Publicado no Diário da Justiça de 18/09/2013

 

Boletim 2013.000228 - 3 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADRIANO BORGES DE SOUZA 0005369-85.2010.4.05.8200

ALEXANDRE RAMALHO PESSOA 0004330-58.2007.4.05.8200

ALICE QUEIROGA DE VASCONCELOS 0000057-26.2013.4.05.8200

ALLAN CARLOS SILVA QUINTÃES 0002341-46.2009.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0003981-79.2012.4.05.8200 0007627-10.2006.4.05.8200

ALZIRA CABRAL MEDEIROS 0007057-53.2008.4.05.8200

ANA KATTARINA BARGETZI NOBREGA 0004589-48.2010.4.05.8200

ANAXIMANDRO DE ALBUQUERQUE SIQUEIRA SOUSA 0000642-54.2008.4.05.8200

ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA 0001589-06.2011.4.05.8200

ANTONIO BARBOSA DE ARAUJO 0002341-46.2009.4.05.8200

ANTONIO CARLOS COELHO DA FRANCA 0002044-34.2012.4.05.8200

ANTONIO CARLOS MARQUES 0001696-79.2013.4.05.8200

ANTONIO FIALHO DE ALMEIDA NETO 0005208-12.2009.4.05.8200

ANTONIO GABINIO NETO 0002341-46.2009.4.05.8200

ANTONIO SEVERINO DA SILVA 0000361-30.2010.4.05.8200

ARLINETTI MARIA LINS 0001589-06.2011.4.05.8200

ARTHUR MONTEIRO LINS FIALHO 0002341-46.2009.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0002011-69.1997.4.05.8200

BETÂNIA SILVEIRA BINI 0001211-21.2009.4.05.8200

BÁRBARA PUKANSKI DE OLIVEIRA 0001211-21.2009.4.05.8200

CAIUS MARCELLUS DE A. LACERDA 0007057-53.2008.4.05.8200

CAMILLA DE ARAÚJO FERREIRA 0002341-46.2009.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0000361-30.2010.4.05.8200

CARLA LUZA MOTTA 0001211-21.2009.4.05.8200

CARLOS EMILIO FARIAS DA FRANCA 0002044-34.2012.4.05.8200

CARLOS GILBERTO DE A. HOLANDA 0005208-12.2009.4.05.8200

CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR 0000057-26.2013.4.05.8200

CESAR VERZULEI LIMA SOARES DE OLIVEIRA 0007074-50.2012.4.05.8200

CHARLES CRUZ BARBOSA 0002341-46.2009.4.05.8200

CICERO GUEDES RODRIGUES 0007074-50.2012.4.05.8200

DANIEL MARTINS BARRETO 0004611-38.2012.4.05.8200

DEMETRIUS FAUSTINO DE SOUZA 0002341-46.2009.4.05.8200

DEVID OLIVEIRA DE LUNA 0000361-30.2010.4.05.8200

DOMINGOS ANTONIO NUNES NETO 0001211-21.2009.4.05.8200

DORIS FIÚZA CORDEIRO 0006318-12.2010.4.05.8200

DUCIRAN VAN MARSEN FARENA 0002341-46.2009.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE 0003030-22.2011.4.05.8200 0004330-58.2007.4.05.8200

EDUARDO NOBREGA REBELLO 0002341-46.2009.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0002011-69.1997.4.05.8200

EMERSON NEVES DE SIQUEIRA 0007221-18.2008.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0009019-19.2005.4.05.8200

FABIOLA MARQUES MONTEIRO 0002341-46.2009.4.05.8200

FABRÍCIO DALLA TORRE GARCIA 0001211-21.2009.4.05.8200

FERNANDO FREIRE DIAS 0002011-69.1997.4.05.8200

FLAVIA ALMEIDA ARNAUD 0005789-56.2011.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0004330-58.2007.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0009019-19.2005.4.05.8200

GEORGE SARMENTO LINS 0002011-69.1997.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0004330-58.2007.4.05.8200

GILDO ANDRADE DE ARAÚJO 0002341-46.2009.4.05.8200

GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS 0002341-46.2009.4.05.8200

GUILHERME BARROS MAIA DO AMARAL 0000876-51.1999.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0000642-54.2008.4.05.8200

GUSTAVO G TARGINO 0002341-46.2009.4.05.8200

GUSTAVO LUIZ BRONDI DE ALMEIDA 0001211-21.2009.4.05.8200

HARUANA CACHORROSKI CARDOSO 0003981-79.2012.4.05.8200 0007627-10.2006.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0000361-30.2010.4.05.8200

IBER CAMARA DE OLIVEIRA 0007727-28.2007.4.05.8200

ILIA FREIRE FERNANDES BORGES 0002341-46.2009.4.05.8200

IRIO DANTAS NOBREGA 0001380-37.2011.4.05.8200

ISABELA ARAÚJO D'ASSUNÇÃO

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0005369-85.2010.4.05.8200

JACKELINE ALVES CARTAXO 0002341-46.2009.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0004330-58.2007.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0007727-28.2007.4.05.8200

JOANNES PAULUS MOREIRA VASCONCELOS DE ANDRADE 0000876-51.1999.4.05.8200

JOAO SOUZA DA SILVA JUNIOR 0002341-46.2009.4.05.8200

JOSE CHAVES CORIOLANO 0007074-50.2012.4.05.8200

JOSE DE ARIMATEIA MADRUGA 0002341-46.2009.4.05.8200

JOSE GUEDES DIAS 0002341-46.2009.4.05.8200

JOSE IVANILDO DIAS JUNIOR 0004611-38.2012.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0001033-09.2008.4.05.8200 0002011-69.1997.4.05.8200 0013801-06.2004.4.05.8200

JOSÉ GUILHERME FERRAZ DA COSTA 0002341-46.2009.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0005369-85.2010.4.05.8200

JUSTINIANO DIAS DA SILVA JUNIOR 0009019-19.2005.4.05.8200

KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA 0007727-28.2007.4.05.8200

LEONARDO DE AGUIAR BANDEIRA 0002341-46.2009.4.05.8200

LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO 0000361-30.2010.4.05.8200

LIDIA RIBEIRO NOBREGA 0004611-38.2012.4.05.8200

LISSANDRO DE QUEIROZ MOTA 0002341-46.2009.4.05.8200

LUANNA CRISTINA UGULINO ALVES 0002341-46.2009.4.05.8200

LUCAS CLEMENTE DE BRITO PEREIRA 0009703-94.2012.4.05.8200

LUCIANA EMILIA DE C. T. GALINDO 0002341-46.2009.4.05.8200

LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA 0006318-12.2010.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0000361-30.2010.4.05.8200

LUIZ HUMBERTO DE AZEVEDO MELO 0001211-21.2009.4.05.8200

LUIZA OLIVEIRA NICOLAU DA COSTA 0002044-34.2012.4.05.8200

MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO 0009019-19.2005.4.05.8200

MAGNALDO JOSE NICOLAU DA COSTA 0002044-34.2012.4.05.8200

MANFRINI ANDRADE DE ARAÚJO 0002341-46.2009.4.05.8200

MANOLYS MARCELINO P DE SILANS 0000057-26.2013.4.05.8200

MARCELA TORRES VASCONCELOS 0002044-34.2012.4.05.8200

MARCOS RODRIGUES PEREIRA 0001211-21.2009.4.05.8200

MARIA MADALENA SORRENTINO LIANZA 0008423-88.2012.4.05.8200

MARIANA GERALDO DE LUNA COUTINHO 0002341-46.2009.4.05.8200

MARILEIDE MOREIRA ALVES DA CUNHA 0000876-51.1999.4.05.8200

MAURO CELSO DA SILVA 0001211-21.2009.4.05.8200

MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA 0007057-53.2008.4.05.8200

NATHALIA FERREIRA TEOFILO 0002341-46.2009.4.05.8200

NIVEA DANTAS DA NOBREGA 0001380-37.2011.4.05.8200

OSMAR TAVARES DOS SANTOS JUNIOR 0002341-46.2009.4.05.8200

PAULO EDUARDO GUEDES PEREIRA DE CASTRO 0002341-46.2009.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0002044-34.2012.4.05.8200 0008423-88.2012.4.05.8200

RAIMUNDO DE ALMEIDA JUNIOR 0000876-51.1999.4.05.8200

RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA 0007057-53.2008.4.05.8200

RICARDO NEY DE FARIAS XIMENES 0007727-28.2007.4.05.8200 0007899-91.2012.4.05.8200

RICARDO SERVULO FONSECA DA COSTA 0000057-26.2013.4.05.8200

ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA 0002341-46.2009.4.05.8200

RODOLFO ALVES SILVA 0002341-46.2009.4.05.8200

RODOLFO BEZERRA DE MELO 0003981-79.2012.4.05.8200 0007627-10.2006.4.05.8200

RODOLFO DANTAS ROCHA XAVIER 0002044-34.2012.4.05.8200

RODRIGO DOS SANTOS LIMA

RODRIGO PINTO 0002341-46.2009.4.05.8200

RONALDO PESSOA DOS SANTOS

ROOSEVELT DELANO GUEDES FURTADO 0007899-91.2012.4.05.8200

Rodrigo Isidro Gomes de Queiroz 0002341-46.2009.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0001696-79.2013.4.05.8200 0009019-19.2005.4.05.8200 0009703-94.2012.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000057-26.2013.4.05.8200 0000361-30.2010.4.05.8200 0001033-09.2008.4.05.8200 0001211-21.2009.4.05.8200 0001380-37.2011.4.05.8200 0001589-06.2011.4.05.8200 0002148-60.2011.4.05.8200 0002341-46.2009.4.05.8200 0004589-48.2010.4.05.8200 0005369-85.2010.4.05.8200 0005789-56.2011.4.05.8200 0006318-12.2010.4.05.8200 0013801-06.2004.4.05.8200

SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA 0007057-53.2008.4.05.8200

SINEIDE A CORREIA LIMA 0009019-19.2005.4.05.8200

SOLON HENRIQUE DE SA E BENEVIDES 0002341-46.2009.4.05.8200

SYLVIO MARCUS F DE MIRANDA 0003981-79.2012.4.05.8200 0007627-10.2006.4.05.8200

TANEY QUEIROZ E FARIAS 0002341-46.2009.4.05.8200

TATIANA LEITE GUERRA DOMINONI 0001380-37.2011.4.05.8200

TERESINHA DE LISIEUX ALMEIDA NOGUEIRA 0005789-56.2011.4.05.8200

THELIO FARIAS 0002341-46.2009.4.05.8200

THIAGO GIULLIO DE SALES GERMOGLIO 0002341-46.2009.4.05.8200

THIAGO SILVEIRA GUEDES PEREIRA 0003030-22.2011.4.05.8200

TIAGO SOBRAL PEREIRA FILHO 0008423-88.2012.4.05.8200

VALTER DE MELO 0000361-30.2010.4.05.8200

VANINA C. C. MODESTO 0002341-46.2009.4.05.8200

VENANCIO VIANA DE MEDEIROS FILHO 0002148-60.2011.4.05.8200

VENÂNCIO VIANA DE MEDEIROS NETO 0002148-60.2011.4.05.8200

VERA BEGA DE MIRANDA 0003981-79.2012.4.05.8200 0007627-10.2006.4.05.8200

VERA LUCIA PEREIRA DE ARAUJO 0007221-18.2008.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0004330-58.2007.4.05.8200

VICTOR CARVALHO VEGGI 0002341-46.2009.4.05.8200

WALTER DE AGRA JUNIOR 0002341-46.2009.4.05.8200

WASHINGTON LUIS SOARES RAMALHO 0002341-46.2009.4.05.8200

WERTON MAGALHAES COSTA 0002341-46.2009.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0001033-09.2008.4.05.8200

YORDAN MOREIRA DELGADO 0002341-46.2009.4.05.8200

YURI MARQUES DA CUNHA 0000361-30.2010.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0001033-09.2008.4.05.8200 0002011-69.1997.4.05.8200 0013801-06.2004.4.05.8200

ZILMA DE VASCONCELOS BARROS 0002341-46.2009.4.05.8200

 

