Publicado no Diário da Justiça de 09/11/2018

 

Boletim 2018.000066 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE 0009404-40.2000.4.05.8200

AGOSTINHO MANUEL COELHO GARCIA 0009911-59.2004.4.05.8200

ALDARIS DAWSLEY E SILVA JUNIOR 0003283-34.2016.4.05.8200

ALEXANDER THYAGO GONÇALVES NUNES DE CASTRO 0006883-73.2010.4.05.8200

ALINE FONTES A C TEIXEIRA 0009911-59.2004.4.05.8200

AMANDA LUNA TORRES 0000370-51.1994.4.05.8200

ANA CLAUDIA R. DE LEMOS 0009404-40.2000.4.05.8200

ANA KARLA TOSCANO DE B. C. V. LEAL 0003281-64.2016.4.05.8200

ANASTÁCIO JORGE MATOS DE SOUSA MARINHO 0009911-59.2004.4.05.8200

ANDRE GUSTAVO V DE ALCANTARA 0001636-82.2008.4.05.8200

ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO 0000250-51.2007.4.05.8200

ANNA KALLINE LEONARDO ANTAS ALMEIDA 0007560-35.2012.4.05.8200

ANTONIETA L PEREIRA LIMA 0002494-41.1993.4.05.8200

ANTONIO CARLOS MOREIRA (FN) 0005404-02.1900.4.05.8200

ANTONIO CLETO GOMES 0009911-59.2004.4.05.8200

ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO 0000250-51.2007.4.05.8200

ANTONIO MARCOS ALMEIDA 0009404-40.2000.4.05.8200

AUREA ZENAIDE NOBREGA GADELHA 0008352-96.2006.4.05.8200

AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO 0000121-60.2018.4.05.8200

BRUNO HERMINIO ALTOÉ 0009911-59.2004.4.05.8200

BÁRBARA DE MELO FERNANDES 0000370-51.1994.4.05.8200

BÁRBARA SANTOS GUEDES 0000191-14.2017.4.05.8200

CAIO CÉSAR VIEIRA ROCHA 0009911-59.2004.4.05.8200

CAIO TIBERIO BARBALHO DA SILVA 0005177-12.1997.4.05.8200

CAMILLA CABRAL CARVALHO 0004179-82.2013.4.05.8200

CAMILLE MARIA GRANDO FERRAZ 0000191-14.2017.4.05.8200

CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA 0000014-36.2006.4.05.8200

CANDIDO CASTELLIANO DE LUCENA 0000370-51.1994.4.05.8200

CARLA VIVIANE DE FREITAS PESSOA NUNES MONTEIRO 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

CARLOS BENITO COSENTINO FILHO 0000250-51.2007.4.05.8200

CARLOS FERNANDO MOREIRA 0009911-59.2004.4.05.8200

CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200 0005954-89.2000.4.05.8200 0009911-59.2004.4.05.8200

CARLOS JACOB DE SOUSA (INSS) 0002502-08.1999.4.05.8200

CARLOS ROBERTO SCOZ JR 0000078-26.2018.4.05.8200

CICERO XAVIER DA SILVA 0003281-64.2016.4.05.8200

CRISTIANE PEREIRA 0009911-59.2004.4.05.8200

DANIEL LUCENA BRITO 0000370-51.1994.4.05.8200

DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO 0000370-51.1994.4.05.8200

DANIELLA PARAISO GUEDES PEREIRA 0009404-40.2000.4.05.8200

DEBORA FONTES DE CARVALHO 0000121-60.2018.4.05.8200

DEBORAH SALES BELCHIOR 0009911-59.2004.4.05.8200

DIEGO CAZÉ ALVES DE OLIVEIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

DIEGO GALDINO DA SILVA MELO 0000250-51.2007.4.05.8200

DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR 0000250-51.2007.4.05.8200

DOMENICO D'ANDREA NETO 0008352-96.2006.4.05.8200

DORGIVAL TERCEIRO NETO 0009911-59.2004.4.05.8200

DUCIRAN VAN MARSEN FARENA 0009911-59.2004.4.05.8200

EDINANDO JOSE DINIZ 0006883-73.2010.4.05.8200

EDUARDO BORGES PINHO 0000191-14.2017.4.05.8200

EDVAN CARNEIRO DA SILVA 0000400-03.2005.4.05.8200 0001056-57.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200

ELDER GUSTAVO TAVARES RODRIGUES 0000191-14.2017.4.05.8200

ELORA RAFAELA FERNANDES TEIXEIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

ELTON MACIEL COUTINHO DE SOUZA 0000250-51.2007.4.05.8200

ERICK MACEDO 0008352-96.2006.4.05.8200

ERIK FRANKLIN BEZERRA 0000250-51.2007.4.05.8200

ERIKA DE FATIMA SOUZA DURAND 0004179-82.2013.4.05.8200

ESDRAS MELO PAES BARRETO 0000191-14.2017.4.05.8200

EVANGELINA GERJOY CÂMARA 0000191-14.2017.4.05.8200

EVELINE PEREIRA DE QUEIROZ 0009911-59.2004.4.05.8200

FABIO ANTERIO FERNANDES 0008352-96.2006.4.05.8200

FABIO GEORGE CRUZ DA NOBREGA 0009911-59.2004.4.05.8200

FABIO HENRIQUE DE ARAUJO URBANO 0005712-47.2011.4.05.8200

FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL 0005677-58.2009.4.05.8200

FERNANDO DA SILVA ROCHA 0002494-41.1993.4.05.8200

FERNANDO FERREIRA DE SOUZA 0008352-96.2006.4.05.8200

FLAVIANO JORGE DE SOUSA 0009911-59.2004.4.05.8200

FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES 0003029-03.2012.4.05.8200 0009799-17.2009.4.05.8200

FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO 0000078-26.2018.4.05.8200 0005693-75.2010.4.05.8200

GEORGE OTTÁVIO BRASILINO OLEGÁRIO 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

GEORGE VENTURA MORAIS 0009911-59.2004.4.05.8200

GETULIO DE SOUZA JUNIOR 0009799-17.2009.4.05.8200

GILMARA FERNANDES M HEIL 0000078-26.2018.4.05.8200

GIORDANO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0000370-51.1994.4.05.8200

GITANA SOARES DE MELLO E SILVA PARENTE 0000370-51.1994.4.05.8200

GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS 0005954-89.2000.4.05.8200 0009911-59.2004.4.05.8200

GUILHERME MUNIZ NUNES 0009911-59.2004.4.05.8200

GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX 0000370-51.1994.4.05.8200

HEDILENE FREIRE CASECA ROSA 0000250-51.2007.4.05.8200

HEITOR CABRAL DA SILVA 0004179-82.2013.4.05.8200

HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA 0000014-36.2006.4.05.8200 0000118-08.2018.4.05.8200

HOSANA KAROLYNE FIGUEIREDO PATRICIO 0000370-51.1994.4.05.8200

IRANICE GONCALVES MUNIZ 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

ISABELLA LACERDA FRANKLIN CHACON 0000370-51.1994.4.05.8200

ISABELLI CRUZ DE SOUZA NEVES 0000370-51.1994.4.05.8200

ITALLO JOSE AZEVEDO BONIFACIO 0000370-51.1994.4.05.8200

IVANILDO DE MORAIS COELHO 0009911-59.2004.4.05.8200

IVONE CAVALCANTE SILVEIRA 0009911-59.2004.4.05.8200

JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR 0009799-17.2009.4.05.8200

JALDEMIRO RODRIGUES DE A. JUNIOR 0009911-59.2004.4.05.8200

JOAO ABRANTES QUEIROZ 0001636-82.2008.4.05.8200

JOAO BATISTA COSTA DE ARAUJO 0002494-41.1993.4.05.8200

JOAO BRITO DE GOIS FILHO 0009911-59.2004.4.05.8200

JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO 0000250-51.2007.4.05.8200

JOCIMAR MOREIRA SILVA 0009911-59.2004.4.05.8200

JONACY FERNANDES ROCHA 0001636-82.2008.4.05.8200

JOSE ALVES CARDOSO 0003281-64.2016.4.05.8200

JOSE CAMPOS DA SILVA FILHO 0009911-59.2004.4.05.8200

JOSE GALDINO DA SILVA FILHO 0005954-89.2000.4.05.8200

JOSE LEANDRO OLIVEIRA TORRES 0000370-51.1994.4.05.8200

JOSE MARIO PORTO JUNIOR 0009404-40.2000.4.05.8200

JOSE RAMOS DA SILVA 0000400-03.2005.4.05.8200 0001056-57.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200

JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO 0000014-36.2006.4.05.8200

JOSEMAR LAURIANO PEREIRA 0000078-26.2018.4.05.8200 0000121-60.2018.4.05.8200 0002196-43.2016.4.05.8200

JOSÉ ALVES CAMPOS 0009911-59.2004.4.05.8200

JOSÉ DUTRA DA ROSA FILHO 0000014-36.2006.4.05.8200

JOSÉ EUCLIDES TAVARES DE SOUZA 0009911-59.2004.4.05.8200

JOSÉ PEGADO DO NASCIMENTO 0009911-59.2004.4.05.8200

JOÃO GOMES RAMALHO JUNIOR 0000370-51.1994.4.05.8200

JOÃO PAULO BARBALHO INACIO DA SILVA 0005177-12.1997.4.05.8200

JURANDI FERNANDES FERREIRA 0000250-51.2007.4.05.8200

KARLA GABRIELA SOUSA LEITE 0000121-60.2018.4.05.8200 0005177-12.1997.4.05.8200

KLEVELANDO AUGUSTO SILVA DOS SANTOS 0009911-59.2004.4.05.8200

LARISSA ANTONIA MAIA FERREIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

LARISSA RAULINO DE ARAÚJO 0000121-60.2018.4.05.8200

LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO 0005954-89.2000.4.05.8200 0009911-59.2004.4.05.8200

LEOPOLDINO MAIA PAIVA 0009911-59.2004.4.05.8200

LETICIA BOLZANI GONDIM 0005177-12.1997.4.05.8200

LIZA ROLIM BAGGIO 0000191-14.2017.4.05.8200

LORENA DANTAS MONTENEGRO 0005693-75.2010.4.05.8200

LUCAS BARBOSA DE CARVALHO GONÇALVES 0000370-51.1994.4.05.8200

LUCAS LEONARDO FEITOSA BATISTA 0000191-14.2017.4.05.8200

LUCINEIDE DE OLIVEIRA 0009911-59.2004.4.05.8200

LUIS FERNANDO MARTINS SANTOS 0005693-75.2010.4.05.8200

LUIZ ARMANDO CAMISAO 0000078-26.2018.4.05.8200

LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO 0000118-08.2018.4.05.8200

LUIZ FIRMO FERRAZ FILHO 0005177-12.1997.4.05.8200

LUIZ OTAVIO DE SOUZA JORDÃO EMERENCIANO 0008352-96.2006.4.05.8200

LUIZA MARIA COSTA PESSOA (IBAMA) 0002494-41.1993.4.05.8200

LÚCIA DE FÁTIMA GORGÔNIO 0000370-51.1994.4.05.8200

MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO 0007560-35.2012.4.05.8200

MANOEL ANTONIO BRUNO NETO 0000078-26.2018.4.05.8200

MARCELA MOYSES POLETTI 0000370-51.1994.4.05.8200

MARCELA SANTOS DOS REIS 0000191-14.2017.4.05.8200

MARCELLA NASCIMENTO LOPES 0009799-17.2009.4.05.8200

MARCELO LUIZ MARTINS BALAU 0000191-14.2017.4.05.8200

MARCELO MIRANDA PEREIRA 0009911-59.2004.4.05.8200

MARCIA B. GONDIM COUTINHO 0004179-82.2013.4.05.8200

MARCO AURÉLIO PEREIRA DO NASCIMENTO 0009911-59.2004.4.05.8200

MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA 0000121-60.2018.4.05.8200 0000400-03.2005.4.05.8200 0005177-12.1997.4.05.8200

MARCOS REIS GANDIN 0000078-26.2018.4.05.8200

MARCUS VINICIUS XAVIER DE MELO 0000121-60.2018.4.05.8200

MARIA DA SALETE GOMES(UFPB) 0001636-82.2008.4.05.8200

MARIA EDUARDA DUARTE BELTRAO 0000191-14.2017.4.05.8200

MARIANA ZENAIDE NOBREGA GADELHA 0008352-96.2006.4.05.8200

MARINA BASTOS DA PORCIUNCULA BENGHI 0000191-14.2017.4.05.8200

MINARTE FIGUEIREDO BARBOSA FILHO 0005712-47.2011.4.05.8200

MYRIAM PIRES BENEVIDES GADELHA 0000370-51.1994.4.05.8200

NARRIMAN XAVIER DA COSTA 0000121-60.2018.4.05.8200 0005177-12.1997.4.05.8200

NATHALIA DIAS DE BARROS 0000370-51.1994.4.05.8200

NATHALIA SOUTO DE ARRUDA VASCONCELOS 0000370-51.1994.4.05.8200

NELSON AZEVEDO TORRES 0000121-60.2018.4.05.8200

NOALDO BELO DE MEIRELES 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

ODILON GUIMARÃES PIRES 0009911-59.2004.4.05.8200

OSMANYO CAETANO XAVIER 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

OTINALDO LOURENCO DE ARRUDA MELLO 0009911-59.2004.4.05.8200

PAULO GUEDES PEREIRA 0001636-82.2008.4.05.8200 0009404-40.2000.4.05.8200

PAULO J C SANTANA 0000191-14.2017.4.05.8200

PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO 0000250-51.2007.4.05.8200

PEDRO HENRIQUE VIEIRA LEITE DE LIMA 0008352-96.2006.4.05.8200

PETROV FERREIRA BALTAR FILHO 0004179-82.2013.4.05.8200

PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA 0003585-68.2013.4.05.8200 0006883-73.2010.4.05.8200

RAFAEL RODRIGUES NEVES GOMES 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

RAFAEL TARGINO FALCAO FARIAS 0000370-51.1994.4.05.8200

RAFAELLA CORREIA DINIZ 0000370-51.1994.4.05.8200

RAMON PESSOA DE MORAIS 0000370-51.1994.4.05.8200 0005404-02.1900.4.05.8200

RENATA PESSOA DE ANDRADE QUEIROZ 0009911-59.2004.4.05.8200

RENATA TORRES DA COSTA MANGUEIRA 0000370-51.1994.4.05.8200

RENATHA CATHARINA CAVALCANTI E SILVA 0009911-59.2004.4.05.8200

RENATO DE MENDONÇA CANUTO NETO 0009911-59.2004.4.05.8200

RICARDO AUGUSTO ALBUQUERQUE GONÇALVES 0000370-51.1994.4.05.8200

RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES 0000370-51.1994.4.05.8200 0005404-02.1900.4.05.8200

RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA 0000370-51.1994.4.05.8200 0005404-02.1900.4.05.8200

ROBERTO AMORIM 0008352-96.2006.4.05.8200

RODOLFO ALVES SILVA 0008352-96.2006.4.05.8200

RODRIGO CARDOSO SANTANA 0000370-51.1994.4.05.8200

RODRIGO DE MIRANDA AZEVEDO 0000191-14.2017.4.05.8200

RODRIGO NOBREGA FARIAS 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200 0005954-89.2000.4.05.8200 0009911-59.2004.4.05.8200

SABRINA PEREIRA MENDES 0000370-51.1994.4.05.8200

SANDRO TARGINO DE SOUZA CHAVES 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

SEM ADVOGADO 0002196-43.2016.4.05.8200 0003029-03.2012.4.05.8200 0005404-02.1900.4.05.8200 0005677-58.2009.4.05.8200 0007560-35.2012.4.05.8200 0008352-96.2006.4.05.8200 0009911-59.2004.4.05.8200

SEM PROCURADOR 0000118-08.2018.4.05.8200 0000191-14.2017.4.05.8200 0000400-03.2005.4.05.8200 0001056-57.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200 0003283-34.2016.4.05.8200 0005712-47.2011.4.05.8200 0006883-73.2010.4.05.8200 0009911-59.2004.4.05.8200

SERGIO AUGUSTO URBANO FELIPE HEIL 0000078-26.2018.4.05.8200

SERGIO BENEVIDES FELIZARDO (UFPB) 0001636-82.2008.4.05.8200

SERGIO RICARDO B. CALDAS 0000191-14.2017.4.05.8200

SEVERINO CELESTINO SILVA FILHO 0003281-64.2016.4.05.8200 0003282-49.2016.4.05.8200 0003284-19.2016.4.05.8200

SIMONNE MAUX DIAS 0003585-68.2013.4.05.8200

SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO 0000250-51.2007.4.05.8200

TANEY FARIAS 0009911-59.2004.4.05.8200

TANIELLE KÉZIAH DE SOUSA FREIRE 0005177-12.1997.4.05.8200

TATIANA DO AMARAL CARNEIRO CUNHA 0000370-51.1994.4.05.8200

TATYANA DE OLIVEIRA PAIVA CRISPIM HOLANDA 0009911-59.2004.4.05.8200

THIAGO BENJAMIN CARNEIRO DE ALMEIDA 0008352-96.2006.4.05.8200

THIAGO BRUNO LAPENDA 0000191-14.2017.4.05.8200

TIAGO CARNEIRO LIMA 0000191-14.2017.4.05.8200

VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO 0000370-51.1994.4.05.8200

VALTER DE MELO 0000014-36.2006.4.05.8200 0000118-08.2018.4.05.8200

VALTER LÚCIO LELIS FONSECA 0002196-43.2016.4.05.8200

VANESSA DE ARAUJO PORTO 0000370-51.1994.4.05.8200

VICTOR GADELHA DE OLIVEIRA CAVALCANTE 0002502-08.1999.4.05.8200

VINICIUS BARROS DE VASCONCELOS 0000078-26.2018.4.05.8200 0000121-60.2018.4.05.8200 0002196-43.2016.4.05.8200

VINICIUS DE NEGREIROS CALADO 0000250-51.2007.4.05.8200

VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR 0000370-51.1994.4.05.8200

WAGNER LUIZ RIBEIRO SALES 0000370-51.1994.4.05.8200

WERTON MAGALHAES COSTA 0008352-96.2006.4.05.8200

WILSON SALES BELCHIOR 0009911-59.2004.4.05.8200

YANARA JAPIASSU PEREIRA VERAS 0008352-96.2006.4.05.8200

YORDAN MOREIRA DELGADO 0008352-96.2006.4.05.8200

YURI MARQUES DA CUNHA 0000118-08.2018.4.05.8200

YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE 0000400-03.2005.4.05.8200 0001056-57.2005.4.05.8200 0001164-86.2005.4.05.8200

ZILDO MARIO DE FARIAS 0000191-14.2017.4.05.8200

 

Juiz Federal JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA

Diretor de Secretaria: Romulo Augusto de Aguiar Loureiro

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0005693-75.2010.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO) X JH BIJUTERIAS LTDA E OUTROS (Adv. LUIS FERNANDO MARTINS SANTOS, LORENA DANTAS MONTENEGRO)

Processo:0005693-75.2010.4.05.8200- Cls. 28 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF REU: JH BIJUTERIAS LTDA e outros ATO ORDINATÓRIO Em cumprimento à Resolução nº 03/2018, alterada pela Resolução nº 07/2018, ambas do Pleno do TRF- 5ª Região, ficam as partes informadas acerca da digitalização e migração do presente feito para o Sistema PJE onde terá seguimento a sua tramitação com a mesma numeração. PUBLIQUE-SE. João Pessoa, 6 de novembro de 2018. ROMULO AUGUSTO AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0009799-17.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. JAIME MARTINS PEREIRA JUNIOR, FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X JOACI DE MOURA RIBEIRO (Adv. GETULIO DE SOUZA JUNIOR, MARCELLA NASCIMENTO LOPES) x IRAN LINS DARIS E OUTRO

Processo:0009799-17.2009.4.05.8200- Cls. 28 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF REU: JOACI DE MOURA RIBEIRO e outros C E R T I D Ã O CERTIFICO que o executado JOACI DE MOURA RIBEIRA juntou petição (fls. 203) com documentos anexos (fls. 204/205), que estão apresentados como provas para liberar o valor que está bloqueado (fls. 189) via BACENJUD. Dou fé. João Pessoa, 11/10/2018. ANTONIO LISBOA DE MEDEIROS MORAIS Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 11 de outubro de 2018. ANTÔNIO LISBOA DE MEDEIROS MORAIS Técnico Judiciário Processo:0009799-17.2009.4.05.8200- Cls. 28 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF REU: JOACI DE MOURA RIBEIRO e outros Decisão: 1. O executado não juntou aos autos os documentos determinados na decisão (fls. 199/200, item 9), isto é, extratos bancários da conta em que houve o bloqueio judicial nos meses de agosto e setembro/2018, limitando-se a juntar cópias de telas com informações sobre imposto de renda, que não tem qualquer utilidade para demonstrar a alegada impenhorabilidade dos valores constritos. 2. Isto posto, mantenho a decisão (fls. 199/200). 3. Intime-se o executado. 4. Decorrido o prazo recursal em branco, transfira-se o montante bloqueado para conta judicial na agência 0548 da CEF e, em seguida, converta-se o bloqueio em renda da exequente. João Pessoa, 18/10/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000078-26.2018.4.05.8200 GERALDINO LIMA CAVALCANTE E OUTROS (Adv. GILMARA FERNANDES M HEIL, MARCOS REIS GANDIN, CARLOS ROBERTO SCOZ JR, MANOEL ANTONIO BRUNO NETO, LUIZ ARMANDO CAMISAO, SERGIO AUGUSTO URBANO FELIPE HEIL) X FEDERAL DE SEGUROS S/A (Adv. JOSEMAR LAURIANO PEREIRA, VINICIUS BARROS DE VASCONCELOS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO EDWARD AGUIAR NETO)

Processo:0000078-26.2018.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: GERALDINO LIMA CAVALCANTE e outros REU: FEDERAL DE SEGUROS S/A e outro C E R T I D Ã O Certifico que juntei (fls. 1.049/1.051) informação acerca do AGTR nº 0812574-16.2018.4.05.0000 Dou fé. João Pessoa, 27 de setembro de 2018. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 27 de setembro de 2018. JOSE IDEAO LEITE ALENCAR Técnico Judiciário Processo:0000078-26.2018.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: GERALDINO LIMA CAVALCANTE e outros REU: FEDERAL DE SEGUROS S/A e outro Despacho: 1. Em cumprimento à decisão proferida pelo TRF5 (fls. 1.049/1.051), aguarde-se o julgamento do IRDR nº. 0804575-80.2016.4.05.0000. 2. Intimem-se, sem demora. João Pessoa, 25/10/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0002196-43.2016.4.05.8200 EDNALVA CARNEIRO DOS SANTOS PAIVA (Adv. VALTER LÚCIO LELIS FONSECA) X FEDERAL DE SEGUROS S/A (Adv. JOSEMAR LAURIANO PEREIRA, VINICIUS BARROS DE VASCONCELOS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo:0002196-43.2016.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: EDNALVA CARNEIRO DOS SANTOS PAIVA REU: FEDERAL DE SEGUROS S/A e outro C E R T I D Ã O Certifico que a ré a Federal de Seguros S. A. peticionou (fls.65/68) e (fls.71/75), requerendo o desarquivamento dos autos e o substabelecimento dos advogados Josemar Lauriano Pereira, OAB/RJ 132.101 e Vinícius de Barros Vasconcelos, OAB/PE 32.570. Dou fé. João Pessoa, 21 de setembro de 2018. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 21 de setembro de 2018. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário Decisão: 1-RH 2-Defiro o pedido de vista (fls.65/68) e (fls.71/75). 3-Ao Distribuidor para anotação dos advogados Josemar Lauriano Pereira, OAB/RJ 132.101 e Vinícius de Barros Vasconcelos, OAB/PE 32.570. 4-Em seguida, vista à ré para obter as cópias que necessita. 5-Prazo de 05 (cinco) dias. 6-Sem manifestação, remetam-se os autos ao Distribuidor para baixa e arquivamento. João Pessoa, 21/09/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa Rua João Teixeira de Carvalho, 480, Brisamar CEP: 58.031-220- João Pessoa-PB PABX: (0XX83)3216 4040/4058 FAX: (0XX83 3216 4030)

   

EMBARGOS À EXECUÇÃO FUNDADA EM SENTENÇA

   

0001636-82.2008.4.05.8200 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SERGIO BENEVIDES FELIZARDO (UFPB), ANDRE GUSTAVO V DE ALCANTARA, JOAO ABRANTES QUEIROZ, JONACY FERNANDES ROCHA, MARIA DA SALETE GOMES(UFPB)) X SIND. NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUICOES DE ENSINO SUP., P/ S/ SECAO SINDICAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA - ADUFPB/Ssind (Adv. PAULO GUEDES PEREIRA)

Processo nº: 0001636-82.2008.4.05.8200 (AUTOS EM APENSO/EXECUÇÃO nº 0008722-41.2007.4.05.8200) EMBARGOS À EXECUÇÃO Embargante: ANDES/ADUFPB/SSIND. Embargado: UFPB. Decisão: 1. Trata-se pedido (fls. 163/167) formulado pelo exequente/embargado de chamamento do feito à ordem para que seja decretada a nulidade dos atos processuais efetivados após a decisão (fls. 131) que recebeu a apelação (fls. 14/18) no efeito devolutivo. 2. Disse que os presentes embargos foram extintos em razão de sua intempestividade, tendo a UFPB interposto apelação, que fora recebida no duplo efeito, mas, depois, apenas em seu efeito devolutivo. 3. E que foi não lhe oportunizado o exercício do direito ao duplo grau de jurisdição, visto que apesar de haver sido requerida a anotação do nome do Bel. Paulo Guedes Pereira para que constasse de todas as publicações de forma exclusiva, a intimação da referida decisão fora efetivada em nome do advogado José Mario Porto Júnior, que não teria procuração nos autos. 4. Concluiu requerendo a nulidade dos atos processuais referidos no item 1-supra ou, subsidiariamente, seja anulada a intimação da sentença que rejeitou os embargos declaratórios, e devolvido ao embargado o correspondente prazo recursal. 5. Sentença, mantida em sede de embargos de declaração, extinguindo a execução e, por consequência, estes embargos por falta de interesse de agir. 6. Relatados, em síntese, passo a decidir. 7. Porém, ao contrário do afirmado, foram outorgados poderes ao Bel. José Mario Porto Júnior, conforme procuração (fls. 10v. dos autos do processo de execução nº 0008722-41.2007.4.05.8200). 8. Por outro lado, razão assiste ao embargado quanto à alegação de haver requerido a correção do termo de autuação, para que as publicações fossem efetuadas exclusivamente em nome do Bel. Paulo Guedes Pereira, tendo, conforme afirmado, a petição sido apresentada (fls. 149) antes da rejeição (fls. 151/152) dos embargos de declaração opostos contra a sentença (fls.136/139). 9. Quanto à anulação de atos processuais, embora as razões expostas pelos embargados estejam revestidas de plausibilidade, tendo em vista que os embargos foram rejeitados liminarmente por intempestividade, não se pode esquecer que a execução foi extinta (fls. 136/139) porque, à época, ainda se encontrava pendente de julgamento o AREsp nº 263.181/PB e do ARE nº 869.546/PB, atualmente transitados em julgado. 10. Assim sendo, a pretendida nulidade implicaria ofensa a acórdão do TRF 5ª Região que, em face de referido fato superveniente (trânsito em julgado do AREsp nº 263.181/PB e do ARE nº 869.546/PB), determinou, em diversos feitos oriundos do mesmo título judicial que deu origem aos presentes embargos, o restabelecimento do trâmite dos processos de execução e dos embargos à execução em seus ulteriores termos, à luz dos princípios da economia processual, da celeridade e da instrumentalidade. 11. Da mesma forma, a devolução do prazo recursal ao embargado somente ensejaria mera reprodução de atos processuais já praticados. 12. Ademais, analisando os autos da presente execução, verifica-se que o requerimento de cumprimento da obrigação de pagar não foi instruído com os demonstrativos discriminados dos créditos, tendo o(a) exequente apresentado apenas um "quadro totalizador", contendo os valores considerados devidos a cada substituído referido na inicial da execução, sendo que a omissão do(a) embargado(a) inviabilizou a ampla defesa da executada, além da aferição, pela Contadoria do Juízo, dos valores corretos da execução. 13. Com efeito, em situações idênticas a do presente feito, restou decidido que, em homenagem aos princípios da efetividade, celeridade e economia processuais, o caso não seria de extinção da execução, mas de conceder às partes, embargada e embargante, a oportunidade para a apresentação dos cálculos necessários ao deslinde do feito, o que, inclusive, já foi cumprido pela embargada ANDES/ADUFPB/SSIND neste feito, conforme planilhas/memórias individualizada de cálculos (fls. 159/160). 14. Isto posto, remetam-se os autos à Distribuição para que seja corrigida, com a possível urgência, a autuação "para que as publicações saiam, exclusivamente, em nome do Bel. PAULO GUEDES PEREIRA - OAB/PB 6857", conforme requerido (fls. 149). 15. A seguir, INTIME-SE A EMBARGANTE UFPB para, no prazo de 30 (trinta) dias, apresentar as suas memórias de cálculos, acompanhadas das correspondentes fichas financeiras, bem como de documentos que demonstrem/informem eventuais pagamentos realizados na via administrativa no tocante ao índice de reajuste remuneratório objeto da execução (3,17%). 16. Os cálculos/documentação poderão ser apresentados por meio de mídia digital (CD/DVD-R). 17. ATENTE a Secretaria para a sequência de cumprimento das determinações conforme itens 14/15-supra. 17. Por fim, voltem-me conclusos. 18. Intimem-se e cumpra-se, sem demora. João Pessoa, 20/junho/2017 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA - PRIMEIRA VARA

