoridade impetrada não possui legitimidade no que concerne à pretensão de fixação do coeficiente do FPM, que é atribuição do TCU, nos termos do artigo 1º, inciso VI, c/c artigo 102 da Lei nº 8.443/19923. Diante do exposto, indefiro a petição inicial, nos termos do artigo 10 da Lei nº 12.016/2009, ressalvadas as vias próprias para a discussão da matéria. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se o Impetrante. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquivem-se os autos com as cautelas legais. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara CLS CLS 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Direito líquido e certo é que resulta de fato certo, e fato certo é aquele capaz de ser comprovado de plano (RSTJ 4/1427, 27/140), por documento inequívoco (RTJ 83/130, 83/855, RSTJ 27/169), e independentemente de exame técnico (RTFR 160/329). É necessário que o pedido seja apoiado 'em fatos incontroversos, e não em fatos complexos, que reclamam produção e cotejo de provas' (RTJ 124/948; neste sentido: STJ-RT 676/187). Não se admite a comprovação 'a posteriori' do alegado na inicial (RJTJESP 112/225); 'com a inicial, deve o impetrante fazer prova indiscutível, completa e transparente de seu direito líquido e certo. Não é possível trabalhar à base de presunções' (STJ-2ª Turma, RMS 929-SE, rel. Min. José de Jesus Filho, j. 20.5.91, negaram provimento, v.u., DJU 24.6.91, p. 8.623, 2ª col., em). .... 'A complexidade dos fatos não exclui o caminho do mandado de segurança, desde que todos se encontrem comprovados de plano' (STF-RT 594/248) ... 'A estreita via do writ of mandamus não se presta a que as partes possam produzir provas' (STJ-1ª Seção, MS 462-DF, rel. Min. Pedro Acioli, j. 25.9.90, mandado indeferido, v.u., DJU 22.10.90, p. 11.646, 2ª col., em) ... 'Descabe mandado de segurança para postulação baseada em fato a demandar dilação probatória' (RSTJ 55/325)" (Anotado em: NEGRÃO, Theotônio. Código de Processo Civil e Legislação Processual em Vigor. 27ª ed., São Paulo: Saraiva, 1996, p. 1.081) 3 Art. 1° Ao Tribunal de Contas da União, órgão de controle externo, compete, nos termos da Constituição Federal e na forma estabelecida nesta Lei: I - julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos das unidades dos poderes da União e das entidades da administração indireta, incluídas as fundações e sociedades instituídas e mantidas pelo poder público federal, e as contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte dano ao Erário; II - proceder, por iniciativa própria ou por solicitação do Congresso Nacional, de suas Casas ou das respectivas comissões, à fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial das unidades dos poderes da União e das demais entidades referidas no inciso anterior; III - apreciar as contas prestadas anualmente pelo Presidente da República, nos termos do art. 36 desta Lei; IV - acompanhar a arrecadação da receita a cargo da União e das entidades referidas no inciso I deste artigo, mediante inspeções e auditorias, ou por meio de demonstrativos próprios, na forma estabelecida no Regimento Interno; V - apreciar, para fins de registro, na forma estabelecida no Regimento Interno, a legalidade dos atos de admissão de pessoal, a qualquer título, na administração direta e indireta, incluídas as fundações instituídas e mantidas pelo poder público federal, excetuadas as nomeações para cargo de provimento em comissão, bem como a das concessões de aposentadorias, reformas e pensões, ressalvadas as melhorias posteriores que não alterem o fundamento legal do ato concessório; VI - efetuar, observada a legislação pertinente, o cálculo das quotas referentes aos fundos de participação a que alude o parágrafo único do art. 161 da Constituição Federal, fiscalizando a entrega dos respectivos recursos; VII - emitir, nos termos do § 2º do art. 33 da Constituição Federal, parecer prévio sobre as contas do Governo de Território Federal, no prazo de sessenta dias, a contar de seu recebimento, na forma estabelecida no Regimento Interno; VIII - representar ao poder competente sobre irregularidades ou abusos apurados, indicando o ato inquinado e definindo responsabilidades, inclusive as de Ministro de Estado ou autoridade de nível hierárquico equivalente; IX - aplicar aos responsáveis as sanções previstas nos arts. 57 a 61 desta Lei; X - elaborar e alterar seu Regimento Interno; XI - eleger seu Presidente e seu Vice-Presidente, e dar-lhes posse; XII - conceder licença, férias e outros afastamentos aos ministros, auditores e membros do Ministério Público junto ao Tribunal, dependendo de inspeção por junta médica a licença para tratamento de saúde por prazo superior a seis meses; XIII - propor ao Congresso Nacional a fixação de vencimentos dos ministros, auditores e membros do Ministério Público junto ao Tribunal; XIV - organizar sua Secretaria, na forma estabelecida no Regimento Interno, e prover-lhe os cargos e empregos, observada a legislação pertinente; XV - propor ao Congresso Nacional a criação, transformação e extinção de cargos, empregos e funções de quadro de pessoal de sua secretaria, bem como a fixação da respectiva remuneração; XVI - decidir sobre denúncia que lhe seja encaminhada por qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato, na forma prevista nos arts. 53 a 55 desta Lei; XVII - decidir sobre consulta que lhe seja formulada por autoridade competente, a respeito de dúvida suscitada na aplicação de dispositivos legais e regulamentares concernentes a matéria de sua competência, na forma estabelecida no Regimento Interno. § 1° No julgamento de contas e na fiscalização que lhe compete, o Tribunal decidirá sobre a legalidade, de legitimidade e a economicidade dos atos de gestão e das despesas deles decorrentes, bem como sobre a aplicação de subvenções e a renúncia de receitas. § 2° A resposta à consulta a que se refere o inciso XVII deste artigo tem caráter normativo e constitui prejulgamento da tese, mas não do fato ou caso concreto. § 3° Será parte essencial das decisões do Tribunal ou de suas Câmaras: I - o relatório do Ministro-Relator, de que constarão as conclusões da instrução (do relatório da equipe de auditoria ou do técnico responsável pela análise do processo, bem como do parecer das chefias imediatas, da unidade técnica), e do Ministério Público junto ao Tribunal; II - fundamentação com que o Ministro-Relator analisará as questões de fato e de direito; III - dispositivo com que o Ministro-Relator decidirá sobre o mérito do processo. Art. 102. A Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ou entidade congênere fará publicar no Diário Oficial da União, até o dia 31 de agosto de cada ano, e para os fins previstos no inciso VI do art. 1° desta Lei, a relação das populações por Estados e Municípios. § 1° Os interessados, dentro do prazo de vinte dias da publicação, poderão apresentar reclamações fundamentadas à Fundação IBGE, que decidirá conclusivamente. § 2° Até o dia 31 de outubro de cada ano, a Fundação IBGE encaminhará ao Tribunal de Contas da União a relação referida neste artigo. ?? ?? ?? ??

   

MEDIDA CAUTELAR DE EXIBIÇÃO

   

0006566-46.2008.4.05.8200 JOAO ANTONIO DE SOUZA (Adv. DEORGE ARAGAO DE ALMEIDA, MARTINHO FAUSTINO XAVIER JUNIOR, KARLA SUIANY DE ALMEIDA MANGUEIRA GUEDES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2008.82.6566-0 - CLASSE 137 AÇÃO CAUTELAR DE EXIBIÇÃO REQUERENTE: JOÃO ANTÔNIO DE SOUZA ADVOGADO: DEORGE ARAGÃO DE ALMEIDA REQUERIDA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADO: LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Cautelar de Exibição movida por João Antônio de Souza em face da Caixa Econômica Federal - CAIXA, visando à apresentação, pela CAIXA, de requerimento por escrito da correntista, Patrícia Meira Bento, solicitando a sustação do pagamento dos cheques emitidos em favor do Requerente, bem como do boletim de ocorrência policial, cartão de autógrafos ou outro documento que justifique a sustação do mencionado cheque. O Requerente afirma o seguinte: 1) Recebeu os cheques de nºs. 900138 e 900139, nos valores de R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos reais) e R$ 12.712,00 (doze mil setecentos e doze reais), respectivamente, da Caixa Econômica Federal - CAIXA, Agência nº. 104, os quais foram sustados com fundamento na "alínea 22 - Divergência de Assinatura"; 2) No entanto, a CAIXA não apresentou, documentalmente, a justificativa plausível para a negativa de pagamento dos cheques, através da apresentação dos motivos apresentados pela correntista, por escrito, para a sustação dos mencionados cheques, ou mesmo de boletim de ocorrência policial, conforme determinado pelas Resoluções do Banco Central do Brasil nºs. 2.537/1998 e 2.747/2000. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 15/19). Intimada, a CAIXA apresentou resposta (fls. 28/33), argüindo: 1) A exibição dos documentos pleiteados pelo Requerente é vedada pela Lei Complementar nº. 105/2001, que estabelece a obrigação das instituições financeiras que observarem o sigilo bancário em suas operações ativas, passivas e demais serviços prestados; 4) Por outro lado, nos termos do art. 25 da Resolução BACEN nº. 1.682, a instituição financeira é obrigada, tão-somente, a prestar informações relativas à devolução do cheque pelos motivos 11 a 14, 21, 22 e 31, o que implica informar o endereço e outros dados que permitam a identificação do emitente. O Requerente apresentou impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 38/51). Em cumprimento ao despacho de fl. 53, o Requerente apresentou cópias das petições iniciais das ações cautelares nºs. 2007.82.1851-3, 2008.82.3610-6 e 2007.82.5189-9 (fls. 67/107). Com vista dos documentos apresentados pelo Requerente, a Caixa não se manifestou (fl. 116). É o relatório. Decido. Examinando o mérito da causa, chego à conclusão de que assiste razão ao Requerente em propor sua postulação. Sendo indispensável a fundamentação do pedido de oposição para sustação do pagamento de cheque (conforme expressa previsão na Lei do Cheque, arts. 25 e 26) e não sendo permitido à instituição bancária questionar o mérito dos motivos apresentados, a conclusão a que se chega é que tal motivação (da oposição) deverá ser utilizada em outra instância de decisão: o poder judiciário. Penso, desse modo, que dita motivação tem o objetivo de permitir uma apreciação sobre a licitude da conduta do autor da oposição, o que deverá ser feito em sede de ação civil por enriquecimento ilícito a ser manejada pela possuidora dos cheques sustados. O conhecimento dos motivos da sustação poderá convencê-la de que foi legítima a oposição ou mesmo instrumentá-la a comprovar judicialmente a abusividade e pleitear indenização por danos morais e/ou materiais. Desse modo, o documento interessa diretamente ao Autor que, para exercer seu direito de ação por enriquecimento ilícito ou mesmo por danos morais e/ou materiais, terá de ter conhecimento dos motivos utilizados para justificação da oposição. A exibição dos documentos requeridos - cartas de oposição com os documentos que as possam ter instruído - terão o condão de permitir ao Requerente o exercício de ação para salvaguarda de direitos patrimoniais afetados pelo ato de oposição. Em razão disso, e considerando que os documentos cuja exibição se pede diz respeito diretamente à parte autora (inclusive através do que foi dito no item I, supra), podendo servir ao futuro exercício do direito de ação para proteção de direito subjetivo individual, entendo que assiste razão ao Autor em sua pretensão, aplicando-se o disposto no art. 358 do CPC. Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido para assegurar ao Requerente a exibição, no prazo de 10 (dez) dias, dos requerimentos por escrito apresentados à CAIXA pela correntista, Patrícia Meira Bento, que motivou a sustação dos pagamentos, com fundamento no "motivo 22", dos cheques nºs. 900138 e 900139, nos valores de R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos reais) e R$ 12.712,00 (doze mil setecentos e doze reais), respectivamente, da Caixa Econômica Federal - CAIXA, Agência nº. 104, emitidos em favor do Demandante, bem como do boletim de ocorrência policial, se existente. Condeno a Caixa ao pagamento de honorários advocatícios no valor de R$ 83,00 (oitenta e três reais), correspondente ao percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor atribuído à causa, na quantia de R$ 415,00 (quatrocentos e quinze reais - art. 20, § 4º, do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. ?? ?? ?? ??

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0002042-69.2009.4.05.8200 MUNICIPIO DE MAMANGUAPE/PB (Adv. NELSON DE OLIVEIRA SOARES, ROGERIO FONSECA DA COSTA, CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.2042-5, CLASSE 148 AÇÃO CAUTELAR REQUERENTE: MUNICÍPIO DE MAMANGUAPE ADVOGADOS: CELSO FERNANDES DA SILVA JÚNIOR, NÉLSON DE OLIVEIRA SOARES, ROGÉRIO FONSECA DA COSTA E ROGÉRIO DE MORAIS ALVES REQUERIDA: UNIÃO PROCURADOR: MATEUS FERNANDES DE SOUZA MENDES S E N T E N Ç A1 O Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, reservou-se para apreciar o pedido de liminar após a resposta da União, nos seguintes termos (fls. 79/80): "Determinei a intimação do Requerente para comprovar a inscrição no CAUC/SIAFI e a respectiva natureza, nos seguintes termos (fls. 49/50): "Cuida-se de Ação Cautelar, preparatória de "ação principal", movida pelo Município de Mamaguape em face da União, com pedido de liminar visando "suspenda as inscrições positivas nos cadastros do CAUC/SIAFI, constantes em nome do Município de Mamanguape/PB, até decisão posterior definitiva, proibindo, ainda, que novas inclusões ocorram pelo mesmo fato, tudo em conformidade com a argumentação esposada e com a documentação carreada, determinando, via de conseqüência, a emissão de Certidão Negativa de Débitos (CND), ou mesmo Certidão Positiva com Efeitos de Negativa (CP-EN), pela Secretaria da Receita Federal neste Estado." O Requerente afirma o seguinte: 1) Possui inscrição positiva no CAUC/SIAFI em face da má gestão financeira de administrações anteriores, que não procederam ao correto recolhimento das contribuições previdenciárias. 2) A existência de inscrição no CAUC/SIAFI impede a celebração de novos convênios para transferências voluntárias de recursos ou a renovação dos já existentes. 3) Tentou efetuar o parcelamento previsto na Medida Provisória nº 457, de 10.02.2009, sem lograr êxito, pois a referida MP carece de regulamentação, e requereu à Delegacia da Receita Federal do Brasil em João Pessoa a expedição da CND ou da CP-EN até a implementação do parcelamento, mas o órgão se recusou a receber o requerimento. Acompanham a petição inicial os documentos de fls. 15/46. Intime-se o Requerente para comprovar, em 10 (dez) dias, a inscrição no CAUC/SIAFI e a respectiva natureza (artigo 801, inciso V, do CPC2). João Pessoa, 21 MAR 2009." O Requerente apresentou documentos em que consta a existência de débito(s) previdenciário(s) que ensejou(aram) a inscrição do Município de Mamanguape no CAUC (fls. 52/77). É o relatório. Decido. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão dos advogados que figuram na procuração de fls. 54. Reservo-me para apreciar o pedido de liminar após a resposta da União, que deverá vir instruída com cópia de eventual parcelamento de débito(s) previdenciário(s) celebrado com o Requerente e informação sobre a regularidade. Cite-se. João Pessoa, 06 ABR 2009". (grifos no original) A União apresentou contestação (fls. 84/85), afirmando que os pedidos formulados pelo Requerente foram atendidos na via administrativa, uma vez que os débitos foram parcelados e suspensas as inscrições no SIAFI, com a consequente emissão de certidão, e requereu a extinção do processo, sem resolução do mérito. Intimado, o Requerente não se manifestou (fl. 87). Em cumprimento ao despacho de fl. 87, a União apresentou documentos (fls. 89/92). Com vista, o Requerente não se manifestou (fl. 94). Intimado pessoalmente, o Requerente não se pronunciou (fl. 100). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. Na hipótese dos autos, o Município Requerente foi intimado, por duas vezes, para manifestar-se sobre as afirmações da União no sentido da satisfação do pleito cautelar na via administrativa, conforme despachos de fls. 86 e 95. No entanto, o Requerente não se manifestou, inclusive na ocasião em que lhe foi dada vista dos autos (fl. 93). Observo, por outro lado, que o Município Demandante foi intimado pessoalmente com o propósito de cumprir a determinação judicial, não havendo manifestação a esse respeito (fls. 95/99). No caso, a omissão do Requerente em cumprir as determinações judiciais constantes nos despachos de fls. 86 e 95, configura abandono da causa, dando ensejo à aplicação do art. 267, inciso III, e § 1º, do CPC3. Diante do exposto, declaro a extinção do processo, sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, § 1º, do CPC. Condeno o Requerente ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 475, I, do CPC. João Pessoa/PB, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 801. O requerente pleiteará a medida cautelar em petição escrita, que indicará: I - a autoridade judiciária, a que for dirigida; II - o nome, o estado civil, a profissão e a residência do requerente e do requerido; III - a lide e seu fundamento; IV - a exposição sumária do direito ameaçado e o receio da lesão; V - as provas que serão produzidas. Parágrafo único. Não se exigirá o requisito do no III senão quando a medida cautelar for requerida em procedimento preparatório. 3 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." (grifado) ?? ?? ?? ??