Juiz Federal CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ

Diretor de Secretaria: RITA DE CASSIA M FERREIRA

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0002341-46.2009.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. DUCIRAN VAN MARSEN FARENA, JOSÉ GUILHERME FERRAZ DA COSTA, RODOLFO ALVES SILVA, YORDAN MOREIRA DELGADO, WERTON MAGALHAES COSTA, ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA, VICTOR CARVALHO VEGGI, ILIA FREIRE FERNANDES BORGES) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x MUNICIPIO DE JOAO PESSOA - PB (Adv. SEM PROCURADOR) x HERMES GALVAO DE SA FILHO (Adv. JOSE DE ARIMATEIA MADRUGA, THELIO FARIAS, EDUARDO NOBREGA REBELLO, DEMETRIUS FAUSTINO DE SOUZA) x RENO TORRES MACAUBAS (Adv. LUCIANA EMILIA DE C. T. GALINDO, LUANNA CRISTINA UGULINO ALVES) x GUILHERME TRAVASSOS SARINHO (Adv. ANTONIO GABINIO NETO) x RANNIERY ALBERTO DO NASCIMENTO CHAVES E OUTROS (Adv. ALLAN CARLOS SILVA QUINTÃES, ZILMA DE VASCONCELOS BARROS) x MEDCENTER COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA E OUTROS (Adv. ANTONIO BARBOSA DE ARAUJO, LISSANDRO DE QUEIROZ MOTA) x VITRANS LIMPEZA E CONSERVACAO DE IMOVEIS LTDA E OUTRO (Adv. JOSE GUEDES DIAS) x ÉLIA ANDRADE DE ARAÚJO (Adv. LEONARDO DE AGUIAR BANDEIRA, MANFRINI ANDRADE DE ARAÚJO, RODRIGO PINTO, GILDO ANDRADE DE ARAÚJO, SOLON HENRIQUE DE SA E BENEVIDES, WALTER DE AGRA JUNIOR, VANINA C. C. MODESTO, JACKELINE ALVES CARTAXO, ARTHUR MONTEIRO LINS FIALHO, FABIOLA MARQUES MONTEIRO, CAMILLA DE ARAÚJO FERREIRA, THIAGO GIULLIO DE SALES GERMOGLIO, JOAO SOUZA DA SILVA JUNIOR, NATHALIA FERREIRA TEOFILO) x LIOMAR MENDES BRAGA (Adv. WASHINGTON LUIS SOARES RAMALHO, CHARLES CRUZ BARBOSA) x ANTONIO HERVAZIO BEZERRA CAVALCANTI E OUTRO (Adv. DEMETRIUS FAUSTINO DE SOUZA, TANEY QUEIROZ E FARIAS, EDUARDO NOBREGA REBELLO, GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS, PAULO EDUARDO GUEDES PEREIRA DE CASTRO) x LUIZ CARLOS CHAVES DA SILVA E OUTRO (Adv. ZILMA DE VASCONCELOS BARROS, LUANNA CRISTINA UGULINO ALVES) x WILKA RODRIGUES DE MEDEIROS (Adv. Rodrigo Isidro Gomes de Queiroz, LUANNA CRISTINA UGULINO ALVES) x DIMAS GOMES DE ARAÚJO (Adv. LUANNA CRISTINA UGULINO ALVES) x ABRAÃO CAVALCANTI DE LACERDA E OUTRO (Adv. SOLON HENRIQUE DE SA E BENEVIDES, WALTER DE AGRA JUNIOR, VANINA C. C. MODESTO, JACKELINE ALVES CARTAXO, FABIOLA MARQUES MONTEIRO, ARTHUR MONTEIRO LINS FIALHO, CAMILLA DE ARAÚJO FERREIRA, THIAGO GIULLIO DE SALES GERMOGLIO, MARIANA GERALDO DE LUNA COUTINHO, OSMAR TAVARES DOS SANTOS JUNIOR, GUSTAVO G TARGINO)

1- Defiro a produção de prova testemunhal requerida pelo réu Guilherme Travassos Sarinho (fls.5363). 2- No tocante ao pedido de juntada de novos documentos pelo réu, apresente todos os documentos que pretende juntar aos autos, no prazo de 15 dias. 3- Designo o dia 03/12/2013 às 14:00 horas, para oitiva das testemunhas arroladas às fls. 5363. 4- Defiro, ainda, os pedidos de substabelecimento apresentados às fls. 5350, 5352 e 5357. À Secretaria para as correções cartorárias devidas, inclusive quanto as procurações apresentadas às fls. 5359 e 5361, e exclusão da advogada Lucia Emilia Carvalho na defesa do réu DIMAS GOMES DE ARAUJO. Cumpra-se. Intimem-se.

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0004330-58.2007.4.05.8200 TEREZINHA LEITE DE ALBUQUERQUE (Adv. VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, GERSON MOUSINHO DE BRITO, ALEXANDRE RAMALHO PESSOA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR)

Cuida-se de execução de sentença mandamental da Ação Ordinária promovida TEREZINHA LEITE DE ALBUQUERQUE em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, nos termos do art. 461 do CPC. Devidamente intimada para pagar valor determinado na decisão exeqüenda, a Caixa Econômica Federal - CEF informa que cumpriu a obrigação, conforme valores depositados em conta judicial, fls.188/189. Instada a se pronunciar, a parte exeqüente concordou com o cumprimento, requerendo a expedição de alvará de levantamento. Sem honorários e custas processuais em virtude da gratuidade judiciária deferida (fl. 182v). Expeça-se alvará de levantamento em favor da parte autora, intimando-a para, comparecer à Secretaria da 3ª Vara para recebimento do Alvará de Levantamento expedido. Decorrido o prazo e não havendo o comparecimento, cancele-se o Alvará, dê-se baixa e arquivem-se os autos, sendo ressalvado o seu desarquivamento caso a parte demonstre interesse pelo recebimento. Em face do exposto, declaro extinta a execução nos moldes do art. 794, I, do CPC. P.R.I.

   

0004611-38.2012.4.05.8200 EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - DATAPREV (Adv. JOSE IVANILDO DIAS JUNIOR, DANIEL MARTINS BARRETO) x GILBERTO LYRA STUKERT FILHO (Adv. LIDIA RIBEIRO NOBREGA)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87, item 8, por primeiro, abro vista à parte autora para impugnar a(s) contestação(ões), no prazo de 10 (dez) dias. João Pessoa, 06/09/2013. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora da Secretaria da 3ª Vara

   

0005208-12.2009.4.05.8200 DANYELLE CAETANO RAMALHO (Adv. CARLOS GILBERTO DE A. HOLANDA) x ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL (Adv. ANTONIO FIALHO DE ALMEIDA NETO)

Cuida-se de execução de sentença mandamental da Ação Ordinária promovida DANYELLE CAETANO RAMALHO em face da ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL DA PARAÍBA, nos termos do art. 461 do CPC. Devidamente intimada nos termos do art. 730 do CPC, a executada comprovou o pagamento integral do valor da execução (fls. 148/149 e 151). Em face do exposto, declaro extinta a execução nos moldes do art. 794, I, do CPC. Decorrido o prazo recursal, expeça-se alvará de levantamento em favor da parte autora, intimando-a para, no prazo de cinco dias, comparecer à Secretaria da 3ª Vara para recebimento do Alvará de Levantamento expedido. Não havendo o comparecimento, cancele-se o Alvará, dê-se baixa e arquivem-se os autos, sendo ressalvado o seu desarquivamento caso a parte demonstre interesse pelo recebimento. P.R.I.

   

0005369-85.2010.4.05.8200 IRANI SOARES DE FARIAS (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, ADRIANO BORGES DE SOUZA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x UNIÃO FEDERAL - (MINISTÉRIO DA SAÚDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Recebo a apelação da União (fls. 204/214) em seus efeitos devolutivo e suspensivo. Intime-se a parte autora para contra-arrazoar o recurso interposto. Em seguida, com ou sem contrarrazões, subam os autos ao eg. TRF/5ª Região, com as cautelas legais. I. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Publicação.

   

