Publicado no Diário da Justiça de 01/02/2018

 

Boletim 2018.000002 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADEILTON HILARIO JUNIOR 0005220-02.2004.4.05.8200

ADRIANO PIMENTEL DA SILVA 0006697-21.2008.4.05.8200

AFRO ROCHA DE CARVALHO 0006430-49.2008.4.05.8200

AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE 0011676-12.1997.4.05.8200

ALCIDES BARRETO BRITO NETO 0003927-55.2008.4.05.8200

ALEXANDRA ARAUJO LOBO DE MARIGNY MONTEIRO 0008222-58.1996.4.05.8200

ALEXANDRE AMARAL DI LORENZO 0000079-45.2017.4.05.8200

ALEXANDRE FELIX DA SILVA 0001774-49.2008.4.05.8200

AMANDA LUNA TORRES 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008200-29.1998.4.05.8200

ANA GABRIELA BARBALHO DA SILVA 0001002-81.2011.4.05.8200

ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL 0007169-95.2003.4.05.8200

ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0002766-93.1997.4.05.8200

ANDRE LUIZ CAVALCANTI CABRAL 0003927-55.2008.4.05.8200

ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO 0000253-06.2007.4.05.8200

ANDRE VIDAL VASCONCELOS SILVA 0006430-49.2008.4.05.8200

ANDREA OLIVEIRA DE SOUSA ROSA 0006430-49.2008.4.05.8200

ANIBAL PEIXOTO FILHO 0003532-63.2008.4.05.8200

ANNA KALLINE LEONARDO ANTAS ALMEIDA 0007560-35.2012.4.05.8200

ANNIBAL PEIXOTO NETO 0003532-63.2008.4.05.8200

ANTONIETA L PEREIRA LIMA 0008222-58.1996.4.05.8200

ANTONIO BARBOSA FILHO 0004007-39.1996.4.05.8200

ANTONIO CRISANTO TAVARES DE MELO 0008134-29.2010.4.05.8200

ANTONIO EUDES NUNES DA COSTA FILHO 0008200-29.1998.4.05.8200

ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200

ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS 0003532-63.2008.4.05.8200

ANTONIO TEOTONIO DE ASSUNCAO 0004321-19.1995.4.05.8200

ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR 0007169-95.2003.4.05.8200

ASCIONE ALENCAR CARDOSO 0008222-58.1996.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0005406-44.2012.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0009211-54.2002.4.05.8200 0011410-78.2004.4.05.8200

BRUNA DUTRA MOREIRA 0002766-93.1997.4.05.8200

BÁRBARA DE MELO FERNANDES 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200

CAIUS MARCELLUS DE ARAUJO LACERDA 0004007-39.1996.4.05.8200

CANDIDO CASTELLIANO DE LUCENA 0000370-51.1994.4.05.8200

CARLOS ALMIR FARIAS JUNIOR 0005097-57.2011.4.05.8200

CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO 0000079-45.2017.4.05.8200

CARLOS BENITO COSENTINO FILHO 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200

CAROLINA CHOAIRY PORRELLI 0000111-26.2012.4.05.8200

CHRISTIANY ANDRADE ROLIM 0001774-49.2008.4.05.8200

CICERO GUEDES RODRIGUES 0008051-13.2010.4.05.8200

CLAUDIO TAVARES NETO 0007169-95.2003.4.05.8200

DANIEL LUCENA BRITO 0000370-51.1994.4.05.8200

DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008200-29.1998.4.05.8200

DIEGO CAZÉ ALVES DE OLIVEIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

DIEGO GALDINO DA SILVA MELO 0000253-06.2007.4.05.8200

DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200

EDSON BATISTA DE SOUZA 0001375-78.2012.4.05.8200

EDUARDO DIAS MADRUGA 0001002-81.2011.4.05.8200

EDUARDO LOPES 0000111-26.2012.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0000641-74.2005.4.05.8200 0005406-44.2012.4.05.8200 0008911-14.2010.4.05.8200

ELORA RAFAELA FERNANDES TEIXEIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

ELTON MACIEL COUTINHO DE SOUZA 0006697-21.2008.4.05.8200

ERIK FRANKLIN BEZERRA 0006697-21.2008.4.05.8200

EURÍPEDES TAVARES DE MELO FILHO 0008134-29.2010.4.05.8200

FABIANA DA SILVA BITENCOURT 0006430-49.2008.4.05.8200

FABIO FIRMINO DE ARAUJO 0008222-58.1996.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0000079-45.2017.4.05.8200 0002853-34.2006.4.05.8200 0005513-64.2007.4.05.8200

FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS 0008222-58.1996.4.05.8200

FELIPE RIBEIRO COUTINHO GONÇALVES DA SILVA 0003927-55.2008.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0005406-44.2012.4.05.8200

FLAVIANO SALES CUNHA MEDEIROS 0002997-32.2011.4.05.8200

FRANCISCO CLÁUDIO DE MEDEIROS PEREIRA 0005406-44.2012.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE 0005347-66.2006.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0003204-94.2012.4.05.8200 0003462-07.2012.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES 0002766-93.1997.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0004027-68.2012.4.05.8200 0005962-46.2012.4.05.8200 0006430-49.2008.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008051-13.2010.4.05.8200

FRANCISCO MEDEIROS DE MORAIS 0002997-32.2011.4.05.8200

FREDERICO RODRIGUES TORRES 0001002-81.2011.4.05.8200

GABRIEL COSTA FRAGOSO DE ALBUQUERQUE 0005406-44.2012.4.05.8200

GERALDO ANTUNES DE ARAUJO 0004321-19.1995.4.05.8200

GERALDO DE MARGELA MADRUGA 0006430-49.2008.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0010791-46.2007.4.05.8200

GIORDANO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0011676-12.1997.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0005406-44.2012.4.05.8200

GITANA SOARES DE MELLO E SILVA PARENTE 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200

GLAUCO TEIXEIRA GOMES 0002853-34.2006.4.05.8200

GUILHERME GROPPO CODO 0000111-26.2012.4.05.8200

GUILHERME OSVALDO CRISANTO TAVARES DE MELO 0008134-29.2010.4.05.8200

GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200

GUSTAVO EUGENIO BARROCA GOMES 0000111-26.2012.4.05.8200

HEDILENE FREIRE CASECA ROSA 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200 0006697-21.2008.4.05.8200

HOSANA KAROLYNE FIGUEIREDO PATRICIO 0000370-51.1994.4.05.8200

HUMBERTO BANDEIRA 0004027-68.2012.4.05.8200

INGRID CRUZ DE SOUZA NEVES 0007151-98.2008.4.05.8200

IRACEMA PINTO DE MEDEIROS 0002997-32.2011.4.05.8200

ISABELLA LACERDA FRANKLIN CHACON 0000370-51.1994.4.05.8200

ISABELLI CRUZ DE SOUZA NEVES 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200

ISMAEL MACHADO DA SILVA 0000111-26.2012.4.05.8200

ITALLO JOSE AZEVEDO BONIFACIO 0000370-51.1994.4.05.8200

ITAMAR GOUVEIA DA SILVA 0004007-39.1996.4.05.8200 0004321-19.1995.4.05.8200 0007169-95.2003.4.05.8200

IVANA MAGNA NOBREGA DE MORAIS 0003927-55.2008.4.05.8200

IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA 0002766-93.1997.4.05.8200

IZOMAR BARBOSA DA SILVA 0008200-29.1998.4.05.8200

JALDELENIO REIS DE MENESES 0004007-39.1996.4.05.8200

JARDON SOUZA MAIA 0000111-26.2012.4.05.8200

JOAO CYRILLO SOARES DA S. NETO 0008200-29.1998.4.05.8200

JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO 0000253-06.2007.4.05.8200

JOSE CAMARA DE OLIVEIRA 0009211-54.2002.4.05.8200

JOSE CARLOS DA SILVA 0004557-82.2006.4.05.8200

JOSE DE RIBAMAR CAPIBARIBE DE SOUSA 0011676-12.1997.4.05.8200

JOSE EDISIO SIMOES SOUTO 0007169-95.2003.4.05.8200

JOSE GEORGE COSTA NEVES 0001002-81.2011.4.05.8200

JOSE LEANDRO OLIVEIRA TORRES 0000370-51.1994.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0000641-74.2005.4.05.8200 0005220-02.2004.4.05.8200 0005406-44.2012.4.05.8200 0008911-14.2010.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0007169-95.2003.4.05.8200

JOSERILDE TRAJANO LINS 0001002-81.2011.4.05.8200

JOÃO GOMES RAMALHO JUNIOR 0000370-51.1994.4.05.8200

JURANDI FERNANDES FERREIRA 0000253-06.2007.4.05.8200

JURANDIR PEREIRA DA SILVA 0002766-93.1997.4.05.8200 0009211-54.2002.4.05.8200

KARLA GABRIELA SOUSA LEITE 0001002-81.2011.4.05.8200 0001375-78.2012.4.05.8200

LARISSA ANTONIA MAIA FERREIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

LARISSA RAULINO DE ARAÚJO 0001375-78.2012.4.05.8200

LEONARDO ALEXANDRE DE LUNA 0005513-64.2007.4.05.8200

LUCAS BARBOSA DE CARVALHO GONÇALVES 0000370-51.1994.4.05.8200

LUCIA HELENA T. M. TROCOLI 0004007-39.1996.4.05.8200

LUCIANA GURGEL DE AMORIM 0000061-97.2012.4.05.8200 0005097-57.2011.4.05.8200

LUIS VALTER BENTO DE ARAUJO LIMA 0004007-39.1996.4.05.8200

LUIZ AUGUSTO DA FRANCA C. FILHO 0003927-55.2008.4.05.8200

LUIZ AUGUSTO DA FRANCA CRISPIM 0003927-55.2008.4.05.8200

LUÍS FERNANDO BENEVIDES CERIANI 0011410-78.2004.4.05.8200

LÚCIA DE FÁTIMA GORGÔNIO 0000370-51.1994.4.05.8200

MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO 0007560-35.2012.4.05.8200

MARCELA MOYSES POLETTI 0000370-51.1994.4.05.8200 0000379-27.2005.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0001002-81.2011.4.05.8200 0001375-78.2012.4.05.8200

MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF) 0008200-29.1998.4.05.8200

MARIA DAS DORES VIANA MONTENEGRO 0005220-02.2004.4.05.8200

MARIA DO ROSARIO MADRUGA DE QUEIROZ 0007151-98.2008.4.05.8200

MARIANA ALCÂNTARA OLIVEIRA 0000111-26.2012.4.05.8200

MARNE GUEDES RABELLO CAVALCANTI 0007151-98.2008.4.05.8200

MAURO AUGUSTO MATAVELLI MERCI 0000111-26.2012.4.05.8200

MAYRA DE ANDRADE ROCHA 0006430-49.2008.4.05.8200

MICHELLE CARLA EMILIANO BATISTA 0006430-49.2008.4.05.8200

MILENA NEVES AUGUSTO 0000079-45.2017.4.05.8200

MONICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA 0004007-39.1996.4.05.8200 0004321-19.1995.4.05.8200

MYRIAM PIRES BENEVIDES GADELHA 0000370-51.1994.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0001002-81.2011.4.05.8200

NATHALIA DIAS DE BARROS 0000370-51.1994.4.05.8200

NATHALIA SOUTO DE ARRUDA VASCONCELOS 0000370-51.1994.4.05.8200

NELSON AZEVEDO TORRES 0001375-78.2012.4.05.8200

NICILDO RODRIGUES DA SILVA 0000379-27.2005.4.05.8200

PACELLI DA ROCHA MARTINS 0011676-12.1997.4.05.8200

PAULA MACHADO LOPES 0000111-26.2012.4.05.8200

PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO 0003532-63.2008.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0008222-58.1996.4.05.8200

PAULO FERNANDO SARAIVA CHAVES 0006697-21.2008.4.05.8200

PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200

PRISCILA DA COSTA MACHADO 0007151-98.2008.4.05.8200

RAFAEL TARGINO FALCAO FARIAS 0000370-51.1994.4.05.8200

RAFAELA GONÇALVES OLIVEIRA 0001002-81.2011.4.05.8200

RAFAELA MARIA PITT GAMEIRO SALES 0008134-29.2010.4.05.8200

RAFAELLA CORREIA DINIZ 0000370-51.1994.4.05.8200

RAMON PESSOA DE MORAIS 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0011676-12.1997.4.05.8200

RENATA BARROS FEFIN 0000111-26.2012.4.05.8200

RENATA TORRES DA COSTA MANGUEIRA 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200

RICARDO AUGUSTO ALBUQUERQUE GONÇALVES 0000370-51.1994.4.05.8200

RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008200-29.1998.4.05.8200 0011676-12.1997.4.05.8200

RICARDO TADEU FEITOSA BEZERRA 0002766-93.1997.4.05.8200

RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0000370-51.1994.4.05.8200 0000379-27.2005.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008200-29.1998.4.05.8200 0011676-12.1997.4.05.8200

RODRIGO CARDOSO SANTANA 0000370-51.1994.4.05.8200

RODRIGO DINIZ CABRAL 0000641-74.2005.4.05.8200

RODRIGO GONÇALVES OLIVEIRA 0008200-29.1998.4.05.8200

RODRIGO NOBREGA FARIAS 0008222-58.1996.4.05.8200

ROGÉRIO CUNHA ESTEVAM 0004321-19.1995.4.05.8200

ROSA DE LOURDES ALVES 0005347-66.2006.4.05.8200

ROSALINA LEAL DE OLIVEIRA PIMENTA 0000111-26.2012.4.05.8200

SABRINA PEREIRA MENDES 0000370-51.1994.4.05.8200 0011676-12.1997.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000061-97.2012.4.05.8200 0000253-06.2007.4.05.8200 0003204-94.2012.4.05.8200 0003462-07.2012.4.05.8200 0004027-68.2012.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200 0004557-82.2006.4.05.8200 0005097-57.2011.4.05.8200 0005962-46.2012.4.05.8200 0006430-49.2008.4.05.8200 0006697-21.2008.4.05.8200 0007169-95.2003.4.05.8200 0007560-35.2012.4.05.8200 0008134-29.2010.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000379-27.2005.4.05.8200 0000641-74.2005.4.05.8200 0001002-81.2011.4.05.8200 0001375-78.2012.4.05.8200 0001774-49.2008.4.05.8200 0002997-32.2011.4.05.8200 0003927-55.2008.4.05.8200 0004557-82.2006.4.05.8200 0005406-44.2012.4.05.8200 0008911-14.2010.4.05.8200 0010791-46.2007.4.05.8200 0011676-12.1997.4.05.8200

SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200

SÉRGIO FERNANDO MEDEIROS BEZERRA JÚNIOR 0005406-44.2012.4.05.8200

TATIANA DO AMARAL CARNEIRO CUNHA 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200

TATIANA MACHADO DA CUNHA SARTO 0000111-26.2012.4.05.8200

THAYSE CHRISTINE SOUZA DIAS 0007151-98.2008.4.05.8200

THOMAS GUILHERME DA CASTRO SILVA 0005406-44.2012.4.05.8200

TÂNIA DE CARVALHO FERREIRA ZAMPIERI 0000111-26.2012.4.05.8200

VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO 0000370-51.1994.4.05.8200 0000379-27.2005.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008200-29.1998.4.05.8200

VANESSA CRISTINA DE MORAIS RIBEIRO 0008222-58.1996.4.05.8200

VANESSA DE ARAUJO PORTO 0000370-51.1994.4.05.8200

VERA LUCIA RODRIGUES DE OLIVEIRA 0000111-26.2012.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0010791-46.2007.4.05.8200

VINICIUS DE NEGREIROS CALADO 0000253-06.2007.4.05.8200 0004419-13.2009.4.05.8200

VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR 0000370-51.1994.4.05.8200 0007151-98.2008.4.05.8200 0008200-29.1998.4.05.8200

WAGNER LUIZ RIBEIRO SALES 0000370-51.1994.4.05.8200

WALKIRIA CORDEIRO LEITE DE ARAUJO 0001002-81.2011.4.05.8200

WALTER FRANÇOLIN 0000111-26.2012.4.05.8200

WILSON JOSE DA COSTA 0005097-57.2011.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0005406-44.2012.4.05.8200

YANKO CYRILO 0008200-29.1998.4.05.8200

YARA GADELHA BELO DE BRITO 0010791-46.2007.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0000641-74.2005.4.05.8200 0005220-02.2004.4.05.8200 0005406-44.2012.4.05.8200 0008911-14.2010.4.05.8200

ZELIA SILVA ARAUJO RIBEIRO 0008222-58.1996.4.05.8200

 

Juiz Federal JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA

Diretor de Secretaria: Romulo Augusto de Aguiar Loureiro

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0002997-32.2011.4.05.8200 CÍCERO DE OLIVEIRA DIAS (Adv. FLAVIANO SALES CUNHA MEDEIROS, FRANCISCO MEDEIROS DE MORAIS, IRACEMA PINTO DE MEDEIROS) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0002997-32.2011.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: CÍCERO DE OLIVEIRA DIAS REU: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB CERTIDÃO CERTIFICO que o autor requereu a juntada de planilha pela ré (fls. 195). Dou fé. João Pessoa, 09 de novembro de 2017. Joelma Tavares de Santana Souza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 09 de novembro de 2017. Joelma Tavares de Santana Souza Técnico Judiciário Processo:0002997-32.2011.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: CÍCERO DE OLIVEIRA DIAS REU: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB Decisão: 1. R. H. 2. O autor comprovou ter ocorrido trânsito em julgado dos recursos especial e extraordinário interpostos pela UFPB (fls. 196/208) e requereu que a ré fosse intimada para juntar aos autos informações quanto à remuneração dos cargos de pedreiro e vigilante (fl. 195). 3. Observando-se o disposto no CPC, art. 333, I c/c arts. 475-B e 598, cabe ao autor/exequente instruir o pedido de execução com os documentos que se fizerem necessários, salvo comprovada impossibilidade de obtê-los pelas vias normais. 4. Isto posto, indefiro o pedido (fl. 195) por falta de amparo legal, cabendo ao exequente diligenciar junto à referida instituição a obtenção dos documentos requeridos. 5. Caso o exequente demonstre o não atendimento à eventual solicitação de documentos à instituição competente ou sua recusa injustificada em fazê-lo, deverá comunicar a este Juízo, para adoção das providências necessárias. 6. Concedo ao autor o prazo de 30 (trinta) dias para requerer a execução do julgado, acompanhada de planilha de cálculos, através do Sistema PJE, tendo em vista o disposto na Portaria nº 006/GDF, que determinou a utilização do Processo Judicial Eletrônico/PJe às classes de execução de sentença contra a Fazenda Pública, acompanhada de cópias digitalizadas dos seguintes documentos: * Petição inicial (da fase de conhecimento); * Procuração; * Comprovante de recolhimento de custas processuais ou decisão que deferiu o pleito de justiça gratuita; * Laudo pericial ou planilha de cálculos, se houver; * Sentença, acórdão e demais decisões das instâncias superiores, se houver; * Certidão de trânsito em julgado; e * Documento que comprove a data do efetivo cumprimento da obrigação de fazer, se houver. 7. O exequente deverá informar ainda no cabeçalho da petição de execução (PJE) o número do respectivo processo de conhecimento, com a indicação da vara e do juiz (substituto ou titular) ao qual vinculado, a fim de viabilizar a distribuição por dependência, informando nestes autos o número do processo eletrônico ajuizado, que também ser informado pela Secretaria do Juízo através de sinalização de etiqueta na capa destes autos. 8. Decorrido o prazo acima estabelecido, com ou sem atendimento ao disposto no item 6 e independentemente de nova conclusão, certifique-se e, em seguida, dê-se baixa e arquive-se, ressalvando-se o direito enquanto não prescrito. João Pessoa, 12/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0004557-82.2006.4.05.8200 MERIDIANA LOURENÇO DA COSTA, REP P/ SUA GENITORA MARIA DE FATIMA LOURENÇO DA COSTA (Adv. JOSE CARLOS DA SILVA) X UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x MARIA AUGUSTA DE ALEXANDRIA (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo:0004557-82.2006.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: MERIDIANA LOURENÇO DA COSTA, REP P/ SUA GENITORA MARIA DE FATIMA LOURENÇO DA COSTA REU: UNIÃO e outro CERTIDÃO CERTIFICO que a autora requereu a intimação da executada para, querendo, promover a execução inversa (fls. 377/378). Dou fé. João Pessoa, 25 de agosto de 2017. Joelma Tavares de Santana Souza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 25 de agosto de 2017. Joelma Tavares de Santana Souza Técnico Judiciário Processo:0004557-82.2006.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: MERIDIANA LOURENÇO DA COSTA, REP P/ SUA GENITORA MARIA DE FATIMA LOURENÇO DA COSTA REU: UNIÃO e outro Decisão: 1. R. H. 2. O título executivo judicial condenou a UNIÃO a reverter à autora cota-parte de 50% (cinquenta por cento) da pensão de ex-combatente objeto da ação, além de pagar as parcelas atrasadas, fixando juros de mora nos termos das Leis nº. 9.494/97 e 11.960/09 (fls. 198/203 e 279/282). 3. O cumprimento das obrigações de fazer ou não fazer decorrentes de título judicial pode ser determinado de ofício pelo juiz, consoante o CPC, arts. 536 e 537. 4. Ademais, a execução da obrigação de pagar requerida (fls. 377/380) só pode ser processada após o cumprimento da obrigação de fazer. 5. Isto posto, nos termos do CPC, arts. 536 e 537, determino ao(à)(s) ré(u)(s) UNIÃO que, no prazo de 15 (quinze) dias (CPC, arts. 536, § 4º c/c art. 525), cumpra a obrigação de fazer objeto do título judicial transitado em julgado. 6. Na eventualidade de descumprimento, pelo(a) executado(a), da referida obrigação de fazer, no prazo concedido, será fixada oportunamente multa periódica, na forma do CPC, art. 537. 7. Após, com ou sem manifestação da parte ré, vista à parte autora pelo prazo improrrogável de 10 (dez) dias. 8. Oportunamente apreciarei a petição (fls. 377/380). 9. Intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 18/09/2017 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0005220-02.2004.4.05.8200 MIRIAM BARRETO DE LUNA FREIRE E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, ADEILTON HILARIO JUNIOR, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DAS DORES VIANA MONTENEGRO)

