Publicado no Diário da Justiça de 12/08/2010

 

Boletim 2010.000081 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADAIR BORGES COUTINHO NETO 0010687-54.2007.4.05.8200

ADILSON DE QUEIROZ COUTINHO FILHO 0010687-54.2007.4.05.8200

ALEX NEYVES MARIANI ALVES 0009279-91.2008.4.05.8200

ALEXANDRE GOMES BRONZEADO 0005484-09.2010.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0002247-64.2010.4.05.8200

ALEXANDRE SOUZA DE MENDONÇA FURTADO 0005394-98.2010.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0010356-43.2005.4.05.8200 0011927-49.2005.4.05.8200

ALVARO DANTAS WANDERLEY 0005394-98.2010.4.05.8200

AMANDA LUNA TORRES 0004959-95.2008.4.05.8200

ANDRE GOMES BRONZEADO 0005484-09.2010.4.05.8200

ANDRE LUIS MACEDO PEREIRA 0005214-82.2010.4.05.8200

ANDRESSA CARLOS FREIRE 0009312-81.2008.4.05.8200

ANDRESSA MARIA DOS SANTOS 0005205-91.2008.4.05.8200

ANGELLO RIBEIRO ANGELO 0004417-09.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200

ANTONIO BARBOSA FILHO 0001725-37.2010.4.05.8200

ARISTIDES JOSÉ CAVALCANTI BATISTA 0010687-54.2007.4.05.8200

AURORA DE BARROS SOUZA 0004430-08.2010.4.05.8200

BRUNO AUGUSTO DE ARRUDA LUNA CASTOR 0004427-53.2010.4.05.8200

BRUNO FARO ELOY DUNDA 0009924-82.2009.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0001885-33.2008.4.05.8200 0002433-58.2008.4.05.8200

CARLOS EMILIO FARIAS DA FRANCA 0005394-98.2010.4.05.8200

CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS 0006124-80.2008.4.05.8200

CARLOS NEVES DANTAS FREIRE 0006024-91.2009.4.05.8200

CARLOS OCTAVIANO DE M. MANGUEIRA 0001725-37.2010.4.05.8200

CHARLES WILLIAM McNAUGHTON 0005455-56.2010.4.05.8200

CHRISTIANA MEDEIROS BARROS 0000297-54.2009.4.05.8200

CLAUDECY TAVARES SOARES 0005205-91.2008.4.05.8200

CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO 0007002-78.2003.4.05.8200

DANIEL HENRIQUE ANTUNES SANTOS 0005394-98.2010.4.05.8200

DANIEL PACHECO MEDEIROS 0000014-94.2010.4.05.8200

DANIEL PRANDO CAVARETTI 0005455-56.2010.4.05.8200

DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO 0008518-94.2007.4.05.8200

DELOSMAR DOMINGOS DE MENDONCA JUNIOR 0005394-98.2010.4.05.8200

DIEGO GALDINO DA SILVA MELO 0010687-54.2007.4.05.8200

DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA 0002750-95.2004.4.05.8200 0008862-80.2004.4.05.8200

DORIS FIÚZA CORDEIRO 0004464-80.2010.4.05.8200

EDNALDO DE LIMA 0006024-91.2009.4.05.8200

EDUARDO FRAGOSO DOS SANTOS 0010687-54.2007.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE FARIAS DA COSTA 0010687-54.2007.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE 0005484-09.2010.4.05.8200

EDUARDO MONTEIRO DANTAS 0005394-98.2010.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0001153-57.2005.4.05.8200 0004100-55.2003.4.05.8200 0010356-43.2005.4.05.8200 0011927-49.2005.4.05.8200

EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA 0000998-83.2007.4.05.8200

ENIO SILVA NASCIMENTO 0009924-82.2009.4.05.8200

EREMILTON DIONISIO DA SILVA 0006024-91.2009.4.05.8200

EZILDO JOSÉ CÉSAR GADELHA FILHO 0005205-91.2008.4.05.8200

FABIANO BARCIA DE ANDRADE 0003897-83.2009.4.05.8200

FABIO ANDRADE MEDEIROS 0005394-98.2010.4.05.8200

FABIO ROMERO DE S. RANGEL 0006143-72.1997.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0002465-97.2007.4.05.8200

FELIPE DE FIGUEIREDO SILVA 0005394-98.2010.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0010356-43.2005.4.05.8200

FENELON MEDEIROS FILHO 0003101-29.2008.4.05.8200 0003308-62.2007.4.05.8200 0010278-78.2007.4.05.8200

FERNANDA ROCHA CAMPOS POGLIESE 0000092-25.2009.4.05.8200

FERNANDO ANTONIO MARTINS DA CUNHA 0000241-84.2010.4.05.8200

FRANCISCA FERREIRA DA SILVA 0005194-48.1997.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0000241-84.2010.4.05.8200 0000492-05.2010.4.05.8200 0000751-97.2010.4.05.8200 0007077-10.2009.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0002564-62.2010.4.05.8200 0003637-40.2008.4.05.8200 0008518-94.2007.4.05.8200 0010255-35.2007.4.05.8200

GEORGEVANA WALESKA LUCENA ARAUJO GUERRA 0006143-72.1997.4.05.8200

GEORGIANA COUTINHO GUERRA 0008862-80.2004.4.05.8200

GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA 0006143-72.1997.4.05.8200

GERALDEZ TOMAZ FILHO 0007285-96.2006.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0002247-64.2010.4.05.8200

GILVAN LOPES DE FARIAS 0007807-89.2007.4.05.8200

GIUSEPPE PETRUCCI 0009279-91.2008.4.05.8200

GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS 0006124-80.2008.4.05.8200

GUILHERME FONTES DE MEDEIROS 0000995-31.2007.4.05.8200

GUILHERME MELO FERREIRA 0002750-95.2004.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE SOUTO RAMO OLIVEIRA 0010687-54.2007.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0001885-33.2008.4.05.8200 0002433-58.2008.4.05.8200

INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO 0004687-33.2010.4.05.8200 0004690-85.2010.4.05.8200

ITAMAR GOUVEIA DA SILVA 0001725-37.2010.4.05.8200 0010687-54.2007.4.05.8200

IVANA KERLE MOREIRA CAVALCANTE 0004894-66.2009.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0000260-61.2008.4.05.8200

JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR 0000297-54.2009.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0004015-35.2004.4.05.8200

JALDELENIO REIS DE MENESES 0001725-37.2010.4.05.8200

JALDEMIRO RODRIGUES DE A. JUNIOR 0006124-80.2008.4.05.8200

JAQUELINE GOMES CAVALCANTI 0005205-91.2008.4.05.8200

JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO 0009312-81.2008.4.05.8200

JONACY FERNANDES ROCHA 0001401-52.2007.4.05.8200

JONATHAN OLIVEIRA DE PONTES 0001725-37.2010.4.05.8200

JORGE RIBEIRO COUTINHO G. DA SILVA 0006124-80.2008.4.05.8200

JOSE ALVES CARDOSO 0007807-89.2007.4.05.8200

JOSE ARAUJO DE LIMA 0006143-72.1997.4.05.8200

JOSE CARMELO MARINHO ALVES 0000241-84.2010.4.05.8200

JOSE CEPHAS DA SILVA OLIVEIRA 0002530-92.2007.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0001153-57.2005.4.05.8200 0004100-55.2003.4.05.8200 0010356-43.2005.4.05.8200 0011927-49.2005.4.05.8200

JOSE SOARES DE LIMA 0002247-64.2010.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0006628-04.1999.4.05.8200

JOSE ZENILDO MARQUES NEVES 0007002-78.2003.4.05.8200

KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO 0004690-85.2010.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0000260-61.2008.4.05.8200

KARLA DANIELLE SANTOS ALVES MAIA 0005205-91.2008.4.05.8200

KARLLOS RAPHAEL PONTES ADOLFO 0004427-53.2010.4.05.8200

KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA 0002750-95.2004.4.05.8200

LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE 0007285-96.2006.4.05.8200

LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO 0006124-80.2008.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0007807-89.2007.4.05.8200

LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR 0004015-35.2004.4.05.8200

LEOPOLDO WAGNER ANDRADE DA SILVEIRA 0001862-87.2008.4.05.8200

LUANNA MARA MACEDO DA COSTA NEVES 0006024-91.2009.4.05.8200

LUCIANA CARMELIO SILVA 0010687-54.2007.4.05.8200

LUCIANA GURGEL DE AMORIM 0004687-33.2010.4.05.8200 0004690-85.2010.4.05.8200

LUIZ ALBERTO MOREIRA COUTINHO NETO 0010687-54.2007.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0002433-58.2008.4.05.8200

LUIZ FELIPE HORTA MAIA 0000092-25.2009.4.05.8200

LUIZ GONZAGA BRANDAO 0006024-91.2009.4.05.8200

LUIZ MONTEIRO VARAS 0008283-59.2009.4.05.8200

LUIZ PINHEIRO LIMA 0002750-95.2004.4.05.8200

MANOEL AMANCIO DOS SANTOS 0007533-28.2007.4.05.8200

MANOEL BARBOSA DE ARAUJO 0001401-52.2007.4.05.8200

MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO 0009279-91.2008.4.05.8200

MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA 0004417-09.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200

MARIA DA GLORIA BESSA ZAVASKI 0002186-53.2003.4.05.8200

MARIA DE FATIMA DE SA FONTES 0002186-53.2003.4.05.8200

MARIA DO CARMO MARQUES DE ARAUJO 0006024-91.2009.4.05.8200

MARIA JOSE DA SILVA 0008283-59.2009.4.05.8200

MARIO GOMES DE LUCENA 0000995-31.2007.4.05.8200 0000998-83.2007.4.05.8200

MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES 0010700-53.2007.4.05.8200

MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA 0001725-37.2010.4.05.8200

NELSON CALISTO DOS SANTOS 0008862-80.2004.4.05.8200

NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES 0004417-09.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200

NORTHON GUIMARÃES GUERRA 0006143-72.1997.4.05.8200

OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA 0002750-95.2004.4.05.8200 0009924-82.2009.4.05.8200

PABLO DAYAN TARGINO BRAGA 0008283-59.2009.4.05.8200

PATRÍCIA MIRIAN COSTA DE BRITO CAVALCANTI 0005205-91.2008.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0008283-59.2009.4.05.8200

PAULO ROBERTO V. REBELLO FILHO 0006124-80.2008.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0000014-94.2010.4.05.8200 0002247-64.2010.4.05.8200 0004894-66.2009.4.05.8200

RAFAEL SGANZERLA DURAND 0004417-09.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200

RAMON DANTAS CAVALCANTE 0001862-87.2008.4.05.8200

RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ 0004417-09.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200

RENATA PESSOA DONATO 0010255-35.2007.4.05.8200

RENE PRIMO DE ARAUJO 0003101-29.2008.4.05.8200

RHUBIA LACERDA MARTINS DE OLIVEIRA 0005394-98.2010.4.05.8200

RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0004959-95.2008.4.05.8200 0008518-94.2007.4.05.8200

ROBERTA BORDINI PRADO 0005455-56.2010.4.05.8200

ROBERTO CAVALCANTI BATISTA 0010687-54.2007.4.05.8200

RODRIGO AZEVEDO GRECO 0005394-98.2010.4.05.8200

RODRIGO AZEVEDO TOSCANO DE BRITO 0005394-98.2010.4.05.8200

RODRIGO NOBREGA FARIAS 0006124-80.2008.4.05.8200

RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI 0004417-09.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200

SAMUEL CARVALHO GAUDENCIO 0005455-56.2010.4.05.8200

SAORSHIAM LUCENA ARAUJO 0006143-72.1997.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000297-54.2009.4.05.8200 0000492-05.2010.4.05.8200 0000751-97.2010.4.05.8200 0002465-97.2007.4.05.8200 0002530-92.2007.4.05.8200 0002564-62.2010.4.05.8200 0007002-78.2003.4.05.8200 0007077-10.2009.4.05.8200 0008283-59.2009.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000092-25.2009.4.05.8200 0000260-61.2008.4.05.8200 0001153-57.2005.4.05.8200 0001862-87.2008.4.05.8200 0001885-33.2008.4.05.8200 0002433-58.2008.4.05.8200 0003308-62.2007.4.05.8200 0003897-83.2009.4.05.8200 0004100-55.2003.4.05.8200 0004417-09.2010.4.05.8200 0004427-53.2010.4.05.8200 0004430-08.2010.4.05.8200 0004464-80.2010.4.05.8200 0004612-91.2010.4.05.8200 0004959-95.2008.4.05.8200 0005214-82.2010.4.05.8200 0005394-98.2010.4.05.8200 0005455-56.2010.4.05.8200 0006024-91.2009.4.05.8200 0006124-80.2008.4.05.8200 0007533-28.2007.4.05.8200 0007756-78.2007.4.05.8200 0007807-89.2007.4.05.8200 0009279-91.2008.4.05.8200 0009312-81.2008.4.05.8200 0010278-78.2007.4.05.8200 0010700-53.2007.4.05.8200

SIMONNE JOVANKA NERY VAZ 0005194-48.1997.4.05.8200

SOCÍGENES PEDRO VASCONCELOS FALCAO 0003637-40.2008.4.05.8200

STENIO SERGIO XAVIER TAVARES 0000014-94.2010.4.05.8200

SUELY SOARES DE SOUSA SILVA 0005205-91.2008.4.05.8200

SUMAIA ANIS EL TIMANI CALAZANS 0007807-89.2007.4.05.8200

TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS 0009279-91.2008.4.05.8200

THAÍS REBOUÇAS GOUVÊA CONI 0005455-56.2010.4.05.8200

THIAGO CARTAXO PATRIOTA 0010687-54.2007.4.05.8200

VALBERTO ALVES DE A FILHO 0004959-95.2008.4.05.8200 0008518-94.2007.4.05.8200

VALTER DE MELO 0001885-33.2008.4.05.8200 0002433-58.2008.4.05.8200

VALTER LÚCIO LELIS FONSECA 0003637-40.2008.4.05.8200

VALTER MARIO PESTANA 0006628-04.1999.4.05.8200

VANDA ARAUJO FREIRE 0004894-66.2009.4.05.8200

VANESSA ARAUJO DE MEDEIROS 0007756-78.2007.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0002247-64.2010.4.05.8200

VICENTE DE PAULA SILVA 0004015-35.2004.4.05.8200

VIRGINIUS JOSE LIANZA DA FRANCA 0005394-98.2010.4.05.8200

VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR 0004959-95.2008.4.05.8200 0008518-94.2007.4.05.8200

WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA 0007002-78.2003.4.05.8200

WATTEAU FERREIRA RODRIGUES 0004100-55.2003.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0010356-43.2005.4.05.8200

YARA GADELHA BELO DE BRITO 0002247-64.2010.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0001153-57.2005.4.05.8200 0004100-55.2003.4.05.8200 0010356-43.2005.4.05.8200 0011927-49.2005.4.05.8200

ZILEIDA DE V. BARROS 0000014-94.2010.4.05.8200

 

Juiz Federal JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA

Diretor de Secretaria: Romulo Augusto de Aguiar Loureiro

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0003637-40.2008.4.05.8200 ESPOLIO DE MARIA DAS DORES NEIVA, REPR. POR PAULO NEIVA MONTEIRO (Adv. SOCÍGENES PEDRO VASCONCELOS FALCAO, VALTER LÚCIO LELIS FONSECA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Decisão: 1. R. H. 2. Trata-se de ação ordinária proposta pelo ESPÓLIO DE MARIA DAS DORES NEIVA, representado por PAULO NEIVA MONTEIRO, em desfavor da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, objetivando a condenação da CEF ao pagamento de diferenças resultantes da aplicação de expurgos inflacionários aos saldos das cadernetas de poupança referidas na inicial. 3. O CPC, art. 12, V, estabelece que o espólio deverá ser representado em juízo por seu inventariante, sendo que, neste caso, não foi juntada aos autos prova de que PAULO NEIVA MONTEIRO seria efetivamente o representante do ESPÓLIO DE MARIA DAS DORES NEIVA. 4. Isto posto, nos termos do CPC, art. 13, suspendo o processo por dez dias e determino ao A. que apresente, no mesmo prazo, através do(s) patrono(s) da causa, cópia do termo de nomeação de PAULO NEIVA MONTEIRO como inventariante do ESPÓLIO DE MARIA DAS DORES NEIVA. 5. O eventual descumprimento da determinação acarretará a extinção do processo sem resolução do mérito da causa, com a conseqüente baixa do feito na Distribuição. 6. Após a regularização processual, voltem-me os autos conclusos para sentença. 7. Intime-se e cumpra-se, com a devida prioridade.

   

0004427-53.2010.4.05.8200 SINDICATO DOS MOTORISTA E TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE PASSAGEIROS E CARGAS NO ESTADO DA PARAIBA (Adv. BRUNO AUGUSTO DE ARRUDA LUNA CASTOR, KARLLOS RAPHAEL PONTES ADOLFO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Despacho: 1. R. H. 2. Trata-se de ação ordinária proposta pelo SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE PASSAGEIRO E CARGA DO ESTADO DA PARAÍBA em desfavor da UNIÃO (Fazenda Nacional), objetivando a restituição de valores pagos a título de contribuição previdenciária sobre parcelas de terço constitucional de férias. 3. A petição inicial (fls. 03/10) não esclarece devidamente se o crédito tributário que o A. pretende restituir nestes autos também se estende aos valores recolhidos por seus associados a título de contribuição previdenciária sobre parcelas de abono constitucional de férias. 4. Por outro lado, a Lei nº 9.494/97, art. 2º-A, parágrafo único, na redação dada pela MP n. 2.180-35/2001, determina que, nas ações coletivas propostas contra entidades da Administração direta, autárquica e fundacional da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, a petição inicial seja obrigatoriamente instruída com a ata da assembléia da entidade associativa que autorizou a propositura da ação, acompanhada da relação nominal dos seus associados e com a indicação dos respectivos endereços. 5. Isto posto, concedo o prazo de 10 (dez) dias para que o A. esclareça se a contribuição previdenciária objeto de pedido de repetição nesta ação também se estende aos valores recolhidos por seus associados e, em caso positivo, determino que o sindicato apresente cópia da ata da assembléia que tenha autorizado a propositura desta ação, acompanhada da relação nominal dos substituídos processuais e com a indicação dos respectivos endereços. 6. Também determino que seja juntada aos autos cópia do termo de posse do subscritor da procuração (fls. 11), na qualidade de representante do referido sindicato/outorgante. 7. O eventual descumprimento das determinações (itens 5 e 6, supra) acarretará a extinção do processo sem resolução do mérito da causa, com a conseqüente baixa do feito na Distribuição. 8. Após a regularização da inicial, cite-se a UNIÃO (Fazenda Nacional), na forma e para os fins do CPC, arts. 213 e 297. 9. Intime-se e cumpra-se.

   

0004464-80.2010.4.05.8200 MUNICÍPIO DE MOGEIRO - PB (Adv. DORIS FIÚZA CORDEIRO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0004464-80.2010.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: MUNICÍPIO DE MOGEIRO - PB REU: UNIAO (FAZENDA NACIONAL) C E R T I D Ã O Certifico que revendo os presentes autos verifiquei a ausência de Procuração outorgada pelo Município autor, bem como pedido expresso de citação da Fazenda Nacional. Dou fé. João Pessoa, 19 de julho de 2010. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 19 de julho de 2010. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário Decisão: 1-RH 2- Em face da certidão supra, intimem-se os Advogados para juntar aos autos Procuração outorgada pelo Prefeito do Município de Mogeiro, bem como para emendar a inicial, no prazo de 10 (dez) dias, requerendo expressamente a citação da União (Fazenda Nacional). 3- O eventual descumprimento da determinação acarretará a extinção do processo, sem resolução do mérito (CPC, art. 284, § único). João Pessoa, 19/07/2010 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0004894-66.2009.4.05.8200 MARIA DA GLÓRIA CABRAL LIMA (Adv. VANDA ARAUJO FREIRE, IVANA KERLE MOREIRA CAVALCANTE) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Ação Ordinária nº 2009.82.00.004894-0 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autora: MARIA DA GLÓRIA CABRAL LIMA Ré : UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A Vistos, etc. MARIA DA GLÓRIA CABRAL LIMA propôs ação ordinária de cobrança em desfavor da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB objetivando repassar a inflação com os índices de 3,5%, conforme a Lei nº 10.331/2001, e com os índices aplicados aos segurados da Previdência Social nos percentuais de 4,53%, em junho/2004, de 6,355%, em maio/2005, de 5,010%, em abril/2006, de 3,30%, em março/2007 e de 5,0%, em março/2008, conforme a Lei nº 10.887/2004, mais o recálculo das gratificações, o pagamento dos atrasados, juros de mora, correção monetária e honorários advocatícios de 20% sobre o total da condenação. 2. Requereu também justiça gratuita. 3. A petição inicial (fls. 03/09) veio acompanhada de procuração (fls. 10) e documentos (fls. 11/27), dos quais merecem especial destaque as fichas financeiras da A. (fls. 13/27); dessa petição inicial consta, no que mais importa, o seguinte, textualmente: "(...) é servidora pública federal aposentada, consoante os documentos acostados, sob o Regime Jurídico Único (Lei nº 8.112/90), matrícula SIAPE nº 3332329, percebendo salário base e outras gratificações como demonstram suas fichas financeiras em anexo. (.........................................................................................................................) A Emenda Constitucional nº 19, de 04 de junho de 1998, por sua vez, e a Edição da Lei nº 10.331/2001 disciplinou a revisão geral dos vencimentos dos servidores públicos, além de efetivada em mesma data e sem distinção de índices, passou a ser, obrigatoriamente, anual. Além disso, a referida lei promoveu um reajuste no percentual de 3,5%, o que não foi concedido a autora. Posteriormente, foram editadas as leis nºs 10.697 e 10.698 de 02 de julho de 2003, provocando uma distinção de reajuste nos vencimentos dos servidores entre os três poderes, posto que aquela estabelecesse um reajuste anual de 1% e esta, uma vantagem pecuniária no valor de R$59,87 (cinqüenta e nove reais e oitenta e sete centavos). Restaram-se violados preceitos constitucionais, o princípio da isonomia, quando deveriam os servidores, ter reajuste de 13,13%, a contar de julho de 2003. Respeitante a Emenda Constitucional nº 41/2003, disciplinada pela Lei nº 10.887/2004, em seu art. 15 determina que a revisão deve obedecer ao princípio da anualidade, com o repasse no mínimo do índice da inflação passada, a fim de preservar o valor real do benefício, através de Projeto de Lei, e na falta deste, na mesma época e índices que foi repassado aos segurados da Previdência Social. No presente caso, houve omissão do Poder Executivo nos anos de 2001 e 2003 a 2008 no repasse dos índices aos servidores, quais sejam: os 3,5% (dezembro/2001 - Lei nº 10.331/2001); 4,53% (junho/2004); 6,355% (maio/2005); 5,010% (abril/2006); 3,30% (março/2007); 5,0% (março/2008)." 4. Decisão fundamentada (fls. 30) concedeu prazo a A. para apresentação de declaração de impossibilidade de pagar custas e honorários advocatícios, o que foi cumprido (fls. 34). 5. Despacho fundamentado (fls. 36) deferiu os pedidos de justiça gratuita. 6. A citação foi realizada (fls. 37vº) consoante o CPC, art. 285. 7. A contestação tempestiva (fls. 39/54), acompanhada de documentos (fls. 55/87), argüiu preliminares de inépcia da inicial, de ausência de interesse processual e de prescrição; no mérito disse mais que as pretensões da A. não estão amparadas pelo ordenamento jurídico. 8. A impugnação igualmente tempestiva (fls. 93/99) rebateu as preliminares argüidas e quanto ao mérito reiterou os termos da inicial. 9. Autos conclusos (fls. 100). Relatados, DECIDO. 10. O caso admite julgamento antecipado na conformidade do que dispõe o CPC, art. 330, I. 11. Preliminarmente, rejeito as alegadas inépcia da inicial (fls. 41) e ausência de interesse processual (fls. 41/42); a primeira, porque tal petição está conforme o CPC, art. 282, tanto que possibilitou a defesa constante dos autos; e a segunda, porque essa matéria condiz com o próprio mérito e como tal será decidido. 12. No mérito, desacolho a alegada prescrição (fls. 43) porque os valores pretendidos enquadram-se no amplo conceito de verba alimentícia, de forma que prescrição somente alcançaria parcelas vencidas antes do qüinqüênio antecedente do ajuizamento da ação. 13. No mais, a A. comprovou apenas a condição de servidora pública aposentada da R. (fls. 13/23). 14. A R., por sua vez, demonstrou (fls. 39/54) que os proventos da A. estão enquadrados, rigorosamente, na previsão legal. 15. O índice de 3,5%, segundo a Lei nº 10.331/2001, improcede porque a remuneração de servidores públicos somente poderá ser fixada ou alterada por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso, com revisão geral anual sempre na mesma data e sem distinção de índices. 16. No mesmo sentido, expressa vedação da Súmula 339-STF, impede concessão do reajuste pretendido pela A., nem com base em isonomia, nem a título de revisão para recomposição de poder aquisitivo, pois isso teria que ocorrer simultaneamente para todos os servidores públicos, por via de lei específica. 17. Os índices aplicados aos segurados da Previdência Social nos percentuais de 4,53%, em junho/2004, de 6,355%, em maio/2005, de 5,010%, em abril/2006, de 3,30%, em março/2007 e de 5,0%, em março/2008, nos termos da Lei nº 10.887/2004, improcedem porque o art. 15 desta lei determinava que os proventos de aposentadoria e as pensões dos servidores públicos fossem reajustados na mesma data em que os benefícios do RGPS, mas não pelos mesmos índices. 18. Em se tratando de aposentadoria concedida antes da vigência da EC nº 41/2003, não incidem as Leis nºs 10.887/2004 e 11.784/2008, por força do artigo 7º da Emenda Constitucional nº 41/2003, pois em questões previdenciárias aplicam-se as normas vigentes ao tempo da reunião dos requisitos de passagem para a inatividade (ADI nº 3104/DF, STF, DJe-139, Divulg. em 08/novembro/2007, publicado em 09/novembro/2007, DJ de 09/novembro/2007, pág. nº 00029); assim, o direito daqueles que já estavam inativos ou que já havia implementado os requisitos exigidos para aposentadoria até a data da publicação da EC nº 41/2003, como a A., foi resguardado, de modo que seus proventos continuam a ser reajustados na mesma proporção e na mesma data em que modificada a remuneração dos servidores em atividade. 19. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 269, I, e demais legislação e jurisprudência referidas, rejeito os pedidos formulados pela A. MARIA DA GLÓRIA CABRAL LIMA em desfavor da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, com resolução de mérito, por falta de amparo legal. 20. Honorários advocatícios indevidos, em face da gratuidade judiciária deferida (fls. 36) à parte sucumbente, conforme a Lei nº 1.060/1950, art. 2º, V. 21. Custas ex lege. 22. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição. 23. P.R.I João Pessoa, 29/julho/2010 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

0006124-80.2008.4.05.8200 JANIFFER CELANI RODRIGUES DE ATAIDE (Adv. CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO, RODRIGO NOBREGA FARIAS, JALDEMIRO RODRIGUES DE A. JUNIOR, JORGE RIBEIRO COUTINHO G. DA SILVA, GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS, PAULO ROBERTO V. REBELLO FILHO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0006124-80.2008.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: JANIFFER CELANI RODRIGUES DE ATAIDE REU: UNIÃO C E R T I D Ã O Certifico que os presentes embargos à execução foram opostos no prazo legal. Dou fé. João Pessoa,02 de junho de 2010. Romulo Augusto de Aguiar Loureiro Diretor(a) de Secretaria C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos à MMª Juíza Federal Substituta da 1ª Vara. João Pessoa, 02 de junho de 2010. Romulo Augusto de Aguiar Loureiro Diretor(a) de Secretaria Processo:0006124-80.2008.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: JANIFFER CELANI RODRIGUES DE ATAIDE REU: UNIÃO Decisão: 1.R.H. 2. Defiro o pedido (fls. 285/288). 3. Corrijo a decisão (fls. 283, item 2) para onde se lê " Recebo a apelação (fls. 269/281) em seu duplo efeito (CPC, art. 520)" leia-se "Recebo a apelação (fls. 269/281) apenas no efeito devolutivo em relação à tulela antecipada e nos efeitos devolutivo e suspensivo em relação aos demais itens da sentença (fls. 249/252). 4. Intimem-se. 5. Sem manifestação, cumpra-se o item 4 da decisão (fls. 285/288). João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0002465-97.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x STAEL RAYANE CAROCA DA SILVA BARRETO (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0002465-97.2007.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO CERTIFICO que trasladei para estes autos cópias da sentença e despacho (fls. 54/57) proferidos nos Embargos à Execução nº 0008760-19.2008.4.05.8200, bem como desapensei-os destes. Dou fé. João Pessoa, 27/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 27/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos DESPACHO: 1- R.H. 2- Tendo em vista que a apelação nos Embargos à Execução nº 0008760-19.2008.4.05.8200 foi recebida apenas no efeito devolutivo (fls. 57), vista à Exequente para requerer o que entender de direito. 3- Sem manifestação, aguarde-se em sobrestamento o julgamento dos Embargos à Execução na Instância Superior. 4- Intime-se. João Pessoa, 29/07/2010 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0000014-94.2010.4.05.8200 ROSALVO ZÓSIMO BISPO JÚNIOR (Adv. STENIO SERGIO XAVIER TAVARES, DANIEL PACHECO MEDEIROS) x REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. ZILEIDA DE V. BARROS)

Processo: 14-94.2010.4.05.8200. Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Impte: ROSALVO ZÓSIMO BISPO JÚNIOR. Impdos: REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA. SENTENÇA Vistos etc. ROSALVO ZÓSIMO BISPO JÚNIOR, qualificado nos autos, impetrou mandado de segurança, c/c pedido de liminar, contra ato atribuído ao REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA objetivando anulação do concurso público para o cargo de Professor Universitário do Centro de Ciências da Saúde, objeto do Edital Reitor nº. 52/2009. 2. A petição inicial (fls. 03/12) veio aos autos acompanhada de procuração (fls. 13) e documentos (fls. 14/64), alegando principalmente o seguinte: "Em junho de 2009 teve início o concurso público realizado pela Universidade Federal da Paraíba, para o preenchimento de vagas de professor do Centro de Ciências da Saúde daquela instituição de ensino superior. (...) O impetrante se inscreveu regularmente no referido certame, tendo sua inscrição sido deferida, e efetivamente participou das provas da seleção, tendo sido desclassificado na última etapa do concurso. (...) Conforme o edital do concurso, a explícita área do concurso (área de conhecimento) é em Ortopedia e Traumatologia. Logo, dois professores doutores em Ortopedia e Traumatologia deveriam ter sido convocados para elaborar o programa. Isso não ocorreu. Com efeito, nesse particular nada disso foi respeitado, pois apenas um dos professores possuía titulação necessária, conforme declarado pelo próprio CONSEPE, no Parecer do Relator que examinou o primeiro recurso do impetrante". 3. A liminar foi indeferida por decisão (fls. 67) fundamentada, contra a qual foi interposto agravo (fls. 90/102). 4. Informações foram prestadas pelo impetrado REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (fls. 87/88) no prazo legal alegando, preliminarmente, que a legitimidade para figurar no pólo passivo desta ação seria do Presidente do CONSEPE e, no mérito, principalmente o seguinte: (...) Dificilmente o Departamento de Cirurgia lograria contar com docentes mais qualificados para elaborar o programa do concurso do que os Professores Doutores Jairo de Andrade Lima e Saulo monteiro dos Santos, ambos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), sendo o primeiro Doutor em Ortopedia e Traumatologia, desde 1995, pela Universidade Federal de São Paulo, e o segundo, Doutor em Cirurgia pela UFPE, desde 1966, com larga experiência em Cirurgia Traumatológica. Regularmente indicados e aprovados pelo Colegiado Departamento, como se comprova nos autos, os dois professores doutores possuem sobradas qualificações acadêmicas, científicas e profissionais para atender, sobretudo, ao que dispõe o caput do mesmo art. 18 da Resolução nº. 50/2007". 5. Petição da Universidade Federal da Paraíba apresentou petição informou que tem interesse em integrar a lide e alegou, preliminarmente, a ausência de citação dos candidatos aprovados e, no mérito, que a área exigida para a comissão do concurso é a de ciências médicas e que os membros dessa comissão tinham o conhecimento necessário para esse mister. 6. O MPF apresentou parecer (fls. 114/118) opinando pela denegação da segurança. Autos conclusos (fls. 119). Relatados, DECIDO. 7. Inicialmente, afasto a preliminar de ilegitimidade passiva, alegada pelo impetrado, pois o Presidente do CONSEPE é o próprio Reitor da UFPB, que foi notificado e apresentou informações (fls. 87/88), não tendo havido nenhum prejuízo ao impetrado; quanto ao chamamento dos aprovados no concurso, como litisconsortes passivos, mostrou-se desnecessária tendo em vista que não detêm direito à nomeação, mas apenas expectativa de direito, e contra eles não foi perpretada nenhuma acusação nem paira a imposição de qualquer pena. 8. No mérito, a questão se resume na validade, ou não, do concurso público para o cargo de Professor Universitário do Centro de Ciências Médicas da UFPB, objeto do Edital Reitor nº. 52/2009. 9. Os concursos públicos estão submetidos aos princípios e normas jurídicas, constitucionais e infraconstitucionais, que regem a Administração Pública em geral e a espécie em particular, como os princípios da legalidade, moralidade, isonomia, impessoalidade, razoabilidade e proporcionalidade, além da vinculação ao edital. 10. É possível a invalidação de concursos públicos, ou alguma de suas etapas, quando existirem vícios que evidenciem ilegalidade em seu procedimento. 11. O impetrante alegou que um membro da comissão de elaboração do programa do concurso público não preenchia os requisitos para esse múnus, pois não possuía doutorado na área de Ortopedia e Traumatologia. 12. A Resolução CONSEPE nº. 50/2007 estabelece: Art. 18 O programa do concurso deverá ter um sentido amplo e geral, com condições de aferir o conhecimento básico necessário ao exercício das atividades docentes na área do concurso, no nível correspondente à classe para a qual se fez a seleção. ......................................................................................... § 2º A elaboração do programa caberá a uma Comissão especialmente designada pelo Colegiado Departamental para tal fim, composta de 02 (dois) professores doutores, na área do concurso. 13. A norma transcrita, ao determinar a qualificação necessária ao docente para participar de órgão colegiado encarregado de elaborar programa de concurso, exige doutorado na "área do concurso", expressão cuja interpretação é de fundamental importância para o deslinde da questão; com efeito, essa expressão "na área do concurso" deve ser interpretada segundo sua acepção finalística, observando-se a harmonização sistêmica com os outros comandos normativos acerca do tema. 15. Quanto a isso, note-se o conteúdo do caput do artigo transcrito, que estabelece, para o programa do concurso, a meta de ter um sentido amplo e geral e medir o conhecimento básico necessário na "área do concurso", utilizando-se mais uma vez da mesma expressão. 16. O sentido da norma é evitar que pessoas sem conhecimentos no assunto tratado pelo concurso participem da elaboração do programa, causando impropriedades em prejuízo dos candidatos; não é admissível, pois, uma interpretação restritiva, tendo em vista que um concurso para professor da disciplina Ortopedia e Traumatologia não envolve apenas conhecimentos específicos em Ortopedia e Traumatologia, mas está sujeito a uma variação temática que envolve outros ramos afins da medicina em geral. 17. A expressão utilizada pela norma não quer dizer necessariamente que o integrante da comissão tenha de ter doutorado na especialidade médica para a qual o concurso é realizado, mas sim em medicina. 18. Por outro lado, o integrante da comissão mencionada que teve sua aptidão questionada, Saulo Monteiro dos Santos é, segundo os autos, doutor em cirurgia (com prática em cirurgia traumatológica), qualificação que tem estreita relação e elementos comuns com a Ortopedia e Traumatologia, o que leva a concluir pelo atendimento às regras do concurso e pela ausência de prejuízo aos candidatos, mormente se o certame é realizado pelo Departamento de Cirurgia, conforme edital (fls. 14). 19. Resumindo: os autos não têm elementos que apontem abuso, ilegalidade, desproporcionalidade ou inadequação capazes de invalidar o concurso referido. 20. Isto posto, com fundamento no CPC, art. 269, I, e demais legislação e jurisprudências referidas, denego a segurança requerida por ROSALVO ZÓSIMO BISPO JÚNIOR contra ato atribuído ao REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, porque ausente o alegado direito líquido e certo. 21. Honorários advocatícios incabíveis na espécie, conforme as Súmulas nºs 512-STF e 105-STJ. 22. Custas ex lege. 23. Decorrido o prazo legal sem recurso voluntário, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição. 24. P. R. I. João Pessoa, 16/07/2010 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara. 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0006024-91.2009.4.05.8200 OSWALDINA TAVARES DE MORAIS (Adv. EDNALDO DE LIMA, LUIZ GONZAGA BRANDAO, LUANNA MARA MACEDO DA COSTA NEVES, EREMILTON DIONISIO DA SILVA) x CHEFE DA 23ª CIRCUNSCRIÇAO DE SERVIÇO MILITAR (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIÃO FEDERAL (MINISTÉRIO DA DEFESA - EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. SEM PROCURADOR) x JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI (Adv. CARLOS NEVES DANTAS FREIRE, MARIA DO CARMO MARQUES DE ARAUJO)

