Publicado no Diário da Justiça de 27/08/2013

 

Boletim 2013.000089 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADAIR BORGES COUTINHO NETO 0003942-87.2009.4.05.8200

ADEILTON HILARIO JUNIOR 0003942-87.2009.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200 0009460-53.2012.4.05.8200

ADILSON DE QUEIROZ COUTINHO FILHO 0003942-87.2009.4.05.8200

AGEU LIBONATI JUNIOR 0009686-05.2005.4.05.8200

AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE 0009967-53.2008.4.05.8200

AKISHIGUE TANAKA 0006874-77.2011.4.05.8200

ALESSANDRA CRISTINA MOURO 0006874-77.2011.4.05.8200

ALESSANDRA DANIELLE C. S. HILARIO 0003942-87.2009.4.05.8200

ALESSANDRA NORAT MOUSINHO 0001287-40.2012.4.05.8200

ALEXANDER JERONIMO RODRIGUES LEITE 0006187-08.2008.4.05.8200

ALEXANDRE CAVALCANTI ANDRADE ARAUJO 0006874-77.2011.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0010792-31.2007.4.05.8200

ALLAN WAKI DE OLIVEIRA 0006874-77.2011.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0002052-74.2013.4.05.8200 0014970-28.2004.4.05.8200

ANDRE ARAUJO PIRES 0002036-28.2010.4.05.8200 0002123-47.2011.4.05.8200 0003800-83.2009.4.05.8200 0004421-80.2009.4.05.8200 0008696-38.2010.4.05.8200

ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001086-14.2013.4.05.8200 0002242-42.2010.4.05.8200

ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA 0014970-28.2004.4.05.8200

ANDRE LEANDRO DE CARVALHO LEMES 0001287-40.2012.4.05.8200

ANDRE VIDAL VASCONCELOS SILVA 0001287-40.2012.4.05.8200

ANDRESSA MARIA DOS SANTOS 0005205-91.2008.4.05.8200

ANTONIO BARBOSA FILHO 0002522-81.2008.4.05.8200

ANTONIO JUSTINO DE ARAUJO NETO 0006187-08.2008.4.05.8200

ANTONIO NAMY FILHO 0000344-29.1989.4.05.8200

ARISTOTELES JEFFERSON M. CABRAL 0000060-78.2013.4.05.8200

ARLINETTI MARIA LINS 0014970-28.2004.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0002052-74.2013.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200

AUGUSTO FRANCISCO DO NASCIMENTO 0006837-02.2001.4.05.8200

AYRTON LACET CORREA PORTO 0006837-02.2001.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0001321-69.1999.4.05.8200

BRUNO MAIA BASTOS 0004406-72.2013.4.05.8200

BRUNO SÁTIRO PALMEIRA RAMOS 0001845-75.2013.4.05.8200

CAIO MEDICI MADUREIRA 0006874-77.2011.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0000937-57.2009.4.05.8200 0001349-80.2012.4.05.8200 0002700-54.2013.4.05.8200 0003510-05.2008.4.05.8200

CARLA CHRISTINA SCHNAPP 0003942-87.2009.4.05.8200

CARLOS BARROS DE OLIVEIRA GUIMARAES 0001677-74.1993.4.05.8200

CARLOS FELIPE XAVIER CLEROT 0004055-36.2012.4.05.8200

CARMEN RACHEL DANTAS MAYER 0007841-59.2010.4.05.8200

CASSIANA MENDES DE SÁ 0005776-33.2006.4.05.8200

CECÍLIA GABRIELA GODOI CORDEIRO 0001287-40.2012.4.05.8200

CHARLES CRUZ BARBOSA 0004688-13.2013.4.05.8200

CLAUDECY TAVARES SOARES 0005205-91.2008.4.05.8200

DALVA ERMIRA DE SOUSA 0008021-80.2007.4.05.8200

DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA 0002036-28.2010.4.05.8200 0002123-47.2011.4.05.8200 0003800-83.2009.4.05.8200 0004421-80.2009.4.05.8200 0008696-38.2010.4.05.8200

DANIELE MARIA TABOSA MACHADO 0006874-77.2011.4.05.8200

DANILO HEBER DE OLIVEIRA GOMES 0005597-89.2012.4.05.8200

DAVIDSON LOPES SOUZA DE BRITO 0007759-57.2012.4.05.8200

DEMÉTRIO DE ALMEIDA NETO 0000937-52.2012.4.05.8200

DEORGE ARAGAO DE ALMEIDA 0003610-57.2008.4.05.8200

DIEGO MACIEL DE SOUZA 0004406-72.2013.4.05.8200

DORIS FIÚZA CHAVES 0008107-75.2012.4.05.8200

DRACON DOS SANTOS TAMYARANA DE SA BARETTO 0009686-05.2005.4.05.8200

DUCIRAN VAN MARSEN FARENA 0006187-08.2008.4.05.8200

EDITH RACHEL NEVES MONTEIRO 0006874-77.2011.4.05.8200

EDSON BATISTA DE SOUZA 0001134-22.2003.4.05.8200

EDSON VIRGINIO CAVALCANTE JUNIOR 0006187-08.2008.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0000150-86.2013.4.05.8200 0000423-46.2005.4.05.8200 0000445-07.2005.4.05.8200 0001003-76.2005.4.05.8200 0001022-82.2005.4.05.8200 0001112-90.2005.4.05.8200 0001130-14.2005.4.05.8200 0001153-57.2005.4.05.8200 0001156-12.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200 0001173-48.2005.4.05.8200 0001485-24.2005.4.05.8200 0001651-56.2005.4.05.8200 0002052-74.2013.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200

ELISIA HELENA DE MELO MARTINI 0006874-77.2011.4.05.8200

EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA 0004792-05.2013.4.05.8200

ENIO SILVA NASCIMENTO 0002123-47.2011.4.05.8200 0003800-83.2009.4.05.8200 0004421-80.2009.4.05.8200 0008696-38.2010.4.05.8200

ERALDO LUIS BRAZ DE MORAIS 0005532-70.2007.4.05.8200

ERIVAN DE LIMA 0000150-86.2013.4.05.8200

EVILSON CARLOS DE OLIVEIRA BRAZ 0006187-08.2008.4.05.8200

EZILDO JOSÉ CÉSAR GADELHA FILHO 0005205-91.2008.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0005222-69.2004.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200

FABIANA DE CASSIA RAMOS DE MEDEIROS FERNANDES ALVES 0004855-30.2013.4.05.8200

FABIO ROMERO DE S. RANGEL 0002522-81.2008.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0002523-66.2008.4.05.8200

FABRICIO ABRANTES DE OLIVEIRA 0007759-57.2012.4.05.8200

FABRÍCIO BELTRÃO DE BRITO 0000937-52.2012.4.05.8200

FELICIO MARTINHO NOBREGA FILHO 0013938-51.2005.4.05.8200

FELIPE BESERRA GUEDES GUEVEDO 0005776-33.2006.4.05.8200

FELIPE COSTA PONTES 0003800-83.2009.4.05.8200 0004421-80.2009.4.05.8200 0008696-38.2010.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0002052-74.2013.4.05.8200

FERNANDO FERNANDES MANO 0007426-08.2012.4.05.8200

FLAVIA LOPES DE AROLA 0001287-40.2012.4.05.8200

FLORENCIO TEIXEIRA BASTOS BISNETO 0004406-72.2013.4.05.8200 0006022-53.2011.4.05.8200

FRANCIS TED FERNANDES 0006874-77.2011.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE 0009967-53.2008.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0005532-70.2007.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES 0000179-39.2013.4.05.8200 0000876-60.2013.4.05.8200 0000877-45.2013.4.05.8200 0001801-56.2013.4.05.8200 0003025-39.2007.4.05.8200 0004037-78.2013.4.05.8200 0004040-33.2013.4.05.8200 0004041-18.2013.4.05.8200 0007375-94.2012.4.05.8200 0007496-25.2012.4.05.8200 0007725-82.2012.4.05.8200 0008550-26.2012.4.05.8200 0008601-37.2012.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0003008-27.2012.4.05.8200 0003610-57.2008.4.05.8200 0009967-53.2008.4.05.8200

FRANKLIN CARVALHO DE MEDEIROS 0006874-77.2011.4.05.8200

FREDERICO ALGUSTO VEIGA 0006874-77.2011.4.05.8200

GENE SOARES PEIXOTO 0001287-40.2012.4.05.8200

GERALDO DE MARGELA MADRUGA 0001287-40.2012.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0007533-67.2003.4.05.8200 0010792-31.2007.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0002052-74.2013.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200

GIULIANNA MARIZ MAIA VASCONCELOS BATISTA 0001287-40.2012.4.05.8200

GLAUCO JOSE DA SILVA SOARES 0013938-51.2005.4.05.8200

GUILHERME FONTES DE MEDEIROS 0004792-05.2013.4.05.8200

GUSTAVO CASTRO BÓIA DE ALBUQUERQUE 0001776-43.2013.4.05.8200 0001777-28.2013.4.05.8200 0001778-13.2013.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0001134-22.2003.4.05.8200

GUSTAVO GUIMARÃES LIMA 0006874-77.2011.4.05.8200

GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO 0003800-83.2009.4.05.8200 0004421-80.2009.4.05.8200 0008696-38.2010.4.05.8200

HEITOR CABRAL DA SILVA 0005776-33.2006.4.05.8200

HELENO LUIZ DE FRANCA FILHO 0007200-76.2007.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0000937-57.2009.4.05.8200 0001349-80.2012.4.05.8200 0002700-54.2013.4.05.8200 0003510-05.2008.4.05.8200

HUMBERTO TROCOLI NETO 0005532-70.2007.4.05.8200

HÉRCIO FONSECA DE ARAUJO 0014970-28.2004.4.05.8200

IVAMBERTO CARVALHO DE ARAUJO 0004444-60.2008.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0003025-39.2007.4.05.8200 0005602-87.2007.4.05.8200

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0001086-14.2013.4.05.8200 0002242-42.2010.4.05.8200 0008512-10.1995.4.05.8200 0008692-26.1995.4.05.8200

JALDELENIO REIS DE MENESES 0002522-81.2008.4.05.8200

JAM'S DE SOUZA TEMOTEO 0004734-36.2012.4.05.8200

JAQUELINE GOMES CAVALCANTI 0005205-91.2008.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0001578-40.2012.4.05.8200

JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO 0006187-08.2008.4.05.8200

JOAO RAFAEL ARNONI LANZONI 0006874-77.2011.4.05.8200

JOAQUIM MANOEL VIANA 0000023-51.2013.4.05.8200 0009460-53.2012.4.05.8200

JONACY FERNANDES ROCHA 0000024-36.2013.4.05.8200

JOSE ARAUJO FILHO 0001033-29.1996.4.05.8200 0008692-26.1995.4.05.8200

JOSE COSME DE MELO FILHO 0001033-29.1996.4.05.8200

JOSE HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA 0004080-15.2013.4.05.8200 0004082-82.2013.4.05.8200 0004302-80.2013.4.05.8200

JOSE MARIA DE ALMEIDA BASTOS 0004406-72.2013.4.05.8200

JOSE MARTINS DA SILVA 0001086-14.2013.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0000150-86.2013.4.05.8200 0000423-46.2005.4.05.8200 0000445-07.2005.4.05.8200 0001003-76.2005.4.05.8200 0001022-82.2005.4.05.8200 0001112-90.2005.4.05.8200 0001130-14.2005.4.05.8200 0001153-57.2005.4.05.8200 0001156-12.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200 0001173-48.2005.4.05.8200 0001485-24.2005.4.05.8200 0001651-56.2005.4.05.8200 0002052-74.2013.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200 0009460-53.2012.4.05.8200

JOSE VANDALBERTO DE CARVALHO 0001287-40.2012.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0001086-14.2013.4.05.8200 0008512-10.1995.4.05.8200

JOSEFA VICENTE DA SILVA 0002304-77.2013.4.05.8200

JOSÉ EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO 0006874-77.2011.4.05.8200

JOSÉ GUILHERME FERRAZ DA COSTA 0006187-08.2008.4.05.8200

JOSÉ INÁCIO DE ANDRADE PEREZ 0006022-53.2011.4.05.8200

JUNKO TANAKA 0006874-77.2011.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0001033-29.1996.4.05.8200 0001086-14.2013.4.05.8200 0002242-42.2010.4.05.8200 0008512-10.1995.4.05.8200 0008692-26.1995.4.05.8200

JUSSARA TAVARES SANTOS SOUSA 0005532-70.2007.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0003025-39.2007.4.05.8200 0005602-87.2007.4.05.8200

KARLA DANIELLE SANTOS ALVES MAIA 0005205-91.2008.4.05.8200

KARLA GABRIELA SOUSA LEITE 0004062-91.2013.4.05.8200

KARLA SUIANY DE ALMEIDA MANGUEIRA GUEDES 0003610-57.2008.4.05.8200

KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA 0004421-80.2009.4.05.8200

KOTARO TANAKA 0006874-77.2011.4.05.8200

LARISSA RAULINO DE ARAÚJO 0004062-91.2013.4.05.8200

LEONARDO SILVA GOMES 0007533-67.2003.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0001349-80.2012.4.05.8200 0002700-54.2013.4.05.8200

LETICIA BOLZANI GONDIM 0004062-91.2013.4.05.8200

LICELIA MARIA CORDEIRO E. DE SOUZA 0004034-26.2013.4.05.8200

LINDINALVA MAGALHAES DE MOURA 0003510-05.2008.4.05.8200

LUCAS CLEMENTE DE BRITO PEREIRA 0001287-40.2012.4.05.8200

LUCIANA DE ALBUQUERQUE CAVALCANTI BRITO 0009967-53.2008.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0001349-80.2012.4.05.8200 0002700-54.2013.4.05.8200

LUIZ FIRMO FERRAZ FILHO 0010455-13.2005.4.05.8200

LUIZ MONTEIRO VARAS 0004734-36.2012.4.05.8200

MANUEL BATISTA DE MEDEIROS 0001677-74.1993.4.05.8200

MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES 0004734-36.2012.4.05.8200

MARCO ANTONIO SARMENTO GADELHA 0008107-75.2012.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0001134-22.2003.4.05.8200 0004062-91.2013.4.05.8200 0005532-70.2007.4.05.8200

MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA 0000023-51.2013.4.05.8200 0000024-36.2013.4.05.8200 0000028-73.2013.4.05.8200 0000030-43.2013.4.05.8200 0000179-39.2013.4.05.8200 0000876-60.2013.4.05.8200 0000877-45.2013.4.05.8200 0001776-43.2013.4.05.8200 0001777-28.2013.4.05.8200 0001778-13.2013.4.05.8200 0001801-56.2013.4.05.8200 0001845-75.2013.4.05.8200 0004037-78.2013.4.05.8200 0004038-63.2013.4.05.8200 0004039-48.2013.4.05.8200 0004040-33.2013.4.05.8200 0004041-18.2013.4.05.8200 0004042-03.2013.4.05.8200 0004080-15.2013.4.05.8200 0004082-82.2013.4.05.8200 0004302-80.2013.4.05.8200 0004359-98.2013.4.05.8200 0007375-94.2012.4.05.8200 0007496-25.2012.4.05.8200 0007725-82.2012.4.05.8200 0008550-26.2012.4.05.8200 0008601-37.2012.4.05.8200

MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO 0006187-08.2008.4.05.8200

MARCUS AURELIO TORQUATO 0002123-47.2011.4.05.8200

MARCÍLIO EVANGELISTA DE SOUZA 0004034-26.2013.4.05.8200

MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO 0002700-54.2013.4.05.8200

MARIA DAS DORES VIANA MONTENEGRO 0001321-69.1999.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200

MARIA DE LOURDES SOUSA VIEIRA GOMES 0001033-29.1996.4.05.8200

MARIA JOSE DA SILVA 0004734-36.2012.4.05.8200

MARLENE PEREIRA BORBA 0004618-30.2012.4.05.8200

MARTINHO FAUSTINO XAVIER JUNIOR 0003610-57.2008.4.05.8200

MAURÍCIO FONSECA RIBEIRO NETO 0004055-36.2012.4.05.8200

MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES 0010455-13.2005.4.05.8200

MUCIO SATIRO FILHO 0009967-53.2008.4.05.8200

MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA 0002523-66.2008.4.05.8200 0004820-32.1997.4.05.8200 0007533-67.2003.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0004062-91.2013.4.05.8200 0005532-70.2007.4.05.8200

NATALICIO EVANGELISTA DOS SANTOS NETO 0004034-26.2013.4.05.8200

NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA 0000023-51.2013.4.05.8200 0000024-36.2013.4.05.8200 0000028-73.2013.4.05.8200 0000030-43.2013.4.05.8200 0000179-39.2013.4.05.8200 0000876-60.2013.4.05.8200 0000877-45.2013.4.05.8200 0001776-43.2013.4.05.8200 0001777-28.2013.4.05.8200 0001778-13.2013.4.05.8200 0001801-56.2013.4.05.8200 0001845-75.2013.4.05.8200 0004037-78.2013.4.05.8200 0004038-63.2013.4.05.8200 0004039-48.2013.4.05.8200 0004040-33.2013.4.05.8200 0004041-18.2013.4.05.8200 0004042-03.2013.4.05.8200 0004080-15.2013.4.05.8200 0004082-82.2013.4.05.8200 0004302-80.2013.4.05.8200 0004359-98.2013.4.05.8200 0007375-94.2012.4.05.8200 0007496-25.2012.4.05.8200 0007725-82.2012.4.05.8200 0008550-26.2012.4.05.8200 0008601-37.2012.4.05.8200

NAY CORDEIRO EVANGELISTA DE SOUZA 0004034-26.2013.4.05.8200

NELSON AZEVEDO TORRES 0004062-91.2013.4.05.8200

NELSON DE OLIVEIRA SOARES 0003008-27.2012.4.05.8200

NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES 0009686-05.2005.4.05.8200

NESTOR DOS SANTOS SARAGOTTO 0006874-77.2011.4.05.8200

NIANI GUIMARAES LIMA DE MEDEIROS 0006874-77.2011.4.05.8200

NIZI MARINHEIRO 0000344-29.1989.4.05.8200

NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO 0005060-93.2012.4.05.8200

OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA 0002036-28.2010.4.05.8200 0002123-47.2011.4.05.8200 0003800-83.2009.4.05.8200 0004421-80.2009.4.05.8200 0008696-38.2010.4.05.8200

PALLOMA THALITA TARGINO CHAVES CORDEIRO PASSOS 0001287-40.2012.4.05.8200

PATRICIA DE CARVALHO CAVALCANTI 0006874-77.2011.4.05.8200

PATRÍCIA MIRIAN COSTA DE BRITO CAVALCANTI 0005205-91.2008.4.05.8200

PAULO AMERICO MAIA DE VASCONCELOS 0012343-51.2004.4.05.8200

PAULO EDUARDO PRADO 0006874-77.2011.4.05.8200

PAULO GUEDES PEREIRA 0004444-60.2008.4.05.8200 0009967-53.2008.4.05.8200

PAULO SERGIO T. LINS FALCAO 0007200-76.2007.4.05.8200

PEDRO REGINALDO GOMES 0007533-67.2003.4.05.8200

PEDRO VICTOR DE ARAUJO CORREIA 0006874-77.2011.4.05.8200

PIERRE ANDRADE BERTHOLET 0004734-36.2012.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0004406-72.2013.4.05.8200 0005597-89.2012.4.05.8200 0007426-08.2012.4.05.8200

RAIMUNDO FLORENCIO PINHEIRO 0008692-26.1995.4.05.8200

REINALDO LUIS FRANCIS TED FERNANDES 0006874-77.2011.4.05.8200

RICARDO BERNARDI 0003942-87.2009.4.05.8200

ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA 0006187-08.2008.4.05.8200

ROBERTO NOGUEIRA GOUVEIA 0001287-40.2012.4.05.8200

RODOLFO ALVES SILVA 0006187-08.2008.4.05.8200

RODRIGO DOS SANTOS LIMA 0006187-08.2008.4.05.8200

RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI 0009686-05.2005.4.05.8200

ROMEIKA MEIRELES MONTENEGRO 0006874-77.2011.4.05.8200

ROMILTON DUTRA DINIZ 0005552-56.2010.4.05.8200

ROSSANA KARLA MARINHO ALVES 0004734-36.2012.4.05.8200

SABRINA PEREIRA MENDES 0009967-53.2008.4.05.8200

SARAH LARA HIAL 0006874-77.2011.4.05.8200

SELDA CELESTE RIBEIRO COUTINHO MAIA 0012343-51.2004.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000060-78.2013.4.05.8200 0002304-77.2013.4.05.8200 0002700-54.2013.4.05.8200 0004062-91.2013.4.05.8200 0004855-30.2013.4.05.8200 0006187-08.2008.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000423-46.2005.4.05.8200 0000445-07.2005.4.05.8200 0000937-52.2012.4.05.8200 0000937-57.2009.4.05.8200 0001003-76.2005.4.05.8200 0001022-82.2005.4.05.8200 0001112-90.2005.4.05.8200 0001130-14.2005.4.05.8200 0001153-57.2005.4.05.8200 0001156-12.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200 0001173-48.2005.4.05.8200 0001287-40.2012.4.05.8200 0001349-80.2012.4.05.8200 0001485-24.2005.4.05.8200 0001578-40.2012.4.05.8200 0001651-56.2005.4.05.8200 0002242-42.2010.4.05.8200 0003510-05.2008.4.05.8200 0003942-87.2009.4.05.8200 0004034-26.2013.4.05.8200 0004055-36.2012.4.05.8200 0004444-60.2008.4.05.8200 0004618-30.2012.4.05.8200 0004688-13.2013.4.05.8200 0004792-05.2013.4.05.8200 0005060-93.2012.4.05.8200 0005552-56.2010.4.05.8200 0005602-87.2007.4.05.8200 0006022-53.2011.4.05.8200 0006837-02.2001.4.05.8200 0006874-77.2011.4.05.8200 0007200-76.2007.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200 0007759-57.2012.4.05.8200 0007841-59.2010.4.05.8200 0008021-80.2007.4.05.8200 0009686-05.2005.4.05.8200 0010792-31.2007.4.05.8200 0012343-51.2004.4.05.8200 0013938-51.2005.4.05.8200

SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ 0004820-32.1997.4.05.8200

SERGIO PETRONIO BEZERRA DE AQUINO 0001112-90.2005.4.05.8200

SIMONNE JOVANKA NERY VAZ 0000028-73.2013.4.05.8200 0000030-43.2013.4.05.8200 0004038-63.2013.4.05.8200 0004039-48.2013.4.05.8200 0004042-03.2013.4.05.8200 0004359-98.2013.4.05.8200 0007533-67.2003.4.05.8200

SUELY SOARES DE SOUSA SILVA 0005205-91.2008.4.05.8200

TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS 0004618-30.2012.4.05.8200

TERESA RACHEL BRITO NEVES PEREIRA 0006874-77.2011.4.05.8200

THIAGO CARTAXO PATRIOTA 0003942-87.2009.4.05.8200

URIAS JOSE CHAGAS DE MEDEIROS 0013938-51.2005.4.05.8200

VALTER DE MELO 0000937-57.2009.4.05.8200 0001321-69.1999.4.05.8200 0001349-80.2012.4.05.8200 0002700-54.2013.4.05.8200 0003510-05.2008.4.05.8200

VANESSA FERNANDES DE MELO 0006874-77.2011.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0007533-67.2003.4.05.8200 0010792-31.2007.4.05.8200

VESCIJUDITH FERNANDES MOREIRA 0009967-53.2008.4.05.8200

WALLACE ALENCAR GOMES 0001349-80.2012.4.05.8200

WASHINGTON LUIS SOARES RAMALHO 0004688-13.2013.4.05.8200

WERTON MAGALHAES COSTA 0006187-08.2008.4.05.8200

WLLY ANNIE FEITOSA BARBOSA 0006187-08.2008.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0002052-74.2013.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200

YARA GADELHA BELO DE BRITO 0007533-67.2003.4.05.8200 0010792-31.2007.4.05.8200

YORDAN MOREIRA DELGADO 0006187-08.2008.4.05.8200

YURI MARQUES DA CUNHA 0002700-54.2013.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0000150-86.2013.4.05.8200 0000423-46.2005.4.05.8200 0000445-07.2005.4.05.8200 0001003-76.2005.4.05.8200 0001022-82.2005.4.05.8200 0001112-90.2005.4.05.8200 0001130-14.2005.4.05.8200 0001153-57.2005.4.05.8200 0001156-12.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200 0001173-48.2005.4.05.8200 0001485-24.2005.4.05.8200 0001651-56.2005.4.05.8200 0005222-69.2004.4.05.8200 0007241-43.2007.4.05.8200 0009460-53.2012.4.05.8200

ÉRIKA OLIVEIRA DEL PINO 0001287-40.2012.4.05.8200

 

