Publicado no Diário da Justiça de 07/02/2018

 

Boletim 2018.000003 - 3 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ALDO LINS E SILVA PIRES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

ALEX NEYVES MARIANI ALVES 0001564-66.2006.4.05.8200

ALMIRO VIEIRA CARNEIRO 0006028-36.2006.4.05.8200

ANA CRISTINA UCHOA MARTINS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

ANA PAULA FIGUEIREDO DE OLIVEIRA 0016357-78.2004.4.05.8200

ANDRÉ NAVARRO FERNANDES 0001564-66.2006.4.05.8200

ANGELO GUSTAVO BARBOSA PETER 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

ANTONIO DE PADUA P. DE MELO JUNIOR 0002256-26.2010.4.05.8200

ANTONIO FLAVIO TOSCANO MOURA 0002256-26.2010.4.05.8200

ANTONIO HENRIQUE FREIRE GUERRA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

ANTONIO XAVIER DE MORAES PRIMO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

AURORA DE BARROS SOUZA 0016357-78.2004.4.05.8200

BENEDITO HONORIO DA SILVA 0000859-97.2008.4.05.8200 0005208-61.1999.4.05.8200

BIANCA SIQUEIRA CAMPOS DE ALMEIDA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

BRUNA DE FREITAS MATHIESON 0000095-96.2017.4.05.8200

BRUNA DE OLIVEIRA MACIEL 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

BRUNA DO FORTE MANARIN 0009369-31.2010.4.05.8200

BRUNO PAES BARRETO LIMA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

BRUNO RIBEIRO DE ATAIDE CAVALCANTI 0003544-04.2013.4.05.8200

BRUNO SILVA NAVEGA 0000095-96.2017.4.05.8200

CAIUS MARCELLUS DE ARAUJO LACERDA 0010555-41.2000.4.05.8200

CARLO CRISTHIAN TEIXEIRA NERY 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

CARLOS ALBERTO REGUEIRA DE CASTRO SILVA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

CARLOS FELIPE XAVIER CLEROT 0004054-51.2012.4.05.8200

CARLOS ROGERIO MARINHO DIAS 0009202-87.2005.4.05.8200

CESAR VERZULEI LIMA S DE OLIVEIRA 0016357-78.2004.4.05.8200

CONCEIÇÃO KEANE GOMES CHAVES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

CRISTIANA PRAGANA DANTAS 0009202-87.2005.4.05.8200

CÉSAR MOTTA MOREIRA 0000095-96.2017.4.05.8200

DANIELA LEMOS NEUENSCHWANDER 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

DEBORA OLIVEIRA BARCELOS 0003544-04.2013.4.05.8200

EDUARDO BRAZ DE FARIAS XIMENES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

EDUARDO DE CASTRO CAPANEMA 0003544-04.2013.4.05.8200

EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE 0007895-25.2010.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0005208-61.1999.4.05.8200 0008706-19.2009.4.05.8200 0009879-49.2007.4.05.8200

ELMO CABRAL DOS SANTOS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

ERICK JOSEPH RABELO CHAGAS 0007895-25.2010.4.05.8200

ERICKSON DANTAS DAS CHAGAS 0007895-25.2010.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200 0003979-85.2007.4.05.8200

FELIPE FERNANDES MONTEIRO 0009369-31.2010.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0009879-49.2007.4.05.8200

FERNANDO DUARTE LIRA 0007895-25.2010.4.05.8200

FLAVIA CAROLINA DE SOUZA REIS 0009202-87.2005.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200 0004982-17.2003.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS FIDELIS DE OLIVEIRA FILHO 0003544-04.2013.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200 0003979-85.2007.4.05.8200

GABRIELA MONTENEGRO BARCIA DE SOUZA 0004982-17.2003.4.05.8200

GERALDO DE ALMEIDA SA 0005208-61.1999.4.05.8200

GERMANA CAMURÇA MORAES 0001564-66.2006.4.05.8200

GILSON DE BRITO LIRA 0001564-66.2006.4.05.8200

GIUSEPPE PETRUCCI 0001564-66.2006.4.05.8200

GUSTAVO ANDERSON FERREIRA DE BARROS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

HILTON SOUTO MAIOR NETO 0003544-04.2013.4.05.8200

ISAAC MARQUES CATÃO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0006028-36.2006.4.05.8200

IVON D'ALMEIDA PIRES FILHO 0009202-87.2005.4.05.8200

IZABEL URQUIZA GODOI ALMEIDA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

JOAO CYRILLO SOARES DA S. NETO 0004982-17.2003.4.05.8200

JOAO DE DEUS QUIRINO FILHO 0000034-51.2011.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0005208-61.1999.4.05.8200 0008706-19.2009.4.05.8200 0009879-49.2007.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200 0003979-85.2007.4.05.8200

JOSEMAR LAURIANO PEREIRA 0000095-96.2017.4.05.8200

JOSIAS ALVES BEZERRA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

JOSÉ AUGUSTO DE MACEDO MAIA 0007895-25.2010.4.05.8200

JUSSARA TAVARES SANTOS SOUSA 0003979-85.2007.4.05.8200

JUSTINIANO DIAS DA SILVA JUNIOR 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0006028-36.2006.4.05.8200

LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

LILIANE CHRISTINE PAIVA HENRIQUES DE CARVALHO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

LUCAS GUILHERME LESSA 0003544-04.2013.4.05.8200

LUCAS VENTURA CARVALHO DIAS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

LUIZ CORREIA SALES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

LUIZ DOS SANTOS FILHO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

LUIZ FERNANDO OLIVEIRA PIRES 0003544-04.2013.4.05.8200

LUIZ FIRMO FERRAZ FILHO 0010555-41.2000.4.05.8200

MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARCELLO VAZ ALBUQUERQUE DE LIMA 0000047-40.2017.4.05.8200

MARCELO DUARTE MARTINS 0016357-78.2004.4.05.8200

MARCELO PIRES RIBEIRO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARCELO SANTIAGO BEZERRA DE LIMA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0003979-85.2007.4.05.8200

MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARCOS SOUTO MAIOR FILHO 0003544-04.2013.4.05.8200

MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO 0001564-66.2006.4.05.8200

MARIA CAROLINA MONTEIRO FERRAZ MODESTO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARIA DAS GRACAS DE OLIVEIRA CARVALHO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARIA DOS PRAZERES DE OLIVEIRA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MARIA LAURA DOMINGUES O ALCOFORADO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MATHEUS AGUIAR DE BARROS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MAURÍCIO FONSECA RIBEIRO NETO 0004054-51.2012.4.05.8200

MIRIAM ROCHA SOARES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

MONICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA 0000859-97.2008.4.05.8200 0010555-41.2000.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0003979-85.2007.4.05.8200

NATANAEL LOBAO CRUZ 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

NAVILA DE FATIMA VIEIRA GADELHA 0009369-31.2010.4.05.8200

NAYRA MARQUES DOS SANTOS 0000095-96.2017.4.05.8200

PATRICIA HELENA FERREIRA GAIAO 0016357-78.2004.4.05.8200

PAULO HENRIQUE BEDOR DE SAMPAIO JUNIOR 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

PAULO MELO DE ALMEIDA BARROS 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

PERICLES GONCALVES FILHO 0000095-96.2017.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0008706-19.2009.4.05.8200 0009369-31.2010.4.05.8200

RAFAEL WERNECK COTTA 0000095-96.2017.4.05.8200

RAIMUNDO DE ALMEIDA JUNIOR 0009879-49.2007.4.05.8200

RAIMUNDO REIS DE MACEDO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RAQUEL VASCONCELOS SOUTO MAIOR 0003544-04.2013.4.05.8200

REBECCA MEIRA VIRGINIO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RENATA MARINHO MARTINS 0003544-04.2013.4.05.8200

RENATA SALAZAR ABRANTES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RENATO ANTONIO VARANDAS NOMINANDO DINIZ 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RENATO PAES BARRETO DE ALBUQUERQUE 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RICARDO CARNEIRO DA CUNHA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA 0010555-41.2000.4.05.8200

RICARDO POLLASTRINI 0004982-17.2003.4.05.8200

RICARDO SIQUEIRA 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

RODRIGO JOSÉ SILVA PINTO 0000034-51.2011.4.05.8200

ROGÉRIO CUNHA ESTEVAM 0000859-97.2008.4.05.8200

RONALDO DE OLIVEIRA LIMA 0003544-04.2013.4.05.8200

ROSANGELA DIAS GUERREIRO 0003544-04.2013.4.05.8200

ROSEANE DE ALMEIDA COSTA SOARES 0000095-96.2017.4.05.8200

ROSEANE MARIA DE HOLLANDA CAVALCANTI 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

SEBASTIAO GERIZ SOBRINHO 0009202-87.2005.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0000047-40.2017.4.05.8200 0009369-31.2010.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000034-51.2011.4.05.8200 0002256-26.2010.4.05.8200 0004054-51.2012.4.05.8200

SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA 0010555-41.2000.4.05.8200

SHEILA DANTAS GERIZ 0009202-87.2005.4.05.8200

SIBELE SENA CAMPELO 0003544-04.2013.4.05.8200

SILVIA MARIA BARBOSA MOREIRA NEIVA 0000095-96.2017.4.05.8200

SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

TAMARA MEIRELLES GONTAN BLANCO 0000095-96.2017.4.05.8200

TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS 0001564-66.2006.4.05.8200

THAISE PINTO UCHOA DE ARAUJO 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