Processo nº 0005220-02.2004.4.05.8200 C E R T I D Ã O Certifico que, intimada para se manifestar sobre a informação do INSS (fls. 214/276) de cumprimento da obrigação de fazer, a parte autora ingressou com petição e documentos (fls. 282/284), comunicando o ajuizamento do Processo nº 0808653-24.2017.4.05.8200 no PJE. Dou fé. João Pessoa, 27 de novembro de 2017. GLÍCIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 27 de novembro de 2017. GLÍCIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária Processo:0005220-02.2004.4.05.8200 AUTOR: MIRIAM BARRETO DE LUNA FREIRE (e outros) REU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) SENTENÇA Vistos, etc. Relatório O título executivo judicial reconheceu o direito dos autores à GDATA nos valores correspondentes a 37,5 (trinta e sete vírgula cinco) pontos no período de fevereiro a maio de 2002 e, a partir de junho de 2002 até a conclusão dos efeitos do último ciclo de avaliação a que se refere o artigo 1º da medida provisória nº. 198/2004, a 60 (sessenta) pontos (fls. 198/199). 2. Determinado o cumprimento da obrigação de fazer (fls. 205), o INSS juntou petição e documentos aos autos com o fim de comprovar a inexistência da obrigação de fazer (fls. 214/276). 3. Instado a se manifestar sobre a satisfação da obrigação de fazer (fl. 280), o exequente apenas informou que promoveu a execução do julgado por meio do PJE (fls. 282). 4. Autos conclusos, passo a decidir. Fundamentação 5. Os documentos apresentados pelo INSS demonstram que não mais subsiste obrigação de fazer a ser cumprida. 6. Ademais, os próprios exequentes concordaram tacitamente com a manifestação do INSS, limitando-se a informar o ajuizamento da execução da obrigação de pagar. Dispositivo 7. Isto posto, fundamentado no art. 924, II e 925 do CPC, e à vista dos documentos (fls. 214/276) e da concordância tácita do exequente, declaro extinta a obrigação de fazer, para que produza jurídicos e legais efeitos. 8. Após o trânsito em julgado e nada sendo requerido, baixe-se e arquive-se. 9. P.R.I. João Pessoa, 25/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0006430-49.2008.4.05.8200 JOSE ARAUJO DE OLIVEIRA FILHO E OUTRO (Adv. GERALDO DE MARGELA MADRUGA, ANDRE VIDAL VASCONCELOS SILVA, MICHELLE CARLA EMILIANO BATISTA, FABIANA DA SILVA BITENCOURT, MAYRA DE ANDRADE ROCHA, AFRO ROCHA DE CARVALHO, ANDREA OLIVEIRA DE SOUSA ROSA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Processo:0006430-49.2008.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: JOSE ARAUJO DE OLIVEIRA FILHO e outro REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF e outro C E R T I D Ã O Certifico que, instada a informar se houve o correto cumprimento da obrigação de fazer (fl. 304), a parte autora pugnou (fl. 306) pela imediata liberação do gravame hipotecário existente sobre o imóvel objeto destes autos. Dou fé. Dou fé. João Pessoa, 30 de outubro de 2017. GLICIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 30 de outubro de 2017. GLICIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária Processo:0006430-49.2008.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: JOSE ARAUJO DE OLIVEIRA FILHO e outro REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF e outro Decisão: 1. R. H. 2. Instados a se manifestarem sobre o cumprimento da obrigação de fazer pela CEF (fl. 304), os autores requereram que fosse determinada à CEF a liberação da hipoteca incidente sobre o imóvel objeto dos autos, bem como a remessa do feito à Contadoria (fl. 306). 3. O título executivo judicial (fls. 265/273) em momento algum determinou que fosse liberada a hipoteca incidente sobre o imóvel, sendo descabido o pleito dos autores nestes autos. 4. Nada impede, outrossim, que o requerimento seja formulado, de maneira administrativa, diretamente ao agente financeiro, caso tenham sido preenchidos os requisitos para tanto, cuja discussão, todavia, é estranha a estes autos. 5. Isto posto, indefiro o pedido de intimação da CEF para proceder ao levantamento do gravame (fl. 306), haja vista que tal providência não constitui obrigação de fazer a ser cumprida nestes autos. 6. Por outro lado, defiro o pedido (fl. 306) de remessa dos autos à Contadoria do Juízo para manifestação acerca do correto cumprimento da obrigação de fazer pela CEF (fls. 277/303), nos exatos termos do julgado (fls. 265/273). 7. Após a manifestação da Contadoria, vista às partes pelo prazo improrrogável de 10 (dez) dias, vindo-me em seguida os autos conclusos. João Pessoa, 12/12/2017 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO Foro Juiz Federal Ridalvo Costa 1.ª Vara

   

0008911-14.2010.4.05.8200 PEDRO XAVIER VIANA (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) X UNIAO (MINISTERIO DA FAZENDA) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0008911-14.2010.4.05.8200 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autor: PEDRO XAVIER VIANA Ré : UNIÃO SENTENÇA Vistos, etc. Relatório PEDRO XAVIER VIANA propôs ação ordinária, com pedidos de justiça gratuita e prioridade na tramitação processual, em face da UNIÃO, objetivando a complementação do índice de reajuste de 28,86%, mediante implantação do valor residual em sua remuneração, além do pagamento dos valores retroativos, desde a data da implantação a menor, corrigidos monetariamente e acrescidos de juros de mora. 2. A petição inicial (fls. 03/08), que veio acompanhada de procuração (fl. 09) e outros documentos (fls. 10/14), expôs, em síntese, que o autor objetiva compelir a promovida a complementar o índice aplicado sobre seus vencimentos, decorrente do acordo firmado acerca dos 28,86%, com base na Lei 8.627/1993 e no Decreto 2.693/1998, mediante implantação do resíduo existente (diferença entre o que foi implantado e o que deveria ter sido), conforme fichas financeiras anexas; ressaltou o autor que não está reivindicando o índice de 28,86% em si mesmo, mas a efetivação do acordo celebrado com a Administração, na forma como foi pactuado. 3. Despacho (fl. 18) indeferiu o pedido de justiça gratuita e determinou a intimação do autor para comprovar o pagamento das custas processuais, seguida, se for o caso, da citação da demandada. 4. O autor comunicou a interposição de agravo de instrumento (fls. 21/28) contra o indeferimento da gratuidade judiciária. 5. Despacho (fl. 32) manteve a decisão agravada por seus próprios fundamentos. 6. O TRF5 negou provimento ao recurso interposto pelo autor, conforme acórdão unânime contra o qual o recorrente interpôs recurso especial (fls. 35/59). 7. Em seguida, o autor apresentou comprovante de recolhimento das custas iniciais do processo (fl. 75/76). 8. A UNIÃO apresentou contestação tempestiva (fls. 83/87), acompanhada de documentos (fls. 88/97), por meio da qual arguiu a prejudicial de mérito de prescrição do fundo de direito; no mérito, sustentou a improcedência dos pedidos formulados na inicial, alegando, resumidamente, que a pretensão do autor não encontra amparo legal, pois ele firmou Termo de Transação Judicial, em 19/maio/1999, destinado ao pagamento de diferença remuneratória correspondente ao período de 1º/janeiro/1993 a 30/junho/1998 (documento anexo), acordo que foi integralmente cumprido pela Administração Pública, de modo que não há percentual remanescente dos 28,86% a ser implantado. 10. O STJ negou provimento ao recurso especial interposto pelo autor contra o indeferimento do benefício da justiça gratuita (fls. 102/120). 11. Impugnação à contestação (fls. 124/125), apresentada tempestivamente, ratificou os termos da inicial e requereu a remessa dos autos ao Setor de Cálculos para parecer. 12. Na sequência, foi proferida sentença de reconhecimento da prescrição do fundo de direito e extinção do processo com resolução do mérito, nos termos do CPC/1973, art. 269, I e IV (fls. 129/130). 13. Interposta apelação pelo autor (fls. 133/144), o recurso foi parcialmente provido pelo TRF5, para afastar a prescrição do fundo de direito e determinar o retorno do processo à origem para regular prosseguimento, conforme acórdão (fls. 160/165), contra o qual a UNIÃO interpôs recurso especial (fls. 178/182), o qual foi desprovido pelo STJ, mediante acórdão já transitado em julgado (fls. 209/224). 14. Com o retorno dos autos à origem, foi determinada a elaboração de parecer contábil com vistas a esclarecer se, no caso dos autos, há resíduo a complementar o índice de 28,86%, no período entre 29/novembro/2005 (termo inicial da prescrição quinquenal da pretensão de recebimento de valores retroativos) e o momento em que houve a completa absorção do índice objeto de discussão nos autos pelas sucessivas reestruturações da carreira do servidor, a partir da MP n.º 304/206 (fl. 228). 15. Em cumprimento à determinação judicial, a Assessoria Contábil prestou as informações requisitadas (fl. 233). 16. Intimadas as partes para manifestação sobre o parecer contábil, a UNIÃO o impugnou, sustentando que não há obrigação de pagar, pois eventuais diferenças teriam como termo final o mês de novembro/2005, oportunidade em que apresentou novos documentos (fls. 239/243 e 258/262); o autor, por sua vez, expressou sua concordância com as informações prestadas pelo Setor de Cálculos (fl. 266). 17. Finalmente, os autos foram conclusos para sentença. Fundamentação 18. Preliminarmente, acerca da prescrição para o exercício da pretensão de complementação do percentual de 28,86%, implantado a menor em decorrência da indevida compensação realizada pela Administração, com valores decorrentes de progressão funcional e promoção na carreira, nos termos da citada Portaria MARE n.º 2.179/98, o STJ firmou entendimento no sentido de que a MP nº. 1.704/98 implicou renuncia tácita do prazo prescricional desde janeiro de 1993; assim, se ajuizada a ação até 30/junho/2003, os efeitos financeiros devem retroagir a janeiro/1993; se proposta após 30/junho/2003 (caso dos autos), deve ser aplicada a Súmula 85 do STJ, considerando-se prescritas apenas as prestações vencidas antes do quinquênio anterior ao ajuizamento da ação (para as demandas propostas antes da reestruturação da carreira) ou à data da entrada em vigor da lei que instituir novo plano de cargos e salários. 19. Firmada essa premissa, o mérito da ação será apreciado à luz do entendimento há muito consolidado pelo STF, no sentido de que o reajuste de 28,86% é revisão geral de remuneração, assegurando a incidência do percentual sobre a remuneração dos servidores públicos federais e determinando que as compensações, para fins de implantação do índice, somente poderiam ter por objeto os aumentos concedidos pelas Leis n.º 8.622/93 e 8.623/93 (STF, ROMS n.º 22307-7/DF, Pleno, DJI de 13/junho/97; Súmula n.º 672). 20. Com efeito, a Portaria MARE nº 2.179/98, art. 3º, extrapolou seu campo de abrangência, ao considerar, para fins de compensação com o aludido índice, todos os reajustes obtidos pelos servidores em sua evolução funcional e não apenas os reposicionamentos determinados pelas Leis nº 8.622/93 e 8.627/93. 21. Contudo, a MP n.º 2.225-45/2001, art. 10, estabeleceu uma limitação temporal para a implantação do referido reajuste, qual seja, a reestruturação das carreiras dos servidores, limite considerado legítimo pela jurisprudência, em virtude da absorção do percentual de 28,86% pela criação de novas tabelas de vencimentos, com o estabelecimento de novos padrões remuneratórios (STJ, AGARESP n.º 224528, Primeira Turma, DJE de 02/abril/2013). 22. No caso, a carreira dos servidores do Ministério da Fazenda (à qual pertence o autor) sofreu diversas reestruturações, a partir da edição da MP n.º 304/2006, convertida na Lei n.º 11.357/2006, que dispôs sobre a criação do Plano Geral de Cargos do Poder Executivo - PGPE; contudo, diversamente do que sustentou a UNIÃO, o percentual de 28,85% objeto de discussão nos autos somente foi totalmente absorvido em março/2009, conforme informação prestada pela Contadoria do Juízo (fls. 229), em decorrência dos novos padrões de vencimentos estabelecidos pela Lei n.º 11.907/2009, resultante da conversão da MP n.º 441/2008. 23. Esse, aliás, é o entendimento adotado no âmbito do TRF5, cuja Terceira Turma já se posicionou no sentido de que a absorção de índice de revisão geral pela reestruturação de carreira dos servidores do Ministério da Fazenda, decorrente da Lei nº 11.907/2009, que determinou novos valores de vencimentos, impõe limite à incidência do reajuste de 28,86% e eventual resíduo daí originado (AC 537101, DJE: 10/novembro/2014; AC570212/AL). 24. Portanto, o caso é de parcial procedência dos pedidos formulados na inicial, considerando que a prescrição atinge as prestações vencidas anteriormente ao quinquênio que antecedeu a propositura da ação, bem como que os vencimentos da carreira à qual pertence o autor foram redefinidos pela Lei n.º 11.907/2009, com total absorção do índice de 28,86% somente em março/2009, conforme exposto acima, e esta ação foi ajuizada em 29/novembro/2010, razão pela não há direito à implantação de percentual complementar aos 28,86%, mas, apenas, ao pagamento de parcelas retroativas, referentes ao período de 29/novembro/2005 (marco da prescrição quinquenal) a março/2009 (mês em que houve a total absorção do percentual de 28,86%, decorrente dos novos padrões de vencimentos estipulados pela referida lei). Dispositivo 25. Isto posto, com fundamento no CPC, art. 487, I, e demais legislação e jurisprudência referidas, julgo procedentes, em parte, os pedidos formulados por PEDRO XAVIER VIANA em face da UNIÃO, extinguindo o processo com resolução do mérito, para condenar a ré a pagar ao autor os valores retroativos, referentes ao percentual complementar ao reajuste de 28,86%, de acordo com o parecer elaborado pelo Setor de Cálculos do Juízo (fl. 229), correspondente ao período de 29/novembro/2005 a março/2009, corrigidos monetariamente e acrescidos de juros de mora a partir da citação, a serem apurados em liquidação de sentença. 26. Quanto à correção monetária, deverá ser calculada com base no IPCA-E, conforme entendimento fixado pelo STF no julgamento do RE nº 870947 com repercussão geral reconhecida; já o cálculo dos juros de mora incidentes sobre o valor a ser pago, deverá observar as disposições do Manual de Cálculos da Justiça Federal, aprovado pela Resolução nº 134/2010, com as alterações da Resolução n.º 267/2013. 27. Sem condenação em honorários advocatícios, considerando a sucumbência recíproca de que trata o CPC/1973, art. 21, caput, aplicável às ações propostas anteriormente à entrada em vigor da Lei nº 13.105/2015, em obediência ao princípio da não surpresa, que veda a adoção de um regime de sucumbência processual mais gravoso a feitos que já estavam em tramitação antes da vigência do CPC/2015, conforme orientação jurisprudencial sobre a matéria (TRF 5ª R. - 1ª T., AC nº 594914, DJE de 28/junho/2017, pág. 23). 28. Custas finais isentas, conforme Lei n.º 9.289/96, art. 4º, I; custas iniciais já recolhidas pelo autor (sucumbência recíproca). 29. Conquanto o valor da condenação não seja líquido, é certo que, em fase de liquidação, não ultrapassará 1000 (mil) salários mínimos, razão pela qual está dispensada a remessa necessária, nos termos do CPC, art. 496, § 3º, I. 30. Eventualmente interposta apelação por qualquer das partes ou recurso adesivo pelo apelado vista à parte recorrida para apresentação de contrarrazões no prazo legal, conforme o CPC, art. 1.010, §§ 1.º e 2.º, e após a prática do referido ato processual pela parte recorrida ou o transcurso do prazo legal para tanto, remetam-se os autos eletrônicos ao TRF5, independentemente de juízo de admissibilidade, por força da disposição contida no art. 1010, § 3.º, do mesmo diploma legal. 31. Publique-se, registre-se, intimem-se e cumpra-se com a devida prioridade, nos termos da Lei n.º 10.741/2003 (Estatuto do Idoso). João Pessoa, 29/janeiro/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 4 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO/CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0007169-95.2003.4.05.8200 JAMIR MASCENA DE SOUZA E OUTRO (Adv. ANA RITA FERREIRA NOBREGA CABRAL, ARNAUD MAIA DOS SANTOS JUNIOR) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo:0007169-95.2003.4.05.8200- Cls. 97 AUTOR: JAMIR MASCENA DE SOUZA e outro REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF e outro C E R T I D Ã O CERTIFICO que a parte autora manifestou-se (fls. 681/682) favorável à extinção do feito, todavia requereu intimação da CEF para que proceda a baixa do Contrato nº 100360003724-0. Dou fé. João Pessoa, 12 de setembro de 2017. ANTONIO LISBOA DE MEDEIROS MORAIS Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 29 de agosto de 2017. ANTÔNIO LISBOA DE MEDEIROS MORAIS Técnico Judiciário Processo:0007169-95.2003.4.05.8200- Cls. 97 AUTOR: JAMIR MASCENA DE SOUZA e outro REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF e outro Decisão: 1. R. H. 2. O título executivo judicial (fls. 334/342 e 378/386) condenou a CEF a proceder à revisão do financiamento dos autores JAMIR MASCENA DE SOUZA e MARIA DO SOCORRO ALMEIDA DE SOUZA, afastando-se a capitalização de juros sobre juros da Tabela Price e o coeficiente CES. 3. O feito encontra-se em fase de cumprimento de sentença, tendo as partes divergido acerca do correto cumprimento da obrigação de fazer pela CEF (fls. 643/673 e 681/682). 4. Isto posto, em face da divergência entre as partes, remetam-se os autos à Contadoria do Juízo para informar se a CEF cumpriu adequadamente a obrigação de fazer determinada no título exequendo (fls. 334/342 e 378/386), devendo ser considerados, para fins de abatimento da dívida, os depósitos judiciais efetuados pelos autores e já levantados pela CEF (fls. 675/677) . 5. Em seguida, vista às partes para manifestação no prazo sucessivo de 10 (dez) dias, vindo-me em seguida os autos conclusos para apreciação. João Pessoa, 11/09/2017 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0000061-97.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM) X ANTONIO CARLOS DE SOUSA - ME (FRIGORÍFICO CONFIANÇA) E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0000061-97.2012.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre o mandado e certidão (fls. 99/99vs.), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 17/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0000253-06.2007.4.05.8200 FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO, JURANDI FERNANDES FERREIRA, HEDILENE FREIRE CASECA ROSA, CARLOS BENITO COSENTINO FILHO, DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR, ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO, PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VINICIUS DE NEGREIROS CALADO, DIEGO GALDINO DA SILVA MELO, JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO) X ALBERTO XAVIER DE LIMA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0000253-06.2007.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 18/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre carta precatória e o ofício (fls.83/86 e 88, respectivamente), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 19/01/2018 JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0002853-34.2006.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) X ELENILDA DE LIMA NASCIMENTO E OUTRO (Adv. GLAUCO TEIXEIRA GOMES)

