Publicado no Diário da Justiça de 03/10/2018

 

Boletim 2018.000062 - 2 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADRIANA CROZÓSTOMO DA SILVA 0009972-07.2010.4.05.8200

ADRIANA MADRUGA INTERAMINENSE 0003761-52.2010.4.05.8200

AGENOR XAVIER VALADARES 0007300-31.2007.4.05.8200

ALEX NEYVES MARIANI ALVES 0002704-96.2010.4.05.8200

ALEXANDRE SOARES DE MELO 0004360-35.2003.4.05.8200

ALINO & ROBERTO E ADVOGADOS 0008152-79.2012.4.05.8200

ALISSON TAVEIRA ROCHA LEAL 0004360-35.2003.4.05.8200

ALLAN MATHEUS ALVES DE VASCONCELOS 0004360-35.2003.4.05.8200

ALYRIO BATISTA DE SOUZA SEGUNDO 0001868-41.2001.4.05.8200

AMILCAR BASTOS FALCAO 0007300-31.2007.4.05.8200

ANA CATHARINA GONDIM LAPA 0009972-07.2010.4.05.8200

ANA CECILIA COUTINHO DE COIMBRA PINTO COSTA 0009972-07.2010.4.05.8200

ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA 0006722-92.2012.4.05.8200 0008556-09.2007.4.05.8200

ANDRE LUIZ GOUVEIA DE OLIVEIRA 0009972-07.2010.4.05.8200

ANDRE RICARDO DE CARVALHO COSTA 0004360-35.2003.4.05.8200

ANDREA MARSELHA ARAUJO ALVES 0009972-07.2010.4.05.8200

ANDREA TARGINO CHAVES CORDEIRO PASSOS 0007300-31.2007.4.05.8200

ANDRÉ ACCIOLY WANDERLEY 0002693-72.2007.4.05.8200

ANGELLO RIBEIRO ANGELO 0004360-35.2003.4.05.8200

ANIBAL PEIXOTO FILHO 0007300-31.2007.4.05.8200

ANIEL AIRES DO NASCIMENTO 0002704-96.2010.4.05.8200

ANNIBAL PEIXOTO NETO 0007300-31.2007.4.05.8200

ANTONIO ALVES DE ALBUQUERQUE 0004360-35.2003.4.05.8200

ANTONIO CRISANTO TAVARES DE MELO 0008141-21.2010.4.05.8200

ANTONIO DE PADUA P. DE MELO JUNIOR 0007125-66.2009.4.05.8200

ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO 0007044-83.2010.4.05.8200 0009353-82.2007.4.05.8200

ANTONIO FLAVIO TOSCANO MOURA 0007125-66.2009.4.05.8200

ANTONIO INACIO PIMENTEL RODRIGUES DE LEMOS 0001388-48.2010.4.05.8200

ANTONIO MARCOS BARBOSA 0001388-48.2010.4.05.8200

ARLINETTI MARIA LINS 0006722-92.2012.4.05.8200 0008556-09.2007.4.05.8200

ARTHUR MONTEIRO LINS FIALHO 0007300-31.2007.4.05.8200

AUGUSTA PRUTCHANSKY M GOMES 0006071-75.2003.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO 0000352-73.2007.4.05.8200

AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO 0004806-57.2011.4.05.8200

BRUNA DE FREITAS MATHIESON 0008398-80.2009.4.05.8200

BRUNO FARO ELOY DUNDA 0009353-82.2007.4.05.8200

BRUNO MENEZES BRASIL 0007300-31.2007.4.05.8200

BRUNO NOVAES DE BEZERRA CAVALCANTI 0006071-75.2003.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

BRUNO SEMINO 0007300-31.2007.4.05.8200

CAMILA DE ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA 0009972-07.2010.4.05.8200

CARLA BARBOSA REZENDE NUNES 0002693-72.2007.4.05.8200

CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO 0002693-72.2007.4.05.8200 0006071-75.2003.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

CARLOS GOMES FILHO 0007300-31.2007.4.05.8200

CARLOS PESSOA DE AQUINO 0007300-31.2007.4.05.8200

CATARINA SAMPAIO 0000352-73.2007.4.05.8200

CHRISTIANE FERREIRA DE SOUZA 0004360-35.2003.4.05.8200

CHRISTIANNE GOMES DA ROCHA 0009972-07.2010.4.05.8200

CICERO GUEDES RODRIGUES 0004434-50.2007.4.05.8200 0008424-44.2010.4.05.8200

CLAUDIA DALLE FERREIRA DA COSTA 0006071-75.2003.4.05.8200 0007125-66.2009.4.05.8200

CLAUDIA IZABELLE DE LUCENA COSTA 0002693-72.2007.4.05.8200

CLAUDIO DE LUCENA NETO 0004360-35.2003.4.05.8200

CLAUDIO KITNER 0009972-07.2010.4.05.8200

CLEHILTON DA SILVA FRANÇA NETO 0007300-31.2007.4.05.8200

CLOVIS SOUTO GUIMARÃES JUNIOR 0008152-79.2012.4.05.8200

CORIOLANO DIAS DE SA 0007300-31.2007.4.05.8200

CRISTINA QUEIROZ DE GUSMAO FRAZAO DE MEDEIROS 0004360-35.2003.4.05.8200

CUSTODIO VICTOR ANGELO COSTA 0009972-07.2010.4.05.8200

DANIEL DE OLIVEIRA ROCHA 0004806-57.2011.4.05.8200

DANIELLA RONCONI 0012452-65.2004.4.05.8200

DANIELLE VIEGAS DE MAGALHÃES 0002693-72.2007.4.05.8200

DEFENSORA PÚBLICA DA UNIÃO 0009972-07.2010.4.05.8200

DEFENSORA PÚBLICA FEDERAL 0002406-36.2012.4.05.8200

DENNYS CARNEIRO ROCHA DOS SANTOS 0007300-31.2007.4.05.8200

DIEGO HENRIQUE MELO DA SILVA 0007300-31.2007.4.05.8200

DINARTE PAULINO DE ARAUJO SEGUNDO 0005014-41.2011.4.05.8200

DOMENICO D'ANDREA NETO 0007300-31.2007.4.05.8200

DUCIRAN VAN MARSEN FARENA 0008398-80.2009.4.05.8200

EDILSON CARLOS A. GONDIM 0007125-66.2009.4.05.8200

EDNILTON RODRIGUES 0002704-96.2010.4.05.8200

EDSON DUARTE COELHO 0012284-05.2000.4.05.8200

EDUARDO DE FARIA LOYO 0006071-75.2003.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

EDUARDO DE FREITAS MATHIESON 0008398-80.2009.4.05.8200

EDUARDO JOSE DE SOUZA LIMA FORNELLOS 0009972-07.2010.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0000352-73.2007.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200 0003571-36.2003.4.05.8200 0011741-07.1997.4.05.8200

ELIEZER QUEIROZ DE SOUTO JÚNIOR 0009972-07.2010.4.05.8200

ELMANO DE ARAUJO MARTINS 0004360-35.2003.4.05.8200

EMÍLIA MOREIRA BELO 0009972-07.2010.4.05.8200

ERIKA FERNANDA RODRIGUES DA SILVA 0012452-65.2004.4.05.8200

EUGÊNIO PACCELI BARBOSA DE MELO PORTO 0007300-31.2007.4.05.8200

EURÍPEDES TAVARES DE MELO FILHO 0008141-21.2010.4.05.8200

F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS 0000352-73.2007.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200

FABIANA MARIA FALCÃO ISMAEL DA COSTA 0002693-72.2007.4.05.8200

FABIO DA COSTA VILAR 0004360-35.2003.4.05.8200

FABIO LEITE DE FARIAS BRITO 0007300-31.2007.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0001244-16.2006.4.05.8200 0005612-92.2011.4.05.8200

FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS 0008311-27.2009.4.05.8200

FELICIANA MARIA SILVA BILIO 0009972-07.2010.4.05.8200

FELIPE BUARQUE DE ANDRADE 0009972-07.2010.4.05.8200

FELIPE SARMENTO CORDEIRO 0000370-94.2007.4.05.8200

FERNANDA CIBELLE ARRAIS DA SILVA 0009972-07.2010.4.05.8200

FERNANDA GUEDES G DE AZEVEDO 0006071-75.2003.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

FLAVIANO JORGE DE SOUSA 0002244-46.2009.4.05.8200

FLAVIO DE QUEIROZ B CAVALCANTI 0006071-75.2003.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200

FLAWBERT FARIAS GUEDES PINHEIRO 0001688-73.2011.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE 0008152-79.2012.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0002244-46.2009.4.05.8200 0002334-83.2011.4.05.8200 0002536-60.2011.4.05.8200 0002693-72.2007.4.05.8200 0003882-12.2012.4.05.8200 0008429-95.2012.4.05.8200

FRANCISCO DE ASSIS LELIS DE MOURA JUNIOR 0009972-07.2010.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0003066-30.2012.4.05.8200 0004806-57.2011.4.05.8200

FRANCISCO PEDRO DOS SANTOS 0009972-07.2010.4.05.8200

GABRIEL COSTA FRAGOSO DE ALBUQUERQUE 0000370-94.2007.4.05.8200

GENE SOARES PEIXOTO 0007300-31.2007.4.05.8200

GEORGIA BARBOZA CRESCENCIO 0006071-75.2003.4.05.8200

GERALDO DE MARGELA MADRUGA 0001868-41.2001.4.05.8200

GERALDO RIBEIRO DE QUEIROZ 0007300-31.2007.4.05.8200

GERSON MOUSINHO DE BRITO 0007160-26.2009.4.05.8200

GIDEON BENJAMIN CAVALCANTE 0002334-83.2011.4.05.8200

GILBERTO CARNEIRO DA GAMA 0007300-31.2007.4.05.8200

GIOVANNA DE MAIO SPINA 0009972-07.2010.4.05.8200

GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA 0000370-94.2007.4.05.8200

GISELLE FERNANDES PEREIRA DE LUCENA 0008990-95.2007.4.05.8200

GIULIANNA MARIZ MAIA VASCONCELOS BATISTA 0007300-31.2007.4.05.8200

GIUSEPPE PETRUCCI 0002704-96.2010.4.05.8200

GLAUBER JORGE LESSA FEITOSA 0006063-54.2010.4.05.8200

GRIMALDI GONÇALVES DANTAS 0007300-31.2007.4.05.8200

GUEDES PEREIRA & DUARTE - ADVOGADOS ASSOCIADOS 0008152-79.2012.4.05.8200

GUILHERME LEAL BEZERRA CAVALCANTI 0009972-07.2010.4.05.8200

GUILHERME OSVALDO CRISANTO TAVARES DE MELO 0008141-21.2010.4.05.8200

GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX 0008398-80.2009.4.05.8200

GUSTAVO CALMON SILVA BARROS 0009972-07.2010.4.05.8200

GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO 0005725-08.1995.4.05.8200 0011741-07.1997.4.05.8200

GUSTAVO GUIMARÃES LIMA 0004360-35.2003.4.05.8200

GUSTAVO HENRIQUE DA SILVA FERNANDES 0009972-07.2010.4.05.8200

GUSTAVO LELIS MOURA DE OLIVEIRA 0009972-07.2010.4.05.8200

GUSTAVO VELOSO DE MELO 0007300-31.2007.4.05.8200

HELENO LUIZ DA SILVA 0001868-41.2001.4.05.8200

HELIO TEODULO GOUVEIA 0001868-41.2001.4.05.8200

HELZELENA NUNES DE ANDRADE 0004930-45.2008.4.05.8200

HENRIQUE SOUTO MAIOR MUNIZ DE ALBUQUERQUE 0003594-40.2007.4.05.8200

HERMANO GADELHA DE SA 0007300-31.2007.4.05.8200 0008311-27.2009.4.05.8200

HUMBERTO MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI 0007300-31.2007.4.05.8200

ILDANKASTER MUNIZ PEREIRA DA SILVA 0003761-52.2010.4.05.8200

ILZA REGINA DEFILIPPI DIAS 0008311-27.2009.4.05.8200

INES MARIA DA SILVA 0007300-31.2007.4.05.8200

ITALO RICARDO AMORIM NUNES 0007300-31.2007.4.05.8200

ITANA CARLA DE CARVALHO MAIA GALVÃO 0007300-31.2007.4.05.8200

IVAN PEREIRA DA COSTA JUNIOR 0012284-05.2000.4.05.8200

IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA 0005725-08.1995.4.05.8200

IZABELLE DE CARVALHO TROCOLI 0004360-35.2003.4.05.8200

JACKELINE ALVES CARTAXO 0007300-31.2007.4.05.8200

JACQUELINE BARBOSA DO REGO 0006071-75.2003.4.05.8200

JALDELENIO REIS DE MENESES 0007300-31.2007.4.05.8200

JEAN CAMARA DE OLIVEIRA 0001688-73.2011.4.05.8200

JEFFERSON DANILO BARBOSA 0009972-07.2010.4.05.8200

JERUSA ÁLEM VIEIRA DE MELO 0004930-45.2008.4.05.8200

JOAO EDUARDO SOARES DONATO 0009972-07.2010.4.05.8200

JOAO FERREIRA SOBRINHO 0005725-08.1995.4.05.8200

JOAQUIM CABRAL DE MELO NETO 0009972-07.2010.4.05.8200

JOCELIO JAIRO VIEIRA 0001868-41.2001.4.05.8200

JOCIELHA DE ALMEIDA ALVES 0007300-31.2007.4.05.8200

JONAS NICACIO VERAS 0007044-83.2010.4.05.8200

JOSE AUGUSTO MEIRELLES NETO 0008097-17.2001.4.05.8200

JOSE CARLOS SANTOS 0009972-07.2010.4.05.8200

JOSE CHAVES CORIOLANO 0004434-50.2007.4.05.8200

JOSE DE ALMEIDA E SILVA 0007300-31.2007.4.05.8200

JOSE GALDINO DE S. FILHO 0009972-07.2010.4.05.8200

JOSE LUIS DE SALES 0001868-41.2001.4.05.8200

JOSE MARIO PORTO & MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS 0008152-79.2012.4.05.8200

JOSE MARIO PORTO JUNIOR 0008152-79.2012.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0000352-73.2007.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200 0003571-36.2003.4.05.8200 0011741-07.1997.4.05.8200

JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO 0002693-72.2007.4.05.8200

JOSE VANDALBERTO DE CARVALHO 0007300-31.2007.4.05.8200

JOSE WELITON DE MELO 0002334-83.2011.4.05.8200

JOSÉ GUILHERME FERRAZ DA COSTA 0007300-31.2007.4.05.8200

JOSÉ HENRIQUE BATISTA 0009972-07.2010.4.05.8200

JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS 0000352-73.2007.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200

JOSÉ RICARDO DO NASCIMENTO VAREJÃO 0009972-07.2010.4.05.8200

JULIA RAMALHO SOUTO 0005014-41.2011.4.05.8200

JULIANA DE ALMEIDA E SILVA 0012284-05.2000.4.05.8200

KARINA PALOVA VILLAR MAIA 0005725-08.1995.4.05.8200

KLEITON ROMAR CALADO DOS SANTOS 0009972-07.2010.4.05.8200

LARISSA SALVADOR BEZERRA DE VASCONCELOS 0009972-07.2010.4.05.8200

LAURA LICIA DE MENDONÇA VICENTE 0007300-31.2007.4.05.8200

LAURIMAR FIRMINO DA SILVA 0007300-31.2007.4.05.8200

LEIDSON FARIAS 0004360-35.2003.4.05.8200

LEIDSON FLAMARION TORRES MATOS 0008311-27.2009.4.05.8200

LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE 0001756-28.2008.4.05.8200

LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO 0003761-52.2010.4.05.8200

LEONARDO LEAL BEZERRA CAVALCANTI 0009972-07.2010.4.05.8200

LORENA VIEGAS CARVALHO 0009972-07.2010.4.05.8200

LUCAS MENDES FERREIRA 0007044-83.2010.4.05.8200

LUCIANA DA FONTE BARBOSA 0006071-75.2003.4.05.8200

LUCIANA MARTINS DE AMORIM AMARAL 0009972-07.2010.4.05.8200

LUCIANA PASTICK FUJINO 0007300-31.2007.4.05.8200

LUCIANO ARAGÃO RODRIGUES DE ALBUQUERQUE 0007300-31.2007.4.05.8200

LUIS FERNANDO PIRES BRAGA 0008990-95.2007.4.05.8200

LUIZ AURELIANO DE SIQUEIRA JUNIOR 0009972-07.2010.4.05.8200

LUIZ GUEDES DA LUZ NETO 0008990-95.2007.4.05.8200

LUIZ PINHEIRO LIMA 0007300-31.2007.4.05.8200

LYCIA JOSÉ MELLO DE CARVALHO 0009972-07.2010.4.05.8200

MANUELA MOURA DA FONTE 0006071-75.2003.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

MARCELO BRUTO DA COSTA CORREIA 0007300-31.2007.4.05.8200

MARCELO MAX TORRES VENTURA 0009972-07.2010.4.05.8200

MARCIO GUSTAVO LUCENA ALVES 0009972-07.2010.4.05.8200

MARCONDES ANTONIO R. SOARES 0004591-09.1996.4.05.8200

MARCOS JOSE SANTOS MEIRA 0007300-31.2007.4.05.8200

MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO 0002704-96.2010.4.05.8200

MARCUS RAMON ARAÚJO DE LIMA 0003066-30.2012.4.05.8200

MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES 0001926-29.2010.4.05.8200

MARIA AUXILIADORA ACOSTA 0004360-35.2003.4.05.8200

MARIA ELISA REGIS DE MOURA 0009972-07.2010.4.05.8200

MARIA GERMANA DE O. LIMA MODESTO 0007300-31.2007.4.05.8200

MARIA GLAUCE C. DO N. GAUDENCIO 0007300-31.2007.4.05.8200

MARIA JULIANA WALLACH DE GODOY 0009972-07.2010.4.05.8200

MARIANA DE BARROS CORREIA 0006071-75.2003.4.05.8200

MARIANA OLIVEIRA DE ARAUJO 0009972-07.2010.4.05.8200

MAX FREDERICO SAEGER GALVAO FILHO 0004360-35.2003.4.05.8200

MICHELINE DUARTE BARROS DE MORAIS 0008311-27.2009.4.05.8200

MILENA NEVES AUGUSTO 0002693-72.2007.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200

MIRLENE CARVALHO LUCENA DE BRITO 0009353-82.2007.4.05.8200

MUCIO SATIRO FILHO 0008152-79.2012.4.05.8200

NELSON LIMA TEIXEIRA 0006063-54.2010.4.05.8200

NELSON LUIZ NOUVEL ALESSIO 0008311-27.2009.4.05.8200

NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES 0004360-35.2003.4.05.8200

NORTON F MOREIRA C FILHO 0007300-31.2007.4.05.8200

ORLANDO XAVIER DA SILVA 0004591-09.1996.4.05.8200

OVIDIO LOPES DE MENDONCA 0007300-31.2007.4.05.8200

PALLOMA THALITA COSTA LOPES 0007300-31.2007.4.05.8200

PATRICIA ELLEN M. DE A. PONTES 0004360-35.2003.4.05.8200

PATRICIA PAIVA DA SILVA 0007300-31.2007.4.05.8200

PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO 0007300-31.2007.4.05.8200

PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA 0004591-09.1996.4.05.8200

PAULO GESTEIRA COSTA FILHO 0006071-75.2003.4.05.8200

PAULO GUEDES PEREIRA 0008152-79.2012.4.05.8200

PAULO HENRIQUE LINS MIRANDA DE SOUZA 0008429-95.2012.4.05.8200

PAULO WANDERLEY CAMARA 0007300-31.2007.4.05.8200

PEDRO ADOLFO MORENO DA COSTA MOREIRA 0007300-31.2007.4.05.8200

PEDRO AURELIO MENDES BRITO 0001868-41.2001.4.05.8200

PEDRO VICTOR DE MELO 0007044-83.2010.4.05.8200

PETROV FERREIRA BALTAR FILHO 0001688-73.2011.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0002406-36.2012.4.05.8200 0006063-54.2010.4.05.8200 0006722-92.2012.4.05.8200 0007160-26.2009.4.05.8200

RAFAEL BARBOSA DA CUNHA 0005014-41.2011.4.05.8200

RAFAELA MARIA PITT GAMEIRO SALES 0008141-21.2010.4.05.8200

RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR 0001688-73.2011.4.05.8200

RENAN AVERSARI CÂMARA 0001688-73.2011.4.05.8200

RENAN NOBREGA DE QUEIROZ 0007044-83.2010.4.05.8200

RENATA VIANA MACHADO 0007300-31.2007.4.05.8200

RICARDO SERVULO FONSECA DA COSTA 0007300-31.2007.4.05.8200

RILVES LIMA DE SOUZA 0009353-82.2007.4.05.8200

RIVAILDO PEREIRA GUEDES 0007300-31.2007.4.05.8200

ROBERTA MARIA FEITOSA 0007300-31.2007.4.05.8200

ROBERTA MONTENEGRO OLIVEIRA TEIXEIRA DE PAIVA 0008311-27.2009.4.05.8200

ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA 0008097-17.2001.4.05.8200

ROBERTO NOGUEIRA GOUVEIA 0004360-35.2003.4.05.8200 0007300-31.2007.4.05.8200

RODOLFO ALVES SILVA 0007044-83.2010.4.05.8200 0007300-31.2007.4.05.8200

RODRIGO AUTRAN SPENCER DE HOLANDA 0006071-75.2003.4.05.8200

RODRIGO DE MIRANDA AZEVEDO 0007300-31.2007.4.05.8200

RODRIGO DO AMARAL FONSECA 0012452-65.2004.4.05.8200

RODRIGO OLIVEIRA DOS SANTOS LIMA 0007044-83.2010.4.05.8200

ROGERIO DA SILVA CABRAL 0007300-31.2007.4.05.8200

ROSIMEIRE MARIA RENNÓ 0012452-65.2004.4.05.8200

ROSSANA ALBERTI GONCALVES LUCENA 0007300-31.2007.4.05.8200

SABRINA PEREIRA MENDES 0008152-79.2012.4.05.8200

SANDRA REGINA BRAGA SOUTO 0008152-79.2012.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0001244-16.2006.4.05.8200 0001926-29.2010.4.05.8200 0002536-60.2011.4.05.8200 0002704-96.2010.4.05.8200 0003594-40.2007.4.05.8200 0003761-52.2010.4.05.8200 0003882-12.2012.4.05.8200 0004434-50.2007.4.05.8200 0004806-57.2011.4.05.8200 0004930-45.2008.4.05.8200 0005612-92.2011.4.05.8200 0006071-75.2003.4.05.8200 0008141-21.2010.4.05.8200 0008311-27.2009.4.05.8200 0008424-44.2010.4.05.8200 0009972-07.2010.4.05.8200 0010547-20.2007.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000110-31.2018.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200 0001868-41.2001.4.05.8200 0002693-72.2007.4.05.8200 0003761-52.2010.4.05.8200 0005014-41.2011.4.05.8200 0007044-83.2010.4.05.8200 0008398-80.2009.4.05.8200 0008556-09.2007.4.05.8200 0008990-95.2007.4.05.8200 0012452-65.2004.4.05.8200

SIMONNE JOVANKA NERY VAZ 0003571-36.2003.4.05.8200

SORAYA FRANCA DOS ANJOS 0004360-35.2003.4.05.8200

SYLVIO TORRES FILHO 0004360-35.2003.4.05.8200

TACIANA ROBERTO VERAS 0006071-75.2003.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

TALDEN QUEIROZ FARIAS 0004360-35.2003.4.05.8200

TANIA VAINSENCHER 0006071-75.2003.4.05.8200

TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS 0002704-96.2010.4.05.8200

TIAGO BANHA LOPES FREIRE 0004360-35.2003.4.05.8200

TIAGO CARNEIRO LIMA 0007300-31.2007.4.05.8200

VALTER LÚCIO LELIS FONSECA 0000110-31.2018.4.05.8200

VANESSA GOMES FERREIRA GADELHA 0008398-80.2009.4.05.8200

VANINA C. C. MODESTO 0007300-31.2007.4.05.8200

VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO 0007160-26.2009.4.05.8200

VICTOR MARTINS MENDES BAPTISTA 0007300-31.2007.4.05.8200

VITOR HUGO RODRIGUES FRADE 0008398-80.2009.4.05.8200

WALTER DE AGRA JUNIOR 0007300-31.2007.4.05.8200

WELLINGTON DANTAS DA SILVA 0001756-28.2008.4.05.8200 0010547-20.2007.4.05.8200

WERTON MAGALHAES COSTA 0007300-31.2007.4.05.8200

YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE 0000352-73.2007.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200

YANKO CYRILO 0012284-05.2000.4.05.8200

YARA GADELHA BELO DE BRITO 0007160-26.2009.4.05.8200

YORDAN MOREIRA DELGADO 0007300-31.2007.4.05.8200

YURI FIGUEIREDO THE 0006071-75.2003.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

YURI OLIVEIRA ARAGAO 0007300-31.2007.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0000352-73.2007.4.05.8200 0000370-94.2007.4.05.8200 0003571-36.2003.4.05.8200 0011741-07.1997.4.05.8200

ZAYLANY DE LOURDES FERREIRA TORRES 0006071-75.2003.4.05.8200 0012284-05.2000.4.05.8200

ZELIA MARIA GUSMAO LEE 0007125-66.2009.4.05.8200

ZENILDA MENESES DA SILVA 0008097-17.2001.4.05.8200

ÉRIKA OLIVEIRA DEL PINO 0007300-31.2007.4.05.8200

 