Juiz Federal JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA

Diretor de Secretaria: Romulo Augusto de Aguiar Loureiro

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000937-52.2012.4.05.8200 CIAN - CONTRUCAO, IMOBILIARIA E AGROPECUARIA LTDA (Adv. FABRÍCIO BELTRÃO DE BRITO, DEMÉTRIO DE ALMEIDA NETO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0000937-52.2012.4.05.8200 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): CIAN - CONSTRUÇÃO, IMOBILIÁRIA E AGROPECUÁRIA LTDA Ré: UNIÃO (Fazenda Nacional) SENTENÇA Vistos etc. A CIAN - CONSTRUÇÃO, IMOBILIÁRIA E AGROPECUÁRIA LTDA propôs ação ordinária, c/c pedido de tutela antecipatória, em desfavor da UNIÃO (Fazenda Nacional), objetivando a sua reintegração ao programa de parcelamento de débitos tributários, instituído pela Lei nº 11.941/2009, em relação à dívida apurada no PA-PGFN nº 11618.003690/2004-59, com a conseqüente expedição de certidão negativa de débito (CND) ou de certidão positiva de débito com efeito de negativa (CPD-EN); também requereu a declaração de quitação integral do débito objeto do PA-PFN nº 11618.002601/2005-38. 2. A petição inicial (fls. 03/18) veio aos autos acompanhada de procuração (fls. 19) e de documentos (fls. 20/131), alegando textualmente o seguinte: "A autora é empresa que se presta a diversas atividades, como a construção de móveis residenciais e a atividades de agropecuária e alimentícia. No curso de suas atividades, por motivos de dificuldades financeiras da empresa, esta deixou de arcar com alguns tributos, prevendo poder renegociá-los no futuro, após o período de turbulência por que passara naquele momento. Diante dessa situação, a empresa passou a ser devedora de 03 débitos, quais sejam: CSLL (cód. de receita 1804), no valor originário de R$ 15.949,77; IRPJ (cód. 3551), no valor originário de R$ 39.412,57; e COFINS (cód. 4493), no valor originário de R$ 65.649,96. Tais débitos, no âmbito da Receita Federal, foram inclusos em processos administrativos com as seguintes numerações: (1) 11618.003690/2004-59, que passou a incluir os débitos da COFINS; (2) 11618.002601/2005-38, que passou a incluir os débitos de IRPJ e da CSLL. De início, a autora requereu, em 26/07/2005, o parcelamento dos débitos de IRPJ e da CSLL, descritos no ponto 2, conforme atesta o extrato do referido pedido em anexo. O parcelamento foi feito na modalidade de 60 meses, com débito direto na conta corrente do autor e os valores das parcelas ficaram da seguinte forma: R$ 1.847,36 para a CSLL e R$ 4.582,98 para o IRPJ, totalizando R$ 6.430,34 de prestação inicial mensal. O segundo débito, descrito no ponto 1 acima, dizia respeito à COFINS e provinha de uma mal sucedida apuração de compensação feita pelo(a) autor(a) tempos atrás e seu parcelamento excepcional (MP 303 de 29 de junho de 2006) foi solicitado e deferido no dia 15/09/2006, optando-se por parcelar o débito em 60 parcelas, pagas através de DARF, com o código de receita 0842 (parcelamento, art. 1º da MP nº 303/2006), no valor inicial de R$ 2.000,00 (dois mil reais). Ambos os parcelamentos sempre foram pagos em dia, conforme demonstram as cópias de todas as guias pagas dos referidos tributos. Em 28 de maio de 2009, a UNIÃO publicou a Lei nº 11.941/2009, que instituiu uma nova forma e possibilidade de parcelamento especial de débitos. (...) Após a adesão com o requerimento do autor, que optou por incluir todos os débitos que existiam contra si, em 27/10/2009, o parcelamento ficou dividido em duas partes distintas, conforme previa o art. 4º, § 2º, da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6/2009, já que um débito encontrava-se na Receita Federal (com o cód. de receita nº 1285 - Lei nº 11.941/2009), com a parcela no valor de R$ 7.674,82, e o outro na Procuradoria da Fazenda Nacional (com o cód. de receita 1204), com a parcela no valor de R$ 1.934,87. (...) Em resumo, o débito do processo nº 11618.003690/2004-59, que abrangia débitos da COFINS, que tramitava na PGFN e que também foi pedido para ser incluso no parcelamento da Lei nº 11.941, encontra-se sendo pago regularmente no vencimento, o que desde já demonstra a boa-fé do(a) contribuinte e torna a exclusão do(a) autor(a) pela ré, do parcelamento em questão, totalmente ilegal e nula, devendo ser determinado o retorno da autora ao referido parcelamento especial. A dívida constante do processo administrativo nº 11618.002601/2005-38, que abrangia débitos de IRPJ e de CSLL, no âmbito da Receita Federal, que foram inclusos a pedido no termo de parcelamento da Lei nº 11.941, e que desejaria que fosse parcelada em algo em torno de 10 (dez) prestações, pela demora em consolidação pela ré, foi integralmente quitado em julho de 2010, sem fazer jus aos benefícios de redução previstos pela legislação. E a ré, de forma totalmente ilegal e injusta, vem cobrando a dívida total deste processo, afirmando que o autor, por deixar de pagar as prestações indevidas e, também, como havia desistido do PAEX originário anterior, passou a cobrar a dívida por inteiro, sem a amortização anterior, sem as reduções previstas na lei e, o mais grave, sem levar em consideração a quitação integral desta." 3. O pedido de antecipação dos efeitos da tutela de mérito foi indeferido (fls. 136/17), por falta de amparo legal. 4. A parte demandante formulou pedido (fls. 141/142 e 148) de reconsideração da decisão que indeferiu a tutela antecipatória, tendo a pretensão sido rejeitada em decisão fundamentada (fls. 167). 5. Em sua contestação (fls. 177/179), a UNIÃO (Fazenda Nacional) informou que, quanto ao PA-PFN nº 11618.003690/2004-59, não haveria mais possibilidade de reinclusão do mesmo no programa de parcelamento especial da Lei nº 11.941/2009, porque a demandante deixou de formalizar a consolidação do parcelamento, cujo prazo foi encerrado em 30/06/2011; além disso, a R. informou que não houve a quitação do PA-PFN nº 11618.002601/2005-38, conforme alegado na inicial, razão pela qual requereu a improcedência da ação. 6. Posteriormente a A. CIAN - CONSTRUÇÃO, IMOBILIÁRIA E AGROPECUÁRIA LTDA informou que requereu sua adesão ao REFIS, nos termos da Lei nº 10.522/2002. 7. A impugnação foi apresentada pela A. no prazo legal, rebatendo a contestação da UNIÃO (Fazenda Nacional) e reiterando o pedido deduzido na inicial. 8. Autos conclusos. Relatados, DECIDO. 9. No caso em exame, a A. insurgiu-se contra a sua exclusão do programa de parcelamento especial, instituído pela Lei nº 11.941/2009, no tocante ao débito constante do PA-PGFN nº 11618.003690/2004-59, que abrangia débitos da COFINS, bem como requereu a declaração de quitação integral do débito objeto do PA-PFN nº 11618.002601/2005-38. 10. A Lei nº 11.941/2009, art. 1º, autorizou o parcelamento, em até 180 (cento e oitenta) meses, dos débitos de pessoas físicas e jurídicas administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e dos débitos existentes junto à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, de acordo com as condições estabelecidas em ato conjunto do Procurador-Geral da Fazenda Nacional e do Secretário da Receita Federal do Brasil. 11. A Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 06/2009, art. 15, § 3º, dispôs expressamente que o sujeito passivo que aderisse aos parcelamentos de débitos tributários e que não apresentasse as informações necessárias à consolidação, no prazo estipulado, teria o pedido de parcelamento cancelado, sem o restabelecimento dos parcelamentos rescindidos, em decorrência do requerimento efetuado. 12. De acordo com o Memº SACAT/DRF/JPA nº 0875/2012, em relação ao PA-PFN nº 11618.003.690/2004-59, a demandante deixou de apresentar a documentação necessária à formalização da consolidação do parcelamento, no prazo regulamentar, encerrado em 30/junho/2011. 13. Com efeito, de acordo com os extratos de consulta de informação ao PA-PFN nº 11618.003.690/2004-59, verifica-se que a empresa CIAN - CONSTRUÇÃO, IMOBILIÁRIA E AGROPECUÁRIA LTDA não efetuou regulamente todos os procedimentos necessários à consolidação dos débitos tributários, razão pela qual não restou formalizado o parcelamento previsto na a Lei nº 11.941/2009. 14. Tampouco a A. constituiu prova de que a UNIÃO, através da Procuradoria da Fazenda Nacional, teria deixado de fornecer os esclarecimentos necessários à realização da consolidação de débitos tributários, nem de que teria havido recusa indevida quanto ao recebimento de requerimento do parcelamento. 15. Vale salientar, contudo, que os documentos (fls. 215/224) demonstram que a dívida referente ao PA-PFN nº 11618.003.690/2004-59 teria sido incluída em novo programa de "parcelamento simplificado", mas não esclarece se esse parcelamento estaria regulado pela Lei nº 11.941/2009. 16. Aliás, a Procuradoria da Fazenda Nacional reafirmou (fls. 213/215) que não teria havido a formalização da consolidação do(s) débito(s) referido(s) na inicial, de forma que não seria possível reconhecer a perda superveniente do objeto da ação no tocante ao pedido de reintegração da empresa ao programa de parcelamento de débitos tributários, instituído pela Lei nº 11.941/2009, em relação à dívida apurada no PA-PGFN nº 11618.003690/2004-59. 17. A propósito, a própria A. informou (fls. 206) que, posteriormente a esta ação, os débitos remanescentes, decorrentes de parcelamentos anteriores, teriam sido incluídos no REFIS, de que trata a Lei nº 9.964/2000, c/c as alterações posteriores, razão pela qual não haveria como reconhecer o direito da demandante à reintegração ao parcelado requerido originalmente, que não foi efetivamente formalizado à época própria. 18. As provas coligidas nestes autos também não demonstram que a A. teria pago integralmente o saldo devedor decorrente da consolidação de débitos relativos à CSLL e ao IRPJ, apurados através do PA-PFN nº 11618.002601/2005-38 (fls. 04), de forma que não haveria plausibilidade jurídica para a expedição de certidão negativa de débito (CND) ou de certidão positiva de débito com efeito de negativa (CPD-EN) com base nos documentos apresentados pela demandante. 19. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 269, I, e demais legislação referida, rejeito os pedidos formulados pela empresa CIAN - CONSTRUÇÃO, IMOBILIÁRIA E AGROPECUÁRIA LTDA contra a UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) com resolução do mérito da causa. 20. Honorários advocatícios pela parte sucumbente, fixados em R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais), nos termos do CPC, art. 20, § 4º, com correção monetária, a partir desta data, pelo IPCA-E (IBGE). 21. Custas, ex lege. 22. P. R. I. João Pessoa, 12 AGO 2013 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 5 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0000937-57.2009.4.05.8200 NILVANDO FERREIRA DE LIMA REP POR ARIONDES FERREIRA BATISTA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação Ordinária nº 937-57.2009.4.05.8200 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor: NILVANDO FERREIRA DE LIMA Réu : INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS Custos legis: Ministério Público Federal - MPF S E N T E N Ç A Vistos, etc. NILVANDO FERREIRA DE LIMA, representado por Ariondes Ferreira Batista, propôs ação ordinária em desfavor do INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS objetivando receber pensão por morte deixada por sua genitora, e, também, indenização por danos morais; e mais, custas do processo, despesas afins e honorários advocatícios, além de justiça gratuita. 2. A petição inicial (fls. 03/06), que veio acompanhada com procuração (fls. 07) e documentos (fls. 08/28), dos quais merece especial destaque o exame pericial-psiquiátrico (fls. 18) e a petição inicial da Ação de Interdição c/c Concessão de Curatela e Nomeação de Curador nº 20020080119304 (fls. 19/28). 3. Decisão fundamentada (fls. 32) deferiu o pedido de justiça gratuita. 4. A citação foi realizada (fls. 67) conforme o CPC, art. 285. 5. A contestação tempestiva (fls. 35//41), acompanhada de documentos (fls. 42/65), argüiu preliminar de prescrição/decadência; e, no mérito, a improcedência dos pedidos sob a alegação principal de que a parte adversa não se enquadrou nos requisitos estabelecidos pela Lei nº 8.213/91, art. 16, I, e pelo Decreto nº 3.048/99. 6. A impugnação, igualmente tempestiva (fls. 68/70) renovou os pedidos formulados initio litis. 7. Facultada a especificação de provas (fls. 71), apenas o A. requereu designação de audiência e a intimação do R. para juntada do processo administrativo. 8. Despacho (fls. 76) determinou a intimação do R. para juntada de cópia de processo administrativo. 9. Petição do R. (fls. 78) pela juntada de processo administrativo (fls. 79/102). 10. Decisão fundamentada (fls. 104) concedeu prazo para que o A. regularizasse a representação processual, trazendo aos autos cópias da designação judicial de Ariondes Ferreira Batista na qualidade de curadora do A.. 11. Certidão da Secretaria (fls. 107) no sentido de que decorreu prazo sem que o A. cumprisse a determinação anterior (cnf. item 10, retro). 12. O MPF, atuando como custos legis (fls. 107vº), arguiu pela intimação pessoal da representante do A. ou, subsidiariamente, nomeação dela como curadora. 13. Decisão fundamentada (fls. 109) deferiu o pedido de intimação pessoal da representante do A., contudo, restou sem intimação (fls. 112vº). 14. Petição do A. veio aos autos (fls. 114) pelo desarquivamento dos autos, habilitação de novos advogados e juntada de substabelecimento (fls. 115), o que foi deferido (fls. 116). 15. Petição do A. veio mais uma vez aos autos (fls. 119) pela nomeação de sua irmã como curadora especial. 16. Autos conclusos (fls. 121). Relatados, DECIDO. 17. Neste caso, o A. não cumpriu integralmente a decisão anterior (fls. 104), tendo deixado de regularizar a sua representação processual, uma vez que a procuração (fls. 07) foi assinada apenas por Ariondes Ferreira Batista, que não detém poder de representação do A.. 18. Vale salientar que a decisão anterior (fls. 104), publicada em 19/março/2012 (fls. 106), havia concedido o prazo de 30 (trinta) dias para que o A. regularizasse sua representação e apresentasse cópias da designação judicial de Ariondes Ferreira Batista na qualidade de curadora. 19. Por conseguinte, a ação padece de vício processual relativamente à inadequação da representação processual do A., visto que fora determinada a regularização do defeito (fls. 104), nos termos do CPC, art. 13, mas o A., embora devidamente intimado (fls. 106), não comprovou que Ariondes Ferreira Batista, subscritora da procuração (fls. 07), teria sido constituída sua representante judicial. 20. O CPC, art. 13, I, dispõe que, não sendo cumprido o despacho que determinou a regularidade da representação da parte, o juiz decretará a nulidade do processo; contudo, essa irregularidade formal, na verdade, acarreta a extinção do processo, sem resolução da lide, não havendo plausibilidade para o prosseguimento da marcha processual. 21. A jurisprudência pacífica sobre a matéria dispõe que, se a parte foi intimada para sanar irregularidade de representação processual e deixou transcorrer o prazo fixado sem cumprir a determinação, o processo deverá ser extinto sem resolução do mérito da causa (TRF 5ª Região - 4ª Turma, AC nº 438205, DJE de 25/março/2010, pág. 584). 22. Por outro lado, não merece respaldo o pedido para que seja nomeada a irmã do A. como curadora especial (cnf. item 15, retro) porque é da justiça comum estadual a competência para o processo no qual se pretende a nomeação de curador de incapaz para os fins de direito, ainda que dentro desses esteja o de pleitear aposentadoria junto ao INSS (CC nº 30715, STJ, DJ de 09/abril/2001, pag. 00328). 23. Ainda que assim não fosse, a Ação de Interdição c/c Concessão de Curatela e Nomeação de Curador promovida pelo A. na Justiça Comum Estadual (cnf. item 2, retro) foi extinta em 16/junho/2009 e a sentença transitou em julgado em 22/abril/2010 (cnf. consulta processual TJ/PB). 24. Isto posto, nos termos do CPC, art. 267, IV e XI, declaro extinto o presente feito proposto por NILVANDO FERREIRA DE LIMA em desfavor do INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS, sem resolução do mérito da causa, por falta de pressuposto de desenvolvimento válido e regular do processo, bem como por ausência de documento indispensável à propositura da ação. 25. Custas e honorários advocatícios incabíveis na espécie, visto que o A. é beneficiário da Lei nº 1.060/1950 (fls. 32), tendo sido reconhecida a sua hipossuficiência financeira. 26. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição. 27. P. R. I. João Pessoa, 12/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 1ª VARA 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 1ª VARA

   

0003510-05.2008.4.05.8200 LUIZ OTAVIO LIMA DA SILVA, REPR. POR SUA GENITORA, MARIA JOSE DE LIMA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LINDINALVA MAGALHAES DE MOURA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Vistos em decisão: 1 - Os autos tratam de ação ordinária promovida por LUIZ OTÁVIO LIMA DA SILVA, representado por sua genitora Maria José de Lima (fls. 08/08vº), em desfavor do INSS, objetivando principalmente a concessão de pensão por morte. 2 - Na fase de especificação de provas (fls. 56), o A. requereu prova pericial (fls. 59), a qual, todavia, indefiro porque os autos têm prova suficiente para o deslinde da questão, pelo que a pretensa produção de prova pericial seria medida meramente protelatória. 4 - Intimem-se. 5 - Cumpra-se com urgência. 6 - Providências imediatas pela Secretaria da Vara. 7 - Por fim, voltem-me os autos conclusos. João Pessoa, 09/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 2 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO DA PARAÍBA

   

0004055-36.2012.4.05.8200 FABÍOLA VALLE NAVARRO DE CARVALHO (Adv. MAURÍCIO FONSECA RIBEIRO NETO, CARLOS FELIPE XAVIER CLEROT) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Vistos em decisão: 1 - R. H. 2 - O(a) A. pediu (fls. 60/64) reconsideração da decisão que indeferiu o pedido de assistência judiciária gratuita (fls. 57), alegando que na qualidade de servidora pública federal não possui condições para pagamento das custas processuais em razão de não ter reajuste salarial há cerca de 07 (sete) anos e os seus rendimentos estarem atrelados à manutenção de sua família. 3 - A CF, art. 5º, LXXIV, dispõe que "o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos", sendo que a Lei nº 1.060/50, art. 2º, parágrafo único, considera necessitado, para efeito de concessão da gratuidade judiciária, aquele cuja situação econômica não lhe permita pagar as custas do processo e os honorários advocatícios sem prejuízo do sustento próprio ou da família. 4 - Todavia, a presunção legal de pobreza é relativa, podendo ser infirmada através de documentos juntados aos autos que demonstrem a suficiência financeira da parte para arcar com as custas processuais (TRF 5ª Região - 2ª T., AGTR nº 200305000315178/PB, Des. Fed. Paulo Roberto de Oliveira Lima, DJU 22/04/2004, pág. 409). 5 - Neste caso, as custas processuais cobradas não chegam a comprometer o sustento da A. ou o sustento de sua família, mormente considerando o valor líquido de sua remuneração (fls. 14), o que desautoriza a concessão desse benefício com a possibilidade do pagamento das custas processuais. 6 - Isto posto, indefiro o pedido de reconsideração da decisão (fls. 60/64) e determino à A. que providencie o pagamento das custas processuais no prazo legal, mediante guia de recolhimento a ser fornecida pela Secretaria da Vara, sob pena de arquivamento do feito por falta de pressuposto processual, conforme o CPC, art. 267, inciso IV. 7 - Depois do decurso do prazo legal ou após o pagamento das custas processuais, o que ocorrer primeiro, voltem-me os autos conclusos para decisão. 8 - Intime-se, com urgência. João Pessoa, 12/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0007759-57.2012.4.05.8200 SEVERINO DO RAMO ALVES (Adv. DAVIDSON LOPES SOUZA DE BRITO, FABRICIO ABRANTES DE OLIVEIRA) x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0007759-57.2012.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: SEVERINO DO RAMO ALVES REU: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 08, vista às partes para especificarem as provas que ainda pretendem produzir. João Pessoa, 16 de julho de 2013. VALÉRIA MARIA MONTEIRO Diretora da Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 16 de julho de 2013. EDUARDO M BORGES DE SOUZA Técnico Judiciário PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0007841-59.2010.4.05.8200 DANIELLE AMARAL FIRMINO (Adv. CARMEN RACHEL DANTAS MAYER) x UNIÃO FEDERAL(TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA) (Adv. SEM PROCURADOR)

Despacho: 1 - R. H. 2 - O Eg. TRF - 5ª Região converteu em diligência o julgamento da APELREEX Nº 24130-PB (fls. 197/198) para que a Apelada DANIELLE AMARAL FIRMINO comprovasse o efetivo local de residência do núcleo familiar, com ulterior retorno dos autos aquele Tribunal para prosseguimento do julgamento. 3 - Isto posto, determino a intimação da A. DANIELLE AMARAL FIRMINO para comprovar o efetivo local de residência de seu núcleo familiar. 4 - Prazo: 10 (dez) dias. 5 - Após o cumprimento da diligência referida, subam os autos ao Eg. TRF - 5ª Região. 6 - Intime-se 7 - Cumpra-se, com urgência. João Pessoa, 12/agosto/2013 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

0012343-51.2004.4.05.8200 ALDENÍZIO DOS SANTOS MAIA (Adv. PAULO AMERICO MAIA DE VASCONCELOS, SELDA CELESTE RIBEIRO COUTINHO MAIA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Vistos em despacho: 1 - RH. 2 - Vista ao A. sobre a petição e documentos (fls. 197/209). 3 - Prazo: 05 (cinco) dias. 4 - Intime-se. 5 - Após o decurso do prazo, voltem-me os autos conclusos para decisão. 6 - Cumpra-se, com urgência. João Pessoa, 12/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Despacho: 1 R.H. 2- Diante da certidão da Subsecretaria de Recursos do TRF/5ª Região (fls. 179), aguarde-se em sobrestamento. João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0002052-74.2013.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO) x DAGMAR CAVALCANTE GAMBARRA E OUTROS (Adv. FELIPE SARMENTO CORDEIRO, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO, JOSE RAMOS DA SILVA)

Processo:0002052-74.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIÃO EMBARGADO: DAGMAR CAVALCANTE GAMBARRA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 27 de maio de 2013. LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 27 de maio de 2013. LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário Processo:0002052-74.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIÃO EMBARGADO: DAGMAR CAVALCANTE GAMBARRA e outros Decisão: 1 - R. H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal, nos termos do CPC, art. 730. 3 - Diante da relevância dos fundamentos do(a) devedor(a) e da possibilidade de danos de difícil e incerta reparação, caso haja prosseguimento da execução, impõe-se a atribuição de efeito suspensivo aos embargos 4 - Isto posto, recebo os presentes embargos e suspendo a execução, consoante o CPC, art. 739-A, § 1º, incluído pela Lei nº 11.382/2006. 5 -.Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do CPC, art. 740, com redação dada pela Lei nº 11.382/2006. 6 - Em seguida, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 7 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 8 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 9 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 09 AGO 2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0004038-63.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004038-63.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004038-63.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0008550-26.2012.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA) x WALTER GALDINO DA SILVA E OUTROS

Processo:0008550-26.2012.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 27 de maio de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Despacho:1-R.H. 2-Intime-se a UFPB para, no prazo de 15(quinze) dias, carrear aos autos os pagamentos administrativos efetuados aos exeqüentes Esmeraldo Fernandes Castro, Maria das Graças Pereira Santos , Noaldo Sales Santos e Severino Viana do Nascimento, com relação ao percentual de 3,17%. 3-Cumpra-se com urgência. 4-Atendida a determinação, tornem os autos ao cálculo. J.Pessoa, 18/06/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª VF PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA

   

0008107-75.2012.4.05.8200 UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. MARCO ANTONIO SARMENTO GADELHA) x J MACEDO ENGENHARIA LTDA (Adv. DORIS FIÚZA CHAVES)

Processo: 0008107-75.2012.4.05.8200 Decisão: 1. R. H. 2. A UNIÃO suscitou a incompetência deste Juízo para processar e julgar a ação ordinária nº 0004212-09.2012.4.05.8200, sob a alegação de que o(a) excepto(a) J. MACEDO ENGENHARIA LTDA teria proposto o mandado de segurança nº 0001234-56.2012.4.05.8201 contra ato atribuído ao Delegado da Receita Federal do Brasil em Campina Grande/PB, tendo o feito sido distribuído à 10ª Vara Federal/PB, a fim de obter a compensação de créditos tributários discutidos na ação principal. 3. A excepta deixou transcorrer o prazo legal sem qualquer manifestação acerca das alegações deduzidas nesta exceção de incompetência, conforme certidão da Secretaria da Vara (fls. 23). 4. Autos conclusos (fls. 24). DECIDO. 5. Em consulta realizada no sistema de atualização processual (SIAPRO-TEBAS), foi constatado que o mandado de segurança nº 0001234-56.2012.4.05.8201, que tramitou na 10ª Vara da Subseção Judiciária de Campina Grande/PB restou denegado, conforme sentença prolatada em setembro/2012. 6. Assim, não há mais plausibilidade jurídica para a reunião da ação ordinária em apenso (Processo nº 0004212-09.2012.4.05.8200) ao mandado de segurança anteriormente referido (Processo nº 0001234-56.2012.4.05.8201), haja vista que a Súm. nº 235 do STJ dispõe expressamente que a conexão não determina a reunião dos processos, se um deles já foi julgado. 7. A CF, art. 109, § 2º, dispõe que as causas intentadas contra a União poderão ser aforadas na seção judiciária em que for domiciliada a parte demandante, naquela onde houver ocorrido o ato ou fato que deu origem à demanda ou onde esteja situada a coisa, ou, ainda, no Distrito Federal. 8. Por outro lado, o CPC, art. 99, I, admite a possibilidade de propositura de ação contra a UNIÃO (Fazenda Nacional) na capital do Estado, impondo-se reconhecer que a expressão "seção judiciária", prevista na CF, art. 109, § 2º, também engloba a expressão "capital do Estado". 9. A jurisprudência orienta-se no sentido de que, nas ações contra a União, é facultado ao demandante optar pelo ajuizamento da demanda em qualquer um dos locais previstos na CF, art. 109, § 2º, devendo a interpretação "seção judiciária", contida no referido preceito constitucional, compreender, como unidade mínima, cada Estado-membro da Federação e o Distrito Federal (TRF 5ª R. - CC nº 1701, Rel. Des. Fed. Paulo Gadelha, DJE de 27/05/2010, pág. 217). 10. De modo geral, portanto, as ações contra a União podem ser propostas tanto nas Varas Federais da capital, quanto nas Varas Federais onde o demandante tiver domicílio. 11. Isto posto, nos termos do CPC, art. 311, rejeito a exceção de incompetência suscitada pela UNIÃO (Fazenda Nacional), ficando reconhecida a competência deste Juízo para processar e julgar a ação principal (Processo nº 0004212-09.2012.4.05.8200). 12. Traslade-se cópia desta decisão para os autos principais. 13. Intime(m)-se. João Pessoa, 12 AGO 2013 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0001321-69.1999.4.05.8200 MARIA EMILIA DA CONCEICAO (Adv. VALTER DE MELO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DAS DORES VIANA MONTENEGRO) x UNIÃO (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA)

Processo:0001321-69.1999.4.05.8200 C E R T I D Ã O Certifico que trasladei para os presentes autos cópias (fls. 252/260) dos cálculos, da sentença proferida nos autos dos Embargos à Execução nº. 6629-66.2011.405.8200 e da respectiva certidão de trânsito em julgado da sentença. Dou fé. João Pessoa, 7 de fevereiro de 2013 LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 7 de fevereiro de 2013 LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário Decisão: 1-RH 2- Requisite-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF-5ª Região (CPC, art.730, I). 3- Após, intimem-se as partes, do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 4- Prazo de 05 (cinco) dias. 5- Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0001677-74.1993.4.05.8200 ANTONIO SOARES NEGROMONTE E OUTROS (Adv. MANUEL BATISTA DE MEDEIROS) x DARCI MESQUITA BELTRAO E OUTROS x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. CARLOS BARROS DE OLIVEIRA GUIMARAES) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB

Decisão: 1. R. H. 2. DIVANE MESQUITA BELTRÃO, na condição de inventariante do Espólio da ex-A. DARCI MESQUITA BELTRÃO (fls. 335), falecida em 17/outubro/2009 (fls. 339), requereu (fls. 332/333) autorização para receber junto a CEF o valor correspondente a 20% (vinte por cento) da quantia depositada como indenização do seu advogado. 3. EDETES RAMALHO DE ARAÚJO, na condição de viúva do ex-A. JOAQUIM EDSON DE ARAÚJO (fls. 359), falecido em 16/novembro/1994 (fls. 358), requereu a liberação de quantia depositada junto a CEF (fls. 343/344). 3. A R. UFPB e a CEF, intimadas para responder pedidos de habilitações (fls. 368), não se pronunciaram quanto ao pedido formulado por Divane Mesquita Beltrão e não se opuseram (fls. 369/370 e 374) a pedidos de habilitações. 4. Autos conclusos. DECIDO. 5. A pretensão formulada por Divane Mesquita Beltrão não merece acolhimento, haja vista que ainda não houve requerimento de habilitação do espólio do ex-A. DARCI MESQUITA BELTRÃO, de modo que não haveria plausibilidade para autorização de levantamento de valores requerida por pessoa que ainda não faz parte da relação processual. 6. Por outro lado, também não houve pedido formal de habilitação dos herdeiros do ex-A. JOAQUIM EDSON DE ARAÚJO; tampouco foram juntados aos autos os termos de renúncia de herança alegados na petição (fls. 344). 7. Isto posto, indefiro os pedidos (fls. 332/333 e 343/344) formulados por Divane Mesquita Beltrão e Edetes Ramalho de Araújo, por falta de amparo legal. 8. Determino ao patrono da causa requeira formalmente a habilitação do ESPÓLIO DE DARCI MESQUITA BELTRÃO, representado por Divane Mesquita Beltrão (fls. 335), bem como a habilitação do(a)(s) herdeiro(a)(s) do ex-A. JOAQUIM EDSON DE ARAÚJO, nos termos do CPC, art. 1.060, I. 9. Determino, por fim, que junte aos autos os termos de renúncia alegadamente firmados por parte dos herdeiros do ex-A. JOAQUIM EDSON DE ARAÚJO (fls. 345/359). 10. Prazo de 10 (dez) dias. 11. Após a apresentação dos pedidos de habilitação, vista à R. UFPB. 12. Intime(m)-se e cumpra-se, com a devida prioridade. João Pessoa, 12/agosto/2013 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara

   

0004444-60.2008.4.05.8200 SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA (Adv. IVAMBERTO CARVALHO DE ARAUJO, PAULO GUEDES PEREIRA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

Decisão: 1. R. H. 2. Intime-se o advogado da habilitanda NIZELDA GOMES MARINHO, na qualidade de viúva do ex-substituído do A./Exequente ARLINDO MARINHO DE SOUZA, para juntar procuração com poderes para requerer sua habilitação nos autos. 3 - Depois, voltem-me os autos conclusos para decisão. 4 - Cumpra-se, com urgência. 5 - Providências imediatas pela Secretaria da Vara. João Pessoa, 12/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

0006837-02.2001.4.05.8200 ADILMA MARIA DE QUEIROZ H. COUTINHO E OUTROS (Adv. AUGUSTO FRANCISCO DO NASCIMENTO, AYRTON LACET CORREA PORTO) x ADILMA MARIA DE QUEIROZ HENRIQUES COUTINHO E OUTROS x UNIAO(TRT) (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIAO(TRT)

Decisão: 1. R. H. 2 - Trata-se de pedido habilitação de Ana Helena Martins de Oliveira (fls. 1443/1444) em relação ao Exequente EDUARDO GREGÓRIO DE ANDRADE. 3 - O Exeqüente EDUARDO GREGÓRIO DE ANDRADE contestou o pedido de habilitação (fls. 1463/1465). 4 - Contudo, o pedido de habilitação (fls. 1443/1444) deverá ser decidido após o trânsito em julgado da Ação Rescisória nº 5.571-PB (fls. 1421). 5 - Isto posto, aguarde-se o trânsito em julgado da decisão final da ação rescisória referida anteriormente. 6 - Intimem-se. João Pessoa, 12/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara

   

0007200-76.2007.4.05.8200 MARINALDO FERNANDES DA CUNHA E OUTROS (Adv. PAULO SERGIO T. LINS FALCAO, HELENO LUIZ DE FRANCA FILHO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0007200-76.2007.4.05.8200 C E R T I D Ã O Certifico que trasladei para os presentes autos cópias (fls. 486/490) da sentença proferida nos autos dos Embargos à Execução nº. 0006731-54.2012.4.05.8200, dos cálculos da UNIÃO e da respectiva certidão de trânsito em julgado da sentença. Dou fé. João Pessoa, 19 de março de 2013 LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 19 de março de 2013 LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário Decisão: 1-RH 2- Requisite-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF-5ª Região (CPC, art.730, I). 3- Após, intimem-se as partes, do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 4- Prazo de 05 (cinco) dias. 5- Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 19/03/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0007375-94.2012.4.05.8200 SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA, MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES)

Processo: 0007375-94.2012.4.05.8200 - Classe 206 EXEQUENTE: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB C E R T I D Ã O Certifico que o SINTESPB ingressou em juízo com petição (fls. 89), concordando com os valores apurados pela UFPB. Dou fé. João Pessoa, 02 de maio de 2013. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário Processo: 0007375-94.2012.4.05.8200 - Classse 206 EXEQUENTE: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB SUSPENSÃO dos prazos processuais nesta Vara no período de 13 a 17 de maio de 2013, nos termos da Portaria nº 001/2013-GAB-1ª VARA, de 19 de abril de 2013. Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2 - Defiro os pedidos (fls. 89) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido ao(à)(s) Exequente(s), conforme previsto no(s) documento(s) (fls. 10). 3 - Requisite-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF-5ª Região (CPC, art.730, I). 4 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 5 - Prazo de 05 (cinco) dias. 6 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, _____/ maio/2013. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0007496-25.2012.4.05.8200 SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES)

Processo:0007496-25.2012.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB C E R T I D Ã O Certifico que decorreu o prazo da citação (fl. 84, verso) sem interposição de Embargos à Execução. Dou fé. João Pessoa, 27 de junho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 27 de junho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Despacho: 1-RH 2- Intime-se a advogada NÁVILA DE FÁTIMA VIEIRA GADELHA para se manifestar acerca da petição (fls. 163). 3- Após, voltem-me conclusos. João Pessoa, 28/06/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0007533-67.2003.4.05.8200 MANOEL RAIMUNDO SALUSTIANO DE MEDEIROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x JAIRO PEREIRA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, PEDRO REGINALDO GOMES, LEONARDO SILVA GOMES, MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ)

C E R T I D Ã O Certifico que trasladei para estes autos, cópia dos cálculos, r.sentença e certidão de trânsito. Dou fé. João Pessoa, 16 de novembro de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 16 de novembro de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 -Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor integral da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 3 -Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 122/2010 do CJF. 4 - Prazo de 05 (cinco) dias. 5 -Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 30/11/2012 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª VF P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0007725-82.2012.4.05.8200 SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA, MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES)

Processo: 0007725-82.2012.4.05.8200 - Classe 206 EXEQUENTE: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB C E R T I D Ã O Certifico que o SINTESPB ingressou em juízo com petição (fls. 162), concordando com os valores apurados pela UFPB. Dou fé. João Pessoa, 02 de maio de 2013. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário Processo: 0007725-82.2012.4.05.8200 - Classse 206 EXEQUENTE: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB SUSPENSÃO dos prazos processuais nesta Vara no período de 13 a 17 de maio de 2013, nos termos da Portaria nº 001/2013-GAB-1ª VARA, de 19 de abril de 2013. Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2 - Defiro os pedidos (fls. 162) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido ao(à)(s) Exequente(s), conforme previsto no(s) documento(s) (fls. 10). 3 - Requisite-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF-5ª Região (CPC, art.730, I). 4 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 5 - Prazo de 05 (cinco) dias. 6 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, _____/ maio/2013. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0014970-28.2004.4.05.8200 VALTER DIONÍSIO DA SILVA (Adv. ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS, HÉRCIO FONSECA DE ARAUJO) x UNIAO FEDERAL (MINISTERIO DO EXERCITO) (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO)

Vistos em decisão: 1 - Indefiro o pedido de reconsideração da decisão (fls. 130/131) pelos seus próprios fundamentos (fls. 23 e 127); aliás, às custas iniciais foram pagas inicialmente (fls. 29) e os contracheques do A. (fls. 19/20) afastam a alegada hipossuficiência, razão porque mantenho o indeferimento. 2 - Intime-se. João Pessoa, 12/agosto/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 2 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO DA PARAÍBA

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0005532-70.2007.4.05.8200 SEVERINO ALVES DE OLIVEIRA (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, JUSSARA TAVARES SANTOS SOUSA, HUMBERTO TROCOLI NETO, ERALDO LUIS BRAZ DE MORAIS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

Processo:0005532-70.2007.4.05.8200 - Cls. 229 AUTOR: SEVERINO ALVES DE OLIVEIRA REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF CERTIDÃO: Certifico que o valor atribuído à causa é superior ao valor da liquidação. Dou fé. J.Pessoa, 26.07.2013. C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 26 de julho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Processo:0005532-70.2007.4.05.8200 - Cls. 229 AUTOR: SEVERINO ALVES DE OLIVEIRA REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF Despacho: 1 - R. H. 2 -Intime-se a CEF, consoante o CPC, art. 475-J, para pagar o montante da condenação também no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de multa de 10% (dez por cento) sobre o valor da obrigação, advertindo-lhe de que, caso o pagamento seja parcial, a multa incidirá sobre o restante da dívida, ex vi do mesmo CPC, art. 475-J, § 4º. 3 - No prazo para pagamento, o devedor poderá indicar bens à penhora como garantia de futura impugnação; todavia, também nesse caso, estará sujeito à multa, caso o montante da condenação não seja devidamente pago. 4 - Por outro lado, o credor poderá requerer, juntamente com o pedido de cumprimento da sentença, a efetivação de penhora e avaliação, indicando o bem do devedor sobre o qual deverá recair a constrição judicial, caso a dívida não seja paga no prazo legal, por força do CPC, art. 475-J, § 3º. 5 - Ainda na hipótese de não pagamento da dívida e havendo penhora, o devedor deverá ser intimado, na pessoa de seu advogado ou, na falta deste, de seu representante(s), ou pessoalmente, do auto de penhora e de avaliação, podendo oferecer impugnação nestes mesmos autos, querendo, no prazo de 15 ( quinze) dias, obedecidas as disposições do CPC, art. 475-L, introduzido pela Lei nº 11.232/2005. João Pessoa, PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, em exercício. P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0005776-33.2006.4.05.8200 LUZIA IZAURA SANTIAGO MENDES (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, FELIPE BESERRA GUEDES GUEVEDO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. CASSIANA MENDES DE SÁ)