PROCESSO Nº 0002853-34.2006.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre o mandado e certidão (fls. 123/123VSvs.), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 17/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0003462-07.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X EMPRESA BATISTA E SANTOS COMÉRCIO DE ALIMENTOS LTDA E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0003462-07.2012.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Considerando que restaram frustradas as tentativas de localização de bens penhoráveis do devedor, defiro o pedido da CEF (fls. 83) de suspensão da execução pelo prazo de 1 (um ) ano, nos termos do CPC, art. 921, III. 3- Decorrido o prazo sem manifestação da exequente ou sem que tenham sido encontrados bens penhoráveis, certifique-se e, em seguida, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição, independentemente de nova intimação, nos termos do CPC, art. 921, §§ 1º e 2º. 4- Intime-se. João Pessoa, 18/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0003532-63.2008.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ANTONIO INACIO RODRIGUES DE LEMOS) X EVANDRO DE ALMEIDA FERNANDES (Adv. ANIBAL PEIXOTO FILHO, ANNIBAL PEIXOTO NETO, PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA Processo: 0003532-63.2008.4.05.8200 Exequente: UNIÃO Executado: EVANDRO DE ALMEIDA FERNANDES DECISÃO: 1. O executado apresentou petição (fl. 188), acompanhada de documentos (fls. 189/225), requerendo a liberação dos valores bloqueados em sua conta bancária por determinação deste juízo (fl. 113), bem como a extinção da execução, sob o argumento de que a dívida já foi integralmente quitada. 2. Intimada para se manifestar sobre a petição e os documentos novos apresentados pelo executado, a exequente requereu o cumprimento da decisão anterior (fl. 186), por meio da qual foi determinada a conversão em renda, em seu favor, da quantia bloqueada nos autos, reiterando o argumento de que tal valor já foi abatido do total da dívida, cujo pagamento foi parcelado, razão pela qual se manifestou contrária à pretensão de desbloqueio formulada pelo executado (fl. 231); na oportunidade, pugnou por nova vista dos autos, após a efetivação da medida, para que possa se manifestar sobre o efetivo pagamento da dívida objeto de execução, especialmente quanto aos honorários advocatícios de sucumbência. 3. Com efeito, os documentos apresentados pela exequente (fls. 124/128) comprovam que foi abatido do montante do débito o valor de R$ 1.162,15 (mil, cento e sessenta e dois reais e quinze centavos), correspondente ao bloqueio (fl. 113), antes da formalização do parcelamento realizado nos autos (fl. 138). 4. Isto posto, indefiro o pedido formulado pelo executado (fl. 188) e determino o cumprimento dos itens 2 e 3 da última decisão proferida nos autos (fl. 186), consistentes nas providências necessárias para a conversão em renda da União do valor bloqueado na conta bancária do executado (fl. 113). 5. Comprovado o cumprimento da determinação acima, intime-se a exequente para requerer o que entender de direito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias. 6. Após a manifestação da UNIÃO ou o decurso, em branco, do prazo assinalado no item anterior, retornem os autos imediatamente conclusos. 7. Intimem-se. 8. Cumpra-se com a devida brevidade. João Pessoa/PB, 06 de dezembro de 2017 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 1ª VARA

   

0004027-68.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) X MARIA CRISTINA LEMES VALINI (Adv. SEM ADVOGADO, HUMBERTO BANDEIRA)

PROCESSO Nº 0004027-68.2012.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre o mandado e certidão (fls. 58/60), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 17/01/2018 JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0004419-13.2009.4.05.8200 FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. VINICIUS DE NEGREIROS CALADO, HEDILENE FREIRE CASECA ROSA, CARLOS BENITO COSENTINO FILHO, DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR, PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO) X JUAREZ PEREIRA SANTOS (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0004419-13.2009.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 22/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Indique a exeqüente, no prazo improrrogável de 05 (cinco) dias, a fonte pagadora do executado a qual deve ser dirigida a consignação em folha de pagamento. 3- Decorrido o prazo acima. Sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. 4- Intime-se. João Pessoa, 22/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0005513-64.2007.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) X L. R. CONFECÇÕES LTDA. E OUTROS (Adv. LEONARDO ALEXANDRE DE LUNA)

PROCESSO Nº 0005513-64.2007.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre o mandado e certidão (fls. 153/153vs.), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 17/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0005962-46.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) X JOÃO VICENTE DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0005962-46.2012.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre o mandado e certidão (fls. 66/66vs.), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 17/01/2018 JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal Titular da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0006697-21.2008.4.05.8200 FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. PAULO FERNANDO SARAIVA CHAVES, ADRIANO PIMENTEL DA SILVA, ELTON MACIEL COUTINHO DE SOUZA, HEDILENE FREIRE CASECA ROSA, ERIK FRANKLIN BEZERRA) X MARIA ANGELICA LIMA DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0006697-21.2008.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre a carta precatória (fls. 118/134), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias.. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 17/01/2018 JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal Titular da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0008134-29.2010.4.05.8200 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL PERNAMBUCO - OAB/PE (Adv. EURÍPEDES TAVARES DE MELO FILHO, GUILHERME OSVALDO CRISANTO TAVARES DE MELO, ANTONIO CRISANTO TAVARES DE MELO, RAFAELA MARIA PITT GAMEIRO SALES) X FERNANDO JOSE DE SOUZA FERNANDES (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0008134-29.2010.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 01/12/2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Processo: 0008134-29.2010.4.05.8200 Decisão: 1. A exequente OAB/PE peticionou nos autos requerendo a inscrição do executado nos cadastros de inadimplentes através do SERASAJUD (fl. 76). 2. O requerimento em questão encontra previsão no CPC, art. 782, §3º. 3. No entanto, necessário observar que o SERASA e o SPC só mantém os devedores em seus cadastros de inadimplentes pelo prazo máximo de 5 (cinco) anos após o vencimento da dívida. 4. Em outros processos em tramitação neste Juízo, a exemplo do nº. 0007043-50.2000.4.05.8200, em que este Juízo havia determinado a inclusão dos devedores em cadastro de inadimplentes, as instituições responsáveis pela anotação informaram a impossibilidade de cumprimento da determinação, uma vez que já havia decorrido mais de 5 (cinco) anos da data de vencimento da dívida. 5. Isto posto, considerando a inevitável inocuidade do pleito (fl. 76), intime-se a OAB/PE para informar, em 5 (cinco) dias improrrogáveis, se persiste o interesse na medida, devendo, na oportunidade, requerer o que entender de direito. João Pessoa, 29 de janeiro de 2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0011410-78.2004.4.05.8200 UNIÃO (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA) X TARCISIO JOSE DIAS (Adv. LUÍS FERNANDO BENEVIDES CERIANI)

PROCESSO Nº 0011410-78.2004.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO CERTIFICO o decurso do prazo legal sem manifestação do executado sobre a penhora (fls. 645/651). Dou fé. João Pessoa, 05.09.2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 05.09.2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Supervisor-Assistente do Setor de Ações Sumaríssimas e Feitos Não Contenciosos DESPACHO: 1- R.H. 2- Oficie-se ao DETRAN/PB solicitando certidão de eventuais débitos incidentes sobre o veículo penhorado (fls. 645/651), que deverá ser apresentada no prazo de 10 (dez) dias. 3- A seguir, vista às partes sobre a avaliação (fls. 650), inclusive à exeqüente sobre a resposta ao ofício mencionado no item anterior. 4- Intimem-se. João Pessoa, 05/09/2017 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0003927-55.2008.4.05.8200 FALCONE EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA (Adv. FELIPE RIBEIRO COUTINHO GONÇALVES DA SILVA, ALCIDES BARRETO BRITO NETO, ANDRE LUIZ CAVALCANTI CABRAL, IVANA MAGNA NOBREGA DE MORAIS, LUIZ AUGUSTO DA FRANCA CRISPIM, LUIZ AUGUSTO DA FRANCA C. FILHO) X INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0003927-55.2008.4.05.8200 - Classe : 148 C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Titular da 1ª Vara. João Pessoa, 05 de dezembro de 2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1. R. H. 2. A determinação do valor da condenação referente à obrigação de pagar (honorários advocatícios) depende de pedido expresso do(a) credor(a), nos termos do CPC, arts. 513 e 523. 3. O requerimento do(a) credor(a) deverá conter, obrigatoriamente, os requisitos estabelecidos no CPC, art. 524. 4. Isto posto, concedo FALCONE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA o prazo de 15 (quinze) dias para, querendo, requerer o cumprimento do julgado através do Sistema de Processo Judicial Eletrônico/PJe, nos termos da Portaria nº 006/GDF, referente à obrigação de pagar concernente aos honorários advocatícios, na forma do CPC, art. 523, instruindo o seu pedido com planilha discriminada e atualizada de cálculo acompanhada das informações anteriormente indicadas. 5. Devendo a parte exeqüente informar, nestes autos, o eventual ajuizamento da execução por meio eletrônico, indicando o número daquele processo. 6. Decorrido o prazo acima estabelecido com ou sem atendimento ao disposto no item 10, dê-se baixa e arquive-se, ressalvando-se o direito enquanto não prescrito. 7. Certifique-se. 8. Intime-se e cumpra-se. João Pessoa, 23/01/2018 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara. PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000370-51.1994.4.05.8200 JOSÉ THOMAS EDSON E OUTRO (Adv. DANIEL LUCENA BRITO, ITALLO JOSE AZEVEDO BONIFACIO, LUCAS BARBOSA DE CARVALHO GONÇALVES, RICARDO AUGUSTO ALBUQUERQUE GONÇALVES) x HEBE E SILVA CORREIA (Adv. LÚCIA DE FÁTIMA GORGÔNIO, JOSE LEANDRO OLIVEIRA TORRES, WAGNER LUIZ RIBEIRO SALES) x MÔNICA DE FÁTIMA DE SOUSA PONTES E OUTROS (Adv. ELORA RAFAELA FERNANDES TEIXEIRA, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO, TATIANA DO AMARAL CARNEIRO CUNHA, AMANDA LUNA TORRES, RENATA TORRES DA COSTA MANGUEIRA, ISABELLI CRUZ DE SOUZA NEVES, RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES, GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX, GITANA SOARES DE MELLO E SILVA PARENTE, GIORDANO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, RAMON PESSOA DE MORAIS, BÁRBARA DE MELO FERNANDES, RAFAELLA CORREIA DINIZ, RODRIGO CARDOSO SANTANA, SABRINA PEREIRA MENDES, VANESSA DE ARAUJO PORTO, MYRIAM PIRES BENEVIDES GADELHA, DIEGO CAZÉ ALVES DE OLIVEIRA, NATHALIA DIAS DE BARROS, ISABELLA LACERDA FRANKLIN CHACON, NATHALIA SOUTO DE ARRUDA VASCONCELOS, JOÃO GOMES RAMALHO JUNIOR, HOSANA KAROLYNE FIGUEIREDO PATRICIO, MARCELA MOYSES POLETTI, RAFAEL TARGINO FALCAO FARIAS, LARISSA ANTONIA MAIA FERREIRA) x EDSON CORREIA DE MELO X UNIÃO (Adv. CANDIDO CASTELLIANO DE LUCENA)

PROCESSO nº 0000370-51.1994.4.05.8200 - Classe 206 CERTIDÃO Certifico que, intimada do despacho de fl. 323, a advogada ELORA RAFAELA FERNANDES TEIXEIRA ingressou com petição e documentos (fls. 340/344), dentre os quais consta a certidão de óbito do falecido autor Edson Correia de Melo (fl. 341). Dou fé. João Pessoa, 13 de dezembro de 2017. Glícia Olimpio de Almeida Analista Judiciária CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 13 de dezembro de 2017. Glícia Olimpio de Almeida Analista Judiciária Processo: 0000370-51.1994.4.05.8200 Despacho: 1. R. H. 2. A certidão de óbito do autor (fl. 341) informa que ele deixou 21 (vinte e um filhos), cujos nomes foram relacionados naquele documento. 3. JOSÉ THOMAS EDSON (fl. 315), HEBE SILVA CORREIA (fl. 328), ERNANE NEY DE SOUSA MELO (fl. 342), MARIA EDINALVA DE SOUSA MALEO BRANDÃO (fl. 343) e MÔNICA DE FÁTIMA SOUSA PONTES (fl. 344), na qualidade de filhos do exequente falecido, requereram habilitação de seus patronos e vista dos autos. 4. Isto posto, determino que a Secretaria proceda às anotações cartorárias relativas aos patronos dos habilitandos JOSÉ THOMAS EDSON (fl. 315), HEBE SILVA CORREIA (fl. 328), ERNANE NEY DE SOUSA MELO (fl. 342), MARIA EDINALVA DE SOUSA MALEO BRANDÃO (fl. 343) e MÔNICA DE FÁTIMA SOUSA PONTES (fl. 344). 5. Em seguida, intimem-se os habilitandos para, querendo, e no prazo de 15 (quinze) dias, promoverem sua habilitação nos autos, na qualidade de sucessores do autor falecido, na forma do CPC, art. 687 e seguintes, devendo também ser promovida a habilitação dos outros 14 (catorze) filhos do exequente falecido. 6. Decorrido o prazo, voltem-me conclusos. João Pessoa, 15/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L SEÇÃO DA PARAÍBA

   

0000641-74.2005.4.05.8200 RUBIA HELENA LINS DE MEDEIROS E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, RODRIGO DINIZ CABRAL) X UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0000641-74.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: RUBIA HELENA LINS DE MEDEIROS e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C E R T I D Ã O Certifico que a exequente Roselie Targino Soares de Lucena ingressou com petição e documento (fls. 434/436), requerendo a expedição de nova RPV em seu favor. Dou fé. João Pessoa, 29 de novembro de 2017. GLICIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 29 de novembro de 2017. GLICIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária Processo:0000641-74.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: RUBIA HELENA LINS DE MEDEIROS e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) Decisão: 1. R. H. 2. A exequente ROSELIE TARGINO SOARES DE LUCENA requer a expedição de nova requisição de pagamento em seu favor, alegando que houve cancelamento da RPV expedida nestes autos sem que houvesse o levantamento do crédito correspondente (fls. 434/435). 3. Contudo, os documentos constantes nos autos indicam que o crédito oriundo das requisições expedidas nestes autos foi efetivamente depositado (fl. 422), não tendo o beneficiário comprovado a ausência de levantamento desses valores, fato esse que teria ocasionado sua devolução à UNIÃO, em razão do decurso do tempo sem realização de saque pela parte interessada. 4. Isto posto, indefiro, por ora, o pedido (fls. 434/435), ficando a expedição de nova requisição de pagamento condicionada à comprovação, pela parte interessada, de que os valores oriundos das RPVs expedidas nestes autos não foram levantados, tendo sido devolvidos aos cofres públicos, o que deverá ser demonstrado através da juntada de extrato atualizado da conta em que houve o depósito do requisitório. 5. Intime-se. 6. Decorrido o prazo recursal em branco, retornem os autos ao arquivo, após a devida baixa. João Pessoa, 12/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO Foro Juiz Federal Ridalvo Costa 1.ª Vara

   

0001774-49.2008.4.05.8200 MARIA DAS DORES DE SOUTO ARAUJO (Adv. CHRISTIANY ANDRADE ROLIM, ALEXANDRE FELIX DA SILVA) X UNIÃO (COMANDO DA MARINHA) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001774-49.2008.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: MARIA DAS DORES DE SOUTO ARAUJO REU: UNIÃO (COMANDO DA MARINHA) C E R T I D Ã O Certifico que decorreu o prazo de intimação do ato ordinatório (fls. 270), sem manifestação da parte autora/exequente. Dou fé. João Pessoa, 29 de novembro de 2017. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 29 de novembro de 2017. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário Processo:0001774-49.2008.4.05.8200 AUTOR: MARIA DAS DORES DE SOUTO ARAUJO REU: UNIÃO (COMANDO DA MARINHA) Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) SENTENÇA Vistos, etc. Relatório O título executivo judicial determinou o pagamento da GDATA à autora nos valores correspondentes a 37,5 (trinta e sete vírgula cinco) pontos no período de fevereiro a maio de 2002 e, a partir de junho de 2002 até a conclusão dos efeitos do último ciclo de avaliação a que se refere o artigo 1º da medida provisória nº. 198/2004, a 60 (sessenta) pontos (fls. 217/220). 2. Determinado o cumprimento da obrigação de fazer (fls. 224), a UNIÃO juntou petição e documentos com o fim de comprovar a inexistência de obrigação a ser cumprida, face à conclusão do último ciclo de avaliação (fls. 255/268). 3. Instado a se manifestar (fl. 271), a exequente concordou tacitamente com a manifestação da UNIÃO (fls. 272). 4. Autos conclusos, passo a decidir. Fundamentação 5. Os documentos apresentados pela UNIÃO (fls. 255/268) demonstram que não mais subsiste obrigação de fazer a ser cumprida. 6. Ademais, a própria exequente concordou tacitamente com a manifestação da UNIÃO, uma vez que, apesar de intimada (fls. 271), permaneceu silente (fl. 272). 7. Quanto à obrigação de pagar, a Portaria nº 006/GDF, de 14 de janeiro de 2014, interpretada à luz do novo Código de Processo Civil, sugere a utilização do Processo Judicial Eletrônico/PJe às classes de execução de sentença contra a Fazenda Pública (atual Cumprimento de Sentença contra a Fazenda Pública). Dispositivo 8. Isto posto, fundamentado no art. 924, II e 925 do CPC, e à vista dos documentos (fls. 255/268) e da concordância tácita do exequente (fl. 272), declaro extinta a obrigação de fazer, para que produza jurídicos e legais efeitos; concedo um prazo de 15 (quinze) dias para que o credor requeira o cumprimento do julgado através do Sistema Processo Judicial Eletrônico/PJe, nos termos da Portaria nº 006/GDF, referente à obrigação de pagar contra a Fazenda Pública, na forma do CPC, arts. 534 e 535, instruindo o seu pedido com demonstrativo discriminado e atualizado do crédito. 9. As custas processuais da execução devem ser calculadas com base na importância final apurada, de acordo com a Lei nº 9.289/1996, art. 14, § 3º, ressalvadas as isenções legais, podendo a guia de recolhimento ser obtida através do endereço eletrônico desta Seção Judiciária (www.jfpb.jus.br). 10. Deverá a autora, ainda, informar nestes autos o número do processo eletrônico ajuizado, que também deverá ser informado pela Secretaria do Juízo através de sinalização de etiqueta na capa destes autos. 11. Decorrido o prazo acima estabelecido com ou sem atendimento ao disposto no item 8, certifique-se e, em seguida, dê-se baixa e arquive-se, ressalvando-se o direito enquanto não prescrito. 12. Após o trânsito em julgado e nada sendo requerido, baixe-se e arquive-se. 13. P.R.I. João Pessoa, 25/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara asc P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0004007-39.1996.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF E OUTROS (Adv. MONICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA, CAIUS MARCELLUS DE ARAUJO LACERDA, ANTONIO BARBOSA FILHO, JALDELENIO REIS DE MENESES, ITAMAR GOUVEIA DA SILVA, LUCIA HELENA T. M. TROCOLI) x SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF X DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER (Adv. LUIS VALTER BENTO DE ARAUJO LIMA) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER

Processo:0004007-39.1996.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF e outros EXECUTADO: DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER e outro CERTIDÃO CERTIFICO que os requerentes solicitaram o envio deste processo ao Setor de Contadoria deste Juízo. Dou fé. João Pessoa, 09 de novembro de 2017. Joelma Tavares de Santana Souza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 09 de novembro de 2017. Joelma Tavares de Santana Souza Técnico Judiciário Processo:0004007-39.1996.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF e outros EXECUTADO: DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM - DNER e outro Decisão: 1. R. H. 2. Trata-se de cumprimento de sentença contra a Fazenda Pública já declarado extinto em razão da expedição de requisição(ões) de pagamento em favor do credor (fl. 779). 3. A parte exequente requereu o desarquivamento dos autos e a realização de novos cálculos com vistas à execução complementar de juros de mora incidentes no período compreendido entre a data da elaboração dos cálculos e a data da expedição da RPV/precatório, em razão do que foi decidido pelo STF no Recurso Extraordinário nº 579.431/RS, em sede de repercussão geral (fls. 784/786). 3. Autos conclusos, passo a decidir. 4. O Plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu, no julgamento do RE nº 579.431/RS, com repercussão geral reconhecida, que incidem juros de mora no período compreendido entre a data de elaboração de cálculos e a data de expedição da requisição de pequeno valor ou do precatório. 5. Todavia, não é o caso de se aplicar referido entendimento ao presente processo. 6. Com efeito, cumpre observar que a propositura de execução complementar de valores correspondentes aos juros moratórios compreendidos entre a data de elaboração dos cálculos e a data de expedição da requisição de pagamento compõe, em certa medida, o próprio mérito do processo de execução/cumprimento de sentença, uma vez que se consubstancia na matéria de maior relevo a ser discutida nos embargos à execução (antigo CPC/73, art. 730) ou na respectiva fase de impugnação ao cumprimento de sentença (CPC/15, art. 535). 7. A pretensão de incidência de juros de mora no período entre a homologação dos cálculos e a requisição de pagamento deveria ser deduzida pelo exeqüente/requerente de maneira expressa e opportuno tempore, passando a compor o mérito (definição do quantum debeatur) do processo executivo por ele proposto, o que não ocorreu na presente hipótese. 8. Daí porque aplicável ao caso a regra prevista, à época (CPC/73, art. 474, atualmente CPC/15, art. 508), segundo a qual, transitada em julgado a decisão de mérito (leia-se: decisão que homologa os cálculos e seus respectivos parâmetros), considerar-se-ão deduzidas e repelidas todas as alegações e as defesas que a parte poderia opor tanto ao acolhimento quanto à rejeição do pedido. 9. Portanto, por expressa determinação legal (CPC/73, art. 474 ou CPC/15, art. 508), a questão afeta à possibilidade de incidência de juros de mora nos termos do entendimento firmado no RE nº 579.431/RS já se encontra acobertada pelo efeito preclusivo da coisa julgada da decisão/sentença (fls. 599/602) que definiu os parâmetros de cálculo incidentes na espécie e o respectivo valor devido à parte exequente. 10. Ainda que a questão tivesse sido oportunamente suscitada pelo exequente, havendo nos autos decisão transitada em julgado em sentido contrário, já se teria operado a coisa julgada a respeito da matéria, não podendo a pretensão ser deduzida posteriormente, sob pena de ofensa à res judicata. 11. Acresço ainda que, após o trânsito em julgado da sentença de embargos ou precluso o direito de recorrer contra a decisão que julgou a impugnação ao cumprimento de sentença, a fase processual subsequente consiste na adoção das providências necessárias à expedição da requisição de pagamento; nesta fase, de acordo com a regulamentação legal e infralegal (Resoluções CJF nº. 168/2011 e 405/2016), logo após a expedição da requisição de pagamento, deve ser franqueada às partes a oportunidade de se manifestarem sobre o requisitório respectivo antes de sua remessa ao tribunal, sendo esse o derradeiro momento para os interessados discutirem eventuais erros materiais ou inconsistências na requisição de pagamento. 12. Havendo aquiescência do exequente com o valor ali constante, torna-se preclusa a derradeira oportunidade de impugnar a correção do quantum devido, donde se conclui que a pretensão de executar o montante complementar referente aos juros que deixaram de constar no requisitório representa um comportamento contraditório (preclusão lógica) da própria parte interessada, que, ao se manifestar sobre o valor constante na RPV/precatório, com ele aquiesceu. 13. Por fim, a pretensão de aplicação de juros sobre as requisições já pagas em razão da superveniência do julgamento, pelo STF, do RE 579.431/RS, representaria uma violação ao próprio regime legal de julgamento de recursos repetitivos. 14. Isso porque a sistemática de repercussão geral (CPC, art. 1.035) impõe a seleção de um dentre vários recursos a respeito de uma mesma matéria para servir como processo paradigma, cuja tese firmada por ocasião do julgamento deverá ser aplicada a todos os outros processos em que se discute a mesma questão e que se encontrem sobrestados (CPC, art. 1.035, §5º), o que não é caso do presente feito. 15. Ou seja, a pretensão do exequente equivaleria a burlar esse regime de sobrestamento do recurso extraordinário com repercussão geral, na medida em que objetiva a aplicação do entendimento firmado pelo STF no julgamento do processo paradigma (RE 579.431/RS) a uma demanda judicial já transitada em julgado e que não foi sobrestada para aguardar o deslinde da repercussão geral, já que não foi interposto nos presentes autos o competente recurso extraordinário para a discussão da mesma questão jurídica objeto do recurso paradigma. 16. Isto posto, considerando a incidência do efeito preclusivo da coisa julgada (CPC, art. 508) e da preclusão (CPC, arts. 507), a aquiescência da parte requerente com os valores constantes na requisição de pagamento (CPC, art. 1.000) e a manifesta violação ao regime legal da repercussão geral em recurso extraordinário (CPC, art. 1.035), uma vez que o presente feito não estava suspenso aguardando o deslinde da questão debatida no RE 579.431/RS, indefiro o pleito de execução complementar dos juros de mora formulado pelo exequente (fls. 784/786). 17. Intimem-se, imediatamente. 18. Decorrido o prazo recursal, retornem os autos ao arquivo, após a devida baixa na Distribuição. João Pessoa, 12/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

0004321-19.1995.4.05.8200 SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF E OUTROS (Adv. MONICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA, ROGÉRIO CUNHA ESTEVAM) x ALEXANDRE JOSÉ DAMIÃO DE LIMA JÚNIOR E OUTRO (Adv. ANTONIO TEOTONIO DE ASSUNCAO) x ANTONIO BARBOSA FILHO E OUTROS (Adv. ITAMAR GOUVEIA DA SILVA) X FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. GERALDO ANTUNES DE ARAUJO)