0006318-12.2010.4.05.8200 MUNICIPIO DE BARAUNA - PB (Adv. DORIS FIÚZA CORDEIRO, LUIS GUSTAVO CORDEIRO DE SOUZA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação de Rito Ordinário Autor: Município de Baraúna - PB Ré: União S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de ação de rito ordinário ajuizada pelo MUNICÍPIO DE BARAÚNA em face da UNIÃO, objetivando o pagamento das diferenças relativas à complementação do FUNDEF, cujos valores foram repassados a menor pela parte ré, no período agosto de 2005 a dezembro de 2006. Em síntese, alega a parte autora que: I - A Emenda Constitucional nº 14/96, que autorizou a criação do FUNDEF, determinou que 60% (sessenta por cento) das receitas dos Estados e Municípios, resultantes da arrecadação de impostos e destinadas à educação, seriam reservadas ao Ensino Fundamental; II - O FUNDEF era constituído, no âmbito de cada Estado, por 15% das receitas arrecadadas através dos principais impostos dos Estados e Municípios da Federação, inclusive os decorrentes de transferências entre os entes federativos; III - Os valores concernentes ao FUNDEF eram distribuídos entre cada estado e seus municípios, proporcionalmente ao número de alunos matriculados nas respectivas redes de ensino fundamental; IV - A União complementaria os recursos do fundo quando seu valor por aluno não alcançasse o valor mínimo definido nacionalmente (VMAA), por ato do Presidente da República, nos termos do art. 6.º da Lei n.º 9.424/96; V - O cálculo do VMAA deveria obedecer à regra do § 1.º do art. 6.º da Lei n.º 9.424/96, segundo a qual o referido valor corresponde à razão entre a previsão da receita total para o Fundo e a matrícula total do ensino fundamental no ano anterior, acrescida do total estimado de novas matrículas; por este parâmetro de cálculo, o VMAA representaria uma média nacional; V - O Governo Federal, por diversas vezes, descumpriu a determinação contida no dispositivo legal mencionado, fixando o VMAA de forma aleatória, em patamar inferior ao legalmente previsto. VI - Por esta razão, nos anos de 2005 e 2006, a União deixou de repassar ao município-autor, a título de complementação do FUNDEF, valores que totalizam R$ 1.328.504,98 (um milhão, setecentos mil, trezentos e vinte e oito mil, quinhentos e quatro reais e noventa e oito centavos). Juntou aos autos procuração e documentos de fls. 38/119. Em atenção ao despacho de fl. 121, o autor acostou os documentos de fls. 125-129. Deferida a emenda a inicial, por força do despacho de fl. 130. A União foi citada, apresentando contestação às fls. 149/161, aduzindo, em preliminar, a incompetência absoluta do Juízo. Suscita, também, a prejudicial de prescrição. No mérito, defende que, ao contrário do que entende o Município, nunca foi inferior a razão entre a previsão da receita total para o Fundo e a matrícula total do ensino fundamental no anterior, restando ausente nos autos qualquer comprovação em contrário. Diz que a metodologia sugerida pelo Município não se adequa à Lei de Responsabilidade Fiscal. Sustenta que a fixação do valor mínimo de acordo com a média nacional afrontaria o princípio federativo e representaria uma elevação da despesa obrigatória da União, violando a Lei de Responsabilidade Fiscal. Observada impugnação à contestação, às fls. 172-182, rechaçando a preliminar e prejudicial de mérito levantadas pela defesa. Não houve especificação de provas. Trasladada para estes autos, a decisão proferida no incidente de impugnação ao valor da causa, às fls. 185-188. F U N D A M E N T A Ç Ã O PRELIMINAR- INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA DO JUÍZO Quanto à preliminar de incompetência do juízo, rejeito-a, uma vez que, como bem dito pelo autor em sua impugnação à contestação, o Município não está entre os legitimados a demandar no âmbito dos Juizados Especiais, independentemente do valor da causa, como se infere do disposto no art. 6º da Lei nº 10.259/20011. PREJUDICIAL DE MÉRITO: PRESCRIÇÃO O prazo prescricional em favor da Fazenda Púbica é de cinco anos, conforme previsto no Decreto 20.910/32. Dessa feita, acolho a prejudicial de prescrição das parcelas anteriores aos cinco anos que antecedem o ajuizamento desta demanda, com fulcro no art. 1º do Decreto 20.910/32, de modo que estão prescritas eventuais diferenças anteriores a 31/08/2005. MÉRITO As partes divergem quanto à metodologia para o cálculo do VMAA, nos termos do art. 6º, da Lei nº 9.424/96, podendo a lide ser assim resumida: *Tese defendida pela União: na vigência da Lei 9.424/96, calculava-se o VMAA somando-se as receitas e despesas com os alunos do ensino fundamental, isoladamente, em cada Estado e o Distrito Federal. Posteriormente, dividia-se a receita pela despesa, encontrando-se, no respectivo Estado, o valor mínimo por aluno correspondente. Com base na média dos diversos valores mínimos estaduais, o Presidente da República baixava o Decreto fixando o valor mínimo nacional. Os Estados cujo valor mínimo estadual ficasse abaixo do valor mínimo nacional receberiam complementação a ser distribuída entre os seus Municípios. *Tese defendida pelo Município: o cálculo do valor mínimo nacional, no período de vigência do §1º, do artigo 6º, da Lei nº. 9.424/96 deveria ter sido efetuado somando-se as receitas dos vinte e sete fundos regionais (os de cada Estado mais o do Distrito Federal) e dividindo-se o resultado pelo total nacional do número de matrículas para o ano seguinte. Os Estados cujos recursos do FUNDEF correspondessem, por aluno, a um valor inferior ao VMAA, receberiam complementação da União. Primeiramente, vejamos o tratamento dado pelo ordenamento jurídico à matéria, atinente aos critérios que devem nortear a fixação do valor mínimo anual por aluno, a ser considerado para efeito de complementação das transferências dos recursos do FUNDEF em favor do município autor. O art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, acrescentado pela Emenda Constitucional nº. 14, de 12 de setembro de 1996 previu a criação do FUNDEF e traçou suas diretrizes gerais, dispondo, no que concerne à lide (negritos acrescidos): "Art. 60. Nos 10 (dez) primeiros anos da promulgação desta Emenda, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios destinarão não menos de 60% (sessenta por cento) dos recursos a que se refere o caput do art. 212 da Constituição Federal, à manutenção e ao desenvolvimento do ensino fundamental, com o objetivo de assegurar a universalização de seu atendimento e a remuneração do magistério. §1º A distribuição de responsabilidade e recursos entre os Estados e os Municípios a ser concretizada em parte dos recursos definidos neste artigo, na forma do disposto no art. 211 da Constituição Federal, é assegurada mediante a criação, no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, de um Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério, de natureza contábil. (...) §3º. A União complementará os recursos dos Fundos a que se refere o §1º, sempre que, em cada Estado e no Distrito Federal, seu valor por aluno não alcançar o mínimo definido nacionalmente. (...) §7º. A lei disporá sobre a organização dos Fundos, a distribuição proporcional de seus recursos, a sua fiscalização e controle, bem como sobre a forma de cálculo do valor mínimo nacional por aluno." A Lei n.º 9.424/96, que disciplinava o FUNDEF, nada disse diretamente e/ou especificamente sobre a matéria controvertida. O art. 6.º, caput, repetiu o comando constitucional sobre a complementação devida pela União Federal. No § 1.º, do mencionado art. 6º, dispôs que tal valor mínimo, designado pela lei de valor mínimo anual por aluno (VMAA), seria fixado por ato do Presidente da República; quanto à forma de cálculo, previu uma razão entre a previsão da receita e o número de matrículas. Eis o teor do art. 6º, caput e §1º: "Art. 6º. A união complementará os recursos do Fundo a que se refere o art. 1º sempre que, no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, seu valor por aluno não alcançar o mínimo definido nacionalmente. §1º. O valor mínimo anual por aluno, ressalvado o disposto no §4º, será fixado por ato do Presidente da República e nunca será inferior à razão entre a previsão da receita total para o Fundo e a matrícula total do ensino fundamental no ano anterior, acrescida do total estimado de novas matrículas, observado o disposto no art. 2º, §1º, incisos I e II." As estatísticas necessárias ao cálculo do valor anual mínimo por aluno, inclusive as estimativas de matrículas, baseavam-se nos dados de censo educacional realizado pelo Ministério da Educação e do Desporto, anualmente, e publicado no Diário Oficial da União (§ 2º). Parece claro que, prevendo a lei um critério objetivo para o cálculo do valor mínimo anual por aluno, para fins de distribuição dos recursos destinados ao financiamento do ensino fundamental, não poderia, o Presidente da República, fixar o valor mínimo anual por aluno em montante inferior à proporção estabelecida, ou deixar de fazê-lo, sob pena de enodoar o princípio da legalidade. Mas então se coloca a questão de como interpretar o §1º do art. 6º da Lei nº. 9.424/96. Ou mais especificamente, como deveria ser composta a fórmula: VMAA= previsão de receita total ÷ nº. total de matrículas Pela interpretação da parte autora, o fator "receita total" corresponderia à soma das receitas dos Fundos de todos os Estados e Distrito Federal; os números de matrículas no ensino fundamental (assim como a expectativa de novas matrículas) seriam os números de todo o país. Assim, o VMAA encontrado espelharia a média nacional. Diferentemente, a interpretação da parte ré, que, durante o período mencionado na inicial, utilizava como componentes da fração os números de cada Estado da Federação. De posse dos vinte e sete resultados, o Presidente da República, discricionariamente, fixava o VMAA, sem a preocupação de encontrar um valor médio nacional. Escolhia um VMAA aleatório, desde que o mesmo fosse superior à menor razão encontrada. Entendo que assiste razão à parte autora, no que diz respeito ao critério de interpretação para o cálculo do VMAA, uma vez que sendo este um valor definido nacionalmente, o cálculo previsto no § 1º, do art. 6º, da Lei nº. 9.424/96, somente estaria em consonância com a legislação se fosse superior à média nacional. Considerando que o tema já foi discutido no Tribunal de Contas da União, endosso, na íntegra, os apontamentos do Ministro Relator da Decisão nº. 8781/2002, aprovada em plenário: "(...) 1.44. Há alguns pontos que apóiam a idéia de que o VMAA deve se basear em uma média nacional, calculada pela divisão entre a previsão de arrecadação e o número de matrículas do ensino fundamental. 1.45. A sistemática do FUNDEF, de redistribuir intra-estadualmente os recursos dos Estados e respectivos Municípios, viabilizou o alcance de dois objetivos básicos. Primeiro, acabar com a injustiça da repartição de verbas da educação no âmbito estadual, em função de arrecadações diferenciadas e de encargos com matrículas desequilibradas. Assim, buscou-se eliminar exemplos como o do Maranhão, já mencionado no item 1.7, onde o gasto médio por aluno, na reduzida rede estadual, era de R$ 343,00, enquanto que nas redes municipais, responsáveis por dois terços das matrículas, o valor aplicado não passava de R$ 88,00. Segundo, equilibrar os salários dos professores das redes estaduais e municipais, pela elevação dos menores salários. Este objetivo foi garantido com o § 5º do art. 60 do ADCT, introduzido pela Emenda Constitucional nº 14/96. (...) 1.47. Desse modo, o compromisso do Fundef com o aumento da remuneração do magistério é incompatível com a hipótese de se poder fixar o VMAA a valor igual ao menor Valor Estadual por Aluno, entre os vinte e sete existentes. A vinculação dos recursos é importante, mas não suficiente para que o compromisso em nível interestadual seja alcançado. Os professores situados em Estados de Fundos menos expressivos continuariam percebendo remuneração muito inferior aos salários prevalecentes em outras Unidades da Federação, onde as receitas dos Fundos são maiores. Tal hipótese, portanto, não contribui para a solução do problema; ao contrário, reforça as disparidades regionais existentes. (...) 1.54 Apesar de todas essas evidências, alega-se, contra a primeira hipótese, não haver fundamentação jurídica para a existência de um fundo resultante da soma dos recursos vinculados ao ensino fundamental em todas as unidades da Federação. No entanto, este argumento fica fragilizado na medida em que a realização de tal soma não pressupõe, por si só, a existência de um "fundo nacional". A soma é mero fator para a definição do piso do valor mínimo e pode ser contabilmente aferida, independentemente da existência de um fundo no âmbito federal. Esse cálculo, portanto, não fere nenhum dos princípios que regem o Fundef. 1.55. Se existem dificuldades para se aceitar o somatório das receitas dos vinte e sete Fundos no cálculo do limite inferior do Valor Mínimo Anual por Aluno, os impedimentos para se adotar a segunda interpretação parecem ser ainda maiores, em virtude das incompatibilidades lógicas que proporciona. 1.56. (...) Como, por essa segunda interpretação, não há "o Fundo" e sim vinte e sete Fundos estaduais, haveria a necessidade de se questionar: estaria o dispositivo atendido se o Valor Mínimo pudesse ser fixado em valor inferior ao de qualquer Valor Estadual por Aluno, exceto ao do menor deles, conforme advogam os defensores desta interpretação? A resposta é negativa. A nosso ver, o mandamento legal impõe condição distinta: o VMAA não pode ser inferior a nenhuma razão obtida em cada um dos vinte e sete Estados, já que a condição prevista no § 1° terá que valer para todos os Fundos, individualmente considerados. Isso só é possível caso o VMAA seja pelo menos idêntico ao do maior valor estadual(...). 1.57. (...) Por outro lado, a adoção do maior VEA, embora logicamente possível, jamais foi cogitada pelas partes envolvidas no debate. A razão é simples: a hipótese de considerar os valores de cada estado individualmente surgiu para defender a possibilidade de fixar-se o VMAA abaixo da média nacional. O maior VEA supera, evidentemente, essa média. Ademais, se essa fosse a vontade da lei, a redação do dispositivo legal precisaria ser muito mais clara, já que a idéia de valor mínimo correspondente ao maior valor estadual é, a princípio, contraditória (...)." A meu viso, na mesma esteira do entendimento do TCU, carece de sustentação o argumento da União de que o VMAA seria o resultado da divisão entre a receita de qualquer dos fundos dos Estados/Distrito Federal e o número de matrículas, em qualquer desses entes da federação. Isto frustraria o objetivo da legislação do FUNDEF, que é o de minimizar as disparidades regionais através da complementação questionada. Considerar o VMAA como sendo uma média nacional, não significa admitir que, na época da vigência da Lei nº 9.424/96, existia um único fundo nacional composto por recursos destinados ao ensino fundamental, nem permite, ainda, concluir que havia a transferência de recursos entre os fundos estaduais. Até porque a complementação devida ao fundo estadual que não atingisse o VMAA era realizada através de recursos da União Federal, e não por meio da redistribuição dos recursos entre os Estados. Estabelecida a correta interpretação acerca dos mencionados dispositivos e confirmada a instituição nacional do Fundo desenvolvimentista, resta claro que o Presidente da República, poderia fixar o VMAA, no patamar mais conveniente ao seu programa de governo, desde que este valor mínimo, fosse superior à média nacional. A questão já foi submetida ao STJ, em sede de recursos repetitivos (art. 543-C): Processo AGEDAG 201000808531 AGEDAG - AGRAVO REGIMENTAL NOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO DE INSTRUMENTO - 1304668 Relator(a) HERMAN BENJAMIN Sigla do órgão STJ Órgão julgador SEGUNDA TURMA Fonte DJE DATA:02/02/2011 ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL. PRESCRIÇÃO. MATÉRIA DE ORDEM PÚBLICA. FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO - FUNDEF. VALOR ANUAL MÍNIMO POR ALUNO - VMAA. FIXAÇÃO. CRITÉRIO: MÉDIA NACIONAL. 1. É admitido o conhecimento de matéria de ordem pública, mesmo na ausência de prequestionamento, desde que a instância especial tenha sido aberta por outra questão. 2. A fixação do Valor Mínimo por Aluno (VMAA), para fins de complementação do valor do fundo de Manutenção e de Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - Fundef, deve ter como base a média nacional, e não a média mínima obtida em cada Estado ou Município. 3. Orientação reafirmada no julgamento do REsp 1.101.015/BA, sob o rito dos recursos repetitivos (art. 543-C do CPC). 4. Agravo Regimental não provido. Faz jus, portanto, o município autor ao pagamento da complementação do FUNDEF, referente ao período que vai de 1º de setembro de 2006 a 28 de dezembro de 2006, calculando-se o VMAA como média nacional, a ser apurado em fase de execução, nada obstante a formulação de pedido de quantia certa e determinada, visto que não enseja sentença líquida, em razão da inexistência de cálculo do valor mínimo superior à média nacional realizado por quem de direito. O termo final das diferenças explica-se pela extinção do FUNDEF pela EC 53/2006, que modificou o art. 60 do ADCT2 e previu a criação do FUNDEB. Segundo o art. 3º da EC 53/2006 o FUNDEF seria mantido até o início da vigência do FUNDEB. A MP 339, de 28 de dezembro de 2006, regulamentou o art. 60º do ADCT e instituiu o FUNDEB. D I S P O S I T I V O ISSO POSTO, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido para condenar a ré a pagar ao autor, a título de complementação do FUNDEF, as diferenças relativas aos valores repassados a menor, no período que vai de 1º/09/2006 a 28/12/2006, calculando-se o VMAA de acordo com o critério da média nacional, consistente na razão entre a receita total nacional para o fundo e a matrícula total nacional do ensino fundamental no ano anterior, acrescida do total nacional estimado das novas matrículas. Sobre o valor da condenação, incidirá, uma única vez, correção monetária e juros moratórios, conforme aplicados à caderneta de poupança, nos termos do art. 1º-F da Lei nº. 11.960/2009. Em face da sucumbência recíproca, deixo de condenar as partes na verba honorária. Sem custas, em razão da isenção legal. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Sentença sujeita ao reexame necessário. João Pessoa, 14 de junho de 2013. CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ Juíza Federal da 3ª Vara 1 "Art. 6o Podem ser partes no Juizado Especial Federal Cível: I - como autores, as pessoas físicas e as microempresas e empresas de pequeno porte, assim definidas na Lei no 9.317, de 5 de dezembro de 1996; II - como rés, a União, autarquias, fundações e empresas públicas federais. (...)." 2 Art. 60. Até o 14º (décimo quarto) ano a partir da promulgação desta Emenda Constitucional, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios destinarão parte dos recursos a que se refere o caput do art. 212 da Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento da educação básica e à remuneração condigna dos trabalhadores da educação, respeitadas as seguintes disposições: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 53, de 2006). (Vide Medida Provisória nº 339, de 2006). (...) ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO/JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA/SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA/

   

AÇÃO POPULAR

   

0002044-34.2012.4.05.8200 SUZANE MARIA BARROS GOMES (Adv. CARLOS EMILIO FARIAS DA FRANCA, ANTONIO CARLOS COELHO DA FRANCA) x INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAO, CIENCIA E TECNOLOGIA DA PARAIBA - IFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x RAQUEL REBOUCAS DE ALMEIDA (Adv. MAGNALDO JOSE NICOLAU DA COSTA, LUIZA OLIVEIRA NICOLAU DA COSTA) x VITOR FEITOSA NICOLAU (Adv. RODOLFO DANTAS ROCHA XAVIER, MAGNALDO JOSE NICOLAU DA COSTA) x MARCIA OLIVEIRA (Adv. MARCELA TORRES VASCONCELOS)

Intime-se, novamente, o IFPB para, no prazo de cinco dias, atender à determinação contida no termo de audiência, às fls. 1266, apresentando as datas da aplicação das provas escritas do concurso designe gráfico, perfis 14, 15 e 16, ano 2011, bem assim para apresentar suas razões finais, no prazo de dez dias. Cumprida a ordem pelo IFPB, intimem-se as demais partes (autora e réus), bem assim o MPF, para fins de apresentarem razões finais, também, no prazo de dez dias. Em progressão, venham-me os autos conclusos para sentença.

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0003981-79.2012.4.05.8200 UNIÃO FEDERAL (MINISTÉRIO DA DEFESA - EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO) x RAIMUNDA VIANA MONTEIRO DE OLIVEIRA (Adv. SYLVIO MARCUS F DE MIRANDA, HARUANA CACHORROSKI CARDOSO, VERA BEGA DE MIRANDA, RODOLFO BEZERRA DE MELO)

Verifico que não houve o traslado da decisão proferida às fls. 73/75 para os autos da ação Ordinária nº 0007627-10.2006.4.05.8200, conforme restou consignado naquela decisão. Dessa forma traslade-se cópia da mencionada decisão para os autos principais. De outra banda, publique-se o teor desta decisão. Nos autos principais, publique-se a decisão proferida às fls. 352/352-v. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Traslado, certificação. 2- Publicação da decisão às fls. 73/75, nestes embargos. 3- Publicação da decisão às fls.52/352-v , na ação principal.

   

0007899-91.2012.4.05.8200 INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RICARDO NEY DE FARIAS XIMENES) x ROOSEVELT DELANO GUEDES FURTADO (Adv. ROOSEVELT DELANO GUEDES FURTADO)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Corregedoria do TRF/5ª Região, artigo 87, item 05, abro vista às partes para, no prazo de 05 (cinco) dias, se pronunciarem sobre a informação e cálculos apresentados pela Assessoria Contábil (fls. 38/45). João Pessoa, 30/07/2013. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora de Secretaria da 3ª Vara

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0009019-19.2005.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SINEIDE A CORREIA LIMA, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, JUSTINIANO DIAS DA SILVA JUNIOR, MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO) x PETRUS RODOVALHO DE ALENCAR ROLIM E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

Após, com o resultado da diligência a ser efetuada por este Juízo, dê-se vista à CAIXA, por 05 (cinco) dias, para manifestação. Cumpra-se.