VITOR YURI ANTUNES MACIEL 0000095-96.2017.4.05.8200 0003544-04.2013.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0009879-49.2007.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0005208-61.1999.4.05.8200 0008706-19.2009.4.05.8200 0009879-49.2007.4.05.8200

 

Juiz Federal CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ

Diretor de Secretaria: RITA DE CASSIA M FERREIRA

   

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE

   

0009202-87.2005.4.05.8200 MIRIRI ALIMENTOS E BIOENERGIA S/A (Adv. CARLOS ROGERIO MARINHO DIAS, IVON D'ALMEIDA PIRES FILHO, CRISTIANA PRAGANA DANTAS, FLAVIA CAROLINA DE SOUZA REIS) X LUIZ GOMES DE ARAUJO NETO E OUTROS (Adv. SEBASTIAO GERIZ SOBRINHO, SHEILA DANTAS GERIZ) x UNIÃO x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA

Classe 24 - Ação de Reintegração de Posse Autora: DESTILARIA MIRIRI S/A Réus: LUIZ GOMES DE ARAÚJO NETO e OUTROS ASSISTENTES DOS RÉUS: UNIÃO, INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA CUSTOS LEGIS: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL D E C I S Ã O Trata-se de ação de reintegração de posse, c/c pedido de liminar, proposta pela DESTILARIA MIRIRI S/A em face de LUIZ GOMES DE ARAÚJO NETO, JOSÉ MARCONE FERREIRA DA SILVA, SEVERINO AUGUSTO GERÔNIMO, JOSÉ JOÃO GERÔNIMO, AILTON SILVA DO NASCIMENTO, JOSÉ NILSON GERÔNIMO DO NASCIMENTO, ANTÔNIO GERÔNIMO DO NASCIMENTO, NATANAEL DA SILVA ALVES E JOSAFAL DA SILVA ALVES, objetivando a expedição de mandado reintegratório de posse de uma área com 10,21ha, encravada na propriedade denominada Fazenda Santa Emília, Município de Rio Tinto, neste Estado. Alega que é senhora e possuidora da Fazenda Santa Emília I, sediada no Município de Rio Tinto, neste Estado, invadida pelos réus acima nominados, utilizando-se de extrema violência. Narra que registrou a ocorrência junto à autoridade policial, acrescentando que os invasores, a cada dia, vêm tentando aumentar a área invadida, com o transporte e plantio de mudas de bananeiras e outras culturas, conforme registro fotográfico anexo. Pugna pela procedência do pedido, para tornar definitivo o provimento liminar de reintegração de posse, bem como a condenação dos réus no ônus de sucumbência. Juntou procuração e documentos às fls. 11/91. O feito foi proposto perante a Vara Única da Comarca de Rio Tinto, tendo o MM. Juiz de Direito deferido a liminar (fl.93) reintegrando a autora na posse da área em questão. Mandado de Reintegração de Posse devidamente cumprido em 03 de maio de 2005, conforme auto de reintegração de posse de fl. 103. O Ministério Público Federal, alegando que está apurando a propriedade da União sobre o imóvel objeto da lide, considerada área de proteção ambiental, atravessou petição no Juízo Estadual, requerendo o deslocamento do feito para a Justiça Federal (fls. 104/109). A União e o IBAMA aderiram ao pleito do MPF, respectivamente, às fls. 114 e 116/118. Decisão daquele Juízo declinando da competência para a Justiça Federal (fls. 142), sendo os autos distribuídos para esta 3ª Vara, onde, o então MM. Juiz Substituto, Dr. Sérgio Murilo Wanderley Queiroga, rejeitou a intervenção no feito do MPF, da União e do IBAMA e determinou a devolução dos autos ao Juízo de origem. Inconformado, o MPF interpôs agravo de instrumento (fls. 265/275), ao qual foi dado provimento (fls. 361/369), residindo na circunstância de que havia interesse indígena envolvido na lide, além do fato de que o imóvel estaria inserido em Área de Proteção Ambiental. Designada audiência de justificação prévia (fls. 371/372), esta se realizou no dia 28 de março de 2006 (fls. 537/555). Na ocasião, rejeitou-se o pedido de liminar. A Destilaria Miriri apresentou cópias do agravo de instrumento interposto contra a decisão que indeferiu o pedido de liminar, às fls. 580/580 - vol. 2. Juntou-se aos autos, às fls. 621/622, ofício enviado pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região, informando o indeferimento do pedido de efeito suspensivo, nos autos do agravo de instrumento acima referido. Devidamente citados, os réus contestarem o feito (fls. 673/678), argumentando, em síntese, o seguinte: - litispendência, uma vez que a autora propôs nova reintegração de posse em face da Comunidade Tradicional de Aritingui, na pessoa de alguns dos demandados, pleiteando a posse da mesma área em litígio; - incompetência da Justiça Estadual para processar e julgar o feito, o que caberia à Justiça Federal; - a autora não é senhora nem possuidora do imóvel em questão, por estar na posse ilegítima do imóvel da União. O IBAMA, às fls. 715/717, manifestou seu desinteresse processual no feito, alegando que lhe falece legitimatio ad causam, pois sequer foi deduzido pedido em seu desfavor, e porque o bem não lhe pertence e a cognição da demanda restringe-se ao exercício do direito de posse entre os litigantes. Entendeu ser descabido o oferecimento de contestação. A União, às fls. 719/720, apresentou contestação, pugnando pela improcedência dos pedidos constantes da inicial. Decisão na qual foi analisado os pedidos de produção de prova e o posicionamento do IBAMA na lide, na qual este restou mantido como assistente dos réus (787/791). Deferida a prova pericial étnico-antropológica. Despacho nomeando perito judicial (Marco Aurélio Paz Tella - fls.835/836). Indicação de quesitos e de assistentes técnicos pela autora, às fls. 844/846; União, à fl. 848; MPF, às fls. 864/865; e deste Juízo, às fls. 875/875. Em seguida, às fls. 912/913 foi determinada, a pedido da autora, a suspensão dos atos atinentes à produção de prova pericial, a fim de que se aguardasse o pronunciamento da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, nos autos da Ação Civil Pública nº 0001287-11.2010.4.05.8200, ante a possibilidade de ser utilizado como prova emprestada. Trasladada cópia do referido pronunciamento para estes autos, foi concedida vista ao MPF que, às fls. 987/988, pugnou pela realização de audiência de conciliação, com a presença das partes, do IBAMA, da UNIÃO, do Instituto Chico Mendes de Preservação da Biodiversidade (ICMBio) e da Secretaria do Patrimônio da União no Estado da Paraíba (SPU-PB). Na sequência, a Destilaria Miriri (fls. 993/1000), a União (fl. 1002) e o IBAMA (fl.1004), após vista do relatório e do parecer do MPF, também concordaram com a realização da audiência de conciliação. Inviabilizada a tentativa de conciliação entre as partes, durante a audiência que se realizou no dia 18 de março de 2011. Às fls. 1008/1035, decisão proferida no Agravo de Instrumento nº 2006.05.00.012334-5, negou provimento ao recurso interposto pela autora contra a decisão que lhe negou a medida liminar. Laudo pericial apresentado (fls. 1102/1201 - 5º vol.). Facultada vista às partes para manifestação sobre o laudo. A autora, às fls. 1798/1801, argumentou que o laudo pericial corroborou suas alegações, não deixando dúvidas de que não atesta, nem comprova a ancianidade da ocupação, nem que os membros da Comunidade de Aritingui já ocupavam as terras da Fazenda Santa Emília I, de sua propriedade e posse, com base em informações contidas no Laudo da Comissão de Direitos Humanos da UFPB, no Relatório final do CNPCT e no Laudo Antropológico de autoria de seu assistente técnico, encartado a partir das fls. 1340, vol. 5º, até fls. 1420, vol. 6º. Manifestação do MPF (fls. 1422/1424), no sentido da constatação, pela pericia e pelo laudo do seu assistente técnico de fls. 1424/1503, da existência de uma comunidade tradicional formada pelos moradores de Aritingui, englobando a área objeto da presente demanda. O IBAMA se manifestou no sentido de que nada tem a acrescentar ao Laudo Pericial, no que diz respeito à questão ambiental, conforme Parecer de seu Analista Ambiental (fls. 1509/1511). Em audiência realizada na Comarca de Rio Tinto, no dia 28/agosto/2012 (fls. 1682/1683), foram ouvidas as testemunhas Laurindo Marcos Cavalcante e Antonio Gomes da Silva, ambas arroladas pela parte autora. Encerrada a instrução, abriu-se vista às partes para alegações finais, tendo a autora, em petição encartada às fls. 1688/1702, alegado, em síntese, que, ao contrário do afirmado pelo MPF, não pretende nem pretendeu expulsar os moradores do povoado de Aritingui, mas tão-somente reaver área de 10,21ha, objeto de esbulho possessório, da qual é legitima detentora do domínio, acrescentando que a área invadida não integra o povoado de Aritingui. Alegações finais da União (fl. 1708/1709). Alegações finais do IBAMA amparada em manifestação técnica de Analista Ambiental de seu quadro funcional (fls.1711/1715). O Ministério Público Federal pugnou pela improcedência do pedido de reintegração de posse perseguido nestes autos. É o relatório. Decido Não é o caso de julgar, ainda, o processo com ou sem resolução do mérito, nem de julgamenento parcial, motivo pelo qual passo à fase de saneamento e organização do processo, nos termos da norma cogente do art. 357 do CPC. DAS QUESTÕES PROCESSUAIS 1. Preliminar dos réus - litispendência A respeito da aventada litispendência, sem maiores digressões sobre o tema, é de se atentar que os autores se referem a esta mesma ação que tramitou na Justiça Estadual, ulteriormente remetida para a Justiça Federal. Portanto, não há se falar em litispendência, por não se tratar de duas ações idênticas quanto às partes, causa de pedir e pedido, mas de um único feito iniciado na Justiça Estadual, com competência declinada para esta Justiça Federal. 2. Preliminar dos réus - incompetência da Justiça Estadual. Como visto, a preliminar perdeu seu objeto, diante da remessa dos autos à Justiça Federal. 3. Da demarcação das terras da União A União, no momento em que interveio no feito, na Comarca de Rio Tinto, requereu o deslocamento deste para a Justiça Federal, alegando que tinha interesse na demarcação das terras de sua propriedade. Destaco a existência da ação civil pública 001287-11.2010.4.05.8200, já sentenciada (sentença confirmada pelo TRF/5, mas ainda sem trânsito em julgado), na qual a UNIÃO foi condenada a dar início ao processo administrativo de demarcação de suas terras no território ocupado pela Comunidade Tradicional de Aritingui. Foi ressalvado na sentença, todavia, que não havia judicialização da questão fundiária propriamente dita, mas sim que fosse dado início à demarcação das terras da UNIÃO, primeiro passo necessário à regularização fundiária. Destaco, igualmente, a existência da Ação Civil Pública nº 0804736-65.2015.4.05.8200, desta feita movida pela Defensoria Pública da União (DPU) contra Paulo Fernandes Cavalcanti de Morais, Miriri Alimentos e Bionergia S.A., Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), União e Instituto Chico Mendes de Conservação (ICMBio), na qual pretende a condenação da União e do INCRA na obrigação de proceder à regularização fundiária do território ocupado pela referida comunidade. Compulsando o Processo Judicial Eletrônico acima citado, verifico que a União já cumpriu a obrigação a que foi condenada na ação primeiramente referida, conforme processo administrativo demarcatório do traçado da LPM - Linha Preamar Médio de 1831 na área do estuário do Rio Mamanguape (Processo nº 04931.000504/212-11, inscrita no Identificador 4058200.939548, 939549 e 939549), cuja posição da Linha Preamar foi aprovada pela Superintendência local do Patrimônio da União, nestes termos: "PROCESSO :Nº 04931.000504/2012-11 ASSUNTO: Traçado da Linha da Preamar Média de 1831 - LPM no trecho compreendido entre as coordenadas PI - Comunidade Tavares, limite Fazenda Santa Emília I (margem esquerda do Rio Mamanguape, sentido montante) de coordenadas UTM . E = 282.797,524 ; N = 9.246.527,200; e PF-Aritingui, limite Fazenda Sapucaí (margem esquerda do Rio Mamanguape, sentido montante) de coordenadas UTM - E = 277.041,023 ; N = 9.246.026,000, georreferenciadas no sistema SIRGAS 2000 UTM; Zona F25S, no Município de Rio Tinto, Estado da Paraíba- PB. Visto e examinado o contido nestes autos, e, de conformidade com o disposto no artigo 13 do Decreto-Lei n.