Publicado no Diário da Justiça de 24/10/2010

 

Boletim 2010.000207 - 3 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADEILTON HILARIO JUNIOR 0005849-73.2004.4.05.8200

ADRIANO BORGES DE SOUZA 0005457-26.2010.4.05.8200 0005570-77.2010.4.05.8200

ALDROVANDO GRISI JUNIOR 0008709-18.2002.4.05.8200

ALEXANDRE EZECHIELLO 0005088-32.2010.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0006184-82.2010.4.05.8200

ALFREDO MELLO MAGALHÃES 0005088-32.2010.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0003017-91.2009.4.05.8200

ANA CAROLINA SOARES CAVALCANTI 0003936-80.2009.4.05.8200

ANA GABRIELA BARBALHO DA SILVA 0004756-65.2010.4.05.8200

ANA HELENA CAVALCANTI PORTELA 0008513-92.1995.4.05.8200

ANA KATTARINA BARGETZI NOBREGA 0003066-06.2007.4.05.8200

ANA PATRICIA RAMALHO DE FIGUEIREDO 0006552-28.2009.4.05.8200

ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL 0003774-85.2009.4.05.8200 0009046-60.2009.4.05.8200 0011093-56.1999.4.05.8200

ANA ÉRIKA MAGALHÃES GOMES 0009605-51.2008.4.05.8200 0009731-04.2008.4.05.8200

ANDRE LUIS MACEDO PEREIRA 0005088-32.2010.4.05.8200

ANDRE NAVARRO FERNANDES 0007570-26.2005.4.05.8200

ANDRE SETTE CARNEIRO DE MORAIS 0011093-56.1999.4.05.8200

ANDREA DE SOUZA MONTEIRO SILVA 0008709-18.2002.4.05.8200

ANGELLO RIBEIRO ANGELO 0003774-85.2009.4.05.8200 0004458-73.2010.4.05.8200 0009046-60.2009.4.05.8200

ANTONIO ANIZIO NETO 0001736-03.2009.4.05.8200

ANTONIO BARBOSA FILHO 0000864-22.2008.4.05.8200 0002641-76.2007.4.05.8200

ANTONIO DE PADUA MOREIRA DE OLIVEIRA 0006755-39.1999.4.05.8200

ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO 0005616-66.2010.4.05.8200

ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS 0005849-73.2004.4.05.8200

ANTONIO JUCELIO AMANCIO QUEIROGA 0011093-56.1999.4.05.8200

ANTONIO MARIO DE ABREU PINTO 0006465-09.2008.4.05.8200

ANTONIO PEREIRA DOS ANJOS 0008363-14.1995.4.05.8200 0008513-92.1995.4.05.8200

ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR 0009046-60.2009.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0007252-04.2009.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0011093-56.1999.4.05.8200

BRUNO CAVALCANTI DIAS 0004685-63.2010.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0000362-20.2007.4.05.8200 0003123-19.2010.4.05.8200 0007722-35.2009.4.05.8200 0008824-92.2009.4.05.8200

CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS 0003353-95.2009.4.05.8200

CARLOS JACOB DE SOUSA (INSS) 0003353-95.2009.4.05.8200 0003356-50.2009.4.05.8200

CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR 0009639-89.2009.4.05.8200

CICERO GUEDES RODRIGUES 0008288-86.2006.4.05.8200

CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO 0004550-85.2009.4.05.8200 0007241-72.2009.4.05.8200

CLAUDIO TAVARES NETO 0003356-50.2009.4.05.8200

CLEANTO GOMES PEREIRA 0004685-63.2010.4.05.8200

CLOVIS ANAGE NOVAIS DE A. FILHO 0004161-66.2010.4.05.8200

COSME SOARES DE ANDRADE 0009099-41.2009.4.05.8200

DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO 0008509-64.2009.4.05.8200 0008521-78.2009.4.05.8200

DENNYS CARNEIRO ROCHA DOS SANTOS 0003936-80.2009.4.05.8200

DIEGO NUNES MEDEIROS FERREIRA RAMOS 0005088-32.2010.4.05.8200

DORIS FIÚZA CORDEIRO 0003454-98.2010.4.05.8200 0004382-49.2010.4.05.8200 0005034-66.2010.4.05.8200

EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA 0003454-98.2010.4.05.8200 0006666-64.2009.4.05.8200

EDNA APARECIDA FIDÉLIS DE ASSIS 0009423-02.2007.4.05.8200

EDUARDO DIAS MADRUGA 0004756-65.2010.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE 0006184-82.2010.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0005849-73.2004.4.05.8200 0007252-04.2009.4.05.8200

EDWARD JOHNSON G. DE ABRANTES 0009423-02.2007.4.05.8200

EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL 0008709-18.2002.4.05.8200

ENIO SILVA NASCIMENTO 0004344-71.2009.4.05.8200

ERICK MACEDO 0003356-50.2009.4.05.8200

FABIO LEITE DE FARIAS BRITO 0006465-09.2008.4.05.8200

FABIO MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI 0008709-18.2002.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0000098-81.1999.4.05.8200 0003774-85.2009.4.05.8200 0006159-69.2010.4.05.8200 0008288-86.2006.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0007252-04.2009.4.05.8200

FILIPE BRAUN DO NASCIMENTO 0005849-73.2004.4.05.8200

FLAVIANO SALES CUNHA MEDEIROS 0008651-68.2009.4.05.8200

FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA 0001736-03.2009.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0008288-86.2006.4.05.8200 0009046-60.2009.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0006184-82.2010.4.05.8200 0006552-28.2009.4.05.8200 0008942-05.2008.4.05.8200 0009046-60.2009.4.05.8200 0010193-58.2008.4.05.8200

FRANCISCO PEDRO DOS SANTOS 0003774-85.2009.4.05.8200

FREDERICO RODRIGUES TORRES 0004756-65.2010.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0007252-04.2009.4.05.8200

GISELLE FERNANDES PEREIRA DE LUCENA 0008942-05.2008.4.05.8200

GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS 0003353-95.2009.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0002641-76.2007.4.05.8200

GUSTAVO EUGENIO BARROCA GOMES 0005457-26.2010.4.05.8200

HEITOR CABRAL DA SILVA 0008288-86.2006.4.05.8200

HENRIQUE TENORIO DOURADO 0006552-28.2009.4.05.8200

HERATOSTENES DOS SANTOS OLIVEIRA 0000362-20.2007.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0003123-19.2010.4.05.8200 0007722-35.2009.4.05.8200 0008824-92.2009.4.05.8200

HUMBERTO MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI 0008709-18.2002.4.05.8200

IBER CAMARA DE OLIVEIRA 0008363-14.1995.4.05.8200 0008513-92.1995.4.05.8200

IGOR GADELHA ARRUDA 0003936-80.2009.4.05.8200

IGOR XIMENES GUIMARÃES 0006552-28.2009.4.05.8200

ILIA FREIRE FERNANDES BORGES BARBOSA 0009639-89.2009.4.05.8200

INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO 0006153-62.2010.4.05.8200 0006155-32.2010.4.05.8200 0006159-69.2010.4.05.8200 0006162-24.2010.4.05.8200 0008014-20.2009.4.05.8200

IRACEMA PINTO DE MEDEIROS 0008651-68.2009.4.05.8200

ITAMAR GOUVEIA DA SILVA 0002641-76.2007.4.05.8200

IVAMBERTO CARVALHO DE ARAUJO 0005712-18.2009.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0000365-67.2010.4.05.8200

JACKELINE ALVES CARTAXO 0003936-80.2009.4.05.8200

JADELENIO REIS DE MENESES 0000864-22.2008.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0008288-86.2006.4.05.8200

JALDELENIO REIS DE MENESES 0002641-76.2007.4.05.8200 0003936-80.2009.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0008363-14.1995.4.05.8200 0008513-92.1995.4.05.8200

JEOFTON COSTA DA SILVA 0000864-22.2008.4.05.8200 0002641-76.2007.4.05.8200

JOAO ANTONIO DE MOURA 0008014-20.2009.4.05.8200

JOAO DA MATA DE SOUSA FILHO 0009423-02.2007.4.05.8200

JOHNSON G. DE ABRANTES 0009423-02.2007.4.05.8200

JONATHAN OLIVEIRA DE PONTES 0002641-76.2007.4.05.8200

JOSE CAMARA DE OLIVEIRA 0008363-14.1995.4.05.8200 0008513-92.1995.4.05.8200

JOSE CARLOS RAMALHO CLEROT FILHO 0009046-60.2009.4.05.8200

JOSE CARLOS SANTOS 0003774-85.2009.4.05.8200

JOSE COSME DE MELO FILHO 0008513-92.1995.4.05.8200

JOSE FERNANDES MARIZ 0005088-32.2010.4.05.8200

JOSE GALDINO DE S. FILHO 0003774-85.2009.4.05.8200

JOSE GEORGE COSTA NEVES 0004756-65.2010.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0005849-73.2004.4.05.8200 0007252-04.2009.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0008288-86.2006.4.05.8200 0011093-56.1999.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0008513-92.1995.4.05.8200

JOSEFA RODRIGUES DA SILVA 0011093-56.1999.4.05.8200

JOSERILDE TRAJANO LINS 0004756-65.2010.4.05.8200

JOSÉ ALFREDO DE FREITAS 0009046-60.2009.4.05.8200

JOSÉ ARNALDO SOUSA DE AZEVEDO 0008709-18.2002.4.05.8200

JOÃO JOSÉ SALES QUEIROGA 0006155-32.2010.4.05.8200

JULIO CESAR ESTRUC VERBICARIO DOS SANTOS 0005088-32.2010.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0004550-85.2009.4.05.8200 0005457-26.2010.4.05.8200 0005570-77.2010.4.05.8200 0007241-72.2009.4.05.8200 0008513-92.1995.4.05.8200

KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO 0006155-32.2010.4.05.8200 0008014-20.2009.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0000365-67.2010.4.05.8200

KARLA GABRIELA SOUSA LEITE 0004756-65.2010.4.05.8200

LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO 0003353-95.2009.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0000362-20.2007.4.05.8200 0003123-19.2010.4.05.8200 0007722-35.2009.4.05.8200 0008824-92.2009.4.05.8200

LUCIA HELENA T. M. TROCOLI 0000864-22.2008.4.05.8200

LUCIANA GURGEL DE AMORIM 0008014-20.2009.4.05.8200 0008509-64.2009.4.05.8200 0008521-78.2009.4.05.8200 0009731-04.2008.4.05.8200

LUIS FERNANDO PIRES BRAGA 0008942-05.2008.4.05.8200

LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA 0003454-98.2010.4.05.8200 0005034-66.2010.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0000362-20.2007.4.05.8200 0003123-19.2010.4.05.8200 0007722-35.2009.4.05.8200 0008824-92.2009.4.05.8200

LUIZ CLAUDIO FARINA VENTRILHO 0004672-64.2010.4.05.8200

LUIZ GONZAGA PEREIRA NETO 0009639-89.2009.4.05.8200

LUIZ GUEDES DA LUZ NETO 0008942-05.2008.4.05.8200

LUIZ MONTEIRO VARAS 0003066-06.2007.4.05.8200 0010837-06.2005.4.05.8200

LÚCIO MARCOS DA COSTA 0008014-20.2009.4.05.8200

MANOLYS MARCELINO P DE SILANS 0009639-89.2009.4.05.8200

MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES 0003066-06.2007.4.05.8200 0010837-06.2005.4.05.8200

MARCIO PIQUET DA CRUZ 0000362-20.2007.4.05.8200

MARCO ANTÔNIO ACIOLI SAMPAIO 0005849-73.2004.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0004756-65.2010.4.05.8200

MARCOS LUIZ RIBEIRO DE BARROS 0006755-39.1999.4.05.8200

MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES 0010193-58.2008.4.05.8200

MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA 0004458-73.2010.4.05.8200

MARIA DE LOURDES SOUSA VIEIRA GOMES 0008513-92.1995.4.05.8200

MARIA FERREIRA DE SA 0001736-03.2009.4.05.8200

MARIA GLAUCE C. DO N. GAUDENCIO 0008709-18.2002.4.05.8200

MARIA JOSE DA SILVA 0003066-06.2007.4.05.8200 0010837-06.2005.4.05.8200

MARIANA PETIT HORACIO DE BRITO 0009639-89.2009.4.05.8200

MIGUEL MOURA LINS SILVA 0006552-28.2009.4.05.8200

MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA 0000864-22.2008.4.05.8200 0002641-76.2007.4.05.8200

MÔNICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA 0002641-76.2007.4.05.8200

NAPOLEAO VITORIO SERAFIM DE CARVALHO 0006755-39.1999.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0004756-65.2010.4.05.8200

NELSON DE OLIVEIRA SOARES 0004161-66.2010.4.05.8200

NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES 0004458-73.2010.4.05.8200

NEWTON NOBEL SOBREIRA VITA 0009423-02.2007.4.05.8200

ODILON DE LIMA FERNANDES 0003665-37.2010.4.05.8200

ODILON DE LIMA FERNANDES FILHO 0003665-37.2010.4.05.8200

ODON BEZERRA CAVALCANTI SOBRINHO 0005088-32.2010.4.05.8200

ODÉSIO DE SOUZA MEDEIROS FILHO 0003665-37.2010.4.05.8200

OLÍVIA MONIQUE ARAÚJO SERRANO DE OLIVEIRA 0006552-28.2009.4.05.8200

OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA 0004344-71.2009.4.05.8200

OTAVIO ABRANTES DE SA 0010837-06.2005.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0003066-06.2007.4.05.8200 0010837-06.2005.4.05.8200

PEDRO VITOR DE CARVALHO FALCAO 0004550-85.2009.4.05.8200

PRISCILLA SOARES FIGUEIREDO TRIGUEIRO CAROCA 0005616-66.2010.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0000365-67.2010.4.05.8200 0004685-63.2010.4.05.8200 0005712-18.2009.4.05.8200 0008651-68.2009.4.05.8200 0009099-41.2009.4.05.8200 0009195-56.2009.4.05.8200

RACHEL FRANCA FALCÃO B. DANTAS 0007555-81.2010.4.05.8200

RAFAEL SGANZERLA DURAND 0004458-73.2010.4.05.8200

RAFAELA GONÇALVES OLIVEIRA 0004756-65.2010.4.05.8200

RAIMUNDO FLORENCIO PINHEIRO 0008363-14.1995.4.05.8200 0008513-92.1995.4.05.8200

RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR 0003353-95.2009.4.05.8200 0003356-50.2009.4.05.8200 0008363-14.1995.4.05.8200

RAIMUNDO RODRIGUES DA SILVA 0007570-26.2005.4.05.8200

RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ 0004458-73.2010.4.05.8200

RICARDO ANDRE BANDEIRA MARQUES 0005849-73.2004.4.05.8200

RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA 0000864-22.2008.4.05.8200

RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ 0004550-85.2009.4.05.8200 0007241-72.2009.4.05.8200

ROBERTO NOBREGA DE CARVALHO 0009195-56.2009.4.05.8200

ROBERTO VENANCIO DA SILVA 0000098-81.1999.4.05.8200

RODOLFO ALVES SILVA 0009423-02.2007.4.05.8200

RODRIGO AUTRAN SPENCER DE HOLANDA 0005849-73.2004.4.05.8200

RODRIGO NOBREGA FARIAS 0003353-95.2009.4.05.8200

RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI 0004458-73.2010.4.05.8200

RODRIGO RODOLFO RODRIGUES E SILVA 0006184-82.2010.4.05.8200

SAULO DE TARSO DE A. PEREIRA 0003017-91.2009.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0003123-19.2010.4.05.8200 0006153-62.2010.4.05.8200 0006155-32.2010.4.05.8200 0006162-24.2010.4.05.8200 0007555-81.2010.4.05.8200 0009639-89.2009.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000864-22.2008.4.05.8200 0003123-19.2010.4.05.8200 0003454-98.2010.4.05.8200 0003665-37.2010.4.05.8200 0004161-66.2010.4.05.8200 0004344-71.2009.4.05.8200 0004382-49.2010.4.05.8200 0004458-73.2010.4.05.8200 0004672-64.2010.4.05.8200 0004685-63.2010.4.05.8200 0004756-65.2010.4.05.8200 0005034-66.2010.4.05.8200 0005088-32.2010.4.05.8200 0005457-26.2010.4.05.8200 0005570-77.2010.4.05.8200 0005616-66.2010.4.05.8200 0006465-09.2008.4.05.8200 0006666-64.2009.4.05.8200 0007241-72.2009.4.05.8200 0007252-04.2009.4.05.8200 0007722-35.2009.4.05.8200 0008824-92.2009.4.05.8200 0009423-02.2007.4.05.8200

SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA 0000864-22.2008.4.05.8200

SILVIA LUCIA R. P. NEGROMONTE 0006184-82.2010.4.05.8200

STANLEY MARX DONATO TENÓRIO 0008709-18.2002.4.05.8200

SYLVIO SILOMAR DA SILVA FILHO 0008824-92.2009.4.05.8200

SÉRGIO BRITO FIGUEIREDO 0008709-18.2002.4.05.8200

THALES DA SILVA ALMEIDA 0005849-73.2004.4.05.8200

THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES 0009605-51.2008.4.05.8200

VALBERTO ALVES DE A FILHO 0008509-64.2009.4.05.8200 0008521-78.2009.4.05.8200

VALTER DE MELO 0000362-20.2007.4.05.8200 0003123-19.2010.4.05.8200 0007722-35.2009.4.05.8200 0008824-92.2009.4.05.8200

VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS 0008288-86.2006.4.05.8200

VIVIANE MOURA TEIXEIRA 0003936-80.2009.4.05.8200

WALKIRIA CORDEIRO LEITE DE ARAUJO 0004756-65.2010.4.05.8200

WALTER DE AGRA JUNIOR 0003936-80.2009.4.05.8200

WILSON FURTADO ROBERTO 0004672-64.2010.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0007252-04.2009.4.05.8200

YURI MARQUES DA CUNHA 0008824-92.2009.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0005849-73.2004.4.05.8200 0007252-04.2009.4.05.8200

 

Juiz Federal CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ

Diretor de Secretaria: RITA DE CASSIA M FERREIRA

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0009423-02.2007.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. RODOLFO ALVES SILVA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x JOSÉ ROMULO CARNEIRO DE ALBUQUERQUE NETO (Adv. JOHNSON G. DE ABRANTES, NEWTON NOBEL SOBREIRA VITA, EDWARD JOHNSON G. DE ABRANTES, EDNA APARECIDA FIDÉLIS DE ASSIS, JOAO DA MATA DE SOUSA FILHO)

Intimem-se as partes e o d. MPF para, no prazo de10 (dez) dias, se manifestarem sobre o Ofício e documentos apresentados às fls. 317/324, bem como para apresentarem suas razões finais, por memorial. Em seguida, venham-me os autos conclusos para sentença.

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0004161-66.2010.4.05.8200 GULLART CHACON DANTAS (Adv. NELSON DE OLIVEIRA SOARES, CLOVIS ANAGE NOVAIS DE A. FILHO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias, bem como para tomar ciência da decisão de fls.74/76 proferida pelo TRF5ª Região. Após, remetam-se os autos ao MPF para intervir no feito como custos legis (art.82,I, do CPC). João Pessoa, 13/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0004382-49.2010.4.05.8200 MUNICIPIO DE SERTAOZINHO (Adv. DORIS FIÚZA CORDEIRO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 14/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0005034-66.2010.4.05.8200 MUNICÍPIO SOBRADO - PB (Adv. DORIS FIÚZA CORDEIRO, LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA) x UNIÃO FEDERAL (FAZENDA NACIONAL - RECEITA FEDERAL DO BRASIL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 13/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0005570-77.2010.4.05.8200 MARLI AIRES CALUETE (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, ADRIANO BORGES DE SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 14/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0006153-62.2010.4.05.8200 JOSÉ AURELIANO DA COSTA E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 14/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0006159-69.2010.4.05.8200 LAURICÉLIA HERCULANO CABRAL E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08 abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0006465-09.2008.4.05.8200 MUNICIPIO DE JOAO PESSOA - PB (Adv. ANTONIO MARIO DE ABREU PINTO) x UNIÃO (Adv. FABIO LEITE DE FARIAS BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a contestação apresentada pelo FNDE, no prazo de 10 (dez) dias, bem assim, para que o órgão (FNDE) de forma justificada especifique as provas que deseja produzir. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0007722-35.2009.4.05.8200 VANDERLEY MACIEL MONTEIRO (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 06, abro vista à parte autora sobre a(s) petição(ões) e documentos apresentados pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS (fls.74/75), para pronunciamento no prazo de 05(cinco) dias. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0008824-92.2009.4.05.8200 MAURO PEDRO CALIXTO DA SILVA (Adv. SYLVIO SILOMAR DA SILVA FILHO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, VALTER DE MELO, YURI MARQUES DA CUNHA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias, bem assim, para de forma justificada especificar as provas que deseja produzir. Após, vista a parte ré para especificação de provas. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0010837-06.2005.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS ECT (Adv. LUIZ MONTEIRO VARAS, MARIA JOSE DA SILVA, PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES) x SEVERAL CARD ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE BENEFÍCIOS LTDA (Adv. OTAVIO ABRANTES DE SA)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Corregedoria do TRF/5ª Região, artigo 87, item 10, considerando o decurso do prazo de suspensão deferido, dê-se vista à exequente para dar prosseguimento ao feito, no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 18/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0004672-64.2010.4.05.8200 CONTROL CONSTRUCOES LTDA (Adv. WILSON FURTADO ROBERTO, LUIZ CLAUDIO FARINA VENTRILHO) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

Considerando o cumprimento da determinação contida no item 13 da decisão exarada às fls. 2765/2767v. (fls. 2772/2782 e 2783/2784), dê-se regular processamento ao feito. Quanto ao argumento de que o pedido da compensação não foi observado na decisão, resta esclarecer que o mesmo não foi objeto do pedido de liminar, mas sim do próprio mérito deste mandamus. Publique-se.

   

0004685-63.2010.4.05.8200 MARTINHO QUEIROGA SALGADO E OUTRO (Adv. BRUNO CAVALCANTI DIAS, CLEANTO GOMES PEREIRA) x SUPERINTENDENTE DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

Noticiam às partes a interposição de agravo de instrumento junto ao eg. Tribunal Regional Federal da 5ª Região, bem assim pugnam pela retratação da decisão ora vergastada (fls. 675/689 e 690/725). Ante o exposto, mantenho a r. decisão pelos seus próprios fundamentos. Ouça-se o MPF. Intimem-se.

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000864-22.2008.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABANHADORES PÚBLICOS FEDERAIS NO ESTADO DA PARAÍBA E OUTROS (Adv. ANTONIO BARBOSA FILHO, LUCIA HELENA T. M. TROCOLI, JEOFTON COSTA DA SILVA, SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA, JADELENIO REIS DE MENESES, MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x UNIAO (MINISTERIO DOS TRANSPORTES) (Adv. SEM PROCURADOR, RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA)

Insurge-se a União contra a r. decisão de fls. 83/84, que determinou a expedição de Requisição de Pequeno Valor, no importe de R$ 43.854,77 (quarenta e três mil oitocentos e cinqüenta e quatro reais e setenta e sete centavos), em favor dos substituídos, ao argumento de que o valor extrapola o limite de 60(sessenta) salários mínimos, estando discrepante com o que estabelece o art. 3º da Lei n.º 10.259/2001 e o artigo 2º, I da Resolução n.º 055/2009, requerendo, por fim, o cancelamento da requisição e a expedição do competente Precatório. É o breve relatório. Decido. A Resolução n.º 055, de 14/05/2009, do Conselho da Justiça Federal, que regulamenta a expedição de Requisições de Pequeno Valor e Precatório dispõe o seguinte: "Art. 2º Considera-se Requisição de Pequeno Valor - RPV aquela relativa a crédito cujo valor atualizado, por beneficiário, seja igual ou inferior a: I - sessenta salários mínimos, se devedora for a Fazenda Federal (art. 17, § 1º, da Lei nº 10.259, de 12 de julho de 2001); II - quarenta salários mínimos, ou o valor estipulado pela legislação local, se devedora for a Fazenda Estadual ou a Fazenda Distrital (art. 87 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias - ADCT); III - trinta salários mínimos, ou o valor estipulado pela legislação local, se devedora for a Fazenda Municipal (art. 87 do ADCT). § 1º Tratando-se de obrigação de pagar quantia certa de pequeno valor após o trânsito em julgado da sentença ou do acórdão, quando o devedor for a União, suas autarquias e fundações, o juiz expedirá requisição ao presidente do Tribunal Regional Federal, que tomará as providências estabelecidas no art. 7º da presente resolução e, no que couber, na lei que disciplina a matéria. § 2º No caso de créditos de responsabilidade da Fazenda Estadual, Municipal e Distrital, de suas autarquias e fundações, bem assim dos conselhos de fiscalização profissional e da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT (DL nº 509/69, art. 12), as requisições serão encaminhadas pelo juízo da execução ao próprio devedor, fixando-se o prazo de sessenta dias Conselho da Justiça Federal para o respectivo depósito diretamente na vara de origem, respeitados os limites previstos no art. 87 do ADCT. Art. 3º O pagamento de valores superiores aos limites previstos no artigo anterior serão requisitados mediante precatório, exceto em caso de expressa renúncia ao valor excedente daqueles limites junto ao juízo da execução. Parágrafo único. Serão também requisitados por meio de precatório os pagamentos parciais, complementares ou suplementares de qualquer valor, quando a importância total do crédito executado, por beneficiário, for superior aos limites estabelecidos no artigo anterior. Art. 4º Em caso de litisconsórcio, para efeito do disposto nos arts. 2º e 3º desta resolução, será considerado o valor devido a cada litisconsorte, expedindo-se, simultaneamente, se for o caso, RPVs e requisições mediante precatório. Parágrafo único. Ao advogado será atribuída a qualidade de beneficiário quando se tratar de honorários sucumbenciais, e seus honorários deverão ser considerados como parcela integrante do valor devido a cada credor para fins de classificação do requisitório como de pequeno valor. " (grifei) Desta forma, para efeitos de delimitação da RPV deve ser analisada à quantia devida a cada autor individualmente, e não pela soma do valor total. Outrossim, o Superior Tribunal de Justiça possui entendimento no sentido de que, havendo litisconsórcio ativo facultativo, a verificação quanto ao montante devido pela Fazenda Pública deve ser feita em relação a cada credor. Neste sentido destaco as seguintes decisões do STJ: "PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. EXECUÇÃO FISCAL. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. ART. 1º-D DA LEI N.º 9.494/97. CRÉDITO DE PEQUENO VALOR. INAPLICABILIDADE. VALOR GLOBAL MAIOR QUE 60 SALÁRIOS MÍNIMOS. VALORES INDIVIDUAIS MENORES QUE O QUANTUM LEGAL. CABIMENTO DA VERBA PLEITEADA. PRECEDENTE. 1. O acórdão embargado não observou que a execução possui parcelas cujos valores, considerando individualmente os exeqüentes, são inferiores a 60 (sessenta) salários mínimos. 2. Das parcelas que foram apresentadas no executivo, apenas 02 (duas) delas excedem o valor legalmente determinado (hoje, no patamar de R$21.000,00). As demais parcelas, pertinentes aos 05 (cinco) litisconsortes restantes, podem ser pagas mediante RPV (Requisições de Pequeno Valor), visto que os valores, individualmente contabilizados, não ultrapassam o limite previsto. 3. "Sendo a execução promovida em regime de litisconsórcio ativo facultativo, a aferição do valor, para os fins do art. 100, § 3º da Constituição, deve levar em conta o crédito individual de cada exeqüente (art. 4º da Resolução 373, de 25.05.2004, do Conselho da Justiça Federal).Reconsideração da decisão agravada para dar parcial provimento ao recurso especial, no sentido de fixar os honorários advocatícios em 10% sobre os créditos inferiores a sessenta salários mínimos" (AgRg no Resp nº 714065/SC, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ de 23/05/2005). 4. Embargos acolhidos para, com efeitos modificativos, dar provimento parcial ao recurso especial, a fim de deferir os honorários advocatícios sobre as 05 (cinco) parcelas - excluídas as das custas e as dos litisconsortes Adir José da Silva e Alexandre Chambarelli de Novaes - cujos valores não ultrapassam os 60 (sessenta) salários mínimos. (EDcl no REsp 843.772/SC, Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, PRIMEIRA TURMA, julgado em 07.11.2006, DJ 20.11.2006 p. 287)." (GRIFEI) " PROCESSO CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL. EXECUÇÃO NÃO-EMBARGADA DE TÍTULO JUDICIAL. RPV. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. CABIMENTO. VALORES INDIVIDUAIS MENORES QUE 60 ALÁRIOS-MÍNIMOS. 1. Nas execuções ajuizadas após o advento da MP n. 2.180-35/2001, o Supremo Tribunal Federal (RE n. 420.816/PR) entendeu não-aplicável o art. 1.º-D da Lei n. 9.494/97 para as requisições de pequeno valor (RPV). 2. Promovida a execução em regime de litisconsórcio ativo facultativo, a aferição do valor para os fins de enquadramento como RPV (art. 100, § 3º, da CF) deve levar em conta o crédito individual de cada exeqüente. 3. Agravo regimental não-provido. (AgRg no REsp 851961 / RS)" (GRIFEI) No caso, tenho que cada litisconsorte ou substituído, nos termos do art. 48 do CPC, funciona em relação à parte adversa como litigantes distintos, pois caso houvesse o desmembramento da ação plúrima em ações individuais, as obrigações, consideradas separadamente, seriam de pequeno valor. Portanto, considerando que os créditos de cada substituído pode ser facilmente especificados, conforme se verificam às fls. 85, possibilitando o enquadramento das parcelas a serem recebidas como requisição de pequeno valor, não há a necessidade de expedição de precatório. Em face do exposto, indefiro o pedido formulado pela União. I. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Remessa à União.

   

0002641-76.2007.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF - PB E OUTROS (Adv. JALDELENIO REIS DE MENESES, ANTONIO BARBOSA FILHO, JONATHAN OLIVEIRA DE PONTES, ITAMAR GOUVEIA DA SILVA, JEOFTON COSTA DA SILVA, MÔNICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA, MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x UNIÃO (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

Às fls. 76/80, os advogados Dr. Sergio Ricardo Alves Barbosa e Dr. Ricardo Figueiredo Moreira vem requerer: o pagamento dos honorários de sucumbência, na proporção de 50%(cinqüenta por cento) para cada um dos advogados; o pagamento de honorários contratuais à razão 10% (dez por cento) sobre o valor auferido pela parte autora,em razão de termos de adesões e autorizações assinados; a habilitação da Dra. Mônica de Souza Rocha Barbosa na qualidade de representante processual. Defiro o pedido de representação dos advogados exeqüentes pela advogada Dr. Mônica Dra. Mônica de Souza Rocha Barbosa. Anotações na distribuição. Quanto ao pagamento dos honorários de sucumbência, tenho que estes são devidos unicamente aqueles que atuaram no processo de conhecimento (n.º 2000.82.00.002030-6), no caso, ao Dr. Sérgio Ricardo Alves Barbosa, Dr. Ricardo Figueiredo Moreira e Dr. Jaldelênio Reis de Meneses (cópia da procuração em anexo), portanto, tais valores devem ser divididos à razão de 1/3 (um terço) para cada um dos advogados. Quanto ao pedido de pagamento dos honorários contratuais, observo que nos autos do processo de conhecimento (n.º 2000.82.00.002030-6), não se encontram termos de adesão ou autorizações para dedução. Assim, indefiro o pedido de cobrança de honorários contratuais nos presentes autos. Por fim, às fls. 81/85, o Dr. Caius Marcellus de Araújo Lacerca vem requerer também o pagamento dos honorários de sucumbência, todavia, compulsando os autos do processo de conhecimento (n.º 2000.82.00.002030-6), observa-se que o referido advogado não funcionou naqueles autos, não fazendo jus, portanto, aos honorários de sucumbência. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Remessa à distribuição; 2- Publicação.

   

0005849-73.2004.4.05.8200 UNIAO (JUSTICA FEDERAL/PB) (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS) x ROBERTO DA SILVA MARACAJA E OUTROS (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, ADEILTON HILARIO JUNIOR, RICARDO ANDRE BANDEIRA MARQUES, RODRIGO AUTRAN SPENCER DE HOLANDA, MARCO ANTÔNIO ACIOLI SAMPAIO, FILIPE BRAUN DO NASCIMENTO, THALES DA SILVA ALMEIDA)

Defiro o pedido de substabelecimento requerido às fls.207/208. À Distribuição para as correções cartorárias devidas. Em face da decisão do TRF-5ª região, remetam-se os autos à Contadoria Judicial para adequar os cálculos aos critérios determinados no julgado. Após, dê-se vista as partes. Prazo de 05 (cinco) dias. No silêncio, expeça-se requisição de pagamento nos autos principais, trasladando para os referidos autos cópia da sentença (fls. 179/183), decisão (fls. 109/204), certidão do transito em julgado (fls. 210) e cálculos apresentados pela contadoria judicial, desapensando-se estes embargos daquela ação, certificando em ambos. Cumpra-se. Intimem-se FORMA DE CUMPRIMENTO 1) Remessa à Contadoria; 2) Publicação; 3) Remessa UNIAO.

   

0006755-39.1999.4.05.8200 WELGTON LEITE DE ANDRADE E OUTROS (Adv. ANTONIO DE PADUA MOREIRA DE OLIVEIRA, MARCOS LUIZ RIBEIRO DE BARROS) x WELGTON LEITE DE ANDRADE x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. NAPOLEAO VITORIO SERAFIM DE CARVALHO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL)

Em obediência ao provimento nº 002, de 30 de novembro de 2000, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 3º, item 30, e em face do desarquivamento dos autos dê-se vista ao autor pelo prazo de 05 (cinco) dias. João Pessoa, 13/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0008363-14.1995.4.05.8200 MARIA LINDOMAR DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA, RAIMUNDO FLORENCIO PINHEIRO, JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, ANTONIO PEREIRA DOS ANJOS) x JOSE MARCOS DE OLIVEIRA E OUTROS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR)

Em obediência ao provimento nº 001, de 25 de março de 2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87, item 30, dê-se vista dos autos ao exeqüente, pelo prazo de 05 (cinco) dias, e, nada sendo requerido, retornem os autos ao arquivo. João Pessoa, 13 de outubro de 2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara.

   

0008513-92.1995.4.05.8200 TEODOMIRO PEREIRA SOUZA E OUTROS (Adv. JOSE CAMARA DE OLIVEIRA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IBER CAMARA DE OLIVEIRA, ANA HELENA CAVALCANTI PORTELA, JOSE COSME DE MELO FILHO, MARIA DE LOURDES SOUSA VIEIRA GOMES, RAIMUNDO FLORENCIO PINHEIRO, JEAN CAMARA DE OLIVEIRA) x FRANCISCO SEBASTIÃO DA SILVA (Adv. ANTONIO PEREIRA DOS ANJOS, JEAN CAMARA DE OLIVEIRA) x BENONILIA DE FIGUEIREDO x CICERO CANDIDO DE OLIVEIRA E OUTROS x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS

Em obediência ao provimento nº 002, de 30 de novembro de 2000, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 3º, item 30, dê-se vista ao exequente pelo prazo de 05 (cinco) dias, nada sendo requerido, retornem os autos ao arquivo. João Pessoa, 13/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0008651-68.2009.4.05.8200 JOAQUIM AVELINO COUTO E OUTROS (Adv. FLAVIANO SALES CUNHA MEDEIROS, IRACEMA PINTO DE MEDEIROS) x CEFET - PB (CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA) (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias, bem assim, para de forma justificada especificar as provas que deseja produzir. Após, vista a parte ré para especificação de provas. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004458-73.2010.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x MEDEIROS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, RAFAEL SGANZERLA DURAND, MARCYLIO DE ALENCAR FERREIRA LIMA, RENATA PATRÍCIA DE LIMA CRUZ, ANGELLO RIBEIRO ANGELO)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 13/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0008709-18.2002.4.05.8200 MAGLIA MONTEIRO CAVALCANTI (Adv. MARIA GLAUCE C. DO N. GAUDENCIO, HUMBERTO MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI, SÉRGIO BRITO FIGUEIREDO, STANLEY MARX DONATO TENÓRIO, ALDROVANDO GRISI JUNIOR, FABIO MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI, JOSÉ ARNALDO SOUSA DE AZEVEDO, ANDREA DE SOUZA MONTEIRO SILVA) x GERENTE EXECUTIVO DO INSTITUTO NACIONAL DE SEGURIDADE NACIONAL - INSS (Adv. EMMANUEL RUCK VIEIRA LEAL)

Noticia a impetrante que o NSS está cumprindo de forma equivocada o julgado, eis que deixou de computar na certidão de tempo de serviço o acréscimo de 1,20, referente ao período laboral de 01/08/82 a 11/12/90, exercido na atividade de médica junto à FUSEP, conforme estabelecido no julgado (fls. 75/79), bem como incluiu na aludida certidão tempo de serviço que não é objeto da presente ação, pugnando, ao final, pelo desarquivamento do feito e intimação da autarquia previdenciária para o correto cumprimento da obrigação de fazer. Considerando o exposto acima, decido: Reative-se o feito, procedendo a inclusão dos advogados constantes na procuração acostada à fl. 77 nos assentamentos cartorários da presente ação. Em seguida, dê-se vista dos autos ao INSS para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar certidão de tempo de serviço da servidora MAGLIA MONTEIRO CAVALCANTI, nos exatos termos constantes na ordem judicial exarada às fls. 57/66. Após, intime-se a impetrante, mediante publicação, para manifestação no prazo de 05 (cinco) dias. Cumpra-se.