Juiz Federal BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA

Diretor de Secretaria: REINALDO DE ARAUJO PAIVA

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

   

0002406-36.2012.4.05.8200 DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO (Adv. DEFENSORA PÚBLICA FEDERAL) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

DESPACHO Transitada em julgado as decisões do TRF - 5ª Região às fls. 440/441 e 452 (fl. 456), da qual não se extrai nenhuma obrigação a ser ainda cumprida, intimem-se as partes do retorno dos autos. Nada mais tendo sido requerido pelas partes, dê-se baixa e arquive-se o presente feito. João Pessoa, 20.09.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal

   

0008398-80.2009.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. DUCIRAN VAN MARSEN FARENA) x INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR, VANESSA GOMES FERREIRA GADELHA) x MUNICIPIO DE CABEDELO (Adv. SEM PROCURADOR, VITOR HUGO RODRIGUES FRADE) x SUDEMA - SUPERINTENDENCIA DE ADMINISTRACAO DO MEIO AMBIENTE X SOLAR DAS ÁGUAS COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES LTDA (Adv. EDUARDO DE FREITAS MATHIESON, BRUNA DE FREITAS MATHIESON, GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX)

PROCESSO Nº 0008398-80.2009.4.05.8200 - CLASSE 1 DESPACHO Trata-se de pedido formulado pelo MPF à fl. 1.407, para reiterar a intimação da Secretaria de Meio Ambiente, Pesca e Agricultura de Cabedelo/PB, na pessoa do Secretário da pasta Walber Farias, para indicar a área em que deverão ser plantadas as mudas pela parte executada, que ora indefiro, considerando que o mesmo já se manifestou às fls. 1.396/1406. Isto posto, dê-se vista à ré das informações de fls. 1.396/1.406, para às providências cabíveis, conforme determinado anteriormente à fl. 1.388. João Pessoa, 28.09.2018

   

0009353-82.2007.4.05.8200 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. BRUNO FARO ELOY DUNDA) x SUPERINTENDENCIA DE ADMINISTRACAO DO MEIO AMBIENTE - SUDEMA (Adv. RILVES LIMA DE SOUZA, MIRLENE CARVALHO LUCENA DE BRITO) X MUNICIPIO DE MARI/PB (Adv. ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO)

Ação Civil Pública - Classe 1 Processo nº 0009353-82.2007.405.8200 Autor: IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis e Outros Réu: MUNICÍPIO DE MARI/PB D E C I S ÃO Trata-se de Ação Civil Pública, ajuizada pelo IBAMA e pela SUDEMA em face do Município de Mari - PB, que se encontra em fase de cumprimento de sentença, cuja obrigação tornou-se exigível desde 08/04/2015, data do trânsito em julgado da sentença (fls. 1.217). A sentença de fls. 1.171/ 1.193 confirmou a liminar concedida em 19/05/2008 e condenou o réu a apresentar à SUDEMA o Projeto de Aterro Sanitário, acompanhado de cronograma de execução, segundo dispõe a Lei 12.305/2010, da Resolução Conama 308/2002 e as especificações técnicas da SUDEMA, contemplando a implantação de incinerador e valas sépticas para tratamento e disposição respectivamente dos resíduos dos serviços de saúde. Constou da sentença que a multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), fixada pelo descumprimento da liminar, incide a partir de 04/07/2011. O Acórdão de fls. 1.210/1.215 confirmou a condenação de primeiro grau, que transitou em julgado em 08/04/2015 (fls. 1.217). O réu foi instado a cumprir o julgado e ofertou impugnação às fls. 1.261/ 1.277, em que alega ter havido causa modificativa superveniente da sentença (art. 525, inciso VII, do CPC), consistente na integração do Município de Mari/PB ao contrato nº 003/2017 - Implantação de Aterro Sanitário e pede a realização de audiência de conciliação para demonstrar o cumprimento da obrigação. O IBAMA e o MPF foram intimados a se pronunciar o alegado pelo réu e pediram o prosseguimento da execução. Pelo Órgão Ministerial foi requerido ainda a imposição de multa diretamente ao gestor público responsável pelo cumprimento da obrigação, a fim de garantir a efetividade da tutela jurisdicional e a razoável duração do processo. Relatado. Decido. Com o advento do novo CPC, cabe ao magistrado promover, sempre que possível, a conciliação entre as partes para viabilizar a rápida solução do conflito, para maior celeridade e efetividade da prestação jurisdicional (art. 3º, § 3º). Conforme noticiam os autos, a obrigação exigida destes autos decorre de sentença que confirmou medida liminar deferida em maio de 2008. Desde junho/2011, o Município vem incidindo em multa diária de R$ 5.000,00 pelo descumprimento da medida liminar deferida pelo Juízo. Apesar das justificativas apresentada pelo réu em sua impugnação, assiste razão ao IBAMA e ao MPF quando afirmam que o Contrato de Rateio nº 003/2017, firmado pelo Município réu não é prova bastante do cumprimento da obrigação declarada na sentença executada. No entanto, observa-se que, embora o tenha feito de forma extemporânea, o Município réu demonstrou que vem adotando providências no sentido de cumprir o provimento judicial declarado na sentença. Por outro lado, pelo tempo em que demanda vem se prolongando (mais de dez anos), percebe-se que a multa cominatória não tem se mostrado eficaz para o cumprimento do julgado, de modo que o pedido de audiência conciliatória formulado pelo réu mostra-se pertinente e pode servir a uma solução viável e mais eficaz para o processo. Assim, diante da possibilidade de uma composição amigável entre as partes, defiro o pedido do réu e determino a realização de audiência de conciliação, por intermédio do CEJUSC - Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos e Cidadania. Intimem-se as partes e o MPF desta decisão. Na intimação do Município, faça-se constar a advertência para que o réu junte aos autos até a data da audiência conciliatória: a) prova da prorrogação da vigência do Contrato de Rateio nº 03/2017, tendo em vista que a Cláusula Segunda desse contrato (fls. 1.280) diz que o seu período de vigência é de 01/03/2017 a 31/08/2017; b) Todos os Projetos, Licenças Ambientais e documentos referentes ao Plano Intermunicipal de Gestão Pública Integrada, que dizem respeito à obrigação exigida nesta execução (Projeto de Aterro Sanitário, com o respectivo cronograma de execução), para que sejam analisados pela parte adversa na audiência conciliatória. Não se obtendo êxito na conciliação, voltem-me os autos conclusos para apreciação dos pedidos formulados pelo IBAMA e pelo MPF, relacionados ao prosseguimento da execução e à imposição de multa pessoal ao gestor do município réu pelo descumprimento do julgado. Determino ainda que a Secretaria proceda às anotações cartorárias referentes ao advogado constituído às fls. 1.278, para os devidos fins. João Pessoa/PB, 23 de agosto de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal da 2ª Vara RSS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2.ª VARA FEDERAL 3 Processo nº 0009353-82.2007.4058200

   

AÇÃO DE USUCAPIÃO

   

0000110-31.2018.4.05.8200 MIRIAM OLIVEIRA DA SILVA (Adv. VALTER LÚCIO LELIS FONSECA) X RITA PRAXEDES E OUTROS (Adv. SEM PROCURADOR) x ESTADO DA PARAIBA (Adv. SEM PROCURADOR) x MUNICÍPIO DE LUCENA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 0000110-31.2018.4.05.8200 - CLASSE 25 AÇÃO DE USUCAPIÃO AUTORA: MIRIAM OLIVEIRA DA SILVA Advogado: Valter Lúcio Lelis Fonseca RÉUS: UNIÃO, AUSENTES INCERTOS e NÃO SABIDOS CONFINANTES: RITA PRAXEDES, JORGE, GERALDA e ANTONIO DESPACHO Trata-se de ação de usucapião ajuizada originariamente perante a Vara Única da Comarca de Lucena/PB, movida por MIRIAM OLIVEIRA DA SILVA visando ao reconhecimento da aquisição, por usucapião, do domínio de um imóvel urbano que serve de moradia para autora, localizada na Rua Desportiva J. Araújo Dantas nº 231 (PB 008), Costinha, Praia de Fagundes, Lucena/PB, medindo 8x5m² de frente e de fundos, e 25,05m² de cumprimento, adquirida pela autora de Maria Madalena Ferreira e Benedito de Santana, sem oposição e sem registro imobiliário, desde 06.02.2001. Decisão da Justiça Estadual - Vara Única da Comarca de Lucena/PB às fls. 89/90, declinando da competência para a Justiça Federal. Breve relato. Decido. Diante da obrigatoriedade de tramitação no PJE de todos os feitos que aportem neste juízo, determino à parte autora que, em 30 dias, promova a digitalização destes autos, ajuizando um novo processo no PJE, situação em que deverá juntar ao processo eletrônico todas as peças essenciais destes autos. Advirto a parte autora de que a juntada de peça que não seja mera digitalização das que compõem este processo ensejará a conclusão de que se trata de processo novo, e não digitalização do atual. Na digitalização, deverá separar as peças e documentos do processo em identificadores distintos, nomeando-os de forma a identificá-los apropriadamente (por exemplo: petição inicial, procuração, contrato, contracheques, contestação, mandado, etc.). Cumprida a determinação, certifique a secretaria em ambos os feitos, especificando se houve digitalização do presente processo ou início de um novo. Na primeira situação (digitalização do processo), arquivem-se estes autos independentemente de novo despacho ou intimação. Havendo novo processo ou decurso do prazo em branco, venham estes autos conclusos para extinção sem resolução do mérito. João Pessoa, 20.09.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal da 2ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0002334-83.2011.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X CASA E CONFORTO IND E COM DE ARTEFATOS TEXTEIS LTDA E OUTROS (Adv. GIDEON BENJAMIN CAVALCANTE, JOSE WELITON DE MELO)

PROCESSO: 0002334-83.2011.4.05.8200 Classe: 28 - AÇÃO MONITÓRIA Autuado em 12/04/2011 - Consulta Realizada em: 20/09/2018 às 10:56 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO: FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES REU: CASA E CONFORTO IND E COM DE ARTEFATOS TEXTEIS LTDA E OUTROS ADVOGADO: GIDEON BENJAMIN CAVALCANTE E OUTRO 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DECISÃO Trata-se de pedido de desbloqueio de ativos financeiros existentes em conta bancária da parte executada, ALEXANDRE ALVES DANTAS, objeto de constrição judicial nestes autos, através de sistema eletrônico (BACENJUD), sob a alegação de que os valores bloqueados são impenhoráveis. (fl. 440) Juntou aos autos extratos bancários (fls. 441/457) comprovando ter ocorrido o bloqueio do montante de R$ 19.276,18 de sua conta poupança nº 013.7345-4, mantida na CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Contudo, pelos documentos anexados nas fls. 441/443 e 448/451 não é possível verificar o número e agência bancárias. Por sua vez, na fl. 456, agência 585-1, conta 7786-0, verifica-se o bloqueio judicial do valor de R$1.743,95, realizado na conta corrente do réu. Ou seja, a parte só comprovou o que fora requerido nas fls. 416/423 quanto ao valor bloqueado na conta poupança 013.7345-4, de R$ 19.276,18, a conta mencionada na fl. 417, de número 7786-0, agência 0585-1 não é poupança, mas conta corrente, conforme se nota do extrato de fl. 456. O art. 854 do CPC/2015 autoriza a requisição de informações, através de meio eletrônico, sobre a existência de ativos financeiros em nome do executado, a fim de possibilitar a penhora de dinheiro em depósito ou aplicação financeira, podendo ser determinada a indisponibilidade do numerário até o valor executado. O § 3º desse artigo dispõe que cabe ao executado comprovar que os valores depositados em conta bancária, bloqueados através de sistema eletrônico, são absolutamente impenhoráveis. O pedido de desbloqueio teve por fundamento o art. 833, X, do CPC/2015, que diz ser impenhorável "X - a quantia depositada em caderneta de poupança, até o limite de 40 (quarenta) salários mínimos;". Portanto, o desbloqueio da quantia de R$ 19.276,18 de sua conta poupança nº 013.7345-4 é medida que se impõe. Ante o exposto, defiro o desbloqueio da importância de R$ 19.276,18 da conta poupança conta poupança nº 013.7345-4, mantida na CAIXA ECONÔMICA FEDERAL de titularidade do executado ALEXANDRE ALVES DANTAS. Indefiro o pedido de desbloqueio de outros valores, pois a parte não comprovou o alegado. Intimem-se as partes desta decisão, a CAIXA também para, no prazo de 15 dias, requerer o que entender de direito para o prosseguimento da execução. João Pessoa, 21 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs

   

0003882-12.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X TL CASA LOTERICA LTDA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO 0003882-12.2012.4.05.8200 Classe: 28 - AÇÃO MONITÓRIA Autuado em 17/05/2012 - Consulta Realizada em: 17/09/2018 às 10:30 AUTOR : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO: FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES REU : TL CASA LOTERICA LTDA E OUTROS ADVOGADO: SEM ADVOGADO 2a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO Há questões de cálculo que precisam ser esclarecidas. A defensoria alega cumulação de comissão de permanência com outros encargos. Inadimplente o contratante, cabível a incidência da comissão de permanência, mas calculada apenas com base no CDI, excluída taxa de rentabilidade, juros de mora, multa moratória ou correção monetária. Observe a contadoria que é possível ocorrer capitalização mensal da comissão de permanência, nos mesmos moldes da capitalização mensal de juros, permitido para os contratos firmados após a edição da MP nº 1.963-17/2000, ou seja, após 30/03/2000. Diante disso, remetam-se à Seção de Cálculos para, no prazo de 30 (trinta) dias, efetuar os cálculos do valor devido pela parte ré, considerando as orientações acima. Após, dê-se vista às partes, no prazo de 15 (quinze) dias. Em seguida, conclusos os autos para julgamento. João Pessoa, 17 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0001688-73.2011.4.05.8200 AGAMENON PORTO DOS SANTOS E OUTROS (Adv. JEAN CAMARA DE OLIVEIRA, FLAWBERT FARIAS GUEDES PINHEIRO, RENAN AVERSARI CÂMARA) X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR) x UNIÃO (Adv. PETROV FERREIRA BALTAR FILHO) x MINISTÉRIO DAS CIDADES