Processo:0005776-33.2006.4.05.8200- Cls. 229 AUTOR: LUZIA IZAURA SANTIAGO MENDES REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 26 de junho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0005776-33.2006.4.05.8200- Cls. 229 AUTOR: LUZIA IZAURA SANTIAGO MENDES REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF Despacho: 1- R.H. 2. As obrigações de fazer decorrentes de título judicial cumprem-se de forma mandamental, consoante o CPC, art. 461 e art. 475-I, introduzido pela Lei nº 11.232/2005, independentemente da instauração de processo de execução. 3. Isto posto, nos termos do CPC, art. 461, c/c o art. 475-I, determino à CEF, no prazo de 30 (trinta) dias, cumpra a obrigação de fazer objeto do título judicial transitado em julgado (fls. 211/215). 4.A eventual fixação de multa ficará postergada para depois do decurso do prazo concedido ao devedor e desde que verificado o descumprimento da determinação judicial. 5. Em face da inexistência de processo autônomo para satisfação do julgado, qualquer impugnação ao cumprimento da obrigação de fazer deverá ser deduzida através de simples petição nestes mesmos autos, não sendo cabível a oposição de embargos pelo devedor. 6. Após manifestação do devedor, vista à parte autora pelo prazo de 10 (dez) dias. 7. Existindo obrigação de pagar a ser satisfeita, o cumprimento do julgado, nessa parte, deverá ser requerido depois de satisfeita a obrigação de fazer, quando então será conhecido o termo final da dívida, necessário à elaboração da liquidação do título judicial. 8. Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 28/06/2013 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1.ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001112-90.2005.4.05.8200 JOSE ALVES XAVIER E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x ESPÓLIO DE JOSEFA QUARESMA SANTOS, REP. P/ S/ INVENTARIANTE, GERALDO QUARESMA DOS SANTOS E OUTRO (Adv. SERGIO PETRONIO BEZERRA DE AQUINO) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 0001112-90.2005.4.05.8200. Certidão. Certifico que os autos dos Embargos encontram-se no eg. TRF da 5ª Região, em fase de processamento de recurso especial, consoante extrato de consulta processual. Certifico, finalmente, que, resta apreciar o pedido de pagamento dos valores incontroversos sobre os quais, a União não se manifestou (fls.306/v). Dou fé. J.Pessoa, 04/09/2012. C O N C L U S Ã O Faço conclusos estes autos ao(à) MM.(ª) Juiz(íza) Federal da 1ª Vara. João Pessoa,04/09/2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 - Defiro os pedidos (fls. 252/254) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido aos Exequentes, conforme previsto no contrato (fls. 255/258). 3 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor incontroverso da execução. 4 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 122/2010 do CJF. 5 - Prazo de 05 (cinco) dias. 6 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 07/11/2012 TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, Auxiliando na 1ª VF PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0000423-46.2005.4.05.8200 JOSÉ LAURENTINO SILVA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: Processo: 0000423-46.2005.4.05.8200 - Cls. 97 EXEQUENTE: JOSÉ LAURENTINO SILVA E OUTRO EXECUTADO: UNIÃO C E R T I D Ã O Certifico que trasladei para estes autos, cópia dos cálculos, sentença, relatório, voto, v. acórdão e certidão de trânsito em julgado ocorridos nos Embargos a Execução nº 0010660-42.2005.4.05.8200.Dou fé. João Pessoa, 07 de novembro de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 07 de novembro de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 - Defiro os pedidos (fls. 259/262, item b) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido ao(à)(s) Exequente(s), conforme previsto nos contratos (fls.278/281 e fls.282/287), bem como o pedido de rateio dos honorários advocatícios sucumbenciais (fls. 262, item c). 3 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor integral da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 4 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 122/2010 do CJF. 5 - Prazo de 05 (cinco) dias. 6 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 13/11/2012 TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, auxiliando na 1ª VF P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORÚM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0001003-76.2005.4.05.8200 MARIA DO ROSARIO RODRIGUES CARNEIRO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0001003-76.2005.4.05.8200 - Cls. 206 Certidão. Certifico que juntei aos presentes, cópia relatório, voto, acórdão e certidão de trânsito em julgado ocorridas nos autos dos Embargos nº 0011401-82.2005.4.05.8200, que deu parcial provimento ao apelo do ente público para fixar os honorários advocatícios no percentual de 5% (cinco por cento) sobre o excesso de execução e negou provimento ao recurso adesivo do autor. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 13ª Vara, prestando auxílio na 1ª Vara. João Pessoa, 12 de dezembro de 20122. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor complementar da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 3 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 4 - Prazo de 05 (cinco) dias. 5 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, prestando auxílio na 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0001022-82.2005.4.05.8200 ELIONE GONCALVES DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001022-82.2005.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: ELIONE GONCALVES DE OLIVEIRA e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C E R T I D Ã O Certifico que trasladei para os presentes, cópia dos cálculos, relatório, voto, acórdão e certidão de trânsito em julgado ocorridas nos autos dos Embargos à Execução de nº 0011100-38.2005.4.05.8200.Dou fé. João Pessoa, 12 de dezembro de 20122. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 12 de dezembro de 20122. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor complementar da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 3 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 4 - Prazo de 05 (cinco) dias. 5 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, prestando auxílio na 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0001130-14.2005.4.05.8200 CELSO COSMO DA SILVA E OUTRO x CAIO PAIVA ROCHA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0001130-14.2005.4.05.8200 Classe 206 C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 13ª Vara, prestando auxílio à 1ª Vara João Pessoa, 20 de novembro de 2012 LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário Decisão: 1- RH. 2 - Declaro prejudicado o pedido (fls. 225) de requisição de pagamento em relação ao valor incontroverso da execução, tendo em vista o trânsito em julgado da sentença de embargos à execução. 3- Defiro os pedidos (fls. 225/226) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido ao(à)(s) Exequente(s), conforme previsto nos contratos (fls. 239/248), bem como o pedido de rateio dos honorários advocatícios sucumbenciais (fls. 226). 4 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor integral da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 5 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 6 - Prazo de 05 (cinco) dias. 7 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 13/11/2012 TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 1.ª VF, prestando auxílio à 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0001153-57.2005.4.05.8200 CLEA MARIA DE FREITAS MELO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001153-57.2005.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: EDVANDA FERREIRA DIAS e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C E R T I D Ã O Certifico que, trasladei para a presente, cópia do relatório, voto, v. acórdão e certidão de trânsito em julgado da decisão havida nos autos dos Embargos de nº 2005.82.00011148-6, que negou provimento ao apelo do ente público. Dou fé. João Pessoa, 01 de março de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 01 de março de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor complementar da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 3 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 4 - Prazo de 05 (cinco) dias. 5 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, auxiliando auxílio na 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0001156-12.2005.4.05.8200 ANA MARIA DE CAMPOS CAVALCANTE E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001156-12.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: ANA MARIA DE C CAVALCANTI e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C E R T I D Ã O Certifico que trasladei (fls. 306-A/317) cópia decisão proferida na instância superior nos EE. 0011239-87.2005.4.05.8200. Dou fé. João Pessoa, 29 de novembro de 2012. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 29 de novembro de 2012. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Despacho: 1-RH 2- Cumpra-se o despacho (fls. 306), em relação a valor integral, com base no acórdão (fls. 310/317) proferido nos autos dos Embargos à Execução nº 0011239-87.2005.4.05.8200. 3- Intimem-se. João Pessoa, TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13.ª Vara, prestando auxílio à 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)2108 4040/4058 FAX: (0XX83 2108 4067)

   

0001173-48.2005.4.05.8200 FRANCISCO FERNANDES DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0001173-48.2005.4.05.8200 - Cls. 97 Certidão. Certifico que juntei aos presentes, cópia do relatório, voto, acórdão e certidão de trânsito em julgado produzidos nos autos dos Embargos nº 0011244-12.2005.4.05.8200. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 13ª Vara, prestando auxílio na 1ª Vara. João Pessoa, 12 de dezembro de 20122. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor complementar da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 3 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 4 - Prazo de 05 (cinco) dias. 5 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, prestando auxílio na 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0001485-24.2005.4.05.8200 CICERA BARROS DA SILVA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001485-24.2005.4.05.8200- Cls. 97 EXEQUENTE: CICERA BARROS DA SILVA e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 13ª Vara, prestando auxílio na 1ª Vara. João Pessoa, 06 de novembro de 2012. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1 - R. H. 2 - Defiro os pedidos (fls. 227/228) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido ao(à)(s) Exequente(s), conforme previsto no(s) contrato(s) (fls. 243/246 e 247/252), bem como o pedido de rateio dos honorários advocatícios sucumbenciais (fls. 228). 3 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor integral da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 4 - Após, intimem-se as partes, do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 5 - Prazo de 05 (cinco) dias. 6 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 23/11/2012 TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª Vara, prestando auxílio na 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0001651-56.2005.4.05.8200 IVONICE MARQUES DE MEDEIROS E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 2005.82.00.001651-9 Classe 206 C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, prestando auxílio à 1ª Vara. João Pessoa, 26 de novembro de 2012 LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário Decisão: 1- RH. 2 - Chamo o feito à ordem para anular a decisão (fls. 224) em face do trânsito em julgado dos Embargos à Execução nº 2005.82.00.011865-1 (fls. 225/231). 3 - Defiro os pedidos (fls. 190/191) de destaque e rateio dos honorários advocatícios contratuais, por ocasião da expedição da requisição de pagamento do valor devido ao(à)(s) Exequente(s), conforme previsto nos contratos (fls. 205/210 e fls. 211/214), bem como o pedido de rateio dos honorários advocatícios sucumbenciais (fls. 191). 4 - Expeça(m)-se RPV(s) para pagamento do valor integral da execução, em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos a Execução. 5 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 6 - Prazo de 05 (cinco) dias. 7 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 23/11/2012 TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 1.ª VF, prestando auxílio à 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0004820-32.1997.4.05.8200 SINDICATO DOS TRAB. EM SERV. PUB. FEDERAL NO ESTADO DA PB-SINTSERF/PB (Adv. MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SERGIO AUGUSTO DE QUEIROZ)

Execução de Sentença Contra Fazenda Pública - Classe 206 Exequente: Sindicato dos Trabalhadores em Serviço Público Federal no Estado da Paraíba Executado: União Federal DECISÃO 1. A outorga pelo exequente de nova procuração (fl. 236) revogou, implicitamente, a procuração anteriormente outorgada à fl. 12, não havendo necessidade de renúncia dos advogados anteriores nem de expressa revogação dos poderes a eles anteriormente deferidos (STJ, REsp n.º 222.215/PR). 2. Ante o exposto: a) defiro os pleitos deduzidos na petição de fl. 235 e determino a anotação da procuração de fl. 236, com a exclusão da autuação dos nomes dos advogados anteriormente atuantes no feito; b) expeçam-se requisições de pagamento, segundo os valores apontados pela Contadoria às fls. 173/186, em favor dos exeqüentes MARIA NISE ROCHA e ROMILDO RAMOS DAS NEVES, bem como dos advogados SÉRGIO RICARDO ALVES BARBOSA, RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA e CAIUS MARCELLUS DE ARAÚJO LACERDA, conforme determinado na decisão de fls. 194/195. 3. Cumpra-se. João Pessoa, 10 de dezembro de 2012. TÉRCIUS GONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª Vara, em auxílio na 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 1.ª VARA FEDERAL 1

   

0008512-10.1995.4.05.8200 ANA MARIA DE SOUSA E OUTROS (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x MARIA DE LOURDES FEITOSA (EXTINTO CONFORME SENTENCA DE FLS. 46/48) E OUTRO x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO)

Processo: 0001023-67.2005.4.05.8200 - Cls. 229 AUTOR: ANA MARIA DE SOUSA e outros REU: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS C E R T I D Ã O Certifico que a o parte exeqüente requereu a atualização dos cálculos (fl.275).Dou fé. João Pessoa, 3012 de dezembro de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 3012 de dezembro de 2012. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário D E C I S Ã O: 1. R.H. 2 -A conta é atualizada pelo eg. TRF da 5ª Região, antes da requisição do pagamento, razão do indeferimento do pedido de atualização. 3 -Requisite-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF-5ª Região (CPC, art.730, I). 4 - Após, intime(m)-se a(s) parte(s), do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos da Resolução 168/2011 do CJF. 5 - Prazo de 05 (cinco) dias. 6 - Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, TÉRCIUSGONDIM MAIA Juiz Federal Substituto da 13ª VF, Auxiliando na 1ª VF P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0006187-08.2008.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. YORDAN MOREIRA DELGADO, JOSÉ GUILHERME FERRAZ DA COSTA, RODOLFO ALVES SILVA, DUCIRAN VAN MARSEN FARENA, ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA, EDSON VIRGINIO CAVALCANTE JUNIOR, WERTON MAGALHAES COSTA) x MUNICIPIO DE BAYEUX (Adv. MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO) x SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL (Adv. RODRIGO DOS SANTOS LIMA, ANTONIO JUSTINO DE ARAUJO NETO) x JOSIVAL JUNIOR DE SOUZA (Adv. EVILSON CARLOS DE OLIVEIRA BRAZ, MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO) x FRANCISCO RAMALHO DINIZ JUNIOR (Adv. JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO, ALEXANDER JERONIMO RODRIGUES LEITE, WLLY ANNIE FEITOSA BARBOSA) x RGM CONSTRUTORA LTDA (Adv. JOAO ALBERTO DA CUNHA FILHO)

Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa. Autor: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL e MUNICÍPIO DE BAYEUX. Réus: SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL, JOSIVAL DE SOUZA, FRANCISCO RAMALHO DINIZ JÚNIOR e RGM CONSTRUTORA LTDA. Vistos em decisão: 1- R.H. 2 - Trata-se de ação civil pública de improbidade administrativa proposta pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL em desfavor de SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL, JOSIVAL DE SOUZA, FRANCISCO RAMALHO DINIZ JÚNIOR e da RGM CONSTRUTORA LTDA., objetivando a condenação dos demandados nas sanções previstas na Lei nº 8.429/1992, art. 12, em razão de alegada aplicação irregular de recursos públicos destinados à construção de habitações, correspondentes ao contrato de repasse nº. 163258-33 (fls. 274/284), firmado entre o Município de Bayeux/PB e a União, por intermédio da Caixa Econômica Federal. 3 - Em fase de especificação de provas, o autor MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL requereu (fls. 684/686) o depoimento pessoal dos réus SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL, JOSIVAL DE SOUZA e FRANCISCO RAMALHO DINIZ JÚNIOR e a oitiva de 05 (cinco) testemunhas; e a ré SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL, por sua vez, requereu (fls. 697 e 700) prova pericial e inquirição de testemunhas. 4 - A prova testemunhal e o depoimento pessoal dos réus sobremencionados, de fato, são pertinentes e necessárias para o deslinde da questão posta em juízo; entretanto, diante de tudo o que consta dos autos, especialmente as questões fáticas alegadas, a farta documentação já encartada e as provas aqui deferidas, elementos suficientes para o posterior julgamento da lide, se afigura desnecessária a pretendida prova pericial. 5 - Isto posto, indefiro o pedido de prova pericial (fls. 697 e 700) e designo audiência de inquirição de testemunhas e depoimento pessoal dos réus sobremencionados para o dia 25/setembro/2013, às 9hs30min. 6 - A ré SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL deverá depositar, em juízo, o rol de testemunhas no prazo de 05 (cinco) dias a partir de sua intimação desta decisão (CPC, art. 407). 7 - Intime-se, primeiramente, a ré SARA MARIA FRANCISCA MEDEIROS CABRAL desta decisão, inclusive para depositar o rol de testemunhas, conforme o item 06, supra. 8 - Vista ao MPF, nos termos da LC nº. 75/1993, art. 18, II, "h". 9 - Providencie a Secretaria as demais intimações necessárias, com a devida prioridade. João Pessoa, 21/08/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto na Titularidade da 1ª Vara. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA Processo: 6187-08.2008.4.05.8200

   

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

   

0002123-47.2011.4.05.8200 COMERCIAL DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS DINIZ LTDA ME E OUTROS (Adv. ANDRE ARAUJO PIRES, DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA, ENIO SILVA NASCIMENTO, MARCUS AURELIO TORQUATO)

Processo n.º 0002123-47.2011.4.05.8200 - Classe 11 AUTOR: COMERCIAL DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS DINIZ LTDA ME e outros REU: CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB C E R T I D Ã O Certifico que o R. interpôs apelação (fls.67/80), no prazo legal, bem como, apresentou o recolhimento das custas recursais (fls. 80) . Dou fé. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos a(o) MM Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Decisão: 1- R.H. 2-Recebo a apelação do R. (fls.67/80) em ambos os efeitos. 3-Intime(m)-se o(s) recorrido(s) para as contra-razões. 4-Por fim, subam os autos ao Eg. TRF da 5ª Região. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0003800-83.2009.4.05.8200 ARIOSVALDO BELARMINO DA COSTA E OUTROS (Adv. DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA, ANDRE ARAUJO PIRES, FELIPE COSTA PONTES) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. ENIO SILVA NASCIMENTO, GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO, OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA)

Processo n.º 0003800-83.2009.4.05.8200 - Classe 11 AUTOR: ARIOSVALDO BELARMINO DA COSTA e outros REU: CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB C E R T I D Ã O Certifico que o R. interpôs apelação (fls.102/115), no prazo legal, como também, apresentou o recolhimento das custas recursais (fls. 115.) Dou fé. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos a(o) MM Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Decisão: 1- R.H. 2-Recebo a apelação do R. (fls.102/115) em ambos os efeitos. 3-Intime(m)-se o(s) recorrido(s) para as contra-razões. 4-Por fim, subam os autos ao Eg. TRF da 5ª Região. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0003008-27.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) x NELSON DE OLIVEIRA SOARES E OUTRO (Adv. NELSON DE OLIVEIRA SOARES)

PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA AÇÃO MONITÓRIA nº 0003008-27.2012.4.05.8200 - CLASSE 28 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF REU: NELSON DE OLIVEIRA SOARES e outro S E N T E N Ç A Vistos, etc. O(a) A./exeqüente requereu (fls.168) a extinção do processo, face a liquidação da dívida na esfera administrativa. 2. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 794, I, declaro extinto o presente feito, tendo em vista a satisfação do crédito exeqüendo, conforme petição e documentos (fls.61/65). 3. Expeça-se alvará em favor da A. CEF, dos valores depositados na conta judicial nº 0548.005.00068623-0 (fls.136), conforme já determinado no item 24 da sentença (fls.152/155). 4. Quanto ao depósito (fls.163) autorizo a CEF a levantar a referida quantia independentemente de alvará. 5. Após o trânsito em julgado, remetam-se os autos ao Distribuidor para baixa e arquivamento. 4. P. R. I. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0001287-40.2012.4.05.8200 LETICIA MARIA MAIA PINTO (Adv. ANDRE VIDAL VASCONCELOS SILVA, FLAVIA LOPES DE AROLA, GERALDO DE MARGELA MADRUGA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x ESTADO DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR) x MUNICIPIO DE JOAO PESSOA (Adv. GENE SOARES PEIXOTO, CECÍLIA GABRIELA GODOI CORDEIRO, ANDRE LEANDRO DE CARVALHO LEMES, ALESSANDRA NORAT MOUSINHO, PALLOMA THALITA TARGINO CHAVES CORDEIRO PASSOS, GIULIANNA MARIZ MAIA VASCONCELOS BATISTA, ROBERTO NOGUEIRA GOUVEIA, ÉRIKA OLIVEIRA DEL PINO, LUCAS CLEMENTE DE BRITO PEREIRA, JOSE VANDALBERTO DE CARVALHO)

Processo nº 0001287-40.2012 - Classe 29 CERTIDÃO Certifico o decurso de prazo da intimação do despacho (fls. 121, item 03), sem manifestação da autora. Certifico, ainda, que a UNIÃO ingressou em Juízo com a petição e documentos (fls. 124/128), informando o cumprimento da decisão liminar. Dou fé. João Pessoa, 06/06/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 06/06/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário Despacho: 1- R.H. 2- Vista às partes para, no prazo de 05 (cinco) dias, especificarem, querendo, as provas que ainda pretendam produzir. 3- Igualmente, vista à parte autora sobre a petição e documentos (fls. 124/128), apresentados pela ré UNIÃO, informando o cumprimento da decisão liminar (fls. 49/51). 4- Intimem-se. João Pessoa, 17/06/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ªVara. PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A Forum Juiz Federal RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0001349-80.2012.4.05.8200 DIRSON PEREGRINO DE CASTRO (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, WALLACE ALENCAR GOMES) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº: 0001349-80.2012.4.05.8200 CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: DIRSON PEREGRINO DE CASTRO RÉ: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS SENTENÇA TIPO "A"(Resolução CJF nº 535/2006) SENTENÇA I) RELATÓRIO DIRSON PEREGRINO DE CASTRO propôs ação ordinária contra o INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS - objetivando o restabelecimento do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição e a condenação ao pagamento de indenização por danos morais. Alegou, em suma, o seguinte: a) que contribuiu para o INSS durante os períodos de 15/01/1970 a 22/08/1970, 01/10/1979 a 28/03/1982, 01/06/1985 a 30/11/1985 e 20/05/1988 a 01/11/2004, como empregado, e, em outras ocasiões, como contribuinte individual; b) no intervalo de 20/05/1988 a 01/11/2004 trabalhou em ambiente de periculosidade, pois laborava na presença de equipamentos energizados, onde ficava sujeito aos riscos inerentes à energia elétrica; c) formalizou um pedido administrativo ao INSS objetivando a concessão de aposentadoria por tempo de contribuição, o que foi deferido, em 30/08/2005; d) para sua surpresa, em março de 2010, seu benefício foi suspenso pela autarquia, sob a alegação de indícios de irregularidade na concessão; e) insatisfeito, recorreu administrativamente, porém não obteve êxito. Com a inicial, vieram os documentos de fls. 12/42. Decisão da Justiça Estadual da Paraíba reconhecendo sua incompetência absoluta para julgar o feito e determinando a remessa dos autos para a Justiça Federal (fls. 45/46). Certidão de recebimento dos autos por este Juízo à fl. 51. A decisão de fl. 53 condicionou o deferimento do benefício da gratuidade judiciária à apresentação pelo autor de declaração de que não se encontra em condições de pagar as custas do processo, bem como determinou a prioridade na tramitação do feito, visto ser o autor maior de 60 (sessenta) anos. Mesmo decorrido o prazo sem manifestação da parte autora, a decisão de fl. 56 concedeu-lhe o benefício da assistência judiciária gratuita. O INSS apresentou contestação (fls. 59/61), juntando documentos (fls. 62/64) e alegando o seguinte: a) a Administração Pública tem o poder-dever de anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornem ilegais, porque deles não se originam direitos, conforme as Súmulas de n.º 346 e 473 do STF; b) por causa de indícios de irregularidade na concessão da aposentadoria do autor, foi aberto um processo administrativo, com oportunidade para o exercício do contraditório e da ampla defesa, onde restou devidamente comprovado que a obtenção do benefício foi ilegal. O INSS anexou aos autos cópia do procedimento administrativo relativo à aposentadoria do autor (fls. 66/173). A parte autora apresentou impugnação à contestação (fls. 178/179). Relatados, DECIDO. II) FUNDAMENTAÇÃO Objetiva a parte autora o restabelecimento de seu benefício de aposentadoria por tempo de contribuição, suspenso pelo INSS em março de 2010, bem como o pagamento de indenização a título de danos morais. Para tanto, trouxe aos autos documentos comprobatórios do seu tempo de contribuição ao INSS, tais como as cópias de sua Carteira de Trabalho e Previdência Social (fls. 14/22). Além disso, alegou que o período de 20/05/1988 a 01/11/2004 foi trabalhado em ambiente de periculosidade, pois era exposto constantemente a equipamentos e cabos energizados, com uma tensão elétrica acima de 250 volts. Por esse motivo, requer a conversão desse tempo de serviço especial em comum. Antes da vigência da Lei n.º 9.302, de 28 de abril de 1995, a demonstração do exercício de atividade especial pelo trabalhador se fazia pelo mero enquadramento da atividade exercida nos grupos profissionais previstos nos Decretos n.º 53.831/64 e n.º 83.080/79 e pela exposição aos agentes agressivos listados nesses decretos, não sendo necessária a apresentação de laudo pericial ou perfil profissiográfico. As listagens de agentes nocivos dos Decretos n.º 53.831/64 e n.º 83.080/79 são exemplificativas, podendo o trabalhador, por meio de laudo pericial, demonstrar a sujeição a agentes agressivos não listados em referidos diplomas legais. Em seguida, a Lei n.º 9.032, de 28 de abril de 1995, alterou o regime jurídico originariamente previsto no artigo 57 da Lei n.º 8.213/91, para determinar a necessidade de o segurado comprovar a efetiva exposição aos agentes agressivos, exigindo ainda que essa exposição devesse ser habitual e permanente: Art. 57. A aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme dispuser a lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) §1º A aposentadoria especial, observado o disposto no art. 33 desta Lei, consistirá numa renda mensal equivalente a 100% (cem por cento) do salário-de-benefício. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) §2º A data de início do benefício será fixada da mesma forma que a da aposentadoria por idade, conforme o disposto no art. 49. § 3º A concessão da aposentadoria especial dependerá de comprovação pelo segurado, perante o Instituto Nacional do Seguro Social-INSS, do tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante o período mínimo fixado. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) § 4º O segurado deverá comprovar, além do tempo de trabalho, exposição aos agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, pelo período equivalente ao exigido para a concessão do benefício. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995) (grifei) A exigência da apresentação de laudo pericial ou perfil profissiográfico, por sua vez, somente veio a lume a partir da MP n.º 1.523/96 (futura Lei n.º 9.528/97), a qual foi regulamentada pelo Decreto n.º 2.172, de 05 de março de 1997. A seu turno, o Decreto n.º 3.048, de 06 de maio de 1999, disciplinou o que viria a ser tempo de trabalho permanente, não ocasional nem intermitente, asseverando, em seu artigo 65 o seguinte: Art. 65. Considera-se trabalho permanente, para efeito desta Subseção, aquele que é exercido de forma não ocasional nem intermitente, no qual a exposição do empregado, do trabalhador avulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissociável da produção do bem ou da prestação do serviço. (artigo com a redação dada pelo Decreto n.º 4.882, de 18 de novembro de 2003) Quanto aos agentes nocivos, o artigo 58 da Lei n.º 8.213/91, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 9.528, de 10 de dezembro de 1997, dispôs que "a relação dos agentes nocivos químicos, físicos e biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física considerados para fins de concessão da aposentadoria especial de que trata o artigo anterior será definida pelo Poder Executivo". Em relação ao segurado, o referido artigo determinou que "a comprovação da efetiva exposição do segurado aos agentes nocivos será feita mediante formulário, na forma estabelecida pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, emitido pela empresa ou seu preposto, com base em laudo técnico de condições ambientais do trabalho expedido por médico do trabalho ou engenheiro de segurança do trabalho nos termos da legislação trabalhista". Foi determinado ainda que, no laudo técnico referido, deve constar informação sobre a existência de tecnologia de proteção coletiva ou individual que diminua a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância e recomendação sobre a sua adoção pelo estabelecimento respectivo. A contagem do tempo de serviço deve observar a legislação vigente no momento em que prestado o serviço, não podendo normas posteriores alterar os critérios de aquisição desse direito já incorporado, sob pena de infração à garantia constitucional do direito adquirido. Registre-se, por fim, que o STJ firmou o entendimento de que não há limitação temporal para a conversão em comum do tempo de serviço trabalhado sob condições especiais, consoante se observa do seguinte precedente: AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. APOSENTADORIA. TEMPO DE SERVIÇO ESPECIAL. CONVERSÃO EM COMUM. AUSÊNCIA DE LIMITAÇÃO. 1. A eg. Terceira Seção desta Corte Superior de Justiça fixou a compreensão no sentido de que "permanece a possibilidade de conversão do tempo de serviço exercido em atividades especiais para comum após 1998, pois, a partir da última reedição da MP n.º 1.663, parcialmente convertida na Lei 9.711/1998, a norma tornou-se definitiva sem a parte do texto que revogava o referido § 5º do art. 57 da Lei n.º 8.213/1991." (REsp 1.151.363/MG, Rel. Min. JORGE MUSSI, TERCEIRA SEÇÃO, DJe de 5/4/2011). 2. Agravo regimental a que se nega provimento. STJ. Sexta Turma. AgRg no REsp n.º 1139103. Relator: Ministro Og Fernandes. DJe: 02.04.2012. Objetivando demonstrar o exercício de atividade sujeita a condições especiais, o autor juntou aos autos cópia da CTPS (fl. 21) e o Laudo Técnico Pericial (fls. 29/30), referentes ao período de 20/05/1988 a 01/11/2004. Nesse intervalo de tempo, esteve ele sujeito ao agente agressivo eletricidade (item 1.1.8 do quadro anexo ao Decreto n.º 53.831/64), em tensão superior a 250 volts, devendo esse período ser considerado como de atividade sujeita a condições especiais. Desse modo, considerando a conversão para comum dos períodos trabalhados sob condições especiais, contava o autor, em 30/08/2005, data da concessão do benefício de aposentadoria, com 26 anos, 06 meses e 21 dias de tempo de serviço comum, consoante se observa da tabela abaixo. Nº COMUM ESPECIAL Data Inicial Data Final Dias Anos Meses Dias Multiplic. Dias Convert. Anos Meses Dias 1 1/10/1979 27/3/1982 897 2 5 27 - - - - 2 1/6/1985 30/11/1985 180 - 6 - - - - - 3 20/5/1988 1/12/2004 5.952 16 6 12 1,4 2.381 6 7 11 4 1/2/2005 1/7/2005 151 - 5 1 - - - - - Total 7180 19 11 10 - 2.381 6 7 11 Total Geral (Comum + Especial) 9561 26 6 21 Fixado em 26 anos, 06 meses e 21 dias o tempo de serviço comum o autor, resta saber se ele é suficiente para a concessão do benefício de aposentadoria por tempo de contribuição pretendido. O benefício de aposentadoria por tempo de contribuição está previsto no art. 201, §7.º, da Constituição Federal, na redação dada pela EC n.º 20/98, nos seguintes termos: Art. 201. [...] § 7º É assegurada aposentadoria no regime geral de previdência social, nos termos da lei, obedecidas as seguintes condições: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) I - trinta e cinco anos de contribuição, se homem, e trinta anos de contribuição, se mulher; (Incluído dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998). A EC n.º 20/98, que promoveu a reforma da previdência, definiu como regra geral e permanente para a obtenção da aposentadoria por tempo de contribuição o cumprimento de 35 (trinta e cinco) anos de contribuição, no caso dos homens, e de 30 (trinta) anos de contribuição, no caso das mulheres. Além dessa regra geral e permanente, a EC n.º 20/98 estabeleceu o seguinte: Art. 3º - É assegurada a concessão de aposentadoria e pensão, a qualquer tempo, aos servidores públicos e aos segurados do regime geral de previdência social, bem como aos seus dependentes, que, até a data da publicação desta Emenda, tenham cumprido os requisitos para a obtenção destes benefícios, com base nos critérios da legislação então vigente. [...] Art. 4º - Observado o disposto no art. 40, § 10, da Constituição Federal, o tempo de serviço considerado pela legislação vigente para efeito de aposentadoria, cumprido até que a lei discipline a matéria, será contado como tempo de contribuição. [...] Art. 9º - Observado o disposto no art. 4º desta Emenda e ressalvado o direito de opção a aposentadoria pelas normas por ela estabelecidas para o regime geral de previdência social, é assegurado o direito à aposentadoria ao segurado que se tenha filiado ao regime geral de previdência social, até a data de publicação desta Emenda, quando, cumulativamente, atender aos seguintes requisitos: I - contar com cinqüenta e três anos de idade, se homem, e quarenta e oito anos de idade, se mulher; e II - contar tempo de contribuição igual, no mínimo, à soma de: a) trinta e cinco anos, se homem, e trinta anos, se mulher; e b) um período adicional de contribuição equivalente a vinte por cento do tempo que, na data da publicação desta Emenda, faltaria para atingir o limite de tempo constante da alínea anterior. § 1º - O segurado de que trata este artigo, desde que atendido o disposto no inciso I do "caput", e observado o disposto no art. 4º desta Emenda, pode aposentar-se com valores proporcionais ao tempo de contribuição, quando atendidas as seguintes condições: I - contar tempo de contribuição igual, no mínimo, à soma de: a) trinta anos, se homem, e vinte e cinco anos, se mulher; e b) um período adicional de contribuição equivalente a quarenta por cento do tempo que, na data da publicação desta Emenda, faltaria para atingir o limite de tempo constante da alínea anterior; II - o valor da aposentadoria proporcional será equivalente a setenta por cento do valor da aposentadoria a que se refere o "caput", acrescido de cinco por cento por ano de contribuição que supere a soma a que se refere o inciso anterior, até o limite de cem por cento. Dessa forma, a EC n.º 20/98, em relação à aposentadoria por tempo de contribuição, previu a existência de três situações diversas: a) a dos segurados filiados ao RGPS após a entrada em vigor das novas regras por ela estabelecidas, aos quais se aplicam de imediato as novas regras, que estabelecem o cumprimento de 35 (trinta e cinco) anos de contribuição, no caso dos homens, e de 30 (trinta) anos de contribuição, no caso das mulheres, não exigindo idade mínima para obtenção do benefício, além de não prever a existência de aposentadoria proporcional; b) a dos segurados filiados ao RGPS antes da entrada em vigor da EC n.º 20/98 e que nessa data já tinham preenchido os requisitos necessários à obtenção do benefício, em relação aos quais referida emenda constitucional previu, expressamente, o respeito ao direito adquirido, garantindo a esses segurados o direito de, a qualquer tempo, se aposentarem pelas regras em vigor na época em que satisfeitas as exigências para a obtenção do benefício. Devendo-se salientar que, caso o segurado pretenda utilizar tempo de serviço trabalhado após a EC n.º 20/98, deverá ele se submeter às regras estabelecidas por referido diploma legal; c) e a dos segurados filiados ao RGPS antes da entrada em vigor da EC n.º 20/98, mas que nessa data ainda não tinham preenchido os requisitos necessários à obtenção do benefício. Para esses segurados, a emenda constitucional em comento instituiu a chamada regra de transição, a qual prevê a existência tanto da aposentadoria integral por tempo de contribuição, como da aposentadoria proporcional por tempo de contribuição, devendo-se salientar que a regra de transição é facultativa, pois os segurados podem optar pelas normas gerais e permanentes estabelecidas pela emenda constitucional. Para a concessão da aposentadoria integral, a regra de transição exige, para o homem, a idade mínima de 53 (cinquenta e três) anos e um tempo de contribuição de 35 (trinta e cinco) anos, e, para a mulher, a idade mínima de 48 (quarenta e oito) anos e um tempo de contribuição de 30 (trinta) anos, bem como, para ambos os sexos, o pedágio, que consiste em um período de contribuição adicional correspondente a 20% (vinte por cento) do tempo que, na data da publicação da EC n.º 20/98 (16 de dezembro de 1998) faltaria para o segurado atingir o tempo de contribuição mínimo de 35 ou de 30 anos, no caso de homem ou mulher, respectivamente. Para a concessão de aposentadoria proporcional, a regra de transição estabeleceu a mesma idade mínima exigida para a aposentadoria integral, fixando, quanto ao tempo de contribuição, o mínimo de 30 (trinta) anos, para o homem, e de 25 (vinte e cinco) anos, para a mulher, além do pedágio de 40% (quarenta por cento) do tempo que, na data da publicação da EC n.º 20/98 faltaria para o segurado atingir o tempo de contribuição mínimo exigido. O valor desse benefício corresponde a 70% (setenta por cento) da aposentadoria integral, acrescido de 5% (cinco por cento) por ano de contribuição que supere a soma do tempo mínimo de contribuição com o pedágio, até o limite de 100% (cem por cento). Sendo facultativa a regra de transição, restou esvaziada em relação à aposentadoria integral, haja vista ser ela mais gravosa para o segurado do que a regra permanente, isto porque, optando pela norma transitória, o segurando teria que cumprir os requisitos da idade mínima e do pedágio, os quais não são exigidos pela regra permanente, que impõe apenas a satisfação do tempo mínimo de contribuição. Em relação à aposentadoria proporcional, a regra de transição aplica-se integralmente, vez que, atualmente, não mais é possível a concessão de aposentadoria proporcional com fundamento nas regras permanentes, sendo a regra de transição, portanto, mais benéfica ao segurado. Quanto ao tempo de contribuição, será considerado com tal o período em que o segurado esteve em gozo de benefício por incapacidade, conforme dispõe o art. 29, §5.º, da Lei n.º 8.213/91: Art. 29. [...] § 5º Se, no período básico de cálculo, o segurado tiver recebido benefícios por incapacidade, sua duração será contada, considerando-se como salário-de-contribuição, no período, o salário-de-benefício que serviu de base para o cálculo da renda mensal, reajustado nas mesmas épocas e bases dos benefícios em geral, não podendo ser inferior ao valor de 1 (um) salário mínimo. A existência do direito à concessão da aposentadoria por tempo de contribuição depende, também, do cumprimento do período de carência previsto na Lei n.º 8.213/91: Art. 25. A concessão das prestações pecuniárias do Regime Geral de Previdência Social depende dos seguintes períodos de carência, ressalvado o disposto no art. 26: [...] II - aposentadoria por idade, aposentadoria por tempo de serviço e aposentadoria especial: 180 contribuições mensais. (Redação dada pela Lei nº 8.870, de 1994) Dessa forma, a regra geral é que para a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição deverá o segurado cumprir um período de carência de 180 (cento e oitenta) contribuições mensais. Contudo, considerando que a Lei n.º 8.213/91 ampliou consideravelmente o período de carência em relação ao regime anterior (art. 33 do Decreto n.º 89.312/84), que era de apenas 60 (sessenta) contribuições mensais, a nova Lei de Benefício da Previdência Social previu, em seu art. 142, uma regra de transição para aqueles que haviam se inscrito na Previdência Social até 24 de julho de 1991 (dia anterior à publicação da Lei n.º 9.213/91). Essa regra fixa o período de carência considerando o ano em que o segurado implementou todas as condições necessárias à obtenção do benefício, consoante tabela abaixo: Ano de implementação das condições Meses de contribuição exigidos 1991 60 meses 1992 60 meses 1993 66 meses 1994 72 meses 1995 78 meses 1996 90 meses 1997 96 meses 1998 102 meses 1999 108 meses 2000 114 meses 2001 120 meses 2002 126 meses 2003 132 meses 2004 138 meses 2005 144 meses 2006 150 meses 2007 156 meses 2008 162 meses 2009 168 meses 2010 174 meses 2011 180 meses Registre-se, finalmente, que não se aplica à aposentadoria por tempo de contribuição o disposto no art. 24, parágrafo único, da Lei n.º 8.213/91, o qual prevê que "havendo perda da qualidade de segurado, as contribuições anteriores a essa data só serão computadas para efeito de carência depois que o segurado contar, a partir da nova filiação à Previdência Social, com, no mínimo, 1/3 (um terço) do número de contribuições exigidas para o cumprimento da carência definida para o benefício a ser requerido". A não incidência desse dispositivo funda-se na Lei n.º 10.666/2003, a qual dispõe que "a perda da qualidade de segurado não será considerada para a concessão das aposentadorias por tempo de contribuição e especial". No presente caso, constata-se que o autor, à data da concessão da aposentadoria (30/08/2005), possuía 26 anos, 06 meses e 21 dias de contribuição, tempo este insuficiente para o deferimento da aposentadoria por tempo de contribuição. Ressalta-se que o autor não questionou neste processo os períodos de labor desconsiderados pelo INSS quando da auditoria no benefício. Assim, em vista da irregularidade na concessão do benefício do autor e do princípio da autotutela da Administração Pública, que lhe permite anular de ofício os atos eivados de vício, vê-se que o INSS agiu em conformidade com a lei ao extinguir a aposentadoria do autor. Não procede, portanto, o pedido inicial de restabelecimento do referido benefício. Em face disso, o pedido de indenização por danos morais resta prejudicado, pois a responsabilidade civil do Estado, para ser deflagrada, depende dos seguintes requisitos: [i] conduta, [ii] dano e [iii] nexo causal (art. 37, §6º, da CF/88). No caso vertente, inexiste dano, porque, como o autor não tinha direito ao benefício previdenciário concedido, não houve desacerto da autarquia previdenciária em suspendê-lo, de onde, por óbvio, não pode originar dano material e/ou moral indenizável. Ausente um dos requisitos da responsabilidade civil, é descabido o pagamento de indenização. Diante disso, deve ser julgado improcedente o pedido inicial, apreciando-se a lide com resolução do mérito (art. 269, I, do CPC). III) DISPOSITIVO Ante o exposto, julgo improcedente o pedido inicial, apreciando a lide com resolução do mérito, na forma do art. 269, I, do Código de Processo Civil. Tendo em vista a sucumbência total da parte autora, condeno-a ao pagamento de honorários advocatícios, que arbitro em R$ 1.000,00 (um mil reais), na forma do art. 20, §§3.º e 4.º, do CPC, cuja cobrança deverá permanecer suspensa na forma da Lei n.º 1.060/50. Sem custas (art. 4.º, inciso II, da Lei n.º 9.289/96). Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 7 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB TLD PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA - 1ª VARA 14 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA - 1ª VARA