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0006883-73.2010.4.05.8200 SILVANIA MARIA DE SOUZA GOMES (Adv. EDINANDO JOSE DINIZ) X REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA) x ALEX DA SILVA BARBOSA (Adv. ALEXANDER THYAGO GONÇALVES NUNES DE CASTRO) x UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 0006883-73.2010.4.05.8200 Classe 126 IMPETRANTE: SILVANIA MARIA DE SOUZA GOMES IMPETRADO: REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB e outros C E R T I D Ã O Certifico que os autos transitaram em julgado, conforme certidão (fls.667). Dou f é. João Pessoa, 23 de outubro de 2018 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 23 de outubro de 2018 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Despacho: 1- Intimem-se as partes para conhecimento e cumprimento do julgado. 2- Prazos: 15 (quinze) dias, improrrogáveis. 3-Após, sem manifestação das partes, ou informando que nada tem a requerer, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se. João Pessoa, 22/outubro/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara/SJPB PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

RESTAURAÇÃO DE AUTOS

   

0000191-14.2017.4.05.8200 SOBRARE SERVEMAR S/A (Adv. TIAGO CARNEIRO LIMA, SERGIO RICARDO B. CALDAS, RODRIGO DE MIRANDA AZEVEDO, ESDRAS MELO PAES BARRETO, MARINA BASTOS DA PORCIUNCULA BENGHI, CAMILLE MARIA GRANDO FERRAZ, EVANGELINA GERJOY CÂMARA, LIZA ROLIM BAGGIO, MARCELO LUIZ MARTINS BALAU, THIAGO BRUNO LAPENDA, ZILDO MARIO DE FARIAS, LUCAS LEONARDO FEITOSA BATISTA, ELDER GUSTAVO TAVARES RODRIGUES, EDUARDO BORGES PINHO, MARIA EDUARDA DUARTE BELTRAO, PAULO J C SANTANA, BÁRBARA SANTOS GUEDES, MARCELA SANTOS DOS REIS) X UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0000191-14.2017.4.05.8200 Sentença TIPO "A" (Res. CJF nº 535/2006) Autora: SOBRARE SERVEMAR S/A Ré: UNIÃO (Fazenda Nacional) SENTENÇA Vistos, etc. Relatório SOBRARE SERVEMAR LTDA, na qualidade de incorporadora da EQUIPORT TRANSPORTES E SERVIÇOS MARÍTIMOS LTDA, propôs ação especial de restauração de autos em desfavor da UNIÃO (Fazenda Nacional), objetivando recompor as peças dos autos do Processo nº. 0003727-44.1991.4.05.8200, em trâmite neste Juízo, que se encontram extraviadas. 2. A petição inicial (fls. 03/08) veio aos autos acompanhada de documentos (fls. 09/436), alegando, resumidamente, que os autos da ação ordinária referida (Processo nº. 0003727-44.1991.4.05.8200) foram extraviados, uma vez que, apesar de diversas diligências realizadas junto à Secretaria da Vara, não foram localizados. 3. A Fazenda Nacional foi devidamente citada (fls. 447-vº), mas deixou transcorrer o prazo legal sem qualquer manifestação, conforme certidão da Secretaria da Vara (fls. 448). 4. Autos conclusos. 5. Relatados, em síntese, passo a decidir. Fundamentação 6. A ação prevista no CPC, art. 712, tem natureza contenciosa e destina-se à restauração de autos desaparecidos ou extraviados; todavia, a questão de mérito circunscreve-se, apenas, à pesquisa e à definição do conteúdo das peças processuais pertencentes ao feito em visas de recomposição. 7. Os autos da ação ordinária nº. 0003727-44.1991.4.05.8200 foram extraviados possivelmente em junho/2006, quando remetido ao advogado da demandante, conforme registro no sistema de movimentação processual (TEBAS). 8. Em se tratando de ação de restauração de autos, presentes as condições da ação e os pressupostos processuais, o pronunciamento do juiz se opera apenas em torno da idoneidade das peças e dos documentos apresentados pelas partes ou registrados em cartório ou, ainda, em poder de terceiros, caso em que se deve determinar sua exibição. 9. Sendo os documentos reputados fidedignos, deve o magistrado julgar procedente o pedido de restauração de autos; todavia, somente na hipótese de serem insuficientes ou não retratarem o estado em que o processo se encontrava, haverá necessidade de renovação do ato processual faltante. 10. Neste caso específico, a parte autora instruiu os autos com cópias de várias peças processuais, extraídas da ação ordinária extraviada (Processo nº. 0003727-44.1991.4.05.8200), dentre as quais: (a) petição inicial (fls. 26/64), (b) procuração com poderes especiais (fl. 65), (c) alteração contratual da EQUIPORT TRANSPORTES E SERVIÇOS MARÍTIMOS LTDA (fls. 66/71), (d) comprovantes de depósitos judiciais (fls. 72/88), (e) aditamento da inicial (fls. 89/93), (f) despacho de citação e mandado de citação (fls. 94/95), (g) contestação (fls. 106/108), (h) sentença de mérito (fls. 131/139), (i) remessa oficial ao TRF5 e respectivo acórdão (fls. 145/153), (j) certidão do trânsito em julgado do acórdão (fl. 155), (k) requerimentos de execução (fls. 179/185), (l) cálculos da Contadoria do Juízo (fls. 237/238), (m) contestação à liquidação por artigos (fls. 321/323), (n) impugnação à contestação (fls. 325/360), (o) conta de atualização pela Contadoria Judicial (fls. 387/388), (p) ofício à CEF (fl. 398) e respectiva resposta (fls. 400/401), (q) sentença e expedientes referentes ao MS nº. 92.4473-5 (fls. 406/421). 11. Por intermédio de consulta ao sistema de movimentação processual (TEBAS), foi possível constatar que os documentos acostados pela parte autora apresentam-se fidedignos, impondo-se a restauração dos autos do Processo nº. 0003727-44.1991.4.05.8200, visto que foram reconstituídas as principais peças e os documentos essenciais ao prosseguimento do feito original. 12. Dessa forma, a recomposição das peças dos autos do Processo nº. 0003727-44.1991.4.05.8200 encontra-se de acordo com o procedimento previsto no CPC, arts. 712 e segs, impondo-se o acolhimento do pedido deduzido na inicial. 13. Por outro lado, os autos não trazem informação precisa acerca do responsável pelo extravio dos autos da ação ordinária objeto de restauração, de modo que nenhuma das partes deve responder por ônus de sucumbência, sendo inaplicáveis, neste caso, as disposições do CPC, art. 718. 14. Isto posto, com fundamento no CPC, art. 487, I, c/c o art. 716, acolho o pedido deduzido na inicial e declaro restauradas as principais peças dos autos da ação ordinária nº. 0003727-44.1991.4.05.8200, em que são partes EQUIPORT TRANSPORTES E SERVIÇOS MARÍTIMOS LTDA e a UNIÃO (Fazenda Nacional), devendo a ação principal prosseguir em seus ulteriores termos. 15. Custas e honorários advocatícios incabíveis na espécie, ex vi do CPC, art. 718, pois não ficou provado que nenhuma das partes tenha dado causa ao desaparecimento dos autos da ação ordinária nº. 0003727-44.1991.4.05.8200. 16. Sem reexame necessário, pois o proveito econômico obtido nestes autos (fls. 08) não ultrapassa o montante previsto no CPC, art. 496, § 3º. 17. Após o trânsito em julgado, remetam-se estes autos (Processo nº. 0000191-14.2017.4.05.8200) à Seção de Distribuição e Registro para autuação de suas peças processuais como volumes da ação restaurada, devendo receber capa própria das ações ordinárias em fase de execução contra a Fazenda Pública (Cls. 206), bem como etiqueta e termo de autuação referente ao Processo nº. 0003727-44.1991.4.05.8200. 18. Em seguida, dê-se baixa nesta ação de restauração de autos (Processo nº. 0000191-14.2017.4.05.8200) junto ao sistema de movimentação processual (TEBAS). 19. Publique-se, registre-se, intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa, 31/outubro/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0001056-57.2005.4.05.8200 MARIO FERREIRA DE LIMA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) X UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001056-57.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: MARIO FERREIRA DE LIMA e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C E R T I D Ã O Certifico que a União peticionou (fls.457/459), impugnando a RPV (fls.454/455). Dou fé. João Pessoa, 26 de outubro de 2018. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 26 de outubro de 2018. RACHEL LACET DE PAULA Técnico Judiciário Despacho: 1. R. H. 2-Vista ao exequente da petição da União (fls.457/459), no prazo improrrogável de 05 (cinco) dias. 3-Em seguida, voltem os autos conclusos.' João Pessoa, 29/10/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0001164-86.2005.4.05.8200 AFRANIO TARGINO MUNIZ E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, EDVAN CARNEIRO DA SILVA) x ANTONIO FRANCISCO DA CRUZ X UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0001164-86.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: AFRANIO TARGINO MUNIZ e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) C E R T I D Ã O Certifico que a exequente ANAMARI MACEDO SANTOS DE FRANÇA PAIVA ingressou em Juízo com petição (fls. 410/417), requerendo a expedição de nova requisição, bem como a habilitação de novos advogados. Dou fé. João Pessoa, 10 de maio de 2018. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Dr. JOAO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA. João Pessoa, 10 de maio de 2018. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário Processo:0001164-86.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: AFRANIO TARGINO MUNIZ e outros EXECUTADO: UNIAO (MINISTERIO DA SAUDE) SUSPENSÃO dos prazos processuais nesta Vara no período de 07 a 11 de maio de 2018 (Portaria nº 001/2018 -GAB. 1ª Vara). Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2. O(a) exequente requereu a expedição de nova requisição de pagamento em seu favor, alegando que houve cancelamento do(a) precatório/RPV expedido(a) nestes autos em seu favor sem que houvesse o levantamento do crédito a ele(a) correspondente (fls. 410/411). 3. Juntou aos autos extrato de movimentação do respectivo requisitório (fls. 416/417) onde constam informações sobre o seu cancelamento em virtude do disposto na Lei nº. 13.463/2017, além do número da conta, data e valor do depósito e data e valor do estorno à Fazenda Pública. 4. A Lei nº. 13.463/2017 previu, em seu art. 2º, o cancelamento dos precatórios e RPVs federais cujos valores não tenham sido levantados pelo credor e estejam depositados há mais de dois anos em instituição financeira oficial, bem como a transferência desses valores para a Conta Única do Tesouro Nacional. 5. A movimentação da requisição de pagamento apresentada pelo(a) exequente (fls. 416/417) fornece informações detalhadas a respeito de seu cancelamento, bem como a data e o valor do estorno, não sendo necessária a apresentação de extrato bancário da referida conta, de modo que a expedição de nova requisição de pagamento em favor do(a) exequente é medida que se impõe. 6. Ante o exposto, defiro o pedido (fls. 410/411) para, com fundamento na Lei nº. 13.463/2017, art. 3º, determinar a expedição de nova requisição de pagamento em favor do(a) exequente ANAMARI MACEDO SANTOS DE FRANÇA PAIVA. 7. Considerando que o parágrafo único do dispositivo acima referido dispõe que o novo precatório ou a nova RPV conservará a ordem cronológica do requisitório anterior e a remuneração correspondente a todo o período, o valor e a data-base da nova RPV serão, respectivamente, o exato montante resgatado aos cofres públicos e a data do resgate. 8. Expedida a requisição de pagamento, intimem-se as partes para sobre ela se manifestarem em 5 (cinco) dias, remetendo-a, em seguida, ao TRF5, caso não haja impugnação. 9. Defiro o pedido de habilitação dos novos advogados (fls. 410/411). 10. Remetam-se os autos ao Distribuidor para anotações. João Pessoa, _____/ maio/2018. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB REPRESENTANTE DA DPU REPRESENTANTE DA AGU PODER JUDICIÁRIO Foro Juiz Federal Ridalvo Costa 1.ª Vara

   

0005177-12.1997.4.05.8200 ESPOLIO DE JOAQUIM CLEMENTE SOBRINHO, REPRESENTADO PELA INVENTARIANTE CARMITA DA SILVA CLEMENTE (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, CAIO TIBERIO BARBALHO DA SILVA, TANIELLE KÉZIAH DE SOUSA FREIRE, LETICIA BOLZANI GONDIM, JOÃO PAULO BARBALHO INACIO DA SILVA) X FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. LUIZ FIRMO FERRAZ FILHO)

Processo:0005177-12.1997.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: ESPOLIO DE JOAQUIM CLEMENTE SOBRINHO, REPRESENTADO PELA INVENTARIANTE CARMITA DA SILVA CLEMENTE EXECUTADO: FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA CERTIDÃO CERTIFICO que, apesar de noticiado na petição (fls. 241), a autora não anexou aos autos os documentos que comprovassem que não sacou seu precatório. Dou fé. João Pessoa, 25 de outubro de 2018. Joelma Tavares de Santana Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 25 de outubro de 2018. Joelma Tavares de Santana Técnico Judiciário DESPACHO: 1 - Intime-se a autora para que, no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias, anexe a estes autos os documentos que comprovem que não houve saque do precatório expedido em seu favor, conforme decisão (fls. 237). 2. Não havendo manifestação, retornem os autos ao arquivo com baixa, ressalvado o direito enquanto não prescrito. João Pessoa/PB 26/10/2018 JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA Juiz Federal da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

   

0009911-59.2004.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. DUCIRAN VAN MARSEN FARENA, FABIO GEORGE CRUZ DA NOBREGA) X VIAÇÃO ITAPEMIRIM S/A (Adv. MARCELO MIRANDA PEREIRA, ALINE FONTES A C TEIXEIRA, BRUNO HERMINIO ALTOÉ) x AGENCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES - ANTT (Adv. SEM PROCURADOR) x BOMFIM - EMPRESA SENHOR DO BOMFIM LTDA (Adv. SEM ADVOGADO) x EMPRESA VIACAO BONFIM S/A (Adv. JOSÉ ALVES CAMPOS, OTINALDO LOURENCO DE ARRUDA MELLO, FLAVIANO JORGE DE SOUSA, JOSE CAMPOS DA SILVA FILHO, ODILON GUIMARÃES PIRES, JOSÉ EUCLIDES TAVARES DE SOUZA, RENATO DE MENDONÇA CANUTO NETO, LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO, RODRIGO NOBREGA FARIAS, GEORGE VENTURA MORAIS, JOAO BRITO DE GOIS FILHO, GUILHERME MUNIZ NUNES, LEOPOLDINO MAIA PAIVA, GEORGE VENTURA MORAIS) x VIAÇÃO NORDESTE LTDA (Adv. CRISTIANE PEREIRA, JOSÉ PEGADO DO NASCIMENTO, MARCO AURÉLIO PEREIRA DO NASCIMENTO, KLEVELANDO AUGUSTO SILVA DOS SANTOS) x EXPRESSO GUANABARA S/A (Adv. ANTONIO CLETO GOMES, EVELINE PEREIRA DE QUEIROZ, ANASTÁCIO JORGE MATOS DE SOUSA MARINHO, DEBORAH SALES BELCHIOR, CAIO CÉSAR VIEIRA ROCHA, IVONE CAVALCANTE SILVEIRA, WILSON SALES BELCHIOR) x VIACAO PLANALTO DE CAMPINA GRANDE LTDA (Adv. JOCIMAR MOREIRA SILVA, JOSE CAMPOS DA SILVA FILHO, LUCINEIDE DE OLIVEIRA) x EMPRESA AUTO VIAÇÃO PROGRESSO S/A (Adv. RENATHA CATHARINA CAVALCANTI E SILVA, RENATA PESSOA DE ANDRADE QUEIROZ) x EMPRESA VIACAO BOA VISTA LTDA (Adv. DORGIVAL TERCEIRO NETO, IVANILDO DE MORAIS COELHO) x EMPRESA GONTIJO DE TRANSPORTES LTDA (Adv. SEM ADVOGADO) x EMPRESA DE ONIBUS NOSSA SENHORA DA PENHA S/A (Adv. AGOSTINHO MANUEL COELHO GARCIA, CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS, JALDEMIRO RODRIGUES DE A. JUNIOR) x CIA SAO GERALDO DE VIAÇÃO (Adv. SEM ADVOGADO) x ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE TRANSPORTE TERRESTRE (Adv. TANEY FARIAS, CARLOS FERNANDO MOREIRA, TATYANA DE OLIVEIRA PAIVA CRISPIM HOLANDA) x UNIÃO (Adv. GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS, FLAVIANO JORGE DE SOUSA)

Processo:0009911-59.2004.4.05.8200- Cls. 1 AUTOR: MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL REU: VIAÇÃO ITAPEMIRIM S/A e outros C E R T I D Ã O Certifico que os autos retornaram do Egrégio TRF da 5ª Região. Dou fé. João Pessoa, 11 de maio de 2018. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal Dr. JOAO PEREIRA DE ANDRADE FILHO. João Pessoa, 11 de maio de 2018. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário Processo:0009911-59.2004.4.05.8200- Cls. 1 AUTOR: MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL REU: VIAÇÃO ITAPEMIRIM S/A e outros . SUSPENSÃO dos prazos processuais nesta Vara no período de 07 a 11 de maio de 2018 (Portaria nº 001/2018 -GAB. 1ª Vara). Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2-Anote-se o substabelecimento (fls. 3887). 3-Trasladem-se para os autos da Execução provisória de Sentença nº 0006455-86.2013.4.05.8200, cópias do relatório/voto (fls. 3570/3573), da ementa/acórdão (fls. 3576/3577) e da certidão de transito em julgado (fls. 3584). 4-Após, remetam-se estes autos à Distribuição para baixa e arquivamento. 5- Intimem-se. João Pessoa, _____/ maio/2018. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB REPRESENTANTE DA DPU REPRESENTANTE DA AGU PODER JUDICIÁRIO Foro Juiz Federal Ridalvo Costa 1.ª Vara