PROCESSO: 00016887320114058200 - Classe: 29 - AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) AUTOR: AGAMENON PORTO DOS SANTOS E OUTROS ADVOGADO: JEAN CAMARA DE OLIVEIRA E OUTROS REU: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS E OUTROS PROCURADOR: RAIMUNDO LUCIANO MENEZES JUNIOR E OUTRO 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular SENTENÇA I- RELATÓRIO Trata-se de ação de procedimento comum, com pedido de tutela de urgência, movida por Agamenon Porto dos Santos, Paraíba Halteres Clube e Federação Paraibana de Levantamentos Básicos em face do Instituto Nacional de Seguridade Social - INSS e da União, objetivando a condenação das rés na obrigação de pagar indenização por danos materiais e morais em razão dos danos ocasionados no estabelecimento comercial do autor pela invasão de terceiros (sem-teto) ao prédio vizinho, de propriedade das rés, bem como na obrigação de fazer consistente em regularizar a situação do referido imóvel público. Alega, em síntese, que fundou um clube de treinamento chamado "Paraíba Halteres clube" e a Federação Paraibana de levantamentos básicos, situados na Rua Duque de Caxias, n.º 516, 2º andar, Galeria Jardim, no centro da cidade, com boa frequência de alunos e expansão das atividades lá desenvolvidas, gerando aquisição de novos aparelhos e consequente ampliação do espaço físico. Contudo, a situação alterou-se a partir de 04.01.2004, quando um grupo de 80 famílias, denominadas "sem-teto", invadiu o prédio confinante ao seu (do antigo IPASE - Instituto de Previdência e Assistência aos Servidores do Estado). A construção, inclusive, possui paredes conjugadas à sua academia. Disse que não houve qualquer desforço dos proprietários do bem para impedir a ocupação que foi se consolidando de forma mansa e pacífica, afetando o seu negócio de modo drástico, visto que o imóvel passou a ser ocupado pelos invasores, incluindo viciados, mendigos, entre outros, sendo fato público e notório a existência de verdadeiro caos vivenciado pelos frequentadores dos bens circunvizinhos, pela falta de manutenção e cuidados por parte dos ocupantes. No referido imóvel passou a ser observado verdadeiro acúmulo de lixo, depredação do bem, caixas de esgoto a céu aberto, jorrando fezes e urina, com odor insuportável, destelhamento do teto, acúmulo de poças como focos de mosquito da dengue, quebra de tubulações, observando-se o constante desperdício de água nos seus arredores, comercialização de drogas, assaltos, assassinatos dentro do prédio, roubos de equipamentos do clube (conforme boletins de ocorrência anexados), entre outros danos e riscos à segurança e saúde do local, prejudicando a frequência do estabelecimento e posterior abandono, pelos alunos, incomodados com a situação de desconforto, insalubridade e insegurança do ambiente, além da desvalorização comercial do bem, dificuldades financeiras e acúmulo de dívidas de IPTU junto à Edilidade, pelas dificuldades financeiras que começaram a sofrer. Devido à situação, fizeram várias reclamações e tentativas de solução junto aos poderes públicos (prefeitura, emlur, secretaria do meio ambiente, etc); finalmente, o prédio foi desocupado em 2008, mas os problemas de reparos não foram solucionados, observando-se novas ocupações e a omissão do INSS, nos cuidados com o imóvel. Formulou sua pretensão, requerendo ao final: a) reparação por danos materiais, sob a forma de indenização ao autor Agamenon Porto dos Santos, alusivas às despesas de recuperação de seu prédio e em razão da desvalorização imobiliária sofrida, no valor de R$ 525.387,60, acrescido do pagamento das dívidas de IPTU, de R$ 10.069,56; b) reparação por danos materiais ao autor Paraíba Halteres Clube, em razão dos objetos roubados, sob a forma de indenização, de R$ 6.141,00; c) reparação por danos morais à parte autora Agamenon Porto dos Santos, sob a forma de indenização por arbitramento, no valor mínimo de 500 salários mínimos; d) manutenção dos efeitos dos pedidos deferidos em antecipação de tutela, julgando procedentes as pretensões relativas as obrigações de fazer; A decisão de fls. 318/328 deferiu a gratuidade judiciária, indeferiu o pedido de antecipação de tutela, determinou que a parte autora é ilegítima para requerer medida de reintegração de posse de imóvel, posto pertencer a terceiros, excluiu do polo passivo o Ministério das Cidades e o INSS, já que o primeiro não tem personalidade jurídica, e o segundo já não era proprietário do imóvel ao tempo do ajuizamento da ação. A parte autora ofereceu embargos de declaração às fls. 336/339, os quais foram desprovidos (fl. 343). Após decisão dos aclaratórios, houve agravo, com parcial provimento, mas apenas para manter o INSS no polo passivo da demanda. Apresentada contestação da União, às fls. 383/400, arguiu preliminarmente a ilegitimidade ativa dos autores para pleitear a reintegração de posse e desocupação do prédio e, no mérito, que o imóvel em questão só foi adquirido, do INSS, em 16.03.2010, sendo responsável só a partir desta data; não negou que o bem era objeto de invasões, mas disse ter tomado todas as providências cabíveis para solucionar os problemas; o INSS, inclusive, moveu ação de reintegração de posse objetivando a retomada do prédio; o local era ocupado por mendigos que faziam do ambiente a sua moradia; o imóvel foi adquirido com o objetivo de destiná-lo à programa de habitação de interesse social e que atualmente está pendente a publicação de Edital de chamada pública pela Caixa, convocando construtoras interessadas em elaborar e executar projeto de adaptação do prédio para unidades habitacionais. Alegou ainda ausência de ato ilícito, nexo causal, culpa ou dolo da União, como aspectos que afastariam o dever de indenizar; quanto aos danos, disse inexistir prova dos fatos constitutivos alegados pelos autores, os documentos colacionados não passariam de mera especulação imobiliária. Impugnação à contestação nas fls. 430/440, afastando a preliminar aduzida pelo ente público e, no mérito, reiterando os argumentos lançados com a Inicial. Daí por diante, foram requisitados documentos a órgãos públicos, e o autor reiterou seu pedido de antecipação da tutela, nas fls. 1.449/1.450, o qual foi novamente indeferido às fls. 1.453/1.457. Na mesma decisão, foram determinadas as correções cartorárias para reinclusão do INSS no polo passivo, bem como sua citação, assim como a intimação da União para apresentar estudo sugerido pela Defesa Civil e do MPF para manifestação. O INSS apresentou contestação às fls. 1.462/1.482, sustentando, preliminarmente: a) sua ilegitimidade passiva; b) a ilegitimidade ativa dos autores; c) a prescrição trienal. No mérito, tratou da ausência de conduta omissiva e de nexo causal entre os fatos alegados e a conduta da autarquia que, por sua vez, tomou todas as providências que lhe cabiam para regularização da situação do bem, até o momento em que adquirido pela União; aduziu que os autores não comprovaram os danos no imóvel, inexistindo provas das quantias que pretendem receber a título de reparação, cujos valores pedidos, inclusive, considera exorbitante; disse que a pendência de convocação de construtoras para executar projeto de adaptação do prédio afastaria a necessidade de que a rés efetuassem os reparos mencionados na Inicial. Pugnou pela improcedência de todos os pedidos. Em 02.06.2016, a União apresentou às fls. 1.533/1.553, Relatório Técnico referente à estrutura de imóvel da União (antigo IPASE), no qual foi obtida a conclusão de que "a estrutura do prédio é bem construída, de rigidez adequada, atualmente não apresenta risco de desabamento, e o edifício tem condições e deve ser reabilitado, sob pena de, no futuro, esse risco perecer." A parte autora renovou o pedido de liminar às fl. 1.681/1.682, o qual foi novamente indeferido à fl. 1.683. O INSS, devidamente intimado para especificação de provas, afirmou estar satisfeito com o conjunto probatório. Foi indeferido, às fls. 1.688/1689, o pedido de realização de prova pericial e, na mesma decisão, designada audiência de instrução e julgamento, realizada em 21.11.2017. O autor apresentou razões finais às fls.1.731/1.732, enquanto o INSS, nas fls. 1.744/1.747 e, a União, fls. 1.748/1750. Eis o relatório. Fundamento e decido II- FUNDAMENTAÇÃO 1. Perícia técnica a ser realizada no prédio da parte autora A prova pericial, a que mais sofreu alterações no novo CPC/2015, deve ser indeferida quando a prova do fato não depender de conhecimento especial de técnico, for desnecessária em vista de outras provas produzidas ou a verificação for impraticável, nos termos do § 1, do art. 464, do referido diploma. Foi o que se deu no presente caso, tendo sido indeferida a perícia por dois motivos principais, os autos já tinham provas suficientes para formação do convencimento deste julgador e a verificação dos danos seria impraticável. Veja-se que consideramos um imóvel fechado desde 2013, já tendo transcorrido mais de 05 anos desde o fechamento, e mais de 14 anos desde o início da ação geradora dos danos estruturais mencionados, sendo certo que o longo tempo trouxe alterações significativas no imóvel, modificando substancialmente o estado das coisas, levando à inutilidade da prova pericial, pois incapaz de atestar a condição do bem no momento dos fatos ou mesmo após a cessação dos danos. Eis a razão porque negado o pedido de prova pericial, o que agora apenas ratificamos. 2. Preliminar - Ilegitimidade passiva do INSS A questão da legitimidade passiva já foi enfrentada pelo TRF da 5ª Região, quando do julgamento do agravo de instrumento de nº 0009276-93.2011.4.05.0000, mais precisamente nas fls. 1.590/1.591, tendo a decisão do Tribunal sustentado que: "os danos maiores foram praticados pelo INSS desde 2004, razão pela qual, deve participar da lide, pois, o fato de ser sido transferido há poucos anos a propriedade do referido bem a União Federal, não significa que tenha sido repassada a responsabilidade dos atos negligenciais praticados pelo INSS integralmente ao outro réu, devendo o mesmo responder solidariamente com a União Federal. Se os danos comprovados e os atuais riscos suportados pelos imóveis confinantes foram produzidos inicialmente pelo INSS, desde 2004, quando o mesmo era proprietário do prédio público, e vem perpetuando-se até agora, evidente que, ambos os agravados devem responder solidariamente pelos danos provocados, na medida em que seus atos administrativos ocorreram no tempo." Por tal motivo, trata-se de matéria preclusa, a preliminar já foi afastada. 3. Preliminar - Ilegitimidade ativa da parte autora O direito de ação é direito público subjetivo do cidadão, expresso na Constituição Federal de 1988, em seu art. 5º, inciso XXXV. De acordo com o art. 1º do Código Civil Brasileiro, "toda pessoa é capaz de direitos e deveres na ordem civil", assim, quem sofrer ou se achar ameaçado de sofrer lesão tem direito de acesso à justiça, sendo parte legítima para postular em juízo, no polo ativo de ações indenizatórias, patrimoniais ou extrapatrimoniais, aquele que suportou o dano. Tal ilação pode ser facilmente extraída dos incisos V e X, do art. 5º da CF/88 e, dos arts. 187 e 927 do Código Civil. O que se exige é a comprovação do dano, nexo de causalidade e a ação/omissão do agente causador que, no caso da administração pública, assume feição peculiar, dada a natureza objetiva da responsabilidade civil (risco administrativo e risco integral, em casos particulares, especificados na lei). Assim, o proprietário autor, é parte legítima para pleitear o ressarcimento de prejuízos pelas consequências das ações/omissões lesivas. Por isso, não a acolho a preliminar. 4. Preliminar - Prescrição trienal O Código Civil de 2002 adotou o critério científico do professor Agnelo Amorim Filho para conceituar e distinguir a prescrição da decadência, dois institutos que objetivam, em síntese, trazer maior segurança jurídica e estabilidade às relações. A prescrição traduz-se na extinção da pretensão, da parte, pelo decurso do tempo. Sua configuração gera a perda desse poder/faculdade de agir. Para todo aquele que tem um seu direito lesado, surge a possibilidade de provocar a jurisdição e requerer que o Estado restabeleça, através das variadas técnicas de tutela jurisdicional, o direito, buscando restaurar, como prioridade, o estado anterior das coisas ou, caso não seja possível, aproximar-se o quanto puder, restabelecendo as condições anteriores ao dano. O regime jurídico da prescrição em face da Fazenda Pública está delineado pelo antigo Decreto n.º 20.910, de 06 de janeiro de 1932, que em seu artigo 1.º diz o seguinte: Art. 1º - As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda federal, estadual ou municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. A alegação de prescrição, fundada no art. 206, § 3º, V, do Código Civil, portanto, deve ser rejeitada. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS MATERIAIS E MORAIS.FAZENDA PÚBLICA. PRESCRIÇÃO. SÚMULA 211/STJ. RAZÕES DE RECURSO QUE NÃO IMPUGNAM, ESPECIFICAMENTE, OS FUNDAMENTOS DA DECISÃO AGRAVADA.SÚMULA 182/STJ. PRAZO QUINQUENAL. ART. 1º DO DECRETO 20.910/32.ENTENDIMENTO PACIFICADO NO STJ EM SEDE DE RECURSO REPRESENTATIVO DE CONTROVÉRSIA. AGRAVO INTERNO IMPROVIDO.(...) III. O acórdão do Tribunal de origem está em conformidade com a jurisprudência desta Corte, consolidada sob o rito dos recursos repetitivos - art. 543-C do CPC/73 -, por ocasião do julgamento do REsp 1.251.993/PR (STJ, REsp 1.251.993/PR, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, PRIMEIRA SEÇÃO, DJe de 19/12/2012), no sentido de que, nas ações de indenização contra a Fazenda Pública, o prazo prescricional é de cinco anos, nos termos do art. 1º do Decreto 20.910/32, em detrimento do prazo trienal, previsto no Código Civil.IV. Agravo interno improvido. (AgInt no AREsp 716.977/MS, Rel. Ministra ASSUSETE MAGALHÃES, SEGUNDA TURMA, julgado em 15/09/2016, DJe 27/09/2016) Por sua vez, o termo inicial do prazo prescricional para o ajuizamento de ação de indenização contra ato do Estado ocorre no momento em que constada a lesão e os seus efeitos, conforme o princípio da actio nata. (AgRg no REsp 1506636/SC, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES, SEGUNDA TURMA, julgado em 25/08/2015, DJe 03/09/2015). A primeira invasão do prédio do antigo IPASE, noticiada nos autos, ocorreu em 04.01.2004, e perdurou até 2008; a outra invasão aconteceu em 2009. As consequências das ocupações irregulares, que foram elencadas como causas dos danos pleiteados pela parte autora, perduraram por anos após a primeira invasão. Como a presente ação foi intentada em 14.03.2011, dentro do quinquênio legal, a pretensão deduzida não está prescrita. 5. Mérito A demanda trata da responsabilidade civil extracontratual (aquiliana), do particular em face do poder público, por alegados danos de ordem patrimonial e extrapatrimonial. A responsabilidade objetiva (que independe da comprovação de dolo ou de culpa) do Estado está prevista no parágrafo 6º, do artigo 37, da Constituição Federal de 1988. "As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa." Segundo o Código Civil: "Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (arts. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo. Parágrafo único. Haverá obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem." A pretensão autoral, de natureza material e moral, dá-se em razão de supostos prejuízos sofridos pelos autores em razão do descaso/inércia do Poder Público no que se refere às condições de ocupação, falta de segurança e salubridade do prédio vizinho, com consequências diretas e imediatas a seu estabelecimento comercial (academia). A questão posta, portanto, trata de responsabilidade civil por condutas omissivas atribuídas tanto ao INSS, como à União, os quais não tomaram as providências necessárias para evitar os danos experimentados pela parte autora em seu estabelecimento, em virtude do abandono do prédio publico confinante. A responsabilidade civil surge da junção de três elementos: conduta do agente (ação ou omissão), dano e nexo de causalidade entre a conduta e o resultado (dano). A teoria da responsabilidade civil objetiva do Estado é consagrada na Constituição Federal, notadamente para os casos de condutas comissivas. Quando se trata de omissão estatal, ganha corpo a teoria da responsabilidade subjetiva que tem feições próprias, distinguindo-se daquela aplicada ao ramo civilista. Na seara publicista, trata-se de responsabilizar o ente público apenas quando configurada a culpa anônima ou falta de serviço, se por omissão (genérica) concorreu para não evitar o resultado quando tinha o dever legal de impedi-lo, a omissão é aquela violadora de um dever de agir. De julgado paradigma do STJ (REsp 1069996/RS-2009) extrai-se a lição de que o Estado não pode ser um garantidor universal, não podendo ser responsabilizado por todas as máculas faltosas ocorridas dentro do seu território. No que tange à comprovação específica, por sua vez, o STF, no RE 136.861-SP e RE 409.203-RS, trataram do tema, o que foi traduzido nas palavras de Carvalho filho1: "Assinale-se, por oportuno, que, tratando-se de responsabilidade civil, urge que, nas condutas omissivas, além do elemento culposo, se revele a presença de nexo direto de causalidade entre o fato e o dano sofrido pela vítima. Significa dizer que não pode o intérprete buscar a relação de causalidade quando há uma ou várias intercausas entre a omissão e o resultado danoso. De qualquer modo, incidirá sempre a responsabilidade com culpa." Vale destacar, inicialmente, que o prédio público invadido pertencia primeiramente ao INSS e, em junho de 2010, foi adquirido pela União Federal (Ministério das Cidades), ou seja, trata-se de bem público. A presente ação foi proposta apenas em março de 2011, ou seja, mais de cinco anos depois da primeira invasão dos "sem- teto" ao prédio que pertencia ao INSS; ocupação esta que, segundo o próprio autor, ocorreu em janeiro de 2004. Logo, eventual responsabilidade civil dos réus deve ser limitada aos períodos em que eram proprietários do imóvel, e restritas as suas condutas omissivas ou ativas que deram causa aos danos no prédio confinante. Passo a analisar cada elemento da responsabilidade. Condutas omissivas Houve ações de reintegração/manutenção de posse interpostas pelo INSS referente ao imóvel público em questão (fls. 1.066/1.068), e informações de que, após as desocupações determinadas judicialmente, as ocupações irregulares voltaram a acontecer. Há registros fotográficos (fls. 267/272, em 2008 e 1.445/1.446, em 2014) do prédio público invadido, que demonstram a situação de abandono do imóvel e de descaso do Poder Público. Houve uma vistoria realizada pelo INSS em 2008, na qual foi concluído que o imóvel encontrava-se totalmente depredado (fls.1.052/1.056). Há uma notícia jornalística, na fl. 1.547, descrevendo a situação de insalubridade (fedor insuportável, acúmulo de lixo) e insegurança (tráfico de drogas e violência) suportada pelos vizinhos do antigo prédio do INSS. Dos depoimentos das pessoas ouvidas na audiência de instrução, ocorrida em 21.11.2017, extraiu-se o seguinte: Depoimento pessoal do autor: "a primeira invasão ocorreu em 2001, e a última em 2008; atualmente quem ocupa o prédio são os comerciantes informais; sofreu vários prejuízos:- furtos de halteres de sua academia, barras olímpicas, bicicletas, som etc,- desvalorização do seu imóvel; em 2013, teve que fechar sua academia, tentou reabri-la em 2016, mas precisava gastar muito para isso; não houve perícia no seu imóvel, apenas no prédio público; paga R$ 2.300 de IPTU, mas há quatro anos está inadimplente; não teve proposta formal de seu imóvel, nem avaliação feita por imobiliária; a última manutenção que realizou em seu imóvel foi em 2013." Depoimento da testemunha Djalma Gomes da Silva: "em 2004, já conhecia o autor e a academia; ouviu do autor sobre os furtos de materiais do estabelecimento; chegou a ver as infiltrações, pois treinava às vezes na academia; sabe dizer que a academia está fechada e que no prédio público há comércio (camelôs no térreo); soube que as más condições da academia fizeram com que as pessoas deixassem de frequentá-la." Depoimento da testemunha Gilvan da Silva Lima: "conhece o autor há 20 anos; frequentava a academia como aluno desde 1987; era aluno quando houve a invasão; relatada depredação, assaltos, infiltrações e a insegurança que afastava os alunos; sabe que o autor fechou a academia por essas razões; tem notícia de que o autor foi ameaçado de morte em razão das denúncias que fez perante os órgãos públicos; a academia era aberta nos três turnos; vê que ainda há camelôs no prédio público." A prova testemunhal demonstrou que as condições de insegurança e insalubridade do imóvel do autor decorreram da ocupação irregular do prédio do INSS. Mesmo tendo o INSS proposto ações judiciais para a regularização da ocupação do imóvel invadido e que a Secretaria do Patrimônio da União, em parceria com o INSS, esteja trabalhando para viabilizar a destinação adequada do imóvel público em referência, os réus não tomaram medidas efetivas para reformar o prédio público, mesmo cientes dos sérios problemas estruturais e sanitários que o acometiam. Conforme relatório de vistoria técnica produzido pela Defesa Civil (fls. 1.438/1.446), em 29.08.2014, constatou-se que o prédio apresenta falta geral de manutenção, paredes com infiltrações; pintura externa e interna precisando de recuperação; esquadrias em madeira e metálica, (portas e janelas) completamente danificadas; instalações hidrossanitárias com vazamentos gerando infiltrações e danos à estrutura; instalações elétricas danificadas causando excesso de cargas em todos os ambientes e risco de incêndio; germinação de vegetais (angiospermas, talófitas e briófitas) sobre a superfície externa, desestruturando paredes e lajes do prédio; um elevador desativado, estacionado entre o 2º e o 1º andar, cujo fosso encontra-se tomado com entulhos e outros tipos de resíduos sólidos; lajes de todos os pavimentos com infiltrações e indícios de oxidação das ferragens que ocasionam expansão e conseqüente desagregação/rompimento do concreto e da massa única (reboco); uma caixa d'água e uma cisterna, desativadas e não esvaziadas, com fissuras, causando infiltrações na cobertura, paredes e lajes, e percolação subterrânea nas fundações do prédio; sistema de drenagem de águas pluviais, na laje da cobertura, completamente obstruído, e, por isso, com acúmulo de água de chuva intensificando as infiltrações nas estruturas do prédio; muita sujeira (fezes de animais e humanos, restos de animais mortos, entulho e lixo), espalhada por todos os pavimentos e ambientes do prédio. Embora a autarquia previdenciária tenha ajuizado ações possessórias (Ação de Reintegração nº 2005.82.00.002834-0 e 2009.82.3216-6, propostas pelo INSS em 2005 e 2009), com o objetivo de reintegrar ou manter a posse do imóvel público, não tomou providências efetivas de reforma ou destinação definitiva do prédio público. Considero que as circunstâncias de fato e as provas colacionadas aos autos comprovam a existência de condutas omissivas por parte dos réus, havendo falta na prestação do serviço, dever específico de zelar pelo bem público. Pedido de desocupação Apenas a União pode pleitear a reintegração e desocupação do prédio, pois é a atual proprietária do bem, não podendo a parte autora pleitear direito alheio em nome próprio, não tendo autorização legal para tanto. Conforme consignado na decisão de fl. 1.456: "os limites de atuação deste juízo cingem-se às providências essenciais para preservar a propriedade privada dos autores, que, segundo se alega, está sendo afastada pelo descaso da ré na conservação do bem que lhe pertence, em razão da proximidade entre os dois imóveis". Danos e nexo de causalidade Despesas de recuperação do imóvel Não há nos autos qualquer elemento que comprove gastos com reforma ou reparos no prédio do autor, tampouco foi possível a realização de perícia, por impraticável, dado o correr dos anos e a demora na propositura da ação. Dano infecto Não considero caracterizado o dano infecto, o qual se encontra disciplinado no art. 1.280 no Código Civil. Art. 1.280 O proprietário ou o possuidor tem direito a exigir do dono do prédio vizinho a demolição, ou a reparação deste, quando ameace ruína, bem como que lhe preste caução pelo dano iminente. Há relatório técnico de fls. 1.534/1.553, referente à estrutura do prédio de propriedade da União (antigo IPASE), realizado em junho de 2016, no qual foi apresentada a seguinte conclusão: "a estrutura do prédio é bem construída, de rigidez adequada, atualmente não apresenta risco de desabamento, e o edifício tem condições e deve ser reabilitado, sob pena de, no futuro, esse risco aparecer." Danos materiais Os danos descritos pela parta autora são: furtos em materiais/itens de academia, infiltrações nas paredes do imóvel, desvalorização imobiliária e perda de alunos de tal monta que ocasionou o fechamento do estabelecimento. Os prejuízos materiais precisam estar comprovados nos autos. Vejamos. I- Desvalorização comercial imobiliária: Os problemas estruturais da academia não foram comprovados através de provas documentais. Não há fotos juntadas aos autos do imóvel do autor que registrem o antes e o depois da situação do mesmo diante da ocupação irregular, apenas há registro fotográfico da situação do prédio invadido, às fls. 194/206. Os documentos de fls. 239/240 não servem como parâmetro para firmar o valor venal do imóvel em 2003, nem em 2011, pois o primeiro não tem sequer o carimbo do contador, e o último foi assinado por um advogado. O laudo de avaliação de fl. 243, por sua vez, é uma cópia e a assinatura que consta no carimbo não é legível. Ademais, a distância temporal das avaliações juntadas aos autos (2003, 2009 e 2011) não nos permite concluir que a desvalorização sugerida foi decorrente das ocupações irregulares do prédio público. Vale destacar que o próprio autor, em audiência, afirmou que "não houve avaliação formal do seu imóvel por imobiliária" e "que não houve proposta formal para a compra de seu imóvel." II- O fechamento da academia: Não pode ser atribuído à invasão do prédio público, uma vez que é cediço que esse não é o único prédio abandonado da região e que há tempos vários estabelecimentos comerciais vêm sendo fechados na região central desta cidade, em virtude da própria crise econômica e social que vive nosso país. III- Dívidas de IPTU: Às fls. 227/233, foram comprovadas as dívidas do IPTU referentes aos anos de 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000, 2001, 2002 e 2003, as quais totalizam R$ 10.069,56. Percebe-se que as dívidas tributárias referidas são anteriores a primeira ocupação irregular noticiada nestes autos, a qual remonta ao ano de 2004. Dessa forma, não acolho o pedido inicial de pagamento pelos réus das dívidas de IPTU devidas pela parte autora. IV- Furto de material: Foi juntada aos autos uma certidão de ocorrência policial, à fl. 223, noticiando o roubo de um aparelho de som passa de marca Pionner MP3 370, ocorrido em 28.11.2005, fato este que ocorreu mais de seis anos antes da propositura desta demanda, ocorrida em março de 2011. Verifico que o autor juntou aos autos prova de que era proprietário do referido objeto (nota fiscal), à fl. 224, o qual custou R$ 516,00. Também foi juntado aos autos boletim de ocorrência, datado de 26.03.2006, no qual, o autor declarou o furto de duas placas de alumínio de sua academia, e atribui aos invasores do antigo prédio do INSS a responsabilidade por este fato delituoso, à fl. 225. Em outra certidão policial, datada de 11 de junho de 2007, juntada à fl. 226, foi declarado o furto de: 04 anilhas de peso, sendo 02 de 25 kg e 02 de 30kg, com furo olímpikus de 2, e outro peso de 30kg, tendo o autor atribuído aos invasores do antigo prédio do INSS a responsabilidade por estes fatos delituosos. Ocorre que esses documentos policiais são unilaterais, produzidos unicamente com base nas declarações do autor, e as informações nele contidas não foram corroboradas por outros elementos de prova. Não há como se estabelecer um nexo de causalidade entre a ocupação irregular do prédio público com os furtos ocorridos na academia do autor. Não há comprovação de que os furtos mencionados foram praticados pelas mesmas pessoas que invadiram o antigo prédio do INSS, até porque a região central de João Pessoa, onde se localiza a academia, já é conhecida como perigosa. Ademais, o imóvel público em questão não é o único abandonado naquela região. Danos morais Em relação aos danos morais, o conjunto probatório evidencia que a parte autora suportou transtornos psicológicos em virtude da situação fática descrita nos autos, neste ponto, não restam dúvidas, tampouco há necessidade de prova material. A omissão dos entes públicos em manter o bem em adequado estado de conservação configurou falta no serviço, gerando o dever de indenizar pelos prejuízos morais, as provas dos autos são suficientemente aptas a demonstrar a lesão extrapatrimonial. A falta de segurança e salubridade, causada pela ocupação irregular do edifício público abandonado, causou não só à parte autora, como aos outros vizinhos, violações ou ofensas não patrimoniais, que vão além do mero aborrecimento. Inclusive, há comprovação de ameaça sofrida pelo Sr. Agamenon Porto dos Santos, decorrente de denúncias feitas por ele perante órgãos públicos (conforme certidão de ocorrência policial, à fl. 1.546), relativas às condições do prédio invadido. Verifico que, em 11.11.2015, o autor levou ao conhecimento do MPF a situação enfrentada por ele em razão da invasão irregular do prédio onde funcionava o antigo IPASE. A indenização por danos morais deve alcançar valor que sirva de exemplo e punição para o réu, mas, por outro lado, não deve ser fonte de enriquecimento para o autor, servindo-lhe, apenas, como compensação pela dor suportada. Considerando essas circunstâncias concretas, e a gravidade dos fatos atestados, com consequências graves, fixo em R$ 20.000,00 (vinte mil reais) a indenização por danos morais a ser paga à parte autora, na proporção de 1/2 pelo INSS e 1/2 pela União. III- DISPOSITIVO Ante o exposto, afasto as preliminares suscitas pelas partes e JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE O PEDIDO INICIAL, apreciando a lide com resolução do mérito, na forma do art. 487, inciso I, do CPC/2015, para condenar os réus a pagar em favor da parte autora, a título de indenização por danos morais, o valor de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), na proporção de 1/2 pelo INSS e 1/2 pela União, com correção monetária e juros de mora a partir da publicação desta sentença. Quanto ao índice de correção monetária, observo que o STF, ao julgar as ADIs 4357 e 4425, reconheceu a inconstitucionalidade da aplicação da TR, prevista pelo art. 1º-F da Lei nº 9.494/97 (redação dada pela Lei nº 11.960/2009), como critério de correção de precatórios. É certo que essa decisão não abrangeu as condenações proferidas contra a Fazenda Pública, mas apenas os precatórios, como esclarecido por aquele tribunal na RCL 21147 e no RE 870947. Porém, os mesmos fundamentos que levaram ao reconhecimento de que a TR não pode ser aplicada como critério de correção monetária de precatórios certamente levarão aquele tribunal a reconhecer também a inconstitucionalidade da aplicação desse critério de cálculo em outras fases do processo, inclusive, na condenação. Assim, reconheço incidentalmente a inconstitucionalidade do art. 1º-F da Lei nº 9.494/97, invocando para tanto os fundamentos da decisão do STF nas ADIs 4357 e 4425. E, diante disso, deve ser aplicado, para fins de correção monetária da condenação, o previsto no Manual de Cálculos da Justiça Federal atualmente vigente. Como a parte autora decaiu de parte menor de seu pedido, condeno exclusivamente a parte promovida ao pagamento dos honorários advocatícios, que arbitro em 10% do valor da obrigação de pagar, considerando especialmente a pequena complexidade da causa, na forma do art. 85, §2º, do CPC/2015, na proporção de 1/2 pelo INSS e 1/2 pela União. Custas ex lege. Intimem-se. Após o trânsito em julgado desta sentença, adote a secretaria as providências para o cumprimento da obrigação de pagar. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa, 28 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs 1 CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 27. ed. São Paulo, Atlas: 2011. Pág. 573. --------------- ------------------------------------------------------------ --------------- ------------------------------------------------------------ PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2.ª VARA FEDERAL 16

   

0002693-72.2007.4.05.8200 ALANIA MARIA DA SILVA E OUTROS (Adv. CLAUDIA IZABELLE DE LUCENA COSTA, FABIANA MARIA FALCÃO ISMAEL DA COSTA) x GILMARIO CESAR SOUZA DE CARVALHO E OUTROS X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. DANIELLE VIEGAS DE MAGALHÃES, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO) x CAIXA SEGUROS (Adv. MILENA NEVES AUGUSTO, CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO, CARLA BARBOSA REZENDE NUNES, ANDRÉ ACCIOLY WANDERLEY) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. DANIELLE VIEGAS DE MAGALHÃES, SEM PROCURADOR, JOSE TADEU ALCOFORADO CATAO, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) x ENARQ - ENGENHARIA E ARQUITETURA LTDA.

PROCESSO: 0002693-72.2007.4.05.8200 (2007.82.00.002693-5) Classe: 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: ALANIA MARIA DA SILVA E OUTROS ADVOGADO: CLAUDIA IZABELLE DE LUCENA COSTA E OUTRO REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTROS ADVOGADO: DANIELLE VIEGAS DE MAGALHÃES E OUTROS 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO A sentença de fls. 1667/1677 determinou que os valores remanescentes depositados em juízo até aquela data fossem levantados. Ato contínuo, a Secretaria informou deixar de dar cumprimento ao mencionado dispositivo em razão de não estar especificado o valor que deveria ser levantado para cada requerente, tendo em vista a expedição de alvarás anteriormente, para três dos autores (fl. 1701). Intimados através do DJE, os autores deixaram transcorrer o prazo sem apresentar qualquer manifestação, conforme certidão de fl. 1706. Nas fls. 1708/1730 foi transladado para estes autos as principais peças de conteúdo decisório do agravo de instrumento interposto pela ré, tendo o provimento sido negado. Ante o exposto, renovem-se as intimações aos autores, desta feita, pessoalmente, para que se manifestem acerca da certidão de fl. 1701 e requeiram o que entender de direito (prazo: 10 dias). Após esse prazo, caso se manifestem, venham-me os autos conclusos. Caso não haja manifestação, expeçam-se alvarás do saldo remanescente em favor dos autores em igualdade de cotas. Em seguida, nada mais sendo requerido, cumpra-se a parte final da sentença de fls. 1667/1677. Intimem-se. João Pessoa, 02 de outubro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ERVS

   

0006063-54.2010.4.05.8200 ERVIN CAVALCANTI FABEL E OUTROS (Adv. NELSON LIMA TEIXEIRA, GLAUBER JORGE LESSA FEITOSA) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Tendo em vista o acórdão do TRF - 5ª Região que negou provimento ao agravo interposto pela parte autora, intimem-se as partes para requererem o que entender de direito, no prazo de 15 dias. Decorrido o prazo, sem novos requerimentos, dê-se baixa e arquivem-se os autos.