   

0001578-40.2012.4.05.8200 JOSE MARINHO ATHAYDE (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 0001578-40.2012 - Classe 29 CERTIDÃO Certifico que o autor ingressou com a petição (fls. 100), requerendo a remessa dos autos ao Contador do Juízo para ele, com base no processo administrativo (fls. 70/96) juntados aos autos, apontar o valor da RMI, nos termos postulados na inicial; inclusive, demonstrando sua evolução até a presente data, para comparar com o valor atualmente pago. Dou fé. João Pessoa, 03/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, em virtude das férias regulamentes do MM. Juiz Federal da 1ª. Vara. João Pessoa, 03/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário Decisão: 1- R.H. 2- Defiro o pedido do autor (fls. 100) e determino a remessa dos autos ao Contador do Juízo para informar sobre o valor da RMI, conforme solicitado. 3- A seguir, vista às partes por 05 (cinco) dias. 4- Intimem-se. João Pessoa, 04/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ªVara. PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A Forum Juiz Federal RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0002700-54.2013.4.05.8200 MARIA DOLORES DE ALMEIDA HOLMES (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, MARIA BETANIA DE OLIVEIRA MELO, YURI MARQUES DA CUNHA) x MGA CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÕES LTDA (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo nº 0002700-54.2013 - Classe 29 CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 15/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário Despacho: 1- R.H 2- Defiro o pedido (fls. 92) de habilitação de novos advogados, conforme termo de substabelecimento (fls. 93), e de vista dos autos por 05 (cinco) dias. 3- Decorrido o prazo acima assinado sem manifestação, remetam-se os autos ao distribuidor para baixa e arquivamento. 4- Intime(m)-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L SEÇÃO DA PARAÍBA

   

0003942-87.2009.4.05.8200 LUCIENE ARAGÃO WOODWARD E OUTRO (Adv. ADEILTON HILARIO JUNIOR, ALESSANDRA DANIELLE C. S. HILARIO) x UNIÃO (MINISTÉRIO DA JUSTIÇA - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x DELTA AIR LINE (Adv. CARLA CHRISTINA SCHNAPP, RICARDO BERNARDI, ADILSON DE QUEIROZ COUTINHO FILHO, ADAIR BORGES COUTINHO NETO, THIAGO CARTAXO PATRIOTA)

Processo nº 0003942-87.2009.4.05.8200 Ação ordinária (procedimento comum ordinário) - Classe 29 Autor: LUCIENE ARAGÃO WOORWARD e GABRIEL LUCAS WOORDWARD Réus: UNIÃO e DELTA AIRLINES INC. SENTENÇA Sentença tipo "A" Res. CJF 535/06 RELATÓRIO LUCIENE ARAGÃO WOODWARD e GABRIEL LUCAS WOODWARD, representado pela primeira demandante, ajuizaram Ação Ordinária em face da UNIÃO e de DELTA AIRLINES INC objetivando a condenação solidária das rés ao pagamento de indenização por danos morais. Alegaram, em brevíssima síntese, que no dia 28 de janeiro de 2009 possuíam viagem marcada de retorno para os Estados Unidos, mas não puderam embarcar em decorrência de atrasos injustificados nos procedimentos de reimpressão da passagem de LUCIENE ARAGÃO WOODWARD, emissão de passagem para o menor GABRIEL LUCAS WOODWARD e de realização de check-in de ambos os passageiros pela companhia DELTA AIRLINES, assomados a conduta ilícita de agentes de Polícia Federal atuantes no Setor de Imigração do aeroporto internacional dos Guararapes, em Recife/PE, que se recusaram a aceitar a documentação de viagem do menor GABRIEL LUCAS WOORDWARD, por falta de autorização judicial, motivando inúmeras diligências dos autores perante órgãos diversos para fins de atendimento das exigências. Afirmaram que a impossibilidade de viajar no dia programado, bem como as diligências encetadas, ocasionaram danos morais indenizáveis. Com a inicial, juntaram procuração, declaração de pobreza e documentos (fls. 20/37). Deferida a gratuidade judiciária (fl. 41). Citada, a UNIÃO apresentou contestação (fls. 96/105), alegando, em síntese, não incidência do CDC e não preenchimento dos requisitos da responsabilidade civil do Estado, sem, conduto, abordar os elementos do caso concreto. Juntou documentos (fls. 106/112). Citada, a DELTA AIRLINES apresentou contestação (fls. 157/192), alegando, em suma, uma preliminar de ilegitimidade passiva e, no mérito, que não houve falha na prestação de seus serviços, que o não embarque dos autores decorreu de conduta de agentes públicos federais ou de culpa exclusiva das vítimas, que a conduta dos agentes de imigração foi correta, ausência de dano moral indenizável, aplicação à espécie da Convenção de Montreal (Decreto nº 5.910/06), limitação legal ao montante dos danos eventualmente a serem reparados. Juntou documentos (fls. 193/250). Os autores impugnaram as contestações (fls. 261/263). Os autores requereram a designação de audiência de instrução para colheita de prova oral (fl. 269). DELTA AIRLINES e UNIÃO mencionaram não pretenderem produzir mais provas (fls. 271 e 274). O Ministério Público Federal opinou pelo reconhecimento da ilegitimidade passiva da ré DELTA AIRLINES e pela improcedência do pedido deduzido em face da UNIÃO (fls. 277/279). É o relatório do essencial. Decido. FUNDAMENTAÇÃO Inicialmente, com fundamento no art. 400, I, do CPC, indefiro o requerimento feito pelos autores de designação de audiência de instrução para colheita de prova oral (fl. 269), na medida em que os documentos já acostados autos permitem a formação de convencimento do Juízo acerca da pretensão. Afasto a preliminar de da ilegitimidade passiva da ré DELTA AIRLINES, porque, de acordo com a narrativa dos fatos feita na petição inicial, o comportamento dessa ré, ao acarretar demora na (re)emissão de bilhetes e na efetivação do check-in dos autores, teria sido uma concausa do dano moral supostamente suportado, daí se extraindo a pertinência subjetiva para a lide. Sem outras preliminares levantadas pela parte ré, passo de logo ao exame do mérito. A narrativa dos fatos pertinentes à ré DELTA AIRLINES denota que houve demora nos procedimentos de reimpressão da passagem de LUCIENE ARAGÃO WOORWARD, de emissão de passagem para o menor GABRIEL LUCAS WOORDWARD e de realização de check-in de ambos os passageiros. Contudo, apesar da alegada tardança, os procedimentos foram finalizados em tempo e "os autores acompanhados do Sr. Bruno, outro funcionário da empresa de aviação, dirigiram-se ao check-in de passagens" (fl. 05, quinto parágrafo). Até mesmo quando da intercorrência perante os agentes de imigração os autores estavam acompanhados de um preposto da companhia aérea (conforme narrado fl. 07, terceiro parágrafo, da petição inicial), a fim de viabilizar o embarque. Nesse cenário, no que tange ao agir da ré DELTA AIRLINES, percebo que não ficou evidenciada nenhuma ilegalidade nem violação de direito da personalidade ou abalo moral dos autores. A demora nos procedimentos de emissão, reemissão e check-in não é por si só indenizável, constituindo, quando muito, mero dissabor, visto que os autores já estavam no aeroporto com a devida antecedência justamente para tratar desse tipo de questão. Portanto, em relação à ré DELTA AIRLINES, o pedido é improcedente. De outro lado, os autores noticiam suposta a conduta ilícita de agentes de Polícia Federal atuantes no Setor de Imigração do aeroporto internacional dos Guararapes, em Recife/PE, que se recusaram a aceitar a documentação de viagem do menor GABRIEL LUCAS WOODWARD, motivando inúmeras diligências perante órgãos diversos para atendimento das exigências. Após análise dos documentos apresentados, a Polícia Federal exarou o seguinte atestado de ocorrência (fl. 37): "Fica registrado que no embarque do vôo DAL0090 com destino a Atlanta/Estados Unidos foi negado o embarque do menor GABRIEL LUCAS WOODWARD, passaporte brasileiro nº CV139078, em face de não apresentar a autorização de viagem para menor desacompanhado do pai, nos padrões da Resolução nº 51/2008 do Conselho Nacional de Justiça. Na ocasião da imigração de GABRIEL, a Sra. LUCIENE apresentou a imigração, também, 01 (um) passaporte americano nº 420619855, porém este sem o visto consular exigido para o cidadão americano. Outrossim, esclareço que a genitora apresentou a imigração um documento redigido em inglês, que segundo ela seria a autorização de viagem do pai para que o menor viajasse na companhia da mãe. Cabe ressaltar que o documento citado não tinha sido expedido pelo consulado brasileiro, e nem tampouco possuía a chancela consular". Apreciando as razões que levaram os agentes de imigração a recusarem o embarque do menor e solicitarem autorização judicial para tanto, constato que não houve erro administrativo, mas correta aplicação das normas de regência ao fato vertente. O ECA dispõe acerca da autorização para viajar: "Art. 84. Quando se tratar de viagem ao exterior, a autorização é dispensável, se a criança ou adolescente: I - estiver acompanhado de ambos os pais ou responsável; II - viajar na companhia de um dos pais, autorizado expressamente pelo outro através de documento com firma reconhecida. Art. 85. Sem prévia e expressa autorização judicial, nenhuma criança ou adolescente nascido em território nacional poderá sair do País em companhia de estrangeiro residente ou domiciliado no exterior." Regulamentando as disposições legais, à época dos fatos (20 de janeiro de 2009) estava em vigor a Resolução CNJ nº 51/2008 ("Dispõe sobre a concessão de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes"), cujo teor era o seguinte: "Art. 1º É dispensável a autorização judicial para que crianças e adolescentes viajem ao exterior: I - sozinhos ou em companhia de terceiros maiores e capazes, desde que autorizados por ambos genitores, ou pelos responsáveis, por documento escrito e com firma reconhecida; II - com um dos genitores ou responsáveis, sendo nesta hipótese exigível a autorização do outro genitor, salvo mediante autorização judicial. (Redação dada pela Resolução nº 50, de 13.05.08) III - sozinhos ou em companhia de terceiros maiores e capazes, quando estiverem retornando para a sua residência no exterior, desde que autorizadas por seus pais ou responsáveis, residentes no exterior, mediante documento autêntico. Parágrafo único. Para os fins do disposto neste artigo, por responsável pela criança ou pelo adolescente deve ser entendido aquele que detiver a sua guarda, além do tutor. Art. 2º O documento de autorização mencionado no artigo anterior, além de ter firma reconhecida, deverá conter fotografia da criança ou adolescente e será elaborado em duas vias, sendo que uma deverá ser retida pelo agente de fiscalização da Polícia Federal no momento do embarque, e a outra deverá permanecer com a criança ou adolescente, ou com o terceiro maior e capaz que o acompanhe na viagem. Parágrafo único. O documento de autorização deverá conter prazo de validade, a ser fixado pelos genitores ou responsáveis. Art. 3º Ao documento de autorização a ser retido pela Polícia Federal deverá ser anexada cópia de documento de identificação da criança ou do adolescente, ou do termo de guarda, ou de tutela. Art. 4º Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação." Quanto à documentação de viagem do menor GABRIEL LUCAS WOODWARD, os autores asseveraram na exordial (fls. 05/06): "Foram apresentas, na ocasião, o passaporte brasileiro de Luciene Woodward, nº CT139078, seu cartão de residência permanente dos USA (green card), e com relação ao garoto Gabriel foi apresentado o passaporte americano, nº 420619855, passaporte brasileiro provisório emitido pelo Consulado Brasileiro no Estado do Texas - USA, bem como a autorização para viagem emitida pelo genitor Scott David Woodward, redigida em inglês, assinada, datada e formalmente notarizada por oficial americano habilitado, além do original da certidão de nascimento americana da criança". À vista dessa documentação, entendo que o menor GABRIEL LUCAS WOODWARD não estava enquadrado em nenhuma das hipóteses regulamentares de dispensa de autorização judicial para viagem ao exterior. Embora possua nacionalidade norte-americana, o menor é também brasileiro nato (fl. 25). Ele entrou no país com passaporte brasileiro, conforme descrito na peça de pórtico, o que justifica a ausência de visto no passaporte americano. Ainda quanto à documentação de viagem do menor, vejo que não constava Atestado de Residência ou documento equivalente que comprovasse que se tratava de retorno ao domicílio no exterior. Logo, nessa condição, é correta a interpretação dos agentes de imigração de que se tratava de criança brasileira, residente no Brasil, em situação de saída do país, acompanhado apenas da mãe, subsumindo-se às previsões da Resolução CNJ nº 51/2008. Para atrair a regra de dispensa de autorização judicial prevista no art. 1º, II, da Resolução CNJ nº 51/2008, seria exigível a autorização do outro genitor. Tal autorização, além de ter firma reconhecida, deveria conter fotografia da criança ou adolescente e ser elaborada em duas vias, sendo que uma deveria ser retida pelo agente de fiscalização da Polícia Federal no momento do embarque, e a outra deveria permanecer com a criança ou adolescente, ou com o terceiro maior e capaz que o acompanhasse na viagem. A autorização do outro genitor (fl. 34) não cumpria os requisitos regulamentares, porque foi emitida em língua estrangeira, em via única, sem foto da criança e sem reconhecimento de firma por agente público ou delegatário do Poder Público brasileiro ou mediante consularização do ato notarial estrangeiro por agente consular pátrio. De efeito, os documentos vindos do exterior devem ter suas assinaturas reconhecidas de acordo com as leis locais. Isso foi feito, pois o documentos de fl. 34 contém reconhecimento da firma de Scott D. Woodward por um notário norte-americano. Contudo, a assinatura do notário público ou outra entidade autorizada estrangeira deve ser reconhecida pela representação consular brasileira para produzir efeitos legais no Brasil (procedimento conhecido como notarização, consularização ou legalização do documento produzido no exterior), em razão do princípio fundamental da soberania (art. 1º, I, da Constituição Federal). Aliás, porque pertinente, menciono a Súmula 259 do Supremo Tribunal Federal: "Para produzir efeito em juízo não é necessária a inscrição, no registro público, de documentos de procedência estrangeira, autenticados por via consular". A etapa da consularização não foi observada pelos autores. Ademais, "Nenhum livro, documento ou papel de qualquer natureza, que for exarado em idioma estrangeiro, produzirá efeito em repartições da União, dos Estados ou dos Municípios, em qualquer instância, Juízo ou Tribunal ou entidades mantidas, fiscalizadas ou orientadas pelos poderes públicos, sem ser acompanhado da respectiva tradução feita na conformidade desse regulamento" (art. 18 do Decreto n° 13.609, de 21 de outubro de 1943), exigência que também encontra amparo no art. 224 do Código Civil. Assim, as autoridades administrativas atuaram de acordo com os ditames da Resolução CNJ nº 51/2008. A Resolução CNJ nº 51/2008 gerou discussões quanto ao seu âmbito de aplicação, tanto que em 26 de maio de 2011 foi editada, sobre o mesmo assunto, a Resolução CNJ nº 131/2011, que sucedeu as anteriores e minudenciou melhor as situações de exigência e de dispensa de autorizações de viagem ao exterior: "CONSIDERANDO as manifestações do Ministério das Relações Exteriores e do Departamento de Polícia Federal, que referem dificuldades para o cumprimento do regramento disposto na Resolução nº 74/2009 do Conselho Nacional de Justiça e sugerem alterações; CONSIDERANDO as dificuldades enfrentadas pelas autoridades que exercem o controle de entrada e saída de pessoas do território nacional, em especial com relação a crianças e adolescentes; CONSIDERANDO as diversas interpretações existentes a respeito da necessidade ou não de autorização judicial para saída de crianças e adolescentes do território nacional pelos Juízos da Infância e da Juventude dos Estados da Federação e o Distrito Federal; CONSIDERANDO a insegurança causada aos usuários em decorrência da diversidade de requisitos e exigências; CONSIDERANDO a necessidade de uniformização na interpretação dos arts. 83 a 85 do Estatuto da Criança e do Adolescente; CONSIDERANDO o decidido nos Pedidos de Providências nos 200710000008644 e 200810000022323; RESOLVE: Das Autorizações de Viagem Internacional para Crianças ou Adolescentes Brasileiros Residentes no Brasil Art. 1º É dispensável autorização judicial para que crianças ou adolescentes brasileiros residentes no Brasil viajem ao exterior, nas seguintes situações: I) em companhia de ambos os genitores; II) em companhia de um dos genitores, desde que haja autorização do outro, com firma reconhecida; III) desacompanhado ou em companhia de terceiros maiores e capazes, designados pelos genitores, desde que haja autorização de ambos os pais, com firma reconhecida. Das Autorizações de Viagem Internacional para Crianças ou Adolescentes Brasileiros Residentes no Exterior Art. 2º É dispensável autorização judicial para que crianças ou adolescentes brasileiros residentes fora do Brasil, detentores ou não de outra nacionalidade, viajem de volta ao país de residência, nas seguintes situações: I) em companhia de um dos genitores, independentemente de qualquer autorização escrita; II) desacompanhado ou acompanhado de terceiro maior e capaz designado pelos genitores, desde que haja autorização escrita dos pais, com firma reconhecida. § 1º A comprovação da residência da criança ou adolescente no exterior far-se-á mediante Atestado de Residência emitido por repartição consular brasileira há menos de dois anos. § 2º Na ausência de comprovação da residência no exterior, aplica-se o disposto no art. 1º." Percebe-se que, em 2011, a situação em que se encontravam os autores na data dos fatos se enquadraria no art. 2º, I, da Resolução CNJ nº 131/2011, mas, ainda assim, deveriam apresentar um Atestado de Residência emitido por repartição consular brasileira há menos de dois anos, sob pena de incidência nas regras do art. 1º. Entrementes, enquanto o ordenamento não fazia a distinção operada pela Resolução CNJ nº 131/2011, aplicavam-se as regras genéricas do normativo anterior, estando o menor GABRIEL LUCAS WOORDWARD nele enquadrado por ser brasileiro (embora com dupla nacionalidade). Não desconheço que a família passou por transtornos e aborrecimentos, ao ter de se deslocar para o Juízo da Infância e para o Consulado americano no Município do Recife e ao ter de remarcar as passagens programadas. Entretanto, tendo-se verificado que as autoridades de imigração não agiram com ilegalidade ou abuso de direito, as vicissitudes sofridas pelos autores não desaguou em violação de direito da personalidade ou de elemento componente de sua dignidade, restando descaracterizado o alegado dano moral, o impõe a pronúncia da improcedência da pretensão. DISPOSITIVO ANTE O EXPOSTO, com fundamento no art. 269, I, do CPC, julgo improcedentes os pedidos e extingo o processo com resolução do mérito. Custas ex lege. Sem custas e honorários em razão da gratuidade judiciária antes deferida. Retifique-se a ordem de inserção nos autos do Termo de Juntada de fl. 260-v. PRI. Vista ao MPF. Com o trânsito em julgado, nada sendo requerido, dê-se baixa e arquivem-se. João Pessoa (PB), 7 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 1ª Vara Federal - João Pessoa 8 ______________________________________________________________________________________ Fórum Juiz Federal "Ridalvo Costa" Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar, João Pessoa/PB, CEP 58031-900, fone (83) 2108-4040

   

0004034-26.2013.4.05.8200 LUISA CELINA MALLMANN (Adv. MARCÍLIO EVANGELISTA DE SOUZA, LICELIA MARIA CORDEIRO E. DE SOUZA, NATALICIO EVANGELISTA DOS SANTOS NETO, NAY CORDEIRO EVANGELISTA DE SOUZA) x SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (FUNASA) NA PARAÍBA (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação Ordinária - Classe 29 Autora: LUISA CELINA MALLMANN Ré: SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE NA PARAÍBA - FUNASA/PB Sentença TIPO "C" (Resolução CJF n.º 535/2006) SENTENÇA I) RELATÓRIO LUISA CELINA MALLMANN propôs ação ordinária em face da SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE NA PARAÍBA - FUNASA/PB, objetivando a efetuação do desconto da pensão alimentícia nos vencimentos de seu ex-marido, médico da referida instituição, conforme disposto em escritura pública de divórcio consensual. Alegou, em suma, que se divorciou do seu ex-marido através da via extrajudicial, ficando acordado em escritura pública de divórcio consensual que a pensão alimentícia deveria ser descontada da folha de pagamento deste, junto à FUNASA, e creditada em sua conta; contudo, referida fundação não cumpriu, até o momento, o estabelecido no acordo de vontades do divórcio. Juntou documentos (fls. 10/15) e requereu o benefício da justiça gratuita. Parecer ministerial às fls.19/20. A presente ação foi proposta perante a Justiça Comum Estadual (fls. 03 e 16), porém, em face da declaração de incompetência absoluta do juízo de origem (fls. 21/22), os presentes autos foram remetidos a esta Seção Judiciária, tendo sido distribuídos para esta 1.ª Vara Federal. É o relatório. Decido. II) FUNDAMENTAÇÃO A Resolução TRF5 n.º 16/2012 não admite mais a distribuição de ações ordinárias em autos físicos após 15.10.2012 na Justiça Federal da Seção Judiciária da Paraíba. Com efeito, o art. 1.º c/c o art. 2.º, V, ambos, da Resolução TRF5 n.º 16/2012, foram taxativos ao estabelecer que seria adotado, com exclusividade, o processo judicial eletrônico (PJE) para a propositura e tramitação das ações incluídas na classe de procedimento ordinário, devendo essas disposições serem aplicadas, inclusive, aos feitos recebidos da Justiça Estadual em autos físicos. No caso em exame, esta ação foi distribuída na Justiça Federal em 02.07.2013 (fl. 02), de forma que, dado o seu caráter de ação ordinária, o feito não pode tramitar em autos físicos nesta Seção Judiciária, pois isso desvirtuaria os objetivos da Resolução TRF5 nº 16/2012, não havendo outra solução senão a extinção do processo, sem exame do mérito, por falta de pressuposto de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo. Ademais, caso fossem admitidos autos físicos redistribuídos de outros órgãos do Poder Judiciário, com base na competência prevista no art. 109 da CF/88, a parte que não quisesse ajuizar ação eletrônica, poderia propor, nessa hipótese, ação convencional em outro Juízo não submetido à jurisdição federal, a fim de que fosse remetida, em virtude de incompetência, à Justiça Federal, o que acarretaria, obviamente, violação à Resolução TRF5 n.º 16/2012, com inequívoco prejuízo ao novo sistema eletrônico de tramitação processual. III) DISPOSITIVO Ante o exposto, reconheço, de ofício, a carência de ação por falta de interesse de agir (modalidade adequação), extinguindo o feito sem resolução do mérito (art. 267, VI e §3.º, do CPC). A apreciação do benefício da justiça gratuita depende da apresentação de declaração de hipossuficiência, firmada pelo interessado. Custas ex lege. Sem condenação em honorários, em virtude da não formação da relação processual. Publique-se. Registre-se. Intime-se a autora. João Pessoa/PB, 07 agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0004034-26.2013.4.05.8200 3

   