º 9.760, de 5 de setembro de 1946, APROVO a posição da Linha de Preamar Média de 1831, ao tempo que mais se aproxime, conforme despacho à folha 999 do referido processo e memorial descritivo contidos às folhas 986 a 998, Volume V". De acordo com o traçado pela Comissão de demarcação as áreas da União são as seguintes: Fazenda Sapucai Área total: 1. 963.1720ha Terreno de Marinha 13,245ha Manguezal 468,526ha Terreno alodial 1.481,379ha Fazenda Santa Emília Área total: 2.190.0350ha Terreno de Marinha 21,086ha Manguezal 1.117,275ha Terreno alodial 1.051,085ha Aritingui 147ha Área total da União 26,83ha Entendo, assim, que não mais há qualquer interesse processual na União na relação processual. 4. Do pedido de assistência simples formulado pela Defensoria Pública da União. A Defensoria Pública da União (DPU) requereu, às fls. 1835/1839, sua intervenção no feito como assistente simples dos demandados. Em síntese, alega a perspectiva de sofrer reflexos da decisão desfavorável aos réus, ante a condição destes de integrantes da Comunidade Aritingui, a favor da qual a DPU ajuizou ação civil pública contra a União, o Instituto nacional de Colonização e Reforma Agrária, a Destilaria Miriri e Paulo Fernando Cavalcanti de Morais, pretendendo a condenação do INCRA e da União na obrigação de fazer quanto à regularização fundiária do território ocupado pela referida comunidade. A parte autora apresentou impugnação ao pedido de assistência, às 1844/1948, alegando que não há interesse jurídico que justifique a participação da DPU nesta ação de reintegração de posse, posto que o julgamento desta em nada influenciará no julgamento da ação civil pública. Segundo ensina Cândido Rangel Dinamarco, in Intervenção de Terceiros", Malheiros, São Paulo, 1997, p. 35: "o que legitima o terceiro a intervir como assistente é a titularidade de uma situação jurídica conexa ou dependente das res in judicium deducta". O Assistente deve demonstrar interesse jurídico na vitória da parte assistida, não se admitindo mero interesse econômico. Há que se demonstrar o interesse jurídico. No caso em análise, o resultado da ação de reintegração de posse afetará a esfera jurídica da Defensoria Pública da União, uma vez que a expectativa de regularização fundiária, objeto da ação civil pública intentada pela DPU em favor da Comunidade de Aritingui, pode ser frustrada, no que diz respeito aos 10,21ha, ora em disputa pelas partes, de sorte que resta configurado o interesse jurídico da mencionada entidade. Por outro lado, não verifico razões jurídicas que obstem o acolhimento do referido pleito tal qual defendido pela autora, vez que a pretensão de regularização envolve a área em litígio, e não só a atualmente ocupada pela referida comunidade, razão pela qual entendo cabível o ingresso da Defensoria Pública da União no presente feito, recebendo o processo no estado em que se encontra, conforme determinado no art. 119, parágrafo único do CPC. Assim sendo, DEFIRO o pedido da Defensoria Pública da União (DPU), admitindo seu ingresso na qualidade de Assistente Simples dos promovidos, nos termos do art. 119 do CPC. 5. Da área guerreada/interesse do ICMBio O local questionado se trata de uma área de 10,21ha, encravada na propriedade rural Santa Emília I, no município de Rio Tinto/PB, no interior da Área de Preservação Ambiental - APA do Rio Mamanguape e no entorno da Área de Relevante Interesse Ecológico - ARIE, categorias de unidades de conservação que integram o grupo de Uso Sustentável, conforme art. 141 da Lei nº. 9.985/2000. As duas áreas foram objeto de dois decretos federais, que as elevaram essas condições. O delineamento da APA e da ARIE também está contido na Lei do SNUC, respectivamente, artigos 15 e 162. Do trato legal se extrai que a APA constitui área geralmente extensa, ocupada pelo homem, cujos objetivos primordiais consistem na regular ocupação humana e em assegurar a exploração econômica sustentável. A ARIE, por sua vez, integra área de pequena extensão, com pouca ou nenhuma ocupação humana, com características naturais extraordinárias ou que abriguem exemplares raros da biota; seu objetivo é compatibilizar o uso de tais áreas com medidas de conservação da natureza. No caso da Barra do Rio Mamanguape, primeiramente, nos idos de 1985, foi erigida à condição de ARIE pelo Decreto nº. 91.890/85, tendo-se em vista a proteção dos manguezais situados na sua foz3. Mais tarde, já em 1993, foi criada a APA da Barra do Rio Mamanguape, por intermédio do Decreto nº. 924/934, o qual visou proteger, especialmente, o peixe-boi marinho, as áreas remanescentes de manguezal e mata atlântica, e os recursos hídricos existentes no local. A propósito, consta no site da ICMBIO (http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/marinho/unidades-de-conservacao-marinho/2237-apa-da-barra-do-mamanguap, que a APA da Barra do Rio Mamanguape possui uma área de 14.640 hectares. Conforme informação colhida do projeto do plano de manejo (, greentecambiental.com.br/index.../6_77995a5982422d7af3edd9712abeb953) "A população residente na área da APA inclui praticamente toda a zona urbana da sede municipal de Rio Tinto/PB (incluindo a Vila Regina, situada em Terra Indígena) e mais oito comunidades situadas na área rural (Ilha do Aritingui, Tavares, Tanques, Saco, Praia de Campina, Minhoto 3, Lagoa de Praia e Barra de Mamanguape). A área da Unidade também engloba nove aldeias indígenas pertencentes à Terra Indígena Montemor (etnia Potiguara), sendo Jaraguá (Rio Tinto/PB), Três Rios, Brejinho, Tramataia, Camurupim, Caieras, Val, Akaju-Tibiró e Coqueirinho (Marcação/PB). Nos municípios de Baia da Traição e Lucena não há comunidades residentes dentro dos limites da APA. A análise das duas imagens contidas no referido projeto de plano de manejo (http://mapas.icmbio.gov.br/i3geo/icmbio/mapa/externo/home.html?vcvs3haf4epr11cnuc03a0vga0), referentes à APA/ARIE, aliadas às observações feitas nas imagens de satélite acostadas aos autos, permite identificar que a área em disputa está inserida dentro da APA e no entorno da ARIE, não no ecossistema do manguezal, onde não seria possível nenhuma atividade agrícola. Por sua vez, a denominada comunidade de Aritingui se situa na fazenda denominada Sapucaí, de propriedade de Paulo Fernando Cavalcanti de Morais, no limite do imóvel Santa Emília I, vizinha uma da outra, segundo se pode compreender das fotos de satélite acostada aos autos pela parte autora, às fls. 1264/1266. Concluindo, as unidades de conservação federais localizadas no estuário do Rio Mamanguape estão sob a gestão do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio, que tem como objetivos institucionais ligados às políticas relativas ao uso sustentável dos recursos naturais renováveis e de apoio ao extrativismo e às populações tradicionais nas unidades de conservação de uso sustentável federais, segundo dispunha o art. 1º Anexo do Decreto nº 7.515, de 2011, revogado pelo Decreto nº 8.974/ de 24 de janeiro de 2017, sem alteração do sentido do texto original: "Art. 1o O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - Instituto Chico Mendes, autarquia criada pela Lei no 11.516, de 28 de agosto de 2007, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, com autonomia administrativa e financeira, dotada de personalidade jurídica de direito público, com sede em Brasília, Distrito Federal, e com jurisdição em todo o território nacional, tem como finalidades: I - executar ações da política nacional de unidades de conservação da natureza, referentes às atribuições federais relativas à proposição, à implantação, à gestão, à proteção, à fiscalização e ao monitoramento das unidades de conservação federais; II - executar as políticas relativas ao uso sustentável dos recursos naturais renováveis e de apoio ao extrativismo e às populações tradicionais nas unidades de conservação de uso sustentável federais; III - fomentar e executar programas de pesquisa, proteção, preservação e conservação da biodiversidade e de educação ambiental; IV - exercer o poder de polícia ambiental para a proteção das unidades de conservação federais; e" [...]" Dessa maneira, demonstrado que cabe ao ICMBio a gestão da unidade de conservação, onde se encontra inserida a área em questão (APA Rio Mamanguape), sem dúvida, há interesse desta autarquia no feito. 6. Do princípio da não-surpresa (art. 10 do CPC). Em consulta realizada no sítio eletrônico do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio (http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/marinho/unidades-de-conservacao-marinho/2237-apa-da-barra-do-mamanguape), verificou-se que o Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) da Barra do Rio Mamanguape e da Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) dos Manguezais da Foz do Rio Mamanguape, já foi concluído e aprovado pela Portaria nº 057, de 22 de maio de 2014, de lavra do Presidente da referida autarquia. O que mais chamou a atenção no mencionado plano de manejo foi, sem dúvida, a similaridade produtiva, econômica e social, além da qualidade de vida e de moradia da população da microrregião geográfica da APA de Barra do Rio Mamanguape, principalmente entres as comunidades de Tavares, Taberaba e Aritingui. "1.6 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO (fl. 25) A APA da Barra do Rio Mamanguape e a ARIE de Manguezais da Foz do Rio Mamanguape englobam 4 municípios paraibanos: Rio Tinto, Marcação, Lucena e Baía da Traição. O município de Rio Tinto corresponde 65% do território da APA, Marcação abarca 17,3%, Lucena e Baía da Traição correspondem uma pequena área, 1,1% e 0,4% respectivamente. Há ainda uma parte da APA que está inserida no mar, o que equivale a 16,2% da área da UC. [...] 2.4.3.5 Comunidades locais (folhas 167 a 171) A população residente na APA é proveniente da miscigenação dos índios Potiguara, negros e brancos que formaram aldeias indígenas e comunidades tradicionais. As comunidades, em geral, são formadas por pessoas extremamente carentes que sobrevivem de pequenas atividades como a pesca, agricultura e extrativismo (PALUDO & KLONOWSKY, 1999; PEREIRA, 1995). Com o avanço do desmatamento promovido pela cultura da cana-de-açúcar as comunidades foram obrigadas a recuar, fixando-se em áreas da União e áreas de preservação permanente (PALUDO & KLONOWSKY, 1999). Conforme relatado por Cabral et al. (2009), essa população está dividida em 21 comunidades tradicionais e indígenas situadas no interior e no entorno imediato da APA, por sua vez, EMBRAPA (2008) relata a presença de 18 comunidades, conforme pode ser visto na Figura 74. A Tabela 50, compilada por EMBRAPA (2008), apresenta a relação das comunidades na região da APA, sua localização nos municípios e as respectivas atividades econômicas desenvolvidas pela população. Comunidade Localização Atividades Praia da Campina Município de Rio Tinto na APA (AU Agricultura coletiva (77 ha, 100 famílias) e Plantação de coco (117 ha, 1 família) Lagoa da Praia Município de Rio Tinto na APA Pesca e cata de caranguejo e marisco (sem área de mangue - 74 famílias), agricultura coletiva (10 ha, 8 famílias) e Pecuária (20 ha, 1 família) Barra do Mamanguape Município de Rio Tinto na APA Pesca e cata de caranguejo e marisco (58 ha, 48 famílias), carcinicultura (60 ha 5 tanques) Tatupeba Município de Rio Tinto, próximo à APA Agricultura coletiva (64 ha, 42 famílias) Pacaré Município de Rio Tinto próximo à APA Agricultura coletiva (64 ha, 42 famílias) Tanques Município de Rio Tinto na APA Agricultura coletiva (70 ha, 83 famílias) Tavares Município de Rio Tinto na APA Agricultura de subsistência (3 ha, 1 família), pecuária coletiva (11 ha, 60 pessoas) e carc8inicultura (47 ha Aritingui Município de Rio Tinto na APA Agricultura de subsistência (2,5 ha, 1 família) e pecuária Cravassu Município de Rio Tinto próximo à APA Agricultura coletiva (30 ha, 88 famílias Taberaba (Associação dos Agricultores e Criadores das margens do rio Mamanguape) Município de Rio Tinto próximo à APA Agricultura coletiva (50 ha, 29 famílias), pecuária coletiva (100 ha, 12 famílias) Aldeia Jaraguá Município de Rio Tinto na APA Agricultura coletiva (50 ha, 1 família e 10 ha, 70 famílias), pecuária coletiva (100 ha, 100 famílias), pesca e cata (301 ha, 135 famílias) Aldeia Brejinho Município de Marcação próximo à APA Cana de açúcar (50 ha, 3 famílias) e carcinicultura (3 ha, 1 família) Aldeia Tramataia Município de Rio Tinto próximo à APA Pesca e cata de caranguejo e marisco (111 ha, 180 famílias), agricultura de subsistência ( 3 ha 1 família), cana de açúcar (20 ha, 3 famílias), pecuária de subsistência (8 ha, 1 família) e carcinicultura (5 ha, 3 famílias) e viveiro de peixe (1,7 ha, 1 família) Aldeia Cumurupim Município de Marcação próximo à APA Agricultura de subsistência (2,5 ha, 1 família), carcinicultura (4 ha, 3 famílias), Aldeia Akajutibiró Município de Baia da Traição próximo à APA --- Vila Veloso Município de Rio Tinto na APA (AU) Pecuária (50 ha, 2 famílias) Curral de Fora Agricultura de subsistência (6 ha, 1 família), pecuária de subsistência (18 ha, 2 famílias) Fonte: EMBRAPA, 2008. Obs.: Todas as comunidades consideradas estão situadas nas áreas rurais situados na região da APA do rio Mamanguape são: a pesca, a pecuária e o extrativismo. Como verificado na tabela acima, as principais atividades praticadas pelas comunidades situadas na região da APA do Rio Mamanguape são: a pesca, a agropecuária e o extrativismo. A maior parte dessa população é dependente do mangue, a exploração é feita na forma extrativista de árvores para lenha, carvão e madeira para a construção de casas, cavernames de embarcações e estacas para apoiar culturas agrícolas, além de extração da casca das árvores para obtenção do tanino (PALUDO & KLONOWSKI, 1999). As comunidades de pescadores têm dificuldades para comercializar a produção pesqueira. Cortez (2010) verificou que os pescadores entrevistados das comunidades Aritingui, Taberaba e Tavares não possuem mercado para comercializar a produção, que ocorre, em geral, por meio de uma rede de intermediadores. Foi verificado ainda que a dependência do manguezal por essas comunidades não é total. As usinas de cana-de-açúcar Miriri e Japungu absorvem grande parte da mão-de-obra dessas comunidades. Muitos moradores preferem trabalhar na atividade canavieira devido à segurança do salário fixo mensal e às questões previdenciárias e legais definidas pela assinatura da carteira de trabalho. Registra-se ainda a contratação temporária, como no caso da Fazenda Foco, gerida pela Destilaria Miriri, que emprega 11 pessoas da comunidade de Tavares em atividades diárias de carcinicultura e contrata, temporariamente, alguns outros trabalhadores em época de despesca. A renda da comunidade Aritingui foi de até meio salário mínimo para 33,33% da população, enquanto 66,67% alegaram receber entre meio e 1 salário mínimo. Foi informado, ainda, que nessa comunidade, 50% dos entrevistados complementam sua renda unicamente com a agricultura, 16,67% na agricultura e recebem auxílio doença, 16,67% completam a renda na agricultura e Bolsa Família e 16,67% completam a renda somente com o programa Bolsa Família. APA da Barra do Rio Mamanguape ARIE de Manguezais da Foz do Rio Mamanguape Encarte II - Análise das UC 171 Na comunidade Taberaba, 16,67% dos entrevistados recebem entre meio e 1 salário mínimo, 66,67% ganham entre 1 e 2 salários mínimos e 16,67% recebem de 2 e 3 salários mínimos Dos entrevistados em Taberaba, 50% completam a renda na agricultura, 16,67% ganham seguro-desemprego da pesca e 33,33% não têm renda extra. Em Tavares, 53,85% dos entrevistados têm renda mensal entre meio e 1 salário mínimo, enquanto 46,15% ganham entre 1 e 2 salários mínimos. Nesta comunidade, 30,79% complementam sua renda somente com agricultura, 23,08% complementam sua renda com agricultura e Bolsa Família, 15,38% complementam a renda apenas com o Bolsa Família, 15,38% complementam a renda com a aposentadoria do cônjuge, enquanto 15,38% não possuem renda complementar. A Tabela 51 apresenta este panorama descrito (CORTEZ, 2010). [...] A baixa qualidade de vida da população é um fator que tem agravado a saúde da comunidade, isso ocorre devido aos vários fatores como a falta de saneamento básico, moradias de taipa, animais domésticos, reaproveitamento de embalagens de agrotóxicos, poluição oriunda dos canaviais (RODRIGO et al. 2008). Paludo & Klonowsky (1999) evidenciaram que 85% das moradias são construídas de taipa. Pereira (1995) observou em duas comunidades no município de Rio Tinto que 91,8% dos imóveis eram construídos de taipa, padrão similar em outras localidades. Cortez (2010) observou que, de uma maneira geral, na comunidade Aritingui, todas as casas são de taipa, cobertas em sua maioria com telha e tendo piso de chão batido. Esse padrão não foi verificado em Taberaba, pois um programa da prefeitura de Rio Tinto doa casas de alvenaria aos moradores que ainda não as possuem. Em Tavares, de maneira geral, a maioria das casas é de alvenaria, cobertas com telhas e piso de cimento. Em Aritingui predomina a pesca, dessa forma, a comunidade apresenta menor poder aquisitivo e, assim, a maioria das residências é de taipa. Já em Taberaba, há poucos pescadores com predominância de trabalhadores na cultura da cana-deaçúcar, por isso quase a totalidade das casas é de alvenaria. Em Tavares verifica-se um misto de atividade econômica, observou-se parte das residências de taipa, em geral, dos pescadores e parte de alvenaria dos que trabalham na cultura de cana-de-açúcar ou na carcinicultura. A Tabela 52 apresenta essas informações". Por sua vez, a Defensoria Pública da União realizou, por intermédio de seus servidores, cadastro e entrevistas na comunidade de Artiginui, inserida nos autos eletrônicos da Ação Civil Pública nº 0804736-65.2015.4.05.8200 (Id. 4058200.684434), sobre diversos aspectos, dentre os quais, destaco aqueles que dizem respeito à ancianidade da ocupação do território e ao uso do solo: Nome completo (sem abreviações) Responsável Familiar Nascimento Quando veio morar aqui (mês/ano) Que local morava antes Município Usa área comum com outras famílias Maria Carmo dos SantosMiranda RioTinto(Vila) Set/06 Conj do Tambor Itapororoca Não Damião Candido da Silva PE Aliança 2010 Sapucai Rio Tinto João Augusto Gerônimo PB RioTinto Nov/90 Buraco Rio Tinto sim Antonio Gerônimo PB RioTinto Set/77 Aritingui Rio Tinto sim Severino Augusto Geronimo PB Lucena 1985 Pau d'arco Rio Tinto Não André da Silva Conceição PB Rio Tinto 1986 Não Tiago Araujo da Silva RJ RiodaJaneiro Fev/10 Sítio Tavares Rio Tinto Não Natanael da Silva Alves PB RioTinto 1979 Ilha de Aritingui Rio Tinto Não Severino Soares RN PedroVelho dez/09 Rio Tinto Rio Tinto sim Maria Aparecida Gerônimo PB RioTinto Jan/20 Sítio Pau d'arco Rio Tinto sim Severino Ramos de Freitas PB Lucena Mai/78 Nelson Albino Barbosa PB RioTinto Dez/01 Cravaçu Rio Tinto Não Gelvania daSilva Ferreira PB RioTinto 2004 Varzea Nova Rio tinto Edmar Duarte de Rocha PB Sapé 1989 Severino Pedro de Morais PB RioTinto Ago/10 Areia Branca Rio Tinto Não Tânia Maria da Silva PB João Pessoa 1980 Alto do Mateus João Pessoa Não Cleonice Rita da Silva PE Itapessuma 1965 Não Marcone Ferreira da Silva RN Conguaretama 1981 Não Renato Veríssimo da Silva PB Rio Tinto Mai/10 Centro Rio Tinto Não Rita Conceição da Silva PB Itabauba 1991 Varzea Nova Rio Tinto Não Ailton Silva do Nascimento PB Rio Tinto Abr/84 Amauri Morais da Silva PB Rio Tinto Dez/82 Gilson da Silva Ferreira PB João Pessoa 09/82 Edjair Silva do Nascimento PB Rio Tinto 06/74 Não Risonete Silva do Nascimento PB Rio Tinto 06/05 Cravaçu Rio Tinto Não Antonio Marinho da Silva PE São Vicente Ferrer 09/10 Vila de Pedro Velho Campina Grande sim José Francisco do Nascimento PB Sapé ano de 2009 João Pessoa João Pessoa Gilvan Benevenuto Silva PE Timbauba Ano de 1990 Tavares Rio Tinto Raimunda Oliveira da Silva PB Santa Rita ano de 1988 Capim Mamanguape Não Luiz Gomes de Araujo Neto PB Mamanguape ano de 1997 Mamanguape Mamanguape Não Vania da Silva Alves PB Rio Tinto ano de 1985 Não Todavia, segundo a dicção do art. 10, do CPC, "o juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício". Mutatis mutandis, dispositivo retro encaixa-se qual uma luva ao caso presente, uma vez eventualmente fundamentada a sentença com quaisquer desses dados coletados extra-autos, restariam inobservados, substancialmente, os princípios do contraditório e da ampla defesa. Com essas considerações, determino a intimação das partes, inclusive o ICMBio, para, em 15 (quinze) dias, se manifestarem sobre a questões processuais enumeradas nos tópicos acima (3,5 e 6) . Antes, porém, determino que a DPU, no prazo de 15 (quinze) dias, junte aos autos as peças principais do PJE 0804736-65.2015.4.05.8200 (inicial, cadastro das famílias - Id. 4058200.684434, Oficio 26243-2016 -SPU-MP Doc. 01 A, Doc.01 B, Doc 01 C, Id. 4058200.939548, 4058200.939549 e 4058200.939550, respectivamente ) FORMA DE CUMPRIMENTO 1 - Remessa à DPU. 2 - Remessa à União. 3 - Remessa ao IBAMA e ao ICMBio. 4 - Publique-se. 5 - Remessa ao MPF. 6 - Em seguida, renove-se a conclusão para sentença. João Pessoa, 18 de agosto de 2017. CRISTINA MARIA COSTA GARCEZ Juíza Federal da 3ª Vara/SJPB 1 "Art. 14. Constituem o Grupo das Unidades de Uso Sustentável as seguintes categorias de unidade de conservação: I - Área de Proteção Ambiental; II - Área de Relevante Interesse Ecológico; (...)" 2 Art. 15. A Área de Proteção Ambiental é uma área em geral extensa, com um certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas, e tem como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais.(Regulamento) § 1o A Área de Proteção Ambiental é constituída por terras públicas ou privadas. § 2o Respeitados os limites constitucionais, podem ser estabelecidas normas e restrições para a utilização de uma propriedade privada localizada em uma Área de Proteção Ambiental. § 3o As condições para a realização de pesquisa científica e visitação pública nas áreas sob domínio público serão estabelecidas pelo órgão gestor da unidade. § 4o Nas áreas sob propriedade privada, cabe ao proprietário estabelecer as condições para pesquisa e visitação pelo público, observadas as exigências e restrições legais. § 5o A Área de Proteção Ambiental disporá de um Conselho presidido pelo órgão responsável por sua administração e constituído por representantes dos órgãos públicos, de organizações da sociedade civil e da população residente, conforme se dispuser no regulamento desta Lei. Art. 16. A Área de Relevante Interesse Ecológico é uma área em geral de pequena extensão, com pouca ou nenhuma ocupação humana, com características naturais extraordinárias ou que abriga exemplares raros da biota regional, e tem como objetivo manter os ecossistemas naturais de importância regional ou local e regular o uso admissível dessas áreas, de modo a compatibilizá-lo com os objetivos de conservação da natureza. § 1o A Área de Relevante Interesse Ecológico é constituída por terras públicas ou privadas. § 2o Respeitados os limites constitucionais, podem ser estabelecidas normas e restrições para a utilização de uma propriedade privada localizada em uma Área de Relevante Interesse Ecológico. 3"Art 1º - Fica declarada Área de Relevante Interesse Ecológico - ARIE uma área de mangues denominada Manguezais da Foz do Rio Mamanguape, localizada no Município do Rio Tinto, no Estado da Paraíba, com área total de 5.721,07 hectares apresentando os seguintes limites geográficos: (...)". 4 "Art. 1° Fica criada a Área de Proteção Ambiental (APA) da Barra do Rio Mamanguape, localizada nos Municípios de Rio Tinto e Lucena, no Estado da Paraíba, envolvendo águas marítimas e a porção territorial descrita no art. 2° deste decreto, com o objetivo de: I - garantir a conservação do habitat do Peixe-Boi Marinho (Trichechus manatus); II - garantir a conservação de expressivos remanescentes de manguezal, mata atlântica e dos recursos hídricos ali existentes; III - proteger o Peixe-Boi Marinho (Trichechus Manatus) e outras espécies, ameaçadas de extinção no âmbito regional); IV - melhorar a qualidade de vida das populações residentes, mediante orientação e disciplina das atividades econômicas locais; V - fomentar o turismo ecológico e a educação ambiental." ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 3ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB Processo nº 0009202-87.2005.4.05.8200 Cristina Maria Costa Garcez Juíza Federal da 3ª Vara