   

0006722-92.2012.4.05.8200 RODRIGO FARIAS DE ALBUQUERQUE (Adv. ARLINETTI MARIA LINS, ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

PROCESSO Nº: 0006722-92.2012.4.05.8200 - PROCEDIMENTO COMUM AUTOR: RODRIGO FARIAS DE ALBUQUERQUE ADVOGADO: ARLINETTI MARIA LINS E OUTRO RÉU: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA 2ª VARA FEDERAL - JUIZ FEDERAL TITULAR SENTENÇA- TIPO A- I. RELATÓRIO RODRIGO FARIAS DE ALBUQUERQUE propôs a presente ação de procedimento comum em face da UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB, objetivando que seja determinada a inclusão do adicional de periculosidade, no percentual de 30%, na sua remuneração e o pagamento da vantagem desde a posse no cargo. O autor alega que é servidor público federal, laborando no Núcleo de Tecnologia da Informática da UFPB, com atribuição de manutenção de computadores, realizando reparos, criando redes e sistemas, com manuseio de peças e restauração de equipamentos. Assevera que está exposto a fiações de energia com altíssima tensão, bem como a ruídos internos da sala de trabalho, razão pela qual faz jus ao adicional de periculosidade nos termos pretendidos. Ao final, informa que, apesar de encaminhar ao setor de recursos humanos da Universidade requerimento de adicional de periculosidade, o seu pedido foi indeferido pela direção da instituição. Juntou os documentos e requereu o benefício da justiça gratuita (fls. 09/28). Despacho concedendo benefício da justiça gratuita (fl. 32). A Universidade Federal da Paraíba apresentou contestação (fls. 83/102), alegando a prejudicial de mérito de prescrição bienal, conforme artigo 206, §2 do Código Civil. No mérito, aduz que o autor não faz jus ao adicional de periculosidade, uma vez que o parecer técnico elaborado pelo SESMT concluiu pela inexistência das condições necessárias para aquisição do referido direito (fls. 89/102). O autor impugnou a contestação, reiterando os termos da inicial (fls. 107/111). Sentença proferida por este juízo, determinando à UFPB a implantação do adicional de periculosidade em favor do autor, correspondente a 10% do vencimento básico, e o pagamento dos valores retroativos da vantagem a partir da posse no cargo até a implantação do adicional (fls. 124/131). O Tribunal Regional Federal da 5º Região, em sede de recurso de apelação, anulou a sentença e determinou o retorno dos autos ao juízo de origem, a fim de que se dê prosseguimento à fase de instrução, com a consequente produção de prova pericial, por ser tal prova imprescindível na resolução da lide (fls. 175/179). Realizada a perícia judicial às fls. 222/242. Manifestação da UFPB sobre o laudo pericial (fls. 244/247). Despacho convertendo o julgamento em diligência, para complementação do laudo (fls. 253/255). Complementação de laudo às fls. 272/277. Manifestação da UFPB sobre a complementação do laudo pericial (fl. 279). É o relatório. Decido. II. FUNDAMENTAÇÃO 1. Prejudicial de mérito - prescrição Segundo dispõe o Decreto n.º 20.910/1932, as dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem como todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda federal, estadual ou municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. Ademais o Superior Tribunal de Justiça tem jurisprudência pacífica no sentido de que não houve a revogação tácita do prazo prescricional previsto no citado Decreto pelo CC/2002 (REsp 1.251.993-PR, Rel. Min. Mauro Campbell, julgado em 12/12/2012). O autor requereu o pagamento do adicional de periculosidade à administração pública, sendo o seu pedido indeferido em 13.04.2009, sob o fundamento de que, de acordo com a perícia realizada pelo SESMT, inexistem as condições que autorizavam a concessão do referido direito. Diante do indeferimento da pretensão na esfera administrativa, aplica-se a regra do artigo 1º do Decreto 20.910/32, de modo que o indeferimento expresso da administração pública é o termo a quo para o cômputo do prazo prescricional. No caso, o pedido do autor foi indeferido pela administração em 13.04.2009 (fl. 15), e a ação foi ajuizada em 31.08.2012. Logo não há que se falar em prescrição do fundo de direito, uma vez que não transcorreu o lapso temporal de 5 anos contados do indeferimento do pedido pela administração. Tratando-se, todavia, de pretensão referente a prestação de trato sucessivo, é aplicável o disposto no artigo 3º do Decreto 20.910/32: "Quando o pagamento se dividir por dias, meses ou anos, a prescrição atingirá progressivamente as prestações à medida que completarem os prazos estabelecidos pelo presente decreto". Assim, considerando que a ação foi ajuizada em 31.08.2012, encontram-se prescritas parcelas anteriores a 31.08.2007. 2. Mérito O cerne da questão a ser dirimida diz respeito à possibilidade de concessão de adicional de periculosidade ao servidor público estatutário, que trabalha vinculado à UFPB, ocupando o cargo de Analista de Tecnologia da Informação. O autor é regido pela Lei n.º 8.112/90 e, mais especificamente, no que tange ao adicional de periculosidade, pela Lei n.º 8.270/91. Segundo o art. 68 da Lei nº 8.112/90, "Os servidores que trabalhem com habitualidade em locais insalubres ou em contato permanente com substâncias tóxicas, radioativas ou com risco de vida, fazem jus a um adicional sobre o vencimento do cargo efetivo". O art. 12 da Lei n.º 8.270/91, que trata do adicional de periculosidade, dispõe: "Art. 12. Os servidores civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais perceberão adicionais de insalubridade e de periculosidade, nos termos das normas legais e regulamentares pertinentes aos trabalhadores em geral e calculados com base nos seguintes percentuais: I - cinco, dez e vinte por cento, no caso de insalubridade nos graus mínimo, médio e máximo, respectivamente; II - dez por cento, no de periculosidade. (...) § 3° Os percentuais fixados neste artigo incidem sobre o vencimento do cargo efetivo." O dispositivo acima encontrou seu regulamentado em norma que já existia anteriormente e não fora revogada, qual seja, o Decreto n.o 97.458/1989, que estabelece que o adicional de periculosidade só pode ser deferido após a elaboração de laudo pericial que ateste que a atividade exercida pelo servidor é perigosa, consoante transcrição que segue de alguns excertos pertinentes: "Art. 1o A caracterização e a classificação da insalubridade ou periculosidade para os servidores da administração federal direta, autárquica e fundacional será feita nas condições disciplinadas na legislação trabalhista. Art. 2o O laudo pericial identificará, conforme formulário anexo: I - o local de exercício ou o tipo de trabalho realizado; II - o agente nocivo à saúde ou o identificador do risco; [...] omissis Art. 4o Os adicionais de que trata este Decreto serão concedidos à vista de portaria de localização do servidor no local periciado ou portaria de designação para executar atividade já objeto de perícia. [...] omissis Art. 6o A execução do pagamento somente será processada à vista de portaria de localização ou de exercício do servidor e de portaria de concessão do adicional, bem assim de laudo pericial, cabendo à autoridade pagadora conferir a exatidão esses documentos antes de autorizar o pagamento." (Grifei) Portanto, a partir do advento da Lei n.º 8.270/91, os servidores públicos federais que exercem suas atividades em condições perigosas passaram a fazer jus ao adicional de periculosidade no percentual de 10%, sendo aplicáveis a eles, contudo, as normas que regem a periculosidade para os trabalhadores em geral. Porém, diante da previsão expressa, em lei específica, do percentual de 10% para o adicional de periculosidade, não há que se falar em concessão do adicional à razão de 30% do vencimento do servidor público federal. Resta saber se, na situação concreta em que o demandante exerce suas atividades, está exposto a situação de perigo a que alude a legislação trabalhista. O art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho determinava que: "Art. 193 - São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado. (Redação dada pela Lei nº 6.514, de 22.12.1977)". Com o objetivo de regulamentar o Capítulo V do Título II da CLT, onde está inserido o art. 193 da CLT, o Ministério do Trabalho editou a Portaria N.º 3.214/1978, que aprovou as Normas Regulamentares (NR), entre elas a NR 10 e 16, que trata das atividades e operações perigosas. Atualmente, o art. 193 da CLT tem a seguinte redação: "Art. 193. São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a: (Redação dada pela Lei nº 12.740, de 2012) I - inflamáveis, explosivos ou energia elétrica; (Incluído pela Lei nº 12.740, de 2012) II - roubos ou outras espécies de violência física nas atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial. (Incluído pela Lei nº 12.740, de 2012) (...) § 4o São também consideradas perigosas as atividades de trabalhador em motocicleta. (Incluído pela Lei nº 12.997, de 2014)" Vale dizer, a mencionada lei descreve as atividades que ensejam o pagamento do adicional de periculosidade, sendo as atividades e operações perigosas em razão do contato com energia elétrica regulamentadas pela NR 10 E 16. Importante transcrever o teor da NR 16, para que se possa analisar a prova produzida nestes autos: "1. Têm direito ao adicional de periculosidade os trabalhadores: a) que executam atividades ou operações em instalações ou equipamentos elétricos energizados em alta tensão; b) que realizam atividades ou operações com trabalho em proximidade, conforme estabelece a NR-10; c) que realizam atividades ou operações em instalações ou equipamentos elétricos energizados em baixa tensão no sistema elétrico de consumo - SEC, no caso de descumprimento do item 10.2.8 e seus subitens da NR10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; d) das empresas que operam em instalações ou equipamentos integrantes do sistema elétrico de potência - SEP, bem como suas contratadas, em conformidade com as atividades e respectivas áreas de risco descritas no quadro I deste anexo. 2. Não é devido o pagamento do adicional nas seguintes situações: a) nas atividades ou operações no sistema elétrico de consumo em instalações ou equipamentos elétricos desenergizados e liberados para o trabalho, sem possibilidade de energização acidental, conforme estabelece a NR-10; b) nas atividades ou operações em instalações ou equipamentos elétricos alimentados por extrabaixa tensão; c) nas atividades ou operações elementares realizadas em baixa tensão, tais como o uso de equipamentos elétricos energizados e os procedimentos de ligar e desligar circuitos elétricos, desde que os materiais e equipamentos elétricos estejam em conformidade com as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes e, na ausência ou omissão destas, as normas internacionais cabíveis. 3. O trabalho intermitente é equiparado à exposição permanente para fins de pagamento integral do adicional de periculosidade nos meses em que houver exposição, excluída a exposição eventual, assim considerado o caso fortuito ou que não faça parte da rotina." A descrição da atividade do autor, trazida junto com a petição inicial, está na fl. 14, da qual se lê que: "Todos os dias são feitos reparos em computadores, hubs, switches, roteadores, fontes de alimentação e outros equipamentos de redes de computadores. No caso dos computadores, na maioria das vezes é necessário lidar com a parte interna dos mesmos, incluindo o reparo da fonte de alimentação do mesmo que ocorre com frequência na Universidade. Hubs, switches e roteadores, sempre que quebram, são feitas vistorias internas para verificar se é necessário torcá-lo. Algumas vezes, é necessária a manutenção de equipamentos localizados na cobertura do HU, que estão no mesmo local do motor antigo do elevador, que demonstra explicitamente ser de grande perigo para os analistas/técnicos, pois além de ser um equipamento de altíssima tensão, normalmente o mesmo libera faíscas, assustando e colocando em perigo a vida de quem está presente." Adianto que o último fato descrito - atividade no "local do motor antigo do elevador" na cobertura do HU - não foi objeto de análise e não gera direito ao adicional pretendido, pois a própria descrição permite concluir tratar-se de situação muito excepcional, que não é parte da rotina do servidor. Essa exposição eventual, como expressamente previsto na NR 16, não implica o pagamento do adicional em tela. Com o objetivo de analisar a existência e o grau de periculosidade das atividades exercidas pelo autor, foi determinada a produção de prova pericial, cujas conclusões passo a transcrever: "1) Descrever o local de trabalho do autor e as atividades que executa. O autor labora no NTI - Núcleo de Tecnologia de Tecnologia, setor do campus de João Pessoa da UFPB, além de outros setores da universidade quando da necessidade de serviços em informática/eletrônica, diretamente com computadores, criando redes e sistemas, fazendo manutenção, monitoramento, supervisão, reparos, testes e medições relacionados com o funcionamento das redes de dados digitais e dos computadores/servidores de todos os setores da universidade. O autor trabalha com tensões de 380/220 volts na sala de NOBREAK, no DATA CENTER e na sala do GERADOR. 2) O autor trabalha exposto a agentes nocivos descritos na NR 15 do Ministério do Trabalho? Quais? A NR 15 é uma norma que rege os direitos do Trabalhador quanto à insalubridade. Transcreve-se aqui a NR 10 e NR 16 que regulamenta atividades e operações perigosas no seu anexo 4 - Atividades e operações perigosas com energia elétrica (...). Esta perita vistoriou todos os ambientais em que o autor labora e não encontrou nenhum equipamento ligado em altíssima tensão, apenas em Baixa Tensão, porém os riscos também são grandes quando se trabalha em baixa tensão, conforme se pode ler na NR 10 e NR 16 abaixo transcritas. (...) 3) O autor está sujeito, especificamente a exposição a agentes biológicos(anexo 14 da NR 15)? Em qual grau (máximo ou médio)? Justificar, com base na situação concreta em que a parte autora trabalha, a definição do grau de insalubridade a que está exposta. Não, o autor não está sujeito especificamente a agente biológicos (anexo 14 da NR 15), mas sim a agente físico - Eletricidade. 4) O autor recebe EPIs? Quais? Deve a perita informar se foi apresentada alguma comprovação da entrega dos EPIs e anexar o documento ao laudo. Não foi apresentada a esta perita qualquer comprovação de entrega de EPIs. 5) O uso dos EPIs indicados no item anterior neutraliza os agentes nocivos a que o autor está sujeita? Não necessariamente, mas diminuiria o risco de contato através de luvas específicas, óculos que protegeriam os olhos contra faíscas elétricas e botas especiais contra choques por inadvertidamente pisar em cabos e fios expostos, sem isolamento e energizados. Conclusão: O autor Labora diretamente com computadores, criando redes e sistemas, fazendo manutenção, monitoramente, supervisão, reparos, testes e medições relacionados com o funcionamento das redes de dados digitais e dos computadores/servidores de todos os setores da universidade, sendo todos os equipamentos alimentados com tensões de 380/220 Volts na sala de NOBREAK, no Data CENTER e na sala GERADOR. No quadro I de atividades/áreas de risco pode-se observar o item nº III - Atividades de inspeção, testes, ensaios, calibração, medição e reparos em equipamentos e materiais elétricos, eletrônicos, eletromecânicos e de segurança individual e coletiva em sistemas elétricos de potência de alta e baixa tensão em áreas das oficinas e laboratórios de testes e manutenção elétrica, eletrônica e eletromecânica onde são executados testes, ensaios, calibração e reparação de equipamentos energizados ou passíveis de energização acidental". Em virtude das atividades desempenhadas habitualmente, esta perita conclui que o autor faz jus ao adicional de periculosidade previsto no artigo 12 da lei 8.270/91, com o percentual de 10%." Foi determinada a complementação do laudo pericial, na qual foram feitos os seguintes esclarecimentos: a) Em qual das alíneas do item 1 do Anexo 4 da NR 16, que especifica as situações em que é devido o adicional de periculosidade, o autor se enquadra? Segundo o Anexo 4 da NR 16, o enquadramento se faz nas alíneas "b" e "c" do item 1. b) Algumas das atividades exercidas pelo demandante, conforme descritas à fl. 14 e considerando o observado pela perita in loco, enquadram-se nas hipóteses excludentes do item 2 do anexo 4 da NR16? Especificar quais e justificar a resposta? Não. As atividades do demandante foram descritas na resposta à questão (a) e esta perita não verificou in loco encontrarem-se nas hipóteses excludentes do item 2 do Anexo 4 da NR 16, pois o autor não trabalha a não ser com equipamentos "energizados" na faixa de tensões trifásicas- 380V e monofásica-220V. As conclusões foram as mesmas do laudo anterior. Passo a transcrevê-las: "O autor labora diretamente com computadores, criando redes e sistemas, fazendo manutenção, monitoramento, supervisão, reparos, teste e medições relacionados com o funcionamento das redes de dados digitais e dos computadores/servidores de todos os setores da universidade, sendo todos os equipamentos alimentados com tensões de 380/220 volts na sala de NOBREAK, no DATA CENTER e na sala do GERADOR. Em virtude das atividades desempenhadas habitualmente, esta Perita conclui que o auto faz jus ao adicional de periculosidade, previsto no art. 12 da Lei 8.270/91, com o previsto no artigo 12 da Lei 8.270/91, com o percentual de 10%." Assim, não restam dúvidas de que as atividades exercidas pelo autor estão sujeitas ao adicional de periculosidade, razão pela qual se impõe o pagamento do adicional de periculosidade, no percentual de 10%, nos moldes do art. 12 da Lei nº 8.270/91. No que se refere ao marco inicial do direito pleiteado, o autor requer o adicional de periculosidade desde a data da sua posse, com reflexos no 13º salários e férias. Como visto, há parcelas prescritas da pretensão, de modo que a cobrança está restrita ao intervalo de 2012 em diante, como já exposto nesta sentença. De acordo com o artigo 68, §2º, da Lei nº 8.112/90, "... o direito ao adicional de insalubridade ou periculosidade cessa com a eliminação das condições ou dos riscos que deram causa a sua concessão". Nota-se, portanto, que o adicional de periculosidade é devido enquanto permanecerem as condições de risco a que está sujeito o servidor. A perícia judicial realizada reconheceu a existência de risco nas atividades desempenhadas pelo autor, demonstrando que esta situação encontra-se relacionada às atividades típicas do seu cargo, não havendo prova de que, em algum intervalo, o autor tenha exercido outra atividade que não a que foi objeto de análise, razão pela qual as razões para a concessão do adicional estão presentes desde o início do período não prescrito. Porém, apenas os períodos de efetivo exerício da atividade justificam o pagamento do adicional, afastados, portanto, os períodos de licença para se dedicar a cursos e assunto de interesse pessoal, uma vez que o adicional possui natureza propter laborem, ou seja, é devido enquanto o requerente estiver sujeito às condições que justificaram sua concessão. Assim, tenho que merece guarida o pleito de pagamento do adicional de periculosidade, no percentual de 10% (dez por cento), com os respectivos reflexos nas demais verbas (férias, terço constitucional de férias e 13º salário), ressalvadas as parcelas prescritas, vencidas antes do quinquênio da propositura da presente ação e nos períodos de afastamento, em valores a serem apurados em fase de execução. III. DISPOSITIVO Ante o exposto, declaro a prescrição da pretensão de cobrança de parcelas anteriores a 31.08.2007 e, no mérito, julgo procedente em parte o pedido, extinguindo o processo com resolução do mérito, nos termos do art. 487, inciso I, do CPC/2015, pelo que condeno a UFPB a: a) obrigação de fazer, consistente em implantar, na remuneração do autor, o adicional de periculosidade, no percentual de 10% sobre o vencimento do cargo, mantendo-o enquanto perdurarem as condições de trabalho verificadas nesta demanda; b) obrigação de pagar ao autor as parcelas vencidas desse adicional a partir de 31.08.2007, com correção monetária desde a data em que devida cada parcela, e juros de mora desde a citação, de acordo com os índices fixados no Manual de Cálculos da Justiça Federal ora vigente. Quanto à correção monetária, observo que o STF, ao julgar as ADIs 4357 e 4425, reconheceu a inconstitucionalidade da aplicação da TR, prevista pelo art. 1º-F da Lei nº 9.494/97 (redação dada pela Lei nº 11.960/2009), como critério de correção de precatórios. É certo que essa decisão não abrangeu as condenações proferidas contra a Fazenda Pública, mas apenas os precatórios, como esclarecido por aquele tribunal na RCL 21147 e no RE 870947. Porém, os mesmos fundamentos que levaram ao reconhecimento de que a TR não pode ser aplicada como critério de correção monetária de precatórios certamente levarão aquele tribunal a reconhecer também a inconstitucionalidade da aplicação desse critério de cálculo em outras fases do processo, inclusive, na condenação. Assim, reconheço incidentalmente a inconstitucionalidade do art. 1º-F da Lei nº 9.494/97, invocando para tanto os fundamentos da decisão do STF nas ADIs 4357 e 4425. E, diante disso, deve ser aplicado, para fins de correção monetária da condenação, o previsto no Manual de Cálculos da Justiça Federal atualmente vigente. Sucumbência recíproca, visto que a parte autora sucumbiu em grande parte de seu pedido (já que pedia adicional no percentual de 30% e parcelas desde a posse). Diante disso, compensados os honorários advocatícios, nos moldes do art. 21 do CPC/1973, (aplicáveis, neste ponto, as regras do CPC/1973, tendo em vista que o ajuizamento da ação se deu antes da vigência do CPC/2015, conforme precedentes do TRF5: APELREEX 00087118620104058400, Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho, TRF5 - Segunda Turma, DJE - Data::07/12/2016 - Página::22; AC 00072459020154058300, Desembargador Federal Edílson Nobre, TRF5 - Quarta Turma, DJE - Data::01/12/2016 - Página::170.). Sem custas, pela gratuidade deferida ao autor e pela isenção de que goza a UFPB. Sentença sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatório (art. 496 do CPC/2015), tendo em vista que a condenação não foi prolatada em valor certo, não incidindo, portanto, o §3º do mesmo artigo. Após o processamento de eventuais recursos, remetam-se os autos ao TRF da 5ª Região. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Transitada em julgado esta sentença, adote a secretaria as providências necessárias quanto ao cumprimento das obrigações de fazer e de pagar. João Pessoa, 28 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara dabl PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA 11

   

0008556-09.2007.4.05.8200 ANA MARCELINA DE MEDEIROS (Adv. ANDRE COSTA FERNANDES DE OLIVEIRA, ARLINETTI MARIA LINS) X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo baixado em 06/04/2016. A parte autora requereu desarquivamento do processo e vista, pelo prazo de 5 dias. Defiro o desarquivamento do processo. Reative-se a distribuição. Após, abra-se vista à parte requerente, pelo prazo de 5 dias. No decurso do prazo, nada requerido, devolvam-se os autos ao arquivo, com baixa na distribuição. Publique-se.

   

0008990-95.2007.4.05.8200 IVONE FERREIRA DE ARAUJO E OUTROS (Adv. LUIS FERNANDO PIRES BRAGA, LUIZ GUEDES DA LUZ NETO, GISELLE FERNANDES PEREIRA DE LUCENA) X INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAO, CIENCIA E TECNOLOGIA DA PARAIBA - IFPB (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Vista à parte exequente, conforme requerido à fl. 584, pelo prazo de 15 dias. Após, intime-se a Fazenda Nacional do despacho de fl. 571. Em seguida, voltem-me os autos conclusos para julgamento.

   

0009972-07.2010.4.05.8200 EDSON DA SILVA FIGUEIREDO REP PELA DEFENSORIA PUBLICA DA UNIAO - CURADOR ESPECIAL (Adv. DEFENSORA PÚBLICA DA UNIÃO) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA SEGUROS S/A (Adv. CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO, FELICIANA MARIA SILVA BILIO, ANA CECILIA COUTINHO DE COIMBRA PINTO COSTA, ANDRE LUIZ GOUVEIA DE OLIVEIRA, ANDREA MARSELHA ARAUJO ALVES, ADRIANA CROZÓSTOMO DA SILVA, BRUNO NOVAES DE BEZERRA CAVALCANTI, CAMILA DE ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA, ANA CATHARINA GONDIM LAPA, CHRISTIANNE GOMES DA ROCHA, CUSTODIO VICTOR ANGELO COSTA, EDUARDO DE FARIA LOYO, EDUARDO JOSE DE SOUZA LIMA FORNELLOS, ELIEZER QUEIROZ DE SOUTO JÚNIOR, EMÍLIA MOREIRA BELO, FELIPE BUARQUE DE ANDRADE, FERNANDA CIBELLE ARRAIS DA SILVA, FLAVIO DE QUEIROZ B CAVALCANTI, FRANCISCO DE ASSIS LELIS DE MOURA JUNIOR, GIOVANNA DE MAIO SPINA, GUILHERME LEAL BEZERRA CAVALCANTI, GUSTAVO CALMON SILVA BARROS, GUSTAVO HENRIQUE DA SILVA FERNANDES, GUSTAVO LELIS MOURA DE OLIVEIRA, JEFFERSON DANILO BARBOSA, JOAO EDUARDO SOARES DONATO, JOAQUIM CABRAL DE MELO NETO, JOSÉ HENRIQUE BATISTA, JOSÉ RICARDO DO NASCIMENTO VAREJÃO, KLEITON ROMAR CALADO DOS SANTOS, LARISSA SALVADOR BEZERRA DE VASCONCELOS, LEONARDO LEAL BEZERRA CAVALCANTI, LORENA VIEGAS CARVALHO, LUCIANA MARTINS DE AMORIM AMARAL, LUIZ AURELIANO DE SIQUEIRA JUNIOR, LYCIA JOSÉ MELLO DE CARVALHO, MANUELA MOURA DA FONTE, MARCELO MAX TORRES VENTURA, MARCIO GUSTAVO LUCENA ALVES, MARIA ELISA REGIS DE MOURA, MARIA JULIANA WALLACH DE GODOY, MARIANA OLIVEIRA DE ARAUJO, MILENA NEVES AUGUSTO, FLAVIO DE QUEIROZ B CAVALCANTI, CLAUDIO KITNER, CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO, MANUELA MOURA DA FONTE) x DAIANA DOS SANTOS RIBEIRO (Adv. JOSE CARLOS SANTOS, FRANCISCO PEDRO DOS SANTOS, JOSE GALDINO DE S. FILHO)

Remetam-se os autos ao Setor de Distribuição para reativação. Após, vista à Caixa Seguradora, pelo prazo de 10 dias. Sem manifestação, retornem os autos ao arquivo.

