Publicado no Diário da Justiça de 22/08/2010

 

Boletim 2010.000062 - 2 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADERBAL DA COSTA VILLAR NETO 0000103-54.2009.4.05.8200

ALEXANDER THYAGO GONÇALVES NUNES DE CASTRO 0010380-66.2008.4.05.8200 0010383-21.2008.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0005894-04.2009.4.05.8200

ALEXANDRE SOARES DE MELO 0005454-08.2009.4.05.8200

ALEXANDRE SOUZA DE MENDONÇA FURTADO 0001420-87.2009.4.05.8200

ALISSON TAVEIRA ROCHA LEAL 0005454-08.2009.4.05.8200

ALVARO DANTAS WANDERLEY 0001420-87.2009.4.05.8200

ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL 0005756-37.2009.4.05.8200

ANDRE ARAUJO PIRES 0002834-86.2010.4.05.8200

ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001712-38.2010.4.05.8200 0002113-08.2008.4.05.8200

ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

ANGELLO RIBEIRO ANGELO 0004405-92.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200 0005756-37.2009.4.05.8200

ANTONIO DE PADUA MOREIRA DE OLIVEIRA 0004523-68.2010.4.05.8200

ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS 0000763-48.2009.4.05.8200 0001335-04.2009.4.05.8200 0001420-87.2009.4.05.8200

ANTONIO MARCOS BARBOSA 0004231-20.2009.4.05.8200

ANTONIO SEVERINO DA SILVA 0003792-09.2009.4.05.8200

ANTONIO TEOTONIO DE ASSUNCAO 0005580-24.2010.4.05.8200

ARLAND DE SOUZA LOPES 0003802-19.2010.4.05.8200

ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR 0005756-37.2009.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

BRUNO CAVALCANTI DIAS 0003797-94.2010.4.05.8200 0003898-34.2010.4.05.8200 0004411-02.2010.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0002883-30.2010.4.05.8200 0003792-09.2009.4.05.8200 0006045-67.2009.4.05.8200

CARLISSON DJANYLO DA FONSECA FIGUEIREDO 0002350-71.2010.4.05.8200

CARLOS BENITO COSENTINO FILHO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

CARLOS EMILIO FARIAS DA FRANCA 0001420-87.2009.4.05.8200

CARLOS FABIO ISMAEL DOS SANTOS LIMA 0004658-80.2010.4.05.8200

CARLOS NAZARENO PEREIRA DE OLIVEIRA 0003515-27.2008.4.05.8200

CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR 0004658-80.2010.4.05.8200

CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO 0006899-95.2008.4.05.8200

CLAUDIO DE LUCENA NETO 0005454-08.2009.4.05.8200

CLAUDIO MARQUES PICCOLI 0003515-27.2008.4.05.8200

CLAUDIONOR VITAL PEREIRA 0003654-08.2010.4.05.8200

CLEANTO GOMES PEREIRA 0003797-94.2010.4.05.8200 0003898-34.2010.4.05.8200 0004411-02.2010.4.05.8200

CLEMILDA BARRETO ALVES 0000797-86.2010.4.05.8200

CRISTIANO HENRIQUE S. SOUTO 0008304-69.2008.4.05.8200

DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA 0002834-86.2010.4.05.8200

DANIEL HENRIQUE ANTUNES 0001420-87.2009.4.05.8200

DELOSMAR DOMINGOS DE MENDONCA JUNIOR 0001420-87.2009.4.05.8200

DIEGO GALDINO DA SILVA MELO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

DORGIVAL TERCEIRO NETO 0003940-83.2010.4.05.8200

DORIS FIÚZA CORDEIRO 0003932-09.2010.4.05.8200

EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA 0003500-87.2010.4.05.8200 0004231-20.2009.4.05.8200

EDILVAN MEDEIROS MARQUES 0000836-20.2009.4.05.8200

EDSON BATISTA DE SOUZA 0000970-13.2010.4.05.8200

EDSON ULISSES MOTA COMETA 0000709-48.2010.4.05.8200

EDUARDO FRAGOSO DOS SANTOS 0011180-31.2007.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE JACOME E SILVA 0003493-95.2010.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE 0009059-59.2009.4.05.8200

EDUARDO MONTEIRO DANTAS 0001420-87.2009.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

ELZA FILGUEIRAS DE SIQUEIRA CAMPOS CANTALICE FLORENTINO 0011180-31.2007.4.05.8200

EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA 0003594-35.2010.4.05.8200 0003634-17.2010.4.05.8200 0003650-68.2010.4.05.8200 0003725-10.2010.4.05.8200 0008359-20.2008.4.05.8200

ENIO SILVA NASCIMENTO 0002834-86.2010.4.05.8200 0005566-74.2009.4.05.8200

EUDESIO GOMES DA SILVA 0003923-81.2009.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

FABIO ANDRADE MEDEIROS 0001420-87.2009.4.05.8200

FAUZEN CARNEIRO GARRIDO PALITOT 0004658-80.2010.4.05.8200

FELIPE AUGUSTO F. DE N. DEODATO 0009166-06.2009.4.05.8200

FELIPE DE FIGUEIREDO SILVA 0001420-87.2009.4.05.8200

FELIPE RANGEL DE ALMEIDA 0010380-66.2008.4.05.8200

FILIPE BRAGA DE BRITO MAIA 0008304-69.2008.4.05.8200

FLÁVIO AURELIANO DA SILVA NETO 0000970-13.2010.4.05.8200

FRANCISCO ARI DE OLIVEIRA 0008774-66.2009.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0000343-43.2009.4.05.8200 0000797-86.2010.4.05.8200 0001942-80.2010.4.05.8200 0008774-66.2009.4.05.8200 0009059-59.2009.4.05.8200

FRANCISCO DE ANDRADE CARNEIRO NETO 0000343-43.2009.4.05.8200

GEILSON SALOMAO LEITE 0001420-87.2009.4.05.8200

GERMANA AZEVEDO TOSCANO DE BRITO 0001420-87.2009.4.05.8200

GETULIO BUSTORFF FEODRIPPE QUINTAO 0003940-83.2010.4.05.8200

GILMAR SOBREIRA GOMES 0011180-31.2007.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

GLAYDDES MARIA SINDEAUX ESMERALDO 0002946-89.2009.4.05.8200 0002949-44.2009.4.05.8200

GUILHERME FONTES DE MEDEIROS 0003594-35.2010.4.05.8200 0003634-17.2010.4.05.8200 0003650-68.2010.4.05.8200 0003725-10.2010.4.05.8200 0008359-20.2008.4.05.8200

GUSTAVO EUGENIO BARROCA GOMES 0004830-22.2010.4.05.8200

GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO 0002834-86.2010.4.05.8200

HENRIQUE TENORIO DOURADO 0004202-33.2010.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0002883-30.2010.4.05.8200 0003792-09.2009.4.05.8200 0006045-67.2009.4.05.8200

HUGO RIBEIRO AURELIANO BRAGA 0004658-80.2010.4.05.8200

INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO 0000323-18.2010.4.05.8200

IURI DE MELO BARROS 0002065-15.2009.4.05.8200

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001712-38.2010.4.05.8200 0002113-08.2008.4.05.8200 0006899-95.2008.4.05.8200

JACQUELINE RODRIGUES CHAVES 0004214-52.2007.4.05.8200

JAIRO DE OLIVEIRA SOUZA 0003654-08.2010.4.05.8200

JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

JONATHAN B VITA 0004658-80.2010.4.05.8200

JOSE DE ARIMATEIA PEREIRA DE ALBUQUERQUE 0008304-69.2008.4.05.8200

JOSE EWERTON NOBREGA ARAUJO 0003802-19.2010.4.05.8200

JOSE GEORGE COSTA NEVES 0000970-13.2010.4.05.8200

JOSE MARCONI G. DE CARVALHO JUNIOR 0004658-80.2010.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

JOSE ROCHA LUCENA 0003515-27.2008.4.05.8200

JOSINETE RODRIGUES DA SILVA 0004214-52.2007.4.05.8200

JOSÉ ALFREDO DE FREITAS 0005756-37.2009.4.05.8200

JOSÉ EDUARDO DE LUCENA FARIAS 0011180-31.2007.4.05.8200

JURANDI FERNANDES FERREIRA 0002691-68.2008.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0001712-38.2010.4.05.8200 0002113-08.2008.4.05.8200 0004830-22.2010.4.05.8200 0006899-95.2008.4.05.8200

JUSCELINO DE OLIVEIRA SOUZA 0003654-08.2010.4.05.8200

KARLA GABRIELA SOUSA LEITE 0000970-13.2010.4.05.8200

KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA 0002834-86.2010.4.05.8200

LEIDSON FARIAS 0005454-08.2009.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0002883-30.2010.4.05.8200 0003792-09.2009.4.05.8200 0006045-67.2009.4.05.8200

LINCOLN VITA 0004658-80.2010.4.05.8200

LINCON BEZERRA DE ABRANTES 0003493-95.2010.4.05.8200

LINDBERG CARNEIRO TELES ARAUJO 0000970-13.2010.4.05.8200

LUCIANA GURGEL DE AMORIM 0008774-66.2009.4.05.8200

LUCIANA PEDROSA NEVES CIRNE 0011180-31.2007.4.05.8200

LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA 0003932-09.2010.4.05.8200

LUIZ CARLOS DE ARAUJO SANTOS JUNIOR 0005454-08.2009.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0002883-30.2010.4.05.8200 0003792-09.2009.4.05.8200 0006045-67.2009.4.05.8200

LUIZ DA ROSA GARCIA FILHO 0005612-29.2010.4.05.8200

LUIZ MONTEIRO VARAS 0009752-77.2008.4.05.8200

MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES 0009752-77.2008.4.05.8200

MARCO AURÉLIO DE MEDEIROS VILLAR 0000103-54.2009.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0000970-13.2010.4.05.8200

MARCOS FREDERICO MUNIZ CASTELO BRANCO 0003940-83.2010.4.05.8200

MARCOS LUIZ RIBEIRO DE BARROS 0004523-68.2010.4.05.8200

MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA 0004405-92.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200

MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO 0003792-09.2009.4.05.8200

MARIA JOSE DA SILVA 0009752-77.2008.4.05.8200

MARIA TELMA RODRIGUES A. FIGUEIREDO 0002350-71.2010.4.05.8200

MIGUEL MOURA LINS SILVA 0004202-33.2010.4.05.8200

MONICA CRISTINA MARINHO ROCHA LUCENA 0003515-27.2008.4.05.8200

MURILO OLIVEIRA DE ARAUJO PEREIRA 0004577-34.2010.4.05.8200

MYRELLA DE SOUSA DELGADO 0002065-15.2009.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0000970-13.2010.4.05.8200

NELSON AZEVEDO TORRES 0000970-13.2010.4.05.8200

NELSON DE OLIVEIRA SOARES 0000836-20.2009.4.05.8200

NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES 0004405-92.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200

OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA 0002834-86.2010.4.05.8200

PABLO LIRA BRAGA 0004658-80.2010.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0009752-77.2008.4.05.8200

PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

PAULO SERGIO T. LINS FALCAO 0009059-59.2009.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0003493-95.2010.4.05.8200 0003515-27.2008.4.05.8200 0003594-35.2010.4.05.8200 0003650-68.2010.4.05.8200 0003654-08.2010.4.05.8200 0003725-10.2010.4.05.8200 0003797-94.2010.4.05.8200 0003898-34.2010.4.05.8200 0004202-33.2010.4.05.8200 0004411-02.2010.4.05.8200 0008304-69.2008.4.05.8200

RAFAEL SEDRIM PARENTE DE MIRANDA TAVARES 0001335-04.2009.4.05.8200

RAFAEL SGANZERLA DURAND 0004405-92.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200

RAFAELLA DE MENEZES FREIRE 0008774-66.2009.4.05.8200

RAONI LACERDA VITA 0004658-80.2010.4.05.8200

RENAN DO VALLE MELO MARQUES 0009166-06.2009.4.05.8200

RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ 0004405-92.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200

RHUBIA LACERDA MARTINS DE OLIVEIRA 0001420-87.2009.4.05.8200

ROBERTA GARCIA DE ARAÚJO 0004190-19.2010.4.05.8200

ROBERTO GILSON RAIMUNDO FILHO 0004231-20.2009.4.05.8200

ROBERTO JORDÃO DE OLIVEIRA 0005454-08.2009.4.05.8200

RODRIGO AZEVEDO GRECO 0001420-87.2009.4.05.8200

RODRIGO AZEVEDO TOSCANO DE BRITO 0001420-87.2009.4.05.8200

RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI 0004405-92.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200

RODRIGO PINTO 0001420-87.2009.4.05.8200

ROGERIO MAGNUS VARELA GONCALVES 0009166-06.2009.4.05.8200

ROGIS BEZERRA DA SILVA 0003493-95.2010.4.05.8200

ROMILTON DUTRA DINIZ 0005454-08.2009.4.05.8200

SARA DE ALMEIDA AMARAL 0006899-95.2008.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000103-54.2009.4.05.8200 0000323-18.2010.4.05.8200 0000763-48.2009.4.05.8200 0001942-80.2010.4.05.8200 0002065-15.2009.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0002883-30.2010.4.05.8200 0003335-40.2010.4.05.8200 0003634-17.2010.4.05.8200 0004214-52.2007.4.05.8200 0005756-37.2009.4.05.8200 0005894-04.2009.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200 0009752-77.2008.4.05.8200 0010380-66.2008.4.05.8200 0010383-21.2008.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000709-48.2010.4.05.8200 0000970-13.2010.4.05.8200 0001712-38.2010.4.05.8200 0002113-08.2008.4.05.8200 0002200-90.2010.4.05.8200 0002350-71.2010.4.05.8200 0002946-89.2009.4.05.8200 0002949-44.2009.4.05.8200 0003500-87.2010.4.05.8200 0003792-09.2009.4.05.8200 0003802-19.2010.4.05.8200 0003923-81.2009.4.05.8200 0003932-09.2010.4.05.8200 0003940-83.2010.4.05.8200 0004190-19.2010.4.05.8200 0004231-20.2009.4.05.8200 0004405-92.2010.4.05.8200 0004523-68.2010.4.05.8200 0004577-34.2010.4.05.8200 0004613-76.2010.4.05.8200 0004658-80.2010.4.05.8200 0004830-22.2010.4.05.8200 0005454-08.2009.4.05.8200 0005566-74.2009.4.05.8200 0005580-24.2010.4.05.8200 0005612-29.2010.4.05.8200 0006045-67.2009.4.05.8200 0008359-20.2008.4.05.8200 0008860-37.2009.4.05.8200 0009166-06.2009.4.05.8200

SERGIO DE MELO DANTAS JUNIOR 0000343-43.2009.4.05.8200

SUELEN ROSSANEZ 0003515-27.2008.4.05.8200

SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

TACIANO FONTES DE FREITAS 0008860-37.2009.4.05.8200

TAINA DE FREITAS 0004658-80.2010.4.05.8200

THAISA CRISTINA CANTONI MANHAS 0003335-40.2010.4.05.8200

THELIO FARIAS 0005454-08.2009.4.05.8200

TIAGO BATISTA REBOUCAS 0002949-44.2009.4.05.8200

VALTER DE MELO 0002883-30.2010.4.05.8200 0003792-09.2009.4.05.8200 0006045-67.2009.4.05.8200

VINICIUS DE NEGREIROS CALADO 0000836-20.2009.4.05.8200 0002691-68.2008.4.05.8200 0006907-72.2008.4.05.8200

VIRGINIUS JOSE LIANZA DA FRANCA 0001420-87.2009.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002200-90.2010.4.05.8200 0002672-28.2009.4.05.8200

ÍTALO COUTO FARIAS BEM 0005454-08.2009.4.05.8200

 

Juiz Federal ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE

Diretor de Secretaria: REINALDO DE ARAUJO PAIVA

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000103-54.2009.4.05.8200 FRANCISCO BARBOSA DA SILVA E OUTROS (Adv. MARCO AURÉLIO DE MEDEIROS VILLAR, ADERBAL DA COSTA VILLAR NETO) x JOSE ORTENCIO DA SILVA x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0000323-18.2010.4.05.8200 FRANCISCO DE ASSIS DAS NEVES SANTANA E OUTRO (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO) x FRANCISCO ASSIS FERREIRA DA SILVA E OUTRO x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

2ª VARA PROCESSO Nº 323-18.2010 CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR(A)(ES): FRANCISCO D ASSIS DAS NEVES SANTANA, FRANCISCO ASSIS FERREIRA DA SILVA, FRANCISCO DE ASSIS MATIAS e FRANCISCO ASSIS RAIMUNDO. ADVOGADO(A): Inaldo de Souza Morais Filho RÉ(U): CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA D E C I S Ã O Os Autores propuseram a presente ação de conhecimento contra a Caixa Econômica Federal, pretendendo a correção do saldo existente em sua conta vinculada do FGTS, em jan/89 (42,72%), fev/89 (10,14%), mar/90 (84,32%), abr/90 (44,80%), jun/90 (12,92%), jan/91 (13,69%), e, ainda, em mar/91 (11,79%). Determinada a apresentação pelo Autor Francisco de Assis Ferreira da Silva de cópias da petição inicial e eventuais julgamentos relativos ao Processo nº 5303-42.2009.4.05.2009, 8537-32.2009.4.05.2009 e 105262-32.2009.4.05.2009, para fins de exame da eventual ocorrência de conexão, litispendência ou coisa julgada. Determinou-se, ainda, que o Autor Francisco de Assis Matias comprovasse a sua opção pelo regime do FGTS (fls. 57/58). Não houve pronunciamento dos Autores, mesmo após deferimento de pedido de dilação probatória (fls. 62) e intimações pessoais (fls. 71 e 75). RELATADOS. DECIDO. Não atendido ao ordinatório para instrução da Inicial com comprovação da não ocorrência de conexão, litispendência ou coisa julgada, pelo Autor Francisco de Assis Ferreira da Silva, é o caso de excluir-se o Demandante, conforme precedente jurisprudencial1, mutatis mutandis. No mesmo sentido, cabe a exclusão do Autor Francisco de Assis Matias da presente lide, em face do não atendimento à determinação de comprovação da existência de conta vinculada do FGTS em seu nome, a configurar a ausência de documento essencial ao julgamento do mérito da ação, conforme precedente jurisprudencial2. ISTO POSTO, excluo da lide os Autores Francisco de Assis Matias e Francisco de Assis Matias. Após o decurso do prazo recursal, proceda-se a correções cartorárias e na Distribuição e cite-se a CAIXA quanto ao pedido formulado pelos demais Autores. João Pessoa, 09 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 "EMENTA. PROCESSUAL CIVIL. DILIGÊNCIA NÃO CUMPRIDA. INDEFERIMENTO DA INICIAL. Diligência determinada ao autor no sentido de comprovar e esclarecer inocorrência de litispendência. Seu descumprimento, nada obstante reiteradas intimações, dá ensejo à extinção do processo, por indeferimento da inicial, nos termos do art. 267, I, c/c 284, § único, do CPC. Apelação desprovida." (AC Nº 165.066 - PB, Relator Juiz ARAKEN MARIZ, 2ª Turma do TRF - 5ª Região, j. 24.08.1999) 2 AGRAVO REGIMENTAL EM APELAÇÃO CÍVEL. CADERNETA DE POUPANÇA. REPOSIÇÃO DE CORREÇÃO MONETÁRIA. EXPURGOS DOS MESES DE JUNHO/87 E JANEIRO /89. TENTATIVA DE ANTECIPAR A LIQÜIDAÇÃO DA SENTENÇA. IMPOSSIBILIDADE. IMPROVIMENTO DO RECURSO. NÃO COMPROVAÇÃO DE TITULARIDADE DE CONTA. EXTINÇÃO DO PROCESSO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO (ART. 267, VI). 1. As ações de conhecimento relativas a expurgos inflacionários em contas de poupança e FGTS, dado o volume e a repetição da matéria, por construção jurisprudencial, apenas demandam a comprovação da existência dos depósitos e da titularidade. 2. Maria da Glória Souza Dias não apresentou extrato ou documento que indicasse a titularidade de conta no período pleiteado, o que implica em extinção do processo sem julgamento do mérito com relação a ela. 3. Agravo regimental da CEF parcialmente provido tão-somente para excluir a autora Maria da Glória Souza Dias da lide (TRF-1ª Região, 5ª Turma, AGRAC 200438000454314, Relator Desembargador Federal SELENE MARIA DE ALMEIDA, j. 25.02.2009, e-DJF1 13.03.2009, pg. 99) ?? ?? ?? ?? 1 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA 10 ELT

   

0000709-48.2010.4.05.8200 IVAO KOHIYAMA (Adv. EDSON ULISSES MOTA COMETA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 0000709-48.2010.4.05.8200, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: IVAO KOHIYAMA ADVOGADO: EDSON ULISSES MOTA COMETA RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR: FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Ordinária movida por Ivao Kohiyama em face do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, visando à revisão do cálculo concessório do benefício previdenciário de aposentadoria por tempo de contribuição concedido nos autos da ação previdenciária especial n.º 2005.82.00.501394-6. O autor alega, em síntese, o seguinte: 1) obteve, nos autos da ação n.º 2005.82.00.00.501394-6, que tramitou no Juizado Especial Federal de João Pessoa, o deferimento do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição, cuja DIB foi fixada em 10.10.2003; 2) observando-se a carta de concessão, constata-se erro grosseiro, tendo em vista se confundiu salário-de-contribuição com desconto previdenciário; 3) em dezembro de 1998, o salário-de-contribuição utilizado pelo INSS foi de R$ 151,00, quando, conforme se depreende da CTPS, o salário do autor correspondia a R$ 1.891,04; 4) no período anteriormente a dezembro de 1998, trabalha na TELPA S.A. e seu salário era de aproximadamente R$ 1.700,00; 5) considerando que aposentadoria deveria tomar por base a média de 80% (oitenta por cento) dos maiores salários-de-contribuição no período de julho de 1994 a setembro de 2003, os valores para elaboração da renda mensal inicial deveriam ser bem superiores aos constantes da memória de cálculo. Com a petição inicial juntou procuração e documentos (fls. 08/23). O INSS apresentou contestação, alegando: 1) preliminar de coisa julgada, tendo em vista que o autor está reproduzindo a ação n.º 2005.82.00.501394-6, em houve o conhecimento do direito ao benefício de aposentadoria por tempo de contribuição; 2) na fase de execução da referida ação, o autor pleiteou a inclusão no cálculo concessório dos salários-de-contribuição compreendidos entre julho de 1994 a dezembro de 1998, cujo pedido foi indeferido pelo Juízo da 7ª Vara sob o fundamento de inexistência de erro material na planilha de cálculo; 3) da decisão indeferitória houve impetração de mandado de segurança perante a Turma Recursal, que se encontra pendente de julgamento. Em caso de procedência do pedido, pede seja observada a prescrição das parcelas anteriores ao quinquenio que precede o ajuizamento da ação (fls. 30/77). Impugnação (fls. 81/83). É o relatório. Decido. Inicialmente, esclareço que a preliminar de coisa julgada, suscitada pelo INSS, se confunde com a carência de ação em face da impropriedade da via eleita, conforme fundamentos a seguir expostos. O autor busca tutela judicial no sentido de determinar a revisão do cálculo concessório do benefício previdenciário de aposentadoria por tempo de contribuição, concedido nos autos da ação previdenciária especial n.º 2005.82.00.501394-6. A sentença proferida pelo Juízo da 7ª Vara Federal julgou improcedente o pedido (fls. 41/46). No entanto, a Turma Recursal reformou a sentença de Primeira Instância para "condenar o INSS a conceder-lhe a aposentadoria por tempo de serviço/contribuição integral, após a conversão do temo de serviço especial acima referido com a aplicação do fator 1,40, aplicando-se no cálculo desse benefício o fator previdenciário e a sistema de cálculo respectiva do PBC prevista na Lei n.º 9.876/99, com o pagamento das parcelas pretéritas, respeitada a prescrição quinquenal, devidamente corrigidas pelo IGP-DI até janeiro/04 e pelo INPC a partir de fevereiro/04, e acrescidas de juros de mora de 1% ao mês a partir da citação." (fls. 47). O autor insurgiu-se contra a planilha de cálculo constante do anexo integrante do julgado nos autos da ação 2005.82.00.501394-6, sustentando ter sido considerado apenas seu último vínculo empregatício e que deveriam ser computados os salários-de-contribuição relativos ao período de julho de 1994 a janeiro de 1998. O pedido foi rejeitado, sob o fundamento de que não existia qualquer erro material na referida planilha de cálculo, conforme cópia da decisão acostada às fls. 71/72. Ocorre que a presente ação ordinária afigura-se inidônea para dirimir incidentes decorrentes da execução de sentença proferida nos autos de outra ação. Os incidentes da execução do julgado que determinou a concessão do benefício, se houver, deverão ser solucionados em sede própria, ou seja, nos autos da ação especial previdenciária. Mutatis mutandis, este é também o fundamento adotado, por unanimidade, pelo TRF-5ª Região, na Apelação em Mandado de Segurança nº 35.845 - 2ª Vara -PB, Relator o Exmº Desembargador Federal, Dr. RIDALVO COSTA, julgamento em 02.12.1993, de que colho o voto elucidativo: "O objetivo precípuo desta impetração foi garantir a execução de um acórdão do eg. TRT da 13ª Região, que assegurou aos impetrantes o pagamento do percentual de 84,32%. O referido aresto foi reformado pelo col. TST, razão pela qual a autoridade impetrada determinou a suspensão do pagamento do reajuste e ainda a devolução das parcelas recebidas. Sustentaram os impetrantes que o julgado do TST ainda não haveria transitado em julgado, já que interpuseram embargos infringentes, permanecendo válida a decisão do TRT. Sem me ater à questão da eficácia ou não do julgado do TRT, indago se o mandado de segurança poderia constituir via idônea para se pleitear a execução de título judicial ou mesmo para atacar o ato de autoridade que impede ou se opõe ao cumprimento do título. Penso que não. O mandado de segurança não é cabível para fazer executar sentenças. No caso, a eficácia ou não do acórdão do TRT só poderá ser examinada em sede própria, quer seja nos autos da execução provisória (Carta de Sentença) quer seja na execução definitiva. Ao juiz da execução competirá a resolução de quaisquer incidentes relativos ao não cumprimento do título judicial. Nesse sentido corretamente decidiu o julgador de primeiro grau: 'Definitiva ou suspensiva a execução da sentença provinda do Juízo Trabalhista os reflexos advindos do cumprimento refogem ao âmbito da mandamental, em caráter autônomo e independente. A eficácia da resolução judicial há-de ser examinada em sede própria, qual seja no âmbito da Carta de Sentença (provisória) ou execução trabalhista definitiva. Não há de prevalecer a fungibilidade de ação ao sobrepor o Mandado de Segurança à execução trabalhista genuína. (...) Os efeitos da sentença prolatada pelo órgão judicial trabalhista hão de ser dirimidos em sua finalidade. Despicienda e incomportável a prolação de sentença mandamental pelo Juízo Federal para fazer cumprir sentença proferida por Juiz do Trabalho.' - fls. 65. Mantenho a r. sentença por seus jurídicos fundamentos. Nego provimento à apelação. É como voto." (grifei) A conclusão lógica a que se chega é que a presente ação ordinária não se sobrepõe tampouco tem o condão de substituir a execução ou aos desdobramentos da sentença proferida em ação distinta. ISTO POSTO, julgo o autor carecedor de ação, em face da falta de interesse processual, nos termos dos arts. 267, VI2, e 295, III3, do CPC. Custa ex lege. Sem verba honorária, atendendo-se à espécie: a) despesas são gênero, honorários espécie destinada ao ressarcimento da parte; b) não se destinam, in casu, à percepção pelos advogados dos órgãos públicos, à falta de lei específica; c) receita própria com destinação diversa do ônus da sucumbência; d) a genuína publicização do processo prepondera sobre a visão privatística. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009 da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos com as cautelas legais. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal PSM 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação. 3 Art. 295. A petição inicial será indeferida: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - quando for inepta; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - quando a parte for manifestamente ilegítima; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - quando o autor carecer de interesse processual; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - quando o juiz verificar, desde logo, a decadência ou a prescrição (art. 219, § 5o); (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - quando o tipo de procedimento, escolhido pelo autor, não corresponder à natureza da causa, ou ao valor da ação; caso em que só não será indeferida, se puder adaptar-se ao tipo de procedimento legal; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Vl - quando não atendidas as prescrições dos arts. 39, parágrafo único, primeira parte, e 284. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Parágrafo único. Considera-se inepta a petição inicial quando: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - Ihe faltar pedido ou causa de pedir; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - o pedido for juridicamente impossível; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - contiver pedidos incompatíveis entre si. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) (grifei) ?? ?? ?? ?? 3 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0000970-13.2010.4.05.8200 ODETE COELHO MESQUITA (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, NELSON AZEVEDO TORRES, JOSE GEORGE COSTA NEVES, FLÁVIO AURELIANO DA SILVA NETO, EDSON BATISTA DE SOUZA, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, LINDBERG CARNEIRO TELES ARAUJO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0001712-38.2010.4.05.8200 FLOILDO GOMES TEIXEIRA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x UNIAO FEDERAL (MINISTERIO DOS TRANSPORTES) (Adv. SEM PROCURADOR)

Intime-se o Autor para, no prazo de 30(trinta)dias, apresentar as respectivas fichas financeiras concernentes ao período em questionamento. Publique-se.

   

0002200-90.2010.4.05.8200 MAURITY NOBREGA DE ARAUJO (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA - INCRA (Adv. SEM PROCURADOR)

Dê-se vista ao Autor para manifestar-se sobre os documentos apresentados pelo INCRA, às fls. 109/129. Prazo: 05(cinco)dias. Publique-se.

   

0002672-28.2009.4.05.8200 JOANA BARBOSA DE LIMA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0002946-89.2009.4.05.8200 ASSOCIACAO DOS SERVIDORES DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - ASSECAS (Adv. GLAYDDES MARIA SINDEAUX ESMERALDO) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (Adv. SEM PROCURADOR)

Recebo a apelação(fls.2490/2495) nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC1). Vista ao(s)apelado(s) para apresentação de contrarrazões no prazo de 15(quinze) dias. Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Publique-se. 1 Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - homologar a divisão ou a demarcação; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - condenar à prestação de alimentos; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - julgar a liquidação de sentença; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) (Revogado pela Lei nº 11.232, de 2005) IV - decidir o processo cautelar; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - julgar improcedentes os embargos opostos à execução. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes; (Redação dada pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994) VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. (Incluído pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela; (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) ?? ?? ?? ??

   

0002949-44.2009.4.05.8200 ASSOCIACAO DOS SERVIDORES DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - ASSECAS (Adv. GLAYDDES MARIA SINDEAUX ESMERALDO) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (Adv. SEM PROCURADOR, TIAGO BATISTA REBOUCAS)

Recebo a apelação(fls.2545/2550) nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC1). Vista ao(s)apelado(s) para apresentação de contrarrazões no prazo de 15(quinze) dias. Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. 1 Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - homologar a divisão ou a demarcação; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - condenar à prestação de alimentos; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - julgar a liquidação de sentença; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) (Revogado pela Lei nº 11.232, de 2005) IV - decidir o processo cautelar; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - julgar improcedentes os embargos opostos à execução. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes; (Redação dada pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994) VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. (Incluído pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela; (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) ?? ?? ?? ??

   

0003335-40.2010.4.05.8200 LAJES MINERACAO LTDA (Adv. THAISA CRISTINA CANTONI MANHAS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Recebo a apelação(fls.93/138) nos efeitos devolutivo e suspensivo (art. 520, caput, do CPC1). Vista ao(s)apelado(s) para apresentação de contrarrazões no prazo de 15(quinze) dias. Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Publique-se. 1 Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - homologar a divisão ou a demarcação; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - condenar à prestação de alimentos; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - julgar a liquidação de sentença; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) (Revogado pela Lei nº 11.232, de 2005) IV - decidir o processo cautelar; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - julgar improcedentes os embargos opostos à execução. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes; (Redação dada pela Lei nº 8.950, de 13.12.1994) VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. (Incluído pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela; (Incluído pela Lei nº 10.352, de 26.12.2001) ?? ?? ?? ??

   

0003500-87.2010.4.05.8200 MUNICIPIO DE MULUNGU/PB (Adv. EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Pronuncie-se o autor, em 10(dez)dias, sobre a Ação Ordinária nº 0010551-57.2007.4.05.8200 para verificação de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada(art. 103, 301 § 1º e 333, I, do CPC).

   

0003515-27.2008.4.05.8200 JOSETE MARINHO DE LUCENA (Adv. JOSE ROCHA LUCENA, MONICA CRISTINA MARINHO ROCHA LUCENA, CARLOS NAZARENO PEREIRA DE OLIVEIRA, CLAUDIO MARQUES PICCOLI, SUELEN ROSSANEZ) x UNIVERSIDADE FEDERAL DE TOCANTINS (CAMPUS DE TOCANTINÓPOLIS) (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Recebo as apelações(fls.251/260 e 270/281) no efeito devolutivo(art. 520, inciso VII, do CPC1). Vista ao(s) apelado(s) para apresentação de contrarrazões, no prazo de 15(quinze)dias. Após as cautelas legais, subam os autos ao Eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Publique-se. 1 "Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: I - homologar a divisão ou a demarcação; II - condenar à prestação de alimentos; III - julgar a liquidação de sentença; IV - decidir o processo cautelar; V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes; VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem. VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela". ?? ?? ?? ??

   

0003792-09.2009.4.05.8200 JOSE CARLOS AMARANTE DE MATOS, REP. P/ S/ GENITORA E CURADORA ESPECIAL, MARIA DAS NEVES MATOS (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO, ANTONIO SEVERINO DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Desentranhe-se a impugnação ao valor da causa de fls. 56/57 e remeta-se à Distribuição para autuação. Após, intime-se o autor para, no prazo de 10(dez)dias, impugnar a contestação juntada às fls. 58/83. Cumpra-se. Publique-se.

   