   

0005697-49.2009.4.05.8200 MEGA POSTO DE COMBUSTIVEIS LTDA (Adv. FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS) x ANP - AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIÃO

PROCESSO Nº 2009.82.5697-3 - CLASSE 148 MEDIDA CAUTELAR INOMINADA REQUERENTE: MEGA POSTO DE COMBUSTÍVEIS LTDA ADVOGADO: FABRÍCIO MONTENEGRO DE MORAIS REQUERIDA: ANP - AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO D E C I S Ã O Cuida-se de Embargos de Declaração (fls. 94/95) opostos por Mega Posto de Combustíveis Ltda à decisão que proferi às fls. 91/92. O Embargante aponta omissão na decisão, uma vez que não houve a apreciação do pedido de liminar formulada na petição inicial, no sentido da garantia da dívida questionada e exclusão do nome do Requerente do CADIN. Pede o "reconhecimento e acolhimento dos presentes embargos, inclusive para apreciar o pedido de liminar" (fl. 95). É o relatório. Decido. Na decisão que proferi às fls. 91/92, determinei a suspensão da presente ação cautelar até o julgamento da Ação Ordinária nº. 2008.34.00.010871-3, em tramitação na 8ª Vara Federal do Distrito Federal, nos seguintes termos: "(...) Observo que tramita na 8ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal a Ação Ordinária nº. 2008.34.00.010871-3, originária da Ação Ordinária nº. 2006.82.002863-0, com tramitação ocorrida na 3ª Vara desta Seção Judiciária, objetivando a declaração de inexistência de relação jurídica que imponha à Autora a obrigação pelo pagamento de qualquer valor, em decorrência do Auto de Infração nº. 139511 lavrado pela ANP (cf. cópia da petição inicial e consulta processual fls. 52/60 e 88/89). Nos termos do art. 265 do CPC, cabe ao Juiz suspender o processo quando a sentença de mérito depender do julgamento de outra ação ou da declaração da existência ou inexistência da relação jurídica objeto de questionamento em outra causa. Diante do exposto, determino a suspensão da presente ação o julgamento da Ação Ordinária nº. 2008.34.00.010871-3, em tramitação na 8ª Vara Federal do Distrito Federal. Intime-se o Requerente. João Pessoa, 01 DEZ 2009". (grifos no original) Determinei a suspensão do feito por entender aplicável à espécie a norma prevista no art. 265 do CPC, no sentido de que a sentença de mérito a ser proferida nesta ação depende da declaração quanto à existência ou inexistência da relação jurídica objeto de questionamento na Ação Ordinária nº. 2008.34.00.010871-3. Observo que a suspensão do processo, uma vez verificada a hipótese normativa do art. 265 do CPC, não há, necessariamente, que ser diferida em razão da existência de pedido de liminar, cujo objeto é também parte integrante do mérito a ser julgado por ocasião da prolação da sentença. Diante do exposto, à míngua de omissão, mantenho os termos da decisão que proferi às fls. 91/92 e nego provimento aos Embargos de Declaração. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 4 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000223-63.2010.4.05.8200 MATHEUS BARRETO DE OLIVEIRA, REPR. POR, MARIA DAS GRAÇAS SILVA DOS SANTOS (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Intime-se o advogado para apresentar procuração legível e em nome do representante do autor, no prazo de 10 (dez) dias. P. João Pessoa, Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

0000531-79.2004.4.05.8210 JOSE CARLOS RIBEIRO DE SOUZA (Adv. BENJAMIN DE SOUZA FONSECA SOBRINHO, MARIA DE FATIMA AMARAL DA SILVA, LUIZ DELGADO DA FONSECA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO)

Tendo em vista que devidamente intimado(fls.119, verso), o autor não efetuou o preparo das custas judiciais, dê-se baixa e arquive-se. Facultado o desarquivamento enquanto não transcorrido o prazo prescricional. Publique-se.

   

0001175-13.2008.4.05.8200 GIOVANNI GONDIM PETRUCCI (Adv. ANNIBAL PEIXOTO NETO, ANIBAL PEIXOTO FILHO, PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2008.82.1175-4 - CLASSE 17 - AÇÃO DE DESPEJO REQUERENTE: GIOVANNI GONDIM PETRUCCI ADVOGADOS: ANNÍBAL PEIXOTO FILHO, ANNÍBAL PEIXOTO NETO E PAULO AMÉRICO MAIA PEIXOTO REQUERIDO: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR: EDSON LUCENA NÉRI S E N T E N Ç A1 O Exmº Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, determinou a intimação do INSS para comprovar a desocupação do imóvel, nos seguintes termos (fls. 105/106): "Cuida-se de Ação de Despejo movida por Giovanni Gondim Petrucci em face do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, visando a desocupação do imóvel situado na Avenida Sérgio Guerra, 636, Bancários, João Pessoa. O Requerente afirma o seguinte: 1) Em 01.02.2001, firmou com o INSS o Contrato de Locação nº 001/2001, do imóvel localizado na Avenida Sérgio Guerra, 636, Bancários, João Pessoa, para funcionamento de Agência da Previdência Social/Sul/Bancários, com vigência de um ano, tendo sido prorrogada a locação e, posteriormente, em 10.02.2006, celebrou com o INSS o Contrato nº 001/2006, com vigência até 09.02.2007. 2) Em 08.02.2007 enviou correspondência ao INSS informando que não tinha mais interesse na renovação do contrato, uma vez que o estava vendendo, colocando-o à disposição do Instituto, caso se interessasse pela aquisição. 3) Em 09.05.2007, o INSS enviou correspondência ao Autor informando que não tinha interesse na aquisição do imóvel, tendo o locador concedido o prazo de um ano para entrega do imóvel, em 09.02.2008. 4) Apesar dos esforços despendidos pelo Autor para que o INSS desocupasse amigavelmente o imóvel em fevereiro de 2008, o Instituto não procedeu à desocupação, o que vem causando prejuízos à parte e dificuldades para vendê-lo. Sustenta que a ocupação além do prazo é causa de ofensa à Lei nº 8.245/1991 (Lei do Inquilinato), que rege o contrato em questão e por ele expressamente referido. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 06/20). O INSS apresentou contestação, acompanhada de documentos, afirmando o seguinte (fls. 29/33): 1) O INSS foi surpreendido com o encerramento do contrato de locação e, apesar de nele constar que seu prazo de vigência seria de um ano, "a Administração do INSS tinha como certo que tal contrato seria prorrogado até seu prazo máximo de cinco anos, ante todo o histórico do caso." 2) Envidou esforços para cumprir o que fora acordado quanto à desocupação, mas não conseguiu alugar outro imóvel para a instalação da Agência da Previdência Social/Sul/Bancários, por motivo de força maior, e que até o momento continua pagando o aluguel ao Autor, na quantia de R$ 3.853,45. O Requerente impugnou a contestação reiterando os termos da petição inicial (fls. 37/39) Em cumprimento ao despacho de fls. 42, o INSS apresentou cópia de contrato de locação firmado em 01.09.2008 com a empresa Femax Consultoria Ltda de imóvel localizado na Rua Paulino dos Santos Coelho, 30, Bancários, João Pessoa, destinado à instalação da Agência da Previdência Social/Sul/Bancários (fls. 55/81). Com vista, o Requerente reiterou os termos da petição inicial (fls. 84/85). Intime-se o INSS para, em 05 (cinco) dias, comprovar documentalmente a desocupação do imóvel objeto da presente Ação de Despejo, em face da locação de outro imóvel para funcionamento da Agência da Previdência Social /Sul/Bancários (fls. 56/60) em substituição ao imóvel em discussão. João Pessoa, 04 NOV 2009." O INSS apresentou documentos e afirmou que vem pagando em dia ao Requerente os alugueres devidos no âmbito do contrato de locação, mas que, no entanto, há impossibilidade, no momento, de ser efetuada a mudança para o prédio novo, uma vez que não terminaram as reformas, e a desocupação da APS, agora, implicaria prejuízos aos segurados (fls. 108/125). Com vista, o Requerente postulou o julgamento da lide pela procedência (fls. 129/130). É o relatório. Decido. Observo que as informações da Seção de Logística, Licitações e Contratos e Engenharia da Gerência Executiva do INSS de João Pessoa, de 16.11.2009, esclarecem sobre a "impossibilidade momentânea da desocupação do prédio objeto da ação de despejo, tendo em vista as adaptações que estão sendo efetuadas no prédio, onde será reinstalada a Agência da Previdência Social dos Bancários, conforme se constata através do contrato de nº 15/2009, Processo nº 35172.001086/2008-66, às fls. 108/122, que visa a execução de obras de reforma e melhoria, cujo entrega está prevista para 13 de janeiro de 2010." (fls. 110). As informações vieram instruídas com cópia do Contrato nº 15/2009 celebrado em 13.10.2009 entre o INSS a empresa Engear - Engenharia de Aquecimento e Refrigeração Ltda, destinado à execução de serviços de reforma e melhoria do imóvel situado na Rua Sérgio Guerra, nº 6336, Bancários, em João Pessoa (fls. 111/125), onde, segundo o INSS, será instalada a nova APS dos Bancários, atualmente funcionando no prédio do Requerente e objeto da presente lide. O prazo de execução dos serviços do contrato é de 90 dias, contado do quinto dia útil subseqüente à da data da assinatura (cf. cláusula terceira). Vê-se que o INSS não se opôs à pretensão de desocupação do imóvel, assinalando, no entanto, a impossibilidade de fazê-la, tendo em vista as reformas que estão ou foram executadas no novo imóvel, cuja entrega estava prevista para 13.01.2010. Em se tratando de locação sobreleva a regência do Direito Civil (Lei nº 8.245, de 19912, e supletivamente o Código Civil de 2002), que, no caso, deverá sofrer temperamento, em razão da iminência de desocupação, conforme afirma o INSS, cuja decretação imediata acarretaria prejuízos ao funcionamento da APS e atendimento aos segurados. Diante do exposto, julgo procedente o pedido e determino a desocupação do imóvel em referência, a partir de 01.03.2010, caso não haja a desocupação voluntária em período anterior. Fixo o valor de R$ 45.241,40 (quarenta e cinco mil duzentos e quarenta e um reais e quarenta centavos), relativo à soma dos doze alugueres mensais pagos (de janeiro a dezembro de 2009) no âmbito do Contrato de Locação nº 001/2006 (fls. 13/16), a título de caução, para efeito de eventual execução provisória da sentença, a cargo e iniciativa da Requerente (artigos 63, § 4º, e 64 da Lei nº 8.245, de 19913). Condeno o INSS ao apagamento em favor do Requerente da verba honorária à base de 20% (vinte por cento) sobre o valor da causa e à restituição das custas processuais adiantadas (artigo 20 do CPC). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara CLS CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2A propósito, veja-se a seguinte ementa de acórdão: "CIVIL - DESPEJO - DENÚNCIA VAZIA - LEI 6.649/79 - LOCAÇÃO RESIDENCIAL. 1 - O contrato firmado entre a empresa pública e o particular insere-se dentre os contratos subordinados ao regime jurídico privado, porquanto regido por normas de direito civil. 2 - A solução do caso concreto deve ser encontrada na antiga lei de locação 6.649/79 que somente foi revogada com a edição da Lei nº 8.245/91. 3- Considerando-se que a lei não exige que o locador justifique a retomada do imóvel por ocasião do término do contrato de locação e não cuidando a espécie de locação residencial, cabível o despejo por denúncia vazia nos termos da Lei nº 6.649/79. 4 - Apelo improvido." (AC nº 90307-SP, Relator Juiz David Diniz, 1ª Turma do TRF-3ª Região, DJU de 12.12.2000, p. 440) (grifei) 3 Art. 63. Julgada procedente a ação de despejo, o juiz fixará prazo de trinta dias para a desocupação voluntária, ressalvado o disposto nos parágrafos seguintes: 1º O prazo será de quinze dias se: a) entre a citação e a sentença de primeira instância houverem decorrido mais de quatro meses; ou b) o despejo houver sido decretado com fundamento nos incisos II e III do art. 9° ou no § 2° do art. 46. § 2° Tratando-se de estabelecimento de ensino autorizado e fiscalizado pelo Poder Público, respeitado o prazo mínimo de seis meses e o máximo de um ano, o juiz disporá de modo que a desocupação coincida com o período de férias escolares. § 3º Tratando-se de hospitais, repartições públicas, unidades sanitárias oficiais, asilos, estabelecimentos de saúde e de ensino autorizados e fiscalizados pelo Poder Público, bem como por entidades religiosas devidamente registradas, e o despejo for decretado com fundamento no inciso IV do art. 9º ou no inciso II do art. 53, o prazo será de um ano, exceto no caso em que entre a citação e a sentença de primeira instância houver decorrido mais de um ano, hipótese em que o prazo será de seis meses. (Redação dada pela Lei nº 9.256, de 9.1.1996) § 4° A sentença que decretar o despejo fixará o valor da caução para o caso de ser executada provisoriamente. Art. 64. Salvo nas hipóteses das ações fundadas nos incisos I, II e IV do art. 9°, a execução provisória do despejo dependerá de caução não inferior a doze meses e nem superior a dezoito meses do aluguel, atualizado até a data do depósito da caução. § 1° A caução poderá ser real ou fidejussória e será prestada nos autos da execução provisória. § 2° Ocorrendo a reforma da sentença ou da decisão que concedeu liminarmente o despejo, o valor da caução reverterá em favor do réu, como indenização mínima das perdas e danos, podendo este reclamar, em ação própria, a diferença pelo que a exceder. Art. 65. Findo o prazo assinado para a desocupação, contado da data da notificação, será efetuado o despejo, se necessário com emprego de força, inclusive arrombamento. 1° Os móveis e utensílios serão entregues à guarda de depositário, se não os quiser retirar o despejado. 2° O despejo não poderá ser executado até o trigésimo dia seguinte ao do falecimento do cônjuge, ascendente, descendente ou irmão de qualquer das pessoas que habitem o imóvel. Art. 66. Quando o imóvel for abandonado após ajuizada a ação, o locador poderá imitir-se na posse do imóvel. ?? ?? ?? ?? 1 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0001977-55.2001.4.05.8200 MARIA DE FATIMA MARINHO (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA) x UNIÃO