Processo:0004321-19.1995.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF e outros EXECUTADO: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) SENTENÇA Vistos, etc. Relatório Trata-se de execução contra a Fazenda Pública oposta pelo SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA - SINTSERF contra a FUNASA, na qualidade de substituto processual de 223 credores. 2. Os autos informam que já foi determinada a expedição de requisições de pagamento dos valores incontroversos devidos aos substituídos processuais (fls. 3.296/3.301 e 3.379/3.386, vol. 15), estando a expedição dos requisitórios complementares condicionadas ao julgamento definitivo do Agravo 0803466-31.2016.4.05.0000. 3. A substituída processual ELENICE DE SOUZA BORGES MARTINS peticionou nos autos (fls. 3.841/3.849 e 3.850/3.854, vol. 17) requerendo sua exclusão deste processo, sob o fundamento de que já recebera a mesma verba aqui cobrada através da ação individual nº. 94.0001352-3; não obstante, efetuou o levantamento dos valores correspondentes à RPV nº. 2017.82.00.001.000181 expedida em seu favor nestes autos (fl. 3.738/3.739, vol. 16), conforme informações prestadas pela CEF (fls. 4.210/4.212, vol. 18) e pela Secretaria do Juízo (fl. 4.322, item 2, parte final, vol. 19). 4. Posteriormente, certidão (fls. 4.321/4.325) da Secretaria do Juízo deu conta de que foi efetuado o bloqueio dos valores depositados em favor de ALEXANDRE JOSÉ DAMIÃO DE LIMA JÚNIOR e WANNDSON JOSÉ MOURA DAMIÃO (fls. 4.322, item 2, primeira parte, vol. 19, e fls. 4.213/4.216, vol. 18), que foram habilitados como sucessores do substituídos ALEXANDRE JOSÉ DAMIÃO DE LIMA (fls. 3.379/3.386, item 30, vol. 15), uma vez que foi interposto pedido de habilitação por sua companheira e pensionista MARIA DAS NEVES DA CONCEIÇÃO (fls. 3.871/3.877, vol. 17), restando pendente a manifestação da FUNASA acerca desse novo pedido de habilitação (fl. 4.324, item 4, vol. 19). 5. Certificou, ainda (fl. 4.323, item 5, vol. 19), que a substituída processual WILMA SEVERINO DE SOUSA, que não teve RPV expedida em seu nome por ausência de CPF (fl. 3.806, item 2, vol. 16), apresentou nos autos documentos pessoais contendo o número de seu CPF e comprovando sua mudança de nome para WILMA DE SOUZA BEZERRA, em virtude de dissolução do vínculo conjugal (fls. 4265/4.266, vol. 18). 6. Certificou, também, que houve um equívoco da Secretaria da Vara ao certificar que foram abertas duas contas em nome dos exequentes JOSÉ AUGUSTO FILHO, LÚCIA FRANCISCO, MARIA FERNANDES DOS SANTOS, MARINALDO LIMA DA SILVA e SEVERINO FRANCISCO, sendo que uma se referia à verba principal a eles devida e outra aos honorários contratuais que deveriam ser pagos à firma EDÍSIO SOUTO ADVOCACIA, quando, na verdade, foi aberta apenas uma conta para depósito de ambas as verbas, tendo o TRF5 apenas discriminado o valor que competia a cada parte (fls. 4.321/4.322, vol. 19). 7. Certificou, finalmente, que tal descuido levou este Juízo a determinar, equivocadamente, a transferência de titularidade das contas judiciais supostamente abertas em nome dos exequentes mas onde constavam apenas valores devidos a título de honorários contratuais, para o nome da pessoa jurídica EDÍSIO SOUTO ADVOCACIA (fl. 4.260, vol. 18), o que acarretou o levantamento, pelo advogado JOSÉ EDÍSIO SIMÕES SOUTO, de todos os valores depositados nas contas em questão, incluindo-se o montante principal devido aos particulares. 8. Com efeito, o advogado JOSÉ EDÍSIO SIMÕES SOUTO peticionou nos autos (fls. 4.300/4.320, vol. 19) informando que foi surpreendido com diversos créditos em conta bancária do escritório de advocacia de que é titular, de valores oriundos de RPVs depositadas em favor dos particulares JOSÉ AUGUSTO FILHO, LÚCIA FRANCISCO, MARIA FERNANDES DOS SANTOS, MARINALDO LIMA DA SILVA e SEVERINO FRANCISCO, totalizando R$ 137.208,32 (cento e trinta e sete mil, duzentos e oito reais e trinta e dois centavos); consequentemente, requereu providências deste Juízo no sentido de solucionar a questão, indicando os valores devidos a cada um dos beneficiários. 9. Na sequência, foram formulados diversos pedidos por distintas pessoas, a título de habilitação, que se encontram discriminados na tabela abaixo: EXEQUENTE ÓBITO HABILITANDO(S) PEDIDO DE HABILITAÇÃO OBSERVAÇÕES 1 MARIA HONÓRIO DO NASCIMENTO 19/dezembro/1998 (fl. 3.351) Maria de Lourdes do Nascimento fls. 3.347/3.351, vol. 15 comprovou ser a única pensionista (fl. 3.349) 2 AILTON RODRIGUES DE OLIVEIRA 30/agosto/2002 (fl. 3.357) Ana Lígia Barbosa da Silva fls. 3.353/3.359, vol. 15 comprovou ser a única pensionista (fl. 3.355) 3 JOSÉ JOAQUIM MEDEIROS FILHO 22/dezembro/1997 (fl. 3.397) Valdete Félix de Medeiros fls. 3.392/3.397, vol. 15 comprovou ser a única pensionista (fl. 3.396) 4 ALEXANDRE JOSÉ DAMIÃO DE LIMA 15/abril/1997 (fl. 3.877) Maria das Neves da Conceição fls. 3.871/3.877 Única pensionista (fl. 3.874). Contudo, já foram habilitados os filhos do de cujus (fls. 3.379/3.386, item 30 ). FUNASA ainda não teve vistas 5 VALDEMIR RIBEIRO DA SILVA 11/junho/2011 (fl. 4.107) Maria Lúcia da Silva Ribeiro fls. 4.095/4.108 FUNASA ainda não teve vistas 6 JOÃO MOURA DIAS 26/março/2017 (fl. 4.114) Maria Auzeni Leal Dias fls. 4.110/4.118 FUNASA ainda não teve vistas 7 BIANOR DA SILVA 15/junho/2000 (fl. 4.126) Eva Targino da Silva fls. 4.120/4.128 FUNASA ainda não teve vistas 8 MANOEL FLORIANO DA SILVA 07/outubro/1997 (fl. 2.785) Josefa Maria da Conceição fls. 2.780/2.787 Há outro pensionista (fl. 2.783). 9 ORLANDO CARLOS DA SILVA 13/dezembro/2016 (fl. 4.189) Josefa Santos da Silva fls. 4.184/4.191 FUNASA ainda não teve vistas 10 NILTON DE MENEZES PEREIRA 17/junho/2017 (fl. 4.227) Maria Sônia de Freitas Pereira fls. 4.225/4.231 FUNASA ainda não teve vistas 11 EDGAR VIEIRA DA SILVA NÃO HÁ CERTIDÃO DE ÓBITO Edglena Vieira da Silva fls. 4.271/4.273 Não há certidão de óbito ou qualquer outro documento 12 JURANDIR COSTA FILHO 25/janeiro/2016 (fl. 4.278) Luciana de Cássia da Silva Costa, Fábio José da Silva Costa, Fabiano Charles da Silva Costa e Mariana Karla da Silva Costa fls. 4.275/4.285 FUNASA ainda não teve vistas 13 GERMANO LUIZ DOS SANTOS 19/junho/2017 (fl. 4.290) Ivanice Maria Carvalho dos Santos fls. 4.287/4.295 FUNASA ainda não teve vistas 14 ORLANDO ALVES FEITOSA 14/janeiro/2014 (fl. 4.330) Maria das Graças de Sousa Feitosa fls. 4.327/4.336 FUNASA ainda não teve vistas 15 ANTÔNIO AQUINO NETO 10/setembro/1996 (fl. 4.361) Maria Gonçalves de Lucena Rolim fls. 4.356/4.364 FUNASA ainda não teve vistas 10. Autos conclusos, passo a decidir. Fundamentação 11. Quanto ao pedido de exclusão formulado pela substituída ELENICE DE SOUZA BORGES MARTINS, em que pese ter comunicado a este Juízo que não mais possuía valores a executar neste processo, por já ter recebido seu crédito por meio da ação nº. 94.0001352-3 (fls. 3.841/3.849 e 3.850/3.854, vol. 17), a referida exequente, contraditoriamente, efetuou o saque dos valores oriundos da RPV nº. 2017.82.00.001.000181 expedida em seu favor nestes autos (fl. 3.738/3.739, vol. 16), conforme informações prestadas pela CEF (fls. 4.210/4.212, vol. 18). 12. De todo modo, o CPC, art. 775, autoriza o(a) credor(a) a desistir de toda a execução ou apenas de parte das medidas executivas, sendo este um direito subjetivo que prescinde, inclusive, da anuência da(s) parte(s) adversa(s). 13. Logo, considerando que a exequente ELENICE DE SOUZA BORGES MARTINS comunicou voluntariamente que não mais possui valores a receber nestes autos, deve ser excluída da presente execução. 14. Por outro lado, a eventual devolução de valores de valores recebidos indevidamente não poderá ser processada nos presentes autos, cabendo à FUNASA promover a ação judicial própria para eventual restituição de valores recebidos indevidamente. 15. Quanto aos pedidos de habilitação, conforme item 10, retro, o CPC, art. 689, autoriza a habilitação nos autos da causa principal, na instância em que estiver, suspendendo-se, a partir de então, o processo. 16. A FUNASA foi intimada apenas dos pedidos constantes nos itens 1, 2, 3 e 8 da tabela acima, tendo apresentado contestação apenas quanto aos 3 (três) primeiros (fls. 3.815/3.818, 3.820/3.823 e 3.810/3.813). 17. Em que pese a alegação da FUNASA, não há que se falar em prescrição do fundo do direito, uma vez que, com a morte do autor, suspende-se o processo até que se ultime a habilitação dos seus herdeiros, não estabelecendo o CPC qualquer prazo para habilitação. 18. Ademais, a Lei nº 8.213/1991, art. 112, aplicável analogicamente à hipótese dos autos, dispõe que o valor não recebido em vida pelo segurado deverá ser pago aos seus dependentes habilitados à pensão por morte ou, na falta deles, aos seus sucessores na forma da lei civil, independentemente de inventário ou arrolamento. 19. No caso dos autos, os habilitandos relacionados nos itens 1, 2 e 3 da tabela comprovaram ser os únicos beneficiários de pensão por morte deixada pelos respectivos exequentes, fazendo jus ao deferimento do pedido de habilitação. 20. Entretanto, os documentos trazidos pela habilitanda relacionada no item 8 da tabela, Josefa Maria da Conceição, demonstram que ela não é a única pensionista do exequente MANOEL FLORIANO DA SILVA (fls. 2.783) 21. Diante disso, considerando que sua cota da pensão é de apenas 50% (cinquenta por cento), sua habilitação nos créditos que o de cujus MANOEL FLORIANO DA SILVA tem a receber nestes autos deve se limitar ao referido percentual. 22. No que diz respeito ao pedido de habilitação constante no item 4 da tabela, referente ao crédito deixado por ALEXANDRE JOSÉ DAMIÃO DE LIMA, cumpre destacar que já foi deferida a habilitação de seus filhos WANNDSON JOSÉ MOURA DAMIÃO e ALEXANDRE JOSÉ DAMIÃO DE LIMA JÚNIOR (fls. 3.379/3.386). 23. Posteriormente, foi formulado pedido de habilitação por sua companheira MARIA DAS NEVES DA CONCEIÇÃO (fls. 3.871/3.877), o que ocasionou a determinação de bloqueio do pagamento das RPVs expedidas em nome dos filhos já habilitados até que fosse apreciado o pedido de habilitação formulado pela companheira e única pensionista (fls. 4.202). 24. Todavia, a FUNASA ainda não teve oportunidade de se manifestar sobre esse novo pedido de habilitação. 25. Da mesma forma, tampouco foi oportunizada à Fazenda Pública a manifestação acerca dos demais pedidos de habilitação relacionados nos itens 5 a 7, 9 e 10 e 12 a 14 da tabela acima. 26. Assim, não pode este Juízo decidir acerca dos aludidos pedidos de habilitação sem que seja a FUNASA citada para sobre eles se pronunciar, consoante disposto no CPC, art. 690. 27. O pedido de habilitação constante no item 11 da tabela supra sequer deve ser conhecido, uma vez que não foi instruído com quaisquer documentos. 28. Quanto ao depósito de valores em conta bancária da pessoa jurídica EDÍSIO SOUTO ADVOCACIA, é possível constatar, de fato, a ocorrência do equívoco noticiado na certidão da Secretaria da Vara, conforme itens 6 e 7. 29. Tudo teve início quando a Secretaria da Vara deixou de observar, quando da expedição de RPVs, o destaque de honorários contratuais em favor de EDÍSIO SOUTO ADVOCACIA, apesar de já haver pronunciamento judicial nesse sentido (fls. 3.296/3.301, item 31). 30. Por essa razão, foi determinada, então, a expedição de ofício ao TRF5 para que efetuasse o devido destaque, com a transferência de 10% (dez por cento) dos valores depositados em favor dos substituídos para o advogado (fl. 3.895, item 5), sendo o ofício efetivamente expedido (fls. 3.903/3.904). 31. Todavia, o TRF5, em resposta, determinou simplesmente que os valores em questão ficassem à disposição do Juízo da execução (fls. 4.061/4.072), ou seja, não houve separação da quantia que deveria ser paga ao advogado, a título de honorários, e aos particulares, como crédito principal, conforme havia sido solicitado no ofício (fls. 3.903/3.904). 32. Os valores das requisições de pagamento foram depositados em contas bancárias do Banco do Brasil, englobando, numa mesma conta, crédito principal e verba honorária. 33. No entanto, em vez de efetuar a separação desses créditos, foi determinada (fl. 4.260) a expedição de ofício ao Banco do Brasil para que transferisse a titularidade das contas nº. 4900.128343725, agência 3234 (fl. 4.236), 5000.128343495, agência 3234 (fl. 4.240), 4900.128343340, agência 3234 (fl. 4.244), 4900.128343344, agência 3234 (fl. 4.248), 5000.128343296, agência 3234 (fl. 4.252) e 5000.128343326, agência 3234 (fl. 4.256) à pessoa jurídica EDÍSIO SOUTO ADVOCACIA, sendo expedido ofício nos termos da decisão (fl. 4.262). 34. O Banco do Brasil comunicou o cumprimento da determinação, à exceção das contas nº. 5000.128343296 e 5000.128343326, uma vez que os valores já haviam sido resgatados (fl. 4.346). 35. Ocorre que as contas em questão não poderiam ter tido suas titularidades transferidas à sociedade de advogados, uma vez que, em cada uma delas, encontravam-se depositadas parcelas atinentes ao crédito principal, devido aos substituídos, e honorários contratuais, devidos ao advogado. 36. Esse fato deu ensejo à interposição de petição, pelo advogado José Edísio Souto, comunicando que foram transferidas para sua conta valores que não são de sua titularidade, e que restou infrutífera sua tentativa de devolver esses valores ao Banco do Brasil (fls. 4.300/4.320). 37. Os elementos constantes nos autos, contudo, ainda não suficientes para solucionar a questão. 38. Na realidade, é necessária a juntada de extratos integrais das contas relacionadas no ofício nº. OFI.001.000391-4/2017 (fl. 4.262), desde a data de sua abertura até o presente, a fim de se constatar quanto foi depositado nas referidas contas e qual a natureza dos depósitos, bem como dos DARFs de recolhimento PSS e imposto de renda, individualizados por beneficiário e conta. 39. Tal medida é imprescindível para se apurar se o montante transferido para a firma EDÍSIO SOUTO ADVOCACIA engloba a totalidade dos créditos, inclusive verba tributária incidente sobre aqueles valores, bem como se há correspondência entre os valores depositados nas contas citadas acima e os valores transferidos à firma de advocacia, já informados pelo advogado (fl. 4.319). 40. Além disso, à vista do teor do ofício (fls. 4.346/4.354) deve o Banco do Brasil esclarecer os motivos pelos quais os valores oriundos das RPVs expedidas em favor de VALDIR GOMES e SEVERINO FRANCISCO foram sacados, respectivamente, em 15/agosto/2017 e 10/agosto/2017, uma vez que havia determinação anterior do TRF5, datada de 07/julho/2017 (fls. 4.066 e 4.068) para que referidos depósitos fossem colocados à disposição deste Juízo a quem caberia decidir sua destinação, não tendo havido qualquer decisão entre 07/julho/2017 e 10/agosto/2017 autorizando o saque. Dispositivo 41. Isto posto, declaro extinta a execução em relação à substituída ELENICE DE SOUZA BORGES MARTINS, com fundamento no CPC, art. 485, VIII, c/c os arts. 771, parágrafo único e 775, face à declaração de que não tem mais valores a receber nestes autos, cabendo à FUNASA, querendo, promover a ação judicial própria para eventual restituição de valores recebidos indevidamente; determino à Secretaria que proceda às anotações cartorárias quanto ao novo patrono do SINTSERF/PB (fl. 4.269), devendo o nome da advogada Mônica de Souza Rocha Barbosa, que antes representava o referido Sindicato, permanecer no cadastro de autuação do feito apenas na qualidade de representante legal dos particulares que lhe outorgaram mandato; defiro, com fundamento no CPC, arts. 689 e 691 e na Lei nº. 8.213/91, art. 112, os pedidos de habilitação formulados por Maria de Lourdes do Nascimento (fls. 3.347/3.351, vol. 15), Ana Lígia Barbosa da Silva (fls. 3.353/3.359, vol. 15) e Valdete Félix de Medeiros (fls. 3.392/3.397, vol. 15) em relação aos créditos deixados, respectivamente, pelos ex-exequentes MARIA HONÓRIO DO NASCIMENTO, AILTON RODRIGUES DE OLIVEIRA e JOSÉ JOAQUIM MEDEIROS FILHO, devendo ser expedidas as requisições de pagamentos dos valores incontroversos em nome dos substituídos, com destaque de honorários contratuais no percentual pactuado; defiro, em parte, o pedido de habilitação formulado por Josefa Maria da Conceição (fls. 2.780/2.787), devendo a requisição de pagamento a ser expedida em seu favor limitar-se ao percentual de 50% (cinquenta por cento) dos créditos que o de cujus MANOEL FLORIANO DA SILVA tem a receber nestes autos, cabendo à(o) outra(o) pensionista requerer a execução dos 50% (cinquenta por cento) remanescentes; não conheço do pedido de habilitação formulado por Edglena Vieira da Silva (fls. 4.271/4.273), uma vez que não foi instruído com certidão de óbito ou qualquer outro documento; determino a citação da FUNASA para, na forma do CPC, art. 690, manifestar-se sobre os demais pedidos de habilitação, relacionados nos itens 4 a 7, 9 e 10 e 12 a 15 da tabela constante no item 11 desta decisão; e determino, por fim, a imediata expedição de ofício ao Banco do Brasil para que apresente os extratos integrais das contas relacionadas no ofício nº. OFI.001.000391-4/2017 (fl. 4.262), desde a data de sua abertura até a presente, bem como dos DARFs de recolhimento PSS e imposto de renda, individualizados por beneficiário e conta, bem como para que esclareça os motivos pelos quais os valores oriundos das RPVs expedidas em favor de VALDIR GOMES e SEVERINO FRANCISCO foram sacados, respectivamente, em 15/agosto/2017 e 10/agosto/2017, uma vez que havia determinação anterior do TRF5, datada de 07/julho/2017 (fls. 4.066 e 4.068) para que referidos depósitos fossem colocados à disposição deste Juízo a quem caberia decidir sua destinação, não tendo havido qualquer decisão entre 07/julho/2017 e 10/agosto/2017 autorizando o saque. 42. A extinção da execução diz respeito apenas à substituída ELENICE DE SOUZA BORGES MARTINS, devendo o feito prosseguir em relação aos demais substituídos. 43. Intimações e expedientes necessários. 44. Aproveito a oportunidade para recomendar à Secretaria da Vara (em especial aos servidores que trabalharam na tramitação destes autos) a devida atenção para evitar equívocos que possam causar prejuízos à marcha processual. 45. Cumpridas as medidas determinadas nesta decisão, voltem-me os autos conclusos. 46. P.R.I, com a devida prioridade, em virtude da longa tramitação do feito. João Pessoa, 12/janeiro/2018. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0005406-44.2012.4.05.8200 JOSEFA COELHO ARRAES E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO) x JOSÉ TEIXEIRA DE ARAÚJO E OUTRO X UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0005406-44.2012.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: JOSEFA COELHO ARRAES e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) C E R T I D Ã O Certifico que os habilitados peticionaram (fl.347), requerendo nova expedição da rpv cancelada, bem como o destaque dos honorários advocatícios em nome da sociedade de advogados constante nos contratos (fls.254,265,289,292,296,299,302 e 325). Dou fé. João Pessoa, 01 de dezembro de 2017. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 01 de dezembro de 2017. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário Processo:0005406-44.2012.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: JOSEFA COELHO ARRAES e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) Decisão: 1. R. H. 2. O exequente requer a expedição de nova requisição de pagamento em seu favor, alegando que houve cancelamento da RPV expedida nestes autos sem que houvesse o levantamento do crédito correspondente (fl. 347). 3. Contudo, não foram juntados aos autos extratos da conta em que houve o depósito dos valores oriundos da requisição de pagamento, documento imprescindível à demonstração de que os valores foram devolvidos à UNIÃO, em razão do decurso do tempo sem realização de saque pela parte interessada. 4. Isto posto, indefiro, por ora, o pedido (fl. 347), ficando a expedição de nova requisição de pagamento condicionada à comprovação, pela parte interessada, de que os valores oriundos das RPVs expedidas nestes autos não foram levantados, tendo sido devolvidos aos cofres públicos, o que deverá ser demonstrado através da juntada de extrato da conta em que houve o depósito do requisitório. 5. Intime-se. João Pessoa, 12/01/218 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0010791-46.2007.4.05.8200 IVETE SILVERIO SANTANA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) X FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº. 2007.010791-1 - Classe 206 CERTIDÃO Certifico que o substituto processual SINTSERF/PB ingressou com a petição (fls. 447/449), requerendo a remessa dos autos ao Contador do Juízo para que sejam efetuados, na forma do decidido no ementado RE 579.431/RS, os cálculos da diferença entre os valores percebidos pelos substituídos processuais, a título de pagamento das RPVs (fls. 403/412 e 422/437) expedidas, e aqueles decorrentes dos juros de mora calculados entre a data da confecção da conta exequenda e a da requisição das RPS, e seus reflexos nos honorários advocatícios da sucumbência. Dou fé. João Pessoa, 01/12/2017. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª. Vara. João Pessoa, 01/12/2017. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário Processo:0010791-46.2007.4.05.8200- Cls. 206 Decisão: 1. R. H. 2. Trata-se de cumprimento de sentença contra a Fazenda Pública já declarado extinto em razão da expedição de requisição(ões) de pagamento em favor do credor (fl. 439). 3. A parte exequente requereu o desarquivamento dos autos e a realização de novos cálculos com vistas à execução complementar de juros de mora incidentes no período compreendido entre a data da elaboração dos cálculos e a data da expedição da RPV/precatório, em razão do que foi decidido pelo STF no Recurso Extraordinário nº 579.431/RS, em sede de repercussão geral (fls.447/449). 3. Autos conclusos, passo a decidir. 4. O Plenário do Supremo Tribunal Federal decidiu, no julgamento do RE nº 579.431/RS, com repercussão geral reconhecida, que incidem juros de mora no período compreendido entre a data de elaboração de cálculos e a data de expedição da requisição de pequeno valor ou do precatório. 5. Todavia, não é o caso de se aplicar referido entendimento ao presente processo. 6. Com efeito, cumpre observar que a propositura de execução complementar de valores correspondentes aos juros moratórios compreendidos entre a data de elaboração dos cálculos e a data de expedição da requisição de pagamento compõe, em certa medida, o próprio mérito do processo de execução/cumprimento de sentença, uma vez que se consubstancia na matéria de maior relevo a ser discutida nos embargos à execução (antigo CPC/73, art. 730) ou na respectiva fase de impugnação ao cumprimento de sentença (CPC/15, art. 535). 7. A pretensão de incidência de juros de mora no período entre a homologação dos cálculos e a requisição de pagamento deveria ser deduzida pelo exeqüente/requerente de maneira expressa e opportuno tempore, passando a compor o mérito (definição do quantum debeatur) do processo executivo por ele proposto, o que não ocorreu na presente hipótese. 8. Daí porque aplicável ao caso a regra prevista, à época (CPC/73, art. 474, atualmente CPC/15, art. 508), segundo a qual, transitada em julgado a decisão de mérito (leia-se: decisão que homologa os cálculos e seus respectivos parâmetros), considerar-se-ão deduzidas e repelidas todas as alegações e as defesas que a parte poderia opor tanto ao acolhimento quanto à rejeição do pedido. 9. Portanto, por expressa determinação legal (CPC/73, art. 474 ou CPC/15, art. 508), a questão afeta à possibilidade de incidência de juros de mora nos termos do entendimento firmado no RE nº 579.431/RS já se encontra acobertada pelo efeito preclusivo da coisa julgada da decisão/sentença (fls. 400/401) que definiu os parâmetros de cálculo incidentes na espécie e o respectivo valor devido à parte exequente. 10. Ainda que a questão tivesse sido oportunamente suscitada pelo exequente, havendo nos autos decisão transitada em julgado em sentido contrário, já se teria operado a coisa julgada a respeito da matéria, não podendo a pretensão ser deduzida posteriormente, sob pena de ofensa à res judicata. 11. Acresço ainda que, após o trânsito em julgado da sentença de embargos ou precluso o direito de recorrer contra a decisão que julgou a impugnação ao cumprimento de sentença, a fase processual subsequente consiste na adoção das providências necessárias à expedição da requisição de pagamento; nesta fase, de acordo com a regulamentação legal e infralegal (Resoluções CJF nº. 168/2011 e 405/2016), logo após a expedição da requisição de pagamento, deve ser franqueada às partes a oportunidade de se manifestarem sobre o requisitório respectivo antes de sua remessa ao tribunal, sendo esse o derradeiro momento para os interessados discutirem eventuais erros materiais ou inconsistências na requisição de pagamento. 12. Havendo aquiescência do exequente com o valor ali constante, torna-se preclusa a derradeira oportunidade de impugnar a correção do quantum devido, donde se conclui que a pretensão de executar o montante complementar referente aos juros que deixaram de constar no requisitório representa um comportamento contraditório (preclusão lógica) da própria parte interessada, que, ao se manifestar sobre o valor constante na RPV/precatório, com ele aquiesceu. 13. Por fim, a pretensão de aplicação de juros sobre as requisições já pagas em razão da superveniência do julgamento, pelo STF, do RE 579.431/RS, representaria uma violação ao próprio regime legal de julgamento de recursos repetitivos. 14. Isso porque a sistemática de repercussão geral (CPC, art. 1.035) impõe a seleção de um dentre vários recursos a respeito de uma mesma matéria para servir como processo paradigma, cuja tese firmada por ocasião do julgamento deverá ser aplicada a todos os outros processos em que se discute a mesma questão e que se encontrem sobrestados (CPC, art. 1035, §5º), o que não é caso do presente feito. 15. Ou seja, a pretensão do exequente equivaleria a burlar esse regime de sobrestamento do recurso extraordinário com repercussão geral, na medida em que objetiva a aplicação do entendimento firmado pelo STF no julgamento do processo paradigma (RE 579.431/RS) a uma demanda judicial já transitada em julgado e que não foi sobrestada para aguardar o deslinde da repercussão geral, já que não foi interposto nos presentes autos o competente recurso extraordinário para a discussão da mesma questão jurídica objeto do recurso paradigma. 16. Isto posto, considerando a incidência do efeito preclusivo da coisa julgada (CPC, art. 508) e da preclusão (CPC, arts. 507), a aquiescência da parte requerente com os valores constantes na requisição de pagamento (CPC, art. 1.000) e a manifesta violação ao regime legal da repercussão geral em recurso extraordinário (CPC, art. 1.035), uma vez que o presente feito não estava suspenso aguardando o deslinde da questão debatida no RE 579.431/RS, indefiro o pleito de execução complementar dos juros de mora formulado pelo exequente (fls. 447/449). 17. Intimem-se, imediatamente. 18. Decorrido o prazo recursal, retornem os autos ao arquivo, após a devida baixa na Distribuição. João Pessoa, 12/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª. VARA FEDERAL

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0007151-98.2008.4.05.8200 MARIA EDUARDA LAFETÁ NOVAES GUERRA (Adv. VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO, VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO, TATIANA DO AMARAL CARNEIRO CUNHA, AMANDA LUNA TORRES, RENATA TORRES DA COSTA MANGUEIRA, MARIA DO ROSARIO MADRUGA DE QUEIROZ, ISABELLI CRUZ DE SOUZA NEVES, RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES, GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX, MARNE GUEDES RABELLO CAVALCANTI, GITANA SOARES DE MELLO E SILVA PARENTE, INGRID CRUZ DE SOUZA NEVES, GIORDANO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, RAMON PESSOA DE MORAIS, BÁRBARA DE MELO FERNANDES, PRISCILA DA COSTA MACHADO, THAYSE CHRISTINE SOUZA DIAS) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Processo nº. 2008.007151-9 - Classe 229 CERTIDÃO Certifico que ainda não foi prolatada sentença de extinção da execução da obrigação pagar, em relação ao valor principal, tendo em vista que a parte autora não efetuou o levantamento do alvará expedido (fls. 183) e reexpedido (fls. 1970 dos valores depositados (fls. 193/195), por não ter sido encontrada em seu endereço informado na petição inicial. Dou fé. João Pessoa, 30/11/2017. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Titular da 1ª. Vara. João Pessoa, 30/11/2017. Eduardo Marques Borges de Souza Técnico Judiciário Processo nº. 0007151-98.2008.4.05.8200 (2008.82.00.007151-9) Classe: 229 AUTOR: MARIA EDUARDA LAFETÁ NOVAES GUERRA REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) SENTENÇA Vistos, etc. Relatório O título executivo judicial (fls. 51/57) reconheceu o direito da autora à aplicação do percentual de 42,72% (quarenta e dois vírgula setenta e dois por cento) às suas cadernetas de poupança. 2. Iniciada a fase de cumprimento de sentença, a CEF efetuou o depósito judicial das quantias de R$ 398,74 (trezentos e noventa e oito reais e setenta e quatro centavos) (fl. 123) e R$ 90,85 (noventa reais e oitenta e cinco centavos) (fl. 167), de acordo com a manifestação da Contadoria (fls. 161/163). 3. A exequente concordou com os valores depositados, dando por satisfeita a obrigação (fl. 181). 4. Foi expedido alvará em favor da autora (fl. 183); contudo, esta deixou de comparecer à CEF para levantar os valores nele consignados, conforme certidão (fl. 201). 5. Autos conclusos, passo a decidir. Fundamentação 6. A própria autora declarou satisfeita a obrigação (fl. 181), mas deixou de comparecer à CEF a fim de levantar os valores consignados no alvará expedido em seu favor. 7. Considerando que a executada CEF desincumbiu-se de seu ônus ao efetuar o depósito do quantum exequendo e tendo em vista, ainda, que este Juízo já adotou todas as providências que lhe competiam com vistas ao levantamento dos valores pela credora, não subsiste qualquer razão para que este feito continue a tramitar, impondo-se sua extinção. Dispositivo 8. Isto posto, nos termos do CPC, art. 924, II e 925, declaro extinta a presente execução, tendo em vista a satisfação do crédito exequendo. 9. Após o decurso do prazo legal sem recurso voluntário, arquivem-se estes autos com baixa na distribuição do feito, ressalvado o direito ao desarquivamento do feito para expedição de novo alvará, caso requerido pela autora. 10. P. R. I. João Pessoa/PB, 16/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA

   

0008051-13.2010.4.05.8200 GILVAN GOMES CABRAL (Adv. CICERO GUEDES RODRIGUES) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Processo: 0008051-13.2010.4.05.8200 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(es): GILVAN GOMES CABRAL Réu(s) : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL-CEF Sentença Vistos, etc. Relatório 1. Trata-se do cumprimento de acórdão prolatado pelo TRF5 no julgamento da apelação cível nº 535963 (fls. 177/180). 2. O referido título determinou a incidência dos expurgos inflacionários dos planos Verão (janeiro/89) e Collor I (abril/90) sobre o resíduo dos juros progressivos pagos ao exequente em outro feito. 3. A CEF informou (fls. 258) haver satisfeito a obrigação por meio de processo que tramitou na Justiça Federal do Distrito Federal, e que o autor/credor, inclusive, levantou os valores depositados na sua conta vinculada em cumprimento ao referido julgado. 4. A Contadoria do Juízo informou (fls. 327 ) que a obrigação objeto do título judicial constituído nestes autos foi cumprida pela CEF por meio do processo nº 2001.34.00.021924-4/DF. 5. O autor/exequente (fls. 330/333) discordou do parecer contábil, sustentando que a própria ré/executada teria afirmado, na fase de conhecimento/contestação, não haver realizado o pagamento do reflexo dos planos econômicos sobre os juros progressivos, porque o autor não o requereu no(s) feitos(s) que tramitam(aram) na SJDF. 6. Relatados, sucintamente, passo a decidir. Fundamentação 7. Atendendo às solicitações da Contadoria do Juízo (fls. 285 e 300), a CEF apresentou (fls. 298/299) e 305/325) extratos analíticos e planilhas/cálculos, explicitando os critérios adotados para a definição dos créditos por ela efetuados nos feitos ajuizados pelo ora exequente na SJDF. 8. A Contadoria do Juízo (fls. 327) procedeu à conferência e verificação da documentação apresentada, e aferiu que o objeto da presente obrigação de fazer foi cumprida no processo nº 2001.34.00.032024-4, da 14ª Vara Federal do Distrito Federal. 9. Assim sendo, a mera alegação do exequente de que a CEF afirmou anteriormente não haver creditado, por meio do processo nº 4788-19.1996.4.01.3400/DF, o reflexo dos planos econômicos sobre o resíduo dos juros progressivos, não é suficiente pra infirmar as conclusões técnicas da Contadoria do Juízo, de que o crédito em questão foi efetivado no processo "2001.34.00.032024-4/DF". 10. Vale ressaltar, que o Contador do Juízo é profissional habilitado, investido de múnus público, e, na qualidade de auxiliar da Justiça, figura em posição equidistante dos interesses particulares das partes, razão pela qual suas conclusões gozam de presunção de legitimidade, salvo prova fundamentada em sentido diverso, o que não ocorreu no presente caso. 11. Em síntese, se houve depósito dos valores devidos nestes autos, mesmo que em outra ação, não há se falar em novo cumprimento do julgado, pois isso caracterizaria pagamento do mesmo título em duplicidade, o que é indevido. 12. Tendo em vista a satisfação integral da obrigação de fazer pela CEF, encontra-se encerrada a fase de efetivação do julgado, restando finalizado, por conseguinte, o procedimento nesta instância; assim, verificada a exaustão dos atos de realização da condenação, impõe-se a extinção do feito, nos termos do CPC, arts. 924, II, e 925, aplicáveis subsidiariamente ao procedimento de cumprimento de sentença. Dispositivo 13. Isto posto, declaro extinto o presente feito, em face da falta de interesse de agir do autor/exequente GILVAN GOMES CABRAL no prosseguimento da fase de cumprimento da sentença, tendo em vista que a obrigação foi satisfeita pela CEF em outro feito, conforme aferiu a Contadoria do Juízo (fls. 327). 14. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com a devida baixa na distribuição. 15. Publique-se, registre-se, intimem-se e cumpra-se. João Pessoa, 19/dezembro/2017 João Bosco Medeiros de Sousa Juiz Federal da 1ª Vara 1 1 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA PRIMEIRA VARA

   

0008222-58.1996.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. RODRIGO NOBREGA FARIAS, ZELIA SILVA ARAUJO RIBEIRO, ANTONIETA L PEREIRA LIMA, ALEXANDRA ARAUJO LOBO DE MARIGNY MONTEIRO, VANESSA CRISTINA DE MORAIS RIBEIRO, PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, ASCIONE ALENCAR CARDOSO) x JOSE ROBERTO SOBRINHO (TERCEIRO INTERESSADO) (Adv. FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS) x EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - DIRETORIA REGIONAL DA PARAIBA X FACA - COMERCIO DE VEICULOS LTDA (Adv. FABIO FIRMINO DE ARAUJO, FABIO FIRMINO DE ARAUJO) x FACA COMERCIO DE VEICULOS LTDA x JOSE ROBERTO SOBRINHO (TERCEIRO INTERESSADO) (Adv. FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS)

PROCESSO Nº 0008222-58.1996.4.05.8200 - CLASSE 229 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 17/01/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre a petição (fls. 364/369), a decisão e bloqueios (fls. 359/361), no prazo de 05 (cinco) dias. 3- Depois, conluam-se os autos para decisão. João Pessoa, 18/01/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000079-45.2017.4.05.8200 LUCIANA SOARES DE ARAUJO E OUTRO (Adv. ALEXANDRE AMARAL DI LORENZO) X CAIXA SEGURADORA S/A (Adv. MILENA NEVES AUGUSTO, CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL)

Processo: 0000079-45.2017.4.05.8200 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor: LUCIANA SOARES DE ARAUJO e OUTRO Réu: CAIXA SEGURADORA S/A e OUTRO Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) SENTENÇA 1. Trata-se de ação ordinária proposta por LUCIANA SOARES DE ARAÚJO e CAIO CÉZAR SILVA DE LIMA em desfavor da CAIXA SEGURADORA S/A, objetivando pagamento de indenização por danos morais e materiais em razão de um incêndio ocorrido no imóvel dos autores, em decorrência do qual a ré pagou uma indenização de apenas R$ 2.302,00 (dois mil, trezentos e dois reais), insuficiente para a cobertura dos prejuízos causados pelo sinistro. 2. A ação foi originalmente proposta junto à Justiça Estadual, tendo os autos sido posteriormente remetidos à Justiça Federal, em face de incompetência declarada no Juízo de origem do feito (fls. 339), em decorrência do interesse da CEF em integrar a lide. 3. O feito foi distribuído para a 7ª Vara do Juizado Especial Federal desta Subseção Judiciária, uma vez que o valor da causa não superava a quantia de 60 (sessenta) salários mínimos. Não obstante, foi proferida decisão determinando a distribuição do feito para uma das varas comuns desta Subseção, em razão da vedação contida na Lei nº. 9.099/95, art. 10. 4. Despacho (fls. 351) determinou a realização de audiência de conciliação entre as partes. 5. Conciliação infrutífera entre as partes (fls. 360). 6. Autos conclusos (fls. 369). 7. Relatados, em síntese, passo a decidir. 8. A Res. TRF 5ª Região nº 16/2012 dispôs que não seria mais admitida a distribuição de determinadas classes de ações cíveis em autos físicos, depois de 15/outubro/2012, na Justiça Federal da Seção Judiciária da Paraíba. 9. Com efeito, a Res. TRF 5ª Região nº 16/2012, art. 1º, c/c o art. 2º, V, bem como a Portaria nº 084/GDF, de 18/julho/2013, foram taxativas ao estabelecer que seria adotado, com exclusividade, o processo judicial eletrônico (PJE) para a propositura e tramitação das ações incluídas na classe de procedimento ordinário e na classe de mandados de segurança, sendo essas disposições aplicáveis, inclusive, aos feitos recebidos da Justiça Estadual em autos físicos. 10. Posteriormente, foi editada a Portaria nº 133/GDF, de 26/setembro/2013, que alterou parcialmente a Portaria nº 084/GDF, dispondo que, a partir de 31/dezembro/2013, para o ajuizamento e tramitação das ações judiciais, nesta Seção Judiciária, incluídas nas demais classes cíveis, bem como de todos os seus incidentes processuais e ações conexas, excluídas as ações de execução fiscal e seus embargos, bem como as causas de competência dos Juizados Especiais Federais, seria utilizado exclusivamente o sistema denominado "Processo Judicial Eletrônico" (PJE). 11. Vale salientar que o Provimento nº 02/2013, de 21/outubro/2013, da Corregedoria-Regional do TRF 5ª Região, no art. 1º, §§ 1º a 3º, dispôs que as ações oriundas da Justiça Estadual, autuadas em autos físicos, após a regular distribuição no sistema TEBAS, deveriam ser arquivadas, depois de sua digitalização e autuação de forma eletrônica (PJE) pela(s) parte(s) demandante(s). 12. No caso em exame, a presente ação foi redistribuída à Justiça Federal após a data limite para admissão de novas ações em autos físicos (14/maio/2017), de modo que o feito não pode tramitar na forma em que se encontra nesta Seção Judiciária, pois isso desvirtuaria os objetivos da Res. nº 16/2012, da Corregedoria-Regional do TRF 5ª Região, bem da Portaria nº 084/GDF, de 18/julho/2013, c/c a Portaria nº 133/GDF, de 26/setembro/2013, não havendo outra solução senão a extinção do processo, sem exame do mérito, por ausência de pressupostos de desenvolvimento e de procedibilidade da ação. 13. Ante o exposto, com base no CPC/2015, art. 485, IV, declaro extinto o presente feito, sem resolução do mérito, ficando assegurada à(s) parte(s) demandante(s) a utilização do processo judicial eletrônico (PJE). 14. Fica facultada a digitalização das peças destes autos pelo(a)(s) autor(a)(es) para distribuição da ação eletrônica por dependência a este feito, no prazo de 30 (trinta) dias, mediante o sistema do processo judicial eletrônico (PJE), devendo requerer a citação da CEF para compor o pólo passivo da ação, em face do interesse demonstrado na lide (fls. 327/331) pela referida empresa pública. 15. Honorários advocatícios incabíveis na espécie, porque não houve sucumbência nesta ação e a extinção do feito decorreu de circunstância alheia à vontade das partes. 16. Após o decurso do prazo referido anteriormente, arquivem-se estes autos, com baixa na Seção de Distribuição e Registro. 17. Publique-se, registre-se, intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa/PB, 19/12/2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 3 PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0000379-27.2005.4.05.8200 CONSTRUTORA BETO MACHADO LTDA - COBEMA (Adv. RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO, MARCELA MOYSES POLETTI) X UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. NICILDO RODRIGUES DA SILVA)

Processo:0000379-27.2005.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: CONSTRUTORA BETO MACHADO LTDA - COBEMA REU: UNIAO (FAZENDA NACIONAL) e OUTRO Sentença TIPO "B" (Res. CJF nº 535/2006) SENTENÇA 1. O título executivo judicial declarou a nulidade das NFLDs 35.444.094-2, 25.444.102-7 e 35.609.538-0 e reconheceu a decadência das NFLDs 35.444.101-9 e 35.444.123-0 e das competências entre o período de 01/97 a 12/97 da NFLD 35.444.099-3, e condenou a parte autora ao pagamento de honorários advocatícios no valor de R$ 1.000,00 (mil reais) (fls. 1433/1446 e 1477/1487). 2. A UNIÃO juntou documentos aos autos a fim de comprovar o cumprimento da obrigação de fazer (fls. 1505/1506). 3. Instado a se manifestar sobre a satisfação da obrigação de fazer (fl. 1510), o exequente concordou tacitamente com o cumprimento da obrigação (fls. 1511). 4. Ante o exposto, fundamentado no art. 924, II e 925 do CPC, e à vista do documento (flss. 1506/1506v) e da concordância tácita do exequente, declaro extinta a obrigação de fazer, para que produza jurídicos e legais efeitos. 5. Intimem-se os executados para, no prazo de 15 (quinze) dias, pagarem o valor da condenação (fls. 1433/1446), sob pena de multa de 10% (dez por cento) e honorários advocatícios da execução, também de 10% (dez por cento), nos termos do CPC/2015, art. 523, §1º. 6. Caso o requerimento de cumprimento de sentença tenha sido formulado pelo(a) exeqüente após 1 (um) ano do transito em julgado da sentença, deverá a Secretaria do Juízo, independentemente de nova conclusão, intimar pessoalmente o(a) executado(a), nos termos do CPC/2015, art. 513, § 4º; na hipótese de requerimento da execução em prazo inferior a 01 (um) ano, a intimação para cumprimento da sentença deverá ser feita na pessoa de seu(s) advogado(s) constituído(s) nos autos, na forma do mesmo CPC/2015, art. 513, § 2º, I. 7. Transcorrido o prazo de 15 (quinze) dias sem o pagamento voluntário, a Secretaria do Juízo deverá adotar, de logo, as medidas previstas no CPC/2015, art. 523, § 3º. 8. Em sendo o pagamento efetuado no prazo acima estabelecido, os honorários advocatícios serão reduzidos à metade, tendo em vista o comportamento cooperativo do(a) executado(a), a rápida satisfação da obrigação, a desnecessidade de prática de novos atos processuais e a aplicação analógica do art. 827, 1º. 9. Cientifique-se o(a) executado(a) de que poderá apresentar impugnação nos próprios autos, independentemente de penhora ou nova intimação, no prazo de 15 (quinze) dias, a contar do término do prazo para pagamento previsto no CPC/2015, art. 523. 10. P.R.I. João Pessoa, 19/12/2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0001002-81.2011.4.05.8200 JOÃO BATISTA DO NASCIMENTO, REPR. POR JOSEFA DA SILVA SOUZA (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, JOSE GEORGE COSTA NEVES, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, FREDERICO RODRIGUES TORRES, EDUARDO DIAS MADRUGA, RAFAELA GONÇALVES OLIVEIRA, ANA GABRIELA BARBALHO DA SILVA, WALKIRIA CORDEIRO LEITE DE ARAUJO, JOSERILDE TRAJANO LINS) X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Ação Ordinária - Classe 29 Autor (a): JOÃO BATISTA DO NASCIMENTO, representado por Josefa da Silva Souza Réu: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS DECISÃO 1. Chamo o feito à ordem, convertendo o julgamento em diligência. 2. O TRF5 (fls. 135/142) deu provimento à apelação interposta contra a sentença de improcedência prolatada nestes autos, para declarar "o feito original extinto sem exame do mérito, nos termos do art. 267, inciso III, do Código de Processo Civil", tendo referido acórdão transitado em julgado (fl. 144). 3. Desse modo, todos os atos processuais, inclusive, de instrução, praticados após o trânsito em julgado do acórdão proferido pelo TRF5 não podem ser aproveitados neste feito para fins de apreciação do mérito da pretensão deduzida na inicial, tendo em vista que eles foram praticados quando o processo já estava extinto. 4. Com efeito, entender de maneira diversa implicaria a desconstituição, pelo Juízo de 1.º Grau, do acórdão transitado em julgado prolatado pelo TRF5, o que não é admissível. 5. Ante o exposto, arquivem-se os autos, com baixa na Distribuição. 6. Intimem-se as partes desta decisão, com vista ao MPF. 7. Decorrido o prazo legal sem recurso voluntário, cumpra-se a determinação contida no item 5, supra. João Pessoa/PB, 13 de dezembro de 2017. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo n.º 0001002-81.2011.4.05.8200 1

   