Mandado de Segurança nº 6024-91.2009.4.05.8200 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Impetrante: OSWALDINA TAVARES DE MORAIS Impetrado: CHEFE DA 23ª CIRCUNSCRIÇÃO DE SERVIÇO MILITAR Litisconsortes passivos necessários: UNIÃO e JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI S E N T E N Ç A Vistos, etc. OSWALDINA TAVARES DE MORAIS impetrou mandado de segurança, com pedido de liminar, contra ato atribuído ao CHEFE DA 23ª CIRCUNSCRIÇÃO DE SERVIÇO MILITAR, objetivando a concessão de pensão por morte deixada por ex-companheiro, Luiz Madruga Bezerra Cavalcanti, em razão de união estável; requereu também prioridade na tramitação do feito. 2. Apontou como litisconsortes passivos necessários a UNIÃO e JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI. 3. A petição inicial (fls. 03/10) veio acompanhada de procuração (fls. 11) e documentos (fls. 12/226), dos quais merece especial destaque a medida cautelar de justificação nº 2008.82.00.006137-0 (fls. 12/226); dessa petição inicial consta, no que mais importa, o seguinte, textualmente: "(...) a impetrante manteve um relacionamento público, duradouro, contínuo "more uxório" sob o mesmo teto, como se casada fosse, durante 22 (vinte e dois) anos como senhor LUIZ MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI, Militar Reformado do Exército Brasileiro, portador do CNPF. 003.261.002-53, identidade EB - 0419058300, o qual, embora fosse casado civilmente com a senhora JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI, estava separado de fato da mesma, desde o ano de 1986. Que, os 22 (vinte e dois) anos de convivência que a impetrante manteve com o SR. LUIZ MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI, como se casado fosse, os 17 (dezessete) anos iniciais se materializou no endereço sito a Praça 1.817, nº 15, enquanto os últimos 5 (cinco) anos foram convividos no endereço sito a Av. Presidente Getúlio Vargas, nº 109, "Edifício Caricé" apartº. 1108, ambos, no centro da Cidade de João Pessoa/PB, cuja convivência, somente veio a dissolver-se após o falecimento do ex-companheiro, que se deu em data de 12 de março de 2008. Que, em sede de AÇÃO CAUTELAR DE JUSTIFICAÇÃO JUDICIAL que tramitou no Juízo da 3ª (Terceira) Vara Federal Circunscrição Judiciária de João Pessoa/PB - Processo nº 2008.82.00.006137-0 proposta contra a inventariante JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI e as filhas do falecido, ANA LUÍZA LOPES BEZERRA CAVALCANTI; ISABEL MARIA LOPES BEZERRA CAVALCANTI e MARIA NEIDE LOPES BEZERRA CAVALCANTI RAMOS, foi comprovada a UNIÃO ESTÁVEL entre a impetrante e o falecido Major LUIZ MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI. Que, a AÇÃO CAUTELAR DE JUSTIFICAÇÃO acima mencionada, diga-se de passagem, não sofreu qualquer IMPUGNAÇÃO e CONTRADITA dos sucessores hereditários e nem da UNIÃO FEDERAL, motivo pelo qual, foi devidamente homologada por sentença pelo Juízo Federal e, decorrido o prazo legal, foi entregue a justificante, ora impetrante. Que, provada a UNIÃO ESTÁVEL mediante JUSTIFICAÇÃO JUDICIAL, a justificante ora impetrante, OSVALDINA TAVARES DE MORAIS, protocolizou requerimento junto ao Chefe da 23ª Vigésima Terceira Circunscrição do Serviço Militar, em data de 26/06/2009 pleiteando a implantação da PENSÃO MILITAR, instrumentalizando o pedido com cópia de AÇÃO CAUTELAR DE JUSTIFICAÇÃO. Que, o Chefe da 23ª Vigésima Terceira Circunscrição do Serviço Militar - Gutemberg Souza dos Santos Tem. Cel. Em data de 08/07/2009 I N D E F E R I U o pedido da requerente, sob pálio de que a JUSTIFICAÇÃO JUDICIAL não serve para fazer prova da UNIÃO ESTÁVEL, e a via adequada seria AÇÃO DECLARATÓRIA DE UNIÃO ESTÁVEL, conforme se infere do documento anexo. Que, após o óbito do Major-Dentista - Reformado do Exército LUIZ MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI, o comando da supracitada unidade militar, concedeu administrativamente a PENSÃO MILITAR somente para esposa JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI, da qual, o "de cujus" já estava separado de fato há 22 (vinte e dois) anos, consequentemente fez vistas grossa para nova regulamentação que disciplina a união estável e negou o pedido da impetrante." (Os grifos são do original). 4. As custas iniciais foram pagas (fls. 227) segundo a Lei nº. 9.289/96, art. 14, I (RCJF). 5. Decisão fundamentada (fls. 230/231) indeferiu pedido de liminar, deferiu de prioridade na tramitação do feito, determinou à impetrante requerer a citação de JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI, para integração do pólo passivo da ação, e o envio dos autos à Distribuição para correção do nome da impetrante no termo de autuação; além disso, mandou notificar o impetrado para informações e a citação da UNIÃO para contestação; e determinou, também, a posterior vista dos autos ao MPF, como custos legis, por força do art. 10, da Lei nº 1.533/51; a propósito, essa decisão transitou em julgado. 6. As informações do impetrado vieram tempestivamente (fls. 238/239), acompanhada de documentos (fls. 243/260), contrariando a petição inicial e argüindo especialmente o seguinte: "De acordo com a documentação comprobatória constante na Pasta de Habilitação à Pensão Militar, inclusive a Declaração de Beneficiários do Militar [anexo], assinada pelo "de cujus" (o Sr. Cap. Refm. LUIZ MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI, Idt. Nr 041905830-0 EB, CPF Nr 003.261.002-53), em 31 de agosto de 2005, deixou as seguintes beneficiárias: a Sra. JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI (viúva) e ISABEL MARIA LOPES BEZERRA CAVALANTI, MARIA NEIDE LOPES BEZERRA CAVALCANTI RAMOS e ANA LUIZA LOPES BEZERRA CAVALCANTI (filhas). Conforme legislação da Força Terrestre (Portaria nº 086 do Departamento-Geral do Pessoal, de 13 de abril de 2009, aprovando as Normas Técnicas da Diretoria de Civis, Inativos e Pensionistas 2009) a Srª JANE LOPES, foi implantada como pensionista, pela Seção de Inativos e Pensionistas do Comando da 7ª Região Militar - 7ª Divisão de Exército (Av. Visconde de São Leopoldo, nº 198 - Engenho do Meio - Recife/PE), formalizada pelo Aditamento 001 - OP, ao Boletim Interno Nr 013, da 23ª CSM, em 02 de abril de 2008, com a cota-parte integral da pensão de Major. [anexo]." 7. Petição da impetrante (fls. 262) requereu a citação de JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI na qualidade de litisconsorte passiva necessária. 8. Decisão fundamentada (fls. 263) determinou a citação de JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI para integrar a lide na qualidade de litisconsorte passiva necessária e remessa dos autos ao Distribuidor para anotações cartorárias. 9. Petição da litisconsorte passiva necessária UNIÃO (fls. 264/270), argüiu preliminar de ilegitimidade passiva "ad causam", em razão do que pediu para integrar o feito "como interessada, ou assistente simples" (sic); no mérito, a denegação da segurança, alegando especialmente que: "É cediço que a via do mandado de segurança pressupõe provas pré-constituídas. No entanto, ao observar os argumentos expendidos na peça inicial, vê-se que o impetrante não logrou êxito ao comprovar que tinha uma relação união estável com o de cujus. O direito invocado, para ser amparado pela via do mandado de segurança, deveria vir expresso em norma legal e trazer em si todos os requisitos e condições de sua aplicação ao impetrante. Como o exercício do direito alegado depende de situações e fatos indeterminados e não comprovados, não há como se considerar viável a presente segurança. É oportuno esclarecer que a união estável, apta a gerar direitos é a convivência contínua, pública e duradoura entre um casal, como se casados fossem e assim serem tidos perante a sociedade; devendo haver, como requisito de primordial importância, a aparência de casamento, a affectio maritalis. Em síntese, o simples fato de morar o casal sob o mesmo teto não faz com que exista aí uma união estável, nos termos exigidos pela legislação pertinente para o seu reconhecimento." 10. Termo de retificação de distribuição foi exarado (fls. 276) pelo setor competente, conforme determinado (cnf. item 6, retro). 11. Petição da litisconsorte passiva necessária JANE LOPES BEZERRA CAVALCANTI (fls. 277/281), acompanhada de procuração (fls. 282) e documentos (fls. 283/288), pela improcedência do pedido sob o argumento principal de que: "(...) é, ou pelo menos deve ser, de conhecimento basilar que ação de Justificação, por sua natureza, não possui caráter contencioso, já que se trata apenas de um meio processual que visa produzir efeitos jurídicos relativos á conservação e ressalva de direitos. A referida ação de justificação visa apenas constituir provas, não sendo necessário o contraditório, devido a seu caráter de jurisdição voluntária, não adentrando no mérito da causa. (...) (...) a impetrante ingressou, no mesmo período, com Ação Ordinária de Reconhecimento de União Estável e Dissolução Causa Mortis C/C partilha de bens e pedido de pensão, desta feita, inadvertidamente contra o espólio do falecido Luiz Madruga Bezerra Cavalcanti, a qual encontra-se chancelada sob nº 200.2008.020.121-9 e ainda em trâmite perante a 1ª Vara de Família da Capital. Por essa razão, mesmo sabendo que não comportava contestação, naquela oportunidade, as convocadas ingressaram com Conflito de Competência, para que o Excelso Superior Tribunal de Justiça se manifestasse sobre quem seria o competente para decidir a questão, conforme comprovam os documentos em anexo, vale ressaltar que ainda não decidido." 12. Novo termo de retificação de distribuição foi exarado (fls. 304) pelo setor competente, conforme determinado (cnf. item 9, retro). 13. Parecer do MPF (fls. 306/309) foi pela denegação da segurança, com extinção do processo sem julgamento do mérito, alegando inexistir prova pré-constituída. 14. Autos conclusos (fls. 310). Relatados, DECIDO. 15. Preliminarmente, indefiro a alegada ilegitimidade passiva "ad causam" argüida pela litisconsorte passiva necessária UNIÃO (fls. 265), em razão do seu declarado interesse processual, á medida em que o impetrado agiu em seu nome; essa é, afinal, a dicção da nova lei do mandado de segurança, ou seja, a Lei nº 12.016/2009, no art. 7º, II, de forma que a forma de intervenção, nesta hipótese, é irrelevante, especialmente porque a assistência pode ser simples ou litisconsorcial. 16. O mérito propriamente dito deste mandamus, todavia, não pode ser apreciado porquanto a impetrante não preconstituiu prova do seu pretenso direito líquido e certo; na realidade, a justificação judicial (fls. 12/226), por sua própria natureza um procedimento não contencioso, com que instruiu a petição inicial desta ação mandamental (fls. 03/10) não se presta para assegurar o alegado direito líquido e certo. 17. "Para mim, o "direito líquido e certo" traduz uma especialíssima forma como os fatos - que moldam o pedido (a pretensão material) do impetrante - se apresentam em juízo, pondo o juiz em condições de se inteirar deles e deles extrair, de imediato, com base na prova preconstituída, as conseqüências que a ordem jurídica material lhes atribui. No fundo, o conceito de direito líquido e certo se prende a um elevado grau de probabilidade de que, dos fatos alegados (acontecimentos fáticos) pelo impetrante, resultem os efeitos jurídicos moldados pelo direito (subjetivo) invocado, fazendo nascer para o seu titular o direito a uma tutela pronta e eficaz em sede jurisdicional, sem a necessidade de dilação probatória. (...) Em mandado de segurança, a petição inicial retrata, na verdade, não propriamente um direito líquido e certo, mas uma alegação de ofensa a um direito líquido e certo, que, na exposição unilateral do impetrante, e em face da prova documental (preconstituída) que a acompanha, revela um fato com elevado grau de probalidade, que, se não for contrariado pelas informações prestadas pela autoridade coatora, ou pela defesa da pessoa jurídica interessada, fará emergir um verdadeiro direito líquido e certo tutelável pelo writ." (Comentários à nova lei do mandado de segurança - Lei 12.016/09./ J. E. Carreira Alvim./ 1ª ed. (ano 2009), 1ª reimpr./Curitiba: Juruá, 2010, pág. 27). 18. Isto posto, com fundamento na Lei n.º 12.016/2009, art. 10, § 1º, e no CPC, art. 267, inc. I, indefiro a inicial e extingo o processo sem resolução de mérito, por inadequação da via eleita, ressalvadas as vias ordinárias para a defesa do pretendido direito. 19. Sem honorários advocatícios, porque incabíveis na espécie (Súmula 105-STJ). 20. Transitada em julgado, baixa e arquivamento. 21. Custas ex lege 22. P.R.I. João Pessoa, 28/maio/2010 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

MEDIDA CAUTELAR DE EXIBIÇÃO

   

0005484-09.2010.4.05.8200 FRANCISCO JOSUE DE FREITAS FILHO (Adv. ALEXANDRE GOMES BRONZEADO, ANDRE GOMES BRONZEADO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE)

PROCESSO Nº 0005484-09.2010.4.05.8200 - CLASSE 137 VISTOS EM DECISÃO: 1- R.H. 2- O artigo 4º da Lei nº 1060/50 foi parcialmente revogado pela Lei nº 7.115/83, art. 1º (LICC, art. 2º, § 1º) que passou a exigir para fins de prova de pobreza que o(a)(s) requerente(s) declare(m)essa condição pessoalmente ou através de procurador com poderes especiais. 3- Desta forma, não obstante a procuração (fls. 05) outorgue ao(à)(s) advogado(a)(s) poder para firmar compromisso, essa cláusula, dado o seu caráter genérico, não sugere a exigência específica quanto à necessidade de poder especial para declarar a condição de hipossuficiência financeira da parte, mormente considerando a previsão legal de que a referida declaração seja firmada com menção expressa da responsabilidade do declarante, conforme a mesma Lei nº 7.115/83, art. 3º. 4- Isto Posto, concedo o prazo de 10 (dez) dias para que o(a)(s) A.(AA.) apresente(m), pessoalmente, ou através de procurador com poderes especiais, "sob as penas da lei", declaração de que não se encontra(m) em condições de pagar as custas do processo e os honorários advocatícios, sem prejuízo próprio ou de sua família. 5- O não cumprimento da determinação acarretará o indeferimento do pedido de assistência judiciária gratuita, caso em que o(a) A. deverá pagar as custas iniciais do processo no prazo legal, mediante guia de recolhimento a ser fornecida pela Secretaria da vara, sob pena de cancelamento da distribuição do feito, conforme o CPC, art. 257. 6- Intime(m)-se. João Pessoa, 29/07/2010 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0003897-83.2009.4.05.8200 HENRIQUE FRANCISCO MAIA TAVARES (Adv. FABIANO BARCIA DE ANDRADE) x UNIAO (MINISTERIO DO TRABALHO) (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação Ordinária nº 2009.82.00.003897-1 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor: HENRIQUE FRANCISCO MAIA TAVARES Ré: UNIÃO S E N T E N Ç A Vistos, etc. HENRIQUE FRANCISCO MAIA TAVARES propôs ação ordinária de cobrança em desfavor da UNIÃO objetivando a revisão dos seus vencimentos com a incidência dos índices de 28,86%, conforme a Lei nº 8.622/93, de 3,17%, conforme na Lei nº 8.880/94, e com os índices aplicados aos segurados da Previdência Social nos percentuais de 4,53%, em junho/2004, de 6,355%, em maio/2005, de 5,010%, em abril/2006, de 3,30%, em março/2007 e de 5,0%, em março/2008, conforme a Lei nº 10.887/2004, mais o recálculo de gratificações, pagamento dos atrasados, juros de mora, correção monetária e honorários advocatícios de 20% sobre o total que for encontrado, nos termos do CPC, art. 20, § 3º. 2. Requereu também justiça gratuita e prioridade na tramitação do feito. 3. A petição inicial (fls. 03/19) veio acompanhada de procuração (fls. 20) e documentos (fls. 21/24) e expôs no que mais importa, o seguinte, textualmente: "A parte autora era regida pelo Regime Jurídico Único, sob amparo da Lei nº 8.112/90, que contém regras próprias do Direito Público. Ademais, percebia além do salário base, outras gratificações, tais como: anuênios, Vantagens do art. 184 da Lei n. 1.711/52, Gratificação de Atividade Executiva - GAE, Gratificação de Desempenho de Atividade Técnico Administrativa - GDATA, Gratificação de Atividade Técnico Administrativa e de Suporte - GDPGTAS, Vantagem Pecuniária Individual. Porém, o Poder Executivo Federal, de acordo com as lideranças políticas do Congresso Nacional, desrespeitando o princípio da ISONOMIA insculpido na Carta Magna, concedeu vários reajustes de remuneração aos militares, discriminando - os dos servidores públicos civis, conforme se vê da Lei nº 8.622, de 19.01.93, que beneficiou os militares com o índice de 28,86% (vinte e oito vírgula oitenta e seis) por cento, como também ocorreu com a Lei n. 8.880/94 que estatuiu em seu artigo. O reajuste no percentual de 3,17%, a partir de 01/01;1995, discriminando ostensivamente, através de uma fraude legislativa, pois os servidores públicos civis na da receberam neste sentido. Ademais, os servidores públicos civis foram obrigados a ingressar com algumas ações ordinárias que tiveram desfecho favorável junto ao Colendo Supremo Tribunal Federal que determinou o pagamento igualitário de 28,86% e 3, 17% aos servidores públicos civis, em igualdade de condições com os servidores militares. (.........................................................................................................................) (...) o Poder Executivo Federal, CONCEDEU VÁRIOS REAJUSTES tão somente para os proventos dos segurados e pensionistas do Regime Geral de Previdência Social, deixando de lado os servidores públicos federais e as pensionistas, o que caracteriza ERRO MATERIAL, pois os funcionários públicos civis e pensionistas foram incluídos no Sistema Único de Previdência Social pela EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41/2003 que prevê o reajustamento salarial na mesma data e valor, com base no princípio da anualidade, que constitui o decantado PRINCÍPIO DA ISONOMIA. A discriminação perpetrada contra os servidores públicos federais civis e pensionistas viola frontalmente a Lei nº 10.887/2004, a qual prescreve que o reajuste deve ser na mesma data e índice em que se der o reajuste dos benefícios aos segurados e pensionistas do Regime Geral de Previdência Social, valendo esclarecer que a Orientação Normativa do Ministério da Previdência Social nº 03/2004, estabeleceu que o reajuste salarial deve ser de acordo com a variação do Índice definido em Lei pelo ente federativo e na ausência deste pelo mesmo índice aplicado ao reajustes dos benefícios do Regime Geral da Previdência Social." 4. Decisão fundamentada (fls. 26) deferiu os pedidos de justiça gratuita e de prioridade na tramitação do feito e determinou a intimação do A. para justificar o valor atribuído à causa. 5. Petição do A. (fls. 29) justificou o valor dado à causa alegando no que mais importa o seguinte, textualmente: "Conforme o pedido, somando-se todos os valores chega-se a 56,22% (cinqüenta e seis vírgula vinte e dois por cento), multiplicando-se pelo valor que percebe o autor, chega-se a R$1.992,10 (hum mil, novecentos e noventa e dois reais e dez centavos), que multiplicando por 12 (doze) meses chega-se a R$23.905,26 (vinte e três mil, novecentos e cinco reais e vinte e seis centavos), que multiplicando-se por 05 (cinco) anos, chega-se a R$ 119.526,36 (Cento e dezenove mil, quinhentos e vinte e seis reais e trinta e seis centavos). Sendo assim excelência, os valores poderão chegar ao valor de R$ 119.526,36 (Cento e dezenove mil, quinhentos e vinte e seis reais e trinta e seis centavos)." 6. Despacho (fls. 30) determinou a citação. 7. A citação foi realizada (fls. 31vº) consoante o CPC, art. 285. 8. A contestação tempestiva (fls. 33/47), acompanhada de fichas financeiras entre os anos 2000 e 2008 (fls. 48/68), argüiu preliminares de ausência de interesse processual dos índices de 3,17% e 28,86% e de prescrição; no mérito disse mais que as pretensões do A. não estão amparadas pelo ordenamento jurídico. 9. A impugnação igualmente tempestiva (fls. 74) reiterou os termos da inicial. 10. Autos conclusos (fls. 75). Relatados, DECIDO. 11. O caso admite julgamento antecipado na conformidade do que dispõe o CPC, art. 330, I. 12. Quanto à preliminar de prescrição (fls. 37/40), o Dec. nº 20.910/1932, art. 1º, dispõe que as dívidas bem como todo e qualquer direito ou ação contra a fazenda federal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos, contados da data do ato ou fato do qual se originarem; com efeito, não formulada pretensão contra a Fazenda Pública naquele prazo, o interessado perde o direito à tutela judicial contra a alegada violação de seu direito. 13. Quanto à alegada ausência de interesse processual dos índices de 3,17% e 28,86% (fls. 34//37) indefiro porque essa matéria condiz com o próprio mérito e como tal será decidido. 14. No mérito propriamente dito, o A. comprovou apenas a condição de servidor público aposentado do Ministério do Trabalho e Emprego (fls. 22). 15. A R., por sua vez, demonstrou (fls. 33/47) que os proventos do A. estão enquadrados, rigorosamente, na previsão legal. 16. O índice de 28,86% não tem natureza de trato sucessivo e, além disso, o reconhecimento administrativo da dívida deu-se em ato único, razão pela qual a prescrição atingiu o próprio fundo do direito, sendo inaplicáveis as disposições da Súmula 85 do STJ à hipótese dos autos. 17. Quer dizer, a MP nº. 1.704, de 30/junho/1998, que estendeu aos servidores públicos civis o reajuste de 28,86%, importou em renúncia tácita à prescrição, tendo havido a renúncia do lustro prescricional com o reconhecimento do direito ao reajuste de 28,86% na via administrativa aos 30/junho/1998, o prazo prescricional voltou a fluir por inteiro, expirando-se aos 30/junho/2003 (AC nº 484665, TRF - 5ª Região, DJE de 29/janeiro/2010, pág. 208). 18. O reajuste de 3,17%, restou incorporado aos proventos do A. a partir de dezembro/2002 (fls. 53), por ter sido reconhecido pela R., caracterizando, assim, como renúncia da administração da prescrição das parcelas já atingidas pela mesma, ou seja, interrupção da prescrição; com recomeço da contagem do prazo prescricional a partir de dezembro/2002, data do reconhecimento administrativo, é forçoso é reconhecer o decurso do prazo prescricional para propositura da lide, já que a ação foi ajuizada em 25/maio/2009, ou seja, mais de 05 (cinco) anos. 19. Demonstrada, assim, a limitação dos reajustes em junho/2003 e dezembro/2002, e tendo em vista que a ação foi ajuizada em 25/maio/2009 (fls. 02), cumpre acolher a prescrição do próprio fundo de direito referentemente aos índices de 28,86% e de 3,17%. 20. Os índices aplicados aos segurados da Previdência Social nos percentuais de 4,53%, em junho/2004, de 6,355%, em maio/2005, de 5,010%, em abril/2006, de 3,30%, em março/2007 e de 5,0%, em março/2008, nos termos da Lei nº 10.887/2004, improcedem porque o art. 15 desta lei determinava que os proventos de aposentadoria e as pensões dos servidores públicos fossem reajustados na mesma data em que os benefícios do RGPS, mas não pelos mesmos índices. 21. Em se tratando de aposentadoria concedida antes da vigência da EC nº 41/2003, não incidem as Leis nºs 10.887/2004 e 11.784/2008, por força do artigo 7º da Emenda Constitucional nº 41/2003, pois em questões previdenciárias aplicam-se as normas vigentes ao tempo da reunião dos requisitos de passagem para a inatividade. (ADI nº 3104/DF, STF, DJe-139, Divulg. em 08/novembro/2007, publicado em 09/novembro/2007, DJ de 09/novembro/2007, pág. nº 00029); assim, o direito daqueles que já estavam inativos ou que já havia implementado os requisitos exigidos para aposentadoria até a data da publicação da EC nº 41/2003, como o A., foi resguardado, de modo que seus proventos continuam a ser reajustados na mesma proporção e na mesma data em que modificada a remuneração dos servidores em atividade. 22. Por fim, não é inconstitucional a MP nº 431/2008, que resultou na conversão da Lei nº 11.784/2008, porque a obrigatoriedade do reajuste dos proventos e aposentadoria dos servidores públicos pelo mesmo índice e na mesma data em que se der o reajuste dos benefícios do RGPS está de acordo com a EC nº 41/2003, art. 2º. 23. Isto posto, fundamentado no CPC, arts. 219, § 5º, e 269, I e IV, e demais legislação e jurisprudência referidas, reconheço, de ofício, a prescrição do fundo do direito em relação à incidência das vantagens de 28,86% e de 3,17% e rejeito os demais pedidos formulados por HENRIQUE FRANCISCO MAIA TAVARES em desfavor da UNIÃO, com resolução de mérito, por falta de amparo legal. 24. Honorários advocatícios indevidos, em face da gratuidade judiciária deferida (fls. 26) à parte sucumbente, conforme a Lei nº 1.060/1950, art. 2º. 25. Custas ex lege. 26. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição. 27. P.R.I João Pessoa, 29/julho/2010 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

0010687-54.2007.4.05.8200 CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMOVEIS DA 21ª REGIAO-PB (Adv. ITAMAR GOUVEIA DA SILVA) x TAP-TRANSPORTE AEREO PORTUGAL (Adv. DIEGO GALDINO DA SILVA MELO, ADAIR BORGES COUTINHO NETO, ADILSON DE QUEIROZ COUTINHO FILHO, THIAGO CARTAXO PATRIOTA, ARISTIDES JOSÉ CAVALCANTI BATISTA, EDUARDO FRAGOSO DOS SANTOS, LUCIANA CARMELIO SILVA, ROBERTO CAVALCANTI BATISTA, GUSTAVO CESAR DE SOUTO RAMO OLIVEIRA) x FENICIA VIAGENS E TURISMO LTDA (Adv. EDUARDO HENRIQUE FARIAS DA COSTA, LUIZ ALBERTO MOREIRA COUTINHO NETO)

Processo:0010687-54.2007.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMOVEIS DA 21ª REGIAO-PB REU: TAP-TRANSPORTE AEREO PORTUGAL e outro CERTIDÃO Certifico que as contestações (fls.34/60) e (fls.62/95), respectivamente da FENÍCIA VIAGENS E TURISMO LTDA e TAP- TRANSPORTE AÉREO PORTUGAL, ingressaram em Juízo no prazo legal. João Pessoa, 23 de julho de 2010. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 08, vista à parte autora, no prazo de 10 (dez) dias, para impugnar as Contestações. João Pessoa, 23 de julho de 2010 RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 23 de julho de 2010. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000297-54.2009.4.05.8200 ESPOLIO DE JAIME GOMES DE BARROS REP POR MARIA DO SOCORRO BATISTA MEDEIROS BARROS (Adv. JAIME GOMES DE BARROS JUNIOR, CHRISTIANA MEDEIROS BARROS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L SEÇÃO DA PARAÍBA AÇÃO ORDINÁRIA - Classe 29 Processo nº 2009.82.00.000297-6 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a)(es): ESPÓLIO DE JAIME GOMES DE BARROS, representado pela cônjuge sobrevivente MARIA DO SOCORRO BATISTA MEDEIROS BARROS Ré(u)(s): CAIXA ECONÔMICA FEDERAL-CEF S E N T E N Ç A Vistos, etc... A representante do autor, devidamente intimada, por 02 (duas) vezes, através de seus advogados, pelo Diário da Justiça do Estado dos dias 07/06/2009 (fls. 14) e 28/01/2010 (fls. 32), para comprovar a sua qualidade de inventariante, ou, na falta de inventário ou arrolamento, trazer certidão da Justiça Estadual do último domicílio do (a) falecido(a), dando conta dessas circunstâncias, sob pena de indeferimento da inicial, deixou transcorrer o prazo concedido sem manifestação, conforme certidão (fls. 34). 2 Isto posto, indefiro a petição inicial e declaro extinto o presente feito, sem julgamento do mérito da causa, nos termos do art. 584, § único c/c o art. 267, incisos I, III, IV e VI, e art. 295, III, ambos do CPC. 3 Decorrido o prazo para recurso, baixa e arquivem-se. 4 P.R.I. João Pessoa, 30/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara

   

0001862-87.2008.4.05.8200 CELINA MARIA DE SOUZA (Adv. LEOPOLDO WAGNER ANDRADE DA SILVEIRA, RAMON DANTAS CAVALCANTE) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2008.82.00.001862-1 Autora: Celina Maria de Souza Réu: Instituto Nacional de Seguro Social - INSS Código Assessoria n.º S211 Sentença Tipo "C" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por CELINA MARIA DE SOUZA, devidamente qualificada na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, por meio da qual pleiteia a correção da pensão por morte deixada pelo ex-soldado da Polícia Militar do Estado da Paraíba, para que esta passe a corresponder a 100% dos vencimentos/proventos que este receberia se estivesse na ativa. 02.- Das razões apresentadas na sua inicial, extrai-se que a autora recebe pensão por morte deixada por Gerson Rodrigues de Souza, ex-soldado da Polícia Militar do Estado da Paraíba, cujo valor deveria ser de R$ 1.050,00 (um mil e cinqüenta reais), equivalente ao que o instituidor da pensão receberia se estivesse vivo, mas o Instituto Nacional do Seguro Social somente lhe pagava R$ 326,00 (trezentos e vinte e seis reais). 03.- Com a inicial, vieram os documentos de fls. 12/17. 04.- A decisão de fl. 20 deferiu os benefícios da assistência judiciária gratuita. 05.- Devidamente citado, o INSS apresentou contestação (fls. 23/29), alegando: a) a falta de interesse de agir da autora, na medida em que não há pretensão resistida no caso, uma vez que a autora não requereu nenhuma revisão de benefício ao órgão previdenciário; b) a prescrição das parcelas anteriores aos cinco anos que antecederam a propositura desta ação; c) a ilegitimidade passiva do INSS para pagamento das diferenças, pois a Polícia Militar do Estado da Paraíba tem regime previdenciário próprio; d) por último, a autora recebe pensão por morte do ramo de atividade industriário, sob a forma de filiação de empregado, com Data Inicial do Benefício - DIB em 30.08.1964. 06.- Em impugnação à contestação (fls. 33/42), a autora aduziu que não é necessário ter feito requerimento administrativo em face do princípio da inafastabilidade da prestação jurisdicional; afirmou que, caso acolhida a prescrição, estar-se-ia aceitando o enriquecimento ilícito do réu e que seja então deferido danos morais e materiais; alegou, ademais, que o INSS é parte legítima por se tratar da entidade pagadora do benefício da autora; por derradeiro, argumentou que o documento de fl. 29 não deve ser considerado posto não ser inerente a lide. 07.- Em fase de especificação de provas, apenas a autora manifestou-se (fl. 47), oportunidade na qual requereu o julgamento antecipado da lide. 08.- Era o que merecia ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 09.- No caso presente, verifica-se, de pronto, que não houve requerimento administrativo prévio do benefício. 10.- Não houve, portanto, negativa formal da parte ré ao pedido veiculado pela parte autora, tanto mais quando se considera que, em sede de contestação, a autarquia previdenciária limitou-se a pugnar pela extinção do feito por carência de ação em decorrência da falta de interesse de agir, não se manifestando quanto ao aspecto meritório da demanda. 11.- Não tendo havido pleito administrativo formal, muito menos recusa a ele, não há interesse de agir, na modalidade necessidade, eis que não configurada lide. 12.- Perceba-se que não se trata aqui de inexistência de exaurimento prévio da via administrativa, de onde a recusa ou o retardo na apreciação poderiam configurar a pretensão resistida ensinada por CARNELLUTTI, o que descabido pelo princípio da inafastabilidade da jurisdição (art. 5º, XXXV da Constituição Federal) e pela Súmula nº. 213 do extinto Tribunal Federal de Recursos (O exaurimento da via administrativa não é condição para a propositura de ação de natureza previdenciária). 13.- A hipótese em cotejo é de absoluta inexistência de pedido formal na esfera administrativa. 14.- Mostra-se inexistente, assim, o litígio, sob pena de transformar-se o Judiciário diretamente em órgão administrativo de apreciação originária de concessão, ou não, de benefícios previdenciários. 15.- Nesse sentido, posiciona-se a jurisprudência pátria, a exemplo dos seguintes julgados: PROCESSUAL CIVIL. CARÊNCIA DE AÇÃO POR FALTA DE INTERESSE DE AGIR. PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR IDADE. FALTA DE PEDIDO ADMINISTRATIVO. DISSÍDIO COM A SUM. 213-TFR E 9-STJ. NÃO OCORRENTE. 1. Se a interessada, sem nenhum pedido administrativo, pleiteia diretamente em juízo benefício previdenciário (aposentadoria por idade), inexiste dissídio com a Sum. 213 - TRF e com a 9 - STJ ante a dessemelhança entre as situações em cotejo, porquanto ambas tratam do exaurimento da via administrativa e não da ausência total de pedido naquela esfera. Correto o julgado recorrido ao fixar a ausência de uma das condições da ação - interesse de agir - porquanto, à míngua de qualquer obstáculo imposto pela autarquia federal (INSS), não se aperfeiçoa a lide, doutrinariamente conceituada como um conflito de interesses caracterizado por uma pretensão resistida. 2. Recurso especial não conhecido. (REsp. n.º 147.186, rel. o em. Min. Fernando Gonçalves, DJ 06/04/1998, p. 179). PROCESSUAL CIVIL. CARÊNCIA DE AÇÃO POR FALTA DE INTERESSE DE AGIR. PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR IDADE. FALTA DE PEDIDO ADMINISTRATIVO. 1 - A ausência total de pedido na via administrativa, ingressando a segurada, diretamente, na esfera judiciária, visando obter benefício previdenciário (aposentadoria por idade), enseja a falta de uma das condições da ação - interesse de agir - pois, à míngua de qualquer obstáculo imposto pela autarquia (INSS), não se aperfeiçoa a lide, doutrinariamente conceituada como um conflito de interesses caracterizado por uma pretensão resistida. 2 - Recurso especial conhecido e provido para extinguir o feito sem julgamento de mérito (art. 267, VI, do CPC). - Grifos ausentes no original. (STJ, 6ª T., REsp. n.º 151.818, rel. o em. Min. Fernando Gonçalves, DJ 30/03/1998, p. 166). 16.- Ainda, aresto do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em interpretação a contrario sensu: PROCESSUAL CIVIL. PREVIDENCIÁRIO. CARÊNCIA DE AÇÃO. INEXISTÊNCIA. APLICAÇÃO DO ART. 515, PARÁGRAFO 3º DO CPC. CONVERSÃO DE APOSENTADORIA PROPORCIONAL EM APOSENTADORIA INTEGRAL. POSSIBILIDADE. CORREÇÃO MONETÁRIA. APLICAÇÃO DA LEI Nº 6.899/81 E LEGISLAÇÃO POSTERIORES. SÚMULA 71 - EXTINTO TFR. INAPLICABILIDADE. 1. O comando do art. 5º, XXXV, da CF não é violado ao exigir o julgador o prévio requerimento administrativo em via administrativa, de modo a comprovar lesão a direito, sem, contudo, exigir o seu exaurimento, logo não se pode falar em carência de ação. (grifei) 2. Há de aplicar-se ao caso o art. 515, parágrafo 3º do CPC por tratar a matéria exclusivamente de direito, sendo despiciendo o retorno dos autos à primeira instância para julgamento, em homenagem ao princípio da economia processual. 3. In casu, restando provado o direito do autor, deverá o INSS após a conversão do tempo especial, somar o tempo de serviço comum para concessão da aposentadoria requerida. 4. Preliminar rejeitada. 5. Tratando-se de dívida de valor, face ao caráter alimentar da verba, a correção monetária há de ser aplicada de forma plena, desde o seu vencimento (RE 76.653-RS, STJ, Rel. Min. Edson Vidigal) aplicando-se à hipótese a lei 6.899/81. Pacífica a jurisprudência no sentido de não ser mais aplicada a súmula 71 do extinto TFR, após a edição da lei 6.899/81. 6. Apelação provida. (TRF da 5ª Região, 2ª T., AC 218.125-AL, Rel. Petrúcio Ferreira, DJ 27/01/2003, p. 607). 17.- Dessa maneira, impõe-se a extinção do feito sem resolução de mérito, com base no art. 267, VI do Código de Processo Civil, eis que carecedora do direito de ação a parte demandante. 18.- Além do mais, a petição inicial traz causa de pedir inválida, na medida em que o tempo todo alude a certa pensão de policial militar, a qual nada tem a ver com a pensão efetivamente recebida pela autora, nos termos do documento de fl. 29. A demanda, portanto, não foi posta de modo a que se possa analisar-lhe o mérito. III DISPOSITIVO 19.- Em face do exposto, extingo o processo sem resolução de mérito, nos termos do artigo 267 do Código de Processo Civil. 20.- Condeno a parte autora nos honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), nos termos do art. 20, § 4.º do CPC, ficando, todavia, o pagamento condicionado aos termos do art. 11, § 2.°, da Lei n.º 1.060/50. 21.- Sem condenação em custas, haja vista a isenção prevista no art. 4.º, inc. II, da Lei n. 9.289/96. P.R.I. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 Fls.____ 1