0004618-30.2012.4.05.8200 FAZENDA SANTA TEREZINHA LTDA (Adv. MARLENE PEREIRA BORBA, TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 0004618-30.2012.4.05.8200 Ação ordinária (procedimento comum ordinário) - Classe 29 Autor: FAZENDA SANTA TEREZINHA LTDA. Ré: UNIÃO SENTENÇA Sentença tipo "A" Res. CJF 535/06 RELATÓRIO Trata-se de Ação Ordinária proposta pela empresa FAZENDA SANTA TEREZINHA LTDA em desfavor da UNIÃO, c/c pedido de liminar, objetivando que a ré dê imediato prosseguimento ao despacho aduaneiro das mercadorias objeto da DI n.º 12/0875432-9, independentemente da apresentação de anuência da SECEX, concluindo-o em até 24 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais); que a ré se abstenha de aplicar multa pelo embarque de mercadoria anterior à emissão de Licença de Importação pela SECEX; e que a ré seja condenada a ressarcir as despesas de sobreestadia do container até a efetivação do desembaraço aduaneiro. A inicial veio aos autos (fls. 03/10) acompanhada de documentos (fls. 11/71), alegando, em suma, o seguinte: a autora importou um container de maçãs frescas, tendo essa mercadoria chegado ao Brasil, via porto de SUAPE, onde, em 04/maio/2012, sofreu fiscalização pelo Ministério da Agricultura; referida mercadoria foi embarcada na Argentina no dia 22/abril/2012, já estando no container há 51 (cinqüenta e um) dias; tomou todas as medidas necessárias à importação, inclusive, via SISCOMEX; quando do embarque da mercadoria, a importação de maçãs estava sujeita, apenas, à anuência do Ministério da Agricultura, contudo, em decorrência de alteração normativa, a partir de 08/maio/2012, quando a mercadoria já havia sido desembarcada, passou a ser exigida a obtenção de licença junto à SECEX como condição para o desembaraço da mercadoria; por conta da nova normatização, a autora viu-se obrigada a retificar o pedido de Licença de Importação, o que foi feito em 21/maio/2012, contudo a SECEX concedeu o prazo de 60 (sessenta) dias para analisar o pedido, o que é absurdo, haja vista tratar-se de produto perecível. Instruem a inicial a procuração e os documentos de fls.12/70. Custas recolhidas (fls. 71 e 77). Pedido liminar deferido parcialmente (fls. 79/81), "para determinar à União que, no prazo de 10 (dez) dias, conclua o procedimento de importação relativo à DI n.º 12/0875432-9 (fls. 51/52), inclusive quanto ao despacho aduaneiro". Citada, a UNIÃO apresentou contestação (fls. 84/88), alegando, em síntese, uma preliminar de incompetência absoluta da JF/PB e argumentos de mérito conducentes à improcedência dos pedidos. Juntou documentos (fls. 89/96). Petição e documentos da UNIÃO (fls. 99/110) noticiando o cumprimento da medida liminar e requerendo a extinção do feito sem resolução do mérito. A autora impugnou a contestação (fls. 114/118) e juntou documentos (fls. 119/121). Sem requerimentos de produção de provas, os autos vieram conclusos para sentença. É o relatório do essencial. Decido. FUNDAMENTAÇÃO Preliminar de incompetência absoluta da Justiça Federal na Paraíba: Afasto a preliminar de incompetência absoluta da Justiça Federal na Paraíba, porque a autora é sediada e domiciliada em Mamanguape/PB, município abrangido pela sede da Seção Judiciária da Paraíba. Logo, a teor do art. 75, IV, do CPC e do art. 109, §2º, primeira parte, da Constituição Federal, este Juízo é competente para processar e julgar o feito. Considerando que a ação foi ajuizada contra a UNIÃO, se houvesse incompetência, seria meramente territorial e teria sido sanada pelo fenômeno da prorrogação, haja vista a ausência de oposição da exceção ritual cabível. Mérito: A autora objetiva [a] que a ré dê imediato prosseguimento ao despacho aduaneiro das mercadorias objeto da DI n.º 12/0875432-9, independentemente da apresentação de anuência da SECEX, concluindo-o em até 24 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais); [b] que a ré se abstenha de aplicar multa pelo embarque de mercadoria anterior à emissão de Licença de Importação pela SECEX; e [c] que a ré seja condenada a ressarcir as despesas de sobreestadia do container até a efetivação do desembaraço aduaneiro. As principais questões discutidas nesta ação já foram examinadas na decisão que indeferiu o pedido liminar (fls. 79/81), cujos fundamentos, a seguir transcritos, adoto como razões de decidir: "5. Os documentos que instruem a inicial demonstram que a mercadoria importada pela A. (maçãs frescas) embarcou na Argentina (país de origem) em 22/abril/2012 (fls. 27/34), estando o Licenciamento de Importação pendente de análise pelo SECEX, órgão anuente. 6. Referido pedido de licenciamento foi apresentado em 21/maio/2012, não tendo, portanto, decorrido o prazo de 60 (sessenta) dias para a sua tramitação, previsto no art. 23 da Portaria SECEX n.º 23, de 14/julho/2011. 7. Contudo, a A. alega que a espera por esse prazo pode lhe causar sérios prejuízos, tendo em vista que a mercadoria importada é perecível, bem como em virtude das altas taxas portuárias cobradas para a guarda da mercadoria pendente de liberação. 8. A necessidade de anuência da SECEX só surgiu a partir de 08/maio/2012, em decorrência de alteração nas normas de tratamento administrativo das importações (fls. 48/49), data essa na qual a mercadoria já havia sido embarcada na Argentina. 9. Assim, mesmo que se entenda possível a exigência de anuência da SECEX em relação ao presente caso (Portaria SECEX n.º 23/2011, art. 17, §3.º), não se afigura razoável que o trâmite para a obtenção dessa licença observe o procedimento ordinariamente previsto, vez que isso traria sérios prejuízos à A., que não pode ser responsabilizada pela autorização normativa ocorrida quando já em curso a importação das mercadorias, inclusive, com embarque no exterior. 10. Destaque-se, ainda, que a mercadoria de que trata a presente ação é composta de maçãs frescas, produto perecível, havendo, portanto, maior urgência na solução da questão. 11. Assim, a verossimilhança das alegações está demonstrada, ao menos em parte, vez que o exíguo prazo de 24 (vinte e quatro) horas pedido pela A. para cumprimento da liminar mostra-se inviável, tendo em vista a série de medidas que devem ser tomadas pelos órgãos responsáveis pela fiscalização e liberação da mercadoria importada, devendo ser fixado prazo razoável para a conclusão do procedimento de despacho aduaneiro. 12. Registre-se, ainda, que a dispensa da anuência da SECEX também não é possível, pois a Portaria SECEX n.º 23/2011, art. 17, §3.º, prevê a possibilidade de mudança do tratamento administrativo mesmo após o embarque das mercadorias, devendo, nesses casos, a licença ser obtida antes do despacho aduaneiro. 13. Quanto ao pedido para que seja determinada à R. que se abstenha de aplicar multa à A. pelo embarque da mercadoria antes da licença de importação da SECEX, não constam dos autos qualquer elemento que indique a prática de atos nesse sentido, devendo-se ressaltar, ainda, consoante já dito no parágrafo anterior, que a Portaria SECEX n.º 23/2011, art. 17, §3.º, prevê a sistemática de regularização das importações que sofreram mudanças no tratamento administrativo, não havendo, nesses casos, previsão de multa, de modo que falta à A. interesse na apreciação desse pedido liminar. 14. Presente, em parte, a verossimilhança das alegações, o fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação decorre do fato de que a mercadoria da A. é perecível, havendo, portanto, urgência na sua liberação." No que tange ao pedido para que a ré se abstenha de aplicar multa pelo embarque de mercadoria anterior à emissão de Licença de Importação pela SECEX, reconheceu-se a falta de interesse de agir por desnecessidade de tutela jurisdicional, o que impõe a extinção do feito sem resolução do mérito por carência de ação. Ao longo do curso do procedimento não foram colhidos fatos novos (art. 462 do CPC) que permitissem alterar esse entendimento. Quanto ao pedido para que a ré dê imediato prosseguimento ao despacho aduaneiro das mercadorias objeto da DI n.º 12/0875432-9, independentemente da apresentação de anuência da SECEX, concluindo-o em até 24 horas, sob pena de multa diária no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), pelas razões supra, comporta acolhimento apenas parcial, para ratificar a decisão pretérita que determinou a conclusão do procedimento de importação relativo à DI n.º 12/0875432-9 (fls. 51/52), inclusive quanto ao despacho aduaneiro, em prazo expedito e razoável, sem, contudo, afastar a exigência de anuência da SECEX também não é possível, pois a Portaria SECEX n.º 23/2011. Nesse ponto, acrescento que o Licenciamento de Importação - LI corresponde à etapa administrativa anterior ao despacho aduaneiro de importação, cujo documento correspondente, emitido pelo SISCOMEX, é a Declaração de Importação - DI. In casu, a autora (importador) registrou a LI 12/1342252-8 em 25/04/2012, data em que a operação estava sujeita, apenas, à anuência do Ministério da Agricultura - MAPA. Em 14/05/2012, o MAPA deferiu a LI e, apenas nesse dia, o importador registrou a DI 12/0875432-9, a fim de dar início ao despacho aduaneiro. Vale dizer, então: o despacho aduaneiro foi iniciado já durante a vigência do novo regime de desembaraço. Por isso, para obter a anuência da SECEX (novo regime), o importador registrou uma nova LI 12/1652087-3 em 21/05/2012, a qual teve trâmite regular, culminando na liberação da mercadoria (fl. 108). No dia 04/05/2012, data enfatizada na inicial, a autora tão-somente protocolou Requerimento para Fiscalização de Produtos Agropecuários (fl. 40), a qual veio ocorrer em data posterior, até porque, como narrado, o desembarque só ocorreu em 08/05/2012, de modo que a data de 04/05/2012 não constituiu marco temporal hábil a definir o regime de desembaraço aplicável. Portanto, enquanto não iniciado o despacho, não há um direito adquirido ao regime de desembaraço, apenas não sendo razoável impor exigência que implique delonga temporal excessiva, em desacordo com as peculiaridades da mercadoria em espera. Por fim, no que se refere ao pedido para que a ré seja condenada a ressarcir as despesas de sobreestadia do container até a efetivação do desembaraço aduaneiro a pretensão é improcedente. Uma vez reconhecida a legalidade da exigência da exigência de anuência da SECEX, instituída antes do registro da DI n.º 12/0875432-9, e tendo o desembaraço sido realizado no prazo concedido na decisão liminar (não houve argüição de descumprimento), deve-se entender que o gasto adicional não decorreu de ilicitude perpetrada pela ré, mas de custo superveniente em razão do novel marco regulatório. DISPOSITIVO ANTE O EXPOSTO: [a] em relação ao pedido para que a ré se abstenha de aplicar multa pelo embarque de mercadoria anterior à emissão de Licença de Importação pela SECEX, extingo o processo sem resolução do mérito, com fundamento no art. 267, VI, do CPC, em razão da falta de interesse de agir por desnecessidade de tutela jurisdicional; [b] com fundamento no art. 269, I, do CPC, julgo parcialmente procedente para ratificar a decisão liminar e condenar à UNIÃO na obrigação de fazer, já cumprida, de concluir o procedimento de importação relativo à DI n.º 12/0875432-9 (fls. 51/52), inclusive quanto ao despacho aduaneiro, no prazo de 10 (dez) dias a contar da intimação da decisão liminar; [c] por fim, com fundamento no art. 269, I, do CPC, julgo improcedente o pedido para que a ré seja condenada a ressarcir as despesas de sobreestadia do container até a efetivação do desembaraço aduaneiro. Custas ex lege. Sem honorários, dada a sucumbência recíproca. PRI. Com o trânsito em julgado, nada sendo requerido, dê-se baixa e arquivem-se. João Pessoa (PB), 7 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 1ª Vara Federal - João Pessoa 6 ______________________________________________________________________________________ Fórum Juiz Federal "Ridalvo Costa" Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar, João Pessoa/PB, CEP 58031-900, fone (83) 2108-4040

   

0004734-36.2012.4.05.8200 SUPERMERCADO PREÇO CERTO (Adv. JAM'S DE SOUZA TEMOTEO) x EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. LUIZ MONTEIRO VARAS, MARIA JOSE DA SILVA, MARA LUCIA VILELA NOVAIS FERNANDES, PIERRE ANDRADE BERTHOLET, ROSSANA KARLA MARINHO ALVES)

AUTOR: Supermercado Preço Certo RÉ: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT DECISÃO 1. Converto o julgamento em diligência. 2. SUPERMERCADO PREÇO CERTO propôs ação ordinária contra a EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS - ECT, objetivando a condenação da ré ao pagamento de indenização por danos morais, em valor a ser arbitrado pelo Juízo, e por danos materiais, no valor de R$ 3.807,66 (três mil, oitocentos e sete reais e sessenta e seis centavos). 3. Neste caso, o valor atribuído à causa (R$ 3.807,66 - três mil, oitocentos e sete reais e sessenta e seis centavos) não alcançava o limite de sessenta salários mínimos na data da propositura da ação e por isso impõe-se reconhecer a competência absoluta do Juizado Especial Federal Cível para processar e julgar o feito, nos termos do art. 3.º da Lei nº 10.259/2001. 4. Saliente-se, ainda, que a presente lide não está abrangida pelas hipóteses de exclusão da competência dos Juizados Especiais previstas no art. 3.º, §1.º, da Lei n.º 10.259/2001, bem como a parte autora possui natureza de microempresa (fl. 43), a qual está autorizada a litigar como autora nos Juizados Especiais Federais Cíveis (art. 6.º, I, da Lei n.º 10.259/2001). 5. Em casos como o presente, este Juízo entende ser o caso de extinção do processo sem resolução do mérito, em decorrência da incompatibilidade existente entre os sistemas de processamento físico e virtual, contudo, tendo em vista que o presente feito já se encontra bastante adiantado, com apresentação de contestação e impugnação, bem como objetivando evitar prejuízo para as partes e observar o princípio da economia processual, determino a integral digitalização destes autos e a distribuição para um dos Juizados Especiais Federais desta Seção Judiciária, aproveitando-se, assim, os atos processais já praticados, sem prejuízo da repetição dos atos decisórios (art. 113, §2º, do CPC), se necessário. 6. Intimem-se as partes desta decisão. 7. Decorrido o prazo recursal ou com a sua renúncia pelas partes, cumpra-se a determinação contida no parágrafo 5, supra. João Pessoa, 08 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0004734-36.2012.4.05.8200 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0002259-10.2012.4.05.8200

   

0005552-56.2010.4.05.8200 ANTONIO BARROSO PONTES NETO (Adv. ROMILTON DUTRA DINIZ) x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0005552-56.2010.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: ANTONIO BARROSO PONTES NETO REU: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA C E R T I D Ã O Certifico que a eg.4ª Turma do 5º Regional negou a apelação e manteve a r.sentença esclarecendo, apenas, que o autor deve participar do processo administrativo a partir da etapa em que se encontra, com direito de peticionar e de ser intimado de todas as petições que lhes disserem respeito. Dou fé. João Pessoa, 05 de junho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 05 de junho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Processo:0005552-56.2010.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: ANTONIO BARROSO PONTES NETO REU: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA Despacho: 1- R.H. 2. As obrigações de fazer decorrentes de título judicial cumprem-se de forma mandamental, consoante o CPC, art. 461 e art. 475-I, introduzido pela Lei nº 11.232/2005, independentemente da instauração de processo de execução. 3. Isto posto, nos termos do CPC, art. 461, c/c o art. 475-I, determino ao devedor IBAMA que, no prazo de 30 (trinta) dias, cumpra a obrigação de fazer objeto do título judicial transitado em julgado. 4. A eventual fixação de multa ficará postergada para depois do decurso do prazo concedido ao devedor e desde que verificado o descumprimento da determinação judicial. 5. Em face da inexistência de processo autônomo para satisfação do julgado, qualquer impugnação ao cumprimento da obrigação de fazer deverá ser deduzida através de simples petição nestes mesmos autos, não sendo cabível a oposição de embargos pelo devedor. 6. Após, com ou sem manifestação do devedor, vista à parte autora pelo prazo de 10 (dez) dias. 7. Em seguida, conclusos. 8. Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0005597-89.2012.4.05.8200 RODRIGO SILVA ROSAL DE ARAÚJO (Adv. DANILO HEBER DE OLIVEIRA GOMES) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Processo nº 0005597-89.2012 - Classe 29 CERTIDÃO Certifico que a apelação (fls. 149/151-verso) da ré ingressou em Juízo no prazo legal. Dou fé. João Pessoa, 18/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 18/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário Decisão: 1-R.H. 2- Recebo a apelação (fls. 149/151-verso) da ré apenas no seu efeito devolutivo (CPC, art. 520, inciso VII). 3- Intime-se a parte contrária para as contra-razões (CPC, art. 518). 4- Em seguida, com ou sem resposta, subam os autos ao Eg. TRF da 5.ª Região. João Pessoa, PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0006874-77.2011.4.05.8200 CELESTINO MARQUES DE ARAUJO E OUTRO (Adv. KOTARO TANAKA, JUNKO TANAKA, AKISHIGUE TANAKA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x BANCO SANTANDER SA (Adv. PATRICIA DE CARVALHO CAVALCANTI, ELISIA HELENA DE MELO MARTINI) x UNIBANCO S/A (Adv. SARAH LARA HIAL, FREDERICO ALGUSTO VEIGA, ALLAN WAKI DE OLIVEIRA, JOAO RAFAEL ARNONI LANZONI, REINALDO LUIS FRANCIS TED FERNANDES, PAULO EDUARDO PRADO, ALESSANDRA CRISTINA MOURO, JOSÉ EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO, CAIO MEDICI MADUREIRA, FRANCIS TED FERNANDES, NESTOR DOS SANTOS SARAGOTTO, FRANKLIN CARVALHO DE MEDEIROS, NIANI GUIMARAES LIMA DE MEDEIROS, TERESA RACHEL BRITO NEVES PEREIRA, GUSTAVO GUIMARÃES LIMA, EDITH RACHEL NEVES MONTEIRO, PEDRO VICTOR DE ARAUJO CORREIA, VANESSA FERNANDES DE MELO, DANIELE MARIA TABOSA MACHADO, ROMEIKA MEIRELES MONTENEGRO, ALEXANDRE CAVALCANTI ANDRADE ARAUJO)

Processo nº 0006874-77.2011.4.05.8200 Ação ordinária (procedimento comum ordinário) - Classe 29 Autores: CELESTINO MARQUES DE ARAÚJO E DALVA PAULINA DE OLIVEIRA ARAÚJO Réus: UNIÃO, BANCO SANTANDER S/A E UNIBANCO S/A SENTENÇA Sentença tipo "A" Res. CJF 535/06 RELATÓRIO Trata-se de ação ordinária proposta por CELESTINO MARQUES DE ARAÚJO e DALVA PAULINA DE OLIVEIRA ARAÚJO, qualificados na inicial, em face da UNIÃO, BANCO SANTANDER S/A e UNIBANCO S/A objetivando que o primeiro réu se abstenha de descontar dos vencimentos do primeiro autor importâncias referentes a parcelas de um empréstimo consignado não contratado; que o UNIBANCO restitua em dobro os valores indevidamente descontados e que os três demandados sejam, afinal, condenados solidariamente a lhes pagar indenização pelos danos materiais e morais sofridos. Requereram, ainda, a concessão de provimento liminar para que seja ordenado à União que "se abstenha, de imediato, de consignar, na folha de pagamento, no comprovante mensal de rendimentos do 1º promovente, a diferença da quantia de R$ 274,40". Os autores fundamentam a pretensão deduzida alegando, em síntese, que: a. Em 26/10/2009, CELESTINO MARQUES DE ARAÚJO firmou com o Banco Real - sucedido pelo Banco Santander S/A - o contrato de financiamento nº 10616083-2, no valor de R$ 55.167,05, a ser liquidado mediante 60 (sessenta) prestações fixas de R$ 1.517,43, com término em 02/11/2014; b. Em maio de 2011, recebeu um telefonema do Banco Santander S/A informando-lhe que tinha um saldo a receber, decorrente de um resíduo que o banco teria cobrado a maior nos juros do referido contrato de financiamento, qual seja, o contrato de nº 10616083-2; c. Na mesma oportunidade, a funcionária, que se identificou como pertencente ao Banco Santander S/A, solicitou os dados pessoais do autor CELESTINO MARQUES DE ARAÚJO, para que pudesse autorizar o depósito da restituição, tendo o promovente se recusado a prestar tais informações; d. Em 30/05/2011, o Banco Santander creditou a quantia de R$ 14.826,71 no Banco do Brasil, na conta nº 403.920-3, dos autores, por intermédio de TED. No mesmo dia, receberam telefonema do Banco Santander dando-lhes conta que o depósito se referia à restituição do referido resíduo, não se tratando de novo financiamento, e que o contrato de nº 10616083-2 permaneceria em vigor sem alterações; e. Confiando que se tratava de restituição de resíduo, e em razão das despesas decorrentes do período em que prestaram serviços em Rio Branco/AC ao Exército brasileiro sem receberem qualquer contrapartida, "nem sequer o reembolso das despesas das viagens", os promoventes "foram gastando o dinheiro da sua caderneta de poupança para a qual transferiram o numerário que havia sido creditado, pelo Unibanco, 3º promovido, via TED, a título de restituição, no valor de R$ 14.826,71. Desse valor, resta hoje tão somente a quantia de R$ 5.000,00"; f. Quando retornaram de Rio Branco/AC, foram surpreendidos com o desconto no contracheque do mês de junho/2011 do autor CELESTINO MARQUES DE ARAÚJO da importância de R$ 1.791,83, em vez de R$ 1.517,43, tal como estabelecido no contrato de financiamento nº 10616083-2; g. Nenhum dos promoventes, porém, jamais pediu qualquer quantia, qualquer financiamento, qualquer renovação de contrato, nem autorizou qualquer depósito em sua conta bancária. Também não autorizou a 23ª CSM a alterar o desconto de R$ 1.517,43 para R$ 1.791,83. Foi requerido o benefício da gratuidade judiciária. Instruem a inicial os documentos de fls.24/43. Deferida a gratuidade judiciária e indeferido o pedido de antecipação de tutela (fls. 45/48). Citado, o ITAU UNIBANCO S/A apresentou contestação (fls. 62/69), alegando, em síntese, uma preliminar de inépcia da inicial e argumentos de mérito, concernentes à adequada prestação do seu serviço, conducentes à improcedência dos pedidos. Juntou documentos (fls. 70/76). Citado, o BANCO SANTANDER S/A apresentou contestação, contendo impugnação à Justiça gratuita (fls. 79/93), alegando, em síntese, uma preliminar de ilegitimidade passiva e argumentos de mérito, concernentes à adequada prestação do seu serviço, conducentes à improcedência dos pedidos. Juntou documentos (fls. 94/109). A Secretaria certificou o seguinte (fl. 110): "C E R T I D Ã O Certifico que a contestação do BANCO ITAÚ UNIBANCO S/A (fls. 62/76) ingressou em Juízo no prazo legal, acompanhada de procuração (fls. 73/74) e termos de substabelecimento (fls. 75/76), com reservas de poderes. Certifico, também, que a contestação do BANCO SANTANDER S/A (fls. 79/109) ingressou em Juízo no prazo legal, acompanhada de procuração (fls. 98/104) e termos de substabelecimento (fls. 94, 95/96), com reservas de poderes. Certifico, ainda, que decorreu o prazo da citação e intimação da UNIÃO (fls. 60/60-verso) sem apresentação de contestação. Certifico, outrossim, o trânsito em julgado da decisão (fls. 45/48) sem interposição de qualquer recurso. Certifico, por último, que o réu BANCO ITAÚ UNIBANCO S/A ingressou com a Impugnação ao Valor da Causa nº 0009554-35.2011, Classe 112, que apensei aos presentes autos. Dou fé. João Pessoa, 18 de maio de 2012." O autor impugnou as contestações (fls. 116/126 e 128). Translado de decisão proferida em sede de impugnação ao valor da causa (fl. 130/131). Sem requerimentos de produção de provas, os autos vieram conclusos para sentença. É o relatório do essencial. Decido. FUNDAMENTAÇÃO Preliminar de inépcia da petição inicial: Afasto a preliminar de inépcia da petição inicial levantada pelo ITAU UNIBANCO S/A, porque, embora a narrativa inicial seja desprovida de verossimilhança, conforme registrado na decisão que indeferiu o pedido de antecipação de tutela, foi possível ao banco réu compreender a pretensão e deduzir sua defesa. Preliminar de ilegitimidade passiva "ad causam": Afasto a preliminar de ilegitimidade passiva levantada pelo BANCO SANTANDER S/A, porquanto a descrição dos fatos feita na peça de pórtico indica a instituição financeira em questão como responsável por uma ligação telefônica em que os autores foram induzidos em erro, por acreditarem que teriam direito ao recebimento de um estorno de resíduo positivo de seu contrato de financiamento imobiliário. Ou seja: pela narrativa dos fatos, em tese, existe pertinência subjetiva hábil a manter o BANCO SANTANDER S/A no pólo passivo da relação processual. A impugnação ao valor da causa já foi decidida, a teor de decisão transladada às fls. 130/131. Mérito: As questões discutidas nesta ação já foram examinadas na decisão que indeferiu o pedido liminar (fls. 45/48), cujos fundamentos, a seguir transcritos, adoto como razões de decidir: "6. A versão apresentada pela parte autora é manifestamente inverossímil. Vejamos. 7. De início, verifica-se que o alegado resíduo corresponderia a mais de 50% (cinqüenta por cento) do total das prestações mensais pagas pelo promovente até maio de 2011 e a 26,87% do total do valor financiado. Não é razoável acreditar em um "resíduo" de tal monta, ainda mais se considerarmos que o empréstimo em questão é comum, padronizado, baseado em taxas pré-fixadas e que deve ser liquidado mediante prestações mensais fixas. 8. Em um primeiro momento, os autores afirmam que "o Banco Santander creditou a quantia de R$ 14.826,71" (fl.06), logo após sustentam que "transferiram o numerário que havia sido creditado" - não mais pelo Banco Santander - mas "pelo Unibanco, 3º promovido, via TED, a título de restituição, no valor de R$ 14.826,71" (fl.07). 9. O mais confuso é que o resíduo era decorrente de um contrato de financiamento firmado com o Banco Santander S/A e a promessa de restituição do alegado resíduo foi feita por este Banco aos autores via contato telefônico, e não pelo Unibanco S/A. 10. O fato é que o referido crédito via TED indica como depositário o Banco Itaú S/A (fl.34). Até a data do depósito - em 31/05/2011 - segundo relato contido na inicial - os autores não tinham mantido nenhuma relação comercial com a referida instituição financeira, pois, afinal, a promessa de restituição do resíduo foi feita pelo Banco Santander S/A. 11. Vale novamente atentar que consta do extrato bancário de fl.34 que o crédito foi efetuado pelo Banco Itaú S/A. Não obstante, segundo os autores, foi o Banco Santander que lhes telefonou "dando notícia de que havia sido depositada a quantia de R$ 14.826,71" (fl.06). 12. Se os autores, conforme sustentam na inicial, jamais pediram qualquer quantia, qualquer financiamento, qualquer renovação de contrato, nem autorizaram qualquer depósito em sua conta bancária, deveriam, à vista do crédito de R$ 14.826,71, efetuado por uma instituição financeira com a qual não mantinham qualquer relação, diligenciar no sentido de aferir o motivo do depósito, e não, de imediato, dar destinação ao referido crédito, inclusive mediante transferência de parte de seu valor para terceiros (Transferência on line no valor de R$ 2.000,00 para Karla Cristina em 31/05/2011, no mesmo dia do depósito - fl.34). 13. Por fim, não há qualquer resquício de prova de que o Banco Santander S/A tenha entrado em contato com os autores com o intuito de devolver resíduo decorrente do contrato nº 10616083-2. Na verdade, os autores sequer diligenciaram junto ao referido banco para confirmar a veracidade do contato telefônico e, uma vez confirmado, tomar conhecimento da razão que motivou o referido resíduo. 14. Não convencido da verossimilhança das alegações da parte autora, não há necessidade de analisar o perigo da demora. 15. Ante o exposto, indefiro o pedido de tutela antecipada." Ao longo do curso do procedimento não foram colhidos fatos novos (art. 462 do CPC) que permitam alterar o entendimento já esposado anteriormente, de modo que a decisão liminar deve ser mantida em todos os seus termos. DISPOSITIVO ANTE O EXPOSTO, com fundamento no art. 269, I, do CPC, julgo improcedentes os pedidos e extingo o processo com resolução do mérito. Sem custas e honorários em razão da gratuidade judiciária antes deferida. PRI. Com o trânsito em julgado, nada sendo requerido, dê-se baixa e arquivem-se. João Pessoa (PB), 7 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 1ª Vara Federal - João Pessoa 6 ______________________________________________________________________________________ Fórum Juiz Federal "Ridalvo Costa" Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar, João Pessoa/PB, CEP 58031-900, fone (83) 2108-4040

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0004037-78.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004037-78.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004037-78.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004039-48.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004039-48.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004039-48.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004040-33.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004040-33.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004040-33.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004041-18.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004041-18.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 16 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 16 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004041-18.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004042-03.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004042-03.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 16 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 16 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004042-03.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004080-15.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JOSE HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004080-15.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004080-15.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004082-82.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JOSE HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004082-82.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 16 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 16 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0004082-82.2013.4.05.8200 - Cls. 73. EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB. EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros. D E C I S Ã O: 1 - R.H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal de trinta dias, nos termos do art. 730 do CPC c/c art. 1º-B da Lei 9.494/97, incluído pela Medida provisória nº 2.180-35/01. 3 - Na obrigação de pagar, a execução contra a Fazenda Pública pressupõe o trânsito em julgado da matéria judicializada (art. 100, §5º, da CF/88 e art. 17, caput, da Lei 10.259/01), razão pela qual a execução não pode prosseguir quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 4 - Isto posto, recebo os embargos e suspendo a execução quanto aos valores objeto de discussão nos embargos. 5 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do 740 do CPC, com redação dada pela Lei nº 11.382/06. 6 - Não havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos. 7 - Havendo impugnação, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 8 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 9 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 10 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto, na Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004302-80.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JOSE HAILTON DE OLIVEIRA LISBOA) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004302-80.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé.João Pessoa, 23 de julho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 23 de julho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Despacho: 1- R. H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal, nos termos do CPC, art. 730. 3 - Recebo os presentes embargos e suspendo a execução. 4 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do CPC, art. 740, com redação dada pela Lei nº 11.382/2006. 5 - Em seguida, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 6 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 7 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 8 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 29/07/2013 Phelipe Vicente de Paula Cardoso Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, No exercício da Titularidade P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0004359-98.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

Processo:0004359-98.2013.4.05.8200- Cls. 73 EMBARGANTE: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB EMBARGADO: SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA e outros CERTIDÃO Certifico que os presentes Embargos à Execução foram opostos no prazo legal, e que nesta data apensei os mesmos ao processo principal. Dou fé. João Pessoa, 23 de julho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 23 de julho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Despacho: 1- R. H. 2 - Trata-se de embargos à execução opostos pela Fazenda Pública no prazo legal, nos termos do CPC, art. 730. 3 - Recebo os presentes embargos e suspendo a execução. 4 - Vista ao(à) exeqüente para, querendo, impugnar os embargos no prazo de 15 (quinze) dias, nos termos do CPC, art. 740, com redação dada pela Lei nº 11.382/2006. 5 - Em seguida, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para conferência e verificação de possíveis equívocos na planilha de liquidação apresentada pelo(a)(s) exeqüente(s), com elaboração de nova conta, se for o caso. 6 - Após a manifestação da Contadoria do Juízo, vista às partes pelo prazo de 05 (cinco) dias. 7 - Por fim, voltem-me os autos conclusos para sentença. 8 - Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 29/07/2013 Phelipe Vicente de Paula Cardoso Juiz Federal Substituto da 1ª Vara no Exercício da Titularidade P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

EMBARGOS DE TERCEIRO

   