DESPACHO Assumi a jurisdição. Compulsando os presentes autos, verifica-se que houve expedição de precatório (fl. 246), de forma que os autos se encontram aguardando o pagamento do respectivo requisitório. Em sede de petição (fl. 278) a defesa da parte autora requereu vista dos autos fora do cartório. Diante do fato, não vejo óbice, assim defiro o respectivo pedido, no prazo de 05(cinco) dias. Com a decorrência do prazo, retornem os autos ao escaninho para o aguardo do pagamento do respectivo pedido. Publique-se. JPA, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Rua João Teixeira de Carvalho, 480, 4º andar, Conj. Pedro Gondim, CEP 58031-220. www.jfpb.gov.br ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 JVAL

   

0002308-27.2007.4.05.8200 BIANOR ARRUDA DE BEZERRA NETO E OUTROS (Adv. VITORIA CABRAL RABAY, GUSTAVO RABAY GUERRA) x UNIAO (ADVOCACIA GERAL DA UNIAO) (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2007.82.2308-9 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: BIANOR ARRUDA DE BEZERRA NETO, CESAR VERZULEI LIMA SOARES DE OLIVEIRA, JAIME CESAR DE ARAÚJO DANTAS, JOÃO JOSÉ RAMOS DA SILVA, JOÃO SOARES DA COSTA NETO, NEYDJA MARIA DIAS DE MORAIS, RONNIE MONTE CARVALHO MONTENEGRO, SÉRGIO AUGUSTO DE QUEIROZ E TÉRCIUS GONDIM MAIA ADVOGADOS: VITÓRIA CABRAL RABAY E GUSTAVO RABAY GUERRA RÉ: UNIÃO PROCURADORA: SALÉSIA DE MEDEIROS WANDERLEI S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Bianor Arruda de Bezerra Neto, César Verzulei Lima Soares de Oliveira, Jaime César de Araújo Dantas, João José Ramos da Silva, João Soares da Costa Neto, Neydja Maria Dias de Morais, Ronnie Monte Carvalho Montenegro, Sérgio Augusto de Queiroz e Tércius Gondim Maia em face da União, objetivando o pagamento de diferenças salariais decorrentes do novo sistema remuneratório do cargo de Procurador da Fazenda Nacional, nos termos da decisão judicial proferida no Mandado de Segurança nº 2003.82.3379-0. Os Autores afirmam o seguinte: 1) A Medida Provisória nº 43/2002, convertida na Lei nº 10.549/2002, alterou a estrutura remuneratória da carreira de Procurador da Fazenda Nacional; 2) Com art. 3º da referida lei, de acordo com o disposto no anexo II, o vencimento básico de R$ 463,86 (quatrocentos e sessenta e três reais e oitenta e seis centavos) passou, a partir de 1º de março de 2002, para R$ 4.267,69 (quatro mil, duzentos e sessenta e sete reais e sessenta e nove centavos) relativos ao padrão VII - 2ª categoria, ao qual pertencem quase todos os Autores, exceto João José Ramos da Silva, que pertence à 1ª categoria - padrão V, cujo vencimento foi elevado para R$ 5.054,06 (cinco mil cinquenta e quatro reais e seis centavos); 3) Entretanto, em virtude da Nota Técnica nº 53/2002, não só o art. 3º, da Lei 10.549/2002 iria retroagir a março de 2002, como também os artigos 4º e 5º, o que acarretou redução de vencimentos. A irretroatividade é regra, ao passo que a retroatividade é exceção, somente podendo ser observada a retroatividade quando houver dispositivo expresso nesse sentido; 4) Para coibir tal ato, os Autores impetraram o Mandado de Segurança nº 2003.82.00.3379-0, o qual tramitou na 3ª Vara Federal desta Seção Judiciária e, em grau de Recurso Especial, a 5ª Turma do Colendo Superior Tribunal de Justiça, na sessão do dia 12/12/2007, conheceu e deu provimento parcial ao RESP nº 782.742/PB; 6) O acórdão transitou em julgado, ficando reconhecido o direito de "perceberem os valores das diferenças salariais, decorrentes do novo sistema remuneratório do Cargo de Procurador da Fazenda Nacional, do período não compreendido no Mandado de Segurança acima referido, ou seja a diferença dos salários pagos entre abril de 2002 até a data do ajuizamento do mandamus - 05 de maio de 2003"; 7) A remuneração dos Procuradores da Fazenda Nacional, em virtude da decisão definitiva no Mandado de Segurança, no RESP nº 782.742/PB, passou a ser, entre 01/03/2002 e 25/06/2002: a) novo vencimento básico; b) pro labore, em valor correspondente a até 30% (trinta por cento) do novo vencimento básico; c) gratificação temporária; d) representação mensal, incidente sobre o novo vencimento básico, no percentual disposto no Decreto-Lei 2.371/87 (130% do novo vencimento básico para os integrantes da 1ª categoria e 135% para os integrantes da 2ª categoria). A partir de 26/06/2002: a) novo vencimento básico; b) pro labore, em valor correspondente a até 30% (trinta por cento) do novo vencimento básico, acrescida de valor que não cause a irredutibilidade salarial, denominada VPNI - vantagem pessoal nominalmente identificada. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 10/107). Petição requerendo a juntada do instrumento procuratório do Autor Tércius Gondim Maia, bem como comunicando a mudança de endereço do advogado (fls. 119/120). O Exmo. Juiz Federal Dr. Alexandre Costa de Luna Freire declarou suspeição por motivo íntimo (fl. 121). Determinei a redistribuição do feito para o Juizado Especial Federal, em face do valor da causa ser inferior a 60 (sessenta) salários mínimos (fl. 123). Aditamento à petição inicial para retificar o valor da causa (fls. 126/127). Deferi o pedido de aditamento (fl 128). A União apresentou contestação (fls. 140/154), afirmando: 1) A Medida Provisória nº 43/2002, convertida na Lei nº 10.549/2002, alterou a estrutura vencimental da carreira de Procurador da Fazenda Nacional, com o escopo de nivelá-la a outras carreiras de advogados públicos federais, evitando que se instalasse competição interna entre os cargos de mesma natureza; 2) Para isso, aumentou expressivamente o valor do vencimento básico (art. 3º, Lei nº 10.549/2002), e, por outro lado, extinguiu a parcela que corresponde à representação mensal (art. 5º, Lei nº 10.549/2002), como também limitou o pro labore a 30% (trinta por cento) do vencimento básico (art. 4º, Lei nº 10.549/2002). Assim, os vencimentos dos Procuradores da Fazenda Nacional são compostos pelo vencimento básico e pelo pro labore; 3) A referida Medida Provisória, em seu artigo 3º, estabeleceu que a tabela de vencimento básico entrasse em vigor a partir de 1º de março de 2002, "calando-se apenas, aparentemente, acerca do restante da reestruturação remuneratória"; 4) O Autor sustenta seu pleito com base no art. 12 da Lei nº 10.549/2002, o qual dispõe que as supressões referentes à representação mensal entrariam em vigor a partir da data de publicação da MP nº 43/2002, qual seja, 26 de junho de 2002. No entanto, segundo a União, as normas advindas da já citada MP devem ser interpretadas de maneira sistemática, e não em seu sentido puramente literal, posto que, apesar de não ter citado expressamente, a intenção era a de aplicar a reestruturação de maneira global desde março de 2002; 5) Os Autores, cientes de que a intenção da lei não era a de apenas retroagir o vencimento básico, mas toda a reestruturação por ela efetivada, amenizam "a aplicação da tese exposta na exordial, deixando de requerer as repercussões inerentes à majoração do vencimento básico, ou seja, as demais parcelas que incidem sobre o vencimento e que compõe a remuneração"; 6) As alterações trazidas pela MP nº 43/2002 não acarretaram redução de remuneração, como afirmam os Autores, bem como não há que se falar em ilegalidade do art. 6º, da Lei 10.549/2002, sob o argumento de que tal norma provocaria supressão e consequente redução salarial. Os Autores apresentaram impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 159/162). Em cumprimento ao despacho de fl. 164, os Autores apresentaram os documentos requeridos (fls. 167/212). Informação da Seção de Cálculo (fls. 219/225). Os Autores concordaram com a informação da Contadoria, ressaltando que se deve incluir nos cálculos a parcela do 13º salário, bem como o reflexo no terço constitucional de férias (fl. 234). A União manifestou discordância com as informações do Cálculo, defendendo que se abatesse da VPNI Judicial o valor da VPNI Administrativa (fls. 240/244). A Exma. Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, em substituição automática, Drª Cristiane Mendonça Lage, determinou o retorno dos autos à Contadoria (fl. 246). Informações da Contadoria (fl. 247). Os Autores concordaram com os cálculos e refutaram a tese levantada pela União de abater da VPNI Judicial o valor de outra VPNI, qual seja, VPNI Administrativa (fls. 251/299). Com vista, a União reiterou a discordância das informações da Contadoria (fls. 303/306). Informação circunstanciada da Seção de Cálculo (fl. 309). Em cumprimento ao despacho à fl. 311, a Seção de Cálculo complementou as informações precedentes (fl. 312). Os Autores novamente concordaram com os cálculos (fls. 315/317). A União manteve os termos das petições de fls. 240/244 e 303/306, discordando dos cálculos da Contadoria (fl. 320). Em cumprimento ao despacho de fl. 322, a União apresentou cópia da Ação Rescisória nº. 4032-PB (fls. 345/448). Determinei a suspensão do processo por 01 (um) ano, tendo em vista ao ajuizamento da Ação Rescisória nº. 4032-PB (fls. 451/452). Os Autores apresentaram cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que determinei a suspensão do processo (fls. 454/463). O TRF - 5ª Região proferiu decisão no Agravo de Instrumento nº. 98945/PB, determinando o normal prosseguimento do feito (fls. 471/473). Determinei o prosseguimento do feito, no sentido do encaminhamento dos autos à Distribuição, para exclusão da Fazenda Nacional do pólo passivo da lide e inclusão da União - Advocacia Geral da União (fls. 474/475). Informação da Secretaria, no sentido de que a Ação Rescisória nº 4032/PB encontra-se, desde 15/10/2009, no Gabinete do Desembargador Convocado do TJ/SP Celso Limongi (fl. 483). É o relatório. Decido. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fl. 09): "A total procedência da presente demanda, condenando a União ao pagamento das diferenças salariais, no período aqui pretendido, de acordo com os termos da decisão judicial do Mandado de Segurança de nº 2003.82.00.003379-0, acrescidos de correção monetária e juros de mora nos termos da lei, mais despesas processuais e honorários advocatícios, na base de 20% do valor da condenação". (grifei) A Lei nº 10.549, de 13/11/20022, decorrente da conversão da Medida Provisória nº. 43, de 2002, que dispõe sobre a remuneração dos cargos da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional, estabeleceu modificações na estrutura remuneratória da carreira que disciplina. Os Autores sustentam na petição inicial que, em decorrência do disposto nos artigos 4º e 5º da 10.549/2002, houve redução em seus vencimentos, em desrespeito ao princípio da irretroatividade das leis, o que foi reconhecido no julgamento do Mandado de Segurança nº. 2003.82.00.3379-0, cuja tramitação ocorreu na 3ª Vara desta Seção Judiciária, em que se determinou o pagamento das diferenças devidas concernentes aos salários pagos no período de abril de 2002 até a data do ajuizamento do mandamus, em maio de 2003. A Seção de Cálculo apurou em relação a cada um dos Autores os valores que lhes são devidos, relativos ao principal acrescido de correção monetária até 29/05/2008 e juros de mora, nos seguintes quantitativos (fls. 219/225): 1) Bianor Arruda de Bezerra Neto R$ 108.873,63 2) César Verzulei Lima Soares de Oliveira R$ 109.399,80 3) Jaime César de Araújo Dantas R$ 108.945,89 4) João José Ramos da Silva R$ 147.880,38 5) João Soares da Costa Neto R$ 108.387,96 6) Neydja Maria Dias de Morais R$ 109.701,36 7) Ronnie Monte Carvalho Montenegro R$ 109.701,36 8) Sérgio Augusto de Queiroz R$ 109.729,83 9) Tércius Gondim Maia R$ 109.945,81 Total da conta R$ 1.022.566,02 Diante do exposto, julgo procedente, em parte, o pedido e determino à União que proceda ao pagamento, em favor dos Autores, das diferenças de vencimentos nos valores constantes da informação da Contadoria (fls. 219/225), com o acréscimo de atualização monetária e juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir de junho/2008. Condeno a União ao pagamento, em favor dos Autores, de honorários advocatícios no percentual de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação (art. 20, § 3º, do CPC), e à devolução corrigida das custas processuais antecipadas. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Oficie-se ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento nº. 98945/PB. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa, 04 de dezembro de 2009 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Art. 1º A Carreira de Procurador da Fazenda Nacional compõe-se de um mil e duzentos cargos efetivos, de mesma denominação, agrupados em Categorias e Padrões, conforme disposto no Anexo I. Art. 2º O posicionamento dos atuais ocupantes dos cargos a que se refere o art. 1º na tabela de remuneração deve observar a correlação estabelecida no Anexo I. Art. 3º Os valores de vencimento básico dos cargos da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional são os constantes do Anexo II, com vigência a partir 1º de março de 2002. Art. 4º O pro labore de que trata a Lei no 7.711, de 22 de dezembro de 1988, será pago exclusivamente aos integrantes da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional no valor correspondente a até trinta por cento do vencimento básico do servidor. § 1º Excepcionalmente, os atuais ocupantes de cargos comissionados, não integrantes da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional, continuarão percebendo o pro labore de que trata o caput nos valores vigentes em fevereiro de 2002, cessando o pagamento desta vantagem com a exoneração do cargo. § 2º O pro labore será atribuído em função da eficiência individual e coletiva e dos resultados alcançados pela Procuradoria da Fazenda Nacional, conforme dispuser o regulamento. Art. 5º Não serão devidas aos integrantes da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional a Representação Mensal, de que tratam os Decretos-Leis nos 2.333, de 11 de junho de 1987, e 2.371, 18 de novembro de 1987, e a Gratificação Temporária, a que se refere a Lei nº 9.028, 12 de abril de 1995. Art. 6º Na hipótese de redução de remuneração dos ocupantes dos cargos de que trata o art. 5º, decorrente da aplicação desta Lei, a diferença será paga a título de vantagem pessoal nominalmente identificada, a ser absorvida por ocasião da reorganização ou reestruturação da carreira ou tabela remuneratória, da concessão de reajustes, adicionais, gratificações ou vantagem de qualquer natureza ou do desenvolvimento na carreira. Parágrafo único. A aplicação da Medida Provisória nº 2.229-43, de 6 de setembro de 2001, não poderá resultar para os atuais Procuradores da Fazenda Nacional, em cada categoria e padrão, em remuneração inferior à de seus correspondentes nas demais Carreiras da Advocacia-Geral da União, devendo, a partir da vigência desta Lei, eventual diferença ser paga a título de vantagem pessoal nominalmente identificada, a ser absorvida conforme disposto no caput. Art. 7º Aplicam-se as disposições desta Lei às aposentadorias e pensões, exceto o pro labore a que se refere o art. 4º, relativamente às aposentadorias e pensões concedidas até a data de sua publicação. § 1º Para fins de incorporação aos proventos da aposentadoria ou às pensões, o pro labore a que se refere o art. 4º: I - somente será devido, se percebido há pelo menos sessenta meses; e II - será calculado pela média aritmética dos últimos sessenta meses anteriores à aposentadoria ou à instituição da pensão. § 2º As aposentadorias e as pensões que vierem a ocorrer, antes de transcorrido o período a que se refere o inciso I do § 1º, não poderão resultar para os atuais Procuradores da Fazenda Nacional, em cada categoria e padrão, em proventos e pensões inferiores a que teriam direito se a aposentadoria ou a instituição da pensão tivesse ocorrido até a data de publicação desta Lei, devendo eventual diferença ser paga a título de vantagem pessoal nominalmente identificada. § 3º A aplicação do disposto nesta Lei a aposentados e pensionistas não poderá implicar redução de proventos e pensões. § 4º Constatada a redução de proventos e pensões decorrente da aplicação do disposto nesta Lei, a diferença será paga a título de vantagem pessoal nominalmente identificada. § 5º A vantagem pessoal de que tratam os §§ 2º e 3º será calculada quando da aplicação do disposto nesta Lei e estará sujeita exclusivamente à atualização decorrente de revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais. Art. 8º Aplica-se às Carreiras de Advogado da União, de Assistente Jurídico da Advocacia-Geral da União, de Defensor Público da União e de Procurador Federal a Tabela de Correlação e a Tabela de Vencimentos constantes dos Anexos I e II. Art. 9º O Poder Executivo editará os atos necessários ao cumprimento do disposto nesta Lei. Art. 10. O art. 63 da Medida Provisória nº 2.229-43, de 2001, passa a vigorar com a seguinte alteração: "Art. 63. Na hipótese de redução de remuneração decorrente da aplicação do disposto nesta Medida Provisória, a diferença será paga a título de vantagem pessoal nominalmente identificada, a ser absorvida por ocasião da reorganização ou reestruturação dos cargos, carreiras ou tabelas remuneratórias, concessão de reajustes, adicionais, gratificações ou vantagem de qualquer natureza ou do desenvolvimento no cargo ou na carreira. .............................................................................." (NR) Art. 11. São transformados em cargos de Advogado da União, da respectiva Carreira da Advocacia-Geral da União, os cargos efetivos, vagos e ocupados, da Carreira de Assistente Jurídico, da Advocacia-Geral da União. § 1o São enquadrados na Carreira de Advogado da União os titulares dos cargos efetivos da Carreira de Assistente Jurídico, da Advocacia-Geral da União. § 2o O enquadramento de que trata o § 1o deve observar a mesma correlação existente entre as categorias e os níveis das carreiras mencionadas no caput. § 3o Para fins de antigüidade na Carreira de Advogado da União, observar-se-á o tempo considerado para antigüidade na extinta Carreira de Assistente Jurídico, da Advocacia-Geral da União. § 4o À Advocacia-Geral da União incumbe adotar as providências necessárias para o cumprimento do disposto neste artigo, bem como verificar a regularidade de sua aplicação. § 5o O disposto neste artigo não se aplica aos atuais cargos de Assistente Jurídico cuja inclusão em quadro suplementar está prevista no art. 46 da Medida Provisória no 2.229-43, de 6 de setembro de 2001, nem a seus ocupantes. Art. 12. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação". (grifei) ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0003112-58.2008.4.05.8200 JURANDIR PEREIRA DA SILVA E OUTROS (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA) x MARIA LETICIA DE MENEZES CALDAS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA) x RAUL MENEZES CALDAS E OUTROS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA)