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0008429-95.2012.4.05.8200 GLAUCO OTAVIO SILVA ARAUJO E OUTRO (Adv. PAULO HENRIQUE LINS MIRANDA DE SOUZA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES)

PROCESSO Nº: 0008429-95.2012.4.05.8200 - EMBARGOS À EXECUÇÃO EMBARGANTE: GLAUCO OTAVIO SILVA ARAUJO E BRUNO OTAVIO SILVA ARAUJO EMBARGADA: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 2ª VARA FEDERAL - PB (JUIZ FEDERAL TITULAR) SENTENÇA Cuida-se de Embargos à Execução opostos por Glauco Otavio Silva Araujo e Bruno Otavio Silva Araujo em face da Caixa Econômica Federal, objetivando o reconhecimento da inexigibilidade da obrigação ou, alternativamente, a declaração da abusividade e consequente nulidade de parte das cláusulas contratuais referentes à Cédula de Crédito Bancário nº. 13.0733.555.0000001-22, que originou a execução no valor de R$ 53.305,40. Os embargantes suscitaram, preliminarmente: a ilegitimidade passiva, tendo em vista que deixaram de compor o quadro societário da empresa executada; a inexigibilidade da obrigação, por ausência de liquidez; e a nulidade da execução em decorrência da não apresentação, pela exequente, dos extratos bancários, indispensáveis para a propositura da execução. No mérito, alegaram que: a) não há previsão contratual para a capitalização mensal de juros; b) é indevida a cobrança de taxa de abertura e renovação de crédito e comissão de concessão de garantia; c) é indevida a cumulação da Comissão de Permanência com a taxa de rentabilidade; d) é abusiva a cláusula contratual que prevê a cobrança de multa contratual e honorários advocatícios; e) deve-se afastar a mora, considerando que a empresa embargada estipulou encargos abusivos (fls. 03/26). Intimada, a Caixa apresentou impugnação, afirmando que: a) os embargantes não apresentaram o valor que entendem correto, o que ensejaria a rejeição dos embargos; b) não é aplicável, no caso, o Código de Defesa do Consumidor; c) a responsabilidade dos embargantes decorre da condição de avalistas; d) a Cédula de Crédito Bancário é contrato dotado de certeza, liquidez e exigibilidade; e) é plenamente legítima a cobrança do CDI com juros moratórios legais; f) inexiste cobrança de multa contratual e honorários advocatícios, apesar da previsão contratual; g) é legal a capitalização mensal de juros e adoção da Tabela Price. (fls. 85/93). Foram juntados aos autos cópias da sentença e do acórdão proferidos nos autos dos embargos à execução nº 0003809-40.2012.4.05.8200, apresentados pela Gutlacta Laticínios LTDA, também executada na presente demanda. Decisão de fls. 129/136 determinou a remessa dos autos à Contadoria, com base nos parâmetros por ela indicados. Parecer da Contadoria nas fls. 137/138. Intimadas sobre os cálculos, apenas a CEF se manifestou, discordando (fl.144) e requerendo fossem respeitados os termos contratuais. Relatados no essencial, fundamento e decido. Preliminarmente: De acordo com o CPC/2015, artigo 55, reputam-se conexas 2 (duas) ou mais ações quando lhes for comum o pedido ou a causa de pedir; devendo os processos serem reunidos para decisão conjunta, salvo se um deles já houver sido sentenciado. Assim também dispõe a Súmula 235 do STJ, a conexão não determina a reunião dos processos, se um deles já foi julgado, é o que ocorre no presente feito, conexa com a de n.º 0003809-40.2012.4.05.8200, esta última com sentença já proferida, razão pela qual o julgamento é feito em separado. A decisão, contudo, seguirá os fundamentos da sentença de fls. 101/112, mesmo porque o que se discute no presente caso é o mesmo título que gerou os embargos no Processo 0003809-40.2012.4.05.8200. (cédula de crédito bancário 13.07335550000001-22), embora a principal defesa fundamente-se em questão preliminar, qual seja, na ilegitimidade passiva dos embargantes, por considerarem sua condição de ex-sócios. Passamos a análise. Da ilegitimidade passiva: As partes alegam ilegitimidade, tendo em vista que deixaram de compor o quadro societário da empresa executada. Não lhes assiste razão. Vê-se, na fl. 45, que os embargantes não figuram apenas como ex-sócios, são avalistas no contrato, o que decorre da simples aposição da sua assinatura no termo contratual, que possui cláusulas claras, respondendo pela dívida, mesmo que não façam mais parte do quadro societário. O aval é obrigação autônoma, independe da obrigação subjacente quanto a sua existência, validade e eficácia; bem como o avalista não pode opor as exceções perante os credores do título. Assim, se houver a quebra da sociedade, isso não afeta a autonomia da cártula, visto que tal fato não pode ser oposto ao credor. De acordo com artigo 899 do CC, subsiste a responsabilidade do avalista, ainda que nula a obrigação daquele a quem se equipara, a menos que a nulidade decorra de vício de forma, inexistente no contrato objeto dos autos. CIVIL. PROCESSO CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO EXTRAJUDICIAL. ALEGAÇÃO DE ILEGITIMIDADE. NÃO CABIMENTO. CONDIÇÃO DE AVALISTA CONHECIDA PELA EMBARGANTE. CLÁUSULA CONTRATUAL. ASSINATURA NO CONTRATO. I. Trata-se de apelação interposta pela embargante contra sentença proferida em sede de embargos à execução opostos contra a CEF, que julgou improcedente o pedido formulado à inicial. II. A embargante, Maria Cristina Beltrão Carvalheira apelou alegando sua ilegitimidade para figurar no polo passivo da execução de título extrajudicial nº 0804637-23.2014.4.05.8300 como avalista em relação ao contrato Cédula de Crédito Bancário - Cheque Empresa CAIXA nº 61860867 no valor de R$ 22.000,00, sustentando que não assinou o referido contrato na qualidade de avalista. Requer a reforma da sentença. III. A parte embargante/apelante possui legitimidade passiva na ação de execução extrajudicial proposta pela CEF, uma vez que, conforme ressaltado na sentença impugnada, não era desconhecida a sua condição de avalista, nos termos do contrato firmado. IV. Em que pese o fato da embargante não ter assinado no campo "avalista", verificou-se que ela assinou o contrato no campo "cônjuge de avalista", bem como rubricou todas as laudas do pacto firmado. V. Como bem fundamentou o juiz de primeiro grau, "não se sustenta a tese da embargante no sentido de que o contrato não contém a sua assinatura como avalista, uma vez que, para a "validade do aval, dado no anverso do título, é suficiente a simples assinatura do avalista" (§ 1º do art. 898 do CC/2002). Ora, conforme se constata do contrato ora em discussão (ID 614915), a embargante é sempre citada como avalista com responsabilidade solidária, inclusive, constando sua rubrica/assinatura no anverso de todas as laudas do pacto." VI. A condição de avalista da embargante decorre da aposição da sua assinatura no contrato, bem como das rubricas postas no termo firmado, que possui cláusulas claras, nas quais consta, claramente, o nome da apelante como avalista do empréstimo efetuado, não havendo que suscitar qualquer dúvida quanto a tal qualificação contratual. VII. Apelação improvida. (PROCESSO: 08054123820144058300, AC/PE, DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (CONVOCADO), 2ª Turma, JULGAMENTO: 30/11/2016) Por tais razões, não acolho a preliminar arguida pelos embargantes. Da nulidade da execução por ausência dos extratos bancários e da inexigibilidade da obrigação, por ausência de liquidez: A cédula de crédito bancário é título executivo extrajudicial por força de lei (Lei n.º 10.931/04). É título de crédito emitido por pessoa física ou empresa em favor de instituição financeira e representa a promessa de pagamento em dinheiro, documento hábil e suficiente ao credor para mover diretamente execução contra o devedor ou garantidores. Poderia estar ausente, inclusive, o contrato que viabilizou a negociação entre as partes, é dizer, nos negócios bancários o instrumento contratual não é da essência do ato, porquanto a dívida pode ser demonstrada por outros meios (testemunhas, vídeos, escritos etc). Trata-se de uma situação na qual a forma é uma mera questão de prova (formaad probationem), e não de substância (ad substancione ou solemnitatem). O STJ firmou o entendimento de que a cédula de crédito bancário é título executivo extrajudicial, representativo de operações de crédito de qualquer natureza, circunstância que autoriza sua emissão para documentar a abertura de crédito em conta-corrente. De modo que o título que ampara a obrigação é liquido, certo e exigível (art. 28, parágrafo 2º, incisos I e II, da Lei n. 10.931/2004). (REsp nº 1291575/PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julg. em 14/08/2013). A execução está amparada com todas as provas da dívida do embargante (fls. 33/59), motivo pelo qual também rejeito as preliminares de nulidade e ausência de liquidez. Do mérito: Observo, inicialmente, que a Caixa Econômica ajuizou a execução nº 0003438-13.2011.4.05.8200, em face de Gutlacta Laticínios LTDA, Glauco Otavio Silva Araujo e Bruno Otavio Silva Araujo, com base na cédula de crédito bancário nº 13.0733.555.0000001-22. Ocorre que a empresa executada, Gutlacta Laticínios LTDA, propôs embargos à execução, que já foram julgados, determinando-se a continuidade da execução com base no valor indicado pela Contadoria, correspondente a R$ 47.675,94, mesmo valor encontrado nas fls. 137/138. Assim, os argumentos que devem ser adotados no julgamento dos embargos pelos demais executados serão os mesmos apresentados à Gutlacta Laticínios LTDA, já delineados em decisão anterior, nos seguintes termos: Da alegação de anatocismo No que concerne à alegação de anatocismo, observo que a Medida Provisória nº 2.170-36, de 23/08/2001 (reedição da MP nº 1.963-17, de 30/03/2000), em seu art. 5º, autorizou a capitalização dos juros com periodicidade inferior a um ano nas operações realizadas pelas instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional. No caso, questionavam-se índices e critérios de atualização da Cédula de Crédito Bancário nº. 13.0733.555.0000001-2, celebrado em 12.11.2009, ou seja, após a vigência da MP nº 1.963-17, de modo a ter-se como possível e legítima a capitalização mensal dos juros. A esse respeito, reporto-me a precedentes do STJ e do TRF - 5ª Região: "A previsão no contrato bancário de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada." (STJ, Súmula 541, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 10/06/2015, DJe 15/06/2015). "É permitida a capitalização de juros com periodicidade inferior a um ano em contratos celebrados após 31.3.2000, data da publicação da Medida Provisória n. 1.963-17/2000 (em vigor como MP 2.170-36/2001), desde que expressamente pactuada.' 'A capitalização dos juros em periodicidade inferior à anual deve vir pactuada de forma expressa e clara. A previsão no contrato bancário de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada'." (STJ, REsp 973.827/RS, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, Rel. p/ Acórdão Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 08/08/2012, DJe 24/09/2012). Da possibilidade de cumulação da Comissão de Permanência com a taxa de rentabilidade No que diz respeito à aplicação de taxa de rentabilidade cumulada com a CDI e juros remuneratórios, observo que há, na cláusula oitava do contrato nº. 13.0733.555.0000001-2, previsão expressa quanto à composição da Comissão de Permanência, compondo-a pelo CDI - Certificado de Depósito Financeiro, acrescida de taxa de rentabilidade. Sobre o tema, entendo que a taxa de variação do CDI destina-se à capitalização dos recursos negociados entre as instituições bancárias, com natureza remuneratória, de modo que a sua aplicação cumulativamente com a taxa de rentabilidade ou de juros remuneratórios, que também se destinam à remuneração de capital, encontra vedação na Súmula 296 do STJ ("Os juros remuneratórios, não cumuláveis com a comissão de permanência, são devidos no período de inadimplência, à taxa média de mercado estipulada pelo Banco Central do Brasil, limitada ao percentual contratado). A esse propósito, refiro-me aos elucidativos precedentes da Quarta Turma do STJ e Quinta Turma do TRF - 1 Região: "AGRAVO REGIMENTAL. AÇÃO MONITÓRIA. APRESENTAÇÃO PELA AUTORA DO CÁLCULO DISCRIMINADO DO DÉBITO ADEQUADO AOS PADRÕES LEGAIS. COMISSÃO DE PERMANÊNCIA ADMITIDA, SEM CUMULAÇÃO, TODAVIA, COM A CORREÇÃO MONETÁRIA E A "TAXA DE RENTABILIDADE". - Exigência da chamada taxa de rentabilidade, presente na comissão de permanência, cuja exata qualificação jurídica está a depender da análise de estipulação contratual (Súmula n. 5-STJ). - Admitida pela agravante que a taxa de rentabilidade" é um dos elementos da comissão de permanência, resta claro ser indevida a cobrança cumulativa das duas parcelas. - Consoante assentou a Segunda Seção, a comissão de permanência abrange, além dos juros remuneratórios e da correção monetária, a multa e os juros de mora (AgRg no REsp n. 706.368-RS e 712.801-RS. Agravo regimental improvido, com imposição de multa." (STJ - AgRg no REsp: 491437 PR 2002/0172248-9, Relator: Ministro BARROS MONTEIRO, Data de Julgamento: 03/05/2005, T4 - QUARTA TURMA, Data de Publicação: DJ 13.06.2005 p. 310) "PROCESSUAL CIVIL E CIVIL. AÇÃO MONITÓRIA. EMBARGOS. CONTRATO DE FINANCIAMENTO PESSOA JURÍDICA. COMISSÃO DE PERMANÊNCIA CALCULADA COM BASE NA TAXA DE CDI. IMPOSSIBILIDADE DE CUMULAÇÃO COM TAXA DE RENTABILIDADE, JUROS MORATÓRIOS, JUROS REMUNERATÓRIOS E MULTA. CAPITALIZAÇÃO DA COMISSÃO DE PERMANÊNCIA. LEGITIMIDADE. 1. É legítima a comissão de permanência calculada com base na taxa de CDI. 2. A comissão de permanência calculada com base na taxa de CDI não pode ser cumulada com taxa de rentabilidade flutuante, juros remuneratórios, juros moratórios e correção monetária. 3. É legítima a capitalização mensal da comissão de permanência. 4. Apelação parcialmente provida." (TRF-1 - AC: 3876320084013300 , Relator: JUIZ FEDERAL MÁRCIO BARBOSA MAIA (CONV.), Data de Julgamento: 01/10/2014, QUINTA TURMA, Data de Publicação: 09/10/2014) Portanto, foi determinado o afastamento da cumulação da taxa de CDI com a taxa de rentabilidade para formação da Comissão de Permanência, bem como a incidência de juros moratórios e remuneratórios sobre o valor exequendo. Da cobrança da TARC e da CCG Quanto à ilegalidade da Taxa de Abertura e Renovação de Crédito, o já solidificado entendimento jurisprudencial só admite sua cobrança nos contratos firmados até 30.04.2008, data de revogação da Resolução CMN nº. 2.303/1996 (STJ, Quarta Turma - AgRg no REsp nº. 606.541/RS: "para os contratos celebrados até 30.4.2008, data da revogação da Resolução CMN 2.303/1996, é válida a cláusula que estipulou a taxa de abertura de crédito". No caso, a Cédula de Crédito Bancário nº. 13.0733.555.0000001-2, objeto da presente demanda, foi assinada pelas partes em 12.11.2009, ou seja, em data posterior à revogação da referida resolução, de tal forma que a TARC não pode ser comprada pela empresa embargada. De forma idêntica, é nula a cláusula sexta da Cédula de Crédito Bancário nº. 13.0733.555.0000001-2, que prevê a cobrança de comissão de concessão de garantia ao Fundo de Garantia de Operações, na medida em que atribui ao mutuário a obrigação acessória de arcar com os custos do seu prêmio. A esse propósito, refiro-me ao elucidativo precedente firmado pelo TRF - 4ª Região: "CONTRATOS BANCÁRIOS. COMISSÃO DE PERMANÊNCIA. TARIFAS BANCÁRIAS (TAC). COMISSÃO DE CONCESSÃO DE GARANTIA. SUCUMBÊNCIA. 1. Desde que pactuada, é válida a cobrança da comissão de permanência após o vencimento da dívida, à taxa média de mercado, desde que não cumulada com outros encargos moratórios, remuneratórios ou correção monetária e desde que não supere a soma dos seguintes encargos: taxa de juros remuneratórios pactuada para a vigência do contrato; juros de mora; e multa contratual. 2. O Superior Tribunal de Justiça, em sede de repercussão geral, no julgamento do REsp 1.251.331/RS, consolidou entendimento no sentido de que a tarifa de abertura de crédito (TAC) e a tarifa de emissão de carnê (TEC) não possuem mais supedâneo legal para contratos firmados com pessoas físicas após 30/04/2008, com o início da vigência da Resolução CMN 3.518/2007, o que não é o caso dos autos. 3. É nula de pleno direito a cláusula contratual que prevê o pagamento de comissão de concessão de garantia ao FGO, na medida em que atribui ao mutuário a obrigação acessória de arcar com os custos do seu prêmio. 4. Em sendo recíproca a sucumbência, os honorários advocatícios devem ser suportados pelas partes em idêntica proporção e integralmente compensados, nos moldes do art. 21, caput, do CPC, tendo em vista o julgamento de parcial procedência da demanda." (TRF-4 - AC: 50548372920144047000 PR 5054837-29.2014.404.7000, Relator: MARGA INGE BARTH TESSLER, Data de Julgamento: 09/12/2015, TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: D.E. 10/12/2015). Da previsão contratual da aplicação de multa e arbitramento de honorários advocatícios A despeito dos embargantes alegarem ser abusiva a cláusula que estima a cobrança de honorários advocatícios, observo que sua previsão é legal, desde que cobrada diretamente pela instituição financeira, não podendo o pagamento ser exigido na via judicial, uma vez que representaria um bis in idem, posto que já incidem, no processo, os honorários sucumbenciais. Nesse sentido, transcrevo o entendimento firmado pelo TRF - 5ª Região: "PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO MONITÓRIA. CITAÇÃO POR EDITAL. NULIDADE. INOCORRÊNCIA. CITAÇÕES ANTERIORES POR OFICIAL DE JUSTIÇA FRUSTRADAS. PERÍCIA CONTÁBIL. DESNECESSIDADE. FORMALISMO MODERADO. JUROS. REVISÃO. ADMISSIBILIDADE EM SITUAÇÕES EXCEPCIONAIS. ABUSIVIDADE EM RELAÇÃO À MÉDIA DO MERCADO. CAPITALIZAÇÃO MENSAL. ADMISSIBILIDADE. [...] 10. A cláusula 27ª do contrato reza que em caso de inadimplência haverá a incidência de honorários advocatícios de até 20% do valor da causa. 11. No que concerne à cobrança de honorários previstos em contrato bancário, objeto também de agravo retido, tal cobrança apenas seria regular em caso de cobrança direta do débito pela instituição financeira, contudo, a cobrança destes valores nestes autos gera um bis in idem, haja vista a incidência dos honorários sucumbenciais. 12. Apelação parcialmente provida." (TRF-5 - AC: 80761020114058000, Relator: Desembargador Federal Emiliano Zapata Leitão, Data de Julgamento: 11/02/2014, Quarta Turma, Data de Publicação: 13/02/2014). Todavia, ao analisar a conta elaborada pela exequente, não contemplei qualquer valor cobrado a título de honorários advocatícios, razão pela qual não se torna abusiva a referida cláusula. Quanto à multa, entendo que a mesma já foi afastada ao tratar da Comissão de Permanência, uma vez que indevida sua cumulação com demais encargos. Assim sendo, é desnecessária nova manifestação sobre a matéria. Da desconsideração da mora Entende a jurisprudência ser passível de descaracterização a mora quando fundamentada em cobrança cujos encargos decorrem de cláusulas abusivas. Nesse sentido, há definição do STJ: "AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. CONTRATO BANCÁRIO. AÇÃO REVISIONAL. CLÁUSULAS ABUSIVAS. MORA. AFASTAMENTO. CADASTROS NEGATIVOS. INSCRIÇÃO. VEDAÇÃO. 1. Consoante entendimento pacificado da Segunda Seção (EREsp 163.884/RS), a cobrança de encargos indevidos, no período da normalidade, importa na descaracterização da mora e, por conseqüência, na vedação da inscrição em cadastros de proteção ao crédito. 3. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO." (STJ - AgRg no REsp: 932467 RS 2007/0048273-0, Relator: Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, Data de Julgamento: 08/02/2011, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJe 11/02/2011). A esse fato, soma-se a impossibilidade de cumulação da Comissão de Permanência com demais encargos, afastando, portanto, eventual cobrança decorrente da mora. Assim, com base em decisão que determinou a adoção dos critérios acima expostos, os autos seguiram para a Contadoria que, por sua vez, chegou aos cálculos das fls. 137/138, encontrando o valor de R$ 47.675,94. Portanto, é esse o valor efetivamente devido, porquanto em consonância com o julgado e considerando que as perícias contábeis realizadas pela Seção de Cálculos, órgão auxiliar do juiz e sem qualquer interesse na lide, gozam de presunção de veracidade e de legitimidade, razão pela qual merecem inteira acolhida. Nesse sentido, transcrevo o elucidativo acórdão proferido pelo TRF-5ª Região: "PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DECISÃO FUNDADA EM INFORMAÇÕES DA CONTADORIA JUDICIAL. FÉ PÚBLICA. PRESUNÇÃO JURIS TANTUM DOS CÁLCULOS DA CONTADORIA DO JUÍZO. 1. Caso em que o Magistrado "a quo" julgou procedentes, em parte, os Embargos, determinando como valor a ser executado o montante apurado nos cálculos da Contadoria Judicial. 2. Os cálculos elaborados pela Contadoria, órgão de auxílio do Juízo e sem qualquer interesse na lide, usufruem da presunção de veracidade e de legitimidade, devendo prevalecer, até prova em contrário. 3. Havendo divergência entre os valores apresentados pelo Contador do Juízo e aqueles encontrados pela Embargante e pelo Embargado, deve ser observado o entendimento de que as Informações da Contadoria Judicial merecem total credibilidade, ou seja, gozam de fé pública, até que se prove em contrário sentido. Precedentes. Apelação improvida." (TRF-5 - AC: 428933 SE 0001106-22.2006.4.05.8500, Relator: Desembargador Federal Geraldo Apoliano, Data de Julgamento: 03/12/2009, Terceira Turma, Data de Publicação: Fonte: Diário da Justiça Eletrônico - Data: 15/12/2009 - Página: 180 - Ano: 2009) III. DISPOSITIVO Diante do exposto, rejeito todas as preliminares arguidas e JULGO PROCEDENTES EM PARTE os presentes embargos, extinguindo o processo com resolução do mérito (art. 487, I, do CPC/2015), pelo que determino que a execução prossiga tomando como base o valor apresentado pela Seção de Cálculos, correspondente a R$ 47.675,94. Defiro o pedido de gratuidade de justiça. De acordo com o §2º do art. 85 do CPC/2015, os honorários serão fixados sobre o valor da condenação, do proveito econômico obtido ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa. Sucumbência mínima da CEF. Assim, considerando os critérios dos incisos do art. 85, §8º, especialmente a simplicidade da presente demanda, condeno os embargantes, sucumbentes em maior parte, a pagar honorários advocatícios, que arbitro no valor de R$ 1.000,00. Condenação suspensa, em razão da gratuidade. Custas isentas, por expressa previsão legal (art. 7º, da Lei 9.289/96). Transitada em julgado esta sentença, traslade-se cópia dela e das peças essenciais para os autos da execução de título extrajudicial. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa/PB, data da validação no sistema. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs 12 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0002244-46.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X ESPOLIO DE PEROMNIA CRUZ D'ALBUQUERQUE ALMEIDA, REPR. POR, ALEXANDRE AUGUSTO D'ALBUQUERQUE ALMEIDA E MARIA AMÉLIA D'ALBUQUERQUE ALMEIDA (Adv. FLAVIANO JORGE DE SOUSA)

ATO ORDINATÓRIO (Art. 203 do CPC/2015 e art. 87 do Provimento CR-TRF5 01/2009) Vista à CEF sobre a certidão de fl. 284, pelo prazo de 15 dias (art. 87, item 6 do Provimento CR-TRF5 01/2009). João Pessoa, 28/09/2018 Fábio Lacerda de Castro Martins Técnico Judiciário

   

0002536-60.2011.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X SEVERINO DE MEDEIROS LIMA (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo: 0002536-60.2011.4.05.8200 Classe: 98 - EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL Autuado em 26/04/2011 - Consulta Realizada em: 26/09/2018 às 09:46 EXEQUENTE: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES EXECUTADO: SEVERINO DE MEDEIROS LIMA ADVOGADO : SEM ADVOGADO 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular SENTENÇA Cuida-se de ação de execução de título executivo extrajudicial movida pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL em face de Severino de Medeiros Lima. Petição da exequente, declarando a desistência da execução ante o esgotamento das diligências acessíveis e úteis ao cumprimento da obrigação, requerendo a extinção do feito sem resolução do mérito e a retirada de todas as constrições porventura determinadas neste feito (fl. 138). É o relatório. Decido. O art. 775 do CPC/2015 dispõe que: "Art. 775. O exequente tem o direito de desistir de toda a execução ou de apenas alguma medida executiva. Parágrafo único. Na desistência da execução, observar-se-á o seguinte: I - serão extintos a impugnação e os embargos que versarem apenas sobre questões processuais, pagando o exequente as custas processuais e os honorários advocatícios; II - nos demais casos, a extinção dependerá da concordância do impugnante ou do embargante.". Em face do princípio da disponibilidade da execução, consagrado no art. 775, caput, do CPC/2015, é dispensada a concordância do executado para que tal desistência gere efeitos jurídicos. Assim sendo, homologo a desistência da ação requerida pela parte exequente e declaro extinto o processo sem resolução do mérito, nos termos do art. 775 c/c art. 485, inciso VII, do CPC/2015. Determino a imediata retirada de todas as constrições judiciais existentes sobre bens do executado em decorrência desta demanda. Custas iniciais já adiantadas pela exequente (fl. 40). Sem verba honorária, porquanto, apesar de citado (fl. 80v), a parte não se manifestou. Intime(m)-se. Decorrido o prazo sem interposição de recurso, certifique-se, dê-se baixa e arquivem-se os autos, com as cautelas legais. João Pessoa, 28 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ERVS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000352-73.2007.4.05.8200 ALYETTE MARQUES CAVALVANTI DE ARAÚJO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, AUGUSTO CARLOS BEZERRA DE ARAGÃO FILHO, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS) x ALYETTE MARQUES CAVALVANTI DE ARAÚJO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE) X UNIAO FEDERAL (DELEGACIA REGIONAL DO MINISTERIO DAS COMUNICAÇÕES - DMC) (Adv. CATARINA SAMPAIO) x UNIÃO FEDERAL (MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES) (Adv. CATARINA SAMPAIO)

Processo baixado em 15/08/2017. Peticionou os advogados da parte exequente requerendo a expedição de novas RPV's, em favor de MARIA DO CARMO ALVES DA SILVA (fls. 1.043/1.050), sucessora habilitada da autora falecida SEVERINA SOARES DA SILVA e em favor de NOEMIA FERREIRA DE SOUZA ((fl. 1.051/1.055), haja vista a devolução dos valores do requisitório, conforme o comando da Lei n. 13.463/17 que em seu art. 2º reza: "Ficam cancelados os precatório e as RPV federais expedidos e cujos valores não tenham sido levantados pelo credor e estejam depositados há mais de dois anos em instituição financeira oficial", como também, dispõe, em seu art. 3º, que: "Cancelado o precatório ou a RPV, poderá ser expedido novo ofício requisitório, a requerimento do credor". Diante disso, desarquivem-se os autos. Reative-se a distribuição. Em seguida, expeça-se novo requisitório de pagamento do valor determinado no julgado, nos termos do art. 3º, parágrafo único, da Lei n. 13.463/2017, em favor de MARIA DO CARMO ALVES DA SILVA, na proporção de 1/7 do valor constante em favor da falecida SEVERINA SOARES DA SILVA, tendo em vista a existência de outros sucessores habilitados nos autos (fls. 1.028/1.032), e em favor de NOEMIA FERREIRA DE SOUZA. Quanto ao pedido de destaque de honorários contratuais, indefiro o pedido, uma vez que na expedição da requisição de pagamento anterior, já foi feito o devido destaque dos honorários. Ato contínuo, intimem-se as partes acerca do inteiro teor da requisição de pagamento expedida (Resolução CJF nº 405/2016), para manifestação no prazo improrrogável de 05 dias. Sem manifestação, remeta-se a requisição de pagamento ao TRF da 5ª Região. Ciente a parte credora de que deverá acompanhar o depósito do pagamento pelo sistema eletrônico do TRF da 5ª Região. Após o depósito, nada sendo requerido pelas partes, em 10 dias, dá-se por satisfeita a obrigação, cabendo à secretaria arquivar o processo com baixa independentemente de novas intimações.