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0009639-89.2009.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. ILIA FREIRE FERNANDES BORGES BARBOSA) x UNIÃO (Adv. LUIZ GONZAGA PEREIRA NETO) x GERALDO OLIVEIRA (Adv. SEM ADVOGADO, MANOLYS MARCELINO P DE SILANS, MARIANA PETIT HORACIO DE BRITO) x AUGUSTO BEZERRA CAVALCANTI NETO (Adv. CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR)

Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa AUTOR: Ministério Público Federal RÉUS: Augusto Bezerra Cavalcanti Neto e Geraldo de Oliveira D E C I S Ã O Trata-se de ação civil pública de improbidade administrativa movida pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL contra AUGUSTO BEZERRA CAVALCANTI NETO e GERALDO DE OLIVEIRA, objetivando a condenação dos réus nas sanções previstas na Lei nº 8.429/92, pela pratica de ato de improbidade administrativa, consubstanciado, segundo a inicial, em dar destinação diversa da prevista na norma de competência a recursos públicos oriundos do Convênio nº 84/2004 (SIAFI n.º 500523), firmado com o Ministério da Saúde, destinados à construção de uma Unidade de Saúde e à aquisição de equipamentos e materiais permanentes. Com a inicial, vieram os documentos de fls. 21/708. A União, à fl. 718, manifestou interesse em ingressar na lide, na qualidade de assistente litisconsorcial do MPF. O réu AUGUSTO BEZERRA CAVALCANTI NETO apresentou manifestação escrita às fls. 720/727, juntando os documentos de fls. 728/741. Ofício encaminhado pelo Diretor de Secretaria da 1.ª Vara Federal desta Seção Judiciária encaminhando cópias de peças da Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa n.º 0001549-92.2009.4.05.8200, para fins de verificação de prevenção (fls. 745/791). Decido. O cerne da presente ação de improbidade administrativa diz respeito às irregularidades praticadas pelos réus no que tange aos recursos federais repassados pelo Fundo Nacional de Saúde, para atender as necessidades do Convênio n.º 084/2004, que tinha por objeto a construção de uma Unidade de Saúde e a aquisição de equipamentos e materiais permanentes. Da análise dos documentos encaminhados a este juízo por meio do ofício oriundo da 1.ª Vara Federal (fls. 745/791), constata-se que o Ministério Público Federal ajuizou ação civil por ato de improbidade administrativa, ora em curso na 1ª Vara desta Seção Judiciária, apresentando causas de pedir e objeto idênticos ao desta ação, qual seja, o desvio de recursos relativos ao Convênio n.º 084/2004, e tendo em comum o réu AUGUSTO BEZERRA CAVALCANTI NETO, com o intuito de vê-lo condenado nas sanções previstas na Lei nº 8.429/92. Desse modo, existe conexão com a referida ação civil pública, nos termos do art. 103 do CPC, a ensejar a reunião das ações, de modo a evitar decisões conflitantes acerca da mesma relação jurídica. Em consonância com o Código de Processo Civil, duas ou mais ações são conexas quando lhes for comum o objeto ou a causa de pedir, e havendo conexão ou continência, o juiz, de ofício ou a requerimento de qualquer das partes, pode ordenar a reunião de ações propostas em separado, a fim de que sejam decididas simultaneamente. Segundo observa ARRUDA ALVIM, o primeiro ponto de interesse jurídico para falar-se em conexão de causas, está em "estabelecer se uma ação é ligada a outra, a ponto de a decisão de uma influir na da outra"1. O outro fundamento, segundo esse autor, a justificar a reunião dos processos, é o da economia processual2, que ocorrerá tanto na produção da prova, quanto na realização de audiências e atos processuais, acaso reunidos os feitos, quando serão realizados por uma única vez. Na mesma trilha, ensina o Professor LUIZ FUX, em sua obra Curso de Direito Processual Civil, 1ª Edição, p. 188, que: "A conseqüência jurídico-processual mais expressiva da conexão, malgrado não lhe seja a única, é a imposição de julgamento simultâneo das causas conexas no mesmo processo (simultaneus processus). A razão desta regra deriva do fato de que o julgamento em separado das causas conexas gera o risco de decisões contraditórias, que acarretam grave desprestígio para o Poder Judiciário." A propósito, veja-se o posicionamento da jurisprudência: " O objetivo da norma inserta no art. 103, bem como no disposto no art. 106, ambos do CPC, é evitar decisões contraditórias; por isso, a indagação sobre o objeto ou a causa de pedir, que o artigo por primeiro quer que seja comum, deve ser entendida em termos, não se exigindo a perfeita identidade, senão que haja um liame que os faça passíveis de decisão unificada." ( RESP nº 3511, STJ, 3ª Turma, Rel. Min. Waldemar Zveiter, DJU 11.03.91) "(...) Para caracterizar a conexão (arts. 103 e 106 do CPC), na forma em que está definida em lei, não é necessário que se cuide de causas idênticas (quanto aos fundamentos e ao objeto); basta que as ações sejam análogas, semelhantes, visto como o escopo da junção das demandas para um único julgamento é a mera possibilidade da superveniência de julgamentos discrepantes, com prejuízos para o conceito do Judiciário, como Instituição. O malefício das decisões contraditórias sobre a mesma relação de direitos consubstancia a espinha dorsal da construção doutrinária inspiradora do princípio do simultaneus processus a que se reduz a criação do forum connexitatis materialis. O acatamento e o respeito às decisões da Justiça constituem o alicerce do Poder Judiciário que se desprestigiaria na medida em que dois ou mais Juízes proferissem decisões conflitantes sobre a mesma relação jurídica ou sobre o mesmo objeto da prestação jurisdicional. Decisão indiscrepante" (STJ, Primeira Seção, CC 22123, Rel. Min. DEMÓCRITO REINALDO, DJ 14.06.99, pág. 100). Consultado o Sistema TEBAS, constata-se facilmente que o processo em curso na da 1ª Vara recebeu o despacho inicial de notificação do réu em 26.03.2009 (fl. 795), enquanto este aqui somente foi distribuído em 16.12.2009 (fl. 02), quando aquele Juízo já se tornara prevento para conhecer e julgar as causas conexas ao referido processo. Isso posto, declaro-me incompetente para julgamento do presente feito, determinando a redistribuição ao Juiz prevento, vale dizer, Exmo. Juiz Federal Titular da 1ª Vara. FORMA DE CUMPRIMENTO Intimem-se os réus (P). Intime-se o MPF por remessa de autos. Preclusa a decisão, remetam-se os autos à distribuição. J. Pessoa, 29 de setembro de 2010. CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 1 ALVIM, Arruda, Manual de Direito Processual Civil, 5ª ed. São Paulo: RT, 1996, p. 213/214. 2 ALVIM, Arruda, Cf. ob.cit., p. 302. --------------- ------------------------------------------------------------ --------------- ------------------------------------------------------------ PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU Seção Judiciária da Paraíba 3ª Vara Federal Processo nº 0009639-89.2009.4.05.8200 4 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000362-20.2007.4.05.8200 ROSA BERNARDO DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, HERATOSTENES DOS SANTOS OLIVEIRA, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARCIO PIQUET DA CRUZ)

Ação de Rito Ordinário Autora: Rosa Bernardo da Silva Ré: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação de rito ordinário ajuizada por ROSA BERNARDO DA SILVA, qualificada nos autos, através de seu curador, Manoel Amâncio dos Santos, em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, visando à concessão do benefício de amparo social, a contar da data da propositura desta ação. Diz ser uma "pessoa doente" almejando a concessão do benefício acima referido a contar da data em que requereu administrativamente. Relata ter procurado o Posto do INSS, em 19.03.03, contudo, o respectivo servidor informou-lhe que a sua documentação não gerava o direito ao deferimento do benefício almejado, razão pela qual não iria instaurar o correspondente processo administrativo. Defende a necessidade de realização de perícia médica para comprovar a doença da autora e de pagamento por danos morais no valor de cem vezes o benefício básico, já que ficou privado de seus direitos por culpa do réu, citando o art. 186 do CC e jurisprudência. Requer, por fim, a gratuidade judiciária. Com a inicial, juntou procuração e documentos, às fls. 09/14. Despacho de fl. 16, deferindo a gratuidade judiciária. Citado, o INSS ofertou contestação, às fls. 17-28, aduzindo tão somente a falta de condição de ação pela ausência de requerimento administrativo de concessão de benefício. Em atenção ao despacho de fl. 29, a autora acostou procuração constituída através de instrumento público (fl. 32). Impugnação à contestação, às fls. 33-34, tendo a autora afirmado que a defesa da ré não atende aos ditames do art. 333, II, do CPC. Deferido, à fl. 39, substabelecimento (fl. 38) requerido pelo patrono da autora. Em atenção ao despacho de fl. 35, a autora noticiou que sua incapacidade para a vida laboral decorre de doença na coluna cervical e lombar (fl. 42). Foi dado, então, às partes especificar as provas que pretendiam produzir, tendo a autora pugnado pela realização de perícia médica e pela juntada pelo INSS do procedimento administrativo que negou seu pedido de concessão de benefício, à fl. 45. Apesar de intimada para acostar a carta de indeferimento do benefício em questão, a autora quedou-se inerte, conforme certificado à fl. 49. A sentença de fls. 51-55 extinguindo o processo sem resolução do mérito, por carência de ação restou anulada pelo TRF-5ª R., em sede de apelação, através do acórdão de fls. 66-71. Redistribuídos a esta Vara, foi deferida a produção de prova pericial por força da decisão de fls. 75-76. Documento de fl. 34, em que o perito judicial, médico ortopedista, noticia a ausência da autora à perícia médica agendada. Os autos vieram, então, conclusos, pelo que passo a decidir. F U N D A M E N T A Ç Ã O Primeiramente, registro que restou prejudicada a análise da preliminar de carência de ação - por ausência de comprovação de requerimento na esfera administrativa - em face do teor do acórdão acostado por cópia às fls. 66-70. Superado tal aspecto, passo a análise do direito ao indigitado benefício. DO AMPARO SOCIAL A Lei n.º 8.742/93, que dispõe sobre a assistência social, em seu art. 20 traz os requisitos necessários à concessão do amparo social, com o seguinte texto: "Art. 20. O benefício de prestação continuada é a garantia de 1 (um) salário mínimo mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso com 70 (setenta) anos ou mais e que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção e nem de tê-la provida por sua família. § 1o Para os efeitos do disposto no caput, entende-se como família o conjunto de pessoas elencadas no art. 16 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, desde que vivam sob o mesmo teto. § 2º Para efeito de concessão deste benefício, a pessoa portadora de deficiência é aquela incapacitada para a vida independente e para o trabalho. § 3º Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa portadora de deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário mínimo. § 4º O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo o da assistência médica. § 5º A situação de internado não prejudica o direito do idoso ou do portador de deficiência ao benefício. § 6o A concessão do benefício ficará sujeita a exame médico pericial e laudo realizados pelos serviços de perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. § 7o Na hipótese de não existirem serviços no município de residência do beneficiário, fica assegurado, na forma prevista em regulamento, o seu encaminhamento ao município mais próximo que contar com tal estrutura. § 8o A renda familiar mensal a que se refere o § 3o deverá ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, sujeitando-se aos demais procedimentos previstos no regulamento para o deferimento do pedido." Do texto legal, infere-se que os requisitos para a concessão do amparo social são dois: 1. ser idoso ou portador de deficiência; 2. não ser capaz de prover a própria manutenção, nem tê-la provida pela família. Ainda de acordo com a lei, portador de deficiência é aquele incapacitado para a vida independente e para o trabalho. E a incapacidade de prover o próprio sustento se evidencia pela renda mensal familiar per capta inferior a 1/4 do salário mínimo. Pois bem. A questão tornou-se de fácil deslinde, frente à situação fática que a cerca e que passo a descrever. A autora, na inicial, afirma estar desempregada. A verificação da hipossuficiência econômica haveria de ser feita mediante prova testemunhal e/ou documental porque não basta que o autor não tenha renda; é requisito legal que ele não possa ser sustentado por sua família, a quem compete, prioritariamente, a obrigação de auxílio financeiro. Contudo, na fase de especificação de provas, a autora postulou somente produção de perícia. E para aferir a presença da incapacidade laboral eventualmente decorrente da doença da autora na coluna cervical e lombar (fl. 42), necessário se faria a produção da prova pericial requestada por aquela e deferida por este Juízo, no entanto, a parte interessada, ou seja, a própria autora, não compareceu à perícia médica agendada, conforme se extrai do documento de fl. 34: "Ausência de Autor à perícia agendada (...) Faltou também a autora do Processo nº 2007.0362-5 (sra. Rosa Bernardo da Silva), agendada para hoje, às 14 horas.(...)" Observo que a parte autora foi regularmente intimada, por intermédio de seu advogado, cabendo ao mesmo diligenciar para informá-la da data da perícia. Destarte, tenho que aquela não tem direito ao benefício de amparo social ora almejado, enquanto não comprovado o preenchimento dos requisitos necessários ao seu deferimento. D I S P O S I T I V O Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido inicial, resolvendo o mérito da lide, nos termos do art. 269, I, do CPC. Sem custas a ressarcir nem honorários advocatícios a pagar, em virtude de ser a autora beneficiária da justiça gratuita. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 13 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0000362-20.2007.4.05.8200 2 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal

   

0000365-67.2010.4.05.8200 IVAN TARGINO MOREIRA (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Ação de Rito Ordinário Autor: IVAN TARGINO MOREIRA Ré: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação ordinária, com pedido de antecipação de tutela, movida por IVAN TARGINO MOREIRA, devidamente qualificado nos autos, em face da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, objetivando seja declarada indevida a cobrança, por parte da ré, do valor de R$ 63.843,00 (sessenta e três mil, oitocentos e quarenta e três reais), referente ao Adicional de Gestão Educacional, recebido em virtude de decisão judicial. Narra o autor que por intermédio do Mandado de Segurança n.º 2000.82.00.00.5021-6, obteve sentença reconhecendo o direito a incorporar o referido adicional aos "quintos", hoje transformados em VPNI - Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada. Ocorre que tal decisão reformada pelo e. TRF da 5ª Região, que deu provimento a recurso interposto pela UFPB. Continua explicando que diante da decisão do TRF, a UFPB intimou o autor para, no prazo de trinta dias, pagar o citado valor, sob pena de ajuizamento de ação de cobrança. Para o promovente, embora a ré tenha invocado o art. 46, da Lei 8.112/90 para fundamentar a citada cobrança, esse dispositivo não se aplica à espécie, em respeito ao princípio da boa-fé e da estabilidade das relações jurídicas praticadas por decisões judiciais, aliadas à natureza alimentar das verbas percebidas. Juntou procuração, documentos e comprovante do pagamento de custas às fls. 14/80. Decisão proferida às fls. 84/85 indeferiu a antecipação dos efeitos de tutela. O promovente interpôs agravo de instrumento em face do decisum (fls. 88/100). Contestação da UFPB apresentada às fls. 103/107. Nela, a ré defende que a Administração está adstrita ao princípio da legalidade, e tem por obrigação zelar o seu patrimônio. A ré afirmou que a tese defendida pelo autor, de que os valores foram recebidos de boa-fé e por tal motivo não precisam, não deve vingar, visto que não houve erro ou interpretação equivocada da Administração, e sim uma decisão judicial não definitiva. Neste caso, é o servidor quem decide pelo recebimento daqueles valores, assumindo o risco de ter que devolvê-los acaso a decisão judicial que o ampara venha a ser cassada. Juntada aos autos cópia de decisão liminar proferida nos autos do agravo de instrumento (fls. 108/115), a qual reviu a decisão e concedeu a antecipação dos efeitos de tutela para determinar que a UFPB se abstivesse de exigir o pagamento da quantia supracitada. Impugnação à contestação apresentada às fls. 121/127. Os autos vieram-me conclusos. É o que importa relatar. F U N D A M E N T A Ç Ã O Na decisão proferida às fls. 84/85, indeferi a antecipação dos efeitos de tutela respaldada em precedentes do Superior Tribunal de Justiça, segundo os quais são repetíveis as verbas recebidas por servidores públicos em decorrência de decisões judiciais não definitivas, se a decisão que concedeu aquela verba vier a ser modificada através de recurso. Assim me manifestei na ocasião de apreciação liminar: (...) A discussão trazida à baila descansa na possibilidade de reposição ao erário público de valores recebidos por servidor público em decorrência de decisão judicial que, posteriormente, foi reformada por instância superior. Depreende-se dos autos que os impetrantes do Mandado de Segurança nº 2002.82.00.005021-6 (servidor ora autor e outros) obtiveram judicialmente o direito à inclusão do Adicional de Gestão Educacional - AGE para efeito de cálculo dos quintos/décimos incorporados a título de Cargo de Direção - CD e/ou Função Gratificada - FG, como se vê pelo teor da sentença de fls. 37-40. Sucede que tal decisão foi reformada em grau de recurso (fls. 56/79); motivo pelo qual, em seguida, o servidor foi notificado para proceder ao ressarcimento ao erário da quantia percebida (fls. 18). O autor sustenta que os valores constituem verba alimentar e foram recebidos de boa-fé por força de decisão judicial, não sendo, portanto, cabível a sua restituição, sob pena de alegada afronta à firme jurisprudência do TRF-5ªR e do STJ. Não assiste razão à parte autora. Em casos de recebimento de valores por força de decisão judicial ulteriormente reformada, o Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento, ao qual me filio, no sentido de que a reposição é cabível já que o pagamento não foi efetuado por errônea interpretação ou má aplicação da lei pela Administração, não havendo que se levar em conta, nessa hipótese, a boa-fé do percipiente. É o que diz o precedente: "EMENTA: RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. VALORES INDEVIDAMENTE RECEBIDOS POR FORÇA DE LIMINAR. DESCONTO EM FOLHA. POSSIBILIDADE. AUSENCIA DE ERRONEA INTERPRETAÇÃO OU MÁ APLICAÇÃO DA LEI PELA ADMINISTRAÇÃO. RECURSO ESPECIAL PROVIDO. 1. Prevalecia neste Superior Tribunal de Justiça o entendimento de que os valores indevidamente recebidos, ainda que de boa-fé, por servidores públicos sujeitam-se à repetição, observado o limite máximo de dez por cento da remuneração. 2. Recentemente, entretanto, no julgamento do Resp nº 488.905, de relatoria do ilustre Ministro José Arnaldo da Fonseca, a Egrégia Quinta Turma firmou entendimento no sentido de que não será cabível a restituição de valores se estes foram recebidos de boa-fé e se houve errônea interpretação ou má aplicação da lei pela Administração Pública. 3. Não obstante, impende ter sob mira que, na hipótese dos autos, "o pagamento indevido não foi resultado da interpretação equivocada da Lei pela Administração, mas sim de decisão judicial de caráter liminar que compeliu a UNIÃO a efetuar o pagamento, sob pena de desobediência" (fl. 599). Dessa forma, verifica-se a ausência do requisito da errônea interpretação ou má aplicação da lei pela Administração Pública, não podendo esta ser onerada por ato do próprio servidor. 4. O desconto em folha dos valores indevidamente recebidos por força de decisão liminar é cabível, desde que observado o princípio do contraditório e respeitado o limite máximo de um décimo sobre a remuneração, nos termos do artigo 46 da Lei nº 8.112/90. 5. Recurso especial provido." (REsp 651.081/RJ. STJ, Rel. Min. Helio Quaglia Barbosa, j. 19.05.2005, DJU 06.06.2005) - destaquei. Cabe a qualquer autor de demandas judiciais assumir o risco de, eventualmente, restituir ao erário as verbas que lhe forem pagas por força de decisão judicial passível de reforma. Os efeitos imediatos da sentença (sujeita a recurso) concessiva de segurança se, por um lado, atende às expectativas de celeridade do impetrante, por outro lado, deve ser encarada como provisória, com todos os ônus que decorrem dessa condição. Mantenho firme o pensamento de que não basta a boa-fé no recebimento das quantias para as tornarem irrepetíveis, visto que os servidores públicos sabem da possibilidade da alteração daquela situação jurídica se a decisão judicial que o ampara vier a ser cassada, estando cientes, portanto, que terão que devolver os valores. Além do mais, faz-se necessária a devolução porque a Administração não efetuou o pagamento em razão de erro ou má interpretação da legislação, e sim porque foi compelida judicialmente ao pagamento daquela quantia. Eis a razão porque a situação de pagamento indevido em virtude de decisão judicial não se encaixa no entendimento de que são irrepetíveis verbas indevidas recebidas por servidores de boa-fé1. Todavia, também se faz necessária uma ponderação a respeito deste entendimento jurisprudencial, pois na realidade pode haver casos de percepção de verbas indevidas por servidores públicos com sutis distinções, mas suficientes para conferirem tratamento jurídico distinto, conforme vemos a seguir: a) Na primeira hipótese, o servidor pleiteia na Justiça adicionais, vantagens, os quais representam um plus em sua remuneração, sem os quais poderia continuar suprindo normalmente suas necessidades básicas, que é a dos autos; b) Numa segunda situação, o servidor ou seus dependentes pleiteiam o recebimento de remuneração ou benefício previdenciário destinado a garantir a sua própria sobrevivência. No primeiro caso, podemos sim considerar que é uma opção do autor a percepção da vantagem com base em decisão judicial não definitiva, devendo o requerente arcar com os riscos de ter que devolver à Administração a quantia que recebeu indevidamente. Isto é assim porque as verbas conseguidas através da decisão são um plus nos vencimentos do servidor, sem as quais ele poderia continuar normalmente a sua vida. Porém, com relação ao segundo caso, é possível afirmar que não existe uma opção para não se receber um benefício de natureza alimentar, destinado a garantir a própria existência. De fato, é impossível se ponderar com raciocínio equilibrado e frieza a respeito do risco de ter que devolver alguma verba garantida por decisão não definitiva, quando se necessita de dinheiro para adquirir alimentos, cobrir despesas com educação, saúde, moradia, etc. Pois bem. As premissas acima me levam a concluir que nos casos de percepção de verbas alimentares, desde que comprovada a boa-fé dos beneficiados e quando se tratar de pleito referente a benefício ou remuneração, destinado a garantir a sobrevivência do requerente, não há como se determinar a repetição se a antecipação de tutela ou liminar foi posteriormente cassada. Faz-se assim a aplicação da teoria da irrepetibilidade dos alimentos, igualmente consagrada no âmbito do Superior Tribunal de Justiça, sem excluir o entendimento consagrado na decisão que indeferiu a antecipação dos efeitos de tutela, que se seguirá sendo adotado por esta magistrada nos casos em que os autores/servidores pleitearem judicialmente um mero adicional a sua remuneração. No caso em discussão, porém, não há como aplicar o princípio da irrepetibilidade de alimentos, uma vez que a vantagem perseguida pelo autor naquele mandado de segurança constituiu um mero acréscimo em sua remuneração do autor, sem a qual poderia continuar suprindo normalmente suas necessidades básicas. Dessa forma, perfeitamente legal a decisão da administração de determinar que o autor devolva as quantias recebidas por força da decisão judicial posteriormente revogada, não havendo que se levar em conta, no caso específico, a boa-fé do servidor. D I S P O S I T I V O Isso posto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido, resolvendo o mérito da lide, nos termos do art. 269, I, do CPC. Condeno o autor ao pagamento de honorários advocatícios, que arbitro em R$ 500,00 (quinhentos reais), de acordo com o art. 20, §4º, do CPC. Custas ex lege. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 1 REsp n° 645.165/CE, Relatora Ministra Laurita Vaz, in DJ 28/3/2005 ?? ?? ?? ?? 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº. 365-67.2010.4.05.8200 3 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal da 3ª Vara

   

0003017-91.2009.4.05.8200 JOÃO RAMOS DE QUEIROZ (Adv. SAULO DE TARSO DE A. PEREIRA) x UNIÃO (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO)

Ação Ordinária Autor: João Ramos de Queiroz Ré: União S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação ordinária movida por JOÃO RAMOS DE QUEIROZ em face da UNIÃO, postulando a anulação do ato através do qual foi demitido, e a consequente reintegração ao serviço público. Argumenta que respondeu ao Processo Administrativo Disciplinar nº 004/2002-SR/DPF/PB, inaugurado em 17/09/2002, em cumprimento à Portaria nº 028/2002-GAB/SR/DPF/PB, de 09/09/2002, o qual se processou eivado de vícios formais, ferindo o art. 5º, LV, da Constituição. Relata que o processo administrativo apresentou os seguintes vícios: a) o Despacho nº 048/2002-GAB/SR/DPF/PB, de 06/09/2002, no qual o Superintendente determinou a apresentação do requerente à DRP/SR/DPF/PB, para que fosse relotado em outro setor, não foi cumprido pelo Corregedor, seu superior hierárquico; b) não foi cumprido o item 75 da IN nº 04/91-DG, que institui a obrigatoriedade de comunicação ao chefe imediato do servidor da instauração do PAD; c) na ficha funcional juntada ao PAD, não constava a Portaria nº 032/94-DG, de 31/01/1994, com a qual o Diretor Geral do Departamento de Polícia Federal determinou a inscrição do elogio na ficha funcional do peticionário, contribuindo negativamente para o julgamento final; d) inexiste notificação do autor e do seu defensor, acerca da oitiva do DPF Romero Luciano, Corregedor da SR/DPF/PB, razão pela qual não compareceu ao ato, estando apenas sua defensora, presente na audiência; e) foi suspenso preventivamente em 19/05/2003, quando estava em tratamento médico psiquiátrico; f) no decorrer da apuração do PAD, o requerente foi submetido a uma sindicância patrimonial, não sabe por que, na Delegacia de Polícia Federal em Campina Grande/PB, arquivada por falta de provas, mas não consta nos autos qualquer menção a esse respeito; g) havia recomendação médica (fls. 237/240) para tratamento psiquiátrico do autor, na época, contudo, a pedido da Consultoria Jurídica do Ministério da Justiça, os Peritos, sem procederem a um minucioso exame no peticionário, concluíram estava ele apto para exercer as atividades profissionais. Com esses argumentos, requer a anulação do ato de demissão publicado em 22 de abril de 2004, e o consequente reingresso no serviço público, com vencimentos integrais e o devido ressarcimento dos prejuízos decorrentes da suspensão destes a partir da data do afastamento, 22 de abril de 2004. Junta procuração e documentos (fls. 13/293). Deferido o benefício da justiça gratuita, e indeferida a antecipação dos efeitos da tutela (fls. 296/297). Citada, a União defende a incompetência do juízo, em virtude de o valor da causa corresponder a R$ 200,00 (duzentos reais). Defende também a prescrição do direito de ação, por terem decorridos 3 anos entre a data de demissão e o ajuizamento, conforme preceitua o art. 206 do CC. No mérito, sustenta que o Processo Administrativo Disciplinar foi elaborado em conformidade com a legislação, tendo sido assegurado o direito ao contraditório e à ampla defesa, inexistindo, portanto qualquer vício capaz de acarretar a sua nulidade. Acrescenta que a revogação de ato administrativo constitui ato exclusivo da Administração, que se encontra no campo do mérito administrativo, não podendo ser objeto de apreciação pelo Poder Judiciário. Requer a extinção do processo, acolhendo-se as preliminares, e, no mérito, a improcedência do pedido (fls. 301/310). Não houve especificação de provas (fls. 311, 316 e 318). É o relatório. F U N D A M E N T A Ç Ã O 1. DA INCOMPETÊNCIA DO JUÍZO A União defende a incompetência do juízo, em virtude de o autor ter atribuído à causa, o valor de R$ 200,00 (duzentos reais). A despeito de o valor da causa corresponder a R$ 200,00 (duzentos reais), a ação não versa sobre matéria da competência dos Juizados Especiais Federais, vez que diz respeito à impugnação da pena de demissão imposta a servidores públicos civis, conforme preceitua o art. 3º, §1º, inc. IV, da Lei nº 10.259/2001. Rejeito, pois, a preliminar. 2. DA PRESCRIÇÃO A União defende, ainda, a incidência da prescrição instituída no art. 206, inc. III, do CC, para o caso posto nos autos, e não a do Decreto 20.910/1932. Não assiste razão à ré, porquanto a prescrição aplicável ao caso é a instituída no referido decreto, que é norma especial disciplinadora do prazo prescricional para ajuizamento das ações em face da Fazenda Federal, Estadual ou Municipal. A prescrição instituída no CC é norma geral, que deve ceder lugar àquela, pelo princípio da especialidade. Considerando, pois, que o direito do autor está sujeito ao prazo quinquenal, assim como que entre a demissão - 22/04/2004 - e o ajuizamento da ação - 20/04/2009 - não decorreram cinco anos, não há que se falar em prescrição do direito de ação. 3. DO MÉRITO O cerne da questão consiste em verificar se os vícios apontados pelo autor foram capazes de mitigar o princípio do devido processo legal, com o qual são assegurados ao servidor, a ampla defesa e o direito ao contraditório garantidos constitucionalmente; e/ou macular a decisão administrativa através da qual foi determinada a sua demissão. 3.1. Do não atendimento ao Despacho nº 048/2002-GAB/SR/DPF/PB O autor alega que o Despacho nº 048/2002-GAB/SR/DPF/PB, de 06/09/2002, no qual o Superintendente determinou a apresentação do autor à DRP/SR/DPF/PB, para que fosse relotado em outro setor, não foi cumprido pelo Corregedor. De fato, o Superintendente Regional do Departamento de Polícia Federal determinou ao Corregedor Regional em exercício, que o autor fosse apresentado à DRP/SR/DPF/PB, para ser relotado em outro setor (fl. 25), todavia o autor não fez prova de que a ordem não foi cumprida. Contrariamente à alegação do autor, a determinação constante da "ata de instalação e início dos trabalhos" da Comissão, item 8, para expedição de memorando ao chefe imediato do autor, comunicando a instauração do procedimento apuratório (fls. 26/27), juntamente com o MEMO nº 002/2001 (fl. 33), dirigido ao Chefe da DRP/SR/DPF/PB, sugerem que a relotação foi realizada. O Despacho 04//2002-GAB/SR/DPF/PB determinou que o autor fosse apresentado à DRP/SR/DPF/PB, para a aludida relotação, e o MEMO 002/2001 foi dirigido exatamente ao chefe deste setor, por considerar que o autor se encontrava a disposição dele, logo, conclui-se dos autos que a determinação foi cumprida. Contudo, mesmo considerando, hipoteticamente, que a determinação não foi cumprida, a omissão não macula o procedimento administrativo, uma vez que a relotação do servidor independe do regular andamento do feito, não sendo capaz de ocasionar qualquer prejuízo ao autor. Em regra, a mudança de setor é feita para retirar o indiciado do ambiente onde a infração foi praticada, por prevenção, para que o mesmo não incorra em possível reincidência, e até mesmo para que não haja prejuízo às investigações. In casu, a não relotação, por si só, não é capaz de tirar o direito do autor, de acompanhar os trabalhos da Comissão de Processo Disciplinar, nem de se pronunciar nos autos, não atingindo o direito ao contraditório nem à ampla defesa, logo não há que se falar em anulação do procedimento em virtude desse suposto fato. 3.2. Do não cumprimento ao item 75 da IN nº 04/91-DG O autor defende que o item 75 da IN nº 04/91-DG, que estabelece a obrigatoriedade de comunicação ao chefe imediato do servidor da instauração do PAD. Conforme foi visto, o autor não se desincumbiu do encargo de provar o não cumprimento à determinação, concernente a sua relotação, razão pela qual forçoso é concluir que a Comissão cumpriu o disposto no item 75 da IN nº 04/91-DG, uma vez que a Comissão notificou o Chefe da DRP/SR/DPF/PB, através do MEMO nº 002/2001 (fl. 33), acerca da instauração do processo administrativo (fl. 33). Por outro lado, assim como ocorreu no item anterior, mesmo considerando hipoteticamente que a notificação não ocorreu, tal fato não é suficiente para ocasionar a nulidade do procedimento, vez que não implica em mitigação do direito ao devido processo legal. 3.3. Da ausência de cópia da Portaria nº 032/94-DG no PAD O autor relata que na ficha funcional juntada ao PAD, não constava a Portaria nº 032/94-DG, de 31/01/1994, com a qual o Diretor Geral do Departamento de Polícia Federal determinou a inscrição do elogio na ficha funcional do peticionário, e tal fato contribuiu negativamente para o julgamento final. Não assiste razão ao promovente. Apesar de a certidão de fl. 94, anexada ao processo administrativo, não fazer menção à portaria trazida a lume pelo autor, este fato não lhe ocasionou prejuízo na decisão final da Comissão, que ficou adstrita à constatação da transgressão disciplinar denunciada, como causa da aplicação da pena de demissão. Uma vez constatada, pela Comissão Disciplinar, a autoria e a materialidade da transgressão administrativa, ensejadora da aplicação da pena de demissão do funcionário, a portaria que o autor alega não ter sido juntada aos autos não tem o condão de afastar a penalidade, cuja aplicação decorre de imposição legal. 3.4. Da inexistência de notificação do autor e do seu defensor, acerca da oitiva do DPF Romero Luciano O autor defende que houve vício insanável no procedimento, por não terem sido notificados, ele e sua defensora, acerca da oitiva do DPF Romero Luciano, Corregedor da SR/DPF/PB, razão pela qual não compareceu ao ato. Acrescentou, contudo, na oportunidade, que, apesar de não notificada, sua defensora se fez presente à audiência. A intimação do DPF Romero Luciano Lucena de Menezes, para ser ouvido na condição de testemunha, no dia 24/10/2002, assim como a determinação para notificação do indiciado, ou seu defensor, estão registradas na sétima ata de reunião juntada às fls. 117/118 destes autos. O termo de depoimento da testemunha se encontra às fls. 134/137, do qual se verifica que a defensora do acusado esteve presente na inquirição. Vê-se dos autos que, a despeito da alegada inexistência de notificação acerca da inquirição da testemunha, o fato é que a defensora do acusado se fez presente ao ato, tendo inclusive oportunidade para formular perguntas, conforme se observa à fl. 137. O art. 156 da Lei 8.112/1990 oportuniza ao acusado, acompanhar o processo pessoalmente ou através de procurador, como se infere do texto a seguir: "É assegurado ao servidor o direito de acompanhar o processo pessoalmente ou por intermédio de procurador, arrolar e reinquirir testemunhas, produzir provas e contraprovas e formular quesitos, quando se tratar de prova pericial." Considerando, pois, que, a despeito da alegada inexistência de notificação, a defensora do acusado se fez presente à inquirição da testemunha DPF Romero Luciano Lucena de Menezes, o vício restou efetivamente saneado, pelo que não há que se falar em nulidade do procedimento administrativo. Irrelevante o argumento de que a defensora do acusado somente tomava conhecimento dos atos no dia da realização, porquanto desprovido de prova e ante o cumprimento, pela comissão, do devido processo legal, posto que o acusado ou sua defensora eram notificados a tempo de ser fazerem presentes ao ato. 3.5. Da suspensão preventiva do acusado O autor assevera que fora suspenso, preventivamente, em 19/05/2003, quando se encontrava em tratamento psiquiátrico, não observando, a Administração, que o afastamento somente se dá quando o servidor está no exercício de suas funções (art. 147 da Lei 8.112/1990). Inconsistentes os argumentos do autor. Inexiste, no texto legal, condição para que a suspensão preventiva do acusado somente seja determinada quando ele estiver no exercício efetivo do cargo, assim como não há vedação para adoção de tal medida quando o acusado estiver em gozo de licença para tratamento de saúde. Além disso, a suspensão preventiva do autor não lhe cerceou a defesa no processo disciplinar, eis que ele se manteve se pronunciando regulamente no aludido procedimento, pessoalmente ou através de sua defensora - note-se que nenhum questionamento há a este respeito nos presentes autos. A suspensão preventiva é medida prevista no artigo 511 da Lei nº. 4.878/1965, no caso dos servidores federais policiais civis, que permite maior liberdade e isenção da comissão de inquérito em suas atividades, principalmente no que tange à instrução probatória. Em alguns casos, tem por objetivo restaurar a regularidade da atividade administrativa, resguardando-se, inclusive, a integridade do servidor sob investigação. Com efeito, o ato de suspensão questionado pelo autor não está eivado de qualquer ilegalidade, a ensejar a anulação do processo disciplinar, razão pela qual a alegação resta afastada. 3.6. Da inexistência de informação acerca da sindicância patrimonial que o autor respondeu O autor sustenta que, no transcurso da apuração objeto dos autos, foi submetido a uma sindicância patrimonial, tombada sob o nº 001/2003-DPF.2/CGE/PB, cuja necessidade desconhece, na Delegacia de Polícia Federal em Campina Grande/PB, a qual foi arquivada por falta de provas, sem, contudo, constar, nos autos que rendeu ensejo a sua demissão, qualquer menção a respeito. A existência da aludida sindicância não tem relevância para a presente ação, vez que nenhuma relação tem com o andamento do processo administrativo objeto dos autos. Segundo consta deste feito, o procedimento administrativo atacado transcorreu regularmente, tendo sido garantido o direito à ampla defesa e ao contraditório ao autor. Dessa maneira, a inexistência de documentos e/ou informações acerca daquela sindicância não o torna nulo. Além disso, é importante ressaltar que a sindicância, independentemente da matéria investigada, não foi capaz de influir no julgado do processo administrativo questionado pelo autor. 3.7. Da contradição existente entre o laudo do perito administrativo e a recomendação médica para tratamento de saúde O autor alega que havia recomendação médica para tratamento psiquiátrico, contudo, a pedido da Consultoria Jurídica do Ministério da Justiça, os Peritos da ré, sem procederem a um minucioso exame, concluíram que ele estava apto para exercer as atividades profissionais. Argumenta que a atitude corroborou para a não obediência ao preceito constitucional da ampla defesa e constituiu a "gota d'água" para a demissão. A alegada incompatibilidade não torna o procedimento administrativo eivado de vício, vez que não infringiu o devido processo legal, nem foi capaz de influir negativamente no julgamento. A aplicação da pena de demissão, na hipótese investigada, decorreu da constatação da conduta ilícita imposta ao acusado, sendo indiferente se no momento do julgamento ou no curso do processo havia necessidade ou recomendação médica para submeter o investigado a tratamento de saúde. A alegada incompatibilidade somente seria capaz de trazer prejuízo ao autor, caso este se encontrasse incapaz, por problemas psíquicos, de entender que a conduta praticada não constituía ilícito no momento que a levou a efeito, contudo tal fato não ocorreu. O autor, com o intento de fazer crer que não tinha condições de entender a ilicitude da conduta, acrescenta, na petição inicial, que os laudos médicos omitiram o fato de ele ter relatado à Junta Médica que desde quando lotado em São Paulo/SP, em 1982, sentia tonturas quase que diárias, tendo às vezes que se apoiar em algo para não cair. Inexiste fundamento para a pretensão autoral. Consta da "ata do exame médico", datada de 24/04/2003, mencionada pelo autor, juntada às fls. 252/253, que somente após o acontecimento, que ensejou sua demissão, o acusado se sentiu angustiado, sem sono, necessitando de medicamento para poder dormir, e sentindo-se deprimido, sem motivação e sem condições psicológicas para retornar ao trabalho no mesmo local. Na ocasião, a Junta Médica registrou que ele se apresentava "lúcido, orientado, coerente, e sem sinais de atividade alucinatório delirante", e apresentava "sintomatologia depressivo-ansiosa relativa e psicofisiológicas relacionadas ao stress". A licença para tratamento psíquico se iniciou após os fatos investigados administrativamente, vez que ocorreu no período de 04/09/2002 a 30/03/2003, conforme se observa às fls. 256/263, enquanto a conduta ilícita do agente fora praticada entre julho e agosto de 2002 (fl. 16). Os atestados médicos juntados pelo autor, para embasar o afastamento concedido pela Junta Médica, nenhuma menção fazem ao fato de o problema psíquico existir no momento da infração (fls. 53/54, 222, 224, 226 e 228), ou até mesmo antes dela. Apesar da alegação de que desde 1982 sentia tonturas quase que diárias, tendo às vezes que se apoiar em algo para não cair, nos assentamentos funcionais do autor, nenhum registro há concernente a qualquer afastamento para tratamento psíquico anteriormente aos fatos que renderam ensejo a sua demissão (fl. 94). Logo, impossível concluir que, à época dos fatos, o autor não tinha condições de entender a conduta ilícita que praticou. Por outro lado, às perguntas formuladas pelo Superintendente Regional do Departamento de Polícia Federal na Paraíba (fls. 216/217), a Junta Médica respondeu (fls. 235) que o ex-servidor não apresentava, no momento do exame, doença mental, mas sim perturbações de origem emocional (CID F 43.9 - Reação não especificada a um stress grave), perturbação esta que não poderia "ser classificada como doença mental propriamente dita". A isenção da Junta Médica fica clara quando, ao ser questionada acerca da eventual incapacidade do autor, concernente a entender o caráter ilícito da conduta, respondeu que a questão estava prejudicada, por não ter sido ele submetido a exame médico na época da infração (fl. 272). Enfatizou, na ocasião, que o estado de saúde do autor era bom; que ele tinha condições de responder pelos seus atos, embora estivesse em acompanhamento psiquiátrico e em uso de medicamento ansiolítico; e que estava em condições de exercer suas atividades profissionais - a junta médica foi composta por três médicos, sendo um deles psiquiatria psicoterapia. Finalmente, é de se registrar que a conclusão da Junta Médica, de que o autor estava apto a desempenhar suas atividades profissionais (fl. 272), não está em confronto com os exames realizados anteriormente (fls. 252/253 e 254/255), como defende o autor, pois, enquanto aquele data de 25/09/2003, estes datam de 24/04/2003 e 15/01/2003, respectivamente, sendo aquele posterior estes, portanto. De toda sorte, o autor não postulou produção de prova pericial em juízo para que os resultados propostos pela junta médica administrativa fossem eventualmente infirmados. D I S P O S I T I V O Isso posto, JULGO IMPROCEDENTES OS PEDIDOS formulados na exordial, resolvendo o mérito da questão, nos termos do art. 269, I, do CPC. Sem condenação em honorários, por estar o autor amparado pela gratuidade judiciária. Sem custas, também em virtude da gratuidade judiciária deferida. Decorrido o prazo recursal, dê-se baixa e arquive-se. P. R. I. João Pessoa, 11 de outubro de 2010 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta, no exercício da titularidade da 3ª Vara 1 Art. 51. A suspensão preventiva, que não excederá de noventa dias, será ordenada pelo Diretor-Geral do Departamento Federal de Segurança Pública ou pelo Secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, conforme o caso, desde que o afastamento do funcionário policial seja necessário, para que êste não venha a influir na apuração da transgressão disciplinar. Parágrafo único. Nas faltas em que a pena aplicável seja a de demissão, o funcionário poderá ser afastado do exercício de seu cargo, em qualquer fase do processo disciplinar, até decisão final. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0003017-91.2009.2009.4.05.8200 12 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta

   

0003123-19.2010.4.05.8200 LUCIA MARIA BEZERRA DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR) x PETRONILDA DOS SANTOS SILVA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias, bem assim, para de forma justificada especificar as provas que deseja produzir. Após, vista a parte ré para especificação de provas. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0003356-50.2009.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. CARLOS JACOB DE SOUSA (INSS), RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR) x ENERGISA PARAIBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A (Adv. ERICK MACEDO, CLAUDIO TAVARES NETO)

Ação de Rito Ordinário AUTOR: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS RÉ: ENERGISA PARAIBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação regressiva movida pelo INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS em face da ENERGISA PARAIBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A, objetivando compelir a ré ao pagamento da quantia referente aos valores pagos pela autora ao segurado José Durval da Silva Júnior a título de Auxílio-Doença por Acidente de Trabalho. Explica a autora que o senhor José Durval da Silva Júnior, empregado da ENERGISA PARAÍBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A, sofreu acidente no desempenho de atividade laborativa. Ante tal fato, propôs reclamação trabalhista contra a empregadora, pleiteando indenização por danos morais e estéticos, restando evidenciado na dita ação a negligência da empresa, a qual foi julgada procedente. Narrou que efetuou pagamentos ao senhor José Durval da Silva Júnior a título de auxílio-doença por acidente de trabalho, no período de 07/2007 a 09/2007, totalizando a quantia de R$ 2.188,59 (dois mil e oitenta e oito reais e cinquenta e nove centavos). Explicou que é devido o ressarcimento desta quantia, porquanto o acidente de trabalho só ocorreu por negligência da empresa empregadora. Juntou documentos às fls. 07/27. Contestação da ENERGISA PARAÍBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A às fls. 32/50. A ré apontou a inconstitucionalidade do art. 120 da Lei n.º 8.213/91, além de mencionar que esta ação regressiva constitui bis in idem. Também destacou que a sentença proferida no âmbito da Justiça do Trabalho não transitou em julgado, não servindo, portanto, como prova para o julgamento desta ação. Destacou, outrossim, que mesmo que aquela sentença tivesse transitado em julgado, não serviria como prova, uma vez que a parte da sentença acobertada pela coisa julgada material é o dispositivo da sentença, restando à parte autora, ainda, comprovar dolo ou culpa da empregadora no acidente. Por fim, a promovida ainda sustentou que observa rigorosamente todas as normas de segurança e saúde do trabalho, de forma que não há que se falar em conduta negligente, razão pela qual não pode ser compelida a pagar ao INSS qualquer quantia a título de regresso. Impugnação à contestação acostada às fls. 126/127. As partes não peticionaram pela produção de outras provas (fl. 128). É o que importa relatar. Decido. F U N D A M E N T A Ç Ã O Pretende o INSS com esta ação regressiva obter os valores despendidos com o pagamento de auxílio-doença acidentário pagos ao segurado José Durval da Silva Júnior, no período de 07/2007 a 09/2007. Fundamenta a parte autora seu pedido no art. 120 da Lei n.º 8.213/911, o qual garante à autarquia o direito de regresso quanto aos recursos pagos a segurados vítimas de acidentes de trabalho quando estes tenham ocorrido por negligência do empregador quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho. O autor sustenta que a ré foi negligente quanto à segurança do seu empregado, tendo agido com culpa, conforme decidido em reclamação trabalhista movida conta esta (fls. 07/13), razão pela qual se aplicaria no caso a regra do art. 120 da Lei n.º 8.213/91. A ré, por seu turno, aponta a inconstitucionalidade do dispositivo legal em questão, afirmando que por contribuir para a previdência, não deveria ser compelido a devolver as quantias despendidas pelo INSS a título de auxílio-doença por acidente de trabalho, pois estas seriam uma espécie contraprestação do Estado em resposta ao pagamento daquelas contribuições. Afirma também a ré que há previsão constitucional de um seguro contra acidentes de trabalho (SAT). Assim, pagando o empregador o aludido seguro em consonância com determinação constitucional, o auxílio-doença por acidente de trabalho seria uma mera contraprestação paga pelo Estado, sendo inconstitucional, portanto, a regra que determina a devolução por parte do empregador dos valores gastos pela previdência em decorrência do acidente laborativo. Os argumentos da ré não podem ser acolhidos.. O Art. 7º, XXVIII2, da Constituição Federal, instituiu o seguro contra acidentes de trabalho, que é definido como encargo do empregador. Nesse mesmo dispositivo, a Magna Carta ressalvou que não estaria excluída a indenização devida quando o aquele incorresse em dolo ou culpa. Dito isto, posso afirmar que a melhor interpretação para o dispositivo é a de que a indenização aludida não é pertencente ao empregado; mas sim ao Estado, que teve que arcar com despesas do trabalhador vitimado por acidente de trabalho ocorrido por dolo ou culpa do empregador. Interpretação diferente esbarraria nos demais dispositivos constitucionais que garantem aos trabalhadores redução dos riscos inerentes ao trabalho, tal como o art. 7º, XXII3, da Constituição Federal. Ora, seria ineficaz a existência de determinação constitucional que visasse reduzir os riscos do trabalho enquanto existisse um seguro que garantisse aos empregadores irresponsabilidade quanto às verbas despendidas pela previdência social em decorrência de acidentes laborativos ocorridos por negligência daqueles. No sentido da constitucionalidade do dispositivo atacado, o seguinte precedente: "CONSTITUCIONAL. ARGÜIÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE. INEXISTÊNCIA DE INCOMPATIBILIDADE ENTRE OS ARTS. 120 DA LEI Nº 8.213/91 E 7º, XXVIII, DA CF. Inocorre a inconstitucionalidade do art. 120 da Lei nº 8.213/91 (Art. 120. Nos casos de negligência quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho indicadas para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis.) em face da disposição constitucional do art. 7º, XXVIII, da CF (Art. 7º. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;), pois que, cuidando-se de prestações de natureza diversa e a título próprio, inexiste incompatibilidade entre os ditos preceitos. Interpretação conforme a Constituição. Votos vencidos que acolhiam ante a verificação da dupla responsabilidade pelo mesmo fato. Argüição rejeitada, por maioria." (TRF da 4º Região - Corte Especial - INAC 199804010236548 - Relatora: Desembargadora Federal Maria de Fátima Freitas Labarrère - DJ 13/11/2002) Assim, com base nos argumentos acima explanados, reputo constitucional a norma prevista no art. 120 da Lei n.º 8.213/91. Ultrapassada a questão acima, passo a examinar o outro ponto controvertido da lide, consistente na ocorrência de culpa da ré no sinistro, uma vez que a existência deste e o pagamento dos valores ao senhor José Durval da Silva Júnior não foram contestados pelo polo passivo. Defende-se o réu afirmando que a parte autora não juntou prova hábil para demonstrar que aquele tenha agido com negligência no acidente de trabalho que vitimou o senhor José Durval da Silva Júnior. Disse que a sentença que o autor juntou como prova não transitou em julgado, e os demais documentos juntados não serviam para comprovar que a demandada tenha agido com dolo ou culpa. Entretanto, vige em nosso sistema processual o princípio do livre convencimento motivado, que confere ao juiz o poder de tirar suas conclusões a partir das provas produzidas, sem necessidade de tipos específicos de prova para comprovar determinados fatos (art. 131 do Código de Processo Civil). A meu ver, os depoimentos consignados na sentença proferida na Justiça do Trabalho (fls. 07/13) são suficientes para indicar que o acidente de trabalho só ocorreu por culpa da demandada. Para se compreender como se deu o acidente do segurado, vejamos o que foi exposto pelo Juízo Trabalhista: " O reclamante relata ter sido vítima de acidente de trabalho, no dia 13.06.2007, quando estava executando um serviço de substituição da cadeia do isolador e do conector na subestação da reclamada localizada em Santa Rita/PB. Alega que o aludido acidente, que teria acarretado queimaduras de 2º e 3º graus em 20% do seu corpo, foi provocado por culpa da reclamada, em virtude de o encarregado e o engenheiro da reclamada não terem lhe comunicado sobre a oxidação dos cabos que se romperam e provocaram o acidente. Afirma também que a culpa da reclamada está caracterizada por não ter sido realizada uma manutenção preventiva, como forma de evitar a existência de pinos oxidados, nem efetivada, por parte da equipe responsável pelo reparo, o procedimento padrão de análise preliminar de risco. Também argumenta que a empresa deixou de fornecer os equipamentos de segurança a exemplo da capa antichama. A reclamada, por sua vez, sustenta que todas as normas de segurança saúde do trabalho teriam sido observadas (...) Destaca que o reclamante sempre foi submetido a cursos de capacitação, bem como a trajetória do reclamante como eletricista há dez anos. Reconhece, porém, que o acidente decorreu do rompimento do pino de um dos isoladores da cadeia devido à oxidação do mesmo, mas argumenta que o reclamante poderia ter se recusado a executar o serviço, caso tivesse, através da análise preliminar dos riscos, avaliado as condições do material a ser reparado." Observe-se que a argumentação oferecida pela ré na ação trabalhista foi no sentido de caberia ao segurado se recusar a fazer o serviço quando se deparou com o pino do isolador oxidado, já que era um eletricista capacitado e experiente. Ocorre que a prova testemunhal - também colhida na Justiça do Trabalho - revela que, previamente à atuação do segurado acidente, havia sido realizado procedimento preliminar de análise de risco, a partir de observação do solo com uso de binóculos, sem que o defeito tivesse sido detectado, o que de resto seria impossível ao empregado que se acidentou (fl. 09), já que a peça defeituosa estava encoberta de lodo. Com efeito, a testemunha apresentada pela reclamada, (ora ré) o engenheiro que estava integrando a equipe no dia do acidente, informou que o empregado acidentado (reclamante) não teria condições de saber se o pino estava enferrujado (sublinhei): 'que o acidente ocorreu devido ao rompimento de um pino de isolador que estava oxidado; que não havia condições de se prevenir esse acidente já que a oxidação do pino ocorreu de dentro para fora, de forma que o diâmetro do pino permanecia o mesmo; que foi feita uma análise de risco cerca de duas horas antes do acidente, sendo tal análise procedida pelo depoente em companhia do Sr. Givanildo, Sr. Ednaldo Cabral, do reclamante, do Sr. Paulo Rangel e do Sr. Levivaldo; que essa análise de risco foi efetuada entre as 08:00 e as 09:00 horas da manhã do dia do acidente; que a análise de risco foi feita em solo com o uso dos instrumentos disponíveis, ou seja, de binóculo e inspeção visual; que no dia anterior também tinha sido feita uma análise de risco sendo que desta vez apenas pelo Sr. Ednaldo Cabral em companhia, acredita o depoente, do reclamante; que a primeira análise de risco, que foi efetuada no dia anterior ao acidente, foi feita apenas de forma visual; que essa análise do dia anterior ao acidente, foi feita apenas de forma visual; que essa análise do dia anterior foi feita entre as 22:00 e a meia noite; que antes do acidente já havia sido desligado um disjuntor, como forma de diminuir o risco, posicionamento do andaime em consenso com todos da equipe e a escolha do reclamante para executar o serviço em substituição ao Sr. Paulo Rangel, que ainda estava se recuperando de uma virose; que todos esses procedimentos fazem parte da análise de risco; que mesmo que o reclamante tivesse feito análise de risco quando subiu no andaime não dava para ele ver a oxidação; que de onde o reclamante estava dava para ver a cadeia oposta; que foi o reclamante, como é de praxe, quem deu sinal para que fosse iniciado o serviço; que a análise preliminar foi feita em aproximadamente 10 a 15 minutos; que os procedimentos decorrentes desta análise demoraram cerca de uma hora e meia; ... que a oxidação não pôde ser vista porque estava mascarada devido ao lodo acumulado no local; ... que de dois em dois anos é feita uma inspeção oficial nas subestações e nas linhas de transmissão para eventuais trocas de subestações e nas linhas de transmissão para eventuais troca de isoladores oxidados; que essa inspeção é feita com auxílio de binóculos e uma tabela de referência; que quando é constatado qualquer suspeita de oxidação, é requerida a substituição do isolador; que não sabe dizer ao certo quando tinha sido feita a última inspeção oficial, sabendo apenas que tinha sido pelo menos um ano antes do acidente; que essas inspeções oficiais ficam registrado por escrito na empresa; que a espessura do pino que estava oxidado é semelhante a espessura de um dedo; que depende de uma série de fatores tais como localização e condições climáticas, ventos, o tempo necessário para um pino se oxidar bastante para se romper.' É certo que a coisa julgada só abarca o dispositivo da sentença, fazendo lei entre as partes. Todavia, a fundamentação da sentença, que apreciou as provas produzidas na instrução do processo, é fonte extremamente confiável a respeito dos fatos discutidos em dado processo. Em nosso caso, vê-se que o Juiz do Trabalho teve contato com a prova indicada pelas partes e concluiu pela culpa da demanda no acidente que vitimou seu empregado: "Embora não fosse necessária a comprovação de culpa da reclamada diante da responsabilidade objetiva do empregador, o conjunto probatório demonstra que o acidente ocorreu devido à sua negligência, que não fez a devida manutenção dos pinos dos isoladores. Com efeito, é fato incontroverso que o acidente decorreu do rompimento do piso de um isolador que estava enferrujado, não havendo dúvida de que a reclamada tinha a obrigação de manter esse pino em perfeito estado de conservação, fazendo a manutenção preventiva com a freqüência necessária. O rompimento desse pino em decorrência de ferrugem conduz à conclusão de que houve falha de manutenção. (...)" Mesmo que a verdade definida na fundamentação daquela sentença não possa ser tomada como incontestável, a vista das provas produzidas neste processo, entendo que a versão dos fatos apresentada pela ótica do Juiz do Trabalho é a mais convincente. Bem, conforme exposto pela testemunha da demandada nos autos da reclamação trabalhista, o acidente, cujo resultado foram queimaduras de 2º e 3º em 20% do corpo do sinistrado, só ocorreu porque houve omissão na manutenção dos equipamentos da subestação onde ocorreu o sinistro. Por outro lado, não convence o argumento de que acidentado poderia ter se recusado a efetuar o serviço, pois a testemunha também afirmou que era impossível perceber que o equipamento que deu causa ao acidente estava oxidado, uma vez que a oxidação estava coberta por lodo. Assim, com base nas provas constantes nos autos, e não tendo a parte demanda trazido outras que viessem a contrapor os documentos juntados com a petição inicial, reputo a ré como responsável pelo acidente sofrido por seu empregado, o senhor José Durval da Silva Júnior. Ademais, consta na sentença proferida no juízo trabalhista que não foi fornecido ao acidentado equipamentos de proteção individual adequados ao trabalho desenvolvido, visto que aquele não vestia roupas com retardamento de chamas ou antichama, violando, assim, o art. 16, I, da Convenção n.º 155 da OIT, ratificada pelo Brasil4. Portanto, uma vez comprovada a culpa da ré, incide no caso a regra do art. 120 da Lei n.º 8.213/90, a qual confere ao INSS o direito de regresso quando ocorrer negligência quanto às normas padrão de segurança e higiene indicado para a proteção individual e coletiva. No que diz respeito ao valor cobrado, o INSS demonstrou às fls. 18/27 que além de ter pagado benefício de Auxílio-Doença Acidente, a verba despendida foi mesmo no patamar de R$ 2188,59 (dois mil, cento e oitenta e oito reais e cinquenta e oito centavos) (fl. 22). D I S P O S I T I V O Isso posto, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, resolvendo o mérito da lide, na forma do art. 269, I, do CPC, para condenar a ré a ressarcir ao autor os valores correspondentes àqueles pagos ao segurado José Durval da Silva Júnior em auxílio-doença por acidente do trabalho, NB 5210527634, conforme discriminado à fl. 26. O valor de cada parcela será corrigido monetariamente, de acordo os parâmetros traçados pelo Manual de Cálculos do Conselho da Justiça Federal, e acrescido de juros de mora de 1% (um por cento) ao mês. Condeno a ré, ainda, ao pagamento de honorários advocatícios, arbitrados em 10% (dez por cento) sobre o valor da condenação, com arrimo no art. 20, §3º, do CPC. Custas ex lege. Publique-se. Registre-se. Intimem-se João Pessoa, 13 de outubro de 2010 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, no exercício da titularidade 1 Art. 120. Nos casos de negligência quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho indicados para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis. 2 XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa; 3 XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança; 4 3. Quando for necessário, os empregadores deverão fornecer roupas e equipamentos de proteção adequados a fim de prevenir, à medida que for razoável e possível, os riscos de acidentes ou de efeitos prejudiciais a saúde. ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0003356-50.2009.4.05.8200 1 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta

   

0003454-98.2010.4.05.8200 MUNICÍPIO DE CAAPORÃ (Adv. EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA, DORIS FIÚZA CORDEIRO, LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

(...) Diante do exposto, homologo por sentença a desistência requerida nos termos do art. 267, VIII, do CPC. Tendo em vista a procuração de fl.80, à Secretaria para anotações cartorárias. Decorrido o prazo recursal, remetam-se os autos à Distribuição para baixa e arquivamento. P. R. I.

   

0003665-37.2010.4.05.8200 ISA MARIA Y PLA PINTO (Adv. ODILON DE LIMA FERNANDES, ODILON DE LIMA FERNANDES FILHO, ODÉSIO DE SOUZA MEDEIROS FILHO) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias, bem assim, para de forma justificada especificar as provas que deseja produzir. Após, vista a parte ré para especificação de provas. João Pessoa, 14/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0003774-85.2009.4.05.8200 MOACIR ALVES DE BRITO (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, ANGELLO RIBEIRO ANGELO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) x MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE (Adv. FRANCISCO PEDRO DOS SANTOS, JOSE CARLOS SANTOS, JOSE GALDINO DE S. FILHO)

Ação de Rito Ordinário Autor: Moacir Alves de Brito Ré: Caixa Econômica Federal - CEF e Outra S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação ordinária movida por MOACIR ALVES DE BRITO, devidamente qualificado nos autos, em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA e MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE, também qualificada nos autos, objetivando anular a execução extrajudicial efetivada pela ré de contrato de compra e venda de imóvel e mútuo com obrigações e quitação parcial, que culminou com a arrematação por parte da própria CAIXA do imóvel que servia como garantia para aludido contrato. Explica o autor que firmou contrato com a CAIXA no ano de 1995 para aquisição de apartamento situado na Rua Empresário João Rodrigues Alves, 90, apto. 103, Bloco 'D', Canafistola, Bancários, nesta Capital. De tal avença também participou sua falecida esposa. Continua narrando que em razão de dificuldades financeiras deixou de pagar as mensalidades do financiamento, e que a ré, sem comunicá-lo pessoalmente para purgar a mora, promoveu no ano 2000 a execução extrajudicial do contrato, tendo arrematado o imóvel no final do procedimento. Alega que o procedimento efetivado pela CEF foi nulo porque não lhe garantiu o exercício do contraditório e da ampla defesa, além de que não o comunicou pessoalmente para purgar a mora como manda o Decreto-Lei n.º 70/66. Com base na sua argumentação, pugnou pelo deferimento de pedido de antecipação dos efeitos de tutela para que permanecesse no imóvel até o fim do processo, e que no mérito julgasse a ação procedente para anular a execução extrajudicial. Juntou procuração e documentos às fls. 15/33. A apreciação do pedido de tutela antecipada foi postergada para após a contestação (fl. 36). Contestação da CAIXA acostada às fls. 42/48. Em sua defesa, a promovida apontou ilegitimidade ativa e falta de interesse de agir. No que diz respeito ao mérito da demanda, defende a regularidade do procedimento extrajudicial de execução do contrato. Procuração e documentos acostados às fls. 50/100. Decisão proferida às fls. 102/105 indeferiu a antecipação dos efeitos de tutela, motivada pela regularidade da notificação por edital a respeito da execução extrajudicial, conforme possibilita o Decreto-Lei n.º 70/66. Na oportunidade, determinou-se que o autor promovesse a citação da adquirente do imóvel, a senhora MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE. Contestação apresentada por MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE às fls. 116/121. Em preliminar de mérito, defendeu a inépcia da inicial ilegitimidade passiva, falta de interesse de agir. Quanto ao mérito, afirmou que adquiriu legalmente o imóvel que foi objeto da execução extrajudicial discutida nos autos, mencionando que o pedido do promovente deve ser julgado improcedente. Juntou procuração e documentos às fls. 122/128. Cópia de decisão às fls. 135/137, a qual foi proferida nos autos de agravo de instrumento manejado em face da decisão interlocutória que indeferiu a antecipação de tutela. O juízo ad quem não efeito suspensivo à decisão guerreada. Impugnação à contestação acostada às fls. 147/153. As partes não requereram a produção de qualquer outra prova (fls. 157 e 163). É o que importa relatar. Decido. F U N D A M E N T A Ç Ã O Preliminar- Inépcia da inicial Suscita a promovida MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE a inépcia da inicial, aduzindo que a demanda contém pedido juridicamente impossível e também aponta a ausência dos pressupostos de constituição e desenvolvimento regular do processo, porquanto há litispendência com uma ação reivindicatória movida por ela em face do demandante. Acontece que a petição inicial não é inepta, pois preenche os requisitos elencados no Código de Processo Civil. Ademais, litispendência e presença de pedido juridicamente impossível não se confundem com as características de uma petição inepta. Ressalta-se, de toda forma, impossibilidade de se configurar litispendência quando não haja identidade de partes, sendo certo que a CEF não compõe a mencionada (mas não comprovada) lide revindicatória. Ainda que houvesse prova da existência de ação reivindicatória, o objeto de ambas ações - reivindicatória do imóvel e anulação do procedimento de execução extrajudicial - também é nitidamente distinto, pelo que não haveria se falar em litispendência. Preliminar - Falta de interesse de agir Também suscitou a CAIXA preliminar de falta de interesse de agir, dizendo que eventual sentença de procedência em favor do autor no sentido de anular a execução extrajudicial seria inútil, pois seria obrigada a promover nova execução extrajudicial. Devo rejeitar a preliminar, pois não se pode desconsiderar a possibilidade do autor pretender quitar sua dívida, uma vez obtida a procedência da ação e anulada a execução extrajudicial. Preliminar- Ilegitimidade passiva da CAIXA Afirma a CAIXA que é parte ilegítima para figurar no polo passivo desta ação, porquanto cedeu a EMGEA o crédito ora discutido. Contudo, devo rejeitar a preliminar, pois a apesar de fazer tal afirmativa, a promovida não a comprovou nos autos a cessão de direitos em favor da EMGEA. Preliminar- Ilegitimidade passiva de MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE A ré MARIE DOS SANTOS CAVALCANTE também aponta ser parte ilegítima para figurar no polo passivo desta ação, apontando como motivo de sua ilegitimidade o fato de ser a nova proprietária do imóvel que foi objeto da execução extrajudicial promovida pela CAIXA. Sem razão a ré. O ato que o autor pretende anular foi a arrematação do imóvel efetuada pela própria CAIXA ao final de execução extrajudicial, da qual a ré MARIE DOS SANTOS não teve nenhuma participação. Observe-se que esta não faz parte da relação jurídica discutida nos autos, só vindo a ter interesse porque adquiriu posteriormente o imóvel arrematado pela CAIXA. Contudo, sua intervenção na lide como litisconsorte da CAIXA é medida que se impõe. A doutrina e jurisprudência apontam que em determinadas situações terceiro deve ser chamado para integrar a lide, mesmo que não tenha participado da relação jurídica discutida nos autos ou que a lei determine a sua integração ao processo (art. 47 do CPC). Esses casos são classificados como intervenções iussu iudicis. Didier Júnior, citando Teresa Wambier, diz que: "(...) aos terceiros titulares de relações jurídicas dependente daquelas que está sendo deduzida no processo originário (terceiro indiretamente prejudicados), que serão certamente atingidos pela eficácia reflexa da sentença, deve ser garantido o direito de exercer seu direito de defesa preventivamente, podendo até o magistrado, para tal fim, fazer uso dos poderes que lhe são atribuídos pelo art. 107 do CPC italiano, que diz respeito à intervenção ordenada de ofício. Tudo isso para dar mais chances ao terceiro de ter ciência do processo pendente inter alios, capaz de afetar sua esfera jurídica"1. Assim sendo, rejeito a preliminar de ilegitimidade passiva. Preliminar - Ilegitimidade ativa A ré MARIE DOS SANTOS também suscita a carência de ação por ilegitimidade ativa, pois o contrato de mútuo firmado entre a CEF e o autor teria sido rescindido em razão de ausência de pagamento das mensalidades. Ocorre que tais alegações dizem respeito ao mérito da demanda, de forma que rejeito a alegação de carência de ação por tais motivos. Prejudicial de mérito - Decadência Trata-se de ação de anulatória referente a procedimento de execução extrajudicial efetivado pela CAIXA em relação a contrato de mútuo com garantia hipotecária, firmado com o autor e sua falecida esposa. Conforme explicado no relatório, aponta o autor um vício insanável no procedimento, consistente na ausência de sua citação pessoal para purgar a mora. A execução extrajudicial efetivada pela CAIXA culminou com a arrematação do imóvel que pertencia ao autor, ocorrida em 23/03/2000, conforme se vê às fls. 64/65. Acontece que apenas em 06/05/2009, isto é, transcorridos quase 9 (nove) anos após a arrematação, o autor veio promover a presente ação anulatória. Entretanto, pelos motivos que passarei a explicar, decaiu o direito do autor em pleitear a anulação da arrematação do imóvel que serviu como garantia para o contrato de mútuo citado nos autos. A arrematação se tornou perfeita, acabada e irretratável ainda na vigência do Código Civil de 1916. Logo, tratando-se de ação em que se pretende anular execução de contrato com garantia hipotecária, se aplica ao caso o prazo prescricional previsto para as ações reais na vigência do Código Civil anterior, que era de 10 (dez) anos entre presentes , de acordo com art. 177 do CC/1916. Prosseguindo o raciocínio, presume-se que o termo a quo do aludido prazo prescricional foi a data da ciência inequívoca do autor quando do registro da carta de arrematação no registro de imóveis desta Capital, que se deu em 28/08/2000 (fl. 66). Por outro lado, com a entrada em vigor do CC/2002 (11.01.2003), a matéria passou a estar sujeita à decadência, e o prazo anterior para propositura da ação anulatória foi reduzido para dois anos, de acordo com o art. 179 da Lei n.º 10.406/20022. Comentando o dispositivo supra, leciona Nelson Nery (in Nelson Nery - Código Civil Anotado - 2 ed. - Atualizado até 02.05.2003 -pag. 235): "Os prazos mencionados na lei para o exercício de pretensões que se deduzem em Juízo mediante ação constitutiva - positiva ou negativa, são de decadência". (Nelson Nery - Código Civil anotado - 2 ed. - atualizado até 02.05.2003 - pág. 235). No tocante ao termo inicial do prazo, ensina ainda Nelson Nery: "O dies a quo deste prazo de dois anos é o da conclusão do ato, para os próprios partícipes do ato ou negócio jurídico. Em se tratando de terceiros, conta-se o prazo do dia em que o terceiro tomou conhecimento da existência do ato anulando. Caso o ato esteja registrado no registro público (civil, de imóveis, de pessoas jurídicas), presume-se que é conhecido desde o dia do registro, data em que se inicia o prazo decadencial para os terceiros. (idem - pág. 236) Destaque-se que pela data do registro no cartório de registro de imóvel (28.08.2000), e de acordo com a regra de transição do art. 20283 do CC/2002, deve ser observado o prazo decadencial de 2 (dois) anos instituído pelo novo código, porquanto não transcorrera mais da metade do prazo estabelecido no código revogado quando entrou em vigor o novel estatuto civil (11.01.2003). Assim, o autor tinha, no máximo, até o dia 11.01.2005 para ajuizar a ação anulatória, presumindo-se a ciência a partir da data do registro. Por tudo quanto visto e analisado declaro, de ofício, decaído o direito referente a esta ação anulatória, que restou patenteada em 11.01.2005, bem antes de a demanda vir a juízo em 06/05/2009, devendo o pedido se julgado improcedente com base no art. 269, IV, do CPC. D I S P O S I T I V O Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE a pretensão deduzida na petição inicial, resolvendo o mérito da questão, conforme o art. 269, IV, do CPC. Sem condenação em honorários e custas em face da gratuidade judiciária deferida. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 1 Didier Júnior, Fredie. Curso de direito processual Civil: teoria geral do processo de conhecimento. 11ª Ed. Salvador: Editora Jus Podium, 2009, p. 326. 2 "Art. 179. Quando a lei dispuser que determinado ato é anulável, sem estabelecer prazo para pleitear-se a anulação, será este de dois anos, a contar da data da conclusão do ato". 3 Art. 2.028. Serão os da lei anterior os prazos, quando reduzidos por este Código, e se, na data de sua entrada em vigor, já houver transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0003774-85.2009.4.05.8200 1 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara

   