0004231-20.2009.4.05.8200 MARCAÇÃO PREFEITURA (Adv. EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA, ROBERTO GILSON RAIMUNDO FILHO, ANTONIO MARCOS BARBOSA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2009.82.4231-7 - CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: MUNICÍPIO DE MARCAÇÃO ADVOGADOS: EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA, ROBERTO GILSON RAIMUNDO FILHO E ANTÔNIO MARCOS BARBOSA RÉ: UNIÃO PROCURADORA: SALÉSIA DE MEDEIROS WANDERLEY S E N T E N Ç A1 O Exmº Juiz Federal Substituto da 2ª Vara, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, indeferiu o pedido de antecipação da tutela, nos seguintes termos (fls. 121/122): "Assumi a jurisdição. Cuida-se de Ação Ordinária movida pelo Município de Marcação em face da União, com pedido de antecipação da tutela visando o "estorno" pela Ré do quantum debitado no primeiro decênio do mês de maio de 2005, por força da Portaria nº 743, de 7 de março de 2005, a título de supostos ajustes na conta do Fundo do Município-autor. O Autor afirma, em síntese, que: 1) Com o advento da Emenda Constitucional nº 14, foi instituído o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF, através da qual se operou a nova sistemática de distribuição dos recursos destinados à educação fundamental; 2) Pela metodologia adotada no FUNDEF, foram introduzidos novos critérios de distribuição e utilização de 15% (quinze por cento) dos principais impostos dos Estados e dos Municípios, promovendo a partilha de recursos entre o Governo Estadual e seus Municípios, de acordo como o número de alunos atendidos em cada ente de ensino, auferidos mediante censo e de acordo com coeficientes de distribuição estabelecidos e publicados previamente; 3) Em 10 de maio de 2005, por expediente emanado pelo Ministro da Educação, foi implementada em uma única parcela - de forma unilateral e sem qualquer aviso prévio ou justificativa - vultuosa dedução nos recursos que o município dispunha para a manutenção do seu ensino fundamental. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 03/31). O autor apresentou cópias das petições iniciais dos processos nºs 2007.82.766-7 e 2009.82.4081-3, bem como certidão da Quarta Turma do TRF-5ª Região, em que há informação de que os autos do processo nº 2006.82.6678-3 se encontravam na Fazenda Nacional quando o autor os solicitou para retirar cópia (fls. 37/112). É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. A título de antecipação da tutela, poderá ser deferida medida cautelar, se presentes os pressupostos específicos do fumus boni iuris e do periculum in mora. O deferimento do pedido de "estorno" implicaria, por via oblíqua, preterição ao princípio constitucional do pagamento de débito judicial mediante precatório (artigo 100 da CF/1988) e aos limites das despesas anuais previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal e no cronograma orçamentário da União, que está sujeito aos requisitos constantes do Título VI - Da Tributação e do Orçamento, Capítulo II - Das Finanças Públicas, da Constituição Federal. Diante do exposto, indefiro o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se o Autor desta decisão e para cumprir integralmente o despacho de fl. 342. João Pessoa, 28 JUL 2009." O Autor apresentou cópia da petição inicial da Ação Ordinária nº 2006.82.6678-3 (fls. 125/133). A União apresentou contestação (fls. 139/144) arguindo a carência de ação, por falta de interesse processual, em razão da alteração legislativa disciplinando o cálculo do valor mínimo do FUNDEF com o advento da Medida Provisória nº 339/ 2006, que instituiu o FUNDEB, bem como a sua ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que a gestão do extinto FUNDEF é atribuição do FNDE, autarquia federal com personalidade jurídica distinta da União. No mérito, afirmou que os ajustes levados a efeito no FUNDEF, que possui natureza contábil e é constituído de recursos originários dos Estados, Distrito Federal e Municípios, cabendo à União uma participação complementar, objetivaram adequar o repasse à realidade arrecadatória de cada ente da Federação, e, nesse sentido, decorreram da legislação de regência do FUNDEF. O Autor impugnou a contestação reiterando os termos da petição inicial (fls. 148/152). Em cumprimento ao despacho de fls. 169, a Seção de Cálculos apresentou informação sobre diferença de R$ 133.253,44 (fl. 165). Com vista, o Autor reiterou a pretensão (fls. 168/186). A União requereu o prosseguimento do feito (fls. 189/190). É o relatório. Decido. 1) Da carência de ação. Na contestação, a União suscitou a falta de interesse processual, sob o fundamento de que a Medida Provisória nº 339/2006, que instituiu o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, dispõe sobre outra metodologia de cálculo diversa da até então em vigor. O fato de ter havido alteração legislativa com a Medida Provisória nº 339/2006, convertida na Lei nº 11.494/2007, que regulamenta o FUNDEB, de que trata o artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da CF/1988, não retira o interesse de agir do Autor em ver restituído de quantia que alega fora deduzida dos valores repassados pela União, a título de complementação, no âmbito do FUNDEF, até porque a restituição que se pretende ocorrera em relação à dedução em 2005, ao passo que alteração legislativa é de 2006. Desse modo, improcede a assertiva de falta de interesse processual. 2) Sobre a legitimação passiva da União. O repasse do FUNDEF, cujo valor a menor é questionado pelo Autor, fora efetuado pela União, com base na Portaria nº 743, de 07.03.2005, do Ministério da Educação, daí a legitimidade passiva. 3) Do mérito. O objeto da presente Ação Ordinária consiste em (fls. 23): "Desta forma, vem REQUERER a V. Exa. O imprescindível amparo judicial imediato, mediante concessão da antecipação dos efeitos da tutela, inaudita altera pars, a fim de ordenar à União que efetive o imediato estorno do quantum debitado no primeiro decênio do mês de maio de 2005, por força da Portaria nº. 743, de 7 de março de 2005, a título de supostos ajustes na conta do Fundo do Município-autor; ... No mérito, pugna pela procedência in totum da ação, confirmando em definitivo a tutela antecipada, para declarar a ilegalidade e inconstitucionalidade da subtração perpetrada pela Portaria nº 743/2005, afastando seus efeitos de forma definitiva ..." (grifei) O artigo 1º da Lei nº 9.424/1996, que trata do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF, prevê a complementação da União na composição dos valores repassados, cujos recursos são distribuídos com base no número de alunos matriculados no ensino fundamental na rede pública escolar estadual e municipal. O artigo 3º, § 7º, do Decreto nº 2.264/1997, que regulamentou a Lei nº 9.424/1996, dispõe que nenhum ajuste relacionado com a complementação da União será admitido ao longo do respectivo exercício de competência3. A Portaria nº 743, de 07.03.20054, do Ministério da Educação, que trata dos ajustes dos dados das matrículas apuradas no Censo Escolar de 2004, dos alunos do ensino fundamental, dos municípios que deram origem a novos municípios e dos municípios instalados em 2005, para fins de definição dos coeficientes de distribuição e transferência dos recursos financeiros do FUNDEF, e divulgação dos Coeficientes de Distribuição dos recursos do FUNDEF, relativas ao ano de 2005, não se adequa ao que previsto no Decreto nº 2.264/1997, porque os ajustes foram realizados no primeiro decênio de maio de 2005, para vigorar no mesmo ano. Nessa linha de entendimento, reporto-me a precedente do TRF - 5ª Região5. No caso em exame, de acordo com a informação da Seção de Cálculos (fls. 165), contabilizados os créditos e débitos concernentes à movimentação do FUNDEF do Município de Marcação, resultou como diferença em seu favor a quantia de R$ 133.253,44. Esta diferença decorre dos ajustes efetuados pela União quando do repasse do FUNDEF, em cumprimento à Portaria nº 743/2005, do Ministério da Educação. ISTO POSTO, julgo procedente o pedido e determino à União que proceda à restituição, em favor do Autor, do valor de R$ 133.253,44, debitado no mês de maio de 2005, por ocasião dos repasses para o FUNDEF, devidamente corrigido e acrescido de juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação. Condeno a União ao pagamento de honorários advocatícios em favor do Autor no percentual de 15% (quinze por cento) sobre o valor da condenação (artigo 20 do CPC). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região, nos termos do artigo 475, I, do CPC. João Pessoa,10 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535/2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "Pronuncie-se o autor, em 10 (dez) dias, apresentando cópias das petições iniciais e sentença com trânsito em julgado, se houver, dos processos nº(s) 2006.82.6678-3, 2007.82.766-7 e 2009.82.4081-3, a fim de esclarecer(em) e comprovar(em), para fins de exame de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada (art. 103, 301 §1º e 333, I, do CPC)." 3 Art. 3º Compete ao Ministério da Fazenda efetuar o cálculo da complementação anual devida pela União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização Magistério em cada Estado e no Distrito Federal. § 1º O cálculo da complementação da União em cada ano terá como base o número de alunos de que trata o § 1º do Art. 2º deste Decreto, o valor mínimo por aluno, definido nacionalmente, na forma do art. 6º, da Lei nº 9.424, de 24 de dezembro de 1996, e a arrecadação das receitas vinculadas ao Fundo. § 2º A complementação anual da União corresponderá a diferença, se negativa, entre a receita anual do Fundo em cada Unidade da Federação e o valor mínimo da despesa definida para Fundo no mesmo ano. § 3º As planilhas de cálculo da estimativa de complementação da União serão remetidas previamente ao conhecimento do Tribunal de Contas da União. § 4º Até o dia 31 de dezembro de cada ano o Ministério da Fazenda publicará o valor da estimativa da complementação da União para o ano seguinte, relativa a cada Unidade da Federação, bem como o respectivo cronograma de pagamentos mensais ao Fundo. § 5º Após encerrado cada exercício, o Ministério da Fazenda calculará o valor da complementação devida pela União com base na efetiva arrecadação das receitas vinculadas ao Fundo, relativa ao exercício de referência. § 6º O Ministério da Fazenda promoverá os ajustes que se fizerem necessários entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, em decorrência do cálculo da complementação efetivamente devida, até 30 dias após a entrega, ao Ministério da Fazenda, dos dados oficiais relativos a arrecadação anual do ICMS do exercício encerrado, de todos os Estados e do Distrito Federal. § 7º Nenhum ajuste relacionado com o pagamento da complementação da União será admitido ao longo do respectivo exercício de competência. § 8º O cronograma de que trata o § 4º deste artigo observará a programação financeira do Tesouro Nacional e contemplará pagamentos mensais de, no mínimo, 5% da estimativa de complementação anual, a serem realizados até o último dia útil de cada mês, assegurados os repasses de, no mínimo, 45% até 31 de julho e 85% até 31 de dezembro de cada ano. § 9º Parcela do valor da complementação devida pela União poderá ser destinada, em cada ano, ao ajuste de que trata o § 6º deste artigo. § 10 Estimativa da Complementação de que trata este artigo será efetuada pelo Ministério da Educação e do Desporto e a Secretaria de Orçamento Federal, do Ministério do Planejamento e Orçamento para fins de inclusão na proposta orçamentária do ano subsequente. § 11 O Ministério da Fazenda informará mensalmente ao Ministério da Educação e do Desporto e ao Tribunal de Contas da União os valores repassados a cada Fundo de que trata este Decreto, discriminando a complementação federal. 4 Art. 1º Ajustar os dados das matrículas apuradas no Censo Escolar de 2004, dos alunos do ensino fundamental, dos municípios que deram origem a novos municípios e dos municípios instalados em 2005, na forma do Anexo I, para fins de definição dos coeficientes de distribuição e transferência dos recursos financeiros do FUNDEF, em cumprimento ao disposto no § 8o, art. 3o da Lei no 9.424, de 24 de dezembro de 1996. Art. 2º Divulgar os Coeficientes de Distribuição dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF, a vigorar no exercício de 2005, na forma do Anexo III. § 1º Os Coeficientes divulgados na forma do caput deste artigo contemplam o ajustamento das matrículas, definido no art. 1º desta Portaria. § 2º O Coeficiente de Distribuição dos recursos do FUNDEF, para cada Governo, é calculado a partir da fórmula constante do Anexo II, adotando-se o número de matrículas no ensino fundamental público, nas modalidades regular e especial, nas respectivas redes de ensino (estadual e municipal), por localização (urbana e rural), no âmbito de cada Unidade Federada, tomando-se como referência a diferenciação de valor por aluno/ano, de que trata o art. 2o, incisos de I a V, do Decreto no 5.374, de 17 de fevereiro de 2005 e os dados do Censo Escolar de 2004, publicados por meio da Portaria no 4.330, de 27 de dezembro de 2004, e retificados pelas Portarias no 202, de 19 de janeiro de 2005, e no 547, de 24 de fevereiro de 2005. Art. 3º A garantia dos efeitos desta Portaria a partir de 01 de janeiro de 2005, será assegurada mediante realização dos ajustes financeiros necessários. Art. 4º Fica revogada a Portaria no 4.351, de 28 de dezembro de 2004. Art. 5º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. 5 "Constitucional e Administrativo. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF). Complementação de verbas pela União. Lei nº 9.424/96. Decreto nº 2.264/97. Portaria nº 734/2005 do Ministério da Educação. Ajustes de repasses. Dedução das cotas do FUNDEF no mesmo exercício de competência. Impossibilidade. Risco aos programas sociais voltados para a manutenção e melhoria da educação. Necessidade de observância do devido processo legal. Apelo e remessa oficial improvidos." (APELREEX 200784000010191, Relatora Desembargadora Federal Germana Moraes,- j. 04.08.2009, DJE de1 5.09.2009, p. 241) (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0004658-80.2010.4.05.8200 ABMAEL DE SOUSA LACERDA (Adv. CARLOS FABIO ISMAEL DOS SANTOS LIMA, LINCOLN VITA, HUGO RIBEIRO AURELIANO BRAGA, CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR, JONATHAN B VITA, TAINA DE FREITAS, JOSE MARCONI G. DE CARVALHO JUNIOR, RAONI LACERDA VITA, PABLO LIRA BRAGA, FAUZEN CARNEIRO GARRIDO PALITOT) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO N.º 4658-80.2010.4.05.8200 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: ABMAEL DE SOUSA LACERDA ADVOGADOS: CARLOS FÁBIO ISMAEL DOS SANTOS LIMA, HUGO RIBEIRO AURELIANO BRAGA, CELSO FERNANDES JÚNIOR, JONATHAN B. VITA, TAINÁ DE FREITAS, JOSÉ MARCONI G. DE CARVALHO JÚNIOR, RAONI LACERDA VITA E FAUZER PALITOT RÉ: UNIÃO D E C I S à O Cuida-se de Ação Ordinária movida por Abmael de Sousa Lacerda em face da União, visando, em antecipação da tutela, à suspensão dos efeitos do Acórdão nº. 685/2005, da 2ª Câmara do Tribunal de Contas de União, relativo ao processo de Tomada de Contas nº. 006.248/2004-5, bem como dos atos que implicarem a cobrança do débito imputado ao Autor, e, no mérito, a declaração de nulidade do mencionado Acórdão nº. 685/2005 do TCU - 2ª Câmara. O Autor afirma o seguinte: 1) No âmbito do Tribunal de Contas da União tramitava o Processo de Tomada de Contas nº. 006.248/2004-5, relativo à verificação da regularidade das contas de determinado convênio firmado entre a Prefeitura Municipal de Pombal/PB, da qual o Autor era Prefeito Constitucional, e o Ministério do Meio Ambiente; 2) O TCU determinou, nos autos dos embargos de declaração interpostos pelo Autor, a intimação deste para tomar ciência do acórdão nº. 685/2005, da 2ª Câmara daquele Órgão Colegiado, proferida na Sessão de 03.05.2005, no entanto foi intimada pessoa estranha ao Demandante, o qual só veio a obter conhecimento do fato de forma casual, uma vez que não recebera qualquer notificação do TCU; 3) Dessa forma, o TCU impossibilitou a apresentação do recurso cabível e, após o irregular trânsito em julgado da decisão, adotou as medidas necessárias ao recolhimento da multa e à restituição pecuniária a que o Autor foi condenado, o que implica ofensa ao princípio constitucional da amplitude da defesa. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 22/51). Em cumprimento ao despacho de fl. 53, o Autor indicou a União Federal para integrar o pólo passivo da presente Ação Ordinária (fl. 55). É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 2731 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; e b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. O Autor requer, em antecipação da tutela, a suspensão dos efeitos da intimação realizada no âmbito do Processo de Tomada de Contas nº 006.248/2004-5, sob o argumento de que esta intimação não foi realizada em conformidade com o Regimento Interno do Tribunal de Contas da União, uma vez que foi realizada por carta entregue a pessoa estranha ao seu relacionamento. O Processo de Tomada de Contas nº 006.248/2004-5 diz respeito a fato ocorrido durante o mandato do Autor na condição de Prefeito do Município de Pombal-PB. Conforme consta no Aviso de Recebimento de fl. 28, a comunicação referente ao Ofício-Notificação nº 1.081/2007- TCU/SECEX-PB foi encaminhada a endereço localizado no Município de Pombal-PB. O Autor não informou qual o seu endereço no Município de Pombal-PB, limitando-se a informar, sem comprovação, que reside no Município de João Pessoa-PB. O art. 1792, II, do Regimento Interno do Tribunal de Contas da União dispõe que a notificação sobre os atos do TCU poderá ser feita mediante carta registrada, com aviso de recebimento que comprove a entrega no endereço do destinatário. Precedente da jurisprudência3. ISTO POSTO, indefiro o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se o Autor. Cite-se. João Pessoa, 09 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 1o Na decisão que antecipar a tutela, o juiz indicará, de modo claro e preciso, as razões do seu convencimento. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o Não se concederá a antecipação da tutela quando houver perigo de irreversibilidade do provimento antecipado. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o A efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme sua natureza, as normas previstas nos arts. 588, 461, §§ 4o e 5o, e 461-A. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 4o A tutela antecipada poderá ser revogada ou modificada a qualquer tempo, em decisão fundamentada. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 5o Concedida ou não a antecipação da tutela, prosseguirá o processo até final julgamento. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 6o A tutela antecipada também poderá ser concedida quando um ou mais dos pedidos cumulados, ou parcela deles, mostrar-se incontroverso. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 7o Se o autor, a título de antecipação de tutela, requerer providência de natureza cautelar, poderá o juiz, quando presentes os respectivos pressupostos, deferir a medida cautelar em caráter incidental do processo ajuizado. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) 2 CAPÍTULO XI COMUNICAÇÕES Art. 179. A citação, a audiência ou a notificação, bem como a comunicação de diligência, far-se-ão: I - mediante ciência da parte, efetivada por servidor designado, por meio eletrônico, facsímile, telegrama ou qualquer outra forma, desde que fique confirmada inequivocamente a entrega da comunicação ao destinatário; II - mediante carta registrada, com aviso de recebimento que comprove a entrega no endereço do destinatário; III - por edital publicado no Diário Oficial da União, quando o seu destinatário não for localizado. § 1º A citação, a audiência, a comunicação de diligência ou a notificação determinada, conforme o caso, pelo relator, pelas câmaras ou pelo Plenário será expedida pela unidade técnica competente da Secretaria do Tribunal. § 2º No caso de adoção de medida cautelar pelo Tribunal ou relator, as comunicações poderão ser efetivadas pelo meio mais célere possível, entre os previstos no inciso I do caput, observado o § 4º do art. 276. § 3º As notificações ao responsável para pagamento de débito ou de multa, efetivadas nas formas previstas nos incisos I e II do caput, serão acompanhadas de cópia do documento de arrecadação, devidamente preenchido com dados que não sofrerão modificações até a data indicada. § 4º Supre a falta da citação ou da audiência o comparecimento espontâneo do responsável, desde que havido após a determinação do Tribunal ou do relator prevista no inciso II ou III do art. 202. § 5º Ato normativo próprio do Tribunal disciplinará a elaboração, a expedição e o controle de entrega das comunicações. 3 EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL. MANDADO DE SEGURANÇA. DESNECESSIDADE DE INTIMAÇÃO PESSOAL DAS DECISÕES DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. ART. 179 DO REGIMENTO INTERNO DO TCU. INTIMAÇÃO DO ATO IMPUGNADO POR CARTA REGISTRADA, INICIADO O PRAZO DO ART. 18 DA LEI N. 1.533/51 DA DATA CONSTANTE DO AVISO DE RECEBIMENTO. DECADÊNCIA RECONHECIDA. AGRAVO IMPROVIDO. 1. O envio de carta registrada com aviso de recebimento está expressamente enumerado entre os meios de comunicação de que dispõe o Tribunal de Contas da União para proceder às suas intimações. 2. O inciso II do art. 179 do Regimento Interno do TCU é claro ao exigir apenas a comprovação da entrega no endereço do destinatário, bastando o aviso de recebimento simples. 3. O prazo decadencial para a impetração do mandado de segurança conta-se da data constante do aviso de recebimento e não admite suspensão ou interrupção. 4. Agravo regimental a que se nega provimento. (Supremo Tribunal Federal, Relator Ministro Eros Grau, Número de páginas: 7. Análise: 21/08/2006, CEL. Revisão: 15/09/2006) ?? ?? ?? ?? 1 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 10

   

0005566-74.2009.4.05.8200 MUNICÍPIO DE PILÕES - PB (Adv. ENIO SILVA NASCIMENTO) x INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE PILÕES - IPMP (Adv. ENIO SILVA NASCIMENTO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

0005756-37.2009.4.05.8200 ANNA VALESKA RODRIGUES MAUX (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, ANGELLO RIBEIRO ANGELO, JOSÉ ALFREDO DE FREITAS, ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2009.5756-4, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: ANNA VALESKA RODRIGUES MAUZ ADVOGADOS: ANA RITA FERREIRA NÓBREGA CABRAL, ALGELLO RIBEIRO ANGELO, JOSÉ ALFREDO DE FREITAS e ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO: FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO S E N T E N Ç A1 O Exmo. Juiz Federal Substituto da 2ª Vara, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, indeferiu o pedido de antecipação dos efeitos da tutela nos seguintes termos: (fls. 37/40). "Assumi a jurisdição. Cuida-se de Ação Ordinária, com pedido de antecipação da tutela, movida por Anna Valeska Rodrigues Mauz em face da Caixa Econômica Federal - CAIXA, visando à suspensão do pagamento das prestações vencidas do contrato de mútuo e alienação fiduciária em garantia de imóvel (março a julho de 2009) para que sejam incorporadas no saldo devedor, bem como ao pagamento das prestações vincendas no valor R$ 1.249,41 (um mil duzentos e quarenta e nove reais e quarenta e um centavos). A Autora afirma o seguinte: 1) É mutuária do Sistema Financeiro de Habitação em virtude de aquisição da casa própria junto à Caixa Econômica Federal - CAIXA, conforme contrato por instrumento particular de compra e venda de imóvel residencial quitado, mútuo e alienação fiduciária em garantia firmado em 01.12.2008; 2) O referido contrato foi avençado de acordo com o Sistema de Amortização SAC, pela Tabela Price; 3) É funcionária pública do estado do Rio Grande do Norte e durante muitos anos esteve à disposição do Tribunal de Justiça da Paraíba, razão pela qual aqui comprou o seu imóvel, sob a forma de alienação fiduciária; 4) Em razão das últimas medidas do Conselho Nacional de Justiça no sentido de que os servidores de outras entidades fossem devolvidos à sua origem, a Autora foi devolvida em 22.05.2009 à sua instituição de origem; 5) Por esta razão, vem sofrendo uma enorme dificuldade financeira, haja vista que teve despesas na sua mudança que subitamente a deixou sem a mínima condição de pagar o encargo mensal no valor de R$ 1.249,42, sem comprometer o sustento próprio e de sua família; 6) Além das dificuldades já impostas pelo contrato, como as cláusulas abusivas, a Autora se deparou com um fato inesperado e não é justo perder o seu imóvel; 7) Quer continuar cumprindo o contrato firmado através do pagamento das prestações mensais para, ao final, ter direito à sua casa própria; 8) Até o mencionado fato ocorrido, sempre pagou em dia a sua prestação; 9) Procurou a CAIXA para negociar a dívida, porém, foi-lhe negada esta possibilidade, haja vista que a Ré só recebe a dívida vencida de uma única vez, o que é totalmente impossível para a parte autora. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 03/34). O pedido de antecipação da tutela objetiva: a) à suspensão do pagamento das prestações vencidas (março a julho de 2009) do contrato de mútuo habitacional; b) à determinação à CAIXA para que receba as prestações vencidas do contrato de mútuo habitacional no valor de R$ 1.249, 41 (um mil duzentos e quarenta e nove reais e quarenta e um centavos); e c) à abstenção da CAIXA de enviar o nome da Autora aos órgãos de proteção ao crédito e de praticar qualquer ato executório relativo ao contrato de mútuo habitacional. A Autora requereu, ainda, os benefícios da gratuidade judiciária. É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 2732 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; e b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. Ao que indica a interpretação útil e razoável da lei, a verossimilhança da alegação, por ancorar-se em fundamentação de fato e de direito, e a prova inequívoca permitam a cognição sumária, como ocorre no processo de execução. Prova inequívoca é a suficiente para atestar a verossimilhança das alegações. Pouco importam as espécies. Não dispõe a lei sobre tal ou qual prova nem exclui aquelas que, de certo modo, impliquem a elaboração de prova inequívoca. Não há tarifamento probatório, nem supressão para que seja antecipada a tutela. Como ocorre a cognição sumária é de se dar relevo que haja verossimilhança do direito para a tutela provisória. No caso, a Autora requer a suspensão do pagamento dos encargos contratuais vencidos no período de março a julho de 2009, bem como a determinação à CAIXA para que incorpore este valor ao saldo devedor, receba os encargos vincendos e se abstenha de enviar o seu nome aos serviços de proteção ao crédito e de promover atos executórios com relação ao contrato habitacional. O parágrafo sexto3 da cláusula sexta do contrato dispõe que o valor do encargo mensal não está vinculado ao salário ou vencimento da categoria profissional dos mutuários. Ademais, o §3ª do art. 4º4 da Lei nº 8.692/93 excluiu expressamente a possibilidade de revisão do contrato em caso de alteração da composição da renda familiar. Desse modo, não verifico, à primeira vista, a presença de prova inequívoca a formar o convencimento quanto ao pedido de incorporação dos valores dos encargos mensais vencidos ao saldo devedor do contrato, o que afasta o deferimento da antecipação da tutela na sua integralidade. DIANTE DO EXPOSTO: 1) Defiro a gratuidade judiciária, nos termos do art. 4º5 da Lei nº 1.060/50; 2) Indefiro o pedido de antecipação da tutela, nos termos do art. 273 do CPC. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2006, da Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se a Autora. Cite-se. João Pessoa, 23 JUL 2009" Citada, a CAIXA apresentou contestação e alegou o seguinte: (fls. 49/64) 1) A renda da Autora está bastante comprometida em virtude da desorganização no controle de suas finanças pessoais, nada tendo a ver com a prestação do contrato habitacional, que está em patamar perfeitamente condizente com os rendimentos informados na contratação; 2) A Autora adquiriu o financiamento habitacional em dezembro de 2008 e até a presente data apenas adimpliu 01 (uma) prestação do seu contrato; 3) O rendimento mensal da Autora na data da assinatura do contrato não sofreu alteração alguma, o que demonstra que os pedidos autorais são desprovidos de argumentos hábeis a fundamentar seu pleito; 4) A prestação do contrato habitacional não ultrapassa 30% de seus rendimentos normais; 5) O contrato de mútuo habitacional foi realizado sob os quatro princípios básicos essenciais à sua validade, quais sejam, o da autonomia da vontade, o do consensualismo, o da boa-fé e o da força obrigacional; 6) O Plano de reajuste do encargo mensal do contrato de mútuo habitacional é o Sistema de Amortização Constante - SAC, em que os valores da prestação de amortização e dos prêmios de seguro são recalculados a cada período de 12 meses no dia correspondente ao da sua assinatura; 7) O recálculo do valor do encargo mensal previsto no instrumento contratual não está vinculado ao salário ou vencimento da categoria profissional do(s) devedor(es), tampouco a Planos de Equivalência Salarial; 8) Portanto, não há o que se falar em revisão do valor da prestação ou mesmo na incorporação das prestações em atraso ao saldo devedor do financiamento, por absoluta inexistência de previsão contratual para o caso; 9) Não existem valores pagos a maior nem a serem devolvidos ao mutuário, haja vista que este contrato apresenta um equilíbrio financeiro estável com amortização crescente do saldo devedor e redução do valor da prestação; 10) Não se pode alterar o que foi contratado pelas partes quando da celebração do contrato apenas em virtude de dificuldade financeira da Autora; 11) O §3º da cláusula 4ª do contrato dispõe de forma expressa que não é possível a revisão do contrato em caso de alteração da composição da renda familiar, o que afasta qualquer possibilidade de ser acolhido o pleito autoral; 12) O Código de Defesa do Consumidor é inaplicável aos contratos do Sistema Financeiro de Habitação. A Autora comunicou a interposição de Agravo de Instrumento em face da decisão na qual foi indeferido o pedido de antecipação dos efeitos da tutela (fls. 65/70). Mantive a decisão pelos seus próprios fundamentos (fls. 73/74). A Exma. Relatora do Agravo de Instrumento, Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, comunicou a concessão parcial dos efeitos da tutela recursal apenas para determinar que a CAIXA se abstenha de proceder à inclusão do nome da Autora nos cadastros de devedores (fls. 76/78). Prestei as informações requisitadas pela Exma. Relatora do Agravo de Instrumento (fls. 80/83). A Autora não impugnou a contestação da CAIXA (fl. 87). Designei audiência de conciliação (fls. 88/92), na qual suspendi o processo por 60 (sessenta) dias, a fim de que as partes formulassem propostas recíprocas com vista à realização de acordo (fls. 101/103). A Secretaria trasladou cópias do relatório, voto, acórdão e certidão de transito em julgado do acórdão proferido nos autos do agravo de instrumento nº 99866-PB (2009.05.00.071388-5) (fls. 107/112). Decorrido o prazo de suspensão, determinei a intimação da partes para se manifestarem sobre a realização de acordo (fls. 115/116). As partes informaram que não houve realização de acordo e requereram o prosseguimento do feito (fls. 119/120). É o relatório. Decido. Há pouco a acrescentar ao fundamento adotado pelo MM. Juiz Federal Substituto da 2ª Vara, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, na decisão de indeferimento da antecipação da tutela às fls. 37/40. Em 01/12/2008, a Autora firmou com a Caixa Econômica Federal o contrato de compra e venda de imóvel, mútuo e alienação fiduciária em garantia nº 100370902257-3. A Autora alega que não pagou as prestações do contrato relativas ao período de março a julho de 2009, sob o argumento de que sofreu redução em sua renda. Desse modo, a Autora requer que a CAIXA incorpore ao saldo devedor as prestações vencidas do contrato de mútuo habitacional ou as receba no final do financiamento, bem como que receba as prestações vincendas. Todavia, conforme assentado na decisão de fls. 37/40, o parágrafo sexto da cláusula sexta do contrato de mútuo habitacional prevê, expressamente, que o encargo mensal do contrato não está vinculado ao salário ou vencimento do mutuário. O §3ª do art. 4º da Lei nº 8.692/93 previu expressamente a impossibilidade de revisão do contrato em caso de alteração da composição da renda familiar. Desse modo, a redução da renda da Autora não justifica o pedido de revisão do contrato de mútuo habitacional nº 100370902257-3, o qual foi firmado com base na autonomia da vontade. Precedentes da jurisprudência6. ISTO POSTO, julgo improcedente o pedido, nos termos do art. 269, I7, do CPC. Custas ex lege. Condeno a Autora ao pagamento de honorários advocatícios, que fixo em 10% (dez por cento) sobre o valor da causa, nos termos do art. 20, § 4º8 do CPC, sobrestada, porém, a execução da obrigação de pagar enquanto perdurar a situação financeira da Autora (art. 129 da Lei 1.060/50). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 09 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Sentença tipo B, em conformidade com a Resolução nº 535 do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 1o Na decisão que antecipar a tutela, o juiz indicará, de modo claro e preciso, as razões do seu convencimento. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o Não se concederá a antecipação da tutela quando houver perigo de irreversibilidade do provimento antecipado. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o A efetivação da tutela antecipada observará, no que couber e conforme sua natureza, as normas previstas nos arts. 588, 461, §§ 4o e 5o, e 461-A. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 4o A tutela antecipada poderá ser revogada ou modificada a qualquer tempo, em decisão fundamentada. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 5o Concedida ou não a antecipação da tutela, prosseguirá o processo até final julgamento. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 6o A tutela antecipada também poderá ser concedida quando um ou mais dos pedidos cumulados, ou parcela deles, mostrar-se incontroverso. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 7o Se o autor, a título de antecipação de tutela, requerer providência de natureza cautelar, poderá o juiz, quando presentes os respectivos pressupostos, deferir a medida cautelar em caráter incidental do processo ajuizado. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) 3 CLÁUSULA SEXTA - ENCARGO MENSAL - A quantia mutuada será restituída pelo(s) DEVEDOR(ES)/FIDUCIANTE(S) à CAIXA por meio de pagamento de encargos mensais e sucessivos, devidos a partir do mês subseqüente ao da contratação, conforme constante na letra "D9". (...) PARÁGRAFO SEXTO - O recálculo do valor do encargo mensal previsto neste instrumento não está vinculado ao salário ou vencimento da categoria profissional dos DEVEDOR(ES)/FIDUCIANTE(S), tampouco a planos de equivalência salarial. 4 Art. 4º O reajustamento dos encargos mensais nos contratos regidos pelo Plano de Comprometimento da Renda terá por base o mesmo índice e a mesma periodicidade de atualização do saldo devedor dos contratos, mas a aplicação deste índice não poderá resultar em comprometimento de renda em percentual superior ao máximo estabelecido no contrato. (...) § 3º Não se aplica o disposta no § 1º às situações em que o comprometimento da renda em percentual superior ao máximo estabelecido no contrato tenha-se verificado em razão da redução da renda ou por alteração na composição da renda familiar, inclusive em decorrência da exclusão de um ou mais coadquirentes. 5 Art. 4º. A parte gozará dos benefícios da assistência judiciária, mediante simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua família. (Redação dada pela Lei nº 7.510, de 1986) 6 "CIVIL. CONTRATO DE FINANCIAMENTO DE IMÓVEL. SISTEMA SACRE DE AMORTIZAÇÃO. PERDA DE RENDA. RENEGOCIAÇÃO DA DÍVIDA. 1. Nos casos que envolvem contratos de mútuo imobiliário do SFH, a situação de "perda de renda" está prevista no artigo 4º da Lei nº 8.692/93. O financiamento em questão trata-se de Carta de Crédito CAIXA e apesar de estar inserido no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação, não é regido pelo PES - Plano de Equivalência Salarial e sim pelo Sistema SACRE, não sendo possível, portanto, vincular o aumento das prestações com a renda do mutuário. Ademais, o parágrafo terceiro da Cláusula Sétima do instrumento contratual prescreve (fl. 18.v): "PARÁGRAFO TERCEIRO - O recálculo do valor dos encargos previstos neste instrumento não está vinculado ao salário ou vencimento da categoria profissional do(s) DEVEDOR(ES), tampouco a Planos de Equivalência Salarial.". Com efeito, mesmo nos contratos firmados com base na legislação do SFH não se admite a intervenção judicial para fins de redução do valor da prestação mensal com fundamento na diminuição da renda do mutuário. 2. Entendo que a renegociação da dívida, nestes casos, é a melhor forma de manutenção do sinalagma originário, sem que haja prejuízos ao equilíbrio econômico financeiro da relação contratual. 3. Apelação não provida." (Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Quinta Turma, AC 200238010014990, Relator JUIZ FEDERAL AVIO MOZAR JOSE FERRAZ DE NOVAES, e-DJF1 DATA: 21/05/2008 PAGINA:133) "CIVIL. CONTRATO DE FINANCIAMENTO DE IMÓVEL. SISTEMA SACRE DE AMORTIZAÇÃO. PERDA DE RENDA. RENEGOCIAÇÃO DA DÍVIDA. TEORIA DA IMPREVISÃO. CONTRATO DE ADESÃO. 1. Nos casos que envolvem contratos de mútuo imobiliário do SFH, a situação de "perda de renda" está prevista no artigo 4º da Lei nº 8.692/93 que prevê a possibilidade de renegociação administrativa. 2. O financiamento em questão trata-se de Carta de Crédito FGTS e não é regido pelo PES - Plano de Equivalência Salarial e sim pelo Sistema SACRE, não sendo possível, portanto, aplicar a equivalência salarial ou outros benefícios específicos daquele Sistema. Entendo que a renegociação da dívida, nestes casos, é a melhor forma de manutenção do sinalagma originário, sem que haja prejuízos ao equilíbrio econômico financeiro da relação contratual. 3. A teoria da imprevisão invocada pelo Apelante em nada lhe ajuda, pois, como falado acima a renda do devedor não é relevante para a prestação do contrato. Aumentando ou diminuindo é irrelevante, desde que não se trate de morte ou invalidez, quando se invocaria o seguro. 4. No Superior Tribunal de Justiça prevalece o entendimento de que se aplicam as regras do Código de Defesa do Consumidor aos contratos de mútuo habitacional. No entanto, mesmo considerando o em análise como de adesão, não ficou configurada lesão ao consumidor em decorrência de cláusula contratual abusiva. 5. Apelação não provida." (Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Quinta Turma, AC 200138000414686, Relator JUIZ FEDERAL AVIO MOZAR JOSE FERRAZ DE NOVAES, e-DJF1 DATA:21/05/2008 PAGINA:124) 7 "Art. 269. Haverá resolução de mérito: I - quando o juiz acolher ou rejeitar o pedido do autor; (...)" 8 "Art. 20. A sentença condenará o vencido a pagar ao vencedor as despesas que antecipou e os honorários advocatícios. Esta verba honorária será devida, também, nos casos em que o advogado funcionar em causa própria. (...) § 4o Nas causas de pequeno valor, nas de valor inestimável, naquelas em que não houver condenação ou for vencida a Fazenda Pública, e nas execuções, embargadas ou não, os honorários serão fixados consoante apreciação eqüitativa do juiz, atendidas as normas das alíneas a, b e c do parágrafo anterior. (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 1994)" 9 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família, se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita." ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL

   

0006045-67.2009.4.05.8200 MARIA DOS PRAZERES MOURA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

10. Outros: Defiro o pedido de juntada do substabelecimento de fls. 105. Correções cartorárias e na Distribuição. Defiro, ainda, o pedido de visita dos autos fora do Cartório, por 15 (quinze) dias, para cumprimento do despacho de fls. 1021. Remeta-se. Após, publique-se. 1 Reitere-se a intimação à autora para que apresente, no prazo de 15 (quinze) dias, cópias das petições iniciais dos processos 056775-89.2007.4.05.8200, 0500564-03.2008.4.05.8200, 051398-06.4.05.8200, 0504930-90.2005.4.05.8200 e 0507526-13.4.05.8200. ?? ?? ?? ??

   

0009059-59.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x MARCUS GADELHA PORDEUS (Adv. PAULO SERGIO T. LINS FALCAO)

PROCESSO Nº 9059-59.2009, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADOS: EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE e FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES RÉU: MARCUS GADELHA PORDEUS ADVOGADO: PAULO SÉRGIO TAVARES LINS FALCÃO D E S P A C H O CONCILIAR É LEGAL - RECOMENDAÇÃO Nº 8 DO CNJ1 Cuida-se de Ação Ordinária de Cobrança ajuizada pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL em face de MARCUS GADELHA PORDEUS, visando ao pagamento da quantia de R$ 13.278,68 (treze mil duzentos e setenta e oito reais e sessenta e oito centavos), decorrente de contrato de cartão de crédito. A CAIXA alega, em síntese, que: 1) O Réu adquiriu o cartão de crédito CAIXA nº 5488.2700.3621.6645, bandeira Mastercard, utilizando, a partir de 07/12/2007, o limite de crédito disponível; 2) O Requerido realizou compras com o cartão, mantendo sua situação regular, com o pagamento das faturas até 26/11/2008, quando passou a não mais efetuar o pagamento das faturas, o que, nos termos do item 18.1 do contrato, enseja o vencimento antecipado da dívida, cujo valor, posicionado até 30/09/2009, implica a quantia de R$ 13.278,68; 3) Desenvolveu, sem sucesso, todos os esforços necessários à recuperação do seu crédito, pelas vias administrativas. O Réu apresentou contestação, alegando que em nenhum momento se negou a realizar o pagamento de suas faturas, porém, devido aos altos juros empregados pela administradora do cartão, deixou de efetuar os pagamentos (fls. 45/49). A CAIXA impugnou a contestação (fls. 55/59). Informações da Seção de Cálculos (fls. 62/63), com as quais a CAIXA concordou (fl. 66). O Réu demonstrou interesse em realizar acordo com a CAIXA (fl. 67) É o relatório. Decido. ISTO POSTO, intime-se o Réu para comparecer à GICOP2 - Gerência de Filial de Manutenção e Recuperação de Ativos Próprios, a fim de tomar conhecimento das propostas de conciliação ofertadas pela Caixa Econômica Federal, com vista a possível conciliação. Após, aguarde-se por 45 (quarenta e cinco) dias a apresentação em Juízo e por escrito de proposta de Transação para ser objeto de Homologação Judicial. Decorrido o prazo, sem manifestação, conclusos. João Pessoa, 10 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 RECOMENDAÇÃO Nº 8, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007 Recomenda aos Tribunais de Justiça, Tribunais Regionais Federais e Tribunais Regionais do Trabalho a realização de estudos e de ações tendentes a dar continuidade ao Movimento pela Conciliação. A Presidente do Conselho Nacional de Justiça, no uso de suas atribuições, Considerando a função de planejamento estratégico do Poder Judiciário atribuída ao Conselho Nacional de Justiça pela Constituição Federal; Considerando os resultados positivos alcançados pelo Movimento pela Conciliação, lançado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2006, culminando com o Dia Nacional da Conciliação, ocorrido no dia 8 de dezembro do mesmo ano; Considerando a necessidade de dar continuidade e autonomia ao Movimento pela Conciliação no âmbito de cada Tribunal, Considerando o que foi deliberado pelo Conselho Nacional de Justiça na Sessão Plenária de 27 de fevereiro de 2007; RESOLVE: RECOMENDAR aos Tribunais de Justiça dos Estados e do Distrito Federal, aos Tribunais Regionais Federais e aos Tribunais Regionais do Trabalho que promovam o planejamento e a execução de ações tendentes a dar continuidade ao Movimento pela Conciliação, tais como: a) a constituição de comissão permanente encarregada dessas atividades; b) o planejamento anual, no âmbito do Tribunal, do Movimento pela Conciliação, em que se podem inserir a fixação de um dia da semana com pauta exclusiva de conciliações, a preparação de semanas de conciliação e do Dia Nacional da Conciliação de 2007, a definição de metas, a realização de pesquisas, dentre outras atividades; c) a oferta de cursos de capacitação de conciliadores, magistrados e servidores; d) a divulgação, interna e externa, do Movimento pela Conciliação, inclusive da estatística específica de conciliações. Os Tribunais deverão encaminhar, para fins de divulgação pelo Conselho Nacional de Justiça, o planejamento anual do Movimento pela Conciliação até o dia 30 de abril de 2007. Para fins de divulgação da estatística dos Tribunais no site do CNJ, os Tribunais acima referidos deverão encaminhar ao Conselho Nacional de Justiça, até o dia 10 do mês seguinte, dados mensais sobre conciliações. Publique-se e encaminhe-se cópia desta Recomendação a todos os Tribunais mencionados. Ministra Ellen Gracie Presidente CONCILIAÇÃO - Código de Processo Civil Art. 125. O juiz dirigirá o processo conforme as disposições deste Código, competindo-lhe: I - assegurar às partes igualdade de tratamento; II - velar pela rápida solução do litígio; III - prevenir ou reprimir qualquer ato contrário à dignidade da Justiça; IV - tentar, a qualquer tempo, conciliar as partes. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) Art. 277. O juiz designará a audiência de conciliação a ser realizada no prazo de trinta dias, citando-se o réu com a antecedência mínima de dez dias e sob advertência prevista no § 2º deste artigo, determinando o comparecimento das partes. Sendo ré a Fazenda Pública, os prazos contar-se-ão em dobro. (Redação dada pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 1º A conciliação será reduzida a termo e homologada por sentença, podendo o juiz ser auxiliado por conciliador. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 2º Deixando injustificadamente o réu de comparecer à audiência, reputar-se-ão verdadeiros os fatos alegados na petição inicial (art. 319), salvo se o contrário resultar da prova dos autos, proferindo o juiz, desde logo, a sentença. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 3º As partes comparecerão pessoalmente à audiência, podendo fazer-se representar por preposto com poderes para transigir. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 4º O juiz, na audiência, decidirá de plano a impugnação ao valor da causa ou a controvérsia sobre a natureza da demanda, determinando, se for o caso, a conversão do procedimento sumário em ordinário. ((Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) § 5º A conversão também ocorrerá quando houver necessidade de prova técnica de maior complexidade. (Incluído pela Lei nº 9.245, de 26.12.1995) Da Audiência Preliminar (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) Art. 331. Se não ocorrer qualquer das hipóteses previstas nas seções precedentes, e versar a causa sobre direitos que admitam transação, o juiz designará audiência preliminar, a realizar-se no prazo de 30 (trinta) dias, para a qual serão as partes intimadas a comparecer, podendo fazer-se representar por procurador ou preposto, com poderes para transigir. (Redação dada pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) § 1o Obtida a conciliação, será reduzida a termo e homologada por sentença. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 2o Se, por qualquer motivo, não for obtida a conciliação, o juiz fixará os pontos controvertidos, decidirá as questões processuais pendentes e determinará as provas a serem produzidas, designando audiência de instrução e julgamento, se necessário. (Incluído pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) § 3o Se o direito em litígio não admitir transação, ou se as circunstâncias da causa evidenciarem ser improvável sua obtenção, o juiz poderá, desde logo, sanear o processo e ordenar a produção da prova, nos termos do § 2o. (Incluído pela Lei nº 10.444, de 7.5.2002) Da Conciliação Art. 447. Quando o litígio versar sobre direitos patrimoniais de caráter privado, o juiz, de ofício, determinará o comparecimento das partes ao início da audiência de instrução e julgamento. Parágrafo único. Em causas relativas à família, terá lugar igualmente a conciliação, nos casos e para os fins em que a lei consente a transação. Art. 448. Antes de iniciar a instrução, o juiz tentará conciliar as partes. Chegando a acordo, o juiz mandará tomá-lo por termo. Art. 449. O termo de conciliação, assinado pelas partes e homologado pelo juiz, terá valor de sentença. TRANSAÇÃO - CÓDIGO CIVIL Art. 840. É lícito aos interessados prevenirem ou terminarem o litígio mediante concessões mútuas. Art. 841. Só quanto a direitos patrimoniais de caráter privado se permite a transação. Art. 842. A transação far-se-á por escritura pública, nas obrigações em que a lei o exige, ou por instrumento particular, nas em que ela o admite; se recair sobre direitos contestados em juízo, será feita por escritura pública, ou por termo nos autos, assinado pelos transigentes e homologado pelo juiz. Art. 843. A transação interpreta-se restritivamente, e por ela não se transmitem, apenas se declaram ou reconhecem direitos. Art. 844. A transação não aproveita, nem prejudica senão aos que nela intervierem, ainda que diga respeito a coisa indivisível. § 1o Se for concluída entre o credor e o devedor, desobrigará o fiador. § 2o Se entre um dos credores solidários e o devedor, extingue a obrigação deste para com os outros credores. § 3o Se entre um dos devedores solidários e seu credor, extingue a dívida em relação aos co-devedores. Art. 845. Dada a evicção da coisa renunciada por um dos transigentes, ou por ele transferida à outra parte, não revive a obrigação extinta pela transação; mas ao evicto cabe o direito de reclamar perdas e danos. Parágrafo único. Se um dos transigentes adquirir, depois da transação, novo direito sobre a coisa renunciada ou transferida, a transação feita não o inibirá de exercê-lo. Art. 846. A transação concernente a obrigações resultantes de delito não extingue a ação penal pública. Art. 847. É admissível, na transação, a pena convencional. Art. 848. Sendo nula qualquer das cláusulas da transação, nula será esta. Parágrafo único. Quando a transação versar sobre diversos direitos contestados, independentes entre si, o fato de não prevalecer em relação a um não prejudicará os demais. Art. 849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa. Parágrafo único. A transação não se anula por erro de direito a respeito das questões que foram objeto de controvérsia entre as partes. Art. 850. É nula a transação a respeito do litígio decidido por sentença passada em julgado, se dela não tinha ciência algum dos transatores, ou quando, por título ulteriormente descoberto, se verificar que nenhum deles tinha direito sobre o objeto da transação. 2 UNIDADE: GICOP - GERÊNCIA DE FILIAL DE MANUTENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ATIVOS PRÓPRIOS ENDEREÇO: AV EPITÁCIO PESSOA, 1521 2º ANDAR - B.DOS ESTADOS CEP: 58030-001 TELEFONES: 3216 4347 - 3216 4379 - 3216 4351 RESPONSÁVEIS PELO ATENDIMENTO: GERENTE DE FILIAL: VALÉRIA DE CÁSSIA MORAIS SILVA - 3216 4310 GERENTE DE SERVIÇO: LAURA CRISTINA DE MELO BARBOSA - 3216 4351 SUPERVISOR HABITACIONAL: JOÃO ALVES PEREIRA JÚNIOR - 3216 4379 SUPERVISOR COMERCIAL: CARLOS ALBERTO FERREIRA ESPÍNOLA - 3216 4322 ANALISTA COMERCIAL: KEPLER DANTAS (3216 4348), ARANY NETA (3216 4363) ANALISTA HABITACIONAL: MÔNICA LUCENA (3216 4352), LENICE BORBOREMA (3216 4362) ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL

   

0010380-66.2008.4.05.8200 JOSE EDMILSON DE SOUZA (Adv. ALEXANDER THYAGO GONÇALVES NUNES DE CASTRO, FELIPE RANGEL DE ALMEIDA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(à)(s) Autor(a)(es)(as), do fato novo alegado/documento novo juntado pelo(a)(s) réu(ré)(s), no prazo de 05(cinco) dias(art. 398, CPC).