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0001211-21.2009.4.05.8200 CIPATEX DO NORDESTE S/A (Adv. MARCOS RODRIGUES PEREIRA, FABRÍCIO DALLA TORRE GARCIA, BÁRBARA PUKANSKI DE OLIVEIRA, CARLA LUZA MOTTA, BETÂNIA SILVEIRA BINI, GUSTAVO LUIZ BRONDI DE ALMEIDA, MAURO CELSO DA SILVA, DOMINGOS ANTONIO NUNES NETO, LUIZ HUMBERTO DE AZEVEDO MELO) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

Mandado de Segurança Impetrante: Cipatex do Nordeste S/A Impetrado: Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa/PB S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de mandado de segurança impetrado por CIPATEX DO NORDESTE S/A contra ato atribuído ao DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA/PB, objetivando a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, bem como a compensação dos valores recolhidos indevidamente. Pugna, também, pelo afastamento de quaisquer atos coativos por parte do impetrado, caso venha a efetuar a aludida compensação e/ou cesse o pagamento do PIS e da COFINS tendo como base de cálculo o ICMS. Alega a impetrante que o ICMS não pode integrar a base de cálculo para os aludidos tributos, uma vez que não se insere no conceito de faturamento por não ingressar nos cofres da empresa. Ademais, entende ter direito à compensação dos valores pagos a maior nos dez anos anteriores ao ajuizamento da ação. Junta procuração e documentos (fls. 27/992). Às fls. 995/995, foi determinado o sobrestamento do presente feito após o parecer do parquet, em virtude de determinação do Supremo Tribunal Federal, em sede da ADC n.º 18, no sentido de serem paralisadas todas as ações que versem sobre o tema em pauta. Despacho à fl. 1013 determinou a notificação da autoridade coatora, bem como do seu representante judicial. Ademais, foi determinada a abertura de vistas ao MPF, a fim de que se manifestasse sobre o feito. A União (Fazenda Nacional), na qualidade de representante do impetrado, manifestou interesse de participar do feito à fl. 1018, embora não tenha apresentado quaisquer documentos. Às fls. 1020/1042 o impetrado se manifestou, alegando, nas preliminares, a inexistência de direito líquido e certo, bem como a decadência do direito à impetração do mandado de segurança. No mérito, alegou ser legítima a incidência do PIS e da COFINS sobre o ICMS, eis que este último não foi expressamente excluído do conceito de faturamento, bem como a impossibilidade de se efetuar a compensação antes do trânsito em julgado da sentença. Às fls. 1050/1055, o Ministério Público Federal não se manifestou sobre o feito, alegando não possuir interesse na demanda ante a ausência de interesse público. Despacho à fl. 1056 apontou a cessação da eficácia do provimento cautelar que ensejou o sobrestamento supramencionado, de forma que se deu seguimento ao feito. É o que importa relatar. F U N D A M E N T A Ç Ã O Da Prescrição Em se tratando de matéria que pode ser reconhecida de ofício pelo juízo, passo à análise da prescrição, ex vi do disposto no ª 5º do art. 219 do CPC. Tratando-se de ação ajuizada após o advento da LC 118/05, aplica-se o prazo prescricional de 5 anos, na forma decidida pelo STF no RE 56621 (repercussão geral), cuja ementa transcreve-se: DIREITO TRIBUTÁRIO - LEI INTERPRETATIVA - APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI COMPLEMENTAR Nº 118/2005 - DESCABIMENTO - VIOLAÇÃO À SEGURANÇA JURÍDICA - NECESSIDADE DE OBSERVÂNCIA DA VACACIO LEGIS - APLICAÇÃO DO PRAZO REDUZIDO PARA REPETIÇÃO OU COMPENSAÇÃO DE INDÉBITOS AOS PROCESSOS AJUIZADOS A PARTIR DE 9 DE JUNHO DE 2005. Quando do advento da LC 118/05, estava consolidada a orientação da Primeira Seção do STJ no sentido de que, para os tributos sujeitos a lançamento por homologação, o prazo para repetição ou compensação de indébito era de 10 anos contados do seu fato gerador, tendo em conta a aplicação combinada dos arts. 150, § 4º, 156, VII, e 168, I, do CTN. A LC 118/05, embora tenha se auto-proclamado interpretativa, implicou inovação normativa, tendo reduzido o prazo de 10 anos contados do fato gerador para 5 anos contados do pagamento indevido. Lei supostamente interpretativa que, em verdade, inova no mundo jurídico deve ser considerada como lei nova. Inocorrência de violação à autonomia e independência dos Poderes, porquanto a lei expressamente interpretativa também se submete, como qualquer outra, ao controle judicial quanto à sua natureza, validade e aplicação. A aplicação retroativa de novo e reduzido prazo para a repetição ou compensação de indébito tributário estipulado por lei nova, fulminando, de imediato, pretensões deduzidas tempestivamente à luz do prazo então aplicável, bem como a aplicação imediata às pretensões pendentes de ajuizamento quando da publicação da lei, sem resguardo de nenhuma regra de transição, implicam ofensa ao princípio da segurança jurídica em seus conteúdos de proteção da confiança e de garantia do acesso à Justiça. Afastando-se as aplicações inconstitucionais e resguardando-se, no mais, a eficácia da norma, permite-se a aplicação do prazo reduzido relativamente às ações ajuizadas após a vacatio legis, conforme entendimento consolidado por esta Corte no enunciado 445 da Súmula do Tribunal. O prazo de vacatio legis de 120 dias permitiu aos contribuintes não apenas que tomassem ciência do novo prazo, mas também que ajuizassem as ações necessárias à tutela dos seus direitos. Inaplicabilidade do art. 2.028 do Código Civil, pois, não havendo lacuna na LC 118/08, que pretendeu a aplicação do novo prazo na maior extensão possível, descabida sua aplicação por analogia. Além disso, não se trata de lei geral, tampouco impede iniciativa legislativa em contrário. Reconhecida a inconstitucionalidade art. 4º, segunda parte, da LC 118/05, considerando-se válida a aplicação do novo prazo de 5 anos tão-somente às ações ajuizadas após o decurso da vacatio legis de 120 dias, ou seja, a partir de 9 de junho de 2005. Aplicação do art. 543-B, § 3º, do CPC aos recursos sobrestados. Recurso extraordinário desprovido." Dessa feita, considerando que a ação foi ajuizada em 20.02.2009, está prescrita a pretensão de compensação e/ou restituição dos tributos recolhidos, alegadamente a maior, antes de 20.02.2004. Da Prejudicial de Decadência Afirma a Autoridade impetrada que o prazo para manejo do mandado de segurança foi alcançado pela decadência. Rejeito a prejudicial. Há de se ter em vista que os fatos geradores da incidência do ICMS se renovam periodicamente, renovando-se, por conseguinte, o prazo de 120 (cento e vinte) dias para a impetração. Sabe-se, ademais, que a jurisprudência dos tribunais pátrios se orienta pela inaplicabilidade do prazo decadencial de 120 (cento e vinte) dias nos mandados de segurança nos quais o contribuinte pleiteia a compensação de tributos, diante do seu caráter preventivo, que se relaciona diretamente à natureza vinculada e obrigatória da atividade de lançamento Fiscal. Diante disso, existe fundado receio do contribuinte em ser autuado pelo Fisco caso não obtenha provimento jurisdicional que lhe garanta o direito à compensação do tributo. Da Preliminar de Inexistência de Direito Líquido e Certo O impetrado afirma que inexiste direito líquido e certo da impetrada, alegando que esta não juntou aos autos os documentos que comprovem o direito invocado. Rejeito a preliminar, uma vez que os documentos acostados aos autos constituem prova pré-constituída suficiente ao julgamento do WRIT, de sorte que não se faz necessária a dilação probatória, o que viria a tornar inadequada a via eleita, tal como quer fazer crer o impetrado. Da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS A impetrante objetiva a exclusão do ICMS da base de cálculo das contribuições do PIS e da COFINS, sob o argumento de que tal incidência não se coaduna com a disposição do artigo 195, I, "b", da Constituição, a saber: "Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: (...) b) a receita ou o faturamento;" (GRIFEI) No que diz respeito à COFINS, especificamente, tem-se que a LC 70, de 30.12.1991, dispôs da seguinte forma: "Art. 1° Sem prejuízo da cobrança das contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), fica instituída contribuição social para financiamento da Seguridade Social, nos termos do inciso I do art. 195 da Constituição Federal, devida pelas pessoas jurídicas inclusive as a elas equiparadas pela legislação do imposto de renda, destinadas exclusivamente às despesas com atividades-fins das áreas de saúde, previdência e assistência social. Art. 2° A contribuição de que trata o artigo anterior será de dois por cento e incidirá sobre o faturamento mensal, assim considerado a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviço de qualquer natureza. Parágrafo único. Não integra a receita de que trata este artigo, para efeito de determinação da base de cálculo da contribuição, o valor: a) do imposto sobre produtos industrializados, quando destacado em separado no documento fiscal; b) das vendas canceladas, das devolvidas e dos descontos a qualquer título concedidos incondicionalmente. (GRIFEI) Por sua vez, a Lei 9.718, de 27.11.1998, preceitua, no que importa ao PIS/PASEP e à COFINS, que: "Art. 2° As contribuições para o PIS/PASEP e a COFINS, devidas pelas pessoas jurídicas de direito privado, serão calculadas com base no seu faturamento, observadas a legislação vigente e as alterações introduzidas por esta Lei. (Vide MP 2158-35/2001) ... Art. 3º O faturamento a que se refere o artigo anterior corresponde à receita bruta da pessoa jurídica. (Vide Medida Provisória nº 2158-35, de 2001) § 1º Entende-se por receita bruta a totalidade das receitas auferidas pela pessoa jurídica, sendo irrelevantes o tipo de atividade por ela exercida e a classificação contábil adotada para as receitas. § 2º Para fins de determinação da base de cálculo das contribuições a que se refere o art. 2º, excluem-se da receita bruta: I - as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos, o Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI e o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, quando cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário". (GRIFEI) É possível constatar, portanto, que a legislação tributária igualou o faturamento à receita bruta e desconsiderou a denominação ou classificação contábil das receitas componentes. Com isso, fixou o conceito de faturamento de forma mais abrangente, o que implicou no alargamento da base de cálculo das referidas contribuições, nela sendo incluído o ICMS, sendo esse o fato contra o qual a impetrante se insurge. Apesar disso, o STF fixou entendimento de que na base de cálculo da COFINS não deve prever o valor do ICMS, haja vista que este constitui ônus fiscal e não faturamento. A propósito, anoto o respectivo informativo, de nº 437, acerca do RE 240785-2/MG: ICMS na Base de Cálculo da COFINS O Tribunal retomou julgamento de recurso extraordinário em que se discute a constitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo da COFINS, conforme autorizado pelo art. 2º, parágrafo único, da LC 70/91 - v. Informativo 161. Na sessão plenária de 22.3.2006, deliberara-se, diante do tempo decorrido e da nova composição da Corte, a renovação do julgamento. Nesta assentada, o Tribunal, por maioria, conheceu do recurso. Vencidos, no ponto, os Ministros Cármen Lúcia e Eros Grau que dele não conheciam por considerarem ser o conceito de faturamento matéria infraconstitucional. Quanto ao mérito, o Min. Marco Aurélio, relator, deu provimento ao recurso, no que foi acompanhado pelos Ministros Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Carlos Britto, Cezar Peluso e Sepúlveda Pertence. Entendeu estar configurada a violação ao art. 195, I, da CF, ao fundamento de que a base de cálculo da COFINS somente pode incidir sobre a soma dos valores obtidos nas operações de venda ou de prestação de serviços, ou seja, sobre a riqueza obtida com a realização da operação, e não sobre ICMS, que constitui ônus fiscal e não faturamento ("Art. 195. A seguridade social será financiada... mediante recursos provenientes... das seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:... b) a receita ou faturamento."). O Min. Eros Grau, em divergência, negou provimento ao recurso por considerar que o montante do ICMS integra a base de cálculo da COFINS, porque está incluído no faturamento, haja vista que é imposto indireto que se agrega ao preço da mercadoria. Após, o julgamento, foi suspenso em virtude do pedido de vista do Min. Gilmar Mendes. RE 240785/MG, rel. Min. Marco Aurélio, 24.8.2006. (RE-240785) (GRIFEI) De fato, descabe ter em vista o ICMS como faturamento, considerando que as empresas não vendem ou comercializam impostos, mas mercadorias ou serviços, das quais provém sua receita. O ICMS representa apenas entrada de dinheiro, pois não é receita da empresa, vez que não lhe pertence, mas ao Estado. Destarte, sufragando o julgamento do STF, concluo que o legislador ordinário exorbitou do poder de tributar, ao fazer constar da base de cálculo da COFINS o ICMS, chegando a alterar a noção de faturamento, em afronta ao contido no art. 110 do CTN: "Art. 110. A lei tributária não pode alterar a definição, o conteúdo e o alcance de institutos, conceitos e formas de direito privado, utilizados, expressa ou implicitamente, pela Constituição Federal, pelas Constituições dos Estados, ou pelas Leis Orgânicas do Distrito Federal ou dos Municípios, para definir ou limitar competências tributárias." Da compensação dos valores pagos a maior Por outro lado, sobre a compensação do indébito, esta deve ser feita pela sistemática da Lei 10.637/2002. No âmbito do lançamento por homologação, o contribuinte realiza por si mesmo a compensação, a qual extingue o crédito tributário sob condição resolutória de ulterior homologação pelo Fisco. Se por acaso o contribuinte for fiscalizado e a Fazenda entender que a compensação está irregular, comunicará ao contribuinte a não-homologação e o intimará para pagamento. Nesse sentido, a LC 104/2001 introduziu ao CTN o artigo 170-A, com a seguinte redação: Art. 170-A. É vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial. Realço que a autonomia do contribuinte para efetuar a compensação não é incompatível com a norma transcrita acima. Com isso, caso o contribuinte deseje discutir judicialmente a exigibilidade do crédito tributário, deverá abrir mão da faculdade de efetuar compensação por conta própria, aguardando o desfecho definitivo da ação judicial. Da atualização monetária Já no que tange à atualização do crédito, tenho que com o advento da Lei 9.250/95, a partir de 01.01.1996, as contribuições a serem compensadas devem ser acrescidas de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir da data do pagamento indevido até o mês anterior ao da compensação e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que estiver sendo efetuada (§ 4º do art. 39 da Lei 9.250, de 26.12.1995). No caso dos autos, a partir de 20.02.2004, incidirá apenas a taxa SELIC, já que agrega taxa de juros e correção monetária. D I S P O S I T I V O ISSO POSTO, concedo a segurança para assegurar à impetrante o direito de excluir, da base de cálculo da contribuição ao PIS e COFINS, o valor do ICMS destacado das notas fiscais de venda de mercadoria e serviços, assim como a compensar o indébito pago a contar de 20.02.2004, após o trânsito em julgado da sentença, com prestações vencidas e/ou vincendas de quaisquer tributos arrecadados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, exceto as contribuições sociais elencadas no art. 2º da Lei 11.457/2007, corrigindo-se o seu crédito pela taxa SELIC. De consequência, deve a autoridade impetrada se abster de praticar atos coativos caso seja realizada a compensação, bem como em caso de não pagamento do PIS e da COFINS tendo o ICMS como base de cálculo. Sem condenação em honorários advocatícios (artigo 23, lei 12.016/09). Custas, na forma da lei. Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 22 de agosto de 2013. CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ Juíza Federal da 3ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0001211-21.2009.4.05.8200 1 Cristina Maria Costa Garcez Juíza Federal Titular