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000047-40.2017.4.05.8200 EDIVAM MACEDO E OUTROS (Adv. MARCELLO VAZ ALBUQUERQUE DE LIMA) X FEDERAL DE SEGUROS S/A (Adv. SEM ADVOGADO)

Encontra-se pendente de julgamento pelo TRF 5ª Região o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas, autuado sob o nº. 0804575-80.2016.4.05.0000, que tem como finalidade sanar a controvérsia acerca da influência da Lei nº. 13.000/2014 sobre as ações envolvendo seguros de mútuo habitacional no âmbito do Sistema Financeiro Habitacional - SFH, nos contratos celebrados de 02.12.1988 a 29.12.2009 e vinculados ao FCVS (apólices públicas, ramo 66), através da fixação de tese jurídica que indique, objetivamente, o que se exige da CEF para demonstrar, caso a caso, o seu interesse jurídico em intervir nos autos. Esta Magistrada decidiu em alguns processos que deveriam ficar suspensos apenas e unicamente os contratos celebrados entre 02/12/1988 a 29/12/2009. No entanto, em face de decisões proferidas pelo TRF5ª Região, em sede de Agravo de Instrumento, nas quais restou decidido que todos os contratos devem aguardar o julgamento do IRDR nº nº. 0804575-80.2016.4.05.0000, revejo o meu entendimento para determinar a suspensão deste processo. Intimem-se. Cumpra-se.