   

0000370-94.2007.4.05.8200 MARIA DO NAZARE DOS SANTOS PATRÍCIO, REP. P/ ESDRAS VIEIRA DE BRITO E OUTROS (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS) x MARIA SELMA DE OLIVEIRA E OUTRO (Adv. GABRIEL COSTA FRAGOSO DE ALBUQUERQUE) x REJANE FERREIRA DE OLIVEIRA, REP. P/ MARIA DO SOCORRO FERREIRA DE OLIVEIRA X UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) (Adv. SEM PROCURADOR)

Indefiro o pedido de destaque de honorários contratuais requerido à fl. 1.186, uma vez que na expedição da requisição de pagamento anterior, já foi feito o devido destaque dos honorários. Cumpra-se o despacho de fl. 1.183.

   

0000370-94.2007.4.05.8200 MARIA DO NAZARE DOS SANTOS PATRÍCIO, REP. P/ ESDRAS VIEIRA DE BRITO E OUTROS (Adv. EDVAN CARNEIRO DA SILVA, JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, FELIPE SARMENTO CORDEIRO, GIOVANNA PAIVA PINHEIRO DE ALBUQUERQUE BEZERRA, YANE CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSÉ RAMOS DA SILVA E EDVAN CARNEIRO DA SILVA ADVOGADOS ASSOCIADOS, F. SARMENTO ADVOGADOS ASSOCIADOS) x MARIA SELMA DE OLIVEIRA E OUTRO (Adv. GABRIEL COSTA FRAGOSO DE ALBUQUERQUE) x REJANE FERREIRA DE OLIVEIRA, REP. P/ MARIA DO SOCORRO FERREIRA DE OLIVEIRA X UNIAO (MINISTERIO DAS COMUNICACOES) (Adv. SEM PROCURADOR)

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA n. 0000370-94.2007.4.05.8200 CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 2ª Vara. João Pessoa, segunda-feira, 16 de abril de 2018. José Valter Augusto de Lima Técnico judiciário DESPACHO Processo baixado em 26/05/2017. Peticionou o advogado da parte autora requerendo a expedição de nova RPV, em favor de MARIA SELMA DE OLIVEIRA e MARIA DO SOCORRO FERREIRA DE OLIVEIRA, haja vista o comando da Lei n. 13.463/17 que em seu art. 2º reza que: "Ficam cancelados os precatório e as RPV federais expedidos e cujos valores não tenham sido levantados pelo credor e estejam depositados há mais de dois anos em instituição financeira oficial", como também, dispõe em seu art. 3º que: "Cancelado o precatório ou a RPV, poderá ser expedido novo ofício requisitório, a requerimento do credor". MARIA SELMA DE OLIVEIRA e MARIA DO SOCORRO FERREIRA DE OLIVEIRA são sucessoras de REJANE FERREIRA DE OLIVEIRA, na qualidade de irmãs, foram habilitadas às fls. 1.101/1.103. Diante disso, desarquive-se o processo. Reative-se a distribuição. Após, requisite-se novo requisitório de pagamento do valor determinado no julgado, nos termos do art. 3º, parágrafo único, da Lei n. 13.463/2017, em favor de MARIA SELMA DE OLIVEIRA e MARIA DO SOCORRO FERREIRA DE OLIVEIRA. Em seguida, intimem-se as partes acerca do inteiro teor da requisição de pagamento expedida (Resolução CJF nº 405/2016), para manifestação no prazo improrrogável de 05 dias. Sem manifestação, remeta-se a requisição de pagamento ao TRF da 5ª Região. Ciente a parte credora de que deverá acompanhar o depósito do pagamento pelo sistema eletrônico do TRF da 5ª Região. , Após o depósito, nada sendo requerido pelas partes, em 10 dias, dá-se por satisfeita a obrigação, cabendo à secretaria arquivar o processo com baixa independentemente de novas intimações. João Pessoa, 16.04.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA 2ª VARA

   

0005725-08.1995.4.05.8200 CLARICE LUCENA DE CARVALHO E OUTROS (Adv. IVANA LUDMILLA VILLAR MAIA, KARINA PALOVA VILLAR MAIA, JOAO FERREIRA SOBRINHO) X UNIÃO (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

PROCESSO Nº 0005725-08.1995.4.05.8200 EXEQUENTE: CLARICE LUCENA DE CARVALHO E OUTROS EXECUTADA: UNIÃO DECISÃO Este Juízo proferiu decisão às fls. 1.446/1.451, em que rejeitou a impugnação apresentada pela União e deferiu, em parte, o pedido formulado pelo advogado João Ferreira Sobrinho, para que seja expedido ofício ao Banco do Brasil, liberando-se os valores depositados em sem nome, através das RPVs expedidas no curso do presente processo. Com vista dos autos, os exequentes afirmaram que (fls. 1.453/1.456): - a despeito de rejeitar a impugnação da União, este Juízo não determinou o desbloqueio das RPV's expedidas em favor dos exequentes e de suas atuais advogadas, só o tendo feito em benefício de João Ferreira Sobrinho; - o Sr. João Ferreira Sobrinho requereu o destaque de honorários contratuais, mas não apresentou o correspondente contrato firmado com os exequentes, e não há autorização nos instrumentos contratuais e procuratórios presentes nos autos. Com tais argumentos, os exequentes requereram: - a liberação das RPV's dos exequentes, depositados dede agosto/2018, expedindo-se ofício ao Banco do Brasil para o desbloqueio total dos seus créditos e de suas atuais advogadas; - o indeferimento do pedido formulado por João Ferreira Sobrinho, à inexistência de autorização dos exequentes. Relatados no essencial, fundamento e decido. Sobre o pedido de destaque de honorários contratuais formulado por João Ferreira Sobrinho Em certidão exarada à fl. 1.103, a Secretaria deste Juízo consignou: "Certifico que deixamos de dar prosseguimento ao despacho de fls. 1096/1102, com relação à expedição de requisitórios de pagamento, tendo em vista as procurações e contratos, pendentes de apreciação, conforme discriminado abaixo: 1 - Procurações às fls. 09/25 outorgando poderes para João Ferreira Sobrinho, com destaque de honorários de 10% (dez por cento), com exceção de Clarisse Lucena de Carvalho, fls. 09, Gildo Saraiva Silveira, fls. 16, Paulo Roberto de Vasconcelos, fls. 21, e Tereza Cristina Brandão Ataíde, fls. 24. (...)". Nos moldes do disposto no art. 19 da Resolução 405, de 09/06/2016, do CJF, a juntada aos autos, pelo advogado, do contrato de honorários firmado com o seu constituinte, antes da elaboração do requisitório de pagamento, é condição essencial ao destaque do montante da condenação do valor que lhe couber, a título de honorários contratuais. Portanto, inexistindo nos autos instrumento contratual ou procuratório firmado com os exequentes Clarisse Lucena de Carvalho, Gildo Saraiva Silveira, Paulo Roberto de Vasconcelos e Tereza Cristina Brandão Ataíde, autorizando o destaque dos honorários contratuais em favor de João Ferreira Sobrinho, não há como deferir-se o pedido de destaque de tal verba honorária formulado na petição de fl. 1.415. Quanto ao pedido de desbloqueio das RPV's dos exequentes e de suas advogadas Às fls. 1.453/1.456, os exequentes requereram a liberação das RPV's expedidas em favor dos exequentes e de suas atuais advogadas, expedindo-se ofício ao Banco do Brasil para o desbloqueio total dos créditos. Com efeito, estando os valores dos requisitórios de pequeno valor nºs. 2018.82.00.002.000499, 501, 502, 503, 506, 508, 509, 510 e 512 depositados em contas bancárias desde julho/2018, e já resolvidas questões anteriormente pendentes quanto aos destaques de honorários devidos, não há porque manter os aludidos requisitórios sob bloqueio. É o caso, portanto, de se determinar o desbloqueio dos créditos dos exequentes e de suas advogados, objeto dos RPV's acima mencionados, abatendo-se dos valores devidos aos exequentes, em cada um dos requisitórios, a quantia de R$ 238,75, que deverá ser mantida na conta de depósito para posterior conversão em renda da União. Ante o exposto: a) indefiro o pedido de destaque de honorários contratuais relativamente aos exequentes Clarisse Lucena de Carvalho, Gildo Saraiva Silveira, Paulo Roberto de Vasconcelos e Tereza Cristina Brandão Ataíde, formulado por João Ferreira Sobrinho formulado na petição de fl. 1.415; b) determino o desbloqueio das RPV's nºs. 2018.82.00.002.000499, 501, 502, 503, 506, 508, 509, 510 e 512, expedindo-se ofício ao Banco do Bransil S.A. para que adote as providência cabíveis no sentido da disponibilização aos exequentes dos valores que lhe são devidos, deduzindo-se de cada requisitório a quantia de R$ 238,75, que deverá permanecer na conta de depósito até a respectiva conversão em renda da União; c) intime-se a União para, no prazo de 10 (dez) dias, informar o número da conta e/ou código de recolhimento, a viabilizar a conversão em renda da União do valor remanescente dos aludidos requisitórios de pagamento. Após, aguarde-se o pagamento dos precatórios. João Pessoa, 17.09.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara AMP PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAÍBA 2ª VARA FEDERAL

   

0008152-79.2012.4.05.8200 SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR, POR SUA SEÇÃO SINDICAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - ADUFPB/SSIND E OUTROS (Adv. MUCIO SATIRO FILHO, PAULO GUEDES PEREIRA, FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE, SABRINA PEREIRA MENDES, CLOVIS SOUTO GUIMARÃES JUNIOR, JOSE MARIO PORTO JUNIOR, JOSE MARIO PORTO & MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS, GUEDES PEREIRA & DUARTE - ADVOGADOS ASSOCIADOS, ALINO & ROBERTO E ADVOGADOS, ALINO & ROBERTO E ADVOGADOS) X UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SANDRA REGINA BRAGA SOUTO)

ATO ORDINATÓRIO (Art. 203 do CPC/2015 e art. 87 do Provimento CR-TRF5 01/2009) Vista à parte exequente acerca da petição da UFPB de fls. 419/426, pelo prazo de 15 dias (art. 87, item 6 do Provimento CR-TRF5 01/2009). João Pessoa, 01/10/2018 Fábio Lacerda de Castro Martins Técnico Judiciário

   

EXECUÇÃO PROVISÓRIA DE SENTENÇA 

   

0007125-66.2009.4.05.8200 JOSE ERIBERTO MEIRA GOMES E OUTRO (Adv. ANTONIO FLAVIO TOSCANO MOURA, ANTONIO DE PADUA P. DE MELO JUNIOR) X CAIXA SEGUROS (Adv. EDILSON CARLOS A. GONDIM, ZELIA MARIA GUSMAO LEE) x COLUNAS CONSTRUCOES LTDA - ME (Adv. CLAUDIA DALLE FERREIRA DA COSTA)

PROCESSO: 0007125-66.2009.4.05.8200 (2009.82.00.007125-1) Classe: 207 - EXECUÇÃO PROVISÓRIA DE SENTENÇA EXEQUENTE: JOSE ERIBERTO MEIRA GOMES E OUTRO ADVOGADO : ANTONIO FLAVIO TOSCANO MOURA E OUTRO EXECUTADO: CAIXA SEGUROS E OUTRO ADVOGADO : EDILSON CARLOS A. GONDIM E OUTROS 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DECISÃO Cuida-se de Execução Provisória de Sentença movida por José Eriberto Meira Gomes e Eliane Lima de Sousa Gomes em face da Caixa Seguradora S/A e outro, objetivando a liberação dos valores depositados na conta judicial, a majoração do referido auxílio e o depósito das diferenças apontadas na planilha de fl. 717. Para tanto, alegaram que (fls. 714/716): - o despacho de fl. 700 determinou que a CAIXA SEGURADORA passasse a efetuar os pagamentos na conta indicada pelos autores, porém, a executada continua a realizar os depósitos na conta judicial; - existe uma desarmonia entre os valores depositados e os valores dos aluguéis pagos, restando saldo a pagar em favor dos exequentes no valor de R$ 11.090,00, referentes as diferenças dos aluguéis posteriores a 05/2014; e - atualmente estão arcando com um aluguel no valor de R$ 1.200,00 mensais (conforme contrato de fls. 719/720), enquanto os depósitos realizados pela executada correspondem ao montante de R$ 900,00 mensais. Vieram-me os autos conclusos. É breve o relatório. Fundamento e decido. Os exequentes alegam que a executada efetuou o depósito dos aluguéis em valores inferiores aos devidos, do que resultaria uma diferença de R$ 11.090,00. Contudo, observo que no despacho de fls. 552/553 se esclareceu que o valor devido pela executada a título de auxílio aluguel era de R$ 620,00 mensais, conforme definido na decisão de fls. 320/323. Tal montante foi mantido até a prolação da decisão de fls. 681/684 (26/10/2017), quando foi alterado para o valor de R$ 900,00 mensais, não se verificando nos autos qualquer outro ato decisório majorando o referido auxílio. Assim, até o momento em que a decisão de fls. 681/684 foi exarada, o valor do aluguel mensalmente devido pela executada era de R$ 620,00, não obstante os contratos de locação em valores superiores (fls. 574/585). Incabível, portanto, o depósito das diferenças apontadas na planilha de fl. 717, visto inexistir provas de descumprimento da obrigação judicial por parte da executada. Ademais, consoante se verifica no contrato de fls. 719/720, desde 02/2018 os exequentes passaram a residir no Edifício Estrela Brilhante, apartamento nº 08, pagando aluguel no valor de R$ 1.200,00 mensais, o que representa um aumento de 33,33% em relação ao valor do aluguel do imóvel que antes residiam. Compulsando os contratos anteriores (fls. 574/585), constato que o percentual de aumento da quantia de aluguel do imóvel anterior se deu da seguinte forma: - 2013: aumento de 7,15% (de R$ 700,00 para R$ 750,00); - 2014: aumento de 6,67% (de R$ 750,00 para R$ 800,00); - 2015: aumento de 6,2% (de R$ 800,00 para R$ 850,00); - 2016: não houve aumento; - 2017: aumento de 5,9% (de R$ 850,00 para R$ 900,00); Logo, o percentual médio de aumento no valor do aluguel efetivamente pago em imóvel comprovadamente compatível com o bem objeto da demanda foi de aproximadamente 5,2% ao ano. No caso, portanto, não é razoável um aumento de 33,33% (de R$ 900,00 para R$ 1.200,00) no valor do auxílio em imóvel diverso daquele que vinha sendo ocupado desde 2011, sem que esteja comprovada a compatibilidade do novo imóvel com o bem objeto da demanda e em percentual notadamente superior ao que vinha sendo adotado anteriormente. Veja que parte tem direito de, livremente, residir em imóvel de sua escolha, contudo, tal escolha precisa ser compatível com a condenação na presente demanda, sob pena de se desvirtuar o objetivo do auxílio. Assim, indevido o reajuste a que se pretende, pois não apresenta valores de correção condizentes com o que é usualmente observado no mercado imobiliário como forma de reajuste anual de alugueis. Entretanto, não se ignora o direito dos exequentes à majoração do auxílio, pois, conforme a decisão de fls. 681/684: "(...) se é certo que alugueis são reajustados anualmente, também é que o direito ao auxílio deve acompanhar o mesmo reajuste, do contrário, estar-se-ia negando o direito à moradia, obrigando-se a parte a mudar-se do imóvel sempre que os alugueis fossem alterados." Portanto, cabível a majoração do valor do auxílio aluguel no percentual médio verificado nos contratos do imóvel anterior. Outrossim, a executada foi intimada para que passe a efetuar os pagamentos na conta indicada pelos autores, todavia continua a realizar os depósitos na conta judicial. Advirto que o descumprimento imotivado da determinação jurisdicional pela executada pode constituir ato atentatório à dignidade da justiça, a ensejar a aplicação de multa de até 20% (vinte por cento) sobre o valor do débito em execução, a ser revertida em favor da exequente, nos moldes preconizados pelo art. 774, IV e parágrafo único, do CPC/2015. Ante o exposto: - defiro, em parte, o pedido de majoração do auxílio aluguel, para acrescer o percentual de 5,2% sobre o valor pago até então (R$ 900,00), resultando no novo valor de R$ 946,80, a ser creditado na conta do exequente; - indefiro o pedido de depósito das diferenças apontadas na planilha de fl. 717; e - defiro a liberação dos valores depositados na conta judicial, através da expedição de alvará em nome do exequente. Renove-se a intimação à CAIXA SEGURADORA para realizar os depósitos mensais dos valores dos aluguéis na conta poupança da CEF n° 0026.352-0, agência 0617, pertencente a José Eriberto Meira Gomes. Após o levantamento do Alvará, intime-se a parte exequente para se manifestar no prazo de 05 dias sobre a satisfação da obrigação. Nada sendo requerido, cumpra-se a parte final do despacho de fl. 700. Intimem-se. João Pessoa, 28 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ERVS

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001244-16.2006.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) X NOVILHO DISTRIBUIDORA LTDA E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

Compulsando os autos, verifico que a parte autora não foi intimada para promover a execução do julgado. Isto posto, em se tratando de condenação que depende apenas de cálculo aritmético para definição de seu valor, intime-se a CEF para, em 15 dias, apresentar o demonstrativo discriminado e atualizado do débito, na forma dos arts. 523 e 524 do CPC/2015, contendo: I - o nome completo e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do exequente; II - o índice de correção monetária adotado; III - os juros aplicados e as respectivas taxas; IV - o termo inicial e o termo final dos juros e da correção monetária utilizados; V - a periodicidade da capitalização dos juros, se for o caso; VI - a especificação dos eventuais descontos obrigatórios realizados; e VII - indicação dos bens passíveis de penhora. Deverá o credor comprovar o recolhimento das custas processuais de execução, calculadas sobre o valor da execução, nos moldes do art. 14, §3º, da Lei 9.289/1996 ("§ 3° Nas ações em que o valor estimado for inferior ao da liquidação, a parte não pode prosseguir na execução sem efetuar o pagamento da diferença de custas e contribuições, recalculadas de acordo com a importância a final apurada ou resultante da condenação definitiva."), ressalvadas as isenções legais. Decorrido o prazo sem manifestação do credor, dê-se baixa na autuação, facultado o desarquivamento enquanto não decorrido o prazo prescricional. Devidamente instruído o pedido de cumprimento da obrigação de pagar, intime-se o executado para, em 15 dias, pagar o débito (art. 523 do CPC/2015), sob pena de acréscimo de multa de 10% e de honorários advocatícios de execução, de 10% (art. 523, §1º do CPC/2015). A intimação para pagamento deverá ser dirigida ao advogado que representou o devedor na fase de conhecimento ou, se proposta a execução mais de 1 ano após o trânsito em julgado, pessoalmente ao executado (art. 513, § 4º, do CPC/2015). A mesma intimação deve informar o executado de que, após o prazo para pagamento, terá 15 dias para impugnar a execução (art. 525, caput e § 1º, do CPC/2015), hipótese em que deverá declarar o valor que entende devido, sob pena de não conhecimento da arguição de excesso de execução (art. 525, §§ 4º e 5º, do CPC/2015). Sem pagamento, adote a Secretaria a medida executiva prevista no art. 854 do CPC/2015, como determinado no art. 523, §3º. Caso haja pedido de efeito suspensivo na impugnação, venham os autos conclusos de imediato para sua apreciação. Havendo impugnação, intime-se o exequente para, em 15 dias, se manifestar. Após esse prazo, se discutidas questões de cálculo pelas partes, remetam-se os autos à contadoria, para pronunciamento sobre elas, no prazo de 30 (trinta) dias. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 (quinze) dias. Em seguida, venham os autos conclusos para decisão.

   

0001388-48.2010.4.05.8200 UNIÃO (Adv. ANTONIO INACIO PIMENTEL RODRIGUES DE LEMOS) X ADÉSIO SANTANA DOS SANTOS E OUTROS (Adv. ANTONIO MARCOS BARBOSA)

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA n. 0001388-48.2010.4.05.8200 CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 2ª Vara. João Pessoa, quarta-feira, 29 de agosto de 2018. José Valter Augusto de Lima Técnico judiciário DESPACHO Foi requerido bloqueio de valores por meio do Sistema BACENJUD, após a citação dos devedores, não tendo havido pagamento. DEFIRO o pedido de penhora eletrônica por meio do sistema BACENJUD. Se o montante bloqueado for inferior a R$ 100,00 (cem reais) e este valor representar menos de 10% (dez por cento) do valor da dívida, proceda-se ao seu imediato desbloqueio, tendo em vista sua inutilidade para o credor, que deve ser intimado para requerer, em 15 dias, o que entender de direito a fim de dar prosseguimento à execução. Se frutífero o bloqueio, intime-se o executado para manifestação, em 05 dias (art. 854, §3º, do CPC/2015). Fica facultado ao próprio executado, em caso de impenhorabilidade do montante bloqueado - salário ou proventos do mês do bloqueio ou depósito em conta-poupança com saldo de até 40 salários-mínimos - ou de excesso do bloqueio, apresentar, no prazo do parágrafo anterior, documentação comprobatória do fato diretamente à Direção de Secretaria deste juízo. Nessa hipótese, concluam-se os autos para decisão sobre o desbloqueio. , Nada sendo requerido pelo executado, converta-se a indisponibilidade em penhora (art. 854, §5º, do CPC/2015), transferindo-se o montante para conta judicial e, se já decorrido ou tão-logo venha a decorrer em branco o prazo para oposição de embargos à execução (art. 915 do CPC/2015), libere-se o montante em favor do exequente, mediante a expedição de alvará, a título de pagamento, ainda que parcial, intimando-se ambas as partes do ato, o exequente inclusive para, em 15 dias, requerer o que entender de direito quanto ao prosseguimento da execução. Se infrutífero o bloqueio, venham os autos conclusos para apreciação dos demais pedidos de fl. 407. João Pessoa, 10.09.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA 2ª VARA

   

0001756-28.2008.4.05.8200 SUELY DE FATIMA LEMOS DA ROCHA DANTAS (Adv. WELLINGTON DANTAS DA SILVA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE)

PROCESSO: 0001756-28.2008.4.05.8200 (2008.82.00.001756-2) Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Autuado em 03/04/2008 - Consulta Realizada em: 20/09/2018 às 09:55 EXEQUENTE: SUELY DE FATIMA LEMOS DA ROCHA DANTAS ADVOGADO : WELLINGTON DANTAS DA SILVA EXECUTADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : LEILA REGINA DE BRITO ANDRADE 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DECISÃO Cuida-se de cumprimento de sentença em ação ordinária movida por Suely de Fátima Lemos da Rocha Dantas em face da Caixa Econômica Federal - CEF, visando o recebimento de diferenças de expurgos inflacionários creditados a menor em saldo de caderneta de poupança, conforme o julgado exequendo. Intimada, a autora requereu nas fls. 229/233 a liquidação por arbitramento do crédito devido, sugerindo, como parâmetro, a utilização dos dados da série histórica dos depósitos de poupança disponibilizados pelo Banco Central, ou a utilização dos elementos possíveis de identificação junto aos extratos fornecidos pela ré. Para tanto, alegou que: - obteve êxito na ação de exibição de documentos nº 0010547-20.2007.4.05.8200 na qual, entretanto, restou não cumprida a obrigação de fazer em virtude de impossibilidade material da CEF para a juntada dos extratos bancários do período indicado; - a exequente não pode ficar sem a efetiva prestação jurisdicional em virtude da inviabilidade de que o cumprimento de sentença siga o rito previsto nos arts. 523 e 524 do CPC; - a sentença proferida em primeira instância não estabeleceu o critério para liquidação da sentença, devendo esta, pois, ser determinada por arbitramento, segundo previsto nos arts. 509 e 510, do CPC. Por seu turno, a CEF repisou a impossibilidade de apresentar os extratos da conta poupança da exequente, alegando que, em casos análogos, os juízos têm utilizado como parâmetros para arbitrar o saldo hipotético a Nota Técnica n° 001/2007 (fls. 256/257), elaborada pela Contadoria dos Juizados Especiais Federais Cíveis de Pernambuco (fls. 254/255). Requereu, portanto, que a liquidação da sentença ocorra por arbitramento, nos termos da nota técnica de fls. 256/257, estipulando como saldo das contas sem extrato nos autos o valor de 05 salários mínimos. É o relatório. Fundamento e decido. Claro está que o título judicial exequendo é ilíquido, pois não estabelece o valor da obrigação de pagar, dependendo o cálculo da apuração do saldo existente na conta poupança no período em que se pretende a incidência dos expurgos devidos. Por outro lado, observo a impossibilidade material da executada para a juntada dos extratos bancários do período indicado (conforme cópia do processo n° 0010547-20.2007.4.05.8200 nas fls. 234/251). Tendo em vista a concordância das partes e a necessidade de prosseguimento da execução por algum critério razoável, evitando-se o prolongamento indefinido do processo, acolho a Nota Técnica nº 001/2007, elaborada pela Contadoria dos Juizados Especiais Federais de Pernambuco, e considero, por presunção, que nas contas sem extrato, existia o equivalente a 05 salários mínimos, visto que tal valor não é irrisório e nem exorbitante, considera como base os extratos das contas já apresentadas e se mostra razoável como indicativo da realidade brasileira. Nessa linha de entendimento, tem-se a presunção relativa de que a conta da autora possuía saldo, já que a CEF não cumpriu, na íntegra, o comando judicial de exibição, o que tampouco a desobriga de responder pela falta. Diante do exposto, remetam-se os autos à Contadoria Judicial, para que, no prazo de 30 dias, elabore informação contendo o cálculo dos valores devidos ao exequente, com base nos parâmetros fixados nesta decisão, em relação aos expurgos inflacionários indicados no título judicial exequendo. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 dias. Em seguida, venham os autos conclusos. João Pessoa, 21 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ERVS