   

0001696-79.2013.4.05.8200 CLAUDIA MARQUES DE MEDEIROS OLIVEIRA (Adv. ANTONIO CARLOS MARQUES) x PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DA PARAIBA (Adv. SEM ADVOGADO)

Considerando o retorno do Agravo de Instrumento nº 0003160-03.2013.4.05.0000, convertido em retido (fls.167/229), dê-se vista a impetrante pelo prazo de dez dias, nos termos do art. 523, § 2º do CPC. Após, ao MPF. Publique-se.

   

0004589-48.2010.4.05.8200 CARVAPLAST - INDUSTRIA E COMERCIO DE PLASTICOS S/A (Adv. ANA KATTARINA BARGETZI NOBREGA) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COM SEDE EM JOÃO PESSOA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

Mandado de Segurança Impetrante: CARVAPLAST - Indústria e Comércio de Plásticos S/A Impetrado: Delegado da Receita Federal do Brasil em João Pessoa/PB S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Trata-se de mandado de segurança impetrado por CARVAPLAST - INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PLÁSTICOS S/A contra ato atribuído ao DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM JOÃO PESSOA/PB, objetivando a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS, bem como a compensação dos valores recolhidos indevidamente. Pugna, também, pelo afastamento de quaisquer atos coativos por parte do impetrado, caso venha a efetuar a aludida compensação e/ou cesse o pagamento do PIS e da COFINS tendo como base de cálculo o ICMS. Alega a impetrante que o ICMS não pode integrar a base de cálculo para os aludidos tributos, uma vez que não se insere no conceito de faturamento por não ingressar nos cofres da empresa. Ademais, entende ter direito à compensação dos valores pagos a maior nos dez anos anteriores ao ajuizamento da ação. Decisão às fls. 146/147 determinou a emenda à inicial a fim de adequar o valor da causa (inicialmente arbitrado na base de R$ 30.000,00) ao real proveito econômico almejado pela parte. Às fls. 149/151, a impetrante cumpriu a determinação, atribuindo à causa o valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais), comprovando a complementação das custas. Às fls. 155/156, foi determinado o sobrestamento do presente feito, em virtude de determinação do Supremo Tribunal Federal, em sede da ADC n.º 18, no sentido de serem paralisadas todas as ações que versem sobre o tema em pauta. Interposição de embargos de declaração (fls. 158/159) para sanar suposta obscuridade da aludida decisão. Não houve integração da decisão embargada (fl. 161), uma vez que não foi detectada a obscuridade apontada. Despacho à fl. 168 determinou a notificação da autoridade coatora para prestar informações, dando-se ciência ao seu representante judicial. Em seguida, foi determinada a remessa ao MPF. Às fls. 175/196 o impetrado se manifestou, alegando, nas preliminares, a inexistência de direito líquido e certo, bem como a decadência do direito à impetração do mandado de segurança. No mérito, alegou ser legítima a incidência do PIS e da COFINS sobre o ICMS, eis que este último não foi expressamente excluído do conceito de faturamento. A União (Fazenda Nacional), na qualidade de representante do impetrado, manifestou interesse de participar do feito, embora não tenha apresentado quaisquer documentos. Às fls. 201/207, o Ministério Público Federal não se manifestou sobre o feito, alegando não possuir interesse na demanda ante a ausência de interesse público. Despacho à fl. 208 apontou a cessação da eficácia do provimento cautelar que ensejou o sobrestamento supramencionado, de forma que se deu seguimento ao feito. É o que importa relatar. F U N D A M E N T A Ç Ã O Da Prescrição Em se tratando de matéria que pode ser reconhecida de ofício pelo juízo, passo à análise da prescrição, ex vi do disposto no ª 5º do art. 219 do CPC. Tratando-se de ação ajuizada após o advento da LC 118/05, aplica-se o prazo prescricional de 5 anos, na forma decidida pelo STF no RE 56621 (repercussão geral), cuja ementa transcreve-se: DIREITO TRIBUTÁRIO - LEI INTERPRETATIVA - APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI COMPLEMENTAR Nº 118/2005 - DESCABIMENTO - VIOLAÇÃO À SEGURANÇA JURÍDICA - NECESSIDADE DE OBSERVÂNCIA DA VACACIO LEGIS - APLICAÇÃO DO PRAZO REDUZIDO PARA REPETIÇÃO OU COMPENSAÇÃO DE INDÉBITOS AOS PROCESSOS AJUIZADOS A PARTIR DE 9 DE JUNHO DE 2005. Quando do advento da LC 118/05, estava consolidada a orientação da Primeira Seção do STJ no sentido de que, para os tributos sujeitos a lançamento por homologação, o prazo para repetição ou compensação de indébito era de 10 anos contados do seu fato gerador, tendo em conta a aplicação combinada dos arts. 150, § 4º, 156, VII, e 168, I, do CTN. A LC 118/05, embora tenha se auto-proclamado interpretativa, implicou inovação normativa, tendo reduzido o prazo de 10 anos contados do fato gerador para 5 anos contados do pagamento indevido. Lei supostamente interpretativa que, em verdade, inova no mundo jurídico deve ser considerada como lei nova. Inocorrência de violação à autonomia e independência dos Poderes, porquanto a lei expressamente interpretativa também se submete, como qualquer outra, ao controle judicial quanto à sua natureza, validade e aplicação. A aplicação retroativa de novo e reduzido prazo para a repetição ou compensação de indébito tributário estipulado por lei nova, fulminando, de imediato, pretensões deduzidas tempestivamente à luz do prazo então aplicável, bem como a aplicação imediata às pretensões pendentes de ajuizamento quando da publicação da lei, sem resguardo de nenhuma regra de transição, implicam ofensa ao princípio da segurança jurídica em seus conteúdos de proteção da confiança e de garantia do acesso à Justiça. Afastando-se as aplicações inconstitucionais e resguardando-se, no mais, a eficácia da norma, permite-se a aplicação do prazo reduzido relativamente às ações ajuizadas após a vacatio legis, conforme entendimento consolidado por esta Corte no enunciado 445 da Súmula do Tribunal. O prazo de vacatio legis de 120 dias permitiu aos contribuintes não apenas que tomassem ciência do novo prazo, mas também que ajuizassem as ações necessárias à tutela dos seus direitos. Inaplicabilidade do art. 2.028 do Código Civil, pois, não havendo lacuna na LC 118/08, que pretendeu a aplicação do novo prazo na maior extensão possível, descabida sua aplicação por analogia. Além disso, não se trata de lei geral, tampouco impede iniciativa legislativa em contrário. Reconhecida a inconstitucionalidade art. 4º, segunda parte, da LC 118/05, considerando-se válida a aplicação do novo prazo de 5 anos tão-somente às ações ajuizadas após o decurso da vacatio legis de 120 dias, ou seja, a partir de 9 de junho de 2005. Aplicação do art. 543-B, § 3º, do CPC aos recursos sobrestados. Recurso extraordinário desprovido." Dessa feita, considerando que a ação foi ajuizada em 08.06.2010, está prescrita a pretensão de compensação e/ou restituição dos tributos recolhidos, alegadamente a maior, antes de 08.06.2005. Da Preliminar de Decadência Afirma a Autoridade impetrada que o prazo para manejo do mandado de segurança foi alcançado pela decadência. Rejeito a prejudicial. Há de se ter em vista que os fatos geradores da incidência do ICMS se renovam periodicamente, renovando-se, por conseguinte, o prazo de 120 (cento e vinte) dias para a impetração. Sabe-se, ademais, que a jurisprudência dos tribunais pátrios se orienta pela inaplicabilidade do prazo decadencial de 120 (cento e vinte) dias nos mandados de segurança nos quais o contribuinte pleiteia a compensação de tributos, diante do seu caráter preventivo, que se relaciona diretamente à natureza vinculada e obrigatória da atividade de lançamento Fiscal. Diante disso, existe fundado receio do contribuinte em ser autuado pelo Fisco caso não obtenha provimento jurisdicional que lhe garanta o direito à compensação do tributo. Da Preliminar de Inexistência de Direito Líquido e Certo O impetrado afirma que inexiste direito líquido e certo da impetrada, alegando que esta não juntou aos autos os documentos que comprovem o direito invocado. Rejeito a preliminar, uma vez que os documentos acostados às fls. 53/141 constituem prova pré-constituída suficiente ao julgamento do WRIT, de sorte que não se faz necessária a dilação probatória, o que viria a tornar inadequada a via eleita, tal como quer fazer crer o impetrado. Da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS A impetrante objetiva a exclusão do ICMS da base de cálculo das contribuições do PIS e da COFINS, sob o argumento de que tal incidência não se coaduna com a disposição do artigo 195, I, "b", da Constituição, a saber: "Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, nos termos da lei, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, e das seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: (...) b) a receita ou o faturamento;" (GRIFEI) No que diz respeito à COFINS, especificamente, tem-se que a LC 70, de 30.12.1991, dispôs da seguinte forma: "Art. 1° Sem prejuízo da cobrança das contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), fica instituída contribuição social para financiamento da Seguridade Social, nos termos do inciso I do art. 195 da Constituição Federal, devida pelas pessoas jurídicas inclusive as a elas equiparadas pela legislação do imposto de renda, destinadas exclusivamente às despesas com atividades-fins das áreas de saúde, previdência e assistência social. Art. 2° A contribuição de que trata o artigo anterior será de dois por cento e incidirá sobre o faturamento mensal, assim considerado a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviço de qualquer natureza. Parágrafo único. Não integra a receita de que trata este artigo, para efeito de determinação da base de cálculo da contribuição, o valor: a) do imposto sobre produtos industrializados, quando destacado em separado no documento fiscal; b) das vendas canceladas, das devolvidas e dos descontos a qualquer título concedidos incondicionalmente. (GRIFEI) Por sua vez, a Lei 9.718, de 27.11.1998, preceitua, no que importa ao PIS/PASEP e à COFINS, que: "Art. 2° As contribuições para o PIS/PASEP e a COFINS, devidas pelas pessoas jurídicas de direito privado, serão calculadas com base no seu faturamento, observadas a legislação vigente e as alterações introduzidas por esta Lei. (Vide MP 2158-35/2001) ... Art. 3º O faturamento a que se refere o artigo anterior corresponde à receita bruta da pessoa jurídica. (Vide Medida Provisória nº 2158-35, de 2001) § 1º Entende-se por receita bruta a totalidade das receitas auferidas pela pessoa jurídica, sendo irrelevantes o tipo de atividade por ela exercida e a classificação contábil adotada para as receitas. § 2º Para fins de determinação da base de cálculo das contribuições a que se refere o art. 2º, excluem-se da receita bruta: I - as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos, o Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI e o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, quando cobrado pelo vendedor dos bens ou prestador dos serviços na condição de substituto tributário". (GRIFEI) É possível constatar, portanto, que a legislação tributária igualou o faturamento à receita bruta e desconsiderou a denominação ou classificação contábil das receitas componentes. Com isso, fixou o conceito de faturamento de forma mais abrangente, o que implicou no alargamento da base de cálculo das referidas contribuições, nela sendo incluído o ICMS, sendo esse o fato contra o qual a impetrante se insurge. Apesar disso, o STF fixou entendimento de que na base de cálculo da COFINS não deve prever o valor do ICMS, haja vista que este constitui ônus fiscal e não faturamento. A propósito, anoto o respectivo informativo, de nº 437, acerca do RE 240785-2/MG: ICMS na Base de Cálculo da COFINS O Tribunal retomou julgamento de recurso extraordinário em que se discute a constitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo da COFINS, conforme autorizado pelo art. 2º, parágrafo único, da LC 70/91 - v. Informativo 161. Na sessão plenária de 22.3.2006, deliberara-se, diante do tempo decorrido e da nova composição da Corte, a renovação do julgamento. Nesta assentada, o Tribunal, por maioria, conheceu do recurso. Vencidos, no ponto, os Ministros Cármen Lúcia e Eros Grau que dele não conheciam por considerarem ser o conceito de faturamento matéria infraconstitucional. Quanto ao mérito, o Min. Marco Aurélio, relator, deu provimento ao recurso, no que foi acompanhado pelos Ministros Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Carlos Britto, Cezar Peluso e Sepúlveda Pertence. Entendeu estar configurada a violação ao art. 195, I, da CF, ao fundamento de que a base de cálculo da COFINS somente pode incidir sobre a soma dos valores obtidos nas operações de venda ou de prestação de serviços, ou seja, sobre a riqueza obtida com a realização da operação, e não sobre ICMS, que constitui ônus fiscal e não faturamento ("Art. 195. A seguridade social será financiada... mediante recursos provenientes... das seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre:... b) a receita ou faturamento."). O Min. Eros Grau, em divergência, negou provimento ao recurso por considerar que o montante do ICMS integra a base de cálculo da COFINS, porque está incluído no faturamento, haja vista que é imposto indireto que se agrega ao preço da mercadoria. Após, o julgamento, foi suspenso em virtude do pedido de vista do Min. Gilmar Mendes. RE 240785/MG, rel. Min. Marco Aurélio, 24.8.2006. (RE-240785) (GRIFEI) De fato, descabe ter em vista o ICMS como faturamento, considerando que as empresas não vendem ou comercializam impostos, mas mercadorias ou serviços, das quais provém sua receita. O ICMS representa apenas entrada de dinheiro, pois não é receita da empresa, vez que não lhe pertence, mas ao Estado. Destarte, sufragando o julgamento do STF, concluo que o legislador ordinário exorbitou do poder de tributar, ao fazer constar da base de cálculo da COFINS o ICMS, chegando a alterar a noção de faturamento, em afronta ao contido no art. 110 do CTN: "Art. 110. A lei tributária não pode alterar a definição, o conteúdo e o alcance de institutos, conceitos e formas de direito privado, utilizados, expressa ou implicitamente, pela Constituição Federal, pelas Constituições dos Estados, ou pelas Leis Orgânicas do Distrito Federal ou dos Municípios, para definir ou limitar competências tributárias." Da compensação dos valores pagos a maior Por outro lado, sobre a compensação do indébito, esta deve ser feita pela sistemática da Lei 10.637/2002. No âmbito do lançamento por homologação, o contribuinte realiza por si mesmo a compensação, a qual extingue o crédito tributário sob condição resolutória de ulterior homologação pelo Fisco. Se por acaso o contribuinte for fiscalizado e a Fazenda entender que a compensação está irregular, comunicará ao contribuinte a não-homologação e o intimará para pagamento. Nesse sentido, a LC 104/2001 introduziu ao CTN o artigo 170-A, com a seguinte redação: Art. 170-A. É vedada a compensação mediante o aproveitamento de tributo, objeto de contestação judicial pelo sujeito passivo, antes do trânsito em julgado da respectiva decisão judicial. Realço que a autonomia do contribuinte para efetuar a compensação não é incompatível com a norma transcrita acima. Com isso, caso o contribuinte deseje discutir judicialmente a exigibilidade do crédito tributário, deverá abrir mão da faculdade de efetuar compensação por conta própria, aguardando o desfecho definitivo da ação judicial. Da atualização monetária Já no que tange à atualização do crédito, tenho que com o advento da Lei 9.250/95, a partir de 01.01.1996, as contribuições a serem compensadas devem ser acrescidas de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir da data do pagamento indevido até o mês anterior ao da compensação e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que estiver sendo efetuada (§ 4º do art. 39 da Lei 9.250, de 26.12.1995). No caso dos autos, a partir de 08.06.2005, incidirá apenas a taxa SELIC, já que agrega taxa de juros e correção monetária. D I S P O S I T I V O ISSO POSTO, concedo a segurança, para assegurar à impetrante o direito de excluir, da base de cálculo da contribuição ao PIS e COFINS, o valor do ICMS destacado das notas fiscais de venda de mercadoria e serviços, assim como a compensar o indébito pago a contar de 08.06.2005, após o trânsito em julgado da sentença, com prestações vencidas e/ou vincendas de quaisquer tributos arrecadados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, exceto as contribuições sociais elencadas no art. 2º da Lei 11.457/2007, corrigindo-se o seu crédito pela taxa SELIC. De consequência, deve a autoridade impetrada se abster de praticar atos coativos caso seja realizada a compensação, bem como em caso de não pagamento do PIS e da COFINS tendo o ICMS como base de cálculo. Sem condenação em honorários advocatícios (artigo 23, lei 12.016/09). Custas, na forma da lei. Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 13 de agosto de 2013. CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ Juíza Federal da 3ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0004589-48.2010.4.05.8200 8 Cristina Maria Costa Garcez Juíza Federal Titular