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0006907-72.2008.4.05.8200 FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO, CARLOS BENITO COSENTINO FILHO, DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR, ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO, PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VINICIUS DE NEGREIROS CALADO, DIEGO GALDINO DA SILVA MELO, JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO) x CENIRA FERREIRA DE LOPES DE MENDONÇA (Adv. SEM ADVOGADO)

A Exeqüente requer a suspensão do feito, por tempo indeterminado, sem baixa na distribuição, em razão de não se achar, no momento, bens passíveis de penhora de propriedade do(s) Executado(s). A luva jurídica é a do art. 791, III, do CPC1. Isto posto, suspendo a execução, no aguardo de nova provocação da exeqüente. Arquivem-se os autos na Secretaria, sem baixa na distribuição. Publique-se. 1 Art. 791. Suspende-se a execução: I - no todo ou em parte, quando recebidos com efeito suspensivo os embargos à execução (art. 739-A); (Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006). II - nas hipóteses previstas no art. 265, I a III; III - quando o devedor não possuir bens penhoráveis. ?? ?? ?? ??

   

0009752-77.2008.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, MARIA JOSE DA SILVA, LUIZ MONTEIRO VARAS, MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES) x JOSEMAR JOAQUIM DA CRUZ - ME (POMAR DOCES) (Adv. SEM ADVOGADO)

A Exeqüente requer a suspensão do feito, por tempo indeterminado, sem baixa na distribuição, em razão de não se achar, no momento, bens passíveis de penhora de propriedade do(s) Executado(s). A luva jurídica é a do art. 791, III, do CPC1. Isto posto, suspendo a execução, no aguardo de nova provocação da exeqüente. Arquivem-se os autos na Secretaria, sem baixa na distribuição. Publique-se. 1 Art. 791. Suspende-se a execução: I - no todo ou em parte, quando recebidos com efeito suspensivo os embargos à execução (art. 739-A); (Redação dada pela Lei nº 11.382, de 2006). II - nas hipóteses previstas no art. 265, I a III; III - quando o devedor não possuir bens penhoráveis. ?? ?? ?? ??

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0003493-95.2010.4.05.8200 HERTHA CRISTINA CARNEIRO PESSOA (Adv. EDUARDO HENRIQUE JACOME E SILVA, LINCON BEZERRA DE ABRANTES, ROGIS BEZERRA DA SILVA) x REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA PARAÍBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3493-95.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: HERTHA CRISTINA CARNEIRO PESSOA ADVOGADOS: LINCON BEZERRA DE ABRANTES, EDUARDO HENRIQUE JÁCOME E SILVA E RÓGIS BEZERRA DA SILVA IMPETRADO: REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - IFPB ENTIDADE: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - IFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, após as informações da autoridade impetrada, abordei a matéria nos seguintes termos (fls. 134/140): "Reservei-me à apreciação do pedido de liminar após as Informações, nos seguintes termos (fls. 120/121): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Hertha Cristina Carneiro Pessoa em face do Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB, com pedido de liminar visando a nomeação da Impetrante para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB ou, alternativamente, que os candidatos aprovados no concurso regido pelo Edital nº 20/2010/IFPB sejam nomeados após a nomeação da Impetrante. A Impetrante afirma o seguinte: 1) Logrou o quinto lugar para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, que oferecia uma vaga no campus de Sousa (PB), no âmbito do concurso regido pelo Edital 02/2009/IFPB, com validade de um ano, estabelecendo que no interesse da Administração e, havendo anuência do candidato, este poderá ser lotado em outro campus, cujo resultado final foi homologado pelo Edital nº 5/2009/IFPB, publicado no DOU de 10.09.2009. 2) No entanto, o Edital nº 20/2010/IFPB prevê concurso para diversos cargos, entre os quais, o de Professor Efetivo de Língua Portuguesa com vagas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel, o que revela preterição à nomeação da Impetrante, já que o novo certame foi instaurado dentro do prazo de validade do anterior, além do que já foram nomeados os candidatos classificados até o quarto lugar no concurso anterior, sendo que este último (quarto colocado) por força de liminar proferida pelo Exmº Juiz Federal Substituto da 2ª Vara (PB), Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, nos autos do Mandado de Segurança nº 2512-66.2010.4.05.8200, discutindo matéria análoga . Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 13/117). É o relatório. Decido. Defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1.060/1950). Reservo-me para apreciar o pedido de liminar após as Informações da autoridade impetrada. Notifique-se a autoridade e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º da Lei nº 12.106/20092). João Pessoa, 17/05/2010." O IFPB requereu seu ingresso no feito e concessão de prazo para defesa (fls. 128). A autoridade prestou as Informações (fls. 129/132) argüindo a carência de ação, porquanto houve a retificação do Edital nº 20/2010/IFPB, prevendo que será dada preferência aos candidatos classificados e não nomeados referidos no Edital nº 05/2009/IFPB. No mérito, afirmou que a Impetrante não possui o direito de ser nomeada para campus diverso para o qual concorreu (Sousa), não havendo preterição à sua nomeação, uma vez que as vagas abertas no novo concurso prevêem lotação em outros campus, até porque eventual lotação em local distinto está à mercê de interesse da administração e concordância do candidato, conforme dispõe o Edital. É o relatório. Decido. A Impetrante logrou o quinto lugar para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, que oferecia uma vaga no campus de Sousa (PB), no âmbito do concurso regido pelo Edital 02/2009/IFPB (fls. 101). A matéria é análoga àquela apreciada pelo Exmº Juiz Federal Substituto da 2ª Vara (PB), Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, nos autos do Mandado de Segurança nº 2512-66.2010.4.05.8200, impetrado por Sayonara Abrantes de Oliveira, no qual houve o deferimento da liminar e, posteriormente, a concessão da segurança, cuja fundamentação abaixo transcrita aplica-se ao caso em exame, verbis: "Apreciando o pedido de liminar, após as informações da autoridade impetrada, abordei a matéria nos seguintes termos (fls. 91/94): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Sayonara Abrantes de Oliveira em face do Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB, com pedido de liminar visando a nomeação da Impetrante para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB ou, alternativamente, que os candidatos aprovados no concurso regido pelo Edital nº 20/2010/IFPB sejam nomeados após a nomeação da Impetrante. A Impetrante afirma o seguinte: 1) Logrou o quatro lugar para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, com uma vaga em Sousa (PB), no âmbito do concurso regido pelo Edital 02/2009/IFPB, com validade de um ano e cujo resultado final foi homologado pelo Edital nº 5/2009/IFPB, publicado no DOU de 10.09.2009. 2) No entanto, o Edital nº 20/2010/IFPB prevê concurso para diversos cargos, entre os quais, o de Professor Efetivo de Língua Portuguesa com vagas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel, o que revela preterição à nomeação da Impetrante, já que o novo certame foi instaurado dentro do prazo de validade do anterior. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 13/68). Reservei-me para apreciar o pedido de liminar após as informações da autoridade impetrada (fls. 71). A autoridade prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 76/89), argüindo a preliminar de carência de ação, porquanto houve a retificação do Edital nº 20/2010/IFPB, prevendo que será dada preferência aos candidatos classificados e não nomeados referidos no Edital nº 05/2009/IFPB. No mérito, afirmou que a Impetrante não possui o direito de ser nomeada para campus diverso para o qual concorreu (Sousa), não havendo preterição à sua nomeação, uma vez que as vagas abertas no novo concurso prevêem lotação em outros campus, até porque eventual lotação em local distinto está à mercê de interesse da administração e concordância do candidato, conforme dispõe o Edital. Acrescenta que os candidatos aprovados para as UC's de Língua Portuguesa, a que alude o Edital nº 5/2009/IFPB, foram nomeados para o campus de Sousa (o candidato em primeiro lugar), e campus de Cabedelo (o candidato em segundo lugar) e Patos (o candidato em segundo lugar), com a anuência destes dois últimos. É o relatório. Decido. O fato de ter havido retificação do Edital nº 20/2010/IFPB3 concernente à preferência a ser dada aos candidatos classificados e não nomeados constantes do Edital nº 05/2009/IFPB4 não exclui o interesse da Impetrante à nomeação imediata ao cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, em face da existência de vagas oferecidas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel, para o mesmo cargo, de que trata aquele Edital, razão pela qual rejeito a preliminar suscitada pela autoridade. O Edital nº 05/2009/IFPB foi publicado no DOU de 10.09.2009 e divulga o resultado final do certame regido pelo Edital nº 02/2009/IFPB, com validade de um ano, para provimento de cargos em Sousa. No referido Edital constam como aprovados para a área de Língua Portuguesa os seguintes candidatos com as respectivas colocações: Sílvio Sérgio Oliveira Rodrigues, primeiro lugar; Adriana Martins Cavalcante, segundo lugar; Vanalúcia Soares da Silveira Oliveira, terceiro lugar; Sayonara Abrantes de Oliveira, quarto lugar. O primeiro candidato foi nomeado para Sousa, por meio do Edital nº 10/IFPB, publicado no DOU de 12.11.2009. O segundo e terceiro candidatos foram nomeados para Picuí e Cabedelo, respectivamente, conforme atos de nomeação publicados no DOU de 31.12.2009 (fls. 88/89). O Edital nº 20/2010/IFPB prevê concurso para diversos cargos, entre os quais, o de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa com vagas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel (fls. 36/45). O item 10.1 do Edital nº 02/2009/IFPB prevê que o candidato habilitado será convocado para nomeação, de acordo com classificação obtida, considerando-se as vagas existentes ou que venham a existir para o cargo a que concorreu. Já o item 10.3 dispõe que, no interesse da Administração e com a anuência do candidato habilitado, este poderá ser nomeado para lotação em outro campus do IFPB, diferente daquele para a qual fez a inscrição. Isso ocorreu em relação aos candidatos classificados em segundo e terceiro lugar para a área de Língua Portuguesa, que foram nomeados e lotados em campus diverso do de Sousa, com a anuência dos candidatos, segundo informou a autoridade impetrada, em face do surgimento de novas vagas. Vê-se que, antes mesmo de ter expirado o prazo de validade do certame regido pelo Edital nº 02/2009/IFPB, a instituição de ensino instaurou novo concurso (Edital nº 20/2010/IFPB) contemplando vagas para o mesmo cargo para o qual concorreu a Impetrante, embora com lotação diversa, o que revela interesse da Administração Pública. Não obstante o critério de preferência previsto no Edital retificador, o fato de ter sido instaurado novo concurso, dentro do prazo de validade do anterior, demonstra a necessidade da Administração Pública em prover os cargos vagos em diferentes lotações, não se justificando ou não sendo razoável protelar a nomeação de candidato habilitado (no caso, a Impetrante) - e ainda que em outro campus - até que se ultime o novo concurso. Nessas circunstâncias, a expectativa de direito à nomeação transmuda-se no direito legítimo à nomeação5, além do ganho à Administração Pública que a nomeação implica, pois poderá prover de forma expedita cargo vago de docência para o atendimento de suas atividades. Presente a plausibilidade jurídica da pretensão, concorre igualmente para a concessão da liminar o perigo da demora, uma vez que está em curso novo certame para a mesma área de Língua Portuguesa. Diante do exposto, defiro, em parte, o pedido de liminar para que a autoridade impetrada proceda à nomeação da Impetrante no cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa, cujo local de lotação (nos campus de Monteiro ou Patos ou Picuí ou Princesa Isabel) ficará a critério da instituição de ensino com a anuência da Impetrante, atendidas as demais exigências legais e regulamentares à nomeação. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade para cumprimento desta decisão (artigo 7º da Lei nº 12.016/2009). Intime-se a Impetrante. Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 25 FEV 2010". (grifos no original) O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB apresentou resposta, na mesma linha das informações prestadas pela autoridade impetrada (fls. 99/101). O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 104/107). A Impetrante requereu a adoção de medidas necessárias ao cumprimento da decisão liminar (fl. 108). É o relatório. Decido. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fl. 11): "1. Requer a concessão de liminar "inaudita altera pars" para determinar que a autoridade coatora nomeie a impetrante para o cargo de UCs Língua Portuguesa e, caso Vossa Excelência entenda que a nomeação é um ato de conveniência da Administração Pública, que determine que os candidatos aprovados no Concurso regido pelo Edital nº 20/2010 só sejam nomeados após a nomeação da impetrante, isso sob pena de preterição. 2. Requer, também, após o processamento do presente mandamus e, depois de ouvida a autoridade coatora no prazo legal e ouvido os demais interessados na forma da lei, seja julgado procedente o PEDIDO do presente MANDADO DE SEGURANÇA para, concedendo a segurança, nos termos do requerimento formulado, assegurando, assim, o direito líquido e certo da impetrante". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 91/94). Conforme assentei na decisão, o fato de ter havido retificação do Edital nº 20/2010/IFPB concernente à preferência a ser dada aos candidatos classificados e não nomeados constantes do Edital nº 05/2009/IFPB não exclui o interesse da Impetrante à nomeação imediata ao cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, em face da existência de vagas oferecidas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel, para o mesmo cargo, de que trata aquele Edital, razão pela qual rejeito a preliminar suscitada pela autoridade. O Edital nº 05/2009/IFPB foi publicado no DOU de 10.09.2009 e divulga o resultado final do certame regido pelo Edital nº 02/2009/IFPB, com validade de um ano, para provimento de cargos em Sousa. No referido Edital constam como aprovados para a área de Língua Portuguesa os seguintes candidatos com as respectivas colocações: Sílvio Sérgio Oliveira Rodrigues, primeiro lugar; Adriana Martins Cavalcante, segundo lugar; Vanalúcia Soares da Silveira Oliveira, terceiro lugar; Sayonara Abrantes de Oliveira, quarto lugar. O primeiro candidato foi nomeado para Sousa, por meio do Edital nº 10/IFPB, publicado no DOU de 12.11.2009. O segundo e terceiro candidatos foram nomeados para Picuí e Cabedelo, respectivamente, conforme atos de nomeação publicados no DOU de 31.12.2009. O Edital nº 20/2010/IFPB prevê concurso para diversos cargos, entre os quais, o de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa com vagas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel. O item 10.1 do Edital nº 02/2009/IFPB prevê que o candidato habilitado será convocado para nomeação, de acordo com classificação obtida, considerando-se as vagas existentes ou que venham a existir para o cargo a que concorreu. Já o item 10.3 dispõe que, no interesse da Administração e com a anuência do candidato habilitado, este poderá ser nomeado para lotação em outro campus do IFPB, diferente daquele para a qual fez a inscrição. Isso ocorreu em relação aos candidatos classificados em segundo e terceiro lugar para a área de Língua Portuguesa, que foram nomeados e lotados em campus diverso do de Sousa, com a anuência dos candidatos, segundo informou a autoridade impetrada, em face do surgimento de novas vagas. Vê-se que, antes mesmo de ter expirado o prazo de validade do certame regido pelo Edital nº 02/2009/IFPB, a instituição de ensino instaurou novo concurso (Edital nº 20/2010/IFPB) contemplando vagas para o mesmo cargo para o qual concorreu a Impetrante, embora com lotação diversa, o que revela interesse da Administração Pública. Não obstante o critério de preferência previsto no Edital retificador, o fato de ter sido instaurado novo concurso, dentro do prazo de validade do anterior, demonstra a necessidade da Administração Pública em prover os cargos vagos em diferentes lotações, não se justificando ou não sendo razoável protelar a nomeação de candidato habilitado (no caso, a Impetrante) - e ainda que em outro campus - até que se ultime o novo concurso. Nessas circunstâncias, a expectativa de direito à nomeação transmuda-se no direito legítimo à nomeação, além do ganho à Administração Pública que a nomeação implica, pois poderá prover de forma expedita cargo vago de docência para o atendimento de suas atividades. Diante do exposto, confirmo a liminar e concedo, em parte, a segurança para que a autoridade impetrada proceda à nomeação da Impetrante no cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa, cujo local de lotação (no campus de Monteiro ou Patos ou Picuí ou Princesa Isabel) ficará a critério da instituição de ensino com a anuência da Impetrante, atendidas as demais exigências legais e regulamentares à nomeação. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20096) e sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB no pólo passivo da lide. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20097. João Pessoa, 10 JUN 2010." ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para que a autoridade impetrada proceda à nomeação da Impetrante no cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa, cujo local de lotação (nos campus de Monteiro ou Patos ou Picuí ou Princesa Isabel) ficará a critério da instituição de ensino com a anuência da Impetrante, atendidas as demais exigências legais e regulamentares à nomeação. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão do IFPB no pólo passivo. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se para cumprimento. Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 15 JUN 2010". (grifos no original) O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 147/149). É o relatório. Decido. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 11/12): "1. Requer a concessão de liminar "inaudita altera pars" para determinar que a autoridade coatora nomeie a impetrante para o cargo de UCs Língua Portuguesa e, caso Vossa Excelência entenda que a nomeação é um ato de conveniência da Administração Pública, que determine que os candidatos aprovados no Concurso regido pelo Edital nº 20/2010 só sejam nomeados após a nomeação da impetrante, isso sob pena de preterição. 2. ... seja julgado procedente o PEDIDO do presente MANDADO DE SEGURANÇA para, concedendo a segurança, nos termos do requerimento formulado, assegurando, assim, o direito líquido e certo da impetrante". (grifei) No caso, a Impetrante logrou o quinto lugar para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, que oferecia uma vaga no campus de Sousa (PB), no âmbito do concurso regido pelo Edital 02/2009/IFPB. Conforme assentei na decisão, reportando-me à sentença proferida pelo Exmo. Juiz Federal Substituto, Dr. Rogério Roberto Gonçalves de Abreu, nos autos do Mandado de Segurança nº. 2512-66.2010.4.05.8200, o fato de ter havido retificação do Edital nº 20/2010/IFPB concernente à preferência a ser dada aos candidatos classificados e não nomeados constantes do Edital nº 05/2009/IFPB não exclui o interesse da Impetrante à nomeação imediata ao cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa do IFPB, em face da existência de vagas oferecidas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel, para o mesmo cargo, de que trata aquele Edital, razão pela qual rejeito a preliminar suscitada pela autoridade. O Edital nº 05/2009/IFPB foi publicado no DOU de 10.09.2009 e divulga o resultado final do certame regido pelo Edital nº 02/2009/IFPB, com validade de um ano, para provimento de cargos em Sousa. No referido Edital constam como aprovados para a área de Língua Portuguesa os seguintes candidatos com as respectivas colocações: Sílvio Sérgio Oliveira Rodrigues, primeiro lugar; Adriana Martins Cavalcante, segundo lugar; Vanalúcia Soares da Silveira Oliveira, terceiro lugar; Sayonara Abrantes de Oliveira, quarto lugar. O primeiro candidato foi nomeado para Sousa, por meio do Edital nº 10/IFPB, publicado no DOU de 12.11.2009. O segundo e terceiro candidatos foram nomeados para Picuí e Cabedelo, respectivamente, conforme atos de nomeação publicados no DOU de 31.12.2009. O Edital nº 20/2010/IFPB prevê concurso para diversos cargos, entre os quais, o de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa com vagas nos campus de Monteiro, Patos, Picuí e Princesa Isabel. O item 10.1 do Edital nº 02/2009/IFPB prevê que o candidato habilitado será convocado para nomeação, de acordo com classificação obtida, considerando-se as vagas existentes ou que venham a existir para o cargo a que concorreu. Já o item 10.3 dispõe que, no interesse da Administração e com a anuência do candidato habilitado, este poderá ser nomeado para lotação em outro campus do IFPB, diferente daquele para a qual fez a inscrição. Isso ocorreu em relação aos candidatos classificados em segundo e terceiro lugar para a área de Língua Portuguesa, que foram nomeados e lotados em campus diverso do de Sousa, com a anuência dos candidatos, segundo informou a autoridade impetrada, em face do surgimento de novas vagas. Vê-se que, antes mesmo de ter expirado o prazo de validade do certame regido pelo Edital nº 02/2009/IFPB, a instituição de ensino instaurou novo concurso (Edital nº 20/2010/IFPB) contemplando vagas para o mesmo cargo para o qual concorreu a Impetrante, embora com lotação diversa, o que revela interesse da Administração Pública. Não obstante o critério de preferência previsto no Edital retificador, o fato de ter sido instaurado novo concurso, dentro do prazo de validade do anterior, demonstra a necessidade da Administração Pública em prover os cargos vagos em diferentes lotações, não se justificando ou não sendo razoável protelar a nomeação de candidato habilitado (no caso, a Impetrante) - e ainda que em outro campus - até que se ultime o novo concurso. Nessas circunstâncias, a expectativa de direito à nomeação transmuda-se no direito legítimo à nomeação, além do ganho à Administração Pública que a nomeação implica, pois poderá prover de forma expedita cargo vago de docência para o atendimento de suas atividades. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para que a autoridade impetrada proceda à nomeação da Impetrante para o cargo de Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico de Língua Portuguesa, cujo local de lotação (no campus de Monteiro ou Patos ou Picuí ou Princesa Isabel) ficará a critério da instituição de ensino com a anuência da Impetrante, atendidas as demais exigências legais e regulamentares à nomeação. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20098) e sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20099. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 3 O Edital retificador é o de nº 30/2010/IFPB (fls. 80/86). 4 Neste Edital a Impetrante figura em quarto lugar na área de Língua Portuguesa para uma vaga do cargo com lotação em Sousa (fls. 87). 5 "RECURSO ORDINÁRIO. MANDADO DE SEGURANÇA. ADMINISTRATIVO. APROVADO EM CONCURSO PÚBLICO. DEMONSTRAÇÃO DA NECESSIDADE DE PREENCHIMENTO DE VAGAS PELA ADMINISTRAÇÃO. PRAZO DE VALIDADE DO CONCURSO NÃO EXPIRADO. DIREITO LÍQUIDO E CERTO À NOMEAÇÃO. PRECEDENTES. 1. Consolidou-se na doutrina e na jurisprudência pátrias o entendimento segundo o qual os aprovados em concurso público não têm direito subjetivo à nomeação, mas apenas expectativa de direito, pois se submete ao juízo de conveniência e oportunidade da Administração. 2. No entanto, evidenciada a necessidade de preenchimento da vaga pela Administração, na espécie caracterizada pela prévia convocação dos três primeiros aprovados e pela nomeação de candidato aprovado em concurso posterior, bem como verificado que o prazo de validade do certame não havia se exaurido, na espécie resta comprovado o direito líquido e certo da impetrante a ser nomeada. 3."A Administração não pode deixar de prover as vagas, nomeando os candidatos remanescentes, depois da prática de atos que caracterizam, de modo inequívoco, a necessidade de preenchimento de vagas" (RMS 21.308/MG, Rel. Min. PAULO MEDINA, SEXTA TURMA, DJ 2/10/2006). 4. Recurso ordinário provido para determinar à autoridade impetrada que proceda à nomeação da impetrante no cargo de oficial de justiça da Comarca de Juquiá-SP." (RMS nº 11553, Relatora Ministra Maria Thereza de Assis Moura, 6ª Turma do STJ, julgamento em 30.11.2006) (grifei) 6 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 7 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) 8 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 9 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 10 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003594-35.2010.4.05.8200 JEREMIAS ISAIS MARTINS (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3594-35.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: JEREMIAS ISAÍAS MARTINS ADVOGADOS: ÉMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA E GUILHERME FONTES DE MEDEIROS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 212/215): "Reservei-me à apreciação do pedido de liminar após as Informações, nos seguintes termos (fls. 178/179): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Jeremias Isaías Martins em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" nos valores atuais (R$ 15.921,97) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009 O Impetrante afirma o seguinte: 1) É Professor aposentado da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceu cargos de direção e assessoramento, tendo por decisão administrativa incorporado 5/5 da Função Comissionada FC.1, cuja incorporação foi reconhecida por decisão judicial transitada em julgado nos autos do Mandado de Segurança nº 2000.82.735-1, em curso na 1ª Vara Federal (PB), correspondendo atualmente ao valor de R$ 15.921,97. 2) Por meio do Ofício-Circular nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou o Impetrante que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 5.963,58 e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 487.302,71. 3) Houve a decadência à supressão da vantagem funcional, nos termos do artigo 54 da Lei nº 9.784/1999, além de se tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário, e haver decisão judicial transitado em julgado. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 56/175). Reservo-me para apreciar o pedido de liminar após as Informações da autoridade, que deverão vir instruídas com cópia das fichas financeiras do Impetrante a partir de setembro/2004. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 12.016/20092). João Pessoa, 20 MAI 2010." A autoridade impetrada prestou as Informações, acompanhadas de documentos (fls. 184/210), argüindo a ilegitimidade passiva, uma vez que a Equipe de Auditoria Especial da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão fora quem recomendou as alterações contidas na Carta-Circular nº 02/2010/GAB/SRH/UFPB. No mérito, afirma que estava sendo paga equivocadamente a vantagem funcional denominada "quintos/décimos", porque nela incluídas a GED ou a GTMS no cálculo das funções incorporadas, o que deu ensejo à redução do valor da verba e a reposição ao erário do que percebido a maior. É o relatório. Decido. Sobre a legitimidade passiva: O ato de redução da vantagem e de reposição ao erário fora praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, conforme consta na Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, atendendo à recomendação da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, de modo a aplicar-se a regra prevista no artigo 6º, § 3º, da Lei nº 12.016/20093 acerca da legitimação passiva da autoridade impetrada. Da redução da vantagem e reposição ao erário: À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 190/202) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 61/63), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, operando-se, assim, a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19994, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo5. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se para cumprimento. Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 08 JUN 2010". (grifos no original) A UFPB apresentou resposta (fls. 221/299), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima , Quinta Turma. O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 306/311). É o relatório. Decido. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 487.302,71 (quatrocentos e oitenta e sete mil trezentos e dois reais e setenta e um centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 61/62), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fl. 54): "II - Inaudita altera pars, lhes seja deferida liminarmente a Segurança, nos termos da legislação em vigor Lei nº. 12.016, de 07 de agosto de 2009, permitindo que o Impetrante continue a receber os valores do quintos da maneira como foram incorporados, sem nenhuma redução, bem como que a autoridade coatora se abstenha de cobrar qualquer reposição ao erário público. ... IV - In Meritis, seja definitivamente concedida a segurança, determinando que os proventos do Impetrante são irredutíveis, e, que no caso em espécie é inaplicável o disposto no Relatório de Auditoria Especial 14/2009 da 1SRH/Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, de 05 de maio de 2010, permanecendo em seu contra-cheques o valor dos quintos incorporados, sem nenhuma alteração como quer a autoridade coatora, estando beneficiada pela decadência de que trata o art. 54 da Lei 9.784/99, ou seja, apenas os proventos percebidos a contar cinco anos que antecederam o Parecer/AGU 203, publicado no dia 08.12.99, isto é até 08.12.94 não poderiam ser alcançados pela redução atacada, bem como que a autoridade coatora se abstenha de cobrar qualquer reposição ao erário público posto que recebidas de boa fé e atingidas pelo artigo 54 da Lei 9.784/99". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 212/215). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, operando-se, assim, a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20096). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20097. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 3 Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei processual, será apresentada em 2 (duas) vias com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições. § 1o No caso em que o documento necessário à prova do alegado se ache em repartição ou estabelecimento público ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará, para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 (dez) dias. O escrivão extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da petição. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da notificação. § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática. § 4o (VETADO) § 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito. 4 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 5 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 6 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 7 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003650-68.2010.4.05.8200 MARIA DO CARMO CAVALCANTI VIANA DA FONSECA (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3650-68.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: MARIA DO CARMO CAVALCANTI VIANA DA FONSECA, REPRESENTADA POR FERNANDO ANTÔNIO CAVALCANTI VIANA ADVOGADOS: ÉMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA E GUILHERME FONTES DE MEDEIROS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 89/91): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Maria do Carmo Cavalcanti Viana da Fonseca, representada por Fernando Antônio Cavalcanti Viana, em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" nos valores atuais (R$ 12.383,76) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. A Impetrante afirma o seguinte: 1) É pensionista do ex-servidor da UFPB, João Viana da Fonseca Filho, o qual ao longo da carreira funcional exerceu cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado 5/5 da Função Comissionada FC.1, correspondendo atualmente ao valor de R$ 12.383,76. 2) Por meio da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou a Impetrante que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 4.638,34 e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 378.652,72. 3) Houve a decadência à revisão da vantagem funcional, nos termos do artigo 54 da Lei nº 9.784/1999, além de se tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 56/86). É o relatório. Decido. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 75/85) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 59/60), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após vista, ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 21 MAI 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 99/112), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 115/117). A UFPB apresentou resposta (fls. 119/144), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima , Quinta Turma. A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 158/190). É o relatório. Decido. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 378.652,72 (trezentos e setenta e oito mil seiscentos e cinquenta e dois reais e setenta e dois centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 59/60), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo, nos termos do art. 6º, 3º, da Lei nº. 12016/20095. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fl. 55): "II - Inaudita altera pars, lhes seja deferida liminarmente a Segurança, nos termos da legislação em vigor Lei nº. 12.016, de 07 de agosto de 2009, permitindo que a Impetrante continue a receber os valores do quintos da maneira como foram incorporados, sem nenhuma redução, bem como que a autoridade coatora se abstenha de cobrar qualquer reposição ao erário público. ... IV - In Meritis, seja definitivamente concedida a segurança, determinando que os proventos/pensão da Impetrante são irredutíveis, e, que no caso em espécie é inaplicável o disposto no Relatório de Auditoria Especial 14/2009 da 1SRH/Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, de 05 de maio de 2010, permanecendo em seu contra-cheques o valor dos quintos incorporados, sem nenhuma alteração como quer a autoridade coatora, estando beneficiada pela decadência de que trata o art. 54 da Lei 9.784/99, ou seja, apenas os proventos percebidos a contar cinco anos que antecederam o Parecer/AGU 203, publicado no dia 08.12.99, isto é até 08.12.94 não poderiam ser alcançados pela redução atacada, bem como que a autoridade coatora se abstenha de cobrar qualquer reposição ao erário público posto que recebidas de boa fé e atingidas pelo artigo 54 da Lei 9.784/99". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 89/91). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 75/85) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 59/60), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20096). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20097. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei processual, será apresentada em 2 (duas) vias com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições. § 1o No caso em que o documento necessário à prova do alegado se ache em repartição ou estabelecimento público ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará, para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 (dez) dias. O escrivão extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da petição. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da notificação. § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática. § 4o (VETADO) § 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito. 6 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 7 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003654-08.2010.4.05.8200 JOSENILDO FORTE DE BRITO (Adv. JAIRO DE OLIVEIRA SOUZA, CLAUDIONOR VITAL PEREIRA, JUSCELINO DE OLIVEIRA SOUZA) x REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAO, CIENCIA E TECNOLOGIA DA PARAIBA(IFPB) (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3654-08.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: JOSENILDO FORTE DE BRITO ADVOGADOS: JAIRO DE OLIVEIRA SOUZA, CLAUDIONOR VITAL PEREIRA E JUSCELINO DE OLIVEIRA SOUZA IMPETRADO: REITOR PRO-TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - IFPB ENTIDADE: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - IFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 49/54): "Determinei a intimação do Impetrante para apresentar cópia do contrato temporário de Professor Substituto que mantivera com o IFPB, nos seguintes termos (fls. 39/40): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Josenildo Forte de Brito em face do Reitor Pro-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB, com pedido de liminar visando a contratação do Impetrante para o cargo de Professor Substituto do IFPB. O Impetrante afirma o seguinte: 1) Foi aprovado em processo seletivo simplificado para o cargo de Professor Substituto do IFPB, para área de Língua Inglesa, no âmbito do concurso regido pelo Edital nº 07/2010/UFPB e, ao ser convocado para assumir o cargo, teve recusada a contratação, sob o fundamento de que mantivera contrato temporário anterior com o IFPB, de junho de 2007 a abril de 2009, vedado pelo artigo 9º, inciso III, da Lei nº 8.745/1993 e o Edital de regência do certame. 2) A restrição legal e editalícia é inconstitucional, uma vez que constitui óbice ao acesso dos cargos públicos, conforme decidido pelo TRF-5ª Região na Argüição de Inconstitucionalidade nos autos da AMS nº 72.575-CE. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 07/36). Intime-se o Impetrante para apresentar cópia do contrato temporário de Professor Substituto que mantivera com o IFPB, a que alude a petição inicial, em vias suficientes para o expediente (artigo 6º da Lei nº 12.016/20092 c/c artigos 282, 283 e 284 do CPC3). João Pessoa, 20 MAI 2010." O Impetrante apresentou documento (fls. 42/47). É o relatório. Decido. O Impetrante foi aprovado no certame regido pelo Edital nº 07/2010/IFPB para o cargo de Professor Substituto (fls. 34). Manteve contrato com o Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba - CEFET/PB, atual Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB, na condição de Professor Substituto, no período de 25.06.2007 a 01.05.2009 (fls. 43/47). O item 8.1 do Edital nº 07/2010/IFPB, destinado à contratação de Professor Substituto por meio de processo seletivo simplificado, dispõe que "no ato da contratação o candidato aprovado terá que comprovar que nos últimos 24 (vinte e quatro) meses não teve contrato temporário com Instituição Federal de Ensino, com base na Lei nº 8.745/93 e legislação superveniente." (fls. 16/32). A exigência contida no item 8.1 do Edital reproduz a vedação prevista no artigo 9º, inciso III, da Lei nº 8.745/19934. O Impetrante teve indeferido o pedido de contratação como Professor Substituto, em face da vedação do artigo 8.1 do Edital nº 07/2010/IFPB (cf. despacho proferido pelo Diretor-Geral de 12.05.2010, fls. 35) Apreciei matéria afim nos autos do Mandado de Segurança nº 2008.82.4160-6, denegando a segurança, cujos fundamentos aplicam-se à hipótese em exame, verbis: "(...) É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, observo que não se configura na hipótese em julgamento a perda do objeto da ação, considerando que a impetração foi ajuizada em 27/06/2008, anteriormente à realização da prova didática do concurso público em discussão, fixada para 01.07.2008, não sendo o caso de extinção do processo, sem resolução do mérito, mas de concessão ou denegação da segurança. Há pouco a acrescentar ao fundamento adotado no exame do pedido de liminar (fls. 29/33). No caso, o Impetrante pretende a sua inclusão em Processo Seletivo Simplificado promovido pelo Departamento de Ciências Social Aplicadas do Campus III da UFPB, em Bananeiras/PB, para a contratação de professor substituto, seleção para a qual teve a sua inscrição indeferida pela Autoridade impetrada, sob o fundamento de que não apresentou declaração de inexistência de contrato temporário com Instituição Federal de Ensino nos últimos 24 (vinte e quatro) meses. O óbice legal oposto à contratação do Impetrante consta na Notificação expedida pelo Chefe do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas do Campus III da UFPB, datada de 25.06.2008, fazendo referência a não comprovação da inexistência de anterior contrato temporário. Conforme assentou a decisão, o Impetrante celebrou anteriormente com a própria UFPB contrato temporário para exercer a função de professor substituto junto ao Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais do Centro de Ciências Agrárias, cuja vigência deu-se entre 23.07.2007 e 22.07.2008. A vedação à contratação de candidatos que já tiveram vínculo na condição de Professor Substituto, antes de decorridos 24 meses do encerramento do contrato anterior, tem por base o disposto no artigo 9º, inciso III, da Lei nº 8.745, de 1993, com a redação dada pela Lei nº 9.849, de 1999. Desse modo, não há inconstitucionalidade na restrição legal (nova redação do artigo 9º, inciso III, da Lei nº 8.745, de 1993) à contratação de Professor Substituto, no que tange ao decurso de 24 meses do contrato anterior para que se proceda à nova contratação. É que o dispositivo regulamenta o artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal de 1988, tratando das contratações temporárias, em caráter excepcional, sem que se possa falar em violação do princípio constitucional do acesso aos cargos públicos mediante concurso (artigo 37, inciso II). Observou o decisum que o dispositivo legal destina-se a evitar a perpetuação da contratação de um mesmo candidato, de modo a fraudar-se a exigência do concurso público para o provimento de cargos efetivos da Administração Pública, uma vez que o Processo Seletivo para a contratação temporária, dado o seu caráter emergencial, desenvolve-se de forma simplificada, portanto, mais vulnerável a eventuais e indesejáveis direcionamentos contrários aos princípios constitucionais da legalidade, moralidade, impessoalidade e eficiência, que devem nortear a Administração Pública. ISTO POSTO, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (Súmulas nºs. 512 do STF e 105 do STJ). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 16 SET 2008." A matéria é controvertida na jurisprudência5. ISTO POSTO, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 12.016/20096). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 02 JUN 2010". (grifos no original) A autoridade impetrada prestou as informações (fls. 60/64), afirmando que a contratação temporária por excepcional interesse público encontra fundamento no art. 37, IX, da Constituição Federal, e Lei nº. 8.745, de 1993, com a modificação introduzida pela Lei nº. 11.784, de 2008, em que há vedação à nova contratação do candidato anteriormente contratado, e não à sua participação no concurso, levando em consideração o princípio da proporcionalidade. O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 70/74). O Impetrante requereu a desistência da ação, afirmando que foi aprovado em concurso público para o cargo efetivo de Professor do IFPE (fl. 76). O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba manifestou interesse em integrar a lide e apresentou resposta no sentido da denegação da segurança (fls. 77/84). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro o pedido de gratuidade judiciária formulado pelo Impetrante à fl. 03. Configurada a hipótese de desistência da ação mandamental. A respeito, leia-se o precedente: "o impetrante pode desistir do mandado independentemente de aquiescência do impetrado" (RTJ 88/290, inter plures, cf. THEOTÔNIO NEGRÃO, 26ª edição, p. 1126). ISTO POSTO, homologo por sentença o pedido de desistência. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20097). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 23 de julho de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei processual, será apresentada em 2 (duas) vias com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições. § 1o No caso em que o documento necessário à prova do alegado se ache em repartição ou estabelecimento público ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará, para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 (dez) dias. O escrivão extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da petição. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da notificação. § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática. § 4o (VETADO) § 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito. 3 Art. 282. A petição inicial indicará: I - o juiz ou tribunal, a que é dirigida; II - os nomes, prenomes, estado civil, profissão, domicílio e residência do autor e do réu; III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido; IV - o pedido, com as suas especificações; V - o valor da causa; VI - as provas com que o autor pretende demonstrar a verdade dos fatos alegados; VII - o requerimento para a citação do réu. Art. 283. A petição inicial será instruída com os documentos indispensáveis à propositura da ação. Art. 284. Verificando o juiz que a petição inicial não preenche os requisitos exigidos nos arts. 282 e 283, ou que apresenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará que o autor a emende, ou a complete, no prazo de 10 (dez) dias. Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a petição inicial. 4 Art. 9º O pessoal contratado nos termos desta Lei não poderá: I - receber atribuições, funções ou encargos não previstos no respectivo contrato; II - ser nomeado ou designado, ainda que a título precário ou em substituição, para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança; III - ser novamente contratado, com fundamento nesta Lei, antes de decorridos 24 (vinte e quatro) meses do encerramento de seu contrato anterior, salvo nas hipóteses dos incisos I e IX do art. 2o desta Lei, mediante prévia autorização, conforme determina o art. 5o desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.784, de 2008) Parágrafo único. A inobservância do disposto neste artigo importará na rescisão do contrato nos casos dos incisos I e II, ou na declaração da sua insubsistência, no caso do inciso III, sem prejuízo da responsabilidade administrativa das autoridades envolvidas na transgressão. "ADMINISTRATIVO. AGRAVO INTERNO EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. 1. Segundo art. 9º, inciso III, da Lei 8.745/93 - que dispõe sobre a contratação temporária, no âmbito da Administração Pública - o empregado não poderá ser novamente contratado, antes de decorridos 24 (vinte e quatro) meses do encerramento de seu contrato anterior (redação dada pela Lei 11.784, de 2008). Tal regra tem por escopo impedir que a contratação temporária, medida excepcional (CF, art. 37, IX), se protraia no tempo, tornando-se efetiva, violando, de consequência, a regra de concurso público (CF, art. 37, II). 2. A jurisprudência, porém, tem entendido que a referida vedação legal não incide nos casos de renovação de contrato para cargos distintos. 3. No caso, o Recorrido foi contratado por tempo determinado pela Fundação Universidade de Brasília (FUB) para exercer a função de professor substituto, mas, agora, pretende a contratação pelo Ministério da Saúde para exercer a função de técnico de nível superior, na área de gestão de planejamento orçamentário, execução orçamentária, finanças públicas e controle e prestação de contas. Assim, não se tratando de recontratação para o mesmo cargo, não se aplica, na espécie, a vedação constante no artigo 9º, III, da Lei 8.745/93. 4. Agravo interno da União desprovido." (AGTAG nº 200901000447541, Relator Desembargador Federal Fagundes de Deus, 5ª Turma do TRF-1ª Região, DJF1 De 26.02.2010, p. 289) (grifei) "ADMINISTRATIVO. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. NOVO CONTRATO. LEI 8.745/93. INSTITUIÇÕES DISTINTAS. ADMISSIBILIDADE. 1. O impetrante foi impedido de ser contratado temporariamente pela apelante, em função da manutenção indevida de sua matrícula no sistema SIAPECAD, por parte do Hospital Geral de Bonsucesso, em razão de vínculo temporário extinto (05/01/2006) antes da aprovação em concurso para professor substituto perante a recorrente (03/05/2006). 2. O art. 9.º, inciso III, da Lei n.º 8.745/93 proíbe a realização de novo contrato temporário antes de decorridos vinte e quatro meses do encerramento do anterior. 3. "Todavia, a vedação legal não incide na hipótese em tela, em que a nova contratação se dá em cargo distinto, correspondente a entidade diversa da anterior, por não se constatar a renovação da contratação" (STJ, REsp 503823 / MG, 5ª Turma, rel. Min. Laurita Vaz, DJ 17/12/2007, p. 287). 4. Apelação e remessa necessária desprovidas." (AMS nº 71520, Relator Desembargador Federal José Antônio Lisboa Neiva, 6ª Turma do TRF-2ª Região, DJU de 30.10.2008, p. 167) (grifei) "ADMINISTRATIVO. CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO. DOIS CONTRATOS TEMPORÁRIOS. VEDAÇÃO AFASTADA. A vedação constante da Lei nº 8.745/93, art 9º, inc. III, que fundamentou o ato da autoridade coatora, que indeferiu a contratação temporária do impetrante no cargo de professor substituto, uma vez que não transcorreu 24 meses entre o termino do primeiro e o ínicio do segundo contrato, fere os princípios da isonomia e da acessibilidade a cargos públicos." (AMS nº 200770000113794, Relator Desembargador Federal Edgard Antônio Lippmann Júnior, 4ª Turma do TRF-4ª Região, DE de 05.05.2008) (grifei) "ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. DECADÊNCIA. INOCORRÊNCIA. ATRIBUIÇÃO DE EFEITO SUSPENSIVO. LESÃO GRAVE E DE DIFÍCIL REPARAÇÃO. INOCORRÊNCIA. PROFESSOR SUBSTITUTO DE UNIVERSIDADE. CONTRATAÇÃO POR EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO. LEI Nº 8745/93 (ART. 9º, INC. III). EDITAL QUE VEDA INSCRIÇÃO DE CANDIDATO QUE TENHA SIDO ANTERIORMENTE CONTRATADO PELA ADMNISTRAÇÃO. IRRAZOABILIDADE. - O ato concreto capaz de gerar efeitos no patrimônio do impetrante encontra-se consubstanciado no Ofício nº 310/GRH/CEFET/2008, datado de 09/09/08, fls. 16. Foi, portanto, a teor do art. 18 da Lei nº 1.533/51, no momento da ciência deste ato denegatório que nasceu para o impetrante o direito de ajuizar ação mandamental. Uma vez que esta foi protocolada na data de 02/10/08 descabe falar em decadência. - Pedido de efeito suspensivo afastado, pois dissonante do art. 12, da Lei nº 1.533/51. - O concurso público, como forma democrática de provimento dos cargos públicos, deve pautar-se pela disputa isonômica, de modo a colocar todos os concursandos em um mesmo plano de igualdade jurídica e, ao mesmo tempo, possibilitar a todos os que tenham as mesmas condições a acessibilidade aos cargos públicos. - Sob tal premissa não se afigura razoável a vedação prevista no inc. III, do art. 9º, da Lei nº 8745/93, declarada inconstitucional no julgamento da AMS Nº72575-CE por este e. TRF 5ª Região. - Não provimento à apelação e à remessa oficial." (APELREEX nº 7425, Relator Desembargador Federal José Baptista de Almeida Filho, 4ª Turma do TRF-5ª Região, DJE de 26.10.2009, p. 222) (grifei) 6 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 7 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003725-10.2010.4.05.8200 CLAUDIO DANTAS DE MENESES (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3725-10.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: CLÁUDIO DANTAS DE MENESES ADVOGADOS: ÉMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA E GUILHERME FONTES DE MEDEIROS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 115/117): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Cláudio Dantas de Meneses em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" nos valores atuais (R$ 8.845,54) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. O Impetrante afirma o seguinte: 1) É servidor aposentado da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceu cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado 5/5 da Função Comissionada FC.3, correspondendo atualmente ao valor de R$ 8.845,54. 2) Por meio da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou o Impetrante que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 3.313,10 e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 270.711,85. 3) Houve a decadência à revisão da vantagem funcional, nos termos do artigo 54 da Lei nº 9.784/1999, além de se tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 57/112). É o relatório. Decido. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 66/77) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 63/64), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 21 MAI 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 125/138), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB apresentou resposta (fls. 145/184), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima , Quinta Turma. A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 184/218). Decisão proferida pelo Exmo. Desembargador Federal, Dr. Rubens de Mendonça Canuto, nos autos do Agravo de Instrumento nº. 108019 - PB, recebendo o recurso nos efeitos devolutivo e suspensivo (fls. 221/224). O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 231/233). É o relatório. Decido. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 270.711,85 (duzentos e setenta mil setecentos e onze reais e oitenta e cinco centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, (fls. 63/64), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fl. 55): "II - Inaudita altera pars, lhes seja deferida liminarmente a Segurança, nos termos da legislação em vigor Lei nº. 12.016, de 07 de agosto de 2009, permitindo que o Impetrante continue a receber os valores do quintos da maneira como foram incorporados, sem nenhuma redução, bem como que a autoridade coatora se abstenha de cobrar qualquer reposição ao erário público. ... IV - In Meritis, seja definitivamente concedida a segurança, determinando que os proventos do Impetrante são irredutíveis, e, que no caso em espécie é inaplicável o disposto no Relatório de Auditoria Especial 14/2009 da SRH/Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, de 05 de maio de 2010, permanecendo em seu contra-cheques o valor dos quintos incorporados, sem nenhuma alteração como quer a autoridade coatora, estando beneficiada pela decadência de que trata o art. 54 da Lei 9.784/99, ou seja, apenas os proventos percebidos a contar cinco anos que antecederam o Parecer/AGU 203, publicado no dia 08.12.99, isto é até 08.12.94 não poderiam ser alcançados pela redução atacada, bem como que a autoridade coatora se abstenha de cobrar qualquer reposição ao erário público posto que recebidas de boa fé e atingidas pelo artigo 54 da Lei 9.784/99". (grifei) Assentei na decisão que se revela na hipótese a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 66/77) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 63/64), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. O egrégio TRF da 5ª Região, em decisão proferida pelo Exmo. Desembargador Federal, Dr. Rubens de Mendonça Canuto, nos autos do Agravo de Instrumento nº. 108019 - PB, atribuiu efeito suspensivo ativo, em parte, ao recurso interposto, com o seguinte fundamento (fls. 223/224): "(...) No caso presente, o agravado foi informado, por meio da Carta Circular n. 02 da UFPB, datada de 05.05.10, a respeito da redução de sua aposentadoria relativa aos valores de "quintos" incorporados, transformados em VPNI, bem assim acerca da reposição ao Erário das quantias recebidas a esse título, no período de setembro/04 a agosto/09. Diante do cotejo entre a previsão legal acerca do prazo decadencial para a Administração rever os seus atos e, no caso concreto, a data da mencionada Carta Circular, impõe-se reconhecer que, em princípio, teria ocorrido a decadência do direito da Administração de rever a forma de pagamento que tenha se aperfeiçoado após maio/05. Em sede de outro recurso de agravo de instrumento, cuja matéria controvertida era semelhante à presente, restou constatado que a Administração teria reajustado os valores dos "quintos" incorporados (VPNI) em jan/03, jan/05 e jan/06. Assim, em relação aos pagamentos dos "quintos", nos termos da MP 474/87, cujos valores tenham sido definidos até maio/05, consumou-se o lapso decadencial para a administração, dado que a Carta Circular n. 02/2010 remonta a 05.05.10. Destarte, colhe, em parte, a irresignação da UFPB, ora agravante, quanto a redução dos valores de sua VPNI. Afinal, a vantagem pessoal só deve ser corrigida em face da revisão geral da carreira, sendo inadmissível a sua vinculação a sistemática de remuneração estabelecida na MP 474/87 do MEC. No que tange a reposição ao Erário dos valores pagos a título de "quintos" no período de setembro/04 a agosto/09, entendo descabida. No caso, os valores dos "quintos" foram incorporados por meio de decisão transitada em julgado, com base na MP 474/87 do MEC. A jurisprudência de nossos tribunais tem sinalizado no sentido de que o servidor público que, de presumida boa-fé, perceba alguma vantagem financeira, independente de havê-la pleiteado ou não, não pode ser compelido à sua devolução. Com efeito, além de induvidosa boa-fé dos litigantes, não é possível desconsiderar a natureza alimentar dos valores, e daí a sua irrepetibilidade. Mercê do exposto, recebo o presente recurso em seus efeitos DEVOLUTIVO E SUSPENSIVO ATIVO EM PARTE, para considerar a decadência da Administração apenas quanto aos valores definidos a partir de maio/05, é dizer, a redução dos pagamentos dos proventos relativos à VPNI deve considerar os valores que por último foram definidos até maio/05". (grifei) ISTO POSTO, com a ressalva do ponto de vista, concedo, em parte, a segurança para afastar os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB relativamente à devolução dos valores anteriores a maio de 2005, os quais foram alcançados pela decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, bem como em relação à devolução ao Erário dos valores dos quintos incorporados. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento nº. 108019-PB. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20096. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 6 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003797-94.2010.4.05.8200 SONIA MARIA GONDIM GUEDES PEREIRA E OUTRO (Adv. BRUNO CAVALCANTI DIAS, CLEANTO GOMES PEREIRA) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3797-94.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: SÔNIA MARIA GONDIM GUEDES PEREIRA E MARILEIDE MIRANDA FEITOSA ADVOGADOS: CLEANTO GOMES PEREIRA E BRUNO CAVALCANTI DIAS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 195/197): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Sônia Maria Gondim Guedes Pereira e Marileide Miranda Feitosa em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" nos valores atuais (R$ 10.614,62 e R$ 4.846,59, respectivamente) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. As Impetrantes afirmam o seguinte: 1) São servidoras aposentadas da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceram cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado funções comissionadas, correspondendo atualmente ao valor de R$ 10.614,62 (para Sônia Maria Gondim Guedes Pereira) e R$ 4.846,59 (para Marileide Miranda Feitosa). 2) Por meio da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou aos Impetrantes que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 3.975,72 (para Sônia Maria Gondim Guedes Pereira) e R$ 2.385,43 (para Marileide Miranda Feitosa) e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, nos montantes de R$ 325.229,25 (para Sônia Maria Gondim Guedes Pereira) e R$ 139.471,91 (para Marileide Miranda Feitosa). 3) A percepção da vantagem está protegida pelo ato jurídico perfeito, coisa julgada e direito adquirido, além de tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário, e tendo em vista o princípio da segurança jurídica com enfoque na decadência. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 34/191). É o relatório. Decido. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 47/71) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 40/45), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 24 MAI 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 205/218), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que as Impetrantes não comprovaram que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque das Impetrantes, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB apresentou resposta, acompanhada de documentos (fls. 222/262), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima, Quinta Turma. O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 265/277). A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 279/309). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. As Impetrantes se insurgem contra a cobrança das quantias de R$ 325.229,25 (trezentos e vinte e cinco mil duzentos e vinte e nove reais e vinte e cinco centavos) e R$ 139.471,91 (cento e trinta e nove mil quatrocentos e setenta e um reais e noventa e um centavos), bem como a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 40/44), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 30/31): "... MEDIDA LIMINAR, para que seja impedido de se realizar o ato impugnado, abstendo-se, doravante, a autoridade coatora de reduzir os valores dos quintos incorporados e, desta forma, proceder o pagamento em favor dos impetrantes dos valores dos seus proventos, na forma como vêm sendo pagos presentemente, isto é, com inclusão das referidas gratificações na sua base de cálculo, bem como de abster-se de qualquer exigência de restituição de valores supostamente pagos a maior, tudo por intermédio de expediente deste ínclito juízo ao Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba. ... CONCEDER A SEGURANÇA IMPETRADA NESTE AZO, CONSOANTE OS TERMOS FORMULADOS E CONTIDOS NO PEDIDO DE MEDIDA LIMINAR, COM A DETERMINAÇÃO DE ABSTER-SE O IMPETRADO DE PROCEDER A QUALQUER REDUÇÃO NOS SEUS PROVENTOS INERENTE AOS VALORES DOS QUINTOS INCORPORADOS E À INCLUSÃO DAS REFERIDAS GRATIFICAÇÕES NA SUA BASE DE CÁLCULO". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 195/197). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20096. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 6 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003802-19.2010.4.05.8200 WILSON GUEDES MARINHO E OUTROS (Adv. JOSE EWERTON NOBREGA ARAUJO, ARLAND DE SOUZA LOPES) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 3802-19.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: WILSON GUEDES MARINHO, FRANCISCO FERREIRA DE PAIVA E PAULO LUIZ CARVALHO GUIMARÃES ADVOGADOS: JOSÉ EWERTON NÓBREGA ARAÚJO E ARLAND DE SOUZA LOPES IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 144/146): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Wilson Guedes Marinho, Francisco Ferreira de Paiva e Paulo Luiz Carvalho Guimarães em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" nos valores atuais (R$ 11.499,20, R$ 12.383,76 e R$ 12.383,76, respectivamente) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. Os Impetrantes afirmam o seguinte: 1) São servidores aposentados da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceram cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado funções comissionadas, correspondendo atualmente ao valor de R$ 11.499,20 (para Wilson Guedes Marinho) e R$ 12.383,76 (para Francisco Ferreira de Paiva e Paulo Luiz Carvalho Guimarães). 2) Por meio da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou aos Impetrantes que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 4.307,03 (para Wilson Guedes Marinho) e R$ 4.638,34 (para Francisco Ferreira de Paiva e Paulo Luiz Carvalho Guimarães) e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, nos montantes de R$ 351.983,14 (para Wilson Guedes Marinho), R$ 378.513,84 (para Francisco Ferreira de Paiva) e R$ 378.516,84 (para Paulo Luiz Carvalho Guimarães). 3) A percepção da vantagem está protegida pelo ato jurídico perfeito, coisa julgada e direito adquirido, além de tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário, e tendo em vista o princípio da segurança jurídica. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 26/139). É o relatório. Decido. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 41/88) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 32/40), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 24 MAI 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 154/167), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB apresentou resposta (fls. 169/180), afirmando: 1) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 2) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 3) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima , Quinta Turma. A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 182/198). Mantive e decisão agravada (fls. 200/201). O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 205/206). É o relatório. Decido. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. Os Impetrantes se insurgem contra a cobrança das quantias de R$ 351.983,14 (trezentos e cinquenta e um mil novecentos e oitenta e três reais e catorze centavos), R$ 378.513,84 (trezentos e setenta e oito mil quinhentos e treze reais e oitenta e quatro centavos) e R$ 378.516,84 (trezentos e setenta e oito mil quinhentos e dezesseis reais e oitenta e quatro centavos), bem como a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 32/39), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fl. 23/25): "... os impetrantes vêm requerer que Vossa Excelência lhes conceda medida liminar, sem a prévia audiência da autoridade coatora, para ordenar a mesma se abstenha, até julgamento final da ação mandamental, de adotar as medidas comunicadas na Carta-Circular já referida. ... Vêm os impetrantes requerer, após o deferimento da medida liminar, que lhes seja concedido mandado de segurança em que se determine à autoridade coatora que se abstenha, em caráter definitivo, de efetuar as medidas administrativas comunicadas na Carta-Circular nº 02-2010-GAB-SRH, de 05 de Maio de 2010, ou seja, de proceder à redução dos proventos dos suplicantes e de lhes impor a devolução, ao erário, dos valores indicados." (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 144/146). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20096. João Pessoa, 03 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 6 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003898-34.2010.4.05.8200 JOSE DE ARIMATEIA MENEZES LUCENA (Adv. BRUNO CAVALCANTI DIAS, CLEANTO GOMES PEREIRA) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 3898-34.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: JOSÉ DE ARIMATÉIA MENEZES LUCENA ADVOGADOS: CLEANTO GOMES PEREIRA E BRUNO CAVALCANTI DIAS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 136/138): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por José de Arimatéia Menezes Lucena em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" no valor atual (R$ 4.521,02) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. O Impetrante afirma o seguinte: 1) É servidor da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceu cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado funções comissionadas, correspondendo atualmente ao valor de R$ 4.521,02. 2) Por meio da Carta nº 170/2010-GAB/SRH, de 06.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, em exercício, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou ao Impetrante que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 1.855,34 e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 134.440,19. 3) A percepção da vantagem está protegida pelo ato jurídico perfeito, coisa julgada e direito adquirido, além de tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário, e tendo em vista o princípio da segurança jurídica com enfoque na decadência. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 33/133). É o relatório. Decido. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 43/63) e Carta nº 170/2010-GAB/SRH/UFPB, de 06.05.2010 (fls. 37/39), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta nº 170/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 26 MAI 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 145/164), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB apresentou resposta, acompanhada de documentos (fls. 167/220), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima , Quinta Turma. O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 223/225). A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 227/259). Mantive a decisão agravada (fls. 264/265). É o relatório. Decido. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 134.440,19 (cento e trinta e quatro mil quatrocentos e quarenta reais e dezenove centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 170/2010 - GAB/SRH, de 06.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 37/38), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 30/31): "... MEDIDA LIMINAR, para que seja impedido de se realizar o ato impugnado, abstendo-se, doravante, a autoridade coatora de reduzir os valores dos quintos incorporados e, desta forma, proceder o pagamento em favor do impetrante dos valores dos seus proventos, na forma como vêm sendo pagos presentemente, isto é, com inclusão das referidas gratificações na sua base de cálculo, bem como de abster-se de qualquer exigência de restituição de valores supostamente pagos a maior, tudo por intermédio de expediente deste ínclito juízo ao Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba. ... CONCEDER A SEGURANÇA IMPETRADA NESTE AZO, CONSOANTE OS TERMOS FORMULADOS E CONTIDOS NO PEDIDO DE MEDIDA LIMINAR, COM A DETERMINAÇÃO DE ABSTER-SE O IMPETRADO DE PROCEDER A QUALQUER REDUÇÃO NOS SEUS PROVENTOS INERENTE AOS VALORES DOS QUINTOS INCORPORADOS E À INCLUSÃO DAS REFERIDAS GRATIFICAÇÕES NA SUA BASE DE CÁLCULO". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 136/138). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras e Carta nº 170/2010-GAB/SRH/UFPB, de 06.05.2010, o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 170/2010-GAB/SRH. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20096. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 6 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0003940-83.2010.4.05.8200 JOSE SAVIO PARENTE MIRANDA (Adv. DORGIVAL TERCEIRO NETO, GETULIO BUSTORFF FEODRIPPE QUINTAO, MARCOS FREDERICO MUNIZ CASTELO BRANCO) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 3940-83.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: JOSÉ SÁVIO PARENTE MIRANDA ADVOGADOS: DORGIVAL TERCEIRO NETO, GETÚLIO BUSTORFF FEDRIPPE QUINTÃO E MARCOS FREDERICO MUNIZ CASTELO BRANCO IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 55/58): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por José Sávio Parente Miranda em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB e da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" no valor atual (R$ 1.468,09) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. O Impetrante afirma o seguinte: 1) É servidor aposentado da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceu cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado funções comissionadas, correspondendo atualmente ao valor de R$ 1.468,09. 2) Por meio da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou ao Impetrante que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 927,67 e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 36.721,37. 3) A percepção da vantagem está protegida pela decadência, além de se tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário, e não fora observado o devido processo legal. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 25/52). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1060/1950). Em segundo lugar, excluo do pólo passivo a Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, em face da ilegitimidade passiva, porquanto o ato de redução da vantagem e de reposição ao erário fora praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, conforme Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, atendendo à recomendação daquela Equipe, de modo a aplicar-se a regra prevista no artigo 6º, § 3º, da Lei nº 12.016/20092. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 32/46) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 28/30), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, operando-se, assim, a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19993, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo4. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Correções cartorárias e na Distribuição para exclusão do pólo passivo da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20095). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 01JUN 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 68/87), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB manifestou interesse em ingressar no pólo passivo da lide (fl. 88). A UFPB apresentou resposta, acompanhada de cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (92/242), e alegou: 1) Incompetência absoluta da Justiça Federal, uma vez que a impetração foi ajuizada em face da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, considerando que a competência para julgar mandado de segurança é definida pela sede funcional da autoridade coatora; 2) Inadequação da via mandamental por se cogitar de lide envolvendo matéria fática e jurídica; 3) No mérito, a denegação da segurança, ante a inexistência de anulação de ato administrativo, a ensejar a aplicação da decadência. Mantive a decisão agravada (fls. 248/250). O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 252/257). É o relatório. Decido. 1) Sobre a alegação de incompetência absoluta. Na decisão que proferi à fls. 55/58, determinei a exclusão do pólo passivo da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, remanescendo na lide o Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, de modo que este Juízo é competente para o julgamento do feito. 2) Inadequação da via mandamental. O direito, em sede mandamental, está vinculado à demonstração do substrato fático, cuja análise tem como base prova pré-constituída. A documentação, com destaque para a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, expedida pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, é suficiente para o julgamento da impetração. 3) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 62.262,21 (sessenta e dois mil duzentos e sessenta e dois reais e vinte e um centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 28/29), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fl. 24): "... o Impetrante pugna pela concessão da medida liminar, a fim de que seja determinada a imediata suspensão dos efeitos da Carta-Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, bem como qualquer ato a ser perpetrado com base no relatório emanado da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, até ulterior decisão de mérito. ... Requer, após análise da liminar, a concessão da segurança pleiteada, para aniquilar, de uma vez por todas, os efeitos jurídicos da Carta-Circular nº 02/2010 - GAB/SRH e do relatório emanado da Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 55/58). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 32/46) e Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 28/30), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, operando-se, assim, a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20096). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20097. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 6o A petição inicial, que deverá preencher os requisitos estabelecidos pela lei processual, será apresentada em 2 (duas) vias com os documentos que instruírem a primeira reproduzidos na segunda e indicará, além da autoridade coatora, a pessoa jurídica que esta integra, à qual se acha vinculada ou da qual exerce atribuições. § 1o No caso em que o documento necessário à prova do alegado se ache em repartição ou estabelecimento público ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão ou de terceiro, o juiz ordenará, preliminarmente, por ofício, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica e marcará, para o cumprimento da ordem, o prazo de 10 (dez) dias. O escrivão extrairá cópias do documento para juntá-las à segunda via da petição. § 2o Se a autoridade que tiver procedido dessa maneira for a própria coatora, a ordem far-se-á no próprio instrumento da notificação. § 3o Considera-se autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática. § 4o (VETADO) § 5o Denega-se o mandado de segurança nos casos previstos pelo art. 267 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 6o O pedido de mandado de segurança poderá ser renovado dentro do prazo decadencial, se a decisão denegatória não lhe houver apreciado o mérito. 3 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 4 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 5 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 6 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 7 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 8 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0004202-33.2010.4.05.8200 GESSE GOMES MEIRA (Adv. HENRIQUE TENORIO DOURADO, MIGUEL MOURA LINS SILVA) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 4202-33.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: GESSÉ GOMES MEIRA ADVOGADOS: HENRIQUE TENÓRIO DOURADO E MIGUEL MOURA LINS SILVA IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 174/176): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Gessé Gomes Meira em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" no valor atual (R$ 1.198,04) e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. O Impetrante afirma o seguinte: 1) É servidor aposentado da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceu cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado funções comissionadas, correspondendo atualmente ao valor de R$ 1.198,04. 2) Por meio da Carta nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou ao Impetrante que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 927,67 e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 53.506,43. 3) A percepção da vantagem está protegida pelo ato jurídico perfeito, coisa julgada e direito adquirido, e tendo em vista o princípio da segurança jurídica com enfoque na decadência. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 15/171). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1060/1950). À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 112/130) e Carta nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 17/19), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 02 JUN 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 183/202), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 204/236). A UFPB apresentou resposta (fls. 237/267), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima, Quinta Turma. Mantive a decisão agravada (fls. 272/273). O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 275/276). É o relatório. Decido. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 53.506,43 (cinquenta e três mil quinhentos e seis reais e quarenta e três centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, (fls. 17/18), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 174/176). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras e Carta nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/1999, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Sem custas processuais em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20096. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 6 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0004411-02.2010.4.05.8200 HERMES PESSOA FILHO E OUTRO (Adv. BRUNO CAVALCANTI DIAS, CLEANTO GOMES PEREIRA) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº 4411-02.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: HERMES PESSOA FILHO E LUÍZA LÚCIA DE FARIAS AIRES LEAL ADVOGADOS: CLEANTO GOMES PEREIRA E BRUNO CAVALCANTI DIAS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB ENTIDADE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 416/418): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Hermes Pessoa Filho e Luíza Lúcia de Farias Aires Leal em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos/décimos" no valor atual e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem no período de setembro/2004 a agosto/2009. Os Impetrantes afirmam o seguinte: 1) São servidores da UFPB e ao longo da carreira funcional exerceram cargos de direção e assessoramento, tendo incorporado funções comissionadas, correspondendo atualmente ao valor de R$ 6.301,24 (para Hermes Pessoa Filho) e R$ 4.286,71 (para Luíza Lúcia de Farias Aires Leal). 2) Por meio da Carta nº 02/2010-GAB/SRH, de 05.05.2010, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, fazendo alusão a irregularidades constatadas por auditoria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão sobre pagamento a maior da vantagem incorporada, porque incluiu a GED e GTMS na composição da rubrica, comunicou aos Impetrantes que, partir de maio/2010, será procedida a redução da vantagem "quintos/décimos" para R$ 4.108,24 (para Hermes Pessoa Filho) e R$ 662,62 (para Luíza Lúcia de Farias Aires Leal), e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente, no período de setembro/2004 a agosto/2009, no montante de R$ 150.798,73 (para Hermes Pessoa Filho) e R$ 32.790,00 (para Luíza Lúcia de Farias Aires Leal). 3) A percepção da vantagem está protegida pelo ato jurídico perfeito, coisa julgada e direito adquirido, além de tratar de verbas alimentares percebidas em boa-fé, que não estão sujeitas à reposição ao erário, e tendo em vista o princípio da segurança jurídica com enfoque na decadência. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 32/413). É o relatório. Decido. À primeira vista, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras (fls. 46/80) e Carta nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 39/44), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. ISTO POSTO, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I, II e III, da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 08 JUN 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 427/446), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB apresentou resposta, acompanhada de documentos (fls. 448/475), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o Impetrado não ostenta a condição de autoridade, impondo-se a extinção do processo, sem resolução do mérito; 2) A revisão de quintos incorporados não constitui anulação de ato administrativo, não se aplicando à hipótese a decadência prevista no art. 54 da Lei nº. 9.784/99, e a Administração possui o direito à revisão da VPNI a partir de julho de 2006, quando a vantagem foi indevidamente atualizada, uma vez que dentro do quinquênio legal; 3) O direito à reposição de pagamentos feitos indevidamente pela Administração a servidores públicos está previsto no art. 46 da Lei nº. 8.112/90, motivo pelo qual não houve qualquer ilegalidade praticada pela UFPB; 4) Inexiste direito adquirido a regime jurídico e à manutenção dos critérios e reajustes de funções comissionadas transformadas em vantagem pessoal nominalmente identificada, que está sujeita à revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais, de acordo com o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no AgRg no Ag 757.493/SC, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima , Quinta Turma. O Ministério Público Federal absteve-se de ofertar o parecer, ao fundamento de inexistência de interesse público na lide (fls. 477/478). A UFPB apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 482/513). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. 1) Sobre a legitimação passiva ad causam. O Impetrante se insurge contra a cobrança da quantia de R$ 150.708,73 (cento e cinquenta mil setecentos e oito reais e setenta e três centavos) e a reposição ao erário a que se refere a Carta - Circular nº 170/2010 - GAB/SRH, de 06.05.2010, subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB (fls. 39/40), de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo. 2) No mérito. O objeto da presente ação mandamental consiste em (fls. 30/31): "... MEDIDA LIMINAR, para que seja impedido de se realizar o ato impugnado, abstendo-se, doravante, a autoridade coatora de reduzir os valores dos quintos incorporados e, desta forma, proceder o pagamento em favor do impetrante dos valores dos seus proventos, na forma como vêm sendo pagos presentemente, isto é, com inclusão das referidas gratificações na sua base de cálculo, bem como de abster-se de qualquer exigência de restituição de valores supostamente pagos a maior, tudo por intermédio de expediente deste ínclito juízo ao Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba. ... CONCEDER A SEGURANÇA IMPETRADA NESTE AZO, CONSOANTE OS TERMOS FORMULADOS E CONTIDOS NO PEDIDO DE MEDIDA LIMINAR, COM A DETERMINAÇÃO DE ABSTER-SE O IMPETRADO DE PROCEDER A QUALQUER REDUÇÃO NOS SEUS PROVENTOS INERENTE AOS VALORES DOS QUINTOS INCORPORADOS E À INCLUSÃO DAS REFERIDAS GRATIFICAÇÕES NA SUA BASE DE CÁLCULO". (grifei) Há pouco a acrescentar ao fundamento que adotei no exame do pedido de liminar (fls. 416/418). Conforme assentei na decisão, revela-se a decadência em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em conseqüência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, conforme fichas financeiras e Carta nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido pago indevidamente a verba funcional, decorridos, portanto, mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, de modo a operar-se a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19995, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo. A esse respeito, reportei-me a decisões do Superior Tribunal de Justiça proferidas no REsp nº 441211 e REsp nº 1019012. ISTO POSTO, confirmo a liminar e concedo a segurança para anular a Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20096). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento interposto. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao egrégio TRF da 5ª Região, nos termos do art. 14, § 1º, da Lei nº. 12.016, de 20097. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 "PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 5 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 6 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) 7 "Art. 14. Da sentença, denegando ou concedendo o mandado, cabe apelação. § 1o Concedida a segurança, a sentença estará sujeita obrigatoriamente ao duplo grau de jurisdição. § 2o Estende-se à autoridade coatora o direito de recorrer. § 3o A sentença que conceder o mandado de segurança pode ser executada provisoriamente, salvo nos casos em que for vedada a concessão da medida liminar. § 4o O pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias assegurados em sentença concessiva de mandado de segurança a servidor público da administração direta ou autárquica federal, estadual e municipal somente será efetuado relativamente às prestações que se vencerem a contar da data do ajuizamento da inicial". (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