   

0001868-41.2001.4.05.8200 HERONIDES ANISIO DA CRUZ E OUTROS (Adv. GERALDO DE MARGELA MADRUGA, JOSE LUIS DE SALES, PEDRO AURELIO MENDES BRITO, ALYRIO BATISTA DE SOUZA SEGUNDO, HELIO TEODULO GOUVEIA) x ISMAEL CARNEIRO DA SILVA E OUTROS (Adv. HELENO LUIZ DA SILVA) x ERNANDI CORDEIRO DA SILVA X VRC - V. RIBEIRO CONSTRUTORA LTDA (Adv. JOCELIO JAIRO VIEIRA) x UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x VALDETE RIBEIRO E OUTROS

(...) Desse modo, considerando que, em princípio, não há valores a serem recebidos pela executada nas ações que tramitam na Justiça Estadual, mas sim imóveis de titularidade da VRC que poderão servir à satisfação da execução, visando prevenir a realização de atos inúteis para o processo, concedo aos exequentes o prazo comum de 15 (quinze) dias para: a) se certificarem, junto aos processos que tramitam (ou tramitaram) perante a 2ª e 4ª Vara de Bayeux-PB, se há ou não crédito a ser recebido pela executada, requerendo o que entender de direito em relação aos créditos/bens imóveis eventualmente existentes em nome da empresa executada; b) apresentarem certidão do cartório de registro de imóveis competente informando a titularidade dos imóveis a que se referem os processos nº 0001270-34.2009.8150751, 0001272-04.2009.815.0751 e 0004610-83.2009.815.0751 e 0004616-90.2009.815.0751, em cujos autos houve averbação de penhora, ou em que essa constrição deixou de ser feita por ter havido a devolução do imóvel ao proprietário antes do bloqueio judicial, para fins de registro da penhora no cartório competente (§1º, art. 791, do CPC/2015). Caberá aos exequentes, nessa oportunidade, informar o juízo, expressamente, do seu interesse na manutenção dessas penhoras ou requerer sua substituição por outra medida que entendam pertinente à efetividade da execução; c) informem se têm interesse na manutenção do bloqueio judicial sobre o veículo identificado às fls. 992; d) intime-se o patrono de HERONIDES ANÍZIO DA CRUZ para que se certifique do óbito de seu constituinte, noticiado às fls. 1.222 e, se for o caso, promova a habilitação de seus sucessores, na forma da lei civil, no prazo acima assinalado. Determino à Secretaria que, desde logo, corrija a autuação do processo, que se encontra cadastrado como "Execução contra a Fazenda Pública", quando se trata de "Cumprimento de Sentença" contra particular.

   

0001926-29.2010.4.05.8200 AUCELIO MELO DE GUSMAO (Adv. MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO 0001926-29.2010.4.05.8200 Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Autuado em 15/03/2010 - Consulta Realizada em: 14/09/2018 às 12:13 EXEQUENTE: AUCELIO MELO DE GUSMAO ADVOGADO : MARCUS VINICIUS SILVA MAGALHÃES EXECUTADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : SEM ADVOGADO 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO Tendo em vista a necessidade de prosseguimento da execução por algum critério razoável, considerando-se o parecer da Contadoria de fls. 314/316, informando que para constatar a aplicação do índice de 84,32% nas contas do exequente seria necessário extrato que demonstrasse a correção monetária aplicada em abril de 1990, o que não foi possível diante da ausência de extratos, remetam-se os autos a Contadoria para que elabore as contas, tomando-se em consideração a sugestão apresentada pela CEF nas fls. 325/325v. Para as contas sem extrato, acolho a Nota Técnica nº 001/2007, elaborada pela Contadoria dos Juizados Especiais Federais de Pernambuco e considero, por presunção, que existia o equivalente a 05 salários mínimos, visto que tal valor não é irrisório e nem exorbitante, mostrando-se razoável como indicativo da realidade brasileira. Diante do exposto, remetam-se os autos à Contadoria Judicial, para que, no prazo de 30 (trinta) dias, apresente nova planilha, com base em tais parâmetros. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 dias. Em seguida, venham os autos conclusos. João Pessoa, 17 de setembro de 2018. [DOCUMENTO ASSINADO ELETRONICAMENTE] BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs

   

0003066-30.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) X GRAZIELA SOARES DE LUCENA E OUTRO (Adv. MARCUS RAMON ARAÚJO DE LIMA)

PROCESSO 003066-30.2012.4.05.8200 Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Localização Atual: 2 a. VARA FEDERAL Autuado em 13/04/2012 - Consulta Realizada em: 18/09/2018 às 10:46 EXEQUENTE: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO EXECUTADO: GRAZIELA SOARES DE LUCENA E OUTRO ADVOGADO : MARCUS RAMON ARAÚJO DE LIMA 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO Indefiro o pedido de penhora de 30% do salário da executada (fl. 310), pelos mesmos fundamentos de decisão anterior que determinou o desbloqueio da conta (fls. 247/248). "Acerca da utilização do Infojud para localização de bens do devedor, a jurisprudência tem entendido que a mesma apenas é devida após o credor comprovar o esgotamento de todos os meios possíveis para localização dos referidos bens, sem obter sucesso (AI 00102586420114030000, DESEMBARGADOR FEDERAL NERY JUNIOR, TRF3 - TERCEIRA TURMA, TRF3 CJ1 DATA:13/12/2011 ..FONTE_REPUBLICACAO; e AG 200904000450641, CARLA EVELISE JUSTINO HENDGES, TRF4 - SEGUNDA TURMA, D.E. 10/02/2010). 3. O Superior Tribunal de Justiça pacificou o entendimento de que a requisição de informações sobre a declaração de bens e endereço do devedor à Receita Federal somente é admitida após esgotados pelo credor todos os meios para sua localização (STJ, AGA 200500504078, Relator Desembargador convocado Paulo Furtado, Terceira Turma, DJE DATA:23/10/2009; e AgRg no REsp 1041181/SP, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 27/05/2008, DJe 05/06/2008). 4. Isso porque o ônus de diligenciar a respeito de bens do executado é do próprio exequente, não podendo o Juízo, que deve se manter equidistante das duas partes, avocar para si o encargo que compete a apenas uma delas. Essa regra somente deve ser excepcionada quando é comprovada a existência de óbice instransponível administrativamente, sem a interferência judicial, ou se restar provado que o credor, sem lograr êxito, envidou todos os esforços no sentido de localização de tais bens...". (AG 00017879720144050000, Desembargador Federal Manoel Erhardt, TRF5 - Primeira Turma, DJE - Data::31/07/2014 - Página::95.) No caso dos autos, NÃO está demonstrado o esgotamento das diligências acessíveis à parte exequente, pois todas as diligências foram realizadas apenas por este juízo (pesquisa de bens para penhora por oficial de justiça, RENAJUD e BACENJUD), havendo outras ao alcance do exequente (a exemplo de pesquisas em cartórios de registros de imóveis). Assim, indefiro, por ora, a pesquisa por intermédio do INFOJUD. Intime-se a parte exequente para requerer o que entender de direito, com vista ao prosseguimento da execução, no prazo de 15 dias. João Pessoa(PB), 18 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs

   

0003571-36.2003.4.05.8200 FUNDACAO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA (Adv. SIMONNE JOVANKA NERY VAZ) X MARIA DO SOCORRO MOREIRA FRANCO E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE)

Intime-se a parte exequente para requerer o que entender de direito, no prazo de 15 dias. Sem manifestação, dê-se baixa e arquivem-se os autos.

   

0003594-40.2007.4.05.8200 FERNANDA MENDONÇA BELMONT E OUTROS (Adv. HENRIQUE SOUTO MAIOR MUNIZ DE ALBUQUERQUE) x MARIA RENATA COSTA SOUSA DE MENDONÇA X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Em razão do falecimento do exequente MARIA RENATA COSTA SOUZA DE MENDONÇA (fl. 444), foi formulado pedido de habilitação, com base no art. 690 do CPC/2015 (arts. 1057 e 1060, I, do CPC/1973), pelo(s) alegado(s) sucessore(s), a saber: Habilitando Documentos de identificação Relação de parentesco com o falecido FERNANDA MENDONÇA BELMONT CPF 020.380.054-00 RG 100.351 SSP/PB filha PATRICIA COSTA SOUSA DE MENDONÇA CPF 885.503.627-00 RG 749.836 SSP/PB filha ADRIANA MENDONÇA M DE ALBUQUERQUE CPF 854.449.796-91 RG 698.633 SSP/MG filha CLAUDIA MENDONÇA DE OLIVEIRA CPF 834.228.384-49 RG 1.493.689 SSP-PE filha Diante disso, suspendo o processo, consoante os arts. 313, I, e 689 do CPC/2015 (art. 265, I, do CPC/1973). Cite-se a executada, para responder ao pedido de habilitação, em 05 dias. Após o decurso do prazo, nada sendo requerido, fica deferida a habilitação, na forma do art. 691 do CPC/2015, devendo a secretaria proceder às correções cartorárias e após expeça-se alvará em nome da habilitada, FERNANDA MENDONÇA BELMONT, tendo em vista a renúncia dos outros habilitados a seu favor . p Fica ciente o habilitado de que responde perante outros sucessores pela parte da herança que receber neste processo e que àqueles couber (art. 1.824 do CC/2002). Havendo impugnação, voltem-me os autos conclusos para decisão sobre o pedido de habilitação.

   

0003761-52.2010.4.05.8200 UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) X ENERGISA PARAIBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A (Adv. LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO, ILDANKASTER MUNIZ PEREIRA DA SILVA, ADRIANA MADRUGA INTERAMINENSE)

Altere a secretaria a classe do processo da fase de conhecimento para a de cumprimento de sentença. Em se tratando de condenação que depende apenas de cálculo aritmético para definição de seu valor, intime-se a UNÃO (FAZENDA NACIONAL) para, em 15 dias, apresentar o demonstrativo discriminado e atualizado do débito, na forma dos arts. 523 e 524 do CPC/2015, contendo: I - o nome completo e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do exequente; II - o índice de correção monetária adotado; III - os juros aplicados e as respectivas taxas; IV - o termo inicial e o termo final dos juros e da correção monetária utilizados; V - a periodicidade da capitalização dos juros, se for o caso; VI - a especificação dos eventuais descontos obrigatórios realizados; e VII - indicação dos bens passíveis de penhora. Deverá o credor comprovar o recolhimento das custas processuais de execução, calculadas sobre o valor da execução, nos moldes do art. 14, §3º, da Lei 9.289/1996 ("§ 3° Nas ações em que o valor estimado for inferior ao da liquidação, a parte não pode prosseguir na execução sem efetuar o pagamento da diferença de custas e contribuições, recalculadas de acordo com a importância a final apurada ou resultante da condenação definitiva."), ressalvadas as isenções legais. Decorrido o prazo sem manifestação do credor, dê-se baixa na autuação, facultado o desarquivamento enquanto não decorrido o prazo prescricional. Devidamente instruído o pedido de cumprimento da obrigação de pagar, intime-se a ENERGISA PARAÍBA - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A para, em 15 dias, pagar o débito (art. 523 do CPC/2015), sob pena de acréscimo de multa de 10% e de honorários advocatícios de execução, de 10% (art. 523, §1º do CPC/2015). A intimação para pagamento deverá ser dirigida ao advogado que representou o devedor na fase de conhecimento ou, se proposta a execução mais de 1 ano após o trânsito em julgado, pessoalmente ao executado (art. 513, § 4º, do CPC/2015). A mesma intimação deve informar o executado de que, após o prazo para pagamento, terá 15 dias para impugnar a execução (art. 525, caput e § 1º, do CPC/2015), hipótese em que deverá declarar o valor que entende devido, sob pena de não conhecimento da arguição de excesso de execução (art. 525, §§ 4º e 5º, do CPC/2015). Sem pagamento, adote a Secretaria a medida executiva prevista no art. 854 do CPC/2015, como determinado no art. 523, §3º. Caso haja pedido de efeito suspensivo na impugnação, venham os autos conclusos de imediato para sua apreciação. Havendo impugnação, intime-se o exequente para, em 15 dias, se manifestar. Após esse prazo, se discutidas questões de cálculo pelas partes, remetam-se os autos à contadoria, para pronunciamento sobre elas, no prazo de 30 (trinta) dias. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 (quinze) dias. Em seguida, venham os autos conclusos para decisão.

   

0004434-50.2007.4.05.8200 MARTINHO CABRAL GONDIM (Adv. JOSE CHAVES CORIOLANO, CICERO GUEDES RODRIGUES) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

A mesma intimação deve informar o executado de que, após o prazo para pagamento, terá 15 dias para impugnar a execução (art. 525, caput e § 1º, do CPC/2015), hipótese em que deverá declarar o valor que entende devido, sob pena de não conhecimento da arguição de excesso de execução (art. 525, §§ 4º e 5º, do CPC/2015). Sem pagamento, adote a Secretaria a medida executiva prevista no art. 854 do CPC/2015, como determinado no art. 523, §3º. Caso haja pedido de efeito suspensivo na impugnação, venham os autos conclusos de imediato para sua apreciação. Havendo impugnação, intime-se o exequente para, em 15 dias, se manifestar. Após esse prazo, se discutidas questões de cálculo pelas partes, remetam-se os autos à contadoria, para pronunciamento sobre elas, no prazo de 30 (trinta) dias. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 (quinze) dias. Em seguida, venham os autos conclusos para decisão.

   

0004591-09.1996.4.05.8200 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS (EBCT) (Adv. PAULO CESAR BEZERRA DE LIMA, MARCONDES ANTONIO R. SOARES) X ELETRONICA COSMOS LTDA ME (Adv. ORLANDO XAVIER DA SILVA)

Renove-se a intimação da ECT para requerer o que entender de direito, no prazo de 15 dias. Decorrido o prazo, sem manifestação, dê-se baixa e arquivem-se os autos.

   

0004806-57.2011.4.05.8200 ELIANA MARTHA SANTOS DA FONSECA HENRIQUES DE SOUSA (Adv. DANIEL DE OLIVEIRA ROCHA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTRO (Adv. SEM ADVOGADO, FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO, AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO)

PROCESSO 0004806-57.2011.4.05.8200 Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Autuado em 01/07/2011 - Consulta Realizada em: 18/09/2018 às 09:57 EXEQUENTE: ELIANA MARTHA SANTOS DA FONSECA HENRIQUES DE SOUSA ADVOGADO : DANIEL DE OLIVEIRA ROCHA EXECUTADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTRO ADVOGADO : SEM ADVOGADO E OUTROS 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular Objetos: 02.19.03.26 - Mútuo - Espécies de contrato - Obrigações - Civil DECISÃO O cumprimento da sentença, reformada parcialmente através de recurso apelatório, cujo acórdão afastou apenas a limitação de juros na condenação, ocorreu efetivamente, após determinações deste julgador. A sentença, na parte dispositiva, restou assim redigida: "1) recalcule o valor das prestações e do seguro, aplicando os mesmos índices de reajuste da categoria profissional da autora e excluindo a cobrança do CES; 2) reduza a taxa de juros efetiva para o patamar de 10% a.a. (dez por cento ao ano) e expurgue o anatocismo praticado no cálculo do saldo devedor do contrato de mútuo, devendo separar as parcelas decorrentes de amortização negativa em conta separada, sem a incidência de juros sobre ela; 3) restitua os valores cobrados a maior que o devido, nos termos do art. 23 da Lei 8.004/90, mediante compensação com as prestações vincendas. Ao final destas, remanescendo algum crédito, deverá restituir o que sobrar à autora." Cumprindo a determinação consignada no despacho de fl.446, a Contadoria Judicial informou, nas fls. 447/448, o cumprimento, pelo executado, de todas as obrigações impostas. É notório que nada resta a executar, visto que houve observância do PES, exclusão do CES e a Contadoria apontou saldo, em favor da exequente, em valor inferior ao cálculo efetuado pela CEF, ou seja, a quantia encontrada pela Instituição financeira é, inclusive, mais benéfica para a mutuária. Assim, não subsiste qualquer condenação da executada por descumprimento do julgado. Diante do exposto, dou por satisfeita a obrigação e determino o arquivamento do processo, com baixa na Distribuição. Intimem-se as partes. João Pessoa, 18 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal da 2ª Vara ERVS

   

0006071-75.2003.4.05.8200 VALTER MESQUITA NEVES E OUTRO (Adv. ZAYLANY DE LOURDES FERREIRA TORRES) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) x EMGEA EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA SEGURADORA S/A (Adv. FLAVIO DE QUEIROZ B CAVALCANTI, AUGUSTA PRUTCHANSKY M GOMES, BRUNO NOVAES DE BEZERRA CAVALCANTI, CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO, CLAUDIA DALLE FERREIRA DA COSTA, EDUARDO DE FARIA LOYO, FERNANDA GUEDES G DE AZEVEDO, LUCIANA DA FONTE BARBOSA, MANUELA MOURA DA FONTE, TANIA VAINSENCHER, TACIANA ROBERTO VERAS, YURI FIGUEIREDO THE, GEORGIA BARBOZA CRESCENCIO, JACQUELINE BARBOSA DO REGO, MARIANA DE BARROS CORREIA, PAULO GESTEIRA COSTA FILHO, RODRIGO AUTRAN SPENCER DE HOLANDA)

PROCESSO: 0006071-75.2003.4.05.8200 (2003.82.00.006071-8) Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Autuado em 12/08/2003 - Consulta Realizada em: 19/09/2018 às 09:38 EXEQUENTE: VALTER MESQUITA NEVES E OUTRO ADVOGADO : ZAYLANY DE LOURDES FERREIRA TORRES EXECUTADO: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF E OUTROS ADVOGADO : SEM ADVOGADO E OUTROS 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO A decisão de fls. 919/922 determinou a intimação da ré para cumprir a obrigação de fazer objeto da condenação, nos termos das informações da Contadoria do juízo. A CEF alegou que procedeu à adequação dos índices de reajustes das prestações de acordo com o laudo pericial e anexou planilhas com os cálculos atualizados (fls. 924/971v). Informou ainda que o contrato apresenta, na data de subscrição, 89 encargos em aberto, perfazendo um total de R$ 462.159,16 e saldo devedor nulo em 10/2015. Nas fls. 979/981, Valter Mesquita Neves impugnou o cumprimento da obrigação de fazer e requereu que a ré corrija o valor do FGTS utilizado pelo autor, aduzindo que: - não foi possível identificar os índices de correção monetária, juros de mora e moratórios no "anexo 2" (fls. 930/932) apresentado pela CEF, impossibilitando, destarte, sua análise; - na revisão elaborada pelos peritos do autor foi encontrado o saldo devedor no valor de R$ 264.176,25, conforme planilha de fls. 982/986; e - o autor não recebeu as correções pleiteadas no processo n° 97.11004/PB, vez que seu FGTS foi utilizado a partir da parcela 003 de 27/07/1988, bem antes do processo de 1997, portanto, ao corrigir o saldo do autor em 1997, o FGTS utilizado para amortização das prestações não estava incluído. Diante disso, intime-se a CEF para que apresente, em 10 dias, o detalhamento do método utilizado no cálculo das prestações em aberto, devendo justificá-lo com planilha de evolução discriminando os índices utilizados, para possibilitar aferição mínima de sua conformidade. Após essa manifestação, remetam-se os autos à contadoria judicial para que, à luz das alegações da CEF e da manifestação do autor (fls. 979/986), elabore os cálculos das parcelas em aberto e informe o saldo devedor e se, de fato, a ré cumpriu a obrigação de fazer em sua integralidade, no prazo de 15 dias. Com a informação da contadoria, abra-se vista às partes, pelo prazo de 15 dias. Não havendo manifestação, observe-se a parte final da decisão de fls. 919/922. João Pessoa, 21 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ERVS

   

0008097-17.2001.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. ROBERTO MOREIRA DE ALMEIDA) X IVAN BARROS DO BONFIM (Adv. ZENILDA MENESES DA SILVA) x MUNICIPIO DE PITIMBU (Adv. JOSE AUGUSTO MEIRELLES NETO)

DESPACHO Intime-se o Município de Pitimbu/PB para, no prazo de 15 dias, comprovar se o plano apresentado ao IBAMA foi devidamente aprovado e, a partir disso, quais medidas foram efetivamente tomadas para colocar o projeto em prática, conforme requerido pelo MPF às fls. 941/942v. A seguir, voltem-me os autos conclusos para decidir acerca da execução da multa diária, requerida pelo MPF. João Pessoa, 20.09.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal da 2ª Vara

   

0008311-27.2009.4.05.8200 LEONTINA CAMELO DE SOUZA (Adv. MICHELINE DUARTE BARROS DE MORAIS, ROBERTA MONTENEGRO OLIVEIRA TEIXEIRA DE PAIVA, FABRICIO MONTENEGRO DE MORAIS) X EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM ADVOGADO) x SUL AMERICA SEGUROS (Adv. NELSON LUIZ NOUVEL ALESSIO, ILZA REGINA DEFILIPPI DIAS, LEIDSON FLAMARION TORRES MATOS, HERMANO GADELHA DE SA) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 2ª VARA PROCESSO: 00083112720094058200 (2009.82.00.008311-3) Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA EXEQUENTE: LEONTINA CAMELO DE SOUZA ADVOGADO : MICHELINE DUARTE BARROS DE MORAIS E OUTROS EXECUTADO: EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS E OUTROS ADVOGADO : SEM ADVOGADO E OUTROS 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO Chamo o feito à ordem. Torno sem efeito decisão anterior, de fls. 902/905, por mim proferida, em razão de impedimento para atuar na presente demanda, percebido apenas quando a decisão já havia sido publicada, mas em tempo oportuno para correção do vício. Assim, declaro-me impedido para atuar, nos termos do inciso III do art. 144 do CPC/2015, em razão de parentesco com a advogada da parte. Encaminhem-se os autos ao Juiz Federal substituto da 2ª Vara. João Pessoa/PB, 21 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal da 2ª Vara ervs

   