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0000057-26.2013.4.05.8200 COMISSAO DE TRANSICAO ADMINISTRATIVA DO MUNICIPIO DE BAYEUX (Adv. CELSO FERNANDES DA SILVA JUNIOR, MANOLYS MARCELINO P DE SILANS) x MUNICÍPIO DE BAYEUX/PB (Adv. RICARDO SERVULO FONSECA DA COSTA, ALICE QUEIROGA DE VASCONCELOS) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação Cautelar Requerentes: COMISSÃO DE TRANSIÇÃO ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE BAYEUX/PB e EXPEDITO PEREIRA DE SOUZA Litisconsorte ativo: MUNICÍPIO DE BAYEUX/PB Requerida: UNIÃO S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de ação cautelar c/c pedido de liminar intentada pela COMISSÃO DE TRANSIÇÃO ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE BAYEUX/PB e EXPEDITO PEREIRA DE SOUZA, na condição de prefeito eleito, em face da UNIÃO, objetivando a suspensão em definitivo da inclusão do nome do Município no CAUC/SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira), decorrente de irregularidades em convênios praticados em gestões anteriores. Alegam que: - o Município se encontra inscrito no CAUC/SIAFI, em razão de irregularidades acusadas em certidões de diversos órgãos federais; - os convênios e dívidas relativas a tributos e contribuições previdenciárias nos quais foram detectadas irregularidades tiveram início e vigência em gestões anteriores, sem qualquer ingerência do prefeito eleito para o mandato de 2013/2016, apesar disso, essas pendências/irregularidades são as causas responsáveis por inviabilizar sua gestão já no primeiro mês de exercício, diante da impossibilidade de firmar convênio com o Governo Federal; - há interesse de agir da Comissão e do prefeito eleito na busca da regularização do Município, a fim de viabilizar as emendas e recursos de programação dos Ministérios da Agricultura e do Turismo, para a celebração de convênios com o intuito de execução de obras e aquisição de maquinário agrícola para o Município; - faz-se necessária a inclusão do Município de Bayeux/PB como litisconsorte ativo necessário; - ilegal é a inclusão do Município no CAUC/SIAFI, vez que a responsabilidade deve ser atribuída aos gestores anteriores; - havendo irregularidade/omissão na prestação de contas por parte do ex-gestor, é dever da Administração Pública tomar as medidas necessárias à apuração dos fatos e ao ressarcimento ao Erário; - não se revela razoável manter a inadimplência do Município enquanto não for instaurada a competente tomada de contas especial e ação de improbidade administrativa em face do administrador faltoso, com remessa do processo ao TCU, sob pena de inviabilizar a celebração de convênios do Município com a União ou com entidade da Administração Pública Federal; - proporá ação principal de obrigação de fazer, no prazo de trinta dias, em face da União. O pedido de liminar foi indeferido (fls. 39/40). O Município de Bayeux/PB manifestou interesse em integrar a lide (fls. 49). Despacho às fls. 57 ordenando a sua inclusão no pólo ativo. Na contestação, a União Federal contra-argumenta que (fls. 52/56): - nem a Comissão de Transição do Município, nem Expedito Pereira de Souza possuem legitimidade ativa ad causam; - os demandantes não demonstraram a presença dos requisitos essenciais da cautela, quais seja a plausibilidade das alegações e o periculum in mora; - a presente ação cautelar em nada contribuirá para garantir eventual resultado útil da lide principal; - é impossível a concessão de tutela satisfativa em ação cautelar; - o Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias não é um cadastro de inadimplentes, não sendo sequer de consulta obrigatória, uma vez que é facultada a comprovação por documentos (Lei 12.465/2011). Sem impugnação à contestação (fls. 64). F U N D A M E N T A Ç Ã O PRELIMINAR ILEGITIMIDADE ATIVA AD CAUSAM Acolho a preliminar de ilegitimidade ativa ad causam levantada pela União. Quem deve propor a ação visando a suspensão da inclusão do seu nome nos registros do CAUC/SIAFI é o próprio Município. A demanda, então, prossegue tendo o Município como requerente, o qual já ingressou na ação como litisconsorte ativo. Excluam-se, pois, a Comissão de Transição Administrativa do Município de Bayeux/Pb e o prefeito eleito, EXPEDITO PEREIRA DE SOUZA, do pólo ativo. Correções cartorárias. MÉRITO A pretensão logrou acautelar a possibilidade de destinação ao Município de valores a serem inclusos no Orçamento Geral da União para o ano de 2013, postulados mediante Ofício nº 23/2012/ETB/PB. Foram colacionados aos autos ofícios parlamentares nºs 0831/2012/DO_GSVREG e 0857/2012/DO_GSVREG, contendo a indicação de disponibilização de emendas e recursos de programação do Ministério da Integração Nacional, destinando R$ 10.000.000,00 reais para a infra-estrutura hídrica do Município. Quanto à urgência, veio justificada com a Portaria nº 605, de 10.12.2012, da Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, que, no art. 2º, autoriza o empenho de dotações orçamentárias até 31.12.2012 para o atendimento de despesas não previstas no § 1º do art. 12 do Decreto 7.680/2012. Embora a parte requerente aponte que o Município de Bayeux/PB se encontre com pendências cadastrais junto ao SIAFI (CAUC), não demonstrou o efetivo risco de o ente ser obstado em algum repasse de valor até o dia 31.12.2012, isso porque a data limite apontada na portaria 605/2012 diz respeito ao prazo para empenho para o atendimento de despesas referidas no Decreto 7.680/2012, que trata da execução orçamentária do ano de 2012, ou seja, projetos e convênios já em execução, mediante recursos previstos na Lei Orçamentária Anual do ano de 2012. Vale dizer, a data apontada, 31.12.2012, não condicionou ou limitou a este prazo a inclusão de recursos do Orçamento Geral da União do ano de 2013, nada impedindo que os valores ali previstos sejam utilizados no ano vindouro, mediante convênio já celebrado ou futuramente estabelecido, após a regularização das pendências já apontadas. E, sobre a regularização das pendências, o art. 37, § 1º, da Lei 12.465, de 12.08.2011, faculta ao ente público fazer a sua comprovação por meio documental, caso não queira se valer de extratos do CAUC, o que possibilita ao Município eventualmente demonstrar, para continuar a receber os repasses, a responsabilidade dos gestores anteriores pelas irregularidades/pendências que levaram o seu nome a registro. Art. 37. O ato de entrega dos recursos correntes e de capital a outro ente da Federação, a título de transferência voluntária, nos termos do art. 25 da LRF, é caracterizado no momento da assinatura do respectivo convênio ou contrato, bem como na assinatura dos correspondentes aditamentos de valor, e não se confunde com as liberações financeiras de recurso, que devem obedecer ao cronograma de desembolso previsto no convênio ou contrato de repasse. § 1o A demonstração, por parte dos Estados, Distrito Federal e Municípios, do cumprimento das exigências para a realização de transferência voluntária se dará exclusivamente no momento da assinatura do respectivo convênio ou contrato, ou na assinatura dos correspondentes aditamentos de valor, e deverá ser feita por meio de apresentação, ao órgão concedente, de documentação comprobatória da regularidade ou, a critério do beneficiário, de extrato emitido pelo subsistema Cadastro Único de Convenentes - CAUC do SIAFI, ou por sistema eletrônico de requisitos fiscais que o substitua, disponibilizado pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda - STN/MF. D I S P O S I T I V O PELO EXPOSTO, julgo IMPROCEDENTE o pedido. Honorários a serem suportados pelo requerente sucumbente no importe de R$ 500,00 (quinhentos reais). Sem custas. O sucumbente é isento (Lei 9.289, de 04.07.1996, art. 4º, inciso I1). Transitada a sentença em julgado, dê-se baixa e arquivem-se os autos. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 13 de setembro de 2013. CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ Juíza Federal da 3ª Vara 1 Art. 4° São isentos de pagamento de custas: I - a União, os Estados, os Municípios, os Territórios Federais, o Distrito Federal e as respectivas autarquias e fundações; (GRIFEI) ?? ?? ?? ?? 5 PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU - SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA - 3ª VARA Processo nº 0000057-26.2013.4.05.8200 5 Cristina Maria Costa Garcez Juíza Federal da 3ª Vara

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000642-54.2008.4.05.8200 MUNICIPIO DE PILOEZINHOS/PB (Adv. ANAXIMANDRO DE ALBUQUERQUE SIQUEIRA SOUSA) x UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO) x MUNICIPIO DE PILOEZINHOS/PB

Indefiro o pedido de fls. 255/256, em virtude da verba sucumbencial pertencer a UNIÃO. Intime-se. Cumpra-se o despacho de fl. 248.