0007560-35.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO) X AILTON AZEVEDO DE LACERDA (Adv. SEM ADVOGADO) x ALMIZA ALENCAR AZEVEDO LACERDA (Adv. ANNA KALLINE LEONARDO ANTAS ALMEIDA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA - 1ª VARA PROCESSO Nº: 0007560-35.2012.4.05.8200 AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF RÉS: AILTON AZEVEDO DE LACERDA E OUTRO SENTENÇA (tipo A) I) RELATÓRIO Trata-se de ação ordinária ajuizada pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF - em desfavor de AILTON AZEVEDO DE LACERDA e ALMIZA ALENCAR AZEVEDO LACERDA, tendo por objeto a cobrança da importância de R$ 29.873,06 (vinte e nove mil, oitocentos e setenta e três reais e seis centavos), atualizada até 17/08/2012, originária de Contrato de Abertura de Crédito para Financiamento Estudantil - FIES de nº 13.0036.185.0003560-99. A CEF (fls. 03/05) alega, em suma, que: a) a parte ré é devedora da quantia acima citada, atualizada até 17.08.2012, originária do contrato FIES nº 13.0036.185.0003560-99; b) os réus vinham cumprindo suas obrigações regularmente, todavia, deixaram de fazê-lo, o que acarretou o vencimento antecipado da dívida, com acréscimo de juros e multas contratuais; c) ajuizou ação monitória anteriormente (processo nº 0003773-03.2009.4.05.8200), mas foi extinta sem resolução do mérito, ficando ressalvada a via ordinária para a cobrança. Instruem a inicial os documentos (fls. 06/50). Custas recolhidas (fls. 07). A ré ALMIZA ALENCAR AZEVEDO LACERDA apresentou contestação (fls. 114/126), alegando, preliminarmente: a prescrição da dívida; a prescrição dos juros por força do art. 206, §3º, III do Código Civil; a prevenção da 1ª vara federal; onerosidade excessiva e impossibilidade da cobrança ante a não constituição da mora; limitação dos juros remuneratórios; carência de ação: falta de documento indispensável à propositura da ação; ilegalidade na aplicação da tabela price, por gerar anatocismo; aplicação do índice de correção de 3,4% ao ano; e no mérito, pugnou pela improcedência da demanda. A CEF apresentou impugnação à Contestação (fls. 137/142). É o relatório. Decido. II) FUNDAMENTAÇÃO II.1) QUESTÕES PRELIMINARES Em relação à prevenção da 1ª Vara Federal para o processo e julgamento da lide, esta questão já foi analisada pela MM. Juíza Federal Cristina Maria Costa Garcez, na decisão (fls. 144/145) que declarou a incompetência da 3ª Vara Federal para julgamento da lide e determinou a remessa dos autos a este Juízo. Também não há o que se falar em carência da ação, pois o autor trouxe todos os documentos indispensáveis para a propositura da ação junto com a inicial. Por fim, em relação as alegações de que os juros moratórios não devem ser superiores a 1% (um por cento) ao ano, de que a Lei 12.202/2010 determinou a limitação da taxa de juros, para contratos de financiamento estudantil, a 3,40% ao ano, de ilegalidade na aplicação da tabela price, por gerar anatocismo, tendo em vista que essas questões não estão previstas no rol taxativo no art. 337 do CPC/2015, entendo que as referidas "preliminares" não merecem prosperar. II.2) QUESTÃO PREJUDICIAL DE MÉRITO - PRESCRIÇÃO O marco inicial da prescrição do débito em contratos de financiamento com cláusula de vencimento antecipado da dívida é a data do vencimento da última prestação: CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. EMBARGOS À EXECUÇÃO. CONTRATO DE EMPRÉSTIMO. FIES ESTUDANTIL. PRESCRIÇÃO. TERMO DE INICIAL. 1. Discussão em torno da prescrição de uma das parcelas de contrato de empréstimo de Financiamento Estudantil - FIES, no caso, a prestação de n.º 20, com data de vencimento em 17/11/2004. 2. Conforme entendimento da jurisprudência, o marco inicial da prescrição do débito em contratos de financiamento com cláusula de vencimento antecipado da dívida é a data do vencimento da última prestação. 3. No caso, há de ser afastada a prescrição uma vez que o vencimento da última parcela do contrato está previsto para meados de 2014, quando terá início a contagem do prazo prescricional. 4. Agravo de instrumento provido. TRF da 5.ª Região. Terceira Turma. AG 00051540320124050000. Relator: Desembargador Federal André Luis Maia Tobias Granja. DJe:18/12/2012, p. 305. Quanto ao prazo da prescrição, sendo a relação de cunho contratual, aplica-se o art. 206, § 5º, I, do Código Civil que prevê a incidência do prazo prescricional de 5 (cinco) anos: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE COBRANÇA. FUNDAMENTAÇÃO. AUSENTE. DEFICIENTE. SÚMULA 284/STF. PREQUESTIONAMENTO. AUSÊNCIA. SÚMULA 282/STF. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL NÃO COMPROVADO. PARCELAS REFERENTES A CONTRATO DE MÚTUO PARA CUSTEIO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS. PRAZO PRESCRICIONAL. 1. Discute-se o prazo prescricional aplicável à pretensão de cobrança de parcelas referentes a contrato de crédito rotativo para financiamento de mensalidades universitárias. 2. A ausência de fundamentação ou a sua deficiência implica o não conhecimento do recurso quanto ao tema. 3. A ausência de decisão acerca dos dispositivos legais indicados como violados impede o conhecimento do recurso especial. 4. O dissídio jurisprudencial deve ser comprovado mediante o cotejo analítico entre acórdãos que versem sobre situações fáticas idênticas. 5. Sob a égide do Código Civil de 1.916, o prazo prescricional aplicável era o vintenário, previsto no art. 177 do CC/16. 6. A partir da entrada em vigor do Código Civil de 2.002, impera a regra de prescrição inserta no art. 206, § 5º, I, do CC/02, que prevê o prazo prescricional quinquenal para a pretensão de cobrança de dívidas líquidas constantes de instrumento público ou particular. 7. Negado provimento ao recurso especial. STJ. Terceira Turma. REsp n.º 1188933. Relatora: Ministra Nancy Andrighi. DJe: 26.08.2013. Registre-se, ainda, que não se aplica ao presente caso o art. 206, § 3º, III, que estabelece o prazo trienal relativamente à pretensão de cobrança de juros, haja vista referido dispositivo só ser aplicável nas hipóteses em que o pagamento dos juros é feito de forma independente do pagamento do principal e, não, em conjunto com este, como seu assessório. Nesse sentido: CIVIL. SFH. REVISÃO CONTRATUAL. PARCELAS EM ATRASO. COBERTURA PELO FCVS APÓS O ADIMPLEMENTO. ALEGAÇÃO DE PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. REAJUSTE DAS PRESTAÇÕES MENSAIS. UPC. MULTA MORATÓRIA. AUSÊNCIA DE COBRANÇA. CONTRATAÇÃO COM O SEGURO HABITACIONAL. CELEBRAÇÃO DO CONTRATO ANTERIOR À ENTRADA EM VIGÊNCIA DO CDC. 1. Inadimplemento de apenas 17 (dezessete) parcelas do financiamento habitacional, segundo laudo, totalizando a importância de R$ 19.651,04 (dezenove mil seiscentos e cinqüenta e um reais, e quatro centavos). Após a quitação das parcelas, o FCVS, conforme previsão contratual, deve acobertar o saldo residual do financiamento. Apelação da CEF/EMGEA que não prospera. 2. Este Tribunal, seguindo a orientação fixada no eg. STJ, firmou o posicionamento de que a inadimplência de parcela do contrato não antecipa o prazo prescricional, prevalecendo a data de vencimento contratualmente estabelecida. 3. Tendo o contrato sido celebrado durante a vigência do CC de 1916, o prazo prescricional adotado na época era de 20 (vinte) anos, conforme art. 177 do CC/1916. No entanto, o CC de 2002 reduziu o prazo prescricional das ações pessoais de natureza privada para 5 (cinco) anos. E, de acordo com a regra de transição (art. 2028, do CC/2002) aplica-se o prazo do código anterior (CC/1916) desde que na entrada em vigor do novo (CC/2002) já houvesse transcorrido mais da metade do tempo estabelecido na lei revogada. Caso contrário aplica-se a regra do novo código. 4. No caso concreto, aplica-se o prazo prescricional do Código Novo. Tendo o contrato sido assinado em novembro de 1980, com prazo de financiamento de 240 meses, o prazo prescricional iniciou em novembro/2000, quando venceu a última parcela do contrato. 5. Não restou configurado o lapso prescricional. A CEF promoveu ação de protesto, em dezembro de 2007, antes de prescrever a pretensão da cobrança do débito ocorrida em janeiro de 2008. 6. Os juros, e multa contratados em caráter acessório revestem-se da mesma qualidade do débito principal. E, não tendo decorrido o lapso prescricional do principal, também não prescreveram os acessórios. 7. Não pode haver descumprimento do Plano de Equivalência Salarial por Categoria Profissional - PES/CP, se o Laudo Pericial atesta que as partes pactuaram no contrato que as prestações seriam reajustadas pelo índice de evolução do valor da UPC, e não pelo PES/CP. 8. Conforme Laudo não houve cobrança de multa moratória, tendo ocorrido apenas incidência de juros de mora. 9. Esta Casa tem adotado o posicionamento no sentido de que o mutuário não é obrigado a contratar seguro habitacional diretamente com o agente financeiro, ou com seguradora indicada por este, pois essa exigência configuraria "venda casada", vedada pelo art. 39, inciso I, do CDC. No entanto, na espécie, o contrato foi celebrado em 1980 não se submetendo, portanto, à sistemática imposta pelo Código de Defesa do Consumidor - Lei n.8.078/1990. 10. Apelações não providas. TRF da 5.ª Região. Terceira Turma. AC n.º 548998. Relator: Desembargador Federal Maximiliano Cavalcanti. DJe: 18.12.2012, p. 466. In casu, consoante planilha de evolução do débito, a última parcela do financiamento tinha data de vencimento prevista para 10.08.2012 (fl. 39/40), de forma que, quando da propositura desta ação, em 03.10.2012 (fl. 02), não havia transcorrido o lapso prescricional quinquenal, conforme fundamentação supra. Ademais, mesmo que fosse considerada como marco inicial do prazo prescricional a data de vencimento da primeira parcela não paga pelo réu (10.09.2005), ainda assim a pretensão não estaria prescrita, pois o ajuizamento da ação monitória (processo nº 0003773-03.2009.4.05.8200) se deu em 06/maio/2009 e interrompeu o prazo prescricional de propositura desta ação. II.3) MÉRITO De início, registro que o CDC não é aplicável ao Contrato de Abertura de Crédito para Financiamento Estudantil - FIES, que possui natureza jurídica de fomento administrativo ao direito à educação e não de simples contrato de crédito bancário. Esse é o entendimento da jurisprudência pacífica: "ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO REVISIONAL. CONTRATO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL (FIES). PRESTAÇÃO DE GARANTIA. EXIGÊNCIA DE FIADOR. LEGALIDADE. ART. 5º, VI, DA LEI 10.260/2001. INAPLICABILIDADE DO CDC. CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. VEDAÇÃO. PRECEDENTES DESTA CORTE. Recurso especial da Caixa Econômica Federal: 1. Caso em que se alega, além de dissídio jurisprudencial, violação do artigo 5º, III e IV, da Lei nº 10.260/01, ao argumento de que não há ilegalidade em se exigir fiador para a celebração de contrato de financiamento educacional, uma vez que o referido preceito normativo autoriza tal conduta, a qual possui índole eminentemente discricionária, não podendo o Poder Judiciário nela adentrar. 2. É de se reconhecer a legalidade da exigência de prestação de garantia pessoal para a celebração de contrato de financiamento estudantil vinculado ao Fies, dado que a própria lei que instituiu o programa prevê, expressamente, em seu artigo 9º, a fiança como forma principal e específica a garantir esses tipos de contrato, seguida do fiador solidário e da "autorização para desconto em folha de pagamento", de modo que o acórdão atacado, ao entender de modo diferente, negou vigência à referida lei. 3. Ademais, o fato de as Portarias ns. 1.725/2001 e 2.729/2005 do MEC admitirem outras formas de garantias, que não a fiança pessoal, apenas evidencia que tal garantia, de fato, não é a única modalidade permitida nos contratos de financiamento estudantil, sem que com isso se afaste a legalidade de fiança. 4. A reforçar tal argumento, as Turmas de Direito Público do STJ já assentaram entendimento no sentido da legalidade da exigência da comprovação de idoneidade do fiador apresentado pelo estudante para a assinatura do contrato de financiamento vinculado ao Fies, prevista no artigo 5º, VI, da Lei 10.260/01, a qual será aferida pelos critérios estabelecidos na Portaria/MEC 1.716/2006. Precedentes: REsp 1.130.187/ES, Rel. Ministro Luiz Fux, Primeira Turma, DJe 20/10/2009; MS 12.818/DF, Rel. Ministro José Delgado, Rel. p/ acórdão Ministra Eliana Calmon, Primeira Seção, DJ 17/12/2007; REsp 772.267/AM, Segunda Turma, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ de 29.06.2007; Resp 642.198/MG, Segunda Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ de 03.4.2006; REsp 879.990/RS, Rel. Ministro Castro Meira, Segunda Turma, DJ 14/5/2007. 5. Assim, consoante bem asseverou o Min. Mauro Campbel no Agrg no Ag n. 1.101.160/PR, DJ 16/9/2009, "se é legal a exigência de comprovação de idoneidade do fiador, quanto mais legal será a própria exigência de apresentação de fiador pelo estudante para a concessão do crédito estudantil ofertado pelo Fies, de forma que não se pode reconhecer a legalidade de obrigação acessória sem o reconhecimento da legalidade da obrigação principal no caso em questão". 6. Recurso afetado à Seção, por ser representativo de controvérsia, submetido ao regime do artigo 543-C do CPC e da Resolução 8/STJ. 7. Recurso especial provido, para que seja autorizada à instituição financeira a exigência de garantia pessoal para a celebração do contrato de financiamento estudantil. Recurso especial de Eliziana de Paiva Lopes: 1. Caso em que se pugna a incidência do Código de Defesa do Consumidor, a declaração de ilegalidade da cobrança de juros capitalizados e, por conseguinte, a repetição simples do valor pago a maior e a inversão dos ônus sucumbenciais. 2. A hodierna jurisprudência desta Corte está assentada no sentido de que os contratos firmados no âmbito do Programa de Financiamento Estudantil - Fies não se subsumem às regras encartadas no Código de Defesa do Consumidor. Precedentes: REsp 1.031.694/RS, Rel. Ministra Eliana Calmon, Segunda Turma, DJ de 19/6/2009; REsp 831.837/RS, Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, DJ de 17/6/2009; REsp 793.977/RS, Rel. Min. Eliana Calmon, Segunda Turma, DJ 30/4/2007. 3. A jurisprudência desta Corte mantém-se firme no sentido de que, em se tratando de crédito educativo, não se admite sejam os juros capitalizados, haja vista a ausência de autorização expressa por norma específica. Aplicação do disposto na Súmula n. 121/STF. Precedentes: REsp 1.058.334/RS, Rel. Ministro Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, DJe 30/6/2008; REsp 880.360/RS, Rel. Ministro Luiz Fux, Primeira Turma, DJe 5/5/2008; REsp 1.011.048/RS, Rel. Ministro Castro Meira, Segunda Turma, DJe 4/6/2008; REsp n. 630.404/RS, Rel. Min. João Otávio de Noronha, DJ de 26/2/2007; REsp n. 638.130/PR, Rel. Min. Luiz Fux, DJ de 28/3/2005. 4. Por conseguinte, havendo pagamento de valores indevidos, o que será apurado em sede de liquidação, é perfeitamente viável a repetição simples ou a compensação desse montante em contratos de financiamento estudantil. 5. Recurso afetado à Seção, por ser representativo de controvérsia, submetido ao regime do artigo 543-C do CPC e da Resolução 8/STJ. 6. Ônus sucumbenciais invertidos. 7. Recurso especial provido, nos termos da fundamentação supra. REsp 1155684/RS, 1ª Seção, Rel. Min. Benedito Gonçalves, DJe 18/05/2010 ADMINISTRATIVO - FIES - INAPLICABILIDADE DO CDC - TABELA PRICE - ANATOCISMO - SÚMULA 7/STJ - CAPITALIZAÇÃO DE JUROS - AUSÊNCIA DE INTERESSE RECURSAL. 1. Na relação travada com o estudante que adere ao programa do financiamento estudantil, não se identifica relação de consumo, porque o objeto do contrato é um programa de governo, em benefício do estudante, sem conotação de serviço bancário, nos termos do art. 3º, § 2º, do CDC. Assim, na linha dos precedentes da Segunda Turma do STJ afasta-se a aplicação do CDC. 2. A insurgência quanto à ocorrência de capitalização de juros na Tabela Price demanda o reexame de provas e cláusulas contratuais, o que atrai o óbice constante nas Súmula 5 e 7 do STJ. Precedentes. 3. Ausente o interesse recursal na hipótese em que o Tribunal local decidiu no mesmo sentido pleiteado pelo recorrente, afastando a capitalização. 4. Recurso especial parcialmente conhecido e não provido. STJ. Segunda Turma. REsp n.º 200800324540. Relatora: Ministra ELIANA CALMON. DJe:19/06/2009. Ainda que fossem aplicáveis ao caso as normas do CDC, não vislumbro qualquer ilegalidade nas normais contratuais por suposta alegação de incompatibilidade com o diploma legal consumerista. O fato de o Contrato de Financiamento Estudantil - FIES possuir viés social voltado à materialização do direito constitucional à educação se reflete na própria existência de uma política de fomento administrativo para acesso ao crédito, com juros reduzidos, sistema diferenciado de amortização diferido no tempo, mecanismos de garantia contratual mais acessíveis do que os previstos na lei civil etc. Não autoriza, contudo, a inadimplência do pactuado nem a declaração de inexistência da dívida, que traria prejuízos ao próprio Fundo de Financiamento Estudantil, em detrimento da coletividade que almeja usufruir do direito de obter crédito para estudar. Sobre a capitalização dos juros, o Superior Tribunal de Justiça, quando do julgamento do REsp n.º 1155684, submetido ao regime do art. 543-C do CPC, adotou o entendimento de que "a jurisprudência desta Corte mantém-se firme no sentido de que, em se tratando de crédito educativo, não se admite sejam os juros capitalizados, haja vista a ausência de autorização expressa por norma específica. Aplicação do disposto na Súmula n.º 121/STF", a qual estabelece que "é vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente pactuada". Nesse sentido, os seguintes julgados: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. ENSINO SUPERIOR. CONTRATO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL (FIES). CAPITALIZAÇÃO ANUAL DE JUROS. IMPOSSIBILIDADE. ACÓRDÃO DECIDIDO EM CONFORMIDADE COM A JURISPRUDÊNCIA DO STJ. TABELA PRICE. ANATOCISMO. SÚMULA 5 e 7/STJ. 1. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é firme no sentido de que, em casos como os que ora se apresentam, referentes a contratos de crédito educativo, não se admite a capitalização dos juros diante da ausência de previsão legal específica para tanto. 2. É assente nesta Corte que a análise de eventual existência de capitalização de juros nos cálculos da Tabela Price é questão que refoge da estreita via do recurso especial e impede o conhecimento do pleito, por exigir a questão o reexame do conjunto fático-probatório e de cláusulas contratuais, procedimentos vedados pelas Súmulas 5 e 7 do STJ. 3. Agravo regimental não provido. STJ. Primeira Turma. AgRg no REsp n.º 1318172. Relator: Ministro Benedito Gonçalves. DJe: 06.03.2014. ADMINISTRATIVO. CONTRATO DE FINANCIAMENTO ESTUDANTIL. FIES. CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. SÚMULA 121/STF. OFENSA AO ART. 535 DO CPC NÃO CONFIGURADA. SÚMULA 284/STF. VIOLAÇÃO DO ART. 330 DO CPC. SÚMULA 7/STJ. 1. Constata-se que não se configura a ofensa ao art. 535 do Código de Processo Civil, uma vez que o Tribunal de origem julgou integralmente a lide e solucionou a controvérsia, tal como lhe foi apresentada. Não é o órgão julgador obrigado a rebater, um a um, todos os argumentos trazidos pelas partes em defesa da tese que apresentaram. Deve apenas enfrentar a demanda, observando as questões relevantes e imprescindíveis à sua resolução. 2. A Primeira Seção, no julgamento do REsp 1.155.684/RN (assentada de 12.5.2010), submetido ao rito dos recursos repetitivos (art. 543-C do CPC), manteve o entendimento pacífico do STJ no sentido de que, em se tratando de crédito educativo, não se admite sejam os juros capitalizados, porquanto ausente autorização expressa por norma específica. Aplicação da Súmula 121/STF. 3. A avaliação quanto à necessidade e à suficiência ou não das provas para averiguar eventual cerceamento de defesa demanda, em regra, revolvimento do contexto fático-probatório dos autos. Aplicação da Súmula 7/STJ. Precedentes do STJ. 4. Recurso Especial provido. STJ. Segunda Turma. REsp n.º 1319121. Relator: Ministro Herman Benjamin. DJe: 03.10.2012. No que tange á alegação de anatocismo decorrente da aplicação do Sistema Francês de Amortização, a parte ré sequer logrou demonstrar a aplicação deste sistemática no contrato em apreço. Ademais, não há que se falar em nulidade na adoção da Tabela Price, como forma de amortização do saldo devedor, pois a incidência do Sistema Francês de Amortização não configura a vedada prática do anatocismo, conforme interativa jurisprudência do eg. tribunal Regional federal da 5ª Região (TRF - 5ª Região, 3ª T., AC 200981000127941, Des. Federal Ivan Lira de Carvalho (Conv.), DJE 24.01.2012; TRF - 5ª Região, 3ª T., AC 511719, Rel. Des. Federal Maximiliano Cavalcanti (Conv.), DJE 03.05.2011). II.4) HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS Embora inseridas na codificação processual, é inegável que as regras (CPC/2015, art. 85, §§ 3º, 4º, 5º, 6º, 9º, 11, 14, parte final, 18 e 19) que regulam a forma de cálculo dos honorários advocatícios ostentam nítida feição de norma de direito material, porquanto destinadas a dar conformidade ao direito subjetivo dos advogados à percepção de honorários de sucumbência. A incidência das novas regras a processos em curso representaria espécie de retroatividade média, porquanto atingiria efeitos pendentes da relação jurídica processual iniciada antes da vigência do CPC/2015, o que redundaria na aplicação de disposições de direito material (critérios de quantificação de honorários advocatícios) completamente distintas daquelas vigentes (art. 20 do CPC/1973) ao tempo do surgimento da relação jurídica processual. Não ostentando genuína natureza de norma processual, as regras legais que inovam na ordem jurídica no tocante aos critérios de fixação de honorários não podem retroagir para apanhar relações jurídicas (in casu, relação processual) em curso, sob pena de ofensa aos princípios gerais da irretroatividade das leis e da segurança jurídica (em sentido assemelhado: STF, RE 205.999, 16-11-1999, Rel. Min. Moreira Alves; RE 395.384-ED, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, julgamento em 26-4-2007). IV) DISPOSITIVO Ante todo o exposto: a) rejeito as preliminares arguidas pela ré ALMIZA ALENCAR AZEVEDO LACERDA em sua contestação (fls. 114/126); b) e, com fundamento no art. 487, I, do CPC, julgo parcialmente procedente o pedido da CEF, para condenar a ré ao pagamento do débito consolidado do Contrato de Abertura de Crédito para Financiamento Estudantil - FIES n.º 13.0036.185.0003560-99 e respectivo aditamento, com a incidência de correção monetária e juros de mora, desde a citação, e em conformidade com as taxas ajustadas no contrato, sem capitalização mensal de juros. Tendo em vista a sucumbência total da parte ré, condeno-a ao pagamento de honorários advocatícios, os quais arbitro no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), na forma do art. 20, § 4º, do CPC/1973. Condeno os réus ao pagamento das custas nos termos da Lei n.º 9.289/96. Com o trânsito em julgado, não sendo requerido o cumprimento de sentença no prazo de 15 (quinze) dias, dê-se baixa e arquivem-se, sem prejuízo da reativação dos trâmites enquanto não prescrita a pretensão executória. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 19 de dezembro de 2017. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB 2