   

0000095-96.2017.4.05.8200 MARIA DO SOCORRO MATIAS E OUTROS (Adv. BRUNA DE FREITAS MATHIESON, ROSEANE DE ALMEIDA COSTA SOARES) X FEDERAL DE SEGUROS S/A (Adv. JOSEMAR LAURIANO PEREIRA, BRUNO SILVA NAVEGA, PERICLES GONCALVES FILHO, SILVIA MARIA BARBOSA MOREIRA NEIVA, RAFAEL WERNECK COTTA, CÉSAR MOTTA MOREIRA, NAYRA MARQUES DOS SANTOS, TAMARA MEIRELLES GONTAN BLANCO) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO, EDUARDO BRAZ DE FARIAS XIMENES, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, GUSTAVO ANDERSON FERREIRA DE BARROS, ISAAC MARQUES CATÃO, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO, LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR, MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO, MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS, RENATO ANTONIO VARANDAS NOMINANDO DINIZ, THAISE PINTO UCHOA DE ARAUJO, THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES, ALDO LINS E SILVA PIRES, ANA CRISTINA UCHOA MARTINS, ANGELO GUSTAVO BARBOSA PETER, ANTONIO HENRIQUE FREIRE GUERRA, ANTONIO XAVIER DE MORAES PRIMO, BIANCA SIQUEIRA CAMPOS DE ALMEIDA, BRUNA DE OLIVEIRA MACIEL, CARLO CRISTHIAN TEIXEIRA NERY, CONCEIÇÃO KEANE GOMES CHAVES, DANIELA LEMOS NEUENSCHWANDER, ELMO CABRAL DOS SANTOS, IZABEL URQUIZA GODOI ALMEIDA, JOSIAS ALVES BEZERRA, JUSTINIANO DIAS DA SILVA JUNIOR, LILIANE CHRISTINE PAIVA HENRIQUES DE CARVALHO, LUCAS VENTURA CARVALHO DIAS, LUIZ DOS SANTOS FILHO, MARCELO SANTIAGO BEZERRA DE LIMA, MARIA CAROLINA MONTEIRO FERRAZ MODESTO, MARIA DAS GRACAS DE OLIVEIRA CARVALHO, MARIA DOS PRAZERES DE OLIVEIRA, MARIA LAURA DOMINGUES O ALCOFORADO, MIRIAM ROCHA SOARES, NATANAEL LOBAO CRUZ, PAULO MELO DE ALMEIDA BARROS, RAIMUNDO REIS DE MACEDO, REBECCA MEIRA VIRGINIO, RENATA SALAZAR ABRANTES, RENATO PAES BARRETO DE ALBUQUERQUE, RICARDO CARNEIRO DA CUNHA, RICARDO SIQUEIRA, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VITOR YURI ANTUNES MACIEL, LUIZ CORREIA SALES, BRUNO PAES BARRETO LIMA, MARCELO PIRES RIBEIRO, MATHEUS AGUIAR DE BARROS, PAULO HENRIQUE BEDOR DE SAMPAIO JUNIOR, ROSEANE MARIA DE HOLLANDA CAVALCANTI, CARLOS ALBERTO REGUEIRA DE CASTRO SILVA)

Encontra-se pendente de julgamento pelo TRF 5ª Região o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas, autuado sob o nº. 0804575-80.2016.4.05.0000, que tem como finalidade sanar a controvérsia acerca da influência da Lei nº. 13.000/2014 sobre as ações envolvendo seguros de mútuo habitacional no âmbito do Sistema Financeiro Habitacional - SFH, nos contratos celebrados de 02.12.1988 a 29.12.2009 e vinculados ao FCVS (apólices públicas, ramo 66), através da fixação de tese jurídica que indique, objetivamente, o que se exige da CEF para demonstrar, caso a caso, o seu interesse jurídico em intervir nos autos. Em sede de Agravo de Instrumento nº 0000828-24.2017.4.05.0000 o TRF5ª Região atribuiu efeito suspensivo para determinar a suspensão dos efeitos da decisão proferida às fls. 134/135. Intimem-se. Cumpra-se.

   

0003544-04.2013.4.05.8200 GESSY MARIA DOS SANTOS E OUTROS (Adv. HILTON SOUTO MAIOR NETO, MARCOS SOUTO MAIOR FILHO, RAQUEL VASCONCELOS SOUTO MAIOR, FRANCISCO DE ASSIS FIDELIS DE OLIVEIRA FILHO) X FEDERAL DE SEGUROS S/A (Adv. ROSANGELA DIAS GUERREIRO, DEBORA OLIVEIRA BARCELOS, RENATA MARINHO MARTINS, SIBELE SENA CAMPELO, EDUARDO DE CASTRO CAPANEMA, LUIZ FERNANDO OLIVEIRA PIRES, RONALDO DE OLIVEIRA LIMA, LUCAS GUILHERME LESSA, BRUNO RIBEIRO DE ATAIDE CAVALCANTI) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO, EDUARDO BRAZ DE FARIAS XIMENES, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, GUSTAVO ANDERSON FERREIRA DE BARROS, ISAAC MARQUES CATÃO, JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO, LEOPOLDO VIANA BATISTA JUNIOR, MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO, MARCOS CALUMBI NOBREGA DIAS, RENATO ANTONIO VARANDAS NOMINANDO DINIZ, THAISE PINTO UCHOA DE ARAUJO, THEREZA SHIMENA SANTOS TORRES, ALDO LINS E SILVA PIRES, ANA CRISTINA UCHOA MARTINS, ANGELO GUSTAVO BARBOSA PETER, ANTONIO HENRIQUE FREIRE GUERRA, ANTONIO XAVIER DE MORAES PRIMO, BIANCA SIQUEIRA CAMPOS DE ALMEIDA, BRUNA DE OLIVEIRA MACIEL, CARLO CRISTHIAN TEIXEIRA NERY, CARLOS ALBERTO REGUEIRA DE CASTRO SILVA, CONCEIÇÃO KEANE GOMES CHAVES, DANIELA LEMOS NEUENSCHWANDER, ELMO CABRAL DOS SANTOS, IZABEL URQUIZA GODOI ALMEIDA, JOSIAS ALVES BEZERRA, JUSTINIANO DIAS DA SILVA JUNIOR, LILIANE CHRISTINE PAIVA HENRIQUES DE CARVALHO, LUCAS VENTURA CARVALHO DIAS, LUIZ CORREIA SALES, LUIZ DOS SANTOS FILHO, MARCELO SANTIAGO BEZERRA DE LIMA, MARIA CAROLINA MONTEIRO FERRAZ MODESTO, MARIA DAS GRACAS DE OLIVEIRA CARVALHO, MARIA DOS PRAZERES DE OLIVEIRA, MARIA LAURA DOMINGUES O ALCOFORADO, MIRIAM ROCHA SOARES, NATANAEL LOBAO CRUZ, PAULO MELO DE ALMEIDA BARROS, RAIMUNDO REIS DE MACEDO, REBECCA MEIRA VIRGINIO, RENATA SALAZAR ABRANTES, RENATO PAES BARRETO DE ALBUQUERQUE, RICARDO CARNEIRO DA CUNHA, RICARDO SIQUEIRA, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VITOR YURI ANTUNES MACIEL, BRUNO PAES BARRETO LIMA, MARCELO PIRES RIBEIRO, MATHEUS AGUIAR DE BARROS, PAULO HENRIQUE BEDOR DE SAMPAIO JUNIOR, ROSEANE MARIA DE HOLLANDA CAVALCANTI)