   

0000876-51.1999.4.05.8200 ODETE GOMES DOS SANTOS (EXTINTO, CONF.SENTENCA DE FLS.35) E OUTROS (Adv. GUILHERME BARROS MAIA DO AMARAL) x MARLUCE DA FRANCA ANDRADE (Adv. MARILEIDE MOREIRA ALVES DA CUNHA, JOANNES PAULUS MOREIRA VASCONCELOS DE ANDRADE) x MARLENE FERREIRA DE FRANCA E OUTRO x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RAIMUNDO DE ALMEIDA JUNIOR)

Cuida-se de execução por título judicial, movida por MARLUCE DE FRANÇA ANDRADE (habilitada em razão do falecimento de João da Mata de Andrade) contra o INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS. Regularmente processado o feito, foram expedidas as requisições de pagamento - RPV's, em favor da referida exeqüente e no tocante aos honorários advocatícios de sucumbência. Conforme informações acostadas às fls. 183/184, os valores requisitados foram depositados. Do exposto, declaro extinta a presente execução, com arrimo no Art. 794, I, do CPC, em relação a Marluce de França Andrade. Quanto aos autores remanescentes (Sebastiana da Silva Souza e Severina Olinto de Figueiredo), não tendo os mesmos se pronunciado sobre a execução do julgado, arquivem-se os autos com baixa na distribuição, facultando-se o seu desarquivamento antes de consumado o prazo prescricional. P.R.I.

   

0001589-06.2011.4.05.8200 MARGARIDA SEVERINA DA CONCEIÇÃO (Adv. ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Em razão da iminência do término do prazo para inscrição dos precatórios de 2014, determino a remessa imediata dos requisitórios expedidos ao eg. TRF da 5ª Região, dando-se vista as partes, em seguida, sobre as requisições. Registro que, com a remessa imediata, não há risco irreversível ao erário público, já que o montante requisitado pode ser retificado ou suspenso antes do pagamento, o qual somente dar-se-á no ano vindouro.

   

0002011-69.1997.4.05.8200 ASSOCIACAO DOS SERVIDORES DO MINISTERIO DA AGRICULTURA NA PARAIBA (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, GEORGE SARMENTO LINS, FERNANDO FREIRE DIAS, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) x ASSOCIACAO DOS SERVIDORES DO MINISTERIO DA AGRICULTURA NA PARAIBA x UNIAO (DELEGACIA FEDERAL DO MINISTERIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO) (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA) x UNIAO (MINISTERIO DA AGRICULTURA)

Considerando que da decisão determinando a expedição de precatório (fls. 4094/4096), houve interposição de agravo de instrumento pela União, ordeno que os valores, que vierem a ser depositados, objeto do precatório nº 2013.82.00.003.000481, fiquem à disposição deste Juízo. Após o trânsito em julgado do referido recurso e não havendo alteração da decisão agravada, o referido valor deverá ser liberado em favor do exequente. Por fim, aguarde-se o trânsito em julgado do agravo e o pagamento do precatório. FORMA DE CUMPRMENTO 1- Expedição de ofício ao TRF/5ª Região; 2- Publicação; 3- Remessa à AGU.

   

0002148-60.2011.4.05.8200 ROBSON FRAZÃO DINIZ (Adv. VENANCIO VIANA DE MEDEIROS FILHO, VENÂNCIO VIANA DE MEDEIROS NETO) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Encaminhem-se os autos à Assessoria Contábil, conforme requerido (fl. 98). Apurados os valores, intime-se o promovente para que, no prazo de 10(dez) dias, promova a citação da União, nos termos do art. 730 do CPC.

   

0005789-56.2011.4.05.8200 MATHEUS ARNAUD MACAMBIRA GUEDES (Adv. TERESINHA DE LISIEUX ALMEIDA NOGUEIRA, FLAVIA ALMEIDA ARNAUD) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Cuida-se de execução por título judicial, movida por MATHEUS ARNAUD MACAMBIRA GUEDES contra INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS. Regularmente processado o feito, foram expedidas as requisições de pagamento - RPV's, em favor do exeqüente e em relação aos honorários advocatícios de sucumbência (fls. 83 e 84). Conforme informações acostadas às fls. 90 e 91, os valores requisitados foram depositados. Do exposto, declaro extinta a presente execução com arrimo no Art. 794, I, do CPC. Dê-se baixa e arquivem-se os autos. P.R.I.

   

0007057-53.2008.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF E OUTROS (Adv. CAIUS MARCELLUS DE A. LACERDA, RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA, SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA, MÔNICA DE SOUSA ROCHA BARBOSA) x MANOEL VIEIRA CARNEIRO x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (Adv. ALZIRA CABRAL MEDEIROS)

Em obediência ao provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87, item 06, abro vista à parte exequente sobre a petição e documentos apresentados pelo DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS (fls.156/159), para pronunciamento no prazo de 05(cinco) dias. João Pessoa, 05/09/2013. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora da Secretaria da 3ª Vara

   

0007221-18.2008.4.05.8200 ELIZABETE MARCONE HILÁRIO (Adv. EMERSON NEVES DE SIQUEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. VERA LUCIA PEREIRA DE ARAUJO)

Cuida-se de execução por título judicial, movida por ELIZABETE MARCONE HILÁRIO contra INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS. Regularmente processado o feito, foram expedidas as requisições de pagamento - RPV's, em favor da exeqüente e em relação aos honorários advocatícios de sucumbência (fls. 204 e 205). Conforme informações acostadas às fls. 212/213, os valores requisitados foram depositados. Do exposto, declaro extinta a presente execução com arrimo no Art. 794, I, do CPC. Dê-se baixa e arquivem-se os autos. P.R.I.

   

0007627-10.2006.4.05.8200 RAIMUNDA VIANA MONTEIRO DE OLIVEIRA (Adv. SYLVIO MARCUS F DE MIRANDA, HARUANA CACHORROSKI CARDOSO, VERA BEGA DE MIRANDA, RODOLFO BEZERRA DE MELO) x UNIÃO - MINISTÉRIO DA DEFESA - EXÉRCITO BRASILEIRO (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO)

1. Cuida-se de pedido de execução, fls. 348/349, requerido pelo advogado Haruanã Cachorroski Cardoso referente à verba honorária sucumbencial, bem como que os honorários sejam pagos em partes iguais em seu favor e em favor dos advogados Sylvio Marcus Fernandes de Miranda, Vera Bega de Miranda e Rodolfo Bezerra de Melo. 2. Primeiramente, cumpre frisar, que os honorários sucumbenciais são devidos aos advogados habilitados no processo de conhecimento, pois os honorários fixados na sentença condenatória visam remunerar o advogado pelo trabalho despendido no processo de conhecimento. 3. Assim, uma vez que a verba da sucumbência pertence ao advogado, a parte vencedora não possui disponibilidade sobre tais valores. A esse respeito, ensina Yussef Said Cahali na sua clássica obra Honorários Advocatícios (Ed. RT, 3ª ed., pp. 823/824: "Ocorrendo a revogação da procuração, subsiste, em linha de princípio, o direito autônomo do advogado aos honorários, na dependência, contudo, do momento em que aquela revogação tiver ocorrido. (...) A sentença marca o momento histórico da aquisição do direito autônomo do advogado, pelo implemento da condição que lhe faz nascer esse direito; em outros termos, os honorários de sucumbência, a partir de então, pertencem definitivamente ao advogado que estava atuando na demanda." 4. Dessa forma, defiro o pedido do advogado para que seja citada a União nos moldes do art. 730 CPC (fls. 348/349) e acolho o pedido do advogado para que os honorários sejam repartidos em partes iguais em favor de HARUANÂ CACHORROSKI CARDOSO, OAB/PB 12.887, SYLVIO MARCUS FERNANDES DE MIRANDA, OAB/PB 10.882, RODLFO BEZERRA DE MELO, OAB/PB 9467-E e VERA BEGA DE MIRANDA, OAB/PB 11.063. FORMA DE CUMPRIMENTO 1- Remessa à União, para fins de citação no art. 730 do CPC. 2- Publicação (itens 1 a 4 supra);

   

0007727-28.2007.4.05.8200 PEDRO FERREIRA DA SILVA (Adv. IBER CAMARA DE OLIVEIRA, KEILA CRISTINA BRITO DA SILVA, JEAN CAMARA DE OLIVEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RICARDO NEY DE FARIAS XIMENES)

Cuida-se de execução de sentença mandamental da Ação Ordinária promovida por PEDRO FERREIRA DA SILVA em face do INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS, nos termos do art. 461 do CPC. Devidamente intimado, o Instituto-executado, informou sobre o cumprimento da obrigação de fazer, apresentando o cálculo relativo aos valores atrasados a que faz jus o exequente (fls. 229/240). Intimada para pronunciamento, a exequente concordou com cumprimento da obrigação fazer e com o cálculo apresentado, bem, como requereu a expedição de RPV's (fls. 258, 260/264). Em face do exposto, declaro satisfeita a obrigação de fazer. Por outro lado, no que concerne a expedição do requisitório de pagamento, tenho que a execução não foi adequadamente proposta (fls. 260/264), sendo necessária a formulação do requerimento de citação do INSS, nos termos do art. 730 do CPC, pela parte exequente. E, posteriormente, a citação do órgão nos mesmos termos. A Resolução nº 168 de 05/12/2011 / CJF - Conselho de Justiça Federal em seu art. 8º 1 disciplina a elaboração do ofício requisitório e requer dentre outros elementos: a data do trânsito em julgado dos embargos à execução, se houver; a data do protocolo de simples impugnação; ou a data do decurso de prazo para sua oposição, sem que tenha ocorrido manifestação do órgão. Portanto, imprescindível a citação do órgão público, nos termos do art. 730 do CPC. Assim, intime-se a parte autora para que promova a citação do INSS, nos termos do art. 730 do CPC. Cumprida a diligência, cite-se. FORMA DE CUMPRIMENTO: 1) Publicação; 2) Remessa ao INSS. 1 Resolução nº 168 de 05/12/2011 / CJF - Conselho de Justiça Federal (D.O.U. 08/12/2011) Art. 8º. O juiz da execução informará, no ofício requisitório, os seguintes dados, constantes do processo: (...) XI - data do trânsito em julgado dos embargos à execução ou impugnação, se houver, ou data do decurso de prazo para sua oposição; ?? ?? ?? ??

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000361-30.2010.4.05.8200 JOÃO DA SILVA MOREIRA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, LEOPOLDO MARQUES DASSUNCAO, ANTONIO SEVERINO DA SILVA, YURI MARQUES DA CUNHA, DEVID OLIVEIRA DE LUNA) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Defiro o substabelecimento de fls. 138/139. Anotações quanto aos ils. Advogados, Dr. ANTONIO SEVERINO DA SILVA, OAB/PB 9065, Dr. YURI MARQUES DA CUNHA, OAB/PB 16981, Dr. DEVID OLIVEIRA DE LUNA, 17.075. Certifique-se o decurso do prazo em relação à parte autora, referente ao ato ordinatório de fls. 135. Em seguida, encaminhem-se os autos ao INSS

   

0001033-09.2008.4.05.8200 VALDEMIR PEREIRA MÁXIMO (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE) x SUPERINTENDENTE REGIONAL DO IBAMA NA PARAÍBA (Adv. SEM PROCURADOR)

Cuida-se de processo na fase de execução de sentença, onde fora ordenado ao IBAMA o cumprimento da obrigação de fazer, inerente a reimplantação da rubrica "DECISÃO JUDICIAL TRAN. JULG. AT" - fls. 141/149 e 258. Noticia o impetrante, às fls. 274/278, o descumprimento da ordem, pugnando, ao final, pela intimação do executado para reimplantar a rubrica suprimida, bem assim para apresentar as fichas financeiras do exequente desde 2007, até a data em que efetivamente ocorreu o pagamento da aludida rubrica. Verifico, ainda, que o IBAMA, às fls. 280/281, comprovou o cumprimento da referida obrigação. Diante do exposto, defiro o pedido formulado às fls. 280, no tocante a apresentação das fichas financeiras do exequente, compreendidas entre a data do ajuizamento da ação e a data do cumprimento da obrigação, ou seja, 05.03.2008 a 13.05.2013. Intime-se o IBAMA para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentar a documentação acima solicitada. Prestadas as informações, dê-se vista ao exequente por igual prazo. FORMA DE CUMPRIMENTO: 1. Remessa dos autos ao IBAMA; 2. Publicação.

   

0001380-37.2011.4.05.8200 INACIO MEDEIROS DA NOBREGA (Adv. IRIO DANTAS NOBREGA, NIVEA DANTAS DA NOBREGA, TATIANA LEITE GUERRA DOMINONI) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x DNIT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTE (Adv. SEM PROCURADOR)

Corrija-se a classe dos presentes autos. Intime-se o patrono da parte exequente para informar, em 10(dez) dias, sobre o cumprimento da obrigação de fazer, sob pena de arquivamento. P.

   

0003030-22.2011.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE) x MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA (PROCON) (Adv. THIAGO SILVEIRA GUEDES PEREIRA)

Corrija-se a classe dos presentes autos. Intime-se a CAIXA para informar, em 10(dez) dias, sobre o cumprimento da obrigação de fazer (fls. 135), sob pena de arquivamento.

   

0013801-06.2004.4.05.8200 REGINALDO ARAUJO DE PONTES (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA) x CHEFE DO SERVIÇO DE GESTAO DE PESSOAS DO MINISTERIO DA SAUDE NA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR)

Diante da modificação do local de trabalho do impetrante (fl. 256), não subsiste mais o cumprimento da obrigação de receber o adicional de insalubridade, mas sim a obrigação judicial de pagar as parcelas devidas a partir da data do ajuizamento da presente ação, até a data em que ocorreu a mudança do setor de trabalho do impetrante, ou seja de 16.11.2004 a 14.10.2008. Em sendo assim, intime-se a UNIÃO para, no prazo improrrogável de 10 (dez) dias, apresentar as fichas financeiras do impetrante alusiva ao período de 16.11.2004 a 14.10.2008, sob pena de aplicação de multa diária, que fixo no valor de R$ 100,00 (cem reais), a incidir a partir da data do descumprimento da referida ordem. Prestadas as informações, dê-se vista ao impetrante por igual prazo. FORMA DE CUMPRIMENTO: 1. Remessa dos autos à UNIÃO; 2. Publicação.