   

0001885-33.2008.4.05.8200 JOAO RAIMUNDO DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2008.82.00.001885-2 Autor: João Raimundo da Silva Réu: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Código Assessoria n.º DDC134 D E C I S Ã O 01.- Secretaria, intime a parte impetrante, através de seu il. patrono, para que venha aos autos e, no prazo de 10 dias, comprove haver feito o requerimento administrativo, bem como apresente documentos que permitam inferir-se acerca da DER e da data do indeferimento administrativo, a fim de que este Juízo possa avaliar a presença de interesse processual, bem como fazer o cálculo do valor da causa com relação à pretensão relacionada, exclusivamente, à concessão do amparo assistencial. 02.- Deve ser enfatizado, mais uma vez, que, ao contrário do que ocorre no âmbito da Justiça Estadual, a competência do JEF é absoluta e por isso este Juízo deve zelar pela sua rigorosa observância. 03.- Decorrido o prazo supra, venham-me os autos conclusos, de imediato. 04.- Intime-se. 05.- Cumpra-se com urgência. João Pessoa, 27 julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF Fl._____ 1

   

0002247-64.2010.4.05.8200 JOÃO BOSCO GOMES E OUTROS (Adv. JOSE SOARES DE LIMA, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 0002247-64.2010.4.05.8200 Autor: JOÃO BOSCO GOMES e Outros Ré: FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA S E N T E N Ç A I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, proposta por JOÃO BOSCO GOMES, JOÃO CONSTANTINO DE ANDRADE, JOCILENE GOMES DE QUEIROZ e JOSÉ SOARES DE LIMA, em face da FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA, objetivando a implantação do percentual de 3,65%, 3,65%, 3,65% e 3,67%, respectivamente, referente a diferença a menor na aplicação do índice de 28,86%, concedido pela Lei nº 8.627/93, e os índices de 24,32%, 24,32%, 24,32% e 24,30%, respectivamente, efetivamente aplicado, e o pagamento das diferenças apuradas, devida a partir de 1º de janeiro de 1993, e seus consectários legais; c/c pedido de assistência judiciária gratuita. 02.- Os autores atribuíram (fl. 16) o valor de R$ 31.000,00 (trinta e um mil reais) à causa. 03.- Mesmo tratando-se de ação proposta por vários autores (04 ao todo), a quantia individualmente devida pela FUNASA, pro-rata, importaria, em valores de R$ 7.750,00 (sete mil, setecentos e cinqüenta reais) para cada autor, o que não justificaria o valor de R$ 31.000,00 (trinta e um mil reais) dado à causa. 04.- Era o que comportava expor. II FUNDAMENTAÇÃO 05.- A competência do juízo para apreciar a demanda é pressuposto processual de validade, e, por isso, é sempre questão prejudicial a ser contemplada pelo magistrado, quando do conhecimento de qualquer pretensão exposta em juízo. 06.- Convém, portanto, julgar se esta Vara Federal é competente para apreciar o pedido deduzido à inicial. 07.- O art. 260 do CPC dispõe que, quando o pedido versar sobre prestações vencidas e vincendas, deverão ser considerados valores de umas e outras, sendo que o valor das prestações vincendas será igual a uma prestação anual, se a obrigação for por tempo indeterminado, ou por tempo superior a 1 (um) ano, como na hipótese dos autos. 8.- O valor do salário mínimo em vigor na data da propositura da ação (26 de março de 2010 - fl. 03), correspondia a R$ 510,00 (quinhentos e dez reais), consoante a Lei n.º 11.498/2007, revogada pela Lei nº 11.709/2008, razão pela qual o valor máximo estipulado para fins de alçada do JEF, no montante de 60 salários mínimos, equivalia, naquela ocasião, a R$ 30.600,00 (trinta mil e seiscentos reais). 09.- Assim, considerando-se que o valor atribuído à causa (fls. 16) pelos autores e o resultado da divisão do valor inicialmente estimado da causa R$ 31.000,00 (trinta e um mil reais) pelo número de litisconsortes ativos, no total de 04 (quatro), é menor que 60 (sessenta) salários mínimos, alcançando a quantia de R$ 7.750,00, é forçoso reconhecer que o valor da causa não alcança o limite de sessenta salários mínimos previsto no art. 3º da Lei nº 10.259/2001, evidenciando a competência absoluta do Juizado Especial Federal Cível, nos termos do art. 3º da Lei n° 10.259/2001. 10.- Em tais termos, considerando-se que o valor da causa não ultrapassa a quantia equivalente a 60 (sessenta) salários mínimos, infere-se, sem maiores delongas, que o juízo competente para apreciar a matéria em deslinde é a 7ª Vara Federal, haja vista a competência absoluta prevista legalmente aos processos de sua alçada, possibilitando, assim, a declinação de ofício. 11.- Imperioso, nesse ponto, transcrever o seguinte artigo da Lei n.º 10.259, de 12 de Julho de 2001: Art. 3º. Compete ao Juizado Especial Federal Cível processar, conciliar e julgar causas de competência da Justiça Federal até o valor de sessenta salários mínimos, bem como executar as suas sentenças. [...] § 3º. No foro onde estiver instalada Vara do Juizado Especial, a sua competência é absoluta. (grifei) III CONCLUSÃO 12.- Ante o exposto, INDEFIRO a inicial e EXTINGO o presente feito movido por JOÃO BOSCO GOMES, JOÃO CONSTANTINO DE ANDRADE, JOCILENE GOMES DE QUEIROZ e JOSÉ SOARES DE LIMA em face da FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE - FUNASA, com fulcro no art. 267, I do Código de Processo Civil. 13.- Defiro o pedido de assistência judiciária gratuita, nos termos da Lei n.º 1.060/50. 14 - Sem honorários advocatícios de sucumbência por não ter ocorrido a triangularização da relação jurídica processual. 15 - Havendo requerimento da parte autora, desentranhem-se os documentos que instruem os autos. 16 - Transitada em julgado sem recurso, ao distribuidor para baixa e arquivamento desde logo. P.R.I. João Pessoa, 30/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB 3

   

0002433-58.2008.4.05.8200 CLEONICE FERNANDES DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2008.82.00.002433-5 Autor(a): Cleonice Fernandes da Silva Réu: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Código Assessoria n.º DDC135 D E C I S Ã O 01.- Trata-se de ação ordinária, através da qual a parte autora pretende seja o instituto réu compelido a revisar benefício previdenciário, pagar as diferenças eventualmente decorrentes dessa revisão, bem como ser condenado a pagar-lhe indenização por danos morais na ordem de 100 salários mínimos. 02.- Em razão dessa cumulação objetiva de demandas, a parte autora deu à causa o valor de 100 vezes o valor do salário mínimo vigente no momento do protocolo, o que atraiu a competência desta VF. 03.- Entretanto, esse tipo de cumulação somente pode ser feito quando o mesmo Juízo for competente para julgar as duas demandas, de modo que, em caso contrário, os processos devem ser cindidos e julgados perante seus juízos naturais, ou seja, a ação que discute o benefício previdenciário perante o JEF, e a ação que discute a indenização perante uma das varas comuns, apesar da existência de eventual conexão. 04.- Confira-se a redação do artigo 292 do CPC: Art. 292 - É permitida a cumulação, num único processo, contra o mesmo réu, de vários pedidos, ainda que entre eles não haja conexão. § 1º - São requisitos de admissibilidade da cumulação: I - que os pedidos sejam compatíveis entre si; II - que seja competente para conhecer deles o mesmo juízo; (grifei) III - que seja adequado para todos os pedidos o tipo de procedimento. § 2º - Quando, para cada pedido, corresponder tipo diverso de procedimento, admitir-se-á a cumulação, se o autor empregar o procedimento ordinário. 05.- Também sobre o assunto, confira-se a jurisprudência, aliás muito clara e certeira: PROCESSUAL - PREVIDENCIÁRIO - AÇÃO AJUIZADA PERANTE O JUÍZO FEDERAL COMUM, POSTULANDO APOSENTADORIA RURAL POR IDADE, CUMULADA COM INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS - INADMISSIBILIDADE - CONTEÚDO ECONÔMICO DO PEDIDO DE NATUREZA PREVIDENCIÁRIA INFERIOR A 60 SALÁRIOS MÍNIMOS - COMPETÊNCIA DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL - PEDIDO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS - COMPETÊNCIA DO JUÍZO FEDERAL COMUM - INICIAL INDEFERIDA - SENTENÇA CONFIRMADA. 1- O art. 3º, § 3º, da Lei nº 10.259, de 12/07/01, que instituiu os Juizados Especiais Federais, dispõe que no foro em que estiverem instalados, sua competência será absoluta. Conseqüentemente, as causas de sua competência não poderão ser ajuizadas perante o juízo comum. (grifei) 2 - O art. 292, § 1º, II, do CPC, veda a cumulação de vários pedidos contra um mesmo réu, num único processo, quando não for competente para deles conhecer o mesmo juiz. (grifei) 3 - Tratando-se de competência absoluta, não é possível sua modificação por conta da conexão ou da continência (art. 102 do CPC). 4 - Se o pedido previdenciário é da competência do Juizado Especial Federal e o pedido de indenização por danos morais compete ao Juízo Federal comum, a solução é propor duas ações, constituindo a previdenciária questão prejudicial para o julgamento da de natureza civil (art. 265, IV, "a", do CPC). (grifei) 5 - Cumulados os pedidos na mesma ação, perante o Juízo Federal Comum, correta a sentença que indefere a inicial. (TRF da 4.ªR - AC n.º 2002.70.10.002548-0, Relator o em. Desembargador Federal Antônio Albino Ramos de Oliveira, julgada em Porto Alegre, à unanimidade, no dia 13 de fevereiro de 2003 e publicado o acórdão no DJU do dia 26 de março do mesmo ano). 06.- Confira-se ainda: TRF da 4.ªR, AC n.º 2002.70.10.002456-6. 07.- No caso, relativamente ao pedido de indenização por danos morais, não resta dúvida de que a competência para o seu julgamento é desta 1.ª Vara Federal, haja vista o valor da indenização pretendida ultrapassar 60 (sessenta) salários mínimos. 08.- Contudo, quanto ao pedido de revisão do benefício previdenciário, a situação é diversa. 09.- Conforme se observa dos autos, o benefício do autor é do tipo amparo assistencial, de valor mínimo, o qual foi requerido no dia 05 de novembro de 2004. Assim, levando-se em conta que o valor da causa é formado pelos valores pretéritos mais uma prestação anual, o que redunda, no caso, em 54 prestações, o feito é de competência do JEF. Deve ser frisado que, para esse cálculo, não se computa juros moratórios nem correção monetária, bem assim a parcela relativa ao 13.º salário, inexistente para esse tipo de benefício. 10.- Em tais termos, o valor da causa não ultrapassa a quantia equivalente a 60 (sessenta) salários mínimos; conclui-se, assim, sem maiores delongas, que o juízo competente para apreciar a matéria relativa à concessão de benefício previdenciário é a 7ª Vara Federal (JEF), haja vista a competência absoluta prevista legalmente aos processos de sua alçada. 11.- É preciso ressaltar que a competência do juízo para apreciar uma demanda é pressuposto processual de desenvolvimento válido do processo e, por isso, é sempre questão prejudicial a ser contemplada pelo magistrado, quando do conhecimento inicial de qualquer pretensão. 12.- Essa análise, com muito mais razão ainda, deve ser feita nos casos em que o magistrado vislumbra a possibilidade da ocorrência de uma situação de incompetência absoluta, como ocorre no presente caso, já que há forte probabilidade de este feito ser, em verdade, de competência dos Juizados Especiais Federais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 10.259/01: Art. 3º. Compete ao Juizado Especial Federal Cível processar, conciliar e julgar causas de competência da Justiça Federal até o valor de sessenta salários mínimos, bem como executar as suas sentenças. [...] 7§ 3º. No foro onde estiver instalada Vara do Juizado Especial, a sua competência é absoluta. (grifei) 13.- Em tais termos, ausente um dos pressupostos de desenvolvimento válido do processo, o caso é de extinção do feito sem resolução do mérito em relação ao pedido de concessão de benefício previdenciário, nos termos do artigo 267, IV, do CPC, devendo o processo prosseguir, tão-somente, em relação à pretensão de indenização por danos morais. 14.- Ressalte-se, ainda, que deixo de declinar da competência em favor do JEF em razão da incompatibilidade deste procedimento com o procedimento cível especial eletrônico, bem como porque o desmembramento do feito em relação às causas indevidamente cumuladas e sua remessa, por cópia, ao Juízo competente não se mostra juridicamente possível em face da violação que esse procedimento ocasionaria ao disposto no art. 262 do CPC. 15.- A solução acima exposta para a cumulação indevida de lides, como a que foi realizada pela parte ora autora, está em consonância com a melhor doutrina (ASSIS, Araken de. Cumulação de Ações. 4.ª ed. rev. e atual. São Paulo, Editora Revista dos Tribunais, 2002. pp. 203/204 e 279/280), bem assim com a jurisprudência pacífica do e. STJ (CC n.º 35.157/SP e Súmula n.º 170 do STJ). 16.- Nesse sentido, confira-se ainda: TRF da 1.ª Região - AC n.º 1997.01.00.044289-0. 17.- Por fim, registro que a competência do JEF é absoluta e deve ser rigorosamente cumprida, e não só por questões exclusivamente de ordem processual, mas também em razão de imperativos de administração judiciária, permitindo à Justiça Federal que cumpra, ou pelo menos tente cumprir, seu plano de otimização de recursos humanos e materiais para atender ao jurisdicionado. 18.- Subverter esta ordem, portanto, não trará benefícios, antes tornará ainda mais difícil para o Poder Judiciário alcançar seu desiderato de prestar uma jurisdição expedita e efetiva, objetivo este que deve ser perseguido, por mais difícil que, por vezes, possa parecer. 19.- Em face do exposto: a) EXTINGO o feito sem resolução do mérito em relação ao pedido de concessão de benefício previdenciário, nos termos do artigo 267, IV, do CPC; b) e DETERMINO a intimação da parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, dizer se tem interesse em prosseguir nesta ação em relação, exclusivamente, à pretensão de indenização por danos morais. 20.- Intime-se o autor desta decisão. 21.- Secretaria, cumpra com urgência. João Pessoa, 23 julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF Fl._____ 5

   

0004687-33.2010.4.05.8200 JOSEFA MARIA DA CONCEICAO E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 0004687-33.2010.4.05.8200 Autor: Josefa Maria da Conceição e Outros Ré: Caixa Econômica Federal Código Assessoria n.º DDC139 D E C I S Ã O 01.- Em razão das informações e documentos apresentados pela CEF, em sua contestação, fica prejudicado o pedido de medida liminar, devendo a Secretaria da Vara remover a etiqueta alusiva a ela. 02.- Em tais termos, intime-se a parte autora, através de seu patrono, para que, em 10 dias, manifeste-se acerca da contestação e documentos, bem como diga se há algum interesse no prosseguimento do feito, o que deverá ser feito de maneira justificada. 03.- Decorrido o prazo supra, venham-me os autos conclusos, de imediato. 04.- Cumpra-se. João Pessoa, 28 julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF Fl._____ 1

   

0005205-91.2008.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUARIA - INFRAERO (Adv. ANDRESSA MARIA DOS SANTOS, KARLA DANIELLE SANTOS ALVES MAIA, SUELY SOARES DE SOUSA SILVA, PATRÍCIA MIRIAN COSTA DE BRITO CAVALCANTI, JAQUELINE GOMES CAVALCANTI) x JOSE ANDREA MAGLIANO FILHO - ME (Adv. EZILDO JOSÉ CÉSAR GADELHA FILHO, CLAUDECY TAVARES SOARES)

Processo:0005205-91.2008.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUARIA - INFRAERO REU: JOSE ANDREA MAGLIANO FILHO - ME C E R T I D Ã O Certifico que, por equívoco, certifiquei (fls.77) que não constava nos autos a procuração ad judicia para a advogada da parte autora, todavia existe nos autos a procuração (fls.17), cujo rol de advogados constituídos é extenso. Dou fé. João Pessoa, 15 de junho de 2010. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de junho de 2010. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário Despacho: 1. R. H. 2-Chamo o feito à ordem para desconsiderar o item02 do despacho (fls.77). 3-Cumpra-se o item 04 do despacho supramencionado. 4-Prazo de 10( dez) dias. João Pessoa, 12/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0005214-82.2010.4.05.8200 MUNICIPIO DE MULUNGU (Adv. ANDRE LUIS MACEDO PEREIRA) x UNIÃO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL - LEI 11.457/2007) (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 0005214-82.2010.4.05.8200 Autor(a): Município de Mulungu Ré: União (Fazenda Nacional) Código Assessoria n.º DDC144 D E C I S Ã O 01.- Secretaria, intime a parte autora, através de seu ilustre patrono, para que, no prazo de 10 dias, venha aos autos e regularize sua representação processual, apresentando procuração outorgada pelo prefeito municipal, sob pena de indeferimento da inicial e extinção do processo sem resolução do mérito, por falta de pressuposto processual de desenvolvimento válido do processo, nos termos do artigo 13 e do 267 do CP. 02.- Decorrido o prazo supra, certifique-se e façam-me os autos conclusos, de imediato. 03.- Secretaria, aponha na capa dos autos uma etiqueta indicando a existência de pedido de liminar pendente de apreicação. 04.- Cumpra-se. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 13 Fls.____ 1

   

0005455-56.2010.4.05.8200 VALDEREZ CARVALHO DE NOGUEIRA LEITE (Adv. SAMUEL CARVALHO GAUDENCIO, CHARLES WILLIAM McNAUGHTON, ROBERTA BORDINI PRADO, THAÍS REBOUÇAS GOUVÊA CONI, DANIEL PRANDO CAVARETTI) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 0005455-56.2010.4.05.8200 Autor: Valderez Carvalho de Nogueira Leite Ré: União (Fazenda Nacional) Código Assessoria n.º ATD036 D E C I S Ã O 01.- Tendo-se em vista que a parte autora pode ter recebido outros valores provenientes do CNPJ n.º 08.365.017/0001-54 (Município de Canguaretama), além daqueles constantes dos recibos de fls. 51/88, até mesmo valores que não estejam relacionados com o contrato de prestação de serviço de fls. 29/32, tendo-se em vista que, para o exercício de 2008, a declaração da parte autora foi apresentada zerada, no tocante aos rendimentos provenientes da aludida entidade pagadora e, por fim, tendo-se vista ainda que não veio aos autos qualquer documento oriundo do município em questão, manifestando equívoco com relação aos valores informados à SRF, o caso é de não concessão da medida liminar requerida, por ausência da verossimilhança do direito alegado. 02.- Em face do exposto, indefiro o pedido liminar, nos termos do artigo 273 do CPC. 03.- Intimem-se. Cite-se. 04.- Cumpra-se com prioridade. João Pessoa, 29 de junho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 13 Fls.____ 1

   

0009279-91.2008.4.05.8200 SANDRA CRISTINA DE ALMEIDA SOARES (Adv. MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO, ALEX NEYVES MARIANI ALVES, GIUSEPPE PETRUCCI, TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2008.82.00.009279-1 Autora (s): Sandra Cristina de Almeida Soares Réu: União Código Assessoria n.º S207 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por SANDRA CRISTINA DE ALMEIDA SOARES, devidamente qualificada na inicial e através de advogado regularmente habilitado, em face da UNIÃO, através da qual pleiteia: (i) a extinção do crédito tributário oriundo do Processo Administrativo Fiscal n.º 11618.005098/2008-15, em virtude da isenção incidente sobre os rendimentos auferidos pela autora; (ii) a responsabilização direta da fonte pagadora, em razão de sua condição de responsável tributário pelo crédito e também da conduta omissiva, a qual induziu a autora a erro; (iii) a exclusão da multa de ofício, diante de inexistência de dolo na conduta da autora de declarar os referidos rendimentos como isentos e não-tributáveis. 03.- A inicial foi instruída com os documentos de fls. 30/345. 04.- O pedido de assistência judiciária gratuita foi deferido, mas a tutela antecipada pretendida foi denegada (fls. 349/355). 05.- Devidamente citada, a União apresentou sua contestação (fls. 48/49), a partir da qual colhe-se, em síntese, que: a) as imunidades e isenções previstas em convenções internacionais aplicam-se a funcionários nomeados para o quadro efetivo da ONU e de suas agências internacionais especializadas, bem como aos seus representantes e membros; b) a autora não comprovou fazer parte da lista que a ONU e suas agências fornecem às autoridades brasileiras, elencando os funcionários que gozarão dos privilégios e imunidades previstos no Decreto n.º 55.288, de 24 de julho de 1963; e c) os contratos-padrão mantidos entre o PNUD e o pessoal técnico prevêem, expressamente, que os contratados não integram o quadro de funcionários da ONU nem do PNDU, bem como não têm direitos à isenção pleiteada. 06.- Contra a decisão que indeferiu a antecipação da tutela, foi aviado agravo de instrumento perante o Tribunal Regional Federal da 5.ª Região (fls. 371/387), ao qual foi negado provimento. 07.- Em seguida, a autora peticionou, visando depositar o montante do crédito em discussão (fls. 389/392). 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 09.- O gozo de privilégios jurídicos relativos à tributação, relativo à imunidade de jurisdição e até a certas imunidades de cunho criminal, seja no âmbito local, seja em âmbito mundial, constitui-se sempre em uma exceção, como não poderia ser diferente, sob pena de afronta ao princípio da isonomia, norma-princípio consagrada em todas as cartas políticas dos Estados Democráticos de Direito mundo afora, bem como nas declarações internacionais de direitos. 10.- No âmbito das relações diplomáticas, a matéria é tratada pela Convenção de Viena, em vigor no Brasil, nos termos em que promulgada pelo Decreto n.º 56.435, de 08 de junho de 1965. Ali há a previsão de imunidade (para alguns, isenção) tributária, porém, nos termos da referida convenção, ela se aplica apenas a algumas categorias de funcionários da "missão diplomática" e, mesmo assim, há previsão de exceções. Vale lembrar que o referido decreto enumera de forma exaustiva cada categoria de funcionário que atua em uma missão diplomática, justamente porque as regras relativas a privilégios nunca são gerais. 11.- No âmbito das relações consulares, o Decreto n.º 61.078/67 segue sistemática semelhante. 12.- Na década de 1950 e na década de 1960, foram celebradas convenções com o propósito de conferir certas deferências de Estado também à recém criada Organização das Nações Unidas e suas agências especializadas, a exemplo da UNESCO e do PNUD. 13.- Com relação às regras aplicáveis às agências, a convenção foi promulgada no Brasil através do Decreto n.º 52.288, de 24 de julho de 1963, cujo artigo 8.º diz o seguinte: ARTIGO 6º - FUNCIONÁRIOS - 18ª SEÇÃO ? Cada agência especializada especificará as categorias dos funcionários nos quais se aplicarão os dispositivos deste artigo e do artigo 8º. Comunicá-las aos Governos de todos os países partes nesta Convenção, quanto a essa agência, e ao Secretário Geral das Nações Unidas. Dos nomes dos funcionários incluídos nessas categorias periodicamente se dará conhecimento aos Governos acima mencionados. (grifei) 19ª SEÇÃO ? Os funcionários das agências especializadas: a) serão imunes a processo legal quanto às palavras falada ou escritas e a todos os atos por eles executados na sua qualidade oficial; b) gozarão de isenções de impostos, quanto aos salários e vencimentos, a êles pagos pelas agências especializadas e em condições idênticas às de que gozam os funcionários das Nações Unidas; c) serão imunes, assim como seus cônjuges e parentes dependente, restrições de imigração e de registro de estrangeiros; d) terão quanto às facilidades de câmbio, privilégios idênticos aos concedidos aos funcionários de categoria comparável das missões diplomáticas; e) terão, bem como seus cônjuges e parentes dependentes, em época de crises internacionais, facilidades de repatriação idênticas às concedidas aos funcionários de categoria comparável das missões diplomáticas; f) terão direito de importar, com isenção de direitos, seus móveis e objetos, quando assumirem pela primeira vez o seu pôsto no país em aprêço. 20ª SEÇÃO ? Os funcionários das agências especializadas ficarão isentos de obrigações de serviço nacional, contanto que, com relação aos países dos quais são nacionais, tal isenção se limite aos funcionários das agências especializadas cujos nomes em virtude das suas obrigações, foram colocados em uma lista compilada pelo diretor executivo da agência especializada e aprovada pelo país interessado. Se outros funcionários das agências especializadas forem chamados para o serviço nacional, o país interessado, a pedido da agência especializada interessada, concederá a esses funcionários adiamentos temporários necessários para evitar interrupção na continuação de um trabalho essencial. 21ª SEÇÃO ? Além das imunidades e privilégios especificados nas Seções 19 e 20, o diretor executivo de cada agência especializada, inclusive qualquer funcionário que responda por êle durante sua ausência das funções, terá estendidos ao seu cônjuge e filhos menores, os privilégios e imunidades, isenções e facilidades concedidos aos enviados diplomáticos, de acôrdo com o direito internacional. (grifei) 22ª SEÇÃO ? Os privilégios e imunidades são concedidos aos funcionários apenas no interêsse das agências especializadas, e não para benefício pessoal dos próprios indivíduos. Cada agência especializada terá o direito e o dever de renunciar à imunidade de qualquer funcionário em qualquer caso em que, em sua opinião, a imunidade impeça o andamento da justiça e possa ser dispensada sem prejuízo para os interêsses da agência especializada. 23ª SEÇÃO - Cada Agência especializada cooperará sempre com as autoridades competentes dos países membros para facilitar a administração adequada da justiça, assegurar a observância dos regulamentos policiais e prevenir a ocorrência de quaisquer abusos relacionados com os privilégios, imunidades e facilidades mencionados neste artigo. 14.- Após a leitura das regras acima transcritas, bem como após as considerações antes feitas, pode-se chegar a algumas conclusões: a) a comunicação que as agências devem fazer ao País onde se encontra um seu servidor não é apenas uma exigência meramente burocrática, mas uma necessidade relacionada à qualidade do servidor que deverá gozar dos privilégios estabelecidos na convenção; b) não é qualquer prestador de serviço, nem todo e qualquer funcionário de uma agência da ONU, que estará apto a gozar dos privilégios estabelecidos na citada convenção, mas apenas as categorias de servidores relacionadas e informadas pelas agências, o que também não poderá ser feito de forma aleatória, mas de acordo com os princípios e costumes de Direito Internacional; c) o corpo de funcionários com maior número de privilégios no âmbito do Direito Internacional é aquele pertencente às missões diplomáticas e, com relação a eles, como visto acima, seu gozo é feito de forma escalonada, por categoria, nunca de forma genérica, posto que há a imperiosa necessidade de se compatibilizar um certo privilégio ou prerrogativa com a função exercida, sob pena de se incorrer em odioso privilégio injustificado; d) no âmbito das agências especializadas, não pode ser diferentes, até porque, conforme facilmente se pode ver dos termos do artigo 8.º acima transcrito, não somente estão previstos privilégios de ordem fiscal, mas de outras categorias, como a imunidade relativa "a processo legal quanto às palavras falada ou escritas e a todos os atos por eles executados na sua qualidade oficial", não sendo aceitável (nem crível) que uma imunidade desse nível seja estendida a todo e qualquer servidor ou prestador de serviço da agência; e) os privilégios e imunidades são concedidos aos funcionários apenas no interesse das agências especializadas, e não para benefício pessoal dos próprios indivíduos, residindo aí mais uma razão da necessidade de que a agência discrimine e informe, ao Governo local, que categorias de servidores terão acesso a que tipo de privilégios, até por uma questão de política internacional, já que o Estado, dentro de seu poder soberano, não está obrigado a acolher listas e designações aleatórias e arbitrárias, confeccionadas à margem do Direito Internacional e seus princípios, costumes e normas. 15.- Em tais termos, a resolução da questão posta nestes autos não passa apenas pela análise da condição jurídica ostentada pela parte autora com relação a UNESCO, se empregada, se servidora ou, ao contrário, mera prestadora de serviço. 16.- De resto, mesmo à míngua do cumprimento do dever constante da 18ª Seção do artigo 6.º (o que, por si só, já impediria o gozo do benefício), acima transcrito, não tenho como razoável, nem compatível com os princípios, normas e costumes de Direito Internacional, que a autora, brasileira nata e residente no País, que não comprovou fazer parte do corpo de servidores efetivos da UNESCO, tenha qualquer privilégio fiscal com relação aos demais contribuintes. 17.- Sobre o tema confiram-se ainda as regras estabelecidas na Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Nações Unidas, promulgada no Brasil pelo Decreto n.º 27.784, de 16 de fevereiro de 1950, o qual contém a inarredável exigência de que a ONU, através de seu ilustre Secretário Geral, determine as categorias dos funcionários as quais se aplicam as disposições do artigo V, Seção 18, que trata da imunidade fiscal, da imunidade de jurisdição, entre outros, numa prova clara de que nem todo servidor, funcionário, prestador de serviço tem direito, de forma indiscriminado aos privilégios convencionados. 18.- Todo esse entendimento foi alcançado e explicitado pelo RIR de 1999, cujo artigo 22 estatui: Art. 22. Estão isentos do imposto os rendimentos do trabalho percebidos por (Lei nº 4.506, de 1964, art. 5º, e Lei nº 7.713, de 1988, art. 30): I - servidores diplomáticos de governos estrangeiros; II - servidores de organismos internacionais de que o Brasil faça parte e aos quais se tenha obrigado, por tratado ou convênio, a conceder isenção; III - servidor não brasileiro de embaixada, consulado e repartições oficiais de outros países no Brasil, desde que no país de sua nacionalidade seja assegurado igual tratamento a brasileiros que ali exerçam idênticas funções. 19.- Confira-se ainda a redação dos artigos 55 e 106 do mesmo RIR: Art. 55. São também tributáveis (Lei nº 4.506, de 1964, art. 26, Lei nº 7.713, de 1988, art. 3º, § 4º, e Lei nº 9.430, de 1996, arts. 24, § 2º, inciso IV, e 70, § 3º, inciso I): [...] V - os rendimentos recebidos de governo estrangeiro e de organismos internacionais, quando correspondam à atividade exercida no território nacional, observado o disposto no art. 22; [...] Art. 106. Está sujeita ao pagamento mensal do imposto a pessoa física que receber de outra pessoa física, ou de fontes situadas no exterior, rendimentos que não tenham sido tributados na fonte, no País, tais como (Lei nº 7.713, de 1988, art. 8º, e Lei nº 9.430, de 1996, art. 24, § 2º, inciso IV): [...] III - os rendimentos recebidos por residentes ou domiciliados no Brasil que prestem serviços a embaixadas, repartições consulares, missões diplomáticas ou técnicas ou a organismos internacionais de que o Brasil faça parte; [...] (grifei) 20.- Por fim, quanto ao artigo V do Acordo Básico de Assistência Técnica com a Organização das Nações Unidas, suas Agências Especializadas e a Agência Internacional de Energia Atômica, promulgado no Brasil pelo Decreto n.º 59.308, de 23 de setembro de 1966, este apenas determina que aos profissionais peritos se apliquem as regras da Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas, o que não infirma as considerações e conclusões antes estabelecidas nesta decisão, antes a confirmam, na medida em que os peritos se unirão aos servidores e prestadores de serviço no grupo daqueles que poderão ser designados pela agência como beneficiários (ou não) deste ou daquele privilégio. CASO CONCRETO 21.- De fato, a autora não logrou comprovar ser integrante dos quadros de pessoal da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura - UNESCO. 22.- À fl. 66, vê-se, contrariamente ao que foi alegado, que o contrato de prestação de serviço (fls. 63/71), celebrado entre as partes, exclui peremptoriamente os privilégios próprios dos servidores estatutários da UNESCO, ao declarar o estatuto jurídico ao qual se sujeita o prestador de serviços: Nem o(a) Contratado(a) nem ninguém que o(a) Contratado(a) empregue para desempenhar o trabalho será considerado como um funcionário ou membro do pessoal da UNESCO e, exceto se estabelecido de outra forma neste Contrato, não se prevalecerá de privilégios, imunidades, compensação ou reembolso algum, nem será autorizado a incumbir a UNESCO de quaisquer gastos ou outras obrigações. 23. Nesses termos, é que a autora não faz jus ao tratamento diferenciado que os funcionários de organismos internacionais gozam no Brasil, por força do Decreto n.º 52.288, de 24 de julho de 1963. 24.- Por fim, alega a autora que não deve ser cobrada a multa de ofício, cujo valor é de R$ 3.236,85 (três mil, duzentos e trinta e seis reais e oitenta e cinco centavos), uma vez que não agiu de má-fé, mas foi induzida a erro pelo organismo internacional que se omitiu no cumprimento de suas obrigações tributárias. 25.- A multa de ofício, à base de 75% (fl. 61), contudo, não é imposta como decorrência da presença, ou não, de dolo, mas apenas em razão da infração das obrigações tributárias, nos termos do artigo 44, I, da Lei n.º 9.430/96, razão pela qual esse pleito da parte também não merece acolhida. 26.- Quanto ao depósito do montante integral do crédito tributário discutido nesta ação anulatória, com o fim de suspender a exigibilidade do crédito e impedir o ajuizamento da execução fiscal, reputo prejudicado o pedido, uma vez que, a partir de consulta realizada no sistema de acompanhamento processual desta Seção Judiciária, colhe-se informação de que execução fiscal fundada na CDA n.° 42.1.09.000045-35 já foi proposta e julgada extinta nos termos do art. 794, inc. I, do CPC. Além do mais, diante da improcedência da pretensão principal, não há mais que se falar em depósito judicial. III DISPOSITIVO 27.- Em face do exposto, julgo improcedente a pretensão inicial, extinguindo o feito sem resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 28.- Por fim, condeno a autora a pagar honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo R$ 500,00 (quinhentos reais), na forma do art. 20, § 4º, do CPC. 29.- Cumpra-se. P.R.I. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 13 Fls.____ 1

   

0010700-53.2007.4.05.8200 ALEXANDRE CESAR DE MELO LIMA E OUTROS (Adv. MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0010700-53.2007.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: ALEXANDRE CESAR DE MELO LIMA e outros REU: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA CERTIDÃO Certifico que a contestação (fls.81/88) ingressou em Juízo no prazo legal. João Pessoa, 22 de julho de 2010. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 08, vista à parte autora, no prazo de 10 (dez) dias, para impugnar a Contestação. João Pessoa, 22 de julho de 2010 RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 22 de julho de 2010. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0010356-43.2005.4.05.8200 UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO) x MAURO PLÁCIDO RIBEIRO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara EMBARGOS À EXECUÇÃO FUNDADA EM SENTENÇA nº 0010356-43.2005.4.05.8200, Classe 75 EMBARGANTE: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) EMBARGADO: MAURO PLÁCIDO RIBEIRO e outros C E R T I D Ã O Certifico que a apelação (fls. 293/296) ingressou em juízo no prazo legal. Dou fé. João Pessoa, 14 de junho de 2010. Fábio Azevedo de Oliveira Analista Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 14 de junho de 2010 Fábio Azevedo de Oliveira Analista Judiciário Despacho: 1 - R.H. 2 - Recebo a apelação (fls. 293/296) nos efeitos devolutivo e suspensivo. 3 - Intime(m)-se o(s) recorrido(s) para as contra-razões. 4 - Por fim, subam os autos ao Eg. TRF da 5ª Região. João Pessoa, 12/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0006628-04.1999.4.05.8200 RIVAILDA VIEIRA BATISTA E OUTROS (Adv. VALTER MARIO PESTANA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Execução/Cumprimento de Sentença - Classe 97 Processo n.º 99.006628-6 Autor: Rivailda Vieira Batista e Outros Ré: Caixa Econômica Federal - CEF Sentença Tipo "B" S E N T E N Ç A I EXPOSIÇÃO 01.- 01.- Trata-se de execução de título judicial, constituído nesta ação ordinária (processo n.º 99.006628-6), promovida por RIVAILDA VIEIRA BATISTA, JEMINA TRIGUEIRO DA SILVA LUNA E JOSÉ WAGNER RESENDE LUNA contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. 02.- Às fls. 536/540, as partes apresentaram termo de acordo sobre o valor devido pelas requerentes à ré (R$ 59.198,30 - cinqüenta e nove mil, cento e noventa e oito reais e trinta centavos), através do qual as partes põem fim ao litígio, inclusive com a renúncia do direito sobre o qual se fundou a ação, por parte do(s) autor(es). 03.- As partes acordaram, também, sobre os honorários advocatícios sucumbenciais. 04.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 05.- As lides postas à apreciação do Poder Judiciário podem ser compostas pela aplicação da lei ao caso concreto, em decorrência da atuação da jurisdição, ou através de acordo entre as partes, ocasião em que o juiz limitar-se-á a homologá-lo. 06.- No ato da homologação, contudo, deve o juiz observar (a) a capacidade das partes, (b) a devida representação processual e os poderes conferidos através de procuração, (c) o respeito à ordem pública, aos bons costumes e aos princípios gerais do direito. 07.- Dessa forma, considerando a existência de transação acerca do objeto da presente lide e vislumbrando a presença de todos os requisitos apontados no item anterior, entendo não haver óbice à pretendida homologação. III DISPOSITIVO 08.- Isto posto, HOMOLOGO O ACORDO FIRMADO ENTRE AS PARTES, para que produza todos os efeitos de direito, e, por conseguinte, EXTINGO O PROCESSO COM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, nos termos do art. 269, III, do CPC.. 09.- As partes acordaram, também, sobre os honorários advocatícios. 10.- Após o trânsito em julgado desta, dê-se baixa e arquivem-se os autos. 11.- Cumpra-se com prioridade. P.R.I. João Pessoa, BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara GOA Fl.______ -2- -2-

   

0008862-80.2004.4.05.8200 AUTA MARIA DE ANDRADE SOUZA (Adv. DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. NELSON CALISTO DOS SANTOS, GEORGIANA COUTINHO GUERRA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA AÇÃO ORDINÁRIA - Classe 97 - Execução de Sentença Processo nº 2004.008862-9 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Exeqüente(s): AUTA MARIA DE ANDRADE SOUZA - ME Executado(a)(s): CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA - CRF/PB S E N T E N Ç A Vistos etc. O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA - CRF/PB, ora executado, devidamente citado (fls. 133/133-verso), nos termos do CPC, art. 730, ingressou com exceção de pré-executividade, rejeitada por este Juízo (fls. 144/145), que determinou a expedição de RPV. 2. Expedida a RPV (fls. 151), foi efetuado o depósito (fls. 172) dos valores devidos em conta judicial nº 0548.005.66372-8, a título de pagamento do valor principal e dos honorários advocatícios da sucumbência. 3. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 794, I, declaro extinta a presente execução, tendo em vista a satisfação do crédito exeqüendo, relativamente ao valor principal e aos honorários da sucumbência, conforme guia de depósito (fls. 172). 4. Expeça alvará de levantamento, em favor do advogado da firma autora, dos valores depositados (fls. 172) na conta judicial nº 0548.005.66372-8, a título de pagamento do valor principal e dos honorários da sucumbência, tendo em vista ter o patrono da autora poder para receber e dar quitação. 5. Após o trânsito em julgado desta sentença, e o cumprimento do item anterior, baixa na distribuição e arquive-se. 6. P.R.I. João Pessoa, 30/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara.