PROCESSO Nº 2008.3112-1 CLASSE 206 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: JURANDIR PEREIRA DA SILVA e OUTROS ADVOGADO: Jurandir Pereira da Silva EXECUTADO: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS ADVOGADO: Flodoaldo Carneiro da Silva S E N T E N Ç A1 Trata-se de Execução de Título Judicial que condenou o INSTITTUO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS ao pagamento de honorários advocatícios no importe de 20% (vinte por cento) calculada sobre o valor da execução, considerando-se a sucumbência da exequente em parcela mínina do valor executado. A petição (fls. 79/81) executando os honorários advocatícios. A determinação (fl. 83) para citação do INSS para opor embargos, nos termos do art. 730 do CPC. Manteve-se silente (fl. 87) o INSS, não oferecendo embargos à execução. A expedição da RPV (fl. 93). O extrato do site do TRF 5ª Região anunciando o pagamento da RPV. Aberta vista (fl. 97) a(o)(s) exeqüente(s) para se pronunciar(em) acerca da satisfação da obrigação, mantive-se silente. Brevemente relatados, decido: Cuida-se de extinção da execução pela satisfação da obrigação, prevista no art. 794, I do CPC. ISTO POSTO, declaro extinta a Execução, nos termos do artigo 794, I2, do CPC. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região3. P. I. Transitada em julgado, certifique-se, dê-se baixa na distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, 25 JAN 2010 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Sentença tipo C, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 3Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: ..... Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 15 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA ACS

   

0003525-81.2002.4.05.8200 COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB (Adv. PATRICIA ELLEN M. DE A. PONTES, SORAYA FRANCA DOS ANJOS, LILIAN CATIANI CORREIA DE FREITAS, ANDRE RICARDO DE CARVALHO COSTA, MAX FREDERICO SAEGER GALVAO FILHO, SYLVIO TORRES FILHO, LEONIDAS LIMA BEZERRA, NEVITA MARIA P. A. FRANCA, WALTER SERRANO RIBEIRO, CRISTIANE TRAVASSOS LIMA DE MEDEIROS, NIEDJA LIMA DE ARAUJO, BRUNO DORNELAS DE OLIVEIRA) x JOSE RANIERI ALMEIDA FERREIRA (Adv. SEM ADVOGADO)

Defiro a juntada do Substabelecimento de fls. 458. Anotações cartorárias e na Distribuição. Cumpra-se. Após, anote-se na capa dos presentes autos que as intimações dirigidas à Companhia Nacional de Abastecimento - CONAB sejam feitas apenas e exclusivamente em nome do advogado Sylvio Torres Filho. Em seguida, intime-se a referida empresa, através do advogado mencionado acima, para requerer o que entender de direito, em 15(quinze)dias. Decorrido o prazo sem manifestação, certifique-se, dê-se baixa e arquive-se. Facultado o desarquivamento enquanto não transcorrido o prazo prescricional. Publique-se.

   

0004365-23.2004.4.05.8200 AILTON FELIX DA NOBREGA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS) x UNIÃO (Adv. FABIO LEITE DE FARIAS BRITO)

Assumi a jurisdição no presente feito. Defiro a juntada do Substabelecimento de fls.206 e dos Termos de Renúncia de fls. 207/208. Correções cartorárias e na Distribuição. Cumpra-se. Após, intimem-se os autores para, no prazo de 30(trinta)dias, dias (art. 2571, do Código de Processo Civil - CPC), efetuar(em) o preparo das custas judiciais(Portaria nº 02/89 c/c o artigo 14, parágrafo 3º, da Lei nº 9.289/962). Quanto ao pedido de destaque dos honorários advocatícios, será apreciado oportunamente. Publique-se. 1 Art. 257. Será cancelada a distribuição do feito que, em 30 (trinta) dias, não for preparado no cartório em que deu entrada. 2 Art. 14. O pagamento das custas e contribuições devidas nos feitos e nos recursos que se processam nos próprios autos efetua-se da forma seguinte: I - o autor ou requerente pagará metade das custas e contribuições tabeladas, por ocasião da distribuição do feito, ou, não havendo distribuição, logo após o despacho da inicial; II - aquele que recorrer da sentença pagará a outra metade das custas, dentro do prazo de cinco dias, sob pena de deserção; III - não havendo recurso, e cumprindo o vencido desde logo a sentença, reembolsará ao vencedor as custas e contribuições por este adiantadas, ficando obrigado ao pagamento previsto no inciso II; IV - se o vencido, embora não recorrendo da sentença, oferecer defesa à sua execução, ou embaraçar seu cumprimento, deverá pagar a outra metade, no prazo marcado pelo juiz, não excedente de três dias, sob pena de não ter apreciada sua defesa ou impugnação. § 1° O abandono ou desistência de feito, ou a existência de transação que lhe ponha termo, em qualquer fase do processo, não dispensa o pagamento das custas e contribuições já exigíveis, nem dá direito a restituição. § 2° Somente com o pagamento de importância igual à paga até o momento pelo autor serão admitidos o assistente, o litisconsorte ativo voluntário e o oponente. § 3° Nas ações em que o valor estimado for inferior ao da liquidação, a parte não pode prosseguir na execução sem efetuar o pagamento da diferença de custas e contribuições, recalculadas de acordo com a importância a final apurada ou resultante da condenação definitiva. § 4° As custas e contribuições serão reembolsadas a final pelo vencido, ainda que seja uma das entidades referidas no inciso I do art. 4° , nos termos da decisão que o condenar, ou pelas partes, na proporção de seus quinhões, nos processos divisórios e demarcatórios, ou suportadas por quem tiver dado causa ao procedimento judicial. § 5° Nos recursos a que se refere este artigo o pagamento efetuado por um recorrente não aproveita aos demais, salvo se representados pelo mesmo advogado. ?? ?? ?? ??

   

0004906-61.2001.4.05.8200 SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. IVAMBERTO CARVALHO DE ARAUJO) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SERGIO BENEVIDES FELIZARDO (UFPB)) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB

PROCESSO Nº 2001.82.4906-4 - CLASSE 97 RESTAURAÇÃO DE AUTOS (EXECUÇÃO DE SENTENÇA) EXEQÜENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - SINTESPB ADVOGADO: IVAMBERTO CARVALHO DE ARAÚJO EXECUTADA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB PROCURADORA: MARIA DA SALETE GOMES D E C I S Ã O Determinei de ofício a restauração dos presentes autos, nos seguintes termos (fl.): "Trata-se de incidente de restauração de autos de Execução/Cumprimento de Sentença nº 2001.4906-4, em face de seu desaparecimento ocorrido nesta Secretaria. Às fls., determinei a intimação das partes para promoverem a juntada das peças essenciais, nos termos do artigo 1.063 do Código de Processo Civil. O Autor/exeqüente acostou cópia da Inicial e da relação de substituídos. A ré, apesar de intimada, não anexou nenhum documento. Diante do exposto, determino de ofício, a restauração dos autos nos termos dos arts. 1.063 a 1.069 do Código de Processo Civil. Após, citem-se as partes nos termos do art. 1.065 do CPC. João Pessoa, 27 NOV 2009". (grifos no original) Devidamente citadas, as partes não se manifestaram (fls.). É o relatório. Decido. Na hipótese em apreço, vê-se que as partes foram citadas acerca da determinação judicial no sentido da restauração de ofício dos presentes autos, por analogia à norma prevista no artigo 1.065 do CPC1, sem, no entanto, apresentarem resposta (cf. certidões exaradas às fls.). Nos termos do § 2º do mencionado artigo 1.065 do CPC, se a parte, uma vez citada, abstiver-se de apresentar contestação ou manifestar parcial concordância com a restauração, será observado o disposto no art. 803 do CPC2, segundo o qual presumir-se-ão aceitos os fatos alegados pelo Requerente, na hipótese de não haver sido contestado o pedido, não sendo essa, especificamente, a hipótese dos autos, uma vez que aqui se cogita de restauração instaurada de ofício por este Juízo, uma vez constatado pela Secretaria o desaparecimento dos autos em apreço. Diante do exposto, não havendo discordância das partes em relação à restauração e aos documentos que o instruem, e cumpridas as exigências gerais dos arts. 1.063 a 1.069 do CPC, declaro restaurados os autos da Execução/Cumprimento de Sentença nº 2001.82.4906-4. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, dê-se normal seguimento à execução de sentença. João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 "Art. 1.063. Verificado o desaparecimento dos autos, pode qualquer das partes promover-lhes a restauração. Parágrafo único. Havendo autos suplementares, nestes prosseguirá o processo. Art. 1.064. Na petição inicial declarará a parte o estado da causa ao tempo do desaparecimento dos autos, oferecendo: I - certidões dos atos constantes do protocolo de audiências do cartório por onde haja corrido o processo; II - cópia dos requerimentos que dirigiu ao juiz; III - quaisquer outros documentos que facilitem a restauração. Art. 1.065. A parte contrária será citada para contestar o pedido no prazo de 5 (cinco) dias, cabendo-lhe exibir as cópias, contrafés e mais reproduções dos atos e documentos que estiverem em seu poder. § 1o Se a parte concordar com a restauração, lavrar-se-á o respectivo auto que, assinado pelas partes e homologado pelo juiz, suprirá o processo desaparecido. § 2o Se a parte não contestar ou se a concordância for parcial, observar-se-á o disposto no art. 803. Art. 1.066. Se o desaparecimento dos autos tiver ocorrido depois da produção das provas em audiência, o juiz mandará repeti-las. § 1o Serão reinquiridas as mesmas testemunhas; mas se estas tiverem falecido ou se acharem impossibilitadas de depor e não houver meio de comprovar de outra forma o depoimento, poderão ser substituídas. § 2o Não havendo certidão ou cópia do laudo, far-se-á nova perícia, sempre que for possível e de preferência pelo mesmo perito. § 3o Não havendo certidão de documentos, estes serão reconstituídos mediante cópias e, na falta, pelos meios ordinários de prova. § 4o Os serventuários e auxiliares da justiça não podem eximir-se de depor como testemunhas a respeito de atos que tenham praticado ou assistido. § 5o Se o juiz houver proferido sentença da qual possua cópia, esta será junta aos autos e terá a mesma autoridade da original. Art. 1.067. Julgada a restauração, seguirá o processo os seus termos. § 1o Aparecendo os autos originais, nestes se prosseguirá sendo-lhes apensados os autos da restauração. § 2o Os autos suplementares serão restituídos ao cartório, deles se extraindo certidões de todos os atos e termos a fim de completar os autos originais. Art. 1.068. Se o desaparecimento dos autos tiver ocorrido no tribunal, a ação será distribuída, sempre que possível, ao relator do processo. § 1o A restauração far-se-á no juízo de origem quanto aos atos que neste se tenham realizado. § 2o Remetidos os autos ao tribunal, aí se completará a restauração e se procederá ao julgamento. Art. 1.069. Quem houver dado causa ao desaparecimento dos autos responderá pelas custas da restauração e honorários de advogado, sem prejuízo da responsabilidade civil ou penal em que incorrer". (grifei) 2 "Art. 803. Não sendo contestado o pedido, presumir-se-ão aceitos pelo requerido, como verdadeiros, os fatos alegados pelo requerente (arts. 285 e 319); caso em que o juiz decidirá dentro em 5 (cinco) dias. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Parágrafo único. Se o requerido contestar no prazo legal, o juiz designará audiência de instrução e julgamento, havendo prova a ser nela produzida. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)" (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0006535-65.2004.4.05.8200 SANTANA DA SILVA SANTOS (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. PEDRO VITOR DE CARVALHO FALCAO)