   

EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO

   

0009703-94.2012.4.05.8200 EMPRESA DE TELEVISAO JOAO PESSOA LTDA (Adv. LUCAS CLEMENTE DE BRITO PEREIRA) x DUCIRAN VAN MARSEN FARENA (Adv. SEM ADVOGADO)

Exceção de Suspeição Excipiente: Empresa de Televisão João Pessoa Ltda Exceto: Procurador da República Duciran Van Marsen Farena D E C I S Ã O 1. Converto o julgamento em diligência. 2. Cuida-se de exceção de suspeição deduzida pela Empresa de Televisão João Pessoa Ltda contra o Procurador da República Duciran Van Marsen Farena, parte autora nas Ações Civis Públicas nºs 0007809-20.2011.4.05.8200 e 0007227- 83.2012.4.05.8200, ambas movidas contra a excipiente. 3. O incidente foi distribuído, por dependência, ao Processo nº 0007809- 20.2011.4.05.8200, em 17.12.2012. 4. In casu, porém, cumpre ressaltar que, em relação à atuação do douto Procurador da República no processo para o qual foi distribuída a exceção, consumou-se a preclusão temporal, nos termos do art. 138, § 1º1, do CPC, posto que a primeira vez que a excipiente falou naqueles autos foi em 09.12.2011, no sentido de se pronunciar sobre o pedido de antecipação a tutela, ou seja, um ano antes da interposição do incidente, conforme certidão de fl. 212. 5. No que se relaciona a Ação Civil Pública nº 0007227-83.2012.4.05.8200, verifica-se que a presente argüição foi interposta no mesmo dia em que a excipiente apresentou sua manifestação sobre o pedido de antecipação dos efeitos da tutela, vale dizer, na primeira oportunidade em que lhe coube falar nos autos, consoante certidão de fl. 214. 6. Em sendo assim, não se pode mais acoimar de suspeito o órgão do Ministério Público federal na primeira Ação Civil Pública, tanto por preclusão temporal, quanto por preclusão lógica, esta decorrente da prática de atos que importaram em aceitação tácita do suspeito por parte da excipiente 7. Ademais, tenha-se presente que para cada processo em que atua o excepto caberia exceção, e não um só incidente para duas ações diferentes, de modo que o feito terá curso tão-somente em relação àquela que dentro prazo legal foi instaurado. 8. Estando os autos conclusos para julgamento, impõe-se sua redistribuição, por dependência à Ação Civil Pública nº 0007227-83.2012.4.05.8200, cuja presidência está a cargo da Juíza Federal Substituta desta 3ª Vara, a fim de apreciar a ocorrência de eventual suspeição do Parquet unicamente em relação sua atuação naquela ACP. 9. Ante o exposto, declaro a preclusa a exceção de suspeição em relação à Ação Civil Pública nº 0007809-20.2011.4.05.8200 e, em conseqüência, determino a redistribuição por dependência a Ação Civil Pública nº 0007227-83.2012.4.05.8200. 10. Cumpra-se. João Pessoa, 09 de julho de 2013. Phelipe Vicente de Paula Cardoso Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, em exercício na 3ª Vara 1 § 1o A parte interessada deverá argüir o impedimento ou a suspeição, em petição fundamentada e devidamente instruída, na primeira oportunidade em que Ihe couber falar nos autos; o juiz mandará processar o incidente em separado e sem suspensão da causa, ouvindo o argüido no prazo de 5 (cinco) dias, facultando a prova quando necessária e julgando o pedido ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 3ª VARA Processo nº 0009703-94.2012.4.05.8200 2 Phelipe Vicente de Paula Cardoso Juiz Federal

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0008423-88.2012.4.05.8200 JEFFERSON THIAGO MACEDO (Adv. TIAGO SOBRAL PEREIRA FILHO, MARIA MADALENA SORRENTINO LIANZA) x PRO-REITOR DE GRADUACAO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA-UFPB E OUTRO (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Mandado de Segurança Impetrante: JEFFERSON THIAGO MACEDO Impetrado: PRÓ-REITOR DE GRADUAÇÃO DA UFPB Pessoa jurídica interessada: UFPB S E N T E N Ç A R E L A T Ó R I O Cuida-se de mandado de segurança impetrado por JEFFERSON THIAGO MACEDO em face do PRÓ-REITOR DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, tencionando a transferência do curso de Engenharia Civil da UFCG para idêntico curso ministrado na UFPB, nesta Capital. Diz sofrer de grave enfermidade (Paralisia de BELL - CID 10 = G 5.1), revelando-se necessária sua mudança para esta Capital, pois precisa residir junto aos familiares, a fim de que possa realizar tratamento eficaz diário com médico, psicólogo e fisioterapeuta, de todo imprescindível para o controle periódico da doença. Revela ter pleiteado a transferência na via administrativa, alegando necessidade de tratamento da sua saúde, sendo o pedido indeferido pelo impetrado. Sustenta não ter condições financeiras de continuar a estudar em Campina Grande, pois todos os recursos estão sendo concentrados para o respectivo tratamento, que é feito nesta Capital. Diante disso, invoca o direito à saúde e à educação para pleitear liminar concedendo a transferência ora almejada. Junta procuração e documentos (fls. 11/31) e pede gratuidade judiciária. Liminar indeferida na decisão de fls. 34/36, que concedeu justiça gratuita. A autoridade impetrada prestou informações às fls. 43/47, pugnando pela denegação da segurança. A UFPB disse querer ingressar na lide, acostando-se aos argumentos da autoridade coatora (fls 49/54). O MPF, em parecer às fls. 56/63, opinou pela concessão da segurança. A UFPB juntou cópia da contraminuta apresentada ao agravo de instrumento interposto pelo impetrante (fls. 66/69). Relatei. DECIDO. F U N D A M E N T A Ç Ã O Defiro o ingresso da UFPB na lide, e o faço com fundamento no art. 7º, da Lei 12.016/2009. Anotações. A meu sentir, o mérito da questão foi suficientemente enfrentado na decisão que apreciou o pedido de liminar, pelo que, limito-me a reproduzir o entendimento ali exposto, adotando-o como razão de decidir: "Em que pese o sensível problema humano relatado neste processo, não antevejo a relevância da fundamentação, bem como a reputada ilegalidade no ato administrativo indeferitório do pedido. É que a transferência entre instituições de ensino superior, por constituir uma exceção ao sistema democrático de acesso ao ensino superior, segue o comando do art. 49 e parágrafo único da Lei n.º 9.394/96, combinado com os arts. 1º e parágrafo único, 10 e 12, da Resolução n.º 47/99, do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPB, do seguinte teor: "Art. 49. As instituições de educação superior aceitarão a transferência de alunos regulares, para cursos afins, na hipótese de existência de vagas, e mediante processo seletivo Parágrafo único. As transferências ex officio dar-se-ão na forma da lei". Art. 1o Serão admitidas reopção de curso ou de turno no âmbito da UFPB e transferência de alunos de outras Instituições de Ensino Superior - IES para a UFPB até o limite de vagas disponíveis, conforme as normas definidas nesta Resolução. Parágrafo único. As transferências ex-officio são regidas por legislação específica. "Art. 10. Poderá requerer reopção de curso ou de turno o aluno que: I - estiver vinculado ao curso de origem e tenha cursado, pelo menos, quatro períodos letivos, no caso de sistemas de créditos ou seriado semestral, ou dois períodos letivos anuais, no caso de sistema seriado anual; e II- tiver integralizado em seu curso de origem, no mínimo, 80 (oitenta) créditos, no caso de sistema de créditos ou 1.200 (mil e duzentas) horas-aula, no caso de sistema seriado, excluídas as disciplinas dispensadas." Art. 12. Poderá requerer transferência de outras IES, nacionais ou estrangeiras, para a UFPB o aluno que atender às exigências do artigo 10 da presente Resolução". Sobre a transferência ex officio, dispõe o art. 1º, da Lei 9.536, de 11 de dezembro de 1997: "Art. 1º A transferência ex officio a que se refere o parágrafo único do art. 49 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, será efetivada, entre instituições vinculadas a qualquer sistema de ensino, em qualquer época do ano e independente da existência de vaga, quando se tratar de servidor público federal civil ou militar estudante, ou seu dependente estudante, se requerida em razão de comprovada remoção ou transferência de ofício, que acarrete mudança de domicílio para o município onde se situe a instituição recebedora, ou para localidade mais próxima desta" (g.n.). Como se vê, a única possibilidade de aceitação compulsória de alunos transferidos, mesmo que não haja vaga, é essa no dispositivo transcrito acima, ou seja, nos casos de remoção ex officio de servidores públicos, assegurando-se o ensino ao servidor e/ou dependente. No caso de que se cuida, o impetrante não se inscreveu no processo seletivo para acesso mediante transferência. Na verdade, mal iniciou o curso de Engenharia Civil, matriculado que se encontra no 2º período do curso em questão (fls. 21/22). Assim, não só não cumpriu o período mínimo previsto no item I acima descrito, como também não logrou integralizar os créditos, nos moldes em que estabelecido no item II do citado artigo. Ademais, da análise dos autos, constata-se que o impetrante não é servidor público civil ou militar, nem com estes guarda relação de dependência, de sorte que só poderá obter sua transferência para o Curso de Engenharia Civil da UFPB na preexistência de vagas e habilitação em processo seletivo instaurado no período especificado no calendário escolar desta instituição, uma vez cumprido o período mínimo e a integralizado o mínimo de créditos. Com efeito, a doença do aluno não é hipótese legal de acolhimento de pedido de transferência voluntária, nem de transferência compulsória, para tanto o Decreto-lei nº 1.044, de 21 de outubro de 1969, prevê tratamento excepcional dado aos alunos que, por motivos de doença, não possam freqüentar as aulas, na proporção mínima exigida em lei: "Art 1º São considerados merecedores de tratamento excepcional os alunos de qualquer nível de ensino, portadores de afecções congênitas ou adquiridas, infecções, traumatismo ou outras condições mórbitas, determinando distúrbios agudos ou agudizados, caracterizados por: a) incapacidade física relativa, incompatível com a freqüência aos trabalhos escolares; desde que se verifique a conservação das condições intelectuais e emocionais necessárias para o prosseguimento da atividade escolar em novos moldes; b) ocorrência isolada ou esporádica; c) duração que não ultrapasse o máximo ainda admissível, em cada caso, para a continuidade do processo pedagógico de aprendizado, atendendo a que tais características se verificam, entre outros, em casos de síndromes hemorrágicos (tais como a hemofilia), asma, cartide, pericardites, afecções osteoarticulares submetidas a correções ortopédicas, nefropatias agudas ou subagudas, afecções reumáticas, etc. Art 2º Atribuir a êsses estudantes, como compensação da ausência às aulas, exercício domiciliares com acompanhamento da escola, sempre que compatíveis com o seu estado de saúde e as possibilidades do estabelecimento". Destaco, por fim, que segundo laudo fisioterápico de fls. 17/18, o autor está acometido de paralisia parcial facial como sequela do vírus herpes Zoster. Na data da elaboração do laudo, o impetrante apresentava "... limitações de movimento e força nos músculos principais de expressão facial, diminuição da sensibilidade no lado acometido (direito) e mastigação". A fisioterapeuta relata melhora do quadro, após oito sessões de aplicação de "(...) técnicas de kabat, propriocepção com gelo, exercícios ativos assistidos com resistência, alongamento (...) técnicas de restabelecimento de força com hiperbolóide, associados a exercícios para ATM (...)" . Ainda que se admita a excelência do trabalho desenvolvido pela fisioterapeuta que atualmente acompanha o impetrante, pressupõe-se que uma cidade do porte de Campina Grande/PB disponha de profissional capacitado para dar continuidade ao tratamento. Assim, a despeito de compreender e respeitar o drama pelo qual passa o impetrante, não há como acolher a pretensão autoral, porque nenhuma ilegalidade administrativa há a ser reparada em sede de liminar. Isso posto, INDEFIRO o pedido de liminar." Inexistindo fato novo que justifique a mudança do entendimento acima exposto, a denegação da segurança é medida que se impõe. D I S P O S I T I V O Frente ao exposto, DENEGO A SEGURANÇA, resolvendo o mérito da causa, nos moldes do art. 269, I, do CPC. Sem condenação em honorários - art. 25, da Lei 12.016/2009. Custas na forma da lei. Comunique-se, com urgência, ao DD. Desembargador Relator do AGTR a prolação desta sentença de improcedência. Ao Distribuidor, para inserir a UFPB no pólo passivo da impetração. P.R.I. João Pessoa, 30 de julho de 2013. PHELIPE VICENTE DE PAULA CARDOSO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara, no exercício da titularidade da 3ª Vara/SJPB 5 PODER JUDICIARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL DE 1º GRAU - SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA - 3ª VARA Processo nº 0008423-88.2012.4.05.8200 4 Phelipe Vicente de Paula Cardoso Juiz Federal

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0007074-50.2012.4.05.8200 UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. CESAR VERZULEI LIMA SOARES DE OLIVEIRA) x FRANCISCO CARDOSO DE OLIVEIRA (Adv. JOSE CHAVES CORIOLANO, CICERO GUEDES RODRIGUES)

1- Em apenso. 2- Recebo os embargos. 3- Suspenda-se a execução. 6- Intime-se o embargado para oferecer impugnação, bem como para tomar conhecimento dos cálculos feitos pela Contadoria (300/303).

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 10

TOTAL DE INFORMACAO DE SECRETARIA: 2

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 3

TOTAL DE DECISÃO: 3

TOTAL DE DESPACHO: 15

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.