   

IMPUGNAÇÃO DO DIREITO A ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA

   

0009924-82.2009.4.05.8200 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. BRUNO FARO ELOY DUNDA) x AMAURI VIANA DA SILVA (Adv. ENIO SILVA NASCIMENTO, OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Impugnação do Direito à Assistência Judiciária - Classe 113 Processo n.° 2009.82.01.009924-8 Impugnante: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Impugnado: Amauri Viana da Silva DECISÃO 01.- O INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA opôs a presente impugnação à assistência judiciária gratuita contra AMAURI VIANA DA SILVA. 02.- Alegou que a circunstância de ser o autor servidor público federal indica a desnecessidade do benefício da justiça gratuita, já que ele tem uma renda fixa, em valor razoável, conforme contracheques juntados aos autos. 03.- Juntou os documentos de fls. 06/26. 04.- Intimado sobre as argüições da impugnante, o impugnado alegou que está passando por dificuldades financeiras, razão pela qual requereu a rejeição desta impugnação. 05.- De acordo com o disposto no § 1.º do art. 4.º da Lei n.º 1.060/50, "presume-se pobre, até prova em contrário, quem afirmar essa condição nos termos da lei". 06.- Trata-se, pois, de presunção relativa, podendo ser afastada, desde que a parte contrária demonstre, em incidente processual de impugnação do direito à assistência judiciária (§ 2.º do dispositivo legal citado no parágrafo anterior), que o postulante não se enquadra como necessitado a ponto de não poder arcar com as despesas processuais e os honorários advocatícios. 07.- No caso dos autos, a ficha financeira de fl. 06 desautoriza a concessão do benefício da assistência judiciária gratuita, porquanto demonstra que a situação financeira do impugnado possibilita o pagamento das custas do processo e dos honorários advocatícios sem prejuízo do sustento próprio ou de seus familiares. 08.- De outra parte, o(a) impugnado(a) não apresentou elementos concretos que justifiquem o deferimento do benefício ao seu caso, demonstrando que a revogação obstar-lhe-á, de fato, o acesso à Justiça. Veja-se que nada se juntou a demonstrar a impossibilidade de o(a) autor(a) arcar com o ônus de sucumbência sem prejuízo de sua subsistência. Ademais, cumpre ressaltar que as custas processais, na Justiça Federal, tem atualmente o limite máximo de R$ 957,69 (novecentos e cinqüenta e sete reais e sessenta e nove centavos), e o valor da causa, no presente caso, foi fixado em R$ 28.400,00 (vinte e oito mil e quatrocentos reais). 09.- Ante o exposto, acolho a presente impugnação oposta pelo IBAMA em desfavor de AMAURI VIANA DA SILVA e, por conseguinte, revogo os benefícios da assistência judiciária gratuita deferidos nos autos da Ação Ordinária nº 2009.82.00.004339-5, razão pela qual determino ao impugnado que providencie o pagamento das custas iniciais do processo principal, mediante guia de recolhimento a ser fornecida pela Secretaria da Vara, nos termos do art. 14, I, da Lei nº 9.289/96. 10.- Traslade-se cópia desta decisão para os autos da Ação Ordinária nº 2009.82.00.004339-5. 11.- Aponha-se a inscrição JUSTIÇA GRATUITA REVOGADA na capa dos autos principais, bem como na página correspondente à decisão deferitória da assistência judiciária (fl. 93 - autos principais), fazendo referência às folhas desta decisão. 12.- Decorrido o prazo legal sem recurso voluntário, desapensem-se e arquivem-se estes autos, independentemente de nova intimação. 13.- Intimem-se. João Pessoa, 20/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. Vara GOA

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0004100-55.2003.4.05.8200 MARIA DO CARMO FARIAS DOS SANTOS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, WATTEAU FERREIRA RODRIGUES) x CHEFE DA DIVISAO DE CONVENIOS E GESTAO DO MINISTERIO DA SAUDE NO ESTADO DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR) x GERENTE EXECUTIVO DO INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

MANDADO DE SEGURANÇA Processo n.º 0004100-55.2003.4.05.8200 - Classe 126 IMPETRANTE: MARIA DO CARMO FARIAS DOS SANTOS IMPETRADO: CHEFE DA DIVISAO DE CONVENIOS E GESTAO DO MINISTERIO DA SAUDE NO ESTADO DA PARAIBA e outro C E R T I D Ã O Certifico que em cumprimento ao despacho de fls.174 a UNIÃO pronunciou-se (fls.176/178). Dou fé. João Pessoa, 13 de julho de 2010 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Nesta data faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 13 de julho de 2010 Alexandre de Sá Leitão Cunha Supervisor-Assist. do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Despacho: 1-R.H. 2- Vista à impetrante sobre a petição e documentos da UNIÃO (fls.176/178). 3-Prazo de 05 (cinco) dias. 4-Intime-se. 5-Após, sem manifestação, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se. João Pessoa, 12/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0004417-09.2010.4.05.8200 COMERCIAL DINIZ FERRO E AÇO LTDA E OUTRO (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ, ANGELLO RIBEIRO ANGELO) x NASA NORDESTE ARTEFATOS INDUSTRIA E COMERCIO x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA (DERAT) EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Mandado de Segurança - Classe 126 Processo n.º 0004417-09.2010.4.05.8200 Impetrantes: Comercial Diniz Ferro e Aço Ltda e Outras Impetrado: Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa Código Assessoria n.º MSD006 DECISÃO I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de mandado de segurança impetrado por COMERCIAL DINIZ FERRO E AÇO LTDA, PRESERVE/PB - SEGURANÇA E TRANSPORTE DE VALORES LTDA e NASA - NORDESTE ARTEFATOS INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA contra ato atribuído ao DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA, c/c pedido de liminar, objetivando a suspensão da exigibilidade da contribuição previdenciária prevista no artigo 22, I, da Lei n.º 8.212/91, incidente sobre os valores pagos aos seus empregados ou demais segurados a seu serviço, nos primeiros quinze dias de afastamento por motivo de doença ou de acidente, antes da obtenção do auxílio-doença ou do auxílio-acidente, bem como sobre os pagamentos efetuados a título de salário-maternidade, férias e adicional constitucional de 1/3 (um terço) de férias. 02.- Segundo o entendimento das impetrantes, elas não deveriam pagar os valores correspondentes à mencionada contribuição, nas citadas situações, em nome do princípio da estrita legalidade, tendo em vista que artigo 22 da Lei n. 8.212/91, ao tratar das contribuições a cargo da empresa, disse que os tributos incidiriam sobre a remuneração, sendo que remuneração constituiria verba paga como contraprestação ao exercício de um trabalho e, nos casos citados, não haveria propriamente a prestação de um trabalho, já que os empregados, em verdade, estariam afastados, hipótese em que não haveria contribuição previdenciária. 03.- Com a petição inicial, vieram os documentos de fls. 33/239. 04.- As custas iniciais foram regularmente pagas (fl. 58). 05.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 06.- Ao contrário do que entendem as impetrantes, a remuneração dos empregados que lhes prestam serviço não ocorre, exclusivamente, quando eles estão em atividade. É que a retribuição que o empregador despende com as pessoas a seu serviço não é, tanto por tanto, relativa, exclusivamente, às horas trabalhadas. 07.- A remuneração também é paga ao trabalhador quando ele falta um dia de serviço, de forma justificada, quando ele tira férias, quando ele não trabalha em dia considerado feriado, quando ele não trabalha no dia do seu descanso remunerado, além de outras situações previstas em lei. 08.- Em certos casos, contudo, quando o afastamento ocorre por lapso de tempo maior, como no caso do afastamento por motivo de doença superior a 15 dias, o Estado, através de seu sistema de seguridade social, mais precisamente de previdência social, assume esse encargo, desincumbindo dele o empregador, total ou parcialmente, como nos casos de afastamento em razão de doença ou em virtude de acidente, quanto o empregador fica responsável apenas pelo pagamento da remuneração do empregado afastado nos primeiros 15 dias. 09.- Quando, porém, o Estado não assume a responsabilidade de um direito social garantido ao trabalhador, cabe ao empregador fazê-lo integralmente, de sorte que esta responsabilidade que lhe recai deverá, sim, ser custeada mediante a contraprestação denominada remuneração. 10.- Em tais termos, o caso do repouso semanal remunerado, o direito aos trinta dias de férias, o direito ao terço de férias, o direito de não trabalhar quando impossibilitado por motivos de saúde, bem como o direito não trabalhar durante 120 dias em razão da maternidade, são todos direitos sociais atribuídos pela Constituição Federal ao trabalhador e deverão ser pagos pelo empregador, total ou parcialmente, que deverá levá-los em conta ao planejar os aspectos contábeis e financeiros da atividade que exerce, inclusive a incidência da contribuição previdenciária respectiva. 11.- Quando o Estado, contudo, assumir a responsabilidade, total ou parcialmente, de um direito social do trabalhador, ele o fará expressamente, nos termos da lei. 12.- Os argumentos de ordem tributária relacionados à hipótese de incidência do tributo sob questão não têm o condão de fazer com que o Poder Judiciário acolha a pretensão posta em Juízo, simplesmente porque o próprio artigo 22, I, da Lei n.º 8.212/91, não pode ser interpretado de forma isolada, no sentido de que, sempre que o empregado não estiver efetivamente prestando um serviço ou à disposição do empregador, não haverá remuneração ou sua remuneração ser-lhe-á paga pelo Estado, pois do contrário, estar-se-ia negando os direitos sociais previstos na Constituição Federal: Art. 22. A contribuição a cargo da empresa, destinada à Seguridade Social, além do disposto no art. 23, é de: (Vide Lei nº 9.317, de 1996) I - vinte por cento sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a qualquer título, durante o mês, aos segurados empregados e trabalhadores avulsos que lhe prestem serviços, destinadas a retribuir o trabalho, qualquer que seja a sua forma, inclusive as gorjetas, os ganhos habituais sob a forma de utilidades e os adiantamentos decorrentes de reajuste salarial, quer pelos serviços efetivamente prestados, quer pelo tempo posto à disposição do empregador ou tomador de serviços, nos termos da lei ou do contrato ou, ainda, de convenção ou acordo coletivo de trabalho ou sentença normativa. (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99) (grifei) 13.- Deve ser enfatizado que, mesmo quando o empregador fica responsável pelo pagamento do direito social garantido ao trabalhador, não haverá a incidência da contribuição previdenciária quando a verba paga não puder ser considerada remuneração, mas for do tipo indenizatória como o abono de férias não gozadas, o aviso prévio indenizado, o abono de licença não gozada, o total das diárias pagas, quando não excedente a cinqüenta por cento da remuneração mensal ou aquelas verbas constantes do rol do artigo 28, §9.º, da Lei n.º 8.212/91. 14.- De acordo com a jurisprudência majoritária, as seguintes vantagens são consideradas remuneração e, portanto, estão sujeitas à incidência da contribuição previdenciária: salário-maternidade, férias, 1/3 de férias, adicional de hora-extra, auxílio-creche, adicional noturno, adicional de insalubridade, décimo terceiro salário, aviso-prévio não indenizado. 15.- Sobre o tema, confira-se: Embargos de Declaração nos Embargos de Declaração no REsp. n.º 670.530, julgados pela 1.ª T, à unanimidade, no dia 16 de fevereiro de 2006, relator o em. Ministro Luiz Fux. III CONCLUSÃO 16.- Em face do exposto, INDEFIRO a liminar requerida, por falta de amparo legal. 17.- Notifique-se o impetrado para prestar as informações no prazo de 10 (dez) dias e cientifique-se a UNIÃO, por intermédio da Procuradoria da Fazenda Nacional, para, querendo, ingressar no feito, no mesmo prazo, apresentando manifestação e esclarecimentos pertinentes ao caso, bem como o(s) documento(s) que entender necessários, nos termos do art. 7º, I e II, da Lei n. 12.016/2009. 18.- Após o decêndio legal e decorrido o prazo recursal, vista ao MPF para apresentação de parecer também em dez dias, conforme o art. 12 da Lei n. 12.016/2009. 19.- Registre-se esta decisão em livro próprio, na forma dos arts. 2º e 4º, parágrafo único, da Resolução CJF n. 442/2005. 20.- Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 21.- Intimem-se, com a devida prioridade. João Pessoa, 11 de junho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 2 1

   

0004430-08.2010.4.05.8200 CIA. INDUSTRIAL DE CERAMICA - CINCERA (Adv. AURORA DE BARROS SOUZA) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Mandado de Segurança - Classe 126 Processo n.º 0004430-08.2010.4.05.8200 Impetrantes: CIA. Industrial de Cerâmica - CINCERA Impetrado: Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa Código Assessoria n.º MSD013 DECISÃO I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de mandado de segurança impetrado por CIA. Industrial de Cerâmica - CINCERA contra ato atribuído ao DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA, c/c pedido de liminar, objetivando a suspensão da exigibilidade da contribuição previdenciária prevista no artigo 22, I, da Lei n.º 8.212/91, incidente sobre os valores pagos aos seus empregados ou demais segurados a seu serviço: (i) nos primeiros quinze dias de afastamento por motivo de doença ou de acidente, antes da obtenção do auxílio-doença, (ii) bem como sobre os pagamentos efetuados a título de salário-maternidade, horas-extra, adicional constitucional de 1/3 (um terço) de férias, aviso prévio trabalhado. 02.- Segundo o entendimento das impetrantes, elas não deveriam pagar os valores correspondentes à mencionada contribuição, nas citadas situações, em nome do princípio da estrita legalidade, tendo em vista que artigo 22 da Lei n. 8.212/91, ao tratar das contribuições a cargo da empresa, disse que os tributos incidiriam sobre a remuneração, sendo que remuneração constituiria verba paga como contraprestação ao exercício de um trabalho e, nos casos citados, não haveria propriamente a prestação de um trabalho, já que os empregados, em verdade, estariam afastados, hipótese em que não haveria contribuição previdenciária. 03.- Com a petição inicial, vieram os documentos de fls. 42/1200. 04.- As custas iniciais foram regularmente pagas (fl. 1201). 05.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 06.- Ao contrário do que entendem as impetrantes, a remuneração dos empregados que lhes prestam serviço não ocorre, exclusivamente, quando eles estão em atividade. É que a retribuição que o empregador despende com as pessoas a seu serviço não é, tanto por tanto, relativa, exclusivamente, às horas trabalhadas. 07.- A remuneração também é paga ao trabalhador quando ele falta um dia de serviço, de forma justificada, quando ele tira férias, quando ele não trabalha em dia considerado feriado, quando ele não trabalha no dia do seu descanso remunerado, além de outras situações previstas em lei. 08.- Em certos casos, contudo, quando o afastamento ocorre por lapso de tempo maior, como no caso do afastamento por motivo de doença superior a 15 dias, o Estado, através de seu sistema de seguridade social, mais precisamente de previdência social, assume esse encargo, desincumbindo dele o empregador, total ou parcialmente, como nos casos de afastamento em razão de doença ou em virtude de acidente, quanto o empregador fica responsável apenas pelo pagamento da remuneração do empregado afastado nos primeiros 15 dias. 09.- Quando, porém, o Estado não assume a responsabilidade de um direito social garantido ao trabalhador, cabe ao empregador fazê-lo integralmente, de sorte que esta responsabilidade que lhe recai deverá, sim, ser custeada mediante a contraprestação denominada remuneração. 10.- Em tais termos, o caso do repouso semanal remunerado, o direito aos trinta dias de férias, o direito ao terço de férias, o direito de não trabalhar quando impossibilitado por motivos de saúde, bem como o direito não trabalhar durante 120 dias em razão da maternidade, são todos direitos sociais atribuídos pela Constituição Federal ao trabalhador e deverão ser pagos pelo empregador, total ou parcialmente, que deverá levá-los em conta ao planejar os aspectos contábeis e financeiros da atividade que exerce, inclusive a incidência da contribuição previdenciária respectiva. 11.- Quando o Estado, contudo, assumir a responsabilidade, total ou parcialmente, de um direito social do trabalhador, ele o fará expressamente, nos termos da lei. 12.- Os argumentos de ordem tributária relacionados à hipótese de incidência do tributo sob questão não têm o condão de fazer com que o Poder Judiciário acolha a pretensão posta em Juízo, simplesmente porque o próprio artigo 22, I, da Lei n.º 8.212/91, não pode ser interpretado de forma isolada, no sentido de que, sempre que o empregado não estiver efetivamente prestando um serviço ou à disposição do empregador, não haverá remuneração ou sua remuneração ser-lhe-á paga pelo Estado, pois do contrário, estar-se-ia negando os direitos sociais previstos na Constituição Federal: Art. 22. A contribuição a cargo da empresa, destinada à Seguridade Social, além do disposto no art. 23, é de: (Vide Lei nº 9.317, de 1996) I - vinte por cento sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas a qualquer título, durante o mês, aos segurados empregados e trabalhadores avulsos que lhe prestem serviços, destinadas a retribuir o trabalho, qualquer que seja a sua forma, inclusive as gorjetas, os ganhos habituais sob a forma de utilidades e os adiantamentos decorrentes de reajuste salarial, quer pelos serviços efetivamente prestados, quer pelo tempo posto à disposição do empregador ou tomador de serviços, nos termos da lei ou do contrato ou, ainda, de convenção ou acordo coletivo de trabalho ou sentença normativa. (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99) (grifei) 13.- Deve ser enfatizado que, mesmo quando o empregador fica responsável pelo pagamento do direito social garantido ao trabalhador, não haverá a incidência da contribuição previdenciária quando a verba paga não puder ser considerada remuneração, mas for do tipo indenizatória como o abono de férias não gozadas, o aviso prévio indenizado, o abono de licença não gozada, o total das diárias pagas, quando não excedente a cinqüenta por cento da remuneração mensal ou aquelas verbas constantes do rol do artigo 28, §9.º, da Lei n.º 8.212/91. 14.- De acordo com a jurisprudência majoritária, as seguintes vantagens são consideradas remuneração e, portanto, estão sujeitas à incidência da contribuição previdenciária: o valor recebido nos primeiros quinze dias de afastamento por motivo de doença ou de acidente, antes da obtenção do auxílio-doença salário-maternidade, férias, 1/3 de férias, adicional de hora-extra, auxílio-creche, adicional noturno, adicional de insalubridade, décimo terceiro salário, aviso-prévio não indenizado. 15.- Sobre o tema, confira-se: Embargos de Declaração nos Embargos de Declaração no REsp. n.º 670.530, julgados pela 1.ª T, à unanimidade, no dia 16 de fevereiro de 2006, relator o em. Ministro Luiz Fux. III CONCLUSÃO 16.- Em face do exposto, INDEFIRO a liminar requerida, por falta de amparo legal. 17.- Notifique-se o impetrado para prestar as informações no prazo de 10 (dez) dias e cientifique-se a UNIÃO, por intermédio da Procuradoria da Fazenda Nacional, para, querendo, ingressar no feito, no mesmo prazo, apresentando manifestação e esclarecimentos pertinentes ao caso, bem como o(s) documento(s) que entender necessários, nos termos do art. 7º, I e II, da Lei n. 12.016/2009. 18.- Após o decêndio legal e decorrido o prazo recursal, vista ao MPF para apresentação de parecer também em dez dias, conforme o art. 12 da Lei n. 12.016/2009. 19.- Registre-se esta decisão em livro próprio, na forma dos arts. 2º e 4º, parágrafo único, da Resolução CJF n. 442/2005. 20.- Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 21.- Intimem-se, com a devida prioridade. João Pessoa, 11 de junho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 2 1

   

0004612-91.2010.4.05.8200 ENGER ENGENHARIA DA CONSTRUCAO CIVIL LTDA (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ, ANGELLO RIBEIRO ANGELO) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Mandado de Segurança - Classe 126 Processo n.° 0004612-91.2010.4.05.8200 Impetrante: ENGER - Engenharia da Construção Civil LTDA Impetrado: Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa Código Assessoria n.º MSD014 DECISÃO 01.- O artigo 3, §1.º, da Lei n.º 9.718/98, foi declarado inconstitucional pelo e. STF, nos autos dos RREE n.º 357.950 e 346.084, em razão de haver sido reconhecida afronta à regra do artigo 195, §4.º, a qual, por sua vez, remete à regra do artigo 154, I, ambos da CF/88. 02.- No julgamento dos aludidos extraordinários, o e. STF entendeu que o citado dispositivo da Lei n.º 9.718/98, ao ampliar o conceito de receita bruta para toda e qualquer receita, acabou criando uma nova espécie de contribuição não prevista no artigo 195, I, da CF/88, em sua redação anterior à EC n.º 20/98. 03.- Sendo assim, tratando-se de nova contribuição, esta somente poderia ser instituída/criada através de lei complementar, não por lei ordinária, como, no entendimento do STF, fez a Lei n.º 9.718/98, em desrespeito aos citados artigo 195, §4.º e 154, I. 04.- Todavia, ao contrário do que alega a parte impetrante, por meio de seu ilustre patrono, a conclusão acima não implica na veracidade da premissa maior do silogismo contido na inicial, qual seja: a alíquota das contribuições previstas no artigo 195, §4.º, da CF/88 também precisa ser criada através de lei complementar. 05.- Para efeitos do artigo 195, §4.º c/c o artigo 154, I, instituir imposto, no caso tributo da espécie contribuição social, significa criá-lo, definindo-lhe o fato gerador/hipótese de incidência, base de cálculo e contribuintes. A esta interpretação, facilmente chega-se através das seguintes premissas: a) o artigo 154, I, fala na criação de impostos, não de contribuições; b) o artigo 146, III, ao fixar a competência da lei complementar, com relação aos impostos, disse que caberia a tal espécie normativa apenas a definição dos respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes. 06.- No tocante às contribuições sociais da cabeça do artigo 195, a disciplina jurídica para a respectiva instituição é mais branda, porque não se exige que os respectivos fatos geradores, bases de cálculo e contribuintes sejam fixados por lei complementar, a não ser no caso das contribuições previstas no artigo 195, §4.º, porque aí a disciplina passa a ser a do artigo 154, I, que trata de impostos, os quais, por sua vez, estão submetidos à regra do artigo 146, III. Em suma, à contribuição do artigo 195, §4.º, aplicam-se às regras mais rígidas relativas aos impostos, tanto à regra remetida do artigo 150, I, quanto à regra geral do artigo 146, III. Mesmo diante de todo o rigor, não há qualquer regra que mencione a necessidade de lei complementar para a fixação da alíquota. 07.- Em tais termos, não havendo qualquer regra constitucional que confirme a premissa de que as alíquotas das contribuições criadas com base no artigo 195, §4.º, tenham que ser previstas em lei complementar, o caso é de indeferimento da medida liminar requerida. 08.- Em face do exposto, indefiro o pedido liminar, nos termos do artigo 7.º da Lei n.º 12.016/09. 09.- Secretaria, intime a parte impetrante, notifique a autoridade impetrada, bem como intime a d. Procuradoria da Fazenda Nacional. 10.- Abra-se vista ao Ministério Púbico Federal, nos termos do art. 12 da Lei n. º 12.016/09 e, na seqüência, com ou sem manifestação, venham-me os autos conclusos para sentença. 11.- Cumpra-se com prioridade. João Pessoa, 14 de junho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF Fl. _____ 1

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000260-61.2008.4.05.8200 OSVALDO MEIRA TRIGUEIRO (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2008.82.00.000260-1 Autor (s): Osvaldo Meira Trigueiro Réu: União e Universidade Federal da Paraíba Código Assessoria n.º S206 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por OSVALDO MEIRA TRIGUEIRO, devidamente qualificado à inicial e através de advogado regularmente habilitado, em face da UNIÃO e da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, através da qual pleiteia: (i) a condenação da UFPBB ao pagamento dos atrasados, no valor de R$ 8.450,77, a partir de 31 de dezembro de 2003, relativo do abono de permanência, com juros e correção monetária; (ii) a condenação da União a se abster de cobrar imposto de renda sobre o abono de permanência e a repetição dos valores indevidamente arrecadados (fl. 07). 02.- Das razões contidas na proemial, extrai-se o que se segue: a) dos R$ 8.450,77 (oito mil, quatrocentos e cinquenta reais e setenta e sete centavos), devidos a título de valores atrasados, alusivos ao abono de permanência, a Universidade Federal da Paraíba pagou somente R$ 3.000,00 (três mil reais) em setembro de 2007, restando à UFPB pagar a diferença, com juros e correção monetária; e b) o abono de permanência tem natureza de indenização, não se enquadrando na definição de renda tributável, não havendo, portanto, acréscimo patrimonial que justifique a incidência do imposto sobre a renda. 03.- A UFPB apresentou contestação (fls. 47/52) alegando que: (i) a natureza jurídica do abono de permanência consubstancia adicional de caráter remuneratório em razão de condições pessoais do servidor; (ii) a legislação tributária que verse sobre isenção deve ser interpretada literalmente, e, sendo assim, não há disposição que autorize a isenção do imposto de renda sobre o referido abono; e (iii) não se mostra pertinente o pagamento dos atrasados do abono de permanência porquanto o termo a quo a ser considerado é o da conclusão do processo administrativo. 04.- Em impugnação à contestação da UFPB (fls. 56/58), o autor reafirmou os termos da inicial. 05.- A União Federal, às fls. 63/72, apresentou contestação, através da qual suscitou, em sede preliminar: a) ausência de interesse de agir, uma vez que não houve qualquer resistência em revisar administrativamente os lançamentos do imposto de renda incidente sobre o abono de permanência; b) carência de ação; e c) inépcia da petição inicial, porquanto foram formulados pedidos incompatíveis. 06.- No mérito, sustentou a União que o autor não preenchia os requisitos exigidos pela Constituição Federal, em 16 de dezembro de 1998, dentre as hipóteses constitucionais, para o percebimento do abono de permanência; afirmou, ademais, que o CTN estabelece que as regras que disciplinem a outorga de isenção devem ser interpretadas literalmente; aduziu, por último, que o recebimento do abono de permanência é fato gerador do imposto de renda, uma vez que há incremento no patrimônio do contribuinte. 07.- O autor impugnou a contestação da União às fls. 75/78. 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO PRELIMINAR 09.- Com relação à preliminar de falta de interesse, por não ter o pleito sido formulado na vida administrativa, deveras, via de regra, entendo que, nesses casos, o processo deve ser extinto sem resolução do mérito. 10.- É que o Poder Judiciário somente deve ser chamado para solucionar conflitos preexistentes, não resolvidos pelos próprios agentes envolvidos, de forma amigável e espontânea. 11.- Todavia, como a questão discutida é eminentemente de direito e, sendo conhecida a postura da União no sentido de tributar a verba em análise, o caso é de rejeição dessa preliminar, pois não seria razoável impor ao cidadão que fizesse o pleito administrativo, quando é certa a rejeição integral dele. 12.- No tocante à falta de interesse processual relativa à pretensão de condenação da UFPB nos valores atrasados, relativos ao abono, esta merece ser acolhida, porquanto, nesse caso, não há a presença de lide alguma, já que o pleito da parte autora já foi satisfeita na seara administrativa. Assim, não havendo necessidade concreta para a atuação atividade jurisdicional no caso, impõe-se a extinção do feito sem resolução do mérito, com relação a este pleito, nos termos do art. 267, VI, do Código de Processo Civil, por carência de ação. 13.- Idêntico desate se dá ao pedido de pagamento dos juros e de correção monetária sobre o valor do abono de permanência, uma vez que se a apreciação do pedido principal restou prejudicada, o acessório, como tal, acompanha a sorte daquele. 14.- Também não há que se falar em inépcia da inicial, porque os pedidos nela formulados, apesar da inconsistência acima referida, não são incompatíveis. MÉRITO 15.- O abono de permanência constitui-se em um incentivo financeiro para que o servidor público mantenha-se na ativa, mesmo já tendo atingido todos os requisitos para o gozo da aposentadoria. 16.- Trata-se de verba, portanto, com caráter nitidamente remuneratório, traduzido em incentivo para que o servidor permaneça trabalhando e, com isso, evite que o Estado faça novas contratações. Ganha o servidor, ganha o Estado (em tese). 17.- Esse tipo de verba não se confunde com a indenização decorrente das férias não gozadas ou da licença prêmio não gozada, porque, nesses casos, o direito do servidor cede frente à necessidade do Estado, ou seja, da necessidade do serviço, de modo que a verba paga em retribuição apresenta-se como indenização pela perda de fruição desse direito à férias e à licença prêmio. 18.- No caso do abono de permanência, não, o servidor não perde o direito à aposentadoria, ele apenas adia o gozo desse direito e fá-lo no seu exclusivo interesse, seja porque deseja receber o abono, seja porque deseja permanecer em atividade, seja pelas duas razões em conjunto. Como dito acima, o Estado também se beneficia, porém a razão da permanência do servidor em atividade não é a necessidade do serviço, como no caso das férias e da licença prêmio não gozadas. 19.- De outro lado, tal e qual ocorreu nos casos das férias e da licença prêmio, no caso do abono sob discussão, não é possível lançar-se a assertiva de que a permanência do servidor em atividade deve ser presumida sempre em razão da necessidade do serviço público, porque isso não é verdade, já que não há, como nos outros dois casos, a possibilidade de essa permanência ser forçada pelo Estado, sob o pretexto ou em nome do serviço público. 20.- Acerca do tema, recente acórdão do e. STJ, relativo a caso julgado no âmbito da CORTE ESPECIAL, que unifica a jurisprudência das Três Secções e das Seis Turmas do Tribunal: PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO - ART. 43 DO CTN - PREQUESTIONAMENTO IMPLÍCITO - ABONO PERMANÊNCIA PREVISTO NO ART. 40, § 19, DA CF - NATUREZA JURÍDICA - VERBA REMUNERATÓRIA - IMPOSTO DE RENDA - INCIDÊNCIA. 1. A Corte Especial deste Tribunal entende não ser necessária a menção explícita aos dispositivos legais no texto do acórdão recorrido para que seja atendido o requisito de prequestionamento. 2. Discute-se nos autos a natureza jurídica, para fins de incidência de imposto de renda, da verba denominada abono de permanência cabível ao servidor que, completado as exigências para aposentadoria voluntária, opte por permanecer em atividade. 3. É faculdade do servidor continuar na ativa quando já houver completado as exigências para aposentadoria voluntária. A permanência em atividade é opção que não denota supressão de direito ou vantagem do servidor e, via de consequência, não dá ensejo a qualquer reparação ou recomposição de seu patrimônio. 4. O abono de permanência possui natureza remuneratória por conferir acréscimo patrimonial ao beneficiário e configura fato gerador do imposto de renda, nos termos termos do artigo 43 do Código Tributário Nacional. Recurso especial improvido. (grifei) (REsp. n.º 1.105.814, julgado pela Corte Especial no dia 07 de maio de 2009, Relator o em. Ministro Humberto Martins) 21.- A pretensão tributária, portanto, não merece acolhimento. III DISPOSITIVO 22.- Em face do exposto, EXTINGO O FEITO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, nos termos do artigo 267, VI, do Código de Processo Civil, com relação à pretensão condenatória formulada contra a UFPB, no sentido do pagamento dos valores atrasados a título de abono. Com relação à pretensão formulada contra a União, a rejeito integralmente, extinguindo o feito com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 23.- Em face da sucumbência da parte autora, condeno-a a pagar honorários advocatícios às rés, os quais arbitro em R$ 500,00 (quinhentos reais), observado o disposto no art. 12 da Lei n.º 1.060/60, por ser ele beneficiário da assistência judiciária. P.R.I. João Pessoa, 29 de junho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 1

   