0004344-71.2009.4.05.8200 JOSE HUMBERTO FERREIRA (Adv. ENIO SILVA NASCIMENTO, OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA) x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação ordinária AUTOR: JOSÉ HUMBERTO FERREIRA RÉU: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de Ação Ordinária movida por JOSÉ HUMBERTO FERREIRA em face do INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, objetivando o reajustamento do valor da Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada - VPNI percebida pelo autor, com base nos mesmos índices utilizados para o reajuste da respectiva função comissionada, e de forma alternativa, pelos índices oficiais adotados pela Justiça Federal, bem como o pagamento das diferenças devidas nos cinco anos antecedentes. O Autor afirma que é servidor público federal lotado no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA há mais de 21 (vinte e um) anos, havendo, por essa razão, incorporado aos seus vencimentos uma gratificação posteriormente transformada em VPNI, nos termos do art. 62-A da Lei nº. 8.112/90, a qual não foi reajustada desde a sua incorporação. Por essa razão, ingressou com requerimento administrativo relativo às tabelas dos valores atuais das gratificações e funções gratificadas, com o propósito de elaborar planilha de cálculo para instruir o presente feito, no entanto, o IBAMA não atendeu a solicitação. Alega que a Lei nº 9.624/98, proveniente da Medida Provisória 831, revogou a Lei nº 9.527/97, proveniente da MP 1.522, pelo que os quintos/décimos teriam recuperado sua vigência, enquanto a Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada (VPNI) teria sido revogada. Menciona que no julgamento da ADIN por Omissão nº. 2061, o Supremo Tribunal Federal declarou a omissão do Chefe do Executivo Federal em enviar projeto de lei prevendo a concessão de reajuste geral anual dos vencimentos e gratificações dos servidores públicos federais, reconhecendo a mora do Presidente da República quanto ao cumprimento do preceito constitucional previsto no art. 37, X, da Constituição Federal de 1988. Acompanham a petição inicial procuração e documentos (fls. 22-37). Deferida a gratuidade judiciária (fl. 39). O IBAMA apresentou contestação (fls. 40-45), afirmando que a Lei nº. 9.527, de 1997, excluiu do ordenamento jurídico a possibilidade de incorporação de retribuição pelo exercício de função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de provimento em comissão ou de natureza especial a que se referiam os artigos 3º e 10 da Lei nº. 8.911/94. Alega que nos termos do art. 62-A da Lei nº. 8.112/90, introduzido pela Medida Provisória nº. 2.225-45, de 2001, a VPNI submete-se exclusivamente às revisões gerais dos servidores públicos federais. Por outro lado, a VPNI vem sendo paga irregularmente ao Autor pela Administração Pública Federal, uma vez que já foi absorvida pela nova remuneração decorrente de novo padrão remuneratório, em decorrência das Leis nos. 10.410/02, 10.472/02 e 10.775/03. Recolhida a antecipação de custas processuais (fl. 59), por força da revogação da gratuidade judiciária nos autos da Impugnação do Direito a Assistência Judiciária nº 2009.82.00.006519-6. É o relatório. Passo a decidir. F U N D A M E N TA Ç Ã O Tratando-se de questão de mérito unicamente de direito e, assim, não havendo necessidade de produção de provas, passo ao julgamento antecipado da lide, nos termos do art. 330, inciso I do CPC. DO MÉRITO O art. 62 da Lei nº. 8.112/901, em sua redação original, previa que o servidor investido em função de direção, chefia ou assessoramento receberia uma gratificação, a qual seria incorporada à sua remuneração, na proporção de 1/5 (um quinto) por ano de exercício nestas atividades, até o limite de 5 (cinco) quintos. Mais tarde, a Lei nº. 8.9112, de 11 de julho de 1994, sem alterar o texto do art. 62 da Lei nº. 8.112/90, definiu critérios mais detalhados para incorporação dos quintos, dispondo sobre a incorporação das gratificações relativas aos grupos DAS (Direção e Assessoramento Superiores), CD (Cargo de Direção), FG e GR. Prosseguindo, em 18 de janeiro de 1995, foi editada a Medida Provisória nº. 8313, que extinguiu a possibilidade de incorporação dos quintos. A partir de sua nona reedição (Medida Provisória nº. 1.160, de 26.10.19954) o legislador recuou no seu intento de extinguir o direito à incorporação dos quintos, mas, por outro lado, criou fator que dificultava a aquisição do direito à incorporação, qual seja, transformou os quintos em décimos, determinando que a partir do primeiro dia do mês subseqüente à sua publicação (ou seja, a partir de 01.11.1995), os quintos fossem transformados em décimos. Após sucessivas reedições e renumerações, a Medida Provisória nº. 1.644-41, de 17 de março de 1998, foi convertida na Lei nº. 9.624, de 02 de abril de 1998. Cabe destacar que o art. 2º da Lei nº. 9.624/985 manteve a transformação de quintos em décimos inaugurada pela MP nº. 1.160, de 26.10.1995, de modo que os efeitos desta lei retroagem a outubro de 1995, época da edição da MP nº. 1.160/95, conforme entendimento sumulado pelo STF no verbete nº. 651, verbis: "A medida provisória não apreciada pelo Congresso Nacional podia, até a Emenda Constitucional nº. 32/2001, ser reeditada dentro do seu prazo de eficácia de trinta dias, mantidos os efeitos de lei desde a primeira edição." Depois que os quintos haviam sido transformados em décimos (repita-se, pela MP nº. 1.160 de 26.10.1995), foi editada a Medida Provisória nº. 1.522, de 10.10.96, que extinguiu a incorporação das funções gratificadas. Esta Medida Provisória também sofreu numerosas reedições e alterações em seu número, culminando com a Medida Provisória nº. 1.595-14, de 10 de novembro de 1997, a qual foi finalmente convertida na Lei nº. 9.257, de 10 de dezembro de 1997. No seu artigo 156, a Lei nº. 9.257/97 ratificou a extinção da incorporação da gratificação tratada na Lei nº. 8.911/94 e dispôs que, a partir de 11.11.1997 (início da vigência da MP nº. 1.595-14), os valores já incorporados passariam a constituir vantagem pessoal nominalmente identificada - VPNI, sujeita apenas à atualização decorrente da revisão geral de remuneração dos servidores públicos federais. Aplicando-se o entendimento da súmula nº. 651 do Supremo, constata-se que a extinção do direito à incorporação remonta a outubro de 1996, época da edição da Medida Provisória nº. 1.522/96. O cotejo da sequência das medidas provisórias precedentes às Leis nº. 9.624/98 e 9.527/97 revela uma situação inusitada. Isto porque a Lei nº. 9.624/98 (que transformou quintos em décimos), embora convertida em lei somente no ano de 1998, é eficaz desde outubro de 1995. Já a Lei nº. 9.527/97 (extinguiu o direito da incorporação destas vantagens), convertida em lei no ano de 1997, é eficaz desde outubro de 1996. Ou seja, a lei aparentemente mais nova (Lei nº. 9.624/98) vigora há mais tempo do que a lei aparentemente mais antiga (Lei nº. 9.527/97). A falta de percepção deste relevante aspecto levou, em alguns casos, ao equivocado entendimento de que a Lei nº. 9.624/98 teria reinserido no ordenamento jurídico a incorporação das gratificações, extintas pela Lei nº. 9.527/97. Ao passo que o que se deu foi o inverso: primeiro o legislador transformou quintos em décimos; após, extinguiu o direito à incorporação das gratificações comissionadas. Não há nenhum sentido em se entender que a norma que vigora há mais tempo revogou a norma que vigora há menos tempo, sob pena de total subversão ao disposto no art. 2º, §1º7 da Lei de Introdução ao Código Civil. Cabe indagar o porquê da Medida Provisória nº. 2.225-45, de 04 de setembro de 2001, haver acrescentado o art. 62-A8 à Lei nº. 8.112/90, transformando em vantagem pessoal nominalmente identificada - VPNI as parcelas de quintos incorporados, sujeitando-os somente às revisões gerais de remuneração dos servidores públicos federais. Pois se alega que a inserção do art. 62-A comprova que a possibilidade legal de incorporação de quintos/décimos ainda estava vigendo até o advento da Medida Provisória nº. 2.225-45, pois, do contrário, o dispositivo legal seria completamente inútil, o que não se pode admitir. A meu viso, a inserção do art. 62-A na Lei nº. 8.112/91 visou apenas colocar ponto final sobre a discussão da perduração do direito à incorporação dos quintos, sem que se possa extrair desse comando normativo qualquer intento do legislador em reavivar o direito à incorporação dos quintos, quando se sabe que o instituto da repristinação, a teor do disposto no § 3º da Lei de Introdução ao Código Civil, somente tem cabimento quando previsto expressamente. O Eg. TRF da 5ª Região já se manifestou no mesmo sentido desta sentença: "ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. ADICIONAL DE GESTÃO EDUCACIONAL. INCLUSÃO PARA EFEITO DE CÁLCULO DE QUINTOS/DÉCIMOS INCORPORADOS. IMPOSSIBILIDADE. 1. A Lei n.º 9.527/97, que alterou a redação do art. 62 da Lei n.º 8.112/90, extinguiu definitivamente a incorporação da gratificação pelo exercício da função de direção, chefia ou assessoramento, tendo passado os quintos/décimos já incorporados a constituir vantagem pessoal nominalmente identificada - VPNI, sujeita apenas a atualização decorrente da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais. 2. Com a edição da Medida Provisória n.º 2.048-28/00, as gratificações dos cargos de direção das IFEs passaram a ser constituídas por parcela única, tendo esse fato motivado, de forma equivocada, a mudança na forma de cálculo dos valores incorporados a título do exercício de cargo de direção, uma vez que, antes da referida medida provisória, o Adicional de Gestão Educacional - AGE (devido aos servidores investidos em cargo de direção ou função gratificada das Instituições Federais de Ensino - IFEs), criado pela Lei n.º 9.640/98, não era considerado para efeito de cálculo dos valores incorporados, tendo passado a sê-lo. 3. A Lei n.º 9.640/98 e a Medida Provisória n.º 2.048-28/00 são normas posteriores à Lei n.º 9.527/97, não podendo refletir sobre o cálculo daqueles valores incorporados, que, à época da sua entrada em vigor, já tinham a natureza de VPNI. 4. Não procede o argumento de que a Lei n.º 9.624/98, que transformou os quintos em décimos, teria revogado tacitamente a Lei n.º 9.527/97, tendo aquelas parcelas já incorporadas perdido a natureza de VPNI. Na realidade, a Lei n.º 9.624/98 decorreu da conversão da Medida Provisória n.º 1.644-41, de 17.03.98, cuja edição original foi a Medida Provisória n.º 831/95, com um total de 41 reedições. Ou seja, a Lei n.º 9.624/98 apenas convalidou norma que já estava em vigor antes de sua edição. 5. Não procede o argumento, ainda, de que a Medida Provisória n.º 2.225-45, de 04.09.2001, que acrescentou o art. 62-A à Lei n.º 8.112/90, demonstraria a ocorrência da revogação da Lei n.º 9.527/97, pois teria transformado novamente os valores incorporados pelo exercício de função de direção, chefia ou assessoramento em VPNI. Em verdade, a Medida Provisória n.º 2.225-45/01 apenas trouxe para o texto da Lei n.º 8.112/90 regra que já estava sendo aplicada desde a Lei n.º 9.527/97, de modo a sistematizar a disciplina da referida vantagem. 6. No caso de ter sido concedido, administrativamente, o aumento do valor incorporado a título de quintos/décimos, com base na utilização do AGE para efeito de seu cálculo, não há qualquer irregularidade na posterior redução do valor, em virtude da retirada do adicional. Tal ato não implica ofensa a direito adquirido, nem à garantia da irredutibilidade de vencimentos, uma vez que o aumento concedido inicialmente foi ato ilegal, praticado com afronta à Lei n.º 9.527/97. 7. Apelação da UFPB, apelação do MPF e remessa oficial providas." (TRIBUNAL - QUINTA REGIAO, Apelação em Mandado de Segurança nº 200282000042189 UF: PB Data da decisão: 10/08/2004 Relator Des. Fed. Petrucio Ferreira.) (grifo nosso) De tal forma, o pedido de reajuste das parcelas dos quintos incorporadas e convertidas em Vantagem Pessoal Nominalmente Identificadas - VPNI se faz improcedente, vez que as Leis nos 8.112/90 e 9.527/97 dispõem expressamente que a atualização dos respectivos valores está sujeita somente às revisões gerais da remuneração dos servidores públicos federais. Por consequência, é improcedente o pedido de condenação do promovido ao pagamento de reajustes vencidos. D I S P O S I T I V O Isso posto, JULGO IMPROCEDENTES OS PEDIDOS, resolvendo o mérito da causa nos moldes do art. 269, I, do CPC. Condeno o autor ao pagamento de honorários advocatícios que fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), atendidas as prescrições do art. 20, §4º, do CPC, justificando-se a modicidade dos honorários por se tratar de matéria repetitiva e que dispensou dilação probatória. Custas ex lege. P.R.I. João Pessoa, 14 de outubro de 2010 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara da Paraíba, no exercício da titularidade 1 Art. 62 - Lei nº. 8.112/90 - "Ao servidor investido em função de direção, chefia ou assessoramento é devida uma gratificação pelo seu exercício. (...) §2º. A gratificação prevista neste artigo incorpora-se à remuneração do servidor e integra o provento da aposentadoria, na proporção de 1/5 (um quinto) por ano de exercício na função de direção, chefia ou assessoramento, até o limite de 5 (cinco) quintos. (...)." 2 Art. 3º - Lei nº. 8.911/94 - " Para efeito do disposto no §2º do art. 62 da Lei nº. 8.112, de 11 de dezembro de 1990, o servidor investido em função de direção, chefia e assessoramento, ou cargo em comissão, previsto nesta Lei, incorporará à sua remuneração a importância equivalente à fração de um quinto da gratificação do cargo ou função para o qual foi designado ou nomeado, a cada doze meses de efetivo exercício, até o limite de cinco quintos. §1º. Entende-se como gratificação a ser incorporada à remuneração do servidor a parcela referente à representação e a gratificação de atividade pelo desempenho de função, quando se tratar de cargo em comissão ou função de direção, chefia ou assessoramento dos Grupos: Direção e Assessoramento Superiores - DAS e Cargo de Direção - CD; §2º. Quando se tratar de gratificação correspondente às funções de direção, chefia ou assessoramento do Grupo- FG, GR, a parcela incorporada incidirá sobre o total desta remuneração. (...)." 3 Art. 1º da MP nº. 831/95 - " São extintas as vantagens de que tratam: I - os §§ 2º a 5º do art. 62 da Lei nº 8112, de 11/121990, e os arts. 3º a 11 da Lei nº 8911, de 11/07/1994; II - o art. 193 da Lei nº 8112, de 1990." 4 Art. 3o da MP n°. 1.160/95 - "Art. 3o Serão consideradas transformadas em décimos, a partir do primeiro dia do mês subseqüente ao da publicação desta Medida Provisória, as parcelas incorporadas à remuneração, a título de quintos. § 1º A transformação de que trata este artigo dar-se-á mediante a divisão de cada uma das parcelas referentes aos quintos em duas parcelas de décimos de igual valor. (...)". 5 Art. 2º da Lei nº. 9.624/98- "Art. 2º. Serão consideradas transformadas em décimos, a partir de 1º de novembro de 1995 e até 10 de novembro de 1997, as parcelas incorporadas à remuneração, a título de quintos, observado o limite máximo de dez décimos. Parágrafo único. A transformação de que trata este artigo dar-se-á mediante a divisão de cada uma das parcelas referentes aos quintos em duas parcelas de décimos de igual valor." 6 Art. 15 da Lei nº. 9.527/97. " Fica extinta a incorporação da retribuição pelo exercício de função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de provimento em comissão ou de Natureza Especial a que se referem os arts. 3º e 10 da Lei nº 8.911, de 11 de julho de 1994. § 1º A importância paga em razão da incorporação a que se refere este artigo passa a constituir, a partir de 11 de novembro de 1997, vantagem pessoal nominalmente identificada, sujeita exclusivamente à atualização decorrente da revisão geral da remuneração dos servidores públicos federais." 7 Art. 2º , §1º da LICC - " A lei posterior revoga a anterior quando expressamente o declare, quando seja com ele incompatível ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior." 8 Art. 62-A da Lei nº. 8.112/90, acrescido pela MP nº. 2.225-45/2001 - "Fica transformada em Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada - VPNI a incorporação da retribuição pelo exercício de função de direção, chefia ou assessoramento, cargo de provimento de provimento em comissão ou de Natureza Especial a que se referem os arts. 3º e 10 da Lei nº 8.911, de 11 de julho de 1994, e o art. 3º da Lei nº 9.624, de 2 de abril de 1998. Parágrafo único. A VPNI de que trata o caput deste artigo somente estará sujeita às revisões gerais de remuneração dos servidores públicos federais. ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0004344-71.2009.4.05.8200 9 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta

   

0004550-85.2009.4.05.8200 MARIA LUCIA ROCHA MELO DE LUCENA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. PEDRO VITOR DE CARVALHO FALCAO)

Ação Ordinária Autora: Maria Lucia Rocha Melo de Lucena Réu: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de ação ordinária ajuizada por MARIA LUCIA ROCHA MELO DE LUCENA em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, objetivando o reconhecimento do tempo de serviço rural e a conseqüente revisão de sua aposentadoria por idade, com pagamento dos atrasados devidos. Diz que nasceu, estudou e criou-se no campo, provindo de família de agricultores, tendo exercido atividades rurais no período compreendido entre 02/02/1948 e 10/01/1966, na propriedade de seus pais, denominada Sítio Benção de Deus, conforme declaração expedida pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Sousa. Afirma que seu núcleo familiar sempre produziu bens consumíveis para própria subsistência, vendendo a sobra na cidade, a fim de adquirir numerário para adquirir outros bens necessários à sobrevivência da família. Sustenta que sua família não utilizava mão-de-obra assalariada. Revela que somando o tempo de prestação de serviço rural com o tempo de serviço urbano, requereu a concessão de aposentadoria por idade, entretanto, o réu não considerou o tempo rural. Junta procuração e documentos e pede justiça gratuita, deferida à fl. 71. Citado, o INSS apresentou a contestação acompanhada do procedimento concessório do benefício em pauta, argüindo tão-somente a preliminar de carência de ação, por não ter autora requerido na via administrativa o reconhecimento do tempo de serviço rural, para fins de aposentadoria (fls. 73/85). Intimada para impugnar a defesa do réu e especificar provas, a autora apenas renovou o pedido inicial (fls. 88/92). Os autos vieram conclusos. É o relatório. F U N D A M E N T A Ç Ã O Preliminar: carência de ação O INSS suscita a preliminar de carência de ação, pois a autora não declinou na via administrativa a pretensão deduzida nestes autos. A meu viso, razão assiste ao promovido. Não tendo a promovente, ao requerer aposentadoria perante o órgão previdenciário, pleiteado o reconhecimento do tempo de serviço rural (o procedimento concessório desse benefício demonstra cabalmente que a segurada não juntou qualquer documento alusivo àquela atividade rural), não está configurada a pretensão resistida, o que autorizaria o exercício do direito de ação. Tal exigência não é feita por este Juízo como mero apego à forma, obrigando a parte autora a correr todos os meandros da burocracia administrativa. Mas sim para evitar que seja transferida ao Poder Judiciário a tarefa - que não lhe compete - de analisar primariamente se a parte preenche todos os requisitos necessários à contagem do tempo de serviço rural, substituindo o papel da autarquia previdenciária, e sobrecarregando a Justiça com pedidos em relação aos quais não se sabe sequer se há lide. Sobre a matéria em apreciação, convém anotar precedente judicial, colhido do sítio eletrônico do CJF, cuja fundamentação, na parte destacada grifada por este Juízo, adoto como razão de decidir o presente feito: "DECISÃO MONOCRÁTICA O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS insurge-se contra acórdão da Turma Recursal da Seção Judiciária de Minas Gerais que ratificou a sentença concessiva do benefício assistencial previsto na Lei n°8.742/93 a LÚCIA FELÍCIO DE SOUZA. Afirma que a decisão contraria entendimento da Turma Recursal de Santa Catarina e deste Colegiado (processo n° 2005.72.95.006179-0/SC), no sentido da necessidade de prévio requerimento administrativo como requisito à propositura da ação. (...) Decido. Eis os fundamentos da decisão recorrida: CONSTITUCIONAL. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. REQUERIMENTO ADMINISTRATIVO. DESNECESSIDADE. SENTENÇA MANTIDA. RECURSO DO INSS IMPROVIDO. 1 - A sentença acolheu o pedido de implantação do benefício de amparo social à autora com efeito retroativo à data do ajuizamento da ação. 2 - No recurso, o INSS alega a carência de ação pela ausência de requerimento administrativo e impugna a data inicial do pagamento do benefício. 3 - É pacífico na jurisprudência o entendimento que inexiste a obrigatoriedade de prévio requerimento administrativo para que a parte possa ajuizar ação pleiteando benefício assistencial. Garantia constitucional do livre acesso à justiça preceituada pelo art. 5º, XXXV, da Constituição da República. 4 - Sentença mantida. Recurso improvido. 5 - Sem condenação em honorários, tendo em vista que o defensor dativo recebe R$ 50,00, nos termos da Res. Nº 440, de 30/05/05, do CJF. A questão posta nos autos foi apreciada recentemente por esta Turma Nacional no Pedido de Uniformização n° 2005.72.95.006179-0, de relatoria do Juiz Federal Alexandre Miguel. Por maioria, este Colegiado assim decidiu: "Conforme relatado, a Turma Recursal do Juizado Especial de Santa Catarina decidiu que a sentença recorrida deveria ser mantida, por seus próprios fundamentos. O juízo a quo, por sua vez, entendeu que antes da instauração da fase litigiosa seria necessário que segurado formulasse diretamente à Administração Pública a pretensão que desejasse ver satisfeita, sendo que a falta do prévio requerimento administrativo importa na ausência de interesse de agir do autor, motivo pelo qual o processo foi extinto sem julgamento do mérito, nos termos do art. 267, VI do CPC. Segundo o recorrente, a jurisprudência do C. Superior Tribunal de Justiça é unânime em afastar a necessidade de prévio requerimento administrativo para que o segurado possa ajuizar ação postulando benefício previdenciário. Nesta esteira, segundo entendimento dominante no âmbito daquela Egrégia Corte, a prévia postulação administrativa não é condição para a propositura de ação de natureza previdenciária. Os excertos que a seguir colaciono, proferidos pelo Superior Tribunal de Justiça, demonstram, de fato, haver jurisprudência dominante, senão uníssona, acerca do tema, tendo a Colenda Corte, por suas Quinta e Sexta Turmas, pacificado seu entendimento no sentido de que a postulação junto à Administração Pública não é condição para a propositura de ação em que o segurado pleiteia a concessão de benefício previdenciário. In verbis: (...) Não se desconhece, ainda, que esta Turma Nacional, em diversas oportunidades, também já decidiu que não há necessidade de prévio requerimento administrativo no âmbito do INSS para o posterior ajuizamento de ação judicial previdenciária. É o que se extrai dos acórdãos abaixo transcritos. Vejamos: (...) No entanto, entendo que a orientação desta Turma Nacional sobre a matéria deve ser alterada, pedindo venia aos que pensam em sentido contrário. É que o argumento jurídico utilizado nos já apontados precedentes judiciais do Colendo STJ e, em decorrência deles, também nos paradigmas desta Turma Nacional, é sempre o do amplo acesso à Justiça, nos termos do art. 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal. Ocorre que não se pode confundir direito de demandar com direito de ação. O primeiro realmente não pode encontrar qualquer limite. Qualquer pessoa, natural ou jurídica, tem o direito assegurado pela Constituição Federal de levar suas pretensões para o Poder Judiciário. Já o direito de ação é condicionado. É preciso a demonstração da possibilidade jurídica do pedido, da legitimidade das partes e do interesse de agir. Esta última condição da ação, por sua vez, se desdobra nos requisitos da necessidade/utilidade de buscar o Poder Judiciário para satisfação da pretensão do autor e na adequação da via processual eleita para tal satisfação. Ou seja, é necessária a existência prévia de lide, entendida como o conflito de interesses qualificado por uma pretensão resistida. Fixadas tais premissas, tenho observado que o que tem ocorrido, na prática, no campo das ações previdenciárias que são ajuizadas nos Juizados Especiais Federais de todo o Brasil é que diante do sucesso de tal categoria de órgãos do Poder Judiciário, várias pessoas têm ingressado diretamente com suas demandas de natureza previdenciária em Juízo, sem o prévio requerimento administrativo. Diga-se, aliás, que o problema não é necessariamente a exigência ou não do prévio requerimento administrativo. É a exigência de demonstração de lide. Em muitos casos, benefícios e requerimentos previdenciários que seriam certamente deferidos administrativamente pelo INSS são requeridos diretamente nos Juizados Especiais Federais. Há ainda um fenômeno social que infelizmente vem ocorrendo: há notícias em todo o País de vários casos em que os próprios servidores dos postos de atendimento do INSS não aceitam nem a protocolização do requerimento administrativo e orientam os interessados a demandarem diretamente nos Juizados Especiais Federais. Tal situação, aliada ao fato de que os procedimentos dos JEF´s dispensam a atuação de advogados, tem contribuído para incrementar a ocorrência do de tal fenômeno, o que acaba por comprometer o princípio da celeridade que informa o rito dos Juizados Especiais. Explico: o aumento extraordinário do número de demandas desnecessárias compromete a celeridade daqueles processos onde realmente haja lide e necessidade da intervenção do Poder Judiciário. Esse arcabouço fático, típico dos JEF´s, data venia, não integra os vários precedentes do Colendo STJ sobre o tema, que foram estabelecidos em processos previdenciários de varas federais comuns, antes mesmo da criação dos Juizados Especiais Federais. Daí porque ouso afirmar que é possível até descaracterizar a similitude fática entre tais acórdãos do Colendo STJ, tidos como paradigmas, e os acórdãos recorridos provenientes das Turmas Recursais dos JEF´s, que exigem o prévio requerimento administrativo. Entendo, pois, pedindo venia mais uma vez aos que entendem de modo contrário, que é necessária a mudança de orientação jurisprudencial desta Turma Nacional sobre o tema, o que no meu modo de entender, não afrontaria a jurisprudência dominante do Colendo STJ, nos termos já apontados. Assim, no que toca às ações previdenciárias, é necessária a prévia caracterização de lide no âmbito extrajudicial, o que se dá com o prévio requerimento administrativo. Mas obviamente não basta protocolizar o requerimento administrativo e logo em seguida ajuizar a ação previdenciária nos JEF´s. É necessário que haja pelo menos um indeferimento expresso do requerimento administrativo ou uma demora excessiva e injustificável de sua apreciação pelo INSS, o que pode ser objeto de controle pelo magistrado de 1º grau, caso a caso. (grifo nosso) Feitas tais considerações proponho que a conclusão a que cheguei no presente caso passe a orientar o novo entendimento desta Turma Nacional a respeito do tema. Pelo exposto, NÃO CONHEÇO DO PRESENTE PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA. É como voto." No presente caso, não obstante a falta de requerimento administrativo, o acórdão atacado ratificou a sentença concessiva do benefício assistencial à requerida, em afronta ao julgamento acima transcrito. Diante do exposto, na forma do que dispõe o art. 557, § 1º do CPC, c/c o art. 6º, VI, da Resolução nº 390, de 17 de setembro de 2004, do Conselho da Justiça Federal, dou provimento ao pedido para extinguir o processo nos termos do artigo 267, inciso VI, do Código de Processo Civil." (grifo nosso) (Acórdão; Origem: JEF; Classe: PEDIDO DE UNIFORMIZAÇÃO DE INTERPRETAÇÃO DE LEI FEDERAL; Processo: 200638007221792; UF: null; Órgão Julgador: Turma Nacional de Uniformização; Data da decisão: 09/05/2007; Fonte DJU 11/06/2007; Relator Juiz Federal Pedro Pereira dos Santos) À luz do precedente acima, a ausência de interesse de agir, no caso em apreço, resta patente, ante à completa inexistência de resistência do réu ao direito perseguido nos autos, porquanto a autora não efetuou pedido administrativo e o INSS, ao se pronunciar na ação, não contestou o pedido formulado na inicial, limitou-se a requerer a extinção do feito por carência de ação da autora. D I S P O S I T I V O Isso posto, declaro a autora carecedora do direito de ação, por falta de interesse de agir, e, em conseqüência, DEIXO DE RESOLVER O MÉRITO DA LIDE (art. 267, VI, do CPC). Sem condenação em custas e honorários, em virtude do deferimento da gratuidade judicial. Decorrido o prazo legal sem recurso, certifique-se, dê-se baixa e arquive-se. P. R. I. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, no exercício da Titularidade

   

0004756-65.2010.4.05.8200 LAUDIVAN BEZERRA FERNANDES REP POR ANTONIO BARBALHO FERNANDES (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, JOSE GEORGE COSTA NEVES, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, FREDERICO RODRIGUES TORRES, EDUARDO DIAS MADRUGA, RAFAELA GONÇALVES OLIVEIRA, ANA GABRIELA BARBALHO DA SILVA, JOSERILDE TRAJANO LINS, WALKIRIA CORDEIRO LEITE DE ARAUJO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Cuida-se de matéria fática de natureza controvertida a ensejar a determinação de prova pericial, na área de NEUROLOGIA. 1) De imediato, defiro a gratuidade judiciária. 2) Cite-se o INSS nos termos do art. 285 do CPC, o qual desde já fica intimado para juntar aos autos cópia do procedimento administrativo referentes ao demandante, bem como para, querendo, indicar assistentes técnicos e formular quesitos; 3) Intime-se a parte autora para impugnar a contestação, porventura apresentada, bem com para indicar assistentes técnicos e formular quesitos, no prazo de 10 (dez) dias. 4) Outrossim, também estão intimadas as partes para requererem a produção de demais provas que julgarem necessárias ao deslinde da demanda. 5) Nomeio a Dra. ANA FLÁVIA MOREIRA BALTAR, CRM 5418, com consultório na Av. Acre, 230, Bairro dos Estados, nesta Capital, como auxiliar deste Juízo, na qualidade de médico perito, na área de NEUROLOGIA, o qual fica desde já cientificado de que deverá se pronunciar sobre a aceitação do encargo e em caso positivo indicar data, hora e local para realização da perícia, assim como para responder aos seguintes quesitos: 1. O requerente é portador de alguma patologia? Qual? 2. Em caso positivo, desde quando o autor apresenta a patologia? Esta patologia é passível de tratamento clinico e/ou cirúrgico que restaure parcialmente ou em caráter integral sua capacidade laborativa? 3. Tal patologia incapacita o autor para o trabalho temporiamente ou em caráter definitivo? 4. a incapacidade para o trabalho, caso exista, é para toda e qualquer atividade profissional? 5. caso haja incapacidade, desde quando o autor é incapaz para o trabalho (data do inicio da incapacidade)? 6. caso a parte autora não tenha condições de exercer suas atividades profissionais em decorrência de sua patologia, é possível realizar outra atividade profissional? 6) Considerando que a parte autora é beneficiária da gratuidade judiciária, os honorários serão fixados segundo os parâmetros da Resolução 558, de 22 de maio de 2007. 7) Dessa forma, arbitro os honorários periciais em R$ 234,80 (Duzentos e trinta e quatro reais e oitenta centavos), valor máximo permitido pela tabela II do anexo à citada Resolução. 8) Na seqüência, cientifiquem-se as partes quanto à data, hora e local indicado pelo perito para dar início à produção da prova, cabendo à parte que porventura nomeie assistente técnico a responsabilidade por toda a comunicação de seu assistente até o final da perícia. 9) Apresentado o laudo, intimem-se as partes, salientando que tal comunicação, sendo o caso, dará início, também, ao prazo comum disposto no § único do art. 433 do CPC para os assistentes técnicos oferecerem seus pareceres. FORMA DE CUMPRIMENTO a) Citar o INSS por remessa dos autos e intimar para, querendo, apresentar quesitos e assistente técnico, requerendo a produção de demais provas que julgar necessárias; a) Intimar a parte autora dos itens 3 e 4 por publicação, bem como para impugnar a contestação; c) Intimar o perito por mandado, colhendo-se desde logo a data, hora e local da perícia; d) Intimar as partes quanto à data, hora e local indicado pelo perito (item 8).

   

0005088-32.2010.4.05.8200 FIMASA TEXTIL S/A (Adv. DIEGO NUNES MEDEIROS FERREIRA RAMOS, ANDRE LUIS MACEDO PEREIRA, ODON BEZERRA CAVALCANTI SOBRINHO, JOSE FERNANDES MARIZ) x ELETROBRÁS - CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S/A (Adv. JULIO CESAR ESTRUC VERBICARIO DOS SANTOS, ALFREDO MELLO MAGALHÃES, ALEXANDRE EZECHIELLO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Primeiramente, à Distribuição para proceder a inclusão dos advogados André Luis Macedo Pereira, Odon Bezerra Cavalcanti Sobrinho e José Fernandes Mariz. Ato contínuo, corrija-se o endereço profissional do primeiro causídico mencionado. Por outro lado, analisando o feito, nota-se que a parte autora deve adequar o conteúdo econômico da causa, ajustando seu valor, de modo que, permanecendo a referida importância a competência está afeta ao Juizado Especial Federal. E mais, é pacífico o entendimento jurisprudencial que para a concessão da justiça gratuita à Pessoa Jurídica imperiosa a comprovação da miserabilidade financeira da mesma. Sendo assim, intime-se o promovente para, no prazo de 10 (dez) dias, emendar a inicial, ajustando o valor da causa e comprovando a hipossuficiência, ou, caso contrário, recolha as custas respectivas, sob pena de extinção do feito, nos moldes do art. 284, parágrafo único do CPC. I. FORMA DE CUMPRIMENTO 1. Anotações Cartorárias. 2. Publicação.

   

0005457-26.2010.4.05.8200 MARCOS ANTONIO DE BRITO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, GUSTAVO EUGENIO BARROCA GOMES, ADRIANO BORGES DE SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0005616-66.2010.4.05.8200 CRISTIANE ARAUJO MAIA SILVA (Adv. ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO, PRISCILLA SOARES FIGUEIREDO TRIGUEIRO CAROCA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 18/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0005712-18.2009.4.05.8200 MARIA NORBENICE OLIVEIRA DE VASCONCELOS (Adv. IVAMBERTO CARVALHO DE ARAUJO) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Ação de Rito Ordinário Autora: Maria Norbenice Oliveira de Vasconcelos Ré: Universidade Federal da Paraíba - UFPB S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação de rito ordinário ajuizada por MARIA NORBENICE OLIVEIRA DE VASCONCELOS, qualificada na inicial, em face da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, objetivando a cessação do desconto que está sendo feito em seu contracheque, referente à reposição de valores recebidos a maior a título de ajuda de custo, bem como, que a ré restitua os valores descontados, acrescidos de juros e correção monetária. Diz ser servidora da UFPB, e que, ao ser redistribuída para o campus de João Pessoa, em 22 de dezembro de 2007, recebeu uma ajuda de custo no valor de R$ 1.472,78 (um mil quatrocentos e setenta e dois reais, setenta e oito centavos), cujo pagamento se estendeu até o mês de novembro de 2008. Relata que, em decorrência desse fato, em dezembro de 2008, foi surpreendida com um desconto mensal em seu contracheque, no valor de R$ 190,19 (cento e noventa reais, dezenove centavos), referente à reposição ao erário das parcelas recebidas indevidamente. Defende a ilegalidade do ato, com o argumento de que recebeu os valores de boa-fé, razão pela qual não está obrigada a devolvê-los, segundo o entendimento esposado na jurisprudência colacionada na petição inicial. Requer o benefício da justiça gratuita. Junta procuração e documentos (fls. 16/22). Em decisão às fls. 25/26, foi deferida a antecipação dos efeitos da tutela, suspendendo os descontos ora impugnados, e a gratuidade judiciária. A UFPB apresentou a contestação de fls. 29/52, pugnando pela improcedência do pedido. Instada a se manifestar sobre a mencionada defesa e especificar provas, a autora nada disse (certidão de fl. 57). A ré informou não desejar produzir provas (fl. 56). É o que importa relatar. F U N D A M E N T A Ç Ã O Tocante aos descontos realizados no contracheque da autora, adoto, como razões de decidir, os mesmos fundamentos expostos quando do exame do pedido de tutela, por inexistir nos autos qualquer elemento novo de convicção que justifique a mudança de orientação adotada naquela decisão, verbis: (...) A presença da verossimilhança se materializa, uma vez que, nos dias atuais, não mais subsiste a hipótese que autorizava o desconto em folha de pagamento, dos valores percebidos indevidamente por servidor público ativo e inativo, como originalmente previa o art. 46 da Lei nº 8.112/90 e, posteriormente, nas redações das Medidas Provisórias nº 1.522/96 (convertida na Lei nº 9.527/97) e 1.964-27/2000. 3- Após o advento da Medida Provisória nº 2.225-45, as reposições ao erário deverão ser previamente comunicadas ao servidor para pagamento no prazo máximo de trinta dias, podendo ser parceladas a seu pedido, e não descontadas diretamente do contracheque sem prévia autorização. 4- Compulsando os presentes autos, verifico que a ré vem efetuando desconto mensal no contracheque da autora, com o fito de restituir ao erário, os valores que recebidos indevidamente, a título de ajuda de custo, no ano de 2008, o que não encontra respaldo na legislação em vigor, por essa razão, é indubitável a presença da verossimilhança das alegações da requerente. 5- O receio de dano irreparável ou de difícil reparação, por sua vez, advém da natureza alimentar que tem a remuneração da servidora autora, para quem o desconto mensal no contracheque pode representar limitação ao direito à subsistência. Ajunte-se a isso, que o Superior Tribunal de Justiça já consolidou posicionamento no sentido de impossibilidade da reposição de valores a maior percebidos de boa-fé pelo servidor. Senão vejamos: "AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. INCABIMENTO. BOA-FÉ DO SERVIDOR. 1. Revendo entendimento anterior, a Quinta Turma deste Superior Tribunal de Justiça passou a afirmar o incabimento da reposição dos valores pagos indevidamente pela Administração Pública em virtude de inadequadas interpretação e aplicação da lei, em face da presunção da boa-fé dos servidores no recebimento dos valores, a cujo posicionamento aderi. 2. Agravo regimental improvido." (STJ, AgRg no REsp 641235, Rel. Hamilton Carvalhido, DJ 14.08.2006 p. 341) "RECURSO ESPECIAL. PROCESSO CIVIL E ADMINISTRATIVO. GDAT. PAGAMENTO INDEVIDO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ART. 535 DO CPC. OMISSÃO NÃO CARACTERIZADA. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. ART. 46 DA LEI Nº 8.112/90. ERRÔNEA INTERPRETAÇÃO OU MÁ APLICAÇÃO DA LEI PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. RECEBIMENTO DE BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE. Não há omissão a inquinar de nulidade a decisão vergastada se os fatos relevantes ao deslinde da causa foram enfrentados, não se podendo exigir do órgão julgador que discorra sobre todos os dispositivos de lei suscitados para cumprir com plenitude a devida prestação jurisdicional. Em recente decisão, este Superior Tribunal de Justiça traçou diferença entre ilegalidade manifesta e errônea interpretação ou má aplicação da lei pela Administração Pública. "Ante a presunção de boa-fé no recebimento da Gratificação em referência, descabe a restituição do pagamento indevido feito pela Administração em virtude de errônea interpretação ou má aplicação da lei." (REsp. 488.905/RS, de minha relatoria, DJ de 13/09/2004) Precedentes. Recurso desprovido." (STJ, REsp 644716, Rel. José Arnaldo Fonseca, DJ 14.11.2005 p. 381) "RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. INCABIMENTO. BOA-FÉ DO SERVIDOR. REEXAME DE PROVA. IMPOSSIBILIDADE. 1. Revendo entendimento anterior, a Quinta Turma deste Superior Tribunal de Justiça passou a afirmar o incabimento da reposição dos valores pagos indevidamente pela Administração Pública em virtude de inadequadas interpretação e aplicação da lei, em face da presunção da boa-fé dos servidores no recebimento dos valores, a cujo posicionamento aderi. 2. As considerações relativas ao equívoco da Administração Pública e à boa-fé dos servidores impõem, para o deslinde da questão federal, o reexame do universo fático-probatório dos autos, o que é vedado pela letra do enunciado nº 7 da Súmula deste Superior Tribunal de Justiça. 3. Recurso especial improvido." (STJ, REsp 554469, Rel. Hamilton Carvalhido, DJ 19.12.2005 p. 484) Destaque-se, por oportuno, que nada consta nos autos que manche a presunção de recebimento das parcelas de boa-fé por parte da autora. Muito pelo contrário, extrai-se da decisão de fls. 49/50, que o pedido de dispensa da restituição ao erário foi indeferido em virtude do pagamento indevido ter ocorrido de equívoco operacional, e não em virtude de errônea interpretação da Administração ou posterior mudança de critério jurídico. A meu viso, reconhecendo a Administração, naquela decisão, que o pagamento ocorreu por erro seu, resta cristalino o direito da promovente de não restituir o que recebeu, devendo ser ressarcidas a essa servidora as importâncias já descontadas. Ademais, menciona-se a Súmula 106/TCU, verbis: "O julgamento, pela ilegalidade, das concessões de reforma, aposentadoria e pensão, não implica por si só a obrigatoriedade da reposição das importâncias já recebidas de boa-fé, até a data do conhecimento da decisão pelo órgão competente." D I S P O S I T I V O Frente ao exposto, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, para impedir que a ré exija da autora a restituição da importância recebida a título de ajuda de custo, no período de março/2008 a novembro/2008; outrossim, condeno até a devolver à autora os valores já descontados de seus vencimentos a esse título, atualizados, uma única vez, até o efetivo pagamento, pelos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança, nos termos da Lei 11.960/20091. Condeno a ré, ainda, ao pagamento de honorários advocatícios, que arbitro em R$ 1.000,00 (mil reais) do valor da condenação, dada a simplicidade da demanda. Custas na forma da lei. Sentença não sujeita a reexame necessário, eis que o valor da condenação não alcança sessenta salários mínimos (art. 475, § 2º do CPC), levando-se em conta o valor total recebido pela autora no período supracitado (R$ 13.255,02 - treze mil, duzentos e cinquenta e cinco reais e dois centavos - fl. 49). P.R.I. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta, no exercício da titularidade da 3ª Vara 1 Art. 5o O art. 1o-F da Lei no 9.494, de 10 de setembro de 1997, introduzido pelo art. 4o da Medida Provisória no 2.180-35, de 24 de agosto de 2001, passa a vigorar com a seguinte redação: "Art. 1o-F. Nas condenações impostas à Fazenda Pública, independentemente de sua natureza e para fins de atualização monetária, remuneração do capital e compensação da mora, haverá a incidência uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança." (NR) ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0005712-18.2009.4.05.8200 5 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta

   

0006155-32.2010.4.05.8200 JOSÉ ANTÔNIO ADELINO IRMÃO E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO, KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO, JOÃO JOSÉ SALES QUEIROGA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 13/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0006162-24.2010.4.05.8200 MARCOS ANTONIO FERREIRA DA COSTA E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 18/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0006184-82.2010.4.05.8200 JOANA D'ARC FRANCA DE SOUZA (Adv. ALEXANDRE RAMALHO PESSOA, RODRIGO RODOLFO RODRIGUES E SILVA, SILVIA LUCIA R. P. NEGROMONTE) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 08, por primeiro, abro vista a parte autora para impugnar a (s) contestação (ões), no prazo de 10 (dez) dias, bem assim, para de forma justificada especificar as provas que deseja produzir. Após, vista a parte ré para especificação de provas. João Pessoa, 15/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0006552-28.2009.4.05.8200 BRENDA ALVES DE ANDRADE (Adv. OLÍVIA MONIQUE ARAÚJO SERRANO DE OLIVEIRA, ANA PATRICIA RAMALHO DE FIGUEIREDO, HENRIQUE TENORIO DOURADO, MIGUEL MOURA LINS SILVA, IGOR XIMENES GUIMARÃES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Ação de Rito Ordinário AUTORES: BRENDA ALVES DE ANDRADE RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação movida por BRENDA ALVES DE ANDRADE, já qualificada nos autos, em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, objetivando revisar contrato de financiamento ao estudante de ensino superior (FIES). Expõe a autora que em maio de 2002 contratou o citado financiamento para custeio de 50% (cinquenta por cento) do curso de Turismo. Em fevereiro de 2003, o citado contrato sofreu aditamento, em virtude da transferência da autora para outra universidade. Aduz que apesar de efetuar o pagamento das prestações em dia, estes não estão sendo suficientes para amortizar o saldo devedor, gerando um resíduo praticamente impagável, visto que há grande diferença entre o valor financiado e o valor atual do saldo devedor. Com responsáveis por este fato, a autora aponta a arbitrariedades de várias cláusulas, cobrança de juros abusivos, capitalização mensal de juros, adoção da Tabela Price para amortização. Disse ainda que a CEF estaria extrapolando o período de pagamento definido em lei, afirmando ainda que seria aplicável ao caso o Código de Defesa do Consumidor. Requereu liminarmente que a CAIXA se abstenha de incluir o nome da promovente e de seus fiadores em cadastros de inadimplentes, em virtude de débitos oriundos do contrato ora impugnado. Ao final da petição, fez os seguintes pedidos: "c) que seja reconhecida a relação de consumo entre os litigantes e, consequentemente, sejam aplicados as normas do Código de Defesa do Consumidor ao contrato em tela, nos moldes dos artigos 6º, V, 42, 47, 51, 52 e 54 deste diploma legal; d) que seja decretada a nulidade da cláusula do Contrato de Financiamento Estudantil que prevê a utilização do sistema francês de amortização - Tabela Price - por constituir causa de enriquecimento da instituição financeira em detrimento da espoliada consumidora; e) que seja decretada a nulidade da cláusula do Contrato de Financiamento Estudantil que possibilita à instituição financeira ré cobrar juros capitalizados mensalmente de acordo com a Súmula 121 do STF e art. 4º da Lei de Usura; f) que seja declarado por este Juízo que o prazo de amortização finda-se em 15/08/2012, tendo esta data como referencial para a última parcela de pagamento do crédito que fora concedido à Promovente, extinguindo nesta data, então, qualquer obrigação da Promovente para com a Promovida, obedecendo a determinação do art. 7º, Lei 9.288/96; g) que seja determinado o recalculo das prestações do contrato, por intermédio da contadoria judicial, instituindo-se como encargo de remuneração apenas juros que não ultrapassem 6% (seis por cento) ao ano, excluída a aplicação de juros sobre juros; h) caso não entenda V. Exa. pela aplicação dos 6% ao ano, requer na forma do art. 289 do CPC, como pedido alternativo, a determinação da realização do recalculo das prestações com a utilização, tão somente, de taxa anual que V. Exa. entenda justa e apropriada, excluída a capitalização de juros sobre juros, levando-se em consideração o equilíbrio contratual e a premissa de que a Promovente está em início de sua carreira profissional; i) que seja a ré condenada ao ressarcimento em dobro da quantia paga indevidamente, apurada por este Juízo, acrescida de correção monetária e juros legais, conforme preleciona o parágrafo único do art. 42 do CDC c/c art. 11 do Decreto-Lei 22.626/33". Juntou procuração e documentos às fls. 23/76. Decisão proferida às fls. 79/84 deferiu parcialmente a antecipação dos efeitos de tutela. Contestação apresentada pela CEF às fls. 87/106. A ré sustentou ilegitimidade passiva, litisconsórcio passivo necessário da União, e no mérito afirmou a legalidade do contrato objeto desta ação. Juntou documentos às fls. 107/124. Informação da CEF às fls. 126/128, dizendo que não pode cumprir a decisão que antecipou parcialmente a antecipação dos efeitos de tutela, porque a autora estaria pagando em dia as prestações do financiamento. Impugnação à contestação às fls. 131/138. É o que importa relatar. Decido. F U N D A M E N T A Ç Ã O Ilegitimidade passiva da CAIXA Sustenta a ré sua ilegitimidade passiva. Diz que é mera administradora dos recursos públicos destinados ao FIES, na forma do art. 3º, §3º, da Lei n.º 10.260/01. Em ligeira síntese, afirma que sendo a União a pessoa que regula as normas atinentes ao FIES, especialmente as que dizem respeito às diretrizes das cláusulas contratuais das avenças firmadas com os beneficiários do financiamento estudantil, é aquela pessoa quem deverá responder a esta ação. A preliminar suscitada não prospera. Sendo a CAIXA a agente operadora do FIES, é a parte legítima para responder ações revisionais. A justificativa para sua legitimidade está justamente no dispositivo legal invocado pela suscitante. Como a ré tem competência para conceder financiamentos e cobrar o adimplemento das contraprestações, ela é a pessoa a quem serão dirigidas as ordens judiciais que recaiam sobre os contratos. Logo, resta clara sua legitimidade passiva em ações revisionais. Litisconsórcio passivo necessário da União Argumenta também a ré o litisconsórcio passivo necessário com a União, "em decorrência do disposto na Lei n.º 10.260/2001 e da Resolução BACEN 2647/199 e demais normas aplicadas ao caso". Contudo, não percebo razão para declarar a necessidade de litisconsórcio passivo na forma do art. 47 do CPC1. Por primeiro, porque não há determinação legal neste sentido. Segundo, também não é o caso de litisconsórcio unitário, porque a União não faz parte da relação jurídica discutida dos autos. Poderia, outrossim, existir um interesse remoto da União, decorrente do fato dela ter legislado a respeito das regras concernentes ao FIES. Contudo, tal fato não é suficiente para caracterizar um litisconsórcio unitário, tendo em vista que se assim pensássemos teríamos que considerá-la litisconsorte em todas as ações em que se discutisse a interpretação e aplicação de lei nacional ou lei federal. Mutatis mutandis, aplica-se ao caso o entendimento consolidado dos tribunais a respeito da inexistência de interesse da União nas ações relativas ao FGTS em que se discute o índice de correção monetária quando dos planos econômicos editados no fim dos anos 80 e início dos anos 90, porque nestes casos a CAIXA era a única parte legítima porque era (e ainda é) a gestora do FGTS, enquanto que no caso do FIES a lei atribuiu a ré a missão de ser agente operadora. Mérito Para da discussão posta nos autos já foi tratada na decisão de minha lavra que deferiu parcialmente a antecipação dos efeitos de tutela, de forma que repito as mesmas razões de decidir. Objetiva a autora anular a cláusula décima quinta e décima sexta, parágrafo segundo, do contrato de crédito educativo que firmou com a CEF. Aduz que a Tabela Price não tem previsão na Lei 10.260/2001, e que esse sistema encerra capitalização de juros. O contrato em apreço foi firmado em 10 de maio de 2002, sob a égide da Lei 10.260, de 12.07.2001. Respeitante à cláusula 15, dita o contrato (fls. 28): "DOS ENCARGOS INCIDENTES SOBRE O SALDO DEVEDOR : O SALDO DEVEDOR será apurado mensalmente, a partir da data da contratação e até a efetiva liquidação da quantia mutuada, mediante aplicação da taxa efetiva de juros de 9% (nove por cento) ao ano, com capitalização mensal, equivalente a 0,72073% ao mês". Com relação à cláusula 16ª, parágrafo segundo, está assim redigida (fls. 29): "A partir do 13º (décimo terceiro) mês de amortização, inclusive, o ESTUDANTE ficará obrigado a pagar prestações mensais e sucessivas, calculadas segundo o Sistema Francês de Amortização - Tabela Price. Dispunha a Lei nº. 10.260/2001, em vigor à data da contratação, ao disciplinar o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior, relativamente às diretrizes gerais que deviam nortear o financiamento: "Art. 5º. Os financiamentos concedidos com recursos do FIES deverão observar o seguinte: (...) II - juros: a serem estipulados pelo CMN, para cada semestre letivo, aplicando-se desde a data da celebração até o final da participação do estudante no financiamento; (...) IV - amortização: terá início no mês imediatamente subseqüente ao da conclusão do curso, ou antecipadamente, por iniciativa do estudante financiado, calculando-se as prestações, em qualquer caso: a) nos doze primeiros meses de amortização, em valor igual ao da parcela paga diretamente pelo estudante financiado à instituição de ensino superior no semestre imediatamente anterior; b) parcelando-se o saldo devedor restante em período equivalente a até uma vez e meia o prazo de permanência na condição de estudante financiado; (...) " As partes elegeram, para a amortização do financiamento, a Tabela Price, prevista na cláusula 16ª, parágrafo 3º. À data em que celebrado o contrato, a Lei 10.260/2001, tratando da amortização do empréstimo a partir do 13º mês, no item b, do inciso IV, do art. 5º, acima citado, nada estipulou acerca do sistema que seria adotado para abatimento da dívida. Exatamente por não ter previsão no instrumento normativo então em vigor é que as partes tiveram a liberdade de convencionar quanto ao modo de amortização. A disposição em comento, situando-se no plano dos direitos disponíveis, prevalece, e, como não colide com qualquer preceito de ordem pública que diga o contrário, não há de ser declarada nula. Não se vê outrossim vício de consentimento a importar nulidade da cláusula, resultante de fraude, simulação, erro, dolo ou coação. A redação da norma contratual é ineludível, permitindo à estudante-autora concluir que a amortização do mútuo dar-se-ia pelo pagamento das prestações, calculadas de acordo com o Sistema Francês de Amortização - Tabela Price - materializada na fórmula matemática constante do parágrafo quinto da cláusula décima sexta (fl. 29). Argúi a autora que a Tabela Price encerra capitalização de juros. Não é verdadeira a assertiva. Essa variante do Sistema Francês de Amortização, que prevê a quitação de parcela da dívida e dos juros do mês na totalidade, não contempla o anatocismo - a contagem de juros de juros -, haja vista que juros não quitados não restam a ser incorporados ao saldo devedor. Descabe ainda dizer que a fórmula da Tabela Price embute a capitalização, pela mesma razão de que a sua aplicação demonstra a não incorporação dos juros ao saldo devedor, dada a quitação do valor total, refutando qualquer tese, desprovida de critério matemático ou de lógica, da existência de capitalização composta. As incongruências da aplicação da Tabela Price não decorrem da fórmula em si, porém, da diferença de índices de atualização utilizados para a prestação e para o saldo devedor. Ministra Roberto Carlos Martins Pires (in Temas Controvertidos do Sistema Financeiro da Habitação) acerca do Sistema de Amortização Price, aplacando qualquer posicionamento afirmativo da existência de anatocismo na referida fórmula matemática: "O Sistema de Amortização Price, ou Tabela Price, como todos os demais sistemas, é um modelo matematicamente e cientificamente consistente, o mais utilizado no mundo e questionado apenas no Brasil, sem nenhuma fundamentação científica, apenas legal, como se possível fosse ao Direito mudar a matemática. ... A premissa básica é que o saldo devedor e as prestações sejam atualizados na mesma periodicidade e com o mesmo índice. Aliás, esta é uma premissa básica de Matemática Financeira para qualquer sistema de amortização. Utilizar um índice no saldo devedor e outro na prestação, ou, ainda, atualizar mensalmente o saldo devedor e anualmente a prestação, acarreta graves distorções, que se tornam piores em cenários de inflação elevada... Outro assunto de relevância na Tabela Price é acerca do juro. Conforme afirmamos, a prestação é composta de amortização e juros, ambos quitados mensalmente, à medida que ocorre o pagamento, inexiste capitalização, pois não são eles incorporados ao saldo devedor..." (Grifei) Quanto à taxa de juros, preconiza o art. 7º da Lei nº. 8.432/96: "Art. 7° Os juros sobre o crédito educativo não ultrapassarão anualmente a seis por cento." Dessa feita, o artigo 5º, inc. II da Lei nº. 10.261/2001 deve ser interpretado com consonância com o art. 5º da Lei nº. 8.432/96. A dizer, os juros de mora, a serem fixados pelo Conselho Monetário Nacional para cada semestre letivo, não poderão ultrapassar a taxa de 0,5% ao mês. Ademais, ao contrário do que preconiza a Lei nº. 10.261/2001, a cláusula 15 do contrato não reporta a fixação da taxa de juros ao quanto for fixado pelo CMN, a cada semestre, mas sim estipula valor fixo de 0,72073% ao mês. Faz-se necessário, contudo, uma ressalva. Restou assinalado na decisão interlocutória de fls. 79/84 que os juros de mora seriam computados em 0,5% ao mês. Acontece que na verdade aquele decisum se refere à taxa de juros remuneratórios, previsto na Cláusula Décima Quinta do contrato firmado entre as partes, conforme limites do pedido (letra "g", fl. 21). Assim, faço a ressalva nesta sentença de que o pedido da autora deve ser deferido de forma que os juros remuneratórios do contrato devem ser fixados em 6% ao ano, em obediência ao art. 7º da Lei n.º 8.432/96. Ultrapassados estes pontos, cumpre-me esclarecer que em decorrência da diminuição da taxa de juros remuneratórios haverá valores a serem devolvidos pela autora. Neste sentido, sustenta a promovente a aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor, de forma que ao caso se aplicaria o previsto no art. 42, parágrafo único, da Lei n.º 8.078/902, o qual determina a devolução em dobro daquilo que for cobrado a mais. Por seu turno, a CAIXA, com razão, defende a inaplicabilidade do referido diploma. De fato, à relação entre a ré e o estudante que adere o FIES não se aplicam as regras do microssistema consumerista. Isto se dá porque o objeto do contrato é um programa governamental sem características de serviço bancário, fugindo, portanto, à regra estatuída no art. 3º, §2º, do CDC. Também não há que se falar em aplicação no disposto no art. 940 do Código Civil, em virtude da espécie de relação jurídica existente pelas partes, regida por estatuto próprio. Dessa forma, entendo que é devida a devolução do que a promovente pagou a mais, mas em forma de compensação com o débito que ostenta perante a CAIXA, com correção monetária, de acordo com o Manual de Cálculos do Conselho da Justiça Federal, e juros moratórios cuja taxa será idêntica a que é paga pela autora. Por fim, quanto à alegação de que a CAIXA estende irregularmente o prazo para pagamento do financiamento, também entendo que a autora não tenha razão. A ré explica o seguinte: "Com relação à forma de pagamento da dívida e amortização, cumpre esclarecer que ocorre da seguinte forma: O prazo máximo de utilização do financiamento é igual ao período remanescente para a conclusão do curso pelo estudante, à época de seu ingresso no FIES, observada a duração regular do curso estabelecida pela IES. Cumpre esclarecer inicialmente que o prazo contratual de uma vez e meia o de utilização refere-se à fase de amortização 2. Para o caso, a estudou 9 períodos (de 2002 à de 2006), o que equivale a 54 meses. Multiplicando 54x1,5; termos 81, este é o prazo de amortização 2. (sic) Com início da amortização em agosto de 2007, conclui-se que está correto seu término em abril de 2014". O prazo do contrato é definido no art. 5º da Lei n.º 10.260/01, com redação da época em que foi assinado: Art. 5o Os financiamentos concedidos com recursos do FIES deverão observar o seguinte: I - prazo: não poderá ser superior à duração regular do curso; (...) IV - amortização: terá início no mês imediatamente subseqüente ao da conclusão do curso, ou antecipadamente, por iniciativa do estudante financiado, calculando-se as prestações, em qualquer caso: a) nos doze primeiros meses de amortização, em valor igual ao da parcela paga diretamente pelo estudante financiado à instituição de ensino superior no semestre imediatamente anterior; b) parcelando-se o saldo devedor restante em período equivalente a até uma vez e meia o prazo de permanência na condição de estudante financiado; Da leitura dos dispositivos legais transcritos, vê-se que o contrato pode realmente ser dividido em dois períodos. O primeiro é o prazo do financiamento, que coincide com o período em que o beneficiário está no curso, ostentando a condição de estudante financiado. O segundo é o período de amortização, que se inicia logo após o término do curso. Nos termos da lei, esse segundo período será subdividido: a) nos doze meses iniciais, o beneficiário pagará quantia idêntica àquela que pagava enquanto fazia o curso; b) após isso, começará a pagar o saldo residual, cujo prazo para pagamento será limitado a uma vez e meia do período em que figurou como estudante financiado. Diante das considerações acima, forçoso concluir que não tem sustentação as queixas da autora no que diz respeito ao prazo do contrato, pois dito prazo foi estipulado com esteio nos dispositivos previsto no estatuto que rege o FIES. D I S P O S I T I V O Diante de todo o exposto, julgo PROCEDENTE EM PARTE OS PEDIDOS, resolvendo o processo com exame de mérito (art. 269, I, do CPC), para determinar o recálculo das prestações vincendas e vencidas em face da redução da taxa de juros remuneratórios para 6% ao ano, com a conseqüente compensação, no saldo devedor, do que a autora pagou a mais. Sobre as diferenças a serem compensadas incidirão correção monetária, calculada de acordo com o Manual de Cálculos do Conselho da Justiça Federal, e juros moratórios, com taxa anual fixada em 6%, ambos contados a partir do pagamento indevido. Diante da sucumbência recíproca, cada parte acará com o pagamento dos honorários de seus advogados. Sem condenação ao pagamento de custas em virtude da gratuidade judiciária deferida. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, na titularidade 1 Art. 47. Há litisconsórcio necessário, quando, por disposição de lei ou pela natureza da relação jurídica, o juiz tiver de decidir a lide de modo uniforme para todas as partes; caso em que a eficácia da sentença dependerá da citação de todos os litisconsortes no processo. 2 Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0006552-28.2009.4.05.8200 1 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta

   

0009046-60.2009.4.05.8200 FÁBIO ARAÚJO DA COSTA E OUTRO (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, ANGELLO RIBEIRO ANGELO, JOSÉ ALFREDO DE FREITAS, ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, JOSE CARLOS RAMALHO CLEROT FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

DESPACHO 1. Baixo o feito em diligência; 2. Expeça-se mandado de avaliação do imóvel dado como garantia ao contrato de mútuo - APTO. 202, tipo A, bloco B, situado no 1º pavimento, Cond. Residencial Lúcia II, nº. 1.100, sito na Rua. Severino Nicolau de Melo, esq. Com Rua Vicente Barbosa, Bessa. 3. Cumprida a diligência, vista às partes, em cartório, pelo prazo sucessivo de 5 dias, primeiro à autora. João Pessoa, 10 de agosto de 2010.

   

0009099-41.2009.4.05.8200 VINICIUS DE OLIVEIRA ELIAS DA SILVA REP POR SUA GENITORA MILENA DE OLIVEIRA ELIAS (Adv. COSME SOARES DE ANDRADE) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Nesta demanda se objetiva o reconhecimento da dependência econômica do menor, absolutamente incapaz, Vinicius de Oliveira Elias da Silva, em face do tio, DENILSON GOMES DE OLIVEIRA, servidor público federal. A legitimação para a causa, por se tratar de matéria de ordem pública, pode e deve ser declarada, de ofício. No caso, verifico que a parte autora desta demanda é o menor impúbere VINÍCIUS DE OLIVEIRA ELIAS DA SILVA, representado por sua genitora MILENA DE OLIVEIRA ELIAS, conforme reza o art. 8º, do CPC; e não o seu tio, DENILSON GOMES DE OLIVEIRA. Isso por que a ninguém é dado postular em nome próprio direito alheio, salvo quando autorizado por lei, conforme reza o art. 6º, do mesmo diploma legal. Sendo assim, substitua-se no pólo ativo do feito DENILSON GOMES DE OLIVEIRA, tio do menor, por VINÍCIUS DE OLIVEIRA ELIAS DA SILVA, representado por sua genitora MILENA DE OLIVEIRA ELIAS. De consequência, intime-se a parte autora para sanar a inexistência de representação processual. Verifico ainda da inicial que não foi indicado o pólo passivo da demanda, não suprindo este defeito a citação da UFPB e sua contestação, posto que também não haja pedido dirigido à dita autarquia, mesmo em se buscando extraí-lo num esforço de interpretação lógico-sistemática da peça inicial. Pelo exposto, depois de corrigido o pólo ativo, intime-se a parte autora para sanar os vícios apontados, no prazo de dez dias, sob pena de julgamento do processo sem exame do mérito, conforme autorizado no parágrafo único do art. 284, do CPC. Decorrido o prazo, voltem-me conclusos.

   

0009195-56.2009.4.05.8200 ANA MARIA GOMES DA SILVA (Adv. ROBERTO NOBREGA DE CARVALHO) x CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - CEFET - DE ALAGOAS - AL (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIAO E OUTRO

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 06, abro vista à parte autora sobre a petição e documentos apresentados pelo CEFET/AL (fls.), para pronunciamento no prazo de 05(cinco) dias. João Pessoa, 08/10/2010. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

0009731-04.2008.4.05.8200 MARIA DA GUIA DANTAS DA SILVA E OUTROS (Adv. ANA ÉRIKA MAGALHÃES GOMES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM)

Ação de Rito Ordinário AUTORES: MARIA DA GUIA DANTAS DA SILVA E OUTROS RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de ação ordinária promovida por MARIA DA GUIA DANTAS DA SILVA, MARIA DE LOURDES DANTAS DA SILVA, MARIA JOSÉ FELIX DA SILVA, JOCÉLIO BATISTA DE ALMEIDA e MARIA DA PENHA TEIXEIRA DE CARVALHO, já devidamente qualificados, em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA, buscando obter édito jurisdicional que lhes garanta o direito à percepção da correção monetária do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS, mediante a aplicação dos percentuais relativos a junho/87 (18,02%); janeiro/89 (42,72%); fevereiro/89 (10,14%); março/90 (84,32%); abril/90 (44,80%); maio/90 (5,38%); e fevereiro/91 (7%). Alegam que, sendo optantes pelo sistema do FGTS, deixaram de ter corrigidas as contas vinculadas, em relação às perdas decorrentes dos expurgos inflacionários, quando da implantação dos planos econômicos. Acompanham a inicial instrumento procuratório e documentos (fls. 10/37). A petição inicial foi indeferida quanto à autora MARIA JOSÉ FELIX DA SILVA, nos termos do art. 267, I, e 284, p. único, do CPC (fls. 53/54). Citada, a CAIXA apresentou contestação de fls. 63/83, argüindo a preliminar de carência de ação, pois os autores MARIA DA GUIA DANTAS DA SILVA, MARIA DE LOURDES DANTAS DA SILVA, JOCÉLIO BATISTA DE ALMEIDA e MARIA DA PENHA TEIXEIRA DE CARVALHO firmaram adesão, nos termos da LC nº 110/2001. Também alega a inexistência de direito adquirido aos índices pleiteados. Defende que já houve a atualização das contas vinculadas do FGTS pelos índices previstos na legislação então vigente. Por fim, diz serem inaplicáveis, à espécie, os juros moratórios, pugnando pela sua não condenação em honorários advocatícios, e, consequência, pela improcedência do pleito autoral. Documentos às fls. 85/94 e 97/101. Instados a se manifestarem sobre a defesa da ré e os documentos por ela juntados, os autores nada disseram (certidão de fl. 104). É o relatório. Passo a decidir. F U N D A M E N TA Ç Ã O Termo de Adesão Os autores requerem a incidência dos índices correspondentes aos expurgos inflacionários relativos aos meses de junho/87, janeiro e fevereiro de 1989, de março, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991 sobre os valores depositados em suas contas vinculadas ao FGTS. Entretanto, em sua contestação, a ré alegou que todos os autores firmaram adesão, nos termos da LC nº. 110/2001. Para comprovar o alegado, utilizou-se dos extratos de fls. 85-94. Trouxe aos autos microfilmagens dos Termos de Adesão firmados (fls. 97/101). Através destes documentos, comprova que os promoventes, de fato, aderiram à forma de pagamento da complementação dos expurgos relativos ao IPC de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%) estatuída na LC n.º 110/2001, que estabelece: LC nº 110/2001: "Art. 4o Fica a Caixa Econômica Federal autorizada a creditar nas contas vinculadas do FGTS, a expensas do próprio Fundo, o complemento de atualização monetária resultante da aplicação, cumulativa, dos percentuais de dezesseis inteiros e sessenta e quatro centésimos por cento e de quarenta e quatro inteiros e oito décimos por cento, sobre os saldos das contas mantidas, respectivamente, no período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989 e durante o mês de abril de 1990, desde que: I - o titular da conta vinculada firme o Termo de Adesão de que trata esta Lei Complementar; (...) Art. 6o O Termo de Adesão a que se refere o inciso I do art. 4o, a ser firmado no prazo e na forma definidos em Regulamento, conterá: I - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a redução do complemento de que trata o art. 4o, acrescido da remuneração prevista no caput do art. 5o, nas seguintes proporções: (...) II - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a forma e os prazos do crédito na conta vinculada, especificados a seguir: (...) III - declaração do titular da conta vinculada, sob as penas da lei, de que não está nem ingressará em juízo discutindo os complementos de atualização monetária relativos a junho de 1987, ao período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989, a abril e maio de 1990 e a fevereiro de 1991." Lei 10.555/2002 "Art. 1º Fica a Caixa Econômica Federal autorizada a creditar em contas vinculadas específicas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, a expensas do próprio Fundo, os valores do complemento de atualização monetária de que trata o art. 4º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, cuja importância, em 10 de julho de 2001, seja igual ou inferior a R$ 100,00 (cem reais)." Além disso, ao efetuarem a Adesão supracitada, aqueles autores renunciaram, de forma irretratável, a pleitos relativos a ajustes de atualização monetária referente às suas contas vinculadas do FGTS, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro/91, exceto, obviamente, aos 42,72% e 44,80%, cujo pagamento foi objeto daquele acordo. Em sua essência, os referidos Termos de Adesão configuram transação, negócio jurídico que uma vez firmado, faz lei entre as partes, só podendo ser anulado por dolo, coação ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa, e mediante ação anulatória própria, na qual se comprove o vício porventura existente, nunca em sede de impugnação à contestação. É o que rezam os artigos 177 e 849 do novo Código Civil: "Art. 177. A anulabilidade não tem efeito antes de julgada por sentença, nem se pronuncia de ofício; só os interessados a podem alegar, e aproveita exclusivamente aos que a alegaram, salvo o caso de solidariedade ou indivisibilidade". "Art.849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa". Diante dos Termos de Adesão, declaro os autores autores MARIA DA GUIA DANTAS DA SILVA, MARIA DE LOURDES DANTAS DA SILVA, JOCÉLIO BATISTA DE ALMEIDA e MARIA DA PENHA TEIXEIRA DE CARVALHO carecedores do direito de ação, no tocante aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%), em virtude de sua concordância em receber esses percentuais nos moldes delineados na LC 110/2001. Quanto à aplicação dos demais índices, improcede o pedido, tendo-se em vista a renúncia contida na aludida LC 110/2001. Saliente-se, por oportuno, que os documentos de fls. 97/101 noticiam que os Termos de Adesão foram firmados em 2001/2002, bem antes do ajuizamento desta ação, em 16.12.2008. Trata-se, portanto, de acordo extrajudicial preexistente à demanda, motivo pelo qual não cabe a este Juízo homologá-lo. Registro que a inicial já havia sido indeferida com relação à litisconsorte MARIA JOSÉ FELIX DA SILVA, em virtude do não atendimento da determinação consistente em emendar a inicial (fls. 53/54). D I S P O S I T I V O Diante de todo o exposto, DEIXO DE RESOLVER O MÉRITO, por falta de interesse de agir, quanto aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%); e JULGO IMPROCEDENTE o pedido de aplicação dos índices de junho/87 (18,02%); fevereiro/89 (10,14%); março/90 (84,32%); maio/90 (5,38%); e fevereiro/91 (7%). Deixo de condenar os autores ao pagamento de custas e honorários, em virtude da concessão da gratuidade judiciária. O nome do autor JOCÉLIO BATISTA DE ALMEIDA foi erroneamente grafado nos assentamentos cartorários como JOCÉLIA BATISTA DE ALMEIDA. Proceda-se à devida correção. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 9731.2008.4.05.8200 4 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0008288-86.2006.4.05.8200 EMERITA SOARES SEABRA (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, VERA LUCIA SERPA DE MENEZES LINS, CICERO GUEDES RODRIGUES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

Defiro o pedido de dilação, pelo prazo de 15(quinze) dias. I. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Publicação.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0003066-06.2007.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. MARIA JOSE DA SILVA, MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES, PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, LUIZ MONTEIRO VARAS) x OPHBRAS - COMPANHIA BRASILEIRA DE PRODUTOS OFTALMICOS (Adv. ANA KATTARINA BARGETZI NOBREGA)

(...) intime-se a executada, por publicação, para dar início ao cumprimento do parcelamento proposto e aceito às fls. 100/101 e 123/124 (04 parcelas iguais e sucessivas do valor encontrado pela Assessoria Contábil). Iniciado o cumprimento do acordo, deverá, ainda, até o dia 05 de cada mês, trazer aos autos cópia de todos os comprovantes de pagamentos realizados até a quitação total da dívida.

   

0007570-26.2005.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ANDRE NAVARRO FERNANDES) x ESPOLIO DE OILDO SOARES REP POR SALOME FREIRE DE MENDONCA SOARES (Adv. RAIMUNDO RODRIGUES DA SILVA)

Cumpra-se a parte final da determinação constante na sentença, cuja cópia foi trasladada às fls. 166/170. Intime-se o executado acerca de sua nomeação como depositário dos lotes penhorados, bem assim para comprovar a penhora realizada pelo Juízo da 4ª Vara da Comarca de Santa Rita sobre os referidos lotes. No tocante à cópia da petição apresentada pelo devedor às fls. 171/175, verifico que o parcelamento refere-se ao processo nº 2004.11406-9 e não a este executivo. Sendo assim, indefiro o pedido de suspensão formulado. Publique-se. Em seguida, intime-se a União para informar, no prazo de 20 (vinte) dias, o valor da dívida atualizada.

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0007555-81.2010.4.05.8200 RENATA MENDONÇA DA SILVA ALVES COSTA (Adv. RACHEL FRANCA FALCÃO B. DANTAS) x CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL (Adv. SEM ADVOGADO)

Considerando que a ação mandamental deve ser dirigida contra ato de autoridade tida como coatora (especificamente indicada na inicial) e não em face da pessoa jurídica em nome da qual aquela agiu (com mera referência genérica ao representante legal desta). Considerando, ainda, que o direito líquido e certo, amparado pelo mandado de segurança, evidencia-se por meio da pré-constituição da prova dos fatos que configuram a sua causa de pedir. DECIDO. Intime-se a impetrante para, no prazo de 10 (dez) dias, emendar a petição inicial, regularizando o pólo passivo desta impetração, fazendo constar da inicial, em respeito à natureza da ação o requerimento de notificação da autoridade impetrada, bem assim apresentar cópia do suposto ato coator, acompanhada de cópia do caderno de questões do exame de ordem realizado, sob pena de indeferimento da peça inaugural. Corrigida a inicial, venham-me, imediatamente, conclusos os autos. Publique-se.

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0001736-03.2009.4.05.8200 ANA MARIA DE MOURA DA SILVA (Adv. MARIA FERREIRA DE SA, ANTONIO ANIZIO NETO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. FLODOALDO CARNEIRO DA SILVA)

Quando intimada a autarquia executada acerca da sentença proferida nos presentes autos, apresentou documentos concernentes à concessão do benefício previdenciário pensão por morte, fls. 182/185. O exeqüente, por sua vez, confirma o cumprimento da obrigação. Em face do exposto, declaro satisfeita a obrigação de fazer. Intime-se a exequente para promover a execução de pagar, devendo instruir o seu pedido com memória discriminada e atualizada dos cálculos. Forma de cumprimento Publicação.