Em obediência ao art. 203, §4º, do CPC, abro vista às partes, pelo prazo de 15 (quinze) dias, sobre o laudo pericial (fls. 921/942). João Pessoa, 7 de dezembro de 2017. José A. R. de Araújo Técnico Judiciário - mat. 190

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000034-51.2011.4.05.8200 MUNICIPIO DE SAO JOSE DE PIRANHAS (Adv. RODRIGO JOSÉ SILVA PINTO) X UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Trata-se de embargos de declaração opostos pela UNIÃO em face do despacho proferido às fls. 401/401vº, ao argumento de conter omissão. Alega que: a) Ao deferir o destaque dos honorários contratuais do precatório a ser expedido em favor do Município exequente, restou omissa em analisar a impossibilidade de utilização dos valores provenientes do FUNDEF para gastos diversos do Ensino funcional. b) Restou também omissa a decisão no tocante à observância do pagamento dos honorários advocatícios a que fora condenado o Município exequente, nos autos dos Embargos à Execução 0803530-50.2014.4.05.8200, cuja sentença repousa às fls. 368/372 destes autos, devendo ser determinado o bloqueio futuro da quantia de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) para fins de pagamento dos honorários advocatícios devidos à representação judicial da UNIÃO, pelo que se impõe a integração da decisão embargada também quanto a esse aspecto. Requer, por fim, que sejam suprimidas as omissões apontadas. É o relatório. Decido. Os embargos de declaração têm cabimento em caso de obscuridade, contradição ou omissão na decisão/sentença, não se prestando, de regra, para rediscutir o mérito da causa ou modificar a decisão. In casu, a União se insurge quanto à possibilidade de utilização dos valores provenientes do FUNDEF para gastos diversos do Ensino funcional, no caso o pagamento dos honorários contratuais, bem assim, que não foi observado o pagamento dos honorários advocatícios a que foi condenado o Município autor, devidos à representação judicial da União. Entretanto, o objetivo almejado pela embargante refoge ao âmbito da declaração ou suprimento de qualquer omissão da decisão e revela apenas mero inconformismo acerca do deferimento do destaque relativo aos honorários contratuais, para o qual os embargos não é via adequada, para tanto há recurso próprio no CPC. Também não existe a omissão apontada no tocante ao pagamento dos honorários advocatícios a que foi condenado o Município exequente, mas mero equívoco da Secretaria em não proceder à dedução da citada verba (R$ 5.000,00) quando da expedição do precatório em favor do Município autor, uma vez que a compensação já havia sido determinada na sentença proferida nos embargos opostos à presente execução (fls. 368/371). Desse modo, considerando que no precatório expedido em favor do Município exeqüente não houve o abatimento do valor relativo aos honorários advocatícios arbitrados em favor da União, oficie-se ao Setor de Precatórios do eg. TRF/5ª Região, solicitando a dedução da quantia de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), do valor requisitado para o autor. Ante o exposto, conheço os embargos declaratórios mas nego-lhes provimento. Intimem-se. Cumpra-se.

   

0000859-97.2008.4.05.8200 SINDICATO DOS TRAB. EM SERV. PUB. FEDERAL NO ESTADO DA PB-SINTSERF/PB (Adv. ROGÉRIO CUNHA ESTEVAM) X UNIAO (MINISTERIO DOS TRANSPORTES) (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA)

1- Defiro o pedido de desarquivamento. 2-Requerem os advogados Sergio Ricardo Alves Barbosa e Ricardo Figueiredo Moreira a remessa dos autos à Contadoria Judicial para cálculo da diferença entre os valores por eles percebidos a título de RPV/Precatórios, e aqueles decorrentes dos juros de mora calculados entre a data da confecção da conta exequenda e a da requisição/precatório, e seus reflexos nos honorários advocatícios de sucumbência e contratuais (fls. 190/192), tendo em vista a decisão proferida pelo STF- RE579. 431/RS - em repercussão geral. 3- Não há como acolher o pleito dos causídicos supramencionados, pois, proferida a sentença de extinção (fls. 124), o juiz encerra a prestação jurisdicional requerida, cabendo à parte irresignada interpor o recurso pertinente. 4-Ademais, a sentença está coberta pelo manto da coisa julgada, não podendo está ser alterada, senão, pelo recurso apropriado ou pela via própria (ação rescisória). 5- Dessa forma, reputo prejudicados os pedidos formulados pelos advogados supramencionados às fls. 190/192. 6- Intimem-se os requerentes. 7- De outra banda, o SINTSERF/PB, às fls. 193/194, requer a habilitação do advogado ROGÉRIO CUNHA ESTEVAM, OAB/PB 16.415 e a concessão de vistas do feito pelo prazo de 10 (dez) dias. 8- Anotações cartorárias, observando-se a procuração (fls. 194). 9- DEFIRO o pedido de concessão de vistas do feito pelo prazo requerido ao novo causídico do sindicato exequente. 10- Após, devolvam-se os autos ao arquivo, com baixa na Distribuição.

   

0001564-66.2006.4.05.8200 GIVALDO DO CARMO GONÇALVES (Adv. GIUSEPPE PETRUCCI, GERMANA CAMURÇA MORAES, GILSON DE BRITO LIRA, ALEX NEYVES MARIANI ALVES, TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS, MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO) X UNIÃO FEDERAL (MINISTÉRIO DA DEFESA - EXERCITO BRASILEIRO) (Adv. ANDRÉ NAVARRO FERNANDES) x UNIÃO - MINISTÉRIO DA DEFESA - EXÉRCITO BRASILEIRO

Mantenho a decisão agravada, pelos seus próprios fundamentos. Entretanto, considerando que o Agravo de Instrumento noticiado pela UNIÃO (0811303-06.2017.4.05.0000), caso provido, poderá influenciar no valor da presente execução, afigura-se prudente aguardar o seu deslinde. I.

   

0005208-61.1999.4.05.8200 HELZIO MEDEIROS BEZERRA CAVALCANTI (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, GERALDO DE ALMEIDA SA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) X UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. BENEDITO HONORIO DA SILVA)

Em obediência ao art. 203, §4º, do CPC, abro vista ao exequente, pelo prazo de 05 (cinco) dias, sobre as requisições de pagamento expedidas nos presentes autos (fls. 123/124 e 125) e, ainda, ao exequente sobre a impugnação aos aludidos requisitórios anexada pela União às fls. 127/129. João Pessoa, 30 de janeiro de 2018. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora da Secretaria da 3ª Vara

   

0006028-36.2006.4.05.8200 EVELINE LUCENA SOUZA MEDEIROS E OUTROS (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA) X UNIÃO (Adv. ALMIRO VIEIRA CARNEIRO)

Em obediência ao provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87, item 06, abro vista à parte exequente sobre as petições e os documentos apresentados pela União às fls. 571/584, para pronunciamento no prazo de 05(cinco) dias.

   

0009369-31.2010.4.05.8200 JOCILENE MARIA DA CUNHA CASTRO E OUTROS (Adv. NAVILA DE FATIMA VIEIRA GADELHA, SEM ADVOGADO, BRUNA DO FORTE MANARIN, FELIPE FERNANDES MONTEIRO) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Considerando o teor da petição da parte exequente às fls. 636/637, na qual os credores se insurgem contra juros de mora na conta elaborada pela Contadoria (fls. 516/552) que serviu para elaboração dos requisitórios de pagamento expedidos nos presentes autos, intime-se a Universidade Federal da Paraíba, em respeito ao art. 10 do CPC. "Art. 10. O juiz não pode decidir, em grau algum de jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício." Prazo de 10 (dez) dias Intimem-se, ainda, as partes do precatório complementar expedido à fl. 642.

   

0009879-49.2007.4.05.8200 ANAIR ALMEIDA DE ASSIS E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RAIMUNDO DE ALMEIDA JUNIOR, FELIPE SARMENTO CORDEIRO)

1-Considerando o pedido à fl. 560, intime-se o Procurador do INSS para, no prazo de 05 (cinco) dias, fornecer os dados ali solicitados. 2- Fornecidos os dados, cientifique-se a parte adversa. 3- Por outro lado , em face da certidão à fl. 362, intime-se a exequente Edna Maria de Oliveira Ferreira, a fim de que se pronuncie, no prazo de 10 (dez) dias, se há interesse na renúncia ao valor que excede a 60 salários mínimo. 4- Em caso de renúncia expressa da exequente, a qual deverá ser acompanhada de instrumento procuratório com poderes específicos para tal finalidade, cancele-se a RPV 2017.82.0003.000302 e expeça-se novo requisitório.