0000995-31.2007.4.05.8200 MARIA DAS GRACAS XAVIER DE SOUSA (Adv. GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. MARIO GOMES DE LUCENA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2007.82.00.000995-0 Autora: Universidade Federal da Paraíba Ré: Maria das Graças Xavier Sousa Código Assessoria: S194 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada pela UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, em face de MARIA DAS GRAÇAS XAVIER SOUSA, objetivando que a promovida seja compelida a repor os valores indevidamente percebidos no ato da incorporação de quintos, tendo em vista o limite previsto no art. 3º da Lei n.º 8.911/94. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) a promovida é servidora pública federal, e recebeu indevidamente a quantia de R$ 2.942,42, (dois mil novecentos e quarenta e dois reais e quarenta e dois centavos), referente à incorporação de quintos em montante superior ao limite permitido pelo art. 3º da Lei n.º 8.911/94; b) a Controladoria-Geral da União no Estado da Paraíba, ao analisar as fichas financeiras dos servidores da UFPB, que receberam parcelas de função incorporadas em decorrência de sentenças judiciais, constatou a incorporação de parcelas de função em montante superior ao limite permitido pelo art. 3º da Lei n.º 8.911/94, cujas parcelas somadas ultrapassam o limite de 5/5 (cinco quintos); c) em atendimento à determinação da Controladoria-Geral da União, a UFPB providenciou para que fosse revisado o pagamento das parcelas incorporadas de função (quintos) de todos os seus servidores, dentre os quais está a promovida; d) após, encaminhou a Carta Circular n.º 09 - GAB/SRH, a fim de que, no prazo de 30 (trinta) dias, os servidores providenciassem a reposição ao Erário, nos termos do art. 46 da Lei n.º 8.112/90, ocasião em que poderiam justificar a legalidade da percepção de tais valores, ou então restituí-los, até mesmo de maneira parcelada. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 05/22. 04.- Devidamente citada, a ré apresentou contestação às fls. 28/54, acompanhada dos documentos de fls. 55/59, argumentando, em síntese, que: a) as vantagens percebidas pelo servidor público de boa-fé, a qual se presume, decorrentes de erro ou não da Administração Pública, inclusive os que dizem respeito a equivoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do art.46 da Lei n.º 8.112/90; b) são irrepetíveis as verbas percebidas pelo servidor público, provenientes de pronunciamento jurisdicional; a repetição não é devida, porque os valores têm caráter alimentar, mas, sobretudo, porque foram recebidas de boa-fé; o mesmo se aplica àquelas recebidas administrativamente, por força da legislação vigente à época de sua implantação; c) não se mostra cabível a aplicação do art. 46 da Lei n.º 8.112/90, com as alterações estatuídas pela Medida Provisória n.º 2.225-45/2001, à hipótese em que as verbas funcionais foram percebidas pelo servidor, por imperativo de lei vigente à época de sua aposentadoria, dada a sua manisfesta boa-fé; d) ademais, nos termos do § 1º do art. 54 da Lei n.º 9.784/99, o direito da Administração Pública de requerer os valores indevidamente percebidos pelo administrado decai em 5 (cinco) anos, contados da data em que os atos foram praticados e, no caso de efeitos patrimoniais contínuos, contar-se-á a partir da percepção do primeiro pagamento. 05.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 06.- A parte autora sustenta, em síntese, a necessidade da devolução de parcelas recebidas indevidamente pela ré, nos termos do art. 46 da Lei n.º 8.112/90, independentemente de boa-fé, em decorrência de equivocada incorporação de quintos. 07.- Através do relatório da Controladoria-Geral da União, acostado às fls. 06/09, foi constatado, de fato, que houve o pagamento indevido de quintos, ou seja, em montante superior ao limite permitido pela legislação. 08.- Contudo, esse mesmo relatório apontou como causa do pagamento indevido a negligência no gerenciamento da folha de pagamento da entidade: "analisando as alegações apresentadas, verificamos o se segue: a) a UFPB não dispõe de controle das parcelas incorporadas pagas aos seus servidores b) embora tenha informado que, em relação aos servidores estão percebendo mais de cinco quintos, irá proceder à exclusão das parcelas excedentes, o dirigente de recursos humanos não apresentou qualquer documentação probatória da regularidade das demais parcelas incorporadas; c) o dirigente alega que os servidores quês estão percebendo cinco quintos estão em situação regular, mas não apresentou qualquer documentação probatória do direito dos servidores terem incorporado tais parcelas". 09.- Assim, uma vez demonstrado que os pagamentos a maior decorreram de falhas do ente público, não provocadas nem induzidas pela parte autora, que os recebeu de boa-fé, o caso é de se rejeitar a pretensão da UFPB, ainda mais tratando-se de verba de caráter alimentar, ressalvado o direito desta IFES de adequar o padrão remuneratório da autora aos ditames legais e constitucionais. 10.- Acerca do tema, confira-se: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. DEVOLUÇÃO AO ERÁRIO DE VALORES RECEBIDOS INDEVIDAMENTE POR ERRO DA ADMINISTRAÇÃO. BOA FÉ. RECONHECIMENTO. VANTAGEM RECEBIDA HÁ MAIS DE CINCO ANOS. PRESCRIÇÃO. RESTITUIÇÃO AO ERÁRIO. INEXIGIBILIDADE. 1. "A Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial" (Súmula 473 do STF); 2. Inobstante a súmula n. 235 do TCU disponha que diante do recebimento indevido do servidor ou pensionista, por ato viciado, é possível à Administração reconhecê-lo e exigir a reposição, a Suprema Corte (STF) tem chancelado a manutenção do status quo ante, relativamente às verbas percebidas pelos funcionários de boa-fé (RE 80.913-RS; RE 88.110/78-RJ; RE 76.055/73-MA; Reclamação 67.315/73-SP, rel. Min. Aliomar Baleeiro - fls. 66/67); 3. Valores pagos aos servidores em razão de erro da DRT - Delegacia Regional do Trabalho que, com base em decisão judicial que reconhecia aos servidores a aplicação de percentual de URP de fevereiro de 1989, liberou administrativamente diferença de valores que entendeu devida a título de atualização do precatório. 4. A devolução dos valores pagos não deve ser efetivada, visto que os réus não podem ser prejudicados em face de um suposto erro da Administração, a que os mesmos não deram causa, tendo recebido o pagamento de boa- fé. 5. Atente-se ao fato de que cabe à Administração Pública, ao anular atos anteriormente praticados, instaurar procedimento regular, com garantia do contraditório e da ampla defesa. 6. Ante a necessidade de preservar-se os valores supremos do ordenamento jurídico, a segurança jurídica e a certeza do direito, impõe-se reconhecer a inexigibilidade da restituição ao erário. 7. Ademais, verifica-se que a Administração Pública permaneceu inerte durante mais de cinco anos. Pagamento indevido que aconteceu em julho de 1996, ao passo em que, somente em dezembro de 2001, a União Federal ajuizou a presente ação de cobrança. Prescrição que se impõe. 8. Apelação e remessa oficial improvidas. (TRF5 - AC n.º 408.695, julgada, à unanimidade, pela c. 2.ªT, no dia 27 de abril de 2007, Relator o em. e s. Desembargador Federal Petrúcio Ferreira) 11.- No âmbito da 5.ª Região, nesse mesmo sentido: AC n.º 495.069, AC n.º 464.040, APELREEX n.º 6.643, APELREEX n.º 7.953, AMS n.º 80.018, AMS n.º 98.176, APELREEX n.º 5.539, AC n.º 358.294, REO n.º 471.777, AG n.º 79.723, AC n.º 424.735, AC n.º 403.610, AC n.º 412.687, AC n.º 408.695. III DISPOSITIVO 12.- Em face do exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido deduzido à inicial, extinguindo o feito com resolução de mérito nos termos do art. 269, I, do CPC. 13.- Condeno a UFPB a pagar a parte ré honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em R$ 2.000,00 (dois mil reais) (art. 20, § § 3º e 4º do CPC). 14.- Custas na forma de Lei n.º 9.289/96. 15.- Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatório, nos termos do artigo 475 do CPC. P.R.I. João Pessoa, 23 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF

   

0001153-57.2005.4.05.8200 CLEA MARIA DE FREITAS MELO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 0001153-57.2005.4.05.8200 - CLASSE 97 CERTIDÃO CERTIFICO o decurso do prazo do despacho (fls. 263, itens 2/3) com pronunciamento da Fazenda Nacional (fls. 264/275). CERTIFICO, outrossim, que não consta dos autos a data de nascimento do A. CELSO AUGUSTO FRANÇA MELLO, condição indispensável para expedição/assinatura digital de precatório, bem como as assinaturas eletrônicas do Dr. BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO, Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, foram canceladas das requisições (fls. 260/262) por problemas no TEBAS. Dou fé. João Pessoa, 11/06/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 11/06/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos DESPACHO: 1- R.H. 2- Em face da certidão supra, informe o A. CELSO AUGUSTO DE FRANÇA MELLO a sua data de nascimento para fins de assinatura digital do precatório (fls. 260). 3- Concomitantemente, cumpra-se o despacho (fls. 256, itens 4/7) em relação às RPV's (fls. 261/262). 3- Intimem-se. João Pessoa, 18/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto na Titularidade da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0002186-53.2003.4.05.8200 CLAUDIO MOREIRA DA COSTA (Adv. MARIA DA GLORIA BESSA ZAVASKI) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DE FATIMA DE SA FONTES)

Processo n.º 0002186-53.2003.4.05.8200 Despacho/decisão 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2-[ ] Cumpra-se o despacho/decisão (fls.________). 11-Vista: 3-[ ] À especificação de provas. [ ] Ao MPF para oferta de parecer. [ ] Ao MPF para ciência da sentença. 4-[ ] Cite(m)-se (CPC, art. _______). [ ] Às partes. 5-[ ] Defiro o pedido de Justiça Gratuita. [ ] Ao Defensor Público da União. Cite(m)-se (CPC, art. 285). [ ] Ao(s) autor(es). 6-[ ] Recebo o(s) recurso(s) em seu duplo efeito. Vista ao(s) recorrido(s) para as contra-razões. [ ] À parte autora para impugnação. Após, subam os autos ao Eg. TRFda 5ª Região. [ ] Ao(s) réu(s). [ ] Ao INCRA. [ ] À A.G.U. 7-À conclusão: [ ] Ao INSS. [ ] Para sentença. [ ] À FAZENDA NACIONAL. [ ] Para despacho. [ ] Para decisão. 12-Expeça-se: [ ] Mandado de citação. 8-Remetam-se os autos: [ ] Mandado de intimação. [ ] À publicação. [ ] Carta precatória. [ ] Ao cálculo. [ ] Ofício. [ ] Ao distribuidor para baixa e arquivamento. [ ] Precatório. Intimem-se as partes. [ ] Ao arquivo. [ ] R.P.V. Intimem-se as partes. [ ] Ao TRF da 5.ª Região. 13-Aguarde-se: [ ] A devolução do(s) mandado(s). 9- Cobre-se: [ ] A devolução do(s) ofício(s). [ ] O mandado. [ ] O prazo da contestação. [ ] O ofício. [ ] O prazo do recurso. [ ] A precatória. [ X] O decurso do prazo. 10-[ ] ________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ João Pessoa, _____/maio/2010. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal da 1.ª Vara Juíz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB CERTIDÃO Certifico a suspensão dos prazos processuais nesta Vara no período de 24 a 28 de maio de 2010, em razão da Inspeção Ordinária Anual. Dou fé. João Pessoa, ____/maio/2010. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1.ª Vara

   

0002530-92.2007.4.05.8200 ALEXANDRE MOURA TAVARES E OUTRO (Adv. JOSE CEPHAS DA SILVA OLIVEIRA) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2007.82.00.002530-0 Autor (s): Alexandre Moura Tavares e outro Réu: União Código Assessoria n.º S208 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por ALEXANDRE MOURA TAVARES e FRANCISCO JOACY SANTOS, devidamente qualificados na inicial e através de advogado regularmente habilitado, em face da UNIÃO, por meio da qual pleiteiam: (i) a declaração de inexistência de relação jurídica válida para cobrança de IRPF sobre o décimo terceiro salário e; (ii) a restituição dos valores cobrados a esse título a partir de novembro de 2001. 02.- Das razões apresentadas pelos autores em sua inicial, extrai-se o seguinte: a) o décimo terceiro salário, pelo caráter alimentar, não consubstancia acréscimo patrimonial e, sim, ajuda de custo; b) o Superior Tribunal de Justiça pacificou entendimento de que não incide imposto de renda sobre décimo terceiro salário, nos termos do REsp. n.º 670.716; c) demonstrada a retenção indevida do imposto de renda, é devida a restituição dos respectivos valores. 03.- A inicial foi instruída com os documentos de fls. 07/33. 04.- Com o pedido de assistência judiciária gratuita indeferido (fls. 39/41), as custas foram devidamente recolhidas (fls. 43/44). 05.- Citada, a União apresentou contestação (fls. 48/49), a partir da qual sustenta, em síntese, que, apesar de não incidir imposto de renda sobre férias e licença-prêmio não gozadas por necessidade de serviço, a teor do que dispõem os enunciados da Súmula n.º 125 e da Súmula n.º 136, ambas do e. STJ, o mesmo não ocorre com a gratificação natalina, dado o seu caráter salarial, que redunda em acréscimo patrimonial. 06.- Os autores, apesar de intimados (fl. 54), não apresentaram impugnação. 07.- A União aduziu que não tinha provas a produzir (fl. 57). Os autores não requereram a produção de novas provas (fl. 58). 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 09.- O ponto fulcral da presente lide cinge-se à natureza jurídica do décimo terceiro salário, se trata-se de verba indenizatória ou se, ao contrário, trata-se de verba remuneratória, que representa acréscimo patrimonial. 10.- O art. 43 do CTN assim disciplina renda e proventos: Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica: I - de renda, assim entendido o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos; II - de proventos de qualquer natureza, assim entendidos os acréscimos patrimoniais não compreendidos no inciso anterior. 11.- Com se vê, o imposto sobre a renda tem como fato gerador a aquisição da disponibilidade econômica ou jurídica, proveniente de renda ou proventos de qualquer natureza. 12.- As verbas indenizatórias, em face da natureza de recomposição do patrimônio, material ou imaterial, não se sujeitam à incidência do imposto sobre a renda, por não constituírem novo acréscimo patrimonial e, por esse motivo, dentre as hipóteses de incidência daquele tributo sobre o patrimônio, como tal não se enquadram. 13.- De outro lado, o décimo terceiro possui natureza salarial, configurando, por isso, renda nova, sujeita à incidência da exação, consoante já decidiu o Superior Tribunal de Justiça reiteradas vezes. 14.- A título ilustrativo, a ementa abaixo: PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO - CPC, ART. 535 - AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO - IMPOSTO DE RENDA SOBRE O DÉCIMO-TERCEIRO SALÁRIO - DEMISSÃO SEM JUSTA CAUSA - INCIDÊNCIA - SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA - REEXAME - SÚMULA 07/STJ. 1. Não ocorre ofensa ao art. 535, II, do CPC, se o Tribunal de origem analisa, ainda que implicitamente, a tese objeto dos dispositivos legais apontados pela parte. 2. O fato gerador do imposto de renda é a aquisição de disponibilidade econômica ou jurídica decorrente de acréscimo patrimonial (art. 43 do CTN). Dentro deste conceito se enquadram os valores recebidos pelo empregado a título de décimo-terceiro salário ou gratificação natalina, quando da rescisão do contrato de trabalho por iniciativa do empregador. 3. É pacífico nesta corte o entendimento no sentido de que a análise das circunstâncias que levaram a instância de origem a reconhecer a existência de sucumbência recíproca demandaria o reexame de provas, vedado em sede de recurso especial, a teor da Súmula 07/STJ. 4. Recurso especial conhecido em parte e, nessa parte, não provido. (REsp. n.º 998.274/SP, relatora A EM. Ministra Eliana Calmon, Segunda Turma, julgado no dia 12 de agosto de 2008 e publicado no DJU do dia 08 de setembro de 2008) 15.- Ainda sobre o assunto, confira-se: REsp. n.º 850.091/RN, AgRg no REsp. n.º 895.589/SC, REsp. n.º 572.939/RS, REsp n.º 694.087/RJ, REsp n.º 869.151/PR, REsp n.º 809.987/SP, REsp n.º 644.677/RS, AgRg no REsp n.º 601.435/RS. 16.- Portanto, conforme se demonstrou, os valores pagos a título de gratificação natalina não têm natureza indenizatória, mas tipicamente remuneratória, se amoldando à definição de renda em sentido amplo expressa no art. 43 do Código Tributário Nacional. III DISPOSITIVO 17.- Em face do exposto, julgo improcedente a pretensão inicial e extingo o processo com resolução de mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 18.- Por fim, condeno os autores a pagar honorários advocatícios de sucumbência, arbitrados em R$ 500,00 (quinhentos reais) para cada um, na forma do art. 20, § 4º, do CPC. 19.- Cumpra-se. P.R.I. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 13 Fls.____ 1

   

0003308-62.2007.4.05.8200 MARIA DE LOURDES SOARES DE ABREU (Adv. FENELON MEDEIROS FILHO) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0003308-62.2007.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: MARIA DE LOURDES SOARES DE ABREU EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB C E R T I D Ã O Certifico que a Ação da Medida Cautelar nº 2.243-PB (2006.05.00.044460-5), foi julgada improcedente por perda superveniente de objeto, e da Ação Rescisória nº 4861-PB (2003.05.00.032359-0), foi julgada procedente para rescindir o acórdão prolatado nos autos da Ação Civil Pública nº 93.0003008-6, Classe 01, promovida pelo Ministério Público Federal e Outros contra a UNIÃO e Outros, julgando, portanto, improcedente a referida Ação Civil Pública. Dou fé. João Pessoa, 27 de maio de 2010. CORIOLANO M DE SOUSA Analista Judiciário Processo:0003308-62.2007.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: MARIA DE LOURDES SOARES DE ABREU EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2- Em face da certidão (fls. 58), junte a Secretaria da Vara aos presentes autos cópias integrais dos acórdãos proferidos na Medida Cautelar nº 2.243-PB (2006.05.00.044460-5) e na Ação Rescisória nº 4861-PB (2003.05.00.032359-0). 3- A seguir, vista às partes para requererem o que entenderem de direito. 4- Por último, voltem-me conclusos para sentença de extinção. 5- Intimem-se. João Pessoa, _____/ maio/2010. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB CERTIDÃO Certifico a suspensão dos prazos processuais nesta Vara no período de 24 a 28 de maio de 2010, em razão da Inspeção Ordinária Anual. Dou fé. João Pessoa, ____/maio/2010. CORIOLANO M DE SOUSA Analista Judiciário P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0005194-48.1997.4.05.8200 SEVERINA MONTEIRO DE OLIVEIRA (Adv. FRANCISCA FERREIRA DA SILVA) x UNIAO (DNER) (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ)

AÇÃO ORDINÁRIA nº 0005194-48.1997.4.05.8200 - Classe 206 - EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Exequente(s) : SEVERINA MONTEIRO DE OLIVEIRA. Executado(s) : UNIAO (DNER). S E N T E N Ç A Vistos, etc... Trata-se de execução de título judicial promovida por SEVERINA MONTEIRO DE OLIVEIRA em desfavor do UNIAO (DNER). 2. Os precatórios, para satisfação do débito, foi(ram) expedido(a)(s) na forma da Resolução nº 559/2007 do CJF. 3. O pagamento está demonstrado nos autos (fls. 200/203), configurando o integral cumprimento da obrigação. 4. Incidentes processuais ou requerimentos de quaisquer das partes inexistem, neste caso. 5. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 794, I, declaro extinta a execução, para que produza jurídicos e legais efeitos. 6. Decorrido o prazo recursal, remetam-se os autos ao Distribuidor para baixa e arquivamento. 7. P. R. I. João Pessoa, 30/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1.ª Vara

   

0005394-98.2010.4.05.8200 MARCOS TADEU LACERDA (Adv. RODRIGO AZEVEDO GRECO, RODRIGO AZEVEDO TOSCANO DE BRITO, DELOSMAR DOMINGOS DE MENDONCA JUNIOR, EDUARDO MONTEIRO DANTAS, ALEXANDRE SOUZA DE MENDONÇA FURTADO, FABIO ANDRADE MEDEIROS, DANIEL HENRIQUE ANTUNES SANTOS, ALVARO DANTAS WANDERLEY, VIRGINIUS JOSE LIANZA DA FRANCA, FELIPE DE FIGUEIREDO SILVA, RHUBIA LACERDA MARTINS DE OLIVEIRA, CARLOS EMILIO FARIAS DA FRANCA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 0005394-98.2010.4.05.8200 Autor (a): Marcos Tadeu Lacerda Ré: União Código Assessoria n.º DDC141 D E C I S Ã O 01.- Inicialmente, indefiro o pedido de decretação de segredo justiça sobre este feito, porque o conteúdo da demanda não é passível dessa medida, mas apenas os documentos acomodados nos envelopes de fls. 09/10. É importante frisar que, decretar o segredo de justiça de forma ampla e irrestrita, conforme requerido, somente traria prejuízo para a marcha processual, já que a medida impõe que todos os atos de comunicação sejam feitos por oficial de justiça, em detrimento do ágil sistema de publicações na imprensa oficial. Além do mais, ficaria eliminada a possibilidade de consulta, por parte das pessoas interessadas, aí incluídos os patronos, ao sistema informatizado desta Justiça Federal (TEBAS). Dessa forma, decreto o segredo de justiça apenas sobre os documentos acima, os quais permanecerão nos autos, porém deverão ser encartados em novos envelopes, os quais serão lacrados e rubricados pelo Diretor da Vara, que de tudo dará certidão. 02.- O segredo de justiça acima decretado tem como fundamento o direito à intimidade, previsto no artigo 5.º, X, e no artigo 93, IX, ambos da CF/88, bem como a regra proibitiva especificamente dirigida aos psicólogos, nos termos do artigo 9.º do Código de Ética da profissão, estabelecido pela Resolução CFP n.º 10, de 27 de agosto de 2005, conforme o permissivo constante da Lei n.º 5.766/71. 03.- Quanto ao pedido de medida liminar, reservo-me para apreciá-lo após a apresentação da contestação ou o decurso, em branco, do prazo respectivo. 04.- Cite-se a parte demandada, com as cautelas de estilo. 05.- Com a resposta do réu ou, após o decurso, em branco, do prazo para a apresentação da contestação, voltem-me os autos conclusos, imediatamente, para decisão. 06.- Aponha-se na capa dos autos etiqueta indicando a existência de pedido liminar pendente de apreciação. 07.- Intime-se a parte autora, através de seu il. patrono, acerca desta decisão. 08.- Cumpra-se com prioridade. João Pessoa, 28 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF Fls._____ JFPB 2

   

0007533-28.2007.4.05.8200 JOSE FERREIRA DOS SANTOS FILHO (Adv. MANOEL AMANCIO DOS SANTOS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2007.82.00.007533-8 Autor (a): José Ferreira dos Santos Filho (assistido) Réu: Instituto Nacional de Seguro Social - INSS Código Assessoria n.º S210 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por JOSÉ FERREIRA DOS SANTOS FILHO, assistido por sua curadora MARIA DO CARMO FÉLIX DOS SANTOS, devidamente qualificados na inicial, através de advogado regularmente habilitado, em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, por meio da qual pleiteia (i) seja-lhe concedido o benefício previdenciário, consistente em amparo assistencial, em razão de sua invalidez; (ii) seja o réu condenado a lhe pagar os valores correspondentes ao tal benefício, a partir da data em que este foi requerido administrativamente. 02.- Das razões apresentadas pelo autor em sua inicial, extrai-se o seguinte: a) formulou requerimento administrativo perante o réu, através do qual requereu fosse-lhe concedido o amparo social, em razão de sua condição de pessoa portadora de deficiência física e orgânica, pleito que lhe foi negado; b) o indeferimento administrativo foi ilegal, ferindo as normas de regência a respeito da concessão do referido benefício previdenciário. 03.- Com a inicial, vieram os documentos de fls. 05/18. 04.- O pedido de assistência judiciária gratuita foi deferido, porém o pedido de antecipação de tutela, não (fl. 22). 05.- Devidamente citado, o Instituto Nacional do Seguro Social apresentou sua contestação (fls. 33/48), a partir da qual colhe-se, em síntese, que a perícia médica do instituto-réu concluiu que não existe incapacidade, seja para os atos de uma vida independente, seja para o desempenho de trabalho, ofício ou profissão, conforme exigência da Lei Orgânica de Assistência Social. 06.- Houve impugnação à contestação (fl. 50). 07.- O item 11 da decisão de fl. 22 não foi devidamente cumprido pela Secretaria da Vara, porém o MPF foi ouvido à fl. 99, nos termos da decisão de fl. 98. 08.- O INSS peticionou informando que não tinha provas a produzir (fl. 55). 09.- Chamado o feito à ordem, foi determinado, de ofício, a realização de prova pericial, através de decisão às fls. 57/59. 10.- Perícia realizada às fls. 86/87, com manifestação do réu (fl. 67). 11.- O INSS apresentou suas razões finais às fls. 96/97. 12.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO OS REQUISITOS DO AMPARO ASSISTENCIAL 12.- A Constituição Federal, em seu art. 203, V, prevê o benefício assistencial para aqueles que, sendo portadores de deficiência ou idosos, comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei. 13.- Regulamentando a Constituição Federal neste ponto, o amparo assistencial ou benefício de prestação continuada é previsto, no artigo 20 e no artigo 21 da Lei 8.742, de 07 de dezembro de 1993, para a pessoa portadora de deficiência ou para aquela com idade mínima de 70 anos, que comprove não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família, cuja renda mensal "per capita" seja inferior a 1/4 do salário mínimo. Confira-se a redação das regras mencionadas: Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garantia de 1 (um) salário mínimo mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso com 70 (setenta) anos ou mais e que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção e nem de tê-la provida por sua família. (grifei) § 1o Para os efeitos do disposto no caput, entende-se como família o conjunto de pessoas elencadas no art. 16 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, desde que vivam sob o mesmo teto. (Redação dada pela Lei nº 9.720, de 30.11.1998) (grifei) § 2º Para efeito de concessão deste benefício, a pessoa portadora de deficiência é aquela incapacitada para a vida independente e para o trabalho. (grifei) § 3º Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa portadora de deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo. (grifei) § 4º O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo o da assistência médica. (grifei) § 5º A situação de internado não prejudica o direito do idoso ou do portador de deficiência ao benefício. § 6o A concessão do benefício ficará sujeita a exame médico pericial e laudo realizados pelos serviços de perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. (Redação dada pela Lei nº 9.720, de 30.11.1998) (grifei) § 7o Na hipótese de não existirem serviços no município de residência do beneficiário, fica assegurado, na forma prevista em regulamento, o seu encaminhamento ao município mais próximo que contar com tal estrutura. (Redação dada pela Lei nº 9.720, de 30.11.1998) § 8o A renda familiar mensal a que se refere o § 3o deverá ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no regulamento para o deferimento do pedido.(Redação dada pela Lei nº 9.720, de 30.11.1998) (grifei) Art. 21. O benefício de prestação continuada deve ser revisto a cada 2 (dois) anos para avaliação da continuidade das condições que lhe deram origem. § 1º O pagamento do benefício cessa no momento em que forem superadas as condições referidas no caput, ou em caso de morte do beneficiário. (grifei) § 2º O benefício será cancelado quando se constatar irregularidade na sua concessão ou utilização. 14.- Vale lembrar que, em relação ao idoso, a Lei n.º 10.741, de 1.º de outubro de 2003, diminuiu a idade mínima de 70 para 65 anos, de maneira que, ante o princípio da especialidade previsto na LICC, houve derrogação, neste ponto, da Lei n.º 8.742/93. Ainda quanto à questão do idoso, vale ressaltar que o Estatuto do Idoso previu também que o amparo social por idade ali previsto e já concedido a qualquer membro da família não será computado para os fins do cálculo da renda familiar per capita a que se refere à Lei n.º 8.712/93: Art. 34. Aos idosos, a partir de 65 (sessenta e cinco) anos, que não possuam meios para prover sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família, é assegurado o benefício mensal de 1 (um) salário-mínimo, nos termos da Lei Orgânica da Assistência Social - Loas. Parágrafo único. O benefício já concedido a qualquer membro da família nos termos do caput não será computado para os fins do cálculo da renda familiar per capita a que se refere a Loas. 15.- Quanto à questão da renda familiar, além da restrição constante do (i) § 3.º do artigo 20 da LOAS, e além da observação contida (ii) no parágrafo único do artigo 34 do EI, deve ser observada ainda a casuística quanto à analise, no caso concreto, do limite de 1/4 de salário mínimo por cabeça no núcleo familiar do interessado na percepção do amparo, seja o idoso, seja o deficiente. É que, em situações excepcionais, considerando-se a realidade do núcleo familiar, a jurisprudência tem mitigado e relativizado a exigência do requisito renda, (a) seja nos casos em que a renda familiar acima do 1/4 do salário mínimo seja deveras diluída entre o grande número de membros, (b) seja ainda em face de algum estado clínico que inviabilize o interessado no amparo de prover a própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, tudo com vistas a se garantir um mínimo de dignidade à sobrevivência do cidadão. 16.- Sobre o tema, confira-se: PROCESSUAL CIVIL E PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. ASSISTÊNCIA SOCIAL. BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA. REQUISITOS LEGAIS. ART. 20, § 3º, DA LEI Nº 8.742/93. I - A assistência social foi criada com o intuito de beneficiar os miseráveis, pessoas incapazes de sobreviver sem a ação da Previdência. (grifei) II - O preceito contido no art. 20, § 3º, da Lei nº 8.742/93 não é o único critério válido para comprovar a condição de miserabilidade preceituada no art. 203, V, da Constituição Federal. A renda familiar per capita inferior a 1/4 do salário-mínimo deve ser considerada como um limite mínimo, um quantum objetivamente considerado insuficiente à subsistência do portador de deficiência e do idoso, o que não impede que o julgador faça uso de outros fatores que tenham o condão de comprovar a condição de miserabilidade do autor. Precedentes. Agravo regimental desprovido. (grifei) (AgRg. no REsp. n.º 824.817, Relator o em. Ministro Félix Fischer, julgado no dia 19 de setembro de 2006 e publicado no DJU do dia 16 de outubro de 2006) PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DECLARATÓRIOS. CONTRADIÇÃO. INOCORRÊNCIA. PREVIDENCIÁRIO. ASSISTÊNCIA SOCIAL. BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA. REQUISITOS LEGAIS. ART. 20, § 3º, DA LEI Nº 8.742/93. I - A contradição ensejadora do incidente de declaração pressupõe a existência de termos inconciliáveis entre si no corpo da decisão, o que não restou demonstrado in casu. Precedentes. II - A assistência social foi criada com o intuito de beneficiar os miseráveis, pessoas incapazes de sobreviver sem a ação da Previdência. III - O preceito contido no art. 20, § 3º, da Lei nº 8.742/93 não é o único critério válido para comprovar a condição de miserabilidade preceituada no art. 203, V, da Constituição Federal. A renda familiar per capita inferior a 1/4 do salário-mínimo deve ser considerada como um limite mínimo, um quantum objetivamente considerado insuficiente à subsistência do portador de deficiência e do idoso, o que não impede que o julgador faça uso de outros fatores que tenham o condão de comprovar a condição de miserabilidade do autor. Precedentes. IV - A pretensão do embargante é obter novo julgamento, o que não é possível, via de regra, por meio de embargos declaratórios. (grifei) Embargos rejeitados. (EDcl. no AgRg. no REsp. n.º 824.817, Relator o em. Ministro Félix Fischer, julgado no dia 14 de novembro de 2006 e publicado no DJU do dia 11 de dezembro de 2006) 17.- Ainda sobre o assunto, confira-se: REsp. n.º 222.764, REsp. n.º 222.777, REsp. n.º 222.778, REsp. n.º 288.742, REsp. n.º 397.943, REsp. n.º 327.836, REsp. n.º 435.871, REsp. n.º 868.600, AgRg. no REsp. 835439, AgRg. no AG n.º 311.369, AgRg. no AG n.º 419.145, PU n.º 2002.70.09.003341-2. 18.- Por fim, especificamente quanto ao deficiente, também há que se observar a casuística e a jurisprudência consolidada sobre o assunto, pois, apesar de os termos da lei serem claros, no sentido de que só é merecedor do amparo aquele que, deficiente, for incapacitado para a vida independente e para o trabalho, existem algumas nuances que devem ser consideradas na prática. Como os conceitos de vida independente e incapacidade para o trabalho são relativos e admitem cores diversas conforme a realidade psíquica e social de cada postulante, foi editada pela TNU a Súmula n.º 29, cuja redação é a seguinte: Para efeitos do art. 20, § 2.º da Lei n.º 8.742 de 1993, incapacidade para a vida independente não é só aquela que impede as atividades mais elementares da pessoa, mas também a impossibilita de prover ao próprio sustento. 19.- Sobre o assunto, confira-se ainda: REsp. n.º 360.202, Processo n.º 2001.80.00.009426-0, PU n.º 2004.30.00.702129-0. O CASO CONCRETO 20.- No presente caso, o benefício é requerido por deficiente que alega a sua incapacidade para levar uma vida independente, bem como para prover seu próprio sustento e a controvérsia gira em torno apenas das circunstâncias exclusivamente de ordem médica, posto que o instituto-réu entendeu não ser o autor incapaz nos termos em que posto e tratado o regime jurídico sobre o tema. 21.- Segundo o laudo pericial emitido pelo perito judicial (fls. 86/88), o autor é portador de retardo mental leve (F 70 CID - 10), concluindo pela incapacidade definitiva para o trabalho intelectual, podendo, todavia, realizar tarefas de menor complexidade e que exijam habilidades de ordem prática. 22.- Deve, também, ser salientado que segundo informações prestadas ao perito judicial, o autor faz uso diário de medicação indicada para o tratamento de síndromes psicóticas (Seroquel 100mg, 2 vezes ao dia, e Levozine), ambos neurolépticos, bem como de ansiolítico (Diazepan), tendo sido informado por seu irmão, com quem vive desde a morte de sua genitora, que ele apresenta um comportamento agressivo quando não faz uso da medicação, além de ter problemas para levar uma vida independente. 23.- Ressalte-se, em acréscimo, que consta dos autos termo de compromisso (fl. 06) no qual a senhora MARIA DO CARMO FÉLIX DOS SANTOS foi nomeada curadora do autor, conforme sentença proferida no processo de Interdição n.º 0182002001005-6, em razão do mesmo ser portador de Psicose Esquizofreniforme CID 10 F 20.8. 24.- Conclui-se, assim, pela existência de patologia que, por si só, já torna difícil ou impossível a atividade para o trabalho. A vida independente passa necessariamente pelo mínimo necessário à sua sobrevivência, que não pode prescindir das atividades básicas. 25.- Convém salientar que o instituto réu, ao ser intimado para se pronunciar sobre o laudo pericial, fez juntar aos autos análise do Supervisor Médico-Pericial da Previdência Social em João Pessoa-PB, na qual sustenta ter o autor capacidade para exercer trabalho braçal (fl. 97). 26.- Considerando-se as circunstâncias sócio-econômicas do autor, o seu baixo nível de instrução, a realidade da região onde ele vive, o preconceito social e a dificuldade que ele teria em inserir-se no mercado de trabalho, conclui-se que as limitações ocasionadas pela sua deficiência, por si só, já tornam difícil a atividade para o trabalho. A vida independente passa necessariamente pelo mínimo necessário à sua sobrevivência, que não pode prescindir das atividades básicas. 27.- Em tais termos, o pedido procede. A TUTELA DE URGÊNCIA 28.- Tendo-se em vista o período decorrido entre o ajuizamento da ação e a data da prolação desta sentença, tendo-se em vista que, provavelmente, além da remessa oficial, haverá ainda recurso voluntário, tendo-se em vista a necessidade do autor em receber o meio material assistencial reconhecido neste feito e tendo-se em vista que, mais do que verossimilhança do direito alegado, no caso, já se tem a certeza dele, o caso é de concessão da antecipação de tutela, nos termos do artigo 273 do CPC, porém apenas para a implantação imediata do benefício perseguido. III DISPOSITIVO 29.- Em face do exposto, julgo procedente a pretensão e extingo o processo com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I do CPC, para: a) determinar ao réu que conceda ao autor o benefício de amparo assistencial, no valor de 01 (um) salário-mínimo, com efeitos a partir da data do primeiro requerimento administrativo do benefício (28.03.2000, fl. 16); b) condenar o réu a pagar ao autor os valores pretéritos, contados a partir do mês imediatamente anterior àquele em que for implantado o benefício aqui concedido e, retroativamente, até a data do primeiro requerimento administrativo, nos termos fixados no item anterior, porém ressalvadas as parcelas atingidas pela prescrição qüinqüenal, ou seja, aquelas anteriores aos cinco anos da data da propositura da ação. 30.- Nos termos do item 28 supra, DEFIRO a tutela de urgência, para o fim de determinar ao réu que implante o benefício discutidos nestes autos, a partir desta data, assinando-se o prazo de 30 (trinta) dias para tanto, oficiando-se para imediato cumprimento. 31.- Sobre o valor da condenação, deverá incidir correção monetária, a partir de quando devida cada parcela., de acordo com os índices recomendados pelo Manual de Orientação de Procedimentos para os Cálculos na Justiça Federal, aprovado pelo e. Conselho da Justiça Federal. 32.- Também sobre o valor da condenação deverão incidir juros moratórios, sob o percentual de 1,0%, a serem contados a partir da citação válida (Súmula 204 do e. STJ), nos termos do artigo 406 do vigente Código Civil, do artigo 161 do CTN e do Enunciado n.º 20, aprovado por ocasião da 1.º Jornada de Direito Civil promovida pelo CJF. 33.- Por fim, condeno o INSS a pagar ao autor honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em 10% sobre o valor da condenação (art. 20, §§ 3º e 4º do C.P.C.), sem incidência sobre prestações vincendas (Súmula n°. 111, do STJ), bem como as despesas processuais que forem devidamente demonstradas, excluídas as custas, nos termos em que determina a Lei n.º 9.289/96. 34.- No presente feito, cabe remessa oficial, com fulcro no art. 475, § 2º do Código de Processo Civil. 35.- Secretaria, atente para que não mais ocorram eventos como o descrito no item 07 acima. 36.- Oficie-se e cumpra-se com urgência. P.R.I. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 13 Fls.____ 1

   