   

0003353-95.2009.4.05.8200 COMPANHIA USINA SAO JOAO (Adv. CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS, LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO, RODRIGO NOBREGA FARIAS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. CARLOS JACOB DE SOUSA (INSS), RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR)

Ação de Rito Ordinário AUTOR: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS RÉ: COMPANHIA USINA SÃO JOÃO S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação regressiva movida pelo INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS em face da COMPANHIA USINA SÃO JOÃO, objetivando compelir a ré ao pagamento da quantia referente aos valores pagos pela autora ao segurado Giliarde Barbosa da Silva a título de Auxílio-Doença por Acidente de Trabalho. Explica o autor que o senhor Giliarde Barbosa da Silva, empregado da ré, sofreu acidente no desempenho de atividade laborativa. Ante tal fato, propôs reclamação trabalhista contra a empregadora, pleiteando indenização por danos morais, restando evidenciado na dita ação a negligência da empresa, a qual foi julgada procedente. Narrou que efetuou pagamentos ao senhor Giliarde Barbosa da Silva a título de auxílio-doença por acidente de trabalho. Explicou que é devido o ressarcimento desta quantia, porquanto o acidente de trabalho só ocorreu por negligência da empresa empregadora. Juntou documentos às fls. 14/75. Contestação da COMPANHIA USINA SÃO JOÃO às fls. 86/95. Em sua defesa, a ré apontou a inépcia da inicial, alegando que a parte autora deixou de consignar na petição inicial o valor que estava cobrando. No que diz respeito ao mérito, mencionou que não pode ser apontada como culpada pelo acidente, tendo em vista que cumpre todas as normas de segurança do trabalho, além do que não foi comprovado pela parte autora sua culpa ou dolo no acidente e que na sentença da reclamação trabalhista foi condenada ao pagamento de indenização em face da aplicação da teoria da responsabilidade objetiva. Procuração e documentos juntados às fls. 96/223. Impugnação à contestação apresentada pelo INSS às fls. 227/228. As partes não peticionaram pela produção de outras provas (fl. 229). É o que importa relatar. Decido. F U N D A M E N T A Ç Ã O Pretende o INSS com esta ação regressiva obter os valores despendidos com o pagamento de auxílio-doença por acidente de trabalho pagos ao segurado Giliarde Barbosa da Silva, ex-empregado da ré. Fundamenta a parte autora seu pedido no art. 120 da Lei n.º 8.213/911, o qual garante à autarquia o direito de regresso quanto aos recursos pagos a segurados vítimas de acidentes de trabalho quando estes tenham ocorrido por negligência do empregador quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho. O autor sustenta que a ré foi negligente quanto à segurança do seu empregado, tendo agido com culpa, conforme decidido em reclamação trabalhista movida conta esta (fls. 07/13), razão pela qual se aplicaria no caso a regra do art. 120 da Lei n.º 8.213/91. A ré se defende, apontando, entre outros motivos, a ausência de comprovação de dolo ou culpa no acidente que vitimou o segurado do INSS, e por tal razão seria improcedente a presente ação de regresso. De fato, na ação de regresso fundada no art. 120 da Lei n.º 8.213/90, movida pelo INSS em face de empregador, faz-se necessário a comprovação de negligência deste quanto às normas de padrão de segurança e higiene do trabalho indicados para proteção individual e coletiva. No caso dos autos, o INSS apresentou com a inicial documentos que demonstram que houve o acidente e que efetuou pagamento de auxílio-doença por acidente de trabalho ao ex-empregado da ré, fatos que não foram contestados. Também juntou cópia de decisão proferida no âmbito da Justiça do Trabalho, a qual confirmou sentença que condenou a promovida ao pagamento de danos morais em decorrência do acidente de trabalho (fls. 56/59). Ocorre que a ré juntou a sentença da reclamação já citada, na qual é possível se observar que a condenação ao pagamento de indenização por dano moral ao empregado acidentado se deu por aplicação da teoria da responsabilidade objetiva, sem ter sido feito exame quanto à existência de culpa da empregadora no sinistro ocorrido. Observe-se trecho da aludida sentença (fls. 110/111): (...) Por estes argumentos, ou seja, pela teoria da responsabilidade empresarial objetiva por acidentes de qualquer natureza ocorridos nos ambiente de trabalho, com fulcro no dispositivo cível, baseado no risco criado pela atividade mecanizada da empresa, ou mesmo na responsabilidade objetiva pura fulcrada em dispositivos constitucionais, defere-se o direito postulado, sendo este, inclusive, o nosso entendimento. (...) Diferentemente da responsabilidade da empregadora quanto aos danos sofridos pelo empregado, o direito de regresso do INSS, fulcrado no art. 120 da Lei n.º 8.213/90, imprescinde da comprovação de negligência. Assim, à vista das conclusões do juízo trabalhista, considero insuficiente aquela sentença para formar minha convicção a respeito da negligência da promovida quanto ao acidente ocorrido com o segurado, porquanto não foi discutido naquela qualquer questão a respeito de possível culpa da ré. Observo que ao ajuizar demanda trabalhista, o segurado afirmou que se acidentou ao atravessar a esteira da cana, tendo escorregado. Parece-me pouco plausível que a empresa ré tenha emitido ordens para que seus empregados caminhassem sobre tal esteira; ou seja, pelo menos do que se extrai dos parcos elementos existentes nestes autos quanto à situação fática do acidente, parece-me que a hipótese seria de culpa exclusiva da vítima, o que romperia o nexo causal da responsabilidade civil da ré. De acordo com as regras de distribuição do ônus da prova definidas no CPC, cumpre ao autor comprovar os fatos constitutivos do seu direito (art. 333, I, do CPC). Ocorre que o INSS se limitou a juntar aos autos documentos que demonstram a existência do sinistro, o pagamento do benefício e a decisão da justiça do trabalho, sem, contudo, juntar ou postular produção de provas quanto à negligência da ré. Logo, ante a ausência de prova do fato constitutivo do seu direito, o pedido da parte autora deverá ser julgado improcedente. Necessário se anotar precedente judicial em que se destaca que na ausência de comprovação de culpa da empregadora, o INSS não tem direito de regresso: "ADMINISTRATIVO. RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO ORDINÁRIA REGRESSIVA DE RESSARCIMENTO DE DANOS RELATIVOS A ACIDENTE DO TRABALHO. IMPROCEDÊNCIA. - Ao julgar a Arguição de Inconstitucionalidade na Apelação Cível 1998.04.01.023654-8, este Tribunal Regional Federal, em 23.10.02, por unanimidade, rejeitou-a e, portanto, deu por constitucional o art. 120, da Lei 8.213/91. - Caso em que formalmente provada a ausência de culpa da apelante pelo evento acidental, de vez que tomou as medidas de proteção laboral ao seu alcance para evitá-lo". (Tribunal Regional Federal da 4ª Região - Quarta Turma - AC 200371040013862 - Rel.: Valdemar Capeletti - DJ 17/05/2006) D I S P O S I T I V O Isso posto, JULGO IMPROCEDENTE O PEDIDO, resolvendo o mérito da lide, na forma do art. 269, I, do CPC. Condeno a parte autora ao pagamento de honorários advocatícios, arbitrados em R$ 1.000,00 (mil reais), com fulcro no art. 20, §4º, do CPC. Custas ex lege. Publique-se. Registre-se. Intimem-se João Pessoa, 11 de outubro de 2010. CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, no exercício da titularidade 1 Art. 120. Nos casos de negligência quanto às normas padrão de segurança e higiene do trabalho indicados para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis. ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0003353-95.2009.4.05.8200 1 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta

   

0007241-72.2009.4.05.8200 VICENTE MANOEL DE LIMA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, CICERO RICARDO ANTAS A CORDEIRO, RIVANA CAVALCANTE VIANA CRUZ) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação ordinária Autor: VICENTE MANOEL DE LIMA Réu: INSS S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O VICENTE MANOEL DE LIMA ajuíza a presente ação de rito ordinário contra o INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, objetivando o restabelecimento de sua aposentadoria por tempo de contribuição; a sustação da cobrança relativa a supostos valores desse benefício recebidos indevidamente e o pagamento de indenização por danos morais, esta no montante de R$ 30.000,00 (trinta mil reais). Expõe, em síntese, que após trinta e um anos de contribuição, procurou esclarecimentos junto ao INSS acerca da concessão de benefício, sendo orientado por servidor desse órgão a recolher uma contribuição e requerer aposentadoria, deferida em 21 de março de 2005. Como o INSS não computou o tempo de serviço laborado em condições especiais como insalubre/perigoso, o autor solicitou revisão do ato concessório do benefício, contudo, ao invés de proceder à revisão pleiteada, o réu cancelou o pagamento da aposentadoria, sob o fundamento de que a mesma teria sido obtida mediante fraude; a fraude detectada seria o fato do autor, enquanto auferia auxílio-doença, ter recolhido uma contribuição para que fosse contado como tempo de serviço/contribuição todo o tempo em que esteve fruindo daquele auxílio. Diz ter agido de boa-fé, orientado por servidor do próprio promovido; que aquele benefício configurava sua única fonte de renda; que além de cancelar a aposentadoria, o INSS ainda enviou-lhe correspondência, instando-o a devolver a quantia de R$ 22.915,89 (vinte e dois mil, novecentos e quinze reais e oitenta e nove centavos), sob pena de inscrição em dívida ativa da União. Pede, em sede de tutela, o restabelecimento da aposentadoria e a suspensão da cobrança, não apenas por ter agido de boa fé, mas principalmente, porque se aplicado o fator de conversão de 40% sobre o tempo trabalhado em atividade especial (Vigilante), o autor atinge tempo suficiente para fruição do benefício. Junta procuração e documentos (fls. 14/52) e pede justiça gratuita. Na decisão de fls. 55/59 foram deferidos a gratuidade judiciária e o pedido de antecipação dos efeitos da tutela. Citado, o INSS apresentou contestação às fls. 61/80, pugnando pela improcedência do pedido. Juntada de cópia do agravo de instrumento interposto pelo órgão previdenciário contra a decisão que deferiu a tutela (fls. 81/87), ao qual o Relator perante o e. TRF da 5ª Região negou seguimento, sendo negado provimento ao agravo inominado interposto dessa decisão, conforme consulta efetuada no site dessa Corte na internet (www.trf5.jus.br). O INSS trouxe cópia do procedimento concessório e de revisão do benefício em pauta (fls. 93/221). Com vista da citada documentação, o autor requereu o julgamento da lide (fl. 224). É o que importa relatar. Decido. F U N D A M E N T A Ç Ã O Busca o autor o restabelecimento da aposentadoria por tempo de contribuição obtida em 21 de março de 2005, após 31 (trinta e um) anos, 11 (onze) meses e 02 (dois) dias de contribuição (vide carta de concessão/memória de cálculo de fl. 17). Alega, em síntese, que: a) o INSS não converteu para comum todo o tempo em que o promovente laborou em condições especiais, na qualidade de Vigilante; b) o período referente ao auxílio-doença imediatamente anterior à aposentadoria deve ser computado como tempo de contribuição, pois o autor recolheu uma contribuição em março/2005 para possibilitar tal contagem, conforme orientado pelo próprio INSS. Do demonstrativo de tempo de contribuição de fls. 148/150 depreende-se que para a concessão daquela aposentadoria, foi computado o período de 13/10/2003 a 20/03/2005, durante o qual o autor usufruiu o auxílio-doença 31/129.388.777-0; além disso, foram especiais, e convertido em tempo comum (multiplicador 1.4) os períodos de 01.12.1991 a 01.02.1994 e de 01.02.1995 a 28.04.1995, nos quais o autor laborou como vigilante, não tendo sido enquadrado como tal o período de 29.04.1995 a 07.08.2002, no qual o segurado também exerceu aquela mesma atividade. Posteriormente, o órgão previdenciário houve por bem excluir o tempo de contribuição relativo ao auxílio-doença, ao fundamento de que aquele somente poderia ser considerado se o segurado tivesse retornado à atividade antes de requerer aposentadoria, conforme exigido no art. 60, do Decreto 3.048/991. Após a exclusão daquele período (de 13/10/2003 a 20/03/2005), o INSS concluiu que o segurado não atingiu o tempo mínimo exigido para aposentadoria, que era 31 (trinta e um) anos, 08 (oito) meses e 04 (quatro) dias, considerando o adicional previsto na alínea "a", do inciso I do §1º do art. 9º, da Emenda Constitucional 20/982 - vide demonstrativo de fls. 148/150. Vejamos, portanto, se o INSS agiu dentro da legalidade. Do cômputo do período auxílio-doença como tempo de contribuição Como dito anteriormente, o autor recebeu auxílio-doença no período de 13/10/2003 a 20/03/2005, tendo requerido aposentadoria por tempo de contribuição no dia seguinte, 21 de março de 2005, concluindo o Setor de Benefício do INSS que não ficou configurado o retorno à atividade, de modo a justificar a contagem do período daquele auxílio-doença como tempo de contribuição. Dúvida não há que durante o período em que auferiu o benefício por incapacidade (de 13/10/2003 a 20/03/2005), o autor manteve a qualidade de segurado, por força do art. 15, I, da Lei 8.213/913. Para fazer jus à contagem daquele período como tempo de contribuição, o autor deveria intercalá-lo com período posterior de atividade. É o que diz o artigo 60 do Decreto 3.048/99, já reproduzido nesta sentença, sem estabelecer, contudo, um prazo mínimo de permanência em atividade, após a cessação do auxílio-doença, para que este possa ser computado como tempo de contribuição. Dessa maneira, conclui-se que, como o autor estava filiado à Previdência Social na condição de segurado autônomo (vide extrato de fl. 181), um único recolhimento bastaria para configurar seu retorno à atividade. O expediente encaminhado pelo INSS a esse segurado, comunicando-lhe que havia sido detectado indício de irregularidade na concessão de sua aposentadoria, dizia o seguinte (fl. 192): "... identificou indício de irregularidade, que consiste em que estava de auxílio-doença até 20.03.2005 e em 15.03.2005 ter efetuado pagamento da competência 03/2005 indevidamente, pois nesta data ainda estava em benefício e a sua aposentadoria foi concedida um dia após a cessação do auxílio-doença (21.03.2005), sendo que o período de auxílio-doença só pode ser incluído como tempo de contribuição estando intercalado entre período de atividades, ou seja deveria recolher o mês de março após a alta do benefício e após caracterizado retorno a atividade ser protocolado o pedido de aposentadoria, conforme decreto 3048/99 art. 60.".. Como se vê, o INSS não denuncia no expediente acima referido a existência de qualquer fraude na concessão do benefício do autor, tendo este sido suspenso porque o segurado não aguardou o encerramento do auxílio-doença para recolher o mês de março e, após caracterizado o retorno a atividade, protocolizar o pedido de aposentadoria. Embora esta julgadora não ignore que o artigo 49 c/c o art. 54 da Lei 8.213/914 estabelece que a data de início da aposentadoria por tempo de contribuição é a data do requerimento, o que respaldaria a suspensão do benefício em pauta, pois na DER (21.03.2005) não estava configurado o retorno do autor à atividade, não se me afigura razoável a exclusão pura e simples do período relativo ao auxílio-doença, em face da natureza pro misero do Direito previdenciário, calcado nos princípios da proteção social. Colho do documento de fl. 132 que o autor se submeteu à perícia médica perante o INSS em 1º de fevereiro de 2005, ocasião em que aquele benefício foi prorrogado até 20 de março de 2005. Portanto, desde fevereiro esse segurado tinha ciência que o auxílio-doença se encerraria no dia 20 de março de 2005, sendo este certamente o motivo que o levou a recolher a contribuição relativa aos dias faltantes de março cinco dias antes do encerramento do auxílio-doença, visando assegurar a sua contagem para efeito de aposentadoria (impende registrar que o art. 28, § 3º, da Lei 8.212/915 não admite que a contribuição previdenciária seja calculada sobre base inferior ao salário mínimo, portanto, o recolhimento relativo à competência março/2005 teve de ser integral). Como o pagamento da contribuição relativa ao período 21 a 30 de março de 2005 é suficiente para caracterizar o retorno do promovente à atividade (repito que o art. 60 do Decreto 3.048/99 não fixa um intervalo mínimo de atividade), a solução mais justa me parece ser fixar a data de início do benefício - DIB em 1º de abril de 2005, dia imediatamente posterior ao afastamento da atividade (31 de março de 2005), haja vista o INSS ter recebido a contribuição referente ao período 21 a 31 de março), possibilitando o cômputo do auxílio-doença como tempo de contribuição. Da atividade de Vigilante Além de insurgir contra a desconsideração do período do auxílio-doença como tempo de contribuição, o autor também impugna o fato do INSS não ter convertido de especial para comum todo o tempo em que esse segurado laborou como Vigilante. Observa-se do procedimento concessório do benefício em questão que o autor exerceu atividade de vigia armado nos seguintes períodos: * De 01.12.1991 a 01.02.1994, junto à EMPRESA DE SERVIÇOS E VIGILANCIA LTDA (fl. 97); * - De 01.02.1995 a 07.08.2002, junto à empresa COILAV - CUSTODIA E VIGILANCIA DE VALORES LTDA (fl. 98). Até a edição da Lei 9.032, de 29.04.1995, a caracterização do trabalho como insalubre realiza-se através da atividade efetivamente exercida pelo segurado, segundo classificação constante no anexo do Decreto 53.831/64 e nos Anexos I e II do Decreto 83.080/79. Assim, tratando-se de período anterior ao advento da mencionada lei (que alterou o art. 57 da Lei 8.213/916), o direito ao enquadramento de tempo de serviço especial lastreia-se com base na categoria profissional do trabalhador, independentemente de comprovação de exposição a agentes agressivos. Ciente disso, o INSS enquadrou como especiais os períodos de 01.12.1991 a 01.02.1994 e de 01.02.1995 a 28.04.1995, nos termos do Quadro Anexo do Decreto 58.831/64 (item 2.57), uma vez que a atividade de Vigilante armado foi equiparada à atividade de guarda, por força da Ordem de Serviço INSS/DC n.º 164/2003, p. D.O.U 14/02/2003, sendo nesse sentido o entendimento adotado pelo TRF da 2.ª Região no julgamento da APELRE n.º 467.5357. Com o advento da Lei 9.032/95 (29/04/1995), não mais havendo a caracterização da atividade especial por categoria profissional, a partir daí tornou-se obrigatória a comprovação da exposição do segurado a agentes externos agressivos/perigosos/insalubres. Tal comprovação, até a expedição do Decreto 2.172/97 (05.03.1997), passou a ser feita por intermédio dos formulários oficiais SB-40/DSS-8030 e, a partir de tal data (do decreto), exigiu-se também laudo técnico pericial (lei 9.528/97)8. Tendo o Decreto n.º 53.831/64 entrado em vigor em 25.03.1964, e sendo garantida pelo código 2.5.7 do seu Quadro Anexo a aposentadoria especial aos 25 anos de trabalho ao segurado que trabalhasse na atividade exercida pelo autor (vigilante armado), faz ele jus à conversão para comum do tempo de serviço especial no período compreendido entre 29.04.1995 a 05.03.1997. Neste ínterim, quando ainda não se fazia necessária prova pericial, o segurado apresentou formulário DSS-8030 que comprova exposição do autor a agentes externos perigosos e insalubres: " (...) trabalhava armado, fazia ronda externa noturna segurança patrimonial em toda área externa do posto de serviços noturna do INSS na cidade de João Pessoa. (...) Riscos ergonômicos - o empregado desenvolve suas atividades de segurança patrimonial na posição em pé durante toda a jornada de trabalho, tarefa indo além de um esforço compatível, com a segurança desejável, ou que obrigue a posições ou atitudes não naturais ao corpo humano. (...) Frente ao exposto considerem as informações contidas no laudo de higiene ambiental, como aquelas capazes de avaliar em condições ambientais os requerentes de aposentadoria especial por exposição a agentes agressivos que desenvolvam as suas atividades no diversos setores da empresa, risco de vida." Quanto ao período posterior a 06.03.1997, ou seja, a partir da entrada em vigor o Decreto 2.172/97, seria necessária a apresentação de laudo pericial das condições de trabalho, o que não foi feito pelo auto. Além do DSS-8030 encartado à fl. 25 consignar que o ex-empregador do segurado não dispõe de laudo técnico pericial, o autor, ao se manifestar à fl. 224, solicitou o julgamento da lide, motivo pelo qual, está excluído da conversão o período de trabalho entre 06.03.1997 e 07.08.2002. Nesse sentido: "PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA ESPECIAL. TEMPO DE SERVIÇO EXERCIDO SOB CONDIÇÕES ESPECIAIS. EXIGÊNCIA DE LAUDO PERICIAL. DESNECESSIDADE APENAS EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS PRESTADOS NO REGIME ANTERIOR À LEI Nº 9.528/97. 1. A aposentadoria especial é prevista constitucionalmente no art. 201, parágrafo 1º, a ser regulamento por lei complementar. Enquanto não publicada a referida lei, permanecem em vigor os arts. 57 e 58 da Lei nº 8.213/91. 2. Com a edição da Lei nº 9.032/95, que deu nova redação ao artigo 57 da Lei nº 8.213/91, a partir de 29/4/1995 deixou de haver o enquadramento pelo simples exercício de atividade profissional, devendo o segurado comprovar a efetiva exposição a agentes nocivos. 3. A Lei nº 9.528/97 deu nova redação ao art. 58 da Lei nº 8.213/91, passando a exigir laudo técnico pericial para a comprovação da efetiva exposição a agentes nocivos. 4. Hipótese em que o autor pede que sejam reconhecidos como especiais também os períodos de 13/3/1978 a 16/6/1979 (Operário), 18/6/1979 a 11/2/1981 (Auxiliar de Soldador), 1/9/1981 a 8/2/1982 (Auxiliar de Soldador), 8/7/1982 a 8/1/1983 (Pintor), 18/4/1983 a 1/6/1984 (Operário) e 11/12/1997 a 8/6/2007 (Vigilante). 5. A função de "Vigilante" tem natureza especial, consoante Decreto nº 53.831/64 convalidado pelo art. 292, do Decreto nº 611/92, mas, para o período de trabalho posterior à Lei nº 9.528/97, é exigida a apresentação do laudo técnico comprovando a periculosidade. 6. As atividades "Operário", "Auxiliar de Soldador" e "Pintor" não têm presunção legal de periculosidade, devendo a exposição aos ruídos e ao calor ser comprovada mediante apresentação de laudo técnico. Precedentes do STJ. 7. Não provimento à remessa oficial e às apelações do autor e do INSS. TRF5 APELREEX 200781000160364 Relator Desembargador Federal Francisco Cavalcanti DJ - Data::10/07/2009 Verificação da Presença dos Requisitos para Aposentadoria De acordo com o levantamento de tempo de contribuição elaborado pelo INSS às fls. 142/144, até 16.12.1998 o autor contava com 25 (vinte e cinco) anos, 09 (nove) meses e 19 (dezenove) dias de contribuição, sem a conversão do período 29.04.1995 a 05.03.1997. Aplicando-se o fator de conversão 1,4 sobre dito período, tem-se que, em 16.12.1998, o tempo de contribuição do autor fica elevado para 26 (vinte e seis) anos, 06 (seis) meses e 16 (dezesseis) dias, podendo esse segurado se inativar com 31 (trinta e um) anos, 04 (quatro) meses e 13 (treze) dias de contribuição, após o cumprimento do "pedágio" exigido no art. 9º, da EC 20/98. Se ao computar o período relativo ao auxílio-doença (de 13/10/2003 a 20/03/2005), mas não converter o período de 29.04.1995 a 05.03.1997 de especial para comum, o tempo de contribuição do autor atingiu em 21 de março de 2005, 31 (trinta e um) anos, 11 (onze) meses e 02 (dois) dias de contribuição, conforme demonstrativo do INSS (fls. 148/150), força reconhecer que após a conversão do citado período e mantido o período do auxílio-doença, o tempo de contribuição desse segurado é mais que suficiente para obter aposentadoria com proventos proporcionais, pelo que, o benefício em pauta deve ser restabelecido, ressalvado o direito do INSS alterar sua DIB para 1º de abril de 2005. Ressalto que, apesar do autor mencionar a existência de tempo especial a ser convertido em tempo comum, o pedido limitou-se ao RESTABELECIMENTO de sua aposentadoria; ou seja, não houve pedido para revisão de RMI. Daí porque, atendo-me aos limites do pedido, não determinarei a inclusão, no cálculo do tempo de contribuição, do tempo advindo da conversão de tempo especial em comum do período de 29.04.1995 a 05.03.1997. Dano Moral Para que exista o dever de indenizar, faz-se necessária a comprovação dos três requisitos da responsabilidade civil objetiva, a saber: conduta, dano e nexo de causalidade entre a conduta e o dano, sendo irrelevante quaisquer considerações acerca da existência, ou não, de culpa. Desse modo, para que se caracterize a existência do dever de indenizar, devemos analisar a presença concomitante dos três requisitos supra mencionados. No presente caso, o autor pede danos morais no importe de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), alegando que seu benefício previdenciário foi cancelado apenas em virtude do INSS ter questionado uma única contribuição, a qual foi feita por orientação do próprio INSS. Segundo o autor, teria sido acusado de fraudar o INSS. Além disso, com o cancelamento, o autor restou privado de sua única fonte de renda, sofrendo privações. Não lhe assiste razão. Ao excluir o período do auxílio-doença, o Administrador Público observou à risca o artigo 60, do Decreto 3.048/99, adstrito que está ao princípio da legalidade, que não lhe confere liberdade interpretativa, tal como detém o Poder Judiciário, conforme se reconhece no seguinte precedente: "...Quanto aos danos morais, não os considero devidos. É normal que o segurado, em suas relações com a administração previdenciária, tenha interesses contrariados. Mas não é toda e qualquer negativa da administração que dá ensejo ao pagamento de danos morais, assim como não é todo e qualquer transtorno enfrentado pelo administrado que dá ensejo ao pagamento dos mesmos. Ora, nada mais natural que a administração previdenciária proceda à revisão do cálculo da renda mensal de um benefício e que, em detectando irregularidades, procure saná-las. Também não há nada de extraordinário no fato de uma medida administrativa ser revista pelo Judiciário. Como se sabe, o administrador, vinculado que está ao princípio da estrita legalidade e à obediência hierárquica, age com muitas limitações e, mesmo assim, tem não apenas o dever como também o poder de autotutela. Ele não detém a liberdade interpretativa, nem a independência que caracterizam as decisões do Poder Judiciário. In casu, a revisão levada a efeito pela administração previdenciária foi motivada por uma denúncia anônima (fl. 160), que não era de todo infundada -pelo menos no que tange ao erro detectado - e a administração previdenciária, até mesmo para esclarecer os fatos, tinha o dever de proceder à revisão. E, a final, não fosse o caráter alimentar do benefício e a boa-fé dos autores, a hipótese poderia ter comportado a restituição, pelo menos em parte, das parcelas em assunto. (AC 200371070136720/RS, TRF 4 Região, Rel. Desembargador Federal Marcelo de Vardi, DE 22.11.2007). Outrossim, os expedientes enviados pelo órgão previdenciário ao autor (fls. 19, 197 e 200) em momento algum o acusam de ter obtido o mencionado benefício mediante fraude, noticiando, isso sim, que fora detectado irregularidade na concessão. O expediente de fls. 197 diz ter identificado indício de irregularidade na concessão, instando-o a apresentar defesa escrita e provas ou documentos, objetivando demonstrar a regularidade do benefício. No segundo expediente, que comunica o resultado da defesa apresentada, também não há qualquer acusação de fraude. Já o de fl. 19 reitera que o benefício foi recebido indevidamente, e não que foi obtido mediante fraude. Por fim, embora a suspensão do benefício tenha causado transtornos ao autor, os efeitos desse ato repercutiram unicamente na esfera patrimonial desse segurado, não atingindo sua honra ou moral. Nesse sentido, o precedente: "PROCESSO CIVIL, ADMINISTRATIVO E CIVIL. BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO. CANCELAMENTO INDEVIDO. RECONHECIMENTO JUDICIAL ANTERIOR. INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS PARCIALMENTE ABRANGIDA PELO TÍTULO JUDICIAL ANTERIOR. FALTA DE INTERESSE DE AGIR PARCIAL EM SUA COBRANÇA NESTE FEITO. DANOS MATERIAIS REMANESCENTES. CABIMENTO. DANOS MORAIS. OCORRÊNCIA. AUSÊNCIA DE PROVA. SUCUMBÊNCIA MÍNIMA. (...) 5. Em relação aos danos morais vindicados, embora caracterizado o ato ilícito do INSS, não restou comprovada nos autos a ocorrência de danos diversos daqueles de natureza material vinculados à privação financeira imposta pelo INSS, razão pela qual não é cabível a sua indenização, vez que, na hipótese, a ofensa à imagem, à honra e a ocorrência de dor moral não se presumem(...)". (TRF5 AC 200284000091375 Desembargador Federal Emiliano Zapata Leitão DJE - Data::28/10/2009 ). D I S P O S I T I V O Frente ao exposto, confirmo a tutela deferida e JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido, para condenar o INSS a restabelecer a aposentadoria por tempo de contribuição do autor (NB 42/132.010.944-3) e anular a cobrança de que trata o Ofício INSS nº 228/2009 (fl. 19). Condeno o INSS, ainda, a pagar as parcelas vencidas, desde a data da suspensão indevida, ressalvadas as parcelas porventura pagas na via administrativa, esclarecendo que sobre tais atrasados haverá a incidência, uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança, nos termos da Lei 11.960/20099. Sem condenação em custas e honorários, em virtude da sucumbência recíproca e do instituto da compensação. P.R.I. Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição. J. Pessoa, 08 de outubro de 2010. CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, no exercício da titularidade 1 Art. 60. Até que lei específica discipline a matéria, são contados como tempo de contribuição, entre outros: (...) III - o período em que o segurado esteve recebendo auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez, entre períodos de atividade; 2 Art. 9º - Observado o disposto no art. 4º desta Emenda e ressalvado o direito de opção a aposentadoria pelas normas por ela estabelecidas para o regime geral de previdência social, é assegurado o direito à aposentadoria ao segurado que se tenha filiado ao regime geral de previdência social, até a data de publicação desta Emenda, quando, cumulativamente, atender aos seguintes requisitos: I - contar com cinqüenta e três anos de idade, se homem, e quarenta e oito anos de idade, se mulher; e II - contar tempo de contribuição igual, no mínimo, à soma de: a) trinta e cinco anos, se homem, e trinta anos, se mulher; e b) um período adicional de contribuição equivalente a vinte por cento do tempo que, na data da publicação desta Emenda, faltaria para atingir o limite de tempo constante da alínea anterior. § 1º - O segurado de que trata este artigo, desde que atendido o disposto no inciso I do "caput", e observado o disposto no art. 4º desta Emenda, pode aposentar-se com valores proporcionais ao tempo de contribuição, quando atendidas as seguintes condições: I - contar tempo de contribuição igual, no mínimo, à soma de: a) trinta anos, se homem, e vinte e cinco anos, se mulher; e b) um período adicional de contribuição equivalente a quarenta por cento do tempo que, na data da publicação desta Emenda, faltaria para atingir o limite de tempo constante da alínea anterior; II - o valor da aposentadoria proporcional será equivalente a setenta por cento do valor da aposentadoria a que se refere o "caput", acrescido de cinco por cento por ano de contribuição que supere a soma a que se refere o inciso anterior, até o limite de cem por cento 3 Art. 15. Mantém a qualidade de segurado, independentemente de contribuições: I - sem limite de prazo, quem está em gozo de benefício; 4 Art. 49. A aposentadoria por idade será devida: (...) II - para os demais segurados, da data da entrada do requerimento. Art. 54. A data do início da aposentadoria por tempo de serviço será fixada da mesma forma que a da aposentadoria por idade, conforme o disposto no art. 49. 5 Art. 28. Entende-se por salário-de-contribuição: (...) § 3º O limite mínimo do salário-de-contribuição corresponde ao piso salarial, legal ou normativo, da categoria ou, inexistindo este, ao salário mínimo, tomado no seu valor mensal, diário ou horário, conforme o ajustado e o tempo de trabalho efetivo durante o mês. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 10.12.97) 6 Redação revogada - Art. 57. A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta lei, ao segurado que tiver trabalhado durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme a atividade profissional, sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. Redação atual - Art. 57. A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme dispuser a lei. 7 PREVIDENCIÁRIO - AGRAVO INTERNO - CONCESSÃO DE APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - ATIVIDADE SOB CONDIÇÕES ESPECIAIS - VIGILANTE - RECURSO DO INSS DESPROVIDO. I - A decisão monocrática, que, confirmando a sentença de primeiro grau, reconheceu como tempo de serviço especial os períodos de 28/05/74 a 18/03/77, de 01/04/77 a 16/04/77, de 15/06/77 a 28/08/80, de 13/02/85 a 18/08/88 e de 18/08/88 a 17/07/96, em que o autor trabalhou como vigilante e motorista, e condenou o INSS na implantação do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição em nome do autor, com renda mensal inicial equivalente a 100% do salário-de-benefício, com efeitos retroativos à data do requerimento administrativo. II - Os formulários de fls. 105/108 atestam que, nos referidos períodos o autor trabalhou como vigilante nas seguintes empresas: PLANITEC VIGILÂNCIA E SEGURANÇA LTDA, TRANSFORT VIG. E TRANSP. DE VALORES LTDA, SERVIG VIGILÂNCIA E SEGURANÇA LTDA e CIA. BANCREDIT - SERVS. DE VIGILÂNCIA - GRUPO ITAÚ, e, ao contrário do que alegou o agravante, o fez portando arma de fogo. III - Considerando que as atividades de vigilante motorista e de assistente de segurança equiparam-se à de guarda, atividade enquadrada no código 2.5.7 do Decreto nº 53.831/64, e que a comprovação do exercício de atividade especial por categoria profissional é permitida até a vigência da Lei nº 9.032, de 28 de abril de 1995, devem os períodos supra mencionados ser reconhecidos como trabalhados em condições especiais IV - Agravo interno desprovido. (TRF da 2.ª Região. Primeira Turma Especializada. Relator: Desembargador Federal Aluisio Gonçalves de Castro Mendes. E-DJF2R: 11.05.2010, p. 33.) 8 PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO COMUM. RUÍDO. LIMITE. 80 DB. CONVERSÃO ESPECIAL. POSSIBILIDADE. 1. As Turmas que compõem a Egrégia Terceira Seção firmaram sua jurisprudência no sentido de que é garantida a conversão especial do tempo de serviço prestado em atividade profissional elencada como perigosa, insalubre ou penosa em rol expedido pelo Poder Executivo (Decretos n.os 53.831/64 e 83.080/79), antes da edição da Lei n.º 9.032/95. 2. Quanto ao lapso temporal compreendido entre a publicação da Lei n.º 9.032/95 (29/04/1995) e a expedição do Decreto n.º 2.172/97 (05/03/1997), e deste até o dia 28/05/1998, há necessidade de que a atividade tenha sido exercida com efetiva exposição a agentes nocivos, sendo que a comprovação, no primeiro período, é feita com os formulários SB-40 e DSS-8030, e, no segundo, com a apresentação de laudo técnico. (...) (STJ REsp 412.351/RS, Rel. Min. Laurita Vaz, j. 21.10.2003, DJU 17.11.2003). 9 Art. 5o O art. 1o-F da Lei no 9.494, de 10 de setembro de 1997, introduzido pelo art. 4o da Medida Provisória no 2.180-35, de 24 de agosto de 2001, passa a vigorar com a seguinte redação: "Art. 1o-F. Nas condenações impostas à Fazenda Pública, independentemente de sua natureza e para fins de atualização monetária, remuneração do capital e compensação da mora, haverá a incidência uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança." (NR) ?? ?? ?? ??