PROCESSO Nº 2004.6535-6 CLASSE 206 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE(S): SANTANA DA SILVA SANTOS ADVOGADO(A): Jurandir Pereira da Silva EXECUTADO: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR(A): Pedro Vitor de Carvalho Falcão S E N T E N Ç A1 Assumi a jurisdição. Trata-se de Execução de Julgado que condenou o INSS a proceder à revisão do benefício do(a)(s) Autor(a)(es). Intimado o INSS (fl. 197) para cumprir a obrigação de fazer, este disse ter cumprido a respectiva obrigação (fls. 204/210). Citado, nos termos do artigo 7302 do CPC, acordaram as partes (fls. 249/258) no valor de R$ 16.486,39(dezesseis mil, quatrocentos e oitenta e seis reais e trinta e nove centavos). Precatório/RPV expedido(a) (fl. 261). Os valores do Precatório/RPV foram pagos conforme consulta ao "site" do TRF da 5ª Região (fl. 263). Intimado(a)(s) o(a)(s) Exeqüente(s) para se pronunciar(em) acerca da satisfação da obrigação (fl. 265), requereu a extinção do processo (fl. 267). Brevemente relatados, decido: Cuida-se de extinção da execução pela satisfação da obrigação, prevista no art. 794, I, do CPC3. ISTO POSTO, declaro extinta a Execução, nos termos do artigo 794, I, do CPC. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região4. P. I. Decorrido o prazo sem interposição de recurso, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se, com as cautelas legais. João Pessoa, 21 JAN 2010 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Sentença tipo C, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 730. Na execução por quantia certa contra a Fazenda Pública, citar-se-á a devedora para opor embargos em 10 (dez) dias; se esta não os opuser, no prazo legal, observar-se-ão as seguintes regras: I - o juiz requisitará o pagamento por intermédio do presidente do tribunal competente; II - far-se-á o pagamento na ordem de apresentação do precatório e à conta do respectivo crédito. 3 Art. 794 - Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 4Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: ..... Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? 15 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 2 ACS

   

0006907-43.2006.4.05.8200 GERALDO VIEIRA FILHO, REP. POR SUA ESPOSA VERA LUCIA GOMES DE SOUZA VIEIRA (Adv. VALTER DE MELO, EDMILSON PEDRO DOS SANTOS, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, GILBERTO AURELIANO DE LIMA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO, ANTONIO SEVERINO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0008210-05.2000.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF), SALVADOR CONGENTINO NETO) x ROBSON DE SOUZA PAULINO (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, ANDRE SETTE CARNEIRO DE MORAIS, GEORGIA JALES MAIA MEDEIROS)

PROCESSO Nº 2000.8210-5 CLASSE 206 EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQÜENTE: CAIXA ECONOMICA FEDERAL ADVOGADO: Magdiel Jeus Gomes Araújo EXECUTADO: ROBSON DE SOUZA PAULINO ADVOGADO: Ana Rita Ferreira Nóbrega Cabral S E N T E N Ç A1 Trata-se de Execução de Título Judicial que condenou ROBSON DE SOUZA PAULINO ao pagamento de honorários advocatícios no importe de 10 % (dez por cento) sobre o valor da causa. Intimou-se o executado (fl. 226) para cumprir a obrigação de pagar, nos termos da Lei n. 11.232/2005. Em sede de petição (fls. 264/265) apresentou o comprovante de deposita judicial à ordem da Justiça o executado. Aberta vista (fl. 266) a(o)(s) exeqüente(s) para se pronunciar(em) acerca da satisfação da obrigação. Peticionou a CAIXA (fl. 268) concordando com o depósito efetuado e requerendo, por fim, a autorização de levantamento do respectivo valor independente de alvará. Brevemente relatados, decido: Cuida-se de extinção da execução pela satisfação da obrigação, prevista no art. 794, I do CPC. ISTO POSTO, declaro extinta a Execução, nos termos do artigo 794, I2, do CPC. Autorizo à CAIXA a movimentar a conta de fl. 265, para levantamento do respectivo valor total, independente de alvará. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região3. P. I. Transitada em julgado, certifique-se, dê-se baixa na distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, 21 JAN 2010 ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 Sentença tipo C, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação; II - o devedor obtém, por transação ou por qualquer outro meio, a remissão total da dívida; III - o credor renunciar ao crédito. 3Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: ..... Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ??

   

0008343-32.2009.4.05.8200 DANIEL SERAFIM DE SOUSA (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Cumprido o despacho de fls. 91, abra-se vista às partes pelo prazo de 05(cinco) dias. Publique-se. Intime-se(remessa). JPA,

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000891-49.2001.4.05.8200 DROGARIA DROGAVISTA LTDA E OUTRO (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA) x CONSELHO FEDERAL DE FARMACIA (Adv. ANTONIO CESAR CAVALCANTI JUNIOR)

Diante do exposto, remetam-se os presentes autos a Distribuição para baixa e arquivamento, conforme determinado à fl. 436. Faculto a expedição de novos alvarás para levantamento dos valores depositados em conta de garantia de embargos (0548.011.29-4 e 0548.011.30-8) às fls. 47/48 e 391, quando requerido pelo CRF/PB. Publique-se. João Pessoa,....

   

0001252-66.2001.4.05.8200 MARGARIDA CANDIDO PORTO E OUTRO (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA, ENIO SILVA NASCIMENTO, GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO, KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA) x CONSELHO FEDERAL DE FARMACIA (Adv. ANTONIO CESAR CAVALCANTI JUNIOR)

Diante do exposto, remetam-se os presentes autos a Distribuição para baixa e arquivamento, conforme determinado à fl. 370. Faculto a expedição de novo alvará para levantamento dos valores depositados em conta de garantia de embargos (0548.005.18819-1) às fls. 42 e 341, quando requerido pelo CRF/PB. Publique-se. João Pessoa,....

   

0001957-64.2001.4.05.8200 FARMACIA MEMORIAL SAO FRANCISCO LTDA (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA) x CONSELHO FEDERAL DE FARMACIA (Adv. NELSON CALISTO DOS SANTOS)

Diante do exposto, remetam-se os presentes autos a Distribuição para baixa e arquivamento, conforme determinado à fl. 445. Faculto a expedição de novo alvará para levantamento dos valores depositados em conta de garantia de embargos (0548.011.40-5) às fls. 47 e 401, quando requerido pelo CRF/PB. Publique-se. João Pessoa,....

   

0002725-09.2009.4.05.8200 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR) x A. PIMENTEL FILHOS E CIA LTDA. (Adv. KLEBER SALGADO BANDEIRA FILHO)

A juntada de nova procuração revoga anterior instrumento de mandato acostado à Inicial. Correções cartorárias e na Distribuição para exclusão dos advogados anteriormente constituídos e inclusão de novos patronos. Após, publique-se a sentença de fls. 143/150.

   

0004091-59.2004.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) x MARCIA COSTA DA SILVA (Adv. MARCIA COSTA DA SILVA)

Intimem-se a autora e a CAIXA para carrearem aos autos planilha onde constem os valores devidos a cada uma das partes. Publique-se.

   

0004123-59.2007.4.05.8200 GIULLIANA NÓBREGA GUIMARÃES E OUTROS (Adv. JACQUELINE RODRIGUES CHAVES, JOSINETE RODRIGUES DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao Exequente, do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0004891-19.2006.4.05.8200 EDILMA GUEDES SUASSUNA (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES, LUCIANA GURGEL DE AMORIM, MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO, EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE)

Autos com vista ao Exequente, do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)Executado(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0005333-82.2006.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS ECT (Adv. PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, MARIA JOSE DA SILVA, LUIZ MONTEIRO VARAS, MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES) x VELOZ EXPRESS (Adv. SEM ADVOGADO)

À Distribuição para exclusão dos advogados constantes no Substabelecimento de fls. 403. Cumpra-se. Intime-se a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos(EBCT) para, no prazo de 15(quinze)dias, requerer o que entender de direito, tendo em vista as guias de depósito juntadas às fls. 427/428. Publique-se.

   

0005976-69.2008.4.05.8200 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA - IBGE (Adv. MARIO GOMES DE LUCENA) x CLÁUDIA DE FÁTIMA MOURA ARAUJO (Adv. IRIO DANTAS NOBREGA, NEMESIO ALMEIDA SOARES JUNIOR, NIVEA DANTAS DA NOBREGA, TATIANA LEITE GUERRA DOMINONI)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0009558-77.2008.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x PEDRO INACIO DOS SANTOS (Adv. JOSÉ ALVES CAMPOS, GEORGE VENTURA MORAIS, JOAO BRITO DE GOIS FILHO)