0007756-78.2007.4.05.8200 JOAO DE SOUZA LIMA FILHO (Adv. VANESSA ARAUJO DE MEDEIROS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2007.82.00.007756-6 Autor (a): João de Souza Lima Filho Réu: INSS - Instituto Nacional do Seguro Social Código Assessoria n.º S195 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por JOÃO DE SOUZA LIMA FILHO, devidamente qualificado(a) na inicial e por meio de advogado(a) regularmente habilitado(a), em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, através da qual pleiteia que a parte ré: (i) averbe como tempo de serviço comum o período que vai de 04 de junho de 1960 a 02 de agosto de 1962, época em possuía idade abaixo de 14 anos; (ii) averbe como tempo de serviço especial, o período que vai de 31 de agosto de 1977 a 30 de junho de 1982, época em que trabalhou como técnico de comutação, sujeito a ruído superior a 80 decibéis; (iii) após averbação, revise o valor da aposentadoria por tempo de contribuição, bem como pague-lhe os valores atrasados, respeitada a prescrição quinquenal. 02.- Com a petição inicial, vieram os documentos de fls. 11/79. 03.- Através da decisão de fl. 83, o pedido de assistência judiciária gratuita foi deferido. 04.- Devidamente citado, o INSS apresentou sua contestação. 05.- Houve impugnação à contestação. 06.- Intimadas, as partes não requereram a produção de prova em audiência. 07.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 08.- Com relação trabalho do menor de 14 anos, é bastante louvável a restrição constitucional existente a respeito. A CF/88, em sua redação original, vedava qualquer tipo de trabalho ao menor de 14 anos, tendo esse limite passado para 16 anos após a promulgação da EC n.º 20/98. 09.- Na CF/67, esse limite era de 12 anos, nos termos do artigo 158, X, limite mantido pela EC n.º 1, de 17 de outubro de 1969, nos termos do artigo 165, X. 10.- O limite de 14 anos foi previsto anteriormente na Constituição de 1946, nos termos do artigo 157, IX, na Constituição de 1937, nos termos do artigo 137, "k", bem como na Constituição de 1934, nos termos do artigo 121, §1.º, "d". 11.- Na Constituição do império, a de 1824, não havia previsão a respeito, como também não havia não primeira Constituição republicana, a de 1891. 12.- Como se observa, é histórica a proteção contra o trabalho da criança e do adolescente, havendo variação no limite de idade. Trata-se de proteção que vem ao encontro do bom desenvolvimento do menor, que deve dedicar-se ao aprendizado, bem assim às atividade esportivas e lúdicas, de maneira que deve ser prestigiada. 13.- Todavia, se o menor efetivamente trabalhou, mesmo a despeito da regra constitucional, e mais, se trabalhou formalmente, não considerar esse labor como tempo de serviço útil ao cômputo de benefício previdenciário é, em vez de salvaguardar seus direitos, puni-lo duplamente. 14.- Em tais termos, a pretensão da parte autora, nesse ponto, merece integral acolhida. 15.- No tocante ao cômputo do tempo de serviço especial, a pretensão, igualmente, merece guarida do Poder Judiciário, uma vez que restou comprovada a atividade sob condições insalubres, consistente na exposição a ruído superior a 80dB, no período de 31 de agosto de 1977 a 30 de junho de 1982, mediante a apresentação de formulário próprio (fl. 40). O laudo pericial de fls. 41/46, conquanto não se reporte ao autor, especificamente, bem como tenha sido elaborada em 1997, levou em conta a atividade de técnico em comutação, bem como as mesmas condições de trabalho em que laborou o autor. 16.- Vale lembrar que, no regime do Decreto n.º 53.831, de 25 de março de 1964, para efeito de aposentadoria especial, fazia-se o (i) enquadramento por categoria profissional, ou seja, conforme a atividade desempenhada pelo segurado, presumia a lei a sujeição a condições insalubres, penosas ou perigosas, bem como o (ii) enquadramento por agente nocivo, isto é, independentemente da atividade ou profissão exercida, o caráter especial do trabalho decorria da exposição a agentes insalubres arrolados na legislação de regência. 17.- Com relação ao ruído, o limite era o de 80 dB, e a prova com relação a ele, seja no regime do Decreto n.º 58.831/64, do Decreto n.º 83.080/79, do Decreto n.º 356/91 ou do Decreto n.º 611/92, podia ser feita apenas com base nos formulários SB40, DSS8030 e DIRBEN8030, não sendo exigido laudo pericial ou perfil profissiográfico, o que somente veio a ser exigido com a MP n.º 1.523/96. III DISPOSITIVO 18.- Em face do exposto, JULGO PROCEDENTE o pedido deduzido na inicial, extinguindo o processo com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I do CPC, para determinar ao INSS que compute o tempo de serviço do autor, no período de 06 de junho de 1960 a 02 de agosto de 1962, bem assim, como tempo de serviço especial, o tempo de serviço relativo ao período de 31 de agosto de 1977 a 30 de junho de 1982. Após o cômputo do tempo de serviço acima mencionado, o réu deverá revisar o valor do benefício da parte autora, bem como pagar-lhe todas as diferenças daí decorrentes, respeitada a prescrição qüinqüenal. 19.- Sobre o valor da condenação, deverá incidir correção monetária, a partir de quando devida cada parcela, mediante a incidência dos índices recomendados pelo manual de cálculos da Justiça Federal. 20.- Sobre o valor da condenação, também serão contados juros moratórios, os quais incidirão, a partir da citação válida, sob percentual de 1% ao mês, nos termos do artigo 406 do CC, combinado com o artigo 161 do CTN. 21.- Honorários advocatícios pelo INSS, os quais arbitro em 10% sobre o valor da condenação, nos termos do artigo 20, §§ 3.º e 4.º, do CPC. 22.- Custas na forma da Lei n.º 9.289/96. 23.- Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatórios, nos termos do artigo 475 do CPC. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 13 Fls.____ 2

   

0007807-89.2007.4.05.8200 JOSÉ LIRA CARNEIRO (Adv. JOSE ALVES CARDOSO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, SUMAIA ANIS EL TIMANI CALAZANS, GILVAN LOPES DE FARIAS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2007.82.00.007807-8 Autor (a): José Lira Carneiro Réu: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Código Assessoria n.º S212 SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por JOSÉ LIRA CARNEIRO, devidamente qualificado na inicial e através de advogado regularmente habilitado, em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, por meio da qual pleiteia: (i) o reconhecimento de todo o seu tempo de serviço como de atividade especial; e (ii) a concessão de aposentadoria especial de modo integral. 02.- Das razões apresentadas pelo autor em sua inicial, extrai-se o seguinte: a) durante toda sua vida laboral, exerceu suas atividades exposto a agentes físicos e químicos de forma permanente e habitual, fato que prejudicou a sua saúde; b) requereu administrativamente perante o INSS, em 27/04/2006, a concessão do benefício pleiteado, mas teve seu pedido indeferido, sob o argumento de que, até 16 de dezembro de 1998, foi comprovado apenas 25 anos, 03 meses e 28 dias de exercício, não tendo sido atingido o tempo mínimo de contribuição exigida de 30 anos, nem o tempo de contribuição equivalente a, no mínimo, 40% do tempo que, em 16/12/1998, faltava para atingir o tempo mínimo exigível nessa data; c) comprovou efetivamente o exercício da atividade laboral em condições especiais, razão pela qual deve ser reconhecido o seu pedido de aposentadoria especial. 03.- Os documentos de fls. 08/45 instruíram a inicial. 04.- A decisão de fl. 48 indeferiu o pedido de antecipação da tutela. 05.- Devidamente citado, o INSS apresentou sua contestação (fls. 51/53), através da qual alegou, em apertada síntese, que o autor não comprovou o tempo mínimo de contribuição exigida, de 35 (trinta e cinco) anos. 06.- A contestação não foi impugnada conforme certificado à fl. 58v. 07.- Convertido o julgamento em diligência (fl. 58), a fim de dar às partes oportunidade para especificação de provas, estas, mesmo devidamente intimadas, nada requerem (fl. 59v.). 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO APOSENTADORIA ESPECIAL 09.- A aposentadoria especial foi criada pelo artigo 31 da Lei n.º 3.807, de 26 de agosto de 1960 e seu objetivo foi o de reduzir ou abreviar o tempo de serviço necessário para a obtenção da aposentadoria para os trabalhadores que laborem ou laboraram em condições prejudiciais e desgastantes da saúde, ou seja, em condições insalubres, penosas ou perigosas: Art. 31. A aposentadoria especial será concedida ao segurado que, contando no mínimo 50 (cinqüenta ) anos de idade e 15 (quinze) anos de contribuições tenha trabalhado durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos pelo menos, conforme a atividade profissional, em serviços, que, para esse efeito, forem considerados penosos, insalubres ou perigosos, por Decreto do Poder Executivo. § 1º A aposentadoria especial consistirá numa renda mensal calculada na forma do § 4º do art. 27, aplicando-se-lhe, outrossim o disposto no § 1º do art. 20. § 2º Reger-se-á pela respectiva legislação especial a aposentadoria dos aeronautas e a dos jornalistas profissionais. 10.- O mencionado artigo 31, posteriormente, foi revogado e substituído pelo artigo 9.º da Lei n.º 5.890, de 08 de junho de 1973, cuja redação é a seguinte: Art. 9º A aposentadoria especial será concedida ao segurado que, contando no mínimo 5 (cinco) anos de contribuição, tenha trabalhado durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos pelo menos, conforme a atividade profissional, em serviços que, para esse efeito, forem considerados penosos, insalubres ou perigosos, por decreto do Poder Executivo. § 1º A aposentadoria especial consistirá numa renda mensal calculada na forma do 1º do artigo 6º, desta lei, aplicando-se-lhe ainda o disposto no § 3º, do artigo 10. § 2º Reger-se-á pela respectiva legislação especial a aposentadoria dos aeronautas e a dos jornalistas profissionais. 11.- Hoje, o regime jurídico para a aposentadoria especial está previsto no artigo 57 da Lei n.º 8.213, de 07 de julho de 1991, cuja redação já sofreu diversas alterações. 12.- Inicialmente, o referido dispositivo previa: (i) enquadramento por categoria profissional, ou seja, conforme a atividade desempenhada pelo segurado, presumia a lei a sujeição a condições insalubres, penosas ou perigosas; (ii) enquadramento por agente nocivo, isto é, independentemente da atividade ou profissão exercida, o caráter especial do trabalho decorria da exposição a agentes insalubres arrolados na legislação de regência. 13.- Com relação à prova das condições de trabalho, seja no regime do Decreto n.º 58.831/64, do Decreto n.º 83.080/79, do Decreto n.º 356/91 ou do Decreto n.º 611/92, ela podia ser feita apenas com base nos formulários SB40, DSS8030 e DIRBEN8030, não sendo necessária a apresentação de laudo pericial ou perfil profissiográfico. 14.- Em seguida, a Lei n.º 9.032, de 28 de abril de 1995, alterou o regime jurídico originariamente previsto no artigo 57 da Lei n.º 8.213/91, para determinar a necessidade de o segurado comprovar a efetiva exposição aos agentes agressivos, exigindo ainda que essa exposição devesse ser habitual e permanente: Art. 57. A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme dispuser a lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) § 1º A aposentadoria especial, observado o disposto no art. 33 desta Lei, consistirá numa renda mensal equivalente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) § 2º A data de início do benefício será fixada da mesma forma que a da aposentadoria por idade, conforme o disposto no art. 49. § 3º A concessão da aposentadoria especial dependerá de comprovação pelo segurado, perante o Instituto Nacional do Seguro Social-INSS, do tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante o período mínimo fixado. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) § 4º O segurado deverá comprovar, além do tempo de trabalho, exposição aos agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, pelo período equivalente ao exigido para a concessão do benefício. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) (grifei) 14.- A exigência da apresentação de laudo pericial ou perfil profissiográfico, por sua vez, somente veio a lume a partir da MP n.º 1.523/96 15.- A seu turno, o Decreto n.º 3.048, de 06 de maio de 1999 disciplinou o que viria a ser tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, asseverando, em seu artigo 65 o seguinte: Art. 65. Considera-se trabalho permanente, para efeito desta Subseção, aquele que é exercido de forma não ocasional nem intermitente, no qual a exposição do empregado, do trabalhador avulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissociável da produção do bem ou da prestação do serviço. (artigo com a redação dada pelo Decreto n.º 4.882, de 18 de novembro de 2003) 16.- Segundo João Batista Lazzari, em seu Manual de Direito Previdenciário, Editora LTR, 5.ª edição, página 537, "a exigência de tempo de trabalho e não mais de tempo de serviço é salutar, pois existiam categorias inteiras que eram beneficiadas com aposentadorias precoces sem que os trabalhadores tivessem sido efetivamente expostos aos agentes nocivos à saúde e aos riscos do trabalho. Dessa forma, não terá direito à aposentadoria especial o segurando que trabalhou ocasionalmente ou de maneira intermitente em condições prejudiciais à saúde. Assim, por exemplo, o dirigente sindical que está desempenhando o mandato respectivo, mas não está exercendo atividade em condições prejudiciais à saúde". 17.- Apesar das regras mais rígidas acima definidas, vale lembrar que o segurado em gozo de férias, bem como a segurada em gozo do benefício do salário-maternidade não têm interrompida a contagem do tempo de serviço em condições especiais. 18.- Quanto aos agentes nocivos, o artigo 58 da Lei n.º 8.213/91, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 9.528, de 10 de dezembro de 1997, dispôs que "a relação dos agentes nocivos químicos, físicos e biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física considerados para fins de concessão da aposentadoria especial de que trata o artigo anterior será definida pelo Poder Executivo". 19.- Em relação ao segurado, o referido artigo determinou que "a comprovação da efetiva exposição do segurado aos agentes nocivos será feita mediante formulário, na forma estabelecida pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, emitido pela empresa ou seu preposto, com base em laudo técnico de condições ambientais do trabalho expedido por médico do trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho nos termos da legislação trabalhista". 20.- Foi determinado ainda que, no laudo técnico referido, deve constar informação sobre a existência de tecnologia de proteção coletiva ou individual que diminua a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância e recomendação sobre a sua adoção pelo estabelecimento respectivo. O CÔMPUTO DO TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL - DIREITO ADQUIRIDO 21.- O direito à contagem do tempo de serviço é adquirido a cada dia de atividade laboral e a legislação que rege esse direito é a vigente ao momento da sua prática, não podendo ocorrer que normas posteriores alterem os critérios de aquisição desse direito já incorporado, sob pena de infração à garantia constitucional do direito adquirido. 22.- Ao trabalho prestado sob condições especiais insalubres, penosas ou perigosas é devida uma contagem diferenciada de tempo de serviço visando compensar a saúde e a integridade física do trabalhador. 23.- Se a legislação vigente à época em que o trabalhador exerceu atividades sob condições adversas permitia a conversão do respectivo tempo de trabalho com acréscimo, o tempo de serviço deveria ser assim contado. CONVERSÃO DE TEMPO DE SERVIÇO 24.- A conversão do tempo de serviço comum em especial foi vedada pela Lei n.º 9.032/95, porém restou mantida a possibilidade de conversão em comum do tempo de serviço especial, a teor do § 5.º do artigo 57 da Lei n.º 8.213/91. 25.- Ocorreu, porém, que mesmo a conversão em comum do tempo de serviço especial, por força do artigo 28 da Lei n.º 9.711, de 28 de novembro de 1998, também foi proibida, restando possível apenas no período que vai de 29 de abril de 1995 até 28 de maio de 1998. 26.- Vale lembrar que o reconhecimento do tempo de serviço especial, para fins de conversão em comum, dever ser efetivado segundo as regras vigentes ao tempo em que o segurado trabalhou ("tempus regit actum"), ou seja, até antes da Lei n.º 9.528/97, o segurado pode contar o tempo de serviço especial por enquadramento em categoria profissional ou por agente nocivo, não sendo o caso de se lhe exigir comprovação de tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante o período mínimo fixado. 27.- Em conclusão, quanto à conversão para fins de benefícios previdenciários, o tempo trabalhado até 28 de abril de 1995, inclusive, poderá sofrer a conversão de tempo comum para especial ou de especial para comum; quanto ao tempo trabalhado a partir de 29 de abril de 1995, somente poderá ocorrer a conversão de tempo especial para tempo comum até 28.05.98. Acerca desta última conclusão, confira-se o teor da Súmula n.º 16 da TNU: "A conversão em tempo de serviço comum, do período trabalhado em condições especiais, somente é possível relativamente à atividade exercida até 28 de maio de 1998 (art. 28 da Lei n.º 9.711/98)." 28.- Entretanto, recentemente, a TNU, acompanhando a jurisprudência do e. STJ, acabou cancelando a mencionada Súmula 16, tendo passado a admitir, sem restrições, a conversão do tempo de serviço especial em comum: E M E N T A CONSTITUCIONAL E PREVIDENCIÁRIO. CONVERSÃO DE TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL EM COMUM. POSSIBILIDADE. LIMITAÇÃO A 28 DE MAIO DE 1998. INEXISTÊNCIA DE ARRIMO LEGAL. 1. Conquanto tenha a Medida Provisória nº 1.663-10, de 28.05.1998, em seu artigo 28, determinado, de maneira expressa, a revogação do § 5º do artigo 57 da Lei nº 8.213, de 1991, não se manteve tal determinação na lei de conversão respectiva (a Lei nº 9.711, de 20.11.1998). 2. O fato de o Decreto nº 3.048, de 1999, na redação original de seu artigo 70, haver regulamentado a conversão do tempo de serviço exercido até 28.05.1998, não desautoriza tal conclusão, eis que não poderia dispor diferentemente da lei em sentido formal. Ademais, a própria redação de tal artigo 70 do Decreto veio a ser alterada (através do Decreto nº 4.827, de 2003), de modo que, atualmente, estatui serem as regras de conversão de tempo de atividade sob condições especiais em tempo de atividade comum dele constantes aplicáveis "ao trabalho prestado em qualquer período". 3. Não prospera o argumento de que, a despeito de haver suprimido a revogação expressa do artigo 57, § 5º, da Lei nº 8.213/1991, teria a Lei nº 9.711/1998, através de seu artigo 28 (o qual, como visto, estatui que "O Poder Executivo estabelecerá critérios para a conversão do tempo de trabalho exercido até 28 de maio de 1998"), mantido a vedação à conversão de tempo de serviço especial em comum. Não se poderia supor que o legislador, deliberadamente, tenha suprimido um dispositivo de dicção clara e direta - "Revogam-se (...) o § 5º do art. 57 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991", tal como estatuía a redação original da MP, antes da conversão em lei -, para proibir a conversão do tempo de serviço de maneira subliminar e indireta, através do citado artigo 28. 4. Pedido de uniformização conhecido e improvido. (TNU - Incidente de Uniformização de Jurisprudência n.º 2004.61.84.005712-5, julgado, por unanimidade, no dia 27 de março de 2009, relatora a em. Juíza Federal Joana Carolina) 29.- Assim, entendendo razoável a nova interpretação dada pela TNU, nos termos acima postos, passo a adotá-la, em todos os seus termos. REGIME JURÍDICO APLICÁVEL 30.- Como visto, diversos regimes jurídicos sucederam-se no tempo, seja fixando as condições para que determinada atividade possa ser considerada como penosa, insalubre ou perigosa, seja fixando regras para a conversão do tempo de serviço comum em especial e deste em comum. 31.- Contudo, deve ficar assentado que a agregação e contagem do tempo de serviço é direito que vai se incorporando ao patrimônio jurídico do segurado à medida em que o labor vai sendo exercido, de maneira que as regras aplicáveis para efeitos da referida contagem serão sempre aquelas vigentes à época em que o segurado desempenhou esta ou aquela qualidade, pois "tempus regit actum" e o direito assim haurido torna-se adquirido e, portanto, deve ser respeitado. CASO CONCRETO 32.- O autor alega que conta com 25 (vinte e cinco) anos, 03 (três) meses e 28 (vinte e oito) dias de tempo de serviço, todo ele prestado em condições especiais e que, por isso, tem direito à concessão do benefício de aposentadoria especial. 33.- Para fins de comprovação do exercício de atividades em condições especiais, constam nos autos os seguintes documentos, nos períodos discriminados: a) Período de 14.08.1980 a 24.04.1989: (i) DIRBEN-8030 (fls. 22/23), referente ao tempo de serviço prestado como ajudante, no setor de montagem, da empresa ALSTOM BRASIL LTDA, com exposição a agentes nocivos físicos [ruído - 90,8 db (com exposição de forma habitual e permanente) e radiação não ionizante - radiação ultravioleta (com exposição de forma habitual e intermitente)] e químicos (solventes e óleos lubrificantes), exposição de modo habitual e intermitente; quanto ao tempo de serviço prestado como ajudante de montagem, trabalhava nas mesmas condições que o profissional da categoria; (ii) laudo técnico pericial individual (fls. 18/19), emitido pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho Antônio Carlos Padoan; b) Período de 14.08.1980 a 24.04.1989: (i) DIRBEN-8030 (fl. 24/25), referente ao tempo de serviço prestado na calderaria leve e pesada da empresa ALSTOM BRASIL LTDA, com exposição a agentes nocivos físicos: i) ruído - 93,0 db (com exposição de forma habitual e permanente) e ii) radiação não ionizante - radiação ultravioleta (com exposição de forma habitual e intermitente); quanto ao tempo de serviço prestado como ajudante de produção, trabalhava nas mesmas condições que o profissional da categoria; (ii) laudo técnico individual pericial (fls. 20/21), emitido pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho Antônio Carlos Padoan; c) Período de 31.10.1989 a 30.09.1991: (i) DSS-8030 (fl. 31), referente ao tempo de serviço prestado como operador de máquinas, no setor de usinagem, da empresa GENERAL MOTORS SO BRASIL LTDA, com exposição a agentes nocivos físicos (ruídos - 87 db), de modo habitual e permanente; (ii) laudo técnico (fl. 28), emitido pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho C. R. Pelizer; d) Período de 01.10.1991 a 14.12.1998: (i) DSS-8030 (fl. 32), referente ao tempo de serviço prestado como operador de máquinas, no setor de usinagem, da empresa GENERAL MOTORS DO BRASIL LTDA, com exposição a agentes nocivos físicos (ruídos 87 db), de modo habitual e permanente; (ii) laudo técnico (fl. 29), emitido pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho C. R. Pelizer; e) Período de 15.12.1998 a 31.12.2000: (i) DSS-8030 (fl. 33), referente ao tempo de serviço prestado como operador de máquinas, no setor de usinagem, da empresa GENERAL MOTORS DO BRASIL LTDA., com exposição a agentes nocivos físicos (ruídos 87 db), de modo habitual e permanente; (ii) laudo de perícia técnica (fl. 30) emitido pelo Engenheiro de Segurança do Trabalho C. R. Pelizer; f) Período de 01.01.2001 a 31.07.2002: (i) DSS-8030 (fl. 34), referente ao tempo de serviço prestado como operador de máquinas de usinagem da empresa GM POWERTRAIN LTDA, com exposição a agentes nocivos físicos (ruídos 87,9 db), de modo habitual e permanente; (ii) laudo técnico (fl. 26), emitido pela Engenheira de Segurança do Trabalho Ana Marcelina Juliani; g) Período de 01.08.2002 a 19.12.2003: (i) DSS-8030 (fl. 35), referente ao tempo de serviço prestado como montador de motor, na linha de montagem de motores, na empresa GM POWERTRAIN LTDA, com exposição a agentes nocivos físicos (ruído - 84,9 db), de modo habitual e permanente; (ii) laudo técnico (fl. 27), emitido pela Engenheira de Segurança do Trabalho Ana Marcelina Juliani; 32.- O DSS-8030 é documento exigido pelo INSS e apto a comprovar a exposição efetiva do empregado aos agentes nocivos, cuja responsabilidade pela emissão é da empresa empregadora, devendo as informações constantes do mesmo reproduzir os termos dos laudos técnicos emitidos por engenheiro ou médico do trabalho. 33.- Os documentos enumerados no item 31, supra, foram emitidos de acordo com as normas legais e indicam a exposição do autor de modo permanente e habitual, a ruídos superiores aos níveis exigidos na legislação vigente na data do exercício das atividades consideradas insalubres. 34.- Nesse sentido, confira-se a elucidativa Súmula n.º 32 da Turma de Uniformização (Julgamento de 21/11/2005, publicado no DJU, de 20/1/2006, Seção I, p.37): "O tempo de trabalho laborado com exposição a ruído é considerado especial, para fins de conversão em comum, nos seguintes níveis: superior a 80 decibéis, na vigência do Decreto n. 53.831/64 (1.1.6); superior a 90 decibéis, a partir de março de 1997, na vigência do Decreto n. 2.172/97; superior a 85 decibéis, a partir da edição do Decreto n.º 4.882, de 18 de novembro de 2003." 35.- Dessa forma, os períodos de tempo de serviço descritos nos itens "e", "f" e "g" acima e parte do período descrito no item "d", segundo informam os formulários DSS8030, foram laborados ao nível de ruído de 87, 87,9, 85 e 87 decibéis respectivamente, de modo que o autor esteve exposto, nesses períodos, a ruídos dentro do limite considerado suportável (90 db) pelo Decreto 2.172 de 5 de março de 1997. 36.- Tampouco é possível alegar que houve neutralização ou redução da exposição do agente nocivo à saúde em razão de uso de equipamento de proteção individual, pelo simples fato de que a utilização desse equipamento não descaracteriza o direito à aposentadoria especial, tendo em vista que seu uso apenas reduz os efeitos da nocividade dos agentes, não afastando a exposição aos mesmos, nos termos da Súmula n.º 09 da Turma de Uniformização dos Juizados Especiais Federais: "O uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI), ainda que elimine a insalubridade, no caso de exposição a ruído, não descaracteriza o tempo de serviço especial prestado". 37.- Ressalto, ainda, que, o simples fato de os laudos técnicos fazerem recomendações de utilização desses equipamentos, classificando-os, exemplificando-os e indicando a sua eficácia de forma genérica, não é suficiente para indicar, em cada caso específico, se foram obedecidas essas recomendações. 38.- Em conclusão, com base nos documentos apresentados e nos critérios jurídicos mencionados, resta comprovado que o (a) autor (a) trabalhou de 14.08.1980 a 04.03.1997 (vigência do Decreto 2.172/97) conforme demonstrado no item 31, supra, em condições especiais. 39.- O INSS havia reconhecido (fl. 11/12) o período de 25 (vinte e cinco) anos, 03 (três) meses e 28 (vinte e oito) dias, como tempo de contribuição comum, no entanto, ficou constatado que parte desse tempo foi exercido em condições especiais pelo autor, razão pela qual o autor faz jus à conversão desse tempo de serviço. III DISPOSITIVO 40.- Em face do exposto, julgo parcialmente procedente a pretensão inicial, extinguindo o processo com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, para: a) reconhecer como especial o tempo de serviço compreendido entre 14.08.1980 e 04.03.1997; b) determinar ao réu que averbe o tempo de serviço especial do autor; 41.- Em virtude da sucumbência recíproca, não haverá condenação em honorários, nos termos do artigo 21 do CPC. 42.- Custa na forma da Lei n.º 9.289/96. 43.- No presente feito, cabe remessa oficial, com fulcro no art. 475 do Código de Processo Civil. P.R.I. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 13 Fls.____ 1

   