0008424-44.2010.4.05.8200 FRANCISCO FERNANDES SOBRINHO (Adv. CICERO GUEDES RODRIGUES) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO Nº 0008424-44.2010.4.05.8200 CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao(à) MM. Juiz Federal, Dr(a). BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA. João Pessoa, 29 de maio de 2018 SHEILA FERREIRA DE PONTES Técnica Judiciária PROCESSO 008424-44.2010.4.05.8200 Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Autuado em 11/11/2010 - Consulta Realizada em: 17/09/2018 às 15:30 AUTOR: FRANCISCO FERNANDES SOBRINHO ADVOGADO: CICERO GUEDES RODRIGUES REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO: SEM ADVOGADO 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DECISÃO Cuida-se de cumprimento de sentença promovido por Francisco Fernandes Sobrinho, objetivando o pagamento, pela CEF, dos valores relativos à aplicação dos percentuais referentes aos planos Verão (42,72%) e Collor I (44,81%) sobre as diferenças dos valores recebidos a título de juros progressivos do FGTS, obtidos judicialmente através da Ação Ordinária nº 0504581.87.2005.4.05.8200. Este juízo proferiu despacho à fl. 270, remetendo os autos à contadoria para pronunciamento acerca das questões de cálculo discutidas. A contadoria, então, elaborou os cálculos e indicou como devidos os valores constantes às fls. 271/273. Na fl. 275 os exequentes concordaram com os cálculos. A CEF, por sua vez, manifestou discordância, alegando que: - a contadoria errou ao não considerar a adesão do autor aos termos da LC 110/01, bem como a dedução dos valores das parcelas da LC, sacadas pelo exequente; - o autor recebeu o crédito da progressividade da taxa de juros, em 01/12/2008, através do processo 2005.504581-9/PB; - a CEF efetuou cálculo e abertura de conta vinculada com valor depositado de R$ 17.018,06, disponível para saque pelo autor em qualquer agência pertencente à executada. Despacho na fl. 308, determinando nova remessa dos autos à contadoria para se pronunciar acerca das questões apontadas pela CEF. A contadoria se pronunciou, informando o montante devido no valor de R$ 141.417,65 atualizados até 04/2018 (fls. 309/310). Relatados no essencial, fundamento e decido. O julgado exequendo é o acórdão proferido pelo TRF - 5ª Região às fls. 99/103, que deu provimento à apelação do autor, a fim de condenar a Caixa Econômica ao pagamento dos valores referentes aos reflexos da correção monetária de janeiro/89 e abril/90 - Planos Verão e Collor I - sobre os juros progressivos já recebidos. A contadoria justificou sua manifestação nos seguintes termos, à fl. 309. "1.3) Conforme já fora informado por esta Seção às fls. 271 o julgado determinou à CEF o recálculo dos índices de 42,72% e 44,80% relativos aos meses de janeiro/89 e abril/90, a incidirem sobre o saldo existente nesses períodos, na planilha de cálculo pertinente às diferenças dos juros progressivos, da conta vinculado do autor. Além disso, inverteu-se o ônus da sucumbência. No que diz respeito às parcelas creditadas á título da LC/101, esta Seção já informou às fls. 203 que elas foram deduzidas nas respectivas datas (fls. 34/36 e 208-v - datas: 10/01/2004; 10/04/2004; e 10/05/2004). 1.4) Os valores creditados pela CEF já foram deduzidos por esta Seção às fls. 206 e 209. 1.5) Deduzimos o valor informado pela CEF - R$ 17.018,06 - e encontramos a diferença constante no cálculo em anexo." O fato de o exequente ter firmado o termo de adesão a que se reporta a LC 110/2001 não impede o recebimento dos expurgos de correção monetária sobre juros progressivos pagos na via judicial. A LC 110/2001 tratava do pagamento de diferenças de expurgos da correção monetária de depósitos efetivamente existentes na conta do fundista ao tempo da incidência do índice, não se podendo concluir, em detrimento do titular da conta de FGTS, que ao firmar o termo de adesão, abriu mão de obter a correção pelos expurgos de eventuais valores que nunca tinham sido depositados em sua conta na época própria, como é o caso dos juros progressivos recebidos em ação judicial muito depois do ano de 1991. Assim, a pretensão de obter a aplicação dos expurgos sobre as diferenças de juros progressivos não está abrangida no termo de adesão. Entender diversamente significaria penalizar o titular da conta pela conduta ilícita da CEF, pois a dispensaria de efetuar os depósitos da correção monetária pelo fato de, no passado, já ter depositado a menor os juros progressivos, de modo que, na época dos expurgos, o saldo da conta era inferior. Diante disso, se os juros progressivos só foram depositados depois da assinatura do termo de adesão, não há como entender que a renúncia contida nesse termo abrangia a discussão dos expurgos sobre os juros progressivos. É essa a situação dos autos, em que a CEF juntou cópia de extrato em que comprova a adesão do autor (fl. 152) em 2003, e o crédito dos juros, porém, ocorreu apenas em 2004 (fls. 152v/153). Nesse contexto, a seção de cálculos apurou como devida a quantia de R$ 141.417,65, atualizada até 04/2017 (fl. 310). Portanto, é esse o quantum exequendo efetivamente devido, porquanto em consonância com o julgado e considerando que as perícias contábeis realizadas pela seção de cálculos, órgão auxiliar do juiz e sem qualquer interesse na lide, gozam de presunção de veracidade e de legitimidade, razão pela qual merecem inteira acolhida. Nesse sentido, transcrevo o elucidativo acórdão proferido pelo TRF-5ª Região: "PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DECISÃO FUNDADA EM INFORMAÇÕES DA CONTADORIA JUDICIAL. FÉ PÚBLICA. PRESUNÇÃO JURIS TANTUM DOS CÁLCULOS DA CONTADORIA DO JUÍZO. 1. Caso em que o Magistrado "a quo" julgou procedentes, em parte, os Embargos, determinando como valor a ser executado o montante apurado nos cálculos da Contadoria Judicial. 2. Os cálculos elaborados pela Contadoria, órgão de auxílio do Juízo e sem qualquer interesse na lide, usufruem da presunção de veracidade e de legitimidade, devendo prevalecer, até prova em contrário. 3. Havendo divergência entre os valores apresentados pelo Contador do Juízo e aqueles encontrados pela Embargante e pelo Embargado, deve ser observado o entendimento de que as Informações da Contadoria Judicial merecem total credibilidade, ou seja, gozam de fé pública, até que se prove em contrário sentido. Precedentes. Apelação improvida." (TRF-5 - AC: 428933 SE 0001106-22.2006.4.05.8500, Relator: Desembargador Federal Geraldo Apoliano, Data de Julgamento: 03/12/2009, Terceira Turma, Data de Publicação: Fonte: Diário da Justiça Eletrônico - Data: 15/12/2009 - Página: 180 - Ano: 2009) Ante o exposto, rejeito as alegações apresentadas pela CEF e determino que a execução prossiga tomando como base o valor indicado pela contadoria judicial, correspondente a R$ 141.417,65. Intimem-se as partes desta decisão, a CEF, inclusive, para efetuar o depósito do valor faltante, no prazo de 15 dias. Da manifestação da CEF, intime-se a parte autora, por 05 dias. Efetuado o depósito e nada mais sendo requerido, dá-se por cumprida a obrigação e arquivem-se os autos independentemente de novo despacho. João Pessoa, 25 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara 1 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DA PARAIBA 2ª VARA 10

   

0010547-20.2007.4.05.8200 SUELY DE FATIMA LEMOS DA ROCHA DANTAS (Adv. WELLINGTON DANTAS DA SILVA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

PROCESSO N.º 0010547-20.2007.4.05.8200 (2007.82.00.010547-1) Classe: 229 - CUMPRIMENTO DE SENTENÇA Autuado em 23/11/2007 - Consulta Realizada em: 13/09/2018 às 14:24 REQUERENTE: SUELY DE FATIMA LEMOS DA ROCHA DANTAS ADVOGADO : WELLINGTON DANTAS DA SILVA REQUERIDO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : SEM ADVOGADO 2 a. VARA FEDERAL - Juiz Titular DESPACHO Tratam os presentes autos de AÇÃO CAUTELAR DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS proposta em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CAIXA com vistas à obtenção de provimento judicial que determinasse a exibição dos extratos da conta-poupança de titularidade da parte autora, objetivando posterior ação de cobrança dos expurgos inflacionários verificados no período de janeiro e fevereiro de 1989 e abril de 1990. A caixa peticionou nas fls. 170/170v informando só ter encontrado os extratos da conta poupança 2169.013.8549-6, agência 2169, aberta em 30.10.1987, localizada na cidade de bonito/PE, referente ao período de 04 e 12/1993 até 28.07.1995, não encontrando extratos de outros períodos. Documentos juntados nas fls. 171/193. Na petição de fls. 200/203 a autora requereu o prosseguimento do feito para que a CEF pague a multa fixada no valor de R$ 72.500,00, admitindo-se a limitação do valor, desde que não seja irrisório nem desproporcional, como forma de conversão da obrigação de fazer imposta em perdas e danos, pedindo fossem fixados honorários e bloqueio via bacenjud. Nas fls. 204/208, a autora requer o cumprimento de sentença por arbitramento. É o relatório. Decido. Não há multa por descumprimento de decisão judicial que resulte na condenação da Empresa pública, vê-se que foi intimada para, em 30 dias, cumprir a obrigação de fazer (fl.169/169v), no dia 28.06.2016, respondendo ao despacho nas fls. 170/170v, no dia 28.07.2016, conforme consta da fl. 170, ou seja, dentro dos 30 dias fixados judicialmente para apresentação dos documentos requeridos na ação de exibição de documentos, após baixa dos autos da instância superior. Assim, portanto, incabíveis os pedidos formulados na petição de fls. 200/203, pois todos se encontram relacionados ao suposto descumprimento, o que não ocorreu. Nas fls. 171/193 a CEF apresentou os documentos encontrados, referentes ao período de 04 e 12/1993 até 28.07.1995, dizendo que não localizou outros extratos, o que, contudo, não lhe retira o dever de atender a pretensão autoral, pois comprovado que existia conta, só não se sabe qual o valor existente. No documento de fl. 171, noticia-se a não disponibilização das microfichas de 1987 a 1992, e do ano de 1993, só consta o mês de maio. Na fl. 172, informa-se o período da conta de 30.10.1987 a 31.12.1995, quando a conta foi encerrada. Nas fls. 173/193, os extratos localizados pelo Banco. Tendo em vista a necessidade de prosseguimento da execução por algum critério razoável, evitando-se o prolongamento indefinido do processo, acolho a Nota Técnica nº 001/2007, elaborada pela Contadoria dos Juizados Especiais Federais de Pernambuco, e considero, por presunção, que nas contas sem extrato, existia o equivalente a 05 salários mínimos, visto que tal valor não é irrisório e nem exorbitante, considera como base os extratos das contas já apresentadas e se mostra razoável como indicativo da realidade brasileira. Nessa linha de entendimento, tem-se na hipótese a presunção relativa de que a conta do autor possuía saldo, já que a CEF não cumpriu, na íntegra, o comando judicial de exibição, o que tampouco a desobriga de responder pela falta. Diante do exposto, remetam-se os autos à Contadoria Judicial, para que, no prazo de 30 (trinta) dias, elabore informação contendo o cálculo dos valores devidos ao exequente, com base nos parâmetros fixados nesta decisão, em relação aos expurgos inflacionários verificados no período de janeiro e fevereiro de 1989 e abril de 1990. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 dias. Em seguida, venham os autos conclusos. João Pessoa, 21 de setembro de 2018. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal Titular da 2ª Vara ervs

   

Cumprimento de Sentença Contra a Fazenda Pública

   

0005014-41.2011.4.05.8200 BENJAMIN COMERCIO VAREJISTA LTDA (Adv. RAFAEL BARBOSA DA CUNHA, JULIA RAMALHO SOUTO, DINARTE PAULINO DE ARAUJO SEGUNDO) X INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO N.º 0005014-41.2011.4.05.8200 CLASSE 12078 CONCLUSÃO Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal da 2ª Vara, Dr. BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA. João Pessoa-PB, 20/09/2018 FÁBIO LACERDA DE CASTRO MARTINS Técnico Judiciário DESPACHO Obrigação de pagar contra a Fazenda Pública A determinação do valor da condenação referente à obrigação de pagar depende neste caso, tão-somente, de cálculo aritmético, fazendo-se necessária a apresentação de pedido expresso do credor para cumprimento do título judicial nessa parte, acompanhado de memória discriminada e atualizada do cálculo, nos termos do art. 523 do CPC/2015. A Portaria nº 006/GDF, de 14 de janeiro de 2014, interpretada à luz do Código de Processo Civil/2015, sugere a utilização do Processo Judicial Eletrônico/PJe às classes de execução de sentença contra a Fazenda Pública (atual cumprimento de sentença contra a Fazenda Pública). Isto posto, concedo um prazo de 15 (quinze) dias para que o credor requeira o cumprimento do julgado através do Sistema Processo Judicial Eletrônico/PJe, nos termos da Portaria nº 006/GDF, referente à obrigação de pagar contra a Fazenda Pública, na forma do CPC/2015, arts. 534 e 535 (antigo 730 do CPC/1973), instruindo o seu pedido com demonstrativo discriminado e atualizado do crédito contendo: a) Na petição de execução/cumprimento: I - o nome completo e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do exequente; II - o índice de correção monetária adotado; III - os juros aplicados e as respectivas taxas; IV - o termo inicial e o termo final dos juros e da correção monetária utilizados; V - a periodicidade da capitalização dos juros, se for o caso; VI - a especificação dos eventuais descontos obrigatórios realizados; b) os seguintes documentos obrigatórios: VII - petição inicial (da fase de conhecimento); VIII - procuração; IX - comprovante de recolhimento de custas processuais ou decisão que deferiu o pleito de justiça gratuita; X - comprovação da data do ajuizamento da ação principal e da citação do(a) ré(u); XI - laudo pericial ou planilha de cálculos, se houver; XII - sentença, acórdão e demais decisões das instâncias superiores, se houver; XIII - certidão de trânsito em julgado; e XIV - documento que comprove a data do efetivo cumprimento da obrigação de fazer, se houver. Todos os arquivos deverão ser nomeados no PJE em ordem coerente e com nomes que permitam a fácil identificação de seu conteúdo. Deverá o credor informar nestes autos o número do processo eletrônico ajuizado, que também será indicado pela secretaria do juízo através de sinalização de etiqueta na capa destes autos. Deverá o credor comprovar o recolhimento das custas processuais de execução, calculadas sobre o valor da execução, nos moldes do art. 14, §3º, da Lei 9.289/1996 ("§ 3° Nas ações em que o valor estimado for inferior ao da liquidação, a parte não pode prosseguir na execução sem efetuar o pagamento da diferença de custas e contribuições, recalculadas de acordo com a importância a final apurada ou resultante da condenação definitiva."), ressalvadas as isenções legais. Iniciada ou não a fase de cumprimento no PJE, arquivem-se os autos com baixa, facultado o desarquivamento enquanto não decorrido o prazo prescricional, caso não formulado o pedido de cumprimento. João Pessoa(PB), 01.10.2018 BRUNO TEIXEIRA DE PAIVA Juiz Federal da 2ª Vara

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0002704-96.2010.4.05.8200 JOSE MOREIRA PEREIRA E OUTROS (Adv. MARCUS ANDRÉ MEDEIROS BARRETO, ALEX NEYVES MARIANI ALVES, TERESA MARIA DE SOUSA COUTINHO BARROS, EDNILTON RODRIGUES, GIUSEPPE PETRUCCI, ANIEL AIRES DO NASCIMENTO) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a parte autora para esclarecer o objetivo da petição de fl. 238, tendo em vista que este feito estava arquivado desde 2011, após o cumprimento da obrigação de fazer pela parte ré, sem impugnação da autora, mesmo após sucessivos pedidos de desarquivamento dos autos. Diante disso, deve a parte esclarecer em que consiste o descumprimento alegado. Além disso, e tendo em vista o longo tempo transcorrido desde o arquivamento, o que faz presumir o exaurimento do mandato outorgado ao advogado pelos autores, deve a parte autora apresentar procuração atualizada, no prazo de 15 dias.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0008141-21.2010.4.05.8200 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - SECCIONAL PERNAMBUCO - OAB/PE (Adv. EURÍPEDES TAVARES DE MELO FILHO, GUILHERME OSVALDO CRISANTO TAVARES DE MELO, ANTONIO CRISANTO TAVARES DE MELO, RAFAELA MARIA PITT GAMEIRO SALES) X EMIDIO BARBOSA DE LIMA BRITO (Adv. SEM ADVOGADO)

Remetam-se os autos ao Setor de Distribuição para reativação. Após, vista à parte exequente, pelo prazo de 10 dias. Sem manifestação, retornem os autos ao arquivo.

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0012452-65.2004.4.05.8200 CLINICA DOM RODRIGO LTDA (Adv. RODRIGO DO AMARAL FONSECA, ROSIMEIRE MARIA RENNÓ, ERIKA FERNANDA RODRIGUES DA SILVA, DANIELLA RONCONI) X DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM JOAO PESSOA (Adv. SEM PROCURADOR)

Transitada em julgado a decisão da qual não se extrai nenhuma obrigação a ser ainda cumprida, intimem-se as partes do retorno dos autos e proceda-se à imediata baixa.

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0011741-07.1997.4.05.8200 ERIKA WANDERLEY DANTAS E OUTROS (Adv. YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) X UNIAO(TRT) (Adv. GUSTAVO CESAR DE FIGUEIREDO PORTO)

Remetam-se os autos à contadoria para pronunciamento sobre as discordâncias das partes, no que se refere ao integral cumprimento da obrigação de fazer, no prazo de 30 (trinta) dias. Dessa manifestação, dê-se vista às partes, pelo prazo de 15 (quinze) dias. Em seguida, venham os autos conclusos.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004930-45.2008.4.05.8200 LUCIA MARIA ALMEIDA DE ATAÍDE (Adv. HELZELENA NUNES DE ANDRADE, JERUSA ÁLEM VIEIRA DE MELO) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

ATO ORDINATÓRIO (Art. 203 do CPC/2015 e art. 87 do Provimento CR-TRF5 01/2009) Vista à parte exequente acerca da informação da Contadoria, pelo prazo de 15 dias (art. 87, item 6 do Provimento CR-TRF5 01/2009). João Pessoa, 02/10/2018 Fábio Lacerda de Castro Martins Técnico Judiciário

   

0012284-05.2000.4.05.8200 ADEMILSON DE ALMEIDA CHAGAS E OUTRO (Adv. EDSON DUARTE COELHO, ZAYLANY DE LOURDES FERREIRA TORRES) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. YANKO CYRILO, EDSON DUARTE COELHO) x CAIXA SEGURADORA S/A (Adv. IVAN PEREIRA DA COSTA JUNIOR, JULIANA DE ALMEIDA E SILVA, AUGUSTA PRUTCHANSKY M GOMES, BRUNO NOVAES DE BEZERRA CAVALCANTI, CARLOS ANTONIO HARTEN FILHO, EDUARDO DE FARIA LOYO, FERNANDA GUEDES G DE AZEVEDO, MANUELA MOURA DA FONTE, TACIANA ROBERTO VERAS, YURI FIGUEIREDO THE)

Defiro o pedido de dilação de prazo, conforme o requerido às fls. 1.640. Intime-se.

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0007044-83.2010.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. RODOLFO ALVES SILVA) x FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO - FNDE (Adv. SEM PROCURADOR) X MARIA CRISTINA DA SILVA (Adv. ANTONIO FABIO ROCHA GALDINO, RENAN NOBREGA DE QUEIROZ, JONAS NICACIO VERAS, LUCAS MENDES FERREIRA) x MARIA DA PENHA MAGNA DOS SANTOS (Adv. PEDRO VICTOR DE MELO, RODRIGO OLIVEIRA DOS SANTOS LIMA)

PROCESSO Nº 0007044-83.2010.4.05.8200 - CLASSE 2 ATO ORDINATÓRIO (Art. 203 do CPC/2015 e art. 87 do Provimento CR-TRF5 01/2009) Intimem-se as apeladas MARIA CRISTINA DA SILVA e MARIA DA PENHA MAGNA DOS SANTOS para apresentação de contrarrazões em 15 dias (art. 1.010, § 1º, do CPC/2015). Após, subam os autos ao TRF-5ª Região. João Pessoa, 21.09.2018 Edilene Oliveira Silva Técnica Judiciária

   

0007300-31.2007.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. YORDAN MOREIRA DELGADO, JOSÉ GUILHERME FERRAZ DA COSTA, RODOLFO ALVES SILVA, DOMENICO D'ANDREA NETO, WERTON MAGALHAES COSTA) x MUNICIPIO DE JOAO PESSOA - PB (Adv. GILBERTO CARNEIRO DA GAMA, ÉRIKA OLIVEIRA DEL PINO, GRIMALDI GONÇALVES DANTAS, JOSE VANDALBERTO DE CARVALHO, RICARDO SERVULO FONSECA DA COSTA, YURI OLIVEIRA ARAGAO, PAULO WANDERLEY CAMARA, JOCIELHA DE ALMEIDA ALVES, ROBERTA MARIA FEITOSA, PATRICIA PAIVA DA SILVA, LUIZ PINHEIRO LIMA, ITALO RICARDO AMORIM NUNES, ROGERIO DA SILVA CABRAL, LAURIMAR FIRMINO DA SILVA, ROBERTO NOGUEIRA GOUVEIA, GIULIANNA MARIZ MAIA VASCONCELOS BATISTA, NORTON F MOREIRA C FILHO, PALLOMA THALITA COSTA LOPES, ANDREA TARGINO CHAVES CORDEIRO PASSOS, INES MARIA DA SILVA, RIVAILDO PEREIRA GUEDES, GENE SOARES PEIXOTO, GERALDO RIBEIRO DE QUEIROZ, MARIA GERMANA DE O. LIMA MODESTO, JOSE DE ALMEIDA E SILVA, ROSSANA ALBERTI GONCALVES LUCENA) x UNIÃO (Adv. FABIO LEITE DE FARIAS BRITO) X CICERO DE LUCENA FILHO (Adv. WALTER DE AGRA JUNIOR, VANINA C. C. MODESTO, JACKELINE ALVES CARTAXO, DENNYS CARNEIRO ROCHA DOS SANTOS, PEDRO ADOLFO MORENO DA COSTA MOREIRA, ARTHUR MONTEIRO LINS FIALHO) x EVANDRO DE ALMEIDA FERNANDES (Adv. JALDELENIO REIS DE MENESES) x OSWALDO PESSOA DE AQUINO (Adv. OVIDIO LOPES DE MENDONCA, CARLOS PESSOA DE AQUINO) x RUBRIA BENIZ GOUVEIA BELTRAO (Adv. ANIBAL PEIXOTO FILHO, ANNIBAL PEIXOTO NETO, PAULO AMERICO MAIA PEIXOTO) x ROBERTO FLAVIO MACHADO FREIRE (Adv. CORIOLANO DIAS DE SA, HERMANO GADELHA DE SA, CARLOS GOMES FILHO) x COESA ENGENHARIA LTDA (Adv. AMILCAR BASTOS FALCAO, LAURA LICIA DE MENDONÇA VICENTE, LUCIANA PASTICK FUJINO, MARCELO BRUTO DA COSTA CORREIA, RODRIGO DE MIRANDA AZEVEDO, BRUNO MENEZES BRASIL, TIAGO CARNEIRO LIMA, ITANA CARLA DE CARVALHO MAIA GALVÃO, BRUNO SEMINO, RENATA VIANA MACHADO, VICTOR MARTINS MENDES BAPTISTA, AGENOR XAVIER VALADARES, MARIA GLAUCE C. DO N. GAUDENCIO, HUMBERTO MADRUGA BEZERRA CAVALCANTI) x MARCELO JOSE QUEIROGA MACIEL (Adv. DIEGO HENRIQUE MELO DA SILVA, CLEHILTON DA SILVA FRANÇA NETO)

PROCESSO Nº 0007300-31.2007.4.05.8200 - CLS. 2 ATO ORDINATÓRIO (Art. 203 do CPC/2015 e art. 87 do Provimento CR-TRF5 01/2009) Intime-se a parte ré, via publicação, para apresentação de contrarrazões em 15 dias (art. 1.010, § 1º, do CPC/2015). Em seguida, intime-se a parte autora, via remessa, para apresentação de contrarrazões em 30 dias. A seguir, subam os autos ao TRF-5ª Região. João Pessoa, 21.09.2018 Edilene Oliveira Silva Técnica Judiciária

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0005612-92.2011.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) X FRANCISCO MARTINS DE SOUZA (Adv. SEM ADVOGADO)

Abra-se vista à parte EXEQUENTE para requerer o que entender de direito, pelo prazo de 15 dias.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004360-35.2003.4.05.8200 WALLIG NORDESTE S/A INDUSTRIA E COMERCIO (Adv. ANTONIO ALVES DE ALBUQUERQUE, TALDEN QUEIROZ FARIAS, CLAUDIO DE LUCENA NETO, ALEXANDRE SOARES DE MELO, ALISSON TAVEIRA ROCHA LEAL) x COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB (Adv. SYLVIO TORRES FILHO, MARIA AUXILIADORA ACOSTA, PATRICIA ELLEN M. DE A. PONTES, SORAYA FRANCA DOS ANJOS, ANDRE RICARDO DE CARVALHO COSTA, MAX FREDERICO SAEGER GALVAO FILHO, ROBERTO NOGUEIRA GOUVEIA, IZABELLE DE CARVALHO TROCOLI, NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES, FABIO DA COSTA VILAR, ANGELLO RIBEIRO ANGELO, ELMANO DE ARAUJO MARTINS, ALLAN MATHEUS ALVES DE VASCONCELOS) X COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO- CONAB (Adv. CRISTINA QUEIROZ DE GUSMAO FRAZAO DE MEDEIROS, TIAGO BANHA LOPES FREIRE, CHRISTIANE FERREIRA DE SOUZA, GUSTAVO GUIMARÃES LIMA) x WALLIG NORDESTE S/A INDUSTRIA E COMERCIO (Adv. LEIDSON FARIAS, ANTONIO ALVES DE ALBUQUERQUE, TALDEN QUEIROZ FARIAS, CLAUDIO DE LUCENA NETO, ALEXANDRE SOARES DE MELO, ALISSON TAVEIRA ROCHA LEAL)

ATO ORDINATÓRIO (Art. 203 do CPC/2015 e art. 87 do Provimento CR-TRF5 01/2009) Vista à CONAB acerca da petição de fls. 735/737, no prazo de 15 dias (art. 87, item 6 do Provimento CR-TRF5 01/2009). João Pessoa, 12/09/2018 Fábio Lacerda de Castro Martins Técnico Judiciário

   

0007160-26.2009.4.05.8200 JOÃO ALVES DA SILVA E OUTROS (Adv. GERSON MOUSINHO DE BRITO, VERONICA LEITE ALBUQUERQUE DE BRITO, YARA GADELHA BELO DE BRITO) X FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

ATO ORDINATÓRIO (Parágrafo 4º do art. 162, CPC, introduzido pela Lei nº 8.952, de 13.12.94 e art. 87 do Provimento 01/2009 - CR) AUTOS COM VISTA à parte exequente para, no prazo de 05 (cinco) dias, manifestar-se sobre os embargos de declaração apresentado às fls. 417/422 (arts. 1023 do CPC/2015 e art. 87, item 08 do Provimento 01/2009 - CR). João Pessoa, 19/09/2018. Fábio Lacerda de Castro Martins Técnico Judiciário

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 4

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 14

TOTAL DE DECISÃO: 6

TOTAL DE DESPACHO: 27

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.