PROCESSO Nº 2008.82.9558-5, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: PEDRO INÁCIO DOS SANTOS ADVOGADOS: JOSÉ ALVES CAMPOS, GEORGE VENTURA MORAES E JOÃO BRITO DE GÓIS FILHO RÉU: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) PROCURADORA: JANIFFER CELANI RODRIGUES DE ATAÍDE S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Pedro Inácio dos Santos em face da União (Fazenda Nacional), visando ao pagamento, em favor do Autor, dos valores do imposto de renda incidentes sobre a complementação da aposentadoria percebida pelo Autor. O Autor afirma o seguinte: 1) É ex-servidor da Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU e associado da Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social - REFER da qual recebe, mensalmente, uma suplementação sobre sua aposentadoria; 2) A União procedeu ao desconto na fonte do imposto de renda incidente sobre as contribuições e suplementações da aposentadoria do Autor, caracterizando-se a bitributação, uma vez que no período de contribuição anterior a janeiro de 1996, impondo-se a restituição dos valores indevidamente tributados; 3) A incidência do imposto sobre as contribuições e suplementações contraria o disposto na Constituição Federal, no art. 165 do Código Tributário Nacional, art. 876 do Código Civil e Leis nºs. 7.713/88 e 9.250/95, bem como o Decreto nº. 3000/99; 4) O prazo prescricional para pleitear a restituição do imposto de renda é de dez anos, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, no EaReps nºs 439.097-DF e 440.198-DF e REsp nº. 286.552-DF. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 08/15). A União (Fazenda Nacional) apresentou contestação (fls. 20/25), afirmando que não se opõe ao pedido formulado pelo Autor, desde que a restituição pleiteada incida tão-somente sobre os valores percebidos a título de complementação de aposentadoria relativos às quantias vertidas ao fundo de previdência privada, no período de 1º/01/1989 a 31/12/1995, ou, em face de entendimento diverso, a improcedência do pedido formulado na petição inicial. O Autor apresentou impugnação, reiterando os termos da petição inicial (fls. 29/30). Determinei a intimação da REFER e da CBTU para informarem o montante do imposto de renda incidente sobre o valor pago ao Autor a título de suplementação de aposentadoria, relativamente às contribuições recolhidas no período de 01.01. 89 a 31.12.95 (fl. 32). A CBTU afirmou que não há como informar o valor pago ao Autor a título de complementação de aposentadoria e as eventuais retenções do imposto de renda sobre ele incidentes (fl. 38). A REFER apresentou a relação das contribuições no período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995 (fls. 40/49). A União não se opôs aos documentos apresentados pela REFER (fl. 54). A CBTU apresentou as cópias dos contra cheques do Autor relativos ao período de 1992 a 1995 (fls. 59/109). Com vista, o Autor não se opôs aos documentos apresentados pela CBTU (fl. 112). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. 1) Prazo decenal de prescrição para o pleito de compensação. Inaplicabilidade do art. 3º, da LC nº. 118/2005 e inconstitucionalidade do art. 4º da mesma Lei. Diante da lacuna normativa, entendeu o STJ que o prazo prescricional para a restituição dos tributos sujeitos a lançamento por homologação (como é o caso da COFINS) era de 05 (cinco) anos contados a partir da homologação do lançamento, o que, na forma tácita, ocorria 05 (cinco) anos após o recolhimento ao erário. Era a regra do "cinco mais cinco" que importava, na prática, em 10 (dez) anos para prescrição (prazo decenal). A aplicação retroativa (art. 4º) do art. 3º da LC n. 118/2005 viria eliminar a contagem dos "cinco mais cinco" mesmo quanto a fatos ocorridos e prazos iniciados antes de sua vigência. Tal situação infringiria o princípio constitucional da segurança jurídica, positivado na CF/88 a partir da proteção ao direito adquirido, ao ato jurídico perfeito e à coisa julgada (CF/88, art. 5º, XXXVI). Por tal motivo, entendo inaplicável o art. 3º da LC n. 118/2005, declarando incidentalmente a inconstitucionalidade do art. 4º da mesma lei. Em conseqüência, reconheço a incidência do prazo prescricional decenal quanto às contribuições a que se refere o processo em tela. No que pertine à regra do prazo decenal, transcrevo o seguinte julgado do STJ, na parte que interessa ao tema: "PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. PIS. COMPENSAÇÃO/REPETIÇÃO DE INDÉBITO. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. COMPENSAÇÃO. TRIBUTOS ADMINISTRADOS PELA SRF. PRESCRIÇÃO. TERMO INICIAL. TAXA SELIC E EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. INCIDÊNCIA. (...) 4. Versando a lide tributo sujeito a lançamento por homologação, a prescrição da ação de repetição/compensação de valores indevidamente recolhidos deve obedecer o lapso prescricional de 5 (cinco) anos contados do término do prazo para aquela atividade vinculada, a qual, sendo tácita, também se opera num qüinqüênio. 5. O E. STJ reafirmou a cognominada tese dos 5 (cinco) mais 5 (cinco) para a definição do termo a quo do prazo prescricional, nas causas in foco, pela sua Primeira Seção no julgamento do ERESP nº 435.835/SC, restando irrelevante para o estabelecimento do termo inicial da prescrição da ação de repetição e/ou compensação, a eventual declaração de inconstitucionalidade do tributo pelo E. STF. 6. Conseqüentemente, o prazo prescricional para a repetição ou compensação dos tributos sujeitos a lançamento por homologação começa a fluir decorridos 5 (cinco) anos, contados a partir da ocorrência do fato gerador, acrescidos de mais um qüinqüênio computado desde o termo final do prazo atribuído ao Fisco para verificar o quantum devido a título de tributo. (...) 9. Agravo regimental parcialmente provido." (AgRg no REsp 654179/BA; AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL 2004/0061210-0. Ministro LUIZ FUX (1122). T1 - PRIMEIRA TURMA Data do Julgamento: 02/06/2005. Publicação/Fonte: DJ 27.06.2005, p. 242. (grifado) No mesmo sentido, transcrevo a seguinte decisão do egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região: Origem: TRIBUNAL - QUINTA REGIAO. Classe: AMS - Apelação em Mandado de Segurança - 8202 Processo: 200183000189071 UF: PE Órgão Julgador: Primeira Turma. Data da decisão: 27/01/2005 Documento: TRF500092511. Relator: Desembargador Federal José Maria Lucena. "TRIBUTÁRIO. COMPENSAÇÃO. PIS. PRELIMINARES. INADEQUAÇÃO DA VIA ELEITA. PRESCRIÇÃO. LEI COMPLEMENTAR Nº 07/70. MEDIDA PROVISÓRIA 1.212/95. MAJORAÇÃO DE TRIBUTOS. POSSIBILIDADE. CONVERSÃO. LEI Nº 9.715/98. PRAZO NONAGESIMAL. DESOBEDIÊNCIA. INCONSTITUCIONALIDADE. ART. 18. - Na compensação disciplinada pela Lei 8.383/91, não se faz mister a exigência de créditos líquidos e certos. O mandado de segurança é, por conseguinte, instrumento apropriado para assegurar o pretenso direito, não havendo que se falar em impropriedade da via eleita. Preliminar rejeitada. - A 1ª Seção do STJ, na apreciação do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, julgado em 24.03.2004, revendo a orientação até então dominante, firmou entendimento no sentido de que o prazo prescricional para o ajuizamento de ação de repetição de indébito, para os tributos sujeitos a lançamento por homologação, é de cinco anos, tendo como marco inicial a data da homologação do lançamento, que, sendo tácita, ocorre no prazo de cinco anos do fato gerador. Considerou-se ser irrelevante, para efeito da contagem do prazo prescricional, a causa do recolhimento indevido (v.g., pagamento a maior ou declaração de inconstitucionalidade do tributo pelo Supremo), eliminando-se a anterior distinção entre repetição de tributos cuja cobrança foi declarada inconstitucional em controle concentrado e em controle difuso, com ou sem edição de resolução pelo Senado Federal, mediante a adoção da regra geral dos "cinco mais cinco" para a totalidade dos casos. (...) Preliminares rejeitadas. - Apelação não provida." (grifado) Finalmente, no que concerne especificamente à inconstitucionalidade da aplicação retroativa do art. 3º da LC 118/2005, por força do art. 4º da mesma lei, transcrevo os seguintes julgados do Colendo Superior Tribunal de Justiça: Origem: STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Classe: RESP - RECURSO ESPECIAL - 736143Processo: 200500467740 UF: MA Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA Data da decisão: 09/08/2005 Documento: STJ000629999. Relator:TEORI ALBINO SAVASCKI. "PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL. DISPOSITIVO LEGAL COM INTERPRETAÇÃO DIVERGENTE. AUSÊNCIA DE INDICAÇÃO. SÚMULA 284/STF. PRESCRIÇÃO. NOVA ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ NA APRECIAÇÃO DO ERESP 435.835/SC. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3º. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4º, NA PARTE QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. ENTENDIMENTO CONSIGNADO NO VOTO DO ERESP 327.043/DF. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. SÚMULA 07/STJ. (...) 2. A 1ª Seção do STJ, no julgamento do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, sessão de 24.03.2004, consagrou o entendimento segundo o qual o prazo prescricional para pleitear a restituição de tributos sujeitos a lançamento por homologação é de cinco anos, contados da data da homologação do lançamento, que, se for tácita, ocorre após cinco anos da realização do fato gerador - sendo irrelevante, para fins de cômputo do prazo prescricional, a causa do indébito. Adota-se o entendimento firmado pela Seção, com ressalva do ponto de vista pessoal, no sentido da subordinação do termo a quo do prazo ao universal princípio da actio nata (voto-vista proferido nos autos do ERESP 423.994/SC, 1ª Seção, Min. Peçanha Martins, sessão de 08.10.2003). 3. O art. 3º da LC 118/2005, a pretexto de interpretar os arts. 150, § 1º, 160, I, do CTN, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a "interpretação" dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. Portanto, o art. 3º da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 4. O artigo 4º, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3º, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2º) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5º, XXXVI). Ressalva, no particular, do ponto de vista pessoal do relator, no sentido de que cumpre ao órgão fracionário do STJ suscitar o incidente de inconstitucionalidade perante a Corte Especial, nos termos do art. 97 da CF. (...) 8. Recursos especiais a que se nega provimento." (grifado) STJ - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Classe: AGRESP - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL - 544778 Processo: 200300935508 UF: DF Órgão Julgador: PRIMEIRA TURMA Data da decisão: 12/05/2005 Documento: STJ000623192. Relatora: DENISE ARRUDA. "TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. IMPOSTO DE RENDA. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. PRESCRIÇÃO. TESE DOS "CINCO MAIS CINCO". ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA PRIMEIRA SEÇÃO NO JULGAMENTO DO ERESP 435.835/SC. (...) 2. A LC 118/2005 não se limitou a esclarecer dúvida advinda da interpretação do art. 168, I, do CTN. Com efeito, o art. 3º da mencionada lei objetiva alterar a orientação consagrada nesta Corte Superior. 3. A Primeira Seção desta Corte, concluindo o julgamento dos Embargos de Divergência 327.043/DF, na sessão do dia 27.4.2005, entendeu por negar-lhes provimento, firmando a orientação de que a LC 118/2005, ao estabelecer que a extinção do crédito tributário ocorre, no caso de tributo sujeito a lançamento por homologação, no momento do pagamento antecipado, inovou no plano normativo. 4. Por esse motivo, afastou-se a assertiva de que a referida norma teria natureza meramente interpretativa, limitando-se a sua aplicabilidade, em atenção ao princípio da anterioridade tributária, às situações verificadas após a sua vigência. 5. Agravo regimental a que se nega provimento." (grifado) Em face dos argumentos acima expostos, aplica-se à hipótese em exame o prazo prescricional decenal, conforme construção pretoriana vigente antes da LC n. 118/2005, no que atine aos fatos a ela pretéritos, sendo inconstitucional o art. 4º da mencionada LC. Tendo sido protocolada a petição inicial em 12/12/2008, estaria prescrito o pedido de restituição do imposto de renda indevidamente recolhido antes de 12/12/1998, ressalvadas aquelas cuja homologação do lançamento se tenha eventualmente dado de forma expressa pela autoridade fazendária, correndo o prazo prescricional de 05 (cinco) anos a partir da homologação. 2) Sobre a restituição do imposto de renda. O Autor é funcionário aposentado da Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU desde 29.10.2002 (fls. 14/15), e recebe suplementos de aposentadoria pagos pela Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social - REFER (fls. 10/13). Por essa razão, busca tutela judicial que lhe assegure a restituição dos valores do imposto que reputa indevidamente recolhidos, incidente sobre as suplementações de sua aposentadoria pagas pela REFER. Antes da vigência da Lei 7.713, de 22.12.1988, as contribuições pagas pelos beneficiários às Instituições de Previdência Privada eram dedutíveis na base de cálculo da declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física, e, por isso, os resgates e suplementações eram tributáveis. Com a entrada em vigor da Lei nº 7.713/19882, que compreendeu o período de 01.01.1989 a 31.12.1995, as contribuições não eram dedutíveis da base de cálculo do IRPF, tornando isentos desta exação os resgates e suplementações referentes à parcela correspondente às contribuições vertidas para os Planos de Previdência Privada, cujo ônus tenha sido de seus participantes. Com a edição da Lei nº 9.250/19953, voltou a ser admitida a dedução para efeitos do cálculo do Imposto de Renda das contribuições pagas pelos contribuintes a entidades de Previdência Privada, com a incidência do imposto no ato de resgate dos valores. A Medida Provisória n.º 2.159-69, de 27 de julho de 2001, em seu artigo 7º, excluiu "...da incidência do imposto de renda na fonte e na declaração de rendimentos o valor do resgate de contribuições de previdência privada, cujo ônus tenha sido da pessoa física, recebido por ocasião de seu desligamento do plano de benefícios da entidade, que corresponder às parcelas de contribuições efetuadas no período de 1o de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de 1995". (grifei) Se os valores recolhidos para a Previdência Privada já sofreram tributação do Imposto de Renda na fonte, no momento dos descontos efetuados, é inadmissível nova tributação por ocasião do resgate e suplementação de aposentadoria. Desta forma, não incide o Imposto de Renda sobre os valores a serem resgatados referentes às parcelas de contribuições pagas no período de 1o de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de 1995. Em relação aos demais períodos ocorre a incidência do tributo, uma vez que os valores são deduzidos da base de cálculo, não havendo pois bis in idem. A esse propósito, o precedente do STJ4. Portanto, é ilegítima a incidência do Imposto de Renda quando do resgate das contribuições para a previdência privada, recolhidas no período de 01.01.1989 a 31.12.1995 (MP nº. 2.159-70, de 24.08.20015), uma vez que houve, nesse período, a retenção do tributo por ocasião do recolhimento das contribuições, sem que houvesse, entretanto, autorização legal para a dedução posterior na base de cálculo quando da apresentação da declaração do imposto de renda do período. Já no período em que os recolhimentos para as entidades de previdência privada foram efetuados sob o regramento da Lei nº 9.250, de 1995, não tendo havido a retenção do Imposto de Renda na fonte, cabe a incidência desse mesmo imposto quando do resgate dos valores por ocasião do desligamento do plano de benefícios da entidade de previdência privada. Em conclusão: Até 31.12.1988 01.01.1989 a 31.12.1995 A partir de 01.01.1996 Incide o imposto de renda sobre os valores resgatados das contribuições recolhidas em favor das entidades de previdência privada Não incide o imposto de renda sobre os valores resgatados das contribuições recolhidas em favor das entidades de previdência privada Incide o imposto de renda sobre os valores resgatados das contribuições recolhidas em favor das entidades de previdência privada Na hipótese em exame, não ficou caracterizada a alegada bitributação, em face da ausência de demonstração da incidência do imposto de renda sobre os valores percebidos pelo Autor a título de suplementação de aposentadoria paga pela REFER, relativamente às contribuições recolhidas no período de janeiro de 1989 a março de 1995, considerando, por outro lado, que o Autor obteve aposentadoria por tempo de contribuição em 29/10/2002, conforme cópia da carta de concessão do benefício (fl. 15). Diante do exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 25 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 6º Ficam isentos do imposto de renda os seguintes rendimentos percebidos por pessoas físicas: ... VII - os benefícios recebidos de entidades de previdência privada: a) quando em decorrência de morte ou invalidez permanente do participante; b) relativamente ao valor correspondente às contribuições cujo ônus tenha sido do participante, desde que os rendimentos e ganhos de capital produzidos pelo patrimônio da entidade tenham sido tributados na fonte; VIII - as contribuições pagas pelos empregadores relativas a programas de previdência privada em favor de seus empregados e dirigentes; ... Art. 31. Ficam sujeitos à tributação na fonte, à alíquota de 25% (vinte e cinco por cento), relativamente à parcela correspondente às contribuições cujo ônus não tenha sido do beneficiário: I - as importâncias pagas ou creditadas a pessoas físicas, sob a forma de resgate, pecúlio ou renda periódica, pelas entidades de previdência privada. 3 Art. 4º. Na determinação da base de cálculo sujeita à incidência mensal do imposto de renda poderão ser deduzidas: ... V - as contribuições para as entidades de previdência privada domiciliadas no País, cujo ônus tenha sido do contribuinte, destinadas a custear benefícios complementares assemelhados aos da Previdência Social; ... Art. 33. Sujeitam-se à incidência do imposto de renda na fonte e na declaração de ajuste anual os benefícios recebidos de entidade de previdência privada, bem como as importâncias correspondentes ao resgate de contribuições. 4 TRIBUTÁRIO. PLANO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. IMPOSTO DE RENDA. LEIS N.º 7.713/88 E 9.250/95. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1459/96. PRECEDENTES. 1. O resgate das contribuições recolhidas sob a égide da Lei n.º 7.713/88 anterior à Lei n.º 9.250/95 não constitui aquisição de renda, já que não configura acréscimo patrimonial. Ditos valores recolhidos a título de contribuição para entidade de previdência privada, antes da edição da Lei n.º 9.250/95, eram parcelas deduzidas do salário líquido dos beneficiários, que já havia sofrido tributação de imposto de renda na fonte. Daí porque, a incidência de nova tributação por ocasião do resgate, configuraria bitributação. 2. A Lei n.º 9.250/95 só vale em relação aos valores de poupança resgatados concernentes ao ano de 1996, ficando livres da incidência do imposto de renda, 'os valores cujo o ônus tenha sido da pessoa física, recebido por ocasião do seu desligamento do plano de previdência, correspondentes às parcelas das contribuições efetuadas no período de 1º de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de 1995', nos moldes do art. 7º, da Medida Provisória n.º 1559-22. 3. Não incide o Imposto de Renda sobre o resgate das contribuições recolhidas pelo contribuinte para planos de previdência privada quando o valor corresponde aos períodos anteriores à vigência do art. 33, da Lei n.º 9.250, o qual não pode ter aplicação retroativa. 4. O sistema adotado pelo art. 33, em combinação com o art. 4º, inc. V, e 8º, inc. II, 'e', da Lei n.º 9.250/95, deve ser preservado, por a tanto permitir o ordenamento jurídico tributário, além de constituir incentivo à previdência privada. 5. Os dispositivos supra-indicados, por admitirem a dedutibilidade para o efeito ou apuração do cálculo do imposto de renda, das contribuições pagas pelos contribuintes a entidades de previdência privada, legitimam a exigência do mesmo contribuinte a sujeitar-se ao imposto de renda, na fonte e na declaração, quando receber os benefícios ou por ocasião dos resgates das operações efetuadas. 6. As regras acima, porém, só se aplicam aos recolhimentos e recebimentos operados após a vigência da referida Lei. 7. Os recebimentos de benefícios e resgates decorrentes de recolhimentos feitos antes da Lei nº 9.250/95, conforme exposto, não estão sujeitos ao imposto de renda, mesmo que a operação ocorra após a vigência da lei. 8. Precedentes desta Corte Superior. 9. Recurso Especial provido. (REsp nº 378622-PR, Relator Ministro JOSÉ DELGADO, 1ª Turma do STJ, un., DJU 18.03.2002, p. 189). 5 Medida Provisória anterior à EC nº. 32, de 11.09.2001, ainda em tramitação. ?? ?? ?? ??