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0008352-96.2006.4.05.8200 MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL (Adv. WERTON MAGALHAES COSTA, DOMENICO D'ANDREA NETO, RODOLFO ALVES SILVA, YORDAN MOREIRA DELGADO) X INALDA MARIA DA SILVA (Adv. LUIZ OTAVIO DE SOUZA JORDÃO EMERENCIANO, PEDRO HENRIQUE VIEIRA LEITE DE LIMA) x HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA E OUTROS (Adv. ERICK MACEDO, FABIO ANTERIO FERNANDES) x MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA E OUTROS (Adv. ROBERTO AMORIM, YANARA JAPIASSU PEREIRA VERAS) x WALTER DE SOUZA LEÃO E OUTROS (Adv. FERNANDO FERREIRA DE SOUZA) x ALEX ZENAIDE E OUTRO (Adv. AUREA ZENAIDE NOBREGA GADELHA, MARIANA ZENAIDE NOBREGA GADELHA, THIAGO BENJAMIN CARNEIRO DE ALMEIDA) x CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIARIA LTDA (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo:0008352-96.2006.4.05.8200- Cls. 2 AUTOR: MINISTÉRIO PUBLICO FEDERAL REU: INALDA MARIA DA SILVA e outros C E R T I D à O Certifico que: 1- O Ministério Público Federal apresentou alegações finais (fls. 3501/3506) no prazo legal. 2- A ré Fibratex Fibras Texteis S/A, apresentou alegações finais (fls. 3514/3533) no prazo legal. 3- As rés MIBRA, MIBRASA e VIPEX, apresentaram alegações finais (fls. 3563/3572) no prazo legal. 4- A ré Inalda Maria da Silva apresentou alegações finais (fls. 3581/3600) no prazo legal, e juntou aos autos substabelecimento (fls. 3577). 5- Os réus Alex Zenaide e Ruth Catão Zenaide, apresentaram alegações finais (fls. 3605/3619) no prazo legal. 6- A ré Cargo Construções Projetos e Imobiliária foi citada nas pessoas de Alex Zenaide e Ruth Catão Zeneide, conforme decisão (fls. 2977/2979). 7- Os réus Walter de Souza Leão, José Geraldo Barreto Campelo de Melo, João Raimundo da Silva e Catia Maria Neves de Santana, não apresentaram alegações finais. Dou fé. João Pessoa, 13 de junho de 2017. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário C O N C L U S à O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 13 de junho de 2017. VALERIA MARIA MONTEIRO Técnico Judiciário SENTENÇA TIPO: A (RESOLUÇÃO N.º 535/2006) AÇÃO CIVIL PÚBLICA N.º 0008352-96.2006.4.05.8200S AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉUS: HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA e OUTROS SENTENÇA I - RELATÓRIO 1. Trata-se de ação civil pública por ato de improbidade administrativa proposta pelo MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL em face de HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA, RÔMULO HAMAD PEREIRA, FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., WALTER DE SOUZA LEÃO, INALDA MARIA DA SILVA, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, JOÃO RAIMUNDO DA SILVA, CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA, CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., ALEX ZENAIDE, RUTH CATÃO ZENAIDE, MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S.A., objetivando provimento jurisdicional que condene os réus nas sanções previstas na Lei n.º 8.429/92, em razão de irregularidades verificadas na aplicação de recursos financeiros repassadas pelo Fundo de Investimentos do Nordeste - FINOR, por meio do Ministério da Integração Nacional, durante a execução de projeto relacionado à implantação da Indústria FIBRATEX - Fibras Têxteis S.A.. 2. Da inicial (fls. 03/34), pode-se extrair o seguinte quadro fático: a) a ação se funda em documentos que foram obtidos através do Procedimento Administrativo nº 1.24.000.000314/2003-76, instaurado para apurar irregularidades nos atos de gestão praticados pela antiga SUDENE, relativos à aprovação, à liberação de recursos e ao acompanhamento de empreendimentos incentivados com recursos do FINOR - Fundo de Investimentos do Nordeste; b) referido procedimento administrativo foi instaurado no âmbito da Procuradoria da República da Paraíba a partir de nota técnica encaminhada pela CGU, que consolidou informações sobre projetos incentivados com recursos do FINOR, entre os quais estava o projeto para implementação de indústria têxtil no município do Conde/PB pela FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A.; c) a FIBRATEX é uma empresa familiar formada pelos seguintes acionistas: Haula Aristides Hamad Pereira (diretora presidente), Majda Hamad Pereira (sócia acionista), Rômulo Hamad Pereira (sócio acionista) e Mibrasa - Minérios Brasileiros LTDA (acionista majoritária), a qual é administrada por Haula e sua filha Majda e é detentora de 97% do capital da FIBRATEX; d) o projeto de implementação da FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A. de n.º 0080004.25.0 teve como valor total a quantia de R$ 29.995.000,00 (vinte e nove milhões, novecentos e noventa e cinco mil reais), com participação de recursos do FINOR na proporção de 40%, correspondendo ao valor de R$ 11.998.000,00 (onze milhões, novecentos e noventa e oito mil reais), sendo efetivamente liberado o valor de R$ 3.074.000,00 (três milhões e setenta e quatro mil reais), só não sendo liberado o restante por motivo da descoberta, por parte da CGU, de irregularidades na execução do projeto; e) de acordo a Nota Técnica de n.º 216/DEINT/SFC/CGU-PR, a qual consolidou o resultado da auditoria realizada na extinta Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste - SUDENE, foram identificadas inúmeras irregularidades referentes à aplicação e liberação de verbas do FINOR em vários estados do Nordeste, inclusive tendo descoberto a má aplicação dos recursos públicos e possível responsabilidade de funcionários da SUDENE, no que se refere a aprovação, acompanhamento e fiscalização dos projetos; f) no Estado da Paraíba, de 12 (doze) empreendimentos analisados pela CGU, em 10 (dez) houve indicação de apuração de responsabilidade tanto de servidores da extinta SUDENE, quanto de empresários; g) a aprovação do projeto da FIBRATEX pela extinta SUDENE comportou algumas falhas na avaliação de exigências realizadas pela SUDENE, segundo relatório da CGU, no qual se verificou a falta, por parte da FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., da apresentação de documentos ou do preenchimento de requisitos essenciais, como, por exemplo, a comprovação de experiência na área, a comprovação do capital da referida pessoa jurídica, entre outros, os quais, estranhamente, não foram óbice para a normal aprovação do projeto; h) dentre os documentos obrigatórios não apresentados pela FIBRATEX à SUDENE foram citados os seguintes: falta de registro do contrato de compra e venda no Cartório de Imóveis, referente ao terreno onde se situaria a FIBRATEX; ausência de regularidade do projeto de implantação perante o Município do Conde/PB; falta de licença ambiental expedida por órgão competente; falta de Anotação de Responsabilidade Técnica nos projetos de obras civis; i) por orientação da CGU, foi realizada uma Auditoria Especial na FIBRATEX e elaborado o Relatório n.º 106445, o qual concluiu pela existência de diversas irregularidades na execução do projeto, como também na sua fiscalização por parte da extinta SUDENE; j) dentre as várias constatações da Auditoria Especial, foram citadas as seguintes: contratos e recibos inidôneos no valor de R$ 7.006.530,00; alterações de projetos não constatadas pela fiscalização da extinta SUDENE; aprovação de obras não executadas como contrapartida do FINOR; adiantamentos para execução de obras civis aprovados pela extinta SUDENE como inversões fixas; circularizações junto à Secretaria de Finanças do Conde/PB, ao CREA/PB e às empresas ALBRECHT Equipamentos Industriais Ltda. e SULZER Brasil S.A., que apontam indícios de irregularidades na execução do Projeto de Implantação da FIBRATEX; k) para instruir a auditoria da CGU, foi realizada vistoria técnica in loco nas construções civis por engenheiro do Banco do Nordeste, através da qual se concluiu que não existiam obras concluídas, que as obras do reservatório elevado, do reservatório subterrâneo, da fossa séptica e do galpão industrial foram realizadas em dimensões muito inferiores às projetadas, enquanto outras sequer foram iniciadas; l) as medições realizadas demonstraram que o ritmo de implantação da indústria era extremamente lento e caro, revelando indícios de superfaturamento, encontrando-se atualmente com obras inacabadas e totalmente paralisadas; m) constataram-se irregularidades nos relatórios de fiscalização elaborados pela SUDENE, os quais recomendaram a normal liberação de verbas para a FIBRATEX, mesmo havendo falhas no tocante à execução das obras, comprovação de gastos e etc.; n) o Relatório de Fiscalização nº 001/02 apresenta contradição entre as constatações dos técnicos da SUDENE e a recomendação de liberação normal de verbas, quando deveriam ter assinalado cautela nas liberações; o) o aludido relatório foi aprovado pela Chefia de Fiscalização, gerando a liberação de R$ 1.647.000,00; p) ainda, o relatório de fiscalização nº 020/02 aponta irregularidades, uma vez que os técnicos da SUDENE consideraram o ritmo de implantação da indústria normal apenas três meses após ter sido considerado lento, tomando como válidos os adiantamentos feitos às empresas ALBRECHT EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS E SULZER, no valor de R$ 7.367.355,00, referente à compra de maquinário que nunca ocorreu; q) o relatório foi aprovado pela Chefia da Seção de Fiscalização, gerando uma recomendação no valor de R$ 4.714.000,00, importe que não foi efetivamente liberado em virtude de memorando enviado pela CGU solicitando a suspensão de liberação de recurso em favor da FIBRATEX; r) após quebra de sigilo bancário da FIBRATEX, a materialidade do desvio de verbas do FINOR restou demonstrada através do Parecer Técnico nº 026/2006, elaborado por analista pericial contábil da Procuradoria Regional da República da 5ª Região, e do relatório do Banco Central, elaborado pelo Departamento de Combate a Ilícitos Fiscais e Financeiros; s) no que se refere à contratação da empreiteira CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., verifica-se a emissão de notas fiscais para a comprovação de obras civis, as quais superam R$ 7.500.000,00, quando restou comprovada a realização de obras no valor aproximado de R$ 1.600.000,00; t) os réus HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA desviaram os recursos do FINOR em proveito próprio, de suas outras empresas e de seus familiares, conforme se extrai dos relatórios do Banco Central, da Receita Federal e da PRR da 5ª Região; u) os réus CÁTIA MARIA NEVEZ DE SANTANA, WALTER DE SOUZA LEÃO, JOÃO RAIMUNDO DA SILVA, INALDA MARIA DA SILVA e JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, funcionários da extinta SUDENE, atuaram decisivamente para a consecução do desvio, uma vez que praticaram os atos administrativos necessários à liberação de recursos do FINOR, tendo suas condutas causado lesão ao erário (art. 10, incisos I e II, da Lei nº 8.429/92) e atentado contra os princípios da Administração Pública (art. 11, incisos I, V, VII, IX, XI e XII, da Lei nº 8.429/92); o enriquecimento ilícito dos réus (art. 9º, caput, e inciso XI, da Lei nº 8.429/92) será objeto da instrução probatória; v) os réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE praticaram atos que importaram em enriquecimento ilícito (art. 9º, incisos XI e XII da Lei nº 8.429/92), que causaram prejuízo ao Erário (art. 10, incisos I, V, VII, XI e XII, da Lei nº 8.429/92) e que atentaram contra os princípios da Administração Pública (art. 11, incisos I e II, da Lei nº 8.429/92); w) as empresas MIBRA MINÉRIOS LTDA, MIBRASA MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA e VIPEX CONFECÇÕES S.A. desviaram recursos do FINOR, de modo que estão sujeitas às sanções cominadas ao ímprobo, conforme o disposto no art. 3º da Lei nº 8.429/92. 3. A inicial foi instruída com o Procedimento Administrativo n.º 1.24.000.000314/2003-76, constante às fls. 35/507 (1º a 3º volumes) destes autos. 4. Através da decisão de fls. 523/530 (3º volume), prolatada em 23 de fevereiro de 2007, ante a presença de elementos caracterizadores da plausibilidade do direito alegado e do perigo na demora, este Juízo decretou a indisponibilidade de tantos bens dos requeridos relacionados quantos bastassem para ressarcir o dano supostamente por eles provocado ao erário e o sequestro dos bens imóveis listados à fl. 456, de propriedade do requerido Rômulo Hamad Pereira. 5. Às fls. 554-v, foram notificados os demandados Rômulo Hamad Pereira, Haula Aristides Hamad Pereira, Majda Hamad Pereira, FIBRATEX - Fibras Têxteis S.A. e MIBRASA - Minérios Brasileiros Ltda. 6. Foram notificados: Walter de Souza Leão (fl. 835-v), Inalda Maria da Silva (fl. 837), José Geraldo Barreto Campelo de Melo (fl. 828), João Raimundo da Silva (fl. 832), Cátia Maria Neves de Santana (fl. 834), Cargo Construções Projetos e Imobiliária LTDA. (fl. 833-v), Alex Zenaide (fl. 821) e Ruth Catão Zenaide (fl. 823). 7. O réu JOÃO RAIMUNDO DA SILVA apresentou defesa (fls. 844/894 - 5º volume) pugnando pela improcedência da ação e alegando, em suma, que: a) sua atuação restringiu-se apenas à feitura do Relatório de Acompanhamento Físico-Contábil n° 020/2002; b) foram constatados adiantamentos para aquisição de máquinas, aparelhos e equipamentos mediante a apresentação de contratos de compra e venda firmados com fornecedores, todos registrados em cartórios de títulos e documentos; c) o lastro de recomendação gerado pelo Relatório nº 020/02 foi suspenso ante a constatação das primeiras irregularidades, detectadas fora do campo de competência dos técnicos de acompanhamento da implantação do projeto; d) a acusação do Ministério Público Federal não individualizou a responsabilidade de cada servidor; e) a competência de quem acompanhava a implantação físico-contábil era limitada, não podendo opinar sobre qualquer outro tipo de fiscalização; f) em nenhum momento agiu com dolo, má-fé, negligência, imprudência ou imperícia no acompanhamento da implantação da pessoa jurídica empresária FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A.; g) nunca respondeu a um processo administrativo, sequer disciplinar, tendo sempre agido dentro dos critérios estabelecidos na legislação. 8. A ré CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA (fls. 895/914 - 5º volume) apresentou manifestação escrita requerendo o julgamento pela improcedência da ação e aduzindo, em síntese, que: a) sua atuação se restringiu apenas ao Relatório de Fiscalização de n° 001/02 e que toda a fiscalização físico-contábil da FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A. se deu dentro dos ditames legais; b) a admissão de adiantamento para obras civis com recursos do FINOR é permitida pela legislação; c) não foram constatadas irregularidades que pudessem ser vistas dentro da sua competência, pois as obras civis estavam em fase inicial e de acordo com as planilhas de execução apresentadas por ocasião da fiscalização que deu origem ao Relatório nº 001/02; d) o ritmo lento de implantação não impediria a execução do projeto e a liberação de recursos; e) os documentos essenciais ao preenchimento dos requisitos para a aprovação do projeto são exigidos pelo setor de análise e não pelo setor de fiscalização, cabendo a fiscal preencher o "Relatório de Fiscalização" no computador com dados obtidos da fiscalização; f) foge da competência do contador e do engenheiro atestar a idoneidade das empresas contratadas pela FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A.; g) uma série de irregularidades apontadas pelo MPF se referem às atribuições do setor de análise, como, por exemplo: a falta de registro do contrato de compra e venda no Cartório de Imóveis do terreno onde se situaria a FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., a ausência de regularidade perante o Município do Conde-PB, a falta de licença ambiental expedida por órgão competente e a falta de anotação de responsabilidade técnica nos projetos de obras civis; h) não é da competência do engenheiro o enquadramento de adiantamento admitido na rubrica inversões fixas ou as não admitidas serem colocadas em extra-projeto; segundo informações que recebeu do setor de fiscalização, o procedimento de adiantamento para obras civis e sua contabilização em inversões fixas são corretos e estão de acordo com os procedimentos vigentes (Portaria nº 855/94, Lei nº 8.167/91 e Decreto nº 101/91); i) o MPF não individualizou a participação dos servidores, não estabelecendo a responsabilidade de cada um e fazendo acusações genéricas de conluio; j) na própria inicial da autora fica demonstrado quem se beneficiou ao enganar a SUDENE; k) a demandada não tinha competência para investigar a veracidade do contrato de obras civis, pois o instrumento estava registrado em cartório; l) a competência de quem acompanhava a implantação físico-contábil era limitada, não podendo opinar sobre qualquer outro tipo de fiscalização; m) em nenhum momento agiu com dolo, má-fé, negligência, imprudência ou imperícia no acompanhamento da implantação da pessoa jurídica empresária FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A.; n) nunca respondeu a processo administrativo, sequer disciplinar, e sempre agiu dentro dos critérios estabelecidos na legislação. 9. Em sua defesa, o réu WALTER DE SOUZA LEÃO (fls. 921/941 - 5º volume) pugnou pela improcedência desta ACP e aduziu os seguintes pontos: a) sua atuação restringiu-se apenas à feitura do Relatório de Acompanhamento Físico-Contábil n° 020/2002; b) realizou visitas de acompanhamento físico-contábil, nas quais verificou in loco as inversões referentes às obras civis e instalações apresentadas na planilha de fiscalização, emitida pelo computador; c) os adiantamentos para aquisição de máquinas, aparelhos e equipamentos tinham o amparo dos contratos apresentados de compra e venda registrados em cartórios de títulos e documentos, de acordo com o parágrafo único do art. 140 da Portaria nº 855/94; d) o MPF não delimitou a participação dos servidores no desvio de recursos do FINOR, não estabelecendo a responsabilidade de cada um, acusando de modo genérico de estarem em conluio; e) o MPF, apesar de dizer que os servidores "fizeram de tudo a seu alcance", incorre em contradição ao deixar aberta a possibilidade de condená-los pela prática de atos administrativos que atentem contra os princípios da Administração Pública; f) o MPF não apresentou prova material de participação em conluio para fraudar a SUDENE; g) o lastro de recomendação gerado pelo Relatório nº 020/02 foi suspenso ante a constatação das primeiras irregularidades, detectadas fora do campo de competência dos técnicos de acompanhamento da implantação do projeto; h) a competência de quem acompanhava a implantação físico-contábil era limitada, não podendo opinar sobre qualquer outro tipo de fiscalização; i) em nenhum momento agiu com dolo, má-fé, negligência, imprudência ou imperícia no acompanhamento da implantação da pessoa jurídica empresária FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A.; j) nunca respondeu a um processo administrativo, sequer disciplinar, sempre agiu dentro dos critérios estabelecidos na legislação. 10. O réu JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO apresentou defesa preliminar (fls. 1024/1052 - 5º volume) requerendo a improcedência da ação e alegando, em síntese, que: a) o relatório de auditoria da CGU cometeu falha ao afirmar que o valor referente a "obras e instalações" e "Diferido" não merecem contrapartida do FINOR, quando, na verdade, o que não merece contrapartida são os recursos do FINOR e não as inversões físicas; b) as conclusões do relatório da CGU sobre as obras físicas partem de estimativas de preços e de áreas não especificadas, o que é perigoso como prova, e o perito engenheiro que fez essas estimativas pertencia aos quadros do BNB, quando competia aos engenheiros da CEF realizar tal levantamento; c) nos contratos formalizados entre empresários e fornecedores havia a presunção de boa-fé; d) a simples recomendação não autoriza a liberação, que dependia ainda de uma série de outros fatores que fugiam da competência da fiscalização, como, por exemplo, estar com o relatório de auditoria externa em dia; e) não houve nenhum processo administrativo para o demandado ter seus bens bloqueados; os bens que deveriam ser bloqueados eram os dos acionistas da sociedade empresária; f) a responsabilidade do demandado era mínima, em face da abrangência e complexidade do sistema FINOR, restringindo-se a atestar relatórios de fiscalização; g) o lastro de recomendação gerado pelo Relatório nº 020/02 foi suspenso ante a constatação das primeiras irregularidades detectadas fora do campo de competência dos técnicos de fiscalização da implantação do projeto; h) nunca respondeu a um processo administrativo, sequer disciplinar, sempre agiu dentro dos critérios estabelecidos na legislação. 11. A ré INALDA MARIA DA SILVA apresentou manifestação prévia (fls. 1573/1608 - 8º volume), na qual postulou a improcedência da ação e sustentou os seguintes pontos: * preambularmente: a) prescrição da pretensão da ação de improbidade administrativa, uma vez que transcorridos mais de 05 (cinco) anos entre os fatos narrados e a notificação pessoal; b) ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o MPF não individualizou qual seria a conduta praticada pela servidora, que somente veio ser admitida como comissionada após a aprovação e liberação dos procedimentos pertinentes; c) a inicial é inépcia, por conter acusação genérica; e d) ausência de justa causa para instauração de ação de improbidade administrativa; * no mérito: a) não ocorrência de ato de improbidade administrativa tendo em vista a ausência de dolo ou má-fé da demandada; b) no período que vai da primeira fiscalização até a liberação das parcelas recomendadas pelo Relatório de Fiscalização nº 078/2000, a ré exercia o cargo de Chefe de Divisão do Setor de Projetos Rurais; c) no período da visita até a assinatura do Relatório de Fiscalização nº 001/02, que recomendou a liberação de R$ 1.647.000,00, a ré encontrava-se aposentada, e, quando houve a liberação dos recursos (25.01.2002), a ré tinha apenas um dia de serviço, visto que passou a exercer o cargo de subgerente na Secretaria Especial da extinta SUDENE em 24.01.2002; d) a participação da ré se restringe a assinar o Relatório de Fiscalização nº 020/02; e) a competência da demandada era analisar se as informações prestadas pela equipe de fiscalização que vistoriou e elaborou o Relatório de Fiscalização nº 020/02 estavam de acordo com os procedimentos vigentes; f) os adiantamentos para aquisição de equipamentos foram respaldados nos contratos de compra e venda devidamente registrados em cartórios de títulos e documentos; g) a liberação dos recursos não foi realizada, cumprindo solicitação da CGU, tendo em vista a evidência de irregularidades encontradas por aquele órgão; h) nunca respondeu a processo administrativo disciplinar em 30 anos de serviço público. 12. Os réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE apresentaram manifestação preliminar em conjunto (fls. 1996/1999 - 10º volume), na qual aduziram que as notas fiscais emitidas pela sociedade empresária Cargo Construções Projetos e Imobiliária Ltda. correspondem às obras e serviços efetivamente prestados e remunerados, requerendo, ao final, a rejeição da ACP. 13. HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA E RÔMULO HAMAD PEREIRA apresentaram defesa prévia em conjunto (fls. 2001/2026 - 10º volume), sustentando em resumo, o seguinte: a) preliminarmente, a inépcia da inicial, visto que o MPF deixou de pormenorizar individualmente as condutas dos supostos atos de improbidade; b) foram apresentados os relatórios semestrais de janeiro de 2002 a dezembro de 2006; c) foi requerida licença ambiental de instalação do empreendimento em 31/08/2005; d) a empresa responsável pela contabilidade da companhia cometeu graves irregularidades, o que levou a empresa a solicitar a desconsideração dos lançamentos contábeis indevidos e a pedir exame grafotécnico sobre os contratos firmados com os fornecedores de equipamentos, o qual confirmou como não autênticas as assinaturas apostas nos mencionados documentos; e) a ausência de anotação de responsabilidade técnica nas obras civis deve ser imputada à Cargo Construções Projetos e Imobiliária Ltda., pois foi contratada por empreitada global, sendo suas todas as obrigações daí surgidas; f) todas as obras contabilizadas e merecedoras de contrapartida do FINOR foram realizadas e poderão ser constatadas através de fiscalização físico-contábil; g) a FIBRATEX não recebeu nenhuma liberação de recursos do FINOR lastreados nos lançamentos contábeis incorretos; h) o MPF não conseguiu comprovar o enriquecimento ilícito dos réus; i) não há provas do dolo ou má-fé dos agentes públicos nem de terceiros; j) as poucas irregularidades constatadas pela CGU foram sanadas tempestivamente; k) as obras foram implementadas dentro dos padrões de custos estabelecidos pelo mercado, não havendo qualquer indício de superfaturamento; l) não houve aplicação ilícita dos recursos nem danos ao Erário, tampouco houve inobservância do dever de prestar contas pelo administrador público e por terceiros. 14. Por não terem sido qualificadas na petição inicial, este Juízo determinou (fl. 2078 - 11º volume) a intimação do MPF para emendar a inicial, a fim de tornar possível a posterior intimação das sociedades empresárias MIBRA MINÉRIOS LTDA e VIPEX CONFECÇÕES S.A. para apresentarem defesa preliminar. 15. O MPF peticionou nos autos (fl. 2079 - 11º volume) dando cumprimento à emenda determinada, no entanto os demandados referidos no item anterior (MIBRA MINÉRIOS LTDA e VIPEX CONFECÇÕES S.A.) e os réus FIBRATEX FIBRAS TÊXTEIS S.A., MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA. e CARGOS CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA. não apresentaram defesa preliminar, conforme certidão de fl. 2102 (11º volume). 16. Objetivando tornar a marcha processual menos tumultuada, foi determinado por este Juízo, por meio da decisão de fls. 2104/2105 (11º volume), o desmembramento do feito em uma Medida Cautelar de Sequestro - Classe 146, com o traslado de cópias e de todos atos inerentes à pretensão cautelar. 17. O demandado JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO postulou, às fls. 2110/2117 (11º volume), o desbloqueio de dois automóveis Fiat/Palio ED, ano/modelo 1997, placa KGX 7054-Recife-PE e Fiat/Tempra, ano/modelo 1997, placa KGH 1671-Recife-PE, de sua propriedade, pelo fato de já terem 12 (doze) anos de fabricação cada um e por estarem depreciados e sem valor comercial significativo. 18. O MPF, às fls. 2120/2123 (11º volume), opinou pelo indeferimento do desbloqueio dos bens do requerido JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, uma vez que não houve alteração do quadro fático suficiente para fundamentar o levantamento das constrições impostas. 19. Por meio da decisão de fls. 2140/2161 (11º volume), este Juízo afastou as preliminares suscitadas por alguns dos réus e recebeu a petição inicial desta ACP, determinando o normal processamento da causa. 20. Despacho de fl. 2166 (11º volume) deferiu o pedido de habilitação do advogado do réu RÔMULO HAMAD PEREIRA. 21. A ré INALDA MARIA DA SILVA apresentou contestação (fls. 2181/2215 - 11º volume) suscitando as preliminares de ilegitimidade passiva e de inépcia da inicial e pugnando, no mérito, pelo julgamento pela improcedência desta ação de improbidade administrativa por absoluta falta de provas ou indícios do cometimento dos atos que lhe foram imputados; requereu ainda a imediata liberação dos seus bens bloqueados. 22. O réu JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO ofereceu contestação (fls. 2516/2536 - 12º volume) na qual arguiu a preliminar de prescrição, requereu o desbloqueio dos seus bens, e pugnou, no mérito, pela improcedência da ação, sob os seguintes argumentos: a) o MPF não comprovou nenhuma culpa ou dolo, nem mesmo dolo eventual, praticado pelo demandado em relação à liberação de recursos do FINOR; b) nunca liberou recursos públicos para a FIBRATEX; c) que seja reconhecido que o Relatório de Fiscalização nº 001/02 é o único relatório que foi fulminado pela prescrição, por ter sido assinado em 15 de janeiro de 2002 e a ação ter sido proposta em 18 de janeiro de 2007. 23. O réu WALTER DE SOUZA LEÃO apresentou contestação (fls. 2561/2577 - 13º volume) requerendo a improcedência dos pedidos feitos pelo MPF, sob a alegação de que o parquet não comprovou nenhuma culpa ou dolo, nem mesmo dolo eventual, praticado pelo demandado em relação à liberação de recursos do FINOR, pois o promovido não tinha competência para liberar recursos. 24. O réu JOÃO RAIMUNDO SILVA ofertou contestação (fls. 2580/2596 - 13º volume) arguindo a preliminar de mérito de prescrição, sob o fundamento de que este é idoso e tem direito à redução da prescrição pela metade, e pugnando, no mérito, pela improcedência dos pedidos feitos pelo MPF, sob a alegação de que este não comprovou nenhuma culpa ou dolo, nem mesmo dolo eventual, praticado pelo demandado em relação à liberação de recursos do FINOR, pois o promovido não tinha competência para liberar recursos. 25. Os réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE apresentaram contestação em conjunto (fls. 2605/2608 - 13º volume) contestando todos os fatos que lhes foram atribuídos e pugnando pela improcedência desta ação civil pública. 26. A ré CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA ofereceu contestação (fls. 2659/2675 - 13º volume) requereu o desbloqueio dos seus bens, e pugnando, no mérito, pela improcedência da ação, sob os seguintes argumentos: a) o MPF não comprovou nenhuma culpa ou dolo, nem mesmo dolo eventual, praticado pelo demandado em relação à liberação de recursos do FINOR; b) nunca liberou recursos públicos para a FIBRATEX, porque apenas assinou um relatório e o encaminhou ao chefe do setor para apreciação, cujo saldo de recomendação nunca foi liberado; c) que seja reconhecido que o Relatório de Fiscalização nº 001/02 é o único relatório que foi fulminado pela prescrição, por ter sido assinado em 15 de janeiro de 2002 e a ação ter sido proposta em 18 de janeiro de 2007. 27. As empresas rés MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S.A. apresentaram contestação em conjunto (fls. 2688/2701 - 13º volume) defendendo a atipicidade das condutas ímprobas que lhes são imputadas, ante a não demonstração da presença dos elementos objetivo e subjetivo necessários à caracterização do ato de improbidade, e, em caráter subsidiário, caso a ação não seja julgada improcedente, que lhes sejam aplicadas sanções razoáveis e proporcionais aos atos por elas praticados. 28. A empresa ré FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A. apresentou contestação (fls. 2794/2809 - 13º volume) requerendo o seguinte: a) que seja determinada a realização de perícia no local, a fim de constatar-se o valor total dos investimentos realizados no parque industrial da empresa; b) o julgamento pela improcedência da ação, dada a atipicidade das condutas ímprobas que lhes são imputadas; c) caso a ação não seja julgada improcedente, que o Juízo atente para a proporcionalidade da dosagem das sanções aplicáveis, rejeitando-se a aplicação das penalidades em grau máximo. 29. Os réus HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA ofertaram contestação em conjunto (fls. 2815/2830 - 14º volume) aduzindo que nenhum dos fatos narrados pelo MPF demonstra a presença de desonestidade por parte deles, nem mesmo a prática de atos dolosos ou culposos que pudessem configurar atos de improbidade administrativa. 30. Através da decisão de fls. 2901/2902 (14º volume), este Juízo determinou que fossem trasladadas cópias da própria decisão e das petições de fls. 2681/2686 e de fls. 2893/2899 para os autos da Medida Cautelar de Sequestro nº 0007757-92.2009.4.05.8200, bem como que, em seguida, os autos da referida medida cautelar viessem conclusos para decisão. 31. Todos os réus foram citados e apresentaram contestação, exceto a ré CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., que foi citada nas pessoas dos demandados ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE, mas estes afirmaram que não são sócios da empresa, nem de qualquer forma interessados, e alegaram que tal citação era nula, conforme certidão exarada nos autos (fl. 2914 - 14º volume). 32. O MPF apresentou, às fls. 2933/2938 (14º volume), impugnação às contestações apresentadas pelos réus, oportunidade na qual pugnou pelo não acolhimento das preliminares aventadas e requereu a citação da empresa CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA. 33. Despacho de fl. 2939 (14º volume) determinou a citação da CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA. 34. Este Juízo prolatou decisão de saneamento do processo (fls. 2977/2979 - 14º volume) dando por citada a empresa CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., nas pessoas dos réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE. Além disso, a mencionada decisão de saneamento fixou, como ponto controvertido da demanda, a averiguação acerca da prática dos atos de improbidade administrativa pelos réus e determinou aberta a fase de instrução do processo, com a conseqüente intimação dos réus para fins de especificação das provas que ainda pretendiam produzir. 35. Intimados para especificarem provas: o MPF requereu (petição de fls. 2985/2987 - 14º volume) a juntada de documentos constantes nos autos da ação penal nº 0006290-54.2004.4.05.8200, em trâmite na 16ª Vara Federal desta Seção Judiciária da Paraíba, bem como de documentos constantes nos autos do inquérito policial que deu azo ao ajuizamento daquela ação penal; as empresas rés MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S/A (fl. 3007 - 14º volume) requereram a produção de prova testemunhal e de prova pericial contábil; os demandados HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA (fls. 3009/3011 - 14º volume) requereram a produção de prova testemunhal, de prova pericial e a expedição de ofícios à SUDENE, à SUDEMA e ao CREA; e a empresa FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S/A requereu (fls. 3013/3014 - 14º volume) a produção de prova testemunhal e de prova pericial. 36. Decisão de fls. 3016/3020 (14º volume) indeferiu os pedidos de produção de provas apresentados pelo MPF e os pedidos de produção de prova pericial formulados pelos promovidos. Além disso, apesar de as partes não terem requerido a produção de prova testemunhal da forma mais adequada, este Juízo deferiu a produção desta prova e designou audiência de instrução e julgamento. 37. Na decisão de fls. 3039/3040 (14º volume), foi determinada a expedição de cartas precatórias para a oitiva, por videoconferência, no dia 20/05/2016, de testemunhas que não residiam em locais abrangidos pela jurisdição desta 1ª vara federal. 38. Por meio da petição de fl. 3064/3065 (14º volume), a ré INALDA MARIA DA SILVA indicou uma testemunha, porém, tendo em vista que tal indicação foi realizada fora do prazo concedido pelo Juízo, operou-se a preclusão temporal, razão pela qual o seu pedido foi indeferido, conforme despacho de fl. 3068 (14º volume). 39. No despacho de fl. 3170 (15º volume), foi cancelada a sessão de videoconferência agendada com a Seção Judiciária de Pernambuco, para o dia 20/05/2016, em virtude da devolução da carta precatória (fls. 3161/3169). 40. No dia 18/05/2016, foi realizada audiência de instrução e julgamento, conforme termo de audiência e CD-ROM contendo a sua respectiva gravação (fls. 3181/3191 - 15º volume). 41. Durante a audiência, as partes manifestaram expressamente o desinteresse na coleta dos depoimentos pessoais das rés HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA e MAJDA HAMAD PEREIRA. 42. Na decisão de fls. 3228/3229 (15º volume), foi determinada a expedição de carta precatória para a coleta dos depoimentos pessoais dos réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE, na Seção Judiciária de Pernambuco (Recife/PE), no dia 14/07/2016, e foi designada audiência de instrução e julgamento para a oitiva das testemunhas arroladas pelos réus HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA, RÔMULO HAMAD PEREIRA e FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S/A. 43. Os réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE se disponibilizaram a prestar os seus depoimentos perante o próprio Juízo da 1ª vara federal da Seção Judiciária da Paraíba, conforme petição de fls. 3240/3241 (15º volume). 44. Os réus JOÃO RAIMUNDO DA SILVA, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, WALTER DE SOUZA LEÃO e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA apresentaram alegações finais (fls. 3243/3261 - 15º volume) pugnando pela improcedência da ação, ante a alegada demonstração de que não cometeram qualquer ato doloso de improbidade, e pelo desbloqueio de seus bens. 45. No dia 14/04/2016, foi realizada audiência de instrução e julgamento, conforme termo de audiência e CD-ROM contendo a sua respectiva gravação (fls. 3272/3281 - 15º volume), para a coleta dos depoimentos pessoais dos réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE e para a oitiva das testemunhas arroladas pelos réus HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA, RÔMULO HAMAD PEREIRA e FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S/A. 46. Por meio da petição de fls. 3284/3290 (16º volume), a FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S/A requereu a juntada dos documentos e da mídia digital de fls. 3291/3454 (16º volume). 47. Na decisão de fls. 3494 (16º volume), este Juízo indeferiu novamente o a produção de prova pericial e deferiu a juntada de documentos, ambos os pedidos formulados pela FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S/A. Além disso, naquela mesma decisão, em decorrência do encerramento da instrução processual, foi determinada a abertura de prazo para apresentação de alegações finais pelas partes. 48. O MPF apresentou alegações finais (fls. 3501/3506 - 16º volume) ratificando o pedido pela procedência da ACP, com a consequente condenação dos réus nos exatos termos em que fora proposta a ação. 49. A FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S/A apresentou as suas alegações finais (fls. 3514/3531 - 16º volume) requerendo a reabertura da instrução processual, para que fosse realizada perícia técnica, e pugnando, no mérito, pela improcedência da ação. 50. Os réus HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA apresentaram alegações finais conjuntamente (fls. 3537/3554 - 17º volume), oportunidade na qual também requereram a reabertura da instrução processual, para que fosse realizada perícia técnica, e pugnaram, no mérito, pela improcedência da ação. 51. As empresas rés MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S/A ofertaram alegações finais, em conjunto (fls. 3563/3574 - 17º volume), formulando os mesmos pedidos feitos pela ré FIBRATEX. 52. A ré INALDA MARIA DA SILVA apresentou alegações finais (fls. 3581/3597 - 17º volume) requerendo a extinção do processo sem resolução do mérito, em razão da sua ilegitimidade passiva ou pela inépcia da petição inicial, e pleiteando, no mérito da ação, a improcedência dos pedidos formulados pelo MPF, pela ausência de cometimento de atos de improbidade administrativa. 53. Os réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE apresentaram alegações finais conjuntamente (fls. 3605/3619 - 17º volume), oportunidade na qual requereram a improcedência da demanda, ante a inexistência de prova da ocorrência de atos ímprobos e a ausência sua de participação em qualquer ato dessa natureza. 54. Os réus WALTER DE SOUZA LEÃO, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, JOÃO RAIMUNDO DA SILVA e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA não apresentaram alegações finais, conforme certificado nos autos (fl. 3620 - 17º volume). 55. Era o que de importante havia para relatar. Passo a decidir. II - FUNDAMENTAÇÃO II.1 - Preliminares suscitadas pela ré INALDA MARIA DA SILVA - Ilegitimidade passiva e Inépcia da inicial 56. No que se refere à preliminar de ilegitimidade passiva, há que observar que a petição inicial contém a narrativa de fatos configuradores de improbidade administrativa imputados a todos os réus da ação, inclusive à ré INALDA MARIA DA SILVA, de modo que não se afigura razoável o acolhimento da preliminar em comento. 57. Além disso, não vislumbro plausibilidade na preliminar de inépcia da inicial. Isto porque a peça vestibular apontou os fatos, descreveu-os de forma clara e apresentou fundamentação jurídica consistente. Em outras palavras, da narrativa exposta na inicial infere-se em que medida se daria a responsabilidade de cada um dos réus, acaso a ação seja julgada procedente. 58. Não se faz necessária a comprovação cabal da existência de atos de improbidade administrativa para que seja ajuizada uma demanda desta natureza, visto que a apreciação da existência ou não de possíveis atos ímprobos consiste na avaliação a ser procedida quando da apreciação do mérito da ação. 59. Desta forma, tendo em vista que a petição inicial descreve os fatos a serem apurados de maneira minuciosa, apresentando todos os requisitos do art. 17, § 6º, da Lei nº 8.429/92, estando, ainda, em conformidade com os arts. 319 e 320 do Código de Processo Civil, entendo que a preliminar de inépcia da inicial também deve ser rejeitada. II.2 - Prejudicial de mérito suscitada pelos réus JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e JOÃO RAIMUNDO DA SILVA - Prescrição 60. Em suas peças contestatórias, os réus JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e JOÃO RAIMUNDO DA SILVA alegam que a pretensão autoral estaria fulminada pela prescrição, em virtude do transcurso de mais de 05 (cinco) anos entre a prática dos atos ímprobos a eles imputados e a propositura desta demanda. 61. Não lhes assiste razão, entretanto. É que o prazo prescricional, no caso das ações civis públicas por ato de improbidade administrativa, obedece ao disposto no art. 23, I e II, da Lei nº 8.429/92, que reza o seguinte: "Art. 23. As ações destinadas a levar a efeitos as sanções previstas nesta lei podem ser propostas: I - até cinco anos após o término do exercício de mandato, de cargo em comissão ou de função de confiança; II - dentro do prazo prescricional previsto em lei específica para faltas disciplinares puníveis com demissão a bem do serviço público, nos casos de exercício de cargo efetivo ou emprego." 62. Como os réus JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e JOÃO RAIMUNDO DA SILVA são servidores públicos e a ação disciplinar relativa às infrações disciplinares puníveis com demissão prescreve em 5 (cinco) anos, nos termos do art. 142, I, da Lei nº 8.112/1990, aplicar-se-á a eles este prazo prescricional quanto aos atos de improbidade administrativos examinados na presente ação. 63. No caso do réu JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, ainda que se tome como verdadeira a alegação de que o único ato ímprobo a ele imputado é a assinatura do Relatório de Fiscalização nº 001/02, subscrito pelo promovido em 15/01/2002, que resultou na indevida liberação de recursos do FINOR, observa-se que, como a presente ACP foi proposta em 19/12/2006 - e não em 18/01/2007, como afirmado na decisão de fls. 2140/2161 -, na data do ajuizamento da ação, a pretensão do MPF ainda não estava prescrita. 64. Quanto ao réu JOÃO RAIMUNDO DA SILVA, de igual modo, ainda que se considere verdadeira a alegação de que o único ato de improbidade a ele imputado é a assinatura do Relatório de Fiscalização nº 020/02, subscrito pelo promovido em 20/03/2002, que resultou na indevida liberação de recursos do FINOR, observa-se que, como a presente ACP foi proposta em 19/12/2006 (data do protocolo da petição inicial - fl. 03), na data do ajuizamento da ação, a pretensão do MPF ainda não estava prescrita. 65. Ademais, não merece respaldo o argumento de que o réu JOÃO RAIMUNDO DA SILVA, por ser idoso, faria jus à redução da prescrição pela metade, haja vista que, além de não haver qualquer previsão nesse sentido no Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003), não se aplica ao caso - que trata de apuração de atos de improbidade administrativa - a redução de prazos prevista no art. 115 do Código Penal. II.3 - MÉRITO II.3.1 - Da revelia 66. A ré CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., assim como os demais réus desta ação civil pública, foi citada. A despeito disso, não apresentou contestação no prazo legal. Dessa forma, há que se decretar a revelia desta demandada, em razão da sua contumácia em responder aos termos da petição inicial. 67. Todavia, embora esteja presente o ato-fato processual da revelia, não há que se admitir, na espécie, o efeito material de presumirem como verdadeiros os fatos afirmados pelo MPF, haja vista que os direitos tutelados na ação civil pública por ato de improbidade administrativa são indisponíveis (art. 17, § 1º, da Lei nº 8.429/92), não sendo pertinente aplicar à hipótese o disposto no art. 344 do CPC, visto ser cabível a incidência do inc. II do art. 345 do mesmo diploma legal. 68. Por outro lado, há que se aplicar o efeito processual da perda do direito do réu de ser intimado para aqueles atos nos quais seja necessário o seu comparecimento pessoal, de modo que o processo seguirá seu curso sem a necessidade de intimação pessoal da CARGO CONSTRUÇÕES. Porém, isso não significa que este promovido não tenha prazo para praticar atos no processo, ao contrário, o prazo transcorrerá a partir da sua intimação pessoal tão somente da sentença. II.3.2 - Do mérito propriamente dito 69. Não há dúvidas de que o valor moralidade (art. 37, caput, da CF) constitui pressuposto indissociável ao desenvolvimento das atividades da Administração Pública. Uma administração eficaz requer honestidade de seus gestores, comprometidos com o interesse público primário. A moralidade permeia, assim, as boas práticas administrativas, ultrapassando o princípio da legalidade, ao exigir que os agentes públicos estejam pautados não apenas na lei, mas nos padrões de probidade. 70. Neste contexto, objetivando expurgar as condutas ímprobas e atender aos objetivos fundamentais do nosso Estado Democrático de Direito, a Carta Magna, em seu art. 37, § 4º, cuidou de cominar sanções para os atos considerados ímprobos. Tal disposição constitui a matriz e o fundamento de validade da legislação infraconstitucional acerca da matéria. 71. Com fundamento no dispositivo constitucional supra e visando regulamentá-lo, o legislador editou a Lei nº. 8.429/92, prestigiando o caráter normativo dos princípios administrativos e o próprio patrimônio público, ao impor sanções aos agentes que, não obstante tenham se comprometido em preservar tais valores, passaram a vilipendiá-los. Referido diploma normativo, em enumeração e definição não exaustiva, apresenta a divisão dos atos de improbidade administrativa em quatro categorias: a) os que importam enriquecimento ilícito do agente público, independentemente da ocorrência de dano ao erário (art. 9º); b) os que causam prejuízo ao erário (art. 10); c) os decorrentes de concessão ou aplicação indevida de benefício financeiro ou tributário (art. 10-A); d) os que atentam contra os princípios da Administração Pública, causando ou não prejuízo ao erário ou enriquecimento ilícito (art. 11). 72. Sujeitam-se às sanções da LIA os agentes públicos vinculados à conduta ímproba (art. 2º) e os particulares que tenham induzido ou concorrido para a prática daquele ato, bem como os que dela se beneficiem, direta ou indiretamente (art. 3º). Quando envolvida pessoa jurídica de direito privado, é igualmente possível buscar a responsabilização pessoal dos sócios que tenham participado da formação do agir da sociedade, sobretudo quando comprovada a reversão do benefício financeiro em favor do referido sócio ou mesmo uso abusivo da personalidade jurídica do ente coletivo. 73. Quanto ao elemento subjetivo, a jurisprudência do STJ considera indispensável, para a caracterização de improbidade, que a conduta seja dolosa, para a tipificação dos ilícitos descritos nos arts. 9º e 11 da Lei nº 8.429/92, ou pelo menos eivada de culpa grave, nas do artigo 10 (AGARESP 201101207659, ARNALDO ESTEVES LIMA, STJ - PRIMEIRA TURMA, DJE DATA: 15/08/2013). 74. Ademais, nos moldes do art. 21 da Lei de Improbidade Administrativa, a aplicação das sanções nela referidas independe tanto da efetiva ocorrência de dano ao patrimônio público, salvo quanto à pena de ressarcimento, quanto da aprovação ou rejeição das contas pelo órgão de controle interno ou pelo Tribunal ou Conselho de Contas. 75. No caso específico, o Ministério Público Federal requereu a condenação dos réus nas penas da Lei de Improbidade Administrativa em face das seguintes condutas ímprobas: > FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA - empresa investigada e seus respectivos sócios pessoas físicas, que concorreram para a aprovação do projeto de implantação da FIBRATEX e para a liberação de recursos do FINOR (Fundo de Investimentos do Nordeste) sem a devida comprovação do capital da empresa, da experiência na área em que a empresa pretendia atuar, do registro do imóvel onde a FIBRATEX iria funcionar, da regularidade do projeto de implantação perante o Município do Conde/PB, da licença ambiental emitida pelo órgão responsável pelo controle da poluição ambiental no Estado da Paraíba e da Anotação de Responsabilidade Técnica - ART dos projetos de obras civis da empresa; apresentaram contratos e documentos inidôneos, com a finalidade de obterem a liberação de recursos do FINOR; foram os principais beneficiários dos desvios de recursos do FINOR; realizaram alterações no projeto de implantação da FIBRATEX que não foram constatadas pela SUDENE; obtiveram a aprovação de obras não executadas como contrapartida do FINOR; além disso, foram constatados adiantamentos para execução de obras civis como inversões fixas e indícios de irregularidades na execução do projeto de implantação da FIBRATEX, por meio de circularizações, junto ao Município do Conde/PB, ao CREA/PB e às empresas ALBRECHT Equipamentos Industriais Ltda. e SULZER Brasil S.A.; foi constatada também a não conclusão de obras do projeto de implantação da empresa e a lentidão no ritmo dessa implantação, o que constitui indício de superfaturamento. > MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S.A. - empresas da família HAMAD PEREIRA que foram beneficiadas com recursos desviados do FINOR para suas contas bancárias, conforme descrito na petição inicial (fls. 27/28). > CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE - empresa responsável pela execução das obras de implantação da FIBRATEX e seus respectivos sócios, que emitiram notas fiscais fraudulentas com o intuito de fornecer subsídios para que a FIBRATEX justificasse gastos e recebesse contrapartida do FINOR; além disso, foram realizados adiantamentos à empresa CARGO que não foram devidamente comprovados por meio de notas fiscais e foi constatado que a empresa e os seus sócios foram beneficiados com recursos desviados do FINOR. > WALTER DE SOUZA LEÃO, INALDA MARIA DA SILVA, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, JOÃO RAIMUNDO DA SILVA e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA - ex-servidores públicos da antiga SUDENE que teriam concorrido para a indevida liberação de recursos do FINOR - ou a quase liberação desses recursos - para a FIBRATEX, uma vez que recomendaram e autorizaram a normal liberação de verbas federais para esta empresa, conforme relatórios de fiscalização nº 001/02 e nº 020/02. 76. Em decorrência das irregularidades apontadas, o Ministério Público Federal requereu a condenação dos réus nas seguintes penas: > HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA - penas dispostas no art. 12, inciso I, da Lei nº 8.429/1992, pela prática dos atos de improbidade previstos nos arts. 9º, caput, e 11 da Lei nº 8.429/1992; > FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S.A. - penas dispostas no art. 12, inciso I, da Lei nº 8.429/1992, pela prática dos atos de improbidade previstos no art. 9º, caput, da Lei nº 8.429/1992; > CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE - penas dispostas na Lei nº 8.429/1992, pela prática dos atos de improbidade previstos nos arts. 9º, incisos XI e XII, 10, incisos I, V, VII, XI e XII, e 11, incisos I e II, da Lei nº 8.429/1992; > WALTER DE SOUZA LEÃO, INALDA MARIA DA SILVA, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, JOÃO RAIMUNDO DA SILVA e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA - penas dispostas no art. 12, inciso II, da Lei nº 8.429/1992, pela prática dos atos de improbidade previstos nos arts. 9º, caput e inciso II, 10, caput e incisos I, V, VIII, XI e XII, e 11, incisos I e II, da Lei nº 8.429/1992. 77. Em relação à apreciação do mérito, apenas para fins de melhor organização do ato decisório e em consonância com as imputações formuladas pelo MPF, tenho por bem dividir a atuação dos réus desta ACP em quatro grupos, a saber: o primeiro, composto pela empresa beneficiária dos recursos desviados da SUDENE (FIBRATEX) e pelos seus respectivos sócios (RÔMULO, HAULA e MAJDA), que também se beneficiaram desses recursos; o segundo, composto das demais empresas que compunham o grupo de empresas da família Hamad Pereira (MIBRASA, MIBRA e VIPEX), as quais receberam recursos do FINOR desviados do projeto de implantação da FIBRATEX; o terceiro será composto pela empresa responsável pela execução do projeto de instalação da FIBRATEX, qual seja, a CARGO CONSTRUÇÕES, e pelos seus respectivos sócios (ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO); e o quatro grupo será composto pelos servidores públicos (INALDA, WALTER, JOSÉ GERALDO, JOÃO RAIMUNDO e CÁTIA) que teriam concorrido para a liberação indevida de recursos públicos do FINOR para a empresa FIBRATEX. 