0004688-13.2013.4.05.8200 JOÃO FERREIRA SOBRINHO (Adv. WASHINGTON LUIS SOARES RAMALHO, CHARLES CRUZ BARBOSA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Embargante: JOÃO FERREIRA SOBRINHO Embargado: UNIAO DECISÃO Trata-se de embargos de terceiro, com pedido de liminar, oposto por João Ferreira Sobrinho contra a União Federal, no qual postula a suspensão imediata dos atos de expropriação do automóvel GOL/VW 1.6 POWER, ano 2006/2007, placa KJI-4871-PB, chassi 8AJ33LNL049115374, sob o fundamento de que a dívida objeto de execução, por ter sida contraída apenas pela executada na ação 0011918-24.2004.4.058200 e antes do casamento com o ora autor, não pode atingir o referido bem. Decido. O bem penhorado está em nome do embargante, esposo da executada na ação 0011918-24.2004.4.058200, e, embora não figure no pólo passivo da execução, o referido bem é de propriedade do casal. O casamento foi realizado sob o regime de comunhão parcial de bens (fl. 16) e o veículo é ano 2006/2007, tendo sido adquirido, portanto, na constância do casamento, constituindo bem comum (art. 1660, I, do CC). Sendo assim, independentemente de ter sido a dívida contraída em data anterior ao matrimônio do casal, o automóvel é parte integrante dos bens da executada, devendo permanecer penhorado para fins de alienação e futura quitação do débito executado, com a parte da meação da executada. Incide, na espécie, o art. 655-B do CPC: "Art. 655-B. Tratando-se de penhora em bem indivisível, a meação do cônjuge alheio à execução recairá sobre o produto da alienação do bem. (Incluído pela Lei nº 11.382, de 2006)." Neste entendimento, colaciono jurisprudência: PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO MONITÓRIA. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. PENHORA SOBRE BEM IMÓVEL. CREDOR DIVORCIADO. RESERVA DE MEAÇÃO EM FAVOR DO CÔNJUGE. 50% (CINQUENTA POR CENTO) DO VALOR DA ADJUDICAÇÃO. 1. Caso em que fora determinada reserva de 50% (cinqüenta por cento) do valor de imóvel adjudicado em favor do cônjuge do devedor por força de meação. 2. Se o imóvel penhorado foi adquirido pelo devedor e seu cônjuge na constância do casamento, sob o regime da comunhão universal de bens, é devida a reserva da meação (CPC, art. 655-B). 3. A comprovação de que a dívida reverteu em favor da família, circunstância que autorizaria a utilização da meação da mulher para quitação do débito contraído pelo seu cônjuge, é da responsabilidade do credor. Precedentes. 4. Agravo de instrumento improvido. (AG 00082979720124050000, Desembargador Federal Marcelo Navarro, TRF5 - Terceira Turma, DJE - Data::07/08/2013 - Página::157) TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO FISCAL. EMBARGOS DE TERCEIROS. IMÓVEL DA ESPOSA DO CO-RESPONSÁVEL TRIBUTÁRIO PENHORA VÁLIDA. ENCERRAMENTO IRREGULAR DAS ATIVIDADES DA EMPRESA. REDIRECIONAMENTO DA EXECUÇÃO PARA O SÓCIO. POSSIBILIDADE. PENHORA DE BEM COMUM. EXCLUSÃO DA MEAÇÃO PERTENCENTE À ESPOSA. INOCORRÊNCIA DE NULIDADE DA DECISÃO, POR CERCEAMENTO DE DEFESA. EMBARGANTE QUE TEM DIREITO DE RECORRER ADESIVAMENTE. INOCORRÊNCIA DE INOVAÇÃO DO PEDIDO. COMPLEMENTAÇÃO. 1 - Descabe cogitar-se e nulidade da decisão, por cerceamento do direito de defesa. As partes tiveram as oportunidades ordinárias para peticionar e para e promoverem os atos que desejassem, ao longo da instrução processual, posto que todas as fases do processo foram respeitadas. Preliminar que se afasta. 2 - Alegação de ausência de interesse da Embargante de recorrer adesivamente, por não ter sido sucumbente na sentença, que não prospera. O pedido da Recorrente de bloqueio do imóvel, alvo da penhora, até o julgamento final da Apelação Cível revela-se uma complementação da prestação jurisdicional, de modo que a sua satisfação pode ser buscada em sede de Recurso Adesivo. Preliminar que se afasta. 3 - Preliminar de impossibilidade de inovação do pedido, em sede de Apelação -art. 515, parágrafo 1º, do CPC-, relativamente ao pedido de remissão do débito, nos termos da Lei nº 11.491/2009, que não prospera. O pedido de bloqueio do imóvel sob foco, mantém total relação com o tema em debate nos autos. Complementação do pedido. Inocorrência de inovação. Não foram trazidos aos autos novos fatos e/ou informações; nem aconteceu qualquer mudança nos rumos do pedido inicial da Embargante/Recorrente. Preliminar que se afasta. 4 - Legalidade da penhora do bem imóvel do cônjuge de ex-sócio da empresa executada judicialmente, para pagamento de débito fiscal. 5 - No tocante ao bem objeto de meação, a proteção dada ao cônjuge que não teve responsabilidade na consumação da dívida corresponde à reserva da metade do produto da futura alienação judicial do imóvel penhorado, mas, de forma alguma, impede a penhora e a venda judicial dos bens havidos em comum pelo casal. 6 - Quando o encerramento das atividades da empresa ocorre de forma irregular, é possível a mudança de direção da Execução Fiscal para o sócio responsável. 7 - Recaindo a constrição sobre imóvel, que não comporta divisão, à esposa é garantida a percepção do valor em dinheiro, correspondente a sua meação, após a alienação do bem. Precedentes do c. STJ. Preliminares rejeitadas, Apelação Cível provida e Recurso Adesivo improvido. (TRF 5ª Apelação Civel - 517970 Desembargador Federal Geraldo Apoliano Terceira Turma DJE - Data::07/10/2011 - Página::165) Ante o exposto, defiro parcialmente o pedido de liminar para determinar a reserva, por força de meação, de 50% (cinqüenta por cento) do valor de eventual alienação do bem constrito em favor do cônjuge do devedor. Em razão da aplicação do art. 655-B do CPC, tenho por incompatível a suspensão da execução, que deve prosseguir Intime-se. Traslade-se cópia desta decisão para os autos da execução nº 0011918-24.2004.4.058200. Cite-se a União Federal para, querendo, impugnar os presentes embargos no prazo legal (art. 1053 do CPC). Por fim, faça-se conclusão para sentença. João Pessoa/PB, 21 agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0004406-72.2013.4.05.8200 MARIA APARECIDA ALVES CARDOSO (Adv. JOSE MARIA DE ALMEIDA BASTOS, BRUNO MAIA BASTOS, FLORENCIO TEIXEIRA BASTOS BISNETO, DIEGO MACIEL DE SOUZA) x REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

MANDADO DE SEGURANÇA N.º 0004406-72.2013.4.05.8201 IMPETRANTE: MARIA APARECIDA ALVES CARDOSO IMPETRADO: REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB DECISÃO MARIA APARECIDA ALVES CARDOSO impetrou mandado de segurança contra ato da REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB), objetivando a suspensão do ato administrativo que resultou na diminuição dos seus proventos, bem com a sua reversão imediata ao quadro de docentes da UFPB. A impetrante alega, em suma, que: I - em junho de 1997, entrou com o pedido de aposentadoria proporcional na Superintendência de Recursos Humanos da UFPB, que, após os cálculos de praxe, averbou o tempo de serviço de 29 anos, 05 meses e 04 dias, tendo, ao final, sido deferido esse pleito pelo Magnífico Reitor em 06/08/1997; II - ocorre que, em 12/04/2010, após 12 anos e 08 meses de sua aposentadoria, aquele Setor da UFPB, de forma unilateral e sem oportunizar o contraditório e a ampla defesa, procedeu com a recontagem do tempo de serviço e determinou a redução para 27 anos, 09 meses e 14 dias; III - em face da redução do tempo de serviço contado para o cálculo na proporcionalidade de sua aposentadoria, sofreu perdas consideráveis em seus proventos; IV - diante disso, solicitou o seu retorno às atividades docentes, mas teve seu pleito negado, sob o argumento de que como o seu ato de aposentadoria havia ocorrido em 12.08.1997, data essa que deveria servir de base para a análise da situação prevista na alínea "d" do art. 25 da Lei 8.112/90, além do que a reversão de que trata o inciso II do mesmo artigo deveria ocorrer no interesse da administração, o que não seria o caso em questão; V - dessa forma, evidenciada a ilegalidade do ato coator, deve ser concedida a segurança pretendida. Juntou os documentos de fls. 11/53 e requereu a concessão de medida liminar de idêntico conteúdo ao provimento jurisdicional final. A decisão de fl. 57 postergou o exame do pedido liminar para após as informações da autoridade demandada. Em suas informações às fls. 62/69, a autoridade impetrada alegou ser parte ilegítima para figurar no polo passivo desta ação, dado que é mera executora da decisão emanada do Tribunal de Contas da União, bem como "que não houve ofensa ou ameaça de ofensa ao direito da impetrante, mas que a UFPB apenas cumpriu estritamente as determinações legais". Instruiu as informações com as cópias dos documentos de fls. 70/79. A UFPB apresentou suas alegações às fls.81/97. Decido. A impetrante objetiva a anulação do ato administrativo que resultou na diminuição da proporcionalidade de seus proventos, bem como a reversão ao cargo de professora, com base no inciso II do art. 25 da Lei nº 8.112/90. De início, no que tange ao pedido de suspensão e ulterior anulação do ato administrativo que resultou na diminuição de proventos, afasto a preliminar de ilegitimidade passiva da Reitora da Universidade Federal da Paraíba, porquanto a iniciativa da revisão da proporcionalidade da aposentadoria da impetrante partiu da Superintendência de Recursos Humanos da UFPB, pautada no entendimento contido no Acórdão TCU nº 2008/2006 - Plenário, o qual tem por objeto consulta formulada pelo Senado Federal acerca da possibilidade de contagem de tempo de serviço para concessão de aposentadoria estatutária com o aproveitamento de tempo especial prestado sob condições insalubres, perigosas ou penosas. É dizer: não houve determinação de cumprimento, pela Corte de Contas, do ato impugnado, de modo que não há que se falar em ilegitimidade passiva da autoridade administrativa, que agiu sponte propria. Ao Tribunal de Contas da União, órgão de controle externo, compete, nos termos da Constituição Federal e de sua Lei Orgânica (Lei 8.443/92), entre outras atribuições, decidir sobre consulta que lhe seja formulada por autoridade competente, a respeito de dúvida suscitada na aplicação de dispositivos legais e regulamentares concernentes a matéria de sua competência, na forma estabelecida no Regimento Interno (art. 1º, XVII, da Lei 8.443/92). Entretanto, a resposta à consulta tem caráter normativo e constitui prejulgamento da tese, mas não do fato ou caso concreto. (art. 1º, § 2°, da Lei 8.443/92). Daí se vê que a autoridade impetrada não agiu como longa manus do TCU na revisão da proporcionalidade. Apesar da legitimidade passiva da autoridade coatora, nesse ponto, operou-se a decadência do direito de impetrar mandado de segurança, conforme art. 23 da Lei 12.016/09, ressalvado o acesso às vias ordinárias. É o que se depreende do documento de fl. 19, de que a impetrante já tinha ciência, pelo menos, quanto protocolou o requerimento de fl. 18, em janeiro do ano em curso. Por outro lado, no que se refere à controvérsia posta em relação ao direito da impetrante à reversão de sua aposentadoria e ao retorno ao cargo de professora, afasto, inicialmente, a alegação de decadência do direito de impetrar este mandado de segurança. A impetrante teve ciência do ato de indeferimento do pedido de reversão em 22/03/2013 (fl. 79) e o writ foi ajuizado em 19/07/2013, portanto antes de escoado o prazo previsto no art. 23 da LMS. Superada a questão prejudicial, consta dos autos que a impetrante ocupava o cargo de professora Adjunto IV da UFPB, e requereu a aposentadoria, sendo-lhe concedida com proventos proporcionais a 29/30 dos vencimentos do cargo, consoante Portaria nº 1340 de 12/08/1997 (fl. 16). Em 09 de janeiro de 2013, requereu a reversão da aposentadoria (fl. 18), tendo seu pleito sido negado. É cediço que a reversão é o retorno do servidor aposentado à atividade, e está disciplina no art. 25 da Lei 8.112/90, que assim prevê: Art. 25 - Reversão é o retorno à atividade de servidor aposentado: (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) I -(...); II - no interesse da administração, desde que: (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) a) tenha solicitado a reversão; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) b) a aposentadoria tenha sido voluntária; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) c) estável quando na atividade; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) d) a aposentadoria tenha ocorrido nos cinco anos anteriores à solicitação; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) e) haja cargo vago. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001) Da leitura desses dispositivos, infere-se que o servidor inativo poderá retornar à atividade, no interesse da Administração, com fundamento na conveniência e oportunidade, desde que satisfeitos os requisitos legais. Dos documentos acostados, verifica-se que, amparado no parecer jurídico da Procuradoria da UFPB de fls. 24/25, foi indeferido o pedido de reversão da aposentadoria da impetrante, sob o fundamento de inexistência de interesse da administração, estando essa decisão inserida no âmbito do poder discricionário da Administração. Com efeito, não cabe ao Poder Judiciário invadir a esfera do Poder Discricionário da Administração Pública quanto às razões do ato que digam respeito à conveniência ou oportunidade, pois estaria invadindo competência relativa àquele Poder. Ademais, entre a data da aposentadoria (agosto de 1997; fl. 16) e o requerimento de reversão (janeiro de 2013; fl. 18) transcorreram mais de cinco anos, o que desatende o requisito da alínea "d" do inciso II do art. 25 da Lei 8.112/90. Ante o exposto: [a] afasto a preliminar de ilegitimidade passiva da Reitora da Universidade Federal da Paraíba quanto ao pedido de suspensão e ulterior anulação do ato administrativo que resultou na diminuição de proventos; e, quanto ao mais, [b] indefiro o pedido liminar. Defiro o benefício da gratuidade judiciária. Intimem-se a impetrante e impetrada desta decisão. Vista ao MPF para manifestação no prazo de 10 (dez) dias (art. 12), voltando-me conclusos para sentença. João Pessoa/PB, 21 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB -2- -2-

   

0004792-05.2013.4.05.8200 DIANA CARNEIRO DE MORAIS (Adv. EMERSON MOREIRA DE OLIVEIRA, GUILHERME FONTES DE MEDEIROS) x SUPERINTENDENTE REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO NA PARAÍBA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0004792-05.2013.4.05.8200 Impte: DIANA CARNEIRO DE MORAIS, representada por sua curadora RITA DE CÁSSIA CARNEIRO DE MORAES Impdo: SUPERINTENDENTE REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO NA PARAÍBA DECISÃO DIANA CARNEIRO DE MORAIS, representada por sua curadora RITA DE CÁSSIA CARNEIRO DE MORAES, impetrou mandado de segurança, c/c pedido de liminar, contra ato atribuído ao SUPERINTENDENTE REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO NA PARAÍBA, objetivando continuar recebendo a vantagem incorporada à sua pensão, a título de reajuste pelo IPC de março/1990, também conhecido como "Plano Collor", no percentual de 84,32%, que teria sido incorporada aos seus proventos por força de decisão judicial e, posteriormente, excluída administrativamente. A petição inicial (fls. 03/36) veio aos autos acompanhada de procuração (fl. 37) e de documentos (fls. 38/75), alegando, em síntese, que a impetrante é pensionista do ex-servidor OTÁVIO CARNEIRO, que teve incorporado aos seus proventos o IPC de março/1990, no montante de 84,32%, em virtude de sentença da Justiça do Trabalho, transitada em julgado; todavia, a referida vantagem foi excluída dos seus contracheques, não obstante o direito adquirido, ato que a impetrante considerou abusivo e ilegal. As custas iniciais do processo foram pagas (fl. 76), conforme a Lei nº 9.289/96, art. 14, inciso I (RCJF). Autos conclusos. Decido. A suspensão do pagamento da vantagem anteriormente referida (84,32%) decorreu de decisão do Tribunal de Contas da União, através do acórdão TCU nº 3329/2013 -1ª Câmara (PA-TC nº 009.362/2013-4), subitem "9.1" (fls. 59). De acordo com o relator do acórdão TCU nº 3329/2013 (fls. 64), a vantagem decorrente do "Plano Collor" (84,32%) não poderia ser incorporada definitivamente aos proventos da impetrante, mesmo que implantada em virtude de decisão judicial, sendo devida apenas até a reposição das perdas remuneratórias, o que teria ocorrido na primeira data-base seguinte àquela que serviu de referência ao julgado. Neste caso específico, contudo, inexiste plausibilidade jurídica para a concessão, no juízo de primeiro grau, de medida liminar em demanda na qual se impugna ato de autoridade sujeita, na via do mandado de segurança, à competência originária de Tribunal, consoante a Lei 8.437/1992, art. 1º, § 1º, norma essa aplicável por analogia a este feito. Dessa forma, não haveria possibilidade para a manutenção liminarmente da vantagem pecuniária em questão (84,32%), visto que a pretendida restituição do expurgo inflacionário aos contracheques das impetrantes acarretaria, por conseqüência, a suspensão dos efeitos da determinação emanada do TCU, através do acórdão nº 3329/2013 -1ª Câmara (PA-TC nº 009.362/2013-4), impondo-se observar que a análise da legalidade desse ato administrativo, em sede de mandado de segurança, está sujeita à competência originária do STF, nos termos da CF, art. 102, I, "d", incidindo, portanto, na hipótese proibitiva prevista na Lei 8.437/1992, art. 1º, § 1º. A jurisprudência também se orienta no sentido de que a Lei nº 8.437/1991, art. 1º, § 1º, impede a concessão, na primeira instância, de medida liminar quando o ato impugnado for de autoridade sujeita, em sede de mandado de segurança, à competência originária de tribunal (TRF 5ª R. - 1ª T., AG nº 110250, DJE de 24/março/2011, pág. 132). Ausente a plausibilidade jurídica do pedido, não se faz necessário tecer comentários acerca do fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, porque ambos os requisitos legais devem estar presentes, concomitantemente, para o deferimento da medida liminar objeto desta ação. Ante o exposto, indefiro a liminar requerida na inicial, por falta de pressuposto legal. Notifique-se o impetrado para prestar as informações necessárias no prazo de 10 (dez) dias. Cientifique-se o órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada (União) para, querendo, ingressar no feito, no mesmo prazo, apresentando manifestação e documento(s) que entender pertinentes, nos termos da Lei n. 12.016/2009, art. 7º, II. Em seguida, vista ao MPF, na forma e para os fins da Lei n.º 12.016/2009, art. 12, c/c o CPC, art. 82, I. Por fim, voltem-me os presentes autos conclusos para sentença. Registre-se esta decisão mediante sistema informatizado de atualização processual (SIAPRO-TEBAS), consoante a Res. CJF nº 442/2005. Intime(m)-se. João Pessoa/PB, 20/agosto/2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB, no exercício interino da titularidade 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0004855-30.2013.4.05.8200 DANIEL LEITE DE ANDRADE ALVES, REPR. POR. MAX DE ANDRADE ALVES (Adv. FABIANA DE CASSIA RAMOS DE MEDEIROS FERNANDES ALVES) x DIRETOR GERAL DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBA (FATEC-PB) (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo: 0004855-30.2013.4.05.8200 Impte: DANIEL LEITE DE ANDRADE ALVES, representado por MAX DE ANDRADE ALVES Impdo: DIRETOR-GERAL DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBA (FATEC-PB) DECISÃO DANIEL LEITE DE ANDRADE ALVES, representado por MAX DE ANDRADE ALVES, impetrou mandado de segurança, c/c pedido de liminar, contra ato atribuído ao DIRETOR-GERAL DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DA PARAÍBA (FATEC-PB), objetivando efetuar a sua matrícula no curso técnico em Informática para Internet, em face de classificação pelo processo seletivo do Sistema Unificado de Educação Profissional e Tecnológica - SISUTEC/2013, em vaga destinada a candidatos oriundos do sistema público de ensino ou que cursaram o ensino médio em escola privada mediante bolsa integral. A petição inicial (fls. 03/15) veio aos autos acompanhada de procuração (fl. 16) e de documentos (fls. 17/30), alegando, em síntese, o seguinte: o impetrante obteve classificação para o curso técnico em Informática da FATEC/PB, através de processo seletivo pelo SISUTEC/2013, em vaga destinada aos candidatos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas ou em instituições privadas na condição de bolsista integral; todavia, a matrícula do impetrante restou indeferida, em face de ele haver cursado parte do ensino médio em escola mantida pela FUNDAÇÃO BRADESCO e em escola CENECISTA, com bolsa parcial de estudos, ato que considerou abusivo e ilegal. O impetrante requereu o benefício da assistência judiciária gratuita e juntou declaração de pobreza aos autos, na forma da Lei nº 7.115/1983, art. 1º. Autos conclusos. Decido. O extrato informativo do 1º Processo Seletivo 2013, através do Sistema Unificado de Educação Profissional e Tecnológica - SISUTEC, foi taxativo ao dispor (fl. 22) que as vagas disponibilizadas para o curso técnico em Informativa, objeto desta ação, foram destinas aos candidatos que cursaram integralmente o ensino médio em escolas da rede pública ou em instituições privadas, na condição de bolsista integral. No caso em exame, o impetrante cursou parte do ensino médio em escola de caráter filantrópico mantida pela FUNDAÇÃO BRADESCO, sendo que a outra parte do ensino médio, ele estudou na ESCOLA CENECISTA JOÃO RÉGIS AMORIM, mediante bolsa parcial, conforme informado na inicial (fl. 04). O sistema de cotas para alunos egressos de escolas públicas tem como premissa básica que a rede pública de ensino fundamental e médio apresenta, em regra, nível de ensino deficiente, o que faz com que os alunos dela oriundos não consigam competir em igualdade de condições com os oriundos da rede particular. Dessa forma, o critério que justifica a adoção de ação afirmativa em favor dos alunos da rede pública não é, diretamente, a carência econômica, mas terem eles cursado o ensino médio e/ou fundamental na rede pública ou o ensino médio em instituições privadas de ensino na condição de bolsista integral. Com isso, o fato de o impetrante ter estudado em instituição filantrópica e em instituição privada mediante bolsa parcial, não o coloca dentro do universo dos candidatos abrangidos pelo benefício da reserva por cota social. Nesse sentido, eis o seguinte julgado: "EMENTA: ADMINISTRATIVO. ENSINO SUPERIOR. SISTEMA DE COTAS. MATRÍCULA. CANDIDATO EGRESSO DE INSTITUIÇÃO MANTIDA POR ENTIDADE BENEFICENTE DESVINCULADA DO SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO. IMPOSSIBILIDADE. 1. As Instituições de Ensino Superior gozam de autonomia administrativa, encartada no art. 207, da Constituição Federal, podendo, dessa forma, editar normas e critérios que disciplinem o ingresso de candidatos em suas instituições, inclusive no que tange a reserva de vagas destinadas a alunos oriundos de escolas públicas. 2. Em conformidade com a exigência editalícia para ingresso na Universidade Pública, através do sistema de cotas, destinado aos alunos egressos de escolas de ensino público, deve o candidato ter cursado o ensino médio e pelo menos três séries do ensino fundamental em escola da rede pública. 3. In casu, o apelante estudou em instituição sem fins lucrativos, mantida pela Fundação Bradesco, conceituada como escola particular, nos moldes dos arts. 19 e 20, da Lei nº 9.394/96, o que impede a sua matricula no Curso de Nutrição da UFPB, 2.011.2 através do sistema de cotas de alunos egressos de escolas públicas. Precedentes desta Turma: APELREEX 19470-PB, Relator Desembargador Federal Geraldo Apoliano, j. 20.10.2011, DJe de 17.11.2011; AC 531117-PB, Relator Desembargador Federal Luiz Alberto Gurgel de Faria, j. 24.11.2011, DJe de 12.12.2011 e AC 535955-PB, Relator Desembargador Federal Marcelo Navarro, j. 28.03.2012, DJe de 10.04.2012). 4. Isenção de condenação nos ônus da sucumbência, em face da gratuidade de justiça. 5. Apelação e remessa oficial providas." (TRF - 5ª R. - APELREEX nº 22088/PB, 3ª T, Rel. Desembargador Federal Marcelo Navarro, DJE: 31/05/2012). Não obstante existam defensores da tese de que a exigência de estudo integralmente em escolas públicas deveria ser abrandada em virtude dos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, entendo que o sistema de cotas, apesar do nobre propósito de promover a igualdade material, é medida que excepciona o mandamento constitucional de acesso aos níveis mais elevados do ensino segundo o mérito de cada um (art. 208, V, da CF). Assim, descabe interpretação extensiva da lei de cotas para incluir beneficiários por ela não abarcados, por meio do abrandamento de requisitos legais, mormente porque não restou demonstrado que o impetrante teria satisfeito os requisitos para matrícula no curso pretendido, ou seja, haver cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas ou em instituições privadas de ensino na condição de bolsista integral. Portanto, pelo menos numa análise perfunctória da situação fática e jurídica posta nestes autos, inexiste a fumaça do bom direito. Ausente o referido requisito, não se faz necessário o exame da existência do fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Ante o exposto, indefiro a liminar requerida na inicial, por falta de pressuposto legal. Defiro o benefício da assistência judiciária gratuita requerido na inicial, na forma da Lei nº 1.060/1950, razão pela qual determino à Secretaria da Vara faça as devidas anotações na capa dos autos e no sistema de acompanhamento processual. Notifique-se o impetrado para prestar as informações necessárias no prazo de 10 (dez) dias. Cientifique-se o órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada (FATEC/PB) para, querendo, ingressar no feito, no mesmo prazo, apresentando manifestação e documento(s) que entender pertinentes, nos termos da Lei n. 12.016/2009, art. 7º, II. Em seguida, vista ao MPF, na forma e para os fins da Lei n.º 12.016/2009, art. 12, c/c o CPC, art. 82, I. Por fim, voltem os presentes autos conclusos para sentença. Registre-se esta decisão mediante sistema informatizado de atualização processual (SIAPRO-TEBAS), consoante a Res. CJF nº 442/2005. Intime(m)-se. João Pessoa/PB, 22/agosto/2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB, no exercício interino da titularidade 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA

   

0009686-05.2005.4.05.8200 CARVALHO & FILHOS LTDA (Adv. NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, AGEU LIBONATI JUNIOR, RODRIGO OTAVIO ACCETE BELINTANI, DRACON DOS SANTOS TAMYARANA DE SA BARETTO) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, EM JOÃO PESSOA (Adv. SEM PROCURADOR)

MANDADO DE SEGURANÇA Processo n.º 0009686-05.2005.4.05.8200 - Classe 126 IMPETRANTE: CARVALHO & FILHOS LTDA IMPETRADO: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, EM JOÃO PESSOA C E R T I D Ã O Certifico que em cumprimento à decisão (fls.467) a UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) e o impetrante, pronunciaram-se (fls.467 v. e 470/471), respectivamente. Dou fé. João Pessoa, 10/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos a(o) MM Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 10/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Despacho: 1- R.H. 2-Expeça-se certidão narrativa ao impetrante, conforme requerido (fls.470). 3-Intime-se. 4-Por fim, nada mais sendo requerido, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se. 5-Cumpra-se. João Pessoa, PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto na Titularidade da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0000344-29.1989.4.05.8200 DEBORA VIRGINIA BORGES DE LUCENA, REP. POR SEU GENITOR SEVERINO PEREIRA DE LUCENA E OUTROS (Adv. NIZI MARINHEIRO) x WALTER RABELO PESSOA DA COSTA E OUTROS x MOISES LOPES DE SOUZA E OUTROS x ESCOLA TECNICA FEDERAL DA PARAIBA - ETFPB (Adv. ANTONIO NAMY FILHO ) x ESCOLA TECNICA FEDERAL DA PARAIBA - ETFPB

Execução de Sentença Contra Fazenda Pública - Classe 206 Processo n.º 0000344-29.1989.4.05.8200 Exequente: Moises Lopes de Souza e Outros Executado: Escola Técnica Federal da Paraíba - ETFPB e Outro. DECISÃO Trata-se de pedidos de habilitação formulados por ALICE BELO RABELO PESSOA DA COSTA, representada por WALBER BELO RABELO PESSOA DA COSTA, na qualidade de viúva do autor falecido WALTER RABELO PESSOA DA COSTA, e por RITA LIMA DE SOUZA, na condição de viúva do autor falecido MOISÉS LOPES DE SOUZA, às fls. 606/615 e 617/627, respectivamente. A ETFPB, instada a se manifestar, informou que ALICE BELO RABELO PESSOA DA COSTA é a única pensionista habilitada à pensão por morte do ex-autor WALTER RABELO PESSOA DA COSTA, assim como RITA LIMA DE SOUZA é a única beneficiária da pensão por morte do instituidor MOISÉS LOPES DE SOUZA. Decido. Conforme o art. 1º da Lei 6.858/80, "Os valores devidos pelos empregadores aos empregados e os montantes das contas individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e do Fundo de Participação PIS-PASEP, não recebidos em vida pelos respectivos titulares, serão pagos, em quotas iguais, aos dependentes habilitados perante a Previdência Social ou na forma da legislação específica dos servidores civis e militares, e, na sua falta, aos sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, independentemente de inventário ou arrolamento". Os valores devidos aos falecidos WALTER RABELO PESSOA DA COSTA e MOISÉS LOPES DE SOUZA são decorrentes de vínculo estatutário com a Administração Pública, o que atrai a norma que trata da sucessão sem inventário, prevista no art. 1º da Lei 6.858/80. O documento de fls. 638/640 prova que as habilitandas ALICE BELO RABELO PESSOA DA COSTA e RITA LIMA DE SOUZA são pensionistas dos instituidores WALTER RABELO PESSOA DA COSTA e MOISÉS LOPES DE SOUZA, respectivamente, benefícios esses originados dos vínculos que geraram os créditos exeqüendos. Do exposto, defiro os pedidos de habilitação de fls. 606/615 e 617/627. Remetam-se os autos à Distribuição para as anotações necessárias. Após, requisite-se à CEF que proceda à alteração na titularidade das contas de depósito do pagamento dos Precatórios que beneficiaram os falecidos, informando-se nos autos. Prazo: 10 (dez) dias. "Os saques correspondentes a precatórios e a RPVs serão feitos independentemente de alvará e reger-se-ão pelas normas aplicáveis aos depósitos bancários, com o prazo de até 24 horas para a agência efetuar o pagamento, a contar da apresentação dos documentos de identificação ao gerente" (art. 47, §1º, da Resolução CJF nº 168/2011). Publique-se. Vista à ETFPB. Nada sendo requerido, arquive-se com baixa depois de informada pela CEF a providência determinada. João Pessoa (PB), 17 de junho de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª. Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0000445-07.2005.4.05.8200 LÚCIA GOMES DA SILVA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 0000445-07.2005.4.05.8200 - CLASSE 206 CERTIDÃO CERTIFICO que, revendo estes autos, constatei que no acórdão (fls. 291/300) os Autores foram condenados a pagar honorários advocatícios sucumbenciais fixados em 5% sobre o excesso de execução, que deverão ser compensados nos valores a ser recebidos por eles. CERTIFICO, outrossim, que a data de elaboração dos cálculos de execução (fls. 09) é diferente da data de atualização dos cálculos (fls. 243) homologados no acórdão supracitado, que servirão de base para a expedição das RPV's, razão pela qual é impossível esta Secretaria calcular o valor dos honorários advocatícios sucumbenciais acima referidos, bem como cancelei as RPV's expedidas (fls. 303 vs.) por incorreção. Dou fé. João Pessoa, 31/05/2013. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 31/05/2013. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos DESPACHO: 1- R.H. 2- Em face da certidão supra, remetam-se estes autos à Contadoria para calcular o valor dos honorários advocatícios sucumbenciais fixados no acórdão (fls. 291/300), deduzindo-os em seguida dos valores que cada Autor têm a receber (fls. 243). 3- Após, cumpra-se o despacho (fls. 303). 4- Por último, tendo em vista a certidão (fls. 303 vs.), suspendo o processo em relação ao A. Luiz Firmino de Carvalho e determino a intimação dos seus advogados para requererem a habilitação do(s) seu(s) sucessor(es). 5- Providências urgentes pela Secretaria da Vara. João Pessoa, 06/06/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0001134-22.2003.4.05.8200 DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO) x FRANCISCO FERNANDO DE FIGUEIREDO LOPES (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, EDSON BATISTA DE SOUZA)

Processo:0001134-22.2003.4.05.8200- Cls. 206 EMBARGANTE: DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER EMBARGADO: FRANCISCO FERNANDO DE FIGUEIREDO LOPES C E R T I D Ã O Certifico que recebi os presentes autos nesta data. Certifico, ainda, que trasladei para os autos principais (AO-95.0004478-1) cópias das seguintes peças processuais: cálculos (fls. 161/169), sentença (fls. 175/177), decisão (fls. 203/207, 215/220, 233 e 249/264) e petição do Embargado (fls. 266/268). Dou fé. João Pessoa, 24 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 24 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Despacho: 1-RH 2- Intime-se a parte Embargada para, querendo, no prazo de 15 (quinze) dias, requerer a execução do julgado. 3- Nada sendo requerido, remetam-se os autos ao Distribuidor para baixa e arquivamento. 4- Cumpra-se. João Pessoa, 29/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)2108 4040/4058 FAX: (0XX83 2108 4067)

   