   

0010072-45.1999.4.05.8200 LUZIA PEDRO DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, EDMILSON PEDRO DOS SANTOS) x LUZIA PEDRO DA SILVA x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS

DESPACHO Compulsando os presentes autos, verifica-se que já foi expedida a requisição de pagamento (PRECATÓRIO), estando os autos, dessa forma, aguardando o pagamento do respectivo precatório. Por fim, por petição (fl. 307), vem o advogado requerer vistas dos autos fora do cartório. Diante do fato, não vejo óbice, de forma que deferido o pedido, pelo prazo de 05(cinco) dias. Publique-se. JPA, ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto Rua João Teixeira de Carvalho, 480, 4º andar, Conj. Pedro Gondim, CEP 58031-220. www.jfpb.gov.br ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto 1 JVAL

   

0014688-53.2005.4.05.8200 MANOEL PAIVA MARTINS (Adv. LUIS FERNANDO PIRES BRAGA, LUIZ GUEDES DA LUZ NETO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Abra-se vista ao autor para, no prazo de 15(quinze)dias, se manifestar sobre a petição e documentos de fls.269/323, apresentando subsídios complementares caso os possua. Publique-se.

   

REINTEGRAÇÃO / MANUTENÇÃO DE POSSE - PROCEDIMENTO ESPECIAL DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA

   

0006847-02.2008.4.05.8200 COMPANHIA DE TECIDOS RIO TINTO (Adv. SILVANA BEZERRA DE LIMA SILVA) x ANTONIO DE ALMEIDA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x FUNDACAO NACIONAL DO INDIO - FUNAI (Adv. SEM PROCURADOR) x TEREZINHA DE JESUS PAIVA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2008.82.6847-8 - CLASSE 29 AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE AUTORA: COMPANHIA DE TECIDOS RIO TINTO ADVOGADA: SILVANA BEZERRA DE LIMA SILVA RÉ: UNIÃO ADVOGADO DA UNIÃO: FÁBIO LEITE DE FARIAS BRITO RÉ: FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI PROCURADORES: OTÁVIO UCHOA GUEDES CAVALCANTI E EDMUNDO BARBOSA DE CARVALHO RÉUS: ANTÔNIO DE ALMEIDA SILVA E TEREZINHA DE JESUS PAIVA SILVA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, o Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, abordou inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 103/105): "O Exmº Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, determinou a intimação da União e do Ministério Público Federal, nos seguintes termos (fls. 61): "Trata-se de Ação de Reintegração de Posse, com pedido de medida liminar, ajuizada perante a comarca de Rio Tinto/PB, movida pela COMPANHIA DE TECIDOS DE RIO TINTO contra ANTONIO DE ALMEIDA DA SILVA e sua companheira TEREZINHA DE JESUS PAIVA DA SILVA, buscando initio litis e inaudita altera pars, imediata reintegração da autora na posse de parte de um imóvel localizado na área urbana, no centro da Vila de Monte Mor, na Av. Paulista, nº 5094, em Rio Tinto/PB, medindo 55,37 hectares, com a decretação de reintegração definitiva da Posse, condenação do Requerido nas custas judiciais e honorários advocatícios e cominação de multa nos termos do art. 921 do CPC, caso torne a praticar novos atos de espoliação, em decorrência do esbulho, ocorrido em junho de 2008. Analisando os termos da petição inicial O Exmº Juiz de Direito da Comarca de Rio Tinto/PB, Dr. Adeilson Nunes de Melo, deferiu o pedido de liminar no qual determinou a expedição de mandado de reintegração de posse em favor da Autora e Citação dos Réus (fls. 17). Mandado de Reintegração de Posse (fls. 19) acostado aos autos em 29.07.08 (fls. 18, v.). Auto de Reintegração de Posse (fl. 20) A Autora informou às fl. 21/23 acerca do descumprimento da ordem judicial pelo Réu ANTÔNIO DE ALMEIDA SILVA. A FUNAI argüiu a incompetência absoluta da Justiça Estadual, por ser a Ré TEREZINHA JESUS PAIVA SILVA, "indígena Potiguara" (fls. 25/37 e 40/56) e requereu " sua admissão como parte da relação processual, também a da União Federal e do MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL". O Exmº Juiz de Direito da Comarca de Rio Tinto/PB, Dr. Adeilson Nunes de Melo, revogou a liminar deferida e determinou a remessa dos autos para a Justiça Federal (fls. 38/39). Isto posto, intimem-se à União e o Ministério Público Federal para, no prazo de 05 dias, manifestarem interesse no presente feito. João Pessoa, 14 OUT 2008." O Ministério Público Federal requereu que fosse oficiado ao INCRA para informar se o imóvel supostamente esbulhado situa-se dentro dos limites da terra indígena Potiguara de Monte-Mor, no Município de Rio Tinto (PB) (fls. 63), e a União afirmou que se pronunciará após o esclarecimento do INCRA sobre a localização do imóvel (fls. 67). Em cumprimento ao despacho de fls. 69, o INCRA sugeriu que fosse feita consulta à FUNAI, para que se manifestasse a respeito da localização da área objeto da presente Ação (fls. 74/84). Em cumprimento ao despacho de fls. 86, a FUNAI informou que o imóvel está dentro dos limites da terra indígena Potiguara de Monte-Mor (fls. 89/93). Com vista, a União afirmou ter interesse no feito (fls. 97), ao passo que o Ministério Público Federal requereu que, após a contestação, sejam os autos remetidos para manifestação acerca do mérito. E, quanto ao pedido liminar, opinou pelo seu indeferimento, tendo em vista a comprovação da localização da área em questão dentro das terras indígenas já demarcadas e o fato de que a Autora sequer demonstrou suficientemente a prática de atos possessórios na referida área (fls. 100). Assumi a jurisdição no feito em 31.03.2009, em razão do afastamento do Exmº Juiz Federal da 2ª Vara para participar de evento da ESMAFE-5ª Região, em Recife. É o relatório. Decido. O imóvel objeto da presente Ação de Reintegração de Posse está situado, segundo a FUNAI com base no cotejo de plantas (fls. 89/93), dentro da área indígena Potiguara de Monte-Mor, com área aproximada de 7.487 hectares, localizada nos Municípios de Rio Tinto e Marcação (PB), declarada de posse permanente do grupo indígena Potiguara, nos termos da Portaria nº 2.135, de 14.12.2007, do Ministro de Estado da Justiça (fls. 55/56), fazendo referência ao artigo 231 da Constituição Federal de 19882 e artigo 17 da Lei nº 6.001, de 19733. A natureza jurídica da área exclui a pretensão liminar de reintegração na posse por particular, além do que a Autora não demonstrou, de plano, ter efetivamente a posse do imóvel tido como esbulhado em junho de 2008, na forma do artigo 927, inciso I, do CPC4. Diante do exposto, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão da União e FUNAI no pólo passivo, na condição de assistentes, e de Terezinha de Jesus Paiva Silva, como Ré. Intime-se a Autora desta decisão. Citem-se a União e a FUNAI (artigo 931 do CPC). João Pessoa, 31 MAR 2009". (grifos no original) A União apresentou contestação (fls. 113/122), afirmando: 1) Impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que o imóvel em questionamento é bem público da União, cujo processo de demarcação foi regularmente efetuado; 2) O imóvel objeto da presente ação de reintegração de posse está situado em terra tradicionalmente indígena, assim declarado em processo administrativo demarcatório, nos termos do art. 231 da Constituição Federal de 1988, não se podendo falar em direito do Autor a ser reintegrado na respectiva posse. A FUNAI apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 126/162), afirmando: 1) Litisconsórcio passivo necessário com a comunidade indígena de Potiguara de Monte-Mor; 2) Impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que o imóvel, em cuja posse o Autor pretende ser reintegrado, está inserido na área da Terra Indígena Potiguara de Monte-Mor, declarada de posse permanente do grupo indígena; 3) No mérito, a improcedência do pedido em face da regularidade, validade e eficácia do procedimento administrativo de demarcação da Terra Indígena Potiguara de Monte Mor e sua destinação exclusivamente indígena. Com vista para impugnar as contestações, a Autora requereu a desistência da ação (fls. 166/167). A União e a FUNAI condicionaram o pedido de desistência à renúncia ao direito sobre o qual se funda a ação, com fundamento no art. 3º da Lei nº. 9.469, de 1997 (fls. 171 e 174). Com vista, a Autora não renunciou ao direito sobre o qual se funda a ação e reiterou o pedido de desistência (fls. 178/179). Assumi a jurisdição no feito em 07.01.2010, em razão das férias regulamentares do Exmo. Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire. É o relatório. Decido. A Autora requereu a desistência da ação, ao fundamento de que "está em negociação com a FUNAI, e Ministério Público Federal e Comunidade Indígena e já iniciaram na propriedade os levantamentos para indenização dos imóveis pertencentes a Cia. de Tecidos Rio Tinto, por a área da referida ação estar dentro da reserva indígena de Monte-mor" (fls. 166/167). Com vista dos autos, a União e a FUNAI condicionaram a desistência à renúncia ao direito sobre o qual se funda a ação (fls. 171 e 174). A desistência da Autora em prosseguir com a ação, decorrido o prazo para a contestação, acarreta a extinção do processo, sem resolução do mérito, a depender, no entanto, da concordância dos Réus (art. 267, VIII, § 4º, do CPC5). Todavia, a despeito da norma inserida no art. 3º da Lei nº. 9.469, de 19976, não cabe ao Réu condicionar a desistência da ação à renúncia do direito sobre o qual ela se funda (CPC, art. 269, V), sem que, para tanto, apresente razão comprovadamente legítima e plausível, o que não ocorreu no caso dos autos. Nesse sentido, há precedente assentando que o Réu não pode opor-se ao pedido de desistência, condicionando-o à renúncia do direito, sem que apresente motivo legítimo, devidamente comprovado7. Se não cabe ao Réu condicionar a desistência da ação à renúncia do direito, com maior razão não lhe é permitido discordar do pedido de desistência sem a exposição de motivos plausíveis e legítimos veis que entes Re desistor raz feito (fl.ido ando a corresponder ao 54,60 (cinqu (vinte e trque sirvam de justificativa suficiente à continuidade do feito. Diante do exposto, declaro a extinção do processo, sem resolução do mérito, por desistência da Autora, nos termos do art. 267, VIII, do CPC. Sem verba honorária, tendo em vista que o valor atribuído à causa (R$ 500,00 - quinhentos reais) dispensa a execução dos honorários, nos termos da Lei nº 9.469/97, que prescinde da cobrança em até R$ 1.000,00 (mil reais). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos com as cautelas legais. João Pessoa, 21 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens. § 1º - São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições. § 2º - As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes. § 3º - O aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra, na forma da lei. § 4º - As terras de que trata este artigo são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis. § 5º - É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras, salvo, "ad referendum" do Congresso Nacional, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco. § 6º - São nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse das terras a que se refere este artigo, ou a exploração das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes, ressalvado relevante interesse público da União, segundo o que dispuser lei complementar, não gerando a nulidade e a extinção direito a indenização ou a ações contra a União, salvo, na forma da lei, quanto às benfeitorias derivadas da ocupação de boa fé. § 7º - Não se aplica às terras indígenas o disposto no art. 174, § 3º e § 4º. 3 Art. 17. Reputam-se terras indígenas: I - as terras ocupadas ou habitadas pelos silvícolas, a que se referem os artigos 4º, IV, e 198, da Constituição; II - as áreas reservadas de que trata o Capítulo III deste Título; III - as terras de domínio das comunidades indígenas ou de silvícolas. 4 Art. 927. Incumbe ao autor provar: I - a sua posse; Il - a turbação ou o esbulho praticado pelo réu; III - a data da turbação ou do esbulho; IV - a continuação da posse, embora turbada, na ação de manutenção; a perda da posse, na ação de reintegração. 5 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." (grifei) 6 "Art. 1º O Advogado-Geral da União e os dirigentes máximos das autarquias, das fundações e das empresas públicas federais poderão autorizar a realização de acordos ou transações, em juízo, para terminar o litígio, nas causas de valor até R$50.000,00 (cinqüenta mil reais), a não-propositura de ações e a não-interposicão de recursos, assim como requerimento de extinção das ações em curso ou de desistência dos respectivos recursos judiciais, para cobrança de créditos, atualizados, de valor igual ou inferior a R$1.000,00 (mil reais), em que interessadas essas entidades na qualidade de autoras, rés, assistentes ou opoentes, nas condições aqui estabelecidas. ... Art. 3º As autoridades indicadas no caput do art. 1º poderão concorda com pedido de desistência da ação, nas causas de quaisquer valores desde que o autor renuncie expressamente ao direito sobre que se funda a ação (art. 269, inciso V, do Código de Processo Civil)". (grifei) 7 O réu não pode, sem motivo legítimo, devidamente comprovado, opor-se ao pedido de desistência, condicionando-o à renúncia do direito em que se funda a ação (RT 758/374, maioria). Anotado em Theotonio Negrão - Código de Processo Civil, 32ª edição, Editora Saraiva, p.343. (grifei) ?? ?? ?? ??