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0009211-54.2002.4.05.8200 UNIAO (FLBA) (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA) X MARIA DAS GRACAS MOTA (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, JOSE CAMARA DE OLIVEIRA)

Processo:0009211-54.2002.4.05.8200 EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: UNIAO (FLBA) EMBARGADO: MARIA DAS GRACAS MOTA Decisão 1. A sentença proferida nestes autos (fls. 214/216) julgou improcedentes os embargos à execução opostos pela UNIÃO, fixando o valor da execução no montante originalmente executado de R$ 27.549,35 (vinte e sete mil, quinhentos e quarenta e nove reais e trinta e cinco centavos) atualizados até maio/2002, também condenando a embargante UNIÃO ao pagamento de honorários sucumbenciais fixados em 5% (cinco por cento) sobre o valor da causa. 2. O TRF5, contudo, deu parcial provimento ao apelo da exequente (fls. 273/280) para determinar a elaboração de novos cálculos, desta feita, aplicando-se juros mora e correção monetária até o trânsito em julgado dos embargos, que veio a ocorrer em 06/julho/2015. 3. A Contadoria apresentou parecer e cálculos (fls. 309/310) nos termos determinados pelo TRF5. 4. Em relação à nova conta da Assessoria Contábil, o embargado/exeqüente (fls. 314) afirmou que "tomou conhecimento dos cálculos de fls. 309 e 310", tendo requerido o pagamento do crédito. 5. De acordo com a manifestação do(a) embargante/executada UNIÃO, alusivas ao Parecer Técnico nº 0279/2017 (fls. 321/323), a Contadoria do Juízo teria adotado índices incompatíveis com a legislação em vigor no tocante à correção monetária das condenações impostas à Fazenda Pública, também teia utilizado data equivocada para o cômputo dos juros de mora, por fim, inseriu parcela não executada. 6. Ao final, alegou inexistência de "residual a ser pago ao autor", ainda a esse respeito, destacou "que foi oficiado o órgão do autor a fim de que se manifeste sobre os aspectos ressaltados no parecer NECAP, pelo que postula a juntada posterior das informações que forem enviadas pelo Ministério". 7. Autos conclusos. 8. Relatados sucintamente, passo a decidir. 9. No julgamento da apelação e dos embargos de declaração na AC nº 333918-PB (fls. 273/299), o TRF5, ao dar provimento parcial aos recursos do particular, determinou a incidência dos consectários da dívida principal (juros e correção monetária) até o trânsito em julgado dos embargos ocorrido em 06/julho/2015 (fl. 299). 10. Conforme determinado no referido acórdão, os cálculos elaborados pela Contadoria do Juízo (fls. 309/310) efetivamente contemplaram a incidência dos juros e da correção monetária do período compreendido entre a data (maio/2002) da última atualização da conta e a data do trânsito em julgado dos presentes embargos (julho/2015), sendo que o termo inicial do referido período complementar não tem qualquer vinculação com data em da citação da UNIÃO nos termos de art. 730 do CPC/73, isto é outubro/2002, como sustenta a embargante. 11. Quanto à correção da dívida, ao examinar a questão de ordem referente à modulação dos efeitos do decidido nas ADIn n.º 4.357/DF e n.º 4.425, o STF conferiu eficácia prospectiva à declaração de inconstitucionalidade, fixando o dia 25.03.2015 como o marco inicial de sua eficácia, e determinando que "fica mantida a aplicação do índice oficial de remuneração básica da caderneta de poupança (TR), nos termos da Emenda Constitucional nº 62/2009, até 25.03.2015, data após a qual (i) os créditos em precatórios deverão ser corrigidos pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E)". 12. Assim, no período compreendido entre a vigência da Lei n.º 11.960/2009 e o dia 25.03.2015, a correção monetária nas ações contra a Fazenda Pública deve ser calculada com base na TR, devendo, a partir do dia 26.03.2015, ser adotado o IPCA-E como índice de correção monetária. 13. Quanto ao período anterior à vigência da Lei n.º 11.960/2009, a correção monetária deve observar os índices previstos no Manual de Cálculos da Justiça Federal, aprovado pela Resolução n.º 134/2010, com as alterações da Resolução n.º 267/2013. 14. Quanto aos juros de mora, deverá ser observado o Manual de Cálculos da Justiça Federal, aprovado pela Resolução n.º 134/2010, com as alterações da Resolução n.º 267/2013. 15. Nesse ponto, os cálculos da Assessoria Contábil estão compatíveis com o previsto no Manual de Cálculos da Justiça Federal, com observância do disposto nas ADI's n.º 4.357/DF e n.º 4.425. 16. Por sua vez, a embargante alega que a Contadoria majorou indevidamente seus cálculos, incluindo valor referente a ressarcimento de custas, embora não executados; todavia, ao contrário do que afirma a UNIÃO, a parcela consta da planilha de liquidação do julgado, reproduzida nestes autos às fls. 70/77. 17. Por fim, quanto à aventada inexigibilidade do título judicial, ressalto que essa questão já não mais está em discussão nesta fase processual. 18. Ante o exposto, homologo os cálculos da Contadoria do Juízo (fls. 309/310), fixando o valor do crédito exeqüendo em R$ 61.186,89 (valor principal), R$ 6.118,68 (honorários advocatícios) e R$ 3.239,66 (custas processuais), totalizando R$ 70.545,23 (setenta mil quinhentos e quarenta e cinco reais e vinte e três centavos), de modo que fica integralmente rejeitada a impugnação da embargante (fls. 317/323). 19. Expeçam-se, nos autos da execução, independentemente do decurso do prazo legal, as competentes requisições de pagamentos, conforme os valores constantes da conta de liquidação da Contadoria do Juízo (fls. 309/310), devendo as partes ser oportunamente intimadas do seu teor, com a posterior remessa ao TRF5, caso não haja insurgências. 20. Traslade-se cópia desta decisão para os autos da execução. 21. Intime-se o advogado da embargada sobre o interesse em executar os honorários fixados (fls. 214/216) em razão da sucumbência da UNIÃO nestes embargos à execução. 22. Prazo de 10 (dez) dias. 23. Decorrido em branco o prazo recursal e o prazo referido no item anterior, arquivem-se os autos destes embargos à execução com baixa do feito na Distribuição. 24. Intime(m)-se as partes e cumpra-se. João Pessoa/PB, 15 de agosto de 2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB 2 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 3 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Primeira Vara

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0003204-94.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X CONFECÇÕES BARROS LTDA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0003204-94.2012.4.05.8200 - CLASSE 98 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 01/12/2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos DESPACHO: 1- Considerando que restaram frustradas as tentativas de localização de bens penhoráveis do devedor, suspendo a execução pelo prazo de 1 (um ) ano, nos termos do CPC, art. 921, III. 2- Decorrido o prazo sem manifestação do exequente ou sem que tenham sido encontrados bens penhoráveis, certifique-se e, em seguida, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição, independentemente de nova intimação, nos termos do CPC, art. 921, §§ 1º e 2º. 3- Intime-se. João Pessoa, 14/12/2017 JOAO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0005097-57.2011.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LUCIANA GURGEL DE AMORIM) X PANIFICADORA SOUZA RANGEL LTDA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO, WILSON JOSE DA COSTA, CARLOS ALMIR FARIAS JUNIOR)

PROCESSO Nº 0005097-57.2011.4.05.8200 - CLASSE 98 CERTIDÃO Certifico o decurso do prazo da suspensão concedida (fls. 100) sem pronunciamento da exquente. Dou fé. João Pessoa, 04/12/2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 04/12/2017. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos Despacho: 1- R.H. 2- Vista à exeqüente sobre a certidão supra, bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias. 3- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo desarquivar enquanto não prescrito. 4- Intime-se. João Pessoa, 14/12/2017 JOAO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000111-26.2012.4.05.8200 LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA. (Adv. MAURO AUGUSTO MATAVELLI MERCI, WALTER FRANÇOLIN, TÂNIA DE CARVALHO FERREIRA ZAMPIERI, PAULA MACHADO LOPES, GUILHERME GROPPO CODO, TATIANA MACHADO DA CUNHA SARTO, CAROLINA CHOAIRY PORRELLI, ROSALINA LEAL DE OLIVEIRA PIMENTA, RENATA BARROS FEFIN, EDUARDO LOPES, MARIANA ALCÂNTARA OLIVEIRA) X CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DA PARAIBA - CREA-PB (Adv. ISMAEL MACHADO DA SILVA, JARDON SOUZA MAIA, GUSTAVO EUGENIO BARROCA GOMES, VERA LUCIA RODRIGUES DE OLIVEIRA)

Processo:0000111-26.2012.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: LUBRASIL LUBRIFICANTES LTDA. REU: CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CREA/PB DECISÃO 1. Chamo o feito à ordem. 2. Decisão proferida em 10/abril/2015 determinou a expedição de RPV ao CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CREA/PB para pagamento em 60 (sessenta) dias (fl. 333). 3. Contudo, antes que fosse cumprida a referida determinação, sobreveio o julgamento do RE nº. 938.837-SP, no qual o STF decidiu, com repercussão geral, que o regime dos precatórios para pagamentos de dívidas decorrentes de decisão judicial não se aplica aos conselhos de fiscalização profissional. 4. Dessa forma, a presente execução deverá tramitar sob o regime de cumprimento de sentença previsto no CPC, art. 523 e não mais sob a sistemática prevista no CPC, art. 535 e seguintes. 5. Ante o exposto, torno sem efeito a decisão (fl. 333) e determino que a execução passe a tramitar na forma do CPC, art. 523. 6. Intime-se o exequente para informar o valor atualizado do quantum exequendo (fl. 321). 7. Em seguida, intime-se o CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CREA/PB para, no prazo de 15 (quinze) dias, pagar o valor da condenação, sob pena de multa de 10% (dez por cento) e honorários advocatícios da execução, também de 10% (dez por cento), nos termos do CPC, art. 523, §1º. 8. Transcorrido o prazo de 15 (quinze) dias sem o pagamento voluntário, a Secretaria do Juízo deverá adotar, de logo, as medidas previstas no CPC, art. 523, § 3º. 9. Cientifique-se o(a) executado(a) de que poderá apresentar impugnação nos próprios autos, independentemente de penhora ou nova intimação, no prazo de 15 (quinze) dias, a contar do término do prazo para pagamento previsto no art. 523. João Pessoa, 19/12/2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0001375-78.2012.4.05.8200 PEDRO TOSCANO BARRETO E OUTRO (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NELSON AZEVEDO TORRES, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, LARISSA RAULINO DE ARAÚJO, EDSON BATISTA DE SOUZA) x MARIA FRANCISCA DO CARMO X UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0001375-78.2012.4.05.8200 - Cls. 206 EXEQUENTE: MARIA FRANCISCA DO CARMO EXECUTADO: UNIAO DECISÃO 1. Intimem-se os habilitandos PEDRO TOSCANO BARRETO e NEILTON FRANCINALDO TOSCANO BARRETO para juntarem aos autos, em 10 (dez) dias, cópia da certidão de óbito da irmã falecida da exequente MARIA FRANCISCA DO CARMO, que, segundo alegaram, era solteira e não deixou filhos. 2. Decorrido o prazo, com ou sem manifestação, voltem-me os autos conclusos. João Pessoa, 19/12/2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0002766-93.1997.4.05.8200 MARIA DE FATIMA DANTAS LEITE E SOUZA (Adv. RICARDO TADEU FEITOSA BEZERRA, BRUNA DUTRA MOREIRA) x LORENNA DANTAS LEITE E SOUSA E OUTRO (Adv. JURANDIR PEREIRA DA SILVA, IVO CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA, ANDRE CASTELO BRANCO PEREIRA DA SILVA) x ANTONIO FRANCELINO DE SOUZA (FALECIDO) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. FRANCISCO DE ASSIS FILGUEIRAS ABRANTES)

Processo:0002766-93.1997.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: MARIA DE FATIMA DANTAS LEITE E SOUZA e outros EXECUTADO: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB C E R T I D Ã O Certifico que a autora Maria de Fátima Dantas Leite e Sousa peticionou (fl.216/220), requerendo vista dos presentes autos. Dou fé. João Pessoa, 22 de Setembro de 2017. Rachel Lacet de Paula Técnica Judiciária C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 22 de setembro de 2017. Rachel Lacet de Paula Técnica Judiciária Despacho: 1. R. H. 2-Defiro o pedido de vista dos autos (fl.216/220) por 05 (cinco) dias. 3- Deferido também o pedido de anotação dos advogados (fl.217). 4- Ao Distribuidor para anotação. 5-Em seguida, vista à autora. 5- Por fim, sem manifestação, baixa e arquivamento. João Pessoa, 17/11/2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0008200-29.1998.4.05.8200 JOSE WALTER RABELO DIAS E OUTRO (Adv. IZOMAR BARBOSA DA SILVA, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO, RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES, AMANDA LUNA TORRES, ANTONIO EUDES NUNES DA COSTA FILHO, RODRIGO GONÇALVES OLIVEIRA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. YANKO CYRILO, JOAO CYRILLO SOARES DA S. NETO, MARCOS CALUMBI N. DIAS (CEF))

Processo:0008200-29.1998.4.05.8200- Cls. 229 REQUERENTE: JOSE WALTER RABELO DIAS e outro REQUERIDO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF DECISÃO 1. Os documentos apresentados pela CEF (fls. 297/298) aparentemente indicam que o valor dos depósitos judiciais efetuados pelo autor foram apropriados ao contrato de mútuo objeto dos autos. 2. Contudo, para que não restem dúvidas de que esses valores foram efetivamente deduzidos do contrato de mútuo firmado pelo autor, faz-se necessária a juntada do demonstrativo de débito do referido contrato. 3. Ante o exposto, intime-se a CEF para que apresente, no prazo de 10 (dez) dias, demonstrativo de débito do contrato de mútuo discutido nos autos, para que seja possível analisar se houve a correta dedução da quantia apropriada de seu saldo devedor. 4. Após a juntada da documentação determinada, vista à parte autora por 5 (cinco) dias, vindo-me em seguida os autos conclusos. João Pessoa, 6 de dezembro de 2017. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0011676-12.1997.4.05.8200 GILBERTO JOSE ANDRADE DA SILVA E OUTROS (Adv. AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE, JOSE DE RIBAMAR CAPIBARIBE DE SOUSA, PACELLI DA ROCHA MARTINS, SABRINA PEREIRA MENDES) x GENIVAL SERGIO AYRES BARBOSA (Adv. RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES, GIORDANO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, RAMON PESSOA DE MORAIS) X UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0011676-12.1997.4.05.8200- Cls. 97 AUTOR: GENIVAL SERGIO AYRES BARBOSA e outros REU: UNIAO (FAZENDA NACIONAL) C E R T I D Ã O Certifico que o autor peticionou (fls.377/384), requerendo o desarquivamento dos autos e a anotação dos advogados Rinaldo Mouzalas de Souza e Silva, OAB/PB nº 11589, Ricardo de Almeida Fernandes, OAB/PB nº 16.460 e Ramon Pessoa de Morais, OAB/PB nº 13771. Certifico, ainda, que o autor requereu a expedição de alvará para levantamento de depósito, referente a RPV 361310-PB. Dou fé. João Pessoa, 22 de setembro de 2017. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 22 de setembro de 2017. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário Processo:0011676-12.1997.4.05.8200- Cls. 97 AUTOR: GENIVAL SERGIO AYRES BARBOSA e outros REU: UNIAO (FAZENDA NACIONAL) Decisão: 1.R.H. 2-Defiro o pedido de desarquivamento dos autos e de habilitação dos novos advogados Rinaldo Mouzalas de Souza e Silva, OAB/PB nº 11589, Ricardo de Almeida Fernandes, OAB/PB nº 16.460 e Ramon Pessoa de Morais, OAB/PB nº 13771 (fl.377/378). 3-Remetam-se os autos ao Distribuidor para anotação dos novos advogados do autor GENIVAL SÉRGIO AYRES BARBOSA (fl.379/380). 4- O exequente requereu a expedição de nova requisição de pagamento em seu favor, alegando que houve cancelamento da RPV expedida nestes autos sem que houvesse o levantamento do crédito correspondente (fls.377/384). 5- Contudo, os documentos constantes nos autos indicam que o crédito oriundo da RPV 361310-PB foi efetivamente depositado (fl.370), não tendo o beneficiário comprovado a ausência de levantamento desses valores, fato esse que teria ocasionado sua devolução à UNIÃO, em razão do decurso do tempo sem realização de saque pela parte interessada. 6- Ante o exposto, indefiro, por ora, o pedido (fls.377/384), ficando a expedição de nova requisição de pagamento condicionada à comprovação, pela parte interessada de que os valores oriundos da RPV nº.361310-PB não foram levantados, tendo sido devolvidos aos cofres públicos. 7-. Intime-se. 8-.Decorrido o prazo recursal em branco, retornem os autos ao arquivo, após a devida baixa. João Pessoa, 30/11/2017 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0005347-66.2006.4.05.8200 ILZA MARIA COSTA NOGUEIRA (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. ROSA DE LOURDES ALVES)

DESPACHO (fl. 162) ...3 - (...)expeça-se requisição de pagamento.

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 11

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 1

TOTAL DE DECISÃO: 11

TOTAL DE DESPACHO: 19

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.