78. Em relação ao primeiro grupo, composto pelos réus FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA, há nos autos vasto acervo documental suficiente a comprovar a prática de atos de improbidade. 79. A Portaria SUDENE nº 855/1994, que consolidou as normas sobre redução e isenção do imposto de renda, reinvestimento e FINOR, prevê, em seus arts. 68 e 69, o seguinte: "Art. 68. O encaminhamento do projeto ao Conselho Deliberativo depende da prévia aprovação do cadastro da empresa beneficiária, obedecidas as normas deste Capítulo. Art. 69. A aprovação do cadastro objetiva a avaliação da experiência empresarial e técnica, da capacidade econômico-financeira compatível com a realização do empreendimento e da idoneidade das pessoas físicas ou jurídicas ou do grupo-líder, responsáveis pelo empreendimento. § 1º Na avaliação da capacidade econômico-financeira, de que trata o caput deste artigo, levar-se á em conta, além da parcela a ser aportada como recursos próprios do grupo empreendedor, o montante a ser coberto com recursos de terceiros. § 2º Em se tratando de pessoa física ou jurídica ou grupo empresarial titular de projeto beneficiário de recursos do FINOR e já declarado concluído pela SUDENE, a avaliação da experiência empresarial e técnica, bem como da capacidade econômico-financeira, incluirá, também, a comprovação do desempenho satisfatório do referido empreendimento. § 3º Na aferição do desempenho satisfatório de que trata o parágrafo anterior serão considerados os seguintes fatores: I - Apresentação, nos últimos exercícios, de lucro operacional líquido; II - Cumprimento dos objetivos do projeto em, pelo menos, 70% (setenta por cento) do programa de produção previsto." 80. Mais adiante, em seu art. 78, IV, "a", a mesma Portaria nº 855/1994 estabelece que a Secretaria Executiva da SUDENE não recomendará a aprovação de projetos que sejam liderados por pessoas físicas ou jurídicas, ou grupo empresarial, que não demonstrem possuir experiência empresarial ou capacidade financeira compatíveis com a realização do empreendimento. 81. Pois bem. No caso do projeto de implantação da FIBRATEX, conforme Relatório de Auditoria CGU nº 106445 (fls. 56/72 - 1º volume), restou constatado que não foram encontrados documentos comprobatórios de propriedade dos bens relacionados nas fichas cadastrais da empresa, ou seja, não foi possível ratificar as informações prestadas quanto à capacidade econômico-financeira dos sócios da FIBRATEX compatível com a realização do empreendimento. 82. Além disso, no que concerne à experiência profissional dos sócios da FIBRATEX, a CGU observou que a demonstração desse requisito se baseou nas declarações dos acionistas - RÔMULO, MAJDA e HAULA - de que participavam da diretoria da VIPEX CONFECÇÕES S.A., empresa da família Hamad Pereira que atuava no mesmo ramo da FIBRATEX. 83. Ocorre que não foram encontrados elementos indicando que houve análise cadastral da VIPEX. E mais grava ainda: por meio de consulta realizada pela CGU no dia 03/12/2002, verificou-se que a VIPEX possuía restrições no Cadin notificadas pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM, desde 17/12/1997, e pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, desde 16/08/1995, o que permite inferir, com segurança, que houve ocultação deliberada de informações com o intuito de obter recursos públicos do FINOR de maneira fraudulenta. 84. Não bastassem esses fatos, deve-se registrar que, conforme informado pela CGU, a SUDENE aprovou a carta-consulta1 da FIBRATEX em apenas 4 (quatro) dias, apesar da complexidade do projeto e dos vultosos valores que o envolviam. Tal fato constitui um indicativo robusto de que, desde a concepção do projeto de implantação da FIBRATEX, os réus que compunham o nominado "primeiro grupo", ora analisado (FIBRATEX, HAULA, MAJDA e RÔMULO), almejavam enriquecer-se ilicitamente, causando prejuízos ao erário público e desviando recursos do FINOR. 85. A Portaria SUDENE nº 855/1994 dispõe também, em seus arts. 65 e 66, o seguinte: "Art. 65. As empresas beneficiárias deverão exercer suas atividades empresariais em consonância com as diretrizes da Política Nacional do Meio Ambiente (Lei nº 6.938/81, art. 2º e Decreto nº 99.274/90, arts. 1º e 23). Art. 66. A aprovação de projetos cujas atividades sejam consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras, bem como os capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, dependerá (Lei nº 6.938/81, arts. 10 e 12 e Decreto nº 99.274/90, arts. 17, 19 e 23): I - Da apresentação das Licenças Prévia e de Instalação concedidas pelo órgão estadual competente, integrante do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA); II - Do cumprimento das normas, dos critérios e dos padrões expedidos pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). § 1º A empresa beneficiária fica obrigada a apresentar à SUDENE a Licença de Operação que autorize o início da atividade licenciada e o funcionamento de seus equipamentos de controle de poluição, de acordo com o previsto nas Licenças Prévia e de Instalação (Decreto nº 99.274/90, arts. 17, caput e 19, III e 23). § 2º Será obrigatória, para os projetos aprovados ou que venham a ser aprovados pela SUDENE, a realização de obras e a utilização de equipamentos destinados ao controle de degradação ambiental e à melhoria da qualidade do meio ambiente, obedecidas as normas em vigor sobre a matéria e as recomendações dos órgãos integrantes do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA). § 3º Os pareceres referentes aos projetos de que trata este artigo deverão discriminar as obras, equipamentos e sistemas de controle e melhoria ambiental e indicar as épocas de sua instalação (Lei nº 6.938/81, art. 12, parágrafo único)." 86. Complementando esses dispositivos, o art. 67 da Portaria SUDENE nº 855/1994 estabelece que, sem prejuízo de outras penalidades previstas em Lei, a empresa beneficiária que descumprir as normas estabelecidas no Capítulo V do Título II daquela portaria ficará sujeita a: "I - Suspensão da liberação dos recursos do FINOR, para os projetos em implantação, que não instalarem os equipamentos e sistemas de prevenção contra poluição, nas épocas constantes dos respectivos pareceres; II - Restrição na concessão de incentivos fiscais; III - Recomendação aos estabelecimentos oficiais de crédito para que eliminem ou suspendam a participação em linhas de financiamento." 87. Além das previsões da citada Portaria SUDENE nº 855/1994, a Resolução nº 11.212/1999 (fls. 113/116 - 1º volume), do Conselho Deliberativo da SUDENE (CONDEL), que aprovou o projeto de instalação da FIBRATEX, condicionava, em seu "item VII", letra "a", as liberações de recursos do FINOR à apresentação da licença referente ao meio ambiente, a ser emitida pelo órgão responsável pelo controle da poluição ambiental no Estado da Paraíba. 88. Não obstante todas essas previsões, o que se observou, no caso, foi que a FIBRATEX somente requereu a sua licença de instalação, junto à Superintendência de Administração do Meio Ambiente do Estado da Paraíba - SUDEMA, em 31/08/2005 (fl. 2052 - 11º volume), isto é, vários anos depois da aprovação do projeto de implantação e da liberação de mais de R$ 3.000.000,00 (três milhões de reais) em recursos do FINOR. 89. Consta ainda dos autos declaração emitida pela SUDEMA (fl. 2053 - 11º volume), em 20/07/2007, afirmando que o processo de emissão da licença de instalação da FIBRATEX ainda estava tramitando e poderia ser arquivado, caso não atendesse às determinações do órgão. Em consulta ao site da SUDEMA (http://sudema.pb.gov.br/servicos/servicos-ao-publico/consulta-de-processos), verifica-se que o processo de emissão da licença de instalação da empresa foi deferido em 25/09/2007, pelo que se conclui que somente após esta data a aludida licença foi emitida. 90. Como se observa, a apresentação de licenças ambientais, não apenas a licença prévia e a licença de instalação, como também a licença de operação da empresa, consistiam em obrigações legais que deveriam ter sido observadas pela FIBRATEX, pelos seus sócios e pelos servidores públicos responsáveis pela análise do projeto e pela liberação de recursos do FINOR, de modo que todos eles incorreram em improbidade administrativa ao não observarem tal requisito. 91. De acordo com o Relatório de Auditoria CGU nº 106445 (fls. 56/72 - 1º volume), outra exigência que deixou de ser observada no ato da aprovação do projeto da FIBRATEX, e também quando da liberação de recursos públicos para esta empresa, foi a existência de Anotação de Responsabilidade Técnica - ART dos projetos arquitetônicos e estruturais, bem como da execução da obra da FIBRATEX. 92. O art. 135, § 4º, IV, da Portaria SUDENE nº 855/1994 informa que as empresas beneficiárias de recursos do FINOR deverão apresentar à SUDENE relatórios semestrais de acompanhamento da implantação e operação dos empreendimentos, de acordo com modelos estabelecidos pela Secretaria Executiva, e que deverão acompanhar os relatórios de implantação dos projetos de infraestrutura, entre outros documentos, "Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) das execuções das obras/serviços de engenharia no respectivo Conselho Regional de Arquitetura, Engenharia e Agronomia". 93. Apesar de, durante toda a instrução processual, a FIBRATEX e os seus sócios terem tentado atribuir à CARGO CONSTRUÇÕES - empresa responsável pela execução do projeto de implantação da FIBRATEX - a responsabilidade pela inexistência de ART da obra, na realidade, conforme dispositivo supracitado, tal obrigação era da empresa beneficiária dos recursos do FINOR - a FIBRATEX - e das respectivas pessoas físicas que a representavam - HAULA, MAJDA e RÔMULO HAMAD -, de modo que a eles deve ser imputada tal irregularidade. 94. Com efeito, apenas em 30/07/2007 foram emitidas as Anotações de Responsabilidade Técnica - ARTs (fls. 2073/2074 - 11º volume) das obras de implantação/instalação da FIBRATEX, o que apenas corrobora a constatação da irregularidade anteriormente verificada pela CGU. 95. O projeto de implantação da FIBRATEX foi enquadrado no art. 5º da Lei nº 8.167/1991, que, na redação vigente à época, dispunha que "os Fundos de Investimentos aplicarão os seus recursos, a partir do orçamento de 1991, sob a forma de subscrição de debêntures, conversíveis ou não em ações, de emissão das empresas beneficiárias." 96. No caso da FIBRATEX, o valor subscrito foi de R$ 11.998.000,00 (onze milhões, novecentos e noventa e oito mil reais), sendo R$ 8.398.600,00 (oito milhões, trezentos e noventa e oito mil e seiscentos reais) em debêntures conversíveis em ações e R$ 3.599.400,00 (três milhões, quinhentos e noventa e nove mil e quatrocentos reais) em debêntures não conversíveis em ações, consoante "item 1", letras "a" e "b", da Resolução CONDEL nº 11.212/1999 (fls. 113/116 - 1º volume). 97. A mesma Resolução CONDEL nº 11.212/1999 estabeleceu ainda, em seu "item 2", que "as debêntures deverão ter garantia flutuante, devendo a empresa emissora assumir, na escritura de emissão, a obrigação de não alienar ou onerar bem imóvel que faça parte do projeto, sem prévia e expressa autorização da Secretaria Executiva, o que deverá ser averbado no competente registro." 98. Nesse ponto, constato a existência de mais uma irregularidade que pode ser atribuída ao grupo de réus ora examinado (FIBRATEX, HAULA, MAJDA e RÔMULO) e também ao grupo de servidores públicos que será analisado mais adiante. Explico. 99. O bem imóvel que fazia parte do projeto, no caso o próprio terreno onde viria a funcionar a FIBRATEX, sequer estava registrado em nome da empresa quando da aprovação do projeto e, nesta condição, jamais poderia ter sido aceito como garantia da operação. 100. Observo ainda que a Portaria SUDENE nº 855/1994, em seu art. 76, XVII, determina que as empresas cujos projetos forem aprovados pelo Conselho Deliberativo da SUDENE deverão, como pré-requisito para o recebimento de recursos do FINOR, entre outras condições, "registrar em seu nome as áreas físicas dos projetos no Cartório de Registro de Imóveis competente." 101. No mesmo sentido, porém com redação um pouco diferente, a Resolução CONDEL nº 11.212/1999 estabelecia, em seu "item VII", letra "b", que a liberação de recursos do FINOR estava condicionada à apresentação da documentação comprobatória da posse do terreno integrante do complexo industrial, em nome da beneficiária dos recursos, ou seja, em nome da FIBRATEX. 102. No entanto, este foi requisito mais um requisito que não foi cumprido pela empresa e pelos seus sócios nas épocas devidas, conforme inclusive foi admitido pelo réu RÔMULO HAMAD durante o seu depoimento pessoal. 103. Nesse sentido, consta nos autos "certidão de registro de imóvel" (fls. 457/458 - 3º volume), emitida em 13/10/2005, que atesta que o imóvel onde viria a funcionar a FIBRATEX pertencia, naquela data, ao Estado da Paraíba, o que confirma a materialidade da irregularidade em comento. 104. Em que pese a existência de todas as irregularidades formais até então mencionadas, as quais eram essenciais tanto para a aprovação do projeto quanto para a liberação de recursos do FINOR, verificou-se ainda que foram realizadas alterações no projeto original da FIBRATEX, e que, apesar das referidas alterações não terem sido constatadas pela SUDENE, esta admitiu as obras como inversões fixas nos quantitativos projetados inicialmente e procedeu com a regular recomendação de liberação de recursos do FINOR. 105. Quanto às alterações do projeto, conforme relatório de vistoria elaborado por engenheiro civil do Banco do Nordeste do Brasil - BNB (fls. 73/77 - 1º volume), várias obras civis foram realizadas em dimensões muito inferiores àquelas inicialmente projetadas, tais como o "reservatório elevado", cuja obra efetivamente realizada representa 8,89% do projetado, o "reservatório subterrâneo", cuja obra efetivamente realizada representa 10,58% do projetado, a "fossa séptica", cuja obra efetivamente realizada representa 6,27% do projetado, e o "galpão industrial", cuja obra efetivamente realizada representa 27,90% do projetado. 106. Além dessas obras realizadas em dimensões muito inferiores às inicialmente projetadas, várias outras obras sequer haviam iniciado quando da vistoria do BNB ("balança rodoviária", "cozinha", "creche", "escritório", "guarita", "leito de secagem", "tanque de decantação de sólidos" e "obras diversas/forro e casa de força") e os itens "terrenos, obras preliminares e complementares" e "instalações" estavam com apenas 36,00% e 2,64% concluídos, em relação ao que foi inicialmente projetado. 107. Não obstante as constatações de alterações/inexecuções de obras civis tão perceptíveis àqueles que detêm conhecimentos técnicos acerca das construções e instalações dessas obras, em todos os relatórios de fiscalização das obras da FIBRATEX (Relatório de Fiscalização nº 078/2000 - fls. 423/431 do Apenso II/II; Relatório de Fiscalização nº 001/2002 - fls. 440/448 do Apenso II/II; e Relatório de Fiscalização nº 020/2002 - fls. 462/470 do Apenso II/II), a SUDENE atestou a regular aplicação dos recursos do FINOR e recomendou a autorização normal de liberações desses recursos. 108. Note-se que, nos termos do art. 132 da Portaria SUDENE nº 855/1994, a correta execução do projeto aprovado e a correta aplicação dos recursos liberados devem ser objeto de acompanhamento e fiscalização periódica pela SUDENE nas empresas beneficiárias de recursos do FINOR, de modo que a FIBRATEX e os seus sócios tinham obrigação legal de se manterem adstritos ao projeto aprovado e de aplicarem corretamente os recursos públicos que lhes eram destinados. 109. Além de a FIBRATEX não ter executado, no período investigado, as obras civis do modo e nos quantitativos previstos no seu projeto inicial, conforme constatações acima descritas, apurou-se também que foram liberados recursos para a empresa sem observância na vinculação de inversões fixas para contrapartida do FINOR, conforme preceituava a Resolução CONDEL nº 11.212/1999. 110. A propósito, a Resolução CONDEL nº 11.212/1999 previa, em seu "item V", que a aplicação dos recursos do FINOR estava vinculada à cobertura dos investimentos correspondentes ao item "Máquinas, Aparelhos e Equipamentos", conforme descrito no Anexo IV do Parecer DAI/ATT-018/99, e de acordo com o disposto no art. 11, item I, da Lei nº 8.167/1991, combinado com o art. 208, item I, da Portaria SUDENE nº 855/1994. 111. Conquanto a SUDENE tenha recomendado, por meio do Relatório de Fiscalização nº 078/2000, a liberação de R$ 1.427.000,00 e, por meio do Relatório de Fiscalização nº 001/2002, a liberação de R$ 1.647.000,00, admitindo, como inversões fixas, os montantes de R$ 2.147.368,24 e 6.049.865,60, respectivamente, o que se observou foi que estes valores não foram gastos com "Máquinas, Aparelhos e Equipamentos", conforme ficou consignado nos documentos que integravam os próprios relatórios referidos (fls. 433 e 452 do Apenso II/II). 112. Na realidade, o que se observou na apuração dos percentuais de implantação físico/financeiro (fls. 433 e 452 do Apenso II/II) foi que a FIBRATEX, em nenhum momento, realizou investimentos com a aquisição de "Máquinas, Aparelhos e Equipamentos", o que mais uma vez demonstra o quão irregular foi todo o processo de implantação da empresa, desde a aprovação do projeto até a liberação de parte dos recursos públicos provenientes do FINOR. 113. A CGU constatou também que a extinta SUDENE considerou, para efeitos de contrapartida do FINOR, inversões fixas relativas a adiantamentos para execução de obras civis pagos pela FIBRATEX à empreiteira CARGO CONSTRUÇÕES, em contrariedade ao disposto no art. 140 da Portaria SUDENE nº 855/1994. 114. O art. 140 da Portaria SUDENE nº 855/1994 dispõe que "a contrapartida do FINOR, com relação a adiantamento para inversões realizado com recursos próprios, será admitida, apenas, para aquisição de máquinas e equipamentos, de acordo com os investimentos previstos e obedecido o cronograma de execução aprovado para o projeto." 115. A disposição acima mencionada apenas denota mais uma irregularidade perpetrada pela FIBRATEX quando da execução do seu projeto de implantação, visto que a empresa e os seus sócios apresentaram à SUDENE nota fiscal referente a serviços realizados pela CARGO CONSTRUÇÕES que não foram devidamente comprovados. 116. De acordo com a CGU, o relatório periódico da FIBRATEX, de 01/01/01 a 30/06/01, demonstra que ocorreu nesse período um total de R$ 1.682.118,00 em adiantamentos à empreiteira CARGO. Desse montante, só foi atestado por meio da Nota Fiscal nº 8, de 30/06/01, o valor de R$ 291.718,00, permanecendo R$ 1.390.400,00 contabilizados como adiantamento a fornecedores. 117. Como consignado alhures, nos Relatórios de Fiscalização nº 078/2000 e nº 001/2002, a SUDENE recomendou a liberação de recursos do FINOR na ordem de R$ 1.427.000,00 e R$ 1.647.000,00, respectivamente, o que totalizou a quantia de R$ 3.074.000,00. Os mesmos relatórios, apesar de terem constatado que não ocorreram investimentos em "Máquinas, Aparelhos e Equipamentos", recomendaram essas liberações de recursos do FINOR, em grave descumprimento aos preceitos da Resolução CONDEL nº 11.212/1999 e da Portaria SUDENE nº 855/1994. 118. Quando da elaboração do Relatório de Fiscalização nº 020/2002 (fls. 462/470 do Apenso II/II), como forma de demonstrar gastos com a aquisição de "Máquinas, Aparelhos e Equipamentos", a FIBRATEX apresentou à SUDENE contratos firmados com as empresas ALBRECHT Equipamentos Industriais Ltda. e SULZER Brasil S.A., além dos respectivos recibos de pagamentos teoricamente realizados a essas empresas. 119. O contrato que a FIBRATEX teria firmado com a ALBRECHT Equipamentos Industriais Ltda. (fls. 135/136 - 1º volume) seria para a aquisição de equipamentos cujo valor total perfazia o montante de R$ 7.500.000,00 (sete milhões e quinhentos mil reais), dos quais R$ 3.680,123,01 teriam sido adiantados em 3 parcelas de R$ 1.226.707,67, através de cheques do Banco Itaú (fls. 137/142 - 1º volume) previstos para 23/11/2001 (cheque nº 058921), 07/12/2001 (cheque nº 058924) e 21/12/2001 (cheque nº 058928), respectivamente, e o restante teria sido pago em 6 parcelas mensais fixas de R$ 636.646,17 cada. 120. Já o contrato teoricamente firmado entre a FIBRATEX e a SULZER Brasil S.A. (fls. 146/148 - 1º volume) seria para a aquisição de equipamentos (20 teares da marca suíça SULZER) cujo valor total perfazia o montante de R$ 8.532.000,00 (oito milhões e quinhentos e trinta e dois mil reais), dos quais R$ 3.326.407,00 teriam sido adiantados em 3 parcelas, sendo a primeira no valor de R$ 1.108.802,34 e as duas restantes no valor de R$ 1.108.802,33, através de cheques do Banco Itaú (fls. 149/154 - 1º volume) previstos para 19/11/2001 (cheque nº 058919), 05/12/2001 (cheque nº 058923) e 28/12/2001 (cheque nº 058929), respectivamente, e o restante teria sido pago em 4 parcelas, uma de R$ 1.108.802,33 no ato da entrega dos teares e mais 3 parcelas mensais fixas de R$ 1.365.596,89 cada. 121. Sucede que referidas transações consistiam um verdadeiro simulacro negocial, caracterizado por uma audaciosa falsificação de contratos, recibos e cheques que foi devidamente averiguada pela CGU. A elucidação da fraude e contrafação dos documentos se deu por meio das respostas das empresas ALBRECHT e SULZER aos ofícios encaminhados pela CGU, nos quais foram solicitados esclarecimentos acerca da existência ou não dos contratos apresentados pela FIBRATEX à SUDENE. 122. Em resposta ao ofício da CGU, a ALBRECHT (fl. 143 - 1º volume) informou o seguinte: "Vimos por meio desta apresentar as informações solicitadas no Ofício em referência, sendo que para tanto esclarecemos que em nenhum momento efetuamos qualquer contrato comercial ou de qualquer outra natureza com a empresa FIBRATEX (...). Esclarecemos ainda que até o recebimento do ofício em epígrafe não sabíamos sequer da existência de tal empresa. Informamos a final que jamais recebemos quaisquer valores de tal empresa seja a que título for, razão pela qual desconhecemos as origens e os destinos dos cheques elencados no ofício a nós remetidos por essa corregedoria (sic). Ressalvamos novamente o fato de que, em nenhum momento da existência da nossa empresa, tivemos qualquer contrato comercial ou de outra natureza com a empresa FIBRATEX FIBRA TÊXTIL S.A., nem autorizamos a utilização do nosso nome por quem quer que seja para a realização de qualquer negócio." 123. Já a empresa SULZER, em seu ofício de resposta (fl. 155 - 1º volume), esclareceu que "após uma criteriosa verificação nos arquivos da Sulzer Têxtil S.A., Suíça, nada foi encontrado referente à venda de máquinas de tecer ou peças de reposição para a firma FIBRATEX FIBRA TÊXTIL S.A. (...)." 124. As gravas irregularidades não param por ai. Ainda como forma de tentar ludibriar a SUDENE e obter fraudulentamente a liberação de recursos públicos do FINOR, a FIBRATEX apresentou extratos de conta corrente do Banco Itaú (fls. 156/157 - 1º volume) que pretendiam comprovar a compensação dos cheques emitidos para as empresas ALBRECHT e SULZER. 125. Ocorre que os referidos extratos também se mostraram falsos. Em resposta a ofício encaminhado pela Justiça Federal, o Banco Central do Brasil - BACEN (fls. 377/380 - 2º volume) informou que diligenciou junto ao Banco Itaú S.A. com o objetivo de identificar os destinatários dos 6 (seis) cheques supostamente compensados na conta corrente nº 0374/16995-0 e a origem de outros 3 (três) cheques depositados nesta conta. 126. Em resposta a essa diligência, o Banco Itaú declarou que não localizou a empresa Fibratex - Fibra Têxtil S.A. como sua correntista, nem a conta corrente nº 0374/16995-0 em seu banco de dados, e que o extrato bancário apresentado não era de sua emissão, ou seja, tais extratos (fls. 156/157 - 1º volume) eram falsos e faziam parte do mirabolante plano da FIBRATEX e de seus sócios para continuar recebendo recursos públicos do FINOR de forma criminosa. 127. Diante da constatação dessas irregularidades, bem como do que foi apurado nas medições (fls. 79/99 - 1º volume) da vistoria realizada por Engenheiro Civil do BNB, que constatou a inaplicação/aplicação insuficiente dos recursos públicos até então liberados para a FIBRATEX, o MPF elaborou parecer técnico (fls. 470/486 - 3º volume), baseado em relatório do BACEN (fls. 490/496 - 3º volume), com o objetivo de identificar o caminho percorrido pelos recursos públicos, bem como o beneficiário final das transferências bancárias realizadas para a empresa. Além disso, o perito do MPF analisou informações fiscais encaminhadas pela Delegacia da Receita Federal/PB. 128. Por oportuno, cito importantes trechos do Parecer Técnico nº 026/2006 (fls. 470/486 - 3º volume), elaborado por perito do MPF: "Devido à forma de exibição das informações no relatório do BACEN, decidi reorganizar os dados, desta vez consolidando através de uma planilha (em anexo), os valores totais recebidos por cada beneficiário (destino) descritos na peça técnica examinada. Esclareço que os saques diretamente no caixa bancário, cujo título (cheque ou doc.) foi endossado por Rômulo Hamad Pereira e sua irmã Majda Hamad Pereira, os mesmos foram considerados como beneficiários, embora o BACEN considere em seu relatório a FIBRATEX como beneficiária. Esse entendimento está fundamentado nas evidências constatadas durante o exame dos autos, pois a FIBRATEX nunca funcionou de fato, existindo provas de fraude na tentativa de comprovar despesas, referentes às aquisições de máquinas e equipamentos, como também inidoneidade das notas fiscais emitidas pela Cargo Construções e Projetos Imobiliários Ltda., pois violam a ordem cronológica de emissão e uma delas (NF nº 0025, de 30/05/2000) é anterior à data de autorização de impressão do talonário - AIDF de 16/06/2000. Acrescente-se a esses fatos, que a direção da FIBRATEX S/A não comprovou perante a Controladoria Geral da União a origem dos recursos integralizados como capital social da mencionada empresa. Com esteio nos dados extraídos do relatório do BACEN, informo, através da planilha em anexo, que os principais beneficiários dos recursos do FINOR foram as seguintes pessoas físicas e jurídicas: ? Rômulo Hamad Pereira - autorizou saques diretamente no caixa das agências bancárias, que ultrapassam a cifra de R$ 500 mil. O relatório do BACEN cita o débito de cheques, cujo beneficiário direto é o Sr. Rômulo Hamad (v. relatório BACEN item 6 - R$ 40 mil; item 8 - R$ 8 mil; item 10 - R$ 7 mil). ? Majda Hamad Pereira - também autorizou vários saques em contas da FIBRATEX, que somam mais de R$ 280 mil. O relatório do BACEN informa a Sra. Majda Hamad como beneficiária direta de saque em espécie no valor de R$ 55.776,04; e cheque compensado para crédito em sua conta no Banco do Brasil - item 6 do relatório do BACEN (fl. 280 - Apenso II). ? Samara Hamad Pereira - recebeu recursos do FINOR em sua conta de poupança na Caixa Econômica Federal, ag. 0729 (v. item 14.g do relatório BACEN, fl. 284 - Apenso II. ? Manoel Cassiano de Amorim Pereira e Cassiano Pascoal Pereira Neto - respectivamente, pai e irmão do Sr. Rômulo Hamad, receberam quantias de R$ 10 mil e R$ 40.547,00, através de cheques compensados para crédito em suas contas correntes no BankBoston S/A e Banco do Brasil (v. itens 14.f e 14.h do relatório sobredito). ? Weberson Cosme Marinho Arantes (item 14.c do relatório, fls. 283 e 284 - Apenso II) - foi beneficiado com vários cheques que somam mais de R$ 350 mil. Dois desses títulos foram compensados para crédito na conta da VIPEX S/A no Banco do Brasil, totalizando R$ 123.400,00. Fica evidente aqui o desvio de recursos do FINOR para beneficiar empresa da família Hamad. Outras empresas do grupo beneficiadas com o desvio desses recursos foram a Mibrasa Minérios Brasileiros Ltda. e a Mibra Minérios Ltda. (itens 14.i e 14.j do relatório do BACEN, fl. 284 - Apenso II). ? Alenaide Agrícola S/A - essa empresa foi beneficiada com o cheque no valor de R$ 43.500,00, nominal à empreiteira Cargo Ltda., compensado para crédito na conta dessa empresa no Banco Itaú S/A, agência 0773 (item 14.b do relatório citado). ? Alex Zenaide e Ruth Catão Zenaide - outro cheque no valor de R$ 43.500,00, também nominal à Cargo Ltda. foi compensado para crédito em conta corrente titulada por essas pessoas físicas. O Sr. Alex Zenaide é o Diretor Presidente da Alenaide Agrícola S/A. A Sra. Ruth Zenaide (esposa de Alex) é procuradora da Cargo Ltda. Conforme informações do relatório do BACEN no item 14.a (fl. 283), há indícios de que os sócios da Cargo Ltda. sejam "laranjas", e seus verdadeiros proprietários sejam a Sra. Ruth Catão Zenaide e seu filho, o Sr. Alexandre Catão Zenaide. Considerando a situação de irregularidade dos sócios da Cargo Ltda. perante o Fisco Federal (CPF irregular), como também o beneficiamento de empresa estranha ao contrato entre a FIBRATEX e a Cargo Ltda., existe a possibilidade dessa construtora ser uma empresa de fachada, utilizada para possibilitar o desvio de recursos do FINOR. (...) (...) Efetuei uma análise comparativa entre as declarações de imposto de renda apresentadas pelos sócios da FIBRATEX acima citados, apresentadas à Receita Federal durante os exercícios de 2002 a 2005, juntadas nos volumes I e II do procedimento. Com base nos dados examinados, observei incompatibilidade entre evolução dos rendimentos tributáveis e o aumento dos bens declarados, registrados nas declarações da Sra. Haula Hamad e seu filho, Rômulo Hamad, ou seja, a evolução de rendimentos no período foi aquém do incremento em seu patrimônio (vide quadro na fl. 8 deste parecer). Devo destacar que o relatório de diligência da DRF/PB (fl. 372 - Vol. II) informa a omissão de informações nas declarações de imposto de renda do Sr. Rômulo Hamad (2003 a 2005), referentes à aquisição de 40 (quarenta) lotes de terra, localizados no Município de Patos/PB (v. dossiê, fls. 396 a 408). Esses terrenos foram adquiridos simultaneamente em outubro/2003. O dossiê também informa a alienação de 13 lotes, durante os exercícios de 2004 e 2005. (...)" 129. Ao concluir o parecer técnico, o perito do MPF aduziu que os elementos probatórios constantes dos autos confirmavam o beneficiamento de pessoas físicas e jurídicas, através do desvio de recursos do FINOR, que deveriam ter sido aplicados integralmente no projeto da FIBRATEX S.A., notadamente dos sócios da empresa e de outros membros da família Hamad Pereira, conforme rastreamento de recursos efetuado pelo BACEN. 130. Portanto, em relação ao primeiro grupo de réus, formado pela empresa beneficiária dos recursos públicos, a FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., e pelos seus sócios, HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA e RÔMULO HAMAD PEREIRA, em face de tudo o que foi exposto acima, resta evidente a prática de atos de improbidade administrativa previstos nos arts. 9º, caput, e 11, caput, da Lei nº 8.429/1992. 131. Quanto ao segundo grupo de réus, formado pelas pessoas jurídicas MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA. e VIPEX CONFECÇÕES S.A., empresas da família HAMAD PEREIRA, os documentos coligidos aos autos são suficientes para demonstrar o cometimento dos atos ímprobos previstos no art. 9º da Lei de Improbidade Administrativa. 132. Isto porque, conforme relatório do Banco Central do Brasil - BACEN (fls. 490/496 - 3º volume), as empresas MIBRASA, MIBRA e VIPEX foram beneficiadas com recursos do FINOR liberados para a implantação da FIBRATEX. 133. Neste sentido, o BACEN constatou, no "item 14", letras "i", "j" e "k", do seu relatório o seguinte: "i) Mibra Minérios Ltda., CNPJ 09.382.573/0001-00, fls. 555/558 - empresa cujos sócios são Manoel Cassiano de Amorim Pereira, Cassiano Pascoal Pereira Neto e Samara Hamad Pereira, respectivamente cônjuge e filhos de Haula Aristides Hamad Pereira - recebeu R$ 43.750,00 em cheques. fls. 215/216, 337/340, 582 e 594, depositados em contas da empresa: nº 6.874-8 e nº 9.668-7, Agência 0063-9 - Campina Grande/PB, do Banco do Brasil; j) Mibrasa Minérios Brasileiros Ltda., CNPJ 01.755.218/0001-19, fls. 638/643 - empresa cujos sócios são Haula Aristides Hamad Pereira, diretora presidente da Fibratex, e Majda Hamad Pereira, filha de Haula e procuradora da Fibratex - recebeu R$ 50.000,00 em cheques, fls. 583/587, depositados em conta da empresa nº 1.555-5, Agência 0063-9 - Campina Grande/PB, do Banco do Brasil; k) Vipex Confecções S.A., CNPJ 08.829.152/0001-03, fls. 760/763 - empresa que tem como dirigentes Manoel Cassiano de Amorim Pereira e Haula Aristides Hamad Pereira - recebeu R$ 123.000,00 em cheques, nominais a Weberson Cosme Marinho Arantes, depositados na conta da empresa nº 2.394-9, Agência 0063-9 - Campina Grande/PB, do Banco do Brasil S.A., fls. 756/759." 134. À vista dessas constatações, não pairam dúvidas acerca da participação das empresas MIBRASA, MIBRA e VIPEX no esquema fraudulento criado pela FIBRATEX e pelos seus sócios, de modo que as rés que compõem o chamado "segundo grupo" devem ser condenadas pelas práticas dos atos de improbidade previstos no art. 9º, caput, da Lei nº 8.429/1992, em consonância com o disposto no art. 3º do mesmo diploma legal. 135. De mais a mais, com relação à empresa MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., tendo em vista que ela é detentora de 97% do capital da FIBRATEX (fl. 355 do Apenso II/II), há que se mencionar que a ela também serão cominadas as penas pela violação do art. 11, caput, da Lei de Improbidade. 136. Com relação ao terceiro grupo de réus, formado pela empresa responsável pela execução do projeto de implantação da FIBRATEX, a CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., e pelos seus sócios, ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE, consta também um vasto acervo probatório da prática de atos ímprobos. 137. Na decisão de fls. 2977/2979 (14º volume), ficou assentado que havia indícios nos autos de que os réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE exerciam, de fato, a gestão da empresa CARGO CONTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., embora, formalmente, a representação da sociedade empresarial ficasse a cargo de terceiros. 138. Com efeito, os procuradores da empresa CARGO CONSTRUÇÕES são RUTH CATÃO ZENAIDE e ALEXANDRE CATÃO ZENAIDE, respectivamente esposa e filho do réu ALEX ZENAIDE, conforme procurações (fls. 873/874 da numeração da Justiça Federal - Apenso IV). Já os seus sócios formais, que funcionavam como interpostas pessoas ("laranjas") da CARGO CONSTRUÇÕES, são Edilza Maria de Souza Silva - pessoa de idade avançada, que reside em lar de idosos e cujo CPF, em consulta realizada no dia 27.05.2005, estava "pendente de regularização" - e José Severino de Medeiros - pessoa cujo CPF, em consulta realizada no dia 27.05.2005, estava "cancelado". 139. Além disso, merece registro o fato de que, conforme relatório do Banco Central (fls. 490/496 - 3º volume), a CARGO CONSTRUÇÕES funciona no mesmo endereço da Alenaide Agrícola S.A., empresa cujo proprietário e diretor presidente é o réu ALEX ZENAIDE e cuja diretora financeira é a ré RUTH CATÃO ZENAIDE. 140. Em decorrência dessas constatações, bem como da ausência de oposição dos réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE em receberem a citação da empresa CARGO CONSTRUÇÕES, foi aplicada ao caso a teoria da aparência2 e ficou considerado que aqueles réus - ALEX e RUTH - são os representantes legais da CARGO. 141. A CARGO CONSTRUÇÕES, por meio dos seus sócios, ALEX e RUTH, teve, de fato, importante participação no esquema criado pela FIBRATEX e os seus sócios, na medida em que emitiu notas fiscais fraudadas com o intuito de fornecer subsídios para que a FIBRATEX justificasse gastos e recebesse contrapartida do FINOR. 142. Nos termos do Relatório de Auditoria CGU nº 106445 (fls. 56/72 - 1º volume), no período de 01/01/2001 a 30/06/2001, teriam ocorrido adiantamentos à empreiteira CARGO CONSTRUÇÕES no valor total de R$ 1.682.118,00, porém apenas a quantia de R$ 291.718,00 foi atestada por meio da nota fiscal nº 0008, emitida pela empresa em 30/06/2001, permanecendo R$ 1.390.400,00 contabilizados como adiantamento a fornecedores. 143. Ao perceber o superfaturamento da nota fiscal supracitada, a CGU oficiou os municípios de Recife/PE e do Conde/PB, indagando-lhes acerca da autenticidade e registro dos talões de notas fiscais utilizados pela CARGO CONSTRUÇÕES, responsável pela execução da obra da FIBRATEX, bem como do efetivo recolhimento do imposto sobre serviços (ISS) sobre os valores das respectivas notas fiscais, cujo somatório perfaz o montante de R$ 7.545.364,99 (fls. 159/162 - 1º volume). 144. Em resposta à CGU, o Município de Recife/PE (fl. 163 - 1º volume) informou que as notas fiscais emitidas pela CARGO CONSTRUÇÕES, em 30/05/2000 (nota fiscal de serviços nº 0025, no valor R$ 2.009.624,63), 29/12/2000 (nota fiscal de serviços nº 0035, no valor R$ 2.210.143,36), 30/06/2001 (nota fiscal de serviços nº 0008, no valor R$ 291.718,00) e 28/12/2001 (nota fiscal de serviços nº 0040, no valor R$ 3.033.879,00), respectivamente, estão contidas na Autorização para Impressão de Documentos Fiscais (AIDF) n º 3.0661/94-5, de 16/06/2000. Outrossim, Município de Recife/PE noticiou que não constava, em seus registros, nenhum recolhimento de imposto sobre serviços (ISS) no período de 1997 a 2002. 145. Já o Município do Conde/PB (fl. 166 - 1º volume) informou que a CARGO CONSTRUÇÕES se encontrava em débito com a municipalidade, haja vista que não havia recolhido, até então, o ISS devido sobre o valor total das notas fiscais de serviços nºs 0025, 0035, 0008 e 0040. 146. As informações prestadas pelos municípios demonstram, em primeiro lugar, que uma das notas fiscais - a NF nº 0025, emitida em 30/05/2000 - possui data de emissão anterior à própria Autorização para Impressão de Documentos Fiscais (AIDF) n º 3.0661/94-5, emitida em 16/06/2000. Ademais, tais informações evidenciam que a CARGO CONSTRUÇÕES sequer recolheu os tributos devidos quando da emissão das notas fiscais. 147. Em verdade, o que se constata em relação aos fatos ora relatados é que os promovidos que compõem o chamado terceiro grupo de réus atuaram de forma decisiva, com o desígnio de viabilizar o desvio de recursos para a FIBRATEX e os seus sócios. 148. Ademais, ficou comprovado nos autos que a própria empresa CARGO CONSTRUÇÕES auferiu vantagens com o desvio de recursos do FINOR. 149. Neste sentido, de acordo com o relatório do Banco Central (fls. 490/496 - 3º volume), "item 14", letras "a" e "b", a empreiteira recebeu dois DOCs em conta de sua titularidade, um no valor de R$ 375.000,00 e outro no valor de R$ 446.000,00, valores que comprovadamente não tiveram a devida contrapartida de serviços efetivamente prestados à FIBRATEX. 150. Ainda de acordo com o mesmo relatório do Banco Central, outra empresa dos réus ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE, a Alenaide Agrícola S.A., foi beneficiada com o repasse de um cheque, no valor de R$ 43.500,00 (quarenta e três mil e quinhentos reais), referente a supostos serviços prestados pela CARGO CONSTRUÇÕES à FIBRATEX, serviços esses que, conforme apurado nos autos, não foram deveras realizados. 151. Assim, restou adequadamente evidenciada a prática de atos ímprobos por parte dos réus CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE, de modo que a eles será cabível a condenação pela transgressão de dispositivos previstos nos arts. 9º, 10 e 11 da Lei nº 8.429/1992. 152. Por fim, no que tange ao quarto grupo de réus, composto por WALTER DE SOUZA LEÃO, INALDA MARIA DA SILVA, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO, JOÃO RAIMUNDO DA SILVA e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA, ex-servidores públicos da antiga SUDENE, haverei de dividi-los em dois subgrupos, como forma de melhor delinear as condutas ímprobas a eles imputadas. 153. O primeiro subgrupo do quarto grupo de réus será formado pelos ex-servidores públicos que assinaram o Relatório de Fiscalização nº 001/02 (fls. 440/448 do Apenso II/II), quais sejam, JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA. 154. Quanto a esses dois demandados, verifico que, em razão de o relatório por eles assinado ter redundado na liberação de R$ 1.647.000,00 em recursos do FINOR para a FIBRATEX, as suas condutas merecem uma reprimenda mais gravosa, em virtude dos efetivos prejuízos causados ao erário público. 155. Com efeito, em vários de seus dispositivos, tanto a Portaria SUDENE nº 855/1994 quanto a Resolução CONDEL nº 11.212/1999 condicionavam a liberação de recursos do FINOR ao cumprimento de requisitos que deixaram de ser observados pelos réus JOSÉ GERALDO e CÁTIA MARIA no ato da elaboração do Relatório de Fiscalização nº 001/02, o qual recomendou a liberação de R$ 1.647.000,00 (um milhão, seiscentos e quarenta e sete mil reais) para a FIBRATEX. 156. Dentre os dispositivos da Portaria SUDENE nº 855/1994 - muitos deles já mencionados nesta sentença - que traziam condicionantes não observadas pelos servidores que subscreveram o Relatório de Fiscalização nº 001/02, pode-se citar, por exemplo, os arts. 67, I, 76, II e XVII, 132, 135, § 4º, IV, 140, 208, I. 157. Já a Resolução CONDEL nº 11.212/1999 também impôs requisitos que não foram cumpridos pelos réus JOSÉ GERALDO e CÁTIA MARIA, entre os quais os condicionantes previstos nos itens V e VII daquele normativo. 158. Não bastasse a recomendação da liberação de recursos públicos do FINOR para a empresa FIBRATEX, apesar de todas as irregularidades existentes em seu projeto de implantação, o que se observou em relação à recomendação feita pelos réus JOSÉ GERALDO e CÁTIA foi que a fiscalização da qual eles participaram findou na liberação absolutamente indevida de R$ 1.647.000,00 para o esquema fraudulento da FIBRATEX, o que materialmente trouxe inegáveis prejuízos para a SUDENE. 159. Desta forma, é possível concluir que os réus JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA agiram dolosa e decisivamente para a prática de atos de improbidade administrativa previstos nos arts. 9º, 10 e 11 da Lei nº 8.429/1992, através da violação a deveres de ofício aos quais estavam subordinados. 160. No que concerne ao segundo subgrupo do quarto grupo de réus desta ação, formado pelos ex-servidores públicos WALTER DE SOUZA LEÃO, INALDA MARIA DA SILVA e JOÃO RAIMUNDO DA SILVA, há que se observar que, muito embora eles tenham subscrito o Relatório de Fiscalização nº 020/2002 (fls. 462/470 do Apenso II/II), que recomendou a regular liberação de R$ 4.714.149,08 (quatro milhões, setecentos e catorze mil, cento e quarenta e nove reais e oito centavos), em razão dos trabalhos realizados pela CGU, tal montante não chegou a ser liberado. 161. Entretanto, embora o relatório de fiscalização por eles elaborado não tenha redundado na liberação de recursos, já que houve atuação de CGU para bloquear tal liberação, constata-se que a conduta dos aludidos réus violou gravemente os mesmos dispositivos da Portaria SUDENE nº 855/1994 e da Resolução CONDEL 11.232/1999 infringidos pelos outros ex-servidores públicos da SUDENE demandados nesta ação. 162. Ao incorrerem em violação gravosa aos dispositivos anteriormente citados, tendo em vista todas as irregularidades que vinham sendo cometidas pelos envolvidos no esquema criminoso, bem como diante da potencialidade gravosa das recomendações do Relatório de Fiscalização nº 020/02 subscrito pelos réus WALTER, INALDA e JOÃO RAIMUNDO, conclui-se que eles violaram gravemente princípios que regem a Administração Pública, notadamente a legalidade, a moralidade e a eficiência, ainda que os atos ímprobos por eles praticados não tenham ocasionado dano ao erário ou enriquecimento ilícito por parte dos demais réus. 163. Neste sentido, cito precedentes do Egrégio Superior Tribunal de Justiça: RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. OMISSÃO INEXISTENTE. AÇÃO CIVIL DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. NOMEAÇÃO DE SERVIDORA COMISSIONADA CONTRATAÇÃO PARA EXERCER, COM DESVIO DE FUNÇÃO, CARGO DE PSICÓLOGA, EM PRETERIÇÃO A APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO. VIOLAÇÃO DO ART. 11 DA LEI 8.429/92. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA CONFIGURADA. 1. Trata-se de Ação Civil por Ato de Improbidade Administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Sergipe contra prefeita por ter nomeado servidora para cargo comissionado, designando-a, todavia, para desempenhar, com desvio de função pública, a atividade de psicóloga, em preterição dos aprovados em concurso público para tal cargo. 2. Conduta que viola os princípios da administração pública da legalidade, impessoalidade, moralidade e eficiência, insculpidos no art. 37 da Constituição, assim como o disposto no inciso II de tal dispositivo, além de atentar contra os deveres da imparcialidade e legalidade. Caracterização do ato ímprobo previsto no art. 11 da Lei 8.429/1192. 3. É pacífico o entendimento do STJ no sentido de que o ato de improbidade administrativa previsto no art. 11 da Lei 8.429/1992 não exige demonstração de dano ao erário ou de enriquecimento ilícito, não prescindindo, todavia, da demonstração de dolo, o qual, contudo, não necessita ser específico, sendo suficiente o dolo genérico. 4. Recurso Especial provido para reconhecer a prática do ao ímprobo descrito no art. 11 da Lei 8.429/1992 com a imposição da sanção fixada pela sentença, com base no princípio da economia processual. (RESP 201401600634, HERMAN BENJAMIN - SEGUNDA TURMA, DJE DATA: 12/02/2016) (grifei e destaquei) 164. Assim, mesmo não tendo havido a efetiva liberação dos recursos objeto da recomendação exarada no Relatório de Fiscalização nº 020/02 e não tendo restado comprovada a má-fé dos servidores, ao não observarem os requisitos previstos na Portaria SUDENE nº 855/1994 e na Resolução CONDEL 11.232/1999, os réus WALTER, INALDA e JOÃO RAIMUNDO também incorreram dolosamente na prática de atos de improbidade administrativa que atentam contra princípios da Administração Pública, de modo que a eles devem ser cominadas as penas previstas no art. 12, III, da Lei nº 8.429/1992, baseadas em critérios de razoabilidade e proporcionalidade. III - DISPOSITIVO 165. Ante o exposto: a) rejeito as preliminares de ilegitimidade passiva e de inépcia da inicial, suscitadas pela ré INALDA MARIA DA SILVA; b) rejeito a prejudicial de mérito de prescrição, arguida pelos réus JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e JOÃO RAIMUNDO DA SILVA; c) decreto a revelia da ré CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., sem, contudo, aplicar-lhe os efeitos materiais da revelia, nos termos do art. 345, II, do CPC; d) julgo procedentes os pedidos iniciais para, com fundamento nos arts. 9º, 10, 11 e 12 da Lei nº 8.429/1992, condenar os réus às seguintes sanções: d.1) FIBRATEX - FIBRAS TÊXTEIS S.A., HAULA ARISTIDES HAMAD PEREIRA, MAJDA HAMAD PEREIRA, RÔMULO HAMAD PEREIRA, MIBRASA - MINÉRIOS BRASILEIROS LTDA., MIBRA MINÉRIOS LTDA., VIPEX CONFECÇÕES S.A., CARGO CONSTRUÇÕES PROJETOS E IMOBILIÁRIA LTDA., ALEX ZENAIDE e RUTH CATÃO ZENAIDE: * ressarcimento integral do dano, solidariamente, em favor da UNIÃO, no importe de R$ 3.074.000,00 (três milhões e setenta e quatro mil reais), em valores históricos; * suspensão dos direitos políticos por 8 (oito) anos; * pagamento, em favor da UNIÃO, de multa civil de 100% (cem por cento) do valor histórico total do dano causado; * proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 10 (dez) anos. d.2) JOSÉ GERALDO BARRETO CAMPELO DE MELO e CÁTIA MARIA NEVES DE SANTANA: * ressarcimento integral do dano para o qual concorreram, solidariamente, em favor da UNIÃO, no importe de R$ 1.647.000,00 (um milhão, seiscentos e quarenta e sete mil reais), em valores históricos; * suspensão dos direitos políticos por 5 (cinco) anos; * proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 5 (cinco) anos. d.3) WALTER DE SOUZA LEÃO, INALDA MARIA DA SILVA e JOÃO RAIMUNDO DA SILVA: * suspensão dos direitos políticos por 3 (três) anos; * multa civil de 10 (dez) vezes o valor da remuneração percebida por cada um desses réus, à época do cometimento dos atos de improbidade; * proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 3 (três) anos. 166. Os ressarcimentos integrais dos danos e as multas civis deverão ser revertidos em favor da UNIÃO, ente federativo prejudicado com as condutas ímprobas (inteligência do art. 18 da Lei 8.429/92) verificadas nesta ação. 167. Sobre a obrigação de pagar relativa à multa civil devem incidir juros de mora e correção monetária, ambos desde a data da ocorrência do evento danoso (data da liberação dos recursos), nos termos das súmulas 43 ("Incide correção monetária sobre dívida por ato ilícito a partir da data do efetivo prejuízo") e 54 ("Os juros moratórios fluem a partir do evento danoso, em caso de responsabilidade extracontratual") do STJ e do art. 398 do Código Civil. ((REsp 1645642/MS, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado em 07/03/2017, DJe 19/04/2017) e de acordo com os índices previstos no Manual de Cálculos da JF. 168. Tendo em vista a sucumbência dos réus, condeno-os, pro rata, ao pagamento das custas processuais (art. 82, § 2º, do CPC c/c o art. 14 da Lei 9.289/1996). 169. Não obstante a sucumbência mínima do autor, deixo de condenar os réus ao pagamento de honorários advocatícios, amparado em critério de absoluta simetria, pois se o Ministério Público não arca com o pagamento de honorários, também não deve recebê-los quando for vencedor na ação civil pública. Precedentes do STJ: REsp 1099573/RJ, Rel. Min. Castro Meira, Segunda Turma, julgado em 27/04/2010, DJe 19/05/2010; REsp 1.264.344, Segunda Turma, Rel. Min. Humberto Martins, DJe 14/03/2012; EREsp 895530, Primeira Seção, Rel. Min. Eliana Calmon, DJe 18/12/2009. Precedentes do TRF5: AC 540457, Primeira Turma, Rel. Desemc. Federal Francisco Cavalcanti, DJe 10/08/2012; AC 527241, Segunda Turma, Rel. Desemc. Federal Francisco Wildo, DJe 07/06/2012. 170. Interposta apelação contra esta sentença, por qualquer das partes, ou interposta apelação adesiva pelo apelado, intime-se a parte contrária para, no prazo legal, querendo, apresentar contrarrazões (art. 1.010, §§ 1º e 2º, do CPC). 171. Na hipótese prevista no parágrafo anterior, decorrido o prazo para a apresentação das contrarrazões, remetam-se os autos ao TRF5, independentemente de juízo de admissibilidade (art. 1.010, §3.º, do CPC/2015). 172. Após a certificação do trânsito em julgado: a) oficiem-se à Administração Federal (notadamente à CGU), ao Tribunal de Contas da União - TCU; ao Tribunal de Contas do Estado da Paraíba - TEC/PB; ao Banco Central do Brasil - BCB; ao Banco do Brasil S/A; à Caixa Econômica Federal - CEF; e ao Banco do Nordeste do Brasil - BNB, dando notícia desta sentença, para que eles observem a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, penalidade imposta nesta sentença em desfavor do(s) réu(s); b) providencie-se o cadastramento deste processo na página do Conselho Nacional de Justiça - CNJ, na internet, no Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa; c) intime-se a parte autora para que requeira a execução das penalidades pecuniárias. 173. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Vista ao MPF. João Pessoa/PB, 1º de novembro de 2018. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/SJPB 1 Carta-consulta consiste num conjunto de documentos que apresenta, de forma sucinta, informações e elementos identificando a empresa e seus futuros acionistas, comprovantes da capacidade econômica e financeira e da idoneidade cadastral de todos os componentes prováveis do capital votante, produção prevista, quantidade física e valor (Decisão TCU nº 610/1996). 2 Conforme entendimento pacífico do STJ, considera-se "válida a citação da pessoa jurídica quando esta é recebida por quem se apresenta como representante legal da empresa e recebe a citação sem ressalva quanto à inexistência de poderes de representação em juízo" (AgRg nos EREsp 205.275/PR, Rel. Ministra Eliana Calmon, Corte Especial, julgado em 18/9/2002, DJ 28/10/2002, p. 209). --------------- ------------------------------------------------------------ --------------- ------------------------------------------------------------ PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0003029-03.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FRANCISCO DAS CHAGAS NUNES) X ROBERTO SALES DE MIRANDA (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo:0003029-03.2012.4.05.8200- Cls. 28 AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF REU: ROBERTO SALES DE MIRANDA C E R T I D Ã O CERTIFICO que a Carta Precatória expedida para intimação de ROBERTO SALES DE MIRANDA resultou em diligência negativa, conforme cópia de certidão (fls. 84) emitida pela Oficiala de Justiça Avaliadora, responsável pela execução da deprecata referida. Dou fé. João Pessoa, 2 de maio de 2018. ANTONIO LISBOA DE MEDEIROS MORAIS Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 02 de maio de 2018. ANTÔNIO LISBOA DE MEDEIROS MORAIS Técnico Judiciário SUSPENSÃO dos prazos processuais nesta Vara no período de 07 a 11 de maio de 2018 (Portaria nº 001/2018 -GAB. 1ª Vara). Despacho/decisão: 1- Vistos em inspeção ordinária anual. 2. À vista da certidão supra, intime-se a exeqüente CEF, para manifestar-se acerca da certidão (fls. 84) emitida pela de Justiça Avaliadora, responsável pela intimação do réu ROBERTO SALES DE MIRANDA, no prazo improrrogável de 10 (dez) dias. 3. Decorrido prazo acima estabelecido, venham-me os autos conclusos. João Pessoa, _____/ maio/2018. JOÃO BOSCO MEDEIROS DE SOUSA JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal da 1.ª Vara Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara REPRESENTANTE DO MPF REPRESENTANTE DA OAB REPRESENTANTE DA DPU REPRESENTANTE DA AGU PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000014-36.2006.4.05.8200 IRENE DOS SANTOS BATISTA (Adv. VALTER DE MELO, CANDIDO ARTUR MATOS DE SOUZA, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA) X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. JOSE WILSON GERMANO DE FIGUEIREDO) x MUNICIPIO DE BARRA DE SANTA ROSA - PB (Adv. JOSÉ DUTRA DA ROSA FILHO)