   

0008323-41.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x MARIA MACEDO DOS SANTOS E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº. 0008323-41.2009.4.05.8200 - CLASSE 233 REINTEGRAÇÃO / MANUTENÇÃO DE POSSE - PROCEDIMENTO ESPECIAL DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA AUTORA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO: FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES RÉS: MARIA MACEDO DOS SANTOS e JANEIDE MARIA DOS SANTOS S E N T E N Ç A1 Assumi a Jurisdição no presente feito. Cuida-se de Ação de Reintegração de Posse movida pela Caixa Econômica Federal em face de Maria de Macedo dos Santos e de Janeide Maria dos Santos, com pedido de liminar objetivando a expedição de mandado reintegratório da posse do imóvel residencial situado na Rua Projetada, nº. 179, bloco "H", apto. 201, Residencial Via Norte II, Mandacaru, João Pessoa/PB. Petição da Autora requerendo a desistência do processo (fl. 96). É o relatório. Decido. Trata-se de extinção do processo, regulamentada pelo art. 267 do CPC. Desnecessária a intimação das Rés, uma vez que não houve citação (art. 267, § 4º do CPC). DIANTE DO EXPOSTO, declaro extinto o processo, sem resolução de mérito, nos termos do art. 267, VIII2, do CPC. Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº. 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região3. P. I. Transitada em julgado, certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se com as cautelas legais. João Pessoa, 20 JAN 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 Sentença tipo C, cf. resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 2 Art. 267 - Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1º - O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2º - No caso do parágrafo anterior, quanto ao nº II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao nº III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3º - O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4º - Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação. 3Art. 1º - Atribuir aos juízos integrantes da 5ª Região, a partir de 01 de janeiro de 2006, o dever de manutenção dos livros cartorários constantes do Quadro 01: ..... Art. 2º - Determinar que a Subsecretaria de Informática desenvolva, teste e mantenha em pleno, adequado, confiável, inviolável e seguro funcionamento, nos sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, módulos de consulta a listagens com informações equivalentes às constantes dos livros referenciados, no Quadro 01 deste Provimento, pelos códigos 002, 003, 004, 005, 006, 007, 008, 009, 010 011, 012, 013, 014, 015, 016, 017 e 018. Art. 3º - Prescrever que os citados módulos disponham de funcionalidades para consulta on-line e excepcional impressão, mediante requisição do usuário, de listagens configuráveis e de listagens definidas conforme modelos constantes do Anexo A deste Provimento. Art. 4º - Estabelecer, nas Seções e Subseções Judiciárias integralmente informatizadas, que não mais sejam utilizadas, a partir de 01 de janeiro de 2006, versões em papel dos livros mencionados no artigo 02º deste Provimento, empregando-se, para registro e consulta das informações nele constantes, os sistemas de controle processual adotados na 5ª Região e os módulos especialmente desenvolvidos a este fim e anteriormente referidos, bem como, no caso de vista dos autos, guias suplementares impressas para coleta de assinatura (Anexo B - Modelo de guia para coleta de assinatura em caso de vista dos autos), a serem mantidas enquanto não devolvidos os autos. Parágrafo Único - Permanece obrigatório, nas varas integral e parcialmente informatizadas, o dever de manutenção, em papel, do livro referenciado no item 01 do Quadro 01 deste Provimento. Art. 5º - Definir, na hipótese de informatização parcial ou incompleta de uma Vara, que continuem, até sua integral informatização, sendo mantidos em papel todos os livros elencados no Quadro 01 deste Provimento, devendo ser neles registradas as informações constantes das correspondentes relações que figuram no Anexo A deste Provimento. Art. 6º - Facultar, nas varas não completamente informatizadas, a individualização, em função de juiz titular/substituto, dos livros de referência nº 004, 005 e 009, bem como o desdobramento, em razão de entidade ou órgão público destinatário, do Livro de vista a advogados/procuradores/peritos e, nas varas de competência mista (cível e criminal), o desdobramento dos livros de códigos 002, 003, 006, 007 e 008. Art. 7º - Admitir, em substituição ao uso do livro de referência 019, o emprego de sistema informatizado equivalente. Art. 8º - Determinar que seja periodicamente verificado, nos termos da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, o cumprimento dos requisitos para a suspensão condicional do processo, efetivando-se as correspondentes anotações e certificações nos autos da ação suspensa. Parágrafo Único - No caso de descumprimento das condições impostas para a manutenção do benefício, competirá à Secretaria da Vara a certificação do fato nos autos da ação suspensa, bem como o registro, nos Sistemas Tebas, Creta e/ou sucessores, do seu não atendimento. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 2 de 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0010377-14.2008.4.05.8200 JOSE GABRIEL TARGINO CUNHA (Adv. JANIO LUIS DE FREITAS) x MARIA DAS MERCES DE SOUZA OLIVEIRA E OUTRO (Adv. DEFENSOR PUBLICO DO ESTADO) x UNIÃO

Renove-se o expediente de fl. 86. João Pessoa,...

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000776-47.2009.4.05.8200 JOAQUIM GUEDES CORREIA GONDIM (Adv. FELIPE RANGEL DE ALMEIDA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

1. ( x ) ao (à) (s) Autor(a) (es) (as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)réu(ré)(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0000913-29.2009.4.05.8200 VERA LÚCIA DE MORAIS NASCIMENTO E OUTROS (Adv. ALEXANDRE GOMES BRONZEADO, ANDRE GOMES BRONZEADO, RENATA FRANÇA DE OLIVEIRA) x MARIA DE LOURDES FERREIRA DA SILVA x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0000915-96.2009.4.05.8200 MARIA NAZARÉ FURTADO DOS SANTOS E OUTROS (Adv. ALEXANDRE GOMES BRONZEADO, RENATA FRANÇA DE OLIVEIRA, ANDRE GOMES BRONZEADO) x MARIA DAS GRAÇAS MARTINS DOS SANTOS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0001329-94.2009.4.05.8200 HELIO FERRAZ DE ALBUQUERQUE (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

8. ( x ) às partes, sobre o laudo pericial.

   

0004619-20.2009.4.05.8200 MARIA DAS GRAÇAS PEREIRA DE ALMEIDA (Adv. ANDREA COSTA DO AMARAL, WERNA KARENINA MARQUES, NILDEVAL CHIANCA RODRIGUES JUNIOR, TERTULIANO AVELLAR) x UNIÃO FEDERAL - (MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES) (Adv. SEM PROCURADOR)

1. ( x ) ao (à) (s) Autor(a) (es) (as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)réu(ré)(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0005716-55.2009.4.05.8200 UNIMED PARAÍBA - FEDERAÇÃO DAS COOPERATIVAS DE TRABALHO MÉDICO DO ESTADO DA PARAÍBA (Adv. CAIUS MARCELLUS DE A. LACERDA, KARLISSON MEIRA DA SILVA, MARCIO MEIRA DE C. GOMES JUNIOR, PAULO LEITE DA SILVA) x AGENCIA NACIONAL DE SAUDE SUPLEMENTAR - ANS (Adv. SEM PROCURADOR)

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0005783-25.2006.4.05.8200 GENIEZER PEREIRA E CIA LTDA (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA, GUILHERME MELO FERREIRA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. SEVERINO CELESTINO SILVA FILHO)

Autos com vista, ao(s) Autor(es) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado/ cumprimento da sentença, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995). Publique-se. JPA

   

0006329-22.2002.4.05.8200 JOSIANE CRISTINA RIBEIRO GARCIA NOBREGA ME E OUTROS (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA, GUILHERME MELO FERREIRA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. NELSON CALISTO DOS SANTOS)

Autos com vista, ao(s) Autor(es) para, no prazo de 30 (trinta) dias, promover(em) a execução do julgado/ cumprimento da sentença, tendo em vista o encerramento da ação de conhecimento e/ou o processo de liquidação, pelo trânsito em julgado da sentença ou acórdão (Portaria nº 06/GAB., de 05 de maio de 1995). Publique-se. JPA

   

0007561-25.2009.4.05.8200 ELI GOMES DA SILVA (Adv. AMERICO GOMES DE ALMEIDA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

1. ( x ) ao (à) (s) Autor(a) (es) (as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)réu(ré)(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0008012-50.2009.4.05.8200 OSMAR FÉLIX DO NASCIMENTO E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO, KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO, JOÃO JOSÉ SALES QUEIROGA, JOAO ANTONIO DE MOURA, LÚCIO MARCOS DA COSTA, BRUNO LEONARDO MONTEIRO GUERRA, FLÁVIA FERREIRA PORTELA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

1. ( x ) ao (à) (s) Autor(a) (es) (as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)réu(ré)(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

0008311-27.2009.4.05.8200 LEONTINA CAMELO DE SOUZA (Adv. MICHELINE DUARTE BARROS DE MORAIS, ROBERTA MONTENEGRO OLIVEIRA TEIXEIRA DE PAIVA, FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO) x SUL AMERICA SEGUROS (Adv. NELSON LUIZ NOUVEL ALESSIO, ILZA REGINA DEFILIPPI DIAS, DOUGLAS ANTERIO DE LUCENA, ARLINETTI MARIA LINS, BEATRIZ BERGAMINI CAVALCANTE GOMES, LEIDSON FLAMARION TORRES MATOS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0010083-59.2008.4.05.8200 RICARDO LUIZ GOMES SILVA (Adv. DIMITRI CHAVES GOMES LUNA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

12. ( x ) ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0001502-60.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) x FARMACIA SHALOM LTDA E OUTROS (Adv. ROSA MONICA MENDES)

Autos com vista ao(à)(s) réu (ANDIQUERLANDIO MAIA DE SOUZA), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) autor(a)(s)(es), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0007078-92.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x IRACY TAVARES DE LIMA (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) autora/exeqüente (Caixa Econômica Federal-CEF) sobre a Certidão do Oficial de Justiça de fl. 43, no prazo de 05(cinco) dias.

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000359-94.2009.4.05.8200 JOSE ZUCA MOREIRA LUSTOSA (Adv. JOSEILTON ESTEVAO DA SILVA, AMILTON LADISLAU C. DE CARVALHO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. EDSON LUCENA NERI)

Autos com vista. Dê-se vista aos(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05 (cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. P. JPA, ...

   

0002299-61.1990.4.05.8200 TELEVISAO CABO BRANCO LTDA E OUTRO (Adv. RHUBIA LACERDA MARTINS DE OLIVEIRA, MARA REGINA SIQUEIRA DE LIMA, RENATA SONODA PIMENTEL, RITA VALERIA CAVALCANTE MENDONÇA, SERGIO BARBOSA ALVES, PATRICIA HELENA FERREIRA GAIAO, MANUEL DE FREITAS CAVALCANTE, LYDIANE MENDES GOMES CLEMENTINO, ANDRÉ DOS PRAZERES, ALINE MARIA GOMES DE MOURA, DIANE LINHARES DA CUNHA, KALYNE TEIXEIRA DO MONTE, SUZETE VELOSO DE OLIVEIRA, BERNARDO CRUZ ROSA ALENCAR DE SA, INGRID DE SORDI BATISTA, KELSEN LAFAYETE GOIS, REGINA MARIA DA CONCEIÇAO BEZERRA ALEIXO, BRUNO COSME DE MAGALHÃES, JOAO HENRIQUE TAVEIRA DE SOUZA, MARIANA COIMBRA SILVEIRA, RENATA KESSIA RIBEIRO SILVA, RODRIGO DE ANDRADE SOUZA) x UNIÃO (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

Autos com vista. Dê-se vista aos(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05 (cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. Publique-se. JPA, ...

   

0002311-60.1999.4.05.8200 MARIA FRANCISCA DA CONCEICAO (Adv. JOSEFA INES DE SOUZA) x MANOEL TAVEIRA DOS SANTOS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA)

Autos com vista. Dê-se vista aos(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05 (cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. P. JPA, ...

   

0004245-19.2000.4.05.8200 MARIA DE LOURDES LOPES BEZERRA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, ADEILTON HILARIO JUNIOR, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS) x MARIA DE LOURDES FERNANDES DA CRUZ x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA)

Autos com vista. Dê-se vista aos(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05 (cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. P. JPA, ...

   

0006120-82.2004.4.05.8200 MARIA DO CARMO F DA SILVA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista. Dê-se vista aos(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05 (cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. P. JPA, ...

   

0007874-88.2006.4.05.8200 LUIZ GUEDES DA LUZ NETO E OUTRO (Adv. LUIS FERNANDO PIRES BRAGA, LUIZ GUEDES DA LUZ NETO) x JOAO JORDAO SOBRINHO E OUTROS x INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAO, CIENCIA E TECNOLOGIA DA PARAIBA - IFPB (Adv. JOSE GALDINO DA SILVA FILHO, PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAÍBA) x ALBERTO MAGNO DA SILVA LUCINDO E OUTROS

Autos com vista. Dê-se vista aos(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05 (cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento. P. JPA, ...

   

0008485-36.2009.4.05.8200 ANTONIO CARLOS DE SOUZA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0009025-84.2009.4.05.8200 BEATRIZ DO NASCIMENTO SILVA, REPR. POR, MARIA BETÂNIA CÉSAR DO NASCIMENTO (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

1. ( x ) ao (à) (s) Autor(a) (es) (as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s)réu(ré)(s) no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC1). 1 Art. 398 do CPC. Sempre que uma das partes requerer a juntada de documento aos autos, o juiz ouvirá, a seu respeito, a outra, no prazo de 5 (cinco) dias. ?? ?? ?? ??

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000038-59.2009.4.05.8200 MARCOS DE ASSIS HOLMES MADRUGA (Adv. MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

9. ( x ) às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05(cinco) dias.

   

0000317-45.2009.4.05.8200 NEWTON MADRUGA (Adv. THAISA CRISTINA CANTONI MANHAS, DIOGO ASSAD BOECHAT) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

9. ( x ) às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05(cinco) dias.

   

0000334-81.2009.4.05.8200 ESPOLIO DE FRANCISCO PEQUENO DE SOUZA REP POR EDITE PAREDES DE SOUZA E OUTROS (Adv. DIOGO ASSAD BOECHAT, THAISA CRISTINA CANTONI MANHAS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0000725-36.2009.4.05.8200 FERNANDO OLIVEIRA SERRANO DE ANDRADE (Adv. SANCHA MARIA F.C R. ALENCAR, MARTSUNG F. C. DE ALENCAR, MARISE CORREIA DE OLIVEIRA, PRISCILA SOUZA DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE, MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO)

9. ( x ) às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05(cinco) dias.

   

0003666-61.2006.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x VOLNEI LEITE DE ANDRADE (Adv. JOSE WALTER LINS DE ALBUQUERQUE, PAULO LOPES DA SILVA, JOSE CARLOS DE LIMA)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0005719-10.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x MARIA DO SOCORRO VIRGINIO DA PENHA (Adv. RICARDO TADEU FEITOSA BEZERRA)

2. ( x ) ao (à) réu (ré), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) autor (a)(s), no prazo de 05 (cinco) dias (art. 398, CPC).

   

0009182-91.2008.4.05.8200 GEOVANA NÓBREGA NOGUEIRA GUIMARÃES (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, EDSON BATISTA DE SOUZA, JUSSARA TAVARES SANTOS SOUSA, LETICIA BOLZANI GONDIM, FREDERICO RODRIGUES TORRES, ERILANY DANTAS DOS SANTOS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

12. ( x ) ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0009338-45.2009.4.05.8200 AGLEIR DE PAIVA MENDONÇA (Adv. JOSE ALBERTO EVARISTO DA SILVA, ADRIANA MARQUES DA COSTA NOGUEIRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

7. ( x ) ao(à)(s) autor(a)(es), para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC) 1. 1 Art. 326 do CPC- Se o réu, reconhecendo o fato em que se fundou a ação, outro Ihe opuser impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de 10 (dez) dias, facultando-lhe o juiz a produção de prova documental. Art. 327 do CPC- Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 301, o juiz mandará ouvir o autor no prazo de 10 (dez) dias, permitindo-lhe a produção de prova documental. Verificando a existência de irregularidades ou de nulidades sanáveis, o juiz mandará supri-las, fixando à parte prazo nunca superior a 30 (trinta) dias. ?? ?? ?? ??

   

0009759-69.2008.4.05.8200 LUIS ANTONIO LEMOS DA SILVA (Adv. ANA CRISTINA DE OLIVEIRA VILARIM, AYRTON LINS FRANCA NETO, JERÔNIMO BARATA DE MELO FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

9. ( x ) às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05(cinco) dias.

   

0009953-69.2008.4.05.8200 JOÃO HUMBERTO POTTER SORENTINO (Adv. AMILDO DE SOUZA LEAO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

12. ( x ) ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0010065-38.2008.4.05.8200 HELENA COUTINHO DE SALES E OUTROS (Adv. GLÁUCIO DE SALES BARBOSA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

12. ( x ) ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0010099-13.2008.4.05.8200 MARIA APARECIDA DE OLIVEIRA FÉLIX (Adv. ELIZEU DANTAS SIMOES FERREIRA, ALEXANDRE GOMES BRONZEADO, RENATA FRANÇA DE OLIVEIRA, SIBELE SILVA DO NASCIMENTO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

12. ( x ) ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 30

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 46

TOTAL DE DECISÃO: 6

TOTAL DE DESPACHO: 38

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.