   

0010555-41.2000.4.05.8200 SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA E OUTROS (Adv. MONICA DE SOUZA ROCHA BARBOSA, CAIUS MARCELLUS DE ARAUJO LACERDA) X FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. LUIZ FIRMO FERRAZ FILHO) x SIND. DOS TRAB. EM SERV. PUB. FEDERAL - SINSTERF/PB (Adv. SERGIO RICARDO ALVES BARBOSA, RICARDO FIGUEIREDO MOREIRA)

Requerem os exequentes da presente ação a remessa dos autos à Contadoria Judicial para cálculo da diferença entre os valores percebidos pelos substituídos, a título de RPV/Precatórios, e aqueles decorrentes dos juros de mora calculados entre a data da confecção da conta exequenda e a da requisição/precatório, e seus reflexos nos honorários advocatícios de sucumbência e contratuais (fls.243/245), tendo em vista a decisão proferida pelo STF- RE579. 431/RS - em repercussão geral. O §7º do artigo 535 do CPC, assim dispõe: A decisão do Supremo Tribunal Federal referida no §5ºi deve ter sido proferida antes do trânsito em julgado da decisão exequenda. Portanto, não há como acolher o pleito da parte exequente, uma vez que a decisão do STF foi proferida após o trânsito em julgado da sentença extintiva da obrigação de pagar, ressaltando que os autos já se encontravam arquivados. Dessa forma, reputo prejudicados os pedidos formulados pela parte exequente às fls. 1141/1143. Intimem-se, após, devolvam-se os autos ao arquivo, com baixa. i §5º Para efeito do disposto no inciso III do caput deste artigo, considera-se também inexigível a obrigação reconhecida em título executivo judicial fundado em lei ou ato normativo considerado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, ou fundado em aplicação ou interpretação da lei ou do ato normativo tido pelo Supremo Tribunal Federal como incompatível com a Constituição Federal, em controle de constitucionalidade concentrado ou difuso. --------------- ------------------------------------------------------------ --------------- ------------------------------------------------------------

   

0016357-78.2004.4.05.8200 MIRIRI ALIMENTOS E BIOENERGIA S/A E OUTRO (Adv. AURORA DE BARROS SOUZA, PATRICIA HELENA FERREIRA GAIAO) X CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS S/A - ELETROBRAS (Adv. MARCELO DUARTE MARTINS, ANA PAULA FIGUEIREDO DE OLIVEIRA) x UNIÃO (Adv. CESAR VERZULEI LIMA S DE OLIVEIRA)

Este Juízo deferiu o pedido de liquidação por arbitramento formulado por Centrais Elétricas Brasileiras S/A - ELETROBRÁS determinando que a Secretaria indicasse Perito na área de Contabilidade e intimação das partes para indicarem Assistentes Técnicos (FLS.901/902). Posteriormente a ELETROBRÁS requereu prazo de 15 dias para se manifestar sobre a decisão acima mencionada (fls. 950). A Destilaria MIriri requereu que a ELETROBRÁS apresentasse a documentação necessária para que fosse dado início a liquidação do julgado, indicou Assistente Técnico e formulou quesitos (fls. 953/955). Deferimento de prazo à ELETROBRÁS, inclusive para apresentar os documentos dos itens 01 a 06 constantes às fls. 960/96 verso). A ELETROBRÁS informou que a Destilaria Miriri sofreu alteração na sua denominação social, pelo que se impõe a regularização nos autos antes de se prosseguir com a liquidação do julgado. Apresentou os quesitos e Assistentes Técnicos (fls. 969/972). Requereu, por fim, que a UNIÃO seja intimada de todos os atos da presente liquidação na qualidade de litisconsorte passiva e em face da responsabilidade solidária. (fls. 969/1062). A DESTILARIRIA MIRIRI requereu que a ELETROBRÁS S/A efetue o depósito do valor R$ 752.742,50 (setecentos e cinquenta e dois mil setecentos e quarenta e dois reais e cinquenta centavos), valor que a Executada entende devido, conforme cálculos juntados aos autos às fls. 1029/1035. Expõe que toda a documentação referente à incorporação da empresa Destilaria Jacuípe S/A, pela empresa Destilaria Miriri S/A foi juntada aos autos, no entanto apresenta novamente o Estatuto Social consolidado e as Atas da Assembléia Geral Ordinária realizadas nos dias 04/08/2016 e 16/11/2016. (fls. 1038/1062). Requer que a ELETROBRÁS cumpra a determinação deste Juízo, juntando aos autos a documentação solicitada na decisão de fls.960. A ELETROBRÁS requer mais uma vez que seja efetuada a liquidação por arbitramento. DECIDO A documentação referente à DESTILARIA MIRIRI S/A, no que tante a incorporação da empresa encontra-se juntada aos autos às fls. 1038/1062 A pretensão executória deste processo tem por objetivo o pagamento das diferenças de correção monetária acrescidas de expurgos inflacionários, dos valores recolhidos a título de empréstimo compulsório sobre o consumo de energia elétrica com relação aos créditos constituídos a partir de 1987, bem como os juros de mora de 6% (seis por cento) ao ano (fls. 454/469, 565//575 e 848/857). A ELETROBRÁS apresentou Parecer Técnico informando o valor que entende devido perfaz o total de R$ 752.742,50 (setecentos e cinquenta e dois mil setecentos e quarenta e dois reais e cinquenta centavos) fls. 976/986, O momento não é oportuno para determinar a liberação de valor considerando que ainda não se tem cálculos, que serão fixados por arbitramento. Desse modo, por cautela, o pedido de levantamento, deverá ser apreciado após a apresentação e impugnação dos cálculos. Observo que a ELETROBRÁS não cumpriu a determinação desta Magistrada quanto a apresentar a documentação indicada nos itens 01 a 06 da decisão de fls.901/902. Desta feita, concedo o prazo de 15 (quinze) dias úteis à ELETROBRÁS para apresentar os dados solicitados na decisão retro mencionada, sob pena de suportar multa diária no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais). Sem prejuízo, também diligencie a parte Exequente, nos seus arquivos e/ou nos da ENERGISA (antiga SAELPA) para obter a aludida documentação. Intimem-se.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0002256-26.2010.4.05.8200 ROSSANA CRISTINA CORREIA GUERRA TOSCANO MOURA E OUTROS (Adv. ANTONIO FLAVIO TOSCANO MOURA, ANTONIO DE PADUA P. DE MELO JUNIOR) X UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Despacho fls. 492: (...) "Com a informação e cálculos da Assessoria Contábil, intimem-se as partes para se pronunciarem, no prazo de 15 (quinze) dias."

   

0004054-51.2012.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) X ABILIO SANDERSON FORTE DE NEGREIROS DEODATO NETO (Adv. MAURÍCIO FONSECA RIBEIRO NETO, CARLOS FELIPE XAVIER CLEROT)

Cuida-se de Execução a relativa aos honorários advocatícios arbitrados no julgado proferido no presente feito, proposta pela UNIÃO em desfavor de ABÍLIO SANDERSON FORTE DE NEGREIROS DEODATO NETO. Noticia a União, através da petição e documentos de fls. 359/391, sobre a quitação da dívida executada. Do exposto, satisfeita a obrigação, declaro extinta a presente Execução em conformidade com o art. 924, II, do Código de Processo Civil. Escoado o prazo recursal, dê-se baixa e arquivem-se os autos. P.R.I.

   

0004982-17.2003.4.05.8200 SIMONE BARCIA BRASIL SIQUEIRA E OUTRO x NEUSA GONCALVES BARCIA X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOAO CYRILLO SOARES DA S. NETO, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, RICARDO POLLASTRINI, GABRIELA MONTENEGRO BARCIA DE SOUZA)

Em obediência ao provimento nº 001/2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87º, item 06, abro vista à CAIXA sobre a petição e documentos apresentados às fls. 680/693, para pronunciamento no prazo de 15(quinze) dias. João Pessoa, 25/01/2018. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora da Secretaria da 3ª Vara

   

0007895-25.2010.4.05.8200 MARIA DE LOURDES PAIVA ONOFRE (Adv. ERICKSON DANTAS DAS CHAGAS, ERICK JOSEPH RABELO CHAGAS, FERNANDO DUARTE LIRA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. EDUARDO HENRIQUE VIDERES DE ALBUQUERQUE) x JOSE AUGUSTO DE ALMEIDA (Adv. JOSÉ AUGUSTO DE MACEDO MAIA)

A petição acostada às fls. 355/356, renova o pedido de retenção dos honorários contratuais em favo do advogado Erickson Dantas da Chagas, porem, considerando que está questão já foi apreciada às fls. 319/325, e não houve interposição de recursos no prazo legal, encontra-se sobredita decisão preclusa. Assim, aguarde-se resposta ao ofício expedido às fls. 362. Após, encaminhe-se os autos ao MPF, conforme determinado na sobredita decisão.

   

0008706-19.2009.4.05.8200 JOSÉ DOMINGOS DA SILVA (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE) X FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Em obediência ao art. 203, §4º, do CPC, abro vista ao exequente para, no prazo de 05 (cinco) dias, se pronunciar sobre a petição e documentos anexados pela FUNASA (fls. 274/276). João Pessoa/PB, 31 de janeiro de 2018. SANDREANE DISNEY FERREIRA DE ARAÚJO Supervisora da Seção de Procedimentos Cíveis da 3ª Vara

   

0003979-85.2007.4.05.8200 JULLIAANA DE BRITO CUNHA (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, JUSSARA TAVARES SANTOS SOUSA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO)

Em obediência ao provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Egrégia Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, artigo 87, item 30, dê-se vista dos autos ao exequente, pelo prazo de 05 (cinco) dias, e, nada sendo requerido, retornem os autos ao arquivo. João Pessoa, 25 de janeiro de 2018. RITA DE CÁSSIA MONTEIRO FERREIRA Diretora da Secretaria da 3ª Vara

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 1

TOTAL DE INFORMACAO DE SECRETARIA: 2

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 6

TOTAL DE DECISÃO: 5

TOTAL DE DESPACHO: 5

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.