0001164-86.2005.4.05.8200 AFRANIO TARGINO MUNIZ E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x ANTONIO FRANCISCO DA CRUZ x UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Execução de Sentença Contra Fazenda Pública - Classe 206 Processo n.º 0001164-86.2005.4.05.8200 Exequente: Afrânio Targino Muniz e Outros Executado: União (Ministério da Saúde) DECISÃO Trata-se de pedidos de habilitação formulados por UTEBERTA PAIVA DE AMARAL e TEREZINHA ALVES CAMELO, às fls. 364/386, nas condições, respectivamente, de viúva e de ex-cônjuge beneficiária de pensão alimentícia do autor falecido ANTONIO FRANCISCO DA CRUZ. A UNIÃO, instada a se manifestar, afirmou nada ter a opor aos pleitos de habilitação acima formulados. Decido. Conforme o art. 1º da Lei 6.858/80, "Os valores devidos pelos empregadores aos empregados e os montantes das contas individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e do Fundo de Participação PIS-PASEP, não recebidos em vida pelos respectivos titulares, serão pagos, em quotas iguais, aos dependentes habilitados perante a Previdência Social ou na forma da legislação específica dos servidores civis e militares, e, na sua falta, aos sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, independentemente de inventário ou arrolamento". Os valores devidos ao falecido ANTONIO FRANCISCO DA CRUZ são decorrentes de vínculo estatutário com a Administração Pública, o que atrai a norma que trata da sucessão sem inventário, prevista no art. 1º da Lei 6.858/80. O documento de fl. 370 prova que as habilitandas UTEBERTA PAIVA DE AMARAL e TEREZINHA ALVES CAMELO são as únicas pensionistas do instituidor ANTONIO FRANCISCO DA CRUZ, benefício esse originado do vínculo estatutário que gerou o crédito exeqüendo. Do exposto, defiro os pedidos de habilitação de fls. 364/386. Remetam-se os autos à Distribuição para as anotações necessárias. Após, requisite-se ao Banco do Brasil que proceda à alteração na titularidade da conta de depósito do pagamento da RPV que beneficiou o falecido, informando-se nos autos. Prazo: 10 (dez) dias. "Os saques correspondentes a precatórios e a RPVs serão feitos independentemente de alvará e reger-se-ão pelas normas aplicáveis aos depósitos bancários, com o prazo de até 24 horas para a agência efetuar o pagamento, a contar da apresentação dos documentos de identificação ao gerente" (art. 47, §1º, da Resolução CJF nº 168/2011). Publique-se. Vista à UNIÃO. Nada sendo requerido, arquive-se com baixa depois de informada pelo Banco do Brasil a providência determinada. João Pessoa (PB), 20 de junho de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª. Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0002036-28.2010.4.05.8200 FARMACIA SANTA SOFIA LTDA ME (Adv. ANDRE ARAUJO PIRES, DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA DA PARAIBA-CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA)

Processo:0002036-28.2010.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: FARMACIA SANTA SOFIA LTDA ME REU: CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA DA PARAIBA-CRF/PB C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da Titularidade. João Pessoa, 22 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0002036-28.2010.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: FARMACIA SANTA SOFIA LTDA ME REU: CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA DA PARAIBA-CRF/PB Despacho: 1- R.H. 2. As obrigações de fazer decorrentes de título judicial cumprem-se de forma mandamental, consoante o CPC, art. 461 e art. 475-I, introduzido pela Lei nº 11.232/2005, independentemente da instauração de processo de execução. 3. Isto posto, nos termos do CPC, art. 461, c/c o art. 475-I, determino ao CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA DA PARAIBA-CRF/PB que, no prazo de 30 (trinta) dias, cumpra a obrigação de fazer objeto do título judicial transitado em julgado. 4. A eventual fixação de multa ficará postergada para depois do decurso do prazo concedido ao devedor e desde que verificado o descumprimento da determinação judicial. 5. Em face da inexistência de processo autônomo para satisfação do julgado, qualquer impugnação ao cumprimento da obrigação de fazer deverá ser deduzida através de simples petição nestes mesmos autos, não sendo cabível a oposição de embargos pelo devedor. 6. Após, com ou sem manifestação do devedor, vista à parte autora pelo prazo de 10 (dez) dias. 7. Existindo obrigação de pagar a ser satisfeita, o cumprimento do julgado, nessa parte, deverá ser requerido depois de satisfeita a obrigação de fazer, quando então será conhecido o termo final da dívida, necessário à elaboração da liquidação do título judicial. 8. Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da Titularidade P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0003025-39.2007.4.05.8200 JOSE RODRIGUES LOPES E OUTROS (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA) x FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE NA PARAÍBA (FUNASA/PB) (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Execução de Sentença Contra Fazenda Pública - Classe 206 Processo n.º 003025-39.2007.4.05.8200 Autor: José Rodrigues Lopes e Outros Réu: Fundação Nacional de Saúde - FUNASA DECISÃO 1. A FUNASA foi intimada (fl. 285-v), em 24/abril/2013, para cumprir a obrigação de fazer e, até a presente data, não cumpriu referida obrigação, limitando-se a solicitar providencias ao órgão competente. 2. Sobre o cumprimento de decisões pela Administração Pública, cabe lembrar que, embora seja compreensível a cautela da Administração, que traça detalhado procedimento interno a fim de dar cumprimento às decisões judiciais, norma interna da qual, aliás, não pode o administrador afastar-se, esses procedimentos não podem servir de escusa para a falta ou o retardamento exagerado no cumprimento da obrigação. 3. Diante disso, intime-se a FUNASA para comprovar, em 10 (dez) dias, improrrogáveis, o cumprimento da obrigação de fazer a que foi condenada, consistente no restabelecendo dos percentuais devidos a título de anuênios antes da redução da Portaria 329/05. 4. Os documentos comprobatórios da obrigação devem indicar a data do cumprimento, para apuração do termo final da incidência da multa diária fixada na decisão de fl. 285, que não se suspende nem interrompe em razão do prazo ora concedido para fins de simples comprovação do cumprimento da ordem anterior. Superado o novo prazo sem cumprimento, poderá ser analisada a majoração ex officio do valor da astreinte. 5. Havendo resposta da ré, intime-se a parte autora para se manifestar sobre a satisfação do julgado. No silencio da ré, voltem-me os autos conclusos. João Pessoa, 3 de julho de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª VF 1

   

0004421-80.2009.4.05.8200 GENIEZER PEREIRA & CIA LTDA (FARMÁCIA ESPERANÇA) (Adv. DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA, ANDRE ARAUJO PIRES, FELIPE COSTA PONTES) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA, ENIO SILVA NASCIMENTO, GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO, KITERIA LUCIA DO N. B. C. DE SOUZA)

Processo n.º 0004421-80.2009.4.05.8200 - Classe 11 AUTOR: GENIEZER PEREIRA & CIA LTDA (FARMÁCIA ESPERANÇA) REU: CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB C E R T I D Ã O Certifico que o R. interpôs apelação (fls.75/88), no prazo legal, bem como, apresentou o recolhimento das custas recursais (fls. 88). Dou fé. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos a(o) MM Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Decisão: 1- R.H. 2-Recebo a apelação do R. (fls.75/88) em ambos os efeitos. 3-Intime(m)-se o(s) recorrido(s) para as contra-razões. 4-Por fim, subam os autos ao Eg. TRF da 5ª Região. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0005222-69.2004.4.05.8200 JOSE LIDOVAL DE GALIZA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, ADEILTON HILARIO JUNIOR, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DAS DORES VIANA MONTENEGRO)

EXECUÇÃO DE SENTENÇA N.º 0005222-69.2004.4.05.8200 EXEQUENTES: José Lidoval de Galiza e Outros EXECUTADO: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS DECISÃO 1. Converto o julgamento em diligência. 2. Trata-se de execução de sentença promovida contra o INSS, objetivando o pagamento do valor de R$ 128.406,61 (cento e vinte e oito mil, quatrocentos e seis reais e sessenta e um centavos), atualizados até maio/2010 (fls. 375/377). 3. Citado, o INSS não embargou e manifestou concordância com os cálculos do exeqüente (fl. 507), tendo a Contadoria do Juízo apresentado informação no mesmo sentido (fl. 510). 4. Em seguida, o INSS juntou petição requerendo a compensação dos valores pagos administrativamente (fls. 512/529). 5. Remetidos os cálculos para a Contadoria do Juízo, sobrevieram os cálculos de fls. 581/600, dos quais o INSS discordou (fls. 610/618), enquanto que os exeqüentes com eles concordaram (fl. 622/629). 6. O INSS, às fls. 636/643, juntou petição denominada "Impugnação à Execução", por meio da qual alegou ser possível impugnar os cálculos independentemente da oposição de embargos à execução, desde que para correção de erros materiais, bem como que não há preclusão para a correção de erros materiais. 7. Determinado o retorno dos autos à Contadoria do Juízo (fl. 645), sobrevieram novos cálculos (fls. 646/659), bem como a informação de que os valores de pagamentos administrativos informados pelo INSS já foram deduzidos. 8. A decisão de fl. 661 deferiu a expedição de RPV em relação aos valores incontroversos, tendo sido dada vista dos autos às partes (fls. 673/674). 9. Decido. 10. A concordância expressa com os cálculos do exeqüente gera preclusão lógica, não sendo possível, portanto, reabrir discussão acerca do valor executado, sobretudo de forma incidental no processo executivo, sem oportuna oposição de embargos. 11. Assim, a concordância expressa do INSS (fl. 507) com os valores apresentados pelos exeqüentes impede qualquer discussão acerca da existência, ou não, de pagamentos administrativos, devendo-se empreender marcha à execução. 12. Nesse sentido: RECURSO ESPECIAL. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO DO ARTIGO 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. DISSÍDIO NÃO- CONFIGURADO. RECLAMATÓRIA TRABALHISTA. AGRAVO DE PETIÇÃO. PRECLUSÃO LÓGICA. ARTIGOS 879, § 2º E 897, "A", § 1º DA CLT. RECURSO ESPECIAL NÃO PROVIDO. 1. Não há que se falar em violação ao artigo 535 do CPC, se o Tribunal de origem examinou e decidiu as questões atinentes à lide, declinando os fundamentos em que apoiou as conclusões assumidas. 2. À configuração do dissídio pretoriano é necessário que a parte proceda ao devido cotejo analítico entre o acórdão recorrido e os paradigmas colacionados, não se prestando para isso, a simples transcrição de ementas. 3. A preclusão é instituto que decorre da lei e existe para manutenção da segurança jurídica. A preclusão lógica decorre da incompatibilidade entre o ato praticado e outro que se queira praticar. No caso, intimada dos cálculos, a União apresentou impugnação. Elaborado o laudo complementar, concordou com ele expressamente. Daí não ser possível, após a sua concordância, querer, em sede de embargos à execução, rediscutir esses mesmos cálculos. 4. Na seara trabalhista, ademais, a possibilidade de embargos está vinculada a insurgência contra a conta de liquidação, na forma expressa prevista na lei. A impugnação fundamentada e a preclusão do art. 879, § 2º, repetida quando do agravo de petição (art. 897, §1º), evidencia a vontade da lei em tornar a execução objetiva, rápida e livre de resistência. Recurso especial não provido. STJ. Quarta Turma. REsp n.º 770849. Relator: Ministro Luis Felipe Salomão. DJE: 31.03.2011. 13. Diferente do afirmado pelo INSS às fls. 636/643, a discordância com os cálculos apresentados não representa mera correção de erro material, vez que o INSS pretende que sejam utilizados novos elementos, a fim de, alterando os critérios de cálculo, reduzir o valor da execução, pretensão essa que deveria ter sido formulada por meio de embargos à execução, mas não o foi, estando, portanto, consoante já afirmado acima, consumada a preclusão. 14. Nesse sentido: PROCESSUAL CIVIL. VIOLAÇÃO PELO TRIBUNAL DE ORIGEM DO ART. 535 DO CPC. INEXISTÊNCIA. EXECUÇÃO. VALORES APRESENTADOS PELA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E HOMOLOGADOS EM JUÍZO. POSTERIOR PRETENSÃO, EM SEDE DE RECURSO DE APELAÇÃO, DE REDISCUSSÃO DO CÁLCULO APRESENTADO PELA PRÓPRIA EMPRESA PÚBLICA. PRECLUSÃO LÓGICA. RECURSO ESPECIAL NÃO PROVIDO. 1. Revela-se improcedente argüição de ofensa ao art. 535 do Código de Processo Civil na hipótese em que o Tribunal de origem tenha adotado fundamentação suficiente para decidir de modo integral a controvérsia, atentando-se aos pontos relevantes e necessários ao deslinde do litígio. 2. Este Superior Tribunal entende que não se trata de erro material a não concordância da parte com os critérios de cálculo utilizados, ainda mais quando ela própria apresentou os valores e requereu a homologação cálculo, pleiteando a extinção da execução, conforme consignado no acórdão recorrido: Deferido o requerido prazo pelo Juízo a quo, a CEF manifestou-se pela homologação judicial do novo cálculo apresentado - R$ 78.673,47 -, requerendo a extinção da execução, na forma do art. 794, I, do CPC (fl. 51). 3. Ocorre, portanto, preclusão lógica da pretendida rediscussão, em sede de apelação, dos valores apresentados em juízo pela própria parte que os deseja impugnar, ainda mais quando transcorrida a oportunidade de se oporem embargos à execução e, nesse momento, nada a respeito dos cálculos foi arguído. 4. Recurso especial não provido. STJ. Segunda Turma. REsp n.º 1200516. Relator: Ministro Mauro Campbell Marques. DJE: 24.06.2011. 15. No presente caso, contudo, a despeito da consumação da preclusão lógica relativamente à possibilidade de o INSS impugnar os cálculos dos exeqüentes, deve-se observar que a parte exeqüente concordou expressamente com os cálculos da Contadoria do Juízo de fls. 581/600, os quais foram posteriormente atualizados até maio/2012 (fls. 646/659). 16. Essa concordância dos exeqüentes com os cálculos da Contadoria do Juízo implicou renúncia parcial ao crédito executado, haja vista que o montante encontrado pelo órgão auxiliar do Juízo é inferior ao crédito executado. 17. Ocorrendo a renúncia parcial ao crédito executado, deve a execução prosseguir pelo valor remanescente, correspondente àquele encontrado pela Contadoria do Juízo nos cálculos de fls. 581/600, o qual, atualizado até 05/2012 pelos cálculos de fls. 646/659, equivale a R$ 120.867,68 (cento e vinte mil, oitocentos e sessenta e sete reais e sessenta e oito centavos). 18. Desse modo, fixo o valor do crédito exeqüendo em R$ 120.867,68 (cento e vinte mil, oitocentos e sessenta e sete reais e sessenta e oito centavos), atualizado até maio/2012 (fl. 648). 19. Decorrido o prazo recursal, requisite-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF5 (art. 730, I, do CPC), atentando a Secretaria da Vara para que sejam compensados os valores já pagos por força da decisão de fl. 661, bem como para que seja observado o item 6 de referida decisão. 20. Após, intimem-se as partes do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos do art. 10 da Resolução n.º 168/2011 do CJF. Prazo de 05 (cinco) dias. 21. Apesar de não ter sido publicado o Acórdão do STF na ADI nº 4425, em que o Plenário daquela Corte, por maioria, declarou a inconstitucionalidade de parte da Emenda Constitucional 62/2009, outro outros pontos, no que tange à regra de compensação incluída nos parágrafos 9º e 10º do artigo 100 da Constituição Federal, entendo desnecessária a observância do rito de compensação, porquanto "A jurisprudência pacífica do STJ firmou o entendimento de que o precatório que tem natureza alimentar não está apto a ser utilizado para compensação de débito tributário" (STJ, EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL - 32289, Relator(a) HERMAN BENJAMIN, DJE DATA:19/12/2012). 22. Sem manifestação, remeta-se a Requisição de Pagamento acima referida ao TRF5. 23. Cumpra-se. João Pessoa, 09 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0005222-69.2004.4.05.8200 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0002259-10.2012.4.05.8200

   

0005602-87.2007.4.05.8200 FERNANDO ANTONIO CORDEIRO PEIXOTO E OUTROS (Adv. KARINA PALOVA VILLAR MAIA, IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0005602-87.2007.4.05.8200- Cls. 229 AUTOR: FERNANDO ANTONIO CORDEIRO PEIXOTO e outros REU: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA C E R T I D Ã O Certifico que a UNIÃO expressou concordância com os cálculos apresentados. Dou fé. João Pessoa, 12 de junho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 12 de junho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Despacho: 1 - R. H. 2 - Tendo em vista a concordância da União (fls.395/396) com o valor da execução requisitem-se o pagamento por intermédio do Presidente do TRF-5ª Região (CPC, art.730, I). 3 - Após, intimem-se as partes, do inteiro teor da Requisição de Pagamento expedida, nos termos do art. 10º da Resolução 168/2011 do CJF. 4 - Prazo de 05 (cinco) dias. 5 - Sem manifestação, remetam-se as Requisições de Pagamentos acima referidas ao eg. TRF-5ª Região. João Pessoa, 17/06/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0007241-43.2007.4.05.8200 GICLEAN MORATO HERCULANO (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0007241-43.2007.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: GICLEAN MORATO HERCULANO REU: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS C E R T I D Ã O Certifico que a parte autora apresentou a petição (fls. 234). Dou fé. João Pessoa, 08 de julho de 2013. LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 08 de julho de 2013. LAIS PATRIOTA DA SILVA Técnico Judiciário Processo:0007241-43.2007.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: GICLEAN MORATO HERCULANO REU: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS Despacho: 1- R.H. 2. As obrigações de fazer decorrentes de título judicial cumprem-se de forma mandamental, consoante o CPC, art. 461 e art. 475-I, introduzido pela Lei nº 11.232/2005, independentemente da instauração de processo de execução, assim, defiro o pedido do autor (fls. 234), em consequência, chamo o feito à ordem, torno sem efeito o despacho (fls. 231). 3. Isto posto, nos termos do CPC, art. 461, c/c o art. 475-I, determino ao INSS que, no prazo de 30 (trinta) dias, cumpra a obrigação de fazer objeto do título judicial transitado em julgado. 4. A eventual fixação de multa ficará postergada para depois do decurso do prazo concedido ao devedor e desde que verificado o descumprimento da determinação judicial. 5. Em face da inexistência de processo autônomo para satisfação do julgado, qualquer impugnação ao cumprimento da obrigação de fazer deverá ser deduzida através de simples petição nestes mesmos autos, não sendo cabível a oposição de embargos pelo devedor. 6. Após, com ou sem manifestação do devedor, vista à parte autora pelo prazo de 10 (dez) dias. 7. Existindo obrigação de pagar a ser satisfeita, o cumprimento do julgado, nessa parte, deverá ser requerido depois de satisfeita a obrigação de fazer, quando então será conhecido o termo final da dívida, necessário à elaboração da liquidação do título judicial, em conformidade com o despacho (fls. 231). 8. Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 10.07.2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0008021-80.2007.4.05.8200 NEUSA PEREIRA TELES (Adv. DALVA ERMIRA DE SOUSA) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS

Processo:0008021-80.2007.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: NEUSA PEREIRA TELES REU: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA e outros C E R T I D Ã O Certifico que a R. FUNASA concordou expressamente com as requisições de pagamento expedidas (fls. 381 e 386). Certifico, outrossim, que o precatório (fls. 386) não foi assinado eletronicamente pelo MM. Juiz Federal Titular da 1ª Vara/PB, que se encontra em gozo de férias regulamentares. Dou fé. João Pessoa, 01 de julho de 2013. Romulo Augusto de Aguiar Loureiro Diretor(a) de Secretaria C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da titularidade.. João Pessoa, 01 de julho de 2013. Romulo Augusto de Aguiar Loureiro Diretor(a) de Secretaria Despacho: 1- RH. 2 - Remetam-se as requisições de pagamento (fls. 381 e 386) ao TRF5, com urgência. 3 - Após, aguarde-se o pagamento DO PRECATÓRIO. João Pessoa, 01/julho/2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA -PB

   

0008696-38.2010.4.05.8200 JOSE JOACI DE LIMA (FARMALIMA) E OUTROS (Adv. ANDRE ARAUJO PIRES, DANIEL DOS ANJOS PIRES BEZERRA, FELIPE COSTA PONTES) x CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB (Adv. OTAVIANO HENRIQUE SILVA BARBOSA, ENIO SILVA NASCIMENTO, GUSTAVO MAIA RESENDE LUCIO)

Processo n.º 0008696-38.2010.4.05.8200 - Classe 11 AUTOR: JOSE JOACI DE LIMA (FARMALIMA) e outros REU: CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA - CRF/PB C E R T I D Ã O Certifico que o R. interpôs apelação (fls.64/77), no prazo legal, bem como, apresentou o recolhimento das custas recursais (fls. 77). Dou fé. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos a(o) MM Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 09/julho/2013 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Decisão: 1- R.H. 2-Recebo a apelação do R.(fls.64/77) em ambos os efeitos. 3-Intime(m)-se o(s) recorrido(s) para as contra-razões. 4-Por fim, subam os autos ao Eg. TRF da 5ª Região. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0010455-13.2005.4.05.8200 FRANCISCO DE ASSIS COSTA ARAUJO E OUTROS (Adv. MONICA CALDAS ANDRADE DE MIRANDA HENRIQUES) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. LUIZ FIRMO FERRAZ FILHO)

Processo:0010455-13.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: FRANCISCO DE ASSIS COSTA ARAUJO e outros EXECUTADO: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA C E R T I D Ã O Certifico que decorreu o prazo do despacho (fl. 464) com a manifestação apenas da FUNASA (fls. 467/468) dizendo, em síntese, que "(...) A FUNASA apelou, para que fosse reconhecido que não há saldo a ser executado, ou seja, inexiste direito à execução da verba de sucumbência (fls. 442/444). O Egrégio TRF da 5ª Região, deu provimento a apelação (acórdão - fls. 453/459)" e requereu "1. Reconsideração do despacho de fl. 464, determinando ao Cartório dessa r. Vara que cancele a Requisição de Pequeno Valor nº 2013.82.00.001.000288 (fl. 463). 2. Via de consequência cancele os demais itens do dito despacho, bem como a extinção da execução face a ausência de amparo legal para tal desiderato, nos termos da legislação processual vigente". Dou fé. João Pessoa, 28 de maio de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 28 de maio de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0010455-13.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: FRANCISCO DE ASSIS COSTA ARAUJO e outros EXECUTADO: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA Decisão: 1-RH. 2- Assiste razão a FUNASA em suas alegações (fls. 467/468), tendo em vista o acórdão (fls. 459) proferido em sede recursal, transitado em julgado (fls. 461). 3- Torno sem efeito o despacho (fls. 464) e determino que a Secretaria da Vara proceda o cancelamento da RPV expedida (fls. 465). 4- Intimem-se. 5- Após, remetam-se os autos ao Distribuidor para baixa e arquivamento. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, na Titularidade de 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0010792-31.2007.4.05.8200 JOSE BATISTA DA SILVA E OUTROS (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA, YARA GADELHA BELO DE BRITO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Execução de Sentença Contra Fazenda Publica - Classe 206 Processo n.º 10792-31.2007.4.05.8200 Exequente: José Batista da Silva e Outros Executada: Fundação Nacional de Saúde - FUNASA D E C I S Ã O 1. Estes autos foram remetidos à Contadoria para que se manifestasse sobre os cálculos de fls. 324/344, oportunidade em que o órgão auxiliar afirmou serem procedentes as alegações apresentadas pela FUNASA quanto ao fato de não terem sido computados os valores referentes à Vantagem Pessoal ON n.º 43, recebidos pelos autores JOSÉ BATISTA DA SILVA (novembro e dezembro de 1991) e MARIA DE FÁTIMA SILVA ROCHA (novembro/91), bem como quanto à "duplicidade do valor de 12,44". 2. De outra parte, verifico que a FUNASA discordou da inclusão dos valores relativos às férias na base de cálculo da execução, por não constarem expressamente do pleito executivo. 3. Quanto a esse ponto, cumpre salientar que o anuênio incidia sobre o vencimento (base) dos exeqüentes, nos termos do art. 40 da Lei n.º 8.112/90. Não obstante a base de cálculo do ATS excluísse quaisquer gratificações porventura recebidas, o cálculo do anuênio terá reflexos sobre as férias e o adicional de férias e a gratificação natalina, já que possuem caráter permanente e são parcelas que variam juntamente com o vencimento básico, por serem reflexos deste. Logo, não há necessidade de que haja pedido expresso nesse sentido, por se tratar da própria conformação do direito reconhecido no título executivo (cf.: AC n.º 1999.36.00.005819-5/MT, DJ de 29/10/2007; AC n.º 200239000086518, TRF1, DJ de 28/07/2009, Pág. 23; AC 200150010106418, Desembargador Federal GUILHERME COUTO, TRF2 - SEXTA TURMA ESPECIALIZADA, E-DJF2R - Data::07/05/2010 - Página::463). Questão idêntica foi abordada pelo TRF da 5ª. Região, na AC 200882000025698 (Desembargador Federal Edílson Nobre, TRF5 - Quarta Turma, DJE - Data::24/05/2012 - Página::745). Transcrevo o relatório e o voto do Desembargador Federal Relator do recurso, que resultaram em acórdão unânime da Quarta Turma: "RELATÓRIO O Exmº. Sr. Desembargador Federal EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR (Relator): Trata-se de apelação interposta pela FUNASA -FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE, por não se conformar com a sentença de fls. 309/310, que negou provimento aos embargos à execução, fixando o quantum debeatur segundo as informações prestadas pelo contador judicial. Aduz excesso de execução por terem sido incluídas parcelas remuneratórias não abrangidas pela decisão exequenda, que diz respeito ao cômputo do tempo de serviço celetista para fins de anuênios, a saber: adicional de férias e décimo terceiro salário. Houve contrarrazões. É o relatório. VOTO O Exmº. Sr. Desembargador Federal EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR (Relator): Sem censura a decisão atacada que se pautou, quando da fixação do quantum debeatur, nos cálculos do contador. O adicional por tempo de serviço, que se trata da parcela remuneratória devida ao exequente por força da decisão judicial exequenda, diz respeito a vantagem pessoal que se incorpora aos vencimentos do servidor, servindo de base de cálculo para o décimo terceiro, assim como para o terço de férias. Referidas parcelas remuneratórias têm previsão no texto constitucional (art. 7º, VIII e XVII), sendo calculadas segundo a remuneração devida ao servidor. Se o servidor teve majorada a sua remuneração por força da decisão judicial, no tocante ao adicional por tempo de serviço, a inclusão dos respectivos décimo terceiro e terço de férias trata-se de mero consectário lógico da sucumbência, não havendo, pois, que se falar em ofensa à coisa julgada e muito menos em enriquecimento ilícito a sua inclusão nos cálculos exequendos. Com essas considerações, nego provimento à apelação. É como voto." 4. Diante disso, retornem os autos à Contadoria do Juízo para as retificações a serem feitas nos seus cálculos de fls. 293/318. 5. Apresentadas as informações pela Contadoria do Juízo, dê-se vista às partes para manifestação, no prazo sucessivo de 05 (cinco) dias. 6. Em seguida, voltem-me os autos conclusos. João Pessoa, 24 de maio de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA - PB

   

0013938-51.2005.4.05.8200 LUZIA MARIANO DA SILVA E OUTRO (Adv. URIAS JOSE CHAGAS DE MEDEIROS, GLAUCO JOSE DA SILVA SOARES, FELICIO MARTINHO NOBREGA FILHO) x VALDIR PAGNUSSAT x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0013938-51.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: LUZIA MARIANO DA SILVA e outros REU: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da Titularidade da 1ª Vara. João Pessoa, 15 de julho de 2013. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Despacho: 1-RH 2- Ao Distribuidor para anotação da habilitação deferida em sede recursal (fl. 433). 3- Após, aguarde-se o julgamento do mérito do AGTR nº 133.091/PB (0006551-63.2013.4.05.0000). 4- Intimem-se. João Pessoa, 22/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da Titularidade da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)2108 4040/4058 FAX: (0XX83 2108 4067)

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000060-78.2013.4.05.8200 JOVANI GOMES PEREIRA (Adv. ARISTOTELES JEFFERSON M. CABRAL) x DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO SHOT ADVANCED TRAINING (Adv. SEM ADVOGADO) x SUPERINTENDENTE REGIONAL DA POLICIA FEDERAL NA PARAIBA