0009312-81.2008.4.05.8200 ANTONIO MARQUES DE ARAUJO (Adv. JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO, ANDRESSA CARLOS FREIRE) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2008.82.00.009312-6 Autor: Antônio Marques de Araújo Ré: União (Fazenda Nacional) Código Assessoria n.º 199 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por ANTÔNIO MARQUES DE ARAÚJO, devidamente qualificado(a)(s) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra UNIÃO (FAZENDA NACIONAL), objetivando a condenação da ré ao pagamento de indenização pelos danos morais por eles suportados, em razão de cobrança indevida de tributo. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) o autor foi inserido nos cadastros de restrição de crédito da Receita Federal(CADIN), em razão da ausência de pagamento do Imposto Territorial Rural - ITR, no valor de R$ 1.394,62 (um mil, trezentos e noventa e quatro reais e sessenta e dois centavos), relativo à propriedade rural denominada sítio Ipiranga, no Município do Conde/PB; b) ocorre que, como o imóvel citado fora alienado ao Sr. Valdevino José Correia, em dezembro 2002, seria este novo proprietário o verdadeiro sujeito passivo da obrigação tributária, de modo que o autor requereu a Receita Federal o cancelamento da dívida e da cobrança, o que não teria sido feito até o ajuizamento da presente ação; c) juntou documentos e requereu, ao final, a condenação da União ao pagamento de indenização por dano moral, causado pela cobrança indevida de tributo, bem como pela indevida inscrição em cadastro de devedores da Receita Federal. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 06/23. 04.- O pedido de assistência judiciária gratuita foi deferido à fl. 26. 05.- Devidamente citada, a ré apresentou contestação às fls. 35/40, acompanhada de documentos de fls. 41/89, argumentando, em síntese, que: a) o autor da demanda, desde o exercício de 2000 até o de 2002, declarava-se contribuinte do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural, relativo ao imóvel rural denominado Sítio Ipiranga, o que se comprova através das declarações anexas; b) ocorre que, em 16 de dezembro de 2002, foi passada escritura pública de compra e venda do referido sítio para o comprador e atual contribuinte, o Sr. Valdevino José Correia, sem que este, ou o antigo contribuinte declarado do ITR, informasse à SRFB a mudança de titularidade ou a posse do imóvel; c) o art. 6º da Lei n.º 9.393/96 determinou que o sistema CAFIR (Cadastro de Imóveis Rurais) da Secretaria da Receita Federal do Brasil fosse alimentado por informações fornecidas pelo próprio contribuinte, através do Documento de Informação e Atualização Cadastral do ITR - DIAC, estando aquele obrigado a comunicar qualquer alteração ocorrida, dentre elas a transmissão por alienação da propriedade ou dos direitos a elas inerentes, a qualquer título; d) como o autor não cumpriu a determinação do art. 6.º antes referido, bem como o ITR dos exercícios de 2003, 2004 e 2005 não foram pagos, procedeu-se inscrição dos débitos na Dívida Ativa da União, nos dia 28 de fevereiro de 2008; e) após notificação, o autor requereu administrativamente, em 24 de março de 2008, a transferência do débito para o novo proprietário, o que gerou o Processo Administrativo n.º 10467.800027/2008-37, o qual foi analisado, instruído e teve decisão em prazo razoável, com a alteração do nome do devedor na DAU efetivada em 27 de agosto de 2008; f) não existiu, portanto, fato algum que possa ser caracterizado como ato ilícito; pode-se afirmar que houve apenas um retardo burocrático devido ao zelo administrativo no trato da coisa pública; ademais, o proponente não demonstrou ter sofrido qualquer dano real com a ocorrência do fato em questão. 05.- A parte autora apresentou impugnação às fls. 93/96. 06.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 07.- Não tendo a parte autora informado ao Fisco a alienação do imóvel cuja propriedade consubstanciava o fato gerador do ITR, bem como tendo o Fisco, tão logo ficou sabendo dessa circunstância, providenciado a alteração do pólo passivo alusivo à obrigação tributária relativa ao mencionado imposto, não há que se falar em ato ilícito praticado pela União e, consequentemente, em dano moral. 08.- O dano moral surge quando alguém suporta, indevidamente, uma situação vexatória, humilhante, desestabilizadora ou perturbadora, com potencial para abalar os elementos integrantes de sua personalidade, materiais ou imateriais, como a honra, a dignidade, o bem estar psicológico, o bem estar físico. 09.- Vale lembrar que além de a situação suportada ser apta a gerar todo os males acima, ela também tem que ser proveniente da prática de um ato ilícito, de modo que, reunindo estas duas características, quais sejam, o ilícito e a potencialidade lesiva, o dano moral emerge "ipso facto", não necessitando ser provado (REsp. n.º 209.383). 10.- Contudo, entre a situação de ilícito e a de liceidade, apresenta-se uma situação intermediária, qual seja, aquela provocada por ato ilícito, mas sem grande potencial lesivo, causadora de mero dissabor ou pequeno aborrecimento, comuns na complexa vida social construída pelo homem após séculos de civilização e que não deve ser confundida com aquela outra situação provocada por um ato ilícito apto a causar uma situação vexatória, humilhante, desestabilizadora ou perturbadora, com efetivo potencial para abalar os elementos integrantes da personalidade humana, materiais ou imateriais, como a honra, a dignidade, o bem estar psicológico, o bem estar físico. (REsp. n.º 712.469, REsp. n.º 654.270, REsp. n.º 633.525, REsp. n.º 599.538, REsp. n.º 509.003, REsp. n.º 606.382, REsp. n.º 403.919, REsp. n.º 545.981, AgRg. no Ag. n.º 550.722, AgRg. no Ag. n.º 537.867, AgRg. no REsp. n.º 403.919). 11.- Vale lembrar que, no Direito Tributário brasileiro, é assente que, mesmo nos casos em que o fato gerador é oriundo de pagamentos feitos pelo próprio Estado, como o pagamento de salários e precatórios judiciais, cabe, ainda assim, ao contribuinte informar ao Fisco a ocorrência, a mudança ou qualquer inovação relevante nos fatos que compõem a base do fato gerador dos tributos. 12.- Além disso, no caso do ITR, a Lei n.º 9.393, de 19 de setembro de 1999, é expressa nesse sentido: Art. 6º O contribuinte ou o seu sucessor comunicará ao órgão local da Secretaria da Receita Federal (SRF), por meio do Documento de Informação e Atualização Cadastral do ITR - DIAC, as informações cadastrais correspondentes a cada imóvel, bem como qualquer alteração ocorrida, na forma estabelecida pela Secretaria da Receita Federal. § 1º É obrigatória, no prazo de sessenta dias, contado de sua ocorrência, a comunicação das seguintes alterações: I - desmembramento; II - anexação; III - transmissão, por alienação da propriedade ou dos direitos a ela inerentes, a qualquer título; IV - sucessão causa mortis; V - cessão de direitos; VI - constituição de reservas ou usufruto. 13.- O sucessor do autor (o senhor Valdevino José Correia), na propriedade rural em questão (Sítio Ipiranga), passou a declarar-se contribuinte do ITR, em relação a ela, já com relação ao exercício de 2003. Todavia, essas declarações somente foram apresentadas a partir de 2006 (fls. 18/20), de modo que, entre o ato da alienação do imóvel e a data da apresentação das novas declarações, o Fisco não havia sido informado, por parte do autor, nem por parte do novo contribuinte, acerca da mudança sob discussão. 14.- Todavia, é bem verdade que o lançamento dos créditos tributários, em nome do autor, somente ocorreu em 2008 (fl. 61), quando o Fisco já sabia, ou deveria saber, da nova titularidade do Sítio Ipiranga, de modo que indevidos esses lançamentos. 15.- Ocorre que tais lançamentos se deram porque o então contribuinte, o autor, não procedeu da forma como determina a lei, nos termos acima citados, de modo que se, de um lado, o Fisco deveria saber da nova situação, em razão das declarações apresentadas em 2006, do outro também houve omissão por parte do antigo proprietário, que não apresentou as informações através de Documento de Informação e Atualização Cadastral do ITR - DIAC. 16.- Assim, como o Fisco, uma vez provocado, prontamente restabeleceu a correspondência exata entre proprietário do imóvel e contribuinte, ocasião em que esclareceu a razão da falha, cuja ocorrência, aliás, contou com a contribuição do autor, não há que se falar na prática de ato ilícito por parte da União. 17.- Em tais termos, não tendo havido a prática de qualquer ilícito por parte da União, nem tendo sido detectado dano moral a ser aquilatado, o caso é de rejeição da pretensão, em todos os seus termos. III DISPOSITIVO 18.- Em face do exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido deduzido à inicial, extinguindo o feito com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 19.- Condeno a parte autora nos honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), nos termos do art. 20, § 4º do CPC. 20.- Custas na forma da Lei n.º 9.289/96, combinada com o art. 12 da Lei n.º 1.060/50. 22.- Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos, com a devida baixa na distribuição. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0010278-78.2007.4.05.8200 ANTONIO MARQUES SOBRINHO (Adv. FENELON MEDEIROS FILHO) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0010278-78.2007.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: ANTONIO MARQUES SOBRINHO EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB Certifico que a Ação da Medida Cautelar nº 2.243-PB (2006.05.00.044460-5), foi julgada improcedente por perda superveniente de objeto, e da Ação Rescisória nº 4861-PB (2003.05.00.032359-0), foi julgada procedente para rescindir o acórdão prolatado nos autos da Ação Civil Pública nº 93.0003008-6, Classe 01, promovida pelo Ministério Público Federal e Outros contra a UNIÃO e Outros, julgando, portanto, improcedente a referida Ação Civil Pública. Dou fé. João Pessoa, 27 de maio de 2010. CORIOLANO M DE SOUSA Analista Judiciário Processo:0010278-78.2007.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: ANTONIO MARQUES SOBRINHO EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2- Em face da certidão (fls. 59), junte a Secretaria da Vara aos presentes autos cópias integrais dos acórdãos proferidos na Medida Cautelar nº 2.243-PB (2006.05.00.044460-5) e na Ação Rescisória nº 4861-PB (2003.05.00.032359-0). 3- A seguir, vista às partes para requererem o que entenderem de direito. 4- Por último, voltem-me conclusos para sentença de extinção. 5- Intimem-se. João Pessoa, _____/ maio/2010. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB CERTIDÃO Certifico a suspensão dos prazos processuais nesta Vara no período de 24 a 28 de maio de 2010, em razão da Inspeção Ordinária Anual. Dou fé. João Pessoa, ____/maio/2010. CORIOLANO M DE SOUSA Analista Judiciário P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000092-25.2009.4.05.8200 ENERGISA PARAIBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A (Adv. FERNANDA ROCHA CAMPOS POGLIESE, LUIZ FELIPE HORTA MAIA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2009.82.00.000092-0 Autor (s): Enersiga Paraíba - Distribuidora De Energia S.A. Ré: União Código Assessoria n.º S209 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por ENERGISA PARAÍBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A., devidamente qualificados na inicial e por intermédio de advogado regularmente habilitado, em face da UNIÃO, a partir da qual pleiteia: (i) a declaração da violação do princípio da anterioridade nonagesimal pelo art. 90, § 2.º, do ADCT, introduzido pela Emenda Constitucional n.º 42/2003; (ii) a exibição, pela Receita Federal, dos recolhimentos realizados a título de CPMF, no período de 1.º de janeiro de 2004 a 30 de março de 2004; e (iii) a constituição de crédito tributário no montante relativo ao aumento de 0,30% da alíquota da CPMF, no período amparado pelo princípio da anterioridade nonagesimal. 02.- Das razões apresentadas pela autora em sua inicial, extrai-se o seguinte: a) a EC n.º 12/96 autorizou a instituição da CPMF com a devida e obrigatória observância da anterioridade nonagesimal; b) a EC n.º 21/99 prorrogou a vigência da CPMF e promoveu a alteração de sua alíquota de 0,20% para 0,38%, nos primeiros doze meses, e para 0,30%, nos 12 meses subseqüentes; c) a EC n.º 37/02 prorrogou, até dezembro de 2004, a vigência da CPMF, mantendo a alíquota de 0,38% e passando a prever a alíquota de 0,08%, a partir do exercício de 2004; d) a EC n.º 42/03 prorrogou a vigência da CPMF até 31 de dezembro de 2007 e majorou a alíquota, anteriormente definida para o exercício de 2004, de 0,08% para 0,38%, sem observar a aplicação do princípio da anterioridade. 03.- Citada, a União apresentou contestação (fls. 39/45), a partir da qual asseverou, em síntese, que a EC n.º 42/03 não majorou a alíquota da CPMF, mas evitou a redução da alíquota já praticada, uma vez que a alíquota de 0,08% jamais tinha entrado em vigor, ou seja, não houve majoração da alíquota porque esta nunca fora, efetivamente, reduzida. 04.- A autora, apesar de intimada (fl. 47), não apresentou impugnação (fl. 48). 05.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 06.- A Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira (CPMF) foi instituída pela Lei n.º 9.311, de 24 de outubro de 1996, à alíquota de 0,20%, incidente sobre os fatos geradores verificados no período de tempo correspondente a 13 (treze) meses, contados após decorridos noventa dias da publicação da lei. 07.- A Lei n.º 9.539, de 12 de dezembro de 1997, prorrogou por mais 24 (vinte e quatro) meses a vigência da CPMF, a contar a partir de 23 de janeiro de 1997. 08.- A EC n.º 21, de 18 de março de 1999, prorrogou novamente a cobrança da CPMF, pelo período de 36 (trinta e seis) meses, observada a anterioridade mitigada do art. 195, § 6.º, da Constituição Federal, com alíquota de 0,38%, nos primeiros doze primeiros meses, e de 0,30% nos meses subsequentes. 09.- A EC n.º 37, de 12 de junho de 2002, estendeu até 31 de dezembro de 2004 a cobrança da CPMF, com alíquota na ordem de 0,38% nos exercícios de 2002 e 2003, e à razão de 0,08%, no exercício financeiro de 2004. 10.- Antes de findar o exercício financeiro de 2003, veio a lume a EC n.º 41, de 19 de dezembro de 2003, através da qual restou prorrogado o tempo de exigência da CPMF até 31 de dezembro de 2007, com alíquota de 0,38%. 11.- Como se vê, a alíquota de 0,08%, prevista no art. 84, § 3.º, II, do ADCT, com a redação dada pelo art. 3.º da EC n.º 37, de 12 de junho de 2002, nunca chegou, de fato, a ser cobrada, porque essa disposição sequer teve eficácia ante a derrogação produzida pelo art. 6.º da válida EC n.º 41/03, que manteve substancialmente a base de cálculo, os contribuintes, o fato gerador e a alíquota de 0,38%, vigentes por força do art. 84, § 3.º, I, do ADCT. 12.- Aliás, o contribuinte, no caso concreto, máxime gozaria uma expectativa de direito à alíquota de 0,08% a vigorar no exercício de 2004. O Supremo Tribunal Federal, nesse ponto, possui entendimento consolidado de que não há direito adquirido a regime jurídico (ADI n.º 3105). 13.- Além disso, não há, no âmbito das Cortes Regionais Federais, qualquer dissenso sobre a questão, como se vê a partir dos arestos a seguir transcritos: CONSTITUCIONAL, TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL - CPMF (CONTRIBUIÇÃO PROVISÓRIA SOBRE MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA) - EC Nº 42/2003: MANUTENÇÃO DA ALÍQUOTA EM 0,38% A PARTIR DE JAN 2004 - MERA PRORROGAÇÃO: INAPLICÁVEL O ART. 195, §6, DA CF/88 - RE nº 566.032 (ART. 543-B, CPC) - AGRAVO RETIDO. 1 - Não se conhece do agravo retido não reiterado na apelação (art. 523, § 1º, CPC). 2 - A instituição da CPMF (EC nº 12/96) adveio com a Lei nº 9.311/96, à alíquota de 0,20%, com vigência de 01/1997 a 01/1999 (Lei nº 9.539/97), prorrogada [a] para 01/2000 (EC nº 21/99), alterando-se a alíquota para 0,38% nos 12 primeiros meses e 0,30% nos demais (facultando-se ao Poder Executivo alterá-la dentro de tais limites); [b] para 12/2004 (EC nº 37/2002), mantendo-se a alíquota (0,38%) em 2002 e 2003, acenando com possível redução (expectativa de direito) para 0,08% no ano de 2004; e [c] para 12/2007 (EC nº 42/2003), à alíquota de 0,38%. 3 - Ao tempo da promulgação/publicação da EC nº 42/2003, a alíquota vigente da exação já era de 0,38%, a qual, em tese, somente, seria passível de possível redução em 2004 (de 0,38% para 0,08%), previsão que, ante a superveniência da nova emenda constitucional, findou não se concretizando, mantendo-se a alíquota, pois, no patamar em que já se encontrava. 4 - Simples prorrogação de tributo em sua exata silhueta anterior, mantidos os elementos originais do tipo tributário (base de cálculo, contribuintes, fato gerador e alíquota), dispensa submissão à anterioridade mitigada (RE-AgR nº 382.470/MG). 5 - O Pleno do STF (RE nº 566.032), em sede de repercussão geral (art. 543-B do CPC), assentou que a EC 42/2003 não majorou a alíquota de 0,38%, apenas a prorrogou sem infringência do art. 196, § 6º, CF/88. 6 - A vacatio legis do art. 1º da LICC não se aplica à EC nº 42/03, pois a emenda apenas prorrogou a CPMF, sem majorar a alíquota, bem como porque o texto constitucional possui eficácia plena e entra em vigor na data de sua publicação (salvo disposição em contrário). 7 - Agravo retido de que não de conhece; apelação não provida. 8 - Peças liberadas pelo Relator, em 06/10/2009, para publicação do acórdão. (TRF1 - AMS n.º 2008.38.00.023941-0, relator o em. Desembargador Federal Luciano Tolentino Amaral, Sétima Turma, DJU de 23/10/ 2009) TRIBUTÁRIO. PROCESSO CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA PREVENTIVO. CPMF. EMENDA 42/2003. ANTERIORIDADE. 1. A Suprema Corte sempre considerou constitucional a cobrança da CPMF. 2. "Ao tempo da promulgação/publicação da EC nº 42/2003, a alíquota vigente da exação há era de 0,38%, a qual, em tese, somente, seria passível de possível redução em 2004 (de 0,38% para 0,08%), previsão que, ante a superveniência da nova emenda constitucional, findou não se concretizando, mantendo-se a alíquota, pois, no patamar em que já se encontrava. (...) Tratando-se, pois, de simples prorrogação de tributo em sua exata silhueta anterior, pois os elementos do tipo tributário (base de cálculo, contribuintes, fato gerador e alíquota) já estavam definidos na legislação pretérita, evoca-se a jurisprudência do STF (auto-explicativa, no ponto), que entende inaplicável o princípio da anterioridade mitigada em caso tal (RE-AgR nº 382/470/MG)" (TRF - 1ª Região - AC nº 200538000132288 - Rel. Des. Fed. Luciano Tolentino Amaral - Sétima Turma - Data da Decisão: 16/10/2007) 3. Apelação conhecida e desprovida. (TRF2 - AC n.º 430.731, relator o em. Desembargador Federal José Antônio Lisboa Neiva, Terceira Turma Especializada, DJU de 25/03/2009) DIREITO CONSTITUCIONAL E TRIBUTÁRIO - CPMF - LEI Nº 9.311/96 - MODIFICADA PELA LEI 9.539/97 - EC Nº 37/02 E 42/03 - PRORROGAÇÃO DA COBRANÇA - CONSTITUCIONALIDADE. 1. A Lei n.º 9.311/96, editada com embasamento na EC n.º 12/96, fixou os elementos da hipótese de incidência da CPMF, estipulando no art. 20 incidir a contribuição sobre os fatos geradores verificados no período de tempo correspondente a treze meses, observando-se o disposto no art. 195, § 6º, da CF. Referido prazo foi posteriormente prorrogado, por força do art. 1º da Lei n.º 9.539/97. Os mencionados artigos vigoraram até o decurso do prazo previsto, portanto até 23/01/1999. 3. Não obstante a vigência temporária dos artigos, a Lei n.º 9.311/96 veicula normas que ainda hoje são aplicáveis, razão pela qual não se pode falar que a norma já não integra o ordenamento jurídico pátrio. 4. A EC n.º 21/99 reintroduziu a CPMF, renovando a ordem jurídica e fazendo com que os dispositivos das Leis n.º 9.311/96 e 9.539/99, readquirissem vigência e eficácia, posto expressamente dispor a respeito. 5. O C. Supremo Tribunal Federal já decidiu ser constitucional a prorrogação da cobrança da CPMF determinada pela EC 37/02, no julgamento das ADIN's n.ºs 2.666 e 2.673. 6. Inconstitucionalidade não vislumbrada na Emenda Constitucional nº 42/03, porquanto não alterou ou modificou a contribuição em tela, tão-somente prorrogou a vigência da CPMF até 31 de dezembro de 2007 7. A expectativa de redução de alíquota da CPMF jamais surtiu efeitos, vez que o no inciso II do §3º do art. 84 do ADCT foi revogado pelos arts. 3º e 6º da EC 42/03. (TRF3 - AMS n.º 312.930, relator o em. Desembargador Federal Miguel de Pierro, Sexta Turma, DJU de 04/05/2009) CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. CPMF. EC 42/03. MAJORAÇÃO DE ALÍQUOTA. ANTERIORIDADE. Não há violação ao princípio da anterioridade prevista no art. 195, §6º, da CF/88, uma vez que a EC nº 42/2003 não instituiu, nem modificou tributos, tendo somente prorrogado a cobrança da CPMF com mesmo fato gerador, base de cálculo e alíquota (0,38%) definidos pela legislação anterior. Apelação e remessa oficial providas. (TRF4 - APEELREEX n.º 200871070049390, relatora a em. Desembargadora Federal Maria de Fátima Freitas Labarrére, Primeira Turma, DE de 06/10/2009) CONSTITUCIONAL E TRIBUTÁRIO. CPMF. JANEIRO A MARÇO DE 2004. ALÍQUOTA 0,38%. MAJORAÇÃO. INEXISTÊNCIA. EC 42/2003. ART. 195, PARÁGRAFO 6º DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. MANIFESTAÇÃO DO PLENÁRIO DO PRETÓRIO EXCELSO. JULGADOS DESTA EG. PRIMEIRA TURMA. RECURSO IMPROVIDO. 1. O Plenário do Supremo Tribunal Federal no julgamento do RE 566032/RS, Relator Ministro GILMAR MENDES, por maioria, deu provimento a recurso extraordinário interposto contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que reconhecera ser indevida a cobrança da CPMF em alíquota de 0,38%, nos 90 dias posteriores à publicação da EC 42/2003. Entendeu a Corte Suprema "não haver majoração da alíquota de modo a atrair o disposto no art. 195, parágrafo 6º, da CF, haja vista que a EC 42/2003 teria apenas mantido a alíquota de 0,38% para o exercício de 2004 sem instituir ou modificar a alíquota diferente da que os contribuintes vinham pagando. Explicou-se que os contribuintes, durante o exercício financeiro de 2002 e 2003, vinham pagando a contribuição de 0,38% e não a de 0,08%. Considerou-se que, no máximo, haveria uma expectativa de diminuição da alíquota para 0,08%, mas que o dispositivo que previa esse percentual para 2004 teria sido revogado antes de efetivamente ser exigível, ou seja, antes do início do exercício financeiro de 2004. Afastou-se, ainda, ofensa à segurança jurídica, princípio sustentador do art. 195, parágrafo 6º, da CF, na medida em que o contribuinte, há muito tempo, já pagava a alíquota de 0,38%, não tendo, por conseguinte, sofrido ruptura com a manutenção dessa alíquota durante o ano de 2004. Por fim, salientou-se que, se a prorrogação de contribuição não faria incidir o prazo nonagesimal, conforme reiterados pronunciamentos da Corte, quando se poderia alegar expectativa do término da cobrança do tributo, por maior razão não se deveria reconhecer a incidência desse prazo quando havia mera expectativa de alíquota menor. Precedentes citados: ADI 2666/DF (DJU de 6.12.2002); ADI 2666 ED/DF (DJU de 10.11.2006); AI 392574 AgR/PR (DJE de 23.5.2008); ADI 4016 MC/PR (DJE de 24.4.2009. RE 566032/RS, rel. Min. Gilmar Mendes, 25.6.2009. (RE-566032)". Excerto do Informativo nº 552 do STF. 2. Precedentes desta eg. Primeira Turma: AC476387 CE, Rel. Desembargador Federal Rogério Fialho, julg. em 20/08/2009, unânime; APELREEX962 SE, Rel. Desembargador Federal Rogério Fialho, julg. em 20/08/2009, unânime, entre outros. 3. Apelação improvida. (TRF5 - AC n.º 2008.83.00.016215-1, relatora o em. Desembargador Federal Francisco Cavalcanti, DJE de 27/112009, Primeira Turma) 14.- Por derradeiro, o Plenário do e. Supremo Tribunal Federal, na assentada do dia 25 de junho de 2009, por ocasião do julgamento do Recurso Extraordinário n.º 566.032, decidiu pela constitucionalidade da cobrança da CMPF com a alíquota equivalente a 0,38% nos três primeiros meses de 2004. Confira-se a ementa do julgado em questão: 1. Recurso extraordinário. 2. Emenda Constitucional nº 42/2003 que prorrogou a CPMF e manteve alíquota de 0,38% para o exercício de 2004. 3. Alegada violação ao art. 195, §6º, da Constituição Federal. 4. A revogação do artigo que estipulava diminuição de alíquota da CPMF, mantendo-se o mesmo índice que vinha sendo pago pelo contribuinte, não pode ser equiparada à majoração de tributo. 5. Não incidência do princípio da anterioridade nonagesimal. 6. Vencida a tese de que a revogação do inciso II do §3º do art. 84 do ADCT implicou aumento do tributo para fins do que dispõe o art. 195, §6º da CF. 7. Recurso provido. 15.- Nesses termos, é que não se divisa instituição de contribuição ou majoração da alíquota no caso sub examine, ao revés, ocorrente simples prorrogação do tributo nos moldes delineados pelo comando do art. 84, § 3.º, I, do ADCT, com a redação dada pela EC n.º 37/02. III DISPOSITIVO 16.- Em face do exposto, julgo improcedente a pretensão inicial e extingo o processo com resolução de mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 17.- Por fim, condeno a autora a pagar honorários advocatícios de sucumbência, os quais arbitro em R$ 3.000,00 (três mil reais), na forma do art. 20, § 4º, do CPC. P.R.I. João Pessoa, 29 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 13 Fls.____ 1

   

0000998-83.2007.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. MARIO GOMES DE LUCENA) x TERESINHA DE LOURDES LIMA BOTELHO (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2007.82.00.000998-6 Autor: Universidade Federal da Paraíba - UFPB Ré: Teresinha de Lourdes Lima Botelho Código Assessoria n.º S200 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada pela UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, devidamente qualificado(a) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra TERESINHA DE LOURDES LIMA BOTELHO, objetivando a condenação da ré ao pagamento da quantia de R$ 2.514,54 (dois mil, quinhentos e catorze reais e cinquenta e quatro centavos), relativo a verbas salariais recebidas indevidamente. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) a Controladoria-Geral da União no Estado da Paraíba, ao analisar as fichas financeiras dos servidores da UFPB, que receberam parcelas de função incorporadas em decorrência de sentenças judiciais, dentre os quais está a promovida, detectou a incorporação de parcelas de função em montante superior ao limite permitido pelo art. 3.º da Lei n.º 8.911/94; b) com efeito, constatou-se o pagamento cumulativo por meio de rubricas de sentença judicial e de módulo de parcela incorporada de função - PIF, havendo, desta forma, a violação do limite de incorporação de 5/5 (cinco quintos) e/ou incorporações em duplicidade; c) a UFPB, na qualidade de autarquia federal, submete-se à ação controladora e fiscalizadora da Controladoria-Geral da União, devendo acatar suas recomendações, sob pena de responsabilização de seus dirigentes; no presente caso, constatado o pagamento indevido de verbas salariais, impõe-se sua restituição ao erário. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 11/18. 04.- Devidamente citada, a ré apresentou contestação às fls. 36/61, argumentando, em síntese, que: a) a pretensão da parte autora foi alcançada pela decadência, tendo em vista o decurso de cinco anos desde a fruição do efeitos da incorporação dos quintos; b) quanto à incorporação dos quintos, o seu deferimento à parte ré foi realizado com base na Orientação Normativa n.º 10 de 1999, da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a qual exigia três requisitos para a incorporação, quais sejam, aposentadoria com as vantagens do art. 193 da Lei n.º 8.112/90; percepção de quintos ou décimos; e ter preenchido as requisitos do art. 193 da Lei n.º 8.112/90; c) as vantagens salariais percebidas de boa-fé pelo servidor público, decorrentes de erro exclusivo da Administração, inclusive os que dizem respeito a equívoco na interpretação e aplicação da legislação, excluem a repetição na forma do art. 46 da Lei n.º 8.112/90. 05.- A parte autora não apresentou impugnação, conforme certificado à fl. 64. 06.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 06.- A parte autora sustenta, em síntese, a necessidade da devolução de parcelas recebidas indevidamente pela ré, nos termos do art. 46 da Lei n.º 8.112/90, independentemente de boa-fé, em decorrência de equivocada incorporação de quintos. 07.- Através do relatório da Controladoria-Geral da União, acostado às fls. 06/09, foi constatado, de fato, que houve o pagamento indevido da vantagem pecuniária instituída pela Lei n.º 10.698/03, bem como da gratificação específica de atividade docente (GEAD), causando dano ao Erário (fls. 14/18). 08.- Contudo, esse mesmo relatório apontou como causa do pagamento indevido a negligência no gerenciamento da folha de pagamento da entidade. 09.- Assim, uma vez demonstrado que os pagamentos a maior decorreram de falhas do ente público, não provocadas nem induzidas pela parte autora, que os recebeu de boa-fé, o caso é de se rejeitar a pretensão da UFPB, ainda mais tratando-se de verba de caráter alimentar, ressalvado o direito desta IFES de adequar o padrão remuneratório da autora aos ditames legais e constitucionais. 10.- Acerca do tema, confira-se: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. DEVOLUÇÃO AO ERÁRIO DE VALORES RECEBIDOS INDEVIDAMENTE POR ERRO DA ADMINISTRAÇÃO. BOA FÉ. RECONHECIMENTO. VANTAGEM RECEBIDA HÁ MAIS DE CINCO ANOS. PRESCRIÇÃO. RESTITUIÇÃO AO ERÁRIO. INEXIGIBILIDADE. 1. "A Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial" (Súmula 473 do STF); 2. Inobstante a súmula n. 235 do TCU disponha que diante do recebimento indevido do servidor ou pensionista, por ato viciado, é possível à Administração reconhecê-lo e exigir a reposição, a Suprema Corte (STF) tem chancelado a manutenção do status quo ante, relativamente às verbas percebidas pelos funcionários de boa-fé (RE 80.913-RS; RE 88.110/78-RJ; RE 76.055/73-MA; Reclamação 67.315/73-SP, rel. Min. Aliomar Baleeiro - fls. 66/67); 3. Valores pagos aos servidores em razão de erro da DRT - Delegacia Regional do Trabalho que, com base em decisão judicial que reconhecia aos servidores a aplicação de percentual de URP de fevereiro de 1989, liberou administrativamente diferença de valores que entendeu devida a título de atualização do precatório. 4. A devolução dos valores pagos não deve ser efetivada, visto que os réus não podem ser prejudicados em face de um suposto erro da Administração, a que os mesmos não deram causa, tendo recebido o pagamento de boa- fé. 5. Atente-se ao fato de que cabe à Administração Pública, ao anular atos anteriormente praticados, instaurar procedimento regular, com garantia do contraditório e da ampla defesa. 6. Ante a necessidade de preservar-se os valores supremos do ordenamento jurídico, a segurança jurídica e a certeza do direito, impõe-se reconhecer a inexigibilidade da restituição ao erário. 7. Ademais, verifica-se que a Administração Pública permaneceu inerte durante mais de cinco anos. Pagamento indevido que aconteceu em julho de 1996, ao passo em que, somente em dezembro de 2001, a União Federal ajuizou a presente ação de cobrança. Prescrição que se impõe. 8. Apelação e remessa oficial improvidas. (TRF5 - AC n.º 408.695, julgada, à unanimidade, pela c. 2.ªT, no dia 27 de abril de 2007, Relator o em. e s. Desembargador Federal Petrúcio Ferreira) 11.- No âmbito da 5.ª Região, nesse mesmo sentido: AC n.º 495.069, AC n.º 464.040, APELREEX n.º 6.643, APELREEX n.º 7.953, AMS n.º 80.018, AMS n.º 98.176, APELREEX n.º 5.539, AC n.º 358.294, REO n.º 471.777, AG n.º 79.723, AC n.º 424.735, AC n.º 403.610, AC n.º 412.687, AC n.º 408.695. III DISPOSITIVO 12.- Em face do exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido deduzido à inicial, extinguindo o feito com resolução de mérito nos termos do art. 269, I, do CPC. 13.- Condeno a UFPB a pagar a parte ré honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais) (art. 20, § § 3º e 4º do CPC). 14.- Custas na forma de Lei n.º 9.289/96. 15.- Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatório, nos termos do artigo 475 do CPC. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0001401-52.2007.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JONACY FERNANDES ROCHA) x ANTENOR FREI DE CARVALHO (Adv. MANOEL BARBOSA DE ARAUJO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2007.82.00.001401-5 Autor: Universidade Federal da Paraíba - UFPB Réu: Antenor Frei de Carvalho Código Assessoria n.º 202 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada pela UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, devidamente qualificado(a) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra ANTENOR FREI DE CARVALHO, objetivando a condenação do réu ao pagamento da quantia de R$ 4.245,40 (quatro mil, duzentos e quarenta e cinco reais e quarenta centavos), bem como ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) a UFPB celebrou Termo de Permissão de Uso n.º 03/97, com o Sr. Antenor Frei de Carvalho, cedendo uma área de 34,82 m2, localizada na Garagem Central da UFPB - Campus I - João Pessoa/PB, para exploração comercial de uma barraca de lanches, para atendimento ao público; segundo o referido termo, o permissionário está obrigado ao pagamento mensal no valor de R$ 83,87 (oitenta e três reais e oitenta e sete centavos); b) o permissionário não cumpriu regularmente o presente termo de permissão de uso, deixando de efetuar os pagamentos referentes aos meses entre julho de 2005 e maio de 2006, totalizando R$ 2.267,65 (dois mil, duzentos e sessenta e sete reais e sessenta e cinco centavos); c) sendo chamado para regularizar o débito, o Sr. Antenor firmou acordo com a demandante, no sentido de honrar 15 notas promissórias, totalizando o valor de R$ 4.245,40 (quatro mil, duzentos e quarenta e cinco reais e quarenta centavos), entretanto, tal acordo também não fora cumprido. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 05/31. 04.- Devidamente citado, o réu apresentou contestação às fls. 46/47, argumentando, em síntese, que: a) o valor cobrado na ação foi arbitrado aleatoriamente, porquanto nela não consta qualquer planilha relativamente aos cálculos aritméticos que ensejaram tal valor; b) retira seu sustento e de sua família a duras penas, porquanto o seu comércio é informal e de pequeno porte, de maneira que seu pequeno lucro é exaurido pelas despesas; c) segundo o Código Civil em vigor, os juros aplicados ao débito devem ser fixados em 1% ao mês, e não em 5%, como pretende a autora. 05.- A parte autora apresentou impugnação à fl. 55. 06.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 07.- Inicialmente, defiro, ao réu, o pedido de assistência judiciária gratuita, nos termos da Lei n.º 1.060/50. 08.- A dívida sob cobrança está devidamente fundada no termo de permissão de uso de fls. 13/15, confessada nos termos do acordo de fl. 16, bem como ratificada através das notas promissórias de fls. 23/27. Além disso, trata-se de dívida cuja existência não foi contestada pelo réu nos presentes autos. 09.- O caso, portanto, é de se acolher a pretensão inicial, porém não em todos os seus termos, porque, deveras, conforme alegado pelo devedor, não há que incidir juros moratórios na base de 5% ao mês, como previsto na cláusula quinta do aludido termo, mas sob o mesmo percentual cobrado pela Fazenda Pública, no tocante aos seus créditos tributários, nos moldes em que previsto pelo artigo 406 do Código Civil, combinado com o artigo 161, §1.º, do CTN. 10.- Importante lembrar que o período da dívida, julho de 2005 a maio de 2006 (fl. 07), está todo compreendido sob a égide do novo Código Civil. III DISPOSITIVO 11.- Em face do exposto, JULGO PROCEDENTE, EM PARTE, o pedido inicial, extinguindo a lide com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC, para condenar a parte ré a pagar os valores históricos relativos às parcelas atrasadas do termo de permissão de fls. 13/15, alusivas ao período de julho de 2005 a maio de 2006, as quais deverão ser calculadas mediante a incidência apenas de juros moratórios, que deverão incidir no mesmo percentual cobrado pela Fazenda Pública Federal, no tocante aos seus créditos tributários, nos moldes em que previsto pelo artigo 406 do Código Civil, combinado com o artigo 161, §1.º, do CTN. 12.- A parte ré fica condenada em honorários advocatícios, os quais arbitro em 10% sobre o valor atualizado da causa, cuja cobrança, entretanto, fica subordinada às condições previstas na Lei n.º 1.060/50. 13.- Custas na forma da Lei n.º 9.289/96, combinada com a Lei n.º 1.060/50. 14.- Intimem-se. Publique-se. Registre-se. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0002750-95.2004.4.05.8200 JOAO PRUDENCIO DA SILVA (Adv. GUILHERME MELO FERREIRA, DIRCEU ABIMAEL DE SOUZA LIMA, LUIZ PINHEIRO LIMA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA, KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA AÇÃO ORDINÁRIA - Classe 97 - Execução de Sentença Processo nº 2004.002750-1 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Exeqüente(s): JOÃO PRUDÊNCIO DA SILVA - ME Executado(a)(s): CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA - CRF/PB S E N T E N Ç A Vistos etc. O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA - CRF/PB, ora executado, devidamente citado (fls. 135/135-verso), nos termos do CPC, art. 730, deixou transcorrer o prazo legal sem interposição de Embargos à execução, conforme certidão (fls. 136). 2. Posteriormente, foi determinada por este Juízo (fls. 136) a expedição de RPV (fls. 140) com o conseqüente depósito (fls. 147) dos valores devidos em conta judicial nº 0548.005.66381-7, a título de pagamento do valor principal e dos honorários advocatícios da sucumbência. 3. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 794, I, declaro extinta a presente execução, tendo em vista a satisfação do crédito exeqüendo, relativamente ao valor principal e aos honorários da sucumbência, conforme guia de depósito (fls. 147). 4. Expeça alvará de levantamento, em favor do advogado da firma autora, dos valores depositados (fls. 147) na conta judicial nº 0548.005.66381-7, a título de pagamento do valor principal e dos honorários da sucumbência, tendo em vista ter o patrono da autora poder para receber e dar quitação. 5. Após o trânsito em julgado desta sentença, e o cumprimento do item anterior, baixa na distribuição e arquive-se. 6. P.R.I. João Pessoa, 30/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara.

   

0003101-29.2008.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. RENE PRIMO DE ARAUJO) x IBANEY CHASIN (Adv. FENELON MEDEIROS FILHO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 2008.82.00.003101-7 Autor: Universidade Federal da Paraíba - UFPB Réu: Ibaney Chasin Código Assessoria n.º S201 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, devidamente qualificado(a) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra IBANEY CHASIN, objetivando a condenação do réu ao pagamento da quantia de R$ 70.299,91 (setenta mil, duzentos e noventa e nove reais e noventa e um centavos), referente ao período em que realizou acumulação ilícita de cargos. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) em levantamento realizado pelo Tribunal de Contas da União, mediante cruzamento da base de dados do Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos - SIAPE, com a base do Ministério do Trabalho e Emprego (Relação Anual de Informações Sociais - RAIS), apurou-se que o demandado, professor da UFPB submetido à regime de dedicação exclusiva, manteve outro vínculo remunerado, no período de 13 de março de 2005 a 08 de agosto de 2006; segundo dispõe o inciso I da Lei n.º 7.597/87, os professores em regime de dedicação exclusiva estão impedidos de exercer outra atividade remunerada, pública ou privada; b) a presente ação de cobrança objetiva compelir o promovido a repor a quantia de R$ 70.299,91 (setenta mil, duzentos e noventa e nove reais e noventa e um centavos), referente aos valores recebidos indevidamente, quando da acumulação ilícita de cargos, tendo em vista a recusa de proceder à devolução consensual por parte do demandado. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 06/25. 04.- Devidamente citado, o réu apresentou contestação, acompanhada dos documentos de fls. 28/36, argumentando, em síntese, que: a) o procedimento administrativo, instaurado para apurar a questão posta nos autos, foi realizado sem a manifestação do demandado, motivo pelo qual restaria nulo; b) não haveria ilegalidade na acumulação dos cargos, tendo em vista que o demandado teria cumprido os requisitos para a acumulação lícita exigidos por lei, quais sejam, compatibilidade de horários, correlação de matéria e ausência de prejuízo quanto ao número regulamentar de horas de trabalho determinadas para cada um deles. 05.- A parte autora apresentou impugnação às fls. 38/39. 06.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 07.- Tanto a Lei n.º 7.595, de 10 de abril de 1987, quando o Decreto n.º 94.664, de 23 de julho de 1987, proíbem ao professor universitário, que labora sob o regime de dedicação exclusiva, a acumulação do referido cargo com qualquer outro cargo, emprego ou função, seja na Administração Pública, seja na iniciativa privada. 08.- A Lei n.º 8.112/90, em seu artigo 118, por sua vez, também prevê, como regra geral, a não cumulação de cargos, ressalvados os casos admitidos pela Constituição Federal. Vale lembrar que a referida lei, mesmo para os casos de cumulação possível, exige do servidor toda a diligência, no sentido de informar e comprovar acerca da compatibilidade de horários, submetendo ainda o deferimento do cúmulo à conveniência administrativa. 09.- Caso ocorra a mencionada cumulação indevida, a Lei n.º 8.112/90 é clara: a pena é de demissão, nos termos do artigo 132, XII. 10.- No presente caso, a cumulação indevida é evidente, porque presente no próprio designativo do cargo ocupado pelo réu, professor em regime de dedicação exclusiva, o que demonstra a má-fé do réu. 11.- No tocante aos valores, recebidos pelo servidor que laborou em cumulação indevida, surge a dúvida: eles devem ser restituídos, porque fruto de uma situação totalmente irregular, ou, ao contrário, não devem ser restituídos, já que, apesar da irregularidade, houve a prestação de serviço? 12.- Não há uma previsão explícita a respeito, de modo que o magistrado deve buscar a solução a partir dos princípios constitucionais que regem a Administração Pública, bem como com base nos valores que se extraem do conjunto normativo reitor da vida funcional do servidor público. 13.- Assim, com base no princípio da moralidade e da probidade, ambos presente no artigo 37 da CF/88, tenho que nenhuma das soluções acima é satisfatória. 14.- Entender que o servidor de má-fé nada deve devolver, é premiar o ilícito, fazendo valer a pena a transgressão da lei, pelo menos até que o Poder Público descubra a indevida acumulação. Por outro lado, entender que o servidor deve devolver tudo quanto recebeu no período da acumulação indevida, é desconhecer o serviço por ele prestado e promover o enriquecimento ilícito da Administração. 15.- Em tais termos, haverei de julgar procedente a pretensão inicial, porém apenas em parte, para determinar que o réu, em razão da ilegalidade praticada, devolva aos cofres públicos todo e qualquer valor que não tenha correspondido, tanto por tanto, ao número de horas trabalhadas. Para esse efeito, entender-se-á como valores relativos a horas trabalhadas somente aqueles que compõem, estritamente, a remuneração do servidor, excluindo-se todas verbas pagas de forma eventual ao servidor/trabalhador, como o terço de férias, o décimo terceiro salário, os abonos de qualquer origem e qualquer outra verba que não se enquadre nos estritos termos dos artigo 40 e 41 da Lei n.º 8.112/90. 16.- No sentido do raciocínio exposto, conferir o interessante enunciado da Súmula n.º 363 do e. TST e suas sucessivas alterações: A contratação de servidor público, após a Constituição Federal de 1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no seu art. 37, II, e § 2º, somente conferindo-lhe direito ao pagamento dos dias efetivamente trabalhados segundo a contraprestação pactuada. A contratação de servidor público, após a Constituição de 1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no seu art. 37, II, e § 2º, somente conferindo-lhe direito ao pagamento da contraprestação pactuada, em relação ao número de horas trabalhadas, respeitado o salário-mínimo/hora. A contratação de servidor público, após a CF/1988, sem prévia aprovação em concurso público, encontra óbice no respectivo art. 37, II e § 2º, somente lhe conferindo direito ao pagamento da contraprestação pactuada, em relação ao número de horas trabalhadas, respeitado o valor da hora do salário mínimo, e dos valores referentes aos depósitos do FGTS. 17.- Em tais termos, o caso é de acolhimento da pretensão, porém apenas parcialmente. III DISPOSITIVO 18.- Em face do exposto, acolho a pretensão inicial, porém apenas parcialmente, extinguindo a lide com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC, para CONDENAR o réu a devolver os valores recebidos no período da acumulação ilegal, devolução esta, todavia, que ficará restrita às verbas não incluídas nos estritos termos dos artigo 40 e 41 da Lei n.º 8.112/90. 19.- Sobre o valor a ser devolvido, deverá incidir correção monetária, a partir da data do crédito de cada valor a ser devolvido, sob os índices constantes do manual de cálculos do Conselho da Justiça Federal, bem como juros moratórios, a partir da citação, sob o percentual de 1% ao mês. 20.- Sentença não sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatório, nos termos do artigo 475 do CPC. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0004690-85.2010.4.05.8200 ISAIAS RAMIRO DE ARAUJO E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO, KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.º 0004690-85.2010.4.05.8200 Autor: Isaías Ramiro de Araújo e Outros Ré: Caixa Econômica Federal Código Assessoria n.º DDC140 D E C I S Ã O 01.- Em razão das informações e documentos apresentados pela CEF, em sua contestação, fica prejudicado o pedido de medida liminar, devendo a Secretaria da Vara remover a etiqueta alusiva a ela. 02.- Em tais termos, intime-se a parte autora, através de seu patrono, para que, em 10 dias, manifeste-se acerca da contestação e documentos, bem como diga se há algum interesse no prosseguimento do feito, o que deverá ser feito de maneira justificada. 03.- Decorrido o prazo supra, venham-me os autos conclusos, de imediato. 04.- Cumpra-se. João Pessoa, 28 julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª VF Fl._____ 1

   