Processo:0000014-36.2006.4.05.8200- Cls. 29 AUTOR: IRENE DOS SANTOS BATISTA REU: INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS e outro CERTIDÃO Certifico que o INSS ingressou em Juízo com petição (fls. 381/387), requerendo o indeferimento da petição (fls. 377). Dou fé. João Pessoa, 06 de novembro de 2018. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário AUTOS COM VISTA Em cumprimento ao Provimento nº 001 de 25/03/2009 do eg. TRF-5ª Região, art. 87, item 05, vista à parte autora, no prazo de 05 (cinco) dias, para se manifestar sobre a petição (fls. 381/387). João Pessoa, 06 de novembro de 2018. RÔMULO AUGUSTO DE AGUIAR LOUREIRO Diretor da Secretaria da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA FÓRUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0000118-08.2018.4.05.8200 CARLOS EDUARDO ALVES LINO REP POR SUA MAE JANARTE ALVES DA SILVA (Adv. VALTER DE MELO, LUIZ CESAR GABRIEL MACEDO, HERATOSTENES SANTOS DE OLIVEIRA, YURI MARQUES DA CUNHA) X COMPANHIA BRASILEIRA DE TRENS URBANOS - CBTU (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo: 0000118-08.2018.4.05.8200 Sentença TIPO "C" (Res. CJF nº 535/2006) Autor(a): CARLOS EDUARDO ALVES LINO Ré: COMPANHIA BRASILEIRA DE TRENS URBANOS - CBTU SENTENÇA Vistos, etc. Relatório Trata-se de ação ordinária proposta por CARLOS EDUARDO ALVES LINO em desfavor da COMPANHIA BRASILEIRA DE TRENS URBANOS - CBTU, objetivando a condenação da demandada por danos morais, psicológicos e à imagem. 2. A ação foi originalmente proposta junto à Justiça Estadual, tendo os autos sido posteriormente remetidos à Justiça Federal, em face de incompetência declarada no Juízo de origem do feito (fl. 275). 3. Autos conclusos. Fundamentação 4. A Res. TRF 5ª Região nº 16/2012 dispôs que não seria mais admitida a distribuição de determinadas classes de ações cíveis em autos físicos, depois de 15/outubro/2012, na Justiça Federal da Seção Judiciária da Paraíba. 5. Com efeito, a Res. TRF 5ª Região nº 16/2012, art. 1º, c/c o art. 2º, V, bem como a Portaria nº 084/GDF, de 18/julho/2013, foram taxativas ao estabelecer que seria adotado, com exclusividade, o processo judicial eletrônico (PJE) para a propositura e tramitação das ações incluídas na classe de procedimento ordinário e na classe de mandados de segurança, sendo essas disposições aplicáveis, inclusive, aos feitos recebidos da Justiça Estadual em autos físicos. 6. Posteriormente, foi editada a Portaria nº 133/GDF, de 26/setembro/2013, que alterou parcialmente a Portaria nº 084/GDF, dispondo que, a partir de 31/dezembro/2013, para o ajuizamento e tramitação das ações judiciais, nesta Seção Judiciária, incluídas nas demais classes cíveis, bem como de todos os seus incidentes processuais e ações conexas, excluídas as ações de execução fiscal e seus embargos, bem como as causas de competência dos Juizados Especiais Federais, seria utilizado exclusivamente o sistema denominado "Processo Judicial Eletrônico" (PJE). 7. Vale salientar que o Provimento nº 02/2013, de 21/outubro/2013, da Corregedoria-Regional do TRF 5ª Região, no art. 1º, §§ 1º a 3º, dispôs que as ações oriundas da Justiça Estadual, autuadas em autos físicos, após a regular distribuição no sistema TEBAS, deveriam ser arquivadas, depois de sua digitalização e autuação de forma eletrônica (PJE) pela(s) parte(s) demandante(s). 8. No caso em exame, a presente ação foi redistribuída à Justiça Federal após a data limite para admissão de novas ações em autos físicos, de modo que o feito não pode tramitar na forma em que se encontra nesta Seção Judiciária, pois isso desvirtuaria os objetivos da Res. nº 16/2012, da Corregedoria-Regional do TRF 5ª Região, bem da Portaria nº 084/GDF, de 18/julho/2013, c/c a Portaria nº 133/GDF, de 26/setembro/2013, não havendo outra solução senão a extinção do processo, sem exame do mérito, por ausência de pressupostos de desenvolvimento e de procedibilidade da ação. Dispositivo 9. Isto posto, com base no CPC/2015, art. 485, IV, declaro extinto o presente feito, sem resolução do mérito, ficando assegurada à(s) parte(s) demandante(s) a utilização do processo judicial eletrônico (PJE). 10. Fica facultada a digitalização das peças destes autos pelo(a)(s) autor(a)(es) para distribuição da ação eletrônica por dependência a este feito, no prazo de 30 (trinta) dias, mediante o sistema do processo judicial eletrônico (PJE). 11. Honorários advocatícios incabíveis na espécie, porque não houve sucumbência nesta ação e a extinção do feito decorreu de circunstância alheia à vontade das partes. 12. Após o decurso do prazo referido anteriormente, arquivem-se estes autos, com baixa na Seção de Distribuição e Registro. 13. Publique-se, registre-se, intime(m)-se e cumpra-se. João Pessoa/PB, 29/10/2018 João Pereira de Andrade Filho Juiz Federal Substituto da 1ª Vara 4 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa

   

0000121-60.2018.4.05.8200 EULINA PEREIRA DE ARAUJO (Adv. MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA, NARRIMAN XAVIER DA COSTA, KARLA GABRIELA SOUSA LEITE, NELSON AZEVEDO TORRES, MARCUS VINICIUS XAVIER DE MELO, DEBORA FONTES DE CARVALHO, LARISSA RAULINO DE ARAÚJO) X FEDERAL DE SEGUROS S/A (Adv. JOSEMAR LAURIANO PEREIRA, VINICIUS BARROS DE VASCONCELOS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. AURELIO HENRIQUE F. DE FIGUEIREDO)

Processo nº. 0000121-60.2018.4.05.8200 DECISÃO 1. Trata-se de ação ordinária proposta por EULINA PEREIRA DE ARAUJO em desfavor da FEDERAL DE SEGUROS S/A, objetivando a cobertura de seguro habitacional, com o consequente pagamento à autora de indenizações para conserto integral de seu imóvel; a demandante pediu, também, a incidência de multa calculada sobre o total das indenizações, juros de mora, correção monetária e honorários advocatícios de 20% (vinte por cento) sobre o valor da condenação. 2. A ação foi originalmente proposta junto à Justiça Estadual, tendo os autos físicos sido posteriormente remetidos à Justiça Federal, em face de incompetência declarada no Juízo de origem do feito (fl. 223), que entendeu necessária a presença da CEF no polo passivo do feito. 3. Ainda naquele Juízo, a CEF apresentou petição (fls. 219/222), afirmando ter interesse em integrar a lide, por ter constatado vínculo de seu contrato, firmado em outubro/1985, com apólice de natureza pública (Ramo 66). 4. Decido. 5. A competência para processar e julgar a ação, bem como a adequação, ou não, do procedimento escolhido pelo(a)(s) demandante(s) constituem matérias de ordem pública, sendo pressupostos de validade do processo, devendo essas questões ser dirimidas de ofício ou por provocação das partes, quando do conhecimento de qualquer pretensão deduzida em juízo. 6. Embora tenha a Justiça Estadual declinado da competência em favor da Justiça Federal em razão do interesse da CEF em integrar o feito, de acordo com a manifestação da CEF (fls. 219/222) a apólice cuja cobertura securitária faz parte do objeto desta ação não tem o condão de atrair a competência da Justiça Federal para processar e julgar o feito. 7. É que, consoante entendimento firmado nas instâncias superiores (AGARESP 201202196659, SIDNEI BENETI, STJ - TERCEIRA TURMA, DJE DATA:01/03/2013 e TRF 5ª Região. AG - Agravo de Instrumento - 128810. Relator Desembargador Federal Francisco Wildo. DJE: 19/12/2012, p. 296), nas ações envolvendo seguros de mútuo habitacional no âmbito do SFH, a CEF detém interesse jurídico para ingressar a lide somente nos contratos celebrados de 02/12/1988 a 29/12/2009 - período compreendido entre as edições da Lei n. 7.682/88 e da MP n. 478/09. Tal panorama não restou alterado com a superveniência da Lei nº 13.000/14, que cuidou de positivar a compreensão jurisprudencial assente sobre o tema, ao disciplinar os pormenores processuais (hipóteses de intervenção, competência jurisdicional, desmembramento do processo, aproveitamento dos atos processuais, prioridades de tramitação etc) decorrentes da eventual intervenção da CEF nas ações judiciais cuja controvérsia gravite em derredor da extinta apólice pública do Seguro Habitacional do Sistema Financeiro de Habitação - SH/SFH. 8. Ainda no que se refere aos influxos da Lei nº 13.000/14 sobre o entendimento consolidado pelo STJ no Resp nº. 1.091.393/SC, convém esclarecer que o aludido diploma legal, ao erigir a CEF à qualidade de representante judicial e extrajudicial dos interesses do FCVS ou suas subcontas, induvidosamente conferiu à empresa pública uma margem de discricionariedade para decidir os casos concretos em que entende haver risco ao FCVS, desde que se trate de apólices públicas e que os contratos tenham sido firmados entre dezembro/1988 e dezembro/2009 - requisitos objetivos tracejados no Resp nº. 1.091.393/SC. 9. No caso destes autos, o contrato de seguro habitacional que instrui esta ação não preenche os requisitos assinalados, eis que foi celebrado em 01/outubro/1985 (fl.219), portanto, fora do período acima indicado. 10. Dessa forma, a demanda deve prosseguir perante a Justiça Estadual, face à ausência de interesse da CEF, por não ter o contrato sido firmado no período compreendido entre as edições da Lei nº. 7.682/88 e da MP nº. 478/09. 11. Ressalvo, por fim, que o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas, autuado sob o nº. 0804575-80.2016.4.05.0000 e que se encontra em tramitação no TRF5, não tem relação com o presente caso concreto, uma vez que sua finalidade é sanar a controvérsia acerca da influência da Lei nº. 13.000/2014 sobre as ações envolvendo seguros de mútuo habitacional no âmbito do Sistema Financeiro Habitacional - SFH, nos contratos celebrados de 02/dezembro/1988 a 29/dezembro/2009 e vinculados ao FCVS (apólices públicas, ramo 66), através da fixação de tese jurídica que indique, objetivamente, o que se exige da CEF para demonstrar, caso a caso, o seu interesse jurídico em intervir nos autos. Nos presentes autos, como já demonstrado, o contrato não se encontra vinculado a apólice pública e/ou não foi firmado dentro do período compreendido entre 02/dezembro/1988 a 29/dezembro/2009, não estando, portanto, abrangido pelo incidente em questão. 12. Assim sendo, declaro a incompetência absoluta da Justiça Federal para processar e julgar o feito, excluindo a CEF do polo passivo. 13. Por conseguinte, os autos deverão retornar à vara de origem (8ª Vara Cível de João Pessoa) mediante ofício dirigido à juíza da referida vara, para que o feito lá prossiga. 14. Intimem-se. 15. Decorrido o prazo recursal, cumpra-se o disposto no item 13. João Pessoa, 29/10/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0004179-82.2013.4.05.8200 UNIÃO (Adv. PETROV FERREIRA BALTAR FILHO) X MUNICIPIO DE DUAS ESTRADAS/PB (Adv. HEITOR CABRAL DA SILVA, ERIKA DE FATIMA SOUZA DURAND, MARCIA B. GONDIM COUTINHO, CAMILLA CABRAL CARVALHO)