   

0007252-04.2009.4.05.8200 GISELDA MARIA BARBOSA DE PAIVA (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA)

Ação Ordinária Autora: Giselda Maria Barbosa de Paiva Réu: Instituto Nacional de Seguro Social - INSS S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de ação ordinária movida por GISELDA MARIA BARBOSA DE PAIVA, qualificada na inicial, em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, objetivando a revisão do percentual da Gratificação de Desempenho de Atividade da Seguridade Social - GDASS instituída pela Lei 10.855/2004, para o pagamento desta em idêntico percentual percebido pelos servidores ativos e a diferença das parcelas pretéritas. Alega ser servidora pública federal inativa, e que percebe a referida gratificação em valores aquém dos que são pagos aos servidores em atividade, mas, como esse tipo de vantagem, que tem a denominação de "gratificação de desempenho", na realidade, representa reajustes salariais disfarçados concedidos aos servidores em atividade, entendem que também têm direito a idêntica pontuação, face à paridade entre vencimentos, proventos e pensões prevista na Constituição Federal. Assim, requer o pagamento de 60 (sessenta) pontos de GDASS de agosto de 2004 a fevereiro de 2007 e 80 (oitenta) pontos de março de 2007 até que venha a ser regulamentada a forma de pontuar os servidores ativos. Requer também o benefício da justiça gratuita. Juntou procurações e documentos às fls. 10/76. Foi determinada a citação do réu à fl. 78. O INSS, ao contestar (fls. 80/84), alegou, preliminarmente, a prescrição quinquenal das parcelas pleiteadas. No mérito, contra-argumenta trazendo um precedente da Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (Apelação Cível n.º 390494/AL). Alega, na hipótese de ser procedente a ação serem devidos os juros moratórios de 6% ao ano, a teor do art. 1º-F da Lei nº 9.494/97. Julgamento convertido em diligência, para que o INSS comprovasse que as avaliações pessoais (servidores da ativa) e institucional têm sido realizadas, haja vista a edição do Decreto 6.493/2008, regulamentando o pagamento da GDSSS. Em cumprimento, o réu trouxe os documentos de fls. 88/103, dos quais foi dada vista à autora, que aduziu que a realização da mencionada avaliação não impede que seja pago o atrasado relativo ao período setembro/2004 a novembro/2009, mês em que começou a repercussão dos efeitos financeiros da citada avaliação (fls. 105/107). É o relatório. Decido. FUNDAMENTAÇÃO Tratando-se de questão de mérito unicamente de direito e, assim, não havendo necessidade de produção de prova em audiência, passo ao julgamento antecipado da lide, nos termos do art. 330, inciso I, do CPC. Prejudicial de mérito: Prescrição No que diz respeito à alegação de prescrição nos termos do Decreto nº 20.910/1932, segundo entendimento esposado na Súmula nº 85 do STJ, "nas relações jurídicas de trato sucessivo em que a Fazenda Pública figure como devedora, quando não tiver sido negado o próprio direito reclamado, a prescrição atinge apenas as prestações vencidas antes qüinqüênio anterior à propositura da ação". Levando-se em consideração que o ajuizamento da presente ação deu-se na data de 18/09/2009, as parcelas anteriores ao dia 18/09/2004 estão prescritas pelo decurso do prazo de cinco anos entre esta data e a do ajuizamento da demanda. Mérito A Lei nº 10.855, de 01 de abril de 2004 instituiu (em seu art. 111), a GDASS, devida aos servidores da Carreira da Seguridade Social, estabelecendo, em seu art. 16, inciso I, alterado pela Lei nº 11.501, de 11 de julho de 2007, que os aposentados até 19 de fevereiro de 2004, perceberiam a gratificação no percentual de 30 pontos do valor máximo do respectivo nível, classe e padrão: "Art. 16. Para fins de incorporação da GDASS aos proventos de aposentadoria ou às pensões relativos aos servidores da Carreira do Seguro Social, serão adotados os seguintes critérios: I - para as aposentadorias concedidas e pensões instituídas até 19 de fevereiro de 2004, a gratificação será correspondente a 30 (trinta) pontos do valor máximo do respectivo nível, classe e padrão; II - para as aposentadorias concedidas e pensões instituídas após 19 de fevereiro de 2004: a) quando o servidor que deu origem à aposentadoria ou à pensão enquadrar-se no disposto nos arts. 3o e 6o da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, e no art. 3o da Emenda Constitucional no 47, de 5 de julho de 2005, aplicar-se-á o valor de pontos constante do inciso I do caput deste artigo; b) aos demais aplicar-se-á, para fins de cálculo das aposentadorias e pensões, o disposto na Lei no 10.887, de 18 de junho de 2004. - grifei. A regulamentação da GDASS paga aos servidores ativos ocorreu em 2008, através do Decreto 6.493/20082, a vista do qual, a Presidência do INSS expediu a INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 38, DE 22 DE ABRIL DE 2009 - DOU DE 23/04/2009, disciplinando os critérios e procedimentos para a avaliação de desempenho individual e institucional, nos seguintes termos (http//www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/38/INSS- PRES/2009/38.htm): Art. 11. A AD consiste no acompanhamento sistemático e contínuo da atuação individual e institucional do servidor, tendo como finalidade o alcance das metas, considerando a missão, visão, valores e objetivos do INSS. Art. 12. A periodicidade da avaliação de desempenho individual e institucional é semestral, considerando-se os registros mensais de acompanhamento, sendo que o resultado será processado no mês subseqüente ao de sua realização. Art. 13. As avaliações serão realizadas em sistema informatizado disponibilizado pela Diretoria de Recursos Humanos. Parágrafo único. Compete à Diretoria de Recursos Humanos estabelecer e divulgar o cronograma e os procedimentos operacionais do processo de avaliação. (...) Art. 53. Até que sejam processados os resultados da primeira avaliação de desempenho, para fins de atribuição da GDASS, o valor devido de pagamento mensal por servidor ativo será de oitenta pontos, observados os respectivos níveis e classes. Parágrafo único. O resultado do primeiro ciclo de avaliação de desempenho gerará efeitos financeiros a partir do primeiro mês do período de avaliação, devendo ser compensadas eventuais diferenças pagas a maior ou a menor. Posteriormente, a Diretoria de Recursos Humanos daquele órgão expediu a Portaria nº 178, de 22 de outubro de 2009, instituindo o sistema informatizado de avaliação de desempenho e definindo procedimentos operacionais do processo de avaliação, em cumprimento à IN 38/2009. De acordo com o artigo 2º e Anexo I da referida Portaria, o primeiro ciclo de avaliação de desempenho - AD abrange o período 1º de maio de 2009 a 31 de outubro de 2009 (fls. 89/93), produzindo efeitos financeiros a contar de 1º de novembro de 2009, nos termos do p. único do art. 53 da IN supracitada. Não paira dúvida de que a demora na regulamentação do artigo 10.855/2004 retirou daquela gratificação o caráter de generalidade e impessoalidade, pois até NOVEMBRO DE 2009 todos os servidores da ativa receberam a Gratificação de Atividade, sob o título de GDASS, independente de qualquer procedimento de avaliação pessoal de desempenho. É certo que não se estendem aos aposentados os chamados "benefícios remuneratórios inextensíveis", que são aqueles benefícios pecuniários percebidos na atividade que são incompatíveis com a situação de inatividade. Cita-se como exemplo, a gratificação de desempenho, que não pode ser estendida de forma natural aos inativos, porque somente se mostra viável proceder às avaliações de desempenho em se tratando de servidor ativo.3 Esta seria a hipótese caso a GDASS tivesse sido paga desde o início observando o desempenho individual e institucional, como preconizado no diploma legal que a instituiu. No entanto, como até outubro/2009 os servidores ativos receberam pontos independentemente de seu desempenho, resta patente que aquela gratificação, na forma como foi paga até aquela competência, configurou um aumento disfarçado dos vencimentos daqueles funcionários, em prejuízo dos inativos e pensionistas, razão pela qual estes devem recebê-la no mesmo percentual pago àqueles até aquela data. A matéria de fundo - no tocante à GDATA, primeira da série de "falsas" gratificações de desempenho - foi exaustivamente julgada pelo STF, dando azo à edição da Súmula vinculante nº. 20: "A GRATIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DE ATIVIDADE TÉCNICO-ADMINISTRATIVA - GDATA, INSTITUÍDA PELA LEI Nº 10.404/2002, DEVE SER DEFERIDA AOS INATIVOS NOS VALORES CORRESPONDENTES A 37,5 (TRINTA E SETE VÍRGULA CINCO) PONTOS NO PERÍODO DE FEVEREIRO A MAIO DE 2002 E, NOS TERMOS DO ARTIGO 5º, PARÁGRAFO ÚNICO, DA LEI Nº 10.404/2002, NO PERÍODO DE JUNHO DE 2002 ATÉ A CONCLUSÃO DOS EFEITOS DO ÚLTIMO CICLO DE AVALIAÇÃO A QUE SE REFERE O ARTIGO 1º DA MEDIDA PROVISÓRIA NO 198/2004, A PARTIR DA QUAL PASSA A SER DE 60 (SESSENTA) PONTOS." À luz do posicionamento da Suprema Corte, para efeito de percepção da GDASS em valor idêntico ao dos servidores em atividade, cumpre fazer a distinção entre as aposentadorias e pensões deferidas antes da EC 41/2003 e aquelas concedidas após a referida emenda constitucional. Isso porque o art. 40, § 8º4, da Constituição findou com a garantia de paridade entre vencimentos e proventos, ficando, porém, ressalvadas, de acordo com o art. 7º5 da EC 41/2003, as aposentadorias e pensões em fruição na data de publicação da referida emenda. In casu, a aposentadoria auferida pela autora foi instituída em 24/12/1991, anteriormente à EC 41/2003, conforme atesta o doc. de fl. 13, portanto, deve ser reconhecido o direito dessa servidora receber GDASS em pontuação idêntica à dos servidores ativos, até 31 de outubro de 2009, pois na medida em que a GDASS está sendo paga observando-se o desempenho individual e institucional, como preconizado no diploma legal que a instituiu, essa vantagem passou a constituir os chamados "benefícios remuneratórios inextensíveis". Dessa maneira, nada há a implantar nos proventos da autora, que fará jus somente aos atrasados da GDASS relativos ao período 18/09/2004 a 31/10/2009. D I S P O S I T I V O Ante o exposto, julgo PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido para condenar o INSS a pagar à autora as diferenças entre o valor recebido a título de gratificação de desempenho instituída pela Lei n.º 10.855/2004 (GDASS) e o montante percebido pelos servidores ativos a esse mesmo título, relativas ao período 18/09/2004 a 31/10/2009. Sobre esses atrasados haverá a incidência, uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança, nos termos da Lei 11.960/20096. Ante a autora ter sido vencida em parcela mínima da demanda, e tratando-se de demanda de massa, que dispensa maior aprofundamento do advogado na elaboração da petição inicial e acompanhamento do processo, condeno o INSS ao pagamento de honorários que fixo no importe de R$ 1.000,00 (hum mil reais). Sem custas a ressarcir, em razão da gratuidade judiciária conferida. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Como se colhe do documento de fl. 11, o nome correto da autora é GISELDA MARIA BARBOSA DE PAIVA, e não GISELDA MARIA BARBOSA PAIVA, conforme declinado na inicial. Trata-se de mera inexatidão material, passível de correção de ofício, pelo que, determino à Distribuição que proceda ao necessário acerto, bem como, as anotações relativas ao subestabelecimento de fl. 108. Sentença sujeita ao reexame necessário. João Pessoa, 11 de outubro de 2010. Cristiane Mendonça lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 1 "Art. 11. Fica instituída a Gratificação de Desempenho de Atividade do Seguro Social - GDASS, devida aos integrantes da Carreira do Seguro Social, em função do desempenho institucional e individual." 2 Art. 1o A Gratificação de Desempenho de Atividade do Seguro Social - GDASS, a que se refere o art. 11 da Lei no 10.855, de 1o de abril de 2004, fica regulamentada segundo as disposições deste Decreto. Art. 2o A GDASS é devida aos integrantes da Carreira do Seguro Social, em função do desempenho institucional e individual. Art. 3o A GDASS será paga observado o limite máximo de cem pontos e o mínimo de trinta pontos por servidor, correspondendo cada ponto, em seus respectivos níveis e classes, ao valor estabelecido no Anexo VI da Lei no 10.855, de 2004. (...) Art. 21. Enquanto não forem editados os atos referidos no § 1o do art. 10 e no art. 11 e até que sejam processados os resultados da primeira avaliação de desempenho, para fins de atribuição da GDASS, o valor devido de pagamento mensal por servidor ativo será de oitenta pontos, observados os respectivos níveis e classes. 3 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo, 10ª edição. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2003, p. 553. 4 "Art. 40 (...) § 8º - É assegurado o reajustamento dos benefícios para preservar-lhes, em caráter permanente, o valor real, conforme critérios estabelecidos em lei." 5 "Art. 7º Observado o disposto no art. 37, XI, da Constituição Federal, os proventos de aposentadoria dos servidores públicos titulares de cargo efetivo e as pensões dos seus dependentes pagos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, em fruição na data de publicação desta Emenda, bem como os proventos de aposentadoria dos servidores e as pensões dos dependentes abrangidos pelo art. 3º desta Emenda, serão revistos na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração dos servidores em atividade, sendo também estendidos aos aposentados e pensionistas quaisquer benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores em atividade, inclusive quando decorrentes da transformação ou reclassificação do cargo ou função em que se deu a aposentadoria ou que serviu de referência para a concessão da pensão, na forma da lei." 6 Art. 5o O art. 1o-F da Lei no 9.494, de 10 de setembro de 1997, introduzido pelo art. 4o da Medida Provisória no 2.180-35, de 24 de agosto de 2001, passa a vigorar com a seguinte redação: "Art. 1o-F. Nas condenações impostas à Fazenda Pública, independentemente de sua natureza e para fins de atualização monetária, remuneração do capital e compensação da mora, haverá a incidência uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança." (NR) ?? ?? ?? ?? 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo n.º 0007252-04.2009.4.05.8200 4 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000098-81.1999.4.05.8200 VERONICA FARIAS LEAL (Adv. ROBERTO VENANCIO DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL)

Concedo a dilação de prazo solicitada pela CEF às fls. 322/324, a fim de comprovar o cumprimento da obrigação de fazer - por 15 (quinze) dias. Intime-se. Decorrido o prazo, não havendo manifestação, certifique-se, vindo-me os autos conclusos. FORMA DE CUMPRIMENTO 1. Publique-se; 2. Se for ocaso, certifique-se, vindo-me conclusos.

   

0003936-80.2009.4.05.8200 ATAIDE MENDES PEDROSA (Adv. JALDELENIO REIS DE MENESES) x MUNICIPIO DE ALHANDRA (Adv. WALTER DE AGRA JUNIOR, JACKELINE ALVES CARTAXO, ANA CAROLINA SOARES CAVALCANTI, IGOR GADELHA ARRUDA, VIVIANE MOURA TEIXEIRA, DENNYS CARNEIRO ROCHA DOS SANTOS)

Considerando que, conforme manifestação do Ministério Público (fls. 61 v), não foi encontrada a cópia do convênio 218/00, oficie-se ao Ministério da Integração Nacional, conforme requerido às fls. 11, da petição inicial. Atendida a determinação, dê-se vista às partes. Após, intime-se a parte autora para impugnar a contestação.

   

0006666-64.2009.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x MUNICIPIO DE BORBOREMA (Adv. EDGAR TAVARES DE MELO DE SÁ PEREIRA)

Ação de Rito Ordinário Autor: Município de Borborema Ré: União Federal S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de ação movida sob o rito ordinário pelo MUNICÍPIO DE BORBOREMA/PB, qualificado na inicial, em face da UNIÃO FEDERAL, cujo objeto consiste na correção do cálculo do "valor mínimo anual por aluno" (VMAA), previsto no § 1º do art. 6 da Lei n.º 9.424/96, para que seja considerado valor de média nacional. Desta forma, pretende que a ré pague as diferenças de complementação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF, do despacho citatório proferido na presente ação até fevereiro de 2007. Alega, em síntese, que o cálculo do VMAA deveria obedecer à regra do § 1.º do art. 6.º da Lei n.º 9.424/96, segundo a qual o referido valor nunca será inferior à razão entre a previsão da receita total (abrangência nacional) para o Fundo e a matrícula total (nacional) do ensino fundamental no ano anterior, acrescida do total (nacional) estimado de novas matrículas; por este parâmetro de cálculo, o VMAA representa uma média nacional. Juntou procuração e documentos às fls. 35/96. Citada, a ré apresentou sua contestação, às fls. 99/109, na qual suscitou, preliminarmente, a ausência de interesse do autor, vez que não teria havido cálculo de complementação FUNDEF no período pleiteado na inicial. No mérito, a União defende a legalidade dos critérios por ela adotados, sendo insustentável a indexação do valor mínimo de garantia à hipotética média nacional, uma vez que tal regra repassaria aos Estados menos eficientes na organização de suas redes os ganhos obtidos pelos mais eficientes, feriria o princípio federativo, seria incompatível com as receitas do fundo, desvirtuaria a finalidade do Programa, não se subsumiria à regra abstrata qualificada como Lei de Responsabilidade Fiscal e, finalmente, porque existiriam outras receitas também destinadas supletivamente ao ensino fundamental. Requereu, ao fim, a improcedência da ação, com a condenação da parte autora nos ônus sucumbenciais. Despacho de fl. 110, em que foi oportunizada a impugnação à contestação e a especificação de provas, tendo apenas a União se pronunciado dispensando a dilação probatória, conforme certificado à fl. 113. Em seguida, os autos vieram-me conclusos. F U N D A M E N T A Ç Ã O PRELIMINAR - Falta de Interesse de Agir. Não merece acolhida a alegação da União de ausência de interesse do município autor, ao argumento de que: "os precisos termos do pedido inicial, acima transcritos, de pagamento retroativo de supostas diferenças, em razão de cálculos a menor, entre a data do despacho citatório e fevereiro de 2007, não pode ser deferido, haja vista que não houve cálculo de complementação FUNDEF no período vindicado, sendo o feito inútil." Isso porque o exame de tal prefacial redunda na análise do próprio mérito da causa, razão pela qual passo a fazê-lo. MÉRITO Tenciona o Município autor tão somente a correção do cálculo do VMAA ocorrido sob a égide do artigo 6º, §2º da Lei 9.424/96 (com base no art. 211 da CF c/c art. 60 do ADCT com a redação dada pela EC 14/1996), limitando o pedido ao interregno compreendido entre o despacho citatório proferido no presente feito (08.09.2009) a fevereiro de 2007. De fato, como dito pela União, "com o advento da Emenda Constitucional nº 53/2006 e a medida Provisória nº339/2006, o FUNDEF deixou de existir." Com efeito, "acaso tenha havido erro na definição da complementação da União para o FUNDEF, hipótese ventilada só para argumentar, deu-se anteriormente ao início da vigência da EC 53/06 e MP 339/06, já que não houve cálculos posteriores ao início da vigência dos mencionados institutos." No entanto, como já explicado no item anterior, tal situação não redunda na mera ausência de interesse do Município autor, mas na própria improcedência do pedido. Isso porque o Município autor pretende a complementação de parcelas percebidas à guisa de FUNDEF, em período (do despacho citatório a fevereiro de 2007), em que o aludido fundo não mais existia e já inclusive na vigência do seu sucessor, o FUNDEB. Ora, a extinção do FUNDEF deu-se em 31.12.2006 - sendo substituído pelo FUNDEB a partir da edição da EC 53/2006 e da Medida Provisória 339/2006. Relevante pontuar, de forma enfática, que tal não ocorre pelo fato de a presente ação ter sido ajuizada após a extinção do FUNDEF, ou seja, 21.08.2009, situação que ensejaria a aplicação o princípio tempus regit actum para impedir que o novo regramento advindo com a EC 53/2006 retroagisse para disciplinar fatos anteriores à sua aprovação. A hipótese dos autos, repise-se, resvala no total prejuízo da apreciação de toda a tese tecida na inicial em virtude de o pedido autoral ter sido limitado ao período compreendido entre o despacho citatório e fevereiro de 2007, época em que o FUNDEF, como dito, notoriamente já se encontrava extinto. Assim sendo, pelas razões acima explicitadas, tenho por improcedente o pleito autoral. D I S P O S I T I V O Pelo exposto JULGO IMPROCEDENTE o pedido. Em face da sucumbência do autor, condeno-o a pagamento de honorários advocatícios no valor de R$ 1.000,00 (mil reais). Custas ex lege. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Sentença sujeita ao reexame necessário. João Pessoa, 18 de outubro de 2010. CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA Seção Judiciária da Paraíba 3ª Vara Federal Processo nº. 006666-64.2009.4.05.8200 3 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara

   

0008014-20.2009.4.05.8200 NIVALDO PIMENTEL E OUTROS (Adv. INALDO DE SOUZA MORAIS FILHO, KALLYNA CLÉA BARBOSA DO NASCIMENTO, JOAO ANTONIO DE MOURA, LÚCIO MARCOS DA COSTA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM)

Ação ordinária AUTORES: NIVALDO PIMENTEL e outros RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de ação ordinária promovida por: 1. NIVALDO PIMENTEL; 2. NOBERTO ANTONIO DE ARAÚJO; 3. NOBERTO JÚLIO ROCHA BATISTA; 4. ODI BATISTA DA SILVA e 5. ODILON GONÇALVES CAVALCANTI, já devidamente qualificados, em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA, buscando obter édito jurisdicional que lhes garanta o direito à percepção da correção monetária do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS, mediante a aplicação dos percentuais relativos a janeiro/89 (42,72%); fevereiro/89 (10,14%); março/90 (84,32%); abril/90 (44,80%); junho/90 (12,92%); janeiro/91 (13,69%); e março/91 (11,79%). Alegam que, sendo optantes pelo sistema do FGTS, deixaram de ter corrigidas as contas vinculadas correspondentes às perdas decorrentes dos expurgos inflacionários, quando da implantação dos planos econômicos. Acompanham a inicial instrumentos procuratórios e documentos (fls. 13-56). Em decisão de fl. 63/64, foi deferida a justiça gratuita e denegada liminar requerida pelos autores. Não houve recurso (fl. 66). Citada, a CAIXA, em peça defensória descansada às fls. 67-87, pede o indeferimento da petição inicial quanto à autora ODI BATISTA DA SILVA, que não anexou aos autos qualquer documento que comprove o direito pleiteado, apresentando apenas documentos relativos a seu falecido marido, Antonio Brasil Da Silva, não tendo essa autora afirmado na peça inaugural que figura no processo como sucessora daquele fundista, impedindo a promovida de exercitar de forma plena o seu direito de defesa. Quanto aos demais autores, alega carência de ação, vez que todos eles firmaram adesão, nos termos da LC nº 110/2001. Também alega a falta de interesse de agir com relação aos índices de 10,14% (fevereiro/89) e 84,32% (março/90). No mérito, defende a inexistência de direito adquirido aos índices pleiteados. Defende que já houve a atualização das contas vinculadas do FGTS pelos índices previstos na legislação então vigente. Por fim, diz serem inaplicáveis, à espécie, os juros moratórios, pugnando pela sua não condenação em honorários advocatícios, e, consequência, pela improcedência do pleito autoral. Documentos às fls. 89-141. A CAIXA acostou, às fls. 143-146, os Termos de Adesão dos autores NIVALDO PIMENTEL, NOBERTO JULIO ROCHA BATISTA e ODILON GONÇALVES CAVALCANTI. Observada impugnação à contestação, às fls. 149-154. Petição da CAIXA, solicitando o desentranhamento dos documentos de fls. 123/128, vez que não se relacionam com o presente feito (fl. 157). Termo de adesão relativo ao autor NOBERTO ANTONIO DE ARAÚJO (fl. 160). Com vista, os autores solicitaram o desentranhamento dos Termos juntados, porquanto precluso o direito da CAIXA de apresentá-los após a defesa, ou que os mesmos não sejam levados em conta, caso permaneçam nos autos (fls. 163/164). É o relatório. Passo a decidir. F U N D A M E N TA Ç Ã O 1 - Preliminar: indeferimento da inicial A CAIXA pede o indeferimento da inicial quanto à autora ODI BATISTA DA SILVA, que não anexou aos autos qualquer documento que comprove o direito pleiteado, apresentando apenas documentos relativos a seu falecido marido, Antonio Brasil Da Silva, sem esclarecer na peça inaugural que figura no processo como sucessora daquele fundista, impedindo a promovida de exercitar de forma plena o seu direito de defesa. A meu viso, se a aludida autora trouxe apenas documentos relativos aos vínculos empregatícios de seu falecido marido, resta patente que os expurgos inflacionários requeridos na inicial dizem respeito à conta vinculada do de de cujus. Impende ressaltar que a falta de menção à qualidade de sucessora daquele fundista nenhum prejuízo ocasionou à CAIXA, que trouxe os extratos relativos à conta vinculada daquele titular. Diante disso, rejeito a preliminar. 2- Do pedido de desentranhamento dos Termos de Adesão Os autores solicitaram o desentranhamento de todos os termos de adesão juntados pela ré, sob o fundamento de que, tratando-se de documentos antigos, deveriam ter sido anexados aos autos no momento da contestação. No entanto, a documentação impugnada refere-se a fatos argüidos pela CAIXA na contestação, onde foi pedida a produção de prova documental, sendo lícita sua juntada ao processo. 3- Termo de Adesão firmado com a CAIXA Os autores requerem a incidência dos índices correspondentes aos expurgos inflacionários relativos aos meses de janeiro e fevereiro de 1989, de março, abril e junho de 1990 e janeiro de março de 1991 sobre os valores depositados em suas contas vinculadas ao FGTS. Entretanto, em sua contestação, a ré alegou que todos os autores firmaram adesão, nos termos da LC nº. 110/2001. Para comprovar o alegado, utilizou-se dos extratos de fls. 89-112. Trouxe aos autos microfilmagens dos Termos de Adesão firmados (fls. 143/144, 146 e 160). Através destes documentos, comprova que os promoventes, de fato, aderiram à forma de pagamento da complementação dos expurgos relativos ao IPC de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%) estatuída na LC n.º 110/2001, que estabelece: LC nº 110/2001: "Art. 4o Fica a Caixa Econômica Federal autorizada a creditar nas contas vinculadas do FGTS, a expensas do próprio Fundo, o complemento de atualização monetária resultante da aplicação, cumulativa, dos percentuais de dezesseis inteiros e sessenta e quatro centésimos por cento e de quarenta e quatro inteiros e oito décimos por cento, sobre os saldos das contas mantidas, respectivamente, no período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989 e durante o mês de abril de 1990, desde que: I - o titular da conta vinculada firme o Termo de Adesão de que trata esta Lei Complementar; (...) Art. 6o O Termo de Adesão a que se refere o inciso I do art. 4o, a ser firmado no prazo e na forma definidos em Regulamento, conterá: I - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a redução do complemento de que trata o art. 4o, acrescido da remuneração prevista no caput do art. 5o, nas seguintes proporções: (...) II - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a forma e os prazos do crédito na conta vinculada, especificados a seguir: (...) III - declaração do titular da conta vinculada, sob as penas da lei, de que não está nem ingressará em juízo discutindo os complementos de atualização monetária relativos a junho de 1987, ao período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989, a abril e maio de 1990 e a fevereiro de 1991." Lei 10.555/2002 "Art. 1º Fica a Caixa Econômica Federal autorizada a creditar em contas vinculadas específicas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, a expensas do próprio Fundo, os valores do complemento de atualização monetária de que trata o art. 4º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, cuja importância, em 10 de julho de 2001, seja igual ou inferior a R$ 100,00 (cem reais)." Além disso, ao efetuarem a Adesão supracitada, aqueles autores renunciaram, de forma irretratável, a pleitos relativos a ajustes de atualização monetária referente às suas contas vinculadas do FGTS, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro/91, exceto, obviamente, aos 42,72% e 44,80%, cujo pagamento foi objeto daquele acordo. Em sua essência, os referidos Termos de Adesão configuram transação, negócio jurídico que uma vez firmado, faz lei entre as partes, só podendo ser anulado por dolo, coação ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa, e mediante ação anulatória própria, na qual se comprove o vício porventura existente, nunca em sede de impugnação à contestação. É o que rezam os artigos 177 e 849 do novo Código Civil: "Art. 177. A anulabilidade não tem efeito antes de julgada por sentença, nem se pronuncia de ofício; só os interessados a podem alegar, e aproveita exclusivamente aos que a alegaram, salvo o caso de solidariedade ou indivisibilidade". "Art.849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa". Diante dos Termos de Adesão, declaro os autores NIVALDO PIMENTEL, NOBERTO ANTONIO DE ARAUJO, NOBERTO JULIO ROCHA BATISTA e ODILON GONÇALVES CAVALCANTI carecedores do direito de ação, no tocante aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%), em virtude de sua concordância em receber esses percentuais nos moldes delineados na LC 110/2001. Saliente-se, por oportuno, que os documentos de fls. 143/144, 146 e 160 noticiam que os Termos de Adesão foram firmados em 2001/2002, bem antes do ajuizamento desta ação, em 13.10.2009. Trata-se, portanto, de acordo extrajudicial preexistente à demanda, motivo pelo qual não cabe a este Juízo homologá-lo. Quanto à ODI BATISTA DA SILVA, que pugna pela aplicação dos expurgos inflacionários na qualidade de esposa do falecido Antonio Brasil Da Silva, embora a ré não tenha juntado termo de adesão, os extratos de fls. 107/111 demonstram que houve adesão à LC 110/2001, sendo que os valores dela resultantes foram sacados pela própria autora, após o óbito de seu cônjuge. Assim, considerando que não há dúvidas acerca da adesão firmada pela promovente junto à CAIXA, acolho a preliminar suscitada para declarar a carência do direito de ação, no tocante aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%), também em relação a esta autora. Quanto aos índices relativos a fevereiro/89 (10,14%); março/90 (84,32%); junho/90 (12,92%); e janeiro/91 (13,69%), tendo em vista a renúncia destes autores, julgo-os improcedentes. 4 - Índice não Abrangido pelo Termo de Adesão - 03/91 (11,79%) Todavia, na inicial, os autores, diferentemente do que costuma ocorrer em ações desta natureza, pleiteiam o período de março/91, portanto, diverso dos acima declinados e, consequentemente, não abrangido pelos Termos de Adesão supracitados. Sobreleva registrar que já existe entendimento consolidado acerca dos índices de correção monetária pelos quais o correntista fundiário tem direito de ver corrigidos os valores depositados do FGTS. Eis o teor do enunciado 252 da súmula do Superior Tribunal de Justiça: "Os saldos das contas do FGTS, pela legislação infraconstitucional, são corrigidos em 42,72% (IPC) quanto às perdas de janeiro de 1989 e 44,80% (IPC) quanto às de abril de 1990, acolhidos pelo STJ os índices de 18,02% (LCB) quanto às perdas de junho de 1987, de 5,38% (BTN) para maio de 1990 e 7,00% (TR) para fevereiro de 1991, de acordo com o entendimento do STF (RE 226.855-7 RS)." Destarte, os correntistas fundiários apenas tem direito de ver corrigido os valores depositados no FGTS, nos meses discriminados na súmula, não havendo que se falar, portanto, em incidência de índices em março/91 mencionado na inicial. É IMPROCEDENTE, pois, o pedido referente a tal índice. Exatamente nesse sentido, trago recente precedente: "FGTS - TAXA PROGRESSIVA DE JUROS E RECOMPOSIÇÃO DE SALDO DA CONTA VINCULADA COM APLICAÇÃO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS DECORRENTES DAS MUDANÇAS DE DIVERSOS PLANOS ECONÔMICOS - OBSERVÂNCIA DA SÚMULA Nº 252 DO STJ - JUROS DE MORA CONTADOS DA CITAÇÃO - SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA - APELOS PARCIALMENTE PROVIDOS NA PARTE CONHECIDA. MATÉRIA PRELIMINAR ARGUIDA PELA CEF REJEITADA. (...) 9. Verifico, assim, haver restado pacificado por decisões oriundas tanto do C. Supremo Tribunal Federal, como do E. Superior Tribunal de Justiça que o correntista fundiário tem direito de ver corrigido os valores depositados no FGTS, nos meses de junho de 1987, pelo índice de 18,02% (LBC), janeiro de 1989, pelo índice de 42,72% (IPC), abril de 1990, pelo índice de 44,80% (IPC), maio de 1990, pelo índice de 5,38% (BTN) e fevereiro de 1991, pelo índice de 7,00% (TR), conforme assentado pelo enunciado contido na Súmula nº 252 do E. STJ, daí decorrendo a inaplicabilidade dos índices de 159,06% (1967-1986), 10,77% (1988), 9,55% (junho/90), 12,92% (julho/90), 12,03% (agosto/90), janeiro e março de 1991, 2,72% (1992), 40% (julho/94) e 8% (agosto/94). (...) (TRF-3ªR, AC 200103990512577, Relator: Desemb. Federal Johonsom Di Salvo, Órgão Julgador: Primeira Turma, DJE: 08.07.2009, p.118) - grifei. Ainda nesta linha de intelecção, colaciono o seguinte precedente do TRF-5ªR: "ADMINISTRATIVO. CORREÇÃO MONETÁRIA SOBRE OS SALDOS DAS CONTAS VINCULADAS DO FGTS. ÍNDICES DE 12,64% (MARÇO DE 1978 A FEVEREIRO DE 1986);13,80% (MARÇO DE 1986 A JANEIRO/1987) E 70,35% (MARÇO DE 1991 A JULHO DE 1994). INEXISTÊNCIA DE DIREITO ADQUIRIDO. MATÉRIA JÁ DECIDIDA PELA JURISPRUDÊNCIA PÁTRIA. PRECEDENTES. - Trata-se de apelação interposta com a finalidade de reformar a r. decisão monocrática que julgou improcedente o pedido autoral, em que se pleiteia a correção dos saldos das contas vinculadas do FGTS, nos percentuais de 12,64% (março de 1978 a fevereiro de 1986),13,80% (março de 1986 a janeiro/1987) e 70,35% (março de 1991 a julho de 1994). - O entendimento firmado nesta e. Corte Regional é de inexistência de direito adquirido às diferenças de correção monetária como requerido pelos demandantes. - Precedente: 1. O Supremo Tribunal Federal, no julgamento do RE 226.855-7/RS, decidiu que o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), ao contrário do que sucede com as Cadernetas de Poupança, não tem natureza contratual, mas, sim, estatutária, por decorrer da lei e por ela ser disciplinado, inexistindo direito adquirido a regime jurídico. 2. Ausência de direito adquirido quanto aos índices pleiteados de 12,64% para março de 1978 a fevereiro de 1986, 13,80% para março de 1986 a janeiro de 1987 e 70,35% para março de 1991 a julho de 1994, relativos a períodos que estão fora do campo de abrangência da Súmula 252 do STJ. 3. Os índices contemplados na tabela de coeficientes de correção monetária geral da Seção Judiciária de Santa Catarina, elaborada em conformidade com o Manual de Cálculos da Justiça Federal, aprovado pela Resolução CJF nº 561, de 02.07.2007, divergem dos índices de correção estabelecidos para os saldos das contas do FGTS, que têm regência própria. 4. apelação improvida. (APELAÇÃO CÍVEL Nº 462594 - RN, Primeira Turma, Rel. Desembargador Federal ROGÉRIO FIALHO MOREIRA, pub. DJ 18.03.2009, p. 403, decisão unânime). Apelação improvida." (TRF-5ªR, AC 200884000063254, Relator: Desemb.Federal Maximiliano Cavalcanti, Órgão Julgador: Primeira Turma, DJE: 19.11.2009, p.500) - grifei. Reconheço, portanto, a improcedência do pedido de aplicação do índice de 11,79% para março/91. D I S P O S I T I V O Diante de todo o exposto, I) JULGO os autores CARECEDORES DO DIREITO DE AÇÃO, nos moldes do art. 267, VI, do CPC, no tocante aos índices de 42,72 % (janeiro/89) e 44,80% (abril/90); e II) JULGO IMPROCEDENTES OS PEDIDOS de aplicação dos índices de 10,14% (fevereiro/89); 84,32% (março/90); 12,92% (junho/90); 13,69% (janeiro/91); e 11,79% (março/91), resolvendo o mérito da causa, de conformidade com o art. 269, I, DO CPC; Sem condenação em custas e honorários advocatícios, por força da gratuidade judiciária deferida aos autores. Desentranhe-se o documento de fls. 123/128, restituindo-o à CAIXA, conforme requerido à fl. 157. P.R.I. João Pessoa, 18 de outubro de 2010 Cristiane Mendonça Lage Juíza Federal Substituta da 3ª Vara, no exercício da Titularidade 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 008014-20.2009.4.05.8200 8 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta

   

0008509-64.2009.4.05.8200 MARIA OLIVEIRA DANTAS E OUTROS (Adv. VALBERTO ALVES DE A FILHO, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO) x MARIA SOCORRO DA SILVA LEAL E OUTROS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM)