MEDIDA CAUTELAR DE EXIBIÇÃO

   

0002350-71.2010.4.05.8200 NEIDE MARIA ALVES DE MELO (Adv. MARIA TELMA RODRIGUES A. FIGUEIREDO, CARLISSON DJANYLO DA FONSECA FIGUEIREDO) x BANCO CENTRAL DO BRASIL (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 2350-71.2010.4.05.82 - CLASSE 137 MEDIDA CAUTELAR DE EXIBIÇÃO REQUERENTE: NEIDE ALVES DE MELO ADVOGADOS: MARIA TELMA RODRIGUES A. FIGUEIREDO E CARLISSON DJANYLO DA FONSECA FIGUEIREDO RÉU: BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Ação Cautelar de Exibição, com pedido de liminar, movida por Neide Alves de Melo em face do Banco Central do Brasil - BACEN, visando à exibição de documentos relativos à existência de conta corrente, poupança ou aplicação financeira em qualquer instituição bancária, em nome de Nivaldo Francisco de Melo, ex-marido da Requerente, falecido em 17.02.2007. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 06/11). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro o pedido de gratuidade judiciária formulado pela Requerente à fl. 05. No caso, a Requerente pretende obter tutela cautelar, em face do Banco Central do Brasil - BACEN, consistente na exibição de documentos relativos à existência de conta corrente, poupança ou aplicação financeira em qualquer instituição bancária, em nome de do seu ex-marido, Nivaldo Francisco de Melo. A Lei nº. 4.595, de 31.12.1964, que dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias, estabelece expressamente, nos arts. 10 e 112, as diversas hipóteses de competência do Banco Central do Brasil, entre elas a competência privativa para "Exercer a fiscalização das instituições financeiras e aplicar as penalidades previstas" (art. 10, IX). O fornecimento de informações relativas à existência de contas bancárias em nome da Requerente, eventualmente existentes em quaisquer instituições financeiras, não se insere no rol das competências legalmente atribuídas ao BACEN pelos arts. 10 e 11 da Lei nº. 4.595, de 1964. A esse propósito, reporto-me ao precedente da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça3. De tal modo, vê-se que o Banco Central do Brasil não possui legitimidade para figurar no pólo passivo da presente ação cautelar, sendo caso de indeferimento da petição inicial, nos termos do art. 295, II, do CPC4, e a extinção do processo, sem resolução do mérito, com fundamento no art. 267, I, do CPC5, e porque não se contém no elenco legal a obrigação de fornecer tais informações. ISTO POSTO, indefiro a petição inicial e declaro extinto o processo sem resolução do mérito, por ilegitimidade passiva ad causam do BACEN, nos termos do art. 267, I e VI, bem com art. 295, II, c/c art. 8126, todos do CPC. Sem condenação em honorários advocatícios, uma vez que o BACEN não foi citado para compor a relação processual, e sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 06 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da República do Brasil: I - Emitir moeda-papel e moeda metálica, nas condições e limites autorizados pelo Conselho Monetário Nacional (Vetado)). II - Executar os serviços do meio-circulante; III - determinar o recolhimento de até cem por cento do total dos depósitos à vista e de até sessenta por cento de outros títulos contábeis das instituições financeiras, seja na forma de subscrição de Letras ou Obrigações do Tesouro Nacional ou compra de títulos da Dívida Pública Federal, seja através de recolhimento em espécie, em ambos os casos entregues ao Banco Central do Brasil, a forma e condições por ele determinadas, podendo: (Incluído pela Lei nº 7.730, de 31.1.1989) a) adotar percentagens diferentes em função: 1. das regiões geoeconômicas; 2. das prioridades que atribuir às aplicações; 3. da natureza das instituições financeiras; b) determinar percentuais que não serão recolhidos, desde que tenham sido reaplicados em financiamentos à agricultura, sob juros favorecidos e outras condições por ele fixadas. IV - Receber os recolhimentos compulsórios de que trata o inciso anterior e, ainda, os depósitos voluntários à vista das instituições financeiras, nos termos do inciso III e § 2º do art. 19. (Renumerado com redação dada pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) V - Realizar operações de redesconto e empréstimos a instituições financeiras bancárias e as referidas no Art. 4º, inciso XIV, letra " b ", e no § 4º do Art. 49 desta lei; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) VI - Exercer o controle do crédito sob todas as suas formas; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) VII - Efetuar o controle dos capitais estrangeiros, nos termos da lei;(Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) VIII - Ser depositário das reservas oficiais de ouro e moeda estrangeira e de Direitos Especiais de Saque e fazer com estas últimas todas e quaisquer operações previstas no Convênio Constitutivo do Fundo Monetário Internacional; (Redação dada pelo Del nº 581, de 14/05/69) (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) IX - Exercer a fiscalização das instituições financeiras e aplicar as penalidades previstas; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) X - Conceder autorização às instituições financeiras, a fim de que possam: (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) a) funcionar no País; b) instalar ou transferir suas sedes, ou dependências, inclusive no exterior; c) ser transformadas, fundidas, incorporadas ou encampadas; d) praticar operações de câmbio, crédito real e venda habitual de títulos da dívida pública federal, estadual ou municipal, ações Debêntures, letras hipotecárias e outros títulos de crédito ou mobiliários; e) ter prorrogados os prazos concedidos para funcionamento; f) alterar seus estatutos. g) alienar ou, por qualquer outra forma, transferir o seu controle acionário. (Incluído pelo Del nº 2.321, de 25/02/87) XI - Estabelecer condições para a posse e para o exercício de quaisquer cargos de administração de instituições financeiras privadas, assim como para o exercício de quaisquer funções em órgãos consultivos, fiscais e semelhantes, segundo normas que forem expedidas pelo Conselho Monetário Nacional; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) XII - Efetuar, como instrumento de política monetária, operações de compra e venda de títulos públicos federais; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) XIII - Determinar que as matrizes das instituições financeiras registrem os cadastros das firmas que operam com suas agências há mais de um ano.(Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89) § 1º No exercício das atribuições a que se refere o inciso IX deste artigo, com base nas normas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, o Banco Central da República do Brasil, estudará os pedidos que lhe sejam formulados e resolverá conceder ou recusar a autorização pleiteada, podendo (Vetado) incluir as cláusulas que reputar convenientes ao interesse público. § 2º Observado o disposto no parágrafo anterior, as instituições financeiras estrangeiras dependem de autorização do Poder Executivo, mediante decreto, para que possam funcionar no País (Vetado) Art. 11. Compete ainda ao Banco Central da República do Brasil; I - Entender-se, em nome do Governo Brasileiro, com as instituições financeiras estrangeiras e internacionais; II - Promover, como agente do Governo Federal, a colocação de empréstimos internos ou externos, podendo, também, encarregar-se dos respectivos serviços; III - Atuar no sentido do funcionamento regular do mercado cambial, da estabilidade relativa das taxas de câmbio e do equilíbrio no balanço de pagamentos, podendo para esse fim comprar e vender ouro e moeda estrangeira, bem como realizar operações de crédito no exterior, inclusive as referentes aos Direitos Especiais de Saque, e separar os mercados de câmbio financeiro e comercial; (Redação dada pelo Del nº 581, de 14/05/69) IV - Efetuar compra e venda de títulos de sociedades de economia mista e empresas do Estado; V - Emitir títulos de responsabilidade própria, de acordo com as condições estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional; VI - Regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis; VII - Exercer permanente vigilância nos mercados financeiros e de capitais sobre empresas que, direta ou indiretamente, interfiram nesses mercados e em relação às modalidades ou processos operacionais que utilizem; VIII - Prover, sob controle do Conselho Monetário Nacional, os serviços de sua Secretaria. § 1º No exercício das atribuições a que se refere o inciso VIII do artigo 10 desta lei, o Banco Central do Brasil poderá examinar os livros e documentos das pessoas naturais ou jurídicas que detenham o controle acionário de instituição financeira, ficando essas pessoas sujeitas ao disposto no artigo 44, § 8º, desta lei. (Incluído pelo Del nº 2.321, de 25/02/87) § 2º O Banco Central da República do Brasil instalará delegacias, com autorização do Conselho Monetário Nacional, nas diferentes regiões geo-econômicas do País, tendo em vista a descentralização administrativa para distribuição e recolhimento da moeda e o cumprimento das decisões adotadas pelo mesmo Conselho ou prescritas em lei. (Renumerado pelo Del nº 2.321, de 25/02/87) 3 "ADMINISTRATIVO. PENALIDADE APLICADA PELO PROCON À INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. INFRAÇÃO À LEGISLAÇÃO CONSUMERISTA. NEGATIVA DE FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES A CORRENTISTA. LEGITIMIDADE. COMPETÊNCIA DO BACEN ADSTRITA ÀS INFRAÇÕES ÀS NORMAS QUE REGEM AS ATIVIDADES ESTRITAMENTE FINANCEIRAS. 1. O poder sancionatório do Estado pressupõe obediência ao principio da legalidade do qual se dessume a "competência da autoridade sancionadora", cuja carência de aptidão inquina de nulidade o ato administrativo. 2. A fiscalização das instituições financeiras e a aplicação de penalidades correspectivas , nos termos do art. 10, inciso IX, da Lei n.º 4.595/64, é de competência privativa do ao BACEN, verbis:Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da República do Brasil: (...) IX - Exercer a fiscalização das instituições financeiras e aplicar as penalidades previstas 3. Verbete sumular n.º 297, deste Superior Tribunal de Justiça, verbis: "O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras.", nos termos do seguinte precedente, deste E. STJ: "ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. MULTA APLICADA PELO PROCON À COMPANHIA DE SEGUROS. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES DO STJ. DESPROVIMENTO DO RECURSO ORDINÁRIO. 1. Na hipótese examinada, a ora recorrente impetrou mandado de segurança contra ato do Secretário de Justiça e Direitos Humanos do Estado da Bahia, em face da aplicação de multa administrativa em decorrência de processo que tramitou no PROCON, a qual violaria direito líquido e certo por incompetência do órgão de proteção ao consumidor, pois as companhias de seguro somente podem ser supervisionadas pela SUSEP. 2. O tema já foi analisado por esta Corte Superior, sendo consolidado o entendimento de que o PROCON possui legitimidade para aplicar multas administrativas às companhias de seguro em face de infração praticada em relação de consumo de comercialização de título de capitalização e de que não há falar em bis in idem em virtude da inexistência da cumulação de competência para a aplicação da referida multa entre o órgão de proteção ao consumidor e a SUSEP. 3. Nesse sentido, em hipóteses similares, os seguintes precedentes desta Corte Superior: RMS 24.708/BA, 1ª Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJe de 30.6.2008; RMS 25.065/BA, 1ª Turma, Rel. Min. Francisco Falcão, DJe de 5.5.2008; RMS 26.397/BA, 2ª Turma, Rel. Min. Humberto Martins, DJe de 11.4.2008; RMS 25.115/BA, 2ª Turma, Rel. Min. Castro Meira, DJe de 28.3.2008. 4. Desprovimento do recurso ordinário. (RMS 24921/BA, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 21/10/2008, DJe 12/11/2008) 4. In casu, o processo administrativo proposto por correntista em razão de ter sido descontado valor de sua conta-corrente sem o seu conhecimento junto ao PROCON, tendo a autarquia permanecido inerte quanto ao pleito da correntista, que culminou na aplicação de penalidade pelo PROCON/AL à CEF, com fulcro nos arts. 6º, III, 14 e 42, parágrafo único da Lei n.º 8.078/90 e no art. 13, V, do Decreto 2.181/97, verbis: Art. 6º São direitos básicos do consumidor: (...) III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentem; (...) Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos(...) Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. (...) Art. 13. Serão consideradas, ainda, práticas infrativas, na forma dos dispositivos da Lei nº 8.078, de 1990 V - deixar de empregar componentes de reposição originais, adequados e novos, ou que mantenham as especificações técnicas do fabricante, salvo se existir autorização em contrário do consumidor; 5. Consectariamente, verifica-se que a penalidade foi aplicada, não em decorrência de qualquer violação às normas que regem às instituições financeiras, mas, em verdade, em razão da omissão da autarquia em responder o pleito administrativo formulado por correntista que solicitara esclarecimentos acerca de débito desconhecido em sua conta, caracterizando-se, portanto, como uma infringência à legislação consumerista. 6. O ato administrativo de aplicação de penalidade pelo PROCON à instituição financeira por infração às normas que protegem o Direito do Consumidor não se encontra eivado de ilegalidade porquanto inocorrente a usurpação de competência do BACEN, autarquia que possui competência privativa para fiscalizar e punir as instituições bancárias quando agirem em descompasso com a Lei n.º 4.565/64, que dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias. 7. Raciocínio inverso conspiraria contra a ratio essendi dos dispositivos questionados porquanto inviabilizaria o acesso do consumidor-correntista à satisfação dos seus direitos haja vista que inexiste no ordenamento jurídico pátrio a descentralização nos Estados das atividades desempenhadas pelo BACEN. 8. Recurso especial desprovido". (STJ - Primeira Turma - REsp nº. 200900243708 - Rel. Ministro Luz Fux, j. 03.09.2009, DJE de 14.10.2009). (grifei) 4 "Art. 295. A petição inicial será indeferida: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - quando for inepta; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - quando a parte for manifestamente ilegítima; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - quando o autor carecer de interesse processual; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - quando o juiz verificar, desde logo, a decadência ou a prescrição (art. 219, § 5o); (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) V - quando o tipo de procedimento, escolhido pelo autor, não corresponder à natureza da causa, ou ao valor da ação; caso em que só não será indeferida, se puder adaptar-se ao tipo de procedimento legal; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Vl - quando não atendidas as prescrições dos arts. 39, parágrafo único, primeira parte, e 284. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Parágrafo único. Considera-se inepta a petição inicial quando: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) I - Ihe faltar pedido ou causa de pedir; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) II - da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) III - o pedido for juridicamente impossível; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) IV - contiver pedidos incompatíveis entre si. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973)" 5 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; VII - pelo compromisso arbitral; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação". (grifei) 6 Art. 812. Aos procedimentos cautelares específicos, regulados no Capítulo seguinte, aplicam-se as disposições gerais deste Capítulo. ?? ?? ?? ?? 1 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0004190-19.2010.4.05.8200 IONE MARIA TORRES DE ARAUJO (Adv. ROBERTA GARCIA DE ARAÚJO) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao(à)(s) autor(a)(es) para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC e art. 87, item 08 do Provimento 01/2009 - CR.)

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000797-86.2010.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x ALEXANDRE DE ANDRADE INOJOSA (Adv. CLEMILDA BARRETO ALVES)

10. (X ) Outros: Remetam-se os autos à Distribuição para correções cartorárias: inclusão do advogado do Réu. Após, dê-se vista ao Promovido da documentação da CAIXA juntada às fls. 76/89. Remeta-se. Após, publique-se.

   

0002065-15.2009.4.05.8200 MARIO JOSE ALVES PEREIRA (Adv. IURI DE MELO BARROS, MYRELLA DE SOUSA DELGADO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Autos com vista ao(s) exeqüente(s) para se manifestar(em), no prazo de 05(cinco) dias, se o depósito satisfaz a obrigação, a ensejar a extinção do processo do processo e da obrigação pelo pagamento.

   

0002113-08.2008.4.05.8200 JOSE PIRES MARINHO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Autos com vista ao exequente, no prazo de 05(cinco) dias.

   

0006899-95.2008.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SARA DE ALMEIDA AMARAL) x UNIÃO (Adv. SARA DE ALMEIDA AMARAL) x GERMANA CAVALCANTI CHAVES E OUTROS (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x MARIA DAS NEVES CAVALCANTI CHAVES (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO) x MARIA DAS NEVES CAVALCANTI CHAVES

Intime(m)-se o(a)s o(a)(s) executado(a)(s) MARIA DAS NEVES CAVALCANTI CHAVES, na pessoa de seu advogado, para cumprimento da Obrigação de Pagar(sucumbência) no prazo de 15 (quinze) dias. Vencido o prazo, o montante da condenação será acrescido multa de 10%(dez) por cento e, caso o pagamento seja parcial a multa incidirá sobre o restante da dívida ou, apresentar Impugnação à Execução mediante Petição nos autos em face de não mais serem cabíveis Embargos [Lei n º 11.232, de 22.12.2005 (DOU de 23.12.2005)] indicando bens à penhora no mesmo prazo. Decorrido o prazo, certifique-se e intime-se a parte vencedora para dizer se o cumprimento efetuado satisfaz. Antes, convertam-se os autos à classe própria (cumprimento de sentença). JPA, ...

   

AÇÃO DE DESAPROPRIAÇÃO

   

0011180-31.2007.4.05.8200 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT (Adv. JOSÉ EDUARDO DE LUCENA FARIAS, GILMAR SOBREIRA GOMES) x BCP S/A (CLARO) (Adv. LUCIANA PEDROSA NEVES CIRNE, EDUARDO FRAGOSO DOS SANTOS, ELZA FILGUEIRAS DE SIQUEIRA CAMPOS CANTALICE FLORENTINO)

PROCESSO Nº 2007.82.11180-0 - CLASSE 15 - AÇÃO DE DESAPROPRIAÇÃO EXPROPRIANTE: DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT PROCURADOR: GILMAR SOBREIRA GOMES EXPROPRIADA: BSE S/A (BCP S/A - CLARO) ADVOGADOS: ELZA CANTALICE, LUCIANA PEDROSA CIRNE E EDUARDO FRAGOSO DOS SANTOS S E N T E N Ç A1 Cuida-se de Embargos de Declaração opostos pela Expropriada (fls. 188/191) à sentença que proferi às fls. 175/182. A Embargante afirma que a sentença fora omissa ao deixar de apreciar a questão da benfeitoria/custos para implementação de recuo do muro existente no imóvel. É o relatório. Decido. O fundamento e dispositivo da sentença ora embargada possuem o seguinte teor: "A matéria é de fato e de direito, estando os autos adequadamente instruídos para julgamento na forma do artigo 330, inciso I, do CPC, e, portanto, dispensável a audiência de que trata o artigo 23 do Decreto-Lei nº 3.365/1941. O imóvel em questão está situado no lote 05 às margens da rodovia BR 101, no Município de Alhandra (PB), próximo à entrada do Município do Conde (PB), com área de 88,30 metros quadrados e não possui benfeitorias. O DNIT ofereceu o valor de R$ 1.122,04, pelo bem. No laudo, o Perito atribuiu o valor atual de R$ 1.324,502, com o qual concordou o DNIT e discordou a Expropriada, que indicou o valor de R$ 6.412,04. O Perito assinalou que o valor do bem, à época da avaliação administrativa, seria trinta por cento menor do valor então encontrado pelo DNIT (ver resposta ao quesito 5, fls. 141). O laudo do Perito apresenta-se bem circunstanciado, registrando as características, localização, valor de mercado do bem (atual) e fontes de consulta, respondendo a contento os quesitos formulados, de modo que acolho o valor por ele indicado. Por outro lado, a Expropriada não apresentou elementos que infirmassem o valor indicado pelo Perito. Diante do exposto: 1) Confirmo a liminar e convalido em favor do DNIT a imissão na posse do imóvel descrito no laudo do DNIT (fls. 11/17) e objeto da Portaria nº 1784/2005/DNIT (fls. 18), e determino, após o trânsito em julgado, a transferência ao Expropriante da titularidade do domínio do imóvel, comunicando-se ao registro imobiliário competente (artigo 29 do Decreto-Lei nº 3.365/19413). 2) A título de justa indenização (artigo 5º, inciso XXIV, da Constituição Federal de 19884), fixo o valor de R$ 1.324,50 a ser pago à Expropriada, corrigido monetariamente até a data do efetivo pagamento e acrescido de juros compensatórios de 12% (doze por cento) ao ano ou 1% (um por cento) ao mês (cf. Súmulas nºs. 618/STF e 113/STJ e ADIn nº. 2.3325), desde a data da imissão na posse do imóvel (em 28.05.2008), tomando como base de cálculo dos juros compensatórios o valor indenizatório, incidindo sobre todo o valor apurado, inclusive sobre os compensatórios (Súmula nº. 102/STJ6), juros de mora de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir do primeiro dia do exercício seguinte ao que deveria ser feito o pagamento (artigo 15-B do Decreto-Lei nº 3.365/19417). 3) Sem condenação em honorários advocatícios, uma vez que, em face da distância de tempo entre as duas avaliações (administrativa e pericial), pode-se considerar que não houve diferença do valor indenizatório, não se aplicando, portanto, o que previsto no artigo 27, § 1º, do Decreto-Lei nº 3.365/19418. 4) A sentença não está sujeita à remessa oficial, uma vez que o valor indenizatório estabelecido neste julgado é inferior ao dobro do proposto pelo Expropriante (artigo 28, § 1º, do Decreto-Lei nº 3.365/19419). 5) Após o trânsito em julgado, o levantamento do valor indenizatório fica condicionado à apresentação de certidão de quitação de dívidas fiscais que eventualmente recaiam sobre o bem expropriado (artigo 3410 do Decreto-Lei nº 3.365/1941). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Expeça-se alvará para levantamento dos honorários em favor do Perito, depositados às fls. 122. João Pessoa, 12 MAI 2010." A sentença tomou como parâmetro o laudo do Perito, que indicou o valor atual do imóvel e aquele à época da avaliação administrativa, e informou expressamente que não havia benfeitoria no bem. O valor é do imóvel em sua totalidade e deve corresponder, preferencialmente, ao do mercado, de modo que não houve omissão do julgado, até porque a Expropriada não demonstrou que tenha efetuado gastos com o que chamou de "recuo de muro". Diante do exposto, nego provimento aos Embargos de Declaração. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa, 09 da agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara CLS 1 Sentença tipo A, cf. Resolução nº 535/2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 O laudo é de 04.10.2009, ao passo que a avaliação feita pelo DNIT atribuindo o valor de R$ 1.122,04 é de maio de 2007 (fls. 13/16). 3 Art. 29. Efetuado o pagamento ou a consignação, expedir-se-á, em favor do expropriante, mandado de imissão de posse, valendo a sentença como título hábil para a transcrição no registro de imóveis. 4 Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: .... XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos previstos nesta Constituição; 5 Súmula 618 do STF: "Na desapropriação, direta ou indireta, a taxa de juros compensatórios é de 12% (doze por cento) ao ano" Súmula 113 do STJ: "Os juros compensatórios, na desapropriação direta, incidem a partir da imissão na posse, calculados sobre o valor da indenização, corrigido monetariamente" "EMENTA: - Ação direta de inconstitucionalidade. Artigo 1º da Medida Provisória nº 2.027-43, de 27 de setembro de 2000, na parte que altera o Decreto-Lei nº 3.365, de 21 de junho de 1941, introduzindo o artigo 15-A, com seus parágrafos, e alterando a redação do parágrafo primeiro do artigo 27. - Esta Corte já firmou o entendimento de que é excepcional o controle judicial dos requisitos da urgência e da relevância de Medida Provisória, só sendo esse controle admitido quando a falta de um deles se apresente objetivamente, o que, no caso, não ocorre. - Relevância da argüição de inconstitucionalidade da expressão "de até seis por cento ao ano" no "caput" do artigo 15-A em causa em face do enunciado da súmula 618 desta Corte. - Quanto à base de cálculo dos juros compensatórios contida também no "caput" desse artigo 15-A, para que não fira o princípio constitucional do prévio e justo preço, deve-se dar a ela interpretação conforme à Constituição, para se ter como constitucional o entendimento de que essa base de cálculo será a diferença eventualmente apurada entre 80% do preço ofertado em juízo e o valor do bem fixado na sentença. - Relevância da argüição de inconstitucionalidade dos parágrafos 1º e 2º do mesmo artigo 15-A, com fundamento em ofensa ao princípio constitucional da prévia e justa indenização. - A única conseqüência normativa relevante da remissão, feita pelo § 3º do aludido artigo 15-A está na fixação dos juros no percentual de 6% ao ano, o que já foi decidido a respeito dessa taxa de juros. - É relevante a alegação de que a restrição decorrente do § 4º do mencionado artigo 15-A entra em choque com o princípio constitucional da garantia do justo preço na desapropriação. - Relevância da argüição de inconstitucionalidade do parágrafo 1º do artigo 27 em sua nova redação, no tocante à expressão "não podendo os honorários ultrapassar R$ 151.000,00 (cento e cinqüenta e um mil reais)". Deferiu-se em parte o pedido de liminar, para suspender, no "caput" do artigo 15-A do Decreto-Lei nº 3.365, de 21 de junho de 1941, introduzido pelo artigo 1º da Medida Provisória nº 2.027-43, de 27 de setembro de 2000, e suas sucessivas reedições, a eficácia da expressão "de até seis por cento ao ano"; para dar ao final desse "caput" interpretação conforme a Constituição no sentido de que a base de cálculo dos juros compensatórios será a diferença eventualmente apurada entre 80% do preço ofertado em juízo e o valor do bem fixado na sentença; e para suspender os parágrafos 1º e 2º e 4º do mesmo artigo 15-A e a expressão "não podendo os honorários ultrapassar R$ 151.000,00 (cento e cinqüenta e um mil reais)" do parágrafo 1º do artigo 27 em sua nova redação." (Pleno do STF, Relator Ministro Moreira Alves, julgamento em 05.09.2001) (grifei) 6 Súmula 102 do STJ: "A incidência dos juros moratórios sobre os compensatórios, nas ações expropriatórias, não constitui anatocismo vedado em lei" 7 Art. 15. Se o expropriante alegar urgência e depositar quantia arbitrada de conformidade com o art. 685 do Código de Processo Civil, o juiz mandará imití-lo provisoriamente na posse dos bens; Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 2.786, de 1956) § 1º A imissão provisória poderá ser feita, independente da citação do réu, mediante o depósito: (Incluído pela Lei nº 2.786, de 1956) a) do preço oferecido, se este for superior a 20 (vinte) vezes o valor locativo, caso o imóvel esteja sujeito ao imposto predial; (Incluída pela Lei nº 2.786, de 1956) b) da quantia correspondente a 20 (vinte) vezes o valor locativo, estando o imóvel sujeito ao imposto predial e sendo menor o preço oferecido; (Incluída pela Lei nº 2.786, de 1956) c) do valor cadastral do imóvel, para fins de lançamento do imposto territorial, urbano ou rural, caso o referido valor tenha sido atualizado no ano fiscal imediatamente anterior; (Incluída pela Lei nº 2.786, de 1956) d) não tendo havido a atualização a que se refere o inciso c, o juiz fixará independente de avaliação, a importância do depósito, tendo em vista a época em que houver sido fixado originàlmente o valor cadastral e a valorização ou desvalorização posterior do imóvel. (Incluída pela Lei nº 2.786, de 1956) § 2º A alegação de urgência, que não poderá ser renovada, obrigará o expropriante a requerer a imissão provisória dentro do prazo improrrogável de 120 (cento e vinte) dias. (Incluído pela Lei nº 2.786, de 1956) § 3º Excedido o prazo fixado no parágrafo anterior não será concedida a imissão provisória. (Incluído pela Lei nº 2.786, de 1956) Art. 15-A No caso de imissão prévia na posse, na desapropriação por necessidade ou utilidade pública e interesse social, inclusive para fins de reforma agrária, havendo divergência entre o preço ofertado em juízo e o valor do bem, fixado na sentença, expressos em termos reais, incidirão juros compensatórios de até seis por cento ao ano sobre o valor da diferença eventualmente apurada, a contar da imissão na posse, vedado o cálculo de juros compostos. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) § 1o Os juros compensatórios destinam-se, apenas, a compensar a perda de renda comprovadamente sofrida pelo proprietário. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) (Vide ADIN nº 2.332-2) § 2o Não serão devidos juros compensatórios quando o imóvel possuir graus de utilização da terra e de eficiência na exploração iguais a zero. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) (Vide ADIN nº 2.332-2) § 3o O disposto no caput deste artigo aplica-se também às ações ordinárias de indenização por apossamento administrativo ou desapropriação indireta, bem assim às ações que visem a indenização por restrições decorrentes de atos do Poder Público, em especial aqueles destinados à proteção ambiental, incidindo os juros sobre o valor fixado na sentença. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) § 4o Nas ações referidas no § 3o, não será o Poder Público onerado por juros compensatórios relativos a período anterior à aquisição da propriedade ou posse titulada pelo autor da ação." (NR) (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) (Vide ADIN nº 2.332-2) Art. 15-B Nas ações a que se refere o art. 15-A, os juros moratórios destinam-se a recompor a perda decorrente do atraso no efetivo pagamento da indenização fixada na decisão final de mérito, e somente serão devidos à razão de até seis por cento ao ano, a partir de 1o de janeiro do exercício seguinte àquele em que o pagamento deveria ser feito, nos termos do art. 100 da Constituição. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) 8 Art. 27. O juiz indicará na sentença os fatos que motivaram o seu convencimento e deverá atender, especialmente, à estimação dos bens para efeitos fiscais; ao preço de aquisição e interesse que deles aufere o proprietário; à sua situação, estado de conservação e segurança; ao valor venal dos da mesma espécie, nos últimos cinco anos, e à valorização ou depreciação de área remanescente, pertencente ao réu. Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 2.786, de 1956) § 1o A sentença que fixar o valor da indenização quando este for superior ao preço oferecido condenará o desapropriante a pagar honorários do advogado, que serão fixados entre meio e cinco por cento do valor da diferença, observado o disposto no § 4o do art. 20 do Código de Processo Civil, não podendo os honorários ultrapassar R$ 151.000,00 (cento e cinqüenta e um mil reais). (Redação dada Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) § 2º A transmissão da propriedade, decorrente de desapropriação amigável ou judicial, não ficará sujeita ao impôsto de lucro imobiliário. (Incluído pela Lei nº 2.786, de 1956) § 3º O disposto no § 1o deste artigo se aplica: (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) I - ao procedimento contraditório especial, de rito sumário, para o processo de desapropriação de imóvel rural, por interesse social, para fins de reforma agrária; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) II - às ações de indenização por apossamento administrativo ou desapropriação indireta. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) § 4º O valor a que se refere o § 1o será atualizado, a partir de maio de 2000, no dia 1o de janeiro de cada ano, com base na variação acumulada do Índice de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA do respectivo período. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.183-56, de 2001) 9 Art. 28. Da sentença que fixar o preço da indenização caberá apelação com efeito simplesmente devolutivo, quando interposta pelo expropriado, e com ambos os efeitos, quando o for pelo expropriante. § 1 º A sentença que condenar a Fazenda Pública em quantia superior ao dobro da oferecida fica sujeita ao duplo grau de jurisdição. (Redação dada pela Lei nº 6.071, de 1974) § 2o Nas causas de valor igual ou inferior a dois contos de réis (2:000$0), observar-se-á o disposto no art. 839 do Código de Processo Civil. 10 Art. 34. O levantamento do preço será deferido mediante prova de propriedade, de quitação de dívidas fiscais que recaiam sobre o bem expropriado, e publicação de editais, com o prazo de 10 dias, para conhecimento de terceiros. Parágrafo único. Se o juiz verificar que há dúvida fundada sobre o domínio, o preço ficará em depósito, ressalvada aos interessados a ação própria para disputá-lo. ?? ?? ?? ?? 1 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000343-43.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x IARA CELIA NOBREGA PEREIRA DA SILVA (Adv. FRANCISCO DE ANDRADE CARNEIRO NETO, SERGIO DE MELO DANTAS JUNIOR)

ao(à)(s) autor(a)(es) para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar(em) a(s) contestação(ões)(arts. 326 e 327, do CPC e art. 87, item 08 do Provimento 01/2009 - CR.)

   

0003923-81.2009.4.05.8200 JOSE ALVARO PEREIRA DE BRITO (Adv. EUDESIO GOMES DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Às partes, sobre as informações do cálculo, no prazo de 05 (cinco) dias.

   

0003932-09.2010.4.05.8200 MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FE (Adv. DORIS FIÚZA CORDEIRO, LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Trata-se de comunicação de interposição de agravo de instrumento (fls. 684/716) à decisão de fls. 675/679 na qual indeferi o pedido de antecipação da tutela. Interposto o agravo em 30.07.2010, na vigência da Lei nº 11.187, de 19.10.2005 (DOU de 20.10.2005, com vacatio legis de 90 dias da publicação), que alterou os artigos 522, 523 e 527 do Código de Processo Civil. DO EXPOSTO: 1) Mantenho a decisão agravada por seus fundamentos. 2) Cumpra-se a parte final da decisão de fls. 675/679.

   

0004405-92.2010.4.05.8200 CONE - CONSTRUTORA NORDESTE LTDA E OUTROS (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ, ANGELLO RIBEIRO ANGELO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 0004405-92.2010.4.05.8200 - CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORES: CONE - CONSTRUTORA NORDESTE LTDA, INSTITUTO DE TISIOLOGIA E PNEUMOLOGIA DE CAMPINA, ENGER ENGENHARIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA, CONSTRUTORA ÁGUA AZUL LTDA ADVOGADO(A)(S): NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTÁVIO ACCTE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ E ÂNGELLO RIBEIRO ÂNGELO RÉ: UNIÃO D E S P A C H O Determinei que a Autora CONE - Construtora Nordeste Ltda cópia da petição inicial e da sentença referente ao Processo nº 4433-31.2008.4.05.8200, para fins de exame de ocorrência de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada (art. 103, 301, § 1º, e 333, I, do CPC). A Autor apresentou cópia de petição inicial sem identificação do processo a que se vincula, posto que não traz número de protocolo junto à Justiça Federal. Diante do exposto, renove-se a intimação da autora CONE - Construtora Nordeste Ltda para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar cópia da petição inicial do Processo nº 4433-31.2008.4.05.8200, para fins de exame de ocorrência de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada (art. 103, 301, § 1º, e 333, I, do CPC). João Pessoa, 09 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0004523-68.2010.4.05.8200 ENILCIO MEIRA DOS SANTOS E OUTROS (Adv. ANTONIO DE PADUA MOREIRA DE OLIVEIRA, MARCOS LUIZ RIBEIRO DE BARROS) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Defiro a gratuidade judiciária requerida na Inicial (Lei nº 1.060/50). À Distribuição para correções cartorárias, com a exclusão da UNIÃO e inclusão da UNIÃO (FAZENDA NACIONAL). Pronunciem-se os Autores, em 10 (dez) dias, para apresentar cópia da petição inicial e da sentença com trânsito em julgado, se houver, da ação nº 5305.12.2009.4.05.8200, com o objetivo de esclarecer e comprovar, para fins de exame de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada (art. 103, 301 § 1º e 333, I, do CPC1). Remeta-se. Após, publique-se. 1 Art. 103. Reputam-se conexas duas ou mais ações, quando Ihes for comum o objeto ou a causa de pedir. Art. 301. Compete-lhe, porém, antes de discutir o mérito, alegar I - inexistência ou nulidade da citação; II - incompetência absoluta; III - inépcia da petição inicial; IV - perempção; V - litispendência; VI - coisa julgada; VII - conexão; VIII- incapacidade da parte, defeito de representação ou falta de autorização; IX - convenção de arbitragem; X - carência de ação; XI - falta de caução ou de outra prestação, que a lei exige como preliminar. § 1º. Verifica-se a litispendência ou a coisa julgada, quando se reproduz ação anteriormente ajuizada. § 2º. Uma ação é idêntica à outra quando tem as mesmas partes, a mesma causa de pedir e o mesmo pedido. § 3º. Há litispendência, quando se repete ação, que está em curso; há coisa julgada, quando se repete ação que já foi decidida por sentença, de que não caiba recurso. § 4º. Com exceção do compromisso arbitral, o juiz conhecerá de ofício da matéria enumerada neste artigo. Art. 333. O ônus da prova incumbe: I - ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito; II - ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Parágrafo único. É nula a convenção que distribui de maneira diversa o ônus da prova quando: I - recair sobre direito indisponível da parte; II - tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do direito. ?? ?? ?? ??

   

0005454-08.2009.4.05.8200 JOSÉ ELTON DE SOUZA E SILVA (Adv. THELIO FARIAS, ROBERTO JORDÃO DE OLIVEIRA, CLAUDIO DE LUCENA NETO, LEIDSON FARIAS, ÍTALO COUTO FARIAS BEM, ROMILTON DUTRA DINIZ, LUIZ CARLOS DE ARAUJO SANTOS JUNIOR, ALEXANDRE SOARES DE MELO, ALISSON TAVEIRA ROCHA LEAL) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM PROCURADOR)

NATUREZA: Ação Ordinária PROCESSO: 2009.5454-0 PROMOVENTE: José Elton de Souza e Silva PROMOVIDA: Caixa Econômica Federal - CEF S E N T E N Ç A1 JOSÉ ELTON DE SOUZA E SILVA promoveu AÇÃO ORDINÁRIA em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, visando, em resumo, pela condenação da promovida ao pagamento de indenização por danos morais que alega ter sofrido. Alega o autor em sua petição inicial (fls. 03/10), acompanhada de documentos (fls. 04/16), o seguinte: 1) Foi surpreendido pelo crédito realizado em sua conta corrente nº 001.00.001.244-6, agência nº 2221, no valor de R$ 680.000,00 (seiscentos e oitenta mil reais), de origem desconhecida, quando se encontrava a trabalho na cidade de Brasília/DF. 2) Precisou realizar um saque para pagamento de despesas usuais e ficou impossibilitado diante da informação de que seu saldo bancário era insuficiente, mesmo sabendo que havia saldo disponível. 3) Encontrava-se em uma cidade estranha, sem dinheiro para resolver as suas necessidades imediatas e não conseguiu contato com o banco para sanar o transtorno, já que havia excedido o horário de funcionamento. 4) Sua conta corrente foi movimentada com o crédito desconhecido, o bloqueio dos valores que eram seus e o posterior estorno, sem que lhe fosse prestada qualquer informação ou conhecimento do ocorrido. A CEF apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls.20/26), alegando que: 1) O autor não comprovou a existência de qualquer ato ilícito praticado pela CEF. 2) Em 19/11/2008 foi efetuado, por erro, depósito na conta corrente do autor, no valor de R$ 680.000,00 em cheque, ficando a quantia bloqueada por 24 horas. 3) O depositante, no caso o SENAI, verificou o equívoco e efetuou a reclamação, solicitando que a promovida efetuasse o estorno de lançamento, que não foi impossível diante do fechamento da unidade, sendo realizado no dia seguinte. 4) O extrato apresentado pelo autor continha um saldo total de R$ 3.862,40 (três mil oitocentos e sessenta e dois reais e quarenta centavos), e que o sistema deixou o valor indisponível pelo período de algumas horas, enquanto era processado o movimento diário, voltando à sua normalidade logo em seguida. 5) Não deve prosperar o pedido de danos morais, pois o episódio não teve o condão de causar qualquer ofensa à honra ou moral do autor. O autor apresentou impugnação à contestação (fls.29/34). Determinei à Caixa que informasse a data e horário em que teria estornado o valor de R$ 680.000,00 da conta do autor, e a data e horário em teria restabelecido a normalidade da movimentação da mesma conta corrente (fls.36). A Caixa informou que o estorno teria ocorrido às 17h 18min do dia 20/11/2008 (fls.38/40). Esclareceu, ainda, que a indisponibilidade da conta do autor estabeleceu-se às 18h 19min do dia 20/11/2008, normalizando-se à 00:00h do dia subseqüente, com a liberação do valor bloqueado (fls.44). Com vista, o autor alegou que os documentos juntados pela ré comprovam que o mesmo só teria conseguido retornar a movimentação de sua conta no dia 24/11/2008 (fls.48/50). Determinado prazo para especificar provas (fls.54), as partes não quiseram se manifestar (fls.55). Determinei que a Caixa comprovasse a origem do valor de R$ 680.000,00, depositado na conta do autor e, que apresentasse cópia de processo administrativo de eventual reclamação feita pelo autor relativo ao caso (fls.56). A Caixa requereu a juntada de ofício enviado ao SENAI, em 20/11/2008, comprovando a origem do valor erroneamente creditado na conta do autor e informou que não teria havido qualquer registro de contestação feita pelo promovente em relação ao depósito e bloqueio efetuado em sua conta (fls.64/65). Com vista, o autor afirmou que o documento apresentado pela ré ratifica todos os argumentos da petição inicial (fls.70/71). BREVEMENTE RELATADOS. DECIDO. F U N D A M E N T A Ç Ã O 1. EXAME DO MÉRITO 1.1 Responsabilidade civil e a obrigação de indenizar Dessume-se dos autos do presente processo haver a parte autora deduzido perante este juízo pleito de INDENIZAÇÃO POR DANOS em razão de conduta supostamente ilícita da parte demandada, motivo pelo qual faria jus obter, judicialmente, a reparação de todos os prejuízos cuja ocorrência fora afirmada na exordial. O instituto da responsabilidade civil encontra-se atualmente positivado no direito brasileiro, em sede infraconstitucional, no art. 186 do Código Civil2. Tal dispositivo é complementado pelo art. 9273 do mesmo Código, que prescreve a obrigação de reparar o dano como conseqüência jurídica da prática do ato ilícito definido pelo legislador no artigo 186. Os mencionados dispositivos fundamentam a teoria da responsabilidade civil subjetiva - adotada como regra geral pelo direito brasileiro4 -, para a qual se mostra indispensável à configuração da obrigação de indenizar a presença do elemento subjetivo culpa lato sensu. De fato, em matéria de responsabilidade civil, é essencial à configuração da obrigação de indenizar a reunião de seus três elementos objetivos fundamentais, a saber: (a) uma conduta humana voluntária, (b) um dano moral ou material e, finalmente, (c) o nexo causal a unir conduta e dano. Sobre o assunto, eis a esclarecedora lição de Washington de Barros Monteiro: "Eis aí, portanto, os elementos componentes do ato ilícito, de acordo com o art. 186, tido como uma das vigas-mestras do direito civil, ao lado do direito de propriedade e da família: o fato lesivo, o dano produzido e o nexo causal. Evidenciados esses elementos, surgirá a obrigação de indenizar, pouco importando se o fato danoso viola ou não simultaneamente a lei penal." Determinando a norma legal aplicação da teoria da responsabilidade civil subjetiva para regência de um dado caso concreto, mais um elemento (o subjetivo) se fará necessário: a culpa lato sensu, que compreende a culpa stricto sensu e o dolo. Outrossim, o direito brasileiro faz concessões (cada vez mais freqüentes) à teoria da responsabilidade civil objetiva, dispensando a exigência do elemento subjetivo culpa lato sensu para a configuração da responsabilidade do causador do dano e correlata visualização da obrigação de indenizar. Nestes termos, prescreve a Constituição Federal de 1988, em seu art. 37, § 6.º, a adoção da teoria da responsabilidade civil objetiva nos casos em que danos sejam causados por atos de agentes de pessoa jurídica de direito público ou de direito privado prestadora de serviço público, desde que agindo nessa condição5. A mesma teoria é adotada pelo Código de Defesa do Consumidor, previsão esculpida, para o caso específico dos fornecedores de serviços, no respectivo art. 14 da Lei n. 8.078/90, redigido nos seguintes termos: "Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações suficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos." Sendo assim, é de se concluir que, estando a Caixa Econômica Federal no pólo passivo da demanda, adota o direito positivo, como orientação de regência, a teoria da responsabilidade civil objetiva. Bastará à parte autora, dessa forma, alegar e provar a conduta omissiva ou comissiva da entidade promovida, o dano material e/ou moral a si causado e o necessário nexo de causalidade entre conduta e dano, não socorrendo o demandado qualquer alegação e prova quanto à inexistência de culpa lato sensu a lhe permear a conduta. Na doutrina, reconhecendo a aplicação do CDC às relações entre entidades bancárias e seus clientes, eis a lição de Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho que, embora versando responsabilidade civil dos bancos em razão do pagamento de cheque falso, encontra aplicação geral na disciplina da matéria: "De fato, considerando-se que a atividade bancária é serviço de consumo, o dano causado ao cliente, desde que não favorecido pela atuação deste, há de ser indenizado segundo os princípios da responsabilidade civil objetiva, pelo próprio banco sacado, sem prejuízo do exercício do seu direito de regresso contra o terceiro, culpado pela subtração do talonário." O reconhecimento da plena aplicabilidade das normas do Código de Defesa do Consumidor às instituições bancárias e financeiras é matéria corrente nos tribunais brasileiros, como bem demonstram os julgados abaixo transcritos: "AGRAVO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO - CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO - APLICABILIDADE DO CDC - COMISSÃO DE PERMANÊNCIA - INACUMULABILIDADE COM JUROS MORATÓRIOS E MULTA CONTRATUAL - SÚMULA 83 DESTA CORTE. I - Pela interpretação do art. 3.º, §2.º, do CDC, é de se deduzir que as instituições bancárias estão elencadas no rol das pessoas de direito consideradas como fornecedoras, para fim de aplicação do Código de Defesa do Consumidor às relações entre essas e os consumidores, no caso, correntistas. II - Tratando-se de contrato firmado entre a instituição financeira e pessoa física, é de se concluir que o agravado agiu com vistas ao atendimento de uma necessidade própria, isto é, atuou como destinatário final. Aplicável, pois, o CDC. III - O entendimento adotado pelo aresto recorrido encontra-se em consonância com o desta Corte, segundo o qual é inviável a incidência de comissão de permanência concomitantemente." (AgRg no Ag 296.516/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 07.12.2000, DJ 05.02.2001 p. 110). Grifado. "Direito processual civil e econômico. Agravo no recurso especial. Contrato de abertura de crédito em conta-corrente. CDC. Aplicabilidade. Comissão de permanência. - Aplica-se o CDC às relações jurídicas firmadas entre as instituições financeiras e os usuários de seus serviços. - É admitida a incidência da comissão de permanência após o vencimento da dívida, desde que não cumulada com juros remuneratórios, correção monetária e/ou juros moratórios. Precedentes. Agravo não provido." (AgRg no REsp 592.846/MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 02.08.2005, DJ 22.08.2005 p. 261). Grifado. É finalmente oportuno destacar que o Supremo Tribunal Federal, por maioria de votos (nove a dois), em decisão plenária, julgou improcedente a ADIn n. 2591 e considerou, dessa maneira, constitucional a aplicação do Código de Defesa do Consumidor às instituições bancárias.6 Não se pode esquecer que a responsabilidade objetiva se baseia na adoção de uma das várias vertentes da teoria do risco. Na hipótese dos autos, entendo como de plena aplicação doutrina e jurisprudência que apontam para a responsabilidade objetiva da instituição bancária. Destaco, contudo, pessoal entendimento no sentido de que a adoção da teoria do risco-proveito já espancaria qualquer dúvida que se levantasse contra a aplicação da responsabilidade objetiva nessa hipótese. 1.2 Danos materiais e morais: o objeto da prova Independentemente da natureza material ou moral da lesão alegada pela parte autora, a afirmação e demonstração (prova) dos fatos que supostamente causam os danos constituem exigência essencial e indispensável a um bem sucedido pleito de indenização. Com exceção dos casos em que determina o juiz a inversão do ônus da prova (CDC, art. 6.º, VIII7), deve o autor consumidor provar a ocorrência dos fatos de que lhe decorreram os danos, assim como o nexo de causalidade a unir conduta e dano numa relação de lógica e necessariedade. Por outro lado, alegada a ocorrência de danos materiais, necessário que sejam cabalmente provados nos autos. Prescrevendo o Código Civil que a indenização haverá de ser dimensionada em função do dano causado8, ressalvados uns poucos casos previstos em lei9, deverá o autor provar a existência do dano e sua extensão, fornecendo dados ao julgador para seu convencimento no que pertine à obrigação de indenizar (an debeatur) e ao respectivo montante (quantum debeatur). Já no caso de serem alegados danos morais, nem sempre será necessário ao(à) autor(a) demonstrar-lhes a existência em si. Em muitos casos, tratar-se-ia de verdadeira "prova diabólica", impossível de ser produzida. O objeto da prova, nessas hipóteses, é a idoneidade da conduta para a deflagração causal de sua ocorrência, segundo normas de experiência. Assim, deverá provar o autor a prática da conduta supostamente lesiva, demonstrando-lhe a idoneidade para a geração do alegado dano moral. 1.3 O caso dos autos O autor afirma que teria se surpreendido com o crédito de R$ 680.000,00 (seiscentos e oitenta mil reais), de origem desconhecida, em sua conta corrente CEF, de nº 001.00.001.244-6, que teria ficado bloqueada indevidamente. Alega que o fato teria ocorrido quando se encontrava a trabalho na cidade de Brasília/DF e ao necessitar realizar um saque para fazer o pagamento de despesas usuais, teria se surpreendendo com o aviso no caixa eletrônico da CEF de que seu saldo seria insuficiente. Aduz que teria tentado contato imediato com o banco para sanar o transtorno, mas que já teria excedido o horário de funcionamento. Afirma que sua conta corrente teria sido movimentada ilegalmente, com bloqueio de seus valores e, posteriormente, teria ocorrido o estorno sem que lhe fosse dada qualquer informação e, ainda, com os transtornos daí advindos. A demandada, em sua contestação, afirmou que em 19/11/2008 teria sido efetuado depósito na conta corrente do autor, indevidamente, no valor de R$ 680.000,00 em cheque, ficando a quantia bloqueada por 24 (vinte e quatro) horas. Alega que após o fechamento da unidade, o depositante teria verificado o equívoco e efetuado a reclamação, solicitando que a promovida efetuasse o estorno de lançamento, fato que seria impossível diante do fechamento da unidade e que apenas teria sido regularizado no dia seguinte. Relata que o extrato apresentado pelo autor continha um saldo total de R$ 3.862,40 (três mil oitocentos e sessenta e dois reais e quarenta centavos), e que o sistema teria deixado o valor indisponível pelo período de algumas horas, enquanto era processado o movimento diário, voltando à normalidade logo em seguida. Analisando os autos, observo que restaram comprovados quanto à matéria fática os seguintes pontos relevantes: a) bilhetes de passagens aéreas com partida de João Pessoa para Brasília/DF, no dia 18/11/2008, às 03h 30min horas e regresso no dia 21/11/2008, às 15h 40min (fls.13/14); b) cópia de saldo bancário, com data de 20/11/2008, às 19h 26min, apresentando bloqueio do valor de R$ 680.000,00 (fls.15); c) extrato bancário da conta do autor evidenciando que no dia 19/11/2008 houve o depósito do cheque no valor de R$ 680.000,00 e no dia 20/11/2008, o estorno do mesmo crédito (fls.24); d) extrato apresentado pela CEF, via internet, demonstrando o depósito do valor de R$ 680.000,00, às 17h 13min, do dia 19/11/2008 (fls.39) e o seu estorno às 17h 18min, do dia 20/11/2008 (fls.40). Em que pese o reconhecimento pela instituição bancária do erro cometido na operação, que resultou no bloqueio indevido da conta corrente do autor, não há como deixar de considerar a negligência da ré, que caracterizou a falha na prestação do serviço. Por outro lado, a CEF alega que a conta corrente do autor só teria ficado bloqueada por algumas horas, ou seja, das 18h19min do dia 20/11/2008 à 00:00 do dia seguinte, entretanto, não se desincumbiu do ônus de comprovar o alegado, prevalecendo, assim, a indicação de que só teria voltado à normalidade no dia 24/11/2008, quando ficou comprovado que somente naquela data houve movimentação financeira na conta corrente do autor. Mesmo que admitamos a veracidade do que afirmou a ré, ainda assim entendo que, considerando as condições de fato em que se encontrava o autor, o tempo de indisponibilidade de sua conta corrente seria mais que suficiente para permitir uma exposição indevida aos inúmeros riscos de estar em localidade alheia à sua residência e sem dinheiro. Assim, constatado o nexo causal entre o dano causado ao autor e a conduta praticada pela promovida e diante da responsabilidade civil contratual, deve a CEF ser condenada na reparação pelos danos morais. O dano moral, segundo a ótica de Sérgio Cavalieri Filho, com enfoque na Constituição Federal de 1988, está conceituado nos dias atuais sob dois aspectos: a) em sentido estrito, seria a violação do direito à dignidade; b) em sentido amplo, envolve os diversos graus dos direitos da personalidade, que compreende a imagem, o bom nome, a reputação, os sentimentos e etc. Nesse sentido, o dano moral não está necessariamente associado a alguma reação psíquica da vítima, como dor, tristeza ou sofrimento, que seriam apenas conseqüências, e não causas do dano em si, que teria seu sentido real na violação à dignidade humana e aos direitos da personalidade. Dessa forma, reitero a posição de que os danos morais, em casos como o dos autos, não se provam. Prova-se apenas o fato causador e idôneo à produção do resultado lesivo. A compreensão da existência dos danos morais decorre de um juízo de necessariedade, segundo parâmetros ditados pela razoabilidade e pela experiência. 1.4 Fixação do quantum indenizatório Logrou o autor provar nos autos ter sofrido danos morais em razão da conduta do pólo promovido, demonstrando a idoneidade do fato lesivo para a geração da lesão em questão. Conforme se falou alhures, não se exige, via de regra, a prova da existência ou do montante do dano moral, mas tão somente da ocorrência do fato lesivo e sua idoneidade para a produção da lesão. No dimensionamento do dano moral, deve o juiz examinar todas as circunstâncias do caso concreto, especialmente as circunstâncias em que o ato lesivo foi praticado, a natureza de sua motivação, as condições sociais, intelectuais, profissionais e financeiras do agente lesivo e do sujeito lesado. Outrossim, não pode deixar de levar em conta as funções da responsabilidade civil, quais sejam: (a) compensação à vítima pelo dano sofrido, (b) punição ao ofensor e (c) inibição à sociedade da prática de condutas lesivas. Levados em conta todos os critérios acima apontados e consideradas as circunstâncias do caso em comento - especialmente o fato de o autor se encontrar fora de seu domicílio, em missão de trabalho, necessitando efetuar saque para pagamento de despesas comuns, como táxi, hotel, refeições e etc - arbitro a indenização por danos morais no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para o autor, com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0% (um por cento), incidentes desde a data da prolação da presente sentença10. D I S P O S I T I V O Diante do exposto e pelo mais que dos autos consta, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO para condenar a Caixa Econômica Federal - CEF a ressarcir o autor pelos danos morais devidamente comprovados, fixando (nos termos da fundamentação acima) o valor em R$ 5.000,00 (cinco mil reais), com correção monetária na forma da lei e juros moratórios de 1,0 % (um por cento), incidentes ao mês, desde a data da prolação da presente sentença. Custas ex lege. Verba honorária pela demandada no importe de 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação. Após o trânsito em julgado da presente sentença, observar-se-ão, no cumprimento da obrigação de pagamento do valor indenizatório, as disposições dos artigos 475-I e seguintes do CPC, acrescentados pelo artigo 4.º da Lei n. 11.232/2005 (DOU de 23.12.2005, em vigor seis meses após sua publicação). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa/PB, 28 de julho de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara LMS 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. 3 Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. 4 A professora Maria Helena Diniz, no volume 7 de seu Curso de Direito Civil Brasileiro, assim se posiciona sobre a matéria: "No nosso ordenamento jurídico vigora a regra geral de que o dever ressarcitório pela prática de atos ilícitos decorre da culpa, ou seja, da reprovabilidade ou censurabilidade da conduta do agente". 5 Art. 37. § 6.º. As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo e culpa. 6 "07/06/2006 - 15:11 - Direto do Plenário: Regras do Código de Defesa do Consumidor valem para os bancos. O ministro Celso de Mello, ao proferir seu voto na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 2591, ressaltou que proteção ao consumidor qualifica-se como valor constitucional. Para o ministro, as atividades econômicas estão sujeitas à ação de fiscalização e normativa do Poder Público, pois o Estado é agente regulador da atividade negocial e tem o dever de evitar práticas abusivas por parte das instituições bancárias. Nesse sentido, Celso de Mello entende que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) cumpre esse papel ao regulamentar as relações de consumo entre bancos e clientes. O ministro acrescentou que o Sistema Financeiro Nacional (SFN) sujeita-se ao princípio constitucional de defesa do consumidor e que o CDC limita-se a proteger e defender o consumidor 'o que não implica interferência no SFN'. Assim, ao concluir que as regras do CDC aplicam-se às atividades bancárias, Celso de Mello julgou improcedente o pedido formulado na ADI. A ministra Ellen Gracie também julgou improcedente o pedido de declaração de inconstitucionalidade feito pela Consif na ADI 2591. Assim, por maioria de votos (nove a dois) o Plenário declarou a constitucionalidade do dispositivo do CDC que havia sido questionado pela Consif" (Fonte: www.stf.gov.br). 7 Art. 6.º. São direitos básicos do consumidor: ... VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiência. 8 Art. 944. A indenização mede-se pela extensão do dano. 9 Excepcionando o legislador a mencionada vinculação: Código Civil, arts. 928, parágrafo único, 944, parágrafo único, 945 etc. 10 "Dano moral. Valor. Correção monetária. Precedentes. - 'O termo inicial da correção monetária do valor do dano moral é a data em que for fixado. Recurso conhecido e provido'". (STJ - 3.ª T. - REsp. 376.900 - Rel. Carlos Alberto Menezes Direito - j.02.05.2002 - Bol. AASP 2.293/637, 09 a 15.12.2002). "O valor certo fixado, na sentença exeqüenda, quanto ao dano moral, tem seu termo a quo para o cômputo dos consectários (juros e correção monetária), a partir da prolação do título exeqüendo (sentença) que estabeleceu aquele valor líquido. Precedente do STJ" (STJ - 3.ª T. - REsp - Rel. Waldemar Sveiter - j. 18.06.1998 - RSTJ 112/184). GRIFADOS. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 11 de 12 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal

   

0005580-24.2010.4.05.8200 JOSE MAURICIO DE PONTES E OUTRO (Adv. ANTONIO TEOTONIO DE ASSUNCAO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 5580-24.2010, CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR(ES): JOSÉ MAURÍCIO DE PONTES e MARIA JOSÉ LEAL DE PONTES ADVOGADO(A): Antônio Teotônio de Assunção RÉ: UNIÃO (MINISTÉRIO DA DEFESA) D E C I S Ã O Cuida-se de Ação Ordinária movida por José Maurício de Pontes e Maria José Leal de Pontes em face da União, visando, em sede de pedido de antecipação da tutela, ao recebimento de "alimentos provisionais, determinando o depósito em juízo dos valores aludidos no pedido inicial", decorrentes de danos material e moral alegados como resultantes do falecimento do filho dos Demandantes, com responsabilidade atribuída à União. Alegam os Autores, em síntese, que seu filho, Jailson Marcos Leal de Pontes, faleceu em 24.02.1991, "vítima de asfixia mecânica - afogamento - enquanto fazia treinamento na piscina do CTAN. CATRE, na Base Aérea da Aeronáutica de Natal", local onde o mesmo prestava serviço à Aeronáutica Brasileira. Afirmam que a União possui responsabilidade pelo falecimento de seu filho e, em conseqüência, pelos danos que atingiram os Demandantes em razão do óbito, tanto materialmente quanto moralmente, motivo pelo qual entendem titulares de direito a indenizações, calculadas com observância, dentre outros fatores, da expectativa de vida da população brasileira e da presumível assistência que prestaria o de cujus aos seus pais . É o relatório. Decido. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. A título de antecipação da tutela, poderá ser deferida medida cautelar, se presentes os pressupostos específicos do fumus boni iuris e do periculum in mora. Ausente um dos requisitos previstos em lei, é o caso de se indeferir o pedido de antecipação de tutela. Na hipótese dos autos, conforme se extrai do atestado de óbito constante às fls. 33, o falecimento do filho dos Autores deu-se em 24.02.1991, razão pela qual não vislumbro a efetivação de dano à subsistência dos Autores ou de risco de perecimento ao direito eventualmente reconhecido aos Demandantes enquanto se aguarda a regular marcha processual. Isto porque, tratando-se de reparação pecuniária (alegados danos moral e material), a eventual recomposição do direito violado, acaso reconhecida a violação, poderá se dá ao final do regular trâmite processual sem risco de perecimento do direito dos Autores. Ademais, quanto à manutenção imediata dos Autores, embora se trata de pedido de natureza alimentar (alimentos provisionais), o longo período - mais de 19 (dezenove) anos - decorrido em que os Demandantes quedaram-se inertes ante a alegada violação de seus direitos, permite concluir não haver perigo em se aguardar o regular trâmite processual. Diante do exposto, INDEFIRO o pedido de antecipação da tutela. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Cite-se. João Pessoa/PB, 09 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0005894-04.2009.4.05.8200 LAIS MARIA ARRUDA DE SOUSA (Adv. ALEXANDRE RAMALHO PESSOA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO n.º 2009.5894-5, CLASSE Nº 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTORA: LAÍS MARIA ARRUDA DE SOUSA ADVOGADO: ALEXANDRE RAMALHO PESSOA RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA ADVOGADO: MAGDIEL JEUS GOMES ARAÚJO S E N T E N Ç A1 Designei audiência de conciliação, nos seguintes termos (fls. 115/117): " Cuida-se de Ação Ordinária movida por Laís Arruda de Sousa em face da Caixa Econômica Federal, visando à devolução dos valores pagos na vigência do contrato de mútuo habitacional, que foi rescindido em virtude de procedimento de execução extrajudicial. A Autora alega seguinte: 1) Celebrou com a CAIXA em 06/11/1994 contrato de mútuo habitacional; 2) Face ao aumento desproporcional das prestações, ajuizou a ação cautelar nº 2007.10366-8, que tramitou perante este Juízo, a qual foi extinta sem resolução do mérito em virtude da arrematação do imóvel em procedimento de execução extrajudicial; 3) Busca a devolução dos valores pagos das prestações à CAIXA, por entender que houve enriquecimento ilícito. Citada, a CAIXA não apresentou contestação (fl. 36). Em cumprimento ao despacho de fl. 38, a CAIXA apresentou cópias do contrato de mútuo habitacional e do procedimento de execução extrajudicial do imóvel e informou que o contrato foi cedido à EMGEA (fls. 40/96). Em cumprimento ao despacho de fl. 106, a Autora requereu a citação da EMGEA (fl. 108). É o relatório. Decido. ISTO POSTO, intime-se a Autora, pessoalmente, para comparecer à GICOT - Gerência de Filial, a fim de tomar conhecimento das propostas de conciliação ofertadas pela Caixa Econômica Federal e pela Empresa Gestora de Ativos, com vista a possível conciliação. Fica designado o dia 06/04/2010 às 16:30 h. para Audiência de Conciliação e/ou Transação se antes as partes já não houverem apresentado em Juízo e por escrito proposta de Transação para ser objeto de Homologação Judicial. Intimem-se as partes. João Pessoa, 10 MAR 2010." As partes não firmaram acordo na audiência de conciliação (fls. 123/125). Citada, a Empresa Gestora de Ativos - EMGEA apresentou contestação, suscitando preliminar de ilegitimidade passiva da CAIXA e, no mérito, alegando o seguinte (fls. 130/138): 1) Não há possibilidade de devolução dos valores pagos a título de prestações mensais, pois o deferimento deste pedido configuraria enriquecimento sem causa em favor da Autora; 2) A CAIXA apenas recebeu o que lhe era devido, na época oportuna, por força do contrato firmado. Assim, nada mais fez o Autor senão cumprir com sua obrigação contratual de pagar mensalmente a remuneração (juros) pelo capital emprestado e devolver a quantia disponibilizada pelo banco; 3) O contrato de mútuo foi realizado sob os quatro princípios básicos essenciais à sua validade, quais sejam, a autonomia da vontade, o consensualismo, a boa-fé e a força obrigacional. A Autora não impugnou a contestação (fl. 141). É o relatório. Decido. A Autora pleiteia a devolução dos valores pagos à CAIXA a título de prestações do contrato de mútuo habitacional nº 8.0904.0003.543-9, que fora rescindido e o imóvel objeto do contrato arrematado em decorrência do inadimplemento contratual. A Promovente fundamenta seu pedido no art. 532 do Código de Defesa do Consumidor, que considera nulas de pleno direito as cláusulas contratuais que estabeleçam a perda total das prestações pagas em benefício do credor nos contratos de compra e venda de móveis e imóveis e nas alienações fiduciárias em garantia. Todavia, o contrato rescindido não se trata de compra e venda de imóvel nem de alienação fiduciária em garantia. Cuida-se de contrato de mútuo habitacional com garantia hipotecária, em que o agente financeiro empresta dinheiro ao mutuário para que adquira um bem imóvel em troca de prestações mensais nas quais estão incluídos o pagamento do capital emprestado e os juros contratuais, ficando o bem imóvel como garantia do pagamento. Desse modo, por não se tratar de contrato de compra e venda nem de contrato de alienação fiduciária em garantia e por não haver previsão legal nem contratual de devolução de valores pagos a título de prestações mensais, o pedido há de ser julgado improcedente. Precedentes da jurisprudência3. Acrescente-se, ainda, que o fato de a Autora ter permanecido no imóvel durante a vigência do contrato demonstra que não houve qualquer enriquecimento sem causa por parte das Rés com relação às prestações pagas neste período. ISTO POSTO, julgo improcedente o pedido. Custas ex lege. Verba honorária à base de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa (art. 204, § 4º, do CPC), sobrestada, porém, a sua execução enquanto perdurar o estado de hipossuficiência financeira da Autora, observando-se a prescrição qüinqüenal (art. 12 da Lei 1060/505). Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. João Pessoa/PB,09 de agosto de 2010 ALEXANDRE COSTA DE LUNA FREIRE Juiz Federal 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. Nos contratos de compra e venda de móveis ou imóveis mediante pagamento em prestações, bem como nas alienações fiduciárias em garantia, consideram-se nulas de pleno direito as cláusulas que estabeleçam a perda total das prestações pagas em benefício do credor que, em razão do inadimplemento, pleitear a resolução do contrato e a retomada do produto alienado. § 1° (Vetado). § 2º Nos contratos do sistema de consórcio de produtos duráveis, a compensação ou a restituição das parcelas quitadas, na forma deste artigo, terá descontada, além da vantagem econômica auferida com a fruição, os prejuízos que o desistente ou inadimplente causar ao grupo. § 3° Os contratos de que trata o caput deste artigo serão expressos em moeda corrente nacional. 3 PROCESSUAL CIVIL. SFH. IMÓVEL ARREMATADO PELO CREDOR EM EXECUÇÃO EXTRAJUDICIAL. REPETIÇÃO DAS PRESTAÇÕES PAGAS. INVIABILIDADE. SUCUMBÊNCIA. PREQUESTIONAMENTO. - Tendo o imóvel sido adjudicado por valor muito inferior ao da dívida, resta sem objeto o pedido de revisão e de restituição dela decorrente, uma vez que a dívida foi integralmente quitada e com grande prejuízo ao credor. - O pedido de devolução das prestações pagas não pode ser acolhido, pois não houve enriquecimento ilícito ou sem causa e nem pagamento indevido por parte dos mutuários, sendo que o acolhimento do pedido acabaria por transformar o mútuo em verdadeira doação. - A sucumbência fixada na sentença atende ao disposto nos §§ 3º e 4º do art. 20 do CPC. - O prequestionamento quanto à legislação invocada fica estabelecido pelas razões de decidir, o que dispensa considerações a respeito, vez que deixo de aplicar os dispositivos legais tidos como aptos a reformar a decisão monocrática. (Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Quarta Turma, AC 200372030000113, Relator Desembargador EDUARDO TONETTO PICARELLI, DJ 13/07/2005 PÁGINA: 559) PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO POSSESSÓRIA. SFH. CONTRATO DE MÚTUO. EXECUÇÃO EXTRAJUDICIAL CONSUMADA. ADJUDICAÇÃO DO IMÓVEL PELA CEF. IMISSÃO NA POSSE DO IMÓVEL. 1. Uma vez arrematado o imóvel financiado pela CEF, em virtude de execução extrajudicial levada a efeito nos moldes do DL 70/66, não mais subsiste o interesse processual dos mutuários no prosseguimento de ação de revisão do contrato de mútuo habitacional firmado com o citado agente financeiro, dado que o bem objeto da demanda não mais lhes pertence. Carência de ação proclamada. Precedentes da Corte. 2. O Superior Tribunal de Justiça vem decidindo pela aplicabilidade do CDC aos contratos de financiamento regidos pelo Sistema Financeiro da Habitação, firmados após o advento daquele Código e sem cobertura do FCVS. 3. Inexistente irregularidade no procedimento executório que segue os ditames do DL 70/66, cuja constitucionalidade foi declarada pela Suprema Corte (RE 223.075/DF). 4. Uma vez consumado o leilão extrajudicial, com a subseqüente transferência do domínio do imóvel pelo registro da carta de arrematação no competente CRI, não subsiste o direito do mutuário de ser mantido na posse do imóvel, ainda mais porque, estando inadimplente, não ajuizou ação própria para obstar a realização do leilão, também não comprovou a quitação ou consignação do valor do débito (DL nº 70/66, art. 37, parágrafos 2º e 3º). Precedentes desta Corte. 5. Descabe condicionar a análise do pedido de imissão de posse à comprovação de regularidade do procedimento expropriatório definido no Decreto-Lei 70/66, à míngua de prova robusta de irregularidades, pois a discussão acerca disso tem sede em ação anulatória, sendo suficiente para o julgamento desta ação de imissão de posse a comprovação da aquisição da propriedade, por meio do regular procedimento executivo extrajudicial, a averbação da carta de adjudicação no registro competente, e a ausência de resgate ou consignação judicial do débito que ensejou a execução extrajudicial (DL 70/66, art. 37, §§ 2º e 3º). 6. Não procede o pedido de devolução de todas as prestações pagas, no caso de retomada do imóvel pelo agente financeiro, tendo presente que esse pleito não tem amparo legal, pois o art. 53 do Código de Defesa do Consumidor trata de contrato de compra e venda de imóvel. Entretanto, no caso do financiamento imobiliário, em verdade tem-se um contrato de mútuo entre a CEF e o mutuário, de modo que a compra e venda é realizada entre o comprador e terceiro, atuando a CEF como agente financeiro que empresta a esse comprador/mutuário a quantia necessária à aquisição do imóvel, o qual fica como garantia do adimplemento da obrigação creditícia. Assim, inaplicável o previsto no CDC ao presente litígio. 7. Inexistindo provas de irregularidades no procedimento expropriatório e reconhecida a constitucionalidade do DL 70/66, ausente a justificativa para a condenação da CEF em danos morais por esbulho da posse, pois os atos de imissão na posse por parte do agente financeiro são mera conseqüência do exercício de seu direito. 8. Apelação dos Requeridos que se nega provimento. 9. Sucumbência mantida na forma fixada na sentença. (Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Quinta Turma, AC 200133000041369, Relator JUIZ FEDERAL PEDRO FRANCISCO DA SILVA (CONV.), e-DJF1 DATA:29/10/2009 PAGINA:485) CIVIL. SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO. EXECUÇÃO EXTRAJUDICIAL LEVADA A TERMO. RESOLUÇÃO DO CONTRATO. DEVOLUÇÃO DAS PRESTAÇÕES JÁ PAGAS. ARTIGO 53 DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR: INAPLICABILIDADE. 1. Demanda que versa acerca da resolução de contrato e da conseqüente devolução de prestações já pagas por mutuário em financiamento imobiliário firmado sob a égide do Sistema Financeiro da Habitação, já extinto em razão da arrematação do bem em procedimento de execução extrajudicial. 2. O contrato em tela não se enquadra na hipótese legal, pois não se trata de contrato de alienação fiduciária, nem tampouco de um mero contrato de compra e venda. 3. É certo que há no contrato em questão uma compra e venda, em que figura como comprador o autor, mas nesse negócio a CEF não figura como vendedora. Além da compra e venda, há um contrato de mútuo especial com garantia hipotecária, no qual o autor figura como devedor e a CEF como credora. 4. A norma do artigo 53 do CDC visa evitar o enriquecimento injustificado do vendedor que comumente ocorrida quando, diante da inadimplência do comprador, retomava o imóvel, e sem nada devolver ao comprador das parcelas já pagas. 5. Não há como aplicar tal regra em desfavor do mutuante em contratos celebrado no âmbito do SFH - Sistema Financeiro da Habitação. Celebrado o contrato de compra e venda, a CEF entrega do valor financiado em mãos do vendedor do imóvel. As prestações que recebe não são a contrapartida da venda, mas sim do financiamento. A eventual retomada do imóvel não decorre da rescisão da compra e venda, mas sim de eventual adjudicação no procedimento de execução, judicial ou extrajudicial. 6. Apelação não provida. (Tribunal Regional Federal da 3ª Região, Primeira Turma, AC 200661110051390, Relator JUIZ MÁRCIO MESQUITA, DJF3 CJ2 DATA:12/01/2009 PÁGINA: 200) 4 Art. 20. A sentença condenará o vencido a pagar ao vencedor as despesas que antecipou e os honorários advocatícios. Esta verba honorária será devida, também, nos casos em que o advogado funcionar em causa própria. (Redação dada pela Lei nº 6.355, de 1976) (...) § 3º Os honorários serão fixados entre o mínimo de dez por cento (10%) e o máximo de vinte por cento (20%) sobre o valor da condenação, atendidos: (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1.10.1973) a) o grau de zelo do profissional; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1.10.1973) b) o lugar de prestação do serviço; (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1.10.1973) c) a natureza e importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1.10.1973) § 4o Nas causas de pequeno valor, nas de valor inestimável, naquelas em que não houver condenação ou for vencida a Fazenda Pública, e nas execuções, embargadas ou não, os honorários serão fixados consoante apreciação eqüitativa do juiz, atendidas as normas das alíneas a, b e c do parágrafo anterior. (Redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994) 5 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2.ª VARA FEDERAL

   

0008860-37.2009.4.05.8200 SEVERINO RAMOS DE CARVALHO SILVA (Adv. TACIANO FONTES DE FREITAS) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 8860-37.2009 CLASSE 29 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: SEVERINO RAMOS DE CARVALHO SILVA ADVOGADO: Taciano Fontes de Freitas RÉ: UNIÃO PROCURADORA: Salésia de Medeiros Wanderley S E N T E N Ç A1 1. RELATÓRIO Cuida-se de Ação Ordinária, com pedido de antecipação da tutela, proposta por Severino Ramos de Carvalho Silva em face da União, visando à autorização para se matricular em curso de formação de vigilante, independentemente do fato de responder à ação penal por homicídio culposo na direção de veículo automotor, face ao princípio constitucional da presunção de inocência. O Autor alega, em resumo, que: 1) É vigilante contratado pela empresa Nordeste Vigilância de Valores, sendo esta a sua única fonte de renda; 2) Em 03/10/2006, ao conduzir um carro forte da Nordeste Vigilância de Valores na estrada que liga os municípios de Patos a Piancó, colidiu com uma bicicleta que "ziquezagueava" na pista, ocasionando a morte de dois menores que estavam na bicicleta; 3) Em decorrência do fato, foi denunciado por homicídio culposo praticado na direção de veículo automotor, fato que o impossibilitou de renovar a sua autorização para o exercício de suas funções, uma vez que passou a responder a processo criminal; 4) Baseado no princípio constitucional da presunção de inocência, requereu ao Delegado Federal Chefe da Delegacia de Controle de Segurança Privada na Paraíba autorização para participar do curso de reciclagem e renovação de sua condição de segurança, porém, através do despacho 001/2009-DELESP/DREX/SR/DPF/PB, o pedido foi negado. Com a inicial, procuração e documentos (fls. 03/40). Em cumprimento ao despacho de fl. 51, o Autor apresentou certidão do cartório da 2ª Vara da Comarca de Piancó-PB atestando que o processo criminal nº 026.2006.001172-8 ainda não foi julgado, bem como informou que foi demitido da Nordeste Vigilância de Valores (fls. 54/56). Citada, a União requereu a improcedência do pedido, nos seguintes termos: 1) O art. 4º, I, do Estatuto do Desarmamento (Lei nº 10.826/03) exige a comprovação de idoneidade para adquirir arma de fogo de uso permitido, caracterizada, entre outras coisas, pela ausência de processo criminal movido em face do interessado; 2) Ao proceder ao registro do vigilante, o interessado estaria automaticamente autorizado a portar arma de fogo, nos termos da lei, haja vista que não há modalidade de certificado sem que nele esteja implícito o porte, que venha ou não, a efetivamente utilizá-lo no local de trabalho; 3) Assim, em decorrência de impedimento legal, não há como validar o certificado ou permitir que uma pessoa respondendo a processo criminal se matricule em qualquer curso; 4) No âmbito do Departamento da Polícia Federal, a referida disposição legal foi incorporada através do art. 109 da Portaria nº 387/2006-DG/DPF, a qual exige, no seu inciso VI, a ausência de processo criminal movido em face do interessado em se matricular no curso de formação e de exercer a atividade de vigilante. É o relatório. Decido. 2. FUNDAMENTAÇÃO O Autor pleiteia se matricular no curso de formação de vigilante, independentemente do fato de responder à ação penal por homicídio culposo na direção de veículo automotor. Fundamenta seu pedido com base no princípio constitucional da presunção de inocência, uma vez que não pode ser impedido de se matricular no curso de formação de vigilante antes de eventual condenação criminal definitiva. A União se insurge contra a pretensão autoral sob o argumento de que o Autor não preenche o requisito de idoneidade moral para participar do curso de formação de vigilante porque responde a processo criminal por homicídio culposo na direção de veículo automotor. Afirma que o art. 109, VI, da Portaria nº 387/2006-DG/DPF dispõe que o candidato ao curso de vigilante deverá comprovar sua idoneidade mediante a apresentação de antecedentes criminais, sem registros de indiciamento em inquérito policial, de estar sendo processado criminalmente ou ter sido condenado em processo criminal. Todavia, entendo que a simples propositura de ação penal por eventual crime culposo de trânsito não justifica, por si só, a impossibilidade do Autor de participar de curso de formação de vigilante. Impõe-se, no caso, a aplicação do princípio constitucional da presunção de inocência ou de não culpabilidade, previsto expressamente no art. 5º, LVII da Constituição Federal/1988, in verbis: "Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: (...) LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória" A este propósito, há precedentes da jurisprudência: EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. ADMINISTRATIVO. CONCURSO PÚBLICO. DELEGADO DA POLÍCIA CIVIL. INQUÉRITO POLICIAL. EXCLUSÃO DO CERTAME. VIOLAÇÃO DO PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA. O Supremo Tribunal Federal fixou entendimento no sentido de que viola o princípio constitucional da presunção de inocência a exclusão de candidato de concurso público que responde a inquérito ou ação penal sem trânsito em julgado da sentença condenatória. Precedentes. Agravo regimental a que se nega provimento. (Supremo Tribunal Federal, Segunda Turma, Relator Ministro Eros Grau, AI 769433 AgR / CE, DJe-027 DIVULG 11-02-2010 PUBLIC 12-02-2010 EMENT VOL-02389-14 PP-02954) CONCURSO PÚBLICO - CAPACITAÇÃO MORAL - PROCESSO-CRIME EM ANDAMENTO. Surge motivado de forma contrária à garantia constitucional que encerra a presunção da não-culpabilidade ato administrativo, conclusivo quanto à ausência de capacitação moral, baseado, unicamente, na acusação e, portanto, no envolvimento do candidato em ação penal. (Supremo Tribunal Federal, Segunda Turma, Ministro Marco Aurélio, RE 194872 / RS - RIO GRANDE DO SUL, J 02-02-2001 PP-00141) MANDADO DE SEGURANÇA. CONCURSO. APROVAÇÃO. PROCESSO PENAL SEM TRÂNSITO EM JULGADO DA SENTENÇA CONDENATÓRIA. PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA PRECEITUADO NO ART. 5º, INC. LVII DA CF. PARTICIPAÇÃO EM CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS. POSSIBILIDADE. - Uma vez não transitado em julgado o processo penal, presumível a inocência do candidato, conforme preceitua o artigo 5º, inc. LVII da Constituição Federal. ("ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória". - Preliminar rejeitada. - Apelação e remessa oficial improvidas. (Tribunal Regional Federal da 5ª Região, Terceira Turma, Relator Desembargador Federal Ridalvo Costa, AMS 200081000010256, DJ - Data::20/02/2006 - Página::443 - Nº::36) Ademais, em atendimento ao princípio constitucional da legalidade (art. 5º, II, da Constituição Federal/1988), não se mostra razoável impedir, tomando-se por base mera portaria (Portaria nº 387/2006-DG/DPF), a participação em curso de formação de vigilante de profissional que responde a processo criminal. Veja-se o precedente: CONSTITUCIONAL, ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA. AGRAVO RETIDO NÃO CONHECIDO. LEGITIMIDADE PASSIVA DA AUTORIDADE IMPETRADA. NEGATIVA DE MATRÍCULA EM CURSO DE RECICLAGEM DE VIGILANTE. ANTECEDENTES CRIMINAIS. NÃO OCORRÊNCIA. PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA. 1. Não conheço do agravo retido da União, por não ter sido requerido expressamente na apelação sua apreciação, a teor do § 1º do art. 523 do CPC, o que é imprescindível para que a matéria possa ser conhecida por este Tribunal. 2. Compete ao Delegado da Delegacia de Controle de Segurança Privada a fiscalização da idoneidade dos alunos que pretendem participar do curso de formação de vigilantes, nos termos do art. 109, § 3º, da Portaria 387/2006, da DG/DPF. Preliminar rejeitada. 3. A jurisprudência deste Tribunal está orientada na diretriz de que se mostra abusiva a exigência imposta ao profissional de vigilância quanto à apresentação de certidão de que não responde a inquérito policial ou a processo criminal, estipulada por mera portaria, por violar os princípios da reserva legal (CF, art. 5º, II) e da presunção de inocência (CF, art. 5º, LVII). 4. Segundo orientação do STF e do STJ, não se deve considerar como antecedente criminal a circunstância de alguém figurar como indiciado em inquérito policial ou mesmo denunciado em ação penal ainda em curso, mas tão-somente a condenação por fato criminoso, devidamente transitada em julgado. 5. Agravo retido não conhecido. 6. Apelação da União e remessa oficial desprovidas. (Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Quinta Turma, AMS 200738000346679, Relator Desembargador Federal Fagundes de Deus, e-DJF1 DATA:17/07/2009 PAGINA:154) Passo a analisar o pedido de antecipação da tutela. Nos termos do artigo 273 do CPC, com a nova redação dada pela Lei nº 8.952, de 13.12.1994, e Lei nº 10.444, de 07.05.2002, o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela pressupõe a satisfação dos seguintes requisitos: a) prova inequívoca a formar convencimento da verossimilhança da alegação; e b) fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou c) caracterização de abuso do direito de defesa ou manifesto propósito protelatório. No caso, resta evidente a possibilidade de antecipar os efeitos da tutela, haja vista que o Autor demonstrou a presença dos seus requisitos autorizadores, quais sejam, a prova inequívoca do direito (aplicação do princípio constitucional da presunção de inocência para afastar a impossibilidade de cursar o curso de formação de vigilante) e o fundado receio de dano irreparável (impossibilidade de exercer seu direito constitucional ao trabalho e, consequentemente, de arcar com o sustento de sua família). 3. DISPOSITIVO DIANTE DE TODO O EXPOSTO, concedo a tutela antecipada e julgo procedente o pedido para determinar à União que autorize o Autor a se matricular no curso de formação de vigilante, enquanto não haja condenação criminal definitiva no processo nº 026.2006.0011728, em trâmite na 2ª Vara da Comarca de Piancó - PB, nos termos do art. 269, I, do CPC. Custas ex lege. Condeno a União ao pagamento de honorários advocatícios, que fixo em R$ 500, 00 (quinhentos reais), nos termos do art. 20, §4º, do CPC. Oficie-se para imediato cumprimento. Registre-se no sistema informatizado, disponível a partir de maio de 2006, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se e encaminhem-se os autos ao TRF-5ª Região (artigo 475, inciso I, do CPC). João Pessoa/PB, 20 de julho de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 Sentença tipo A, conforme Resolução nº 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 5 de 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0010383-21.2008.4.05.8200 ESPOLIO DE SERAFIM RODRIGUEZ MARTINEZ, REP. PELA INVENTARIANTE, MARIA CELIA FALCAO RODRIGUEZ E OUTROS (Adv. ALEXANDER THYAGO GONÇALVES NUNES DE CASTRO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Cuida-se de pedido de habilitação requerido pelos filhos do titular das contas poupanças, o de cujus, Serafim Rodriguez Martinez, com certidão de óbito às fls. 18, anexando documentação (fls. 47/62). Consta dos autos, na cópia da Certidão de Óbito de fls. 18, que o falecimento ocorreu em 01.01.1998, na vigência do Código Civil de 01/01/1916. Na qualidade de herdeiros, os habilitandos têm legitimidade para pleitearem o pagamento das diferenças relativas às contas de poupança devidas ao detentor da conta vinculada. O Ministério Público Federal, intimado para manifestação, apenas restituiu os autos para regular prosseguimento do feito Diante disso, defiro o pedido de habilitação, requerido pelos filhos de Serafim Rodriguez Martinez, a saber: Antônio Gumercindo Falcão Rodriguez, Maria Célia Falcão Rodriguez, Regina Rodriguez Botto Targino e Serafim Pinheiro Rodriguez, nos termos do Código Civil de 1916, art. 1603, I1. Correções cartorárias e na distribuição. Após, à impugnação. Remeta-se. Após, publique-se. 1 Art. 1.603. A sucessão legítima defere-se na ordem seguinte: I - aos descendentes; II - aos ascendentes; III - ao cônjuge sobrevivente; IV - aos colaterais; V - aos Municípios, ao Distrito Federal ou à União. (Redação dada pela Lei nº 8.049, de 20.6.1990) ?? ?? ?? ??