0004959-95.2008.4.05.8200 ALEXANDRE FERNANDES DE CARVALHO SAEGER (Adv. RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VALBERTO ALVES DE A FILHO, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, AMANDA LUNA TORRES) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2008.82.00.004959-9 Autor: Alexandre Fernandes de Carvalho Saeger Ré: União Sentença Tipo "A" Código Assessoria n.º S198 SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por ALEXANDRE FERNANDES DE CARVALHO SAEGER, devidamente qualificado(a) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra a UNIÃO, objetivando a condenação da promovida a pagar-lhe indenização por danos morais, em valor a ser arbitrado por este juízo, com acréscimo de juros e de correção monetária. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) ao tentar realizar compras no comércio local, o promovente surpreendeu-se ao saber que não havia saldo disponível a amparar sua pretensão, tendo sido este fato uma surpresa constrangedora, posto que sempre mantinha valores em conta bancária, a fim de serem utilizados em despesas eventuais; b) inconformada, a parte autora procurou as instituições bancárias responsáveis pelas contas, momento em que descobriu que estas haviam sido bloqueadas desde 21 de março de 2007, por determinação judicial proferida nos autos de uma ação que tramita na 8ª Vara do Trabalho nesta Capital; c) a referida ação foi movida em face da empresa FIBRASA - Fiação Brasileira de Sisal S.A, sendo que o promovente não pertencia ao seu quadro societário, de modo que não deveria ter sido atingido por qualquer ato executório; d) é devido o pagamento de indenização em valor a ser arbitrado por este juízo, tendo em vista que o fato denegriu a imagem do promovente perante a sociedade. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 07/100. 04.- Não houve recolhimento das custas iniciais, uma vez que o autor requereu a concessão do benefício da assistência judiciária gratuita, o que foi deferido na decisão de fl. 104. 05.- Devidamente citada, a União apresentou contestação às fls. 106/120, acompanhado de documentos de fls. 121/125, argumentando, em síntese, que: a) preliminarmente, o pedido do autor deve ser considerado juridicamente impossível, pois não seria viável a responsabilização do ente estatal pela atuação do magistrado fora dos casos expressos em lei; ademais, contra a decisão questionada há recursos previstos na lei, não cabendo ação autônoma para discuti-la; b) no tocante à responsabilidade do Estado por atos jurisdicionais, a lei prevê a possibilidade de responsabilização civil apenas quando o pedido estiver fundamentado em dolo, fraude, recusa, omissão ou retardamento sem justo motivo, quanto à providência que o Juiz deva ordenar de ofício ou a requerimento da parte, nos termos do art. 133 do CPC; c) a parte autora não demonstra nos autos qualquer um dos requisitos que autoriza a responsabilização estatal por ato jurisdicional, limitando-se a alegar abstratamente que a decisão do douto magistrado foi "ilegal e arbitrária"; d) não há provas nos autos quanto a existência de dano moral decorrente das atos praticado pela Justiça Obreira, exceto as afirmações unilaterais do demandante. 06.- Através da impugnação de fls. 129/133, a parte autora reiterou os pontos da inicial relativos ao mérito. 07.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 08.- Através dos presentes autos, a parte autora deduziu pleito de indenização por danos morais em razão de conduta supostamente ilícita da parte demandada, motivo pelo qual faria jus obter, judicialmente, a reparação de todos os prejuízos cuja ocorrência fora afirmada na exordial. 09.- Versa a lide, portanto, sobre responsabilidade civil objetiva do Estado, aplicando-se o disposto no art. 37, §6º, da Constituição Federal. 10.- Conforme dispõe o §6º do art. 37, da Constituição Federal de 1988, "as pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que os seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa". 11.- Através desse dispositivo, a Constituição Federal consagrou a teoria do risco administrativo, fundadora da responsabilidade objetiva do Estado e lastreada na própria noção de direito de exercer autoridade, ou "jus imperii", que define a relação de subordinação que se instaura entre o Estado, representante do interesse público, e os administrados. 12.- Assim, para configuração da responsabilidade civil objetiva da União nos danos supostamente causados ao requerente, afigura-se necessária a caracterização de três elementos fundamentais, quais sejam, ação ou omissão da promovida, dano jurídico efetivamente sofrido pelo demandante e nexo causal ligando diretamente ação e dano, como uma conseqüência lógica, observando-se que a obrigação apenas se exclui em caso de culpa da vítima e ato de terceiro ou fenômeno da natureza não produzidos por negligência, imperícia ou imprudência do administrador. 13.- Ocorre que, após a análise dos autos, entendo que não assiste razão ao autor. Com efeito, não há o que se repreender na decisão judicial emanada do juízo trabalhista que determinou o bloqueio das contas do autor, visto que, conforme noticiam os autos (fl. 26 e fl. 47), tal decisão se fundamentou em informações fornecidas pela Junta Comercial do Estado (fl. 54) ao Juízo Trabalhista onde se processava a execução. 14.- É fundamental observar que aquelas informações gozam de presunção de veracidade e não poderiam ser repelidas sem qualquer indício de dúvida, uma vez que foram prestadas pelo órgão do Estado responsável por deter informações relativas à composição societária das empresas. 15.- Por tais razões, não restou caracterizada nos autos a previsão do §6º do art. 37 da Constituição Federal de 1988, porquanto a responsabilidade objetiva do Poder Público está condicionada ao dano decorrente da sua atividade administrativa, de modo que, não restando comprovado que o agente público agiu maneira ilícita, não há fundamentos para configuração de sua responsabilidade civil. III DISPOSITIVO 16.- Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido de indenização por danos morais deduzido contra a União, apreciando a lide com resolução do mérito nesse ponto, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 17.- Em face da sucumbência total da parte autora, condeno-a ao pagamento de honorários advocatícios fixados, na forma do art. 20, §4º, do CPC, em R$ 1.000,00 (mil reais), devendo ser observado o disposto no art. 11, §2º, da Lei n.º 1.060/50, por ser ela beneficiária da justiça gratuita, deixando de condená-la ao pagamento de custas processuais, nos termos do art. 4º, II, da Lei n.º 9.289/96, em virtude da isenção a ela outorgada como decorrência desse benefício. 18.- Após o trânsito em julgado, certifique-se, dê-se baixa e arquive-se. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0007002-78.2003.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. WALMOR BELO RABELLO PESSOA DA COSTA, CLAUDIO COELHO MENDES DE ARAUJO) x AURENICE DE MEDEIROS SANTOS (Adv. JOSE ZENILDO MARQUES NEVES) x TERCEIROS OCUPANTES (Adv. SEM ADVOGADO)

ACAO DIVERSA Processo n.º 0007002-78.2003.4.05.8200 - Classe 5000 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF REU: AURENICE DE MEDEIROS SANTOS e outro C E R T I D Ã O Certifico que o oficial de justiça efetuou diligência negativa, conforme certidão (fls.203-v). Dou fé. João Pessoa, 13 de julho de 2010 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Nesta data faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 13 de julho de 2010 Alexandre de Sá Leitão Cunha Supervisor-Assist. do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Despacho: 1-R.H. 2- Vista à CEF sobre a certidão (fls.23-v). 3- Prazo de 10 (dez) dias. 4- Intime-se. João Pessoa, 12/07/2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0007285-96.2006.4.05.8200 ADRIANA MONTEIRO LIRA (Adv. GERALDEZ TOMAZ FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2006.82.00.007285-0 Autor: Adriana Monteiro Lira Réu: Caixa Econômica Federal Código Assessoria n.º S193 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por ADRIANA MONTEIRO LIRA, devidamente qualificado(a)(s) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra a CAIXA ECONOMICA FEDERAL, através da qual pleiteia que a ré lhe indenize por perdas e danos, tendo em vista um suposto erro cometido por esta na transferência do valor investido em ações da Vale do Rio Doce para a conta vinculada de FGTS da autora. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) a autora, no dia 27 de março de 2002, aplicou parte de sua disponibilidade do FGTS em ações da empresa Companhia Vale do Rio Doce, no valor de R$ 736,00 (setecentos e trinta e seis reais), através do Fundo Mútuo de Privatizações de FGTS, administrado pela Caixa Econômica Federal, verificando-se um rendimento anual médio de 60% (sessenta por cento), desde a data da sua aplicação até a data do resgate (09/05/2006); b) em meados de março do ano de 2006, a autora pretendia adquirir um imóvel financiado pela parte ré, através de sua agência 0735; a negociação transcorreu normalmente, tanto que foi assinado um contrato de opção de compra e venda entre a requerente e a construtora JVL Engenharia LTDA; c) o acordo para a realização da transação estava bastante adiantado, contudo ainda não estava encerrado, porém, sem prévia autorização da autora, a requerida resgatou o investimento em ações da empresa Vale do Rio Doce e transferiu o numerário para a conta do FGTS, ocasionando um visível prejuízo, em virtude da disparidade de rendimento entre os investimentos; d) a autora questionou a parte ré, porém esta afirmou que aquela transferência era normal e serviria para acelerar, ainda mais, o fechamento do contrato de financiamento; e) todavia, a negociação não pode mais evoluir, em razão de um antigo mutuário ter realizado uma reclamação perante a CEF sobre a construtora JVL Engenharia LTDA; assim, a negociação não foi finalizada, pois, pelo fato de existir uma reclamação sobre a construtora vendedora, esta ficou impedida de realizar transações com a CEF; f) por via de conseqüência, a requerente também foi penalizada, uma vez que não pode fechar a negociação para adquirir sua casa própria e, principalmente, em razão de suas ações da empresa Vale do Rio Doce terem sido resgatadas e transferidas para a sua conta de FGTS, conta esta na qual o rendimento é consideravelmente menor. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 11/16. 04.- As custas inicias foram pagas. (fl. 17). 05.- Através da decisão de fls. 20/21, estes autos foram encaminhados ao Juizado Especial Federal, todavia este reconheceu que o valor da causa estava acima de 60 salários-mínimos e devolveu os autos a este Juízo, através da decisão de fls. 47/48. 06.- Devidamente citada, a CEF apresentou contestação às fls. 31/39, argumentando, em síntese, que: a) há impossibilidade jurídica do pedido, uma vez que o instituto da "pena civil", consoante colocado na exordial, é incabível no caso em exame, por não haver qualquer previsão no ordenamento jurídico pátrio nesse sentido; se a intenção da autora é de "penalizar a suposta atitude culposa" da promovida, deveria ter pleiteado danos morais; b) impugnação ao valor da causa, pois a autora requer o pagamento de perdas e danos, levando em consideração o rendimento anual de R$ 4.832,46 (quatro mil oitocentos e trinta e dois reais e quarenta e seis centavos), até a data do efetivo pagamento, sendo o valor encontrado multiplicado por um período de 10 (dez) anos e atribuiu ao valor da causa de R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais), evidentemente irrisório, diante da pretensão da mesma; c) o Fundo Mútuo de Privatização - FMP tem guarida na Lei n.º 8.036/90, sendo por ela regida; logo, embora destacada uma parcela do valor para investimento no FMP, ainda assim tal quantum não se descaracteriza de sua natureza inicial, isto é, continua a integrar a totalidade do FGTS de seu titular; d) a promovente, de livre e espontânea vontade, decidiu resgatar seu valor de FGTS, para a utilização do imóvel, nos termos do que dispõe a lei pertinente; ocorreu, entretanto que a autora "se esqueceu" que a parcela investida nas ações da empresa Vale do Rio Doce não havia perdido seu caráter de FGTS, motivo pelo qual foi resgatado todo valor solicitado pela cliente; e) a Caixa em momento algum efetuou o resgate do FMP, posto que a solicitação somente pode ser requerida formal e pessoalmente pelo proponente/investidor; f) assim, tendo em vista a negociação que estava a realizar com terceiro, a promovente solicitou o resgate de todo o valor de FGTS para aquisição de moradia própria, tudo nos termos da Lei n.º 8036/90; g) atente-se para o fato de que, conforme a própria proponente relata, a negociação foi desfeita por impossibilidade do vendedor (Construtora JVL Engenharia LTDA) e não por culpa da Caixa; dessa maneira, eventual prejuízo caberia a ele, e não a esta empresa pública; h) a carta de crédito da proponente permaneceu válida, o que dava direito a adquirir outro imóvel; i) a responsabilidade da Caixa no tocante às operações em questão cingiu-se ao recebimento e processamento das informações, tal como elas foram emitidas pela cliente; j) vê-se, assim, que toda e qualquer responsabilidade por solicitação de resgate é da promovente, não se podendo cogitar de imputar a essa empresa pública; k) resta clara a culpa exclusiva do consumidor, ou sucessivamente, de culpa exclusiva de terceiros, no caso, a Construtora JVL LTDA, uma vez que foi esta quem, efetivamente, deu causa à frustração da negociação pretendida, ficando dessa forma, a ré eximida de qualquer responsabilidade sobre os pretensos prejuízos sofridos pela autora, nos termos do art. 14, §3º, do Código de Defesa do Consumidor. 07.- A parte autora apresentou impugnação à contestação às fls. 58/63. 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO PRELIMINAR - IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO 09.- A possibilidade jurídica do pedido, como condição da ação, "significa que ninguém pode intentar uma ação sem que peça uma providência que esteja em tese (abstratamente), prevista no ordenamento jurídico, seja expressa, seja implicitamente". (ALVIN ARRUDA, E. Curso de Direito Processual Civil. São Paulo, RT, 1999. v. 1). 10.- A alegação de impossibilidade jurídica do pedido, portanto, não merece prosperar tendo em vista que há previsão legal para o instituto da responsabilidade civil, expressamente consagrado no Código Civil entre os artigos 927 e 965. Em tais termos, como a controvérsia posta nestes autos gira em torno de saber se houve, ou não, prejuízos causados pela parte promovida à promovente, em decorrência de um suposto erro cometido por aquela, na transferência do valor investido em ações da Vale do Rio Doce para a conta vinculada desta, não há que se falar em impossibilidade jurídica do pedido. PRELIMINAR - IMPUGNAÇÃO AO VALOR DA CAUSA 11.- Quanto à alegação relacionada ao valor da causa, esta não pode prosperar, uma vez que foi formulada no próprio corpo da ação, em desacordo com o que dispõe o art. 261, CPC, o qual diz que o "réu poderá impugnar, no prazo da contestação, o valor atribuído à causa pelo autor. A impugnação será autuada em apenso, ouvindo-se o autor no prazo de 5 (cinco) dias. Em seguida o juiz, sem suspender o processo, servindo-se, quando necessário, do auxílio de perito, determinará, no prazo de 10 (dez) dias, o valor da causa". 12.- Ademais, através do despacho de fl. 41, foi determinada a elaboração de uma planilha com o fito de apurar o valor da causa diante do que foi pleiteado na inicial, ou seja, aplicando-se o rendimento de 60% ao ano sobre o montante de R$ 4.832,46 (quatro mil, oitocentos e trinta e dois reais e quarenta e seis centavos), até o ajuizamento da presente demanda, multiplicando-se ainda o valor encontrado por 10 (dez). MÉRITO 13.- Tendo a parte autora requerido o resgate dos valores depositados em sua conta vinculada ao FGTS, com base no artigo 20, VII, da Lei n.º 8.038/90, nos termos em que afirmado na inicial, por via indireta, acabou solicitando também o resgate dos valores que estavam aplicados em ações da Companhia Vale do Rio Doce. 14.- É que, apesar de parte dos valores relativos à conta vinculada ao FGTS estarem aplicados no fundo mútuo de privatização, tais valores não perdem a sua natureza jurídica de valor vinculado ao FGTS, de modo que, quando se pede o resgate, como ocorreu no caso, este ato implica no saque não apenas dos valores não aplicados, como também dos valores aplicados em investimentos sob as regras do próprio fundo. 15.- E importante lembrar que o Fundo Mútuo de Privatização FGTS (FMP-FGTS) é um fundo mútuo de investimento em títulos e valores mobiliários, porém vinculado ao FGTS. 16.- Ademais, os recursos que constituem o FMP - FGTS são transferidos de saldos das contas vinculadas ao FGTS, por opção do trabalhador, não sendo possível o resgate de valores aplicados ao fundo, a não ser de acordo com as estritas regras previstas no artigo 20 da Lei n.º 8.036/90. 17.- Sendo assim, por ser opção do trabalhador, é fundamental que este seja diligente ao ingressar em um determinado FMP - FGTS ou CI - FGTS, solicitando do administrador da carteira o Regulamento ou Estatuto do mesmo, que deverá ser lido com muita atenção, pois ali o trabalhador encontrará definidas as condições operacionais de funcionamento e riscos envolvidos, podendo decidir se ele se adapta, ou não, ao seu perfil. 18.- Em suma, solicitado o resgate dos valores constantes da conta vinculada ao FGTS, esse comando foi interpretado pela CEF como resgate também dos valores aplicados em fundos mútuos vinculados ao FGTS. 19.- Acerca do tema, confira-se a redação explícita do artigo do art. 35 do Decreto n.º 99.684/90, o qual regulamenta a Lei n.º 8.039/90, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto n.º 2.430/97: Art. 35. A conta vinculada do trabalhador no FGTS poderá ser movimentada nas seguintes situações: [...] VII - pagamento total ou parcial do preço de aquisição de moradia própria, observadas as seguintes condições: [...] § 6o Os resgates de quotas dos FMP-FGTS e dos CI-FGTS, para os casos previstos nos incisos I a IV e VI a X deste artigo, somente poderão ocorrer com autorização prévia do Agente Operador do FGTS. (Redação dada pelo Decreto nº 5.860, de 2006) § 7º - Nos casos previstos nos incisos IV, VI e VII, o resgate de quotas implicará retomo à conta vinculada do trabalhador do valor resultante da aplicação. (Incluído pelo Decreto nº 2.430, de 1997) [...] 20.- Em tais termos, não tendo havido a prática de qualquer ato ilícito por parte da CEF, o caso é de não acolhimento da pretensão inicial. III DISPOSITIVO 21.- Ante o exposto JULGO IMPROCEDENTE o pedido, apreciando e extinguindo a causa com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 22.- Condeno a parte autora nos honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), nos termos do art. 20, § 4º do CPC. 23.- Custas finais pela autora, na forma da Lei n.º 9.289/96. P.R.I. João Pessoa, 22 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1ª. VF 13 FL._____ 1

   

0008518-94.2007.4.05.8200 OLEGARIO PRAXEDES DA NOBREGA FILHO (Adv. RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, VALBERTO ALVES DE A FILHO, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2007.82.00.008518-6 Autor: Olegário Praxedes da Nóbrega Filho Ré: Caixa Econômica Federal - CEF Código Assessoria n.º S196 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por OLEGÁRIO PRAXEDES DA NÓBREGA FILHO, devidamente qualificado(a)(s) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, objetivando a condenação da ré ao pagamento de indenização pelos danos morais por ele suportado, em razão de inscrição indevida do seu nome em cadastros restritivos de crédito. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) no dia 21 de março de 2004, o promovente teve três talões de cheques furtados em sua casa, enquanto promovia uma festa, conforme se comprova através de boletim de ocorrência policial; dois dias depois, dirigiu-se a sua agencia da CEF e, informando o acontecido, requereu o encerramento da sua conta corrente; b) tempo depois, ao tentar realizar compra, foi surpreendido com a informação de que seu nome estava inscrito no SERASA, o que teria lhe causado grave dano moral; c) a parte ré teria praticado ato ilícito ao inscrever o nome do autor em cadastros de devedores, em razão da devolução de alguns cheques pertencentes ao grupo de talões roubados, devendo essa empresa pública ser condenada ao pagamento de indenização pelos danos morais suportados. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 08/21. 04.- O pedido de antecipação de tutela foi indeferido através da decisão de fl. 24, que deferiu, contudo, o pedido de assistência judiciária gratuita. 05.- Devidamente citada, a ré apresentou contestação às fls. 31/35, argumentando, em síntese, que: a) o autor, em nenhum momento, requereu a sustação/contra-ordem dos aludidos cheques roubados; nos autos, não consta qualquer documento comprovando que o autor solicitou a sustação dos cheques pela alínea 28 (motivo furto/roubo), na verdade, o que consta é apenas um requerimento de encerramento da conta; b) caso os cheques objetos da restrição no CCF correspondam a um dos que foram furtados segundo alegações do autor, resta clara a configuração da culpa exclusiva do consumidor, eis que, efetivamente, o autor não concretizou as diligências necessárias à efetivação da contra-ordem daqueles títulos; c) os fatos deduzidos não tiveram a importância ou gravidade que a parte autora tenta fantasiar na inicial; pelas circunstâncias do caso, é fácil perceber que o episódio não teve real repercussão na vida cotidiana do promovente. 06.- A parte autora apresentou impugnação às fls. 41/44 e apresentou petição juntando documentos às fls. 51/58. 07.- Não houve produção de outras provas, conforme certificado à fl. 59. 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 09.- O dano moral surge quando alguém suporta, indevidamente, uma situação vexatória, humilhante, desestabilizadora ou perturbadora, com potencial para abalar os elementos integrantes de sua personalidade, materiais ou imateriais, como a honra, a dignidade, o bem estar psicológico, o bem estar físico. 10.- Vale lembrar que além de a situação suportada ser apta a gerar todo os males acima, ela também tem que ser proveniente da prática de um ato ilícito, de modo que, reunindo estas duas características, quais sejam, o ilícito e a potencialidade lesiva, o dano moral emerge "ipso facto", não necessitando ser provado (REsp. n.º 209.383). 11.- Contudo, entre a situação de ilícito e a de liceidade, apresenta-se uma situação intermediária, qual seja, aquela provocada por ato ilícito, mas sem grande potencial lesivo, causadora de mero dissabor ou pequeno aborrecimento, comuns na complexa vida social construída pelo homem após séculos de civilização e que não deve ser confundida com aquela outra situação provocada por um ato ilícito apto a causar uma situação vexatória, humilhante, desestabilizadora ou perturbadora, com efetivo potencial para abalar os elementos integrantes da personalidade humana, materiais ou imateriais, como a honra, a dignidade, o bem estar psicológico, o bem estar físico. (REsp. n.º 712.469, REsp. n.º 654.270, REsp. n.º 633.525, REsp. n.º 599.538, REsp. n.º 509.003, REsp. n.º 606.382, REsp. n.º 403.919, REsp. n.º 545.981, AgRg. no Ag. n.º 550.722, AgRg. no Ag. n.º 537.867, AgRg. no REsp. n.º 403.919). 12.- No presente caso, o documento de fl. 18 comprova que o autor se dirigiu à CEF e solicitou o encerramento da Conta n.º 001.47.361-2, ocasião em que informou o roubo de três talões de cheque, cuja seqüência numérica está ali descrita de forma clara e indubitável. 13.- De acordo com o documento de fl. 44, no período de maio a novembro de 2004, 17 cheques foram devolvidos, todos relativos à conta acima mencionada e todos eles incluídos na relação de cheques roubados informada pelo autor à CEF, no instante em que solicitou o encerramento da conta. Esse período coincide, exatamente, com a época em que o nome do autor foi incluído no SERASA, por ordem da CEF, nos termos do documento de fl. 10. 14.- Assim, comprovado o ato ilícito da ré, a qual encaminhou o nome do autor para o SERASA, mesmo diante de um pedido de encerramento de conta bancária, o qual fora formulado sob a alegação de roubo de cheques, cujos números foram devidamente declinados pelo consumidor, a pretensão merece acolhimento. Vale lembrar que, segundo a jurisprudência iterativa do e. STJ, a inclusão indevida de consumidor em cadastros negativos é ato ilícito com potencial para abalar moralmente a pessoa prejudicada. 15.- Não há que se acolher a defesa da CEF, no sentido de que o autor não teria sido suficientemente diligente, pois solicitou o encerramento da conta, porém não requereu a sustação dos cheques que lhe já haviam sido entregues. Ora, se o cliente informa um furto/roubo de cartões ou cheques, é óbvio que está afirmando que não se responsabiliza mais por eles dali para frente, cabendo à instituição financeira tomar as providências nesse sentido. Aliás, de acordo com as normas do BC, nos termos da Circular n.º 2.655/99, em caso de roubo/furto, não há a necessidade de se sustar os cheques, um a um, nem deve ser cobrada tarifa por esse tipo de serviço: Art. 1º Criar o motivo de devolução nº 28 - Contra-ordem (ou revogação) ou oposição (ou sustação) ao pagamento, ocasionada por furto ou roubo, cuja utilização fica condicionada à apresentação, pelo emitente, em ambos os casos, ou portador legitimado, no caso de oposição (ou sustação), da respectiva ocorrência policial. Art. 2.º Quando efetuada a devolução pelo motivo mencionado no artigo anterior, ficam proibidos: I - o fornecimento das informações previstas no art. 25 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.631, de 24.08.89, com a re- dação dada pela Resolução nº 1.682, de 31.01.90; II - o recolhimento de taxa de devolução. 16.- É bem verdade que, nos termos do artigo 10 da Resolução BC n.º 1.631, de 24 de agosto de 1989, bem como nos termos do artigo 10 da Resolução BC n.º 1.682, de 31 de janeiro de 1990, "nas devoluções pelos motivos 12 a 14, os bancos são responsáveis pela inclusão do correntista no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF)". Todavia, tal não se aplica quando o encerramento se deu sob a alegação de roubo ou furto, razão pela qual a pretensão inicial merece acolhida. ARBITRAMENTO DOS DANOS MORAIS 17.- Os legisladores do Novo Código Civil perderam uma excelente oportunidade para a fixação de parâmetros para orientar o juiz na quantificação do dano moral, eis que este tipo de dano, ao contrário do que ocorria no Código Civil de 1916, agora tem previsão expressa no Novo Código. 18.- Dessa forma, tal ausência legal impõe ao juiz o desafio de não arbitrar indenizações tão baixas que não tenham o condão de inibir condutas ilícitas, nem tão altas a ponto de proporcionar enriquecimento sem causa ao lesado (princípio da proporcionalidade). 19.- Assim ocorre, porque a reparação dos danos morais não tem somente o objetivo de compensar a vítima de um abalo moral, que por isso deve ser indenizado na medida exata da extensão do dano (art. 942 do CC/2002), mas também inibir e desencorajar as ações descomprometidas com o respeito ao cidadão. 20.- No presente caso, entendo que, para a fixação dos danos morais, devem ser levados em conta os seguintes fatores: a repercussão e a gravidade do ilícito, além do grau de culpa do responsável. 21.- Assim, tendo-se em vista que o autor, apesar dos vários cheques devolvidos, foi incluído no SERASA apenas uma vez, bem como tendo-se em vista a ausência de má-fé por parte da ré, arbitro os danos morais em 5 salários-mínimos. III DISPOSITIVO 22.- Ante o exposto JULGO PROCEDENTE, EM PARTE, o pedido inicial, para condenar a ré no pagamento de indenização por danos morais, cujo montante arbitro em 5 salários mínimos. 23.- Sobre o valor da condenação, deverá incidir correção monetária, a partir da data da publicação desta sentença, mediante a incidência dos índices recomendados pelo manual de cálculos da Justiça Federal. 24.- Também sobre o valor da condenação deverão incidir juros moratórios, sob o percentual de 1,0%, a serem contados a partir da data da citação válida, nos termos do artigo 406 do vigente Código Civil, combinado o artigo 161 do CTN. 25.- Por fim, fica a parte ré condenada em honorários advocatícios, os quais arbitro em 10% sobre o valor da condenação, nos moldes do artigo 20 do CPC. 26.- Custas na forma da Lei n.º 9.289/96. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0010255-35.2007.4.05.8200 LEA RODRIGUES DA SILVA E OUTRO (Adv. RENATA PESSOA DONATO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB Ação Ordinária - Classe 29 Processo n.° 2007.82.00.0010255-0 Autores: Lea Rodrigues da Silva e Outro Ré: Caixa Econômica Federal - CEF Código Assessoria n.º 197 Sentença Tipo "A" SENTENÇA I EXPOSIÇÃO 01.- Trata-se de ação ordinária, ajuizada por LEA RODRIGUES DA SILVA e EDILSON EDUARDO DA SILVA, devidamente qualificado(a)(s) na inicial e através de advogado(a) regularmente habilitado(a), contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, objetivando a condenação da ré ao pagamento de indenização pelos danos materiais e morais por eles suportados. 02.- Da petição inicial, extrai-se, em suma, o seguinte: a) os autores são titulares de conta corrente na agência n.º 1010 da Caixa Econômica Federal, desde fevereiro de 2000; b) no dia 04 de setembro de 2007, ao retirar um extrato de movimentação da sua conta corrente, os autores verificaram a devolução de cheque de n.º 900745, no valor de R$ 1.170,00 (um mil, cento e setenta reais), fato que os deixou surpresos, tendo em vista que, naquela ocasião, eles possuíam um talonário com apenas 20 (vinte) folhas, com numeração que ia de 900717 a 900736; c) dirigindo-se até a CEF, os demandantes foram informados que o cheque n.º 900745 havia sido devolvido pela constatação de fraude (motivo 35); naquela ocasião, a CEF descobriu que estava ocorrendo fraude contra a conta corrente dos autores, motivo pelo qual todas as taxas geradas com aquela ocorrência lhe seriam devolvidas; d) ocorre que no dia 25 de setembro de 2007, os autores verificaram que novo cheque, de n.º 900746, também no valor de R$ 1.170,00 (um mil, cento e setenta reais), fora compensado sem que a CEF tivesse tomado qualquer providência de evitar prejuízos à parte autora; e) tendo em vista a prática de ato ilícito pela parte demandada, os autores requerem indenização pelos danos materiais e morais por eles suportados. 03.- Com a inicial vieram os documentos de fls. 10/28. 04.- Em cumprimento à decisão de fl. 32, a parte autora apresentou emenda à inicial à fl. 33. 05.- Devidamente citada, a ré apresentou contestação às fls. 37/43, acompanhada de documentos de fls. 44/49, argumentando, em síntese, que: a) não houve falha no serviço prestado pela parte ré, tendo esta empresa agido de maneira absolutamente regular; o caso dos autos trata-se de fraude documental, ato criminoso praticado por terceiros e completamente alheio ao conhecimento desta empresa pública; b) os cheques mencionados na inicial, não há de se negar, eram efetivamente falsificados e foram apresentados para compensação, todavia, não foram compensados, já que houve imediata devolução dos aludidos títulos pelo motivo 35 (fraude); c) os demandantes alteram a verdade dos fatos visando a receber a título de danos materiais o valor que sequer foi debitado de sua conta corrente, além de danos morais, mediante o uso de argumentos fantasiosos e inverídicos; d) não foi feito qualquer inclusão do nome dos autores em cadastros de devedores e, muito menos, foi imposta a eles restrição creditícia de qualquer natureza. e) requereu a improcedência da demanda, por ausência de danos materiais e morais causados aos autora, bem como a condenação destes por litigância de má fé por supostamente alterarem a verdade dos fatos. 06.- A parte autora apresentou impugnação às fls. 53/59. 07.- Não houve produção de outras provas. 08.- Era o que importava ser exposto. II FUNDAMENTAÇÃO 09.- Não tendo a parte autora sido incluída em cadastros negativos de crédito ou de emitentes de cheques sem fundos, não tendo a parte autora sofrido qualquer restrição no seu crédito, no próprio banco ou na praça comercial respectiva, não tendo a parte autora sofrido qualquer prejuízo de ordem material, já que os cheques fraudados não motivaram a retirada efetiva de qualquer valor da conta da parte autora (fls. 45/46) e, finalmente, não tendo a parte autora sido cobrada em relação a qualquer taxa ou emolumento em razão desses fatos, não há dano material a ser reparado, nem dano moral a ser aquilatado. 10.- O dano moral surge quando alguém suporta, indevidamente, uma situação vexatória, humilhante, desestabilizadora ou perturbadora, com potencial para abalar os elementos integrantes de sua personalidade, materiais ou imateriais, como a honra, a dignidade, o bem estar psicológico, o bem estar físico. 11.- Vale lembrar que além de a situação suportada ser apta a gerar todo os males acima, ela também tem que ser proveniente da prática de um ato ilícito, de modo que, reunindo estas duas características, quais sejam, o ilícito e a potencialidade lesiva, o dano moral emerge "ipso facto", não necessitando ser provado (REsp. n.º 209.383). 12.- Contudo, entre a situação de ilícito e a de liceidade, apresenta-se uma situação intermediária, qual seja, aquela provocada por ato ilícito, mas sem grande potencial lesivo, causadora de mero dissabor ou pequeno aborrecimento, comuns na complexa vida social construída pelo homem após séculos de civilização e que não deve ser confundida com aquela outra situação provocada por um ato ilícito apto a causar uma situação vexatória, humilhante, desestabilizadora ou perturbadora, com efetivo potencial para abalar os elementos integrantes da personalidade humana, materiais ou imateriais, como a honra, a dignidade, o bem estar psicológico, o bem estar físico. (REsp. n.º 712.469, REsp. n.º 654.270, REsp. n.º 633.525, REsp. n.º 599.538, REsp. n.º 509.003, REsp. n.º 606.382, REsp. n.º 403.919, REsp. n.º 545.981, AgRg. no Ag. n.º 550.722, AgRg. no Ag. n.º 537.867, AgRg. no REsp. n.º 403.919). 13.- No presente caso, vislumbro a ocorrência apenas de mero aborrecimento, o qual, inclusive, nem mesmo pode ser imputado à CEF, porque esta, de maneira diligente, impediu a ocorrência de fraude contra a parte autora, fraude a que está sujeito todo e qualquer cidadão que mantém conta bancária. 14.- Em suma não tendo sido detectado dano ou falha do serviço, o caso é de improcedência total da pretensão inicial. 15.- Por fim, este Juízo deixa de acolher o pedido de condenação da parte autora em litigância de má-fé, por não divisar esse sentimento de forma explícita nos autos, levando-se em conta ser tênue a linha que divide a má-fé do comportamento que indica à má apreciação dos fatos e a má compreensão do regime jurídico aplicável a eles. III DISPOSITIVO 16.- Em face do exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido deduzido à inicial, extinguindo o feito com resolução do mérito, nos termos do artigo 269, I, do CPC. 17.- Condeno a parte autora nos honorários advocatícios de sucumbência, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), nos termos do art. 20, § 4º do CPC, cuja cobrança fica condicionada aos termos da Lei n.º 1.060/50. 18.- Custas na forma da Lei n.º 9.289/96, combinada com o art. 12 da Lei n.º 1.060/50. 19.- Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos, com a devida baixa na distribuição. P.R.I. João Pessoa, 27 de julho de 2010 BIANOR ARRUDA BEZERRA NETO Juiz Federal Substituto da 1.ª VF 13 FL._____ 1

   

0011927-49.2005.4.05.8200 UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO) x FRANCISCO DE MEDEIROS E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara EMBARGOS À EXECUÇÃO FUNDADA EM SENTENÇA nº 0011927-49.2005.4.05.8200, Classe 75 EMBARGANTE: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) EMBARGADO: FRANCISCO DE MEDEIROS e outros C E R T I D Ã O Certifico que a Contadoria Judicial cumpriu (fls. ______/______ ) o determinado na decisão (fl. ______ ). Dou fé. João Pessoa, 05 de maio de 2010. Fábio Azevedo de Oliveira Analista Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 05 de maio de 2010. Fábio Azevedo de Oliveira Analista Judiciário

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0000241-84.2010.4.05.8200 JOSÉ CARLOS DOS SANTOS ME (VAREJÃO DA CONSTRUÇÃO) (Adv. JOSE CARMELO MARINHO ALVES, FERNANDO ANTONIO MARTINS DA CUNHA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

...6- ... vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias (manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001725-37.2010.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA - INCRA (Adv. CARLOS OCTAVIANO DE M. MANGUEIRA) x SINDICATO DOS TRAB. EM SERV. PUB. FEDERAL NO ESTADO DA PB-SINTSERF/PB (Adv. ANTONIO BARBOSA FILHO, JALDELENIO REIS DE MENESES, ITAMAR GOUVEIA DA SILVA, JONATHAN OLIVEIRA DE PONTES, MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA)

...7- ... vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias (manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0000492-05.2010.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x EMMANUEL HENRIQUES DE ANDRADE (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0000492-05.2010.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO CERTIFICO o decurso do prazo legal sem interposição de embargos à execução. Dou fé. João Pessoa, 27/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos ATO ORDINATÓRIO (Provimento nº 001/2009 do Eg. TRF da 5ª Região, artigo 87, item 20) 1- Vista à Exeqüente. João Pessoa, 27/07/2010. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos à publicação. João Pessoa, 27/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0000751-97.2010.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x MERCIA LINS DE MEDEIROS -ME (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0000751-97.2010.4.05.8200 - CLASSE 98 ATO ORDINATÓRIO (Provimento nº 001/2009 do Eg. TRF da 5ª Região, artigo 87, item 19) 1- Vista à Exeqüente. João Pessoa, 28/07/2010. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos à publicação. João Pessoa, 28/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0002564-62.2010.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) x CARLOS ALBERTO PEREIRA DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0002564-62.2010.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO CERTIFICO o decurso do prazo da citação (fls. 30/32) sem interposição de embargos à execução. Dou fé. João Pessoa, 28/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos ATO ORDINATÓRIO (Provimento nº 001/2009 do Eg. TRF da 5ª Região, artigo 87, itens 19/20) 1- Vista à Exeqüente. João Pessoa, 28/07/2010. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos à publicação. João Pessoa, 28/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0007077-10.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x IONE PERGENTINO DE ALBUQUERQUE SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0007077-10.2009.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO CERTIFICO o decurso do prazo legal sem interposição de embargos à execução. Dou fé. João Pessoa, 28/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos ATO ORDINATÓRIO (Provimento nº 001/2009 do Eg. TRF da 5ª Região, artigo 87, item 20) 1- Vista à Exeqüente. João Pessoa, 28/07/2010. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos à publicação. João Pessoa, 28/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0008283-59.2009.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, MARIA JOSE DA SILVA, PABLO DAYAN TARGINO BRAGA, LUIZ MONTEIRO VARAS) x MUNICIPIO DO CONDE/PB (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0008283-59.2009.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO CERTIFICO o decurso do prazo legal sem interposição de embargos à execução. Dou fé. João Pessoa, 27/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos ATO ORDINATÓRIO (Provimento nº 001/2009 do Eg. TRF da 5ª Região, artigo 87, item 20) 1- Vista à Exeqüente. João Pessoa, 27/07/2010. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos à publicação. João Pessoa, 27/07/2010. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004015-35.2004.4.05.8200 MARIA ELIELZA BANDEIRA DA SILVA E OUTROS (Adv. VICENTE DE PAULA SILVA) x SANDOVAL BANDEIRA E OUTRO (Adv. VICENTE DE PAULA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L SEÇÃO DA PARAÍBA Processo nº 0004015-35.2004.4.05.8200 Classe 97 CERTIDÃO Certifico que recebi os presentes autos nesta data. Certifico, ainda, a R. CEF peticionou (fls. 146). Dou fé. João Pessoa, 22 de julho de 2010. José Ideão Leite Alencar Técnico Judiciário AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001/2009, art. 87, item 06 do Eg. TRF-5ª Região, vista à parte autora/Exequente sobre a (s) petição(ões)/documento(s) apresentada(o)(s) pela CEF (fls. 146). João Pessoa, 22 de julho de 2010. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 22 de julho de 2010. ______________________________ José Ideão Leite Alencar Técnico Judiciário

   

0006143-72.1997.4.05.8200 JOSE ESEQUIEL DE CARVALHO (Adv. JOSE ARAUJO DE LIMA, GEORGIANA WANIUSKA ARAUJO LUCENA, SAORSHIAM LUCENA ARAUJO, NORTHON GUIMARÃES GUERRA, GEORGEVANA WALESKA LUCENA ARAUJO GUERRA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE S. RANGEL)

2. Determino à CEF a apresentação, no prazo de 30 (trinta) dias, dos extratos analíticos que serviram de base para elaboração da conta de liquidação do julgado (fls. 312/323). 3. Uma vez cumprida a determinação referida no item anterior, intime-se o A. para, em caso de divergência, apresentar, no prazo de 10 (dez) dias, memória discriminada de cálculo informando circunstanciadamente o montante (resíduo) que entende devido, sob pena de a falta de manifestação ser considerada concordância com os valores depositados/calculados pela R. a título de satisfação do julgado. 4. Ao Distribuidor para anotações, conforme substabelelcimento (fls. 328).

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 29

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 11

TOTAL DE DECISÃO: 11

TOTAL DE DESPACHO: 13

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.