Ação de Rito Ordinário AUTORES: MARIA OLIVEIRA DANTAS E OUTROS RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O MARIA OLIVEIRA DANTAS, MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA SERAFIM DA SILVA, MARIA SOCORRO DA SILVA LEAL, MARIA SOCORRO DE SOUZA SANTOS, MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS, MARIA VILÂNIA TRIGUEIRO CASTELO BRANCO, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES DE LIMA e MARIA ZULEIDE ABRANTES SOARES, já devidamente qualificadas, propuseram a presente ação ordinária em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA, buscando obter édito jurisdicional que lhes garanta o direito à correção monetária do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS, mediante a aplicação dos percentuais relativos a junho/87 (18,02%), janeiro/89 (42,72%), abril/90 (44,80%), maio/90 (5,38%) e fevereiro/91 (7%). Alegam as autoras que, sendo optantes pelo sistema do FGTS, deixaram de ter corrigidas as contas vinculadas correspondentes às perdas decorrentes dos expurgos inflacionários, quando da implantação dos planos econômicos. Acompanham a inicial instrumentos procuratórios e documentos (fls. 06/56). Deferido o pedido de gratuidade judiciária, através do despacho de fls. 67. Citada, a CAIXA apresentou contestação às fls. 69/112, alegando preliminarmente I) INÉPCIA DA PETIÇÃO INICIAL QUANTO AO PEDIDO DE JUROS PROGRESSIVOS. Alega a promovida que na exposição do direito e narrativa dos fatos da petição inicial, em momento algum foi mencionada a questão dos juros progressivos, mas ao final o pedido de aplicação dos mesmos foi veiculado. Assim, considerando que o art. 295 do CPC estabelece que a petição inicial é inepta quando da narração dos fatos não decorrer conclusão lógica, requer o indeferimento da exordial, no que diz respeito aos juros progressivos e a conseqüente extinção do processo sem julgamento do mérito, com fulcro no art. 267, I, do CPC. II) FALTA DE INTERESSE DE AGIR, em relação às promoventes MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES LIMA, MARIA SERAFIM DA SILVA, MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS e MARIA OLIVEIRA DANTAS, uma vez que as mesmas efetuaram adesão aos termos da LC nº 110/01. Segundo alegações da promovida, as autoras MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS E MARIA OLIVEIRA DANTAS, embora não tenham assinado termo, efetuaram adesão tácita, em conformidade com o art. 1º, da Lei nº 10.555, de 13 de novembro de 2002, enquanto as quatro primeiras autoras acima mencionadas aderiram expressamente. III) AUSÊNCIA DE CONTAS VINCULADAS DO FGTS Afirma a Caixa Econômica Federal que não foram localizadas, na base de PEF, contas vinculadas com saldo em nome da autora MARIA VILÂNIA TRIGUEIRO CASTELO BRANCO. Assim, considerando que o fato gerador do direito à correção de contas fundiárias consubstancia-se na existência de contas com saldo à época da incidência inflacionária, pugna pela extinção do processo sem julgamento do mérito, ou improcedência do pedido. IV) CARÊNCIA DE AÇÃO no que diz respeito aos índices 18,02% (junho/87), 5,38% (maio/90) e 7% (fevereiro/91), sustentando que os mesmos já foram aplicados. No mérito, alega a inexistência de direito adquirido aos índices pleiteados. Defende que já houve a atualização das contas vinculadas do FGTS pelos índices previstos na legislação então vigente. Por fim, diz serem inaplicáveis, à espécie, os juros moratórios, pugnando pela sua não condenação em honorários advocatícios, e pela improcedência do pleito autoral. Documentos às fls. 87/112. Não houve produção de provas. É o relatório. Passo a decidir. F U N D A M E N TA Ç Ã O 1. Inépcia da Inicial - Pedido de Juros Progressivos Tem razão a parte ré no tocante à inépcia da inicial quanto ao pedido de juros remunetórios "progressivos"; foram mencionados na inicial como pedido acessório do principal, mas, para sua concessão, dependem de preenchimento de requisitos legais próprios, os quais sequer foram ventilados na inicial. Assim, acolho a preliminar 2. Carência de ação, em virtude de Adesão aos termos da LC nº 110/01 As autoras requerem a incidência dos índices correspondentes aos expurgos inflacionários relativos aos meses de junho de 1987, janeiro de 1989, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991, sobre os valores depositados em suas contas vinculadas ao FGTS. Entretanto, em sua contestação, a ré alegou que MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES LIMA, MARIA SERAFIM DA SILVA, MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS e MARIA OLIVEIRA DANTAS firmaram adesão, em conformidade com a LC nº. 110/2001. Para comprovar suas alegações, juntou aos autos, além dos extratos de fls. 87/104, microfilmagens dos Termos de Adesão (fls. 87, 90, 94, 98 e 101), os quais demonstram que as cinco primeiras autoras acima mencionadas, de fato, aderiram à forma de pagamento da complementação do expurgo relativo ao IPC de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%) estatuída na LC nº 110/2001, que estabelece: LC nº 110/2001: "Art. 4o Fica a Caixa Econômica Federal autorizada a creditar nas contas vinculadas do FGTS, a expensas do próprio Fundo, o complemento de atualização monetária resultante da aplicação, cumulativa, dos percentuais de dezesseis inteiros e sessenta e quatro centésimos por cento e de quarenta e quatro inteiros e oito décimos por cento, sobre os saldos das contas mantidas, respectivamente, no período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989 e durante o mês de abril de 1990, desde que: I - o titular da conta vinculada firme o Termo de Adesão de que trata esta Lei Complementar; (...) Art. 6o O Termo de Adesão a que se refere o inciso I do art. 4o, a ser firmado no prazo e na forma definidos em Regulamento, conterá: I - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a redução do complemento de que trata o art. 4o, acrescido da remuneração prevista no caput do art. 5o, nas seguintes proporções: (...) II - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a forma e os prazos do crédito na conta vinculada, especificados a seguir: (...) III - declaração do titular da conta vinculada, sob as penas da lei, de que não está nem ingressará em juízo discutindo os complementos de atualização monetária relativos a junho de 1987, ao período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989, a abril e maio de 1990 e a fevereiro de 1991." Em sua essência, os referidos Termos de Adesão configuram transação, negócio jurídico que uma vez firmado, faz lei entre as partes, só podendo ser anulado por dolo, coação ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa, e mediante ação anulatória própria, na qual se comprove o vício porventura existente, nunca em sede de impugnação à contestação. É o que rezam os artigos 177 e 849 do novo Código Civil: "Art. 177. A anulabilidade não tem efeito antes de julgada por sentença, nem se pronuncia de ofício; só os interessados a podem alegar, e aproveita exclusivamente aos que a alegaram, salvo o caso de solidariedade ou indivisibilidade". "Art.849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa". Diante das Adesões, nada resta a esta magistrada senão acolher a preliminar suscitada e declarar as promoventes MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES LIMA, MARIA SERAFIM DA SILVA E MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS carecedoras do direito de ação, no tocante aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%), em virtude da manifesta concordância em receber esses percentuais nos moldes delineados na LC 110/2001. Saliente-se, por oportuno, que os documentos de fls. 87, 90, 94, 98 e 101 noticiam que os Termos de Adesão foram firmados em 2001/2002, bem antes do ajuizamento desta ação, em 29.10.2009. Trata-se, portanto, de acordo extrajudicial preexistente à demanda, motivo pelo qual não cabe a este Juízo homologá-lo. Quanto à MARIA OLIVEIRA DANTAS, aduz a CAIXA que, embora não tenha assinado termo, a promovente efetuou adesão tácita, em conformidade com o art. 1º, da Lei nº 10.555/02, que dispensa a assinatura do termo de adesão, nos casos em que o valor apurado, a título de complemento da atualização monetária de que trata o art. 4º, da LC 110/01, seja, em 10/07/2001, igual ou inferior a R$ 100,00. No entanto, a promovida não juntou aos autos extratos capazes de comprovar as suas alegações, especialmente porque a autora não sacou os valores depositados, atitude que demonstraria sua anuência. Assim, considerando que a carteira de trabalho da autora, acostada às fls. 08 demonstra que a mesma manteve vínculo empregatício com a Prefeitura Municipal de João Pessoa, no período que vai de 01/01/1984 a 01/10/1990, rejeito a preliminar. 3. Falta de interesse de agir em relação aos índices 18,02% (junho/1987), 5,38% (maio/90) e 7% (fevereiro/91) A CAIXA afirma que falta interesse de agir às autoras em relação aos índices referentes a junho/87, maio/90 e fevereiro/91, eis que foram devidamente aplicados. A preliminar suscitada configura o próprio mérito, pelo que a rejeito. Ultrapassadas as preliminares, passo ao exame do MÉRITO. 4. Ausência de contas vinculadas do FGTS, concernentes à autora MARIA VILÂNIA TRIGUEIRO CASTELO BRANCO. A eventual ausência de conta vinculada, por se tratar de matéria de prova, pertine ao mérito do pedido, e não com a falta de interesse de agir, a qual deve ser analisada em abstrato. Alega a ré que à época de aplicação dos expurgos pleiteados, não havia conta vinculada do FGTS, com saldo, no que concerne à MARIA VILÂNIA TRIGUEIRO CASTELO BRANCO. Sustenta a ré que a ausência de saldo deve-se ao fato de que o empregador, Prefeitura Municipal de João Pessoa, efetuava os depósitos relativos ao FGTS com atraso. Compulsando os autos, observo que, consoante a Carteira de Trabalho acostada às fls. 40/41, a autora trabalhou na Prefeitura de João Pessoa no período que vai de 01/02/1983 a 01/10/1990. Não obstante, os extratos acostados pela Caixa Econômica Federal às fls. 106/111 revelam que os depósitos relativos ao FGTS só começaram a ser efetuados em setembro/1991. Assim, não tem a autora direito aos índices 18,02% (junho/87), 42,72% (jan/89), 44,80% (abril/1990), 5,38% (maio/1990) e 7% (fevereiro/1991). 5. Quanto às autoras que firmaram adesão - MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES LIMA, MARIA SERAFIM DA SILVA E MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS. Pugnam também as autoras pela aplicação dos índices concernentes aos períodos de junho/87, maio/90 e fevereiro/91. Ao efetuarem a Adesão, as promoventes renunciaram, de forma irretratável, a pleitos relativos a ajustes de atualização monetária referente às suas contas vinculadas do FGTS, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro/91, exceto, obviamente, aos 42,72% e 44,80%, cujo pagamento foi objeto daquele acordo. Nesse sentido, houve renúncia quanto aos índices relativos a junho/87 (18,02%), maio/90 (5,38%) e fevereiro/91 (7%), motivo pelo qual julgam-se improcedentes os pedidos. 6. Quanto às autoras que não firmaram adesão - MARIA OLIVEIRA DANTAS, MARIA SOCORRO DA SILVA LEAL, MARIA SOCORRO DE SOUZA SANTOS e MARIA ZULEIDE ABRANTES SOARES: Restou demonstrada, através da documentação acostada aos autos, a existência de vínculo empregatício durante o período de aplicação dos índices relativos a janeiro/89 e abril/90. Conforme anotações da Carteira de Trabalho anexada às fls. 08, a autora MARIA OLIVEIRA DANTAS trabalhou para a Prefeitura Municipal de João Pessoa no período que vai de 01/01/1984 a 01/10/1990. MARIA SOCORRO DA SILVA LEAL, por sua vez, conseguiu comprovar, por intermédio da Carteira de Trabalho de fls. 18/20, que trabalhou na Prefeitura Municipal de João Pessoa de 16/11/1987 a 01/10/1990. As anotações constantes da carteira de trabalho de fls. 27 revelaram que MARIA SOCORRO DE SOUZA SANTOS manteve vínculo empregatício com o mesmo empregador acima referido de 01/07/1985 a 01/10/1990. Por fim, MARIA ZULEIDE ABRANTES SOARES demonstrou através da CTPS de fls. 54 que, no período de 11/04/1988 a 01/10/1990, também foi empregada da Prefeitura de João Pessoa Reza o enunciado 252 da súmula do Superior Tribunal de Justiça, verbis: "Os saldos das contas do FGTS, pela legislação infraconstitucional, são corrigidos em 42,72% (IPC) quanto às perdas de janeiro de 1989 e 44,80% (IPC) quanto às de abril de 1990, acolhidos pelo STJ os índices de 18,02% (LBC) quanto às perdas de junho de 1987, de 5,38% (BTN) para maio de 1990 e 7,00% (TR) para fevereiro de 1991, de acordo com o entendimento do STF (RE 226.855-7 RS)." Portanto, encontra-se dirimida toda a divergência existente acerca dos expurgos inflacionários incidentes sobre os saldos das contas do FGTS, prevalecendo os índices fixados pelo STJ, dos quais três já foram aplicados pelos bancos depositários: o de junho/87 (18,02%), o de maio/90 (5,38%) e o de março/91 (7%), como demonstra o julgado: EMENTA. PROCESSUAL CIVIL. FGTS. ÍNDICES. CORREÇÃO MONETÁRIA. EXECUÇÃO. TÍTULO JUDICIAL INEXIGÍVEL. SUMULA Nº 252/STJ. ÍNDICES DE 18,02% (JUL/87), 5,38% (JUN/90) E 7,00% (MAR/91) JÁ APLICADOS PELA CEF. OCORRÊNCIA DA PRECLUSÃO NO TOCANTE AO PERCENTUAL DE 10,14% (IPC - FEV/89). RECURSO IMPROVIDO. 1. Cuida-se de recurso de apelação interposto por João Sebastião da Silva contra decisão proferida pela MM. JUÍZA FEDERAL SUBSTITUTA DA 3ª VARA/PB que pôs fim a execução do título judicial por entender que os índices inflacionários de 18,02% (LBC - JUNHO/87), 5,38% (BTN - JUNHO/90) e 7% (TR - março/91) já haviam sido implantados nas contas vinculadas de FGTS nas épocas correspondentes. 2. O recorrente afirmou que faz jus à correção dos seus depósitos fundiários pelos índices inflacionários colacionados na súmula 252/STJ, bem como à aplicação do percentual de 10,14%, referente ao IPC de fevereiro de 1989. 3. De acordo com o julgamento pelo STJ do RESP Nº 265.556- AL, os índices relativos a JUNHO/87 (PLANO BRESSER), MAIO/90 (PLANO COLLOR I) e FEVEREIRO/91 (COLLOR II), nos percentuais de 18,02%(LBC), 5,38%(BTN) e 7,00%(TR), respectivamente, na esteira do entendimento fixado pelo pretório excelso no RE 226.855-7-RS, já foram aplicados corretamente pela caixa econômica federal. (...) 8. Recurso Improvido. (Apelação Cível 0009112-79.2005.4.05.8200 /PB. TRF 5ª Região, rel. Des. Fed. Francisco Cavalcanti, j. 12.02.2009, DJU 09.04.2009). Assim, fazem jus as autoras aos índices de 42,72% (janeiro/89) e 44,80% (abril/1990). Os demais índices requeridos, concernentes a junho/87, maio/90, fevereiro/91 não são devidos, uma vez que já foram aplicados. D I S P O S I T I V O Diante de todo o exposto, I) Acolho a preliminar de inépcia do pedido de aplicação de juros progressivos, deixando de resolver o mérito da lide; II) Com relação às autoras que firmaram termo de adesão - MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES LIMA, MARIA SERAFIM DA SILVA E MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS: Acolho a preliminar de CARÊNCIA DE AÇÃO, quanto à incidência dos índices de 42,72% (01/89) e 44,80% (04/90); e JULGO IMPROCEDENTES os pedidos de aplicação dos índices de 18,02% (06/87); 5,38% (maio/90) e 7,00% (02/91). III) Com relação às autoras que não firmaram termo de adesão - MARIA OLIVEIRA DANTAS, MARIA SALETE SANTANA RAMOS, MARIA WÉLIDA DA SILVA, MARIA ZÉLIA LOPES LIMA, MARIA SERAFIM DA SILVA E MARIA VALDA FERREIRA DOS SANTOS: JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTES os pedidos para determinar a incidência dos índices de 42,72% e 44,80% para os meses de janeiro/89 e abril/90; condeno a ré a aplicar estes percentuais sobre o saldo existente nas contas vinculadas ou a pagar, caso extintas as contas no momento do adimplemento da obrigação, deduzindo-se de todos os percentuais ou valores ora deferidos, os índices que foram posicionados pela ré nos meses correspondentes, incidindo correção monetária nos termos da legislação pertinente (Lei n.º 6.899/81) e juros de mora, a partir da citação, no percentual de 0,5% ao mês, estes independentemente dos juros remuneratórios de que trata o art. 13 da Lei 8.036/90. IV) Com relação à autora que não tinha conta vinculada de FTGS com depósitos na época dos expurgos - MARIA VILÂNIA TRIGUEIRO CASTELO BRANCO: JULGO IMPROCEDENTES os pedidos de aplicação dos índices de 42,72% (01/89) e 44,80% (04/90); 18,02% (06/87); 5,38% (maio/90) e 7,00% (02/91). Deixo de condenar as autoras ao pagamento de custas e honorários advocatícios, embora tenham sucumbido na maior parte do pedido, em virtude de estarem amparados pela gratuidade judiciária, à luz da Lei nº 1.060/50. P.R.I. João Pessoa, 11 de outubro de 2010 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0008509-64.2009.4.05.8200 1 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta da 3ª Vara

   

0008521-78.2009.4.05.8200 ANA DE FATIMA FERREIRA BRITO E OUTROS (Adv. VALBERTO ALVES DE A FILHO, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM)

Ação de Rito Ordinário AUTORES: ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO E OUTROS RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO, ANA LÚCIA FERREIRA DE LIMA, ANA LÚCIA MARINHO DA FONSECA, ANA LÚCIA SANTANA DE OLIVEIRA, ANA MARIA ALVES DA SILVA, ANA MARIS PEDROSA BEZERRA, ANA OLÍMPIA MOREIRA CAMILO, ANA RITA DA SILVA DUARTE, ANAMARIA CÉLIA DE ALMEIDA RABELO E ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO, já devidamente qualificadas, propuseram a presente ação ordinária em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA, buscando obter édito jurisdicional que lhes garanta o direito à correção monetária do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço - FGTS, mediante a aplicação dos percentuais relativos a junho/87 (18,02%), janeiro/89 (42,72%), abril/90 (44,80%), maio/90 (5,38%) e fevereiro/91 (7%). Alegam as autoras que, sendo optantes pelo sistema do FGTS, deixaram de ter corrigidas as contas vinculadas correspondentes às perdas decorrentes dos expurgos inflacionários, quando da implantação dos planos econômicos. Acompanham a inicial instrumentos procuratórios e documentos (fls. 06/57). Deferido o pedido de gratuidade judiciária, através do despacho de fls. 70. Citada, a CAIXA apresentou contestação às fls. 71/92, alegando preliminarmente: I) INÉPCIA DA PETIÇÃO INICIAL QUANTO AO PEDIDO DE JUROS PROGRESSIVOS. Alega a promovida que na exposição do direito e narrativa dos fatos da petição inicial, em momento algum foi mencionada a questão dos juros progressivos, mas ao final o pedido de aplicação dos mesmos foi veiculado. Assim, considerando que o art. 295 do CPC estabelece que a petição inicial é inepta quando da narração dos fatos não decorrer conclusão lógica, requer o indeferimento da exordial, no que diz respeito aos juros progressivos e a conseqüente extinção do processo sem julgamento do mérito, com fulcro no art. 267, I, do CPC. II) Termo de Adesão da LC 110/01 firmados pelas autoras ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO, ANA LÚCIA MARINHO DA FONSECA, ANA LÚCIA SANTANA DE OLIVEIRA, ANA MARIA ALVES DA SILVA, ANA OLÍMPIA MOREIRA CAMILO, ANAMARIA CÉLIA DE ALMEIDA RABELO e ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO, uma vez que as mesmas efetuaram adesão aos termos da LC nº 110/01. Segundo alegações da promovida, a autora ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO, embora não tenha assinado termo, efetuou adesão tácita, em conformidade com o art. 1º, da Lei nº 10.555, de 13 de novembro de 2002, enquanto as cinco primeiras autoras acima mencionadas aderiram expressamente. III) AUSÊNCIA DE CONTAS VINCULADAS DO FGTS Afirma a Caixa Econômica Federal que não foram localizadas, na base de PEF, contas vinculadas em nome da autora ANA RITA DA SILVA DUARTE. Assim, considerando que o fato gerador do direito à correção de contas fundiárias consubstancia-se na existência de contas com saldo à época da incidência inflacionária, pugna pela extinção do processo sem julgamento do mérito, ou improcedência do pedido. IV) CARÊNCIA DE AÇÃO no que diz respeito aos índices 18,02% (junho/87), 5,38% (maio/90) e 7% (fevereiro/91), sustentando que os mesmos já foram aplicados. No mérito, alega a inexistência de direito adquirido aos índices pleiteados. Defende que já houve a atualização das contas vinculadas do FGTS pelos índices previstos na legislação então vigente. Por fim, diz serem inaplicáveis, à espécie, os juros moratórios, pugnando pela sua não condenação em honorários advocatícios, e pela improcedência do pleito autoral. Documentos às fls. 93/111. Observada impugnação à contestação, às fls. 118/120. Não houve produção de provas. É o relatório. Passo a decidir. F U N D A M E N TA Ç Ã O 1. Preliminar: Inépcia da Inicial - Pedido de Juros Progressivos Tem razão a parte ré no tocante à inépcia da inicial quanto ao pedido de juros remunetórios "progressivos"; foram mencionados na inicial como pedido acessório do principal, mas, para sua concessão, dependem de preenchimento de requisitos legais próprios, os quais sequer foram ventilados na inicial. Assim, acolho a preliminar. 2. Preliminar: Adesão aos termos da LC nº 110/01 Os autores requerem a incidência dos índices correspondentes aos expurgos inflacionários relativos aos meses de junho de 1987, janeiro de 1989, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991, sobre os valores depositados em suas contas vinculadas ao FGTS. Entretanto, em sua contestação, a ré alegou que ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO, ANA LÚCIA MARINHO FONSECA, ANA LÚCIA SANTANA DE OLIVEIRA, ANA MARIA ALVES DA SILVA, ANA OLÍMPIA MOREIRA CAMILO, ANAMARIA CÉLIA DE ALMEIDA RABELO E ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO firmaram termos de adesão, em conformidade com a LC nº. 110/2001. Para comprovar suas alegações, juntou aos autos, além dos extratos de fls. 100/107 e 109/110, microfilmagens dos Termos de Adesão (fls. 93/98), os quais demonstram que as referidas autoras, de fato, aderiram à forma de pagamento da complementação do expurgo relativo ao IPC de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%) estatuída na LC nº 110/2001, que estabelece: LC nº 110/2001: "Art. 4o Fica a Caixa Econômica Federal autorizada a creditar nas contas vinculadas do FGTS, a expensas do próprio Fundo, o complemento de atualização monetária resultante da aplicação, cumulativa, dos percentuais de dezesseis inteiros e sessenta e quatro centésimos por cento e de quarenta e quatro inteiros e oito décimos por cento, sobre os saldos das contas mantidas, respectivamente, no período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989 e durante o mês de abril de 1990, desde que: I - o titular da conta vinculada firme o Termo de Adesão de que trata esta Lei Complementar; (...) Art. 6o O Termo de Adesão a que se refere o inciso I do art. 4o, a ser firmado no prazo e na forma definidos em Regulamento, conterá: I - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a redução do complemento de que trata o art. 4o, acrescido da remuneração prevista no caput do art. 5o, nas seguintes proporções: (...) II - a expressa concordância do titular da conta vinculada com a forma e os prazos do crédito na conta vinculada, especificados a seguir: (...) III - declaração do titular da conta vinculada, sob as penas da lei, de que não está nem ingressará em juízo discutindo os complementos de atualização monetária relativos a junho de 1987, ao período de 1o de dezembro de 1988 a 28 de fevereiro de 1989, a abril e maio de 1990 e a fevereiro de 1991." Em sua essência, os referidos Termos de Adesão configuram transação, negócio jurídico que uma vez firmado, faz lei entre as partes, só podendo ser anulado por dolo, coação ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa, e mediante ação anulatória própria, na qual se comprove o vício porventura existente, nunca em sede de impugnação à contestação. É o que rezam os artigos 177 e 849 do novo Código Civil: "Art. 177. A anulabilidade não tem efeito antes de julgada por sentença, nem se pronuncia de ofício; só os interessados a podem alegar, e aproveita exclusivamente aos que a alegaram, salvo o caso de solidariedade ou indivisibilidade". "Art.849. A transação só se anula por dolo, coação, ou erro essencial quanto à pessoa ou coisa controversa". Diante das Adesões, nada resta a esta magistrada senão acolher a preliminar suscitada e declarar as promoventes ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO, ANA LÚCIA MARINHO FONSECA, ANA LÚCIA SANTANA DE OLIVEIRA, ANA MÁRIA ALVES DA SILVA, ANA OLÍMPIA MOREIRA CAMILO E ANAMARIA CÉLIA DE ALMEIDA RABELO carecedores do direito de ação, no tocante aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%), em virtude da manifesta concordância em receber esses percentuais nos moldes delineados na LC 110/2001. Saliente-se, por oportuno, que os documentos de fls. 93/98 noticiam que os Termos de Adesão foram firmados em 2001/2002/2003, bem antes do ajuizamento desta ação, em 29.10.2009. Trata-se, portanto, de acordo extrajudicial preexistente à demanda, motivo pelo qual não cabe a este Juízo homologá-lo. Quanto à ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO, aduz a CAIXA que, embora não tenha assinado termo, a promovente efetuou adesão tácita, uma vez que sacou os valores concernentes aos expurgos creditados em sua conta vinculada. Compulsando os autos, observo que os extratos de fls. 99, juntados pela promovida, demonstram que houve depósito de parcela concernente a LC 110/2001, tendo sido esta retirada pela demandante. Assim, considerando que o art. 1º, da Lei nº 10.555/02 dispensa a assinatura do termo de adesão, nos casos em que o valor apurado, a título de complemento da atualização monetária de que trata o art. 4º, da LC 110/01, seja, em 10/07/2001, igual ou inferior a R$ 100,00, e levando em conta que, de acordo com o parágrafo primeiro, do mesmo dispositivo, o recebimento destes valores configura adesão tácita, acolho a preliminar suscitada para declarar a carência do direito de ação, no tocante aos índices de janeiro/89 (42,72%) e abril/90 (44,80%), também em relação a esta autora. 3. Preliminar: Ausência de contas vinculadas do FGTS, concernentes à autora ANA RITA DA SILVA DUARTE. Compulsando os autos, observo que a cópia da carteira de trabalho acostada às fls. 47/48, demonstra que a demandante manteve vínculo empregatício com o Colégio Duque da Caxias, no período que vai de 01/09/1988 a 31/12/1989 e com o Centro Educacional Antônio Barreto, de 02/05/1991 a 30/10/1996. Assim, acolho, em parte, a preliminar argüida para declarar a referida promovente carecedora do direito de ação no tocante aos índices 18,02% (junho/87), 44,80% (abril/1990), 5,38% (maio/1990) e 7% (fevereiro/1991). Quanto a ela, prossegue a lide com relação ao índice de 42,72% (janeiro de 1989). 4. Preliminar: Falta de interesse de agir em relação aos índices 18,02% (junho/1987), 5,38% (maio/90) e 7% (fevereiro/91) A CAIXA afirma que falta interesse de agir às autoras em relação aos índices referentes a junho/87, maio/90 e fevereiro/91, eis que foram devidamente aplicados. A preliminar suscitada configura o próprio mérito, pelo que a rejeito. Ultrapassadas as preliminares, passo ao exame do mérito. 5. Mérito: Quanto às autoras que aderiram ao pagamento na forma da LC 101 - ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO, ANA LÚCIA MARINHO DA FONSECA, ANA LÚCIA SANTANA DE OLIVEIRA, ANA MARIA ALVES DA SILVA, ANA OLÍMPIA MOREIRA CAMILO, ANAMARIA CÉLIA DE ALMEIDA RABELO E ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO. Pugnam também as autoras pela aplicação dos índices concernentes aos períodos de junho/87, maio/90 e fevereiro/91. Ao efetuarem a Adesão, as promoventes renunciaram, de forma irretratável, a pleitos relativos a ajustes de atualização monetária referente às suas contas vinculadas do FGTS, relativamente ao período de junho de 1987 a fevereiro/91, exceto, obviamente, aos 42,72% e 44,80%, cujo pagamento foi objeto daquele acordo. Nesse sentido, houve renúncia quanto aos índices relativos a junho/87 (18,02%), maio/90 (5,38%) e fevereiro/91 (7%), motivo pelo qual julgam-se improcedentes os pedidos. 6. Mérito: Quanto às autoras que não firmaram termo de adesão - ANA LÚCIA FERREIRA DE LIMA e ANA MARIS PEDROSA BEZERRA: Restou demonstrada, através da documentação acostada aos autos, a existência de vínculo empregatício durante o período de aplicação dos índices relativos a janeiro/89 e abril/90. Conforme anotações da Carteira de Trabalho anexada às fls. 17, a autora ANA LÚCIA FERREIRA DE LIMA trabalhou para a Prefeitura Municipal de João Pessoa no período que vai de 01/04/1985 a 01/10/1990 ANA MARIS PEDROSA BEZERRA, por sua vez, conseguiu comprovar, por intermédio da Carteira de Trabalho de fls. 37, que trabalhou na Prefeitura Municipal de João Pessoa de 13/03/1979 a 01/10/1990. Reza o enunciado 252 da súmula do Superior Tribunal de Justiça, verbis: "Os saldos das contas do FGTS, pela legislação infraconstitucional, são corrigidos em 42,72% (IPC) quanto às perdas de janeiro de 1989 e 44,80% (IPC) quanto às de abril de 1990, acolhidos pelo STJ os índices de 18,02% (LBC) quanto às perdas de junho de 1987, de 5,38% (BTN) para maio de 1990 e 7,00% (TR) para fevereiro de 1991, de acordo com o entendimento do STF (RE 226.855-7 RS)." Portanto, encontra-se dirimida toda a divergência existente acerca dos expurgos inflacionários incidentes sobre os saldos das contas do FGTS, prevalecendo os índices fixados pelo STJ, dos quais três já foram aplicados pelos bancos depositários: o de junho/87 (18,02%), o de maio/90 (5,38%) e o de março/91 (7%), como demonstra o julgado: EMENTA. PROCESSUAL CIVIL. FGTS. ÍNDICES. CORREÇÃO MONETÁRIA. EXECUÇÃO. TÍTULO JUDICIAL INEXIGÍVEL. SUMULA Nº 252/STJ. ÍNDICES DE 18,02% (JUL/87), 5,38% (JUN/90) E 7,00% (MAR/91) JÁ APLICADOS PELA CEF. OCORRÊNCIA DA PRECLUSÃO NO TOCANTE AO PERCENTUAL DE 10,14% (IPC - FEV/89). RECURSO IMPROVIDO. 1. Cuida-se de recurso de apelação interposto por João Sebastião da Silva contra decisão proferida pela MM. JUÍZA FEDERAL SUBSTITUTA DA 3ª VARA/PB que pôs fim a execução do título judicial por entender que os índices inflacionários de 18,02% (LBC - JUNHO/87), 5,38% (BTN - JUNHO/90) e 7% (TR - março/91) já haviam sido implantados nas contas vinculadas de FGTS nas épocas correspondentes. 2. O recorrente afirmou que faz jus à correção dos seus depósitos fundiários pelos índices inflacionários colacionados na súmula 252/STJ, bem como à aplicação do percentual de 10,14%, referente ao IPC de fevereiro de 1989. 3. De acordo com o julgamento pelo STJ do RESP Nº 265.556- AL, os índices relativos a JUNHO/87 (PLANO BRESSER), MAIO/90 (PLANO COLLOR I) e FEVEREIRO/91 (COLLOR II), nos percentuais de 18,02%(LBC), 5,38%(BTN) e 7,00%(TR), respectivamente, na esteira do entendimento fixado pelo pretório excelso no RE 226.855-7-RS, já foram aplicados corretamente pela caixa econômica federal. (...) 8. Recurso Improvido. (Apelação Cível 0009112-79.2005.4.05.8200 /PB. TRF 5ª Região, rel. Des. Fed. Francisco Cavalcanti, j. 12.02.2009, DJU 09.04.2009). As autoras acima mencionadas não fazem jus aos índices de 18,02%, 5,38% e 7%, uma vez que já foram aplicados em época própria. Assim, fazem jus as autoras aos índices de 42,72% (janeiro/89) e 44,80% (abril/1990). 7- Mérito - situação da autora ANA RITA DA SILVA DUARTE: Consoante já mencionado, de acordo com a cópia da carteira de trabalho acostada às fls. 47/48, a demandante manteve vínculo empregatício com o Colégio Duque da Caxias, no período que vai de 01/09/1988 a 31/12/1989 e com o Centro Educacional Antônio Barreto, de 02/05/1991 a 30/10/1996, razão pela qual faz jus a autora ao índice de 42,72% (janeiro/89). Quanto aos juros de mora, devem ser aplicados no percentual de 0,5% (meio por cento) ao mês, a partir da citação, independentemente dos juros remuneratórios previstos no art. 13 da Lei 8.036/90, conforme orientação esposada pelo Superior Tribunal de Justiça no julgamento do Recurso Especial 584.042, rel. Min. Eliana Calmon, j. 03.02.2004, DJU de 12.04.20041. D I S P O S I T I V O Diante de todo o exposto, I) Acolho a preliminar de inépcia do pedido de aplicação de juros progressivos, deixando de resolver o mérito da lide; II) Acolho a preliminar de carência de ação, quanto à incidência dos índices de 42,72% e 44,80%, extinguindo, nessa parte, o processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, VI, do CPC, em relação às autoras que aderiram ao acordo da LC 101 - ANA DE FÁTIMA FERREIRA BRITO, ANA LÚCIA MARINHO DA FONSECA, ANA LÚCIA SANTANA DE OLIVEIRA, ANA MARIA ALVES DA SILVA, ANA OLÍMPIA MOREIRA CAMILO, ANAMARIA CÉLIA DE ALMEIDA RABELO E ANTÔNIA ALVES DE ARAÚJO. III) Acolho, parcialmente, a preliminar de carência de ação em face da inexistência de conta vinculada do FGTS na base PEF, extinguindo o feito, sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, VI, do CPC, apenas no que concerne à aplicação dos percentuais de 18,02%, 44,80%, 5,38% e 7%, para a autora ANA RITA DA SILVA DUARTE. IV) No tocante às autoras que não aderiram ao acordo da LC 101 - ANA LÚCIA FERREIRA DE LIMA E ANA MARIS PEDROSA BEZERRA, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTES os pedidos de incidência dos índices de 42,72% e 44,80% para os meses de janeiro/89 e abril/90, para condenar a CAIXA a aplicar estes percentuais sobre o saldo existente nas contas vinculadas ou a pagar, caso extintas as contas no momento do adimplemento da obrigação, deduzindo-se de todos os percentuais ou valores ora deferidos, os índices que foram posicionados pela CAIXA nos meses correspondentes, incidindo correção monetária nos termos da legislação pertinente (Lei n.º 6.899/81) e juros de mora, a partir da citação, no percentual de 0,5% ao mês, estes independentemente dos juros remuneratórios de que trata o art. 13 da Lei 8.036/90. V) Em relação à autora ANA RITA DA SILVA DUARTE, que também não aderiu ao acordo da LC 101, mas que não comprovou vínculo empregatício em todo o período da súmula 252 do STJ, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido para determinar a aplicação do índice de 42,72% para o mês janeiro/89, condenando a CAIXA a aplicar este percentual sobre o saldo existente na conta vinculada ou a pagar, caso extinta a conta no momento do adimplemento da obrigação, deduzindo-se de todos os percentuais ou valores ora deferidos, os índices que foram posicionados pela CAIXA no mês correspondente; incidindo correção monetária nos termos da legislação pertinente (Lei n.º 6.899/81) e juros de mora, a partir da citação, no percentual de 0,5% ao mês, estes independentemente dos juros remuneratórios de que trata o art. 13 da Lei 8.036/90. Deixo de condenar as autoras ao pagamento de custas e honorários advocatícios, embora tenham sucumbido na maior parte do pedido, em virtude de estarem amparados pela gratuidade judiciária, à luz da Lei nº 1.060/50. P.R.I. João Pessoa, 04 de outubro de 2010 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal Substituta 1 EMENTA: FGTS - CORREÇÃO MONETÁRIA - OBRIGAÇÃO DE DAR (PAGAR) X OBRIGAÇÃO DE FAZER - TABELA JAM - JUROS DE MORA. (...) 6.Juros moratórios devidos no percentual de 0,5% ao mês, a partir da citação (Súmula 163/STF), por se tratar de obrigação ilíquida (REsp 245.896/RS), sendo desinfluente o levantamento ou a disponibilização dos saldos antes do cumprimento da decisão (REsp's 245.896/RS e 146.039/PE) e aplicados independentemente dos juros remuneratórios de que trata o art. 13 da Lei 8.036/90. (...) " ?? ?? ?? ?? 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0008521-78.2009.4.05.8200 1 CRISTIANE MENDONÇA LAGE Juíza Federal

   

0008942-05.2008.4.05.8200 EDNALVA CASTRO DE LIMA E OUTRO (Adv. LUIS FERNANDO PIRES BRAGA, LUIZ GUEDES DA LUZ NETO, GISELLE FERNANDES PEREIRA DE LUCENA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Defiro o pedido de dilação de prazo requerido pelas partes (fls. 128 e 130). Concedo o prazo sucessivo de 10 (dez) dias, primeiro ao autor e em seguida a Caixa. I. FORMA DE CUMPRIMENTO: 1) Publicação; 2) Remessa à CEF.

   

0009605-51.2008.4.05.8200 MARLUCE FERREIRA CLEMENTINO (Adv. ANA ÉRIKA MAGALHÃES GOMES) x EUDÉSIO JOSÉ SEVERIANO DE LIMA E OUTROS x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES)

Cuida-se de execução de sentença mandamental da Ação Ordinária promovida por MARLUCE FERREIRA CLEMENTINO em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, nos termos do art. 461 do CPC. Devidamente intimada, a Caixa Econômica Federal - CEF informou a adesão e saque por parte da exeqüente através do código 50, nos termos da Lei 10.55/02 (fls. 167/169). Intimada para se manifestar, a exeqüente permaneceu silente (fls.170 e 172). Em face do exposto, tendo sido satisfeita a obrigação de fazer pelo cumprimento e pela adesão, declaro extinta a execução nos moldes do art. 794, I e II, do CPC. Decorrido o prazo recursal, dê-se baixa e arquivem-se os autos. P.R.I.

   

0010193-58.2008.4.05.8200 BARTOLOMEU DA CUNHA COELHO (Adv. MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

A CAIXA às fls. 84/87 protocolou petição anexando aos autos comprovantes de depósito referente à condenação judicial (R$ 43.141,12), bem como os honorários advocatícios (R$ 500,00). Às fls. 90, a parte autora impugna tais depósitos, sob o fundamento de que os referidos valores se referem a cálculos datados de 12/11/2009. Requer nova intimação da executada para pagamento do valor atualizado, sob pena e aplicação de multa de 10%(dez por cento), conforme determinação do art. 475-J do CPC. À Contadoria, por sua vez, apurou o valor de R$ 6.090,12 (seis mil e noventa reais e doze centavos), como saldo remanescente, descontando os valores já depositados. Assim, defiro a expedição de Alvará em relação aos valores já depositados. Intime-se o exequente para levantamento dos valores. Por fim, intime-se a CAIXA, com urgência, para depósito dos valores remanescentes. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Expeça-se Alvará; 2- Intimação da parte exequente; 3- Remessa à CAIXA.

   

0011093-56.1999.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO) x ROSA MARIA DE QUEIROZ BARBOSA E OUTRO x PIRAGIBE PAIVA BARBOSA E OUTRO (Adv. ANTONIO JUCELIO AMANCIO QUEIROGA, JOSEFA RODRIGUES DA SILVA, ANDRE SETTE CARNEIRO DE MORAIS, ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF x UNIÃO (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA)

Defiro o pedido de dilação de prazo, por 15 (quinze dias), formulado pela CAIXA para informar sobre o adimplemento da obrigação. (fl. 464). I.

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 19

TOTAL DE INFORMACAO DE SECRETARIA: 2

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 23

TOTAL DE DECISÃO: 1

TOTAL DE DESPACHO: 19

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.