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0001420-87.2009.4.05.8200 SEVERINO MARCONDES MEIRA (Adv. RODRIGO AZEVEDO TOSCANO DE BRITO, DELOSMAR DOMINGOS DE MENDONCA JUNIOR, GEILSON SALOMAO LEITE, EDUARDO MONTEIRO DANTAS, ALEXANDRE SOUZA DE MENDONÇA FURTADO, FABIO ANDRADE MEDEIROS, DANIEL HENRIQUE ANTUNES, ALVARO DANTAS WANDERLEY, RODRIGO PINTO, GERMANA AZEVEDO TOSCANO DE BRITO, VIRGINIUS JOSE LIANZA DA FRANCA, RODRIGO AZEVEDO GRECO, FELIPE DE FIGUEIREDO SILVA, RHUBIA LACERDA MARTINS DE OLIVEIRA, CARLOS EMILIO FARIAS DA FRANCA) x UNIÃO (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS)

PROCESSO Nº 2009.82.1420-6 - CLASSE 73 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: SEVERINO MARCONDES MEIRA ADVOGADOS: DELOSMAR MENDONÇA JÚNIOR E EDUARDO MONTEIRO DANTAS EMBARGADA: UNIÃO ADVOGADO DA UNIÃO: ANTÔNIO INÁCIO RODRIGUES DE LEMOS D E S P A C H O Determinei a suspensão do processo nos seguintes termos (fls. 93/95): " Cuida-se de Embargos à Execução (Execução de Título Extrajudicial - Processo nº. 2009.82.763-9, em apenso) interpostos por Severino Marcondes Meira em face da União, objetivando, alternativamente: a) declaração de prescrição do direito de ação executiva e extinção da execução por inexigibilidade do título; b) anulação do Processo TC 475/2009/1995-8 e Acórdão 113/2201, por cerceamento de defesa, extinguindo-se a execução; c) desconstituição do Acórdão 113/2201 do TCU, em face da "inexistência de avaliação inexata", declarando-se a extinção da execução; d) redução do valor da multa, em decorrência da aplicação do princípio da razoabilidade. Acompanha a petição inicial procuração (fl. 25). A União apresentou impugnação aos Embargos à Execução (fls. 30/38), alegando que não vieram instruídos com peças processuais relevantes, impondo-se a intimação do Embargante para cumprir a norma prevista no art. 736, parágrafo único, do CPC, sob pena de indeferimento da petição inicial, bem como refutando as assertivas de prescrição do direito de ação, ausência de cerceamento do direito de defesa e diminuição do valor da multa aplicada pelo TCU. Em cumprimento ao despacho de fl. 52, o Embargante apresentou cópia dos autos da Ação de Execução nº. 2009.82.763-9 (fls. 54/86). Determinei à Secretaria deste Juízo que informasse acerca das partes, objeto e fase processual da Ação Popular nº. 95.10.713-9, em curso nesta 2ª Vara Federal (fl. 91). Informação da Secretaria concernente à Ação Popular nº. 0010713-72.1995.4.05.8200 (fl. 92). É o relatório. Decido. De acordo com a informação prestada pela Secretaria deste Juízo (fl. 92), tramita nesta 2ª Vara Federal a Ação Popular nº. 0010713-72.1995.4.05.8200, ajuizada por Gilberto Magalhães da Silva, em litisconsórcio ativo com a União, em face do Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, o então Juiz Severino Marcondes Meira, e outros, objetivando, entre outras providências, a anulação da compra de imóvel realizada pelo TRT/PB e o ressarcimento ao Erário dos valores despendidos na aquisição, reforma e locação do imóvel. O Acórdão nº. 113/2001 - TCU - Plenário, de 23/05/2001, que serve de base à Execução de Título Extrajudicial nº. 2009.82.763-9 movida pela União em face de Severino Marcondes Meira, ao apreciar o processo de Tomada de Contas Especial instaurada em razão do pagamento do preço do imóvel objeto da Ação Popular nº. 0010713-72.1995.4.05.8200, julgou irregulares as contas do Embargante, quando Presidente do TRT - 13ª Região, e aplicou-lhe multa no valor de R$ 200.000,00, a qual é objeto de cobrança na mencionada Execução de Título Extrajudicial nº. 2009.82.763-9, em apenso. Nos termos do art. 265 do CPC, cabe ao Juiz suspender o processo quando a sentença de mérito depender do julgamento de outra ação ou da declaração da existência ou inexistência da relação jurídica objeto de questionamento em outra causa. Essa é a hipótese dos autos. Diante do exposto, determino a suspensão da presente ação enquanto pendente de julgamento a Ação Popular nº. 0010713-72.1995.4.05.8200, em tramitação nesta 2ª Vara Federal. Intimem-se as partes. Traslade-se cópia desta decisão para os autos da Execução de Título Extrajudicial nº. 2009.82.763-9, em apenso, e da Ação Popular nº. 0010713-72.1995.4.05.8200. João Pessoa, 19 de março de 2010 " Tendo em vista que o acórdão do Tribunal de Contas da União - TCU tem eficácia de título executivo - e considerando que os embargos devem atacar o acórdão - não se torna indispensável esperar o julgamento da Ação Popular nº 0010713-72.1995.4.05.8200, sobretudo porque o julgamento pela sua improcedência não afetará, a meu juízo, a executividade do título proveniente do Tribunal de Contas da União - TCU. DIANTE DO EXPOSTO: 1) Chamo o feito à ordem para determinar o prosseguimento dos presentes Embargos e da Execução em apenso, nos seus ulteriores termos; 2) Renove-se a intimação do Embargante para, no prazo de 15 (quinze) dias, apresentar cópia integral da Tomada de Contas Especial nº 475.209/1995-8. Traslade-se para os autos da Execução em apenso. João Pessoa, 02 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0000763-48.2009.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS) x SEVERINO MARCONDES MEIRA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 2009.763-9, CLASSE 98 EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL EXEQUENTE: UNIÃO EXECUTADO: SEVERINO MARCONDES MEIRA D E S P A C H O Cuida-se de Execução de Título Extrajudicial movida pela União em face de Severino Marcondes Meira, visando ao pagamento do valor de R$ 336.820,00 (trezentos e trinta e seis mil e oitocentos e vinte reais), decorrente da condenação imposta pelo acórdão nº 113/2001 - TCU Plenário, proferido pelo Tribunal de Contas da União A União requereu a expedição de edital para alienação em hasta pública dos bens penhorados à fl. 24, haja vista que não tem interesse na sua adjudicação, nem pretende aliená-los por iniciativa própria (fls. 31). É o relatório. Decido. Nos termos do art. 647 do CPC, a expropriação dos bens do Executado para satisfação do débito pode ser efetivada através das seguintes modalidades: a) adjudicação do bem penhorado em favor do exeqüente, do credor com garantia real, dos credores concorrentes que hajam penhorado o mesmo bem, do cônjuge, dos descendentes ou dos ascendentes do executado; b) alienação do bem penhorado por iniciativa particular do Exeqüente; c) alienação do bem penhorado em hasta pública; ou d) usufruto de bem móvel ou imóvel penhorado. No caso, a União requereu que a alienação em hasta pública dos bens penhorados à fl. 24. DIANTE DO EXPOSTO, expeça-se edital de hasta pública com relação aos bens penhorados à fl. 24, nos termos do art. 686 do CPC. Intime-se. João Pessoa, 02 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0003634-17.2010.4.05.8200 IVANICE FRAZAO DE LIMA E COSTA (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 3634-17.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: IVANICE FRAZÃO DE LIMA E COSTA ADVOGADOS: EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA E GUILHERME FONTES DE MEDEIROS IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB LITISCONSORTE PASSIVA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 149/151): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Ivanice Frazão de Lima e Costa em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, com pedido de liminar visando assegurar a percepção de vantagem denominada "quintos" nos valores atuais e a suspensão da reposição ao erário dos valores percebidos a maior da mesma vantagem, no período de setembro/2004 a agosto/2009. A Impetrante afirma o seguinte: 1) Ao longo de sua carreira funcional na UFPB exerceu cargos de direção e assessoramento, durante mais de 05 (cinco) anos consecutivos, tendo incorporado 5/5 da Função Comissionada FC1 e, por meio da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010, com fundamento no Relatório da Auditoria Especial nº 15/2009 da SRH do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, comunicou que será procedida à redução da vantagem incorporada ao vencimento da Impetrante e a reposição ao erário dos valores percebidos indevidamente. 2) O ato em questionamento, assim como o Relatório da Auditoria Especial nº 15/2009 da SRH do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, são ilegais e violam a garantia constitucional do direito adquirido, uma vez que há norma constitucional vedando a aplicação de leis ou normas administrativas em caráter retroativo, bem como o princípio constitucional da irredutibilidade de vencimentos, e tendo em vista o princípio da segurança jurídica com enfoque na decadência. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 57/125). Em cumprimento ao despacho de fl. 124, a Impetrante apresentou cópia de suas fichas financeiras (fls. 132/147). É o relatório. Decido. À primeira vista, parece-me plausível a alegação sobre a decadência que teria se operado em face da UFPB de rever o valor da vantagem em discussão e, em consequência, de efetuar a reposição ao erário, uma vez que, nos termos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB, de 05.05.2010 (fls. 60/61), e fichas financeiras (fls. 101/122), o período em referência vai de setembro/2004 a agosto/2009, no qual teria sido paga indevidamente a vantagem funcional, decorridos mais de cinco anos contados de setembro/2004 até a expedição da referida Carta, operando-se, assim, a decadência prevista no artigo 54, § 1º, da Lei nº 9.784/19992, a qual tem em foco a estabilidade das relações jurídicas no tempo3. Presente a plausibilidade jurídica da argumentação, concorre igualmente para a concessão da liminar o requisito legal do perigo da demora, porquanto a redução da vantagem vencimental está prevista para a folha de maio/2010, assim como o prazo para restituição integral dos valores que teriam sido indevidamente pagos é de trinta dias, contado do recebimento da Carta-Circular, ou mediante reposição ao erário, mensalmente. Diante do exposto, defiro o pedido de liminar para suspender os efeitos da Carta-Circular nº 02/2010-GAB/SRH/UFPB. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 012009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se a Impetrante. Notifique-se a autoridade impetrada para cumprimento desta decisão e para prestar as informações e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da UFPB (artigo 7º da Lei nº 12.016/2009). Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer (artigo 12 da Lei nº 12.016/2009). João Pessoa, 02 JUN 2010". (grifos no original) O Superintendente de Recursos Humanos da UFPB prestou as informações, acompanhadas de documentos (fls. 162/181), afirmando: 1) Ilegitimidade passiva ad causam da autoridade apontada como coatora, uma vez que o Impetrante não comprovou que o ato impugnado tenha sido praticado pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB; 2) Não há ilegalidade no ato consistente na revisão dos valores de gratificações incorporadas, no que concerne aos reajustes realizados com base em critérios diversos daqueles previstos na Lei nº. 9.527/97, arts. 2º e 15, § 1º, e é dever da Administração rever e corrigir os seus próprios atos quando incorretos e ilegais; 3) Quanto à reposição dos valores recebidos indevidamente, a autoridade impetrada agiu com observância à lei, uma vez que não procedeu aos descontos diretamente no contracheque do Impetrante, mas sim cientificou-lhe para parcelar o débito ou exercer o direito de ampla defesa e contraditório. A UFPB requereu o ingresso na lide (fl. 184). O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela concessão da segurança (fls. 187/192). A UFPB apresentou resposta, acompanhada de cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (195/252), e alegou: 1) Incompetência absoluta da Justiça Federal, uma vez que a Equipe de Auditoria de Recursos Humanos da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão é a parte legítima para figurar no pólo passivo da impetração, considerando que a competência para julgar mandado de segurança é definida pela sede funcional da autoridade coatora; 2) Inadequação da via mandamental por se cogitar de lide envolvendo matéria fática e jurídica; 3) No mérito, a denegação da segurança, ante a inexistência de anulação de ato administrativo, a ensejar a aplicação da decadência. Decisão proferida pelo Exmo. Desembargador Federal, Dr. Francisco Wildo, atribuindo efeito suspensivo ao Agravo de Instrumento nº. 108524/PB interposto pela UFPB (fls. 255/257). Mantive a decisão agravada (fls. 263/264). É o relatório. Decido. 1) Sobre a alegação de incompetência absoluta. A presente ação mandamental foi ajuizada em face do Superintendente de Recursos Humanos da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, autoridade responsável pela emissão da Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, ato administrativo objeto de questionamento na presente ação mandamental, razão pela qual este Juízo se afigura competente para o julgamento do feito. 2) Inadequação da via mandamental. O direito, em sede mandamental, está vinculado à demonstração do substrato fático, cuja análise tem como base prova pré-constituída. A documentação, com destaque para a Carta - Circular nº 02/2010 - GAB/SRH, expedida pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, se mostra suficiente para o julgamento da impetração. 3) Sobre a ilegitimidade passiva da autoridade impetrada. Na decisão que proferi às fls. 149/151, rejeitei a assertiva de ilegitimidade passiva da autoridade impetrada, ao argumento de que a Carta Circular nº. 02/2010 - GAB/SRH, de 05.05.2010, ato objeto de impugnação na presente ação mandamental, foi subscrita pelo Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, de modo que a autoridade impetrada possui legitimidade para figurar no pólo passivo da impetração. No entanto, o Exmo. Desembargador Federal, Dr. Francisco Wildo, proferiu decisão, nos autos do Agravo de Instrumento nº. 108524/PB, interposto pela UFPB, atribuindo efeito suspensivo ao recurso, conforme excertos do decisum a seguir transcritos (fls. 255/257): "(...) Antevejo, nesta análise precária, própria das tutelas de urgência, a plausibilidade das alegações vertidas pela recorrente. Isso porque me parece falecer legitimidade passiva ao Superintendente de Recursos Humanos da UFPB, pois, ao que se observa dos autos (36/37 e 40/51), limitou-se a cumprir orientação proveniente da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, atuando, assim, como mero agente executor do ato impugnado na ação mandamental referenciada. Ao que se constata, aquele órgão ministerial assinalou prazo para que o Dirigente de Recursos Humanos da UFPB regularizasse os pagamentos efetuados aos servidores desta instituição de ensino a título de quintos e décimos de funções comissionadas, cargos de direção e funções gratificadas e providenciasse, ato contínuo, a restituição ao erário dos valores pagos de forma indevida, o que extinguiria por completo qualquer possibilidade de o órgão competente da autarquia agravante continuar pagando a vantagem discutida no writ of mandamus em referência. Saliento que a autoridade que deve figurar no pólo passivo da ação mandamental é a que dispõe de competência para, se for o caso, corrigir a ilegalidade impugnada e não o mero executor material do ato, consoante parece ser a hipótese dos autos. ... É de se afirmar, inclusive, que o novel diploma legal que veio disciplinar o mandado de segurança não deixou margem de dúvidas acerca de quem efetivamente detém legitimidade para figurar no pólo passivo dessa ação, estabelecendo, em seu art. 6º, § 3º, que se considera "autoridade coatora aquela que tenha praticado o ato impugnado ou da qual emane a ordem para a sua prática". Nessa toada, penso que devam ser sobrestados os efeitos advindos do decisum recorrido, eis que emitiu ordem a ser cumprida por autoridade que, a menos em princípio, tenho como legítima. Com essas considerações, defiro o pedido de recebimento do recurso no efeito suspensivo". Diante do exposto, com a ressalva do ponto de vista, torno sem efeito a liminar e declaro extinto o processo, sem resolução do mérito, em face da ilegitimidade passiva da autoridade impetrada, com fundamento no art. 267, VI4, do CPC. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se. Oficie-se à autoridade impetrada e ao Exmo. Desembargador Federal Relator do Agravo de Instrumento nº. 108524/PB. Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão da Universidade Federal da Paraíba - UFPB no pólo passivo da impetração. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 04 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo C, cf. Resolução nº 535, de 18.12.2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Art. 53. A Administração deve anular seus próprios atos, quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá-los por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos. Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela própria Administração. 3 PROCESSO CIVIL. ADMINISTRATIVO. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. MANDADO DE SEGURANÇA. PORTARIA Nº 474/87 DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. FUNÇÕES GRATIFICADAS. PARECER Nº 203/AGU. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. DECADÊNCIA RECONHECIDA. 1 - Não ocorre omissão quando o Tribunal de origem decide fundamentadamente todas as questões postas ao seu crivo. 2 - O acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento de ambas as Turmas integrantes da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça que, interpretando o disposto no artigo art. 54 da Lei nº 9.784/99, concluíram que o Parecer nº 203/99 da Advocacia-Geral da União, reconhecendo a ilegalidade no pagamento de funções gratificadas nos moldes previstos na Portaria nº 474/87 do Ministério da Educação, foi editado quando já ultrapassado o lustro decadencial previsto no aludido dispositivo. 3 - Recurso improvido." (REsp nº 441211, Relator Ministro Paulo Gallotti, 6ª Turma do STJ, DJU de 04.10.2004, p. 343) (grifei) "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. ARTIGO 54 DA LEI Nº 9.784/99. APLICAÇÃO. DECADÊNCIA. RECONHECIMENTO. 1. De acordo com a jurisprudência firmada nesta Corte Superior de Justiça, na ausência de lei estadual específica, pode a Administração Estadual rever seus próprios atos no prazo decadencial previsto na Lei Federal nº 9.784, de 1º/2/99. 2. Com a superveniência da Lei Distrital 2.834/01 não houve a interrupção da contagem do prazo decadencial iniciado com a publicação da Lei n. 9.784/99, uma vez que sua única finalidade é aplicar, no âmbito do Distrito Federal, as regras previstas na referida lei federal. Precedentes. 3. In casu, operou-se a decadência para a Administração rever os proventos do recorrido, porquanto o ato de aposentadoria foi revisto somente em 2005. 4. Recurso especial improvido." (REsp nº 1019012, Relator Ministro Jorge Mussi, 5ª Turma do STJ, DJE de 03.08.2009) (grifei) 4 "Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) I - quando o juiz indeferir a petição inicial; Il - quando ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência das partes; III - quando, por não promover os atos e diligências que Ihe competir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; IV - quando se verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo; V - quando o juiz acolher a alegação de perempção, litispendência ou de coisa julgada; Vl - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual; Vll - pela convenção de arbitragem; (Redação dada pela Lei nº 9.307, de 23.9.1996) Vlll - quando o autor desistir da ação; IX - quando a ação for considerada intransmissível por disposição legal; X - quando ocorrer confusão entre autor e réu; XI - nos demais casos prescritos neste Código. § 1o O juiz ordenará, nos casos dos ns. II e Ill, o arquivamento dos autos, declarando a extinção do processo, se a parte, intimada pessoalmente, não suprir a falta em 48 (quarenta e oito) horas. § 2o No caso do parágrafo anterior, quanto ao no II, as partes pagarão proporcionalmente as custas e, quanto ao no III, o autor será condenado ao pagamento das despesas e honorários de advogado (art. 28). § 3o O juiz conhecerá de ofício, em qualquer tempo e grau de jurisdição, enquanto não proferida a sentença de mérito, da matéria constante dos ns. IV, V e Vl; todavia, o réu que a não alegar, na primeira oportunidade em que Ihe caiba falar nos autos, responderá pelas custas de retardamento. § 4o Depois de decorrido o prazo para a resposta, o autor não poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação." 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

0004577-34.2010.4.05.8200 TELEVISAO TAMBAU LTDA E OUTRO (Adv. MURILO OLIVEIRA DE ARAUJO PEREIRA) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA , ESTADO DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 4577-34.2010.4.05.82 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: TELEVISÃO TAMBAÚ LTDA E INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA DO VALE LTDA ADVOGADOS: MURILO OLIVEIRA DE ARAÚJO PEREIRA, THIAGO INÁCIO DE ANDRADA OLIVEIRA, WAGNER AUGUSTO DE GODOY MACIEL, ANTÔNIO DURÃES MAIA FILHO E AUGUSTO CÉZAR TENÓRIO MOURA IMPETRADO: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA D E C I S Ã O Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Televisão Tambaú Ltda e Indústria Alimentícia do Vale Ltda em face do Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa, com pedido de liminar visando a suspensão da exigibilidade das contribuições previdenciárias incidentes sobre os valores pagos a título de aviso prévio indenizado, vale-transporte e vale-alimentação em dinheiro, auxílio-doença, auxílio-acidente (ambos nos primeiros quinze dias de afastamento do empregado), salário-maternidade, férias, adicional de férias de um terço, abono de férias não gozadas e horas extras. Em síntese, as Impetrantes afirmam serem indevidos a incidência e o recolhimento das contribuições previdenciárias sobre os benefícios/encargos acima referidos, uma vez que o aviso prévio indenizado não remunera o trabalho do empregado, por ser indenização por período não trabalhado; o vale-transporte e o vale-alimentação pagos em dinheiro uma vez que a forma de pagamento utilizada pela empresa não retira o caráter não salarial desses benefícios; auxílio-doença e auxílio-acidente - estes nos primeiros quinze dias de afastamento do empregado - e o salário-maternidade não implicam a prestação da atividade laboral, ao passo que as férias e o adicional constitucional respectivo não se incorporam à remuneração do servidor para efeito de aposentadoria dos seus empregados e o abono de férias bem como as horas extras não possuem natureza salarial. Acompanham a petição inicial documentos (fls. 30/56). Em cumprimento ao despacho de fl. 60, as Impetrantes apresentaram procurações e documentos (fls. 62/158). As Impetrantes apresentaram nova procuração outorgada pela Televisão Tambaú, relativamente a este feito, requerendo o desentranhamento do instrumento procuratório que acompanha a petição inicial por dizer respeito a outra ação (fls. 162/163). É o relatório. Decido. A matéria é, em parte, análoga àquela apreciada pelo Exmº Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, nos autos do Mandado de Segurança nº 2006.82.3466-0, cujos fundamentos pertinentes ao auxílio-doença e auxílio-acidente (ambos nos primeiros quinze dias de afastamento do empregado), salário-maternidade e férias, transcrevo abaixo: "(....) 4) Da incidência das contribuições: Há pouco a acrescentar ao fundamento adotado no exame do pedido de liminar (fls. 310/317). Nesse sentido, analiso resumidamente cada um dos benefícios previdenciários e vantagens laborais elencados pela Impetrante. 4.1) AUXÍLIO-DOENÇA: O auxílio-doença é devido ao segurado empregado, que ficar incapacitado para o trabalho por mais de quinze dias consecutivos, e será pago pela Previdência Social a partir do décimo sexto dia. Nos primeiros quinze dias de afastamento do empregado por motivo de doença, o empregador pagará o salário (artigos 59 e 60, § 3º, da Lei nº 8.213, de 19911). Sobre os valores pagos pelo empregador nos primeiros quinze dias de afastamento do empregado, não incide a contribuição previdenciária, porquanto aqueles valores não possuem caráter salarial propriamente dito, uma vez que inexiste contraprestação laboral no período, em face da doença de que é acometido o empregado2. 4.2) AUXÍLIO-ACIDENTE: O auxílio-acidente é pago ao segurado exclusivamente pela Previdência Social, a título de indenização, após a consolidação de lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza que impliquem redução da capacidade laboral e posteriormente à cessação do auxílio-doença (artigo 86, caput e § 2º, da Lei nº 8.213, de 19913), não concorrendo diretamente o empregador para o seu custeio. Com isto, descabe falar em incidência da contribuição previdenciária, porquanto inexiste a incidência, o que implicaria a carência de ação, no ponto. 4.3) SALÁRIO-MATERNIDADE: O salário-maternidade é pago à segurada da seguinte forma (artigos 71, 71- A, 72 e 73 da Lei nº 8.213, de 19914): a) É devido à segurada da Previdência Social, durante cento e vinte dias, com início entre vinte e oito dias antes do parto e a data de ocorrência deste. b) À segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança é devido o salário-maternidade pelo período de cento e vinte dias, se a criança tiver até um ano de idade, de sessenta dias, se a criança tiver entre um e quatro anos de idade, e de trinta dias, se a criança tiver de quatro a oito anos de idade. c) O salário-maternidade para a segurada empregada ou trabalhadora avulsa corresponde à sua remuneração integral. d) O empregador pagará o salário-maternidade, efetivando-se a compensação do que pagou quando do recolhimento das contribuições incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos pagos ou creditados à pessoa física que lhe preste serviço. e) O salário-maternidade devido à trabalhadora avulsa será pago diretamente pela Previdência Social. f) Para outras seguradas, o salário-maternidade será pago diretamente pela Previdência Social e consistirá: I) em um valor correspondente ao do seu último salário-de-contribuição, para a segurada empregada doméstica; II) em um doze avos do valor sobre o qual incidiu sua última contribuição anual, para a segurada especial; III) em um doze avos da soma dos doze últimos salários-de-contribuição, apurados em um período não superior a quinze meses, para as demais seguradas. O salário-maternidade, no caso da segurada empregada como se cogita na hipótese dos autos, é pago pelo empregador e integra expressamente o salário-de-contribuição (artigo 28, § 2º, da Lei nº 8.212, de 1991). Possui evidente natureza salarial sobre a qual incide a contribuição previdenciária5. 4.4) FÉRIAS E ADICIONAL DE UM TERÇO: Os valores referentes às férias e o adicional de um terço respectivo (artigo 7º, inciso XVII, da Constituição Federal de 1988), pagos pelo empregador ao empregado, constituem remuneração decorrente da relação laboral, na forma dos artigos 22, inciso I, e 28 da Lei nº 8.212, de 1991, e integram o salário-de-contribuição. Havendo incidência da contribuição sobre as férias, por se tratar de retribuição salarial, igualmente incide sobre o adicional de férias, que é acessório daquela6(....)" (grifos no original) Com relação ao adicional de férias e horas extras, a orientação que vem se firmando no Supremo Tribunal Federal concerne à inexigibilidade da contribuição previdenciária sobre eles incidente, uma vez que os valores percebidos não se incorporam à remuneração7. No que concerne ao abono de férias e aviso-prévio indenizado, o entendimento assente no Superior Tribunal de Justiça (REsp 973436 e APELREEX 10360) e no Tribunal Regional Federal da 5ª Região (EDAG - Embargos de Declaração em Abravo de Instrumento - 105177/01) é no sentido da não incidência da contribuição sobre tais verbas, dado o seu caráter indenizatório. Quanto ao vale-transporte, o Supremo Tribunal Federal8 posicionou-se no sentido do caráter não salarial do benefício, não incidindo, por conseqüência, a contribuição previdenciária. O mesmo caráter não salarial caracteriza, ao meu ver, a verba paga aos empregados a título de vale-alimentação, motivo pelo qual é ilegítima a incidência da contribuição. Diante do exposto, presentes os requisitos legais (fumus boni iuris e periculum in mora), defiro, em parte, o pedido de liminar e determino a suspensão da exigibilidade do recolhimento das contribuições previdenciárias, parte patronal (artigo 22 da Lei nº 8.212/1991), incidentes sobre os valores pagos pela Impetrante nos primeiros quinze dias de afastamento do(s) seu(s) empregado(s) por motivo de doença, bem como sobre o adicional de férias, abono de férias, vale-transporte, vale-alimentação, aviso-prévio indenizado e horas extras. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se a Impetrante. Notifique-se a autoridade impetrada para cumprimento desta decisão e prestar as informações e dê-se ciência ao órgão de representação judicial (Procuradoria da Fazenda Nacional) (artigo 7º da Lei nº 12.016/2009). Após, vista ao Ministério Público Federal para ofertar parecer. João Pessoa, 14 de julho de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos. Parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão. Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz. (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99) § 1º Quando requerido por segurado afastado da atividade por mais de 30 (trinta) dias, o auxílio-doença será devido a contar da data da entrada do requerimento. § 2º (Revogado pela Lei nº 9.032, de 1995) § 3o Durante os primeiros quinze dias consecutivos ao do afastamento da atividade por motivo de doença, incumbirá à empresa pagar ao segurado empregado o seu salário integral. (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99) § 4º A empresa que dispuser de serviço médico, próprio ou em convênio, terá a seu cargo o exame médico e o abono das faltas correpondentes ao período referido no § 3º, somente devendo encaminhar o segurado à perícia médica da Previdência Social quando a incapacidade ultrapassar 15 (quinze) dias. Art. 61. O auxílio-doença, inclusive o decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 91% (noventa e um por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) Art. 62. O segurado em gozo de auxílio-doença, insusceptível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade. Não cessará o benefício até que seja dado como habilitado para o desempenho de nova atividade que lhe garanta a subsistência ou, quando considerado não-recuperável, for aposentado por invalidez. Art. 63. O segurado empregado em gozo de auxílio-doença será considerado pela empresa como licenciado. Parágrafo único. A empresa que garantir ao segurado licença remunerada ficará obrigada a pagar-lhe durante o período de auxílio-doença a eventual diferença entre o valor deste e a importância garantida pela licença. Art. 64. (Revogado pela Lei nº 9.032, de 1995) 2 TRIBUTÁRIO - CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA - VERBAS RECEBIDAS NOS 15 (QUINZE) PRIMEIROS DIAS DE AFASTAMENTO POR MOTIVO DE DOENÇA - IMPOSSIBILIDADE - BENEFÍCIO DE NATUREZA PREVIDENCIÁRIA. 1. A jurisprudência desta Corte firmou entendimento no sentido de que não incide a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga pelo empregador ao empregado, durante os primeiros dias do auxílio-doença, uma vez que tal verba não tem natureza salarial. 2. Recurso especial improvido." (REsp nº 768255-RS, Relatora Ministra Eliana Calmon, 2ª Turma do STJ, DJU de 16.05.2006, p. 207) (grifei) TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. REMUNERAÇÃO PAGA PELO EMPREGADOR NOS PRIMEIROS QUINZE DIAS DO AUXÍLIO-DOENÇA. NÃO-INCIDÊNCIA. PRECEDENTES. TRIBUTOS DE MESMA ESPÉCIES. COMPENSAÇÃO. CORREÇÃO MONETÁRIA. JUROS. 1. É dominante no STJ o entendimento segundo o qual não é devida a contribuição previdenciária sobre a remuneração paga pelo empregador ao empregado, durante os primeiros dias do auxílio-doença, à consideração de que tal verba, por não consubstanciar contraprestação a trabalho, não tem natureza salarial. Precedentes RESP 720.817/SC, 2ª T., Min. Franciulli Netto, DJ de 05.09.2005, RESP 550.473/RS, 1ª T., Min. Teori Albino Zavascki, DJ de 26.09.2005. 2. Deve ser autorizada, portanto, a compensação dos valores recolhidos nesse período com parcelas referentes às próprias contribuições - art. 66 da Lei 8.383/91. 3. Está assentada nesta Corte a orientação segundo a qual são os seguintes os índices a serem utilizados na repetição ou compensação de indébito tributário: (a) IPC, de março/1990 a janeiro/1991; (b) INPC, de fevereiro a dezembro/1991; (c) UFIR, a partir de janeiro/1992; (d) taxa SELIC, exclusivamente, a partir de janeiro/1996. 4. Nos casos de repetição de indébito tributário ou compensação, a orientação prevalente no âmbito da 1ª Seção quanto aos juros pode ser sintetizada da seguinte forma: (a) antes do advento da Lei 9.250/95, incidia a correção monetária desde o pagamento indevido até a restituição ou compensação (Súmula 162/STJ), acrescida de juros de mora a partir do trânsito em julgado (Súmula 188/STJ), nos termos do art. 167, parágrafo único, do CTN; (b) após a edição da Lei 9.250/95, aplica-se a taxa SELIC desde o recolhimento indevido, ou, se for o caso, a partir de 1º.01.1996, não podendo ser cumulada, porém, com qualquer outro índice, seja de atualização monetária, seja de juros, porque a SELIC inclui, a um só tempo, o índice de inflação do período e a taxa de juros real. 5. Recurso especial a que se dá provimento."(REsp nº 786250-RS, Relator Ministro Teori Albino Zavascki, 1ª Turma do STJ, DJU de 06.03.2006, p. 234) (grifei) 3 Art. 86. O auxílio-acidente será concedido, como indenização, ao segurado quando, após consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultarem seqüelas que impliquem redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997) § 1º O auxílio-acidente mensal corresponderá a cinqüenta por cento do salário-de-benefício e será devido, observado o disposto no § 5º, até a véspera do início de qualquer aposentadoria ou até a data do óbito do segurado. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997) § 2º O auxílio-acidente será devido a partir do dia seguinte ao da cessação do auxílio-doença, independentemente de qualquer remuneração ou rendimento auferido pelo acidentado, vedada sua acumulação com qualquer aposentadoria. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997) § 3º O recebimento de salário ou concessão de outro benefício, exceto de aposentadoria, observado o disposto no § 5º, não prejudicará a continuidade do recebimento do auxílio-acidente. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997) § 4º (Revogado pela Lei nº 9.032, de 1995) § 4º A perda da audição, em qualquer grau, somente proporcionará a concessão do auxílio-acidente, quando, além do reconhecimento de causalidade entre o trabalho e a doença, resultar, comprovadamente, na redução ou perda da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia. (Restabelecido com nova redação pela Lei nº 9.528, de 1997) § 5º .(Revogado pela Lei nº 9.032, de 1995) 4 Art. 71. O salário-maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 (cento e vinte) dias, com início no período entre 28 (vinte e oito) dias antes do parto e a data de ocorrência deste, observadas as situações e condições previstas na legislação no que concerne à proteção à maternidade. (Redação dada pala Lei nº 10.710, de 5.8.2003) Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 9.528, de 1997) Art. 71-A. À segurada da Previdência Social que adotar ou obtiver guarda judicial para fins de adoção de criança é devido salário-maternidade pelo período de 120 (cento e vinte) dias, se a criança tiver até 1(um) ano de idade, de 60 (sessenta) dias, se a criança tiver entre 1 (um) e 4 (quatro) anos de idade, e de 30 (trinta) dias, se a criança tiver de 4 (quatro) a 8 (oito) anos de idade. (Incluído pela Lei nº 10.421, de 15.4.2002) Parágrafo único. O salário-maternidade de que trata este artigo será pago diretamente pela Previdência Social. (Incluído pela Lei nº 10.710, de 5.8.2003) Art. 72. O salário-maternidade para a segurada empregada ou trabalhadora avulsa consistirá numa renda mensal igual a sua remuneração integral. (Redação dada pela lei nº 9.876, de 26.11.99) § 1o Cabe à empresa pagar o salário-maternidade devido à respectiva empregada gestante, efetivando-se a compensação, observado o disposto no art. 248 da Constituição Federal, quando do recolhimento das contribuições incidentes sobre a folha de salários e demais rendimentos pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço. (Redação dada pela Lei nº 10.710, de 5.8.2003) § 2o A empresa deverá conservar durante 10 (dez) anos os comprovantes dos pagamentos e os atestados correspondentes para exame pela fiscalização da Previdência Social. (Incluído pela Lei nº 10.710, de 5.8.2003) § 3o O salário-maternidade devido à trabalhadora avulsa será pago diretamente pela Previdência Social. (Incluído pela Lei nº 10.710, de 5.8.2003) Art. 73. Assegurado o valor de um salário-mínimo, o salário-maternidade para as demais seguradas, pago diretamente pela Previdência Social, consistirá: (Redação dada pela Lei nº 10.710, de 5.8.2003) I - em um valor correspondente ao do seu último salário-de-contribuição, para a segurada empregada doméstica; (Incluído pela lei nº 9.876, de 26.11.99) II - em um doze avos do valor sobre o qual incidiu sua última contribuição anual, para a segurada especial; (Incluído pela lei nº 9.876, de 26.11.99) III - em um doze avos da soma dos doze últimos salários-de-contribuição, apurados em um período não superior a quinze meses, para as demais seguradas. (Incluído pela lei nº 9.876, de 26.11.99) 5 TRIBUTÁRIO. SALÁRIO-MATERNIDADE. NATUREZA JURÍDICA. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL AO SESI/SENAI/SESC/SENAC. INCIDÊNCIA. 1. O art. 28 da Lei 8.212/91 no seu § 2º considera o salário maternidade, salário contribuição, sendo certo que referido pagamento mantém a sua higidez constitucional, posto inexistente ação declaratória com o escopo de conjurá-lo do ordenamento constitucional. 2. Deveras, a exação referente à maternidade, originariamente cabia ao empregador, circunstância que revelava seu caráter salarial, constituindo obrigação trabalhista. Não obstante, posteriormente, assumiu o seu ônus a Previdência Social, com a edição da Lei 6.136/74, seguindo tendência mundial, por sugestão da OIT, alçando referido salário-maternidade a categoria de prestação previdenciária. 3. Entretanto, o fato de ser custeado pelos cofres da Autarquia Previdenciária, porém, não exime o empregador da obrigação tributária relativamente à contribuição previdenciária incidente sobre a folha de salários, incluindo, na respectiva base de cálculo, o salário-maternidade auferido por suas empregadas gestantes (Lei 8.212/91, art. 28, § 2º). Princípio da legalidade que limita a exegese isencional pretendida. 4. Precedentes jurisprudenciais desta Corte: RESP 529951/PR, desta relatoria, DJ de 19.12.2003 e RESP 215476/RS, Relator Ministro Garcia Vieira, DJ de 27.09.1999. 5. Recurso Especial improvido."(REsp nº 641227-SC, Relator Ministro Luiz Fux, 1ª Turma do STJ, DJU de 29.11.2004, p. 256) (grifei) 6 PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. PREQUESTIONAMENTO. MATÉRIA CONSTITUCIONAL. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. INCIDÊNCIA SOBRE 1/3 CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS. 1. A apreciação da questão federal impugnada pela via especial depende do seu efetivo exame e julgamento pelo Tribunal a quo. 2. A legalidade da incidência da contribuição previdenciária sobre o terço constitucional de férias foi decidida no acórdão recorrido com base nos princípios constitucionais, matéria cuja revisão escapa aos limites da estreita competência outorgada ao Superior Tribunal de Justiça em sede de recurso especial 3. O STJ já se manifestou no sentido de que o terço constitucional de férias constitui espécie de remuneração sobre a qual incide a contribuição previdenciária. 4. Agravo regimental a que se nega provimento." (AgRG no Ag nº 502146-RJ, Relator Ministro João Otávio de Noronha, 2ª Turma do STJ, DJU de 13.09.2004, p. 205) (grifei) 7 "EMENTA: RECURSO EXTRAORDINÁRIO - CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - INCIDÊNCIA - ADICIONAL DE UM TERÇO (1/3) SOBRE FÉRIAS (CF, ART. 7º, XVII) - IMPOSSIBILIDADE - DIRETRIZ JURISPRUDENCIAL FIRMADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - RECURSO DE AGRAVO IMPROVIDO". - O Supremo Tribunal Federal, em sucessivos julgamentos, firmou entendimento no sentido da não incidência de contribuição social sobre o adicional de um terço (1/3), a que se refere o art. 7º, XVII, da Constituição Federal. Precedentes. VOTO O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELO - (Relator): Não assiste razão à parte recorrente, eis que a decisão agravada ajusta-se, com integral fidelidade, à diretriz jurisprudencial que o Supremo Tribunal Federal firmou na matéria ora em exame. Com efeito, a colenda Segunda Turma desta Suprema Corte, ao julgar o AI 603.537-AgR/DF, Rel. Min. EROS GRAU, fixou entendimento que desautoriza a pretensão de direito material deduzida pela parte ora recorrente. "AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL INCIDENTE SOBRE O TERÇO CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS. IMPOSSIBILIDADE. Somente as parcelas incorporáveis ao salário do servidor sofrem a incidência da contribuição previdenciária. Agravo regimental a que se nega provimento." Cumpre ressaltar, por necessário, que esse entendimento vem sendo observado em sucessivos julgamentos, proferidos no âmbito desta Corte, a propósito de questões essencialmente idênticas à que ora se examina nesta sede recursal (AI 547.383/DF, Rel. Min. SEPÚLVEDA PERTENCE - AI 704.310/MG, Rel. Min. CÁRMEN LÚCIA - AI 706.028/MG, Rel. Min. RICARDO LEWANDOWSKI - RE 551.198/MG, Rel. Min. GILMAR MENDES - RE 574.792/MG, Rel. Min. EROS GRAU, v.g.)." (AG. REG. no RE 587.941-1/SC, Relator Ministro Celso de Mello, 2ª Turma, j. 30.09.2008) (grifei) "EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE AS HORAS EXTRAS E O TERÇO DE FÉRIAS. IMPOSSIBILIDADE. PRECEDENTES. Esta Corte fixou entendimento no sentido que somente as parcelas incorporáveis ao salário do servidor sofrem a incidência da contribuição previdenciária. Agravo Regimental a que se nega provimento" (STF - 2ª Turma - AI-AgR 727958 Relator Ministro Eros Grau, j. 16.12.2008). (grifei) 8 "EMENTA: RECURSO EXTRORDINÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. INCIDÊNCIA. VALE-TRANSPORTE. MOEDA. CURSO LEGAL E CURSO FORÇADO. CARÁTER NÃO SALARIAL DO BENEFÍCIO. ARTIGO 150, I, DA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL. CONSTITUIÇÃO COMO TOTALIDADE NORMATIVA. 1. Pago o benefício de que se cuida neste recurso extraordinário em vale-transporte ou em moeda, isso não afeta o caráter não salarial do benefício. 2. A admitirmos não possa esse benefício ser pago em dinheiro sem que seu caráter seja afetado, estaríamos a relativizar o curso legal da moeda nacional. 3. A funcionalidade do conceito de moeda revela-se em sua utilização no plano das relações jurídicas. O instrumento monetário válido é padrão de valor, enquanto instrumento de pagamento sendo dotado de poder liberatório: sua entrega ao credor libera o devedor. Poder liberatório é qualidade, da moeda enquanto instrumento de pagamento, que se manifesta exclusivamente no plano jurídico: somente ela permite essa liberação indiscriminada, a todo sujeito de direito, no que tange a débitos de caráter patrimonial. 4. A aptidão da moeda para o cumprimento dessas funções decorre da circunstância de ser ela tocada pelos atributos do curso legal e do curso forçado. 5. A exclusividade de circulação da moeda está relacionada ao curso legal, que respeita ao instrumento monetário enquanto em circulação; não decorre do curso forçado, dado que este atinge o instrumento monetário enquanto valor e a sua instituição [do curso forçado] importa apenas em que não possa ser exigida do poder emissor sua conversão em outro valor. 6. A cobrança de contribuição previdenciária sobre o valor pago, em dinheiro, a título de vales-transporte, pelo recorrente aos seus empregados afronta a Constituição, sim, em sua totalidade normativa. Recurso Extraordinário a que se dá provimento". (STF - Plenário - RE 478410 - Relator Ministro Eros Grau, j. 10.03.2010). (grifei) ?? ?? ?? ?? 7 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0004613-76.2010.4.05.8200 LOJAO DA ECONOMICA MATERIAIS DE CONSTRUCAO LTDA (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, ANGELLO RIBEIRO ANGELO, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 4613-76.2010 CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: LOJÃO DA ECONÔMICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA ADVOGADOS: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTÁVIO ACCETE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ e ANGELLO RIBEIRO ANGELO IMPETRADO: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA D E C I S Ã O Cuida-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado por Massai Construções e Incorporações Ltda contra ato apontado ilegal do Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa, configurado na exigência de recolhimento do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - IRPJ e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL com a inclusão da CSLL na base de cálculo. A Impetrante afirma o seguinte: 1) O artigo 1º da Lei nº 9.316, de 19961, estabelece que para a apuração do IRPJ da empresa tributada pelo lucro real deve ser incluído na base de cálculo o valor da CSLL e que esta não poderá ser deduzida da sua própria base de cálculo. 2) Além de indevida a incidência de tributo sobre tributo, não é a CSLL renda, na forma dos artigos 43 e 44 do Código Tributário Nacional2. Pede a concessão da liminar no alvitre de assegurar o recolhimento do IRPJ e da CSLL sem a inclusão da CSLL na base de cálculo daqueles tributos. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 25/252). É o relatório. Decido. À primeira vista, não me parece que o artigo 1º da Lei nº 9.316, de 1996, seja incompatível com os artigos 146, inciso III, alínea "a", 153, inciso III, e 195, inciso I, alínea "c" da Constituição Federal de 1988 e artigos 43, 44 e 110 do CTN, porquanto a base de cálculo do IRPJ, que é apurada em face do lucro real, consiste no lucro líquido do período-base ajustado pelas adições, exclusões e compensações previstas no Decreto nº 3.000, de 1999 (Regulamento do Imposto de Renda), ao passo que a base de cálculo da CSLL é o valor do resultado do exercício, antes da provisão para o imposto de renda (artigo 2º da Lei nº 7.689, de 1988). Por sua vez, as alíquotas da CSLL e do IRPJ incidem sobre bases que, embora assemelhadas, não são idênticas ou análogas. Com efeito, a CSLL incide sobre o resultado do exercício, antes da provisão para o IRPJ e somente após, calculado o montante devido à CSLL, é que incidirá o IRPJ, observando-se, ainda, as adições, exclusões e compensações. A propósito do tema, destaco precedentes do Superior Tribunal de Justiça e dos Tribunais Regionais Federais das 1ª e 5ª Regiões3. DIANTE DO EXPOSTO, ausente o fumus boni iuris, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intime-se a Impetrante. Notifique-se a autoridade e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada (artigo 7º da Lei nº 12.016/20094). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 04 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara 1 Art. 1º O valor da contribuição social sobre o lucro líquido não poderá ser deduzido para efeito de determinação do lucro real, nem de sua própria base de cálculo. Parágrafo único. Os valores da contribuição social a que se refere este artigo, registrados como custo ou despesa, deverão ser adicionados ao lucro líquido do respectivo período de apuração para efeito de determinação do lucro real e de sua própria base de cálculo. Art. 2o A contribuição social sobre o lucro líquido, devida pelas instituições a que se refere o § 1o do art. 22 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, será calculada à alíquota de dezoito por cento. Art. 3o Ficam convalidados os atos praticados com base na Medida Provisória no 1.516-2, de 24 de outubro de 1996. Art. 4o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos em relação aos períodos de apuração iniciados a partir de 1o de janeiro de 1997. 2 Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica: I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos; II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior. § 1o A incidência do imposto independe da denominação da receita ou do rendimento, da localização, condição jurídica ou nacionalidade da fonte, da origem e da forma de percepção. (Incluído pela Lcp nº 104, de 10.1.2001) § 2o Na hipótese de receita ou de rendimento oriundos do exterior, a lei estabelecerá as condições e o momento em que se dará sua disponibilidade, para fins de incidência do imposto referido neste artigo. (Incluído pela Lcp nº 104, de 10.1.2001) Art. 44. A base de cálculo do imposto é o montante, real, arbitrado ou presumido, da renda ou dos proventos tributáveis. 3 "RECURSO ESPECIAL - ALEGADA VIOLAÇÃO DOS ARTIGOS 110 DO CTN E 41 DA LEI N. 8.981/95 - AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO - CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO - IMPOSTO DE RENDA - APURAÇÃO DO LUCRO REAL (BASE DE CÁLCULO DOS TRIBUTOS) - DEDUÇÃO DO VALOR DA PRÓPRIA CONTRIBUIÇÃO - IMPOSSIBILIDADE - LEI N. 9.316/93, ART. 1º. Ausência de prequestionamento dos artigos 110 do CTN e 41 da Lei n. 8.981/95, entendido como o necessário e indispensável exame da questão pelo v. acórdão recorrido. Incidência da Súmula n. 211/STJ. A Lei n. 7.689/88, que instituiu a contribuição social sobre o lucro das pessoas jurídicas, estabeleceu, em seu artigo 2º, que "a base de cálculo da contribuição social sobre o lucro é o valor do resultado do exercício, antes da provisão para o Imposto sobre a Renda". Posteriormente, a Lei n. 9.316/96 vedou a possibilidade de desconto do valor da contribuição social sobre o lucro para apuração do lucro real, bem como para a identificação da base de cálculo da própria contribuição. Entende-se por lucro real o lucro líquido do período de apuração ajustado pelas adições, exclusões prescritas ou autorizadas por lei (cf. art. 247, do Decreto n. 3000/99 e art. 7º do Decreto-lei n. 1598/77). Dessa forma, não há empeço a que o legislador ordinário imponha limites à dedução da verba dispensada no pagamento da própria contribuição, pois a forma de apuração do montante real, utilizado como base de cálculo da contribuição para as pessoas jurídicas em geral, ficou a seu encargo. Precedentes. Recurso especial improvido." (REsp nº 449833-SC, Relator Ministro Franciulli Netto, 2ª Turma do STJ, DJU de 18.10.2004, p. 213) (grifei) "CONSTITUCIONAL E TRIBUTÁRIO. IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO. BASES DE CÁLCULO. CTN, ART. 44. LEI 7.689, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1988, art. 2º. INDEDUTIBILIDADE DA DESPESA COM PAGAMENTO DA CSSL. LEI 9.316/96, ART. 1º. 1. Nos termos do art. 110 do CTN, em tema de definição e limitação de competência tributária, não podem ser alterados a definição, o conteúdo e o conceito de institutos, conceitos e formas do direito privado. O conceito privado do lucro, seja no direito privado, seja na legislação de regência do Imposto de Renda, consiste no resultado do exercício, computadas as adições e exclusões permitidas pela legislação. 2. A base de cálculo do IRPJ, apurado com base no lucro real é o lucro líquido do período-base ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas e autorizadas em regulamento, enquanto que a base de cálculo da CSLL é o valor do resultado do exercício, antes da provisão para o imposto de renda (art. 2º, da Lei nº 7.689/88). As alíquotas da CSLL e do IRPJ incidem sobre bases similares, mas não idênticas. A CSLL incide sobre o resultado do exercício, antes da provisão para o IRPJ. Somente após, calculado e extraído o montante devido a título de CSLL, é que incidirá o IRPJ, observando-se, ainda, as adições, exclusões e compensações. 3. Conformidade do art. 1º da Lei 9.316/96, que estabelece a indedutibilidade da despesa para pagamento da CSSL na apuração da sua própria base de cálculo e do IR, com os princípios constitucionais e as normas gerais de direito tributário. Precedentes STJ. 4. Apelação e remessa oficial providas. 5. Peças liberadas pelo relator, em 22/01/2008, para publicação de acórdão." (AC nº 199834000083081-DF, Relator Desembargador Federal Luciano Tolentino Amaral, 7ª Turma do TRF-1ª Região, DJ-e de 18.02.2008, p. 432) (grifei) "TRIBUTÁRIO. VEDAÇÃO À DEDUÇÃO DE VALORES PAGOS, A TÍTULO DE IRPJ E CSSL, DA BASE DE CÁLCULO DESSAS MESMAS EXAÇÕES. LEI 9.316/96. INEXISTÊNCIA DE OFENSA AO ARTS. 43 E 44 DO CTN. NÃO CONFIGURAÇÃO DE OFENSA AO PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA. JURISPRUDÊNCIA PACIFICADA. APELO IMPROVIDO. 1. O legislador, ao limitar, através art. 1o. da Lei 9.316/96, as deduções relativas à base de cálculo do IRPJ e da CSLL agiu dentro de sua competência, sem qualquer ofensa aos arts. 43 e 44 do CTN ou ao princípio da capacidade contributiva, eis que os valores que se tornaram não dedutíveis correspondem a exações (IRPJ e CSLL,) incidentes sobre o lucro, que, por sua vez, denotam aptidão para contribuir. Precedentes STJ: REsp. 360.688-SC, Rel. Min. CASTRO MEIRA, DJU 01.07.05, p. 463; Resp. 449.833-SC, Rel. Min. FRANCIULLI NETTO, DJU 18.10.04, p. 213. 2. Apelação improvida." (AMS nº 88864-CE, Relator Desembargador Federal Napoleão Maia Filho, 2ª Turma do TRF-5ª Região, DJU de 15.09.2005, p. 178) (grifei) 4 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. ?? ?? ?? ?? Erro! Indicador não definido. PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇùO DA PARAØBA Pág. 3 de 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Juiz Federal Substituto