Sentença TIPO "A" (Resolução CJF n.º 535/2006) SENTENÇA I) RELATÓRIO 1. A UNIÃO interpôs embargos de declaração (fls. 293/296) em face da sentença prolatada em 16.06.2017 (fls. 272/285), alegando a existência de contradição e omissão, haja vista que: a) a sentença embargada não observou o título judicial ao determinar a utilização do número real de matrículas para o cálculo da complementação, pois o título determinou a utilização do censo escolar do ano anterior; b) as ADIs n.º 4357 e n.º 4425 referem-se à atualização dos valores de requisitórios, não se referindo à etapa anterior, de forma que deve ser observada a Lei n.º 11.960/2009 em relação à correção monetária e aos juros de mora; c) embora o TRF5 tenha reconhecido a aplicação do IPCA-E após 25.03.2015, essa questão é objeto de REsp e de RE, devendo o processo ser suspenso até a conclusão do julgamento desses recursos. 2. Juntou documento (fls. 297/300). 3. O Município de Duas Estradas/PB apresentou contrarrazões (fls. 305/307), alegando que a sentença embargada não apresenta vícios, e que a embargante pretende, na verdade, reformar o julgado, oportunidade na qual requereu a aplicação da multa do art. 1026, §2.º, do CPC/2015, bem como a condenação por litigância de má-fé, nos termos do art. 81 do CPC/2015. 4. Os recursos especial e extraordinário interpostos pela União foram declarados prejudicados, não tendo sido interposto qualquer recurso desta decisão (fls. 314/316). 5. Decido. II) FUNDAMENTAÇÃO 6. Verificada a tempestividade dos embargos, recebo-os e, doravante, passo a julgá-los. 7. Cabem embargos de declaração quando houver na decisão, na sentença ou acórdão obscuridade ou contradição, ou quando for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou o tribunal, bem como para corrigir erro material (art. 1.022 do CPC/2015, antigo art.535 do CPC). 8. No caso em tela, não existem contradições, omissões, obscuridades ou erro material. Em verdade, pretende o embargante, através da oposição do referido recurso, a rediscussão do entendimento esposado na sentença embargada, para o que não se presta o remédio recursal manejado, devendo o exame da correção ou não do julgado embargado ser buscado na instância recursal adequada. 9. Destaque-se, ainda, que eventual erro de julgamento decorrente da alegada inobservância do título judicial ou da suposta aplicação de índice de correção monetária indevida não pode ser discutida na via dos embargos de declaração, devendo eventual correção do decisum ser buscada por meio do recurso adequado, consoante já afirmado acima. 10. Por fim, ressalte-se que os recursos especial e extraordinário interpostos contra o acórdão do TRF5 que determinou a aplicação do IPCA-E como índice de correção monetária foram declarados prejudicados (fls. 314/316). 11. Quanto ao pedido para condenação da UNIÃO nas penas previstas nos artigos 81 e 1.026, §2.º, do CPC/2015, necessário observar que a simples interposição de recurso inadequado não é suficiente, por si só, para caracterizá-lo como manifestamente protelatório, razão pela qual deve ser indeferido o pedido de aplicação dessas penalidades. III) DISPOSITIVO 12. Ante o exposto, conheço dos embargos de declaração interpostos pela UNIÃO (fls. 293/296), para negar-lhes provimento. 13. Indefiro o pedido de aplicação das multas previstas nos artigos 81 e 1.026, §2.º, do CPC/2015. 14. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. João Pessoa/PB, 30 de outubro de 2018. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Processo nº 0004179-82.2013.4.05.8200S 2 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA-PB Processo nº 0003156-09.2010.4.05.8200

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0000250-51.2007.4.05.8200 FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE (Adv. ANDRE ORLANDO DUARTE DO NASCIMENTO, JURANDI FERNANDES FERREIRA, HEDILENE FREIRE CASECA ROSA, ERIK FRANKLIN BEZERRA, CARLOS BENITO COSENTINO FILHO, DIÓGENES CÉZAR DE SOUZA JÚNIOR, ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO, PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO, SÉRGIO COSMO FERREIRA NETO, VINICIUS DE NEGREIROS CALADO, DIEGO GALDINO DA SILVA MELO, JOAQUIM PESSOA GUERRA FILHO, ELTON MACIEL COUTINHO DE SOUZA) X FRANCISCO DANTAS COELHO

Processo:0000250-51.2007.4.05.8200- Cls. 98 EXEQUENTE: FUNDACAO HABITACIONAL DO EXERCITO - FHE EXECUTADO: FRANCISCO DANTAS COELHO C E R T I D Ã O Certifico que a PREVI informou através do oficio PREVI/DISEG/GEPAB - Nº 2018/001030 (fl. 129), conforme determinado na decisão (fl. 123), no entanto, deixou de enviar junto ao ofício, a folha individual de pagamento do requerido. Dou fé. João Pessoa, 29 de outubro de 2018. LUIZ CARLOS OLIVEIRA TAVARES Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 29 de outubro de 2018. LUIZ CARLOS OLIVEIRA TAVARES Técnico Judiciário Despacho: 1- Vista à exeqüente sobre a certidão supra, o ofício (fl. 129), bem como para impulsionar o feito no prazo improrrogável de 15 (quinze) dias. 2- Decorrido o prazo acima, sem manifestação, baixa e arquive-se, podendo-se desarquivar enquanto não prescrito. João Pessoa, 31/10/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0005677-58.2009.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. FABIO ROMERO DE SOUZA RANGEL) X JR TÊXTIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. (COTTON RIO) E OUTROS (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo:0005677-58.2009.4.05.8200- Cls. 98 EXEQUENTE: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF EXECUTADO: JR TÊXTIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. (COTTON RIO) e outros C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 25 de outubro de 2018. Processo:0005677-58.2009.4.05.8200- Cls. 98 EXEQUENTE: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF EXECUTADO: JR TÊXTIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. (COTTON RIO) e outros Decisão: 1- O(a) exeqüente requereu (fl. 197) o bloqueio de ativos financeiros eventualmente existentes em conta(s) bancária(s) de titularidade do(a)(s) executado(a)(s), através do sistema BACEN-JUD, até o limite do crédito exeqüendo. 2- Com efeito, o CPC, art. 854, autoriza a requisição de informações, através de meio eletrônico, sobre a existência, ou não, de ativos financeiros em nome do(a)(s) executado(a)(s), bem como possibilita o bloqueio de ativos financeiros existentes em conta(s) bancária(s) até o valor indicado na execução. 3- Neste caso, vale registrar que a citação do(a)(s) executado(a)(s) foi realizada (fl. 190) na forma do CPC, art. 829, tendo decorrido o tríduo legal sem que houvesse o pagamento do valor da execução. 4- Isto posto, defiro o pedido (fl. 197) de bloqueio on-line, através do Sistema BACEN-JUD, de ativos financeiros existentes em nome do(a)(s) executado(a)(s), JR TEXTIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA (COTTON RIO), inscrita no CNPJ sob o número 07.285.495/0001-91 e seu representante legal JEFERSON SILVESTRE DE ARAÚJO inscrito no CPF número 047.196.194-95, ficando a constrição limitada ao valor do débito exeqüendo (fl. 197). 5- Decorrido o prazo de cinco dias, verifique-se o montante bloqueado e, em seguida, intime(m)-se o(a)(s) executado(a)(s) da realização da penhora. 6- Nada requerido no prazo de 15 (quinze) dias, determino a transferência dos valores bloqueados para conta própria da Ag. CEF nº 0548, à ordem deste Juízo. 7- Tendo em vista a necessidade de imprimir celeridade ao andamento do feito, proceda-se de imediato ao bloqueio eletrônico por intermédio do sistema RENAJUD de veículos automotores porventura cadastrados em nome do executado, na forma do Ato nº 309/2009 da Presidência do TRF5, devendo ser suspensa qualquer forma de alienação (transferência de propriedade) desse bem até ulterior deliberação deste Juízo. 8- Decorrido o prazo de 48 (quarenta e oito) horas, certifique a Secretaria da Vara imediatamente quanto ao efetivo bloqueio do bem, abrindo-se, em seguida, vista ao(à) exeqüente(s) pelo prazo de 15 (quinze) dias para impulsionar o feito. 9- Nada requerido, baixa e arquive-se imediatamente, ressalvado o direito enquanto não prescrito. João Pessoa, JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

INTERDITO PROIBITÓRIO

   

0003282-49.2016.4.05.8200 PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO E OUTROS (Adv. RAFAEL RODRIGUES NEVES GOMES, CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, RODRIGO NOBREGA FARIAS, GEORGE OTTÁVIO BRASILINO OLEGÁRIO, OSMANYO CAETANO XAVIER, CARLA VIVIANE DE FREITAS PESSOA NUNES MONTEIRO, FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR, SEVERINO CELESTINO SILVA FILHO) X GENIVAL SABINO DA SILVA E OUTROS (Adv. NOALDO BELO DE MEIRELES, IRANICE GONCALVES MUNIZ, SANDRO TARGINO DE SOUZA CHAVES)

INTERDITO PROIBITÓRIO N.º 0003282-49.2016.4.05.8200S Autor: PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO e OUTROS Réus: GENIVAL SABINO DA SILVA e OUTROS DECISÃO 1. PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO, PAULA FERNANDA DE MORAIS COUTINHO e PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO FILHO propuseram ação de interdito proibitório contra GENIVAL SABINO DA SILVA, JOSÉ SABINO DA SILVA, JOSIAS PEREIRA NUNES e VERA LÚCIA SABINO DA SILVA, sob o fundamento de que os réus estavam se preparando para invadir o imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho", o qual compreende três glebas escrituradas individualmente, cada uma com 124,50ha. 2. Este processo foi distribuído por dependência em relação à Reintegração de Posse n.º 0003281-64.2016.4.05.8200, anteriormente distribuído a este juízo por dependência em relação à Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, cujo objeto é a expropriação por interesse social do imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho 1". 3. Em referida ação de desapropriação, foi realizada perícia para a avaliação do imóvel, tendo o perito judicial, em resposta ao quesito "g" do juízo, afirmado que na "Fazenda Tambauzinho 1" não há áreas de posseiros, pois todas as casas de colonos foram construídas nas glebas vizinhas, denominadas Tambauzinho 2 e 3, situação essa que seria suficiente para demonstrar a inexistência de conexão deste feito e da reintegração de posse referida com a Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, haja vista que a turbação e o esbulho alegados teriam ocorrido em imóvel vizinho ao que é objeto de expropriação. 4. Por outro lado, quando da propositura desta ação, o imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho", antes de seu desmembramento em três glebas, já era objeto da Reintegração de Posse n.º 0003281-64.2016.4.05.8200, na qual foi deferida liminar, determinando a imediata reintegração da posse do imóvel (fls. 18/19), de forma que, a posse dos autores já estaria garantida por meio de decisão prolatada naqueles autos. 5. Por tal razão, faz-se necessário que os autores justifiquem o interesse no prosseguimento deste feito, haja vista que qualquer violação a sua posse implicaria desrespeito à decisão prolatada no processo de reintegração, no qual o restabelecimento dos efeitos da decisão violada deveria ser reclamado. 6. Ante o exposto: a) determino à Secretaria da Vara que traslade para estes autos cópia do laudo pericial elaborado nos autos da Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200 (fls. 1790/1853); b) intimem-se os autores para, no prazo de 10 (dez) dias: * manifestarem-se sobre o interesse no prosseguimento deste feito, haja vista a liminar concedida na Reintegração de Posse n.º 0003281-64.2016.4.05.8200; * falar sobre a competência deste juízo para conhecer deste feito por dependência em relação à Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, oportunidade na qual deverá emendar a inicial, a fim de indicar com precisão em qual gleba do imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho" estão ocorrendo as ameaças de turbação e esbulho, sob pena de indeferimento da inicial. 7. Em seguida, voltem-me os presentes autos conclusos. 8. Cumpra-se, com prioridade. João Pessoa/PB, 30 de outubro de 2018. João Pereira de Andrade Filho Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB PROCESSO N.º 0003282-49.2016.4.05.8200S

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0003585-68.2013.4.05.8200 DAVID RODRIGUES SANTOS DA SILVA (Adv. SIMONNE MAUX DIAS) X COORDENADOR DIRETOR GERAL DA CODESC/UFPB - VIRTUAL (Adv. PROCURADORIA FEDERAL NO ESTADO DA PARAIBA)

Processo nº 0003585-68.2013.4.05.8200 Classe 126 IMPETRANTE: DAVID RODRIGUES SANTOS DA SILVA IMPETRADO: COORDENADOR DIRETOR GERAL DA CODESC/UFPB - VIRTUAL C E R T I D Ã O Certifico que os autos retornaram da Instância Superior com trânsito em julgado, conforme certidão (fls.165). Dou f é. João Pessoa, 28 de setembro de 2018 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança C O N C L U S Ã O Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 28 de setembro de 2018 Alexandre de Sá Leitão Cunha Sup.Assistente do Setor de Ações de Rito Especial e Mandado de Segurança Despacho: 1- Intimem-se as partes para conhecimento e cumprimento do julgado. 2- Prazos: 15 (quinze) dias, improrrogáveis. 3-Após, sem manifestação das partes, ou informando que nada tem a requerer, dê-se baixa na Distribuição e arquive-se. João Pessoa, 28/09/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/SJPB PODER JUDICIÁRIO J U S T I Ç A F E D E R A L N A P A R A Í B A FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

MEDIDA CAUTELAR DE ATENTADO

   

0003284-19.2016.4.05.8200 PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO E OUTROS (Adv. RAFAEL RODRIGUES NEVES GOMES, CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, RODRIGO NOBREGA FARIAS, GEORGE OTTÁVIO BRASILINO OLEGÁRIO, OSMANYO CAETANO XAVIER, CARLA VIVIANE DE FREITAS PESSOA NUNES MONTEIRO, FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR, SEVERINO CELESTINO SILVA FILHO) X GENIVAL SABINO DA SILVA E OUTROS (Adv. NOALDO BELO DE MEIRELES, IRANICE GONCALVES MUNIZ, SANDRO TARGINO DE SOUZA CHAVES)

MEDIDA CAUTELAR DE ATENTADO N.º 0003284-19.2016.4.05.8200S Autor: PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO e OUTROS Réus: GENIVAL SABINO DA SILVA e OUTROS DECISÃO 1. PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO, PAULA FERNANDA DE MORAIS COUTINHO e PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO FILHO propuseram medida cautelar de atentado contra GENIVAL SABINO DA SILVA, JOSÉ SABINO DA SILVA, JOSIAS PEREIRA NUNES e VERA LÚCIA SABINO DA SILVA, sob o fundamento de que teria sido violada a liminar concedida nos autos do Interdito Proibitório n.º 0003882-49.2016.4.05.8200, haja vista a realização de roçados e plantações no imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho" após o deferimento da liminar. 2. Este processo foi distribuído por dependência em relação à Reintegração de Posse n.º 0003281-64.2016.4.05.8200, anteriormente distribuído a este juízo por dependência em relação à Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, cujo objeto é a expropriação por interesse social do imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho 1". 3. Em referida ação de desapropriação, foi realizada perícia para a avaliação do imóvel, tendo o perito judicial, em resposta ao quesito "g" do juízo, afirmado que na "Fazenda Tambauzinho 1" não há áreas de posseiros, pois todas as casas de colonos foram construídas nas glebas vizinhas, denominadas Tambauzinho 2 e 3, situação essa que seria suficiente para demonstrar a inexistência de conexão deste feito e da reintegração de posse referida com a Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, haja vista que a turbação e o esbulho alegados teriam ocorrido em imóvel vizinho ao que é objeto de expropriação. 4. Por outro lado, quando da propositura do Interdito Proibitório n.º 0003882-49.2016.4.05.8200, no qual foi prolatada a decisão cujo descumprimento é objeto deste feito, o imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho", antes de seu desmembramento em três glebas, já era objeto da Reintegração de Posse n.º 0003281-64.2016.4.05.8200, na qual foi deferida liminar, determinando a imediata reintegração da posse do imóvel (fls. 18/19), de forma que, a posse dos autores já estaria garantida por meio de decisão prolatada naqueles autos, fazendo-se necessário que eles justifiquem o interesse no prosseguimento deste feito, haja vista que qualquer violação a sua posse implicará desrespeito à decisão prolatada no processo de reintegração, no qual o restabelecimento dos efeitos da decisão violada deverá ser reclamado, na forma estabelecida no art. 77, VI, §§2.º e 7.º, do CPC/2015. 5. Ante o exposto, intimem-se os autores para, no prazo de 10 (dez) dias, manifestarem-se sobre o interesse no prosseguimento deste feito, haja vista a liminar concedida na Reintegração de Posse n.º 0003281-64.2016.4.05.8200, o que afastaria o interesse de agir em relação ao Interdito Proibitório n.º 0003282-49.2016.4.05.8200 e, consequentemente, em relação a este feito, bem como em virtude da possibilidade de o restabelecimento do estado de fato que tenha sofrido inovação ilegal poder ser requerido nos próprios autos da reintegração referida. 6. Em seguida, voltem-me os presentes autos conclusos. 7. Cumpra-se, com prioridade. João Pessoa/PB, 30 de outubro de 2018. João Pereira de Andrade Filho Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB PROCESSO N.º 0003284-19.2016.4.05.8200S

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0003283-34.2016.4.05.8200 GENIVAL SABINO DA SILVA E OUTROS (Adv. NOALDO BELO DE MEIRELES, ALDARIS DAWSLEY E SILVA JUNIOR) X PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO E OUTRO (Adv. RAFAEL RODRIGUES NEVES GOMES, CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, RODRIGO NOBREGA FARIAS, GEORGE OTTÁVIO BRASILINO OLEGÁRIO, OSMANYO CAETANO XAVIER, CARLA VIVIANE DE FREITAS PESSOA NUNES MONTEIRO, FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR) x MUNICIPIO DE SANTA RITA/PB (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo n.º 0003283-34.2016.4.05.8200 Autor: Genival Sabino da Silva e outros Réu: Paulo Roberto Jacques Coutinho e outros SENTENÇA TIPO "C" (Resolução CJF n.º 535/2006) SENTENÇA I - RELATÓRIO 1. Trata-se de ação cautelar inominada proposta por Genival Sabino da Silva, José Sabino da Silva, Josias Pereira Nunes e Vera Lúcia Sabino da Silva em desfavor de Paulo Roberto Jacques Coutinho, Paula Fernanda de Morais Coutinho e do Município de Santa Rita, objetivando interromper a derrubada de coqueiros e a supressão da vegetação em áreas do imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho". 2. A ação foi inicialmente ajuizada perante a Justiça Estadual, sendo posteriormente remetida a este Juízo em razão do alegado interesse do INCRA em compor a lide (fl. 148). 3. O INCRA manifestou interesse em integrar o feito na qualidade de assistente dos autores (fls. 152/155). 4. Instados a se manifestar sobre o interesse no prosseguimento da ação (fl. 157), os autores deixaram transcorrer o prazo sem manifestação (fl. 159). 5. É o relatório. DECIDO. II) FUNDAMENTAÇÃO 6. O CPC/2015 dispõe, em seu art. 17, que para postular em juízo é necessário que a parte possua interesse processual e legitimidade. 7. No caso, este feito foi autuado na Justiça Estadual no dia 05.03.2003, sem que até o momento tenha havido a citação dos réus, situação essa que motivou a prolação de despacho determinando a intimação dos autores para dizerem do interesse no prosseguimento do feito (fl. 157), contudo, apesar de devidamente intimados (fl. 158), deixaram transcorrer em branco o prazo fixado para tanto (fl. 159), situação essa que faz presumir a falta de interesse de agir. III) DISPOSITIVO 8. Ante o exposto, reconheço, de ofício, a falta de interesse de agir dos autores, extinguindo o processo sem resolução do mérito, com fundamento no art. 485, VI e §3.º, do CPC/2015. 9. Defiro o benefício da justiça gratuita. 10. Sem condenação ao pagamento de honorários, haja vista que não houve a formação da relação jurídica processual. 11. Sem custas (art. 4.º, II, da Lei n.º 9.289/96). 12. Interposta apelação contra esta sentença, venham-me os autos conclusos para análise do juízo de retratação previsto no art. 485, § 7º, do CPC/2015. 13. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição. 14. Publique-se. Registre-se. Intime-se a embargante. João Pessoa/PB, 30 de outubro de 2018. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB PROCESSO N.º 0003283-34.2016.4.05.8200S

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000370-51.1994.4.05.8200 JOSÉ THOMAS EDSON E OUTRO (Adv. DANIEL LUCENA BRITO, ITALLO JOSE AZEVEDO BONIFACIO, LUCAS BARBOSA DE CARVALHO GONÇALVES, RICARDO AUGUSTO ALBUQUERQUE GONÇALVES) x HEBE E SILVA CORREIA (Adv. LÚCIA DE FÁTIMA GORGÔNIO, JOSE LEANDRO OLIVEIRA TORRES, WAGNER LUIZ RIBEIRO SALES) x MÔNICA DE FÁTIMA DE SOUSA PONTES E OUTROS (Adv. ELORA RAFAELA FERNANDES TEIXEIRA, RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, VALBERTO ALVES DE AZEVEDO FILHO, VITAL BORBA DE ARAUJO JUNIOR, DANIEL SAMPAIO DE AZEVEDO, TATIANA DO AMARAL CARNEIRO CUNHA, AMANDA LUNA TORRES, RENATA TORRES DA COSTA MANGUEIRA, ISABELLI CRUZ DE SOUZA NEVES, RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES, GUSTAVO BOTTO BARROS FELIX, GITANA SOARES DE MELLO E SILVA PARENTE, GIORDANO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, RAMON PESSOA DE MORAIS, BÁRBARA DE MELO FERNANDES, VANESSA DE ARAUJO PORTO, NATHALIA SOUTO DE ARRUDA VASCONCELOS, MYRIAM PIRES BENEVIDES GADELHA, JOÃO GOMES RAMALHO JUNIOR, HOSANA KAROLYNE FIGUEIREDO PATRICIO, MARCELA MOYSES POLETTI, LARISSA ANTONIA MAIA FERREIRA, RAFAELLA CORREIA DINIZ, ISABELLA LACERDA FRANKLIN CHACON, DIEGO CAZÉ ALVES DE OLIVEIRA, RAFAEL TARGINO FALCAO FARIAS, RODRIGO CARDOSO SANTANA, SABRINA PEREIRA MENDES, NATHALIA DIAS DE BARROS) x EDSON CORREIA DE MELO X UNIÃO (Adv. CANDIDO CASTELLIANO DE LUCENA)