PROCESSO Nº: 0000060-78.2013.4.05.8200 CLASSE 126 - MANDADO DE SEGURANÇA IMPETRANTE: Jovani Gomes Pereira IMPETRADO: Diretor do Centro de Formação Shot Advanced Training SENTENÇA TIPO "A" (Resolução CJF n.º 535/2006) SENTENÇA I) RELATÓRIO JOVANI GOMES PEREIRA impetrou mandado de segurança contra ato do DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO SHOT ADVANCED TRAINING e do SUPERINTENDENTE REGIONAL DA POLÍCIA FEDERAL NA PARAÍBA, objetivando a inscrição no curso de reciclagem de vigilante, bem como a emissão do respectivo certificado de participação. O impetrante fundamenta sua pretensão alegando, em síntese, que teve indeferida sua inscrição em virtude de constar em sua certidão de antecedentes criminais a informação de que está respondendo ao Inquérito n.º 200.2012.108.086-1, em trâmite na Vara de Violência Doméstica de João Pessoa/PB, atitude essa que contraria o disposto no art. 5.º, LVII, da CF/88, que estabelece que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória". Juntou os documentos de fls. 10/47 e requereu o benefício da assistência judiciária gratuita. A decisão de fls. 56/60 deferiu o benefício da justiça gratuita, além de deferir, em parte, o pedido liminar e de determinar que o impetrante emendasse a inicial. O Diretor do Centro de Formação Shot Advanced Training apresentou informações (fls. 68/69), alegando que obstaculizou a matrícula do impetrante por determinação da Superintendência da Polícia Federal. Em cumprimento à decisão de fl. 56/60, o impetrante (fl. 71) requereu fosse excluído do polo passivo o Superintendente Regional da Polícia Federal na Paraíba, o que foi deferido à fl. 73. O MPF manifestou-se pela extinção do processo sem resolução do mérito, sob o fundamento de que o Diretor do Centro de Formação Shot Advanced Training não se equipara a autoridade para fins de mandado de segurança, haja vista não exercer função delegada pelo Poder Público. É o breve relatório. Decido. II) FUNDAMENTAÇÃO As questões discutidas nesta ação já foram examinadas na decisão que indeferiu o pedido liminar (fls. 97/100), cujos fundamentos, a seguir transcritos, adoto como razões de decidir: 6. Contudo, independetemente da apresentação da emenda, passo desde já ao exame do pedido liminar formulado em face do Diretor do Centro de Formação Shot Advanced Training, o qual, apesar de vinculado a empresa privada, equipara-se às autoridades para fins de mandado de segurança (art. 1.º, §1.º, da Lei n.º 12.016/2009), vez que exerce atividade autorizada, fiscalizada e regulada integralmente pelo Poder Público Federal, consoante se observa do art. 20 da Lei n.º 7.102/83 c/c o art. 32 do Decreto n.º 89.056/83. 7. Tratando do exercício da profissão de vigilante, dispõe o art. 16 da Lei n.º 7.102/83: Art. 16 - Para o exercício da profissão, o vigilante preencherá os seguintes requisitos: [...] IV - ter sido aprovado, em curso de formação de vigilante, realizado em estabelecimento com funcionamento autorizado nos termos desta lei. (Redação dada pela Lei nº 8.863, de 1994) [...] VI - não ter antecedentes criminais registrados; e 8. No mesmo sentido, é a regulamentação contida no Decreto n.º 89.056/83: Art 16. Para o exercício da profissão, o vigilante deverá registrar-se na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho, comprovando: [...] IV - ter sido aprovado em curso de formação de vigilante, realizado em estabelecimento com funcionamento autorizado. (Redação dada pelo Decreto nº 1.592, de 1995) [...] VI - não ter antecedentes criminais registrados; e 9. Referido decreto, no art. 25, dispõe, ainda, sobre os requisitos para a inscrição do candidato no curso de formação de vigilantes, estabelecendo: Art 25. São requisitos para a inscrição do candidato ao curso de formação de vigilantes: [...] IV - não ter antecedentes criminais registrados; 10. Consoantes se observa, tanto a Lei n.º 7.102/83, como o seu regulamento, o Decreto n.º 89.056/83, exigem como requisito para o exercício da profissão de vigilante, inclusive para a inscrição do candidato no curso de formação respectivo, a inexistência de antecedentes criminais, contudo, a Portaria DG/DPF n.º 387/2006 trouxe inovação nesse ponto, ao exigir, em seu art. 109, VI, que o candidato a vigilante deve "ter idoneidade comprovada mediante a apresentação de antecedentes criminais, sem registros de indiciamento em inquérito policial, de estar sendo processado criminalmente ou ter sido condenado em processo criminal". 11. Ocorre que, sendo a portaria um ato infralegal, não poderia ela restringir direitos, haja vista que, consoante o princípio da reserva legal, consagrado no art. 5.º, II, da CF/88, "ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei". 12. Observe-se, ainda, que nem mesmo por meio de lei poderia ser imposta a restrição prevista no art. 109, VI, da Portaria DG/DPF n.º 387/2006, vez que referida disposição afronta, também, o princípio da presunção de inocência, previsto no art. 5.º, LVII, da CF/88, o qual estabelece que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória", de forma que inquéritos policiais e ações penais ainda em tramitação não devem ser considerados como antecedentes criminais. 13. Nesse sentido: "HABEAS CORPUS" - INQUÉRITO POLICIAL ARQUIVADO - RECONHECIMENTO, PELO MAGISTRADO SENTENCIANTE, DE QUE A EXISTÊNCIA DE REFERIDO INQUÉRITO POLICIAL LEGITIMA A FORMULAÇÃO DE JUÍZO NEGATIVO DE MAUS ANTECEDENTES - INADMISSIBILIDADE - OFENSA AO POSTULADO CONSTITUCIONAL DA NÃO-CULPABILIDADE (CF, ART. 5º, LVII) - CONSEQÜENTE REDUÇÃO DA PENA AO SEU MÍNIMO LEGAL - CONSUMAÇÃO DA PRESCRIÇÃO PENAL - PEDIDO DEFERIDO EM PARTE. - A mera sujeição de alguém a simples investigações policiais (arquivadas ou não), ou a persecuções criminais ainda em curso, não basta, só por si - ante a inexistência, em tais situações, de condenação penal transitada em julgado -, para justificar o reconhecimento de que o réu não possui bons antecedentes. Somente a condenação penal transitada em julgado pode justificar a exacerbação da pena, pois, com o trânsito em julgado, descaracteriza-se a presunção "juris tantum" de não-culpabilidade do réu, que passa, então, a ostentar o "status" jurídico-penal de condenado, com todas as conseqüências legais daí decorrentes. Precedentes. Doutrina. (HC 69298, ILMAR GALVÃO, STF) PROCESSUAL CIVIL. DECISÃO MONOCRÁTICA. EMBARGOS DECLARATÓRIOS. PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE RECURSAL. RECEBIMENTO COMO AGRAVO INTERNO. DESNECESSIDADE DE INSTAURAÇÃO DE INCIDENTE DE INCONSTITUCIONALIDADE. RESERVA DE CLÁUSULA DE PLENÁRIO. SÚMULA VINCULANTE N. 10. INEXISTÊNCIA, IN CASU, DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE. PREQUESTIONAMENTO DE MATÉRIA CONSTITUCIONAL POR EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. ADMINISTRATIVO. HOMOLOGAÇÃO DE CERTIFICADO. CURSO DE VIGILANTE. INQUÉRITO POLICIAL EM CURSO. PROFISSIONAL INDICIADO CRIMINALMENTE. POSSIBILIDADE DE REGISTRO. AUSÊNCIA DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA. MAGISTÉRIO JURISPRUDENCIAL DO STF E DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL NÃO PROVIDO. [...] 4. Com base no princípio constitucional da presunção de inocência, inquéritos policiais e ações penais em andamento não serviriam como fundamento para a valoração negativa de antecedentes, da conduta social ou da personalidade do agente, seja em sede criminal, seja, com mais razão ainda, na via administrativa, principalmente quando se trata de simples registro de certificado de curso de reciclagem profissional. 5. Agravo regimental não provido. STJ. Segunda Turma. EDcl nos EDcl no REsp n.º 1125154. Relator: Ministro Mauro Campbell Marques. DJe: 08.02.2011. CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO RETIDO NÃO CONHECIDO. MANDADO DE SEGURANÇA. CURSO DE RECICLAGEM DE VIGILANTE. MATRÍCULA NEGADA. ANTECEDENTES CRIMINAIS. PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA. VIOLAÇÃO. PRECEDENTES. 1. Apelação e remessa oficial em face de sentença proferida pelo MM. Juiz Federal da 6a Vara da Seção Judiciária de Pernambuco, que concedeu a segurança, assegurando o direito de participação do impetrante no curso de reciclagem de vigilante. 2. Agravo retido da União não conhecido, tendo em vista não ter sido expressamente requerida a sua apreciação pelo Tribunal, nos termos do art. 523, parágrafo 1º do CPC. 3. De acordo com o art. 109 da Portaria nº. 387/2006-DG/DPF, que trata de normas aplicadas sobre segurança privada, "Para o exercício da profissão, o vigilante deverá preencher os seguintes requisitos, comprovados documentalmente: [...]VI - ter idoneidade comprovada mediante a apresentação de antecedentes criminais, sem registros de indiciamento em inquérito policial, de estar sendo processado criminalmente ou ter sido condenado em processo criminal;[...]" 4. O indeferimento da matrícula no curso de reciclagem de vigilante por existir processo em andamento contra o impetrante viola o princípio da presunção de inocência. 5. No caso em exame, o impetrante responde a processo criminal que tramita perante o Segundo Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da capital, não devendo esse fato constituir obstáculo à matrícula no curso de reciclagem, considerando, inclusive que ele atua como vigilante há mais de 17 anos, sem que qualquer inquérito tenha sido instaurado para apurar conduta que efetivamente comprometesse o exercício da profissão. 6. Precedentes desta Corte: APELREEX 00083239520104058300, Desembargador Federal Lazaro Guimarães, TRF5 - Quarta Turma, 03/03/2011; AG 00090918920104050000, Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, TRF5 - Quarta Turma, 12/08/2010; AG 200905000965734, Desembargador Federal Francisco Barros Dias, TRF5 - Segunda Turma, 21/01/2010. 7. Apelação e remessa oficial improvidas. TRF da 5.ª Região. Primeira Turma. APELREEX n.º 22814. Relator: Desembargador Federal Francisco Cavalcanti. DJE: 20.07.2012, p. 275. 14. No caso, a "Certidão de Distribuição" juntada pelo impetrante (fl. 16) informa existir apenas um inquérito policial tramitando contra ele, o qual, consoante explicitado acima, não constitui antecedente criminal, não podendo esse fato, portanto, constituir impedimento para o seu ingresso no curso de reciclagem de vigilantes. 15. Observe-se, contudo, que o impetrante não comprovou que chegou a requerer sua inscrição no curso pretendido, de modo que o presente feito apresenta natureza de mandado de segurança preventivo, sendo suficiente para cessação da ilegalidade a determinação de que o impetrado, quando do pedido de matrícula do impetrante no curso de reciclagem de vigilantes, abstenha-se de indeferi-lo em virtude da existência de inquérito policial tramitando contra ele, consoante consta da "Certidão de Distribuição" (fl. 16). Não há fatos novos (art. 462 do CPC) que justifiquem alteração do entendimento contido na decisão interlocutória acima transcrita. Acrescento, apenas, que a equiparação do Diretor do Centro de Formação Shot Advanced Training a autoridade federal para fins de mandado de segurança (art. 1.º, §1.º, da Lei n.º 12.016/2009) ficou evidenciada pelas informações prestadas, segundo as quais "O impetrado [...] nunca obstaculizou por vontade própria a matrícula do impetrante. Tudo que fez foi seguindo as determinações da Superintendência da Polícia Federal, pois não se não cumprir tais determinações pode sofrer prejuízo na empresa" (fl. 68; sic). Vale dizer: a autoridade impetrada age em observância aos arts. 46, I, 109 e 110, §1º, da Portaria DG/DPF n.º 387/2006, que, em relação administrativa de supremacia especial, são destinados precipuamente à entidade privada que promove os cursos de formação, extensão e reciclagem. III) DISPOSITIVO Ante o exposto, concedo, em parte, a segurança, apreciando a lide com resolução do mérito (art. 269, I, do CPC), para, ratificando a decisão que apreciou o pedido liminar, determinar ao impetrado que, quando do pedido de matrícula do impetrante no curso de reciclagem de vigilantes, abstenha-se de indeferi-lo em virtude da existência de inquérito policial em tramitação e, em caso de êxito do aluno, emitia o certificado de participação/aproveitamento. Sem condenação em honorários advocatícios, em face do disposto na parte final do art. 25 da Lei nº 12.016/2009. Sem custas a serem ressarcidas. Publique-se. Registre-se. Intimem-se, com vista ao MPF. João Pessoa/PB, 29 de julho de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0000060-78.2013.4.05.8200 1

   

0002522-81.2008.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF E OUTROS (Adv. JALDELENIO REIS DE MENESES, ANTONIO BARBOSA FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE S. RANGEL)

Cumprimento de Sentença - Classe 229 A/exequente: SINTSERF R/executada: Caixa Econômica Federal - CEF Substituídos do SINTSERF: João Rodrigues de Souza, José Durval Lopes, José Inácio de França, José Luis Evangelista e José Espínola da Rocha. DECISÃO A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, em cumprimento à obrigação de fazer decorrente do título judicial constituído na ação coletiva nº 95.2558-2, afirmou (fls. 39/41) que o(s) substituído(s) do autor, JOÃO RODRIGUES DE SOUZA, firmou(ram) termo de adesão, concordando com as condições estabelecidas pela LC nº 110/2001 para recebimento do(s) complemento(s) de atualização monetária do(s) saldo(s) de sua(s) conta(s) vinculada(s) do FGTS. Na oportunidade, informou sobre a impossibilidade de elaboração dos cálculos de liquidação em relação aos substituídos JOSÉ DURVAL LOPES, JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA e JOSE LUIZ EVENGELISTA em face da ausência, nos autos, de dados cadastrais necessários à localização/identificação das suas contas vinculadas. Por fim, informou que JOSÉ ESPINOLA DA ROCHA foi contemplado com expurgo(s) do(s) Plano(s) Econômico(s) através do processo nº 94.8596-6, 2ªVF/PB, cujo valor foi disponibilizado em sua conta vinculada, inexistindo obrigação a ser satisfeita em relação a ele. Não houve manifestação do(s) autor/substituídos acerca da petição e dos documentos apresentados pela ré/executada CEF. Declarado extinto (fls. 93) feito em relação aos substituídos JOÃO RODRIGUES DE SOUZA e JOSÉ ESPINOLA DA ROCHA, em face da falta de interesse deles no prosseguimento da fase de cumprimento da sentença, tendo em vista que a obrigação foi satisfeita pela CEF extraprocessualmente, conforme termo de adesão/extratos de depósitos (fls.45/46) e através do processo nº 94.8596-6, 2ªVF/PB (fls.42/43), respectivamente. Determinado (fls. 94) aos substituídos remanescentes JOSÉ DURVAL LOPES, JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA e JOSE LUIZ EVENGELISTA que trouxessem aos autos os dados cadastrais necessários à localização/identificação de suas contas vinculadas e, consequentemente, à efetivação do julgado, especificamente os documentos com informações sobre sua qualificação civil, nome do(s) empregador(es), data de admissão e saída do(s) emprego(s), data de opção, número da inscrição no PIS, número da CTPS, inscrição no CPF, nome e agência do(s) banco(s) depositário(s); todavia nada foi providenciado (fls. 100). Em face do desatendimento à decisão (fls. 94 - item 18) e da inércia na movimentação do processo, impôs-se (fls. 104) reconhecer o desinteresse dos substituídos JOSÉ DURVAL LOPES, JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA e JOSE LUIZ EVENGELISTA no prosseguimento do feito. Acolhida (fls. 101/104) parcialmente a impugnação apresentada pela CEF (fls. 70/76) e declarada extinta a execução (fls. 49/51), em face do cumprimento da obrigação de pagar, referente aos honorários advocatícios, tendo, inclusive, sido levantados os correspondentes valores pelos respectivos credores, conforme alvarás (fls. 132 e 191) e autorizações de pagamento-AP (fls. 184 e 188). Juntada (fls. 134/143) reprodução da petição referente à execução dos honorários (49/51), que já fora extinta, conforme item anterior. Requerido (fls. 144), através de nova procuradora, Dra. MÔNICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA, o prosseguimento do feito em relação aos substituídos JOSÉ DURVAL LOPES e JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA Apresentada procuração ad-judicia (fls. 157), através da qual a advogada Dra. MÔNICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA, nomeada procuradora do SINDICATO/autor, pede habilitação nos autos e exclusão dos advogados que a antecederam. Informado (fls. 193) o falecimento do substituído JOSÉ LUIZ EVANGELISTA, bem como requerido a habilitação do menor ISAIAS PEREIRA EVANGELISTA, representado por sua mãe Gláucia Pereira Rodrigues Evangelista, na condição de titular dos créditos do de cujus, por ser o único beneficiário de pensão por morte do extinto; por fim foi requerido o destaque dos honorários contratuais. A CEF foi citada quanto ao pedido de habilitação (fls. 193), mas nada opôs (fls. 213) à pretensão do(a)(s) habilitando(a)(s). Relatei. Decido. O presente feito foi distribuído por dependência à ação coletiva nº 95.2558-2, proposta pelo SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVIÇO PÚBLICO NO ESTADO DA PARAÍBA - SINTSERF contra a CEF, na qual foi reconhecido o direito do(a)(s) credor(a)(es), na qualidade de substituído(a)(s), aos créditos referentes à correção do saldo de sua(s) conta(s) vincula(s) do FGTS, mediante a incidência de expurgo(s) inflacionário(s). Convém esclarecer que foi determinado o requerimento de cumprimento da obrigação de fazer em autos apartados, em grupos de no máximo cinco substituídos, a fim de facilitar o trâmite processual, conferindo-lhe maior rapidez e economia processual, evitando os inúmeros incidentes processuais decorrentes das situações particulares. À luz do art. 1º da Lei 6.858/80, a documentação juntada aos autos autoriza o deferimento do pedido de habilitação ora formulado (fls. 193), mormente considerando que houve concordância da CEF (fls. 213). Dessa forma, defiro o pedido de habilitação formulado (fls. 193) por ISAIAS PEREIRA EVANGELISTA, representado por Gláucia Pereira Rodrigues Evangelista, pois restaram comprovados o óbito (fls. 196) do ex-substituído JOSÉ LUIZ EVANGELISTA e a qualidade de único pensionista do requerente (fls. 194). Também defiro o pedido de habilitação formulado pela advogada Da. Mônica de Souza Rocha Barbosa (fls. 157), em face da procuração (fls. 158). Por outro lado, verifico a apresentação dos dados cadastrais aparentemente suficientes para identificação/localização das contas vinculadas dos substituídos JOSÉ DURVAL LOPES, JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA e JOSE LUIZ EVENGELISTA. Assim sendo, e porque não prescrito o direito à execução, a CEF deve cumprir a obrigação de fazer remanescente, informado, se for o caso, quais dados complementares necessita para esse fim. Ante o exposto, concedo à CEF o prazo de 30 (trinta dias) para que cumpra a obrigação de fazer em relação aos substituídos/remanescentes JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA, JOSÉ DURVAL LOPES e JOSE LUIZ EVENGELISTA (sucedido), considerando os dados cadastrais contidos nos documentos de fls. 146/151, 152/156 e 207/211 , respectivamente. Anote-se, conforme requerido pela referida advogada (fls. 157), excluindo-se os advogados que a antecederam no feito. O feito prossegue apenas em relação aos substituídos/remanescente JOSÉ DURVAL LOPES, JOSÉ INÁCIO DE FRANÇA e JOSE LUIZ EVENGELISTA (sucedido por ISAIAS PEREIRA EVANGELISTA, este representado por Gláucia Pereira Rodrigues Evangelista), conforme considerações anteriores. João Pessoa/PB, 7 de agosto de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª. Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0002522-81.2008.05.8200 1

   

0002523-66.2008.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF E OUTROS (Adv. MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL)

Processo:0002523-66.2008.4.05.8200 - Cls. 229 EXEQUENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF e outros EXECUTADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF C O N C L U S Ã O Nesta faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 26 de julho de 2013. FLAVIO J MIRANDA FEITOZA Técnico Judiciário Despacho: 1 - R. H. 2 -Intime-se a CEF, consoante o CPC, art. 475-J, para pagar o montante da condenação também no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de multa de 10% (dez por cento) sobre o valor da obrigação, advertindo-lhe de que, caso o pagamento seja parcial, a multa incidirá sobre o restante da dívida, ex vi do mesmo CPC, art. 475-J, § 4º. 5 - No prazo para pagamento, o devedor poderá indicar bens à penhora como garantia de futura impugnação; todavia, também nesse caso, estará sujeito à multa, caso o montante da condenação não seja devidamente pago. 6 - Por outro lado, o credor poderá requerer, juntamente com o pedido de cumprimento da sentença, a efetivação de penhora e avaliação, indicando o bem do devedor sobre o qual deverá recair a constrição judicial, caso a dívida não seja paga no prazo legal, por força do CPC, art. 475-J, § 3º. 7 - Ainda na hipótese de não pagamento da dívida e havendo penhora, o devedor deverá ser intimado, na pessoa de seu advogado ou, na falta deste, de seu representante(s), ou pessoalmente, do auto de penhora e de avaliação, podendo oferecer impugnação nestes mesmos autos, querendo, no prazo de 15 ( quinze) dias, obedecidas as disposições do CPC, art. 475-L, introduzido pela Lei nº 11.232/2005. João Pessoa, Phelipe Vicente de Paula Cardoso Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, na Titularidade P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

0003610-57.2008.4.05.8200 JOAO ANTONIO DE SOUZA (Adv. DEORGE ARAGAO DE ALMEIDA, MARTINHO FAUSTINO XAVIER JUNIOR, KARLA SUIANY DE ALMEIDA MANGUEIRA GUEDES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Autor: JOÃO ANTÔNIO DE SOUZA. Ré: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Decisão: 1- R.H. 2 - Trata-se de ação cautelar de exibição de documentos proposta por JOÃO ANTÔNIO DE SOUZA em desfavor da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, cujo pedido foi acolhido pelo TRF5 (fls. 87/93) que, em sede de apelação, reformou sentença proferida em primeira instância (fls. 54/57). 3 - A ré CAIXA ECONÔMICA FEDERAL alegou impossibilidade de cumprimento da obrigação de fazer por não ter mais o documento cuja exibição foi determinada neste feito em razão do decurso do prazo de cinco anos. Por esse motivo, foi convertida a obrigação de fazer em indenização por perdas e danos (fls. 116/117) no montante de R$ 2.059,00 (dois mil e cinquenta e nove reais). 4 - Intimado (fls. 119) em 14/novembro/2012 para promover a execução da obrigação de pagar, o autor JOÃO ANTÔNIO DE SOUZA apresentou petição (fls. 121), subscrita conjuntamente com a ré CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, na qual declarou renunciar ao direito sobre o qual se fundou a ação, tendo em vista ter sido realizado acordo extrajudicial, o qual não chegou a ser juntado aos autos. 5 - Novamente intimado, dessa vez para apresentar procuração com outorga de poderes, ao seu patrono, para renunciar ao direito, o autor JOÃO ANTÔNIO DE SOUZA deixou transcorrer o prazo sem nada requerer, conforme certidão (fls. 124 e 125vº). 6 - A petição (fls. 121) do autor JOÃO ANTÔNIO DE SOUZA expressou seu desinteresse em promover a execução da obrigação de pagar e, decorridos mais de seis meses da intimação para esse fim, o autor permaneceu silente no processo, circunstância que autoriza o arquivamento dos autos nos termos do CPC, art. 475-J, § 5º. 7 - Isto posto, com base no CPC, art. 475-J, § 5º, determino o arquivamento dos autos, com baixa na distribuição, ressalvado o direito da parte a requerer seu desarquivamento. 8 - Intimem-se. 9 - Transcorrido o prazo recursal, ao distribuidor para baixa e arquivamento, conforme item 07, supra. João Pessoa, 25/07/2013 PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto na Titularidade da 1ª Vara. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA Processo: 0003610-57.2008.4.05.8200

   

0009967-53.2008.4.05.8200 REGINA RODRIGUES BOTTO TARGINO (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE, PAULO GUEDES PEREIRA, AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE, MUCIO SATIRO FILHO, LUCIANA DE ALBUQUERQUE CAVALCANTI BRITO, VESCIJUDITH FERNANDES MOREIRA, SABRINA PEREIRA MENDES) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA -0009967-53.2008.4.05.8200- Classe 229 - Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) Exequente(s): REGINA RODRIGUES BOTTO TARGINO Executado(s): CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF S E N T E N Ç A Vistos etc. Trata-se de execução de título judicial promovida por REGINA RODRIGUES BOTTO TARGINO em desfavor da CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF 2. A CEF comprovou o cumprimento da obrigação principal, depositando os valores correspondentes aos índices de reajustes de caderneta de poupança concedidos no julgado, tendo a autora levantado ditos valores através do alvará (fls. 203). 3. Em seguida, o patrono da exequente promoveu a execução dos honorários advocatícios sucumbenciais, tendo a CEF, de semelhante modo, depositado em juízo o valor executado e requerido a extinção da execução, nos termos do CPC, art. 794, I. 4. O advogado exequente concordou (fls. 209) com o valor depositado pela CEF e requereu a liberação a seu favor. 5. Isto posto, fundamentado no CPC, art. 794, I, declaro extinta a execução, para que produza jurídicos e legais efeitos. 6. Transitada em julgado, expeça-se alvará de levantamento dos valores depositados na conta judicial nº 0548.005.68653-1 (fls. 206) em favor do advogado FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE. 7. Cumprido o item anterior, remetam-se os autos ao Distribuidor para baixa e arquivamento. 8. P. R. I. João Pessoa, 09 AGO 2013 PHELIPE VEICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da titularidade. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

ALVARÁ JUDICIAL

   

0002304-77.2013.4.05.8200 JOSE CAMPOS DOS ANJOS (Adv. JOSEFA VICENTE DA SILVA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0002304-77.2013.4.05.8200 - CLASSE 241 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) REQUERENTE: JOSE CAMPOS DOS ANJOS INTERESSADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF SENTENÇA Vistos, etc... O Requerente JOSE CAMPOS DOS ANJOS intimado através do Diário Eletrônico da Justiça Federal de 1º e 2º grau da 5ª Região (fls. 24), para dar cumprimento à determinação contida no despacho (fls. 23), deixou transcorrer o prazo sem atendimento ao referido despacho, conforme certidão da Secretaria (fls. 24 vs.). 2-Isto Posto, indefiro a inicial (CPC, artigo 284, parágrafo único) e, em consequência, extingo o presente feito, sem julgamento do mérito, na forma do artigo 267, Inciso I, do CPC. 3- Após o trânsito em julgado, baixa e arquive-se. 4- P.R.I. João Pessoa, PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto na Titularidade da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0004062-91.2013.4.05.8200 MARIZEE NUNES DE MENDONÇA (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, NELSON AZEVEDO TORRES, LETICIA BOLZANI GONDIM, LARISSA RAULINO DE ARAÚJO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo: 0004062-91.2013.4.05.8200 ALVARÁ JUDICIAL Requerente: MARIZETE NUNES DE MENDONÇA Interessada: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL DECISÃO Trata-se de pedido de alvará judicial formulado por MARIZETE NUNES DE MENDONÇA, objetivando o levantamento de valores depositados junto à CEF, em conta vinculada ao PIS, de titularidade de seu ex-companheiro, de nome JOSÉ CLÁUDIO SALUSTIANO BARBOSA, falecido em 30/outubro/2006 (fls. 08). A Primeira Seção do STJ pacificou o entendimento de que os alvarás judiciais, "quando não houver litigiosidade, devem ser processados e decididos pela Justiça Comum dos Estados. Somente se houver oposição de ente federal haverá deslocamento de competência à Justiça Especializada. Em se tratando de alvará de levantamento de importância devida a título de pensão por morte, requerimento submetido à jurisdição voluntária, compete à Justiça Estadual processar e autorizar a sua expedição, ainda que envolva o INSS" - CC nº 61612/PR, RE. Min. Castro Meira, 1ª Seção, DJ 11/09/2006, p. 217. Sobre caso idêntico, confira-se o seguinte precedente: "EMENTA: CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. JUSTIÇA COMUM E JUIZADO ESPECIAL. ALVARÁ LIBERATÓRIO. LEVANTAMENTO DE VALORES DEPOSITADOS NO PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL - PIS. PEDIDO FUNDADO NA LEI 6.858/80. MORTE DO TITULAR DA CONTA. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 161/STJ. COMPETENTE A JUSTIÇA COMUM ESTADUAL. 1. Em se tratando de pedido de expedição de alvará judicial requerido nos termos da Lei 6.858/80, ou seja, em decorrência do falecimento do titular da conta, inexiste lide a ser solucionada. Cuida-se, na verdade, de medida de jurisdição voluntária com vistas à mera autorização judicial para o levantamento, pelos sucessores do de 'cujus', de valores incontestes depositados em conta de titularidade de pessoa falecida 'independente de inventário ou arrolamento'. 2. Desse modo, a Caixa Econômica Federal não é parte integrante da relação processual, mas mera destinatária do alvará judicial, razão por que deve ser afastada a competência da Justiça Federal. 3. Incide, à espécie, o enunciado 161 da súmula do STJ, segundo o qual: 'É da competência da Justiça estadual autorizar o levantamento dos valores relativos ao PIS/Pasep e FGTS, em decorrência do falecimento do titular da conta'. 4. Conflito conhecido para declarar a competência do Juízo de Direito da 2ª Vara de Cotia. (STJ - 1ª Seção, CC nº 102854, DJE de 23/03/2009). Vale salientar que a Súmula 161 do STJ dispõe expressamente ser competente a Justiça Estadual para autorizar o levantamento dos valores relativos ao PIS/Pasep e FGTS, em decorrência do falecimento do titular da conta. Ante o exposto, com fundamento no CPC, art. 113, c/c a Súm. 161 do STJ, declaro a incompetência deste Juízo Federal para conhecer deste procedimento e, por conseguinte, determino a remessa dos presentes autos à Justiça Comum Estadual, Comarca de João Pessoa/PB. Depois do decurso do prazo recursal, remetam-se os autos à Justiça Comum Estadual, Comarca desta capital, na forma do mesmo CPC, art. 113, § 2º, com a prévia baixa do feito na Seção de Distribuição e Registro. Caso o(a) requerente renuncie ao prazo recursal, remetam-se imediatamente estes autos ao Juízo competente (Justiça Estadual). Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa/PB, 25 de julho de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB, no exercício interino da titularidade PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0004062-91.2013.4.05.8200 -2- -2-

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0005060-93.2012.4.05.8200 MARIA ESTELA DE OLIVEIRA REGIS, POR SEU CURADOR JACQUES CRISTIANY DE OLIVEIRA REGIS (Adv. NYEDJA NARA PEREIRA GALVAO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 0005060-93.2012 - Classe 29 AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 08, vista à parte autora, no prazo de 10 (dez) dias, para, querendo, impugnar a(s) Contestação (fls. 108/134) da ré. Publique-se. João Pessoa, 18/07/2013. Valéria Maria Monteiro Diretora da Secretaria da 1ª Vara, em exercício. REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 18/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L SEÇÃO DA PARAÍBA

   

0005205-91.2008.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUARIA - INFRAERO (Adv. ANDRESSA MARIA DOS SANTOS, KARLA DANIELLE SANTOS ALVES MAIA, SUELY SOARES DE SOUSA SILVA, PATRÍCIA MIRIAN COSTA DE BRITO CAVALCANTI, JAQUELINE GOMES CAVALCANTI) x JOSE ANDREA MAGLIANO FILHO - ME (Adv. EZILDO JOSÉ CÉSAR GADELHA FILHO, CLAUDECY TAVARES SOARES)

Processo:0005205-91.2008.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUARIA - INFRAERO REU: JOSE ANDREA MAGLIANO FILHO - ME AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 08, vista às partes para especificarem as provas que ainda pretendem produzir. João Pessoa, 17 de julho de 2013. VALÉRIA MARIA MONTEIRO Diretora da Secretaria da 1ª Vara, em exercício REMESSA Nesta data faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 17 de julho de 2013. DIVA LOPES FARIAS SILVA Técnico Judiciário PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0006022-53.2011.4.05.8200 MARIA REGINA CAVALCANTI DA SILVEIRA (Adv. FLORENCIO TEIXEIRA BASTOS BISNETO, JOSÉ INÁCIO DE ANDRADE PEREZ) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA Processo nº. 0006022-53.2011.4.05.8200 AUTOS COM VISTA Em Cumprimento ao Provimento nº 001, de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 30. 1. Vista à parte autora, pelo prazo de 05 (cinco) dias. 2. Após, nada sendo requerido, baixa na distribuição e arquive-se. João Pessoa, 19 de julho de 2013. VALÉRIA MARIA MONTEIRO Diretor de Secretaria da 1ª Vara, exercício REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 19 de julho de 2013. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário

   

0007426-08.2012.4.05.8200 JOANA DARC VILAR RAMALHO (Adv. FERNANDO FERNANDES MANO) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Processo nº 0007426-08.2012 - Classe 29 AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 08, vista à parte autora, no prazo de 10 (dez) dias, para, querendo, impugnar a(s) Contestação(fls. 51/75). Publique-se. João Pessoa, 18/07/2013. Valéria Maria Monteiro Diretora da Secretaria da 1ª Vara, em exercício. REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 18/07/2013. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L SEÇÃO DA PARAÍBA

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0000023-51.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JOAQUIM MANOEL VIANA) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 163) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000024-36.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. JONACY FERNANDES ROCHA) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA (Adv. NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA, MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA)

DECISÃO (FL. 95) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000028-73.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA, MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA)

DECISÃO (FL. 162) ...7- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000030-43.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 125) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000150-86.2013.4.05.8200 UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) (Adv. ERIVAN DE LIMA) x QUITERIA GOMES BEZERRA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE)

DECISÃO (FL. 302) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000179-39.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 120) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000876-60.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 165) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0000877-45.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA) x FRANCISCO SOARES DE BRITO E OUTROS

DECISÃO (FL. 175) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001086-14.2013.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO) x MARIA JOSE SOUZA GUILHERME (Adv. IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, JOSE MARTINS DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA)

DECISÃO (FL. 72) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001776-43.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. GUSTAVO CASTRO BÓIA DE ALBUQUERQUE) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 153) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001777-28.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. GUSTAVO CASTRO BÓIA DE ALBUQUERQUE) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 118) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001778-13.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. GUSTAVO CASTRO BÓIA DE ALBUQUERQUE) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 140) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001801-56.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 166) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0001845-75.2013.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. BRUNO SÁTIRO PALMEIRA RAMOS) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 161) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0008601-37.2012.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES) x SINTESPB - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA E OUTROS (Adv. MARCOS DOS ANJOS PIRES BEZERRA, NAVILA DE FATIMA GONCALVES VIEIRA)

DECISÃO (FL. 168) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

0009460-53.2012.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOAQUIM MANOEL VIANA) x TEREZA MARIA BARBOSA PEREIRA DO EGITO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, ADEILTON HILARIO JUNIOR, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE)

DECISÃO (FL. 93) ...8- (...) vista às partes no prazo de 05 (cinco) dias(manifestação da Contadoria do Juízo)...

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0001033-29.1996.4.05.8200 MARIA SOARES DE OLIVEIRA E OUTROS (Adv. JOSE COSME DE MELO FILHO, JURANDIR PEREIRA DA SILVA, MARIA DE LOURDES SOUSA VIEIRA GOMES) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA Processo nº. 0001033-29.1996.4.05.8200 AUTOS COM VISTA Em Cumprimento ao Provimento nº 001, de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 30. 1. Vista à parte autora, pelo prazo de 05 (cinco) dias. 2. Após, nada sendo requerido, baixa na distribuição e arquive-se. João Pessoa, 17 de julho de 2013. VALÉRIA MARIA MONTEIRO Diretor de Secretaria da 1ª Vara, em exercício. REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 17 de julho de 2013. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário

   

0002242-42.2010.4.05.8200 MARIA MORAIS DE FIGUEIREDO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORÚM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA Processo nº 0002242-42.2010.4.05.8200- Classe 206 CERTIDÃO Certifico que o INSS apresentou ao informações solicitadas. Dou fé. João Pessoa, 17/07/2013. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 15, vista ao autor/embargante sobre a(s) seu interesse na execução do julgado, no prazo de 15 (quinze) dias. João Pessoa, 17/07/2013. VALÉRIA MARIA MONTEIRO Diretor da Secretaria da 1.ª Vara, Em exercício REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos à Publicação. João Pessoa, 17/julho/2013. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário

   

0008692-26.1995.4.05.8200 MANOEL BEZERRA DE LIMA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE ARAUJO FILHO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA Processo nº. 0008692-26.1995.4.05.8200 AUTOS COM VISTA Em Cumprimento ao Provimento nº 001, de 25/03/2009, do Egrégio TRF da 5ª Região, art. 87, item 30. 1. Vista à parte autora, pelo prazo de 05 (cinco) dias. 2. Após, nada sendo requerido, baixa na distribuição e arquive-se. João Pessoa, 17 de julho de 2013. VALÉRIA MARIA MONTEIRO Diretor de Secretaria da 1ª Vara, em exercício. REMESSA Nesta data, faço remessa dos presentes autos ao Setor de Publicação. João Pessoa, 17 de julho de 2013. Flávio José Miranda Feitoza Técnico Judiciário

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 14

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 24

TOTAL DE DECISÃO: 31

TOTAL DE DESPACHO: 40

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.