   

0004830-22.2010.4.05.8200 JOÃO PAULO EVARISTO DA SILVA E OUTRO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, GUSTAVO EUGENIO BARROCA GOMES) x SUPERINTENDENTE DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL DA 14ª SRPRF - PB E OUTRO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 4830-22.2010.4.05.8200 - CLASSE 126 MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTES: JOÃO PAULO EVARISTO DA SILVA E ANDRÉ LUIZ EVARISTO DA SILVA ADVOGADOS: JURANDIR PEREIRA DA SILVA E GUSTAVO EUGÊNIO BARROCA GOMES IMPETRADO: SUPERINTENDENTE DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL NA PARAÍBA LITISCONSORTE PASSIVA: UNIÃO S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, o Exmo. Juiz Federal, Dr. Alexandre Costa de Luna Freire, abordou inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 51/53): "Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por João Paulo Evaristo da Silva e André Luiz Evaristo da Silva em face do Superintendente do Departamento de Polícia Rodoviária Federal na Paraíba, com pedido de liminar visando o restabelecimento do pagamento da pensão temporária instituída por José Vilberto da Silva, pai dos Impetrantes. Os Impetrantes nasceram em 10.04.1989 e afirmam o seguinte: 1) São filhos de José Vilberto da Silva, que era Policial Rodoviário Federal, e, após o óbito do pai, tiveram concedida pensão estatutária de natureza temporária. 2) São estudantes dos Cursos de Administração (João Paulo Evaristo da Silva) e Direito (André Luiz Evaristo da Silva) das Faculdades ASPER, onde ingressaram em 2010. 3) Ao completar 21 anos de idade, em 10.04.2010, fora extinta a pensão, a qual é necessária para custear seus estudos universitários. Acompanham a petição inicial procurações e documentos (fls. 14/47). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1.060/1950). A orientação que vinha adotando sobre a matéria é no sentido de ser devida a pensão temporária ao dependente do segurado do Regime Geral da Previdência Social ou do servidor no âmbito do Regime da Previdência do Servidor Público Federal, desde que universitário, até a data em que completar 24 anos de idade, quando se presume tenha concluído o ensino superior ou tenha adquirido condições de prover o próprio sustento. É que a Constituição Federal de 1988 estabelece, em seu artigo 205, o preeminente direito público à educação, que é dever institucional do Estado e via principal de acesso à cidadania. Assim, ao promover a educação, o Estado cumpre com seu poder-dever, ao tempo em que assegura aos indivíduos os instrumentos imprescindíveis para o seu desenvolvimento pessoal, moral e intelectual, garantindo-lhes um existir digno no meio social em que se acham inseridos. Contudo, o Superior Tribunal de Justiça fixou a orientação de ser ilegal a prorrogação do recebimento de pensão até os 24 anos de idade para os dependentes, considerando que o benefício extingue-se quando o titular completa 21 anos2, na forma da legislação de regência. ISTO POSTO, com a ressalva do ponto de vista, indefiro o pedido de liminar. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01/2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Notifique-se a autoridade impetrada e dê-se ciência ao órgão de representação judicial da entidade (artigo 7º, incisos I e II, da Lei nº 12.016/20093). Após, vista ao Ministério Público Federal. João Pessoa, 18 JUN 2010". (grifos no original) O Superintendente do Departamento de Polícia Rodoviária Federal da 14ª Superintendência de Polícia Rodoviária Federal/PB prestou as informações, afirmando os procedimentos administrativos adotados pela 14ª SRPRF/PB foram fundamentados na Lei nº. 8.112/90, art. 217, II, "a" (fl. 59). O Ministério Público Federal ofertou o parecer, opinando pela denegação da segurança (fls. 64/67). A União apresentou resposta, acompanhada de documentos (fls. 69/80), arguindo a carência de ação em face da inexistência das condições legais para a manutenção do benefício pleiteado, nos termos do art. 217, II, "a", da Lei nº. 8.112/90, e, no mérito, a denegação da segurança. É o relatório. Decido. A assertiva da União consistente na carência de ação dos Impetrantes é confluente como o exame do mérito da presente ação mandamental. Os Impetrantes buscam tutela mandamental que lhes assegure o restabelecimento do seu benefício de pensão temporária, instituída em face do óbito de seu pai, José Vicente da Silva, até a conclusão dos Cursos de Administração (João Paulo Evaristo da Silva) e Direito (André Luiz Evaristo da Silva) das Faculdades ASPER, ou até que completem 24 (vinte e quatro) anos de idade. Primeiramente, ressalte-se que a Lei nº 8.112/90, elenca o rol dos beneficiários de pensão por morte do servidor público federal em seu artigo 217, a seguir transcrito: "Art. 217. São beneficiários das pensões: I - vitalícia: a) o cônjuge; b) a pessoa desquitada, separada judicialmente ou divorciada, com percepção de pensão alimentícia; c) o companheiro ou companheira designado que comprove união estável como entidade familiar; d) a mãe e o pai que comprovem dependência econômica do servidor; e) a pessoa designada, maior de 60 (sessenta) anos e a pessoa portadora de deficiência, que vivam sob a dependência econômica do servidor; II - temporária: a) os filhos, ou enteados, até 21 (vinte e um) anos de idade, ou, se inválidos, enquanto durar a invalidez; b) o menor sob guarda ou tutela até 21 (vinte e um) anos de idade; c) o irmão órfão, até 21 (vinte e um) anos, e o inválido, enquanto durar a invalidez, que comprovem dependência econômica do servidor; d) a pessoa designada que viva na dependência econômica do servidor, até 21 (vinte e um) anos, ou, se inválida, enquanto durar a invalidez. § 1o A concessão de pensão vitalícia aos beneficiários de que tratam as alíneas "a" e "c" do inciso I deste artigo exclui desse direito os demais beneficiários referidos nas alíneas "d" e "e". § 2o A concessão da pensão temporária aos beneficiários de que tratam as alíneas "a" e "b" do inciso II deste artigo exclui desse direito os demais beneficiários referidos nas alíneas "c" e "d". " Acerca da extinção da pensão por morte, dispõe o artigo 222 da Lei nº 8.112/90: "Art. 222. Acarreta perda da qualidade de beneficiário: I - o seu falecimento; II - a anulação do casamento, quando a decisão ocorrer após a concessão da pensão ao cônjuge; III - a cessação de invalidez, em se tratando de beneficiário inválido; IV - a maioridade de filho, irmão órfão ou pessoa designada, aos 21 (vinte e um) anos de idade; V - a acumulação de pensão na forma do art. 225; VI - a renúncia expressa. " Consoante se observa da norma supra transcrita, a parte individual da pensão extingue-se para o filho, quando este atinge a idade de 21 (vinte e um) anos. Resta claro, portanto, que a norma legiferante não excepcionou a situação dos estudantes. Nesse sentido, registro o seguinte precedente jurisprudencial, o qual, embora concernente ao Regime Geral da Previdência Social, aplica-se às situações envolvendo dependentes de servidor público federal, em face da similitude do regramento na espécie: "RECURSO ESPECIAL. PREVIDENCIÁRIO. PENSÃO POR MORTE. LEI Nº 8.213/91. IDADE LIMITE. 21 ANOS. ESTUDANTE. CURSO UNIVERSITÁRIO. A pensão pela morte do pai será devida até o limite de vinte e um anos de idade, salvo se inválido, não se podendo estender até os 24 anos para os estudantes universitários, pois não há amparo legal para tanto. Recurso provido." (STJ, RESp nº 639487-RS, Relator Ministro José Arnaldo da Fonseca, 5ª Turma, julgamento em 11.10.2005) Convém destacar, ainda, que, embora a pensão por morte possa substituir eventuais alimentos devidos em vida, o direito à percepção de tal benefício está adstrito ao pleno atendimento das normas previdenciárias atinentes ao regime jurídico dos servidores públicos federais. Inexiste arrimo legal capaz de amparar o quadro relatado nos presentes autos, no sentido de assegurar a pensão por morte até que os Impetrantes alcancem os 24 (vinte e quatro) anos ou concluam os cursos superiores. Ao permitir a manutenção do benefício questionado, estaria o Judiciário criando condição de beneficiário sem suporte algum na lei. Ademais, como não se trata de pessoas inválidas, ou seja, que não possuem condições de prover a própria subsistência e não têm meios de trabalho, em virtude de doença que a incapacite, também por esse motivo não é digno de acolhimento o pleito em discussão. Nesta trilha, vale trazer à baila, mutatis mutandis, julgado exarado pela 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região: "EMENTA: PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. PENSÃO POR MORTE. EXTINÇÃO. FILHO MAIOR DE 21 ANOS ESTUDANTE. CABIMENTO. 1. A Lei 8213/91 determina a extinção da cota de pensão por morte do filho que atinge a maioridade, não fazendo ressalva alguma quanto à ocupação do beneficiado. O filho estudante não faz jus à manutenção do benefício após a maioridade, pois não há arrimo legal para tanto. Somente haveria tal possibilidade se o beneficiado fosse portador de deficiência que o qualificasse como inválido, o que não foi demonstrado nos autos. 2. Agravo improvido." (TRF-5ª Região, AG nº 200005000540077 - CE, Relator Desembargador Federal Luiz Alberto Gurgel de Faria, julgamento em 17.10.2001) No caso, cumpre ressaltar que os Impetrantes já completaram 21 anos de idade, ou seja, a idade limite para o recebimento da pensão por morte, motivo por que inexiste possibilidade de manutenção do multicitado benefício. No sentido dos argumentos acima expendidos, o Superior Tribunal de Justiça4 pronunciou-se recentemente sobre a matéria, firmando o entendimento segundo o qual a Lei 8.112/90 não reconhece o benefício em questionamento a dependente maior de 21 anos de idade, e que a ausência de previsão normativa conduz à inexistência de direito líquido e certo à concessão do benefício até 24 anos de idade. Desse modo, a manutenção do benefício de pensão por morte não pode ser estendida a casos não prescritos na Lei nº 8.213/91, razão pela qual não fazem jus os Impetrantes ao pleito em questão. Diante do exposto, denego a segurança. Sem condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº. 12.016, de 20095). Custas ex lege. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se. Intimem-se. Correções cartorária e na Distribuição para inclusão da União no pólo passivo da impetração. Decorrido o prazo sem recurso voluntário, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa,04 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 "AGRAVO REGIMENTAL. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. PENSÃO POR MORTE. ESTUDANTE. PRORROGAÇÃO ATÉ OS 24 ANOS. IMPOSSIBILIDADE. PRECEDENTES. 1. "Nos termos do art. 217, II, 'a', da Lei 8.112/90, a pensão pela morte de servidor público federal será devida aos filhos até o limite de 21 anos de idade, salvo se inválido, não se podendo estender até os 24 anos para os estudantes universitários, pois não há amparo legal para tanto. Precedentes do STJ." (REsp 1.008.866/PR, Rel. Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA, QUINTA TURMA, julgado em 16/04/2009, DJe 18/05/2009) 2. Agravo regimental a que se nega provimento." (AGREsp nº 831470, Relator Ministro Og Fernandes, 6ª Turma, DJE de 30.11.2009) (grifei) 3 Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará: I - que se notifique o coator do conteúdo da petição inicial, enviando-lhe a segunda via apresentada com as cópias dos documentos, a fim de que, no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações; II - que se dê ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada, enviando-lhe cópia da inicial sem documentos, para que, querendo, ingresse no feito; III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedido, quando houver fundamento relevante e do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida, caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir do impetrante caução, fiança ou depósito, com o objetivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica. § 1o Da decisão do juiz de primeiro grau que conceder ou denegar a liminar caberá agravo de instrumento, observado o disposto na Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. § 2o Não será concedida medida liminar que tenha por objeto a compensação de créditos tributários, a entrega de mercadorias e bens provenientes do exterior, a reclassificação ou equiparação de servidores públicos e a concessão de aumento ou a extensão de vantagens ou pagamento de qualquer natureza. § 3o Os efeitos da medida liminar, salvo se revogada ou cassada, persistirão até a prolação da sentença. § 4o Deferida a medida liminar, o processo terá prioridade para julgamento. § 5o As vedações relacionadas com a concessão de liminares previstas neste artigo se estendem à tutela antecipada a que se referem os arts. 273 e 461 da Lei no 5.869, de 11 janeiro de 1973 - Código de Processo Civil. 4 "ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. PENSÃO TEMPORÁRIA POR MORTE DA GENITORA. TERMO FINAL. PRORROGAÇÃO. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. 1. A Lei 8.112/90 prevê, de forma taxativa, quem são os beneficiários da pensão temporária por morte de servidor público civil, não reconhecendo o benefício a dependente maior de 21 anos, salvo no caso de invalidez. Assim, a ausência de previsão normativa, aliada à jurisprudência em sentido contrário, levam à ausência de direito líquido e certo a amparar a pretensão do impetrante, estudante universitário, de estender a concessão do benefício até 24 anos. Precedentes: (v.g., REsp 639487 / RS, 5ª T., Min. José Arnaldo da Fonseca, DJ 01.02.2006; RMS 10261 / DF, 5ª T., Min. Felix Fischer, DJ 10.04.2000). 2. Segurança denegada". (STJ - MS - 12982/DF, Corte Especial, Relator Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, j. 01/02/2008, DJ de 31/03/2008, pág. 1) (grifei) 5 "Art. 25. Não cabem, no processo de mandado de segurança, a interposição de embargos infringentes e a condenação ao pagamento dos honorários advocatícios, sem prejuízo da aplicação de sanções no caso de litigância de má-fé". (grifei) ?? ?? ?? ?? 6 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0005612-29.2010.4.05.8200 ANAHID DER GARABEDIAN (Adv. LUIZ DA ROSA GARCIA FILHO) x COORDENADORA-GERAL DA SECRETARIA GERAL, DA DIBAP/CGRH/DRH/SG, DA ADVOCACIA GERAL DA UNIAO - AGU (Adv. SEM PROCURADOR)

Intime-se a Impetrante para comprovar o pagamento das custas processuais (art. 257, do CPC1) Publique-se. 1 Art. 257. Será cancelada a distribuição do feito que, em trinta (30) dias, não for preparado no cartório em que deu entrada. ?? ?? ?? ??

   

0008304-69.2008.4.05.8200 LUDEMILE BORGES DE ALMEIDA (Adv. FILIPE BRAGA DE BRITO MAIA, CRISTIANO HENRIQUE S. SOUTO, JOSE DE ARIMATEIA PEREIRA DE ALBUQUERQUE) x COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGE) (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Cumpra-se a v. decisão. Oficie-se. Intime-se. Publique-se. Aguarde-se, por 05 (cinco) dias, manifestação das partes. Decorrido o prazo, arquive-se.

   

0008359-20.2008.4.05.8200 ELIAS AMARO DA CRUZ (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Cumpra-se a v. decisão. Oficie-se. Intime-se. Publique-se. Aguarde-se, por 05 (cinco) dias, manifestação das partes. Decorrido o prazo, arquive-se.

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0009166-06.2009.4.05.8200 BRAYNER ROGERIO TAVARES ARAUJO (Adv. RENAN DO VALLE MELO MARQUES, ROGERIO MAGNUS VARELA GONCALVES, FELIPE AUGUSTO F. DE N. DEODATO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 9166-03.2009.4.05.8200 - CLASSE 148 AÇÃO CAUTELAR REQUERENTE: BRAYNER ROGÉRIO TAVARES ARAÚJO ADVOGADOS: RENAN DO VALLE MELO MARQUES, ROGÉRIO MAGNUS VARELA GONÇALVES E FELIPE AUGUSTO FORTE DE NEGREIROS DEODATO REQUERIDA: UNIÃO ADVOGADO DA UNIÃO: ERIVAN DE LIMA S E N T E N Ç A1 Apreciando o pedido de liminar, abordei inicialmente a matéria nos seguintes termos (fls. 80/82): "Cuida-se de Ação Cautelar movida por Brayner Rogério Tavares Araújo, preparatória de Ação de Anulação de Ato Administrativo, em face da União, com pedido de liminar visando a suspensão da movimentação do Requerente para o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado, localizado em Santana do Livramento (RS), com a permanência no 15º Batalhão de Infantaria Motorizado, situado em João Pessoa (PB), até o julgamento definitivo da Ação Cautelar. O Requerente afirma o seguinte: 1) É militar ocupante do posto de 2º Sargento do Exército, estando há mais de sete anos lotado no 15º Batalhão de Infantaria Motorizado, sediado em João Pessoa, para o qual fora transferido com a finalidade de amparar os seus genitores, que são idosos, sofrem de várias patologias, especialmente a genitora, que é portadora de hipertensão arterial e osteoporose, e são seus dependentes econômicos, inclusive perante o sistema de saúde do Exército, o qual lhes confere tratamento, pois em João Pessoa há hospital militar. 2) O Exército determinou a movimentação do Requerente para o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado, com sede em Santana do Livramento, que faz fronteira com o Uruguai e distante de Porto Alegre, e não dispõe de estrutura médico-hospitalar para atendimento aos seus genitores, uma vez que o Exército não possui hospital militar naquela cidade. 3) O desligamento do Requerente deverá ocorrer até o dia 16.12.2009 e postulou reconsideração da movimentação, por meio de expediente protocolado em 05.11.2009, sem que até o momento haja resposta. Sustenta a ilegalidade da movimentação, porquanto contrário ao que dispõe o Decreto nº 2.040/1996, que aprovou o Regulamento de Movimentação para Oficiais e Praças do Exército, e a Nota Diretiva nº 06-DGP/DCEM/2009, que instituiu o Plano de Movimentação por Nivelamento, o qual estabelece que uma das condições a serem satisfeitas pelos militares a serem movimentados é não possuir problemas de saúde ou dos seus dependentes. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 22/78). É o relatório. Decido. Em primeiro lugar, defiro a gratuidade judiciária (Lei nº 1.060/1950). À primeira vista, vislumbro a plausibilidade jurídica da pretensão formulada pelo Requerente, que ocupa o posto de 2º Sargento do Exército e está atualmente lotado no 15º Batalhão de Infantaria Motorizado (em João Pessoa), tendo em vista que os genitores estão incluídos como seus dependentes econômicos perante o Exército, inclusive em face do sistema de saúde da entidade militar - FUSEx (fls. 37/38), e uma vez comprovada a necessidade de tratamento médico/fisioterápico por sua genitora, que é portadora de hipertensão arterial sistêmica e osteoporose (fls. 42/43), de modo que a movimentação para o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado (em Santana do Livramento2), objeto do Boletim do DGP nº 061, de 28.10.2009 (fls. 29/30), não se ajusta ao que preconiza o item 4, alínea b, subitem 6, do Plano de Movimentação por Nivelamento/2009, da Diretoria de Controle de Efetivos e Movimentações - DCEM, referido na Nota Informativa nº 06-DGP/DCEM/2009, que dispõe que entre as condições a serem satisfeitas pelos militares a serem movimentados é a de "não possuir problemas de saúde própria ou de seus dependentes" (fls. 57/60). Presente o fumus boni iuris, em razão do estado de saúde precário da genitora (Maria de Lourdes Tavares Araújo), idosa (nascida em 13.06.1949) e que é dependente do seu filho3, concorre igualmente para a concessão da liminar o periculum in mora, porquanto o prazo limite para o desligamento do Requerente da unidade militar em que está lotado (15º Batalhão de Infantaria Motorizado) é 16.12.2009. Diante do exposto, defiro o pedido de liminar e suspendo a movimentação do Requerente para o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado do Exército (RS), e asseguro a sua permanência 15º Batalhão de Infantaria Motorizado (PB), até julgamento final da presente Ação Cautelar, observando-se o prazo de trinta dias para ajuizamento da ação principal, sob pena de ineficácia da medida liminar (artigos 806 e 808 do CPC). Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 23, de 06.12.2005, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Oficie-se para cumprimento, com urgência. Intime-se o Requerente desta decisão. Cite-se, devendo a resposta vir instruída com cópia da decisão administrativa, se houver, relativa ao pedido de reconsideração à movimentação formulado pelo Requerente (fls. 32). João Pessoa, 01 DEZ 2009". (grifos no original) A União apresentou contestação, acompanhada de documentos (fls. 91/123), afirmando: 1) Ausência de interesse processual, em face da inadequação da via eleita, considerando que a pretensão do Requerente ostenta natureza satisfativa, extrapolando o âmbito do processo cautelar; 2) A movimentação do Autor decorreu da aplicação da IR 30/31, que dispõe sobre os critérios para escolha dos militares a serem movimentados, e há previsão no Decreto nº. 2.040/96 no sentido de se compatibilizar, sempre que possível e conveniente, os interesses dos militares e da instituição, de modo que inexiste ilegalidade praticada pela União, mas discricionariedade dentro dos limites normativos. A União apresentou cópia do Agravo de Instrumento interposto contra a decisão em que deferi o pedido de liminar (fls. 126/137). Mantive a decisão agravada (fls. 139/140). A Exma. Desembargadora Federal, Dra. Germana Moraes, atribuiu efeito suspensivo ao Agravo de Instrumento nº. 104047 - PB (fls. 144/146 e 149/151). Determinei o desapensamento dos presentes autos da Ação Ordinária nº. 9969-86.2009.4.05.8200 (fl. 158). O Requerente apresentou documentos (fls. 160/172). Com vista, a União reiterou o pedido no sentido da improcedência do pedido cautelar e afirmou que solicitou ao Exército a suspensão do cumprimento da liminar concedida (fls. 188/195). Com vista, o Autor não se manifestou (fl. 197). É o relatório. Decido. O objeto da presente ação cautelar, de caráter nitidamente provisório e instrumental, consiste na suspensão, e não a anulação, do ato administrativo consistente na movimentação do Requerente para o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado, localizado em Santana do Livramento/RS, com a permanência no 15º Batalhão de Infantaria Motorizado, situado em João Pessoa/PB, não se verificando na hipótese a irreversibilidade do provimento cautelar pleiteado acaso houvesse sido deferido. Por outro lado, observo que o Requerente ajuizou a Ação Ordinária nº. 9969-86.2009.4.05.8200 em face da União, objetivando a anulação do ato administrativo em questionamento, provimento, este sim, de natureza definitiva e principal. Rejeito a assertiva de ausência de interesse processual formulada pela União. Quanto ao mérito, assentei na decisão que os genitores do Requerente estão incluídos como seus dependentes econômicos perante o Exército, inclusive em face do sistema de saúde da entidade militar - FUSEx, e uma vez comprovada a necessidade de tratamento médico/fisioterápico por sua genitora, que é portadora de hipertensão arterial sistêmica e osteoporose, de modo que a movimentação para o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado (em Santana do Livramento), objeto do Boletim do DGP nº 061, de 28.10.2009, não se ajusta ao que preconiza o item 4, alínea b, subitem 6, do Plano de Movimentação por Nivelamento/2009, da Diretoria de Controle de Efetivos e Movimentações - DCEM, referido na Nota Informativa nº 06-DGP/DCEM/2009, que dispõe que entre as condições a serem satisfeitas pelos militares a serem movimentados é a de "não possuir problemas de saúde própria ou de seus dependentes" . No entanto, a Exma. Desembargadora Federal, Dra. Germana Moraes, proferiu decisão nos autos do Agravo de Instrumento nº. 104047 - PB, atribuiu efeito suspensivo ao recurso, nos termos do fundamento a seguir transcrito: "É sabido que a mobilidade na carreira militar é uma contingência natural de quem opta pelas Forças Armadas, uma vez que compreende a defesa da Pátria e a garantia dos poderes constitucionais, bem como da lei e da ordem (Constituição Federal, art. 142). Pois bem, da leitura dos autos, verifico que na atual lotação do militar encontram-se 04 (quatro) sargentos Especialistas em Comunicação (fl. 20), quando o serviço exige apenas dois, enquanto no local para onde foi transferido o ora agravado não existe Sargento especialista nesta área. Assim, neste caso, deve prevalecer o interesse público sobre o privado. Ademais, conforme informações juntadas aos autos, verifica-se que no 7º R.C.Mec, sediado em Santana do Livramento - RS, para onde foi movimentado o agravado, há unidade médico-militar para atendimento dos militares e seus dependentes (fls. 14/28). Nada obstante, os problemas de saúde apresentados pela genitora do autor, osteopenia-grau -1,5; -1,4; e 1.,1 - (fl. 74) e hipertensão são comuns nesta faixa etária. Em verdade, não existe notícia da incapacidade do casal de genitores. ... Com estas considerações, atribuo efeito suspensivo ao agravo". (grifei) Diante do exposto, torno sem efeito a liminar e julgo improcedente o pedido. Condeno o Autor ao pagamento de honorários advocatícios no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atribuído à causa (art. 20, § 4º, do CPC), sobrestada a sua execução enquanto perdurar o estado de necessidade do Demandante, observando-se a prescrição quinquenal (art. 12 da Lei 1.060/504). Sem custas processuais, em face da gratuidade judiciária. Registre-se no sistema informatizado, nos termos do Provimento nº 01, de 25.03.2009, da Corregedoria-Geral do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. Intimem-se as partes. Decorrido o prazo sem recurso voluntário certifique-se, dê-se baixa na Distribuição e arquivem-se os autos com as cautelas legais, facultado o desarquivamento no decurso do lapso quinquenal. Traslade-se cópia desta sentença para os autos da Ação Ordinária nº. 9969-86.2009.4.05.8200. João Pessoa, 02 de agosto de 2010 Juiz Federal ROGÉRIO ROBERTO GONÇALVES DE ABREU Substituto da 2ª Vara AMAP 1 Sentença tipo B, cf. Resolução nº. 535, de 18 de dezembro de 2006, do Conselho da Justiça Federal. 2 Que, segundo o Requerente, não possui hospital militar, com base em documento eletrônico que apresentou às fls. 78 do Departamento-Geral de Pessoal sobre a existência de duas organizações militares em Santana do Livramento: a "2ª Bia A AAE" e o "7º R C Mec". 3 "PROCESSUAL CIVIL. TUTELA ANTECIPADA. TRANSEFERÊNCIA DE MILITAR. SUSPENSÃO. DOENÇA DE DEPENDENTE. ATO JUDICIAL MANTIDO. - Risco de dano irreparável ou de difícil reparação evidenciado em virtude do estado crítico de saúde em que se encontra a genitora do militar, dependente deste, que necessita ser acompanhada por pessoa da família. - Presente a verossimilhança do direito alegado, pois há norma prevendo a possibilidade de anulação ou retificação de movimentação de militar por motivo de saúde deste ou de seu dependente (art. 10 da Portaria nº 325, de 06/07/2000). - Decisão monocrática mantida, por seus próprios fundamentos. - Prequestionamento quanto à legislação invocada estabelecido pelas razões de decidir. - Agravo improvido." (AG nº 200404010083965, Relatora Desemebraghdora Federal Sílvia Maria Gonçalves Goraieb, 4ª Turma do TRF-4ª Região, DJU de 02.08.2006, p. 426). 4 "Art. 12. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita" (grifei) "A parte beneficiária da justiça gratuita, quando vencida, sujeita-se ao princípio da sucumbência, não se furtando ao pagamento dos consectários dela decorrentes. A condenação respectiva deve constar da sentença, ficando, contudo, sobrestada até e se, dentro, em cinco anos, a parte vencedora comprovar não mais subsistir o estado de miserabilidade da parte vencida" (STJ-4ª Turma, REsp. 8.751-SP, rel. Ministro Sálvio de Figueiredo, j. 17.12.91, DJU 11.5.1992, pg. 6.436) apud Negrão, Theotônio, Código de Processo Civil e legislação processual em vigor, 30ª edição, pg. 1043. (grifei) ?? ?? ?? ?? 1 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0002834-86.2010.4.05.8200 WALMIR JOSE BENIZ (Adv. ANDRE ARAUJO PIRES, DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA, ENIO SILVA NASCIMENTO, GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO, KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA)

Correções cartorárias e na Distribuição para inclusão, no cadastro processual, do advogado constituído pelo CRF/PB à fl. 29 e substabelecimento de fl. 29,verso, com o escopo de viabilizar as intimações via boletim judicial. Após, dê-se vista ao Autor Walmir José Beniz, para, no prazo de 10 (dez) dias, impugnar a contestação de fls. 24/30. João Pessoa,...

   

0002883-30.2010.4.05.8200 JOAO MISAEL ALEXANDRE (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM ADVOGADO)

Reitere-se a intimação ao Autor, através de seu advogado, para se manifestar sobre o interesse no prosseguimento do feito, em cumprimento ao despacho de fls. 311, no prazo de 30 (trinta) dias (Art. 267, III do CPC). Intime-se. 1 . Pronuncie-se o Autor, em 10 (dez) dias, para apresentar cópia da petição inicial e da sentença com trânsito em julgado, se houver, da ação nº 5102-89.2005.4.05.8200, com o objetivo de esclarecer e comprovar, para fins de exame de eventual conexão, litispendência ou coisa julgada (art. 103, 301 § 1º e 333, I, do CPC). ?? ?? ?? ??

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001335-04.2009.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS) x CONSTRUTORA SR LTDA (Adv. RAFAEL SEDRIM PARENTE DE MIRANDA TAVARES)

Defiro o pedido do novo instrumento procuratório acostado às fls. 261. Correções cartorárias e na Distribuição. Após, vista à Exequente da impugnação apresentada pela Executada às fls. 255/260. Remeta-se. Após, publique-se.

   

0001942-80.2010.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x FRANCIO PEREIRA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

Desentranhe-se a petição de fls. 57, vez que estranha ao presente processo. Após, abra-se vista à CAIXA da Certidão do Oficial de Justiça às fls. 58, verso. Cumpra-se. Após, publique-se.

   

0004214-52.2007.4.05.8200 ESTECLIDES MACEDO E OUTROS (Adv. JOSINETE RODRIGUES DA SILVA, JACQUELINE RODRIGUES CHAVES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Tendo em vista a alegação da CAIXA de que a Contadoria não subtraiu os valores depositados(fls. 227), remeta-se àquele Setor para informações circunstanciadas. Após, vista às partes pelo prazo de 05(cinco)dias. Cumpra-se. Publique-se.

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0008774-66.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, LUCIANA GURGEL DE AMORIM) x GAS NOBRE COMERCIO LTDA (Adv. FRANCISCO ARI DE OLIVEIRA, RAFAELLA DE MENEZES FREIRE)

Às partes sobre as informações do cálculo(fls.547/548), no prazo de 05(cinco) dias (art. 87, item 05 do Provimento 01/2009 - CR.

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0000836-20.2009.4.05.8200 ALVARO TEODORO DOS SANTOS NETO (Adv. NELSON DE OLIVEIRA SOARES, EDILVAN MEDEIROS MARQUES) x FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO, CARLOS BENITO COSENTINO FILHO, DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR, ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VINICIUS DE NEGREIROS CALADO, DIEGO GALDINO DA SILVA MELO, JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO)

Às partes sobre as informações do cálculo(fls.83/84), no prazo de 05(cinco) dias (art. 87, item 05 do Provimento 01/2009 - CR.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0002691-68.2008.4.05.8200 FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO, JURANDI FERNANDES FERREIRA, CARLOS BENITO COSENTINO FILHO, DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR, ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO, PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VINICIUS DE NEGREIROS CALADO, DIEGO GALDINO DA SILVA MELO, JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO) x JOSE PEQUENO SILVA FILHO (Adv. SEM ADVOGADO)

Ao (à)(s) autor(a)(s)(es)/exeqüente(s)/embargante(s), no prazo de 05(cinco) dias.

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 24

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 13

TOTAL DE DECISÃO: 4

TOTAL DE DESPACHO: 27

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.