Processo:0000370-51.1994.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: JOSÉ THOMAS EDSON e outros EXECUTADO: UNIÃO DECISÃO 1. Trata-se de embargos de declaração opostos por CARLOS ANTÔNIO CORREIA DE MELO E SILVA (fls. 389/393) em face da decisão (fls. 379/380) que deferiu o pedido de habilitação formulado pelos 5 (cinco) herdeiros do autor falecido EDSON CORREIA DE MELO, e autorizou a expedição de RPVs em seu favor limitadas às cotas partes devidas a cada um deles, ficando resguardadas as cotas dos demais herdeiros. 2. Aponta a existência de omissão no decisum embargado, por não ter observado que o embargante é o único dentre os herdeiros do autor que ostenta a condição de dependente, razão pela qual deveria ser o único beneficiário dos valores não recebidos em vida pelo autor, na forma da Lei nº. 8.213/91, art. 112. 3. Requer o provimento do recurso para que a RPV referente aos valores devidos ao de cujus seja expedida apenas em seu nome. 4. Era o que importava ser exposto. 5. Conheço dos declaratórios, porque tempestivos. 6. Com fulcro no disposto no art. 1.022, incisos I e II, do CPC, cabem embargos declaratórios para retificar decisões interlocutórias, sentenças e acórdãos que apresentarem vícios de contradição, obscuridade ou omissão, a necessitar da promoção de corrigendas, sob pena de comprometer a inteira vontade manifestada no decisum. 7. A irresignação da parte embargante revela, de plano, a inexistência de qualquer contradição, omissão ou obscuridade no decisum embargado. 8. A decisão embargada foi expressa ao determinar que o valor não recebido em vida pelo autor deveria ser distribuído, em partes iguais, entre seus 21 (vinte e um) filhos. 9. A condição de dependente/beneficiário de pensão por morte do embargante confere-lhe apenas o direito de postular a implantação do reajuste na pensão que vem recebendo, em virtude do falecimento do exequente, com efeitos jurídicos a partir do óbito do de cujus, não lhe assistindo, entretanto, o direito ao recebimento de parcelas vencidas, que, por integrarem o acervo hereditário, cabem aos herdeiros necessários. 10. Em verdade, pretende o embargante, através da oposição do referido recurso, a rediscussão do entendimento esposado na decisão embargada, para o que não se presta o remédio recursal manejado, devendo o exame da correção ou não do julgado embargado ser buscado na instância recursal adequada. 11. Ante o exposto, rejeito os embargos de declaração opostos CARLOS ANTÔNIO CORREIA DE MELO E SILVA (fls. 389/393) por não restarem configuradas nenhuma das hipóteses previstas no CPC, art. 1.022. 12. Intimem-se as partes desta decisão. 13. Decorrido o prazo recursal em branco, cumpra-se a decisão (fls. 379/380). João Pessoa/PB, 26/10/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1.ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0000400-03.2005.4.05.8200 MARLENE BARBOSA DA SILVA E OUTROS (Adv. JOSE RAMOS DA SILVA, EDVAN CARNEIRO DA SILVA, YURI PORFIRIO CASTRO DE ALBUQUERQUE, MARCOS ANTONIO INACIO DA SILVA) X UNIÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo:0000400-03.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: MARLENE BARBOSA DA SILVA e outros EXECUTADO: UNIÃO C E R T I D Ã O Certifico que a exequente MARILENE ANDRADE DE CASTRO requereu a expedição de nova requisição de pagamento (fls.378/384). Dou fé. João Pessoa, 06 de março de 2018. GLICIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 06 de março de 2018. GLICIA OLIMPIO DE ALMEIDA Analista Judiciária Processo:0000400-03.2005.4.05.8200- Cls. 206 EXEQUENTE: MARLENE BARBOSA DA SILVA e outros EXECUTADO: UNIÃO DECISÃO 1. O(a) exequente requereu a expedição de nova requisição de pagamento em seu favor, alegando que houve cancelamento do(a) precatório/RPV expedido(a) nestes autos em seu favor sem que houvesse o levantamento do crédito a ele(a) correspondente (fls. 378/379). 2. Juntou aos autos extrato de movimentação do respectivo requisitório (fl. 383) onde constam informações sobre o seu cancelamento em virtude do disposto na Lei nº. 13.463/2017, além do número da conta, data e valor do depósito e data e valor da devolução à Fazenda Pública. 3. A Lei nº. 13.463/2017 previu, em seu art. 2º, o cancelamento dos precatórios e RPVs federais cujos valores não tenham sido levantados pelo credor e estejam depositados há mais de dois anos em instituição financeira oficial, bem como a transferência desses valores para a Conta Única do Tesouro Nacional. 4. A movimentação da requisição de pagamento apresentada pelo(a) exequente (fl. 383) fornece informações detalhadas a respeito de seu cancelamento, bem como a data e o valor do estorno, não sendo necessária a apresentação de extrato bancário da referida conta, de modo que a expedição de nova requisição de pagamento em favor do(a) exequente é medida que se impõe. 5. Ante o exposto, defiro o pedido (fls. 378/379) para, com fundamento na Lei nº. 13.463/2017, art. 3º, determinar a expedição de nova requisição de pagamento em favor do(a) exequente MARILENE ANDRADE DE CASTRO. 6. Considerando que o parágrafo único do dispositivo acima referido dispõe que o novo precatório ou a nova RPV conservará a ordem cronológica do requisitório anterior e a remuneração correspondente a todo o período, o valor e a data-base da nova RPV serão, respectivamente, o exato montante resgatado aos cofres públicos e a data do resgate. 7. Expedida a requisição de pagamento, intimem-se as partes para sobre ela se manifestarem em 5 (cinco) dias, remetendo-a, em seguida, ao TRF5, caso não haja impugnação. João Pessoa, 02/04/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0002494-41.1993.4.05.8200 JONAS MORAES CORREA E OUTROS (Adv. ANTONIETA L PEREIRA LIMA, JOAO BATISTA COSTA DE ARAUJO) X INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. LUIZA MARIA COSTA PESSOA (IBAMA)) x UNIÃO (Adv. FERNANDO DA SILVA ROCHA)

Processo:0002494-41.1993.4.05.8200- Cls. 206 AUTOR: JONAS MORAES CORREA e outros REU: INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVEIS - IBAMA e outro DECISÃO 1. Trata-se de embargos de declaração opostos pelo IBAMA (fls. 1.085/1.087) em face da decisão (fls. 1.065/1.066) que acolheu a impugnação às requisições de pagamento e determinou o cancelamento dos precatórios nº. 2016.82.00.001.000247, 2016.82.00.001.000249 e 2016.82.00.001.000250, expedidos em favor dos exequentes JONAS MORAES CORREA, ARI JORGE HONESTO e ROSE MARY CERUTTI TRINDADE, por já terem recebido a mesma verba através de processos ajuizados em outras Seções Judiciárias, mas determinou a remessa imediata dos demais requisitórios expedidos nos autos. 2. Alega o embargante a existência de omissão na decisão embargada, sob o fundamento de que o Juízo não se manifestou sobre o pleito de adequação proporcional dos honorários sucumbenciais, que deveriam tomar como base de cálculo apenas os valores devidos ao exequente CARLOS ALBERTO FERREIRA. 3. Aponta, ainda, a existência de contradição na sentença prolatada à fl. 1.081, que extinguiu a execução apesar de ter havido pagamento indevido de valores à advogada. 4. Requer, assim, o provimento dos embargos para que seja determinada a intimação da advogada ANTONIETA LUNA PEREIRA LIMA para devolução dos valores recebidos a maior, fazendo-se a adequação da verba honorária. 5. Autos conclusos, passo a decidir. 6. Conheço dos declaratórios, porque tempestivos. 7. Com fulcro no disposto no CPC, art. 1.022, incisos I e II, cabem embargos declaratórios para retificar decisões interlocutórias, sentenças e acórdãos que apresentarem vícios de contradição, obscuridade ou omissão, a necessitar da promoção de corrigendas, sob pena de comprometer a inteira vontade manifestada no decisum. 8. A decisão de fls. 1.065/1.066, embora tenha determinado o cancelamento das RPVs nº. 2016.82.00.001.000247, 2016.82.00.001.000249 e 2016.82.00.001.000250 e o envio das demais ao TRF5, não se manifestou, de maneira expressa, sobre o pedido do IBAMA de adequação da verba honorária (fls. 1.038/1.057), razão pela qual passo a apreciá-lo. 9. Inicialmente, cumpre destacar que a via processual adequada à discussão sobre serem devidas ou não as verbas exequendas é por intermédio da interposição de embargos à execução/impugnação ao cumprimento de sentença, não se prestando a impugnação aos precatórios para suscitar matérias novas que não foram alegadas no momento oportuno. 10. Os embargos à execução opostos pelo IBAMA não suscitaram essa matéria, tendo a sentença (fls. 1.018/1.021) fixado o crédito exequendo, de acordo com os valores apontados pelo próprio IBAMA, no valor de R$ 49.453,00 para JONAS MORAES CORREA, R$ 39.249,37 para ARI JORGE HONESTO, R$ 38.527,88 para CARLOS ALBERTO FERREIRA, R$ 86.137,43 para ROSE MARY CERUTTI TRINDADE, e R$ 10.668,40 para a advogada, a título de honorários sucumbenciais. 11. Todavia, ainda que pela via inadequada e posteriormente ao trânsito em julgado dos embargos à execução, este Juízo acolheu a impugnação às requisições de pagamento oposta pelo IBAMA apenas para se evitar a duplicidade de pagamento em prejuízo do patrimônio público, em evidente enriquecimento ilícito dos exequentes JONAS MORAES CORREA, ARI JORGE HONESTO e ROSE MARY CERUTTI TRINDADE. 12. Porem, o reconhecimento posterior de que a verba devida a parte dos exequentes já havia sido por eles recebida não pode causar prejuízo a terceiros que atuaram de boa-fé. 13. Com efeito, a advogada ANTONIETA LUNA PEREIRA LIMA, que patrocinou a causa durante os processos de execução e embargos, atuou de boa-fé e teve em seu favor um direito autônomo constituído (honorários de sucumbência no valor de R$ 10.668,40) (fls. 1.018/1.021). 14. Determinar à patrona a devolução dos honorários, como pretende o IBAMA, implicaria, por via transversa, rescindir não só a sentença transitada em julgado prolatada nos Embargos à Execução nº. 0004179-87.2010.4.05.8200, como também o próprio título judicial constituído na fase de conhecimento do feito. 15. O direito autônomo da advogada, que agiu de boa-fé e teve honorários de sucumbência fixados em seu favor, não se confunde com o enriquecimento ilícito reconhecido em relação aos exequentes JONAS MORAES CORREA, ARI JORGE HONESTO e ROSE MARY CERUTTI TRINDADE, que já haviam recebido, através de processos ajuizados em outras Seções Judiciárias, por outros advogados, a mesma verba aqui cobrada. 16. Quanto à contradição apontada pelos embargantes, ao alegar que a sentença (fl. 1.081) declarou extinta a execução havendo o pagamento de valores indevidos, não vislumbro a ocorrência de qualquer contradição no referido decisum. 17. É que a contradição passível de ser sanada por meio de embargos de declaração é aquela intrínseca à decisão, ou seja, existente no próprio corpo da decisão, não configurando contradição o fato de o entendimento ali contido não estar de acordo com o entendimento que o embargante julga ser o correto. 18. Ante o exposto, conheço dos embargos de declaração opostos pelo IBAMA (fls. 1.085/1.087) para negar-lhes provimento, ficando rejeitado o pedido de adequação proporcional da verba honorária em desfavor da advogada ANTONIETA LUNA PEREIRA LIMA, sob pena de violação da coisa julgada, uma vez que o montante por ela recebido a título de honorários sucumbenciais está de acordo com o que restou fixado na sentença prolatada nos Embargos à Execução nº. 0004179-87.2010.4.05.8200 (fls. 1.018/1.021). 19. Intimem-se as partes desta decisão. 20. Decorrido o prazo recursal, baixe-se e arquive-se. João Pessoa/PB, 25/10/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO FORUM JUIZ FEDERAL RIDALVO COSTA 1ª VARA

   

0002502-08.1999.4.05.8200 MAKEL - MAQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA ESCRITORIO EIRELI (Adv. VICTOR GADELHA DE OLIVEIRA CAVALCANTE) x MAKEL - MAQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA ESCRITORIO EIRELI X INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. CARLOS JACOB DE SOUSA (INSS)) x INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO SOCIAL - INSS

PROCESSO Nº 0002502-08.1999.4.05.8200 - CLASSE 97 CONCLUSÃO Faço conclusos os presentes autos ao MM. Juiz Federal da 1ª Vara. João Pessoa, 03/09/2018. LUIZ OLIVEIRA GADELHA Sup.Ass. St Ações Sumárias e Feitos Ñ Contenciosos PROCESSO Nº 0002502-08.1999.4.05.8200 - CLASSE 97 Decisão: 1. O(a) exequente requereu a expedição de nova requisição de pagamento em seu favor, alegando que houve cancelamento do(a) precatório/RPV expedido(a) nestes autos em seu favor sem que houvesse o levantamento do crédito a ele(a) correspondente (fls. 224), juntou aos autos extrato bancário da referida conta (fls. 230/232) e o extrato de movimentação do respectivo requisitório (fls. 227/229) onde constam informações sobre o seu cancelamento em virtude do disposto na Lei nº. 13.463/2017, além do número da conta, data e valor do depósito e data e valor do estorno à Fazenda Pública. 2. A Lei nº. 13.463/2017 previu, em seu art. 2º, o cancelamento dos precatórios e RPVs federais cujos valores não tenham sido levantados pelo credor e estejam depositados há mais de dois anos em instituição financeira oficial, bem como a transferência desses valores para a Conta Única do Tesouro Nacional. 3. As informações prestadas pela exequente (fls. 224) e o extrato de movimentação do respectivo requisitório (fls. 227/229), fornecem informações detalhadas a respeito de seu cancelamento, bem como a data e o valor do estorno, não sendo necessária a apresentação de extrato bancário da referida conta, de modo que a expedição de nova requisição de pagamento em favor do(a) exequente é medida que se impõe. 4. Ante o exposto, defiro o pedido (fls. 224) para, com fundamento na Lei nº. 13.463/2017, art. 3º, determinar a expedição de nova requisição de pagamento em favor da exequente MAKEL - MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA ESCRITÓRIO LTDA 5. Considerando que o parágrafo único do dispositivo acima referido dispõe que o novo precatório ou a nova RPV conservará a ordem cronológica do requisitório anterior e a remuneração correspondente a todo o período, o valor e a data-base do novo precatório serão, respectivamente, o exato montante resgatado aos cofres públicos e a data do resgate. PROCESSO Nº 0002502-08.1999.4.05.8200 - CLASSE 97 6. Expedida a requisição de pagamento, intimem-se as partes para sobre ela se manifestarem em 5 (cinco) dias, remetendo-a, em seguida, ao TRF5, caso não haja impugnação. João Pessoa, JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Fórum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª VARA

   

0005404-02.1900.4.05.8200 JOSE SEVERINO CARNEIRO (Adv. RINALDO MOUZALAS DE SOUZA E SILVA, RICARDO DE ALMEIDA FERNANDES, RAMON PESSOA DE MORAIS) x CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO) X UNIÃO (Adv. ANTONIO CARLOS MOREIRA (FN))

Execução Contra a Fazenda Pública n.º 0005404-02.1900.4.05.8200 Exeqüente: José Severino Carneiro Executada: União DESPACHO 1. Tendo em vista o teor da certidão de fl. 1.064 e da decisão prolatada nos autos do Agravo de Instrumento n.º 0812784-67.2018.4.05.0000 (fls. 1065/1068): a) determino o levantamento do bloqueio de valores efetuado em conta bancária de titularidade da CAIXA (fls. 1036/1041); b) autorizo a CAIXA, independentemente da expedição de alvará, a levantar os valores depositados na Conta Judicial n.º 0548.005.86403067-4, informando a este juízo a adoção desta providência; c) determino o cancelamento do alvará cuja expedição foi certificada à fl. 1044-v; d) determino a imediata expedição de precatório em favor do exeqüente José Severino Carneiro, no valor de R$ 672.511,81 (seiscentos e setenta e dois mil, quinhentos e onze reais e oitenta e um centavos), atualizado até janeiro/2018 (fls. 977/979), observando-se o disposto no art. 3.º, parágrafo único, da Lei n.º 13.463/2017, sem prejuízo de nova análise deste ponto após o julgamento do mérito do agravo n.º 0812784-67.2018.4.05.0000. 2. Intime-se a CAIXA, inclusive, para, no prazo de 15 (quinze) dias, manifestar-se acerca da possível caracterização de sua conduta de restituir valores bloqueados à Conta Única do Tesouro Nacional como ato atentatório à dignidade da justiça, consoante previsto no art. 77, §2.º, do CPC/2015. 3. Oficie-se ao Excelentíssimo relator do Agravo de Instrumento nº 0812784-67.2018.4.05.0000, comunicando o integral cumprimento da decisão que deferiu a tutela recursal, bem como que a CEF foi intimada da decisão recorrida (fls. 1010/1012) em 13.08.2018 (fl. 1016-v), tendo, posteriormente, sido prolatada nova decisão (fls. 1031/1034), em 17.08.2018, indeferindo pedido de reconsideração apresentado pela CAIXA em 14.08.2018 (fls. 1018/1021). 4. Instrua-se o ofício referido no parágrafo anterior com cópia desta decisão e da decisão de fls. 1031/1034. 5. Intimem-se as partes desta decisão. 6. Cumpra-se, com prioridade. João Pessoa (PB), 06 de setembro de 2018. JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/PB PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB PROCESSO N.º 0005404-02.1900.4.05.8200 2

   

0005712-47.2011.4.05.8200 QUESALON REPRESENTAÇÃO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA (Adv. FABIO HENRIQUE DE ARAUJO URBANO, MINARTE FIGUEIREDO BARBOSA FILHO) X UNIAO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

PROCESSO Nº 0005712-47.2011.4.05.8200, Classe 29 (AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)) EXEQUENTE: QUESALON REPRESENTAÇÃO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA EXECUTADO: UNIAO (FAZENDA NACIONAL) Despacho: 1. R.H. 2. À Distribuição, para fazer a devida adequação das partes à presente classe processual. 3. O cumprimento das obrigações de fazer ou não fazer decorrentes de título judicial podem ser determinadas de ofício pelo juiz, consoante o CPC, arts. 536 e 537. 4. Ante o exposto, nos termos do CPC/2015, arts. 536 e 537, determino à ré UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) que, no prazo de 15 (quinze) dias (CPC, arts. 536, § 4º c/c art. 525), cumpra a obrigação de fazer objeto do título judicial transitado em julgado. 5. Na eventualidade de descumprimento, pelas executadas, da referida obrigação de fazer, no prazo concedido, será fixada oportunamente multa periódica, na forma do CPC, art. 537. 6. Após, com ou sem manifestação da executada, vista à exequente pelo prazo improrrogável de 10 (dez) dias. 7. Cumprida a obrigação de fazer, a determinação do valor da condenação referente à obrigação de pagar depende neste caso, tão-somente, de cálculo aritmético, fazendo-se necessária a apresentação de pedido expresso do(a)(s) credor(a)(s) QUESALON REPRESENTAÇÃO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA para cumprimento do título judicial nessa parte, acompanhado de memória discriminada e atualizada do cálculo. 8. A Portaria nº 006/GDF, de 14 de janeiro de 2014, determinou a utilização do Processo Judicial Eletrônico/PJe às classes de execução de sentença contra a Fazenda Pública. 9. No caso, a credora QUESALON REPRESENTAÇÃO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA deverá promover a execução de pagar por meio do Sistema Processo Judicial Eletrônico/PJe, nos termos da Portaria nº 006/GDF, na forma do CPC, art. 730, instruindo o seu pedido com planilha discriminada e atualizada de cálculo. 10. Deverão acompanhar a petição inicial da execução, ainda, cópias digitalizadas dos seguintes documentos: * Petição inicial (da fase de conhecimento); * Procuração; * Comprovante de recolhimento de custas processuais ou decisão que deferiu o pleito de justiça gratuita; * Comprovação da data do ajuizamento da ação principal e da citação do(a) ré(u); * Laudo pericial ou planilha de cálculos, se houver; * Sentença, acórdão e demais decisões das instâncias superiores, se houver; * Certidão de trânsito em julgado; e * Documento que comprove a data do efetivo cumprimento da obrigação de fazer. 11. A exequente QUESALON REPRESENTAÇÃO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA deverá informar ainda no cabeçalho da petição de execução (PJe) o número do respectivo processo de conhecimento, com a indicação da vara e do juiz (substituto ou titular) ao qual está vinculado o feito, a fim de viabilizar a distribuição por dependência. 12. Por fim, determino à exequente que informe nestes autos o número atribuído ao processo eletrônico ajuizado para promover a referida execução, e este número deverá ser registrado na capa deste processo, por meio de etiqueta, sob a incumbência da Secretaria do Juízo. 13. Decorrido o prazo acima estabelecido com ou sem atendimento ao disposto no item 9, certifique-se e, em seguida, dê-se baixa e arquive-se, ressalvando-se o direito enquanto não prescrito. João Pessoa, JOAO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA - PRIMEIRA VARA

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0009404-40.2000.4.05.8200 ANDES - SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUICOES DE ENSINO SUP.SECAO SINDICAL ADUPB/JP (Adv. JOSE MARIO PORTO JUNIOR, AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE, PAULO GUEDES PEREIRA, ANA CLAUDIA R. DE LEMOS, AGOSTINHO ALBERIO FERNANDES DUARTE, DANIELLA PARAISO GUEDES PEREIRA) X CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANTONIO MARCOS ALMEIDA)

Processo:0009404-40.2000.4.05.8200- Cls. 229 AUTOR: ANDES - SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUICOES DE ENSINO SUP.SECAO SINDICAL ADUPB/JP REU: CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF C E R T I D Ã O Certifico que a Contadoria apresentador manifestação nos autos (fls. 7041). Dou fé. João Pessoa, 22 de outubro de 2018. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário C O N C L U S Ã O Nesta data, faço conclusos os presentes autos ao MM Juiz Federal Substituto da 1ª Vara. João Pessoa, 22 de outubro de 2018. IVANILSON DE S. RODRIGUES Técnico Judiciário Despacho: 1- Intime-se a CEF para apresentar, no prazo de 20 (vinte) dias, os extratos e os créditos efetuados dos exequentes ANTONIO GOUVEIA DE SOUZA, ANTONIO WILLIAM OLIVEIRA LIMA, EVANIZIO ROQUE DE ARRUDA JUNIOR e GISLENE GENTIL NERY DANTAS, conforme sugerido pela Contadoria do Juízo (fls. 7041). 2- Cumpra-se. João Pessoa, 26/10/2018 JOÃO PEREIRA DE ANDRADE FILHO Juiz Federal Substituto P O D E R J U D I C I Á R I O JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Forum Juiz Federal Ridalvo Costa 1ª Vara Federal

   

REINTEGRAÇÃO / MANUTENÇÃO DE POSSE - PROCEDIMENTO ESPECIAL DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA

   

0003281-64.2016.4.05.8200 PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO E OUTROS (Adv. RAFAEL RODRIGUES NEVES GOMES, CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, RODRIGO NOBREGA FARIAS, GEORGE OTTÁVIO BRASILINO OLEGÁRIO, OSMANYO CAETANO XAVIER, CARLA VIVIANE DE FREITAS PESSOA NUNES MONTEIRO, FRANCISCO BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR) x ARTUR RAMALHO TINOCO E OUTROS (Adv. JOSE ALVES CARDOSO, CICERO XAVIER DA SILVA, SEVERINO CELESTINO SILVA FILHO) X GENIVAL SABINO DA SILVA E OUTROS (Adv. NOALDO BELO DE MEIRELES, IRANICE GONCALVES MUNIZ, SANDRO TARGINO DE SOUZA CHAVES, ANA KARLA TOSCANO DE B. C. V. LEAL)

REINTEGRAÇÃO/MANUTENÇÃO DE POSSE N.º 0003281-64.2016.4.05.8200S Autor: PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO e OUTROS Réus: GENIVAL SABINO DA SILVA e OUTROS DECISÃO 1. PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO, PAULA FERNANDA DE MORAIS COUTINHO e PAULO ROBERTO JACQUES COUTINHO FILHO propuseram ação de reintegração de posse contra GENIVAL SABINO DA SILVA, JOSÉ SABINO DA SILVA, JOSIAS PEREIRA NUNES e VERA LÚCIA SABINO DA SILVA, sob o fundamento de que os réus invadiram o imóvel denominado "Tambauzinho", de 300ha, demarcando lotes, derrubando árvores e coqueiros, iniciando plantações e praticando diversos atos de vandalismo. 2. Este processo foi distribuído por dependência em relação à Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, cujo objeto é a expropriação por interesse social do imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho 1". 3. Contudo, quando da propositura desta reintegração de posse, a "Fazenda Tambauzinho" compreendia um único imóvel, com, aproximadamente, 300ha de extensão, o qual foi desmembrado em três imóveis, cada um com, aproximadamente, 124ha, dando origem aos imóveis denominados "Fazenda Tambauzinho 1", "Fazenda Tambauzinho 2" e "Fazenda Tambauzinho 3". 4. Assim, para saber se há conexão entre esta reintegração de posse e a Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, necessário esclarecer se a área onde ocorreu o alegado esbulho estava encravada no terreno que atualmente corresponde ao da "Fazenda Tambauzinho 1". 5. Registre-se, inclusive, que, em referida ação de desapropriação, foi realizada perícia para a avaliação do imóvel expropriando, tendo o perito judicial, em resposta ao quesito "g" do juízo, afirmado que na "Fazenda Tambauzinho 1" não há áreas de posseiros, pois todas as casas de colonos foram construídas nas glebas vizinhas, denominadas Tambauzinho 2 e 3, situação essa que seria suficiente para demonstrar a inexistência de conexão entre este feito e a Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, haja vista que a turbação e o esbulho alegados teriam ocorrido em imóvel vizinho ao que é objeto de expropriação. 6. Ante o exposto: a) determino à Secretaria da Vara que traslade para estes autos cópia do laudo pericial elaborado nos autos da Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200 (fls. 1790/1853); b) intimem-se os autores para, no prazo de 10 (dez) dias, falar sobre a competência deste juízo para conhecer deste feito por dependência em relação à Desapropriação n.º 0003024-54.2007.4.05.8200, oportunidade na qual deverão emendar a inicial, a fim de indicar com precisão em qual gleba resultante do desmembramento do imóvel denominado "Fazenda Tambauzinho" ("Fazenda Tambauzinho 1", "Fazenda Tambauzinho 2" ou "Fazenda Tambauzinho 3") estão ocorrendo as ameaças de turbação e esbulho, sob pena de indeferimento da inicial. 7. Em seguida, voltem-me os presentes autos conclusos. 8. Cumpra-se, com prioridade. João Pessoa/PB, 30 de outubro de 2018. João Pereira de Andrade Filho Juiz Federal Substituto da 1ª Vara PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL - SJ-PB 1.ª VARA FEDERAL - JOÃO PESSOA/PB PROCESSO N.º 0003281-64.2016.4.05.8200S

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0007560-35.2012.4.05.8200 CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF (Adv. MAGDIEL JEUS GOMES ARAUJO) X AILTON AZEVEDO DE LACERDA (Adv. SEM ADVOGADO) x ALMIZA ALENCAR AZEVEDO LACERDA (Adv. ANNA KALLINE LEONARDO ANTAS ALMEIDA)

SENTENÇA (fls. 151/162) ...Ante todo o exposto: a) rejeito as preliminares arguidas pela ré ALMIZA ALENCAR AZEVEDO LACERDA em sua contestação (fls. 114/126); b) e, com fundamento no art. 487, I, do CPC, julgo parcialmente procedente o pedido da CEF, para condenar a ré ao pagamento do débito consolidado do Contrato de Abertura de Crédito para Financiamento Estudantil - FIES n.º 13.0036.185.0003560-99 e respectivo aditamento, com a incidência de correção monetária e juros de mora, desde a citação, e em conformidade com as taxas ajustadas no contrato, sem capitalização mensal de juros. Tendo em vista a sucumbência total da parte ré, condeno-a ao pagamento de honorários advocatícios, os quais arbitro no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), na forma do art. 20, § 4º, do CPC/1973. Condeno os réus ao pagamento das custas nos termos da Lei n.º 9.289/96. Com o trânsito em julgado, não sendo requerido o cumprimento de sentença no prazo de 15 (quinze) dias, dê-se baixa e arquivem-se, sem prejuízo da reativação dos trâmites enquanto não prescrita a pretensão executória. Publique-se. Registre-se. Intimem-se.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0005954-89.2000.4.05.8200 CARLOS PESSOA NETO (Adv. RODRIGO NOBREGA FARIAS, LEONARDO JOSE VIDERES TRAJANO, CARLOS FREDERICO NOBREGA FARIAS, GLAUCIA FERNANDA NEVES MARTINS) X TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIAO (Adv. JOSE GALDINO DA SILVA FILHO)

DECISÃO (fls. 373) ... 9 - Decorrido o prazo de 48 (quarenta e oito) horas, certifique a Secretaria da Vara quanto ao efetivo bloqueio do bem, abrindo-se, em seguida, vista ao(à) exeqüente(s) pelo prazo de 15 (quinze) dias para impulsionar o feito...

   

 

TOTAL DE SENTENÇA: 8

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 4

TOTAL DE DECISÃO: 7

TOTAL DE DESPACHO: 14

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.